Última atualização: 28/12/2018

Capítulo Único

O olhar que recebeu de não poderia ter qualquer sinônimo relacionado a simpático. Ela fechou os olhos, respirando fundo antes de voltar a encará-lo. tinha a mão esquerda espalmada na parede e uma cerveja sem álcool na direita. tinha as costas na parede, os braços cruzados em frente ao corpo e uma expressão severa no rosto. A sua volta, as pessoas dançavam e bebiam, aproveitando a balada que eles também deveriam estar curtindo, caso não tivesse resolvido iniciar uma DR de uma hora para outra.
- Então é isso? - Indagou, parecendo irritada. - Você simplesmente está confuso demais para tentar entender o que está acontecendo entre a gente?
- Eu preciso de um tempo. - murmurou. – Estamos juntos o tempo todo. Eu preciso pensar nisso com cuidado.
- Que papinho mais infantil. - debochou. Sacudiu a cabeça para os lados, dando de ombros em seguida. - Quer saber? - Indagou, mas não deu tempo para que ele respondesse. - Se você não quer, tem quem queira. - Sorriu com sarcasmo. - E essa maldita festa está cheia de caras maravilhosos que matariam para ficar comigo. - E dito isso, empurrou-o com o braço e se afastou a passos rápidos.
passou a mão pelos cabelos, suspirando alto e já se arrependendo da merda que havia falado. Era o tipo de coisa que eles poderiam resolver com uma conversa. Ele não queria ficar com outras, mas estava cansado de não entender o que sentia por . Precisava de um tempo. Apenas tivera um timing horrível ao comentar sobre isso naquele momento e principalmente, para uma já alterada devido ao álcool. Decidiu por procurar pela mulher e tentar esclarecer as coisas. Passou no bar e pediu uma garrafa de água e então se aventurou pela pista de dança lotada. Electricity da Dua Lipa tocava a todo volume quando finalmente achou . E a careta em seu rosto apenas confirmou que ele não havia gostado nada da cena que encontrara.
estava de costas para um rapaz, que a abraçava pela cintura e beijava seu pescoço com avidez. Ela segurava uma long neck de Heineken com uma mão e com a outra segurava a nuca do homem. Rebolava contra o quadril dele sem nenhum pudor e sorriu largamente quando encontrou o olhar de fixo nela. travou a mandíbula, cego de ódio, quando desceu até o chão lentamente e subiu rebolando.
A cada passada de mão que ela recebia nas pernas e na bunda, ficava mais puto. Sabia que não tinha direitos sobre ela. Ela era dona do próprio corpo e poderia fazer o que quisesse. Mas ele não podia impedir o ciúme enraivecido que tinha tomado conta de si. Ele tinha falado besteira? Sim. Mas isso não dava um vale para ir se esfregar no primeiro idiota que aparecesse.
Cansado do teatrinho da mulher, lançou um último olhar enraivecido para antes de dar as costas e sumir pela multidão. Ele havia ligado o botão do foda-se. Iria embora sem ela e não dava a mínima, cego pelo ciúme como estava. Mal havia pagado a conta no bar, quando sentiu o toque de em seu braço esquerdo. Ela tinha o semblante preocupado, mas nem isso o deixou menos puto. Só conseguia pensar que ela merecia lições de boas maneiras e que ele adoraria ser o professor. Colocá-la de quatro e dar algumas boas palmadas naquela bunda que ela havia esfregado em outro cara.
- . - Ela chamou, com cuidado.
- Estou indo embora. - Ele avisou, com os lábios cerrados. - Boa noite. - E deu as costas, marchando para fora da boate.
Estava puto de ciúmes e cheio de tesão. Mas não iria correr atrás dela. quem havia procurado e se esfregado em outra pessoa. Era ela quem deveria correr atrás dele.
- ! - A ouviu gritar as suas costas. Parou de andar e virou-se para ela. - Você quer parar e conversar?
- Não. - Respondeu, encarando-a dos pés a cabeça. - Eu quis conversar e você decidiu esfregar essa bunda gostosa em outro cara. - Ele grunhiu, se aproximando dela em poucos passos. Logo estava contra a parede, com o corpo de pressionando o seu. - Foi divertido? - Ele indagou, o tom de voz indicando perigo. - Se esfregar em outro enquanto me olhava? Acha que eu gostei?
- . - chamou, em um fiapo de voz. espalmou as mãos na cintura dela, puxando o corpo dela em direção ao seu. Ela suspirou quando sentiu o princípio da ereção dele contra sua barriga.
- Você me imaginou enquanto rebolava essa bunda deliciosa contra ele? Por isso fez questão de dançar diretamente para mim? - Indagou, aproximando os lábios da orelha da mulher. - Queria me provocar ciúmes?
- Sim. - Ela confessou.
- Então agora nós vamos para casa. - decidiu. - E eu vou te mostrar o que acontece quando você esfrega o que é meu em outro cara. - Avisou.
- Eu não sou sua. - retrucou, com a voz vacilando.
- Ah, é sim. - riu, olhando nos olhos dela com intensidade. Viu a luxúria nas irises dela e sorriu ainda mais largo. - É minha, porque você não quer ser de mais ninguém.
Segurou-a pela mão e marchou até o estacionamento. Desligou o alarme e bateu a porta do carro com força assim que se sentou no banco. Não esperou afivelar o cinto de segurança para dar partida no veículo e logo estava dirigindo pelas ruas de Londres no limite máximo de velocidade permitido.
tentou puxar papo durante a viagem, sento brutalmente ignorada pelo silêncio de . Ele ainda estava puto e precisava extravasar. Com muito sexo. Nem o rádio ligado - a última tentativa de em quebrar o gelo - distraíra dos inúmeros pensamentos safados que tomaram conta de sua mente. Ele só queria foder de uma vez. Estacionou o carro de qualquer jeito e marchou até sua casa, com o seguindo de perto. Ela estava além do limite de tesão que aguentaria em uma situação normal. Gostava do mandão e mal via a hora de tê-lo entre suas pernas.
- Entra. - ordenou, assim que abriu a porta de casa. - Entra e já tira esse micro vestido.
suspirou, antes de dar os passos necessários para dentro da casa de , já com a mão no zíper lateral do vestido preto que usava. Ele bateu a porta e logo ela estava em seus braços. A boca de tomou a de com desespero, as mãos dele apertavam a cintura descoberta dela e desciam para as coxas em toques fortes e foram necessários poucos beijos para que a mulher já estivesse gemendo baixinho e suspirando contra os lábios de . O sutiã preto de renda que ela usava desapareceu em algum momento entre os beijos que distribuiu no pescoço de e os chupões que deu pelo colo da mulher. Ela tinha os braços envoltos do pescoço de , puxando os cabelos dele ocasionalmente, conforme o tesão acumulava em seu baixo ventre.
- Hoje eu vou te comer de quatro. - Ele avisou, em um grunhido rouco. - Pra você aprender que só pode rebolar essa bunda contra mim.
suspirou alto quando as mãos de seguraram em suas coxas, dando o impulso necessário para ela envolver a cintura dele com as pernas. subiu as escadas com em seu colo, a boca dela brincando com seu pescoço, enquanto a mão esquerda puxava os cabelos de sua nuca com força, deixando-o ainda mais excitado. Já estava duro para um caralho e tudo o que passava em sua cabeça era abaixar as calças e meter com força na boceta de , até ouvi-la gritar e gozar em seu pau. Mas ele ainda queria aproveitar aquele corpo e principalmente, punir aquela bunda macia que ela havia rebolado contra outro cacete que não o seu.
Entrou em seu quarto e jogou na cama, aproveitando a distância entre seus corpos quentes para tirar a camiseta e descer os jeans. Manteve a boxer vermelha apenas para provocar e escalou o corpo de com uma lentidão exagerada. Acariciou cada pedacinho de pele, apertou cada curva daquele corpo que tirava sua sanidade. suspirava a cada encostar dos lábios de em sua pele, aproveitando a semi nudez dele para arranhar os ombros largos que ela tanto adorava.
- Eu sou viciado nessa pele. - murmurou, após um último beijo na área entre os seios de . Traçou o caminho do pescoço até os lábios da mulher com a ponta da língua, antes de capturá-los em um beijo quente. Sua boca se movia contra a dela com avidez, mordendo o lábio inferior vez ou outra e chupando a língua de , de forma a fazê-la gemer e se contorcer embaixo de seu corpo.
- . - Ela gemeu, em um tom de voz suplicante. - Me come logo. Eu estou pingando de tesão.
- Eu sei. - riu, afastando a boca da de e abocanhando o lóbulo de sua orelha. - Mas eu vou te comer do meu jeito hoje. Você precisa de uma lição. - Espalmou os dedos contra a coxa da mulher. desceu as mãos pelas laterais do tronco de , arranhando a pele dele com sutileza e causando arrepios no loiro. - E eu ainda vou te chupar bem gostoso antes de te foder. - Avisou, fazendo-a gemer mais alto.
Desceu a boca pelo pescoço de , selando seus lábios uma vez antes de abocanhar seu seio direito. Usou a canhota para brincar com o mamilo de que não estava em sua boca e com a destra, brincou com o elástico da calcinha rendada da mulher. suspirou e gemeu alto, agarrando os cabelos de com força, enquanto ele não desviava os olhos do rosto dela, fascinado pela expressão de prazer que ela fazia. Moveu a boca para o outro seio, causando arrepios e suspiros sôfregos na mulher.
- ... - Ela choramingou, quando afastou a boca do busto dela e beijou sua barriga. - Eu estou no limite.
- Uhum. - Ele murmurou, não se dando ao trabalho de responder alguma coisa. Simplesmente continuou a beijar a barriga de , descendo em direção ao quadril dela e posicionando-se por entre suas pernas. Desceu a calcinha dela, lançando um sorriso sujo assim que notou a unidade da peça. Assim que fez menção de retirar as sandálias, segurou suas mãos, impedindo-a. - Quero você assim. - Foi o que ele disse, iniciando uma trilha de beijos molhados pela parte interna das coxas da mulher. - Eu espero que você esteja encharcada por minha causa. - Grunhiu, rouco pelo tesão. - Porque se essa boceta estiver molhada por outro cara, a punição vai ser maior.
- Só você me deixa assim. - confessou, em um suspiro entrecortado.
- Ótimo. - sorriu. E com isso, caiu de boca na boceta de .
A mulher gritou quando sentiu a primeira lambida em seu clitóris. Fechou os olhos e respirou com força, segurando os lençóis da cama com força. moveu a língua por toda extensão da intimidade de , brincando com os grandes e pequenos lábios, sugando seu clitóris e ameaçando penetrá-la com a língua. A cada movimento da boca de , a mulher gemia mais alto, sem nenhum pudor. Movia o quadril em direção à boca dele, buscando mais contato. segurou-a nas coxas, mantendo-a parada e sugou seu clitóris com um pouco mais de força. grunhiu alto, abandonando os lençóis e segurando nos cabelos de com a mão direita. A esquerda se postou nos ombros dele, local onde ela arranhou com força.
- . - Ela gemeu lascivamente. chupou-a com mais vontade, querendo ouvir mais daquele gemido gostoso que o havia deixado ainda mais duro do que já estava. - , eu estou quase lá. - grunhiu, de olhos fechados e a respiração ofegante. abandonou o clitóris dela apenas para penetrá-la com a língua, arrancando mais um grito de . Ela rebolou contra a boca dele, totalmente fora de si, tamanho era o tesão que estava acumulado em seu ventre. não precisou de muito mais do que algumas estocadas com a língua para ter o orgasmo da mulher em seus lábios, aos quais ele lambeu lentamente, fazendo-a gemer baixinho.
voltou a escalar o corpo de , beijando sua pele e causando arrepios na mulher, que ainda estava totalmente sensível graças ao orgasmo recente. Beijou o quadril, a barriga, os seios e então colou seus lábios no dela. o abraçou pelo pescoço, gemendo contra a boca de , totalmente entregue aquele beijo lento que ele lhe dava, contrariando todas as promessas que ele havia feito para aquela noite.
- Você ainda quer me punir? - Ela indagou, de forma manhosa. Desceu as unhas pelas costas do loiro e espalmou as mãos na bunda dele.
- Está ansiosa para umas palmadas, ? - Ele sorriu torto, estalando um beijo na boca dela, descendo os beijos para o pescoço da mulher e chupando a pele dela.
- Estou ansiosa para que você me foda. - Ela confessou.
- Eu também. - murmurou, erguendo o tronco e ficando de joelhos no colchão.
Segurou pela cintura e a virou de costas para ele. Ela suspirou alto quando seus seios entraram em contato com o lençol e fez questão de empinar a bunda em direção a , que riu baixo, antes de tirar a boxer e se ajoelhar novamente no colchão. Segurou pela cintura e ajeitou o corpo dele na posição que queria. Ele a queria de quatro e não a comeria de outra forma naquela noite. apoiou os cotovelos no colchão e empinou mais a bunda, apenas para provocar .
- Vai ficar provocando, ? - Ele indagou, movendo as mãos da cintura dela para as coxas, em uma carícia enlouquecedora. Inclinou-se até o criado mudo e pegou um preservativo, desenrolando a camisinha em seu cacete. Segurou pela base e o guiou para a entrada de , que gemeu entre um suspiro e rebolou, buscando pela penetração que ele havia lhe negado. - Você gosta mesmo de rebolar essa bunda, não é? - Questionou, rindo pelo nariz. - Mas agora você aprender a rebolar só para mim.
- , por favor. - grunhiu, em puro desespero. Estava novamente pingando de tesão e não aguentava mais as provocações de .
- Eu estou estourando, . Duro pra cacete e tudo que eu quero é meter até nós dois gozarmos. - Ele murmurou, subindo as carícias para as bandas da bunda da mulher. - Mas sabe do que eu lembro? Você rindo e me provocando, enquanto dançava com outro.
- E você ficou com ciúmes, ? - Ela indagou, partindo para as provocações. - Queria que eu rebolasse contra o seu pau?
- Você vai rebolar. - retrucou. - E vai pedir por mais.
estalou o primeiro tapa na bunda de no mesmo momento em que meteu seu cacete na boceta dela. gemeu alto, segurando os lençóis por entre seus dedos, rebolando contra o quadril de assim que ele retirou o pau de dentro dela, apenas para estocar novamente, com mais força e mais fundo. Mais um tapa na bunda e um giro de quadril dele, fazendo gritar. Ele deslizou com facilidade para dentro dela, cada vez mais rápido, mais forte e mais fundo. A cada estocada, sentia a pressão dos músculos internos da boceta dela contra seu pau e gemia, voltando a meter com agilidade. A cada tapa que dava na bunda da morena, ela gemia alto, sufocando os gritos de prazer. Rebolava contra o quadril de , procurando por mais fricção entre seus corpos.
- Gostosa. – gemeu, segurando os cabelos de pela nuca e puxando-a de encontro ao seu tronco. As costas dela grudaram no peito dele e envolveu a cintura dela com o braço direito. apoiou as mãos nas coxas de , de forma a sincronizar seus movimentos. Ele estocava com força e ela sentava em seu cacete, rebolando a bunda e apertando o pau dele quando o sentia completo dentro de si. grudou a boca na nuca da mulher, sugando sua pele sem um pingo de gentileza, enquanto a tensão crescia em sua pélvis. Não demoraria muito a gozar e queria que o acompanhasse.
- . – Ela gemeu novamente, causando um turbilhão de sensações em . Ele adorava ouvi-la gemer, principalmente quando tinha seu cacete dentro dela. – Mais...
- Mais o que? – Grunhiu contra o ouvido dela. – Mais forte? Mais rápido? Mais duro? – Afastou a mão da cintura da mulher e a desceu pelo tronco dela, encontrando o clitóris inchado de . Acariciou-o com a ponta dos dedos e ela gritou.
- Mais tudo. – Pediu, com a voz vacilante.
E atendeu deu pedido. Meteu com mais força, mais fundo e mais duro. Gemeu no ouvido dela, a cada rebolada deliciosa dos quadris de . Grunhiu em prazer a cada vez que sentia os músculos internos da boceta dela pressionarem seu cacete. Até que tudo ficou fora de controle. gozou primeiro, derramando-se no pau de , gemendo o nome dele e respirando com força. Ele a seguiu instantes depois, caindo na cama ao seu lado e suspirando alto.
- Eu nunca vou me acostumar com isso. – Ele confessou, puxando para seus braços. Sonolenta e satisfeita, ela riu baixinho.
- Nem eu. – Foi a resposta dela, antes de acordar de supetão.
Estava em seu quarto, na casa de sua mãe em Essex. dormia ao seu lado, abraçada em sua almofada e usando um babydoll preto que em nada aliviou a ereção que aquele sonho havia despertado em . O loiro suspirou, passando a mão pelos cabelos e levantando da cama. Precisava de um banho frio com urgência.
Ele estava tão fodidamente atraído por que não sabia mais se aguentaria levar aquele pseudo relacionamento com calma. Esperava que ela estivesse tão louca para transar quanto ele. Contava com isso ou enlouqueceria.


Continua...



Nota da autora: Eu não vou ter a cara de pau de dizer que escrevi esse especial para mandar para o All Stars, porque ele já está escrito tem bastante tempo, mas foi o único que eu consegui enviar a tempo e espero que vocês tenham gostado de ler (ou reler, para quem pegou o link no grupo do Facebook) e já peço desculpas pela capa ruim, mas foi a única coisa que meus talentos com edição me capacitarem de fazer tão em cima da hora (eu enviei no último dia disponível, como sempre hahahahah). Esse especial fica entre os capítulos 24 e 25, e espero que tenha um gostinho para vocês de como as coisas vão estar até finalmente eles voltarem para Londres e as cenas de Touch rolarem.
Beijos, não deixem de entrar no grupo, lá sempre tem spoilers maravilhosos! Beijão e feliz 2019 meus amores, teremos muito mais de UNPDP nesse novo ano!

Qualquer erro nessa fanfic, envie um email para este endereço.





Outras Fanfics:
Finalizadas
Too Much (antiga) [Outros, shortfic]
Touch - Spin off de UNPDP [Especiais, shortfic]

Ficstapes
14. Never Be [5 Seconds of Summer]
06. Besame Sin Miedo [Celestial]
03. Down to Earth [My Worlds: The Collection]
04. Bigger [My Worlds: The Collection]
16. Eenie Meenie [My Worlds: The Collection]
09. I Don't Have to Try [The Best Damn Thing]
04. Don't Stop Me Now [Queen: The Platinum Collection]
06. Heart Out [The 1975: The 1975 Deluxe]
03. Ultraviolet [Wonderland]
10. Can You Feel The Love Tonight [Disney Princess: The Ultimate Song Collection]
02. Sometimes [Britney Spears – The Essential]
13. The Great Escape [P!INK: The Truth About Love]

Em andamento
Never Be The Same [Restritas, Tom Holland]
Nobody Like You [Cantores, Shawn Mendes]


comments powered by Disqus