- Cara, tua namorada é uma chata! - Ryan resmungou assim que sentou no sofá jogando o tênis em algum canto qualquer do porão que ficava nos fundos da minha casa. Aquele era nosso canto especial desde os nossos nove anos de idade. - Não sei como você suporta ela!
- Nem eu. - Comentei baixinho.
Ryan me olhou com os olhos arregalados, ele parecia não acreditar que finalmente eu tinha concordado que Brianna era uma mala sem alça, chata pra caramba e grudenta ao extremo.
- Você tinha que criar vergonha nessa cara e admitir pra ela que na verdade você tá com ela, não porque a ama e sim porque você tá apaixonado pela melhor amiga dela! - Ele falou sério, era até estranho ver ele falando algo com aquela expressão, afinal ele sempre foi o desleixado que não leva nada a sério na vida.
- Que? Isso não tem nada a ver! - Falei soltando uma risada nasalada tentando fazer com que ele acreditasse em mim, mas ele apenas me olhou com a sobrancelha arqueada como se dissesse "Você acha que me engana?"
Bufei irritado e deitei no chão olhando para o teto sujo e as paredes cheias de pôsteres de mulheres seminuas, pensando na enrascada que eu havia me enfiado. A coisa era que desde que eu estava nesse relacionamento eu me sentia como se estivesse dormindo por dias e não soubesse como levantar.
- Cara, o que eu faço? - Perguntei alarmado tentando achar um jeito de sair dessa situação.
- E você acha que eu sei? - Ryan perguntou soltando uma gargalhada. - Eu ainda nem entendi como que você entrou nessa merda.
Ninguém entenderia, mas na realidade foi uma coisa até simples. Meu primo fez uma festa, eu fui e então eu vi ela linda em um vestido azul justo com os cabelos soltos e, apesar da maquiagem carregada, ela parecia linda. Brianna era o nome dela, nós conversamos a noite inteira e então começamos a sair, ela vivia dizendo que eu deveria conhecer a melhor amiga dela e eu falava do Ryan, tínhamos até combinado de juntar os dois como um casal, mas a merda foi que quando eu a vi pela primeira vez; foi como se uma luz amarela tivesse piscado, então a luz ficou um tom laranja e rapidamente um vermelho brilhante, berrante... Um vermelho que gritava perigo.
E foi assim que eu soube que a melhor amiga da minha até então namorada não tão perfeita, seria a garota que traria muitos problemas na minha vida.

Meu primo costumava fazer as melhores festas da cidade, era tudo sempre regado a muito álcool e qualquer substância ilícita possível, eu ia lá com muita frequência e era sempre a mesma coisa e, por incrível que pareça, hoje eu estava totalmente desanimado.
- Ah, qual é, cara? - Ryan falou sacudindo meus ombros. - Pra quê esse baixo astral todo?
- Não sei... - Falei coçando a nuca, eu nunca tinha me sentido assim antes, era um pressentimento muito forte de que essa noite só me traria problemas no futuro e eu não sabia dizer se era do tipo bom ou do tipo ruim.
Assim que chegamos Ryan saiu com o meu primo Luke pra jogar beer pong e eu fiquei sentado no sofá encardido com um copo de cerveja na mão e a maior vontade de ir embora, e então eu vi uma garota encostada na parede perto da escada, ela encarava o copo vermelho com uma cara de nojo, como se não soubesse se tomava o conteúdo ou jogava ele na cabeça de um dos babacas que não paravam de mexer com ela, e por algum motivo eu senti a necessidade de ir falar com ela, como se alguma força me puxasse até ela.
- Oi. - Falei sorrindo torto com a cara que eu chamava de "Ao ataque" e que sempre funcionava.
- Oi. - Ela falou com uma risadinha totalmente sem graça e bebeu o conteúdo mais uma vez, fazendo uma careta logo em seguida.
- Tá gostando da cerveja?
- Engraçadinho! - Ela riu. - Essa coisa é horrível e tem gosto de xixi.
- Bem vinda às festas do Luke! - Disse enquanto bebia o resto da minha cerveja e depois a dela, realmente era uma cerveja horrível, mas você acabava se acostumando.
- Ah, sim! Minha melhor amiga que o conheceu em alguma festa qualquer que ela foi, e me trouxe junto... Ele é um cara legal. - Ela disse enquanto observava o ambiente.
A garota estava com um vestido azul bem justo no seu corpo, e seus cabelos loiros chamavam bastante atenção. Ela era muito bonita.
- E cadê a sua amiga? - Perguntei curioso, porque geralmente as garotas nunca se separam nesse tipo de festa.
- Ela conheceu um garoto qualquer e não faço ideia para onde ela foi. - Falou balançando a mão como se não fosse nada, como se aquilo fosse algo que acontece sempre que elas saiam.
- E qual é o seu nome? - Perguntei mudando de assunto.
- Brianna!
- Prazer, Brianna, meu nome é !
Nós conversamos pelo resto da noite sobre todo o tipo de coisas, ela era muito diferente de mim, mas mesmo assim eu me senti bem com ela e foi por esse motivo que eu a beijei e a chamei para sair depois que a coloquei em um táxi quando o dia já estava amanhecendo.

- Docinho de coco. - Brianna falou com aquela voz "bonitinha" que ela costumava se dirigir a mim, não é que eu fosse um cara chato nem nada do tipo, mas o problema dela era que ela era muito grudenta e parecia querer mostrar para o mundo todo que tinha namorado, parecia que ela namorava comigo por status e não porque gostava de mim e sinceramente eu tinha parado de pensar nela como minha namorada fazia muito tempo! Desde que aquela garota com os olhos carregados de rímel e lápis preto entrou na minha vida.
- E aí, Brianna! - Falei sorrindo o máximo que podia, eu tentava ser simpático, afinal ela era uma garota legal, ela só exagerava no quesito namoro.
- Amorzinho que saudades! - Ela falou fazendo um bico que ela julgava ser fofo e me deu um selinho molhado. - , olha quem chegou!
Congelei na porta de sua casa.
O que ela estava fazendo ali?
Eu tinha decidido terminar com Brianna, mas toda vez que esse pensamento passava pela minha cabeça eu lembrava que isso significava que eu nunca mais veria na minha vida e eu preferia mil vezes aguentar os surtos de fofurice da minha namorada do que nunca mais ver a garota pela qual eu estava apaixonado. Isso soava tão egoísta, eu me sentia um merda falando isso.
- Oi, ! - falou aparecendo na sala, ela lambeu os lábios ao mesmo tempo que me olhava de cima a baixo. Brianna ria e falava que a amiga era impossível quando se tratava de homem bonito, ela não percebia os olhares que ela me dava porque com certeza essa seria a última coisa que ela teria que se preocupar, afinal de conta seu namorado e sua melhor amiga... Sem chance de ficarem juntos.
Mal sabia ela.
- Oi, ! - Pigarrei e mordi o lábio inferior reprimindo a vontade de agarra-la ali mesmo.
Brianna saiu correndo em direção à cozinha dizendo que faria pipoca para que víssemos um filme todos juntos.
Todos juntos.
Bem, que merda.

Eu e Brianna estávamos namorando já fazia seis semanas, depois de dois meses saindo e se "conhecendo melhor" e eu ainda não havia conhecido a tão famosa melhor amiga, algo sempre acontecia e íamos adiando e adiando e eu também não fazia muita questão.
- Você vai amar ela, docinho de coco! - Brianna falava com um sorriso brilhante, e eu me segurei para não revirar os olhos. Depois que eu a pedi em namoro, ela começou a agir de forma estranha, usando apelidos fofos demais, sorrindo demais, tudo parecia muito superficial. - Ela é um pouco diferente de mim, quer dizer: ela é bem diferente de mim, mas ela é a única pessoa que me atura depois de você!
Não aguentei e dei uma gargalhada, nisso ela tinha razão! Eu gostava bastante de Brianna, nós nos dávamos bem e ela era uma ótima garota, quando eu a conheci e nós estávamos tendo os primeiros encontros eu sentia como se estivesse realmente apaixonado, mas eu tinha minhas dúvidas sobre o nosso relacionamento, às vezes eu achava que nós fomos feitos apenas para sermos amigos e não ter mais do que alguns beijos trocados. Gostaria de saber como foi que perdemos toda aquela química do começo.
- Chegamos! - Falei depois de parar o carro no barzinho onde meu encontro com a melhor amiga da minha namorada havia sido combinado.
- Ebaaaa! - Brianna falou dando três palminhas e fazendo um sinal para que eu fosse abrir a porta pra ela, bufei, mas fui sem resmungar.
Entramos os dois de mãos dadas, eu com uma calça jeans desbotada e uma camiseta preta básica e Brianna em um vestido pink rodado e saltos altos. Com certeza todos deviam estar pensando que aquele era o casal mais estranho que eles já haviam visto.
- !!!! - Minha namorada deu um gritinho e saiu correndo em direção a uma mesa que ficava parcialmente escondida, por isso eu não conseguia ver o rosto da pessoa que estava sentada ali.
- Oi pati*... Cadê seu homem? - Meu corpo ficou todo arrepiado só de ouvir aquela voz, e eu tive que balançar a cabeça e espantar os pensamentos que passaram pela minha cabeça.
- Tá aqui! - Brianna falou dando uma risadinha. - Vem aqui docinho de coco.
Deu tempo de ouvir rir com aquele apelido bobo e então eu a vi, seus olhos estavam pretos devido ao rímel e ao lápis de olho, ela usava uma calça também preta justíssima, uma camiseta branca escrito "Boys, boys, I love boys", um coturno que combinava perfeitamente com as minhas botas de combate e uma jaqueta de couro que a deixava ainda mais linda do que ela era.
Porque ela era linda.
Muito linda, por sinal.
- E aí! - falou, seu sorriso morrendo e ela parecia extremamente sem graça.
- E aí! - Respondi do mesmo modo que ela.
Eu só conseguia pensar "Por que raios eu fui me sentir atraído logo pela melhor amiga da minha namorada?"

*abreviatura de patricinha.

Pela próxima meia hora, eu fico sufocado sentado no meio das duas, sem saber o que fazer e pela postura que se encontra desde que percebeu que teria que ficar do meu lado e não do de Brianna acho que ela se sente do mesmo modo que eu.
- Vocês estão muito chatos. - Brianna resmungou. - Vou pegar mais refrigerante!
Assim que ela levantou eu senti o dedo mindinho de se fechar com o meu e minha cara se desmanchou no sorriso mais bobo e apaixonado da face da terra.
- Eu não aguento mais, ! - Ela falou baixinho. - Estou me sentindo um caco e essa culpa está me matando!
- Eu sei, linda! - Falei apertando mais ainda meu dedinho contra o dela. - Tudo vai se resolver, você vai ver.
O problema é que nem eu mesmo sabia se isso iria acabar bem, esse amor era extremamente perigoso porque eu não queria perder a amizade de Brianna e muito menos queria que as duas se perdessem uma da outra.
- Vocês sabiam que são as duas pessoas mais importantes pra mim no mundo todo? - Brianna falou sentando no meio de nós dois e nos abraçando pelo ombro.
estava olhando fixamente para frente sem expressão nenhuma, ela mordia o lábio fortemente parecendo nervosa demais, e tudo o que eu queria era poder confortá-la, mas eu não podia principalmente porque Brianna decidiu me beijar ali do nada e tudo o que eu queria era voltar para .
Eu queria sempre voltar pra ela.

Já fazia algumas semanas que e eu estávamos trocando olhares, eu não podia estar ficando louco, aquilo estava sim sendo recíproco e Ryan parecia saber disso também já que ele me lançava olhares que diziam que já tinha sacado o que estava acontecendo.
Estávamos todos em mais uma das tão famosas festinhas de meu primo Luke, e Brianna estava toda animada dançando com ele, e eu aproveitei esse momento para seguir que tinha saído pela porta em direção à varanda.
- Por que você está aqui sozinha? - Perguntei ficando ao lado dela.
- Estou pensando! - Ela falou mordendo o lábio, o que eu já havia notado que era um hábito muito comum dela. Ela estava com um vestido que mais parecia uma regata gigante, e com uma meia calça toda rasgada. Eu adorava o jeito que ela se vestia, adorava o tanto que nós tínhamos em comum.
- Pensando no que?
- Em coisas que não deveriam passar pela minha cabeça! - disse olhando diretamente nos meus olhos.
- Eu acho que entendo perfeitamente o que você quer dizer com isso... - Falei me aproximando cada vez mais perto dela.
Amarelo.
Laranja.
Vermelho.
Perigo.


- O que ta acontecendo com você? - Brianna perguntou. - Você ta tão diferente! Você não gosta mais de mim?
- Que? Não, quer dizer, sim!
- O que isso quer dizer? - Ela perguntou com uma expressão preocupada.
- Nada... Eu gosto de você! Eu só... - Suspirei. - Desculpa, eu não sei o que tá acontecendo!
- Tudo bem, docinho de coco! - Ela riu e apertou minha bochecha. - Eu devo estar paranoica à toa.
Ok. Agora eu estava me sentindo realmente mal! Eu estava pedindo desculpas mesmo sabendo que eu iria voltar para os braços de , porque eu sempre voltava pra ela.
Brianna se despediu de mim com um selinho e saiu em seus saltos dizendo que tinha algum assunto para tratar, se eu prestasse mais atenção na minha namorada, essas saídas que ela dava com certeza me dariam ciúmes ou me fariam ficar desconfiado, mas o que acontecia é que eu não dava à mínima.
O meu caso escondido com já acontecia há um mês e meio, e eu não jogava tudo pro alto porque ela me pedia para não fazê-lo, mas me irritava o fato de que ela continuava saindo com os outros caras, tanto para despistar Brianna quanto para jogar na minha cara que ela não iria suportar me ver com outra sem pagar na mesma moeda.
Escorpiões, o que fazer com eles?

não sabia por qual razão tinha aceitado fazer aquilo, mas ela havia dito sim e agora ele estava pisando fundo no acelerador como se ela estivesse sendo raptada e apesar de ser um pouco verdade até porque ela supostamente estava dormindo na casa de Brianna, gostava dessa adrenalina, do fato de as janelas estarem abertas e de o seu cabelo estar todo bagunçado, da música que estava tocando auto no radio agora que eles estavam longe de ser encontrados. E então ela se perdeu nele, nos detalhes dele, nos seus olhos e analisando tudo o que a fez ficar ainda mais fascinada: usava jaqueta de couro assim como ela, ele tem um Porsche porque era um sonho desde criança, tem uma coleção de coturnos de todas as cores possíveis, usa o cabelo estilo Elvis Presley porque acha estiloso e passa mais tempo arrumando o próprio cabelo do que ela demorava se arrumando e pra completar tinha o melhor e mais bonito sorriso que ela já viu na vida, aquela covinha que aparecia na bochecha direita e aquele espaço pequeno que ele tem no dente por ter tirado o aparelho antes do tempo só o deixava mais charmoso. estava tão concentrada nos seus pensamentos que só se deu conta que o carro tinha parado quando escutou cantarolando "Só Você" do Jorge & Mateus, foi ai que ela se deu conta de que eles estavam no topo da cidade, o carro estava parado em uma curva da estrada, propositalmente de frente para as luzes do nascer do sol mostrando a beleza da cidade acordando, ela ficou maravilhada e foi ali com do seu lado, aquela vista maravilhosa e ouvindo ele cantando olhando nos seus olhos "eu quero só você e não importa o que os outros vão dizer, eu quero só você" que ela se inclinou e deu um beijo carinhoso, com sua língua delicadamente explorando cada canto da boca de que ela admitiu.
Pelo menos pra si mesma.
estava apaixonada pela primeira vez na sua vida, seu jeito durão estava rachado e ela simplesmente não sabia como sair da situação porque no momento tudo estava contra os dois. Principalmente Brianna, sua melhor amiga, que achava que ela estava dormindo neste momento... Ao lado dela.

Se tem uma coisa que nunca fez sentido na minha cabeça, foi a amizade de Brianna e , não que duas pessoas diferentes não pudessem ser amigas ou algo do tipo... Simplesmente não tinha sentido nenhum, além de elas serem como água e vinho, ambas não demonstravam que confiavam cem por cento uma na outra. Era como se aquela amizade fosse mais por gratidão do que qualquer outra coisa, e sempre que eu perguntava isso para , ela sorria e me dizia.
- Ela fez muito por mim no passado, nós duas sofríamos bullying no fundamental, eu por ser esquisita e ela por ser gorda. - Ela riu com a careta que eu fiz. - Sim, Brianna era gorda e eu digo muito gorda! Mas nós em algum momento nos pegamos defendendo uma a outra, depois de um tempo Brianna começou a emagrecer e a usar roupas curtas, saltos e tudo sempre muito rosa e cheio de fru-frus e eu... Bem, eu acho que continuei sendo a esquisita!
- Você não é esquisita! - Eu havia dito. - Você é linda!
Agora eu me pergunto, por que a popularidade mexe tanto com uma pessoa?
havia me contado também, que Brianna nunca teve um relacionamento e que namorar um cara que já havia passado pela faculdade era como pegar o primeiro pedaço de um bolo de aniversário para ela, e agora eu não conseguia suportar aquela verdadeira personalidade revelada, isso porque Brianna estava gritando no meu ouvido mais uma vez.
- , como que você se atreve a chegar atrasado? - Ela falou com a voz estridente assim que entrou no carro batendo a porta. - Eu tenho horário marcado no salão! Você não sabe cumprir suas obrigações, não?
- Brianna, isso não é minha obrigação! E eu estou aqui não estou? - Falei suspirando.
- Não quero mais papo com você, seu idiota! - Ela falou depois de um tempo, e assim que paramos em frente ao salão ela desceu correndo em seus saltos altíssimos, toda emburrada e sem olhar pra trás.

Eu sentia como se estivesse vivendo uma vida dupla, e mesmo com todo aquele pensamento de que eu devia seguir meu coração, mesmo com todas as vozes me dizendo para não desistir dela, eu tinha medo.
Medo de ela não me querer como eu a queria.
Medo de fazer ela me odiar, caso Brianna não quisesse mais falar com ela.
Medo por estar viciado demais nesse amor escuro.
- , eu sou seu amigo. - Ryan falou sentando ao meu lado. - E eu sei que você está metido nessa enrascada e tudo mais... Acontece que é a sua felicidade e se tem uma coisa que eu tenho certeza é que nós sempre temos que lutar pela nossa felicidade.
E então ele saiu pela porta, ao mesmo tempo em que entrava toda sem graça por Ryan tê-la visto.
- Oi. - Ela falou sorrindo sedutoramente e eu me perdi por segundos em seus olhos que estavam sempre carregados de preto, isso a deixava a mulher mais sexy que eu já vi na minha vida.
- Hey. - Falei levantando e indo até ela.
- Onde ela está? - perguntou desviando o olhar do meu, eu vi a culpa brilhando nos seus olhos e me senti ainda pior do que estava me sentindo.
- Ela disse que tinha algumas coisas para fazer e que não era para entrar em contato com ela, até ela mesma me ligar! - Falei fazendo uma careta e rolando os olhos.
- Ela tá tão estranha!
- Por que você acha isso? - Perguntei cofuso.
- Você não notou? Ela vive sumindo sem explicação nenhuma! - Eu queria dizer que não costumava prestar muito a atenção em Brianna, mas preferido ficar quieto. - Será que ela está desconfiando de alguma coisa?
- Não, claro que não! - Falei a abraçando tentando passar tranquilidade, mas nem eu mesmo sabia se acreditava nas minhas palavras.

Depois daquela discussão completamente sem fundamento que eu tive com Brianna, eu estava decidido! Foda-se se iria ficar chateada comigo e não querer olhar mais na minha cara, eu tinha que terminar com Brianna, eu não aguentava mais essa situação. Pra mim tinha chegado ao limite e eu estava decidido a terminar tudo.
Assim que cheguei à porta da casa da minha namorada eu senti uma mão apertando minha cintura e pulei assustado.
- Calma aí garotão! - riu. - O que você está fazendo aqui?
Ela perguntou me olhando com curiosidade, e eu não faço ideia de qual expressão usei enquanto a olhei, mas fez com que ela arregalasse os olhos e começasse a fazer "não" com a cabeça repetidas vezes.
- Você não vai me impedir dessa vez, !
Ela ia protestar, mas eu abri a porta e me assustei quando percebi que ela estava aberta, entrei franzindo o cenho com logo atrás da mim também parecendo confusa. A casa estava escura e em silêncio, então fiz um sinal com a cabeça em direção as escadas e começamos a subir.
À medida que nós fomos subindo, sons abafados pela porta da Brianna podiam ser ouvidos, pareciam gemidos e suspiros. Senti apertar meu braço como se nem ela estivesse acreditando no que estava acontecendo, eu queria rir! Juro que queria.
Assim que estávamos na frente da porta, nos olhamos e fizemos uma conta mental do tipo 1...2...3... JÁ!
E assim que abrimos a porta eu vi algo que até poderia me chocar, mas na verdade eu não estava nem aí, confesso que estava até aliviado, mas minha opinião mudou assim que eu vi quem era a pessoa que estava em baixo de uma Brianna completamente nua e ofegante.
- Luke?
Os dois congelaram na hora, meu primo praticamente jogou Brianna pra fora da cama, e ela soltou um gritinho enquanto puxava o lençol sobre o corpo.
- Não é nada do que você tá pensando, docinho de coco! - Ela falou apressada e eu ri. Ri de verdade porque eu não sabia que ela poderia usar essa fala em um momento como aquele onde era mais do que óbvio o que estava acontecendo.
- E aí primo? - Luke falou engolindo em seco e depois um sorriso lento e malicioso se espalhou por seu rosto quando ele notou a pessoa que estava atrás de mim, de boca aberta ainda tentando digerir o que tinha visto. - Se bem que você não pode falar nada, não é priminho?
- Luke, cala a boca! - Falei entre dentes.
- O que ta acontecendo? - Agora quem parecia confusa era Brianna.
- Você sabia que seu namoradinho e sua melhor amiga estão tendo um caso há meses bem debaixo do seu nariz? - Luke falou rindo em seguida, mas logo soltou um gemido longo de dor quando o punho de atingiu o seu rosto.
Essa era minha garota perigosa.
- O que? - Brianna falou. - Que porra é essa?
- Olha, eu estava aqui justamente para terminar com você! Mas você não pode me julgar, afinal de contas você não está em uma posição de discutir sobre isso!
- Sua puta! - Brianna falou pulando em . - Eu sempre soube que você tinha inveja de mim porque eu estou maravilhosa e você continua a esquisitona do fundamental.
- O que? - falou parecendo realmente chocada, eu pude ver as lágrimas se juntando no canto dos seus olhas e quis abraça-la, mas eu sabia que não poderia. Não agora. - Eu sempre estive do seu lado, Brianna! Até quando você tinha os seus surtos ridículos!
- E eu estava com você porque tinha pena, eu sempre tive! - Ela falou rindo. - Você com essas roupas ridículas, com esses olhos pretos e essa coisa de ir pra cama com qualquer cara!
- Eu não acredito que estava com a consciência pesada por alguém como você! - falou limpando uma lágrima que agora escorria dos seus olhos.
- SUA FALSIANE! - Brianna gritou pulando em cima de e puxando o seu cabelo, mas acho que ela não era muita adepta do MMA já que dois segundos depois estava no chão, completamente imobilizada.
- BRIGA DE MULHERES! - Luke gritou todo animadinho.
- Cala a boca, seu babaca. - Disse enquanto dava um tapa em sua cara.
- Fora! - Brianna falou sem forças. - Eu quero todo mundo fora daqui!
E nós fomos.

2 meses depois.

Meu sorriso era enorme no meu rosto, ele ficava assim toda vez que agora eu e saímos juntos como um casal. Depois daquele fatídico momento na casa de Brianna, as coisas começaram a melhorar, pelo menos para nós dois.
- Você acha que ela vai me perdoar algum dia? - perguntou assim que saímos da sorveteria e vimos Brianna passando por nós com uma enorme careta.
- Isso não deveria te preocupar! Olha as coisas que ela te falou! - Falei fazendo uma cara brava.
- Ela foi minha melhor amiga por anos, ! - falou melancólica. - Independente de qualquer coisa, eu a magoei!
- Ela me traiu se você quer saber.
- E eu também, isso é bem pior!
- Ok, já entendi! - Falei levantando as mãos como se estivesse me rendendo. - Ela vai te perdoar, afinal todo mundo precisa de uma falsiane por perto!
- Idiota! - Ela riu e me deu um tapa, eu ri.
- Vamos? - Perguntei enquanto dava meu dedo mindinho pra ela.
- Vamos! - Ela falou juntando seu dedo com o meu.

Fim.



Nota da autora (09/11/15): Juro que vou parar de entrar em tanta Ficstape, isso é uma tentação sem limites... Af.
Essa foi a fic mais difícil de escrever porque na minha cabeça a entrega era em uma data e no final era em outra e meu cérebro fez uma bola e... Deu tudo errado!
Se você leu essa fic até o final, você é uma guerreira. Obrigada!

Outras fics da autora:

Love is not a sin - Especial de Agosto
Can't Fight With You - Atualização especial do dia do sexo
Bônus: Wild Ones - Ficstape #007
07. Bloodstream - Ficstape #009
13. I'll Be Okay - Ficstape #011
11. Right Here, Right Now - Ficstape #012
01. I Put a Spell On You - Ficstape #022

GRUPO DO FACE




comments powered by Disqus




Qualquer erro nessa atualização e reclamações somente no e-mail.
Para saber quando essa fic vai atualizar, acompanhe aqui.



TODOS OS DIREITOS RESERVADOS AO SITE FANFIC OBSESSION.