Finalizada em: 18/08/2018
Music Video: Jay Park - You Know

Capítulo Único

Oh oh oh… Quando chegar a hora, eu pensarei em você.


atravessou a rua tão apressado que nem viu o carro que vinha em sua direção. freou bruscamente e desceu do carro perguntando se ele estava bem.
— Ei! Você legal?
— Mais um pouco e não estaria…
— Precisa de alguma coisa?
— Não, eu estou bem, obrigada.
— Certo, eu vou nessa então.
entrou novamente no carro, e podia jurar que já tinha visto ela em algum lugar. Estava atrasado e não poderia ficar ali para perguntar quem era ela. estava aguardando-o para o jantar.
Após o lançamento de seu primeiro trabalho como dançarina na AOMG, ela e continuaram a história do relacionamento, e não esperavam que a mentira se tornasse verdade até que se tornou. ainda estava grávida de sete meses, e vinha dando a ela todo o suporte necessário. Mas, recusou-se a ficar com ela. A verdade é que se apaixonou por , mas, a garota recusou ficarem juntos diante a tantas confusões: o falso namoro com , a gravidez incerta de , os trabalhos que começaram a surgir devido seu relacionamento. Ela havia dito que depois que a criança nascesse, eles poderiam ver como as coisas ficariam. Mas, foi ao fundo do poço quando descobriu que e começaram um namoro real. Ela não havia confirmado que o amava, mas, no dia do lançamento, teve certeza daquilo: era sim, apaixonada por ele.
No dia que o contou que estava apaixonado por , e eles haviam decidido ficar juntos, reagiu como podia: calmo. Ele acreditou que aquele era o castigo da vida, por ter traído . E aceitou. Ou pelo menos era o que ele dizia.
focou no trabalho, e passou a frequentar menos os mesmos espaços de e . Estabelecia novas parcerias, e frequentemente andava muito com Okasian. voltou a frequentar as boates, os bordéis, estava bebendo como não fazia há muito tempo, e ainda pior, se drogando com frequência.
Naquela noite, e estariam juntos em um jantar beneficente recebendo uma homenagem pela contribuição que fizeram juntos. A AOMG apoiava aquela ONG, e o CEO deveria estar lá representando a empresa parceira, e principalmente parabenizando o seu casal de artistas exclusivos, homenageados. Mas, decidira que sairia com Okasian para não pensar naquilo.
O evento começara e estava vendo as fotos de no instagram, deitado no sofá de uma das suas mansões quando Okasian chegou identificando-se na portaria e foi até a garagem o encontrando do lado de fora. Ele abaixou o vidro do carro emparelhado ao amigo e o cumprimentou. Eles sorriram sacanas, e fizeram o que sempre faziam quando saíam: apostaram quem chegaria primeiro.
O som dos pneus em atrito ao asfalto se fez alto, e ligou o aparelho de som de seu carro no volume máximo.
Os dois chegaram ao destino, e observou com cautela a fachada do lugar. Ele chegou antes de Okasian e assim que se identificou na entrada um homem o guiou por um corredor iluminado com luzes noturnas, ele chegou em um espaço onde mulheres se apresentavam no pole dance, outros caras estavam sentados em um sofá grande, rodeados de mulheres. Estavam bêbados e drogados. reconheceu alguns, e reuniu-se a eles. Okasian chegou um pouco depois e ria da cara dele, por ter ganhado o racha.
— Como você descobriu este lugar? – perguntou para o amigo enquanto uma mulher sentava em seu colo.
— É este o negócio que te propus.
— Uma casa de prostituição? Quer que eu, vincule meu nome aqui?
— O lucro é grande, man! E você é o chefe né, eu preciso da sua influência.
— Oka... Se eu fizer isso, coloco minha empresa no vale da falência. Mas... talvez, eu saiba de alguém que você pode procurar. Alguém que teve negócios assim na família.
— Quem?
— Uma mulher. Te passo o endereço, mas, não vou lá.
— Por que? O que você fez com ela?
— Nada, só desapareci.
— Qual o nome dela?
.
— A proprietária do Insanity Club? Esquece. Ela me detesta.
— Por que?
— Somos concorrentes. E ela está em desvantagem, porque ao contrário de mim, decidiu não trabalhar com prostituição.
Aish... Oka! Vai me fazer revisitar o passado?
— Vai ser bom para todos nós, enquanto isso... A Hyuna te diverte, não é garota?
Okasian falou chamando uma das moças para levar a um quarto. Ele acompanhou a prostituta e pegou a droga na mão de Okasian.


Oh oh oh.... Me desculpe, me desculpe, Me desculpe garota... Oh oh oh... Me desculpe por sempre te ligar nesses momentos


acordou de madrugada com o telefone apitando ao seu lado. Pegou-o antes que acordasse e atendeu saindo do quarto. Não entendia uma palavra do que dizia, e quando se deu conta de que era ele, novamente se sentiu péssima por vê-lo se acabar daquela forma. Mais uma vez, ligou apenas para falar o que pensava e desligar na cara dela, sem uma resposta.
Na manhã seguinte, quando ele acordou no quarto do bordel totalmente acabado, e com três garotas deitadas à sua volta não se lembrava de nada que fizera na noite anterior. Puxou um bolo de dinheiro de sua roupa e largou sobre a cama saindo. Okasian não atendia a ligação dele, e dali ele decidiu ir direto para casa. Somente após o almoço tinha descansado o suficiente e Oka apareceu atrás dele. Eles conversaram mais uma vez sobre o plano de parceria. não queria se envolver com a prostituição, já bastava estar novamente envolvido com as drogas...
! Qual é, man! Você vai ganhar muito mais com as nossas putinhas!
— Eu faço a ponte entre você e a Insanity. Mas, não me envolvo.
Okasian aceitou a primeira tentativa. Naquela noite eles retornaram ao bordel e novamente se drogaram, ficaram bêbados e perderam a conta de suas transas. Aquilo se tornou uma rotina para , mas, ele estava bem-sucedido em não deixar a vida libertina atrapalhar seus afazeres na AOMG.
Estava em uma reunião de negócios com e Loco, assim que terminaram a reunião, surgiu ao encontro de para saírem. E também.
Argh... Que dia desconfortável. – resmungou ao ver os três em sua sala.
— Temos que falar sobre o bebê, . Acha que é só ficar enviando dinheiro? Você acabou com a imagem da minha carreira! Eu não posso mais ficar escondendo quem é o pai do meu filho!
— Você não sabe quem é!
— Eu já falei que é você!
— Mais três Meses e saberemos. – ele disse irônico — E depois, quem mandou exibir essa barriga por aí? Lide com o assédio e as especulações da imprensa, ! Temos um contrato, e se você abrir a boca, a maior prejudicada é você!
— Eu não posso ficar escondida como uma criminosa!
— Pode e eu te dei todo o suporte, uma puta mansão com empregados e divertimentos à sua disposição! Você que não aguenta ficar sem se exibir!
! É melhor que diga que você é o pai e....
— E O QUÊ ? – ele interrompeu agressivo assustando a todos — EU ASSUMO UM FILHO QUE NEM SEI SE É MEU, E VOCÊ FICA AÍ, NUMA BOA COM A SUA PRINCESINHA? É ISSO?
ficou nervoso e ia responder, mas, o impediu pedindo para ele sair da sala. observava a crise de ciúme de , e irritada, também saiu após alfineta-lo:
— Você é patético ! Não sabe quando perder!
e ficaram ali. Ele sentou-se em sua mesa e suspirou pesadamente.
... Você precisa parar com tudo o que vem fazendo.... As noites desregradas podem não estar afetando a AOMG ainda, mas, estão afetando a sua vida.
— E o que você tem a ver com isso, ?
— Nada! Mas, se você me liga de madrugada e me ofende eu tenho todo direito em me meter. E depois, não pede mais para que vocês fiquem juntos, ela só quer o seu apoio. A carreira dela está por um fio com essa gravidez inexplicável.
Fuck! Está assim porque ela quis! Foi ela quem revelou a barriga enorme sem pai, por aí! E você , não se meta nisso. Não se meta, porque eu nunca mais vou ligar para você. Pode viver seu conto de fadas com o , e fingir que não me conhece.
saiu e deixou sozinha em sua sala. Ela não queria chorar, mas, não suportava vê-lo daquele jeito. Uma lágrima escorreu em seu rosto, e quando entrou abraçou a namorada. Ele sabia que o lance entre ela e havia ficado confuso, mas, não abriria mão dela. Se estivesse certo, o tempo com ela estava mais próximo do fim, e ele queria aproveitar cada segundo como namorado de .


As memórias e experiências que nós compartilhamos continuam passando pela minha mente.


saiu da reunião pronto para fazer o que havia prometido à Okasian. Chegou em sua casa e se arrumou perfeitamente. E embora soubesse que seria uma falta de vergonha na cara, aparecer após tanto tempo, ele não podia deixar de sorrir recordando a noite que tivera com .
A fachada da Insanity Club continuava a mesma, mas, lá dentro tudo estava diferente. Havia uma atmosfera muito mais promíscua ali, do que ele se lembrava. Algumas dançarinas no palco exibiam coreografias sensuais. E procurou por Oka. Ele estava sentado em uma das mesas perto do palco.
— Para quem é detestado pela proprietária, você não foi discreto em sentar aqui.
— Ela sabe que vez ou outra eu apareço. E aí, tudo certo?
— Sim. Viu se ela já chegou?
— Já sim. Pude vê-la subir ao escritório. Talvez, esteja nos vendo aqui.
Okasian mandou um beijinho no ar, em direção ao vidro da sala de . Ele não podia ver nada devido ao vidro fumê. Mas, sempre fazia aquele tipo de gracinhas, pois, sabia que quando estava no clube, ficava o vigiando.
— Eu vou até lá.
— Espera aí, ! Divirta-se um pouco! A conversa com a senhorita "não sou cafetina" vai ser exaustiva.
revirou os olhos e ajeitou sua jaqueta caminhando em direção ao escritório. Ainda ao pé da escada, Pietro parou .
— Não pode subir sem ser anunciado.
— Ah certo… Por favor, avise que eu preciso falar com ela. – ele pediu entediado pela formalidade.
Assim que Pietro surgiu novamente ao topo da escada, subiu. Como na primeira vez que estivera ali, ele fora anunciado. Mas, já não dava tanta atenção à presença dele como na primeira vez. Estava sentada em sua cadeira, concentrada em seus trabalhos no computador, quando entrou no escritório e sentou-se no mesmo sofá de antes.
— O que faz aqui, ?
— É bom revê-la também .
— Tanto faz. Achei que seria mais grato a mim, quando retornasse.
— Sentiu minha falta? – ele perguntou sorrindo.
— Não. Mas, All I Wanna Do foi um sucesso e eu não recebi ao menos um agradecimento.
— Estou aqui, não é?
— Está. Mas, só porque Okasian precisa de algo.
Ela se levantou de sua cadeira e direcionou-se ao barzinho, serviu dois drinques e sentou-se ao lado de , o estendendo um copo.
— Então diga, . O que ele pediu a você?
— Vocês se conheceram como?
— Ele era frequentador da casa, mas, encontrou uma oportunidade de ganhar dinheiro com prostituição. Roubou nossas ideias, clientes e alguns parceiros.
— Roubar é um pouco forte, não?
— Por que veio mediar isso?
— Apenas acho que não há concorrência. Como você disse há algum tempo… A Insanity é uma casa de arte. Enquanto a Purple é um bordel. Não é como antigamente em sua família. São clientes diferentes.
— O que o Okasian não deve tê-lo contado, ao que me parece, é que ele utilizou o meu nome e influência, sem a minha permissão, para divulgar e conseguir os contatos para a Purple. E estamos em processo por isso.
Aish… Por isso ele falou para eu esquecer… – refletia confuso.
, eu tenho trabalho a fazer. O que você quer?
— Está ressentida por que eu não voltei para conquistá-la?
— Claro que não. Apenas, não estou mesmo com tempo.
— Ok… Vou direto ao ponto então: eu vim propor uma sociedade entre a sua casa, e a Purple. Okasian me ofereceu uma proposta de sociedade, mas, eu não posso e não quero me envolver diretamente com isso.
— Até porque anda envolvido com coisas piores, não é…
— Como?
— Acho sensato da sua parte se precaver, mas, um tanto quanto contraditório. Tráfico é muito pior do que prostituição, .
se aproximou dela com cautela, e encarando os olhos extremamente maquiados de , ele sussurrou:
— De onde tirou isso?
— Tenho meus contatos… – ela respondeu sussurrando e rindo em seguida.
olhou-a em dúvida e levantou-se do sofá, e caminhou até sua mesa, mas, levantou-se rápido segurando a mulher pelo braço. Girou o corpo dela colando-se nela.
— O que é isso agora? Vai calar a minha boca com um beijo?
— Só para lembrar…
Assim que a respondeu, avançou à boca de num beijo quente e correspondido.


Nós somos os assassinos da baleia
O relógio continua a tiquetaquear e as oportunidades nascem
O dinheiro está em cena e eu também


aceitou a proposta de , mas, ela não contou para ele ou para Okasian que o motivo era a dificuldade financeira com a Insanity. A fim de colocar sua casa em pé de concorrência com a Purple, muitas alterações precisaram ser feitas. redecorou todo o clube e com o investimento, vem a época de cobrir os gastos.
Há dois meses os três viraram sócios. Há dois meses, e se relacionavam casualmente. Há dois meses e não eram os mesmos.
Em uma noite qualquer, a Purple estava lotada e em companhia de algumas garotas. As prostitutas seduziam brincando com partes do corpo dele, enquanto ele virava um uísque atrás do outro, e com uma pistola de dinheiro jogava sobre elas, notas e mais notas. chegou ali naquele momento. Observava a cena do amigo, deplorável, drogado e bêbado. Uma mulher parou ao seu lado, e ele a encarou reconhecendo-a. Era a mulher que há alguns meses quase o atropelou. E aquela mulher era…
?
— Sim. Nos conhecemos? – ela falou olhando ao seu lado.
— Não diretamente. Sou amigo do . – ele apontou a direção onde o outro estava.
— Ah, claro.
Ela respondeu seca encarando e virou-se para sair dali, mas, segurou-a.
— Vocês… O que você faz num lugar como esse?
— Como soube de mim?
— Ele me contou, ainda na época de All I Wanna Do.
— Claro… – ela parecia um pouco desapontada.
— Mas, eu não sabia que vocês frequentavam este lugar.
— Eu sou sócia da Purple. E ele também.
— Como é?
— Dê um jeito no seu amigo.
Ela apenas saiu indo embora dali em direção ao escritório escondido do bordel. Era função de contabilizar o caixa, uma vez que, Oka e poderiam acabar com todo o dinheiro, como ela viu fazer há pouco.
não entendia. Há algum tempo estava ainda mais agressivo, mas, prudente com as suas obrigações. já havia intercedido a ele para que ajudasse a sair das "coisas erradas" que estava se metendo. Mas, ele achava que eram apenas noites desregradas em baladas, como sempre. Não poderia imaginar que ele estava envolvido com prostituição. E se irritou com a hipótese de saber daquilo e muito mais. Havia discutido com ela, antes de chegar ali, justamente por causa de .
entrou no estabelecimento e tentou se desviar da visão de , mas, ele fora visto. o chamou. Se aproximou cambaleante e com a marra tão conhecida. Sorriu maliciosamente e colocou a mão no ombro do amigo:
— Então você abandonou a princesinha em casa e veio se divertir com as minhas garotas?
, o que você está fazendo, cara? Prostituição?
Fuck you, ! Não se meta nisso, eu ainda sou o seu chefe!
bufou e iria sair, quando gritou com ele:
HEY! POR QUE ESTÁ AQUI, SEU FILHO DA PUTA? POR QUE ESTÁ FAZENDO ISSO COM A ?
— NÃO É DA SUA CONTA! VOCÊ DEVERIA ESTAR COM A ! JÁ SÃO NOVE MESES, ! Seu filho pode nascer a qualquer momento!
— Ele não é meu filho!
empurrou vociferando. revidou, já não suportava mais aquela situação. Quando as coisas entre eles estavam ainda mais fortes, Okasian surgiu com alguns seguranças. Ele estava completamente fora de si, mas, conseguiu dar a ordem para que os homens separassem a briga. Os dois foram levados ao escritório. já descia as escadas quando foi surpreendida com os dois sendo carregados. Ela retornou à sala a fim de entender o que houve.
Lá dentro os dois amigos continuavam a discutir, mas, sendo segurados pelos seguranças. ouvia as acusações e desabafos um do outro e não custou a entender o motivo da briga: uma mulher.
Ela tentou mediar o diálogo entre eles, mas, falou algo sobre a paternidade de e, acusou o outro de roubar a mulher que ele amava. Ela não teve paciência. Na verdade, não queria admitir, estava apaixonada pelo . E vinha encobrindo as burradas dele pelos dois meses que estavam se envolvendo. havia se metido nos seus negócios escusos e ela estava prestes a conseguir que não traficasse mais drogas. Na noite anterior, ela o flagrou saindo de um açougue na periferia e recebendo o dinheiro do tráfico. Mas, depois de ouvir que haviam questões maiores, e que ele havia escondido dela, não ficaria ali para ser o "estepe" dele. Ela não precisava daquilo.
Quando a porta do escritório bateu e viu que ela havia saído do ambiente, ele chamou por ela e o clima tenso dispersou. saiu dali e foi embora. E permaneceu dentro do escritório, fumando e bebendo. Chamou uma das prostitutas para lhe servir ali. Mas, o rosto de ficava surgindo como fumaça em sua frente. E depois o de . Os rostos se alternavam e ele sabia que era efeito das drogas, mas, não deixou de pensar na participação das duas mulheres em sua vida.


Eu tenho pensado em você. Guardei o dinheiro que tinha. Eu fiz uma ligação de repente, sinceramente estou sozinho.


O corredor do laboratório, não tinha mais do que as pessoas que precisavam estar ali. e em pé lado a lado conversando, ansiosos. segurava Eun, sua bebê recém-nascida. Ela estava sentada uma poltrona depois de . Ele mantinha seu olhar baixo enquanto mexia em seu celular. O som do salto alto se aproximando chamou atenção de todos, menos dele.
— Boa tarde.
A voz da mulher foi ouvida e todos respondiam sem entender quem era ela. cumprimentou-a, e ia perguntar para ele quem era aquela mulher, mas, assim que a viu sentar ao lado de e o olhar com uma expressão brava, ela desistiu. observava-a curiosa, também.
— Era mesmo necessário que eu viesse? – ela falou baixo encarando .
Ele olhou para sorrindo ladino. Sabia que a última coisa que ela queria, era estar ali.
— Olha para essas pessoas. É óbvio que era necessário. Você é a única aqui que gosta de mim. – ele respondeu.
— Engano seu. Eu não gosto de você. Eu só transo com você.
riu puxando-a pela cintura e beijando a bochecha dela, e na mesma hora foi repreendido por . Voltou a mexer em seu celular, e extremamente desconfortável com aquilo imitou-o.
Outro som de passos foi ouvido, e dessa vez era o técnico de laboratório trazendo o resultado.
Estavam todos ansiosos demais para alguém ler. E pediu para que o próprio técnico abrisse e lesse o resultado para eles. Os minutos fizeram-se quase eternos e as palavras ininteligíveis. Mas, quando levantou-se puxando a mão de em direção a saída, sob o olhar incrédulo de aos olhos dele. E de cabeça baixa, com o olhando sem graça… entendeu. não era o pai de Eun. E algo entre os olhares culposos de , dizia a todos que ele sabia daquilo. Algo no olhar incrédulo e assustado de dizia que ela estava decepcionada com e consigo. Algo no olhar indiferente de dizia que ela já não se importava em quem seria o pai, desde que a filha tivesse um. E algo no olhar aliviado e injustiçado de dizia que a fase ruim passaria logo.


A diferença entre nós e outros casais?
Nosso relacionamento é como brisa fresca na sombra escura....Oh, oh, oh, oh, oh, quando chegar a hora eu pensarei em você... Não vamos enrolar, eu e você, nós dois queremos isso agora. A razão pela qual eu te liguei é óbvia. Não é apenas para checar se você está acordada ou não…


seguiu calada à medida que era arrastada para fora dali. Mas, antes de chegar ao local onde ele estacionara o carro ela parou bruscamente chamando a atenção de . Ele percebeu naquele silêncio, que aguardava respostas.
— Eu já sabia.
Ele falou, e a mulher indicou por sua expressão que esperava mais. Ele sabia que ela queria ouvir o desabafo dele. Não apenas para ajudá-lo a se livrar daquilo, mas, por buscar entender se mudaria sua postura em relação a tudo.
— Eu fui injustiçado . bradou tanto que aquele era meu filho, que eu perdi a mulher que eu amava. Talvez, não haja culpados nessa história e talvez não seja exatamente assim como eu conto. Mas, foi o que eu senti. Como se tivesse sido tirada da minha história, e eu estivesse pagando por um erro, que de verdade, quando o cometi, eu não sabia o que estava fazendo…
se aproximou o abraçando forte. Ela era uma mulher durona, mas, àquela altura a paixão que sentia por só se preocupava em tirá-lo daquela vida absurda. E ele entendia aquilo.
Oh oh oh… Eu realmente tentei parar, garota. Não entenda mal…
Ele cantarolou uma frase da música que havia composto naquele tempo tão obscuro.
— Pare! – disse enérgica e separando-se do abraço o olhou dizendo: — Chega, . Chega. Eu já entreguei a minha parte da sociedade para o Okasian. Eu nunca quis estar no meio disso, e você sabe. Eu só entrei nessa por sua causa, e nem me pergunte o motivo!
— Você gosta de mim. – ele falou risonho.
— Cala a boca. Eu já mexi os meus pauzinhos para te fazer cair fora do tráfico. Mas, a decisão é sua. Okasian é o tipo de pessoa tóxica! Por favor, … Recomece a sua vida, toca a sua empresa como antes! Acabou! Agora acabou! Você pode finalmente se resolver com essa mulher aí e…
foi interrompida com um beijo.
— Você gosta de mim. – ele repetiu após separar seus lábios dos dela.
— Para! Eu estou falando sério contigo!
— E eu também.
Os dois ficaram se encarando em silêncio. com seu sorriso ladino, cafajeste e os olhos miúdos e sedutores. não sustentou a expressão raivosa por muito tempo. Ela bufou e relaxou os ombros.
— Eu já falei que só estou contigo porque a transa é boa.
Ela entrou no carro e ria do lado de fora. Quando ele entrou no automóvel e deu partida, lançou a única frase que aguardava o momento certo de dizer para ela.
— Você se esqueceu da sua promessa. Mas, eu não. "Volte da turnê e a procure, nem que tenha que atropelá-la. Se a música fizer sucesso, ela é sua", você disse.
— O que isso quer dizer?
— Que eu não havia sido conquistado na época, mas, você sim. Por isso não voltei. Eu não podia usá-la de novo.
— Então por que tem me usado esses meses todos?
— Quem disse que eu fiz isso?
olhou para , confusa. Não entendia.
"Nosso relacionamento é como brisa fresca na sombra escura". É o que eu escrevi na música sobre nós. Não era sobre a . Talvez eu nem a amasse de verdade, mas, estava com o ego ferido. Dormi com a namorada do meu melhor amigo sem saber quem ela era. se vingou ficando com a garota que eu queria. Acho que todo esse teatro foi uma briga de ego entre dois homens estúpidos, que envolveram duas mulheres inocentes. Eu julguei e ainda julgo a , mas, porque eu sou um machista fodido. Mas, eu tive a me mostrando isso. E ainda… veio você, me mostrando o quanto eu tenho sido, o quanto eu sou um babaca. E eu me sentia o contrário disso. Envolvi na minha disputa auto afirmativa duas mulheres que, não interessa mais as escolhas delas, elas eram inocentes. E eu não podia envolver uma terceira. Quando me dei conta de que já estava te envolvendo… eu precisei parar e me envolver de verdade.
— Fala de uma vez, . Esse rodeio todo está me deixando confusa.
— Se eu te usei esses meses todos, , foi para ser um cara melhor me apaixonando por você.
Aish… Você é instável, bipolar, brega e extremamente idiota.
— É eu sei. Eu também gosto de você. Não é só pela transa.
sorriu, ainda contrariada. Eles seguiram para a Insanity onde ela ficaria. após deixá-la ali, seguiu até o local combinado com Okasian. Uma sala secreta na Purple, onde tratavam dos negócios com as drogas. Haviam duas mulheres ali, com Okasian. Ele pediu que elas saíssem, e mesmo com toda a fumaça de cigarro e as inúmeras garrafas sobre a mesa, conseguiu assinar o papel onde passava a parte de sua sociedade para Oka. Ele já tinha dado o que o amigo queria: influência. E para sair daquela situação numa boa, pediu que ele tomasse conta do tráfico, deixando claro que não queria mais se envolver com nada que contrariasse ou tirasse o sono próprio.
Ainda tinha algo em sua identidade que não fora completamente sanado da crise existencial. Ainda era um idiota, agora, pode-se dizer um idiota por meio turno. Mas, estava focado em esquecer todas as confusões e farras, ser apenas um empresário de sucesso com uma história fodida, mas, que deu certo. Aquela noite, ele pôs a cabeça no travesseiro e dormiu. Como há muito tempo não fazia.



FIM.



Nota da autora: FIM DESSA SAGA! Fim? Beeem, vamos lá: o pai do bebê de Akemi, em "MV: Me Like Yuh" era quem você pensava? O que vocês acharam desse final entre Jay e Liu? Aliás! O que vocês acharam disso tudo: Drive, Me Like Yuh, You Know com esse crossover de All I Wanna Do? Viajei demais, eu sei, mas, espero que tenham gostado dessa fic!

Eu tenho agora, um GRUPO NO FACEBOOK para interagir melhor com minhas leitoras: EEEBAAA! Entrem lá, eu vou adorar conhecer cada uma de pertinho: Autora Ray Dias. Com afeto e carinho, nos encontramos por aí!





Outras Fanfics:
(Links na página de autora)
Até a data desta fanfic constam postadas:

Longfics

○ No Coração da Fazenda
○ Linger
○ Entre Lobos e Homens: Killiam Mark
○ Western Love

Shortfics

○ A garota da Jaqueta
○ All I Wanna Do
○ Cidade Vizinha
○ Coletâneas de Amor
○ Conversas de Varanda
○ Entre Lobos e Homens
○ Deixe-me Ir
○ F.R.I.E.N.D.S
○ Intro: Singularity
○ Mais Que Um Verão
○ Nothing Breaks Like a Heart
○ O cara do meu time
○ O modo mais insano de amar é saber esperar
○ O teu ciúme acabou com o nosso amor
○ Pretend
○ Semiapagados
○ With You

Music Video

○ MV: Drive
○ MV: Me Like Yuh
○ MV: Take Me To Church

Ficstapes

Nick Jonas – Nick Jonas #08607. Take Over
BTS – Young Forever #10304. House Of Cards
Camp Rock 2: The Final Jam #12509. Tear It Down
Descendants of the Sun #13005. Once Again
Descendants of the Sun #13006. Say It
Taemin – Move #14802. Love
Paramore – Riot #16009. We Are Broken



Qualquer erro nessa fanfic ou reclamações, somente no e-mail.


comments powered by Disqus