Última atualização: 01/10/2018

Prólogo


cumprimentou o porteiro com um breve aceno de cabeça, ele sorriu e liberou a passagem dela. Andou até o elevador privativo, apertando o botão, esperando que ele chegasse e as portas se abrissem. Assim que o fez, entrou, finalmente, apertando o botão da cobertura. Quando chegou, as portas se abriram diretamente numa enorme sala. Ela andou até o sofá, jogando a bolsa por lá mesmo. Olhou em volta, procurando alguém, mas não havia sinal de ter alguém ali. Deu de ombros, subindo as escadas, rumando direto para um dos quatro quartos que tinham ali. Assim que entrou, ouviu barulho de chuveiro. Sorriu, mordendo o lábio inferior, aproximando- se da porta do banheiro. Ouviu uma voz, cantarolando. levantou a sobrancelha, espiando pela porta entreaberta. Ele estava de costas, gesticulando com as mãos, dando de ombros enquanto a água do chuveiro caia sobre o seu corpo.
- Bela voz! – afirmou, cruzando os braços. se assustou, virando- se rapidamente, dando de cara com a namorada, encostada no batente da porta. Sorriu.
- Eu só estava ensaiando! – explicou, dando de ombros. – Tem muito tempo que você está aí? – ela negou.
- Não, cheguei agora e vi você cantando sozinho. – riu, aproximando- se dele. Ele fez uma careta.
- Eu sou um ótimo cantor, mas preciso ensaiar mesmo enquanto tomo banho. – explicou, jogando uma piscadela para ela, que riu, concordando. – Ei, não quer se juntar a mim? – sorriu de lado, malicioso.
- É realmente tentador, mas eu não posso. – fez um bico. – Tenho uma sessão de fotos daqui a pouco. Só passei para um oi.
- Como assim? Você não pode me dizer não, eu sou irresistível. – falou, fingindo estar ofendido. Ela riu.
- ...
- O quê? Desculpa, mas eu sou. – riu, mandando beijos para ela. Ela revirou os olhos, saindo do banheiro.
- !
- Já estou indo, senhor eu-sou-gostoso-demais. – avisou, voltando para o quarto. desligou o chuveiro, pegou uma toalha e amarrou na cintura, indo atrás dela.
- Que horas você volta? – perguntou, passando a mão no cabelo, tentando tirar o excesso de água. o fitou daquele jeito, todo molhado, parado a sua frente, só de toalha. Seus olhos pareciam ainda mais claros quando estava com o cabelo molhado. Ah, Deus, por que não tem pena da sua serva? – Amor?
- Ahm, eu não sei. Acho que vai demorar um pouco! – respondeu, saindo do seu transe momentâneo. Passou a mão na boca, porque tinha certeza que estava babando.
- Tudo bem, eu vou te esperar aqui, ok? – avisou, aproximando- se dela e a segurando pela cintura. Ela sorriu, enlaçando o pescoço dele com suas mãos. – Acho que o Brian vem pra cá mais tarde, eu vou tentar me distrair enquanto você não chega. – ela levantou a sobrancelha, desconfiada.
- Você está me traindo com o Brian? – perguntou. Ele fez uma careta.
- Bem que eu queria, mas ele só pensa naquele cabelo dele. – falou, fingindo derrota. Ela riu, estapeando ele.
- Cala a boca, ! – mandou, encostando o nariz no dele. Ele riu, encostando de leve os lábios nos dela, pressionando-os. Um ano e meio atrás, numa after party do Teen Choice Awards, nunca imaginaria que iria encontrar a mulher que hoje faz seus dias valerem a pena. era uma modelo da Victoria’s Secret, que fora contratada para apresentar um dos prêmios ao lado dele. Ele sempre achou que toda modelo fosse sem cérebro, mas ele se enganou. Viu que por trás de toda aquela gostosura havia uma mulher incrível. Mas, sim, continuava incrivelmente gostosa também. – Arght, eu preciso ir. – falou manhosa, tentando se soltar dele. negou, prendendo- a entre seus braços. – Eu tenho que ir.
- Chega atrasada. Você sempre chega atrasada mesmo. – falou, dando de ombros. Ela riu, soltando-se dele.
- Por que será, né? – balançou a cabeça. – Logo a gente se encontra! – depositou um beijo em seus lábios.
- Vai logo, então. Se não eu te prendo no banheiro comigo. – ameaçou, levantando a sobrancelha, sorrindo de lado. – Vou contar até cinco.
- Nossa, para de criancice. Até parece que... – foi interrompida por .
- Um, dois, três... – falou. Ela soltou um gritinho, saindo correndo de lá. Ele riu, ouvindo os passos rápidos de , sumindo pela casa. Suspirou, terminando de se secar, se vestiu, colocando uma bermuda e uma regata, desceu para a cozinha atrás de algo gelado para beber, porque Los Angeles estava quente naqueles últimos dias. Mas assim que abriu a geladeira, notou que estava praticamente vazia. Bufou, irritado. Teria que sair para comprar comida. Olhou o relógio pendurado na cozinha, marcando cinco da tarde. – É, hora de enfrentar alguns paparazzi.


Capítulo 1


pegou um pacote de pão integral, jogando no cesto de compras que segurava. Ouviu uma risadinha. Olhou para o lado, onde duas adolescentes conversavam baixo, rindo e olhando pra ele. Ele riu, balançando a cabeça.
- Oi, meninas. – falou, acenando. Uma delas abriu a boca, surpresa com o cumprimento.
- Ah, meu Deus, Meg. Ele falou com a gente! – uma delas falou, se abanando. se aproximou delas. – Oh, Deus.
- Posso? – ele pediu, apontando o celular que a tal Meg segurava. Ela apenas assentiu, entregando o objeto a ele. acessou a câmera do celular e se posicionou na frente delas, tirando um selfie. – Prontinho, garotas. Foi um prazer! – falou, entregando o celular e, finalmente, indo pagar as compras e voltando para a casa. Claro que não sem antes ser parado por uns dois paparazzi. Assim que pisou em casa, o seu celular começou a tocar. Se equilibrou com as sacolas e pegou o aparelho, atendendo. – Fala, príncipe encantado!
- Fala, cara! Tá em casa? – Brian perguntou.
- Acabei de chegar. Tá vindo? – andou até a cozinha, depositando as compras sobre a mesa, enquanto equilibrava o telefone entre a orelha e o ombro.
- Tô, sim. Chego em vinte minutos! – avisou.
- Beleza, então. – se despediram e desligaram. guardou o celular no bolso e depois as compras em seus devidos lugares, mas deixou uma garrafa de cerveja sobre a bancada. Assim que terminou de organizar, pegou a garrafa e se direcionou para a sala, jogando-se no sofá e ligando a TV. Seu celular voltou a tocar, avisando uma mensagem.


“Quero panqueca quando chegar. Aqui no camarim só tem água e pêssego. Onde já se viu?”


riu da mensagem que havia mandado. Logo depois ela enviou uma foto, segurando um copo de água e fazendo uma cara triste. Ele riu da cara dela, mas sorriu observando o quanto ela estava bonita, toda produzida para a tal sessão de fotos. Resolveu responder, tirando uma foto da sua garrafa de cerveja.


“Minha água tá melhor que a sua. Ps: você tá linda! <3”


leu a mensagem com cara de boba, recebendo olhares das colegas.
- Hm, alguém tá com carinha de apaixonada aqui, hein?! – Erin falou, apontando para , que riu, sem jeito.
- Para, Erin! – mandou rindo, desligando o celular e enfiando na bolsa. Ajeitou o roupão rosa com o seu nome gravado atrás, levantando-se e indo perto do fotógrafo. – Jake, falta muito ainda?
- Calma, , está quase acabando a sua parte. – o fotógrafo garantiu, piscando pra ela. – Só preciso de mais algumas suas sozinha.
- Posso ser a próxima? Tenho um boy lindo e gostoso me esperando em casa. – pediu, fazendo bico. Jacob, o fotógrafo, olhou para aquele par de olhos azuis-esverdeados, sem conseguir negar. Acenou, assentindo. Ela pulou, animada. – Valeu, chuchu. – e beijou sua bochecha, fazendo- o rir.
- Se eu fosse hétero, teria te agarrado agora, mas prefiro o seu boy. – ele avisou. Ela riu, tirando o roupão e jogando no sofá, perto de onde as outras modelos estavam. vestia apenas um conjunto de lingerie da marca. – Ok, Behati, querida, por hoje é só.
- Oi, Be! - a cumprimentou, tomando o lugar dela no set.
- , quando você e o vão ter um dia livre? Adam e eu adoraríamos repetir aquele jantar lá em casa. Foi muito divertido! – falou, sorrindo. assentiu, passando a mão no cabelo.
- Assim que o tiver um intervalo das gravações no estúdio a gente marca, ok? Vai ser um prazer. – sorriu. O maquiador veio até ela, retocando o batom vermelho e logo se retirou, deixando que ela trabalhasse, finalmente. Depois de algumas horas de photoshoot, estava finalmente liberada e voltando para a casa do namorado. Estava exausta. Assim que entrou no apartamento, ouviu risadas masculinas, dando de cara com e Brian jogando videogame. – Olá, crianças! – falou alto, indo até o lado do namorado.
- Oi, ! – Brian falou, sem desgrudar os olhos da TV. – NÃO! Porra, você acertou o meu carro, mané.
- Melhor o seu que o meu. – rebateu, rindo. Virou-se para e sorriu. – Oi, amor.
- Oi, feioso. – sussurrou, dando-lhe um selinho demorado.
- Seu namorado é um pé no saco, . Não sei como você gosta dele. – Brian falou, levantando-se do sofá.
- Isso porque, claramente, você nunca dormiu comigo, Brian. – avisou, dando o seu típico sorriso de lado. deu um tapa em sua cabeça. – Ouch! !
- Larga de ser convencido! – falou, jogando-se no colo dele, logo após. – Cadê a namorada, Craigen? – a olhou, levantando a sobrancelha. – Que foi?
- Só você pra ficar chamando as pessoas pelo sobrenome, estranho isso. – falou.
- Estranho é você, ! – Brian falou, dando um tapa na cabeça do amigo.
- Ouch! Ok, vocês querem me matar? Usem logo uma arma, porque esses tapas doem, caralho. – falou, passando a mão na cabeça.
- Ah, coitadinho dele. - falou, apertando as bochechas do namorado, enquanto dava vários selinhos em sua boca.
- Ok, sobrei. Vou indo nessa! – Brian avisou, mas somente levantou o polegar, dando um “joia” e acenou. Ele balançou a cabeça, saindo do apartamento.
- Ah, só nós dois, finalmente. – falou, deitando-a no sofá, colocando-se por cima dela, que sorriu, maliciosa.
- Seu safado! – falou, mordiscando o lábio dele.
- Eu, né? Sei. – riu, apertando a cintura dela. – Como foi a sessão?
- Você quer mesmo falar sobre isso agora? – ela perguntou, passando a ponta do pé na perna dele. Ele riu, dando de ombros.
- Só tava fazendo um social. – confessou, finalmente a beijando. riu durante o beijo, enfiando os dedos no cabelo dele, puxando-o devagar. As mãos de ficavam indecisas entre a cintura dela ou as coxas. Difícil escolha. puxou a camisa do namorado para cima, jogando-a no chão. Quando iam voltar a se beijar, o telefone da casa de começou a tocar. – Puta merda! Deixa tocar, pelo amor de Deus! – pediu, beijando o pescoço dela, que riu, fechando os olhos. O telefone tocou várias vezes até cair na secretária eletrônica.


, é a . Só liguei para te avisar sobre as bodas do papai e da mamãe no final de semana. Você vem, né? Beijos, me dê notícias.”


- Arght! – ele bufou, soltando-se de . – Eu tinha me esquecido dessa festa.
- Você não quer ir? – ela perguntou, confusa.
- Não estou muito animado para festas de família. – fez uma careta.
- Para de preguiça, . É sua família. Seus pais são uns fofos, sua irmã também. Ah, qual é, não vai ser tão difícil assim, vai? – sorriu. Ele pensou por um momento. Depois sorriu, sentando-se e puxando para se sentar junto com ele.
- Eu vou se você for. – exigiu.
- Sério? Você quer que eu vá? – sorriu, praticamente com os olhos brilhando. Ele assentiu. – Será que seus pais não vão achar ruim?
- Que nada! Eles pediram pra eu te convidar. – deu de ombros. – Só esqueci de estender o convite. – sorriu, culpado.
- Bem a sua cara! – ela rolou os olhos, rindo.
- Então, tá dentro? – levantou a mão, esperando um hi- five. Ela ponderou e depois sorriu.
- Tô dentro! – e bateu na mão dele.
- Agora, shhiu, vamos terminar isso daqui primeiro. – falou, rindo e voltando a beijá-la.


esfregou os olhos, tentando acordar por completo, tentando se acostumar com a luz entrando pela janela do quarto. Bufou, escondendo o rosto entre as almofadas. Tateou a cama, procurando um certo corpo masculino, mas não o encontrou. Bufou de novo. Desenterrou o rosto da almofada e olhou em volta, procurando o namorado. Nada. Sentou-se na cama, espreguiçando-se e amarrando o cabelo em um coque. Suspirou alto antes de se levantar, finalmente. A modelo vestia apenas uma calcinha e a camisa do namorado. Foi até o banheiro, escovou os dentes e usou o toilet, depois desceu para a cozinha, onde achou o namorado, aparentemente, fazendo panquecas. Sorriu, aproximando-se dele, que vestia uma boxer preta e seu cropped com estampa da Kate Moss. Ela riu, lembrando-se da noite anterior, onde eles trocaram de roupas e postaram fotos no instagram, fazendo com que virasse viral em minutos.
- Meu namorado é tão macho! – falou, apertando a bunda dele. levou um susto, mas depois riu, deixando que a namorada o abraçasse pelo pescoço. – Bom dia, babe.
- Bom dia. – deu um beijo na bochecha dela. – Já estava terminando aqui para ir te acordar.
- Pois bem, não precisou. – deu de ombros, indo até a mesa e pegando o celular de . Riu. – Já viu que a nossa foto virou meme?
- Claro, todas querem um de blusa em sua casa. – piscou, fazendo um biquinho gay. rolou os olhos, mostrando a língua. – Mas só uma pode ter.
- Acha bom ser eu, hein? – avisou, apontando pra ele, que deu de ombros. – Chato! – voltou a olhar o celular dele. Levantou a sobrancelha, desconfiada. – Por que a sua ex tá puxando papo com você, ?
- Ih, vai começar... – murmurou. – Não é nada, . Ela só pediu uma ajuda no meio da música para o irmão dela, só isso.
- E precisa ficar de conversinha também? – falou, debochada. desligou o fogo, deixando as panquecas de lado e foi até , puxando-a pela cintura, tirando o celular da mão dela e colocando-o sobre a mesa. Ela o fitou, esperando ele dizer algo.
- , eu amo você. Só você, ok? Não precisa desses ciuminhos à toa, você sabe disso. – falou, aproximando o rosto do dela. – Tá, a gente namorou um tempo, mas acabou. Não deu certo. Deu certo com você, eu estou com você e ponto. – ela fez um biquinho, abraçando o pescoço dele.
- Hm, então, você me ama, uh? – ela perguntou, sorrindo. Ele assentiu, dando um selinho nela. – Isso me soa bom.
- Isso soa ótimo, meu amor. Sabe por quê? Porque você tem esses maravilhosos olhos só pra você toda manhã. – avisou, falando convencido.
- Não é mesmo? Fico impressionada em como você é humilde, . – riu, apertando as bochechas dele. – Ok, estou com fome. – se soltou dele, sentando-se à mesa. – Alfred, traga o meu desjejum. – pediu, cruzando as pernas e levantando o queixo, de um modo convencido.
- Claro, madame. – entrou na brincadeira, servindo-a com algumas panquecas e suco de laranja, que estavam sobre a mesa. – Deseja mais alguma coisa, senhorita?
- Sim, você poderia avisar ao meu namorado, o príncipe Harry, para se juntar a mim, por favor? – pediu, tomando um gole de suco. riu, jogando-se na cadeira ao lado dela.
- Príncipe Harry, ? – se serviu de uma panqueca.
- Ele é um príncipe! He-llou? – estalou os dedos. – Eu seria uma princesa.
- Comigo você é uma rainha. – sorriu, mastigando um pedaço da comida. Ela sorriu. – Tem algum compromisso hoje?
- Não, tô livre. Algo em mente? – perguntou, roubando um morango do prato dele, que ele havia acabado de colocar junto com a calda.
- Tava pensando em ir dar uma corrida e depois, sei lá, você decide. – deu de ombros, esperando uma resposta de .
- Hm, a gente podia ir à praia hoje, não acha? – sugeriu.
- Praia? Hm, é, por mim, tudo bem. – sorriu, concordando. – Então, eu vou tirar essa blusa maravilhosa e colocar algo apropriado. – Levantou-se, indo até a namorada e a puxando-a.
- Ei, eu ainda não terminei. – reclamou, rindo. – !
- Depois você come, sua gorda. – falou, enquanto a puxava pela mão. – Aliás, você não deveria ficar comendo isso, sabia? Você não é modelo?
- Arght! Já não basta meu personal? – rolou os olhos, soltando-se dele. – Vira de costas.
- Por quê? – levantou a sobrancelha, confuso.
- Só vira! – pediu, fazendo sinal para que ele se virasse. Ele deu de ombros, se virando. riu, pulando nas costas dele.
- Ei, eu não sou seu cavalinho! – reclamou, segurando-a.
- Cala a boca e me leva. – mandou, rindo, agarrando-se ao pescoço dele. Ele balançou cabeça, rindo, guiando-os até o quarto. Assim que entraram, a derrubou na cama, jogando- se em cima dela. – Ai, você é pesado.
- Ah, que cama confortável. – falou, se esfregando na garota, que estava as gargalhadas. – Acho que vou ficar por aqui mesmo.
- Vai nada! Nós vamos à praia! – avisou, animada. – Anda, sai.
- Onde eu fui amarrar o meu bode? – falou, saindo de cima dela.
- Eu ouvi isso! – avisou, apontando pra ele. Levantou-se da cama e foi até o closet, escolher um biquíni. Optou por um neoprene azul, pegou um vestido de crochê branco como saída de banho e jogou sobre a cama. Tirou a camisa do namorado, que vestia, e jogou sobre ele, rindo. acompanhou toda a ação. – Vai ficar me olhando?
- Tem coisa melhor? – sorriu de lado. mordeu o lábio inferior.
- Vai se arrumar, . – falou, colocando a mão na cintura. Ele continuou a fitando. Seus olhos percorreram todo o corpo da modelo, parando nos seios.
- Se eu falar que quero você agora. De 0 a 10, qual a probabilidade de você corresponder? – perguntou, fitando-a. mordeu a unha do polegar, segurando um riso.
- A gente vai enrolar. – falou. Ele fez uma careta, dando de ombros.
- Eu não dou a mínima, e você? – perguntou, se ajeitando na cama, segurando as pernas dela, beijando cada uma de suas coxas. riu, mordendo o lábio inferior, enfiando os dedos no cabelo dele.
- , é sério, a gente vai perder a melhor hora do sol. – falou arrastado, sem a mínima vontade de sair dali. fingiu que não ouviu e continuou distribuindo beijos pelo corpo da modelo. riu. – Foda-se! – soprou, empurrando-o na cama, ficando por cima dele.
- Ué, e o sol? – o cantor perguntou, irônico, levantando uma sobrancelha.
- Sorte sua que você é gostoso, senão eu te bateria. – avisou, antes de beijá-lo. riu durante o beijo, segurando a cintura da namorada com firmeza. Ele ia se mexer para reverter as posições, mas prendeu as pernas nas dele, impedindo o ato. Mordeu e puxou com os dentes o lábio inferior dele, encostando a boca na dele, sem realmente beijá-lo. Respirou descompassada, fitando aqueles olhos. apertou os olhos, esperando alguma reação dela. beijou o pescoço do namorado, olhou a Kate Moss estampada na sua blusa e segurou um riso, levantando a blusa e distribuindo beijos pelo peitoral dele, barriga, oblíquo... apertou os dedos na cintura da modelo. sorriu, levantando a cabeça, mordeu os lábios e engatinhou de volta a ele. Aproximou a boca da orelha do namorado e sussurrou: - Se você não for à praia comigo agora, eu juro que não vou terminar o que eu comecei.
- Puta merda, ! – fechou os olhos com dor, xingando baixo. Ela riu, saindo de cima dele.
- Anda, se arruma! – mandou, indo colocar finalmente o biquíni.
- Caralho, vocês mulheres são fogo, hein? – se contorceu na cama. Ela deu de ombros, indo até o closet, pegando um elástico e prendendo o cabelo. Aproveitou para dar uma olhada nas bolsas dentro do closet.
- Arght! Não tenho nenhuma bolsa de praia aqui na sua casa? Sério?! – falou desanimada, colocando as mãos na cintura, fitando as bolsas.
- Bolsa de praia? Tem um zilhão de bolsas suas, aí, , deve ter uma bolsa de praia. – falou, levantando-se e entrando no banheiro.
- Não, não tem. – fez um bico. – Vou ter que usar uma outra qualquer mesmo. – escolheu uma, dentre as várias que tinham ali, pegou protetor solar, uma escova de cabelo e outro elástico de cabelo. – , cadê o seu protetor fator mil?
- Engraçadinha. – falou do banheiro. – Não sei. Devo ter deixado cair na gaveta de meias? Dá uma olhada, aí. – pediu, falando alto. Saiu do banheiro, passou a mão no cabelo, dando uma arrumada. Andou até o seu armário de chapéus e optou por um casual, cor neutra.
- Tá bravo ainda? - perguntou, levantando a sobrancelha, sentando-se na cama. não respondeu. – Foi só uma brincadeira, amor.
- Eu sei, , mas às vezes me tira do sério esses seus joguinhos. – explicou, indo vestir uma roupa apropriada. suspirou. – Não é sempre que eu tenho paciência pra eles.
- Sério, ? Quem começou foi você! – avisou. Ele ficou quieto. – Quer saber? Esquece a praia, perdi o clima. – falou, levantando-se e voltando ao closet, pegando um macacãozinho florido. - Eu vou pra casa.
- , para, né? – ele pediu, indo até ela e a puxando pela mão. – Não vamos começar, ok? Esquece o que eu disse, tá? Desculpa.
- Não, tudo bem. Eu só preciso ir pra casa. – pediu, sorrindo amarelo, soltando-se dele.
- Você não precisa ir pra casa. – rebateu.
- Preciso sim.
- Não precisa!
- ... – pediu, arrastado.
- ... – a imitou. – Sério, não vai. A gente pode ficar em casa mesmo. Só nós dois, sem fãs, nem fotógrafos atrás da gente, que tal? Vai, amor, fica?! – ela fez uma careta, pensando.
- A gente pode assistir Diário de uma Paixão? – pediu, enlaçando os braços no pescoço dele. Ele sorriu, assentindo. – Yay! – comemorou. – Então, eu fico.
- Mulheres, ô, bicho esquisito! – resmungou.
- !





Capítulo 2


tomou um gole do seu café e digitou mais alguma coisa no celular. Rebekah revirou os olhos, puxando o celular das mãos da amiga.
- Hey! – protestou, lançando um olhar bravo para ela.
- Larga isso! Poxa, presta a atenção em mim, pelo menos uma vez. A gente não se encontra há dias. – fez drama, fazendo um beicinho. riu, concordando.
- Ok, você tem razão. – apertou a bochecha da amiga, que fez uma careta. – Sou toda sua agora, meu amor.
- Você tava falando com quem? – perguntou, visualizando o celular da amiga em mãos. Rebekah era a amiga mais próxima e mais antiga de . Uma baixinha de cabelos ruivos, olhos verdes e sardinhas no rosto. Arrancava olhares por onde passava com as suas belas curvas. – Não acredito, ! – fez uma careta. – Com o ? Vocês não se desgrudam?
- A gente só tava combinando sobre a viagem para a casa dos pais dele. – levantou os ombros, tentando se defender. – Só isso.
- Hm, vai bajular a sogrinha, é? – zombou, entregando o celular para a amiga, que mostrou a língua. – Me espanta muito ele ainda não ter te pedido em casamento.
- Para, Becky. – pediu, guardando o celular na bolsa, e voltando a tomar o seu café. – Nós ainda nem moramos juntos.
- Me espanta ainda mais ele ainda não ter te chamado para morar com ele. – falou como se fosse óbvio. riu, sem jeito. – Tá na cara que ele é apaixonado ao extremo por você. Não sei porque vocês não concretizam isso.
- Fica quieta, vai? – pediu, empurrando um muffin para a ruiva. Ela deu de ombros, encerrando o assunto.
- Tem uns vinte minutos que um cara tá tirando foto da gente aqui. – avisou, cerrando os olhos, tentando enxergá-lo. – Odeio isso. Eles pioram quando eu saio com você, sabia? E pior, eu ainda saio como “a amiga ruiva de ”, acredita? Um desaforo!
- Cala a boca! – mandou rindo. – Todo mundo sabe quem é você, ok? E sempre sai “Rebekah Price e amiga modelo”, tá? – fez aspas com os dedos. As duas riram. – Quer dar o fora daqui?
- Por favor! – pediu, levantando-se. acompanhou a amiga, pegou os óculos escuros sobre a mesa e os colocou no rosto, ajeitou a bolsa no ombro e saíram da cafeteria. O tal paparazzo se aproximou delas.
- , o que tem a dizer sobre as recentes fotos do ? – ele perguntou, apontando a câmera para elas. riu, dando um tchauzinho.
- O photoshoot na banheira? Achei sexy! – falou, dando uma piscadinha para a câmera. Rebekah riu.
- Não, as fotos que tiraram dele na joalheria da Tiffany. – ele explicou. parou de andar, e o fitou. – Vocês vão se casar?
- Tchau, moço! – falou, voltando a andar, indo em direção ao carro. Entrou e esperou a amiga entrar, então dando partida, colocando o carro para andar nas ruas de L.A.
- O foi à Tiffany? – Rebekah perguntou, enfim. – Será que...
- Não viaja! – a interrompeu, rindo nervosa. – Esse povo nunca sabe de nada, Becky, só especula. – falou, fingindo indiferença. Mas, por dentro, aquilo ficou martelando na cabeça dela. e Tiffany? Tiffany e ? Ele não havia falado nada com ela sobre isso. O que ele tinha ido fazer lá?
- Esse povo é tão intrometido! – Rebekah comentou. – Não se consegue fazer nem uma surpresa mais, porque eles contam tudo.
- A gente nem sabe o que é, então, nem deve ser surpresa. – falou, dando de ombros. – Pode ser algum presente para a mãe dele, né?
- Será? – refletiu, a amiga da modelo.
- É o mais provável. – sugeriu. – É o aniversário de casamento dos pais dele, né.
- É, faz sentido. – concordou, pensativa. – Mas e se ele...
- Sem mais sugestões, Rebekah Price! – pediu . A amiga se deu por vencida, encerrando o assunto. – Vou te deixar em casa e ir para a minha. Tenho algumas coisas para arrumar lá.
- Ok, sem problemas. – concordou sem hesitar. deixou a amiga em casa e depois seguiu para a sua, assim como havia dito. Entrou em casa e foi direto para o quarto, se jogando na cama e fitando o teto. Suspirou, virando-se de lado e alcançando a bolsa, pegando o celular lá dentro. Havia duas mensagens de .


“Linda, preciso da sua opinião em uma coisa. Quando você vem pra casa?”

? Oi?”



Quando ia responder, o celular começou a tocar. Era ele. Ela sorriu, atendendo.
- Oi, pessoa.
- Oi, princesa. – o cantor respondeu no mesmo tom calmo que a namorada. – Por que você não respondeu às minhas mensagens?
- Tava com outro. – respondeu, mordendo o lábio, segurando um riso.
- Aposto que ele não era tão gostoso quanto eu. – rebateu.
- Jamais. Você é sempre o mais gostoso! – afirmou. – Passei à tarde com a Becky, e ela não me deixou ficar muito no celular.
- Becky malvada! – falou, bufando. riu. – Ei, que horas vem pra cá?
- Ah, não sei se vou hoje, amor. Eu tenho que arrumar algumas coisas aqui em casa. Meu closet tá uma bagunça! – fez uma careta, fitando o closet em questão. – Podemos nos ver amanhã?
- Primeiramente, não, não podemos. E segundo, estou pegando a chave do carro e indo comprar comida. Em quarenta minutos devo chegar aí. – avisou. A modelo sorriu, balançando a cabeça. Era típico dele fazer isso. – Comida japonesa?
- Yay! – vibrou. – Salmão, muito salmão, por favor.
- Sim, senhora. – afirmou. – Ah, outra coisa…
- Fala.
- Coloca aquele conjuntinho de lingerie azul, tá? – pediu.
- Nossa, ... – ele a interrompeu.
- Até mais, baby. – e desligou.
- Filho da mãe! – falou sozinha, rindo e encarando o celular. Deu um pulo da cama, correndo para o banheiro. Arrancou as roupas, jogando-as no cesto de roupa ao lado da porta. Entrou no box e ligou a ducha. Quase se esqueceu de quando sentiu aquela água quente tocar sua pele. Tentou aproveitar o máximo que pode o seu banho, mas optou não demorar muito. Logo que saiu do banheiro, foi até o closet, abriu-o e o fitou. – É, preciso mesmo organizar isso. – fez um bico, cansada. Abriu a gaveta de lingeries e viu a tal que o namorado havia pedido que ela usasse. Riu, pegando outra totalmente diferente, só para implicá-lo, é claro. Vestiu um blusão com a estampa do Al Pacino, amarrou o cabelo e suspirou, colocando as mãos na cintura, fitando o closet. – É, mãos à obra.

XXX


- Tenho uma entrevista marcada para semana que vem na Ellen. – comentou, terminando de comer o seu último temaki.
- Tenho que experimentar dezenas de lingerie semana que vem. - rebateu. – E o pessoal não é cem por cento legal. Não como a Ellen.
- Por acaso eu posso ir e assistir enquanto vocês fazem isso? – perguntou, levantando a sobrancelha. se levantou do sofá, pegando as embalagens sujas.
- Claro! – falou, andando até a cozinha. foi atrás.
- Sério? – perguntou sorrindo.
- Erm, não. – sorriu, debochada. – Nunca, jamais.
- Como você é estraga prazeres. – fez uma careta, acompanhando os movimentos da namorada enquanto ela jogava as embalagens no lixo. andou até a geladeira, pegou uma garrafa de água e a abriu, tomando um gole. Foi até o balcão da cozinha e se encostou ao lado do cantor.
- Para o que você queria a minha opinião? – perguntou enfim, fitando-o.
- Ah, é. – ele se lembrou. Andou até a sala novamente e logo voltou segurando uma caixinha azul, de veludo. mordeu os lábios. – Dá uma olhada. – pediu, abrindo a caixinha. a fitou, observando uma pulseira de brilhantes dentro dela. – Comprei para a minha mãe. Será que ela vai gostar? - sorriu. Então era uma pulseira para a mãe? Claro que era, o que mais poderia ser?
- É linda, amor. Ela vai adorar! – foi sincera.
- Ah, que ótimo! – sorriu, fechando a caixinha. – Por falar nisso, nós vamos sair daqui amanhã à tarde, ok? Não se esqueça.
- Não irei, lindo. – mordeu o lábio inferior, aproximando-se dele. O abraçou pela cintura, fitando o rosto do namorado. Ele sorriu, beijando a ponta do nariz dela.
- A disse que está louca pra te ver de novo. – comentou, observando a expressão da namorada. Ela sorriu com os olhos brilhando.
- Sério? – perguntou. Ele assentiu. – Eu também estou com saudades dela. Inclusive, eu quebro a minha dieta só para comer pizza com ela. – riram.
- Por mim você não faz isso, né? – fez uma falsa cara de indignação. o estapeou no peito.
- Cria vergonha, ! – mandou. – Eu só não sou uma baleia por uma questão de bom senso... – riu. – E claro, por causa da academia.
- Santa academia! – debochou, recebendo outro tapa. – Caralho, hein? Isso dói. – se soltou dela, passando a mão no local onde ela havia estapeado. ouviu seu celular tocando na sala. Revirou os olhos, indo buscar o aparelho. foi atrás. – É o Andrew. – avisou, visualizando a tela do celular. – Fala, Andrew. – atendeu, enfim. mordeu a unha do dedão e foi se sentar no sofá, observando o namorado conversar ao telefone. Cruzou as pernas sobre o móvel, ajeitando-se sobre ele, confortavelmente. – Sei, sim. Ellen, próxima semana. Tudo certo. – informou o cantor. O agente falou alguma coisa e ele franziu a testa, rindo. – Bom, eu tenho que perguntar pra ela primeiro, né?
- É comigo? – sussurrou. Ele assentiu. – O quê?
- Calma, eu vou perguntar pra ela. – avisou, tirando o celular de perto da boca. – A Ellen quer entrevistar nós dois juntos. Você topa?
- Eu tenho que ver com a Kris o dia e tudo o mais, mas se eu estiver livre, por mim tudo bem. – sorriu, assentindo.
- Andrew? Oi, então, cara, liga pra Krista, agente da , combina com ela o dia, beleza? Por ela, fechou. – avisou, sorrindo. – Ok, então. Até mais, cara. – e desligou o celular. – Segundo o Andrew, somos o “casal sensação”. – fez aspas com os dedos, rindo.
- Fazer o quê? Somos o casal mais quente de Los Angeles, meu amor. – falou, lançando uma piscadela pra ele, que riu, jogando-se ao lado dela.
- Eu tenho certeza que ela vai fazer aquelas brincadeiras dela. – comentou, deitando a cabeça no colo de . Ela concordou, passando as mãos no cabelo dele. – Da última vez, eu acabei sendo agarrado por uma fã. – riu, lembrando-se.
- Não curti esse dia. – confessou, fazendo uma careta.
- Olha o ciúmes, ! – alertou, rindo. – Tem mais homens se jogando em cima de você do que mulheres de mim. Não reclame, se não eu reclamo.
- Ok, me calei. – riu, dando-se por vencida. virou um pouco a cabeça para o lado, só para depositar uma mordida na coxa da namorada. Ela riu.
- Só pra você não ficar com ciúmes.
- Se tivesse sido uma mordida, você estaria solteiro. – avisou. Ele riu, levantando-se do colo dela e a fitando nos olhos. – O quê?
- Você é muito ciumenta! – falou, encostando-se no sofá, mas sem tirar os olhos dela.
- Você também seria se namorasse com você. – avisou, imitando a posição dele. – Eu não sou cega. Vejo o tanto de menininhas querendo pular no seu pescoço e tirar as suas calças. – gargalhou. Ela riu junto, não conseguindo manter a pose. – Para, é sério!
- Como se não tivesse um milhão de caras tentando fazer o mesmo com você, né? Só que ao contrário de mim, estão tentando tirar a sua calcinha da Victoria’s Secret. - riu ainda mais.
- Você, é a sua cueca da Calvin Klein. – rebateu. Ele puxou a calça, fitando o interior dela.
- Não, hoje é Emporio Armani. – avisou, balançando a cabeça. mordeu o lábio inferior.
- Bom, a minha também não é Victoria’s Secret hoje. – confessou, descendo um pouco a alça da camiseta, revelando um pedaço da lingerie.
- Essa não foi a que eu pedi que você usasse. – comentou. Ela riu, dando de ombros.
- Eu faço o que eu quiser. – rebateu, jogando uma piscadela para ele, que riu, dando-se por vencido.
- Mas pode fazer uma coisa comigo? – pediu, segurando o queixo dela e aproximando o rosto.
- Com você? Fazer algo com você? – ele concordou, balançando a cabeça. Ela sorriu, sapeca. – E o que seria?
- Quer saber, é? – beijou o queixo dela. – Hm? – perguntou, mordendo o lábio inferior da modelo e o puxando. Ela assentiu. colocou a boca perto da orelha dela e sussurrou: - ler cartas e e-mails de fã.
- Idiota! – riu, empurrando ele para longe, enquanto o cantor ria da cara de decepcionada da namorada. – Te odeio!
- Odeia nada, me ama. – fez sua típica cara de pretensioso; levantando uma sobrancelha e sorrindo de lado. – Mas sério, me entregaram um saco de cartas e e-mails que chegaram pra mim essa semana. Eu preciso ler e responder algumas. Eu preciso da sua ajuda, . – pediu, fazendo cara de cachorro pidão.
- Hmm... – fez, observando a cara do namorado. – Ok, eu te ajudo. – o cantor comemorou. – Só porque você tem uma bunda linda. – acrescentou. riu, levantando-se.
- Idem, meu amor! – e piscou pra ela.
- Vai buscar isso logo, ! – o empurrou com o pé. Ele se deu por vencido, indo até o carro buscar o tal saco com as cartas. Minutos depois, ele jogou o saco em frente a namorada. Ela arregalou os olhos. - Damn it!
- É, são muitas. – concordou, abrindo o saco e espalhando as cartas no tapete da sala da namorada.
- Ei, você vai catar isso tudo depois. – alertou, apontando o dedo pra ele.
- E você vai me ajudar. – sorriu, mostrando todos os dentes. Ela cruzou os braços. – Te amo, linda.
- Vamos logo com isso! – pediu, sentando-se no chão, ao lado dele. pegou uma carta em forma de coração. – Essa foi criativa.
- Abre, aí. – pediu, enquanto alcançava uma outra, de envelope amarelo. prontamente abriu a carta, visualizando o conteúdo. Havia uma foto lá dentro.
- Oh, meu Deus! – ela fitou a tal foto, boquiaberta.
- O quê? – perguntou interessado.
- A garota mandou uma foto pelada! – falou. riu.
- Sério? Deixa eu ver isso aqui. – se aproximou da namorada, pegando a foto. – Droga, !
- Caiu feito um patinho! – riu, vendo a cara de decepção do cantor quando viu a foto de uma pré- adolescente, de aparelho, abraçando um ursinho de pelúcia.
- Quis ser tarado, dá nisso. – deu de ombros, pegando outra carta. – Olha, essa é de Toronto. – abriu o envelope. – “, eu queria tanto te conhecer. Eu te amo muito! Eu moro na mesma cidade que os seus pais. Quando vier visitá-los, por favor, venha me ver também. Eu ficaria tão feliz em te ver pessoalmente. Minhas amigas riem de mim porque dizem que você nem sabe que eu existo, mas eu não ligo, continuo te amando mesmo assim. Um dia irei provar pra elas que você sabe que eu existo sim. Ah, eu adoro a . Vocês fazem um casal lindo! <3” – leu, sorrindo. – Ai, que fofa!
- Qual o nome dela? – perguntou, pegando o envelope e olhando o remetente. – Lily. – leu.
- Tem uma foto dela aqui no final. – avisou, virando a carta para olhar. A foto era de uma garota de uns quinze anos, loira, de olhos verdes, de sardinhas no rosto e um sorriso enorme. sorriu, pegando o celular e tirando uma foto do endereço de onde veio a carta. – O que você tá pretendendo fazer?
- Você vai ver. – avisou, piscando pra ela, que sorriu, concordando. – Próxima! – falou, pegando mais uma carta. Na verdade, era um dos e-mails que o empresário havia imprimido e colocado no meio das outras cartas. – “, meu nome é Taylor, moro em Jacksonville, Florida. Eu adoraria que você me ligasse! Me liga? Por favor? Por favor? Eu adoraria que você me ligasse, eu amaria ouvir a sua voz. Liga pra mim? Eu te amo! Amo o seu trabalho, amo as suas músicas, amo suas guitarras, sua voz e gosto até da ” – ele leu, depois riu, olhando pra modelo.
- Simpática, uh? “Até da ” – imitou, irônica. – Tem o número dela, aí? – ele assentiu. – Me dá. – pediu, alcançando o celular sobre a mesinha de centro.
- Você vai ligar? – perguntou, levantando a sobrancelha.
- Vou colocar com o identificador oculto, né. – explicou, digitando o número da garota. – O nome dela é Taylor, né? – ele assentiu.
- O que você vai falar, ? – balançou a cabeça, negativamente.
- Shh, tá chamando! – mandou, levantando o dedo indicador. Chamou umas três vezes, até que alguém atendeu.
- Alô? – a voz feminina falou.
- Oi, eu queria falar com a Taylor. - respondeu, colocando no viva voz. passou a mão no cabelo, observando o que a namorada ia fazer.
- É ela mesma. Quem tá falando? – perguntou, intrigada.
- Oi, Taylor! Meu nome é , eu sou namorada do . Sabe quem é, né? – perguntou, segurando um riso. A garota ficou um muda um tempo.
- É brincadeira isso? Liv, é você? Não tem graça! – falou, aumentando o tom de voz.
- Não é a Liv. Sou eu mesma, Taylor. E tem uma pessoa aqui do meu lado que pode confirmar isso pra você. – ela olhou para o namorado. Esperando uma reação dele. balançou a cabeça, rindo.
- Oi, Taylor. Aqui é o ! Olá! – falou, enquanto fitava a namorada, que sorria.
- Oh, meu Deus! – ela falou. – Oh, meu Deus! Oh, meu Deus!
- O recebeu a sua carta, querida. Então, eu pensei, por que não ligar para ela, ? Então, eu o convenci de fazer essa ligação. Espero que você tenha ficado feliz! – a modelo falou, esperando a reação da garota. Ela soltou um gritinho.
- Nossa, muito obrigada, ! – ela agradeceu, sorrindo. – , eu te amo! , eu te amo! - e se entreolharam, sorrindo. A modelo levantou a mão livre e o cantor bateu num rápido “hi- five”.
- Eu agradeço todo o carinho, Taylor. Eu aprecio muito todo esse carinho! Foi um prazer falar com você. – pegou o celular da namorada. – Tchau, querida!
- Oh, Deus! Tchau, ! – e soltou um gritinho. riu, desligando.
- Viu, só? De um “até gosto” para um “eu te amo”, uh? Nada mal, fala sério! - riu.
- As minhas custas, né? – jogou o telefone pra ela, que pegou prontamente.
- Qual é, a garota amou! Você fez alguém feliz, . – comentou, apertando a bochecha do namorado. Ele sorriu, concordando. – Viu, só? Você ficou até bobo!
- Fica quieta, vai. – pediu, se jogando na pilha de cartas. abriu o aplicativo de câmera do celular e tirou uma foto do namorado, jogado no monte de cartas.
- Ok, Instagram. – falou alto, fazendo o cantor fita-la. – Sem filtro, porque meu namorado não precisa disso e.... Ok, legenda... Hm... Ah, sim! – pensou, digitando logo após.
- O que você escreveu? – perguntou, esperando uma resposta. virou a tela do celular para que ele pudesse ler. – “Não dá vontade de pular em cima?” – ele riu. – Dá vontade? Pode pular, então. – abriu os braços. – Sou todo seu! – ela apenas sorriu, deitando-se ao seu lado, encostando o rosto no peito dele, deixando ser abraçada. suspirou, sentindo o cheiro dele. Fechou os olhos, sentindo-se a mulher mais sortuda do mundo, por ter alguém tão especial com ela. Alguém tão bom, gentil e humano. – Tá quietinha, que foi? Tá pensando o quê? – perguntou, beijando a testa dela. sorriu, fitando o rosto do namorado.
- O quanto eu te amo! – confessou, mordendo o lábio inferior. fitou os olhos dela.
- Você é incrível, . – falou, passando os dedos pelo rosto dela. – De verdade, todos os dias eu me apaixono mais por você. – deu um selinho nela.
- Você não existe, ! – sorriu. – Quer me ajudar a arrumar a mala?
- Querer, eu não quero. Mas eu te ajudo. – confessou. fez uma careta, mordendo o queixo dele. – Morde que eu gosto.
- Idiota! – riu, se levantando. – Vamos, levanta! – o puxou pelo braço. deixou o corpo pender para baixo, deixando o seu peso todo cair. – , anda! – o puxava sem sucesso. – Se você levantar, eu prometo que coloco a lingerie que você pediu.
- Nah! – deu de ombros.
- Fico sem nenhuma. – tentou. se levantou num pulo. riu, balançando a cabeça. – Homens são tão fáceis de manipular.
- Ei!




Continua...



Nota da autora: AE, tem gente lendo! <3 Obrigada pelos comentários fofos. <3 Comentários são importantes, sim. Fazem, nós autoras, saberem se tem alguém lendo, se estão gostando, o que esperam etc.
Eu leio todos e fico sorrindo igual besta depois. Obrigada pelo carinho! <3





Outras Fanfics:

Long/Andamento: Her
Long/Finalizada: Johnny
Short: Lovin' Arms
Short Especial Behind The Scenes: The One About 2006


comments powered by Disqus