CAPÍTULOS: [Único]









Único


O relógio marcava cinco segundos para o final da partida. Era o momento decisivo.
Carlos respirou fundo, segurando com mais força seu taco de hóquei.
Jogou seus braços para trás, pronto para acertar o disco quando...
“PÉÉÉÉÉÉ”
Então Carlos deu-se conta que não havia partida, não havia taco e nem disco.
— Isso é... — ainda com o olhar perdido, seus ouvidos se concentraram na sirene ensurdecedora que tocava. — o alarme de incêndio... Fogo... F-O-G-O!!!
Era preciso fazer algo. Mas antes...
— A-há! Segurança primeiro. — o rapaz golpeou confiante o capacete de hóquei recém-colocado em sua cabeça. Em seguida, fez o que precisava ser feito. — F-O-G-O!!! F-O-G-O!!!
— Hein??? — um muito sonolento Kendall abriu a porta do banheiro. — Como assim... Fogo? — tentou perguntar para Carlos, mas este passou correndo e gritando com os braços erguidos.
— Cara! — a figura de James surgiu diante dele, assustando ao loiro. O moreno usava um lenço de seda sobre os cabelos e nos braços, carregava diversos frascos de cosméticos para o cuidado com as madeixas. — É o alarme de incêndio. Temos de correr!
— ... E o que é tudo isso? — questionou, apontando para as embalagens.
— Meus bebês! — James respondeu rápido, após um breve olhar de Kendall para seus ‘tesouros’.
— Eu não acho que... — Kendall tentou iniciar um argumento, mas James colocou-se atrás dele, empurrando-o pelo apartamento em direção ao gigante escorregador que servia como elevador entre o segundo e primeiro andar.
— Deixa o papo pra depois, cara. É hora de abandonar o navio!
— Espera! E o Carlos, eu não o viiIIIIIIIIIIIIIIIiiiiiiiiiii!!!!!!!!!!!!! — perguntou Kendall antes de entrar no escorregador forçadamente.
— Um... — Kendall ouviu Logan dizer com um sorriso astuto ao vê-lo surgir na saída do escorregador.
— Logan, mãe!
— Dois... — Logan contou a chegada de James, que empurrou com seus pés o Kendall. O loiro caiu estatelado no chão duro, ainda confuso.
— Pronto, meus bebês. Estamos quase salvos!
— Humm. — o cenho de Logan se franziu em confusão. — E o Carlos?
— F-O-G-O!!!
Logan sorriu ao ouvir a voz do amigo pela extensão do elevador. Porém, o sorriso logo se desfez quando a chegada de Carlos foi acompanhada de uma densa fumaça branca vinda de um extintor de incêndio usado por ele.
— Ai! O que é isso? — a mãe de Kendall, sentada ao lado da filha no sofá da sala, tossia e com a mão abanava o lugar.
— Não tem incêndio! — Katie gritou para se fazer ouvir entre os presentes e recém-chegados.
— O quê?
— Não tem incêndio! — Logan insistiu. — Quer... Quer parar?!
As mãos de Logan se colocaram com rapidez sobre as de Carlos, impedindo-o.
— ... fogo...
— Como assim não tem incêndio? E esse alarme?? — questionou James.
— Ah, claro! — Logan alcançou um pequeno controle remoto guardado no bolso traseiro da calça jeans preta.
Embasbacados, Carlos, James e Kendall viram um pequeno drone descer do teto e pousar suavemente sobre o meio do chão da sala. Era o moderníssimo objeto que emitia, até segundos antes, o som de alarme.
— É meu novo despertador! — Logan sorriu entusiasmado. Ao passo que os demais o encararam com o rosto fechado. — É possível programá-lo para despertar com música também...
— Eu vou pisar nessa porcaria!! — James ameaçou, já se direcionando ao objeto.
— NÃOOO!!! — Logan o impediu de continuar, segurando-o pelos braços, encontrando certa dificuldade. — Eu precisava de vocês reunidos aqui!!
— Não podia simplesmente nos chamar? — perguntou Carlos com uma sobrancelha erguida.
— Já tentaram acordar algum de vocês? É impossível... — Jennifer, a mãe de Kendall, perguntou em meio a risadas.
— Vocês dormem como pedras. — Katie comentou com uma careta, ao que Kendall devolveu-lhe um olhar incrédulo.
— E qual seria a pauta da reunião? — Kendall forçou um sorrisinho simpático, tentando relevar a situação caótica de antes, e o fato de ter se estatelado no chão.
— Ca-ham! — Logan pigarreou, com ares de esperteza. — Senhores... Contemplem!!
O moreno estendeu os braços para um quadro branco em um suporte com rodinhas atrás de si. Na tela, vários rabiscos com legenda e setas explicativas.
— É uma tática nova de jogo? — Carlos tinha sua cabeça tomada para o lado. Visivelmente animado, recordando-se de seu sonho. Quem sabe tivesse sido um presságio!
— Não, querido. — a sra. Knight negou gentilmente.
— Isto é meu... — Logan tentou esclarecer, sendo interrompido por uma empolgada Katie de pé sobre o sofá.
“Plano de Encontro Épico”!!!
— Annnnhhh... Plano de encontro... — Kendall observava a lousa com o cenho franzido, ainda confuso.
— Épico! — James deixou seus ‘bebês’ sobre um dos lugares vagos do sofá. Balançando lentamente a cabeça de maneira assertiva. — É! É! Isso é mesmo épico!
— Espera. — pediu Carlos, erguendo a mão como em uma sala de aula. — Quem vai se encontrar com quem?
— Não é óbvio? — James virou parte de seu tronco na direção do amigo. — Com uma garota!
— Quando?
— Na festa de entrega do nosso CD de platina. — Logan disse, apontando com uma caneta laser recém-retirada do bolso para um ponto em específico da lousa.
— É o encontro perfeito! — Katie insistiu.
— Mas a festa não é amanhã? — Kendall se viu surpreso.
— Exatamente! Por isso temos pouco tempo para vocês memorizarem o que precisarão fazer. — Logan advertiu com uma expressão séria.
— Manda ver! — Carlos respondeu prontamente, dando dois golpes em seu capacete de hóquei. — O que temos de fazer?
Antes de pudesse responder, James chamou a atenção de todos os presentes com sua pergunta em tom apavorado a respeito de algo escrito no quadro:
???? ?!?!?!?!?!?!
— Bem que eu achei esse sobrenome familiar! — a sra. Knight comentou. Sorrindo logo em seguida. — Ah, era um amor de menina!
— Não!! Não mesmo!! — James virou-se na direção da senhora, o pânico visível em seu rosto. — Ela é o demônio em pessoa!!!!
— James!! — a mulher recriminou a maneira do jovem de se referir à garota. — Como pode falar assim dela?
Com um longo suspiro e revirar dos olhos, Logan falou:
— Sim, é a . E... foi a primeira namorada do James.
Aquela resposta trouxe esclarecimento para alguns, mas confusão para outros.
— Ahhhh! — a chave havia caído para Kendall, quem cruzou os braços e sorriu. — Aquela sua namoradinha do jardim de infância!
— Essa mesma. — James confirmou com um aceno de cabeça. Um frio percorria toda a sua espinha só de se lembrar.
— E cujo namoro durou o tempo deles dividirem um pirulito, que era dela originalmente. — Logan fez questão de pontuar para os demais.
— Foi eterno enquanto durou, ok?!
— Deixe-me adivinhar, esse romance não terminou bem. — Katie disse presunçosa, com as mãos sobre a cintura.
— Ela acha que eu só a pedi em namoro por causa do pirulito! — James ergueu as mãos a altura do peito, em sinal de completa inocência.
— U-hum. — a sra. Knight o olhou de maneira amiga, porém cética. — É claro que não foi, querido.
— Eu não sei o porquê que ela acha isso!!
— Ca-ham! Enfim... — Logan voltou a dizer, com as mãos atrás das costas, em uma postura bem alinhada. — estudou com James e eu no jardim de infância. E o James namorou com ela, mesmo sabendo que eu gostei dela primeiro... — o moreno deu uma ênfase maior. — E agora, eu, com muito custo, consegui que ela aceitasse vir a nossa festa. Por isso, essa festa tem de ser épica e o encontro também. E preciso de todos ajudando!
— Ownnn!! — a mãe de Kendall pousou suas mãos nas laterais de seu rosto, emocionada.

Depois de passar a manhã revisando o “Plano Maluco” de Logan para o encontro com na festa de platina, os meninos tinham que voltar a se dividir para a rotina de aulas e ensaios. Afinal, no dia da festa seria o dia que eles apresentariam um novo single, ainda não muito divulgado nem pelo produtor deles.
— Tudo bem meninos, hoje é o grande dia de começar a gravar para a festa. — Gustavo, o produtor mais durão de Hollywood, entrou na cabine onde os meninos gravavam. — Tem que ter aquele brilho de boyband que todo mundo quer hoje em dia.
E então várias peças de roupas foram jogadas nos meninos, como se aquilo tivesse aparecido do nada. Mas, na verdade, era apenas a assistente de Gustavo, Kelly, quem tinha levado todos aqueles figurinos para eles.
— Precisamos discutir o que vocês irão usar no dia. Quer dizer, cada um terá seu terno, mas para a apresentação. — Kelly parecia ser muito mais decisiva que seu chefe, ainda que muito menor que ele. — Então tratem de escolher algo dessa pilha. E sem roupa repetida! — ela estava quase saindo da sala quando se virou para Carlos, em especial. — E sem capacete!
— Mas ele é a minha marca!
— Mas tirando a apresentação, você não precisa dele!
Kelly não parecia muito feliz, enquanto tirava o capacete das mãos de Carlos, e olhava para Kendall. Ela observava o menino se namorar no espelho, conferindo os cabelos e os sorrisos. Ela precisava de um tempo apenas para se recompor. Trabalhar com quatro adolescentes era muito estressante.
Os meninos passaram uns vinte minutos entre camisetas listradas e lisas, paletós e sapatos fechado. Pareciam que tinham sido trocados por quatro noivos, com flores em seus paletós, cada um com uma cor. Não pareciam se sentirem confortáveis com essas roupas, principalmente Carlos, que sentia falta do capacete.
— Logan, com essa roupa você irá conquistar a . — James piscou para ele, arrumando seu cabelo no reflexo do vidro. — Quem diria que você ficaria bonito de terno?
A resposta do rapaz foi jogar um maço de roupas em seu amigo, sentindo as bochechas queimarem com esse comentário. Logan não se sentia muito à vontade com esse tipo de pensamento, afinal, além de fazer tempo que não via , não sabia como ela iria se portar ao encontrar com ele, e, principalmente, quando encontrasse James.
— Se sobrevivermos à essa festa, eu juro que a gente comemora não dando mais trabalho pra Kelly. — James arrumava sua gravata.
— E ajudamos o Gustavo a compor algo para o próximo CD. — Carlos tocava em sua cabeça metodicamente para entender porque seu cabelo não ficava como queria. — Afinal, esse evento será enorme.
— Acho que finalmente temos um lugar maior na Roque Records. — Logan estava mais entretido em fazer sua flor ficar em seu bolso. — É, acho que estamos prontos para aprender mais alguns paços de dança. KELLY!
Kelly chegou com o dançarino que teria de ensinar todos os passos para a apresentação do novo single deles, que aconteceria no dia seguinte. Alguns dos passos eles já sabiam, pois era o básico de qualquer apresentação que já fizeram. Mas como até as andadas que eles faziam eram coreografadas, e tudo tinha que ser perfeitamente planejado, os meninos passariam as próximas três horas ensaiando.

Sentir que seria engolida pela imensidão da cidade era pouco para o que sentia. Os prédios enormes, a movimentação das ruas, o excesso de brilho que vinha de qualquer lugar para chamar sua atenção para as lojas, cheias de pessoas muito bem vestidas. Era apenas isso que conseguia se fixar na mente da menina.
Ela andava por entre as lojas maravilhada, até chegar ao hotel que ficaria hospedada por três dias. O hotel era enorme, possuía uma grande área de recreação, com uma piscina enorme, onde a maioria de seus hospedes parecia passar o tempo, já que o local estava lotado.
sentia como se tudo estivesse andando ao seu favor. Depois de todos aqueles anos longe dos holofotes, as pessoas a conheciam agora como o rosto de uma grande marca de roupas. Seu corpo não era aquele padrão americano, mas ela não conseguia se sentir mal com suas curvas. Sabia que chamava a atenção, mas ainda assim tentava mostrar que não ligava muito para olhares e cochichos.
Chegou ao lobby, sorrindo para o senhor que estava atrás do balcão, tendo que explicar seu nome e sua reserva.
— Quarto 49A. Seguindo esse elevador, vire à direita. — o velho, um pouco emburrado, explicou. — E cuidado com os meninos que moram aqui. Eles sempre arrumam confusão. imaginou que por esse hotel ser o mais próximo de onde as empresas gravavam propagandas, ele deveria estar cheio de adolescentes e crianças e vinham passar um dia na cidade e ir embora, seja para fazer um teste ou para gravar o comercial em si.
Era um lado completamente diferente que ela conhecia, onde as pessoas, para ficarem glamourosas, gastavam toneladas de seus dinheiros e faziam empréstimos para poderem arcar com cirurgias ofensivas ao seu corpo, para alcançar um padrão estético inatingível.
A menina sorriu para o senhor, seguindo para o elevador, para enfim, poder descansar.
Quando as portas do elevador se abriram, quatro rapazes estavam saindo dele, e, o mais importante, James estava entre eles.
Sentiu os olhos do menino percorrerem por ela, sem conseguir dizer uma palavra. Os outros não pareceram notar, ou fingiram não notar que era justamente ela quem estava parada na frente do elevador. James não sabia o que dizer, só queria que esses dez segundos torturantes terminassem logo, quando as portas do elevador se fechassem.
Ela arrumou uma mecha de seu cabelo que tinha saído do lugar, e James pôde ver muito bem que era a sua antiga namorada quem estava de volta. E estava ainda mais linda do que ele podia lembrar.
— Era ela.
James falou sério para os amigos, que estavam se preparando para ficarem um pouco na piscina. Carlos estava com armas d’água, Logan entraria na brincadeira e Kendall estava mais preocupado em passar uma boa imagem para as outras meninas que estavam na piscina. James revirou os olhos, já que normalmente era ele quem fazia isso.
— Logan, você viu a , certo?
— Acha que não? — Logan sorriu para o amigo. — Ela está linda. Muito mais do que eu poderia me lembrar.
— Então vamos repassar esse plano, porque eu não entendi uma coisa: por que ela não deu nem oi para nós?
James procurava alguma outra expressão de preocupação no rosto do amigo, mas não encontrou. Logan começou a refazer todos os passos necessários, mas antes que chegasse à metade, Carlos chegou com suas armas e molhou os dois, tirando a atenção deles de . O ponto mais importante agora era derrubar Carlos na piscina.
via a movimentação na piscina de longe. Tinha pavor daquilo. Ela ficava tonta só de se imaginar na borda da piscina. Estava com um suco nas mãos, encostada em uma pilastra, na sombra, vendo os meninos brincando com água e tentando derrubar Carlos. Tinha esquecido como eles podiam ser engraçados.
Ela viu James correndo pela borda da piscina, arrumando seus cabelos. “Típico” pensou ela, relembrando em como ele poderia ser egocêntrico, assim como ele fora alguns anos atrás, quando eles namoraram. Porém, não conseguia não sorrir ao ver os meninos juntos.
Kendall parecia estar mais seguro de si, pelo o que ela podia observar. E Carlos continuava da mesma forma que ela lembrava. Fazia tanto tempo assim que ela não falava com eles mesmo? Não parecia nem um pouco.
E então tinha Logan. não lembrava muito dele, apenas que ele era muito inteligente, e um ótimo jogador. O rapaz parecia estar muito melhor agora, ela ponderava em seus pensamentos, mas também parecia pertencer àquele grupo, mais agora do que antes.
— Ninguém morde, viu? — uma menina apareceu em suas costas, assustando . — Não fique parada, vem pra piscina também.
A menina sorriu, indo em direção aos meninos, cumprimentando cada um deles e parando para conversar com Logan. Julgando pela forma como a menina se portava ao lado de Logan, eles provavelmente namoravam, o que deixou com menos vontade ainda de sair no sol ou se molhar.
— Ei, vocês viram que tem uma menina nova no hotel que está observando vocês já tem uns cinco minutos? — Camille se aproximou de Logan, esperando outra reação do que a que ele estava fazendo. — Você gosta dela!
— Que?! Não gosto não!
— Não entre na defensiva. É óbvio. — Camille sorriu, virando-se para James. — Qual o plano então?
— Não tem plano Camille.
— Claro que tem! Logan vai levá-la para a premiação, não é? — o que seguiu a isso, foi uma sequência de socos no ombro de Logan, que se retraiu, envergonhado.
— Parem de falar assim na minha frente. Vocês tem que entender que eu gosto dela desde…
— SEMPRE! — Carlos levantava as mãos, cansado de escutar aquilo. — A gente já sabe, Logan.
— E então? — Camille parecia animada para entrar na operação “Plano de Encontro Épico”. — Onde eu entro nisso?
Kendall, que tinha ficado deitado durante muito tempo, juntou-se ao grupo para saber o que estava acontecendo. Afinal, a única pessoa que conseguia suportar Camille completamente era apenas o Logan. Nenhum dos outros meninos conseguiam ter muita paciência com a aspirante à atriz.
— A gente podia descobrir se ela possui algum ressentimento pelo James. — ele mexia seus ombros, enquanto secava sua cabeça recém molhada. — Vai que ela não veio falar conosco por causa dele.
Carlos tentava argumentar que sempre fora daquela forma, e que a única pessoa daquele grupo que ela já tinha pensado em gostar fora James. nunca olharia para os outros quando já tinha namorado o mais bonito do grupo.
James tentava argumentar junto com Kendall o que fazer, e eles já tinham gastado um tempo considerável naquela conversa. Ninguém aguentava mais pensar em motivos para que as coisas acontecessem.
— Caras, vou pegar uma água.
Logan disse saindo da rodinha e indo em direção ao hotel. Para ele, a menina já tinha ido embora, desistido de falar com qualquer um dali, já que ela deveria ter ódio da forma como James terminou com ela. Ou ela terminou com ele. Fazia importância quem terminou com quem naquele momento?
Mas quando entrou no lobby do hotel, encontrou conversando animada com a Sra. Knight. Ele colocou seu melhor sorriso ao escutar a mãe de Kendall dizendo “Logan!”, mostrando que não tinha mais como fugir da menina.
— Logan! — ela disse, dando um abraço caloroso no rapaz. — Quanto tempo! Nem parece que faz tanto tempo que vocês saíram de Minessota!
— Pra você ver. — ele sorria para ela, mesmo olhando desesperadamente para a Sra. Knight. — E como você está? Não tive mais notícias suas.
— Ótima. Melhor do que nunca! Sou o rosto de uma famosa marca de roupas agora. Vim para cá justamente para um evento que terei amanhã. Tenho vestido e tudo mais.
O sorriso dela era apaixonante, e Logan queria dizer ali mesmo como queria que ela fosse com ele na premiação. Os cabelos dela caiam perfeitamente em seu rosto, dando aquele toque perfeito, conhecido por seriados, de dar um enfoque maior em seu rosto, chamando atenção para aquelas particularidades tão fofas que ela sempre teve em seu rosto.
— Eu vi que agora vocês são uma banda. — ela voltou a puxar assunto, agora que a mãe de Kendall já tinha se afastado. — Até que vocês não são tão ruins cantando. Mas são péssimos dançando!
riu de Logan. Quase não tinha mais contato com ninguém que tinha estudado, e Logan, ali, era um ponto seguro.
— Bem, isso que dá pedir para quatro jogadores de hockey dançarem. Eles não foram feitos para isso!
— Mas como boyband vocês precisam! Vamos, terei que te ensinar uns passos? Bem, quem sabe um dia eu não te ensine mesmo? Mas agora, eu preciso ir, está quase na hora de sair para gravar mais um comercial. Te vejo mais tarde?
— Claro! Me vê sim. Mas não se eu te ver primeiro.
Mas ela nem escutou a última frase, para a felicidade de Logan, ela já estava quase no elevador quando proferiu uma das piores frases de efeito. Desse jeito nunca conseguiria chamá-la para sair.

Eles estavam suados de tanto treinar aqueles poucos passos de dança. Carlos não conseguia sentir seus pés, Kendall e James estavam sentados, recuperando um pouco do fôlego que tinham perdido. Nem sentiam como se tivessem todo aquele preparo físico de jogadores. Logan ainda tentava dançar.
— Logan, descansa. Não adianta nada se amanhã você não conseguir mover um músculo. — Kendall ergueu as mãos, oferecendo uma garrafa de água para o amigo. — E James, você tem que sumir o mais rápido possível. Também quero falar com a .
— Ela disse que somos péssimos dançarinos. — Logan sorriu para eles, enquanto falava isso. — Isso significa que já nos ouviu cantar.
— Dá pra imaginar? — Carlos já tinha se esticado no chão, deitado, sentindo o frio passar por suas costas. — Será que ela já foi em algum show?
— Impossível. Ela nunca pagaria para me ver dançar e cantar. — James bufou. — E o pior de tudo é que eu nem lembro porque eu a deixei tão chateada. Mas depois do dia que eu terminei com ela, nunca mais nos falamos.
— E ela nunca mais falou conosco…
— Talvez você tenha sido um babaca, James. — Logan disse, sentando ao lado de Carlos. — Bem, é o que a maioria das meninas falam hoje.
— Ouch! — Kendall imitou James levando uma facada no coração. — Essa foi profunda! Mas Logan, se prepara para cantar, porque se você não a convidar hoje, já era todo o seu plano.
O nome dela vinha logo embaixo do nome da marca. Ela não sabia se isso era bom ou ruim, mas sabia que poderia começar a ganhar a vida como modelo, e só com isso, já poderia ficar mais tempo por aqui e menos tempo em Minessota. , o novo rosto, a nova moça.
Seu rosto estava com tanta maquiagem que ela não conseguia se reconhecer no espelho. Era tanto contorno, blush, corretivo e delineador que ela sentia que tinha uma outra pele por cima da sua. Sua pálpebra brilhava muito mais do que o comum, seus pés doíam pelo tempo que estava em pé usando salto. Mas apesar de tudo isso, ainda se sentia bem consigo.
! — ouviu seu empresário dizer em alto e bom tom. Ela não suportava isso. — Tenho uma novidade para você! Mudança de planos, hoje você vai para outra festa! — Mas o combinado era que eu iria…
— Sim, querida. Mas eu te arrumei uma festa muito mais legal e divertida. Pelo menos eu pensei que você iria gostar. Sabe aqueles meninos, Big Lunch Time?
riu de como o empresário chamava a banda. Adultos nunca acertariam os nomes das novas boybands.
— Big Time Rush?
— Isso! Eles mesmos! Bem, acontece que eles darão uma festa por causa de um álbum platina, algo assim, não me recordo muito bem. Mas! Isso, existe um porém em tudo isso. Você vai para a festa com a nova coleção da marca! E ainda poderá passar um tempo com seus conterrâneos. Afinal, você também é de Minessota, não é?
— Hm, sim…
— Ótimo! Mandarei as meninas amanhã ao seu hotel para elas te arrumarem. Até lá, descanse e não fique se mostrando muito em público. Não queremos nenhuma manchete extravagante, não é mesmo?
ficava tonta com esse homem falando em sua cabeça. Mas agora ela teria que passar algumas horas sorrindo ao lado de James, o que já parecia algo muito pior. Em sua mente “Don’t Go Breaking My Heart” tocava repetidamente, lembrando de como James tinha a tratado muito mal depois do término.

— Fica quieto Carlos! — Kendall, de doze anos, puxava um Carlos, de doze anos, para trás, colocando uma mão em sua boca. — Eu também quero ouvir!
— Gente, acho que não é certo isso…
— Shiu, Logan! — os dois protestaram para o Logan de doze anos. Logo à frente, sentados em um banco, estavam James e . Eles não pareciam felizes, a julgar pelos olhos marejados da menina, e pelas expressões de desconforto do menino. Suas mãos pareciam formar uma espécie de concha, onde as ele protegiam as dela.
— Sinto muito,
Eles ouviram a menina fungando. Logan sentiu que não deveria ficar mais ali, mas Kendall e Carlos não o deixavam mudar nem de posição. Estava ficando muito desconfortável.
— James, você fez mesmo o que me falaram?
— Infelizmente. Mas você entende, não é? Você é ok, . Mas a Clara, ela tem tudo no lugar. E, bem, nós formamos um casal mais interessante.
— Então vá pastar!
aumentou sua voz, mas não chegou a gritar. Ela sentiu o rosto ficando quente por causa da raiva e de suas lágrimas, e ao olhar atrás deles, viu os outros três amigos de James agachados, ouvindo tudo o que James falou para ela.
Nunca tinha se sentido tão envergonhada assim. Era a primeira vez que escutava algo assim de alguma pessoa que já pensou em gostar. Mesmo que Clara fosse muito mais bonita e popular que ela, não imaginava que James faria isso com ela, e ainda chamaria uma plateia para ouvir tudo aquilo.
Ela deu passos largos e fortes no chão enquanto passava pelos outros três meninos, e tinha jurado nunca mais falar com nenhum deles.

Don’t go breaking my heart, I couldn’t if I tried, Honey if I get restless...— ela cantarolava enquanto andava pelo corredor até o seu quarto, já passando as mãos no rosto e tirando toda aquela maquiagem ali mesmo. Não era como se Hollywood não soubesse que tudo era falso. — baby you’re not that kind…
não sabia como se portaria naquele lugar. Ainda nutria certa raiva de James. Mas nunca por ele ter terminado com ela. não acreditava que fora trocada por popularidade, por beleza. Coisas que pareciam ser muito importantes para ele, mas muito rasas para ela.
Às vezes ela se perguntava por que não tinha se apaixonado por Carlos ou Logan. Os dois pareciam ser os mais tranquilos do grupo. Carlos não parecia nem um pouco assustado com nada do que acontecia com eles. E Logan já era conhecido como o nerd da turma, para fechar a cota de personalidades necessárias.
riu enquanto girava a maçaneta da porta. Por que eles eram tão preocupados com rótulos? Para que ficar tão presa em certas medidas que não eram necessárias. E se James se portasse como Logan conversou com ela, bem, à noite até poderia ser prazerosa.
Ela pulou na cama, logo depois de fechar a porta. Sentiu a maciez do colchão aconchegar sua coluna, tirou o salto, aliviando seus pés e ligou a televisão, não acreditando no que estava passando. Era um videoclipe, talvez o primeiro, do Big Time Rush.
— Esses meninos me perseguem, não é possível…
A contagem para começarem a colocar o plano do Encontro Épico tinha começado. Todos pareciam focados em ajudar Logan a convencer a ser seu par nessa festa de premiação. Não era todo dia que um artista poderia comemorar seu disco platina, e ele queria dividir essa felicidade com ela.
Ele estava com o mesmo terno que usaria no dia seguinte, esperando que ela descesse para o lobby do hotel. Seria quando tudo iria acontecer. Suas mãos suavam, sentia seu coração bater acelerado. Não sabia como tinha conseguido contratar uma Limousine, mas eles tinham. Uma pequena, mas perfeita para o encontro.
James estava preparado para enrolar o empresário de por tempo o suficiente, enquanto Kendall estava cuidando para que tudo estivesse em seu lugar na hora necessária. E Carlos tinha a parte mais difícil do trabalho. Ele cuidava do plano B, que consistiria em encontrar alguma forma de fazê-la sair do quarto.
Camille tinha decorado todo o corredor da menina com pétalas vermelhas e velas, levando até o elevador, e novamente, no elevador estava cheio delas. Estava tudo lindo e romântico, de acordo com ela.
Logan sentia formigamento nas mãos. Nunca tinha feito nada assim antes. Parecia que iria se declarar para ela na frente de todas as pessoas que moravam em Los Angeles, mesmo que não fosse acontecer metade do que pensava. Eles só iriam dar uma volta no carro, descer em algum parque, onde no final de tudo, ele a convidaria. Era para ser algo simples. Precisava ser algo simples.
saiu do quarto vestindo uma calça jeans, uma camiseta de hóquey e tênis. Seus cabelos estavam soltos, e tudo nela lembrava a mesma menina de quatro anos atrás. Os mesmos detalhes, a mesma postura. E ela encontrou um cartão dizendo:

Siga as flores

Ela resolveu acompanhar tudo aquilo. Percebeu as pétalas de flores caídas no chão, as velas, e se perguntou se era possível mesmo fazer isso em um prédio. Poderia ser, talvez, muito perigoso, para quem não sabia que essas velas estavam acesas. Alguém poderia tropeçar. Ela foi assoprando uma a uma até chegar ao elevador, onde encontrou tudo da mesma forma.
Quando chegou ao térreo e o elevador abriu, Logan estava vestido de terno, sorrindo para ela. Não conseguia absorver tudo aquilo que estava acontecendo, mas seguiu seus instintos e andou até o rapaz.
— Acho que você estava esperando que outra pessoa saísse do elevador…
— O quê?
A confusão que Logan tinha feito em sua mente com essa afirmação de o fez passar, pela vigésima terceira vez, todo o plano em sua mente, pensando em onde poderia ter errado algo. — Aquela menina que falou comigo de tarde… Não me lembro o nome dela … Bem, a sua namorada, claro!
— Namorada? Quem? Ah, Camille? Ela é minha melhor amiga!
— Melhor… Amiga?
— Sim! E você está perfeita !
— Não tanto quanto você! Está de terno! Algo muito inédito para os jogadores de hóquey de Minessota. — ela riu, acompanhando ele até a fachada do prédio. — Wow! Ok. Qual é o seu plano? — ela sorriu para ele, enquanto ele abriu a porta da Limousine.
— Só me escuta, e curte a noite. — e ao ver que iria reclamar, continuou. — Vou te explicar tudo ali dentro. E fica tranquila, todos estão avisados que você está comigo, e pode ficar com meu celular. Não acho que você vá precisar. Não sou esse tipo de cara.
sorriu e entrou finalmente no carro. A música que vinha era baixa e calma, diferente do que ela esperava. Logan sentou ao seu lado, começando a falar sobre o tempo e outras coisas banais.
— Muito extravagante?
— Um pouco. Mas é divertido.
— Divertido?
— Sim. Fazia tempo que eu não ficava sozinha com alguém da minha idade. Ou estou sozinha, ou estou na passarela com meninas mais velhas, ou tenho que estar com meu empresário.
— Você não vai para a escola?
— Estudo em casa agora. Fechada para sempre como uma princesa. É muito chato!
— Consigo imaginar.
— E vocês?
— Nós estudamos numa escola para crianças e adolescentes famosos. Eles entendem que temos horários estranhos às vezes; temos faltas contadas, e temos que tirar boas notas para poder continuar na Roque Records. É difícil.
— Pra você? Duvido!
— Claro que é. Você viu como eu não sei dançar. Eu passo mais tempo ensaiando esses passos do que estudando. Chego nas provas e não consigo tirar notas excelentes. Tiro média de tão exausto que eu estava de treinar.
— Não imaginava que vocês ficariam tão sobrecarregados assim. Eram as estrelas do colégio. — ela riu, se lembrando de como todos os professores faziam de tudo para ajudar os quatro a continuarem no time. — Lembra quando vocês pregaram uma peça no Pantsy?
Logan se lembrava de como Pantsy tinha jurado odiá-los pelo resto da vida depois que encheram de raspadinha roxa na mala com o uniforme do time dele. Tudo ficou melado e roxo. Todos sabiam onde Pantsy estava nos jogos, já que ficava muito visível o uniforme roxo em contraste com o branco dos outros jogadores.
Eles chegaram ao parque, se despedindo do motorista e caminhando por entre as árvores. Era difícil encontrar um lugar tão tranquilo àquela hora da noite. Sem contar que o céu parecia um pouco mais estrelado que o normal.
Eles ficaram perto do lago. Logan ficou de costas para a água, e ficou atônita com tudo o que ele tinha programado para fazer, mas sorriu e deixou o menino falar. Ao menos era a maior demonstração romântica que tinha recebido fazia tempo.
— Bem, , feche os olhos e imagine isso: uma dança lenta, com uma banda tocando a noite toda. Essa brisa fresca,e um sentimento bom; Consegue imaginar isso? — ela balançou a cabeça, mostrando que sim, mesmo que com os olhos fechados. — Imagine só, as mãos dadas, um encontro perfeito, você conversando a noite toda e jogando jogos de arcade. Viu tudo isso? E quando você olha para frente, quem está parado, esperando por você? — Logan pigarreou. Seria agora o momento certo? — Você consegue ver, o que eu estou vendo? Nós dois poderíamos ser como em uma cena de cinema.
— Logan, o que é que isso significa? — Ela abriu os olhos, com uma expressão duvidosa estampada em seu rosto. — Não estou entendendo.
— Bem, amanhã será a festa da Big Time Rush… Você me acompanharia?
— Isso não é um baile! — ria, deixando Logan ainda mais vermelho. — Logan! Não precisava de tudo isso para me chamar para sair!
— Precisava sim. — ele puxou as mãos dela, diminuindo a distância entre eles. — Não é todo dia que a menina que eu sempre gostei aparece na minha frente. Eu tinha que aproveitar a oportunidade.
então fechou os olhos, se aproximando ainda mais dele. Estava cheia de dúvidas, mas naquele momento ela só queria saber se tudo aquilo poderia ser certo. Se estar com Logan parecia ser certo, depois de tudo o que ela pensava sobre James. Ficar com um amigo dele não parecia ser a coisa certa a se fazer. Então ela se afastou.
— Bem, então nos vemos amanhã na festa. — ela piscou, e correu para longe dele, o deixando sozinho.

— O QUEEEEEE? — Carlos passava as mãos pelo rosto. — Ela falou isso e sumiu assim?
— Logan, tem certeza que você falou tudo isso mesmo? — Kendall e Katie olhavam para o menino procurando respostas.
— Eu fiz e falei tudo o que estava no papel. Mas se não fosse porque o James tinha que falar quando eles terminaram… Ela estaria bem comigo.
— Espera, o que eu falei?
Todos olharam para o menino. Ninguém sabia ao certo o que ele tinha falado para que tinha chateado tanto a menina. A expressão de James era quase que vazia, esperando alguma resposta dos amigos.
— Você tinha falado sobre a Clara ser mais popular. — Carlos ponderou.
— Ela não ficaria brava até hoje por causa disso. — todos concordaram com James. — Talvez eu tenha falado que amava ela. Ou aquele clássico “não é você, sou eu”. — Não. Mesmo se você tivesse falado isso, ela não carregaria isso por tanto tempo. — Kendall puxou uma cadeira, perdido em alguns pensamentos. — E se ela ficou brava porque nós estávamos lá? — ele apontou para Logan, Carlos e ele. — Vai ver é isso.
— Vocês não lembram o que aconteceu? — Logan parecia atônito. — A gente não estava escondido. Na verdade, James não foi nada privado nesse assunto. Você gritou para toda a escola “Não , a gente nunca esteve juntos”. Cara, foi muito horrível.
— Mas por que eu não lembro disso? E por que nenhum dos dois lembram disso?
— Porque Kendall estava ocupado demais fazendo Carlos ficar quieto. E você tem memória de peixe. Se lembrar o que comeu no almoço, já é um grande avanço.
Logan pegou um pouco da comida que Carlos comia e foi para o quarto. Não sabia se apareceria mesmo para a festa amanhã. Poderia ser um completo desastre, justo no dia que eles lançariam um novo single, Logan não poder cantá-lo para ela.

PÉÉÉÉÉÉ
— FOGO!— Carlos corria novamente pelo pequeno quarto do apartamento, colocando seus aparatos protetores.
— Carlos, isso não é nada. — Kendall esfregava os olhos, morrendo de sono. — Cadê o Logan?
James já estava sentado com seus sprays na mesa, preparando suas torradas para comer. Logan parecia acabado, com uma xícara perto de seu braço, com café o suficiente para deixá-lo acordado por mais duas semanas.
— Não tem fogo de novo? — Carlos se sentou junto com os amigos na mesa, colocando um pouco de cereal matinal em uma tigela, e despejando leite por cima. — Vai virar aquela história do pastorzinho.
Os três meninos olharam para o amigo, buscando sentido no que ele falava. Estavam ainda com muito sono para pensar em qualquer coisa. James comparava a cor de sua torrada com a cor de seu spray. Kendall e Logan pareciam dormir a cada piscada de olhos. Apenas Carlos estava acordado o suficiente.
— Vamos gente! Hoje é o grande dia! — ele dizia entre colheradas — Vamos acordar!

PÉÉÉÉÉÉÉ acordou em um pulo. Alguém estava usando aquelas buzinas às oito horas da manhã. E quem quer que tenha usado, a fez acordar. Ela ligou a televisão, preferindo continuar na cama, já que seus compromissos eram todos à tarde.
“E hoje é a estreia do novo single da boyband Big Time Rush. A música será lançada na festa que a banda dará para a comemoração do disco platina do CD com o mesmo nome da banda. Muitas celebridades são esperadas, como Kyle…”
A festa parecia que seria muito mais interessante do que imaginava. Então eles cantariam hoje, não só as músicas do antigo álbum, mas uma música inédita até então. Ela entendeu então como era importante ela estar em um evento assim, principalmente para a marca dela.
Ela pegou uma garrafa de suco de laranja e voltou para a cama, vendo o noticiário. Achava engraçado que, com a idade dela, ela conseguia se interessar por uma programação como aquela matinal. Eram algumas entrevistas, desgraças que aconteciam por todo lado, e algumas discussões políticas. Entendia uns sessenta por cento do que os adultos discutiam, mas conseguia compreender suas posições.
Viu que tinha ficado com o celular de Logan, e precisava devolvê-lo. Talvez alguém ligasse perguntando por ele, e ele nunca saberia quem poderia ter ligado. Ou vai que Camille ligue, e pense que ela é uma maluca que fica com o celular das pessoas.
Ela enrolou o cabelo em um lápis, vestiu uma camiseta e foi daquela forma até o quarto deles, batendo na porta algumas vezes, sem que ninguém a atendesse. Quem abriu foi Sra. Kinight.
! Ah, chamarei o…
— Não precisa, só entregue para ele. Ficou comigo ontem. — ela falou um pouco sem jeito.
— Não quer entrar? Vamos, fique um pouco conosco.
— Não precisa…
— Claro que precisa! Você está sozinha lá em cima! Tome café conosco. Vamos, é um convite.
entrou no quarto, encontrando um cômodo completamente diferente do que esperava. Ao contrário dos quartos normais do hotel, esse quarto tinha um escorregador para o quarto debaixo. Que parecia separar a irmã e mãe de Kendall dos meninos.
— Pode descer pelo escorregador! — a Sra. Kinght ria. — Todos nós gostamos. É muito mais divertido.
se sentia numa casa de loucos. Mas não eram loucos desconhecidos. Ela se lembrava de cada um deles. Viu Kendall e Logan quase dormindo tomando café, James com um spary na mão e uma torrada na outra, e Carlos, animado, comendo cereal. Era exatamente como ela sempre imaginou esses meninos.
— Bom dia. — a voz saiu baixa e envergonhada. — Dormiram bem?
Os meninos se assustaram com a voz feminina diferente da usual. Não eram as três vozes que sempre escutavam de manhã. Mas também não era uma voz desconhecida.
! — Carlos correu para abraçá-la. — Finalmente posso conversar com você!
Ela riu, enquanto abraçava Kendall, e logo depois, James.
— Oi. — ele disse sem jeito.
Mas ela apenas sorriu de volta e se sentou ao lado de Logan, dando um beijo em sua bochecha, sorrindo para o menino, que tinha levado um susto. Teria acontecido aquilo ou ele tinha sonhado? Até perdeu o equilíbrio na cadeira.
— Olá. — ela disse assim que ele olhou atentamente para ela, acordando. — Dorminhoco. — ela resmungou, puxando a xícara dele, tomando um gole do café. — Animados para hoje?
— Muito! — Carlos respondeu. — E você vai, certo?
— Como poderia perder isso? — ela sorriu, tentando olhar a expressão de Logan ao afirmar que iria à festa. — Vai ser mágico, certo?
— Por que não seria? — James perguntou com a boca cheia de torrada. — Ah, espera, porque eu estou no meio.
— Também. — Todos riram da resposta dela. — Mas tem toda uma magia nesse lugar. Vocês não acham? Quer dizer, aqui tem um brilho especial. Cheio de estrelas, e tantas lojas e lugares!
— Você diz isso porque é a primeira vez que está aqui. — Kendall dizia. — Depois essa graça se perde.
— Credo! Não vou deixar isso acontecer. — ela sorria para eles. Eles pareciam começar a se lembrar como era tê-la por perto. — E quais são os planos para hoje?
— Não fazer nada que possa me machucar. — Carlos batia no capacete, dizendo isso.
— Não passar muito spray tonalizante de pele. — James falou. — Já tive que ir laranja para uma apresentação e não quero mais passar por isso.
riu, imaginando James todo pomposo com seu terno, mas com uma pele tão laranja que mais pareceria uma montagem de tão ridículo. Ainda mais ele que cuidava tanto da pele e do cabelo. Estar laranja em um evento enorme assim deveria ter sido um pesadelo para o menino.
— Bem feito. — ela disse, tomando mais um gole do café de Logan. — E vocês dois? Os planos para hoje é ficarem acordados?
— Bem, talvez para o Logan, que parece estar dormindo aqui na mesa. — Kendall riu. — Mas meu plano para hoje é ver se a Jo realmente vai comigo para a festa. Então, se vocês me dão licença, me retirarei da mesa.
Ele disse tchau para todos, saindo do cômodo e se trocando, logo em seguida, saindo para encontrar com a amiga. Carlos e James continuaram na mesa, conversando com , mesmo que Logan ainda parecesse estar dormindo.
Tinha chegado o momento. se sentia perfeita em um vestido preto com um corte muito diferente do normal feito pela marca. Sua maquiagem era muito mais leve e limpa. Ela não usava salto, o que já era um grande alívio para seus pés. E seu estômago revirava em ansiedade.
Os meninos pareciam ainda mais nervosos com tudo o que estava acontecendo. Logan parecia estar prestes a entrar em um colapso, junto com Carlos. Kendall e James aqueciam suas cordas vocais. Era dado o momento de cantarem pela primeira vez, o novo single.
Todas as pessoas estavam sentadas em mesas, olhando ansiosamente para o palco. Todos estavam curiosos e apreensivos. tinha se sentado à mesa junto com Jo, Camille e Kelly com Gustavo. As luzes diminuíram, e o instrumental começou a tocar.

Picture this, first kiss in the moonlight
Slow dance, cover band playing all night
Meant to be, cool breeze feeling so right
Picture this, picture this.

James sorria para todas. Estava galanteador. Era perceptível que ele fazia cada menina naquele cômodo suspirar. sabia disso. E ela tinha dó de quem namorasse com ele. Ninguém merecia ser tratada do jeito que ele tratou ela, como se nunca tivesse existido.
Picture this, holding hands on the boardwalk
Perfect date, out late, making small talk
Arcade, playing games you can win it all
Picture this, picture this.

Carlos parecia estar bem. Ele não errava nenhum passo ou marcação que tinham feito no dia anterior. Ele conseguia alcançar todas as notas necessárias e parecia mais centrado no que fazia.

When you look into your future
Who's there standing
With you when you close your eyes

Do you see
What I see
You and me
It's like a movie scene
That's the way
You know it should be
The two of us together
Girl can you picture this
Girl can you picture this


Quando o refrão estava chegando ao fim, Logan desceu no palco, convidando a subir com ele. Em seguida, cada um dos meninos chamou uma menina para dançar com eles no palco, enquanto eles continuavam cantando. Ela não sabia se isso era coisa combinada com o empresário ou Logan estava fazendo isso porque queria, mas estava se divertindo, e estava adorando a letra.

Top down, ride around all day long
Watching you rockin' out to your favorite song
Fall asleep on the beach with our shades on
Picture this, picture this

Logan sorria para , e ela retribuía, tentando se movimentar ao ritmo da música. Ela também era péssima dançando, mas perto dele, até que ela era boa. James e Kendall riam ao observar os dois juntos.

When you look into your future
Who's there standing
With you when you close your eyes

Do you see
What I see
You and me
It's like a movie scene
That's the way
You know it should be
The two of us together
Girl can you picture this
Girl can you picture this

Assim que a música acabou, cada par se cumprimentou, agradecendo pela dança. Os meninos riam junto com as meninas. Jo dizia à Kendall que não esperava por isso quando foi convidada, e Camille achava que fora muito óbvio que tinham a convidado para isso.
puxou Logan para longe da mesa e das luzes. Eles se esconderam em um canto distante, onde ela pudesse falar com ele.
— Foi divertido. — ela disse em seu ouvido. — Obrigada.
Ele apenas sorriu. Ela se aproximou mais dele.
— Logan, você tem que entender que eu não ficarei aqui. E fiquei muito feliz. Por tudo. Pela música, pela dança, por ontem. Eu espero que você continue falando comigo, ao contrário de certas pessoas. Bem, eu só tenho mais essa noite aqui, vamos nos divertir?
Então Logan tomou coragem, envolvendo com um de seus braços, a puxando para perto de si, beijando-a carinhosamente, com ela se enlaçando em seu pescoço, retribuindo o beijo. Ela gostava da sensação que era estar beijando Logan. Era calmo, romântico, e todas as suas dúvidas pareciam sumir naquele momento. Nada mais importava para os dois, apenas aquele momento. Era tudo o que eles queriam.

— Vocês estão nas revistas de fofoca! — Kelly mostrava várias manchetes sobre Logan e se beijando na festa. Logan sorria para a mulher, não se arrependendo disso. — Logan! Não é para ficar sorrindo assim! Isso é sério!
Logan não parecia muito interessado. Já tinham se passado duas semanas, e as pessoas ainda falavam sobre a menina de uma marca “x” que tinha ficado com ele em uma festa. As pessoas especulavam se ela era mesmo uma namorada dele, ou só alguém que conheceu na festa. Afinal, os dois não possuem desprendimento algum para não ficarem com alguém.

“Estamos nas revistas.”

O celular dele tocou alguns minutos depois.

“Eu vi. Meu empresário não gostou muito. Estou ouvindo esporro dele no momento.”

“Eu também. Kelly está uma fera comigo. Mas não consigo deixar de sorrir.”

Mesmo levando quase um dia todo para receber outra mensagem de , o coração de Logan pulava cada vez que seu celular tocava.

“Eu também. Espero voltar para Los Angeles logo.”

Ela, mesmo segurando o celular perto, mal esperava pela próxima vez que poderia ver Logan novamente e vê-lo sorrir ao descobrir que, dessa vez, ela ficaria lá.


Fim.



Nota da autora: (19.04.16) Olá, pessoas. Gostaram da história? Quem deu a ideia foi a Nelloba, linda, maravilhosa, e eu (Lola), acabei por escrevê-la. Esperamos que vocês tenham gostado, porque foi muito divertido conversar com a Nelloba sobre tudo, e ainda ter que assistir uns episódios de BTR para relembrar como os meninos eram.
Beijos <3
Nelloba e Lola.




comments powered by Disqus




Qualquer erro nessa atualização são apenas meus, portanto para avisos e reclamações somente no e-mail.
Para saber quando essa linda fic vai atualizar, acompanhe aqui.



TODOS OS DIREITOS RESERVADOS AO SITE FANFIC OBSESSION.