Última atualização: 28/04/2018

Capítulo 1

- Alô. – Christopher falou com voz de sono.
- Pô, cara, já são onze horas e você nem está aqui, está aonde, Christopher?
- O QUÊ? E vocês nem pra passa aqui e me acordar, que vacilo de vocês, Max.

Os amigos riram.
- Vai se arrumar logo, porque a gente precisa terminar o filme.
- Está bem, vou tomar um banho, chego ai em alguns minutos.

- Ok. – Max disse.
- Falou.
- Nem precisa falar estava dormindo ainda?
- Estava sim, Ben, e a voz era de alguém que bebeu mais do que devia.
- Ele anda muito pra baixo depois que terminou com a Karine.
- Verdade Robert, não estou percebendo isso. – Max disse meio ironicamente.
- A gente podia ir passando a cena com a Karine até a hora dele chegar. – Ben, o ajudante dos amigos, sugeriu.
- Temos outra opção?
- Não.
O ator começou a ensaiar com todo o elenco e com a presença do diretor e de todos os outros que faziam parte do filme por trás das câmeras. A demora era grande que o próprio diretor resolveu gravar outras cenas que não precisasse do Christopher. Max, um ex-integrante de uma boyband que se “aventurava” no universo cinematográfico, apoiava Chris mais do que qualquer outro ali, até mesmo Ben, que tinha se tornado amigos deles com o tempo de trabalho juntos.
Desde o tempo que ele terminou com a Karine, ele não era mais a mesma pessoa e infelizmente, ele teria que contracenar com ela até o filme acabar, o que era incrível - ironicamente - já que era o último filme ao lado dela, até onde sabia. Depois desse filme, ele ia parar com sua carreira de ator e seguir outro ramo que ele amava: diretor. Essa escolha não foi tão influenciada pela briga e desentendimento dos dois, mesmo que o namoro e noivado dos dois fosse um relacionamento muito complexo e indescritível, não era ela que fazia escolher outro rumo, era mais uma escolha pessoal, uma que ele realmente se sentia extremamente bem.
Christopher ficou até às treze horas se arrumando, quando chegou ao estúdio tudo já estava apagando e o cenário sendo coberto por grandes panos brancos. Ele foi até um pequeno escritório onde uma garota estava cuidando do roteiro e falando no telefone com o assessor de Christopher.

- ♡-


- Eu sei que ele tem que ter responsabilidade, mas só estou repassando o que o diretor Alex disse. Eu não vou poder fazer muita coisa se ele não estiver aqui amanhã para a gravação. Ele será retirado do elenco. – A garota falou.
- Está bem, eu vou conversar com ele, colocar ele contra a parede. Imagino o quanto isso deve ser irritante para o senhor Alex, retornarei com informações do Christopher até . – O assessor falou e logo desligou.
- Preocupada comigo? – Christopher estava parado na porta do escritório.
- Christopher Evans, o que você estava fazendo aqui? – Ela se referia ao escritório dela.
- Eu vim para a gravação, mas pelo visto, ela já foi encerrada.
- É, senhor Christopher, infelizmente as gravações já acabaram, você precisa de alguma coisa? Eu já estou indo. – arrumava suas coisas.
- Não, tudo bem, eu só vim para a gravação.
- Christopher, eu posso ser completamente sincera com você? Mesmo não nos conhecendo diretamente?
- É claro.
- Se você quer mesmo terminar esse filme, termine logo. Não quero ver o Alex irritado e descontado em mim por não ter dado um jeito, eu só sou uma estagiaria que quer muito terminar a faculdade e principalmente, meu estágio com o Alex. Então pelo amor de Deus, pare de se atrasar, eu vou agradecer do fundo do meu coração. Até amanhã, senhor Christopher.
saiu a mil do seu escritório. A vergonha e a insegurança de escutar uma resposta que ela não desejava era imensa, além disso, ela tinha que acertar algumas coisas com os roteiristas, passar na casa de Alex para deixar as opções de atores para substituir o Christopher Evans e tinha que se arrumar para ir para a faculdade. Era um longo dia ainda para . Um dia que para ela era só uma tarde longa.
As palavras de fizeram com que Christopher acordasse para vida, ou não, afinal de contas, ela era só uma estagiaria que tinha realmente falado a verdade para ele; Mas no fundo, aquelas palavras se manifestaram dentro de si, não se pode bem dizer que ele tomaria alguma atitude e começaria a fazer tudo certinho, ou que ele ia pelo menos chegar em ponto. Evans voltou para casa depois de comprar algumas coisas no mercado, ficou o resto do dia deitado na cama, apenas trocava de ambiente. Conversava com seu irmão e com seus amigos apenas para não se sentir mais sozinho dentro daquele grande apartamento.
Mas era impossível não pensar no que a estagiaria havia falado, mas no final de sua própria conclusão, não teve muita mudança para ele não.

- ♡-


estava na sua terceira aula de áudio visual - planejamento de carreia - uma das aulas que a deixava com mais sono e com tédio, e já que o professor passava um slide infinito acompanhado da luz apagada, ela adiantava seu trabalho de conclusão de curso. Não era muita coisa, apenas as conclusões do seu estágio, já que toda sua tese já estava pronta.
- Está com o pensamento distante. – Cloe disse chamando atenção.
- Eu estou pensando nos relatórios do estágio.
- Mas já? Eu nem comecei os meus. – Ela riu de nervosismo.
- É, quero terminar o TCC nesse semestre logo, assim eu não me preocupo com ele, finalizando e relaxando para a apresentação.
- Compreensivo. Eu acho que irei precisar de ajuda.
- Se quiser, meu estágio termina esse mês, junto com a gravação do filme. Eu te ajudo. – relaxou na cadeira.
- Ajudaria na parte de deixar tudo organizado. Sabe a formatação?
- Sim sei. – riu da amiga. – É só essa parte?
- Por enquanto sim. – Ela riu. – Mas se eu precisar de alguma coisa, eu me socorro em você, amorzinho.
- Ok. Senhor, essa aula não acaba nunca. – bufou.
- Só mais cinco minutos. – Cloe falava olhando para o celular.
- Cinco minutos eternos.
Os cinco minutos mais longos das duas, aquela aula tinha acabado com elas, principalmente com , que já desejava ir logo para casa e ficar horas e horas assistindo série. Collins recebeu uma mensagem de Alex, pedindo que ela organizasse toda a papelada com o ator que iria substituir Chris, - o lindo, por que não? - Zac Efron. Ela riu, sabia que se Cloe descobrisse, ela iria querer fazer de tudo para ir até onde ela trabalhava para poder conhecer o Zac. Logo em seguida, mais uma mensagem com o número do assessor e do próprio ator, era uma das vantagens de ser assistente do Alex.
A quarta e a última aula demorou – e muito – para começar, o que era estranho já que a professora Barnes não demorava tanto para começar a aula, principalmente a que incluía o que todos da sala fazia e gostava: o estágio. A Diretora Wells apareceu na porta abatida, ela fechou a porta e respirou fundo fazendo um sinal para que todos fizessem silêncio e prestassem atenção no aviso importantíssimo dela.
- Boa noite, alunos.
- Boa noite, diretora Wells. – Todos falaram.
- Eu peço desculpas pela demora, mas fiquei sabendo recentemente, ou melhor, agora pouco, que a professora de Estágio Supervisionado não poderá dar aula hoje para vocês. – A feição dela piorava.
Uma aluna que estava na primeira fileira levantou a mão com intuito de indagar a senhora Wells.
- Ela está bem?
- Ela sofreu um acidente de carro, o marido dela que nos avisou.
A sala toda começou a cochichar em tom baixo, mas que era nítido escutar. Muitos se emocionaram e muitos ficaram sem reação, afinal de contas, a professora era muito querida por todos, ainda mais depois deles saberem que a professora tinha saído de um câncer de mama recentemente.
- Eu não sei se terá como substituir o lugar dela, então as aulas podem ser que fiquem vagas, mesmo sabendo que a mesma é muito importante, mas ao mesmo tempo ela “apenas” supervisionava vocês. – Ela fez aspas com os dedos. – Vocês estão dispensados. – Ela se retirou da sala.
- Nossa, que ironia do destino, ela acabou de se recuperar do câncer e sofre um acidente. – Cloe disse de pé ao lado da mesa de .
- Eu não sei o que dizer, essa é a verdade, estou perplexa com a notícia.
- Eu também, mas mudando de assunto, quer carona para ir para casa, ?
- Eu vou agradecer e muito.
As garotas se encaminharam até o estacionamento onde o carro vermelho estava estacionado acompanhado com uma multa. Cloe não era muito boa em deixar tudo certinho, principalmente em chegar cedo, não que isso não fosse uma desculpa para estacionar em uma vaga para deficientes. Ao meio do caminho para a casa de , as amigas decidiram passar em uma lanchonete, de preferência, a melhor de todas: o Burger King; Elas desceram do carro e entraram no estabelecimento, enquanto Cloe fazia o pedido, pegava uma mesa no fundo do lugar, que ficava de frente para a rua, que a mesma estava um pouco movimentada. A garota com o cabelo azulado chegou com uma bandeja vermelha com os lanches e as bebidas.
- Coca-cola, como você pediu. – Cloe entregou para a amiga.
- Obrigada, e como está seu estágio? - abria seu lanche.
- Está indo da forma que eu fui promovida, e estou oficialmente empregada lá.
- Mentira! – A aplaudiu bem baixinho. – Quer dizer que agora está empregada, eles souberam investir em você, afinal, você é a melhor.
- Pare, assim me sento mais do que uma rainha. – Ela jogou o cabelo para trás. – Mas e você com aquele problema lá do, – olhou para os lados. – Evans?
- Ai, está um inferno, literalmente, e o pior é que o senhor Alex está ficando tão nervoso que está descontando em mim.
- Ele não toma jeito, né?
- Não, mas hoje eu disse umas poucas e boas para ele. – comeu duas batatinhas fritas. – Bom, querendo ou não, ele não vai poder fazer nada.
- Por quê?
- Porque o senhor Alex já escolheu outro ator para substituir ele.
- Mas já? – Cloe levantou o copo de suco.
- Sim, e cá entre nós, o mais novo membro do filme é o Zac. – segurou o riso. Sua amiga tinha se engasgado com o suco.
- É quem? Eu me esqueci de limpar os ouvidos antes de sair de casa, poderia repetir.
- Zac Crush Efron.
- Não pode ser verdade, é sério isso?
- Seríssimo, senhora Efron. – Ela riu.
- Me leva para conhecer ele, por favor.
- É claro, vou chegar lá “Senhor Alex, beleza? Hoje eu trouxe minha amiga para dar em cima do Zac, valeu falou”. – As amigas riram alto.
- Estou falando sério.
- Eu também, mas você vai sim, eu te aviso quando tiver quase no fim da última cena dele e você vai lá, ok?
- Perfeito.
- Vamos Cloe? Tenho que acordar cedo amanhã. – disse pegando sua bolsa.
- Vamos, eu te deixo em casa.
Levantaram-se, pegaram a bandeja com a caixinha do lanche e o copo e jogaram no lixo, já que não tinha motivo de deixar na mesa, já que elas podiam muito bem fazer isso; O transito até que estava fluindo, já era quase meia noite então teria pouca pessoa na rua. Cloe a deixou em casa, um pequeno apartamento que não ficava tão muito longe. Era realmente pequeno, a cozinha e a sala era praticamente juntas o que separava era a pequena muretinha, e o quarto que, pelo menos, era uma suíte, já que ela não recebia muitas visitas em seu humilde apartamento, apenas Cloe, mas ela já estava acostumada.
A garota foi pro seu quarto direto, jogando a bolsa em qualquer canto do quarto e caminhado para o banheiro, o que fez lembrar que ela não tinha colocado a trava de segurança na porta. Ela voltou, trancou e logo em seguida ela foi para o banho, um banho relaxante e calmo, já que amanhã seria um dia turbulento, ainda mais na sala dela sobre a troca de atores. Deitou-se na cama e ligou a tevê em um canal de desenho qualquer, era o que sempre a ajudava a distrair seus devaneios, além de ser uma programação tranquilizante.
O sol refletia na janela o que a fez jogar o cobertor em cima de seu rosto, ela apalpou o criado mudo em busca do seu celular que estava carregando, desconectou e ligou o visor. Sete horas e nove minutos, ela teria tempo para poder conversar com o assessor de Zac Efron e pedir para que ele fosse no escritório do Alex Russo ainda hoje. Ainda de pijama, preparou seu café e ao mesmo tempo, fez a ligação necessária com sua agenda do lado.
- Bom dia, é o senhor Drew? – A perguntou dando um gole em seu café.
- Eu mesmo, quem fala?
- É a Collins, eu enviei um e-mail para você ontem, lá pelas dez horas da noite, sobre o filme do Alex Russo.
- Ah, sim, eu lembro do e-mail. Eu acabei de falar com o Zac.
- Hm, isso é bom, e ele aceitou a proposta?
- Sim, aceitou, sinto muito por não responder você sobre o envio pro Zac.
- Sem problemas, vocês vão comparecer lá hoje?
- Sim, estaremos lá às nove horas como foi pedido no e-mail.
- Ok, obrigada senhor, até.
- Até.



- ♡-


Christopher era o primeiro a chegar, ele foi recebido pela a estagiaria que mentalmente deu graças a Deus por ele ter chegado cedo e não precisar mais ouvir os gritos de Russo. Ele só não esperava pela notícia.
Ele gravou todas as cenas e mais um pouco, onde Christopher contracenava com Karine para se prevenir de mais um sumiço do Christopher do estúdio. Por mais que não parecesse, era uma raridade de Evans estar de bom humor em um set de gravação, gravou até com Max e Robert, e algumas cenas dele sozinho que já estavam atrasadas. Como tudo já tinha acabado, Christopher passou no escritório de para poder conversar com ela e agradecê-la. Em um ponto de vista, isso poderia ser considerado que ele estava dando em cima dela para eles poderem sair.
- , atrapalho?
- Um pouco, mas pode falar.
- Obrigado por ontem, eu sei que não era sua obrigação, mas você me ajudou e muito. – Christopher falou sincero.
- Tudo bem, Christopher. – Ela sorriu.
- Vai fazer algo hoje à noite?
- Sim, ir para faculdade, por quê?
- Ia perguntar se queria sair comigo.
- Fica para próxima. – ficou sem reação.
- Está bem, fica para próxima.
- Ah, Christopher. – Ela se levantou, indo em direção da porta.
- Sim.
- O senhor Russo quer falar com você, pode esperar aqui na minha sala que já, já ele chama nós dois.
- Nós dois? – Ele arqueou a sobrancelha.
- É. – Ela suspirou. – Nós dois.
Evans ficou sentado em uma cadeira que ficava quase do lado da mesa da estagiaria. Enquanto ele mexia no celular e ela mexia em um amontoado de papelada, o telefone tocou, era Alex Russo, os chamando para a sala.
- Christopher, vamos? – chamou a atenção dele se levantando com uma pasta verde na mão.
- Vamos.


Capítulo 2

Os dois entraram na sala depois de ter batido na porta de madeira. Alex pediu para que eles se sentassem na cadeira de estofado cinza. Christopher só tinha entrado uma vez naquele escritório e foi o dia que ele assinou o contrato com o diretor. Era estranho estar lá novamente, toda a decoração tinha mudado, antigamente, tudo era em tons azuis e amadeirado, agora, o escritório estava cinza com móveis de alumino e metal, tudo combinando. O que dava cor àquele grande lugar cinza era os objetos de decoração, os porta-retratos da família dele, e os quadros que sua filha pintava e dava de presente a ele. Alex balbuciava algumas coisas para a estagiária que Chris não se deu a importância a escutar, apenas ficar olhando as mensagens em seu celular. Ele só deu atenção quando seu nome foi mencionado na mesma frase do contrato.
estava com o contrato nas mãos dentro daquela pastinha verde, então era isso que ela carregava, o contrato de Evans. A mulher retirou todas as folhas do contrato.
– Você pode fazer isso sem ou com advogado, fica ao seu critério. – A mulher falou olhando para o ator.
– Chris, foi um prazer trabalhar com você, seu trabalho é incrível, mas seus atrasos se tornam os meus atrasos. – Russo falava calmamente. – Eu não posso adiar meu trabalho para você chegar na hora que bem quiser e bem entender, tenho mais que colocar esse filme nos cinemas ainda, para poder pegar todo dinheiro e dar a outra metade para todos que estão trabalhando nesse filme. – O homem tentava se manter calmo.
– A que ponto você quer chegar, Russo? – Christopher indagou.
– Já falamos com seu assessor, você está demitido, Christopher. – falou sem rodeios.
– Como demitido? Eu cheguei no horário hoje, eu vou mudar a partir de hoje. Vocês me pediram tanto, ficaram falando tanto no meu ouvido que agora que eu mudo, vocês querem me demitir?!
– Se acalma, por favor. – A pediu.
– Aposto que foi essa estagiária que lhe deu a ideia. – Evans se levantou bruscamente, e andou até a janela.
– Não, Christopher, ela até protestou sobre essa ideia quando eu pedia para ela pesquisar atores que cairia bem no personagem. Ela não tem nada relacionado a minha ideia.
– Tudo isso pelos meus atrasos. – Evans se virou para a janela e apoiou a na mesma. – Quem vai me substituir?
– Zac Efron. – respondeu inocentemente, ela não sabia a quão turbulência que esse nome causa.
– Ele? Com tantos, vocês escolheram ele?! – Evans indagou indignado.
– Isso não é um caso de alfinetadas e vida pessoal, Chris. – Russo disse curto e seco.
– Desculpa, mas eu não entendi.
– Os dois já tiveram um desentendimento. – Russo resumiu.
– Ele é o marido de Karine. – Evans cuspiu as palavras.
– Ah, sim. – Ela torceu a boca, se sentiu um pouco culpada por ter falado que Zac ia ficar com o papel dele.
– Para uma futura diretora, você está bem informada. – Evans a fitava com os braços cruzados, o que fez com que seus músculos ficassem a mostra.
ficou olhando para os mesmos, tentando decifrar o porquê de ter sentido seu coração bater o mais rápido do que antes. Poderia ser aqueles olhos azuis e aqueles braços definidos, poderia, mas ela nunca se sentiu atraída pelo Evans, nem mesmo quando ela assistia os filmes do Capitão América.
– Até onde eu sei, só irei precisar saber do currículo do ator, e não da vida pessoal, a não ser que interfira muito na profissional. – retrucou.
– Onde eu assino?
– No fim dessa folha, aqui. – Russo abriu a pasta e entregou para Evans.
– Não assina ainda. – Collins pegou a pasta, sutilmente das mãos de Evans. – Não temos a certeza que o Zac vai aceitar o papel, devemos esperar, já que ele vai vir aqui às nove horas da noite. – Ela se levantou e foi para perto da porta.
– Não está fazendo isso para dar uma chance a ele, né ? – Russo indagou ajeitando os óculos.
– Bem, também, mas é verdade, não sabemos se ele vai ou não aceitar o papel, mesmo depois do assessor dele ter falado que ele aceitou, temos que ter um pouco de calma.
Evans a olhava atentamente, sentiu que ela queria proteger o trabalho dele e que ela estava dando mais tempo para Russo voltar atrás da ideia e deixá-lo como o papel. Ele sorriu de lado, ela era incrível, mesmo sendo uma estagiária. Ela tinha uma pequena autoridade dentro daquela sala, e estava passando por cima da mesma e colocando seu estágio em risco. Sabe-se lá se ela estava prestes a deixar o estágio por conta de um ator, ou se ela estava mostrando que sabia fazer as coisas dentro de um set.
, liga para o assessor dele, por favor.
– Meu Deus, Russo, presta atenção no que eu quero dizer: quem é que vai querer contracenar com o que está escrito com a Karine.
– Achamos alguém.
– Esse alguém não tem o mesmo potencial que o Evans. Eu entreguei o relatório, mostrei para você que nenhum passaria do que você quer, e o Zac nem passa perto, você sabe muito bem disso.
... – Russo foi interrompido.
– Russo, por favor, você sabe que eu nunca errei nas minhas dicas.
– Está bem. – O Alex relaxou em sua cadeira reclinável.
Os olhos de brilhavam com a conquista que ela teve, podia ser uma simplesinha, mas era a melhor de todas. Agora, era só ela ligar para o assessor de Efron e dizer que não tinha mais a vaga para o personagem.
– Posso arquivar então o acordo de demissão? – indagou.
– Sim, apenas arquivar, não triturar na máquina. Evans, você só terá dois dias para mostrar que mudou, depois disso, se houver um atraso banal, eu pegarei o acordo de demissão, estamos entendidos? – Ele falou olhando para os dois a sua frente.
– Sim, estamos. – Christopher respondeu pela .
– Se não se incomodarem, tenho que terminar algumas coisas aqui, podem se retirar.
– Com licença. – falou, acenando com a cabeça.
Collins e Evans se retiraram da sala do diretor e se encaminharam até a sala da estagiaria. Evans agradeceu pela defesa e por fazer com que ele permanecesse no elenco do filme. Ele foi embora com um sorriso nos lábios. Agora e diante ele teria que chegar cedo no set, e só uma ventura do transito chegar tarde sempre avisando a estagiaria que a alguns minutos atrás ele achava que ela estava querendo a tirar do elenco.

– ♡–



Em casa, Já estava quase saindo de casa, quando sua campainha tocou. Era Cloe com pizza e uma garrafa de Coca-Cola, a garota tinha um sorriso nos lábios contagiante.
– Olá!
– Oi, Cloe, o que faz aqui com tudo isso?
– Não teremos aula hoje, não viu a mensagem da faculdade?
– Entre. Não, eu não entrei no e-mail hoje.
– Enfim, teremos nossa própria aula hoje, vamos fazer o TCC? Trouxe pizza e coca para poder fazer companhia para nós.
– Aceito e acho valido. – riu.
As amigas conversaram em quanto comiam e faziam o TCC. As duas ajudavam uma a outra no trabalho, era até mais fácil e acabava mais rápido. Cloe dormiu na casa de , no sofá dela, já que só tinha um quarto no pequeno apartamento.
Duas da manhã, e permanecia acordada. Ela estava pensando em Christopher e no convite que ela recusou. Nunca foi de sentir uma atração por ator, mas ele, aquele olhar azul, aquele sorriso, aqueles braços, o Evans inteiro tinha realmente mexido com ela durante esses tempos, principalmente nesses últimos dias em que ela teve um contato mais direto com ele. Mas ela não podia ficar pensando nisso em plena duas horas da madrugada, ela tinha que dormir, acordar cedo e ir para seu estágio e torcer que Evans chegasse cedo para ela poder vê-lo.

– ♡–



Os meses se passaram e a gravação do filme já tinham terminado. A premier ia acontecer no mês de julho e depois disso Christopher já estava liberado para poder conseguir seguir sua carreira como diretor de cinema. Ele não via a hora de anunciar a pausa de sua carreira como ator e poder começar trabalhar como diretor e descobrir grandes roteiristas.
Christopher foi convocado para uma entrevista especialmente para o filme, onde ele iria falar sobre a sua última atuação no filme e como ele estava se sentido ao dizer adeus ao seu personagem. Tudo isso seria feito no set de gravações e a estaria lá, ajudando todos que iriam participar, principalmente o diretor Alex Russo.
Por algo inexplicável, Christopher sentiu uma felicidade e um frio na barriga ao saber que a Collins estaria lá e principalmente que iria vê-la antes da premier. Christopher chegou cedo, conversou com Alex antes da entrevista, tudo estava nos conformes, a entrevista correu perfeitamente entre risadas e brincadeiras ao que Christopher não tinha feito na presença de Karine. Quando a gravação tinha acabado, eles foram para uma comemoração em um dos pubs locais de New York.
sentou perto de uma das dubles de Karine e conversava alegremente com ela entre uns goles em sua Guinness (Guiness é uma cerveja preta Irlandesa antiga. Que inclusive deu origem ao Guiness Book.). Christopher pediu para Max trocar de lugar com ele para poder conversar com , Max não hesitou, já que ele tinha percebido que nas pausas da entrevista, Christopher não tirava os olhos de .
– Oi.
– Olá, Christopher. – disse com um sorriso nos lábios, um pouco alterada por conta do álcool.
– Alex não descontou mais a raiva em você?
– Não, graças a Deus e a você Chris, posso te chamar assim, né?
– Claro que pode.
– Ok então, e como foi terminar o filme e saber que vai poder seguir a carreira de diretor?
– Incrível, eu estou tão aliviado, você não faz ideia, e seu estágio?
– Eu o terminei com esse filme então, seja o que Deus quiser.
– Mas, e a faculdade? – Christopher indagou confuso e arqueando a sobrancelha.
– Terminei esse semestre já. Chris estamos em julho já, o filme será lançado no dia vinte e oito, esqueceu? Eu só tenho mais um semestre e puff a faculdade termina.
– Não, eu acho que bebi um pouco a mais.
riu.
– Bom, eu estou livre para aquele convite. – deu um gole em sua cerveja.
– Quer sair comigo amanhã à noite?
– Pode ser, que horas?
– Às sete em ponto?
– Para mim tudo bem, vai ser algo casual ou não?
– Sim, casual, um lanche em algum restaurante ou em um pub, nada de coisas chiques, não faz o meu tipo. – Christopher sorriu. – , tem um lugar que você queira ir depois?
– Não sei, estamos em New York, sou uma garota típica da Irlanda, então...
– Você não conhece NY direito.
– Nem metade dela.
– Posso levá-la para conhecer alguns lugares, se não se importar.
– Eu adoraria.
– Muito bem, passo na sua casa quinze para sete.
– Estarei esperando.
A partir daquele momento, e Christopher tiveram uma ligação muito forte entre eles dois. Eles trocaram o telefone ali mesmo na frente de todos e dos paparazzis, que tiravam fotos da reunião pós-entrevista deles. Evans a levou para a casa dela e daquela noite em diante, a única coisa que ele só queira saber era dela e de mais nada, nem mesmo se seu sonho tinha que começar agora ou semana que vem.

– ♡–


Quinze para sete da noite.

A garota terminava de traçar o delineador, nada de muita maquiagem, era apenas para poder dar um efeito a mais em seus olhos castanhos claros, além dela amar o efeito que o mesmo proporcionava ao seu olhar e seu rosto; O batom era um nude meio rosado por conta do gloss que ela havia passado por cima. Uma calça jeans, blusa lisa branca e uma alpargata, já que ele mesmo tinha falado que era mais casual o encontro.
Christopher tinha enviado uma mensagem para que a mesma desceu imediatamente, os dois saíram foram em um pub local e depois Christopher a levou para conhecer New York direito. Ele também estava mais casual, como quase todas às vezes em que ele saía, uma blusa – colada – bordor, um jeans escuro e tênis preto. Ambos levaram uma jaqueta fina caso esfriasse.
– E aqui é onde gravaram Acts Of Vengeance. – Christopher parou em frente ao prédio.
– A roteirista é incrível, a Mnie.w, uma das minhas inspirações. – Os olhos de brilhavam.
– Ela á incrível mesmo, se quiser, posso apresenta-la a você.
– Eu agradeço, muito, é o meu maior sonho, conhece-la. – Collins o abraçou.
– Não há nada que eu deixaria de fazer para ver sempre esse sorriso maravilhoso. – Christopher falou ao pé do ouvido da garota.
Eles se afastaram e olharam no olhar de cada um, era uma relação muito curta para ambos, mas o tempo de gravação de Feels e Feels – The love after you. foi o tempo suficiente para Christopher se apaixonar por , ele conseguia disfarçar muito bem isso, ainda mais por ele ser ator, mas mesmo assim, seus olhos podiam entregar claramente que seu coração batia por ela. Ele acariciou a bochecha de Collins e a puxou para mais perto de si, seu braço estava a envolvendo sua cintura enquanto sua mão direita puxava sua nuca para poder selar seus lábios com os lábios doces e macies de .

Capítulo 3

– Chris, os paparazzis. – Ela disse ainda com seu corpo colado no de Christopher.
– Mas que merda! Vem, vamos sair daqui, me desculpa por isso.
– Tudo bem.
Christopher a puxou para uma das ruas que dava acesso a um beco de New York; Como ele cresceu em New York, ele sabia muito bem como era as ruas e os becos, era um habito dele sair na sua adolescência e conhecer os melhores e piores lugares de New York, mesmo fazendo alguns papeis, ele dava algum jeito de poder conhecer mais a cidade onde ele nasceu e cresceu.
não aguentava mais ficar naquela cobertura do estabelecimento, estava chovendo e fazia frio, ela ainda sentia frio com a jaqueta de Christopher, ela desejava com todas as suas forças um café quente e seu cobertor, um bom filme e poder curtir a chuva batendo em sua janela.
Christopher voltou depois de dar uma olhada na rua, principalmente no movimento dela. Eles conversaram e saíram daquele estabelecimento e foram para onde o carro estava estacionado. Christopher a levou para casa depois de ter passado em uma lanchonete e ter comprado alguns lanches e bebidas quentes para a viagem.
– Me desculpa por hoje. – Christopher disse cabisbaixo.
– Tudo bem, você não tem culpa, eles que não sabem respeitar a privacidade do próximo. – sorriu. – Quer entrar? – Collins convidou.
– Não, obrigado, tenho que acordar cedo amanhã, vou viajar para a Europa.
– Sem problemas, até qualquer dia?
– Claro, até. – Christopher deu um sorriso sedutor.
O casal deram mais um beijo, um beijo de despedida e de boa noite, eles pararam o beijo com alguns selinhos e com direito de leve mordida nos lábios da garota que a mesma sorriu com o ato do ator.
saiu do carro e foi para a porta de sua casa e a destrancou, e de lá acenou para Christopher que saiu rapidamente depois de dar um aceno discreto com a cabeça, em sinal de Até Logo.

– ♡–



entrou em sua casa, soltou seu cabelo subindo as escada e jogou sua jaqueta nos pés de sua cama. recebeu uma mensagem de Christopher que o mesmo dizia “Oi, , queria perguntar se você não quer sair comigo depois que eu voltar de viajem, xx”; A garota deixou o celular de lado e pensou se ela iria ou não sair com Chris. A partir do momento em que eles saíram juntos, ela sentiu uma forte atração por ele, algo que só confirmou as sensações nos dias das gravações dos dois filmes, e também o dia que ele foi quase demitido. Ela embalou no sono pensando na resposta, afinal ela não queria que fosse algo passageiro e a fama dela começasse por um romance com um ator famoso.

-♡-



Christopher olhava no celular de cinco em cinco minutos, ansioso para saber a resposta de , era tanta vontade de saber e ao mesmo tempo tanto sono e cansaço que ele acabou caindo no sono lembrando-se dos beijos e das melhores horas ao lado dela.
Desde a sua separação com a Karine, ele nunca mais tinha se sentido assim, vivo, e com seu coração transbordando de felicidade e amor. Tinha sido uma separação difícil, Christopher estava com o casamento marcado com Karine; Eles iriam se casar no final do mês de Maio de 2009, mas depois que algumas fotos dela traindo ele com Zac Efron tinham sido divulgados por um site de celebridades, ele acabou desmanchando o seu noivado.

Seis anos atrás.

Christopher estava sentado no sofá com uma cerveja em sua mão e outras dúzias vazias no chão e no sofá. A televisão estava ligada em um canal que passava assuntos sobre celebridade. Não bastava saber que ela estava longe para se sentir sozinho, agora tinha que ler e escutar a mulher com a aparência jovem e com os cabelos negros. Ele podia jurar que sua vontade era de arremessar uma garrafa com liquido na televisão e acertar o rostinho perfeito de Karine que ele pagou.
Ele chegou a ligar para a assessora de Karine para confirmar o local de viagem dela, se ela realmente tinha ido a Londres para uma audição de filme, foi aí que ela teve mais confirmação do que ele via. Ainda sentado e fitando a televisão, ele pôde escutar o som da chave de sua noiva destrancando a grande porta de madeira, os saltos dela no assoalho entregava que a mesma já estava dentro da casa do ator.
– Oi, meu amor, estava com saudades de você, sabia? – Karine falou largando suas malas e sacolas de compras pelo caminho. – Estava com mais saudade ainda das nossas transas. – A loira se sentou no colo dele selando seus lábios em um breve beijo e passando sua mão pelo corpo de Evans.
– Karine, para de mentir para mim! – Christopher a empurrou para sentar no sofá. – Sua vad... Você me trai com Zac, O MEU MELHOR AMIGO! E você tem a cara de pau de vim aqui e dizer que estava com saudades de mim e das nossas...
– Chris, calma, onde você viu isso? É tudo mentira, meu amor, eu te amo mais que tudo, nós vamos nos casar e ter uma linda família, lembra? – Ela acariciava o rosto de Christopher com as mãos tremulas.
– Tira suas mãos de mim! – Evans a empurrou mais uma vez. – Eu não pertenço a você! Não queira me enganar, está em todos os jornais, em todos os sites em todos programas e revistas de fofocas, eu liguei para a sua assessora e ela afirmou o caso, como você pôde fazer isso comigo? Eu lhe dei tudo que você quis.
– Você é um idiota mesmo, achou que eu te amasse verdadeiramente, mas você não passou só de um caixa para sustentar minhas necessidades e meus desejos. Você é um trouxa, idiota e corno eu transei com ele todos os momentos que você não estava aqui. ZAC EFRON É DEZ VEZES MELHOR QUE VOCÊ! – Karine cuspiu as palavras gritando.
– Sai da minha casa, anda! Suas coisas vão ser entregue a você assim que nossos assessores conversarem.
Christopher a segurou firmemente pelo braço, o que levou as pontas de seus dedos ficarem brancas e a levava para a porta. Abriu a mesma e a empurrou para fora; O homem trancou a porta e ligou para seu assessor pedindo para que ele desse um jeito logo nas coisas de Karine e principalmente, achasse alguém que trocasse a fechadura de toda sua casa com uma certa urgência. A partir daquele dia, Christopher perdeu toda a responsabilidade e a fala de um homem bem sucedido, sua fama tinha se tornado o homem irresponsável, que a cada segundo aparecia com uma mulher diferente, e se tornou o maior amigo do álcool.


Quatro e meia da manhã.

O ator acordou com seu despertador tocando, seus olhos permaneciam fechados ao procurar o mesmo e desliga-lo. Ele tomou uma ducha rápida, pegou sua mala que sempre estava pronta para as viagens de poucos dias e foi para o aeroporto. Ele tinha terminado de pagar o motorista do táxi e seu celular já estava tocando, seu assessor estava desesperado, o voo sairia às seis e trinta e cinco e Evans não tinha feito seu check-in; O ator atendeu e avisou que já estava no aeroporto e que ia fazer o check-in antes de se encontrar com ele, o que deixou o assessor mais aliviado.
Viagem tranquila, pouso tranquilo, Evans não tinha o que reclamar, mas algo não estava nos conformes: não tinha retornado sua mensagem de ontem à noite e ele não sabia se mandava mais uma mensagem ou esperava ela responder, afinal, ela podia estar dormindo quando ele enviou e só iria ler hoje ao acordar. Evans deixou isso de lado e pegou duas garrafas de Whisky e tomou assim que o lacre foi rompido por ele, as duas foram esvaziadas uma seguida da outra.
Depois de um tempo de relaxamento no próprio hotel, ele pôde ouvir umas batidas suaves na porta do quarto, o mesmo se levantou da cama. Ele atendeu depois de ver que era seu assessor que estava com um semblante calmo, já que Evans estava mantendo o horário de chegar cedo até nos compromissos mesmo não sendo gravação de filme. A única coisa que faltava era parar de beber em excesso, o que poderia demorar um pouco – mais de um ano, quem sabe –. Kevin entregou algumas fotos que seria dado para apenas cinquenta fãs que chegassem primeiro. Ele tinha apenas que autografar, como ele sabia que Chris não gostava de enganar seus fãs, ele preferiu entregar para o ator, era rápido uma assinatura aqui outra ali e nada que uma boa conversa para ser jogada fora em quanto esse autografava.
– Me conte, Chris, o que te fez mudar assim tão rápido. – Kevin indagou.
– Não foi muita coisa, só uma ajudinha.
– Que ajudinha, hein? Posso saber quem é essa ajudinha?
– Se lembra da estagiária que trabalhou conosco e o Russo? – Evans falou alternando o olhar para a foto e seu assessor.
– Sim, me lembro, uma moça, muito gentil. É ela?!
– É. – Christopher encostou-se ao sofá e suspirou. – É ela sim.
O olhar perdido ao dizer o nome dela entregava que o coração de Evans estava completamente apaixonado e perdido de amor pela a estagiária de Cinema e Audiovisual. Ela não fez só uma mudança no comportamento do ator, ela fez uma mudança nos planos de ter uma família.
– Chris, você está apaixonado pela ? – Ele sabia, mas queria ver a cara de idiota de seu amigo e depois zombar dele.
– Que? Não, a gente é só amigos.
– Amigos que saem e dão alguns beijos por ai. – Kevin gargalhou.
– Como você sabe? – Evans desconfiou.
– Eu precisei molhar a mão de um dos paparazzis, assim ele não postava a foto de vocês dois juntos, já que não sei qual seria a reação dela.
– Obrigado cara, você salvou a vida dela. – Christopher foi sincero.
– Que isso, me de um mês de folga que estamos quites, ainda mais esse próximo mês, já que meu filho nasce no comecinho.
– Kevin, eu me esqueci desse detalhe, claro que pode pegar o mês de folga, e mais aqueles que sua esposa tiver que ficar em casa.
– Chris, não precisa ser tal radical nas férias, não foi isso que eu quis dizer.
– Não, Kev, sinta-se à vontade, eu vou parar mesmo descanar e tudo mais, aproveita e faça isso, afinal, sua mulher vai precisar mais de você do que eu preciso de você.
– Certeza?
– Absoluta, vou passar um tempo com a , não se preocupe, Kev. – Ele disse assinando a última foto.
– Não vou discutir, mas não apronte nada, por favor. Terminou?
– Ok, pai. – Evans falou em um tom brincalhão. – Sim, já podemos ir, só preciso me arrumar.
– Esperarei.
Ele não precisava de muito para ficar bonito, afinal, era o Chris Evans, qualquer peça de roupa ficaria bem nele. Depois de ter colocado uma roupa básica e apenas uma jaqueta de couro para deixar mais descontraído, eles foram para a entrevista, não demorou muito a mesma, já que eram apenas dois blocos do programa. Christopher terminou suas entrevistas e todas as participações nos programas, os três dias na Europa tinham sidos corridos. Antes de subir para o seu quarto, Christopher passou na recepção e pediu para que mandasse duas garrafas de Whisky e uma de Vodca e que era para colocar na conta dele. Evans subiu acompanhado de duas garotas, que tinham esperado por ele o tempo todo no Hall do hotel. Que mal fazia ele se divertir um pouco com elas, ou apenas “conversar” com elas?
Ele não estava comprometido, não é?
Mais tarde, seu celular tocou e era a pessoa que ele menos queria conversar naquele momento, embriagado e com duas garotas em sua cama.


Capítulo 4

– Oi, Christopher.
– Oi, .
– Reconheceu pela voz.
– Espero não ter acordado você, mas eu precisava falar com você urgentemente.
– Aconteceu alguma coisa?
– Ele se levantou da cama colocando a bermuda.
– O Alex disse que você não assinou o contrato, aquele dia você apenas conversou com o diretor não assinou, sei que parece idiotice, mas precisamos entrar em contato com seu assessor, só que ele não atente, teria outro número que posso falar com ele?
– Tem sim. Mas eu não renovei isso ano passado? Eu vou dar uma olhada aqui, ok?
– Não, desde o primeiro filme você não assinou, só seu assessor. Ok, estou esperando.
– Você tem como anotar?
– Sim, só dizer.
– 555-9784.
– Obrigada Christopher, e desculpa se eu atrapalhei algo.
– Tudo bem, tchau. ?!
– Ele a chamou.
– Sim?
– Nada, tchau até mais.
estava estranha, ela não era a mesma garota que tinha conversado com ele nem mesmo tinha falado o apelido de Christopher. Ele estranhou o comportamento dela, se perguntou se enviava alguma mensagem para garota e tirava suas dúvidas, mas no fundo, ele sentiu que era sobre alguma notícia dele com as garotas. Saiu do quarto, pegou uma garrafinha de água – gelada – e acabou com ela em dois goles junto com uma aspirina. Ele se jogou no sofá depois de ter tirado algumas peças de roupas, ligou a televisão e passou por todos os canais até que um chamou a atenção do ator, ele leu o rodapé do programa onde estava escrito a seguintes palavras: ”Chris Evans foi visto entrando em seu hotel acompanhado com duas garotas”.
– Mas esse povo não consegue calar a boca nunca e cuidar da própria vida?
– Será mesmo que Chris mudou? Vemos que o que ele disse na entrevista foi apenas faixada para o novo filme dele. – A repórter falou.
– Chris, estamos indo. – Uma das garotas falou.
– Tá, Tá! – Evans falou revoltado.

New York. Escritório do Diretor Russo.

separava os papeis que Christopher não tinha assinado e colocava dentro de uma pasta transparente, ela ligou para o assessor de Evans que o mesmo correu para casa do senhor Alex Russo que a aguardava com o assessor de Evans. Ela entrou e entregou a pasta para Russo, durante a reunião, ela recebia algumas mensagens de Christopher que as mesmas apareciam no visor de seu celular.
O que parecia ser um engano se tornou um grande problema, como os papeis não foram assinados pelo Christopher, o filme não poderia ser lançado já que ele mesmo dava a autorização de imagem dele, e infelizmente a data de lançamento estava em risco com tudo que estava acontecendo.
Alex teve que esperar o ator voltar da viagem para poder resolver tudo isso, era uma pena o ocorrido, até a própria sentia muito por Alex que o mesmo mal sabia o que fazer para conseguir solucionar o problema assim de imediato.
voltou para casa, aproveitou os tempos livre que tinha e terminou de refazer algumas matérias que ela ia citar no TCC e terminou algumas lições. Ao sair do banho, ela recebeu uma mensagem de sua amiga - Cloe - com o link de um site que mostrava Evans com as duas garotas entrando no hotel, a garota havia falado com sua amiga sobre o fato que eles tinham ficado na noite passada, mas não tinha acontecido mais nada do que alguns beijos, porem Cloe conhecia bem sua amiga, sabia que já estava apaixonada por ele, mas seu lado calmo e pacifico de uma boa libriana a ajudava nesses momentos. E colocou uma roupa leve, e foi para a faculdade.
– Achei que você não ia vir. – Cloe disse ao olhar para a amiga entrando na faculdade.
– Eu estou morta de cansaço, eu não sei mais o que fazer da vida.
– Não está falando isso por conta da mensagem, né?
– Não amore, é a vida mesmo, queria férias da faculdade e do estágio.
– Vem, vamos na cantina, lá você pega alguma coisa para beber e comer parece que nem fez isso hoje. – Cloe a puxou.
– Se eu falar que não jantei antes de vir aqui, você não vai me matar, né?
– Deveria, mas eu não vou. Escolha alguma coisa. – Cloe disse.
– Quero um lanche natural e um suco de laranja sem açúcar e com gelo. – pediu para a atendente.
– Você é louca por sair de casa sem comer, e se você passa mal?
– Mãe, não se preocupe, eu estou bem. – Ela brincou.
– Sei e aquelas quedas de pressão, aqueles mal-estar? , você está se alimentando direito?
– Sim, é claro que sim, mas não tenho culpa por isso.
– Eu realmente espero, se não irei até sua casa e começar a cuidar de você.
– Não precisa. – Ela pegou o lanche enquanto Cloe pagava. – Eu estou bem pode confiar em mim.
– Eu confio, só estou cuidando da minha amiga, minha best desde o começo.
comeu o lanche sem pressa e conversando com sua amiga, entre a conversa, ela recebeu uma mensagem de Evans, ela abriu leu rapidamente e bloqueou o celular já que tinha dado a hora para entrar na sala de aula e o professor da primeira aula não era lá tão amigável igual os outros, mas pelo menos a aula foi tranquila e calma. deitou a cabeça em seu braço por alguns segundos, ela se despertou com o seu celular vibrando, era Cloe, pedindo para que levasse a bolsinha de absorvente – bem discreta – até ao toalhete. A pegou, foi até o professor que o mesmo liberou a saída dela sem ao menos negar, claro que ele não ia negar.
– Cheguei, a onde você está? – A estagiaria indagou.
– Estou na última, só jogar a bolsinha por cima.
– Jogando.
Cloe imitiu um som de “dor” apenas para fingir para a amiga que machucou o arremesso dela.
– Doeu viu, não faz mais isso. – A garota disse.
– Desculpe garota do cabelo azul, não farei mais isso. – Ela riu.
– Vamos? Perdão pedi para você pegar, mais quem poderia me salvar?
– Eu! A Amiga colorada!
Cloe tentava imitar o som do Chapolin enquanto tentava não rir muito, já , estava morrendo de rir com ela e sua amiga. Não era para ser engraçado mais para duas tudo se tornava engraçado. Uma garota baixinha e loira entrou no toalhete e olhou estranho para as duas – rindo no meio do banheiro – com certeza deve ter pensado que elas usaram alguma droga ou são apenas loucas.

–♡–


Depois de sapear os mesmo canais e ver quase a mesa noticia – dele – de sempre Evans ligou para seu amigo, nem ele sabia o porquê queria falar, mas apenas desabafar algo que pudesse te ajudar. Digamos que por sua sorte seu amigo também estava na cidade. Combinaram de se encontrar em um barzinho afastado do hotel dos dois, e principalmente sair sem levantar nenhuma suspeita dos paparazzi ou caso contrario Evans poderia acabar acertando um murro em alguns deles.
E pela primeira vez, ele não olhou perfeitamente o que pegava no guarda roupa do hotel nem mesmo se estava pegando o mesmo par de meias. Pegou a chave do carro alugado e saiu rumo ao pub, Chris foi o primeiro a chegar, escolheu uma mesa afastada pediu um refrigerante já que queria evitar alguns probleminhas com o senhor álcool; Alguns minutos se passaram e Sebastian havia chegado. De longe o ator procurou o amigo que logo encontrou por conta do aceno airoso que ele fez. Andou até a mesma, mas antes passou no bar e pediu uma Heineken pegou a mesma e foi até a mesa.
– Dude, Chris.
– Sebastian. – Se levantou. – Que bom te ver. – O abraçou.
– Como está o filme? Finalizou certo?
– Bem. – Ele fitou a cerveja. – Conseguiu algum papel?
– Perdido em Marte. – O homem falou com um sorriso. – Quer que eu peça uma? – Se referiu a Heineken.
– Não obrigado, estou evitando.
– Gostei, resolveu diminuir, quem é o milagre? – Jogou as costas para traz, as encostando-se ao sofá.
Collins. – Sua voz saiu suave ao pronunciar o nome da amada.
– E estão juntos já? Porque eu vi que você levou duas garotas ontem.
– Não, apenas nos beijamos e ficou por isso, mas sinto que eu a magoei, ela me ligou hoje e foi direta, não perguntou nada de mim.
– Ela ligou depois ou durante o expediente?
– Durante, ela queria saber sobre algumas coisas.
– Então não tem o porquê de ficar assim, ela só estava fazendo um trabalho dela. – Levantou a mão para chamar o garçom. – E se vocês não estão ficando. – Não precisou terminar, Chris tinha entendido.
– Não sei, ela não parece estar bem.
– Não é o caso das garotas, deve ser outra coisa, algo que deve está perturbando a sanidade dela.
– O TCC. – Christopher concluiu.
– Quantos anos ela tem? – Sebastian indagou mais confuso ainda.
Chris parou para pensar um pouco, e lembrou, ele não sabia de nada da vida de .
– Sinceramente? Eu não faço a mínima ideia.
– Você definitivamente tem que sair dessa vida.
Sebastian se referia à bebida, e não a vida com mulheres, afinal, Christopher era solteiro e independente e “sabia” o que estava fazendo da vida dele. Conversaram mais um pouco, com o assunto sempre alternando e diversos. Naquela noite, Evans não bebeu, podia ser um grande passo para poder ter uma vida cheia de plano ao lado dela.

No dia da volta de Evans, ele enviou uma mensagem para a , uma que ele achou que podia melhorar as coisas – já que sua imaginação fazia acreditar que ela estava brava com ele. recebeu uma mensagem “Estou voltando para NY, me desculpa xx.”. Mas desculpas pelo o que? Sinceramente ela não tinha entendido e não tinha tempo para perguntar ou tentar entender a desculpa dele, tudo estava corrido, então, desligou o celular e colocou dentro do bolso da jaqueta, ela foi para um dos estúdios onde estava acontecendo a seleção de atriz de outro filme de Alex Russo, DarkStrow: Projeto 96.
– Senhor Russo?
– Oi, , pode dizer.
– Você disse que queria minha ajuda para escolher o elenco, com base no roteiro.
– Sim, olha, esse é o roteiro, consegue imaginar como é a DarkStrow?
deu uma lida rapidamente no roteiro lendo as falas e a descrição da personagem. Não estava tão difícil, afinal, ela já tinha participado de varias audições com o Russo durante seu estagio todo.
– Sim, consigo.
– Ok, agora vai entrar as atrizes e quero que você de a sua nota para elas ok? Não precisa ter receio em avaliar.
– O roteiro é da Marvel? – indagou com os olhos brilhando.
– É sim. – Russo sorriu. – Bom, vamos começar?
Várias atrizes apareceram para poder fazer parte do elenco que o mesmo era sensacional, muitas atrizes com grande potencial mas nenhuma, aos olhos de , se igualava ao perfil de DarkStrow, até que a ultima atriz aparecesse na frente de todos que estavam dando as notas, ela foi incrível, a interpretação o modo como ela pronunciou as falas e principalmente o jeito que ela era, o físico dela era praticamente idêntica de DarkStrow, foi a única que ela deu dez em todas as categorias.
– Já escolheram a favorita de vocês? – Russo perguntou.
– Sim. – Stan Lee e Collins falaram ao mesmo tempo.
– Bom. – Alex começou a falar. – A Sarah foi sem duvidas a melhor de todas, o modo que ela interpretou, falou e agiu, é, com certeza ela é a DarkStrow, e você senhorita, , o que acha?
– Bom, eu acho que a Zoey Deutch, ela está com o tipo físico igual da DarkStrow, o modo como ela falou, o jeito dela tudo nela é perfeito para a DarkStrow, e se não for, eu ajudo ela se transformar na DarkStrow ela tem um potencial...
– Grande. – Stan Lee disse interrompendo . – Eu também a escolhi, você tem talento, qual o seu nome mesmo?
Collins.
– Prazer, Stan Lee, eu conversei com o Russo antes e ele falou que você está fazendo estagio com ele.
– Isso, mas acaba logo, eu aprendi muito ao lado do senhor Russo. – deu um sorriso tímido.
– Já sabe a onde procurar emprego? – Stan indagou.
– Ainda não senhor.
– Quem sabe você não trabalha junto como o senhor Russo, você sendo a roteirista do filme ou uma função igual, seria bom ter alguém como você que tem esse olhar, e aparentemente você tem conhecimento sobre a personagem.
– Eu não tenho palavras para agradecer, senhor Stan.
– Apenas aceite. – Ele sorriu amigável. – Tenho certeza que será um sucesso com você na equipe.
Os pensamentos dela estavam a mil, não tinha com pensar em outra coisa a não ser que ela era a mais nova roteirista da Marvel, e que ia trabalhar ao do diretor Russo, era mais que um sonho realizado, sua heroína favorita se tornando seu primeiro trabalho. pensou, e se ela acabar com tudo? Com o filme todo? Ou até mesmo com o enredo ou pior com a própria personagem favorita.
tinha muito que pensar ainda, era uma responsabilidade e tanto fazer parte de um filme – extremamente – renomeado. Ela olhou para os dois homens e sorriu, e disse:


Capítulo 5

- Eu peço para entregar os gibis da DarkStrow para você poder ter uma base de como vai ser.
- Não precisa, eu tenho todos dela e do Capitão América. – Rachel sorriu tímida pela confissão.
- Eu sei que a conversa é tentadora, mas precisamos dar a respostas. – Alex disse.
- Está certo, eu vou chama-las. – Ray disse se levantando.
Alex não queria ser, Rachel se retirou do local e chamou todas atrizes, eles as agradeceram e falaram as quão ótimas e maravilhosas elas eram no trabalho delas, mas que apenas uma poderia se tornar a DarkStrow do Universo Cinematográfico da Marvel. Stan passou a deixa para Collins que a mesma agradeceu a Stan e todas as atrizes, e encheu o peito ao pronunciar o nome da escolhida.
- Sara Santoni. – Rachel disse com um grande sorriso nos lábios. – Você é incrível como a DarkStrow. Eu, Alex e Stan vamos ficar muito feliz se você aceitar pegar o papel, aceita? – Indagou mesmo sabendo a pergunta.
- Sim, eu aceito, quando começamos a gravação?
- Logo entraremos em contato com você, vamos reunir o elenco e toda a equipe, passamos o dia para você por mensagem, tudo bem? – Alex falou olhando para o papel.
- Ok, estarei aguardando.
- Eu levo o acordo nesse dia. – Rachel saiu da cadeira. – Aqui está o meu número, se quiser ligar e conversar comigo para saber mais como vai ser roteiro. – Rachel entregou um papelzinho. – Não hesite.
- Obrigada Rachel.
Depois da escala da atriz que ia interpretar DarkStrow, Collins foi para seu apartamento, descansou depois de um bom banho, revisou algumas matérias e logo foi procurar algo para comer. Abriu a geladeira, procurou pelo mel e o pegou; na fruteira pegou algumas frutas, cortou em pedaços e fez uma porção única de salada de fruta, entretanto, quando ela ia dar a primeira garfada, Rachel recebeu uma ligação pelo interfone. Ela atendeu colocando sua taça de frutas em cima do balcão e escutando atentamente o porteiro lhe informar que tinha um homem querendo subir para o andar dela desesperadamente. Rachel pediu o nome dele que confirmou sua suspeita.
Collins permitiu a entrada do homem, e foi destrancar a porta deixando entre aberta e voltou a comer sua salda de frutas.
- Ray? – Christopher falou entrando.
- Chris, oi, Carlos disse que era você, tudo bem? – A garota falou calma.
- Estou e você está bem? – Evans fechou a porta.
- Sim, você não parece realmente bem, aconteceu alguma coisa? – Colocou a taça em cima da pequena mesa de centro.
- Você não está chateada com o que aconteceu?
- As notícias na televisão? Não, Chris, não estamos juntos, apenas saímos e nos beijamos, você pode muito bem fazer o que quiser, mas claro que se estivéssemos namorando, com toda a certeza seria muito diferente.
- Eu achei que você estava, eu liguei para você e você foi muito séria.
- Eu estava com alguns atores no escritório, não podia fazer isso, então não podia ficar toda carinhosa com você, muito menos pronunciar seu nome, Chris, calma. – Rachel riu.
- Fiquei preocupado à toa. – Passou a mão no cabelo.
- Então você está com culpa no cartório. – Rachel comeu uma fruta.
- Culpa no cartório? Claro que não.
- Sim, você se sentiu culpado por ter dormido com as garotas e bebido demais, você então está sentindo culpa.
- É, quem sabe você não está certa. – Se referia ao sentimento que tinha por ela.
- Sempre estou, você trancou a porta? – Collins se levantou.
- Não, eu tranco para você.
- Já jantou hoje?
- Ainda não, cheguei do aeroporto, deixei minhas malas em minha casa e vim direto para cá.
- Quer me ajudar a preparar? – Disse indo para a cozinha.
- Não sou bom na cozinha.
- Melhor ainda, vem lava as mãos, aí você pega essa couve e você corta bem fininho igual esses pedaços que eu cortei.
- Ok, pode deixar.
- Eu vou colocar a carne moída para temperar.
Evans e Collins prepararam a janta entre risadas e conversas, acompanhada de varias taças de vinho tinto. Eles sentaram no chão da sala e com a mesma toda apagada, já que a única luz que entrava na mesma era da lua e da cidade. Eles se aproximaram e selaram seus lábios um no outro, um beijo calmo e tranquilo e a cada segundo foi se tornando um beijo calmo e ao mesmo tempo caliente, Christopher deitou Rachel no tapete e deixando sua mão deslizar pelo o corpo todo da garota.
Christopher beijou a mandíbula de Rachel descendo pelo pescoço, ombros e indo em direção do colo do seio da descendo a alça de sua blusa; Rachel tirou a blusa de Christopher e arranhando as costas dele, o que fazia com que o casal sentisse mais prazer e vontade para ambos.
Rachel beijava o pescoço de Christopher e ao mesmo tempo puxava sutilmente os fios castanhos de Evans.
Evans a virou a fazendo ficar por cima dando facilidade para ele poder tirar a blusa e o sutiã de Collins, o casal deitaram novamente no tapete e curtiram a noite sob a luz do luar.


Capítulo 6

Christopher abriu os olhos com dificuldade, a claridade do sol entrava iluminando a sala inteira. não havia fechado a janela e a cortina. Com cuidado, se ajeitou sob o tapete fofo e admirou a mulher desnuda que dormia calmamente em seus braços; O sol a deixava ainda mais linda, com uma beleza única e radiante seus fios ruivos ganhavam um tom a mais, único e perfeito. Ele deslizava seus dedos sutilmente pelas curvas de e alguns minutos depois, ela abriu os olhos e ajeitou o cabelo atrás da orelha.
- Bom dia.
- Bom dia, Chris.
- Dormiu bem?
- Melhor do que nunca. – sorriu.
- Dormimos de janela aberta. – Christopher comentou.
- Tudo bem, moro no ultimo andar, só vão nos ver se tiverem um binoculo.
- Mas vão ver você nua.
- Isso é verdade, bom, vou preparar um café para a gente. – ia se levantando.
- Você vai se levantar assim?
- Chris, você está com ciúmes?
- Não. – Ele mentiu.
- Cadê sua blusa? – disse procurando com os olhos.
- Aqui. – Christopher se esticou para pegar.
vestiu e deu um beijo rápido em Christopher, ela deixou o café passando e avisou Evans que ia para um banho rápido. voltou com seu cabelo molhado e com a blusa de Christopher em suas mãos, entregou pra ele que colocou a peça e depois foi comer o que ela tinha servido. Depois de um delicioso café da manhã, os dois foram para o quarto de Collins e ficaram deitados na cama.
Evans cancelou todos os compromissos que tinha marcado para aquele dia, ele ia passar o dia todo ao lado de Collins, sem se preocupar com alguma viagem ou então com uma entrevista marcada para aquela hora ou no período noturno. O assessor de Evans ficou irritado e inconformado com a decisão do futuro diretor. O que ele pensava para cancelar todos os compromissos assim, sem dar um motivo concreto, apenas pedindo que ele pudesse dar uma desculpa bem confiável para todos os compromissos, mas claro que a maior preocupação era a multa que ele teria que pagar com alguns compromissos.
- Chris, não precisava desmarcar tudo.
- Eu optei por passar esse dia com você, não quero nada atrapalhando.
- Desde quando desmarcar todos seus compromissos de hoje é algo que atrapalha?
- Porque não vou ter mais folga até o dia da estreia de Stay.
- Bom, já que é assim, eu aceito esse dia, mas você vai ter que repor tudo em outro dia. – deitou no peitoral de Christopher.
- Eu prometo, , coloco todos os compromissos de hoje em ordem, mas vamos passar um tempo juntos. – Christopher selou seus lábios nos lábios de . – Sabe de uma coisa, eu poderia passar o resto da minha vida com você. – Christopher sorriu encantador.
- Vamos jogar um pouco então. – se levantou e foi em direção de outro quarto.
- Jogar o que? – A seguiu.
- Vídeo game, pega um controle e pode escolher qualquer jogo.
Christopher observou o quarto depois de sentar no sofá. Além do sofá grande e espaçoso, o quarto tinha vários quadros de sagas e de HQ’s, todos com moldura coloridas e bem alinhados; as prateleiras com os bonecos de colecionador e algumas Barbies de quando ela era pequena. Na parede onde estava a televisão, havia uma grande estante com os seu PlayStation e Xbox; os jogos separados por cada console, tudo arrumadinho, tirando a decoração do quarto, tudo envolvendo, series, sagas e HQ’s.
No dia seguinte, Christopher mandou uma carta de próprio punho para todos os compromissos que foram desmarcados pedindo desculpas e remarcando para o dia mais breve o possível. Evans e Collins se encontravam as escondidas, sem compromisso nenhum, sempre mantendo tudo em segredo.
Durante esse tempo que estava com Christopher, ela começou a perceber que estava se apaixonando pelo mais novo Diretor, o que não era surpresa já que ela o admirava pelo trabalho que ele executava, e começou a admirar mais ainda depois que ele interpretou seu herói favorito nos cinemas. Capitão América.
Mas nada que pudesse dizer que ela já o amava antes de conhecer pessoalmente conhecer o Chris por trás das câmeras. E isso também servia para o Christopher, além de Collins ter mudado a vida toda dele, fazendo com que tudo desse sentindo, e tendo apenas uma única recaída, ele estava apaixonado por aquela garota.
Os dias foram se passando e a pré-estreia – premier, estava se aproximando. Christopher pediu para que sentasse ao lado dele durante a premier, nada obrigatório, já que toda a equipe, incluindo que deu um grande apoio ao filme, iria pousar para as fotos; aceitou, e pediu para quer ninguém soubesse dos dois encontros deles e principalmente o ultimo encontro que causou o cancelamento dos compromissos.

Dia da Premier. 28 de julho de 2015.

Christopher terminava de ajeitar seu terno azul marinho que ele passou em seu closet e abriu a gaveta onde ficava seus óculos de sol. Ao sair, ele passou pela sua cama que olhou para a mesma e viu uma peça de roupa de Collins ao pé da cama. Ele pegou sentiu o cheiro doce e suave do perfume dela e depois dobrou colocando em cima da cama, ele não ia devolver hoje, ele tinha outros planos para poder entregar aquela peça de roupa para .
Evans chegou ao local da premier. Um tapete vermelho guiava o percurso até a sala onde Christopher e os demais atores iriam prestigiar o evento. Os flashes foram em direção do mesmo, ele cumprimentou todos com um grande sorriso e com sua mãe ao seu lado. Evans também deu uma breve palavra para os repórteres e depois um homem que fazia parte da organização guiou Evans e sua mãe para o grande salão.
Christopher procurou com os olhos uma garota de estatura baixa com um lindo sorriso nos lábios e com um corpo com curvas maravilhosas. Ele a encontrou na mesa com o diretor e o roteirista do filme conversando com Stan Lee; Depois de avisar sua mãe que ia conversar com o diretor, ele se encaminhou até a mesa abrindo seu paletó e indo em direção de com um sorriso galanteador.
Christopher cumprimentou e entregou um papelzinho onde estava escrito...




Continua...



Nota da autora: “Comentem o que acharam, obrigada pelo seu gostei, e nos vemos no próximo capítulo” – Alanzoka. Vou deixar aqui os lugares onde vocês tem acesso a cada informação da Fic.

Até amores s2. Xx.






Outras Fanfics:
Ficstape – 05. Perfect. – Ed Sheeran.
DarkStrow: Projeto 96.
Before We Go.
It's Our Paradise and it's Our War Zone.
Casamento Arranjado.


Qualquer erro nessa fanfic ou reclamações, somente no e-mail.


comments powered by Disqus