Capítulo Único

- Eu... Eu realmente gosto de você, . Não vou te dizer que já é amor porque ainda é tudo muito recente. – se aproximou ainda mais, colocando uma de suas mãos no meu rosto. Fechei meus olhos enquanto absorvia essa quase declaração de amor. – Só queria que você soubesse que você é muito importante pra mim, e que eu sempre estarei aqui por você.

- , meu bem, acorda! Tem uns dez minutos que está encarando o nada. Você tá bem? – interrompeu minhas lembranças. Devia ser a milionésima vez que me perdia nessas palavras. Suspirei.
- Eu tô aqui, tô aqui. Só estava... pensando.
- Sei. Eu vou sair, não quer mesmo ir?
- Sim. Vou aproveitar essa noite pra descansar. Devo ler alguma coisa, ou assistir a um filme. – Sorri para minha amiga inconformada por eu perder uma das festas mais esperadas do ano.
- Tá bom, não vou te chamar de novo. Você que está perdendo, sua chata.
- Na próxima eu vou, prometo.
- Eu vou cobrar! – me deu um beijo na bochecha e seguiu em direção à porta.
Levantei do sofá onde estava sentada e fui em direção à janela. Estava uma noite bonita, as estrelas pareciam até mais brilhantes. Meu coração batia em um ritmo mais acelerado desde duas semanas atrás, quando fez sua quase declaração de amor. Apoiei minha testa no vidro gelado e me permiti buscar as palavras mais uma vez, eu não me cansava de repeti-las.

The slightest words you said
Have all gone to my head
I hear angels sing, in your voice
When you pull me close
Feelings I've never known
They mean everything
And leave me no choice


e eu estamos saindo faz quatro meses. Ele é amigo do namorado de , , o que facilitou um pouco nosso contato. Assim que nos conhecemos, eu estava em uma fase um pouco complicada, me recuperando de um relacionamento que me trouxe mais sofrimento do que alegria.
foi paciente comigo. Ele me distraía, me fazia rir.
Nós temos um gosto bem parecido, assistimos a uma boa quantidade de seriados iguais, ele é tão ávido por livros quanto eu, e música! Arrepios percorrem pelo meu corpo só de lembrar as noites que ele pega seu violão e canta para mim. E ainda tem as aulas! Eu nem precisei insistir muito para que ele me ensinasse a tocar violão, sua paixão pela música o fez aceitar a proposta sem nem pensar! Em nossa primeira aula, sentou atrás de mim, com o violão nas minhas mãos. Seus braços ao meu redor não me permitiam prestar atenção em nada que ele falava, e óbvio que ele percebeu. A aula acabou em muitos beijos e risadas.
Ouvi um toque no meu celular e corri até a mesa da sala para ver o que era.

“Isso aqui está muito chato. Por favor, não me largue falando sozinho! xxJoe”


Sorri, boba, para a tela do celular. estava na festa de formatura da sua irmã mais nova. Como ele mesmo disse: “só vai ter criança naquilo, não me responsabilizo por mim se alguém me chamar de tio”.

“hahaha Daqui a pouco vai ter a festa, vai que você se dá bem! ;) xxLarys”


Enviei a mensagem e segui para o quarto, a fim de pegar algum livro. Meu celular tocou novamente.

“Não quero ser preso por pedofilia, obrigado.”

“Me diz que sua noite está mais emocionante que a minha.”

“Mas não tão emocionante assim.”


O sorriso não saía dos meus lábios. Peguei meu exemplar do livro Ela Foi Até o Fim da Meg Cabot e voltei para a sala. Ajeitei-me no sofá, colocando o livro sobre as minhas pernas. Tirei uma foto e digitei uma nova mensagem para .

“Nossa, altas aventuras. Vou te poupar dos detalhes sórdidos.”


Abri o livro e fiquei passando as páginas sem realmente ler alguma coisa. Minha mente não me permitia concentrar. Minha cabeça estava à mil por hora, meu coração estava acelerado, minhas mãos suavam. estava a quilômetros de mim, mas uma simples troca de mensagens já me deixava completamente entregue.

Light on my heart
Light on my feet
Light in your eyes
I can't even speak
Do you even know
How you make me weak?


Desde que ele quase se declarou, ele não tocou mais no assunto, mas suas ações provavam tudo o que ele tinha dito. sempre foi muito protetor e carinhoso, agora estava ainda mais. Eu só não sei mais como lidar com isso. Eu saí tão machucada do último relacionamento que eu fico a todo instante esperando o momento que serei quebrada novamente.
Eu tenho medo.
Medo de não ser o suficiente, medo de acabar com tudo que a gente tem construído, medo dele encontrar alguém melhor, medo dele perceber que tudo o que ele disse já é passado.

I'm a lightweight better be careful what you say
With every word I'm blown away
You're in control of my heart
I'm a lightweight
Easy to fall
Easy to break
With every move my whole world shakes
Keep me from falling apart

“Talvez eu me interesse pelos detalhes sórdidos, isso com certeza me manterá acordado aqui.”


Fechei o livro e o coloquei sobre a mesa, ele não seria relido hoje.
Fui para a cozinha e tirei algumas coisas da geladeira para preparar um sanduíche. Ocupar minha mente tem sido um trabalho extremamente complicado. Na semana passada, estava tão perdida em meus pensamentos que acabei cortando minha mão com uma faca enquanto preparava o almoço. não estava em casa e eu não tinha condições de dirigir com todo aquele sangue jorrando. Tentei ligar para a minha amiga, mas o celular nem chamou. Coloquei minha mão sob a água, para tentar parar o sangramento, mas não deu certo. Acabei ligando para , que chegou ao meu apartamento em menos de cinco minutos, completamente desesperado. Se minha mão não estivesse doendo tanto, seria uma cena bem engraçada.
Sempre que me machucava, eu sangrava muito. Minha família e já sabiam desse fato, mas não. Quando ele viu todo aquele sangue, ele achou que tinha cortado minha mão fora! Ele veio, pálido, na minha direção, tirando a toalha que eu tinha enrolado sobre o corte. Ele logo desceu comigo e me enfiou no carro, me levando para o hospital. Enquanto a médica dava os pontos necessários, segurava minha outra mão, seu semblante já estava mais tranquilo devido ao fato de eu estar sendo atendida.
Ele realmente sempre esteve presente, desde que nos conhecemos. Mesmo quando todos queriam sair para a balada e eu queria apenas ficar em casa, ele estava lá comigo, achando um máximo um programa caseiro.

Make a promise please
You'll always be in reach
Just in case I need
You there when I call
This is all so new
Seems too good to be true
Could this really be
A safe place to fall?


Terminei de preparar meu lanche e voltei para a sala, ligando a televisão antes de me sentar no sofá. Coloquei em um filme qualquer e peguei o celular mais uma vez.

“Me iludiu. Falou em detalhes sórdidos e sumiu. Isso não se faz.”

“Eu estava preparando algo pra comer! hahaha”


Dei uma mordida no meu sanduíche e fiquei encarando a televisão. Também não estava me prendendo.

“Aqui também está muito chato. Aí melhorou um pouco? A parte da cerimônia já acabou?”


Perguntei. Ele demorou bastante para responder dessa vez.

“Não, ainda está chato, mas acabamos de chegar a festa.”

, estou sendo assediado.”

“Me salva.”


Soltei meu copo de suco para que não derramasse tudo por conta da minha gargalhada.

“Para de rir e me ajuda!”

“Como você sabe que estou rindo? haha”

“Porque eu conheço você.”


Respirei fundo ao ler essas poucas palavras. Fechei meus olhos e apoiei minha cabeça no encosto do sofá. Eram tantas sensações que percorriam meu corpo, tantos sentimentos que eu não conseguia controlar, ou mesmo entender. Eu me sentia quase como se estivesse sufocada, eu nunca tinha sentido algo tão intenso. Como quatro palavras podem afetar tanto alguém?

Keep me from falling down
Drowned in your love
It’s almost all too much
Handle with care
Say you’ll be there

?”

“Oi.”

“Vem pra cá. Por favor. Eu sinto sua falta e eu realmente não posso sair daqui agora, minha irmã vai me matar.”


Arregalei meus olhos ao ler seu pedido. Tão simples, mas me passava algo tão mais profundo. Suspirei. O que, raios, eu iria fazer?
Antes que terminasse a pergunta, minhas pernas já me levavam até meu quarto. Minha mente já vasculhava por um vestido adequado enquanto meus dedos digitavam rapidamente:

“Mande o endereço.”


Sem pensar demais no que estava fazendo, peguei o vestido que me deu para alguma festa que ela queria muito que fôssemos e o vesti. Deixei meu cabelo solto, agradecendo aos céus por tê-lo lavado mais cedo. Fiz uma maquiagem rápida e peguei uma bolsa, colocando dentro apenas o necessário. Com as chaves do carro já nas mãos, desci para a garagem do prédio, olhando o endereço que tinha mandado, junto com a mensagem:

“Já estou contando os segundos. Te espero na porta.”


Sentei no banco do motorista e respirei fundo, só então pensando no que estava fazendo. Eu ainda não conhecia a família do , e não sabia se a irmã mais nova gostaria da minha aparição surpresa em sua festa de formatura. Isso era loucura!
Fechei meus olhos e apertei minhas mãos no volante.
Eu também sentia falta do . Fazia uma semana desde a última vez que nos vimos, ele estava às voltas com sua irmã e sua mãe, que estavam resolvendo os últimos detalhes da festa.
Eu iria.

Oh, I’m a lightweight
Better be careful what you say
With every word I’m blown away
You’re in control of my heart


Com as forças renovadas, liguei o carro e segui para o endereço que tinha mandado. Quando avistei o salão, eu já estava tremendo, nervosa, ansiosa. Estacionei o carro na primeira vaga que vi e segui em direção à entrada. Como prometido, estava me esperando. O sorriso que ele deu quando me viu fez todo meu mundo balançar. Nos encontramos no meio do caminho, porque ele não conseguiu ficar parado, me esperando chegar até ele. esticou uma mão em minha direção, e eu rapidamente a aceitei, nos ligando, ansiando pelo contato que meu corpo não aguentava mais de saudade. Eu passei meus braços sobre seus ombros, o abraçando com todas as forças que eu tinha. Apoiei meu rosto em seu pescoço, sentindo seu aroma que me embriagava.
me afastou minimamente, apenas para que pudesse me olhar nos olhos. Seus lábios logo estavam nos meus, nossas bocas desesperadas por saciar a falta que uma fazia a outra. Suas mãos estavam firmes em minha cintura, enquanto eu não conseguia conter minhas mãos de puxar seu cabelo e arranhar levemente sua nuca. O beijo, aos poucos, foi acalmando e nossas respirações voltando ao normal.
o encerrou distribuindo vários beijos pelo meu rosto, seus olhos brilhando em minha direção.
- Você está tão linda. Algumas mulheres ficaram o dia inteiro no salão, você não precisou de uma hora para chegar aqui tão maravilhosa quanto. – Corei com seu elogio e tentei me recompor. Meus sentidos ainda estavam voltando ao normal. A mera presença de já me desestabilizava.
- Obrigada. Você também não está nada mal de smoking. – Nossos olhares se encontraram novamente, um brilho que nunca os deixavam. Em nossos lábios, sorrisos pareciam que estavam ali desde sempre, nunca indo embora.
desceu uma de suas mãos para o fim das minhas costas, me guiando para a entrada do salão. Parei para retocar a maquiagem, ajudando a se livrar do meu batom, pelo menos a maior parte. Não que ele estivesse se importando com isso.
Assim que entramos, pude notar as meninas do seu fã-clube nos lançarem olhares com significados bem diversos. Umas com um ódio profundo, outras decepcionadas por ele já ter alguém, outras com o olhar sonhador, como se o futuro fosse trazer o que hoje eu tenho.
- Minha mãe e minha irmã estão ali. Eu gostaria muito que as conhecesse, mas está tudo bem se achar que é cedo demais. – estava nervoso, e eu queria apenas apertar suas bochechas porque ele estava adorável.
- Eu adoraria conhecê-las. – Disse, apenas, e sorri. me guiou até a mesa onde sua família estava. Por fora, eu apenas sorria, realmente feliz por estar ali; mas por dentro, tudo estava acelerado, o nervosismo quase tomando conta de mim.
- Mãe, Cath, essa é a . , essa é minha mãe e minha irmã. – nos apresentou e as duas levantaram para me cumprimentar, ambas exibiam um enorme sorriso em seus rostos. parecia muito com elas, sua irmã era praticamente sua versão feminina.
- É um prazer conhecê-las. Eu espero que esteja tudo bem eu aparecer assim de surpresa na sua festa de formatura, Cath. Parabéns, você está linda! – Arrisquei ao dizer seu apelido, mas ela apenas sorriu mais, demonstrando clara felicidade por me ter ali.
- fala muito de você, minha querida, fico feliz de, enfim, a estar conhecendo. – A mãe de disse, me fazendo corar rapidamente.
- Mãe. – Ele a repreendeu, mas o sorriso não deixava seus lábios.
- Deixe-me olhar pra você. – A mãe dele disse, o ignorando completamente. – Tão linda. Você me disse que ela era linda, , mas definitivamente não foi tão preciso. Eu deveria saber pela forma como falava...
- Mãe! – Foi a vez de corar. Sua irmã estava apenas analisando a cena, olhando de mim para ele.
- Eu gosto dela. – Cath disse e saiu. O sorriso no rosto de aumentou, mostrando que a aprovação da irmã era muito importante para ele.
- Antes que a senhora me embarace mais ainda, nós vamos dançar. Vem, .
- Foi um prazer conhecê-la. – Disse rapidamente, enquanto me puxava para a pista de dança.
- Nos veremos em breve! – A ouvi dizer, já distante.
Ao chegarmos à pista, passou seus braços pela minha cintura, nos aproximando, mesmo que uma música bem agitada estivesse tocando. De repente, ele começou a rir, ao ponto de lágrimas se formarem em seus olhos. O acompanhei nas risadas, mesmo não sabendo o motivo.
- Isso foi tão embaraçoso. Nunca achei que mamãe fosse fazer uma cena dessas, ela geralmente não faz graça para... – cortou a frase, não querendo falar das suas ex-namoradas.
- Eu as adorei, . De verdade. – Ele nos aproximou novamente.
- Elas também te adoraram, até a Cath! Ela odiava todas, não que fossem tantas assim, ok? Só tive uma namorada antes de você.
- E desde quando nós somos namorados, ? Não me recordo de ter sido pedida. – Falei em um tom leve, mas isso não o impediu de corar.

N/A: Coloque essa música para tocar.


The One do Kodaline começou a tocar. sorriu e nos aproximou ainda mais. Seus lábios foram para o meu ouvido, deixando um breve beijo em meu pescoço. Senti todos os pelos do local arrepiarem.
- Acho que preciso corrigir isso. – Ele afastou nossos rostos para que pudesse me olhar nos olhos. Seus lábios vieram sobre os meus, me dando um leve selinho. Uma de suas mãos deixou minha cintura para segurar uma das minhas mãos. Ele me fez dar um giro, me trazendo para seu peito assim que completei a volta. estava tranquilo, mas seu olhar me levava a pensar que ele estava planejando o que dizer.
Minha cabeça descansava em seu ombro, enquanto eu aguardava suas próximas palavras. Ele começou a cantar a música baixinho em meu ouvido: “You make my whole world feel so right when it's wrong… That's how I know you are the one…”
Lágrimas se formaram em meus olhos. Abracei mais forte, tendo a certeza que ele conseguia ouvir as batidas aceleradas do meu coração, mesmo com a música alta.
- Você lembra o que eu te disse duas semanas atrás?
- Lembro. – Mesmo não confiando muito na minha voz, eu disse.
- Eu acredito que não fui completamente sincero. – Meus olhos arregalaram, mas eu não mudei nossa posição. Permaneci com meu rosto em seu ombro. sorriu.
- Eu não posso te ver, mas eu consigo saber que seus olhos arregalaram e que você está assustada. – Ele deu um beijo em meu cabelo. – Quando eu disse que não era amor porque era tudo ainda muito recente... Bom, acho que eu só não queria te assustar, porque foi amor desde a primeira vez que coloquei meus olhos em você. Não quero que pense que eu sou louco, mas eu mandei uma mensagem para o falando que você seria a mãe de todos os meus filhos. – Uma lágrima caiu dos meus olhos e suspirou. – Eu sei que isso com certeza te assustaria naquela época, mas agora eu sinto que você está pronta para ouvir, para seguir em frente. – afastou nossos rostos novamente, levando uma de suas mãos até minha bochecha para limpar a lágrima que escorria. – Eu amo você, . E não estou dizendo isso esperando que já esteja pronta para dizer de volta, eu só preciso dizer. – riu, nervoso. Eu sorri para ele, o incentivando a continuar. – Você quer namorar comigo? Eu vou entender se achar que é muito cedo, ai, meu Deus, eu estraguei tudo né? Olha, você pode esquecer tudo o que eu disse, a gente pode... – Interrompi sua fala com um beijo. O nervosismo estava tomando conta dele, quase o fazendo retirar cada uma de suas palavras. Eu o beijei, transmitindo o que eu ainda não estava completamente pronta para dizer. Eu sabia que meu coração pertencia a ele, mas ainda não sentia que esse era o momento para dizer.
ficou assustado no início, mas logo correspondeu meu beijo, me abraçando fortemente.
- É claro que eu quero ser sua namorada, . Nada me faria mais feliz nesse momento. – Eu falei enquanto encarava seus olhos aflitos. Logo ele relaxou, como se um peso enorme fosse tirado de cima dele. era assim, se entregava ao amor completamente, ele sentia demais, amava demais. Eu também era assim, mas ainda estava me reencontrando. Um enorme sorriso se abriu em seus lábios e me pegou no colo, me girando no meio do salão, chamando a atenção de todos. Nós ríamos feito bobos, liberando todo o sentimento que estava sendo reprimido por todo esse tempo.

Duas semanas depois...

- Eu não acredito que você não vai à festa, ! De novo!
- , sossega, mulher! Nunca vi alguém pra gostar tanto de festas, eu sei que seu sonho de ser DJ está cada vez mais forte, mas relaxa. – Eu sorria para a minha amiga, enquanto ela bufava. surgiu na sala, com o pote de pipoca nas mãos.
- Isso é culpa sua. – disse, apontando um dedo para ele. me olhou, nervoso.
- , vai aproveitar sua festa, vai. , vem cá. Ela tá naqueles dias, nem está conseguindo dar conta dela.
- Eu ouvi isso, ! – apareceu e a abraçou por trás. relaxou um pouco em seus braços, mas ainda estava um pouco nervosa. – Desculpa, , eu não quis te culpar. A culpa é dela mesmo, que sempre me enrola pra sair. – Nós rimos, inclusive , que conseguiu controlar um pouquinho seu humor. Ela e saíram e e eu ficamos em nosso programa caseiro.
Nos sentamos no sofá, com um braço sobre meus ombros, me trazendo quase para cima do seu colo.
- Obrigado por ficar comigo hoje, sei que forcei um pouquinho para isso.
- Eu não fiz isso porque você me forçou, , fiz porque te amo, e eu sei que hoje é um dia que você prefere ficar em casa porque te traz muitas lembranças. Eu realmente estou bem com isso. Gostaria muito de ter conhecido seu pai, ele parece ter sido um grande homem. – me encarava, seus olhos focados nos meus.
- O que você disse? – Sorri timidamente. Quando comecei a falar, não era essa a minha intenção, mas eu estava, enfim, pronta para dizer e apenas saiu.
- Eu disse que tudo bem por mim a gente ficar em casa. – Desconversei um pouco, sentindo meu coração acelerar.
- Não, antes disso. – Seus olhos estavam brilhando e tentava a todo custo conter o sorriso que queria aparecer em seu rosto. Eu suspirei, sorrindo bobamente.
- Eu amo você, . – Repeti, e antes que pudesse complementar, me beijou. Nós caímos deitados sobre o sofá, com ele sobre mim. Ele começou a distribuir beijos por todo o meu rosto, era algo que ele gostava de fazer com frequência, sorrindo para mim.
- Acho que meu coração vai sair do meu peito. – Ele disse, ainda sorrindo. Eu não estava muito diferente dele. – Eu amo você, , e eu sempre, sempre estarei aqui para você.

With every word I’m blown away
You’re in control of my heart…




Fim.



Nota da autora: Olha eu aqui novamente! <3
Eu sou completamente apaixonada por essa música, espero que tenham gostado. Demi diva merece tudo de melhor, certo?
Eu tenho outra fic entrando junto com essa, mas no outro álbum. A música é Never Been Hurt, se quiser dar uma conferida, ficarei muito feliz em saber sua opinião! ^^
Obrigada a quem leu, vocês são muito lindas!

Beijos e até a próxima!
Larys






Outras Fanfics:
- 07. I Wish You Would - Ficstape #004 (/ficstape/07iwishyouwould.html)
- 11. Kiss Me - Ficstape #008 (/ficstape/11kissme.html)
- 08. The Heart Never Lies - Ficstape #011 (/ficstape/08theheartneverlies.html)
- É só você sorrir - Especial Música Brasileira (/ffobs/e/esovocesorrir.html)
- 11. Never Been Hurt - Ficstape #018 (/ficstape/11neverbeenhurt.html)


comments powered by Disqus