Inefable

Última atualização: 17/10/2018

UNO


Mulher decidida sabe o quer
O papo é reto e não tem trelelé
Sexy conquista o que quer, reggae tem samba no pé
O jogo é dela e nunca vai mudar, a arma que ela usa é se valorizar
Essa mina é linda, essa mina é linda de mar
Linda de Mar - Atitude 67



— Você vai pra Barcelona! — Luísa gritou empolgada assim que sua melhor amiga contou a novidade.
— Eu queria ir pra Madri. — se jogou na cama do seu quarto, afundando a cabeça no travesseiro como uma criança que não teve seus desejos realizados. No fundo a sensação era mais ou menos essa, um misto de alegria e, ao mesmo tempo, decepção.
— Ah não , para com isso! — Ela sabia que a amiga tinha ficado brava, afinal, sempre a chamava pelo apelido. Quando Luísa falava o nome todo ou a situação estava feia, ou era mais uma de suas zoeiras. Nesse caso, era a primeira opção mesmo.
— Calma amiga, embora não pareça, eu tô feliz... Vai ser uma oportunidade incrível pra minha carreira, muitos médicos sonham em trabalhar em um time como o Barcelona. — fez uma pausa. — Mas meu sonho era trabalhar no Real Madrid, meu time do coração! — Ela terminou de falar e sua amiga não conteve a risada.
— Ai , você não existe... — Luísa balançou a cabeça negativamente, mas mantendo um sorriso divertido nos lábios ao entender o motivo da “tristeza” da amiga. — Pensa pelo lado positivo, quando tiver jogo com o Real Madrid você provavelmente vai esbarrar com alguém do seu time, e é bem melhor do que trabalhar no Santos como você tem feito nos últimos anos. Apesar de que o Gabigol joga lá e ele é uma gracinha...
— É né sua safada! — jogou uma almofada na amiga. — Você também não reclamou do meu trabalho no Santos quando eu te levei na festa do Campeonato Paulista e você ficou com o Lucas Lima... Agora já tá de olho no Gabigol?
— Que horror, ! Me senti a maior Maria Chuteira agora! — Luísa fez cara de ofendida. — Imagina que louco ser convidada pela MTV pra uma nova versão de “De férias com o ex” só com jogadores de futebol e ter 3 ex na casa tipo a Gabi Prado teve na 2ª temporada? — Ela falou e as duas gargalharam. — Apesar de adorar o programa eu não teria coragem de participar, Deus me livre de pagar micão ou fazer papel de trouxa em rede nacional, até porque no fundo os dois são praticamente a mesma coisa.
— Olha as ideias da pessoa! — falou enxugando as lágrimas dos cantos dos olhos, ela riu tanto que ficou sem ar. Sempre que estava com Luísa era assim, não sabia quem era mais palhaça.
— Mas se o Lucas Lima tiver afim de um remember até que eu aceito viu? — Luísa mordeu o lábio inferior se lembrando do after da festa a qual se referiu e a lembrança era boa. Muito boa, diga-se de passagem.
— Terra chamando Luísa! — estalou os dedos frente ao rosto da amiga, rindo da cara que ela havia feito.
— O assunto aqui é você, não tenta mudar o foco pra mim... Quando você vai pra Barcelona? — Luísa perguntou, retornando ao assunto inicial da conversa entre as duas.
— Daqui duas semanas, Lu. — O tom de voz de mudou de brincalhão para melancólico imediatamente.
— Tão rápido assim? — Luísa entendeu a aflição da amiga, afinal, ela iria mudar de país. Sentiu um aperto no peito, pois ela e eram amigas de infância, nunca tinham ficado separadas desde que se conheceram na escola (há mais de 20 anos, no maternal). Foram pra São Paulo juntas, ela para estudar moda na USP; já , medicina na Unifesp.
— Também fui pega de surpresa, o André me disse que o fisiologista do Barcelona estava com um projeto novo e iria sair de lá, então uniu o útil ao agradável por que eu tava merecendo uma oportunidade como essa, e que quanto mais rápido eu for, melhor. — Ela respondeu contando o que seu chefe tinha dito.
Assim que se formou, se especializou em medicina do esporte e nutrologia. Seu trabalho consistia em analisar a biomecânica do exercício e aliá-la à uma alimentação correta para melhorar a performance de atletas de alto nível. Ela foi contratada pela Nike para potencializar os resultados dos atletas que a fornecedora de material esportivo patrocinava e atualmente desenvolvia um projeto no Santos, mas surgiu a oportunidade de ir para Barcelona.
— Tenho tanto orgulho de você! — Luísa abraçou . — Vai ser a melhor médica esportiva que a Europa já viu, os espanhóis vão se apaixonar por você, até por que os brasileiros já são, você é foda.
— Até parece, Lu... Já disse que eu tenho a melhor amiga do mundo? — sorriu, o apoio da amiga era muito importante para ela, ainda mais em um momento como esse, de mudança radical.
— Hoje ainda não! — Luísa riu e a amiga pulou em cima dela, apertando o abraço.
— Eu amo você sua ridícula, e distância nenhuma vai separar a gente. É só mais uma fase e vamos superar isso juntas, como sempre fizemos! — Luísa fez carinho no cabelo da amiga.
— Sempre juntas.

•••


— Vamos, ? — Luísa gritou pegando a chave do carro, era hora de ir para o aeroporto. Pois é, as duas semanas passaram assustadoramente rápido. fez uma viagem rápida à Goiânia para ver seus pais e seus irmãos, Luísa aproveitou e também foi junto para matar a saudade de sua família.
Nenhuma das duas ficou pensando muito na despedida, apenas aproveitaram da melhor forma possível os últimos dias juntas.
— Tô indo! — gritou de volta pegando sua bolsa e dando uma última olhada em seu quarto. “Vou sentir falta daqui”, ela pensou.

No carro, elas foram cantando Atitude 67 durante o caminho. Esse clima de tristeza não combinava nem um pouco com as duas, elas tinham o poder de levantar o astral de qualquer lugar que tivessem. Lá encontraram com Clara, Renatha, Diego e Fernando, que também foram se despedir da amiga.

— Trouxe pra você comer no voo. — Renatha entregou uma caixa para , era Ferrero Rocher, um de seus chocolates preferidos.
— Obrigada, Rê! — sorriu e abraçou a amiga. — Ainda bem que você lembrou, vocês sabem que eu não sou a maior fã de aviões, só de pensar em turbulência me dá um calafrio. — Ela passou as mãos nos braços, na tentativa de espantar aquela sensação ruim. — E apenas doces me acalmam.
— Viciada, açúcar é tipo droga sabia? — Foi a vez de Fernando se manifestar, ele não entendia como conseguia comer tantos doces.
— Vai fazer seu crossfit e deixa a ser feliz com os chocolates dela! — Clara revirou os olhos com o comentário do amigo.
— Você já sabe onde vai morar lá? — Diego perguntou.
— Por enquanto vou ficar na casa do João, mas já comecei a dar uma olhada em alguns lofts... Quero comprar meu carro e ter meu cantinho o mais rápido possível.

Atenção passageiros do voo 3741 com destino à Barcelona, embarque no portão 5. Voo 3741, embarque no portão 5. — Era a voz da comissária de bordo anunciando que já estava na hora de partir. Todos se despediram da amiga com abraços apertados e desejando boa sorte. Quando foi a vez de Luísa, não foi diferente.

— Não preciso dizer mais nada, né?! — Luísa estava com o coração apertado. — Isso é pra você lembrar de mim todos os dias, eu vou tar do seu lado sempre. — Ela completou entregando um presente para a amiga, que logo abriu a caixinha de madeira. Lá dentro havia uma carta com os dizeres “Para ler quando estiver em Barcelona”, várias fotos delas juntas tiradas com uma Polaroid e uma pulseira de ouro bem delicada, com o desenho de uma onda.
— Porra Luísa, eu disse que não ia chorar! — limpou as lágrimas dos olhos. — Eu amei, não vou tirar nunca mais.
— A onda é por que você é linda de mar. — Luísa fez referência à música do Atitude 67, uma das preferidas de , colocou a pulseira no braço da amiga e abraçou-a pela última vez.

foi em direção ao embarque, antes de entrar na sala virou e acenou para os amigos, que retribuíram com carinho. Ela fechou os olhos, respirou fundo e voltou a caminhar até a fila. Quando chegou sua vez, entregou para a aeromoça a passagem e o seu passaporte, assim que foi liberada entrou no avião. Ao sentar na poltrona e afivelar o cinto de segurança um filme passou pela sua cabeça, desde a infância em Goiânia, a paixão por esportes (que foi decisiva na escolha do curso que iria fazer), as lembranças das viagens com a família, a mudança para São Paulo, os porres na faculdade, as desilusões amorosas, o trabalho no Santos, os amigos... Todos os detalhes de sua vida foram recordados. Barcelona era mais um desafio que ela enfrentaria de peito aberto e, realmente, se entregaria de corpo e alma, fazendo o possível para ser a melhor médica. Além disso, saber que tinha amigos em um lugar completamente novo acalmava o coração de . João tinha se mudado para lá três anos antes e estava amando a Espanha, o comentário positivo dele deixou-a mais animada. Ela aproveitou os últimos minutos antes da decolagem e verificou o celular, que indicou duas notificações.

João Vasconcelos:
“Assim que chegar me avisa, estarei no aeroporto te esperando, ;). Beijos!”

:
“Pode deixar. Beijos!”

Luísa Bernardi:
“Já deu tudo certo. Te amo e tô com saudade <3”

:
“Também te amo e já tô com saudade. Obrigada por tudo <3”

Logo colocou seus fones de ouvido e pegou na bolsa um dos chocolates que tinha ganhado de Renatha, na primeira mordida já sentiu a calmaria percorrer sua corrente sanguínea. Nunca se pode subestimar o poder de um chocolate, principalmente quando se trata de . Não demorou muito para ela pegar no sono, até por que quanto menos tempo acordada naquele avião, melhor.

•••


— Quando você vai contar pra que se inscreveu no estágio da sede da Stradivarius em Barcelona? — Clara questionou Luísa ainda no aeroporto, pouco depois que a amiga partiu.
— Você não tá pensando em ir pra Espanha também, né? — Fernando perguntou meio desconfiado.
— Ai gente, vocês sabem que a é como uma irmã pra mim... Eu sei que lá ela tem o João e outros amigos da Nike e do Barcelona, mas sei lá... — Luísa deu de ombros. — Sem falar que estágios nessas grifes internacionais valorizam muito o currículo...
— Se é isso que você quer mesmo vai fundo, eu sou a favor de mudar os ares de vez em quando! — Diego disse incentivando Luísa, seria muito bom para a carreira dela trabalhar em uma grande marca.
— Nem tem motivo pra fazer esse auê todo, as chances são muito pequenas por que a Stradivarius é uma grife espanhola famosa que pertence ao mesmo grupo que é dono da Zara, ou seja, pra tar lá tem que ser muito foda. — Luísa tentou explicar.
— Mas você já foi convidada pra fazer um estágio nos Estados Unidos e um na Itália, o que prova que você é boa no que faz e tem chances sim! — Renatha afirmou.
— Não tem nada a fazer além de esperar... E a não pode nem sonhar com isso, estamos entendidos? — Luísa fez os amigos prometerem que não contariam nada, ela não queria que criasse expectativas sobre essa possível ida dela para Barcelona.
— Combinado! — Todos confirmaram e os cinco amigos foram em direção à saída do aeroporto de Guarulhos.

•••


Mais ou menos 10 longas horas de voo e uma escala depois, finalmente pisava em solo espanhol. Era hora de dar start em mais uma fase. Ela pegou o celular e começou a falar com João enquanto ia para mais uma fila, essa para pegar suas malas.

:
“Cheguei, mi ángel! Já tô entrando no clima espanhol hahaha”

João Vasconcelos:
“Quero só ver o seu sotaque espanhol, chica hahahah já estou na porta do desembarque”

:
“Só tô esperando minhas malas, não aguento mais ficar em filas”

Não demorou muito para ver as malas rosa metálicas na esteira. Essa era a vantagem de ter malas, como diria sua mãe, espalhafatosas. Enquanto a maioria das pessoas se perdia com a imensidão de malas pretas, as de se destacavam. Ela dizia que era pura estratégia, mas foi o seu lado adolescente que não resistiu aos chaveiros de pompom cor de rosa e escolheu aquelas malas. Assim que cruzou a porta do desembarque, viu João com a camisa amarela da seleção brasileira de futebol. Não era só ela que usava esses artifícios.

https://br.pinterest.com/pin/264868021820339631/

— Que saudade, pequena! — João deu um abraço apertado em , girando-a no ar. Os dois não se viam desde que ele havia ido para Barcelona, o contato era feito por mensagens ou chamadas de vídeo.
— Você gostou tanto daqui que nunca mais voltou para o Brasil, também tava com saudade seu puto. — deu um tapinha nas costas do amigo, que fingiu sentir dor mas logo os dois caíram na gargalhada.
— Garanto que você vai gostar também, no Barcelona todo mundo é muito de boa. Sem falar que com Philippe Coutinho e a resenha tá garantida, né? Eles até ensinaram muitas coisas em português pros caras, o Ney quando ainda tava lá, também. — João falava enquanto empurrava o carrinho com as malas de .
Droga, nem vou poder te xingar em português então! — Ela brincou com João e eles foram conversando banalidades até chegarem no carro. Ele guardou toda a bagagem e conectou seu celular ao som do carro, colocando uma música extremamente conhecida por no Spotify.
— Eu adoro essa música! — deu um gritinho animado ao ouvir o início de “Ta tum tum”, do MC Kevinho com Simone e Simaria.
— Percebi nos seus stories e da Luísa dançando essa música no réveillon! — João riu. — Mas ela é muito boa mesmo, tá na minha playlist de favoritas.
— Você tem que ir com a gente passar o réveillon em Ilhabela, as praias são simplesmente incríveis! — Ela respondeu o amigo, quando a música chegou no refrão começou a cantar e João a acompanhou. Foi assim o caminho todo até a casa de João, quando chegaram lá ele levou as malas da amiga até o quarto em que ela ficaria hospedada.
— João, eu nem sei como... — começou a falar e foi interrompida.
— Nem começa, viu ! — Ele a repreendeu. — Sinta-se em casa, toma um banho, descansa e depois vai pensando por que a gente vai na concessionária escolher seu carro.
— Mas já? — riu ao ver a empolgação dele.
— Sim, não vou ser seu uber aqui não! — João gargalhou. — Brincadeira pequena, vamos ver isso com calma e procurar o loft. Por enquanto só descansa mesmo, tá?!
— Pode deixar! — Ela respondeu pegando um pijama bem confortável e uma toalha em uma das malas. Depois de uma viagem como essa o descanso era mesmo merecido.

•••


— Bom dia, preguicinha! — João brincou ao ver de pijama na sala, ainda sonolenta.
— Oi! — Ela sorriu coçando os olhos, na tentativa de se acostumar com a claridade das lâmpadas. — Que horas são?
— Exatamente 20:13. — João respondeu ao checar em seu notebook, estava finalizando o planejamento de exercícios para a recuperação de Sergio Busquets, que tinha sofrido um estiramento no músculo posterior da coxa direita no último jogo pela La Liga. João era o fisioterapeuta do time, que já tinha feito parte da equipe da Nike assim como e acabou sendo contratado pelo Barcelona. Foi ele que indicou a amiga para esse cargo e estava muito feliz por tê-la por perto novamente, trabalhando na mesma equipe.
— Esse jet lag acaba comigo, e olha que nem foram tantos fusos assim. — sentou no sofá ao lado de seu amigo, colocando uma almofada no colo.
— Relaxa, em uns três dias passa... Tá com fome? — João perguntou.
— Um pouquinho. — sorriu, ela tinha chegado pela manhã e dormiu até à noite, então não tinha comido nada. Apesar de ter dormido um pouco no avião, aquele era um sono que não descansava; já o em seu quarto na casa de João, foi reparador.
— Que tal jantar fora? — João sugeriu, a primeira noite da amiga em Barcelona merecia algo especial! — Tem um restaurante aqui pertinho que faz uma paella muito boa, a gente aproveita e anda um pouco na praia.
— Hummm, só de ouvir você falar me deu água na boca. — Prontamente aceitou o convite de João e foi se arrumar para eles irem comer.



DOS



This ain't for the best
My reputation's never been worse, so
You must like me for me
We can't make
Any promises now, can we, babe?
But you can make me a drink
(Delicate — Taylor Swift)


— Pronta para o seu primeiro dia de trabalho no melhor time da Europa? — João falou assim que apareceu na cozinha, onde ele já tomava o café da manhã. Já fazia uma semana que ela tinha chegado em Barcelona, tempo esse que foi utilizado para ela se organizar.
— Esse dia ainda vai chegar quando eu for transferida pra acompanhar algum jogador do Real Madrid. — brincou com o amigo. — Mas tô pronta sim pra trabalhar no Barcelona, mesmo sendo torcedora merengue, preciso reconhecer que é um ótimo time. — Ela piscou enquanto se sentava à mesa e pegava um iogurte natural com mel.
— Nossa, que fitness — João curtiu com a cara dela.
— Iogurte é gostoso pra caramba e eu não sou muito fã de café, então... Mas se tivesse pão, ovo, cheddar e bacon no maior estilo americano bom também! — começou a rir, mas logo pensou em como a refeição estadunidense era uma bomba calórica. — Eu só ficaria uma baleia comendo isso todo dia.
— É só dar uma corridinha que tá tudo certo. — João respondeu rindo também. — Bom, eu já vou indo. Qualquer coisa é só ligar. — Ele disse assim que terminou de comer e pegou sua mochila e as chaves.
— Daqui a pouco eu vou, quero ver nem que seja um pedacinho do treino. Até mais, beijos. — se despediu do amigo e tomou o restante do seu iogurte, não demorou muito para que ela saísse de casa.

No decorrer da semana ela e João tinham saído para comprar o carro, o escolhido foi um Mini Cooper, branco, perfeito para atender às necessidades dela e bem estiloso. fazia tranquilamente o caminho da casa de João para a sede do Barcelona, quando um Audi prata tentou lhe ultrapassar pela direita e acabou batendo na lateral do seu carro. Felizmente não foi nada grave, só alguns amassados em ambos os carros.

Lo siento por eso, no era mi intención. — Um rapaz moreno, alto, desceu do Audi, ele estava de short e camiseta, óculos escuros e cabelo bagunçado, parecia estar com pressa.
— Era só o que me faltava, daí-me paciência Senhor. — respirou fundo e falou mais pra ela mesma, mas a altura foi suficiente para o rapaz ouvir.
— Você é brasileira? — Ele tirou os óculos e perguntou intrigado ao ouvi-la reclamar, gesto que foi suficiente para o reconhecer.
— Sim, e você é o deu de ombros, encontrar um jogador do Barcelona nessa situação seria cômico se não fosse trágico. — Deixa eu adivinhar, atrasado pro treino?
— É. — respondeu sem a olhar nos olhos, um pouco sem graça com a situação e percebendo a irritação da mulher. A resenha na casa do André Gomes na noite anterior terminou mais tarde do que esperava, e ele acabou perdendo a hora.
— Claro né, e isso te dá o direito de ultrapassar pela direita. — Ela revirou os olhos, estava possessa de raiva pela imprudência do motorista do Audi.
— Desculpa, de verdade, eu vou ligar pro seguro e... — pegou o celular no bolso e quando começou a discar os números foi interrompido por .
— Olha, você tá atrasado e eu não quero me atrasar também então cada um arca com seu prejuízo e tá tudo certo. — A loira sugeriu prontamente, queria acabar com essa situação o mais rápido possível.
— Não, eu faço questão, realmente fui imprudente. — escutou argumentar, pelo menos ele reconheceu que estava errado. — Vou te dar meu telefone e depois a gente vê isso com mais calma, mas é pra ligar mesmo, tá?! — pegou um papel no carro, anotou seu número e entregou para ela, ele parecia mesmo estar se sentindo culpado.
— Tudo bem! — suspirou pegando o papel das mãos dele, mal sabia que os dois se encontrariam muitas vezes, provavelmente todos os dias.

Depois disso ele entrou no carro e foi para o treino, já ela parou em uma loja de conveniência antes de seguir para o trabalho, para comprar um chocolate. Só uma dose extra de glicose tinha o poder de acalmá-la depois de um stress como esse.

•••


No final do treino estava conversando com Vivian, a assessora de imprensa do Barcelona, sobre a entrevista coletiva que ela daria em breve para apresentar seu projeto no clube. Vivian estava indo para a parte administrativa e , que estava de costas, ia junto com ela, até que João a chamou para lhe apresentar a alguns jogadores.

— Essa é a nova médica do time, ela tá entrando no lugar do Dr. Javier. — João explicou a eles. — Vem cá, ! — Quando ela virou em direção ao seu amigo deu de cara com Philippe Coutinho, acompanhado de ninguém menos que , o causador de acidentes.

— Oi Philippe, tudo bem? — o cumprimentou com um beijo no rosto e fez o mesmo com , que parecia não acreditar no que via. — Oi, apressadinho. Prazer, . — Ela estreitou o olhar e deu um sorriso sínico ao cumprimentar .
— Vocês já se conhecem? — Philippe perguntou confuso.
— Uai , normalmente ninguém te chama assim. — João também ficou sem entender. — E que cara é essa?
— É a minha felicidade ao reencontrar o cara que bateu no meu carro quando eu estava vindo pra cá. — Ela explicou, exalando ironia no tom de voz. Hoje não tinha a obrigação de ser simpática com ele, ainda estava com raiva pelo estrago em seu carro, que era o seu mais novo xodó.
— Então ela é a brasileira que você comentou?! — Philippe deu um sorriso malicioso. tinha passado o treino inteiro falando sobre a mulher que, por coincidência, era . — Porra Princesa, que bola fora hein? — Philippe balançou a cabeça negativamente. Claro, em tom de brincadeira.
Princesa? — questionou curiosa.
— É coisa do Neymar, agora os caras quando tão de resenha só me chamam assim. — explicou para , definitivamente o “apelido carinhoso” dado pelo amigo pegou. — Sinto muito pelo seu carro, já liguei pro seguro e como foi coisa simples eles vão resolver tudo hoje mesmo. Se você quiser deixar a chave comigo...
— Desde que você não destrua meu carro eu deixo, se não o João vai ter que ser meu uber até eu resolver isso. — alfinetou . Quando ela estava com raiva era assim mesmo, não perdia uma oportunidade sequer.
— Me inclui fora dessa, por favor. — João brincou com a amiga, bagunçando o cabelo dela e levando um tapa em seguida. — Ai ai , desde quando você tem essa força toda?
— Tô comendo espinafre. — Ela ironizou fazendo referência ao desenho do Popeye e tanto quanto Philippe caíram na gargalhada, sendo acompanhados por João posteriormente. — Agora eu preciso trabalhar, tchau pra vocês. — entregou a chave do carro dela para e saiu em direção à parte administrativa do clube.

— Agora eu entendi o seu interesse pra encontrar com a garota... Com certeza não era só pra consertar o carro dela. — Philippe começou a zoar .
— Claro que não, pirou? — ignorou a piadinha do amigo.
— Quer mentir pra mentiroso agora? — Coutinho continuou, gesticulando com os braços abertos frente ao outro jogador em sinal de desaprovação. — Fazer o quê se ela é linda pra caralho mesmo...
— E você é casado, pode parar de gracinha. — retrucou, mas tinha que concordar com o amigo. Definitivamente, era muito linda.
— Ei, nem vem tentar mudar o rumo dessa conversa, estamos falando de você. Apenas verbalizei a verdade que tá escrita na sua testa. — Philippe contestou.
— Eu ainda tô aqui escutando tudo, viu? — João se manifestou. — Por fora ela tem esse jeito “foda-se” mas por dentro já deve ter imaginado mil e uma maneiras de te matar, . — Ele gargalhou. — Se tem uma coisa que tira a do sério é trânsito, ela fica muito estressada, chega a ser engraçado.
— Preciso ligar pro Ney e contar essa história, ele vai adorar saber. — Philippe saiu rindo em direção ao vestiário.
Vai pro inferno, Coutinho. — gritou, xingando o amigo, mas riu logo em seguida, não conseguia ficar bravo com ele. E se conhecia bem Philippe e Neymar, essa zoeira tava só começando. — O que eu faço pra ela me desculpar? — Ele perguntou para João, pois já que ele e iriam ter que conviver diariamente, não queria que ficasse um clima ruim entre eles.
— Deixa eu pensar... — João fez uma pausa. — Olha, a é louca por doces, talvez um chocolate amoleça o coração dela. — Ele deu um tapinha nas costas de e foi para o departamento de fisioterapia, enquanto o outro seguiu para a academia do clube.

•••


— Coutinho, me empresta seu carro, o meu tá na seguradora e eu preciso resolver uma coisa. — A empresa havia buscado os carros de e na sede do Barcelona e, por sorte, disseram que devolveriam no final da tarde.
— E essa coisa a resolver por acaso tem algo a ver com a Dra. ? — Philippe questionou enquanto eles almoçavam.
— O João falou que ela gosta muito de chocolate, é só uma forma de pedir desculpas depois do que aconteceu hoje. — Ele explicou para o amigo.
— A cada segundo que passa essa história fica melhor — Philippe começou a pensar no que Rafinha poderia fazer. — Só empresto se você postar uma foto no instagram pedindo desculpa pra ela, mas tem que ser foto mesmo, não vale stories.
— Ah não Philippe, não inventa. — protestou.
— É pegar ou largar. — Coutinho balançou a chave do carro.
Filho da puta. — Rafinha reclamou mas acabou pegando a chave da mão do amigo e aproveitou o horário de almoço para comprar o tal chocolate. Ele foi até uma das melhores confeitarias de Barcelona, comprou duas caixas de bombons com diversos sabores, afinal, não sabia qual era o preferido de e algumas flores.

Por volta de 17h, quando estava terminando o treino de cobrança de faltas, a seguradora entregou os carros devidamente consertados. Ele colocou os bombons e as flores sob o banco do motorista, decidiu escrever um cartão e também colocou junto. Tirou uma foto (assim como Philippe Coutinho tinha estabelecido) e postou no Instagram:

https://br.pinterest.com/pin/264868021820339671/


@93: “Será que ela vai me desculpar? @

finalizou seu trabalho no fim da tarde, quando estava saindo de sua sala a esperava do lado de fora.
— Oi. — cumprimentou-o.
— Seu carro está novinho em folha. — Rafinha falou entregando a chave para ela. — E a propósito, curti o chaveiro. — Ele obviamente estava zoando o chaveiro da Minnie no carro dela.
— Obrigada Princesa, eu sei que eu tenho bom gosto. — brincou enfatizando o “Princesa” e acabou dando um sorriso sincero, talvez o primeiro desde que os dois se conheceram.
— Então... Até amanhã? — quebrou o silêncio que havia se formado entre eles.
— Até amanhã. — se despediu e foi em direção ao seu carro no estacionamento. Quando abriu a porta ela colocou sua bolsa no banco do passageiro e encontrou os bombons, as flores e o cartão, pegou-os e se sentou. Abriu o cartão cor de rosa, que tinha escrito:

, desculpa pelo péssimo jeito de te dar boas vindas, foi uma coincidência meio ruim. Será que eu posso começar de novo? Hahahah fiquei sabendo que você adora chocolate =)
Con cariño,


riu ao ler o cartão, ela reconhecia que tinha sido meio antipática com e ele estava se sentindo culpado pelo incidente. Ela procurou em sua bolsa o papel que ele havia lhe dado mais cedo com seu número, no momento em que pegou o celular para ligar para ele viu inúmeras notificações no seu instagram, com marcações, comentários e solicitações para seguir. viu a foto que Rafinha tinha lhe marcado e não conteve a risada ao ler os comentários.

@phil.coutinho: , desculpa ele kkkkk
@neymarjr: Vamos fazer uma campanha #DesculpaAPrincesa
@brumarquezine: Super apoio hahahah amiga, tadinho dele #DesculpaAPrincesa
@joaovasconcelos: Mitou irmão @neymarjr kkkkk vou aderir #DesculpaAPrincesa
@phil.coutinho: É, #DesculpaAPrincesa vai
@maycardoso: Hmmmmmm #DesculpaAPrincesa
@thiago6: Tinha que ser o idiota do fazendo merda... #DesculpaAPrincesa
@matheuscardoso: Aiai #DesculpaAPrincesa
@luisabernardi: Depois de um pedido fofo desse tem que aceitar, amiga... #DesculpaAPrincesa


A foto deu tanto o que falar que virou destaque na aba “explore” no instagram e a hashtag DesculpaAPrincesa” foi um dos assuntos mais comentados no twitter. ficou um tempo ali, parada, lendo os comentários da foto, até que seu celular tocou.

Como assim você já tá causando em Barcelona, com o gato do te pedindo desculpas publicamente? — Mayara atropelou as palavras, arrancando uma gargalhada da irmã mais velha, elas estavam em uma chamada de vídeo.
— Oi Mayara, eu tô bem sim, e você? — brincou.
Para de enrolar e me conta logo o que tá acontecendo. — Ela resmungou.
— Se até o Neymar e a Bruna tão sabendo, eu tenho certeza que você também tá...
É óbvio que eu tô, por que o mundo inteiro já sabe, mas eu quero ouvir cada detalhe da sua boca. — May insistiu, exagerada como sempre. Ela conhecia muito bem a irmã, e essa displicência ao falar do assunto poderia indicar que já tinha rolado um certo clima com o jogador, mesmo que negasse. No entanto, ao mesmo tempo não poderia deixar de zoar a irmã. Ela escutou atentamente contar tudo o que aconteceu, desde o incidente com os carros até o cartão, as flores e os bombons.
— Satisfeita? — perguntou assim que terminou de detalhar os fatos.
Agooora sim. — Mayara fez uma cara de alívio, provocando mais risadas em . — Mas você vai desculpar ele né?
— Claro que vou né May, não quero causar nenhuma torta de climão... E o parece ser gente boa, então não tem porquê levar isso adiante.
Hmmmm já tá chamando de ... Nem parece que tava toda nervosinha quando o João foi te apresentar pra ele hein . — Mayara provocou, ahhh como ela tava com saudade de fazer isso. Por FaceTime não era a mesma coisa, mas era o que dava para fazer nas atuais circunstâncias.
— Eu vou desligar na sua cara, Mayara . — ameaçou-a. Quando May colocava alguma ideia na cabeça era quase impossível de tirar, portanto, era bom ir se preparando para ouvir muitas brincadeiras do gênero. Se Mayara se juntasse com Luísa então... Melhor nem pensar. Mas, convenhamos, as amizades sem frescuras em que existe liberdade entre as partes são as melhores. — Espera aí... Você já falou com o João?
Se for pra ligar pro eu nem reclamo. — Ela riu maliciosa dando ênfase no apelido do jogador e revirou os olhos. — E não fui eu que falei com o João, foi o Matheus.
— Depois eu falo com o , agora a gente vai se ver todo dia mesmo... Só espero que o João não tenha inventado coisas e que nem o Matheus comece com as crises de ciúmes. — encerrou o assunto " ".
Você conhece o nosso irmão né, então... — Mayara falou e elas conversaram mais um pouco sobre como estavam as coisas em Barcelona e em São Paulo e assim que finalizaram a chamada, foi para casa.

•••


— Nem começou a trabalhar direito com o time e já tá famosa em Barcelona por causa do . — João brincou assim que entrou em casa.
— Hoje vocês me acharam hein. — Ela gargalhou. — Até a Mayara me ligou exigindo explicações sobre isso, sem falar no meu Instagram que tá lotado de mensagens. E você foi falar o quê pro Matheus, seu fofoqueiro? — deu um tapinha nas costas do amigo.
— Ele só perguntou o que tinha acontecido e eu contei... Pelo menos sua carinha tá bem melhor, o chocolate te acalmou? — João deu de ombros e a mulher mostrou uma das caixas de bombons com 4 espaços vazios, fazendo-o rir. — E pro , você já ligou?
— Que perseguição, misericórdia... Até onde eu sei não sou uma Kardashian e minha vida não é um reality show, muito menos tá tão interessante assim pra todo mundo querer acompanhar. — se jogou no sofá, colocando os pés no colo de João.
— Não muda de assunto... Eu vou ligar pra ele e você fala. — João pegou o celular e começou a discar os números.
— Não! — Ela deu um grito, levantando bruscamente e tomando o celular da mão dele. — Cê tá louco?
— Tô só facilitando as coisas já que você fica aí enrolando. — João deu de ombros e os dois ficaram um tempo parados, se encarando.
— Aff, que saco. — revirou os olhos, se dando por vencida. — Eu vou ligar pra ele agora. — Ela discou o número de Rafinha e no segundo toque ele atendeu.
Alô? estranhou ao ver um número que não estava em seus contatos.
— Oi , é a , tudo bem? — Ela falou assim que ouviu a voz dele, ainda estava na sala. Sorriu falsamente para João, que observava com uma cara maliciosa, e foi para seu quarto conversar com .

O clima entre os dois era bem mais leve, ela agradeceu-o verdadeiramente pelos chocolates, as flores e o cartão, além de também pedir desculpas pela rispidez com ele durante todo o dia.



TRES


It started when I looked in her eyes
I got close and I'm like: Bailemos, ¿eh?
La noche está para un reggaetón lento
De esos que no se bailan hace tiempo
Yo sólo la miré y me gustó
Me pegué y la invité: Bailemos, ¿eh?
Tonight we dancing un reggaetón lento
Just get a little closer, baby, let go
(Reggaetón lento - Little Mix feat. CNCO)


— Uma água, por favor. — pediu ao atendente do quiosque na orla da Playa del Bogatell. Desde que havia chegado à Barcelona não tinha feito nenhum tipo de atividade física, o que explicava a sua respiração tão ofegante após a corrida pelo calçadão da praia.

Naquela noite ela não dormiu direito, então aproveitou a insônia e levantou bem cedo para se exercitar. Passou em casa rapidamente para tomar um banho e, como João ainda estava dormindo, saiu para encontrar com a corretora de imóveis, que iria lhe mostrar alguns lofts e apartamentos.
queria um loft, mas o que mais lhe agradou ficava distante do trabalho, o que desanimou-a um pouco. Quando estava quase desistindo das visitas, a corretora lhe mostrou o apartamento perfeito, com ótima localização (perto tanto da Ciudad Deportiva Joan Gamper quanto do Camp Nou) e já mobiliado, portanto, só precisaria se preocupar com a decoração. O único ponto negativo era não ser tão perto da praia como ela gostaria, entretanto, a comodidade compensava. se apaixonou por cada cantinho, e alguns detalhes seriam suficientes para deixá-lo completamente a sua cara. Fechou negócio na hora, a corretora disse que depois levaria os papeis para ela assinar e lhe entregaria a chave.

•••


— Caiu da cama hoje, ? — João se divertiu ao encontrar com a amiga já no trabalho. — Nem te vi saindo de casa de manhã.
— Quase isso, aproveitei pra dar uma corridinha... — Ela gargalhou. — Ah, tenho uma novidade.
— Pegou o ? — João usou um tom altamente provocativo. Ele e o restante dos amigos não desistiriam tão cedo dessa ideia. — Vocês têm bastante tensão sexual acumulada.
Me poupe, João! — rolou os olhos e respirou fundo, ignorando a piadinha e retornando ao assunto inicial. — Comprei um apartamento! — Ela mostrou empolgada para o amigo as chaves que a corretora lhe entregou após o almoço.
— Isso tudo era pressa de ir morar sozinha? — João mantinha um sorriso brincalhão nos lábios.
— Não dava pra ficar pra sempre na sua casa, atrapalhando seus esquemas né?! — riu.
— Pensando por esse lado... — Ele fez uma cara maliciosa. — Você vai pro seu apê quando mesmo?
Safado!deu um tapinha no braço dele. — Acho que no próximo final de semana.
— Alguém disse final de semana? — Philippe Coutinho chegou com onde e João estavam conversando, próximos à academia do clube.
— A vai me abandonar, comprou um apê e vai mudar no próximo fim de semana.
— É, eu tava falando pro João que preciso cuidar da decoração e comprar algumas coisas primeiro, só não sei onde.
— Tem que ter uma resenha de inauguração, né não Rafinha? — Philippe comentou e o amigo balançou a cabeça confirmando. — Se você quiser eu posso pedir pra Aine te ajudar com as compras, como a gente também mudou recentemente ela acabou conhecendo várias lojas por aqui. Tenho certeza que vocês vão ficar amigas rapidinho.
— Ah se não for incomodar eu aceito sim, vai ser bom ter uma amiga aqui em Barcelona. De vez em quando é bom fazer esses programinhas “de meninas” pra dar uma relaxada, até por que eu vivo rodeada de homens. — fez uma breve pausa. — Não que eu esteja reclamando... — Ela deu uma risadinha e olhou discretamente para .
— Cês escutaram isso? — João mantinha uma falsa indignação. — Depois eu que sou o safado.
— Eu sei que pra ela deve ser difícil ficar só olhando esse corpinho aqui. — falou convencido e piscou para , entrando na brincadeira.
— Olha o trem querendo... — Philippe provocou.
— Não falo nada pra vocês, vou é trabalhar que eu ganho mais! — não conseguiu segurar o riso e saiu em direção à sua sala. Ela não assumiria tão fácil assim na frente dos garotos, mas era difícil não reparar naqueles corpos perfeitos durante os treinos. Quando Rafinha falou aquilo automaticamente analisou-o dos pés à cabeça e, realmente, em outro contexto que não fosse o trabalho, seria praticamente impossível resistir. A médica foi despertada de seus pensamentos pela vibração de seu celular, indicando que havia uma nova mensagem.

Philippe Coutinho:
“Falei com a Aine e ela mandou convidar você e o João pra jantar lá em casa hoje, não aceitamos não como resposta. Esperamos vocês às 20h.”

:
“Obrigada, Philippe. Estaremos lá! ;) ”

No horário combinado, João e estavam na casa de Philippe e Aine. escolheu uma blusa preta, calça jeans e scarpin preto, além de uma make clean.

https://br.pinterest.com/pin/264868021820515516/


Quando chegaram lá quem os recebeu foi Philippe, que logo apresentou à sua esposa. As duas se deram tão bem que pareciam se conhecer há anos e, ao final daquele jantar agradabilíssimo, saiu de lá sabendo que tinha uma amiga em Barcelona.

•••


— Acho que nessas duas semanas todos conheceram a Dra. Maria Júlia, a nova médica do time. — Luís Enrique, técnico do Barcelona, começou a falar quando estava naquela típica rodinha de jogadores ao centro do campo após o treino da manhã e ela, que estava ao seu lado, acenou cumprimentando os atletas. — Ela é brasileira, formada e especialista pela Unifesp, uma das melhores universidades do ramo, em ortopedia, traumatologia e medicina do esporte, e agora ela vai conversar um pouquinho com vocês.
— Primeiramente, bom dia! — Ela sorriu e todos responderam em coro. — Meu nome é mas podem me chamar de . Durante os últimos anos eu desenvolvi um projeto no Santos, e a convite da Nike vou aplicá-lo aqui... — começou a explicar como tudo funcionaria para os jogadores, as dietas, os treinos individuais e o estudo da biomecânica de cada um para prevenir lesões e potencializar o desempenho nos jogos sem sobrecarregar o corpo.
— E quando você vai começar? — Questionou Jordi Alba.
— Desde que eu cheguei tô estudando o perfil de cada um de vocês e montando o planejamento junto com o João, acho que já dá pra iniciar hoje mesmo, aproveitando que o próximo jogo da La Liga é só na quarta.
— Esses treinos individuais vão ser só no campo, e na academia? — Foi a vez de Piqué perguntar.
— Não, eu pretendo diversificar pra não ficar monótono, priorizando atividades que melhorem a performance de vocês, mas a gente pode perfeitamente ver outros esportes que vocês gostam e que possam agregar em algum outro aspecto e mesclar os treinos.
— Relaxa que vai dar tudo certo galera, foi ela que fez o Neymar virar aquela máquina, até hoje ele segue esse modelo de treinamento. — João disse em um tom divertido e eles ficaram mais alguns minutos tirando as últimas dúvidas dos jogadores.

— Não tô acreditando que ela é a médica que o Neymar tanto fala... Como eu não conheci essa mulher antes? — Rafinha falou baixo, de modo que só Philippe ouviu.
— Também não tinha me tocado sobre isso... — Philippe pensou um pouco. — Mas é complicado, você sempre esteve aqui na Espanha e ela no Brasil, os calendários não batem muito... Talvez vocês até tenham se esbarrado alguma vez nas férias no Rio ou em Santos e nem saibam.
— Tem razão, irmão. Como sempre. — soltou um sorriso.
— Pelo menos agora que você tem um pretexto pra puxar assunto com ela, vai que o menino Ney dá uma ajeitada no meio de campo pra você... — Ele gargalhou e deu um leve empurrão no amigo. — Chega de ser vela minha e da Aine e do casal Brumar, né não?

•••


— João, que saudade! — Luísa abraçou o amigo que ela não via a pelo menos dois anos.
— Tão bom te ver de novo... — João afagou carinhosamente os cabelos de Luísa. — Pronta pra surpreender a ?
— Sim, também tô morrendo de saudade dela! — Luísa respondeu pegando sua bolsa, João levava o carrinho com as malas até o carro.

Os dois foram conversando animadamente durante todo o caminho até o apartamento de Maria Júlia, como João era conhecido do porteiro, entrou sem ser anunciado ao dizer que era uma surpresa para a amiga. Levou Luísa até o andar correto ajudando-a com a bagagem mas preferiu não entrar, aquele momento era só de Luísa e , que eram como irmãs.

? — Luísa chamou assim que a amiga atendeu o telefone.
— Oi Lu... — Ela respondeu meio sonolenta. — Aconteceu alguma coisa? — questionou preocupada, pois já era madrugada e a amiga nunca ligava nesse horário, era muito atenta ao fuso.
Abre a porta pra mim... — Luísa pediu manhosa.
— Como assim, Luísa? — A voz de saiu quase como um grito.
É sério, minhas malas tão espalhadas no hall. — Ela gargalhou e saiu correndo para abrir a porta, sem acreditar no que estava acontecendo. — Surpresa!!! Eu disse que você nunca iria se livrar de mim...
— Ai meu Deus! — não sabia o que dizer, só abraçava a amiga bem forte. As duas ficaram um bom tempo ali, na porta mesmo.
— Não vai me convidar pra entrar? — Luísa brincou.
— Claro sua ridícula, vem cá! — pegou parte da bagagem e colocou no quarto que ela decorou pensando em quando a amiga fosse visitá-la. As duas sentaram na cama e começaram a conversar. — Por que você não me avisou que tava vindo? Eu teria ido te buscar no aeroporto...
— Eu quis fazer surpresa, aí liguei pro João e ele me ajudou, inclusive me trouxe aqui.
— Não acredito que até o João sabia! — fingiu estar indignada. — Mas o que te fez vir pra cá assim, do nada?
— Então... Não foi tão do nada assim. — Luísa fez uma pequena pausa. — Lembra como eu fiquei chateada quando o estágio na Urban Outfitters ano passado não deu certo? — fez que sim com a cabeça para a amiga dar prosseguimento na história. — Eu meio que deixei isso de lado por um tempo mas, quando você contou que vinha pra Barcelona, eu decidi tentar de novo e acabei conseguindo um estágio aqui, na Stradivarius.
— Você tá querendo dizer que...
— Eu vim pra ficar. — Luísa respondeu e as duas se abraçaram em comemoração.
— Tô tão feliz de ter você aqui, acho que vou explodir! — gargalhou. — Todo mundo do time me recebeu super bem, melhor até do que eu esperava, mas logo você vai perceber como as coisas são diferentes. Acho que vou até acatar a ideia do Philippe Coutinho e fazer uma resenha aqui, pra inaugurar o apê e te das as boas vindas à Barcelona.
— E eu esqueci de comentar, o apê tá lindo... — Luísa estava encantada com o ambiente, que era muito aconchegante.
— Ainda faltam alguns detalhes, mas tô apaixonada... Gostou do seu quarto? — perguntou para a amiga.
— Eu amei, tá muito a minha cara! Parece até que você tava adivinhando que eu vinha. — Luísa sorriu. — E sobre a resenha, adorei a ideia.

•••


Às 18h tudo estava pronto para a resenha, que tinha um clima de luau e decoração praiana. Philippe e Aine foram os primeiros a chegar, logo vieram também João, André Gomes, Vivian, Suárez e Jordi Alba, seguidos de Neymar e Bruna, que aproveitaram a folga para visitar .

— Nem acredito que vocês vieram! — abraçou Neymar e Bruna, desde que tinha chegado a Barcelona ainda não tinha visto o amigo, que agora estava morando em Paris; nem a amiga, que vivia numa correria entre as gravações da novela e acompanhar os jogos mais importantes do namorado.
— Não tinha como não vir te ver né pequena?! — Neymar bagunçou levemente o cabelo dela.
— Tá tudo muito lindo amiga, sério! — Bruna respondeu. — Temos que aproveitar essa folga para colocar as conversas em dia.
— Com certeza, tenho muita coisa pra contar. — confirmou e o casal foi cumprimentar todo mundo.

— Cadê a Princesa? — Neymar perguntou para Philippe e João enquanto eles pegavam três garrafas de cerveja.
— Deve tar se arrumando até agora. — Philippe zoou o amigo, provocando uma gargalhada alta nos outros dois. — Sabe como é né, quer causar uma boa impressão...
— Vocês acham que ele tá mesmo afim da ? — João também perguntou.
— Ele não fala com todas as letras, mas eu acho que tá sim. — Respondeu Philippe, se lembrando de todas as conversas que tinha tido com nas últimas semanas. — Só que ele é devagar demais, fraco e sem talento.
— O que vocês três tanto fofocam aí? — questionou enquanto pegava um baldinho com gelo.
— Nada não! — João negou de maneira nada convincente, entretanto, antes que extraísse mais informações o interfone tocou e ela foi ver quem tinha chegado.

Buenas noches! sorriu automaticamente assim que viu Maria Júlia. Ela estava linda, usando um conjunto branco de renda, que contrastava com a pele bronzeada na medida certa. Os olhos dele logo viram a leve marquinha de biquíni na pele dela, e ele teve que se concentrar para não encará-la descaradamente e nem que um silêncio constrangedor se instalasse.

https://br.pinterest.com/pin/264868021820515520/


— Trouxe só pra ter certeza que você vai ficar de boa. — Ele entregou uma caixa com donuts para .
— Engraçadinho! — fingiu momentaneamente estar ofendida, mas logo abriu um sorriso. — Obrigada, Princesa. — Ela deu um beijo na bochecha de e abraçou-o.
— Cadê o gelo, ? — Luísa gritou chamando a amiga. — Ahhhh desculpa... — Ela soltou uma risadinha ao ver com . Mesmo conhecendo-o muito pouco, naquele momento Luísa reparou no quanto os dois poderiam fazer um belo casal. Ela certamente conversaria com Aine quando tivesse a oportunidade, para saber como andava a relação deles, já que tinham se passado algumas semanas desde o incidente em que eles se conheceram.
— Vem cá, Lu! — a chamou. — Esse aqui é o ; , essa aqui é a Luísa. — Ela os apresentou.
— O famoso . — Luísa brincou. — Prazer em te conhecer.
— A famosa Luísa... — sorriu também. — Prazer! — Os dois se cumprimentaram com um breve abraço.
— Vem, os meninos tão lá na varanda. — segurou na mão de Rafinha e não pode deixar de reparar no quanto a camiseta cinza e a bermuda jeans tinham caído perfeitamente bem nele. Era diferente vê-lo sem o uniforme do Barcelona. Um diferente bom.
cumprimentou todo mundo, pegou uma cerveja e sentou na namoradeira na varanda.

— Cortou o cabelo... Aí sim hein Princesa, tá linda demais! — Neymar começou com as provocações.
— Obrigado, preto. — zoou o amigo usando o apelido pelo qual Bruna chamava o namorado e jogou um beijo para Neymar.
— Acho bom você ficar esperta hein Bruna! — André Gomes continuou com a brincadeira.
— Pode deixar que eu me garanto. — Bruna riu maliciosa e os meninos começaram a gritar.
— Hoje tem ousadia e alegria, menino Ney! — Jordi Alba deu um tapinha nas costas de Neymar.
— Melhor a Bruna do que o , né não ? — João perguntou para a mulher, que levava a garrafa de cerveja à boca e o susto ao ouvir seu nome fez com que ela engasgasse.
— Calma amiga, respira... — Luísa passou a mão nas costas da amiga carinhosamente até que ela parasse de tossir e Aine foi buscar um copo d’água para .
— Obrigada, Aine. — Ela agradeceu e tomou a água.
— Agora já pode responder, por que eu também quero saber. — Suárez questionou curioso.
— Uai galera... Os homens vão preferir a Bruna e as mulheres o , simples assim. — Argumentou Vivian. Ela era espanhola mas após anos de convivência com jogadores brasileiros aprendeu o idioma, inclusive as gírias bem brasileiras.
— Mas a gente quer ouvir da . — Philippe deu de ombros.
— A Bru é uma deusa, diva, maravilhosa. começou a falar e Bruna jogou um beijo para a amiga. — Mas eu gosto de homens né, então... — Ela deixou o resto subentendido.
— Agora é só correr pro abraço, Princesa! — Neymar falou deixando tanto quanto Rafinha meio tímidos.
— Credo gente, quantos anos vocês têm? 11? — Aine os repreendeu.
— Relaxa Aine, eles são desse jeito o tempo inteiro, cheios de gracinha. — Vivian revirou os olhos.

— Mas eu nem sei dançar! — André reclamou algum tempo depois quando Luísa sugeriu colocar vídeos do FitDance para eles tentarem imitar as coreografias.
— Eu também não. — Vivian gargalhou. — Tá todo mundo meio bêbado, vai ser divertido.
— Sugiro começar pelas músicas latinas. — Disse Suárez.
— Ok! — Luísa respondeu selecionando os vídeos em seu celular, que logo apareceram na televisão. Eles dançaram Enrique Iglesias, Sebastian Yatra, Maluma, Shakira, riram horrores de Neymar e João fazendo graça. Quando todos estavam cansados decidiram deixar só os clipes das músicas mesmo, até que começou a tocar uma que adorava.

— A gente precisa dançar essa! — puxou Luísa, que estava sentada em uma das poltronas e levantou por saber que “Mamita” (CNCO part. Luan Santana) era uma das preferidas da amiga. estava próximo de onde as duas dançavam e prestava atenção em cada movimento de , que tinha em uma das mãos uma taça de gin (que no início da festa era tônica, mas a aquela altura da noite ela já estava bebendo pura mesmo) e a outra balançava graciosamente assim como todo seu corpo, no ritmo da música. Ela permanecia de olhos fechados, sentindo a batida e a sensação boa que percorria suas veias. Devido a um passo em falso acabou escorregando, o que a teria feito cair se não fossem os braços do moreno com seus 1,74m que estava por perto.
— Cuidado, corazón. — disse a segurando forte pela cintura.
— Desculpa. — acabou gargalhando, já levemente alterada.
— Só se você dançar comigo. — mantinha um sorriso sacana nos lábios.
— Tá bom. — Ela respondeu tomando mais um gole de gin.
— Deixa eu segurar isso aqui, antes que cause um acidente. — Bruna pegou a taça da mão de e voltou para perto do namorado.

entrelaçou os braços no pescoço de , que mantinha uma das mãos firme na base das costas da mulher, mas permitindo que os dois se movimentassem conforme a música. Ele sentia a respiração quente dela batendo em seu pescoço uma vez que, por ser mais baixa, aquela era a posição mais confortável, com a cabeça junto ao peito dele.

Vem mamita, vem que eu tô querendo você, sem razão, sem porquê, me ganhou, fazer o quê... — Um arrepio percorreu o corpo de quando começou a cantar o refrão da música, com a voz já meio rouca devido ao álcool.
Ven que ya no aguanto, ay mamita, ven que tu me gustas tanto, y éste nunca miente... cantou entrando no clima e mal sabia ele que o seu sotaque espanhol somado a toda essa situação também causou efeitos em , que apreciava cada segundo daquele momento.



CUATRO


I've been awake for a while now
You've got me feeling like a child now
'Cause every time I see your bubbly face
I get the tingles in a silly place (Bubbly - Colbie Caillat)

{Septiembre, 2017}

Naquela manhã e João fizeram a avaliação física de Gerard Piqué e durante a tarde era a vez de . Os dois ainda não tinham se encontrado depois da resenha no apartamento dela, na qual a lembrança mais marcante era a dela dançando com . Ele era brasileiro mas foi para a Espanha muito novo, fazendo com que ele tivesse o gingado brasileiro e a fluência no espanhol, o que ela considerava como o melhor dos dois mundos. estava concentrada, analisando os resultados dos exames do jogador quando ele entrou na sala acompanhado por João.
— Já se recuperou do porre de gin? brincou com a mulher enquanto se sentava na cadeira de frente para ela, que só aí notou a presença deles dois e tirou os olhos do notebook.
— E o boa tarde, cadê? Dormiu comigo? — questionou-o, arrancando uma gargalhada de João.
— Boa tarde Dra. , tudo bem? — falou com a maior cara lavada do mundo.
Abusado! acabou rindo. — Vou descontar essas gracinhas no treino de hoje, me aguarde. — Ela levantou para pegar o estetoscópio e o esfigmomanômetro para examinar .
— Chama ela pra sair logo, . — João falou antes de levantar e ir se sentar na maca do consultório para ser examinado.
— Você já recebeu o resultado dos exames dele? — João perguntou para .
— Já sim, inclusive estão muito bons. — Ela apontou para o notebook, que João pegou para poder analisar os resultados também. — Clinicamente falando sua recuperação está indo super bem, só notei que você tem terminado os últimos jogos cansado... Essa fadiga é mais muscular ou respiratória? — perguntou enquanto auscultava os batimentos cardíacos de , ela tinha assistido os últimos jogos do time e realizado anotações pontuais sobre cada jogador.
— É respiratória, lá pelos 35 do segundo tempo eu começo a sentir... Puxo o ar e demora a vir, como se eu tivesse jogando na altitude. — respondeu e foi registrando tudo na ficha dele. Depois de uma série de perguntas eles iniciaram os testes físicos na esteira, bicicleta, dentre outros aparelhos para verificar a resistência do jogador.
— Você não tem coração? — perguntou ofegante, colocando as mãos no joelho após a intensa corrida e ela riu.
— Tá só começando, Princesa. arregalou os olhos quando ouviu falar. — Tô brincando contigo, pra mostrar que eu sou muito boa você vai finalizar o treino na água, vamos. — falou indo em direção à piscina do clube e sendo seguida pelos dois. apenas tirou o tênis e o uniforme, visto que já estava de sunga e foi direto para a água. João indicou alguns exercícios para relaxar a musculatura do jogador e, posteriormente, realizou com ele o trabalho respiratório.
Bem melhor agora. sentou na beira da piscina e lhe entregou uma toalha para que ele se secasse. Sua expressão era de alívio, ele sentia o corpo muito mais leve após a "sessão relaxamento".
— Deu pra notar o seu cansaço mesmo, por isso nos nossos próximos treinos eu vou priorizar a parte respiratória, com base nos testes de hoje e no seu desempenho a gente vai fazendo as adaptações necessárias, tá bom? Qualquer dúvida ou se você sentir alguma coisa diferente pode me procurar ou me ligar. — deu as últimas orientações a .
— Tá ótimo, pode ficar tranquila. — agradeceu-a pelo cuidado com ele. Uma das maiores qualidades de era ser atenciosa e era nítido para todos o quão natural aquilo era, independente de ser no trabalho ou na vida pessoal dela.
— Até o próximo treino, bom restinho de tarde. — Já era por volta de 17h e tanto ela quanto estavam liberados para ir embora.
— Até mais, pra você também. — se despediu dela com um sorriso e um beijo na bochecha e foi em direção ao estacionamento do clube, já ele conversou um pouco com João e Ter Stegen que passava por ali, antes de tomar um banho e ir para casa.
•••

— Tem certeza que você não tinha nenhum plano melhor para hoje, ? — Aine questionou a amiga, que tinha aceitado prontamente quando ela lhe pediu para ficar com a Maria durante essa noite.
— Relaxa Aine, vai ser um prazer cuidar dessa coisinha linda. — sorriu olhando para Maria, que brincava distraidamente no tapete da sala montando um castelo de Lego.
— Eu não sei a que horas nós voltaremos, então fica à vontade, os quartos de hóspedes estão arrumados e... — Philippe foi interrompido pelo toque da campainha.
— Boa noite, casal! — entrou cumprimentando Aine com um beijo na bochecha e Philippe com um toque de mãos.
— O que você tá fazendo aqui essa hora, causador de acidentes? tentou fechar a cara, mas o sorrisinho de canto denunciava que aquilo não passava de uma brincadeira.
— Eu chamei ele por que não quis deixar você e a Maria sozinhas a noite toda. — Philippe explicou o motivo do camisa 12 estar ali.
— Eu sei cuidar de crianças, tá? — deu de ombros, rindo. — Tenho uma afilhada, muitos primos pequenos e amigos que já têm filhos.
— Oi pra você também, loira do carro branco. — Ele beijou o cabelo de e foi dar um cheiro na filha do casal.
— Olha só, tô surpresa ao saber que você tem bom gosto suficiente pra ouvir João Paulo e Daniel. — brincou se referindo à música que o moreno tinha mencionado.
— Você não sabe muitas coisas sobre mim. — sorriu maliciosamente.
— Ficar aqui vendo vocês dois com certeza é melhor do que o jantar com os patrocinadores, mas infelizmente nós temos que ir. — Disse Philippe pegando seu celular, carteira e a chave do carro.
— Qualquer coisa é só ligar, a casa é de vocês. — Aine completou.
— Tá comigo, tá com Deus. — respondeu e caiu na gargalhada. — Antes de vocês irem eu só preciso saber se aqui tem uma gaveta ou armário de doces pra garantir a calma dela... — apontou para a loira. — ...e a minha sobrevivência.
— Você é ridículo, . — revirou os olhos.
— Segunda porta acima do micro-ondas. — Aine respondeu segurando o riso.
— Só não traumatizem minha filha com nenhuma cena ou barulho impróprio para a idade dela, viu?! Vão para um quarto longe do dela e, por favor, tranquem a porta.
— Philippe sorriu malicioso, fazendo com que todos o acompanhassem e fez uma cara de indignação.
— Tchau, Coutinho. — jogou uma almofada no amigo, que sussurrou um "vai que é tua, mlk" para .
— Esses dois são uma graça. — Aine falou entrando no carro com o marido. — No início eu achava viagem de vocês, mas preciso confessar que eles combinam.
— Eles vão acabar ficando juntos... Se depender do então, desde o dia do tal incidente ele tá caidinho por ela. — Philippe respondeu ligando o carro e indo em direção ao tal jantar com os patrocinadores.
•••

— Então essa noite somos eu e você... falou assim que o casal saiu.
— E a Maria. — completou.
— Tio tava com saudade desse neném. — falou pegando a menina no colo e enchendo-a de beijos, a fazendo gargalhar com a sensação de cócegas.
— A Aine disse que ela acabou de jantar, , desse jeito ela vai vomitar. — repreendeu a brincadeira.
— Tá bom, tá bom. — Ele falou se rendendo e colocou Maria de volta ao tapete.
— Vamos assistir um filme, Maria? — perguntou enquanto procurava algo na sessão infantil do Netflix.
— Frozen, tia . — Maria pediu dando pequenos pulinhos e pegando seu Olaf de pelúcia.
— Então vamos ver Frozen. — deu play no filme e os três se sentaram no sofá para assistir.
•••

— Não sabia que você levava tanto jeito com crianças... — falou após colocar Maria na cama dela, a pequena acabou dormindo antes do final do filme, após tomar uma mamadeira que havia preparado.
— Você não sabe muitas coisas sobre mim. — repetiu a frase que tinha usado anteriormente.
— Engraçadinha. — Ele revirou os olhos.
— Mas eu adoro crianças, tenho uma afilhada e sinto muito a falta dela, a gente era bem apegada.
— Posso ver uma foto dela?
— Claro. — respondeu pegando o celular que estava jogado no tapete e se sentou ao lado de , que tinha colocado a tv em um jogo da NBA. — Essa é a Elisa.
https://br.pinterest.com/pin/264868021820564247//
— Ela é muito linda, parece uma princesa. — falou encantado com a garotinha de três anos.
— Puxou a dinda. — sorriu convencida.
— É verdade. — concordou e ficou com as bochechas coradas.
— E a princesa aqui é você. — Ela não pode deixar de brincar.
— Você não perde uma oportunidade, hein?! — falou apertando a cintura da mulher.
— Se depender de mim esse apelido nunca vai morrer, . — deu de ombros.
— Tô vendo... Eu também tenho um sobrinho, ele chama Gabriel. — falou orgulhoso enquanto mostrava uma foto sua deitado, segurando o pacotinho de gente.
https://br.pinterest.com/pin/264868021820564251//
— Não tenho maturidade pra lidar com tanta fofura... Como você consegue não morder essas bochechas?
— Eu mordo de vez em quando, a mãe dele só não pode saber disso senão me mata. — sorriu travesso.
— Você tá com fome? — questionou o jogador.
— Bom... Pipoca não enche muito, né?! — Ele fez uma cara engraçada, que provocou uma risada em .
— Vem, vou fazer alguma coisa pra gente. — foi em direção à cozinha, sendo seguida por .
— Acho que o Philippe deve ter algum cabernet sauvignon rosé. — falou procurando na adega do amigo.
— Você vai fazer... sangria? — questionou ao vê-la pegando morango, kiwi, blueberry, framboesa, abacaxi e limão siciliano.
— Tá meio calor e sangria é bem refrescante. — sorriu. — Espero que a minha não decepcione, você já deve ter experimentado as melhores receitas por toda a Espanha.
— Só esperando pra ver, né?! — brincou com a loira.
decidiu fazer um spaghetti a carbonara, uma receita simples e muito saborosa, além de combinar com o vinho escolhido.
— Quer ajuda? — ofereceu quando a viu preparando o jantar para eles.
— Não precisa, aqui é bem rapidinho... Mas se você quiser ir pegando os pratos, talheres e taças. — Ela sugeriu. — Coloca tudo lá na mesa de centro, a gente pode comer no tapete mesmo enquanto assiste ao jogo do Golden State Warriors.
— Pode deixar.
, pega a forminha de gelo rosa no freezer pra mim, por favor. — pediu e riu ao ver o gelo com morango e hortelã.
— É gelo de água de coco. explicou ao ver a expressão meio intrigada do moreno. — A Aine sabe que eu adoro e vai dar um toque especial na sangria, junto com a vodka. — Ela falou adicionando a dose da bebida às taças e mexendo bem.
— Quer me deixar bêbado e se aproveitar de mim, doutora? — brincou quando experimentou a bebida, provocando uma gargalhada alta em . — Shhh, assim você vai acordar a Maria... — Ele a advertiu e a mulher segurou a risada. — Mas você tinha razão, a vodka e o gelo dão um sabor único.
Logo o macarrão ficou pronto, ela serviu uma boa quantidade para os dois e levou os pratos para a mesa. sorriu ao ver a arrumação de , ele tinha feito um bom trabalho, inclusive acendendo uma mini-vela que deu todo um charme especial.
— O cheiro tá ótimo. — afirmou ao vê-la trazendo os pratos.
— Tô sentindo como se eu tivesse sendo julgada pelo Claude Troisgros. gargalhou assim que deu a primeira garfada no macarrão.
— Você é uma graça. — não pode deixar de rir também. — E o sabor tá ainda melhor que o cheiro.
— Obrigada, me sinto aliviada. — disse colocando uma das mãos no peito e soltando o ar que até então nem tinha percebido que estava segurando. — Não que eu esteja querendo te agradar... — Ela brincou com um tom sarcástico. — Mas comida é algo que eu levo a sério.
— Até que pra quem não está querendo me agradar você fez tudo direitinho hein. — devolveu no mesmo tom, levando a taça à boca sem desgrudar os olhos dos da mulher à sua frente. ficou sem reação alguns segundos, se sentia presa ao olhar do moreno.
Ridículo. balançou a cabeça negativamente na tentativa de afastar os pensamentos loucos que rondavam sua mente e acabou rindo de si mesma. Era um legítimo "tô rindo mas é de nervoso". Por quê mesmo que ela estava se sentindo assim?
— Você já disse isso hoje. — falou com um sorriso cretino no rosto.
— Talvez eu esteja certa, né? — Ela estreitou os olhos e encarou-o.
— Tá bom, parei. — levantou as mãos em sinal de rendição. — Vamos comer em paz.
— Amém, Senhor. — agradeceu aos céus.
— Sabia que eu tinha pensado em fazer a residência em pediatria? — quebrou o silêncio que tinha se instalado entre os dois enquanto comiam. agradeceu mentalmente por isso, ele realmente não sabia quase nada sobre e algo dentro de si queria que ele descobrisse mais sobre ela.
— Sério? — O moreno questionou surpreso.
— Seríssimo... No início da faculdade eu queria pediatria, minha família e minhas amigas queriam que eu fizesse dermatologia alegando que era a minha cara, mas no fundo eu sei que era pra ganhar amostra grátis dos produtinhos. — Ela gargalhou e a acompanhou. — Até fiz a prova pra pediatria e pra medicina esportiva, passei nas duas mas o amor pelos esportes falou mais alto e aqui estou eu.
— Não deve ter sido fácil né? Principalmente por que o futebol ainda é dominado por homens, acho que na medicina esportiva é a mesma coisa... Nunca tinha jogado em um time que tem uma médica. — confessou.
— Realmente, mas eu tive muita sorte quando fui contratada pela Nike, o João já trabalhava lá e ele me ajudou muito. Eles me proporcionaram oportunidades incríveis, aprendi muito com os médicos e atletas do Santos, hoje tô aqui em Barcelona... É muito bom saber que eu fiz a escolha certa e ser reconhecida por isso. E pra vocês, é muito 'estranho' ter uma médica no time? — A loira questionou e bebeu mais um gole da bebida, curiosa para saber o que achava disso tudo.
— Foi diferente, não posso negar, mas logo você mostrou que seu trabalho é excelente e hoje todo mundo te adora. Acho que você trouxe um ar de leveza pro dia a dia no clube, sempre tenta fazer coisas diferentes nos treinos, com muita delicadeza e dedicação, é atenciosa com todos... O time tava precisando disso. — respondeu sincero, deixando-a tímida com o elogio.
— Nossa... — falou colocando uma mecha de cabelo atrás da orelha. — Eu não esperava ouvir isso, . Obrigada.
— O que te fez não escolher a pediatria? — Foi a vez de retomar o assunto.
— É muito difícil ver seres tão pequenos passando por coisas tão difíceis, eu sempre me envolvia demais nos casos e isso me afetava de uma maneira absurda. Durante o internato eu acompanhei alguns pacientes em fase terminal ou em estágio muito grave, que chegava um ponto que não tinha mais o que a equipe médica fazer.
— Os olhos de se encheram de lágrimas e a sua voz falhou momentaneamente. — Eu me sentia tão mal, tão impotente... Mesmo o carinho que a gente recebe das crianças sendo extraordinário, tem que ser muito forte pra lidar com isso todo dia, então... Acho que eu não aguentaria.
— Ei, vem cá. — chamou e limpou as lágrimas de , puxando-a para um abraço em seguida. — Tenho certeza que você fez sempre o seu melhor, por que mesmo tendo escolhido a medicina esportiva você continua fazendo o melhor.
— Você tá tentando me acalmar ou me fazer chorar ainda mais? — riu entre as lágrimas. O comportamento de chamou atenção da mulher, que não esperava ouvir tantas coisas boas do jogador e que ele fosse tão carinhoso.
— Quer que eu volte a ser o engraçadinho? Assume que você adora... — Por favor, se for pra chorar que seja de rir de você e das suas piadinhas infames, até que você me diverte bastante. — confessou. — Eu sou bom em tudo que eu faço. — falou convencido, fazendo rir. Algo dentro dela também queria conhecê-lo melhor, não o jogador de futebol , mas quem ele era verdadeiramente fora dos gramados. Já para ele, saber um pouco mais sobre a vida da médica depois da conversa dessa noite o deixou ainda mais fascinado, e ele descobriu que era assim que gostava de vê-la. Sorrindo.
•••

— Finalmente em casa! — Aine falou tirando as sandálias de salto assim que pisou na sala de estar e o marido acendeu apenas um abajur, deixando a iluminação indireta sob o ambiente. — Será que a e o sobreviveram um ao outro?
Isso responde a sua pergunta? — Philippe apontou para o sofá, onde e dormiam juntos tranquilamente. Depois de muitas taças de bebida e mais conversa sobre assuntos aleatórios, os dois acabaram pegando no sono ali mesmo.
— Será que a gente acorda eles? Se bem que os dois tão muito bonitinhos assim...
— Melhor não, mas bem que eu queria ver a cara deles quando acordarem. — Philippe respondeu. — Preciso mostrar isso pro Ney. — Ele riu e tirou uma foto.
— Não aguento vocês, parecem crianças. — Aine riu também. — Pelo visto eles se divertiram, né?! — A mulher mostrou as taças e a garrafa de vinho na mesa de centro.
— Não, os dois ainda estão completamente vestidos... — Philippe respondeu em um tom levemente decepcionado.
Philippe! — Aine levantou um pouco a voz, repreendendo o marido.
— Tô brincando, amor... Vamos subir. — Philippe desligou o abajur, abraçou a esposa pela cintura, dando-lhe um selinho e os dois foram em direção ao quarto.



CINCO


Oh, my irrefutable father
He told me
Son, sometimes it may seem dark
But the absence of the light
Is a necessary part
Just know, you're never alone
You can always come back home (93 million miles - Jason Mraz)

{Octubre, 2017}

— Fiquei sabendo que você dormiu muito bem essa noite... — João falou dando um tapinha nas costas de quando o time se apresentou naquela tarde de segunda-feira. Todos viajariam para mais uma rodada da fase de grupos da Champions League, na qual o adversário do dia seguinte seria o Olympiacos.
— Não sei do que você tá falando. — O jogador tentou desconversar, mas mantinha um sorrisinho sacana nos lábios que o denunciava.
— Vou refrescar a sua memória então. — João pegou o celular no bolso e abriu a foto de e dormindo abraçados.

https://br.pinterest.com/pin/264868021820620045/
— Mas como... — fez uma pausa se questionando sobre a foto, mas logo lhe veio na cabeça o autor daquilo. — O Philippe não perdoa mesmo hein.
— Achei que você já tivesse visto, ele mandou no nosso grupo. — O fisioterapeuta se referiu ao grupo no whatsapp em que estavam vários jogadores brasileiros que atuavam em clubes europeus mais alguns amigos.
— Não olhei o whatsapp hoje... E também nem quero ver a cara da quando souber dessa foto. — se questionou sobre como ela reagiria com mais essa brincadeira dos amigos.
Naquela manhã ao perceberem que tinham dormido no sofá depois do jantar (e de algumas taças de sangria), os dois agiram o mais naturalmente possível. Não era preciso fingir que nada aconteceu, até por que realmente não aconteceu nada, no entanto, aquela noite tão agradável poderia ser um sinal de que eles poderiam se tornar amigos. pode conhecê-la um pouco melhor, saber sobre sua vida, seus medos, suas escolhas. Estava muito feliz com a aproximação dos dois e, apesar das brincadeirinhas entre eles, esperava que ela sentisse o mesmo.
— Relaxa, o Ney disse que já curtiu bastante e ela levou numa boa.
, a gente precisa conversar. — interrompeu os dois, que ficaram sem entender.
— Eu vou deixar vocês a sós. — João falou na iminência de se retirar, porém segurou em seu braço o impedindo.
— Não, preciso que você venha também. — A voz da médica tinha um tom calma, entretanto, sua expressão não era das melhores. Os três se dirigiram até a sala dela e se sentaram.
— Pra confessar que você tá apaixonada por mim não precisava do João aqui. — brincou arrancando uma gargalhada da médica e do fisioterapeuta, todavia logo voltou à seriedade.
— Infelizmente não é isso, . Na verdade, o resultado da ressonância que você fez no joelho acabou de sair... — começou a falar e mostrou o exame para João, enquanto um calafrio percorreu o corpo do jogador, deixando-o tenso. — A lesão no menisco direito teve um pequeno agravamento, mais precisamente uma inflamação, e a gente vai ter que fazer uma intervenção cirúrgica para corrigir antes que cause fibrose ou algo do tipo. Sinto muito , mas a sua volta aos gramados vai ter que esperar mais um tempo.
A expressão no rosto do jogador era indecifrável, os olhos de perderam o brilho assim como o sorriso aberto, que era sua marca registrada, também sumiu.
— Vai dar tudo certo, irmão. É só uma fase. — João tentou encorajar o atleta, mas sabia que não era fácil. O joelho direito de vinha sofrendo paulatinamente com lesões, primeiro com a ruptura do ligamento cruzado, depois o menisco interno com a necessidade de artroscopia e agora essa complicação depois da cirurgia.
— Eu já entrei em contato com a equipe do Dr. Ramón Cugat e amanhã a gente vai realizar o procedimento bem cedo, quero dar início à sua recuperação o quanto antes. — explicou e o camisa 12 assentiu, frustrado. — Também liguei para o seu pai e ele já está a caminho, vamos fazer os exames pré-operatórios agora mesmo.
e foram para o Hospital Quirón, centro de referência em ortopedia de Barcelona, onde o pai do jogador, o tetracampeão Mazinho, já os esperava. A primeira reação de foi dar um abraço apertado no pai e deixar com que as lágrimas teimosas rolassem. O atleta questionava o porquê de tantas lesões, se ele havia feito algo errado, entretanto, não obteve nenhuma resposta para as suas incertezas.
— Ei, filho. — Mazinho chamou a atenção do jogador, que levantou a cabeça para olhá-lo nos olhos. — Tem coisas na vida que fogem do nosso controle, fomos pegos de surpresa mas não vai ser isso que vai nos derrubar. Vamos enfrentar essa cirurgia juntos e de cabeça erguida, como sempre fizemos. Quando você menos esperar, estará de volta aos gramados. — O pai de olhou para a médica, buscando a confirmação para as palavras de conforto que acabara de dirigir ao filho.
, eu prometo que vou fazer o meu melhor pra você se recuperar o mais rápido possível, nem que eu tenha que trabalhar dia e noite pra isso. Só preciso que você se mantenha confiante, acreditar que vai dar certo é o primeiro passo, e nós vamos surpreender todo mundo com a rapidez do seu retorno. Minha meta é dois meses.
Dois meses? — arregalou os olhos, assustado com o prazo estabelecido pela médica. — O tempo médio de recuperação é de três meses.
— Eu não acredito no impossível, e você? Confia em mim? — sorriu e respirou fundo.
— Eu confio. — O jogador respondeu se enchendo de esperança.
— Gostei dela. — Mazinho falou baixo, de maneira que só seu filho ouviu.
— Ela é incrível mesmo... — confirmou sorrindo, vendo a doutora passar todas as orientações para a equipe médica sobre os exames que deveriam ser realizados.
— Doutora . — Mazinho chamou a atenção da médica enquanto realizava mais uma ressonância.
— Não precisa me chamar de doutora, pode ser só de ou . — Ela respondeu simpática.
, eu não quero parecer pessimista, mas você acha mesmo que é possível o se recuperar tão rápido?
— Imagina, eu entendo a sua preocupação... Acredito inclusive que ainda dá pra adiantar em uns 10 dias, mas prefiro ter essa margem de segurança. Muitos tratamentos novos vêm mostrando resultados excelentes na recuperação de cirurgias. Um deles é a câmara hiperbárica, na qual a circulação do oxigênio puro auxilia no processo de cicatrização dos tecidos. As sessões de fisioterapia serão realizadas em três turnos diários, matutino, vespertino e noturno. Também fiz a análise detalhada da fisiologia e da biomecânica do corpo do , como ele tem a idade biológica menor do que a idade real, me permite fazer tudo isso com intensidade e sem sobrecarregá-lo. Entretanto, para a imprensa nós divulgaremos o prazo médio de três meses mesmo, não quero gerar expectativas nem deixar os jornalistas perseguirem o acerca do que será feito. Quero ele 100% focado nessa recuperação e pra isso ele precisa de tranquilidade. — explicou o seu planejamento para o pai do camisa 12, que ficou impressionado com a ousadia e a segurança da médica.
— Da minha parte e do restante da família pode ter certeza que o vai ter todo o suporte e a paz necessária para ter sucesso na recuperação.
— Vocês não precisam se preocupar em relação a isso, eu jamais daria esperanças para o se não acreditasse verdadeiramente nessa estratégia de tratamento.
•••

— Pensei que esse dia não fosse acabar nunca... — se jogou no sofá assim que entrou no apartamento. Luísa estava com várias amostras de tecido espalhadas no tapete da sala, decidindo quais usaria nas peças que ela estava criando.
— Problemas no trabalho? — A morena questionou e a amiga fez que sim com a cabeça. — É alguma coisa séria?
— Mais ou menos... Em abril o teve uma lesão e fez uma artroscopia, agora a gente identificou uma inflamação pequena e vamos ter que realizar uma intervenção. Passei a tarde toda com ele no hospital fazendo exames e amanhã de manhã vamos fazer a cirurgia.
— Agora traduz o que é artro... — Luísa fez uma pausa, sem ter a mínima ideia do que se tratava.
Artroscopia. — riu. — É um procedimento cirúrgico menos invasivo, pra identificar o tipo de lesão e o melhor tratamento para ela. No caso do apareceu essa inflamação recentemente que vai atrasar ainda mais o retorno dele aos gramados.
— Tadinho, ele deve tar arrasado...
— Foi um balde de água fria né amiga... — falou se levantando e pegando a bolsa que estava jogada na poltrona. — Só vou tomar um banho e vou elaborar detalhadamente o planejamento de recuperação dele.
— Vai lá amiga, vou pedir alguma coisa pra gente jantar. — Enquanto a loira tomava banho, Luísa pediu comida chinesa e o yakisoba chegou assim que retornou à sala.
— E as coisas na Stradivarius, como estão? — perguntou sobre o trabalho da amiga.
— Estamos buscando referências para o próximo desfile, que vai ser o lançamento da coleção de primavera-verão. — Os olhos de Luísa brilhavam ao falar de sua profissão, ela era completamente apaixonada pelo universo da moda e isso era nítido.
— Mas já? Nós ainda estamos no outono... — indagou confusa.
— Não dá para perder tempo, são muitas tendências, inspirações, o processo criativo é demorado... — Luísa explicou enquanto as duas se deliciavam com o yakisoba do melhor restaurante chinês de Barcelona.
— Só sei que eu quero um lugar na primeira fila para acompanhar esse desfile. — falou divertida.
— Pode deixar. — Luísa riu. Era muito bom ter sua melhor amiga por perto e saber que ela adorava lhe acompanhar nesses eventos do circuito mundial da moda.
— Ok Blair Waldorf, chega de enrolação por que eu ainda tenho muita coisa para fazer hoje. — juntou as caixinhas vazias de comida e levantou para jogá-las fora.
— Eu também, Serena Van der Woodsen. — Luísa entrou na brincadeira com a amiga.
— Só espero não fazer tantos papéis de trouxa como a Serena nem acabar com um Dan, sempre achei o Nate muito melhor. — gargalhou, por que fisicamente ela até parecia um pouco com a Serena, entretanto, as personalidades tinham pontos bem diferentes.
— Eu gosto de um bad boy, então sou team Chuck Bass. — Luísa também gargalhou e a olhou com uma cara de "jura, meu anjo?", estreitando os olhos.
— Novidade hein Luísa , o Lucas Lima que o diga. — A loira provocou a amiga.
— Você não vai esquecer isso nunca? — Luísa riu, balançando a cabeça negativamente.
— É só por que eu te amo! — pulou em cima da amiga, dando um abraço de urso nela. — E o Lucas é muito gente boa, além de ser um gato, cê tinha que ver nos treinamentos... — A médica bateu palmas lembrando da época que trabalhava com o jogador no Santos, no entanto, atualmente ele defendia o Palmeiras.
— O também é um gato, até imagino a sua cara vendo ele treinar. — Luísa provocou de volta, fazendo a amiga revirar os olhos.
— Nem começa. — repreendeu, fazendo com que Luísa gargalhasse mais ainda.
— Ah tá, por que de certo fui eu que dormi com o na casa do Coutinho e cheguei aqui falando que ele é um cara legal e não sei mais o quê... — Luísa falou irônica. — Amiga, assume que rola um clima entre vocês.
— Um clima não significa que necessariamente vai acontecer alguma coisa. — deu de ombros.
— Então você tá confessando que tem um clima! — Luísa praticamente gritou de empolgação. — Eu sabia que essa implicância de vocês dois era só pra disfarçar.
— Chega, Luísa Bernardi. — ficou indignada com as alegações da amiga.
— Tá bom, mas o assunto " " não terminou por aqui. — A morena assumiu um ar vitorioso, pois conhecia muito bem a amiga e sabia que tinha razão.
As duas ficaram envolvidas com as coisas do trabalho e nem viram o tempo passar. Quando Luísa se deu conta, já eram 3 horas da manhã.
, a cirurgia do é que horas? — A morena questionou a médica.
— Tá marcada pra 7h, por quê? — respondeu sem tirar os olhos de seu notebook.
— São 3h amiga, você precisa descansar.
— Daqui a pouco eu vou Lu, pode ir dormir se você quiser.
— Não senhora, você vai dormir também! — Luísa falou com a entonação levemente autoritária. — Cansada você não pode fazer nada pelo e ele precisa de você mais do que nunca... — A voz dela agora assumiu um tom carinhoso.
— Tá bom... — suspirou se dando por vencida, uma vez que sabia que Luísa estava certa. Ela deveria estar descansada para acompanhar o procedimento cirúrgico do jogador e para ajudá-lo em sua recuperação.
•••

— Bom dia! — entrou sorridente no quarto onde estava sendo preparado pelas enfermeiras para ser levado à sala de cirurgia. — Tudo certo pra gente resolver de vez os problemas desse joelho?
— Sim senhora! — brincou batendo continência, ele tinha a expressão facial e corporal mais relaxada, o que provocou certo alívio na médica.
— Enquanto o Dr. Ramón não chega, vou repassar com vocês todo o procedimento e o que vai ser feito para conseguirmos a recuperação em dois meses.
explicou detalhadamente tudo para o jogador e para Mazinho, esclarecendo todas as dúvidas pontuais que os dois tiveram.
Ainda no quarto, o jogador conversou por videochamadas com sua família. Primeiro com o irmão mais velho, Thiago , e a esposa dele, Júlia, que estavam em Munique. Depois ele falou com a mãe, Valéria, e os irmãos mais novos, Thaísa e Bruno, que moravam em Vigo. Todos estavam torcendo para que desse tudo certo na cirurgia de e pedindo que ele avisasse, assim que fosse possível, como tudo tinha ocorrido.
? — chamou quando eles estavam no elevador, indo para o andar da cirurgia.
— Pode falar, . — direcionou sua atenção para o jogador, que estava deitado na maca que era levada por ela e uma enfermeira.
— Quando você entra na sala de cirurgia também tem alguma frase tipo "It's a beautiful day to save lives"? — perguntou levemente intrigado e tanto ela quanto a enfermeira que os acompanhava riram.
— Não tenho nenhuma frase assim, meu ritual é apenas rezar pra dar tudo certo mesmo. — explicou. — Por quê? — Ela indagou curiosa.
— A Thaísa gosta muito de Grey's Anatomy e ela acha que isso pode dar sorte. — riu. — Ela ficou preocupada, sabe...
— Eu também adoro Grey's! Quer tirar uma foto antes de entrar na S.O. pra mandar pra ela? — sugeriu como forma de tentar tranquilizar um pouco a irmã do jogador.
— Quero. — concordou e a enfermeira tirou uma foto dele com , que logo foi enviada pelo whatsapp para Thaísa.
— Fala pra ela que eu vou dizer, só pra garantir. — A médica respondeu sorridente se referindo à famosa frase dita por Derek Shepherd e depois entregou o celular do atleta para Mazinho, que se despediu do filho e foi para a sala de espera, enquanto foi para o centro cirúrgico. Logo Dr. Ramón Cugat, especialista em cirurgia de joelho, chegou e conversou um pouco com entes que fosse aplicada a anestesia nele.
Pai... chamou assim que acordou, ainda sentindo a sonolência provocada pela anestesia e os medicamentos intravenosos.
— Oi, filho. — Mazinho levantou da poltrona ao lado da cama e se sentou perto do jogador. , que estava do outro lado do quarto, acabou tirando uma foto desse momento dos dois.
https://br.pinterest.com/pin/264868021820620050/
— Como foi a cirurgia? — O atleta perguntou apreensivo, pois o procedimento era decisivo para a cura de sua lesão e seu retorno aos campos.
— Acho que a Dra. pode explicar melhor.
— O mais velho respondeu, mas a sua expressão tranquila indicava que a notícia era boa.
— E então, ? — questionou a médica.
Foi um sucesso, ... A inflamação era menor do que a gente imaginava e está sendo controlada com medicação, daqui pra frente é só fisioterapia e fortalecimento muscular até que você possa voltar a treinar normalmente com o time. — A médica explicou e o sorriso aberto de foi contagiante, o jogador deu um abraço apertado nela, visto que tirou um peso gigante das costas.
As próximas semanas seguiram com um trabalho intenso de João e em prol da recuperação de Rafinha. A resposta ao tratamento era uma notória melhora do jogador, visto que a inflamação desapareceu e ele já vinha treinando com bola. Cada avanço era comemorado imensamente por toda a equipe médica, familiares e amigos de , e ver a alegria dele ao estar voltando a fazer o que mais amava era uma recompensa e tanto.



SEIS


Oh, I've been shaking
I love it when you go crazy
You take all my inhibitions
Baby, there's nothing holdin' me back
You take me places that tear up my reputation
Manipulate my decisions
Baby, there's nothing holdin' me back
I feel so free when you're with me, baby
Baby, there's nothing holdin' me back
(There's nothing holdin' me back - Shawn Mendes)


{Noviembre, 2017}


Mãe? chamou entrando em casa, segurando uma mala e com a mochila nas costas, vinha logo atrás dele. O técnico, Luís Enrique, havia dado uns dias de descanso para o jogador e os dois foram passar o fim de semana em Vigo, com a família dele.
! — Valéria apareceu na sala e correu para abraçar o filho, que soltou a bagagem para retribuir o abraço da mãe. — Por quê você não avisou que tava vindo?
— Quis fazer supresa. — deu um beijo na testa da mãe.
— E essa moça linda com você, não vai me apresentar? — A mãe do jogador perguntou, deixando corada.
— Mãe, essa é a , médica do time e minha amiga. , essa é a minha mãe, Valéria. — as apresentou. — Vocês não se conheceram antes por que na semana que você foi ficar comigo em Barcelona a tava de folga, aí quem tava cuidando do meu treinamento era o João.
— Bem vinda, . Sinta-se em casa. — Valéria abraçou-a carinhosamente.
— Pode me chamar de e desculpa o incômodo, mas o insistiu muito para que eu viesse e assim a gente continua treinando, a volta dele aos campos está bem próxima.
— Fez bem, filho. — Valéria sorriu para e, posteriormente, voltou sua atenção para a médica. — Será um prazer ter você aqui durante esse fim de semana, . Vem, vou te mostrar seu quarto. — A mulher direcionou-a até o quarto de hóspedes.
— Obrigada Valéria, é um prazer te conhecer, o fala muito de você... Parabéns pela família, seus filhos são lindos. — elogiou, sentando na cama com Valéria ao seu lado. Ela tinha conhecido Thaísa quando a garota foi passar a semana com o irmão em Barcelona e Thiago em um evento da FIFA. Só faltava o pequeno Bruno, que até então ela só tinha visto por fotos e FaceTime.
— Já tá falando pra minha mãe que eu sou lindo? Ela já sabe disso. — entrou no quarto rindo.

— Nem vem dar uma de Cristiano Ronaldo com esse 'sou lindo'... Eu tava falando do Bruno, da Thaísa e do Thiago, não de você. — deu de ombros, arrancando uma risada da mulher ao seu lado.
— Tá vendo como ela me trata? — fingiu indignação, fazendo um biquinho muito engraçado.
— Não precisa ficar assim bebê, você também é lindo, tá?! — falou com como se ele fosse uma criança de três anos (de vez em quando parecia mesmo) e lhe deu um beijo na bochecha. — Satisfeito?
— Agora sim. — O camisa 12 riu.
— Vou deixar vocês descansarem, daqui a pouco a Thaisa chega com o Bruno. Ela foi levá-lo ao cinema, aí já viu né? Volta pra casa todo empolgado.
— Tô morrendo de saudade deles dois. — falou passando o braço por cima do ombro de sua mãe.
— Qualquer coisa é só chamar. — Valéria disse atenciosa.
— Obrigada. — deu o seu melhor sorriso de agradecimento, estava realmente se sentindo bem ali.
•••

— Bom dia, Bela Adormecida! Pensei que eu teria que te dar um beijo de amor pra você acordar. — brincou enquanto descia as escadas, ainda um pouco sonolenta.
! — Valéria repreendeu o filho.
— Fica tranquila Valéria, já tô acostumada com essas gracinhas. — sorriu.
— Que saudade, ! — Thaísa apareceu na sala e abraçou a médica. As duas se deram muito bem quando a mais nova foi passar uns dias em Barcelona e desde então se tornaram amigas, sempre mantendo contato pelas redes sociais.
— Tava doida pra te ver. — retribuiu o abraço apertado. — E esse rapaz tão lindo que dá vontade de encher de beijos? — A médica dirigiu sua atenção para Bruno, que deu uma risada gostosa.
— Oi ! — Bruno também a abraçou e lhe deu um beijo na bochecha. — Você também é muito linda.
— Ah não, acho que eu tô apaixonada! — suspirou, brincando com Bruno. Parece que ser lindo e apaixonante era uma coisa que realmente estava no DNA dos .
— Poxa Bruno, eu tô tentando conquistar ela a um tempão e você com menos de 5 minutos já vai roubar ela de mim? — fez uma cara de chateado, arrancando gargalhadas de todo mundo.
Se você quiser eu te ensino a fazer ela se apaixonar por você. — Bruno sussurrou para o irmão, no entanto, Valéria, Thaísa e acabaram ouvindo e rindo ainda mais da espontaneidade do garoto. Os dois eram muito apegados e isso era nítido, bastava ver os sorrisos quando estavam juntos. O amor entre eles era lindo de se ver.
https://br.pinterest.com/pin/264868021820682689/
— Ele é muito maravilhoso, não aguento. — secou os cantos dos olhos, que marejaram do tanto que ela riu. — E além de tudo é enorme, tá quase do meu tamanho. — Ela constatou surpresa.
— Como de fosse difícil chegar nos seus gigantes 1 metro e 60... — fez aspas no ar ao pronunciar a palavra "gigantes" para provocar a mulher e, ao ver a cara que ela fez, a advertiu. — Cuidado com o que você vai responder, tem criança no ambiente.
— Eu tampo o ouvido do Bruno, pode xingar o à vontade. — Thaísa colocou as mãos sob as orelhas do irmão mais novo, incentivando a amiga a "brigar" com o camisa 12.
— Você é ridículo, . — A loira o fuzilou com o olhar.
— Também te adoro, corazón. — abraçou de lado, segurando-a pela cintura. Ela até tentou manter a expressão de brava porém, ao ouvir o apelido proferido em espanhol pelo jogador, acabou sorrindo.
Isso é amor, tá rolando amor, é o encontro de metades, a rosa e o beija-flor... — Thaísa cantarolou baixinho.
— O que você disse, Thaísa? — questionou a amiga, segurando o riso.
Eu? — A morena se fez de desentendida. — Nadinha, só lembrei de uma música do Matheus e Kauan, boa ela né?! — abriu um sorriso cretino ao ouvir a brincadeira da irmã e logo Valéria chamou-os para comer.
•••

— Que animação é essa? — perguntou ao abrir a porta de vidro que dava para a área externa da casa, onde fazia um treino funcional na quadra de areia.
— Não sei, só sei que eu queria ser assim. — Thaísa constatou e a médica foi até onde os irmãos conversavam. — Como você consegue? São 8 horas da madrugada de uma sexta-feira!
— Ah, o dia amanheceu tão lindo que eu resolvi aproveitar pra queimar as calorias do jantar de ontem. Você já tá pronto pro treino, ?
— Sim senhora, só falta calçar o tênis. Bem que você podia aliviar hoje, hein ... — pediu e a médica logo entendeu o que ele tava insinuando.
— Já até sei, tá querendo treino na piscina... — questionou e o jogador fez a cara do gatinho do Shrek, na tentativa de persuadi-la.
— Deixa...
— Seu irmão é um peixe fora d'água, Thaísa. — Ela pensou um pouco. — Tá bom, mas amanhã você já sabe, hein ?!
— Eu tenho a melhor médica do mundo! — comemorou dando um beijo na bochecha dela.
— Bom, eu tenho que ir pra faculdade agora, beijos pra vocês. — A morena se despediu dos dois, já estava quase atrasada.
— Tchau Tha, boa aula. — jogou um beijo para a amiga.
— Juízo, vocês dois! — Thaísa gritou em tom de provocação quando estava saindo de casa e escutou a gargalhada de como resposta.
— Vem , a água tá tão gostosa... — chamou a mulher, que estava deitada em uma das espreguiçadeiras do momento que tinha encerrado o treino daquele dia com o jogador até então.
— Agora não , tô com preguiça de ir colocar um biquíni. — respondeu de olhos fechados, aproveitando os minutos de descanso antes de subir para tomar um bom banho.
— Entra assim mesmo, uai. — O moreno se referiu ao top e o short que ela vestia desde a hora que tinha feito seus exercícios. — Eu vou aí te buscar... — Ele ameaçou.
Não inventa, . o repreendeu, no entanto, ele saiu da água e caminhou na direção dela.
— Vamos, por favor... — O jogador insistiu.
— Tá, deixa só eu guardar meu celular e tirar o tênis. — A loira deixou o aparelho sob a espreguiçadeira e tirou o tênis, mas aproveitou um instante de distração de para correr dele.
— Agora você vai ver, espertinha! — O camisa 12 começou a correr atrás de . — Não adianta fugir, eu vou te pegar.
As palavras dele soaram com duplo sentido e a médica gargalhou, correndo o mais rápido que podia pelo jardim. Após alguns minutos e muitas risadas, puxou o braço dela e conseguiu pegá-la no colo, passando um dos braços pela cintura dela e o outro por trás dos joelhos.
— Não , por favor... — A loira implorou, tentando convencer o jogador.
— Eu te avisei. — O moreno sorriu vitorioso e segurou bem firme, pulando na piscina com ela no colo.
— Sua sorte é que meu humor tá incrível, se não hoje você estaria ferrado, . — Ela falou assim que emergiu da água, passando as mãos pelos cabelos molhados e jogando-os para trás.
— Mas eu nem falei nada... — O jogador contestou em sua própria defesa.
— Você adora, né? — A mulher encarou-o, estreitando os olhos. — Eu sei que por dentro você tá com um sorriso imoral enorme.
Aham. — Ele confirmou chegando mais perto de , fazendo com que ela desse um passo para trás e suas costas encostassem na borda da piscina, impedindo que ela continuasse recuando. — E o quê mais você sabe?
devolveu o olhar e sua voz ficou levemente desafiadora. Muitíssimo sexy também, o que provocou certo nervosismo em .
Eu... — A médica hesitou ao responder e olhou para os lábios de , que estavam a poucos centímetros dos seus.
O jogador entendeu aquilo como um sinal de que poderia avançar e segurou-a forte, iniciando um beijo calmo e, ao mesmo tempo, intenso. tinha as mãos espalmadas no peito de em uma tentativa fracassada do seu cérebro para que ela se afastasse, no entanto, logo ela se rendeu aos encantos do moreno. aprofundou o beijo e, automaticamente, as mãos dela foram para a nuca do jogador, ora puxando o cabelo, ora arranhando as costas dele com as unhas. O moreno desceu os beijos para o pescoço de e deu uma mordidinha em seu ombro, deixando-a completamente arrepiada. Os lábios dos dois se encontraram novamente, como se houvesse uma atração eletrostática entre os corpos de ambos e eles queriam aproveitar cada segundo daquele momento. As respirações foram ficando entrecortadas e, somente quando o fôlego foi totalmente perdido, os dois partiram o beijo. Ficaram um bom tempo sem falar nada, apenas se olhando, com as testas e as pontas dos narizes colados, tentando normalizar o ritmo respiratório e os batimentos cardíacos acelerados.
— Isso foi... Muito melhor do que eu esperava. — foi o primeiro a falar alguma coisa.
— Então quer dizer que você já planejava isso há algum tempo? — brincou, ainda com os braços entrelaçados ao pescoço do moreno à sua frente.
— Desde a primeira vez que eu te vi fiquei louco pra te beijar, corazón. — O jogador sussurrou ao pé do ouvido de , dando-lhe um beijo no local.
— Apesar da minha vontade de te matar aquele dia, confesso que eu te achei muito... Hm, interessante. — A mulher umedeceu levemente os lábios e deu um sorriso malicioso.
— Interessante, é? — indagou e ela fez que sim com a cabeça. — Agora você pode me matar, desde que seja de muito prazer.
•••

, a gente pode jogar bola lá fora? — Bruno pediu para o irmão assim que eles terminaram uma corrida do Gran Turismo Sport no PS4.
— Tem que ver com a , ela que manda. — respondeu e o garoto saiu para procurar a médica, que estava na cozinha preparando um lanche distraidamente.
, o meu irmão pode jogar futebol comigo? — Bruno pediu com uma carinha muito fofa.
— Pode sim meu bem, só fala pra ele tomar cuidado. — A loira respondeu e o mais novo saiu correndo para chamar o irmão e pegar uma bola. Logo apareceu na cozinha e, aproveitando que estava sozinha, abraçou-a por trás.
https://br.pinterest.com/pin/264868021820682692/
— A propósito, adorei seus piercings, nunca tinha reparado que você tinha tantos. — se referiu aos diversos furos que a loira tinha na orelha. — Você tem mais algum ou outra tattoo além do coração no dedo junto com a Bruna?
— Se você quiser mesmo saber, vai ter que descobrir sozinho. — A mulher resolveu entrar no joguinho de , virando de frente para ele e lhe dando um selinho.
— Eu vou adorar. — Ele sussurrou contra a pele de , fazendo-a se arrepiar mais uma vez.
— Pronto, ? — Bruno gritou enquanto descia as escadas, fazendo com que o casal se afastasse antes que alguém os pegasse no flagra.
— Tô só te esperando! — O jogador gritou de volta, indo em seguida para a área externa da casa brincar com o irmão.
Ehhh , o que você tá fazendo, hein?! — A médica perguntou retoricamente para si, uma vez que tinha como uma espécie de regra não se envolver com ninguém do seu ambiente de trabalho. Todavia, desde o início algo fazia com que ela se sentisse atraída em relação a . Ainda que negasse para ela mesma e para todos os amigos havia, sim, alguma coisa. E agora que ela tinha as permitido aproximar, a curiosidade só aumentava para descobrir quem é, verdadeiramente, fora das quatro linhas do gramado.
•••

Na manhã de sábado, Thaísa e resolveram levar para um passeio por Vigo. A cidade é a mais povoada da província de Pontevedra, na região autônoma da Galícia. Primeiro visitaram a Porta do Sol, local que marca o quilômetro zero da cidade. Lá fica o famoso monumento El Sireno, que indica a união entre o homem e o mar. Depois foram até Bouzas, um tradicional bairro marítimo e piscatório do local. Lá existe uma área em pedra análoga à um calçadão, dando uma vista privilegiada da Ria de Vigo. Após uma grande sessão de fotos, os três foram almoçar em um dos restaurantes típicos da cidade.
— E os meninos, te dão muito trabalho nos treinos? — Thaísa perguntou curiosa.
— Ah, você sabe que se dependesse deles era resenha 24 horas por dia! — A médica respondeu e gargalhou alto. — Tá vendo?!
— Até imagino... — A morena riu. Tanto o irmão quanto os amigos quando se reuniam transformavam tudo em festa.
— Posso falar? — levantou a mão.
Chora, bebê. provocou.
— Isso aqui é um complô contra mim? — O camisa 12 perguntou indignado.
— Atura ou surta. — Thaísa debochou e as duas mulheres riram.
— Tô sem moral mesmo... — balançou a cabeça negativamente, mas por dentro estava rindo tanto quanto elas.
— Mas preciso ser justa, na hora de falar sério eles fazem tudo direitinho. Claro que sempre tem muita brincadeira, essa princesa aqui... — Ela apontou para . — ...e o Coutinho são os mais engraçadinhos, mas tem muito trabalho, muito comprometimento, e eles acabam deixando o ambiente mais leve.
— Tão linda me elogiando... — O jogador suspirou.
depois que pega intimidade, já era! — Thaísa entregou o irmão. — Mas pensa, se o Neymar ainda tivesse em Barcelona seria bem pior.
— Deus me livre, eles iam me deixar louca! — respondeu divertida, logo os pedidos deles chegaram e os três almoçaram em meio a uma conversa animada. Enquanto comiam, o celular de vibrou anunciando uma nova mensagem.
:
"Chamou de bebê, tem que cuidar.
Já é a segunda vez esse fim de semana".

:
"Normalmente eu já cuido, mas a gente pode dar uma melhorada nisso..."

:
"Mal posso esperar".

Os dois trocaram olhares discretamente e resolveram parar por ali com as provocações, visto que não estavam sozinhos.
— Ai gente, agora eu entendi por que vocês amam tanto esse lugar, aqui é maravilhoso! — estava impressionada com a arquitetura da cidade, os museus, as paisagens, tudo era extremamente charmoso.
— Quando vocês vierem de novo temos que ir nas Ilhas Cíes, lá tem praias paradisíacas, trilhas, dá pra fazer mergulho... Você vai adorar, . — Thaísa comentou sobre um dos pontos turísticos mais famosos de Vigo.
— A Praia de Samil também tem uma vista de tirar o fôlego. — completou.
— Só de ouvir falar já me deu vontade de conhecer, pena que nós temos que voltar pra Barcelona amanhã, né ?! — lamentou, estava adorando conhecer melhor outras partes do território espanhol.
— Da próxima vez a gente vem com mais tempo, aí você conhece a cidade toda. — deu um sorriso de derreter corações para a médica.





Continua...



Nota da autora:
Oi meus amores, tudo bem? Apesar de ser fascinada por futebol, é a minha primeira história sobre (e a primeira que envio para o FFOBS também). Me encantei quando passei a acompanhar mais de perto a carreira do Rafinha, então juntei todo esse amor por ele e pelo esporte e o resultado vocês vão acompanhar aqui na Inefable. Espero que vocês se apaixonem assim como eu me apaixonei por esse homem com alma de garoto, que ama a família e que sorri com os olhos e com o coração. Um beijo enorme e não se esqueçam de comentar, a opinião de vocês é importantíssima e me ajuda a melhorar como escritora.

Qualquer erro nessa fanfic ou reclamações, somente no e-mail.


comments powered by Disqus