Última atualização: 05/03/2018
Contador:

Prólogo

Água.
Água gelada.
Água gelada, descendo pela sua garganta e curando essa sede insaciável da qual ele não sabia da onde tinha vindo. tentou esticar a mão, porém havia um peso sobre a mesma, mexeu um pouco a mesma para perceber que se tratava de uma pessoa. A cabeça de uma pessoa. De repente não tinha mais peso nenhum e ele conseguiu se mexer, a primeira coisa que fez foi esticar o braço para o lado a fim de pegar o copo que sempre deixava ao lado da sua cama, porém ele não estava lá. achou esquisito e decidiu que já não estava em casa, ou muito menos em sua cama, e de alguma maneira ele precisava descobrir o que estava acontecendo. tentou abrir os olhos de uma vez, mas a claridade o incomodou como nunca antes, será que tinha bebido na noite anterior e não lembrava o que tinha acontecido? Será que ele tinha acabado de acordar na cama de algum desconhecido com a pior ressaca do mundo?
Quando conseguiu abrir os olhos, a primeira coisa que ele viu foi uma mulher, vestida de enfermeira, que tinha a mão na boca e os olhos vermelhos. Ela é linda, foi a primeira que ele pensou. Depois olhou ao seu redor e percebeu que estava no quarto que sua família tinha no principal hospital da metrópole que ele morava.
- Água. – ele disse e a enfermeira que estava chorando pegou um copo d'água e o ajudou a beber.
- Você quer mais? – ela perguntou, e olhou para ela dando uma boa olhada naquela garota que mais parecia um anjo. Se de longe ela era linda, de perto ela era mais ainda. Seus olhos estavam vermelhos, como se estivesse chorando por longos períodos de tempo e suas mãos estavam tremendo. só conseguiu assentir, não sabia por que, mas essa garota tinha feito com que ele perdesse a linha de raciocínio, perdesse as palavras. A garota colocou mais água e o ajudou a beber. – Melhor?
- Sim, obrigado, enfermeira. – ele respondeu enquanto ela se afastava da sua cama. Ela o olhou confusa fazendo pensar que tinha feito algo de errado.
- Enfermeira? – ela perguntou, olhando pra ele com lágrimas nos olhos. – Você acha que eu sou sua enfermeira? Só isso?
- E não é? Você é médica? – ela abaixou a cabeça e murmurou algo que ele não pôde escutar. Uma outra enfermeira entrou no quarto e quando virou a cabeça em sua direção, ela quase derrubou o que estava segurando. Ela olhou para a outra enfermeira que já estava no quarto e estava de cabeça baixa.
- Não. – ela levantou a cabeça – Eu não sou ninguém, apenas uma enfermeira. – a garota olhou para outra enfermeira, limpando o seu rosto – Eu vou chamar o médico e os seus familiares, eles vão ficar felizes em saber que você finalmente acordou. – a garota saiu do quarto mais rápido do que uma bala. olhou para a enfermeira que ainda estava no quarto olhando-o confusa, o que foi que ele tinha feito pra aquela garota que a fez chorar? E o que ele podia fazer para parar? Uma mulher linda como aquela não merecia chorar, especialmente se tinha sido por causa dele.
- Como você está, ? – a enfermeira que ficou no quarto perguntou – Está sentindo alguma coisa? Alguma dor?
- Só uma sensação da pior ressaca do mundo.
- Você lembra de alguma coisa que aconteceu? Você lembra por que está aqui no hospital?
- Não.
- Você lembra da sua família?
- Sim.
- Você é casado e tem filhos?
- Não, eu sou solteiro.
- Solteiro?
- É. – ele queria perguntar mais alguma coisa, mas foi logo depois que sua família entrou no quarto. Sofia, sua irmã, foi a primeira que o abraçou, quase o esmagando em um abraço, ela também parecia estar chorando.
- Você me assustou, seu ridículo! – ela se afastou dele dando um soco em seu braço.
- Sofia, pega leve. – seu pai, Camilo, puxou sua irmã para o lado e parou em frente à – Que susto você nos deu, filho! Fico feliz que você tenha acordado, nós sentimos sua falta.
- Há quanto tempo eu fiquei apagado? E por que eu estou no hospital? – Ambos se entreolharam, antes de voltar o olhar para .
- Você não sabe por que está aqui? – apenas balançou a cabeça enquanto seu pai olhava para a enfermeira – Você sofreu um acidente há pouco mais de um ano, teve uma lesão que foi preciso fazer uma cirurgia, houve algumas complicações na cirurgia e você ficou em coma por um ano.
- Um ano?
- É, todos os médicos já tinham perdido a esperança que você fosse acordar, mas você sabe como é sua mãe, ela sempre teve esperança que você fosse acordar.
- Como é que eu não me lembro de nada disso?
- Umas das sequelas seria a perda temporária de memória.
- Bem, eu não esqueci nada, acho que é uma coisa boa, certo?! Minha família está aqui, com exceção da mamãe.
- , espero que pelo amor de Deus você não esteja fazendo nenhuma brincadeira de mau gosto! – Sofia disse, cerrando os punhos – Você acabou de acordar, mas eu te encho de porrada, mesmo que a não deixe.
- Quem é ? – perguntou, confuso. Sofia e Camilo se entreolharam e depois para a enfermeira que olhava para .
- Ele disse que é solteiro e sem filha.
- Meu filho! – Constance entrou no quarto do filho e o abraçou forte. Constance sempre foi apaixonada pelo seu filho, Sofia gostava de dizer que ele era um filhinho da mamãe, sua mãe era super protetora o que parecia mais uma maldição do que benção – Eu estava tão preocupada, eu pensei que você nunca ia acordar. – ele se afastou dele, de sentando na cama – Mas é claro que eu nunca perdi a esperança, o meu filho favorito nunca iria me abandonar. – ela passou a mão pelo rosto de e Sofia rolou os olhos. – Como você está? Está tudo bem? Está sentindo alguma coisa?
- Está tudo bem. – olhou para o seu pai e sua irmã – Por que vocês estão agindo como se eu tivesse esquecido alguma coisa? Tem alguma coisa que eu preciso saber?
- Não, querido, mas é claro que não. Tudo está no seu perfeito lugar. - Constance acariciou o rosto do filho.
- Então, o que aconteceu nesse tempo em que eu fiquei dormindo? Alguma novidade?
- Eu vou me casar. – Sofia disse, o que fez arregalar os olhos.
- O que?


Capítulo 1

olhava o salão estonteada com a beleza da decoração, seu amigo e decorador Raul realmente tinha se superado, não que ela duvidasse da sua capacidade de transformar um dos dias mais felizes de uma mulher em realidade, mas ele e Sofia juntos era porque Deus tinha inventado a palavra indecisão. E o que falar da noiva mais linda e feliz que ela já tinha visto na vida? Sofia parecia que tinha saído de um livro de princesa, Maria concordaria com isso, e andava pelo salão com o maior sorriso que ela já tinha visto em seu rosto nos anos que a conhecia, um sorriso que ela tinha quando se casou. Para com isso , essa vida não mais te pertence, você tem uma filha pra cuidar!
Foi nesse momento que levantou a cabeça e olhou diretamente para a razão pela qual ela não conseguia dormir. Deliciosamente em um terno, sorrindo largamente enquanto conversava com seu pai, estava do jeito que ela lembrava e gostava: seu cabelo estava maior, mas já não tinha mais sua barba. tinha quase certeza que Sofia o tinha obrigado a tirá-la para o casamento, ela sabia que ele tinha voltado a treinar por isso ficava desleixado em relação à sua aparência, Sofia fazia questão de mantê-la atualizada da sua condição enquanto insistia que ela contasse a verdade. Mas ela sabia que se ao menos chegasse a um metro de , ela perderia não só ele, perderia sua filha também, e ela não poderia arriscar perder mais alguém na vida. Quando jogou a cabeça pra trás, gargalhando alto, sentiu uma pontada no coração e foi que ela teve a certeza que ainda o amava, não que algum momento do ano que eles passaram separados ela tenha parado. queria andar para o outro lado do salão, e beijar mesmo que ele achasse que ela fosse uma louca, ela precisava senti-lo nem que fosse uma última vez, ela morreria em paz se o fizesse, porém não o fez, ela poderia encontrar paz em casa enquanto contava uma história para sua filha ante de dormir.
se levantou, indo em direção aos noivos, Sofia tinha pedido que ela viesse ao casamento e ela o fez, não precisava passar mais nenhum tempo a mais lembrando da vida que ela levava até dois anos atrás. Quando estava perto dos noivos, algo bloqueou sua passagem, ou melhor dizendo, alguém. não precisou levantar o olhar pra saber quem era, ela sabia muito bem quem era o dono daquele terno, ela estava o encarando descaradamente durante a noite inteira.
- Sinto lhe informar que os noivos não podem ser incomodados. – Ele disse, tomando o seu champanhe e apontando um dedo pra ela. levantou o olhar, o encarando perplexa, ele ainda era o mesmo brincalhão de sempre.
- Eu só vou me despedir. – Ela respondeu, tentando desviar dele, mas ele ficou em sua frente de novo.
- Se despedir? Mas a festa acabou de começar, aposto que ninguém te chamou pra dançar ainda.
- Eu não gosto de dançar, agora se você me dá licença.
- Mas isso é uma mentira, eu vi você dançando da sua mesa. – olhou pra ele surpresa – Mexendo os ombros ao som da música. – Ele mexeu os ombros de um lado pro outro.
- Andou me observando, ? – cruzou os braços e o encarou. Era muito fácil cair nos encantos de , pior ainda quando ela sentia tanta falta dele. Foco, ! – Se você me der licença! – Ela conseguiu passar dele, e andar até onde os noivos estavam. Sofia virou o rosto pro lado e quando a viu, acenou para ela pedindo para ela esperar.
- Você estava no hospital, não estava? – ele disse ao seu lado fazendo com que ela ficasse tensa – Quando eu acordei do coma. Você era uma das enfermeiras.
- Sim.
- E você é amiga da minha irmã?
- Sou.
- Nós nos conhecemos então? Eu conheço todos as amigas da minha irmã.
- Você lembra de mim? – As palavras tinham saído da boca de antes mesmo dela processar o que estava falando. Ela se virou para , esperando uma resposta que ela sabia que não vinha.
- Infelizmente, não.
- Então você não me conhece.
- Mas se eu não te conheço, por que você estava chorando quando eu acordei no hospital? – O poder observador de era uma das coisas que mais gostava e também a que mais odiava, era quase impossível escapar dele.
- Eu tinha acabado de perder alguém. – abaixou a cabeça. Droga, mesmo depois de um ano ela ainda podia sentir a dor do dia em que acordou e não lembrava dela.
- Eu sinto muito.
- Não precisa, aparentemente, ele está bem melhor sem mim.
- Eu duvido. – estava prestes a responder quando Sofia chamou sua atenção, quase a esmagando em um abraço.
- Eu estou casada! – Sofia se separou da amiga a segurando pelos ombros. – Dá pra acreditar nisso, ? – Sofia olhou para o irmão e depois voltou seu olhar para .
- E eu fico muito feliz por você, Sofia, você merece toda a felicidade do mundo. - segurou suas mãos. - Eu vim me despedir.
- Mas já?
- Já é tarde, eu preciso voltar pra casa, você sabe. – Sofia bufou alto com a resposta da amiga e se virou para .
- , o que você está fazendo aqui?
- Tentando convencer sua amiga a dançar comigo. – Sofia se surpreendeu com a resposta do irmão, mas isso não a impossibilitou de sorrir sugestivamente para .
- Eu acho isso uma ideia maravilhosa.
- Sofia...
- Por mim, , por favor. - Sofia fez cara de cachorrinho sem dono e sabia que não tinha pra onde escapar.
- Tudo bem. – ela se deu por vencida. Uma dança, nada iria mudar com uma dança, certo? estendeu a mão para ela, que relutantemente a pegou, deixando-se levar para a pista de dança. passou o braço pela cintura de , que não resistiu em se aproximar dele, o que fez sorrir. I'll be do Edwin McCain começou a tocar, olhou por cima do ombro vendo Sofia sorrir de lado. Claro que tinha tocado música que tocou no casamento deles, claro que Sofia tinha que armar toda a atmosfera romântica, aquela bruxinha!
- Você dança bem pra quem diz que não gosta de dançar.
- Eu tenho meus momentos. – continuou com o olhar para todos os cantos exceto nos olhos de que a encarava sem nem ao menos piscar os olhos. não queria olhar nos olhos de , porque sabia que se apenas olhasse em seus olhos, ela se perderia por completo. Capaz até de deixar a sua razão de lado e fazer alguma besteira da qual ela não se arrependeria, mas provavelmente afastaria pra mais longe do que ele já estava. – Já conseguiu sua dança, satisfeito?
- Ainda não. – Ele se afastou dela, tirando seu celular do bolso e estendo. – Seu celular. Eu quero o número do seu celular.
- Pra que?
- Pra te levar pra jantar. Ou assistir um filme, qualquer programa, contanto que seja com você.
sentiu seu corpo borbulhar, mas não pelo fato que a atração que sentia por ela ainda era real, mas sim pelo fato dele esquecer tudo que eles já viveram juntos. tinha duas opções: ou ela se deixava cair nas graças de outra vez e machucava mais seu coração ou ela protegia o que mais tinha de sagrado.
deu um tapa no celular de fazendo com que o mesmo caísse no chão e disse:
- Nos seus sonhos, . Passar bem! – se virou pra saída, praticamente correndo pra fora da tenda onde ocorria a recepção. escutou que alguém estava a seguindo, fazendo com a garota apressasse o passo, mas logo que escutou a voz da sua melhor amiga e parou no mesmo instante.
- Você sabe o quão difícil é correr nesse vestido? – Sofia colocou as mãos na cintura, encarnado a amiga – O que foi aquilo, ?
- Ele estava dando em cima de mim! Seu irmão é um atrevido! Teve a cara de pau de me mostrar aquele sorriso de lado que eu mais gosto! Argh, eu odeio seu irmão!
- Você ficou com raiva porque ele está dando em cima de você, esposa dele e amor da sua vida?
- Ela não lembra de mim, Sofia, eu sou nada pra ele.
- ...
- Eu prefiro não falar sobre isso.
- Oh, eu entendo tudo agora. , você odeia o por ele não se lembrar de você? – apenas abaixou a cabeça, não querendo encarar a amiga. – Eu acho que você deveria contar a verdade pra ele, dá pra ver que está te matando por dentro.
- Sofia...
- Não é justo com nenhum de vocês dois, vocês viverem uma vida separados, vocês se amam, pelo amor de Deus!
- Eu o amo, Sofia, mas ele não. – levantou a cabeça, deixando que sua amiga ver as lágrimas que formavam em seus olhos – Ele nem ao menos sabe que eu existo, ainda mais que nós somos casados e temos uma filha.
- Eu ainda acho que você deveria contar pra ele.
- Eu não posso fazer isso com , eu não posso insistir que ele tenha uma vida que ele não se lembra, não seria justo com ele.
- Você sabe que ele está voltando pra corrida não sabe? Daqui duas semanas vai ser a volta dele, você não vai impedi-lo?
- Correr sempre foi a paixão dele, e eu o amo demais pra exigir que ele viva uma vida que já não lhe pertence mais.
- , minha mãe não teve nada a ver com isso não né? Nessa sua relutância a contar a verdade pra ?
- Eu preciso ir, Sofia, parabéns outra vez.
- ...
- Me ligue quando terminar a lua de mel, Maria vive perguntando quando a tia dela vai visitar.

assistiu quando a amiga de Sofia saiu do salão praticamente correndo, alguma coisa dentro dele queria correr atrás dela, porém ele não o fez. Ele passou a noite inteira a observando de longe, desde a igreja até a festa, foi impossível não a encarar quando ela passou em sua frente naquele vestido vermelho que parecia ter sido feito especialmente para ela e iria atormenta-lo em seus sonhos. Ele rapidamente a reconheceu, para falar a verdade, ele não conseguiu tirar a expressar triste dela quando ela o viu acordando no hospital. Ele a viu sorrir, é claro, mas pelo resto da noite ele viu a expressão triste cravada em seu rosto. Ele não sabia o porquê mas teve a sensação que deveria colocar um sorriso naquele rosto, melhor ainda, tinha que conhecê-la.
- Pensando em que, meu filho? – Seu pai apareceu ao seu lado segurando duas bebidas. Ele estendeu uma para , que pegou e a bebeu de uma vez.
- O que você sabe sobre , amiga da Sofia? – O pai de quase engasgou na própria bebida. Camilo sempre soube desde o momento que falou sobre pela primeira vez que ela era o amor da vida do seu filho, Camilo quis contar a verdade para , mas Constance nunca o permitiu, tentou conversar com sobre o assunto, mas a mesma apenas disse que se a amasse do jeito que ele dizia que a amava, ele lembraria dela. Camilo sabia que estava na defensiva, conhecia a garota desde que era uma criança, por ser filha de um dos seus grandes amigos do colégio, algo o dizia que não estava contado toda a verdade e ele sabia que tinha dedo da sua ex-mulher no meio.
- Você lembra do Rick, meu amigo do colégio? – Seu pai perguntou e assentiu – Ela é filha dele, passou a maior parte da vida morando do outro lado do oceano até voltar pra perto da família pra trabalhar como...
- Enfermeira. – completou – Eu lembro dela. Quando eu acordei no hospital, ela foi a primeira pessoa que eu vi. – Camilo sorriu de lado deixando continuar – Ela tem namorado?
- Por que, ? Está interessado?
- Só curiosidade.
- , por favor, eu já fui jovem.
- Às vezes eu esqueço disso, quando eu nasci você já tinha cabelo branco. – tomou um pouco da sua bebida. – Tudo bem, eu estou interessado, satisfeito?
- Mais do que você imagina. – Camilo riu mais uma vez – Ela vai estar na sua corrida daqui duas semanas.
- Como é que você pode ter tanta certeza disso?
- Acredite, filho, vai estar na sua corrida. Melhor ainda, ela vai estar na primeira fila.

chegou em casa, ou melhor dizendo, na casa dos seus pais, mais de meia noite e todas as luzes já estavam desligadas. O motorista foi o caminho inteiro lhe entregando lenços enquanto chorava, ela sabia que comparecer ao casamento de Sofia ia ser a sua recaída, mas ela não podia resistir, fazia mais de um ano que não via seu marido, o amor da sua vida, algo dentro dela esperava que assim que ele a visse, ele correria em sua direção e declararia seu amor por ela da mesma forma que ele fazia quando passava tanto tempo longe dela. Só que todos os cenários que imaginou não aconteceram e ela voltou pra casa pior do que antes e querendo chorar até dormir.
Depois que chegou em casa, foi direto para o quarto a fim de tomar um banho e tirar o cheiro de da sua roupa. As memórias que tinham dos momentos que já tinham vividos juntos já a atormentavam diariamente, o cheiro dele só faria mal a sua sanidade. Ela precisava ficar mais sã o suficiente a fim de não deixar o seu inconsciente falar mais alto porque senão ela podia fazer uma loucura e a última coisa que sua filha precisava era uma mãe desequilibrada.
- Mamãe? – virou-se assustada para a porta avistando sua filha na mesma, segurando o urso que o pai dela tinha comprado antes da perda de memória.
- Maria, o que você está fazendo acordada, minha filha? – andou em direção a filha, se abaixando na altura da mesma.
- Posso dormir com você?
- Você teve outro pesadelo? – Maria assentiu devagar fazendo o coração de apertar dentro do peito. – A rainha má conseguia te levar embora outra vez? – Maria abraçou a mãe pelo pescoço. se levantou, andando em direção a cama. – Que tal você dormir aqui e me contar o seu pesadelo?
- Mas eu não quero. – Maria se agarrou mais ao urso em seus braços, fazendo com que a abraçasse mais forte.
- A rainha má aparecia de novo? – perguntou e Maria assentiu. – E ela conseguia te levar embora outra vez? – Ela assentiu de novo.
- Só que dessa vez o príncipe me salvava junto com o Sid. – Maria olhou para a mãe e apontou para o urso em seus braços. – Quando é que eu vou poder conhecer o príncipe, mamãe?
- Ainda vai demorar um pouquinho, minha filha. – Maria abaixou a cabeça e respirou fundo. – Mas eu posso te dizer que ele já está mais perto do que você imagina. – Maria abriu o maior sorriso.
- Então eu vou poder conhecer o príncipe, mamãe?
- Calma, filha, ele ainda tem que descobrir quem ele é. Depois ele vai voltar pra gente, vestido de príncipe e no cavalo branco
- Espero que ele descubra logo, eu quero conhecer o príncipe.
- Eu também, minha filha, eu também.


Capítulo 2

- Maria, sua pequena bruxinha, você pensa que vai escapar do banho? – gritou, andando pela casa, tentando pegar sua filha. Maria estava na beira de fazer quatro anos e a sua última travessura era não querer tomar banho. Aparentemente, ela achava que os banhos no chuveiro não eram tão divertidos quanto os banhos na banheira e se recusava a tomar banho a não ser que fosse na mesma. quase morria por dentro quando a filha falava isso, era a mesma coisa que fazia quando o pegava com os dedos enrugados e um patinho de borracha na banheira da casa deles. Casa da qual se recusava até a chegar perto. – Maria, onde você está? – escutou a risada da filha, mas como a casa dos seus pais era grande e produzia ecos quase em todos os cômodos, era difícil saber da onde vinha. – Tudo bem, Maria, você venceu! – jogou as mão pro alto, se tomando por vencida. – Você pode tomar banho na banheira, agora pode sair da onde você está. – escutou a risada da sua filha vindo do lado de fora da casa. Ela andou em direção ao quintal quando viu sua filha saindo de dentro da casa de Sansão, o golden retriever que era braço direito de Maria nas suas traquinagens.
- Seu traidor! – disse, logo quando o cachorro se aproximou dela fazendo carinho nele. – Escondendo Maria atrás de você outra vez, eu já deveria saber a essa altura do campeonato. - Maria gargalhou alto e correu em direção à mãe, a abraçando pelas pernas.
- Eu posso mesmo tomar banho na banheira, mamãe? – Ela disse, olhando pra mãe. Todas as vezes que Maria olhava pra , pedindo alguma coisa, com aqueles olhos que lembravam tanto os de , a garota se derretia toda.
- Claro que sim. – olhou para filha, a abraçando forte. - Só porque é o mês do seu aniversário, mocinha, depois desse mês você vai começa a tomar banho no chuveiro.
- Palavra de escoteiro. – Maria respondeu, levantando a mão.
- Você não sabe nem o que é ser escoteiro, Maria. - riu da sua filha, segurando sua mão e a guiando em direção ao banheiro.
- Mas o vovô era, então eu também sou.
- Então tá certo, se você diz. – Maria começou a tirar todas as suas roupas enquanto enchia a banheira, a menina andou em direção a pequena caixa que deixava perto da banheira e pegou o seu brinquedo favorito: o patinho de borracha de . deveria já ter se acostumado com a ideia, mas a cada dia que passava, ela ficava ainda mais surpresa pelo fato de que Maria ficava mais parecida com o pai.
ajudou Maria tomar banho e como de costume deixou a filha um pouco na banheira para que ela brincasse até os seus dedos ficarem enrugados.
- ? – As duas viraram a cabeça pra porta, dando de cara com Rick, o pai de , e Camilo, o pai de .
- Oi, vovôs. – Maria disse, acenando pros dois.
- Olá, querida. – Os dois responderam ao mesmo tempo o que fez o seu coração dar um pulo. Desde o primeiro dia que Maria conheceu Camilo, ela insistia em chama-lo de vovô, as vezes a garota achava que sua filha tinha um sexto sentido e sabia de tudo que ela tentava lhe esconder.
- Você pode vir aqui pra nós conversamos, ? – A garota sabia muito bem do que essa conversa se tratava, mas preferiu ignorar e disse:
- Não posso deixar Maria sozinha na banheira.
- Por isso que Mia está aqui. – A babá de Maria, que tinha dado folga, entrou no banheiro. Fudeu! Agora não tem como eu fingir que não posso ir pra corrida de . pensou, se levantando. – Vamos, , você sabe do que isso se trata. Estamos te esperando lá fora.
se deu por vencida, deu um beijo no topo da cabeça da filha, e começou a seguir os dois. O plano que ela tinha armado de dispensar a babá e passar o resto do dia com sua filha ignorando o fato de hoje seria a primeira corrida de desde que ele voltou a treinar, tinha afundando mais rápido do que o Titanic.
- Eu não vou. – Foi a primeira coisa que a garota disse quando parou na frente dos dois no corredor.
- , gostaria que você estivesse na primeira corrida dele de volta. – Camilo disse, cruzando os braços.
- Mas ai é que está, Camilo, não faz ideia de que eu existo.
- Isso não é completamente verdade e você sabe disso. Você é o amor da vida dele, , dentro daquela cabeça dura dele, ele sabe que ama você.
- Só porque ele deu em cima de mim no casamento da Sofia, não quer dizer que ele saiba que eu sou esposa dele, muito menos que ele me ama.
- Por que você está sendo tão resistente a contar a verdade pro ? – Seu pai perguntou. – Primeiro, você se recusa a contar a verdade pra ele, se privando de ver o cara que você ama, seu próprio marido, até sua filha e agora deu pra ignorar que até existe. Você não ama mais ele, é isso?
Se estivesse em um desenho animado, você poderia ver que sua cara estava vermelha de ódio e fumaça saindo dos seus ouvidos. Como é que seu pai tinha a audácia de dizer que ela não amava , quando ele é a primeira coisa que ela pensa quando acorda e a última quando ela vai dormir?
- Como você se atreve, ou melhor, vocês dois se atrevem a questionar o amor que eu sinto por ?! Eu amo aquele homem mais do que é permitido pra um ser humano e passar um ano longe dele foi uma das piores torturas da minha vida, muito mais do que qualquer tortura que a cobra da sua mulher me fez passar. – Ela apontou pra Camilo e continuou: - E é por esse amor que eu não conto a verdade pra ele, porque eu o amo demais pra exigir que ele viva uma vida da qual ele não mais se lembra que teve, sem falar na nossa filha, o maior presente que eu já tive na minha vida, vocês já pararam pra pensar na Maria nessa história toda? Você sabe o quanto iria machuca-la o fato do pai dela nem ao menos lembrar que ela existe? Vai machuca-la e eu prefiro mil vezes sofrer do que machucar qualquer um deles.
estava ofegante quando terminou, mas o que ela mais achou estranho foi que tanto o seu pai quanto o seu sogro estavam sorrindo, eles estavam armando pra saber o que ela estava sentindo, já que ela recusava a dizer qualquer coisa, e ela tinha caído com um patinho.
- Vocês dois armaram pra mim. – Ela disse, chocada. – Vocês armaram pra eu dizer o que eu sinto e eu caí como um patinho.
- Você não nos deu escolha, minha filha, uma das coisas que você conseguiu herdar da sua mãe foi o poder de esconder o que sente.
- Existe uma razão pra isso, sabia?!
- Autopreservação, eu sei disso. – Rick andou em direção a sua filha, e a abraçou de lado. – Nós vimos como você estava no casamento de Sofia depois do seu encontro com e, francamente, você estava acabada. Ainda está. Eu sei que você não quer contar a verdade pra ele, mas acha que esse plano de ficar o mais longe possível, está dando certo?
- É a melhor solução. – resmungou.
- Pra quem? – Camilo perguntou fazendo com que ela olhasse pra ele. – Pra Constance, que finalmente conseguiu separar vocês dois? Você acha mesmo que ia querer que você não lutasse por ele e cedesse às chantagens da mãe dele?
- Ficar perto ou longe de vai me machucar do mesmo jeito, pra falar verdade, ficar perto machuca mais porque eu não posso ficar com ele. – limpou as lágrimas, olhando pros dois. – Vocês sabem o quanto dói saber que eu não posso toca-lo? Que eu não posso confessar todo o meu amor por ele? Que eu não posso ter a minha família reunida e feliz?
- Nós só queríamos ajudar, filha, nós somos os maiores torcedores pra que e você fiquem juntos. Achar amor nos filmes e livros é fácil, na vida real as coisas são diferentes, até mais difíceis, então quando a gente acha alguém que nos ama do mesmo jeito que nós sabemos que vocês se amam, vale a pena lutar por isso.
- Então vocês esperam que eu faça o que? Me jogue nos braços de e declare todo o meu amor por ele?
- Não, , só não deixe Constance ganhar.
- Por que você insiste em dizer que sua ex-mulher tem alguma coisa a ver com isso?
- Porque eu sei que ela tem, mesmo você fingindo que não então a gente finge que acredita.
- Você sempre foi apaixonada por corridas, , lembra quando você costumava se vestir de piloto e acordava às oito da manhã pra que a gente pudesse ir pro autódromo?
- Mamãe ficava louca toda vez que eu dizia que iria ser piloto de corrida. – A garota riu, se afastando de seu pai. – Vocês dois podem esperar enquanto eu me arrumo?
- Nós estaremos lá embaixo.
deu um beijo na bochecha de cada um e correu de volta para o seu quarto. Talvez essa tática de ficar longe de não estivesse dando certo, ou melhor, nunca deu certo pra falar a verdade. Ficar longe dele foi uma tortura durante um ano, se não fosse por Maria, teria perdido a cabeça. Vê-lo no casamento de Sofia fez com que todos os sentimentos que ela insistia em fingir que não existiam voltassem a superfície mais forte do que nunca. Talvez tivesse na hora de mudar de tática, e isso significava que ela conquistaria o seu marido de volta e ela sabia exatamente o que fazer e que roupas usar.

estava nervoso e não sabia o porquê, já tinha corrido mais corridas do que podia se lembrar – literalmente –, correr sempre foi sua paixão e ele não se via fazendo mais nada no mundo. Se correr era tudo pra ele, por que sentia um extremo vazio dentro do peito como se algo estivesse faltando? Ele tinha brigado com sua mãe e irmã que estavam convencidas que ele não precisava mais correr, tinha treinado durante um ano pra sua volta, até o seu médico disse que ele poderia correr então por que tudo parecia diferente? Por que, de alguma forma, tudo ainda parecia sem sentido? Talvez seja pelo fato de você ter esquecido uma boa parte da sua vida, idiota. Claro, os anos que ele esqueceu por conta de complicações em uma cirurgia que ele teve que fazer na cabeça por causa de uma batida, os anos dos quais ninguém queria comentar e fingiam que não aconteceram. Sua mãe apenas dizia que ele tinha continuado o que sempre fez: correr; Sofia ficava tensa e disse que não cabia a ela a contar nada, seu pai então, era bem pior, apenas sorria e dizia que um dia ele iria lembrar e não via a hora disso acontecer. Resumindo: tinha acontecido alguma coisa, mas ninguém tinha coragem de dizer o que.
- , meu camarada. – levantou o olhar avistando o amigo de seu pai, Rick, entrando na sua estação. se levantou do sofá e andou até ele, o cumprimentando. Rick era um amante de corrida, sabia disso, tanto que ele tinha uma cabine exclusiva no autódromo onde ele e a sua filha ficavam. E o que falar da garota que não saiu de sua cabeça desde o casamento de sua irmã?! estava convencido que era alguma espécie de tormento que tinha sido feito especialmente para ele, um tormento que ele aceitava de braços abertos e, se possível, queria até o telefone.
- Rick, que bom que você veio. – Ele disse, olhando por cima do ombro do amigo de seu pai a fim de descobrir se o seu tormento tinha vindo também. – Veio sozinho? – não queria parecer desesperado pra saber se tinha vindo, mas, aparentemente, era mais forte do que ele, precisava vê-la outra vez. – Meu pai veio com você? Digo, ele disse que ia passar na sua casa antes de vir pra cá.
Rick riu e balançou.
- Ele veio comigo sim, foi apenas comprar pipoca, mas já está voltando.
- Que tal nós irmos lá pra fora e esperar por ele? Eu preciso falar com ele sobre algumas coisas do meu novo apartamento.
- Saindo da casa da sua mãe de vez dessa vez?
- É, eu preciso me mudar pra minha cobertura, já adiei por tempo demais. – Os dois começaram a andar em direção pista lateral do autódromo onde os corredores e seus carros ficavam. – Eu já tenho 33 anos, sei me cuidar sozinho, e por mais que eu adore o fato de minha mãe querer cuidar de mim, eu já não sou nenhuma criança e eu preciso do meu espaço.
- Imagino que ficar com ela sozinha naquela casa não seja uma tarefa fácil.
- Parece que eu voltei a ter nove anos, até café na cama ela trouxe pra mim, acredita?! – Rick riu enquanto apenas olhou pra ele parando de andar logo em seguida. Seu pai estava sim na pista, mas não estava sozinho, do seu lado, com um sorriso de orelha a orelha e um refrigerante enorme em suas mãos estava a garota dos seus sonhos.
- Ah, e eu quase me esqueci de dizer: veio com a gente. – Rick bateu nas costa de vendo que o mesmo ficou parado encarando sua filha. – Você lembra da , minha filha?
sentiu como se já tivesse vivido aquela cena, uma espécie de déjà vu com andando em sua direção, em câmera lenta, chamando a atenção de todos os marmanjos que estavam ao seu redor. achava que era impossível que ela ficasse mais linda, aliás, o que ganhava de um vestido longo vermelho, não é verdade?! Porém, com seu tênis detonado, jeans de lavagem escura e camisa que dizia “Boy Bye.” estava ainda mais linda do que ele se recordava.
Quando ela desviou o olhar do seu pai e olhou diretamente para ele, sentiu seu coração começar a bater mais forte. não sabia ao certo o que estava acontecendo com ele, ou porque ele sentia essa necessidade de ficar perto de e se pegava pensando nela uma boa parte do seu dia, mas o que ele sabia era que uma sensação boa. Tão boa que ele não queria que parasse nunca.
- , meu filho. – Camillo, o cumprimentou, porém os olhos de estava focados em . – Lembra da ?
- Claro que sim. – abaixou a cabeça, balançando a mesma. – Do casamento de Sofia. Olá, .
- E você lembra do , ?! – olhou para o seu pai, sorrindo sem os dentes.
- Como é que eu poderia esquecer?! – disse, se virando para . – Olá, . Pronto pra voltar para as pistas? – De repente uma ideia apareceu na cabeça de e ela o olhou confusa e continuou: - Seu médico sabe que você está voltando a correr, ? Você pode correr, ?
- Meu médico me liberou há alguns meses e eu estou treinando há mais ou menos um ano, desde que eu acordei. – , cruzou os braços, a olhando de lado. – , você está preocupada comigo?
- Claro que não! – Ela disse rápido demais, fazendo com que sorrisse largamente. – A gente não tem que ir pra cabine não?! A corrida estar prestes a começar. – Ela olhou para o seu pai e o seu sogro. – E você, , não tem que fazer um ritual estranho antes da corrida? – falava rápido, mexendo com as mãos, quase derrubando o refrigerante que segurava.
- Tenho. – Ele deu um passo, ficando em frente a ela. – E esse ritual requer um beijo da mulher mais linda do autódromo. – olhou em volta e depois voltou seu olhar pra . – E pelo o que eu percebi, você é a mulher mais linda que eu vi hoje, .
- Vai sonhando, ! – rolou os olhos e começou a se afastar dele.
- E o meu beijo? – gritou, fazendo com que ela parasse e virasse pra ele. – Como é que eu vou ganhar a corrida sem o meu beijo da sorte?
- Você arruma um jeito! – gritou, voltando a andar, sem nem ao menos olhar pra trás. apenas sorriu de lado, segurando a vontade de correr atrás dela.
- Nós vamos com ela, . – Camillo começou, chamando a atenção do filho. – não consegue assistir nada sem pipoca. Boa sorte, filho. – Camillo o abraçou e Rick fez o mesmo.
- O que eu tenho que fazer pra conquistar sua filha, Rick? – falou, em um impulso, e quase no mesmo momento se arrependeu de ter aberto a boca. Porém, de alguma maneira, aquela parecia uma cena que ele já tinha vivido. Rick, olhou para com um sorriso no rosto.
- Você sabe que aquela é minha filha que nós estamos falando, não sabe? Você não pode brincar com os sentimentos dela como você fazia com as outras garotas.
- Que outras garotas, Rick? – sentiu seu sangue ferver. – Desde que eu acordei eu não me interessei por nenhuma mulher, claro que minha mãe me fez ir a alguns encontros e comparecer a algumas festas, mas nenhuma mulher é interessante o suficiente pra ter alguma coisa, eu simplesmente me vejo em uma mesa de jantar contando os minutos pra ir embora. Bem, até eu ver a sua filha no casamento de Sofia com aquele vestido vermelho. Tem alguma coisa sobre que não me faz parar de pensar nela. - Ele olhou pra Rick, que o olhava com o sorriso de lado. – Mas parece que ela me odeia, pra eu conseguir dançar com ela foi preciso Sofia intervir, sem falar do meu celular que ela trincou a tela.
- passou por alguns maus bocados nos últimos anos, , ela ainda está com o coração machucado por conta disso. Então pra deixar alguém entrar logo quando ela está começando a sarar, principalmente alguém que pode machuca-la, é difícil. – Rick colocou a mão no ombro do seu genro e continuou: – Mas, alguma coisa, me diz que você vai fazer bem pra ela. Então, quando seu pai for me visitar sexta que vem, por que que você não vai com ele? Finge que não sabia que era minha casa ou que estará lá. – olhou sorrindo para Rick. – Bom levar roupa de banho, sextas são o dia que tem o dia da piscina.
- Rick, você está me ajudando a conquistar sua filha mesmo sabendo que ela me odeia e provavelmente me jogará na piscina quando me ver?
- Ah, , ódio é a última coisa que sente por você. – Rick se afastou dele, começando a andar de costas, ainda encarando . – Te vejo na sexta, genro querido.
E de alguma forma, saber que estava o assistindo fez com que quisesse fazer o seu melhor pra ganhar essa corrida. Parecia que ele tinha achado algum sentido em sua vida pela primeira vez desde que acordou.

estava comendo seus sentimentos. Não só pelo fato de que ela queria ter dado o beijo mais demorado e gostoso possível em antes da corrida, mas também pelo fato de que essa era a primeira corrida que ele iria participar sem ela dar um beijo de boa sorte nele desde o dia em que eles se conheceram. Ela queria, sim, dar um beijo de boa sorte nele, e como queria, porém esquecer o pequeno detalhe que eles são casados e têm uma filha meio que a atrapalhou e seu plano de beija-lo como se não houvesse amanhã. estava agarrada ao balde de pipoca enorme, comendo tudo como um homem das cavernas que tinha acabado de descobrir comida, sem tirar os olhos da pista. estava em terceiro lugar, o que não era nada mal já que fazia anos que ele não competia, porém sabia que não queria que sua volta fosse em vão, ela sabia que faria de tudo pra ganhar. O cara adorava uma plateia louca gritando o seu nome, secretamente, ela sabia que não tinha descendência de gregos à toa, o cara adorava ser vangloriado.
- Eu não acredito que você veio. – pulou da cadeira, derrubando um pouco da sua pipoca no chão. olhou para cima, dando de cara com a Mulher Dragão, ou melhor dizendo, sua sogra, Constance.
- Que susto, assombração! – disse, se levantando e ficando em frente Constance. – Olá, sogrinha.
- Se eu não me engano, meu filho esqueceu totalmente da sua existência.
- Pode até ter esquecido, mas eu tenho um anel de noivado, uma aliança e certidão de casamento pra provar que ele ainda é meu marido, então você ainda é minha sogrinha . – se virou de volta pra pista vendo que faltavam apenas duas voltas para a corrida terminar e estava em segundo lugar.
- Eu pensei que você tinha prometido que não ia chegar perto do meu filho.
- Correção: você me encurralou em um momento de fraqueza e de uma maneira bizarra me convenceu que a vida de era melhor sem mim, que eu não deveria me meter no processo de recuperação dele, e eu aceitei. – riu sem humor. - Mas não se preocupe, sogrinha, eu já voltei aos meus sentidos e vou conquistar meu marido de volta.
- , eu juro por Deus, se você chegar ao menos perto de , eu vou transformar sua vida em um inferno.
- O que você vai fazer, Constance? – colocou o balde em cima da cadeira e se virou para a sogra. Já estava mais do que na hora de parar de ceder as chantagens da sogra, ela já era mulher, pelo amor de Deus, dona da sua própria vida, com um emprego incrível que ela amava, uma filha linda e saudável e um marido que pode ter esquecido dela, mas que ela sabia que em algum lugar dentro dele ainda a amava. Constance poderia ir para o inferno com as suas ameaças e seu ódio gratuito por ela! – Vai ameaçar anular o meu casamento com ? Porque essa já está velha e eu já fiz minha pesquisa, você não pode fazer nada em relação a isso, então aceita que dói menos. – podia ver Constance fulminando.
- Eu tiro Maria de você! – Ela apontou o dedo na cara de , fazendo com que a mesma desse um passo pra trás. – Eu arrumo um juiz e tiro a guarda sua filha de você se não ficar longe do meu filho.
viu sua visão ficar vermelha de tanto ódio que sentia. Ela podia aceitar muitas coisas de Constance, porém ameaças em relação a sua filha não era uma delas. deu um passo pra frente, ficando a um palmo da sua sogra e disse:
- Não se atreva a falar no nome da minha filha, não se atreva nem a pensar nela, você não tem o direito de ao menos cogitar ela como sua neta quando você a renegou antes mesmo dela nascer. Arrume um juiz, arrume o melhor advogado, arrume até o Diabo, mas a minha filha você não tira de mim, Constance. Você pode vencido a batalha quando algo na cirurgia de deu errado e ele se esqueceu da vida que teve comigo, mas você pode apostar uma coisa, sogrinha, eu vou conquistar meu marido de volta e pode apostar que dessa vez ele vai lembrar de mim.
estava ofegante quando terminou, porém a gratificação que sentia por ter falado tudo o que pensa valeu a pena, especialmente a cara de assustada que Constance. De repente, as pessoas dentro da cabine começaram a comemorar e olhou para o telão vendo no primeiro lugar do pódio jogando champanhe em todo mundo. Foi impossível não sorrir, sabia que a corrida era a maior paixão de , sabia o quão difícil foi pra ele ter que dar uma pausa na carreira antes do acidente, ela só poderia imaginar o quanto foi difícil pra ele acordar, sem memória, com apenas um aviso de que a vida que ele conhecia não lhe pertencia mais. só podia imaginar a felicidade que sentia agora e também o quanto ela queria correr e pular nos seus braços.
Porém, a felicidade durou pouco, um dos oponentes de o acertou em cheio na mandíbula fazendo com que ele caísse e batesse a cabeça. viu um monte de gente ao redor de , impossibilitando que ela visse o que estava acontecendo, o corredor que tinha batido em estava sendo arrastando pra longe do pódio enquanto estava sendo levado inconsciente em direção ao ambulatórios.
- ! – Seu pai apareceu em sua frente, chamando sua atenção. – , você está bem? Você está pálida!
- ... Ele bateu em .
- Eu sei, Camillo correu para o ambulatório. – Rick segurou os ombros da filha, a sacudindo um pouco. – Vamos, eu vou te levar até lá.
Rick passou o braço por cima dos ombros da filha, a levando em direção ao ambulatório, ainda estava um pouco zonza pelo o que tinha acontecido, ela não sabia ao certo como tinha chegado a porta do ambulatório, mas quando viu estava parada ao lado de Constance e Camillo.
- Ele vai ficar bem. – O médico disse, fazendo com que acordasse do transe. – Ele vai precisar descansar pelos próximos dias e também fazer uma visita ao médico que cuidou do trauma que ele teve na cabeça.
- Eu posso ir com ele. – Camillo começou. – O médico é meu amigo, eu posso falar com ele essa semana pra fazer todas os exames pra ver se tudo está bem.
- Isso é bom. – O médico respirou fundo. – Creio que vocês querem vê-lo, mas eu só posso permitir uma pessoa de cada vez.
- vai primeiro! – Camillo e Rick falaram ao mesmo tempo.
- Mas eu sou a mãe dele! – Constance retrucou fazendo com que seu ex-marido rolasse os olhos.
- E é a mulher dele, mesmo que você esqueça esse pequeno detalhe mais vezes do que deveria. – Camillo disse, fazendo com que Constance cruzasse os braços. – Vai, , a gente vai depois.
apenas assentiu e seguiu o médico para dentro de um dos ambulatórios, estava deitando em uma das macas com um bolsa térmica em sua testa. O médico fechou a porta, fazendo com que soltasse um suspiro.
- Mãe, não precisa se preocupar, eu estou bem. – falou, sem nem ao menos olhar pra frente.
- Eu não sou sua mãe. – disse, fazendo com que olhasse pra ela e depois se sentasse na maca. - Como é que você está se sentindo? Sua cabeça está doendo? Foi um belo de um soco que você levou.
- Pra falar a verdade, ela está doendo um pouco. – Ele disse, fazendo uma careta.
- Sério? Onde que está doendo? – praticamente correu para frente de , colocando as mãos em seu rosto. – Você quer que eu chame o médico? – sorriu largamente com a preocupação de com ele enquanto o olhava confuso. – Você é um idiota, ! – deu um soco no braço dele e de um passo pra trás.
- Ei, você não pode bater no seu paciente! Eu estou machucado. – fez cara de cachorro pidão o que fez rolar os olhos. - Você sempre se preocupa assim com todos os seus ex pacientes, ou eu ocupo um lugar especial no seu coração?
- Até parece, . – cruzou os braços. – Como você está se sentindo? O que o médico disse?
- Alguma coisa sobre exames, eu não estava prestando a atenção.
- Você tem que levar isso a sério, , da última vez você deixou uma pancada na cabeça pra lá e olha o que aconteceu? Eu quase...
- E se eles disserem que eu não posso mais correr? – disse e abaixou a cabeça fazendo com que o coração de apertasse dentro do peito. andou em direção a maca, parando em frente a e segurando seu rosto entre suas mãos fazendo com que ele olhasse pra ela.
- Ei, não precisa se preocupar, eu tenho quase certeza que você vai poder continuar correndo. E se eles não permitirem você correr, eu tenho certeza que você arruma outa coisa pra quase matar as pessoas que você ama do coração. – sorriu fazendo com que sorrisse também.
- Sabe o que me faria sentir melhor?
- Outra bolsa térmica?
- Não, o seu número.
- Eu posso fazer melhor do que isso. – sorriu e antes que pudesse falar qualquer coisa, ela colocou seus lábios nos deles em um selinho demorado.
- Isso é, definitivamente, muito melhor. – respondeu, passando os braços ao redor da cintura de e a puxando pra perto. jurava que estava no céu, quase um ano sem nem ao menos ver e agora ele estava em sua frente e ela tinha tomado coragem pra dar um selinho nele. Tudo bem que era só um selinho, mas era muito coisa comparado ao fato que os únicos beijos que ela recebia de eram aqueles dos seus sonhos. – Então, você vai me dar seu número, ou eu vou ter que lutar por ele? – sorriu de lado. – Você vai fazer eu lutar por ele.
- Você me conhece melhor do que você imagina. – se afastou dele e começou a andar em direção a porta. – A gente se vê por ai, .
- Mais cedo que você imagina, . – sorriu a vendo sair do ambulatório. E foi naquele momento que ele percebeu que tinha entrado na sua vida e tinha entrado pra ficar e ele não estava reclamando nem um pouco disso.

Capítulo 3

se sentou no sofá da sala de espera do hospital com seu pai ao seu lado, esperando que alguma enfermeira ou enfermeiro entrasse para lhe explicar o procedimento que ele estava ponto de fazer. compareceu ao escritório do seu médico um dia depois do ocorrido da corrida, ele disse que tudo estava aparentemente bem, mas por conta do seu histórico com pancadas na cabeça era bom que ele fizesse alguns testes apenas por preocupação. Hoje era o segundo dia de testes, o único que ele não conseguiu fazer no dia anterior, e não via a hora de tudo isso acabar e ele puder provar pra todo mundo que ele está melhor e mais saudável do que nunca, especialmente para continuar correndo. E se tivesse lá, seria mais um bônus.
não conseguiu tirar da sua cabeça, pra falar a verdade, todos os dias ele sonhava com ela e em cenários completamente diferentes. Noite passada ele tinha sonhado que a levava para um imenso parque de diversão que ficava há algumas horas da cidade em que eles moravam, no sonho sorria de orelha a orelha e saia do parque carregando a maior quantidade de ursos de pelúcia que ele poderia imaginar, errado estava quem achou que ele ganhou todos os ursos para ela. Antes fosse! tinha surpreendido não só a , quanto ao dono da barraca quando acertou o menor alvo ganhando assim o maior prêmio. Pra não dizer que não tinha feito nada, ele ganhou dois prêmios: uma caixa de mentos e o menor urso de pelúcia que tinha na barraca.
Por que estava sonhando com , ele não sabia o porquê, mas ele tinha certeza que não queria que os sonhos acabassem já que parecia aparecer e desaparecer em sua vida como um passe de mágica. O que ele não daria pra vê-la outra vez e dessa vez conseguir o seu número.
- Bom tarde, senhor Lancaster! – levantou o olhar e logo sorriu largamente, parecia que qualquer que fosse a pessoa que estava lá em cima, estava do seu lado. – Lancaster? – olhou para a prancheta com uma cara confusa e depois pra . – ? O que você está fazendo aqui?
- Eu vim te ver. – se encostou atrás no sofá e sorriu para . Ela estava vestida de enfermeira, com o cabelo preso em um coque e nenhuma maquiagem no rosto, tinha acabado de perceber que não importava o que vestia, ela ficava linda de qualquer jeito.
- Ele veio fazer um exame pra ver se estar tudo bem.
- Ressonância Magnética, certo?! – perguntou e Camillo assentiu. – Okay. Eu preciso que você tire tudo, incluindo roupas e acessórios, e coloque dentro daquele armário.
- Tudo? Você ainda nem me levou a um encontro, , e já quer me ver pelado?
- Acredite, não tem nada ai que eu já não vi. – andou até o armário, tirando a chave e estendeu uma bata junto com a chave pra ele. – Você pode se trocar dentro do banheiro.
- Ou eu posso me trocar aqui. – tirou a camisa fazendo com que respirasse fundo, ele sorriu vendo que ela o encarava e quando ele começou a tirar as calças, ele esperava que ela se virasse, mas ela apenas continuou olhando em seus olhos.
- Quando você terminar, eu vou estar esperando aqui fora. Camillo, você lembra onde fica a sala de espera? – Ela olhou para ele que assentiu. – Você pode ficar lá e quando o exame tiver terminado, eu levo até lá. – Ela se virou e saiu da sala sem dizer mais nada.
- Você deveria parar de provocar a garota, .
- Como? – Ele colocou a bata e logo depois começou a dobrar suas roupas. – Como eu vou fazer isso se ela não sai da minha cabeça?! Eu juro que vai me pôr a louco algum dia.
- Acredite, você faz o mesmo com ela. – Camillo bateu nas costas do seu filho. – Agora vamos, nós ainda temos que passar na casa do Rick, eu tenho alguns negócios pra tratar com ele.
e Camillo saíram da sala e logo avistaram conversando com outra enfermeira, ela a abraçou e andou em direção a . Camillo abraçou e depois seu filho antes de desaparecer pelo corredor.
- Vamos? – assentiu e começou a segui-la. Eles não andaram muito até entrarem em uma sala com alguns computadores, olhou pro lado e viu o enorme vidro que separava a outra onde tinham uma máquina gigante que ele supôs que seria usada pra fazer o exame. entregou a prancheta para o médico sentado em frente ao computador e ele se levantou para cumprimenta-lo.
- Eu sou o doutor Borges, senhor Lancaster, eu vou ser responsável pelo seu exame hoje. Seu médico, Sam, não pode estar aqui hoje, mas ele me falou tudo sobre o seu caso.
- É um prazer lhe conhecer.
- Se você seguir , ela vai te levar pra outra sala. – assentiu com a cabeça e abriu a porta para ele. parou ao lado da máquina, perto da parte que parecia uma maca, enquanto pegava alguns degraus.
- Primeiro, eu preciso que você se deite. – subiu nos degraus e fez como disse, ele olhou pra ela que colocou a mão em seu braço. – Segundo, tente ficar parado ao máximo quando entrar na máquina e não precisa se assustar com o barulho, é normal. – Ela começou a colocar fios por todos o seu corpo, primeiro na testa e depois em seu peitoral e braços. – Você tem alguma pergunta?
- Você pode segurar sua mão durante o procedimento? – Ele perguntou fazendo com que ela sorrisse.
- Não, mas eu vou estar do outro lado do vidro, tudo bem?! – acariciou seu rosto antes de sair da sala sem olhar pra trás.
estava com o coração na boca, era a segunda vez que fazia esse exame e da última vez as coisas saíram pior do que ela imaginava, a prova disso era o fato dela não poder ficar com seu próprio marido.
- Você ainda não contou pra ele? – Doutor Borges perguntou, fazendo com que se virasse pra ele. – Você não contou que vocês são casados?
- Como é que o senhor sabe disso?
- Sam me contou tudo.
- Será que ninguém nesse hospital consegue ficar com a boca fechada?
- Você tem muita sorte, , eu não sei como é que você conseguiu ficar tanto tempo sem descobrir a verdade.
- Pode ter certeza, doutor, existe alguém muito poderosa por trás disso. – desviou seu olhar para o monitor. – Está tudo bem com ele? Ele não tem nenhuma lesão? Nenhuma sequela? Ele realmente pode voltar a correr?
- Sim, ele está muito melhor do que antes, pra falar a verdade, tirando a falta de memória, é claro. – Doutor Borges, se levantou e continuou: - Você não precisa cuidar dos exames, deixa que eu levo e peço para as outras enfermeiras cuidarem disso.
- Mas eu sou a enfermeira encarregada.
- Você acha que eu não sei o que acontece no meu próprio hospital, Lancaster? Seu turno acabou faz horas, eu sei que você está cobrindo alguma das enfermeiras, provavelmente, Diana que ainda não apareceu do encontro que ela teve ontem.
- Como o senhor...
- Como você mesma disse, ninguém nesse hospital consegue ficar com a boca fechada. Vá pra casa, , você está aqui há mais de 18 horas. Descanse, você está com uma cara péssima. – Doutor Borges saiu da sala deixando uma incrédula pra trás.
- Olá? Será que eu já posso sair? – olhou para que continuava parado com uma estátua. Ela andou em direção a ele e tirou todos os fios. – O exame saí por dentro de 5 dias á uma semana, dependendo do que seu médico pediu. – Ela o guiou de volta para a sala onde ele trocou de roupa. – Você pode colocar a bata dentro do cesto no banheiro e colocar sua roupa enquanto eu preparo sua via pro dia em que você vier pegar os exames, tudo bem? – assentiu e saiu da sala direito para a bancada a fim de fazer a solicitação de entrega dos exames de . Quando ela estava prestes a acabar, saiu da sala, olhando pros lados até que seus olhos pairaram em e na enfermeira ao seu lado, a mesma que estava em seu quarto depois que ele acordou.
- Ei, eu me lembro de você! – se apoiou na bancada apontando pra enfermeira ao lado de . – Você é a outra enfermeira que estava no quarto quando eu acordei.
- Olá, . – Ela sorriu, colocando a mão no ombro de . – Eu sou Rose, é um prazer revê-lo e, pelo visto, mais saudável do que nunca.
- Na verdade, minha garganta dói um pouco. – Ele tossiu e colocou a mão no peito logo em seguida. – Talvez eu precise de alguém pra cuidar de mim. – Rose olhou pra que balançou a cabeça e estendeu um papel para .
- Aqui está sua via. Você pode vir buscar daqui uma semana.
- Muito obrigado, .
- De nada, . – sorriu, se apoiando na bancada ao seu lado. – Você precisa que eu te leve até seu pai?
- Não precisa, eu sei onde fica a sala de espera.
- Então eu acho que isso é um adeus.
- Nunca diga adeus, sempre diga até logo. – Rose disse, fazendo com que os dois rissem. balançou a cabeça e se virou para o corredor, mais uma vez ele tinha encontrado e não tinha ideia de como agir, de como conquista-la, ele não sabia nem como tinha conseguido conversar com ela sem gaguejar. Essa mulher vai ser a minha morte!, pensou olhando por cima do ombro vendo que andava há alguns passos atrás dele concentrada com a pasta em suas mãos.
- Eu sabia que você não conseguia ficar muito tempo longe de mim, ! – disse virando-se para ela e andando para trás. levantou o olhar apenas pra rolar os olhos para ele.
- Você está completamente certo, , eu não consigo viver sem você. – colocou a mão no coração. – E se eu fosse você, olharia pra onde anda. – virou a cabeça para o lado, a olhando confuso, porém logo soube do que ela estava falando quando suas pernas bateram em alguma coisa e ele se desequilibrou e caiu de bunda no chão. A gargalhada de ecoou pelo corredor o que fez com que , se sentasse no chão e olhasse pra ela de cima pra baixo.
- Você está adorando isso.
- Cada minuto. – cruzou os braços, sorrindo largamente.
- Você não vai me ajudar a levantar?
- Você já é bem grandinho, pode levantar sozinho.
- Devo perguntar o que aconteceu aqui? – Os dois se viraram, dando de cara com Camillo que os olhava confuso.
- só estava sendo o mesmo desastrado de sempre. – disse quando se levantou, ficando ao seu lado.
- Você está indo pra casa, ? A gente pode te dar uma carona, eu preciso pegar uns papeis com seu pai.
- Claro que quero, se vocês me esperarem na entrada do hospital, eu só preciso trocar de roupa e encontro vocês lá. – Camillo acenou com a cabeça e desapareceu pelo corredor.
- Essa mulher vai me deixar louco, pai! Louco! – disse, jogando os braços para o alto o que fez Camillo soltar uma gargalhada.
- Não seria primeira vez. – olhou para o seu pai confuso, que apenas deu de ombros. – Vamos, , você não vai querer deixar sua amada esperando.

apareceu um pouco tempo depois que eles estacionaram o carro em frente ao hospital, percebeu que mesmo cansada, ela não tirava o sorriso do rosto e fez questão de cumprimentar todos antes de sair. A cada pedacinho que descobria sobre fazia com que ele adicionasse mais uma peça no quebra cabeça que era , porém, parecia que ele sempre sentia que não ficaria satisfeito até que ele descobrisse tudo que ele podia saber sobre ela. De alguma maneira muito louca, ele sentia que era uma grande peça no quebra cabeça que era sua própria vida. Como se ela fosse a peça que faltava pra tudo voltar a ser completo outra vez.
Camillo passou o caminho inteiro tentando puxar assunto tanto com seu filho quanto com , mas parecia que estava perdido em seus pensamentos enquanto ela estava muita cansada pra responder. Quando eles chegaram na casa dos , olhou para o relógio e finalmente percebeu o que estava prestes a acontecer. Ela olhou pelo retrovisor apavorada, porém Camillo sabia que estava mais do que na hora de dar mais uma ajudinha para que seu filho e sua nora finalmente vivessem o “felizes para sempre ” que eles merecem, mas não tiveram oportunidade de viver.
- Obrigada pela carona. – disse rápido, quando eles pararam em frente à casa dos seus pais. Ela desceu do carro como uma bala e se virou para eles continuando: - Se vocês fizerem a volta, Percy vai abrir o portão pra vocês saírem.
- Quem disse alguma coisa sobre carona? Nós vamos entrar com você. – e Camillo desceram do carro fazendo com que ela os olhasse assustados.
- O que? O que vocês estão fazendo? - Ela disse, se afastando do carro.
- Eu preciso tratar de uns assuntos com o seu pai.
- Mas meu pai não está em casa. – A essa altura já estava entrando em completo estado de pânico, a única coisa que separava de descobrir sobre Maria era uma porta.
- Camillo! ! – Uma porta que tinha acabado de ser aberta pelo seu pai. – Finalmente vocês chegaram.
- Você sabia que eles vinham? – se virou para o seu pai que andou em direção a eles. – Por que não me avisou?
- Ops! – Rick riu seu graça e deu de ombros. sabia exatamente o que estava acontecendo e o que seu pai e seu sogro estavam fazendo, a única coisa que ela esperava era que Maria ainda estivesse na escola.
- Mamãe! – Maria saiu pela porta com Sansão logo atrás dela e correu para os braços da mãe, se abaixou e abraçou a filha forte, a colocando no colo logo em seguida. Sansão, porém, nem se importou com e passou direto pulando em cima de que caiu no chão e deixou o cachorro lamber seu rosto. tinha um sorriso no rosto enquanto fazia carinho em Sansão, parecia que não tinha sido a única que tinha sentido falta dele.
- Ele é sempre assim com os visitantes? – perguntou, quando Sansão se deitou no chão para que ele fizesse carinho na sua barriga. Ele olhou pra , que riu de lado e disse:
- Só com os que ele gosta, e aparentemente, ele gostou muito de você.
- Será que o mesmo se aplica pra dona? – sorriu de lado e depois seu olhar pairou sobre Maria. – E quem é essa, princesinha?
- Mamãe, ele me chamou de princesa! – Maria disse, batendo as mãos. – Ele é o príncipe!
- Ou ele é um sapo! – respondeu rápido. – Isso a gente ainda tem que descobrir.
- Ai eu não acredito! E como a gente descobre isso?
- No meus contos de fadas, pra saber se um sapo é um príncipe, a rainha tem que beija o sapo. – deu uma piscadela pra que balançou a cabeça. – Ou nos dia de hoje tudo que é preciso é dar seu número pra ele.
- O que são números, mamãe? – Maria perguntou, olhando pra .
- Você ainda vai aprender, meu amor. – sorriu para a filha.
- Que tal nós entrarmos hein?! – Rick sugeriu fazendo com que olhasse para ele. – Maria estava dizendo o quanto queria que você fizesse o seu sanduiche favorito.
- Com muito queijo, mamãe. – se virou para entrar em casa enquanto Maria continuava falando sobre o seu sanduiche favorito.
- Você pode ficar com ela enquanto eu preparo o sanduiche? – Ela perguntou a Mia que esperava no corredor.
- Claro! Ela passou a manhã inteiro falando de como você não fez o sanduiche dela hoje de manhã. – entregou Maria para ela e foi direto para cozinha sem nem ao menos olhar para trás. No automático ela foi tirando as coisas e montando o sanduiche de Maria, quando ela terminou, ela se apoiou na bancada e sentiu as lagrimas começarem a rolar por seu rosto. Claro, mas é claro que iria encontrar Maria! Claro que ela iria descobrir logo de primeira que ele é o príncipe da história! Claro que seria na pior das circunstâncias! Mas é claro que esse segredo, agora mais do que nunca iria me matar aos poucos. , pensou começando a limpar suas lagrimas.
- Então é por isso que você não quer sair comigo? – disse, fazendo com que ficasse tensa. – Por que você tem uma filha? – viu as mãos de pararem de cada lado do balcão e sentiu o calor do corpo dele logo atrás dela. Ela queria tanto apenas jogar os braços ao redor dos ombros dele e se deixar perder neles.
- Maria é muito importante pra mim, . – se virou, se encostando no balcão atrás dela. – Ela sempre virá primeiro, não importa a situação.
- E eu não estou pedindo pra isso mudar, , eu só estou pedindo um encontro. Só isso. – abaixou e balançou a cabeça. – Você ainda ama o pai da Maria, é isso?
- É complicado, , é tudo muito complicado. – o encarou e ela pode ver que o quanto ele estava sendo sincero. Fazia meses que não olhava pra tão de perto a ponto de ver tudo que ele estava sentindo em seus olhos e encara-lo depois de tanto tempo fez com que ela se perguntasse mais uma vez o por que dela não ter contado toda a verdade no dia em que ele acordou. – Mas quem sabe está na hora de descomplicar. – disse, sorrindo largamente. – Me chama pra sair de novo, .
- , você quer sair comigo? – disse, sorrindo de volta.
- Pensei que você nunca ia perguntar. – jogou as mãos para o alto e soltou um “Gloria a Deus!” o que fez com que soltasse uma gargalhada. – Você é um idiota!
- Cuidado, , você vai em um encontro com esse idiota.
- Sim, eu vou.
- Senhora . – Mia disse da porta da cozinha fazendo com que os dois olhassem pra ela.
- Olá, Mia. – olhou em seu relógio e viu que já passava das dez da manhã. – Deixa só eu pegar o seu dinheiro.
- Não precisa, o senhor Rick já me deu antes de ir para o escrito com o senhor Camillo. Se a senhora quiser eu posso ficar mais um pouco cuidando de Maria.
- Não, Mia, nós vamos resolver algumas coisas do aniversário dela então eu vou passar o resto do dia com ela. Muito obrigada pela sua ajuda.
- Até amanhã, senhora. – Mia desapareceu de onde veio e se virou pra .
- , será que você pode olhar Maria enquanto eu tomo banho? – perguntou e viu com que olhasse pra ela assustado. – Não precisa se preocupar, eu prometo não demorar muito, eu só preciso tirar o cheiro de hospital de mim. Maria não vai te dar trabalho, provavelmente vai perguntar várias perguntas sobre você ser um príncipe e como é seu reino, cavalo e afins.
- Então tudo bem. – se afastou, começando a andar em direção a porta da cozinha. o observou com um sorriso no rosto, o que ela não daria pra só abraça-lo mais uma vez.
- . – Ela disse fazendo com que ele parasse e se virasse. – Me dá um abraço? – , sorriu sem os dentes e andou em direção a , a abraçando forte pelo pescoço. Pela primeira vez em quase dois anos depois que acordou, sentiu que estava segura. Ela não queria sair desse abraço nem que ela fosse forçada.
- ...
- Só mais um pouquinho, . Eu só preciso de mais um pouco de você. – disse e a abraçou mais forte.
- Mamãe. – escutou a voz da filha fazendo com que ela se separasse dele. Maria estava com uma boneca no braço e com Sansão ao seu lado, ambos olhando para com a adoração nos olhos. – Será que eu posso brincar com o príncipe um pouco?
- Eu não estou vendo nenhum príncipe. – respondeu, olhando ao redor da cozinha fazendo com que Maria risse e Sansão latisse. a cutucou fazendo com que ela se afastasse um pouco dele. – Ué, mas eu estou falando a verdade, você não chegou aqui em um cavalo branco.
- Príncipes modernos tem carros brancos, para sua informação.
- Você tem um carro branco? – Maria perguntou, com os olhos brilhando. – Acho que ele está certo, mamãe, um carro é bem melhor do que um cavalo.
- E você está certíssima, Maria. – a pegou nos braços fazendo com que ela gargalhasse. – Agora vamos, eu tenho muito pra falar sobre príncipes modernos enquanto sua mãe toma banho. – Ele começou a andar em direção a sala, com Sansão logo atrás. – E cá pra nós, nós dois sabemos que ela está precisando. – gritou da sala fazendo com que Maria gargalhasse alto.
E foi a primeira vez que sentiu uma real esperança de que poderia ter sua família completa novamente.


não viu as horas passar enquanto brincava com Maria. A menina parecia uma força da natureza e não parava e fazer perguntas sobre como ser um príncipe moderno, como era seu castelo e seus carros. fez o seu melhor pra contar a melhor história de príncipe moderno, lembrando-se de todos os contos de fadas que assistiu com Sofia. Como isso não era suficiente, Maria queria ver fotos e como um bom príncipe mostrou fotos do seu novo apartamento, dos seus carros e até do seu carro de corrida onde ele prometeu pedir permissão de para poder levar Maria algum dia. Claro, que uma corrida não era algo que uma criança deveria estar, algo de ruim poderia acontecer e não queria que Maria soubesse que existiam coisas ruins no mundo, porém, como é que ele resistia a aqueles olhinhos de cachorro pidão que ele sabia que eram os mesmos que ele usava quando queria pedir alguma coisa? Nem que quisesse ele poderia resistir, agora ele só tinha que pedir permissão pra pra fazer um grande tour sobre a vida de um príncipe moderno com Maria.
- Então esse desenho parece o seu carro? – Maria estendeu o desenho na frente de . Ela tinha decidido que precisava de um lembrete de como são príncipes modernos então começou a fazer desenhos parecidos com as fotos que tinha mostrado pra ela.
- Maria, você é quase uma pintora! – pegou o desenho, o inspecionando. – Nós provavelmente deveríamos colocá-lo em algum museu.
- Bem que mamãe disse que o príncipe seria exagerado. – Maria disse, se sentando no colo de . – Você pode ficar com esse desenho, eu já tenho vários.
- Muito obrigada, Vossa Majestade. – tirou sua carteira do bolso e colocou o desenho dobrado dentro da mesma. – Falando em sua mãe, você não acha que ela está demorando muito. – abraçou Maria.
- Ela dormiu! – Maria disse, começando a rir. – Mamãe fica muito cansada e dorme depois que chegam em casa.
- Que tal a gente ir lá conferir? – Maria balançou a cabeça e se levantou rápido a levando junto.
- Você tem boas intenções com minha mãe? – Maria perguntou seria, fazendo com que a olhasse assustado.
- O que?
- É que a mamãe disse que existem muitas pessoas com más intenções no mundo. – Maria disse, enquanto eles subiam a escada.
- Eu tenho a melhor das intenções com sua mãe, Maria.
- Bom! Mamãe precisa ser feliz.
- E você não acha que ela é feliz?
- Acho, mas falta alguma coisa. Você vai cuidar da minha mãe, príncipe?
- Não só dela, de você também. – fez cocegas em Maria que o abraçou pelo pescoço.
- Mamãe estava errada, você não é um sapo, é o príncipe mesmo.
- Esse é o quarto da sua mãe? – parou em frente a uma porta que ele nem ao menos sabia como tinha chegado lá. Maria assentiu e tomou a liberdade de bater na porta antes de abri-la. Como se era esperado, estava deitada na cama toda encolhida e agarrada em um travesseiro. – Você acha que a gente deve acorda-la? – Maria balançou a cabeça e pediu pra que a colocasse no chão. Ela correu em direção a cama e se aninhou nos braços da mãe, viu sorrir e abrir os olhos um pouco. Ela olhou pra Maria, depois para e disse:
- Deita aqui, .
- , eu não acho...
- Cala a boca e vem logo. – respirou fundo, fechando a porta atrás de si e depois andou em direção à cama se deitando do outro lado. estendeu a mão e disse: - Mais perto. – foi pra mais perto assim a mão de podia tocar seu ombro. sorriu de lado antes de voltar a dormir, olhou pra Maria que também parecia tinha caído no sono.
E de alguma maneira, olhando para essa mulher e essa menina, ele sentiu como se estivesse completo outra vez.

Capítulo 04

Quando acordou a primeira coisa que ela viu foi abraçado com Maria ao seu lado dormindo serenamente, foi impossível não sorrir largamente, quantas não tinha sido as vezes que sonhou com essa cena? Quantas não tinham sido as vezes que ela tinha chorado até dormir pensando no mal que estava fazendo tanto pra quanto para Maria os privando de saber a verdade? Não adianta chorar sobre o leite derramado, esquece o passado e foca no futuro! , a garota pensou se levantando da cama.
olhou para o relógio depois de tomar banho e trocar de roupa percebendo que já passava das duas da tarde, Maria provavelmente acordaria cheia de disposição e pronta para sair, hoje era o dia que as duas pegariam suas fantasias para o aniversário da pequena daqui a algumas semanas. Maria ia fazer quatro anos e insistia que sua festa fosse a fantasia, onde ela seria uma astronauta enquanto sua mãe seria uma rainha esperando pelo seu príncipe encantado. Claro que insistiu que não precisava de príncipe nenhum, e elas duas poderiam comandar o reino sozinhas, mas Maria apenas dizia que algo estava faltando para a história ter um final feliz que merece.
. – chamou baixinho, se sentando na cama ao lado de Maria. apenas abraçou mais Maria que sorriu ainda dormindo. Se o coração podia explodir de tanta fofura, a garota tinha certeza que ela teria que fazer um transplante mais cedo do que ela imagina porque não tinha como ela aguentar a fofura dos dois por muito tempo. – , acorda. – Ela passou a mão por seu rosto vendo-o abrisse os olhos lentamente, virou o rosto para e quando a viu sorriu largamente.
— Será que eu estou sonhando? – Ele disse, colocando a mão por trás da sua cabeça e olhando diretamente para . – Não é possível que você seja real, não tão de perto assim.
— Eu sou bem real, , e se você não levantar dessa cama agora eu vou te mostrar o quão real eu sou.
— Você me deixou intrigado, , e agora não me resta nenhuma opção a não ser descobrir seus métodos. – sorriu de lado, do jeitinho que ela gostava, e a garota não esperava a hora de fazê-lo engolir cada palavra e tirar aquele sorriso da sua cara. se esticou, começado a fazer cócegas em . – Ah, porra, cócegas não! – Maria acordou no meio de se contorcendo e quando viu as mãos de sua mãe em enquanto ele se contorcia, ela se levantou sentando em cima do peitoral dele, começando a fazer costas em seu pescoço.
— Guerra de cócegas! – Maria gritou gargalhando alto enquanto continuava ,se contorcendo debaixo dela.
— Isso não é justo, são dois contra um! – gritou começando a fazer cócegas em Maria que tentou escapar, mas só conseguia rir.
— Não, eu perdi um soldado. – disse, caindo na cama ao lado deles. – Cansei! — Ela se sentou, olhando para os dois. — Vamos se arrumar, Maria? Nós temos um longo dia pela frente.
— A gente não pode ficar em casa hoje? — Maria abraçou pelo pescoço o que fez o coração de apertar.
— Como assim ficar em casa? Faz dias que você espera pra ver como sua fantasia ficou e agora você quer ficar em casa? Aconteceu alguma coisa? Você não quer mais ir de astronauta?
— Quero, mas é que se a gente for, o vai ter que ir embora e eu ainda tenho que dizer todos os nomes das minhas bonecas pra ele outra vez, ele não decorou nada.
— O que eu posso fazer se você tem um milhão de bonecas?! — se defendeu, abrindo os braços.
— Bem que a mamãe disse que você era exagerado.
— O pode vir com a gente. — engoliu o seco logo depois de falar. — Digo, se ele não tiver nenhum compromisso, é claro.
— Sim! — Maria gritou, jogando os braços para o alto. — E ele pode escolher uma fantasia pro meu aniversário também! — Ela se virou para ele. — Você vem pro meu aniversário não é? — fez a cara mais fofa quando foi pego de surpresa com a pergunta de Maria, apenas riu de lado quando ele se virou para ela procurando alguma saída. Meu Deus, tem como eu me apaixonar ainda mais por esse homem?!
— Acho que sim?! — Saiu mais como uma pergunta do que uma resposta fazendo com que gargalhasse alto.
— Claro que vai, Maria, não perderia essa festa por nada. — se levantou da cama e continuou: — Agora vamos se arrumar porque a gente já está atrasada. — Maria correu para os braços da mãe se jogando nos mesmos.
— Eu vou, mas eu tenho uma condição. — disse, fazendo com que Amélia parasse e se virasse para ele com os olhos cerrados.
— Que condição, ?
— É, que condição? — Maria disse, cruzando os braços.
— Sabe o que foi, Maria, hoje sua mãe… Ela me derrubou! — apontou o dedo para Amélia.
— O que? — Ameia gritou incrédula, o que fez com que Maria tampasse os ouvidos. — Desculpa meu amor, mas eu não tô acreditando no que essa pessoa está dizendo! Que horas eu te derrubei, ?
— Foi por sua causa que eu tropecei e levei um tombo hoje! Você me machucou e ainda deu uma gargalhada, você tem que dar um beijinho para sarar! — cruzou os braços, como uma criança fazendo birra.
, você não tem vergonha nessa sua cara não? — Amélia estava prestes a dar o soco no braço de quando Maria fez cara feia.
— Voce fez isso, mamãe? — Maria perguntou olhando para , a julgando.
— Mas é claro que não. Ele caiu sozinho!
— Por sua causa! — Se fosse em outra situação já tinha enchido de tapas que não fariam nenhuma diferença já que ele era muito mais forte do que ela, e os dois acabariam abraçadinhos na cama tendo a melhor sessão de amassos.
— Eu acho que você deveria dar um beijinho pra sarar, mamãe. Quando você beija os meus machucados eles saram mais rápido.
— Aqui ó, , e eu quero um bem demorado. — apontou para a sua bochecha e se deu por vencida. Entretanto, era claro que um jogo podia ter dois jogadores e sabia como jogar baixo.
— Se você insisti. — colocou Maria no chão e andou até a cama, parando ao lado onde esperava com seu rosto estendido, a garota segurou o mesmo e deu um beijo no canto da sua boca, o que fez ele olhá-la surpreso. — Um jogo tem dois jogadores, , e pode ter certeza que eu não vim pra perder. Vamos, Maria! — saiu do quarto com um sorriso vitorioso nos lábios enquanto a apenas olhava desnorteado.
Que mulher!, pensou pulando da cama e saindo do quarto. Ele resistiu vontade de procurar o quarto de Maria e dar um susto em apenas para ver sua cara de indignada quando percebeu que não estava no direito de atrapalhar um momento de mãe e filha, já bastava ter vindo sem ser chamado e se intrometido no dia das duas. Na mesma hora, pensou sobre o pai de Maria, onde é ele estaria pra não está com vivendo com elas? Será que tinha ido embora e simplesmente as abandonado? Tinha outra família? Ou na pior das hipóteses, tinha morrido? Desde o primeiro momento que viu chorando no hospital sentiu que ela parecia alguém que tinha passado por uma grande perda, e no dia do casamento da sua irmã quando ela confirmou suas suspeitas, fez a sua missão arrancar pelo menos um sorriso dela. Uma mulher tão linda como ela não deveria manter uma afeição triste no rosto.
Claro que era apenas uma brincadeira inocente, porém o que ele não esperava era que tomaria conta dos seus pensamentos apenas com uma dança, pior, depois de jogar seu celular no chão e trincar a tela. Ela era mesmo uma mulher fenomenal e ele não esperava pela hora de ser um dos motivos da felicidade dela.
Quando chegou na sala de estar, deixou a curiosidade falar mais alto e partiu na procura por, pelo menos, uma foto do pai de Maria. Tinham várias fotos de Maria em várias idades, algumas com , com Rick e uma mulher que ele não conhecia, fotos até de Sansão, mas nenhuma com um possível pretendente que poderia ser pai de Maria. Como uma deixa, o cachorro lambeu sua mão fazendo com que se assustasse, Sansão o encarou virando a cabeça para o lado, o que o fez pensar que tinha feito algo de errado.
— Nem pense em me julgar, campeão, eu apenas estou fazendo uma pesquisa com a concorrência. — se abaixou, acariciando a cabeça do cachorro. — Será que ele é mais bonito do que eu? Acho meio difícil, você sabe, eu sou muito lindo! — Sansão latiu fazendo com que se assustasse. — Eu sabia que você concordaria. — Sansão latiu mais algumas vezes balançando o rabo. — Se eu tivesse um cachorro, Sansão seria o seu nome, sabia? Ah, e se eu tivesse uma filha, seu nome seria Maria. Parece que eu e temos os mesmos gostos, eu sabia que meu coração dar um pulo toda vez que eu a vejo não era só crush. — riu da própria piada.
— Oh, olá, senhor ! — se levantou, se virando para a voz que tinha chamado pelo seu nome. — Há quanto tempo não o vejo, está de visita? — A mulher, que ele nunca viu na vida, perguntou fazendo com que ele franzisse o cenho. — está com você? E a pequena Maria, aposto que já está grande.
— Hum… Me desculpe, mas eu te conheço?
A mulher estava prestes a respondeR quando outra mulher, que parecia muito como a versão mais velha de , a mesma senhora das fotos, entrou na sala segurando uma tesoura de poda.
— Vanda, eu estava te procurando! — Ela tirou o chapéu e o colocou debaixo do braço. — Você trouxe os adubos que eu pedi? Da última vez você esqueceu e eu tive que arrastar o meu corpo preguiçoso até sua loja. — Ela sorriu largamente antes de se virar para e então, ela fez a última coisa que ele imaginaria que ela faria: ela soltou um grito como se tivesse acabado de ver um fantasma. — Ai meu Deus! O que você está fazendo aqui, ? Você lembrou?
— Ele está comigo. — apareceu na sala, com Maria ao seu lado. A mulher olhou para com o queixo caído. — foi no hospital fazer alguns exames e depois ele e seu pai vieram fazer uma visita ao papai. Ele vai com a gente buscar as fantasias e arrumar uma pra ele.
— Ele é o príncipe, vovó! — Maria disse correndo até e agarrando suas pernas. Ele se abaixou, a pegando nos braços.
— Ou um sapo. — disse, cruzando os braços. A mulher olhou para ela e sorriu largamente fazendo com que ela balançasse a cabeça.
— Eu aposto as minhas fichas na Maria, ele, com certeza, tem jeito de príncipe. — Ela andou em direção a , estendendo sua mãe e dizendo: — Eu sou Antonieta, mae de , é um prazer conhecê-lo, .
— O prazer é meu. — Ele a cumprimentou.
— Vejo que você já conquistou Maria e até Sansão, só falta agora mesmo a fera. — mordeu o lábio, suprindo uma risada.
— Mãe! — gritou incrédula, abrindo os braços. — Serio?!
— Boa sorte, , você vai precisar muito mais dessa vez e foi um prazer revê-lo. — Antonieta saiu da sala levando junto a outra mulher. apenas fechou os olhos e respirou fundo.
— Eu não te disse, mamãe, ele é o príncipe. — Maria abraçou que apenas segurou o riso outra vez.
— Nem pense em dar aquele sorrisinho seu, . — Ela apontou o dedo para ele, cerrando os olhos. — Vamos logo, nós já estamos atrasados!
— Sim, Vossa Majestade. — respondeu o que fez bufar alto, Maria soltou uma gargalhada o que fez ele a acompanhá-la. — Sua mãe parece ter certeza que eu não sou o príncipe, Maria.
— Ela sabe que você é, ela só tá fazendo jogo duro. — a olhou confuso, andando em direção a porta. — Vovó disse que ela faria isso quando o príncipe aparecesse.
— E o que vai acontecer se o príncipe acontecer? — Ele deu um último carinho em Sansão, e fechou a porta atrás de si.
— Nós vamos viver felizes para sempre. Dã! — olhou para frente onde estava arrumando a cadeirinha no banco de trás do carro, mas não era um carro qualquer, e sim o carro dos seus sonhos. Parado, brilhante e perfeitamente polido estava o último modelo Jaguar F-Pace do qual ainda não teve a chance de comprar porque não teve tempo e sua mãe e irmã insistiam que ele contratasse um motorista. Ah, o que ele não daria para dirigir uma máquina como essa.
— Você está babando, . — disse, se encostando no carro. andou até ela, hipnotizado com o carro. A garota rolou os olhos e pegou Maria em seus braços a colocando na cadeirinha. Ele passou a mão no carro como se estivesse acariciando o seu maior bem precioso, só quando fechou a porta foi que ele acordou do transe. — Você dirige! — Ela jogou as chaves no ar e as pegou.
— Sério? — Ele olhou para chave e depois para ela. — Você vai me deixar dirigir essa máquina?
— Eu não gosto de dirigir, não nos dias de hoje, pelo menos.
— Então por que comprou esse carro? — apenas deu de ombros e entrou no carro.
— Porque alguém tem um ótimo poder de persuasão. Vamos logo, . – entrou no banco do passageiro enquanto correu para o banco de motorista como um adolescente que tinha acabado de comprar o seu primeiro carro. Quando ele entrou no carro, acariciou o volante e o painel, olhou para Maria que apenas balançou o dedo perto da cabeça indicando que não batia bem da cabeça o que fez com que ela colocasse a mão na boca para esconder o riso.
— Eu vi isso, senhorita Maria! – olhando para Maria pelo retrovisor.
— Mas eu não fiz nada. – Ele disse levantando os braços. – Vamos, que a gente ‘tá atrasado. Ah, e não esquece a minha playlist favorita, mamãe sabe qual é.
A tal playlist que Maria queria era composta de todas as músicas dos filmes de desenho animado, e apenas uma música do Aerosmith feita para o filme do Armagedon. achava que o fato de Maria gostar tanto da música tinha haver com o fato de que a garota a escutava sem parar toda a vez que sentia muita falta de , o que era extremamente irônico já que toda vez que colocava a música ela tampava os ouvidos.
Quando a introdução da música começou, agradeceu que eles estavam parados no sinal, virou a cabeça tão rápido que ela jurou que ele machucaria o pescoço. Ele a olhou surpreso e ela apenas deu de ombros e apontou para Maria que começava a cantar. Os dois decidiram colocar a música no modo repetir e foram o resto do caminho cantando (lê-se: gritando), nada disse, apenas ficou admirando o quanto os dois, mesmo se conhecendo a poucas horas, já pareciam em sincronia como pai e filha.
Depois que eles chegaram no loja de fantasia, Maria pediu especificamente que a ajudasse a sair da cadeira, apenas ficou observando ele todo atrapalhado tentando tirar o cinto da cadeira.
— Você não vai me ajudar, não, ? – Ele disse, olhando para ela. – Isso é muito complicado.
— Mas é claro que... Não! Boa sorte, . – mandou um beijo no ar para ele e foi em direção a loja.
, você chegou! – A dona da loja, Erica, disse vindo abraça-la. – Onde está Maria? A fantasia dela ficou absolutamente linda, você tem que ver.
— Ela está saindo do carro. – apontou para a rua e Erica olhou por cima do ombro, ela viu o queixo de Erica qua-se cair no chão.
, quem é esse deus grego vindo com a sua filha nos braços? É seu namorado? Por que você estava o escondendo?
— É meu marido. – disse, sorrindo largamente, mas logo percebeu os olhos de Erica arregalarem e percebeu o que tinha dito.
— Eu não sabia que você tinha marido.
— É complicado então eu peço que você não comente nada com os dois.
— Tudo bem, eu não falo nada, mas eu digo isso: você está de parabéns, garota. — Erica desviou o olhar para e Maria que tinham acabado de para ao lado de . – Olá, Maria, como você está minha linda?
— Bem, minha fantasia ‘tá pronta? Eu quero mostrar pro . – Ela disse, sorrindo largamente. – Ah, esse é o , ele vai ser o príncipe.
— Sua fantasia está pronta e eu tenho a fantasia perfeita para o seu príncipe.
— Eu sou , o príncipe. – Ele estendeu a mão para ela que a apertou.
— Eu sou Erica, dona da loja. Vocês dois podem esperar perto dos provadores enquanto eu pego as fantasias. – Erica começou a andar e eles a seguiram. – Maria, vamos primeiro, sua mãe e o príncipe vão ter que esperar para ver sua fantasia. – Maria assentiu e saiu saltitando enquanto segurava mão de Erica.
— Não tem problema eu ir para o aniversário da Maria, certo? – disse enquanto os dois se sentavam no sofá.
— Claro que não, Maria quer que você vá. A lista de convidados é dela, ela convida quem ela quiser.
— Mesmo um estranho que está tentando levar a mãe dela a um encontro? – sentiu o seu coração começar a bater mais rápido dentro do peito. Não importava que fosse seu marido, — mesmo ele não se lembrando disso – ela estava sentindo as mesmas sensações que estava sentindo da primeira que eles dois se conheceram, arriscava até a dizer que estava se apaixonando pela segunda vez consecutiva. E você sabe o que dizem sobre a segunda vez, ela é ainda melhor.
— Você quer me levar a um encontro? Tipo, filme, pipoca, refrigerante e sorvete depois disso?
— Bem, agora eu vou ter que planejar um novo já que você parece ter desvendado o meu plano. – se virou para frente e segurou em seu braço.
— Não, não, eu quero. – sorriu largamente, o puxando para perto. – Eu quero o filme, a pipoca, o refrigerante e o sorvete. Ah, e mais uma coisa: você. Eu quero você também. – deu de ombros levemente e viu sorrir de lado.
— Você complica muito as coisas, .
— Por que?
— Porque você me faz não querer ficar um minuto longe de você.
— Então não fique.
— Mamãe, príncipe! – Maria disse saindo do provador vestindo sua roupa de astronauta.
— Maria, você está incrível! – se levantou e pegou Maria nos braços. — A astronauta mais linda que eu já vi.
— Eu vou ser a melhor astronauta do mundo.
— Agora, melhor astronauta do mundo, você vai me ajudar a escolher a minha roupa de príncipe.
— A mamãe pode vir?
— Mas é claro que não. – se fingiu de ofendido.
— Ei! Eu pensei que você era o meu príncipe, eu tenho total direito de ver sua roupa! – se levantou, abrindo os braços. – Eu sou a rainha, pelo amor de Deus!
— Eu pensei que eu era o sapo, mudou de ideia, zinha?! – disse, rindo de lado e respirou fundo. – Vamos escolher minha roupa, enquanto sua mãe morre de curiosidade.
viu os dois desaparecerem, mas não antes de dar uma piscadela por cima do ombro para ela. Ela balançou a cabeça, sorrindo de lado, e quando levantou a mesma, viu em sua frente. Ele riu e deu um beijo no canto da boca de fazendo com que ela sentisse as bochechas queimarem.
— Duas semanas. Te pego as sete.
E então ele desapareceu de novo, e em vez de sentir o coração apreensivo como fazia toda vez que ele sumia, ela sentiu uma pontada de esperança de que ele voltaria e que dessa vez para ficar.

Capítulo 05


— Vamos, pai, a gente vai chegar atrasado! — andava a passos largos em direção ao buffet onde seria o aniversário de Maria. Parecia que o dia hoje tinha sido feito especialmente para que tudo desse errado para ele. Para começar o dia de cão, ele acordou atrasado para o treino, foi correndo para o autódromo apenas pra chegar lá e o chefe da sua equipe proibi-lo de correr sem antes ver os seus exames. , com a paciência de mil monges, pegou seu carro e foi correndo para o hospital a fim de conversar com o seu médico entre uma consulta e outra, porém, quando ele chegou o hospital estava um caos por conta de um acidente que tinha ocorrido na estrada deixando vários feridos. esperou por mais de três horas antes de conseguir falar com seu médico, e o pior de tudo foi que Amélia tinha tirado o dia de folga para arrumar o aniversário de Maria então ele tinha que esperar mais algumas horas para poder vê-la. Ele esperava ao menos roubar-lhe um beijo depois de duas semanas de apenas mensagens durante o dia e ligações durante a noite onde Amélia dormia no meio de tão cansada e se pegava sorrindo bobo, escutando a respiração dela do outro lado da linha. A única notícia boa até o momento era que seu médico o tinha liberado para voltar às pistas e ele podia fazer o que ama sem nenhuma preocupação.
A música tocava alto e o lugar já estava lotado de gente com fantasias de todos os tipos, se sentiu um pouco até descolado já que Maria e a Erica, dona da loja, tinham insistido que ele fosse de príncipe. A decoração era exuberante, parecia a exata cópia do universo que tinha estudado nos livros de ciências quando ela mais novo com todos os planetas suspenso no teto e os pequenos pontos de luz que lembravam vagamente as estrelas. Amélia realmente tinha transformado todos os sonhos de Maria em realidade e falando nela, não precisou procurar muito, pra ele não importava o lugar, a situação, o horário, Amélia sempre capturava a sua total atenção. Parecia que ela era um campo de força que mesmo sem querer o arrastava para sua órbita e a única coisa que lhe restava era admirá-la de longe esperando um dia conseguir toca-la. Ela estava completamente linda, parecia que toda vez que ele a encontrava ela conseguia ficar ainda mais maravilhosa, especialmente quando usava um vestido digno de rainha, a exata cópia do vestido usado na adaptação da Cinderela que tinha assistido, mas não se lembrava com quem. parou de sorrir para a foto e colocou Maria no chão, as duas estava perto da mesa de aniversário e de longe dava para perceber que nem nem Maria queriam estar em qualquer outro lugar do que ali, sabia que Amélia provavelmente estava se arrependendo de ter contratado um fotógrafo para festa.
Maria foi a primeira a vê-lo, ela abriu o maior sorriso o que fez sorrir também, ele não sabia o porquê, mas ele sentia como se ele e Maria tivessem uma conexão de outro mundo e toda vez que ele a via seu coração enchia dentro do peito, sentia exatamente como no dia que descobriu que queria ser piloto que finalmente tinha encontrado um lugar onde ele pertencia.
— Príncipe! – se abaixou, abrindo os braços e Maria o abraçou pelo pescoço.
— Oi, minha astronauta! – a abraçou de volta e se levantou com Maria em seus braços. – Como está sua festa? Está gostando?
— Sim, você viu que parece o universo?! E tem todos os meus brinquedos favoritos! A única coisa chata é que eu tenho que tirar um monte de fotos chatas e não posso brincar. – Maria fez cara de emburrada o que fez sorrir largamente.
— Tenho certeza que você já vai poder brincar. – olhou para frente vendo junto com seus pais começarem a andar em sua direção. Por uma fração de minutos parecia que nenhuma decoração existia, tudo ficou um total e completo silencio e a única coisa que conseguia ver era andando para ele com um sorriso no rosto em um vestido de rainha mais linda do que nunca, podia sentir seu coração bater mais forte no peito e formigamentos nas pontas dos dedos. Ai meu Deus, não me deixe morrer antes de provar o gosto doce dos lábios dessa mulher!
— Olá, Camillo! – abraçou meu pai pelo pescoço antes de se virar para mim e dizer: — Vejo que as fantasias de sapos acabaram. – disse, parando em frente a ele com os braços cruzados. – Até que você não fica feio de príncipe.
! – Sua mãe lhe deu um beliscão fazendo com que ela massageasse o local. – Isso é jeito de tratar os convidados, garota?! – Ela se virou para e Camillo. – Que bom que vocês chegaram, nós estávamos só os esperando para as ultimas fotos.
— O quê? – olhou surpresa para a mãe. O que é que ela estava aprontando?
— Foi Maria que disse que queria tirar foto com o príncipe. – Antonieta deu de ombros e olhou para sua filha que encostou a cabeça no ombro de . sentiu seu coração dar um pulo no peito, faziam exatamente dois aniversários que só ela estava nas fotos com Maria, só esteve presente no aniversario de um ano da sua filha, no mês seguinte ele descobriu que precisaria fazer uma cirurgia por conta do seu acidente depois de mais de um ano do mesmo. A desculpa que deu na época para não contar das suas dores de cabeça para era que ele não queria preocupa-la, eles tinham acabado de ter Maria e cuidar de um bebê já era trabalhoso o suficiente, ele não queria que ela tivesse que cuidar dele também. Talvez se ele tivesse contado tudo desde o começo as coisas seriam diferentes, eles poderiam ser uma família de verdade e não andaria por aí sentindo o peso das costas no mundo e com um pedaço do seu coração faltando.
? – chamou a atenção de fazendo com que ela voltasse seu olhar para ele. – Você está bem?
— Que tal nós tirarmos as fotos, hein?! Já está mais do que na hora de Maria poder brincar com os seus amigos. – não esperou a resposta de ninguém apenas andou em direção a mesa onde o bolo se encontrava e assumiu sua posição. parou ao seu lado com Maria em seus braços e o resto das duas famílias se acomodaram em ambos os lados na mesa, nem soube falar quantas fotos foram tiradas, mas sabia que tinham sido de todas as possiblidades que aquele grupo de pessoas podia fazer. No final, se encontrou parada ao lado da fotografa, vendo e Maria fazerem as mais diversas caretas para a câmera. A garota sorriu boba e a cada caras e bocas que os dois faziam ela podia ver que Maria tinha vários dos trejeitos dela, mas ela simplesmente a cara do pai. sempre achou que fosse forte o suficiente para aguentar, afinal de contas, ela tinha perdido o marido, mas ao menos tempo só que não, ele estava vivinho da Silva, só não sabia que ela existia e se ela conseguia “superar” isso, ela superaria quaisquer coisas. Só que ver e Maria juntos, no momento pai e filha que ela já tinha visto, vendo o que eles poderiam ter juntos fez com que a máscara que usou durante esse ultimo amo desmoronar na frente dela.
, por que você está chorando? – Antonieta perguntou, fazendo com que olhasse para ela. – Está tudo bem?
— Não deixa que Maria me veja assim. – se virou de costas. – Eu vou me acalmar em outro lugar, diga a Maria que eu fui resolver coisas do aniversário e que ela pode brincar com seus amigos.
nunca correu tão rápido em saltos antes na sua vida, ela agradeceu mentalmente pelo buffet ter um jardim um pouco afastado que era usado para festas na parte do dia. A garota se jogou no banco em frente a uma fonte e procedeu a chorar com direitos a soluços e tudo, já tinha chorado muito nesses últimos anos, mas nada se comparava a um choro de ter tudo ao seu alcance, mas ao mesmo tempo nada ser seu. Ela sentia como seu coração fosse explodir a qualquer minuto, por tanto tempo ela se deixou ser forte para ser uma melhor mãe para Maria, que se esqueceu de ser forte para si mesma.
A garota escutou o barulho de gravetos quebrando, mas nem ao menos conseguia parar de chorar ou abrir os olhos, apenas sentiu a pessoa sentar ao seu lado e puxa-la para um abraço. teve a esperança de que fosse sua mãe que tinha vindo atrás dela ou até seu pai ou Camillo, mas não, ela reconheceria aquele perfume de longe e não podia acreditar que não conseguia parar de chorar então ela apenas procedeu a abraça-lo forte pela cintura enquanto ele acariciava suas costas.
segurava em seus braços sem saber o que falar, quando ele a viu saindo correndo enquanto ele tirava fotos com Maria, sabia que algo estava errado. Ele não conhecia por muito tempo, mas parecia conseguir lê-la como um livro aberto e vê-la chorar daquele jeito fazia com que seu coração apertasse dentro do peito, ele só queria saber como colocar um sorriso em seu rosto outra vez. Ele então se perguntou o que poderia ter feito chorar tanto, ou melhor dizendo quem, sabia que o pai de Maria não tinha aparecido na festa, seu pai teria comentado se ele tivesse vindo, talvez tivesse triste porque seu ex não tinha aparecido para o próprio aniversario da filha.
se mexeu fazendo com que soltasse um pouco seus braços ao redor dela, ela se afastou dele enquanto limpava suas lagrimas.
— Sua maquiagem está intacta. – quis bater com a cabeça na parede. Quem em sua consciência fala da maquiagem de alguém depois de vê-la chorar? Muito bem, , você fez papel de bobo na frente de outra vez só para não perder o costume.
apenas balançou a cabeça e não pode esconder o sorriso, viu uma lágrima descer pelo rosto dela e automaticamente a limpou com seu dedo. fechou os olhos sentindo acariciar seu rosto com o polegar, quando ela abriu os olhos ela viu o rosto de perto do seu e por um momento ela pensou que ele iria beija-la, porém apenas sorriu e depositou um beijo demorado na sua bochecha.
— Você quer conversar sobre o por que você estava chorando?
— Eu não estava chorando. – respondeu rápido, fazendo com que sorrisse enquanto tirava sua mão do rosto dela. Ela quase pediu que ele continuasse a acariciando, era difícil ficar sem o toque dele depois de senti-lo após tanto tempo.
— Se você diz, eu não vou te forçar a nada.
— Você foi sempre muito bom em me dar o espaço que eu preciso. – tinha que começar a pensar muito antes de ter qualquer conversa com , ela simplesmente entrava em um universo alternativo onde ela partilhava tudo com ele sem nem ao saber o que estava falando. Era isso que dava estar no mesmo espaço com o amor da sua vida, ela se sentia confortável demais e tinha uma diarreia verbal.
— O que? – a olhou confuso.
— Um dia, , um dia eu te conto tudo e você vai entender.
— Por que não me conta agora?
— Porque eu ainda quero muito tempo com você.
— Às vezes você não faz o menor sentindo, .
— Eu nunca disse que faria, agora aguenta, bebê.
— Com prazer. – respondeu, rindo largamente. – Você não quer mesmo conversar sobre? Eu tenho dois ouvidos, dois ombros prontos para uso. Ah e uma boca também, se você quiser.
— Essa é uma proposta e tanto, olha que eu aceito. – deu uma gargalhada, porém por dentro ela queria gritar e se jogar nos braços de . – Às vezes na vida a gente não precisa conversar ou de palavras, só precisa dar uma boa chorada pra lavar a alma.
— Você quem perde, eu sou um partidão.
deixou as inibições de lado e passou os braços ao redor pescoço de , o abraçando pela cintura, ela não estava nem um pouco se importando em parecer uma louca carente, ela só queria sentir o mais perto possível especialmente quando ela sentia que o seu tempo com ele estava contado.
— Tudo poderia ser diferente se você não fosse tão cabeça dura. – sussurrou antes de se afastar de e se levantar. – Você tem um espelho?
— Um espelho? – se levantou também, ficando em frente a ela. – Você realmente acha que eu carregaria um espelho?
— Vai que veio com a fantasia. – deu de ombros. – Claro que se você tivesse vindo de sapo com certeza teria um. – Ela balançou a cabeça. – Que decepção, . – balançou a cabeça com um sorriso no rosto. Por Deus, de onde essa mulher tinha vindo e por que diabos ele simplesmente não conseguia ficar longe dela? Ele estava ficando louco, só pode!
— Você pode se olhar com o meu celular. – estendeu o celular para que logo abriu a câmera frontal. Ela mexeu um pouco no rosto com as pontas dos dedos, mas não notou muita diferente, como ele tinha dito, sua maquiagem tinha ficado intacta.
— Vamos voltar para a festa? Nós temos que cantar os parabéns ainda. – estendeu a mão para que a segurou e começou a guia-la de volta para a festa.
— Tia ! – olhou para a garota que tinha quase a derrubado em um abraço. – Você parece mesmo uma princesa! E o tio ainda veio de príncipe!
— Olá, Julieta, como você está minha linda? – olhou para , que olhava para a garota confusa, antes de abraça-la. – Onde estão seus pais? Sophie? Bernardo?
— Estamos aqui. – levantou seu olhar dando de cara com seus antigos vizinhos. Ariella e trabalhavam no mesmo hospital, porém, como Ariella era médica, as duas raramente se viam.
— Mamãe, tia e tio vieram de príncipe e princesa igual a Cinderela! – Julieta apontou para os dois o que fez sorrir nervosa.
— Está mais para a Bela Adormecida, meu amor. – Ariella riu, passando a mão pelos cabelos de sua filha. – Por que você não vai brincar, hein?! – Sophie assentiu e saiu correndo em direção a um grupo de crianças. Ariella e Chase olharam para e depois para , ela os olhou confusa até que percebeu que não se lembravam deles.
, esses são Ariella e Chase, eles são nosso viz... Amigos. Eles são meus amigos.
— É um prazem conhece-los. – cumprimentou Ariella antes de se virar para Chase.
— E aí , como você está cara?! – estendeu a mão para Chase, porém ficou assustado quando ele o puxou para um abraço. Ariella e se entreolharam, segurando o riso. Ariella e Chase eram os vizinhos da casa que e tinham se mudado depois de casados, Chase e viraram melhores amigos quando descobriram que torciam para o mesmo time de futebol e desde então tinham se tornado inseparáveis. A maioria dos amigos de , tirando alguns dos caras da sua equipe, eram solteiros, tipo aqueles milionários que todo mundo sempre lia nos romances e que tiravam o folego, exceto que eles eram um bando de idiotas e nem no fundo das suas almas eles eram bons moços debaixo da aparência de playboy. Quando e se casaram eles aproveitaram bastante o casamento, principalmente com as primas da noiva, mas perceberam que as coisas estavam prestes a mudar e decidiram se afastar de . A vida de solteiro era completamente diferente da vida de casado, sabia disso, porém ele sempre gostou muito dos seus amigos e estava disposto a continuar a amizade mesmo que não fosse para ir para balada de quinta a domingo e sair com uma mulher diferente todo dia. viu o esforço que seu marido fazia quando os chamavam para tomar uma cerveja, ou apenas assistir um jogo na casa de alguém, e eles simplesmente davam a desculpa que estavam muito “ocupados”. Um dia, querendo levantar o espirito do seu marido, colocou o seu melhor vestido depois de um turno de 19 horas e foi para uma balada com só para que ele saísse com os seus amigos, porém, naquele mesmo dia percebeu que seus amigos não eram tão seus amigos como diziam e decidiu cortar laços de vez.
Para ser completamente sincera, não enxergou como um coisa ruim, na verdade, tinha sido um livramento cortar laços com aquele bando de mauricinho, chato, mimado que só atrasava a vida de . Quando e Chase se tornaram amigos, agradeceu a todas as entidades divinas que existiam por ter arrumado um amigo que preste, junto com Noah, o marido de Sofia, eles formavam os três mosqueteiros mais sexys que ela já tinha visto. sabia pelo jeito que Chase abraçava , ela não tinha sido a única que sentia sua falta.
— Eu estou bem, obrigado. – se afastou, olhando para Chase, um pouco confuso. – Nós já nos vimos antes? Seu rosto não me é estranho.
— Talvez eu um passado nem tão distante. – Chase passou o braço pela cintura da sua esposa. – Eu já te vi no autódromo algumas vezes.
— Você também corre?
— Não, Ariella me mataria antes de eu entrar em um carro se fosse para correr. – Chase riu. – Eu sou muito fã de corridas e você é um dos melhores.
— Obrigado. – olhou sem jeito para que apenas sorria para ele. – Então como vocês se conheceram?
— Nós fomos vizinhos por um tempo. – Ariella respondeu e viu o sorriso de desaparecer. – Antes de se mudar de volta para a casa dos pais dela.
— É verdade? Vocês moram por onde então?
... – segurou no braço de fazendo com que ele olhasse para ela. – Você pode ir buscar Maria? Acho que está na hora de cantar os parabéns.
— Claro. Foi um prazer conhece-los. – disse antes de dar um beijo na bochecha de e sair a procura de sua filha.
— Uau! É extremamente bizarro conversar com ele quando ele nem ao menos se lembra que somos amigos. – Chase disse, balançando a cabeça.
— E você acha que eu não sei?! Eu estou tendo que conquistar o meu marido outra vez.
— E pelo jeito você não está fazendo muito esforço, ele está tão apaixonado por você como antes. – Ariella disse, segurando a mão de sua amiga.
— Não quer dizer que não doa menos. – Ela olhou para que levava Maria nos braços em direção a mesa do bolo e doces. – Toda vez eu olho para ele, pior toda vez que eu olho para ele e Maria juntos, eu fico pensando no que eu tirei deles dois. Será que esconder a verdade foi realmente a melhor alternativa? O que teria acontecido se eu tivesse contado tudo para ele, será que nós teríamos o nosso “felizes para sempre” ou ele iria embora de vez?
— Você não teve alternativa, , nada disso é culpa sua. – se virou para Ariella.
— Será mesmo, Ari? – deu um sorriso triste antes de continuar: — Deixa eu ir, eu quero logo cantar os parabéns que eu ainda tenho que voltar para hospital hoje à noite.
chamou todos os convidados pelo microfone e aos poucos eles foram se aglomerando ao redor da mesa. Maria se recusou a sair dos braços de e estava muito esgotada emocionalmente para discutir, talvez fosse uma boa memoria para Maria ter o pai ao seu lado, mesmo que nenhum dos dois fizessem a menor ideia. Depois dos parabéns, e Maria foram distribuir as lembrancinhas para as crianças, Maria fez tudo na velocidade da luz porque estava doida para voltar a brincar, para ser mais precisa brincar com Bernardo, filho de Ariella e .
se sentou em uma das mesas e colocou seus pés na cadeira a sua frente, ela precisaria de pelo menos duas xicaras grandes de café para ficar acordada para o turno que ela estava prestes a enfrentar. Ela conseguiria algumas horas de sono antes de sair de madrugada antes mesmo de Maria acordar, odiava ter que fazer isso, mas era os sacrifícios que ela tinha que fazer pra ficar mais tempo com sua filha.
— Cansada? – abriu os olhos e deu de cara com parado ao lado da cadeira que tinham os seus pés. assentiu, tirando os pés da mesma e se sentou logo em seguida.
— Um pouco. E esses saltos estão me matando. – pegou os pés de e os colocou em seu colo, ele então prosseguiu a tirar seus saltos fazendo com que ela soltasse um suspiro de alivio. Ele então começou a massagear os seus pés fazendo com que relaxasse ainda mais.
— Melhor?
— Muito melhor, você sempre dar as melhores massagens.
— Como você sabe disso? Teve muito caras massageando seus pés?
— É a melhor porque é com você. – abriu os olhos, olhando para ele. – Obrigada por ter vindo, Maria simplesmente adoro que você veio, ainda mais vestido de príncipe.
— Foi um prazer ter vindo, eu não lembro em ter ido em muitos aniversários de crianças no passado.
— Claro que não, a maioria dos seus amigos correm quando escutam a palavra casamento e filhos.
— Falando em amigos, quem é o pirralho que fica o tempo todo com Maria?
— Cuidado de como você fala do pirralho, ele é meu filho. – Chase bateu nas costas de antes de se sentar ao seu lado. – Você deveria se acostumar, Maria e Bernardo são inseparáveis mesmo antes de nascerem. e Ariella ficaram gravidas praticamente na mesma época.
— Porém , como uma péssima amiga, teve Maria antes do nosso combinado. – Ariella completou e soltou uma gargalhada. – Nós tínhamos combinado em ter nossos filhos no mesmo dia.
— O que eu posso fazer? Maria estava louca para conhecer o mundo e ver a mãe incrível que ela tem.
— E humilde.
— Mamãe! – Maria veio correndo e se jogou no colo de . – Eu quero ir embora.
— Mas já? Não quer brincar mais? – viu Bernardo correr até as suas e parar ao lado de .
— Eu quero ir para casa dormir e abrir meus presentes. – Maria se virou para . – Você vem com a gente não é príncipe?!
— Que tal você dormir e abrir seus presentes só amanhã com mais calma? – Maria subiu em no colo de o abraçou pelo pescoço.
— Mas mamãe não vai estar em casa, ela tem que trabalhar.
— Eu posso abrir os presentes com você e a gente pode mandar um monte de fotos para sua mãe para ela ficar morrendo de inveja. – Os olhos de Maria brilharam e ela olhou para .
— Você é uma péssima influência, .
— Euzinho? – se levantou com Maria no colo. – Agora vamos, nós temos que pegar todos os seus presentes.
— Ei, eu quero ir também! – Bernardo gritou puxando a calça de .
— Vamos, filhão, vamos ajudar Maria. – Chase se levantou pegando Bernardo no colo.
— Olha, papai, eles dois se aprecem muitos! – Bernardo apontou para Maria e . – Tem certeza que ela não é o príncipe, Ma?
— Mamãe continua dizendo que ele é um sapo então eu não sei. – Maria deu de ombros. – Agora vamos, eu quero pegar meus presentes.
— Que tal a gente apostar uma corrida, hein ?! – Chase disse, olhando para .
— No 3. – disse, abraçando Maria mais forte e Chase fez o mesmo com Bernardo. – 1, 3! – saiu correndo na frente fazendo com que Chase o olhasse perplexo antes de sair correndo atrás dele.
— Vejo que ele continua com ciúmes da ideia de Maria e Bernardo juntos. – Ariella disse, fazendo com que olhasse para ela. – Quando você pretende contar a verdade para ele?
— Em breve, Ari, muito em breve.

Capítulo 06

Capítulo 6 de Reminiscência
ficou de frente para o espelho aplicando outra camada de rímel, percebeu que sua mão tremia um pouco e ela queria dizer que era por conta da quantidade de café que ela tomou para ficar acordada durante seu longo turno no hospital, mas enganar a si mesma era o um dos maiores erros que o ser humano podia cometer. Ah não, a garota sabia muito bem que todo o seu nervosismo era por que ela estaria em um encontro com o seu marido nas próximas horas. No tempo que a garota ficou longe de ela sempre sonhava acordada com os momentos que eles passaram juntos, os encontros, as noites que eles ficam até tarde assistindo filmes, as corridas que os dois assistiam juntos quando não estava competindo e das noites onde os dois apenas ficavam juntos agarradinhos conversando sobre tudo. sentia tanta a falta de que as vezes achava que ia entrar em um estado de combustão, foram as inúmeras vezes que ela pensou em apenas aparecer na porta se jogar nos braços dele e contar toda a verdade, mas sempre tinha algo que a impedia, ou melhor, alguém da qual chamava de mãe e chamava de Mulher Dragão.
escutou a campainha tocar e os latidos de Sansão ecoarem pela casa logo depois ela escutou o grito alegre de Maria chamando pelo nome de fazendo com que ela sorrisse involuntariamente.
- Seu marido chegou! – Antonieta entrou no quarto da filha fazendo com que a mesma tomasse um susto.
- Mãe! Precisa entrar no meu quarto desse jeito? – pegou a bolsa a colocando no ombro. – Em algumas culturas bater antes de entrar é conhecido como um ato de pedir permissão para entrar no quarto de alguém.
- Por que eu pediria permissão pra entrar em algum cômodo da minha própria casa?
- Porque esse é o meu quarto.
- A casa ainda é minha, se você quer que alguém bata antes de entrar no seu quarto, você tem sua própria casa. – Antonieta deu de ombros, estendo alguns envelopes para Amelia. – Aliás, as contas da sua casa chegaram. – pegou os envelopes e os colocou em cima da mesa. – Eu passei por lá pra checar a caixa de correio e também dar uma olhada na casa. Aquele lugar está um poço de poeira Amelia, seu jardim está uma negação, amanhã mesmo vou levar Seu Jorge e dona Magda pra dar uma geral em tudo. Quer vir comigo?
- Mãe...
- Eu adoro ter você aqui pertinho de mim, minha filha, mas está na hora de você voltar para sua casa. – Antonieta segurou a filha pelos ombros e continuou: - De preferência com o bonitão que está lá embaixo tão nervoso quanto da primeira vez que veio te buscar pra sair com ele.
- Eu não consigo. – olhou para sua mãe. – Toda vez que eu olho praquela casa eu só lembro dos momentos que eu e tivemos juntos e eu sinto como se meu coração fosse explodir pelo fato de que eu não posso ter minha família completa.
- Então conte a verdade pra ele, Amelia, você já esperou muito tempo.
- É muito mais complicado do que todos vocês imaginam, eu posso perder muito mais do que se eu contar a verdade pra ele.
- Amelia...
- Eu preciso ir, está me esperando.
saiu do quarto quase correndo descendo as escadas apenas pra encontrar sentado no sofá com Maria em seu colo com um livro de histórias nas mãos e Sansão deitado em cima dos seus pés. fechou o livro quando percebeu que Maria já estava dormindo e se levantou indo em direção a escada vendo a parada no último degrau da mesma olhando para ele com um sorriso nos lábios. Ele passou por ela sussurrando que colocaria Maria na cama e Sansão foi atrás, quando ele voltou já não estava mais com ele, provavelmente tinha ficado no quarto junto com Maria.
- Sansão está lá dentro, eu deixei a porta do quarto dela aberta caso ele queira sair. – Ele desceu o ultimo degrau parando em frente a Amelia, ela virou a cabeça para o lado sorrindo para ele. Deus, será que era possível explodir de tanto amor?
- Por que você está me olhando desse jeito?
- Por nada. – abriu os braços e continuou: - Será que eu não ganho nenhum abraço? – sorriu e abraçou pela cintura, a garota não resistiu e o apertou forte pelo pescoço sentindo seu corpo tão perto do meu.
- Você está toda cheirosa só pra mim?
- Você tem que acabar com o momento hein ?! – se afastou dele e andou em direção a porta. gargalhou alto passando pela porta dando um beijo na bochecha de antes de andar em direção ao carro. A garota balançou a cabeça e fechou a porta atrás de si, andou até o carro onde a esperava com a porta do passageiro aberta. Ela deu um selinho nele, o deixando estonteado, enquanto fechava a porta do carro. tentou abrir a porta novamente, porém, foi mais rápida e trancou a porta dando língua para ele. Ele apenas balançou a cabeça e seguiu para o lado do motorista.
- Um dia, Potts, você vai me matar. – apenas sorriu largamente enquanto ligava o carro.
Os dois foram em silêncio no carro pois estava completamente concentrado no trânsito, desconfiava que estava relacionado ao seu acidente, a garota sabia que tanto Sofia quanto Constance enchiam a cabeça dele com suas preocupações desde que ele acordou. Segundo Rick, tinha sido uma luta para que pudesse voltar as pistas e convencesse as duas de que ele estava pronto para correr novamente, ele treinou arduamente durante um ano para que estivesse completamente preparado para voltar as corridas. Ela mesma não gostava nada da ideia de dirigindo outra vez, especialmente, quando um acidente em uma das corridas que tinha levado a separação os dois. Entretanto, ela sabia que mesmo com o coração apreensivo, nunca cogitaria pedir que ele para parar de competir, não quando era algo que ele amava tanto e vê-lo fazer algo que ama fazia seu coração bater forte dentro do peito e um sorriso bobo aparecer em seus lábios.
- No que você está pensando? – perguntou quanto os dois pararam em um sinal.
- Em você. – falou, sem nem ao menos hesitar e depois virou o rosto para sentindo suas bochechas queimarem. Meu Deus, , você está corando em um encontro com o seu marido que não sabe que é o seu marido! Realmente, eu já fiz de tudo nessa vida! , a garota pensou sorrindo sem os dentes. – Digo, nas suas corridas. Isso, nas suas corridas! Quando você vai correr de novo? – arqueou as sobrancelhas para ela antes de balançar a cabeça e voltar seu olhar para a estrada novamente.
- Daqui duas semanas eu tenho uma corrida, é só um evento pré-GP fornecidos por alguns patrocinadores.
- Então quer dizer que você vai começar a viajar outra vez. – abaixou a cabeça lembrando das vezes que precisou viajar, algumas ela podia acompanha-lo depois de cumprir algumas horas a mais no hospital, mas é claro, que na maioria das vezes, ela não podia ir e tinha que assistir tudo de casa com o coração na mão.
- Sim, mas isso é só daqui a uns meses. – Ele colocou sua mão em cima da dela fazendo com que ela voltasse seu olhar para ele. – Não se preocupe, Amelia, até lá você vai enjoar de tanto me ver.
- Eu duvido. – A garota riu olhando para frente. tinha acabado de para em frente ao Acapella, o mesmo restaurante que ele a levou no primeiro encontro deles. sentiu seus olhos encherem d’agua, mas engoliu o choro. Como é que, mesmo sem nem ao menos lembrar do que eles tiveram, parecia reescrever a história de amor dos dois. Seria cômico e romântico, se dá ultima vez não tivesse terminado em tragédia. – Você que escolheu esse restaurante?
- É, o nome me veio a cabeça do nada e eu só conseguia lembrar que tinha vindo e gostado muito.
- Mas você lembra o porquê? – aceitou a ajuda de para descer do carro e logo depois ele entregou as chaves para o manobrista.
- Pra falar a verdade, não. Eu só lembro de ter sentido algo muito bom enquanto estava aqui. – riu de lado. – Eu não sei se você sabe, mas eu não lembro de muita coisa.
- Eu sei.
- Então Sofia te contou. – entrelaçou seus dedos com os de Amelia, a guiando pelo restaurante.
- Algo desse tipo.
- Mi lady! – puxou a cadeira e apontou para mesma. Amelia, olhou ao redor e viu exatamente o lugar que ela queria e se virou para o garçom dizendo: - Será que a gente poderia ficar com aquela cabine ali no fundo?
- Claro, senhorita. Me sigam. – olhou para dando de ombros e entrelaçou seus dedos nos deles. sentou e puxou para sentar ao seu lado, a cabine era a mesma que eles tinham sentado no seu primeiro encontro há mais de nove anos atrás. Ela se lembrou que tinha escolhido o local porque tinha esquecido completamente do encontro com por conta da faculdade e quando ele apareceu na frente do seu apartamento todo arrumado e com uma rosa na mão.



andou em passos lento até o portão do seu prédio, ela só queria deitar na sua cama e dormir o resto do final de semana inteiro, suas provas de Microbiologia e Parasitologia tinham acabado com seus neurônios e ela precisava repor suas energias com um longo banho, a melhor comida japonesa e uma boa noite de sono.
- ? – A garota virou o seu rosto para o lado dando de cara com , o filho de um dos melhores amigos do seu pai e um de seus corredores favoritos. Ela o olhou confusa, por que diabos esse deus grego estava na portaria de seu apartamento com uma rosa na mão?
Então como nas Visões da Raven, se lembrou que há uma semana atrás, no aniversário da sua melhor amiga e irmã de , Sofia, ela tinha ficado completamente bêbada e passou a noite inteira conversando e dançando com e no meio dessa loucura, de dizer que ela não o queria, ela aceitou jantar com ele.
- Ai meu Deus, ! Eu esqueci completamente! – Ela andou até ele segurando seus livros contra seu peito. – Eu tive que estudar pra duas provas péssimas essa semana, eu nem olhei meu celular direito, sem falar que eu estava pra lá de Bagdá quando aceitei seu convite. – andou até a porta de trás do carro de e jogou seus livros e sua bolsa no banco de trás. Ela olhou no seu relógio e soltou um palavrão. – Mas a gente vai, não se preocupa, você é gato e gostoso demais pra eu te deixar esperando. Não vai dar tempo de eu me arrumar, se você me aceitar completamente cansada e descabelada a gente pode ir agora. – Ela abriu a porta do carro e pulou no banco do motorista.
apenas continuou olhando para como se ela fosse de outro mundo, quando ela bateu no vidro foi que ele balançou a cabeça e entrou no lado do motorista.
- Você me acha gato e gostoso? – disse, rindo de lado, fazendo com que balançasse a cabeça.
- Foi só isso que você pegou do meu monólogo?
- É a parte mais relevante. – Ele começou a dirigir enquanto se olhava no espelho do quebra sol tentando arrumar seu cabelo. Para , tudo que fazia era motivo pra um sorriso bobo brotar em seu rosto, ele tinha acabado de conhecer a garota e sentia uma vontade enorme de saber tudo que ela quisesse compartilhar. Na primeira vez que ele a viu foi na primeira corrida de sua volta depois de uma turnê pelo mundo correndo em vários países diferentes. sentiu seu coração pular dentro do peito quando a viu, a garota vinha conversando alegremente com seu pai segurando um saco de pipoca enorme na mão. Seu pai tinha comentado da amiga da sua irmã que era apaixonada por corrida e que ela até era fã dele, o que ele não esperava era sentir como se seu coração fosse pular do peito quando a conhecesse e também não para de pensar nela o percurso inteiro. prosseguiu com suas corridas como se nada tivesse acontecido, tinha até tentado roubar o celular de com sua irmã, mas Sofia tinha deixado claro que se ele quisesse o telefone dela tinha que pedir ele mesmo. Então ele esperou a melhor oportunidade e quando sua irmã decidiu fazer uma festa de aniversário, ele pegou o primeiro voo de volta a fim de conseguir o telefone de antes que a noite acabasse. Claro que Amelia, a mulher mais imprevisível que ele já tinha conhecido, tinha superado todas as suas expectativas e o convidado para jantar logo depois de desmaiar em cima do sofá na casa de Sofia não antes de colocar seu número no celular dele junto com uma foto dela sorrindo completamente bêbada.
olhou para o lado vendo tentar arrumar seu cabelo, ela fechou o quebra sol depois de colocar o cabelo em um rabo de cavalo e abriu o porta luvas, ela pegou perfume que ele tinha esquecido lá dentro e começou a borrifar por todo seu corpo. Ele não conseguiu se segurar e soltou uma gargalhada fazendo com que parasse o que estava fazendo.
- O quê?
- Você é uma das mulheres mais peculiares que eu já conheci.
- Vindo de você, com toda certeza é um elogio já que eu sei que esse rostinho deve ter conquistado muita mulher por aí. – riu, balançando a cabeça e parando o carro.
- A pergunta que não quer calar é se esse rostinho bonito já te conquistou.
- Precisa mais do que um rostinho bonito pra me conquistar. – disse, antes de sair do carro. Pra falar a verdade, não tinha que fazer muita coisa pra conquistar porque o crush que ela tinha nele podia ser visto a anos luz de distância. Ela sempre ouviu falar do irmão irritante de Sofia, porém nunca se interessou muito em saber quem ele era ou o que ele fazia, até que um dia Sofia falou alguma coisa sobre seu irmão participar do GP de Mônaco e finalmente mostrou a sua foto. Era fato que tinha uma queda por corredores, tinha até namorado alguns, mas alguma coisa sobre tinha chamado atenção dela. Provavelmente foram as fotos sem camisa mostrando sua tatuagem uma parte do seu peitoral e ombro e tanquinho, mas tinha certeza que tinha muito haver com o jeito que ele sorria largamente mostrando suas covinhas e deixando os olhos pequenos. não resistia a um sorriso lindo, especialmente, um em um cara tão gato quanto .
sentiu entrelaçar seus dedos com os dela e a guiar pelo restaurante, a garota olhou para ele com as sobrancelhas arqueadas, porém estava muito ocupado seguindo o garçom para notar a cara que ela fez. Ela o seguiu pelo restaurante e começou a olhar ao redor e percebeu que eles estavam em um dos restaurantes mais caros da cidade, Acapella, rodeados de gente elegante e ela estava usando uma das calças e a camisas, um tênis completamente sujo, nenhuma maquiagem no rosto e o cabelo preso em um rabo de cavalo. parou fazendo com que parasse de andar e olhasse para ela.
- O que foi, Amelia?
- O que foi?! Nós estamos no restaurante mais chique da cidade e eu estou usando a pior roupa.
- Pra mim você está linda.
- Isso eu sou sempre, mas não ia doer nada me arrumar mais um pouco. – sorriu e se virou para o garçom antes que ela fizesse alguma coisa e continuou: - Será que a gente não pode ficar com algumas das cabines?
- Claro, senhorita, me sigam. – Nós continuamos seguindo o garçom para uma das cabines do restaurante, eu entrei primeiro e se sentou ao meu lado. – O que o eu posso servi-los essa noite?
- Uma garrafa de Elvio Cogno, Bricco Pernice, por favor. – disse começando a olhar o cardápio enquanto apenas a olhava com um sorriso no rosto com a mão apoiada no queixo. – O que? Para de me olhar assim!
- Não dá, você fica ainda mais linda a cada minuto.
- Você fala esse papinho pra todas as mulheres que vão à encontros com você?
- Elas sempre são lindas, devo admitir, mas você ganha de todas de lavada de Potts.
- Qual é a sua obsessão em dizer meu nome completo?
- Não sei, eu apenas gosto de dizer seu nome. Amelia, Amelia, Amelia... – colocou a mão em cima da boca de , porém ele continuou falando seu nome.
- Quem vê cara, realmente não vê coração. Quem diria que por trás de um rostinho bonito como o seu, teria um péssimo xavequeiro.
- Ei, eu não sou um péssimo xavequeiro, eu só não sei como agir quando o assunto é você. – Ele disse se afastando dela. O garçom chegou na mesma hora colocando uma taça de vinho para os dois, tomou a sua em um gole. Ela estendeu a mão para pegar a garrafa, mas foi mais rápido e afastou a garrafa dela.
- Nem pense nisso, , dessa vez eu não você vai ficar sóbria enquanto a gente conversa. Eu não vou arriscar você esquecer de tudo, mesmo você sendo uma das bêbadas mais fofas que eu já vi. Você quer ver?
- Como assim “você quer ver”?
- Pega o seu celular e liga pra mim. – pegou seu celular ignorando as notificações e procurando o número de . virou seu celular para e ela deixou seu cair no chão, no celular de tinha uma foto sua completamente bêbada e sorridente.
- Apaga isso. – tentou pegar o celular dele, mas ele foi mais rápido e afastou o celular dele.
- Agora olha a minha foto no seu celular. – ligou para Amelia, ela olhou para a foto de onde ele sorria largamente e seu nome dizia “ lindo❤❤❤”. E bota lindo nisso..., pensou guardando seu celular.
- Agora Amelia, me diga mais sobre você, especialmente sobre essas provas que quase acabaram com o nosso encontro.
- Nossa! As piores provas que eu tive de Microbiologia e Parasitologia. Nosso professor quer que a gente decore quase o livro inteiro e eu entendo que a gente tem saber de muita coisa, nós estamos lidando com a vida de pessoas, mas não dá decorar um livro inteiro. Me poupe!
E a noite resumiu de falando sobre sua vida, faculdade, amigos enquanto falava das suas aventuras nas corridas pelo mundo. Os dois tinham vidas completamente diferentes, mas algo eles tinham em comum, sabiam que conversar um com outro sobre tudo vinha fácil e trazia um sentimento muito bom e nenhum dos deles queria que esse sentimento acabasse.



- Amelia, você está chorando? – passou o dedo no rosto de limpando as lágrimas que ela nem sabia que estavam rolando por seus rostos. – O que foi? Você está se sentindo bem?
- Nunca me senti melhor. – sorriu para ele, limpando seu rosto e fugando alto. – Eu só lembrei de uma coisa.
- Algo coisa ruim?
- Não, algo muito bom. – Ela segurou a mão dele por cima da mesa. – Não precisa se preocupar.
- Tem certeza? A gente pode fazer isso outro dia, se você quiser.
- , não tem lugar do mundo eu preferia estar nesse momento, exceto se fosse com você aí eu ia pra qualquer canto. E aposto que a Maria e o Sansão também.
- Boa noite. O que o eu posso servi-los essa noite? – O garçom falou
- Uma garrafa de Elvio Cogno, Bricco Pernice, por favor. – disse fazendo com que sorrisse para ele.
- O que?
- Nada. – se ajeitou, ficando mais perto de , apoiou seu cotovelo na mesa e olhou para ele dizendo: - Então , conte-me mais sobre você, especialmente sobre suas corridas e sua recuperação.
Então naquela noite, enquanto o garçom servia uma taça de vinha atrás da outra, contou todas as suas aventuras sobre as corridas e o seu processo de recuperação, com direito a chiliques tanto de Cassandra como de Sofia, enquanto contava as aventuras de Maria e Sansão e também a dos pacientes do hospital, os dois sentiam que nada no mundo comparado ao sentimento que estava transbordando naquele momento.
E enquanto o restaurante se esvaziava, sentia que seu peito se enchia de esperança. Ela sabia que não podia mudar o passado, as vezes desejava que as coisas tivessem sido diferentes, porém, escutando seu marido gargalhar alto enquanto os dois falavam sobre suas vidas, ela sentia que eles poderiam construir um futuro juntos com direito a uma filha que sonhava em ser astronauta, um cachorro brincalhão e um casal tão apaixonado que chegava a dar nojo, do jeitinho que ela sempre sonhou.
- , eu quero te perguntar algo. – disse virando seu rosto para ele. Já passava das quatro da manhã e o dono do restaurante pediu, com muita delicadeza, para que os dois se retirassem para que eles pudessem fechar. A garota nem ao menos percebeu que se tinha passado tanto tempo, acho que quando estava se fazendo algo que adorava com alguém que se ama o tempo realmente não passa. Os seguiram pelo caminho de volta até que avistou um parque do qual ela sempre visitava e pediu que parasse no mesmo. E foi assim que os dois pararam deitados na grama, olhando para as estrelas.
- Pode perguntar. – Ele se apoiou em sua mão, olhando para ela de cima pra baixo.
- Você não lembra de nada? Nadica de nada dos últimos anos?
- Não. – se sentou o que fez com que fizesse a mesma coisa. – E isso é um dos piores sentimentos que eu já senti na minha vida. Eu acordei depois de um ano em coma por conta de uma cirurgia da qual eu nem lembro porque fiz em primeiro lugar. O medico disse que esqueci quase seis anos da minha vida. Seis anos! Ppode ter acontecido tanta coisa, eu posso ter encontrado o amor da minha vida e eu não iria lembrar nem ao menos o nome dela. Já imaginou se algo assim tivesse acontecido?! Você está com alguém e na reviravolta dos fatos a pessoa simplesmente esquecer que você existe? Pra onde esse amor todo iria? Como é que você parte daquele momento: começa tudo de novo ou continua de um lugar que você nem ao menos sabia que estava? E a outra pessoa, imagina como ela se sentiria?
- Como se o mundo tivesse desmoronando e você não pudesse fazer nada pra parar. – respondeu respirando fundo.
- Minha mãe disse eu fiz muito do mesmo, que a corrida sempre foi minha prioridade e que eu não consegui ninguém. A Sofia só me deu a coleção dos filmes do Nicholas Sparks e pediu pra eu ter bastante atenção em um que a mulher perde a memória, acho que ela quis fazer alguma brincadeira de mal gosto ou algo do tipo. Já meu pai, apenas sorri e diz: um dia você vai saber. – riu sem humor. – Resumindo: ninguém me conta nada, porém, as vezes eu sinto que algo está faltando, sabe? Parece que meu coração sabe que ele não estava sentindo as mesmas coisas que antes e anseia por sentir tudo aquilo de novo. – olhou para ela, e riu de lado. – E sabe o que é mais louco disso tudo? Que quando eu estou com você parece que tudo para, como se tudo estivesse onde deveria estar. Louco, hein?!
- É, louco. – Então fez o que qualquer mulher faria na presença do seu marido depois de um discurso como esse, segurou pelo resto e lhe deu um selinho demorado. Depois que o choque inicial passou, passou o braço pela cintura de Amelia, a puxando para perto e aprofundando o beijo. sentiu que naquele momento, beijando , tudo estava finalmente no lugar onde deveria estar. Tê-la em seus braços dessa maneira, enquanto ela puxava os cabelos da sua nuca, o beijando como ninguém nunca fez, parecia um gostinho do paraíso do qual ele nunca queria abdicar.
- Amelia... – sussurrou, se afastando dele. A garota sorriu dando um selinho demorado nele e se levantando logo em seguida.
- Vamos? – estendeu a mão para ele que a pegou e se levantou também. – Falta pelo menos uma hora pra eu poder deixar Maria na escola, você acha que consegue ficar acordado até lá?
- Claro que sim. – riu, levantando as sobrancelhas para ele. – Que cara é essa?
- Um dia você vai sabe, . – começou a andar de costas, de frente para ele e continuou: - Agora nós temos que comprar o melhor café pra te manter acordado porque eu tenho certeza que Maria vai querer que você a leve para a escola. E se duvidar, até Sansão vai entrar nessa equação. – começou a andar em direção a Amelia, quando ele parou em sua frente, a empurrou de leve no capô do carro, e roubou um selinho demorado.
- Vamos, , nós temos uma astronauta pra levar pra escola.
- De fato, nós temos. Nós com certeza temos.

Capítulo 7


acordou com um sorriso naquela manhã, pra ele não era uma surpresa, ele passou a semana inteira acordando cedo para levar Maria na escola e, algumas vezes, até buscando e deixando no trabalho. O plano era passar a maior quantidade de tempo com as duas que fosse possível, porém como ele tinha uma corrida no final de semana precisava focar em seus treinos, o que era completamente difícil já que continuava mandando fotos das traquinagens de Maria com Sansão e, às vezes, até alguma história engraçada que ela tinha passado no trabalho. não sabia ao certo como tinha chegado nessa situação, esperando fotos da filha e do cachorro da garota que ele estava saindo em vez de pensar em ganhar o primeiro lugar na corrida que decidiria se ele iria ou não para o grande GP de Mônaco. Todos esses pensamentos sempre levavam a questão que não queria calar: quem era o pai de Maria e por que ele nem ao menos ligava para a filha?
sempre ficava tensa toda vez que ao menos citava no assunto mesmo sem querer, isso fazia com que ele pensasse que qualquer que fosse a relação que ela teve com o pai de sua filha, provavelmente não terminou bem. não sabia qual era essa necessidade de saber sobre o passado do , especialmente, sobre o cara com que ela tinha tido um relacionamento sério a ponto de terem uma filha juntos, ele apenas queria dar uma conferida na concorrência e também conhecer o cara que ele nunca nem viu visitar a filha. tinha conhecido e Maria há apenas algumas semanas, mas toda vez que ficava longe das duas, já sentia um enorme aperto do peito de saudades, ele realmente não sabia como o pai de Maria tinha deixado as duas escapar, não quando ele mesmo não conseguia ficar longe por muito tempo. Talvez ele tivesse ficando louco, tinha conhecido e Maria há pouco tempo, mas por uma razão inexplicável, ele sentia completo, como se eles, incluindo Sansão, fossem a família da qual ele nem ao menos sabia que queria.
pegou a carteira em cima da mesa e foi em direção a porta, porém quando a abriu, deu de cara com sua mãe. Constance era uma mulher que sempre andava elegante, não importava a ocasião, ela estaria com suas melhores roupas, sapatos de grife, joias brilhantes, e, claro com um cabelo e rosto de quem acabou de sair do salão. Eram raras as vezes da qual tinha visto sua mãe usando algo como um jeans e uma camiseta, uma vez até chegou a perguntou porque sua mãe se arrumava tanto e ela apenas disse que Constance era muito mais intimidadora usando os seus melhores acessórios.
— Mãe? O que a senhora está fazendo aqui? – perguntou, fechando a porta atrás de si. – Eu tenho que ir pro autódromo.
— Eu sei, eu vim te buscar para que nós fossemos juntos. – Constance segurou o braço do seu filho enquanto ela o guiava até o elevador. – Você tem falado com sua irmã?
— Nada mais do que uma foto aqui e acolá da lua de mel. – apertou o botão da portaria. – Por que? Vocês duas brigaram outra vez?
— Sofia está apenas fazendo birra.
— Mãe, Sofia está com quase 30 anos, tenho certeza que ela já passou da fase de “fazer birra”. Qual foi o motivo dessa vez?
— Você conhece Sofia, , ela gosta das coisas do jeito dela.
— Me pergunto de quem ela puxou isso. – segurou a porta do carro para que sua mãe entrasse. Ele cumprimentou o motorista e entrou em seguida. – Você ainda não disse o motivo.
— Sofia apenas não concorda comigo. – Ela deu de ombros.
— Só isso?
— Ela não aceita que eu só quero o melhor pra todos. – Ela se virou para ele, acariciando seu rosto. – Que eu quero o melhor pra você.
— Estão vocês estão brigando por minha causa?
— Não foi nada relacionado a você, meu querido, nós apenas estamos tendo um desentendimento que vai passar. – logo percebeu que esse era um assunto da qual sua mãe não queria discutir. Ela se virou para ele e continuou: — Agora, me conte sobre você, o que você tem feito?
— Eu conheci uma garota. – encostou a cabeça no banco, virando para sua mãe com um sorriso no rosto.
— Uma garota? Conte-me mais, . – Constance se virou para seu filho com um sorriso no rosto.
— Ela é incrível, mãe. Eu a vi pela primeira vez no casamento de Sofia, ela estava linda usando seu vestido vermelho e balançando seus ombros junto com a música. Eu a chamei para dançar, mas claro que ela recusou, porém Sofia me ajudou. Eu tentei pegar seu número, mas ela apenas deu um tapa no meu celular e trincou a tela. – se afastou do banco, se virando para sua mãe com um sorriso no rosto. – Eu a vi novamente no autódromo, parecendo uma deusa enquanto andava até mim. Ela é enfermeira e estava no hospital quando eu fui fazer meus exames, ela tem uma filha chamada Maria e um cachorro chamado Sansão, eu os conheci quando papai foi visitar Rick, seu pai. – sorriu largamente o que fez Constance sorrir sem os dentes. – E eu, finalmente consegui sair com ela e foi um dos melhores encontros que eu já tive. Ela é maravilhosa, mãe, a senhora tem que conhecê-la!
— Eu já a conheço. – Constance respondeu, virando seu rosto para a frente. – é amiga da sua irmã, nós nos conhecemos há alguns anos.
— Ela não é incrível, mãe?! Me pergunto se nós nos conhecemos antes de eu perder a memória, tem algo sobre familiar sobre ela.
, você e não tiveram absolutamente nada antes de você perder a memória, entendeu? Você só pensava em corrida, viajava muito e não tinha tempo para ficar de conversinha com qualquer uma, você está me entendendo, ?! – Constance segurou seu filho pelos ombros que a olhou assustado.
— Nós chegamos. – O motorista disse fazendo com que Constance se afastasse do filho.
— Você não deveria estar preocupado com uma garota da qual você vai esquecer novamente em alguns meses, , e sim na sua carreira. – Constance se virou para o filho. — Você passou muito tempo treinando para voltar as pistas, mesmo contra a minha vontade, eu sugiro que você foque em você em vez de focar em e sua filha. – Ela se virou para frente e continuou: — Agora se você me der licença, eu tenho uma reunião muito importante no momento.
— Você não vai assistir minha corrida?
— Eu tenho outros compromissos, mas eu tenho certeza que você vai ganhar. – Constance deu um beijo na bochecha de seu filho. – Agora vá, você precisa se preparar.
— Foi bom te ver, mãe. – saiu do carro, indo em direção ao portão.
Depois de pegar sua credencial, seguiu para o box do seu time, cumprimentando seus companheiros e foi direto para o vestiário. Essa era a hora que tinha para se concentrar antes de uma corrida, alguns minutos pra pensar no quão importante seria se ele fosse classificado para o GP de Mônaco, o seu sonho de carreira sempre foi correr em Mônaco, ganhar era algo que ele almejava muito, porém só em participar ele estaria feliz.
Quando acordou em uma cama de hospital depois de quase um ano em coma por conta de uma complicação em uma cirurgia na cabeça, ele nunca se sentiu mais perdido em toda a sua vida. Deitado em uma cama de hospital, sem nem ao menos conseguir se mexer direito, estava o garoto que sua mãe sempre reclamava que não parava quieto e o homem que era apaixonado por esportes, mas que agora precisaria aprender tudo de novo. Ele entrou em um estado de pânico quando não conseguir nem ao menos segurar um copo de água e quando o médico começou a fazer perguntas sobre sua vida das quais não conseguia responder, ele sabia que sua vida estava prestes a mudar de jeito que ele nem imaginava.
Então passou meses no hospital passando por um intenso programa de fisioterapia para recuperar os movimentos que tinha perdido, foram os meses mais difíceis para ele, em alguns momentos ele se via tão frustrado que começava a chorar e até pensava em desistir, porém, o apoio da equipe do hospital junto com a sua família, especialmente Sofia, que insistia em tirar foto do seu progresso, o deixaram mais forte. Logo depois de receber alta, tinha apenas uma meta de vida: voltar as pistas. Ele sabia que não seria algo fácil, foram quase dois anos sem nem ao menos pegar em um volante e ainda existia uma grande possibilidade que todo esse tempo o seu time tivessem achado alguém para substituí-lo, entretanto, no momento em que pisou no prédio e foi recebido com o maior carinho pelos seus companheiros de time, ele sabia que ainda existia uma faísca de esperança.
Então ele treinou arduamente por mais ou menos um ano para voltar as pistas, superando até seu medo de entrar em um carro novamente, e mesmo sentindo o gosto das suas vitorias a cada corrida que ele ganhava, nunca que ele imaginaria que chegaria tão longe a ponto de participar de uma corrida para classificatórias do GP de Mônaco. O medo ainda era algo muito presente em todas as suas corridas, e ele gostava de pensar que era o que mantinha vivo, nunca mais queria acordar em uma cama de hospital como acordou há um ano. Se bem, que se estivesse ao seu lado todas as vezes, ele cogitava até correr o risco.
? – Seu chefe de corrida, Eric, entrou no vestiário com um sorriso no rosto. – Você tem visitas.
— Eu já disse que não vou falar com repórter nenhum. – fechou a porta do seu armário, se virando para Eric. – Esses caras não desistem.
— Eu tenho quase certeza que essa visita você vai gostar bastante. – Eric deu uma piscadela e saiu do vestiário. fechou seu macacão e seguiu Eric para fora do vestiário. A primeira pessoa que ele viu foi seu pai e logo depois Rick, não estava com eles, provavelmente tinha ficado presa no trabalho.
— Príncipe! – sorriu quando viu Maria correndo em sua direção. Ele se abaixou e logo ela se jogou em seus braços, o abraçando pelo pescoço. – Uau! No meu próximo aniversário você deveria usar essa fantasia, combina com você.
— Muito obrigada, astronauta. – fez cocegas em Maria que começou a gargalhar. – Pensei que vocês não vinham.
— Mamãe conseguiu sair do trabalho mais cedo então a gente veio. Cadê seu carro, príncipe? – sorriu e levou Maria em direção ao seu carro. – Uau! Muito mais legal que um cavalo branco. Já sei como vou fazer meus próximos desenhos de você. Ah, eu fiz um desenho pra você! – Maria entregou o desenho para ele e logo depois que os dois entraram no carro, os olhos da menina brilhavam enquanto ela segurava o volante virando-o para o lado e pro outro. abriu o desenho, sorrindo largamente logo em seguida, no desenho estava ele segurando um troféu com e Maria ao seu lado, pelo menos essa era a sua interpretação.
— Maria, você acha que eu vou ganhar?
— Sim, mamãe disse que você é o melhor em corridas.
— Ela disse isso mesmo?
— Eu disse um dos melhores, não o melhor. – apareceu ao lado deles, fazendo com que sorrisse para ela.
— Por que você maltrata meu coração assim, ?
— Seu coração não, seu ego. – parou ao lado do carro, cruzando os braços. – Você já entregou seu desenho da sorte para , Maria?
— Já sim, agora ele vai ganhar com certeza. – Ela sorriu para sua mãe e continuou: — Mãe, tira uma foto nossa?
— E eu? Não vou aparecer na foto não?
— Não, eu já tenho muita foto com você. – deixou o queixo cair enquanto soltou uma gargalhada alta. tirou o celular do bolso e procedeu a tirar fotos dos dois juntos enquanto ambos faziam varias caretas, a cada foto que ela tirava dos dois bem juntinhos, ela sentia uma pontada no peito, e Maria, mesmo não sabendo que eram pai e filha, eram mais parecidos do que ela imaginava. Claro que sua filha tinha muitos dos seus trejeitos por ter passados seus primeiros anos de vida sem a presença do pai, mas era assustador o quanto Maria ainda parecia mais com o pai do que com ela, especialmente fisicamente. Parece que o universo gostava de jogar na cara dela o que ela fez quando não contou a verdade para e Maria.
— Deixa que eu tiro uma foto de vocês. – Seu pai tirou o celular de sua mão, fazendo com que olhasse para ele agradecida. Ela se abaixou ao lado do carro e passou o braço pelos seus ombros a puxando um pouco para perto. Rick tirou várias fotos, incluindo uma que roubou um selinho demorado de , até que ela decidiu que já não aguentava mais ficar na mesma posição.
, você tem cinco minutos. – Eric disse, abrindo o maior sorriso para enquanto ela tirava Maria do colo de .
— Droga! Eu esqueci meu capacete lá dentro. – disse, pulando do carro. Ele parou em frente a , segurou seu pescoço, lhe dando um selinho demorado e disse: — Meu beijo da sorte. – Ele riu de lado, deu um beijo estalado na bochecha de Maria e desapareceu pelo vestiário.
— A última vez que eu vi Maria, ela ainda era um bebê. – Eric parou em frente a . – Quantos anos ela já tem?
— Acabou de fazer quatro. Maria, esse é Eric.
— Oi. Você trabalha com o príncipe?
— Na verdade, eu sou chefe dele. – Ele sorriu e continuou: — Nossa! É assustador como eles dois se parecem.
— Em mais jeitos que eu gosto de admitir. – Ela respondeu, balançando a cabeça. – Você pode avisar pro que eu estou indo pra cabine e que a gente se vê depois da corrida? Eu ainda preciso comprar comida.
— Claro que sim. – começou a andar em direção a saída quando Eric a chamou novamente e disse: — Se ele soubesse da verdade, eu tenho certeza que ele se sentiria completo novamente. Pensa nisso, .
— Você acha que eu não sei? – Ela riu sem humor. – Eu só preciso de um pouco mais de tempo. Foi bom te ver, Eric.

entrou no carro colocando seu cinto de segurança logo em seguida, o desenho de Maria estava dentro da sua luva, ele estava mais nervoso do que o normal e não era pra pouco, foi exatamente essa corrida, a classificatória pro GP de Mônaco, que ele sofreu um acidente que levou a sua cirurgia, seu coma e por fim a sua perda de memória. Se ele disse que não estava com medo, estaria mentindo, perder a classificatória para Mônaco não era nada comparada a ele sofrendo outro acidente e perdendo a memória outra vez.
A perda de memória sempre foi uma das coisas que sempre deixou um gosto um pouco amargo na sua boca, ao mesmo tempo que todo mundo dizia que ele não tinha perdido nada de especial, tinha a sensação que ele tinha perdido algo transformador que preencheria o vazio que ele sentia dentro do peito desde que acordou. Sentia não, sentiu. Desde que entrou na sua vida, junto com a sua filha que sonhava em ser astronauta e seu cachorro que não sabia o significado de espaço pessoal, ele sentia completo novamente.
Ele sorriu, se lembrando do beijo da sorte que ele conseguiu roubar dela dessa vez. O que ele sentia por era algo que ele não conseguia explicar, mas só em pensar na possibilidade em perder a memória e se esquecer dela, de Maria e Sansão, ele já sentia um calafrio percorrer por todo o seu corpo. Por isso, voltou a sua atenção para a corrida esperando que o desenho que Maria lhe entregou trouxesse a sorte que ele precisava desesperadamente.

estava comendo o seu balde de pipoca como uma pessoa que tinha acabado de descobrir o quão delicioso era esse petisco. Ela agradeceu mentalmente ao seu sogro, Camillo, quando ele colocou Maria em seus ombros para que ela pudesse assistir a corrida de um dos locais mais altos, parecia que o seu nervosismo estava mais difícil de esconder agora mais do que nunca. Não era que ela não ficasse nervosa quando estava correndo, claro que ficava, porém tudo era diferente agora, especialmente quando ela tinha acabado de sentir o gostinho da família que foi tirada dela da pior maneira possível. Quando esqueceu da vida com a pela primeira vez, ela demorou anos pra se recompor, até hoje ela não havia superado o fato de ver acordando e a olhando como se nunca a tivesse visto na vida, se acontecesse outra vez, não sabia se conseguiria levantar novamente.
Da primeira vez que se esqueceu de , ela virou um completo zumbi por algumas semanas, Maria tinha acabado fazer um ano e Sansão estava enorme e muito mais exigente. Sua mãe se prontificou a ajuda-la, ou como se lembrava, tomar conta de tudo enquanto ela entrava de luto pelo seu marido que tinha acabado de voltar dos mortos, mas que não fazia ideia de quem ela era. Em uma das noites que sua mãe tinha ido para casa, Maria começou a chorar como se não houvesse amanhã, tentou de tudo para fazê-la chorar até que ela não se segurou e chorou também. Vendo as duas chorando, Sansão se deitou nos pés de fazendo com que ela o olhasse antes de voltar o olhar para sua filha novamente. Naquele momento, sabia que tinha que tomar uma decisão: ou ela passava o resto da vida sofrendo pelo seu marido esperando que ele um dia acordasse e se lembrasse dela negligenciando tanto Maria quanto Sansão, ou ela podia pegar as rédeas da sua vida novamente. Ela escolheu a segunda opção.
nunca esqueceu de por mais que ela tentasse, ele estava em todos os aspectos da sua vida mesmo que ela gostasse de negar, como por exemplo quando, Maria falava nova palavra ou chorava até que a deixasse tomar banho na banheira com sua coleção de patinhos ou Sansão corria atrás do gato da vizinha e comia os tênis que usava para trabalhar, a garota se pegava abrindo o maior sorrindo louca para que seu marido chegasse em casa pra poder contar tudo que acontecia. Até que a verdade atingia como uma onda traiçoeira: seu marido não lembrava da sua família e, provavelmente, não voltaria para casa.
Então arrumou uma parte das suas coisas, pegou Sansão e Maria e voltou a morar com seus pais. Seu plano de tentar viver a vida livre de estava funcionando até o casamento de Sofia quando ela viu seu marido pela primeira vez ao vivo e cores depois de mais de um ano e sentiu como se coração fosse explodir dentro do peito. até tentou fazer jogo duro, ignorar a existência de novamente, mas o jeito que ele a tratava ou como tratava Sansão e Maria faziam com que ela se lembrasse de tudo aquilo que foi tirado deles. estava cansada de resistir ao amor da sua vida e foi deixando-o entrar em sua vida novamente só pra ter a certeza de algo que ela sabia, mas ignorava: ela nunca esqueceu .
Por isso, estava completamente decidida que contaria a verdade para e o mais rápido possível. Ela não sabia quando ou como, mas ela iria contar a verdade para ele mesmo que ele a odiasse no começo. conhecia seu marido melhor do que ninguém, sabia que ia odiar a ideia que todos a sua volta mentiram para ele, especialmente ela, mas ela também sabia, que depois que a raiva passasse ele a procuraria pra entender o seu lado porque se tinha uma coisa que tinha era um enorme coração.
escutou todos na cabine gritarem fazendo com que ela olhasse para frente, tinha conseguido ultrapassar os dois primeiros colocados e agora estava em primeiro lugar, era a ultima volta da corrida e Maria gritava em cima dos ombros do seu avô.
— Mamãe, o príncipe vai ganhar! – viu sua filha sorrir largamente. – Ele é o melhor corredor do mundo, mamãe!
— Com certeza, ele é. – sorriu, vendo a bandeira quadriculada no telão anunciar o final da corrida e logo a foto de aparecer no telão com a palavra “campeão” logo ao lado.
— Uhul! Eu sabia que o príncipe ia ganhar, mamãe! – Maria estendeu os braços e a pegou em seu colo. – Agora você tem que admitir, mamãe, ele é o príncipe que a gente tava procurando.
— Sabe de uma coisa, filha? Ele é sim! – Maria sorriu largamente. – Mas ele ainda não sabe então esse vai ser o nosso segredo.
— Quando é que a gente vai poder contar pra ele, mamãe? Ele pensa que você é o sapo por sua causa.
— Só mais um pouquinho minha filha, mas eu prometo que vai ser logo.
— De verdade?
— Palavra de escoteiro. – levantou a mão fazendo com que Maria cerrasse os olhos.
— Mas você não é escoteira, mamãe. – soltou uma gargalhada e Maria deu de ombros. – Agora vamos, eu quero falar com o príncipe.
No final das contas, e Maria só conseguiram falar com mais de uma hora depois que a corrida acabou, aparentemente, tinha feito história voltando para pistas depois de quase dois anos do seu acidente e garantindo a terceira colocação na largada do GrandPix de Mônaco então todos os repórteres queriam um pouco do seu tempo sobre sua história de superação. Já passava das nove da noite e Maria lutava para ficar acordada, viu que a maioria dos convidados já tinham ido embora e uma boa parte da equipe de tinha ido para casa. Seu pai, Camillo e Eric a fizeram companhia, mas com Maria dormindo em seu colo fez com que a garota se lembrasse do seu próprio cansaço.
— Pai, vamos para casa. – se levantou, fazendo com que Maria levantasse a cabeça. – Eu ligo pro amanhã.
— Tem certeza, ? Você não quer nem se despedir dele?
— Ele está muito ocupado e eu não tenho coragem de tira-lo dos holofotes, o GP de Mônaco sempre foi o seu sonho. Maria está quase dormindo e eu também preciso de uma boa noite de sono. – Seu pai assentiu e logo se despediu de Eric e Camillo, a garota estava indo em direção a saída quando escutou a voz de .
— Nem pense em dar outro passo . – Ela se virou vendo entrar no recinto com uma sacola da sua hamburgueria favorita em uma mão e um troféu na outra. – Você ia embora sem me dar um beijo da vitória? – Ele correu em direção a dando-lhe um selinho demorando. – Gostou do meu troféu?
— É bonitinho. – deu de ombros, fazendo com que balançasse a cabeça.
— O que eu tenho que fazer pra te impressionar hein ?
— Só seja você, . – acariciou Maria fazendo com que ela abrisse os olhos lentamente.
— Príncipe, você ganhou! – Maria disse entre bocejos.
— E tudo graças a você, minha astronauta favorita. – Ele tirou o desenho de Maria de dentro do seu macacão. – Eu vou levar seu desenho comigo pra todas as corridas.
— Então você vai ganhar todas as corridas. – Maria bocejou e se encostou no ombro de novamente.
— Você ia embora sem se despedir, ?
— Você estava ocupado e eu não queria atrapalhar, Maria estava muito cansada e quase dormindo. – olhou para filha e depois para ele. – Corrigindo: ela está dormindo. Eu ia te ligar quando chegasse em casa ou amanhã.
— Mas eu comprei seu hambúrguer favorito pra gente comemorar juntos, eu comprei até batata frita extra por que eu sei que você gosta. – sorriu largamente, mas logo seu sorriso desapareceu. Em nenhum momento ela disse o nome da sua hamburgueria preferida ou do seu sanduiche preferido ou muito menos que ela amava tanto batata frita que sempre pedia uma porção extra. Ai meu Deus, ele está lembrando! ELE ESTÁ LEMBRANDO DE MIM! MANDA AJUDA MEU DEUS!
— Que tal você ir com e eu levo Maria para casa?! – Rick disse, pegando Maria no colo. – Vocês dois podem ir comemorar juntos, o que acham? – sorriu largamente e olhou para . Ela continuou olhando para o seu marido fascinada enquanto assentia.
— Fechou! – passou um braço ao redor dos ombros de e começou a puxa-la em direção à saída. – Tchau pai e sogrão! – Ele disse por cima do ombro. – Eu tenho que correr antes que acorde do transe e mude de ideia. Tchauzinho Eric!
— Eu escutei viu, . – perguntou, dando um tapa em seu peitoral.
— Um homem desesperado tem que fazer o que pode pra conquistar a garota que ele gosta.
cumprimentou o motorista enquanto abria a porta do carro, ela entrou primeiro e entregou seu troféu para ela.
— Você deve estar muito feliz hein?! – Ela admirou seu troféu. – Participar do GP de Mônaco sempre foi seu sonho.
— Pra falar a verdade eu estava apavorado antes de entrar na pista, há dois anos, essa foi a corrida que eu sofri um acidente e minha vida deu uma reviravolta de 360º graus. Eu me sinto aliviado que eu tirei essa superstição dos meus ombros, agora eu posso ir pra Mônaco tranquilo sem medo de nada.
— Que bom que você pensa assim, , não tem coisa mais linda do que ver alguém realizando seus sonhos. Você merece.
— Você vai me ver correr em Monâco? – se apoiou no banco e aproximou seu rosto do de e continuou: — Você vai levar Maria também?
— Eu posso ver, quando é a corrida?
— Daqui três semanas.
— Eu vou falar com Maria...
— Deixa que eu falo com ela. – interrompeu fazendo com que ela sorrisse. – Eu aposto que ela vai querer fazer outro desenho pra mim.
— Então eu acho que você vai ter que arrumar muito espaço, você é o tema favorito dos desenhos de Maria ultimamente.
— Verdade? Agora só resta saber se eu também sou o tema favorito dos sonhos da mãe dela.
— Especialmente aqueles que você está sem camisa. – sorriu de lado e mordeu seu lábio pra conter o sorriso. – Isso me lembra...
colou seus lábios nos de em um selinho demorado, porém, logo decidiu aprofundar os beijos puxando os cabelos da nuca de e apertando sua cintura. Quase dois anos sem beijar seu marido fizeram com que se transformasse em uma mulher desesperadas por seus beijos, podia achar que eles estavam indo rápido demais, porém a única coisa que ela conseguia pensar era o quanto ela sentia falta de estar perto dele. Ela subiu no colo de , colocando uma perna de cada lado dele. As mãos dele desceram por suas costas até que chegaram em suas coxas onde ele apertava suas pernas enquanto ela mordia seu lábio. Ela sabia muito bem o que deixava seu marido louco e iria usar todas as suas armas para conquista-lo outra vez.
, o que você está fazendo comigo? – disse ofegante, interrompendo o beijo.
— Espero que o mesmo que você vem fazendo comigo há algum tempo. – a olhou confuso fazendo com que sorrisse e roubasse alguns selinhos demorados dele. – Um dia você vai entender. – Ela saiu do seu colo pegando o saco ao lado dele. – Agora vamos comer? Eu estou faminta!
Os dois foram o caminho inteiro comendo e conversando, o apartamento de ficava do outro lado da cidade, longe do autódromo. sugeriu que eles fossem para outro lugar, porém estava decidido em comemorar apenas com ela e mais ninguém. Quando os dois chegaram, ajudou a descer do carro enquanto os dois se despediam do motorista, ainda não tinha visitado o novo apartamento de já que eles passavam a maior parte do tempo na casa dos pais dela com Maria e Sansão. Pra falar a verdade, os dois não tinham passando um tempo sozinhos desde o seu encontro e só a ideia de passar uma noite sozinha com , já fazia os dedos dela formigarem.
— Bem-vinda a minha humilde residência. – disse, ligando a luz do seu apartamento. O lugar era grande e perfeitamente decorado, sabia que tinha um dedo da sua sogra em cada detalhe, desde a mesa de centro as cores dos lençóis da cama de . Se tinha uma coisa que Constance sabia fazer era transformar um cômodo qualquer em tudo aquilo que você não sabia que queria, mas desesperadamente precisava. Não era à toa que Constance Serrano era a melhor designer de interiores da cidade. – Minha mãe me ajudou a decorar o lugar. – pegou uma das fotos onde Constance segurava no colo quando ele ainda era um bebê e se virou para ele. – Ela adora fotos e como a casa dela está lotada, ela trouxe uma parte das fotos pra cá. Entretanto, ela não trouxe as melhores. – sorriu largamente e pegou pela mão indo em direção ao corredor. – Essas são as melhores. – segurou os ombros de , a virando para uma das paredes do corredor. sorriu largamente quando viu que as fotos favoritas de eram fotos de Maria, Sansão, dos desenhos da sua filha e também dela. – Maria que me desculpe, mas essa daqui é a que eu mais gosto. – apontou para a foto dela onde ela sorria largamente enquanto olhava para câmera, estava com a pior cara de cansada depois de um longo dia no hospital, porém insistiu que só iria embora se ela sorrisse para câmera, o que ela eventualmente fez, sem nenhum esforço.
— Sabe qual é a minha foto favorita? – perguntou, se virando para ele e tirando o celular do bolso. cruzou os braços olhando para ela com os olhos cerrados, ela estendeu o celular para que ele olhasse para a foto e logo viu o rosto do seu marido corar. – Eu durmo me perguntando quando, em nome de todos os anjos, eu vou poder ter essa visão ao vivo e a cores. – tinha escolhido a foto de uma matéria de revista onde tinha posado sem camisa há alguns meses.
, eu não quero estragar o que a gente tem. Eu quero fazer tudo certo, especialmente porque se eu fizer alguma merda eu vou estar decepcionando você, Maria e até Sansão e eu não quero isso. Por isso eu acho que a gente deve ir com calma.
, limites foram feitos para serem ultrapassados. – ficou na ponta dos pés, passando seus braços ao redor dos ombros do seu marido. – E sim, um dia você pode vir a me decepcionar, ou Maria ou Sansão, mas se existe coisa que eu tenho certeza é que você nunca vai perder nenhum de nós.
...
— E mais uma coisa: a gente não está indo rápido demais, pra falar a verdade, é algo tipo já passou foi da hora. – deu uma gargalhada passando os braços ao redor da cintura de . Os dois se aproximaram até que seus lábios se tocaram em um beijo do qual ambos podiam sentir um arrepio percorrer pela espinha, apertava contra seu peito a medida que aprofundava o beijo enquanto ela bagunçava seus cabelos e tentava puxa-lo para mais perto. sentiu as mãos de descerem por suas costas até chegarem em sua bunda, a apertando, e logo depois a pegou no colo descendo seus beijos por seu pescoço enquanto a carregava em direção ao quarto.
E a cada a cada toque sublime marcado na pele mostrava que o amor estava preso na memória e a única coisa que restava a fazer era recordar.


Continua...



Nota da autora: Sem nota.





Outras Fanfics:
Flawless Curse[Mcfly/Finalizadas]
Come Away With Me [Outros/Finalizadas]
03. 03. Hands To Myself [Ficstape Revival]
Time Heals Wounds [Restritas/Finalizada]
14. Easy Way Out [Ficstape Mcfly]
09. Young Volcanoes [Ficstape Fall Out Boy]
06. The Mighty Fall [Ficstape Fall Out Boy]


Qualquer erro nessa fanfic ou reclamações, somente no e-mail.


comments powered by Disqus