The Originals: War, Love and Loyalty
Última atualização: 02/11/2017

Prólogo

- Filha, acorda..., acorda agora - Resmunguei algumas palavras, abrindo meus olhos dando de cara com minha mãe. Bufei pegando o celular, após apertar o botão para ligar, notei que eram 08h30min da manhã, quem em sã consciência acorda a filha às oito e meia da manhã? Isso mesmo, minha mãe... - Que bom que acordou, bela adormecida, preciso conversar com você.
- Poderia conversar comigo às dez horas? - Dei um sorriso de lado, observando minha mãe fechar a cara. Me rendo sentando-me na cama, a encarando, esperando que a mesma continuasse.
- Filha, sem mais delongas, você vai morar com a Camille em New Orleans - A encarei por uns segundos, e dei um sorriso falso, não acreditando muito nisso. Olhei novamente a minha mãe.
- COMO ASSIM? VOCÊ ENLOQUECEU? – Grito, logo encarando mamãe com um chinelo na mão - Ok... Desculpa mais a Camille? Camille O’Connell?
- Sim, filha, ela mesma, ela virá hoje, então, começa a arrumar as malas - Fico a encarando com a boca aberta, logo mamãe se aproxima beijando minha testa - Quero seu bem, querida, Beacon Hills é muito perigoso para você.

Observo mamãe sair do quarto me deixando sozinha. Não acredito que ela fez isso comigo, ela me odeia tanto assim? Depois que papai foi embora deixando eu, mamãe e para trás, o comportamento dela mudou... Como assim Beacon Hills é perigoso? Levantei-me olhando-me no espelho, suspirei indo ao banheiro, tomei um banho demorado sentido cada gota de água cair sobre meu corpo nu, não queria ir embora daqui, era meu lar, como iria dizer aos meus amigos? Saio do banho colocando o meu roupão, volto em seguida para o meu quarto, no qual, eu visto um shorts preto, uma regata e minha bota de cano alto. Vejo minha mala já pronta ao lado da minha porta, viro a cabeça cruzando os braços.

- Sério isso, mamãe? – Grito. Logo me jogando na cama e vejo uma mensagem de Lyd.

“Ei...que horas vamos sair? - Lyd”

Não queria mentir para minha melhor amiga, porém não queria que ela ficasse mal. Lydia Martin foi a primeira pessoa que fiz amizade quando me mudei, depois fiz amizade com Scott McCall, Stiles Stilinski e Malia Tate. Era difícil pensar em um adeus agora, suspirei rapidamente molhando meus lábios secos, relaxei mandando uma mensagem.

“Desculpa, Lydia, não queria que fosse assim... mamãe ligou para minha prima que mora em New Orleans e...ela está vindo me buscar – Cat

Não que eu odiasse a Cami ela era uma prima ótima mais o meu problema era mudar de cidade. Rapidamente observo uma mensagem da minha melhor amiga chegar.

“Todos nós sabemos, , na verdade, iríamos ir aí te apoiar mais sua mãe não deixou, nós te amamos muito, eu irei te visitar sempre...é minha melhor amiga e jamais vai deixar de ser, somos como Lua e Sol, não vivo sem você - Lyd”

Era muito clichê Lydia Martin dizendo isso, era, na verdade, muito para ela, dei uma risada sabendo quem tinha mandado a mensagem, Lydia nunca mandaria isso, ela odeia despedidas.

“Boa, Stiles... também vou sentir a falta de vocês e não deixe sua namorada ver a mensagem que mandou – Cat

- ! - Mais que saco, nem era a hora de ir embora, posso nem me afogar na tristeza que meu coração está sentindo no momento? Levantei-me abrindo a porta, desci as escadas dando de cara com um buquê e um ursão gigante, olhei para o lado, vendo mamãe e a dando um enorme sorriso. Abri a porta dando de cara com o carro de Parrish, e ele encostado no mesmo, sorri indo até ele que me encarou por uns segundos, passando a mão pelo meu rosto.

- Parr...- Mal falei, e ele selou nossos lábios. Esse era um beijo cheio de sensações indescritíveis, segurei o pescoço dele, sentindo suas mãos segurarem minha cintura, isso me fazia sentir mais protegida. Afastei-me, o encarando.
- Sua mãe me avisou que iria embora, queria fazer uma surpresa - Olhei para baixo, Parrish me fazia sentir como em contos de fadas. Estávamos tendo um caso há oito meses, e deixar ele aqui cortava meu coração, eu gostava muito dele. Senti a mão de Parrish levantar meu rosto e depositar um selinho em meus lábios - Eu nunca...amei alguém como eu te amo, , sei que não foi decisão sua, só quero que saiba que sempre serei seu, não importa se estivermos separados, ou se ficarmos com outras pessoas, meu sentimento é o mais puro possível perto de você.

Sorrio, o abraçando. Fechei os olhos, sentindo-o me acolher em seus braços fortes, eu não queria deixa-lo, não queria que ele me esquecesse e não queria perdê-lo. Muitas vezes me pegava pensando em ter uma família com ele, ter filhos... Dou um sorriso, me separando dele.
- Eu...Te amo, Parrish. Esses oito meses foram muito para eu realmente perceber que estava feliz. Você me deixa tão à vontade, tão acolhida, eu nunca pensei em amar alguém e você foi o único a me fazer sentir menina e ao mesmo tempo mulher. Adoro tudo em você e não sei como vou superar isso... - Seguro a mão dele, deitando em seu peitoral. Eu não costumava chorar ou muito menos expor meus sentimentos. Mordo os lábios, e suspiro levemente. Após finalmente conseguirmos nos separar, vou para dentro de casa, subo para meu quarto olhando-o, pego minha mala, e desço novamente olhando mamãe, e Parrish, engulo a seco e me sento na sala esperando Cami.

Eram exatamente 16h30min quando ouvi a campainha tocar. Levantei limpando meus shorts, fui até a porta e a abri, dando de cara com uma mulher loira. Sorrio levemente para ela, abraçando-a em seguida.

- Cami... - Me separo a encarando melhor, ela tinha crescido muito, e tinha mais peito e bunda. Quando ela tinha 10 anos era sem sal, agora estava uma mulherona! Dei espaço para ela entrar.
- Bom, vamos, ? Vai adorar New Orleans - Sorrio a olhando. Cami me deixava a par de tudo o que acontecia em New Orleans, sobre o namorado dela... Klaus Mikaelson, sobre a família dele e assuntos do dia-a-dia deles. Peguei minhas malas, saindo de casa. Parrish tinha colocado as malas no porta malas, quando ele fechou, o abracei tão firme que não queria ir embora.
- Ei, vou te visitar - Parrish disse da forma mais gentil possível, mas sabia que era o nosso último adeus. Suspirei e o beijei novamente, separei-me abraçando mamãe, e logo olhei para ,me ajoelhei perto dela, beijando sua testa.
- Seja boa com mamãe, ela pode ser dura, mas ela nos ama, ela quer o nosso bem, e eu quero o seu. Eu te amo mais que tudo, ... e se acontecer de não poder me visitar em New Orleans, eu mesmo venho para cá...Eu te amo mais que tudo, não esqueça - A abracei por alguns minutos, nos separamos, sorrindo. Não queria ninguém me vendo chorar. Tirei meu colar de lobo e coloquei nela. Levantei indo até o Parrish e o beijando. Fui até o carro, abri a porta, me sentei no banco, fechei a porta do carro, coloquei meu cinto e olhei Cami.
- Está pronta? - Ela deu partida, olhei o retrovisor, deixando as pessoas que amo para trás, olho novamente os cabelos loiros de Cami e sorrio encostado minha cabeça na janela do carro.
- Estou – Murmurei, sentindo meu celular vibrar. Olhei-o, desbloqueando-o em seguida. Vejo uma mensagem dos meus amigos e sorrio, voltando a encostar minha cabeça na janela.

“Nós te amamos, , nunca se esqueça - Lyd, Scott, Stiles, Malia, Parrish”





Capítulo 1 – Bem vinda à New Orleans

Não conseguia fechar meus olhos, não conseguia dormir, não conseguia parar de olhar meu celular, não sabia qual era meu problema acho que deixar para trás as pessoas que me acolheram era difícil, mas não impossível. Claro que isso é egoísmo da minha parte, eu me importo com cada um que deixei para trás, mas se minha mãe desistiu de mim, entregando-me para Camille, quer dizer que não se importava comigo. Suspirei levemente segurando as pontas do meu cabelo, mordi levemente os lábios olhando para frente, agora seria um novo começo, mas não seria louca de esquecer meus amigos. Bom, talvez New Orleans precisava de uma ajudinha. Sorrio, olhando para a janela ao meu lado,v amos pensar que aqui são apenas férias, nada demais.

- Não contou para sua mãe... Hum sobre mim? - Cami me olhou por um breve momento, ela não poderia prestar muita atenção em mim, talvez porque ela estava dirigindo. Sorrio mostrando minhas covinhas, logo franzo o cenho. Cami quando virou vampira, me ligou para dizer, eu amava Cami e jamais iria falar seu segredo a alguém, mesmo sendo minha família.
- Claro que não, Cami, tive cuidado e sim fechei minha boca - Olhei diretamente para Cami, ela estava nervosa, soltei uma risada descontraída sendo seguida por ela. Balancei a cabeça pegando meus fones de dentro da minha bolsa, conectei ao meu celular - Pode contar comigo, Cami.
- Eu sei, , mas, depois que se vive em New Orleans, você tem que pensar em quem pode confiar e em quem não pode - Mordi a bochecha, colocando os fones. Essa cidade poderia ser até interessante dependendo de quem ficaria no meu caminho, talvez, só talvez poderia morar ali... Não sabia o que estava dizendo, acho que essa viagem estava me afetando. Encostei minha cabeça na janela ao som de Fall Out Boy, fechei meus olhos rapidamente, daqui uns dez minutinhos eu acordava novamente.

Meu pescoço doía, sabia que tinha dormido de mau jeito, senti alguns tapas em meu ombro, resmunguei algo xingando a pessoa mentalmente, quem atrapalharia meu sono? Eu precisava ficar mais linda, e para isso deveria dormir bem, dou um longo suspiro abrindo meus olhos observando uma garota de cabelos loiros, reviro os olhos tirando os fones.

- Chegamos... - Bufei tirando meu cinto, eu tratei de pegar minha bolsa, deveria ter dormido dez minutinhos. Abro a porta do carro, tratando de sair do mesmo, o vento soprou meus cabelos, me fazendo observar a cidade, já estavam em clima de festa, acho que essa recepção melhorou meus objetivos, soltei uma risada ouvindo a porta do carro bater - Uma ajudinha.
- Eu acabei de chegar... ou seja, não posso trabalhar - Pisquei meus pequenos olhos, só pude ver Cami me estender a mala, revirei os olhos a pegando – Ah, maravilha
- O que disse? - Olhei para Cami dando de ombros, caminhei até a calçada observando onde seria meu ‘lar’ temporário. Olhei ao redor, tentando ter uma desculpa para sair, mas nada surgiu, segurei minha mala o mais forte possível, coloquei meu pé esquerdo na entrada da casa - Bem Vinda ao seu novo lar!

Sorri falsamente entrando na casa, olhei para a entrada jogando “delicadamente” minha mala no chão, observei o lugar dando um sorriso, era grande como naqueles filmes ou séries que eu assistia, não deixo de abrir um enorme sorriso, mas isso foi questão de segundos, eu estava na frente das escadas observando o local maravilhoso, cruzo meus braços olhando para Cami.

- Camille - Uma voz grossa saiu de trás das minhas costas, Cami caminhou até o dono da voz, continuei parada olhando para a entrada, fechei meus olhos abrindo-as em seguida - Essa deve ser a garota.

Virei-me finalmente observando o dono da voz, o dono do coração de Cami que por mim não era tudo isso. O fitei de baixo para cima, arqueando minha sobrancelha direita, soltei um sorriso sarcástico, quem era ele para me chamar de garota?

- Essa garota tem nome - Mordi a bochecha com um semblante sério, virei-me para a Cami - Onde fica meu quarto?
- E qual seria seu nome? - Somente ignorei a pergunta do homem, me agachei segurando minha mala, caminhei em direção a Cami, porém o dono da voz sexy tinha segurado meu braço. Quem ele pensava que eu era? - Você chega à minha casa, e me ignora dentro dela. Você sabe que posso te matar em um minuto, mas como Cami é minha namorada não farei isso... por enquanto.
-Me solta - Olhei nos olhos do arrogante do Klaus, dei uma risada tirando meu braço da mão dele - Só tenta... vamos ver quem mata quem.

Estava brincando com fogo e sabia disso, esbarrei no ombro de Klaus indo até Cami, a observei por uns instantes, Klaus oficialmente estava nunca encrenca não sou garota de levar patada, se Klaus me ameaçaria deveria me cuidar, pois quem brinca com Mikaelson ou vira inimigo ou... é inimigo

- Cami... Onde fica meu quarto? - Jogo meu cabelo para trás, dando um pequeno sorriso.
- Ah... - Ela parecia em choque pelo o que tinha ocorrido, mas todos deveriam aprender ninguém me manda, e isso com certeza me divertia, Cami piscou algumas vezes até me encarar novamente - Sobe as escadas, vira a direta, caminha até o final do corredor seu quarto é na porta esquerda.
- Acho que deveríamos mostrar quem manda aqui - Ouço a voz de Klaus, dou outra risada, volto a caminhar indo em direção as escadas começo a subir cada degrau, me viro no último encarando Klaus.
- A propósito, eu não tenho medo de ninguém... principalmente de você - Me viro para a direita, rebolando, um sorriso brota em meus lábios, mal sabia que eu seria o maior problema dele. Viro-me para a esquerda no qual deixo minha mala ao meu lado, passo minha mão sobre a porta, dou um pequeno sorriso, parecia com a porta do meu quarto quando criança, meu pai tinha feito, dizia que quando olhasse para a porta lá estaria ele, me observando e me protegendo. Balanço a cabeça, dando um longo suspiro, pego minha mala, abrindo a porta. Olhei para meu quarto, caminhando em direção a cama, segurei o lençol de seda, coloco minha mala sobre a cama, abro ela tirando minhas roupas, caminho até o guarda-roupa, ajeitando-as, não era muitas roupas, então não demorou tanto quanto o imaginado.

- ? - Ouço uma voz conhecida, dou um sorriso indo até a porta, abro-a dando de cara com Cami, coloco uma das minhas mãos sobre minha cintura.
- Já com saudades? - Brinquei franzindo meu nariz, era um costume que minha irmã sempre fazia, quando queria algo.
- Nada disso, estava pensando já que não conhece aqui... posso mostrar a você - Dou um sorriso balançando a cabeça. Fecho a porta do quarto caminhando com Cami até as escadas, desço alguns degraus olhando para baixo, no qual eu noto uma garota de cabelos loiros, um homem com o rosto sério, e uma garota que tinha cabelos castanhos.

- Nik, as bruxas estão tramando... em vez de estarmos aqui como se nada estivesse acontecendo deveríamos matar as pu... - A garota loira falava enquanto encarava Klaus. Olhei rapidamente para Cami desejando sair dali o mais rápido possível, não por medo, mas porque reunião familiar era um saco, vai por mim.
- Rebekah, - Olhei para o homem que me encarava, rapidamente engoli a seco terminando de descer as escadas acompanhada de Cami - Parece que temos visita.
- Essa garota... - Klaus apontou para mim, dando um sorriso que poderia derreter qualquer garota, mas comigo era diferente. Achava que um simples sorriso iria me conquistar? Obviamente não, estava formulando uma resposta, porém Klaus foi mais rápido - É a prima da Camille, devemos tratá-la de forma confortável.
- - Olhei para todos, inclusive para Klaus, dando um sorriso. Passei uma mecha de cabelo para trás da orelha - Me chamo ... prazer em conhecê-los.
- Me chamo Elijah - O rapaz estendeu a mão, me fazendo sorrir, a segurei com prazer, afastei-me encarando as duas mulheres que me fitavam em silêncio - Essa é Rebekah e essa é a...
- Não precisa me apresentar, Elijah... me chamo Hayley - dou um sorriso de lado cumprimentando-as. Hayley olhou para Klaus gesticulando com a mão - Se aquelas bruxas tocarem na Hope eu mesma rasgarei o pescoço delas
- Cami... eu vou indo...não queria interromper - Sorrio saindo da casa dos Mikaelson, virei a esquerda, segurando meus braços. Não esperava ser recebida bem, na verdade, o Elijah foi uma gracinha. Quem tinha me tratado mal era Klaus, mal cheguei à cidade e já sinto falta das palhaçadas de Stiles, das mensagens da Lyd, dos encontros com o Pack... Balanço a cabeça olhando para a placa escrita em letra maiúscula ‘Rousseau’, adentrei o local olhando para cada pessoa ali presente. Tiro meu casaco, colocando em volta de uma cadeira, puxo-a, me sentando, olhando brevemente o local. Aceno para o garçom, arrumo meus cabelos desajeitadamente, observando o pequeno papel no chão, me levantei indo até o papel, o peguei indo até o lixo, no qual deixei ele escorregar da minha mão, voltei para minha mesa, no qual um homem se encontrava, sorrindo sarcasticamente.

- Aqui já tem dona - Olhei de baixo para cima o moço em minha frente dando uma risada aguda. Sentei-me na cadeira deixando meus cabelos caírem de uma forma sensual pelos meus ombros - Sugiro que procure outro local
- Desculpa por sentar aqui, pensei que não tinha ninguém - Ele falava gentilmente me fazendo encará-lo com curiosidade, ele era forte e parecia bom de briga - A propósito, me chamo Marcel Gerard
- Me chamo - Mordi levemente os lábios, esse nome me era conhecido, Cami falou algo com esse nome. Encarei os olhos de Marcel deixando um sorriso pequeno surgir - Bom... pode ficar aqui, se quiser, claro.
- Com certeza quero - Arqueei as sobrancelhas franzindo minha testa em seguida, o garçom interrompera meu contato visual com o Marcel – Whisky, por favor...e para a garota uma águ...
- Vodca...ele quis dizer vodca - Cruzei meus braços, vendo o garçom partir, dei um sorriso, cruzando minhas pernas em baixo da mesa.
- Você não é muito nova para beber? - Marcel mordeu os lábios sutilmente me deixando mais intrigada em relação a ele.
- Posso parecer nova, mas sei me divertir, Gerard - Apoiei minhas mãos sobre a mesa dando um sorriso de lado.
- O que uma garota como você veio fazer em New Orleans? - Finalmente ele perguntará o que tanto queria saber, mordi a bochecha pensando no que dizer - Sabe em uma cidade cheia de presenças desagradáveis
- Já se insultando, Gerard? - Dei uma risada, mordendo levemente meus lábios, observando a face dele - Respondendo sua pergunta... minha mãe falou para vir para cá, junto com minha prima...porque minha antiga cidade era perigosa demais para uma garota como eu.
-Uma garota durona? - O garçom aparece novamente com as garrafas e os copos, abri a vodca deixando o líquido cair sobre o copo, tive o prazer de ver Gerard sorrir olhando para baixo de um jeito fofo.
- Uma garota problema - Levantei o copo dando um sorriso, levei o copo até minha boca fazendo todo o líquido dele descer em minha garganta, coloco-o em cima da mesa, me aproximo - Brincadeira... minha prima queria realmente que eu morasse com ela.
- E quem seria sua prima? - Não poderia dizer que era a Cami, ou muito menos que estava aqui por causa dela.
- Vanessa Honnely - Nunca fui boa para mentir, mas para inventar nomes eu era demais era o que minha mãe dizia sobre meus amigos imaginários, e como Stiles dizia “gênia dos nomes loucos” - Ela mora em um lugar afastado, não gosta de pessoas.
- Gostei dela... o French Quartel é perigoso demais, mas parece que não tem medo disso - Dei de ombros, bebendo mais um copo de vodca, duas era meu máximo - Mas pedirei para ficar longe de Klaus Mikaelson...ele é um problema.
- Felizmente não tive o prazer de conhecê-lo ainda - Menti na cara dura mesmo, não queria que ninguém soubesse que tinha algo com Klaus, não algo porque não estamos juntos e também nem quero isso, aliás, ele namora Cami - E do jeito que você falou dele não quero conhecer mesmo.
- Ótimo, porque os inimigos dos meus inimigos são meus amigos - Pego minha jaqueta pegando uma nota dentro do bolso e deixando-a em cima da mesa, balancei meus cabelos colocando a jaqueta sobre meus ombros - Aonde vai?
- Já me cansei daqui - Virei-me saindo do bar, caminhei nas ruas. A noite tinha chegado, o vento gelado também marcou presença bagunçando meus cabelos. Tinha que ficar andando até achar seguro entrar na casa dos Mikaelson, olho para o beco onde me encontrava, estava preparada para sair, quando ouço um barulho, qualquer pessoa normal sairia correndo, porém eu era trouxa então não seria dessa vez, olhei para o fundo do beco caminhando até o mesmo - Olá?
- Olha... quem temos aqui? - Um homem saiu mostrando seus lábios com um conteúdo desconhecido, provavelmente era sangue, olhei para trás caminhando rapidamente - Um aperitivo.
- Fique longe de mim - Parei observando o vampiro se aproximar, fechei os punhos dando um soco na cara dele, sai correndo, porém o vampiro tinha me alcançado segurando meus braços, estava pronta para morrer, o engraçado era que nem cheguei direito e já vou morrer.
- Solta elam Harrold - Olhei para frente observando Marcel, o garoto havia me soltado, e isso era um alívio, encarei Marcel por um tempo eu sabia o que eles eram, e agora sabia quem era o Gerard, Cami tinha me contado que teve uma época que eles ficavam juntos e que Klaus o considera como um filho - O que vocês são?
-Vampiros - Encarei Gerard por um minuto inteiro tentando parecer chocada, afinal, eu parecia uma atriz assim, caminhei para perto de Marcel.
- Pensei que vampiros eram apenas histórias para crianças malvadas tremerem de medo - Olhei para baixo, se isso fosse um fardo ele me hipnotizaria aqui e agora - Tenho que ir.
- Espere... - Ele me olhou nos olhos, passando as mãos pelo meu rosto - Você esquecerá o que viu aqui, e o que te contei... é melhor assim.
- Esquecerei o que vi e o que você me contou - Balancei a cabeça, saindo do beco, mal ele sabia que a pulseira de verbena que ganhei de Cami não deixava eu ser compelida, olhei para trás vendo Marcel – Gerard, não deveria andar na rua... coisas estranhas podem estar acontecendo.
- Podem sim - Ouço a risada dele, sorrio voltando a andar, tinha que ir para a casa dos Mikaelson estava com sono e uma boa noite de sono seria bom. Olhei para os lados entrando no local onde minha prima morava atualmente, olho ao redor vendo ninguém por incrível que pareça, caminho até uma porta ouvindo alguns gritos.

- Klaus... Você já tem o French Quartel, e sabe que seus inimigos vão querer esse lugar - Ouço a voz de Rebekah, observo ao redor encostando meus ouvidos na porta - Não vamos deixar eles se aproximarem da Hope... eles vão querer chegar nela para conseguir o que querem e você sabe disso!
- Você acha que estou fazendo o quê, Rebekah? - Reviro os olhos ouvindo a ironia na voz de Mikaelson - Ficar fingindo brincar de boneca não é.
- Se me permitem intrometer... Rebekah tem razão. Niklaus, o único jeito é tirar Hope daqui - Ouço a voz de Elijah sair com toda nobreza em cada palavra dita - Acho que Marcel está tramando
- Então precisam de uma aliada - Abro a porta dando um sorriso de lado, observo Niklaus ficar com raiva, cruzo meus braços.
- E essa aliada por acaso é você, Little Love? - Olho para Niklaus sorrindo de lado, abro os braços sendo iluminada pela luz da lareira.
- Eu tenho nome, Niklaus - Arqueio a sobrancelha dando uma encarada em todos ali presentes - E sim, sou eu... até porque encontrei Marcel hoje, e parece que ele gosta de mim.
- E como confiarei em você? - Olho para Elijah e para Rebekah, dando um sorriso amigável.
- Por que não confiaria? - Cruzei meus braços novamente, ele nem me conhecia e me julgava assim? O que ele achava que eu era?

- Porque você acabou de chegar, Love - Olho para Rebekah. É, eles eram irmãos mesmo, solto um sorriso.
- Se vocês querem saber dos próximos passos de Marcel, sugiro que me tenham como aliada, afinal, não quer perder sua casa né, Niklaus? - Sorrio me virando em direção à porta - A decisão está em suas mãos, Niklaus... espero sua resposta e pense bem - Solto uma risada saindo da sala indo para as escadas.
- Você realmente está me desafiando? - Ouvi sua voz grossa e sexy se espalhar pelo local, me viro observando Klaus.
- Como dizem “Os inimigos dos meus amigos são meus inimigos” agora pense em qual lado está querido, Klaus... espero que eu esteja escolhendo o meu lado direito - Me viro indo em direção as escadas, viro-me novamente para Niklaus, levantando meu dedo para o mesmo – Ah, antes que eu me esqueça...Não tenho medo de você e de ninguém, então não me ameaça...porque posso ser pior do que qualquer inimigo que já enfrentou....não me subestime, Klaus, pode acabar morto, ou melhor enterrado - Caminho sem ouvir a próxima fala de Klaus, sabia que ele iria pensar na proposta, eu não gostava dele, porém é melhor ficar ao lado do inimigo e Klaus, bom... poderia me surpreender se quisesse.

“Então conheceu alguém novo - Lyd”

Deito-me na cama vendo a mensagem de Lyd, dou uma risada gostosa, olho para frente tentando pensar sobre isso.

“Bom... Conheci Klaus o namorado da Cami - Cat

“Ele é gostoso?-Lyd”

Bom, não sabia o que responder. Mesmo sendo um babaca, Klaus era charmoso, não podia negar. Solto uma risada baixa,s uspiro mordendo meus lábios.

“Não posso negar que é... mais Parrish é melhor - Cat

“Sendo difícil... adoro - Lyd”.

“Sendo realista, ele namora Cami e é um babaca - Cat

“Não vai se apaixonar em - Lyd”

“Você não me conhece? Não me apaixono fácil... agora vou dormir, beijos-Cat

Levantei da cama, indo em direção a porta abri-a, caminhando em direção ao corredor, desci as escadas lentamente andando até a cozinha, abro a geladeira, pegando um copo de água, ouço um barulho olho para trás.

- Klaus? - Deixei o copo em cima do balcão, saindo da cozinha caminho até a sala, acendo a luz colocando a mão no coração enquanto vejo Niklaus.

- Precisamos conversar, Little Love - Mordo a bochecha indo me sentar no sofá na frente do Niklaus - Eu aceito a proposta, afinal, melhor ter alguém do meu lado e que vigie o inimigo.

Estava sem palavras, ver Niklaus aceitando me deixar vigiar Marcel foi algo meio estranho, acho que ele iria me matar. Dou um sorriso, olhando para baixo.

- Mas se algo der errado... eu mesmo lhe matarei - Olho para Klaus, me inclinando para frente, coloco as mãos sobre minhas coxas.
- Se isso acontecer, eu mesma me certificarei que vai fazer o trabalho direito.

Observo Klaus sorrir, parece que nessa cidade mesmo as pessoas querendo vingança contra ele, quando ele precisava da ajuda deles, todos abaixavam a cabeça e o ajudavam, porque é assim que é uma família, mesmo tendo brigas, eles se amam ao mesmo tempo, eles só querem sua casa em paz, eles só querem paz e felicidade ou um pouco disso, mas nunca haverá felicidade.

- Bem-vinda à New Orleans, Little Love - Balanço a cabeça, olhando para baixo. Eu e Niklaus éramos parecidos, na verdade, me comparar a ele era constrangedor, mas Klaus só queria proteger a família, isso era fato, e eu o ajudaria mesmo eu não ter conseguindo ajudar a minha.



Capítulo 2 – Distração

- Bom adoro conversar, mas tenho que ir... Preciso descansar - Encaro Niklaus dando uma leve risada, dou de ombros, vendo-o se levantar - O que foi?
- Estava pensando, eu não a conheço muito bem - Observo Niklaus colocar o copo sobre a mesinha que lá se encontrava, mordo meus lábios enquanto cruzava meus braços.
- Não precisa saber de nada, Niklaus, não sou a inimiga aqui - Então observo ele se aproximar, minha pernas tremem por um segundo, tento me controlar enquanto ele chega mais perto - Boa Noite, Niklaus.

O que foi que aconteceu? Nunca me senti tão atraída por alguém... ou eu estava com sono. Subo as escadas rapidamente, enquanto caminho pelo corredor lembro de Niklaus se aproximando, uma onda de calor subiu pelo meu corpo, deveria ser algo normal, certo? Dou uma risada, parando em frente à porta do meu quarto, até me virar, observando uma pequena garota de no máximo sete anos.

- Papai? - Dou um sorriso gentil, ela parecia ter tido um pesadelo. Arrumo meus cabelos agachando-me em frente à garota.
- Está tudo bem... O que houve, Little Princess? - A olhei, tentando parecer alguém simpática e amigável.
- Não estou conseguindo dormir... Quem é você? - Me levanto, olhando ao redor, encarando a pequena garota.
- Sou prima da Camille... - Ela abriu um grande sorriso quando revelei meu nome - E você?
- Me chamo Hope...
- Hope, que tal eu contar uma história? - Observei a garota fechar seus olhinhos e logo os abri-los, assim balançando sua cabecinha como se confirmasse o que eu havia sugerido - Tudo bem... Vamos.

Entro no quarto da garota, dou um enorme sorriso me sentando ao seu lado. Observo o abajur ligado, e o quarto decorado, me arrumo, a olhando.

- Era uma vez, em um reino distante, uma princesa em meio das trevas, era a esperança da nação e da família, que a amava mais que tudo. Para proteger essa linda menina tiveram que abrir mão do reino, porém não era tão fácil, inimigos caminhavam nesse reino a procura da doce princesa, essa era a única alternativa para destruir o rei. Não muito feliz, o rei disse aos seus irmãos que o melhor a se fazer era escondê-la, e sem retrucar os irmãos o ajudaram a esconder o único tesouro que ele possuía: a doce e gentil princesa...

Hope já estava dormindo, sorri brevemente e me levanto enquanto ajeito a coberta em seu corpo. Caminho para fora de seu quarto, após fechar a porta e vou para o meu, entro indo para a cama, deito-me observando os detalhes do teto, suspiro tentando pensar na merda que estava fazendo e assim acabo fechando meus olhos.

Tudo parecia escuro, estava com um vestido branco enquanto corria pela floresta, estava chovendo e o céu estava escuro, olhava ao redor esperando ver alguém, porém, eu era a única ali correndo, então tropecei em algo, me sentei observando os corpos caídos, então um grito saiu pela minha boca.

Meu corpo estava sendo chacoalhado, por incrível que pareça eu comecei a ouvir a voz de Cami, abri meus olhos a encarando, observo tudo ao redor não estava em casa, não foi um pesadelo.

- Que bom... - Então ela me abraçou, retribui o abraço esperando que ela me contasse o que havia acontecido - Nunca mais faz isso.
- O que eu fiz? - Deixo sair à pergunta sem querer, mesmo sabendo a verdade. Levanto-me, logo observando a Hope ali segurando seu ursinho e Cami.
- Você gritou, , quis me matar? - Ela estava realmente nervosa. Se eu gritei quer dizer... Saio do quarto correndo, desço as escadas enquanto ia em direção à porta para sair da mansão dos Mikaelson’s. Olho ao redor e então começo a correr sem rumo pelas ruas, não sabia onde estava indo até que finalmente observo os corpos, ali em minha frente sem vida, levo a mão até minha boca jogando-me de joelhos sobre o chão.
- Não... Não, por favor - Senti uma mão pousar sobre meus ombros, olhei para cima observando Klaus ali parado.
- O que houve? - Me levanto enquanto arrumava minhas roupas e ouvia a voz rouca de Klaus sair - Você vai me dizer o que fez ou não?

Não conseguia falar, então sinto meu braço ser arrastado pelas ruas até Klaus me soltar fazendo-me cair sobre o chão da mansão, levanto meu rosto olhando Hayley, Rebekah, Elijah e Cami.

- Quem gritou a essa hora da noite? - Olho para a garota loira. Olhei para baixo por alguns segundos, suspirei e fiquei em pé.
- Sinto muito se acordei vocês... Viro meu rosto à procura de Cami, porém Klaus tomou minha frente - Kl...

Então ele olhou fundo em meus olhos, segurou meus ombros e naquele momento eu sabia o que ele iria fazer, uma onda de raiva tomou todo meu corpo, ele iria me fazer contar tudo o que aconteceu, o bom disso era a pulseira que Cami havia me dado.

- O que aconteceu? - Seus olhos mudaram e eu sabia o que deveria falar assim ele iria me deixar em paz.
- Tive um pesadelo, minha irmã precisava de mim e eu não estava ao seu lado - Tento ser o mais convincente possível - Algo horrível tinha acontecido com ela.
- E os corpos lá fora? - Fico nervosa por alguns instantes, mas logo sou salva por Rebekah.
- Isso fui eu... - Todos se viraram para ela, a mesma apenas levanta as mãos em rendição - O quê? Estava faminta e eles estavam ali sem ninguém...
- Ótimo - Klaus apenas bufou, voltando seu olhar para mim - Você vai se esquecer dessa noite... Vai dormir.
- Vou me esquecer dessa noite - Caminho em direção as escadas, começo a subir os degraus, e assim que avisto meu quarto saio correndo em direção ao mesmo, entro em seguida e deixo meu corpo cair pela porta - Não acredito... Até aqui.

A luz radiava o quarto, me fazendo reclamar baixo, suspiro até ter a coragem de me levantar, tropeço em alguns itens presentes no chão, xingo eles mentalmente. Chego na porta do banheiro, solto um sorriso ,tinha que esquecer da noite passada e eu faria isso, era apenas um engano. Olho para as minhas roupas já encontradas no chão, as coloco no lado e me obrigo a entrar embaixo do chuveiro.
Um banho relaxante era tudo o que mais eu precisava, me enrolo sobre a toalha e saio do quarto dando de cara com uma morena. Apenas levei minha mão sobre meu peito.

- Desculpa te assustar - Sorri meio sem jeito, enquanto Hayley se levantava - Preciso de um favor.
- Ah, claro... Depende de qual - Caminho até o armário, pego um short e uma regata, nada muito elaborado.
- Preciso que fique hoje na cola do Marcel... Tenho que ir para um lugar e ele está no meu caminho - Me viro enquanto arqueio um sobrancelha a fim de questionar a morena - Eu sei... preciso desse favor, Klaus vai ficar com Hope, Elijah e Rebekah tem alguns assuntos e Cami vai trabalhar e...
- Eu vou estar aqui sem fazer nada - Balanço a cabeça positivamente - Pode deixar comigo eu o distraio.
- Obrigada, ... - Sorrio amarelo, enquanto termino de fazer minhas coisas.

Desço as escadas, viro indo em direção à copa, porém paro ao observar Klaus conversando com a Hope.

- Papai, a moça de ontem... Hum a - Ela brincava com a boneca, enquanto seu Pai a encarava finalmente.
- O que tem ela? - Escondo-me um pouco, eu não sou de ferro quero ouvir também.
- Ela é prima da tia Cami? - Klaus balança a cabeça - Então podemos confiar nela?
- Eu não...

Escondo-me quando ouço alguém chegando, solto um leve suspiro de alivio, quando Elijah aparece, mordo os lábios e já saio dali. Acho que foi uma péssima idéia, estou morrendo de fome, faço bico enquanto olhava para trás, vai que alguém estava me seguindo, e quando volto a olhar para frente tropeço em uma garota.
- Ah, me desculpa - Arregalo os olhos, meio assustada, logo de manhã isso acontecendo? É palhaçada? - Se machucou?

- Não... Está tudo bem - A garota me parecia familiar, mas nada falei. O que iria ganhar com isso? - Eu sou Margarethy.
- Prazer, me chamo - Estendo a mão e logo sorrio de lado, porém ao ver Marcel me lembro do que falei para Hayley - Preciso ir, nos vemos logo.

Saio correndo, aproveito e atravesso a rua logo parando atrás de Marcel, seguro o braço dele, porém ele quase me acerta com um soco, se não fosse por meu reflexo nem estaria mais aqui

- Opa... Se seu humor não estava dos melhores, só falasse - Me finjo de ofendida, faço um bico e balanço a cabeça negativamente - Que feio, Marcel.

- Desculpa, gatinha - Solto uma pequena risada observando a expressão em seu rosto - Estava pensando.
- Se quiser uma ajuda pra hoje, só falar - Arrumo meus cabelos e dou uma risadinha - Estou disponível.
- Não sei - Fecho meus olhos, assim consigo que a visão de Marcel caia sobre mim - Ok... Venha.

Começo a andar atrás dele. Depois de um bom tempo andando, paramos na frente de um armazém fechado, e isso me assustou, porém tinha que fingir ser firme. Entramos em seguida, o cheiro era horrível, mas tudo bem, isso era o de menos.

- Têm algumas pessoas na cidade - Ele disse enquanto ia em direção as janelas, segurei meus braços e continuei o observando - Eles não querem a gente....mais querem algumas pessoas especiais, não sei se entenderia, na verdade, nem sei porque te trouxe aqui - Em um em pulso fui para trás dele, segurei seus braços, enquanto deixava meus dedos percorrem sua barriga.
- Pode confiar em mim - Sussurrei e logo me afastei ao perceber o que eu estava fazendo - Não deveria ter feito isso

- Por quê? - Marcel em uma grande velocidade me prende na parede. Solto um suspiro, ao sentir seus lábios percorrerem meu pescoço desnudo, fecho meus olhos e sinto por sim sua fala - Seu corpo diz algo, mas sua cabeça diz outra... O que foi, ? Com medo?
- Nunca... - O encarei e soltei uma risada. Aproximei meus lábios em direção ao seu ouvido - Só que tem alguém querendo você... Não quero ser a outra.
- Não tem outra pessoa.
- Marcel... Mesmo sendo sexy, você não pensa muito? - Levantei meu pé, em um movimento chutei seu amigo, e o mesmo caiu, me ajoelhei ficando na frente dele - Uma certa loira.
- Golpe baixo - Ele se levantou e tentou me acertar um chute, porém dei uma estrelinha pra trás - Onde aprendeu isso?
- Não vou revelar meus segredos - Pisco e arrumo meu cabelo, só observo Marcel se afastar com cautela, e logo estava atrás de mim, segurando minha cintura, meu cotovelo foi em direção da sua barriga e assim como imaginei ele segurou meu braço, solto uma risada, me livrando do seu outro braço, viro para suas costas a chutando - Até porque não me pagam muito pra isso.
- Me rendo. Quero te levar a um lugar, gatinha.
- Já apaixonado, Marcel? - Brinco voltando a segui-lo, ele solta uma risada, e mesmo assim algo havia acontecido e ele não queria me falar, apenas ignorei até chegar em um “Campo de Luta”.
- Aqui é o lugar onde meus homens lutam...

Coloco minha cabeça pra dentro e a primeira coisa que observo foi à arena ali no meio do local, apenas sorri de lado e segurei minhas mãos, me aproximando de Marcel.

- Por que me trouxe aqui? - Estava um pouco tensa, mas queria saber o motivo.
- Quero que treine com a gente, você é nova aqui e não conhece quase ninguém, e bom quase me venceu lá no depósito - Ele cruzou os braços como se fosse isso o que havia acontecido.
- Desculpe mais você quase... Espera ai, quase nada? Você perdeu - Solto uma risada, mal percebo que mais pessoas estavam ali, já ao nosso redor.
- Perdeu para uma garota, Marcel? - Disse um cara, mal consegui o identificar, mas não liguei muito pra isso, meu foco era Marcel.
- Não foi bem assim...
- Não? - Arqueei as sobrancelhas, ele parecia constrangido e isso era uma graça.
- Ok... Eu perdi - Soltei um sorriso como se estivesse ganho algo - Mas... Quero revanche.
- Aceito - Estendo minha mão e logo ele faz o mesmo.
- Amanhã, nesse mesmo local às 15h00.
- Feito... Amanhã ganharei novamente - Todos olham para trás e quando olho, vejo ali um moço, caminho até o mesmo, era um cartão - Marcel?
- Não toque - Ele foi até o moço, e quando abriu a caixa, era um coração, coloco a mão rapidamente na boca, eu iria gritar novamente e isso não permitiria – Ei.

Vi tudo se tornar escuridão, e um braço me segurar, mas era tempo perdido, sabia que não iria acordar cedo, meu corpo estava pronto para gritar, e eu para recusar isso.
Estava em casa, mamãe havia saído com minha irmã, estava tudo bem, até eu ouvir algumas coisas, então um grito saiu dos meus lábios, alguém tinha morrido, mas a questão era, quem?
Abro meus olhos, Marcel estava me segurando ainda e sua expressão estava assustada, e isso me preocupou, o que tinha acontecido?

- Parece que viu um fantasma - Brinco enquanto volto a me sentar. Suspiro o olhando.
- Você está bem? - Balanço a cabeça e por um momento algo me faz tremer dos pés à cabeça - Você gritou e sussurrou algumas coisas.
- Isso sempre acontece quando vejo um cara bonito - Brinco e logo vejo sua expressão, seguro a mão dele e solto um sorriso - Está tudo bem, Marcel, eu juro. Agora preciso ir pra casa.
- Eu te levo - Olho no relógio que marcava exatamente 17h50min - Eu te trouxe um sanduíche.
- Não precisa, eu sei me cuidar - Pego o sanduíche dando uma mordida rapidamente. Ah... que homem era esse? Eu não havia comido nada o dia todo e ele trouxe pra mim. Apenas como em silêncio, enquanto ouço-o dizer que era perigoso - Eu estou bem.
- Não confio muito nisso - Arqueio minha sobrancelha rapidamente. Ele levanta as mãos pra cima em forma de rendição - Não está aqui quem falou.
- Acho bom mesmo - Me levanto e o observo, termino meu sanduíche e sem me despedir saio pela porta a fora. As ruas de New Orleans estavam silenciosas, não era exatamente normal isso acontecer, apenas deixei minha imaginação fluir até entrar na MM, e quando entrei uma voz veio ao pé do meu ouvido.
- O que foi, Little Love?
- Niklaus... - Fechei meus olhos tentando inalar seu perfume, mas logo voltei a ser a de sempre - Que droga está acontecendo aqui?
- Vamos dizer... Que é uma festa - Suas mãos seguram os meus braços por uns instantes, porém senti ele se esquivar antes que algo pudesse acontecer. Claro que nunca iria rolar, mas se acontecesse... - Marcel vai vir, e não se preocupe a festa é com máscaras.
- Como estou sendo avisada agora, acho que não vou poder comparecer...
- Não se preocupe sua roupa está no quarto, Love.

E sua voz estava cada vez mais perto, e apenas o chutei indo em direção ao meu quarto, iria ser uma longa noite.





Continua...




Nota da autora: Sem nota.



Nota da beta: Marcel também é demais... Amo, gente kkkk

Lembrando que qualquer erro nessa atualização e reclamações somente no e-mail.




comments powered by Disqus