. .


Pokémon e o Mistério de Sableye

Última atualização: 31/01/2017

Prólogo

O homem de roupas elegantes caminha lentamente em um corredor com pouca iluminação e um sorriso satisfatório. Seu plano, quase concluído, finalmente pode mostrar para aqueles que sempre duvidaram de si, que poderia ter e dominar os seres mais temidos do mundo. Agora, ele será conhecido e temido por todos. A cada passo, se aproximava da sala iluminada com diversas cores causadas pelos efeitos de raios da máquina. Entrando, ele vê seus cientistas trabalhando, com olhos atentos, anotando cada ocorrência e ágeis, manipulando os controles da máquina. O homem se aproxima da grande janela vendo lá embaixo como o experimento está reagindo.
– Como estamos indo? – pergunta para um dos cientistas.
– Ótimo, senhor! – o homem aumenta seu sorriso olhando a criatura em meio aos raios lançados em sua direção. Os olhos azuis da criatura faíscam ao encontrar com os do homem, em toda nave pode-se ouvir seu rugido carregado de ódio.


Capítulo 1

É uma manhã tranquila e ensolarada, acorda abrindo os olhos devagar incomodada com a claridade. Se levanta acordando sem querer sua grande amiga, Lica, uma Pikachu Shiny. Lica é seu primeiro Pokémon, tecnicamente. Após se levantar, decide comer algo antes de continuar sua viagem até a cidade próxima, então depois de preparar tudo, libera seus Pokémons e todos começam a comer, mas há um pequeno Pokémon na árvore os olhando curiosamente, e ao sentir o cheiro da comida, se atrapalha e acaba caindo em cima de , que se assusta assim como seus Pokémons. O pequeno cai no chão e corre para atrás de uma árvore próxima, se senta passando a mão na cabeça e vê seus Pokémons indo, irritados, em direção do desconhecido.
– Opa! Se acalmem, ele não fez por mal. – vai a frente de todos para impedi-los – Tudo bem, não vamos machucá-lo, pode sair. – ela diz para calmar seus amigos, depois vira-se para árvore onde via uma pequena parte da criaturinha. Após o Pokémon se encolher mais, todos puderam ouvir seu estômago roncar, faz muito tempo que ele não comia. – Entendo, você deve estar faminto. Lica, pega uma das frutas para ele.
Lica concorda e vai até a bolsa pegar uma fruta e leva até . A garota agradece e estica sua mão em direção ao Pokémon com cuidado, não quer assustá-lo mais. O pequeno olha para a fruta, estava mesmo com muita fome, mas ainda relutante em ir em sua direção. suspira sem saber o que fazer ao ver o Pokémon naquele estado, Lica se aproxima e tenta convencer de pegar a fruta, depois de alguns minutos, o Pokémon decide sair detrás da árvore vendo a garota e seus Pokémons sorrirem lhe dando confiança. É um Sableye ainda filhote, deduz que ele tenha nascido há sete semanas e fica feliz ao vê-lo se aproximar, mesmo que hesitante, pega a fruta de suas mãos e come agradecido, ela tenta acariciá-lo e ao tocar, ele para de comer se encolhendo de medo.
– Está tudo bem, ninguém vai te machucar. – Sableye a olha vendo-a sorrir e acariciar lentamente sua cabeça, então sorri e termina a fruta. – Isso ai, agora vamos comer.
anuncia e todos os Pokémons comemoram. Sableye mesmo ainda com medo, segue Lica e até onde a garota preparou tudo para seus amigos e todos comem felizes por um novo amigo. Após terminarem, arrumaram tudo e chama todos de volta a suas Pokebolas, menos Lica que subiu em seu ombro. Assim, pega Sableye no colo depois que conseguiu ter confiança do mesmo e vai seguindo seu caminho até a cidade próxima. O pequeno Pokémon dorme tranquilamente nos braços de , ela percebe o quão cansado ele estava, deve ter sido uma viagem cansativa. A garota se pergunta onde estava a mãe do pequeno e o que aconteceu com ele para estar nesse estado, sabia que se ficar debatendo mentalmente, tentando criar alguma teoria para entender a situação daquele Pokémon não ajudara em nada. A garota suspira e volta a prestar atenção em sair da floresta até o caminho que leva a cidade Solaceon Town, onde ficara uns dias e depois seguirá para ganhar mais uma insignia. Mas, em meio a floresta, ouve algo estranho, os Pokémons estão quietos e ela pode perceber a agitação de poucos Pokémons voadores, então tenta apresar o passo, mas uma voz grossa a interrompe.
– Ora, ora, então é aqui que você estava. – olha para seu lado direito e entre as árvores, vê um homem com roupas pretas e uma mascara, ele tem um sorrio maldoso.
– Quem é você? – a garota pergunta assim que Sableye acorda e se encolhe quando vê o homem – O que quer?
– Que tal ser bonzinho e vir conosco e parar de brincar – o homem sai de trás das árvores fazendo dar um passo para trás segurando firme o pequeno em seus braços – Vamos, tem alguém a sua espera.
– Ei, falei com você, o que você quer e por que está atrás do Sableye? – recua ainda mais ao ouvir o que o homem disse, Sableye arregala os olhos e se encolhe, ele estava apavorado.
– Isso não é da sua conta, agora me dê esse Pokémon, ele é nosso.
– Não, não sei o que você pretende e Sableye não quer ir com você.
– Garota insolente, se não quiser que nós mostremos nossa fúria, é melhor você nos estregar esse Pokémon agora!! – o homem diz ficando nervoso.
– Não! – diz assim que Sableye decide ir para que ela não se machuque. – Não entregarei ele a você.
– Grrrr... VOCÊ NOS IRRITOU, IRÁ NOS ENTREGAR ESSE POKÉMON QUERENDO OU NÃO.
O homem pega uma de suas Pokebolas escura e prepara para liberar seu Pokémon. começa a correr, seus Pokémons passaram por uma batalha no dia anterior, estão exaustos, então impede que Lica saia de seu ombro para batalhar e segurando firme Sableye, corre na direção que seu Pokémon voador havia indicado. O homem então libera um Hydreigon dizendo que é inútil fugir, assim que ele monta em Hydreigon e saem em disparada atrás da garota que usa as árvores para atrapalhá-los ou despistá-los, mas só que nem um nem o outro estava funcionando. Aquele Hydreigon é bem trainado ou aquela Pokebola escura tem alguma influencia, igual aquela vez na voz da floresta. O homem ria dizendo ser inútil fugir, cada vez mais eles se aproximavam da garota e quando Hydreigon usou Hiper Raio, agarra Lica e segurando os dois Pokémons nos braços, pula para o lado vendo o estrago feito pelo ataque. Assim que se levanta, volta a correr. Hydreigon continua com o ataque e fica cada vez mais difícil escapar. Foi quando para bruscamente caindo para trás assim que chega em uma montanha íngreme, ficando encurralada, eles aparecem e quando Hydreigon iria atacar novamente, um Pokémon aparece usando Raio de Gelo a frente de Hydreigon que desvia por pouco.
levanta e vê que esse Pokémon para a sua frente e o mesmo pede para ela montar para ele poder tirá-la de lá. A garota logo obedece, montando em Articuno que sai voando acima da floresta sendo seguido pelo homem ainda montado em Hydreigon que está furioso. Ele continua usando Hiper Raio tentando acertar Articuno, agora sobrevoando as nuvens. Articuno tenta de tudo para despistá-los, mas o inimigo é rápido e isso deixa as coisas cada vez mais difíceis. Articuno desvia de mais um ataque e com a velocidade que teve para fazer isso, fica pendurada no Pokémon segurando com um dos braços Lica e o pequeno, enquanto que o outro segura firme em Articuno que tentava não deixá-la cair e nem ser acertada, mas estava ficando difícil manter o voo e desviar dos ataques, e foi ai que Hydreigon acerta as costas de Articuno que cai bruscamente no campo, assustando os Pokémons em volta. cai um pouco afastada, rolando, parando de barriga para cima com Lica e Sableye perto dela. levanta o tronco vendo se os dois estavam bem, mesmo sentindo dor no corpo, ela levanta com eles em seus braços novamente e Hydreigon para a sua frente. Ela dá um passo para trás e ao seu pé dar um movimento falso, olha e vê que está em um penhasco, volta o olhar para frente o homem havia descido do Pokémon e diz sorrindo.
– Não há para onde ir, agora pare de brincadeira e me dê esse Pokémon.
– Não! – Raissa diz com determinação, Sableye a olha sem entender o motivo dela estar pondo sua vida em risco sendo que nem o conhece.
– Então prefere que eu tire esse Pokémon de seus braços a força e caia do penhasco?
– Se você conseguir, então minha resposta é sim. – ela não entregaria aquele pequeno, tinha uma breve noção que algo ruim fizeram ou pretendem fazer com aquela criaturinha. Agora ela entende de onde vem aquele colar estranho no pescoço de Sableye, mesmo não sabendo para que servia.
– Garota tola, bom, então nós acabaremos com você, pegaremos essa peste e levaremos de volta ao chefe.
tenta pensar em como sair dali, foi então que o homem ordena outro ataque a Hydreigon que quando iria obedecer, uma luz estranha aparece do céu atrás de , antes que a garota tivesse qualquer reação, uma luz rosa atinge o chão a sua frente a jogando longe. A única coisa que lembra é de ter abraçado Lica e Sableye forte e caindo do grande penhasco.


Capítulo 2

Ash, Dawn e Brock andam pelo campo depois de uma aventura na floresta, o dia está claro e com ar fresco, Brock logo sugere parar para comerem algo o que anima o grupo. Antes de começar a preparar tudo, Dawn avisa os meninos que um pouco mais a frente há um rio e logo concordam de que lá seria um ótimo lugar. Ash e Pikachu vão correndo animados para aproveitar a água e dar um bom mergulho antes de comer, Dawn e Piplup correm atrás pedindo para eles não saíam correndo, mas ao se aproximar, veem algo estranho na margem e com Dawn e Brock perguntando o que Ash vê, Pikachu vai na direção, rapidamente, antes que seu amigo responda os outros. Todos correm e se assustam ao ver que era uma garota desmaiada com dois Pokémons, um deles ao ver, se prepara para atacar caso cheguem mais perto. Ash, assim que repara na garota, logo reconhece assim como o Pikachu, também, desacordado em seus baços.
- Ahn?! É a ! – ele tenta se aproximar, mas Sableye, mesmo com medo, não os deixa chegar perto – Ei, ela é minha amiga, só quero ajudar.
- Calma, Ash, esse Sableye é só um filhote, ele só quer protegê-la – Brock diz para acalmar o amigo.
- O que será que aconteceu com ela? – Dawn pergunta preocupada, vendo o estado da garota toda machucada e suja.
- Talvez entrou em uma batalha e isso não acabou bem – Brock responde incerto, e tenta se aproximar para poder cuidar da amiga, mas Sableye não deixa.
- Olha, não sei o que aconteceu, mas entenda que não vou fazer nada. Ela é minha melhor amiga e não me importo se você vai me atacar ou não, eu vou pega-la e tira-la daqui para poder cuidar dela.
Ash diz sério, olhando o pequeno e vai até para pegá-la no colo e cuidar de seus ferimentos. Sableye, ainda com medo, ataca Ash com uma investida. Ash se afasta por conta do ataque, mas percebe que foi fraco, não é a única precisando de cuidados. Pikachu tenta conversar com o pequeno, mas não quer deixá-los se aproximar. Ash, ficando nervoso e agoniado em ver sua amiga naquela situação, vai novamente em direção a e sendo atacado novamente pelo pequeno, mas dessa vez com pouca intensidade, já que o Pokémon está exausto e também machucado. Ash abaixa um pouco a cabeça, mas se aproxima novamente e Sableye, mesmo cansado, não irá deixar ele se aproximar, mas algo o interrompe de atacar o garoto e todos ficam surpresos por verem Lica em pé, respirando com dificuldade e olhando para o pequeno de forma tranquila. Com dificuldade, diz a ele para não se preocupar que eles são os únicos que podem ajudar naquele momento e que confia plenamente neles, Sableye acalma concordando mesmo que receoso por não confiar nas pessoas ainda.
Mas, antes que todos se aproximem, Lica perde o pouco de força que tem e antes de cair, Pikachu corre em sua direção e segura, vendo-a inconsciente. Ash rapidamente se aproxima e pega no colo, Dawn pega Lica com cuidado e Brock, mesmo sabendo cuidar dos ferimentos, acha melhor ver se há alguma cidade ou uma pequena vila aqui perto no mapa, que por sorte, tem e logo se apronta em avisar os amigos e guiá-los o mais rápido possível, mas antes, pega Sableye que também não aguenta ficar em pé; como está exausto e preocupado com a garota, o pequeno não impede e todos vão correndo até o pequeno vilarejo que Brock viu no mapa. Quando chegam, falam com a primeira pessoa que veem pedindo desesperadamente quem poderia ajudá-los e a mulher, vendo a situação, os leva até uma casa falando com a senhora para ver se pode fazer algo, a senhora olha a garota nos braços de Ash e o guia até um quarto pedindo para a mulher que os levou, para pegar as coisas. Ash coloca cuidadosamente na cama sentindo-se mal por não fazer nada e por não estar por perto mesmo ela sempre se aventurando sozinha do que com companhia. A senhora tira todos do quarto começando a tratar rapidamente dos ferimentos da garota, Brock usa a sala para cuidar de Lica e Sableye.
- Estão demorando muito – Ash diz inquieto, já faz quase uma hora que estão lá dentro cuidando de .
- Calma, Ash, quando a vimos não deu para ver a gravidade de seus ferimentos, mas a trazemos rapidamente para cá, irá ficar tudo bem – Brock tenta acalmar o amigo, mesmo sendo nítido que nada que falasse iria adiantar, mas também não consegue nem mesmo se acalmar com tudo isso. Ele já havia terminado com os dois Pokémons que dormiam tranquilamente.
- O que será que aconteceu com ela para eles estarem nesse estado? – Dawn pergunta o que corria na cabeça de todos, era estranho ter encontrado eles daquele jeito, ainda mais , sendo boa em batalhas pelo pouco que viu.
- Não sei! Mas acho que tem algo a ver com esse Sableye – Brock comenta vendo o colar preto no pescoço do pequeno.
Ao abrir os olhos lentamente, sente dor em seu corpo, tenta se mover e sente algo levemente pesado em sua barriga e algo se mexendo. Olha para sua barriga e vê Lica dormindo de bruços, enfaixada, e Sableye a olhando aliviado, esse também enfaixado. Ela os olha sem entender onde está e o que tinha ocorrido; ao ver Sableye sorrir feliz em vê-la bem, olha para os lados vendo Ash sentado em uma cadeira ao seu lado também, aliviado depois de acordar assustado quando ouviu Sableye. Ele olha preocupado para a amiga, a vendo acordada e bem. Tinha demorado a processar que ela havia acordado e depois que ela olha para os dois Pokémons em cima de si, sente o alivio a atingir; sorri quando seus olhos se encontram, ela está bem e ali do seu lado, mesma que confusa.
- Ash?! – é tudo que consegue dizer, ainda processando o que tinha acontecido vendo o amigo sorrindo – Onde eu estou?
- Na casa de uma senhora, ela cuidou de você – Ash responde vendo seus amigos entrarem no quarto junto com Cida, a senhora, e reparam que a garota já está acordada – Nós a encontramos na margem de um rio e trouxemos para cá. Você, Lica e Sableye estavam muito machucados, o que houve? – Ash pergunta preocupado.
- Eu não lembro direito – responde sentando-se assim que Lica também acorda e ela e Sableye dão espaço, mas como ainda não está tão bem, Ash a ajuda encostando na cabeceira da cama – Só lembro de estar comendo com meus Pokémons quando esse pequeno Sableye apareceu e consegui fazer com que ele se juntasse a nós, mas depois que acabamos retornei meus Pokémons a suas Pokebolas e com Lica em meu ombro e Sableye dormindo nos meus braços, segui caminho na floresta até um homem estranho aparecer e nos atacar querendo o Sableye. Corri até ficar encurralada, mas um Articuno apareceu e nos tirou de lá...
- Um Articuno apareceu para ajudar vocês? – Dawn pergunta espantada e desacreditada, assim como todos. concorda e continua.
- Também não sei como e nem de onde ele veio, mas nos ajudou bem quando o Hydreigon iria atacar mais uma vez. Lembro de Articuno desviando de um ataque e eu quase caindo, com isso ele foi atingido e caímos em um campo, mas quando levantei e peguei Lica e Sableye, o homem me pediu o pequeno e como recusei, ele ordenou a Hydreigon nos atacar e antes disso, uma luz rosa apareceu e a última coisa que lembro é de estar caindo do penhasco.
- É melhor você descansar mais um pouco, pode estar bem, mas precisa ficar em repouso até amanhã – diz Cida com um sorriso doce, concorda mesmo não gostando muito.
- Você não sabe como pode ter parado perto do rio? – Brock pergunta confuso nessa parte. O penhasco que provavelmente caiu estava longe, então ficava a dúvida de como ela parou perto do rio.
- Não. Apaguei assim que algo atingiu o chão na minha frente e eu caindo – ela responde com o cenho franzido, realmente aquilo era estranho, mas não fazia ideia de como aquilo aconteceu.
- Outra coisa que queria entender. Por que será que tinha um homem atrás de Sableye? – Dawn pergunta, tem até medo de saber por que o pequeno usava aquele colar.
- Não sei, mas ele estava determinado a pegá-lo – diz lembrando da loucura daquele homem estranho – O que será que ele queria com você, em pequeno!? – ela pergunta acariciando a cabeça de Sableye.
- Me levar de volta para um homem que pegou eu e minha mãe! – Sableye responde, deixando todos perplexos.
- Ele... Ele fala!? – Ash pergunta desacreditado.
- É telepatia! – Brock diz surpreso.
- Não sabia que Sableye podia usar telepatia – Dawn diz confusa.
- O que você quis dizer com um homem que pegou você e sua mãe? – pergunta interessada, não gostou muito o tom usado por Sableye.
- Você não está surpresa por ele saber usar telepatia?! – Ash pergunta perplexo olhando para .
- Não! – diz o encarando sem entender a atitude de seu amigo – Você sabe que eu consigo falar com Pokémons! E não é ele, é ela. Sableye é uma menina – ela diz como se nada daquilo fosse estranho.
- Ah! Isso não importa, . Tem tanta coisa acontecendo e você preocupada com isso – Ash diz nervoso o que faz rir se desculpando.
- Sableye, talvez não seja um bom momento, mas poderia nos explicar sobre esse homem e por que ele quer você? – pergunta deixando Sableye confortável em seu colo.
- Claro! É um homem de roupas brancas que foi até minha casa pegar minha mãe e como ele não sabia que eu estava junto, pois tinha acabado de nascer, minha mãe fez o possível para que nada acontecesse comigo. Mas ele me descobriu e eu consegui fugir de um lugar estranho deixando minha mãe para trás – Sableye conta cabisbaixo, é bem doloroso para ela em lembrar que tinha que deixar sua mãe – Tentei voltar e tirá-la de lá de alguma forma, mas eles sempre me achavam. Só quero voltar para casa com minha mãe – Sableye começa a chorar e o abraça, deixando-a confortável em seus braços. Todos a olham triste, se antes queria ajudar a pequena, agora que não irá desistir.
- Você tem um nome – a loira pergunta acariciando Sableye.
- Não! Minha mãe não me deu, pois eles a havia pegado e com o que faziam com ela, nós nem ficávamos tão juntas – Sableye responde secando suas lágrimas.
- Sei que o certo é sua mãe te dar um nome, mas será que eu poderia? Assim não precisaremos chamá-la sempre de Sableye – propôs sorrindo gentilmente para Sableye que a encarava surpresa.
- C-Claro!
- Hmmmm... Que tal... Mina? – pergunta olhando-a alegre.
- Mina!? Gostei – Mina diz sorrindo feliz por um novo nome, realmente é melhor que Sableye, um Pokémon que nem era.
- Certo Mina, então eu prometo que levarei você e sua mãe de volta para casa de um jeito e de outro – diz determinada para Mina que a olha confusa. Lica concorda sorridente, pois não deixaria que nada acontece com sua nova amiga.
- E pode contar com a gente também – Ash diz e Pikachu concorda.
- E não ficaremos para trás, não é Piplup? – Dawn pergunta para seu fiel companheiro e amigo que também concorda de cabeça erguida.
- Não se esqueçam de mim – Brock diz sorrindo.
- Pessoal! – diz surpresa.
- Depois do que aconteceu com vocês, achou mesmo que eu iria deixá-la fazer isso sozinha?! – Ash pergunta com as mãos na cintura, mas sorrindo. ri sabia que não tinha como opinar.
- Isso é bom, mas primeiro vocês têm que descansar. Amanhã poderão ver isso com mais calma – Esmeralda, a mulher que levou o grupo até a casa de Cida, diz os repreendendo.
- Minha neta tem razão, pelo o que você passou, tem sorte por seus machucados não terem sidos mais graves.
Cida diz e todos concordam. suspira e sua barriga e a de Ash roncam fazendo os dois rirem envergonhados. Brock então se dispõe a fazer a janta e Dawn, Esmeralda e Cida vão ajudá-los enquanto Ash fica no quarto conversando com sobre as aventuras que cada um passou. A hora da janta chega e depois de todos bem satisfeitos e feliz por ter comido mais uma vez a comida de Brock, todos vão dormir com Lica e Mina junto com confortáveis em seus braços.




Continua...



Nota da autora: Yo Minna-san! Vou dar um racadinho de que irei demorar para postar os próximos capirulos, igual esse, pois consegui um trabalho e pega bastante meu tempo e logo começaram as aulas da faculdade aii piora um tinquin, mas quero que saibam que não deixarei a história de lado e o tempo disponivel que terei, escreverei a história e mandarei. Farei o possível para não demorar e espero que gostem.



Qualquer erro nessa fanfic ou reclamações, somente no e-mail.


comments powered by Disqus