Serendipia

Última atualização: 16/09/2018

Capítulo 01. Agradecimiento

Madrid, 27 de setembro de 2018.

estava dando o melhor de si desde o nascimento de Theo, seu primogênito. Há três anos ela foi agraciada por ter o filho, mesmo não estando preparada. Outrossim, não se deixou afetar com a falta de apoio do ex-namorado, Lucas, para criar o menino. Enquanto o aniversariante dormia em seu colo, a mulher olhava as fotos de três anos atrás, quando a criança nascera.
Quando a mulher se levantou para ir à cozinha, sua campainha tocou, anunciando a chegada do melhor amigo e padrinho de Theo, Gareth.
– Eu não sei porque você toca a campainha se você tem a chave de casa, Bale. – disse abrindo a porta, mas, ao ver a situação do melhor amigo, entendeu o motivo de ter tocado a campainha. Gareth Bale estava abarrotado de caixas de presentes. – Você vai estragar meu filho.
– Só. Me. Ajuda. – o ponta-direita do time espanhol disse tentando se equilibrar.
ajudou o melhor amigo e encostou na bancada da cozinha.
– Gareth... Pra que tantos presentes? – perguntou cabisbaixa. – Não é porque o pai do Theo não é presente que você precisa fazer tudo isso. Um só já bastava.
– Eu faço isso por vocês, como eu sempre disse que faria. A gente saiu de Cardiff com essa promessa, lembra? – Bale sorriu.
– Agora eu já posso me sustentar, Gareth. Eu sou médica e tenho um consultório. – sorriu. – Obrigada por tudo.
– E eu vou sempre ajudar. Eu e você pra sempre, não? – ele sorriu acariciando os cabelos da melhor amiga.
A brasileira saíra de São Paulo, capital, e fora parar na casa ao lado da de Gareth, em Cardiff, onde se tornaram melhores amigos. O pai de era galês e sua mãe era brasileira, o que facilitou sua vinda à Europa.
– Você gosta do Theo como um filho... Não está na hora de você e Emma terem um? – perguntou a médica.
– Acho que está cedo demais pra ela e não quero pressioná-la.
– Fala sério, você é um príncipe encantado. Por que eu não arranjei um assim?
– Porque seu príncipe está por aí te esperando. – Gareth sorriu.
– Olha, tenham um bom dia, eu tenho que trabalhar agora, ok? Os busco em Valdebebas às 19h para jantarmos. Chame a Emma.

O dia de foi tranquilo, para sua sorte, duas pacientes não puderam ir à consulta e remarcaram, portanto, pôde sair mais cedo para assistir o fim de treino em Valdebebas.
Em poucos minutos chegou ao centro de treinamento dos jogadores e sua entrada foi autorizada. Estavam todos no refeitório conversando animadamente e Theo, ao ver a mãe, correu para agarrá-la.
– Mamãe! O tio Cris vai jantar com a gente.
– Vai, meu amor? – pegou o primogênito no colo. – Fico feliz.
Todos prestavam atenção em , haja vista que uma mulher solteira numa lanchonete repleta de homens era carne nova no pedaço, mesmo que não fosse tão nova assim. Quando a mulher sentou-se ao lado de Gareth, a porta da lanchonete foi aberta bruscamente pelo camisa doze do time, .
– Ei, bro. O que houve? – Bale perguntou, mas foi ignorado.
foi mais uma vez pego bebendo no quarto e tinham três mulheres no quarto dele essa noite. – Kroos sussurrou. – Florentino está puto.
– Mas ele vai sair? – perguntou desacreditada.
– Está prestes a ir embora. – Navas completou.
– O que está acontecendo com ele? – a médica curiosa perguntou.
– Trauma pós lesão. – Benzema respondeu.
– Hm... E se eu for conversar com ele?
– Grandes chances de você levar uma patada, . – Bale se posicionou diante o ato da melhor amiga.
– Você se esqueceu que eu sou metade brasileira, Gareth...
– E você não desiste nunca? – Casemiro deu risada.
– Isso mesmo, Case! – sorriu confiante. – Filhote, fica com o tio Bale que a mamãe já volta, ok?
Theo foi rapidamente para o colo de Bale que o distraiu enquanto o trabalho difícil estava nas mãos da mulher mais velha. dirigiu-se ao canto onde o estava.
? – a médica sentou-se ao seu lado. – A gente pode conversar?
– Olha, , eu estou irritado e não quero conversar. – resmungou em português.
– Ótimo, eu também adoraria dar uma volta com você por aí. – sorriu e estendeu a mão, ignorando o fato de ter sido rejeitada. O jogador nem se moveu. – , se você não levantar daí eu vou te puxar pelos cabelos.
– Tudo bem... Você ganhou. – o segurou a mão da médica e os dois foram caminhar pelo centro de treinamento. Ao se afastarem das pessoas, decidiu puxar assunto. – Desde quando você é assim?
– Assim como? Um fracassado que não se recupera cem por cento de uma lesão? – ele perguntou com nojo de si mesmo.
– Não. Briguento, cabeça dura, grosseiro... Eu estou em Madrid há anos e eu nunca te vi assim. O que está havendo?
– Eu tô perdido, . – respondeu. – Eu simplesmente não consigo me encontrar.
– E você acha que vai se encontrar na bebida e no bordel, nego? – a nutricionista arriscou um sorrisinho.
– Claro que não, morena. Mas eu preciso relaxar.
– Então está decidido. Você está oficialmente convidado pro jantar de aniversário do Theo. Nada de levar suas namoradinhas, ok? – sorriu.
– Não quero estragar o dia de vocês. – ele respondeu.
– Você não vai! O Cris e o Bale estarão lá, você vai gostar. Eu garanto. E amanhã vocês têm folga, podemos até arranjar uma saída. – sorriu novamente. – Eu prometo te ajudar com qualquer coisa que precisar, sério. Inclusive se quiser uma dieta pra entrar em forma mais rápido.
– Você é incrível, . – ele sorriu.
Ao voltarem para lanchonete, os jogadores silenciaram-se imediatamente e a mulher foi em direção à Gareth e Cristiano.
– Vão tomar banho, a gente tem que sair.
– Espera um pouquinho, menina.
– Português, você é o que mais demora. Pro banho agora! – falou com o sotaque carregado e apontou para saída.
Rapidamente os dois homens levantaram-se para fazerem o que tinham de fazer e os seguiu.
– Você também, nego. – a nutricionista se dirigiu ao do time madrilenho e seguiu o melhor amigo.
– Vai logo, nego... – Casemiro foi o primeiro a sacaneá-lo por entender português, enquanto seus amigos de time moscavam. não se deu o trabalho de responder um dos melhores amigos e foi em direção ao seu quarto. Uma hora depois encontravam-se no estacionamento.
– Quem vai com quem? – Cristiano perguntou.
– Posso ir com o tio Cris, mamãe? – Theo perguntou animado.
– Só se o tio Bale for com você. – a mulher acariciou a bochecha do primogênito.
I’m on my way! – o galês deu risada e seguiu Cristiano e o afilhado.
– Posso ir com você? – perguntou.
– Claro que pode. – a nutricionista sorriu e destravou o Audi preto e adentrou. observou seu andar e babou por uns segundos. era linda. Deu uma corridinha para acompanhá-la e também entrou no carro.
– Posso ligar o rádio, ? – ele perguntou.
– Claro que pode, nego. – ela sorriu.
O caminho durou, mais ou menos, meia hora até o restaurante.
Nego... Posso te fazer uma pergunta? – a morena perguntou receosa.
– Pode, . Não precisa ter medo.
– Você tem noção que você está a um fio de perder todas as suas conquistas até aqui, não é?
– Sei, . – ele respondeu tristonho. – Mas eu me arrependi e vou tentar novamente.
– Fala com o Florentino... – comentou a mulher mais nova.
– É... Vou fazer isso. – ele respondeu.
– Você me promete uma coisa, nego?
– Mas é claro. – ele sorriu.
– Não desiste dos seus sonhos. Eu sei que é difícil, mas logo a Copa tá aí. Você quer que o Tite te ponha na reserva ou algo parecido? – batucava levemente no volante. – Ou pior... Ficar fora dela.
– É... Não quero. Obrigado por isso, . – ele sorriu para que fez o mesmo.
– Estou aqui pra qualquer coisa, nego. – ela acariciou sua mão.
– Quando eu quiser sair eu posso te chamar então? – ele riu.
– Só se você preferir trocar suas noitadas e suas mulheres por mim, pelo Theo e pelo seu emprego... – ela riu.
– Mas é claro que eu troco.
– Então tudo ótimo. – a doutora falou.
– E você, quando vai arranjar um namorado?
– Vou dar uma de Augustus Waters, mas vamos lá. – a mulher sorriu. – Esse é o círculo de pessoas que se interessam por mulheres. – fez com o indicador um círculo grande. – E esse, é o círculo de homens que se atraem por mães solteiras. – novamente ela fez um círculo, mas dessa vez, minúscula.
, você se supera... – ele deu risada. – Eu faço parte do círculo pequeno, então...
– Isso é bom, eu acho. – ela riu.
– É, também acho.
Papo vai e papo vem, colocou sua playlist de funk para tocar.
– Revivendo as raízes? – riu.
– Eu nem sou do Rio. Mas quase. – ela deu um sorrisinho. Os cachos de mexiam junto com o ritmo da música e o jogador a encarava. era uma mistura que combinava. Pele tão negra quanto a dele, cachos tão únicos e os olhos mais bonitos que já haviam passado pelo olhar do jogador. – Que foi? Estou suja?
– Não. – riu nervoso. – É que você é muito linda, acho bizarro os caras não te quererem. E não é só fisicamente que falo.
A nutricionista sorriu envergonhada e um turbilhão de coisas para respondê-lo, mas tudo que saiu foi um obrigada. sacou o telefone para gravar um vídeo quando ‘Só Quer Vrau’ começou a tocar e dançou do jeito que pôde, mesmo que estivessem no farol vermelho.
– Você vai postar isso? Eu to horrível! – a mulher tentou arrancar o celular da mão do e ele a segurou.
– Você não tá nada, . Fica quieta! – entrelaçou as mãos dos dois e postou o vídeo. – Sem reclamações.
– Aff... – a mulher deu risada e estacionou. não queria soltar a mão do moreno que estava ao seu lado, mas teve que fazê-lo para puxar o freio.
– Por que viemos pra tão longe? – o indagou.
– É o restaurante favorito do Bale e do Theo. – sorriu.
– Duas crianças. – riu.
– Concordo.
Ao adentrarem no restaurante, escolheram uma mesa mais reservada em forma de U. Bale sentou de um lado de Theo e no outro. sentou-se ao lado da mulher e Cristiano ao lado do ponta direita.
– Merda... – sussurrou.
– Que foi, menina? – Ronaldo a perguntou.
– Eu tenho mania de colocar a perna em cima da do Bale toda vez que nos sentamos. – a mulher deu risada e escondeu o rosto.
– Coloca em cima da minha, ué. – respondeu.
– Posso? – seus olhos brilharam.
– Mas é claro, morena.
– Do que ele te chamou? – Cristiano deu risada.
– Parem de falar em português. Eu não entendo! – Bale reclamou.
– Ronaldo, shhhh. – o camisa 12 respondeu. – Não é nada, irmão.
A noite foi feita de muitas risadas e todas as atenções foram voltadas ao aniversariante. Durante o parabéns, Theo disse que queria fazer o pedido no ouvido da mãe e estranhou.
– Cadê o papai, mamãe? – o primogênito sussurrou e a mulher não obteve reação.
– Ele está ocupado viajando, lembra, meu amor? – respondeu com lágrimas nos olhos. Todos entenderam a situação e o clima ficou pesado.
– Acho que já está na hora de irmos. – Cristiano interferiu.
– Mamãe, posso dormir no tio Bale? Ele prometeu que veríamos Toy Story.
– Claro que pode, Theo. – respondeu pela mulher que parecia estar fora do ar. – A mamãe vai descansar bastante e amanhã nos encontramos lá em casa pra você ir à piscina, que tal?
– Fechado! – o garotinho sorriu.
– Vamos, Gareth? – Cristiano o chamou. – Já está tarde.
Dividiram a conta e saíram do local.
– Promete pra mamãe que não vai deixar o tio Bale fazer besteira? – agachou-se na altura do filho.
– Prometo, mamãe!
– Ei, não é assim. – o galês reclamou e logo a naturalizada galesa fez cara feia.
– Nada de sorvete de manhã. Eu mato você.
Cristiano riu e puxou Bale pelo casaco, sabia que estava atrapalhando os dois que ali estavam.
– Vou te levar em casa e depois peço um táxi pra ir a casa. – comentou.
– Pode dormir lá em casa se quiser, nego. – se prontificou cabisbaixa.
, você não tem culpa do pai do Theo ser um babaca. Ele perdeu a chance de ter uma mulher incrível e um filho mais ainda.
– É tão difícil ser mãe solteira, nego. Eu tô cansada. – a nutricionista se permitiu chorar. – É triste demais ver o Theo querendo a presença de um pai e eu não poder fazer isso por ele.
– Ei, . Você é uma ótima mãe, sabe? – ele sorriu. – E o Theo te ama, eu também. Você tem a mim e ao Bale. – colocou uma mão na coxa da mulher e a outra batucava tranquilamente no volante. – Na verdade... Você tem todo o time do Real Madrid com você. Até o Florentino com você. E ele nem gosta muito das pessoas.
riu e secou a lágrima que escorria pelo rosto.
– Obrigada por isso. – ela sorriu.
– Não precisa agradecer, morena. – ele sorriu. – Temos que abastecer, caso contrário não chegaremos em casa.
– Tudo bem. Deve ter algum posto por aqui. – ela comentou.
Ao chegarem no posto saíram do carro e se abraçaram por conta do forte vento.
– Seu ex-namorado foi um babaca e você não merece nada disso, . – o jogador disse segurando firmemente em seu rosto. – Se eu pudesse mudar tudo pra facilitar as coisas pra você, acredite, eu faria.
– Obrigada, nego. Essa conversa já vale de alguma coisa. – entre olhares ininterruptos, os dois trocaram sorrisos. Nervosa, a nutricionista deixou escapar algo sem querer. – Você é lindo.
Para surpresa do jogador, ela riu.
– Você que é, . Demais. Até me desnorteia.
– Não sei o porquê. – ela deu risada.
– Porque às vezes tu me deixa maluco.
– Espero que isso seja bom.
– É péssimo porque sei que não posso fazer nada. – o riu.
– Como assim?
– Nada, . Deixa pra lá. – ele riu e acariciou os cabelos da mulher que se colocava a sua frente.
Ao terminarem o que tinham de fazer no posto, e chegaram rapidamente em casa. A mulher acabou dormindo o caminho e o jogador teve um esforço enorme de entrar com ela no apartamento sem que ela acordasse. , como era de casa, ajeitou tudo conforme faria, mas fora impedida pelo seu sono pesado.
Algumas horas depois, o encontrava-se no sofá da sala, como fazia todos os dias quando a culpa recaía sob seus ombros. Ele não estava cem por cento no jogo contra a Bélgica. Um jogo antes da eliminação nas quartas de final, o teve que sair, pois apresentava dores fortes nas costas, as quais vieram se desenvolver seriamente quando fora liberado pela seleção brasileira de futebol para voltar ao treino com o time madrilenho. chorava copiosamente para não acordar a mulher que tanto gostava. Doía nele sentir todo aquele incômodo e culpa, sabendo que podia ter dado seu melhor. O do time brasileiro se culpava todos os dias antes de ir dormir e todo seu ciclo de bebidas e mulheres voltavam. Mas dessa vez não se permitiria. Tentaria conquistar seu espaço no time, não queria mais ser reserva.
– Por que você tá chorando? – a voz embargada de quebrou o silêncio que ali havia.
– Não tô chorando não, morena. – secou a lágrima que escorria pelo rosto.
– É, e eu não sou negra. – debochou. – Me fala, .
– Acho engraçado como você fala meu nome, . Parece que toca o R por I. – ele riu.
– Talvez, . – ela riu. – Mas me conta o que te incomoda.
– Todos os dias me lembro do último jogo do Brasil na Copa. Eu não estava cem por cento e menti. – uma lágrima teimosa apareceu no canto dos olhos do jogador. – Eu fui egoísta e não quis deixar que me substituíssem.
Nego, olha pra mim. – a mulher levantou o rosto do . – Vocês fizeram uma campanha ótima, mas infelizmente a bola escolheu a Bélgica. Um dia a gente perde, no outro a gente ganha. O certo é, uma das maiores defesas dessa Copa foi a do Brasil, não há quem negue. E sobre o lado esquerdo.. nem faço comentários. Você, Coutinho e Neymar. Vocês são ótimos. – ela sussurrou no ouvido do jogador.
– Mas, ... – tentou se pronunciar, mas foi interrompido.
– Você é o cara, depois do Bale, mais incrível que eu conheço. E eu falei isso pra ele quando ele ficou fora da Champions por conta de lesão e falarei de novo: levanta a cabeça e vai jogar bola. Altos e baixos acontecem. Tudo é questão de aprendizado, ainda mais pra você, que é o melhor do mundo.
– Mete outra, . – resmungou e foi surpreendido por um beijo da doutora.

Oh, un, dos, tres
Un, dos, tres
Si te doy un beso ya estás a mis pies
Dime un, dos, tres
Un, dos, tres
La la la la la

– Caralho, o que foi isso? – o se surpreendeu.
– Você mandou eu meter outra. Fiquei sem argumentos, apelei pela ação. – a médica se defendeu e o homem cabeludo riu. – Me diz, se eu sou incrível e etc, eu ficaria com um cara incapaz?
– Você não existe, . – ele riu sacudindo a cabeça.
– Existo e tô bem aqui na sua frente. – ela sorriu.
– Será que a gente pode terminar o que você começou, minutos atrás? – perguntou ansioso.
– In your dreams, maybe... – a nutricionista sorriu debochada e levantou-se. – Venha se deitar que amanhã vamos sair.
– Você vai me deixar louco, .
– E essa é a intenção, não é, nego? – deu mais um sorrisinho debochado, deixando o totalmente desnorteado. Ele a queria muito. Ele a precisava. E isso poderia vir ser um problema para ele. Ou não. Mas para ele, aquilo foi, aparentemente, uma descoberta feita por acaso. Calhou de que ele viria a precisar mais de Davis do que imaginava.



Capítulo 2. Scheiße

“Parece que hoy me gustas un poco más
Hola, comment allez, allez-vouz
So nice to meet you
Say we should go and get a room.”
(1, 2, 3 – Sofia Reyes)

Ao acordar naquele dia, ouvia baixinho uma música animada. Levantou-se rapidamente e foi em direção à sala de estar. Deu de cara com uma cena perfeita: dançando 1, 2, 3 só de short e top.
– Que bom dia lindo, . – o disse sorrindo, assustando a mulher.
– Que susto, ! – ela colocou a mão no peito. A nutricionista logo dirigiu seu olhar ao peitoral do jogador. – Dormiu bem?
– Dormi, . Tudo bem eu ficar sem camisa? Quer que eu coloque?
– N-não. – a médica gaguejou. – É que não estou acostumada mesmo.
– A ter um homem de cueca na sua casa? – ao dizer isso, desviou a atenção de para suas partes inferiores.
– Ai, merda. É. – ela se virou para janela.
? – o jogador a chamou. – Há quanto tempo você está sem transar?
– Uns dois meses. – ela respondeu com um sussurro.
– Meu Deus. Se você quiser, estou aqui. – o homem sorriu brincalhão, mas nem era tanta brincadeira assim.
– Não! Você é um dos melhores amigos do meu melhor amigo. – comentou com a voz esganiçada.
– Tudo bem, . Não vou oferecer. Você ainda vai me pedir. – o riu e foi em direção à cozinha.
– Vou tomar banho, a gente ficou de fazer alguma coisa com o Theo. – sorriu.
– Piscina. Lá em casa, lembra?
– Tudo bem. Liga para o Cris se quiser, vai ser legal tê-lo lá. O Kroos também.
Não demorou muito para estar trancada em seu banheiro discando o telefone do melhor amigo.
– Alô? – Bale atendeu rapidamente.
– Eu beijei o . – disparou. – E agora ele tá jogado no meu sofá de cueca.
– Vocês transaram? – Gareth perguntou.
– Não? – a médica respondeu aflita.
– Mas você queria! – ele adivinhou.
– Gareth, cala a boca! Eu só não estou acostumada. É isso.
– A ver um homem gostoso na sua casa querendo você? Eu aproveitava essa chance!
– Você parece aqueles melhores amigos gays.
– Vai se foder, a Emma vai pro hoje.
– Para de chamar ele assim, inferno. – resmungou. – Tá bom. Vou tomar banho, a gente se vê.
rapidamente escolheu um biquíni e uma roupa simples. Tomou seu banho calmamente e se aprontou. Não queria, mas teve que pedir ajuda ao homem presente na casa para que ele amarrasse sua parte de cima.
? – chamou. – Amarra aqui pra mim?
– Claro, vem cá, morena. – ele puxou pra sua frente e amarrou a peça. – Tô pronto já. Você pega suas coisas pra gente ir.
– Tudo bem.
Não trocaram mais nenhuma palavra e também não se olharam. novamente foi dirigindo e aproveitava pra remarcar suas pacientes e olhar alguns exames.
O caminho foi rápido, morava no mesmo condomínio que o melhor amigo da mulher.
– Chegamos, . – o falou ao estacionar.
– Já? Que rápido. – comentou surpresa. – Eles já estão aí? – perguntou.
– Sim, os seis.
– Seis? – ela perguntou confusa.
– Cris, Georgina, Cristiano, Bale, Emma e Theo. Toni não pôde vir porque é aniversário da mulher. – respondeu.
– Faz sentido, realmente. Eles moram por aqui. – deduziu.
– Faz. – respondeu singelo.
adentrou a sala de estar de e encantou-se com os grafites na parede.
– Você quem fez? – perguntou fascinada.
– Não, mas as ideias foram minhas, 50% do crédito é meu.
– Verdade. – a médica riu. Ao se aproximarem da área de lazer, encontraram Bale e Emma brincando com Theo, Cris e Georgina brincando com Cristiano. – Praticamente os tios solteiros das famílias.
– Mamãe! – Theo correu em sua direção. – Que saudade! Tio Gareth quase me deu sorvete hoje de manhã, mas a tia Emma não deixou.
– E você bem que queria, né, meu amor? – deu risada.
havia sumido e todos presumiram que o mesmo tinha ido trocar de roupa.
– Como foi a noite, nena? – Emma perguntou curiosa.
– Normal... Por que a pergunta? – estranhou a entonação da namorada de longa data de Bale.
– Hm, soube que houve um beijo por aí. Um ou mais... – Emma arqueou a sobrancelha.
– Não foi nada demais. Juro. – se desesperou para explicar.
– Relaxa. Mas se não foi nada demais por que te incomoda tanto? – ela perguntou curiosa.
– Estamos falando do primeiro assunto? – Georgina perguntou.
– Pelo visto sim, amor. – Cris confirmou.
– Vocês tabelaram os assuntos e o primeiro deles é meu beijo com o amigo de vocês?
– É, . Isso mesmo. – Bale confirmou.
Ao descer as escadas, fez barulho e o assunto sobre ele cessou. Os quatro adultos que estavam em casal dirigiram-se à piscina e a doutora continuou na espreguiçadeira.
– Passa protetor nas minhas tatuagens? – o jogador pediu.
– Passo sim, vem pra cá. – respondeu sucinta.
Cuidadosamente, contornava os desenhos espalhados pelo corpo de e os admirava. – Elas combinam com você.
– Você acha? – ele perguntou contente.
– Muito. – ela sorriu. – Eu tenho só uma, mas tenho vontade de fazer várias.
– Qual você tem? – perguntou curioso. Adorava saber sobre a mulher que se punha em suas costas.
– É bem basiquinha. – mostrou, então, a lateral do pulso que continha o nome do filho.
– É simples e bonita.
– Únicas vezes em que tive coragem na vida, são duas: o parto e a tatuagem. – brincou.
– A tatuagem nem chega perto da dor de parto, pelo amor de Deus. – ele riu.
– Chega sim. Dói tanto quanto.
– Pelo visto você é dramática, não é mesmo? – brincou.
– Bastante. – Gareth se intrometeu na conversa.
– Da próxima vez você chama o pra cozinhar pra você então! – brincou.
– Não faz assim, . Você sabe que às vezes preciso ir à Cardiff resolver as coisas da empresa.
– Ele precisa aprender, Emma! – resmungou.
– Você mais que ninguém deve saber que o Bale não serve nem pra fazer ovo frito, . – resmungou. – Ainda bem que eu sei cozinhar e não passo perrengue com isso.
– Até porque com as mulheres que você sai, você comeria aveia e banana. – Georgina brincou.
Ficaram grande parte do dia brincando e conversando, até ver o quão parecidos com uma família Gareth, Emma e Theo eram. A nutricionista prestava atenção em cada movimento que faziam e percebeu que Gareth tinha Theo como um filho.
– O que aconteceu? – perguntou o homem que se punha ao seu lado.
– Nada. – respondeu com o choro entalado na garganta. Doía em ver que seu filho não teria um pai que o daria toda atenção que merecia.
– Tudo bem. Vou dar um mergulho. – levantou-se e pulou na piscina.
– Só você não vai entrar? – Emma secou os cabelos longos ao lado da nutricionista.
– Tá gelada? – perguntou fazendo manha.
– Não, tá muito gostosa. – Cristiano respondeu. – Vem, menina!
levantou-se e pulou na piscina, chamando a atenção de todas. Theo pulou rapidamente no colo da mãe e tentava, a todo custo, subir em seu ombro.
– Espera aí, moleque. – o pegou no colo e colocou o menino em seus ombros. – Sua mãe é magrela.
– Mas eu o aguento! – resmungou .
– Ei! Olhem pra foto. – Georgina gritou, chamando a atenção de todos. – , onde você comprou esse biquíni vermelho lindo? Ele combina com a sua pele demais.
– Comprei no Brasil em janeiro. Volto pra lá no fim do ano, se você quiser, trago uns pra ti.
– Eu também quero! – Emma se meteu no assunto.
– Tudo bem, quem sabe vocês não vêm comigo? Meus pais vão adorar ter vocês em casa. – sugeriu.
– Os homens estão convidados? – Cristiano perguntou.
– E as crianças? – Cristiano Jr se intrometeu no assunto.
– Sim, e na casa da vó do Theo tem muito doce!
– Pai, nós vamos, não é? – o menino mais velho implorou.
– Veremos.
Bale tinha um jantar na casa de Vicky e levaria Emma, portanto, logo depois ambos se despediram rapidamente do grupo e Cristiano decidiu fazer o mesmo.
– Acho que também vou. – se pronunciou diante o silêncio.
– Tudo bem. Vamos, garotão. Hora de ir embora! – o tirou da piscina e a criança resmungou.
– Não quero, tio. – Theo chorou.
– Você nunca chora. – soou preocupada. – O que você tem, meu amor?
– Quero ficar na piscina, mamãe. – a criança escondeu o rosto no pescoço do jogador.
– Tudo bem, a gente fica. – se deu por vencida e voltou com Theo para piscina. A nutricionista sentou-se na beira da piscina e observou os dois brincarem. Quase duas horas depois o dia começou a esfriar.
– Hm, acho que tá bom pra entrarmos. – o colocou Theo ao lado da mãe e saiu também.
– Tá frio. – reclamou a nutricionista.
– Tá mesmo. – pegou Theo no colo e entrou com .
Pouco depois, a mulher estava arrumando calmamente suas coisas para ir a casa. levara Theo para brincar com os cachorros e os encontrou.
– Vamos, filho? – a nutricionista encostou-se ao batente da porta.
– Vamos, mamãe.
– Dá tchau pro tio , meu amor. – a mulher negra colocou a criança no chão para que ela fosse falar com o .
– Tchau, meu amor. Quero saber de você essa semana, tá bem? Aí na próxima semana vocês vêm pra cá nadar, que tal?
– Por mim tudo bem. – respondeu o menino. o colocou no chão e foi em direção à mulher. Theo brincava calmamente com os cachorros do jogador.
– Tchau, . – o sorriu. A mulher esboçou um sorriso lindo ao se deparar com o olhar brilhante do homem.
– Tchau, .
– Gosto quando me chama assim.
– É o sotaque paulista. – ela riu.
– É, deve ser.
– O seu também é bonito. – sussurrou.
– Obrigado. – ali estavam gritando um pelo outro. estava ensandecido com as duas peças vermelhas que a nutricionista usava e a mulher estava vidrada em cada tatuagem do . A tensão sexual era enorme e eles sabiam.
– E-eu vou embora. – gaguejou, mas foi o suficiente para que o jogador a puxasse pra perto e a beijasse. Ela precisava disso tanto quanto ele. A música da caixa de som explicava tudo que sentiam.

“Beija eu, beija eu, beija eu, me beija
Deixa o que seja ser
Então beba e receba
Meu corpo no seu corpo
Eu no meu corpo
Deixa, eu me deixo...”

conseguiu colocar as mãos nos cachos da mulher que se punha em sua frente. fez o mesmo e descobriu que afagar os cabelos do era uma das suas coisas favoritas.
– Mamãe e tio estão namorando? – Theo perguntou e os adultos se separaram rapidamente.
– Não, garotão. – se abaixou. – Somos amigos.
– Então o tio Bale e tia Emma são amigos? – perguntou.
– Sim, são muito amigos. – apressou-se para dizer.
– Mamãe, você beija o tio Bale? Vocês são amigos.
– Não, meu amor. – a nutricionista enjoou-se só de imaginar a ideia. – Tio Gareth é quase um irmão da mamãe, a gente não beija irmão.
– Amigo a gente beija? – deduziu.
– Depende do amigo, garotão.
– Vamos pra casa, já tá tarde, Theo. – se enrolou e foi em direção à saída. Deixou o sozinho sentado na espreguiçadeira rindo do que acabara de acontecer.

***

não conseguia dormir de jeito nenhum. A mulher revirou na cama o tempo inteiro e o que restou foi ligar para o melhor amigo, como sempre fez em noites angustiantes. Ao abrir a aba de favoritos, seu primeiro contato era Bale. Esperou dar três toques.
... Eu espero que você tenha um bom motivo. – resmungou com voz de sono.
– Eu tô perdida.
– Isso é tensão sexual. – resmungou. – Já te disse.
– Bale! Não é assim. – se exaltou. – Você não pode dizer...
– Que você está afim do há muito tempo? – ele soltou. – Desde o meu aniversário.
Memórias vieram na cabeça de naquele momento. Relembrar do aniversário de 29 anos do melhor amigo trouxe o cheiro do junto. A morena urrou e voltou atenção ao telefone.
– Eu não quero isso. – afirmou.
– Não se trata do que você, ser humano mais racional que eu conheço, quer. Trata-se de você seguir seu coração.
– Eu tenho um filho no meio disso. Hoje ele perguntou se éramos namorados porque nos beijamos.
... – Bale entendia a preocupação. – Ninguém não se apaixona pelo Theo e ainda mais, o ama crianças.
– Não se trata de ele gostar de crianças, Gareth. É sobre todo esse problema que eu estou criando. Você não vê? Envolver mais uma pessoa na minha vida que eu sei que vai me deixar?
– Isso é consequência de um relacionamento abusivo, já conversamos sobre isso, . – Gareth soltou. – Não adianta ter um merda ao seu lado se você não é feliz. Tudo que você precisa é se dar uma chance. Ele pode ser o amor da sua vida, né? Ou não. Mas você só vai saber se você tentar.
ficou em silêncio por um tempo e deixou lágrimas brotarem em seus olhos.
– Eu tenho medo. – sussurrou.
, não precisa chorar. – Bale odiava quando isso acontecia. – Que merda! Eu odeio aquele cara. Olha o que ele fez com você. Maldito momento que você não me deixou dar um soco na cara dele. Eu tô aqui pra tudo, lembra? No fim você e o Theo sempre vão ter a mim.
– Mas você está formando sua família, Gareth.
– E eu vou esquecer de vocês? Eu tenho o Theo como um filho pra mim, . E ele vai ser isso pra mim pra sempre, nem que eu tenha mais vinte e sete filhos, entende? – ouvia e sentia-se um peso de porta.
– Entendo... Desculpa te ligar. Eu vou tentar dormir agora, é melhor.
– Tudo bem... Amanhã vou te ligar. Te amo. – Bale finalizou a chamada sem que pudesse arranjar alguma desculpa esfarrapada para que ele não ligasse.

***

Na manhã seguinte acordou atrasada e por sorte não tinha paciente marcado para aquele horário. Acordou Theo e o levou à escolinha, uma vez que teria de trabalhar e levá-lo pro consultório não era uma boa opção.
– Bom dia, Cami. – falou para sua secretária.
– Dormiu mais que a cana? – brincou. – Bom dia, .
– Dormi. Não consegui de jeito nenhum adormecer à noite. – respondeu.
– Como foi seu dia ontem? Aproveitaram bastante. – sorriu. – Vi o post da namorada do Cristiano.
– Foi legal. No dia do aniversário do Theo fomos jantar e acabamos marcando de ir à piscina na casa do no dia seguinte. – respondeu tranquilamente.
– Hmm... Cada dia mais envolvida com os jogadores. – Camila sussurrou. – Só falta se apaixonar por um.
– Me apaixonar por um? Você tá doida. – riu nervosa. – Tenho que me ajeitar, os primeiros pacientes já vão chegar.
A nutricionista foi para sua sala e pôs o jaleco e ficou lendo as notícias do dia anterior como de costume.

“Mais uma! O jogador do Real Madrid, , foi visto esta noite (29) com uma mulher que não foi identificada. Fontes confirmam que o levou a mulher consigo para sua casa. Mais uma vez, está manchando a imagem do clube, uma vez que está saindo com diversas garotas de propaganda [...].”

Depois de ler quinhentas vezes a notícia fútil, sentiu a mesa vibrar e viu quem ligava: Gareth Bale.
– Sim? – respondeu seca.
– Como acordou hoje? – o jogador pareceu preocupado e aflito.
– Dormi mal e me atrasei. – sussurrou. – E você?
– Dormi bem. Olha, ... Presumo que você já leu as notícias, né? Você sempre lê. – concluiu. – O precisa de tempo pra corrigir os erros.
– Eu não tenho nada com isso, Gareth. – foi seca. – Fui amiga e ofereci ajuda e ele não quis. Tudo que ele batalhou pra ter vai ser jogado no lixo.
– Não seja tão dura... Eu já passei por essa fase. – Bale defendeu o .
– Mas você quis mudar e ele não quer. – rígida, ajeitou sua postura. – Preciso ir. – mentiu. – A primeira paciente chegou.



Capítulo 3. Te amo

“Spent 24 hours, I need more hours with you
You spent the weekend getting even, ooh
We spent the late nights making things right between us [...]”
(Girls Like You – Maroon 5)

Naquela tarde, tudo que via eram papéis e embalagens de snacks saudáveis. Não aguentava mais ficar trancada em sua sala relendo tudo que já sabia. Mexia no celular e nada. Pouco depois, Bale ligou para a melhor amiga.
– Florentino quer falar com você. – sem nem mesmo cumprimentá-la, Gareth soltou. – Parece que o pessoal quer alguém que saiba de nutrição e gostaram do que você fez com o Case antes da Copa.
– Oi, Gareth. Eu estou ótima! Que bom que você me perguntou... Mas e você, tá bem? – ironizou.
– É sério. Vocês têm uma reunião em uma hora. – respondeu rígido. – Eu pedi pra sua secretária cancelar todas suas pacientes hoje em troca de dois ingressos pro jogo.
– Você não pode fazer isso! – resmungou. – Mas tudo bem. Você sabe o que é?
– Eles querem te contratar. Você viu o que você fez com o Casemiro e com o Kroos, ? Você fez alguma coisa com eles que ninguém entende o que é.
– Eu faço isso com você há anos. – disse o óbvio. – Os preparadores físicos também ajudam.
– Imagina você colocando o time todo pra correr que nem você faz com a gente. – Bale tentou persuadi-la.
– Eu tenho o consultório. – respondeu firme.
– Três dias na semana, . – Gareth tentou. – Por favor. Isso é pelo bem do meu time!
– Tudo bem, vou pra Valdebebas. Mas não espere que eu concorde com tudo facilmente.

foi a Valdebebas e teve sua entrada autorizada. Infelizmente, a primeira e única pessoa com que se deparou foi a que menos queria ver. não dirigiu a palavra à mulher e vice-versa, mas sua expressão foi de espanto ao vê-la no centro de treinamento. A mulher então foi em direção aos quartos dos atletas à procura do melhor amigo.
– Bale? Cheguei. – abriu a porta sem antes mesmo bater.
– Você tá jogando videogame e não está na academia por quê?
– Quis relaxar. – resmungou.
– É, então continua assim que você vai continuar fazendo gol só no videogame. – brincou.
– Cruzes, você é ruim. – reclamou. – Vou te levar até o Florentino, está ansioso pra falar com você.
Ao saírem do quarto, deram de cara com o do time.
– Balezinho! – cumprimentou o amigo. – Oi.
– Oi. – respondeu seca. – Vamos, Bale? Tenho a reunião.
– Claro. Tchau, cara. A gente se vê depois.
engoliu em seco e foi em direção ao seu quarto. Não esperava o tratamento que recebera, mas já deveria imaginar haja vista seus comportamentos recentes.
Gareth e foram ao escritório do presidente do time madrilenho e esperaram ser atendidos. Não demorou muito e o próprio Florentino foi recebê-los.
! – sorriu.
– Oi, Florentino. – sorriu. – Como vai?
– Bem e você? – sorriu carinhosamente.
– Também.
– Bem, vou deixar os dois a sós! – Bale se pronunciou. – Encomenda entregue. Te vejo mais tarde, . Tchau, presidente.
– Tchau, Gareth. – falaram em uníssono.
Pouco depois que Gareth saiu, o presidente madrilenho iniciou a reunião.
– Eu chamei alguns dos funcionários do clube, espero que não se importe. – sorriu.
– Claro que não, fique à vontade. – sorriu nervosa.
, esses são Javier, Antonio, José e Óscar. – os apresentou. – São minha equipe de preparadores físicos do time.
– Oi, é um prazer conhecê-los. – sorriu simpática.
– Bem, vamos direto ao ponto, pois todos temos que trabalhar... – o presidente se posicionou. – O trabalho individual que tens feito com nossos jogadores é incrível. Com o preparo adequado estão jogando bem e não se cansam.
– Pode nos apresentar o seu trabalho, por favor? – Javier pediu.
– Claro. Posso usar a dieta do Gareth porque sei de cabeça. – sorriu. – A minha tese é que os jogadores precisam de energia, tanto pra treinar quanto pra estar em campo bem. Procuro instigar bastante a ingestão de proteínas pela manhã e no almoço, frutas a tarde, na janta carne branca porque a vermelha foi consumida no almoço e salada. Em alguns casos a ceia, a qual recomendo alguns laticínios ou frios.
– Só? – foi a vez de Óscar se pronunciar.
– Sim, se os atletas seguem essa linha, eles consomem exatamente o que gastam, o que evita que ganhem peso. – concluiu. – Além do mais, em determinados casos, o de Gareth, por exemplo... Ele estava carente de vitaminas e uma dieta recheada de frutas supriram a carência e ainda deram mais disposição a ele. Investir numa dieta em que se come o essencial para o organismo, com o preparo físico, faz com que o atleta não sofra problemas de rendimento. – explicou. – Em casos em que não se tem lesões, claro.
– O que podemos mudar na alimentação deles? – perguntou José.
– Existem casos específicos, José. – a nutricionista disse. – Mas a ideia é a mesma, proteínas de manhã e no almoço, saladas e legumes à noite. A diferença é intensificar o que falta em cada um.
– Por que não pensamos em trazer uma nutricionista antes? – Antonio brincou.
– Bem, nós precisamos ir. – Javi intercedeu o assunto. – Florentino não precisa de mais nada de nós, já sabe a resposta, não?
– Sei, meus amigos. – sorriu. – Até mais tarde.
– Tchau, . Espero tê-la em nossa equipe o mais rápido possível. – sorriu José.
– Fico feliz em ajudar. – sorriu solícita.
– Bem, quais são seus dias disponíveis? – o presidente foi direto. – Gareth me contou que você tem um consultório.
– Sim. Eu atendia de segunda a sexta, mas acho que duas vezes por semana dá pra atender aqui.
– Então tudo bem... Um contrato de dois anos? – sorriu sugestivo.
– Claro. – sorriu. – Acho que tá ótimo.
, eu espero que você nos ajude nessa jornada para que conquistemos a décima quarta. – sorriu.
– Darei meu máximo, Florentino. Prometo. – sorriu.
– Você pode começar amanhã? – perguntou.
– O quanto mais rápido puder. – sorriu.
– Então tudo bem. Vou pedir que lhe apresentem a área onde você atenderá. Amanhã seu contrato estará pronto.
– Muito obrigada pela chance. – sorriu. – De verdade. E ah... Já conheço tudo por aqui.
– Não precisa agradecer, . – o presidente do time sorriu. – Ah, e se por um acaso você vir o , diga que ele não pode mais fugir de mim.
– Tudo bem, missão dada é missão cumprida. – sorriu brincalhona.
foi correndo contar a notícia para o melhor amigo que, infelizmente, não estava sozinho.
– Você tá fumando, cara? – Bale ralhou. – Você realmente vai acabar com a sua carreira.
– Gareth... – entrou esbaforida no quarto e sentiu o horroroso cheiro de nicotina. – Que cheiro horrível. – reclamou. – , o Florentino pediu para eu lhe avisar que você não pode mais fugir dele.
– Obrigado pelo recado, pombo correio. – o foi rude.
– Só porque você está estragando sua carreira, não estrague o dia dos outros! – a mulher soltou raivosa. – Pelo visto você não quer mudar.
– Claro que eu quero, porra! – o homem xingou em português. – Você acha que é fácil? Que é de um dia pro outro?
– Não. Eu não acho. – a negra respondeu aumentando o tom de voz. – Mas ao menos demonstre um interesse em mudar.
– Parem de brigar em português! – Gareth resmungou. – Eu não entendo!
– Desculpa, Gareth. – recuperou o fôlego. – Eu só vim avisar que eu começo meus trabalhos amanhã.
– Que ótimo, . – sorriu.
– É mesmo. – a mulher fechou a cara. – Eu vou embora daqui. O cheiro de cigarro e essa soberba me enojam. A gente se vê amanhã.
Ao praticamente cuspir as palavras, a nutricionista saiu do quarto do melhor amigo com chamas saindo pelos olhos e pelas orelhas de tanta raiva.
– Como assim começar os trabalhos amanhã? – perguntou confuso.
– A foi contratada pra ser a nutricionista do time. – Bale deu a notícia que mudaria a vida de todos que passavam por Valdebebas.

***

Na terça-feira, recebeu um e-mail logo pela manhã deixando-a ciente do horário de entrada e também uma cópia de seu contrato. Receberia 100 mil euros por exercer seu trabalho. Cem mil euros era o que ela fazia por ano em seu consultório.
Ao deixar Theo na escolinha, foi ao seu novo caminho: a cidade desportiva dos blancos. Não estava trânsito, o que já era estranho. desta vez não teve que ter autorização de ninguém para adentrar, uma vez que ela era uma das novas funcionárias do clube.
– Bom dia, minha querida! – Javi veio cumprimentá-la. – Você já tomou café da manhã?
– Já sim, Javi. – sorriu. – Mas você quer companhia?
– Adoraria, mas você tem que trabalhar. Florentino já deixou o primeiro atleta em sua sala. – sorriu. – Boa sorte, você vai precisar.
– Muito obrigada, mas, onde fica minha sala?
– Segue o corredor e vira à esquerda. É a segunda sala. – sorriu.
– Obrigada, Javi. Você é um anjo. – agradeceu a nutricionista e foi em direção ao seu novo espaço de trabalho.
encontrou com Ceballos sentado em uma poltrona.
– Dani! – sorriu.
– Oi, . – o jogador sorriu.
– Tudo bem?
– Sim e com você? – sorriu.
– Também. – a mulher colocou a bolsa em sua cadeira. – Você tem treino em alguns minutos, então devemos nos apressar. Tira o tênis e sobe na balança, por favor.
Daniel Ceballos fez o que a médica pediu e a balança marcava seus 70kg.
– Vem pra cá, Ceballos. – encostou o rapaz na parede para que pudesse medi-lo. – 1,79. Não fiz as contas, mas tenho certeza que seu IMC está normal.
– Que bom. Eu vou ter que fazer exames antes de começar uma nova dieta, não é? – perguntou. – Estou ansioso pra entrar em forma.
– Isso leva um pouquinho de tempo, sabe? – sorriu. – Mas você vai ver que quando você se acostumar a seguir a rotina vai tudo ficar mais fácil.
– O Bale tá jogando muito, isso é ótimo. Quero entrar em forma também. – sorriu.
– Dani, você é um amor. – deu um sorriso doce. – Você vai ficar melhor que ele, mas só não conte que te falei isso.
– Tudo bem. – o jogador riu. – Posso ir?
– Sim! Eu só peço que você faça esses exames e assim que puder me traga os resultados... Preciso montar sua dieta. – comentou.
– Tudo bem, . – respondeu. – Obrigado, até mais.
foi praticamente engolida em seus primeiros minutos de trabalho, mas logo foi se acostumando com toda acomodação. Florentino pediu que ela fizesse uma lista de coisas que faltavam em seu pequeno consultório e assim ela o fez. A mulher estava entretida em seus relatórios dos atletas do Real Madrid B quando recebeu uma mensagem de seu melhor amigo.

Bale: Você não vem almoçar?
Bale: Vem me fazer companhia.
: Sem fome. :/
Bale: Vem. Comer.
: É sério, Gareth. Tô ocupada, a gente se fala depois.

Meia hora depois a nutricionista ouviu três batidas na porta.
– Gareth, eu não estou com fo... – ia terminar a frase ao se surpreender com o jogador que estava atrás daquela porta. – Ah, oi. Você marcou sua avaliação hoje?
– Não. Mas o Bale disse que você não tinha ido almoçar e eu resolvi trazer seu almoço aqui. – comentou. – Tem todas as coisas que você gosta, de acordo com ele. Até essas árvores.
– Você quer dizer brócolis? – deu risada. – Obrigada, .
– Posso entrar? – perguntou tímido.
– Pode, sinta-se à vontade.
– Queria conversar. – o jogador soltou o que estava entalado em sua garganta.
– Olha, se for tudo que aconteceu há um tempinho atrás tá tudo bem, acho. – deu um meio sorriso. – Você sabe o que faz da sua vida.
– Não é isso, . Nesse quesito eu sou idiota. – confessou. – Mas é que eu queria sua ajuda.
– No que posso te ajudar senão numa avaliação médica? – brincou.
– Na vida. – afirmou. – Quero voltar a ser quem eu era antes da lesão.
– Então faça isso acontecer. – foi sincera. – Acho que tem que partir de você, sabe? Não adianta eu ou o Bale querermos por você.
– Mas agora eu quero. – falou mais pra si do que pra doutora que ali estava.
– E no que posso ajudar?
– Preciso que você pegue pesado comigo com as indicações e com a dieta. Eu vou tentar de verdade. – comentou.
– Se você está disposto a mudar tudo... Creio que deve começar mudando o número do seu celular. – sugeriu. – O diabo veste Prada e usa um smartphone.
– Que piada horrível, . – reclamou o jogador.
– Isso é tudo influência do Gareth, eu juro. – sorriu e tirou seu jaleco, deixando o jogador se impressionar com o uniforme da equipe médica do time madrilenho.
– Você fica bonita com a camisa do Real. – deixou sair.
– Que bom, eu acho. – sorriu. – Quem sabe não arranjo um namorado?
O comentário inocente da nutricionista irritou o de alguma forma que não entendeu muito bem. Ele se levantou e sorriu.
– Bom, vou ao shopping agora trocar de número, a gente se vê depois. – o comentou e saiu da sala. se questionou o porquê de ele estar fazendo aquilo.
A nutricionista começou a receber os e-mails com os exames dos jogadores que atendera mais cedo. Analisou um por um e montou a dieta de seis dos sete, quando Gareth apareceu em sua sala.
– Oi. – sorriu simpático. – Quero conversar com você.
– Hm, pode ser daqui a pouco? – perguntou sem ao menos olhá-lo. – Estou ocupada.
– Tudo bem... Quando você quiser ser a madrinha eu vou repetir sua frase. – comentou despretensioso.
– Como assim madrinha? – levantou seus óculos de leitura e arregalou os olhos.
– Eu vou ser pai. – Gareth sorriu.
A reação da doutora foi esclarecedora sobre o que achou da notícia. gritava e pulava pela sala.
– UMA AFILHADA! OU AFILHADO! – gritou e dessa vez pulou no colo do melhor amigo. – Eu tô tão feliz por você, Gareth.
Enquanto isso, Bale ria e abraçava .
– Eu nem sei como processar tudo isso... – respirou fundo. – Tô me sentindo que nem quando você me contou do Theo.
– Gareth! Ai, meu Deus... Sua família já sabe? – perguntou eufórica. – E a Emma? Alguém mais já sabe?
– Não, . – ele riu. – Só você.
– Ai, que felicidade. – a nutricionista começou a chorar. – Vocês merecem muito formar essa família linda.
– Ei, meu amor. Não precisa chorar... – Gareth abraçou a melhor amiga. – Te amo muito.
– Eu também te amo, cara pálida.







Continua...



Nota da autora: Oi, meus docinhos! Como vocês estão? Me digam aí... Vocês gostam da amizade do Bale com a Carolina? Sou apaixonada nos dois 😍❣️. Beijinhos da Tris!



Nota da beta: Eu gosto, Tris, eles são bem nenéns <3

Lembrando que qualquer erro nessa atualização e reclamações somente no e-mail.




comments powered by Disqus