Última atualização: 05/12/2017

01

“When you look at me
(Quando você olha pra mim)
그 미소를 내가 다 갖고 싶어
(Quero todo o seu sorriso)”


virou a esquina e o imponente edifício da YG Entertainment logo cresceu em sua visão, destacando-se entre todas as outras edificações da rua, especialmente pela sua arquitetura incomum. O clima estava ótimo naquele dia e apesar do sol ainda se esconder por trás de algumas das poucas nuvens que cobriam o céu, uma brisa leve e refrescante balançava seus cabelos curtos e a fazia desejar aproveitar a manhã de início verão em Banpo, ao invés de subir e descer elevadores com pilhas e pilhas de roupas, fazer inúmeras idas ao departamento de corte e costura solicitar trocas de peças e testar cores e estampas sem sequer ter tempo de olhar a paisagem pela janela.
O seu pouco tempo de empresa já era o suficiente para que soubesse que as semanas antes de um comeback eram uma completa loucura. O seu departamento havia passado pela fase de escolha de cores, tecidos e texturas, tudo em total alinhamento com o setor de direção de arte, que envolvia os responsáveis pelos MVs e cenários dos stages. Era de extrema importância que tudo remetesse ao conceito pensado pela equipe de criação. aprendera como tudo por trás de uns três minutos de vídeo ou de apresentação em programas de música movimentava centenas de pessoas muito inteligentes e competentes, que trabalhavam arduamente para que os artistas fossem bem sucedidos.
Sua equipe, do departamento de moda, entrara na fase de testes de figurinos e ela pessoalmente achava aquela parte mais divertida. Trabalhar diretamente com os idols era excitante e ainda parecia grandioso para ela. Desde que entrara na YG havia sido designada como staff do grupo feminino BlackPink e ela não poderia se achar mais sortuda. As meninas eram completamente adoráveis e colaboravam bastante nas decisões finais, já que todas as quatro jovens tinham um senso de moda impecável, o que tornava o trabalho da chefe do setor muito mais fácil. era apenas a ajudante e ainda tinha pouco espaço de fala na roda de decisões, mas estava agarrada àquela oportunidade para aprender com suas superiores e a aproveitar qualquer pequena brecha de demonstrar seu talento e empenho.
Distraída com a voz suave de Roy Kim na melodia gostosa de Egoist em seus fones de ouvido, ela demorou a notar um grupo pequeno de jovens na calçada oposta do prédio da empresa. Elas tinham celulares nas mãos e pareciam completamente atentas a qualquer movimentação no estacionamento e a qualquer pessoa que se aproximasse. Evitando olhar diretamente para elas, atravessou a rua na faixa e continuou a caminhada até a entrada. Não era incomum e ela já estava acostumada com situações do tipo. Fãs frequentemente peregrinavam até ali na tentativa de verem seus artistas favoritos ou apenas para conhecerem a sede da empresa que os agenciava. Algumas delas, ficou sabendo depois de um tempo, faziam aquela visita diariamente e eram responsáveis até pela divulgação da movimentação dos trainees, o que fomentava as discussões online sobre debutes, saídas e novas entradas.
Era um mundo complexo e pensar nisso sempre a fazia rir, metade perplexa, metade encantada.
A jovem mulher puxou seu crachá do bolso lateral da mochila e com uma breve inclinação de cabeça cumprimentou o segurança já conhecido, para depois empurrar a porta giratória e entrar para mais um dia de trabalho. Conseguira pegar o ônibus das 7h15, o que lhe dava um bom tempo até o início do expediente, e foi pensando no delicioso café da máquina da sala dos funcionários do terceiro andar que ela encostou seu cartão no reconhecimento magnético e passou pela roleta rumo aos elevadores.
Depois de guardar suas coisas no armário, ela passou a alça do crachá pelo pescoço e guardou o celular no bolso da frente. Deu uma última olhada no que vestia: uma camisa branca simples, com a logo de uma banda indie do Reino Unido estampada nela, uma calça jeans de cintura alta estilo anos 90, que ela dobrara as barras acima dos tornozelos, e nos pés um Oxford caramelo que combinava com o cinto grande que adornava sua cintura. Vestir-se bem era um requisito para o cargo que ocupava e conforto era uma necessidade em um período tão exaustivo.
Segurando a pasta que guardava uns desenhos que fizera na madrugada anterior, ela saiu do vestiário e sorriu ao notar que alguém já ligara a máquina de café. Colocou a pasta debaixo de um dos braços e pegou um dos copos empilhados, enchendo-o com o líquido escuro para depois adicionar o leite em espuma e colocar a tampa, soprando o buraco de saída antes de provar um gole. Suspirando pelo efeito prazeroso da cafeína, ela seguiu até a cantina para aproveitar a meia hora que tinha antes de começar a correria.
Passou pela porta automática e inspirou o cheiro doce que o lugar emanava. Gostava de ficar ali pela possibilidade divertida de observar os idols que às vezes passavam e ficavam. As equipes de funcionários eram todas muito bem divididas e as suas funções designadas para salas, andares e até sedes diferentes, o que os impossibilitava de conhecerem a maioria dos artistas, especialmente os mais famosos. ainda tinha fresca na mente a lembrança do dia que vira Kwon Jiyong pela primeira vez ali, parecendo muito tímido e com o rosto escondido por um chapéu, totalmente o oposto do que as pessoas costumavam venerar nos palcos. Ela jamais esqueceria sua voz tão característica a cumprimentando de forma automática antes de virar para a atendente e pedir torta de nozes para a viagem, junto com um composto lácteo. Passara praticamente todos os dias do último mês relembrando o momento, que acontecera enquanto ele se preparava para a turnê mundial, que agora estava em andamento.
– Bom dia, senhora Cha! – ela sorriu, cumprimentando uma das funcionárias que tratava de repor uma bela torta na vitrine do balcão.
– Bom dia, menina ! – ela a saudou de volta, observando a mais nova se sentar em um dos bancos altos mais distantes do centro, para passar despercebida e não atrapalhar os clientes – Chegou cedo hoje.
– E vim aproveitar meus minutos de paz antes da loucura! – ela sorriu, pousando a pasta sobre o balcão.
– Quem está voltando? – a mulher perguntou, aproximando-se dela com a expressão amigável e curiosa.
– BlackPink. – ela respondeu de imediato – Preparem-se para alimentarem funcionários famintos fazendo hora extra pelas próximas duas semanas.
A mulher riu e abanou uma das mãos, demonstrando o quanto aquilo era banal para ela, que já tinha uns bons cinco anos ali.
– E você vai querer alguma coisa?
– Vou ficar só no café. – ela levantou seu copo e sorriu, ao que a mulher sorriu de volta.
– Bom trabalho pra você então!
– Pra senhora também! – ela cumprimentou de volta e observou a senhora de meia idade, magra e baixinha, seguir para a cozinha.
Bebericando o café, ela abriu a pasta e observou novamente seus desenhos. Passara boa parte da noite e entrara a madrugada imaginando possíveis combinações para as peças que as meninas deveriam vestir. Desenhar já não era uma prática utilizada para essa finalidade, já que as pessoas agora preferiam usar programas digitais, mas ela gostava de treinar seus traços e os desenhos a ajudavam a decorar as peças, cores e modelos, fora que ela ainda se preparava bem para o ritual de escolha do figurino. Era um tempo bem gasto que lhe renderia horas a menos de empenho na disciplina de croquis na universidade.
– São seus desenhos? – a voz grave soou muito perto de si e se sobressaltou, soltando as folhas no balcão antes de olhar para o rapaz ao seu lado, que sorria com os lábios grossos fechados, parecendo amigável e sonolento – São muito bons!
Não que Seungyoon entendesse muito de traços como aqueles, especialmente quando o que importava ali eram as roupas coloridas na página grosseira e levemente amarelada, o que dava um ar profissional para a coisa toda, mas parecia uma boa desculpa para se aproximar da jovem staff de olhar esperto e sorriso caloroso, que o capturava mais facilmente do que ele gostaria de admitir.
piscou algumas vezes, desacostumada com aquela proximidade com um idol que não era seu empregador direto. Não era a primeira vez, no entanto, que o líder do Winner a cumprimentava de forma amigável e doce, o que fazia algo flutuar em seu estômago, tal qual quando ela experimentava uma descida em uma montanha russa. Ela ainda não decidira se a sensação era boa ou ruim e equilibrava-se sempre entre a vontade de retribuir sua gentileza e agir racionalmente como a profissional que deveria ser e não alongar a conversa, seguindo à risca o que lhe fora tão fortemente recomendado, que ela jamais forçasse sua presença a qualquer idol, em qualquer situação.
Notando sua breve hesitação em responder, Seungyoon abaixou levemente a cabeça, se sentindo envergonhado de repente.
– Assustei você? – perguntou em um meio sorriso que apertava seus olhos ligeiramente, após notar que sua aproximação fora um tanto inesperada para a jovem stylist – Desculpe, não foi minha intenção.
Percebendo que demorara demais para responder, pulou do banco e se curvou para cumprimentá-lo formalmente, abaixando a cabeça por alguns segundos e sentindo as bochechas esquentarem pela falta de jeito em lidar com ele. Esperava que Yeri tivesse razão e ela se acostumasse logo com a presença tão próxima de alguns artistas ou passaria por boba em todas as situações que deveriam ser banais.
– Você não precisa... – Seungyoon tentou dizer, incomodado pela barreira da formalidade e do profissionalismo que os separava; ele não queria isso, muito menos que ela o visse como seu superior ou chefe.
– Está tudo bem! – ela sorriu, tentando finalmente agir normal – Como vai, Seungyoon-ssi? – perguntou educadamente e segurou as mãos em frente ao corpo.
O rapaz riu levemente, encantado pelo quanto ela parecia adorável ao sorrir, pela forma como suas bochechas cheias adornavam seu rosto e como seus olhos pareciam tão atentos a tudo ao seu redor.
– Eu estou muito bem, e você? – seu sorriso ficou ainda maior e ele caminhou para se sentar no banco ao lado dela, indicando com uma das mãos para que ela voltasse a se sentar – Não precisa agir tão formalmente comigo. Nem as pessoas que trabalham comigo são assim, então vamos fingir que eu sou só Kang Seungyoon, um cara qualquer de Busan, que tal?
abaixou a cabeça para esconder o largo sorriso ao vê-lo sorrir tão amplamente para ela, que podia jurar ver seus olhos brilharem também. Havia algo nele que mesclava o delicado e o malicioso, e havia tanta honestidade em suas ações que ela não conseguia agir impassível.
– Falar é fácil! – ela riu brevemente, tentando dissipar aquela sensação de frio em seu estômago.
Ele riu novamente, de forma mais sonora dessa vez, o que não melhorou em nada a situação da mulher. Como ele parecia tão encantador fazendo qualquer coisa?
Seungyoon voltou seu olhar para o balcão e buscou o rosto dela novamente e sorriu para como ela parecia corada.
– E então, são seus desenhos?
voltou seu olhar para as folhas no balcão e assentiu, afastando-as uma de cima da outra para que ele pudesse ver melhor.
– Estamos fazendo os testes de figurinos para BlackPink e eu gosto de treinar as combinações desenhando. – seus ombros se encolheram quando ela disse, parecendo envergonhada que ele visse seu trabalho de tão perto, coisa que nem a maioria das pessoas de sua equipe já tinha visto, inclusive sua chefe.
O músico tirou seu olhar da figura dela e os direcionou novamente para os desenhos que manchavam o papel. As quatro silhuetas todas em lápis grosseiro preto e todo o resto em uma confusão de cores em rosa, amarelo e laranja.
– Hmmmm, essa aqui de azul e botas brancas é Lisa, certo? – ele perguntou retoricamente, já que a longa cabeleira ruiva e a franjinha não deixavam dúvidas – Você é cuidadosa com os detalhes.
se sentiu ainda mais envergonhada e assistiu calada ele passar os dedos grossos pelas marcas de lápis nas folhas, atento a cada curva e traço, o que fez a mulher sorrir levemente, totalmente lisonjeada.
– Waaaa, esse aqui está realmente incrível! – ele exclamou, falando especificamente de uma combinação que havia pensado sozinha e que ainda estava relutante em mostrar à equipe – Isso tudo já está decidido?
Ela se encolheu novamente, passando uma mecha do cabelo para trás da orelha quando ele voltou seu olhar para si.
– Na verdade, não. Esse figurino em específico eu montei ontem, mas foi só uma combinação despretensiosa, tenho certeza que a chefe do setor vai criar algo muito melhor.
Seungyoon abaixou a cabeça para olhá-la mais atentamente e sorriu.
– Tenho certeza que ela vai adorar se você mostrar isso. Está muito bonito e eu posso não ser nenhum profissional de moda, mas pelo que eu sei das meninas, elas vão gostar muito. Você está fazendo um ótimo trabalho.
O sorriso que ele lhe deu a esquentou por completo. Seus olhos tão honestos e seu sorriso genuíno a encheram de gratidão e ela sentiu seu coração acelerar uma batida.
– Obrigada, Seungyoon-ssi. É muito gentil de sua parte.
– Não me agradeça. – ele avançou uma das mãos para tocar a dela por cima do balcão, mas freou o movimento antes que estragasse tudo e engoliu a saliva antes de continuar – Espero que você mostre seus desenhos à sua chefe, tenho certeza que vai dar certo.
sequer teve tempo de responder à gentileza dele, pois logo uma figura alta e magra, sorridente e animada demais para o horário, se colocou entre eles.
-unnie! Seungyoon-oppa! Bom dia! – Lisa os cumprimentou alegremente e deslizou para o espaço entre os dois bancos no balcão, virando de frente e apoiando-se nos cotovelos – Atrapalho vocês? – ainda sorrindo, ela analisou ambas as expressões e percebeu a breve hesitação do rapaz mais velho, que se sentou mais corretamente no banco.
– De forma alguma! – sorriu; amava Lisa e sua energia inesgotável – Só estávamos conversando para passar o tempo – ela verificou as horas em seu relógio de pulso –, e ele realmente passou voando! Preparada para os testes de figurino?
Lisa virou para ela completamente e jogou os cabelos para trás, sorrindo ainda mais.
– Tá brincando? Nasci preparada! O que vocês têm para nós?
riu pela animação dela e no mesmo instante se animou também. Trabalhar com as meninas era a melhor coisa que poderia lhe acontecer, eram incríveis em todos os aspectos.
-ssi desenhou seus figurinos... – o rapaz que se estava calado até então se pronunciou, fazendo Lisa virar para ele no instante em que ele pegou o croqui e deu a ela – Estava nesse momento dizendo a ela o quanto está incrível.
– Seungyoon-ssi! – o repreendeu, escondendo o rosto entre as mãos logo em seguida, fazendo- rir.
Lisa pegou a folha e analisou as quatro silhuetas vestidas em roupas leves e coloridas.
– Essa aqui sou eu? – ela virou para a mais velha apontando para a terceira da fileira, vestindo uma blusa over size vermelha, short jeans azul de lavagem escura, meias longas brancas e tênis amarelos – Eu amei muito! Tá incrível! Foi ideia sua mesmo?
assentiu levemente ao que a maknae do grupo deu um gritinho animado e a abraçou de lado, apertando-a.
– Parabéns, unnie! Isso está incrível! Vamos mostrar para a senhora Hae!
– Lisa, eu só estava treinando e-
– Ah, qual é! Não precisa ser modesta comigo! Olha só isso aqui e- – ela se interrompeu ao ver a líder do grupo entrar na cantina e a chamou, animada – Unnie! – acenou, balançando a mão livre freneticamente – Jisoo vai amar isso também, é a cara dela! – ela virou para a stylist novamente, pegando sua mão para que levantassem e fossem logo para o terceiro andar.
só teve tempo de pegar seu copo de café e segui-la para a porta, rindo.
-ssi! – a voz de Seungyoon a fez parar e se virar para ele, que segurava sua pasta com os outros desenhos – Você estava os esquecendo.
Ela riu e balançou a cabeça, vendo Lisa continuar a caminhada até Jisoo para mostrar o croqui.
– Muito obrigada! – ela se curvou ligeiramente – Lisa é elétrica demais, nem nos despedimos de você corretamente. – ela riu sem graça, pegando a pasta e segurando debaixo do braço.
– Está tudo bem! – ele sorriu, colocando as mãos nos bolsos do jeans rasgado de lavagem clara – Boa sorte hoje! Espero que suas ideias sejam aprovadas.
sorriu e apertou o copo de café na mão, sentindo a ponta dos dedos formigarem. Eram sensações misturadas demais para uma manhã de segunda-feira.
– Muito obrigada pelo incentivo. Não vou esquecer isso.
– Fico feliz em ajudar! – ele piscou, sorrindo, e ela sentiu o coração adiantar uma batida novamente.
se curvou e virou para onde as meninas estavam a esperando, tentando inutilmente controlar os batimentos cardíacos.
, Lisa me mostrou! Eu amei! – Jisoo sorriu para ela, que sorriu de volta a cumprimentando – Nem pense que vamos deixar você esconder isso da senhora Hae!
– Se eu levar uma bronca por me intrometer nisso vou colocar a culpa em vocês! – ela brincou, apontando para as duas enquanto saíam pela porta automática.
– Não vai ter bronca nenhuma, tenho certeza. – Lisa sorriu, confiante como sempre – E quanto a Kang Seungyoon? – seu olhar se tornou esperto de repente e ela balançou as sobrancelhas para a mais velha.
– O que tem ele? – se colocou na defensiva, apertando a pasta no colo.
– Está rolando alguma coisa entre vocês? – a maknae perguntou abaixando a voz e sorrindo com a língua para fora e entre os dentes.
A jovem stylist arregalou os olhos e corou violentamente.
– Lisa! – ela a repreendeu, falando ainda mais baixo quando elas adentraram o elevador – De onde você tirou isso? Só estávamos conversando.
– Não é a primeira conversa entre vocês... – Jisoo também comentou, sorrindo ao que a mais nova assentiu repetidamente.
– Trabalhamos aqui, ué. Não é impossível de acontecer. – deu de ombros, tentando fingir que não estava novamente sentindo seu interior flutuar entre a apreensão e excitação.
– Ele parecia interessado em você... – Lisa provocou, colocando a mão no queixo, como se estivesse pensativa.
– Ele é bonito. – Jisoo comentou.
– E canta muito bem.
– Parece tão gentil!
– Também se veste muito bem.
– Unnie, você tem um pretendente! – Lisa terminou, parecendo ainda mais animada que antes.
– Meninas, por favor! – riu nervosa, tentando pensar em algo que as desviassem do assunto, mas ela mesma não conseguia parar de pensar no que falavam.
Ele realmente parecia interessado?
Assim que o elevador abriu no andar delas, se obrigou a mudar de assunto.
– Vamos trabalhar? Assim vocês param de criar fantasias na cabeça.
– Se você está dizendo... – Lisa fez uma última provocação antes de passar pela porta automática do departamento de moda.
Em poucos minutos todos estavam preparados para começarem as provas de roupas. organizava as peças de acordo com as combinações quando pensou nos seus desenhos. Munida de uma coragem e determinação que saíram sabe-se lá de onde, ela caminhou até a chefe do setor, segurando seu croqui entre os dedos trêmulos.
– Senhora Hae, com licença. – a mulher que tinha os olhos no IPad assentiu, acenando para que ela se aproximasse – Sei que essa não é minha atribuição, mas pensei em uma combinação para o take de fundo amarelo...
A mulher alta e magra, de cabelos pretos curtos e olhos afiados levantou o rosto para a mais jovem, olhando-a através dos óculos de armação quadrada com uma expressão que não conseguia decifrar.
– Continue.
– Dentre as peças que selecionamos na semana passada eu combinei algumas e rascunhei um croqui, respeitando as especificações do conceito. – ela esticou a folha para a mais velha, que a pegou e olhou atentamente, correndo os olhos pelos traços de uma forma que fez sentir medo.
– Troque a cor do cinto de Rosé, escolha um rosa ou vermelho e pode separar essas peças para as fotos de teste. – ela devolveu o croqui e acertou os óculos.
demorou a perceber que ela havia acolhido sua sugestão e se curvou no instante seguinte, mal podendo conter o sorriso enorme que tomava conta de seus lábios.
– Muito obrigada, senhora Hae! Peço desculpas novamente por interferir, mas agradeço sua acolhida! – ela se levantou após falar e a mulher sorria.
– Você está em uma equipe múltipla e transversal, é seu trabalho fazer sugestões e contribuir. E não hesite novamente em fazê-lo. Não me agradeça por isso.
assentiu novamente e sorriu, tremendo de felicidade. Era uma oportunidade e uma realização incrível para ela.
– E, por favor – a chefe chamou sua atenção novamente –, não diga novamente que rascunhou um croqui. Não é nada profissional. Você elaborou. Você criou. Valorize seu trabalho. Palavras são importantes. Agora vá!
Assentindo, se curvou novamente e voltou até as araras de roupas, buscando o olhar das quatro jovens artistas, levantando um polegar para elas em seguida. As quatro sorriram animadas e devolveram o gesto, parabenizando-a.
O resto do dia passou em um borrão, mas antes que ela mergulhasse de vez na loucura do trabalho, deixou que a figura sorridente e adorável de Kang Seungyoon tomasse conta de sua mente e aquecesse seu coração.


02

“I know you want me
(Eu sei que você me quer)
아마 내가 너를 더 좋아하나 봐
(Eu acho que gosto de você mais)
[...]
너도 내 맘과 같다
(Me diga que você sente o mesmo)”


– É isso aí, pessoal! Obrigado pelo trabalho duro de todos! – o diretor de fotografia gritou, liberando as equipes do dia exaustivo de sessão de fotos e gravação de alguns takes do MV de As If It’s Your Last, próximo single promocional de BlackPink.
O burburinho de vozes se cumprimentando e os aplausos de alguns encheram o set e apenas deslizou ao lado de uma pilha de roupas, sentando-se no chão e segurando as peças com um braço para que não despencassem e lhe dessem ainda mais trabalho na hora da organização.
Estava exausta, mas seu trabalho não terminara. Ainda precisaria voltar à sede da empresa, organizar todos os figurinos e separar os que seriam usados no dia seguinte, o segundo e último dia de gravação. Apesar de sentir os dedos dos pés pulsarem pelo cansaço e por sua lombar começar a espalhar uma dor por suas costas, não conteve o sorriso ao espiar as expressões das jovens idols, que conversavam animadamente com o diretor de vídeo.
Sabia o que cada passo daquele significava para elas e o quão grande era a apreensão a cada nova música lançada. O sistema de competição voraz no cenário musical não escolhia a quem atingir e todos experimentavam o doce e o amargo da livre concorrência entre as empresas. Como um time, todos ali estavam se empenhando para que elas tivessem o sucesso esperado, mas especialmente almejava que elas pudessem aproveitar o melhor daquilo, que era fazer música e entreter pessoas com isso. No final das contas, era por esse sonho que tantos e tantos passavam anos como trainees. Ela sabia, no entanto, que o debut não era o fim do objetivo. Havia a constante pressão por aprovação, por resultados, números, vendas, charts. Nunca acabava. Por isso dali, encolhida entre a pilha de roupas e as araras, ela desejava que aquelas quatro jovens pudessem ter mais experiências positivas que negativas e que soubessem aproveitar cada experiência ruim como aprendizagem e amadurecimento.
Era apenas a stylist, mas em um mundo tão intenso como aquele em que estava não conseguia evitar se envolver tão intimamente.
– Reage, ! – a voz de Yeri se prolongou atrás de si e ela logo sentiu as mãos da amiga em seus ombros, apertando-os e balançando-os, fazendo com que uma careta surgisse em seu rosto.
– Não sei onde você arruma tanto pique! – fingiu resmungar, mas riu quando viu a outra rolar os olhos, aparecendo em sua frente e lhe ajudando a levantar.
Shin Yeri estava na equipe de cabelo e maquiagem do grupo feminino e as acompanhava desde o pré-debut, quando trabalhava apenas com trainees. Mesmo com apenas alguns meses a mais do que na empresa, ela normalmente agia com bem mais desenvoltura que a última nas mais variadas situações, o que fez com que se aproximassem e criassem um forte vínculo pela ajuda e companheirismo mútuo.
– Já tivemos dias piores, você sabe! – seus lábios finos se esticaram em um sorriso esperto e lhe deu razão assentindo.
– Mesmo assim, sinto como se meus pés fossem cair a qualquer momento! – exagerou, fazendo a mais alta rir – Será que podemos ter uma pausa para o lanche antes de voltar para a sede? – perguntou, voltando a fazer uma careta sofrida.
Yeri deu de ombros, prendendo os cabelos compridos no topo da cabeça, fazendo com que a coloração laranja nas pontas ficasse em evidência, lhe dando um penteado bonito, mesmo que fosse completamente casual. Seu rosto fino e comprido ajudava sua aparência sempre saudável e altiva.
– Prefiro não parar para nada ou não chegaremos antes das nove da noite em casa e, se quer saber – ela virou para a amiga novamente, puxando a mesa de rodinhas onde os estojos de maquiagem estavam –, tem um drama novo no canal quinze que eu não quero perder.
olhou com uma sobrancelha arqueada em sua direção antes de abrir a mala média para começar a organizar as roupas, enquanto os outros funcionários começavam a fazer o mesmo que elas e desmontar o lugar.
– Achei que você tivesse dito que não queria mais perder tempo com dramas...
– Sabe o Sung Hoon? – ela lhe apontou um pincel para blush, se referindo ao belíssimo protagonista de My Secret Romance – Pois é, ele me fez mudar de ideia.
gargalhou, balançando a cabeça e começando a dobrar as roupas e organizá-las na mala.
Em cerca de meia hora deixaram o set de gravação e partiram nos carros para a sede da YG. A tarde caía em um pôr de sol bonito, mas estava sonolenta demais para apreciar através do vidro fumê do veículo designado a sua equipe. Nos fones de ouvido, sua principal ferramenta de sobrevivência, as vozes de Park Kyung e Park Boram cantavam Ordinary Love e enquanto ela prestava atenção na letra, assustou-se com a imagem projetada por seu inconsciente.
Há dias que não conseguia expulsar Kang Seungyoon de seus pensamentos e se sentia inconsequente por isso. Não havia nada além de confusão e dor para tirar do sentimento que ela via crescer, porém, por mais que o reprimisse, ele sempre encontrava uma brecha para envolvê-la quando baixava sua guarda.
detestava complicações e dramas na vida real, então mesmo que o sorriso gentil dele assombrasse sua mente, assim como todas as lembranças das vezes em que ele agia de forma atenciosa com ela – momentos que sua mente insistia em reproduzir várias e várias vezes em suas noites antes de dormir –, a stylist sabia o que mais pesava em sua balança de decisões.
Relacionamentos entre idols e funcionários são estritamente proibidos. A regra era explícita e transparente como água potável, assim como seus objetivos na empresa. O que buscava ao entrar na YG era estabilidade financeira e experiência profissional para em um futuro próximo conseguir montar seu próprio atelier. Simples e atrativo, da forma como ela sempre sonhara. Nada em sua lista de prioridades mencionava uma paixão sem futuro com um ídolo de KPOP.
Por Deus, aquilo fazia parte dos planos de Yeri, não dos seus.
Ainda ouvindo Park Boram cantar seu dilema pessoal – “O que eu faço? Você não é um cara comum e mexe comigo. Eu sinto isso...” –, ela saltou do veículo assim que o mesmo parou no estacionamento coberto da empresa. Direcionou-se ao porta-malas e ajudou os demais a desembarcarem os figurinos e demais acessórios. Segurou uma bolsa enorme no ombro esquerdo e arrastou uma das malas, apressando-se para subir pelo elevador externo junto com Yeri.
– Você conseguiu ganhar um aspecto ainda mais decadente nesse pequeno intervalo – Yeri se arrastou para o lado para que a amiga pudesse se acomodar na caixa de aço que começava a subir –, o que houve? Parece mais que cansaço.
engoliu o incomodo que lhe atingiu no caminho até ali e deu de ombros, querendo esconder dela o real motivo de seu humor inconstante.
– É só sono – passou as mãos pelo rosto, tentando deixar de pensar nele –, mas e você? Tô achando seu astral muito elevado pra quem ontem mesmo estava morrendo por não ter conseguido uma folga para viajar para Saitama.
Yeri abanou uma das mãos ao que passaram pela porta, ao chegarem ao andar de seus departamentos.
– Ouvi boatos sobre um debut solo pro Jiwon! – ela tentou não falar alto demais, porém seu sorriso enorme foi o suficiente para demonstrar sua empolgação, o que fez rir levemente.
Esse era o motivo pelo qual uma paixão com um idol estava nos planos de Yeri e não nos de . A jovem mais velha era uma fã devotada de iKON e eles foram sua principal motivação para tentar uma vaga na empresa de Yang HyunSuk.
Yeri vinha de boa família, a qual tinha empreendimentos no ramo dos cosméticos, o que facilmente lhe arranjaria um emprego bem melhor do que o que mantinha ali, mas não eram dinheiro e status que lhe moviam. Ela mesma contava que não sabia como aquilo havia acontecido, já que não era o tipo de pessoa que era fã incondicional de algo, mas nutria um amor muito bonito pelos sete rapazes, especialmente pelo rapper que mencionara para a amiga.
Há alguns dias ela tentara uma folga para viajar ao Japão, mais especialmente para Saitama, onde iKON faria um de seus shows da nova turnê, mas não conseguira. Passara dias de mau humor por isso. Trabalhar na mesma empresa que eles não era sinônimo de que os via sempre, infelizmente.
– Pra quando? – perguntou, ainda sorrindo.
– Não sei! – mesmo que tentasse se conter para não chamar atenção, ela ainda emanava euforia – Disseram segundo semestre. Pensando nas datas da tour, chuto agosto.
– Vai passar rápido! – a apoiou – Vamos trabalhar tanto nos próximos dias que junho vai passar voando!
– Eu tô morrendo de saudades deles, ! – ele mordeu o lábio inferior, quase dando pulinhos ao falar – Não aguento mais isso de Japão! Será que vou ter que arrumar um trabalho na YGEX? – bufou, referindo-se a subsidiária japonesa da empresa.
Apesar de ter rido, sabia o quão delicado era o assunto.
– Por enquanto, o que nos resta é trabalhar.
Deu dois tapinhas no ombro da amiga e se virou para a sala oposta a dela, adentrando em seu departamento e respirando fundo antes de se alongar e começar a deixar tudo preparado para o dia seguinte.
Depois de tudo devidamente organizado, se sentou na borda da mesa da colega de equipe e tomou em suas mãos um montante de fotos de teste que haviam sido tiradas na semana anterior. Sorriu para a imagem das quatro no plano de fundo amarelo, vestindo as roupas que ela havia designado. Sentiu-se feliz por ter tido a coragem de contribuir.
– Foi uma ótima escolha, -ssi. – a voz de sua chefe soou ao seu lado, fazendo-a se levantar e inclinar a cabeça levemente para agradecer.
A maioria dos demais funcionários já havia ido embora e a maioria das luzes já estavam apagadas, o que fez a jovem perceber que ela e a chefe eram as últimas por ali.
– Eu agradeço a oportunidade, senhora Hae. Fico muito feliz em ajudar! – sorriu largamente ao ver a mulher a sua frente sorrir também.
– As meninas adoraram. Você se alinha ao estilo delas. Todos elogiaram o figurino. A partir de então não posso esperar menos que isso de você, senhorita.
Ela ajustou os óculos e assentiu prontamente.
– E pode pegar uma pra você – falou, já se encaminhando para a saída, apontando para as fotos na mesa –, afinal, é seu primeiro figurino em um MV. É especial o suficiente para ter algo como recordação.
– Muito obrigada, senhora Hae! – inclinou-se na direção da mais velha, que já passava pela porta de vidro automática.
Com um sorriso ainda maior no rosto, segurou uma das fotos onde as meninas saíram dando risadas e decidiu que ficaria com aquela. Ainda olhando a imagem, colocou a mochila em um dos ombros e caminhou para a saída, louca para tomar algo quente e despencar em sua cama até o dia seguinte.
Assim que a porta automática abriu novamente, Seungyoon destravou o celular e virou o corredor, fingindo caminhar por ele despreocupadamente. Estava ali há alguns minutos depois do fim da reunião de seu grupo com Yang Minsuk, esperando que aparecesse. Quando levantou os olhos, ela estava guardando algo na mochila e sequer notara que tinha companhia.
Seungyoon não conseguiu evitar um sorriso ao vê-la adoravelmente vestida em um macacão bege e uma blusa cropped listrada, de mangas compridas. Era linda em cada pequeno detalhe e ele se sentia quase um tolo por tornar-se tão facilmente vulnerável diante dela.
-ssi – ele continuou a sorrir e se curvou levemente ao cumprimentá-la –, como vai?
se surpreendeu ao ver o rapaz no início corredor, o que fez com que segurasse a alça de sua mochila com um pouco mais de força, ao igualmente se curvar e caminhar em sua direção.
– Seungyoon-ssi... – queria se bater por ficar tão nervosa diante dele – O que faz aqui?
Não ignorou sua pergunta educada de propósito, mas como não esperava por ele ali, estava visivelmente desconcertada. Seria um trabalho árduo deixar de pensar nele se Seungyoon continuasse a cruzar seu caminho com tanta frequência.
– Acabei de sair de uma reunião com nosso CEO. – ele ainda sorria de forma fofa e amigável e a olhava de um jeito tão terno que fazia seu peito formigar.
– Boas notícias? – ela perguntou, tentando sorrir ao chegar ao seu lado.
– Teremos um comeback em breve – seus lábios grossos se repuxaram ainda mais e sentiu o coração adiantar uma batida –, vamos começar a acertar os detalhes logo.
– Isso é ótimo! – seu sorriso agora era largo e verdadeiro, genuinamente feliz por ele e pelo grupo – O último single álbum foi um sucesso, não é? – continuaram a caminhar juntos até o elevador – Tenho certeza que farão um excelente trabalho!
– Vamos nos empenhar para isso! – ele colocou as mãos nos bolsos dos jeans e virou para ela, que apertou o botão para chamar a máquina até o andar que estavam.
– Vou torcer para que tudo ocorra bem. Mas e então – virou para ele também, encarando seus olhos castanhos de perto –, acabou se perdendo neste andar? – riu de leve e ele a acompanhou, se inclinando para frente e para trás, um tanto nervoso.
o observou atentamente. Estava realmente curiosa para saber o que ele fazia ali.
– Na verdade – ele hesitou um pouco ao sorrir e ali podia ver aquela dualidade tão típica dele, de quem sabia ser extremamente atraente, mas de uma forma completamente adorável –, desci até aqui pra ver se encontrava você.
A jovem sentiu o nervosismo voltar e rodopiar em seu ventre.
Seungyoon sabia que ela ainda estava ali, pois havia encontrado com Lisa e Jennie no térreo e a mais nova havia lhe dito, após ele perguntar pela stylist como quem não quer nada, que ainda estava em seu departamento.
– Por que você não vai até lá? – Lisa havia sugerido, sorrindo de seu jeito típico, o que lhe deixava com um ar ainda mais jovial e um pouco travesso – Sei que quer vê-la e tenho certeza que a unnie vai adorar.
Seungyoon havia rido, em parte pela animação das duas e parte por nervosismo.
passou o dia conosco no set, deve estar exausta. – Jennie contou, seus braços entrelaçados ao da amiga e companheira de grupo – Se eu fosse ela, adoraria um convite para comer sulleongtang. – a jovem idol o olhou sugestiva, enquanto Lisa ria ao seu lado – Sabe, ela adora kimchi com pratos quentes...
Kang Seungyoon era bom em entender nas entrelinhas.
– Obrigado, meninas!
– Seungyoon-oppa hwaiting! – elas o incentivaram, por fim, fazendo-o rir em seu caminho até o elevador.
– Precisa de alguma coisa? – perguntou para ele, que ainda esperava uma reação, e tentou soar o mais profissional possível.
– Preciso que não seja tão formal comigo, já disse que não há necessidade.
– Seungyoon-ssi...
– Você já está livre? – ele ignorou o tom repreensivo dela – O que acha que sairmos para comer? Conheço um lugar onde servem um ótimo sulleongtang. – sorriu, esperando que aquilo fosse incentivo suficiente para que ela baixasse a guarda e permitisse que um aproveitasse a companhia do outro, como tanto queriam.
Apesar de achar que aceitar seria absurdo, seu estômago roncou com a menção de um de seus pratos favoritos. Não comera nada desde o intervalo para o almoço e um bom caldo quente seria seu oásis.
– Não acho que seja uma boa ideia... – ela mordeu o lábio e a porta do elevador se abriu ao lado deles, mas nenhum dos dois se moveu para entrar – Eu agradeço o convite, mas não quero me colocar em uma situação delicada e-
– Não existe nenhuma situação delicada aqui. – ele a interrompeu apenas para incentivá-la a aceitar – É só um jantar. Qualquer coisa que surja disso, eu assumo a responsabilidade, prometo.
O rapaz cruzou os dedos diante dela, o que a fez rir levemente.
– Seungyoon, eu...
– Você não quer ir? – perguntou, sem deixar de sorrir ao notar que ela não foi tão formal, como ele pedira.
Por alguns segundos, ponderou sua resposta. Óbvio que queria ir. Sentia-se lisonjeada pelo convite, mas também sabia que isso não era tudo. Não podia se deixar envolver, mas no fundo já estava completamente envolvida e se arriscar pareceu ligeiramente tentador.
Era só Seungyoon, não era? Um cara qualquer de Busan, como ele mesmo havia lhe dito dias atrás. Com isso em mente, talvez se sentisse menos irresponsável pelo que diria a seguir.
– Eu adoraria.
Seu enorme sorriso se replicou no dele, completamente satisfeito, e o rapaz se apressou em colocar a mão entre as portas de aço do elevador para evitar que ele descesse sem os dois.
Trocando olhares, eles adentraram a máquina e quase sentiu como se não tivesse volta. Só esperava não se arrepender depois.

No restaurante pequeno e tradicional, os dois se sentaram nas esteiras no chão e inspirou o delicioso aroma da rabada cozida com macarrão e cebolinha. Seungyoon, do outro lado da mesa, sorriu para sua feição adorável. Os dois agradeceram ao atendente que lhes serviu e começaram a se preparar para comer.
– Você deu sorte na escolha – ela sorriu, usando o jeokkarak para acrescentar kimchi ao caldo –, sulleongtang é um dos meus pratos preferidos.
– Na verdade – ele riu um pouco, após usar a colher para levar o líquido quente até a boca –, não foi exatamente sorte.
– Como? – arqueou uma sobrancelha em sua direção.
– Lisa e Jennie me deram uma mãozinha, digamos assim.
riu, balançando a cabeça em negação. Deveria imaginar que elas conspirariam a favor daquilo em algum momento. Nenhuma das quatro, especialmente a integrante tailandesa, deixavam em paz quando o assunto era o líder do Winner.
– Isso é uma tentativa de encontro, então? – riu um tanto nervosa e sentiu seu interior gelar quando Seungyoon lhe olhou de um jeito diferente.
Isso é só um jantar, como eu havia dito – ele frisou, não deixando de olhá-la por um segundo –, mas se você aceitar, os próximos podem ser tornar encontros.
A sensação de frio na barriga se espalhou por suas costas e lhe arrepiou a nuca. Vê-lo verbalizar que gostaria de ter encontros com ela era o fim de suas tentativas de fingir não ver o significado de suas atitudes tão atenciosas e amáveis. Kang Seungyoon a queria e, por Deus, ela também o queria. Gostaria tanto que isso bastasse.
– Seungyoon, olha-
, por favor – a súplica em seus olhos junto ao fato dele chamá-la pelo apelido pela primeira vez causando nela mais efeitos do que gostaria de admitir –, não há nada de errado nisso. Eu gosto de você.
Suas palavras saíram pausadas e firmes e a jovem não aguentou a intensidade de seu olhar, desviando seus olhos para a tigela à sua frente, sentindo as mãos começarem a suar.
– Sei que você sente o mesmo. Sinto muito – ele sorriu –, mas você não é muito boa em disfarçar.
riu, sem jeito e um pouco triste. Aquela declaração fizera seu coração adiantar muitas batidas e por um momento ela quase esqueceu os desdobramentos de responder àquilo como queria.
– Você não sente? – ele insistiu, avançando a mão sobre a mesa querendo tocar a dela, mas esperando que respondesse antes.
– Seungyoon, você sabe que não podemos. – suspirou, erguendo o olhar para ele novamente – Eu sequer deveria estar aqui! Eu sou uma funcionária e você é um idol. As regras são bem claras.
– Você sabe que isso não é um empecilho real, não sabe? Posso conversar com meu manager e-
– Pode não ser pra você – ela foi mais assertiva ao interrompê-lo –, mas e pra mim? As pessoas vão questionar o meu emprego e eu não quero isso.
Seungyoon sabia que o que ela dizia era passível de acontecer, mas não era justo. Não lhe parecia justo abrir mão de um sentimento como aquele por receio do que poderiam falar.
– Ninguém precisa saber agora. Podemos ir com calma e posso fazer o que for possível para que você não saia prejudicada, mas , por favor – ele a tocou com carinho, o que fez com que ela desviasse o olhar para suas mãos juntas sobre a mesa; a pele dele, mais grosseira que a dela, roçando na sua ao que o polegar dele se movia pelas costas de sua mão –, você não sente o mesmo?
Seus olhos se fecharam ao mesmo tempo em que ela deixou um longo suspiro escapar. Não conseguiria mentir para ele.
– Talvez sinta até mais do que você.
Seungyoon sorriu, apertando sua mão contra a dela e sentindo seu coração pular pela satisfação de ouvi-la admitir.
– Duvido.
riu levemente pela forma que ele respondera e ergueu seu olhar para ele, sorrindo ao vê-lo esticar os lábios a ponto de seus olhos se tornarem duas pequenas fendas. Seungyoon tomou a mão dela entre as suas e levou até seus lábios, beijando-a repetidamente em seguida.
– Não vou decepcionar você. Juro.
Ela levou a mão livre até o rosto dele, tocando sua bochecha macia e acariciando-a com o polegar. Seungyoon fechou os olhos sob seu toque.
– Estou confiando em você.
O rapaz tomou sua outra mão e beijou sua palma, fazendo-a sorrir abertamente.
– Você não sabe o quanto estou feliz com isso. – deixou mais dois beijos em cada mão antes e largá-las – Agora coma. Você estava faminta.
voltou a remexer seu caldo e comer acelga apimentada, quando a imagem das quatro idols voltou a sua mente, fazendo-a voltar a sorrir.
– Então precisamos agradecer Lisa e Jennie, certo? – perguntou, levando mais caldo à boca – Elas vão pirar! – riu, imaginando – Aliás, as quatro.
– Bom saber que temos aliadas.
– Entusiastas de primeira linha.
Os dois riram juntos, apreciando o jantar e a companhia um do outro pelo resto da noite. aproveitou o gostoso frio na barriga que os olhares de Seungyoon lhe proporcionavam, enquanto esquecia no fundo da memória os problemas que aceitar estar com ele poderiam lhe acarretar. Não conseguia, no entanto, deixar de se sentir leve e relaxada ao seu lado. Depois de um dia longo e cansativo, Kang Seungyoon estava demonstrando ser seu verdadeiro oásis.
Ela só esperava que aquilo durasse.




Continua...



Nota da autora: Escrever essa fic é um oásis. Seungyoon me inspira de uma forma muito especial, então espero que a leitura agrade vocês!
Nos próximos capítulos os outros integrantes do Winner darão o ar da graça e vamos ver como o amor desse casal vai evoluir.
Obrigada por lerem!
xx
Thainá M.





Outras Fanfics:

02. Transformer (Ficstape #062 – EXO: EXODUS)
02. We All Roll Along (Ficstape #057 – The Maine: Can’t Stop Won’t Stop)
03. Drunk In Love (Ficstape #020 – Beyoncé: Beyoncé)
07. No Promisses (Ficstape #043 – Shawn Mendes: Illuminate)
08. Emily (Ficstape #051 – Catfish And The Bottlemen: The Ride)
09. Long Way Home (Ficstape #030 – 5 Seconds Of Summer: 5 Seconds Of Summer)
09. Mid Season (Ficstape #065 – Super Junior: Mamacita)
09. Outro: HER (Ficstape #070 – BTS: Love Yourself: HER)
10. Freedom (Fictape #064 – Beyoncé: Lemonade)
10. Sorry (Ficstape #034 – Jonas Brothers: A Little Bit Longer)
11. Outside (Ficstape #051 – Catfish And The Bottlemen: The Ride)
12. Broken Home (Ficstape #067 – 5 Seconds Of Summer: Sounds Good Feels Good)
12. Don’t Stop Me Now (Ficstape #011– McFly: Memory Lane)
12. Foreigner’s God (Ficstape #033 – Hozier: Hozier)
14. You & I (Ficstape #023 – John Legend: Love In The Future)
Amor em Irlandês (Especial Equinócio de Setembro)
Beside You (5 Seconds Of Summer/Shortfics)
Calling in Love (BTS/Shortfics)
Can You Feel It? (Outros/Shortfics)
Date Night (EXO/Restritas/Shortfics)
Dome Tour (iKON/Restritas/Em Andamento)
Don’t Close The Book (Jonas Brothers/Shortfics)
Love Me Love Me (Winner/Em Andamento)
Love Affair (One Direction/Em Andamento)
Mixtape: Listen To Your Heart (Awesome Mix: Volume 1: “80/90’s”)
Thankful (Especial Extraordinário)

Qualquer erro nessa fanfic ou reclamações, somente no e-mail.
Para saber quando essa fic vai atualizar, acompanhe aqui.


comments powered by Disqus