Última atualização: 07/04/2020

Capítulo 1 - Pegao

Colômbia - 2019

"Bailando te pones peligrosa. Haces que se pare el mundo solamente si me tocas..." Pegao - CNCO

Respirou fundo quando chegou ao quarto do pequeno hostel onde havia alugado o cômodo apenas para si, ao invés de dividir o mesmo como normalmente era feito. Não era nada do que Malik estava acostumado, isso era um fato. Nos últimos anos mansões e hotéis luxuosos era apenas o que ele conhecia, mas quando decidiu por aquela pequena viagem, decidiu também que não queria nada da sua vida de estrela.

Depois de anos na boyband mundialmente famosa e dois álbuns solo lançados e sendo sucesso ao redor do mundo o garoto de Bradford decidiu que queria algo diferente. Conhecer lugares mais simples, comida feita por donas de casa, festas com o povo e mochileiros das cidades por onde passava. Seu empresário o chamou de maluco sem cerimônias quando o garoto lhe informou da decisão dias depois do lançamento de sua nova música com R3HAB e Jungleboi, mas Malik sabia que se ele sentia que aquele era o momento devia seguir seus instintos.

Quando a noite caiu e Malik seguiu para a área de convivência do lugar se enturmou com um casal que vinha da Finlândia e pareciam não fazer ideia de quem o rapaz era. Os dois que estavam na estrada a seis meses e naquele hostel a uma semana informaram Malik sobre uma festa que aconteceria em um local ali perto convidando o britânico a acompanhá-los. Zayn por sua vez aceitou empolgado e eles seguiram pelas ruas de Cartagena.

Chegaram ao local que mais parecia uma casa em vinte minutos de uma caminhada regada a conversa animada e uma cerveja que haviam pego no hostel. A música claramente latina tocava alta e pessoas entre 21 e 30 anos se encontravam entrando e saindo do lugar já se mexendo no ritmo da dança.

Zayn seguiu seus novos amigos, Kauan e Eni para dentro do local e logo estavam no bar onde o garoto pediu por um mojito decidido a degustá-lo no bar enquanto o casal seguiu para a pista de dança.

Obviamente muitas mulheres se aproximavam do bar em busca de uma bebida e de que Zayn devolvesse seus olhares, porém o britânico ainda não encontrara ninguém que fosse de seu interesse no local. Haviam mulheres bonitas, claramente, mas nenhuma que despertasse interesse em Zayn.

Depois de seu mojito finalizado e uma caipirinha em suas mãos, ele decidiu que era hora de abandonar o banco e realmente curtir aquela festa. Caminhou por entre as pessoas enquanto bebericava o drink em suas mãos. Alguns garotas o convidaram para dançar, mas ele sentia que devia andar e foi o que fez, até chegar no terraço do local onde outra pista de dança se encontrava.

Não demorou nem um minuto para ter sua atenção tomada por uma garota em específico. Ela dançava o reggaeton de maneira sensual e como se precisasse apenas daquilo para estampar aquele sorriso em seu rosto. O corpo se mexia exatamente no ritmo da batida da música e Zayn suspeitou que ela escutasse aquela mesma música muitas vezes. Era a única explicação plausível.

Ele não caminhou, apenas ficou parado, bebendo de seu copo e observando a garota dançar. Pôde perceber que não era o único e enquanto observava pensando em como poderia chegar nela e conversar. A ideia lhe surgiu minutos mais tarde quando percebeu que ela não pretendia conversar. Deixou o copo sob uma mesa vazia e adentrou a pista de dança. Obviamente não era um expert naquela dança, mas sabia se virar bem.

- Será que eu posso dançar com você? - perguntou próximo a orelha da garota e viu seus pelos se arrepiarem pouco antes de ela virar o pescoço para encará-lo. Ela o olhou como se decidisse o que fazer e então olhou a garota a sua frente que a acompanhava provavelmente.

As amigas não precisaram de palavras, apenas um sorriso lateral trocado e já haviam se entendido.

- Vou beber. - ela declarou acima da música e lançou um último sorriso que dizia tudo a amiga. - Se divirta.

- Claro. - ela respondeu o rapaz que sorriu de canto.

Ambos iniciaram uma dança próxima e que fez Zayn sentir calor. Não pela temperatura obviamente, mas por tudo que se passavam em sua cabeça naquele momento. As ideia e fantasias eram muitas e ele não podia contê-los, ainda mais sob efeito do álcool que havia ingerido. Ela mexia o corpo e sabia o que estava causando a ele, já que sorria se divertindo com os pensamento que estavam claros no rosto de Malik.

Ela não havia se interessado por muitos rapazes naquela noite, mas Zayn havia lhe causado um arrepio diferente e ela decidiu que queria ver do que o garoto era capaz e devia dizer que estava impressionada. Apesar de não ser um exímio dançarino ele sabia bem como se mexer e principalmente como a olhar. E como a olhava. A olhava como se fosse tudo que ele visse naquele lugar, a olhava como se a desejasse até seu último fio de cabelo, a olhava como se o resto do mundo tivesse perdido a graça. E aquele olhar a tinha por completo naquele momento.

Não demorou muito para que as mãos dela passassem pelo pescoço do rapaz e as dele repousassem na cintura da moça segurando com certa firmeza. O que veio a seguir aconteceu antes que pudessem piscar. Zayn mordeu o lábio de modo desejoso e ela não hesitou em juntar suas bocas. O beijo foi correspondido imediatamente e ambos aproveitavam daquele momento em cada milésimo de segundo que podiam. Quando o ar lhes faltou se afastaram minimamente, apenas o suficiente para respirarem e Zayn se perguntou o que tinha naquele mulher que estava lhe causando tantas sensações diferentes e que jamais havia experimentado antes.

Quando suas respirações voltaram ao compasso se afastaram um pouco mais, porém suas mãos não deixavam os corpo um do outro.

- Eu preciso saber seu nome. - não era necessário gritar, ela o escutava. E a comprovação disso foi seu sorriso fraco.

- Por que precisa? - ela questionou de maneira travessa, apesar de as intenções de Malik estarem claras desde que ele pediu para dançar com ela.

- Por que eu preciso saber o nome da mulher que vou convidar para sair desse lugar comigo. - a voz rouca do rapaz não era forçada, nem a sensualidade de seu tom e ela jurou que as pernas derreteriam ali mesmo, na frente dele.

- . - ele gostou de como o nome soou na boca dela.

- , está afim de sair daqui comigo? - convidou molhando os lábios e mordendo o inferior em seguida. nunca havia visto nada tão bonito na vida antes e tinha certeza naquele momento. Talvez fosse um deus grego. Já ouvira histórias nas aulas de história sobre deuses que desciam do olimpo e se encontravam com mortais. Aquela poderia ser uma dessas vezes sem duvidas.

- E qual é o nome a quem devo responder? - ela questionou divertida e Malik sorriu. Claramente ela não o conhecia, se conhecesse já haveria lhe dado um daqueles olhares que ele sempre via pelas ruas de Los Angeles. Poderia dizer seu nome em segurança.

- Zayn. - a garota sentiu agrado pelo nome do rapaz. Se inclinou chegando perto a orelha dele e sentiu seu cheiro mais próximo.

- Espero não me decepcionar. - ela sussurrou beijando o maxilar do rapaz e se divertiu ao vê-lo se arrepiar. Quando as mãos dele se apertaram na cintura dela, ela soube que não se decepcionaria.

[...]

Malik abriu os olhos e o sol já invadia o quarto. Demorou alguns segundo para se lembrar onde estava e quando olhou para o lado na cama o corpo de já não repousava mais ali.

O rapaz se espreguiçou e se sentou coçando os olhos para se acostumar a luz. Observou o quarto em seguida e percebeu que não haviam resquícios de por ali. De todo modo se levantou e a procurou no banheiro, porém não estava lá. Encontrou sob a mesa de cabeceira um daqueles cardápios de hotel - já que haviam pego um quarto em um hotel a poucos metros do bar onde se encontravam, tendo em vista que as acomodações de ambos ficavam muito mais longe dali - onde uma letra bem desenhava havia deixado um recado.

A noite foi ótima, não me entenda mal, mas honestamente não quero precisar lidar com as fãs malucas de um cara como você. Aquele cara que conheci ontem é ótimo, mas não seríamos mais que uma transa casual.

Se cuide e tenha uma boa vida.
Com carinho, .


Ela não sabia quem ele era, mas provavelmente havia descoberto e novamente Zayn odiou o fato de não poder ser apenas um cara normal que acordaria com a garota da noite anterior em sua cama. Passou as mãos pelo rosto e decidiu que era hora de seguir para seu hostel. Mais dois dias era o que teria na cidade e queria aproveitá-los. Agora, decidido a manter distância de garotas com suas danças sensuais e boas transas. Agora, decidido a tirar aquele tempo para si. Por que - seja lá qual for seu sobrenome - já havia sido o suficiente para que Zayn tivesse certeza que teria seus pensamentos roubados durante um bom tempo pela lembrança do sorriso e daquele noite com ela.


Capítulo 2 - L.A.

São Paulo - 2020

“L.A. morning had to come, i'd be walking in the sun…” L.A.- Elliott Smith.

digitava freneticamente em seu computador a última matéria que tinha que finalizar e então o final de semana seria todo seu. Mal podia esperar por sua viagem para Paraty com sua melhor amiga. Estavam planejando aquilo desde que ambas voltaram de férias no início de dezembro.

A viagem pela América Latina havia sido uma das melhores que haviam feito na vida e decidiram que precisavam gastar seu dinheiro para fazerem algo juntas que não fosse apenas comer - por mais que achassem suas noites de dates uma com a outra sensacionais.

Quando o último ponto foi colocado na matéria ela jogou seus braços para o alto e saltou gritando:

- Toma essa Britney Spears! - gritou para a matéria que seria uma das principais no site naquela semana.

- . - ouviu a voz do chefe a chamar e se virou ainda com as mãos para o alto vendo o homem encara-la com a expressão cansada - Onde está a ? - questionou se referindo a .

- Não sei, senhor. - respondeu simples. O chamava de senhor desde seu primeiro dia ali apenas porque deixava o homem a revirar olhos.

- Procure ela e venham as duas à minha sala. - adentrou o local e deixou com a pulga atrás da orelha se perguntando o que ela e teriam feito afinal.

Andou o prédio todo atrás de que nunca atendia ao celular no trabalho e por isso era mais fácil procurá-la andando. Encontrou a garota na entrada com um copo de um suco verde em mãos fazendo uma careta para o mesmo após tomar aquilo direto do copo.

- , vem logo, o André quer falar com a gente. - chamou apressando e a outra correu rapidamente alcançando a amiga.

- Chances da gente passar na cozinha pra eu pegar açúcar pra isso? - ela apontou o suco.

- Sabe que a ideia é sem, certo? - questionou arqueando uma sobrancelha.

- Tenta tomar essa porra sem açúcar, é horrível. - ela soltou praticamente gritando e a outra riu.

- Não use palavras de conotação sexual assim. Não no trabalho pelo menos. - alertou e a outra deu de ombros.

Caminharam em direção a sala do chefe - passando na cozinha antes claramente - de maneira que mais parecia que estavam no corredor da morte, mas era apenas a sala de André. Quem visse de fora nem sequer imaginava o quanto bebiam na casa do homem nas noites de quinta falando sobre as desgraças de suas vidas amorosas.

Bateram na porta e entraram assim que foram liberadas fechado a porta atrás de si. As persianas já jaziam fechadas e souberam que das duas uma: ou André havia terminado de novo com a namorada e queria chorar ou o assunto era sério.

Se sentaram nas poltronas de frente para o rapaz enquanto ele mantinha as mãos juntas sob a mesa. Tinha uma expressão séria no rosto que fez ambas se encararem.

- Eu quero saber agora. - pediu ainda sério.

- Saber o que? - foi quem questionou completamente confusa.

- Acho melhor me contarem antes de eu perguntar. - alertou e as duas se encararam.

- Tá bom, eu tirei um cochilo no banheiro, mas foi só uma vez. Em minha defesa aquela noite de vinhos na sua casa foi pesada Andy, então a culpa é sua. - se defendeu e todos na sala trocaram olhares. André riu no instante seguinte.

- É ótimo fazer isso porque eu descubro toda a merda que acontece aqui. - murmurou enquanto parava de rir.

- Ah, vá cagar André. Se não era isso do que está falando então, seu grande idiota? - cruzou os braços emburrada e em seguida pegou seu suco de sob a mesa e o bebeu, constatando que nada consertaria aquilo.

- Quero saber como foi que vocês fizeram pra nascer com o ânus tão virado para a lua. - ambas riram. Andy não usava palavrões e quando queria usá-los encontrava palavras mais politicamente corretas para usar em seu lugar.

- Certo senhor ânus, do que está falando? - questionou ainda rindo fraco.

- Estou falando do fato de terem praticamente acabado de voltar de férias e já estarem entrando de novo. - aquela conversa só as deixava mais confusas a cada minuto que passava.

- André para de enigmas que isso aqui não é stream do Cellbit não, amigo. - o repreendeu com suas referências aleatórias que nenhum dos outros dois entendeu.

- Enfim… - André prosseguiu - Sinto muito arruinar o final de semana de vocês, mas vocês estão a caminho de Los Angeles, senhoras. - declarou e ambas franziram o cenho - Como sabem outras duas jornalistas iriam cobrir o Grammy, mas acabamos tendo imprevistos e vocês duas foram as escolhidas. Temos mais algumas coisas a resolver por lá depois da premiação, então vocês ficam na cidade dos anjos por duas semanas. - as garotas se encararam perplexas. Não era possível que estavam ganhando aquilo assim, mas Andy não estava brincando e elas sabiam, por que conheciam o amigo e chefe - Nem ousem gritar aqui dentro, vão para casa e arrumem as malas, o voo sai de madrugada e precisam estar prontas. Vamos enviar para vocês todo o schedule desses dias. Vocês terão muitos dias livres então usem com sabedoria e por favor não façam com que eu me arrependa. - ambas se levantaram em um salto animado e deram a volta na mesa abraçando André, que riu fraco sem conseguir resistir às graças das duas. Ele adorava aquelas garotas, mas não de um modo romântico, era de um modo fraternal. Como se fossem suas irmãs. E como bom irmão mais velho Andy queria que elas tivessem o mundo, já que acreditava piamente de que menos que o mundo não era suficiente para aquelas duas.

- Obrigada Andy, você é o melhor. - agradeceu estalando um beijo no rosto dele que riu.

- Certo, já chega, vão embora daqui agora e arrumem as malas, eu busco vocês às 23:50 para irmos para o aeroporto. - declarou se levantando e as empurrando - E se lembrem, feição neutra e profissional. Surtem em casa. - seu tom era sério e ela sabiam que deviam se conter e lutaram com todas suas forças para não esfregar na cara de Alice - a garota que se sentava ao lado de e vivia enchendo o saco dela - que elas iriam para Los Angeles. Desceram até o térreo e enquanto esperavam o uber na frente do prédio, mal podiam esperar para chegar em casa e entrarem em surto.

[...]

André lhes instruiu sobre como agir, onde ir, o que vestir e todo esse tipo de coisa pela milésima vez quando o voo delas foi chamado. O fizeram ficar quieto e se despediram com abraços e promessas de presentes e de voltarem logo.

Seguiram para dentro do avião e pediram para um homem que ele trocasse de lugar com uma delas e ele aceitou de bom grado, deixando que as amigas fossem uma ao lado da outra. Deixaram suas malas de mão no bagageiro e se sentaram afivelando os cintos e encarando tudo e todos.

O avião descolou e quando estava no ar ambas perceberam que seguravam as mãos de modo a passar segurança uma a outra, se encararam e com um sorriso largo se entenderam rapidamente.

- Los Angeles… - começou e sorriu ainda mais largo sem conter a felicidade no coração.

- Aí vamos nós. - a garota completou a frase.

Los Angeles seria delas nas próximas semanas e apesar de suas obrigações, elas aproveitariam o máximo que pudessem. Disso tinham certeza.


Capítulo 3 - Cruel

*Esse capítulo é um crossover com “A história nunca contada de como me apaixonei por uma estrela” da Gabbevii*


Los Angeles - 2020
"I've been by myself remembering you..." Cruel - Snakehips feat ZAYN.

- É só isso por hoje, Z. - o empresário informou o garoto assim que ele terminou seu ensaio de Flames.

Zayn se apresentaria no Grammy no dia seguinte e estava nervoso. As mãos suavam só de pensar naquela gente toda o encarando enquanto cantava. Claramente já deveria estar acostumado já que já havia performado em estádios lotados de garotas que provavelmente desmaiariam a uma piscada que o garoto desse para elas. Mas estranhamente Z não estava acostumado a aquilo. Se sentia tímido ao fim de todas as apresentações e nervoso antes de todas.

- Obrigado pessoal, vocês foram incríveis. - agradeceu a todos que se encontravam ali fazendo uma pequena reverência para em seguida descer do palco e começar a tomar o caminho do camarim enquanto seu empresário lhe dizia todas as coisas burocráticas que teriam que resolver na semana seguinte por conta do lançamento do novo single.

Aquela havia sido uma surpresa para o mundo, já que Zayn simplesmente informou em sua conta no twitter que em Janeiro lançaria seu novo álbum solo - isso dois dias antes do Natal no ano anterior. Aquela seria uma semana cheia, com festas de lançamento, reuniões e entrevistas até finalmente lançasse a música na sexta-feira.

Assim que entrou no camarim o empresário o deixou sozinho para que descansasse até o carro que o levaria de volta para o hotel chegasse. E foi aquilo que Zayn fez. Se jogou no sofá que havia ali e fechou os olhos decidido a dormir um pouco, mas sem que notasse seus pensamentos desviaram o caminho do sono e o levaram alguns meses antes.

O quarto de hotel estava iluminado apenas pela luz que vinha da rua, a música alta do bar onde estava podia ser escutada ainda que mais baixa. O lugar tinha um cheiro quente de suor. Os olhos castanhos de eram iluminados por um filete de luz que entrava concentrado pela fresta da janela. As roupas estavam pelo quarto e apenas a cueca dele e a calcinha dela ainda eram mantidas. Zayn a olhava completamente entorpecido pela mistura de álcool e tesão. E não podia ser descrita como algo muito diferente disso. Ele afastou uma mecha do cabelo da garota de seu rosto que começava a suar e se inclinou a beijando lentamente. Desceu seus beijos ao pescoço dela e viu os pelos de seus corpo se arrepiarem ao mesmo tempo que ela arfou. A pele contra seus lábios era quente e ele podia se lembrar de todas as sensações como se tivesse acontecido naquela manhã.

Não teve tempo de deixar que seu pensamento voasse para além daquilo porque alguém bateu em sua porta e ele precisou se recompor para que o volume que começou a querer se formar em suas calças sumisse.

- Pode entrar. - autorizou depois de ter certeza que não haviam riscos por ali e assim que a porta se abriu ele encontrou um sorriso já conhecido.

- Aí está ele. - o recém chegado estava animado e abriu seus braços. Zayn fez o mesmo recebendo o amigo de modo carinhoso e cheio de saudade.

- Como vai, Liam? - questionou assim que se afastaram. Ambos tinham um sorriso enorme nos lábios. Não se viam com a frequência que gostariam, era verdade, mas sempre que se viam era especial.

- Orgulhoso de um certo cantor ai que eu ouvi ensaiar. - deu de ombros como se não fosse nada e em seguida ambos riram.

- Fico feliz de ouvir isso. Muito feliz mesmo. - assumiu sincero e Payne que já sorria, sorriu ainda mais largo - Senta ai, vamos conversar um pouco. - indicou o sofá e ambos se sentaram.

- Como está tudo? - Liam questionou se virando para o amigo.

- Corrido, porém bem e com você? Minha mãe pediu para te dizer que o novo álbum está incrível. - informou se lembrando repentinamente da ligação que havia recebido da mulher uma semana antes.

- Sua mãe está sempre comentando minhas coisas no instagram. - Payne comentou de modo aleatório e Zayn riu fraco, sabendo que aquilo era a cara da mãe - E é, as coisas estão bem de um modo geral. - Liam deu de ombros e Zayn não deixou passar o quanto o amigo pareceu apreensivo.

- Vamos lá, fala comigo Payno. - incentivou o amigo com um breve sacudir dos ombros de Liam e o garoto suspirou.

- Sabe que eu e Ava, estamos... Próximos, certo? - questionou mordendo o lábio e com um pequeno aperto no coração Zayn assentiu. Já sabia o que vinha a seguir e sabia que a temida hora de falar com seu amigo sobre seus sentimentos por Greco havia chego. E apesar do medo e receio, Zayn não queria mentir para Liam. Queria ser honesto com o amigo, estava cansado de coisas que pudessem os afastar e queria basear aquela relação em plena confiança - Eu tenho sentimentos por ela. Sentimentos de verdade. E me vejo dando alguns passos com ela, não agora, mas talvez daqui a algum tempo. - Liam tinha suas mãos juntas e observava os dedos enquanto falava demonstrando todo seu nervosismo. Ele não tinha medo de ser vulnerável perto de Zayn, afinal, eram amigos a anos e confiava nele - Só que... - fez uma breve pausa, encarou o amigo e naquele momento um arrepio percorreu a coluna de Zayn - Eu preciso saber o que existe entre vocês. Ou existiu, não sei ao certo. - Liam tornou a suspirar e Zayn mordeu o lábio de modo receoso.

- Liam, eu e Ava somos apenas amigos atualmente. - começou e viu Liam assentir, porém sem esboçar qualquer alívio, já que sabia que um mas vinha por ali – Nós já ficamos no passado. Quero dizer, foram só beijos em uma noite e depois descobrimos que aquilo era um grande engano, Ava me vê apenas como um amigo, um irmão na verdade, mas... – a pausa prolongada de Malik fez o coração de Liam disparar – Eu não posso mentir pra você e dizer que eu não tenho mais sentimentos por Ava do que apenas de um irmão. – o garoto completou e Liam assentiu. Ele suspeitava daquilo, mas a confirmação vinda de Zayn ainda assim o deixou surpreso.

- Eu... – Liam começou engolindo em seco – Eu não sei o que dizer. – comentou baixo, por que de certo modo se sentia traindo o amigo ao ficar com Ava.

- Liam, não estou te contando isso por que quero que você se afaste dela. Jamais iria querer isso. Eu vejo o quão felizes vocês ficam quando estão juntos e honestamente? Eu não poderia estar mais feliz por vocês. De verdade. – começou tocando o ombro do amigo e o tom seguro e sincero de Zayn tirou um pouquinho do aperto que Liam tinha no peito – Você é um cara incrível, Ava é uma garota incrível e vocês dois são meus amigos. Apesar dos sentimentos que tenho por ela, eu não tenho os cultivado desde que soube que vocês estavam juntos, eu entendo que nem sempre que gostamos de alguém isso quer dizer que ela vá ficar conosco, por que a felicidade dela pode estar ao lado de outra pessoa. – ele apertou um pouco mais o ombro do amigo – E eu fico feliz que essa pessoa seja você. – as palavras de Zayn era sinceras, nada ali havia sido dito para agradar Liam ou para tranquilizá-lo apenas. E ele sabia disso. Sabia que Malik não mentiria para ele e sabia que se Zayn estava dizendo aquilo, era por que realmente estava disposto a deixar que aquele sentimento deixasse seu coração. Obviamente ainda amaria Ava e seria amigo dela, afinal, haviam passado por muito juntos para que simplesmente deixassem de ser, e Payne também não queria aquilo. Jamais. Porém, ali naquele camarim, tendo aquela conversa, ele constatou que Zayn jamais esconderia algo dele e a segurança tomou seu coração o fazendo se sentir aliviado, como até o momento não havia se sentido.

- Eu também ficaria se fosse você. – Liam comentou sorrindo para o amigo que retribuiu o ato.

- Eu sei que sim. – ele puxou Liam para um abraço. Abraço esse que reconfortou a ambos. Abraço esse que já era conhecido por eles. Um abraço cheio de carinho e apoio. Eram uma parte importante da vida um do outro, e apesar dos percalços jamais haviam deixado de ser amigos queridos. A reaproximação dos dois no fim do ano acabou por ser uma das melhores coisas que aconteceram nos últimos tempos.

- Mas então, Bear está esperando uma visita do tio Z. - comentou e Zayn sorriu fraco se lembrando do garotinho.

- Vamos marcar um dia e eu vou. - comentou Malik e Payne se sentiu feliz por aquilo

- Certo, vamos só esperar essa sua semana corrida passar e marcamos. - Liam conclui já preparado para engatar um gancho naquela conversa - E devo esperar alguém te acompanhando? - questionou e Zayn riu.

- Payne, você é discreto como um tijolada no meio da cara. - murmurou fazendo o amigo gargalhar.

- Eu sei, mas responda. - pediu ansiosa e Zayn suspirou.

- Na verdade não, estou sozinho. - disse simples, mas ao olhar Liam percebeu que aquilo não seria suficiente para o amigo.

- Achei que você e Gigi estivessem se falando de novo. - Payne soltou e Zayn negou com a cabeça.

- Apenas pela amizade. Éramos bons amigos antes e decidimos prosseguir bons amigos, mas não, namorados, não. – comentou parecendo muito certo do que dizia e Payne assentiu.

- Mas e a tal garota da Colômbia? – Zayn havia contado a Liam sobre ela logo que chegou de viagem, mas havia perdido todas as esperanças de encontrá-la de novo, já que era um nome bem comum e ele estava a quilômetros de distância da onde haviam se encontrado.

- Não faço ideia. Já tentei uma busca na internet, mas você ficaria impressionado com a quantidade de s que existem no mundo. – soltou em tom brincalhão e Liam riu.

- Mas foi algo de uma noite só? - Liam queria ter certeza que havia entendido direito.

- Sim. - Zayn deu de ombros.

- Eu não entendo, quero dizer, desde a banda você tem casos de uma noite só com mulheres e sempre lidou bem com isso, por que está surtando agora? - questionou e Zayn respirou fundo.

- Eu não sei. Ela foi... Diferente. Não sei explicar. A forma como tudo aconteceu, foi completamente diferente. Fisicamente falando. - Liam assentiu, mas ainda não sabia se entendia.

- Acho que você está ficando velho e por isso está ficando mole. Não aguenta mais os casos e fica todo emocionado quando acaba. - brincou e Zayn revirou os olhos rindo fraco.

- Cala essa boca, Payne, por que até onde sei Ava era só um caso de uma garota com quem você fotografou para a Hugo e olha só onde estão agora. - murmurou e Liam tocou o peito onde seu coração se encontrava dramatizando como se acabasse de ser apunhalado.

- Você não tem dó, hein? - Zayn empurrou o joelho de Payne e ambos riram.

Passaram mais longos minutos conversando sobre a vida, carreiras, viagens, família e tudo que podiam no curto espaço de tempo que tinham. Quando vieram chamar Liam para seu ensaio os amigos se despediram em um abraço apertado do qual levaram certo tempo para se soltarem. Combinaram um jantar ainda naquela semana - apesar de corrida - para continuarem a se falar já que o assunto parecia nunca acabar.

- Mas agora falando sério. - Payne começou parado a porta do camarim com Malik logo atrás dele - Deve ser só algo do momento, em relação a tal . Logo passa. Afinal você nem vai ver mais essa garota, provavelmente. - ele deu de ombros e Zayn assentiu – Ainda acho que devia investir na Gigi. – brincou e Zayn revirou os olhos fazendo o amigo rir. Zayn o pegou pelo pescoço e bagunçou seus cabelos fazendo Payne simular que lhe batia na barriga. Ainda eram apenas dois garotos de certo modo.

- Vai caçar o que fazer, Payno. – empurrou o amigo em seguida enquanto eles riam – Mas sobre a ... Você deve estar certo. - Malik concordou, apesar de algo bem lá no fundo lhe dizer o contrário. E ele não fazia ideia do quanto essa vozinha no fundo de sua mente estava certa.


Capítulo 4 - Anna

*Esse capítulo é um crossover com “Vuelvas a mí” da Bea H.*


Los Angeles - 2020

"Every time I see your face there's only so much I can take oh, Anna..." Anna - Harry Styles.

Era o dia do Grammy. se olhava no espelho em seu vestido vermelho e se sentia poderosa como nunca antes. Ela e cobririam o evento de dentro. Sem tumultos de paparazzis ou filas de tvs preparados para entrevistar qualquer artista por cinco minutos. Estaria dentro do local. Seu trabalho era analisar tudo e depois fazer uma matéria sobre os ganhadores da noite os quais entrevistariam no dia seguinte.

Duas batidas na porta indicaram que havia chegado para irem. se olhou uma última vez e seguiu para a porta pegando a pequena bolsa onde seu celular e documentos cabiam de sob a cama. Abriu e lá estava em um longo e elegante vestido.

O de era vermelho, em cortes de alfaiataria, ombro a ombro, o tecido menos maleável e com uma fenda. A cintura e busto eram bem demarcados o que acentuação sua curvas. Usava saltos dourados não muito chamativos

O de era preto de mangas longas, o tecido mais fino e fluido, um decote mais fundo e uma fenda menor do que o de . Demarcava apenas a cintura da moça. Os saltos eram pretos de tira como o vestido.

Ambas se encararam perplexas. Analisaram cada pedaço da roupa uma da outra como sempre faziam antes de saírem e por fim se encararam.

- Gata! - foi o que disseram juntas e depois começaram a rir pela sincronia.

- Eu acho que Andy nós vendeu como acompanhantes de luxo, porque olha esses vestidos. - indicou a roupa de ambas que haviam sido deixadas mais cedo em seus quartos com bilhetes de André desejando um bom primeiro Grammy.

- Na verdade ele sabia que iríamos em algum roupa comum e mandou isso pra garantir. - informou já fechando a porta de seu quarto e não estava errada sobre as razões de André. Mas também não estava 100% certa. Era verdade que ele tinha medo que usasse jeans e coturnos e usasse saia de couro e botas de salto, mas também queria que as meninas tivessem uma das melhores noites de suas vidas vivendo a experiência do Grammy com todo o glamour que a noite tinha a oferecer. Exceto pela after party a qual o jornalista não conseguira acesso para as garotas, mas a premiação já estava de bom tamanho para elas.

- Vou manter a ideia de termos sido vendidas apenas para que uma de nós esteja alerta a possíveis perigos até que tenhamos certeza que é seguro. - contestou e riu. A imaginação da amiga ia longe quando se tratava de criar coisas e por isso era um ótima escritora, mas duvidava que a garota suspeitasse de André por um segundo que fosse. Eram amigos e confiavam uns nos outros desde que as duas entraram na empresa como estagiárias. Eram um trio inseparável.

- Certo, você nos protege e eu bebo então. - deu de ombros e lhe lançou um olhar estreito.

- Espertinha você, não? - apertaram o botão do elevador e as portas se abriram indicando que o mesmo estava em seu andar.

- Grammy, aí vamos nós. - estendeu a mão no alto e tocou na mesma em um high five enquanto as portas se fechavam.

[...]

A noite estava sendo incrível. Muitos prêmios já haviam sido entregues e alguma pessoas haviam se apresentado ao longo da noite. Dado momento decidiu que iria ao banheiro e a acompanhou como já é de praxe entre as mulheres.

Não havia fila, muito pelo contrário, estava vazio, já que todos pareciam extremamente interessados na apresentação que acontecia no palco - essa que era de Zayn e sabe-se lá que força divina tirou do local no exato momento que ele subiu ao palco -, mas assumia que a música era boa, teria que se lembrar de procurar depois.

Enquanto as amigas lavavam as mãos e conversavam sobre a incrível apresentação do PRETTYMUCH a porta do banheiro se abriu revelando um garoto. Ele olhava o celular completamente distraído e nem notou as duas ali que se encararam se perguntando se haviam entrado no banheiro errado.

- Com licença. - pigarreou e o garoto levantou os olhos demorando um segundo para assimilar a situação.

- Ah meu Deus, me desculpem. Eu entrei no banheiro errado, não foi? Me desculpem. - o garoto tapou os olhos apesar de ninguém estar despido ali e as amigas gargalharam.

- Tudo bem, só somos nós aqui. - deu de ombros e o garoto tirou a mão do rosto.

- Ei, você é aquele cara do CNCO, não é? - questionou e ele sorriu meio tímido assentindo - Legal, parabéns pelo trabalho. Escutei algumas músicas e elas não saem da minha cabeça. - comentou e ele sorriu mais largo.

- Obrigado, de coração. - ele agradeceu - Os caras estão me esperando, se quiser esperar eu ir até o outro banheiro para depois irmos falar com eles... - deixou a frase solta e assentiu.

- Claro, vai ser bem legal. - concordou e o garoto assentiu.

- Certo, eu vou lá por que preciso muito usar o banheiro, mas encontro vocês lá fora. - ele saiu apressado e as amigas voltaram a rir.

- Ei, CNCO não é aquela banda da nossa viagem pela América Latina? - questionou sabendo que o nome não lhe era estranho.

- Eles mesmos. - concordou.

- Você é tão boa se lembrando de rostos, eu jamais os reconheceria. - ambas se encaminharam para fora do banheiro e aguardaram alguns minutos até que o garoto voltasse.

- Pronto, agora sim. Oi, muito prazer sou o Erick. - ele estendeu a mão para as garotas e a apertou primeiro, em seguida .

- Sou e essa é a . - as apresentou e o garoto sorriu.

- É um prazer, obrigado por não me julgarem por ser distraído. - ambas riram.

- Tudo bem, eu já estou acostumada com a aqui sendo bem pior. - acusou a amiga que a empurrou pelo braço.

- Erick. - ouviram uma voz chamar e os três se viraram encontrando outros quatro garotos que seguiam em sua direção - Essa demora toda só para ir no banheiro? - o garoto de cabelos cacheados e pintados de vermelho brincou notando depois a presença das duas garotas.

- Ei, ele encontrou companhia pelo caminho. - Chris tinha um tom malicioso que não agradou nada as duas amigas.

- Ah cara a Kenny não vai gostar nada disso e espero que saiba que eu vou contar... - o garoto de cabelos cacheados e olhos mel murmurou em repreensão.

- Joel, não é nada disso. - Erick se defendeu enquanto e observavam a cena sem dizer nada - Pra começar a culpa é dela. Estávamos conversando por mensagem, eu entrei no banheiro feminino sem querer e conheci e aqui. - ele apontou as duas amigas que acenaram - E a Kenny já sabe, está inclusive rindo de mim e me chamando de distraído. - todos riram e Joel aliviou a tensão.

- Olha lá Joelzito, é a xará da sua mina. - Richard comentou em tom de zombaria e arqueou uma sobrancelha.

- Minha... amiga, o nome dela também é . - Joel se explicou e assentiu assimilando a informação - É complicado na verdade, o que somos. - se defendeu sem jeito recebendo um tapinha nos ombros de Richard.

- Mas enfim... - Erick tomou a atenção do grupo - conhece a gente. Quero dizer, nossa música. - explicou e todos encaram a garota que corou completamente desacostumada a tantos olhares sob si.

- É, na verdade vocês foram trilha sonora de uma viagem muito doida minha e da pela América latina. - explicou e todos os garotos sorriram largo.

- Sério? - ambas assentiram positivamente a pergunta do garoto loiro - Sou Zabdiel aliás. - estendeu a mão se apresentando e elas apertaram uma de cada vez.

Se apresentaram todos de maneira calorosa como apenas os latinos conseguiam fazer e iniciaram uma conversa sobre a viagem das meninas com a qual a boyband ficou de olhos brilhantes. Minutos a mais se passaram quando alguém da produção os chamou já que se apresentariam em minutos no palco principal.

- Ei, vocês vão ao after, certo? - foi Richard quem questionou.

- Na verdade não, não tem passe de imprensa pro after. - comentou simples.

- Mas tem passe para amigas de membros de boyband, então vocês vão. - Erick completou como se fosse óbvio.

- Você nos conhece a cinco minutos e está nos chamando de amigas e para festas? Vocês não têm senso de segurança, não é? - brincou e todos riram - Se insistem podemos ir. - a garota deu de ombros.

- Certo, vamos fingir que você nem queria, . - Joel brincou já começando a se afastar.

- Nos vemos daqui a pouco, torçam por nós e tirem fotos se puderem. Kenny com certeza vai querer fotos disso aqui. - Erick comentou e achou fofo o brilho no olhar que o garoto tinha toda vez que citava o nome da garota. Eles se foram e elas se aproximaram do palco, preparadas para assistir a apresentação de seus mais novos amigos.

[...]

- Quem é que não tem um crush na Emma afinal? - questionou depois de Zabdiel contar que se conhecesse a mulher morreria.

- O Chris. - Joel acusou e lançou um olhar mortal para o garoto que fez rir.

- Ih Vélez, melhor correr por que acabou de despertar o ódio da . - alertou e o garoto fez uma careta estranha. Algo entre o medo e confusão.

- Alguém segura o meu poodle que eu vou bater nesse garoto. - soltou a icônica frase e todos gargalharam.

- Certo, eu vou pegar o que beber, segurem a fera. - murmurou se retirando enquanto os garotos riam e retomava sua conversa com Zabdiel. Aqueles dois com certeza seriam amigos.

seguiu para o bar e pediu por um Manhattan se virando para encarar o local. A música tocava alta e muita gente famosa dançava e conversava por todos os lados - ela havia até esbarrado com Demi Lovato quando chegou, quase tendo um infarto. se sentia como em um sonho muito estranho, mas estava feliz. No fim das contas a noite estava sendo incrível. Havia feito novos amigos incríveis junto com que era sua melhor amiga da vida, havia visto gente que admirava demais ganhar prêmios que mereciam muito e se sentia satisfeita.

- Achei que depois da Colômbia nunca mais te veria. - a voz grave soou ao seu lado e arregalou os olhos ao mesmo tempo que todos os pelos do seu corpo se arrepiaram. Não podia ser. Claro que não. Ela estava criando aquilo na sua cabeça. Demorou alguns segundos até criar coragem para se virar e quando o fez desejou que não tivesse feito. Ele estava ali. Em carne, osso, tatuagens e barba. Ele estava ali e sentiu as pernas bambearem por um milésimo de segundo - Oi . - ele realmente se lembrava dela. Se lembrava de seu nome. A voz ainda era como se lembrava ao proferir seus nome e ela não podia negar que todo seu corpo reagiu a presença dele. O coração acelerou, as mãos começaram a suar e todo um arrepio percorreu sua espinha.

- Oi. - a voz era mais baixa, mas para Zayn ela ainda parecia segura de si. Como se a presença dele nem a tivesse abalado, mas ela estava em colapso por dentro. Seu drink foi colocado sob o balcão e decidiu fazer algo que já havia feito antes com o garoto. Fugir. Pegou o copo e encarou Zayn novamente - Preciso ir. - e no instante seguinte estava se virando e marchando para onde quer que fosse. Mas Zayn não estava disposto a deixá-la partir de novo. Havia muito o que dizer e precisava dizer, então a seguiu, a alcançando alguns passos depois e segurando seu braço com gentileza.

- , eu preciso falar com você. - pediu e ela encarou sua mão. O toque dele lhe causou arrepios.

- Zayn, eu...

- Por favor. - pediu em um tom que a fez derreter. Por deus, aquele homem sabia como era irresistível e usava aquilo contra ela com certeza. E sabia que havia ganho, mesmo que ela não tivesse dito nada. Puxou para um canto vazio em um corredor e garantiu que ninguém os veria ali.

- Tudo bem, pode falar, mas você tem cinco minutos. Meus amigos estão me esperando e eu preciso ir. - não era uma mentira completa, mas era uma desculpa fajuta. não se importaria de ficar só com os meninos, estava acostumada aos sumiços de e sequer reclamava, muito pelo contrário, apoiava infinitamente as fugas da amiga.

Quando Zayn a encarou, as palavras que tinha a dizer fugiram e ele só conseguiu encará-la como um bobo. Ela era exatamente como ele havia guardado em sua mente. Cada traço era exatamente o mesmo. O olhar era intenso e ele tinha certeza que faria qualquer coisa que ela mandasse enquanto ela o olhasse daquele modo. Era linda e estava linda naquele vestido. E ao notar aquilo se lembrou de sua noite juntos. Todas as lembranças muito vivas para ele. E foi com esse pensamento que ele a beijou. As mãos seguraram o rosto de enquanto iniciava o beijo ao qual ela não negou, Zayn notou, e aquilo o fez a beijar de modo intenso. Havia o desejo ansioso por uma outra vez. Havia a estranha saudade de seus corpos juntos. Havia a sincronia de bocas que haviam se encontrado apenas uma vez, mas já entendiam seus ritmos perfeitamente. A mão de deixou o drink que caiu no chão sem nem lhes causar susto - já que estavam absortos um no outro - e como em uma dança as mãos de ambos exploraram seus corpos ainda vestidos. Era tudo muito intenso e se não tomassem cuidado com os limites provavelmente repetiriam a dose da Colômbia ali mesmo. Em um corredor vazio de uma after party do Grammy.

Mas antes que o limite pudesse ser extrapolado o celular de tocou. Ela deixaria para lá se fosse qualquer outro toque, mas era o toque de e ela sabia que a amiga não ligava quando ela sumia pois conhecia o suficiente para saber qual era o tempo de sumiço a se preocupar.

- Eu preciso realmente atender. - ela informou separando os lábios do de Zayn e apesar de o cantor querer muito aquilo, respeitou. Suas vontades não era mais importantes que as necessidades e vontades de e ele sabia disso. Então apenas lhe deu espaço, alertando para que a garota tomasse cuidado com o vidro no chão de onde ela recolhia a bolsa que também havia deixado cair.

Ela pegou o telefone e o atendeu quando estava prestes a desistir.

- Oi? - questionou mais alto por que a música era alta no salão.

- Desculpa, devo estar atrapalhando, mas só queria te avisar que estou indo embora. - a garota falava em português e notou que o tom de voz estava diferente. Ela não chorava, mas parecia prestes a fazê-lo.

- , o que houve? - questionou e apesar de falar em outra língua Zayn notou que ela estava preocupada.

- Nada, só preciso ir embora, não precisa se preocupar. - ela tentou parecer convincente, mas fracassou.

- Me espere eu vou com você. Me encontre onde estávamos com os meninos. Já estou indo. - pediu desligando o aparelho sem dar a chance de contestar - Eu preciso ir, aconteceu alguma coisa com a minha amiga e ela precisa de mim. - informou a Zayn que assentiu compreensivo - Eu vou ver se acho alguém pra limpar isso aqui...

- Não, vai direto pra sua amiga, eu encontro alguém pra me ajudar aqui. Pode ir. - ele acenou com a mão e notou o quão compreensivo ele soava. Sério? É sério que ele seria o tipo de cara perfeito? Era o que ela perguntava mentalmente aos céus.

- Tudo bem, obrigada. A gente se vê. - e se foi. Não deixou número de telefone nem nada e nem se lembraram daquilo por conta do momento. Mas enquanto chamava uma das pessoas que trabalhavam no evento para limpar a bagunça do Manhattan derramado, a voz em sua mente lhe dizia que veria em breve.

por sua vez encontrou que já informou que não queria falar daquilo ali. Encontraram os garotos e se despediram rapidamente deixando seus usuarios do instagram com eles e se foram para fora do lugar pedindo por um táxi.

- Desculpa te atrapalhar. - pediu cruzando os braços de maneira defensiva.

- Tudo bem, não tem problema, eu vou ter outras chances. - soltou em tom de brincadeira fazendo a amiga rir fraco, mas apesar do tom usado havia uma certa certeza naquilo. A certeza que se Zayn Malik não havia sido deixado para trás na Colômbia, ela ainda o encontraria. E se sentia ansiosa por esse encontro, por mais que não assumisse.


Continua...



Nota da autora: O que foi esse after do Grammy? Eu não tenho estruturas gente. Até copo quebrado rolou (por ótimos motivos).
Aí ai pp, onde tu vai deixar a cabeça do Zayn?
Desculpem a demora pra att, mas estamos voltando com S.D. e prometo que em breve temos mais.
Até a próxima!





comments powered by Disqus