Última atualização: 23/10/19

Prólogo

- Meninos, o show vai começar em dez minutos! - A voz de Liza soou animada no camarim e Harry Styles suspirou sem conseguir sustentar a empolgação que era esperada. Em suas veias, a sensação de melancolia alastrava-se feito veneno fazendo com que o sangue bombeasse de modo quase doloroso.

O eco das palavras de Liza reverberou pelo camarim de modo melancólico porque nenhum dos cinco rapazes parecia estar com disposição para fingir animação pelo show que fariam. O ambiente estava longe de ser amigável - com uma carga negativa que deixava o ar quase rarefeito. Nenhum dos olhares direcionava em momento algum para Harry, que revirou os olhos sabendo ser o culpado por tal peso.

Com um suspiro resignado, Harry descruzou os braços e girou nos calcanhares para deixar o camarim, ato que não passou despercebido por Liza.

- Onde você vai?
- Só vou…
- … procurar mais alguma confusão, certamente - Harry foi interrompido pelo murmúrio perfeitamente audível de Zayn. Sem disposição para entrar em uma discussão, ignorou.
- Eu já volto.

Saiu sem dar tempo de ouvir as lamentações de Liza ou de receber outro olhar reprovador e inquisitivo dos parceiros de banda que pareciam não estar inclinados a utilizarem a nomenclatura “amigo” para referir-se a ele. Tudo bem. Só precisava de dez minutos de paz e silêncio longe do julgamento implícito em cada íris do ambiente. Precisava respirar fundo e ficar bem, pois era um artista profissional e do outro lado daquele salão milhares de fãs gritavam o seu nome esperando ver o vocalista da One Direction apresentando-se em sua mais perfeita forma. Engoliria aquela tristeza e daria o melhor de si.

Harry retirou o celular do bolso da calça jeans só para checar aquilo que já sabia. não tinha retornado nenhuma das suas ligações. Não havia nenhuma mensagem de texto, mensagem de voz e nem sinal de fumaça. Contemplar a tela daquele telefone cheia de notificações que não queria visualizar fez com que os olhos do cantor se enchessem de lágrimas com mais rapidez do que gostaria. O coração parecia estar tão comprimido a ponto de ser confundido com um caroço de azeitona. E se ela não respondesse? E se tivesse desistido? E, pior de tudo, se ela estivesse com ele?

Incapaz de controlar o assomo de ansiedade, Harry digitou os números já tão conhecidos e sentiu o coração pulsar contra os dentes enquanto esperava a chamada ser concluída. Um toque. Dois toques. Três toques. Quatro. Cinco.

Sua chamada está sendo encaminhada para caixa postal.

- Merda, ! Deixa de ser cabeça dura, por favor! - Harry choramingou desesperado ao desligar. Mas não desistiu. Tentou outra vez e mais uma e na terceira constatou que definitivamente não queria contato visto que o telefone nem bem chamou uma vez e já estava direto na caixa postal. Checando no relógio, Harry constatou que faltavam apenas cinco minutos para o começo do show e por isso precisava se apressar.

Para deixar um recado, continue na linha após o sinal.

Piiiip.

Harry suspirou e encostou a cabeça na parede, erguendo o queixo para encarar o teto mal iluminado do corredor.

- Eu não sei se você vai ouvir esse recado. Mas eu vou tentar…. Eu vou tentar de tudo. Preciso ser rápido porque tenho um show para fazer em cinco minutos e, porra, , como eu vou conseguir subir naquele palco sabendo que você não vai estar me esperando no camarim com um sorriso de orelha a orelha, pronta para me dar um abraço mesmo eu estando todo suado, me dizendo que fui bem, que o show foi incrível? - Harry exclamou frustrado sentindo seu nariz arder enquanto mais lágrimas se formavam ao redor dos olhos.

- Como eu vou conseguir ter forças para ficar duas horas em cima daquele palco nesse ambiente tão hostil que se tornou desde que os caras nem conseguem me olhar nos olhos? E eu sei, eu sei que eu fiz merda. Eu sei que fui eu o culpado por isso, eu sei que eu fiz besteira, eu sei… Meu Deus, se você soubesse o quanto eu tô arrependido… - Harry passou a mão pelos cabelos longos, puxando alguns fios no processo.

“Eu não deveria ter bebido tanto, eu não deveria ter agido daquela forma tão infantil e imatura, eu não deveria ter dito as coisas que eu disse, mas… Se você ao menos soubesse… E eu sei, eu sei que é culpa minha por não ter contado também. Por ter deixado as coisas se acumularem de forma incontrolável dentro de mim, eu juro que eu queria ter compreendido melhor o que estava acontecendo, mas eu tive medo… Medo que você se afastasse de mim porque eu…”

Harry respirou fundo sentindo as lágrimas fazerem um rastro quente pelo rosto enquanto deslizavam por suas bochechas atingindo o queixo.

- Não estava nos meus planos me apaixonar por você.

Soltou um muxoxo de frustração e mordeu o lábio inferior com tanta força repetindo para si mesmo que não iria controlar nada que tivesse vontade de dizer. Não naquele momento.

- Não era esse o combinado. Sem envolvimento emocional, sem compromisso e segredo absoluto. Eram essas as regras, certo? Era para ser algo casual, nós iríamos nos encontrar pelos estacionamentos, banheiros de avião, camarins, corredores de hotéis e onde mais fosse possível. Mas eu não sei em que momento deixou de ser casual para mim, só sei que deixou de ser e eu não percebi… E se percebi, fui deixando acontecer. Deixei acontecer porque me acostumei com seu sorriso de tantos dentes, com seus olhos curiosos e seu cabelo que é mais sedoso que o meu. - Harry soltou um riso lacrimoso de uma piada interna que fazia sentido entre eles. O riso não durou, a angústia ainda fazia-se presente de maneira quase palpável.

“Me acostumei com as suas palhaçadas fora de hora, ao seu humor ácido, as suas tiradas inteligentes e ao seu sotaque tão diferente. Era para ser só sexo, duas pessoas que estavam se divertindo e aproveitando as facilidades de estarem no mesmo ambiente, mas… De repente seu cheiro já estava impregnado nas minhas roupas, e, caramba, , como eu amo seu cheiro.” Harry sabia que se fizesse um esforço sua mente projetaria naquele mesmo instante a fragrância floral e levemente adocicada de .

- Eu não sei como aconteceu da sua risada escandalosa se tornar meu som favorito e nem sei também em que momento deixei de querer só seu corpo para transar para querer para abraçar durante a noite, mas aconteceu, tá ok? Aconteceu. Mas também me responde, como não se apaixonar por você, garota? Olha tudo o que você faz, olha a pessoa que você é… Eu fui muito idiota em entrar nisso tudo achando que seria só pela diversão porque agora eu tô aqui, feito um fracassado no corredor desse lugar, prestes a entrar no palco fingindo estar bem quando na verdade eu tô fodido. Por minha causa, eu sei, pelo que eu criei. Mas também por você… Porque eu não consigo me desvincular de você. E talvez…

Harry hesitou, a voz tremulando.

- Talvez seja porque uma parte de mim, ainda que mínima, uma voz chata e insistente continua me dizendo que talvez… Talvez os nossos momentos de diversão não tenham sido apenas isso, talvez você me queira da maneira como eu te quero. Posso estar me iludindo, mas existe algo na forma como você me olha… Você não olha para ele dessa forma, . Eu vi, eu não sou louco… Ou talvez eu seja, talvez eu esteja. Harry Styles, sempre tão racional… Aquele que canta várias músicas de amor e nunca tinha se apaixonado por ninguém…. Essa pessoa deixou de existir no momento que você entrou na minha vida e eu estou louco, mesmo. Louco por uma resposta sua, será que você consegue me entender?

- Harry nós vamos subir no palco! Anda! - A cabeça de Louis apareceu de dentro do camarim e Harry tapou o fone do celular acenando positivamente.

- Eu preciso ir. O show vai começar e eu… Preciso dar o melhor de mim, como você sempre diz, não é mesmo? - Harry suspirou uma última vez e fechou os olhos com força - Me desculpe, . Por tudo. Por ter agido diferente do cara que você conheceu e admirou, por não ter sido educado e nem calmo como sempre fui. Por ter te magoado, te envergonhado e te deixado numa situação ruim. Eu peço desculpas por tudo… Mas não posso pedir desculpas por ter me apaixonado por você. E se… E se houver a menor das remotas hipóteses de você me perdoar, eu vou estar te esperando, tá bem?

Harry suspirou e abriu os olhos, resignado.

- Eu sinto tanto sua falta...

Sentindo o maxilar doer de tanta tensão aplicada na mordida, Harry desligou o celular, enxugou o rosto, respirou fundo, contou mentalmente até três e, a passos decididos, rumou até o palco para dar as suas fãs a visão do Harry Styles que elas conheciam. Um que certamente não estaria sorrindo por fora com o coração partido em mil pedaços por dentro.

Capítulo 1 - O inicio da turnê

Harry Styles despediu-se da família já saudoso na manhã da sexta-feira que marcava o início da primavera e, com ela, o início da nova turnê da One Direction, banda que era integrante há alguns anos. Embora adorasse estar em cima de um palco cantando para milhares de pessoas e fosse grato por todas as oportunidades que foram abertas com a carreira, o rapaz de apenas vinte e um anos tinha que admitir que, as vezes, sentia falta de poder passar mais tempo com a família e não estar desenfreadamente produzindo músicas e saindo em turnês sem parar.

Ainda assustava Harry pensar que fazia apenas cinco anos que sua vida tinha modificado tanto, deixando de ser um funcionário de padaria em Holmes Chapel para ser o ídolo teen adorado ao redor do mundo. Tudo isso graças a participação de um programa de novos talentos, que derivou a formação de um grupo com outros participantes, um contrato assinado com gravadora e pronto. Tão logo assim a One Direction tornou-se a maior boyband da atualidade e Harry Styles um dos garotos mais desejados do momento.

Quando embarcou no avião para encontrar os outros membros da banda, Harry pensou com carinho nos anos que tinham se passado. Gostava de tudo que envolvia estar na One Direction. Dos colegas de banda que se tornaram seus amigos, da produção sempre tão atenciosa, do carinho dos fãs, do dinheiro na conta bancária capaz de ajudar a família e de algumas facilidades que a fama proporcionava. Mas, mesmo sem querer ser ingrato, não podia conter o pensamento de como seria se pudesse fazer as coisas no seu próprio ritmo: escrever, produzir e cantar suas próprias músicas e estar a frente da própria carreira. Toda vez que pensava nisso, sentia-se quase culpado por estar sendo ingrato com o universo pela oportunidade que lhe fora dada.

- Hazza, seu lindo! Sentiu saudades de mim? - Liza Daves cumprimentou efusivamente quando Harry chegou no aeroporto.
- Na verdade, não - Harry brincou abraçando a mulher que estapeou seu ombro.

Liza era funcionária da Modest, agência que gerenciava a carreira da One Direction e a responsável por acompanhar os garotos na nova turnê. Enquanto continha a pequena balbúrdia que se formava no aeroporto com a chegada de Harry, Liza ia colocando o papo em dia com o cantor.

- … Então eu disse a Simon que a gente precisava selecionar bem qual seria a empresa para fazer a produção dessa turnê, sabe? Ter mais funcionários, pessoas mais organizadas.
- E ele?
- Ah, você sabe como o Simon é mão de vaca… Mas nós conseguimos! A produção está tão linda, Haz, você tem que ver…

Mas Liza não conseguiu terminar de falar porque logo foram alcançados por cerca de trinta adolescentes gritando o nome de Harry a plenos pulmões. Mesmo contrariando as ordens dos seguranças, Harry inclinou-se para selfies, apertou mãos, acenou e até conseguiu autografar o caderno de uma menina chorosa.

- Não empurra elas, não empurra elas… Tá tudo bem - Harry dizia aos seguranças enquanto eles tentavam conter as fãs.
- Harry, eu te amo, Harry!
- Harry, casa comigo, por favor!
- Harry, aqui, olha pra cá!
- Eu também amo vocês - Harry sorriu deixando a covinha a mostra e acenou causando mais euforia entre as meninas que já estavam distantes quando ele finalmente entrou na van cercado de seguranças.
- … Então vai ficar tudo perfeito! E o show de hoje já deu sold out! - Liza ia falando como se não tivessem sido interrompidos uma única vez.
- É, vai ser legal. - Harry comentou casualmente.
- Está ansioso?

Harry deu de ombros.

- Não estou muito ansioso para sentir os peidos fedorentos do Niall, as piadas sem graça do Liam, o mau humor do Zayn e nem as armadilhas do Louis.

Liza revirou os olhos e encarou Harry com ceticismo e deboche fazendo o cantor rir, espalmando o ar na direção da agente.

- Claro que senti saudade de todos, Liz. Vai ser legal.

O primeiro show que marcaria o início da turnê seria na capital inglesa, no estádio Wembley. Harry acompanhou pela rádio da van que diversos fãs estavam acampando há dias na fila do local guardando seus lugares para ficarem o mais próximos do palco o possível. Admirava essa devoção, mas preocupava-se com o bem estar do seu público. Sempre que podia fazia algo para retribuí-los. Só mais tarde naquele mesmo dia, quando a van passou pela frente do estádio, Harry sentiu seu estômago dar cambalhotas de ansiedade: estava simplesmente lotado de fãs.

- Styles!!! - Liam Payne cumprimentou empolgado assim que Harry desceu da van. Logo atrás dele, Zayn fez o mesmo apertando a mão do amigo num meio abraço.
- Oi, sentiram saudades?
- Não muita, para ser sincero - Zayn respondeu em tom de brincadeira e Harry riu. Andaram juntos pelo corredor em direção ao camarim quando escutaram um grito agudo.
- Hazza!!! - Niall Horan abriu os braços correndo em direção de Harry que retribuiu achando graça.
- Todo mundo chegou antes de mim, é isso?
- Eu também cheguei agora, Haz - Atrás de Niall, Harry ouviu a voz do seu melhor amigo Louis Tomlinson logo indo cumprimentá-lo também.
- Ei, vocês viram que tem uma mesa de ping pong? - Niall comentou empolgado.
- Vi, mas isso não é nada comparado aos novos dicíclos do pessoal da produção. Vocês viram? - Louis disse e os cinco se entreolharam com as mesmas expressões marotas.
- Eu sempre quis andar em um dicíclo igual dos seguranças de shopping - Harry comentou sonhador e os amigos deram risinhos maldosos.
- Ouvi dizer que temos gente nova na produção, será que é verdade? - Liam perguntou para ninguém em especial.
- Não sei… - Zayn ia falando, mas Harry interrompeu.
- É verdade, a Liza já me disse quando me buscou no aeroporto. Como é uma turnê muito grande, eles querem o máximo de organização possível.
- Então quer dizer que temos gente nova… - Niall entoou com a voz arrastada - Eles precisam nos conhecer direito.

Os meninos sorriram com as mentes tramando planos mirabolantes.

Não era apenas pela potência vocal, pela beleza ou pela presença de palco que os meninos da One Direction eram conhecidos. Por trás dos bastidores, principalmente, a fama deles era outra completamente diferente daquela exibida para o público geral. Harry Styles, Louis Tomlinson, Zayn Malik, Niall Horan e Liam Payne eram, na verdade, conhecidos pelo carinhoso apelido de Katrina, uma singela e mórbida homenagem a um furacão que gerou destruição por onde passou. Extremamente elétricos, curiosos e com pouco ou nenhum apreço a regras, os cinco integrantes da banda eram um verdadeiro tormento para os seguranças, agentes, músicos e staffs.

A equipe staff era basicamente a mesma desde o primórdio da banda, então, todos os membros já conheciam e estavam cheios de cabelos brancos oriundos dos estresses causados pelos cinco meninos ao longo dos anos. Os músicos já tiveram os camarins revirados, os seguranças já tiveram que correr atrás deles por horas, a produção já teve seus equipamentos afanados e mais do que uma vez, foram responsáveis por algum erro técnico o qual nunca assumiam a culpa. E quem poderia ter pulso firme para adolescentes que eram considerados como os queridinhos do mundo?

A resposta seria Caroline Watson e Lou Teasdale, respectivamente estilista e cabeleireira dos meninos. Caroline e Lou não estavam isentas das brincadeiras e nem das peças pregadas por Katrina , mas eram as únicas que não tinham menor problema em puxá-los - literalmente - pelos cabelos quando isso acontecia. Os anos haviam se passado, Harry, Zayn, Louis, Liam e Niall não eram mais adolescentes, eram jovens adultos com tatuagens, músculos mais definidos e vozes sem traços de puberdade. Mas, para pregar peças nas pessoas, nunca estariam velhos ou cansados demais.

Algumas coisas não tinham mudado mesmo com passar do tempo e essa premissa era justamente uma delas: turnês da One Direction, em geral, eram sempre muito animadas. Dentro e fora dos palcos.

- E então, o que vamos fazer para dar as boas vindas ao pessoal novo da produção? - Liam perguntou esfregando uma mão na outra com empolgação.
- Podemos roubar os walkie talkies deles… - Zayn sugeriu.
- Nah, já fizemos isso o ano passado. Já é de se esperar - Harry negou com a cabeça.
- Hum, podemos cortar um ponto de luz - Niall respondeu sonhador e Louis deu um tapa na nuca dele.
- E você quer prejudicar o show, seu idiota?
- Nós podemos passar um trote - Harry disse aos risos - Alegando que um dos fornecedores não vai pod…

Mas Harry não concluiu o que poderia ser um belo presente de boas vindas para os novos membros da produção.

- Olha só, meu querido Katrina reunido - Lou Teasdale se aproximava dos meninos pelo corredor com feições debochadas. Lou travou o riso cínico e no segundo seguinte fechou a cara - Vão procurar o que fazer! Não vão pregar peças na produção coisa alguma, chispa daqui!
- Lou, que saudade que eu estava de você - Harry abriu os braços para acolher a cabeleireira que se esquivava - Saudade do seu mau humor.
- Você me causa mau humor, vocês me causam mau humor! E que coisa horrorosa é essa o seu cabelo, Styles, será possível que você não hidratou esse cabelo dia nenhum? Holmes Chapel não tem hidratante?

Os rapazes perturbaram Lou por mais alguns minutos até que ela perdesse a postura durona e cedesse alguns risos. Eles tinham um carinho muito forte por Lou, que além de ser membro staff, também era também uma grande amiga.

- Temos um ensaio hoje então não se atrasem na passagem de som, vão me fazendo esse favor - Lou disse ao se afastar pelo corredor.
- Onde você vai agora? - Zayn perguntou vendo a cabeleireira seguir um lado oposto a sala onde costumava ficar.
- Eu? Vou aproveitar o tempo livre para jogar ping pong.
- Ah, então eu também vou! - Niall seguiu Lou e Zayn fez o mesmo.
- A de fora é minha! Vou derrotar os dois - Liam segurou os dois amigos pelos ombros e então olhou para Louis e Harry.
- Vão lá, vou descansar um pouco antes do show - Harry respondeu andando com Louis em sua cola até o camarim, colocando os assuntos em dias com o amigo.

Entraram no camarim conversando e, distraídos, nem se importaram em olhar as mudanças de organização ao redor, tão acostumados quanto estavam com aquela rotina de shows, camarins, comidas e itens personalizados. Foi com muita naturalidade que Harry se jogou em um dos sofás e catou uma das revistas de tablóide, folheando desinteressado enquanto Louis contava sobre suas férias. Até que algo chamou sua atenção.

Voltaram? Kendall Jenner e Harry Styles são flagrados juntos novamente
Irmã de Kim Kardashian e integrante da One Direction estão saindo há meses, confirma fonte segura.

Alerta casal novo (de novo!) na área! Apesar de constantemente negarem os rumores, Harry Styles e Kendall Jenner continuam sendo flagrados em encontros cada vez mais românticos. Vale lembrar que eles já tiveram um envolvimento no passado e mesmo nunca tendo confirmado o rolo, eram constantemente vistos juntos. Solteiro desde o rompimento com a modelo Nadine Leopold, Harry Styles parece não ter superado Kendall Jenner, já que na última sexta-feira (12), a modelo foi vista saindo de um restaurante na companhia do cantor e uma fonte próxima ao suposto casal afirmou que as coisas estão ficando cada vez mais sérias entre eles. “Estão se curtindo, mantendo no privado, mas definitivamente estão se gostando”, revelou.

Procuradas, as assessorias dos artistas se recusaram a fazer pronunciamentos sobre o ocorrido o que só nos deixa com a pulga atrás da orelha. Será que tá acontecendo mesmo? Se esse for o caso, não dá para negar: formam um lindo casal! Por aqui, já estamos shippando #Hendall mais uma vez. Felicidades aos pombinhos!

- Porcaria - Harry jogou a revista no sofá com descaso. Ao seu lado, Louis soltou um risinho debochado.
- Deixe-me adivinhar, viu a matéria que saiu sobre você e Kendall. - Harry revirou os olhos entediado.
- Eu achei que estivéssemos sozinhos, mas aparentemente me enganei. Que droga, eu sempre sei quando um paparazzi está por perto, dessa vez não vi a câmera.
- Harry você precisa relaxar um pouco. - Louis comentou em tom apaziguador e Harry soltou um muxoxo desconfortável.
- Eu sei, mas não gosto muito dessa atenção exagerada que dão a minha vida pessoal. Quer dizer, eu entendo que no momento que aceitei ser uma figura pública isso tudo veio no pacote, mas é desgastante, sabe?
- Sim, eu sei - Louis zombou e Harry permitiu-se rir fraco.
- Era retórico.
- Eu sei, cara, mas, escuta. Você não pode ficar chateado toda vez que for ler alguma coisa com seu nome. Além do mais, olha com quem você foi se envolver! A Kendall também é uma pessoa pública e vive da própria imagem, é claro que vocês seriam um alvo fácil.

Harry não respondeu, apenas absorveu as palavras do amigo tentando não se incomodar com as fotos estampadas aos quatro cantos do seu último encontro com Kendall.

- Como vão as coisas entre vocês, falando nisso? - Louis perguntou levemente interessado, uma sobrancelha erguida e um sorriso brincando no canto dos seus lábios. Harry pensou um pouco antes de dar de ombros.
- Estão normais… Indo.
- Você gosta dela? - Harry passou a ponta da língua lentamente pelo lábio inferior, enquanto pensava na pergunta.
- Gosto… Eu acho. Quero dizer, gosto de ficar com ela, de como as coisas são quando estamos… Você, sabe…
- Sexo. Você gosta do sexo com a Kendall - Louis revirou os olhos e riu.
- É, também, mas… Kendall é legal, sabe? É legal.
- Legal? Só isso? Você acha que gosta dela?
- O que você quer que eu diga?
- Harry, quando gostamos de uma pessoa, nós não “achamos” que gostamos, nós simplesmente sabemos. Sentimos, e pronto. Se você precisa pensar e analisar a respeito do que sente pela Kendall, então você não está apaixonado por ela.
- Então, diga-me, grande e sábio Louis Tomlison, como sabemos quando estamos apaixonados por uma pessoa? - Harry brincou, cruzando uma perna sob a outra, entrelaçando as mãos e apoiando-as nos joelhos, olhando para o amigo atuando interesse.
- Primeiro, não se explica. Pode variar de pessoa para pessoa.
- Os sintomas variam? Isso parece doença então…
- Harry, estou falando sério, ok? - Louis jogou uma almofada em Harry que riu.
- Ok, ok, prossiga.
- É sentir que o ambiente perde a graça se a pessoa não está por perto, rir de alguma piada e olhar ao redor para ver se ela está rindo também, pensar nela antes de dormir e assim que acordar e nem se dar conta disso, nem também ter controle sobre. É ansiar estar por perto e ficar nervoso toda vez que se está, é sentir o coração acelerar toda vez que ela sorri e as pernas tremerem só de estar perto e… Olha, não é você que vive assistindo esses filmes clichês de comédia romântica? Você deveria saber! - Louis jogou na cara e Harry deu de ombros, impassível.
- Uma coisa é o que se mostram nos filmes e outra a vida real.
- É sério que você nunca se apaixonou por ninguém? E Nadine? - Louis perguntou e naquele momento parecia verdadeiramente chocado. Harry demorou a responder.

A razão pela demorava dava-se pelo fato de analisar rápida e brevemente as pessoas com quem tinha se envolvido tentando trazer a tona algum sentimento mais sólido que valesse a pena ser ressaltado. Talvez tivesse se apaixonado por sua primeira namorada ainda em Holmes Chapel quando tocava na antiga banda, White Eskimo. Era algo novo e excitante, lembrava de ficar sempre suando ao estar perto dela e de pensar nela com frequência. Sentia um carinho muito forte por ela e mantinham um vínculo amigável toda vez que se viam.

- Acho que sim, mas eu era muito novo. - Harry respondeu - Depois disso só fui me envolvendo, me envolvendo e nunca realmente namorei porque… Sei lá, não faz sentido para mim estar com uma pessoa se eu não estiver realmente sentindo todas essas coisas. E a Nadine não foi bem uma namorada, você sabe disso. A mídia insistiu nisso, mas nós estivemos juntos por um curto período de tempo, já com a Kendall...
- E você sente essas coisas pela Kendall? - Louis rebateu.

Bom, não. Era o que Harry responderia se fosse curto, grosso e extremamente sincero. Porém, não podia negar que sentia algo pela modelo. Esse algo ainda era indefinido, difícil de ser mensurado e também entendido. Não gostava apenas de fazer sexo com ela, gostava da companhia, das circunstâncias, do jeito carinhoso que Kendall o tratava e de como pareciam bons juntos. Mas, por outro lado… Por outro lado Kendall era uma das Kardashians, família conhecida pelo exibicionismo tão extremo que fazia até mesmo o lado mais narcisista de Harry Styles se sentir acuado.

Não duvidava nada que a família de Kendall iria se beneficiar e muito com aquele possível relacionamento e já podia imaginar a possível sogra aproveitando-se de cada fragmento que pudesse para reverter o envolvimento deles em visibilidade para a família. Apesar de famoso, Harry não gostava de holofotes e atenção exagerada, principalmente quando o quesito era vida pessoal.

- Não posso gostar dela - Harry respondeu taxativo e Louis arregalou os olhos com a mudança súbita.
- O que você está querendo dizer?
- Eu e Kendall, não posso me envolver tanto com ela. E eu acho que posso acabar me envolvendo muito… Quero dizer, a Kendall é meio doida, sabe? A gente definitivamente sabe como se divertir.
- Se por se divertir você quer dizer usar drogas, ir para festas e transar chapado então, sim, provavelmente vocês sabem como se divertir.
- Não seja tão puritano, Louis. - Harry revirou os olhos.
- Não estou sendo.
- Enfim, Kendall é problema. A família dela me assusta um pouco e, acho que nós não temos muito em comum… Digo, nas coisas que pensamos, falamos, a forma como agimos… Mas, eu não sei porque, de uma forma ou de outra sempre acabo voltando para ela. Porque é tudo tão…
- Fácil, Harry. Porque é facil. Porque Kendall é uma pessoa conhecida e dá menos trabalho para você se relacionar com uma pessoa conhecida do que ter que filtrar se alguém se aproxima de você por interesse ou não. Porque vocês já se conhecem, já se pegam com frequência.
- Ela também tem um certo charme, Louis, eu não saberia te explicar…
- Não preciso saber sobre o desempenho sexual de Kendall Jenner, obrigado - Louis cortou e Harry riu - Sabe do que você precisa?
- Do que?
- De uma distração.
- Distração? Achei que você fosse dizer que eu precisava me aquietar com alguém, namorar, me apaixonar e essas coisas.
- Não, Harry, até porque esse tipo de coisa não se escolhe e nem se pede. Simplesmente acontece sem a sua permissão, sem que você procure ou faça por onde. Digo de uma distração, de algo que tire essa sua obsessão por sempre estar em volta da Kendall nesse ciclo vicioso de vocês que não vai para lugar nenhum.
- O que está me sugerindo?
- Conheça pessoas novas, transe com fãs, baixe o Tinder, não sei. Mas tenta sair com outras pessoas.
- E terminar com a Kendall?
- Vocês estão namorando para precisar terminar?
- Não… Estamos tendo um lance.
- Envolve exclusividade? - Harry franziu a sobrancelha.
- Não.
- Então pronto, uma distração. Assim você não precisa abrir mão da Kendall, mas também não fica tão focado nela. Porque com essa rotina você acaba se acostumando que ela é o que você tem e quando vai ver já está namorando só por puro comodismo.

Harry não teve tempo de responder porque nesse instante Zayn, Liam e Niall entraram no camarim conversando alto e rindo de alguma piada, varrendo para longe os questionamentos a respeito de Kendall e possíveis distrações. Logo, ele e Louis ingressaram no assunto da vez e continuaram nesse clima até que Liza entrasse no camarim para dar instruções ao show que começaria em questão de minutos.

Era essa a vida de Harry Styles, um rapaz de vinte e um anos que levava uma rotina não tão convencional e padrão para sua idade. Enquanto muitos da mesma faixa etária estavam aplicando colocações em faculdades e quebrando a cabeça no mercado de trabalho, Harry ganhava a vida cantando ao lado de parceiros de banda que haviam se tornado seus amigos. Visitava vários países, hospedava-se nos melhores hotéis, ficava com as modelos mais bonitas e era amado por milhares de meninas e meninos ao redor do mundo. Em pensar que, em cada país pelo menos umas cem meninas tinham posters com o rosto de Harry colado na parede, que liam fanfics com o nome dele ou juravam amor puro, eterno e verdadeiro… E ele, no entanto, nem sabia dizer se já tinha se apaixonado por alguém. Ou sido verdadeiramente amado por uma mulher que não atendesse pelos nomes de Anne ou Gemma, respectivamente mãe e irmã.

- Garotos, antes de começarmos, queria propor um momento de reflexão aqui - Liza disse chamando atenção dos integrantes da One Direction. - É o primeiro show da turnê e vamos ver os rostos uns dos outros com muita frequência de agora em diante.
- Não acredito que vou ter que cheirar os peidos do Niall - Zayn falou e todos riram quando Niall deu um tapa em sua nuca.
- Nós teremos alguns novos rostos por aqui nos próximos shows, contratamos algumas pessoas para dar o suporte na produção ao longo desse tempo então teremos mais staffs e menos problemas de organização, esperamos. - Os meninos assentiram em concordância e Liza checou no relógio - Bom, cinco minutos para o show, vamos, vamos! Arrasem!

Harry balançou a cabeça de um lado a outro esticando o pescoço e, saltitando, rumou em direção ao palco já podendo ouvir o estrondo ensurdecedor que o seu público fazia. Esse estrondo ficou ainda mais alto quando ele, Zayn, Niall, Liam e Louis entraram no campo de visão levando os fãs a loucura.

- Boa noite, Wembley!!!
- Vocês estão prontos para a melhor noite de suas vidas?

Quando os primeiros acordes de Clouds começaram a tocar, Harry sorriu para os milhares de flashs que iluminavam o local. Definitivamente, amava não ser um garoto como outro qualquer de vinte e um anos.

♡♡♡

Harry estava coberto de tanto suor quando, duas horas mais tarde, deixou o palco sorridente e completamente exausto. Tinha sido uma forma incrível de começar a turnê e o público tinha contribuído muito para isso: cantaram todas as músicas, levantaram cartazes criativos e riram de toda e qualquer piada sem graça contada pelos meninos durante a apresentação. Caminhava a passos preguiçosos com os outros quatro integrantes da banda quando escutaram uma batida de música vindo do camarim. Entreolharam-se confusos porque não era uma música cantada em inglês e a batida se assemelhava com algo que já escutaram antes, talvez em algum lugar do Brasil…. Aquilo era… Funk?

- Que música é essa? - Niall perguntou.
- Nós estamos aqui com você, idiota, não sabemos também. - Zayn respondeu revirando os olhos.
- Isso é… Isso é no nosso camarim? - Liam franziu as sobrancelhas e Harry deixou o interior do lábio inferior a mostra ao repuxá-lo para baixo, levantando os ombros indicando não saber.

Um som abafado de algo caindo no chão somado ao som de uma gargalhada escandalosa e contagiante fez com que os meninos se entreolhassem e, inevitavelmente, rissem. Talvez porque aquela risada fosse tão alta, calorosa e engraçada que nem precisavam saber o motivo da comicidade para rirem juntos. Movido pela curiosidade, foi Louis quem entrou no camarim primeiro, ficando boquiaberto com a cena, o que movimentou os amigos a acompanharem-no.

De costas para os meninos e de frente para o grande espelho, uma moça dançava de um modo que fez com que Harry notasse um olhar entre Zayn e Liam nada inocente. Ela estava inclinada numa posição sugestiva rebolando de um jeito que fazia parecer com que seus quadris fossem de mola, forçando a lombar numa curvatura acentuada deixando sua bunda ressaltada na calça jeans apertada. Apoiado no balcão, ao lado dela, um rapaz batia palmas mexendo-se desengonçadamente no ritmo da música. Do outro lado, uma outra moça batia na bunda da dançarina ocasionando a tal da gargalhada escandalosa. Os três pareciam completamente alheios a presença dos integrantes da One Direction.

- Minha nossa… - Zayn silvou e Liam deu uma risada nasalada finalmente chamando atenção do trio que pareceu ter sido eletrocutado ao notar que não eram os únicos no ambiente. O rapaz apressou-se a desligar o som e a mulher que antes dançava virou-se de frente para os rapazes reagindo de maneira efusiva.
- Puta que pariu! - Exclamou num idioma que nenhum dos outros presentes soube reconhecer. Ao perceber isso, ela se recompôs, pigarreando ao tirar as mechas de cabelo do rosto - D-d-desculpem, estávamos limpando o camarim e…

Ao perceber que seus amigos de banda estavam divertindo-se as custas do embaraço do trio, Harry caminhou até eles, esticando a mão para cumprimentá-los.

- Olá, me chamo Harry. Vocês devem ser os novos contratados da produção.

Os três se entreolharam assombrados com a aproximação de Harry, que ainda tinha a mão erguida e um sorriso perfeitamente educado no rosto. O rapaz ruivo foi o primeiro a reagir.

- Me chamo Peter, claro que conhecemos vocês. Peço desculpas, realmente não sabíamos que o show tinha acabado…
- … Isso porque o objetivo de contratar pessoas novas era para melhorar a organização - Louis murmurou com acidez e a menina da gargalhada mudou sua postura risonha para uma fechada.
- Oi, Harry, me chamo Lolla - A loira disse. - Olá meninos.

Harry ainda estava com a mão erguida na direção da dançarina, mas ela permanecia de braços cruzados ocasionalmente lançando olhares não muito amigáveis na direção de Louis. Só quando foi cutucada pela loira é que foi notar o cantor simpático estendendo a mão a sua frente. Quando ela direcionou seu olhar para Harry, ele pôde notar seu rosto com mais precisão. Ela tinha uma pele que nem com todos os bronzeamentos artificiais poderia atingir, cabelos em cachos ondulados e olhos grandes e amendoados tão expressivos que Harry até vacilou por alguns segundos.
Ao aceitar seu cumprimento, ela suavizou a expressão defensiva e sorriu.

- Oi, Harry. Me chamo Costa. Mas pode me chamar de .

O sotaque dela era bem acentuado, Harry notou, somado ao nome não tão comum, presumiu que fosse de fora. Esse fato também foi percebido por Niall, que sem discrição alguma exclamou alto.

- Você é brasileira, não é? - sorriu abertamente, acenando em afirmação.
- Eu amo o Brasil! Tenho uma tatuagem, quer ver? - Harry brincou ao fazer menção em abaixar a calça e entoou outra gargalhada contagiante sacudindo as mãos fazendo-o rir também.
- Não, não precisa, eu já sei e eu acredito! Estive no show que você mostrou.
- Você foi no nosso show no Brasil? - Liam perguntou aproximando-se casualmente da mesa de aperitivos e Harry trocou um olhar subtendido com Louis percebendo o interesse de Liam e Zayn na moça que tinha uma beleza realmente contagiante.
- Fui sim, eu morava lá.
- Então você é uma fã? - Louis perguntou e, ao virar para respondê-lo, já não sorria.
- Eu sou produtora. Trabalhei na produção da Time for Fun, empresa responsável pelos shows de vocês no Brasil.

Por trás de , Harry viu Lolla e Peter se entreolharam com expressões engraçadas, arregalando os olhos e crispando os lábios.

- Nós nos conhecíamos? Acho que não, eu lembraria de ter conhecido você… - Zayn disse num tom arrastado e Harry soltou uma risada nasalada balançando a cabeça em negação.
- Não, na época trabalhei mais com questões burocráticas…
- E agora você invade camarins… - Niall disse, mas não voltou-se contra ele ao ver a expressão amigável do cantor. Pelo contrário, apressou-se a desculpar.
- Nós estávamos só limpando e reabastecendo as comidas de vocês… Mas..
- Mas nós pedimos para ela nos mostrar alguns passos de funk, e como é que vocês falam ? - Lolla reivindicou a atenção dos meninos para si e sorriu, falando em português.
- Quadradinho.
- Quad…
- Adinhow…

Liam e Zayn tentavam reproduzir a palavra dita por e Harry retirou uma água do frigobar já cansado do show. Seu ato não pareceu despercebido pela brasileira que sorriu para os integrantes da banda e segurou os cotovelos de Peter e Lolla, arrastando-os para fora do camarim.

- Vamos gente, os meninos querem descansar e alguns são educados demais para pedir que a gente saia.
- Tchau, prazer conhecer vocês… - Liam acenou maliciosamente e, quando a porta do camarim se fechou virou de frente para os amigos com um suspiro, tocando no coração - Oi, obrigado, eu te amo. - Verbalizou todas as palavras que sabia de português fazendo os amigos gargalharem.
- Caralho, que gostosa - Zayn inspirou fundo olhando para a porta pela qual tinha acabado de sair. - A loirinha também não é nada mal, mas a tal da ...
- Você viu o que ela faz com a bunda? Assim - Liam tentou reproduzir fazendo com que os amigos explodissem em risadas cada vez mais altas.
- Cara, para com isso, você tá parecendo que está tendo um ataque epiléptico - Niall disse já vermelho de tanto rir.
- Eu não vi nada demais nela - Louis comentou revirando os olhos.
- Provavelmente porque ela tem seios e vagina. Se ela tivesse duas bolas e um… - Liam ia falando quando foi arremessado pela toalha suada de Louis. - Acho que você gostou do Peter...
- Ela é maravilhosa… E esse sotaque? - Zayn comentou fechando os olhos como se estivesse apreciando uma comida deliciosa.
- Ei, você sai fora, você está noivo - Liam apontou para Zayn e foi aí que a risada de Niall se tornou mais aguda. Todos sabiam do histórico de traições de Zayn em Perrie.

Zayn namorava há anos com uma linda mulher chamada Perrie Edwards, também cantora de um grupo feminino muitíssimo querido na Inglaterra chamado Little Mix. Para todos os efeitos, Zayn estava noivo e todos os tabloides anunciavam o quanto estavam apaixonados e sólidos no relacionamento. Mas a verdade é que o cantor não dispensava groupies, staffs, fãs e quaisquer outras mulheres que demonstrasse interesse mesmo estando com um compromisso firmado. Apesar de confirmar aos quatro cantos que era apaixonado por Perrie, Zayn não parava de traí-la em toda e qualquer oportunidade que tinha, mas também recusava-se a terminar o relacionamento com ela.

- Eu não sei porque você namora se é para ficar agindo dessa forma - Harry murmurou revirando os olhos. Não era a primeira vez que reprovava o comportamento do amigo e não tinham sido poucas as vezes que se desentenderam pelo mesmo motivo.
- Vai dizer que você não achou ela gostosa, Harry? - Zayn revidou e Harry deu de ombros, indiferente.
- Não vi motivo para esse alarde de vocês. Ela é bonita, sim. A outra mulher também é… E o Peter também é. São pessoas bonitas que trabalham conosco, e só.
- Ela não faz o tipo do Harry. Se ela estivesse desfilando pela Victória Secrets e com uns quinze quilos a menos, talvez ele quisesse. - Niall alfinetou e Harry estendeu-lhe o dedo do meio. - Ou talvez ele fique com o Peter também, mas ooops, Harry não está solteiro!
- Aaaah, éééé…. - Liam disse de maneira vagarosa - Ele está de novo com a Kendall Jenner e não surpreende absolutamente ninguém.
- Eu não estou com a Kendall. Nós só estamos passando um tempo juntos.
- De novo. Pela enésima vez… - Zayn entoou e Harry revirou os olhos novamente.
- Vocês são idiotas.

Os meninos continuaram falando sobre e Niall incentivava a rivalidade entre Zayn e Liam que decidiam qual dos dois iria chegar na brasileira primeiro, mas Harry já não estava prestando atenção. Checou o celular, respondeu as mensagens da mãe e da irmã, postou um tweet sobre como o show tinha sido incrível e desceu a timeline distraído até ver uma foto recém postada de Kendall em alguma festa na companhia de Hadid e Cara Delavigne. No celular, nenhuma mensagem dela.

- Distração, Styles, distração… - Louis disse passando a mão por cima do ombro do amigo enquanto saiam do camarim em direção a van que os levaria até o hotel. - Até o fim dessa turnê você precisa encontrar um distração.
- Eu não vou encontrar uma distração e não vou me apaixonar por Kendall - Harry respondeu convicto referindo-se a Kendall.


O que Harry Styles não podia prever é que sim, ele teria uma distração. Conseguiria até muito mais do que isso até o final daquela turnê. Na verdade, até o final dela, estaria completamente apaixonado. Mas não por Kendall, e sim por sua distração. E ela atendia pelo nome de Costa, a produtora brasileira dançarina do quadradinho que ele tinha sido tão indiferente a primeira vista.

Capítulo 2 - A tempestade em Manchester

Costa aceitou de muito bom grado a proposta para trabalhar na produção da turnê da One Direction, mas, do contrário de muitas pessoas em seu lugar, não ficou imensamente deslumbrada com a perspectiva de conviver com astros daquela magnitude. Talvez por ter sido criada no meio de celebridades e por ter frequentado mais shows do que poderia lembrar, ela definitivamente não se considerava uma grande sortuda pelo feitio - muito pelo contrário, atribuía tudo ao seu trabalho e, claro, ao privilégio de ter sido criada na indústria da música.

Filha de um grande produtor musical brasileiro, cresceu frequentando a produtora do pai, desde cedo dando pitacos em coisas que não eram da conta até que fosse crescida o suficiente para começar a se capacitar na área. Até cogitou outras áreas de atuação no mercado de trabalho, mas, no fim das contas, era atrás dos palcos onde se sentia mais realizada. Foi pensando nisso que decidiu tirar um tempo para aprimorar suas técnicas fora do Brasil e da zona de conforto. Com contatos e um trabalho impecável, acabou conseguindo uma vaga na equipe de produção da turnê da One Direction e isso seria uma experiência maravilhosa em seu currículo.

- Então, você é brasileira! - Lolla Beans falava animada depois do credenciamento enquanto caminhavam pelos corredores da arena Wembley onde aconteceria o primeiro show da turnê.
- Sou sim! - sorriu com orgulho.
- Mas seu inglês é perfeito! - Peter Wyatt, outro novo membro da produção exclamou.
- Muitos anos de prática. Meu pai me colocou nas aulas desde que tinha três anos.
- Você precisa nos ensinar algumas palavras qualquer dia desses - Lolla pediu empolgada.
- Ensino sim!
- Eu quero aprender a dançar funk - Peter disse e franziu a sobrancelha em sua direção, sem controlar a risada. - Eu já ouvi em algumas festas e simplesmente amei.
- Vou ensinar a vocês a dançar o quadradinho, prometo.
- O que é isso? - Lolla perguntou com uma careta não sabendo pronunciar o termo correto. riu.
- É um passo de dança… Como posso te explicar… - pensou antes de ter a brilhante ideia de sacar o celular do bolso, buscando no Youtube um vídeo de Anitta dançando o clássico funk “Movimento da Sanfoninha”.

Peter e Lolla ficaram boquiabertos indecisos entre o riso e o espanto. apenas gargalhava das reações e dos olhos arregalados dos outros dois.

Se conheciam há relativamente pouco tempo, mas já podia traçar alguns fragmentos de personalidades dos dois. Peter era inglês, mas diferente do esperado, não era tão frio e nem distante. Era tão caloroso quanto uma pessoa criada na Inglaterra podia ser, sem muito contato físico, mas com uma efusividade não tão característica da terra natal. Já Lolla, era toda nova iorquina e coisa e tal, elétrica, antenada e com seu sotaque norte americano, parecia trazer um pouco da vibe dos EUA para o time. Dentre os dez novos contratados da produção, os três logo formaram uma estranha e inesperada aliança, tornando-se inseparáveis desde o primeiro dia de treinamento.

- Você definitivamente PRECISA me ensinar a dançar isso! - Lolla disse com assombro entregando o celular de volta para .
- Ensino sim, pode ficar tranquila.
- Como você consegue fazer isso com a bunda? Digo… é surreal! - Peter exclamou gesticulando mais do que o necessário.
- Não é tão difícil quanto parece… Mas na verdade também não é muito fácil…

estava tentando encontrar palavras para explicar a magia do quadradinho quando Lou Teasdale apareceu vermelha, suada e sorridente caminhando pelo corredor da arena.

- Ah, aí estão vocês! Sejam bem vindos! - Lou exclamou animada.
- Obrigada! - Os três responderam em uníssono e Peter vincou a testa.
- Por que você está… assim? - Gesticulou para Lou que sorriu.
- Acabei de dar uma surra em Zayn, Liam e Niall - Respondeu casualmente e riu das expressões chocadas de Lolla, Peter e - Não literalmente dessa vez, mas no ping pong.
- Eles são… acessíveis? - Lolla perguntou um tanto quanto envergonhada. Não era segredo para Peter e que Lolla era uma grande fã da banda e precisaria se conter para não tieta-los loucamente.
- Acessíveis? - Lou perguntou e soltou uma risada alta. Pensou em responder mais alguma coisa, mas mordeu a língua e sorriu achando melhor não. Apesar de ter bradado há alguns minutos que os meninos deixassem a produção em paz, tinha que reconhecer que, no fundo, era engraçado vê-los atentando contra os outros para variar. Não iria estragar a surpresa que descobrissem sozinhos o quão acessíveis eles eram. - Ah, eles são legais...

O que Lou não podia imaginar é que, de certa forma, seriam os três a pregar uma peça nos membros da banda. Dali há algumas horas seria pega no flagra dançando funk e ensinando Peter e Lolla a dançarem o quadradinho diretamente do camarim dos meninos. E também não imaginava que seria aquela a chave principal para que Lolla, Peter e se tornassem inesquecíveis durante toda a turnê, fazendo com que se tornassem próximos dos meninos da One Direction e do seleto grupo de staffs que se destacava dos demais.

♡♡♡

A risada de Costa não demorou a tornar-se inconfundível para toda a equipe da turnê. Sempre bem humorada e disposta, a brasileira era a primeira a começar a trabalhar e sempre a última a sair, fazendo questão de estar sempre a postos para solucionar qualquer tipo de demanda que surgisse. Três dias tinham se passado desde o constrangedor primeiro encontro com os integrantes da One Direction e desde então não tinha tido muitas oportunidades para que Zayn ou Liam fizessem investidas na moça. Os meninos estavam sempre ocupados em entrevistas, tardes de autógrafos ou correndo às pressas para shows. E , juntamente com Peter e Lolla, andavam para cima e para baixo executando checklist nas casas de show para deixar tudo perfeito e nos mínimos detalhes. Porém, todas as vezes que estavam no mesmo ambiente, os meninos flagravam rindo de alguma coisa.

- Essa menina parece que engoliu um palhaço - Louis comentou com Harry na tarde do terceiro dia enquanto passavam o som e ria de alguma piada que Peter tinha contado na plateia.
- Você realmente implicou com ela, não foi? - Harry divertiu-se da cisma do amigo.
- Não fui muito com a cara dela.
- Só porque ela não se intimidou com a gente.
- Achei ela um pouco despeitada…
- Na verdade, ela é bem educada e simpática - Harry ponderou e Louis fez uma expressão cética - E está sempre bem humorada.
- Não confio em pessoas que são felizes o tempo inteiro - Louis respondeu taciturno.
- Nossa, mas como você anda amargurado, Louis! - Harry riu - Acho que é você quem está precisando de uma distração.
- Por falar nisso, já pensou em alguém?
- Louis, eu não sou o tipo que usa as pessoas. Não quero conhecer alguém só para usar e não me envolver tanto com outra. Prefiro ser sincero e usar as palavras, sabe?
- É, e como tem sido isso de usar as palavras? - Harry mordeu um sorriso e coçou a nuca.
- Kendall vai assistir o show de hoje.
- Harry Styles como você é previsível!
- Louis, não é nada demais, sério.
- Você não me dá outra opção, Harry. Vou precisar fazer uma intervenção na sua vida - Louis disse e Harry gargalhou. - Zayn, Liam, corram aqui.
- O que você vai pedir apoio para esses dois? - Harry exclamou ultrajado.
- Do que eu estou sendo excluído? - Niall perguntou caminhando em direção aos amigos ao ver Zayn e Liam aproximarem-se de Harry e Louis.
- Você não, Niall, você é muito inocente. Te falta safadeza.
- Estou sendo requisitado para esses fins? Cuidado, posso ficar ofendido - Zayn disse cinicamente e Louis revirou os olhos.
- Harry precisa desencanar da Kendall. - Louis disse sem cerimônias e Harry cruzou os braços torcendo os beiços em descontentamento com o rumo da conversa. - E ele precisa conhecer pessoas novas, que não sejam modelos da VS pelo amor de Deus!
- É, mas ele precisa de uma pessoa que esteja acessível nesse período de turnê, né… Quem sabe algumas groupies? É para isso que elas servem, certo? - Liam rebateu.
- Que rude com nossas fãs, Liam - Harry reprovou e Liam espalmou o ar como se não fosse grande coisa.
- E tem que ser alguém com o tipo do Harry - Louis completou.
- Eu não tenho um tipo! - Harry indignou-se, mas os amigos já não estavam mais dando atenção.
- Ou seja, ela tem que ser muito magra, de preferência loira para ser bem diferente da Kendall, com uma cara blasé de quem não se importa com ninguém e que pareça emocionalmente distante. E tem que estar próxima ou disposta a embarcar na turnê… - Niall ia juntando as peças e Harry já estava de braços cruzados encarando os amigos balançando a cabeça negativamente sem conseguir acreditar. Zayn ouvia as palavras com atenção encarando o ponto fixo na plateia onde e Peter riam. Então, o sorriso do rapaz iluminou.
- Já temos a pessoa perfeita.
- O que, a ? Desistiu dela? - Harry exclamou chocado e recebeu tapas na cabeça de Liam e Zayn ao mesmo tempo.
- Que o que, seu otário! Olha direito - Zayn apontou na direção em que ela estava e só então Harry foi perceber do que estavam falando. Lolla.
- Não. Nem pensar.
- Fala sério, Harry! É perfeito! Olha bem para ela, a Lolla é magra, loira, tem cara de menina nojenta do jeito que você gosta e o melhor de tudo, estará com a gente durante toda a turnê!
- É meio anti ético ficar com pessoas no ambiente de trabalho… - Harry foi dizendo e os quatro amigos o encararam com expressões que tinham “Caroline Flack” estampadas.
- Harry, está decidido, você vai ficar com Lolla.
- Não está decidido nada, vocês são uns insuportáveis e eu não vou deixar vocês se meterem na minha vida assim. Estou falando sério. Não. Falem. Com. A. Lolla.
- Não vou falar com a Lolla, vou falar com a … - Zayn disse melodioso e Harry até esqueceu de continuar ameaçando os amigos ao perceber como ele tinha pronunciado o apelido dela.
- Como você chamou?
-
- Zayn, você está pegando a ? Tipo, JÁ? Não tem nem três dias direito que estamos em turnê e você… - Harry parecia estar dividido entre o assombro, a vontade de rir e o julgamento e repreensão.
- Ainda não, mas estou trabalhando nisso.
- Você vai deixar? - Harry perguntou olhando para Liam que contentou-se em dar de ombros.
- “” tem cara de menina que não fica com caras comprometidos. Eu estou aqui solteirinho e cheio de amor para dar.
- Amor, sei bem o amor que você quer dar para ela… - Louis repreendeu e Niall riu.
- Vocês são nojentos, estou saindo daqui. - Harry disse descendo do palco rumando até os camarins passando por Peter, Lolla e , evitando olhar para os amigos sabendo que estavam murmurando incentivos para que se aproximasse de Lolla. - Olá, pessoal. - Cumprimentou educadamente.
- Oi, Harry! - Peter, Lolla e cumprimentaram em uníssono.
- Ei, , tem como aumentar um pouco o som do meu microfone? Achei um pouco baixo quando estava ensaiando. - Harry lembrou-se de algo e a produtora checou algo em sua prancheta antes de confirmar com a cabeça. - Obrigado.

Quando já estava continuando seu caminho, ouviu a voz da mulher novamente.

- Só , tá bom? - Ela correu em sua direção andando com ele até o camarim. Harry sorriu.
- Tudo bem, . Precisa de algo…? - Harry perguntou atencioso ao ver que a mulher andava em seu encalço. cerrou os dentes e deu um sorriso culpado que fez com que Harry parasse de andar encarando-a desconfiado.
- Sabe o que é, putz, eu nem sei como te pedir isso, mas é que é uma questão de vida ou morte, sabe? - Ela disse com a voz manhosa e Harry arregalou os olhos.
- O que houve? - suspirou teatralmente.
- A minha irmã mais nova. Ela é realmente muito sua fã. Tipo, muito, muito mesmo. Ela tem posters seus em todos os lugares do quarto. É realmente muito assustador entrar no quarto dela, tem seu rosto em todos os pontos da parede - Ela explicou e, aos poucos, a expressão de Harry foi suavizando até fechar os olhos em fendas olhando para a moça com cara de taxo. - Quando ela soube que eu iria trabalhar com vocês simplesmente surtou. Não trabalhei diretamente com vocês no Brasil e ela não pôde ir para o show na época. É um grande sonho - continuava a falar e Harry continuava a olhar inexpressivo - Eu mencionei que ela tem apenas nove anos? Ela tem apenas nove anos!
- O que eu preciso fazer? Quer que eu assine um CD…?

sorriu um sorriso de muitos dentes e havia algo de mal intencionado naquele olhar.

- É o aniversário dela, Harry…
- Quer que eu ligue para ela? - Harry sugeriu incerto e riu sacudindo a cabeça.
- Não, Harry, minha irmã é brasileira e só tem nove anos, ainda não é fluente em inglês. Provavelmente ela estouraria seus tímpanos de tanto gritar, não.
- Entã…
- Fica paradinho aí e só repete o que eu digo, beleza? - disse puxando o celular já ligando na câmera e Harry mordeu um sorriso já sabendo o que viria a seguir. Deveria ter imaginado, já estava acostumado.
- Então, diga, oi, Maria.
- Oi, Maria… I’m - E olhando para , Harry fez uma careta - How do you say ‘I am’?
- Eu sou - respondeu rindo.
- Oi, Maria, eu sou Harry Styles! Tudo bom? - Harry disse em português acenando para a câmera, sendo elogiado por . Tinha aprendido algumas palavras quando saíra em turnê pelo país.
- Feliz aniversário! - disse.
- Whaaat? Say it slowly - Harry confundiu-se e ele e tiveram uma pequena crise de riso.
- Feliz… - começou.
- Feliz - Harry repetiu.
- Aniversário
- Ani… ‘Anivesáro’ - Harry concluiu e fez uma careta engraçada para a própria pronúncia.
- It means ‘Happy Birthday’ - explicou atrás do celular e Harry fez um “aaah” sonoro.
- Feliz anivesáro, Maria! Eu te amo, obrigado! Eu amo o Brasil! Tchau! - Harry disse acenando para câmera e, logo em seguida, beijando as pontas dos dedos das duas mãos mandando um beijinho para a câmera. sorriu satisfeita e parou a filmagem.
- Você é incrível, Harry. Muito, muito obrigada!
- Não de que, mais alguma coisa? - Harry perguntou sorrindo polido e negou com a cabeça.
- Não, já te incomodei demais. Se você puder, por favor, não comentar sobre isso com Liza vou ficar feliz. É proibido tietar os artistas estando na produção.
- Mas você não está me tietando.
- Estou sendo porta voz da chata da minha irmã.
- É aniversário dela! E ela é minha fã! Minhas fãs merecem o melhor. E por favor não chame minha fã de chata. Elas são os meus bebês. - Harry exclamou falsamente ultrajado e olhou-o com admiração. - O que foi, por que está me olhando assim?

negou com a cabeça e deu de ombros.

- Nada, é que esse tipo de gesto justifica porque tem tantas meninas lá fora fazendo fila acampadas por vocês. Principalmente por você. - respondeu com simplicidade e Harry sorriu timidamente.
- Elas estão acampando lá fora, não é? - Soltou um muxoxo culpado - Elas são tão desobedientes.
- Elas não saem de lá nem para almoçar. Já passou das três da tarde e elas continuam prostradas. Vem ver - fez um aceno com a cabeça e guiou o caminho para que Harry a seguisse mostrando por uma das janelas de vidro escurecido o amontoado de fãs nos primeiros lugares da fila. Harry suspirou fundo olhando aquelas pessoas com um misto de gratidão e preocupação.
- Essas malucas estão sem comer… - Harry murmurou pensativo, logo virando-se para com um brilho no olhar - Ei, , você me faz um favor?
- . Faço.
- , você pode pedir pizzas para elas? - boquiabriu-se.
- Harry eu não posso pedir pizzas para todas as pessoas da fila.
- Não todas, mas elas que estão acampando lá. Elas devem estar exaustas e com fome. Pede para trazerem pizzas e umas garrafinhas de água. Não quero ser responsável por ninguém morrer de fome e desidratação. - Harry disse olhando para as fãs com zelo e novamente um lampejo de admiração faiscou no olhar que direcionava ao astro.
- Peço sim, mais alguma coisa? - perguntou com um sorriso e Harry balançou a cabeça em negação.
- Não, vou tirar um cochilo antes que você me importune pedindo autógrafo para sua avó em leito de morte.
- Harry, que insensível! - exclamou embora estivesse rindo do gracejo do cantor - E a minha avó nem sabe que você existe.
- Pois então eu faço questão de fazer um vídeo para ela qualquer dia desses. Ela não pode morrer sem conhecer Harry Styles. - Harry brincou dando as costas para acenando ao vê-la rir. Contagiado pela risada dela, o cantor riu também.

Ao ver Harry Styles se distanciar caminhando sozinho ao camarim, sorriu ao pensar que ele era realmente tudo isso que as pessoas diziam.

♡♡♡

Fazer shows em Manchester sempre era uma alegria a parte na vida de Harry, assim como shows na Irlanda eram alegrias a parte na vida de Niall. Manchester era a casa de Harry e, por isso, sempre que ia com a banda para a cidade, dava um jeito de ver seus amigos e sua família. Conseguia ingresso nos melhores setores e dava acesso aos backstages para que pudessem matar as saudades e aproveitar algumas horas antes ou depois do show.

- Você sabe que pode ficar conosco essa noite, não sabe? - Anne disse afagando os cabelos do filho que tinha a cabeça encostada em seu ombro. Harry tinha uma relação muito próxima com a mãe, o mesmo podia se dizer com a irmã, Gemma.
- Mãe, não seja tão intrometida, você sabe quem está vindo para o show hoje… Consequentemente, sabe com quem o Harry vai dormir… Ou não dormir - Gemma, a irmã mais velha de Harry ironizou causando um rubor no rapaz que sorriu.

As duas já eram conhecidas de todos os agentes, staffs e membros da One Direction e tinham passe livre por todos os corredores de qualquer arena em que se apresentassem. Estavam aproveitando para passar um tempo na presença de Harry entre um intervalo de ensaio fotográfico.

- Oh, é verdade, Kendall Jenner - Anne disse sem muita surpresa - Ela é simpática, quer dizer que vamos vê-la hoje a noite? Você sabe que não me importo se você levar a Kenny conosco.
- Não precisa, mãe, de verdade - Harry assegurou. Tinha muitos planos com Kendall para a noite e nenhum deles envolvia sua mãe e sua irmã no quarto ao lado.
- Harry, Caroline pediu para te chamar, ela precisa provar umas roupas nov… - ia falando de olho na prancheta quando parou de súbito, percebendo a presença de Gemma e Anne que a olhavam com curiosidade visto que ainda não a conheciam. Depois da surpresa, deu um sorriso de orelha a orelha - Ah, olá! Vocês devem ser Anne e Gemma, tudo bem? Sou a Costa, estou na produção da turnê, prazer.
- Oi ! - Anne cumprimentou com educação apertando a mão de e Gemma sorriu acenando com simpatia.
- Novata? Me diga, os meninos já te fizeram arrancar os cabelos ou muito cedo? - Gemma perguntou descontraída e sorriu.
- Ainda não, mas já sei tudo sobre a fama do Katrina.
- Ah, mas a também não é nenhuma santa, vocês sabem como eu a conheci? Ela invadiu nosso camarim e estava…. - Harry foi interrompido por que bateu com uma prancheta na cabeça dele. Ao invés de pedir desculpa para ele, sorriu sem graça para Anne e Gemma que riram despreocupadas. Estavam acostumadas a vê-lo apanhando de Lou ou Caroline.
- Provar roupa, Styles, por favor. - disse acenando para a porta e Harry foi não sem antes simular uma dança fazendo revirar os olhos. Ao se direcionar a Gemma e Anne, ela sorriu simpática - Algo que possa fazer por vocês?
- Não, obrigada, . Vamos dar uma volta, Gemma? Tem uma salada deliciosa aqui em frente, estou morta de fome e vou deixar o Harry tirar um cochilo antes do show começar, coitado, anda tão cansado… - Anne comentou afetuosa já engatando numa conversa com Gemma e, sorrindo, se afastou.

Harry foi acordado da sua soneca com lábios finos sendo pressionados contra sua bochecha e antes mesmo de abrir os olhos, soube de quem se tratava ao reconhecer o perfume forte e adocicado de Kendall Jenner. Sorriu manhoso.

- Oi, Kenny.
- Oi, dorminhoco. Vim te ver e você está dormindo, acha isso justo? - Kendall brincou falando baixinho sentando-se no sofá enquanto Harry se espreguiçava.
- Que horas são?
- Seis. - Kendall checou no relógio e Harry abriu e fechou os olhos com força, finalmente sentando-se no sofá dando um beijo no rosto da modelo.
- Preciso aquecer minha voz, o show começa daqui a pouco.
- Já já você faz isso, por enquanto fica aqui comigo. - Kendall pediu com carinho e Harry sorriu acariciando a bochecha da mulher trocando um breve olhar com ela antes de acabar com a distância entre suas bocas, unindo seus lábios em um beijo calmo e delicado.
- Vou querer mais disso depois do show, você sabe, não é? Já que vou ficar sem te ver por um tempo por causa da turnê. - Kendall comentou quando finalizaram o beijo mexendo no cabelo longo de Harry.
- Tenho um show em Glasgow na semana que vem, chego uns dois dias antes para descansar. Acha que consegue me encontrar por lá? - Harry perguntou enquanto percorria uma trilha de beijos pela mandíbula de Kendall sorrindo ao vê-la arrepiar.
- Tenho que ver…

Harry suspirou com o tom vago da modelo e inevitavelmente foi capaz de ouvir a voz de Louis ecoar em sua consciência com algo como “distração” “não se apegue demais”.

- Tudo bem. Hoje vamos ficar hospedados no Plaza, te encontro lá depois do show então.
- Tá tudo bem, baby? - Kendall perguntou quando Harry levantou do sofá e ele apenas sorriu fraco na direção da modelo.
- Sim, só preciso mesmo aquecer minha voz, encontro com você mais tarde?

Kendall não discutiu, mas sua cara não estava das melhores quando saiu do camarim minutos depois. Fato que Harry não deu devida importância. Estava cansado das idas e vindas com Kendall e tinha sido ingênuo por achar, por cinco minutos, que poderiam ter algo mais sólido do que os arrebatamentos casuais de sempre. Mas toda vez que pensava nisso, percebia quão frágil e superficial era seu relacionamento com a modelo. Não por culpa dela ou que ela fosse uma pessoa ruim ou inferior, apenas porque eles pareciam nunca estar na mesma página, querendo as mesmas coisas.

Quando subiu no palco, horas mais tarde, Harry sorriu ao notar um cartaz que dizia “Harry, obrigada pelas pizzas” anotando mentalmente que precisava agradecer a solicitude de que além de ser prestativa, também estava fazendo um bom trabalho na produção a julgar por todos os detalhes estarem acertados quando o show começou. Enérgicos, desinibidos e afinados como sempre, Harry, Louis, Niall, Zayn e Liam começaram a apresentação na Manchester Arena enlouquecendo os fãs e sacudindo as arquibancadas.

Estavam na oitava música quando aconteceu.
Uma chuva forte e sem precedentes acometeu todo o local. Nos primeiros minutos foi meramente suportável. Acostumados com condições piores, os meninos não se deixaram abater e continuaram o show como o habitual. Em uma das andanças pelo palco, Harry escorregou e caiu de bunda no chão. O que normalmente seria motivo para riso, dessa vez foi mais preocupante. Com dor, o cantor demorou de levantar e assim que o fez, viu Liza encará-lo do backstage. “Vamos ter que parar o show” ela sibilava de longe.
Os meninos não aceitaram muito bem, mas só depois de serem convencidos que seria o melhor a se fazer pela segurança deles e dos fãs, resolveram anunciar ao público que o show estaria sendo interrompido por condições climáticas.

- Harry você se machucou? - Liza amparou o cantor assim que o show foi interrompido e os meninos saíram rumo aos camarotes.
- Ai, ai, minhas costas… Minha bunda…
- Puta merda, Lolla, como está a situação da plateia? - Liza perguntou no walkie talkie.
- Ainda estão demorando para evacuar. Tá tendo confusão nos portões, mas está lidando com isso coordenando os seguranças. Ela abriu algumas saídas de emergência. Tá um caos aqui.
- Nós vamos ter que ir embora juntos para evitar confusão. Vamos no ônius dos meninos, fazemos uma parada no nosso hotel e depois eles seguem até os deles. - Liza informou no ponto e Lolla confirmou. - Merda!
- As fãs estão furiosas com a gente… - Harry comentou tristonho. - Minha mãe e Gemma, onde estão?
- Harry, continuar esse show seria desastroso e irresponsável da nossa parte. Que tempo doido, fez um sol escaldante hoje pela manhã! Do nada essa chuva de acabar o mundo! Bom, sua mãe e sua irmã estão bem, estão um pouco preocupadas com sua queda então eu ligaria para elas se fosse você.
- Quero ir embora daqui - Zayn comentou frustrado.
- Temos que esperar a chuva passar um pouco, é perigoso tirar vocês daqui nessas condições. - Harry pareceu lembrar de algo.
- Kendall! - Exclamou - Onde está a Kendall?
- Kendall está aqui? - Liza pareceu surpresa.
- Sim, entrou no meu camarim e depois foi assistir o show do camarote.
- Quem liberou a entrada dela?
- Liza, isso não é importante, onde está a Kendall?
- E eu sei lá? Eu nem sabia que ela estava aqui! - Harry bufou irritado e ligou para Kendall.
- Onde você tá?
- Oi, Haz, tive que sair do show por uma emergência…
- É, eu sei, a chuva
- Que? Chuva, ah, a chuva. - Kendall parecia distraída.
- Kendall você saiu antes de começar a chover? - Harry ficou surpreso.
- Eu tive uma emergência. Mas escuta, já estou no hotel esperando por você. Obrigada por liberar minha entrada. - Kendall disse afetuosa e Harry respirou fundo, mentalmente agradecido por ela estar bem e ofendido por ela ter saído no show na metade.
- Tá bom, quando eu estiver indo te aviso. - Olhando para Liza, perguntou:
- E aí, o que fazemos agora?
- Agora vocês sentam enquanto terminamos de organizar esse caos que está sendo a saída das pessoas. Vamos no ônibus da tour e para…
- Eu ouvi você comentar com a Lolla - Harry interrompeu abrindo a geladeira em busca de gelos para colocar nas costas doloridas pela queda.

Trinta minutos se passaram até que a situação fosse normalizada com a saída do público e pudessem, enfim, seguir caminho para os hotéis. Como a equipe de produção ficava em um hotel diferente da agência e dos membros da banda, precisariam se acomodar no ônibus para saírem todos juntos e em segurança parando primeiro no hotel em que o pessoal da produção ficaria.

Já no ônibus, Harry continuava sem conseguir se sentar direito devido a dor na bunda e na lombar. Ao seu lado, parecia enfrentar uma batalha interna entre rir e demonstrar preocupação.

- Se você me olhar com essa cara de riso de novo eu vou mandar a Liza te demitir - Harry rolou os olhos ao flagrar mais um dos olhares de que finalmente riu com gosto. Como de praxe, logo outras pessoas começaram a rir em consequência da risada dela. Até Harry foi incapaz de se manter rabugento.
- Me desculpa, Harry, mas é que foi uma queda tão icônica…
- Eu poderia ter ficado paraplégico! Essas coisas machucam de verdade!
- Eu sei, eu sei. Mas quando você caiu eu não ri… Eu só ri quando vi que você estava bem. - confessou culpada e mesmo contra sua vontade, Harry soltou um riso nasalado. Era praticamente impossível se manter sério na presença de .

O motorista fez uma curva muito fechada e logo o ônibus foi içado de lado fazendo com que fosse jogada para o lado de Harry chocando seu corpo contra o do cantor que a segurou antes que caísse deitada em seu colo. Esse movimento de proximidade foi o suficiente para que Harry pudesse notar pela primeira vez no cheiro que emanava da pele da mulher. Era suave e marcante e fez com que sentisse instantaneamente envergonhado. Como ela conseguia estar cheirosa mesmo depois de ter trabalhado duro para cima e para baixo durante a tarde e noite, pegando chuva e suando? Não podia dizer o mesmo de si mesmo.
Um fumaceiro subiu quando o motorista freou e o cheiro de borracha queimada invadiu o ônibus varrendo para longe das narinas de Harry o perfume natural da pele de . Preocupados, se entreolharam com as mesmas perguntas mudas em suas expressões. “O que houve?”

- O motor não aguentou essa chuva, acho que não vamos conseguir sair daqui.
- Você tá de brincadeira? Você só pode estar de brincadeira!
- O hotel é do outro lado da rua!
- Mas esse é o hotel da PRODUÇÃO! NOSSO hotel fica mais a frente!
- Vocês podem pedir táxis.
- Pedir táxis? Eu estou com os cinco rostos mais conhecidos do momento e você acha que eu vou pedir táxis?

Enquanto a discussão rendia entre Liza e o motorista, Harry, Liam, Niall, Zayn, Louis, , Peter, Lolla e demais pessoas da produção esperavam (im)pacientementes. Um barulho terrível preencheu o silêncio do local e todos olharam para Peter.

- O que é, eu estou com fome, tá ok? - Defendeu-se quando a barriga roncou.

Continuaram em silêncio até que um cheiro fétido de podridão invadiu o ônibus fazendo com que lacrimejassem e tapassem os narizes.

- PORRA NIALL! - Os meninos da One Direction gritaram em uníssono.
- O que é, eu quero fazer cocô, tá ok?
- O que você comeu, ovo podre? Puta que pariu! - exclamou tapando o nariz. Nem bem se passaram cinco minutos e o cheiro emanou novamente, dessa vez ainda pior.
- AH NÃO!
- PUTA QUE PARIU!
- NIALL!
- EU QUERO SAIR DAQUI, EU VOU MORRER ASFIXIADA!
- Quer saber? Eu desisto - Peter disse saindo do ônibus em direção ao hotel correndo no meio da tempestade até o outro lado da rua. Os outros permaneceram dentro do ônibus gritando por Peter que já tinha sumido de vista.
- O que a gente faz? - Zayn perguntou e novamente tapou o nariz com força com outra bomba de Niall. debatia-se de tanto rir ao mesmo tempo que emitia roncos por tapar a respiração. Ao ouvir o som de porco da risada dela, logo o ônibus foi preenchido por risadas que só ficaram mais altas conforme ela se engasgava no próprio riso e continuava fazendo roncos de porco cada vez mais altos.
- Eu também desisto, vocês são loucos - Lolla disse quando Liam arrotou e assim como Peter, correu na direção do hotel.
- Ah, não eu também quero! - Zayn exclamou e Louis segurou no ombro dele.
- Aquieta o facho aí, nosso hotel não é esse!
- Acorda pra vida, Louis. O ônibus tá quebrado, não tem van e Liza não vai nos deixar pegar táxis. Tá rolando maior tempestade lá fora, a gente vai ficar aqui mesmo! - Liam disse.
- Mas nós somos famosos…
- E você acha que nessa chuva os paparazzis não têm coisa melhor para fazer do que ficar perseguindo você até o outro lado da rua? - se pronunciou debochando de Louis - Vocês eu não sei, meu hotel é aqui.

Imponente, saiu correndo na chuva dando gritinhos e abrindo os braços dançando pelo caminho. Harry balançou a cabeça e riu, ela era doida, mas inegavelmente engraçada. Cansado de ficar esperando que Liza e o motorista entrassem em um consenso, Harry tomou o mesmo caminho que .

- Harry, não! - Louis puxou o amigo.
- Louis, é só chuva, pelo amor de Deus. Quer ficar respirando o peido do Niall para sempre? - Antes que o amigo pudesse responder, Harry correu na chuva de pingos gelados percorrendo o mesmo caminho que .
- Você veio mesmo! - disse surpresa ao ver Harry correndo no pátio do hotel. - Vem, você precisa se secar antes que adoeça. - Puxou Harry pelo braço guiando-o até a portaria. - Quarto 220, esse é um convidado meu.

O recepcionista olhou para Harry de um jeito estranho e sacudiu a mão.

- Sim, sim, é Harry Styles e há uma grande probabilidade de nos apertarmos nos nossos quartos para hospedar os membros da One Direction - Ela fez pouco caso e correu para os elevadores com Harry.

Enquanto seguia até o quarto 220, Harry sentiu o celular vibrar no bolso da calça. Todo molhado, tentou passar o dedo por cima da tela antes de atender Kendall, que parecia impaciente.

- Harry cadê você hein?
- Kenny, aconteceu a maior merda com o ônibus. Quebrou, essa chuva está insana, não sei como vamos fazer para conseguir chegar no hotel. Na verdade, nem sei se vamos conseguir chegar aí.
- Você só pode estar zoando com minha cara - Kendall disparou com grosseria - É sério que eu viajei pra ver você e além de não ter me dado nem cinco minutos de atenção no camarim você não vai vir ficar comigo hoje? Vai me deixar no seu hotel sendo feita de palhaça? - Harry suspirou seguindo pelo corredor, vendo-a abrir a porta do quarto.
- Eu não estou te fazendo de palhaça, Kendall, eu só estou sendo impossibilitado por questões climáticas, isso vai além do meu alcance. Me desculpe, eu só…
- Tá, Harry, que seja.

Harry bufou frustrado quando Kendall desligou o telefone e entrou no quarto de largando-se numa cadeira. estendeu uma toalha para Harry e ele colocou-a em volta dos ombros não fazendo esforços para se secar de tão chateado que estava.

- Você precisa secar esse cabelo ou vai ficar doente - disse passando uma toalha pelo próprio cabelo sacudindo-o. Harry se resumiu a torcer os fios e continuou carrancudo e sério pensando na injustiça que Kendall estava cometendo.
- O que foi? - perguntou e Harry até pensou por um segundo em ser sincero e responder, mas, como não conhecia a mulher o suficiente para expor fragmentos de sua vida pessoal, resumiu-se a balançar negativamente a cabeça indicando que não era nada. - Licença, posso? - perguntou com uma toalha na mão e Harry deu de ombros, indiferente quando ela se aproximou para secar seus cabelos.

Era um movimento gostoso que a toalha fazia no cabelo de Harry em conjunto com as mãos de que pareciam massagear o couro cabeludo do rapaz enquanto secava o cabelo dele com calma.

- A chuva não é culpa sua e você não deveria se sentir tão frustrado por isso. Não é sua culpa que o show foi interrompido, não foi sua culpa ter caído e não é sua culpa não poder ir para o hotel. Tenho certeza que Liza vai dar um jeito em breve - comentou apaziguadora e Harry murmurou algo em concordância. Na verdade, estava ficando até sonolento pelo jeito que ela mexia em seus cabelos.
- Seu cabelo é lindo, mas precisa de uma hidratação - comentou quando soltou a toalha entregando-a para Harry. Ele aceitou e murmurou um agradecimento arqueando as sobrancelhas ao ouvir a frase dela - Não é possível que você seja milionário e meu cabelo seja mais sedoso do que o seu. - sacudiu os cabelos molhados e Harry riu balançando a cabeça negativamente. Nesse instante, a porta do quarto foi aberta.
- Aí estão vocês! - Zayn disse como se tivesse pego os dois no flagra e levantou uma sobrancelha.
- Não bate mais na porta dos outros?
- O que vocês estão faz…. - Liam ia perguntando ao entrar no quarto.
- É aqui que nós vamos dormir? - Niall entrou com Louis.
- O que é isso, virou reunião da One Direction no meu quarto? Estou acuada com tantos homens assim de uma vez! - bradou - Esse é meu quarto com a Lolla.
- Esse era seu quarto com a Lolla, , até o momento que Liza decidiu que nós não temos para onde ir e vamos ficar aqui mesmo. - Niall falou com um sorriso e arregalou os olhos.
- Aqui, no meu quarto?
- Na verdade, eu acho que você vai dormir com a Liza e a Lolla em outro lugar, estão tentando ver mais um quarto para vocês. - Liam respondeu já pegando uma toalha para secar-se também.
- Harry você vai dividir quarto comigo, com Niall e com o Zayn. É o quarto em frente - Louis anunciou e o amigo acenou positivamente.
- Eu e Liam vamos dormir nesse. Mas se você quiser cabe você aqui também, - Zayn disse safado e Harry iria repreendê-lo, mas não foi preciso porque logo atingiu-o em cheio com uma toalha.
- Eu e Lolla vamos ficar aqui no nosso quarto e vamos dormir nas nossas camas. Se vocês quiserem ficar aqui vão pedir para recepção do hotel acrescentarem novas camas em novos quartos, não me importo, mas não vou ceder meu lugar pra você só porque são popstars. Eu trabalhei o dia inteiro, mereço um descanso digno tanto quanto vocês! - se impôs e foi a primeira vez que Harry a viu falar daquela forma, mas precisava confessar que tinha sentido certa admiração porque nenhum dos outros rapazes ousou contestá-la.

♡♡♡

- Estou sem sono - Niall disse revirando-se pela milésima vez na cama.
- Conta carneirinhos - Harry comentou com descaso deitado em sua própria cama. Usava uma muda de pijama que carregavam para situações emergenciais no ônibus da turnê. Já estava quente e devidamente estabelecido em seu quarto que dividia com Zayn, Niall, Liam e Louis. Esse último que já estava no oitavo sono profundo.
- Não adianta…Além do mais eles não param de rir - Niall disse dando ênfase com a cabeça no quarto ao lado onde as risadas vez ou outra ecoavam cada vez mais altas.
- Isso é tão injusto, porque nós temos que ficar amontoados aqui enquanto eles têm camas confortáveis? - Liam se lamentou.
- É essa a qualidade de hotel que a produção fica? Cara, que saudade do nosso hotel - Zayn disse afofando o travesseiro sem sucesso.

No quarto ao lado, as gargalhadas ecoavam cada vez mais altas.

- Não posso julgar o Louis por odiar a risada da , até eu estou com raiva dela agora. A felicidade dela me afeta profundamente - Harry resmungou amargurado ainda chateado por Kendall não respondê-lo e por estar ali e não ao lado da modelo num quarto confortável e sem a presença dos amigos. E sem a risada feliz de .
- Ela não se abala com nada é impressionante. - Niall resmungou do seu colchão no chão lançando olhares cobiçosos às camas dos amigos.
- Por que ela vai se abalar? Está num quarto com Lolla e Peter, com camas confortáveis e sem sentir seus peidos podres. Ela está no paraíso. - Liam respondeu olhando ao redor do quarto espalhado com roupas de Louis - Impressionante que a gente está aqui há poucas horas e ele já conseguiu criar um caos. Como pode?
- Eu desisto - Harry disse colocando o travesseiro sobre a cabeça quando riu novamente.
- Não é justo que estejamos aqui amontoados e eles lá. Somos a One Direction, pelo amor de Deus! - Niall sentou-se injuriado.
- Aparentemente não somos nada - Zayn murmurou.
- Sabe o que eu tava pensando? - Liam começou com uma voz melodiosa - Que essa seria uma ótima oportunidade para dar as boas vindas apropriadamente a nossa queridíssima produção.

Harry tirou o travesseiro do rosto e Niall empertigou-se na cama. Até Zayn tirou a atenção da tela do celular.

- O que você está pensando exatamente? - Zayn perguntou interessado e Liam sorriu maliciosamente.
No quarto ao lado...
estava de pé trajando um babydoll particularmente curto fazendo gestos para Lolla e Peter que estavam sentados em suas respectivas camas prestando atenção nela sem nem piscar.
- Guerreiro!
- Lutador!
- Cavalo!
apontou na direção de Lolla em afirmação e depois fez um símbolo de coração, batendo no peito.
- Amor!
- Apaixonado!
- Coração! Coração… CORAÇÃO DE CAVALEIRO!
- ISSOOO!!!! - berrou quando Lolla gritou a resposta certa e elas riram juntas batendo as mãos.

Peter ia resmungar sobre estar perdendo de maneira vergonhosa quando leu alguma coisa no celular e logo se colocou de pé indo com rapidez até a porta do quarto.

- O que houve? - Lolla perguntou já sentando-se na cama.
- O entregador de pizzas chegou, vou descer para buscar.

Quando Peter saiu do quarto, parou para tomar uma água e recobrar a respiração aproveitando daqueles breves minutos de silêncio para se dar conta de algo muito suspeito.

- O que foi, o que você está com essa cara?
- Eu não sei se é impressão minha e se realmente existe algo errado nisso, mas você percebeu como eles estão quietos? - perguntou quase sussurrando apontando com a cabeça para o quarto ao lado. Lolla estreitou o olhar.
- Você acha que eles estão tramando algo?
- Não sei…
- Acho que você está sendo paranóica….

Lolla nem bem terminou de falar e uma sirene ecoou fazendo com que as duas berrassem ficando de pé em suas respectivas camas. Uma luz vermelha piscava embaixo da porta. Com o coração acelerado, arregalou os olhos para Lolla, mas antes que ela pudesse abrir a porta, pôs a cabeça para funcionar em meio a adrenalina.

- Espera! - estendeu a mão no ar, respirando fundo, tirando os cabelos do rosto - Isso é coisa deles!
- ! É um alarme de incêndio, os meninos não chegariam a esse nível! - Lolla gritou tentando ponderar.
- Lolla, eles são conhecidos por Katrina ! Isso não pode ser a toa! - exclamou esganiçada.
- SOCORRO - A voz de Niall berrou pelo corredor e sentiu o coração acelerar dolorosamente. Ainda com a mão erguida, não deixou que Lolla abrisse a porta, esperando.
- … - Lolla começou em tom choroso.
- Quieta, Lolla, isso é coisa deles, eu tenho certeza!
- SOCORRO!
- FOGO!
-
- Lolla! Shiu!
- , tem fumaça passando por nossa porta - Lolla apontou para o chão e engoliu em seco - E tem cheiro de QUEIMADO!

Fodeu. Foi a única coisa que pensou abrindo a porta do quarto e correndo para fora dele com Lolla em seu encalço aos berros. Estavam tão apressadas, assustadas e desnorteadas que nem pegaram o cartão chave de acesso do quarto ao saírem e nem bem pisaram no corredor, a porta bateu trancando-as do lado de fora.
A luz vermelha piscava, a sirene ecoava, e antes que e Lolla pudessem chegar ao elevador, gritaram ao mesmo tempo quando os rociadores de incêndio foram ativados bem em cima delas, molhando-as da cabeça aos pés.

- O QUE TÁ ACONTECENDO, O QUE TÁ ACONTECENDO? - Lolla gritou e só então olhou para cima onde um papel todo encharcado emanava um mero fio de fumaça.

Demorou apenas uma batida de coração para que pudesse entender o que tinha acontecido.

- FILHOS DA PUTA! - berrou correndo até a porta do quarto dos meninos, já ouvindo as gargalhadas deles lá de dentro. - EU VOU MATAR VOCÊS!
- Ai que friooo - Lolla choramingou enquanto tremia da cabeça aos pés, ainda esmurrando a porta do quarto onde o maldito Katrina estava reunido, gargalhando tanto que até suavam.
- Meu Deus ela vai nos matar! - Niall disse pulando na cama rindo ao sacudir as mãos.
- Não abre essa porta por nada nesse mundo, Zayn - Harry advertiu chorando de tanto rir.
- Cara, nem uma olhadinha? Elas estão com camisolas encharcadas eu posso ter sonhos com isso essa noite - Zayn disse sonhador e Liam fechou os olhos quando deu um chute na porta, afastando-os de súbito.

Os quatro continuavam rindo perto da porta e nem viram quando Louis se aproximou sonolento e irritado. Estavam prestes a restringir o amigo quando ele abriu a porta de súbito, com uma carranca amassada. Nem bem se passaram dois segundos e uma mão puxou Louis para fora do quarto arrastando-o pelos cabelos pelo corredor. Os quatro amigos berraram e foram atrás deles em meio as rajadas de água gelada.

- ELE NÃO FEZ NADA, NÃO FOI ELE, NÃO FOI ELE!
- FOI A GENTE, FOI A GENTE!
- Eu… vou… fazer… picadinho…. de vocês.
- SEUS IMBECIS!
- CALMA!

Um verdadeiro pandemônio se instaurou no corredor quando os outros hóspedes, todos da produção e equipe staff da One Direction pouco a pouco saíram de seus quartos com expressões assustadas e sonolentas, se deparando com o caos feito por Katrina, e Lolla. Todas as pessoas do andar, no entanto, trataram de entrar em seus respectivos quartos muito rapidamente quando os seguranças do hotel entraram pelo corredor, isentando-se da confusão que certamente se colocariam.

- O que está acontecendo aqui? - Um dos seguranças perguntou assim que os dispositivos foram desativados encarando os sete que pingavam da cabeça aos pés.
- ESSES IDIOTAS….
- Elas não paravam de rir...
- Era só uma brinca….
- ELA ME ATACOU, EU ESTAVA DORMINDO, ELA ME BAT….
- Não tínhamos intenção…
- Pedimos desculp…
- ISSO É UMA DESMORALI…
Todos falavam ao mesmo tempo e por isso os seguranças os calaram com um aceno de mão.
- Isso não teve a menor graça, alarmes de incêndio não são brincadeiras e certamente vamos acrescentar tudo isso na conta de vocês. - O segurança falou e antes que Louis pudesse bradar outra irritação, se calou ao reparar em como a voz dele era anormalmente fanha comparado a sua postura corporal. Esperavam que fosse uma voz gutural, mas na verdade era fina e nasalada.
Foi Niall quem deu a primeira tosse disfarçada de risada, levando uma cotovelada de Zayn que também mordia um sorriso.
- E eu não dou a mínima se vocês são famosos, vocês nem tinham que estar aqui, o hotel está lotado e vocês estão incomodando outras pessoas. - O segurança gesticulou e até mesmo suavizou sua expressão enfurecida tentando conter a musculatura facial para manter-se séria. Harry já fazia caras e bocas na tentativa.
- Nhénhé - Liam fez baixinho e todos, com exceção de Louis soltaram risadas nasaladas que fizeram um barulho inconfundível potencializando a irritação do segurança. O problema, porém, é que quanto mais irritado ficava, proporcionalmente mais fanha sua voz se tornava.
- Não sei se vocês acham isso engraçado, mas deveriam parar de se comportar feito adolescentes.

Niall já estava vermelho de tanto prender o riso e Zayn tinha a mão no rosto tremendo de tanto rir baixinho e até mesmo Lolla revirava os olhos indecisa entre continuar com raiva e ceder ao riso trêmulo a medida que o segurança colocava as mãos na cintura encarando-os com um olhar reprovador que contrastava violentamente com sua voz fina.

- Vocês são idiotas. Boa noite - Disse dando as costas rumando com o parceiro em direção ao elevador. No mesmo elevador que eles entraram, Peter saiu com as mãos cheias de caixas de pizza encarando o corredor sem entender absolutamente nada enquanto os demais gargalhavam com seus pijamas encharcados.

estava até esquecendo o motivo da irritação quando percebeu Louis passar num rompante em direção ao quarto, ainda furioso. Os risos estavam cessando quando ela deu um tapa forte em Liam que gritou.

- Isso é culpa de vocês! Seus idiotas! Imaturos! - bradou, mas não estava nem remotamente tão irritada quanto antes.
- O que está acontecendo aqui? - Peter perguntou se aproximando.
- Katrina resolveu mostrar finalmente a que veio e nos pregou uma peça, simulando um incêndio. bateu no Louis, coitado, que não teve culpa. - Lolla resumiu - E eu estou morrendo de frio por causa de vocês.
- Isso é pizza? Hm, que fome - Liam disse abrindo a caixa de Peter roubando uma fatia.
- Tira sua pata das nossas pizzas! - bradou.
- Eu tô com fome, também quero pizza, vamos pedir pizzas? - Harry sugeriu aos meninos e estavam indo em direção ao próprio quarto quando se tocaram de que também não tinham levado seus respectivos cartões para fora. Se entreolharam temerosos, mas Louis não abriu a porta nem com reza.

Sentindo-se vingada, acenou cinicamente entrando no quarto quando Peter liberou a passagem deixando os quatro pingando no corredor.
Mas aquela vingança durou apenas vinte minutos. Não querendo ser os responsáveis por uma pneumonia deixando os integrantes da banda inválidos para outros shows, , Lolla e Peter deixaram os quatro entrarem no quarto depois de muitos murmúrios implorando por desculpas, já que Louis pareceu irritado demais para se importar. Depois de se secarem, pedirem mais pizzas e trocarem por roupas de Peter, os sete se amontoaram no quarto e logo retomaram a brincadeira de mímica que Peter, Lolla e estavam imersos antes de todo o caos se instalar.

A chuva continuava torrencial lá fora e uma tempestade tinha conseguido cancelar mais de um plano dos rapazes naquela noite, mas, ironicamente, com exceção de Louis, não se encontravam infelizes. Não era possível ficar infeliz perto da áurea positiva, contagiante e divertida de Costa, que logo tratou de enchê-los de pizza, envolveu-os num jogo de mímica e os contagiou com sua gargalhada escandalosa capaz de suavizar qualquer carga negativa. Entre um pedaço ou outro de pizza, um gole ou outro de cerveja, Harry se flagrou observando rir, pensando em como era possível alguém ser tão bem humorado como ela. Com Costa simplesmente não existia tempo ruim. Literalmente.

Capítulo 3 - A ligação de Gemma

No começo não foi tão fácil para largar tudo no Brasil, mesmo sabendo que aquela era uma oportunidade de ouro e que precisava dela para voar da maneira como gostaria e sabia que merecia. Não foi fácil despedir-se da família, dos amigos e nem dos seus cachorros. Mas, talvez, para , a parte mais difícil tenha sido despedir-se de Bruno.
Namorados há cinco anos, e Bruno tinham se conhecido na faculdade e logo engataram um relacionamento que começou desde o dia que deram o primeiro beijo, já que permaneceram juntos de forma natural e espontânea. Quando a oportunidade surgiu, a separação foi um sofrimento tão insuportável para ambos, que decidiram amenizar a situação com um acordo.

“Eu te amo, não vou saber viver sem o que nós temos” Foi a frase que Bruno disparou quando abriu a porta de casa dias antes da viagem.

“Bruno, eu estou indo sem prazo de volta. Eu nem sei se eu volto… Não é justo essa espera” Foi o que argumentou na ocasião.

“Vamos abrir nosso relacionamento…” Bruno propôs. “Nós ficamos com outras pessoas, vivemos normalmente, mas ainda vamos ter contato, ainda vamos nos falar como antes.”

“Bruno isso não faz o menor sentido!” tentou trazer juízo ao ex namorado.

, o que não tem sentido é jogar fora cinco anos de relacionamento. Você acha mesmo que vamos encontrar outras pessoas que nos façam sentir o que nós sentimos um pelo outro?”

“Mas, Bruno, eu nem sei quando vou te ver de novo…”

“Eu vou comprar minha passagem, eu vou te visitar daqui seis meses. Lá nós vamos conversar se você volta comigo para o Brasil ou se eu vou para morar com você. Até lá, você faz o que quiser e eu faço o que quiser por aqui.”

ficou insegura com aquela proposta, mas ver o olhar desolado e triste de Bruno na sua frente fez com que seu coração doesse. No minuto seguinte, já estava beijando-o para aproveitar todo o tempo que não teriam dali em diante. O acordo estava selado bem como os lábios deles.

Os primeiros dias de fora de solo brasileiro foram verdadeiramente tristes e melancólicos. As horas se arrastavam, as semanas demoravam a passar e tudo o que ela conseguia pensar era em quando teria as pessoas que mais amava ao lado novamente. Sentia falta do carinho da avó, das palhaçadas da irmã mais nova, da preocupação dos pais, da companhia dos amigos e da rotina que tinha com Bruno. Era tão dependente do contato dele, que se falavam a cada minuto e ficar com outra pessoa parecia um ato de traição tão grande que nem conseguia concretizar. Até que, bêbada, em uma festa, acabou beijando um rapaz e se sentiu bem com isso. Depois dali, foi se acostumando a ficar sem ele até que a saudade se tornasse tudo menos desesperadora.

- Oi, Bru! - atendeu a ligação pelo FaceTime ajeitando-se nos travesseiros. O rosto do namorado apareceu pela tela do celular e ela sorriu.
- Ei, princesa. Como estão as coisas por aí? - Bruno perguntou e viu que ele estava dentro do refeitório da empresa que trabalhava.
- Está tudo bem, estou descansando um pouco porque hoje a noite tem show. Sempre uma loucura, te contei da tempestade que teve esses dias, né?!
- Contou sim, que loucura. E os caras dessa banda continuam pregando peças em vocês?
- Eles são uns atentados, mas estou preparando meu plano de vingança.

Bruno soltou um risinho e foi invadida por uma pontadinha de saudade. Ele sempre ficava tão bonito com a farda do trabalho…

- E então, o que fez de bom esses dias? Falando nisso, por que não me respondeu ontem? Te liguei feito doida, queria mostrar as coisas - perguntou e pôde perceber o sorriso de Bruno vacilar. Ele até tentou disfarçar, mas ela já o conhecia bem demais - O que foi?
- Hm, nada… Eu estava cansado, só isso. Fiquei em casa dormindo, acabei nem vendo o celular, tava no modo avião - Bruno disse, mas o conhecia bem demais para saber que era mentira.
- Bru, nosso relacionamento é aberto, então você não precisa mentir se ficou com outra pessoa. Também não precisa me dizer, mas não precisa mentir se eu te perguntar - falou, mas Bruno continuou negando.
- Não tem nada a ver, só tava dormindo mesmo, juro.

não insistiu, mas também não conseguiu ficar normal na ligação. Falaram algumas coisas bobas até que minutos depois desligaram com a desculpa de que o horário de almoço dele tinha acabado.
Quando firmaram aquele acordo, precisou trabalhar todo o seu ciúmes para que tudo fosse direcionado da melhor maneira possível: não iriam importunar e nem pedir autorização um ao outro quando quisessem fazer algo. Podiam fazer o que quisessem, desde que não mantivessem dois relacionamentos afetivos ao mesmo tempo, continuariam se falando, continuariam sendo carinhosos um com o outro e com o resto das pessoas seria apenas por sexo, diversão ou necessidade.
Sem saber exatamente o que procurar e nem como, já abriu o Instagram sabendo que iria se estressar. Bruno estava claramente mentindo e ela queria saber o porquê. Saiu fuçando entre as fotos que ele tinha sido marcado até encontrar algo que definitivamente não apenas justificava a estranheza dele, como também fez seu coração acelerar angustiado.

A foto era bem simples e, na concepção de , não dava brechas para outras interpretações. Rodeado dos seus amigos em comum, Bruno estava visivelmente alcoolizado sorrindo erguendo uma garrafa de cerveja com uma mão enquanto com a outra abraçava pela cintura ninguém menos do que Thalita, uma das melhores amigas de e que, pelo que todos sabiam, tinha sido a primeira menina que Bruno ficou na faculdade.
não demorou muito a fazer o jogo da dedução. Bruno tinha mentido. E por que mentiria sobre ir para uma festa já que eles tinham liberdade para qualquer coisa? A resposta estava ali, escancarada a sua frente e sentia-se traída por isso. Bruno tinha ficado com Thalita e não existia possibilidade de lidar com isso com maturidade.
Enfurecida, retornou a ligação para Bruno.

- Você ficou com Thalita, não foi? - Perguntou no instante que o rosto dele apareceu. Bruno nunca foi um bom mentiroso e a expressão de choque dele foi o suficiente para empalidecer o rosto. - ELA É MINHA AMIGA, BRUNO COMO VOCÊ PÔDE?
- ! Nós temos um relacionamento aberto…
- Mas isso já é demais! Ela é minha amiga! Você não pensa em como fica minha cabeça quando eu voltar? Jamais vou conseguir confiar em você de novo!

Discutiram por mais alguns minutos e já estava com os olhos cheios de lágrimas quando desligaram o telefone, chateados um com o outro. estava enfurecida pela mentira e pela cara de pau dos dois de terem ficado em sua ausência. Bruno estava chateado pela infantilidade da reação de que claramente não estava sabendo aceitar os termos do relacionamento aberto.
Enquanto chorava, ocorreu a que talvez aquele relacionamento aberto fosse um tanto quanto desproporcional. Estava em turnê com uma banda, sempre atolada de trabalho ou cansada demais para farrear em lugares onde ela não conhecia ninguém. As oportunidades para ficar com pessoas eram escassas e, se fosse bem honesta, há um tempo já nem sentia vontade, embora devesse confessar a si mesma que a ausência de sexo já estava começando a fazê-la subir pelas paredes. Um ódio muito grande de Bruno se apossou do seu corpo a medida que começou a pensar que talvez ele soubesse disso.

, pense, você vai poder transar com homens maravilhosos em viagem!” A voz de Thalita ecoou em sua mente relembrando as conversas que tivera com a amiga traíra.
“That, eu vou trabalhar, vou passar meses confinada com uma banda…”

“Com uma banda não, com a One Direction!”

“That, até parece que eles sequer olham para alguém que trabalha na produção, aposto que nem sabem os nomes das pessoas que trabalham com eles…”

“Claro que sabem! Eles são uns amores, pelo que vejo em todos os vídeos e documentários” Thalita defendia, sendo uma autêntica fã de One Direction enquanto não poderia se importar menos.

“Não acho que eles sejam tão acessíveis assim…”

“Se forem, você poderia pegar o Zayn! Ele é simplesmente o mais bonito e sensual daquela banda…”

“Zayn tem namorada, Thalita!”

“E daí?” Thalita dizia como se não fosse grande coisa e na ocasião não pareceu ameaçador para . “Bom, pelo menos nesse caso você pode ficar com o Liam, que definitivamente é o segundo mais bonito”.

“Não, obrigada, eu discordo…”

“Ah, vai me dizer que não tem nenhum deles que te chame atenção?” Thalita perguntou descrente.

“Bom… Acho o Niall um amor, acho que podemos nos dar bem, podemos ser amigos”.

“Estou falando de atração sexual, , não tem nenhum deles que você poderia ficar?”

Na ocasião, pensou na pergunta e resumiu-se a dar de ombros como se não fosse nada demais. O que ela não verbalizou e nem verbalizaria, é que tinha um certo membro que despertava sua curiosidade, mesmo a contragosto. Ele tinha olhos verdes expressivos que a encaravam por diversos posters espalhados pelo quarto da irmã mais nova. Todos diziam que ele era um rapaz gentil e maravilhoso, mas de tanta apelação feita pelo público, criou um certo bloqueio a ele. Mas em devaneios que ela jamais admitiria em voz alta, não recusaria uns beijos com Harry Styles.

Chorando, afundou-se nos travesseiros novamente e prometeu a si mesma que na primeira oportunidade que tivesse de se sentir atraída por alguém, não iria refrear a ação com o pensamento em Bruno. A primeira pessoa que tivesse interesse em ficar, ficaria. Independente de quem fosse.

♡♡♡

- Estou com fome - Liam entoou choroso pela milésima vez naquela tarde.

Estavam juntos no quarto de Niall jogando playstation aproveitando a tarde de folga. Não teriam show naquele dia e já tinham cumprido a agenda com entrevistas pela manhã.

- O hotel tá cheio de comida, é só pedir o serviço de quarto - Louis respondeu apontando para o cardápio.
- Eu tô cansado de comida de hotel, quero comer uma coisa diferente.
- Pede alguma coisa pelo iFood - Harry disse sem tirar os olhos da partida.
- Mas eu tô com fome agora, vai demorar muito de chegar…
- Ah, então vai se foder, Liam. - Zayn resmungou mal humorado e os amigos olharam para ele sem entender a grosseria repentina. Ele soltou um muxoxo e se levantou saindo do quarto.
- O que foi que deu nele? - Harry perguntou sem realmente dar muita importância. Era característico de Zayn ter bruscas alterações de humor.
- Ele brigou com a Perrie - Louis explicou e aos poucos os amigos fizeram um “aaah” de compreensão.
- Espero que ela tenha terminado com ele - Harry disse taxativo e os outros três olharam para ele chocados. Harry deu de ombros. - É verdade, Zayn é meu amigo, mas é um péssimo namorado. Se ele não tá feliz é melhor terminar do que continuar agindo dessa forma.
- Ele gosta dela - Liam amenizou.
- Você iria ficar feliz com alguém gostando de você assim? Te traindo toda vez que sai em turnê? - Harry rebateu e Liam ficou em silêncio. - Não que eu esteja em posição de julgar alguém, mas…
- Mas já está julgando. Que tal você calar a porra da sua boca e parar de falar sobre coisas que você não sabe e não são da sua conta, Styles? - Zayn disse entrando de volta no quarto bruscamente. Niall, Liam e Louis se sobressaltaram, mas Harry permaneceu impassível. Apenas lançou um olhar gelado na direção de Zayn e voltou a prestar atenção na partida que jogava, em silêncio.

Zayn marchou no quarto indo até a cadeira onde estivera sentado há instantes, pegou o celular que esquecera e saiu novamente com o mesmo mau humor que entrou. Harry apenas revirou os olhos e torceu a boca, balançando a cabeça negativamente.

- Harry, peça desculpas a ele - Niall disse.
- O que? Você tá doido, pelo que? Eu não disse nada demais! Nada além da verdade, inclusive.
- Haz, você pode até ter razão, mas é verdade que não é da sua conta… - Louis disse na defensiva e Harry pausou o jogo para encarar Louis com seriedade.
- Quer dizer, é da sua conta então ficar na minha cola querendo que eu transe com Lolla para desencanar da Kendall. É da conta de vocês se meterem na minha vida dizendo o que eu tenho ou não tenho que fazer, mas na hora de falar algumas verdades sobre o Zayn, de repente, não é da minha conta? Vocês se metem na minha vida o tempo inteiro com coisas que nem deveriam! Além do mais, se eu estivesse mesmo me metendo na vida do Zayn eu teria ligado para Perrie e contado tudo ou deixado escapar algo para mídia. Mas eu não fiz nada disso, porque não é da minha conta e ele é meu amigo. Mas não me peçam para ser conivente com isso e nem a achar que é uma coisa que não deve ser censurada porque é.
- Hazza, ele é nosso amigo…
- Vocês estão sendo machistas. Aposto que se fosse a Perrie traindo o Zayn vocês estariam xingando as quatro gerações dela. - Harry foi categórico e ao ver as expressões ofendidas dos amigos, ele foi taxativo - É isso mesmo, não vou pedir desculpas.

Niall, Liam e Louis não disseram mais nada preferindo absorver as palavras de Harry do que continuar com a discussão que só traria ainda mais conflito entre eles. Em questão de segundos voltaram a jogar e Liam riu de alguma coisa olhando no celular, mordendo a língua.

- Que cara é essa? Isso só pode ser mulher… - Louis zombou do amigo e Liam deu de ombros com um sorrisinho safado.
- Quem é? - Niall perguntou sem discrição e Liam negou minimamente com a cabeça, continuando a sorrir. Niall não desistiu, a curiosidade foi tanta que pausou o jogo e foi até Liam para tentar ver pelo celular. Fizeram uma pequena guerra por algum tempo até que Niall finalmente conseguiu tirar o celular de Liam e exclamou um “WOW” surpreso, atraindo a curiosidade de Louis.
- O que foi? - Louis perguntou e Niall virou a tela do celular para o amigo que resumiu-se a arquear a sobrancelhas e arregalar os olhos. Liam ainda tentava reaver o celular, embora estivesse rindo.

Mordendo um sorriso, Harry cruzou os braços e as pernas e olhou para os amigos tentando decidir se tinha ou não curiosidade em saber do que se tratava.

- Qual foi agora, hein? - Harry cedeu ao riso e, com gosto, Niall se aproximou mostrando o celular para Harry. Ele pegou o aparelho e olhou para a tela no primeiro momento indeciso sobre o que deveria ver. Era a foto de uma mulher bronzeada usando um biquíni particularmente curto. Estava de costas para a câmera, então a primeira coisa que chamava atenção era para sua bunda com um biquíni cavado deixando a mostra sua curvatura perfeitamente redonda. Harry teria entregado o celular aos amigos e revirado os olhos pelo tamanho escândalo até que sua atenção foi voltada para o rosto da mulher.
- Que? - Harry exclamou de surpreso ao reconhecer a assistente de produção, . - Onde você achou isso?
- Ela mandou para mim no whatsapp - Liam deu de ombros e Harry percebeu que ele estava mentindo pelo sorriso descarado que lançava - No Instagram, estou seguindo ela.
- Ela postou isso no Instagram? Exibida, né. - Louis comentou e Harry teria soltado uma risada nasalada pela implicância do amigo, mas ainda estava processando internamente a foto de . Ela tinha um corpo muito diferente daqueles com quais estava acostumado, muito mais curvas que ficavam acentuadas até nas roupas comportadas que usava. Mas de biquini, realmente, tinha que concordar com Liam. Ela estava de parabéns. E notar isso fez com que Harry sentisse seu abdômen contrair de um jeito que não sentia com .
- Vai me dizer agora que ela não é tudo isso, Louis? - Liam perguntou quando conseguiu reaver o celular.
- Você já tá seguindo ela no Instagram? - Louis desviou da pergunta.
- Ela é nossa staff, não é como se não fosse normal seguir pessoas com quem trabalhamos. Não dei vários likes nas fotos.
- Nem precisou dar likes do jeito que está babando - Harry zombou do amigo.

Liam continuou vendo algumas fotos de com Niall sendo seu papagaio pirata por cima dos ombros e, vendo que o jogo não iria continuar, Louis se levantou indo até a porta do quarto.

- Vou lá ver se o Zayn tá precisando de alguma coisa.

Desligando o playstation já que seus amigos pareciam mais inclinados a stalkear a vida alheia do que jogar, Harry deitou na cama e pensou em tirar um cochilo, mas não conseguiria com os risinhos e comentários impertinentes dos amigos que ainda não tinham deixado seu quarto. Pegou o celular e resolveu aproveitar o momento para responder as mensagens da mãe e de Gemma, mandando fotos dos seus pés deitados na cama para indicar que estava descansando para variar. Distraído, resolveu dar uma atenção as fãs já que há tempos não se dedicava a respondê-las no Twitter. Depois de ter feito a vida de trinta meninas mais feliz com replys e retweets, Harry abriu o Instagram só para passar o tempo.

Uma comichão nos dedos fez com que digitasse despretensiosamente e sem nem perceber o user de na lupa de busca. Não seguiu a mulher, mas movido por uma curiosidade inocente, desceu o feed dela analisando as fotos. Apesar do alarde de Niall e Liam, tinha poucas fotos de si mesma no Instagram. Postava mais fotos conceituais de paisagens aleatórias de lugares por quais tinha viajado, shows de banda que provavelmente tinha produzido e, pelo que Harry percebeu, as imagens mais recorrentes eram de um gato e de uma criança. A criança Harry supôs que fosse a irmã Maria e sorriu pensando em qual teria sido a reação da menina ao seu vídeo.

Foi descendo mais o feed realmente envolvido nas publicações de até que, vez ou outra, viu algumas fotos dela. A de biquíni tinha uma legenda em português que Harry não saberia dizer o que significava e conforme foi vendo outras fotos, passou a ter um outro vislumbre de , permitindo-se enxergá-la não como uma assistente de produção, mas como uma mulher verdadeiramente atraente. Embora não postasse muitas fotos de si mesma, nas vezes que o fazia, Harry pôde perceber que ela não parecia envergonhar-se de exibir o próprio corpo sempre de uma forma conceitual que não deixava transparecer uma impressão vulgar. E Harry tinha uma impressão de que, mesmo que parecesse vulgar, não se importaria.
Desceu o feed até achar uma foto dela segurando uma foto em polaroid em que assoprava as velas de um bolo de aniversário que formavam o número 25. Harry ficou surpreso, jamais diria que era quatro anos mais velha do que ele, apesar de fazer sentido a julgar pela experiência.

- Planeta Terra chamando Harry Styles!

Harry foi acordado do seu momento de distração ao ver Niall estalando os dedos na sua frente. Apressando-se a bloquear o celular, olhou para o amigo.

- O que foi?
- Vamos sair para comer, que ir? - Niall perguntou e Harry ponderou por um momento. Estava realmente faminto, mas não estava muito no humor de paparazzis. Por outro lado, ficaria entediado facilmente naquele hotel e não queria dar de cara com Zayn e ter alguma discussão. Dando-se por vencido, levantou da cama indo calçar as botas.

Demoraram alguns minutos para convencer Liza de que iriam dar um passeio rápido e só puderam sair do hotel depois de concordarem em irem numa van e com a presença de dois seguranças. Evitando contestações, aceitaram a contragosto as condições da agente e em meia hora já estavam a procura de um lugar para ir em Glasgow.

- Já sabe o que quer comer? - Niall perguntou para Liam.
- Yakissoba! Estou com desejo há dias, segundo o Maps, tem um restaurante aqui próximo.

O restaurante estava parcialmente vazio então entraram sozinhos, os seguranças fazendo vigia do lado de fora sem causar muita suspeita. Enquanto esperavam a garçonete aparecer para atendê-los, Harry recebeu uma mensagem de Kendall.

Vou estar em Birmingham na sexta, será que dessa vez te vejo?

Harry sorriu ao digitar a resposta, aliviado por saber que as coisas estavam ok entre eles.

Com certeza sim! ;)

- Olá, boa tarde. - A voz da garçonete chamou atenção dos meninos e ela sorriu educadamente quando eles a encararam. Com os olhos puxados e cabelos extremamente lisos, a mulher parecia ser de algum lugar da ásia.
- Olá, vamos querer um Yakissoba misto tamanho família, por favor. - Liam pediu.
- Algo para beber? - A garçonete perguntou educadamente.
- Querem cervejas? - Liam sugeriu e Niall e Harry deram de ombros - Três cervejas por favor.

Logo os três amigos engataram em uma conversa sobre o próximo show que aconteceria no dia seguinte e mais uma vez tinha sido sold out. Em pensar que já estavam nessa há cinco anos seguidos e em muitos aspectos parecia ter sido ainda outro dia que tinham feito o primeiro show… E agora eram pessoas reconhecidas e famosas. E muito famosas, já que não demorou muito e a notícia de que estavam naquele restaurante pareceu se espalhar.

- Tem uma menina na mesa aqui do lado tirando foto de nós - Harry murmurou acenando para a foto deixando a menina vermelha. Não se importava em tirar foto com as fãs desde que elas pedissem por isso. Não gostava muito de ser flagrado enquanto estava comendo, sentia-se como um animal no zoológico.

O que os três integrantes da One Direction não sabiam é que a menina que tirara as fotos era dona de uma das contas mais seguidas por fãs locais da banda. Nem bem tinham acabado de comer e o local acabou se amontoando de meninas que entravam sem a menor discrição interrompendo a refeição deles para tirar fotos e pedir autógrafos causando um certo tumulto no restaurante. Os seguranças entraram para tentar conter e restringir as meninas, mas isso acabou sendo negativo visto que as que não conseguiram suas fotos ou seus autógrafos começaram a protestar e chorar.

- Isso aqui vai dar merda - Niall disse para Harry e Liam olhando assustado a quantidade de meninas que tentavam chegar até eles.
- Elas estão histéricas, parece que vamos ser comidos vivos - Liam arregalou os olhos e nem mesmo Harry pode dizer algo para amenizar a situação.
Estavam realmente apreensivos de como iriam conseguir sair daquela ilesos quando a garçonete aproximou-se deles.
- Posso tirar vocês daqui sem terem que passar por elas.
Os olhares suplicantes de Harry, Liam e Niall quase fizeram a garçonete rir, mas ela parecia verdadeiramente compadecida da situação.
- Me sigam, por favor. - Ela disse enquanto os seguranças continham a barreira de fãs e os meninos a seguiram até os fundos do restaurante com nenhuma alternativa a não ser confiarem nela. Desceram uma escada e chegaram na garagem no subsolo. - Usamos isso para fazer entregas - Ela explicou apontando para o carro de entregas plotado de adesivo vermelho.

Os meninos se entreolharam apreensivos com os mesmos questionamentos. Poderiam e deveriam confiar em uma garçonete totalmente desconhecida? A resposta foi um coletivo dar de ombros enquanto entravam no automóvel. Entre isso e serem engolidos vivos por fãs histéricas, ficariam com a garçonete que estava sendo solícita até demais, visto que era ela quem estava com três homens dentro de um carro. Niall ia explicando para a garçonete o endereço do hotel deles ao mesmo tempo que Liam e Harry agradeciam milhares de vezes.

- Nossa muito obrigado…?
- Kimberly - A garçonete completou com um sorriso.
- Kimberly. Muito obrigado! Mas isso não vai te colocar em apuros no trabalho? - Harry perguntou preocupado. Odiava incomodar as pessoas.
- Não - Kimberly explicou entre um riso - O dono é meu pai e na verdade a ideia foi dele, vocês meio que assustaram a clientela.
Niall e Liam riram, mas Harry sorriu sem graça.
- Me desculpe por isso, Kimberly. Se houver alguma forma de te recompensar por isso…
- Na verdade, tem sim - Kimberly sorriu - Poderiam autografar alguma coisa para mim?
Os meninos riram da piada, mas ao perceberem que Kimberly permanecia impassível, arregalaram os olhos.
- Você é uma fã? - Niall perguntou chocado.
- Fodeu, ela está nos sequestrando… - Liam mordeu os nós dos dedos e Harry riu sendo acompanhado por Kimberly.
- Não se preocupem com isso. Jamais faria isso. Na verdade imagino que deva ser realmente um saco ter que lidar com pessoas invasivas o tempo todo.
- Nós gostamos das nossas fãs, de verdade, mas é que as vezes isso pode ficar um pouco… - Harry perdeu as palavras.
- Fora de controle - Liam completou.
- Peço desculpas em nome das fãs por isso. - Kimberly sorriu.
- Já que é nossa fã, me diga três músicas que não sejam singles - Niall desafiou e Kimberly revirou os olhos rindo.
- Nobody Compares, Better Than Words, I Wish. - Kimberly respondeu sem nem piscar e Niall aprovou.
- Como formamos a banda? - Liam perguntou e Harry e Niall riram. Kimberly gargalhou.
- Essa qualquer um sabe. No X Factor na edição de 2010.
- Qual nome do nosso segundo álbum? - Harry entrou na brincadeira.
- Take Me Home e na minha humilde opinião, simplesmente o melhor disco já feito por vocês.
- Resposta errada, Kimberly! O melhor álbum é sempre o último feito! - Harry protestou e Kimberly balançou a cabeça em negação.
- Eu sou fã raiz, daquela que critica mesmo e fala a verdade!
- Então me diz qual foi nosso primeiro show grande…

A brincadeira de testar os conhecimentos de Kimberly sobre a One Direction durou todo o caminho até o hotel. Para os meninos estava sendo uma forma de agradecê-la por ter feito o que fez e, para, Kimberly, o momento mais especial de todos.

- Me diz qual foi o nome do meu coelhinho na infância! - Harry gritou apontando para Kimberly que até aquele momento não tinha errado nenhuma resposta.
- Você não teve um coelho na infância, Harry Styles! - Kimberly gritou de volta, rindo junto a Liam e Niall.
- E qual sua música favorita? - Liam perguntou e Kimberly sorriu de canto.
- Little Things.
- É uma música muito bonitinha, não é? - Niall comentou orgulhoso.
- É mais do que uma música bonita, ela tem um significado muito especial para mim.
- E qual o significado? - Harry perguntou curioso e Kimberly suspirou, tentando colocar em palavras.
- Eu sempre tive problemas de baixa auto estima. Me sentia diferente dos outros, principalmente por conta da minha descendência. Nunca tive uma relação muito boa com meu corpo e… Little Things… Little Things fez com que eu olhasse para mim mesma com um pouco mais de carinho. Me incentivou a me amar um pouco mais.

Os integrantes da 1D sorriram para Kimberly que estava tentando de tudo não ter um ataque cardíaco por estar dando carona aos seus maiores ídolos. Em clima de outras piadas e quizz, quando os risos cessaram, os meninos perceberam que ela tinha freado o carro. Estavam de frente para o estacionamento do hotel.

- Kimberly, já que você é nossa fã número 1, é claro que vai estar presente no nosso show amanhã, não é? - Liam perguntou e o semblante antes animado e feliz de Kimberly, esmoreceu. Com um aceno de cabeça, ela indicou que não.
- O que? Isso não é possível!
- Kimberly tem certeza que você é realmente nossa fã?
- Meninos, vocês sabem quanto custa um ingresso para o show de vocês? - Kimberly perguntou e Harry, Niall e Liam ficaram calados. - Meu pai não quis me dar dinheiro para comprar e quando finalmente consegui juntar dinheiro o suficiente, os ingressos tinham acabado. Queria muito ir, mas só de conhecer vocês hoje já estou feliz.
- Me dá seu nome completo e número de documento de identificação - Niall disse pegando o celular.
- Que?
- Seu nome completo e seu número de identificação - Niall repetiu pacientemente e Kimberly olhou de Liam para Harry boquiaberta. Os dois sorriram para ela.
- Ele quer seus dados para te colocar no camarote VIP, Kim. - Harry disse e sorriu ainda mais ao ver os olhos de Kimberly se encherem de lágrimas. - Ah, não faça drama, você mereceu! Sabe tudo sobre nós e ainda nos salvou hoje.
- Meninos, sério, eu…. Eu… - Kimberly não conseguiu não ceder as lágrimas e Niall a abraçou de lado no carro rindo ao afagar o cabelo dela.
- No fim do dia todas as fãs são iguais e histéricas - Niall disse e Kimberly se afastou dando um tapa no braço dele, rindo muito em seguida.

Kimberly passou os dados para Niall que garantiu que seu nome estaria na lista VIP e ela só precisaria aparecer com a identidade e teria acesso ao backstage. Radiante de tanta felicidade, Kimberly acenou empolgada ao acelerar o carro.

- Menina legal, né? - Niall comentou entrando no hotel - É tão fácil fazer fãs felizes… - Iam concordando com isso quando Liam parou bruscamente de andar e bateu na testa.
- Merda!
- O que foi? - Niall e Harry perguntaram assustados.
- Os seguranças. Nós deixamos eles no restaurante…. Eles devem estar PUTOS com a nossa cara!

E em questão de segundos depois, os três caíram na gargalhada só de pensar em Preston e Caleb procurando por eles em todos os cantos daquele restaurante.

♡♡♡

Passava de pouco mais de três da tarde quando os meninos da One Direction chegaram no local onde aconteceria o show. Como sempre tudo estava na mais perfeita ordem graças ao bom trabalho da produção, mas, enquanto iam de um lado a outro organizando as coisas para a passagem de som, Harry sentiu falta de algo que até então não tinha percebido. O local estava silencioso. Estranhamente silencioso sem nem sinal da risada escandalosa de .

- Cadê a maluca da ? Alguém viu? - Liza verbalizou a pergunta que se fazia na mente de Harry e ele atentou-se a quem responderia.
- Ela já fez a checagem dos equipamentos, organizou o camarim e acho que agora está fazendo o cadastramento da imprensa. - Lolla respondeu enquanto os meninos seguiam até seus respectivos microfones para passagem de som.
- Tá aí uma pessoa que trabalha direito! - Liza comentou com orgulho e Lolla e Peter se entreolharam pela indireta.
- Esse lugar tá muito silencioso, cadê a palhaça da ? - Niall chegou subindo ao palco.
- Hoje ela está mais na dela, reclusa. Tá se entupindo de trabalho pra lá e pra cá. Acho que ela não tá muito legal… - Peter comentou baixinho e Harry franziu a sobrancelha sentindo dificuldade em associar uma imagem de triste. Simplesmente não fazia o menor sentido.
- Vou procurar por ela - Liza disse saindo do palco chispando Peter e Lolla pelo caminho para que os meninos ficassem livres para fazer a passagem do som. Depois de alguns minutos e tudo estar certo, desceram do palco rumo ao camarim.
No caminho, o celular de Harry vibrou indicando o nome de Gemma Styles no visor.
- Boa tarde, irmã! - Harry cumprimentou a Styles mais velha.
- Boa tarde, pirralho! Como está?
- Estou bem, acabei de fazer passagem de som para o show de hoje a noite. Por aqui tudo certo. E você?

Bateram papo por alguns minutos até que Gemma finalmente revelasse o intuito por trás da ligação.

- Harry, os meninos estão perto de você? - Gemma perguntou e Harry franziu a sobrancelha desconfiado.
- Estão sim…
- Tem como você se afastar deles um pouquinho? Quero conversar com você e não quero que você tenha reações próximo a ninguém.

Embora estivesse um pouco apreensivo com o conteúdo da conversa, Harry não contestou. Alegou que a ligação estava ruim e saiu rumando para uma sala vazia e mal iluminada no andar.

- Pode falar, Gemma.
- Harry, não surta antes de me ouvir até o final, ok? - A irmã pediu com uma voz contida.
- Fala logo, Gemma, você tá me deixando nervoso.
- Olha, você sabe que eu nunca me meti na sua carreira, não sabe?

Harry assentiu mesmo que fosse inútil e Gemma não pudesse ver. Percebendo isso, murmurou em concordância para que ela continuasse.

- Mas tem um empresário que está muito interessado em fazer negociação com você…
- Gemma eu já tenho empresário. O Simon, estamos pela Modest, porque iríamos mudar de empresário depois de tanto tempo? Quer dizer, sim, eu sei que a Modest não é perfeita, mas…
- Harry, o empresário quer fazer negociação com você, não com a One Direction.

Harry ficou em silêncio enquanto seu cérebro processava as palavras de Gemma.
- Não! Gemma!
- Harry, antes de recusar, apenas pense! É isso o que você quer, no fundo do coração você sabe que é isso que você quer. Fazer sua própria música, participar da produção do seu próprio disco e poder ficar a frente da própria carreira. Fazer músicas que realmente tenham a ver com você e com quem você se tornou como artista.
- Gemma, eu estou no meio de uma turnê com a One Direction e você vem falar de carreira solo, não acha que seu timing está um pouco ruim? - Harry contestou - Além do mais, eu não sei sei… Se estou pronto para isso.
- Harry, só temos eu e você aqui. Não negue. Você sabe que já está cansado da One Direction.

Harry pensou por uns segundos e sentiu-se péssimo por isso. Odiava o fato de Gemma conhecê-lo tão bem.

- Não é bem assim, Gemma. Eu gosto da banda…
- Hazza, eu sei que você gosta, mas eu te vi nas férias… Pensando nas músicas que você iria compor para outras pessoas cantarem… Você quer cantar todos os trechos da sua própria música e te ver compondo coisas tão lindas me fez pensar que talvez esteja na hora de pensar na sua própria carreira.

Harry suspirou e tirou umas mechas de cabelo do rosto, pensando no que dizer a irmã. Era verdade, por um lado sentia aquele comichão dentro do peito, aquela vontadezinha constante que dizia que estava na hora de seguir o próprio rumo. Tinha que admitir que depois de um tempo tinha se tornado desgastante estar sempre em turnês que não escolhiam, fazendo músicas que não representavam mais o estilo dele e seguindo as restrições da Modest. Até mesmo a convivência com os meninos não era boa o tempo inteiro… Mas só em pensar de não tê-los por perto causava uma sensação de pânico em Harry. O medo do incerto nunca foi tão real.
O cantor estava prestes a responder a irmã quando se sobressaltou num susto ao ouvir o barulho de uma garrafa caindo no chão na sala que estava.

- AAAARRE!

Harry desligou na cara de Gemma e estava prestes a sair correndo quando se esbarrou sem querer no interruptor de luz, acendendo-a a tempo de ver a figura de agachada no chão olhando-o estática, uma garrafa de tequila caída no chão.
Ficaram em silêncio por alguns segundos se encarando como se estivessem eletrocutados e então só depois de um tempo é que Harry foi se dar conta do que estava acontecendo.

- ! Que susto, porra!
- D-d-desculpe, minha garrafa caiu.

Harry suspirou fundo e de repente sentiu como se estivesse tomando um banho de água gelada.

- Você ouviu tudo, não foi? - Perguntou apreensivo. Merda, merda. Fodeu, fodeu, fodeu.
- Sobre você falando de carreira solo? Sóóó um poquiiiinho - disse com a voz arrastada e Harry soltou um muxoxo, frustrado. - Mas em minha defesa eu cheguei aqui primeiro. Mas não quis te assustar, então fiquei quietinha quietinha.
- Bom trabalho em não me assustar, a propósito. - Harry ironizou e mostrou um sorriso de dentes cerrados feito criança pequena que se desculpa.
- Mas não se preocupe, não vou contar a ninguém.
- , o que você ouviu…
- Harry, sem querer ofender, mas… Eu não poderia me importar menos - disse dando de ombros pegando a garrafa de tequila, abrindo-a novamente. O cantor emudeceu e só então foi prestar atenção no semblante de . Ela estava com o rosto manchado de lágrimas e parecia realmente abatida. Só aquela visão foi o suficiente para fazer com que Harry esquecesse por alguns segundos da conversa com Gemma e se concentrasse na mulher a sua frente como se a estivesse vendo pela primeira vez. Quem era aquela e o que tinham feito com a ?
- Você está bem? Ei, ei, você está bem? - Harry aproximou-se para agachar-se no chão de frente para tirando a garrafa de tequila das mãos dela.
- Devolve minha tequila, Harry.
- , você tá trabalhando, se a Liza te pega aqui desse jeito vai ser ruim para você.

Mas essa parecia ter sido a coisa errada para dizer porque logo os olhos de foram preenchidos por mais lágrimas e a visão daqueles olhos marejados fez com que Harry sentisse um desespero irracional. Ela simplesmente NÃO combinava com lágrimas.

- Eu deveria estar trabalhando, que merda, que merda, que merda… E agora tô aqui feito uma idiota chorando sabe por que, Harry? Ha, ha, ha, quer ouvir algo realmente engraçado? Dizem que a gente consegue colocar nossos próprios problemas em perspectiva quando ouvimos o problema dos outros. Você quer ouvir os meus, Harry? Enquanto você fala da sua carreira solo eu to aqui chorando por causa de um homem!
Para surpresa de Harry, disparou a falar.
- Eu tô chorando por causa de macho, sinceramente, que porra! Burra do caralho!
- ? Você está resmungando em português, eu não entendi nada - Harry disse com suavidade e ela desatou a chorar.
- Nós namoramos por cinco anos! Cinco anos, Harry Styles! - soluçou visivelmente bêbada e Harry não pôde fazer nada além de ouvir as lamúrias da mulher. Não percebeu como aconteceu, mas já estava com a mão sobre o ombro dela, dando leves batidinhas. - Meu pai é dono de uma produtora, sabia?

ia dizendo coisas desconexas e Harry precisou fazer um esforço muito grande para ter empatia e não rir das coisas que a mulher dizia. Mas parte de si ainda encontrava-se incapaz de rir por estar tão assustada de ver chorando.

- Por isso que eu trabalho com produção de eventos desde cedo, sempre foi algo que gostei de fazer. Fiz cursos, aprendi tudo… E quando a oportunidade de trabalhar aqui por um tempo surgiu, eu simplesmente abracei essa causa porque seria incrível para mim! Eu vim para cá sem planos de voltar para o Brasil e o Bruno sabia disso.
- Bruno é o seu namorado? - Harry tentou acompanhar a conversa já que não tinha escolha e continuaria seu monólogo de qualquer jeito. Ela confirmou com a cabeça.
- Cinco anos! Cinco anos! Quem termina um relacionamento de cinco anos assim de uma hora pra outra? Nós combinamos que ele viria para cá em seis meses e nós iríamos conversar. Ou eu voltaria para o Brasil ou ele viria morar comigo… Mas nesse meio tempo nós temos um relacionamento aberto, sabe como é, Harry?
- Acho que sei… - Harry respondeu embora não estivesse muito seguro de saber realmente.
- Nós transamos com quem quisermos, a hora que quisermos, sem problemas. Mas quando ele vier para cá, vamos conversar. MAS ELE PRECISAVA TRANSAR COM MINHA AMIGA?
Harry arregalou os olhos pelo grito súbito de e ela enxugou os olhos com selvageria.
- Pior que eu não posso reclamar porque nunca dissemos que existia restrições, mas…
- Mas amigos são implícitos, não é? - Harry continuou.
- Siiiiim, não é??? Meu Deus, você me entende, Harry, você me entende!!! - segurou nas golas da jaqueta de Harry e ele sorriu olhando para o quanto ela parecia adorável assim, bêbada, vulnerável, mas ainda assim furiosa.
- , se você está desconfortável com isso é só conversar com ele… E com sua amiga, que não foi nada amiga sua. - Harry disse sentindo-se patético por estar dando conselhos para uma pessoa que mal conhecia. - Ou você pode terminar tudo e continuar com sua vida.
- Não posso. Ele já está com as passagens compradas de qualquer forma, chega daqui dois meses. - fez uma careta e sem pedir consentimento, colocou sua cabeça no ombro de Harry choramingando. De início o cantor ficou sem reação, mas, depois de alguns segundos, suavizou a expressão e suspirou fundo contendo um sorriso resignado ao dar batidinhas na cabeça dela indicando que iria passar.

Estar assim, tão próximo de , fez com que o cheiro dela novamente emanasse a ponto de tomar todo o ambiente. Era um cheiro floral, suave, levemente adocicado, mas não a ponto de ser enjoativo. Pelo contrário, era instigante. Dava vontade de inspirar profundamente para continuar sentindo aquele aroma gostoso e inebriante por mais tempo.

- Você é uma boa pessoa, Harry. - murmurou depois de um tempo surpreendendo o rapaz. A voz dela já não parecia mais embargada e ela já tinha enxugado as lágrimas. levantou a cabeça e sorriu para Harry, vendo-o exibir um sorriso mínimo com uma covinha acentuada.

Harry ficou de pé e estendeu as mãos para que pudesse apoiar-se nele para levantar. Assim que ela o fez, desequilibrou um pouco devido a embriaguez o que demandou do rapaz um impulso para evitar que ela caísse. Esse esforço fez com que os corpos se chocassem desajeitados, Harry a abraçando pela cintura e com as mãos nos braços dele.
Aquela proximidade repentina causou um certo embaraço entre eles, mas, para surpresa de ambos, não se afastaram. Não instantaneamente. Harry olhava para cauteloso, medindo cada uma de suas reações de forma incerta, ainda preocupado com o estado de embriaguez da mulher. Ela, por outro lado, encarava Harry com seus olhos grandes e analíticos como se estivesse realmente reparando nele pela primeira vez. Ela estava com os lábios entreabertos e olhava fixamente para boca de Harry, que sentiu seu estômago revirar ao perceber isso.

- Você é muito bonito, Harry… - quase sussurrou e Harry não foi capaz de se mover. Talvez tomado pela surpresa, talvez tomado pela nova sensação que a aproximação dela lhe causava, talvez pelo cheiro que emanava da sua pele. Do contrário, ele permaneceu quieto e atento, observando-a com cuidado. Não se deu conta de como aconteceu de ficarem cada vez mais próximos a ponto dos lábios roçarem e só realmente caiu na real quando pressionou a boca dela contra a sua, fazendo com que Harry sentisse um breve gosto de tequila.

Não foi bem um beijo, mas um breve tocar de lábios. Harry estava confuso, mas igualmente interessado quando afastou-se subitamente olhando para ele com sobrancelhas franzidas. Harry não soube o que dizer, ainda embasbacado demais para expressar reações. Trocaram um breve olhar confuso até que, no segundo seguinte, curvou-se para, em um só fôlego, vomitar toda a tequila nos pés do cantor.

Capítulo 4 - O primeiro beijo

Harry ficou tão chocado que não conseguiu esboçar reação além dos olhos arregalados e as mãos estendidas. Tudo tinha acontecido tão rápido que seus neurônios pareciam ter dado um nó impossibilitando-o de compreender a sucessão de acontecimentos. Gemma ligando para falar de uma carreira solo, escondida ouvindo a conversa, bêbada, chorosa e, de repente, dizendo coisas estranhas e beijando Harry. E no segundo seguinte a tudo isso, vomitando furiosamente em seus pés.

Mais precisamente em suas botas Frye.

Com um suspiro, Harry relaxou a postura e, com uma mão segurou os cabelos de retirando-os do rosto e, com a outra, sacou o celular do bolso para pedir reforço.

- Diga - Louis falou quando atendeu o celular.
- Tem como você vir aqui na sala nove? É logo atrás do nosso camarim, preciso de você aqui.
- Precisa de mim para o que? - Louis perguntou despreocupado e Harry pôde ouvir o barulho de mastigação.
- Para uma coisa, Louis, vem logo e vem sozinho - Harry disse impaciente enquanto soltava um soluço entre outra rajada de vômito.
- Sozinho? Harry Styles quando eu disse que você precisava de uma distração não era a mim que estava me referin…
- Vai se ferrar, Louis. Venha logo. E traga um balde de água e pano de chão. - Harry desligou na cara do amigo e voltou-se para a assistente de produção que parecia recuperar um pouco da respiração.
- Eu me ferrei, não foi? - disse num soluço e Harry balançou a cabeça em negação.
- Não se eu conseguir tirar você daqui a tempo de ninguém notar e ainda limpar esse vômito.
- Liza vai me matar, vai me demitir… Vou voltar para o Brasil e meu pai vai ficar puto comigo.
- Não vai ser demitida, Liza te adora e adora seu trabalho.
- Harry, desculpa… - pediu limpando a boca erguendo-se para olhar para Harry. Estavam se encarando em silêncio quando Louis apareceu na sala, parando de súbito ao encarar a situação.
- Que merda tá acontecendo aqui? O que ela tá fazendo aqui?
- Você trouxe esse idiota pra me ajudar? - disse num muxoxo e, virando-se para Louis, apontou - Sabe que eu nunca gostei muito de você? Você é metido, pedante, grosseiro e adora fazer barraco e dar piti por nada.

Louis estreitou os olhos e encarou Harry com os braços cruzados. Um balde de água numa mão e um pano de chão em outra. Harry fez uma careta e coçou a nuca, sem graça.

- Loui, releva, ela tá bêbada. Tá falando da boca pra fora.
- Não eu não t… - Mas Harry tapou a boca de com a mão. - Mmmmmmm.
Louis revirou os olhos e colocou o balde e o pano no chão olhando para o vômito de com nojo.
- Você é quem vai limpar isso, não eu. - Harry suspirou, já esperava por isso.
- Você pode levar ela? Tem um posto médico no andar de baixo para casos de emergência. Ela pode tomar um pouco de glicose e logo vai estar melhor. Ela precisa estar de pé porque mais tarde tem show.
- Pois é, Harry, mais tarde tem show! E eu preciso aquecer minha voz, preciso descansar e não ficar de babá de . Se ela foi irresponsável para beber no horário de trabalho não deveria estar na nossa equipe e… - Louis parou de falar quando Harry tocou no ombro dele, olhando-o com uma expressão que dizia “pega leve!”.
- Louis, faz isso por mim, por favor? Vou cuidar de limpar disso aqui.

Louis resmungou mais alguma coisa, mas logo respirou fundo apoiando um dos braços de ao redor do seu ombro, ajudando-a a sair da sala. acenou para Harry e enviou um beijinho no ar fazendo-o rir fraco.

- Obrigada, Haz, você sempre foi o meu favorito!

Harry respirou fundo encarando a porta pela qual Louis e tinham acabado de sair sem saber como estava se sentindo a respeito das coisas estranhas que tinham acabado de acontecer. Com um olhar triste e enojado, encarou as botas que eram suas favoritas.

- Argh, , por quê!???

tropeçou duas ou três vezes a caminho do posto médico, precariamente escorada em Louis enquanto tentava conter as risadinhas. Louis parecia amaldiçoar até a última geração Styles.

- Louiiii, por que você é emburrado assim? - perguntava em zombaria enquanto Louis desviava de alguns corredores com pessoas.
- Eu não sou emburrado, você que é… extra.

nem teve tempo de murmurar ofendida porque assim que chegaram no posto, Louis a largou em cima de uma cadeira. Estava quase virando-se para ir embora quando ela o puxou pelo braço.

- Eu tenho medo de agulha - confessou e de repente seu olhar estava realmente suplicante. Suspirando fundo sem acreditar na sua falta de sorte, Louis revirou os olhos e voltou-se para ficar ao lado da assistente de produção que nem sequer gostava.

Ficaram em silêncio enquanto a enfermeira colocava o acesso intravenoso com a bolsa de glicose ao lado. Assim que terminou seu serviço, percebeu que apertava a mão de Louis com força.

- Por que você não vai com a minha cara? - perguntou de supetão e Louis franziu a testa olhando-a com confusão.
- Que papo é esse do nada, ?
- É, porque você sempre me trata mal.
- Não trato você mal.
- Você faz deboche quando eu estou perto, desde o primeiro dia você faz isso! - acusou com a voz engrolada e Louis torceu a boca sem realmente responder. A verdade é que nem ele sabia porque não ia com a cara da produtora, só sabia que o jeito dela o irritava.
- Você está bêbada.
- Estou. E eu preferia mil vezes que fosse o Harry aqui comigo agora - disse taxativa e Louis deu um riso nasalado.
- Sei, aposto que sim.
- Eu nunca dei ouvidos quando a minha irmã dizia que ele era o melhor membro da 1D, mas ele é realmente muito educado, e engraçado, e bonito…
Louis não prendeu um risinho ao ver visivelmente bêbada falar sobre Harry Styles.
- , você tem uma crush pelo Harry? - Perguntou de pirraça aproveitando-se da embriaguez da mulher.

respirou fundo e deu de ombros com uma expressão enigmática fazendo Louis rir. Mas o riso durou pouco tempo porque logo os olhos dela foram preenchidos de lágrimas e começou a ficar triste por conta de Bruno novamente… O que a motivou a falar desembestadamente a respeito com um Louis que já nem estava achando mais tão entediante assim ficar do lado dela.

♡♡♡

Lou estava dando um trato no cabelo de Harry quando Zayn entrou na sala, taciturno. Fingindo não notar a presença do amigo, Harry continuou fazendo as mesmas piadas de sempre e desviando a cabeça para atrapalhar a cabeleireira só de pirraça. Cansada, Lou entrelaçou os dedos nos cabelos de Harry e deu um puxão com pouca força fazendo-o gritar de dor ao mesmo tempo que ria matreiro.

- Fica quieto, moleque, nós temos que dar um jeito nesse seu cabelo todo embaraçado.

Enquanto Harry continuava a testar a paciência de Lou, Zayn argumentava com Caroline a escolha do figurino para o show.

- Não quero usar isso…
- Mas você aprovou esse look antes da turnê começar! - Caroline dizia sacudindo o cabide na frente de Zayn, que apenas deu de ombros desinteressado.
- Mas eu não estou no humor hoje, certo?
- Ah, você não está no humor? - Caroline ironizou e depois encarou Zayn com cara de poucos amigos fazendo-o suspirar.
- Por favorzinho?

Caroline balançou a cabeça em negação com os olhos cerrados, mas não aguentou muito do olhar pidão de Zayn para ceder aos caprichos do rapaz.

- Tá bom, tá bom… Pode escolher...
- É por isso que eles são estragados desse jeito, porque você fica mimando. - Uma voz arrastada ecoou pela sala e Harry se esticou tanto para virar de frente para a porta que acabou batendo o olho no pente que Lou tinha nas mãos - Se eu fosse a estilista eu iria socar a roupa a força mesmo.
- Fica quieto, Styles pelo amor de Deus! - Lou bradou enquanto Harry segurava o olho que lacrimejava ao mesmo tempo que ia entrando na sala.
- Se você fizesse isso não seria mais a estilista - Zayn disse para , logo mudando o tom de voz - O que seria uma pena porque te ver ilumina meus dias…
- Sai fora - espalmou o ar na direção de Zayn. Harry abriu e fechou os olhos com força limpando o rastro de lágrimas do rosto e encarou pasmo. Ela estava com olheiras embaixo dos olhos e uma expressão cansada, mas estava de pé e parecia sóbria. Pelo menos a glicose pareceu ter efeito.
- Escuta, tem uma fã lá fora querendo entrar porque segundo ela o nome estaria na lista VIP, mas não tem o nome dela. E ela me pediu, na verdade me suplicou, para checar novamente porque ela conhece vocês.
- Todas dizem isso - Zayn deu uma risada nasalada e concordou dando de ombros.
- É, mas ela me parecia sincera até demais. Me pediu para checar com Harry, Liam e Niall, o nome Kimberly parece familiar para você, Harry? - dirigiu sua fala perfeitamente profissional a Harry como se o momento de horas atrás nunca tivesse acontecido.
- Kimberly… Sim! Kimberly! Foi a nossa fã que nos salvou. Niall realmente disse que ia colocar os dados dela na lista VIP, ele não fez isso?
- Não e a coitada está quase aos prantos lá fora. - suspirou cansada - Bom, vou dizer que ela pode fazer o cadastramento então.

Sem dizer mais nada, saiu da sala rumando até o camarote. Harry a acompanhou com o olhar e o incômodo acabou falando mais alto. Afastando o pente de Lou dos seus cabelos, Harry se levantou da cadeira e correu em direção a ignorando os protestos de Lou.

- Ei, ei, ei. - Harry chamou e virou de costas o encarando com confusão.
- Que foi?
Harry arregalou os olhos e balançou a cabeça olhando para a assistente de produção como se ela fosse louca.
- Como assim o que foi? Como você está? Você estava bêbada vomitando nos meus pés há pouco tempo atrás!
- Ah, tá, isso - disse fazendo pouco caso - Bom, o emburradinho do Louis me levou até o posto.
- Já até posso imaginar o tanto de alfinetada que vocês deram um no outro.
- Na verdade, não. Louis foi até bem legal ficando do meu lado até começar a fazer efeito. Deve ter me aguentado falando um monte de lorota… - Eis a deixa que Harry precisava.
- , falando nisso… Sobre o que aconteceu mais ced…
- Harry, preciso ir. Estão me chamando lá no camarote. Falo com você mais tarde. - disse já se distanciando deixando um Harry embasbacado para trás.

Simples assim, ela saiu. Sem nem deixá-lo dizer qualquer coisa, sem nem parecer remotamente envergonhada ou tampouco arrependida por tê-lo quase beijado horas atrás. Ainda desnorteado, Harry voltou para a sala onde Lou estava encarregada do cabelo de Niall, e Zayn e Liam já estavam completamente vestidos. Ao ver Harry se aproximar, Zayn comentou vagamente:

- Estamos combinando de ir na Vipper hoje depois do show, você quer ir? - Harry levantou uma sobrancelha.
- Já estamos nos falando? - Perguntou sério embora contivesse um certo deboche em seu timbre. Zayn apenas revirou os olhos.
- Olha eu me comportei como um idiota e você falou merda sobre minha vida. Pronto - Zayn disse como se fosse pouco caso, mas Harry sabia que era a forma que o amigo tinha de voltar ao normal com ele - Vai hoje ou não. - Harry deu de ombros e sorriu.
- Vou.
- Lou, quer ir também? - Zayn virou-se para a cabeleireira.
- Só se mais adultos forem também. - Lou disse para pirraçar os meninos.
- Vamos chamar a ! - Liam disse e, por um motivo desconhecido, Harry sentiu algo se revirar dentro de seu estômago.
- Se a for, a Lolla e o Peter também vão. - Zayn respondeu e Lou ponderou por alguns segundos antes de concordar.
- Meninos, show em dez minutos, vamos, vamos, vamos! - Liza apareceu na sala batendo palmas dando pressa nos que não estavam nem perto de ficarem prontos. A agente saiu batendo na bunda de cada um dos meninos com a prancheta aterrorizando para saber o paradeiro de Louis que logo apareceu com cara de sono. Depois de ter tocado o terror com os meninos, Liza saiu para infernizar a vida de outras pessoas.
- E ela? Nós vamos chamar ela? - Liam apontou com a cabeça para o lugar onde Liza tinha acabado de sair.
- Nem pensar. Hoje eu quero beber até esquecer meu nome - Zayn respondeu categórico e as risadas em resposta indicavam que todos estavam de acordo.

Quinze minutos depois estavam no palco fazendo a alegria de quinze mil pessoas que gritavam enlouquecidas os nomes dos cinco integrantes da boyband mais famosa e querida do momento. Para Harry, era sempre divertido estar no palco. Não encarava os shows como um cumprimento de agenda e obrigações, pelo contrário, era o momento que tornava toda a rotina cansativa de gravações, entrevistas e viagens valer a pena. Era quando podia se sentir próximo das pessoas que tornaram possível todo aquele sonho que vivia.
Por isso, era sempre uma entrega genuína quando fazia suas palhaçadas no palco para entreter as fãs. Entre uma música e outra (e as vezes até durante a música), Harry engatava em algum jogo com as fãs da grade. As vezes tentando abocanhar algum doce que jogavam no palco, as vezes lendo os cartazes em voz alta, as vezes usando alguns objetos arremessados e implicando com os casais. A brincadeira da vez naquela noite era com água, simplesmente uma das favoritas de Harry, que fazia guerra com suas fãs e quase sempre acabava todo encharcado.

- Vocês acabaram com minha camisa, acham isso certo? - Disse no microfone mostrando o peitoral todo molhado onde a camiseta branca já se encontrava quase transparente podendo ver o contorno das tatuagens. As fãs, obviamente, foram a loucura - Vai ter volta! - Ele disse quando a contagem da bateria para uma nova música começou.

As meninas já sabiam o que vinha a seguir.

Harry encheu a boca de água e caminhou pela passarela do palco ao mesmo tempo que os acordes de Better Than Words começavam. Na batida que dava início a música, o cantor envergou-se para trás, bateu no peitoral e espichou água para cima. Sorrindo feito um idiota do seu próprio feitio, Harry mostrou a língua para seu público, mas oscilou a postura brincalhona no momento que olhou para baixo e percebeu encarando-o com uma expressão furiosa. Ela passou a mão no rosto todo molhado retirando a água dos olhos e só isso fez com que Harry explodisse em gargalhadas antes de começar a cantar sua parte da música.
Conseguiu, através da leitura labial, ver que murmurava um “babaca” fuzilando-o com o olhar e isso só fez com que risse ainda mais, disposto a perturbar a produtora durante toda a música. A contragosto, só cedeu um sorrisinho mínimo na hora que Niall cantava e Harry segurou suas bolas olhando para ela com uma piscadela. balançou a cabeça em negação e se afastou deixando um Harry risonho continuar seu show.
Algumas músicas mais se passaram até que os meninos se sentassem lado a lado no palco.

- Essa música é muito especial e vocês sabem disso - Niall disse com o violão na mão e as fãs gritaram - Mas hoje, nós vamos dedicá-la para alguém que cruzou nosso caminho e nos ajudou muito.

Harry e Liam se entreolharam e sorriram já sabendo do que se tratava enquanto Zayn e Louis buscavam respostas dos outros dois com suas expressões confusas.

- Ela nos disse que essa música ajudou muito a enxergar a si mesma com muito carinho e eu espero que vocês se sintam da mesma forma. E saibam que são todas lindas - Niall disse fazendo com que as fãs gritassem de um jeito quase ensurdecedor - Nossa fã número 1, essa é para você.
O que Niall não fazia ideia é que enquanto começava a dedilhar os primeiros acordes de Little Things, lá do camarote, Kimberly tremia por saber que aquele momento era dedicado a ela. Era como estar vivendo em um sonho, exceto que era completamente real.

Your hand fits in mine like it's made just for me
But bear this mind it was meant to be
And I'm joining up the dots with the freckles on your cheeks
And it all makes sense to me

Mesmo sem saber do que se tratava a frase de Niall, Zayn cantou com um sorriso no rosto ao ver a animação das fãs.

I know you've never loved the crinkles by your eyes when you smile
You've never loved your stomach or your thighs
The dimples in your back at the bottom of your spine
But I'll love them endlessly
Quando Liam cantou olhando para cima, Kimberly foi a menina que mais gritou dentro daquele camarote. A felicidade era tanta que não cabia em si.

I won't let these little things slip out of my mouth But if I do, it's you, oh it's you, they add up to I'm in love with you and all these little things

Louis deu um sorriso verdadeiramente bonito quando flagrou algumas meninas chorando na grade. Havia admiração, carinho e, acima de tudo, gratidão no olhar que as fãs lançavam em sua direção. E aquele olhar fazia tudo aquilo valer a pena.

You can't go to bed without a cup of tea
Maybe that's the reason that you talk in your sleep
And all those conversations are the secrets that I keep
Though it makes no sense to me

estava no canto, em cima do palco, por detrás dos equipamentos quando Harry começou a cantar. Ver a expressão suave dele, o sorriso de uma covinha e atenção que dava aos fãs fez com que ela sorrisse involuntariamente. Era impossível não se encantar por Harry Styles.

I know you've never loved the sound of your voice on tape
You never want to know how much you weigh
You still have to squeeze into your jeans
But you're perfect to me
I won't let these little things slip out of my mouth
But if it's true, it's you, it's you, they add up to
I'm in love with you and all these little things

Foi só quando Niall começou a cantar acenando diretamente para o camarote que Kimberly debulhou em lágrimas. No instante que começou a chorar, também flagrou-se rindo ao pensar que era justamente isso que Niall diria se a visse chorando: “no fim das contas são todas iguais, histéricas”.

You never love yourself half as much as I love you
You'll never treat yourself right darling but I want you to
If I let you know, I'm here for you
Maybe you'll love yourself like I love you oh

Enquanto seus ídolos cantavam, Kimberly sentiu-se como uma fã como outra qualquer: histérica, mas orgulhosa por ser fã de caras tão atenciosos e incríveis.

I'm in love with you, and all your little things

- Pessoal, vamos fazer uma fila, todas vão ter a chance de tirar foto, conversar um pouco e pegar autógrafo, tá bem? - ia organizando as fãs com credenciais de acesso ao backstage no pós show. - Sem gritar, tá tudo bem, todo mundo tem sua vez. - Ela dizia com paciência. - Kimberly, venha, sua vez.
- Minha piloto de fuga! - Liam disse quando Kimberly se aproximou mordendo um sorriso. Ela deu um abraço em Liam, em seguida em Harry, Louis, Zayn até chegar em Niall.
- Muito obrigada! Eu nem sei o que dizer! Muito obrigada! - Ela repetia sem parar fazendo esforço para não chorar.
- Gostou da nossa surpresa? - Niall disse abraçando-a de lado, virando para os integrantes da banda que sorriam para ela.
- Tá brincando? Eu amei! Foi o momento mais feliz da minha vida. Vocês são incríveis.
- Ah, essa é a famosa Kimberly piloto de fuga - Louis sorriu amigável para a menina que riu do apelido dado por Liam.
- Então, Kimberly, qual seu favorito? - Zayn disse abrindo os braços em pose galante e logo foi imitado por todos os outros meninos. Kimberly riu e atrás dela, revirou os olhos.
- Bom, eu amo todos vocês, meninos, mas o Niall sempre foi meu favorito… - Kimberly disse timidamente pois ainda tinha o braço do cantor ao redor dos seus ombros. Os outro quatro protestaram “marmelada” e Niall sorriu exultante.
- Obrigado, obrigado!
- Isso não vale! Só porque ele dedicou uma música para você! - Liam disse ultrajado.
- Kimberly, eu daria o seu nome para o meu coelho! - Harry gritou e todos caíram na gargalhada. Kimberly anunciou que iria no show de encerramento da turnê dali há alguns meses e ficaram nesse clima de descontração por mais alguns instantes até que anunciasse que teriam que pular para próxima pessoa na fila. Kimberly tirou selfies individuais com os meninos e depois fizeram uma foto em grupo.
- Nos vemos em Londres, Kim! - Harry acenou para a menina quando ela se afastou com os olhos marejados.
- Ei, nós podemos chamar a Kimberly também? - Niall perguntou e todos olharam para ele como se tivesse dito algo absurdo - O que foi?
- Primeiro, você sabia que esqueceu de colocar o nome na lista e ela estava quase aos prantos lá fora? - Harry perguntou e Niall sorriu envergonhado.
- Zayn me contou, mas a já resolveu…
- Você quer chamar uma pessoa que mal conhece para ir para uma festa conosco? Uma fã? - Zayn exclamou incrédulo.
- Ah, não, eu já sei o que tá acontecendo aqui… - Liam disse como se tivesse acabado de ter uma epifania. E então sorriu maliciosamente para Niall. - Não acredito que você está interessado na Kimberly!

Harry arregalou olhos e oscilou entre Niall e Liam enquanto pensava no quanto aquilo fazia sentido.

- Não acredito, Niall!
- Parem de ser idiotas, eu só estou querendo recompensá-la!
- Niall, você deu entrada vip para ela, dedicou a música favorita dela no palco na frente de milhares de fãs e ela ainda veio ao backstage conversar conosco e tirar fotos. Não acha que foi gratidão o suficiente? - Louis perguntou rindo.
- Ah, mas ela é tão legal, poxa não custa nada… - Niall disse tentando arranjar alguma justificativa que fosse plausível.
- Niall a gente não fica com fãs… - Liam ia dizendo quando apareceu com os olhos apertados e uma expressão de puro tédio. Ela se aproximou por trás de Liam e assustou o rapaz ao dizer em seu ouvido:
- Poxa, Liam, sempre fui uma grande fã do seu trabalho…
Os rapazes riram do embaraço de Liam.
-
deu um tapa na nuca de Liam e fechou a cara novamente, suavizando a expressão ao voltar a olhar para Niall.
- Kimberly é uma menina bem legal, se ela for, eu vou.

Niall iluminou o semblante quando passou a prancheta com os dados que tinha coletado das fãs com acesso ao backstage e mostrou o celular de Kimberly.

♡♡♡

O bar Vipper estava cheio quando Niall, Louis, Liam, Zayn e Harry chegaram. Tinham reservado a parte VIP da boate para que pudessem ter mais privacidade e uma noite livre de paparazzis pelo menos dentro do estabelecimento. O DJ tocava uma música qualquer que não reconheciam e não se importavam, quase como em movimentos espelhados, os cinco integrantes da 1D foram direto para o bar sedentos quanto estavam por uma boa dose de algo alcóolico. Harry mal podia acreditar em quão longo e exaustivo tinha sido aquele dia e tudo o que precisava era de música alta e bebida.
Estavam conversando sobre alguma bobagem qualquer quando Zayn engasgou com a bebida olhando para um ponto fixo a sua frente. Curioso para saber o que fez o amigo engasgar, Harry virou-se na direção do olhar de Zayn e arregalou os olhos ao notar quem se aproximava do bar. Em um vestido bandage preto completamente colado ao corpo, caminhava confiante sob os saltos na direção dos rapazes. Seus cabelos estavam soltos e caíam por um lado do ombro chamando atenção para um decote que deixava seus seios ainda mais fartos do que eram. Com um arrepio na espinha, Harry notou no rosto da mulher. Os lábios estavam preenchidos por um batom vermelho deixando-na ainda mais bonita do que já era.

A pergunta que gritava na mente de Harry era uma só sempre foi assim, tão gostosa?”.

- Boa … - checou o relógio de pulso - madrugada. Que caras são essas? Parece que viram um fantasma.

Foi então que Harry notou que todos os outros quatro tinham expressões embasbacadas como certamente a sua estava. Estavam tão acostumados a ver de um lado a outro nos backstages das arenas que vê-la vestida daquele jeito era um completo choque. Parecendo saber exatamente o motivo das expressões embasbacadas, deu um sorrisinho torto e malicioso aceitando o mojito que o barman entregava em sua direção. Aquele vestido, somado aquele sorriso pareceram acender algo novo em Harry, algo até então adormecido e talvez inexistente.
Ali, naquele exato momento, Harry sentiu uma súbita e arrebatadora atração por .

- Tequila de novo? Não acha que já extrapolou sua cota por hoje? - Harry murmurou em tom de brincadeira encostando-se no balcão do bar com um cotovelo, lançando um olhar que percorreu da cabeça aos pés de .

Ela deu um gole generoso na bebida e preguiçosamente voltou-se para Harry medindo-o igualmente da cabeça aos pés. Não podia ser apenas impressão dele aquela faísca no olhar dela.

- Styles, você tem quantos anos? - perguntou e Harry franziu a sobrancelha confuso com a devolutiva em forma de pergunta.
- Vinte e um, por quê?
deu de ombros e piscou longamente.
- Porque eu tenho vinte e cinco. Não aceito conselhos sobre bebida alcóolica de quem mal saiu das fraldas. - Harry gargalhou gostosamente jogando a cabeça para trás.
- Eu nem sou tão mais novo que você assim. Já fiz mais coisas do que você imagina.

Harry não tinha intenção de soar malicioso, mas foi essa a interpretação de que arqueou uma sobrancelha dando um sorriso que fez com que Harry sentisse necessidade de umedecer os lábios. De onde estava surgindo aquela coisa?

- Ah, eu posso imaginar muitas coisas, Harry, muitas coisas… - disse marotamente ao se afastar do bar indo na direção em que Pete e Lolla estavam dançando.
- Você está comendo a com os olhos - Louis disse aproximando-se de Harry que não tinha notado que estava encarando a bunda dela fixamente enquanto se afastava. Harry se recompôs e deu um longo gole da sua vodka.
- Eu não sei o que está acontecendo comigo. Quer dizer, ela sempre foi assim tão…? - Harry indicou com o queixo e deu um longo suspiro ao vê-la dançar. Era hipnotizante o ritmo dos quadris lento como a batida da música.
- Não acredito que você vai ficar tão idiota quanto o Zayn e o Liam. - Louis disse em tom de censura, embora estivesse rindo. - Mas não vou dizer que não entendo.
- Não está mais em pé de guerra com ela? - Harry perguntou finalmente desviando o olhar de .
- Até que é legal, apesar de ser doida.
- Sabe por que vocês implicam tanto? Porque são parecidos.
- Que? Eu não me pareço com ela!
- Claro que parece, Louis. Você e , ambos não têm papas na língua e falam o que pensam sem filtros. Sabem muito bem como se defenderem e sempre têm uma respostinha na ponta da língua.
- E você querendo pegar a faz com que eu me sinta lisonjeado, então? - Louis gracejou e Harry riu revirando os olhos, sentindo seu estômago embrulhar.
- Você é meu melhor amigo, se não fosse isso, certamente me casaria com você. Mas se você quiser… - Harry pirraçou Louis de propósito que revirou os olhos e balançou a cabeça negativamente.
- Então vai ser sua distração da turnê?
- De novo essa conversa de distração? - Harry oscilou a postura brincalhona e deu outro gole na bebida meio carrancudo - Isso é objetificar alguém e muito ofensivo.
- Que seja.
- Além do mais, não depende só de mim. E não acho que esteja interessada. - Harry disse e Louis riu. Não entendendo qual a graça, Harry olhou para o amigo sério que, ao notar sua expressão, só riu mais ainda, dessa vez incrédulo.
- Fala sério, vai dizer que você não percebeu? - Harry continuou sério. E confuso.
- Percebi o que?
- Caramba, Harry, como você é tapado. O jeito que a te olha! Não é possível que você não tenha percebido. - Dessa vez Harry pareceu verdadeiramente confuso.
- Do que você tá falando?
Louis respirou fundo e segurou os olhos com força como se estivesse invocando paciência para falar com uma criança de dois anos.
- Harry, a é diferente com você, quando você tá perto ela vive te encarando e sempre é mais atenciosa com você.
Harry arregalou os olhos achando tudo aquilo absurdo demais para ser verdade. Simplesmente porque nunca tinha percebido nada diferente em relação a para consigo.
- Você tá vendo coisa onde não existe. - Louis cruzou os braços e arqueou uma sobrancelha.
- Sério? Vai me dizer que nunca fez nada, nada, nada, que te deixasse confuso sobre os sinais dela?

Com um arrepio na espinha dorsal, Harry recordou dos momentos durante a tarde com bêbada dentro da sala 9. Dos olhos brilhosos e rasos de lágrimas dizendo que ele era bonito e do quase beijo que ela lhe deu. Não, não era possível.

- Não pode ser, não faz o menor sentido. tem namorado! Sim, ele mora no Brasil e eles têm um relacionamento aberto, mas… - Enquanto Harry ia falando a expressão de Louis oscilava entre a surpresa para a compreensão e então um profundo tédio, encarando Harry como se ele fosse idiota e estivesse se respondendo. - Não, não…
- Harry, tá na sua. Se você vai fazer algo a respeito é com você. Mas dizer que ela tem namorado… Todo mundo sabe onde é que namoro aberto a distância dá. Exatamente, em lugar nenhum.

Harry sentiu seu estômago embrulhar e novamente desviou o olhar na direção que dançava com os amigos da produção. Não pôde deixar de notar que embora sorrisse, o sorriso dela não era o mesmo de sempre. Provavelmente ainda estava triste e abalada pelo ocorrido com o tal do namorado que provavelmente amava muito. Mas, se fosse para ser sincero, isso não importava muito a Harry. Ele não estava apaixonado por e não queria nada sério com ela. Era só uma atração forte e momentânea de uma noite, somada a uma curiosidade enorme de dar continuidade ao beijo que ela iniciou.

- Kimberly, você chegou! - Harry ouviu a exclamação de Niall e virou-se para ver a menina atravessando o espaço para a área vip com um enorme sorriso no rosto.

Kimberly também estava muito bonita, vestindo um vestido vermelho e saltos pretos, mas nem remotamente próxima de exercer qualquer tipo de atração em Harry. O mesmo não podia-se dizer de Niall, que encarava a menina com verdadeiro interesse. Harry não pôde conter uma risada nasalada. Não julgava o amigo, já tinha se interessado e ficado com fãs antes e Niall ainda não. Para tudo poderia existir uma primeira vez.
Olhou para o lado e não viu nem sinal de Zayn ou Liam. O segundo provavelmente já tinha descido para pista possivelmente para azarar alguma mulher e o primeiro, Harry achou segundos depois, estava levando o centésimo fora de que ria balançando a cabeça em negação ao recusar as investidas de Zayn. Em algum momento disso, desviou o olhar de Zayn e seus olhos se cruzaram com os de Harry que encarava de longe. Ao perceber isso, sorriu torto e virou de lado. Ela ainda estava sorrindo quando virou a cara e isso fez com que a mente de Harry trabalhasse com rapidez. Eles estavam fazendo um joguinho silencioso ali? Certamente existia uma certa tensão no ar.

Harry continuou bebericando sua vodka encostado no balcão do bar enquanto cada um dos seus amigos ocupava-se em fazer outras coisas. Louis já tinha ido atrás de Liam, Niall estava entretido com Kimberly e Zayn parecia não ter se tocado de que não iria ceder aos seus charmes. Isso Harry sabia com certeza porque simplesmente não conseguia parar de olhar para ela. Tinha medo de estar tão óbvio, mas, vez ou outra, encarava-o também e sorria, mostrando estar ciente desse fato e gostando.
Alguns minutos daquele joguinho de olhares se passou até que murmurou alguma coisa para os amigos e levantou-se rumando na direção do bar e, consequentemente, na direção de Harry.

- Vai fincar raízes nesse lugar a noite toda, Styles? - brincou depositando o copo vazio em cima do balcão. Harry deu de ombros e sorriu preguiçosamente.
- Observando o ambiente.
- E você aprecia a vista? - perguntou sugestivamente e Harry alargou o sorriso.
- É encantadora. - Respondeu no mesmo tom e mordeu um sorriso, soltando o ar pelo nariz achando graça da situação. - Sobre hoje mais cedo, está melhor? - Harry perguntou baixinho e sorriu fraco.
- Você quer dizer da bebedeira ou do meu momento estúpido de fraqueza?
- Da bebedeira nem preciso perguntar porque vejo que está pronta pra outra.
- Você sabe o que dizem, a gente só cura uma ressaca com outra - deu de ombros e riu fraco antes de suspirar fundo, ficando séria - Estou bem. Não é como se eu estivesse sendo traída e nem como se eu não estivesse vivendo minha vida também. Sou livre e desempedida e ele também… Só gostaria que nossos amigos ficassem de fora dessa. - Harry assentiu em silêncio bebericando mais um pouco da bebida.
- E sobre o que eu ouvi, fique tranquilo. Não é da minha conta e não pretendo compartilhar com mais ninguém.
- Eu agradeço por isso, poderia dar uma confusão imensa e nem é algo que partiu de mim e... - interrompeu.

- Harry? Eu sei, ok? Sem problemas. Você não tem que compartilhar isso comigo.

Harry sorriu em agradecimento. Lembrando-se de outra coisa e principalmente das palavras de Louis, sentiu um assomo de excitação ao bebericar a vodka mais uma vez, pensando com cautela nas palavras que usaria a seguir.

- E então, se divertiu no show hoje? - arqueou uma sobrancelha e, parecendo lembrar de algo, semicerrou os olhos.
- Babaca, eu deveria jogar esse mojito na sua cara - Ela disse fazendo Harry rir gostosamente.
- Gostei sim, vocês são muito divertidos no palco.
- Confesse que eu ter cuspido em você foi a parte favorita do show - Harry brincou e soltou um risinho matreiro.
- Minha parte favorita na verdade foi quando você ficou encharcado e me deu aquela visão maravilhosa da sua camisa grudada no corpo - Rebateu sem pestanejar e Harry arregalou os olhos surpreso dessa vez fazendo gargalhar do jeito que lhe era característico. - Nossa, mas você precisa ver sua cara de idiota agora!
- Para de fingir que é brincadeira, eu sei que você tá falando a verdade! - Harry riu da risada de .
- Sobre eu ter dito que você é muito bonito? - Perguntou imponente e Harry quase perdeu o rumo da fala. Tinha certeza de estar ruborizando - Você é.

Ficaram em silêncio por alguns segundos, Harry embebido naquela nossa sensação arrebatadora de magnetismo em que tudo nele acendia uma vontade inesperada de beijar . Inevitavelmente, sua atenção se voltou para os lábios vermelhos dela.

- E sobre o que veio depois? - Harry perguntou e ficou feliz em ver perder a postura imponente pela primeira vez. Ela parecia vulnerável.
- Depois?
- Sim, quando você quase me beijou.

Os dois se encararam longa e ininterruptamente imersos naquele momento de pura faísca apreciando algo que era absolutamente novo, mas ao mesmo tempo parecia tão certo. vacilou, mas tão logo recuperou sua postura.

- Por que? Você queria que eu continuasse? - Ela dizia num tom baixinho e Harry não soube explicar o arrepio que percorreu todo seu corpo.
- E se eu disser que sim, você vai continuar? - Rebateu no mesmo tom e sorriu de um jeito que Harry pensou que deveria ser proibido. Havia muita malícia naquele olhar.
- Isso você só vai saber se disser que sim. - disse dando as costas para Harry sem esperar qualquer tipo de resposta dele, rebolando em cima dos saltos até o corredor onde estavam situados os banheiros. Com um formigamento que subia das suas pernas e se concentrava no ponto abaixo da sua cintura, Harry acompanhou o caminhar de com os olhos fixos nos quadris que faziam um movimento hipnotizante. Bebendo todo o conteúdo do seu copo num só gole, ele aproveitou da distração dos amigos para seguir pelo corredor.

Ela estava quase na porta do banheiro feminino quando Harry a alcançou falando com a voz grave e rouca em seu ouvido:

- A resposta é sim. - Ficou feliz em ver a pele de arrepiar.
- Harry, você tá maluco? - virou num súbito parecendo assustada por Harry tê-la seguido. Ele franziu o cenho confuso.
- Maluco por que? Isso não era um sinal para te seguir?
- Harry, era para ser um flerte despretensioso! - exclamou e Harry percebeu como a respiração dela estava descompassada. As bochechas ruborizadas e o olhar que vez ou outra recaía sob os lábios dele.
- Sua linguagem corporal diz outra coisa - E antes que pudesse protestar, Harry continuou - Não me diga que você falou todas aquelas coisas de brincadeira porque eu sei que não é verdade.

Não perceberam como foram se aproximando a ponto de estar contraindo-se contra uma parede, quase arfando de tão nervosa.

- Harry, eu trabalho com vocês, isso não pode acontecer.
- Só uma vez, … - Harry disse baixinho com uma voz ainda mais rouca ousando-se aproximar do pescoço descoberto de para roçar a ponta do nariz pela pele sensível e arrepiada. - Ninguém precisa saber.

revirou os olhos inevitavelmente quando Harry depositou um beijo molhado na base da sua clavícula percorrendo seu pescoço com os lábios quentes e macios. Respirar já tinha se tornado uma tarefa difícil que só se tornou quase impossível no momento que Harry mordeu o lóbulo de sua orelha.

- Só um beijo. - disse num tom baixo e arrastado já colocando suas mãos no cós da calça de Harry que tomou nesse gesto um incentivo para pressionar seu quadril contra o da mulher, prensando-a na parede.
- Só um beijo, , para matar essa curiosidade que você me deixou de saber como é o gosto da sua boca. - Harry disse subindo a trilha de beijos para a bochecha de , deslizando o rosto para ficar a altura do dela, possibilitando que se encarassem fixamente nos olhos.
- Ninguém nunca pode ficar sabendo. - disse quase como uma ordem para Harry e ele assentiu a cabeça rapidamente mordendo o lábio inferior, inebriado pelo cheiro que emanava da pele dela.
- Nunca nem aconteceu. - Harry disse num sussurro e no segundo seguinte sentiu o puxão de na gola da sua camisa trazendo- o para perto num beijo voraz e desesperado.

O problema, para os dois, é que o beijo não foi bom. Na verdade, bom não faria jus a sensação abrasadora e deliciosamente viciante que era o movimento de suas línguas ao deslizarem uma na outra. Bom não chegava nem perto de conseguir descrever a sensação incrivelmente excitante do beijo de e Harry.

Tudo encaixava de um jeito tão envolvente que eles não tinham vontade de parar o beijo nem para recobrarem respirações ofegantes. Porque não queriam que aquele beijo acabasse, não queriam se desgrudar e fingir que aquilo nunca aconteceu principalmente porque, enquanto se beijavam, não viam a hora de poder fazer isso de novo.

Capítulo 5 - A proposta

Birmingham amanheceu em polvorosa quando vazou a notícia que os meninos da One Direction finalmente tinham chegado. Para evitar transtornos com aeroportos e devido a proximidade entre as cidades que antecediam e sucediam o show, a produção preferiu realizar a viagem de ônibus o que fez com que chegassem no hotel sedentos por um banho em um chuveiro e mortos de cansados por uma cama digna. Não que Liza tenha deixado os meninos dormirem por mais do que três horas, visto que tinham entrevistas na rádio para dar e passagem de som para fazer na arena.

No começo de tudo, quando a banda ainda era um sonho difícil de acreditar que fosse real, essa rotina cansativa era suportada com um sorriso no rosto e nenhuma reclamação. Morriam de medo de serem esquecidos de uma hora para outra ou de serem forçados a voltarem para suas respectivas vidas normais e sem toda aquela excitação. Depois de alguns anos e quatro álbuns, tinham que admitir que já não tinham a mesma empolgação de ver as coisas sempre com um sorriso brilhante como antes… O que não significava dizer que não sabiam mais como se divertir em meio a tantos compromissos. Afinal, era da 1D que estavam falando.

- Alguém viu meu diciclo? - perguntou caminhando de um lado a outro na pista da arena - Eu deixei ele aqui…
- Eu também não acho o meu. - Lolla respondeu achando estranho. - Pete, o seu tá aí?

Peter estava com a boca aberta para responder, mas não foi preciso porque foram interrompidos pelos berros de Harry, Liam e Niall que estavam apostando corrida com os diciclos elétricos de , Lolla e Peter, respectivamente.

- Vai vai vai vaaaaaai - Harry gritava empolgado impulsionando seu diciclo para a frente com o guidom rindo de Liam e Niall que ficavam para trás.
- Parece que achamos os nossos diciclos - Peter disse com uma expressão de tédio.
- Por que ninguém me disse que esses meninos eram filhotes do demônio quando aceitei esse trabalho? - Lolla se lamentou ao ver Liam fazer uma curva fechada quase dando de cara na parede.
- HARRY EDWARD STYLES! - berrou assoprando o apito indo atrás do rapaz que, ao perceber que a produtora corria em sua direção, acelerou ainda mais o diciclo roubado.
- Abortar missão, abortar missão, ela chamou pelo nome completo! - Niall gritou acelerando o diciclo de Peter.
- O que tá acontecendo aqui? - Zayn perguntou se aproximando de Lolla e Peter. Estava jogando bola no corredor ao lado quando os berros chamaram atenção.
- Seus irmãos do inferno roubaram nossos diciclos - Lolla respondeu apontando para o lugar da arena em que corria tentando alcançar Harry.
- Zayn! Me dá essa bola - gritou ao ver o rapaz segurando uma bola de futebol na mão.
- O que você vai fazer com isso?
- Me dá essa bola agora Zayn Malik ou eu juro por Deus que…

Intimidado pelo olhar de , Zayn deu a bola rapidamente.

- !!! - Harry entoava numa vozinha fina provocando a produtora ziguezagueando com seu diciclo.

correu atrás de Harry que voltou a virar-se de costas fugindo da mulher acelerando seu diciclo por entre a pista da arena. Mirando a distância, chutou a bola com mais força do que o intencional. A bola acertou em cheio a nuca de Harry fazendo com que ele se desequilibrasse do diciclo e caísse no chão. No momento em que isso aconteceu, Lolla e Peter levaram as mãos a boca e os meninos da banda ficaram indecisos entre rir e demonstrar preocupação. , no entanto, correu até o cantor que demorava a se levantar.

- Harry? Harry! Me desculpa, não era para ser tão forte - agachou-se para acolher Harry que estava virado com a cara pro chão. No instante em que tocou em seus ombros, o rapaz virou-se para cima gargalhando tanto que seus olhos ficaram apertados. oscilou entre o choque para alívio e, então, raiva. Com a mesma mão que tinha apoiada no ombro de Harry, começou a estapeá-lo. - Filho da puta!
- Ai, ai, ai, ai, ! - Harry gritava ao defender-se dos tapas. Tentando evitar mais golpes, ele segurou pelos pulsos e isso fez com que a mulher perdesse o equilíbrio caindo por cima dele.

cessou os tapas e Harry parou de rir quando perceberam quão próximos estavam um do outro. Quão próximas suas bocas estavam uma da outra. E subitamente veio a mente de ambos a lembrança da última vez que suas bocas estiveram a uma distância tão curta.

- Só um beijo. - disse num tom baixo e arrastado já colocando suas mãos no cós da calça de Harry que tomou nesse gesto um incentivo para pressionar seu quadril contra o da mulher, prensando-a na parede.
- Só um beijo, , para matar essa curiosidade que você me deixou de saber como é o gosto da sua boca. - Harry disse subindo a trilha de beijos para a bochecha de , deslizando o rosto para ficar a altura do dela, possibilitando que se encarassem fixamente nos olhos. Havia tesão naquele olhar.
- Ninguém nunca pode ficar sabendo. - disse quase como uma ordem para Harry e ele assentiu a cabeça rapidamente mordendo o lábio inferior, inebriado pelo cheiro que emanava da pele dela.
- Nunca nem aconteceu. - Harry disse num sussurro e no segundo seguinte sentiu o puxão de na gola da sua camisa trazendo- o para perto num beijo voraz e desesperado.

Harry deslizou sua língua pela boca de arrepiando-se ao sentir a dela de encontro a sua. Sentindo a necessidade de aprofundar o contato, Harry levou uma de suas mãos até a nuca de apertando alguns fios do cabelo sedoso dela entre seus dedos. Quase sorriu ao senti-la suspirar com o aperto, puxando-o cada vez mais para perto pelo cós da calça obrigando-o a pressionar sua pélvis contra a dela. Aquele atrito, somado ao jeito hipnotizante que movia sua língua, foi o suficiente para que Harry sentisse algo crescer entre suas calças.

Desesperada por fôlego, rompeu o beijo para puxar o ar, mas Harry não deixou-a em paz. Prendeu o lábio inferior dela entre seus dentes e sugou-o lentamente de um jeito tão sensual e provocante que fez com que emitisse um som que arrepiou cada fio de cabelo de Harry. Um gemido tão arrastado e gostoso que o fez salivar por um novo beijo, logo saciando essa vontade quando espelhou seu ato levando as mãos até o cabelo dele, bagunçando os fios. Beijavam-se com tanta vontade que era até difícil acreditar que estavam fazendo isso pela primeira vez. Aquela atração repentina que parecia ter surgido e crescido nas pequenas coisas só ficava maior a medida que suas línguas se entrelaçavam com desejo.

Harry estava deslizando uma mão ousada até a bunda de quando ouviram a voz de Zayn se aproximando do corredor fazendo com que se separassem de súbito. Sem nem dar tempo de olharem-se nos olhos, afastou Harry pelos ombros e entrou no banheiro. Desnorteado e certo de que havia batom dela impregnado em sua boca, Harry entrou no banheiro masculino confuso e vergonhosamente excitado.

- Hazza, você está bem? - Liam gritou se aproximando do ponto em que Harry estava caído no chão estourando aquela bolha que tinha se instalado entre e Harry. Desajeitada, ela levantou-se quando Harry liberou seus pulsos.
- Ele está bem - disse limpando sua roupa e pegando seu diciclo, não sem antes dar um cascudo no cocuruto de Harry que estava sentado no chão. - Babaca.
- Outch! - Harry reclamou, mas não pôde conter o riso ao ver se afastar.

Uma semana tinha se passado desde que tinham se beijado e, conforme o combinado, não tinham sequer tocado no assunto. O que não significava dizer que não tinham pensado sobre isso, porque tinham. E era óbvio e nítido que queriam repetir o feitio, mas instauraram uma espécie de acordo silencioso de que aquilo não tinha acontecido e, mesmo que tivesse, não iria se repetir. Por mais que quisessem.

Beijar ativou em Harry uma vontade que ele preferia que tivesse continuado adormecida. Era como se fosse uma sede difícil de ser saciada porque o que quer que estivesse fazendo acabava sendo compelido por essa súbita e incontrolável vontade de transar. Estava acostumado a sair em longos períodos de turnê e, portanto, acostumado a ficar na seca por algum tempo. Considerava-se até muito equilibrado para alguém tão sexual, mas beijar parecia ter mexido com esse equilíbrio.
Era uma sorte que seu desejo estivesse próximo de ser saciado. Estar em Birmingham significava dizer que faltavam menos de 12 horas para o show e, portanto, para ver Kendall. Estaria com a modelo de novo, fariam o que faziam de melhor e, então, poderia parar de se sentir eletrizado toda vez que estivesse na presença de .
Pelo menos, esse era o plano.

- Você vai ficar o dia inteiro no chão, é isso mesmo? - Zayn chamou a atenção de Harry e estendeu uma mão para que o amigo pudesse se apoiar para levantar.

A essa altura, Liam e Niall já tinham devolvido os diciclos para Peter e Lolla que saíram para cumprir o checklist antes da passagem de som. Estavam se aproximando risonhos e orgulhosos de seus próprios feitios quando uma mensagem apitou no celular de Niall, fazendo-o abrir a notificação com um sorrisinho no rosto.

- Deixe-me adivinhar, Kimberly - Zayn disse cruzando os braços achando graça.
- É assim o dia todo, sério, não sei como aguentam - Liam disse revirando os olhos.
- Não é o dia todo. Vocês sabem que nós estamos sempre ocupados! Eu só falo com ela quando…
- Está fazendo o cabelo - Harry completou.
- Está nos intervalos de gravações - Liam continuou.
- Ou durante as gravações - Zayn salientou.
- Quando está no banheiro fazendo o número dois - Harry zombou e riu da expressão do amigo - E no quarto antes de dormir.
- Diga-me Niall, vocês já estão mandando nudes um para o outro? - Zayn perguntou malicioso.
- Por favor, não diga! Não quero imaginar você mandando nudes para uma fã. - Harry se apressou a dizer.
- Deixa de ser hipócrita, Harry, até parece que você nunca transou com uma fã antes - Niall disse revirando os olhos.
- VOCÊ TRANSOU COM ELA? - Os meninos gritaram em uníssono.
- Não! Não, claro que não. Vocês estavam comigo, fomos embora juntos.
- E vocês ficaram? - Liam perguntou sem rodeios.

Niall coçou a nuca incomodado antes de, contra sua vontade, anunciar o que os amigos queriam saber.

- Nós demos um beijo, ok?
- Ahhh!!!
- Eu SABIA!
- Meu garoto!!!
- Não acredito!

Niall tentou se esquivar dos amigos que bagunçavam seu cabelo e fez uma careta quando se afastou, o rosto completamente ruborizado.

- Por que vocês estão me sacaneando? A Perrie e a Kendall vão vir para o show de hoje e eu não estou zombando vocês!
- Ah, mas a gente já está acostumado com a Perrie e Kendall, elas são namoradas do Zayn e do Harry.

Harry estava prestes a abrir a boca para ratificar o que Liam tinha dito e ressaltar que Kendall era tudo, menos sua namorada, quando alguém pigarreou as suas costas. lançou um olhar perfurante e gelado na direção de Harry antes de anunciar o que a trouxera de volta a presença dos meninos.

- Liza está chamando vocês. Perguntou se não estão dispostos a gastar essa energia lá fora ao invés de roubando os objetos da produção e tocando o caos dentro da arena.
- Lá fora? - Liam perguntou confuso.
- Paul acha que seria divertido se vocês fizessem aquela brincadeira de encontrar fãs disfarçados.
- Ah, eu tô fora. Preciso descansar para estar bem para quando a Perrie chegar - Zayn disse e arqueou a sobrancelha olhando para ele com cinismo.
- Ah, é mesmo, Zayn? Então quer dizer que hoje é sem piadinhas, sem flertes para o meu lado? Poxa, que pena. Que horas sua namorada chega? Adoraria bater um papinho com ela.

Zayn na mesma hora fechou a postura ficando sério e frio, coisa que nunca esteve na presença de .

- Você não se atreveria. Não se meta nisso.
- Ah, entendi. Na hora de ciscar para o meu lado todo se querendo você podia me meter nisso. - estalou os lábios olhando para Zayn com intenso desprezo. Mas foi encarando Harry que disse a última frase: - Você não sabe o quanto eu odeio caras que traem a namorada.

Sem dizer mais nada, deu as costas saindo de vistas. Harry franziu a sobrancelha confuso por ela ter direcionado a fala para ele visto que o sermão era com Zayn.

- Agora eu entendo o que Louis quis dizer. é mesmo muito intrometida - Zayn disse carrancudo voltando-se para Liam.
- Você acha? Logo agora que ele está começando a achar ela encantadora - Liam comentou sorrindo exultante o que só contribuiu para irritação de Zayn que deu as costas aos amigos seguindo um caminho oposto ao de .

Harry permaneceu com a mesma expressão confusa encarando o nada fritando seus neurônios para entender o que tinha dito até que foi atingido por uma súbita compreensão. Sem dirigir a palavra aos amigos, correu na direção em que a produtora tinha ido, alcançando-a no corredor.

- Ei, ! !
- O que é, Styles? - virou-se enraivada assustando Harry.
- Por que você tá me tratando dessa forma? - Harry perguntou acuado.
- Não to te tratando de forma alguma.
-
- Você roubou meu diciclo e me fez passar de idiota.
- Ah, qual é, , a gente vive fazendo isso o tempo inteiro com todo mundo, já deveria estar acostumada… - Harry fez uma cara de cão abandonado.
- É, mas eu estou trabalhando não tenho tempo para as idiotices de v…
- Essas idiotices são nossa única fonte de diversão em meio a tanto show, tanta entrevista e tanto compromisso será que você não pensa nisso? - Antes que pudesse rebater, Harry continuou - Vamos parar de fingir que você tá chateada por esse motivo porque você é mais palhaça e atentada do que nós cinco juntos.

abriu e fechou a boca, respirando fundo ao cruzar os braços.

- Achei que você fosse diferente, Harry. Eu esperava isso do Zayn, talvez até do Liam, mas não de você.
- O que foi que eu fiz?
- Você tem namorada! Você me beijou tendo namorada!
- Eu não tenho namorada! Eu não namoro com a Kendall, do contrário de você, que tem um namorado.

arfou ofendida.

- Você sabe muito bem que é um relacionamento aberto e que a gente não se vê há meses! É bem diferente de uma pessoa que tá vindo assistir seu show com certa frequência.
- Nós não temos nada sério! Eu não namoro com a Kendall e nem tampouco tenho um combinado de exclusividade com ela. E vamos deixar uma coisa bem clara aqui, você me beijou primeiro, sem nem me perguntar ou saber se eu tinha namorada.

empalideceu e abriu e fechou a boca, mas não emitiu nenhum som. Parecia envergonhada e, por isso, Harry finalmente sorriu.

- Eu não estou traindo ninguém. E eu beijei você porque eu quis.

Harry mudou o tom de voz propositalmente e isso fez com que se arrepiasse visivelmente. Sem que pudesse evitar, entreabriu os lábios ao encarar a boca umedecida de Harry e instigado por isso, ele se aproximou.

- Na verdade, até mesmo agora, eu ainda quero te beijar.

Foi preciso muita força de vontade para recobrar a respiração e encontrar meios de inspirar profundamente para estourar aquela bolha entre eles, mas conseguiu. Empurrando Harry pelo peitoral, ela o afastou;

- Não. Nós combinamos. Só um beijo. Só uma vez. E nunca mais falaríamos disso e agora estamos quebrando uma regra!
- Já quebramos uma regra, o que custa quebrar mais algumas? - Harry sorriu maroto aproximando-se novamente fazendo com que sua respiração batesse diretamente contra a boca de que se contorceu. Estavam com respirações pesadas e os lábios quase se roçando quando ouviram um estrondo vindo do corredor indicando que alguém passava carregando equipamentos. Eletrizados pela perspectiva de serem pegos no flagra, se afastaram quase que instantaneamente.
- Se comporta, Styles. E aproveita sua modelinho.

Sem dizer mais nada, deu as costas e tratou de andar bem depressinha porque não confiava em si mesma na presença de Harry Styles, não depois de ter provado o gosto daqueles lábios finos e tão macios. Estava devaneando com o sabor daquele beijo quando trombou diretamente com Louis Tomlinson no corredor.

- Outch! - Tocou na testa e estava pronta para reclamar quando viu o cantor murmurar um “desculpe” e sair de perto com o rosto contorcido e empalidecido demais. estranhou. Esperava receber algum sermão ou alfinetada do rapaz, mas ele só deu as costas. - Ei, Louis, o que foi?

Movida pela curiosidade e por certa preocupação, caminhou até Louis, tocando-o no ombro. Apesar de terem avançado consideravelmente no tratamento um com o outro, ainda esperava uma reação grosseira de Louis, mas surpreendeu-se quando ele permeneceu quieto. O cantor apenas respirou fundo e virou-se de frente para a produtora permitindo que ela o visse com ombros caídos e o rosto úmido de lágrimas.
murmurou algo inaudível e emudeceu diante a surpresa daquele semblante tão abatido.

- Você… Você está bem? - Perguntou debilmente visto que a resposta era óbvia.
- Não. - Louis respondeu com a voz rouca.
- Você… Você quer… Conversar? - perguntou desconcertada e sem saber como reagir. Louis suspirou fundo e balançou a cabeça negativamente - Quer que eu chame alguém? Tipo o Harry?
- Não… Não precisa.
- Olha, eu sei que você não vai muito com a minha cara, mas se você quiser… Ou se precisar de alguma coisa…

Pela primeira vez naquela conversa um traço de sorriso perpassou o rosto de Louis, que enxugou as lágrimas balançando a cabeça negativamente.

- Eu tenho sido bem idiota com você, não é? - Louis disse e não respondeu, limitando-se a franzir o cenho. - Na verdade, , normalmente eu não sou assim. Também não sei de onde você tirou que eu dou piti por nada, e…
- Eu estava bêbada - apressou em falar.
- … Mas eu realmente não tenho te tratado muito bem… É só que… Eu não tenho sido eu mesmo ultimamente. São muitas pressões e tanta coisa acontecendo e eu acabei… Sei lá.

continuou de cenho franzido observando o cantor em seu momento de vulnerabilidade. Para quem não queria desabafar, por contradição, foi exatamente isso que Louis acabou por fazer.

- As vezes faz bem conversar sobre isso com alguém aleatório, Louis…

Sem saber exatamente como isso aconteceu, em minutos, os dois estavam sentados no chão do corredor, escorados na parede e com as pernas estendidas, um do lado do outro.

- Acho que a verdade é que eu estou sentindo muita saudade da Eleanor. - Louis disse depois de um tempo. - Principalmente agora que as coisas estão complicadas em casa.
- Vocês namoraram por muito tempo?
- Quase quatro anos… - Louis disse com a voz fina.
- Eu te entendo, Louis… Eu também terminei um namoro longo e também precisei ficar distante. Entendo a saudade.
- Mas vocês não terminaram de fato, não é?

ponderou e por fim deu de ombros.

- De certa forma não… Ainda nos falamos, ainda somos carinhosos. Mas de certa forma sim, não temos a mesma constância. Na verdade, as coisas andam meio estranhas entre nós.

Estranhas, na verdade, não chegava nem perto de descrever como as coisas estavam entre e Bruno, que mal tinham se falado durante a semana e toda vez que o fizeram, foi para trocar farpas e palavras ácidas. Ainda estavam muito chateados um com o outro e ainda sentia-se traída, embora uma parte de si soubesse que oficialmente não tinha sido traída.

- Eu sinto falta dela, de estar com ela, de conversar com ela. Ela sumiu completamente da minha vida, não quis manter contato, acho que pensou que seria melhor assim.
- É muito cruel quando alguém desaparece assim, depois de tanto tempo. É por isso que você está assim agora? Com saudade? - perguntou casualmente e Louis respirou longamente.
- Estar em turnê não é fácil, mexe com nossa cabeça. Precisamos acordar cedo, produzir muito, somos cobrados por tudo e em consequência disso acabamos perdendo muito do contato até com nossa própria família. As coisas estão estranhas em casa, eu sei disso, mas nem minha mãe nem minha irmã falam sobre isso. Minha mãe tem ficado doente com certa frequência, sentindo-se indisposta, mas detesta médicos e hospitais e justifica tudo isso como “saudades do filho” - Louis comentou ironicamente fazendo o símbolo de aspas com as mãos e esboçou um sorriso curto.
- A minha avó está com oitenta e cinco anos, apesar de ser bastante saudável, me bate um desespero pensar que algo pode acontecer com ela enquanto eu estou aqui, tão distante… Eu sei como é estar com saudades de casa e a sensação de imponência perante uma situação difícil… Mas não vou dizer que entendo as pressões que vocês passam em turnês, eu só posso imaginar por ver tão de perto…

Louis concordou com a cabeça, mas ficou em silêncio. Ficaram apreciando aqueles breves minutos envolvidos em seus próprios pensamentos.

- Faz bem conversar com uma pessoa completamente nova do meu ciclo e da minha realidade, acho que nunca tinha percebido isso. - Louis disse por fim e deu um risinho pelo nariz, lembrando-se de ter dito algo muito similar para Harry ainda outro dia.
- Fico feliz que esteja se sentindo um pouco melhor. - disse com sinceridade.
- , será que podemos começar de novo? - Louis perguntou e o encarou de soslaio, deixando seu sorriso alargar ao vê-lo sem lágrimas no rosto.
- Eu vou precisar levantar e dançar funk novamente? - Perguntou brincalhona arrancando uma risadinha de Louis.
- Não, não precisa.

Louis estendeu a mão.

- Seja bem vinda a produção da One Direction, . Eu me chamo Louis Tomlinson.

aceitou o cumprimento e apertou a mão do cantor.

- Obrigada, Louis Tomlinson. Mas pode me chamar de .

♡♡♡

- Como assim “problema com a vigilância sanitária”? - perguntou incrédula.
- Nós tivemos alguns problemas com a documentação… - A mulher ia respondendo, mas foi interrompida pelo bufo de .
- E você me diz isso hoje, agora, nesse exato momento, faltando HORAS para o show? O que sua equipe veio fazendo esse tempo todo? Quer saber, nem precisa responder.

Dando as costas sem ouvir os protestos, deixou a gerente falando sozinha.

Apesar de amar trabalhar com produção, tinha que confessar que era a coisa mais estressante da vida. Além de lidar com os estresses diários de ser membro da staff da One Direction, também precisava lidar com os problemas com as empresas responsáveis pela produção local dos shows que nem sempre estavam alinhadas corretamente. Se tinha uma coisa que detestava, essa coisa era trabalhar com gente incompetente e medíocre que se contentava com serviço mal feito ou feito de má vontade.

- Que cara é essa? - Niall perguntou quando entrou no camarim.
- Nada que valha ser mencionado. - respondeu vagamente, checando a lista de comidas para ver se estava tudo nos conformes como o solicitado. A lista era extremamente rigorosa quanto a alimentação dos rapazes e toda a equipe staff precisava estar de acordo.
- Vou lá me arrumar - Niall disse saindo do camarim e não deu atenção, tão concentrada quanto estava. Contava item por item e estava tão compenetrada nisso que tomou um susto enorme ao ouvir alguém falar próximo ao seu ouvido:
- Com licença, quero saber se tem morango…
- Puta que pariu! - praguejou eletrizando num pulo, virando-se para trás com a mão no coração. Demorou um tempo para conseguir raciocinar e reconhecer o par de olhos arregalados de Kendall Jenner.
- O que você disse? - Kendall perguntou com curiosidade.
- Eu… Eu disse que susto! - apressou-se a responder, ainda massageando o peitoral - Olá, prazer, sou , estou na produ…
- Certo - Kendall disse com um sorriso contido - Tem morango?

uniu as sobrancelhas e olhou para Kendall em confusão.

- Desculpe?
- Eu... perguntei… se... tem... morango… - Kendall disse pausadamente com a voz suave, mas com um certo ar de deboche como se fosse surda.
- Ah, morango… - pareceu cair na real e checou na mesa e na planilha - Bom, temos iogurtes e…
- Tem como você conseguir morangos? Minha dieta é um pouco restritiva e iogurtes são bastante gordurosos - Kendall pediu com educação, a voz baixinha e um sorriso mínimo.
- Me desculpa, mas… Quem é você?

sabia quem era Kendall Jenner, óbvio. Mas entre ser solícita e se fazer de desentendida, preferiu se fazer de desentendida para a modelo que claramente estava fazendo exigências que não lhe eram de direito. Como ainda tinha um emprego a manter e infelizmente as convenções sociais não permitiam certos luxos, preferiu ganhar tempo fingindo-se sonsamente. Kendall apenas sorriu, sem estender a mão.

- Sou a Kendall… Será que você poderia providenciar morango? Mas tem que ser fresco…

podia ouvir as galinhas piando em sua cabeça num choro por todos os ovos em que ela estava pisando.

- Veja só, Kendall… Nós não temos morangos frescos, o cardápio é feito com base nas exigências da nutricionista dos meninos e passa pelo crivo da agência… Mas, dessa vez, não tem morangos. Existe algo que possa substituir? Que tal uma maçã?

Um vinco mínimo perpassou pela testa de Kendall num visível traço de contrariedade, mas ela não contestou com grosseria.

- Eu não acredito que o Harry não pediu!
- Tenho certeza que ele deve ter se esquecido, sabe como é, são tantas coisas para fazer… Tantos shows, entrevistas…
- Será que não tem como alguém buscar? Aqui pelas redondezas com certeza deve ter… Ou quem sabe você não poderia conseguir para mim?

abriu e fechou a boca tantas vezes que em dado momento apenas desistiu e encarou Kendall como se ela não pertencesse a esse mundo. Porque definitivamente a modelo não pertencia ao seu mundo, claramente acostumada com as pessoas servindo e fazendo suas vontades sem contestar sua carinha educada e sua voz doce. O pior, é que Kendall não parecia fazer por maldade, ela agia com uma naturalidade tão grande que até assustava.
Por sorte, Liza estava na porta e poupou da resposta ao intervir toda cheia de amabilidade para a modelo.

- Kendall, querida, é claro que nós podemos providenciar esses morangos… Vamos trazer em breve, tudo bem? - Liza disse cheia de amor e abraçando pelos ombros, arrastou a assistente para fora do camarim, seu sorriso já sendo substituído por uma expressão furiosa - Menina nojenta!
- Liza, por favor, não me diga que você vai me obrigar a comprar morangos para essa menina mimada sem noção?! Eu estou resolvendo um problema enorme com a incompetente da empresa de produção local!
- , por favor, tá certo?
- Liza! Isso não é justo! Esse não é meu trabalho! Eu não fui paga para isso, é uma desvalorização do meu trabalho! - exclamava indignada.
- ! Nem sempre as coisas são justas nessa vida. - Liza respondeu taxativa e sentiu os olhos lacrimejarem de tanta raiva. Amenizando, Liza continuou - Por favor, faça isso para evitar problemas, tá bem? Obrigada!

E sem dizer mais nada, Liza saiu deixando pensando com fúria formas de fazer Kendall Jenner morrer engasgada nos seus preciosos morangos frescos.
Demorou cerca de uma hora e meia para que encontrasse uma venda de produtos orgânicos com os morangos frescos pedidos pela modelo. Além do sentimento de humilhação e desvalorização, também se sentia frustrada e mal humorada por ter se perdido no caminho em uma cidade que não conhecia. Quando enfim conseguiu a fruta, voltou para o camarim a tempo de ouvir um fragmento de conversa de Kendall no telefone e, pelo teor da conversa, era algum rapaz com quem marcava um encontro quando chegasse em Los Angeles no final de semana, encontro esse que provavelmente seria proibido caso ela fosse namorada de Harry Styles, o que, para todos os efeitos, não era. Isso significava dizer que ele tinha sido sincero, afinal de contas.

- Aqui, Kendall, querida, os seus morangos...

♡♡♡

Harry acordou com o toque estridente do despertador e a sensação que teve ao amanhecer é que tinha dormido apenas dez minutos naquela noite. Espreguiçou-se na cama e soltou um gemido rouco e sonolento quando sentiu sua mão bater sem querer na cabeça de Kendall que dormia tranquilamente ao seu lado. Completamente nua. Harry sorriu ao vê-la dormir contemplando quão inegavelmente bonita era.
Tinha sido uma noite agradável ao lado de Kendall, como sempre era. Ela assistiu o show - dessa vez até o final - e juntos foram para o hotel em que Harry estava hospedado onde puderam matar a saudade que estava reprimida. Estava acordando Kendall com beijos no ombro quando as batidas na porta começaram. Bufando cansado, Harry gritou:

- Liza, me deixa em paz!
- Você tem dez minutos para descer para o café da manhã! - Liza gritou de volta e Harry suspirou já cansado daquele dia que mal tinha começado.
- Já temos que ir? - Kendall perguntou sonolenta.
- Eu tenho, mas você não precisa se não quiser, pode ficar dormindo mais um pouquinho. - Harry disse com a voz rouca fazendo Kendall se arrepiar e morder um sorriso ainda de olhos fechados. - Ou… você pode descer para tomar café da manhã comigo.

Kendall espreguiçou-se na cama e virou de frente para Harry deixando-o com a visão dos seus seios descobertos. Ela abriu os olhos e o encarou da forma lasciva que só ela sabia fazer.

- Tenho uma terceira opção. - Ela disse manhosa e Harry já sabia o que viria a seguir.
- E qual seria?
- Você pede o café da manhã aqui no quarto… E nós podemos aproveitar esse tempo para outra coisa.
- Kenny, eu não posso, tenho que estar num programa de TV daqui há algumas horas. Liza me deu dez minutos… - Harry ia dizendo em uma voz arrastada enquanto Kendall ocupava-se em beijar cada centímetro a mostra do pescoço dele.
- E eu só preciso de cinco. - Kendall disse antes de puxar Harry para debaixo das cobertas.

Vinte minutos depois Harry precisou fazer sua melhor cara de cachorro abandonado para escapar das broncas de Liza que já colocava todos os meninos para dentro do ônibus para cumprirem a agenda do dia. Fariam uma participação especial em um programa de auditório e de lá iriam direto para o show em uma cidade próxima. A viagem de ônibus para a cidade seria de cerca de duas horas e simplesmente não havia tempo para atrasos.
Harry e Kendall continuaram a se comunicar por mensagens de texto durante todo o dia, dividia sua atenção entre responder a modelo, dar replys no Twitter e olhar distraidamente o Instagram. Não que fosse admitir para ninguém, mas tinha se tornado um hábito inocente buscar na lupa o user de para checar as publicações mesmo não seguindo a assistente de produção. A foto daquele dia provavelmente era o motivo das risadinhas de Liam, já que o foco estava na bunda suja de areia e olhava para a câmera usando um maiô bastante cavado.
Aparentemente, Harry não era o único distraído com o uso do celular.

- Niall, Harry, Liam, vocês escutaram uma palavra do que eu acabei de dizer? - Liza disse mais tarde naquele dia enquanto estavam fazendo a viagem rumo ao show.

Harry bloqueou o celular e encarou Liza com os dentes cerrados.

- Aposto que estão falando com mulheres e não com as mães de vocês!
- O que você quer, Liza? - Niall perguntou sem rodeios.
- Quero que vocês tentem descansar agora e larguem essa porcaria de celular porque tivemos um longo dia e preciso de vocês descansados para o show.

E realmente, Liza tinha razão. Tinha sido um dia cansativo preenchido por entrevistas, ensaios fotográficos e mal tiveram tempo de respirar e já estavam rumando para o estádio.
Harry teve um dejavú quando chegou nos bastidores do estádio em que fariam o show naquela noite. Antes mesmo de entrar no backstage já sabia dizer que o que quer que estivesse acontecendo ali tinha um dedo e talvez o corpo todo de . E não houveram dúvidas ao entrar no salão onde uma batida de funk tocava com dançando até o chão. Dessa vez não sozinha, mas com Lou e Lolla.

Vendo o movimento que ela fazia com os quadris e com a bunda, Harry percebeu que estava equivocado sobre uma coisa. Aquela vontade insana que tinha de transar desde que beijara não iria passar transando com Kendall. Tinha consciência de ter tido uma excepcional noite de sexo, mas, no entanto, estava ali sentindo os mesmos calores que sentira ao beijar na semana anterior.
Enquanto contemplava os movimentos dos quadris e as caras e bocas que ela fazia ao dançar, ele percebeu que aquela vontade não iria passar com qualquer outra porque estava especificamente direcionada a uma pessoa, a única que poderia matar sua curiosidade e seu desejo recém descoberto. Ali, parado no salão contemplando aquela cena, Harry Styles percebeu que sua vontade de transar não iria passar enquanto não o fizesse com ela. A assistente de produção brasileira, dona do beijo viciante e da dança envolvente por quem estava inegavelmente atraído.

- Faz o quadradinho pra mim - repetia a música dizendo algo que Harry não fazia ideia do que se tratava e não sabia dizer se aquela dança provocante deixava-o excitado ou com vontade de rir. Vontade de rir pelo modo como ria descontraída ou por ver as tentativas falhas de Lolla e Lou. Verdade fosse dita, era simplesmente impossível não sorrir junto quando sorria.

Logo Niall e Liam entraram na palhaçada e começaram a tentar os passos de funk junto com as mulheres e isso rendeu muitas gargalhadas e vídeos no Snapchat de Harry. Sem humor para as palhaçadas de e, para qualquer outra coisa, Zayn saiu em direção ao camarim.

- Vamos, Louis, mexe essa bunda - ia dizendo chamando o cantor que riu balançando a cabeça em negação fazendo uma dança desajeitada. - Vamos, Styles!

Harry inclinou-se empinando a bunda na direção de e ela abraçou-o por trás batendo na bunda do rapaz enquanto fazia gestos sugestivos promovendo as gargalhadas dos demais presentes. Foi a vez de Niall retribuir o favor, postando vídeos do momento entre Harry e no snapchat com a legenda “Carregamos um pedaço do Brasil conosco” e só isso foi o suficiente para enlouquecer o fandom brasileiro.

- Caramba! Eu tenho dez mil novos seguidores no Instagram! - exclamou chocada quando pegou o celular momentos depois. - E tem gente comentando que me ama nas minhas fotos! Espera, tem gente dizendo que me odeia também, mas essas não são brasileiras.
- Seus vídeos sempre fazem sucesso no meu Snapchat, as fãs sempre comentam no Twitter que você é a melhor. - Niall comentou e arregalou os olhos com assombro.
- Que coisa louca… Será que devo fechar meu Instagram?
- Só se isso te incomodar…

Passaram mais algum tempo jogando conversa fora quando Niall de repente trouxe algo a tona.

- Ei, sabe o que eu tô com vontade de fazer?
- Sexo? - jogou a pergunta no ar em tom de brincadeira fazendo os meninos rirem e Niall rolar os olhos.
- Não, palhaça, isso eu deixo para você.
- E quem te disse que eu estou na seca?
- Me poupe, , você passa a maior parte do dia grudada com a gente. Se tivesse alguém nós iríamos saber… A menos que fosse um de nós. - Niall disse e Harry engasgou com a água que estava bebendo. O embaraço ficou ainda maior com o olhar debochado que lhe lançou.
- Eu bem queria, mas ela não me dá bola. - Liam comentou num muxoxo e jogou uma toalha no rapaz que riu. Aos poucos, Liam perdia essa obsessão por e passava a tratá-la como uma amiga.
- Desculpa, Liam, você não faz meu tipo. Zayn é bonitinho, mas é ordinário e tem namorada. Louis é um amor, mas foi tão irritante que não consegue mais me dar tesão e você… Bom, você é um fofo e tudo mais, Niall, mas eu meio que já estou torcendo para você transar com sua fã.
- Ainda te sobra o Harry - Niall disse apontando para o amigo que sentia cada vez mais calor entre as bochechas.
- Ah, Harry é uma gracinha, mas ele não está necessitado, ele se deu bem ontem. - comentou com um sorriso sacana. - Inclusive, uma graça a Kendall, Harry, principalmente quando me fez andar para cima e para baixo para conseguir morangos para ela.

sabia que não deveria ter dito isso, mas não se aguentou. Ainda evitava olhar para Liza de tanta raiva e ainda amaldiçoava a oitava geração Jenner/Kardashian pelo ocorrido na noite anterior.

- Ah, eu esqueci de pedir para acrescentar na lista... - Harry defendeu meio sem jeito. Queria ser leal a Kendall.
- Ela foi ótima especialmente na parte que deu uma queixa de mim para a Liza. - respondeu educada sem conseguir conter uma amargura. Sabia que estava sendo absurdamente antiética, só não se importava o suficiente.
- Ela o que?
- Bom, eu demorei de achar o que ela pediu. E para ser sincera, não tenho obrigação. Mas ela não gostou e falou com a Liza.
- E não tem jeito, é dela que o Harry gosta, é para ela que o Harry seeempre acaba voltando - Niall entoou e Harry revirou os olhos não gostando do rumo do assunto.
- Desculpa me meter, mas, por que vocês não namoram já que se gostam? - perguntou com curiosidade.
- Porque não é o suficiente para que a gente queira firmar um relacionamento. Já tentamos, não dá certo. - Harry respondeu a contragosto.
- Por isso que eu digo que ele precisa de uma distração, conhecer outras pessoas, transar com outras pessoas e deixar essa coisa iô iô com a Kendall para lá. - Louis deu de ombros.
- Eu já disse que não gosto disso, de usar alguém…
- E se a pessoa quiser ser usada? Digo, se a pessoa não se importar? - perguntou e Harry franziu a sobrancelha sondando as intenções da mulher - Você nunca teve alguém para se envolver puramente por sexo?
- Bom..
- Mas ela é uma ex, isso tem sentimento envolvido. Estou falando sobre uma amizade colorida, alguém com quem você só quer se divertir e só quer se divertir com você também e todo mundo está ok com isso. - explicou e Harry não precisou pensar muito para saber que a resposta era não. Ele tinha pessoas com quem transava, mas ou eram transas pontuais e absurdamente casuais como era o caso quando se deixava envolver momentaneamente com uma fã por apenas uma noite, ou então eram ficantes sérias ou… Kendall.
- Eu nunca tive isso - Foi Niall quem respondeu.
- Eu já. Com uma groupie - Liam revelou e os amigos o encararam chocados.
- E o papo de que não ficamos com fãs?
- Pois é, não cometa o mesmo erro que eu.
- Como você escondeu isso de nós? - Louis perguntou surpreso e Liam deu uma risadinha.
- Você ficaria de cabelo em pé se soubesse quanto coisa dá para fazer escondido.

Harry e evitaram se olhar.

- O que houve? Por que pararam? - Harry perguntou.
- Porque ela se apaixonou. Alguém sempre sai apaixonado dessa história. - Liam respondeu e estava rindo quando Lou retornou para a sala.
- Meninos, estamos querendo pregar uma peça nas fãs e entrar na arena maquiados, vocês topam?

Niall e Liam mostraram-se interessados na hora. Louis nem tanto, mas era bastante perspicaz para perceber a tensão que se instalava entre e Harry e por isso saiu da sala junto com os amigos deixando o cantor e a assistente de produção sozinhos.

- Bom, vou caçar o que fazer antes que… - tinha se levantado para sair quando Harry começou a falar.
- Você adora fazer isso, né? Me provocar e depois fugir. Me provocar e depois fingir que era só uma brincadeira. O que foi? Perdeu a coragem de ficar sozinha comigo? Não se preocupe, , não vou te atacar.

girou nos calcanhares ficando de frente para Harry encarando-o com as sobrancelhas arqueadas .

- Do que diabos você está falando?
- Das suas insinuações. Você deixa coisas no ar e depois foge sem dizer o que quer. Sem fazer o que quer.
- E o que eu quero fazer, Harry Styles? - perguntou cruzando os braços.
- Você quer transar comigo.

pestanejou e Harry sorriu minimamente satisfeito por ter visto a exata reação que esperava.

- Você é realmente narcisista. - respondeu e Harry riu balançando a cabeça em negação.
- Eu não sou narcisista por dizer o óbvio. E a sua vontade é nítida. Nós somos adultos, afinal de contas.
- E qual a sua vontade, Harry? - rebateu a pergunta e Harry fingiu pensar por um instante olhando-a da cabeça aos pés. Harry terminou de fazer sua análise na mulher e umedeceu os lábios por puro hábito, passando o dedo indicador dobrado pelo lábio inferior, numa expressão pensativa que respondeu por si só.
- Você está com alguém… - arregalou os olhos.
- E você também. E nenhum de nós está procurando envolvimento emocional, só um pouco de diversão. Não dá para dizer que isso aqui - Harry disse apontando dele para - Não vai ser bom, já que nosso beijo foi muito gostoso. A gente tem uma química, , você não pode negar isso.
- Eu não estou negando. - descruzou os braços e Harry sorriu ao vê-la respirar fundo, achando ser o suficiente de torturá-la por um dia.
- Então se você quiser alguém para matar essa sua vontade, você sabe onde me encontrar. Eu não vou mais aceitar suas provocações e piadinhas, se você me quiser é só dizer. - Harry disse se afastando da bancada para sair da sala deixando uma desconcertada para trás. Quando já estava na metade do corredor, girou nos calcanhares e voltou para sala com passos largos vendo arregalar os olhos para sua aproximação, no segundo seguinte puxando-a pelos dois lados do rosto para um beijo caloroso.

só levou um segundo para retribuir o beijo com entusiasmo, abraçando Harry pelo pescoço, já levando uma de suas mãos até a nuca do rapaz que se arrepiou no instante em que ela puxou seus cabelos. Harry deslizou suas mãos pelo corpo de segurando na cintura dela com força, impulsionando-a para cima ao que ela aceitou de bom grado já pulando no colo dele deixando suas pernas cruzadas ao redor da cintura masculina.

Harry andou cegamente com em seu colo beijando-a como se estivesse sedento por aquele contato. O cantor colocou sentada no balcão e pressionou seus corpos a medida que deixava seu tronco entre as pernas dela. Se beijavam com tanta selvageria que com toda certeza ficariam com lábios inchados, mas, naquele momento, estavam pouco se importando.

Estimulado pelas reações de , Harry deslizou suas mãos por dentro da camisa dela, sentindo seus dedos eletrizarem ao tocarem na textura macia e quente da pele arrepiada. soltou um gemido longo e abafado deixando Harry endurecido sob a calça jeans e isso só fez com que ele tivesse ainda mais vontade de subir as mãos até o sutiã dela, apalpando os seios por cima da peça de roupa arrancando um gemido ainda maior e mais gostoso de entre o beijo.

- Harry… - ofegou e ele soltou um sorriso torto pressionando seus dedos por dentro do sutiã beliscando os mamilos com delicadeza, satisfeito ao vê-la se contorcer.
- Que foi, , isso tá gostoso? - Harry sussurrou mordiscando o lábio inferior de que murmurou em concordância. Ele deslizou a boca até chegar no pé do ouvido dela, onde murmurou com a voz rouca deixando-a completamente quente: - Agora imagina se estivéssemos sem roupa...

arfou e, reunindo toda força de vontade que tinha, Harry tirou as mãos dos seios dela e se afastou subitamente, deixando-a completamente ofegante e desnorteada. Aquela visão fez com que Harry imaginasse as coisas mais impuras possíveis. Sempre na linha de raciocínio de contorcida entre os lençóis, nua e gemendo por mais.

- Tem mais disso se você quiser. Basta dizer que você quer. - Harry disse antes de se afastar de caminhando a passos apressados para longe do salão procurando um banheiro o mais depressa possível porque era impossível subir no palco sem aliviar a tensão sexual que tinha instalado em si.

Capítulo 6 - O acordo

- E então, meninos, sobre a nova turnê, contem-nos, como estão as coisas? - Leslie Norman, a apresentadora do programa perguntou durante a entrevista.
- Ah, está divertida, como sempre é. Cansativa também, mas estamos muito empolgados e felizes por estarmos próximos das nossas fãs. - Niall respondeu atencioso sorrindo para a câmera.
- Nessa vida de turnê, quem é o mais bagunceiro? - Leslie leu no cartão e todos os meninos apontaram para Louis ao mesmo tempo.

Harry, que estava sentado ao lado de Louis, tocou na perna do amigo para sinalizar sua resposta e logo ouviu o sussurro de um dos agentes da Modest atrás da câmera sinalizando que não fizesse isso. Harry respirou fundo, retirou a mão e parou de sorrir.

- E quem é o mais organizado?

As perguntas foram rolando nesse sentido genérico e mais do mesmo, mas os meninos responderam sempre com um sorriso no rosto. Leslie parecia bem a vontade perto dos integrantes da banda, em especial, perto de Harry. A apresentadora esgotou todo e qualquer tipo de questionamento a respeito do cantor e suas peculiaridades e miudezas; perguntou sobre corte de cabelo, estilo e só não perguntou sobre namoradas e os rumores sobre Kendall porque a Modest não permitiu. Mas todas as perguntas estavam direcionadas ao cantor, deixando um clima vergonhosamente óbvio e constrangedor entre os cinco rapazes.

- Harry, o que está achando da produção do novo álbum, pode nos dar algum detalhe do que está vindo por aí?
- Música boa - Harry respondeu com o sorriso debochado arrancando alguns risos de Liam e Niall. - O que vocês acham, nosso álbum novo está bom?
- Está incrível - Niall disse com o mesmo sorriso de sempre.
- O melhor que já fizemos - Liam respondeu com convicção. Internamente, os meninos riram. Ainda nem tinham conversado sobre começo de produção, quem dirá.
- Estamos trabalhando duro nisso - Louis mentiu gesticulando o que fez com que seu braço roçasse no de Harry. Não precisavam nem olhar para saber que o representante da agência estava encarando-os de cara feia.

Zayn poupou-se de responder a pergunta apenas soltando uma risada nasalada que poderia ter diversas interpretações. Felizmente, nesse caso, Leslie estava interessada apenas em Harry para perceber as reações dos outros.

- Vamos fazer um intervalo? - Becca disse entre uma pergunta e outra e percebendo que o clima não estava dos melhores, Leslie assentiu.

Na sala ao lado, Louis já soltava o verbo.

- Isso é uma palhaçada, completamente inaceitável!
- Louis, nós só estamos pedindo que vocês sentem em lugares diferentes, afastados, só isso - Becca tentava acalmar o cantor que parecia enfurecido.
- Vocês estão nos afastando publicamente, fazendo parecer que estamos brigados! E é assim que se importa com a imagem da banda?
- Louis, nós só estamos tentando evitar e conter os boatos sobre um relacionamento entre você e Harry, você sabe como as fãs estão firmes nisso..
- E daí a nos afastar? Impedir que a gente se trate com normalidade? Nós somos amigos! Isso é completamente ridículo!
- Sabe o que é ridículo? Essa entrevista. Todo esse programa, toda essa baboseira. Ninguém pergunta nada sobre música, ninguém fala sobre algo que seja realmente relevante, só o que falam é sobre o cabelo do Harry, as unhas do Harry, a bunda do Harry… - Zayn comentou com azedume e Harry fechou a cara para ele.
- Ei, não precisa descontar em mim. Não é como se fosse eu a fazer as perguntas, eu estou tão incomodado quanto você.
- Incomodado? Me poupe, Harry, você sempre gostou de ser o centro das atenções e não venha negar que adora isso.
- Eu não tenho culpa de ser mais carismático do que você, que fica o dia inteiro com essa cara fechada como se estivesse constantemente incomodado com alguma coisa - Harry rebateu num tom amistoso de brincadeira, mas Zayn não estava para gracinhas.
- É, talvez eu esteja mesmo incomodado, talvez eu esteja mesmo de saco cheio! - Zayn disse num impulso e Harry arqueou uma sobrancelha levemente surpreso.
- Ei, calma, cara… - Niall disse tentando pegar no ombro de Zayn, mas ele o afastou torcendo a boca.
- Eu tô fora dessa entrevista idiota, podem continuar sem mim. - Zayn disse sem dar tempo de ouvir os protestos de Becca que tentava conter a pequena rebelião que se formava.
- Eu não vou voltar também, sinto muito - Louis disse seguindo o mesmo caminho de Zayn afastando-se tão chateado quanto.
- Eu volto. Meu lado narcisista está doido para se exibir sem ninguém para atrapalhar meu foco - Harry disse abrindo os braços com um sorriso forçado, claramente fazendo um escárnio para Becca que suspirou revirando os olhos.
- Parece que será entrevista cancelada, então - Leslie comentou quando Harry saiu pela mesma porta que Louis e Zayn.

♡♡♡

- Eles estão chegando. Lembre do que eu disse, , por favor!
- Eu já sei, Liza, ser boazinha, eles não estão de bom humor. - repetiu revirando os olhos fazendo pouco caso.
- Não, , eu tô falando sério dessa vez. Becca disse que eles se desentenderam durante a entrevista e aposto que vão chegar furiosos até mesmo para o meu lado. Estou te avisando para se comportar para não ouvir nenhuma grosseria desnecessária.
- Liza, do contrário de você, eu não tenho medo de um bando de adolescentes.
- , primeiro que você não é tão mais velha do que eles assim e, segundo que, infelizmente, a voz de qualquer um deles conta mais do que a sua… Desculpe, querida, mas a vida é injusta - Liza completou ao ver boquiabrir-se ultrajada.
- Não é injusto pensar que nós temos que ficar bajulando o ego de cinco garotos mimados o tempo inteiro para garantir nossos empregos? - cruzou os braços falando com Lolla e Peter ao ver Liza se afastar.
- A gente fala assim, mas a verdade é que eles são até melhores do que o esperado. - Peter ponderou com sensatez - Quer dizer, eles são pessoas simples que tiveram o mundo revirado de cabeça para baixo de uma hora para outra.
- E para pessoas que foram colocadas em uma banda sem um pingo de afinidade e sem se conhecerem direito, até que eles brigam pouco e são bem unidos - Lolla concordou e soltou um muxoxo relaxando a postura.
- O que será que aconteceu com eles, hein? - Perguntou e no seu tom continha muito mais preocupação do que curiosidade.

Essa preocupação se intensificou quando os cinco integrantes da One Direction chegaram em silêncio na arena e não fizeram as habituais palhaçadas, não saíram zoando o camarim dos músicos, não roubaram nenhum objeto da produção e não infernizaram a vida dos seguranças. Com expressões fechadas ou abatidas, cada um seguiu seu próprio rumo preferindo não continuar a interagir com outras pessoas.
Zayn subiu para gravar no estúdio, Liam e Niall seguiram para a sala de jogos e Harry seguiu Louis até o camarim. Pensando se deveria ou não se envolver, acompanhou os andares cabisbaixos antes de tomar a decisão. Quando entrou no camarim, Louis parecia exaltado, caminhando de um lado para o outro com as mãos na cintura e Harry estava jogado no sofá com a cabeça virada para o teto.

- Oi… - anunciou sua chegada colocando a cabeça para dentro do camarim com uma expressão incerta. Harry não se deu ao trabalho de olhar e Louis parou de andar olhando para com frieza.
- Agora não, . Não estamos no humor.
- Agora me conte uma novidade - murmurou e Louis a fuzilou com o olhar - Jeez, estou brincando, calma. O que houve?
- O que houve? O que houve? Vamos ver, a Modest é uma bosta, é isso o que houve - Harry disse num murmúrio enquanto Louis recomeçou a andar de um lado para o outro.
- Harry! - Louis repreendeu.
- O que foi? Estou falando alguma mentira?
- Meninos, o que houve? - perguntou novamente, dessa vez sem traço de deboche e sim verdadeira preocupação.
- Becca passou a entrevista inteira dando ordens para que eu e Louis evitássemos contato físico e visual. Na verdade, até pediu que trocássemos de lugar depois do intervalo - Harry quem respondeu ainda encarando o teto.
- Por que eles fariam isso? - perguntou sem entender.
- Basicamente para afastar de uma vez por todas o rumor de que eu e Harry estamos namorando. - Louis respondeu amargurado e não pôde deixar de soltar uma risada nasalada. Percebeu que tinha sido a reação errada quando Louis parou de andar e Harry finalmente desviou o olhar do teto para encará-la como se fosse um inseto.
- Desculpem… Estão falando sério? - perguntou mordendo o lábio inferior e Harry lhe lançou um longo olhar julgador antes de voltar a fixar o teto inexpressivo.
- Sim, seríssimo - Louis respondeu voltando a andar de um lado a outro - Quer dizer, como se nós tivéssemos culpa dessa baboseira que foi inventada pelas fãs!
- E também não podem evitar - respondeu séria - Faz parte da experiência de ser fã de algo, elas querem estender essa experiência e acabam criando universos paralelos em que são amigas de vocês, namoradas e, quando não podem ser, acabam fazendo com que namorem entre si.
- Eu realmente não tenho nada contra com o que cada uma faz com a própria imaginação, mas isso está começando a ir longe demais - Harry disse dando um longo suspiro cansado.
- Isso é nojento! Desrespeitoso! E mesmo que um dia tivesse rolado algo entre eu e o Harry, é dessa forma que elas esperam nos ajudar? Elas só estão fortalecendo o que a Modest está fazendo!
- Mas a culpa é da Modest, não das suas fãs, Louis - interviu - Quer dizer, eles que estão tentando forçar goela abaixo uma postura máscula em vocês porque têm que seguir um padrão já que o maior público de vocês é composto por meninas que sonham com vocês como namorados delas. Seria um choque difícil de administrar se elas soubessem que esses caras são gays ou bis.
- Não seria um choque tão grande assim, já que boa parte delas se denomina… Como é o nome mesmo? - Harry perguntou desinteressado.
- Larry shipper - Louis respondeu com desgosto.
- Mas não são nem de longe a maioria, Harry. Apesar de serem expressivas, não estou dizendo o contrário. Estou falando que, racionalmente, a culpa é da Modest por afastar vocês por esses rumores. Culpa dessa sociedade machista e tóxica que a gente vive que não aguenta demonstrações genuínas de afeto entre amigos.
- Tá, mas eu não devo satisfações sobre minha sexualidade! E eu faço questão de deixar claro no dia a dia. - Harry respondeu.
- Você deixa subentendido, na verdade. Eu sei, você sabe, todo mundo sabe que a Modest seria a primeira a te impedir de ir a público sobre um relacionamento com um homem, por exemplo - ponderou e Harry fez uma careta incomodando-se.
- , elas aparecem nos shows com cartazes! Nos abordam na rua pedindo para que sigamos “firmes” e eu nem sei o que isso significa! Parece que elas criaram uma realidade e escolheram viver nela! Imagine você - Louis disse parando de andar apontando para - tendo uma melhor amiga da qual não tem o menor interesse e as pessoas saíssem por aí com camisas estampadas de vocês duas se beijando! E se fosse verdade e você trabalhasse por uma agência que demanda o afastamento entre vocês, isso não seria prejudicial para o relacionamento?
- Seria - confirmou.
- Então! - Louis disse abrindo os braços e fechando-os com rapidez, batendo nas pernas. - Isso tem se tornado tão irritante!
- O problema é que, elas não guardam isso para si mesmas, sabe - Harry comentou com a voz baixa e contida - Se fizessem as… Como chamam mesmo?
- Fanfics - Louis completou emburrado.
- Fanfics, se fizessem as fanfics e comentassem sobre isso entre fãs, acho que seria menos penoso do que o que realmente fazem. Porque não fomos a primeira banda que isso aconteceu.
- Não mesmo. Frank Iero e Gerard Way do My Chemical Romance estão aí para provar o contrário. - confirmou.
- É, mas eles de fato se beijaram no palco - Louis franziu a sobrancelha e Harry soltou uma risada nasalada com a lembrança.
- Se beijaram? Meu Deus, eles fizeram pior! - exclamou - Mas enfim, meu ponto é que na época que o My Chemical Romance estava no auge as fãs estavam enlouquecidas com esse lance de fanfics, na minha escola todo mundo lia.
- Você lia? - Harry perguntou voltando a encarar com uma sobrancelha arqueada. Ela deu de ombros e piscou longamente fazendo os dois amigos arregalarem os olhos.
- O que é? Algumas eram muito bem escritas.
- !
- Olha, vocês estão perdendo o ponto aqui. Não vou crucificar quem lê fanfics ou quem escreve. Hoje tanto o Gerard quanto o Frank estão casados com mulheres, têm filhos e construíram uma família. Essa febre sobre vocês dois também vai passar, uma hora ou outra, mas vai… Talvez até demore mais um pouco, já que inegavelmente One Direction ficou mais famosa.

Nem Harry nem Louis responderam. Harry ainda encarava o teto, mas suas sobrancelhas não estavam mais franzidas. Louis ainda estava de pé, mas não caminhava de um lado a outro. Ficaram em silêncio por mais alguns minutos até que resolvesse perguntar:

- Mas foi só isso? Zayn também não está com a melhor cara.

Harry soltou uma risada nasalada e foi a vez dele levantar de um só impulso.

- Ah, a culpa disso é de um cara talentoso, bonito e narcisista chamado Harry Styles, prazer - Harry fez uma reverência falsa e, fechando a cara, foi até a geladeira pegar uma água.
- Eu deveria entender o que isso supostamente significa? - perguntou confusa.
- O Zayn só está sob pressão, é isso - Louis disse mudando até o tom de voz.
- Que pressão, Louis? Que pressão que o Zayn está passando que é diferente da nossa? Ele age como se só ele acordasse cedo para gravar, como se só ele constantemente se arrumasse para fotos e só ele desse entrevistas. Eu tive que passar meia hora hoje com uma mulher me fazendo perguntas sobre meu cabelo! E ele age como se fosse o único que fica de saco cheio as vezes. Bom, eu também fico de saco cheio as vezes! - Harry desabafou batendo a porta da geladeira com mais força que o necessário. arregalou minimamente os olhos, verdadeiramente surpresa por nunca ter visto o cantor tão chateado.
- Harry, você conhece o Zayn, sabe que ele é o mais…
- O mais ingrato, é isso o que ele é. - Harry interrompeu - Ele age como se essa oportunidade que a gente teve não fosse grande coisa.
-Hazz…
- Olha, quer saber? Deixa pra lá - Harry disse dando um longo suspiro passando a mão pelos cabelos - Estou chateado e posso acabar falando algo que vai me causar arrependimento. Eu vou tomar um banho, vejo vocês mais tarde.

Harry se afastou de e Louis, pegou sua mochila e foi para o banheiro tentar relaxar um pouco daquele dia estressante que ainda estava na metade. Ainda precisaria passar duas horas em cima de um palco e não podia deixar aquele estresse respingar nas suas fãs que não tinham culpa de nada que acontecia por trás dos bastidores.
Demorou propositalmente no banheiro, aproveitando para checar as mensagens no celular, visualizando a conversa com Gemma que não via resposta há dias. Gemma… Lembrar da irmã era também lembrar a última vez que tinham conversado por telefone e, naquele momento, lembrar o conteúdo da conversa quase fez com que Harry agisse por impulso. Bloqueando o celular, entrou no chuveiro disposto a afastar aqueles pensamentos motivados pela hora da raiva. Zayn era seu amigo, a One Direction era sua banda. Mesmo que não tivesse sido criada entre amigos, foram exatamente isso que se tornaram com o passar do tempo. Não era sempre fácil, mas não significava dizer que não valia a pena.
Quando saiu, já não estava mais no camarim e Louis mexia no celular despreocupado sentado no sofá.

- Ei, meninos, podem dar um pulinho aqui, por favor? Precisamos da ajuda de vocês com uma coisa - Caroline, a estilista, disse colocando a cabeça para dentro do camarim.
- Mas tem que ser agora? - Louis disse sem humor e Caroline revirou os olhos jogando uma caneta na cabeça dele. - Outch!
- Agora! - Ordenou antes de sair.
- O que será que ela quer? - Louis perguntou retoricamente e Harry deu de ombros.

Chegaram no salão para darem de cara com Niall e Liam que tinham as mesmas expressões de interrogação. Zayn estava sentado no sofá e embora parecesse mais calmo, não olhou na direção de Harry que fez o mesmo.

- Alguém faz a menor ideia do que está acontecendo aqui? - Liam perguntou olhando de um lado a outro da sala vazia. Nem sinal de Caroline ou qualquer outra pessoa além dos integrantes da 1D. Por um breve momento Harry pensou que esse era um plano malígno de confinamento para que resolvessem as diferenças, mas ao ouvir os primeiros acordes de uma música muito conhecida, mudou de ideia.

♫ Tocando agora: What Makes You Beautiful - One Direction ♫

Entrando na sala em uma sincronia estranhamente coreografada, , Peter, Lolla, Lou e Paul começaram a performar o primeiro single da banda deixando os cantores olhando para eles em choque.

- You're insecure, don't know what for, you're turning heads when you walk through the door - Lolla começou a cantar a parte de Liam apontando para o cantor que estava indeciso entre rir e arregalar os olhos. Lolla agitou as mãos sobre o rosto e saindo da frente, deu foco para se aproximar.
- Everyone else in the room can see it… Everyone else but you - cantou com sua voz desafinada fazendo Harry soltar uma risada alta.
- Baby you light up my world like nobody else the way that you flip your hair gets me overwhelmed, but when you smile at the ground it ain't hard to tell… You don't know, oh oh… You don't know you're beautiful!

Os cinco cantaram juntos rendendo uma cena de vergonha alheia que dificilmente seria passível de esquecimento. Niall já gargalhava histericamente e Liam gravava diversos vídeos para o Snapchat. Até o próprio Zayn encontrava-se com dificuldade para manter a pose séria. Paul tentava manter a coreografia, mas Lou e dançavam em um ritmo próprio fazendo com que tudo se tornasse ainda mais engraçado, ainda mais pela falta de coordenação motora de Peter e Lolla.

- So come on, you got it wrong - Lou começou a cantar chamando Zayn com a mão dançando até o chão - To prove I'm right, I put it in a song!
- I don't know why, you're being shy...And turn away when I look into your e-e-eye! -
Peter dublou não se arriscando a cantar, ruborizando ao extremo, mas ainda assim performando.
- Everyone else in the room can see it.. Everyone else but you

No refrão, os meninos da One Direction ingressaram na performance cantando a música em meio aos risos por ver os membros da equipe staff passando aquela vergonha única e exclusivamente para animá-los. E estavam conseguindo, até mesmo Harry e Zayn tinham trocado um olhar risonho durante a música.
Eram agradecidos por uma equipe tão dedicada não apenas em fazer o serviço pelo qual eram pagos para fazer, mas também em tratá-los como pessoas normais sem frescuras ou favoritismos por causa de fama. Com Paul, Lolla, Lou, Peter e podiam contar. Além de serem ótimos profissionais, eram também ótimas companhias que conseguiam suavizar toda a tensão do ambiente e deixar o trabalho menos penoso nos dias que tudo parecia difícil.
Vendo-os dançar desajeitados, cantar desafinados e rir descontrolados, Harry teve a certeza de ter a melhor equipe staff do mundo e naquele momento sentiu-se particularmente sortudo por tê-los. Era aquele clima que tinham que manter, afinal de contas. Não demorou muito para que ingressassem na dança gerando ainda mais gargalhadas.

- You don't know you're beautiful, oh oh… That's what makes you beautiful!
- Obrigada, obrigada, obrigada! - fez uma reverência quando terminou a performance e os cinco cantores da 1D aplaudiram de pé.
- Quem tiver vídeos desse momento faça o favor de apagar - Lou gritou.
- Infelizmente tarde demais, o mundo já viu - Niall gargalhou apontando para o celular.
- Meninos, eu sei que nem sempre as coisas vão estar bem entre vocês e que o trabalho é estressante, mas vamos tentar manter a união, a positividade e a boa energia, tá bem? - Caroline Watson disse entrando na sala terminando sua filmagem. Os membros da 1D trocaram olhares mais calmos e assentiram em silêncio. Embora os problemas não fossem ser dissipados de uma hora para outra, pelo menos tinham conseguido um momento de descontração em meio aos estresses e só isso estava de bom tamanho.

♡♡♡

Depois do show e dos ânimos estarem mais controlados, a equipe staff convenceu os meninos a saírem para um momento de diversão depois de tanto trabalho e estipularam que a única regra seria falar sobre qualquer coisa, menos trabalho.
Ao invés de uma boate com área privativa, preferiram um estilo mais casual como um bar cheio de jogos em que logo ficaram envolvidos na sinuca, nos dardos ou no pebolim. Apesar do clima estar visivelmente estremecido, os meninos ignoraram deliberadamente a presença de Liza e de qualquer outro integrante da Modest e apenas mantiveram a concentração nos jogos e nas cervejas, aceitando de bom grado a presença de , Lolla e Peter. Lou havia dado desculpas para conversar com a filha pelo FaceTime e não participou da confraternização.

- O que tanto você olha nesse relógio, , cansou de perder? - Harry perguntou quando checou o relógio de pulso pela terceira vez, assustando-a. Harry encostou-se na mesa de sinuca ao lado de depois de vencer pela terceira vez consecutiva. Niall e Liam já tinham ido disputar os dardos.

A proximidade fez com que a produtora pudesse sentir o perfume de Harry com intensidade e só isso foi o suficiente para fazê-la arrepiar. Ele estava lindo, como sempre. Usava uma camisa rosa de manga comprida, três botões abertos davam uma brecha do peitoral tatuado, a calça, como sempre apertada com a composição de um novo par de botas que ela ainda não conhecia. Os cabelos longos estavam soltos e cacheados do jeito que ela gostava. Lindo, absurdamente e injustamente lindo.

- Tenho um compromisso, Harold - revirou os olhos preferindo não ceder aquela linha de raciocínio, revidando a brincadeira com apelidos.
- Compromisso? A regra hoje é não falar sobre trabalho!
- E quem te disse, Harry Styles, que meu compromisso é trabalho? - disse virando-se de frente para o cantor em tom debochado. Sem dar tempo da resposta, deu as costas rumando até o pebolim que finalmente tinha sido vagado.

Harry observou enquanto se afastava, o vestido solto balançando perigosamente ao redor das coxas. Ela estava muito bonita, como sempre. O vestido vermelho era trespassado ao corpo e deixava muito de suas pernas a mostra, o que ornava bem com o tênis adidas perfeitamente branco que ela calçava.
Harry sondou com o olhar por uns segundos e depois arregalou os olhos sugestivamente, indo até o pebolim.

- , você está indo para um encontro?

arqueou uma sobrancelha e soltou uma risada incrédula. Como Harry tinha sido tão assertivo?

- Preparado para perder, Styles? - fugiu da pergunta já se posicionando para jogar, colocando a bola no centro da mesa. - Harry posicionou as mãos nos comandos, mas não desistiu da pergunta.
- Você vai para um encontro! Com quem? - revirou os olhos.
- Não interessa, ok?

moveu seus jogadores tão rapidamente que Harry nem viu a bola entrar certeira no seu goleiro frouxo.

- Parece que começamos bem… - zombou.
- Então, esse encontro, como você o conheceu? Ou a conheceu, quem sabe…

riu ao mesmo tempo que Harry girou seu comando.

- ROUBO! Não vale girar! - protestou. Movimentou mais um pouco e fez um belíssimo gol de goleiro que deixaria Harry mal humorado, se não tivesse curiosidade maior.
- E esse encontro… - Continuou insistente, ao mesmo tempo que o celular de vibrava. Pedindo para pausar o jogo, ela leu a mensagem. Com um bufo de frustração, olhou para Harry sem emoção.
- Bom, não tem mais encontro. Acabei de levar um bolo.

Harry arregalou os olhos e forçou a musculatura facial para não ceder ao riso, sem sucesso. apertou os olhos e o encarou incrédula e debochada, logo cedendo ao riso também.

- Quer dizer que ideia mais idiota que eu tive de baixar esse Tinder, sério, que saco! - movimentou seu comando com força fazendo outro gol em Harry, que já tinha desistido.
- Sinto muito pelo seu encontro - Harry disse risonho.
- Tô percebendo o quanto, há há.

fez mais cinco gols em Harry, mas estava tão frustrada com o cancelamento que nem comemorou. Foi convencida por sua melhor amiga brasileira a baixar o Tinder em terras estrangeiras para se dar bem onde quer que fosse com a turnê. Tinha esperança de se dar bem naquela noite com o britânico gostoso chamado Harper, mas infelizmente o panaca cancelou faltando quinze minutos para o encontro. tinha tanta esperança de ter uma ótima noite de sexo e esquecer os devaneios com Harry Styles, mas aparentemente o universo estava contra ela.

- E você ia como? - Harry perguntou depois de fazer a dancinha da vitória do seu primeiro gol, arrancando risadas de .
- Dirigindo um dos carros da produção, por quê? Que interrogatório é esse, Styles?
- Por que seu encontro não precisa acabar, você pode ir comigo - Harry respondeu de prontidão e fez uma careta como se não tivesse escutado direito - Por favor?
- Harry Styles, você tem noção do estrago que seu rostinho faria na rua? Não vou sair com mil seguranças e nem quero ser responsável por outro episódio de fuga de fãs enlouquecidas.
- Me trate direito, tá ok? Você levou um pé na bunda e eu estou tentando ser uma boa pessoa - Harry respondeu fofamente com cinismo e riu um pouco mais, simplesmente porque não conseguia resistir ao humor bondoso do rapaz. - E se eu fosse disfarçado? Se eu colocasse um um bigode falso, um…. - Mas não deixou ele terminar de falar.
- Isso só é divertido quando é para zoar fãs e temos seguranças por perto para conter qualquer tipo de problema.
- Poxa, , por favor, nem que seja só um drive thru. Você não sabe o quanto eu estou cansado de estar de hotel para arena, de arena para ônibus de turnê, do ônibus para entrevistas… - Harry fez uma cara de cão abandonado que realmente sensibilizou , mas não o suficiente.
- Mas aí se formos no drive thru você acaba com a minha diversão!
- , por favor… - revirou os olhos e respirou fundo.
- Harry nós já estamos nos divertindo, não estamos? Não estamos em hotel, nem em arenas, nem…
- Mas não dá para se divertir 100% com pessoas do seu trabalho! - Harry protestou e arqueou uma sobrancelha.
- EU sou do seu trabalho - Salientou como se fosse óbvio e Harry só deu uma risadinha mordendo o lábio inferior.
- Por favor, eu te recompenso por isso! Eu pago!
- Vai precisar de mais do que isso, Styles…
- Qualquer coisa - Harry disse olhando para em uma expressão de súplica.
- Qualquer coisa? - perguntou desconfiada.
- Qualquer coisa. - Harry repetiu com um sorriso de orelha a orelha sabendo que já tinha ganhado essa batalha.

Vinte minutos depois…

- Meu Deus, essa foi uma péssima ideia. - disse batendo no volante ao contemplar a rua deserta e escurecida a sua frente.
- Se você tivesse me deixado dirigir, isso não teria acontecido… - Harry respondeu debochado do banco do carona.
- Cala boca, Styles, se você não tivesse me distraído eu não teria errado o caminho.
- Eu não tenho culpa se você se desconcentrou com minha beleza.
- Meu Deus, você é muito convencido - riu balançando a cabeça em negação.
- Oh, Harry, você é muito bonito - Harry afinou a voz e falou num tom arrastado imitando uma bêbada fazendo-a rir ainda mais - Oh, Harry, minha parte favorita do show foi quando você ficou todo molhado e eu pude ver seu corpo másculo através da camiseta… Oh, Harry, deixe-me ver suas tatuagens de perto… - gargalhou e tirou a mão do volante para empurrar o rosto de Harry que ria afastando a mão dela.
- Que culpa eu tenho se suas tatuagens são intrigantes - deu de ombros e Harry sorriu malicioso.
- Você pode ver a hora que quiser, é só pedir.
- Oh, , como você está gostosa com esse vestido.. - engrossou a voz tentando fazer uma imitação de Harry que gargalhou.
- Eu nunca disse isso! - deu de ombros, sem perder o sorriso.
- Talvez não com a boca, mas seus olhos não mentem…
- Oh, Harry, me solta, nós trabalhamos juntos, eu estava só brincando - Harry imitou a voz afetada de ao mesmo tempo que passava as mãos pelo próprio corpo alisando-se de um jeito inapropriado.

Dessa vez ele tinha conseguido fazer ruborizar porque ela estava verdadeiramente envergonhada quando estapeou o ombro dele que ria orgulhoso de si mesmo. Continuaram nessa guerrinha por uns segundos até gritar.

- É AQUI! PARA TUDO, NINGUÉM DIZ NADA, EU NÃO VOU ERRAR O CAMINHO!
- Que susto, sua maluca!

finalmente acertou o caminho indicado no Google Maps e tão logo pararam no drive thru da cafeteria, fizeram os pedidos e saíram não sem antes, é claro, Harry piscar para o rapaz atendente que só faltou infartar ao vê-lo.

- Meu Deus, você é muito exibido! - exclamou ao acelerar torcendo para não ter nenhum tipo de interferência no caminho.
- Esse é o lanche mais gostoso que eu já comi na minha vida! Você sente esse gosto, ? Esse gosto é de liberdade, LIBERDADE! - Harry gritou com a janela aberta e em consequência recebeu um tapa na nuca ao mesmo tempo que fechava as janelas com o comando automático.
- Fica quieto, inferno! Quer nos colocar em apuros?
- Todo mundo precisa de um pouco de aventura de vez em quando, . Você definitivamente está precisando… Sorte sua que eu tô aqui, sempre pra te lembrar de como é divertido quando estamos juntos. - Harry falou galante e revirou os olhos ao parar no acostamento de rua mais deserta para poder, enfim, comer seu lanche.
- Uau, que fracasso. Quem diria que a grande aventura da minha vida seria dirigir de madrugada a caminho de um drive thru com um popstar do lado. - debochou e Harry deu uma risadinha enquanto beliscava algumas batatas. - Meu Deus, eu estou simplesmente FAMINTA! Não comi nada naquele bar.
- , liga essa rádio, vamos ouvir música boa - Harry disse apontando para o som do carro.

deixou em uma estação de rádio qualquer enquanto conversavam sobre como seus lanches estavam gostosos, vez ou outra trocando mordidas do lanche um do outro e rindo disso. Aquele era um momento tão natural e tão descontraído que podiam dizer com tranquilidade que estavam se tornando amigos e que coisa maravilhosa era para Harry poder ser amigo de alguém como , engraçada, divertida, sagaz, inteligente e, de sobra, uma pessoa de bom coração. E que sorte era para , ser amiga de alguém como Harry. Divertido, engraçado, gentil, educado, calmo e com uma personalidade tão fascinante.

- É, pessoal, hoje à noite, NewCastle ferveu com a presença da maior boyband da atualidade, One Direction!

O locutor da rádio disse fazendo com que e Harry prestassem atenção imediatamente.

- Para relembrar, uma música a pedido da ouvinte Emma!

Quando os acordes de Better Than Words começaram, Harry e se entreolharam e compartilharam risadas com as mesmas recordações em mente.

- Better than words… more than a feeling… crazy in love... dancing on the ceiling!!! - Cantaram ao mesmo tempo em entonações diferentes.

era incrivelmente desafinada. Do tipo que fazia os tímpanos doerem e os olhos se fecharem, mas Harry não achava isso ruim. Na verdade, achava tão engraçado que não conseguia parar de rir de mais uma performance dela que parecia ainda mais animada cantando no carro só na presença dele.

- Essa é minha música favorita! - exclamou animada e Harry sorriu.

Naquele momento Harry Styles ainda não tinha como saber que iria ressignificar a música da sua própria banda. Ele ainda não sabia, mas começaria, naquele mesmo instante, a associar a Better Than Words. Não só pelos momentos de descontração vividos ao lado dela ao som da música, como também porque a letra dizia tudo sobre eles. Sobre tudo o que se tornariam. Na verdade, o que Harry ainda não sabia é que, mais tarde, naquela mesma noite, naquele mesmo carro, tudo aquilo começaria a fazer mais sentido.

Best I've ever had
Hips don't lie
You make me wanna
One more night


recolheu as sacolas com os restos do lanche e jogou pela janela acertando a lixeira fazendo uma comemoração com a mão enquanto Harry ria balançando a cabeça. Sem maiores problemas, conseguiram dirigir pela cidade acompanhando os direcionamentos do google maps, vez ou outra abaixando o vidro para checar alguma paisagem, mas logo tratando de fechá-lo para não chamar atenção.

Em dado momento, flagrou-se observando a expressão verdadeiramente leve e feliz que Harry tinha com algo tão simples quanto aquele passeio de carro na madrugada. Coisas simples, como aquela, pareciam enormes para quem vivia privado com tantas regras. Sensibilizada, abriu as janelas e sorriu ao ver o vento bater contra os cabelos dele que sorria cheio de covinhas.

Entre acertos e erros pelo caminho, chegou em um local deserto para estacionar que dava uma ampla visão da cidade de Newcastle, banhada pelo rio Tyne. Conversavam sobre qualquer coisa enquanto tirava algumas fotos da paisagem, verdadeiramente feliz por poder conhecer um lugar novo e com a agradável companhia de Harry.

Banhado pelas luzes noturnas, o carro refletia na penumbra confortável em que não podiam ser vistos do lado de fora, mas podiam contemplar a cidade silenciosa e igualmente linda de onde estavam, conversando sobre assuntos quaisquer e rindo das semelhanças e diferenças que tinham, descobrindo que além da atração, também gostavam da presença um do outro. Enquanto isso, a rádio trocava mais uma vez a música.

♫ Tocando agora: The Beach - The Neighbourhood ♫


Aquele escuro, aquele lugar fechado, só eles dois. Isso foi o suficiente para que num simples piscar de olhos a energia do ambiente deixasse de ser descontraída. Para Harry, cada momento perto dela, por mais divertido que fosse, era sempre preenchido por uma tensão sexual. Uma hora ou outra acabava acontecendo de ficarem absortos em algum tipo de silêncio e enquanto tentavam decifrar o que se passava pela cabeça do outro, também tinham suas próprias recordações para lidar.

Sentindo seu coração acelerar um pouco pela expectativa, Harry arriscou um olhar de canto para e umedeceu os lábios ao perceber que ela o encarava com íris brilhosas. Como de praxe, a boca dela estava entreaberta e parecia respirar com dificuldade a julgar pela forma como seu busto subia e descia com maior rapidez que o normal. Aquele clima de tensão, aquela áurea inebriante tomada pelo cheiro de que invadia todo o carro fez com que Harry sentisse um assomo quase que instantâneo de excitação.

Virando a cabeça lentamente de frente para ela, Harry sustentou a troca de olhar sem desviar um só segundo. Foi um dos momentos mais excitantes de sua vida, estar ali absorto encarando alguém nos olhos. Era quase como se estivessem transando só com aquele olhar. Porque definitivamente pureza era a última coisa que passava pelo pensamento de ambos.

Foi quem quebrou o silêncio.

- Você disse que faria qualquer coisa que eu pedisse.

Em silêncio, Harry assentiu. Ansioso pela expectativa. retirou o cinto e Harry fez o mesmo por reflexo. Ela se aproximou a ponto de suas respirações estarem unidas e sussurrou numa voz arrastada que arrepiou todos os pelos de Harry.

- Então me beija.

Ele nem precisou pedir para que ela repetisse. Sedento pelo gosto da boca dela, Harry deslizou a língua de encontro a de que já estava a sua espera. O choque de temperatura, de gosto e de textura fez com que suspirassem durante o beijo. tinha a boca gelada com gosto de milshake de baunilha e Harry tinha a boca quente com gosto forte do café e em questão de minutos transformaram tudo isso num sabor só, infinitamente mais delicioso do que as bebidas que tinham tomado minutos atrás.

levou suas mãos até os cabelos de Harry, dos quais ela se descobriu verdadeiramente fascinada. Era tão gostoso apertar os fios de nuca dele e ouvi-lo soltar grunhidos de aprovação durante o beijo, mas, mais gostoso do que isso era sentir o aperto das mãos de Harry em sua cintura motivando-a a continuar. Envolvidos naquele beijo lento, provocativo e intenso, eles se tornaram progressivamente mais urgentes e desesperados por mais contato.

Num só movimento, Harry puxou a coxa de , colocando uma das pernas dela por cima das suas e ela entendeu aquele gesto como um incentivo para tomar um impulso, ainda sem partir o beijo, para sentar no colo dele, uma perna em cada lado de Harry. Nem Harry nem foram capazes de controlar o gemido que ecoou pela garganta de ambos quando sentou bem em cima da ereção já evidente dele. Naquele momento agradeceu aos céus por ter feito do vestido sua escolha de roupa para o dia, isso facilitava a sensação do membro enrijecido de Harry em sua calcinha já molhada. Tentada a ter mais daquilo, ela fez um movimento sugestivo para frente fazendo-o arfar.

Partiram o beijo quando já não havia mais como conter a respiração, mas Harry não estava disposto a acabar com a diversão tão rápido. Sem dar tempo de dizer qualquer coisa - que ela certamente não diria - Harry ocupou-se em beijar cada centímetro visível de extensão do pescoço dela, sugando a pele macia saboreando o perfume adocicado mexer com seu juízo. impulsionou-se para frente novamente e Harry deu um aperto forte na bunda dela descontando seu tesão naquela área apetitosamente cheia de carne. Tão cheia que não conseguiu controlar o impulso de dar um tapa ardido no local.

soltou um gemido tão safado que Harry mordeu o próprio lábio inferior com força. Aquela mulher iria enlouquecê-lo de tanto tesão.

- Sem envolvimento emocional. Sem compromisso. - sussurrou arfante virando-se para olhar Harry nos olhos. Ele já nem piscava - Só sexo.

Sem conseguir acreditar que estava finalmente conseguindo o aval que tanto ansiava, Harry deixou um sorriso largo crescer por seus lábios, assentindo positivamente.

- De acordo.

beijou-o brevemente e o movimento das línguas unidas fez com que Harry endurecesse ainda mais só de pensar que finalmente iria ter para si.

- E ninguém… Absolutamente ninguém pode saber. - completou ao partir o beijo e Harry assentiu novamente já ocupado em desabotoar o vestido dela enquanto mordia o queixo da mulher que jogava a cabeça para trás, sentindo o toque com maior intensidade. retirou os tênis e as meias ao mesmo tempo que Harry chutava suas botas. Depois de conseguir desabotoar o vestido, Harry jogou-o de lado e apreciou a visão de de calcinha e sutiã em seu colo e perguntou-se como pôde não ficar fascinado com ela a primeira vista.

Tomando-a para um novo beijo, Harry espalmou as coxas de deslizando seus dedos para cima com lentidão, sorrindo ao senti-la arrepiar quando subiu até a altura da virilha dela.

- Eu aposto que você já está molhada pra mim, … - Harry sussurrou ao mordiscar o lábio inferior de que grunhiu em desaprovação da cruel vagareza com que ele passeava seus dedos adiando o momento de tocá-la exatamente onde ela queria. Parecendo divertir-se com a pressa dela, Harry mordeu o próprio lábio inferior contendo um sorriso sacana. De testa franzida e a boca entreaberta, encarou-o com uma raiva suplicante e, de vingança, pressionou ainda mais sua intimidade de encontro a de Harry, sentando com mais vontade em cima dele. Sorriu ao ver Harry suspirar.

Harry finalmente subiu os dedos para adentrar a calcinha de que já se encontrava deliciosamente encharcada, do jeito que ele queria sentir. Quando Harry pressionou o clitóris de com o polegar, ela soltou um gemido audível que fez com que ele se arrepiasse por completo. Harry continuou masturbando e ela só percebeu que estava rebolando em cima do colo dele quando sentiu a outra mão de Harry segurá-la pela cintura incentivando os movimentos.

Era uma sensação absurdamente prazerosa sentir os dedos de Harry tocando-a de um jeito tão lascivo. Ser a mulher que estava sendo encarada pela expressão despudorada e cheia de tesão de Harry Styles fez com que sentisse sua intimidade pulsar ainda mais. Aquilo não era o suficiente, ele estava vestido demais. Beijando-o como se sua vida dependesse disso, desabotoou a camisa de Harry e quase soltou um soluço lamentando quando ele retirou os dedos dela para poder retirar a própria camisa.

A visão das tatuagens de Harry fez com que sentisse o corpo inteiro pegar fogo. Maravilhada, passou a ponta das unhas por todo o peitoral preenchido por tinta em desenhos que faziam parte do pacote completo que era Harry Styles. Depois de acariciá-lo com devoção, o encarou com luxúria e, instigado pela intensidade desse olhar, Harry desabotoou a própria calça.

foi içada do colo dele e acabou batendo a cabeça do teto do carro causando alguns risos abafados. Mas isso não foi o suficiente para acabar com o momento excitante que compartilhavam.

deslizou uma de suas mãos pelo peitoral de Harry indo em direção a barriga e sorriu ao senti-lo contrair quando ela adentrou a cueca box dele segurando o membro deliciosamente duro com propriedade e precisão. Foi a vez de Harry partir o beijo para soltar um gemido audível e aquele som rouco foi capaz de potencializar a libido de ao máximo. Pensando em quão prazeroso seria tê-lo dentro de si, ela continuou a masturbá-lo com movimentos oscilantes, sorrindo ao sentir os beijos de Harry em seu pescoço como uma forma de demonstrar quão satisfeito ele estava pelo toque.

- … - Harry sussurrou com a voz rouca fazendo se arrepiar da cabeça aos pés - Eu quero… Eu preciso de você.
- Vem… - sussurrou de volta aumentando a velocidade dos movimentos. Harry gemeu mais uma vez e deslizou suas mãos até o fecho do sutiã de retirando-o em um só movimento. Dedicou apenas alguns segundos para encarar a curvatura sob a penumbra e, sem perder tempo, abocanhou um deles enquanto massageava o outro.

Continuaram naquelas carícias por mais alguns minutos, mas sabiam que não aguentariam mais muito tempo daquela provocação. Precisavam de mais contato, precisavam de mais intensidade. Afastando-se de , Harry inclinou-se desajeitado para alcançar sua calça jeans em busca da carteira. Passou o pacote de camisinha para que sorriu, aceitando a incubência de retirar a cueca e colocar a proteção no membro rijo dele.

Devidamente protegido, Harry distribuiu beijos do pescoço de até o colo, beijou delicadamente cada um dos seus seios, sorrindo ao sentir o rebolado dela em sua ereção. Mais uma vez, foi içada para cima e, ao fazê-lo, deu abertura para que Harry puxasse sua calcinha para baixo.

Quando se arrumou para sair naquela noite, não passou pela cabeça de que terminaria daquele jeito, completamente nua no colo de Harry Styles, sendo contemplada com intensidade pelas íris verdes que esquadrinhavam seu rosto com atenção, como se estivessem cientes de ter permissão para continuar, como se estivessem se certificando de que aquilo era consentido.

- Eu quero. - verbalizou num sussurro e contrariando toda a tensão do momento, Harry sorriu minimamente de um jeito tão bonito que só aumentou ainda mais a pulsação que sentia entre as pernas. Deram um selinho demorado ao mesmo tempo que ela empinava por cima da ereção dele, tentando encaixar os corpos de uma só vez. Foi preciso toda uma logística para que conseguissem se encaixar no aperto do carro, mas o tesão conseguia ser maior do que todo desconforto. Já tinham ido longe demais para pararem naquele momento.

soltou um gemido desejoso e tão arrastado que Harry suspirou, apreciando a textura quente e confortavelmente pulsante que ela tinha.

- Que apertada, ...- Harry sussurrou no ouvido dela, apoiando as duas mãos na cintura da mulher servindo como apoio enquanto ela sentava devagar, saindo por completo só para entrar novamente ainda mais fundo - Que delícia…

O calor dos lábios de Harry em seu pescoço arrepiado, sussurrando coisas tão excitantes ao morder o lóbulo da sua orelha fez com que a excitação crescesse de forma progressiva dentro de , o que só impulsionou a velocidade dos seus movimentos em cima do membro dolorosamente duro dele. Apesar da dor, a sensação era igualmente prazerosa, tê-lo dentro de si. Embora respeitasse o ritmo dela, vez ou outra Harry forçava o quadril para cima tentando obter mais contato e isso ocasionava os gemidos arrastados dela.

Depois daquele dia, Harry descobriria que o dom de para o rebolado era realmente muito eficaz, bonito não só de olhar, mas, principalmente de sentir.

abraçou Harry pelo pescoço quando ele a segurou pela cintura, inclinando-a para cima de modo que pudesse aprofundar o contato fazendo as investidas com o quadril enquanto ela rebolava sob ele. procurou os lábios dele com os seus, unindo-os em um beijo ofegante que não conseguia se aprofundar em virtude dos gemidos que compartilhavam cada vez que Harry metia ainda mais fundo. Ela deslizou as unhas pela extensão do peitoral tatuado arrancando um suspiro do rapaz que logo encontrou um destino melhor para a boca: os seios dela.

Harry atendia aos pedidos de , embora quisesse prolongar aquela sensação de prazer por mais tempo possível, encontrando ele mesmo dificuldades em não se enfiar tão fundo nela tão rápido de uma só vez. Mas é que era tão gostosa, tudo nela parecia ser absurdamente atraente para Harry. A boca entreaberta que mordia o próprio lábio inferior com tanta força enquanto abafava gemidos deliciosos toda vez que ele metia fundo. Os seios que balançavam a cada nova investida e os quadris, os quadris que se impulsionavam para frente num rebolado novo que Harry nunca tinha sentido em alguém antes. E isso foi o suficiente para fazê-lo fechar os olhos maravilhado.

- , se você continuar assim eu vou gozar… - Harry arfou dando uma investida particularmente funda, parando de içar o quadril. soltou um grito abafado e ele fechou os olhos com força, sentindo o pré gozo eletrizar as veias pulsantes de seu membro enrijecido.

Ofegante e já sentindo seus músculos eletrizando, rebolou devagar, subindo lentamente, mordendo um sorriso satisfeito ao ver Harry revirar os olhos. Mexeu os quadris e a bunda, sentando com cuidado fazendo questão de forçar a musculatura pélvica para apertar a cabeça do membro de Harry, que murmurou uma súplica que ela jamais foi capaz de ouvir. Embora a temperatura ambiente fosse fria, estavam ambos suados. As mãos de Harry espalmaram a bunda de e ele jogou a cabeça para trás quando ela resolveu potencializar o vigor do rebolado quicando sob ele com força, fazendo-o entrar profundamente até o último centímetro.

continuou nesse ritmo sentando com força até atingir o orgasmo exatamente do jeito que queria. Quando se contorceu e contraiu os músculos internos da intimidade, Harry arfou sabendo que ela tinha atingido um orgasmo que veio acompanhado do gemido mais sôfrego que já tinha escutado na vida. Mais excitado do que já lembrava ter se sentido antes, Harry içou a cintura de e moveu o quadril aumentando a intensidade das investidas eletrizando ao senti-la beijar seu pescoço, finalmente chegando ao seu próprio orgasmo com um grunhido que fez com que ela se arrepiasse por completo.

Harry não saiu de imediato de dentro de . Ofegante, encostou a cabeça no banco e tentou recobrar a respiração com a boca aberta, sentindo uma sede inexplicável. ficou mole sob os braços de Harry, que a amparava pela cintura. Levou um tempo com a cabeça apoiada no ombro dele e só depois de longos segundos sentindo aquele descarrego prazeroso de energias, ela tomou impulso para sair de cima dele, descolando os corpos com delicadeza, voltando a sentar em seu lugar no banco de motorista, arfante.

Quando as respirações já estavam normalizadas, perceberam como os vidros do carro estavam embaçados devido a umidade e, na penumbra, buscaram um ao outro com o olhar, aliviados por perceberem que não haveria estranheza depois do ato de extrema excitação. Na verdade, sorriram maravilhados um para o outro satisfeitos com o que tinham acabado de fazer. Naquele olhar, sabiam que não havia como dizer que aquele ato não se repetiria, afinal de contas, seria impossível.

- Isso foi sensacional - Harry disse recobrando a respiração.
- Foi sim.

Ele ofereceu o punho fechado na direção dela que a princípio franziu a testa sem entender, mas logo imitou o gesto, o cumprimentando com um soquinho.

- Vida longa a esse acordo. - Harry disse e, no segundo seguinte, ainda tomados pelos efeitos entorpecentes do orgasmo, cederam a uma crise de riso.

Mais tarde, naquela mesma madrugada, foi Harry quem dirigiu o carro de volta para o bar em que os amigos ainda estavam - aquela altura já embriagados demais para notarem a ausência dos dois. Sob as luzes de Newcastle, vez ou outra, Harry direcionou o olhar para que cochilava com a testa encostada no vidro embaçado. Naquele olhar, Harry ainda não podia perceber o quanto as coisas mudariam decididamente entre eles com aquele acordo e nem que encontraria dificuldades para cumprir rigorosamente todas as regras impostas, até porque, naquele olhar, ainda não sabia o quão fácil poderia se apaixonar por .

Capítulo 7 - O vôo noturno para Dubai


- Aqui é onde a imprensa fica, Maria… - dizia enquanto mostrava o celular com a câmera virada para o palco, mostrando à irmã mais nova o espaço entre o palco a grade da pista improvisada no imenso gramado do Millennium Stadium.
- Caraca, eles vão tocar nesse estádio todo? - Maria respondeu e voltou a câmera para si mesma, sorrindo ao contemplar o assombro de encantamento da irmã.
- Sim, e esse nem é o maior estádio em que eles se apresentam…

Maria estava de olhos arregalados quando Lolla e Peter apareceram na companhia de Kimberly, tirando um pouco o foco da atenção de .

- Kimberly! - cumprimentou com entusiasmo e a oriental sorriu com simpatia abraçando . - Quer dizer que você conseguiu mesmo vir?
- Consegui, já não sabe como são as coisas… - Kimberly comentou envergonhada e deu uma risadinha maliciosa. Sabia que Kimberly só estava em Cardiff por passagens pagas por Niall que providenciou todos os trâmites da viagem com uma facilidade invejável.
- Kimberly vai ficar com vocês hoje, beleza? Já que as madames estão com noite de folga - Peter disse em tom de deboche e revirou os olhos.
- De folga não, meu querido, eu trabalhei de me matar o dia inteiro na pré produção disso aqui tudo que você tá vendo - disse apontando para o ambiente.
- , quem é essa gente toda? - foi chamada a atenção de volta para a ligação com a irmã que a encarava confusa.

Voltando a se comunicar em português, dirigiu atenção à irmã:

- Oh, Maria! Esses são Lolla e Peter, meus amigos na produção. - Voltando-se para Lolla e Peter, falou em inglês: - Digam oi para minha irmã, o nome dela é Maria.
- Hi, Maria!

Maria acenou com um tchauzinho toda sorridente e espreitou os olhos para enxergar Kimberly no fim da tela.

- E essa, quem é?
- Essa é a Kimberly, uma… amiga especial do Niall - disse em tom risonho e foi encarada em confusão pela fã que não entendia uma palavra do que ela estava dizendo.
- , está tudo certo no camarim? - A voz de Liza ressoou subindo no palco e seu olhar logo demorou-se na figura de Kimberly, esquadrinhando-a da cabeça aos pés com uma leve expressão de desaprovação.
- Tudo certo sim, mas vou checar mais uma vez… Só lembrando que eu não estou trabalhando essa noite, tá bem? Pretendo curtir o show da plateia. - salientou e Liza espalmou o ar sem dar a devida importância, ainda encarando Kimberly de uma maneira desagradável.

Sem interromper a ligação com a irmã, tomou Kimberly pela mão e levou a menina consigo a caminho do camarim não intencionada a deixá-la sozinha na presença de Liza.

- Maria, é o seguinte. Chegou a hora - anunciou para a irmã que imediatamente começou a pular em cima da cama aos berros. Vê-la assim, tão animada, tão em expectativa, fez com que sentisse uma saudade quase incontrolável de apertar sua pequena e enchê-la de beijos. A verdade é que queria muito poder proporcionar esse encontro presencialmente e não por breves minutos de FaceTime - Ok, mas preciso que você se controle, tá ok?
- , você vai traduzindo tudo para mim? - Maria perguntou insegura de repente e sorriu acolhedora.
- Vou, não se preocupe.
- O que houve? - Kimberly perguntou sem entender nada enquanto caminhavam em direção aos camarins.
- Minha irmã é absolutamente fanática pela One Direction e prometi que deixaria ela falar com eles por alguns minutos no FaceTime hoje. Mas ela não é fluente em inglês e só com o que sabe falar, acho que ficaria travada falando com eles.

Kimberly sorriu e acenou para Maria que mordia os nós dos dedos, pálida feito neve.
cerrou os dentes num sorriso que tinha por intenção despertar ainda mais a expectativa da irmã que parecia prestes a infartar, bateu duas vezes na porta do camarim e entrou.

- Oi, meu Katrina querido. - cumprimentou assim que entrou na sala. Niall olhou diretamente para Kimberly e abriu um sorriso enorme, sendo prontamente correspondido pela garota que discretamente caminhou até o lado dele.
- Ela já está na linha? - Louis perguntou e Maria arregalou os olhos para que deu um sorrisinho por saber que a irmã tinha reconhecido a voz do ídolo que ainda não tinha se tornado visível na tela.
- Sim. Por favor juntem-se e digam “Oi, Maria”. - pediu e logo virou-se de costas com a câmera erguida em uma selfie para que a irmã pudesse vê-la rodeada da One Direction.
- OI, MARIA!

Para , não existia nada mais prazeroso na vida do que proporcionar felicidade para sua irmã mais nova. Por Maria, iria até o fim do mundo se preciso fosse. Foi divertido vê-la interagindo com seus ídolos e toda vez que Maria derrubava uma lágrima, sentia seu próprio olho lacrimejar por pensar em quão satisfeita a irmã estava.
Maria tinha conseguido conversar quase normalmente com todos os membros, com o auxílio de que não dispensava o sermão da irmã ter abandonado as aulas de inglês. “Eu já era fluente na sua idade!”
É claro que, com Harry Styles, Maria não fez nada além de chorar.

- Maria, eu sou tão feio para você estar chorando? - Harry perguntou risonho e traduziu sentada ao lado do cantor gargalhando ao ver a irmã chorar balançando a cabeça negativamente.
- Pare de rir de mim, ! É como se você estivesse falando com McFly e fosse o Danny Jones, ok? - Maria revidou chorosa e mostrou a língua em provocação para a irmã.
- O que ela disse? - Harry perguntou interessado e negou com a cabeça - Ah, vamos lá, eu entendi “McFly” e “Danny Jones”. - riu.
- É que você está para minha irmã como o Danny Jones está para mim - explicou e Harry arqueou uma sobrancelha e não negou um riso.

Maria se divertiu com a risada de Niall, derreteu-se com a simpatia de Louis e Liam, mas inegavelmente ficou desconcertada com a distância de Zayn.
Zayn tinha apenas acenado uma vez e, sério o quanto estava, tinha decidido ficar longe da câmera. Embora não tivesse dito nada na frente da irmã e racionalmente soubesse que ele não tinha obrigação alguma, não pôde deixar de ficar chateada com o comportamento. Em dado momento da ligação, até a avó de apareceu na linha derretendo a neta de tanta saudades ao sorrir e pedir que Deus abençoasse todos os meninos.

- Dez minutos para o show! Para fora todo mundo que não for da banda! - Liza apareceu na sala e fez a irmã se despedir dos meninos, logo se encaminhando para sair.
- Bom show meninos, vocês vão arrasar como sempre! - disse animada e seu olhar se encontrou com o de Harry que sorriu cheio de covinhas em agradecimento.

Assim que saiu, Harry voltou-se para Zayn:

- Você não precisava ter sido tão antipático assim… - Começou e Zayn não o encarou diretamente, apenas deu um muxoxo indicando que não queria ser incomodado. - Está tudo bem? - Harry perguntou preocupado.
- Harry, não enche meu saco, tá legal? Nem sempre eu tô a fim de socializar com as pessoas e eu não faria diferente com alguém da minha família, quem dirá com alguém da família da - Zayn respondeu grosseiro e Harry apenas arregalou os olhos surpreso com a devolutiva tão ríspida.

Estava prestes a responder, mas sentiu o toque de Louis em seu ombro.

- Deixa, ele não tá muito legal hoje.

E de fato, Zayn não parecia estar nos seus melhores dias. Na verdade, parando para perceber, Harry notou que o amigo estava um pouco mais pálido do que o normal e um tanto quanto trêmulo ao entrar no palco naquela noite. Mas chateado o quanto estava, não se dignou a insistir no assunto e apenas entrou no corredor para se direcionar ao show.

♡♡♡


O Millennium Stadium estava preenchido por milhares de vozes que, em uníssono, cantavam a plenos pulmões o refrão de Best Song Ever . Em cima do palco os cinco cantores corriam de um lado a outro, pulavam, e faziam caras e bocas ao cantar suas respectivas partes da música. Como de esperado, a platéia foi ao delírio quando se juntaram para reproduzir a mesma coreografia do clipe.

- We danced.. we danced, it goes something like, yeeaaah - Harry cantou com empolgação elevando ainda mais a animação do público. Ao seu lado, Zayn apoiava-se em um dos ombros de Harry para cantar sua parte e os dois sorriram um para o outro.
- Eles já estão se falando de novo? - Lolla perguntou no ouvido de que negou com a cabeça. Estavam atrás do palco assistindo o show.
- Mas eles não podem aparecer como se estivessem brigados para o público, não é? - Kimberly comentou tristemente vendo os dois brincarem no palco.

Mesmo que estivessem interagindo com aparente tranquilidade, era visível, pelo menos para quem conhecia a realidade de perto, que Zayn não estava mais confortável naquela turnê. Ainda que as fãs não percebessem - ou achassem que esse era o jeito silencioso e misterioso do rapaz - Zayn não estava nem remotamente próximo de esboçar o mesmo nível de animação que os demais.

- Pelo menos nós temos o Harry para ser um às do entretenimento - Lolla disse rindo do cantor que aproveitava o fim da canção para conversar com as fãs.

Naquele momento ele estava concentrado em entender o que uma fã da grade dizia.

- Sorry? - Harry franziu a sobrancelha ainda sem conseguir entender - Sorry? - Ele se inclinou para baixo - Sorry? - Se aproximou mais da menina colocando a mão no ouvido em sinal de eco - Sorry?

Kimberly e Lolla gargalhavam e revirava os olhos mordendo um risinho.

- Ele não vai desistir até entender o que ela quer dizer.

Somente quando a menina fez um movimento com a blusa é que Harry arregalou os olhos se afastando com uma expressão falsamente exasperada. Ela queria que ele tirasse a camisa.

- Eu estou trabalhando aqui, você precisa se acalmar! - Ele disse tapando os mamilos e logo em seguida tapando os outros dois fazendo com que todo mundo risse.
- Ele realmente tem quatro mamilos ou isso é boato? - Lolla perguntou para ninguém em especial e precisou controlar sua expressão ao morder mais um sorriso.
- Tem, Lolla, em várias fotos já saíram. Além do mais o Harry já ficou sem camisa várias vezes durante a turnê, você não viu?
- Não, perdi esses momentos - Lolla comentou com um muxoxo e riu em concordância. - Harry ainda rebatia a fã.
- Eu não vou tirar a camisa! - Ele exclamou apontando para ela - This is a family show!!! - Ele gritou como se estivesse repreendendo-a. Deu as costas caminhando mais um pouco antes de voltar de frente com uma expressão maliciosa no rosto - Or… Is it?

A gritaria foi tanta que até Harry acabou rindo, mandando um beijo para a menina que pediu que tirasse a camisa, mas deixando-a intacta no mesmo lugar para a infelicidade de milhares de fãs. Uma nova música começava e, como sempre, Harry era o mais animado do palco nunca deixando transparecer qualquer descontentamento que tivesse com Zayn, Modest, imprensa ou qualquer outra coisa.
Aproveitando a tranquilidade de demandas, e Lolla se permitiram curtir o show na presença de Kimberly, reproduzindo as dançinhas e rindo das palhaçadas que vez ou outra os meninos faziam no palco.
Harry desfilou saltitando pela passarela com a boca cheia de água e na batida de Better Than Words, espichou para cima de uma só vez, seu olhar imediatamente recaindo na direção em que se encontrava, compartilhando um riso ao ver a mulher acenar com um dedo do meio reconhecendo em leitura labial um “hoje não”.

- O Niall tá bem saidinho hoje, né? - Lolla comentou observando o cantor dançar com a mão na genitália.
- Ele está assim porque a Kimberly está no show - explicou dando um risinho. Ao seu lado, Kimberly estava vermelha feito pimentão, mas seu lado fã falava mais alto porque gritava a música a plenos pulmões.
- Niall está ficando com uma fã, quem diria... - Lolla comentou de modo que somente pudesse ouvir, já que Kimberly estava ocupada demais berrando Better Than Words.
- Eles ficaram naquele dia que saímos para Vipper, e desde então se falam sempre.
- Imagina a cabeça dessa menina como está agora, vivendo um sonho - Lolla disse e ambas olharam para Kimberly que tinha o sorriso mais escancarado daquela plateia, coisa que levou as produtoras as risadas.
- E é mais comum do que parece, né? - comentou - Quantas vezes algum membro de banda veio me pedir para procurar uma mulher específica que viu na plateia só para oferecer o backstage.
- Sim, rola muito. - Lolla disse confirmando - Mas em casos como os meninos que são monitorados quase que o tempo todo é mais difícil.

queria comentar em voz alta que a Modest fazia da vida deles um inferno com tantas regras e restrições, mas preferiu conter sua língua. Quando o show acabou, saíram para levar Kimberly em direção ao backstage conversando animadamente sobre a primeira viagem que fariam para Dubai, o lugar mais distante da turnê até o momento e um lugar que ainda não conhecia. Iriam para um lugar completamente novo dando um novo rumo para a turnê, deixando as viagens de ônibus para trás para começarem a viajar de avião com os meninos.

Estavam desviando de alguns fãs que já esperavam quando ouviram os meninos chegarem conversando animadamente. Zayn, o mais quieto, entrou primeiro e sem dizer nada foi direto para o banheiro. Louis ria com Niall de algo que Liam havia dito e, o último da fila e não menos sorridente, Harry entrava com a camiseta colada no corpo molhado de água e suor. Assim que seus olhares se cruzaram, Harry deu um sorriso torto e sentiu um arrepio percorrer da cabeça aos pés.
Bagunçando os longos cabelos e pingando suor, Harry era um atentado contra sua sanidade.

- Meus amores! - Niall abriu os braços animado - Gostaram do show?
- Se afasta de mim, Niall, você tá suado - Kimberly disse se afastando com um risinho - Mas sim, vocês foram ótimos!

Lolla já tinha saído correndo temendo as perturbações dos cantores, mas e Kimberly estavam encurraladas no meio dos quatro que a encaravam com sorrisos idênticos.

- ! A melhor produtora que esse mundo já viu - Liam abriu os braços e se encolheu fazendo uma careta.
- tá com cara de que quer um abraço, o que vocês acham? - Harry disse e Louis concordou abrindo os braços também.
- Não, não, nãããããooooo!!! - deu gritinhos agudos, mas não escapou de receber um abraço molhado de suor de Liam, Harry e Louis. Todos fingiram não perceber o grande abraço suado que Niall dava em Kimberly que parecia menos arredia do que a produtora.
- Seus imundos, idiotas, sujos, fedorentos!!! - resmungou quando, toda vermelha, suada e ofegante, conseguiu se desvencilhar dos braços dos meninos.
- E então, gostou do show? - Harry perguntou com as mãos na cintura olhando para com um sorriso no rosto. A proximidade entre eles fez com que ela sentisse dificuldade de se manter em sanidade já que a visão de Harry naquele estado era uma completa covardia.
- Você arrasou muito - deu um sorriso de orelha a orelha que fez com que Harry sorrisse ainda mais.
- Nossa, mas isso aqui é uma delícia! O que é? - A voz de Niall chamou atenção dos demais, já entretido em comer tudo que estava na mesa.
- É uma espécie de doce típico da cidade. Liza achou que seria legal trazer para vocês provarem. - respondeu.
- É maravilhoso!
- É, é gostosinho sim. Mas nada que se compare a um brigadeiro. - respondeu com superioridade e riu quando viu os meninos encarando-a com confusão. - Bri-ga-dei-ro. É um doce feito a base de leite condensado que fazemos lá no Brasil.
- E isso tem gosto de que? - Louis perguntou interessado.
- Tradicionalmente? De chocolate. Mas a gente faz brigadeiro de tudo quanto é coisa, incluindo paçoca .
- P…?
- Paçoca , é como uma farinha de amendoim torrado.
- , por que você nunca fez nada assim para a gente provar? - Liam perguntou ultrajado e riu fraco.
- Vocês querem?
- Sim! - Responderam ao mesmo tempo.
- Tá bom, vou ver se levo para vocês provarem durante a viagem de hoje, então. - respondeu dando de ombros e sorrindo ao ver os meninos comemorarem. Parecendo lembrar de algo, Niall foi até a porta do banheiro batendo com força.
- Zayn, sai do banheiro, eu preciso tomar banho!!!
- Isso é porque a Kimberly está aqui e ele quer ter um momento a sós com ela antes da gente viajar - quase pulou de susto ao ouvir a voz de Harry no pé do seu ouvido.

O timbre rouco fez com que se arrepiasse instantaneamente o que felizmente não foi percebido por Liam e Louis que devoravam tudo na mesa. Kimberly até percebeu, mas manteve-se discreta.
Harry oscilou a expressão entre surpresa para malícia.

- Nervosa, ? - Ele sussurrou cafajeste.
- Vai procurar o que fazer, Styles - Ela disse baixinho revirando os olhos ao morder um sorriso. Virando-se para os meninos, começou a bater palmas enquanto falava: - Vocês tem cinco minutos para estarem na sessão de autógrafos, vamos, vamos, vamos.
- Ela está cada dia mais parecida com a Liza - Liam disse de boca cheia quando saiu.
- Pior, é pior. Ela é muito mais mandona. - Louis deu ênfase colocando um pedaço de sanduíche na boca.
- Fico pensando, será que ela é mandona assim naqueles momentos também? - Liam disse entre risinhos. Em resposta, recebeu uma toalha molhada na nuca lançada por Harry.
- Não seja desrespeitoso, Liam - Harry apontou com seriedade, mas no segundo seguinte deu as costas para que os amigos não vissem que ele mordia um sorriso.

♡♡♡

Harry fechou a mala com todos os seus pertences, checou mais uma vez a mochila com itens de higiene pessoal e vasculhou o quarto do hotel em busca de mais algum pertence perdido quando finalmente deu-se conta de que estava pronto para deixar Cardiff. Ainda tinha mais duas horas antes do vôo noturno com toda a equipe de produção que estava ansiosa para finalmente conhecer lugares diferentes na turnê. O corredor estava anormalmente silencioso, coisa que há uns anos seria completamente impossível já que os meninos não paravam de criar confusão um só segundo. Zayn ainda estava no seu processo de reclusão, Louis estava tirando um cochilo, Liam aproveitava o bar do hotel e Niall estava sabe Deus onde com Kimberly.
Aproveitando aqueles breves e raros momentos de solidão, Harry ligou a tv do quarto e evitou dormir para que pudesse ter sono o suficiente na viagem. Olhou distraidamente o celular, respondeu mensagens e resolveu ligar para a mãe no FaceTime.

- Anne Styles - Harry cumprimentou com um sorriso.
- Oi, meu amor - Anne disse com um sorriso - Que saudade do meu filho, por que nunca mais me ligou?
- Desculpe, mãe, está uma correria tão grande a turnê.
- E você está gostando? - Harry sorriu e deu de ombros.
- É uma turnê, mãe, você sabe como é… Cansativo, muito trabalho a ser feito… E agora vamos começar a produzir o novo álbum concomitante a turnê. Já até gravamos uma coisa ou outra. - Anne ficou em silêncio estudando as expressões do filho.
- Tem alguma coisa te incomodando, o que é? - Perguntou sem rodeios e Harry sorriu sendo invadido por uma intensa saudade da mãe.
- Não é nada, mãe, coisas normais de turnê…
- Harry, você lembra do que nós conversamos quando você foi chamado para esse projeto, não sabe? - Anne disse se referindo a One Direction.
- Que a partir do momento que não fosse mais divertido, prazeroso e saudável então eu deveria parar - Harry repetiu as exatas palavras da mãe.
- Eu sei que nada na vida vai ser divertido e prazeroso o tempo todo. Mas desde que isso não te consuma o psicológico…

Harry suspirou fundo e recostou-se nos travesseiros segurando o celular com a imagem da mãe a altura dos olhos.

- É só que as vezes eu sinto que estou sempre tentando cumprir o que é esperado de mim, sabe? Eu tenho tanto medo de errar, de dar um vacilo e de repente perder tudo.

Anne não interrompeu, apenas deixou que o filho continuasse a falar.

- Tenho medo de falar a mais em uma entrevista, de errar uma música, de ter um olhar ou um gesto mal interpretado...
- A Modest está implicando com você e o Louis de novo, não é?

Harry apenas torceu os lábios e a expressão frustrada foi resposta o suficiente para Anne.

- Harry… - Anne começou a falar e Harry interrompeu.
- Você conversou com a Gemma, não foi?
- Ela me contou o que aconteceu…
- Mãe, por que eu iria querer fechar parceria com qualquer pessoa que me sonda através da minha irmã? - Harry perguntou retoricamente - Não é muito profissional.
- Acho que você não entendeu o ponto da Gemma, não se trata de empresário x ou y, se trata de você ter a possibilidade de continuar sozinho se isso for do seu interesse. - Anne falou e Harry passou as mãos pelo cabelo. Iria responder alguma coisa quando uma rajada de vento forte adentrou as frestas semiabertas da janela. Levantou para fechar e impedir que molhasse ainda mais o cômodo quando em uma olhada rápida pela rua afora percebeu descer de um táxi e correr pela chuva com duas sacolas de compras na mão. Corria desajeitada e completamente encharcada da cabeça aos pés. Com um risinho, Harry fechou a janela e voltou sua atenção para a mãe.
- Mãe, eu agradeço de verdade a preocupação de vocês, mas isso é algo que eu preciso pensar com calma. São tantas coisas para pensar, não é uma decisão que tomaria do dia para a noite.
- E ninguém quer que você tome essa decisão do dia para a noite, Harry. Nós só queremos que você esteja feliz e realizado, isso é tudo o que nos importa. - Anne disse carinhosamente e Harry sorriu ao voltar para cama.

Ficaram batendo papo por mais algum tempo, Anne colocando Harry a par sobre os últimos acontecimentos e ele contando uma coisa ou outra que achava interessante compartilhar a respeito da turnê.

- E as garotas? - Anne perguntou com um sorriso - Engatou com a Kendall de novo? - Harry revirou os olhos.
- Eu não estou com a Kendall de novo, mãe. Quer dizer, a gente se vê quando dá e…
- E transam. São amigos com benefícios - Anne completou e Harry fez uma careta para a mãe.
- Mãe!
- O que é? Eu sei como essas coisas funcionam, Harry, não precisa agir assim.
- Eu e Kendall não somos exatamente assim… Nós saímos para outras coisas além de sexo. Antes que você pergunte, eu não sei… Não sei o que sinto por ela.
- Eu não ia perguntar - Anne deu de ombros - Não preciso, porque eu sei.

Harry levantou as sobrancelhas com um sorriso debochado.

- Ah, sabe?
- Sei, Harry. Te carreguei na barriga por nove meses, te criei por dezesseis anos. Na verdade, em alguns aspectos sinto que ainda estou criando - Anne sorriu carinhosamente - Kendall pode ser uma menina charmosa, não duvido disso. Ela é bonita, elegante, sabe se portar e tudo mais, mas ela não é alguém que você verdadeiramente admire muito. E é nisso que o amor está, Harry, na admiração. Você não ama alguém que não gostaria de ser.

Harry ouviu as palavras da mãe com expressões sarcásticas entre uma frase e outra, debochando-a por parecer tão poética.

- Você não dá valor as minhas palavras agora, mas um dia você vai. - Anne disse sabiamente e Harry suavizou a expressão sorrindo para ela calmamente.
- Saudades, mãe.
- Saudades também, Harry. Você pode estar todo crescido e ser símbolo sexual para milhares de pessoas, mas, no meu coração, você sempre será o meu bebê.

♡♡♡

Passava de pouco mais de duas horas da manhã quando o avião decolou com toda a equipe de produção e apoio da One Direction rumo a Dubai. Teriam dois dias de descanso para se recuperarem do fuso horário antes de começarem com os shows e estavam animados fazendo vários planos de passeio para o tempo livre. Quase nunca tinham tempo para passear durante as turnês e nas vezes que tinham, acabavam preferindo o conforto e segurança do hotel a ter que enfrentar fãs enlouquecidas.

- Eu quero fazer compras! Preciso refazer meu estoque de eletrônicos - Liam disse ao se ajeitar no seu assento.
- Eu queria ir no Burj Khalifa - Lolla disse sonhadora e, ao seu lado, Peter assentiu em concordância.
- Eu quero ir no Wild Wadi, o parque aquático parece ser ótimo. - Harry comentou vagamente. Seu assento estava virado de frente para o de permitindo que ela lançasse olhares furtivos na direção dele.
- E você, Zayn, algum lugar que queira conhecer? - Liza perguntou gentilmente e o rapaz deu de ombros desinteressado antes de colocar os fones de ouvido e encostar a testa no vidro da janela.
- Nossa, eu tô com fome… - Niall interrompeu o assunto.
- Você não estava em um encontro? Deveria ter comido - Louis olhou para o amigo com surpresa.
- Ah, ele comeu sim… - Liam murmurou malicioso arrancando algumas risadas dos demais.
- Ah, vai se ferrar, Liam. Não foi nada disso que você está pensando - Niall defendeu-se ficando completamente ruborizado.
- E qual seria o problema se tivesse sido, Niall? - Harry perguntou rindo, mas Niall ignorou, voltando a reclamar de fome. Assumindo essa deixa, pareceu ter se lembrado de algo.
- Eu fiz algo para vocês - Ela disse levantando do seu assento pegando a bolsa no bagageiro. - Mas vou logo avisando que não está tão quente assim, só morno… E peço desculpas se não tiver ficado tão bom, tive que improvisar nos ingredientes.
- É comida? Deus te abençoe, ! - Niall exclamou apertando a barriga.
- O que é isso? - Louis espichou o olho para a vasilha que abria.
- Isso, é pão de queijo - disse - Uma comida bem típica do Brasil, mais especificamente de um estado em que a maioria da minha família nasceu. Minas Gerais.
- Como é o nome disso? - Liam perguntou novamente sem entender.
- Pão de queijo, é feito com polvilho e queijos. O gosto não vai ficar o mesmo porque os ingredientes lá são melhores, mas pelo menos vocês tem uma noção - repassou as vasilhas e esperou atentamente enquanto todos abocanhavam o pãozinho fazendo expressões interessantes.
- Que delícia - Liam comentou de boca cheia.
- Me dá três desse, que fome - Niall disse com usura e riu.
- Foi você quem preparou isso? - Harry perguntou mordiscando um pãozinho e assentiu com um sorriso.
- Vocês me pediram e eu estou com muita saudades da comida de casa então passei num mercado depois do show e fiz para trazer para viagem. Espero mesmo que tenham gostado porque eu tomei uma chuva torrencial para providenciar os ingredientes.
- Está uma delícia, - Liza comentou com sinceridade.
- Você quer, Zayn? - perguntou educação e o rapaz olhou para a vasilha por alguns segundos antes de enfim aceitar.
- É bem gostoso - Ele admitiu fazendo sorrir.
- Bom, tem outra coisa - disse abrindo outra vasilha retangular que estava cheia até a boca com um doce pastoso - Minha salvação nas TPMs, o queridinho brasileiro… Brigadeiro, vulgo o melhor doce do mundo.

Houveram murmúrios interessados de aprovação ao redor.

- Nós comemos ou enrolado em uma bolinha coberto com granulado, ou assim, de colher - disse repassando as colherinhas para os demais.

As reações não podiam ser melhores. Todos, sem exceção, incluindo Zayn, pediram para repetir e a sorte é que tinha feito uma quantidade que poderia abastecer vinte pessoas. Não demorou para Paul ter a ideia de abrir um vinho para petiscarem as delícias preparadas por , envolvendo a todos em um momento descontraído e relaxante em que conversavam banalidades, comiam pão de queijo com brigadeiro e bebiam vinho apreciando a presença um do outro durante a viagem.
Harry, como sempre, foi o primeiro a demonstrar sinais de possível embriaguez. As maçãs do rosto estavam mais ruborizadas do que o normal e ele demorava-se no riso tornando-se um pouco mais lento e, na opinião de , ainda mais fofo e adorável.

- Eu não diss… ops - Harry, desastrado, desequilibrou um pouco a taça na mão o que fez com que um pouco de vinho caísse em seu peitoral exposto através dos dois botões abertos da camisa. Atenta, mordeu o lábio inferior ao vê-lo limpar o líquido com um dedo, logo depois colocando-o na boca. A expressão de Harry era de pura inocência ao fazê-lo, mas assim que ergueu a cabeça, captou o olhar lascivo de sob si e ruborizou contendo um sorriso fechado de covinhas.
- Eu odeio beber vinho - Liam disse de repente, largando a taça inacabada no apoio da cadeira. - Me deixa com dor de cabeça.
- Vinho me deixa meio quente - Niall confessou apontando para as bochechas avermelhadas arrancando algumas risadas. suspirou de um jeito demorado atraindo atenção de Harry.
- Eu adoro beber vinho justamente por isso, porque me deixa quente - Ela falou numa vozinha arrastada. - Mas é frustrante beber quando você não pode fazer nada a respeito.

Sugestivamente, o olhar dela faiscou na direção de Harry que franziu minimamente as sobrancelhas. apenas girou levemente a mão na taça agitando o conteúdo sorrindo de um jeito ousado.

- Tá falando sobre sexo, né, ? - Lolla riu um pouco mais alegremente que o normal.
- Meu Deus, tá muito necessitada - Niall comentou negando com a cabeça.

Ninguém percebia que e Harry pareciam se comunicar através da troca de olhares.

“Para!” Era o que ele advertia com o olhar.

“Ou o que?” Ela respondia naquele jeito provocativo de sorrir.

, pelo amor de Deus” Ele suplicava com o olhar.

- Eu já me ofereci, eu tô aqui, ela não quer - Liam soltou um bocejo e encostou a cabeça na poltrona - Acho que vou tentar dormir, tô cansado.
- Pensando bem, acho que a última vez que eu bebi vinho foi também a última vez que eu transei. E isso é muito triste porque faz muito tempo que eu bebi - Paul comentou secando a taça de vinho e riu quando Harry desviou o olhar ajeitando a calça.
- Transar depois de beber vinho é uma experiência maravilhosa, não é? - disse numa voz suave passando a taça entre os lábios. Harry estava com um cotovelo apoiado no encosto do banco, o indicador dobrado preso entre os dentes. - A gente se solta…

teve muita vontade de gargalhar da forma como Harry a encarava, parecia fazer uma prece suplicante para que ela parasse com as provocações e isso, é claro, só motivou o exato oposto. Ela continuou provocando Harry com olhares e insinuações por algum tempo só porque aquilo era divertido demais para negar. E porque ver Harry daquele jeito, todo quente, vermelho e tonto por causa do vinho era simplesmente irresistível.

Três dias já tinham se passado desde que tinham transado no banco traseiro do carro da produção. O clima entre eles ficou longe de ser considerado constrangedor, pelo contrário. Estavam mais próximos e parceiros do que nunca, tirando piadas um com o outro, conversando pelos corredores, estabelecendo uma estranha relação de amizade que se baseava entre sair do extremamente confortável na presença um do outro para um impossível de se manter sem terem vontade de arrancar as roupas e unirem os corpos de formas inapropriadas para amigos convencionais.
Aquele estava sendo um dos momentos em que estarem juntos no mesmo ambiente se tornava algo extremamente difícil de se manter com sanidade.

Ainda que fosse um momento de descontração, não demorou muito para que começassem a demonstrar sinais de sono, já que o cansaço do dia exaustivo finalmente começava a se alastrar. Liza e Paul foram os primeiros a pegar no sono, seguidos por Zayn e Lolla. conversava animadamente com Niall, Harry e Louis. Vez ou outra, durante a conversa, Harry flagrou alguns olhares furtivos de em sua direção e amaldiçoou as memórias sexuais do gemido de que ecoavam em seus ouvidos sem permissão.

Harry encheu mais uma colher com o brigadeiro e colocou o doce na boca lambendo a colher despreocupadamente, sugando todo o creme com prazer. Tinha achado tão gostoso que as vezes até fechava os olhos ao fazê-lo. Nada disso passava despercebido por que, do seu lugar, começava a sentir o efeito do vinho se alastrar em lugares proibidos. As vezes alguém falava alguma coisa e ela estava ali com seus olhos analíticos observando Harry por trás da taça de vinho fazendo com que ele se sentisse acuado.

O número de conversantes foi reduzido quando Louis dormiu do absoluto nada e Niall tornou-se silencioso até demais. Disposta a tentar dormir, fechou os olhos e recostou a cabeça na sua janela, mas logo o rosto e o corpo de Harry surgiam em sua cabeça fazendo com que abrisse os olhos, mais desperta do que nunca. Num desses momentos, seus olhos faiscaram na direção dele, que continuava observando-a tão acordado quanto.

No avião, todas as luzes já tinham sido apagadas e só o que se podia ouvir além do barulho do motor eram as respirações ruidosas dos tripulantes já em elevados níveis de sono.
Envoltos no escuro, Harry e mantiveram contato visual. A luz piscante das asas da aeronave refletia no rosto de Harry fazendo o brilho do olho verde parecer ainda mais vívido. mordeu o lábio inferior vendo seu ato ser espelhado pela mania absurdamente sensual que Harry tinha de umedecer os seus com um toque suave da ponta da língua.

- Foda-se - sussurrou depois de um tempo, levantando-se rapidamente e caminhando em direção a Harry, que arregalou os olhos. - Vem cá - puxou-o pela camisa fazendo Harry se levantar de uma só vez.

Com medo de ser visto, olhou ao redor, mas todos pareciam estar dormindo profundamente para notarem qualquer coisa entre eles.

- ..
- Vem cá - ordenou num sussurro e caminhou na frente guiando o caminho até a porta do banheiro.

Harry sentiu a ereção pulsar dolorosamente contra o tecido apertado da calça jeans no momento que entendeu o que queria. Sentindo-se mais quente e sensível graças ao vinho, nem pronunciou objeções, apenas entrou no cubículo quando abriu a porta indicando que passasse, logo em seguida ela entrou e só precisou da velocidade de uma batida de coração para, desesperadamente, unir seus lábios aos do cantor.

não estava em clima de joguinhos, como Harry pôde perceber, já que em um só movimento abriu a camisa dele fazendo alguns botões saltarem da casinha. No segundo seguinte, o tecido já estava no chão e ela passava as mãos por toda extensão do tronco desnudo dele, indo desde a barriga parcialmente definida, o peitoral preenchido por tatuagens e os braços com músculos agradavelmente definidos. Harry tropeçou para frente ao abraçar pela cintura fazendo com que ela batesse contra a divisória do compartimento.

- A gente precisa fazer silêncio - disse levemente bêbada e Harry soltou um risinho com os lábios ainda grudados aos dela, o gosto de vinho e brigadeiro fazendo um contraste deliciosamente excitante em suas línguas.
- , e se alguém nos pegar aqui? - Harry sussurrou roçando os pêlos curtos da barba mal feita pela bochecha dela enquanto traçava beijos até o pescoço onde se concentrava o cheiro do perfume que aos poucos ele se viciava...
- Então todo mundo vai saber que eu sou uma safada que não te deixa em paz. - respondeu e suspirou risonha ao sentir a respiração de Harry bater em seu pescoço enquanto ele ria.
- Você é tão cheirosa… - Harry disse com uma voz arrastada, visivelmente bêbado. Afastou os cabelos de da área que queria beijar, deixando toda a pele exposta para receber seus selinhos quentes e molhados, fazendo com que ela se contorcesse em seus braços.

continuava indisposta a perder tempo. Enquanto recebia beijos arrepiantes no seu ponto fraco, empenhava-se em desafivelar o cinto e desabotoar a calça de Harry, desconcentrando em seu serviço no segundo em que ele mordeu o lóbulo de sua orelha arrancando-lhe o primeiro gemido da noite.

- A gente precisa fazer silêncio… - Harry repetiu num sussurro e cerrou os lábios, inspirando profundamente para abaixar parcialmente a calça de Harry, deixando-a a altura dos joelhos. Para facilitar o serviço, arrastou a cueca junto, logo levando sua mão direita de encontro ao membro já completamente endurecido.
- Porra… - Harry murmurou apoiando a testa no ombro de , soltando a respiração ruidosamente quando ela começou a masturbá-lo. Para ajudar os movimentos, lambeu a palma da mão vagarosamente e apenas quando julgou molhada o suficiente, voltou a deslizar sob Harry fazendo movimentos lentos para cima e para baixo girando a mão lentamente para proporcionar um toque ainda mais intenso.
- Sabe… - sussurrou no ouvido de Harry enquanto ele apertava sua cintura com força, respirando com dificuldade em seu ombro - Você estava comendo aquele brigadeiro de um jeito tão… - apertou um pouco a base do membro de Harry fazendo-o prender a respiração - Gostoso… Me fez pensar em como seria, se ao invés da colher, estivesse chupando minha boceta.

Harry ergueu a cabeça do ombro de e deixou a altura do rosto dela para que pudessem trocar um olhar e ela podia dizer com certeza que gostou do que viu. As pupilas dele estavam dilatadas e ela não saberia dizer se por estar bêbado ou excitado, mas apostava que os dois. Harry levou uma das mãos até a nuca de trazendo-a a para perto para um beijo intenso enquanto ela continuava fazendo movimentos lentos e precisos em sua ereção.

Ainda sem partir o beijo, Harry deslizou ambas as mãos pelo corpo de até atingir o cós da calça, desabotoando e abaixando o zíper. Mordiscou o lábio inferior dela e não conseguiu conter um gemido quando ela apertou seu membro mais uma vez quase se desconcentrando no ato de retirar a calça e a calcinha. Harry sentiu falta da mão de masturbando-o no mesmo segundo que ela retirou a mão para abaixar a própria calça, deixando-a igualmente a altura dos joelhos.

encostou-se na bancada da pia e Harry a pressionou causando um arrepio em ambos quando seus sexos se roçaram desnudos fazendo com que a umidade dela lambuzasse o saco de Harry, inspirando nele um instinto de estimular o clitóris dela com a cabeça do seu membro, arrancando um gemido sofrido da mulher que mordia o próprio lábio inferior embebida de tesão. Harry se arrepiou quando as mãos de o abraçaram pelo pescoço e ele quase cedeu a vontade de acabar com a distância entre eles penetrando-a de uma só vez.
Mas tinha uma exigência e ela precisava ser cumprida.

Empurrando a cabeça dele para baixo sem a menor cerimônia, fez com que Harry se ajoelhasse de frente para si e tremeu de expectativa no momento que ele umedeceu os lábios encarando sua intimidade aberta e exposta com uma expressão de puro desejo e fascínio.

- Você tá pingando, .. - Ele sussurrou com uma voz maravilhada e, para provocá-la ainda mais, tardou o momento que ela tanto queria ao passar delicadamente o polegar por toda extensão do sexo besuntado de lubrificação.
- Harry… - sussurrou e Harry quase sorriu com a voz raivosa dela. E definitivamente sorriu quando ela puxou seus cabelos com força. Puxando o ar entre dentes, Harry fez um som que potencializou todo o tesão que a mulher sentia.

Sem querer fazê-la esperar ainda mais e estando ele mesmo sedento para provar daquele gosto, Harry levou a boca em direção a intimidade de beijando-a com tanta delicadeza que mordeu o lábio inferior com força, sentindo toda maciez dos lábios dele em seu ponto necessitado de atenção.

Harry espalmou as duas mãos nas coxas de e, enquanto a chupava, resvalava as palmas para baixo e para cima proporcionando uma carícia gostosa e ousada na pele que se arrepiava a cada estímulo. Com a boca salivando de desejo por ela, Harry passou a língua pela entrada de , mas não se demorou nesse ponto, subindo numa lambida lenta e molhada por toda carne inchada até se concentrar no clitóris já pulsando de tanta excitação. Quando atingiu o botão sensível, Harry deslizou as palmas até a bunda dela, trazendo-a para perto a amparando com um aperto forte.

cerrou os lábios e puxou o cabelo de Harry com força tentando conter os gemidos que queriam escapar por sua boca precisando se controlar o máximo possível para não fazer barulho, achando quase impossível no momento que ele começou a fazer movimentos circulares com a língua, enlouquecendo-a quase por completo. Harry começou os movimentos com delicadeza e, conforme sentia se contorcer contra o balcão, aplicava um pouco mais de pressão com a língua fazendo uma força deliciosamente estimulante no clitóris.

- Harry… - sussurrou enlouquecida de tanto tesão. Toda aquela experiência de estar nua, tendo Harry no meio de suas pernas chupando-a de maneira tão devota fazia com que sua temperatura subisse a nível quase febril. De fato, sentia-se muito quente.

Ele continuou com os movimentos do mesmo jeito, nem aumentando nem diminuindo e isso fez com que ela se contorcesse um pouco mais e ele soube, no momento que ela puxou seus cabelos com uma força dolorosa, que ela estava tendo um orgasmo.

Passando a língua pelos lábios sugando para si todo o gosto de , Harry se levantou, deslizando as mãos até a cintura dela, continuando a ampará-la na fraqueza pós orgasmo. recobrava a respiração e Harry aproveitou esse momento para adentrar a camisa dela com os dedos traçando carícias ao puxar todo o tecido para cima fazendo uma ainda ofegante levantar os braços para facilitar a passagem. Assim que se viu livre da camisa, encostou-se com as mãos na bancada e Harry se abaixou para alcançar o bolso traseiro da calça em busca do preservativo. Embora estivesse muito excitado, ele colocou com cuidado e sem pressa, primeiro porque estava levemente tonto da bebida e segundo porque esperava se recuperar do orgasmo - o que não demorou muito, já que assim que ele deslizou o preservativo pela ereção, ela voltou a beijá-lo com selvageria.

interrompeu o beijo para virar de costas para Harry, apoiando-se na bancada da pia, ficando na ponta dos pés ao empinar a bunda. Ele nem pensou em contestar primeiro porque a visão da bunda de era deliciosa e segundo porque, se ela queria que ele a comesse por trás, então por trás ela teria.

Afastando um pouco as pernas dela, Harry segurou em seu membro guiando-o até a entrada encharcada de . Quando fez uma pressão para penetrá-la, conseguiu entrar sem dificuldade devido a quantidade de lubrificação e isso foi o suficiente para fazê-lo suspirar apreciando a sensação deliciosa que era estar dentro de tão quente, pulsante e umedecida. Harry levou suas mãos em direções diferentes; com uma a abraçou pela cintura e, a outra deslizou por sua barriga subindo em direção a um dos seios apertando-o com propriedade enquanto dava outra investida particularmente funda.

empinou ainda mais a bunda, ficando na ponta dos pés se inclinando para frente na bancada, forçando a lombar para que pudesse sentir o mais fundo possível Harry dentro de si. Ele entrava tão duro que ela fechava os olhos mordendo o lábio inferior para conter os gemidos que aquela fricção a fazia sentir. Por instinto, começou a rebolar para intensificar a sensação de cada penetração, arfando cada vez que o saco dele batia contra sua intimidade.

- Harry… - sussurrou entre um gemido e outro. Ele diminuiu a velocidade das estocadas sem deixar de sair e entrar dela num ritmo enlouquecedor. Ela ia falar mais alguma coisa, mas pareceu ficar sem ar, fez uma expressão estranha e no segundo seguinte Harry sentiu uma pressão em seu membro fechando os olhos quando soltou um espirro que fez com que suas paredes internas apertassem a ereção dele.

olhou para Harry através do espelho e eles soltaram um riso durante as estocadas e ele beijou o ombro dela quando começava a aumentar o ritmo.

- Isso foi gostoso… Pode espirrar mais vezes - Harry brincou e segurou na bancada, revirando os olhos quando ele começou a estocar com mais força.
- Harry… - começou novamente, mas ele não diminuiu a velocidade já sentindo o líquido do pré gozo percorrer suas veias latejantes. - Puxa meu cabelo.

Harry levou uma das mãos até os cabelos de puxando-os com força fazendo com que ela se envergasse ainda mais, aumentando a inclinação da bunda que ela rebolava tentadoramente. Ele continuou a penetrá-la com força e aquela fricção já começava a fazer barulho, mas eles estavam excitados e envoltos demais no momento para se importarem com aquilo. A única coisa que tentavam era não gemer audivelmente a medida que começavam a sentir traços do orgasmo.

- Eu vou gozar… - Harry anunciou num murmúrio sôfrego e o incentivou com a intensidade da rebolada. -

Harry continuou estocando energicamente e levou uma das mãos até o clitóris começando a se masturbar ao mesmo tempo que ele metia com toda força arrancando gemidos involuntários dela. Quando Harry soltou o ar embaçando o espelho, sentiu uma pulsação dentro de si indicando que ele tinha atingido o próprio orgasmo, mas, ainda assim, não parou de estocar até que ela estivesse plenamente satisfeita, o que aconteceu no minuto seguinte quando sentiu o próprio prazer escorrer pelas pernas ainda acariciando o clitóris inchado.

A sensação abrasadora e eletrizante do orgasmo acometeu em cheio no momento em que seus pés formigaram e suas pernas bambearam involuntariamente. Respirava com dificuldade a medida que sua intimidade ainda pulsava por dentro, liberando o líquido viscoso que escorria pelas pernas devido a intensidade da excitação proporcionada por aquele momento indecoroso e tão, tão gostoso.

Ofegante, Harry se afastou o suficiente para sair de dentro de sentindo uma tontura o abater, cambaleando até o vaso sanitário, sentando-se na tampa dele para recobrar a respiração e amenizar a sensação de tontura. Na ausência do corpo de Harry para amparar suas pernas cambaleantes, ainda trêmula, se agachou para levantar a calça, mas só esse ato foi o suficiente para fazê-la desequilibrar caindo de joelhos no chão.

A princípio, Harry e se entreolharam em silêncio, as sobrancelhas franzidas sem entender muito bem o que tinha acontecido.
A medida que se deram conta, soltaram risadas nasaladas que só se intensificaram enquanto tentava se levantar com a calça apertando seus joelhos. Estavam bêbados, tontos e tinham acabado de atingir orgasmos sensacionais, mas estavam ali, desajeitados: um sentado no vaso sanitário e a outra caída no chão do banheiro rindo um do outro. A tentativa de não fazer barulho só tornava a situação ainda mais engraçada ao passo que se reprimiam.

- Ssssshhhhh - Harry ria colocando o indicador da boca de que já estava vermelha prendendo a gargalhada que ele sabia que ela queria dar.
- Sssssshhhh eles vão pegar a gente aqui - ria reprimindo a si mesma.

Quando respiravam fundo pensando terem contido a vontade de rir, tentava se levantar de novo fazendo com que prendessem o riso na garganta fazendo sons estranhos que só os deixavam com mais vontade ainda de rir abertamente. Já estavam vermelhos e com veias saltadas nas testas de tanto prenderem as risadas, quando Harry começou a respirar olhando para cima, limpando as lágrimas dos olhos.

- Ai minha barriga - Ele ria de uma que tentava se apoiar no balcão da pia para se levantar desajeitadamente.

Quando ela enfim conseguiu, limpou-se com o papel toalha e subiu a calça sem abotoá-la.

- Sai daí, quero usar. - Disse para Harry.
- Não pode me esperar sair? - Harry perguntou ultrajado já se levantando. nem esperou e nem fez cerimônias para começar a fazer xixi ali mesmo. Ele fez uma careta enquanto tirava a camisinha já enrolando em papel higiênico para jogar no lixo.
- Você pode me comer, mas não pode me ver fazendo xixi? - zombou. - Além do mais é preciso fazer xixi depois do sexo para não ter infecção urinária.
- Não quero saber, isso perde o encanto, ! - Harry brincou fechando a própria calça.
- Ainda bem que não estamos tentando nos apaixonar aqui, não é mesmo? - disse depois de se limpar dando descarga.
- Lava as mãos - Harry ordenou em tom de brincadeira, visivelmente bêbado.
- Cala boca, idiota. - jogou uma rajada de água nele e Harry se esquivou entre risos.

Se encolheram no cubículo para recompor as peças de roupa que foram jogadas no chão e, só então, Harry foi perceber algo importante.

- … - Harry disse com uma voz arrastada ao tentar abotoar a camisa - O que você fez?
- Oops?

Com a camisa rasgada, e Harry tiveram outra crise de riso ao tentarem reaver botão por botão para não deixarem pistas do que andaram fazendo no banheiro. Até aquele dia, nenhum dos dois tinha transado em um banheiro de avião antes. Mas certamente acrescentariam como uma das experiências mais excitantes e engraçadas de toda a vida. Era exatamente assim que tudo funcionava a respeito deles. E aos poucos, de forma leve, descontraída e apaixonante iam percebendo isso.

Capítulo 8 - O início do quinto álbum

Foi com imensa dificuldade que, horas mais tarde, Harry acordou. A viagem sucedeu de maneira tranquila até o aeroporto de Dubai, de onde foram direto para o hotel todos juntos. Poderia culpar aquela moleza no corpo pelo cansaço acumulado de vários shows e viagens seguidas e poucas horas de sono, poderia culpar a dor de cabeça pelo excesso de vinho na noite anterior e poderia justificar a dificuldade de levantar por causa do conforto daquela cama de dossel, mas, ao tentar engolir a saliva, Harry soube que não era nada disso.

A garganta ardeu em brasa de tal forma que soltou um grunhido de dor. Tateou até o criado mudo para pegar um copo de água e só então identificou a causa para ter despertado.

- Harry, nós vamos deixar você! Não é possível que não esteja pronto ainda! Harry! - Louis batia em sua porta.

Arrastando-se com dificuldade, Harry levantou todo molenga para abrir a porta para o amigo. Louis arqueou as sobrancelhas ao vê-lo todo envolvido em edredons com a cara inchada de sono.

- Eu não acredito que você está dormindo! Nós vamos te deixar aí!
- Podem… podem ir… - Harry disse com a voz estrangulada e fez uma careta ao engolir em seco.
- O que houve? - Louis perguntou desconfiado abandonando a postura indignada.
- Não to me sentindo muito ok, só preciso descansar.

Ao ver a dificuldade que o amigo tinha de falar, Louis retirou o celular do bolso e ligou a lanterna apontando para o rosto de Harry que se afastou fazendo uma careta.

- Abre a boca.
- Que? N… sai daqui, Louis, pode ir, eu tô b…
- Abre a boca - Louis pediu novamente já segurando no queixo de Harry. Revirando os olhos, assim ele o fez. - Nossa, tá horrível.

Confuso com o semblante de Louis que mesclava pena, nojo e preocupação, Harry tomou o celular da mão do amigo e rumou até o banheiro, acendendo a luz do cômodo para olhar no espelho com a lanterna apontada para a própria boca.

- Ah, não… - Choramingou ao contemplar o estado de sua garganta.

Preenchidas com placas de pus e pontos de vermelhidão, as amígdalas de Harry estavam inchadas em verdadeiro estado de calamidade. Virando-se para Louis com uma cara de autopiedade, Harry devolveu o celular e se arrastou de volta para a cama.

- Deve ser algum tipo de virose, a também está meio debilitada…

Harry já tinha fechado os olhos, mas os abriu numa velocidade alarmante ao ouvir as palavras do amigo.

- está doente? - Fingiu desinteresse.
- Não tanto quanto você, mas recusou o passeio e estava meio febril. Na verdade está meio gripada, espirrando muito.

Espirrando.

É claro. Com uma sensação de desânimo, Harry se afundou nos lençóis quando a ficha caiu do que tinha acontecido. estava mesmo mais quente do que o normal na noite anterior, mas supôs que fosse normal devido ao vinho e a excitação, mas aparentemente estava equivocado. Era o prelúdio de um resfriado que só se potencializou na troca de salivas com Harry.

Convencido pelos protestos de Harry de que estava bem e que não precisava cancelar o passeio, Louis foi embora não sem antes chamar Liza para providenciar os cuidados ao amigo. A dor na garganta só não era pior do que a dor de ter que ficar ouvindo as reclamações de Liza sem parar. A agente falava sobre cuidados com a alimentação e ingestão de líquidos e, vez ou outra, o cantor teve vontade de interromper para falar que a rotina corrida que levavam de shows e poucas horas de sono também não era saudável, mas com a garganta dolorida, preferiu evitar uma discussão e ouvir tudo em silêncio.

Em questão de uma hora Liza já tinha providenciado um médico que, tendo em vista a proximidade de uma agenda de shows, preferiu aplicar uma injeção do que receitar remédios tópicos. Aferiu a pressão e mediu a temperatura, deixou algumas amostras de anestésico para garganta e recomendou repouso total e muita ingestão de líquidos. Tendo essa a desculpa perfeita para enxotar Liza do seu quarto, ainda grogue pelos remédios, Harry deitou na cama e tentou pegar no sono novamente.

Nem bem vinte minutos se passaram para que a porta do quarto de Harry fosse esmurrada novamente. Pronto para xingar até a última geração de Liza, Harry se arrastou até a porta, mas sua expressão mudou de súbito ao encarar uma com olhos suplicantes de gatinho.

- Eu sei, eu sei, me desculpe - disse entrando no quarto quando Harry lhe deu as costas com uma cara de poucos amigos. - Mas em minha defesa, eu não sabia que estava ficando doente!
- , eu tenho um show depois de amanhã! - Harry resmungou se jogando na cama.
- Bom, pense pelo lado positivo, pelo menos o show não é hoje? - tentou com um sorriso incentivador e Harry bufou colocando um travesseiro sob o rosto.
- Isso não é justo! Por que você está de pé, falando perfeitamente normal e eu estou com essa garganta fodida?
- Provavelmente porque sua imunidade está baixa - disse sentando-se na cama já abrindo sua bolsa remexendo em várias coisas.
- Isso não é justo, era pra você ficar doente e não eu - Harry continuou resmungando e deu-lhe um tapa na testa - Outch! Eu estou doente!
- Está mesmo - disse sacudindo os dedos - Tá queimando de febre, já te deram remédio?
- Injeção - Harry resmungou.
- Ótimo, te deram antibióticos. Bom, vejamos então… - Ela continuou a mexer na bolsa colocando vários frascos em cima da cama de Harry. Arqueando uma sobrancelha, ele a encarou de soslaio.
- O que você está fazendo?
- O que parece? Vim cuidar de você - disse como se fosse óbvio. Por alguma razão, essa constatação fez com que Harry se sentisse ainda mais aquecido.
- Não precisa, eu já vi um médico… Além do mais, isso não faz parte do nosso acordo… - Harry disse sem graça, mas continuou não dando ouvidos - Sobre envolvimento emocional? Isso é coisa de namorad…
- Que envolvimento emocional o que, se toca, garoto. Eu não to aqui porque me preocupo com você, to aqui por minha causa.
- Oi?
- Você está doente porque eu te passei um resfriado - revirou os olhos continuando a mexer nos frascos - E eu não quero ser a responsável por invalidar Harry Styles em um show.
- Então você não está aqui porque está preocupada comigo ou algo assim? - Harry perguntou com uma expressão desconfiada e debochada.
- Claro que não. Estou aqui unicamente para aliviar minha própria consciência. - respondeu com convicção parecendo satisfeita após cheirar um frasquinho. Apesar de não muito convencido da resposta de , Harry não se opôs a presença dela. Primeiro porque amava receber cuidados e segundo porque estava realmente necessitado. Tinha um show para fazer e precisava estar inteiro.
- Mas e você está bem? - Harry perguntou vendo levantar indo até o frigobar. Ela encheu uma caneca com água e logo depois levou ao microondas.
- Estou bem, tive um pouco de febre, mas agora estou ótima - Ela retirou a caneca do microondas e colocou um infusor. Remexeu em mais alguns frascos e caminhou na direção de Harry estendendo a caneca.
- O que é isso? - Harry cheirou.
- Chá de gengibre com própolis, mel e limão - respondeu - Além de aquecer seu organismo, contém várias propriedades anti inflamatórias e antibióticas que são naturais. E é bem gostosinho.

Harry bebericou e fez uma careta, logo cedendo a um riso fraco por observar a expressão fechada de .

- Não é ruim.
- Seria melhor se os ingredientes fossem todos naturais, mas eu levo meus chás para todos os lugares.
- Vocês bebem muitos chás no Brasil? - Harry perguntou.
- Não tanto quanto vocês aqui e nem os mesmos sabores. Lá somos muito mais chegados a café.

aplicou uma essência no mini umidificador de ar e ligou na tomada ao lado da cama de Harry.

- O ar seco ajuda a ter problemas de amigdalite e faringite - Explicou ao perceber o olhar indagador de Harry. - Você já comeu hoje?
- Tomei um suco que Liza trouxe - Harry deu de ombros e suspirou ao ligar para o serviço de quarto.

Quando o serviço de quarto entrou com o café da manhã de Harry, ele obrigou a comer também e acabaram por dividir tudo enquanto conversavam sobre qualquer banalidade. A garganta estava fechada o que dificultava a passagem de alimentos e, sabendo disso, amassou uma banana e misturou com geleia entregando para que Harry não se sustentasse apenas a base de suco. Foi uma atitude tão natural que ela nem percebeu ao entregar para ele o prato.

Harry precisava admitir que por mais que fosse estranho ver cuidando dele com tanto afinco, era também muito engraçado e inesperadamente prazeroso receber aqueles cuidados. Ela fazia tudo parecer pouco caso, mas a verdade é que por mais que tentasse transparecer o contrário, ela estava se preocupando verdadeiramente com ele.

- Bom, agora que você já bebeu o chá, já comeu, já está medicado e com o ar devidamente umedecido, eu já vou indo - disse levantando-se da cama - Se sentir dor de cabeça me chama, tenho um ótimo remédio natural.
- Maconha? - riu balançando a cabeça.
- Aquieta o facho.

Ela já estava quase saindo do quarto quando Harry a chamou.

- O que foi?
- O que vai fazer agora? - Harry perguntou com curiosidade e ergueu as sobrancelhas surpresa com o questionamento.
- Voltar para meu quarto e fazer nada em especial, por quê?

Harry deu um tapinha na cama, afastando-se para o lado dando espaço para . As sobrancelhas dela já não tinham mais para onde serem erguidas de tanta surpresa.

- Não é possível que você queira transar agora você está doe…
- Cala boca, , eu não quero transar - Harry revirou os olhos rindo. Se inclinou para pegar os dois controles do PlayStation e ofereceu um deles para a mulher que ainda o encarava desconfiada. - Já que só nós dois ficamos de fora dos passeios, que pelo menos a gente faça algo para se divertir.

parecia um pouco incerta entre aceitar a proposta ou recusar e voltar para o quarto.

- É isso mesmo? Harry Styles quer passar um tempo comigo sem estar transando?
- Que horror, , você fala como se a gente nunca tivesse passado um tempo juntos - Harry fingiu um ultraje - Além do mais, você é uma companhia agradável.
- Hm, não sei não, e toda a história de envolvimento emocion…
- Eu estou apenas retribuindo o favor, ok? Você cuidou de mim e agora estou com pena de você que vai ficar sozinha entediada no quarto, então estou fazendo uma boa ação. Não é sobre você, é sobre mim.

Quando aceitou o controle sentando-se ao lado de Harry na cama, aceitou também não questionar muito além. Não fazia mal algum estarem juntos jogando um pouco, não é mesmo? Não havia cláusula naquele contrato que dissesse que não podiam ser amigos. Até porque descobriam, a cada dia que se passava, que gostavam muito da presença um do outro. Para Harry, era aquela alegria constante que sempre despertava uma vontade incontrolável de rir de qualquer situação. Para , Harry era aquela inspiração que, inconscientemente, motivava todos ao redor a serem pessoas ainda melhores.

Não demorou muito para o quarto ser preenchido pelas risadas e gritos escandalosos de . Ela absolutamente não fazia a menor ideia do que estava fazendo em nenhum dos três jogos que Harry tentou colocar. Apenas apertava todos os botões possíveis e gritava toda vez que algum personagem inimigo se aproximava - como se isso fosse resolver alguma coisa. Duas ou três vezes o segurança do hotel apareceu para pedir encarecidamente - com muito uso do “por favor” - que fizessem um pouco mais de silêncio, o que era totalmente ignorado cada vez que encontrava-se em apuros com seu jogo.

- Vai tomar no cu, cacete, porra, merda, caralho!!!
- , você tá xingando em português? - Harry ria de fechar os olhos, vez ou outra massageando a garganta pelo esforço.
- Nossa, desculpa, eu tô fazendo um escândalo, né. - disse mordendo a língua apertando todos os botões inutilmente, já que seu personagem morreu do mesmo jeito. - Desisto desse inferno!
- Não me importo, eu acho sua risada hilária. - Harry disse dando de ombros, trocando o jogo novamente.
- O Bruno sempre dizia que eu precisava rir um pouco mais baixo, já fiz ele passar muita vergonha - comentou casualmente. - Principalmente porque xingo muito.
- Bruno é o seu namorado? - Harry perguntou esperando o jogo carregar, tentando não sentir estranheza por estar falando do namorado da mulher que estava transando ocasionalmente.
- Sim… - ruborizou um pouco, talvez por perceber que tinha falado dele de maneira tão natural.
- Vocês devem se gostar muito né? - Harry deixou escapar atraindo a atenção de - Digo, para você ter mudado de país e ainda assim permanecer no relacionamento.

pareceu refletir sobre algo antes de responder.

- Bruno foi meu primeiro namorado sério, sabe? Então, sim, foram cinco anos… Eram planos sendo feitos. Mas eu não sei… Mudei tanto nesse último ano que saí do Brasil. Me permiti fazer tantas coisas que nunca pensei em fazer… Eu não sei, mudei, apenas isso. E a pessoa que amava o Bruno era a de um ano atrás.
- É como se você gostasse dele mais pelas memórias boas que tiveram juntos do que por uma perspectiva de futuro? - Harry perguntou continuando o assunto e torceu a boca, pensando.
- Eu gosto dele, sabe? Sinto saudades, nós conversamos sempre que dá… Mas eu não consigo me imaginar voltando para a vida que eu tinha antes. Eu não quero voltar a morar no Brasil, pelo menos não agora, não tão cedo.
- E ele vai vir morar aqui? Se ele vier, acha que as coisas vão voltar ao normal entre vocês?
- Bom, isso é o que iremos descobrir quando ele chegar, não é? - deu de ombros e Harry não entendeu muito bem porque aquela resposta o incomodou de alguma forma.
- Você está ansiosa?
- Ah, sim, vai ser legal! - respondeu com falsa animação. Na verdade, se fosse bem sincera, diria que as vezes esquecia até que Bruno estava indo visitá-la. Simplesmente deixava os dias irem passando como se a viagem dele fosse sempre algo no futuro e que não precisaria lidar tão cedo.
- Como vocês se conheceram? - Harry emendou outra pergunta, verdadeiramente interessado no assunto.

Brevemente, contou que se conheceram por intermédio de um amigo em comum que vivia dizendo que os dois tinham tudo a ver. “Nossa, você precisa conhecer o Bruno, vocês são iguaizinhos!” “Nossa, você precisa conhecer a , ela é simplesmente a mulher da sua vida” interpretava recriando as cenas em que o amigo bancou o cupido dando o início na relação. Segundo os relatos dela, foi um namoro sério desde o dia que se beijaram pela primeira vez, já que nunca mais se desgrudaram.

Para Harry, parecia uma relação bem sem graça, não que ele fosse dizer. Ou talvez não fosse, talvez fosse só a ausência do brilho no olhar dela. era tão expressiva, tão intensa nas coisas que fazia, que Harry imaginou que vê-la apaixonada por alguém faria com que ela falasse dessa pessoa de maneira tão maravilhada quanto ela falava sobre seu trabalho ou sobre música. Logo ela, que parecia ser tão aventureira, engraçada e livre, estava em um relacionamento onde tudo parecia convencional e normal demais. Talvez fosse porque a conhecia pouco, mas Harry simplesmente não podia evitar o estranhamento com o contraste que era ela para o namorado de quem só ouvia falar e imaginava - inevitavelmente - um homem bunda mole e quieto demais.

- E você e a Kendall? - perguntou depois de um tempo e Harry acordou das suas divagações com um questionamento que lhe surpreendeu verdadeiramente. Fazia alguns dias que nem lembrava da existência de Kendall, algo realmente novo em sua vida. Nem sequer olhara o celular ou sentira falta das mensagens.
- Ah, a gente não tem metade desse envolvimento que você tem com seu namorado. Nós nos gostamos, mas sei lá, nunca vai para frente.

assentiu em silêncio e mordeu a língua com o que queria dizer. Para ela, Kendall era uma mulher fútil que atendia o esteriótipo talvez injustiçado, mas nesse caso não infundados de modelo sem cérebro. Sem cérebro não, já que a família Kardashian tinha provado seu valor e perspicácia em altas estratégias de marketing para garantir visibilidade, mas ela parecia desprovida de algum conteúdo que fosse relevante. E nem precisava ser culta, cheia de livros e bagagem acadêmica. A própria não era muito fã de estudar e nem conhecia metade dos autores que supostamente deveria para ser considerada alguém interessante intelectualmente, mas, Kendall parecia nem conseguir sustentar meia hora de conversa de algo que não tivesse a ver com dinheiro, farra, festa, drogas, moda e homens.

Estavam os dois absortos em seus próprios pensamentos quando Harry desligou o PlayStation fazendo uma careta de dor. O sangue parecia se concentrar todo na cabeça e aquela pontada forte e inesperada só fazia com que tivesse vontade de deitar e morrer.

- Acho que vou me deitar, muita dor de cabeça - Harry anunciou numa voz arrastada.

voltou a vasculhar em um dos frascos até encontrar o que queria.

- Vem cá - Falou batendo nas próprias pernas indicando que Harry colocasse a cabeça ali.
- O que você…?
- Só deita, Harry, ok?

Ainda incerto, Harry fez o que foi pedido e deitou na cama acomodando a cabeça no colo de . Esperou pelo momento de receber um sinal de alerta do seu subconsciente de que aquilo estava errado e que não deveria passar tanto tempo assim na presença dela, mas, estranhamente, não recebeu sinal nenhum. Esperou por um impedimento, uma censura e uma sensação de erro que simplesmente não chegou. Na verdade, se fosse sincero, diria que estava gostando de passar um tempo na presença de e que receber os cuidados dela estava sendo um ponto minimamente positivo daquela doença inesperada. Não que fosse algum dia admitir.

Seus olhos estavam abertos fixando a mulher que espalhava o conteúdo de um óleo entre os dedos indicadores. Na sua silenciosa contemplação, Harry observou os traços do rosto dela com um pouco mais de atenção e mordeu um sorriso ao notar pequenas coisas que nunca tinha reparado antes. Não tinha reparado que ela tinha olhos tão grandes e nem tampouco que eles possuíam um brilho que ressaltava as íris castanhas, não tinha reparado em um sinal minúsculo na bochecha esquerda e quase se pegou sorrindo abertamente para a fisionomia concentrada que ela tinha ao realizar a tarefa.
Quase se pegou sorrindo porque, apesar de ter o nariz avermelhado devido a coriza, apesar de estar levemente descabelada e sem nenhum resquício de maquiagem, era verdadeiramente muito bonita. E Harry nunca tinha reparado no quanto.

- Isso aqui - Ela dizia passado o óleo entre os dedos - É óleo de lavanda. Sente o cheirinho… - Colocou um dos dedos próximo ao nariz de Harry e ele inspirou profundamente o aroma suave.
- Gostoso.
- A lavanda tem um poder analgésico muito grande - disse tocando nas têmporas de Harry com delicadeza, fazendo movimentos circulares em uma pressão suave e altamente relaxante - É muito boa no combate ao estresse e nas dores de cabeça.

movimentava o indicador e o dedo médio nas têmporas de Harry fazendo pressão em círculos e causando arrepios involuntários no rapaz que já sentia um relaxamento se alastrar pela corrente sanguínea. Uma sensação gostosa de formigamento o acometeu quando ela passou a mexer os dedos por sua testa, pressionando um ponto central entre as sobrancelhas com os polegares dando leves batidinhas com as pontas dos indicadores e médios em suas bochechas numa massagem prazerosa e anestésica.

Sob o toque suave e preciso de , Harry não demorou a pegar no sono. Observá-lo ali, em seu colo, quieto, a boca levemente aberta e a respiração ruidosa, não pôde conter um sorriso involuntário. O cantor sempre lhe pareceu muito bonito, fosse através do sorriso desigual, da covinha na bochecha, dos olhos verdes e expressivos ou até das tatuagens que se espalhavam pelo corpo proporcional, mas, tinha que admitir que vê-lo dormir só tornava a beleza de Harry ainda mais real e acentuada. Ele parecia quase angelical, esculpido em gesso e emoldurado com suas expressões suaves e que beiravam a inocência. Sem que pudesse sequer controlar, deslizou as mãos do rosto até os cabelos de Harry fazendo um carinho que conhecia como cafuné .

Satisfeita por vê-lo dormir, levantou-se com o máximo de cuidado que conseguiu para não tirá-lo do sono e se afastou para sair do quarto pensando em tirar um cochilo. Antes de sair, no entanto, não poupou um último olhar na direção de Harry que dormia tranquilamente sob um dos travesseiros. Por algum motivo, ao dar as costas para seguir seu caminho, desejou abraçá-lo durante o sono. E tão logo esse pensamento veio, também se encarregou de fazê-lo ir embora.

♡♡♡

Graças a injeção de antibióticos e aos cuidados naturais de , Harry acordou sem pontos de pus, sem dor e nem vermelhidão na manhã do primeiro show em Dubai. Apesar de ter perdido dois dias de passeios e diversão com o resto do pessoal, estava grato por não precisar cancelar sua presença na apresentação que tinha ingressos esgotados. Estavam todos muito animados para o início da segunda parte da turnê e os preparativos estavam fluindo muito bem. Não só para os shows, como também para a produção de um novo álbum.
Esse era exatamente o assunto na mesa do café da manhã daquele dia.

- Então, vamos começar a produção do CD novo. Queremos algo um pouco mais maduro, um pouco mais ousado já que vocês estão mais crescidos… Queremos mostrar que não são mais aqueles adolescentes com cara de criança que começaram em 2010, queremos mostrar que são adultos e que falam sobre coisas de adultos - Elliot ia dizendo enquanto abocanhava uma torrada.

Niall ergueu as sobrancelhas e fez uma careta que mesclava a confusão com a comicidade.

- O que seria falar sobre coisas de adulto? Contas para pagar, plano de carreira, casamento, filhos…? - Brincou fazendo com que os membros da banda rissem. Elliot revirou os olhos.
- Nós queremos que elas vejam vocês como símbolo sexual. Que olhem para vocês e pensem “uau, eles são másculos, eles transam, quero que transem comigo!” e precisamos investir nessa postura para não dar brecha para outros pensamentos.

Harry e Louis se entreolharam em silêncio com as mesmas expressões.

- Você quer músicas sobre sexo e drogas. - Zayn comentou e soltou um sorriso enviesado - Certo, eu estava pensando se a gente mudasse um pouco o ritmo de pop rock genérico e fizesse…
Elliot interrompeu.
- Não sobre drogas, Zayn, vocês formam uma banda cujo público alvo é massivamente composto por adolescentes, não podem ser uma influência ruim.
- Mas você disse que queria que nos vissem como símbolo sexual - Zayn contra argumentou com a testa enrugada.
- De modo sutil, Zayn, sutil. Queremos que elas pensem que essa vontade surgiu porque vocês cresceram naturalmente e não porque estamos sendo apelativos de modo grotesco.
- … Que é exatamente o que estão fazendo - Louis murmurou com a boca torta.
- O que seria de modo sutil, então? - Zayn perguntou incerto.
- Por exemplo, essas suas tatuagens… São boas, desde que não faça tatuagens demais e nem tomem parte do seu rosto. Nós não queremos ser confundidos com aquelas bandas que tem perfil de gente que não toma banho. Vocês precisam aparentar que são limpinhos.

Os cinco integrantes da One Direction se entreolharam com as mesmíssimas caretas de confusão. Elliot continuava a falar.

- … Você é todo sério e misterioso, isso é legal desde que não pareça blasé demais. Ninguém gosta de gente muito fria. Niall, você é uma graça e nós te adoramos, mas você está um pouco sem sal, um pouco apagado… Acho que a gente pode trabalhar melhor com a Caroline nas suas roupas e também nas letras das suas músicas para mostrar que você não é esse santinho todo.

Niall riu fraco ao ouvir a sentença de Elliot, mas não foi capaz de disfarçar um intenso rubor.

- Liam, acho que você precisa ser mais flagrado com uma modelo ou pode arranjar alguém para namorar. O mesmo se aplica a você, Louis. Embora deva dizer que é um tanto quanto sem graça quando alguém namora com uma pessoa desconhecida por tempo demais…
- Eu não vou namorar uma pessoa famosa só para poder gerar visibilidade e ganhar a mídia - Louis rebateu com a língua afiada, mas Elliot fingiu não ouvir. O mesmo não podia se dizer de Zayn que fuzilou Louis com o olhar, assumindo que aquela tinha sido uma indireta para ele sobre o relacionamento que tinha com a integrante da Little Mix.
- Já o Harry aqui… - Elliot disse apontando para Harry que permaneceu sério - Harry é perfeito. Esses cabelos crescidos dão um ar rockstar, mas essa covinha e a postura de homem educado e engraçado dão o contraste perfeito. Você só precisa aparentar um pouquinho menos efusividade, Harry. Um olhar mais penetrante, uma postura mais… máscula. Se não, não adianta de nada ser flagrado com modelos bonitas…

Elliot não pareceu se importar se tinha dito algo errado no momento que percebeu a expressão extremamente ofendida que Harry tinha ao retribuir seu olhar.

- O que seria exatamente seu conceito de másculo? Eu preciso deixar de ser a pessoa que sou para poder alimentar a fantasia de meninas que querem e nunca vão transar comigo? - Harry perguntou com um tom polido, mas que continha certa rispidez.
- Bom, não faria mal algum se você pudesse usar isso a seu favor, até para acabar com certos rumores…. - Elliot respondeu sem se abater e ao ver os meninos se rebelarem, continuou - São direcionamentos vindos da diretoria, só estou repassando o que temos em mente para vocês com o próximo álbum.
- Engraçado que até agora você falou sobre tudo, menos sobre música. Falou sobre nossa postura, nossas roupas, tatuagens e até nossos relacionamentos, mas não falou sobre o conceito que vamos abordar e nem nos estilos… - Zayn retomou o assunto.
- Que estilo, que conceito? Você já conhece nosso estilo e nosso conceito, vamos repassar esse alinhamento para as músicas também, algo mais crescido sem deixar de lado a essência de vocês.
- Para onde nós vamos na produção do álbum? - Zayn perguntou interessado e Elliot o encarou com um semblante indagatório.
- Oi?
- Para onde nós vamos? Para escrever as músicas, testar melodias… Você sabe, fazer todo o processo do CD… - Zayn ia explicando olhando de um para outro, mas Elliot o encarava como se estivesse falando grego.
- Nós estamos no meio de uma turnê, Zayn, não vamos parar a produtividade para isso. Nós vamos continuar gravando em estúdios e quanto a escrita das músicas, não se preocupem tanto com isso, nós temos pessoas para apoiar nesse processo, vocês podem concentrar os esforços para cantar e performar do jeito que sabem melhor… - Zayn não tinha mais para onde unir as sobrancelhas.
- Como assim? Nós não vamos participar do processo de escrita do nosso próprio álbum? - Sua voz já não estava mais tão calma.
- Claro que vão, Zayn, vocês podem dar sugestões, podem trazer as ideias e se tiverem músicas prontas tenho certeza que podemos trabalhar em cima disso. - Elliot disse agitando o ar com um sorriso. Zayn não conseguia e nem queria mais fingir seu descontentamento. Frustrado, empurrou o prato com metade das frutas intactas e cruzou os braços olhando um ponto por cima do ombro de Elliot, remoendo seus próprios pensamentos.
- Por falar nisso, já vamos começar a trabalhar em cima das músicas amanhã, tragam suas ideias. Vamos dedicar parte do tempo da manhã para isso, espero concluir pelo menos umas três músicas.
- Você espera que a gente crie músicas em quanto tempo, dois minutos? Isso não é o suficiente para demonstrar algum tipo de verdade… - Zayn não controlou a língua e tornou a tentar falar, mas Elliot nem estava mais ouvindo.
- Bom, o show hoje será incrível, tenho certeza que vocês vão arrasar. Amanhã pela tarde concedemos o tempo de vocês para participarem do canal de uma blogueira local, então lembrem-se de seguir as recomendações da assessoria.
- Nós vamos ter show hoje a noite, já vamos acordar cedo para produzir músicas, teremos show a noite e ainda temos que marcar presença em uma entrevista? Não acha isso muito cansativo? - Liam se pronunciou externalizando o que todos pensavam. Elliot pareceu ponderar por alguns segundos.
- Tem razão, talvez eu libere o Harry para ficar repousando, ele estava doente e precisa de descanso…

Zayn nem bem esperou Elliot terminar de falar e já se levantou da mesa empurrando a cadeira com força.

- Eeei, o que foi? - Harry perguntou com a voz arrastada.
- Vai se foder - Zayn respondeu com grosseria e deu as costas a mesa andando a passos largos pelo corredor.

Harry se levantou e foi atrás do amigo, incapaz de deixar passar aquela grosseria imotivada. Quando alcançou Zayn, tocou no ombro dele, mas o rapaz virou-se de súbito afastando a mão.

- Me deixe em paz!
- Que porra é essa, Zayn? - Harry perguntou chateado, perdendo um pouco da postura calma e educada. Estava de saco cheio das inconstâncias de Zayn serem todas voltadas para ele.
- Eu não tenho que ficar mais um dia ouvindo todo mundo te bajular, é chato pra caralho!
- Eu já disse que não tenho culpa disso! Não estou pedindo por tratamento especial e estou tão chateado quanto você!
- Mas aparentemente só eu digo alguma coisa a respeito! Você continua sendo o senhor perfeitinho querido de todos e eu sempre sou o chato que reclama e contesta tudo. Tô exausto de você nunca dizer o que realmente te incomoda e sempre sobrar para mim!
- Você não acha que está sendo um pouco injusto comigo? Eu não acho certo contestar as coisas da maneira que você faz! Acho que isso não nos leva a lugar algum, temos que conversar com argumentações mad…
- Tá me chamando de imaturo, Harry? - Zayn interrompeu com raiva. Harry respirou fundo reunindo a paciência que não tinha.
- Estou dizendo que você não precisa descontar na gente suas insatisfações. Na verdade, em mim, porque seu problema aparentemente é comigo.
- Não tenho tempo para lidar com sua síndrome de centro do universo, Styles. O mundo não gira ao seu redor, caso não tenha percebido. - Zayn disse com rispidez e isso fez com que o sangue fervesse nas veias de Harry. Sem que tivesse pensado muito bem, deixou escapar com a voz trêmula de raiva no segundo que o amigo lhe deu as costas.
- E eu não tenho tempo para lidar com seu ciúme e sua inveja, Zayn. Se você sente que está afundando e está ficando para trás, não tente me desmerecer para se sentir melhor consigo mesmo.

Harry percebeu que tinha sido a coisa errada para dizer assim que viu Zayn frear os passos.
Uma palavra uma vez dita não pode ser retirada, então, Harry sabia que seria inútil pedir desculpas. Sabia também que, embora reconhecesse ter exagerado e ter dito no momento de raiva, havia um tanto de verdade em suas palavras: realmente achava que o cerne do mal humor de Zayn era derivado de um sentimento reprimido de inveja e ciúme. Talvez estivesse errado, talvez fosse realmente narcisista e egocêntrico como o amigo tinha o acusado, e era por isso que preferia não ter dito em voz alta.

Talvez houvesse algo a mais para justificar o descontentamento de Zayn e talvez Harry tivesse mesmo feito algo para provocar. Por isso não pôde não julgar Zayn por ter girado nos calcanhares para voltar-se de frente e não pôde também dizer que foi imotivado o olhar carregado de ódio que ele lhe lançou. E, sobretudo, não pôde protestar e nem fugir do ataque de Zayn quando ele avançou em sua direção.

- Ei, ei, ei, o que tá acontecendo aqui? - A voz de Lolla chamou atenção ao ver Zayn segurando Harry pela gola da camisa - EI, EI, EI!

Zayn estava engarguelando Harry pela gola da camisa no momento que Lolla e Peter estavam passando pelo corredor.

- Repete o que você falou, seu merda - Zayn murmurou enraivado e Harry agradeceu mentalmente aos céus pela aparição de Lolla e Peter, que já se metiam no meio dos dois para apartar a situação. Não demorou muito e Niall, Liam e Louis apareceram correndo, provavelmente já tinham esperado que algo de ruim aconteceria entre os dois naquele clima.
- Zayn, qual foi cara? - Louis perguntou quando finalmente retiraram Zayn de perto de Harry. Zayn balançou-se furioso, afastando os braços que o restringia.
- O que aconteceu comigo? O que aconteceu comigo? Eu estou de saco cheio! Foi isso que aconteceu! Não aguento mais vocês fingindo que está tudo bem! Não aguento mais essas entrevistas ridículas e não aguento mais brincar de músico! Nós não temos mais idade para isso!
- Brincar de músico, é isso que você acha que nós estamos fazendo aqui? - Harry perguntou chateado ajeitando a camisa com força.
- Acorda! A Modest está mais preocupada em conter as fanfics de você e Louis do que de fato com a nossa carreira! Nós continuamos fazendo as mesmas músicas, os mesmos ritmos, algo tão genérico, não é possível que vocês não estejam insatisfeitos!
- Ninguém está te obrigando a continuar se você não quiser! Não tem uma arma apontada para sua cabeça! - Harry revidou novamente sem pensar. Todos ficaram em silêncio e Zayn vacilou, silenciando algumas sentenças no segundo que abria a boca. A postura dele passou de enraivada para consternada e foi dessa forma que soltou um bufo olhando para Harry sem emoção.
- É, você tem razão.

E sem dizer mais nada, Zayn deu as costas rumando até seu próprio quarto fazendo com que todos os olhares imediatamente se voltassem para Harry que ainda tentava processar internamente tudo que tinha acabado de acontecer.
Definitivamente, as coisas não estavam mais as mesmas entre eles.



Continua...



Nota da autora: Oi, gatinhas =^.^=
Muito obrigada por acompanharem Bela Casualidade!
Por favor, não esqueçam de deixar comentários, sempre abro a página da fanfiction e fico um pouco triste quando vejo que as pessoas estão lendo e não estão dizendo nada =(
Estão gostando? A história agora se desenvolve entre as tensões da banda e o envolvimento dos protagonistas beirando o casual com algumas quebras nessas regras AAUEHAUEHU.
Os próximos capítulos podem ser um pouco tristes, mas só uma preparaçãozinha :X

Nos vemos na próxima!
TPWK
MM <3



Nota da Scripter:
Essa fanfic é de total responsabilidade da autora, apenas faço o script. Qualquer erro, somente no e-mail.


comments powered by Disqus