I Hate U, I Love U

Última atualização: 01/12/2019

Capítulo 1

FLASHBACK ON
– Hazza, vem aqui, por favor. – Fiz biquinho pra ele ir até a cama.
– Você anda muito mal acostumada, viu? – Perguntou rindo, indo até mim e beijando delicadamente meus lábios.
– Você que me deixou assim. – Ri da cara indignada dele. – Mas agora é sério. Fica aqui comigo, não vai não. Estava tão gostoso nós dois aqui, nessa cama fofinha, aconchegados debaixo do cobertor... – Falei, andando até ele e o puxando pela gola, ficando a centímetros de seu rosto.
– Meu bem, você sabe que eu não posso. Eu tenho que ir para a gravadora, e você também tem que ir. – Falou como se me acusasse de estar faltando no trabalho.
– Mas eles deram um dia de folga pra nós dois!
– Eu sei, mas os meninos precisam de mim, então vem comigo e, na volta, nós passamos naquele lugar que você tanto ama.
– Mas isso daí já é chantagem.
– Funcionou? – Perguntou, já sabendo a resposta.
– Você sabe que eu amo sorvete mais que tudo. – Falei, já me levantando e pegando um vestido simples para eu colocar.
Ele me puxou pela cintura antes que eu entrasse no banheiro, me virou e me deu um beijo. Seus beijos nunca me cansariam. Sempre que eu o beijar, vou sentir as mesmas sensações do nosso primeiro beijo. Eu amava Harry Styles, e nada iria mudar isso.
FLASHBACK OFF
, sai do quarto, por favor... Por mim. – Zayn pediu, batendo na porta do meu quarto.
– Eu não consigo. – Falei sussurrando enquanto soluçava e chorava baixinho.
– Me deixe entrar, . Eu não posso deixar você nesse estado e, ainda por cima, sozinha. Eu não posso deixar você fazer aquilo de novo... – Escutei sua voz com indícios de que iria começar a chorar a qualquer momento.
Você deve estar se perguntando o motivo de eu estar assim. Pois bem, eu e Harry namorávamos e, há alguns meses, ele me pediu em casamento. Obviamente, eu aceitei. Nunca foi novidade pra ninguém que eu o amava. Bem, nós estávamos muito felizes. Faltavam cerca de 3 meses para o nosso casamento. Estava em toda a mídia: “O casal perfeito irá se casar em 3 meses. Quem diria que a fofa e divertida irá se casar com o engraçado e mulherengo Harry Styles”. Pois é. Até que eu cometi o pior erro da minha vida.
Nós estávamos indo visitar minha família em Quebec. Fazia muito tempo que não visitava minha tão amada cidade natal. Ao chegar, reencontrei muitos amigos, mas também reencontrei ele, o causador de toda minha tristeza nesse momento. Meu ex namorado, William. Fazia muito tempo que não nos víamos e, justamente quando levo meu noivo, eu o reencontro. Era muita sorte mesmo.
Como tínhamos amigos em comum, acabei reencontrando William em um momento nada conveniente. Quando o vi, não senti nada, apenas um carinho enorme por ele ter sido meu primeiro amor, mas nada mais que isso.
No meio da minha viagem, eu e Harry estávamos no quarto dormindo, até que eu acordei agitada e, sempre que isso acontecia, não conseguia voltar à dormir. Então fui até a varanda tomar um ar e vi Will do lado de fora, pedindo para que eu descesse. Como gostaria de ter ficado dentro daquele quarto...
Fui até ele, que me disse coisas realmente bonitas. Disse que nunca me esqueceu, sempre continuou me amando e não poderia me ver casada com outro homem. Disse que não poderia viver um segundo a mais sem mim ao seu lado. Eu sorri e o abracei, dizendo que suas palavras foram muito lindas, porém meu coração já tinha dono, e eu sempre amaria Harry, mas que os momentos que passamos juntos foram realmente especiais em minha vida.
Ele não pareceu entender muito, então fez algo que gostaria de ter impedido: ele me beijou. Logicamente, eu me afastei no segundo seguinte após nossas bocas se encostarem e disse para ele nunca mais repetir o ato. Voltei correndo para o quarto e vi Harry sentado na cama, coçando os olhos e sorrindo pra mim.
Como nunca guardamos segredos, contei o que havia acontecido, mas Harry sempre fora um pouco ciumento, então não entendeu que o beijo não significou nada para mim. No outro dia, Harry não estava mais lá.
Eu voltei o mais rápido que pude para Londres e o procurei diversas vezes, em diversos lugares. Fui até seu apartamento, mas ele havia barrado minha entrada. Eu o procurei pelo estúdio, mas ele nunca estava lá. Perguntei aos meninos, mas eles sempre diziam que fazia algum tempo que não falavam com Harry. Até que, depois de alguns dias o procurando, vi diversas notícias sobre ele e sobre onde estava. Ou melhor, com quem estava.
Ele simplesmente foi para Los Angeles e foi visto em uma balada beijando outra, como se não tivesse uma noiva. Se bem que, àquela altura do campeonato, eu não poderia me considerar mais nada dele.
Quando vi as imagens, fiquei inconsolável. Não comia mais, não saía mais do quarto, mal recebia visitas. Voltei a fazer a coisa que todos os meus amigos temiam que eu voltasse a fazer: eu voltei a me cortar.
Ninguém da mídia sabia como eu estava. Sempre perguntavam aos meus amigos mais próximos, mas eles nunca falavam nada em respeito a mim. E é por isso que estava do jeito que estava.
Levantei, enxugando algumas lágrimas que escorriam pelo meu rosto, e destranquei a porta.
– Entra, Z. – Falei, voltando a sentar no chão, encolhida.
– O que você está fazendo consigo mesma, ? Cadê aquela menina alegre que estava sempre de bem com a vida, que adorava atender os fãs e ficar com os amigos? Que adorava passar a tarde com a , a , a e a ? Aquela menina que, sempre que queria alguma coisa, lutava até conseguir? Aquela menina que fazia disputas com o Niall pra ver quem comia mais? Cadê, ? Cadê? – Perguntou, já começando a chorar.
– Ela não existe mais. – Senti mais algumas lágrimas molharem meu rosto por ver Zayn chorando. – Não chore por mim, Z, você não tem culpa de eu estar assim. A única culpada sou eu.
– Não, ele é o culpado! Eu vou matar aquele desgraçado.
– Não fique assim com ele, Z. Ele é um de seus melhores amigos, não merece ser culpado e odiado por uma coisa que eu, e somente eu, fiz.
– Você não fez nada! Aquele cabeça dura que te faz sofrer assim por não acreditar na mulher que ele diz amar! Volta pra gente, , esquece ele. – Falou, escorregando pela parede ao meu lado.
– Eu vou esquecê-lo. Prometo.
Passei minhas mãos trêmulas por seus cabelos e sorri. Ele me olhou com um olhar duro e segurou meu braço com um pouco de força mas, ao notar minha cara de dor, afrouxou o aperto, virando meu braço, arregaçando a manga e vendo que ele ainda estava com um pouco de sangue devido aos cortes recentes.
– Você não parou? – Perguntou com os lábios tremendo. – Para com isso, ! Para! Eu estou mandando! – Começou a gritar e chorar.
– Eu não posso mais te ver assim, Z. – Sorri triste.
– O que você quer dizer, ?
– Eu vou embora de Londres.


Capítulo 2


– Como assim vai para Los Angeles? – Louis perguntou por todos na sala.
– Eu preciso melhorar. Preciso dar um tempo para mim. Preciso me tratar e o esquecer. E eu não posso fazer isso em um lugar que está cheio de lembranças de nós dois. – Falei, ameaçando chorar mais uma vez.
– Mas o que faremos sem você aqui com a gente? – perguntou, já chorando.
Eu nunca tinha a visto assim, nunca mesmo. Ela era a pessoa mais forte que eu conhecia. Eu me senti mais mal ainda por fazê-la chorar.
– Vocês vão se acostumar rápido. E eu não vou ficar tanto tempo longe, vocês vão ver, vai passar super rápido. Como uma estrela cadente. – Sorri, olhando para meus melhores amigos.
– Eu nunca vou conseguir ficar longe de você. – falou. – Mas, se é para você voltar a ser a nossa Aninha, – Fiz uma careta e todos riram. – eu aceito ficar longe de você. Sabe que eu te amo, né? – Perguntou, se segurando para não chorar.
Se tinha uma coisa que odiava era chorar na frente dos outros.
– Nós todos te amamos, pudinzinho. – Niall falou, fazendo todos rirem do apelido fofo que ele arrumara para mim.
– E eu amo todos vocês. Eu vou sentir tanta saudade...
– Quando você vai? – perguntou com o rosto inchado e avermelhado.
– Semana que vem.
– Mas já? – questionou, indignada. – Não podia nem dar um tempinho para nós processarmos a informação?
– Se quisermos que ela melhore, tem que ir rápido para voltar mais rápido ainda. – Liam disse, fazendo eu sorrir boba.
Ele sempre foi como um irmão que eu nunca tive.
– Isso mesmo. Vou voltar num piscar de olhos. – Falei, tentando dar um sorriso que, com certeza, saiu como uma careta.
– Abraço em grupo! – Niall gritou.
Todos menos Zayn, que estava em um canto com o rosto inchado, se uniram para o abraço. Eu nunca quis que tudo isso chegasse àquele ponto. Mas, se eu queria melhorar, tinha que fazer algo para isso acontecer.
Sabia que Z estava chateado e com raiva, mas sabia que ele entendia e queria que eu me livrasse dessa pessoa, que com certeza não era eu.
Depois que todos foram para a cozinha comer a pizza, eu fui até o sofá sentar-me ao lado de Zayn.
– Sabe que eu vou sentir sua falta mais do que tudo, não é? – Perguntei, já com lágrimas nos olhos.
Ele levantou devagar a cabeça, me olhando.
– Eu sei que você precisa melhorar, mas eu nunca passei mais de uma semana sem te ver. Até nos nossos shows você ia quando estava disponível, ou eu ia nos seus. Sempre foi assim.
– Você... Vocês podem me visitar sempre que quiser. Eu comprei uma casa que cabe todo mundo, sabe... Ela tem piscina e uma sorveteira... – Falei, fingindo descaso.
Nas casas deles tinha aquilo também mas, quando estávamos todos juntos, era muito mais legal.
– Bom saber então. Vou ir pra sua casa em LA todo fim de semana, quero ver você me aturar. – Falou.
Ele sabia que não podia, pois precisava fazer novas músicas para o álbum que sairia no outro ano.
Começamos a conversar e só paramos quando Louis pulou em cima de nós, falando que engordou 5kg de tanto comer pizza, e disse que, se não fossemos rápido, o Niall iria comer tudo.
Passar o dia com meus amigos me fez muito bem, me fez esquecer de tudo e todos. Por mais que isso me fizesse esquecer dele, eles não podiam ir para minha casa todos os dias para alegrar o meu dia e me fazer esquecê-lo, o que seria bem difícil, pois seu cheiro estava por toda a casa. Eu ainda não tivera coragem de guardar nossas fotos, então continuavam espalhadas pela casa. Eu precisava ir para um lugar onde não tivesse nada que me ligasse a ele.
Depois que todos foram embora, eu voltei para o meu quarto e fiz o que já era uma rotina: chorei até não ter mais lágrimas e peguei a lâmina, mas não consegui utilizá-la. Comecei a me lembrar do Z chorando ao ver os cortes, então não consegui. Simplesmente deitei na cama e adormeci.
*~~*

A semana passou rápido. Quando vi, já era o dia da minha viagem.
A despedida foi dolorida e muito difícil. Ninguém parava de chorar ao me ver partir. Mas tive que fazê-lo. Então, sem olhar para trás, fui embora.
*~~*

HARRY ON
Eu não sabia mais como viver sem ela, mas o que ela fez comigo não tinha perdão. Muitos dizem que foi só um beijo, mas não. Ela me traiu com as palavras. Alguns dias antes de ela ter feito aquilo, escutei ela dizer que era apaixonada pelo Will e, se não tivesse ido para Londres, com certeza estaria com ele. Disse que ele era muito especial para si. E depois...
Depois vem o beijo. Eu não pude suportar isso. Então, antes de amanhecer, eu já peguei minhas coisas e parti para LA. Ainda não conseguiria voltar para o lugar onde qualquer cantome lembraria ela. Eu precisava ir a um lugar onde pudesse esquecê-la por completo.
Fiquei cerca de 2 semanas em LA, e a rotina era sempre a mesma. Ir em boates, beber muito e arrumar alguém para passar a noite e tentar não pensar nela.
Não funcionou. Nenhuma vez.
Depois dessas duas semanas, eu voltei para Londres, pois eu e os meninos tínhamos que compor músicas para o novo álbum que lançaríamos no ano seguinte.
Sempre que nos encontramos, nunca falaram nada a respeito dela. Bom, era assim que eu queria mesmo. Mas... Ao mesmo tempo, eu queria saber se ela estava bem. Mas eu não podia. Tinha que esquecê-la para sempre. Só não sabia como fazer isso ainda.
*~~*

Duas semanas se passaram desde que cheguei. Nada de estranho havia acontecido. Eu continuava indo todos os dias para a gravadora e, quando saía, ia para uma boate qualquer. Zayn ainda não falava comigo, e os outros meninos me tratavam estranho. Sabia que tinha algo a ver com ela, mas nunca perguntava o que era.
Mas houve um dia fora do comum. Eu acordei diferente e ignorei, mas não podia ignorar que, até então, os meninos não tinham aparecido na gravadora. Tudo bem que me avisaram que iriam chegar mais tarde, mas não sabia que iria ser tão tarde a ponto de atrasar 2 horas.
Quando chegaram, seus rostos estavam meio tristes. O que mais estava era o de Zayn mas, além de tristeza, estava raivoso também.
– Zayn, se acalme, não faça nenhuma besteira. – Ouvi Liam falando para ele.
Ele não ouviu ou fingiu que não ouviu pois, no minuto seguinte, estava me prensando na parede, me olhando com muita raiva.
– Você! É você o culpado por ela estar daquele jeito, por ela ter ido embora! – Começou a gritar e a falar várias coisas, e eu já não estava entendendo mais nada – Tudo por causa de um ciúme idiota e sem nexo. Seu idiota, ela não o beijou. Ele a beijou, e ela te contou. – Começou a chorar compulsivamente, me soltando e caindo no chão.
– Alguém pode me explicar o que está acontecendo, caralho? – Perguntei, nervoso.
– Bem... É que... – Niall tentou dizer, mas acabou gaguejando e pedindo ajuda para o Louis.
– Sabe o que é? Acabou que aconteceu algo e... – Começou a ficar nervoso e pedir para que Liam falasse.
– Dá pra alguém falar logo essa porra? – Estava quase saindo do sério.
– Então, Harry... – Liam não conseguiu terminar, pois Zayn já começou a falar.
– Se você não fosse um medroso idiota que, por um ciume babaca, perdeu a mulher que mais te ama no mundo, ela não teria se trancado naquela merda de quarto e não saído mais de lá. E sabe qual é o pior? Eu não pude ajudar minha melhor amiga, pois ela não deixou que ninguém se aproximasse. E, enquanto isso, ela se cortava dentro daquele quarto por sua causa. – Deu uma pausa e eu olhei pra ele em choque, já com lágrimas nos olhos. – Se não fosse por você, ela não teria ido para LA se tratar e esquecer de você pois, se não fosse por você, ela ainda seria a nossa , seu idiota.
Eu não tinha palavras para o que acabara de escutar. Eu fiz minha menina voltar a se cortar? Eu, que tanto tentei tirá-la da depressão, fui o responsável por colocá-la de volta?
– Eu... Eu vou atrás dela... Eu... – Comecei a falar, desesperado.
– Não. – Todos falaram juntos.
– Você não pode ir. Ela tem que melhorar, e você indo para lá só vai piorar. – Liam falou.
– Não importa, eu não posso deixar minha menina assim. – Comecei a chorar.
– Agora ela é sua menina? – Z perguntou, indignado. – Na hora que ela mais precisava de você, ao invés de estar com ela, estava por aí comendo qualquer uma. Faça-me o favor, né, Harry!
– Eu não quero saber o que você tem a dizer. Eu quero estar ao lado dela e a fazer melhorar de uma coisa que eu causei. – Nem terminei de ouví-los e já fui para o aeroporto comprar a próxima passagem para LA.
Fui apenas com a roupa do corpo, não havia necessidade de algo a mais que isso, já que tinha casa lá e o mais importante no momento era salvar minha .
Eu fui um idiota. Tinha que consertar aquilo.


Capítulo 3

Assim que cheguei em LA, fui recebida por uma multidão. Não sei como eles descobriram que eu estaria em LA, mas já deveria estar acostumada com os paparazzis me seguindo por onde quer que fosse.
Coloquei o capuz e tentei passar sem responder nenhuma pergunta, mas estava difícil. Mesmo com 5 seguranças tentando me escoltar para fora do aeroporto, eles conseguiam ser bastante insistentes. “O que aconteceu com você?”, “É verdade que você e Harry romperam?”, “Dizem que está aqui para se tratar, é verdade?” eram alguns dos tipos de pergunta que eu escutava, mas conseguiria passar sem responder nenhuma.
Ao chegar no carro, o segurança abriu a porta para eu entrar mais rápido e a fechou, e só nesse momento percebi que estava prendendo a respiração. Soltei todo o ar que segurava, até que escutei alguém falando no banco de trás e acabei pulando de susto.
– Olá, . – Disse uma voz bem familiar.
– Caralho! Que susto, quase morri do coração agora. – Falei, colocando a mão no coração para ver o quão acelerado estava.
Olhei para trás e me surpreendi ao ver quem estava ali.
– Hemmings? – Perguntei. – Luke Hemmings? Meu Deus, quanto tempo, Luke! – Ele pulou para o banco da frente e nos abraçamos.
– Achou que Zayn deixaria você aqui sozinha sem ninguém para se assegurar de que você chegou bem? Ele se preocupa muito com você, . E eu também, por isso vim. – Colocou uma mecha do meu cabelo atrás da minha orelha.
– Que bom que veio. Sinceramente, se passasse mais um tempo aqui sem nenhum amigo, acho que desistiria.
– E não se preocupe, pois sua casa é no mesmo condomínio que o meu, então você poderá ir à minha casa a qualquer hora, e eu na sua. – Sorriu.
– Mas você não morava em Malibu? – Perguntei.
Da última vez que o vi, ainda morava lá, e não fazia tanto tempo assim.
– Há 3 meses, ainda estava lá.
– Na verdade, eu morava em Malibu até semana passada, até saber que você viria para LA.
– Espera, você se mudou por minha causa? – Falei brava. – Mas você não pode fazer isso por mim. Malibu nem fica tão longe daqui.
, relaxa. Eu vim aqui para te ajudar, assim como os meninos me pediram. E eu, obviamente, aceitei, pois você é tão importante para mim quanto para eles.
– Eles realmente se preocupam comigo. – Ri. – Mas que saudade que estava de você, Luke!
– Vem aqui, me dá um abraço. – Fui para mais perto dele e o abracei, colocando minha cabeça em seu ombro e ele, apoiando sua cabeça na minha logo depois de dar um beijo em meu cabelo. – Saiba que eu te amo muito, e não quero ver você mal, ok? Eu e os meninos não estamos trabalhando em nada concreto no momento. Por isso, pedi a eles uma semana para te ajudar a se estabilizar melhor aqui. Também já providenciei uma lista de psicólogos e psiquiatras de LA. Os melhores, claro. Quero que você tenha o melhor atendimento possível.
– Você é um anjo, Luke, mas realmente não precisava ter feito nada disso apenas por mim. Eu poderia dar um jeito e tudo mais. Mas obrigada, de verdade, por tudo. E eu também te amo muito, garoto.
– Está bem, chega de sentimentalismo. Já estamos quase chegando. Assim que deixar suas coisas na casa, iremos sair para eu te mostrar o bairro, e depois comemos algo.
– Ok.
Conversamos por mais um tempo até chegarmos no condomínio. Assim que paramos diante da minha casa, vi que era maior do que eu imaginava, mas percebi que era bem o meu estilo. Não que desse para fazer grandes decorações em tão pouco tempo, e ainda não havia terminado, mas o principal estava decorado da maneira que havia pedido: meu quarto, a sala, a cozinha e meu estúdio. Não que eu pretendesse usá-lo muito, mas a música sempre foi minha válvula de escape, e era sempre bom escrever e tocar para parar de pensar. E, naqueles dias, o que mais queria é parar de pensar.
Eu, Luke e os seguranças carregamos minhas bagagens. Não que eu tivesse levado muita coisa. Apenas o essencial: roupas, minha necessaire de maquiagem e o mais importante de todos, meu violão. Não vivia sem ele, então claro que tive que levá-lo.
Iria comprar instrumentos novos para deixar no meu estúdio, mas nenhum instrumento substituiria meu violão. Tinha quase 60 anos que estava na minha família. Minha bisavó comprou o violão de presente para a minha vó quando ela fez 12 anos e, quando eu nasci, minha vó percebeu que ele deveria pertencer a mim. Por isso, em seu testamento, ela o colocou em meu nome. Depois que ela faleceu, eu e meus pais nos mudamos para Londres. Lembro até hoje do dia de sua morte. Eu tinha 16 anos, foi o dia mais horrível da minha vida. Parecia que meu mundo tinha acabado, e foi aí que entrei em depressão e comecei a me cortar, pois viver em um mundo onde a pessoa que mais amei não vivia estava fora de cogitação.
Mas algo bom me aconteceu: eu sempre tocava para me sentir mais próxima da minha vó. Um dia, minha mãe me filmou tocando sem eu ver e colocou na internet. Não sei como, mas meu vídeo bombou, e todos queriam saber quem era a garota dos Beatles – no vídeo, eu tocava Let it Be. E também não sei como, mas conseguiram me achar. Fui chamada para meu primeiro programa no dia 12 de março de 2011, um dia antes do meu aniversário. No início, falei para minha mãe que não queria ir, mas ela me obrigou. Ainda bem, pois foi nesse programa que eu me revelei. As pessoas só queriam saber quando iria lançar seu álbum, sendo que nem tinha assinado com nenhuma gravadora, coisa que não tardou a acontecer. Uma semana depois desse programa, a Syco me contratou, e foi lá que conheci os meninos da One Direction.
Assim que nos conhecemos, ficamos todos muito amigos e, acreditem se quiserem, eu e Zayn começamos a ter um rolo. Quando todos nos aproximamos, nós ficamos bem mais próximos do que eu fiquei dos outros meninos, então começamos a sair.
Todos sabiam. “ , a estrela recentemente descoberta, e Zayn Malik, um dos integrantes da banda do momento, One Direction, estão oficialmente juntos!” Era mentira, não estávamos namorando nem nada, apenas nos conhecendo melhor. Mas foi muito rápido. Percebemos que tínhamos confundido amizade com namoro e, em menos de um mês, nós “terminamos”, mas tudo ficou bem. Nessa época, ele e Perrie começaram a namorar, mas Zayn nunca foi um santo e acabou traindo-a diversas vezes. Sempre falava com ele sobre isso, mas Zayn nunca tomou jeito. E então ele estava apaixonado pela , mas não queria se separar de Perrie pois a "amava". Na verdade, eu achava que não estavam juntos ainda porque ele gostava dela, mas porque estava cômodo. Por mais que negasse, ela também era apaixonada pelo Zayn, desde 2013, quando se conheceram, um pouco depois de ele pedir Perrie em casamento.
Eu e os meninos estávamos realmente próximos, ao nível de ir a todos os lugares juntos, e mesmo com o meu primeiro álbum para terminar e o deles também, sempre dávamos um jeito de nos encontrarmos. E foi nesse meio tempo que Harry começou a se aproximar de mim com segundas intenções.
No começo, eu não dei bola, pois ele era muito mulherengo e, além de eu não querer nada sério com ninguém, pois era muito jovem e queria estar com outras pessoas, nós éramos amigos e eu não queria estragar tudo. E me perguntavam: “Mas e o que teve com o Zayn? Vocês terminaram amigos.” Só que eu senti que, com o Harry, não iria acabar assim. Apesar de tudo, Harry não sabia colocar limites nas coisas, e ter algo com ele significaria correr o risco de, no final, acabar sem ele, e entre não ter ele de nenhuma forma e ter ele apenas como amigo, eu escolhia a segunda opção.
Mas, no final, de nada adiantou meu dilema, pois Harry sabia conquistar e, em pouco tempo, me vi rindo até de suas piadas que não tinham graça. Toda vez que ele falava, eu sorria boba e colocava uma mecha de cabelo atrás da orelha, envergonhada.
Nosso primeiro beijo foi no Natal. Nós nos juntamos na casa do Louis e passamos o natal lá, já que seu aniversário era na véspera e, como todo adolescente besta, brincamos de “verdade ou consequência”. Assim que a garrafa parou em mim e no Louis, sabia que ele iria aprontar comigo. Todos ali já sabiam que eu e Harry nos gostávamos, mas não admitíamos. Ao menos eu não admitia. Ele disse “7 minutos no céu com Harry” e só sei que, depois que disse isso, fiquei roxa igual a um repolho, mas tinha que cumprir a consequência – na verdade, não tinha mas, no fundo, eu sabia que queria aquilo. Então eu e Harry fomos para o armário e ficamos uns 30 segundos olhando um para a cara do outro. Nem sei se posso dizer que estávamos olhando um para a cara do outro, pois estávamos ambos envergonhados pela situação. Então Harry disse que nós podíamos ficar esperando os 7 minutos e eu fiquei tão nervosa que acabei dando o primeiro passo e o beijei. Eu me afastei na hora, pedindo desculpas, mas ele me puxou de volta e me beijou.
Só sei que, a partir desse momento, começamos a andar mais juntos, e não só com os outros meninos, mas sozinhos. Começamos a andar de mãos dadas, depois começamos a aparecer juntos sem tentar esconder o que tínhamos, até o momento em que começamos a usar alianças de compromisso.
Essa é uma história engraçada, pois estávamos no McDonald’s lanchando e conversando, rindo um da piada do outro, quando ele disse que amava Harry Potter e eu, de brincadeira, o pedi em namoro. Ele disse que sim e eu percebi que não havia mais brincadeira ali. Harry começou a justificar e então...
Basicamente, foi isso. Mas nem tudo foi maravilhoso, pois brigávamos muito por conta de seus ciúmes, ou por causa dos meus. Duas pessoas extremamente diferentes, mas ambas com o mesmo defeito. Não podia dar certo. Por isso, sempre acabávamos brigando e ficando um tempo separados. E nesses momentos, para me causar ciúmes, começava a sair com famosas. Eu, obviamente, não deixava barato, e também saía com outras pessoas. Saí com Austin Mahone, Shawn Mendes, Cole Sprouse, Luke Hemmings – sim, inclusive com o Luke –, mas nunca fiquei muito tempo com eles. Até cheguei a me apaixonar pelo Luke em 2013, quando começamos a sair e, sem sombra de dúvidas, foi a pessoa com quem fiquei mais tempo além do Harry. Saímos por 7 meses mas, assim que reencontrei com o Harry, voltamos. Tentei reatar a amizade com Luke e foi difícil, pois ele ficou bastante magoado, mas nos tornamos amigos, e ele sabia que amava e sempre amaria Harry, e apenas ele. Mas, depois do Luke, Harry disse que não aguentava me ver com outra pessoa por tanto tempo, e que eu pertencia a ele e ele a mim. Por isso, não nos separamos mais desde então. Em março de 2014, eu e Luke rompemos. Depois de 4 meses, em julho, Harry me pediu em casamento. Não foi nada muito extravagante, pois ele sabia que gostava de coisas mais simples, mas também não foi tão singelo assim. Nós fomos ao Universal, ao parque do Harry Potter, e lá ele me deu um colar de pomo de ouro. Fomos então almoçar em um restaurante tematizado de Harry Potter e, enquanto tentava escolher o que comer, várias pessoas chegaram fantasiadas com o uniforme de Hogwarts cantando a música tema dos filmes. Claro que pedi satisfações, e então ele perguntou se eu não ia abrir o colar. Eu, sem entender, olhei para o colar, procurando um fecho para abrir. Logo, encontrei um anel simples de ouro branco com uma pedra nem muito grande nem muito pequena de diamante. Assim que olhei para frente, percebi que Harry não estava mais sentado mas, sim, ajoelhado ao meu lado. Ele pegou o anel que estava no colar. Falou sobre o tempo que nos conhecíamos, sobre o quanto me amava e me pediu em casamento.
Fiquei chocada. Não achei que faria tão cedo. Afinal, éramos muito jovens para pensar em casamento, ele com 20 e eu, 19. Mas eu aceitei mesmo assim pois, assim como ele, sabia que queria passar o resto da minha vida ao seu lado.
3 meses depois do pedido e faltando 3 meses para a data do casamento, acabamos nos separando.
A casa me trouxe uma espécie de nostalgia, já que pedi que fosse decorada de uma forma que me trouxesse lembranças, mas achava, naquele momento, que não era mais tão bom.
Depois de sair de meus devaneios, Luke e eu pegamos seu carro em sua casa e fomos dar uma volta no bairro para conhecê-lo melhor. Depois de vermos tudo o que tinha e de dar boas risadas, acabamos parando na praia e sentando na areia. Como estava escuro, não tinha muita gente e não daria para nos reconhecerem, então ficamos um tempo curtindo a vista e conversando.
– Sabe, é muito louco tudo o que está acontecendo nos últimos tempos. – Disse. – Há duas semanas, eu iria me casar daqui 3 meses. Tinha acabado de lançar meu novo álbum, estava dando tudo certo, e agora eu estou aqui, em LA, para me tratar, coisa que devia ter feito há muito tempo. Harry me ajudou muito a superar minha depressão quando nos conhecemos, mas nunca cheguei a receber um tratamento duradouro. Antes de estourar, eu tinha um tratamento em Londres, mas depois, com a escola e a gravadora, não havia muito tempo para isso. Por isso acho que, quando Harry e eu nos separamos, eu não consegui lidar bem, e foi como se tudo tivesse voltado, só que pior. Antes, eu tinha perdido a pessoa que mais amei no mundo, minha vó. Mas agora, além da minha vó, perdi também minha alma gêmea. Eu não acreditava que poderia amar novamente, mas Harry me mostrou que sim, eu poderia amar tão intensamente quanto antes. Ele me deu motivos para viver, ele me mostrou que, antes de amá-lo, eu precisava me amar e, por muito tempo, eu realmente acreditei que poderia me amar, mas hoje percebo que não posso. É impossível amar um ser tão repugnante quanto eu, que é capaz de perder as únicas pessoas que conseguiam amá-la. – Limpei as lágrimas que rolavam com a palma da mão. – É difícil conviver comigo por tanto tempo sem ter vontade de sumir, assim como todas as pessoas fazem, e é por isso que percebi que preciso de ajuda, pois eu não consigo mais acreditar em mim. Eu não consigo deixar as pessoas se aproximarem. Inclusive, eu as afasto. Afastei Zayn, afastei meus pais, afastei você, afastei Harry, eu até me afastei de mim mesma, mas eu preciso me encontrar.
Após um momento de silêncio, depois que Luke viu que comecei a me acalmar, ele se manifestou.
, eu quero que saiba que você nunca vai conseguir afastar as pessoas que realmente te amam. Você pode até ter tentado, mas não conseguiu. Zayn continua do teu lado, te apoiando. Liam, Louis e Niall também. Além, é claro, da , , , . E é claro, eu. Nós te amamos, , e mesmo que você tente, não vai conseguir nos impedir de te amar intensamente e de te ajudar, pois é isso que os amigos fazem uns pelos outros. Saiba que eu faria de tudo por você, tudo mesmo. – Luke olhou no fundo dos meus olhos e colocou uma mecha de cabelo atrás da minha orelha. – Sei que sabe que um dia eu te amei de outra forma.
– Luke, eu...
– Não, me deixe terminar. Eu te amei, . Mas sei que seu desejo sempre foi o de voltar para o Harry. Não posso dizer que não magoou quando você terminou tudo, mas o tempo foi passando, e hoje te amo de outra forma. Você é minha melhor amiga, , e eu nunca vou querer vê-la da forma que está hoje.
Continuamos nos olhando por mais um tempo, ele olhando no fundo dos meus olhos e eu olhando nos seus, que estavam mais azuis naquela noite. Por fim, sorri para Luke e ele beijou minha testa, levantando-se e estendendo a mão para que eu fizesse o mesmo.
– Ok, chega de tristeza, vamos comer. Irei te levar no seu restaurante favorito.
El Compadre? – Perguntei, feliz.
– Sim, El Compadre.
Voltamos para o carro e fomos até o restaurante. Foi bem divertido. Comemos todo tipo de comida mexicana possível e demos boas risadas juntos. Muitas pessoas nos reconheceram e pediram para tirar foto conosco. Obviamente, tiramos, éramos muito gratos por nossos fãs. Assim que terminamos, voltamos para o condomínio.
– Você dorme essa semana na minha casa, já que a sua ainda não está pronta, tudo bem? – Luke perguntou.
– Claro, se não for incomodar...
, você nunca me incomodaria.
Entramos em sua casa e fomos direto para a cama, exaustos. Fora um dia cansativo. Divertido, mas cansativo.


Continua...



Nota da autora: Sem nota.



Qualquer erro nessa fanfic ou reclamações, somente no e-mail.


comments powered by Disqus