— Vocês nunca nem tentaram nada desse tipo!
— É verdade, Logan, não dá uma dessas! — completou o que havia dito.
— ‘Pufavô’ papai! — A pequena Louise disse e Logan a pegou no colo — eu quero ‘vê’ você na TV!
— Você tem certeza, princesa?
Todos sabiam que se Louise pedisse, Logan com certeza diria sim, ele fazia tudo pela filha, a garotinha, fruto de um acidente, não entendia nada do que estava acontecendo, mas a mãe disse a ela que ela poderia ver o pai na TV, e qual criança não acharia isso incrível?
— Eu tenho! Vaaaai!
— Você ensinou a pequena direitinho, hein ? — James brincou com a amiga.
— Se antes eu ganhava o Logan com um sorriso, a Lou ganha ele com um olhar. — disse e riu, achando engraçado como a filhinha (um acidente de percurso que nasceu quando ela e Logan tinham quase dezoito, e agora tinha um ano e meio) mudara tanto a vida dos dois, e com certeza para melhor, não havia nada para comparar o amor que sentiam pela pequena.
— Gente, eu já tenho toda a minha vida planejada, essa banda já deu errado, todo mundo já tinha aceitado isso.
— Claro que não, você convenceu todo mundo! Logan, depois da Lou você cismou que não podia mais nem tentar!
, não fala assim com ele, de verdade, você não sabe como é ser responsável por outra vida.
— Mas uma coisa que ela disse é verdade, , foi o Logan quem disse que não ia dar certo, não é como se realmente tivéssemos tentado.
— Eu proponho uma última e única tentativa, se ela der errado ninguém mais pensa nisso, o Logan termina e faculdade e nós três fazemos o que a vida quiser. — Kendall sugeriu depois do que Carlos disse.
Logan continuava com Louise no colo, mas agora com o outro braço abraçava a cintura de , que sussurrou em seu ouvido que ele deveria tentar. olhava fixamente nos olhos de James, como quem o dizia para aceitar a proposta de Kendall. estava ao lado de Carlos, o abraçando. Os dois sabiam que ele aceitaria sem pensar duas vezes, então não teria por que ela tentar convencê-lo ou algo do tipo. Kendall apenas olhava para , que depois de ouvir a proposta do namorado ficou com uma expressão pensativa, como quem planeja algo, coisa que se confirmou logo em seguida, quando a garota deu um pulo da poltrona que estava e disse:
— Eu tenho algo para acrescentar nessa proposta. Eu digo o seguinte: nós, as meninas, nos juntamos mais uma vez para escrever mais uma, talvez a última, música para a banda e então nós mostramos ela e vocês decidem se vão tentar ou não.
, e adoraram a ideia, logo concordaram, na época da escola achavam o máximo escrever músicas para os meninos, e fazia praticamente dois anos (desde a época em que descobriu que estava grávida) que as quatro não se encontravam mais para isso.
— Eu topo.
— Logan!? Você foi o primeiro? Desculpa, mas se o Logan topa, eu acho que todo mundo tem que topar, começando por mim. — James disse.
— A ideia foi minha, então... — Kendall disse e olhou para Carlos, esperando a última resposta.
— Vocês sabem que eu topo, eu nunca quis que isso acabasse.
— LINDOS! Então eu acho que devemos começar a escrever essa música agora!
, toda a nossa possível carreira depende dessa música, então, por favor, calma. — Kendall tentou acalmar a namorada.
— Mas nem tanta calma assim, porque esse teste vai ser daqui a dez dias.
disse, pegando uma Louise sonolenta do colo de Logan.
— A Lou precisa de um banho, mas depois a gente pode começar, se vocês quiserem.
— Nós vamos dormir aqui?? — Dava para ver os olhinhos de brilharem, ela era a mais “criança” do grupo. Adorava quando elas (ou até mesmo quando os meninos estavam junto) faziam uma espécie de festa do pijama como quando estavam na escola (tudo bem que ela achava as de agora muito mais legais, com as apostas, noites de jogos com meninos x meninas, principalmente quando e Logan deixavam Louise ficar acordada até mais tarde, porque aí sim as meninas ganhavam de lavada, já que Logan fazia os meninos perderem praticamente tudo só para ver o sorriso gostoso no rostinho da filha).
— Podem dormir ué, só não tem comida, mas a gente pede alguma coisa.
— A tia vai dormir aqui, mamãe!?
Não é nem preciso dizer que Louise adorava quando dormia lá, a garotinha adorava as brincadeiras da “tia”, que por sua vez ficava a noite toda brincando com ela caso fosse preciso.
— Vai sim, princesa, mas a senhorita vai tomar banho e dormir, sem brincar mais.
— Ahh, por que papai? — A criança disse fazendo bico.
— Porque eu já deixei você me convencer o suficiente por hoje, banho e cama, Lou, já está na hora, amanhã quando você acordar todas as suas tias vão estar aqui e você vai poder brincar com todas elas até quando elas quiserem.
Louise resmungou um pouquinho, mas deu um beijo no pai e um em cada “tio” e “tia” e foi tomar banho para dormir.
— Eu acho que dá para fazer algo que tenha mesmo a ver com a situação, sabe? Sei lá, por ser a única chance que os meninos se deram e tudo mais, não sei...talvez we only got tonight cantarolou.
Depois de Louise já estar dormindo, os amigos foram para a sala da casa de e Logan para ver o que conseguiriam fazer sobre a música. estava sentada ao lado de James, ambos discutindo como seria a vida de famosos, já que eles tinham certeza que tudo daria certo; Logan estava deitado com a cabeça no colo de , que tinha um caderno onde escrevia todos os rascunhos das letras desde que eles começaram com a banda, há uns quatro anos, mais ou menos. e Carlos estavam sentados no chão mesmo, lado a lado, tentando de verdade pensar numa letra, mas ao mesmo tempo brincando um com o outro, se “empurrando” e rindo, como sempre. Kendall só observava, estava sentado e fazendo carinho nas pernas de que estavam sobre as suas, enquanto a garota tentava pensar em algo interessante para a letra.
— A gente não pode mesmo usar Big Night? Eu gosto tanto dela.
— Todos gostamos, , mas a ideia da de usar a situação foi muito boa para ser desperdiçada. — respondeu.
— Não é sempre que acontece de ela ter uma boa ideia né, tem que aproveitar. — James brincou.
— Nossa senhora, depois que chamei o James para ser padrinho da Lou ele só me esculacha, eu me demito.
Os amigos riram e James mandou um beijo na direção de , que em resposta mostrou a língua e revirou os olhos.
— JÁ SEI! — gritou do nada— you know there’s nothing wrong with taking chances, so put it on the line! Eu gostei.
I know we’re gonna be somebody someday, we only gotta try… O que acham?? — completou.
— Genial!
— Sem condições, não lembrava o quanto que o Logan ficava puxando o saco da quando a gente passava as tardes assim. — resmungou.
— Jesus, , larga mão de ser azeda! Eu tinha que ter um motivo para namorar o bonitinho aqui né... — disse e se abaixou para dar um selinho meio demorado em Logan.
— Gente, gente, gente!! Presta atenção, está vindo alguma coisa! — disse e fez uma pausa (dramática)Chances, you know there’s nothing wrong with taking chances, put it on the line, oh someday, I know we’re gonna be somebody someday, only gotta try…
Todos sabiam que tinha somente repetido algo que as amigas já tinham dito, mas a garota era a “dona” de uma das partes mais difíceis, senão a mais difícil, ela era a que quase sempre conseguia organizar as ideias das amigas, juntar tudo e ainda colocar uma certa melodia que Kendall sempre arrumava depois com o violão.
Life’s too short to sit and wait for luck to come our way… — a própria completou, gritando no começo por ela mesma ter levado um “susto” com a criatividade repentina.
Passaram mais umas três horas, talvez, tentando compor a música perfeita, e conseguiram uma parte considerável dela: Life’s too short to sit and wait, for luck to come our way. Light it up like fireworks, I want to hear you say. We are, we are, We are alive, and we are the light that’s shining now... We are, we are, We are the reckless, and you can hear us drowning out the sound, we are, we are, young and dumb, always chasing something, we are, we are, hearts like drums, you can hear us coming, we are, we are. Além de algumas outras partes soltas que ainda teriam que ser “melodiadas”, mas não agora, resolveram terminar a noite comendo as pizzas que encomendaram e jogando algum jogo de tabuleiro, talvez War, embora esse sempre acabasse em “briga”. Fizeram uma espécie de conta e, como faltavam dez dias para o tal teste eles passariam no máximo sete deles terminando de escrever a música, que agora decidiram que iria se chamar We Are, e nos outros, no mínimo três, dias iriam ensaiar não só a letra como a melodia no violão.
As garotas passaram mais cinco dias compondo a música, mandando mensagens ou até mesmo ligando umas para as outras sempre que tinham alguma ideia nova, e no fim do sexto dia de composição com a ajuda de Kendall deu melodia a toda a música, e então os meninos fizeram o primeiro ensaio/teste, afinal, além de todos terem que gostar da música naturalmente, caso alguém não gostasse, tudo iria pelos ares.
Era o acordo: ou seria perfeito, ou não seria.
Não decidiram de primeira as partes de cada um na letra, então resolveram cantá-la inteira juntos para tomar a decisão, e depois veriam o que fazer em relação a divisão. As meninas passaram toda a extensão da música encantadas com como a letra se encaixava com os meninos, com a situação, enfim, como parecia perfeito desde a primeira passada. E Louise batia palminhas animadamente enquanto olhava para o pai cantando, coisa que ela não estava tão acostumada a ver, não assim pelo menos, só quando ele cantava para ela dormir ou algo do tipo, mas músicas infantis, ou algumas não infantis, mas bem calmas, nada como era We Are.
“Gente eu não lembrava de como vocês eram bons”.
“Sucesso com certeza”.
“Sou a fangirl número um desde já”.
“‘Tô orgulhosa, não me toquem”.
Foram as reações das garotas, os meninos apenas se olhavam, lembrando de como achavam bom cantar juntos, de como parecia certo. Louise desceu do colo de e correu diretamente para o de Logan, dizendo “papai lindo” “eu amo papai” e derretendo o homem cada vez mais (além, é claro, de derreter também , apaixonada por ver esse tipo de momento entre o namorado e a filha; e também os amigos, pois quem não acharia fofo uma cena dessas?). Os meninos todos gostaram da música, e também gostaram muito de cantar juntos novamente, agora só restava saber se todos concordavam também em relação a tentar.
— E então...? Eu continuo topando cem por cento. — Carlos foi quem perguntou.
— Eu também.
— Se o Carlos, o Kendall e eu estamos dentro, só falta você Logan. — James disse.
— Gente, vocês estão mesmo certos disso? Eu não sei, será que vai dar certo?
— CLARO QUE VAI! — As garotas disseram em uníssono.
— Fala para o papai ir, Lou. — disse.
— Vai papai! Eu que tô pedindo!
— Tudo bem vai, eu topo. Mas se é pra fazer isso, é pra fazer direito e conseguir.
— Gosto assim! — deu um selinho em Logan.
Passaram então os próximos dias ensaiando todas as noites por várias horas, com as meninas sendo fangirls antes mesmo de os meninos serem famosos, Logan fazendo os meninos darem 104% do potencial, e Louise dando total apoio (o que pra uma criança de um ano e meio é tentar cantar junto e bater palmas animada a cada término da música).
No sábado, então às duas horas da tarde, os amigos foram até o local da audição do The X Factor, foram “numerados” e esperaram até serem chamados.
Os garotos se sentiam meio estranhos, como se as pessoas ali os “analisassem”, o que realmente devia estar acontecendo, mas não como uma coisa ruim, mas de qualquer forma uma hora ou outra todos ali estariam contra o outro, então provavelmente o que estava acontecendo era um olhar do tipo “será que eles são melhores do que eu?” afinal, não é possível que tinha alguém ali que estivesse sem medo nenhum.
Quando eles foram chamados, , , , e Louise foram para o local onde a família assiste à audição enquanto também é gravada; as mães dos garotos disseram que preferiam ficar na platéia, pois chorariam muito e tinham vergonha de aparecer assim na TV.
— Boa tarde. — Disse um dos jurados.
— Boa tarde. — Os garotos responderam.
— Vocês são...?
— O Big Time Rush. — James respondeu (decidiram que ele falaria, já que era o menos nervoso dali).
— Nos conte um pouco sobre vocês. — Uma das juradas pediu.
— Bom, nós somos só quatro amigos que se conhecem desde a escola, nós tínhamos uma banda, mas desistimos, e agora resolvemos tentar de novo.
— E vocês são bons?
— A Louise diz que sim— James disse e todos riram.
— Louise?
— Minha filha — Logan disse sorrindo e levantando uma das mãos.
— Desculpa, filha? Quantos anos você tem?
— Dezenove, não foi planejado.
— Entendo. Enfim, indo ao que interessa, o que vocês vão cantar?
We Are, é uma música original.
— Original, hm? Boa sorte.
James então começou:
Thinking, We don’t wanna get caught up in overthinking. (James)
We only got tonight. (Kendall)
Moments, We gotta keep on living for these moments. (James)
‘Cause this is our time. (Kendall)

Carlos era o mais nervoso entre os amigos, ele estava ansioso, com medo, animado, tudo ao mesmo tempo. O garoto nunca quis que a banda acabasse, por mais que entendesse o motivo de Logan, com certeza ele também desistiria de tudo que fosse incerto caso tivesse uma bebê para cuidar. Tudo passava pela cabeça dele naquela hora, e como precisava sair perfeito para que continuassem juntos. Por um momento chegou a pensar que sua voz não iria nem ao menos sair.
Life’s too short to sit and wait, for luck to come our way.
Light it up like fireworks. I want to hear you say.

O refrão era a parte da música na qual mais estavam confiantes, os rapazes sabiam que tinham algo que era pouco visto, eles tinham sintonia como banda, as capacidades vocais não brigavam entre si, além de, é claro, funcionarem muito bem juntas.
We are, we are, We are alive.
And we are the lights that’s shining now.
We are, we are, We are the reckless.
And you can hear us drowning out the sound.
We are, we are, Young and dumb, always chasing something.
We are, we are, Hearts like drums, you can hear us coming.
We are, we are
Por mais que Logan estivesse nervoso, tentou esvaziar a cabeça antes de cantar. Agora era seu solo e ele, mesmo tendo prometido que ficaria calmo, podia sentir suas mãos suarem frio. Pensou em Louise, o jeito que os olhinhos dela brilharam quando viram o pai cantar com os amigos nos ensaios, pensou em como ela poderia ter um futuro brilhante caso tudo desse certo, e então somente sentiu a música.
Chances, You know there’s nothing wrong with taking chances.
(Logan) Put it on the line. (Kendall)
Oh someday, I know we’re gonna be somebody someday. (Logan)
Only gotta try. (Kendall)
Viram um dos jurados levantar o braço, como sinal para que a melodia parasse, e consequentemente eles também. Com medo e ansiosos os garotos se abraçaram e ficaram esperando por um veredito.
— Quantos anos vocês têm mesmo?
Ele vai dizer pra eles voltarem numa próxima, certeza, não pode ser. disse.
Não diz isso, ! Não pode ser isso...né?
Claro que não, né, , não entra nas viagens da não, ela tá louca. disse, tentando tranquilizar as amigas, enquanto ela mesma não estava com nem metade da tranquilidade que expressava. estava tremendo com Louise (a qual não entendia o desespero, afinal, logicamente achava o pai o melhor do mundo) no colo.
— Dezenove.
— Vocês já fizeram aulas de canto ou algo do tipo?
— Não, só cantar juntos mesmo.
— Bom, acho que já podemos votar, certo?
— Eu achei genial vocês comporem uma música especialmente para essa ocasião, achei que combinou perfeitamente, além de casar bem com as vozes de vocês, não vejo motivo para não ver vocês apenas crescendo durante o programa, meu voto é sim. — Foi o voto da primeira jurada.
— Eu prevejo ver vocês na final, vocês aumentaram o nível dessa competição. Meu voto é um sim bem fácil. — Disse um dos jurados.
— Não tenho o que acrescentar a não ser parabéns pela letra e meu voto sim. — Disse a segunda jurada.
— O que eu vejo em vocês são quatro rapazes com muito potencial e a certeza de um sucesso, mas não se enganem, vocês ainda têm coisas para melhorar. Meu voto é sim. — O último jurado confirmou.
— Muito obrigado, de verdade. — Carlos falou, embora não soubesse como expressar a felicidade que sentia.
— Em nome de todos, muito obrigado mesmo. — Kendall disse.
Embora um dos jurados tenha dito que “previa” os garotos na final, mais de uma vez eles quase deixaram a competição, por muito, muito pouco mesmo, ficaram.
dizia que era o destino, embora em todas as vezes na qual isso aconteceu as garotas tiveram que esconder , porque a garota entrava em desespero total. sempre tentava se conter, não somente por Logan, mas também por Louise, que estava muito mais do que feliz por ver o pai na TV. às vezes dava alguns surtos, mas nada demais, e principalmente, nada que fizesse Kendall se desesperar mais.
No dia da final estavam todos, sem exceção, em pânico. Não sabiam o que fazer, mas as músicas estavam prontas. Os três finalistas teriam que preparar três músicas cada, duas para as apresentações, e a terceira que apenas o vencedor cantaria.
Os garotos haviam preparado Hey Angel, da One Direction; Never Gonna Be Alone, do Nickelback; e We Are seria a que eles cantariam caso ganhassem.
— Boa noite, América! Voltamos agora com The X Factor USA. Agora com vocês, os garotos que chegaram para aumentar o nível da competição desde o primeiro dia: BIG TIME RUSH! — O apresentador introduziu os meninos para que cantassem a primeira música da noite.
— Boa noite The X Factor!!! — Kendall disse.
— Essa música é de uma banda que eu acho que vocês conhecem. — James disse enquanto as primeiras notas de Hey Angel começavam a tocar.
— Hey Angel da One Direction! — Carlos completou.
— Espero que gostem. — Logan disse antes de começar a cantar— Hey Angel, Do you know the reasons why we look up to the sky? (…)
Todos aplaudiram a apresentação dos garotos, depois os outros dois finalistas (uma garota da categoria dos adolescentes e um cara dos jovens adultos) cantaram If I Ain’t Got You da Alicia Keys e Trouble, do Chris Rene, e então o programa foi para os comerciais.
Os rapazes foram falar com as mães e as namoradas, dessa vez todas na platéia, que tentaram acalmá-los, já que realmente eles estavam ótimos, mas não era como se fosse fácil assim acalmar alguém que estava passando por uma situação como essa.
— E voltamos com as apresentações das segundas músicas dos finalistas, é agora ou nunca, dessa vez começamos com a garota que arrasou cantando um sucesso de Alicia Keys no primeiro bloco: Elena!
A garota cantou outra música da Alicia, Empire State Of Mind, e arrasou de novo, ela era muito boa. Depois dela o garoto dos jovens adultos cantou See You Again, e se saiu muito bem mesmo. O Big Time Rush então entrou e cantou Never Gonna Be Alone lindamente. Eles sabiam que a garota tinha arrasado com as músicas da Alicia Keys, mas não tinha música ali que pudesse ter sido cantada com mais sentimento que a deles, a não ser talvez See You Again, mas a essa altura não tinham mais certeza de nada.
— E chegou a hora! Eu peço que os mentores se posicionem ao lado de seus finalistas para o resultado.
Os garotos estavam muito nervosos, a tensão deles, dos mentores e dos outros participantes era palpável, mas todos tentavam ao máximo se conterem.
— Começando com o segundo lugar, com trinta e três por cento dos votos, o segundo lugar é seu...ELENA!
A garota teve o choque inicial que todos têm, e depois começou a chorar, não era o primeiro, mas chegar até ali já tinha sido uma vitória, ficar em segundo, então... ela nem sabia descrever.
— Eu nem sei o que dizer! Só… muito obrigada, a todos que votaram, aos meus pais, meus familiares, todos que me apoiaram, eu não estaria aqui sem vocês.
— Ficamos então com o primeiro e o terceiro...Como vocês se sentem?
— Ansiosos — todos responderam, quase em uníssono, provavelmente não havia palavra melhor para explicar.
— Bom, em terceiro nós temos quem se destacou muito durante toda a competição, quem cresceu e apareceu mais do que qualquer um imaginaria… quem ficou em terceiro foi o… Ah, me desculpem, temos um comercial agora.
O “ahhhhh” vindo da plateia foi ouvido em alto e bom som, mas, afinal, que programa de talentos seria esse se não houvesse um comercial bem na hora em que o vencedor estivesse para ser revelado? Esse comercial pareceu ser o mais longo da história dos comerciais, até mesmo porque, em programas ao vivo, uma vez que o programa sai do ar, nada acontece, ou seja, eles esperavam em silêncio o resultado que poderia mudar suas vidas, quer coisa mais difícil? Experimenta ser a mãe dos participantes! Todas as mães ali estavam à beira de um colapso nervoso, mas nada que não fosse passar dali a 10...9...8...7...6...5...4...
3...
2...
1...
— E voltamos com o último bloco dessa temporada do The X Factor USA!!! Em terceiro lugar, com trinta e um por cento dos votos nós temos… o… Big. Time. Rush! Algo a dizer, garotos?
— Nós também gostaríamos de agradecer muito e de coração a todos que votaram em nós.
— E também parabenizar a Elena e o Peter por terem chegado até aqui com a gente e nos mostrado o que é cantar de verdade. — Kendall completou o que James disse.
Depois desse momento não prestaram mais atenção em nada, estavam muito felizes por terem chegado até a final, com certeza, mas não ganharam, então… esse seria o fim? Bom, era o combinado, não tinha mais o que ser feito… até que, no meio da plateia, surgiu um gritinho, bem fino, como a voz de uma criança… Louise gritava animada pela banda do pai “Big Time Rush! Big Time Rush!” e pelo visto ela não era a única ali animada em relação aos meninos, já que logo a plateia inteira gritava com ela, até que alguém um pouco mais ousado começou a cantar o refrão de We Are, fazendo os garotos ficarem sem reação.
— Vocês podem cantar a capella, se quiserem. — O apresentador autorizou.
Os garotos então cantaram a mesma parte da música que haviam cantado em sua audição, mas dessa vez com a ajuda da plateia, graças a animação de Louise. O programa então seguiu com a premiação de Peter e os garotos foram embora cada um para a sua casa, deixando para decidir o que fazer em relação a continuar ou não com a banda num outro dia, com calma. Embora fosse claro que continuariam, e o que deu mais esperança às fãs (que obviamente já existiam) foi o tweet de Carlos dizendo “even one direction got third place, why not us?” (“até a one direction ficou em terceiro lugar, por que não nós?”).
— Bendita foi a hora em que eu decidi cantar o refrão. — disse e riu.
— Com certeza! — concordou.
— E então foi por isso que nós decidimos nomear o filme de We Are. — Disse Logan, concluindo a resposta da pergunta “Por que vocês deram o nome do filme de We Are?”.
“Quer dizer, acho que todos sabem que é uma música bem importante para todos nós” foi o que Kendall tinha dito no começo, assim que uma das fãs perguntou.
Dois anos depois da final do The X Factor, dia 26 de agosto de 2017, o Big Time Rush e suas namoradas (e compositoras oficiais) estavam numa espécie de meet & greet, para promover o lançamento do filme WE ARE (Big Time Rush), onde os fãs perguntavam o que quisessem, seja “qual foi a hora do seu nascimento?” ou “será que vocês podem nos dar uma prévia do que vamos ver no filme?” (ambas perguntas que aconteceram, mas isso fica para ser contado num outro dia).


Fim.



Nota da autora (07/05/16): SEM NOTA




comments powered by Disqus




Qualquer erro nessa fanfic são apenas meus, portanto para avisos e reclamações somente no e-mail.



TODOS OS DIREITOS RESERVADOS AO SITE FANFIC OBSESSION.