Finalizada em: 06/02/2018
Contador:

Capítulo Único

...”
Parada. Observando. Analisando. Tudo estava perfeito. Mesmo assim, havia um problema ali.
Os lustres estavam devidamente acesos; as janelas cobertas com as cortinas perfeitamente presas e alinhadas; as mesas cobertas com toalhas de linho, com seus arranjos de flores com a quantidade exata delas em cada jarro, conforme havia pedido; as peças de jantar estavam limpas e brilhantes, assim como as taças que as acompanhavam; o longo tapete que se estendia da entrada até o altar estava completamente desenrolado e, do começo ao fim, ladeado por pequenas pétalas de rosas, como havia especificado; o altar tinha em seu centro um enorme e decorado arco que combinava com a parede de fundo, repleta de pequenas e numerosas luzes brancas. Tudo estava perfeito. O problema não estava ali.
Do lado direito, os músicos recebiam sobre si um fraco holofote de luz suave, que batia contra seus instrumentos e o piso de mármore, combinando com a atmosfera envolvida pela música soprada pelo saxofone harmonicamente, acompanhado pelo piano de som doce e contínuo. Sua sincronia era perfeita. O problema não estava ali.
Do lado esquerdo, além das mesas dos convidados, haviam mesas decoradas com bolos, doces, chocolates, aperitivos, canapés e garrafas de bebidas. A arrumação delas exalava uma preparação metricamente arrumada. Estava tudo perfeitamente no lugar. O problema não estava ali.
Abaixei a cabeça e encarei meus pés. Um sapato de salto alto todo cravejado de brilhantes pedras cobria meus pés. Eles combinavam com meu vestido, um traje tão branco que parecia ter sido feito do mesmo material que as nuvens têm quando cobrem o céu nos dias de verão. Era impossível imaginar que o problema se encontrava ali. Minha vestimenta era perfeita. O problema não estava ali.
Levei meu olhar até uma das minhas mãos, nela repousava um pequeno, porém pesado, diamante, preso em um anel de prata. Ele brilhava de maneira tão intensa, como se tivesse esperado todo esse tempo para ser levado para a tão esperada noite, na qual havia sido lapidado. Um objeto tão forte e cintilante daquele não carregava defeito nenhum, logo o defeito também não estava ali. Ele era perfeito. O problema não estava ali.
O problema, então, aproximou-se e me atingiu novamente com sua voz grave:
“...Você não vai fazer isso!” - O problema estava exatamente atrás de mim, e o som de suas palavras foi o desencorajador dos meus passos. O problema me golpeou com sua presença, logo ali, logo agora, quando eu menos esperava, e trouxe consigo seu cheiro que rapidamente preencheu meus pulmões e me fez parar de caminhar. O problema fazia pressão na lateral do meu corpo, segurando minha cintura, me impedindo de prosseguir, causando, assim, um arrepio contínuo em toda minha espinha.
“Você sabe que eu não poderia deixar você fazer isso. Você sabe que eu não poderia viver sem você. Você sabe que você não poderia estar com outro alguém que não fosse eu.” – Então, colocou seu corpo contra o meu e, de repente, sem permissão, receio ou vergonha, seus lábios passaram a roçar em meu pescoço.
“Eu sei que podemos nos machucar outra vez, nós sempre nos machucamos e não conseguimos explicar por que estamos fadados a dar errado.” - Sua voz ia perdendo a tonalidade a cada palavra dita e, por fim, a última frase saiu como num sussurro quase inaudível: “Mas precisamos insistir em nós!” - Assim que terminou sua frase, ele depositou um beijo em meu ombro, afastou-se das minhas costas e entrou em meu campo de visão, parando exatamente de frente para mim, olhando profundamente nos meus olhos. Eu permanecia imóvel, da mesma maneira que havia estado todo o tempo em que sua figura havia surgido, sem conseguir fazer outra coisa, a não ser tentar manter-me em pé enquanto sentia minhas pernas fraquejarem, ação que quase falhou quando pude sentir o toque da mão dele sobre a minha, puxando o perfeito anel para fora do meu dedo anelar. Quando finalmente o objeto não se encontrava mais preso a mim, agacha até o chão e deposita calmamente o anel aos meus pés, tornando a me fitar quando levantou.
“Por mais que estejamos fadados a errar, eu não estaria aqui se você não estivesse certa que está pronta para tentar mais uma vez.” - Seu rosto tão próximo do meu, fez com que meu olhar inconscientemente descesse até seus lábios. Podia sentir seu hálito batendo contra meu rosto, enquanto visualizava o tracejo da curva dos seus lábios e sabendo que sentir seu gosto era um vício que não poderia negar, acabei com a distância entre nós, selando nossos lábios e mostrando, assim, minha rendição a ele - mais uma vez. Meu gesto fez com que iniciássemos um beijo calmo, profundo e repleto de lembranças, sua língua se movia em sincronia com a minha, de uma forma calma e natural, e, naquele momento, tive certeza que ninguém nunca poderia substitui-lo em minha vida.
Nosso beijo foi quebrado com um leve sorriso e, imediatamente, pude senti-lo colocando meus braços ao redor do seu pescoço, então senti que meus pés saíram do chão quando ele me levantou rapidamente e me pôs em seu colo. Depositei um leve beijo em seu nariz, vendo-o abrir um sorriso bobo e, enquanto se direcionava até a porta, soltei o buquê de flores que segurava e entrelacei meus dedos em seus cabelos, encostei minha testa na sua e respirei fundo, enquanto fechava meus olhos e tentava absorver o máximo da sensação que sua presença me provocava.
saiu dali comigo, a noiva que não era sua, mas que não se importava em dar as costas ao noivo, aos padrinhos e aos convidados paralisados com aquela cena, porque no fundo eu nunca desejei a perfeição, não estava pronta para abrir mão do meu erro e não deixaria o meu problema para trás.
A verdade é que talvez eu esteja assinando a minha sentença no inferno, mas talvez eu não me importe realmente com isso. Talvez eu esteja tão malditamente apaixonada por nossos erros, que eu não queira mais acertar. Errar com ele era tão prazeroso quanto padecer eterna no paraíso, porque pouco me importava o que viria depois, ele sempre teria minha vida nas mãos, e eu teria o paraíso entre meus braços.


Fim!



Nota da autora: Sem nota.


Qualquer erro nessa fanfic ou reclamações, somente no e-mail.


comments powered by Disqus