Última atualização: 15/05/2019
Contador:

Capítulo 9

- Ah eu estou tão feliz que conseguimos sair. - deu um beijo no rosto de Isco, assim que entrou no carro dele.
- Trouxe tudo?
- Sim, você tem certeza que não tem problema dormir na sua casa, né?
- Nenhum, o Isquinho tá com a mãe essa semana, somos só nós dois. E mesmo que estivesse, ele ia amar ter a “tia ” em casa.
- Tudo bem então, eu não gosto de ficar aqui sem ninguém, a casa fica ainda maior. Não sei como o Gareth consegue morar numa casa gigante sozinho.
- Desse tamanho e com medo de ficar sozinha, ? - Isco a instigou e desviou da mão da fisioterapeuta, que tentou fazer cócegas nele. - Quando ele volta?
- Depois de amanhã.
- Se quiser pode ficar comigo até ele voltar, não tem problema.
- Obrigada, vamos na Opium mesmo?
- Sim, o DJ é o melhor, você vai adorar.
- Não vejo a hora. Essa semana foi bastante... intensa. Estou precisando muito dançar e gastar toda a energia acumulada. - riu do duplo sentido de sua frase.
- Tô vendo, veio vestida pra atrair todos os olhares. - o amigo brincou, a fazendo deixar escapar um sorriso por se lembrar da resposta de sobre o que ele tinha achado do vestido que ela estava usando naquela noite.
- Não é pra tanto, é só um vestido. - disse encarando seu vestido preto, que era um pouco curto, mas apenas porque lhe davam maior liberdade para se mexer. - De qualquer forma, só tem um olhar que eu quero atrair. - olhou para Isco de canto de olho, e o viu arregalar os olhos ao se dar conta do que ela tinha dito.
- O que isso quer dizer? - o jogador acenou para o segurança que ficava na entrada de La Finca e voltou sua atenção para .
- Esse era um dos motivos que eu queria sair com você. Pra te contar que conheci alguém, quer dizer, já o conhecia, mas estamos… nos conhecendo.
- Certo, e eu o conheço? - Isco viu a mulher assentir. - Jogador ou equipe? - perguntou interessado.
- Jogador. - respondeu, o intrigando ainda mais.

Não que o espanhol não tivesse suas suspeitas, às vezes via a amiga conversando ou dançando com algum colega de equipe e se perguntava se podia estar acontecendo algo, mas era tão profissional que ficava difícil desvendar qualquer coisa e sabia que se um dia acontecesse algo sério, ela se abriria com ele, assim como estava acontecendo naquele momento.

- Karim ou ?
- Ei! Não vale, por que só os dois?
- Levando em conta que todos que você tem intimidade são casados, ou bem, eu, fui por eliminação. Mesmo porque estranharia se você me falasse que está saindo com o Asensio.
- Por quê? Tá achando que eu não tenho chances? – perguntou brincalhona.
- Me sentiria duplamente traído, meus dois melhores amigos no clube saindo pelas minhas costas. - Isco fez uma careta adorável - E outra que ele é ainda mais novo que eu e não te vejo saindo com um pirralho.
- Você tem razão, é o . - abriu um sorriso que para Isco foi um tanto quanto fofo.
- Hmmm, . - foi a vez de Isco cutucar a cintura de - Pelo visto te pegou de jeito.
- Infelizmente, ainda não. - piscou para o amigo, o fazendo gargalhar. - É bastante estranho pra mim, eu não ia muito com a cara dele, sequer o achava interessante, mas desde que o conheci, ele me surpreendeu tanto, Isco.
- Deu pra perceber que ele estava interessado, o não é muito discreto em ambientes que se sente à vontade. Ele não teria ido dançar com você no aniversário dele, na frente de todas aquelas pessoas, se o interesse não fosse forte também. O cara não pode ir ao mercado sem ter a foto numa capa de jornal.
- Posso te perguntar uma coisa e você promete que não vai rir?
- Não posso prometer, mas prometo tentar.
- Você não acha que a primeira vista, ele tem cara de... gay? - perguntou, a fim de entrar em seu assunto atual quase que favorito, provar que suas suspeitas não eram assim tão infundadas, e observou a reação do amigo.
- Se você que está com ele acha isso, quem sou eu pra falar alguma coisa.
- Não é isso, é que eu achava que ele era gay. - confessou, se sentindo tola. - Achava não, tinha certeza e quando ele descobriu, pensei que fosse morrer de vergonha.
- Eu até entendo de onde saiu essa sua opinião. - Isco soltou depois de um tempo rindo. - Antes de vir pro time, talvez eu pensasse um pouco igual, mas quem conhece ele, sabe que de gay ali não tem nada.
- Assim eu espero. Você acredita que demorou e muito para eu descobrir que não? Foi na semana do aniversário dele e desde então estamos meio que juntos. - finalizou, ao ver o GPS sinalizar que tinham chegado.
- Eu vou querer saber mais dessa história lá dentro. Vamos?

Isco entregou a chave de sua Ferrari preta ao manobrista e se juntou a , que já o esperava na entrada do local. Como sempre, o mais novo passou a mão pela cintura da amiga de forma protetora e juntos seguiram a hostess que os levaria a mesa que ele tinha reservado, para que pudessem ter liberdade para dançar e conversar sem muitas interrupções.

A casa noturna já estava bastante cheia, mas não demorou para que os dois pudessem aproveitar as músicas que tocavam. Diferente das outras vezes que saíram para dançar, a Opium era mais voltada a música eletrônica e e Isco dançavam ao som de Rockabye, a música que vinha tomando conta de todas as paradas musicais, junto com Despacito, que tiveram a chance de escutar em primeira mão no aniversário de Lena e que agora parecia tocar onde quer que fossem.

- She tells him "Ooh love", no one's ever gonna hurt you, love. I'm gonna give you all of my love, Nobody Matters Like You - os dois cantavam, enquanto dançavam próximos um do outro.
- Estou adorando o DJ, ele realmente é ótimo. Quando meus irmãos vierem me visitar vou trazê-los aqui, eles adoram música eletrônica e não vão reclamar que só levo eles para dançar música latina. - comentou, pegando as bebidas que haviam pedido para a garçonete e entregando uma para Isco.
- Me avisa quando for, a gente pode fazer um churrasco pra eles lá em casa também.
- Eles vão adorar. - afirmou, logo voltando a dançar.

Os dois se divertiram como há tempos não podiam fazer; amava que para o espanhol nunca tinha tempo ruim, qualquer música ele topava dançar e até mesmo quando algumas pessoas se aproximavam pedindo por uma foto, ele mantinha o sorriso no rosto o tempo inteiro.

já podia sentir seus pés pedindo descanso e se assustou ao ver que eram três da manhã, estava dançando há horas. Se jogou no sofá ao lado do amigo, que tinha sentado algumas músicas atrás, sem entender de onde saia toda a energia da fisioterapeuta, ainda mais que os dois tinham decidido por não beber nada alcoólico naquela noite.

- Você não gostou de ninguém? - se aproximou do jogador, para que ele pudesse a ouvir sob o som da música. - Não me importo em ser sua compinche.
- Talvez você não seja a única interessada em apenas uma pessoa. - Isco não se aguentou, teve que gargalhar ao ver o encarar com a cara em choque, ainda maior que a que ele tinha feito para ela mais cedo.
- Como você só me fala isso agora?! Tinha que ter me contado assim que entrei no seu carro. - resmungou inconformada - Vamos embora? Já quero saber toda essa história aí.
- Vamos sim, cansou de dançar?
- Meus pés sim e pra ser sincera essas últimas músicas estão um pouco chatas. - disse com uma careta, fazendo com que Isco se levantasse prontamente.

Assim que o jogador apertou o botão de sua garagem, aproveitou para enviar uma mensagem a avisando que tinha chegado bem e segura, conforme ele havia pedido, e que logo iria dormir. Queria ter mandado uma foto que tinha tirado durante a noite, mas não queria correr o risco de acordá-lo, deixaria para o outro dia. Já com os saltos em mãos, seguiu o jogador casa adentro e os dois foram direto para a cozinha.

- Milkshake de chocolate? - Isco questionou, vendo assentir animada e se colocou a procurar os ingredientes necessários. - Parece que estou falando com meu filho.
- Sem graça, nós não bebemos nada alcóolico, posso me recompensar com açúcar, fora que estou morrendo de fome, posso comer um pouco dessa salada aqui? - pediu, vendo o mais novo a encarar engraçado ao encontrá-la com sua geladeira aberta.
- Sinta-se em casa, . - respondeu debochado, pegando alguns talheres para que pudessem dividir o prato, já que também estava com fome.
- Quero todos os detalhes. - soltou ao se sentar do outro lado do balcão - Quem é ela? Onde se conheceram? E o mais importante: quando eu vou conhecê-la?
- Nem eu saí com ela ainda. - Isco riu ao ver a cara de interrogação da amiga. - Foi no aniversário do , depois que você sumiu, fui ao bar te procurar e ela estava lá sozinha. Acabamos conversando o resto da noite. Pedi o telefone e ela me deu o Instagram. - completou balançando a cabeça em negação, vendo rir da cara dele.
- Assim que eu gosto, nem começou e já está te colocando na linha.
- Agora já tenho o número dela, até chamei pra sair, mas ela estava ocupada com um cliente. Ela é arquiteta recém formada e... brasileira. - disse por último, por saber o que estava por vir.
- Mas não é possível, esse é o tipo de informação que se solta logo no começo, Isco, preciso te dar umas dicas em como fofocar com uma mulher.
- Chega, vamos subir, vou te mostrar o seu quarto. - falou, descendo do banco que estava sentado, podia ver crescendo em curiosidade e ele estava cansado.
- Tudo bem, mas amanhã vou querer saber mais sobre essa brasileira.
- Eu tenho certeza que vai. - respondeu balançando a cabeça, sem acreditar na empolgação da amiga.

Isco manteve o sorriso a caminho de seu quarto, depois de ter certeza que estava bem acomodada. Era diferente para ele conhecer alguém e conversar apenas por mensagem, sem se encontrar pessoalmente, mas tinha algo na brasileira que o tinha feito não se apressar. Quando a viu sozinha no bar, chegou com a intuição de possivelmente acabar a noite acompanhado, mas a conversa entre eles tinha sido tão fácil que o fim da noite chegou sem que ele sequer se desse conta e, por mais que quisesse tê-la beijado naquela noite, tinha uma leve impressão que esperar valeria a pena.

E até então, estava.

7⃣⚽🍀

tinha um olho no filme que assistia e outro na conversa com . A última vez que se viram foi quando ele a deixou em casa, na volta de Castellón e, desde então, o jogador andava ocupado com seus negócios fora do futebol, era inclusive um post dele de uma marca de celular que olhava enquanto conversavam. Ela gostava como ele sempre contava sobre as empresas que o procuravam para possíveis parcerias, em como a incluía em seu dia a dia, mesmo quando não conseguiam se ver.

No dia seguinte a saída com Isco, a fisioterapeuta acordou com algumas mensagens extras e rolou os olhos ao ver que alguns vídeos dançando com o amigo tinham surgido pela internet, mas logo gargalhou ao ver os comentários dos jogadores no grupo de Whatsapp que fazia parte. Não era sempre que falavam muito por ali, mas quando acontecia alguma coisa, passavam horas tirando sarro um do outro, o que estava acontecendo com o camisa 22.

tinha visto os vídeos antes mesmo dela acordar, mas a única coisa que o incomodou era o fato de Isco estar com ela, quando era tudo que ele mais queria. Aquelas reuniões estavam todas agendadas antes mesmo deles ficarem e não podia cancelar nenhuma, caso contrário, com certeza estaria dividindo a mesma cama que ela.
Os dois estavam trocando mensagens, quando ouviu um barulho.

- Gareth? - perguntou um pouco mais alto, abaixando o som da TV.
- Quem mais seria? - o ouviu responder e se animou, tinha sentido falta da rotina que tinha criado com o amigo. Inclusive só estava esperando ele voltar, para continuarem a assistir The Fall com Gillian Anderson e Jamie Dornan, sabia que teria que ouvir uma semana se visse um episódio da série que fosse sem ele.
- Exatamente. Se não fosse você, eu teria que chamar a polícia - respondeu se livrando do cobertor para encará-lo melhor - Como foi a viagem?
- Normal - o jogador disse, dando de ombros, o que fez com que estreitasse os olhos, aquilo não era o normal do amigo.

Só ela sabia como Gareth estava empolgado e ansioso para levar Alaina para conhecer sua cidade natal, família e amigos e a cara que ele tinha naquele momento, em nada parecia com o amigo que ela tinha se despedido ainda no aeroporto.

- “Normal” não me parece muito bom - afirmou e o encarou desconfiada. - Aconteceu alguma coisa.

A cara impassível de Gareth foi a resposta que ela precisava. Conhecia o galês, sabia de sua timidez e reserva sobre comentar alguns fatos de sua vida, mas aquele em especial não seria algo que ele esconderia. Imaginava que ele chegaria cheio de histórias e já ria sozinha pensando em como poderia deixá-lo desconfortável, um de seus passatempos favoritos.

A fisioterapeuta foi realmente se dar conta que as coisas não tinham saído nada como o previsto, quando, ao invés de respondê-la, o jogador virou as costas e foi em direção ao quarto, a ignorando por completo. Ainda em choque, demorou alguns segundos para que conseguisse ter uma reação, mas logo tratou de ir atrás do amigo.
Bale estava prestes a fechar a porta, mesmo sabendo que estava atrás, algo que ela sabia não ser de seu feitio. Seu coração se apertou ao tentar entender o que de tão ruim poderia ter acontecido.

- Você sabe que pode falar comigo sobre qualquer coisa, né? - disse em um tom calmo e pôde finalmente notar o quanto o jogador estava nervoso. Sua mandíbula estava trancada e seus olhos impassíveis.

Ainda em silêncio, Gareth adentrou seu quarto, jogando sua mochila no chão, antes de também se jogar na cama. se aproximou cautelosa e sentou ao lado dele e esperou.

- Eu briguei com a Lena. - Gareth soltou e não viu nenhuma novidade ali, aquilo era óbvio.
- Ah, Gareth… Isso é normal, todo casal briga de vez em quando. - falou, demonstrando compaixão, e iniciou um sorriso divertido a fim de dissipar o humor do homem à sua frente. - Pra ser sincera, fico até aliviada de ouvir isso. Não é possível os dois agirem tão apaixonadinhos o tempo inteiro.
- Os dois ou só eu? - o galês retrucou e soltou uma risada sarcástica. - Nem do Dia dos Namorados ela se lembrou.
- Vai voltar nesse assunto só porque tá chateado, é? Pensei que isso já tinha sido resolvido - entendia ele ter ficado chateado com o esquecimento da assistente técnica, mas sabia que em uma relação não era saudável ficar lembrando de discussões já resolvidas, para remoer ainda mais o que sentia. - O que aconteceu?
- Emma e Nancy apareceram lá na casa dos meus pais - Bale começou e compreensão passou por . - Lena estava à vontade antes disso, conversando com minha irmã e meu cunhado. Você sabe como ela não tem a mínima dificuldade de se enturmar, né? - disse e a amiga assentiu concordando, sempre quis ter a mesma facilidade. - Mas, depois que eu a apresentei para as duas, ela falou que ia ajudar a minha mãe na cozinha e sumiu. Eu fiquei sem entender nada.
- Que estranho. Será que... ela ficou com ciúmes? - arriscou , sem querer atrapalhar o desabafo do amigo, embora imaginasse bem o porquê de uma mulher tão segura quanto Lena se retrair em frente à Nancy.
- Ela disse que só quis me dar espaço pra poder conversar com elas. - falou e levantou os ombros, inseguro diante do argumento usado pela namorada. - Me pareceu uma explicação plausível, o problema foi que ela mudou da água pro vinho depois disso. Mesmo quando a Emma e a Nancy já tinham ido embora, ficou toda calada e distante, mas preferi não tocar no assunto enquanto não estivéssemos sozinhos. E, então, quando estávamos no avião já voltando pra Madrid, ela veio com um papo de que a Emma ainda gosta de mim.
- Sério? E como a Lena chegou a essa conclusão? - perguntou, franzindo o cenho em sinal de confusão.
- Segundo ela, pela forma como a Emma me olha - Gareth respondeu, debochado, e bufou.
- Bom, é possível. - falou a outra, dando de ombros. - O relacionamento de vocês era bastante sólido, os dois imaginaram que seria para sempre.
- Nem vem você também - ele retrucou e rolou os olhos.
- Foi por isso que vocês brigaram? - questionou em dúvida, procurando maiores explicações para tentar entender o que tinha acontecido.
- Não exatamente. - o jogador disse e respirou fundo enquanto organizava os flashes que ainda estavam frescos em sua memória.

Enquanto ouvia Gareth narrar a conversa que tivera com Alaina e outros acontecidos da viagem, se lembrou das poucas vezes que esteve em Madrid e teve o desprazer de encontrar com Nancy. Emma sempre fora simpática e a tratou bem, mas desde a primeira vez que chegou na casa do amigo e encontrou sua ex-sogra, que não pensava nada muito bom sobre a mulher, toda vez que seus olhares se encontravam a outra a estava encarando com o que parecia ser fúria no olhar. Tanto, que até deixou de contatar o galês quando sabia que a mulher estava junto, algo que ela nunca teve coragem de revelar a Gareth.
Então para ela, não foi um choque ouvi-lo dizer o que Lena tinha escutado, acreditava sim que ela era capaz de ser baixa àquele ponto e chegou até a entender do porquê da francesa ter duvidado de toda a relação, Nancy sabia muito bem como jogar baixo.

- Essa tua ex-sogra também, hein? Que mulher inconveniente, isso pra não falar outra coisa. Nunca fui com a cara dela. - falou, balançando a cabeça negativamente. - Bom, eu acho que essa insegurança da Lena em relação ao futuro de vocês é compreensível. Não deve ser fácil pra uma pessoa tão decidida e acostumada a escolher sozinha o rumo da própria vida de repente se ver apaixonada e tendo que incluir esse outro alguém nos planos que já estavam definidos desde sempre.
- Mas precisava dizer na minha cara que não vê um futuro comigo? - Gareth perguntou, a dor estampada em seus olhos.
- Ela estava de cabeça quente e aposto que já deve ter se arrependido nesta altura - disse tentando se colocar no lugar da mulher e, ao mesmo tempo, confortar o amigo.
- O problema é que eu me sinto como se fosse o único que estivesse empenhado em fazer esse namoro dar certo. - Gareth revelou e parecia ser algo que ele vinha segurando há um bom tempo.
- Ela me pareceu bastante sincera ao dizer que estava disposta a tentar um relacionamento com você quando fui atrás dela no Ano Novo - observou com honestidade. - Odeio te ver assim, Gareth, mas o único jeito é ter uma conversa pra esclarecer as coisas que vocês disseram um ao outro hoje e os dois chegarem a uma conclusão juntos. Acho que nada que eu fale agora vá te fazer se sentir muito melhor.

sabia que a diferença de personalidade seria um problema para o casal, mas via o quanto o amigo estava apaixonado e o quanto Alaina estava se abrindo para ele, era apenas questão de tempo para que pudessem aprender a lidar com o jeito um do outro, ainda mais que ambos estavam em momentos decisivos em suas carreiras. Bale vinha de uma longa recuperação e Alaina fazia história com a oportunidade que tivera.

- E se ela achar que o melhor é terminar? - perguntou sem esconder sua maior angústia e abriu um sorriso, amava o jeito melodramático do amigo.
- Pior pra ela, posso garantir que não vai encontrar outro Balezinho dando sopa por aí - Retrucou e ele soltou um riso anasalado.
- Eu me assustei quando ela pediu um tempo pra pensar - confessou e encarou a amiga com seus olhos inseguros. - Quer dizer, pedir um tempo nunca é um bom sinal, né?
- Relaxa, deve ter falado de cabeça quente, amanhã vocês conversam e voltam a ser o casal mais fofinho que existe - falou, apertando a bochecha dele, e riu da careta de desgosto que ele fez. - Vou te deixar descansar agora, Balezinho. Boa noite e tenta não ficar remoendo isso, faça como a Lena, dê um tempo pra você mesmo.
- Boa noite, . - O jogador sorriu em agradecimento e recebeu um beijo no topo da cabeça. Antes de a mulher deixar seu quarto, no entanto, acrescentou: - Obrigado por ouvir meus dramas sem reclamar. Só de ter alguém pra desabafar eu já me sinto melhor.
- Disponha - disse, sorrindo, e encostou a porta ao sair. - Eu sou uma ótima amiga mesmo. - falou alto o suficiente para que Gareth a ouvisse e gritasse um “metida” em resposta, a fazendo rir.

voltou a sala e pausou o filme, desligando a TV. Pegou seu celular e percebeu que tinha deixado falando sozinho.

: Desculpa, o Gareth chegou aqui com a maior cara de enterro, fui conversar com ele e não deu tempo de te avisar.

: Aceito tuas desculpas se vieres acompanhada de uma descrição detalhada do que estás a vestir. 😏


riu sozinha, balançando a cabeça em negação. Caminhou tranquila para seu quarto segurando seu cobertor e teve uma ideia que a fez rir alto.
Dobrou a peça que carregava, guardando-a no armário e pegou o maldito presente que tinha ganhado meses antes. Se despiu do tricot leve que usava e também de seu pijama, ficando apenas com sua calcinha. Abriu o cobertor preto e rosa, se enrolando nele, de forma a deixar seus ombros e colo e uma de suas pernas completamente a mostra.

: Na falta de você, estou usando o seu outro você.


Enviou a foto acompanhada de sua legenda, antes de seguir para o banheiro terminar de se arrumar para dormir, tinha adorado seus dias de folga, mas queria poder tê-los passado com . Ao menos tinham toda uma tarde juntos planejada, já que estariam em concentração e além de terem combinado de conversar sobre os resultados do jogador em seu programa, poderiam matar um pouco da vontade e saudade que sentiam um do outro.

: Cada dia que passa fica mais difícil me segurar perto de ti 🔥🔥🔥
: Vou dormir a imaginar que na próxima vez que estiveres assim, estarás ao meu lado.

7⃣⚽🍀

Os olhos fechados de eram sinal de que aquilo era bom, muito bom. Poderia sim abri-los, mas perderia todas as sensações que estavam sendo gravadas em sua memória, de forma que nenhum contato visual seria capaz de fazer. O perfume de era sua fragrância favorita, não imaginava que um dia sentiria algo tão gostoso, masculino, viciante, quanto o cheiro da pele do homem.

A barba, que ele fazia questão de manter imperceptível, raspava em sua pele de forma a fazer com que quisesse muito mais do que aquilo. O jogador estava há uns bons minutos preso na pele de seu pescoço, beijando, lambendo, sugando, que ela já podia sentir suas pernas fracas, ansiosas. Estavam ali há alguns minutos, mas o desejo que tinham um pelo outro era tanto, que precisavam de apenas segundos para que tudo ficasse mais intenso, quente, sufocante.

Desejosa, levou suas mãos que estavam embrenhadas nos cabelos do jogador para a barra de sua camiseta, a tirando em um ato que foi bem vindo para , estava se sentindo quente. tinha certeza que nunca se cansaria de encarar o torso descoberto do jogador assim, tão próximo de si, tão perfeito, tão... dela.
Como poderia, se junto com aquela visão, podia sentir o olhar dele queimar sob sua pele.
Suprimiu um sorriso ao finalmente subir seu olhar do abdômen do jogador para seus olhos e encontrá-lo a encarando divertido.

- Viestes para conversar sobre meus resultados em teu projeto e já estamos assim.
- Eu não me importo, e você? – perguntou, passando a língua pelos próprios lábios ao encaixar seus braços no corpo do jogador, a fim de puxá-lo novamente para perto de si.
- Nem um pouco, gira. - respondeu, abrindo o sorriso que tanto amava - Mas, não tão rápido. - disse tirando uma careta da mulher, que logo sumiu ao sentir os dedos quentes do jogador, dessa vez em sua cintura e o observou puxar o tecido de sua blusa para cima, para deixá-la apenas com o top de yoga que usava com o uniforme da equipe.

Perdido em pensamentos e no corpo de , a encarou fissurado, já tinha visto aquela parte do corpo da mulher antes, mas nunca tão de perto e ao toque de seus dedos. Podia ver os anos de trabalho que ela tivera com o corpo e a encarou tão desejoso quanto ela havia feito com ele segundos antes. Ela estava ainda mais linda do que ele um dia já tinha achado e se daquela forma ele já podia sentir todo seu corpo responder ao dela, mal podia imaginar como seria quando os dois não tivessem nada os separando.

voltou a se deitar com parte de seu corpo sob a mulher e levou uma de suas mãos ao rosto dela, deslizando com carinho as costas de seus dedos na pele suave da fisioterapeuta. Era mais uma das vezes em que ele mal podia acreditar na mulher que tinha em sua cama e fazia questão de tentar guardar todos os detalhes daquele rosto. Beijou os lábios dela de forma gentil, delicada, saboreando cada sensação que eles eram capazes de trocar. E quando finalmente aprofundou o beijo, sentiu todo seu corpo corresponder a ela de uma forma que nunca tinha acontecido antes com mais ninguém.

As mãos de arranhavam delicadamente suas costas, o fazendo puxá-la ainda mais para si. Passou seus braços pelo corpo da mulher, a prendendo tão próximo de si, que todas suas curvas se moldavam a ele. Poderia ficar ali a beijando e a adorando por horas, mas pausou seus pensamentos quando ouviu o som que vinha virando sua vida do avesso. Sorriu, entre o sopro e a mordidela que tinha dado no lóbulo da mulher, se lembrando da primeira vez que o tinha ouvido. Sentira a eletricidade passar sob seu corpo e, desde então, fazia questão de explorar aquele ponto, que parecia causar o mesmo efeito em ambos.

- Se soubesses o que faz comigo quando gemes dessa forma, .
- Eu acho que posso sentir. - respondeu num sussurro, soltando uma risadinha ao mover seu corpo, de forma a pressionar o volume que sentia em sua perna, fazendo com que o jogador mordesse seu lábio inferior com certa força.

já não conseguia mais esconder como se sentia quando estava com , as sensações eram muitas e seu corpo reagia quase que automaticamente a ela, como se estivesse se tornando dependente do que ela o fazia sentir. Disposto a mostrar o quanto ela o fazia bem, decidiu reciprocar seus sentimentos.

Sem pausar os beijos que trocavam, deslizou sua mão que até então estava sob um dos seios ainda cobertos da mulher, com cuidado pelo abdômen e cintura de , antes de passarem sem pressa pelo elástico da calça que ela vestia, até encontrar o pequeno tecido, que o fez sentir seu membro latejar em desejo e frustração.

- - abriu os olhos e encontrou os dele a encarando atentamente. - Nós não temos tanto tempo assim... pra isso. Sei que é bobo, mas queria que fosse sem pressa, de preferência longe da concentração. - pediu em súplica, sentindo a mão do jogador se encaixar em sua intimidade, por cima de sua calcinha, a pressionando de leve.
- Ah gira, podes ter certeza que quando finalmente conseguir te ter por inteiro, algumas horas não serão suficiente. - voltou a beijar o pescoço da mulher. - Agora eu só quero te fazer sentir-se bem, não me disse que já usastes seus dedos pensando em mim? Agora quero que use os meus. - disse ainda sem desprender seu olhar do dela, começando a mover seus dedos sob o tecido deliciosamente úmido, de forma a fazer com que a mulher amolecesse sob seu toque - Mesmo porque, dar prazer és ainda mais gratificante do que receber e quando gemes meu nome dessa forma, já tenho tudo que preciso.


- Dá pra prestar atenção no que eu tô falando? - disse frustrada, colocando as duas mãos na cintura, o que aumentou ainda mais o sorriso no rosto do camisa 7.
- Desculpa, desculpa, desculpa. - o jogador disse, metade sincero, pois realmente queria prestar atenção na explicação da mulher sobre os resultados que encontrou em seu programa, mas por outro, não conseguia parar de pensar em como o uniforme que ela usava podia esconder curvas que o estavam fazendo perder toda a razão. Sabia que não ia aguentar muito mais sem saber como seria tê-la para si. - És a miúda mais linda que já vi na minha vida, gira.
- !! - exclamou exasperada, o fazendo gargalhar, o que a fez se dar por vencida e caminhar até o sofá do quarto do jogador, passando as duas pernas pelo corpo dele, que aproveitou a posição para colocar as mãos na sua parte favorita do corpo da fisioterapeuta.
- Vais me chamar de toda vez que ficar brava comigo, gira? - perguntou divertido, mas ela não o respondeu, apenas se ajeitou em seu colo e o beijou da mesma forma que fazia desde a primeira vez, com tudo que ela tinha.

Era incrível a mudança de personalidade quando ela se entregava a ele, tão diferente da profissional centrada e competente que via pelos corredores. A que tinha a sua frente era intensa, quente, sensual.

Há tempos que não se sentia daquela forma, desde Andy que não ficava com ninguém e ter um homem como , que mexia com ela desde o primeiro dia que se viram, era simplesmente incrível. Entre beijos e alguma direção em como gostava de ser tocada, o jogador tinha superado suas expectativas, mas agora só conseguia pensar em ter as mãos dele novamente em si e o principal, terminar o que tinham começado, mas nem por isso deixava de levar seu trabalho a sério.

- Você que é um lindo, . - disse sorrindo por entre o último beijo que deu nele, antes de se levantar novamente - Mas agora eu sou a fisioterapeuta, tá? Senão vou começar a marcar esse tipo de coisa lá na minha sala e não vamos ter mais desculpa pra ficar aqui.
- Sim, senhora! - o jogador aceitou derrotado e se levantou para pegar uma água em seu minibar, tirando uma risada de ao ver como o tinha deixado, de novo. - Ramos tem razão, és uma torturadora. - completou dando um beijo no rosto da mulher, acompanhado de um tapa de leve em sua bunda, antes de voltar a se sentar - Estou pronto. Queres que eu treine com um maratonista?
- Eu não quero nada, estou apenas sugerindo. Um profissional especializado em sprint pra ser mais específica, eu acho que vai te ajudar, olha…

Quando a fisioterapeuta bateu na porta de algumas horas depois de chegar à concentração, ambos sabiam que iriam misturar trabalho com prazer, mas o que não imaginava era que a parte prazerosa viria antes. Não que fosse um problema, mas assim como o jogador, também queria mais que tudo terminar o que tinham começado, sabia que agora era questão de apenas encontrarem um dia que pudessem ficar juntos por uma noite inteira para que toda aquela “tensão” se esvaísse de ambos.

Não demorou para que os dois voltassem ao modo profissional que os fazia se destacar em suas profissões e mostrava na tv da residência do jogador o que tinha conseguido analisar até então. Sabia como ele queria sempre estar à frente de qualquer atleta e quando viu a oportunidade de ajudá-lo em um ponto que julgava ter espaço para melhora, não hesitou em preparar uma pequena apresentação do que tinha coletado.
estava adorando poder conhecer ainda mais de seu corpo com , ela falava sua língua materna, o que o ajudava a entender ainda mais as explicações. Se não entendia algum termo médico, ela sempre encontrava uma forma de explicar de modo diferente, até que ele entendesse.

- Jantamos juntos? - o jogador perguntou quando já se despediam e assentiu. - Achas que ao invés de nos despedirmos como sempre, podes dormir aqui essa noite?
- , não acho que seja uma boa ideia, ainda mais depois de hoje… Não quero ser culpada se amanhã você jogar mal. - admitiu, recostando a cabeça nos ombros do homem.
- Prometo que é só dormir, . Eu... preciso ter um pouco mais de ti hoje, nem que seja só para estar ao seu lado. - falou apertando ainda mais o abraço nela, guardando a sensação boa que sentia sempre que a tinha em seus braços.
- Assim fica difícil dizer não.


saia do quarto de com seu notebook e alguns papéis em mãos, iria passar em seu quarto para tomar um banho rápido, quando viu Alaina no corredor.

Embora estivesse com seu uniforme e material de trabalho, agradeceu que era a assistente técnica e não um jogador ou membro da equipe que a tinha visto saindo do quarto do camisa 7. Apesar de não estarem escondendo o que tinham dos amigos, não iam escancarar para todos de uma vez, queriam se preservar e ver onde aquilo tudo ia dar, antes de assumir qualquer coisa oficialmente.

Sem saber se a mulher à sua frente queria conversar, já que não a via desde o último jogo, se aproximou com calma, tentando entender se deveria parar e falar com ela ou se o melhor era continuar andando. Alaina parecia tão incerta quanto, tanto que a primeira ação que tomou quando as duas pararam frente à frente, foi tomar de seu chá, em um claro sinal de dúvida e desconforto. Não era como se as duas não se lembrassem da pequena desavença que tiveram, quando a assistente magoou o amigo no final do ano passado.

- Espero que não esteja achando que sou uma bruxa - disse, fazendo uma careta.
- Claro que não, Lena - respondeu sincera, até rindo da imagem que a outra estava dela, e pôs uma das mãos em seu ombro, de maneira a confortá-la. - Faz o que for melhor pra você.
- Estava com o Gareth agora pouco e ele simplesmente ignorou a minha presença. - Lena exalou um suspiro exausto. - Ainda soltou uma indireta, acredita? Eu tô arrependida de ter gerado essa confusão e não quero terminar com ele, mas assim é impossível a gente conversar.
- É o jeito dele, vive tudo intensamente. É muito drama king - vocalizou o que vinha pensando sobre o amigo, já que fora impossível não rir ao imaginá-lo soltando indiretas para a namorada. - Ele realmente ficou magoado, tá achando que não é uma prioridade na sua vida como você é na dele, acho que até duvidando se você realmente gosta dele ou se tá só passando o tempo, mas eu entendo que você tem seu ponto e que não é bem assim.
- Eu tô me sentindo péssima, . Vê-lo irritado e machucado daquela forma foi horrível - disse a francesa, esboçando um sorriso triste. - Só quero que a gente fique bem, tô sentindo falta dele.
- Fica tranquila, vocês logo, logo vão fazer as pazes. Não liga pra opinião da mãe da Emma. Pelas coisas que o Gareth me contava, ela se intrometia no namoro deles, ficou até forçando a barra pra voltarem quando os dois decidiram terminar.
- Inacreditável - resmungou, balançando a cabeça de um lado para o outro. - Você sabe sobre ele ajudar elas com um salão de beleza?
- Ah, é verdade. Ele deu esse salão pra Emma quando eles namoravam e ela toca o negócio com a mãe e as irmãs. É o meio de sustento delas - explicou - Não que eu concorde com isso, mas nunca tive coragem de falar isso pra ele.
- Acho que isso me surpreendeu mais do que deveria - Lena confessou. - Eu já sabia que as famílias deles são muito próximas e que teria que lidar com o fato de Emma estar sempre por perto e isso não é um problema pra mim, mas não imaginei que o laço que ainda une eles fosse desse nível. Quer dizer, mesmo que elas trabalhem no salão, dependem dele pra se sustentar de alguma forma. E ele nunca falou nada disso comigo.
- É, isso é algo que vocês vão ter que conversar, Lena - a fisioterapeuta disse, levantando os ombros. - Acho que quando o assunto é a Emma e você, ele ainda está aprendendo a lidar.
- Vou tentar conversar com ele amanhã depois do jogo - ela falou e bebericou o chá. - Bom, não vou ficar te alugando.
- Imagina - falou, sorrindo. - Sou amiga do Gareth há mais tempo, mas te considero uma amiga também. Pode contar comigo sempre que precisar.
- Obrigada, . Digo o mesmo - Alaina respondeu, retribuindo o sorriso, e continuou em um tom divertido: - Se precisar de alguém pra te acobertar pra dormir no quarto do , você sabe onde me encontrar.
- Engraçadinha - a outra rebateu, rindo, mas por dentro estava se perguntando se a francesa tinha alguma escuta no quarto de . - Você e seu namorado se merecem.

7⃣⚽🍀

O último jogo contra o Las Palmas era o atual assunto entre , Toni, Gareth e Luka. Os quatro amigos estavam na sala da fisioterapeuta, fazendo os exercícios para o programa dela e relembravam o cartão vermelho que Bale tinha tomado dias antes, ao empurrar o adversário que tinha dito palavras não muito legais sobre sua namorada. tinha certeza que se ele e Alaina não estivessem brigados, algo do tipo jamais teria acontecido, mas não pôde deixar de parabenizar o amigo por uma atitude completamente inesperada.

- Nunca imaginei que viveria pra ver o dia que Balezinho ia tomar um vermelho por perder o controle. Quem diria que aí dentro tem toda essa fúria guardada, aproveita e usa ela na cama com a Lena.
- ! - exclamou e a mulher riu ao ver o sangue se concentrar em suas bochechas, tirando gargalhadas dos outros dois.
- Pelo menos não sou o único com um apelido ridículo. - Modrić comentou, tentando não se mover muito, já que estava no scanner corporal - Baixinho… - completou resmungando baixinho.
- Queria ter feito mais, mas não queria ser suspenso ou tomar alguma multa. - disse dando de ombros.
- Agora com os braços no lugar, assim. - se levantou, demonstrando a Toni, que estava na plataforma de força, como deveria pular. - Dez vezes.
- Trabalho escravo. - o alemão resmungou de brincadeira, fazendo o que lhe fora pedido - Achei que ao menos teríamos brownies.
- Se fizer tudo direitinho, talvez ganhe uma recompensa no final.
- Agora sou cachorro? - retrucou, jogando o boné na amiga, que o pegou rindo e colocou na cabeça.
- Isso mesmo, bom garoto.

Os três tinham ido fazer seus testes juntos, Bale estava sentado ao lado da fisioterapeuta esperando sua vez e aproveitou para observar as informações chegarem nas telas disponíveis. Cada uma mostrava uma coisa diferente, o deixando bastante curioso.

- Todas elas são só para os dois?
- Isso, nessas duas são o Toni e aqui é o Modrić, estou escaneando o corpo dele e essa mostra a composição óssea, se você apertar F7 você vai ver os músculos - a mulher disse e Gareth apertou, fazendo cara de surpreso e passou a alternar entre os dois por brincadeira.
- E se eu apertar o F8? - disse já com o dedo em cima do botão.
- Esse é o meu favorito, se você apertar vai ver ele pelado. - falou e já começou a rir do desespero na cara de Bale ao olhar rapidamente pro lado oposto ao da tela, já que tinha apertado o botão antes mesmo dela terminar a frase.
- O quê?! - O croata e o alemão perguntaram assustados, fazendo a mulher rir ainda mais alto.
- Você se acha muito engraçadinha, não? - Gareth perguntou abaixando ainda mais a aba do boné que agora usava.
- Acho, eu lá tenho cara que quero ver vocês pelados?
- Se me visse garanto que ia ficar apaixonada, mas não adianta, sou casado e pertenço a só uma mulher. Vai ter que continuar a me ver em seus sonhos, .
- Pesadelos você quis dizer, né? - a fisioterapeuta respondeu fazendo uma careta com a língua para Kroos.
- Eu também já posso fazer todos? - Gareth perguntou, quando os outros dois voltaram a se concentrar no que precisavam fazer.
- Sim, não vejo por que não. Eles são simples, talvez a terceira ou quarta fase eu deixe pra depois, mas pensamos nisso mais pra frente, preciso terminar esse primeiro.

Gareth assentiu e os dois passaram a observar as informações sendo registradas simultaneamente.

- E você e o ?
- Ah, é começo, então está tudo indo bem, muito bem. Aquela fase de descobertas, mas… Eu nunca namorei alguém que tivesse filho antes, não sei como agir, nem como tocar no assunto. Fora que entre o Junior e os milhões de negócios fora do futebol, é bem raro termos momentos longos juntos.
- Mas vocês estão sempre juntos pelos cantos.
- Aqui no clube é fácil porque quando ele não está treinando, dá pra escapar aqui e ali, mas fora daqui é quase uma operação militar nos encontrarmos, tanto que ainda nem fizemos nada a mais, sabe?
- Como não, ? Outro dia você disse que tava indo no quarto dele e voltou horas depois.
- Ah, pra essas coisas, com um corpo daquele, eu preciso de muito mais que uma, duas horas. Uma noite toda não seria nada mal.
- Você imagina seus irmãos fazendo sexo?
- Eca! Claro que não, que nojo, Bale.
- Então vamos combinar que esse tipo de conversa você tenha com Lena, a Vanja, qualquer pessoas, até o Toni se você quiser, menos eu.
- Do que estamos falando? - os outros dois se aproximaram rindo do que Gareth havia dito.
- Da minha vida sexual - respondeu, vendo os outros dois pararem confusos e um pouco tímidos, a fazendo rir. - É que eu tô saindo com alguém, o Gareth perguntou dele e eu só respondi que não vejo a hora de, vocês sabem… - falou esperando a reação dos dois passarem de confusos para chocados, mas ela sequer imaginava que quem ia ficar chocada era ela.
- Então você e o finalmente se beijaram? - Kroos a encarou debochado, com um sorrisinho metido de lado.
- Co… Como… - tentou perguntar, extremamente surpresa e confusa.
- Esse som é você tentando me perguntar como eu sei? - apenas balançou a cabeça para cima e para baixo, assentindo ainda em choque.
- Você também sabia? - Bale perguntou para Luka, que tinha o rosto tão ou mais surpreso quanto ela e negou.
- Quem você acha que armou pra vocês? - Toni abriu ainda mais o sorriso vencedor.
- … Eu estou sem palavras. Como assim, Toni?!
- Até que demorou. - o amigo deu de ombros, se aproximando dela - Desde a primeira vez que ele te viu ficou interessado, isso foi ano passado ainda. Lembra quando tirei umas fotos suas e falei que ia mandar pro grupo? Era pra ele. Por que você acha que ele apareceu lá no ano novo? Pra ver essa minha cútis impecável que não era.
- Nossa, eu fui tão lerda assim? - se virou para Gareth, que apesar de também estar admirado, dava uma de suas risadinhas fofas.
- A achava que ele era gay. - disse aos amigos, aproveitando para pelo menos uma vez na vida se vingar dela a altura.
- Bale!!! - a fisioterapeuta deu um tapa no amigo e recebeu uma língua de fora em resposta.
- Mas ele tinha uma namorada! Ele terminou com ela pra tentar algo com você. - Kroos explicou como se fosse óbvio, vendo o rosto da fisioterapeuta cair.
- Quê?! Namorada?! Que namorada?
- Pra quem é inteligente pra caramba, tá bem lerdinha, hein? – o alemão a cutucou.
- Eu... não sabia de nada disso.
- Tava tão presa no fato dele ser gay, que acabou perdendo todo o resto. – Gareth opinou.
- Por isso que tava demorando tanto. - Toni comentou, como se encontrasse a resposta para alguma divagação interna. - Eu comecei fazendo isso de brincadeira, mas vendo vocês dois juntos, achei que podia dar alguma coisa, pelo visto deu certo.
Os três discutiram um pouco mais sobre toda a confusão já desfeita e percebeu que Luka parecia em outro mundo. Geralmente ele era bem falante quando o assunto era sua vida amorosa. Quando a mulher finalmente os liberou, o croata voltou a se aproximar:

- , eu entendo onde o Toni quer chegar, mas o … Eu não sei não, gosto dele como jogador, colega de time, mas ele te trata bem? - perguntou sério, fazendo sorrir, amava o jeito cuidadoso do croata com ela.
- Ah, o que eu faço com você, baixinho? - abraçou o jogador comovida. - Nós estamos nos conhecendo ainda, faz só um mês, mas eu não vou apressar nada. Minha prioridade sempre foi e será meu emprego, claro que não vou começar nada se não acho que tem algum futuro, mas até então tem valido a pena sim.
- Se ele te machucar - Modrić olhou pra Toni - Eu mato esse alemão.
- Eu?! Eu acho que vou ser o padrinho dos filhos de vocês, todos os sete. - Kroos deu de ombros, ignorando os olhares assustados dos outros a menção de sete filhos. - Melhor só um, né? Senão vai dar muito gasto de presente anual. O primeiro tá bom e se quiser chamá-lo de Toni, a criança vai ser bem sortuda...
- Vai sonhando que eu vou ter sete filhos... - encarava os amigos assustada. - Eu prometo que até então ele tem sido um homem incrível, respeitador e um verdadeiro cavalheiro. Vocês sabem que eu nunca ficaria com alguém que eu não achasse que valesse a pena.
- Você sabe que pode me falar qualquer coisa, né? Sempre.
- Claro que sei, Luka, eu só mantive isso em segredo porque ainda estou vendo onde vai, mas a Jess e a Vanja já sabem. O Gareth também porque moro com ele. É sério, eu tô muito feliz. - abraçou o croata novamente e encarou Toni. - Nunca imaginei que diria isso, mas obrigada por seja lá o que você tenha feito.
- Ah eu também quero um abraço. - Kroos abraçou os dois exagerado, fazendo rir.
- Ótimo, só eu estou de fora desse abraço coletivo. - Gareth resmungou todo dramático, fazendo os três rirem e se juntarem a ele, que ficou vermelho de tanto que o apertaram.

7⃣⚽🍀

tinha acabado de sair da Crunch Fitness, seu mais novo empreendimento, uma academia no centro comercial de Alcalá Norte, próximo ao aeroporto de Barajas. Era a primeira das duas unidades que pretendia abrir em 2017 e aquela em particular, seria inaugurada em apenas alguns dias. Tinha ido junto com os arquitetos e seus empresários dar o ok final em um projeto que tinha feito parte desde o início. Sempre fazia questão de estar a par de todos seus negócios do início ao fim.
Era difícil para ele às vezes se dar conta de tudo que tinha conquistado, quando olhava pra trás e via um menino sozinho e assustado em um dormitório no Sporting, para onde agora estava, no topo do mundo.

M12:, tá fazendo o quê?

7: Tô com o Paixão e o Rique, saindo da Crunch Fitness.

M12: Chega aqui em casa então, vamos fazer Pescada à Gomes de Sá. Clarice falou pra te chamar.


O plano do jogador era sair da reunião e ir para algum restaurante conversar com seus dois amigos e empresários sobre os planos para a inauguração. Já tinha acertado dele fazer uma aparição e uma aula demonstrativa para a mídia, mas também queria ficar ciente do que mais seria feito em termos de marketing para atrair clientes. Saindo dali iria para casa esperar seu filho chegar da escola para passarem a tarde juntos, conforme prometera ao menino quando saiu de casa logo pela manhã.

Queria muito apresentá-lo à , mas os dois ainda não tinham conversado sobre o assunto desde o dia que se beijaram. Sabia que ela gostava de crianças pelas conversas que tiveram sobre como ela tinha praticamente criado os irmãos e ele agora também sabia em primeira mão o quanto ela era importante para os trigêmeos, mas Júnior era a pessoa mais importante em sua vida e precisava ter muitas certezas, não apenas que ela faria espaço em sua vida para seu filho, como também entender em que momento ele saberia com certeza que o que tinham seria duradouro o suficiente para não iludir o menino com mais uma pessoa que ele se apegaria e um dia iria embora.

Como pai, seu dever era amá-lo e protegê-lo e por mais que tivesse todos aqueles sentimentos por , que às vezes nem ele conseguia fazer sentido de tão forte que eram, de nada adiantaria se as coisas não dessem certo entre ela e seu filho.

Embora Júnior ainda fosse pequeno, seu namoro com Irina fora duradouro o suficiente para que soubesse que apesar do carinho que a modelo tinha com o filho, ela não o amaria como se ele fosse dela e sabia que o filho merecia um amor muito maior que ela poderia dar. Com Georgina tinha ficado pouco tempo para saber como teria sido, o filho a tinha conhecido e os dois pareceram se entender, mas com , ainda estava ele mesmo conhecendo todos os lados da mulher antes de terem a tal conversa, a que ele vinha acompanhado da melhor parte de si e que se ela o quisesse, teria também que querer seu filho.

- Fala, papai. Tá bonitão, hein?! - Marcelo atendeu a porta zombeteiro, tirando um sorriso presunçoso do amigo.
- Por que estás tão animado?
- Nada não, chega aí, a Clari tá na cozinha. Eu tô olhando o Liam na piscina. Com esse tempo que tá fazendo não teve nem como falar não pra ele, o Enzo vai provavelmente chegar da escola e pular direto.

A temperatura em Madrid tinha aumentado consideravelmente nos últimos dias, dando a seus moradores a chance de guardarem os casacos que vinham usando durante todo o inverno e aproveitarem o sol da melhor maneira.

- vai querer também que já sei. - comentou e parou para afagar a cabeça de um dos muitos cachorros que o amigo tinha.

Marcelo continuou a andar e ele logo o seguiu para a parte externa da casa. O brasileiro o olhava ansioso, com um sorriso bastante suspeito, fazendo com que o encarasse com o cenho franzido.

- Cadê o Lili? - perguntou, dando mais alguns passos para que conseguisse ver a piscina por completo e foi impossível esconder a cara de surpresa.

estava na piscina brincando com o menino e tinha um sorriso tão bonito no rosto, que automaticamente imitou o gesto, sem nem perceber. O misto de sensações que tinha toda vez que a via se fez presente, ainda mais forte do que antes, mas, ao contrário do que esperava, não se surpreendeu ou se assustou, na verdade riu de si mesmo por sequer cogitar que aquilo poderia ser um problema.

Sabia que o que tinham estava bem no começo e que devia ir com calma e deixar que a relação amadurecesse normalmente, mas por conta de sua situação, também precisava pensar no futuro e ver brincando com Liam só não era mais certo, porque não era com seu filho.

A fisioterapeuta jogou Liam na água mais uma vez, se deliciando com a gargalhada que ele dava, tinham poucas coisas no mundo mais gostosas do que o som de uma criança se divertindo. Sentia falta da época que seus irmãos eram apenas bebês e qualquer brincadeira os faziam rir daquela forma. Agora que estava em Madrid, matava a saudade dessa fase com os filhos de Luka, Toni, Isco, Sergio e agora Marcelo.

Desde o aniversário de Lena que tinha mantido contato com Clarice, esposa de Marcelo. parecia se dar bem com todas as mulheres que tinha conhecido, mas por conta da nacionalidade foi mais fácil a aproximação entre as duas. Não demorou para que a outra descobrisse da paixão e habilidade da fisioterapeuta com a yoga e sempre que tinha uma folga do clube ou de suas atividades pessoais, combinava de praticar e ensinar Clarice sobre uma de suas maiores paixões.

Tinha chegado cedo, quando Enzo saia para a escola e Liam ainda dormia. Quando terminaram a prática se deparou com o dia lindo e quente que se abria e foi impossível negar a oferta de Clarice de lhe emprestar um biquíni para que ela pudesse tomar sol e aproveitar da piscina do lateral brasileiro.

Marcelo se aproximou chamando o filho e para que saíssem da água por um minuto e depois de ter certeza que Liam estava seguro, subiu os pequenos degraus da piscina, sem se dar conta que estava sendo lentamente despida com os olhos.

vestia um biquíni cortininha preto, deixando quase todo seu corpo a mostra e a cada degrau que subia, deixava ainda mais sem fala. Os sentimentos de amor que passavam por sua cabeça, rapidamente deram lugar a outros que ele tentava há dias suprimir. Se antes já não sabia se tinha como achá-la mais atraente, aquela visão o fazia ter ainda mais consciência do tanto que a desejava, do tanto que precisava tê-la por inteiro.

Assim que tirou o excesso de água dos cabelos, a mulher se virou em direção a área coberta, onde estavam as toalhas e parou em seus calcanhares ao se dar conta de quem estava ali. Completamente surpresa e tímida com a situação inesperada, se aproximou com calma, sem saber o que fazer, tentava encontrar respostas no olhar do jogador, mas eles estavam fixos em seu corpo. Se estivessem entre quatro paredes, saberia exatamente como agir, mas com plateia, só conseguia pensar em se jogar de volta na água. Não que o jogador já não a tivesse visto com roupas curtas de academia ou de pijama, mas aquele tanto de pele era a primeira vez e ela estava em total desvantagem.

Encarou Marcelo, que parecia achar tudo aquilo muito divertido, a fazendo suspeitar se aquele encontro era assim tão inesperado para ele também.

- Oi, - disse quando estava próxima o suficiente de ser ouvida - Não sabia que você vinha aqui hoje. - soltou o que vinha pensando desde que seus olhos caíram sobre ele.
- Nem eu. - respondeu sincero, agora ele também se perguntava o que iria acontecer ali.

Ouviu Marcelo fazer um barulho com a garganta e jogar nele uma toalha para que entregasse a mulher. Quando se aproximou e fez menção de segura-lá, hesitou por um segundo, subindo seu olhar pelo corpo dela, da mesma forma que tinha feito em seu aniversário, mas ao final, deu uma piscadinha para tentar descontrair da situação em que se encontravam.

encarou com a toalha aberta, pronta para que ela se enrolasse, e depois Marcelo, que parecia estar vendo o último episódio de uma novela, de tão vidrado que estava.
Com a certeza que precisava e, disposta a fazer o feitiço virar contra o feiticeiro, se virou para que pudesse colocar a toalha em suas costas.

- Obrigada. – agradeceu, se virando novamente para o jogador, que estava pronto para agir formalmente, quando se colocou nas pontas dos pés, abrindo a toalha para abraçá-lo e dar um beijo rápido em sua boca. E, mesmo com ela toda molhada, não se importou, na verdade, adorou a atitude e passou seus braços pelo corpo quase nu da mulher, correspondendo ao beijo que tanto sentira falta.
- Caraca, maluco. - Marcelo falou alto, fazendo ambos rirem sobre o beijo e, ainda abraçados, o encararem.
- Eu poderia te matar. - rebateu, fazendo Marcelo cair na gargalhada.
- Vocês estão juntos?! - perguntou, ainda com os olhos arregalados. - Aí, quis surpreender e acabei surpreendido. Ô Lili, vai chamar a mamãe. - pediu pro menino, o vendo correr em direção a cozinha.
- Qual era sua intenção com isso? - questionou, se soltando do abraço de , não queria deixá-lo mais molhado do que já estava.
- Pô, eu sabia que o tava na sua, só queria dar uma força aí. - se virou para , que tinha um sorriso um tanto quanto tímido no rosto, o que ela achou adorável, eram poucas as vezes que tinha visto ele daquela forma. - Ajudar meu amigo, sabe como é.
- Ai Marcelo, o que faço contigo. - riu do amigo, puxando para si e dando um beijo na cabeça dela. - Demorou, mas consegui conquistar minha chance.
- Vocês ficam tão lindos juntos. - Clarice apareceu e abriu um sorriso carinhoso, sua marca registrada, dando um beijo e um abraço rápido no jogador. - Tudo bem, ?
- Não é possível, só eu não sabia? - o lateral resmungou, abraçando a esposa, que estava de olho em Liam brincando com os buldogues do casal.
- A me contou hoje de manhã, amor, ia te contar mais tarde, mas você também, nem me avisou que ia chamar o .
- Armei uma bagunça e me lasquei. - falou de seu jeito divertido, gerando uma gargalhada geral.
- É que nem a gente conversou sobre isso ainda. - explicou, encarando mais uma vez o homem ao seu lado - Estou tentando ir com calma, vocês sabem como o chama atenção em tudo o que faz…

Depois da confusão desfeita, Marcelo e Clarice voltaram para a cozinha e puxou para próximo dele de novo.

- Eu tô toda molhada!
- Não acho que és o momento para dizer frases de duplo sentido, gira. - o jogador disse, dando um beijo muito mais casto que gostaria na mulher. - Não sei se interessante és suficiente pra descrever teu corpo, és muito gira e… muito gostosa. - disse mais baixinho no ouvido dela, fazendo se arrepiar.
- Obrigada, não sei se eu falar o mesmo surge algum efeito, porque não deve ter uma pessoa no mundo que não te ache um gostoso. - disse rindo, o abraçando ainda mais forte.
- No momento só a ti me importa a opinião, . Quero fazer-te um convite. - a encarou decidido.
- Qual?
- Depois de hoje, percebi que não quero e também não sei se consigo ficar mais longe de ti. Quando voltarmos de Nápoles, teremos dois dias de folga. Passa eles comigo?
- Mas e seu filho?
- Ele está a ficar na minha mãe esses dias, está muito corrido e passo lá depois dos treinos pra fica um pouco com ele. Tinha alguns compromissos agendados de qualquer forma, mas agora vou cancelar a todos pra termos um tempo só nosso.
-Tem certeza? Sabe que...
- Tenho, és minha prioridade, , e quero passar meus dias de folga ao teu lado. Tenho muitos planos para nós. - falou, grudando mais uma vez seus lábios aos da mulher. - Achas que podes usar esse biquíni de novo, só pra mim dessa vez?
- Esse é da Clarice, mas prometo que tenho outros melhores e... menores.
- Me vuelve loco, .

7⃣⚽🍀

O começo de março tinha sido bastante cheio para o Real Madrid, eram três jogos seguidos, com apenas dois dias para descanso, treino e recuperação entre eles. e mal se viam durante o dia, tirando a manhã que acabaram se encontrando na casa de Marcelo.
Durante a viagem a Nápoles, ficaram o máximo de tempo juntos, mas tinham concordado que com o pouco tempo de preparo que o time tinha de um jogo para outro, era importante que obedecessem as regras de uma concentração. Se não trabalhassem juntos, ela não o veria de qualquer forma e queriam acima de tudo terminar aquela jornada cansativa com sucesso.

Quando voltaram para Madrid, na manhã após a vitória de 3x1 contra o time italiano, pegou uma carona com até a casa de Gareth, que viajaria com Alaina para Marbella, num presente tardio de aniversário e pegou a pequena mala que tinha preparado para passar os próximos dias na casa do jogador. De qualquer forma, se esquecesse algo, não era como se estivesse assim tão longe de casa para ir buscar.

Enquanto foi fazer seus treinos e tratamento de recuperação na academia e piscina que tinha em casa, a fisioterapeuta aproveitou para fazer yoga, estava precisando de um tempo só para si, seu corpo e sua mente, depois de mais de dez dias sem descanso. Permitiu que sua mente se livrasse de todos os pensamentos e focou apenas no que sentia quando estava em seu tapete: a paz, a meditação e a leveza que tomava conta de seu corpo, relaxando todos os seus músculos que pediam por cuidado.

saiu da piscina e foi direto para seu quarto tomar banho. Seu corpo doía de todo o esforço que tinha feito e o descanso que teria nos próximos dias seria mais que bem vindo. Das enormes janelas de seu quarto, que davam para o jardim de sua casa, viu praticando yoga e sorriu, ela estava finalmente ali, sem hora para ir embora. A teria só para si por dois dias inteiros e poderiam aproveitar um ao outro como raramente conseguiam. Adorava observá-la quando ela praticava seus exercícios, todas as poses que ela fazia, pareciam transformar seu corpo em uma obra de arte.

- Que saudade que eu estava de morar em um lugar que tem um verão decente! Na Suíça é muito difícil passar de 25 graus.

A mulher tinha os braços abertos, saudando o sol que tinha resolvido aparecer mais uma vez naquela semana, forte o suficiente para que ela pudesse ficar de biquíni novamente. Após sua prática, apareceu no quarto do jogador que saía do banho, a fazendo se perder em pensamentos ao encontrá-lo enrolado em uma toalha. Tirou uma gargalhada alta do homem ao morder os próprios lábios e olhar para cima murmurando um "Obrigada, Deus" e a viu entrar no banheiro para também tomar um banho.

estava deitado na espreguiçadeira que tinha na área externa de seu quarto tomando sol apenas de cueca, enquanto admirava a mulher à sua frente. Nem ele acreditava em como era sortudo, era uma visão e tanto. Sabia que se ela se virasse naquele instante, veria o quanto ele estava na dela, mas não se importava, na verdade queria que ela soubesse tudo que sentia quando estava ao seu lado.

O jogador não se lembrava de ter demorado tanto para ficar com alguém antes, mas tinha sido positivamente surpreendido com todo o mal entendido e "demora". Pôde se aproximar de primeiro como amigo, para depois evoluir para onde estavam naquele momento. Tinha sido importante para ele a conhecer como profissional, amiga e mulher antes de terem qualquer coisa, pareceu maturar seus sentimentos e quando finalmente a beijou, teve a certeza que toda aquela espera tinha valido a pena.

Desde que terminara com Georgina, tinha intensificado sua agenda fora do futebol, mas agora que tinha alguém tão especial em sua vida, já tinha conversado com seu agente e empresários, pedindo por mais tempo livre para dar a atenção que sua nova relação merecia. Se até então ele tinha conseguido lidar com sua carreira, família, negócios e amigos, poderia também encaixar em seus planos uma namorada. Ao menos era o que esperava que a mulher à sua frente se tornasse quando ambos estivessem prontos.

- Por que você tem que ser tão gostoso? - questionou do nada, o tirando de seus pensamentos.

Quem podia julgá-la com aquele homem tão lindo à sua frente? a tinha conquistado com todo o cavalheirismo e cuidado que tinha com ela, mas o achava tão lindo por dentro, quanto por fora.

O jogador abriu um sorriso de lado e estendeu o braço para que ela se aproximasse dele, a puxando para que pudesse lhe dar um beijo. Mas, ao invés de sair de perto do jogador, a mulher apenas se endireitou, observando mais uma vez a vista do local e sentindo os raios de sol aquecerem sua pele.

- Não sei qual resposta queres, gira, mas não penso diferente, não quando tenho essa vista também. - respondeu, deslizando a mão pela parte de trás da perna da mulher, num carinho sutil, sem intenções. - Não sabes como essa parte de teu corpo me agrada.
- Minha bunda?! - soltou, direta, e se virou de lado para dar uma visão mais privilegiada ao jogador, que encarou aquela parte de seu corpo com luxúria, subindo a mão até o local, acariciando de leve. - Com certeza uma herança do meu gene brasileiro. - respondeu brincando, antes de, ainda sem tirar os olhos do jogador, desfazer o laço de seu biquíni. - Você acha que minha marca de sol aumentou? - perguntou provocativa, fingindo inocência ao observar as reações do camisa 7.

Com ele ainda absorto em sua marca de biquíni, voltou a refazer o laço de qualquer forma, vendo-o a encarar fingindo-se bravo.
Dando uma risadinha, passou uma perna pela espreguiçadeira onde ele estava parcialmente deitado, sentando em seu colo e, como sempre fazia, se ajeitou sensualmente, com o único intuito de instigá-lo e torturá-lo ainda mais.

- Estas marquinhas são muito sexy, gira - respondeu ao enganchar o dedo na tira da parte de cima do biquíni, apenas o suficiente para que visse a marca do bronzeado. Agora que finalmente tinha tempo suficiente com ela, não tinha pressa alguma, muito pelo contrário, tomaria todo o tempo do mundo.

já não tinha mais o olhar brincalhão de segundos atrás, ver a forma que o jogador a olhava com desejo e tesão, a fez se arrepiar. Sentiu todas as partes de seu corpo acordarem com o simples toque do dedo de em sua pele, que para provocá-la, manteve-o por dentro da peça, roçando de leve em seu mamilo, a tocando como uma pena caindo sobre seu corpo, eficaz o suficiente para fazê-la arfar. Contente com a reação, fez o contorno dos seios da mulher com calma, raspando a unha de leve na parte exposta daquela parte do corpo da fisioterapeuta.

Levou seus braços em torno do corpo da mulher, a trazendo para ainda mais perto de si, para que pudesse tomar um dos seios ainda escondidos pelo tecido em sua boca. Mordeu a peça, raspando o dente na parte que despontava sob o tecido, implorando para que sua língua o encontrasse. apoiou um dos braços nas costas da espreguiçadeira e levou sua outra mão para os cabelos do jogador, o convidando para que ele a tocasse naquela parte tão sensível de seu corpo sem nada os separando.

A língua quente do jogador a estava levando a loucura, já não podia controlar suas próprias reações e em como seu corpo reagia ao toque dele. Era impossível não começar a se mover de forma lenta e sensual no colo de , friccionando ainda mais sua intimidade a dele.

Não demorou para que os beijos fossem distribuídos por todo o seu colo, subindo até que a boca do jogador encontrasse a sua e os dois pudessem matar a saudade de sentir um ao outro. dificilmente se cansaria um dia de beijar a mulher, o envolvia com seu beijo, corpo e cheiro. A forma que ela rebolava numa dança sexy sobre seu membro, o instigando a cada segundo, o deixava ainda mais louco. Estar vestindo tão pouco, a céu aberto, aumentava ainda mais o clima que os envolvia pouco a pouco.

Sem separar o beijo, uma de suas mãos desceu pelas costas de , parando no pequeno laço do biquíni estampado que ela usava. Sem pressa, o desfez, levando suas mãos aos seios ainda cobertos da mulher, levando a peça consigo, até sentir o toque de seus dedos nela. arfou ao sentir as mãos de preencherem seus seios com firmeza, e foi impossível não gemer, da forma que ele tanto amava, ao senti-lo tocar o bico de seu seio, o deixando ainda mais enrijecido.

Nem ele sabia o porquê daquele som ter o efeito que tinha nele, mas ouvi-lo era como ligar algo instintivo dentro dele, animal. Mordeu o lábio inferior de , tombando seu corpo para que pudesse dar atenção àquela parte do corpo dela, circundando com a língua seus mamilos, um por um, os chupando até sentir enfraquecer em seu abraço.

- São bastante sensíveis, gira, uma delícia. - murmurou entredentes, ainda de olhos fechados, se perdendo em luxúria e naquele corpo que tanto precisava clamar.
- Muito. - foi a única coisa que conseguiu responder num sussurro desconexo, jogando a cabeça para trás, oferecendo ainda mais seus seios para o jogador, implorando por mais, muito mais.

Muito mais era o que o jogador também queria e precisava da mulher, por isso trouxe as pernas dela de forma a se entrelaçarem em sua cintura e se levantou com cuidado para não derrubá-la, sem quebrar o contato de sua boca com o corpo de . Não importava onde, ele só sabia que precisava continuar a tocando, beijando e conhecendo cada cantinho daquele paraíso que era o corpo de .

Enquanto caminhava para seu quarto, que tinha a enorme porta de vidro aberta, soltou os laços da parte de baixo do biquini da mulher, puxando e o jogando para bem longe. era linda demais para ficar tão coberta quando próxima dele.

sentiu o toque do algodão em seu corpo e do macio do colchão, quando a deitou com cuidado em sua cama e se colocou por cima dela. Aos poucos o jogador foi descendo seu olhar, mãos e beijos, parando mais uma vez em seus seios, antes de descer ainda mais.
Sem querer perder um só detalhe daquela cena, a fisioterapeuta se apoiou em seus cotovelos, mordendo o próprio lábio de tanto tesão que estava. parecia saber misturar suavidade com força em cada toque, o que só fazia com que sua ansiedade para que ele chegasse ao destino final aumentasse ainda mais.

deixou uma trilha molhada do umbigo até a intimidade da mulher, dando um beijo em seu ponto mais sensível, antes de se levantar e a encarar completamente embriagado em seu corpo.

- Vira pra mim, gira. - pediu sério, dominante, excitando ainda mais , que adorava quando ele assumia aquela postura.

Sem hesitar ou sequer tirar os olhos dos dele, se virou com calma, ficando da forma que ele havia pedido, empinando sua bunda de forma a provocá-lo ainda mais. Dois podiam jogar aquele jogo.
Aumentando a expectativa de ambos, caminhou calmamente até sua cômoda, ligando a caixa de som e a playlist feita especialmente para a mulher que tinha em sua cama.

- Eu não tenho palavras pra descrever tudo que sinto quando estou ao teu lado, . - ofegou ao sentir as mãos do jogador deslizar por seus pés, subindo delicadamente até sua panturrilha. - Essa canção é de um cantor português, não deves conhecer, mas desde que te conheci, toda vez que a escuto penso em ti. - o primeiro calafrio percorreu seu corpo quando sentiu o beijo que ele deixou na dobra interna de seu joelho. - Desde o começo soube que eras diferente, mas agora que estás aqui, assim, ainda mais linda do que achei ser possível... - o toque dos dedos de estavam em seu posterior de coxa, sentia os desenhos que suas mãos quentes faziam em seu corpo, sua respiração abafada bater contra a sua pele. Estava assumidamente pronta para ele e não tinha a menor vergonha que seu corpo demonstrasse aquilo. - Quero apenas que feches os olhos e ouças e sintas o que estás a fazer comigo. - fechou os olhos quando as mãos firmes do jogador apalparam sua bunda com força. - És tão... interessante, tão linda, tão... gostosa. - a respiração de aumentou ao sentir aquelas palavras sendo ditas entre suas pernas - Suas curvas sempre me enlouqueceram, mas essa em especial, és minha parte favorita em ti e eu quero te tocar aqui e te adorar até que eu não aguente mais me segurar. E então, gira, eu vou te ter.

O que veio a seguir fez cravar as unhas na cama, sentir seu coração acelerar e a impossibilitar de manter seus pensamentos coesos. Sentiu a língua do jogador encontrar sua intimidade, a fazendo ter certeza que jamais seria tocada daquela forma por mais ninguém.

nunca mais se esqueceria daquele dia, do dia em que descobriu que tinha nascido para ser seu. Só seu.

7⃣⚽🍀

-

o chamou depois de um longo tempo em que ambos precisaram de silêncio para compreender o que tinha acontecido naquela cama. Nem , nem tinham sentido algo parecido antes e se viram assustados, como era possível sexo como o que tiveram?

- Fala, gira. - o jogador a encarou, a puxando para perto de si. Não sabia se estava pronto para não ter seu corpo junto ao dela tão cedo.
- Eu posso te fazer uma pergunta?
- Podes o que quiser comigo, , sempre. - selou seus lábios aos da mulher, não conseguia conter o mais novo sentimento que começou a nutrir por ela.
- Você tinha uma namoradA quando nos conhecemos? - encarou o jogador, que franziu o cenho.
- Depois de tudo que fizemos, esse és o primeiro assunto em tua mente?
- Não. - sorriu, dando um beijo no ombro do jogador - Mas o Toni veio me dizer que você tinha uma namorada e que terminou com ela por minha causa?
- Ele está certo. Não queria magoá-la, mas acima de tudo, não queria estragar nada do que pudéssemos vir a ter, começando de forma errada.
- Eu a conheci?

pegou seu celular na cômoda, procurando uma foto sua com a morena e a mostrou a , que franziu o cenho.

- Mas essa é sua irmã! - a mulher exclamou, tomando o aparelho da mão do jogador.
- Eu acho que saberia se estivesse a namorar minha irmã, gira.

não conseguia mais conter o sorriso que tentava segurar, aquela era a , a sua , tantas mulheres em apenas uma e todas elas estavam ali, com ele.
saiu de seu abraço, se sentando na cama e o encarou ainda confusa, sem o menor embaraço por estar nua à sua frente.
- Eu já tinha visto ela antes, no jogo que fui e você me deu a camiseta. Eu achei que ela fosse sua irmã, vocês tem o cabelo da mesma cor. - disse rindo de si mesma. - Nossa, eu fui muito lerda mesmo, você nem tentou esconder ela de mim nem nada e eu achando que você era gay.
- Espero que depois de hoje não tenha mais dúvidas.
- Não tenho. - riu das palavras do jogador, devolvendo o celular para ele e aproveitou para se sentar no colo dele novamente.
- Gostas de sentar em meu colo. - afirmou, segurando na cintura da mulher.
- Eu gosto de olhar pra você, . - levou as mãos ao rosto do jogador, acariciando de leve o maxilar dele. - Gosto de ter meu corpo no seu, de ficar no seu abraço. Gosto como me sinto quando estou assim, com você.

a puxou para si, abraçando a mulher que se aninhou em seu ombro. Ela gostava de se sentir protegida, ele gostava de protegê-la.

- Eu também tenho uma pergunta. - falou sabendo que tinha atenção de - Eu notei que tens uma tatuagem pequena aqui. - tocou a costela esquerda, próximo ao seio.
- Tenho. - a mulher riu, já tinha se esquecido dela. se distanciou relutante do abraço e se virou desajeitada para que ele visse o desenho de perto - É o símbolo do infinito. Eu nunca teria feito, mas era algo meu e do meu pai. Quando ele morreu eu precisava de alguma coisa e na Tailândia eles tem esse método feito com bambu, não as máquinas normais que vemos por aí e decidi que queria uma, mas não sabia o que, foi então que me decidi por ele. Por isso que eu amei essa pulseira que você me deu, significa muito pra mim. - respondeu observando a jóia que tinha ganho de dia dos namorados.
- Faz sentido agora.
- O quê? - o encarou confusa e o jogador pareceu pensar por um segundo.
- Que tenhas gostado tanto da prenda. - disfarçou, a trazendo mais uma vez para si.
- Eu posso ouvir a minha música de novo? Sabe como é, eu estava ocupada aquela hora pra prestar atenção em tudo que ela diz.

pegou seu celular para colocar a playlist para tocar novamente e fechou os olhos, deixando que o carinho que fazia nas costas nua da mulher e a melodia que saía da caixa de som traduzisse a sua mais nova e melhor história de amor.

- De novo? - perguntou num sussurro, sentindo seu corpo começar a corresponder aos beijos e mordidas que começou a distribuir ao som da música, em seu ombro e pescoço.

A apertou ainda mais forte quando ela começou a sua dança favorita, a que ela fazia só para ele.

- De novo.

Continue a ler o restante dessa cena (+18) em: Um 7 Interessante.



Capítulo 10 - Parte 1

estava acordado há algum tempo ouvindo a respiração de soar tranquila, tinha sua cabeça apoiada em um braço e encarava o teto pensativo. Nem se tentasse conseguiria esquecer o gosto, o beijo e o toque da mulher ao seu lado, muito menos o dia e a noite que tiveram. O cheiro dela parecia estar impregnado em seu corpo e roupa de cama, o que o manteve acordado na noite anterior e também o tinha feito acordar mais cedo do que seu normal naquela manhã.

Virou a cabeça para o lado mais uma vez e sorriu, estava de costas para ele, dormindo em paz. Estavam os dois cansados depois da noite que tiveram. Desde as primeiras vezes que a vira, tinha certas expectativas de como seria tê-la, mas foi no primeiro beijo, onde descobriu um lado dela que nunca imaginou existir, que as expectativas aumentaram ainda mais. Mas elas sequer chegaram perto da realidade que tinha vivenciado nas últimas 36 horas.

tinha pedido que ele a levasse a prorrogação, mas ele sequer imaginou que ela o levaria muito além dos pênaltis. A mulher era puro fogo e ele estava adorando se queimar.
Sem mais se aguentar em tê-la tão perto, mas não perto o suficiente, o jogador levantou o lençol, se aproximando devagar.

- Bom dia, gira. - sorriu preguiçosa ao sentir os beijos que eram depositados por toda suas costas junto ao toque das mãos de deslizando sob sua pele.
- Bom dia, . - respondeu, se virando para dar de cara com o sorriso no rosto do jogador. Era um sorriso novo, um que ela viu pela primeira vez no dia anterior, quando eles finalmente transaram pela primeira, segunda e terceira vez. Até na cama ele gostava de fazer hat trick, pensou ela, rindo de si mesma.
- Dormistes bem? - perguntou sem tirar os olhos dos dela, levando uma de suas mãos ao rosto da mulher.
- Muito. - sentia seu corpo deliciosamente dolorido. Juntou seus lábios aos do jogador, sorrindo por entre o beijo que trocaram. - Você já vai levantar? - perguntou ao ver a hora. Assim como ela, o homem sempre levantava no mesmo horário todos os dias.
- Sim, vens comigo ou queres ficar um pouco mais na cama? - tinha todo seu corpo sob o da mulher e sabia que se não levantasse em breve, não sairia dali tão cedo.
- Os dois, vou ficar aqui mais um pouquinho e te encontro lá daqui a pouco. - falou, se referindo a academia do jogador, o vendo concordar.
- Vais fazer yoga? - perguntou curioso e se animou ao ver a resposta positiva. - Não sabes como gosto de ver-te praticar. Podes fazer algumas daquelas poses na cama comigo também, se quiseres. - complementou, dando uma piscadinha para a mulher antes de capturar seus lábios inferiores com os dentes, fechando os olhos em sorriso, ao ouvir o som da gargalhada da mulher que ecoou pelo quarto.
- Não se preocupe, ainda não me soltei completamente com você, estou guardando algumas cartas na manga. - piscou, colocando as mãos na nuca do jogador, o puxando para mais um beijo. - Você pode aprender algumas delas comigo, pode trazer muitos benefícios para nós.
- Com uma professora dessa, serei o melhor aluno. - disse, dando um último beijo na mulher, antes de se levantar.

se virou de lado para observá-lo caminhar completamente nu para o closet, sem saber se um dia aquela visão se tornaria algo tão rotineiro que ela não se perderia nela, da forma que o estava fazendo naquele momento.
Quando o jogador saiu de seu campo de visão, se espreguiçou agradecendo mais uma vez a folga que tiveram, não só pelo tempo que pode ter só para si, como pelo descanso que sua mente vinha pedindo há dias. Logo no dia seguinte voltariam aos treinos, massagens, viagens e jogos e poder recarregar as energias tinha sido primordial.

Apesar de ter conseguido finalizar os dois primeiros testes com todos os jogadores, teria que esperar uma brecha na agenda para fazer os últimos, mas sabia que em breve conseguiria. Ao menos os goleiros já tinham feito todos e a fisioterapeuta vinha focando todo seu tempo livre em analisar o desempenho e corpo deles e, junto com Jaime e os médicos do time, ajustar tratamento e treinamento, assim como dieta e recuperação. Estava feliz ao ver que em todos os sentidos, ter ficado em Madrid tinha realmente sido a decisão correta. Sentia-se realizada tanto pessoalmente quanto profissionalmente.

Ao terminar de responder as mensagens que tinha em seu celular, resolveu levantar para se juntar a na academia, mas primeiro fez toda sua rotina diária em frente ao espelho. Amava cuidar de si mesma e sendo perfeccionista como era, não conseguia começar o dia sem executar todos os passos que fazia há anos.
Ao chegar na cozinha se viu sorrindo sozinha ao ver que além do café, o jogador ainda tinha feito uma dose extra da vitamina que ele tomava todas as manhãs para ela. sabia que se apaixonar naquele momento não era o timing perfeito, ainda mais se considerado o alvo de seu afeto, o jogador mais famoso do mundo e, de certa forma, seu colega de trabalho. Mas percebia que se as coisas continuassem como estavam seria algo inevitável. era simplesmente apaixonante.

A fisioterapeuta adentrou a academia e imediatamente os olhos de encontraram os dela, ele lhe deu sua famosa piscadinha, antes de voltar a se concentrar no exercício que fazia para suas pernas. A mulher foi até ele lhe dando um beijo rápido e caminhou para frente do espelho onde seu tapete já estava estendido.
começou sua sessão de alongamento, deixando que seu corpo ditasse qual seria a sequência que faria naquela manhã e não demorou para que logo estivesse em outro mundo, um onde era só ela e sua meditação, por isso levou um susto ao sentir as mãos de em sua cintura. Endireitou o corpo e sorriu através do espelho ao ver o jogador passar os braços por sua cintura e depositar carinhosamente um beijo em seu rosto enquanto observava o reflexo de ambos no espelho.

- Ficas ainda mais interessante com essa cor, gira. O contraste do tom de tua pele com o branco é muito sexy. - disse, deslizando a alça do top da mulher um pouco para baixo, deixando em evidência a marca do biquíni em sua pele - Formamos um belo par, não achas?
- Acho. - respondeu, rindo da pergunta do homem. - Minha mãe quer uma foto nossa. - soltou, se lembrando do pedido da mulher no dia anterior - E reparei que todas que temos foram tiradas no clube ou em locais públicos, ela disse que nenhuma a satisfez ainda.
- Adoro a relação que tens com ela. - concordou, pegando o celular de que estava no chão, entregando a ela.

Após tirarem algumas fotos juntos, quis ver o resultado e passou o celular para ele o fazendo arregalar os olhos ao ver a organização das pastas de fotos da mulher.

- Eu sei. - soltou, rindo de si mesma - Meus irmãos falam que ainda não conheceram alguém tão nerd como eu. É que antes eu ficava horas procurando alguma foto em particular e tinha que ver esse monte de foto de perna, músculo. Dessa forma acho as coisas mais rápido. - disse se explicando, o que fez sorrir, pois ela parecia se desculpar por ser daquela forma.

Ele já tinha reparado há muito tempo o quanto ela era organizada e perfeccionista, mas naqueles quase três dias que puderam passar juntos percebeu que não era somente no lado profissional, mas em todos os aspectos de sua vida.

- Podes mandar-me algumas dessas? - perguntou, vendo a mulher se aproximar curiosa - Gosto de olhar fotos tuas quando não estamos juntos. - admitiu e o encarou surpresa, sentindo algo crescer em seu peito, forte o suficiente para reconhecer que estava entrando em um caminho sem volta.
- Mando sim, mas, com uma condição. - falou segurando uma risada, o que chamou a atenção do jogador. - Eu quero uma sua sem camisa, só com esse shorts, todo suado, que não seja pra mais ninguém, só pra mim. - exigiu mandona, se deliciando ao ouvir a gargalhada do jogador.

Logo os dois voltaram às suas atividades, porém tinham pensamentos bastante semelhantes. Já não eram adolescentes e conseguiam distinguir que aquilo não era passageiro, o sentimento que nutriam em tão pouco tempo era forte, quase como se já pertencessem um ao outro, mesmo estando apenas no início de um possível relacionamento. Era por muitas vezes assustador, mas trazia uma tranquilidade que até então era desconhecida por ambos.

Com a ajuda do tempo, puderam começar a se conhecer e criar um enorme respeito e admiração pelo que o outro era profissionalmente e como pessoa. se via fascinado pela mulher e sua vida e via o quanto se interessava por ele, suas opiniões e pensamentos. Desde o início teve um pouco de receio dela não se interessar por ele por terem escolaridades tão diferentes, mas não havia tido um momento sequer que ela o tivesse feito se sentir inferior, muito pelo contrário, sempre fazia com que ele se sentisse importante, inteligente, como se sua opinião fosse essencial em sua vida. Ela parecia entender seus pensamentos, mesmo que por vezes ele não conseguisse expressá-los e aquilo era algo que ele nunca tinha vivenciado antes. Ela o desafiava mentalmente e, para um homem como , aquilo não o assustava, o motivava ainda mais.

adorava como a fazia se sentir linda da forma que ela era, mesmo sabendo que com aquele corpo e fama ele podia ter mulheres muito mais bonitas e interessantes. Ela sempre se sentia como se os olhos dele só fossem capazes de vê-la e embora o tempo que tivessem juntos nunca fosse suficiente, quando o tinha, sabia que ele estava ali, com ela.

Metódica, não tinha a menor intenção de atropelar os passos cautelosos que sempre tomava quando entrava em uma relação, mas dessa vez os sentimentos estavam bem à frente de sua razão e ela ainda tentava entender o que aquilo poderia significar. Decidiu que continuaria como sempre, cautelosa, mas sem desperdiçar algo que parecia valer e muito a pena.

Ao final de sua prática, tirou o fone de ouvido e foi impossível não começar a se mexer no ritmo lento e sensual da música que o jogador escutava para malhar. Brincalhona, soltou os cabelos e continuou a dançar sem parar de olhar , que por mais que soubesse que ela não tinha a menor intenção de seduzi-lo, estava falhando miseravelmente, a ponto dele desistir de terminar aquela repetição e se juntar a ela. Mas não sem antes tirar sua camiseta, ficando apenas de shorts, como ela tinha pedido uma hora antes.

o viu se aproximar através do espelho e mordeu os lábios ao vê-lo tão sexy e suado vindo em sua direção com um sorriso que desmontava toda sua atuação. O fato dele estar sem camisa só fez aumentar ainda mais o desejo que tinha de sentir a pela dela, na dele.

- Quer dançar? - estendeu a mão para o jogador, que a tomou, empurrando seus corpos contra o enorme espelho do local, a prensando contra seu corpo.
- Estou bastante suado. – disse, ao ver os dedos da mulher subirem por seu torso vagarosamente.
- Ainda bem. - sussurrou em seu ouvido, mordendo de leve o local, fazendo o jogador sentir seu corpo esquentar ainda mais. - Eu estou louca para dividir aquele chuveiro com você.

7⃣⚽🍀

Os dias de folga tinham sido essenciais para que os jogadores do Real Madrid pudessem descansar das intensas semanas que tiveram, todos pareciam bem mais calmos e animados na volta ao centro de treinamento, onde aos poucos o refeitório ia se enchendo com jogadores e equipe.
pegou sua bandeja e encarou que parecia absorta em sua conversa com Isco, James e Marco e seguiu para sua cadeira de sempre, ao lado de Pepe, Coentrão e Marcelo. Os amigos conversaram por algum tempo até que os portugueses se levantaram deixando ele e o brasileiro sozinhos e pelo sorriso de Marcelo, já podia imaginar qual seria a conversa.

- E aí, como foi a folga? Descansou ou... Cansou? - o lateral tinha um sorriso tão divertido no rosto, que foi impossível para o camisa 7 não o acompanhar.
- Pode ser que eu tenha feito alguns hat tricks fora de campo também. - respondeu encarando a fisioterapeuta, que lhe deu uma piscadinha discreta, antes de voltar a atenção para sua conversa.
- Assim que eu gosto, garoto. - Marcelo arrastou a cadeira para ficar ainda mais perto do amigo - Quente ou frio?
- Quente, muito quente.
- Teve que fazer muita mala?? - perguntou sem se aguentar em segurar mais a risada.
- Nem desfiz, mais fácil. - rebateu prontamente e os dois caíram numa gargalhada que acabou chamando a atenção de todos, inclusive , que aproveitou que todos o olhavam para jogar um beijo divertida, o fazendo chacoalhar a cabeça rindo. - Se eu já não conseguia tirá-la da cabeça antes, agora estás impossível. Nunca conheci alguém como a , Marcelo. Eu disse uma vez que tinha algo diferente em mim por causa dela e eu precisava descobrir o que era, agora que sei...
- Lembra no final do ano passado, quando a gente dividiu um quarto no Japão e você tava no telefone com tua ex? - perguntou, vendo o amigo concordar - Naquele dia eu disse que um dia você ia encontrar alguém que te fizesse pensar diferente.
- É... Acho que encontrei.
- E quando vão assumir aqui pro clube?
- Podemos sentar com vocês? - Gareth e Luka se aproximaram interrompendo a conversa e ambos concordaram - E aí, como foi a primeira folga sozinho com a ? - o galês perguntou curioso, não tinha visto a fisioterapeuta ainda.
- Foi ótimo, finalmente conseguimos ter um tempo só nosso.
- Eu tava aqui perguntando quando eles vão assumir, acho que bastante gente já sabe, não?
- Nós todos sabemos. - Bale respondeu, se referindo ao seu grupo de sempre. - O Isco também, que eu sei.
- Não falamos ainda sobre o assunto, não me incomoda que saibam, mas quero que ela conheça meu filho primeiro.
- Ela está bastante nervosa com isso, outro dia veio conversar comigo que nunca namorou alguém que tivesse filho e não sabia o que fazer. - Gareth disse, tomando toda atenção de , que não fazia ideia de que se sentia daquela maneira. - Eu falei pra ela não se preocupar que você traria o assunto à tona no momento certo, mas do jeito que ela é já deve ter lido todos os artigos disponíveis na internet sobre o assunto.
- Que isso, nervosa por quê? Você viu como ela é com o Lili. - o brasileiro se virou para o amigo, que concordou. - O moleque ficou amarradão, não queria que ela fosse embora, não.
- A tem toda a vida sob controle, mas quando algo que ela não antecipou acontece, ela pira, só não demonstra. Lembra do seu aniversário? Ela é ótima com crianças, mas cuidar e brincar com o filho dos outros é bem diferente de ter uma relação com alguém que seja pai e ela está bem perdida.
- Eu não fazia ideia que ela sentia-se assim, ela não demonstra nada mesmo. - disse olhando para os amigos da fisioterapeuta um pouco chateado por mais uma vez não ter conseguido ver algo por baixo da personalidade centrada da mulher - Como pai, sempre coloco o em primeiro lugar e eu esperaria muito mais pra apresentar alguém a ele. Mas depois desses dias que passamos juntos, não vejo porque esperar.
- A devia se preocupar com a Dona Dolores, isso sim. - Marcelo disse, tirando uma risada do camisa 7.
- Minha mãe já sabe que tens alguém novo em minha vida, mas não conversei com ela ainda, sabes com é.
- Ainda não conheci ninguém com quem ela não tenha se dado bem, acredito que vai dar tudo certo. - Bale comentou olhando para Luka, estranhando o quanto ele estava quieto.
- Luka, você que a conhece há mais tempo, achas que ela aceitaria assumir aqui pro clube? - encarou o croata que tinha uma cara de poucos amigos.
- Acho melhor esperar ver se vai dar certo primeiro. - Modrić respondeu e Bale o encarou assustado, dando um chute de leve na perna do amigo. - Quer dizer...
- Está tudo bem aqui? - apareceu, parando atrás da cadeira de Luka e passou os braços pelos ombros do amigo, o abraçando. - Como dizem lá no Brasil, estou sentindo minha orelha esquentar. - disse, mas não encarava mais ninguém a não ser o croata, algo que chamou atenção de .
- Tá sim, estávamos falando de você mesmo. - Gareth disse dando de ombros - E de como foram seus dias com o .
- Foram ótimos, espero que você e a Lena tenham aproveitado tanto quando a gente. - soltou, arrancando uma gargalhada alta e divertida de Marcelo, um olhar espantado, embora impressionado de , um chacoalhar de cabeça de Luka, a quem ela ainda estava abraçada e um Gareth muito, muito vermelho. - Vim roubar o baixinho, vocês podem voltar a falar das mulheres mais bonitas desse time. – disse, já pegando a bandeja do jogador croata e o puxando para sentar com ela.
- Ela é louca. - O galês pronunciou, ainda sem acreditar na amiga - Você também, por se envolver com ela. - falou brincando para .
- Não a teria se fosse de outra forma. - respondeu ainda encarando a mulher que pelo visto, nunca pararia de o surpreender.
- Em relação a assumir aqui pro pessoal, eu esperaria, não porque eu acho que não vai dar certo, mas porque conheço a e ela não gosta de chamar atenção. Ela prefere contar aos poucos até que todo mundo saiba…
- Do que anunciar se beijando aqui no meio de todo mundo? - Marcelo soltou, lembrando do choque que foi quando viu o galês e a francesa se beijarem bem ao seu lado.
- É, mais ou menos isso. - Bale respondeu, dando uma risadinha ao se lembrar da forma que tinha assumido seu namoro com Alaina, meses antes. - Não liga pro Luka, assim que ele ver vocês dois juntos ele vai entender que é pra valer.

7⃣ ⚽🍀

movia os braços e pescoço cansada, tinha acabado de fazer a recuperação em Lucas Vasquez e esperava Dani Carvajal, que tinha pedido uma sessão de ART para uma dor na panturrilha. O time estava fazendo a recuperação após a vitória em casa por 2 a 1 contra o Real Betis e teriam um espaço de seis dias até o último jogo do mês pela La Liga, antes da pausa para os jogos internacionais, dando a ela e toda equipe vários dias merecidos de descanso.

Normalmente, para a fisioterapeuta, folga do clube significava muito trabalho em seu projeto, afinal, ainda tinha inúmeros resultados para analisar e pretendia aproveitar a falta de jogos para organizar um segundo calendário para que todos os jogadores fizessem os últimos testes, mas seus planos tinham sido suspendidos por um motivo muito especial. Quando Cameron, Nate e Carter descobriram que a irmã teria folga na mesma semana que o Spring Break deles, eles sabiam que passariam aqueles dias com ela e desde então, passava todo seu tempo livre planejando tudo que fariam juntos.

Há anos que pedia que eles fossem a Espanha com ela e finalmente os trigêmeos estavam a caminho. Eles iriam para Ibiza por dois dias sozinhos, mas passariam o restante do tempo com ela. Embora questionada, a fisioterapeuta ainda não tinha certeza se era o momento certo de apresentar os três a , eles ainda estavam se conhecendo e sabia muito bem como os irmãos agiam ao lado de qualquer homem que a olhasse diferente.

- Ei , você pode me ajudar? - Marco Asensio a tirou de seus devaneios e ela assentiu sorrindo e seguiu o jogador até James Rodríguez, que estava sentado em uma das macas do local.
- O que foi? - perguntou os analisando rapidamente, mesmo sabendo que qualquer coisa que pudessem estar sentindo não fosse ser visível.
- A gente quer tirar uma dúvida... - James começou e focou a atenção nele, tentando esquecer como o jeito galanteador do colombiano mexia com ela. Quem poderia culpá-la, com um sorriso daquele? - E precisamos de uma opinião feminina.
- Claro, o que vocês precisam?- questionou profissionalmente, curiosa com a cara que eles faziam, mas logo sentiu seus olhos crescerem e sua respiração falhar ao vê-los tirarem suas camisas e olharem para ela.
- Qual é o melhor? - Asensio soltou, flexionando o abdômen, quase a fazendo se engasgar com a pergunta e principalmente com a visão.
- Essa é a opinião que vocês precisam? - perguntou prendendo o sorriso, ainda sem acreditar no que estava presenciando e os viu assentir divertidamente. - Pois saibam que chamaram a pessoa certa, acredito que posso dar meu parecer profissional também.
-Si!! - ambos se encararam como se tivessem aceito mais um desafio mudo, fazendo cair na risada.

Asensio e James se voltaram para a fisioterapeuta e começaram a contrair os músculos, deixando aquela parte do corpo deles ainda mais definida, fazendo com que tivesse certeza que não trocaria aquele momento por nada no mundo. Além dos corpos perfeitos, os dois eram divertidos e talentosos e a fisioterapeuta adorava a forma em que eles iam de homens a garotos em questão de segundos.

- Olha... - a mulher soltou depois de um tempo "analisando" minuciosamente os dois - Realmente é algo bastante difícil de decidir, eu preciso de uma segunda opinião, já volto. - falou, dando as costas para os jogadores sem nem esperar uma resposta.

A passos firmes e apressados, se dirigiu a sala de convivência da equipe e sorriu ao encontrar exatamente quem procurava.

- Lena, você pode vir comigo? - pediu, fazendo com que a francesa prontamente se levantasse com o semblante preocupado.
- Tá tudo bem? - Gareth franziu o cenho, estranhando o jeito da amiga. - Você tá com uma cara.
- Está sim, eu só preciso da ajuda da Lena num assunto importante, não vamos demorar. - disse tentando manter a tal cara, mas soltou uma piscada divertida para Lena, a deixando ainda mais curiosa.
- Terminastes todos os jogadores, gira? - apareceu ao lado da mulher, falando baixo o suficiente para que apenas os quatro o ouvissem.
- Falta o Carvajal, daqui a pouco eu volto, . - respondeu com pressa, antes de pegar a mão de Alaina e dar as costas a eles, deixando Gareth e se encarando sem entender nada.
- O que aconteceu? Tá tudo bem com o Dani? - a assistente técnica perguntou quando as duas já estavam a caminho da sala de fisioterapia.
- De nada, Lena. De nada. - foi a única coisa que ela respondeu, antes de abrir a porta da sala.
- Mas, o que é que está acontecendo aqui?! - Alaina perguntou sem conseguir segurar o misto de choque e diversão, ao se deparar com o espanhol e o colombiano tirando fotos um do outro, sem camisa.
- Eles vieram pedir opinião de quem eu acho que tem o melhor abdômen, Lena, e eu prometi fazer uma avaliação justa e profissional, mas, como eu estava com muita dúvida... - piscou discretamente para a mulher - Achei por melhor pedir uma segunda opinião, acho que você me entende.
- Você está certíssima, fico feliz que tenha buscado minha análise. - a francesa rebateu a piscada e as duas disfarçaram uma risadinha - Vamos lá meninos, façam o seu melhor.

Marco e James estavam levando a tal análise muito mais a sério que e Alaina poderiam imaginar, fazendo com que as duas passassem bons minutos analisando de perto os corpos mais que perfeitos dos jogadores, embora não tivessem precisado de mais que dez segundos para saber a resposta.
Para aumentar ainda mais a ansiedade dos dois, as mulheres faziam comentários entre si, os deixando bastante impacientes.

- Como vocês sabem, tanto eu quanto a Lena trabalhamos há anos com esporte e após muita análise e deliberação, eu escolho o James. - disse olhando a francesa e acabou por tomar um susto ao sentir seu corpo sair do chão com o abraço que recebeu do colombiano.
- Eu sabia!! - James dizia animado, fazendo e Lena gargalharem.
- Ei calma aí, eu ainda não dei meu voto, James. - Alaina se pronunciou, vendo Marco a encarar esperançoso - Até que você é bem definido e tudo mais, mas honestamente, eu fico com o Asensio.
- Tomaaa!! - Asensio sorriu abertamente para a francesa, a abraçando, antes de mostrar a língua para o colombiano, fazendo as duas mulheres se encararem mais uma vez e caírem na gargalhada.

Quando os dois finalmente as soltaram, pediram para que elas tirassem uma foto deles juntos onde ambos apontavam para o próprio corpo e aproveitou para se enfiar no meio pedindo por uma foto com as mãos na barriga dos dois, fazendo Lena rir ainda mais alto.

- Agora é a minha vez de entrar nesse meio aí. - a assistente técnica declarou, passando o celular para .

Enquanto tiravam mais algumas fotos, os quatro ouviram alguém limpar a garganta e como numa cena de filme, automaticamente os olhares se voltaram para porta, onde e Gareth os encaravam sem palavras.

- Mas, o que estás a acontecer aqui? - o camisa 7 soltou, sem aguentar segurar a risada quando seu olhar se cruzou com o de , a mulher era impossível de decifrar.
- Foi pra esse assunto importante e urgente que você chamou minha namorada? - o galês encarava a amiga, ainda sem acreditar no que via.
- Claro que sim, eu precisava de uma segunda opinião sobre quem tem o melhor abdômen e quem mais poderia me ajudar senão a Lena, Balezinho. - começou, indo em direção ao amigo, mas virou o rosto fazendo uma careta divertida para os três. - Aproveitei para ter uma foto com eles sem camisa, afinal, não sou boba e muito menos cega. - continuou dando de ombros e encarou , que não parecia nem um pouco preocupado em encontrá-la naquela situação.
- Se estão a competir, devemos participar também, não achas, Bale? - falou se aproximando, já com as mãos para tirar a camisa, vendo morder o lábio desejosa.
- Ótima ideia, o Gareth nunca fica sem camisa na minha frente lá em casa e faz tempo que não vejo esse peitoral. Espero que os exercícios extras que ele tem feito com a Lena na cama estejam fazendo efeito. - a fisioterapeuta disse sacana, tentando levantar a camiseta do amigo que já sentia as bochechas quentes.
- Vai participar, mon amour ? - Alaina se posicionou ao lado do namorado, ficando na ponta dos pés para lhe dar um selinho.
- Nem pensar! - James respondeu por ele, chamando a atenção de todos - Se vocês entrarem aí que gente não ganha mesmo, a Lena vai votar no namorado e a no . Até eu votaria no , então deixa pra lá, nós ganhamos. - o colombiano encerrou a discussão apontando para ele e o amigo, indo até a maca pegar sua camisa, antes de dar um beijo no rosto das duas mulheres e levar Asensio consigo.
- Você viu onde está se enfiando, né? - o galês se virou para o colega de equipe, antes de voltar a encarar a amiga - Alguém precisa te dar limites.
- A única pessoa que pode me dar limites sou eu mesma, mesmo porque... - abraçou de lado, colocando a outra mão dentro da camisa dele, aproveitando para alisar seu abdômen - O sabe muito bem quem é o verdadeiro dono do meu voto. - disse, recebendo um beijo na cabeça do camisa 7.
- E você também deveria saber que desde que entrou em minha vida, eu só tenho olhos para você. - Lena abraçou o namorado pela cintura, conseguindo finalmente desfazer o cenho franzido que ele mantinha.

Gareth se sentia tão à vontade ao lado de e que pegou a namorada no colo, a beijando apaixonadamente.

- Vocês são tão lindos juntos que me dá nojo! - disse brincando, interrompendo o casal.

7⃣⚽🍀

lia um livro no jardim da casa de , enquanto o observava se despedir de Samantha Clayton, ex-atleta olímpica de corrida de revezamento e atual Diretora de Desempenho Esportivo da Herbalife, marca ao qual o jogador era um dos garotos propagandas e com quem ele vinha fazendo treinos de velocidade. Seu lado fisioterapeuta mal podia conter o orgulho de vê-lo seguir um de seus conselhos e buscar ajuda em algo que ela acreditava ainda poder ser melhorado em sua performance.

Para ela, ainda era surpreendente que alguém como buscasse melhorar o desempenho, isso a fazia admirá-lo ainda mais. Por experiência própria, muitos esportistas ao chegar ao topo se preocupavam apenas em manter o que tinham conquistado, mas com ele parecia ser o completo oposto, quando já não via mais formas de melhorar em algum ponto, mudava a direção em busca de novos desafios e aquilo era para uma qualidade incrível que só existia em pessoas humildes. Se dar conta daquilo, a fez mais uma vez se lembrar de como o tinha julgado tão errado.

- Cada dia que passa tenho a certeza que encontrar a ti nas ruas do condomínio foi o que de melhor aconteceu em minha vida nos últimos meses, gira. - se sentou na ponta da espreguiçadeira em que a mulher estava deitada, secando o suor com a toalha que tinha deixado ali e estendeu a garrafa de água, sorrindo.
- A que devo essa declaração tão repentina? - perguntou curiosa, fechando seu livro.
- Desde que comecei a treinar com a Sam já consegui tirar alguns segundos de minhas corridas, se não fosse por ti e teu programa talvez nunca soubesse que poderia melhorar nisso.
- Eu tenho certeza que outra pessoa te diria. - se arrastou na espreguiçadeira, para se aproximar do jogador. - Mas fico feliz que tenha sido eu. - falou, dando um beijo no rosto do jogador, que se virou para beijar os lábios da mulher. - Estou suado. - afirmou, ao sentir as mãos dela o envolverem.
- Você sabe que não ligo nem um pouco. - o beijou novamente, antes de perguntar - Como foi seu Dia do Pais?

A data tinha sido comemorada na Espanha no dia anterior e o jogador tinha passado o dia com o filho. Quando chegou na casa de naquela manhã, os dois preferiram primeiro matar a saudade um do outro antes que Samantha chegasse e acabaram por não conversar direito, até aquele momento.

- Não sabia se devia tocar nesse assunto contigo - o jogador a encarou, enquanto acariciava a perna que ela tinha em seu colo - Estava com medo de deixar-te triste.
- Mas, por quê? - o encarou confusa e entendimento passou sob seus olhos. viu a mulher abrir o sorriso e o beijar de novo. - Você é um lindo. A gente comemora o Dia dos Pais em junho, eu não tenho o melhor dos dias, mas o aniversário dele e o de morte que são os piores.
- Se quiseres, diga-me a data noutra altura. Posso não fazer sentir-se melhor, mas gostaria de estar contigo.
- Combinado, mas você ainda não me contou sobre seu dia. - pediu, genuinamente curiosa. Era uma de suas datas favoritas a passar com seu pai.
- O quis passar o dia só comigo, ele "fez" meu pequeno-almoço e depois o levei a um lugar pra fazermos escaladas. Tinhas que ver como ele fez tudo direitinho. Ele tem muita força nos braços, mal precisou de minha ajuda.
- Dizem que filho de peixe, peixinho é e pelas fotos e vídeos que você já me mostrou, dá pra ver que ele é bastante ativo.
- Falando no , eu queria mesmo conversar contigo, queres entrar? - ficou sério e apenas assentiu, sem conseguir decifrar o que ele poderia querer falar com ela.

Os dois andaram de mãos dadas em silêncio até a academia do jogador e pularam na piscina aquecida para que ele relaxasse os músculos pós treino, faria uma massagem em seguida.

- O que você quer conversar? - não aguentou esperar ele voltar tocar no assunto.
- Como te sentes sabendo que eu tenho um filho que mora comigo?
- Como assim? - ela sabia que aquela conversa estava próxima de acontecer, mas nem por isso se sentia preparada. Por vezes tinha a sensação que conversar sobre o assunto seria como uma entrevista de emprego e caso ela não desse as respostas corretas, perderia uma enorme oportunidade.
- Quando voltamos do nosso descanso na semana passada, o Bale me disse que estavas nervosa sobre o assunto. Foi um erro meu não termos conversado sobre ele ainda. Achas que podes me desculpar?
- Não tem porque te desculpar, , eu também não sei como essas coisas funcionam. Imaginei que você conversaria comigo quando estivesse pronto. - a mulher se impulsionou na borda, saindo da piscina e a seguiu, queria olhar nos olhos dela ao terem aquela conversa. - Não vou mentir que estou um pouco nervosa sim, eu tenho lido muito sobre o assunto e sei que preciso conquistar vocês dois ao mesmo tempo, mas de nada adianta entre a gente dar certo, se não der com seu filho. Se ele não gostar de mim… Eu entenderia. - disse, se sentando em uma das cadeiras que ficavam no local.

mal conseguia encarar , sentia-se um pouco tola por dar voz a algo que não tinha tido coragem de admitir a si mesma.

- . - o jogador se agachou em frente a mulher e levou sua mão ao queixo dela, a fazendo olhar nos olhos dele. - Não tens que me conquistar, gira. Já fizestes isso há muito tempo. - declarou, vendo o sorriso surgir no rosto da fisioterapeuta e selou seus lábios ao dela, antes de se levantar, trazendo a mulher consigo. - O é uma criança como todas as outras. Eu precisava saber o que sentia por ti antes de conversarmos sobre ele, mas depois que te vi na casa do Marcelo… Tenho certeza que vocês vão dar-se muito bem.
- Eu espero que sim, eu tenho medo de falar ou fazer algo errado e estragar tudo.
- Todo pai e mãe sente o mesmo, gira. Se tens a mesma preocupação és porque estás no caminho certo.
- Filho é uma grande responsabilidade, dos outros então… Não que seja algo negativo, claro que não é, é só…assustador. Ainda mais se considerar tudo que me aconteceu nos últimos meses, parece que chegou tudo de uma vez.
- Podemos fazer tudo ao seu tempo e se tiveres alguma dúvida ou medo, conversa comigo. Não imaginei que estavas a se sentir assim e descobrir pelo Bale fez-me perceber que ainda não te conheço tão bem quanto gostaria. E eu gostaria muito. - envolveu a toalha em , a abraçando de forma protetora.
- Eu não queria que você achasse que eu estava cobrando algo, imagino que é um passo grande apresentar alguém a ele e não tenho o menor problema se você não estiver pronto. Ainda estamos no começo de uma relação e temos muito que aprender sobre o outro. Mas sabendo que posso conversar com você sobre isso, já me tranquiliza. - riu, suspirando fundo. - Foi menos pior do que todas as vezes que pensei nessa conversa.
- Sempre é. Saibas que não tem volta, agora que te tive por completo, não tenho intenções de deixar-te ir. - disse próximo demais ao ouvido dela e sorriu satisfeito ao ver a pele dela se arrepiar.
- Assim espero, ainda não aproveitei tudo o que quero do seu corpo. - retrucou divertida.
- Falando em corpo... - se soltou do abraço, fazendo a toalha que estava no corpo da mulher cair. - Não importar-me-ia se fizeste a massagem só de biquíni, pelo contrário, adoraria. – complementou.
- Eu imagino que gostaria mesmo. - riu, colocando o shorts e o empurrou brincalhona em direção a maca que ficava no local.

Apesar de concentrada em sua atividade, afinal, apesar de estar em um relacionamento com o jogador, ainda tinha sua profissão em primeiro lugar, não conseguia evitar os sorrisos e suspiros que escapavam toda vez que sentia as mãos de encontrarem partes de seu corpo, conforme se movia para massageá-lo. Cada vez que o encarava, ele dava uma piscadinha ou um sorriso sacana a fazendo balançar a cabeça em negação para tentar focar no que precisava fazer e não no que estava sentindo. Ao final da massagem, de propósito, a fisioterapeuta deslizou as mãos pelas pernas dele, sem desviar do olhar ávido de , subindo aos poucos e delicadamente por todo seu corpo, até se postar atrás dele.

encarava ainda deitado na maca, sem saber quais eram as intenções dela, mas seja lá o que fosse, sabia que ia gostar. O toque da mulher em seu corpo era como chama e embora estivesse se acostumando a sentir as mãos dela o massageando em público, era praticamente impossível se conter estando os dois sozinhos em sua casa e com ela vestindo apenas um biquíni e shorts que deixavam seu corpo ainda mais atraente. Levou seus braços para trás de sua cabeça, encontrando o quadril da mulher, que sorriu ao senti-lo apertar sua bunda.

Logo, as mão de deslizaram por seus ombros, peito e abdômen e a única coisa que ele conseguia ver, eram os seios dela próximos demais de seu rosto. Foi impossível não fechar os olhos e apenas se deixar sentir as mãos da mulher encontrarem a barra de sua cueca e tocarem sua ereção que tinha aparecido há algum tempo. Sem hesitação, deslizou as mãos para as costas da mulher, soltando a peça tomara que caia e a jogando longe, para que pudesse tomar em sua boca os seios que pareciam ter sido feitos para ele, de tanto que se encaixavam em suas mãos, boca e toque. Tinham matado a saudade um do outro logo pela manhã e ele ainda tinha feito o treinamento com Samantha, mas era viciante demais para que ele se preocupasse com cansaço, poderiam descansar juntos, depois… Bem depois.

- , eu queria te fazer um convite. - os dois estavam na cama, abraçados, após se cansarem e descansarem de uma manhã bastante proveitosa.
- Qual? - a mulher tirou a cabeça do peito do jogador, para olhar nos olhos dele. Não resistiu e depositou um selinho em seus lábios.
- Sei que estamos a levar nosso relacionamento com calma, mas queria que fosses ver-me jogar por minha seleção. - a forma que fez aquele pedido fez sentir seu coração bater um pouco mais acelerado, o que sempre acontecia quando o jogador se mostrava inseguro com algo em relação a eles. Gostava da lembrança que um homem tão poderoso como ele, ainda tinha sentimentos como aquele e gostava mais ainda quando podia ver o que ele sentia por ela.
- Ah , eu amaria, de verdade. Mas meus irmãos vão estar aqui, vejo eles muito raramente.
- Por que não os leva junto? Sabes que iriam com meu avião e peço ao Miguel pra te colocar no mesmo hotel que o meu.
- Você não estaria falando isso se conhecesse meus irmãos. Eles são… intensos. Não teve um namorado meu que não suou na mão deles.
- Achas que eles fariam até o melhor do mundo suar? - cutucou a cintura da mulher, a fazendo rir.
- Principalmente, mesmo eles sendo muito fãs do Messi.
- O que disseste? - se remexeu na cama indignado, fazendo a fisioterapeuta cair na gargalhada.
- Eu disse que eles s… - via nos olhos de que ela o estava desafiando e ele teria o maior prazer em vê-la implorar.
- São muito...? - perguntou desafiante, se colocando em cima do corpo da mulher, levando os braços dela para cabeceira e os prendendo ali.
- Muito fãs do M.e.s.s.i. - repetiu pausadamente, com o olhar brincalhão preso ao dele e um sorriso um tanto quanto sexy.
- Tens sorte que eu gosto demais dessa boca, gira. - disse sério, aproximando ainda mais o rosto do dela. - Ia fazer-te cócegas, mas conheço outra forma de tortura, que é música para meus ouvidos. - completou ao morder o lábio inferior de , tomando todo o tempo do mundo até ouvir o seu som favorito.

Poderiam haver muitos melhores do mundo por aí, mas a cada dia que passava tinha mais certeza que ela só queria um deles. O que era o melhor do mundo para o seu coração.

7⃣⚽🍀

- Quem mandou sair ontem? - Cameron cutucou a irmã que dormia em seu ombro.
- Eu estava sem dormir direito há quase uma semana. - resmungou, mas tinha um sorriso permanente no rosto.

Se tivesse parado para pensar, sabia muito bem que não deveria ter saído na noite anterior. Os trigêmeos chegaram de Ibiza naquela manhã e tinha feito tantos planos, que praticamente teve que encaixar "dormir" em seu itinerário. Estava ansiosa, o que tornou muito mais fácil o sim que saiu de sua boca, quando Alaina a convidou para sair com ela, Karim e uma amiga que a estava visitando de Paris. Sem e Gareth, não conseguia dormir em paz e pensou que se saísse, voltaria tão cansada, que apagaria até o dia seguinte. O fato de suas novas botas terem sido entregues tornou o convite ainda mais atrativo. Queria estreá-las o quanto antes.

Tinha as experimentado logo pela manhã e enviou uma foto para , que já estava concentrado com sua seleção, vestindo apenas elas e a camisa de número 7 que tinha roubado do armário do jogador.

: Sabes o que mais gosto em ti?
: O quê? 🤔🤔
: Podes mandar qualquer fotografia, só do teu sorriso ou desse teu corpo que me vicia mais a cada dia que passa, deixas-me feliz com todas elas.
: Me conquistaste antes que eu soubesse se teria alguma chance contigo. E fizeste da melhor maneira, sem perceber.
: Ganhaste meu coração antes mesmo de ganhar meu corpo. Mas tenho muitos planos pra essas botas, minha lingerie preta favorita e nossa cama. 🤤🔥


- Acho que chegamos. - Carter comentou do banco da frente, fazendo olhar para fora da janela do carro.
- É aqui mesmo. - disse, sorrindo para o irmão.

Estavam os quatro chegando ao Cuatro Vientos, aeroporto próximo a La Finca destinado a aeronaves de pequeno porte, de onde seguiriam para Lisboa. havia insistido que ao menos perguntasse aos irmãos se eles gostariam de ir ao jogo que ele teria contra a Hungria e ainda afirmou que se eles não quisessem conhecê-lo, não teria problema, mas que significaria muito para ele se tivesse a presença dela no estádio. O pedido, junto com a saudade que estava sentindo foi o suficiente para decidir conversar com os irmãos, que para o espanto da mulher, aceitaram de prontidão.

- Eu não sei se estou pronto pra isso. - Nate comentou ao saírem do carro, chamando a atenção dos três.
- Pronto pra quê? - o encarou confusa.
- Viajar de avião particular, vai ser foda daqui pra frente sentar na econômica. - respondeu, fazendo todos rirem.

Quando deu a notícia a , ele imediatamente pediu a Miguel que fizesse todos os arranjos, incluindo o vôo em sua aeronave. Ela até tinha tentado se oferecer para pagar pelo vôo, mas a cara que o jogador fez do outro lado da tela deixou bem claro que aquilo nunca aconteceria. Os quatro irmãos se acomodaram em seus assentos e tirou uma foto com todos para mandar ao jogador, avisando que estava a caminho, o que fez Cameron rolar os olhos.

Como estaria em concentração, não se veriam até após o jogo e mesmo assim seria por pouco tempo, pois além da partida qualificatória para a copa, ainda teriam um amistoso contra a Suécia poucos dias depois.

- Vai ficar com essa cara até quando? - chutou o irmão do outro lado da mesa.
- É fingimento, ele já contou pra todos nossos amigos que tá indo no jogo e que vai conhecer o - Nate dedurou o irmão e acabou ouvindo um xingamento de Cameron.
- É verdade. - Carter disse para a irmã e ela finalmente relaxou.
- Ei, por que só quando ele fala que você acredita? - Nate jogou um amendoim em , a fazendo se esquivar.
- Porque o Carter não sabe mentir pra mim, vocês eu tenho minhas dúvidas.
- Conhecer um dos melhores jogadores do mundo é bem diferente de conhecer o cara que tá pegando minha irmã. - Cameron disse emburrado, fazendo a fisioterapeuta inclinar o corpo sob a mesa e pegar nas mãos do irmão, o obrigando a encarar.
- Dá uma chance pra ele, por favor ? Com o Julian não deu tudo certo? Ele ainda não te arranja ingressos pro Super Bowl sempre que o Patriots chega na final?
- Mas o Jules...
- Eu não vou ouvir sobre o “Jules”, você tem todo o direito de não gostar do , mas pra isso você precisa conhecê-lo primeiro.
- Tá bom, vamos logo mudar de assunto. - Cameron resmungou e riu, tava pra nascer irmão mais ciumento do que ele. - Vamos dormir, isso sim, estou cansada demais e o dia vai ser longo. Se me filmarem dormindo, eu rasgo o ingresso de vocês.

reclinou sua poltrona e fechou os olhos, mas por um bom tempo ainda ficou ouvindo os irmãos conversarem sobre os dias que tiveram em Ibiza. Para aquele reencontro ser completo faltava apenas sua mãe, mas Gisela, além de cuidar da fundação que a Família Loew tinha, era marchand.
A mulher vivia viajando em busca de novos artistas, quadros e peças de artes para seus clientes. Assim como a filha, a matriarca amava o que fazia e com os filhos já crescidos, aproveitava a liberdade para estender suas viagens profissionais e misturar trabalho com lazer.

Quando morava na Suiça, acabava vendo mais a mulher, mas a mais velha vinha recentemente trabalhando com artistas espanhóis, para poder visitar a filha e de quebra conhecer aquele, a quem ela como boa brasileira, já chamava de "meu genro".

- E essa amiga da Lena, é bonita igual ela? - Cameron perguntou, fazendo rir. Faltava pouco para o avião pousar e ela contava aos trigêmeos sobre a noite que tivera com os franceses.
- E você acha que a Alaina e a Margot dariam bola pra uma criança como você?
- O Andy manda lembranças. - Nate retrucou ao seu lado, recebendo um olhar mortal da irmã. - De verdade, ele mandou. - o irmão riu.
- Manda um beijo pra ele também.
- Eu nem sei porque você tá perguntando isso. – Carter, que estava deitado no sofá lendo um livro, se intrometeu - Não pegou ninguém ainda, nem em Ibiza. Tá pensando na médica?
- Que médica? - se virou para encarar Carter e logo em seguida se virou para Cameron que estava vermelho e fazia um sinal para o irmão ficar quieto. - Pode me contar. - exigiu, vendo os irmãos se entreolharem.
- Sabe, quarterback, você pode ser bem mais ciumenta que o Cameron com esses assuntos. - Nate pegou na mão da irmã, tentando acalmá-la.
- Mas eu sou a irmã mais velha, vocês sãos meus bebês, é diferente. Assim como não admito que vocês tratem uma mulher mal, preciso saber se vocês estão fazendo boas escolhas.As vezes parece que encontraram o pinto no lixo. - soltou, fazendo os irmãos darem risada.
- Ela tá pra se formar em medicina, estuda lá na UCLA. A conheci faz um mês só, numa festa da faculdade, mas não sei, pode ser alguma coisa.
- Fotos? - pediu, mas os irmãos conheciam esse "pedir" da irmã.
- Não tenho. - Cameron mentiu. - Ela tem me feito bem, eu prometo. - disse a irmã, em um tom óbvio de quem queria encerrar o assunto.
- Ele até passou a estudar mais. - Carter voltou a falar, ainda com os olhos presos no livro.
- Hm, pode ser que eu já goste dela. - não queria pressionar o irmão, ainda mais se fosse algo sério.

Cameron sempre fora o mais livre dos três e adorava brincar que George Clooney era seu ídolo. Desde novo, nunca pensou em ter nada sério, por mais que sempre tivesse garotas atrás dele. sabia que ele tinha partido alguns corações e só esperava que o mesmo não acontecesse com ele justo com a primeira garota que parecia ter chamado sua atenção.

- E vocês, também conheceram alguém e ainda não me contaram? - a fisioterapeuta encarou Nate e Carter suspeita.
- E esse churrasco no Isco, hein? Como vai ser? - Nate trocou o assunto, fazendo todos rirem - Não posso responder pelo Carter, mas eu estou e pretendo continuar solteiro por um tempo. Com a faculdade e os treinos não dá pra focar em mais nada.
- Orgulho da minha vida. - brincou, apertando as bochechas do irmão. - O churrasco vai ser demais, não sei quem vai, mas chamamos alguns jogadores e falei pra chamar umas mulheres também, senão só vai ter eu. Descobrimos um açougueiro ótimo e eu vou fazer as saladas e algumas sobremesas. Estou super empolgada, não vejo a hora de vocês conhecerem o Isco.
- Se fossemos igual você, teríamos ciúmes dele, mas ele parece ser muito gente boa.
- E ele é.

7⃣⚽🍀

- Ainda bem que você é Maria Chuteira. - Cameron comentou ao devorar mais um mini hambúrguer - Agora só falta você namorar um jogador de basquete e poderemos ter ingressos para todos os nossos esportes favoritos.

Os irmãos Loew tinham chegado há pouco na área VIP do Estádio da Luz, que tinha reservado para eles. A pequena sala, decorada toda em vermelho e branco, possuía um serviço de buffet e bar, ao qual Cameron tinha sido o primeiro a inaugurar. Ao longo dela, haviam pequenas mesas e bancos disponíveis para serem usados durante o intervalo e bem de frente, uma porta de vidro dava acesso aos assentos do estádio. O box era localizado bem no meio do local, dando aos quatro a visão perfeita de todo o campo.

- Olha o respeito. - deu um tapa de leve na nuca do irmão, enquanto observava o estádio. - Eu não sou maria chuteira, só tive um namorado jogador, além do . E nem é sempre que consigo ingressos para tênis e Fórmula 1. Apenas sou uma pessoa amável e bem conectada.
- Maria Chuteira. - Cameron deu de ombros rindo e se esquivou do segundo tapa que quase levou.
- Isso é bom mesmo. - Nate se aproximou os interrompendo e apontando para sua comida, fazendo levantar uma sobrancelha.
- Eu trouxe pra você. - Carter apareceu com um prato extra, tirando um sorriso da mulher.
- Puxa saco. - os outros dois responderam e os quatro se encaminharam para seus lugares.
- Vamos tirar uma foto pra mandar pra mamãe. - deu a ideia.
- Vai tirar de boné e óculos mesmo?! - Nate perguntou ainda sem entender o por que da irmã estar daquele jeito, sendo que era quase noite.
- Sei que é bobo, mas talvez alguém pode me reconhecer. Imagina se encontram a fisioterapeuta do Real Madrid num jogo do ? - começou a se explicar e tirou os acessórios do rosto e cabeça para a foto - Já me basta os diversos pedidos pra me seguir no Instagram que recebo diariamente, eu realmente não quero começar boatos antes da hora. O que eu namoro o Isco já me é suficiente.
- É por isso que você está tão inquieta? - Carter perguntou.
- Também, eu não saberia o que responder se me perguntassem o que estou fazendo aqui. Mas estou nervosa pelo , assistir um jogo importante como fisioterapeuta é uma coisa, mas como…
- Namorada? - Nate a encarou sorrindo.
- Ainda não somos isso, mas sim. Era igual com o Julian, eu tinha esquecido desse sentimento, de orgulho. Também estou nervosa pra esse encontro entre vocês, principalmente com você. - disse apontando para Cameron - Eu realmente gosto do e quero muito que vocês se deem bem. - suplicou, sentindo Nate a abraçar de lado.
- Assim que ele ver como o é apaixonado por você, ele vai sossegar, não é? - Carter perguntou, olhando diretamente pro irmão, que estava do outro lado da mulher.
- Ah, é? E como você sabe que ele é apaixonado por mim? - o encarou curiosa.
- Porque é impossível não se apaixonar por você?! - o mais novo dos trigêmeos respondeu, rindo da própria resposta.
- Meu Deus, que resposta brega. - brincou e ao seu lado Nate fingiu ânsia de vômito.
- Vamos tirar essa foto logo porque eu vou buscar uma cerveja - Cameron resmungou. - Se for pra ter que ouvir esse tipo de coisa saindo da boca do Carter, eu preciso ficar bêbado. - brincou, jogando o boné que usava no mais novo.

Carter, ao receber a foto no grupo dos irmãos, a encaminhou para o camisa 7, que embora completamente focado no jogo, estava ansioso para saber quando sua mais nova torcedora favorita chegaria ao local.
A animação e energia da torcida no Estádio da Luz era contagiante e ter ao seu lado seus três maiores amores, faziam transbordar em felicidade. Estava tão empolgada por poder estar ali, que enviou algumas mensagens de boa sorte a , mesmo sabendo que ele não as veria em tempo.

A ansiedade, que vinha tentando controlar a semana toda, voltou com tudo ao vê-lo entrar em campo com sua seleção. A fisioterapeuta percebeu naquele momento o quanto estava amando fazer parte da equipe do Real Madrid. O futebol vinha ganhando cada vez mais espaço em seu coração e poder vivenciar tudo aquilo de dentro do campo era um privilégio para poucos. De longe, a única coisa que ela podia fazer, era torcer muito para que o homem por quem estava se apaixonando fizesse o que sabia de melhor. Gols.

O primeiro tempo estava ainda na metade, mas Carter e Cameron já tinham perdido a conta da quantidade de vezes que tiveram que impedir a irmã de se levantar. tinha chutado três vezes a gol e em todas havia sido por muito pouco que a bola não tinha entrado. Vê-lo jogar era sempre uma experiência única e, naquela noite, ele parecia ainda mais feroz. Jogar pela seleção de seu país sempre seria uma honra e privilégio e não aceitava nada menos do que dar o seu melhor.

Não demorou muito para que, aos 31 minutos, com um passe iniciado pelo camisa 7, André Silva marcasse o primeiro gol, fazendo praticamente todo o estádio explodir em comemoração. Era impossível não se contagiar com a alegria da multidão e os irmãos Loew se viam torcendo com a mesma intensidade para o time da casa. Mal tinham se recuperado do gol, quando minutos depois, marcou o seu primeiro daquela partida.

- Como que essa bola entrou?! - Nate exclamou entre o abraço coletivo que deram.
- Nem um segundo depois e o goleiro pegava. - Cameron olhava desacreditado para o telão que reprisava o momento.
- Acho que tem alguém te procurando. - Carter cutucou a irmã, que mantinha os olhos fixos no campo.
- Até parece. - não conseguia conter o sorriso e alegria que estava sentindo. Seus olhos sequer saiam do jogador comemorando com seus companheiros.
- Ele está apontando pra cá, dá um tchau. - Carter levantou o braço da mulher, a fazendo rir. - Está todo mundo vestido igual, Carter. Sem contar que a família toda dele está aqui, ele sempre aponta pra eles.
- Quando você não quer ver alguma coisa, você é bem burrinha, né? - Nate comentou, fazendo lhe mostrar a língua. - Ele com certeza estava te procurando.

Se ele estava, não tinha certeza, mas se dependesse dela, ele sempre a encontraria.

7⃣⚽🍀



Capítulo 10 - Parte 2

A cada passo que dava, o coração de parecia bater ainda mais forte, se antes era pelo jogo, agora era pelo nervosismo de saber que os homens mais importantes de sua vida iriam se conhecer. Sabia dos sentimentos fortes que tinha por e a velocidade com que eles aumentavam a cada novo dia, mas a partir do momento que as conversas sobre conhecer a família um do outro tomaram força, tudo começou a parecer mais...oficial.

Relações eram complicadas por si só e ter algo com envolvia diversos fatores importantes. Trabalhavam juntos, ele era uma das pessoas mais famosas do mundo e ainda tinha um filho, tudo o que normalmente a faria sair correndo. Por sempre priorizar o trabalho, acreditou que primeiro estaria com seu projeto em funcionamento e com a carreira estabilizada, para só então ir em busca de alguém com quem partilhar a vida.
Casamento e filhos eram planos bastante distantes e tudo parecia ter chegado de uma só vez, sem aviso algum. Algo que fazia sua alma virginiana gritar em desespero. Como uma pessoa tão dependente de planejamento tinha se deixado surpreender daquela forma?

- Eu nunca vi um tiro livre tão sensacional em toda minha vida. - o trio CNC ainda comentava sobre o segundo gol que tinha marcado aos 64 minutos de jogo.
- Pra mim pouco importa se é ele ou o Messi o melhor do mundo, ver qualquer um dos dois jogar ao vivo é um privilégio para poucos. - Carter emendou, feliz com a experiência.

Os quatro seguiam para o andar que estava hospedado, ia na frente em silêncio, escutando a conversa dos irmãos.

- Com certeza, o cara fez 9 gols em 4 jogos, não é pra qualquer um. - Cameron adicionou, fazendo todos pararem em seus lugares, incluindo , que girou o corpo encarando o irmão com os olhos arregalados. - O quê? Talvez eu tenha pesquisado um pouco mais sobre ele e esse jogo. Estava na internet! - exclamou, dando de ombros.
- Ah, eu sabia que tinha alguém empolgado pra conhecer o cunhadinho. - Nate comentou para irritar Cameron, que rolou os olhos.
- Vai a merda. - resmungou ao passar por todos e parou em frente ao elevador, apertando o botão diversas vezes.
- Hoje o também fez o 70º gol da carreira dele junto a seleção. - adicionou, abraçando o irmão de lado. Cameron ainda tinha a cara feia, mas abraçou a irmã de volta.
- Você está linda. - Carter disse baixinho ao ver ajeitar o cabelo mais de uma vez em frente ao espelho do elevador.
- Você acha? - se encarou, sentindo as mãos suarem. Ela vestia uma calça preta de couro sintético e botas de salto fino da mesma cor e a camisa da seleção com o número e nome de gravado nas costas, que ela e seus irmãos tinham encontrado em seus quartos junto aos ingressos, quando chegaram no hotel naquela manhã.
- Eu também acho. - Nate, que estava do outro lado disse, após ver Carter assentir em resposta.
- Eu nem sei porque estou preocupada com aparência, não é como se ele já…
- Não termina essa frase. - Cameron tapou os ouvidos e, mesmo que não fosse a intenção, todos começaram a rir e finalmente conseguiu relaxar, bem a tempo de ouvir a porta ser aberta no andar do jogador.

Os quatro seguiram juntos para a suíte de , onde jantariam juntos. Mesmo com toda sua família em peso na cidade para aquela partida, ele tinha dado prioridade a . Ela iria embora logo na manhã seguinte e queria passar o máximo de tempo possível ao lado dela.

- Boa noite! - abriu a porta já de banho tomado, vestindo uma calça jeans, tênis e camisa polo vermelha escura, com o brasão de seu país impresso no peito. - Entrem! Entrem! - pediu animado, dando espaço para que todos passassem. - Sejam bem vindos a Lisboa! Conseguiram conhecer um pouco da cidade? - perguntou ao fechar a porta e se aproximou de , que o abraçou rapidamente, sorrindo ao sentir seu perfume favorito.

apertou o abraço mais que o normal, nem ele tinha se dado conta da falta que estava sentindo de . O jogador deu um beijo no rosto da mulher e se virou para os irmãos dela, ainda com a mão em sua cintura.

- Bem pouco, mas o que conseguimos ver, adoramos – ela respondeu, se aproximando dos irmãos. olhou brevemente para cada um e, ao ver a forma que um deles o encarava, achou por melhor tirar o braço da cintura da mulher. Cameron, pensou, rindo mentalmente.
- É linda, achamos algumas coisas parecidas com Salvador. - Nate foi o primeiro a dar um passo à frente e ofereceu a mão ao jogador. - Combinamos de voltar com nossa mãe, ela adora esse tipo de arquitetura.
- Fico feliz. Consigo ver algumas diferenças, mas vocês são um bocado parecidos. - confessou, tentando descobrir se aquele era Carter ou Nate.
- Eu sou o Nate. - falou sorrindo, vendo a irmã tensa ao lado do jogador.
- Cameron. - o mais velho dos trigêmeos se aproximou com a voz mais grossa que o normal e tocou na cintura de , apertando levemente, como se pedisse para ele não se importar.
- , prazer. - respondeu olhando nos olhos do garoto, que fez um gesto com a cabeça e então encarou o último dos três - Então és o Carter!! - disse, visivelmente mais animado.
- O melhor sempre fica por último. - o mais novo brincou e deu a mão ao jogador, mas logo em seguida os dois se abraçaram meio de lado, da forma que homens geralmente faziam, o que fez sorrir. Ela sempre imaginou que se fosse para um deles tratar o jogador daquela forma, seria Carter. - É um prazer finalmente te conhecer.
- Puxa cof Saco cof - Nate e Cameron disseram juntos, ignorando a cara que e Carter fizeram para eles.
- Igualmente Carter, a fala tanto de vocês, que sinto-me como se já os conhecesse. - completou, dando uma piscadinha para o garoto.
- Ei! - resmungou de brincadeira ao seu lado. - Desse jeito eles vão ficar se achando.
- A gente sabe que ela não consegue viver sem nós. Se demoramos mais que dois dias pra dar notícias no grupo ela manda o emoji da viatura de polícia. - Nate disse, se sentando no sofá da sala da suíte do jogador.
- Eu não sou assim! - respondeu emburrada.
- É sim! - os três responderam juntos, tirando uma risada de e uma cara ainda mais feia de .
- Não fica assim, quarterback. - Carter passou o braço pelo ombro da irmã, dando um beijo em seu rosto, a fazendo sorrir. - São 22 anos te aguentando, já estamos acostumados.
- Essa é a bola do jogo?! - Nate perguntou ao notar o objeto na mesa de centro e se levantou empolgado ao ver o jogador assentir - Posso pegar?!
- Claro que pode, és uma prenda para vocês três, se quiserem claro. - soltou animado e notou Cameron abrir um meio sorriso pela primeira vez naquela noite.
- Claro que queremos, temos uma estante no nosso apartamento com objetos assinados pelos nossos esportistas favoritos. Você pode assinar?
- Com todo prazer. - o jogador parecia já ter essa intenção, pois logo pegou a caneta que estava na mesa e fez uma dedicatória aos três, assinando no final.
- O que você pensa numa hora dessa, quando vai marcar um tiro livre igual ao de hoje? - Nate perguntou ao ler a dedicatória e passou a bola para Cameron ao seu lado.
- No golo. - respondeu confiante. - Quando estou a bater um penálti ou um chute livre, não penso em mais nada. Às vezes os jogadores d'outro time estão a dizer coisas pra tentar me afetar, mas minha mente não processa. Desde o primeiro apito, só penso no golo, mais nada.
- Foi incrível, a até chorou.
- Nate!!! - tentou chutar o irmão, que se esquivou rindo. Cameron mesmo quieto, pareceu se animar com o presente.
- De verdade? - encarou a mulher que parecia tímida e mesmo estando na frente de três irmãos ciumentos, se aproximou dela, passando os braços por sua cintura e a beijou rapidamente
- Foi realmente um gol incrível. - se explicou dando de ombros, o que só fez sorrir ainda mais.
- Vistes minha dedicatória pra ti?
- Eu falei que ele estava apontando pra você! - Carter comentou todo metido.
- Eu não sabia se você conseguia me ver e…
- E teria mais alguém pra ver, gira? - o jogador perguntou baixinho para que só ouvisse e a abraçou novamente ao ver os olhos da mulher se encherem de lágrima - Eu tenho algo pra ti também. - falou, por fim se soltando dela e pegou a camisa que também estava na mesa de centro e olhou para todos. - Eu queria agradecer por terem me emprestado a , sei o quanto ela estava esperando pra ter esse tempo a sós com vocês. Desde que ela soube que viriam, não parava de falar nos planos que tinha para a semana, mas tê-la aqui hoje foi um bocado especial. - o jogador disse, se virando para a mulher. - És o primeiro jogo que assiste somente por mim e ver-te junto a torcida foi mais importante do que eu imaginava, ainda quero poder dedicar muitos golos a ti. - finalizou, entregando a camisa que tinha usado no jogo para a fisioterapeuta que a pegou, dando um selinho em .
- Acredito que posso falar pelos três que somos nós que agradecemos pelo voo, o hotel, o jogo, as camisas… E agora isso. Com certeza foi um primeiro dia de férias inesquecível. Assim como tudo sobre você é. - apertou a camisa em seu peito - Ver vocês quatro no mesmo lugar… Eu devo estar de TPM, não é possível. - brincou, ao sentir sua voz vacilar e secou as lágrimas rapidamente, antes que elas caíssem. - Mas essa noite é com certeza, uma noite muito especial pra mim, então obrigada a vocês por permitirem que ela acontecesse.

O irmãos Loew e se acomodaram na mesa que havia sido colocada no quarto a pedido do jogador e, na hora marcada, o jantar foi servido por um funcionário do hotel. Carter e Nate estavam adorando ouvir as histórias de e contar a ele um pouco mais sobre o UCLA Bruins, time de futebol americano universitário ao qual faziam parte. Mesmo com Cameron mais na dele, o jogador fazia questão de lhe fazer perguntas e inclui-lo na conversa. observava a interação entre todos feliz, mesmo com a ressalva que o mais velho parecia ter com o jogador.
Quando os pratos principais foram tirados da mesa, Cameron pediu licença e foi até a sacada do local com o celular em mãos. Todos se entreolharam e fez menção de se levantar, mas colocou a mão sob a dela, afirmando que iria.

- Era minha mãe. - Cameron se explicou, assim que viu o jogador sair pela sacada. - Ela quer saber se estou me comportando…E se você é tão cheiroso quanto parece. - rolou os olhos ao continuar, tirando uma gargalhada do homem.
- Tua mãe parece ser um bocado divertida. Pelo visto a herdou o bom humor dela.
- Não só o bom humor, elas são muito parecidas. Tem que ver quando estamos os cinco juntos, sempre vamos dormir cedo porque sabemos que ás 7 da manhã as duas vão nos acordar pra "aproveitar o dia".
- É, parece-me muito com a que conheço.
- Me desculpa se pareci mal educado, não é minha intenção. É só que…
- Queres proteger tua irmã. - completou a fase por ele.
- Sim, não, também… - Cameron começou confuso. - Você vai me achar um babaca, eu me acho um babaca.
- Tenta - disse, se sentando ao lado do garoto.
- Ela está feliz.
- E querias que ela não estivesse?! - o encarou em dúvida.
- Claro que não. É só que... Eu sinto falta dela. - o garoto disse tão baixo, que o jogador teve que se aproximar para conseguir entender suas palavras. - A foi fazer faculdade em Nova York quando a gente tinha 12 anos e depois ela passou anos estudando fora. Quando ela voltou pros Estados Unidos, mesmo que em outras cidades, a gente ao menos podia vê-la com mais frequência. Mas logo ela foi embora de novo e eu sempre pensei que ao terminar o tal programa, ela voltaria pra casa. - Cameron soltou de vez. - Desculpa pelo desabafo.
- Parece-me que estavas a guardar isso há algum tempo. - ponderou compreensivo, vendo o garoto concordar, sem coragem de encará-lo. O entendia bem, tinha passado pelo mesmo, mas era ele quem tinha deixado a família, assim como a fisioterapeuta. - A sabe que te sentes dessa forma?
- Não, eu nunca falei nada disso em voz alta, mas toda vez que a vejo me sinto assim. Acho que ver vocês juntos trouxe tudo à tona. - se explicou. - Perdemos nosso pai com 11 anos e a foi o nosso porto seguro na época. Sempre que vejo um pai e filho juntos penso o quanto eu gostaria de ter tido mais tempo com o meu e não quero que o mesmo aconteça com ela.
- Pareces ter mais facilidade em falar sobre teu pai. A contou-me muito pouco sobre ele. Tivemos um episódio um pouco difícil no aniversário de morte dele, ela não estava nada bem. Acredito que o Carter tenha te contado.
- Eu não soube disso. - Cameron o encarou surpreso - Como o Carter soube?
- Eu passei o dia ao lado dela e a vi negar todas as ligações dele. Fiquei preocupado e queria me certificar que alguém que soubesse de toda a história pudesse fazê-la sentir-se melhor. O Bale me passou o telefone dele.
- Você e o Carter têm se falado? - perguntou, mesmo sabendo a resposta. - E minha irmã não sabe? - viu o jogador negar - A odeia esse tipo de coisa, o Carter deveria saber.
- Não o fiz para chateá-la, se a tivesses visto, me entenderia.
- Esse é só mais um exemplo do que estou perdendo, ela não precisa ser sempre a mais forte. Não precisa esconder tudo da gente, já temos 22 anos. Saber que ela passa por isso sozinha valida ainda mais como me sinto e agora com ela em Madrid… - encarou o jogador com receio, esperava que ele pudesse entender seu ponto de vista.
- Dissestes há pouco que ver-nos juntos trouxe isso à tona e agora também não pareces feliz que ela está em Madrid.
- Eu disse que estava me sentindo um idiota - falou, suspirando forte. - Posso ser sincero?
- Deve.
- Dá pra ver que você tá completamente de quatro por ela. - anunciou, vendo abrir um sorrisinho ao encarar o chão, levemente tímido. - Não me leve a mal, a não está muito atrás. - completou, fazendo uma careta.
- Vejo que o excesso de sinceridade também vem de família. - brincou, para descontrair um pouco.
- É que ver o quanto vocês parecem se gostar e o quanto ela está realizada com o emprego, faz eu me perguntar se um dia vou poder fazer parte do dia a dia da vida da minha irmã e ela da minha.
- E por que não se abre com ela ou teus irmãos?
- Você vai rir, mas a é a pessoa mais inteligente que eu vou conhecer na vida e os outros dois não estão muito atrás. - comentou, apontando para dentro do quarto. - Eu sou o único que odeia estudar, se não fosse por eles e o futebol, eu já tinha desistido da faculdade faz tempo. É meio contraditório e um pouco idiota, mas penso que se ela me conhecer de verdade vai ver o quão pouco eu tenho pra oferecer.
- Se eu disser que sinto-me igual a ti. Acreditarias em mim?
- Você também se sente burro ao lado dela?! - riu da forma que o garoto perguntou, mas assentiu.
- Um bocado de vezes.
- Desculpa, mas como?! Você é um dos maiores e melhores jogadores da história.
- E de que me adianta a habilidade que tenho como futebolista ao lado ela? - admitiu, vendo o loiro o encarar surpreso. - Não deves saber, mas saí da escola ainda menino e arrependo-me de não ter continuado os estudos quando comecei a ganhar dinheiro. Gosto de ler e assistir a documentários pra aprender um pouco do que perdi, mas quando estamos a conversar, penso que não importa o quanto eu tente, nunca vou saber o suficiente.
- Eu nunca imaginei que você pudesse se sentir igual a mim. É um pouco surreal, mas reconfortante de certa forma.
- Eu também não sei se teria contado a alguém se não tivesses dito-me tudo isso. - admitiu. - Mas se tem algo que eu sei sobre tua irmã é o quanto ela ama e tem orgulho de vocês, inclusive de ti.
- De mim?!
- Sim, ela está sempre a me mostrar vídeos de teus jogos e treinos. Diz também que tem inveja da tua forma de ver a vida, que gostaria de ser mais como você.
- Eu…não imaginava. Nós nunca conversamos sobre isso.
- Sabe Cameron, nossas vidas são um bocado parecidas. Eu tinha 20 anos quando meu pai faleceu e assim como a , passei grande parte da minha vida longe da família. Mas era eu quem me sentia como a ti, perdendo momentos importantes. Isso só fez-me trabalhar ainda mais para me tornar profissional e poder ter eles mais perto. Hoje por qualquer motivo estamos a nos reunir. És novo ainda, tens o futuro todo pela frente pra passar ao lado de tua irmã.
- Eu que dei a ideia de virmos pra cá essa semana. Quando ela perguntou se gostaríamos de ver seu jogo e os dois concordaram, eu pensei que, se eu tivesse que te conhecer, que fosse, ao menos poderia ficar mais perto dela. - disse, se virando para - Talvez eu também quisesse ver se você realmente gosta dela.
- Acredito que já sabes a resposta. - riu, ao se lembrar da forma que o mais novo havia se referido ao assunto mais cedo. – Eu conheci muitas pessoas ao longa da vida, mas como tua irmã, nunca.
- Você não é a primeira pessoa a me dizer isso. E até que você não me parece ser tão egocêntrico quanto eu imaginava. - disse sincero, tirando outra gargalhada do jogador.
- A mídia fez-me assim, quem me conhece de verdade sabe bem que minha carreira, meu filho, família e amigos vem sempre em primeiro lugar, mas de alguma forma a se enfiou no meio sem que eu percebesse e hoje ela é uma de minhas maiores prioridades.
- Eu sei que sou ciumento… - o encarou em forma de aviso. - E não sei se isso um dia vai mudar, mas se antes eu estava com medo dessa relação, agora acho que a encontrou alguém que a mereça.
- Não sabe o quanto fico feliz em ouvir isso. - se levantou e Cameron fez o mesmo.
- E se tem uma coisa que eu sei sobre a minha irmã é que ela não estaria com você se não te achasse inteligente primeiro e bonito depois. Se você visse um dos primeiros namorados dela… - o garoto soltou, os fazendo rir.
- Fico feliz em saber e mais ainda por ter vindo atrás de ti.
- Eu também, finalmente tem alguém que se sinta como eu nessa família. - brincou, fazendo o jogador o encarar surpreso. nem imaginava o quanto ouvir aquilo do garoto significaria para ele.
- Acho que a vai ficar feliz em saber que não me destes um soco.
- Se eu te desse um soco ela me daria outro. - brincou, caminhando em direção a porta, mas logo se virou para o jogador. -
- O que conversamos fica aqui. - os dois trocaram um aperto de mão, mas logo puxou Cameron para um abraço rápido.
- Obrigado.

7⃣ ⚽🍀

- Voltamos! - Cameron anunciou, embora não fosse preciso, estavam os três os encarando ansiosos e apreensivos.
- Finalmente, tava impossível segurar a de comer essa torta sem vocês..
- Dá pra ver. - o mais velho disse ao vê-la não perder tempo, cortando a sobremesa.
- Estou de tpm, preciso de chocolate - deu de ombros, tentando esconder o nervosismo, mas se tranquilizou ao encarar que lhe deu uma piscada, para mostrar que estava tudo bem.

Mesmo com a interrupção, a noite dos quatro conseguiu continuar como se nada tivesse acontecido, Cameron parecia ter mudado completamente de humor o que fazia encarar a todo momento, curiosa para saber o que eles tinham conversado.
Ao final da noite, após se despedir de Carter e Nate e se certificar que agora Cameron também tinha seu número de telefone, segurou , até que os meninos estivessem já de frente pro elevador.

- Dormes comigo? - pediu, vendo a mulher sorrir. - Conversei com o Fernando e ele me liberou. - já se explicou, sabendo que ela iria perguntar.
- Com o maior prazer. - respondeu, passando os braços pelo pescoço do jogador. - Eu não sabia que poderia ser uma possibilidade, mas não deixei de vir preparada. - piscou para o jogador, o deixando curioso. - Eu vou buscar minhas coisas lá embaixo e já volto. Antes vou combinar tudo com eles pra amanhã.
- Não demora, senti tua falta mais do que imaginei, gira.
- Eu também. - admitiu, selando seus lábios ao do jogador. - E , é vermelha... - piscou, antes de dar as costas pra ele e correr até o elevador, onde os irmãos a aguardavam.
- Passamos no teste? - Carter perguntou, com uma sobrancelha erguida.
- O passou? - retrucou de braços cruzados, olhando principalmente para Cameron.
- Passou. - o loiro respondeu se fingindo de bravo, mas não durou muito tempo, pois logo sentiu os braço da irmã o envolvendo e acabou rindo do jeito dela.
- Obrigada, Cam. - sussurrou no ouvido do mais velho feliz.
- Eu te amo. - Cameron disse ainda mais baixo, apertando o abraço na irmã.

Aquela era a primeira vez que ele dizia aquelas palavras antes de , a fazendo mais uma vez, sentir as lágrimas encherem seus olhos.

7⃣⚽🍀

- Obrigada por virem passar um tempo comigo, eu amei ter vocês aqui. - disse, dando um abraço no irmão. - Foi uma das minhas férias favoritas, vocês finalmente cresceram e ao invés de me preocupar o tempo todo, pude finalmente aproveitar com vocês.
- Eu não sinto a menor saudade de quando você tinha certeza que iriam nos sequestrar. - Cameron respondeu, vendo a irmã formar uma careta. - Eu também adorei, poderia comer gelatos italianos pro resto da minha vida.
- Iríamos virar duas bolas, mas valeria a pena.

e Cameron conversavam no quarto da casa de Isco. Os quatro tinham chegado da Itália na noite anterior e foram direto para a casa do malaguenho, onde ficaram até a madrugada conversando e dando risada. Para , não tinha sido estranho a forma que seus irmãos pareceram clicar com Isco em apenas algumas horas de conversa. Ela sempre vira um poucos dos três no espanhol e agora sabia que o trio CNC tinha encontrado um quarto membro perdido pela Europa.

Isco havia saído com Nate e Carter para dar uma volta em sua Ferrari e aproveitaria para buscar Mia. tinha ficado para trás com o mais velho para ajudar os funcionários que preparavam o local e subiu por alguns minutos para ver se o garoto já tinha terminado de arrumar a mala. Os três pegariam o voo de volta para os Estados Unidos ainda naquele dia e a fisioterapeuta queria passar o máximo de tempo possível ao lado deles.

- Eu fico feliz que você tenha finalmente criado coragem para se abrir comigo, eu não imaginava que você se sentia assim. Nem todo mundo quer ser tão próximo da irmã e quis respeitar o seu espaço. Só que agora você não pode mais reclamar quando eu começar com minhas perguntas e viaturas policiais. - disse brincalhona, cutucando a costela do irmão.
- Eu não vou. - respondeu rindo, ao tentar se esquivar. - Você acha que vai pra LA em julho mesmo?
- Vou, só não sei se como fisioterapeuta ou sua irmã. Se o clube renovar o meu contrato, você passa a pré temporada comigo, senão eu vou pra passar as férias com vocês. Mas prometo que de hoje em diante, sempre vou tirar um tempo pra ser só nosso.
- Não precisa ser assim também.
- Claro que precisa, eu fui egoísta em deixar vocês tão novos. Sempre fui atrás dos meus objetivos profissionais, sem pensar que vocês poderiam sentir minha falta. Assim como o papai fez a vida toda, acabei priorizando o trabalho. E vai ser legal passar um tempo com cada um de vocês separados, a gente acaba esquecendo que mesmo sendo quase iguais por fora, vocês são muito diferentes por dentro.
- Vai ser legal ter você por lá o mês todo.
- Você sabe o quanto eu te amo, né? - passou o braço pelo ombro do irmão, que assentiu com a cabeça. - Sabe mesmo?
- Agora eu sei. - admitiu, sem encarar a irmã.
- Eu tenho muito orgulho de você, Cam, e vou sempre estar aqui.
- Estou atrapalhando os irmãozinhos? - Nate apareceu na porta com um sorriso no rosto ao vê-los abraçados. - Compramos o que faltava.
- Ai que bom, parecia que não ia acabar nunca. - se virou pra ele. - A Mia chegou?
- Chegou sim, ela tá com o Isco colocando cerveja na geladeira.
- Ah, eu vou lá. - disse animada, descendo as escadas muito mais rápido do que o normal e trombou com o jogador ao final dela. - Ouch!!
- Foi mal, estava subindo pra te chamar.
- Acabamos? - perguntou, seguindo o amigo para a cozinha.
- Finalmente! Deu mais trabalho que pensei, mesmo com todas essas pessoas nos ajudando.
- Quando você sugeriu esse churrasco eu imaginei que seríamos em no máximo dez pessoas, não trinta.
- É que você não sabe quantas eu convidei... - o moreno disse divertido. - Até fiquei aliviado quando algumas pessoas falaram que não viriam senão acho que teríamos sérios problemas com espaço.
- E quando o meu pequeno vai chegar?
- Não falta muito, a Victoria já tinha saído de casa a última vez que perguntei.
- É a primeira vez que a Mia vai conhecer ele?
- É, mas só vou apresentá-la como convidada.
- E eu posso ser eu mesma ou preciso me comportar? - perguntou baixinho ao entrar na cozinha e ver a garota de costas para eles.
- Pode ser você mesma. - Isco respondeu rindo, bagunçando o cabelo da amiga.
- Mia, essa é a … - o moreno começou e viu um rosto conhecido se virar para ela.
- A garota do batom! - terminou por Isco, bastante surpresa. - Eu não acredito que é você a Mia do Isco.
- Mía Mia. - o espanhol disse ao se aproximar da morena, a abraçando de lado.
- Nossa que brega.
- Bah, que brega. - as duas disseram juntas sem querer, as fazendo rir.
- Vocês se conhecem? - o jogador perguntou franzindo o cenho.
- No aniversário do eu fui ao banheiro e ela tava lá. Você lembra de mim?
- Lembro sim, guria, só não sabia se tu ia lembrar de mim.
- Eu tava bem alegrinha, né? - perguntou e a morena concordou sorrindo. - Ah, mas ainda bem que é você, eu tava com medo de você ser feia e eu ter que mentir pro Isco. Foi bom vir cedo também, tira essa pressão de conhecer todo mundo de uma só vez. Só espero que não se importe que eu tenha dormido na cama do Isco essa noite.
- !! - Isco encarou a amiga desacreditado.
- É brincadeira, eu dividi a cama com um dos meus irmãos. - esclareceu e se virou pra Isco. - Você disse que eu podia ser eu mesma!
- Mas não pra acabar com meu relacionamento, assim, logo de cara.
- Ah, eu não sou ciumenta, pode dormir. - Mia retrucou divertida e se sentiu vencedora.
- Você é do Sul, né? Eu adoro o sotaque de lá, tão bonitinho. - perguntou, abrindo a geladeira. - Eu preciso levar as jarras de caipirinha pra fora, quer me ajudar?
- Claro, estava de olho nelas já. - concordou pegando duas jarras e seguiu a mulher - Faz tempo que não tomo uma decente. A única vez que pedi eles colocaram gelo triturado.
- Ei, e eu? - as duas se viraram e deram de cara com Isco se fingindo de bravo.
- Já fez o seu trabalho de nos apresentar, agora você pode procurar o que fazer. - jogou um beijo pro jogador e Mia piscou para ele, mostrando que estava tudo bem.
- Eu não acreditei quando o Isco começou a falar de ti e de como vocês tinham ficado amigos tão rápido, de todas aquelas pessoas, justamente a única que conheci.
- Que bonitinho, quando se convive diariamente com alguém acaba tudo ficando mais acentuado e ele é tão parecido com meus irmãos, acho que acabei projetando. Mas me desculpa pela brincadeira sobre dormir com ele, eu não tenho muito filtro quando estou entre pessoas que tenho intimidade e queria deixar o Isco sem graça.
- Capaz, deu pra perceber que era algo de vocês.
- Menos mal, agora me fala mais sobre você… Como você veio parar em Madrid?

Maria era uma fofa, tinha certeza que Isco não poderia ter encontrado alguém mais compatível com ele, do que a morena a sua frente. A garota era apenas dois anos mais nova que o jogador, mas extremamente madura para a idade. Após sofrer em se decidir se faria medicina ou arquitetura, optou pela segunda opção, o que veio a ser ideal, pois no meio de seu curso sua faculdade acabou fechando um acordo com o Instituto Europeu di Design, lhe dando a oportunidade de passar um ano estudando na Itália ou Espanha.

Por ser do sul do país, Mia tinha passado inúmeras férias na Argentina e Uruguai, a tornando bastante familiar com o espanhol, fator decisivo em sua escolha por Madrid.
Um ano tinha sido suficiente para que ela se apaixonasse pela Espanha e principalmente pela cidade e, mesmo tendo que voltar pro Brasil pra terminar seu curso, assim que se formou, aproveitou de seu passaporte europeu e se mudou de vez para o país, onde foi contratada efetivamente pela empresa que tinha estagiado na época de curso.

Mesmo nova, Maria já tinha a ambição de abrir seu próprio escritório voltado para decoração de interiores, sua grande paixão. via muito de si na garota e após alguns minutos de conversa, sabia exatamente o que tinha feito Isco se interessar por ela.

Assim que os primeiros convidados começaram a chegar, se viu contente, tinha passado dias incríveis com os irmãos na Itália e aquele churrasco fecharia com chave de ouro o final das férias que nem ela sabia o quanto estava precisando. Conversou com todos os dias, mas percebeu que estava mal acostumada, sentia falta de vê-lo, ter o olhar dele sobre ela e sentir-se protegida em seu abraço. Não via a hora de estar com ele no dia seguinte, mas aproveitaria ao máximo o último dia com seus irmãos.

Por conta da temperatura e ambiente, usava por cima do biquíni, um shorts jeans e uma blusinha de linho delicada, que tinha comprado nas férias. Seus quatro garotos usavam diversas variações do já batido estilo masculino de bermuda, camisa e tênis, ao qual ela tinha certeza que dominaria o ambiente. Riu sozinha ao ver entrar Marco Asensio e logo atrás James Rodriguez, vestidos exatamente iguais.

- E seu irmão? - perguntou, após abraçar rapidamente o jogador mais novo. - Não o vejo desde o aniversário do e eu tô devendo a ele uma caipirinha original.
- Já tá vindo, ele disse exatamente a mesma coisa quando o convidei. Eu também ganho uma?
- Depende, vai ficar sem camisa de novo?! - brincou, fazendo o jogador rir. - Já deixamos algumas preparadas, eu vou lá te servir daqui a pouco.
- Me inclui nessa. - James se aproximou dos dois os cumprimentando e se ajoelhou para falar com a garotinha ao lado dele.
- Ei, James! Quem é essa princesa?
- Minha filha, Salomé.
- Ei, tudo bem? - disse vendo a menina a encarar um pouco tímida. - Que cabelo lindo o seu, eu bem que queria ter esses cachinhos.
- Não falei que estava linda? - James, que também estava de joelho, disse para a filha. - Ela queria fazer escova antes de vir.
- Ainda bem que não alisou, o seu cabelo é lindo demais. Eu que queria que os meus fossem mais parecidos com o seu.
- De verdade?
- Verdadeira. Ás vezes passo horas deixando eles mais cacheados, você tem sorte, já nasceu com eles assim. - disse, tocando num cacho do cabelo da menina - Mais tarde você quer ir na piscina comigo?
- Posso, papá? - pediu ao homem que abriu o sorriso assentindo.
- Obrigado por isso e pelo cabelo. - disse, quando ambos se levantaram do chão. - As amiguinhas da escolinha tem o cabelo mais liso e ela tá quase todo dia pedindo pra ficar igual.
- Eu só falei a verdade e terei o maior prazer em brincar com ela. Obrigada por ter vindo.
- E perder um churrasco brasileiro?! Jamais! - brincou, antes de sair atrás da filha que tinha ido ver a piscina.
- Ei, eu não te convidei. - disse séria ao ver Toni Kroos entrar com sua pequena xará no colo.
- E eu não queria vir. - resmungou em troca, dando um beijo no rosto da amiga. - Mas a Jess queria conhecer seus irmãos. Trouxemos até Käsekuchen.
- É a sua mãe! - retrucou brincando por não entender o que ele tinha dito e deu um abraço longo na amiga, imediatamente se agachando para pegar Leon no colo e o encher de beijos, o fazendo rir.
- É cheesecake alemão. - Jessica explicou.
- Vou esconder na geladeira pra ninguém comer. - disse se virando e dando de cara com os irmãos se aproximando. - Ah, esse são meus irmãos, Carter, Nate e Cameron. Essa é a Jess Kroos e esse daí fez parte daquele time que não devemos falar o nome. - disse, vendo o jogador a encarar com a sobrancelha enviesada.
- Eles são seus irmãos?! E por que você saiu desse tamanho?
- Sem graça. O que eu posso fazer se eles puxaram o lado ruim da família e saíram parecendo três mini Toni Kroos.
- Prazer, Toni.
- O prazer é nosso, a fala bastante de vocês. - Carter disse, levando uma cotovelada da irmã.
- Eles dois juntos são piores que o Leon e a x. - Jessica cumprimentou os irmãos rindo. - Ela fala bastante de vocês também, estava curiosa para conhecê-los.

Enquanto a amiga conversava com seus irmãos, se aproximou de Toni.

- Nós vimos seu último jogo, no final você parecia estar compensando a perna esquerda. Tá tudo bem?
- Que bruxaria é essa?! - Toni a encarou admirado. - Não foi nada demais, mas senti uma fisgada aqui. - comentou, levantando um pouco a bermuda para mostrar o local. - Como já estava no fim, dei uma segurada.
- Aqui? - perguntou, depois de sentir alguns locais do lado externo da coxa do jogador e teve sua resposta ao vê-lo reagir a pressão que fez no local. - Amanhã eu vou lá na sua casa e a gente dá uma olhada. Vou levar minhas agulhas de acupuntura.
- Obrigado.
- Eu não disse. - Jessica disse um pouco mais alto e e Toni se viraram para dar de cara com os quatro os encarando divertidos. - Esses dois deveriam ter nascido irmãos. - brincou e e Toni fizeram a mesma careta sem querer, gerando gargalhada em todos.

Pouco mais de uma hora depois do horário combinado para o churrasco e a casa de Isco já estava cheia. Além de Toni, James e Asensio, Dani Carvajal, Marco Llorente e Casemiro também tinham aparecido. Sergio e Pilar não tinham dado certeza, mas acabaram chegando com os filhos na hora marcada e Isco também tinha chamado alguns amigos de fora do clube..

- Só tem alguém faltando aqui, não? - Pilar perguntou maliciosa para .

Estavam as duas, Jessica e Anna Mariana, esposa de Casemiro, sentadas num canto do jardim conversando, enquanto Anna dava mamadeira a pequena Sara, de 9 meses.

- Pois é, com esse festival de homem sem camisa, ele faria uma bela adição. - respondeu rindo e as quatro acabaram olhando para a pequena roda que tinha se formado no meio do jardim, onde todos, incluindo os trigêmeos, jogavam altinha.
- Eu nunca vou entender como eles conseguem viver disso e nas horas vagas continuarem com uma bola no pé. - Anna comentou vendo todas concordarem. - O ainda está com a família?
- Bem, isso tira minha dúvida se você sabia ou não. - a fisioterapeuta respondeu. - Começo a me perguntar se tem alguém que não saiba.
- O Carlos me contou. Era pra fingir que eu não sabia?
- Claro que não, não me importo que vocês saibam, mas ainda estamos nos conhecendo e não oficializamos nada. Não quero que a mídia descubra antes de eu conhecer o Jr.
- Você está nervosa? - Jess olhou pra amiga com carinho. - Sabe que não precisa, né? Antes eu não entendia como o Leon era tão apegado a você, mas agora te vendo com seus irmãos ficou tão óbvio. Você entende meninos e isso é algo bom.
- É verdade, no dia que a foi em casa fazer acupuntura em mim e no Sergio, os meninos estavam extra carentes e não iam com a babá de jeito nenhum. Mas você foi explicando o que estava fazendo de forma divertida, no final eles adoraram ser seus "mini assistentes torturadores", como o Sergio chamou eles pelo resto da noite.
- Eu não tinha visto por esse lado. - sorriu para as duas. - Vocês viram uma das últimas fotos que o postou? - perguntou, pegando o celular para encontrar a foto que o jogador tinha postado com o filho. - Foi no dia seguinte ao jogo que eu fui assistir. Ele disse que contou pro filho que está saindo com alguém e eu não sei se foi só pra me animar, mas ele mostrou uma foto minha pro Junior e ele quis tirar uma pra mandar pra mim também. Eu achei tão fofo, eles são tão parecidos. - comentou sorrindo pra foto.
- Tá vendo, você parece se dar bem com crianças e pela sua carinha se dá muito bem com o também. - Anna disse com um sorriso no rosto, ao ver a forma que a fisioterapeuta olhava pra tela do celular.
- As vezes nem eu acredito o quanto somos compatível, se alguém tivesse me dito que um dia eu me interessaria por ele, eu provavelmente estaria rindo até hoje.
- Confesso que também nunca te imaginei com ele, mas fico feliz que esteja dando certo. - Jessica comentou. - Estou adorando ter você aqui.
- A gente sempre comentou, o precisava de alguém como você na vida dele. - Pilar complementou - E de quebra ganhamos mais uma pro nosso time.
- Vocês que são umas lindas! - disse genuinamente feliz.



7⃣⚽🍀

- Assim não vale! - reclamou emburrada, parecendo uma criança. - Meus irmãos jogam futebol americano pela faculdade. O campeonato às vezes é mais assistido que os próprios jogos da NFL!! - Eu jogo no seu time, vai. - Toni se ofereceu e fez cara feia.
- Ah não, você não. Eu quero o Sergio, o Casemiro e o Cameron no meu time.

Após a conversa entre as mulheres sair do tema homens e ir para desfralde e acidentes noturnos, inventou qualquer desculpa para sair correndo e resolveu resgatar Maria que estava sozinha no meio de um monte de homem. Decidiu apresentá-la a Paddy, namorada de Marco Llorente e acabou por ficar próxima a churrasqueira, comendo e conversando com as duas, Marco, Isco e James sobre as diferenças entre Brasil, Colômbia e Espanha, até que aceitou o convite de Pilar para jogar futebol americano. Alguns jogadores tinham pedido aos trigêmeos para explicar algumas regras e depois de quarenta minutos de muitas perguntas e discussões eles estavam prontos para tentar. Carter conhecendo bem a família que tinha, achou por melhor ser o juíz e relembrar as regras ao longo do jogo para todos os participantes.

- Por que eu não? - o alemão perguntou ofendido.
- E por que eu não também?! - Nate fez a mesma pergunta.
- É completamente pessoal, eu amo vocês, mas o Cameron é muito melhor que vocês. - disse, vendo o irmão a encarar surpreso e percebeu que nunca tinha dito aquilo a ele antes. - E você é só porque tem cara de quem vai ser ruim mesmo. - comentou dando de ombros para o loiro. - O Sergio e Casemiro já nasceram com sangue nos olhos e é de pessoas assim que eu preciso no meu time.
- Eu já volto. - Kroos anunciou calmamente, indo em direção a e a pegou no colo, como se ela não pesasse nada, a jogando sobre seu ombro e seguindo em direção a piscina.
- Você não vai fazer isso!! - a fisioterapeuta gritou ainda desacreditada, ouvindo as risadas atrás de si.
- Vou, ainda mais que eu vi você tirando o celular e o relógio antes de vir jogar com a gente.
- Alemão, se você sequer s… - não conseguiu terminar o que dizia, pois logo teve que segurar a respiração, ao cair com tudo dentro da piscina de Isco.

Quando reapareceu na superfície, Toni já estava de volta no lugar, com um sorrisinho debochado de lado, fingindo que nada tinha acontecido. A fisioterapeuta saiu da piscina calmamente, aceitou a toalha que Isco jogou pra ela e voltou a sua posição, encarando Kroos indiferente.

- Jess, por favor, se divorcia dele. - pediu a amiga, sem tirar os olhos de Toni, que fez uma careta ao ouvir o pedido. - Que os jogos comecem. - completou, se preparando para acabar com o homem à sua frente.

De um lado , Sergio, Cameron, Casemiro e Asensio disputavam contra Pilar, Toni, Nate, Llorente e Carvajal. A partida, embora acirrada e cheia de pausas para que todos lembrassem as regras, também foi regada a risadas, causadas principalmente por Pilar e Sergio, que eram extremamente competitivos, ainda mais quando jogavam em times opostos. Com tantos egos esportivos em campo, Carter usou de toda sua diplomacia para burlar as regras e declarar um empate antes que uma guerra se iniciasse, mesmo que para isso tivera que aguentar todos os participantes o confrontando, pedindo por um time vencedor.

- Eu sei que não foi empate. - disse mais uma vez ao irmão, aceitando um copo de água que Anna e Jessica estavam oferecendo a todos.
- Não sei do que você está falando. - Carter deu uma piscada e um sorriso para a irmã antes de suspirar e perguntar - Está tudo bem entre a gente?
- Sim, você sabe que eu não consigo ficar brava com você por muito tempo, mas nunca mais me esconda nada. - respondeu em tom "ameaçador".
- Por que com o você não ficou?
- Porque ele queria me ver bem e as intenções dele eram válidas, se você tivesse me contado na mesma época eu não teria me importado, mas ficar falando de mim pelas costas não é algo que me agrada.
- Eu sei, eu não fiz por mal. Mas nunca sei como fazer você se abrir comigo, sempre está "tudo bem", mesmo sua voz provando o contrário.
- Eu sei, eu prometo tentar me abrir mais com vocês, já percebi que não são mais meus bebês. - disse rindo ao apertar as bochechas do irmão, o fazendo resmungar. - Vai na piscina comigo? Eu prometi ao Isquito e a Salomé.
- Vou s…
- Tia, a gente pode ir na piscina? - Salomé apareceu do nada com um sorriso esperançoso no rosto.
- Só se for agora! - respondeu para a garota, procurando pelo pai dela com os olhos, para confirmar que estava tudo bem. - Se tivesse combinado não tinha dado tão certo.
- Eba! E eu vou chamar o papa, ele disse que ia comigo.


7⃣⚽🍀

Após o pedido de Salomé, a fisioterapeuta juntou todos que se dispuseram e foram para a piscina com as sete crianças que estavam no local. Os adultos acabaram se divertindo tanto, que até os que não eram pais se renderam e entraram na piscina, tamanha a fofura que era ver as crianças tentando nadar e a gargalhada que eles davam com qualquer coisa que algum adulto fazia.

Sergio, Casemiro e Isco faziam valer o papel de pai e palhaços, divertindo não somente as crianças, como também os adultos. De longe, viu quando Isco entrou na piscina com Mia para que pudessem passar um tempo com o filho dele, somente os três. Sorriu ao ver que a garota tinha jeito com crianças.
Apesar da diferença de idade, afinal, Maria tinha a mesma idade que seus irmãos, percebeu que as duas tinham muito mais em comum do que a nacionalidade. Ambas estavam se relacionando com um jogador que tinha filho e tentavam se estabelecer em suas carreiras em um país diferente.

Uma hora depois e a diversão se transformou em fome e a área onde estava a churrasqueira foi tomada por todos os convidados, Dani Carvajal dando comida a Amelie era a coisa mais fofa que tinha visto nos últimos tempos.

- Treinando, hein? - brincou com o jogador que dava pequeninos pedaço de carne para a garota.
- Ainda falta muito tempo, não me roga praga. - brincou.
- Ô povo pra fazer filho. - a fisioterapeuta concordou, sorrindo ao ver a quantidade de crianças no local.
- Por enquanto eu tô feliz sendo o tio Dani.
- E o melhor lateral direito desse mundo. - piscou para o mais novo e riu ao vê-lo ficar tímido. - Eu tenho umas amigas que pirariam nesse seu jeitinho, Dani.
- Dá pra parar de ser a tia do rolê e deixar ele em paz? - Nate apareceu ao lado dos dois. - O Casemiro quer colocar música brasileira, disse que cansou do reggaeton.
- Eu vou lá. - respondeu se levantando e Nate tomou seu lugar.
- Minha irmã não pode nem sonhar com a festinha que vamos dar quando vocês tiverem em LA. - disse rindo, batendo sua garrafinha de cerveja na de Carvajal.

Assim que Casemiro entendeu como funcionava o sistema de som da casa de Isco, o deixou preparando uma playlist brasileira. Pelo caminho, acabou encontrando com Pilar, que avisou que ela e as outras mães estavam levando as crianças para tomar banho e os pais iriam colocá-los para assistir um filme na sala de TV, o que provavelmente faria todos dormirem, de tão cansados que estavam após passar metade do dia correndo, nadando e comendo. Aproveitou e se ofereceu para subir com Isco Jr. e para agilizar o processo, foi com Sergio e Pilar para o quarto do jogador.

- Ai que saudade que eu tava de cheirinho de sabonete de bebê. - disse fazendo o casal rir, quando ela saiu do banheiro com Isquito enrolado em uma toalha. - Esse está quase dormindo.
- Esses dois também.
- Banheiro, tia. - Isco disse a , colocando a mão na barriga.
- Jura?! - a fisioterapeuta fez uma careta decepcionada, o enrolando novamente na toalha. - Espero que seja xixi.
- É cocô. - o pequeno anunciou de forma tão inocente, que Sergio não se aguentou e soltou uma gargalhada exagerada e todas as crianças o acompanharam, mesmo sem entender a piada.
- Não é legal rir da desgraça alheia. - fez careta pro jogador e voltou para o banheiro. - Eu não tenho a menor saudade disso!! - gritou, fazendo os dois no quarto voltarem a rir.

A fisioterapeuta terminava de colocar o pijama em Isco Jr. ao som do choro de Marco, podia ouvir Pilar e Sergio tentando convencê-lo a passar shampoo na cabeça, quando de repente, Sergio Jr. apareceu correndo pelado e se jogou nela.

- Cocô, tia.
- Você tá brincando comigo? - perguntou ao menino, que negou. - Você precisa mesmo ir no banheiro? Cadê seus pais? - disse mais para si mesma, pois sabia que eles estavam ocupados com Marco.

Derrotada, enrolou a toalha em Sergio e com ele e Isquito no colo, correu para o banheiro que ficava no corredor. Ao voltar, encontrou Sergio de costas pra ela, colocando a fralda em Marco.

- , me ajuda aqui, eu acabei de colocar fralda nele e ele fez número 2.
- Mas o que está acontecendo?! Só me falta você falar que precisa ir também. - disse exagerada, colocando os dois meninos no chão. - Você não troca fralda dos seus filhos, não?
- Troco, mas é que essa… - Sergio fingiu ter ânsia de vômito e suspirou exausta.
- Eu nunca mais vou me oferecer pra dar banho em ninguém. - disse mal humorada, empurrando Ramos para que ela trocasse o menino. - Ué, mas ele tá limpo…

No que se virou para o jogador, ele e Pilar, que estava escondida no banheiro, caíram na gargalhada e as crianças imitaram os adultos, dando gritinhos de felicidade.

- Desculpa , mas quando o Sergio pediu pra ir no banheiro, não teve como não lembrar da sua cara saindo do banheiro com o Isco. - Sergio começou.
- Foi ideia dele pedir pro Sergio vir atrás de você. É claro que ele troca fralda dos meninos. Não estaria com ele se não fizesse. - Pilar disse encarando o marido brincalhona.
- Seu pai tá querendo entrar na minha lista negra junto com o Tio Toni, Marco. - a mulher disse fazendo cócegas no pequeno enquanto fechava a fralda dele.


7⃣⚽🍀

- Todas as crianças estão confinadas na sala de TV. Pode aumentar a música e liberar o álcool. - disse animada, levantando os braços pro ar. - Finalmente vou beber!
- Você é desse jeito mesmo sóbria? - Kroos apareceu atrás de , a assustando.
- Sim, não sou como você que precisa beber pra ficar legal. - retrucou, passando o braço pelo ombro do amigo - Eu ainda não te perdoei por molhar minha blusa nova, vai ter volta.
- Jantar por minha conta? - perguntou, enquanto caminhavam em direção a Jessica, que estava sentada em uma espreguiçadeira sozinha.
- Eu tava pensando mais em algo como uma bolsa nova.
- Pra isso eu teria que te derrubar mais algumas vezes na piscina… pro resto da vida.
- As crianças? - Jess perguntou quando e Toni se aproximaram.
- Amelie dormiu e o Leon tá vendo o desenho. - o alemão respondeu. - Quando a Pilar vier ela vai trazer a babá eletrônica.
- Eu vou buscar uma caipirinha, quer uma?
- Eu parei, vou dirigir. - Kroos fez uma careta ganhando um beijo da esposa, que tinha uma cheia ao seu lado.
- São nesses momentos e neles que eu entendo porque a Jess casou com você. - falou rindo e já correndo para longe do casal.
- A mãe dela deve ter bebido na gravidez, não é possível. - Toni disse rindo pra esposa, tomando um pequeno gole da caipirinha.
- Mas bem que você adora as maluquices dela.
- Adoro, mas se um dia você disser isso pra ela, eu nego.


- Pelo visto seus irmãos se deram bem com os espanhóis. - James disse divertido, entregando uma caipirinha pra e ela aproveitou pra se sentar com ele e Asensio, que estavam cuidando das carnes, depois que Isco liberou os funcionários para que eles tivessem mais liberdade. Isco, Mia, Llorente e Paddy jogavam bola no gramado.
- Bem demais. - a fisioterapeuta riu, ao ver Nate tentando afundar Carvajal.
- Que horas eles tem que ir pro aeroporto? - Asensio perguntou curioso, vendo o irmão e Fede, amigo de Isco, jogando Carter na piscina.
- Em três horas. Daqui a pouco eu vou lá lembrar eles.
- Não sei porque eu vim dirigindo. - James indagou, com um novo drinque em mãos. - Será que o Isco se importa se eu deixar meu carro aí?
- Com os irmãos da indo embora, tem dois quartos livres. Se alguém quiser ficar… - o jogador respondeu, concentrado em driblar Paddy e Mia.
- Eu não quero ser culpada se o clube multar vocês por chegarem bêbados na segunda.
- Acho que eu vou correr esse risco. - Llorente disse, rindo da namorada tentando roubar a bola de Isco sem muito sucesso.
- Eu preciso de uma pausa - Paddy falou, se virando para onde as bebidas estavam - Eu quero experimentar uma de abacaxi com vodka agora. Quer uma, Mia? - perguntou a morena.
- Vamos lá!
- Sua namorada é das minhas. - se virou para a loira. - Depois da de abacaxi eu vou te fazer uma de kiwi.
- Ei, ela que ia voltar dirigindo. - Llorente resmungou, também se aproximando. - Tá livre o quarto mesmo? - perguntou de brincadeira.
- Eu acho que vou acabar ficando por aqui. - Asensio disse animado, pegando uma jarra cheia. - Experimenta essa, eu que fiz.
- É...tá bem forte. - passou o copo para James. - Mas como foram meus irmãos que te ensinaram, tá bem a cara deles. Vai ficar mesmo? O Gareth ainda não voltou pra casa e não quero ficar sozinha, mas também não quero segurar vela pro casalzinho.
- Eu fico com você então, mas vai ter que me ajudar a terminar isso aqui.
- Desse jeito quem vai estar bêbada até segunda sou eu.
- Contanto que eu não encontre vocês pelados na sala amanhã de manhã. - Isco disse dando de ombros e Mia deu um tapinha no ombro dele.
- Você gosta de mulheres mais velhas? - entrou na brincadeira, se aproximando de Marco.
- Ainda mais depois de te ver de biquíni. - Asensio respondeu direto, piscando pra mulher.
- Opaaa!! - Isco, Llorente e James se encararam chocados e pularam em Marco, do jeito que faziam quando estavam tirando sarro um do outro.
- Eu sou comprometida, senão eu investia. - respondeu metida.
- Vocês não tem uma amiga pra me apresentar, não?
- A única que eu tenho, tu já pegou. - Mia soltou e Marco a encarou confuso.
- Que amiga?
- Tu ficou com minha amiga na festa do .
- Mas eu te perguntei e você disse que não ficou com ninguém? - se virou pra ele suspeita.
- Não fiquei não, passei a noite toda com vocês. Depois que a sumiu ainda ficamos um tempão jogando, só fui embora quando o Igor quase deu PT na pista.
- Tem certeza? - Mia agora parecia tão confusa quanto Marco.
- Eu mal bebi na festa, tinha fisio no dia seguinte.
- Bah, será que ela mentiu? - a morena disse pra si mesma, olhando no celular. - Essa daqui?
- Nunca vi. - disse mostrando o celular para Isco ver se ele reconhecia.
- Vocês querem jogar vôlei aquático? - Igor apareceu com Carvajal para comer mais um pouco, os dois completamente molhados, apenas de bermuda. - Ei, como vocês conhecem essa garota? - o mais velho dos Asensio questionou, chamando a atenção de todos.
- É minha amiga, ela estava comigo no dia que conheci o Isco.
- A Mia disse que seu irmão ficou com ela na festa, só que ele não lembra. - Isco entregou o aparelho para o amigo, abraçando a garota de lado.
- Fui eu, ela até me deu o telefone, mas eu tava tão louco, que anotei errado.
- Pô direto confundem a gente. - Marco riu, olhando novamente a foto da garota, antes de devolver o telefone para a brasileira. - Coitada, achou que tava ficando com o mais bonito e era só você.
- O problema é que quando você abre a boca elas já desistem. - Igor retrucou rindo. - Nem com toda sua fama dá pra relevar. E aí vamos jogar?
- É porque ela não me viu. - Dani se intrometeu na discussão dos dois. - Bonito, inteligente, bom jogador...
- E muito humilde. - Isco respondeu rindo. - Eu vou ficar e ajudar o James com a carne.
- E a gente vai ficar aqui falando de vocês sem camisa. - piscou pra eles, os fazendo rir.
- Ei . - Asensio se aproximou dela - Você sabe que eu tava brincando aquela hora, né?
- Sei sim, eu que comecei com a brincadeira. Não se preocupa. - disse bagunçando o cabelo do mais novo. - Tudo isso ainda é medo da pitbull?
- É. - respondeu divertido, antes de sair correndo e se jogar na piscina com tudo.


Assim que ficaram a sós, Paddy, Mia e caíram na risada.

- Sua amiga tá até agora achando que pegou o Marco? - Paddy perguntou descrente e Mia assentiu.
- Pelo que lembro dela, ela tava atrás de jogador mesmo.- acrescentou.
- Ela queria tentar algo com o Marco ou o James. - a morena disse baixinho já que o colombiano tinha ficado pra trás.
- O Igor é um amor, eu adoro conversar com ele. - disse. - Mas cá entre nós, fisicamente o Marco é bem mais bonito mesmo.
- E convenhamos, muito mais gostoso - Mia disse categórica e as três gargalharam. - Nossa eu adoro essa música. Fazia tempo que não escutava forró.
- Você gosta? Teve umas férias que passei no Brasil e perto de onde eu estava tinha um lugar muito legal, eu ia lá quase toda noite.
- Amava, sempre saia pra dançar com uns amigos da faculdade.
- Como dança? - James perguntou curioso e o encarou encantada, já se levantando.
- Você vai se arrepender de ter perguntado isso. - Isco ofereceu a mão a Mia - Quer me ensinar?
- Vai mesmo. - riu o puxando para o gramado. - Vamos ver se esse Colombiano herdou alguma coisa do Maluma.
- Maluma?! - James a encarou ofendido - Prefiro a Shakira.

7⃣⚽🍀

- Teus irmãos chegaram bem? - perguntou do quarto, enquanto fazia sua rotina noturna no banheiro.
- Eu não sei se bem seria a resposta correta, com muita ressaca sim. Aparentemente eles nem lembram como entraram no avião. - a fisioterapeuta disse rindo, ao sair do banheiro, pronta pra dormir.
- Fico feliz que eles tenham se dado bem com os espanhóis, eles tem a idade próxima e terão mais motivos pra querer vir te visitar.
- É o que eu espero. O que você tá assistindo? - perguntou suspeita, ajeitando os travesseiros, antes de se deitar ao lado do jogador.
- Você dançando com o James. - amava ver dançando.
- Eu ainda não acredito que o Toni te mandou isso.
- Eu que ainda não acredito que não dançaste comigo dessa forma, gira. - o jogador disse, abrindo o braço para que se aconchegasse ali.
- Eu senti sua falta. - soltou, juntando ainda mais o corpo ao do jogador, depositando um beijo em seu peito descoberto. - Muito mais que do que imaginei.
- Eu também senti tua falta, gira. Ainda mais quando te vestes assim. - disse, sobre um dos "pijamas" dela, que o deixavam louco. O da noite era uma camisola rendada cinza que ele podia ver toda a silhueta e contorno da calcinha que ela usava, através da transparência da peça. - Desse jeito não vou conseguir prestar atenção no filme. - declarou, ao tocar o rosto da mulher, selando seu lábios mais uma vez.
- Qual você acabou escolhendo? - perguntou, antes de apagar a luz do quarto, deixando apenas uma luz lateral acesa.
- Lion, parece ser um ótimo filme. - colocou o celular de lado e apertou o botão no controle para que o filme começasse. - ?
- Oi? - a mulher virou o rosto para ele.
- Obrigado. - disse, a beijando mais uma vez.
- Pelo quê? - perguntou confusa, fazendo sorrir fechado.
- Por ser exatamente da forma que és.




Continua...



Nota da autora: Ufa!! Demorou mais que imaginei, mas a Parte 2 saiu ainda nesse mês. 😅
Espero que tenham gostado da segunda parte e para todas as meninas que deram ideias sobre o que poderia acontecer nesse churrasco, espero ainda mais que as expectativas tenham sido atendidas.

Teve um pouquinho das crianças, a pp e o Toni se bicando como sempre, Sergio tirando sarro da pp, vídeo enviado pro Cris e por aí vai.
Teve uma cena que não consegui encaixar senão ficaria muito grande, mas que eu queria MUITO, que era a pp ensinando eles a dançar Bonde das Poderosas 😂😂😂 Se um dia a cena encaixar acredito que preciso dela para viver.
POR FAVOR, me digam o que estão achando.

Até a próxima att!
Carol




Outras Fanfics de Futebol:
Dele
Nobody Matters Like You


comments powered by Disqus