free web counter
Última atualização: 30/07/2022

Página Inicial | Capítulos Anteriores

Quinquagésimo Sexto Capítulo - Coringa

Assistia ao jornal local na TV, tranquilamente. Esse era um hábito que havia adquirido com a mãe desde pequena e não havia perdido até hoje, amava ver jornal e novela! Usava suas calças de moletom preferidas, recém saída do banho. Era sábado e hoje ela queria descansar o máximo que pudesse! Depois ela prepararia qualquer coisa para que pudesse comer, no momento não sentia fome. Os gatos estavam aninhados no outro sofá, um lambendo e brincando com o outro e apenas um dos cachorros estava lá no colo dela, os outros estavam em suas devidas casinhas. A casa estava limpa e bem cheirosa já que ela havia a faxinado de manhã, então agora era de fato só relaxar. Mais tarde leria um livro até que pegasse no sono, já que no domingo ela e Hoseok falariam sobre o livro.
A novela das dezoito estava começando agora então ela resolveu que era hora de preparar algo para comer. Assim que chegou à cozinha, ouviu o celular tocar lá na sala então correu até ele no sofá. Os olhos de se arregalaram levemente ao ler o nome dele ali na tela: Namjoon.
Havia praticamente duas semanas que os dois mal se falavam direito, ele parecia estar abarrotado de trabalho e levemente estressado então ela preferiu se afastar um pouco durante esse período, não queria o atrapalhar. Então estava realmente surpresa de receber uma ligação dele.
- Namjoon? - ela questionou, levando o aparelho ao ouvido.
- Está em casa? - ele perguntou, direto.
- Estou! Aconteceu alguma coisa? - o tom de voz dela soou preocupado e Namjoon sorriu enquanto dirigia.
Namjoon e os sócios haviam pegado um caso enorme e cansativo. Praticamente um caso perdido na visão de Namjoon, mas os sócios insistiram tanto na participação dele, que ele cedeu à pressão, se arrependendo logo em seguida, mas era um homem de palavra, então resolveu que ficaria no caso até o fim. Hoje estava começando a primeira audiência/julgamento do processo, que provavelmente levaria dias para se finalizar.
Ele estava tão cansado e estressado! Mal dormia e mal comia! Havia dias que não conseguia visitar a mãe e para tentar aliviar um pouco do estresse estava descontando nos exercícios físicos, quando tinha um tempo livre qualquer que fosse lá estava ele: malhando. Foi quando lhe enviou algumas mensagens, reclamando do sumiço dele e da falta de notícias. Namjoon sabia que andava falhando com a amiga, e o pior, percebeu que estava falhando não só com … mas com também, já que fez questão de dizer a ele nas mensagens que a amiga já nem tocava mais no nome dele. Aquilo deixou Namjoon desapontado consigo mesmo e ele sentiu uma pontada leve no peito quando leu a mensagem. Então hoje, ele tinha um recesso de uma hora e meia na audiência, então por que não ir até a casa dela? Se ela estivesse livre, claro!
- Tenho uma hora e meia livre agora antes de voltar para uma audiência importantíssima, me passa o seu endereço?
- Meu endereço? - pareceu confusa e Namjoon suspirou.
- Eu quero ver você, ! Posso?
engoliu seco, ele realmente estava estressado! Mordeu o lábio, receosa e se lembrou do beijo dele. Os lábios ficaram secos e a boca dela salivou.
- Tá bom! Vou te mandar! - e os dois desligaram.
Sentia falta dele, não iria desperdiçar uma oportunidade de vê-lo! Mandou a localização para ele por whatsapp e sentiu a ansiedade lhe invadir o corpo.
Voltou para a cozinha para tentar distrair a mente e abriu a geladeira procurando por ingredientes para fazer alguma comida bem prática e rápida. Será que Namjoon ia querer comer algo também? Ela pensou ainda olhando para a própria geladeira e resolveu que faria um omelete para os dois.
Em quinze minutos o prato estava pronto e ela ouviu a campainha soar! Tapou a omelete com um pano de prato para que os mosquitos não se juntassem ali sobre o prato recém feito e ela correu para atender a porta. A abriu e lá estava ele, parado no batente da porta da casa dela, com a camisa social branca dobrada e os primeiros botões dela desabotoados. Ele estava tão diferente da última vez em que o viu! Os cabelos estavam bem mais baixos e mais escuros e dois risquinhos apareciam ali na lateral, sorriu sem mostrar os dentes, havia gostado do cabelo! Ele carregava o paletó cinza e a gravata da mesma cor em um dos braços.
abriu a boca para dizer a ele que entrasse, mas foi calada pelo lábios de Namjoon se grudando aos seus com urgência. Os braços fortes dele lhe agarraram a cintura e envolveu os braços em seu pescoço sentindo os pés saírem levemente do chão tamanha a intensidade que Namjoon havia agarrado sua cintura.
Ele mesmo fechou a porta da casa com o pé, assustando os cachorros que começaram a latir, sentiu as costas baterem na parede que dava para o corredor de acesso aos quartos e ao banheiro da casa, os lábios permaneciam grudados e o beijo era intenso, Namjoon mordia os lábios tanto inferiores quantos superiores de que mantinha os braços entrelaçados ao pescoço dele, ainda atônita com a intensidade que as coisas haviam tomado tão rapidamente.
Logo as mãos de Namjoon estavam em sua pele por baixo da regata fina que ela usava, segurando a cintura dela com muita força, sentiu que aquilo poderia tranquilamente deixar marcas, e ela já sentia a ereção dele pressionando suas coxas. Começando a ficar sem ar, Namjoon soltou os lábios dela e a encarou.
- Tudo bem? Você está bem? - ela perguntou, com a respiração levemente descompassada.
- Não! Eu estou estressado pra caralho, mal tenho dormido e comido! Estou um caos! Por isso eu precisava te ver! Te tocar, sentir seu cheiro! - ele apertou ainda mais a cintura dela e então afundou o rosto no pescoço de .
sentiu o corpo todo arrepiar quando a boca dele começou a distribuir beijos por toda a pele exposta do pescoço dela então acariciou os cabelos dele, um arrepio ainda mais profundo lhe ocorreu quando ele mordeu o lóbulo de sua orelha e então ele perguntou:
- Onde fica o seu quarto? - apertou os braços em volta do pescoço de Namjoon enquanto envolvia também as pernas nos quadris dele.
- A porta que fica no final do corredor!
Namjoon cravou os lábios nos dela outra vez e caminhou quase que instintivamente com ela até o cômodo. Os lábios dos dois só se separaram quando ele a colocou na cama. apoiou os joelhos nela e então segurou os ombros de Namjoon depois que ele jogou o paletó e a gravata sobre a cama dela.
- Joonie, eu fiz… - ela foi interrompida pelos lábios dele outra vez.
entendeu exatamente o que ele queria e para o que ele estava ali. Correspondeu finalmente ao beijo, voltando a passar os braços no pescoço dele. Namjoon subiu a regata que ela usava lentamente enquanto sentia morder seu lábio inferior com força. Os lábios se separaram por segundos para que Namjoon pudesse tirar a blusa do corpo de de uma vez, ela estava sem sutiã, o que fez Namjoon sorrir maliciosamente quando viu os mamilos já enrijecidos dela.
Logo as mãos dele estavam nas calças de moletom que ela usava, abaixando-as. Os lábios estavam grudados outra vez e ajudou Namjoon a retirar as calças dela, ficando então em pé frente a ele para terminar de tirá-la. As mãos de Namjoon pousaram sobre o bumbum dela, apertando o lugar e fazendo com que o corpo pequeno dela ficasse ainda mais colado ao seu. soltou os lábios dele e começou a distribuir beijos molhados por toda a extensão do pescoço de Namjoon. Ele apertou o bumbum dela com ainda mais força sentindo que seu membro, apertado dentro da cueca boxer, poderia explodir a qualquer momento. As mãos dele subiram pelas costas dela, como uma carícia, e então ele sentiu a pele de se arrepiar sob seus toques da mesma forma que ele também se arrepiava com os beijos que ela distribuía por seu pescoço.
Foi quando os dois se soltaram rapidamente e Namjoon desabotoou com pressa os botões da camisa social que vestia, enquanto descia as mãos pela barriga ainda vestida dele até encontrar o botão da calça social que ele usava desabotoando-o enquanto via ele jogar a camisa social em qualquer lugar. Ele havia quase dobrado de tamanho desde a última vez em que eles haviam se visto e se questionou como aquilo era possível!
Instintivamente e quase que instantaneamente as mãos dela pousaram sobre o peito, agora, desnudo dele, e Namjoon não conseguiu não reparar em como os olhos castanhos dela queimavam enquanto ela apertava o lugar, como se não acreditasse no que seus olhos viam, e então ele riu.
- O que foi? - ele perguntou enquanto segurava o rosto dela entre as mãos.
- Nada! - ela mentiu, mordendo o lábio inferior.
Namjoon voltou com o sorriso sacana nos lábios, fazendo com que sentisse as bochechas queimarem de vergonha.
- Tá bom! Quer saber o que foi? - ele assentiu que sim ainda com o bendito sorriso nos lábios - É que você tá ainda mais gostoso do que a última vez que a gente se viu!
viu o sorriso de Namjoon alargar e então ela o beijou, voltando as mãos para o cós da calça dele, que a ajudou a retirar a peça. então, não esperou, se deitou sobre a cama fechando os olhos enquanto apertava os próprios seios, soltando um gemido alto. Namjoon passou os olhos pelo corpo de , ele havia se esquecido do quanto ela mexia com ele!
Mas ali estava ela, quase nua, deitada em sua própria cama, esperando ansiosa pelo próximo passo que ele tomaria, e o gemido que ela havia soltado fez a cabeça de Namjoon rodar de desejo. Ele olhou as horas no relógio de pulso que usava e então abriu as pernas de , de forma nada delicada, e se livrou da última peça de roupa que lhe cobria. passava os olhos pelo corpo dele sem pudor…
- Tem preservativo na gaveta do móvel do lado! - a voz dela saiu rouca e Namjoon sentiu o membro pulsar com força.
fechou os olhos e então também se livrou da calcinha que usava enquanto Namjoon pegava o preservativo. Ela sabia que estava molhada, mas resolveu que ainda precisava de algo então pressionou um dos dedos no próprio clitóris e depois rodou o mesmo em movimentos circulares, não contendo os gemidos que saiam de sua garganta, e Namjoon a observava enquanto ajeitava o preservativo em seu membro. Extasiado com ela se tocando ele se permitiu observar o gesto por alguns segundos. Ela ficava ainda mais linda quando sentia prazer!
Ele então posicionou o membro em sua entrada, mas ela não parou de movimentar os dedos em seu ponto, agora inchado e dolorido.
- Você já sabe que se eu machucar você, você me avisa, certo? - assentiu com a cabeça -
sentiu a cabeça do membro de Namjoon pressionar sua entrada úmida com força e então ela segurou os lençóis da cama, abrindo mais as pernas. Assim que o membro todo dele entrou, arqueou as costas e Namjoon a agarrou pela cintura, sentiu uma leve ardência pelo tamanho de Namjoon, mas nada que a impedisse de continuar com ele lá dentro. Namjoon sentiu as paredes de lhe agarrarem e ele soltou um gemido animalesco, começando a ficar fora de si pelo prazer.
A primeira estocada veio devagar, mais uma vez, ele sabia que talvez ela precisasse de um pouco de tempo para se acostumar com ele, então ele preferiu começar os movimentos bem devagar. Ele rolou os olhos quando sentiu ela o agarrar outra vez. Não aguentaria por muito tempo, e também não tinha muito tempo. passou as unhas pela barriga lisa e definida dele e quando os quadris dele se movimentaram mais rapidamente ela gemeu alto, fazendo Namjoon explodir e aumentar freneticamente o ritmo das estocadas. Ele ainda machucava um pouco , mas esse era aquele tipo de dor que se misturava com prazer então não se atreveu a reclamar, arranhava a barriga dele com força a cada estocada e a cada gemido que ele soltava. Amava ouvi-lo gemer!
Namjoon segurava a cintura de com força sem se preocupar se a machucava ou se aquilo deixaria alguma marca, ele deitou o corpo vagarosamente sobre o dela e então gemeu baixinho no ouvido dela que não aguentaria muito tempo, arranhou as costas já suadas dele e logo em seguida ele gozou enquanto argumentos sem sentido saiam de seus lábios. O corpo pesado dele parou brevemente de se mover e sentia o membro dele ainda vibrar dentro dela, ela sabia que ele estava cansado e que tinha pouco tempo, então ela acariciou a lateral do corpo dele.
- Pode descansar! - ela sussurrou contra a orelha dele.
Namjoon balançou freneticamente a cabeça em negativa e logo os quadris dele voltaram a se mexer, bem devagar outra vez. sentia que seu orgasmo estava quase chegando, então gemeu.
Namjoon voltou a ficar de joelhos na cama, no meio das pernas dela e então levou o polegar até o clitóris de , enquanto os quadris dele se movimentavam mais rápido agora, o polegar dele circulava em torno do clitóris dela. soltou um palavrão quando sentiu que iria chegar lá e Namjoon sorriu.
Assim que ela se recuperou, Namjoon se levantou da cama macia dela e perguntou se podia só passar uma aǵua no corpo antes de ir embora.
- Claro! Quanto tempo você tem? - ela perguntou, coçando a cabeça.
- Vinte e cinco minutos! - ele respondeu, já saindo do quarto - Onde é o banheiro?
- A porta do lado direito!
caminhou até a cômoda e pegou uma toalha limpa, passou no banheiro e depositou lá para que ele pudesse se secar. Voltou para seu quarto, se vestiu novamente e foi para a cozinha espera-lo. Havia acabado de esquentar a omelete, quando ele apareceu com a camisa abotoada e a gravata já colocada, o blazer do terno em um dos braços.
- Tenho que ir! - ele coçou a nuca.
- Fiz uma omelete para a gente! Come pelo menos um pedaço, Joonie!
Os dois se encararam e o telefone dele tocou. fez uma careta e então se serviu do omelete. Um dos cachorros latia sem parar para Namjoon e o pegou no colo, já que ele estava tentando falar ao telefone e ele agora apenas rosnava. achou estranho.
- Passei para comer rapidinho, já estou voltando! - ele piscou para ela que riu com a piada infeliz.
Ele assentia enquanto ouvia a pessoa do outro lado e ia caminhando para a porta enquanto isso. prendeu o cachorro na varanda, já que ele não parava de latir e então foi até Namjoon, que agora guardava o celular no bolso. abriu a porta, com uma pontinha de esperança de ele ficar pelo menos para comer.
- Não vai dar tempo de comer, meu bem! - ele passou o polegar pela bochecha dela - Desculpa! Foi bom ver você!
Selou rapidamente os lábios dela enquanto saía. o assistiu entrar no carro e então voltou para casa. Então era isso? Era só sexo? Soltou o cachorro e balançou a cabeça de forma positiva enquanto pegava seu prato e ia para o sofá. O gato apareceu se sentando ao lado dela, encarando e Bili, o cachorro que ela havia acabado de soltar, também a olhava, um tanto quanto incomodado.
- Qual é a de vocês dois, hein?
Ela passou o olhar de um para outro, mas se deteve no gato
- Você não gosta do Hoseok! - ela apontou para Bili - E você não gostou do Namjoon!
Gargalhou alto e então comeu mais um pouco. Ela deveria conversar com Namjoon sobre qual era a dele? Porque se fosse só sexo, não tinha problema, mas que isso ficasse claro! Que aí saberia exatamente como jogar...



Quinquagésimo Sétimo Capítulo - Who's in your head?

Acabou de lavar as louças e foi repor a ração dos gatos e cachorros, depois foi para o quarto. A cama ainda estava levemente bagunçada e o quarto ainda cheirava ao que tinha acontecido horas antes. Tirou a roupa e a colocou no cesto de roupas sujas, escolheu um pijama qualquer no armário junto de uma roupa íntima qualquer também e foi tomar o segundo banho do dia. Sentiu a água quente batendo em seus ombros e o pensamento dela trouxe Namjoon de volta. Ainda sentindo o gosto forte do beijo dele nos lábios, colocou as próprias mãos em sua cintura, dolorida pelos apertões deixados por ele. Fechou os olhos enquanto sentia a água quente a molhar da cabeça aos pés e pode sentir os beijos que ele havia deixado em seu pescoço. Lavou os cabelos, mas ainda pensava nele. O que ela significava de verdade para ele naquele momento? Então se lembrou de quando eles se encontraram na praia e ela teve um breakdown por causa dos pais e da sensação de solidão repentina…

Flashback:

“- Mas você é feliz? Ou essa sensação te rouba a felicidade? - Namjoon acariciou a bochecha dela com o polegar outra vez.
- Para mim, atualmente, companheirismo e lealdade são meio sinônimos de felicidade, sabe? Meus amigos são poucos, mas são muito fortes e muito profundos, são amigos de fé, para quem eu posso telefonar às cinco da manhã e dizer: olha, estou querendo me matar, o que eu faço? Eles me dão liberdade para isso, não tenho relações rápidas, quer dizer, tenho porque todo mundo tem, mas procuro sempre aprofundar. E isso é felicidade, você poder contar com os outros, se sentir cuidado, protegido.
- E você se sente assim comigo? Ou ainda é muito cedo para saber?
o encarou dentro dos olhos, e sorriu.
- Claro! Você já é especial para mim!”

Abriu os olhos assim que terminou de se lembrar e de enxaguar os cabelos. Por que ele havia perguntado aquilo então? Parecia que o Namjoon daquele dia não era o mesmo de hoje. De volta a sala, ela foi mexer um pouco no celular, no Whatsapp, haviam mensagens de Jimin e das amigas então ela os respondeu. Abriu a conversa com Namjoon e nada… Nem uma mensagem dizendo mais uma vez que havia gostado do que havia rolado, ou algo do gênero, e quando ele ficou online por alguns minutos sem dizer nada, até pensou em mandar algo, mas se ele quisesse conversar ou algo do gênero, ele mesmo teria mandado. Por alguns instantes se sentiu usada, como se ele tivesse aparecido hoje apenas para que ela pudesse lhe aliviar o estresse dos dias difíceis. Os olhos marejaram e ela bloqueou o celular, se levantando logo em seguida, desligou a TV, fechou a janela e as cortinas, apagou a luz, fez a mesma coisa com a cozinha e então foi pro quarto. Pegou o livro da semana para enfim começar a ler, mas a mente dela fazia barulho demais. Tratou de tentar se concentrar na leitura para não ficar sem saber o que falar com Hoseok no outro dia, até que adormeceu.
Acordou no susto, com o maldito sonho outra vez! Colocou a mão no peito, assustada. Dessa vez o sonho havia sido mais confuso, como se seu subconsciente tivesse externado toda a confusão dentro dela no sonho. Olhou as horas no celular e eram quase onze da manhã, então ela se levantou, desapontada consigo mesmo, pois não queria ter acordado tão tarde!
Depois de almoçar, sentou-se em sua varanda com o livro em mãos, resolveu que leria até ficar próximo ao horário que falaria com Hoseok, fez um chá e então abriu o livro na página em que havia parado antes de dormir. O celular vibrou várias vezes sobre a mesa que tinha ao seu lado e ela sentiu o coração palpitar, por uma fração de segundos ela achou que pudesse ser Namjoon, mas eram as amigas. Soltou um suspiro de frustração e voltou a pensar nele. No primeiro encontro… em como ele parecia ser sensível, em como ele mesmo sem a conhecer direito desabou ao falar da mãe, como ele foi gentil em não deixar que ela voltasse sozinha para casa à noite. Ontem havia sido tudo tão rápido, tão sem sentimento…
Balançou a cabeça afastando os pensamentos da mente, precisava focar na leitura e em Hoseok, mas estava sendo inevitável, hora ou outra ela sentia o peito apertar ao pensar em Namjoon. Por que ele estava sugando as energias dela? Hoje era um belo domingo e ela pensou que provavelmente ele estaria em casa, porém, trabalhando, já que o trabalho era a coisa mais importante no mundo… Ele não tinha tempo para ela, a não ser que quisesse transar, é claro! Voltou a respirar fundo, afastando a vontade de chorar e voltou a se concentrar na leitura.
Por sorte conseguiu avançar bastante na leitura, e acabou fazendo outra xícara de chá para acompanhá-la. O sol já começava a se pôr, o tempo sempre passava rápido quando ela lia. Foi quando o celular vibrou com uma mensagem de Hoseok:

Hoseok
Online

Tá em qual página?



sorriu sem mostrar os dentes.

Hoseok
Online

Tá em qual página?

Estou na oitenta, Hobi, e você?



Ela sabia que ele responderia rápido, então ficou esperando. Logo a resposta dele veio:

Hoseok
Online

Tá em qual página?

Estou na oitenta, Hobi, e você?

Ainda? Eu tô na noventa e nove!

Vamos parar então? Que já, já tá na hora de você me ligar, né? Assim a gente não fica tão longe um do outro!



Hoseok concordou. então se espreguiçou e foi cuidar dos bichinhos. Ficou algum tempo brincando com eles e se sentou no sofá da sala outra vez. Sentiu saudade dos pais e passou os olhos pela sala, sentindo a casa vazia. Não só a casa…
O celular tocou assim que ela terminou de trocar de roupa e ela se sentou em sua cadeira de sempre enquanto ensaiava um sorriso que não parecesse forçado. Assim que viu o sorriso dele do outro lado da tela, quis chorar. Ele sempre a tratava tão bem! Era sempre como se ela fosse a coisa mais importante para ele, pelo menos enquanto estavam juntos. Se sentiu estúpida por ainda estar fragilizada por causa de Namjoon. Ela não o merecia. A vontade de chorar bateu com força no peito dela e então, abaixou a cabeça.

? - ele chamou - Tá me ouvindo?”
engoliu seco enquanto levantava a cabeça, olhando para ele ali, todo empacotado. Um sorriso escapou dos lábios dela, sincero! Ele era tão fofo, especialmente ali, todo empacotado.
“Estou ouvindo, Hoseok!” - ele voltou a sorrir e quis morrer - “Por que você tá de touca em casa?”
Os dois riram e Hoseok ficou vermelho.
“Porque tenho uma surpresa para você, mas não vou contar nada agora! E não me pressione!”
não conseguiu entender a relação das duas coisas, então gargalhou. Depois ficou séria de novo. Hoseok reparou que os olhos dela estavam vermelhos e levemente inchados, ela havia chorado?
“Você está bem?” - ele perguntou enquanto ajeitava o celular.
quis chorar outra vez. Ela estava um caco hoje, se sentindo um lixo! E ficar vendo Hoseok ali, todo fofo e preocupado de verdade com ela, só piorava a sensação. assentiu que sim com a cabeça e perguntou sobre ele.
“E você?”
“Estou bem!” - ele encarou , sério -
“Você parou na noventa e nove ou não aguentou e leu a cem também?”
Hoseok gargalhou alto, como de costume, e quis chorar outra vez. Ele era tão precioso!
“Eu parei, a gente combinou! Combinado é combinado! E você? Parou?”
assentiu que sim com a cabeça e Hoseok sentiu um aperto no peito, ela estava estranha!
“E o que você tá achando até agora?”
“Achei a narrativa dele incrível! A gente sente na pele os sentimentos que o personagem principal quer passar para a gente! Pelo menos eu senti!”
“Eu tive que pesquisar sobre a guerra no Vietnã, não sabia muita coisa sobre o período! E depois que de fato eu entendi o cenário do qual o livro falava, a leitura ficou mais real mesmo.”
O livro que e Hoseok falam é “Sobre a terra somos belos por um instante” que conta a história de uma carta de um filho para uma mãe que não sabe ler, a carta desenterra uma história de família que começou antes de o personagem principal nascer e morar nos Estados Unidos - uma história cujo epicentro está enraizado no Vietnã - e serve como uma porta de entrada para partes de sua vida que sua mãe, que carrega cicatrizes da guerra, nunca teve conhecimento, com direito a uma revelação inesquecível. Ao mesmo tempo, traz um testemunho do amor intenso e inegável entre uma mãe solteira e seu filho, e também uma exploração brutalmente honesta sobre raça, classe e masculinidade.
Os dois sempre marcavam no livro as partes e frases que gostavam ou que achavam marcantes, e então os dois começaram a expor o que haviam achado de marcante até o momento e Hoseok percebeu que quase não havia falado nada. Estava quieta, calada e parecia incrivelmente triste. Depois os dois combinaram que Hoseok esperaria ela chegar até a página noventa e nove para assim, os dois seguirem juntos. Normalmente eles conversavam sobre muito mais coisas depois que falavam sobre a leitura, mas hoje ela disse que estava cansada e perguntou se podiam desligar. Hoseok não insistiu, mesmo morrendo de vontade de continuar. Ela definitivamente não estava bem e aquilo quebrou Hoseok por dentro. sempre estava de bom humor, sempre parecia disposta e animada, Hoseok nunca a vira daquele jeito. Alguma coisa devia ter acontecido, e ele quis muito perguntar. Alguns minutos depois que desligaram a chamada, Hoseok se sentou ao lado do pai no sofá. Observou o mais velho e resolveu perguntar:
- Pai! - o mais velho olhou para ele e assentiu - O que o senhor faria se uma pessoa que o senhor gosta muito, estivesse muito triste, mas não tivesse falado o motivo?
- Eu perguntaria, ora! - o pai respondeu como se fosse óbvio -
- Mas se a pessoa confiasse em você o suficiente, ela teria falado de cara, não?
- Às vezes a pessoa acha que vai incomodar, meu filho! Por isso ela pode não ter falado! Ou às vezes a pessoa simplesmente não quer falar sobre o assunto no momento, o que é um direito dela também né, J-Hope?
O apelido provocou um arrepio em Hoseok, mas ele não corrigiu o pai. E, bom, o pai tinha razão. Às vezes ela não comentou nada por achar que iria incomodá-lo...
- O que eu faço? - ele pensou alto.
- É aquela menina? Que você fala quase todos os dias no celular? - Hoseok corou e o pai riu - Vai atrás dela! Quem sabe pessoalmente ela se sinta mais confortável! Explica para ela que ela pode confiar em você, afinal de contas, vocês são amigos não são, meu filho?
Hoseok assentiu para o pai, ficando ainda mais vermelho.
- Você está apaixonado! - o pai colocou a mão no ombro dele - Mas e ela meu filho? Sofrer por amor é muito ruim, não sei se você está preparado para isso!
Ele engoliu seco.
- Eu não sei, pai! Mas a gente já se beijou algumas vezes! Não quero pressioná-la a nada! E eu também não estou apaixonado!
Hoseok afirmou mais para si mesmo, do que para o pai.
- Não? - o pai riu mais alto.
- Para, pai! - Hoseok também riu.
- Vai lá tentar falar com ela pessoalmente! Conheço você! Você vai ficar angustiado se não descobrir o que aconteceu! O máximo que vai acontecer é ela falar que não quer falar sobre, e aí, você respeita tá, filho? - Hoseok balançou a cabeça.
Beijou a cabeça do pai e então se levantou, foi até o quarto e pegou a carteira, a chave da moto, o capacete e o celular. Iria até a casa dela.

O programa dominical Fantástico passava na TV, mas não assistia de fato. Ela tinha os olhos pregados na TV, mas não sabia nem do que o programa falava, pensava em Namjoon… nenhuma mensagenzinha sequer! Depois pensou nos pais, na mãe mais especificamente, o que ela aconselharia a fazer? O que queria fazer? Por que aquilo havia mexido tanto com ela? Ela também queria o sexo que havia acontecido ontem, mas por que a sensação de que ele a queria apenas para aquilo era tão forte e tão dolorosa? A campainha da casa tocou e ela, assim como os cachorros, se assustaram. Eram oito e meia da noite de um domingo, quem tocaria a campainha da casa dela a uma hora daquelas? Resolveu fingir que não havia ninguém em casa. Com certeza a pessoa iria embora. A campainha tocou mais uma vez e ela abaixou o volume da TV. O celular dela começou a tocar alto. Droga! Ela pensou. Agora a pessoa ia perceber que tinha gente em casa. Olhou o celular e era Hoseok.
- Hoseok? - ela falou baixinho.
- Eu sei que você está em casa, ! - ele riu baixinho também - Abre a porta, sou eu!
engoliu seco e se sentiu estúpida! Voltou a pensar que ela não merecia Hoseok. Oito e meia da noite de um domingo e lá estava ele, na porta da casa dela, provavelmente preocupado. Balançou a cabeça em negativa enquanto caminhava até sua porta. A abriu e lá estava ele, parado, com duas sacolas nas mãos e um sorriso. sentiu o coração quebrar e então ela acariciou o rosto dele com uma das mãos.
- Ah, Hoseok! O que você tá fazendo aqui? - a voz dela saiu embargada.
- Eu sei que você não está bem! E sei que você odeia ficar sozinha! Então eu vim! - ele umedeceu os lábios rosados.
encheu os olhos d’água. A mente dela continuava dizendo que ela não o merecia!
- Eu posso entrar? - ele pediu baixinho.
engoliu a vontade de chorar e então deu espaço para que ele entrasse, e Hoseok caminhou em direção à cozinha dela com as sacolas. fechou a porta da casa, trancando-a e foi de encontro à Hoseok na cozinha.
- Você já jantou?
- Ainda não! Eu estou sem fome! - deu de ombros - E você, jantou?
- Vim jantar com você! - ele sorriu mostrando os dentes - Comprei um macarrão para a gente! Você tem que comer, !
- Por que você é assim, Hoseok? - ela respirou pesadamente enquanto passava as mãos pelos cabelos curtos.
- Assim como?
- Você parece um anjo! - balançou a cabeça em negativa.
Hoseok segurou a cintura dela com as duas mãos.
- Você é muito importante para mim, ! E eu fiquei preocupado com você!
- Não precisava, Hobi! - ela segurou o rosto delicado dele entre as mãos - Está tudo bem! Só estou cansada!
- Não precisa mentir para mim! Eu sou seu… - ele pausou - amigo! Eu confio em você e quero que você possa confiar em mim também!
- Mas eu confio! - encostou a testa na dele.
- Então o que aconteceu?
encarou os olhos dele, ele estava preocupado de verdade. Mas ela não tinha como falar nada!
- Eu não sei direito, Hobi! Eu só não acordei bem! Acordei me sentindo um lixo! Sei lá, um aperto no peito! Só isso!
Hoseok observou o rosto dela com atenção, e ela parecia falar a verdade agora.
- Você é incrível! - ele sussurrou contra os lábios dela.
As mãos de soltaram o rosto dele e ela se afastou de Hoseok, com um suspiro. Ele engoliu seco com a reação dela.
- Não sou, Hoseok! Você é que não sabe! - outro suspiro.
- Não sei do que exatamente? - o encarou.
- Que eu sou péssima! Péssima! - ela pegou um prato na gaveta - Come! Você deve estar com fome! Coloca para você e eu como contigo, pode ser?
Hoseok assentiu com a cabeça. O que ela queria dizer com aquilo?
Já sentado ao lado dela no sofá, os dois comeram juntos enquanto assistam à TV em silêncio. Hoseok sentia que por mais que ela tivesse contado o que estava acontecendo, não estava contando tudo. E lá estava outra vez o gato, encarando Hoseok com cara de poucos amigos.
- Ele de fato, não gosta nem um pouco de mim! - riu discretamente.
- Ele só não se acostumou com você ainda, Hobi! Mais um pouco e ele vai estar no seu colo.
Hoseok e o gato ainda se encaravam, e Hoseok não achou possível que a teoria de se tornasse realidade.
- Você deixou seu pai sozinho para vir aqui cuidar de mim?
- Meu pai não se importou, eu juro!
- Eu não mereço você! - acariciou o rosto dele outra vez.
- , não fala isso! - ele soltou um riso nasalado - Você foi uma das melhores coisas que eu consegui! Bastam uns dias sem te ver para mim já não saber o que fazer com os próximos. Não sei o que aconteceu para você se sentir assim hoje, mas não é verdade! Esse sentimento aí dentro de você, tá mentindo para você! Não se sabote, !
Ela balançou a cabeça em negativa enquanto finalmente deixava as lágrimas rolarem face abaixo. Hoseok a aconchegou em seus braços e foi aí que chorou com ainda mais força.
- É só um mau dia, ! E eu estou aqui com você! - assentiu com a cabeça -
O cheiro gostoso que ela tanto amava invadiu seus sentidos e ela quis berrar de dor! Hoseok deixou que ela chorasse, enquanto ele apenas a acariciava com carinho. limpou as lágrimas um tempo depois e então levantou o rosto, ficando com o mesmo colado ao de Hoseok. Ele engoliu seco, e a beijou. correspondeu ao beijo dele, mas quando Hoseok aprofundou o beijo, ele sentiu as mãos dela lhe espalmar o peito, afastando as bocas por completo de uma vez. ainda sentia o gosto e o toque de Namjoon por todo o seu corpo e não era justo com Hoseok.
- Não, Hobi! Eu não estou no clima hoje, me desculpa!
Hoseok viu os olhos castanhos dela marejaram de novo e ele assentiu com a cabeça. Ela nunca havia fugido dele, era a primeira vez. Será que ela realmente não estava no clima ou será que estava fugindo dele porque não haviam transado ainda? Foi a vez dos olhos de Hoseok marejarem. não percebeu e voltou a se aninhar no peito dele, que a abraçou de volta, com força. O coração dele parecia querer sair do peito de tão rápido que batia.
- Você quer saber da surpresa que falei mais cedo? - ele forçou um sorriso.
- Quero! O que tem a ver com a touca? - tocou nela com o rosto já erguido e perto do de Hoseok outra vez.
- Você tinha dito que tinha curiosidade de saber como eu ficava com o cabelo na cor natural, se lembra disso?
, surpresa com a memória boa dele, assentiu. E Hoseok riu, ficando vermelho.
- Mentira? - ela perguntou, surpresa - Você pintou?
Foi a vez de Hoseok assentir a cabeça, mordendo o lábio inferior, com medo de ela não ter gostado da ideia. arrancou a toca da cabeça de Hoseok a jogando no sofá. Os olhos dela brilharam pela primeira vez no dia, e Hoseok sorriu.
- Hoseok! - ela sorria também - Ficou tão lindo!
As mãos dela lhe acariciaram o cabelo com carinho enquanto ela arrumava os fios que estavam meio bagunçados por causa da touca.
- Você gostou? - ele ainda sorria.
- Ficou muito bonito! Muito bonito mesmo! - ela acariciou o rosto dele - Mas e você? Gostou?
- Uhum! E eu também não aguentava mais cuidar daquele loiro!
ainda olhava para ele com os olhos brilhando. Hoseok encostou a testa na dela e segurou o rosto dela com uma das mãos.
- Que bom ver seus olhos brilhando de novo! - os lábios se encostaram.
engoliu seco, com dor.
- Eu vou beber água, você quer? - e em segundos ela estava em pé.
Hoseok abaixou o olhar com ela fugindo outra vez dele.
- Não! - ele encarou .
Assim que ela voltou para a sala, entregou um copo bem cheio de água para ele.
- Bebe! Sei que você está com sede! - Hoseok então tomou a água.
voltou a se aconchegar no peito dele.
- Obrigada, Hoseok! Você é muito importante para mim também! E você cuida de mim tão bem! Você é incrível, mesmo! Juro!
Hoseok acariciou as costas dela e sorriu.
- Você quer que eu durma aqui com você? Não quero deixar você sozinha sem ter certeza que você está bem.
sorriu, genuinamente. Ficou feliz de saber o quanto ele se importava com ela!
- Não precisa! Eu estou melhor, bem melhor!
- Você está falando sério?
- Hoseok! - ela riu enquanto levantava o rosto - Eu juro!
Ela ergueu o dedo mindinho para ele, que soltou uma de suas gargalhadas inconfundíveis. O dedo mindinho dele segurou o dela.
- Eu acredito!
- Você é como vitamina, sabia? - Hoseok sentiu as bochechas esquentarem.
sorriu enquanto acariciava o rosto dele outra vez. Namjoon que lutasse de agora para frente! Hoseok era mais importante agora!



Quinquagésimo Oitavo Capítulo - Telepathy

- Bora, Tae! JK já está chegando! - bateu na porta do banheiro.
- Estou saindo, bebê! - Taehyung gritou de volta, desligando o chuveiro.
desceu as escadas da casa e se sentou no sofá e foi mexer no celular, enquanto esperava por JK e Taehyung. Alguns minutos passados, JK avisou a ela que já havia chegado e com um sorriso enorme no rosto ela o recebeu na casa. Os dois se abraçaram com força, de saudade um do outro e então selaram demoradamente os lábios, mas Jungkook transformou o selinho num beijo. As mãos dele subiram pelas costas desnudas pelo decote da blusa preta que ela usava, e as pontas dos dedos dele formigaram. sorriu entre o beijo e apertou o corpo no dele. Mas o beijo foi interrompido pelos passos de Taehyung descendo a escada. Os dois se separaram rapidamente e ficou ao lado de JK, com ele ainda descendo e subindo as mãos por suas costas. Assim que Taehyung chegou à sala, ele e Jungkook se cumprimentaram com um abraço rápido e se questionaram se estava tudo bem e etc.
iria com Jungkook e Taehyung iria de carro, sozinho, já que estava pensando de na volta deixar em casa. Mas os três saíram juntos de casa. Jin viu o celular vibrar sobre a cama e se sentou sobre ela abrindo a mensagem de V avisando que ele, e JK já haviam saído de casa e que ele podia sair também. Ele já havia voltado para o apartamento então checou se estava tudo fechado, respondeu uma mensagem de Serena e foi de encontro aos amigos.

, já dentro do carro enviou uma mensagem para , confirmando se a amiga realmente não queria carona para o festival e ela agradeceu, informando que já estava inclusive a caminho, Jimin havia acabado de avisar que já estava com Hoseok e que também já estavam indo, e ela mandou uma mensagem para , comunicando a amiga que já estavam todos a caminho. pediu aos amigos que não entrassem, mas que esperassem todo mundo chegar na portaria do local.

****************************************************************************************************

Taehyung, e Jungkook haviam acabado de escolher a mesa, resolveram se sentar em um local mais longe do palco do lugar para que a música não atrapalhasse ninguém a conversar, além de ser o lugar mais espaçoso do ambiente, sem aquele aperto de mesas. Alguns minutos depois, Jin chegou ao local, e procurava pelos amigos, um tanto quanto perdido.
- O Jin é uma negação com o telefone mesmo! Mandei mensagem para ele falando mais ou menos onde a gente escolheu se sentar e tenho certeza que ele não leu! Ali ele, perdido, procurando a gente!
e Jungkook gargalharam e Taehyung resolveu ligar para o amigo. Eles assistiram Jin girar em volta do próprio corpo ficando completamente de costas para eles e então atendeu ao telefone.
- Bro, eu já cheguei! Onde ‘cês tão? Está começando a encher aqui!
- Olha para trás, Jin!
Ele assim o fez, encarando os amigos algumas mesas para frente, e ele riu de si mesmo enquanto caminhava até eles.
- Você precisa ler as mensagens que eu mando, Kim Seokjin!
- Eu acabei de chegar e você já me trata assim? Você precisa ter paciência com o seu amigo, ele está ficando velho!
Os dois se abraçaram demoradamente e então Jin beijou as bochechas de e abraçou Jungkook também.
Seokjin se sentou ao lado de e então retirou a chave do carro, a carteira e o celular do bolso, colocando-os sobre a mesa. Enquanto e Jungkook estavam em seu próprio mundinho, conversando pertinho e rindo, Taehyung achou que era a oportunidade perfeita para questionar o amigo sobre .
- E ai? Você falou com a depois do encontro no seu apartamento?
- Não! Não tive coragem de procurar por ela! Mas penso naquela noite todos os dias! É como se o cheiro dela tivesse ficado na minha cama e em todo o meu quarto! Eu estou muito confuso ainda!
- E ficar sem falar com ela não piora a situação?
Seokjin soltou um suspiro e então balançou a cabeça em negativa.
- Não sei, V! Eu penso nela e minha cabeça dá um nó!
- Ainda dói?
- Dói! Não como antes, mas ainda dói demais!
- Sente falta dela, né?
- Sinto! E me martirizo por isso, porque eu não deveria!
- Vocês precisam conversar outra vez! - V concluiu - Eu acho!
Os quatro conversavam animadamente até que avistou chegando ao local, acompanhada de uma outra garota. estreitou os olhos, tentando reconhecer a garota que estava com , tinha uma sensação muito forte de já tê-la visto antes! Mas de onde? Do hospital? Bem provável, mas atendia tantas pessoas…
- A tá vindo aí, cabeção! - ela informou ao irmão.
Taehyung olhou na direção que ela e caminhavam, e abriu um sorriso, que deixou sem jeito, mas ela sorriu de volta. Assim que elas chegaram na mesa, Taehyung se levantou e os dois se abraçaram, logo em seguida selaram bem rapidamente os lábios, arrancando uma risada de Jin. Logo em seguida cumprimentou o amigo de Taehyung com um aperto de mãos, afinal de contas, não tinha intimidade com ele o suficiente para abraçar ou deixar um beijo na bochecha dele.
- Hoje eu prometo que não vai ter nenhum barraco! - os dois gargalharam - Inclusive eu peço desculpas por aquele dia! Atrapalhei o rolê!
- Imagina! Não se preocupe com isso! - ela sorriu e Jin sorriu de volta.
Ela cumprimentou com um abraço rápido, ela era mulher, então se sentiu à vontade para um abraço e depois ela apertou a mão de Jungkook.
- Gente, essa é a ! Minha amiga! , o Taehyung você conhece! Esses são o Seokjin, a e o Jungkook!
sorriu e então cumprimentou todos com um aceno geral e eles retribuíram.
- Eu vou lá no estacionamento buscar o Suga, ! Você sabe como ele é, né? - a amiga assentiu.
caminhou de volta à portaria do evento e o encontrou lá, com as mãos nos bolsos e olhando ao redor, inquieto. O coração de acelerou. Só havia o chamado porque Taehyung havia insistido bastante, por ela, ele teria ficado em casa. Ainda estava magoada com ele.
- Vamos? - ela chamou a atenção dele, que se assustou levemente.
- Oi! - ele engoliu seco - Vamos!
Suga segurou a mão dela enquanto caminhavam, mas soltou e então caminhou na frente. Suga suspirou pesadamente. O que ele faria para ela voltar ao normal?
De volta a mesa, o apresentou:
- Gente, esse é o Suga!
Ele sorriu sem mostrar os dentes para o restante e então Taehyung se levantou indo em direção aos dois. Primeiro ele depositou um beijo rápido na bochecha de e depois estendeu a mão para Suga, que apertou a mão dele, logo Taehyung o puxou para um abraço, surpreendendo Suga, que não era muito dessas coisas.
- Tudo bem, cara? - Suga balançou a cabeça que sim, ainda atônito - Que bom que vocês vieram! Essa aqui é minha irmã, ! Esse é o Jungkook! E esse é o Jin!
Todos se cumprimentaram com um aceno de cabeça e logo se sentou ao lado de , com Suga ao seu lado. não aguentou:
- Desculpa se eu estiver sendo inconveniente, mas eu acho que conheço vocês duas de algum lugar! - ela apontou para e - Digo, a eu vi no dia do barraco protagonizado pelo nosso querido Seokjin, mas antes disso!
Seokjin protestou, fazendo todos na mesa rirem. encarou e buscou na memória. Claro! Ela era a enfermeira que a atendeu no dia em que descobriu a gravidez!
- Você me atendeu quando eu descobri que estava grávida! - ela ficou animada.
- Isso! - se lembrou - Você estava enjoada, e eu fiz sua triagem e te apliquei o remédio, tirei seu sangue! Eu me lembrei agora! E foi aí que eu conheci a ! Ela que te acompanhou, só que ela chegou depois!
- Eu até comentei com a quando cheguei em casa, depois daquele dia do barraco - eles voltaram a rir e Jin voltou a protestar -, que eu tinha a impressão de que você era a enfermeira que tinha atendido a gente!
Taehyung ergueu as sobrancelhas, surpreso em saber que a irmã já havia conhecido .
- O mundo é um ovo! - Jungkook comentou, rindo - Meu primeiro encontro com a também foi no hospital! Que coisa!
- E o pai da criança, ? Lembro que você disse que não tinha namorado!
e Suga se olharam e Suga ficou vermelho.
- Sou eu! - ele ergueu a mão.
- Ah, então agora vocês estão juntos? - sorriu, parecendo satisfeita.
- Não! O Suga está só cumprindo com as responsabilidades dele de pai, né, Suga? - alfinetou .
Taehyung e se entreolharam, e ele fez uma careta. Suga, em compensação, tinha boca aberta para falar, mas havia sido interrompido por e a resposta dela foi um soco em seu estômago. Ele concordou com a cabeça enquanto tentava pegar a mão dela por baixo da mesa. Quando conseguiu, viu ficar tensa. Aproximou a boca do ouvido dela:
- ! Não é legal ficar falando para as pessoas que a gente não está junto! - ergueu uma sobrancelha - Deixa só quem já sabe disso, sabendo, e quem não sabe pensar que a gente tá junto sim!
- Sua reputação é importante, né? De namorado perfeito! Desculpe! - tirou a mão debaixo da dele, colocando a sobre a mesa -
Suga fechou os olhos com força. Que droga!

****************************************************************************************************

Jimin e Hoseok esperavam pelas amigas na porta do evento e foi a primeira a chegar. O olhar de Jimin passeou pelo corpo dela como sempre, ele não conseguia evitar e os dois se encararam enquanto ela caminhava na direção deles se equilibrando perfeitamente nos saltos que usava.
- J-Hope! - ela beijou as bochechas dele.
- ! - ele sorriu para ela.
quis beijar nem que fosse a bochecha de Jimin, mas precisava se manter na personagem, então acenou para ele com a cabeça e Jimin, sorriu, cínico, a cumprimentando de volta. Os três engataram uma conversa sobre o que comeriam no festival, havia comentado que estava super ansiosa pelo festival e nem sabia por onde começar, até que chegou. Cumprimentando os amigos.
- Vocês dois combinaram? - perguntou, apontando para Hoseok e Jimin.
Os dois se olharam, sem entender.
- De pintar os cabelos de preto!
- Verdade! - reparou enquanto ria com Hoseok. -
- Pior que não, né, amigo? - Jimin colocou a mão no ombro de Hoseok - O Hoseok pintou por causa da ! E eu pintei porque queria mudar!
- Ah, não! Que amor! - colocou a mão no outro ombro de Hoseok.
Hoseok, vermelho, fuzilou Jimin com o olhar e o amigo gargalhou.
- Não é bem assim! Eu também estava achando muito difícil manter o loiro, explica as coisas direito, Jimin!
- Você é tão bonitinho, Hoseok! - apertou as bochechas vermelhas dele - Ela já viu?
Hoseok fez que sim com a cabeça enquanto coçava a nuca.
- Tenho certeza que ela amou! - assentiu para ele.
- Falando nela! - Jimin apontou para caminhando até eles.
abraçou Jimin, depois o olhar dela e de Hoseok se encontraram. sorriu, Hoseok depositou um beijo molhado na bochecha dela, que sorriu ainda mais e ela cumprimentou as amigas.
- Vamos entrar? Eu estou com fome! - saiu na frente.
- Quem vê ela desse tamaninho não imagina que come igual um pedreiro, né?
- Cala a boca, Jimin! - os amigos riram.
Os cinco procuravam por uma mesa e e Jimin, para variar, brigavam porque cada um queria uma mesa em um lugar.
- ? - a morena se virou na direção da voz.
- Oi! - ela sorriu.
Como era mesmo o nome dele? Era um nome complicado, mas qual era mesmo? coçou a cabeça.
- Taehyung! - ele riu e ficou vermelha por ele ter percebido que ela não lembrava seu nome - Vocês estão procurando mesa?
Os amigos se entreolharam, e se perguntou se Jin estaria com ele.
- Sim! A gente ainda não decidiu muito onde sentar! Aqui tá bem cheio nessa parte, né?
- Senta comigo! Lá onde a gente tá tem bastante mesas, dá para juntar! Cabe todo mundo! - ele sorriu para o restante da turma.
e os amigos voltaram a se entreolhar e Jimin coçou a cabeça.
- Ah, vamos! Vai ser divertido dessa vez, eu juro! Vem, vamos!
sentiu uma das mãos de Taehyung abraçarem a sua cintura e logo ele a estava puxando em direção à mesa dele. olhou para trás, sem jeito e chamou os amigos com a mão. Os quatro se olharam, mas acompanharam a amiga e o tal Taehyung.

Assim que V surgiu, abraçado a os olhos de saltaram levemente, os dois eram tão próximos assim? O olhar dela bateu em Seokjin, que tinha o rosto sem expressão, mas ele não havia gostado nada nada de ver Taehyung colado com
É claro que Seokjin estaria lá! Os dois pareciam ser colados um ao outro, do mesmo jeito que ela era com as amigas. Todos na mesa encaravam Taehyung e , sem entender direito porque Taehyung havia ido ao banheiro e voltado com ela, especialmente , JK e que presenciaram a briga de Jin com a moça.
- Olha quem eu achei! - ele sorria largamente apertando a cintura de .
quis que um buraco abrisse ali mesmo e a engolisse. Jin mantinha o rosto sem expressão alguma e quis sair correndo. A mesa tinha apenas duas pessoas a mais do fatídico dia do reencontro entre ela e Seokjin, e não sabia onde enfiar a cara.
- Essa é a , gente! E eu a chamei e os amigos para se sentarem com a gente!
Jin abaixou a cabeça e quis sair correndo de lá outra vez. foi a primeira a se levantar, seguida por e .
- Muito prazer, ! - e ela se abraçaram.
- Desculpa, por aquele dia! - sussurrou no ouvido dela -
sorriu e sussurrou um “imagina” de volta enquanto caminhava para cumprimentar o restante dos amigos de . e se encararam e fez a mesma coisa que , puxando para um rápido abraço e ela pediu desculpas para assim como fez com ! Depois eles foram se apresentando e se cumprimentando um a um. Suga e Jimin juntaram mais duas mesas e então todos se sentaram. Hoseok tinha a sensação de que conhecia o rapaz de cabelos acinzentados, mas não tinha certeza se era ele. Yoongi também teve a mesma sensação, então resolveu perguntar:
- Eu acho que conheço você, Hoseok! - todos na mesa se calaram.
Hoseok, já começando a ficar vermelho por ter a atenção de todos na mesa, coçou a nuca.
- Você é fisioterapeuta? - Suga sorriu.
- Sou! E você não me é estranho, já tratou comigo?
Hoseok riu.
- Meu pai! - Suga fechou os olhos, buscando na memória a feição do pai de Hoseok.
- Ele tinha uma artrose no quadril? Ou algo do gênero, se parece muito com você se eu não estiver enganado!
- Isso! - Hoseok gargalhou - Nós somos muito parecidos mesmo!
- Como ele tem passado? Precisou da cirurgia?
- Não! Depois que você saiu de lá, eles nos mandaram para outro fisioterapeuta, que meu pai detesta inclusive! E ele continua com as fisioterapias, sente muita dor ainda! Por que você saiu?
Suga assentiu.
- Eu aluguei um consultório só para mim! Se você quiser um cartão! Leva ele lá!
Hoseok sorriu fazendo que sim com a cabeça e então Suga pegou a carteira, retirando um cartão de lá e entregando para Hoseok, que o observou e então guardou na carteira.
Jin limpou a garganta quando a mesa voltou a ficar em silêncio, mas ele começou a falar, atraindo a atenção de todos.
- Acho que quase todo mundo que tá aqui nessa mesa presenciou o que aconteceu há um tempo entre eu e a num restaurante! E eu gostaria de me retratar com vocês! - ele olhou para os amigos de - Pelo meu comportamento e pela forma que tudo aconteceu! Minhas sinceras desculpas a vocês!
engoliu seco, abaixando a cabeça e sentiu as mãos de lhe acariciarem as costas.
- Desde que não aconteça hoje de novo, tudo bem! - Jimin fez todos gargalharem, inclusive e Jin.
Os dois trocaram um rápido olhar e logo todos na mesa começaram a conversar sobre o que iriam comer e sobre como o lugar estava bonito e etc.
- Ei! - chamou a atenção de colocando a mão sobre a dela - Você está grávida? Desculpa a intromissão!
- Imagina! - sorriu gentilmente para ela - Sim, de quatro meses! Quase cinco na verdade!
- Ah, que lindo! Eu amo bebês e crianças no geral!
- Eu também! - riu, empolgada.
- E você já sabe o sexo? - apertou a mão sobre a dela.
- É menino! - ela olhou para Suga, que assentiu.
presumiu que ele deveria ser o pai do bebê, e pensou que eles faziam um casal bonito!
- Vocês já escolheram o nome?
Jimin a observava virar uma metralhadora de perguntas enquanto sorria, achando a coisa mais fofa do mundo ela empolgada com a gravidez de uma desconhecida. Será que ela tinha vontade de ser mãe? Se perguntou Jimin.
- Hyuk! - respondeu enquanto alargava ainda mais o sorriso -
- Ah, que bonito!
- Quer dizer radiante, em coreano. - Jimin pensou alto.
Suga e ele trocaram um olhar e logo Suga ficou feliz de perceber que praticamente todos os homens da mesa deveriam compartilhar da mesma descendência e cultura.
- Ah, é coreano? - olhou de para Suga - Provavelmente o pai escolheu!
Eles riram e Suga assentiu.
- Combinamos que ela escolheria o nome da menina e eu o do menino!
- Vocês estão ansiosos pela chegada dele? Eu imagino que deve ser incrível, né?
Jimin olhou para ela, toda empolgada outra vez e quis depositar um beijo em sua cabeça. Será que ela sabia que ficava ainda mais bonita quando se empolgava conversando sobre os assuntos que gostava?
sentiu o celular vibrar dentro da bolsa e o pegou, lendo o nome de Namjoon na tela. Ué? O que ele queria? Desbloqueou o celular e leu:

Namjoon
Online

Aonde você tá? Tem um tempinho para mim?



engoliu seco, olhou para Hoseok que conversava com o casal que antes conversava. Cutucou e então mostrou a mensagem para a amiga.
- Responde! Fala onde você tá e fala que tá com seus amigos, só! Ele vai entender! Namjoon pode tá meio babaca, mas ele não é burro!
soltou uma risada nasalada pelo comentário da amiga e então respondeu:

Namjoon
Online

Aonde você tá? Tem um tempinho para mim?

Estou no festival gastronômico que vai acontecer hoje! Tô com uns amigos!

Ah, sim!



Namjoon leu a resposta dela e mordeu o lábio inferior. Queria muito ver ela... Será que seria de bom tom ele aparecer por lá mesmo sem ela ter convidado?

V se ajeitou na mesa ficando com a boca próxima ao ouvido de Seokjin:
- Você quer que eu e a pulemos uma cadeira para você se sentar próximo à ?
Jin olhou para que conversava animadamente com e Jungkook e então ele assentiu para V que sim. Ele rapidamente conversou com , e então assim que o olhar de Seokjin cruzou o de , ele fez um sinal discreto para que ela se sentasse ao seu lado. O coração dela acelerou fortemente e então ela se sentou ao lado dele.
sentiu um dos braços de V lhe abraçarem a cintura e ela se aconchegou melhor na mesa perto dele e deitou a cabeça em seu ombro. V depositou um beijo na testa dela. e Jungkook passaram atrás deles, avisaram que iam buscar algo para comerem e então ele perguntou:
- Você não está com fome? - ela subiu o rosto.
- Ainda não! Você tá? - ele fez que mais ou menos com uma das mãos.
- Estava ansioso demais para ver você de novo!
acariciou o rosto dele delicadamente e então beijou os lábios dele. Um beijo discreto e rápido, mas intenso.

Suga havia deixado conversando com Jimin, e Hoseok e quando voltou eles ainda conversavam. Colocou o prato na frente dela sem dizer nada e olhou para ele.
- Come! - ele apontou para o prato.
- Não estou com fome ainda, Yoongi! - ela arrastou o prato na direção dele - Come você!
Suga soltou um suspiro pesado e então colocou a mão sobre a coxa dela. Ele não tinha paciência com aquelas coisas! Mas com ela era diferente…
- Você precisa comer, ! - ele falou próximo ao ouvido dela - Eu trouxe para nós dois!
- Quando eu sentir vontade, eu como! - ela voltou a olhar para que ainda conversava com Hoseok.
Suga pegou os talheres e então começou a comer, sentindo o coração arder no peito.

- Você está com fome, Hobi? - ele olhou para ela - Eu vou comer! Quer que eu traga algo para você?
Hoseok sorriu e acariciou a bochecha dela com o polegar.
- O que você trouxer para você, traz para mim também!
- Tá bom! - ela acariciou a nuca dele e se levantou -
Um dos restaurantes que participavam do festival, estava servindo um buffet de comida de boteco, e achou que essa seria a melhor opção. Ela começava a servir em seu prato quando sentiu mãos já conhecidas lhe apertarem a cintura, por trás. Virou o rosto na direção e viu o sorriso discreto de Namjoon, deixando as covinhas dele evidentes. O coração dela deu um salto dentro do peito. O que ele estava fazendo ali? Ela conhecia , com certeza ela não teria o convidado, afinal de contas, ela também estava sentida com ele, além de tê-la aconselhado com a resposta da mensagem. O olhar de foi de Namjoon para Hoseok e ela sentiu que a pressão havia abaixado um pouco e acabou por apoiar o corpo em Namjoon, por sorte Hoseok conversava com os rapazes. O que ela faria com os dois ali? Ela não tinha coragem de mandar Namjoon embora! Não estava nem um pouco preparada para aquele encontro.
- O que você está fazendo aqui, Namjoon? - foi o que ela conseguiu dizer quando ele começou a servir junto com ela.
- Vim ver você! Não posso sentir saudades de você?
Saudades? riu, de nervoso. Logo quando ela estava com Hoseok também? Ele não podia ter sentido saudades dela em outro momento?
- Eu atrapalho? - ele olhou para ela.
engoliu seco, voltou a servir.
- Claro que não, Joonie! - ele sorriu.
fechou momentaneamente os olhos, sentindo a cabeça querer doer e o coração acelerava um pouco mais. Buscou Hoseok outra vez com o olhar ele conversava com Jimin, parecendo feliz e distraído. A cabeça dela começou a pensar… como ela faria? Namjoon e ela começaram a conversar sobre as opções do buffet e ela disse ter ficado em dúvida se pegava ou não um dos queijos exóticos de lá e Namjoon, que havia colocado o mesmo em seu prato disse a ela que o queijo era gostoso e que tinha certeza que ela ia gostar, pegando de seu próprio prato ele levou um pedaço pequeno a boca de , que a abriu recebendo o pedaço.
Os olhos de Hoseok bateram diretamente na cena e a feição dele mudou completamente. O semblante alegre havia dado lugar ao sentimento de confusão. Quem era aquele? O olhar de Hoseok subiu e desceu, analisando Namjoon da cabeça aos pés. Ele ficou ainda mais confuso e demonstrou isso nas expressões faciais, quando riu de algo que o rapaz havia dito. Jimin acompanhou o olhar do amigo, e o coração dele parou de bater por segundos. Olhou de volta para o amigo, que tinha o semblante de total espanto e confusão.
- ! - Jimin sussurrou - Pelo amor de Deus, quem chamou o Namjoon?
- Hã? - reagiu, tão confusa quanto Hoseok - Ninguém! Ele está aqui?
- Está! E tá lá com a e o J-Hope já viu!
olhou primeiramente para Hoseok que ainda tinha a testa franzida e depois procurou pela amiga e Namjoon, encontrando os dois conversando enquanto esperavam para pagar, eram os próximos e certamente Namjoon viria com ela para a mesa, que tinha uma cadeira vaga bem ao lado de Hoseok.
- Puta que pariu a deve tá surtando! Do tanto que ela evitou isso!
- Como ele veio parar aqui? Foi você, né?
- Claro que não, Jimin! Ficou bobo? Ele mandou uma mensagem para perguntando onde ela estava e se ela tinha um tempo para ele e eu disse a ela para apenas dizer onde estava e que estava com os amigos! Era para ele ter desconfiado! Ai, Namjoon!
- A gente tem que fazer alguma coisa! Isso pode dar merda, !
- A gente tem que ajudar a ! - ela concordou.
- Você cuida do Namjoon porque ele é seu amigo e eu cuido da e do Hoseok!
- Pula lá para a cadeira do lado do Hoseok! Que aí o Namjoon senta aqui do meu lado!
Jimin assentiu e então se levantou fazendo o que a colega de trabalho sugeriu. Hoseok olhou para o amigo, sem entender outra vez e Jimin deu um sorriso amarelo para ele.
- é muito chata! - Hoseok voltou a olhar para e Namjoon, ignorando o que o amigo havia dito.
Os dois caminhavam em direção à mesa, e então pararam para que pudesse apresentar Namjoon para todo mundo. Antes, ele cumprimentou , e Jimin. Assim que ele bateu os olhos em sentada ao lado de Seokjin, ele não entendeu muito bem e ergueu uma sobrancelha. Tocou o ombro dela e se abaixou até ficar na altura do ouvido dos dois.
- Bom ver vocês dois calmos! E é bom ver você sorrindo, já que só te vi chorando!
direcionou o olhar na direção de Namjoon e sorriu para ele.
- Desculpa por aquele dia, cara! Você não estava aqui quando eu pedi desculpas! Nós conversamos um pouco depois daquele dia. - ele olhou pra - Precisamos conversar mais, mas prometo que aquele tipo de situação, não vai acontecer mais!
Namjoon deu algumas batidinhas no ombro dele enquanto sorria satisfeito com a nova postura de Jin.
- Do que eu aprendi sobre relações humanas, eis uma lição: muitas vezes numa discussão, não existe alguém certo, ou alguém errado. - Namjoon pausou, observando os dois - Apenas duas pessoas completamente machucadas!
e Jin deixaram de olhar para Namjoon, e se encararam. E ele continuou:
- Não é falta de amor, também não é ódio… N[não é cansaço, é apenas dor! E entender isso, muda tudo!
Namjoon depositou um beijo no topo da cabeça de e apenas observava a cena, um tanto quanto surpresa com ele. e Jin permaneceram se olhando enquanto as palavras de Namjoon ecoavam em suas mentes.
- Gente! Esse é o Namjoon!
Ele sorriu e então acenou para todo mundo com a mão livre. Logo o pessoal começou a se apresentar para ele de volta, um por um, inclusive Hoseok. , rapidamente acenou para ele, que sorriu para ela. Ela bateu a mão na cadeira vaga ao seu lado e Namjoon então se sentou ao lado dela.
- Você o conhece também? De onde?
Jimin sentiu o peito doer.
- Ele é amigo das meninas! Da mais um pouco! E sabe o rolê do barraco que aconteceu num outro restaurante que o tal Seokjin pediu desculpas? - Hoseok assentiu - Ele estava com a gente no dia! Você não foi nesse dia, ficou com o seu pai!
- Ah! Então ele é amigo das meninas? Entendi porque a estava com ele então.
- O que tem eu? - se sentou ao lado dele outra vez -
- Nada! - Jimin respondeu, sorrindo para ela.
entendeu e então sorriu de volta. Ele e provavelmente estavam tentando ajudá-la com a tragédia que poderia ser o encontro entre Hoseok e Namjoon.
- Pronto!
- Quase morri de fome! - Hoseok brincou e os dois começaram a comer.
conversava um assunto qualquer com Namjoon, que infelizmente não prestava atenção no que ela falava, ele olhava para dividindo o prato com o outro rapaz. Os dois riam e pareciam bem íntimos já que ele o ouviu chamar de . Ele deveria ser amigo do trabalho das garotas e de Jimin, já que os três conversavam bastante, até Jimin se levantar para se servir. Ele observou como todos a mesa pareciam estar “de casal” e então ele olhou para conversando com Namjoon, ele sabia que ela estava tentando distraí-lo, para ajudarem , mas o sorriso que ela dava falando com ele era sincero, e aquilo não passou despercebido por Jimin, que sentiu uma pontada de ciúmes. Passou pelos dois e então, colocou as duas mãos no ombro dela, fazendo uma espécie de massagem neles. travou os músculos e ficou sem reação quando percebeu que era Jimin, o que ele estava fazendo?
- Você quer alguma coisa? - ele perguntou.
- Quero que você desencoste de mim! Nunca te dei essa intimidade, curupira!
Namjoon olhou para Jimin enquanto ele sentia um soco lhe atingir o estômago. Jimin passou a língua pelos lábios, sentindo raiva. Precisava mesmo daquilo? Ele tirou as mãos dos ombros dela, e saiu, pisando duro.
- Por que você não gosta dele? Não vi nenhum comportamento suspeito da parte dele naquele dia!
- Você não convive com ele cerca de dez ou doze horas às vezes! Por isso!
- Tadinho, , ele só estava tentando ser gentil!
- Você é meu amigo ou dele? - Namjoon riu - Inclusive só a que ganha comida na boca, eu não? Achei que eu fosse sua amiga preferida!
e Hoseok se calaram e então e Namjoon se olharam e depois Namjoon pousou os olhos sobre o rapaz ao lado de , e ele parecia curioso quanto ao próximo passo que Namjoon tomaria. Por quê? Namjoon riu, sem graça enquanto balançava a cabeça.
- Desculpa, ! Mas de fato, a é minha amiga favorita! - os dois voltaram a se olhar e percebeu no olhar dele a malícia e o que ele queria dizer insinuando que era a amiga preferida - Se o problema foi a comida, , prova então!
Hoseok assistia a cena intrigado. Por que nunca tinha ouvido falar de Namjoon antes? Namjoon repetiu a cena com , mas tinha algo de diferente quando os dois estavam fazendo. Hoseok percebeu que com a cena havia sido diferente, parecia algo mais… íntimo. Ou será que era só sua insegurança falando mais alto?

, , Jungkook e Jin conversavam sobre a profissão e as lives de .
- Eu acho que teria medo dessa exposição toda! - ela riu quando disse ter quase dez mil seguidores no Instagram por causa das lives.
- É tranquilo! - tomou um gole de sua cerveja - Pelo menos para mim vem sendo tranquilo.
- Acho que eu tenho isso porque já fui vítima de um stalker! - arregalou os olhos - Ele ficou me atormentando por dois meses e me atacou enquanto eu saia do trabalho, foi o Jungkook que me salvou dele inclusive! - os dois se olharam, sorrindo um pro outro.
- E vocês são namorados? - perguntou, curiosa já que o dois eram muito carinhosos um com o outro.
O sorriso dos dois desapareceu enquanto eles continuavam se encarando. Os dois nunca haviam sido confrontados com aquela pergunta por ninguém, nem por V. Os dois não sabiam o que eram…
- Ainda não! - Jungkook respondeu.
abaixou a cabeça ficando vermelha e se sentiu mal por ter perguntado, então ela mesma mudou de assunto. Foi aí que o celular de JK que estava sobre a mesa brilhou e bateu o olho na notificação quase sem querer, vendo que era de uma garota o chamando no mesmo aplicativo onde eles haviam se conhecido. Jungkook conversava animado com e e nem se deu conta da notificação. sentiu uma pontada no estômago. Ele ainda tinha o aplicativo instalado? E será que ainda o usava? Falava com outras garotas por lá? subiu o olhar para o rosto dele, o observando rir. Bom, como ele mesmo havia dito, os dois ainda não eram namorados. Mas ficou sentida. então informou que ia ao banheiro e quis ir junto, precisava de ar. depositou um selinho demorado nos lábios de V antes de deixar a mesa.

- Eu não sabia que você tinha namorada! - ela comentou, tocando a coxa de V.
Jin acompanhou a mão dela com o olhar e ele se mexeu na cadeira incomodado. Por que era importante para ela saber que ele tinha uma namorada? Jin olhou para ela.
- Ah! - Taehyung riu, ficando vermelho também - Na verdade a gente ainda tá se conhecendo!
- Ela parece ser legal! - ele abriu um sorriso.
pensou que ele parecia muito apaixonado e achou fofo.

Jimin, de volta à mesa, passou os olhos por ela. Observou Taehyung e conversando com as testas coladas, depois observou e Jin, ela mostrava algo para ele em seu celular e Jin ao invés de olhar a tela, olhava para ela com cara de apaixonado, levantou a cabeça enquanto ele colocava uma mecha de seus cabelos atrás da orelha dela que sorria para ele, depois o olhar dele se deteve em e Jungkook: ele beijava a mão dela que ria, jogando a cabeça para trás, depois ele vislumbrou Suga acariciando as costas de enquanto ela conversava com . Namjoon não tirava os olhos de , que gargalhava de algo junto à Hoseok que segurava uma das mãos dela. Depois ele olhou conversando com e sentiu um aperto no peito. O olhar dela encontrou o dele e ela piscou o olho esquerdo para ele. O peito doeu ainda mais, sentiu vontade de poder viver o que os outros casais ali estavam vivendo, com ela. Por que eles não podiam?



Quinquagésimo Nono Capítulo - Keep it down low

Já de fora do evento, eles começaram a se despedir uns dos outros, com promessas de que gostariam de se encontrar novamente, que seria legal manter contato e essas coisas. Até que teve a brilhante ideia de pegar o número de todo mundo e criar um grupo no WhatsApp, afinal de contas, o seu aniversário e férias estavam quase batendo na porta e ela pretendia organizar algo e os novos amigos seriam bem-vindos!
- Você tá de carro? Eu te acompanho até sua casa, !
- Precisa não, Joonie! Eu vou para o apartamento do Jimin com a e o Hoseok! - olhou para os amigos.
Hoseok olhou de para Jimin, que desviou o olhar para o chão. A feição de estranheza e confusão voltou a tomar conta dele por alguns instantes. Namjoon olhou para , um sorriso amarelo nos lábios dela e então Namjoon pousou os olhos sobre o tal Hoseok que agora estava próximo a Jimin. Os dois então se encararam e raspou a garganta.
- Depois a gente marca alguma coisa, Joonie! - ficou na ponta dos pés para então depositar um beijo demorado na bochecha dele.
Namjoon entendeu, aquilo era um corte. Ele estava sendo cortado do programa, afinal de contas, ele era amigo apenas de e e quem parecia estar organizando o after era Jimin, e bom, os dois não eram próximos. Sentiu uma pontada no estômago com a rejeição repentina de . Segurou a cintura dela enquanto sentia o beijo dela e então ele acariciou as costas da mais baixa e terminou de se despedir do pessoal.
Jimin e se olharam, entendendo que aquilo havia de fato sido uma desculpa de .
- , quer uma carona para casa? - ofereceu já com a chave do carro na mão.
- Pode deixar que eu levo a zangado para casa, é mais perto para mim do que para você! Você leva o Hoseok! - ele piscou para ela.
voltou a encarar , que assentiu que iria com Jimin.
- Tá certo! - deu de ombros – Vamos, Hobi?
Hoseok terminou de se despedir do restante e caminhou lado a lado com até o carro dela. Aí então foi a vez de Jimin e se despedirem de , Seokjin, , V, Suga e que eram os que ainda restavam lá. Os dois caminharam juntos em silêncio até o carro de Jimin. Quando ele começou a dirigir verificou o celular dentro da bolsa e havia uma mensagem de Namjoon:

Namjoon
Online

Tá tudo bem com a ? Achei ela estranha comigo!



soltou um longo suspiro e então olhou para Jimin.
- O que foi? - ele perguntou após ela suspirar.
- Namjoon me mandou mensagem! Certamente estranhando o fato de não ter sido convidado para o rolê que a inventou! - balançou a cabeça em negativa.
Os dois se encararam.
- A precisa contar para os dois o que está acontecendo! Fico pensando em como vai ficar a cabeça do Hoseok! Quanto mais tempo ela demorar, mais complicado vai ficar isso tudo, para ela e para eles!
- Vamos falar com ela sobre isso no trabalho? Acho que tá meio na hora mesmo. O Namjoon não é bobo e percebeu que ela tá magoada com ele e percebeu que ela estava bem à vontade com o Hoseok! E eu não consigo esquecer a carinha do Hoseok encarando os dois quando o Namjoon chegou.
- O Namjoon aprontou com a ? - Jimin ergueu uma sobrancelha.
- Ah, digamos que mais ou menos!
- O Hoseok não apronta com ela! Por isso e por outros motivos eu sou team J-Hope!
revirou os olhos. O amigo havia vacilado, ela sabia disso, mas ele não era uma pessoa ruim e parecia estar interessado em investir em . Assim como Hoseok…
- Eu ainda sou team Namjoon, porque sei que ele é um cara legal, um vacilo não define o que ele sente pela .
- Pois você deveria então alertar o Namjoon, porque se ele for um babaca com a ele vai ter de se ver comigo também!
gargalhou alto e Jimin voltou a fitá-la sem entender.
- Você já viu o seu tamanho e o tamanho do Namjoon?
- E ele é dois por acaso? - voltou a gargalhar.
- Você se acha, né?
- Só estou dizendo! Eu não quero a machucada e muito menos o Hoseok!
desbloqueou o celular e releu a mensagem de Joonie. Então começou a digitar.
- Se eu fosse você nem responderia hoje, só para ele ficar ainda mais doido!
- Deixa de ser ruim, Jimin!
- Estou falando! Ele deveria avaliar as próprias ações e repensar e procurar a própria !
em silêncio, respondeu:

Namjoon
Online

Tá tudo bem com a ? Achei ela estranha comigo!

Ela tá bem, Nam! Mas acho que se você a sentiu estranha com você, fala com ela! Ninguém melhor que ela mesma para te dizer!



- Fiz o que você falou! - Jimin olhou para ela - Falei para ele falar diretamente com ela! Está certo.
Jimin sorriu sem mostrar os dentes e conhecia muito bem aquele tipo de sorriso. Era o sorriso que ele dava quando ela concordava com algo que ele falava e aquilo irritava .
- Não começa a se achar não, Jimin! - ele gargalhou e ela quis rir também, mas se segurou.
Precisava manter sua pose.
- É que você concordar comigo é tão raro! - ela voltou a vislumbrar o celular e sorriu.
- A já criou o grupo! - Jimin sorriu para ela - Já vi gente que gosta de fazer amizade, mas igual a ela, ninguém!
pôs-se a olhar a movimentação das ruas pela janela e nem se deu conta que já haviam passado do bairro dela. Só quando eles adentraram a garagem do prédio de Jimin, ela se deu conta de que ele a havia levado para seu apartamento.
- Achei que você ia me levar para casa! - ela desceu do carro logo atrás dele.
- Eu vou levar! Mas antes a gente pode ficar aqui um pouco, não?
bateu no ombro dele, que riu. Logo os dois se puseram a subir as escadas, lado a lado, em silêncio.

Já dentro do apartamento, Jimin retirou a blusa de lã que usava ficando apenas com a camiseta preta que ele usava por baixo. então se sentou no sofá depositando a bolsa no braço dele e logo Jimin se juntou a ela com um copo de água. agradeceu antes de beber o líquido. Logo lá estavam os dois em silêncio de novo. Jimin se atreveu a passar um dos braços pelos ombros de puxando-a para mais perto dele. sentiu o cheirinho gostoso dele adentrar suas narinas e então ela deitou a cabeça no ombro dele. Os dois ficaram assim por alguns minutos, até que ela levantou o rosto, encarando os olhos negros dele. Os dois andavam saindo juntos sempre após o trabalho, sempre com a desculpa de uma carona e acabavam ficando juntos um no apartamento do outro até tarde da noite. E Jimin vinha sendo sempre tão respeitoso, tão preocupado…
As mãos de pousaram no rosto dele, ela deixou uma carícia na bochecha dele com os dedos enquanto olhava para ele. Jimin sentiu o coração acelerar com a carícia. Ela não costumava ser tão carinhosa assim e aquilo o surpreendeu. Jimin segurou uma das mãos dela, acariciando-a sobre seu rosto. Ele gostava daquilo, e ele gostava dela… Demais.
- Você faz parte dos meus maiores segredos… - o olhar dela desceu para os lábios rosados de Jimin.
E os dois se beijaram. As mãos de Jimin desceram para a cintura dela, apertando o lugar vagarosamente e aprofundou o beijo enterrando as mãos em seus cabelos, a língua dos dois então se chocou violentamente e achou que fosse desmaiar, tamanha vontade de beijá-lo que ela estava. O coração de Jimin batia forte e descompassado dentro do peito, foi quando ele sentiu o toque quente das mãos dela em suas costas por baixo da camiseta e ele soltou um suspiro entre o beijo que fez sorrir sacana e logo em seguida as unhas dela deixaram marcas na pele dele até chegarem em sua barriga. Jimin soltou os lábios dela e então soltou um gemido baixinho com os olhos fechados e repetiu o gesto para arrancar outro gemido dos lábios dele, ele abriu os olhos, abaixando o olhar e encarando o sorriso sacana de , ele sorriu também.
Os lábios voltaram a se encontrar e Jimin mordeu o lábio inferior dela, fazendo-a apertar os olhos. Logo depois o beijo foi ficando mais calmo, mas o coração de Jimin ainda batia forte dentro do peito e sorriu abertamente quando finalmente os lábios se separaram. As testas grudadas e Jimin encheu a boca dela de selinhos enquanto eles riam.
- Então eu ainda sou um segredo? - ele umedeceu os lábios.
bufou e empurrou Jimin pelos ombros, afastando os dois.
- Ah, não começa, Jimin!
- ! - ele a chamou, mas ela continuou não o encarando - Você percebeu como estava todo mundo hoje lá no festival? Todo mundo no clima, de casal! Até a o tal Seokjin! Só eu não podia me aproximar de você, tocar sua mão, nem mesmo a sua coxa por baixo da mesa! Você me cortou àquela hora com o Namjoon!
- Nós precisávamos ajudar a e isso foi até uma ideia sua, Jimin! Não mistura as coisas!
- Me magoou! - o encarou - Não poder agir como um casal com você em público! Já está para fazer um mês, ! No começo eu concordei quando você pediu, mas sei lá, achei que uma hora a gente fosse se assumir!
- Time que está ganhando a gente não mexe, Jimin!
- O seu time está ganhando, !
respirou fundo, fez um coque no cabelo e coçou a nuca, incomodada.
- Se não está bom para você, simples, a gente acaba por aqui!
- Tudo tem sempre que ser do seu jeito? Toda vez é isso! Você apela e fala em terminar, por que a gente não pode conversar? Somos dois adultos! Pelo menos eu acho, né?
se levantou bruscamente do sofá e encarou Jimin enquanto cruzava os braços abaixo do peito.
- Você se acha o maduro, né? A questão é que não adianta conversar com você, você não entende! Ou não quer entender. É cansativo, Jimin!
- Cansativo? Cansativo é para mim! E é você que parece não entender! Você é muito mimada! Isso é insuportável!
- Eu não sou mimada! - ela esbravejou. - E você sabe que eu odeio que digam isso!
- Vou te levar para casa! - ele passou por ela indo até a porta do apartamento - Vem!
balançou a cabeça em negativa algumas vezes, os olhos marejados, mas jamais choraria na frente de Jimin.
Ela saiu do apartamento pisando duro, com Jimin logo atrás. Os dois em silêncio. Jimin estava com raiva dela outra vez. Com os dois tudo ia de zero a cem muito rápido. Jimin andava rápido e andava atrás dele, ainda com os braços cruzados. Já dentro do carro, ela foi olhando pela janela enquanto sentia à vontade de chorar aumentar mais e mais. Por que ele não entendia? Ainda não era a hora, estava tudo tão recente para ela! Por que para ele não?
Quando chegaram ao prédio dela, o encarou, com dificuldade, pois sua vontade era apenas descer do carro dele e adentrar seu prédio sem olhar para trás. Mas não o fez.
- Acabou por aqui então? - a voz dela saiu embargada e ela se odiou por isso.
Jimin balançou a cabeça em negativa, mas sem encará-la.
- Não! Eu só não estou mais no clima hoje! Boa noite!
O tom de voz dele havia soado seco como nunca antes e sentiu como se um tapa lhe atingisse o rosto. Ela engoliu seco e então saiu do carro. Antes de entrar no prédio, ela deu uma última olhada para ele, que agora olhava para ela. Ela conhecia Jimin e sabia que sim, ele estava magoado. Mas ela também estava! sabia também que ele não iria embora enquanto ela não entrasse, e de certa forma aquilo aqueceu o coração dela, pelo menos um pouquinho. Os dois ficaram se encarando por alguns segundos, até que ela ouviu a voz do porteiro:
- Hoje ele não vai subir, dona ?
Ela olhou na direção do homem. Até o porteiro dela gostava dele!
- Hoje não, Dias! Hoje eu preciso ficar sozinha!
O porteiro sorriu sem mostrar os dentes para ela, que fez o mesmo e então destrancou o portão, passando por ele sem olhar para trás.



Sexagésimo Capítulo - Tonight

Dentro do carro os dois ouviam uma música qualquer da playlist de e ela reparou que ele estava calado, apenas observando o movimento pela janela. então, pousou a mão sobre a coxa dele, assustando-o. Os dois riram e quebrou o silêncio.
- Cansado? - ela sabia que ele vinha trabalhando muito.
- Um pouco! - ele colocou a mão sobre a dela brevemente.
- Você vai falar para o seu pai que encontrou o fisioterapeuta antigo dele?
Hoseok então sorriu com o comentário. Havia ficado feliz de reencontrar o profissional que o pai tanto apreciava, além de que na época Hoseok e ele até se davam bem!
- Vou! Ele vai gostar! Provavelmente vou levá-lo lá! Ele é muito bom!
- Que bom! Agora quem sabe vocês até não se tornam amigos?
Hoseok assentiu, ainda sorrindo. Ela tinha razão, quem sabe? voltou a segurar o volante com as duas mãos e Hoseok então passou a observar o perfil dela, concentrada dirigindo. Tão bonita!
- … - ele chamou e depois umedeceu os lábios com a língua.
sentiu o coração apertar dentro do peito e então pediu aos céus para que ele não perguntasse nada sobre Namjoon, não estava pronta para aquela conversa ainda… Não hoje!
- Oi? - ela respondeu enquanto sentia o coração acelerar.
Hoseok inflou o peito, depois soltou o ar pela boca e então balançou a cabeça em negativa, desistindo de então questionar sobre o tal Namjoon. Jimin já havia dito que ele era amigo das garotas e aquilo tinha que bastar para a mente ansiosa e insegura dele. E se a resposta para a pergunta o magoasse? Melhor não!
- Não! Nada! Esquece!
respirou, aliviada e eles pararam no semáforo.
- Eu queria te pedir desculpas pela última vez que a gente se viu pessoalmente! Eu estava péssima naquele dia e você não tinha culpa de nada! Eu deveria ter te tratado melhor! Ter te dado muito mais atenção e carinho!
- Não precisa me pedir desculpas! Você mesma acabou de dizer que não estava bem! Não esquenta com isso! - os dois se encararam.
- Tem certeza?
- Claro! - ele sorriu.
sorriu de volta e voltou a dirigir. A casa dele estava bem perto, então os dois voltaram a ficar em silêncio. Quando chegaram, olhou para ele enquanto ele tirava o cinto de segurança do corpo.
- Entra! Vem conhecer meu pai! - ele sorriu.
viu os olhos dele brilharem e então ela segurou uma das mãos dele.
- Está tarde, Hoseok! Melhor deixar para uma próxima oportunidade!
O sorriso dele foi diminuindo aos poucos enquanto acariciava a mão dele. Não insistiu, havia ficado claro que ela não queria entrar. Talvez ela não estivesse de fato levando tão a sério o que os dois andavam tendo... Hoseok sentiu o coração murchar no peito ao pensar que ele provavelmente era só mais um casinho para ela.
Ele assentiu e então se inclinou para depositar um beijo na bochecha dela e assim o fez. segurou o rosto dele entre as mãos e encarou os olhos negros dele, colou as testas antes de colar os lábios nos dele. Hoseok correspondeu ao beijo sentindo o coração amolecer assim que a língua dela encontrou com a sua. aprofundou o beijo e deixou uma mordida leve no lábio inferior de Hoseok, que subiu as mãos para a cintura dela, não apertou, apenas pousou as mãos pelo lugar, já que gostava tanto de lá. O beijo começava a se acalmar quando deixou outra mordida no lábio dele e então as línguas se envolveram, brigando uma com a outra dessa vez. Foi quando as mãos delicadas de Hoseok apertaram a cintura dela. conhecia os sinais que Hoseok deixava, era hora de parar por ali. Os dois selaram os lábios rapidamente e finalmente separaram as bocas uma da outra.
- Boa noite, ! - ele desceu do carro, batendo a porta logo em seguida.
- Boa noite, Hobi! - ela piscou.

****************************************************************************************************

- Taehyung, você vai deixar a em casa? - o questionou, colocando uma das mãos sobre o ombro dele delicadamente.
Ele se virou na direção dela e assentiu com a cabeça.
- Posso ir com vocês? Ou eu vou atrapalhar? - Taehyung virou o rosto na direção de Suga, que parecia tão confuso quanto ele.
- Claro que não vai atrapalhar, ! - ele passou uma das mãos pelas costas dela.
Ela sorriu, agradecida. Suga se aproximou um pouco mais da turma.
- Pode deixar, V! Eu levo a para casa! Nós precisamos ter uma conversinha.
encarou Suga com cara de poucos amigos e então e Taehyung encararam os dois e depois encararam um ao outro, sentindo o clima pesado entre os amigos. Os dois assentiram e se despediram do restante dos amigos, caminhando de mãos dadas em seguida, na direção do carro do moreno.
Já dentro do carro e com V dirigindo rumo ao apartamento de os dois começaram a conversar.
- Você é bem doido de aparecer lá na mesa com a tal , né? - riu enquanto balançava a cabeça em negativa.
- Não! Os dois se encontraram mais vezes depois daquela confusão toda! E eu quero ajudar!
- Cuidado, Taehyung! Não se intromete demais nisso, não! A bomba pode estourar bem no seu colo!
Ele sorriu com a preocupação dela e então deixou um tapinha na coxa dela de leve, voltando a colocar a mão no volante.
- Pode ficar tranquila, sei dos meus limites e dos de Jin também! Vou respeitar toda e qualquer decisão que eles tomarem.
olhou para o perfil bonito dele, ficou em silêncio. Já que ele sabia o que estava fazendo, ela resolveu não tocar mais no assunto.
- Entra um pouquinho! Você não conhece o apartamento ainda e já veio aqui me deixar algumas vezes! - Taehyung, sorrindo, assentiu e concordou em entrar.
Já dentro do apartamento, V observou o lugar rapidamente com as mãos nos bolsos e então ele acompanhou até a cozinha, que serviu os dois com um copo d’água. O clima havia ficado estranho repentinamente e os dois apenas se encararam em silêncio. Foi quando V se aproximou de a segurando pela cintura e delicadamente colando o corpo dos dois. sentiu as bochechas ficarem vermelhas com a súbita aproximação dele e o coração dela acelerou. Era a primeira vez que o coração dela acelerava daquele jeito quando estava com Taehyung.
Ele encostou a testa na dela, que fechou os olhos. Taehyung pôs-se a observar os detalhes do rosto dela, o nariz pontudinho dela, a boca fininha… acariciou a bochecha dela com o polegar enquanto umedecia os próprios lábios com a língua. Ele estava terrivelmente e irremediavelmente apaixonado por ela! Agora o que rondava a mente de V era: o quanto ela o correspondia?
- Eu gosto muito de você! - ele selou os lábios nos dela.
- Eu também gosto de você, V! - abriu os olhos.
Encarou as orbes pretas dele cravadas nas suas e então o abraçou, com força. Enlaçou os braços em volta do pescoço dele encostando o rosto na curva do pescoço cheiroso de V logo em seguida. O coração dela ainda batia acelerado. Os dois ficaram assim por algum tempo até que os rostos se encontraram outra vez e Taehyung a beijou. Delicadamente a língua dos dois se encontrou fazendo com que o beijo se tornasse molhado, embrenhou as mãos nos cabelos negros de V, puxando-os. Taehyung começava a sentir o membro endurecer, especialmente quando ela puxou outra vez os cabelos dele, quando o beijo começou a ficar um pouco mais intenso. As mãos dele adentraram a blusa que ela usava, entrando em contato com a pele quente dela e mordiscou o lábio inferior dele e voltou a colar a boca na dele logo em seguida enquanto as mãos de V subiam e desciam por suas costas. Foi quando o celular dela começou a tocar alto, sobre o balcão que dividia a sala da cozinha. No susto, os dois acabaram se soltando bruscamente enquanto corria até o aparelho. Ela franziu a testa.
- É o Suga!



Sexagésimo Primeiro Capítulo - Nothing Else Matters

Os primeiros minutos dos dois dentro do carro foi em absoluto silêncio. estava sentindo os hormônios à flor da pele e andava mais irritada que o normal. E bom, Yoongi conseguia deixá-la ainda mais irada, especialmente depois do chá revelação. Então ela preferiu ficar calada.
- ! - ele chamou.
- Quê? - ela respondeu, seca.
Suga bufou alto, fazendo o encarar.
- Suga, quem quis me levar em casa foi você! Você que inventou esse papinho de que precisava conversar! Está bufando por quê?
- Porque você está chata! Tá seca comigo! E eu estou tentando me explicar com você há dias!
- Eu não quero sua explicação! Não tem nada para ser explicado, Yoongi! Você não falou nenhuma mentira para a Charlotte! Além de que, eu não tenho nada a ver com a sua relação com ela!
- Não tem relação! Eu não tenho mais nada com a Charlotte!
Foi a vez de bufar.
- Não me interessa, Suga! O que você faz da sua vida é problema seu!
- Não fala assim, caramba! - ele bateu as duas mãos no volante.
- Ué! Você é maluco, sabia?
- Eu acho que estou ficando mesmo! Você que está me deixando!
- Ah, por favor! - ela se ajeitou no banco após sentir uma pontada forte na barriga.
Colocou as duas mãos por lá, disfarçando o máximo que pôde uma careta e pareceu ter funcionado. Suga ficou em silêncio. Assim que os dois chegaram na porta do prédio dela, Suga desceu primeiro do carro, deixando confusa. Ele deu a volta e então abriu a porta do carro para ela.
- Eu tenho mãos! - ela desafivelou o cinto.
- Eu estou sendo cavalheiro, será que dá para você pelo menos reconhecer? Eu quero ficar bem, ! - outra pontada forte na barriga - Nós dois precisamos nos dar bem! Vamos ter um filho! E eu não quis magoar você! Já está na hora dessa sua birra passar!
Mais e mais pontadas, a cabeça dela ficou tonta. Ela desceu do carro, sentindo a cabeça rodar e se segurou nos ombros de Suga.
- ? - ele a segurou pela cintura, começando a ficar preocupado.
- Suga… - engoliu seco e fechou os olhos.
Foi quando ela sentiu algo quente escorrer entre as pernas e o coração dela acelerou.
- Que foi, ? - Suga apertou a cintura dela.
- Tem alguma coisa estranha! - ela se atreveu a levantar o vestido até a altura dos quadris -
Quando o olhar dela e de Suga bateu lá, eles viram o sangue em cor vermelho-vivo escorrer pelas pernas de . Não estava em muita quantidade, mas eles sabiam que aquilo não era normal. Não naquele estágio. Foi a vez do coração de Suga acelerar enquanto os dois se encaravam com os olhos arregalados.
- Entra no carro, ! - ele ordenou enquanto empurrava delicadamente o corpo dela de volta para o carro.
- Calma! - ela pediu enquanto se ajeitava de volta no banco.
Suga entrou no carro outra vez, rapidamente e começou a dirigir.
- Coloca o cinto! - ela pediu enquanto acariciava a barriga.
- Você não está entendendo! Você está sangrando! E isso é muito mais preocupante que a porra do cinto de segurança!
- E se a gente passa por uma blitz e você está sem o cinto? Até a gente chegar no hospital meu sangramento piorou!
Suga assentiu com a cabeça enquanto alternava as mãos entre o volante e o cinto. Ela tinha razão. Em quinze minutos lá estavam os dois na portaria do hospital, fechou os olhos enquanto Suga corria em busca de uma cadeira de rodas, queria que ela se esforçasse o menos o possível. Assim que os dois adentraram o pronto-socorro do hospital, enquanto Suga falava com a recepcionista do local, se pôs a orar baixinho. Pediu a Deus por seu menino e que ele estivesse bem. Ela sentia o sangue escorrer, e de olhos ainda fechados ela derramou as primeiras lágrimas.
Suga coçava a nuca sem parar enquanto esperava a moça da recepção voltar com um enfermeiro chefe, que guiou para dentro do hospital.
- Espera! Mas e o… - a cabeça dela travou enquanto ela olhava para Suga na recepção.
- Ele vai terminar seu cadastro enquanto a gente te atende! - o enfermeiro respondeu.
Enquanto a mulher terminava o cadastro, Suga pegou o celular no bolso e procurou pelo número de .
- ? - ele engoliu seco - Então, eu estou no hospital com a ! Por isso ainda não chegamos ai, ela está com um sangramento!
Ele pausou, ouvindo perguntar o que estava acontecendo.
- Eu ainda não sei a causa! Ela acabou de entrar, já, já eu entro também! Se você quiser vir para cá! - concordou - Tá bom! Te mando a localização do hospital! Beijo!
E ele assim o fez, enviou a localização para . A recepcionista entregou o documento dos dois de volta para Suga e duas pulseiras, a de visitante ele colou no próprio pulso, então ele colocou os documentos de de volta na bolsa dela e guardou de qualquer jeito os próprios. O mesmo enfermeiro que levara , aguardava por ele. Os dois se cumprimentaram com um aceno de cabeça e Suga começou a seguir o enfermeiro.
- Você pode esperar aqui! Ela está fazendo alguns exames e assim que vocês puderem falar com o médico, eu te chamo! Como é seu nome?
- Yoongi! - ele umedeceu a boca seca com a língua - Eu não posso ficar com ela durante os exames?
- Infelizmente não! Mas já, já você a vê!
Assim que ficou sozinho, Suga se sentou em uma das cadeiras disponíveis e bagunçou os cabelos. O coração dele não se acalmava de jeito nenhum e ele sentiu medo. Gostaria de estar com ela lá dentro, porque sabia que ela provavelmente também estava com medo e ele queria segurar a mão dela. Escorou a cabeça na parede e fechou os olhos. Pensou fortemente na mãe… em como gostaria de poder ligar para ela agora! Pensou nos pais de , será que ele deveria avisá-los agora? Ou era melhor esperar ter notícias mais concretas? Resolveu ficar com a segunda opção, já bastava ele e preocupados.
Passados alguns poucos minutos, ele ouviu a voz de e então ele olhou para o início do corredor e viu ela e Taehyung caminhando na direção dele. O coração não parava de acelerar e o pegou de surpresa com um rápido abraço.
- E aí? Onde ela está?
- Está fazendo exames! Eu não pude entrar!
- Mas te deram alguma notícia? E como isso aconteceu?
Suga passou as mãos pelo rosto, se lembrando de todo o estresse que fez passar no caminho para a casa dela. Sentiu os olhos marejarem e um sentimento lhe invadiu: culpa. Se sentiu culpado por ter feito se estressar, provavelmente o sangramento veio do estresse! Ele se sentiu um estúpido!
- Eu e ela estávamos discutindo e quando chegamos na porta do prédio de vocês ela começou a sangrar! Eu não devia ter passado raiva nela! - ele balançou a cabeça em negativa.
- Calma! Não deve ter sido só isso, Suga!
- É! Existem várias razões para um sangramento! E pode não ser nada grave! - Taehyung se sentou ao lado de Suga em uma das cadeiras - A culpa não foi sua!
- Isso! A culpa não foi sua, Suga!
- Eles disseram que assim que eu puder ficar com ela, eles me chamam! Eu queria estar lá dentro! - ele voltou a balançar a cabeça em negativa.
e V se olharam. , nervosa, começou a andar de um lado para o outro. Como a amiga estava?
- Você quer um copo de água, Suga? - Taehyung perguntou, se levantando.
Suga assentiu que sim, olhando para ele.
- E você, ? - fez que não com a cabeça.
Taehyung caminhou em direção ao bebedouro no final do corredor e então se serviu de um copo primeiro e depois encheu outro copo, levando-o para Suga. Ele agradeceu.
V abraçou , fazendo-a parar de andar, ela deitou a cabeça na curva do pescoço dele, inalando o cheiro bom que vinha de lá. Taehyung acariciou as costas dela, numa tentativa de acalmá-la. Suga, ansioso, se levantou e foi até o bebedouro se servir de mais um copo de água. Assim que voltou o enfermeiro chamou o nome dele.
- Vou ficar com ela um pouco! Depois deixo você entrar, pode ser?
assentiu para ele.
- Claro, Suga! Vai lá! Depois só me dá pelo menos uma notícia quando vocês falarem com o médico!
Suga assentiu e sorriu sem mostrar os dentes para e Taehyung e então acompanhou o enfermeiro até uma espécie de enfermaria, onde somente estava no local, deitada em uma cama e tomando soro. Os olhos dela estavam inchados, provavelmente de chorar e Suga sentiu um soco lhe atingir o estômago. Odiava com todas as forças vê-la chorando. Sentou-se perto dela na cama e estendeu a mão em sua direção. Os dois deram as mãos.
- Me desculpa! - a voz dele saiu embargada - Me desculpa, ! Eu devia ter ficado calado! Foi tudo minha culpa!
balançou a cabeça em negativa.
- Não fala isso, Yoongi!
Foi a vez dela balançar a cabeça em negativa, apertou a mão dela.
- Eu devia ter respeitado a sua vontade de não querer conversar!
- Esquece isso! - acariciou a mão dele com a outra mão dela que estava livre.
Os dois se encararam e Suga acariciou o rosto dela com a outra mão, ainda se sentindo culpado. Os dois ficaram em silêncio, apenas com as mãos dadas durante longos minutos. Ambos preocupados. O silêncio era torturante, mas os dois não sabiam o que falar um para o outro. Depois de mais de trinta minutos, o médico adentrou a enfermaria, cumprimentou Suga com um aperto de mão e se apresentou.
- Você é o pai, Yoongi? - Suga assentiu com a cabeça, ainda sem desgrudar da mão de . - Bom, vamos lá! O que você tem, , é um pequeno problema na placenta prévia! Foi isso que ocasionou o sangramento! A placenta prévia é localizada no útero, pode estar mal posicionada, na maioria das vezes na parte posterior alta, oposta ao colo do útero, nesses casos apresenta inserção baixa o que pode provocar o bloqueio parcial ou total do colo do útero, local onde o bebê passa no momento do parto normal ou humanizado, também chamado de parto vaginal.
Os dois se olharam, totalmente apreensivos e o médico continuou:
- Existem quatro tipos de placenta prévia! E no seu caso, temos a placenta prévia parcial, o que significa isso? Significa que a placenta cobre parcialmente a saída do útero!
- E o que a gente faz, doutor? - Suga interrompeu o médico - Isso é muito grave?
- A placenta não deslocou, ok? É isso que temos que impedir, que a placenta desloque! Portanto é necessário que você, , evite esforços e evite ficar de pé! Ou seja, repouso! Permanecer parte do dia sentada ou deitada, de preferência com as pernas elevadas, ficar em casa! Se você trabalha, , recomendo parar de trabalhar ou trabalhar de casa, se possível, e, bom evitar relação sexual. E você, Yoongi, precisa dar todo o apoio! Ela não pode se estressar, nem passar por fortes emoções, viu?
olhou para Suga, que assentiu para ela, concordando com o médico. O que ela faria sem trabalhar? E com quem ficaria? Na casa dos pais? Ela não queria voltar para lá! trabalhava basicamente o dia todo…
- Se o sangramento continuar e for intenso você tem que correr para o hospital! Eu já apliquei um remédio que tende a cortar ou diminuir muito esse sangramento, tá bom? Mas se ele voltar de forma intensa, você tem que vir, ok? - e Suga, ainda atônitos afirmaram com a cabeça - Eu prescrevi para você um remédio para acelerar o desenvolvimento do feto e também remédios para evitar o parto prematuro! Hoje você passa a noite aqui, em observação! Vamos transferir você para um quarto!
- E pode ficar alguém com ela? No caso, passar a noite e etc?
- Claro! Eu vou ficar de plantão aqui até o meio dia de amanhã, então vou estar sempre batendo no seu quarto, ok? Repouso, ! Essa placenta não pode se deslocar, viu?
O médico se despediu dos dois e então saiu, deixando-os sozinhos. Suga sentiu o desespero tomar conta dele aos poucos, especialmente quando levou as mãos ao rosto e o choro dela ecoou pela sala vazia.
- Calma! - Suga acariciou os cabelos dela - Você viu que é só fazer repouso, certo? Além do mais, eu já vou amanhã comprar os remédios que ele passou para acelerar o crescimento! Vai dar tudo certo, é só seguir as recomendações médicas!
- Suga, mas como eu vou parar de trabalhar? E outra, eu não quero depender dos meus pais para cuidarem de mim, nunca precisei deles para nada! A trabalha!
- E eu? Você vai morar comigo!
- Você também trabalha!
- Meus horários são flexíveis, ! E eu posso ficar sem trabalhar o tempo que for necessário para cuidar de você e do Hyuk! Não se preocupe com isso! Eu disse que ficaria do seu lado, que você e ele podiam contar comigo, financeira e emocionalmente! É a minha obrigação! É meu filho também que você está carregando aí!
limpava as lágrimas, em vão, logo outras voltavam a cair. Primeiro porque estava terrivelmente assustada com a situação e tomada pelo medo de perder o filho e segundo, porque odiava depender das pessoas.
- Sou insuportável e prefiro não me apegar. Mas se por acaso um dia eu te disser que gosto de alguém, serão as palavras mais sinceras que você terá escutado. E você sabe o quanto eu gosto de você, mesmo que eu não saiba demonstrar! Eu sei que sou difícil de lidar, sou arrogante, grosseiro, sem tato e sem jeito. Mas estou tentando, e eu já amo esse bebê com todas as minhas forças, , então não me impeça de cuidar de vocês dois!
sentiu as palavras de Suga como um carinho direto no coração inquieto dela, então ela assentiu para ele, que apenas continuou acariciando os cabelos dela. O enfermeiro adentrou novamente o local e perguntou se já poderia efetivar a mudança de quarto de , o que Suga autorizou.
- Você prefere a ou eu? - olhou confusa para ele, enquanto o enfermeiro aguardava - Para dormir aqui com você!
- Pode ser você! - ela voltou a encher os olhos d’água.
Enquanto a mudança era feita, Suga se lembrou de na sala de espera sem notícias, perguntou o número do quarto que ficaria e correu até a sala de espera onde a amiga de e o quase namorado estariam.
Os dois estavam sentados lado a lado e tinha a cabeça deitada no ombro de Taehyung, que acariciava os cabelos pretos dela.
- ? - Suga chamou enquanto se aproximava dela.
- E aí? Demorou, né? Como eles estão? - perguntou , se referindo à e Hyuk.
- Bom, a está com um problema na placenta! Ela precisa de repouso absoluto, porque, em resumo, a placenta dela não pode se deslocar! Hoje ela passa a noite aqui em observação! Depois disso ela precisa parar de trabalhar, porque não pode fazer esforço! Inclusive, a partir de amanhã, ela vai para a minha casa, ! Eu tenho mais flexibilidade no trabalho, consigo cuidar dela! Entende?
assentiu, com os olhos marejados. Então, infelizmente a situação era grave! Amava a amiga como se ela fosse uma irmã, ela queria poder fazer mais por ela! Mas entendia perfeitamente que de fato, era melhor que ela e Suga ficassem juntos nesse momento tão delicado! Agora só restava a ela visitar a amiga todos os dias se desse e ficar disponível para ajudar da forma que fosse possível.
- E eu posso vê-la agora?
- Pode! Eles estão transferindo-a para um quarto particular, ela estava na enfermaria! O quarto é o sessenta! Vocês dois podem entrar, eu espero aqui!
- Você vai dormir aqui com ela? - Taehyung perguntou quando os dois se levantaram.
- Verdade! Se você tiver cansado, Suga, eu fico com ela!
- Eu fico, ! Sem problema, eu não estou cansado! Inclusive, será que você pode trazer uma muda de roupas para ela? - ele coçou a cabeça, sem jeito.
- Claro! Pode deixar! Só vou vê-la rapidinho e então eu vou lá em casa preparar!
Já dentro do quarto, abraçou delicadamente a amiga, que voltou a chorar copiosamente. Taehyung também se aproximou da cama e apenas colocou uma das mãos sobre um dos ombros de . Ele não sabia o que dizer para ela, os dois se conheciam há tão pouco tempo, mas ele gostava dela! E bom, tudo o que estava acontecendo era bem triste!
- Encontrou com o Yoongi? - perguntou, limpando as lágrimas.
- Encontrei, amiga! Ele me falou! - as duas deram as mãos.
segurou as mãos da amiga com força, e as duas se olharam com lágrimas nos olhos.
- Ele falou que vou precisar ficar de molho até o bebê nascer? E que vou precisar morar com ele?
assentiu enquanto deixava algumas lágrimas escaparem.
- Vou sentir tanto a sua falta!
apertou ainda mais a mão da amiga.
- E eu a sua! Mas você bem que pode me visitar, né? Não vou conseguir ficar sem ver você, !
- Eu vou! Todo dia! Prometo! E você sabe que o que precisar de mim é só pedir, não é?
- Eu sei! - sorriu entre as lágrimas.
- Olha! Eu também! Se vocês precisarem de ajuda, podem contar comigo também! - V apertou delicadamente o ombro dela.
sorriu para ele também!
- Obrigada, V!
- Vai ficar tudo bem! - ele profetizou.
- Isso! Você vai conseguir, amiga! É só ficar quietinha! E deixar o Suga e eu cuidarmos de você! E seus pais também! Eles já sabem?
pensou nos pais, ela não havia pensado neles no meio desse turbilhão todo!
- Acho que ainda não! Vou pedir para o Suga avisá-los para mim, ou então eu mesma conto amanhã!
- Você vai ficar bem! E o Hyuk também! Tenho certeza! Eu vou lá em casa pegar umas roupas para você e trazer algo para o Suga comer! Tá bom?
assentiu para enquanto balbuciava um “tá bom!”. As duas se despediram com outro abraço e um beijo de na testa dela. Taehyung sorriu para ela da porta e voltou a repetir que ficaria tudo bem!
- ! - chamou antes de a amiga fechar a porta – Obrigada, amiga! Eu amo você!
- E eu você! - piscou.

Os dois foram de encontro a Suga, que parecia completamente fora de área. Taehyung quis abraçá-lo para tentar confortar o homem um pouco, mas ele já havia percebido que ele não era muito chegado a contato físico.
Antes que os dois pudessem chegar até ele, Taehyung sentiu a mão de em seu braço e eles se olharam.
- Eu juro que não quero ser folgada, V! Mas será que você pode me levar lá em casa para eu buscar as coisas? Depois de lá, eu me viro para vir para cá!
- Imagina! Claro que eu levo você! E depois trago você aqui e te deixo em casa de novo! Está tarde! Fica tranquila, que eu levo você, baby!
- Você é um anjo, sabia? - ela segurou o rosto dele entre as mãos.
Taehyung sorriu.
- O V vai me levar lá em casa! Daqui a pouco eu volto com as roupas! O que você come?
- Não se preocupe, ! Eu vejo se como algo por aqui!
- Comida de hospital é horrível, cara! A gente compra alguma coisa para você, relaxa!
- Eu não estou com fome, pessoal! Mas agradeço, de verdade!
- Vai comer sim! - segurou o ombro dele - Eu vou lá! Até já, já!
Observou os dois saírem de sua vista e então ele suspirou pesadamente. Sentiu a cabeça querer doer e ele estava apavorado com toda a situação. Mas ele precisava ser forte, afinal de contas, ele precisava cuidar dos dois! Depois de mais alguns segundos sentado nas cadeiras, ele caminhou de volta ao quarto de . Havia uma enfermeira lá com ela, aferindo sua pressão e o jantar dela estava sendo servido.
A enfermeira fez um sinal com a cabeça afirmando que ele podia entrar.
- Tudo bem com ela? - ele questionou, se aproximando das mulheres.
- Tudo certinho! A pressão dela está ótima! Já está medicada também! E o jantar aqui!
Suga viu a sopa amarelada dentro do marmitex e depois sorriu para a enfermeira.
- Qualquer coisa só apertar o botão ao lado da cama, viu? - os dois agradeceram.
- Você quer que eu compre alguma outra coisa para você comer?
- Não precisa! Eu adoro essas sopinhas de hospital! E bom, é melhor não arriscar por enquanto, não é?
Ela parecia mais calma, o que fez o coração de Suga começar a se acalmar também.
- Verdade!
- Quer um pouco até a e o V chegarem com sua comida? - ela levantou a colher.
Suga sorriu, a achando a coisa mais preciosa do mundo todo.
- Não! Não estou com fome! Pode comer! Você tem que se alimentar direitinho!
Ele se sentou no sofá bege que havia no quarto e pôs-se a observá-la comer. Sentiu o coração voltar a acelerar dentro do peito. Como ela conseguia continuar tão bonita mesmo em uma situação como aquela? E por que ela fazia o coração dele acelerar tanto? Assim que ela acabou de comer, Suga se levantou e ele retirou a bandeja e ajeitou na cama, bem devagar.
- Se importa se eu dormir um pouco?
- Claro que não! Dorme! Eu vou ficar o tempo todo aqui com você!
- Obrigada! - ela segurou a mão dele - Eu gosto muito de você, Suga!
Ele engoliu seco, mas apertou a mão dela.
- Dorme! Se precisar, eu estou aqui!
O coração dele ainda saltava dentro do peito. Ele depositou um beijo rápido na mão dela antes que ela fechasse os olhos. Soltou a mão dela, para que ela pudesse ficar mais confortável e então ficou lá, observando-a pegar no sono. Quando a respiração dela ficou pesada, confirmando que ela havia dormido, Suga acariciou o rosto dela com uma das mãos. O coração, batia sem parar, com força. Ali, ele soube: estava se apaixonando por ela.
- Vai ficar tudo bem! Eu prometo!



Sexagésimo Segundo Capítulo -
Cada poça dessa rua tem um pouco de minhas lágrimas

Logo os amigos todos foram indo embora, um a um, e restou somente os dois no estacionamento do local. sentiu o coração começar a acelerar pelo fato de estar sozinha com ele outra vez. Pensava nele todos os dias e especialmente em quando ele finalmente a perdoaria, ou a escutaria de uma vez por todas! Assim que Seokjin abriu a boca para falar com ela, ele foi interrompido por outro homem que gritou o nome de , fazendo-a virar o rosto, um pouco assustada, mas logo ela sorriu na direção dele. Ele parecia ser um pouco mais velho que os dois, e estar perto da casa dos quarenta anos, então e ele se abraçaram rapidamente.
- Que bom te encontrar aqui! - o homem acariciou o braço dela, e olhou para Jin.
Os dois se cumprimentaram com um aceno de cabeça e Jin se questionou quem ele era. Mais um fã?
- Digo o mesmo! Sua esposa não veio?
- Quis ficar em casa hoje, ela está meio resfriada! - lamentou - Ah, sabe quem está aqui comigo?
fez que não com a cabeça e depois riu.
- O Bruno! - entreabriu a boca, surpresa.
Bruno seria o novo chefe de a partir de segunda-feira, e ela não havia tido nenhum contato com ele, já que ele era novo na empresa. estava detestando a notícia de que teria um novo chefe, já que amava o atual e não sabia quase nada sobre o novo. Mudanças sempre deixavam apreensiva.
- Mesmo? - ela tentou parecer agradável.
- Ali ele! Vou aproveitar para já apresentar vocês dois, !
Jin observava a situação, se perguntando quem diabos era Bruno e porque o tal homem queria o apresentar para . Ele umedeceu os lábios com a língua, começando a pensar que de fato, havia feito bem em ficar lá com já que assim que o tal Bruno chegou, ele quase comeu viva com os olhos. Aquilo deixou Jin incomodado. E mais ainda, já que ela corou e se sentiu intimidada com o olhar do homem passeando pelo corpo dela, especialmente pelas pernas à mostra devido a saia jeans que ela usava.
- Bruno, olha só que surpresa! Essa aqui é a , cara!
O olhar dele subiu para o rosto corado de , e ele sorriu, puxando pela cintura e a abraçando, deixando um beijo na bochecha dela quando a soltou.
- Realmente um prazer conhecer você, ! O Joaquim não disse que você era tão bonita assim! Podia ter me preparado para esse evento de mulher, Joaquim!
soltou um riso nasalado, visivelmente incomodada com os comentários enquanto o tal Joaquim, um tanto quanto surpreso, apenas bateu as mãos nas costas de Bruno. Jin travou o maxilar enquanto observava o tal Bruno. Aquele comportamento era ridículo, ele pensou.
- Você já está indo embora? Não quer acompanhar a gente numa saideira? Que tal? Assim a gente já vai se conhecendo melhor!
“Se conhecendo melhor?” como assim? Jin pulou o olhar para . Quem era aquele cara? Ele quis perguntar.
- Não! Eu já vou indo! Tá meio tarde, não é?
- Ah, eu deixo você em casa depois, fica tranquila que eu não mordo! - o tal Bruno piscou.
abriu a boca algumas vezes procurando o que dizer e Jin quis socar a cara dele.
- Obrigada! Mas vai ficar para uma próxima oportunidade! Até segunda-feira então no trabalho, boa saideira para vocês!
O olhar do homem voltou a passear pelo corpo de e ele mantinha um sorriso sacana nos lábios. Jin quis socar a cara dele outra vez. Os dois homens então se despediram deixando Seokjin e sozinhos outra vez.
- Me desculpe, mas, quem eram aqueles caras?
- Meu antigo chefe e meu atual chefe! - bufou em descrença.
- Seu atual chefe vai ser aquele cara que quase te comeu com os olhos?
assentiu que sim e depois passou as mãos pelo rosto.
- Estou odiando essa mudança! - ela engoliu seco.
Jin sentiu um aperto tomar conta do peito, precisava tomar cuidado com aquele cara.
- Como você vai voltar para casa? - ele coçou a cabeça, olhando para .
- De carro mesmo! - ela mexeu no próprio colar, sem conseguir subir o olhar.
- Então, antes de você ir embora, eu quero conversar!
subiu o rosto, agora sim encarando Seokjin. Um sorriso surgiu nos lábios dela. Finalmente ele estaria pronto para ouvi-la com o coração aberto?
- Você vai me ouvir, Jin? Vai finalmente me ouvir?
O sorriso dela fez o coração dele derreter por dentro. Mas ele seguia firme.
- Eu já sei o que vai rolar, ! Você vai dizer "eu não fiz por mal, eu não quis te magoar". E eu vou dizer, que seria ideal fugir, te abandonar para sempre, para sempre! Daqui a pouco começa a chover, como sempre acontece quando a gente se encontra e a lágrima vai se misturar com a água que cai do céu. Em vão eu tento encontrar o que de mim você levou, para sempre!
Ele olhou para cima, encarando as nuvens enquanto o sorriso de desaparecia de seu rosto, dando lugar a um soco no estômago, de novo? Ele não seria capaz de ouvir as coisas do ponto de vista dela nunca? Eles ficariam eternamente naquele ciclo vicioso? e ele se encararam, e os olhos dela marejaram instantaneamente. Jin também sentiu vontade de chorar. Mas precisava ser sincero com ela, já que ela não havia sido com ele, ele não se permitiria não ser com ela.
- Perdoa por eu não poder te perdoar! Dói muito mais em mim não ter a quem amar. Ecoa em mim o silêncio dessa solidão, pudera eu viver sem coração, viver sem você. - ele segurou o rosto dela entre as mãos.
Acariciou a bochecha dela com o polegar, e apenas fechou os olhos se deixando acariciar, afinal de contas, ela não sabia quando poderia sentir o toque dele outra vez.
- Então você não vai me ouvir e nem me perdoar? - a voz embargada dela invadiu os ouvidos de Jin.
Ele apenas assentiu que não, sentindo que não aguentaria muito tempo sem chorar. então limpou duas lágrimas teimosas que ousaram descer por sua face e balançou também a cabeça em positivo.
- Estou desistindo de você e te libertando, , nós dois sabemos que não somos mais crianças e nossos atos têm consequências, só nos resta nos libertarmos dos nossos fantasmas!
- Eu entendo! - Jin arregalou levemente os olhos, surpreso com a declaração dela - Você se apaixonou pela Olívia, que você conheceu na praia, e eu, sou uma pessoa totalmente diferente para você, uma desconhecida.
As palavras dela fizeram com que ele fechasse os olhos com a dor.
- Me desculpa, mesmo! Mas não vamos mais falar sobre nada, não vamos mais falar sobre nossos erros, sobre nosso passado ou sobre nós. Não vamos causar um problema maior para nós dois e nem prolongar esse sentimento que só está nos machucando!
- Será que nunca vamos conseguir nos entender de novo como antigamente? Sentimento nunca foi problema, isso tem de sobra! - mordeu o lábio inferior, incerta.
- O nosso problema é a confiança, , você não confiou em mim quando me conheceu e eu não confio em você agora! - ele bufou baixo.
fitou os olhos dele, também marejados.
- Se fosse só pelo sentimento, ainda estaríamos juntos?
Jin umedeceu os lábios secos, a pergunta havia feito o coração dele pular ainda mais dentro do peito.
- Se fosse só por amor, sim! Mas se fosse por amor, você teria me procurado e me explicado tudo no minuto que você pisou nessa cidade! - ele abriu os braços.
encolheu os ombros, abraçando a si mesma. Não queria que ele voltasse a ficar agressivo!
- Mas o medo era maior que o sentimento, Jin! - ela suspirou alto.
- Por que você não foi me procurar, Vívian? Eu precisava tanto de você! - a voz dele embargada fez querer chorar muito.
- Acho que o destino não quis! - ela apertou os braços em volta de si mesmo.
- O destino não agiu contra nós em momento algum, , pelo contrário... O destino continuou tentando nos unir, nossas atitudes fizeram isso com a gente.
Ela fechou os olhos com o impacto da frase atravessando-lhe o corpo com força.
- E minhas mentiras… - ela complementou.
- Sim! - Jin concordou - Nós dois precisamos aprender a parar de mentir e esconder coisas e sentimentos importantes um do outro.
- E eu preciso aprender a te dizer adeus! - engoliu seco, a frase havia sido dita mais para si mesma do que para Jin.
- E eu preciso aprender a não sentir sua falta, porque é patético! Parte de mim odeia suas mentiras, o fato de você não ter confiado em mim, sua omissão com meus sentimentos quando voltou à cidade e principalmente, odeia que você tirou de mim a escolha de te ouvir e te perdoar!
assentiu enquanto sentia a garganta fechar. O corpo dela parecia querer vacilar a todo momento, ela tremia.
- Deixa eu só te perguntar uma coisa? - Jin assentiu ainda de olhos fechados - Você acha que não consegue nem ser meu amigo?
Ela o havia pego de surpresa, então ele abriu os olhos, encarando ainda mais perto dele. O corpo dela batendo levemente no dele, fez com que ele se arrepiasse.
- Eu não quero ficar longe de você! - fechou os olhos, se entregando ao choro.
Jin quis abraçá-la com força, mas estaria se traindo se o fizesse. Então ele voltou a segurar o rosto dela, com um pouco mais de força dessa vez. Os olhos completamente embaçados de somente enxergavam ele ali.
- Eu não sei, ! - ele balançou a cabeça - Mas posso tentar! Não te prometo nada!
assentiu enquanto as lágrimas ainda desciam.
- Não chora! Não chora! - ele limpou algumas lágrimas - Não torne as coisas ainda mais difíceis para mim, por favor!
- Desculpa! Eu só machuco você! - ela tapou o rosto com as mãos, se entregando ainda mais ao choro.
Seokjin, também sofrendo, não aguentou e a puxou para um abraço, deixando também as lágrimas rolarem. Os dois ficaram assim por algum momento, até que , mais calma, se afastou lentamente dele. Os dois olharam para cima assim que sentiram as primeiras gotas de um chuvisco começar a cair.
- Vamos! Eu também estou indo para o condomínio! Eu vou na frente, guiando o caminho para você, para a gente chegar rápido, antes que a chuva engrosse. Sei que sua mãe fica preocupada, então vamos tentar chegar antes que a chuva engrosse!
assentiu para ele, sentindo o coração doer ainda mais com a ligeira preocupação que ele demonstrou.
Já dentro do carro, durante o trânsito, Jin olhava para ela através do retrovisor de cima, o de dentro do carro, enxergando-a lá dentro do carro dela. Iria deixá-la em segurança em casa, sabia muito bem da dor que os pais ainda sentiam com a perda do mais velho. Quando eles pararam em um dos últimos sinais antes de chegarem no condomínio, ele a observou outra vez, e a viu chorando dentro do carro. O coração dele quebrou dentro do peito, ela parecia estar sofrendo tanto quanto ele. Balançou a cabeça em negativa, sentindo o peito arder.
Parou o carro próximo a garagem da casa de e a observou descer do carro, com o rosto já inchado. Sem olhar para trás, caminhou em direção à sua casa, sentindo o coração quebrado em mil pedaços, com certeza ela passaria a noite em claro.
Seokjin a observou adentrar o imóvel e a porta foi fechada. Será que ele havia tomado a decisão certa? Tomara que sim! Ele pediu aos céus, fechando os olhos com força.<


Sexagésimo Terceiro Capítulo - Idiota

- Então nós temos um acordo? - Jimin questionou enquanto assistia se soltar do cinto.
ajeitou o cabelo atrás da orelha enquanto olhava o próprio reflexo no retrovisor de dentro do carro. Jimin bufou enquanto ela passava o protetor labial pelos lábios, sem respondê-lo.
- Você me ouviu, ? - ele abriu a porta do carro do lado dele.
- Ouvi, Jimin! Eu só estava me ajeitando, não posso? - olhou para ele.
Jimin passou os olhos pelo rosto maquiado dela, pousando os mesmos em seus lábios rosados pelo protetor labial. Ele quis beijá-la, mas já estavam no estacionamento da empresa, e conhecendo como Jimin conhecia, ela provavelmente não arriscaria e os dois iam voltar a brigar.
- Qual o nosso acordo? - ele repetiu.
- De não terminar por qualquer coisa, ou por qualquer desentendimento que a gente tiver! - rolou os olhos - Sim, temos um acordo, Jimin!
Jimin repetiu o gesto dela, por que ela tinha que ser daquele jeito? Tão irritante? Os dois desceram do carro, ela ajeitou a camisa por dentro da calça de novo, Jimin continuou observando-a e os dois voltaram a se olhar.
- Eu vou na frente e você espera um pouco, tá?
Jimin revirou os olhos outra vez, por que diabos eles não podiam subir juntos? Afinal de contas, podia apenas ser uma coincidência os dois terem chegado na empresa no mesmo horário, mas de acordo com não, daria muito na cara e o chefe podia desconfiar de algo e chamar os dois outra vez. “Foda-se o chefe!”, pensava Jimin todas as vezes.
- Tá bom! - ele concordou com a cabeça.
- Você entende, não é? - ela deu a volta no carro e ficou em frente a Jimin.
- Entendo! - ele sorriu sem mostrar os dentes.
Era melhor falar que entendia, afinal de contas, agora que os dois estavam bem de novo! Ele preferiu não discutir com ela. sorriu de volta e mandou um beijo no ar na direção de Jimin, que fingiu guardar o beijo no bolso da calça social preta.
Alguns minutos depois ele finalmente subiu e adentrou a sala dos dois, se sentando em sua mesa.
- pediu para você ligar para ela quando chegasse!
- ? - ele estranhou enquanto erguia uma sobrancelha - Para quê?
- Não sei! Ela só entrou aqui, me cumprimentou, perguntou de você e pediu para você ligar no ramal dela quando chegasse! Não deu nem tempo de eu perguntar o porquê ou para quê! - deu de ombros.
- Tá bom! Vou só ajeitar minhas coisas e ligo para ela!
Alguns minutos depois, com as coisas já ajeitadas, Jimin ligou para .
- Fala, bebê! - eles riram e Jimin pausou para ouvi-la - Tá bom! Estou indo para lá então! Obrigado, !
Jimin se levantou, ajeitou as mangas da camisa social branca, pegou o celular e um caderno.
- O que era?
- Deixa de ser curiosa, zangado! Oxi!
torceu o lábio para ele.
- Eu também preciso ir com você?
- A disse que só eu, neném!
Ela odiava quando ele a chamava de zangado, mas odiava ainda mais quando ele a chamava de neném, revirou os olhos com força. Assim que ele saiu da sala, ficou curiosa sobre onde ele iria e o que faria lá. Olhou a tela do computador com algumas demandas e então começou a roer delicadamente a unha do dedo polegar esquerdo. Odiava ser deixada para trás!
Jimin bateu na porta da sala do chefe e entrou quando autorizado, os dois se cumprimentaram e ele se sentou, esperando por . Será que o chefe ia mudar os dois de função outra vez? Ele engoliu seco com a possibilidade, afinal de contas, por mais difícil que fosse, eles trabalhavam bem e Jimin estava completamente apaixonado por sua função.
entrou na sala depois de um “licença”, e ela não estava sozinha. Jimin se levantou e cumprimentou depois que ela cumprimentou o chefe e então ele encarou a moça desconhecida à sua frente. A estranha sorriu para Jimin, que sorriu de volta. Quem era aquela garota?
- Jimin, essa é a Chloe! - ela estendeu a mão na direção de Jimin.
Jimin, educado, apertou a mão da tal Chloe, e então foi puxado por ela. Chloe depositou dois beijos nas bochechas de Jimin enquanto informava que era um prazer conhecê-lo. Jimin assentiu com a cabeça assim que ela o soltou.
- Senta, gente! - o chefe pediu.
Os três se sentaram, com no meio de Jimin e Chloe.
- Bom, Jimin, você deve saber que a está para sair de férias, não é? Afinal de contas, vocês dois são íntimos e ela deve ter comentado!
Jimin odiava quando o chefe presumia alguma coisa sobre a vida pessoal dele.
- Certo! - ele assentiu, sem entender o que ele tinha haver com aquilo.
- Eu contratei a Chloe para ser a coringa aqui da empresa! Ela vai ficar cobrindo as férias! Então ela vai começar com as férias da !
- Entendi! Mas, onde eu entro nisso? - ele coçou a cabeça, sem graça.
riu enquanto fazia uma carícia rápida na coxa de Jimin.
- A Chloe é recém formada e bom, sem experiência total, sabe? Além do estágio em uma empresa pequena de publicidade… Assim como você quando entrou aqui como estagiário! E você, além da , é o único que tem o conhecimento da área. A precisa colocar tudo em dia para sair de férias, certo ,? - ela balançou positivamente a cabeça - Então ela não vai ter tempo para ensinar as coisas com calma para a Chloe, eu preciso de você!
- Mas e a minha demanda?
- Você tem a ! Inclusive, vai lá chamá-la, vai!
Jimin engoliu seco, pensando no ataque que daria ao perceber que ficaria sobrecarregada com a demanda dos dois.
logo voltou com , que bateu os olhos na novata e depois em Jimin. Chloe se levantou rapidamente, erguendo a mão na direção de , que observou a mão dela, com cara de desdém. Jimin e seguraram o riso.
- ! Essa é a Chloe! Ela vai cobrir as férias, vai ser nossa coringa!
- Prazer, ! - a voz estridente de Chloe ecoou nos ouvidos de -
- Prazer, Chloe! E é para os novatos! - apertou fortemente a mão da moça.
Chloe riu, achando que estava sendo amigável e fazendo uma piadinha.
- Não começa, ! - o chefe a repreendeu - Eu vou precisar do Jimin para passar as coisas do setor da para ela! Portanto, você precisa segurar as pontas sem ele por pelo menos uma semana, até que a adiante as coisas!
- Como é que é? - tirou o cabelo do ouvido, fingindo que não havia escutado direito.
O chefe, sem paciência, rolou os olhos.
- Dessa vez, , eu pago você, ao invés de contar horas para o banco se você precisar ficar fazendo horas extras! Pode ser? Eu sei que você consegue, senão eu não estaria fazendo isso!
encarou a novata outra vez, depois fitou , com os olhos semicerrados e então, Jimin.
- Mais alguma coisa? - ela perguntou, emburrada.
- Somente, ! Obrigado pela compreensão, você sabe o quanto eu confio em você e no seu trabalho! Uma das melhores funcionárias da casa, sabia, Chloe? Ela pode assustar você agora no início, mas é ótima!
deu um sorriso amarelo e falso para o chefe. O olhar de e Jimin se cruzou outra vez e Jimin quis rir da cara dela.
- Problema resolvido, Jimin! Você ainda se lembra, não é?
- Sim! - ele olhou para , que sorriu para ele.
- Então toma aqui a chave da sala de treinamentos, vocês dois ficam lá! Para não atrapalhar o aprendizado da Chloe, nem a e muito menos a !
Jimin pegou a chave das mãos do chefe e eles logo saíram da sala.
- Olha, Jimin, eu disse para o chefe que não precisava te atrapalhar e muito menos mexer na sua rotina com a , porque bom, eu conheço a peça! Além de não achar justo com ela! Mas você conhece o chefe, não é? Ele disse que a era ótima, que ela com certeza daria conta e que as minhas demandas não poderiam se atrasar de forma alguma, então acabou sobrando para você! Desculpa!
- Imagina, ! Você não tem culpa! E, por mim, sem problemas! Eu só espero não ter mais problemas com a do que eu já tenho!
Chloe prestava atenção na conversa calada, mas não tirava os olhos de Jimin.
- Vamos lá buscar suas coisas, Chloe, para você ir com o Jimin! Vai indo, meu bem, que eu explico para ela onde é!
- Não! Eu preciso pegar minhas coisas também, bate lá na minha sala, Chloe!
Jimin adentrou sua sala para pegar o notebook e encarou concentrada na tela de seu computador.
- Ué? Cadê a novata?
- Tá com a buscando as coisas dela! Eu só vim pegar meu notebook.
- Aonde você vai? - ela ergueu uma sobrancelha.
Não olhava para ele ainda.
- Vou para a sala de treinamento.
- Com a novata? - o olhar dos dois se encontrou.
Jimin assentiu.
- Ah! Interessante!
- Vai dar outra crise de ciúmes? Eu não vou poder beijar você aqui bem no começo do expediente com todo mundo aqui!
- Você é ridículo mesmo, não é? - ela gargalhou - Me poupe, menor aprendiz!
Os dois foram interrompidos por duas batidas na porta. ainda encarava Jimin quando ele gritou “entra”.
- Opa! - a voz estridente da novata fez revirar os olhos - Estou pronta, Ji!
Ji? franziu a testa e ergueu as duas sobrancelhas logo em seguida. Ji? Ela pensou consigo mesma. Que audácia dessa novata! Ji? Jimin segurou fortemente o riso dessa vez e direcionou o olhar para Chloe.
- Bora então, Chloe! - ele caminhou até a porta e se virou para .
- Até o café, zangado!
sem reação, observou a novata e ele rindo, enquanto a porta era fechada.

Quando o horário do almoço chegou, se levantou de sua mesa, espreguiçou-se e bateu na porta, a abrindo logo em seguida.
- Gatinha, eu esqueci de falar, ontem eu fiz comida e trouxe para nós três!
sorriu para a amiga como forma de agradecimento, de vez em quando a amiga dava uma de chefe de cozinha e levava para o trabalho para dividir com os amigos.
As duas saíram juntas conversando, e assim que chegaram à cozinha, mandou uma mensagem para Jimin, informando-o que havia trago comida para ele que ela e já estavam na cozinha. Jimin pediu que esquentasse sua comida, que ele já estava indo. Ela assim o fez e assim que as duas amigas se sentaram à mesa para começar a comer, o corredor foi preenchido por risadas altas vindo dele e e se olharam. Assim que Jimin adentrou a cozinha da empresa acompanhado por Chloe, os dois ainda riam alto e a tal Chloe até estava com uma das mãos no braço do Jimin.
sorriu e balançou a cabeça, sussurrando para :
- Esses dois aí, não sei, não! Isso ainda vai dar rolo! Mais cedo passei lá para ver como estavam e os dois estavam desse mesmo jeito, de grudinho e só nas risadas!
sentiu o sangue ferver dentro das veias e percebeu que logo, logo ficaria vermelha, mas ela precisava disfarçar. Então quer dizer que os dois estavam grudadinhos? encarou bem os olhos dele quando ele se aproximou da mesa. E Jimin a encarou de volta, sem entender a intensidade do olhar dela.
- A Chloe vai almoçar com a gente, meninas!
assentiu enquanto assoprava sua comida e Jimin se sentou ao lado dela, com ainda o encarando, dessa vez com os olhos cerrados. Jimin deu de ombros.
- Uh! Que comida bonita, ! Já estava com saudade do seu temperinho! - ele beijou a bochecha dela.
Chloe vislumbrou a cena enquanto se sentava ao lado de , que travou o maxilar. quis enfiar o garfo na jugular dela.
- Vocês dois são namorados? - a tal Chloe se atreveu a perguntar, olhando e Jimin -
e Jimin se encararam, os dois explodiram em risadas e Chloe ficou sem entender.
- Não! Nós dois somos apenas amigos, Chloe! O Jimin é um anjinho, por isso eu o trato que nem bebê! Só isso!
- É! A na verdade é enrolada com o meu melhor amigo, sabe, Chloe?
- Ah, é que vocês dois parecem ser bem íntimos mesmo, como o chefe havia dito, daí pensei que vocês fossem namorados! Então você é solteiro, Ji?
apertou o garfo com ainda mais força na mão e contou até três para de fato não acertar o objeto na jugular da menina. Por que ela queria saber se ele era solteiro? O que ela tinha a ver com isso? E essa mania irritante dela de continuar chamando-o de Ji voltou a encarar os olhos de Jimin, que tinha a boca cheia no momento, mas ele começou a ficar vermelho. Assim que ele engoliu a comida com a ajuda de um copo de Coca-Cola, ele respondeu Chloe.
- Sou solteiro, Chloe! - ele olhou para - Solteiríssimo!
- Também, quem aguenta você? - levou o garfo à boca enquanto encarava Jimin de volta.
Jimin umedeceu os lábios com a provocação da mais velha. Ela queria guerra?
- Bom saber disso! - a novata deixou escapar, fazendo Jimin corar outra vez.
Enquanto segurava o riso, mexia na comida, sem de fato comê-la. O corpo todo dela formigava, de ódio.
- Come, ! Ficou ruim a comida? - questionou.
- Não! Claro que não, amiga, ficou uma delícia! Vou comer, é que hoje estou com a gastrite atacada! - voltou a encarar Jimin.
- Deixa ela, , ela está precisando de uma dietinha mesmo!
voltou a estreitar os olhos enquanto Jimin ria junto com a novata.
- Quantas vezes por dia eu preciso mandar você cuidar da sua vida, curupira júnior?
Os dois se encararam e Jimin levou o garfo à boca, enchendo-a outra vez.
- Liga não, Chloe! Os dois brigam assim o dia todo!
Chloe apenas soltou um riso nasalado e e Jimin ainda se encaravam.

Já perto do momento de irem embora, pensou outra vez no que havia dito de Jimin e Chloe, depois ela pensou nos dois rindo na cozinha… Pensou em Jimin dizendo que estava solteiro. Provocando-a, era óbvio! O dia todo aqueles pensamentos invadiam sua mente, e ela sentia o coração pular dentro do peito de raiva deles. Certamente a novata estava de olho em Jimin e aquilo havia ficado muito claro para ela. respirou fundo, e pensou em Jimin provocando-a outra vez, e decidiu que não daria esse gostinho a ele. Ele estava se aproveitando da situação para deixá-la com ciúmes, mas não daria o braço a torcer. Fechou os olhos e pode ouvi-lo dizer: “Sou solteiro, Chloe! Solteiríssimo!”.
Seus pensamentos foram interrompidos pela porta da sala deles sendo aberta por Jimin. Ela se levantou e foi até o sofá, pegou sua bolsa e sua mochila, enquanto Jimin começava também a ajeitar suas coisas.
- Quer uma carona? - ele encarou .
- Quero sim! - os dois sorriram um para o outro sem mostrar os dentes.
Logo as coisas de já estavam arrumadas, então outra batida na porta, e os dois juntos gritaram para que a pessoa entrasse.
- Licença! - a novata apareceu e fez revirar os olhos.
- Jimin, será que você pode me dar uma carona? Meu pai ficou de me buscar, mas ele vai se atrasar muito… se não for incomodar, claro! Não estava querendo ficar aqui sozinha, sabe?
Claro que incomodaria, pensou . As caronas do Jimin eram dela! Só dela… Jimin encarou , ela conhecia aquele olhar e conhecia Jimin. Ele não teria coragem de dizer não!
- … - ele começou, mas foi interrompido por ela.
- Não tem problema, Park Jimin! Eu vou sozinha para casa! Relaxa!
Os dois se encararam por alguns segundos e então passou quase voando pela novata para fora da sala. Chloe e Jimin se encararam também.
Assim que Jimin e Chloe chegaram ao elevador, que estava quase fechando com dentro, ela o segurou para os colegas adentrarem. Assim que os dois entraram, mais colegas de trabalho foram entrando também, fazendo com que Jimin - que estava de frente para - fosse empurrado para cada vez mais perto dela. As mãos dele, uma de cada lado do corpo dela, a prenderam na parede do elevador. O rosto dos dois, agora quase colado. Jimin umedeceu os lábios com a língua enquanto encarava os lábios dela e passeou o olhar por todo o rosto bonito dele. O coração dela estava acelerado, foi quando ela reparou na novata, observando a cena, e resolveu abaixar a cabeça, sentindo raiva da menina mais uma vez.
A novata não parava de conversar, enquanto Jimin mal conseguia prestar atenção na menina. Ele pensou que no lugar de Chloe deveria ser sentada ali… De tanto a garota conversar, ele rapidamente chegou ao endereço passado por ela. Sentiu certo alívio quando parou o carro, Jimin não negaria.
- Posso te perguntar uma coisa? - Jimin quis dizer a ela que não, mas precisava ser educado.
- Pode, Chloe! - ele batucou as mãos no volante.
- A e você tiveram ou tem alguma coisa? Porque pela forma que ela implica com você parece que é só uma forma, de sei lá - ela pausou -, demonstrar que na verdade ela está interessada em você!
- Você acha? - Jimin ergueu uma sobrancelha.
Será que as outras pessoas ao redor deles pensavam da mesma forma? Será que todo mundo na verdade desconfiava de algo e só não deixavam transparecer? Jimin suspirou baixinho.
- Eu acho! - a novata respondeu.
- Eu não sei, Chloe! Bom, está entregue! Bom descanso! Até amanhã!
Chloe percebeu que ele estava fugindo do assunto, mas resolveu deixar para lá, afinal de contas, eles mal se conheciam ainda! Ela deixou um beijo na bochecha dele e agradeceu pela carona e por toda a ajuda na empresa.

Já em casa, Jimin sentou-se no sofá se desfazendo da mochila e então pegou o celular no bolso.


Online

Já deixei a Chloe em casa e também cheguei em casa! Você chegou bem?



Assim que ele enviou a mensagem, ela ficou online. Ele esperou. visualizou a mensagem, porém não respondeu. Jimin sorriu enquanto fechava os olhos. Ela estava morta de ciúmes!




Sexagésimo Quarto Capítulo - Let me be the one

Assim que a porta do apartamento foi aberta, Suga deixou que adentrasse o recinto primeiro e ela respirou fundo, assim o fazendo, voltando a observar os detalhes do lugar pela segunda vez. Olhou para o piano, olhou os poucos quadros que tinham ali e então ela sentiu uma das mãos de Suga em suas costas.
- Vem! Vou te acomodar no seu quarto! - eles se olharam.
tinha o peito apertado por estar ali, ela entendia a necessidade, mas ainda se sentia estranha com a situação em que estava envolvida. Andou devagar atrás de Suga e ele abriu a porta do quarto que provavelmente seria o de hóspedes. Assim que botou os olhos no quarto, sentiu o aperto no peito piorar e os olhos marejaram na hora. O Suga havia comentado com ela há um tempinho que já tinha comprado e instalado um berço no quarto do bebê em seu apartamento, mas ver o móvel ali, montado e decorado, já basicamente pronto para receber o bebê, fez querer chorar de emoção. Suga realmente estava empenhado em cuidar de Hyuk e percebia isso a cada dia.
- O berço! - ela sussurrou enquanto entrava no quarto - Tão bonitinho!
sorriu enquanto passava a mão pelo mosquiteiro azul que adornava o berço. Suga se aproximou dela, sorrindo também.
- Você gostou? Comprei uns ursinhos também!
O olhar de desceu até os bichinhos dentro do berço. Suga voltou a acariciar as costas dela.
- Deita! Vem! - ele saiu.
o observou cuidadosamente arrumar a cama de casal que lá havia e então ela se sentou nela, encarando os olhos de Suga.
- Confortável? - ele questionou enquanto deitava pelos ombros na cama – Deita, !
A gargalhada gostosa dela preencheu o pequeno cômodo do apartamento, fazendo Suga sorrir abertamente. Era aquele som que preencheria o apartamento dele de agora para frente? Ele alargou o sorriso ao pensar que sim.
- Eu já venho! - ele depositou um beijo rápido na testa dela.
o observou sair do quarto e colocou a mão sobre a barriga, acariciando-a enquanto observava de novo o berço. Sentiu medo outra vez.
Ouviu os passos de Suga pelo corredor e então ele voltou com uma xícara e uma garrafa de 2 litros de água. sorriu, involuntariamente quando ele entregou a xícara para ela. Tinha uma salada de frutas, que parecia já ter sido preparada antes de ela chegar ao apartamento dele.
- Você consegue ficar sozinha por um tempo? Eu preciso resolver as coisas! Preciso falar com o seu Yang, preciso ir no seu apartamento, buscar mais roupas suas e preciso falar com seus pais!
- Deixa que eu ligo para eles aqui, Suga! - ela bateu a mão sobre o colchão em busca do celular.
- Não! - ele segurou uma das mãos dela - Não é certo dar uma notícia dessas para os seus pais por telefone! Deixa que eu vou lá! Consegue? É só me ligar se sentir qualquer coisa! Eu volto correndo!
assentiu, enquanto mastigava um pouco da salada.
- Eu vou cozinhar para gente quando voltar! - ele piscou - Tem água aqui e bom, essa salada deve te encher até eu voltar, já que você já almoçou no hospital, né? - assentiu, ainda comendo.
- Me liga! E vai respondendo minhas mensagens!
- Calma, Yoongi! - ela gargalhou - Vai dar tudo certo, prometo! Pode ir tranquilo, eu devo dormir um pouco!
Suga assentiu e então se abaixou, deixando um beijo demorado na barriga dela.
Assim que adentrou o próprio carro, ele sentiu o peito arder. Mas era melhor deixá-la descansar, e bom, ele de fato precisava resolver as coisas. Definitivamente ela e Hyuk eram sua prioridade agora. Dirigiu até o apartamento que dividia com , e lá estava ela, com os olhos inchados esperando por Suga na porta do prédio. A separação estava doendo muito nas duas, Suga entendia.
Os dois se cumprimentaram rapidamente e o ajudou a colocar as duas malas no porta-malas do carro.
- Amanhã eu arrumo mais coisas e você vem à noite pegar! - ele assentiu - Como que ela tá, Suga?
A voz embargada de foi um soco rápido no estômago dele.
- Ela tá bem, ! Eu vou cuidar bem dela, juro! E você pode visitar ela quando quiser! Pode ligar para ela, enfim!
assentiu enquanto os olhos dela denunciavam sua vontade de chorar.
- Por favor! Cuida bem dela mesmo! A é a irmã que eu nunca tive!
- Eu sei, ! - ele voltou a balançar a cabeça - Fica tranquila! Você e ela podem continuar se vendo e eu vou cuidar dela mais do que eu cuido de mim mesmo.
- Eu sei que vai! - ela soltou um riso nasalado - Você gosta dela!
Suga sentiu as bochechas ficarem vermelhas. Os dois se encararam, e deixou um beijo rápido na bochecha dele.
- Valeu, Suga! Por tudo! Manda um beijo para ela! Amanhã a gente se vê de novo!

Dirigiu até o restaurante e assim que entrou no local, ele procurou por Yang e não tardou em encontrá-lo conversando com um funcionário. Hoje seria folga de . Ele se aproximou de onde o senhor estava e então colocou delicadamente uma das mãos sobre o ombro do mais velho, não queria assustá-lo. Calmamente Yang se virou, abrindo um enorme sorriso ao encontrar Suga.
- Querido! - ele abriu os braços, puxando Suga para um abraço.
Todas as vezes que aquilo acontecia era como se o cérebro de Suga fosse desconfigurado e ele não sabia nunca como agir. Mas sorriu com o gesto.
- Cadê a ? - ele segurou os ombros de Suga.
- Ela está lá em casa! - Suga suspirou e viu a preocupação tomar conta do olhar de Yang.
- Aconteceu alguma coisa com ela, querido? - Suga assentiu.
- A gente pode conversar? - o senhor Yang assentiu enquanto levava Suga em direção ao seu escritório.
Já dentro da sala, Yang apontou para a cadeira e Suga lá se sentou, com Yang sentado em frente a ele.
- Pelo amor de Deus, meu filho! O que aconteceu?
- Ela teve um sangramento, seu Yang, nós fomos para o hospital, isso de ontem para hoje! E, infelizmente, nós descobrimos que ela precisa de repouso absoluto, senão corre o risco de perder o Hyuk!
Silêncio por alguns segundos. Suga tinha as mãos entrelaçadas uma na outra.
- Você está falando sério, filho?
Suga assentiu enquanto apertava mais ainda uma mão na outra, quisera o universo que ele estivesse brincando, ou sonhando.
- Ela não vai conseguir trabalhar mais seu, Yang! Infelizmente, não enquanto a gente não tiver o bebê, sabe? Ela não pode ficar em pé, nem fazer esforço!
Yang balançou a cabeça, primeiro em negativa e depois assentindo.
- Claro! Eu entendo, querido! Meu Deus, que lástima! Ela é tão jovem para estar passando por isso! E você também, claro! Mas vai dar tudo certo, querido! Vocês dois podem contar comigo para o que vocês dois precisarem! Você sabe, não é? Eu posso visitá-la?
- Claro que pode! - Suga sorriu sem mostrar os dentes - Bom, como a gente faz com a situação dela aqui?
Os dois se encararam por um período. Suga umedeceu os lábios.
- Eu não quero perder uma das minhas melhores funcionárias! E eu não quero deixá-la desamparada! Apesar de que eu sei que ela tem você! Mas acho melhor ela tirar uma licença, o que acha? Assim eu continuo pagando o salário dela! É! É isso! Eu sei que ela vai ficar feliz de ainda ter o salário dela! Uma licença de pelo menos quarenta e cinco dias para começar, e depois a gente vai renovando de acordo com a necessidade dela!
Suga assentiu, sorrindo. ficará feliz!
- Tá aqui o laudo médico! - ele colocou o papel sobre a mesa.
- Vou formalizar aqui com uma documentação! - senhor Yang abriu uma gaveta e a remexeu.
Suga aguardou que ele mexesse em seu computador e preparasse o que quer que fosse necessário para a licença de . Aproveitou o momento e mandou uma mensagem para , que acabou por responder bem rápido, informando a Yoongi que estava adormecendo. Ele respirou fundo, se sentindo aliviado.
Se despediu do senhor Yang prometendo-o que daria notícias de a ele todos os dias e que, claro, assim que ele quisesse era só aparecer. Deu mais uma olhada no celular e começou a dirigir em direção à casa dos pais de .
Saltou do carro e tocou o interfone da casa, ouvindo a voz de uma das empregadas dela. Alguns minutos depois, ele foi recebido pela mãe de , com um abraço. Dessa vez, ele retribuiu o abraço. Quis chorar nos braços da “sogra”.
- Ué! O que houve, meu filho? - a mãe de segurou o rosto abatido dele entre as mãos - Cadê a ?
Suga suspirou pesadamente.
- Preciso conversar com a senhora e com o Isaque!
- Aconteceu alguma coisa? - Susana deu espaço para que ele entrasse na casa.
- Na verdade, sim!
Os dois se encararam e então Susana praticamente arrastou Suga para dentro da casa. Já sentado no sofá, ele encarava os pais de . Ele buscava as palavras certas, para não assustar os pais da garota.
- Pode falar, Yoongi! - o pai de o apressou.
- Então… - ele pigarrou - Ontem à noite a teve um sangramento e nós fomos ao hospital! Lá nós descobrimos que ela corre o risco de perder o bebê se deslocar a placenta, portanto ela precisa de repouso absoluto! Não pode se estressar, não pode se esforçar e é isso!
Não havia outra forma de contar aquela notícia aos pais da moça.
- E aonde ela está? No hospital? Nós vamos para lá agora! - Isaque se levantou do sofá.
- Não! Ela já ganhou alta! Levei ela direto para o meu apartamento! Nós decidimos que o melhor agora é ela morar comigo! Eu consigo flexibilizar os meus horários no consultório e consigo até mesmo parar de trabalhar o tempo que for necessário para cuidar dela! Já estou com mais algumas coisas dela no meu carro, vou levando aos poucos! Mas ela está bem! E o bebê também, na medida do possível! Vocês querem vê-la? A gente pode ir para o meu apartamento, eu cozinho algo para gente e vocês aproveitam para vê-la!
Os pais de se entreolharam e a mãe dela foi a primeira a concordar com a ideia.

Os três adentraram o apartamento modesto, mas, nem tanto, de Suga e ele ouviu chamar por ele.
- Já chegou? - ela ouviu passos no corredor.
A porta do quarto, entreaberta, foi aberta de uma vez com o rosto de Susana aparecendo por lá. sorriu.
- Mãe! - ela abriu os braços enquanto se sentava melhor na cama.
Susana se aproximou da filha, abraçando-a com delicadeza e o pai de também estava no quarto, sentado na beirada da cama. e ele trocaram um sorriso sincero.
- O Yoongi contou para vocês? - os pais dela assentiram.
- Como você está, querida? - a mãe perguntou.
- Ah! - ela suspirou - Eu estou bem! Mas estou preocupada e com muito, muito medo!
Os olhos de marejaram, só então ela notou a figura de Suga parada no batente da porta. Ele acenou para ela, que deixou algumas lágrimas escaparem.
- Não chora, filha! Você é uma mulher forte! Vai passar por essa batalha! Você não pode se estressar, nem sentir emoções fortes, esqueceu?
A voz firme do pai preencheu o cômodo e Yoongi se aproximou da cama.
- Eu entendo, filha! Mas seu pai está certo! Você precisa ser forte agora, como sempre foi!
assentiu enquanto limpava as lágrimas e tentava fortemente engolir o choro.
- É só seguir todas as recomendações médicas, filha! E você tem o Yoongi do seu lado! - o pai direcionou o olhar para Suga - Tenho certeza que ele vai cuidar de você e do Hyuk! Bom, eu trabalho bastante, você conhece a minha rotina, mas sua mãe pode apoiar você o tempo que for necessário!
assentiu enquanto segurava a mão de Susana.
- Vai dar tudo certo, pelo menos no que depender da vovó, né, Hyuk? - sentiu uma das mãos da mãe lhe acariciar a barriga.
Já com a comida posta à pequena mesa de jantar do apartamento, a mãe de elogiou o cheiro e a aparência da comida. Suga avisou aos pais de que a buscaria lá no quarto. Logo os dois voltaram de mãos dadas, com dando vagarosos passos até a mesa, onde ela se sentou ao lado do pai. Depois de muito elogiarem a comida de Suga logo na primeira garfada, se encontrou muito surpresa com os dotes culinários do pai de seu filho.
- Agora vocês vão experimentar como é viver juntos! - o olhar dele saiu de e pousou em Suga - Já podem pensar no casamento!
engoliu seco, junto a Suga.
- Que tal nós esperarmos o Hyuk nascer e conseguir entrar com as alianças?
Todos na mesa riram, inclusive o pai de .
- Ainda vai demorar um pouco para isso, né? Mas eu já fico feliz de vocês estarem pensando nisso e morando juntos!
e Suga trocaram um olhar, ambos sem graça. O jantar seguiu sem muitos acontecimentos e assim que acabou, a mãe de fez questão de ajudar Suga com a louça, enquanto pai e filha assistiam a TV. Logo os pais de se despediram dele e Susana fez uma lista de recomendações à filha e alegou que todas as vezes que Suga precisasse trabalhar, ela iria para lá ficar e cuidar da filha. O que os dois agradeceram muito. Suga os levou até o elevador e quando voltou, ele encarou no sofá.
- Você deve estar exausto! - ela sorri sem mostrar os dentes - Me desculpe por todo o transtorno! Me desculpe por bagunçar toda a sua vida!
Os olhos dela cheios de água. Os hormônios faziam com que seus sentimentos ficassem uma bagunça e Yoongi entendia.
- Você não precisa me pedir desculpas, ! Você não bagunçou a minha vida! Não fala assim! - ele tocou os cabelos negros dela - Vou preparar a banheira para você!
- Banheira? - arregalou os olhos.
- O banheiro desse apartamento não é o maior cômodo à toa, ! Ah, um luxo que me dei ao direito há alguns anos! - ele deu de ombros - Você espera aqui, enquanto eu arrumo tudo lá!
- Não precisa! Eu só quero passar uma água no corpo antes de dormir! Ah, você não me disse como foi com o senhor Yang!
- Ah! - ele bateu a mão na testa - Ele te deu uma licença! Primeiro de quarenta e cinco dias e então ele vai aumentando conforme a nossa necessidade!
- Então eu vou continuar recebendo meu salário? - sorriu.
- Sim! - Suga mordeu o lábio - Mas você sabe que tem a mim, não sabe?
- Sei! Mas ter o meu próprio dinheiro também é importante, Yoongi!
- Eu sei! Por isso não protestei e eu sabia que você ia gostar da notícia! Ele disse que vem visitar você!
- Que bom! Gosto tanto dele! - Suga caminhou em direção ao corredor.
- Eu também! Acredita?
sorriu enquanto acariciava a própria barriga.
- Mesmo? - ela ouviu Suga dizer que sim lá do banheiro.
Ela quase adormecia quando sentiu uma das mãos dele lhe acariciar o rosto.
- Pronto! Vem!
Ele ajudou a caminhar até o banheiro e antes de sair, ele disse a ela que qualquer coisa era só gritar por ele, que ele apareceria. gargalhou, fazendo o coração dele vibrar, ela disse para ele relaxar um pouco também. Suga saiu, deixando sozinha, ela encarou a banheira por alguns segundos e, com cuidado, ela se despiu e entrou na banheira, sentindo a água quente entrar em contato com seu corpo, fazendo seus músculos tensos finalmente relaxarem. Ela fechou os olhos, se permitindo de fato relaxar pela primeira vez desde que soube de tudo.
Já de pijamas, ela caminhou até a sala e vislumbrou Suga sentado no sofá, com a cabeça jogada para trás, escorada no encosto dele. Os olhos dele fechados enquanto ele respirava lentamente. sorriu, observando os traços delicados dele. Se aproximou, fazendo o joelho dos dois se encostarem levemente e então se atreveu a acariciar a bochecha redondinha dele, que se assustou levemente com o toque. Os dois se olharam, enquanto ela ainda acariciava o rosto dele.
- Vamos dormir! Você precisa descansar! Vai tomar um banho também, não é?
Suga assentiu que sim e se levantou quando ela parou com as carícias. Ele se espreguiçou e bocejou.
- Vou tomar um banho bem rápido e vou te ajeitar lá no quarto!
- Não precisa! Eu mesma me arrumo! Fica tranquilo! Toma seu banho e vai descansar! Boa noite! Qualquer coisa eu te grito, já sei!
Suga sorriu enquanto coçava a nuca e ela caminhou com o apoio dele até o quarto, mesmo com ela dizendo que não precisava, ele ajeitou tudo para que ela ficasse o mais confortável o possível.
- não te entregou meu livro, não?
- Entregou sim! - ele se abaixou e procurou pelo livro até encontrá-lo em uma das malas.
“Mãe fora da caixa” Suga leu o título e sorriu com a leitura.
- É bom? - ele perguntou.
- Sim! A autora descobre que está grávida do segundo filho e aí ela começa a se lembrar de todas as fases de uma maternidade repleta de dúvidas e desafios.
Os dois se despediram e Suga foi tomar seu banho. A noite havia ficado fria no Rio de Janeiro e Suga rolava pela cama, friorento que só, ele resmungava sobre estar com frio. Pensava em , será que ela já estava dormindo? Rolou mais algumas vezes pela cama, sem sucesso.
fechou o livro e se preparava para desligar o abajur quando Suga apareceu. Ela sorriu para ele.
- Tá frio, não é? - ele tinha os braços enrolados em volta de si mesmo.
gargalhou e então bateu a mão no lado vazio da cama.
- Deita aqui! Sei que é isso que você quer!
Suga sentiu as bochechas ficarem vermelhas, mas se aproximou da cama, se desfazendo dos chinelos, ele se deitou ao lado de , que apagou a luz do abajur. Em completo silêncio e escuro, a testa dos dois se encostaram e Suga a abraçou pela cintura.
- Boa noite, Yoongi! - ele sentiu selar os lábios aos dele rapidamente.
A cabeça dela se encaixou em seu pescoço e ele agradeceu ao universo por tê-la ali com a respiração batendo em seu pescoço.



Sexagésimo Quinto Capítulo - Euphoria

A mensagem de Jungkook brilhou na tela do telefone dela enquanto Taehyung descia as escadas.
- Vai precisar do carro, ? - ele apertou os ombros da irmã.
- Por que, Tae? - ela virou a cabeça para encará-lo.
- Porque eu quero correr com o Jin lá na Barra! Então queria ir e voltar de carro! Vai sair com o JK?
Ela leu a mensagem dele que dizia:
JK
Online

vem aqui para casa.



Na maioria das vezes era ela quem aproveitava muito mais do carro, que era dos dois, do que V.
- Não! Ele que vai vir para cá! Pode pegar o carro, meu bem!
Taehyung depositou um beijo no topo da cabeça dela, pegou as chaves e a carteira e se despediu da irmã saindo logo em seguida.
JK
Online

vem aqui para casa.

Vem para cá, JK! Tô sem carro!



JK se levantou do sofá enquanto se espreguiçava:
JK
Online

vem aqui para casa.

Vem para cá, JK! Tô sem carro!

Tô indo então!



se levantou caminhando em direção à cozinha e abriu a geladeira, pegando uma garrafa d’água e se servindo de um copo dela. Olhou pela janela e sentiu os pelos da nuca se arrepiarem. Havia três dias que o stalker tinha - infelizmente - reaparecido. Ela sabia que aquilo poderia acontecer, bem no fundo, ela sabia. Sua intuição nunca errava! Ninguém sabia, só seu advogado e a polícia, que alegava já estar tomando as devidas providências, mas até agora nada, o maldito continuava mandando mensagens. A maioria delas ameaçando e JK. Especialmente JK…
Ela guardou a garrafa de volta na geladeira e voltou para a sala, sentando-se novamente no sofá. Precisava distrair a cabeça, ou enlouqueceria. Pediu mentalmente um sinal ao universo, do que fazer com a bagunça dentro dela. Mexia no telefone, sem de fato conseguir se concentrar em nada e tomou um susto quando a campainha tocou, ela levou a mão ao peito, com o coração super acelerado. Olhou as horas no celular e se surpreendeu com como as horas haviam passado rápido. A campainha tocou outra vez e ela sentiu que podia desmaiar com o coração acelerando mais e mais.
caminhou em direção à porta, bem devagar e perguntou quem era.
- Sou eu, gatinha! - ela respirou aliviada ao ouvir a voz de Jungkook do outro lado.
Abriu a porta da casa e se jogou nos braços dele. Jungkook riu enquanto sentia o peso do corpo dela se chocando ao seu com força e então ele a agarrou pela cintura.
- Tudo bem durante o caminho para cá? - ela segurou o rosto dele entre as mãos.
- Tudo, gatinha! - ele voltou a rir.
havia voltado a ficar paranoica de uns dias para cá, mas sempre que ele tocava no assunto com ela, desconversava, dizia que era coisa da cabeça dele. Os dois selaram os lábios demoradamente, até que ela o puxou para dentro de casa, olhando para a rua freneticamente antes de fechar a porta.
- O que foi, ? - ele segurou a cintura dela outra vez.
- Nada, JK! Nada! - ela balançou a cabeça - Vem! Vamos sentar, vamos ver um filme?
Ela parecia estar nervosa e agindo no automático, JK se preocupou. Assim que os dois se sentaram no sofá da casa, ela deitou a cabeça no ombro dele, tentando se acalmar. Não queria que ele percebesse nada.
- Taehyung foi correr na Barra com o Jin! Por isso estou sem carro!
- Eles me chamaram! Mas eu preferi vir ficar com você! A gente custa a ter esses tempinhos! - ele apertou o corpo dela ao seu.
sentiu vontade de chorar ao ouvi-lo dizer que os dois mal tinham tempo um para o outro. Quis chorar porque era verdade!
- Eu queria muito que tudo fosse diferente! Juro!
- Não fala assim, gatinha! - ela ergueu o rosto - Eu entendo! Você tem um trabalho difícil, mas é o que você ama! E eu também amo o que eu faço! Mas a gente consegue, hum? A gente vem conseguindo!
quis chorar outra vez e então o abraçou com força, ao sentir o cheiro dele, ela pensou que jamais se perdoaria se algo acontecesse com ele! Assim que os dois se soltaram, ele segurou uma das mãos dela.
- Vem cá, senta aqui! - Jungkook abriu as pernas o suficiente e bateu no vão entre elas. - Você parece estar muito estressada, vou te fazer uma massagem!
sorriu enquanto se acomodava no meio das pernas dele, com o sofá estirado, parecendo uma cama quase. Ela mesma fez um coque no próprio cabelo, deixando os ombros livres para ele, mostrando a regata branca que ela usava. Jungkook apertou primeiro levemente os ombros dela e depois foi intensificando os movimentos. de olhos fechados, sentia os músculos antes tensos, relaxarem.
A massagem dele era tão gostosa que teve que morder os lábios para conseguir conter a sensação boa das mãos dele ali. Ele cuidava tão bem dela! Foi então que a voz dele ecoou em seu pensamento: “A gente custa a ter esses tempinhos!” ela abriu os olhos, e se lembrou da mensagem que vislumbrou no celular dele de outra garota, no mesmo aplicativo que eles se conheceram…
“Será que é só comigo, ou ele cuida desse jeito de outras mulheres também?” ela pensou ainda com os olhos abertos. Fechou os olhos outra vez, “ele tem outras mulheres além de mim?”
Ela até entenderia, se tivesse… De verdade! Os dois mal tinham tempo um para o outro mesmo, os dois também nunca conversaram abertamente sobre o que tinham, sobre o que eram e especialmente sobre exclusividade ou fidelidade.
Os pensamentos dela foram interrompidos quando ela sentiu os lábios molhados de Jungkook se encostando na pele de seu pescoço exposto. Os pelos da nuca dela se arrepiaram com os beijos que ele traçou vagarosamente pelo lugar e ela apoiou as duas mãos nas coxas grossas e firmes dele, apertando o lugar.
apertou os olhos quando sentiu os dentes dele afundarem em sua pele e ela apertou as coxas de Jungkook com um pouco mais de força. Ela pode senti-lo sorrindo contra sua pele e ela não resistiu, fez o mesmo. Jungkook se assustou quando a viu se levantar e ele se perguntou se havia feito algo de errado. Mas não, ela apenas queria poder encará-lo de frente e assim o fez: se sentou ao lado dele no sofá e então puxou o rosto dele para próximo do seu, encostando o nariz ao de Jungkook.
Jungkook encarou os olhos castanhos dela e então desceu o olhar para seus lábios. os umedeceu, de propósito para provocá-lo. Jungkook não resistiu - e nem queria - e a beijou. As duas mãos dele voaram para a cintura de , a apertando com força, e entrelaçou os braços em volta do pescoço dele, enquanto subia uma das mãos pelos cabelos - agora negros - dele. Jungkook mordeu o lábio superior dela, prendendo-o entre os dentes por alguns segundos enquanto sentia as mãos dela lhe puxarem os fios do cabelo. Logo os lábios dos dois estavam colados novamente, sentia a urgência nos lábios dele, o coração dos dois batia rápido e sentia o corpo pegar fogo. O estado de Jungkook não era muito diferente do dela. Ele sentia o corpo ficar mais quente conforme o beijo ia ganhando intensidade e o membro já apertava na calça.
Foi quando uma das mãos de desceu pelas costas vestidas dele, passou pela lateral de seu corpo, até alcançar o membro dele por cima da calça de moletom que ele usava, ela apertou o lugar e Jungkook estremeceu enquanto mordia o lábio inferior dela. deslizou a mão pelo membro dele vagarosamente em movimentos de vai e vem, sobre o tecido mesmo e Jungkook intensificou o beijo, desfez ele mesmo o coque que ela havia feito e enrolou uma das mãos nos fios de cabelo dela e os puxou com força. podia sentir a espessura do membro dele aumentar dentro do tecido a cada movimento que fazia. Ela sorriu entre o beijo. Era boa a sensação de senti-lo endurecer a cada toque dela.
O beijo foi parando aos poucos e , olhando dentro dos olhos de JK, adentrou a mão para dentro do tecido parando-a no cós da cueca dele, passou a ponta dos dedos por lá, fazendo Jungkook ansiar e arrepiar o corpo. Ela estava o provocando e ele sabia disso, sorriu.
selou os lábios dele rapidamente, e não desgrudou os lábios e nem os olhos dos dele e então adentrou com a mão dentro da cueca boxer que JK usava. Jungkook retraiu os músculos involuntariamente assim que sentiu a mão quente dela entrar em contato com seu membro por dentro da cueca e soltou um gemido baixo quando a mão dela repetiu os movimentos que antes fazia por cima do tecido, bem devagar. Ele fechou os olhos e manteve os dela bem abertos, queria poder observar cada reação que o rosto e corpo dele teriam.
Lentamente ela foi aumentando o ritmo dos movimentos e então o viu morder os lábios e jogar a cabeça levemente para trás, deixando o pescoço exposto, ficou de joelhos sobre o sofá e então grudou os lábios na pele agora exposta e disponível para ela. Jungkook voltou a sentir o corpo arrepiar enquanto ela beijava, lambia e mordia por lá e ele então imaginou como seria sentir os lábios dela em seu membro… ele segurou a mão dela guiando os movimentos e então sentiu as veias de seu membro dilatarem ainda mais de prazer. Mordeu o lábio inferior com força para não gemer alto, e ouviu rir.
- Tem só nós dois aqui, JK! - ela sussurrou contra o ouvido dele.
Mordeu o lóbulo da orelha dele e então voltou a beijar o pescoço dele, enquanto juntos, eles ainda movimentavam as mãos. Assim que ele soltou a mão dela, parou também com os movimentos, apenas para expor ainda mais o membro dele para fora dos tecidos da calça e da cueca. vislumbrou o pênis dele ali em suas mãos, pulsando por ela e ereto, Jungkook mordeu os lábios, esperando pelo próximo passo que ela tomaria.
, ainda segurando-o, se ajeitou o suficiente no sofá e então ele sentiu a língua dela lamber a cabeça de seu membro, mal tendo tempo de respirar enquanto logo em seguida sentiu ela engolir todo seu membro. De olhos fechados, Jungkook enroscou os dedos nos cabelos castanhos dela, improvisando um rabo. Quando ela começou a movimentar a boca no membro dele, Jungkook gemeu alto, incentivando-a a aumentar o ritmo, enquanto ele também movimentava os quadris contra os lábios dela.
Jungkook sentiu que estava quase lá quando voltou a passar a língua pela cabeça de seu membro, engoliu-o novamente logo em seguida e então ele a puxou para cima, chocando os lábios nos dela com urgência e a sentou em seu colo. Jungkook gemeu entre o beijo quando sentiu a intimidade - mesmo vestida - dela roçar seu membro ainda sensível e mais duro.
Os dois separaram os lábios e se encararam, com as respirações completamente descompassadas. Foi quando ouviram o portão da garagem da casa sendo aberto, Jungkook fechou os olhos com força enquanto gargalhava, saindo de seu colo rapidamente. JK se ajeitou da maneira que podia e escorou a cabeça no encosto do sofá. Jungkook cruzou as pernas com dificuldade, mas precisava disfarçar.
Os dois começaram a mexer na TV pelo controle e então Taehyung adentrou a casa. Ele cumprimentou Jungkook com um aperto de mãos e então beijou o topo da cabeça da irmã. Eles engataram uma conversa rápida enquanto Taehyung ia para cozinha beber água.
- Quer ir lá para o quarto? - sussurrou próximo ao ouvido de Jungkook.
Ouviram a voz de Taehyung perto o suficiente, resmungando alguma coisa qualquer enquanto voltava para a sala.
- Não dá! Se eu levantar agora, seu irmão vai perceber! - ele sussurrou de volta.
gargalhou e JK a fuzilou com o olhar. Ela entregou uma almofada para ele, que a colocou sobre seu colo, sentindo deitar logo em seguida.
Logo os três escolheram um filme na Netflix e então Jungkook se pôs a fazer carinho nos cabelos castanhos de . Os três ficaram em silêncio, já que de fato havia gostado do trailer do filme e queriam prestar atenção nele. sentiu os olhos pesarem com força, depois de meia hora de filme, afinal de contas, ela estava virada do trabalho e ainda não havia dormido. Acabou por pegar no sono e Taehyung sorriu enquanto observava a irmã dormindo pesadamente no colo do mais novo. Jungkook acompanhou o olhar de V e encontrou lá, dormindo. Ele também sorriu, sabia o quão cansada ela estava do turno e vê-la dormindo o aliviava muito. Olhou as horas no relógio da parede da sala e arregalou os olhos. Estava tarde, e ele precisava ir embora. Aproveitaria que ela estava dormindo pesadamente.
- Eu preciso ir, mano! - ele sussurrou, se levantando delicadamente para não acordar .
Jungkook colocou a almofada sobre o sofá com ainda dormindo e então depositou um beijo bem devagar na cabeça dela.
- Já? - Taehyung se levantou também.
JK assentiu com a cabeça enquanto sorri para V. Taehyung então o acompanha até fora da casa com um dos braços passados em volta do pescoço dele. Os dois se despediram com um abraço e com Taehyung pedindo para Jungkook avisar quando chegar em casa.
Assim que Taehyung terminou de trancar a casa, ele voltou para a sala e observou a irmã dormindo outra vez. Decidiu que não a acordaria, ela estava dormindo tão profundamente que resolveu que a levaria para o quarto. Subiu delicadamente as escadas com a irmã nos braços e então a ajeitou sobre a cama, cobrindo-a. Observou mais uma vez e então fechou a porta do quarto, voltando para a sala.

A fumaça do local fazia com que as vistas dela ficassem embaçadas e ela tossia muito. Não reconhecia aquele local, e ela parecia estar sozinha lá, o que a deixou com um pouco de medo. Caminhou pelo lugar escuro e então chamou pelo irmão, mas nada. Ele não respondia! Caminhou mais um pouco, se sentindo perdida até que ouviu a voz conhecida da mãe, chamando por ela. E foi, caminhou cegamente em direção à voz. E aí a escuridão e a fumaça haviam sumido, dando lugar a outro lugar que ela também nunca estivera. Haviam tantas flores pelo lugar que ela automaticamente sorriu enquanto passava delicadamente as mãos por elas. A voz da mãe voltou a chamar por ela e seguiu o chamado, encontrando então a mãe de braços abertos esperando por ela e logo em seguida o pai também apareceu ao lado de sua mãe. tentou se mover, mas não conseguiu. Algo parecia prendê-la ao solo e ela não conseguia alcançar os pais.
Um aperto na garganta surgiu, fazendo os olhos de marejarem e então ele apareceu ao lado dos pais dela: Jungkook. A expressão de desespero deu lugar à expressão de pura confusão, as sobrancelhas dela se ergueram, quando o sorriso de coelho surgiu nos lábios de Jungkook. O que ele estava fazendo ali com os pais dela?
- Está tudo bem, minha filha! - a mãe sorriu - Não precisa ficar assustada! Você sabe o que fazer, não sabe?
O olhar das duas se encontrou e o aperto no peito de piorou. Ela apenas balançou a cabeça em negativa, querendo se aproximar dos pais e de JK, mas não conseguia. Jungkook agora não sorria mais, ele apenas olhava para ela, sério.
- Você é forte, sabe disso! Você só está confusa! Precisa desacelerar esses pensamentos, pôr as coisas em ordem! Todas as respostas estão dentro de você! Nós estamos bem! Vai ficar tudo bem, você sabe que é só chamar, não sabe?
assentiu que sim.
- Nós temos que ir, querida! Ainda precisamos ver o seu irmão! - quis gritar, mas não conseguia.
O pai acenou enquanto sorria e a mãe fez a mesma coisa. O olhar dela voltou a se encontrar com o de Jungkook, e ele também acenou para ela, ainda sério. Os três se viraram de costas e conseguiu balbuciar com dificuldade.
- Mas e o Jungkook? Ele não vai ficar?
Os três voltaram a atenção para ela e mantinha os olhos grudados em Jungkook.
- Ele vem com a gente, filha! - o pai respondeu.
- Como assim? - ela quase gritou.
- ! - a mãe a repreendeu - Você sabe! Ele precisa vir com a gente, ele não pode ficar com você, filha! Nós vamos levá-lo!
sentiu que o peito explodiria tamanha a dor que sentia agora.
- Nós três vamos cuidar de você à distância agora! - o pai complementou.
Jungkook assentiu, concordando com o pai de . E ela quis correr até ele, mas os pés continuavam presos… Os pais voltaram a dar as costas para ela, mas Jungkook não, ele caminhava, mas sem dar as costas para ela, ele continuava a olhá-la, impassível.

Acordou com o telefone tocando debaixo do travesseiro e se sentou na cama, sentindo que o coração poderia rasgar o peito e sair para fora do corpo rasgando a pele, tamanha rapidez e força que ele batia. O quarto já estava iluminado com os raios do sol entrando pelas frestas da janela e ela respirava descompassadamente.
Pegou o celular debaixo do travesseiro, já que ele ainda tocava sem parar. Atendeu a ele sem nem verificar de quem se tratava.
- Alô? - silêncio do outro lado da linha - Alô?
Nada. Silêncio. Um arrepio percorreu a espinha de , era o stalker de novo… Ela desligou o telefone, sentindo vontade de chorar e procurou por JK ao seu lado na cama… ele não estava lá e não havia nenhum sinal de que ele esteve dormindo por ali. Os olhos marejaram e ela deixou as lágrimas escaparem. Quando aquele pesadelo iria de fato acabar? Olhou a conversa dele no whatsapp e então viu duas mensagens dele de ontem à noite:

JK
Online

Gatinha, você tava dormindo tão linda! Resolvi deixar você descansar e vim embora!

Já cheguei! Boa noite, gatinha!



Se levantou rapidamente descobrindo o corpo do edredom que a cobria e praticamente voou até a mesa que havia em seu quarto se sentando na cadeira que lá havia. Ainda chorando ela pensou nas palavras dos pais durante o sonho. Pegou papel e caneta e resolveu escrever.

“Você é o sol que ressurgiu na minha vida, uma reencarnação dos meus sonhos de infância. Eu não sei o que são essas emoções, eu ainda estou sonhando? Há um oásis verde no deserto a princípio, dentro de mim. Meu entorno está ficando cada vez mais transparente e eu ouço o oceano de longe... Através do sonho, depois da floresta... Estou indo para o lugar que está ficando mais claro, pegue minhas mãos agora. Você é a causa da minha euforia! Você estava vagando como um arco-íris, procurando por um sonho apagado também? É diferente do mero destino... Seus olhos doloridos estão olhando para o mesmo lugar que eu. Você não poderia, por favor, ficar em sonhos? Eu ouço o oceano de longe... Mesmo se o chão de areia se dividir em dois, mesmo se alguém sacudir este mundo, nunca solte minha mão. Por favor, não acorde desse sonho!”

A mente dela trabalhava rápido demais, com flashes de quando os dois se conheceram, de como ela desconfiou dele… de quando descobriu que não era ele o stalker, do primeiro beijo, de todos os outros beijos, das risadas, da falta de tempo que os dois enfrentavam, do olhar do stalker sobre ele e ela, dela vendo as mensagens de outra menina no aplicativo, das mensagens e ligações novas que estava recebendo, da noite passada… e do sonho, especialmente do sonho. Aquilo era um sinal e ela tinha mais certeza que nunca. Precisava se afastar dele, ou o perderia para sempre! E ela não suportaria perder mais ninguém, especialmente ele!
Deixou um beijo casto na bochecha do irmão e avisou que estava indo encontrar Jungkook e Taehyung assentiu enquanto sorria. Taehyung gostava tanto dele… engoliu seco.
Ela observou Jungkook adentrar no carro todo sorridente e então sentiu o peito arder e doer. Ela não sabia nem por onde começar aquela conversa. Estava doendo mais do que ela havia pensado que poderia doer.
- E então? O que foi? - ele perguntou enquanto ajeitava os cabelos molhados - Você dormiu bem? Eu não quis te acordar, você estava num sono tão gostoso!
engoliu seco e finalmente encarou os grandes olhos dele, mas não conseguiu por muito tempo e então desviou o olhar.
- JK, eu não quero mais! - ela cuspiu.
Jungkook arregalou os olhos com a súbita informação que saia da boca dela.
- Desculpa, eu não entendi! - ele se remexeu no banco do carro dela.
O que ela não queria mais? Ficar com ele sem ter um rótulo? Então ele a pediria em namoro se fosse esse o problema…
- Eu não quero mais ficar com você! Acho melhor seguirmos em caminhos separados! Não vem funcionando! Você sabe!
- Não vem funcionando? E eu sei? Sendo que é o contrário? A gente vem fazendo funcionar muito bem!
- Não! Só você acha isso, porque para mim não está nada bem! - ela segurou com força o choro na garganta.
- , eu não estou entendendo, de verdade! Você pode olhar para mim pelo menos enquanto termina comigo?
abaixou a cabeça e então fez o que ele pediu.
- Você tem certeza? Essa é a sua decisão final? Não há nada que eu possa fazer ou falar para te fazer mudar de ideia?
assentiu com a cabeça enquanto lutava contra si mesma para não beijá-lo e dizer para ele esquecer tudo.
- Eu posso só entender melhor o que fez você tomar essa decisão? Ontem parecia tudo tão bem! - ela percebeu a voz dele embargar de leve.
Não queria vê-lo sofrendo, não aguentaria.
- Nós dois mal temos tempo um para o outro, JK! A gente vive se encaixando na agenda um do outro, se espremendo, se vendo quando dá, o quanto dá! Eu não quero isso! - ela mentiu. - Eu não tenho tempo também para me envolver num relacionamento sério! Nós dois não íamos funcionar a longo prazo, então é melhor acabar agora! Para a gente não sofrer mais para frente, Jungkook!
Ele assentiu calmamente enquanto a ouvia falar. Sentiu vontade de chorar com cada palavra que saia da boca dela. Mas entendia… mesmo achando estranho. Não seria pedante, não gostaria que fossem com ele, então não seria com ela. Não insistiria. Essa era a decisão dela, então ele aceitaria.
- Mas podemos pelo menos ser amigos? - ele mordeu o lábio, receoso.
engoliu seco com a pergunta, será que podiam ser amigos?
- Quem sabe? - ela tentou sorrir.
Jungkook assentiu, também tentando sorrir.
- É que eu gosto muito de você! - ela quis chorar ao ouvi-lo - E eu me preocupo, então seria muito ruim ficar sem ter notícias suas!
Ele abaixou a cabeça com o silêncio dela o machucando ainda mais.
- Tudo bem então! Até mais!
Os dois se encararam e Jungkook segurou a nuca dela, puxando o rosto dela de encontro ao seu, encostando a testa na dela.
- Se cuida, ! Por favor!
fechou os olhos enquanto sentia o nariz dele acariciar o seu. Ela pediu ao universo que ele não sofresse. Assentiu com a cabeça, numa promessa silenciosa a ele de que sim, se cuidaria.
- Você também! E seja feliz, JK, por favor!
Os dois abriram os olhos juntos e JK desceu o olhar para a boca dela.
- Não, JK! Por favor! - ela suplicou.
Jungkook assentiu, e então a soltou. Um último olhar e ele desceu do carro. o assistiu entrar de volta no prédio e desabou num choro que ela achou que seria infinito.



Sexagésimo Sexto Capítulo - Me beija com raiva

O porteiro a ajudou a descer as malas quando ela recebeu a mensagem de Taehyung dizendo que já havia pegado o carro e que estava a caminho. Eram apenas duas malas, uma com as roupas para os três dias e outra com as coisas de higiene pessoal e outros objetos. Agradeceu quando ele voltou para a guarita e então pegou o celular no bolso traseiro do short jeans que ela usava e leu as mensagens de a desejando mais uma vez uma boa viagem e que ela avisasse quando chegasse lá e eles já estivessem instalados. As duas haviam desligado uma chamada de vídeo há pouco, mas a amiga quis mandar as mensagens para reforçar o pedido: cuidado.
pedia cuidado com os próximos passos que a amiga tomaria. E de fato estava pensativa. O que V pensaria quando descobrisse que o casamento na verdade era do ex que tanto pensava ainda?
Os pensamentos dela foram interrompidos por ele chegando para buscá-la no carro que os dois haviam alugado. V desceu do carro e então ajudou a colocar as malas no porta-malas, junto às dele. E quando os dois já estavam dentro do carro, Taehyung a beijou a mão e sorriu.
- Como você está? - ele perguntou enquanto prestava atenção à via em sua frente.
- Bem e você? - ela respondeu, fitando o perfil dele.
Taehyung desviou o olhar batendo os olhos nela, que sorriu abertamente para ele.
- Estou nervoso! Vou conhecer seus pais! Tenho medo de eles não gostarem de mim!
riu, nervosa também. Ele já estava levando as coisas entre os dois a sério demais e sentiu o coração murchar no peito.
- Relaxa! Quem tem que gostar de você, já gosta! Que sou eu!
O sorriso que ele deu fez gargalhar de tão brilhante.
- Uau! - foi o que ele conseguiu soltar antes de gargalhar também.
- Prometo que meus pais são legais! Eles são mais quietos, mais introvertidos, mas eles sabem receber!
- Não se preocupe com isso! Eu tenho certeza que sim! Eu comprei uma garrafa de vinho para eles, já que você comentou que eles têm costume de tomar todo dia à noite…
sorriu para V. Ele era tão atencioso, prestava sempre tanta atenção em todos os detalhes.
- Não precisava ter se incomodado com isso, V!
- Mas não foi incomodo nenhum! Imagina chegar lá de mãos abanando? Não, senhora! Eu teria vergonha!
Os dois gargalharam brevemente juntos. E então Taehyung ligou o rádio do carro pedindo que pegasse o celular dele e conectasse na mídia do carro, porque ele tinha preparado uma playlist especial só para a viagem e sentiu o coração vibrar. Ele estava tão empolgado com aquilo tudo… pegou o celular dele já desbloqueado e então clicou no ícone verde do Spotify já dando de cara com a playlist que ele havia montado. não pôde evitar sorrir. Já com a primeira música tocando, ela fechou os olhos, sentindo o vento bater em seu rosto e cabelos.
V a observava pelo canto dos olhos e hora ou outra ele se virava para vê-la melhor. Tão linda! Era só o que ele conseguia pensar enquanto a observava cantarolar as músicas, com os olhos fechados e os cabelos ao vento. E quando finalmente eles entraram na estrada, os dois cantavam animadamente uma das músicas juntos a plenos pulmões, enquanto encostavam a lateral das cabeças uma na outra. Depois explodiram em gargalhadas.

****************************************************************************************************

A mãe e o pai de os aguardavam já na pequena propriedade deles, ambos abraçados pela cintura um do outro. Ansiavam muito em ver a filha depois de tanto tempo! Estavam morrendo de saudade dela, e bom, ansiosos para conhecer o tal pretendente…
e V desceram do carro e ela sorria sem parar ao olhar os pais, e então basicamente correu na direção deles, os abraçando com força. Taehyung apenas se pôs a observar a cena com as duas mãos no bolso, se sentiu muito feliz por , já que ela falava com tanto carinho dos pais e sabia que ela sentia muita falta dele. Aquele momento certamente era especial para ela depois de tanto tempo sem vê-los e, ao mesmo tempo, V sentiu falta dos próprios pais, já que no caso dele, infelizmente a saudade não era temporária…
sentiu as lágrimas que estavam presas em sua garganta lutando para se libertarem, mas foi mais forte que elas. Estar ali era tão gratificante e ao mesmo tempo tão triste! Trazia à tona tantas, mais tantas lembranças! Abraçou os pais com força e depois um de cada vez, enquanto eles conversavam todos juntos. Beijou a bochecha da mãe com força fazendo-a rir, já vermelha com o gesto. E então ela, no meio dos dois, disse aos pais que estava feliz por estar lá e com muitas saudades. Os pais disseram que tê-la lá era o que eles mais queriam durante todos esses anos. E assim, os três olharam na direção de Taehyung, que sorriu, tímido, sem mostrar os dentes na direção deles.
- Vem, V! - ela chamou com a mão.
V caminhou vagarosamente sob o olhar atento dos pais de , e sentiu as pernas vacilarem. Os dois não esboçaram nenhuma reação quando ele de fato se aproximou e ele se questionou se aquilo era bom ou ruim, se seria um mau sinal ou só o jeito deles mesmo…
apresentou o rapaz aos pais, alheia a qualquer sinal de aprovação ou de desaprovação por parte deles, até porque os dois eram amigos antes de qualquer coisa. Depois disso, o pai de e Taehyung pegaram as malas no carro e eles todos adentraram a casa principal, já que havia uma outra, menor, nos fundos da propriedade. Os dois adentraram a casa e Taehyung ficou impressionado com o tamanho dela e com o quanto a casa era extremamente organizada e limpa. Os dois subiram as escadas atrás da matriarca da família e observava os detalhes da casa que morou por quase toda a vida, como se nunca tivesse a visto antes. A casa não havia mudado basicamente nada! Aquilo aqueceu o coração de .
A mãe dela abriu a porta do quarto antigo de , que para a surpresa dela, também continuava igual. O cheiro gostoso de limpeza invadiu as narinas dela e de V.
- Preparei seu quartinho para te receber, filha! E se o moço - ela virou o rosto na direção dele –, V, não é? Não se importar de dormir num colchão do lado da sua cama…
Taehyung prontamente respondeu que de maneira alguma, por ele qualquer canto estava ótimo! A mãe de , séria, sorriu sem mostrar os dentes para ele que sorriu de volta.
- Vou deixar vocês se ajeitarem enquanto eu termino a mesa para a gente tomar um café! Seu pai foi lá buscar o Nicholas na casa de um amigo! Fica à vontade, V!
E então ela saiu, deixando os dois sozinhos. entrou primeiro no quarto, sentindo as lembranças daquela época lhe invadirem. Ela depositou suas malas, uma sobre a cama e outra no chão, do lado direito de sua pequena cama de solteiro. Depois de ficar algum tempo passeando pelo quarto e deixando as lembranças vaguearem pela mente, ela pousou os olhos em Taehyung, parado na porta do quarto, ainda segurando as malas e observando-a, com um sorriso discreto nos lábios. Sorriu de volta para ele e então o convidou para adentrar o quarto. V assim o fez e ajeitou as malas dele por lá e os dois se sentaram na cama dela.
- Tá feliz de estar aqui, ? - ele segurou a mão dela com carinho.
- Muito! Estava com muita saudade dos meus pais! - ela mordeu o lábio, receosa, encarando o chão - E estou feliz de estar aqui, mesmo não gostando muito da cidade!
- Muitas lembranças? - ele acariciou a mão dela.
assentiu que sim enquanto sorria para ele. Taehyung subiu a mão livre para o rosto delicado dela e a acariciou por lá, sentindo-a relaxar ao seu toque. Ele estava tão feliz de estar com ela! De eles estarem cada vez mais próximos, mais íntimos… Ele sentia que ela confiava nele a cada dia mais, enquanto ele se apaixonava mais e mais.
Logo os dois se levantaram e mostrou a ele os cômodos que ficavam na parte de cima da casa, o quarto dos pais, depois o quarto do irmão e por fim o banheiro da casa. Haviam dois banheiros, um na parte de cima e outro na parte debaixo. Depois os dois desceram, quando ouviram o pai avisar que Nicholas já havia chegado. Os irmãos se abraçaram, meio sem jeito um com o outro e Taehyung sorriu para o adolescente.
- Esse é o Taehyung, Nick! Ele trabalha exatamente na área que você quer também! Lembra que te falei dele?
O adolescente alto e franzino assentiu que sim com a cabeça enquanto apertava firmemente a mão de V. Logo eles se sentaram na extensa mesa da cozinha da casa, e como uma boa família do interior, havia muita fartura. Logo Taehyung e Nicholas emendaram um papo profundo sobre a carreira de V enquanto conversava com os pais.
Depois os dois subiram e ajeitaram algumas coisas no quarto dela e no banheiro da casa e e ele se arrumaram para sair. sabia que não havia basicamente nada de extraordinário para mostrar a Taehyung na cidade, mas queria muito mostrar a ele o píer de Piedade, onde a vista era uma das mais bonitas que já havia visto, além de haver algumas lojinhas e restaurantes por lá. Os dois logo estavam prontos e desceram as escadas, encontrando a mãe de sentada, tricotando.
- Vou levar o V para dar um rolê na cidade! Alguma novidade lá pelo centro desde que fui embora?
A mãe subiu o olhar para os dois e sorriu. A filha estava tão linda!
- Nada, ! - ela fez um muxoxo - Você sabe como é, não é? Leve-o no píer! Com certeza ele vai amar!
Ela voltou a tricotar e V engoliu seco com a secura da futura sogra. Bom, futura sogra sim, se o universo estivesse ao seu lado.
- É! Foi a primeira coisa que pensei! Cadê o pai e o Nick?
tocou a mão dele, entrelaçando-as e o olhar da mãe dela bateu por lá. V voltou a engolir seco com a cara que ela fez antes de responder e voltar a se concentrar em seu tricô.
- Nick está no quarto jogando e seu pai está na lida, minha filha! Vão logo, senão vão perder o pôr do sol!
assentiu, depositando um beijo no topo da cabeça da mãe e ela saiu arrastando V pela mão, que apenas gritou um até logo para a mãe de , que nada disse.
Os dois pegaram o carro e saíram pela cidade, passando rapidamente pelo centro, onde , com descrença, apenas apontava para os lugares que ela achava menos desinteressantes, fazendo Taehyung rir do desânimo quase palpável da voz dela. Enquanto guiava o caminho dele até o píer, ela explicava sobre a história da cidade para ele na época dos Imperadores e etc.
O sol já começava a se pôr quando eles chegaram ao bendito píer e Taehyung não tinha palavras para descrever tamanha a beleza do lugar. Os dois, de mãos dadas, caminharam pela ponte enquanto Taehyung ainda tinha a boca aberta, espantado com o quão bonito era o lugar.
- Caramba, é lindo aqui! - eles pararam para observar o pôr do sol.
sorria, observando mesmo que Taehyung. Ela deitou a cabeça sobre o ombro dele, se lembrando de quantas e quantas vezes ela não estivera ali com Gabriel, daquele mesmo jeito… engoliu seco enquanto fechava os olhos e sentia à vontade de chorar invadi-la. levantou o rosto e encarou os olhos de Taehyung. Ele sorriu sem mostrar os dentes.
- Que foi? - ela segurou o rosto dele entre as mãos - Aconteceu alguma coisa?
- Me lembrei da agora! Eu estou um pouco preocupado! Me esqueci de comentar com você que ela e o JK terminaram!
- Como assim, V? - arregalou os olhos - Eles se davam tão bem! Eram tão bonitinhos juntos! Por quê?
Taehyung soltou um suspiro alto, enquanto passava a mão pelos cabelos.
- Ela não quis entrar em detalhes comigo! Só disse que eles não tinham tempo um para o outro, e bom, ele me disse que ela falou a mesma coisa para ele! Tadinho, ele tá confuso, sabe? Ele disse que a falou que eles não tinham tempo um para o outro e que não vinha funcionando, mas que para ele vinha funcionando bem, ele estava até pensando em pedi-la em namoro!
balançou a cabeça em negativa, ainda surpresa com a notícia.
- Mas ela está bem?
- Eu não achei que ela ficou bem! Por ter sido ela a tomar a decisão, achei que ela estivesse tranquila, mas já não acho mais! Ela diz que está, que é só cansaço, mas eu a conheço! - V também balançou a cabeça em negativa.
- Caraca! Vou conversar com ela quando a gente voltar! Vai que comigo ela se abre, por eu ser mulher, não é? - acariciou o rosto dele com as mãos.
Taehyung sorriu para ela, encostando as testas dos dois. fechou os olhos e se aninhou mais nos braços dele, que a abraçava pela cintura agora. Taehyung tomou a liberdade de beijá-la, cedeu passagem para a língua quente dele. Taehyung sorriu entre o beijo enquanto apertava com delicadeza a cintura dela, sentindo o coração tamborilar dentro do peito de paixão. Nem se ele quisesse negar, conseguiria: estava apaixonado. Completamente…
Entregues ao momento e completamente alheios ao redor, o beijo prosseguia, ainda com a delicadeza característica de V, enquanto acariciava os cabelos pretos dele, as mãos de Taehyung agora subiam e desciam vagarosamente pelas costas dela. Quando os dois se soltaram, ainda com as testas coladas e os olhos fechados, o tempo já começava a escurecer brevemente. Os dois voltaram a encarar a vista que tinham em frente de si e depois se puseram a caminhar mais pelo lugar, passearam por algumas lojinhas, compraram lembrancinhas e se sentaram para jantar.
Antes de fazerem seus pedidos, ambos mexeram em seus celulares, ele falando com a irmã e com e Suga. Depois os dois se puseram a olhar o cardápio do lugar, foi quando ela vislumbrou exatamente tudo o que ela menos queria no dia de hoje, Gabriel e, bom, uma loira alta e bonita até demais, de mãos dadas caminhando na direção da mesa dela… Os dois se olhavam e sorriam abertamente um para o outro enquanto ela apertava o braço dele com a mão livre. A garganta de fechou na hora e a cabeça dela começou a doer com leves pontadas. Engoliu seco e voltou a focar no cardápio do lugar.
Gabriel parou subitamente assim que avistou na mesa, surpreso com a presença dela ali depois de tantos anos. Claro que ele não esperava que ela aparecesse em seu casamento, ele achou que ela inventaria uma desculpa qualquer, ou que ela simplesmente nem se lembrasse mais dele e por isso não aparecesse. O coração dele acelerou brevemente e seus olhos pousaram no rapaz que a acompanhava. Quem seria ele?
Gabriel pigarreou, chamando a atenção dos dois. Assim que o olhar de bateu no dele, ela sentiu que poderia explodir em lágrimas.
- ! - ele sorriu sem mostrar os dentes.
A noiva dele também sorria, e não conseguia parar de pensar no quão bonita a mulher era. Não que ela não fosse, afinal de contas, nunca tivera esses tipos de problemas com a própria beleza. Mas a mulher à sua frente era um nível a mais nesse quesito e era impossível não reparar. E como os dois combinavam… sentiu as pernas fraquejarem e tremerem como nunca antes, mas, mesmo com dificuldade, ela conseguiu se levantar, e desajeitadamente os dois se abraçaram.
O cheiro forte dele invadiu as narinas de , que fechou os olhos com força, sentindo as pernas ficarem ainda mais fracas, por que diabos ele tinha que estar ali? Eles não deveriam estar descansando? Ela definitivamente não estava nem um pouco preparada para vê-lo ali naquele momento. Na verdade, ela nem sabia direito por que havia topado aparecer nesse maldito casamento!
- Tudo bem? - ele falou próximo ao ouvido de antes de soltá-la.
umedeceu os lábios com a língua e então raspou a garganta, visualmente nervosa. Ela não sabia se a voz ia sair falhada, ou não. Na verdade, ela não sabia se a voz iria sair de fato.
- Tudo! - ela conseguiu responder. - E você?
É claro que estava tudo bem com ele, afinal de contas, ele estava noivo, o casamento seria no dia seguinte, ele havia se formado na profissão dos sonhos…
- Tudo ótimo! - ele apoiou uma das mãos em um dos ombros dela - Você veio! Quanto tempo, não é?
assentiu que sim, foi a única coisa no momento que ela conseguiu fazer. O olhar de Gabriel, pulou para Taehyung, mas antes, ele apresentou a noiva.
- Essa é a Scarlett, minha noiva!
sorriu sem mostrar os dentes para a mulher que a abraçou com força, parecendo ser muito simpática.
- Prazer! - colocou as mãos nas costas da mulher automaticamente.
Fechou os olhos com força outra vez, reprimindo a vontade de chorar ao sentir o cheiro doce que emanava dela.
- Prazer! - ela respondeu de volta, com a voz baixa.
Foi então que Gabriel e Taehyung voltaram a se olhar e ele se levantou, esperando o apresentar, é claro.
- Esse é o Taehyung, meu namorado. - ela engoliu seco depois de cuspir as palavras.
O ego estava ferido demais depois de ver o quão bonito casal os dois faziam, depois de ver o quão bem as coisas estavam indo para Gabriel, a dor, a confusão, a sensação de fracasso, tudo isso a fizeram cuspir aquelas palavras sem Taehyung nem imaginar que ela o faria. Os olhos dele se arregalaram levemente, e no fundo ele não achou ruim aquele gesto… Apesar de não esperá-lo nem um pouco e não ter entendido.
- Prazer, Taehyung! - Gabriel estendeu a mão na direção dele - Eu sou o Gabriel!
V apertou firmemente a mão do homem enquanto devolvia que o prazer era dele. E depois ele cumprimentou Scarlett. Gabriel e voltaram a se encarar e ela quis sumir. Ele estava tão bonito, quando ela havia ido embora ele era um garoto e agora ele era um homem!
- Você vai ficar para o casamento, não vai? - ele perguntou, receoso.
- Sim! Minha mãe me repassou o convite, e eu vim justamente para isso!
Os dois engoliram seco ao mesmo tempo.
- Fico muito feliz de te rever depois de tanto tempo, num momento tão especial para mim!
desviou o olhar para Taehyung. Ali Taehyung entendeu que provavelmente ele seria o amigo de infância a se casar amanhã. e Gabriel voltaram a se encarar, e ela respirou fundo, e então assentiu para ele.
- Bom, até amanhã então, ! Espero vocês todos lá! E bom - ele pausou - Cuida bem dela, Taehyung! Ela foi muito especial para mim quando namoramos e continua sendo uma mulher incrível, tenho certeza!
Os olhos de Taehyung voltaram a se arregalar, com um pouco mais de força dessa vez e ele apenas assentiu. Não soube formular nenhuma frase. Os dois haviam sido namorados e não somente amigos de infância? E seria ele o tal ex-namorado que ainda mexia tanto com ela? O coração dele começou a acelerar ao perceber que talvez, estivesse sendo usado…
Todos se despediram e então V, atônito, se jogou na cadeira do restaurante enquanto se sentava vagarosamente, com os olhos marejados. O que ela havia feito? Jogou a cabeça para trás quando percebeu que os olhos de V marejaram também. O arrependimento começava a machucar o peito dela, já machucado o bastante por toda a situação.
Os dois voltaram a encarar o cardápio, calados e fizeram seus pedidos. buscava os olhos de V a todo instante, mas ele não a encarava. Ele não conseguia. O coração dele ardia dentro do peito enquanto ele segurava as lágrimas. Por que ela havia decidido fazer aquilo com ele? Era tão baixo… Se lembrou de como o melhor amigo havia ficado com relação a e imaginou se seria a mesma coisa que ele sentia agora.
Os dois comeram em silêncio e Taehyung pagou a conta e se levantou, indo na frente em direção ao carro. ia logo atrás, com os braços cruzados abaixo dos seios, sentindo vergonha de si mesma. Precisava conversar com V.
Já dentro do carro, ela segurou o rosto dele com uma das mãos forçando-o a encará-la.
- V! - ela sussurrou - Eu não deveria ter falado aquilo, me desculpa! Eu me arrependi no segundo em que disse!
- Vai me dizer que isso já não estava nos seus planos desde que você me convidou?
Ela sentiu a dor dele em cada palavra da sentença. Fechou os olhos. Deixou que as lágrimas rolassem por suas bochechas.
- Vai, ! Diz! Fala que não! Fala que foi um rompante, algo dito sem pensar! Eu estou esperando! - ele elevou alguns tons na voz.
- Me desculpa! - foi o que ela conseguiu soltar - Por diversas vezes eu quis desistir! Eu juro! Mas foi mais forte que eu! Eu me senti ferida demais com toda essa situação e acabei metendo os pés pelas mãos! Eu não esperava vê-lo aqui hoje! Aquilo me pegou completamente desprevenida e foi a minha auto defesa! Eu juro que quando chegamos aqui, eu havia desistido de tudo isso! Mas, quando eu vi os dois, eu não consegui!
Taehyung engolia seco a cada palavra que saia da boca dela. Sim, ela pretendia usá-lo…
- Não tinha como ter pensado num outro plano? Numa outra forma de se vingar e relaxar o seu ego sem me usar?
colocou a outra mão no rosto dele e juntou as testas dos dois.
- Você é meu melhor amigo, V! Por favor, tenta me entender!
- , eu sou apaixonado por você! Vai me dizer que você não percebeu isso? Você… - ele pausou, retirando as mãos dela de seu rosto - Você me usou! E sabendo que eu sou louco por você!
enxugou as lágrimas do rosto, sentindo o peito arder em chamas com as palavras dele. O que ela faria agora?
- Você precisava mesmo provar alguma coisa para ele? Ele já seguiu em frente, , ele vai se casar! E você ainda quer provar alguma coisa para ele? Num ato desesperado de tentar mostrar que também seguiu em frente, que também está com alguém, que não ficou esses anos todos presa a ele, presa a alguém que sequer teve a capacidade de procurar os seus pais e perguntar onde você estava e ir atrás de você! Se ele ainda sentisse algo por você, ele teria lutado por você! Num ato desesperado desse você me usou! Você tem noção do que está causando em mim?
- Eu sei, Taehyung! Não precisa me machucar mais ainda!
- Mas eu posso me machucar? Você pode me machucar desse jeito?
- Me desculpa! - ela voltou a olhar para ele - Eu sei o quão errada eu estou! Foi sujo da minha parte! Foi ridículo e eu tenho plena consciência disso! Me perdoa! - ela segurou a mão dele.
- Vamos voltar para a sua casa! Eu preciso dormir um pouco, a minha cabeça está doendo!
- Você é uma das melhores coisas que já me aconteceu, Taehyung! - ele ligou o carro depois de colocar o cinto.
- E você era meu bilhete premiado da mega-sena, que foi roubado. - ele fechou os olhos brevemente.
- V! - ela suplicou, com a voz embargada - Não fala assim!
suspirou alto enquanto passava as mãos pelo rosto, desesperada.
- A gente pode conversar amanhã? Eu não tenho condições de falar com você agora, !
Ela assentiu enquanto virava o rosto na direção da janela. O que ela faria agora? Como os dois se resolveriam? Pediu tanto ao universo que não perdesse a cumplicidade que tinham um com o outro! Havia pisado na bola e sabia muito bem disso, mas já estava arrependida. Como ela conquistaria a confiança dele de novo?
Taehyung dirigia concentrado na estrada, sentindo o coração latejar a cada batida enquanto segurava firmemente as lágrimas. Não daria esse gostinho a ela, mesmo que estivesse quebrado por dentro. E ele estava… Não havia palavra que melhor definisse seu estado: estava completamente quebrado.
Os dois adentraram a casa já escura e então Taehyung subiu as escadas dela vagarosamente para não acordar os moradores que já dormiam. Ele ouvia os passos também vagarosos de logo atrás dele. Assim que ele se sentou na cama dela, a luz do pequeno quarto foi acesa, e eles se encararam de novo.
- V! - ela voltou a suplicar, enquanto caminhava na direção dele.
- Não, ! Por favor! - ele tentava se afastar dela enquanto ela, ajoelhada, segurava os pulsos dele.
- Eu só quero dizer que se você quiser, pode ir embora amanhã! Não vou te pedir para ficar aqui sabendo o quão magoado você está com tudo isso! Seria ainda mais ridículo da minha parte exigir que você participasse desse maldito casamento!
- Eu vou ficar! - ele assentiu enquanto umedecia os lábios.
- Não precisa, V! - ele se levantou, conseguindo se desvencilhar dela.
fechou os olhos com a repulsa que agora ele demonstrava por ela.
- Eu não estou perguntando se você quer que eu fique. Estou dizendo que vou ficar e pronto.
levantou e voltou a abraçar a si mesma, sentindo a força das palavras dele lhe atingirem mais fortes que um tapa.
- Eu vou tomar um banho e venho ajeitar a sua cama! - enquanto ela passava por ele, Taehyung a segurou pelo braço.
Os dois olharam um nos olhos do outro. quis fechar os olhos quando enxergou a dor dele ali.
- Você podia simplesmente ter me pedido, ! Você podia ter jogado limpo comigo! Se eu sou seu melhor amigo, por que você simplesmente não me pediu para interpretar esse papel? Eu teria aceitado, agora… - ele suspirou. - Você acabou com tudo!
Ela fechou os olhos, sentindo as lágrimas começarem a se formar.
- Eu sei, Taehyung! - a voz embargada dela invadiu os ouvidos dele - E eu pedi tanto aos céus para não perder o que estávamos construindo! Mas você está agindo como o Seokjin! Você mesmo o aconselhou tanto a não agir de cabeça quente e dar uma chance à ! Por que você não pode fazer o mesmo comigo?
Ele a soltou e bagunçou os cabelos, sentindo dor.
- Talvez eu tenha o aconselhado dessa forma porque não havia doído em mim, mas agora dói! Dói muito!
encarou os olhos marejados dele e logo em seguida ele se virou de costas para ela. Ela saiu para tomar seu banho e Taehyung se permitiu chorar quando ouviu a porta sendo fechada atrás de si, escorando o corpo nela e se entregando a toda a dor que sentia. não estava diferente no banho, chorava sem parar, por tudo! Por estar ali, por ter magoado V, por ter que ver o ex-namorado que achava ser o grande amor de sua vida se casando com outra, por ver que no fundo, no fundo, não se sentia realizada em nada, sentia frustração, raiva, tristeza, dor…
Quando voltou para o quarto, a cama de V já estava perfeitamente arrumada e ele deitado virado para a porta, mas de olhos já fechados, sem encará-la. fechou os olhos e limpou as duas lágrimas teimosas que desciam por sua face, já inchada de chorar. Ela ajeitou sua antiga cama e enquanto caminhava até a porta para apagar a luz, ela o viu lá de pé, pronto para apagá-la. Os dois se encararam, e ela sabia que ele havia chorado, os olhos estavam vermelhos. Ela quis abraçá-lo com força e implorar que ele a perdoasse.
- Sabe, , você pode amar muito uma pessoa e achar que ela é boa para você e de repente descobrir que ela não é. E você pode saber disso e continuar amando-a, achando que o amor vai torná-la boa para você. Mas amar uma pessoa não necessariamente a torna boa para você, e eu aprendi isso hoje! Espero que você também aprenda um dia!
E ele apagou a luz, deixando em pé perto de sua cama enquanto ela o ouvia se ajeitar em seu colchão. Assim que ela também se deitou, voltou a chorar copiosamente com as mãos sobre o rosto. Ela tentava chorar em silêncio, afinal de contas, não queria tornar a situação ainda mais incômoda para Taehyung.
De olhos fechados, ele a ouviu começar a chorar e sentiu o coração em frangalhos, quebrar e doer ainda mais. Fechou os olhos com força e tapou os ouvidos como uma criança mimada, mas não foi o suficiente, o barulho do choro dela ecoava direto no peito dele. Emburrado, ele jogou o cobertor com força para o lado e se levantou alcançando a cintura dela com a mão. Levantou o cobertor dela e se espremeu ao seu lado na pequena cama de solteiro onde ela estava.
sentiu o corpo quente dele se encaixar ao dela enquanto as mãos dele pousaram em sua barriga. O corpo quente dele ali, só fez ela chorar mais, enquanto ele a beijava na cabeça.
- Dorme, ! Dorme! Amanhã é outro dia, e eu ainda estou aqui! Dói ainda mais em mim te ouvir chorar desse jeito, e mesmo quebrado, eu estou do seu lado! Dorme!
assentiu enquanto tentava em vão engolir o choro, ela acariciava com carinho as mãos dele. Taehyung deixou que ela acariciasse o local e fechou os olhos ao mesmo tempo em que encostava o queixo no topo de sua cabeça. Respirou fundo, soltando todo o ar preso em seus pulmões enquanto colava ainda mais o corpo no dele no mesmo momento em que deixava as lágrimas escorrerem livremente pelo rosto. Taehyung dava beijos castos em seus cabelos e cabeça, tentando fazê-la se acalmar, enquanto sentia o coração quebrar mais e mais dentro do peito. Mesmo quebrado, vê-la daquele jeito mexia muito com ele, não queria vê-la sofrendo, mesmo que ela tivesse o despedaçado.
Cansados, logo os dois pegaram no sono, abraçados.

****************************************************************************************************

acordou e se sentou em sua cama, assustada e dolorida, provavelmente pelo mal jeito em que havia passado a noite nos braços de V… acordara assustada justamente por não senti-lo colado a ela na pequena cama, mas deu de cara com ele entrando no quarto com os cabelos molhados e a toalha em volta dos ombros. Os dois se encararam e ela suspirou, aliviada, com uma das mãos no peito. Nenhuma palavra foi trocada entre eles e ela foi tomar mais um banho, Taehyung a esperou se banhar e, em silêncio, os dois desceram as escadas. cumprimentou os pais, a mãe com um beijo na bochecha e o pai com um beijo na testa, bagunçou o cabelo do irmão. V cumprimentou todos com um bom dia e se sentou ao lado de Nicholas e de frente para , logo toda a família engatou uma conversa aleatória, com a participação de Taehyung. Depois o pai de questionou se ele gostaria de conhecer a propriedade e um pouco da rotina do trabalho, e ele prontamente topou, agradecendo mentalmente pelo convite, já que não queria ter que ficar o resto da manhã encarando e muito menos queria ter que conversar com ela sobre todo o ocorrido. Não ainda.
aproveitou para ajudar a mãe com algumas encomendas de tricô, enquanto as duas fofocavam sobre a vida dos conhecidos da época que ainda morava lá. Ajudou, conseguiu não pensar no ocorrido por algumas horas, então a mãe foi preparar o almoço e ela aproveitou para jogar conversa fora com o irmão. Quando o almoço ficou pronto, Taehyung e o pai de voltaram, conversando, animados e sorriu, observando a cena. O sorriso dele morreu assim que o olhar dos dois se encontrou. E abaixou a cabeça, sentindo o peito arder. Mesmo assim, ela serviu a comida no prato dele e colocou em sua frente quando ele se sentou à mesa. Ele sussurrou um “obrigado” e assentiu, engolindo seco. Os dois sentaram-se lado a lado no almoço, conversaram sobre o que Taehyung havia achado da propriedade e da rotina e logo em seguida Nicholas e ele voltaram a falar sobre a profissão de V…
Assim que o almoço acabou, ele se ofereceu para lavar as louças e a mãe de dispensou a ajuda, dizendo que os dois deveriam começar a se arrumar para o casamento, já que eles ainda teriam que viajar quase uma hora de Magé a Niterói e que eles eram muitos para se arrumar. Os dois subiram em silêncio novamente e adentraram o quarto. Os dois se sentaram na cama de solteiro do quarto e se encararam.
- Pode tomar banho primeiro! Vocês mulheres demoram mais para se arrumar por causa da maquiagem e etc, então pode ir primeiro!
- V! - ela se atreveu a colocar a mão sobre a dele - Se você quiser, a gente fica! Ou se você quiser ficar sozinho, não tem problema! Eu digo que você se sentiu mal e acabou tendo que ficar!
Taehyung retirou a mão debaixo da dela com delicadeza e se afastou de na cama. Ela quis chorar e encarou o teto, engolindo o choro.
- Não! Eu vou com você! Não foi para isso que você me trouxe? Para ser seu trofeuzinho? Não foi para esfregar na cara do grande amor da sua vida que você também tinha alguém? Um namorado novo? Pode deixar que vou interpretar o meu papel direitinho!
ainda encarando o teto, deixou duas lágrimas escaparem, as limpou e então se levantou.

****************************************************************************************************

Já pronta, ela respirou fundo, se olhando no espelho do quarto da mãe, já que estava se arrumando lá.
- Você está linda, minha filha! - a mãe que começava a se arrumar murmurou, se aproximando dela - E pensar que você poderia estar ainda mais linda vestida de noiva, não é?
fechou os olhos, sentindo como se um tapa lhe atingisse e a mãe pediu desculpas.
- Tudo bem! Eu só não sei de onde tirei essa ideia ridícula de vir a esse casamento!
Ela balançou a cabeça, sentindo os olhos marejarem com força. Sentiu as mãos da mãe lhe tocarem os ombros e elas se olharam pelo espelho.
- Você ainda o ama, não o ama, filha?
engoliu seco. Será que realmente o amava ainda ou aquilo tudo era apenas seu ego ferido? Se perguntou mais ainda se teria valido a pena envolver V nessa história toda correndo o risco de perder a história bonita que os dois poderiam continuar escrevendo.
- Acho que sim! Mas as vezes acho que só estou ferida com tudo isso por, sei lá, não ter seguido em frente enquanto havia tempo, sei lá, mãe!
- E esse rapaz? - as duas continuaram se encarando.
- O que tem ele, mãe?
- Por que você está com ele?
- Que tipo de pergunta é essa, mãe? Porque eu gosto dele!
- Mas ele gosta de você?
voltou a marejar os olhos com força. Se a mãe soubesse…
- Muito mais do que a senhora pode imaginar!
A mãe soltou um muxoxo enquanto se afastava da filha. não entraria a fundo naquilo, não hoje! Já estava tudo bagunçado o suficiente.
- Vou esperar vocês na sala!
- Se vocês dois quiserem já ir, filha! Os convites individuais estão na sua bolsa, eu os coloquei lá! Tem o endereço do local! Eu ainda preciso me maquiar e o Nicholas foi tomar banho agora!
assentiu e pegou a bolsa que estava sobre a cama da mãe e saiu, se encontrando com o pai no corredor. Ele lhe beijou a testa depois de a elogiar e ela voltou a respirar fundo antes de começar a descer a escada.
Taehyung, sentado no sofá com a cabeça baixa, se questionava o porquê de tudo aquilo. Levantou a cabeça automaticamente assim que ouviu passos na escada, dando de cara com segurando a barra do vestido de cetim avermelhado enquanto olhava para baixo tomando cuidado para não se desequilibrar.
Ele se levantou e caminhou até o degrau final da escada e estendeu a mão na direção dela, que surpresa, porém grata, tocou a mão dele. Os dois se encararam e Taehyung teve certeza que o coração poderia sair pela boca tamanha a beleza da mulher. Ele acreditava nunca tê-la visto tão bonita… Aquilo terminou de quebrá-lo por dentro.
acreditava que ele estava ainda mais bonito do que o próprio noivo estaria. O terno slim preto parecia ter sido feito sob medida para ele. O nó da gravata dele estava torto e um tanto quanto mal feito. Assim que ela terminou de descer a escada com a ajuda dele, os dois estavam frente a frente, os corpos próximos demais, tão próximos que eles podiam sentir a respiração um do outro. colocou a bolsa embaixo de um dos braços e levou as mãos até a gravata dele, desfazendo o nó mal feito, ele abaixou o olhar acompanhando os movimentos dela, que consertava a bagunça que ele havia feito.
- Nunca fui muito bom com gravatas! - ele pigarreou.
- Você está incrivelmente bonito!
Os dois se olharam.
- Os seus pais e o Nick já estão prontos?
umedeceu os lábios, ela sabia que era demais, mas esperou ouvi-lo dizer que ela também estava bonita.
- Não! Agora que minha mãe começou a maquiagem e o Nick deve ter saído do banho agora. Nós vamos na frente!
- Ok! - ela terminava de ajeitar a gravata dele.
Já prontos ela gritou que os dois estavam saindo. Dentro do carro os dois, em silêncio, começaram o trajeto.

****************************************************************************************************

Os dois foram durante quase uma hora de viagem calados e sentia dores terríveis de estômago, incomodada no nível máximo com o clima horrível, a gastrite nervosa com certeza estava atacada.
Na cabeça dela, ela só conseguia pensar em como havia deixado todas as coisas na sua vida chegarem até aquele ponto. Se perguntava por que havia dado tanta prioridade aos estudos e à carreira, se esquecendo de todos os outros aspectos de sua vida. Se sentia sozinha, a não ser , que outros amigos ela tinha? Tirando o belo salário e o emprego quase dos sonhos, o que mais ela tinha?
O único namorado que havia tido durante seus quase vinte e nove anos, estava prestes a se casar, a mãe havia comentado que ele havia se associado a família da noiva, assumindo além do próprio negócio o negócio da família dela também, ele viajava para fora do país com frequência, a noiva era uma das garotas mais bonitas que já havia visto, e os dois deveriam estar realizados e felizes. se sentia perdida e com uma enorme sensação de não pertencer a lugar nenhum dentro da própria vida. Quando ela finalmente estava conseguindo construir uma relação gostosa com V, o passado e toda aquela sensação de não pertencimento, misturada com a raiva, com a tristeza, com a frustração e o ego ferido a fizeram estragar tudo! Não estava nem um pouco preparada para ver Gabriel entrando naquele salão para se casar com outra mulher e deveria ter desistido disso tudo antes mesmo de convidar V para a tal viagem. Agora ali estavam os dois, emburrados dentro de um carro, sem sequer olhar nos olhos um do outro.
ajeitou o vestido longo de cetim vermelho no corpo e depois tocou o colar que usava, ajustando-o também, enquanto Taehyung caminhava para se colocar ao lado dela. O coração de acelerou quando ele ofereceu o braço para que ela envolvesse com o dela. Ele estava falando sério sobre continuar com aquela palhaçada inventada por ela?
passou o braço no dele e o viu soltar um suspiro, parecendo exausto. Ela abaixou a cabeça enquanto eles caminhavam até a entrada do grande e belo salão, se sentia um lixo. Taehyung só conseguia pensar que mesmo quebrado por dentro e morrendo de vontade de deixá-la sozinha para que aprendesse que aquilo não se deveria fazer com ninguém, ele resolveu que colocaria o melhor sorriso no rosto, seria o homem mais gentil, educado e carinhoso que todas as pessoas daquela cidade já haviam visto na vida, era isso que queria, não era? Não a decepcionaria como ela havia feito com ela. Não conseguia e nem queria deixá-la decepcionada, mesmo ela tendo o ferido como ninguém antes.
entregou ao recepcionista do local os dois convites individuais e os dois adentraram o grande salão, depois de o recepcionista dizer que havia o nome da família na mesa. Os dois, agora de mãos dadas, com Taehyung a guiando pela mão, tomando a frente da situação. Ela se sentia envergonhada ao ver alguns olhares conhecidos sobre ela e V. Logo os dois acharam a mesa onde a família de deveria se sentar, e então Taehyung puxou a cadeira gentilmente para que pudesse se sentar. Um perfeito teatro, que só fez querer ir embora dali. Logo alguns conhecidos da infância e adolescência começaram a se aproximar da mesa deles, atraídos pela curiosidade do belo moço que trazia a tiracolo. A maioria daquelas pessoas, assim como , já não morava mais ali. cumprimentava os conhecidos e o próprio Taehyung se adiantava, se apresentando como namorado dela, o que fazia marejar os olhos e abaixar a cabeça todas as vezes. Ela engatava conversas superficiais com os colegas e ex-amigos de infância, sobre “onde você está morando agora?”, “tá fazendo o que da vida?” e coisas do gênero.
Quando os dois finalmente voltaram a se sentar, V passou um dos braços em volta dos ombros de , pousando de namorado, é claro. Ele sussurrou no ouvido dela assim que os pais dela adentraram o lugar:
- Você precisa fingir melhor! Temos que ser um casal perfeito, se esqueceu? Você precisa mostrar para as pessoas aqui e especialmente para o Gabriel, que você seguiu em frente e que está feliz! E com essa cara, não vai dar! Eu estou fazendo minha parte!
fechou os olhos com força, sentindo os pelos dos braços se arrepiarem com a voz grossa dele invadindo seus ouvidos nada preparados para tal ato, e apertou os lábios um contra o outro, com a dor de ouvi-lo dizer aquilo. Voltou a se sentir vazia e sem pertencimento.
Os pais de se sentaram à mesa com os dois e então Taehyung pôs-se a observar de fato o grande e luxuoso salão, o tal Gabriel deveria mesmo ser rico. O lugar exalava luxo do chão até os lustres no teto. A mesa deles dava uma visão privilegiada do altar improvisado no salão, e ele automaticamente acariciou o braço de com as pontas dos dedos, pensando no quanto aquela visão poderia machucá-la. Balançou a cabeça, cessando o rápido carinho. Ele não deveria continuar se preocupando se ela se machucaria ou não, já que ela não havia pensado muito sobre isso quando o envolveu naquela sujeira toda.
Exatas meia hora haviam se passado desde que haviam chegado ao local e V conversava animadamente com Joaquim - o pai de - e Nicholas. Ele havia se levantado mais uma porção de vezes para cumprir o papel de falso namorado durante esse período. A cerimônia foi iniciada com a entrada dos padrinhos. Uma boa parte deles não conhecia… A vida dele havia mudado mesmo! Até o círculo de amizade dele era outro hoje.
Então vislumbrou a silhueta de Gabriel adentrar o lugar. Engoliu seco, sentindo o coração começar a saltar dentro do peito e as mãos tremerem. Ele estava absurdamente bonito e sorria tanto que iluminava todo o ambiente, o sorriso dele sempre havia sido bonito, pensou então os olhos se carregaram de água. Taehyung evitou olhar diretamente para ela, não queria vê-la sofrendo para não ceder ao que sentia por ela. O noivo, já posicionado no altar, deu uma olhada geral no salão e então bateu os olhos em . O sorriso dele diminuiu um pouco enquanto ele assentiu com a cabeça, em um cumprimento, para ela e a família.
Após alguns minutos de espera, a hora mais aguardada por quase todos presentes ali, chegou. Scarlett adentrava a igreja acompanhada do pai, um coroa simpático, pelo que julgou V. Taehyung passou as mãos e braços para trás de si mesmo, e mantinha apenas o corpo encostado ao de , algo que não passou despercebido por dona Sônia, a mãe. Os pedacinhos do coração de , se quebraram ainda mais, se é que aquilo era possível, ao ver o quão deslumbrante ela estava no vestido - provavelmente exclusivo - branco que evidenciava todas as curvas possíveis do corpo dela.
Ao bater os olhos em Gabriel ela o viu chorar com as mãos tapando o rosto, emocionado ao ver Scarlett adentrar a igreja. Aquilo havia sido a última pá de terra jogada sobre ela. Teve certeza que não significava mais nada para ele ali. Taehyung, impaciente, mexia o corpo levemente, para frente e para trás. V só queria voltar para o Rio de Janeiro o mais rápido o possível e ainda teria uma noite pela frente…

************************************************************************************************

Depois da cerimônia as comidas começaram a ser servidas, e pela primeira vez desde tudo, sentiu fome. Serviu um pratinho para ela e para Taehyung, caso ele quisesse comer. Os dois comeram juntos, os braços de Taehyung variavam de lugar: hora nos ombros dela, hora na cintura. Mas ele somente o fazia quando via alguma movimentação na direção da mesa onde estavam. Era esse o papel que ela queria que ele representasse, não era? Assim ele o estava fazendo. não negaria que gostava muito da sensação das mãos dele ali, passeando. Mas sentia-se mal. Ainda pior agora que de fato o casamento havia acontecido.
Depois que os dois comeram ambos se levantaram, quase que sincronizados e em uníssono sussurraram um “vou ao banheiro”. Caminharam juntos até o local onde ambos os banheiros ficavam. Lá no banheiro feminino ouviu as conhecidas elogiarem o “namorado” dizendo que ele parecia estrangeiro, e que era inclusive muito mais bonito que Gabriel. , mais sem graça impossível, apenas sorria e assentia com a cabeça enquanto lavava as mãos. Já fora do banheiro ela deu de cara com Gabriel, já sem o paletó e sem a gravata. Não conseguia se mover, parecia presa ao chão. Os olhos dela marejaram ao mesmo tempo em que arregalaram, ele estava indo falar com ela? E sem a noiva? E sem Taehyung por perto?
- Está tudo bem? Gostando da festa? Falei com seus pais agora mesmo! Onde está seu namorado? Não o vi na mesa…
engoliu seco e se questionou se seria capaz de formular alguma frase coerente para qualquer uma das perguntas que ele despejou sobre ela.
- Ele está no banheiro também! E sim, claro! Tudo bem e a festa está linda! Parabéns! A Scarlett é uma mulher muito linda! Vocês fazem um casal bonito, na verdade!
- De verdade? - ele questionou sério para .
- Claro, Gabriel! Eu espero que você seja muito feliz! - ela voltou a engolir seco.
- E eu também desejo que você seja muito feliz! E que esteja realizada, já que, bom, você saiu daqui tão nova para se dedicar aos estudos, e pelo que sua mãe me falou hoje você trabalha exatamente aonde quer, não é?
apenas assentiu. Aquele não era o momento de os dois conversarem sobre as vidas, sobre como ambos estavam se sentindo, esse tempo, infelizmente parecia haver passado.
- Espero que se divirta hoje! E, … - ele pausou - Venha ver seus pais mais vezes! Eles sentem muito a sua falta.
Quando ele assentiu e ia se afastar, o chamou.
- Posso fazer uma pergunta? - foi a vez de Gabriel engolir seco.
- Claro!
- Se eu não tivesse ido embora, se eu tivesse ficado aqui com você, ou esperado você decidir que rumo sua vida teria tomado, seria eu no lugar da Scarlett?
arregalou os próprios olhos com a pergunta e os fechou logo em seguida. Arrependida.
- Quer saber? - ainda de olhos fechados, ela suspirou - É melhor você não me responder! Eu tenho certeza que independente da resposta, eu me magoaria!
Gabriel vislumbrou Taehyung escorado na parede do banheiro acompanhando e ouvindo a cena, e então ele limpou uma das lágrimas que escorriam pela bochecha de , deixando-a lá, de fato, sem a resposta.
Assim que abriu os olhos e se virou para começar a caminhar de volta para a mesa, os olhos dela e de Taehyung se encontraram. Ah, droga! Pensou. Só faltava ele ter ouvido tudo e as coisas piorarem ainda mais entre os dois. Ela precisava tanto dele! Praguejou mentalmente outra vez. Quando tocou o peito dele, V balançou a cabeça em negativa diversas vezes antes de deixá-la no vácuo e sair andando de volta para mesa. O olhar ainda mais magoado do que antes fez querer inflar o peito e gritar. Ele com certeza havia ouvido a conversa. Por que diabos aquilo tudo estava acontecendo com ela de uma vez só?
Voltou para a mesa e não o viu lá, perguntou ao pai que estava na pista de dança com a mãe - eles estavam se divertindo horrores - se eles haviam o visto e o pai disse que não. então foi procurar por ele, encontrando-o na parte de fora do grande salão, ele digitava algo no celular e ela se perguntou com quem ele falava.
Além de tudo, ele ainda se preocupava com a irmã, que havia respondido que não trabalharia nem nesse sábado, nem no domingo, então aproveitaria para dormir os dois dias e que não se sentia bem o suficiente nem para sair do quarto, e confidenciou ao irmão que há dois ou três dias atrás, ela havia visto Jungkook todo sorridente em um bar com uma garota, e que em determinado momento, ela havia inclusive feito carinho no rosto do garoto. disse que não queria preocupar o irmão enquanto ele se divertia na viagem tão aguardada por ele. Se ela soubesse…Preocupado, ele acabou entrando no Instagram para dar uma olhada rápida no que acontecia por lá, e acabou vendo um stories de , toda arrumada dizendo que naquele dia não haveria live, pois ela sairia com as amigas. Um estalo.
Rapidamente ele ligou para , torcendo que ela atendesse.
“Alô! V?” - ele ouviu do outro lado da linha e sorriu, satisfeito.
se aproximando, viu o sorriso tímido brotar no rosto dele. De certo falava com a irmã. Mas se assustou ao ouvir outro nome.
“Isso, ! Sou eu! Me desculpa te ligar uma hora dessas!”
“Você não está em Niterói com a ?”
O som do viva voz ecoou nos ouvidos de . Sentiu a boca amargar, então V era íntimo o suficiente dela para fazer ligações assim? Os dois conversavam tanto assim ao ponto de a garota saber da viagem dos dois? Aquilo doeu em com força e ela percebeu que o amargor na boca era nada mais, nada menos que: ciúmes.
Se sentiu enciumada de saber que ele também era íntimo da garota! Se sentiu enciumada de saber que ele contava intimidades para ela também…
“Estou! Mas te liguei porque queria muito pedir um favor! A minha irmã e o Jungkook, não estão mais juntos! E, bom - ele suspirou pesadamente -, ela não está bem com isso, sabe? Ela até o viu com outra menina.”
arregalou os olhos ao vê-lo contar da intimidade da irmã para . Usualmente ele faria aquilo, com ela.
“Que pena, V! Gosto muito da sua irmã! Ela e o JK eram uma gracinha!”
involuntariamente revirou os olhos.
“Pois é! E eu vi que você disse que vai sair com as garotas, não é? Seria muito eu te pedir para arrastá-la com vocês? Eu estou longe e não consigo cuidar dela! Aliás, hoje não consigo cuidar nem de mim!”
sentiu os olhos arderem. Ele falaria sobre tudo aquilo com ela também? Eles eram melhores amigos e não ele e !
“Como assim? O que aconteceu?”
“Nada! Depois falamos sobre isso em outro momento! Se você puder fazer o que te falei por mim, eu já agradeço!”
“Claro, Tae!”
sentiu além dos olhos arderem o peito também. Os dois eram íntimos…
“Me avise se conseguiu?”
- respondeu que sim e eles se despediram carinhosamente.
Taehyung desligou e deu de cara com parada lá, com os olhos em chama e assustada. “1x1” ele pensou ao passar por ela.

**************************************************************************************************

- Você se importa se formos embora? - questionou já de pé, pegando a bolsa.
Taehyung subiu o olhar até o dela.
- Não está gostando da festa? - ele se levantou também.
Os dois estavam nervosos naquele momento.
- Por favor, Taehyung! - ela pediu, entredentes - Agora não! Eu só quero ir embora antes que escureça ainda mais!
- E os seus pais e seu irmão?
- Eles não devem voltar tão cedo! Estão se divertindo horrores, inclusive meu irmão!
- Você é quem manda! - ele sussurrou contra os lábios dela, irônico.
De mãos dadas, para terminar a encenação, os dois saíram do grande salão com dando uma última olhada em Gabriel e Scarlett trocando selinhos e carinhos. Dentro do carro, silêncio. estava louca para chegar na casa dos pais e poder enfim chorar sem vergonha ou medo. Taehyung se pudesse voltaria para o Rio hoje ainda.
Ao chegarem na casa Taehyung foi o primeiro a subir as escadas, já se desfazendo da gravata.
- Preciso de um banho! Você se importa se eu for primeiro?
- Não! - a voz dela embargada invadiu os ouvidos de V.
Ele assentiu e os dois adentraram o quarto dela, com V arrancando o paletó do corpo e jogando-o sobre a mala enquanto tirava os brincos. Ela observou V pegar a toalha e sair do quarto. era uma pilha de emoções outra vez: raiva de si mesma e da situação em que se encontrava de novo, tristeza, ciúmes, mágoa e especialmente: frustração.
Taehyung não estava nem um pouco diferente: sentia raiva de , raiva daquela casa, daquela cidade… as veias do braço acabaram dilatando quando ele se lembrou de Gabriel enxugando as lágrimas de . Já dentro do chuveiro ele deixou a água morna cair por suas costas enquanto fechava os olhos. Cerrou um dos punhos e então o bateu na parede à sua frente com força enquanto segurava o choro ao se enfiar embaixo do chuveiro.
Abriu os olhos e se virou frente a porta do banheiro, levando um grande susto ao encontrá-la aberta e parada lá, escorada no batente dela. Os olhos dela passearam vagarosamente pelo corpo dele. Taehyung sentiu a garganta fechar com o olhar dela passeando por lá.
- O que você tá fazendo aqui? Eu me esqueci de trancar a porta!
- Eu percebi! - ela adentrou o banheiro ainda vestida com o vestido da festa, mas agora descalça e sem as joias.
- Certo, e o que você está fazendo aqui? Veio me pedir para continuarmos a mentir para os seus pais ao longo do tempo? Até você inventar mais uma mentira, de que terminamos ou sei lá o quê?
- Você não precisa mais ser cruel comigo, V! Eu já estou sofrendo o suficiente! Eu não sou uma mentirosa!
- Ah, não, ? Você mente para si mesma há anos! Você sabe distinguir o que é real do que é fantasia na sua vida? Já que você precisou fazer tudo o que fez para se sentir melhor com relação a si mesma! Você sequer chegou mesmo a me considerar de verdade?
fechou os olhos, mordendo os lábios de raiva.
- Se tem uma coisa que foi real nessa história, foi o que eu senti! - abriu os olhos - O que eu ainda sinto, V! Você precisa me perdoar em algum momento! Você não pode ficar com raiva de mim para sempre!
- Eu posso! - ele alterou o tom de voz algumas dezenas - E é isso que estou sentindo inclusive, no momento! Você pode, por favor, me deixar terminar o meu banho?!
- Não! - foi a vez de elevar a voz enquanto se aproximava do box - Você acha que eu não estou com raiva também? Não estou frustrada com toda esta merda que eu fiz? Estou tanto quanto você, Taehyung!
E ele viu as mãos dela subirem para o laço que prendia a parte de cima de seu vestido vermelho e V parou de respirar por alguns instantes enquanto via o vestido descer pelo corpo dela, deixando-a quase nua a não ser pela calcinha de renda da mesma cor do vestido. O olhar dele, ainda que atônito, percorreu por seu corpo enquanto ela adentrava o box para se juntar a ele no banho.
- O que você pensa que está fazendo, ? - ele raspou a garganta.
- Luta por mim, desiste, não!
V fechou os olhos e se esquivou com dificuldade do corpo dela quase colado ao seu. As mãos dele foram de encontro ao box, abrindo-o levemente. segurou as mãos dele, basicamente as arrancando de lá e colocando-as em sua própria cintura.
- Joga a tua verdade toda na minha cara, mas antes de ir embora eu te impeço! Para! Sei lá se esse é o nosso último segundo, então me beija! Com raiva mesmo! Me beija com raiva!
As mãos de Taehyung subiram da cintura dela para sua nuca e pescoço, e ele assim o fez: a beijou. Com raiva.
A língua dele mal pediu passagem, apenas invadiu a boca dela com força enquanto ele a prensava contra a parede. sentiu os músculos retraírem levemente com o gelado da parede invadindo seus sentidos e quando a água morna tocou suas mãos que estavam na cintura de Taehyun,g ela cravou as unhas por lá. Taehyung mordeu o lábio inferior dela com força fazendo o mesmo arder e quase sangrar. sentia a raiva dele sendo extravasada ali, então subiu as mãos pelas costas dele deixando arranhões por lá que certamente deixariam marcas. Taehyung suspirou sofrido nos lábios de , enquanto sentia a pele arder com a água batendo nos vergões levantados pelas unhas dela.
agarrou os cabelos negros dele em uma das mãos enquanto a outra deslizava agora pelo peito e barriga dele, deixando os mesmos arranhões deixados nas costas. Taehyung jogou levemente a cabeça para trás com os olhos fechados, sentindo a água lhe molhar os cabelos assim que a mão dela tocou seu membro, já rígido de vontade de senti-la.
A mão dela deslizou para cima e para baixo enquanto ele apertava a cintura de com força o suficiente para fazê-la sentir dor. Um gemido rouco escapou dos lábios dele quando a mão de intensificou o movimento em seu membro. puxou os cabelos dele fazendo com que a água batesse agora em seu pescoço. As mãos de Taehyung apertaram mais a cintura dela e ela gemeu de dor e prazer, ao mesmo tempo em que ele também.
Taehyung encostou a testa na dela encarando profundamente os olhos de e a boca dele devorou a dela outra vez, enquanto alternava os movimentos com a mão, entre rápidos e muito lentos, torturando Taehyung. Foi a vez dele embrenhar as mãos nos cabelos negros dela puxando-os com delicadeza, queria torturá-la para fazê-la pagar por tudo que havia feito.
Os lábios dele pousaram no pescoço exposto dela enquanto ele retirava a mão dela de seu membro, ou gozaria rapidamente com o calor e precisão dos movimentos dela. Com a mão livre V, prendeu os pulsos de enquanto ele chupava com força o pescoço dela. de olhos fechados, tentava se livrar das mãos dele, queria tocá-lo, não queria ser privada de sentir o calor da pele dele em suas mãos. Mas ela soube que estava sendo punida, quando os dentes dele cravaram seu mamilo esquerdo sem piedade alguma gemeu alto, e sentiu a mão dele aumentar a pressão em seus pulsos.
Agora a língua de V circundava por seu mamilo fazendo-a sentir a intimidade pulsar, ela apertou as coxas uma na outra na intenção de aliviar o incômodo, mas logo Taehyung a impediu, colocando uma das coxas no meio de suas pernas. gemeu ao sentir a coxa quente e molhada dele entrar em contato com sua intimidade ainda coberta pela calcinha, ela não queria ter pudor nenhum naquele momento, não estava em condições de pensar com consciência e clareza. Esfregou a intimidade inchada na coxa dele enquanto gemia baixinho. Taehyung sentiu o membro pulsar com o calor da intimidade dela ali, pressionando sua coxa. Assim que a boca dele subiu, deixando traços molhados pelo pescoço dela, ela o sentiu mordiscar o lóbulo da sua orelha, o corpo dela arrepiou, sentindo a mordida e então ela gemeu.
Finalmente Taehyung a soltou deixando que ela envolvesse os braços em volta do seu pescoço e os dois colaram os lábios com força. As línguas brigavam uma com a outra, como se estivessem lutando. não conseguia manter as mãos em um lugar só e distribuía arranhões pelas costas e ombros de Taehyung. Ela abriu lentamente os olhos quando ouviu o barulho da água cessar, o coração dela batia descompassadamente dentro do peito e ela encarou os olhos ainda mais escuros de Taehyung enquanto ele encostava a testa na dela. Os lábios voltaram a se chocar violentamente enquanto os dois caminhavam cegamente para fora do banheiro. Os lábios não se desgrudaram por um minuto, os corpos molhados deixavam os dois ainda mais extasiados e envolvidos. Nem o barulho da porta do quarto batendo fortemente atrás dos dois fez com que os lábios se desgrudassem. As mãos de Taehyung a seguravam pelas costas firmemente enquanto as de estavam embrenhadas nos cabelos negros e molhados dele. Os lábios só se desgrudaram quando os dois caíram pesadamente sobre a cama de solteiro do pequeno quarto.
As mãos de Taehyung desceram vagarosamente pela lateral do corpo dela, provocando novos arrepios em sua espinha. fechou os olhos enquanto Taehyung descia a única peça de roupa que ainda estava no corpo dela. E ele foi beijando cada pedaço ao alcance dos lábios, inspirado, poderia ser a última vez. As coxas, a virilha, o umbigo, os seios, as axilas, a boca. A boca. Principalmente a boca. Como se Taehyung quisesse imprimir à tinta as digitais dos lábios dele nos dela, para que ela nunca mais pudesse negar que ele esteve por ali.
mantinha os olhos fechados e só os abriu quando deixou de sentir o calor do corpo de Taehyung sobre o seu, buscou por ele com os olhos pelo quarto e se desesperou levemente quando não o encontrou sob suas vistas. Mas logo ele estava de volta segurando o rosto dela entre as mãos, depositando uma mordida forte, quase dolorida no lábio inferior dela. cravou as unhas com a mesma intensidade em sua cintura e o viu fechar os olhos com força, satisfeita com a reação dele resolveu ir com mais força, sentindo Taehyung afundar as mãos em seus cabelos, puxando-os.
Os dois ainda se olhavam quando sentiu outra vez o macio do colchão sob suas costas enquanto encarava os olhos embebedados de luxúria de Taehyung. Há quanto tempo ela não se sentia desejada daquela forma? Colocou os lábios nos dele outra vez, mas não o beijou. Taehyung então depositou um selinho demorado nos lábios dela enquanto rasgava o preservativo com as mãos. Então era por isso que ele havia sumido por alguns instantes? passou uma das mãos pelo abdômen dele, admirando-o enquanto ele vestia o membro. voltou a fechar os olhos quando sentiu o membro rígido dele pressionar sua entrada, sem pudor algum, se abriu para que ele pudesse se ajeitar melhor. Foi quando ela sentiu um dos longos dedos dele circundarem seu clitóris, fazendo com que ela mordesse o lábio inferior segurando um gemido. Ela subiu as mãos para os próprios seios, apertando-os com força enquanto sentia o dedo de Taehyung pressionando com força seu ponto mais sensível.
- Por que você é tão linda? - ele sussurrou, encarando o rosto de .
Ela abriu os olhos enquanto sentia Taehyung a invadir lentamente. Os dois encostaram as testas e ouviu um gemido rouco escapar da garganta dele e não resistiu, gemeu também. Os dois ficaram assim por um período curto de tempo, apenas se sentindo e encarando-se até que Taehyung começasse a se movimentar. o envolveu com os braços, colando ainda mais o corpo ao dele, que gemia baixo no ouvido dela, como se quisesse provocá-la.
Os dois voltaram a se beijar enquanto os movimentos de Taehyung aceleravam gradativamente, ele sabia que não aguentaria por muito mais tempo, mesmo que sua vontade fosse permanecer dentro dela a noite toda… sentia as próprias paredes apertarem o membro de Taehyung com força, mordeu o lábio superior dele enquanto o ouvia suspirar pesadamente sobre ela. Os dois separaram os lábios e Taehyung levantou o corpo ficando posicionado entre suas pernas. sentiu as mãos dele lhe pressionarem com força nos quadris enquanto ele entrava mais e mais dentro dela. Os movimentos já não eram nada piedosos ou lentos e Taehyung rosnava coisas sem sentido.
As unhas de lhe castigavam a pele do abdômen e barriga enquanto ela sentia o estômago começar a apertar, sentindo que seu orgasmo estava perto. Taehyung voltou a deixar o corpo cair pesadamente pelo corpo de , afundou o rosto na curva suada do pescoço dela e mordiscou a pele enquanto mantinha o mesmo ritmo dos quadris dentro dela. embrenhou as mãos em seus cabelos, puxando-os ferozmente, enquanto sentia as ondas de prazer se intensificarem. Taehyung soube que ela havia chegado lá quando sentiu as paredes dela praticamente engolindo seu membro, o apertando com força. sussurrou o nome dele enquanto sentia os músculos das pernas tremerem com a força do orgasmo. Taehyung veio logo em seguida, os gemidos dele invadiram os ouvidos ainda inebriados de .
Assim que ela saiu do banho os dois se encararam, com ele já se preparando para dormir, enquanto terminava de arrumar o colchão, desviando o olhar do dela. o abraçou pela cintura, encostando a cabeça nas costas dele. Os músculos de Taehyung enrijeceram. A cabeça dele ainda estava zonza com tudo o que havia acontecido. O coração de batia forte, acelerado.
- Deita comigo? - ela pediu, com a voz embargada.
Taehyung suspirou profundamente e então assentiu que sim com a cabeça. Por que ele ainda fazia tudo o que ela o pedia?
Os dois se ajeitaram na pequena cama e se aninhou no peito dele enquanto sentia as mãos dele em sua cintura. Os dois em silêncio. se questionava o que seria deles depois de hoje? Taehyung pensava mil coisas ao mesmo tempo. Foram interrompidos pelo toque do celular dele.
- Você pode pegar para mim? - ele pediu baixo.
assentiu enquanto levantava o corpo, se esticando o suficiente para alcançar o celular dele na mesinha de cabeceira ao lado de sua cama. Sorriu sem mostrar os dentes ao ver que era uma chamada de vídeo de .
- É a sua irmã! - entregou o celular para V.
Taehyung sorriu de lado, aquecendo o coração de . V pegou o celular das mãos dela e atendeu a chamada da irmã. Sorriu abertamente ao ver a irmã ao lado de .
sentiu um arrepio percorrer a espinha quando ouviu a voz de ecoar junto a de . Cruzou os braços abaixo do peito se escorando na cabeceira da cama. Quis chorar outra vez. Ouviu os três conversarem rapidamente e ouviu V mentir que estava tudo bem, que ele estava bem. Os dois trocaram um olhar rápido e ouviu pedir ao irmão que mandasse um beijo para ela. Gostava da enfermeira, então sorriu sem mostrar os dentes outra vez. voltou a questionar como estava tudo por lá, como havia sido o casamento e ouviu mais duas vozes se juntarem rapidamente à chamada, provavelmente e , amigas de . Engoliu seco quando Taehyung alegou que depois ele contava melhor os detalhes da viagem e do casamento. Fechou os olhos com força. A chamada foi encerrada e sentiu o calor do corpo dele enquanto ele se aproximava da mesa de cabeceira para colocar o celular lá de volta. Os dois se encararam e Taehyung tinha os olhos bem marejados. tocou o rosto dele encostando a testa na dele.
Logo os dois se aninharam outra vez, e adormeceram.

****************************************************************************************************

No dia seguinte, acordou e o vislumbrou arrumando as malas perto dela.
- Bom dia! - ela arriscou.
- Bom dia! - ele respondeu, sem olhá-la - Podemos ir embora agora pela manhã, por favor?
o viu engolir seco. Se levantou da cama e assentiu que sim enquanto passava por ele para ir até o banheiro. Assim que ela voltou para o quarto, ele já não estava mais lá. se trocou, não sem antes fechar os olhos se lembrando da noite de ontem. Da pressa dos lábios dele passando pelo corpo dela, da força em que ele a apertava ou segurava, dele dentro dela, de como a sensação de tê-lo lá, era gostosa e parecia tão certa…
document.write(Jaqueline) sabia que a mãe não havia gostado muito dele, mas se ela soubesse... Avisou a mãe que eles só tomariam o café e já iriam, ela deu uma desculpa qualquer, nem sabia direito o que havia falado.
Se despediu da mãe com um abraço apertado, o pai lhe beijou a testa e o irmão acenou para ela de dentro da casa. A mãe pediu que ela não demorasse a voltar, apenas sorriu. Não queria voltar tão cedo, infelizmente. As lembranças da cidade natal já eram ruins, agora eram ainda piores. V se despediu dos pais de já perto do carro e os dois entraram. foi chorando basicamente o caminho todo, enquanto olhava a vista, sem se concentrar de fato nela. Taehyung não esboçava reação nenhuma, ele só queria chegar logo em casa para poder descarregar toda a frustração e dor que ainda sentia. Vê-la ali chorando, só piorava as coisas.
Assim que chegaram na porta do prédio dela, Taehyung a ajudou a retirar as malas de dentro do porta-malas do carro. Em silêncio. Os dois se encararam quando ele o fechou.
- V… - ela umedeceu os lábios - Sobre ontem à noite…
Ele a interrompeu bruscamente, sentindo os olhos se encherem d’água.
- Ontem à noite foi um erro, ! E não vai acontecer nunca mais!
engoliu seco com as palavras duras e frias dele atravessando-lhe o coração como adagas. Ele deu a volta entrando no carro e indo embora, deixando sozinha na porta do prédio, com as malas e a dor no peito.



Sexagésimo Sétimo Capítulo - Anestesia

buzinou na porta do prédio de que apareceu na janela e fez um sinal para que a amiga esperasse. Provavelmente estava terminando de se arrumar, sempre fora enrolada, mas as amigas já estavam mais do que acostumadas. Enquanto esperava a amiga, ela recebeu uma mensagem de agradecendo pelo convite, mas informando que preferia ficar em casa, pois não estava uma boa companhia. resolveu ligar para ela. Atenderia o pedido de V, já que os dois estavam se tornando bons amigos e também porque ela gostava de , e achava que ficar em casa não ajudaria em nada de fato. atendeu a ligação e sorriu.
- Me manda aí o seu endereço, senhorita! Em vinte minutos eu quero você pronta! Sem desculpas, !
forçou o riso e então se sentou na cama, vislumbrando o próprio reflexo no espelho. Amanhã ela estaria de folga novamente, então por que não? Estava sozinha em casa e a solidão a corroía por dentro e a fazia pensar ainda mais em Jungkook. O irmão já havia a enchido de mensagens e ela sentia tanto a falta dele! Mas não o atrapalharia, ele quis tanto que essa viagem chegasse logo!
- Eu não quero atrapalhar vocês, ! É uma noite de amigas, certo? Não vou atrapalhar!
entrava no carro, observando a amiga ao telefone.
- Não! Jimin e Namjoon também vão estar lá! Não é exatamente um girls night e mesmo que fosse, você não atrapalharia! E bom, o V acabou comentando comigo, sobre você e o JK! Ficar em casa não vai ajudar!
trocou olhares com , que tinha a testa franzida. Como assim a morena não estava mais com o menino que tinha sorriso de coelho? Sim, ela inclusive havia comentado com as amigas e com Jimin que o achava uma gracinha e que ele tinha sorriso de coelho. Mas ela também achava que os dois - e Jungkook - faziam um casal extremamente fofo. Que pena! suspirou do outro lado da linha. pegou o telefone das mãos de .
- Estamos passando aí em vinte minutos, ! Você não vai ficar na fossa por causa do menino coelho! - gargalhou pesadamente do outro lado - Eu não gosto de ver mulheres que eu acho potencialmente fodas, na fossa! Manda o seu endereço para a , estamos indo!
E desligou! gargalhou alto, pegando o celular de volta.
- Ai, ! Só você! - as duas se encararam.
- Ah, ela me parece ser superlegal! Não gosto de ver mulher sofrendo por causa de homem, você sabe disso! Perda de tempo! - ela ajeitou os cabelos atrás da orelha.
- Você está muito cheirosa para o meu gosto, mocinha! - voltou a rir, dando partida no carro.
- Exagerei no perfume será? - ela cheirou os pulsos.
Jimin gostava daquele perfume, então por que não usar? Se sentiu boba, aconselhando a não sofrer por homem enquanto ela estava ali banhada no perfume para agradar Jimin. Balançou a cabeça.
As duas logo engataram uma conversa animada sobre a tal boate em que iriam, já que ela era famosa na cidade e elas nunca haviam ido lá, as expectativas estavam altas para aquela noite. O celular de vibrou com o endereço de e as duas sorriram vitoriosas por terem convencido a potencial amiga a ir com elas. Depois de alguns minutos, elas chegaram na porta da casa dela e avisou que já estavam na porta, mas que ela poderia ficar tranquila caso ainda não estivesse pronta. Alguns minutos depois, elas ouviram o portão da casa ser trancado. observou que a garota era de fato muito bonita. Ela vestia uma saia preta de um tecido que imitava couro, uma meia calça cobrindo as pernas e uma blusa da mesma cor da saia de gola alta e mangas longas, nos pés uma bota sem salto. O menino coelho estava perdendo um mulherão, foi o que pensaram as amigas.
Assim que ela entrou no banco traseiro, sorriu para as garotas. Cumprimentou-as, que a elogiaram. ficou vermelha, mas gostou dos elogios.
- Obrigada por terem me convidado, meninas! Fico completamente perdida sem o Tae por perto!
- Relaxa, vamos cuidar bem de você e arrumar um gatinho para você esquecer o menino coelho!
riu outra vez do apelido engraçado que havia arrumado para Jungkook. Ela parecia ser muito engraçada e espontânea, havia gostado daquilo, apesar de se identificar um pouco mais com .
- E a outra amiga de vocês? - ela questionou, se referindo a - Não vai?
- Vai! - assentiu - Ela já deve estar lá inclusive esperando a gente, ela é um pouco paranoica com horário, sabe?
e gargalharam juntas enquanto sorria. Estava se sentindo até um pouco melhor com a energia altiva das garotas.
As três foram jogando conversa fora até chegarem a tal boate, estacionou o carro em um estacionamento que ficava em frente ao local e elas vislumbraram acenando para elas bem perto da entrada da boate. As amigas se cumprimentaram primeiro e logo em seguida e se abraçaram rapidamente.
- Ué, cadê seu namorado? - , inocente, perguntou enquanto a encarava.
e soltaram um muxoxo.
- O quê? Terminaram? - ela tocou o braço de - Tão bonitinhos!
sorriu sem mostrar os dentes. Ela não tinha como saber, tadinha!
- Ele não era bem meu namorado! - riu, desgostosa - E não, não estamos mais juntos! Infelizmente!
- Poxa, me desculpe! - acariciou o braço de .
- Não precisa se desculpar! - as duas sorriram.
- Vamos entrar então, garotas? - ajeitou os cabelos.
- Mas e os meninos? - perguntou, confusa.
- Eles que lutem para nos achar lá dentro! - ela deu de ombros.
Já dentro da boate, as três resolveram pedir suas bebidas primeiro antes de se posicionarem em algum lugar específico de lá. Resolveram ficar num lugar mais afastado da entrada, onde o som parecia estar um pouco mais baixo, permitindo que elas conversassem sem precisar gritar uma no ouvido da outra.
- Não tem chances mesmo do Hoseok aparecer aqui amiga?
segurou a cintura dela, abraçando-a de lado. sentiu o coração apertar ao se lembrar que não o havia chamado, será que se ele soubesse, ficaria chateado de não ter sido convidado? Ela tinha certeza absoluta que ele não iria, e teve o apoio de Jimin, que conhecia Hoseok ainda melhor que ela.
- Amiga, só se o Jimin der com a língua nos dentes e acontecer um milagre de Jesus!
As amigas gargalharam.
- Bom, o Jimin é fofoqueiro! - deu de ombros.
- Ele mesmo me jurou, de pé junto, que o Hoseok só toparia se estivesse sendo ameaçado de morte, então…
- E como estão as coisas com o Namjoon? Hoje eu vou ver vocês dois dando um pega ou nada?
bateu no ombro de , sentindo as bochechas esquentarem. O que pensaria dela?
- Para com isso! Eu nem sei como de fato estão as coisas entre nós! Justamente por isso eu o chamei aqui! Preciso entender o que está rolando na cabeça dele! Porque se for só sexo, ele precisa deixar isso claro para mim, a gente tem que alinhar as expectativas e eu quero explicar para ele que fiquei chateada com a forma que foi o nosso último encontro!
já havia sacado que ela estava ficando com os dois homens, e parecia que um não sabia do outro. Não se intrometeria, é claro, ainda não era íntima o suficiente para fazer qualquer questionamento ou dar qualquer palpite.
- Você não acha que está na hora de abrir o jogo para os dois? Assim, só talvez, amiga! - se inclinou para ficar mais perto dela.
- Não sei! Talvez esteja, mas eu tenho medo da reação dos dois!
e se olharam.
- Se algum deles quiser algo com exclusividade, eles têm que deixar isso claro! E bom, eles precisam saber! - apertou a cintura da amiga.
sentiu a cabeça dar um nó. Olhou para .
- Você é solteira! E quem nunca ficou dividida entre dois homens, não é? Sei que não sou íntima o suficiente, mas acho que as meninas têm razão!
e ela sorriram uma para outra. E sim, as amigas tinham razão. Ela precisava contar para eles, temendo a reação deles ou não.
- Eu vou contar! Assim que conversar com o Joonie hoje! Prometo! - ela beijou os dedos.
As amigas mudaram de assunto enquanto bebiam e dançavam uma música ou outra, até que informou que iria buscar Jimin na entrada para ele não se perder ou demorar a achá-las. sentiu o coração começar a palpitar no peito, então abaixou o olhar para tentar se acalmar. Odiava essas sensações que ele causava nela, como se ela não tivesse mais controle do próprio corpo, como se tivesse apenas dezesseis anos e ele fosse seu primeiro amor… não gostava de se sentir perdendo o controle das coisas, especialmente por causa dele.
Enquanto tentava se acalmar, voltava com ele a abraçando pela cintura. Os dois sorriram um para o outro, e logo depois Jimin gargalhou de algo que dizia. amava a gargalhada dele… balançou a cabeça, afastando os pensamentos. Os dois se encararam pela primeira vez na noite. Ficaram assim por alguns segundos, até que cortou o momento, levantando a cerveja que tomava da mesa, tomando um gole dela. Jimin a cumprimentou com um beijo na bochecha e então ele fez o mesmo com , surpreso por ver a garota ali. Logo depois ele se posicionou ao lado de , os dois se cumprimentaram apenas com um aceno de cabeça, bem rápido e discreto. Jimin odiava aquilo! Ele queria beijá-la na frente das amigas. Não só na frente das amigas, ele queria poder beijá-la quando e onde quisesse, na frente de qualquer pessoa, como um casal normal faria. Mas não, lá estava ele tendo que engolir todo seu desejo porque ninguém sabia dos dois. O cheiro gostoso do perfume que ele gostava invadiu suas narinas com o vento leve que o ar condicionado emanava pela boate, e ele sorriu abertamente, fazendo questionar do que ele ria.
- Nada! É só que você está muito cheirosa! - ele sussurrou rapidamente ao pé do ouvido dela enquanto as garotas conversavam animadamente.
Os pelos da nuca dela se arrepiaram com a proximidade dos lábios dele em seu ouvido e especialmente com a voz dele sussurrada. umedeceu os lábios, e se esforçou muito para não esboçar nenhuma reação. Jimin a conhecia, quase como a palma da própria mão, sabia que ela havia derretido com o comentário, mas ela jamais demonstraria aquilo na frente das amigas.
ria de algo que e Jimin comentavam sobre o aspecto da escada que dava acesso ao segundo andar da boate, onde ficava a área VIP e também o fumódromo. Eles comentavam que as escadas eram confusas, parecendo as escadas de Hogwarts em Harry Potter. Mas então o riso dela desapareceu em segundos assim que o olhar dela bateu em Jungkook escorado no balcão da boate a poucos metros de distância dela. E em frente a ele, a mesma garota que ela havia visto com ele dias atrás num bar enquanto voltava do trabalho. Ele já havia seguido em frente… tão rápido assim? Pensou . E o que ele estava fazendo lá? As meninas certamente não o haviam chamado, Jimin será? Os dois seriam já próximos assim a ponto de se convidarem para os eventos que o outro ia? Não, ela pensou outra vez. Era coincidência, ou castigo do destino mostrando a ela que de fato, o melhor era que ele seguisse sua vida sem ela… mas doía. abaixou a cabeça assim que o olhar dos dois, distraidamente se cruzou. Jungkook torceu para que aquilo demorasse de fato a acontecer: ver outra vez. Ele havia tentado contato com ela diversas vezes, mas sem sucesso, ela o ignorava. Resolveu que tentaria seguir em frente, já que ela parecia estar fazendo isso, afinal de contas as mensagens e ligações haviam sido todas ignoradas. A garota à sua frente estava insistindo em conhecê-lo desde quando ele ainda estava com , então por que não dar uma chance a ela?
Ele cumprimentou com um aceno de mão e de cabeça o restante dos presentes, ir até lá seria muito. As pernas dele tremiam. Cumprimentaram de volta. Menos Os dois pegaram seus drinks e permaneceram ali no bar mesmo, Jungkook não queria perder de vista, mas também não queria ficar muito próximo de onde ela e os amigos estavam.
Jimin observou o rapaz com outra garota no bar e então olhou para . Os dois não estavam mais juntos?
- Não estão mais juntos? - ele se aproximou o suficiente para que pudesse ouvi-lo.
- Não! - ela deu um sorriso amarelo.
- Ah, que pena! - Jimin tocou o braço dela.
assentiu com a cabeça enquanto tomava mais um gole de sua bebida. Jimin vislumbrou cantarolando a música que entoava pela boate enquanto mexia o corpo no ritmo dela. O olhar dele passou brevemente pelo corpo dela dentro do short jeans que ela usava, e subiu para o decote da blusa de renda preta que compunham o restante do look de daquela noite. Engoliu seco, sentindo os lábios formigarem de vontade de passear por ali…
Caminhou em direção ao bar, deixou dois tapinhas nas costas de Jungkook que retribuiu, sorrindo. Pediu sua cerveja e então procurou pelos banheiros do lugar. Será que por lá havia algum lugar que os escondesse? Ambos os banheiros ficavam um ao lado do outro: feminino e masculino respectivamente. Havia uma grande parede tapando os dois. Seria o lugar perfeito, ele pensou. Ali perto da parede e dos banheiros, ninguém os veria, já que o lugar era escuro… Pegou o celular dentro do bolso, e mandou para ela:

Online

Vem aqui perto dos banheiros… Rápido! É a direita do bar, segue reto.



sentiu o celular vibrar dentro do bolso do short, franziu a testa e o pegou. Leu a mensagem rapidamente pela barra de rolagem do telefone e marcou como lida. , e conversavam sobre algo que ela não sabia exatamente o que, mas pareciam entretidas, não notariam sua ausência… Deixou a cerveja na mesa de onde estavam e caminhou pela pequena multidão de pessoas.
Não teve dificuldades para encontrar os banheiros e então seu olhar encontrou o de Jimin. Um sorriso sacana brotou nos lábios dele, deixando vermelha. Ela balançou a cabeça, se entregando e sorrindo também ao se aproximar dele. Uma das mãos de Jimin segurou a dela, guiando-a para mais perto dos banheiros. O coração dela palpitava no peito de ansiedade. O que ele queria? Seria o mesmo que ela?
Já mais próximos dos banheiros mal enxergava onde estava pisando então apertou a mão de Jimin com um pouco mais de força o que fez o sorriso dele aumentar, aquilo significava que ela confiava nele. sentiu as costas irem de encontro a parede preta do lugar enquanto as mãos de Jimin lhe apertaram com força na cintura. O corpo dele bateu no dela, se moldando ao seu e envolveu os braços no pescoço dele. Jimin abaixou o rosto o suficiente para conseguir depositar um beijo demorado no pescoço dela, inalando com força o perfume que tanto gostava. Não conseguiu deixar de sorrir, ele amava quando ela despropositadamente vestia uma peça de roupa que ele havia elogiado em algum momento, ou colocava um colar, anel ou brinco que ele havia comentado que achava bonito, ou quando ela simplesmente exagerava no perfume só porque era o preferido dele.
mordeu o lábio inferior enquanto sentia a boca dele depositar mais beijos em seu pescoço e o corpo arrepiava à medida em que ele subia os beijos. Beijou-lhe o queixo, depois as duas bochechas e então os lábios. O beijo começou lento e até um pouco carinhoso, mas o corpo dos dois sempre entrava em combustão quando os lábios se encontravam. Uma das mãos de Jimin subiu para a nuca dela e logo se embrenhou em seus cabelos, puxando-os enquanto a intensidade e velocidade do beijo aumentava. Jimin sentiu as mãos dela invadirem sua pele por baixo da camiseta preta que ele usava e logo as unhas grandes e bem feitas de lhe cravaram a pele. Jimin sorriu entre o beijo com a provocação e lhe mordeu o lábio inferior. Jimin aumentou a pressão nos cabelos dela, fazendo com que os dois soltassem lentamente os lábios e a boca dele voltou a pousar em seu pescoço, depois de mais alguns beijos depositados por ali as mãos de Jimin desceram para a cintura dela outra vez, apertando com força o corpo dela no seu. não pode deixar de sentir a ereção já quase evidente de Jimin se encostar à sua barriga. Ela sabia dos efeitos que tinha no corpo dele, sabia bem até demais. Desceu lentamente as mãos pelo abdômen dele até chegar em seu membro, sobre a calça mesmo. Passou vagarosamente a mão por lá e Jimin gemeu no ouvido dela com a provocação gostosa. Os lábios voltaram a se juntar, com ainda mais urgência um do outro e as línguas brigavam, mas em harmonia. Agora era que tinha as mãos embrenhadas nos cabelos pretos de Jimin. Como eles estavam maiores, ela sentia ainda mais prazer quando os puxava com força. Jimin sentia cada veia e poro do corpo chamarem por ela, como aquilo era possível?
Já sem ar, os dois se soltaram. Jimin tinha os olhos fechados tentando acalmar a respiração e os hormônios. encarava o rosto dele, mesmo sem vê-lo direito, ela sabia que ele tinha os olhos fechados.
- Você está ainda mais linda hoje! E esse cheiro! - ele voltou a enterrar o rosto na curva do pescoço de .
Aspirou outra vez o cheiro para dentro das narinas. Extasiado. gargalhou enquanto acariciava os cabelos dele.
- Você também! E eu estou amando o seu cabelo maior assim! Combina tanto com você!
sentiu a ponta do nariz dele se encostar no seu e mais uma vez, ela não o via direito, mas sabia que ele estava sorrindo. Aquele sorriso que ele sempre dava quando ela engolia o orgulho e falava algo que os ouvidos dele adoravam ouvir. Ela fechou os olhos e se permitiu sorrir também. Os dois selaram os lábios demoradamente e Jimin afastou o corpo dela levemente.
- Acho que está na hora de voltar! As meninas podem desconfiar!
Jimin depositou um beijo na bochecha dela e a avisou que ela podia ir primeiro, que logo ele iria também. Enquanto ele a vislumbrava voltar entre a multidão, o celular vibrou. Duas mensagens de Hoseok: uma perguntando se estava tudo bem e outra se ele estava com , já que ele não estava conseguindo falar com ela. Jimin engoliu seco e coçou a testa. Será que o amigo ficaria magoado? Respondeu:
Hoseok
Online

Oi, J-Hope! Amigo, tá tudo bem! Com ela e comigo! Estamos numa boate aqui na Barra, aquela bem famosa, sabe? Bom, a gente não te chamou porque você odeia esses rolês desde que eu te conheço.



Hoseok mordeu o lábio sentindo o coração acelerar. Realmente, ele odiava aquele tipo de rolê, gente demais, pouco espaço, gente bêbada derrubando bebida em cima dele, se sentia claustrofóbico naqueles lugares. Mas estava lá e ele queria muito vê-la… Será que seria bom se ele a surpreendesse aparecendo por lá e provando para ela que por ela, ele encarava até uma boate lotada? Nada respondeu ao amigo, apenas bloqueou o celular e então caminhou até o banheiro, precisava de um banho.

Voltando para onde as amigas estavam, vislumbrou Namjoon parado alguns centímetros a sua frente, mexendo no telefone, provavelmente tentando falar com . Sorriu sem mostrar os dentes e caminhou com certa dificuldade até ele, passou então um dos braços pelo braço dele, assustando-o um pouco. Mas ele colocou a mão no peito aliviado quando viu que era . Ele depositou um beijo carinhoso na bochecha dela, que retribuiu com outro beijo.
- Como você está? - ele perguntou mais próximo do ouvido dela.
- Bem e você? Segunda feira está combinado, né? Nosso jantarzinho de sempre depois de passar no abrigo! Não vai furar, Nam!
Os dois começaram a caminhar com ela na frente, Namjoon riu e então respondeu outra vez próximo ao ouvido dela.
- Eu não sou homem de furar! Ou eu vou, ou eu não vou! E nesse caso, eu vou, !
Os dois chegaram ao local onde estava reunida antes com as meninas e mexia no celular, mas foi interrompida pelos grandes braços de Namjoon a abraçando por trás, pela cintura. Ele depositou um beijo demorado na bochecha dela, que sorriu com o gesto.
- Eu ia te responder agora! - os dois sorriram um para o outro.
- Encontrei a no meio do caminho e então eu vim com ela!
Jimin se juntava novamente aos amigos. Namjoon cumprimentou o restante do pessoal. E então Jimin propôs:
- Tequila em dobro gente! Vamos pedir? - ele ergueu uma sobrancelha e depois gargalhou.
- Tequila é perigoso, Jimin, mas eu topo! - levantou sua cerveja em resposta e os dois brindaram.
Ele e caminharam até o bar para fazerem então o pedido das tais doses de tequila. Hora ou outra batia os olhos em Jungkook rindo e se divertindo com a tal garota e sentia o peito arder. Os amigos voltaram com duas doses de tequila para cada. É claro que fizeram o bom e velho ritual que todo mundo faz quando vai tomar tequila e então a mandaram para dentro.
sentiu a bebida descer queimando a garganta e então gargalhou junto a , os amigos disseram que iriam esperar um pouco mais para tomar a segunda dose da bebida, mas queria tomar em seguida, então Jimin a acompanhou. gostava da sensação que a tequila causava na boca e no corpo, queria mais. Se afastou do grupo de amigos e caminhou até o bar, fez o possível para não passar perto de Jungkook, e até conseguiu. Pediu ao barman mais uma dose, e claro a ganhou em dobro. Voltou então para a mesa, mas vislumbrou Jungkook acariciando levemente o braço desnudo da acompanhante enquanto eles conversavam. O coração saltou rápido dentro do peito e ela tomou uma das doses da bebida antes mesmo de chegar à mesa. bateu os olhos nela e na dose que ela carregava em mãos. Pensou em V…
- Está tudo bem? - cochichou no ouvido de - O Jungkook está aqui e tal…
engoliu seco e então virou a outra dose para dentro do corpo. Ela sentia não só a garganta queimar, mas o corpo todo. Tequila subia muito rápido, pensou !
- Eu não achei que doeria tanto! É a segunda vez que eu o vejo com essa menina e sei lá! É estranho, parece que não é certo, sabe?
As duas se encararam e viu os olhos dela marejarem. continuou:
- Eu sinto como se, o certo fosse ele estar comigo! É que deveria ser eu! Na verdade, ele deveria estar aqui, com a gente, comigo! - engoliu seco, tentando levar o choro junto.
assentiu e olhou na direção de Jungkook. Ele prestava bastante atenção no que a garota dizia próxima a boca dele. Torceu para que eles não se beijassem, provavelmente aquilo terminaria de destruir .
- Eu sei que a decisão foi minha! - chamou a atenção dela de volta para si - Mas não esperava ver ele seguindo em frente tão rápido!
- Eu entendo! Sei a dor que deve estar sentindo, mas vai com calma com a tequila! Os efeitos dela são devastadores, pode acreditar! - as duas riram.
Nesse momento Namjoon voltava com mais um combo de cerveja o depositou sobre a mesa, afinal de contas, o anterior havia acabado. e pegaram as suas cervejas e deu um longo gole da sua. A cabeça dela já começava a rodar então ela buscou com os olhos algum lugar onde pudesse se sentar um pouco até que achou um sofá, não muito distante de onde estavam. Avisou aos amigos que se sentaria um pouco e resolveu acompanhá-la. As duas se sentaram no pequeno sofá branco que compunha a decoração estilosa da boate e tomou coragem de perguntar.
- E por que você terminou com ele, já que ainda gosta dele, ? - colocou uma das mãos livres sobre a perna dela.
suspirou pesadamente, tomando mais um gole de sua cerveja.
- Porque eu já sabia que ia perdê-lo em algum momento! - balançou a cabeça - Não sei! Algo dentro de mim ficava repetindo isso o tempo todo. É como se eu não conseguisse deixar ninguém ficar por muito tempo na minha vida por medo, tenho medo de perder as pessoas! - as duas se olharam - Desde a morte dos meus pais! A dor foi tão grande, que eu não quero mais perder ninguém! Então prefiro deixar as pessoas irem ou nem deixar elas entrarem completamente na minha vida.
assentiu com cada palavra que saia da boca de , enquanto tomava de sua cerveja. Se identificou com ela.
- Eu também tive uma perda dolorosa! Meu irmão! Ele morreu em um acidente de moto, com vinte e nove anos. Tem pouco tempo, inclusive, eu sofri tanto que achei que fosse morrer com ele.
colocou a mão sobre a dela, como se quisesse dizer que sentia muito pela perda de . Ela entendeu.
- Também não estou querendo deixar ninguém entrar! - sorriu amarelo - Perder quem a gente ama dói demais! Eu te entendo e muito!
- Você e o Jin ainda não se acertaram?
sentiu a garganta fechar com a pergunta e a simples menção do nome dele e então juntas elas beberam mais da cerveja.
- Acho que nunca vamos! Acho que o perdi para sempre também! - mordeu o lábio a fim de segurar a súbita vontade de chorar.
- O que rolou entre vocês? Eu nunca entendi! E bom, ele é mais íntimo do meu irmão, ele não contaria para mim, então eu nunca soube! Se não quiser falar sobre isso, sem problemas, !
- Quando o meu irmão morreu, eu viajei! Não conseguia ficar em casa, tudo doía demais ainda! Eu não aceitei bem no começo! Resolvi viajar para tentar aceitar tudo melhor e me conectar comigo mesma, quando estava fazendo uma semana da morte, eu conheci o Jin em Natal. - ela umedeceu os lábios - Só que eu ainda estava muito abalada com tudo e decidida a não criar vínculo com ninguém! Primeiro porque não era esse o objetivo da viagem e segundo porque eu não queria deixar ninguém entrar! Então eu menti para ele! Meu nome, minha idade, minha profissão, minha pousada, tudo! Só não menti a cidade que morava. E bom, a gente se apaixonou nessa semana que passamos juntos. Mas eu vacilei muito. A nossa última noite foi perfeita, e no dia seguinte eu fui embora sem avisar e deixei ele desesperado, né? Então ele descobriu as mentiras e por isso reagiu daquele jeito aquele dia no bar!
arregalou levemente os olhos com a profundidade da história.
- Complicadinho, né? Mais do que eu imaginei! - as duas riram, sem graça - Vocês dois estão errados! Você por ter mentido para ele e não ter contado a verdade no dia em que foi embora, e ele por ter se apegado dessa forma! Porque ele nem sabia se você queria só sexo, por exemplo! Porque isso era um direito seu! Enfim! Espero que vocês dois consigam pelo menos conviver em paz algum dia!
sorriu, melancólica enquanto bebia mais e mais cerveja.
- Posso falar uma coisa? - assentiu que sim e continuou - Entendo o medo de perder as pessoas! Entendo mesmo! Mas no seu caso e do Jungkook, ele já tinha entrado na sua vida! Então, por que não deixar ele ficar, já que você está sofrendo sem ele?
fechou os olhos com a pergunta dela. Resolveu guardar para si a história do stalker, não gostava de falar desse assunto com ninguém. apertou a perna dela, já que sua mão continuava por lá.
- Não precisa me falar nada! Só para você, sei lá, pensar! Hum?
abriu os olhos, marejados, e então forçou um sorriso para . As duas perceberam e acenando para elas, chamando-as de volta. As duas se levantaram e ficou levemente zonza, mas a apoiou.
- O que eu disse sobre a tequila? - riu.
Já de volta os amigos tomaram a dose de tequila que ainda estava sobre a mesa e acabou tomando a dose de Namjoon, já que o “doutor” não era muito de beber, especialmente destilados. acompanhava com os olhos, balançou a cabeça. Aquilo não ia prestar! Pensou outra vez em V. Como ele reagiria sabendo que ela e as amigas estavam deixando beber daquele jeito? Mas ela é maior de idade e ela e as amigas nada poderiam fazer com aquilo. Logo ela saiu das vistas de com em direção ao bar. suspirou pesadamente e percebeu.
- Relaxa! A gente cuida dela se por algum acaso ela passar mal! A gente consegue! Afinal de contas, coitada! O menino está aqui e com outra tadinha! - assentiu.
e ela voltaram do bar alguns minutos depois, ambas com drinks iguais nas mãos, além de uma dose de tequila cada. voltou a suspirar pesadamente.
Jimin que gargalhava de alguma coisa que dizia junto a sentiu o celular vibrar no bolso, o pegou, arregalando os olhos logo em seguida. Era Hoseok, e para piorar a situação, ele perguntava onde dentro da boate eles estavam. Ele estava lá? Jimin sentiu o coração acelerar e olhou diretamente para , que percebeu que ele parecia assustado e surpreso. O que tinha acontecido?

Namjoon passou rapidamente os olhos pela boate para ver se conseguia enxergar o banheiro e então seus olhos bateram em Hoseok, e ele tinha o telefone no ouvido e parecia procurar por algo. Se lembrou do rapaz no festival, sentado ao lado de , os dois pareciam bem próximos. Provavelmente ele procurava por eles.
- Aquele cara ali, não é amigo de vocês? - ele aproximou-se de Jimin e de apontando na direção de Hoseok.
Foi então que o telefone de Jimin começou a tocar, e ambos, e Jimin olharam na direção que Namjoon apontava. sentiu a boca secar enquanto se apoiava em Namjoon, as pernas fraquejaram. O que Hoseok estava fazendo ali? Só podia ser alucinação dela! Fechou os olhos com força e os abriu logo em seguida, encontrando Jimin acenando para Hoseok e ele acenando de volta enquanto caminhava na direção deles. Parecia que os dois gostavam daquela brincadeira de aparecer de surpresa nos lugares que ela estava! O que ela faria agora? Jimin havia jurado que não havia chances nenhuma dele aparecer por lá.
Assim que se aproximou da mesa onde os colegas e amigos estavam reunidos Jimin e ele trocaram um rápido abraço e então ele cumprimentou , que tinha as bochechas vermelhas, tanto pelo álcool quanto pela adrenalina do momento, depois ele cumprimentou rapidamente , abraçou demoradamente , que lançou um olhar preocupado na direção de . Depois ele encarou , com um grande sorriso nos lábios e sorriu sem mostrar os dentes. Ela achava o sorriso dele tão brilhante! Os dois se abraçaram.
- Desculpa não ter chamado você! Achamos que você não viria de jeito nenhum! - ela falou contra o ouvido dele.
Hoseok assentiu.
- Se você não estivesse aqui, eu não viria de jeito nenhum mesmo! - ele devolveu.
O coração de batia sem parar dentro do peito, e rápido, como se ela estivesse correndo em uma maratona. Hoseok e Namjoon se encararam, ambos acenaram com a cabeça um para o outro. Namjoon sentia que havia algo sobre o rapaz que ele não sabia, e Hoseok tinha a mesma sensação esquisita, especialmente agora, olhando nos olhos dele. , e trocaram olhares, e pigarreou:
- Como você soube que estávamos aqui, J-Hope?
- Falei com o Jimin! - ele deu de ombros.
discretamente deixou um beliscão na coxa de Jimin por baixo da mesa, e ele sentiu, arregalando os olhos na direção dela.
Então ele não havia sido convidado? Namjoon também pigarreou enquanto olhava para Hoseok com o canto dos olhos e tomava um gole de sua cerveja.
- Ah, o Jimin! Claro, o Jimin!
riu desgostosamente enquanto caminhava na direção de Namjoon puxando-o pelo braço e então se colocando entre e ele. Namjoon riu da amiga. Lançou um olhar na direção de Jimin, que entendeu. Pegou uma das long necks que haviam sobrado do combo que Namjoon trouxera um pouco antes e foi até o amigo, se colocando entre ele e e entregando a cerveja para Hoseok, que agradeceu o amigo. Lá ele ficou e ele e trocaram um olhar cúmplice. Ai começou a conversar com Hoseok, percebendo que a amiga precisaria de um tempo para pensar no que faria. Os amigos, entretidos em ajudar, não se deram conta da ausência de na mesa.

Inflou o peito de ar e não aguentou quando viu a mão da garota pousar no peito de Jungkook e ele a enlaçou pela cintura ficando ainda mais próximo dela. Precisava desabafar e seria com ele mesmo! Ela não queria vê-lo beijando outra garota, não com tudo tão recente. Caminhou com certa dificuldade, já que o álcool já estava fazendo efeito, esbarrou em algumas pessoas até chegar até onde os dois estavam. cutucou Jungkook que ria de algo que a bela moça dizia. Os olhos negros dele se arregalaram fortemente quando ele encarou tão próxima dos dois. O que ela queria? Jungkook engoliu seco quando ela tomou um gole do drink que tinha em mãos. Em uma das mãos o drink e na outra uma longneck… A garota até então, calada, observou .
- Essa moça aí, ela sabe que você está a usando? Só para me ferir? - o olhar de pulou de Jungkook para a garota.
A moça então também arregalou os olhos, levemente. continuou, depois de beber mais.
- A garota aí, ela sabe que quando tem o seu corpo sua cabeça está em mim? Pensa um pouco aí, imagina quando ela descobrir que está servindo só de anestesia!
- , por favor! - Jungkook fechou os olhos.
A garota ainda olhava para , agora com a boca entreaberta. Jungkook havia comentado com ela assim que chegaram à boate que havia sido alguém muito especial para ele, e pelo visto as coisas ainda não haviam sido resolvidas entre eles.
- Imagina quando der essa notícia, que a história de vocês é uma mentira! - finalizou o drink e colocou o copo sobre o balcão.
Ela estava bêbada e Jungkook abriu os olhos, encarou a garota à sua frente, que agora olhava para ele também.
- E quantos corações vai ter que iludir para perceber que você não vive sem mim? - tomou então um gole da cerveja.
- ! Chega por hoje, né? - Jungkook tentou tomar a cerveja da mão de .
Ela tentou empurrá-lo com a mão livre, não querendo entregar a cerveja. Jungkook segurou a garrafa com mais força e a puxou da mão dele. A cerveja esbarrou no balcão se quebrando e acabou por cortar a mão com um dos cacos de vidro. O líquido acabou por molhar tanto Jungkook quanto .

passeou o olho pela boate e não demorou muito até encontrar junto a Jungkook e a garota que havia ido com ele. fechou os olhos com força! Aquilo com certeza não prestaria! Cutucou :
- está lá no JK! Vamos lá comigo ver se está tudo bem? Pede para o Namjoon vir com a gente?
assentiu e saiu na frente, cochichou brevemente no ouvido de Namjoon, que assentiu, caminhando com ela em direção ao bar. apressou o passo e se espremeu entre algumas pessoas assim que Jungkook segurou a garrafa de cerveja de , as têmporas dela doeram, aquilo ia dar merda! E em segundos a garrafa quebrou se espatifando no chão logo em seguida. e Namjoon arregalaram levemente os olhos enquanto se aproximava de que segurava a mão. Um corte. A mão de sangrava. “Puta que pariu!” Foi apenas o que conseguiu pensar.
- Está tudo bem? - fez a pergunta direcionada aos dois.
- Não! O JK está mentindo para a menina, coitada! E mentindo para ele mesmo!
olhava Jungkook que, atônito, apenas balançava a cabeça em negativa. Por que ela estava fazendo aquilo se não o queria mais?
- Calma, ! Vem, vamos lá no banheiro cuidar dessa mão primeiro, depois vocês conversam! Primeiro a gente precisa ver como está o estado da sua mão.
concordou, ainda segurando a mão e sendo guiada por em direção ao banheiro. acariciou levemente as costas de Jungkook e foi atrás das garotas.
- Você se machucou, Jungkook? - Namjoon questionou - E você, moça?
A garota, ainda de olhos arregalados e um pouco surpresa por todos os acontecimentos, apenas assentiu que não.
- Não! É Namjoon, não é? - Namjoon assentiu - Está tudo bem! Valeu! Só, pede para as meninas me darem notícias da mão dela, por favor?
Namjoon assentiu que sim e então foi para a porta do banheiro, esperar as garotas. Vai que elas precisassem de ajuda…
- Você consegue me explicar o que deu nela? - a garota questionou a Jungkook passando as mãos pelos cabelos.
- Olha! - JK umedeceu os lábios - Me desculpa! Eu não esperava encontrar com ela essa noite e muito menos que ela viesse até mim!
- Entendo! Parece que vocês dois não terminaram muito bem! O que você aprontou? - ela riu, sem graça.
- Nada! Foi ela quem quis acabar tudo! - Jungkook engoliu seco - Eu não sei o que aconteceu, mas vou descobrir! E olha, ela tem razão!
Jungkook coçou a nuca, olhando pros cacos de vidro no chão, sem querer encarar a acompanhante.
- Sobre nós dois? - ela segurou o queixo de Jungkook, forçando-o a olhar para ela.
- Sobre eu não ter a superado ainda! E estar apenas tentando tapar um buraco! Me desculpe por isso!
A garota apenas assentiu com a cabeça.
- Tudo bem, JK! Essas coisas acontecem! Pelo menos você foi honesto agora, me dizendo ainda a tempo, antes que as coisas evoluíssem! - eles se encararam em silêncio - Bom, acho que a noite já deu para mim! Vou para casa!
- Eu levo você! - ele ofereceu.
A garota recusou.
- Fica! Você quer saber como ela está, fica!
Depositou um beijo rápido na bochecha dele e então foi.

Já dentro do banheiro lavava cegamente a própria mão com o auxílio de enquanto as observava.
- Gente, vocês viram? - ela balbuciou enquanto tentava estancar o sangramento da mão dela - Ele não falou nada! Nada! Ele me deve uma explicação, eu tenho que voltar lá!
suspirou e se aproximou das duas, ajudando com o sangue que descia pia abaixo.
- Não, senhora! - olhou para ela pelo reflexo do espelho do banheiro.
- Você precisa ir para o hospital ver essa mão e depois casa, senhorita! Você procura o Jungkook depois!
- Não foi nada! Nem tá doendo! - mentiu - Eu mesma posso fazer o meu curativo! Não se preocupem com isso! Mas eu preciso falar com ele! Vocês entendem?
Os olhos dela marejaram. depois de enxugar as mãos acariciou as costas dela.
- Se você insistir nisso, eu vou ligar para o seu irmão! - ameaçou .
abaixou o olhar e então observou a própria mão. Não queria atrapalhar e muito menos preocupar o irmão.
- Não, ! - ela fez um biquinho - Não precisa!
- Então vamos! Eu vou te levar numa farmácia para a gente ver essa mão e te deixo em casa! Não me faça ligar para o V!
assentiu, ainda de bico.
- Avisa o pessoal para nós, amiga?
- Desculpa estragar a noite de vocês! - bêbada desviou o olhar para .
- Para com isso, menina! Não estragou nada, não! Cuida dessa mão! Quer que eu vá com vocês, ?
- Não precisa! Dou conta dela sozinha! Me deem notícias de vocês depois!
- Você também!
As três saíram do banheiro, com sendo amparada por . A mão ainda sangrava, mas um pouco menos. se encontrou com Namjoon, que esperava por elas na parte de fora e avisou a ele que levaria . Os dois, em silêncio, começaram a voltar.

- O Jungkook pediu notícias dela! - Namjoon sussurrou de encontro ao ouvido de -
- A gente para lá para falar com ele!
e Namjoon encararam os olhos espantados de Jungkook encarando-os, ansiosos. quis abraçá-lo. Pararam em frente a ele.
- Cadê a ? - ele perguntou, coçando a nuca.
- A vai levá-la à farmácia para ver como está o ferimento causado pela garrafa e depois elas vão para casa! Mas parece que foi superficial, tá bom?
- E ela está bem?
- Está! Depois pega o número da lá no grupo que eu criei! Ela te dá mais notícias!
- E a moça que estava com você? - Namjoon perguntou.
- Ah! Ela foi embora! - ele suspirou pesadamente.
e Namjoon trocaram olhares. Entenderam.
- Quer se juntar a nós? - Namjoon ofereceu.
- Não! Eu vou para casa também! Obrigado!
Eles sorriram um para o outro e então e Namjoon voltaram para onde o restante da turma estava.
- Ué, cadê a e a ? - perguntou, preocupada.
- cortou a mão com uma garrafa de cerveja que quebrou durante uma espécie de discussão com o Jungkook! a levou para uma farmácia ou algo do tipo e vai deixá-la em casa!
- E o garoto coelho?
- Quem? - e Namjoon perguntaram em uníssono.
- O Jungkook! É que quando ele ri, fica parecido com um coelho! - revirou os olhos enquanto os amigos riram.
- Ele foi embora! Estava bem preocupado com a ! - Namjoon respondeu e os amigos assentiram.
agora tinha outra coisa mais importante para se preocupar além de e Jungkook. Hoseok e Namjoon no mesmo lugar que ela, outra vez…

****************************************************************************************************

destrancou o portão para e caminhou para a garagem adentro, deixando o portão destrancando enquanto amparava , que andava lentamente e com certa dificuldade. Ela continuava falando de Jungkook, algumas coisas sem sentido e abriu a porta da casa. a adentrou e então subiu os degraus da escada informando a que provavelmente vomitaria. subiu as escadas logo atrás dela, olhando-a atentamente. entrou no banheiro e se abaixou o suficiente para conseguir vomitar dentro do vaso, lhe ajudou segurando-lhe os longos cabelos em uma espécie de rabo de cavalo improvisado com as mãos. Ficou ao lado da garota até que enfim ela parasse e demonstrasse estar um pouco mais sóbria.
- Desculpa, ! - ela lavou a boca na pia logo em seguida.
- Imagina! Quem nunca tomou um porre, ! Por favor! - riu - Só preciso saber se você precisa que eu durma aqui com você? Se quiser! Eu fico!
- Não precisa! Eu me viro sozinha, provavelmente vou apagar, ainda sinto o álcool correr aqui nas minhas veias e o ferimento apesar de superficial dói, mas nada que eu não saiba lidar! Só queria saber notícias do Jungkook!
- Eu estou bem! - a voz dele ecoando pelo banheiro assustou as duas, que o encararam pelo reflexo do espelho - Estava tudo destrancado, então eu entrei!
e se olharam enquanto ele ficava vermelho.
- Bom, então eu já vou indo! Acho que vocês dois precisam conversar e sei que o Jungkook vai cuidar bem de você.
se despediu de , passou por JK na porta do banheiro e acariciou-lhe as costas.
- Qualquer coisa me liga que venho te ajudar! Mas ela está melhor, mais sóbria um pouco! Me dê notícias!
Jungkook agradeceu e assentiu. saiu do banheiro, desceu as escadas e enfim foi para casa. Pediu ao universo que os dois ficassem bem.
- Você está mais calma? - Jungkook entrou no banheiro e se aproximou dela na pia.
- Não sei! - o coração de agora batia forte e descompassado - Você pode ficar até eu tomar um banho e me deitar? Minha cabeça está meio zonza!
- Claro! Eu vou lá no seu quarto, arrumar uma roupa para você e sua cama! Você grita se precisar de mim, tá bom?
apenas assentiu e esperou que ele saísse para então com certa dificuldade se despir. Adentrou o box e deixou que a água gelada tocasse seu corpo, soltou alguns muxoxos com a sensação da água gelada em contato com sua pele quente. Entrou com o corpo todo embaixo do chuveiro, fechando os olhos. Desejou Jungkook ali com ela, desejou que pudesse senti-lo segurando sua cintura, lhe beijando o pescoço, os lábios… abriu os olhos e procurou por ele, mas ele não estava ali no banheiro. Balançou a cabeça para afastar os pensamentos e o súbito incômodo entre as pernas. Ainda sentia o álcool correr por suas veias e cabeça e os lábios formigarem, ela não sabia se somente por efeito do álcool ou porque queria muito beijar Jungkook.
Jungkook sentia a cabeça doer de preocupação. E ele estava confuso, por que ela havia dito aquelas coisas? Porque havia se abalado tanto por ele estar tentando seguir em frente, já que havia deixado sinais claros de que não haveria uma possível reconciliação entre eles? Abriu o guarda-roupas dela, retirou uma calça de moletom de lá e procurou por alguma blusa mais quente para que ela pudesse dormir e achou uma. Ajeitou a cama dela para que ela pudesse se deitar assim que trocasse de roupas. Ajeitou tudo e então resolveu ir até o banheiro dar uma olhada nela.
O olhar dos dois cruzou assim que ele parou no batente, e ela já estava enrolada na toalha e pronta para sair do cômodo. Jungkook resistiu e não passou o olhar pelo corpo dela enrolado na toalha e ainda úmido. Ela poderia ainda estar sob o efeito das bebidas alcoólicas.
caminhou com Jungkook a seu encalço e entrou no quarto.
- Vou ficar aqui fora, quando acabar e se deitar, é só me avisar! - ele fechou a porta do quarto para ela.
se sentou na beirada da cama ao lado da roupa que ele havia colocado lá para ela se vestir. Respirou fundo e então se enxugou, ainda sentindo a cabeça zonza e com vontade de chorar. Ah, e ainda queria muito beijar JK. Se vestiu e então abriu a porta do quarto, o olhar dos dois cruzou de novo. não sabia o que dizer, Jungkook muito menos.
- Você me espera dormir? - ela umedeceu os lábios com a língua.
Jungkook assentiu para ela e então entrou no quarto. se ajeitou na cama e encarou Jungkook. Ela queria ele deitado ali com ela, mas como pedir?
- Vou apagar a luz! - ele esticou o braço.
- Jungkook… - pediu quando o escuro invadiu o quarto.
- Quê? - ele respondeu já mais próximo à cama.
- Você pode se deitar aqui? - ela o sentiu sentando-se na cama.
- Sim! Vou me deitar com você até você adormecer!
sentiu a ponta do nariz dele encostar-se a do seu nariz e soube que ele estava ali. Tão perto dela…
fechou os olhos, sentindo a respiração leve de Jungkook bater em seu rosto, os lábios ainda formigavam, agora ainda mais. Encostou os lábios de leve nos dele, enquanto aproximava o corpo quente do dele na cama. Jungkook fechou os olhos com o contato dos lábios de . Ele apertou os olhos quando sentiu a língua dela pedir passagem e cedeu. Deixou que ela o beijasse e correspondeu. Pousou uma das mãos na cintura dela, mas com leveza. Como havia sentido falta dos lábios dela!
sentia o coração querer rasgar a pele dentro do peito, e mesmo com os lábios colados aos dele, ainda os sentia formigando. Ela queria mais… Quando sentiu a mão dele pousar sobre sua cintura, ela aprofundou o beijo, tornando-o molhado. Jogou o corpo sobre o de Jungkook, ficando por cima dele. Com as pernas envoltas na cintura dele, uma de cada lado, ela cortou o beijo e tirou a blusa quente que Jungkook havia escolhido para ela. Não vestia nada por baixo. Voltou a colar o corpo ao de Jungkook e ao juntar os lábios aos dele, ele a parou.
- Não, ! - segurou o rosto dela entre as mãos - Para! Você sabe que a gente não pode!
- Você não quer? - ela colocou uma das mãos sobre a dele.
Jungkook fechou os olhos com força. É claro, que ele queria! Mas não daquele jeito.
- Nem você sabe se quer!
- Claro que eu quero! - ela voltou a se sentar sobre ele.
Segurou as mãos de Jungkook que antes estavam em seu rosto e as levou até seus seios, descobertos. Depositou as mãos dele lá. Jungkook fechou os olhos com força sentindo o membro reagir ao contato das mãos dele nos seios dela. É claro que ele queria!
- Não! Não faz isso, ! - engoliu seco, quando ela pressionou as mãos dele sobre seus seios.
Um gemido fraco saiu dos lábios de . Jungkook num lapso de sanidade, retirou as mãos de lá. Segurou a cintura dela com força e então a jogou na cama ao seu lado. Prendeu as mãos dela nas suas.
- Não! Me escuta! Eu não vou fazer nada com você! Não sem você estar cem por cento sóbria! Me ouviu?
- Mas eu estou consentindo! E eu quero tanto! - ela mordiscou o lábio inferior dele, o prendendo em seus lábios.
Jungkook fechou os olhos outra vez, podia sentir o membro pulsar. Soltou as mãos dela que voaram para a cintura dele apertando o corpo dos dois um contra o outro.
- E eu sei que você quer tanto quanto eu, JK! - voltou a colar os lábios nos dele.
Estava ficando difícil resistir, devido a saudade que havia sentido dela. Os dois sempre quiseram aquilo…
- Eu fiquei maluca vendo você com outra hoje! O seu lugar é comigo! - ela sussurrou contra os lábios dele enquanto descia a mão.
A passou pelo membro já duro de excitação dele e quando fez menção de adentrar com a mão para dentro de sua calça, ele a parou outra vez.
- ! - segurou com força o pulso dela, afastando sua mão de lá - Eu não vou falar de novo! Só com você sóbria! Completamente sóbria! Não me obrigue a ir dormir na sala!
Ele soltou os pulsos de e se sentou na cama tateando-a e então encontrou a blusa que antes ela vestia. Entregou-a para .
- Toma, veste! Você precisa dormir! Amanhã é outro dia e você vai pensar com mais clareza.
sentiu como se um balde de água fria lhe atingisse pelo corpo. Pegou a blusa e a vestiu enquanto Jungkook voltava a se ajeitar na cama. Ela sabia o que estava fazendo e queria aquilo. Mas talvez fosse melhor mesmo que eles só dormissem. A cabeça latejou e então ela se ajeitou na cama ao lado dele. Sentiu os braços de JK a envolverem e então ele depositou um beijo em sua cabeça. fechou os olhos. Dormiria bem com ele ali ao lado, disso tinha certeza. Amanhã seria outro dia…



Sexagésimo Oitavo Capítulo - Tell me a lie

respirou fundo e então bebeu um gole demorado de sua cerveja enquanto encarava conversando com Namjoon e Jimin com Hoseok. O coração batia descompassado e ela se sentia péssima por estar ali com os dois, sem que um soubesse de fato o que o outro era. Namjoon parecia entretido com o que conversava com ele, enquanto que Hoseok, mal prestava atenção no que o melhor amigo dizia! Ele hora ou outra desviava o olhar para , que parecia perdida. Queria conversar com ela, tocá-la, quem sabe beijá-la, por que não?
Ele tentava se aproximar, mas Jimin acabava entrando no meio ou chamando sua atenção sem que de fato ele conseguisse chegar até . Namjoon depois de um tempo reparou na mesma coisa que Hoseok, que parecia perdida, talvez até preocupada. não desgrudava dele, e bom, ele gostava muito da amiga e da companhia dela, mas queria ficar com também. Não estava entendendo porque toda hora o interrompia quando ele tentava investir em .
Trocou um rápido olhar com os dois garotos e depois passou os olhos pelos amigos tentando ajudá-la a contornar toda aquela situação em que havia se metido. Balançou a cabeça, angustiada e então tocou o braço de , chamando-a para ir ao banheiro ao pé do ouvido. Avisaram aos garotos e então foram.
Assim que chegaram ao cômodo, entrou na cabine e cruzou os braços, esperando pela amiga, até que a ouviu dizer:
- Vou chamar os dois para conversar! Chega!
- Namjoon e Hoseok? Eu não sei para que o Jimin foi abrir a boca! Que ódio! Amiga, você vai conversar o quê?
- Vou abrir o jogo, amiga! Eu não aguento mais essa situação! E ainda fica você e o Jimin tentando intermediar uma situação, sendo que a culpa é minha! Eu que tenho que resolver isso!
- Você tem certeza, ? - o barulho da descarga foi ouvido - Precisa da minha ajuda ou do Jimin?
saiu da cabine.
- Tenho certeza, ! Absoluta! Não dá mais! Preciso resolver isso! E não, eu tenho que resolver isso sozinha, já que me meti nessa sozinha e por conta própria! Vou sair com eles daqui, ir para um barzinho sei lá, preciso de um lugar mais sossegado. Você se importa de ir para casa com o Jimin?
desviou o olhar do dela, começando a lavar as mãos, sendo seguida pela amiga. Claro que ela não se importava, além do mais os dois poderiam curtir de verdade, sem ninguém por perto.
- Tem problema não! Relaxa, só fico preocupada com vocês três!
- Seja o que Deus quiser, amiga! - as duas se olharam.
- Depois me dê notícias, tá bom?
As duas caminharam para fora do banheiro com respirando fundo enquanto assentiu para a que daria notícias. Voltaram para a mesa onde estavam antes e os três rapazes conversavam, na verdade Jimin conversava com eles e Namjoon e Hoseok apenas balançavam a cabeça.
Acariciou as costas de Namjoon e se colocou nas pontas dos pés para conseguir alcançar o ouvido do homem.
- A gente pode conversar fora daqui? - olhou nos olhos dele.
Namjoon assentiu enquanto colocava a garrafa de cerveja sobre a mesa sem perceber que agora tinha as mãos nos ombros de Hoseok. Sussurrou a mesma coisa nos ouvidos dele. Que também assentiu e então saiu na frente dos dois homens.
Namjoon e Hoseok se encararam assim que começaram a seguir os passos de . Hoseok, sendo bem mais expressivo que Namjoon, deixou claro que não estava entendendo porque Namjoon também estava indo atrás de . O que ele queria indo atrás dos dois? Namjoon primeiramente pensou que o rapaz estava indo ao banheiro por isso os acompanhava, mas quando o banheiro passou e ele continuou andando com ele e , ficou bem confuso. Os três pagaram suas contas, ambos em silêncio e os dois homens cada vez mais confusos.
Já fora do bar encarou a feição confusa dos dois rapazes à sua frente.
- Vamos procurar um lugar mais tranquilo? Preciso muito falar com os dois.
Os dois homens se encararam rapidamente, ainda mais confusos. Mas concordaram com a cabeça em conversar com ela. Hoseok sentiu o coração começar a tamborilar dentro do peito, não estava entendendo nada e parecia estar tão perdida quanto os dois.
Eles caminharam em silêncio com no meio dos dois. Se sentiu pequena no meio deles e então abaixou a cabeça por alguns instantes. O coração vibrava dentro do peito. Namjoon tinha as mãos nos bolsos e caminhava calmamente ao lado de . Hora ou outra ele olhava de para Hoseok, tentando adivinhar o que a garota queria com os dois. Hoseok tentava parecer tranquilo, mas toda hora ele procurava por algum sinal no rosto de do que poderia ser o assunto. Depois de alguns minutos eles encontraram um bar perto da boate e então se sentaram. Hoseok pediu uma água, e Namjoon e o acompanharam no pedido. encarou primeiramente Hoseok e depois Namjoon.
- Então! - ela pigarrou - Eu não sei direito como dizer isso!
- É só falar o que está no seu coração! Aconteceu alguma coisa? Precisa de ajuda?
Namjoon olhou para Hoseok e Hoseok olhou para ele. quis que um buraco se abrisse e ela caísse dentro dele. Qual a melhor forma de contar a eles?
- Não! - ela soltou um riso nasalado - Bom, eu estou saindo com vocês dois! É isso!
- Saindo no caso, ficando com os dois, você quis dizer? - Hoseok questionou, já sentindo a garganta fechar.
assentiu que sim, sentindo as bochechas esquentarem de vergonha.
- Por isso nunca chamei vocês dois para o mesmo lugar! - foi o que ela conseguiu dizer no momento.
Silêncio. Namjoon olhava de Hoseok para , mas parou um tempo a mais em Hoseok, analisando o rapaz. Ele parecia estar bem desconfortável com a descoberta. O coração de Hoseok já batia quase fora do peito nesse momento. Ele sabia que ela era uma mulher solteira e que poderia fazer o que quisesse com a vida, mas aquilo definitivamente o havia pegado de surpresa. Agora as coisas faziam sentido, sobre aquele dia no festival. Olhou para Namjoon, que também o encarava.
- Bom! - Namjoon quebrou o silêncio e desviou o olhar para - A gente nunca conversou sobre exclusividade ou sobre algo sério! Então, tudo bem! Não fiquei magoado, pode ficar tranquila, se for essa sua preocupação com toda essa situação!
Hoseok arregalou levemente os olhos ao pensar que de fato, ele também não havia conversado sobre nada disso com ela, então não tinha o direito de cobrar nada. Resolveu se posicionar também.
- É! - ele raspou a garganta e aproveitou que a água deles havia chegado para tomar um gole - A gente também nunca falou sobre isso e foram só alguns beijos, certo?
Deu de ombros, tentando não parecer abalado e tomou mais um gole de água. Namjoon não conseguiu segurar o sorriso que brotava em seus lábios, deixando suas covinhas aparentes. Então, diferente de e ele, os dois não haviam transado? Namjoon quis rir, mas se segurou. O que havia com o tal Hoseok?
- Ah, então vocês nunca passaram dos beijos? - Namjoon perguntou, olhando diretamente para Hoseok enquanto segurava o riso - Quer dizer que eu e a estamos com um passo a mais!
Hoseok entreabriu a boca, um pouco incrédulo com a invasão de privacidade de Namjoon e pigarrou chamando a atenção dele. Namjoon desviou o olhar para ela, que o encarava bem séria com uma das sobrancelhas erguida. Namjoon entendeu que ela não havia gostado dos comentários, o sorriso desapareceu do rosto dele e ele assentiu para ela. Hoseok abaixou a cabeça, a balançando rapidamente. Os dois eram muito mais íntimos que Hoseok e ela. Aquilo atingiu o peito de Hoseok como uma faca. Namjoon parecia ser um homem completamente diferente dele em vários aspectos. Os dois provavelmente tinham encontros sexuais, enquanto ele e pareciam ainda apenas dois bons amigos que trocavam alguns beijos. Hoseok olhou para ela, que esperava que ele dissesse algo. Conhecia . Mas ele não conseguia falar nada. Precisava colocar a cabeça em ordem, havia sido pego realmente de surpresa por aquelas informações.
- Olha, eu acho melhor eu ir embora então! - Hoseok depositou o dinheiro da água sobre a mesa e se levantou.
Sorriu na direção de , bom, pelo menos tentou. Não queria que ela percebesse que ele estava afetado demais com tudo aquilo. Queria aparentar estar tão tranquilo quanto Namjoon, não queria que o enxergasse como mais fraco ou mais instável que Namjoon, não mesmo.
- Mas, Hoseok… - ele a interrompeu, enquanto ela se levantava.
- O convidado da noite foi o Namjoon! Eu que apareci do nada! Não vou atrapalhar vocês dois! - ele piscou - A gente conversa depois!
Saber que os dois ficariam sozinhos, que provavelmente se beijariam, - e talvez até mais que isso - que hoje ela havia preferido a companhia dele o machucou, mas não queria demonstrar. Não queria ser fraco. Afinal de contas, antes de qualquer coisa, os dois eram amigos também, e ele gostava muito disso. abriu os braços se jogando em Hoseok logo em seguida, que a recebeu de braços abertos. Os dois se abraçaram demoradamente sob o olhar atento de Namjoon. até parecia gostar bastante dele. Namjoon se lembrou dos dois bem próximos no dia do festival gastronômico. Por que ainda não haviam transado? Ele balançou a cabeça, afastando os pensamentos, não era da conta dele. já havia demonstrado que não havia gostado dele se metendo na relação dos dois.
- Me avise quando chegar em casa! E eu quero conversar a sós com você depois! Pode ser? - Hoseok assentiu que sim enquanto tentava sorrir.
Depositou um beijo demorado na bochecha dela e quis chorar. Não queria quebrar a confiança dele, mas será que já não havia feito isso? Não queria decepcioná-lo e muito menos perdê-lo. Gostava tanto dele! Tanto!
Hoseok e Namjoon se despediram com apenas um aceno de cabeça e observou-o até ele sumir de suas vistas. Quis chorar mais uma vez. O olhar dela e de Namjoon se cruzou.
- Tem mais uma coisa que eu queria falar com você, Joonie! - ele se ajeitou na cadeira.
- Pode dizer!
bebericou de sua água e observou Namjoon fazer o mesmo.
- Sobre nosso último encontro!
- Qual deles? O do festival? Me desculpe ter aparecido sem ser convidado, eu não sabia que o Hoseok estaria lá com você, então não vi problemas! Mas não vai mais acontecer, tá bom?
- Não! - balançou a cabeça - Quanto a isso, não tem nada a ver, vocês não sabiam ainda! Estou falando sobre quando você teve uma folga daquele julgamento longuíssimo do caso importante que você e seus sócios estavam resolvendo, se lembra? Você foi lá em casa e nós transamos, e bom, apenas transamos. A gente mal conversou! Está lembrando agora?
Namjoon coçou a cabeça, parecendo constrangido. É claro que ele se lembrava, e além de se lembrar, ele queria repetir…
- Estou! - ele balançou a cabeça - O que houve? Foi ruim?
Ele franziu a testa e riu.
- Depende do ponto vista! Saber que você foi lá só para aquilo sim, mas ter feito, não!
Namjoon abriu a boca, mas não conseguiu dizer nada. Balançou a cabeça em negativa, olhando pro chão.
- Me desculpe! Foi grosseiro da minha parte, como tudo aconteceu! Eu estava muito estressado e acabei descontando no sexo, não queria ter sido tão escroto!
- Eu acredito em você! - sorriu - Mas acho que não sei! Você podia ter sido claro comigo, podia ter dito que queria só sexo! Não tem problema!
Namjoon ficou outra vez sem palavras, ele não sabia que havia passado aquela impressão.
- Não é que eu queira só isso, ! Mas gosto muito do que a gente tem, da forma que é hoje! Entende?
- Entendo, e também gosto, Joonie! Só não gostei de como foram as coisas da última vez!
- Eu peço desculpas mais uma vez! - Namjoon se levantou.
que já estava de pé por ter se despedido de Hoseok o observou ele se aproximar, sério. Namjoon envolveu a cintura dela com as duas mãos, uma de cada lado. Encostou a testa na dela e fechou os olhos. Um pouco mais aliviada por saber que agora, tanto Namjoon, quanto Hoseok sabiam de tudo! E bom, Namjoon pareceu de verdade não ter se incomodado nem um pouco com o fato dela também ter algo com Hoseok. Ela já não sabia se o mesmo acontecia com Hoseok. Entenderia se ele se afastasse, mas sofreria com isso, não negaria. Se sentia egoísta por não querer abrir mão de nenhum dos homens. E se preocupava com Hoseok, mais do que demonstrava. Precisava mudar isso. Abraçou Namjoon encostando a cabeça no ombro dele, ficando na ponta dos pés. O cheiro amadeirado dele invadiu suas narinas ,enquanto o apertava em si.
- Você quer terminar a noite comigo? - ele sussurrou vagarosamente no ouvido dela.
esboçou um sorriso e então depositou um beijo na bochecha dele.
- Se você não quiser, não tem problema! Eu vou entender, numa boa!
- E se eu quiser? - levantou o rosto encontrando os olhos castanhos dele vidrados nos seus.
- Prometo fazer valer a pena! - Namjoon sorriu e viu fazer o mesmo.
E então os lábios dos dois se encostaram, roçando um no outro. fechou os olhos colando ainda mais os lábios nos dele. Namjoon a beijou. As mãos dela invadiram os cabelos que ainda estavam baixos, lhe acariciando a nuca com suavidade enquanto ele apertava o corpo dela um pouco mais ao seu. sempre ficava com as pernas formigando quando o beijava, era como se o gosto do beijo dele invadisse cada poro do corpo dela com força, sempre com mais força. E ela se sentia em queda livre, mas de uma forma gostosa. Mordeu o lábio superior dele para demonstrar que estava à vontade, que gostava. Namjoon apertou a cintura dela em resposta e depois deslizou a mão vagarosamente pelas costas dela. Namjoon adorava a forma que o corpo dela se moldava ao dele como se os dois simplesmente fossem peças de um quebra-cabeça que se encaixavam perfeitamente. Por um breve momento ele pensou se sentia a mesma coisa, e principalmente se seria assim com ela e Hoseok…. Tratou de afastar os pensamentos.
Quando percebeu que o beijo ia tomando intensidade, segurou o rosto dele entre as mãos, separando com delicadeza as bocas. Afinal de contas estavam num local público. Ainda segurando a cintura dela Namjoon foi direto ao ponto:
- Na minha casa ou na sua? - os dois gargalharam antes de se soltar dele
- Na minha! - os dois deram as mãos -

****************************************************************************************************

Hoseok destrancou a porta da sala e no escuro mesmo ele subiu as escadas. Passou pelo quarto do pai, abriu a porta devagar e vislumbrou o mais velho dormindo serenamente em sua cama. Sorriu sem mostrar os dentes depois de ver que o pai dormia tranquilamente. Foi então para o seu quarto, acendeu a luz e se sentou em sua cama, encarando os próprios pés. Aonde será que estaria agora? Com Namjoon? Fechou os olhos com força enquanto apertava as mãos uma na outra. Respirou fundo, se levantou, pegou o celular, a carteira e a chave da moto e depositou sobre a mesa que havia no quarto. Retirou a camiseta e a jogou sobre a cama, depois caminhou vagarosamente - para não acordar o pai - até o banheiro. Tomar um banho sempre o ajudava a pensar com mais clareza. Se sentiu estúpido por nunca ter tido coragem de propor algo mais sério para … Talvez hoje, ele estivesse com ela àquela hora e não Namjoon. Ele pensou que o rapaz parecia ser muito mais arrojado e descolado que ele. Deixou que a água morna caísse em suas costas, fechando os olhos. A imagem do sorriso sarcástico de Namjoon veio em sua mente: “Ah, então vocês nunca passaram dos beijos?” Hoseok tapou o rosto com as mãos e se sentiu estúpido mais uma vez. Por que diabos ele não podia simplesmente deixar as coisas fluírem e finalmente transar com ela? Deixou as mãos caírem abaixo do corpo e então tomou seu banho ainda sem conseguir deixar de pensar nos dois: e Namjoon.
Saiu do box com a toalha enrolada na cintura e com outra ele enxugava os cabelos, parou em frente ao espelho do banheiro e encarou seu reflexo lá por um tempo. Ele e Namjoon eram completamente diferentes, de personalidade e aparência. Hoseok soltou um suspiro sofrido. Ele pensou em como o outro homem era mais forte, tinha uma presença marcante, bem mais que a dele… Pensou em como ele se vestia, em como se portava, em como ele ficou calmo, quase impassível ao descobrir que estava saindo com os dois, enquanto Hoseok sentiu o mundo ruir. Ele parecia ter algo que Hoseok jamais teve na vida: confiança em si mesmo.
Ele provavelmente não se abalou tanto quanto Hoseok, por justamente saber que ele parecia ser melhor que ele, e especialmente por saber que ele e tinham chegado a tanta intimidade a ponto de já terem transado, enquanto ela e Hoseok ainda estavam só nos beijos. Se sentiu inferior e então abaixou a cabeça a sentindo rodar ao ter que lidar com todo aquele sentimento de inferioridade que ele lutou a vida toda contra, desde a infância.
Voltou para o quarto, sentindo os olhos marejarem e depois de se vestir, ele se deitou na cama, fechando os olhos. Se permitiu chorar, depois de anos sem fazê-lo. Tampou o rosto com as mãos, não queria ser barulhento e correr o risco de acordar o pai. Deixou que o choro viesse com força, quem sabe as lágrimas não limpavam toda a dor daquele momento? Ele sabia que gostava dele, ele sentia isso quando estavam juntos, mas e se ela gostasse mais de Namjoon? E agora ele sabia que estava apaixonado por ela, e como o pai havia dito: ele não estava nem um pouco preparado para sofrer por amor.
Revirou na cama tentando achar uma posição confortável para dormir depois de sentir os olhos inchados de choro, mas não era a posição o problema e ele sabia muito bem disso. Voltou a se sentar na cama, escorando as costas na cabeceira dela. O peito parecia ainda mais pesado. Não queria perdê-la! De jeito nenhum, só não sabia o que fazer! Será que o melhor amigo ainda estava acordado? Será que ele já havia ido para casa? Pegou o celular e mandou uma mensagem para Jimin:

Jimin

Tá acordado, amigo?



Bloqueou o celular, esperando que logo o amigo respondesse. Fechou os olhos e pensou: será que os dois ainda estariam juntos? e Namjoon? Fechou os olhos jogando a cabeça para trás. Queria estar no lugar dele…
Foi quando o celular vibrou com a resposta de Jimin:

Jimin

Tá acordado, amigo?

Tô sim, J-Hope! Precisa conversar? Pode falar amigo!



Resolveu ligar para o amigo e ele prontamente atendeu.

“Aconteceu alguma coisa amigo?” - Jimin já sabia que havia resolvido conversar com os dois e abrir o jogo, havia o contado. Provavelmente o amigo estava mal, e precisava conversar.
“Nem sei como falar sobre isso! Mas precisava falar com alguém, e só tenho você! Desculpa o horário!”
“Não se preocupe com isso! Também estou sem sono! O que aconteceu?”
“Bom, você deve ter visto quando eu saí da boate com a ! Com a e o Namjoon! E, ela confessou para nós dois que…
- ele pausou respirando fundo - Que fica comigo e com ele!”
Jimin ficou em silêncio. Não queria fingir uma falsa surpresa para o amigo, afinal de contas, ele já sabia. Tinha medo que aquilo abalasse a amizade dos dois e não queria perder o amigo de vista outra vez.
“E você precisava ver como o Namjoon reagiu! Ele parecia tão confiante! Tão nem aí para a situação, sabe? Era como se ele tivesse plena convicção de que se estivéssemos numa competição, nós dois, ele ganharia! E isso me abalou muito, Jimin! Sei lá, eu senti como se um balde de água fria, com gelo, estivesse caindo sobre todo o meu corpo! A minha autoestima morreu! Ele e eu somos tão diferentes! Ele exala confiança e eu exatamente o contrário! Ele tem muito mais cartas na manga para conquistar a do que eu!”
Jimin quis abraçar Hoseok, ele sabia exatamente de como coisas daquele gênero poderiam destruir o amigo.
“Você já tinha conversado com a sobre ficarem só vocês dois? Sobre querer estar só com ela e querer que ela ficasse só com você também?”
Hoseok sentiu vontade de chorar outra vez com a pergunta.
“Não! Eu nunca achei que o que tivéssemos fosse íntimo o suficiente para uma proposta dessas! A gente ainda nem transou, Jimin! Enquanto ela e Namjoon já!”
“Espera! Como você soube disso?”
- Jimin arqueou as sobrancelhas.
“Eu comentei que por mim tudo bem ela estar saindo com ele também, tendo em vista que nós dois havíamos apenas trocado alguns beijos, e o Namjoon fez questão de jogar na minha cara que ela e ele eram mais evoluídos nesse quesito!”
Jimin fechou os olhos, incrédulo. Não achou que Namjoon jogaria baixo daquele jeito.
“Acho que se não tivesse acontecido o que aconteceu hoje, de vocês dois terem aparecido no mesmo lugar, a não teria tido coragem de abrir o jogo! Por medo de magoar vocês dois! Por que você não conversa com ela, e faz a proposta de exclusividade logo, J-Hope? Ou de algo simplesmente mais sério?”
“Depois de ver o Namjoon me sinto ainda menos confiante para isso, Jimin! E se de repente eu peço para ela escolher entre mim e ele, e ela resolve escolhê-lo? Não posso perder a , Jimin!”
- a voz dele embargou de leve.
Jimin quis matar por um breve momento, mesmo sabendo que ela não tinha a intenção de machucá-lo daquele jeito.
“Mas, amigo, você tem duas saídas: conversar com ela e correr esse risco, ou aceitar essa situação e ver até onde vai dar! Você consegue lidar com isso? De dividi-la com o Namjoon?”
“Eu vou ter que lidar com isso, de um jeito ou de outro! Não tenho outra escolha! Não por enquanto!”
Hoseok limpou uma das lágrimas que desciam por sua bochecha.
"J-Hope! - Jimin chamou - Você é incrível, cara! E quem tem a honra de conhecer você de verdade, sabe disso! E a gosta muito de você! Eu sei disso! E vocês dois tem tudo para dar certo juntos! Não deixe o Namjoon ou o que você achou dele agora, abalarem você desse jeito! Você tem inúmeras qualidades, não é o meu melhor amigo à toa! O Namjoon nem é tudo isso!"
Hoseok riu entre as lágrimas que ainda desciam. Gostava muito do amigo. Sabia que conversar com ele acalmaria seu coração.
"Não quero ficar sem a sua amizade de novo, Jimin!"
"E não vai, amigo!"
- Jimin sorriu do outro lado da linha mesmo que Hoseok não pudesse vê-lo -
"Vou deixar você dormir! Já é madrugada! Amanhã a gente se fala, boa noite! E obrigado, Jimin!"
"Você pode contar comigo, J-Hope! Boa noite, amigo, tenta dormir, hein?"
Hoseok gargalhou, limpando as lágrimas outra vez e eles desligaram.

*************************************************


Namjoon dormia tranquilo enquanto observava seu peito subir e descer vagarosamente. Passou o polegar levemente pela bochecha dele para não acordá-lo. Se desvencilhou do edredom que os cobria e então pegou o celular na mesa de cabeceira, se sentando na cama. Engoliu seco quando se deu conta que Hoseok não havia mandado mensagem avisando se havia chegado em casa. Será que ele estaria bem? Ela fechou os olhos e depois voltou a observar Namjoon.
sabia que Hoseok tinha muitas inseguranças e que estava baixando a guarda por ela. Será que de fato ele não havia ficado magoado? gostava de Namjoon, gostava da química sem explicação que os dois tinham, é como se ela simplesmente não conseguisse dizer não. E para piorar a situação, ela gostava de Hoseok também! Os dois tinham uma conexão, que ia além dos beijos. Se sentia igualmente presa aos dois homens: era o melhor dos dois mundos.
Não queria machucar Hoseok e muito menos perder o que tinha com ele, ele a fazia bem e ela sabia que também fazia para ele. O que seria dos dois dali para frente? Na verdade, o que seria dos três?



Sexagésimo Nono Capítulo - Sacrilégio

Jimin acompanhou com os olhos enquanto , J-Hope e Namjoon saiam da boate e então ele suspirou pesadamente. Provavelmente havia decidido contá-los o que estava acontecendo. colocou uma das mãos sobre um dos ombros dele encostando os lábios perto de seus ouvidos.
- vai sair com os meninos para contar tudo para eles!
Jimin arrepiou-se com a voz dela invadindo seus sentidos subitamente.
- Eu estou com medo disso! Não sei se o Hoseok vai reagir bem! - ele balançou a cabeça em negativa.
Os dois se encararam e acariciou a bochecha dele.
- Depois tenta falar com ele! Tenho certeza absoluta que a vai encontrar a melhor forma de contar isso, ela não quer magoar o Hoseok!
- Eu sei! Conheço a ! Sei que ela gosta dos dois, e que está confusa. E sei também que ela ainda não consegue decidir se for preciso! E bom, eu realmente não sei se o Hoseok consegue lidar com essa situação!
- E que tal você se esquecer dos problemas deles por enquanto e aproveitar que ficamos só nós dois aqui? A gente agora vai poder curtir melhor à noite, sem ninguém para ver a gente! Sem ficar preocupado…
envolveu os braços no pescoço de Jimin, aproximando o corpo do dele. Também estava preocupada com os amigos, mas ela nada podia fazer além de se colocar à disposição caso algum deles precisasse de ajuda. Então por que não se permitir curtir a noite com Jimin?
Jimin segurou a cintura dela com as duas mãos, um sorriso malicioso começou a brotar nos lábios dele. Gostou de ouvir aquilo! Ele selou os lábios dela demoradamente enquanto a avisava que ia buscar mais bebida para os dois no bar e ela concordou em ficar para segurar a mesa.
o observou se afastar e rapidamente sumir de suas vistas entre a multidão e pegou o celular para vislumbrar se não havia alguma mensagem das amigas. havia mandado uma mensagem no grupo das três avisando que o ferimento na mão de não havia sido grave, que ela já estava em casa e que Jungkook havia aparecido por lá para cuidar dela. sorriu, pensando que quem sabe os dois não se acertassem e voltariam a ficar juntos. Foi quando ela observou duas mãos masculinas lhe segurarem o queixo, erguendo seu rosto. Ela se assustou quando viu que não eram as mãos de Jimin, mas sim de um completo desconhecido. O homem era bonito e observou rapidamente o sorriso que ele tinha nos lábios.
- Reparei que parece que você está sozinha? - ele disse com os lábios contra os de .
O coração dela acelerou e ela engoliu seco, colocou delicadamente as mãos sobre os ombros do desconhecido, afastando-o levemente de perto dela. Quando abriu a boca para enxotar o homem abusado de lá, ela sentiu duas mãos a apertar a cintura depois que duas cervejas foram depositadas sobre a mesa. Ela pediu aos céus que fosse Jimin voltando do bar.
- Algum problema? - Jimin direcionou o olhar para o desconhecido.
Os dois homens se encararam, por longos segundos.
- Eu só estava perguntando a ela, se ela estava sozinha!
Jimin sorriu abertamente enquanto apertava um pouco mais a cintura de .
- Ela está acompanhada! - não conseguiu evitar sorrir enquanto abaixava a cabeça.
O rapaz coçou a nuca, parecendo desapontado.
- Foi mal! Desculpe! - ele deu dois tapinhas nas costas de Jimin.
- Você não me deve desculpas, deve a ela! Já que você já chegou encostando!
O homem engoliu seco e pareceu um tanto quanto surpreso com as palavras de Jimin, assim como .
- Me desculpe! - o olhar dele se encontrou com o de .
Ela assentiu com a cabeça, em silêncio e então o desconhecido os deixou sozinhos outra vez. soltou o ar preso nos pulmões e Jimin se colocou em sua frente. Segurou o rosto dela entre as mãos e a observou com calma.
- Está tudo bem? - ele perguntou, ainda observando o rosto dela.
Jimin sabia muito bem dos gatilhos que ela tinha com determinados toques, e bom, aquilo poderia ter sido um. Ficou preocupado.
assentiu que sim, voltando a respirar com tranquilidade, percebeu a preocupação no tom de voz de Jimin, então selou os lábios nos dele.
Os dois beberam de suas cervejas, mas a mão de Jimin continuou na cintura dela, sempre trazendo-a para perto de si hora ou outra. também acariciava o rosto ou cabelos dele, sempre que tinha alguma oportunidade enquanto os dois jogavam conversa fora sempre ao pé do ouvido.

"Eu não tô fazendo nada, alta noite, madrugada, diz aí você (diz aí você). Eu posso passar na tua casa com essa minha cara lavada de quem sabe o que dizer (não sei o que dizer)."

sorriu assim que ouviu a música tocar pela boate e então envolveu os braços no pescoço dele, roçando os lábios nos de Jimin, que sorriu enquanto voltava a envolver a cintura dela.

"Você finge que acredita e eu pago pra ver. Não vou mudar tua vida, mas é bom de ter. Amores de uma noite ainda são amores!"

Os dois se beijaram, aliviados por poderem fazê-lo sem se preocuparem com as pessoas ao redor, sem precisarem estar em um local escondido dos outros. Ali e agora eles poderiam ser apenas os dois, sem máscaras, sem fingimento. As mãos de Jimin subiram pelas costas dela e não demorou muito para ele embrenhar as mãos nos cabelos castanhos claros dela, puxando-os. sentiu os lábios dos dois se desgrudarem e então ela sorriu, especialmente quando ele encostou os lábios aos dela novamente, mas não a beijou, apenas sorriu, provocando-a.

- A gente se apaixona só na sexta-feira, jura amor eterno, mas de brincadeira! E o nosso pra sempre dura a noite inteira! Gosto quando sua boca mente assim, eu não sou pra você, você não é pra mim! E o nosso pra sempre dura a noite inteira…


cantarolou com os lábios colados aos dele. Jimin ainda sorria antes de selar os lábios nos dela com força.
- E se a gente fosse durar a noite inteira lá em casa? - e ele gargalharam;
A garota assentiu que sim com a cabeça enquanto ele encostava a testa na dela.

*************************************************************************************************

Abriu a porta do apartamento entrando na frente, entrou logo atrás dele. Jimin acendeu a luz enquanto fechava a porta atrás de si. Os dois se encararam e Jimin bagunçou levemente os cabelos.
- Você queria mesmo vir para cá? - continuava encarando os olhos negros dele - Quer ficar aqui? Se quiser eu posso te levar para casa!
cortou a distância que havia entre eles e encostou a testa na dele.
- Se eu não quisesse, teria dito não!
E então os dois se beijaram. segurava o rosto dele enquanto as mãos de Jimin subiam e desciam pelas costas dela. O beijo era lento e calmo, com as línguas apenas encostando uma na outra, como se quisessem apenas se acariciar.
Ainda com as bocas coladas, os dois caminharam junto rumo ao quarto de Jimin, quando o ar faltou nos pulmões de ambos, as bocas se largaram, mas os corpos continuavam colados. Ainda ofegante, Jimin segurou o rosto dela entre as mãos.
- Eu não quero que você se sinta forçada a nada!
sentia toda a preocupação que ele tinha em como ela estava se sentindo sempre que alguma possibilidade de os dois terem algo mais íntimo surgia. E todas as vezes em que essa preocupação vinha à tona, conseguia perceber o quanto ele era um homem especial. Ela sorriu ternamente enquanto acariciava as mãos dele que ainda estavam em seu rosto. Em resposta ela voltou a colar os lábios nos dele, beijando-o. Jimin fechou os olhos enquanto colava o corpo dela ainda mais ao seu. As mãos de tocaram sua pele por baixo da blusa e ele arrepiou quando as unhas dela subiram por suas costas. Uma das mãos dele desceu para a cintura dela, deixou um aperto por lá e voltou a descer a mão: passeou pelo bumbum dela, depois acariciou a parte de trás de uma das coxas dela. sentiu os pelos do corpo se arrepiarem com as carícias e cravou as unhas na pele dele com mais força. Jimin apertou os olhos e soltou um gemido abafado entre o beijo com a ardência gostosa provocada pelas unhas dela.
Logo os dois já estavam deitados na cama de Jimin, com ele entre as pernas dela. Ajoelhado na cama, ele segurou a cintura dela enquanto olhava dentro dos olhos de , que sentiu as bochechas ficarem vermelhas, mas a meia luz do quarto não deixou que Jimin percebesse. Ele abaixou o rosto enfiando-o na curva do pescoço dela, depositando alguns beijos molhados por lá, e voltou a inalar o perfume que ele tanto gostava.
- Você está sempre tão cheirosa! E esse perfume é meu favorito…
acariciou os cabelos dele enquanto sentia o corpo voltar a se arrepiar com a boca dele tão próxima ao seu ouvido. Ela sorriu. Jimin voltou a cheirar e beijar seu pescoço, fazendo com que risse e sentisse algumas cócegas pelo lugar.
- Estou fazendo cócegas em você? - foi a vez de Jimin rir enquanto encarava o rosto dela.
- Não tem problema, continua! - ela continuava acariciando os cabelos dele.
- Como você quiser… - Jimin sorriu enquanto abaixava o rosto outra vez.
Voltou a beijar o pescoço dela, subiu um pouco mordendo o lóbulo de sua orelha, puxou levemente os cabelos dele em resposta e Jimin se atreveu a subir a blusa de renda que ela usava até que ela estivesse fora do corpo dela. permitiu que ele retirasse a peça e o viu fazer o mesmo com a própria camiseta. Ela mordeu o lábio inferior.
- Ei! Esse trabalho é meu. - Jimin encostou a testa na dela aproximando os lábios dos de .
encarou os lábios rosados dele e então ele mordeu o lábio inferior dela, puxando-o. fechou os olhos. Sentiu a intimidade pulsar de vontade. Hoje ela conseguiria, tinha certeza! O desejo que ela sentia por ele, jamais havia sentido em toda a vida por homem algum. Assim que Jimin soltou o lábio inferior dela, as bocas voltaram a se juntar num beijo molhado. tinha as mãos embrenhadas nos cabelos dele ,acariciando-os, intercalando as carícias com alguns puxões. Jimin voltou a mordiscar o lábio inferior dela e depois passou a língua por ele, fazendo se arrepiar novamente.
- Você me excita tanto! - Jimin pressionou o membro duro na entrada dela enquanto sentia as pernas de lhe abraçarem os quadris.
fechou os olhos sentindo a pressão que o membro dele exercia sobre sua intimidade já pulsante. As mãos dela desceram pelas costas dele deixando vários vergões e ela pode ouvi-lo gemer. abriu os olhos e os dois se encararam e ela fechou os olhos outra vez encostando a testa na dele. Os olhos de Jimin desceram para o decote dela na lingerie que ela usava.
- Como você consegue ficar cada dia mais sexy?
voltou a enrubescer, porém sorriu com o elogio. Gostava de saber que ele a enxergava daquela maneira, mesmo que ela não tivesse a intenção de parecer ou ser sexy. Jimin voltou a abaixar o rosto depositando beijos em seu pescoço e clavícula, até que alcançou a pele exposta no decote dela. Depositou beijos e mordidas leves por lá, fazendo com que arqueasse as costas ansiando por mais dos beijos dele. Jimin desceu os lábios pelo corpo dela, deixando beijos, lambidas e algumas mordidas pelo caminho até que ele chegou na intimidade de . Ela sentiu a ponta do nariz de Jimin bater por lá junto com a respiração pesada dele. Voltou a afundar as mãos nos cabelos macios dele. Jimin levantou o rosto e viu o encarar, curiosa.
- Eu quero fazer tantas coisas com você agora... E não da forma mais pura…
mordeu o lábio, sentindo o interior pegar fogo com as palavras dele.
- Eu não falei para você, que morder o seu lábio é um trabalho meu?
- Desculpa! - pediu involuntariamente, vendo-o sorrir em resposta.
Ele ergueu o corpo, ficando de joelhos na cama e no meio das pernas dela. Os dois ainda se encaravam. Jimin deslizou as mãos pelas coxas dela, deixando alguns apertões no meio do caminho e viu fechar os olhos.
- Você vai continuar me provocando? - ainda de olhos fechados, guiou a mão dele para bem perto de sua intimidade.
Jimin soltou um riso nasalado e um sorriso malicioso em seguida, gostando das reações que estava provocando nela.
- Adoro ver você nervosa. Me deixa ainda mais excitado!
sentiu os dedos dele lhe acariciarem levemente sob o tecido do short que ela usava. Ela soltou um gemido quando ele apertou a região com mais pressão, friccionando o tecido do short e da calcinha que ela usava em sua intimidade.
- Estou excitando você, hum? - ela assentiu que sim com a cabeça.
Se sentia extasiada com os toques dele, e pelo menos por enquanto, ela não queria que ele parasse! Jimin desabotoou o short jeans dela e então ergueu o olhar para acompanhar a reação dela. Da última vez que as coisas de fato esquentaram entre eles e ela não quis continuar, Jimin não soube exatamente qual havia sido o toque ou ação que despertara o gatilho em sua mente, então ele estava atento a qualquer possível sinal que o corpo ou rosto dela mostrasse.
Como ela não o parou depois que o botão foi aberto, ele continuou. Desceu o short vagarosamente pelas pernas dela e então a vislumbrou deitada em sua cama, seminua. Os olhos ainda fechados, a respiração dela levemente descompassada com o peito subindo e descendo. O corpo dela ali exposto para ele era a visão mais bonita que um homem poderia ver. Passeou os olhos por cada pedaço exposto do corpo de e sentiu o membro pulsar com força dentro da calça, ele a desejava muito.
Voltou a tocá-la sobre o tecido da calcinha e ouviu gemer outra vez. Jimin arrastou o tecido para o lado e então passou vagarosamente o dedo pela intimidade molhada dela. pressionou os lábios um no outro para não gemer alto e segurou o braço de Jimin com uma das mãos, cravando as unhas nele.
- Jimin! - ela chamou enquanto ele levava o dedo até seu clitóris.
- Meu nome soa tão bem-vindo dessa sua boca linda!
Ele movimentou o dedo sobre o lugar lentamente enquanto a assistia arquear as costas outra vez em resposta aos estímulos dele. A mão dela apertou com força o braço dele quando os movimentos começaram a ficar mais rápidos.
- Puta merda, Jimin!
Ele sorriu satisfeito em vê-la sentindo prazer.
- Você gosta? - balançou a cabeça positivamente.
Ela levou as duas mãos para a cintura dele apertando o lugar.
- Bom… - Jimin sorriu ainda movimentando os dedos em seu clitóris -
- Eu preciso muito de você, Jimin, agora!
Ainda sorrindo ele deitou sobre o corpo dela, e então lentamente ele adentrou um dedo dentro de que cravou com força as unhas na cintura dele, soltando os gemidos presos em sua garganta. Ele mordeu o lóbulo da orelha dela e então movimentou o dedo bem devagar, como se quisesse torturá-la.
- Então vamos realizar sua vontade! - lentamente ele retirou o dedo de dentro dela - Só vou apagar o abajur aqui, para você ficar mais à vontade.
Jimin se levantou e apagou o abajur - que havia dado - se livrou da calça que o apertava e voltou a deitar o corpo sobre o dela. Os lábios se encontraram dando início a um beijo lento. abraçou o pescoço dele enquanto sentia seu membro pressionar sua intimidade. Jimin parou o beijo e desceu os lábios para o pescoço dela.
Um estalo: a imagem do padrasto invadindo o quarto dela durante a madrugada invadiu sua mente, assim que a respiração de Jimin bateu em seu pescoço ela se lembrou da respiração - do padrasto - batendo em sua nuca. abriu os olhos e sentiu Jimin com as mãos na barra de sua calcinha, pronto para tirar o tecido.
- Não, Jimin! - ela segurou os braços dele com força.
Jimin engoliu seco e então se sentou outra vez entremeio as pernas dela.
- O que foi? - ele segurou a cintura dela com leveza - O que eu fiz?
- Nada! - ela marejou os olhos.
se sentou na cama, escorando as costas na cabeceira e então deixou que o choro finalmente viesse. Tapou o rosto com as mãos e Jimin, preocupado e com o coração acelerado, se aproximou mais dela na cama. A abraçou.
- Ei! O que foi? Por que você não confia em mim e me conta? Eu estou do seu lado, ! E quero entender o que está acontecendo!
assentiu positivamente enquanto tirava as mãos do rosto, ela o abraçou pelo pescoço enquanto molhava o peito dele com lágrimas. Jimin acariciava os cabelos dela com o coração ainda batendo rápido. Ele queria muito entender o que se passava na mente dela para que eles nunca conseguissem avançar e queria ajudar. Se preocupava com ela muito mais do que ela podia imaginar.
Os dois permaneceram abraçados por longos minutos até que , enfim, se soltou dele enxugando as últimas lágrimas, começando a se acalmar.
- Você pode acender a luz ou pelo menos o abajur?
- Claro! - ele esticou o braço acendendo com certa dificuldade o objeto.
Os olhos dela ainda estavam úmidos e Jimin segurou o rosto dela entre as mãos.
- Desculpa não ter conseguido outra vez!
- Não! Não precisa se desculpar! Eu só quero entender, ! O problema sou eu?
- Não! - ela segurou as mãos dele - Sou eu! Na verdade…
Ela pausou, soltando um longo suspiro. Sentiu os olhos marejarem outra vez.
- Pode confiar em mim! - ele encostou a testa na dela.
- Eu tenho gatilhos e flashes de coisas ruins que já aconteceram comigo e eles vem sempre que tento transar com alguém! E tem a ver com o meu padrasto!
- Ele abusou de você? - Jimin engoliu seco outra vez e travou o maxilar.
Só a ideia de isso já ter acontecido com ela fez o sangue de Jimin ferver.
- Ah! - foi a vez de ela engolir seco - Eu acho que sim! Eu não tenho muitas memórias frescas, sabe? Como eu disse, eu tenho flashes, das mãos dele, do toque dele, da respiração dele, enfim! Ele invadia o meu quarto de madrugada para dormir comigo.
engoliu seco novamente e então voltou a chorar, abraçando Jimin pelo pescoço de novo. Jimin a apertou contra seu peito com força enquanto lhe acariciava as costas. Os olhos dele também marejaram e ele se segurou para não chorar junto com ela. Agora sim as coisas faziam sentido.
- Eu estou aqui com você! Chora! Pode chorar! Você tem a mim, sabe disso, não sabe?
- Sei! - ela encostou a testa na dele - Você é incrível!
Jimin enxugou as lágrimas dela com os polegares.
- Desculpe por qualquer coisa que eu tenha feito para despertar esses gatilhos!
- Não! Você não sabia e além do mais, eu tenho vontade! Você não ultrapassou nenhum dos meus limites!
Os dois voltaram a se abraçar e sentiu o coração se acalmar dentro do peito. O quente da pele dele a acalmava.
- Eu vou buscar água para você! Já venho!
Antes de sair, ele acendeu a luz, já que sabia do medo dela de escuro e não queria que ela sentisse mais medo enquanto estivesse ali.
Quando voltou encontrou terminando de vestir o short jeans.
- Você vai dormir com essa roupa desconfortável?
se virou encarando-o na porta do quarto. Ela franziu a testa.
- Na minha casa tem pijama, ué! Tá doido?
Jimin gargalhou enquanto adentrava o quarto.
- Achei que o combinado era a gente passar a noite aqui, juntos!
- Sim! Mas como não rolou nada, achei que você fosse me levar para casa!
- Não! - ele se aproximou dela com o copo de água e acariciou o rosto dela.
pegou o copo d’água e então a tomou, enquanto ele ainda acariciava o rosto dela.
- Isso não importa, ! Eu te chamei para passar a noite aqui, para a gente passar mais tempo juntos. Independente se rolasse ou não! E outra coisa, daqui a pouco começa a chover! Já está chuviscando.
sentiu o coração palpitar dentro do peito. Não queria se apaixonar por ele, mas como evitar? Com ele sendo tão incrível? Já se sentia tão envolvida… Muito mais do que queria.
Jimin pegou uma camiseta dentro do guarda roupas e entregou para ela.
- Veste! Melhor do que dormir com essa roupa! - pegou a camiseta das mãos dele.
O telefone de Jimin vibrou sobre a escrivaninha.
- O J-Hope! Vou atender na sala para você se trocar! Depois te conto o que ele queria.
Assim que ele saiu ela se vestiu com a camiseta dele, automaticamente ela sorriu quando sentiu o cheiro dele na camiseta. Se deitou na cama e olhou o teto do quarto. Fechou os olhos, e sorriu outra vez.
- Eu te odeio, Park Jimin!



Septuagésimo Capítulo - A little braver

Jin vagava pelo condomínio atento, tinha as mãos no bolso e hora ou outra ele chamava o nome da irmã na esperança de que ela aparecesse. Se aproximando da casa dos pais de , ele vislumbrou um carro que julgou ser parecido com o dela vindo na direção dele. Dirigia devagar já que estava quase chegando na porta de casa, agradeceu mentalmente por ainda estar só chuviscando, se não a mãe a mataria! Foi quando ela viu Jin se aproximando do carro, pedindo que ela parasse. O coração dela acelerou, há quanto tempo eles não se viam? E ela nem tinha notícias dele… ainda sim, o coração acelerou. O que ele queria com ela? Brigar de novo? parou o carro e ele se aproximou da janela dela, pedindo que abaixasse o vidro.
- Boa noite, ! - ele pigarreou. - Desculpe incomodar!
Os dois de fato pareciam dois estranhos e aquilo machucava .
- Imagina! - ela umedeceu os lábios com a língua e o viu acompanhar o movimento com os olhos.
- Existe a possibilidade de você ter visto a Eun hoje? Por aqui pelo condomínio, não sei!
Ele coçou a cabeça, parecendo nervoso ou perdido.
- Não! Por quê? - ainda segurava o volante com as duas mãos.
Jin soltou um suspiro cansado.
- Ah, é que ela sumiu! Ela saiu para ir para o cursinho, mas ela não chegou lá! E isso era uma da tarde! E ela não voltou até agora!
- E vocês não estão conseguindo falar com ela?
- Não! Antes o telefone chamava até cair e agora nem chama! Meus pais já ligaram para todas as amigas e amigos dela que eles conhecem e nada! Ninguém a viu, ninguém sabe dela!
- Eu vou ajudar vocês! Espera só eu ajeitar o carro na porta de casa.
Jin aguardou por ela enquanto passava as mãos pelos cabelos, preocupado com a irmã. Toda ajuda era bem-vinda! caminhou até ele com o celular em mãos.
- Vou mandar uma mensagem para ela no Instagram! Só perguntando se está tudo bem, se ela está lá e tal. Tá bom? Aí a gente espera um pouco, enquanto isso a gente procura por ela aqui pelo condomínio!
Jin ainda atônito apenas concordou com ela com um aceno de cabeça. Ele viu digitar um “Tá aí?". Os dois se olharam, ansiosos pela possível resposta de Eun.
- Vem! Vamos dar mais uma volta aqui pelo condomínio! - Jin assentiu.
Os dois caminhavam lado a lado e chamavam por Eun, até que alguns minutos depois sentiu o celular vibrar dentro do bolso. Parou de andar, fazendo com que Jin também parasse, vislumbrou a resposta dela na tela e então desbloqueou o celular clicando na notificação. então começou a digitar: escreveu o número de seu celular e pediu que ela ligasse.
- Mandei o meu celular e pedi que ela me ligasse! Vamos esperar!
Jin engoliu seco e então passou as mãos outra vez pelos cabelos negros, bagunçando-os. Onde a irmã estava?
- Calma! Pelo visto ela está bem! Hum? - e ele se encararam.
Ela quis abraçá-lo, mas sabia que não podia. E então o telefone voltou a vibrar.
- Esse é o número dela? - virou o celular na direção de Jin -
- Não! Eu nunca vi esse número! Posso atender? - ele foi com uma das mãos na direção do celular.
- Deixa eu atender! Melhor! Pode ter acontecido alguma coisa da qual ela só se sentiu confortável em me ligar, então melhor eu atender!
Jin suspirou alto, mas concordou com .

“Eun?” - chamou.
a ouviu dizer que sim, já aos prantos e então saiu um pouco de perto de Jin, não queria que ele ouvisse a voz da irmã soar tão desesperada.
“Você tá bem, Eun?”
“Eu não quero voltar para casa, !”
“O que aconteceu para você não querer voltar para casa?”
lançou um olhar para Seokjin, que arregalou os olhos, e caminhou na direção dela com a mão já erguida para pegar o telefone. o impediu, colocando a mão em seu peito.
“Eu não quero voltar, ! Eu quero morar aqui, onde eu estou!”
“Está certo, mas me explica o porquê! Pode confiar em mim, Eun!”
“O Seokjin tá com você?”
ainda segurando o peito dele, que subia e descia com a respiração descompassada, piscou para ele.
“Não! Na verdade, estamos procurando por você pelo condomínio, mas cada um foi para um lado, estou sozinha agora! Pode falar!”
Seokjin balançou a cabeça, fechando os olhos. Mas estava entendendo onde queria chegar.
“Eu só não quero voltar para casa!”
E ela começou a chorar. encarava os olhos assustados de Seokjin.
“Vamos fazer assim, Eun, me passa o endereço de onde você está que eu vou te buscar! Sozinha, sem o Seokjin e sem os seus pais! A gente conversa e eu tento te ajudar, pode ser? Você precisa voltar para casa! Seus pais e especialmente o seu irmão estão muito preocupados! Se você quiser ficar um pouco lá em casa antes de voltar, até você se acalmar sem problemas! Que tal?” - ela concordou ainda aos prantos - Me manda o endereço de onde você está que estou indo te buscar!

As duas desligaram e então voltou para a conversa de Eun na dm do Instagram, e ela começou a digitar.
- E ai? - Seokjin perguntou - Ela vai te passar o endereço?
O endereço apareceu na tela de , que virou o celular na direção dele outra vez.
- Esse endereço é familiar para você?
Seokjin buscou algo na memória, mas nada.
- Não! Não faço a menor ideia do porquê ela está aí nesse endereço! Ela falou porque não quer voltar para casa?
- Não! Mas vou descobrir enquanto a trago de volta!
- Eu vou com você! - ele bradou.
- Não, Seokjin! Se não vai quebrar toda a confiança que ela está depositando em mim para voltar! Corre o risco de eu chegar lá com você e ela não querer entrar no carro! Vai para casa dos seus pais, avisa para eles e fica lá! Eu já trago ela de volta!
- Você está certa! - ele assentiu positivamente - Mas promete me contar porque ela fugiu?
- Se não for algo muito invasivo, prometo!
Os dois caminharam de volta para onde estava o carro de e então Jin foi para casa. Chegando lá ele avisou que havia pedido a ajuda de e que ela já estava indo buscá-la. Tentou sondar dos pais o que poderia ter acontecido para Eun não querer voltar para casa.
- Você é tão distante da gente que nem fica sabendo das coisas que acontecem aqui dentro! - o pai balançou a cabeça em negativa.
- Por que será, né, pai? - ele se jogou no sofá.
- Porque você é um ingrato!
Seokjin abriu a boca para protestar, mas a mãe o impediu, colocando a mão sobre seu joelho.
- Para vocês dois! O importante agora é a Eun voltar para casa sã e salva!
- Aconteceu alguma coisa que a fez perder a confiança em vocês dois! Ela preferiu confiar na , do que na gente!
Eui suspirou pesadamente, fechando os olhos.
- A sua irmã está de namorico com um qualquer!
- Como assim “um qualquer”? - foi a vez de Jin fechar os olhos.
- Mais velho que ela e de uma família inferior à nossa! E nós já a proibimos de vê-lo ou de ter contato com ele! Por isso ela fugiu provavelmente!
Jin abriu os olhos e viu o pai balançar a cabeça.
- Achei que pelo menos a Eun não fosse me dar desgosto!
- Como você é ridículo, pai!
- Seokjin! - a mãe o repreendeu.
- Não! Sério! Vocês estão proibindo a menina de se relacionar com um garoto apenas um ano mais velho e só porque a família dele não é rica? Vocês não podem escolher o destino dos filhos de vocês! Achei que tivessem aprendido isso comigo! Especialmente quando eu saí de casa! E outra coisa, vocês nem sabem se isso vai para frente a menina tem dezesseis anos!
- Não importa se vai para frente ou não, Seokjin! O foco dela agora é passar no vestibular e um namoro só vai atrapalhar isso!
- Não sei de onde vocês tiram essas coisas! Ela é só uma menina!
- Se você está tão insatisfeito com a forma que a gente cria a Eun, leva ela para morar com você! E arque com todas as despesas dela! Escola, cursinho, roupa, alimentação! Você tem condições financeiras o suficiente para isso?
Jin engoliu seco, preferindo ficar em silêncio, já que infelizmente não tinha mesmo condições de criar a irmã. Não no momento! Mas se tivesse, com certeza o faria!
- Achei mesmo que você não fosse capaz! Então não se meta na criação dela! Debaixo do meu teto eu a proíbo do que eu quiser e as regras são minhas!
- O senhor pode ter certeza de que se eu pudesse eu levaria!
- Mas não pode, não é? Você com esses quadros tem dinheiro para bancar só a sua vidinha! Essa profissão não te garante e jamais garantirá que você custeie as despesas de uma adolescente, Seokjin! E eu tenho certeza de que o que você ganha pintando os seus quadros, não é suficiente!
Jin fechou os olhos e sentiu o peito arder com as palavras e o desprezo do pai pela profissão que ele tanto amava!
- Meu sonho e da sua mãe é um casamento entre você e a ! Sempre esteve nos nossos planos desde que nos mudamos para cá! Ela seria a esposa perfeita para você, meu filho! Mas a gente tem até vergonha de propor isso para os pais dela! Já que ela é uma mulher bem-sucedida e você um artistazinho que vive de exposição e eventos que mal acontecem! Até os pais dela acham sua profissão sem futuro, tenho certeza!
- Meu Deus, chega! Vamos focar no que interessa agora que é a Eun!
Seokjin sentiu os olhos marejarem com força e os fechou enquanto tentava controlar a respiração. Aquilo havia doído. E ele quis ir embora, mas se preocupava muito com a irmã.
- Você consegue falar com a , meu filho, para saber se ela já se encontrou com a Eun?

****************************************************************************************************
parou o carro no portão do tal endereço e então buzinou duas vezes. O lugar era bem pobre, e era um bairro quase periférico do Rio de Janeiro. Por que Eun estava ali? viu a garota aparecer na janela de seu carro acompanhada de um rapaz, magro e alto que parecia ter a idade dela, os dois tinham as mãos entrelaçadas uma na outra. entendeu tudo. Suspirou pesadamente antes de abaixar o vidro.
- Oi! - resolveu que era melhor descer do carro.
Assim que o fez, os braços de Eun circundam a cintura dela, numa espécie de abraço desajeitado. a abraçou de volta.
- Obrigada por ter vindo sozinha! - a garota soltou e então segurou a mão do rapaz outra vez - Esse é o Samuel! Meu namorado! Essa é a , que te falei! Minha quase cunhada!
sentiu as bochechas enrubescer com o “quase cunhada”, então ela sabia da história toda?
- Prazer, Samuel! - sorriu para ele, que sorriu de volta para ela.
- , posso te pedir uma coisa? - assentiu para ele - Não deixe os pais dela brigarem muito com ela, por favor! Eu tenho medo de eles machucarem a Eun!
- Eu vou fazer o possível! O Seokjin está lá também, e não acho que ele vá deixar nada acontecer com ela! Ouviu, Eun? Seu irmão se preocupa muito com você!
Eun que já tinha os olhos marejados assentiu, deixando mais lágrimas rolarem por suas bochechas. Ela se despediu demoradamente do namorado e a esperou dentro do carro.
Já dentro do carro começou:
- O que está acontecendo, Eun? Por que seus pais não sabiam que você estava com o seu namorado?
Eun vislumbrava a rua pela janela. Logo já estava chorando de novo.
- Porque eles não aceitam! Já tem meses que estamos juntos e eles descobriram, desde então eles me proibiram de me relacionar com ele! E tudo isso porque eles são preconceituosos, ! Somos de condições financeiras diferentes, você deve ter notado isso! E além do mais, ele tem dezessete anos e isso para os meus pais é o fim! E eles vieram com um papo também de eu que preciso focar nos meus estudos e que um namoro só atrapalha!
- Entendi! - suspirou enquanto assistia os primeiros pingos da chuva fina baterem no vidro do carro - Já passei por uma situação parecida. Você aceita alguns conselhos?
Eun virou o rosto na direção de assim que elas pararam num semáforo.
- Vamos lá! No meu caso os meus pais não aceitavam por ele ser dois anos mais velho, eu tinha dezesseis, sua idade por um acaso, e ele tinha dezoito! Ou seja, ele já era maior de idade! O que piorava um pouco as coisas no meu caso! E o meu irmão, não aceitava também, porque o rapaz era melhor amigo dele!
- Não achei que seus pais fossem cruéis como os meus! - Eun balançou a cabeça em negativa.
- Não é isso, Eun! Depois que você crescer um pouco mais, vai começar a entender algumas coisas também! Quando os pais proíbem eles usam exatamente essa desculpa, que isso vai tirar o nosso foco do que realmente importa, os estudos! Eles vão falar que agora não é hora para isso e aí qualquer comportamento que a gente tenha fora do esperado deles, eles vão culpar o relacionamento!
Eun suspirou enquanto limpava as lágrimas. olhou para ela pelo canto do olho. Tão nova ainda! Tanta coisa para viver e aprender!
- Quer saber como eu lutei para esse relacionamento ser aceito? - Eun assentiu para ela - Eu respeitei a maioria das imposições, Eun! Não deixei de falar com ele, não deixei de vê-lo escondido, mas sempre pensava bem nas desculpas que eu daria para sair e me encontrar com ele sem ser descoberta. E eu sempre voltava no horário combinado com eles, e com todos os acontecimentos na ponta da língua para não dar bola fora. E o mais importante, Eun: eu não deixava de cumprir com nenhuma das minhas obrigações, tirava notas boas na escola e mostrei para eles que meu relacionamento não atrapalhava em nada a minha vida, os meus estudos e minhas responsabilidades. E muito menos atrapalhava algo na vida deles ou do meu irmão!
Eun ainda olhava para que falava compenetrada enquanto dirigia.
- E quando eles perceberam que eu tinha responsabilidade o suficiente para ter um relacionamento, eles aceitaram! Agora ter atitudes como essa que você teve hoje, só pioram a situação!
As duas voltaram a se olhar por alguns instantes e Eun passou a mão pelo rosto, exasperada.
- Eu agi sem pensar!
- Pois é! Essa atitude impensada de hoje preocupou todo mundo! Atitudes desse gênero fazem as pessoas pensarem o pior, Eun! Seus pais e seu irmão ligaram para os seus amigos e amigas, para o cursinho, ninguém tinha notícias suas! Quase que a polícia é envolvida nisso! Imagina se isso acontece? Ia dar problemas para a família do seu namorado, ele é menor de idade!
- Eu não tinha pensado dessa forma! Só queria sair daquela casa e me impor, da mesma maneira que o Jin fez com a carreira dele! E deu certo!
- Entendi seu ponto de vista! Mas são coisas diferentes, Eun! O Jin se impôs e bancou a atitude dele, né? Ele saiu de casa e trabalhou para se sustentar. Imagina se seus pais decidissem te expulsar de casa depois de hoje? Como você vai fazer?
Eun apenas fechou os olhos, voltando a chorar. A chuva começou a engrossar e mordeu o lábio, sentindo o coração acelerar.
- Minha mãe vai me matar! Droga! - o celular começou a vibrar sobre a coxa dela.
Era Jin.
- É o seu irmão! Atende e coloca no viva voz para mim?
Eun assentiu que sim enquanto pegava o celular na perna de e o atendia, limpando as lágrimas.
- Já encontrou a Eun, ?
As duas se olharam rapidamente.
- Sim, irmão! Já estou com ela! - elas puderam ouvi-lo respirar aliviado do outro lado da linha.
- E está chovendo forte aí?
- Está sim! Por quê?
- Pede para a parar o carro e me mandar a localização de vocês que eu estou indo encontrar com vocês!
Eun olhou para , que sentiu o coração tamborilar com a preocupação visível no tom de voz dele.
- Não precisa, Seokjin! A gente já tá perto, não tem porque se preocupar!
- ? Não! Pare o carro onde está que eu vou buscar vocês, seus pais não gostam que você dirija na chuva!
- Seokjin, estamos quase chegando! Acalma o seu coração aí que eu resolvo com a minha mãe quando eu chegar! Pode desligar, Eun!
Eun desligou, soltando uma risada nasalada.
- Qual é o lance dos seus pais com a chuva?
respirou fundo, se lembrando do irmão.
- Meu irmão morreu num acidente de moto, em um dia de chuva como esse! Meus pais, especialmente minha mãe, ficaram muito traumatizados com isso então eles não gostam que eu dirija na chuva.
Subitamente, Eun se sentiu culpada por estar ali.
- Me desculpe, ! Você está dirigindo na chuva, contrariando seus pais, por mim e nem é nada minha!
- Relaxa! Eu gosto de você! E está tudo bem!
Assim que parou o carro atrás do de Jin na casa dos pais de Eun, ela se virou para ela, se desfazendo do cinto.
- Por que você não finge que está dormindo para não ter que lidar com toda essa situação hoje? Eu te carrego nas minhas costas até lá dentro e o seu irmão te leva direto para o quarto, e aí amanhã com a cabeça mais fria vocês todos conversam! Que tal?
Eun sorriu, concordando com .
- Sabe de uma coisa, ? Se um dia você e o Seokjin resolverem ficar juntos, vocês terão o apoio dos meus pais! Eles te adoram! E eu também! Obrigada por hoje!
não conseguiu evitar o sorriso brotando nos lábios e abaixou a cabeça, ficando vermelha.
- Sobe! Já mandei uma mensagem para o seu irmão falando que você está dormindo, para ele vir te pegar!
segurou a mochila dela com uma das mãos enquanto Eun encenava todo o plano. Já parada na porta da casa dos pais deles, Jin a abriu, dando de cara com segurando Eun com certa dificuldade. Os dois trocaram um rápido olhar e então Seokjin pegou a irmã.
- Você pode me esperar sair, por favor? - ele pediu.
assentiu para ele.
Já dentro de casa os pais foram na direção dele.
- Amanhã vocês conversam com ela! Não vamos acordar a menina para ela ouvir os gritos de vocês e a situação ficar ainda pior.
Subiu as escadas com ela nos braços e adentrou com a irmã no quarto. Posicionou-a na cama confortavelmente e ele lhe acariciou os cabelos.
- Eu sei que você não está dormindo, criança, mas depois a gente conversa para eles não desconfiarem! - depositou um beijo casto na bochecha de mais nova e então saiu.

aguardava por Seokjin abraçando a si mesma devido ao frio que começara a sentir, estava molhada e ventava bastante. Foi quando ela viu os pais dele abrirem a porta. Eui sorria sem mostrar os dentes para ela, enquanto Si-Woo já mostrava os dentes abertamente.
- Oi, querida! Entra! Vem se secar aqui dentro! Tomar um banho!
- Não precisa, dona Eui! Eu tenho que ir para casa!
- Obrigada por ter salvado a nossa filha!
- Imagina, Si-Woo! Não salvei ninguém, só a trouxe de volta para casa! Não precisam me agradecer!
- Você foi muito gentil nos ajudando, ! Obrigada de verdade!
- Imagina! Bom, eu preciso mesmo ir para casa, enfrentar a minha mãe agora! - deu um sorriso amarelo.
- Entra primeiro! Se seca, toma um chá!
- Outra hora vocês conversam com a ! A mãe dela deve estar uma fera e esperando por ela!
- Então seja cavalheiro, Seokjin, e a acompanhe até em casa! Explica para mãe dela e agradece, que depois nós mesmos vamos fazer isso!
- Eu já ia fazer isso, eomma!
Os pais de Seokjin agradeceram outra vez e então deixaram os dois sozinhos. Lado a lado, os dois caminharam até o carro de .
- Não precisa me acompanhar, eu prefiro me virar com a minha mãe sozinha!
- Tudo bem então! Se você prefere! - ele deu de ombros – Escuta, !
Ela já tinha a mão na maçaneta do carro.
- Hum?
Os dois se encararam e respirou fundo, precisava acalmar o coração. Jin abaixou a cabeça com a profundidade do olhar dela, mas segundos depois a ergueu de novo.
- Obrigado por ter me ajudado com isso, mesmo que eu não tenha te perdoado.
- Relaxa! Eu não espero que você mude de ideia e não te ajudei com essa intenção! Na verdade, não fiz por você! Fiz por ela! Eu gosto da Eun, me identifico com ela! Nossos pais são amigos e eles ficariam tão preocupados quanto os seus se soubessem.
Jin engoliu seco com a frieza dela.
- Tá bom! Obrigado mesmo assim! A verdade é que eu fiquei muito bom em ser sozinho, e às vezes pareço não saber lidar com a ajuda dos outros.
assentiu enquanto abria a porta do carro e entrava. Jin assistiu enquanto ela dirigia para casa. Ela nunca havia sido tão fria ou seca daquele jeito antes. Voltou a se lembrar do pai dizendo que tinha certeza de que os pais dela também o achavam um fracasso. Os olhos marejaram e ele balançou a cabeça tentando afastar as inseguranças.

****************************************************************************************************

Abriu a porta da casa e encontrou a mãe abraçada ao pai e sentada no sofá, com as lágrimas escorrendo pelas bochechas. arregalou os olhos ao vislumbrar a cena e então a mãe dela se levantou, indo em direção à filha e a abraçando com força.
- , pelo amor de Deus! Eu já te pedi tanto para não dirigir na chuva! Eu não aguento perder outro filho. Você precisa me ouvir, filha! Eu só quero o seu bem!
- Eu sei, mãe! Calma, me deixa explicar primeiro o que aconteceu! Eu estava voltando da boate e o Seokjin me parou um pouco antes de eu chegar aqui para me perguntar da irmã dele, a Eun, sabe?
A mãe segurou uma das mãos dela e assentiu. limpou as lágrimas dela com a mão livre.
- Ela tinha sumido e eu fui ajudá-lo a procurar por ela e acabei indo atrás dela e então acabou chovendo! Mas eu já estava basicamente aqui no condomínio.
- Mas onde ela estava, filha? Explica isso direito!
- Ah, ela arrumou um namoradinho e os pais não aprovaram. Ela fugiu para casa dele! E bom, ela acabou confiando em mim para ir lá buscá-la e foi isso! Me desculpa!
As duas se olharam e a mãe de engoliu seco.
- Mas promete para mim que não vai mais fazer isso, filha? Por favor?
- Prometo, mãe! Me desculpa! Mas a chuva só começou mesmo quando eu já estava aqui bem perto. Mas prometo!
Se encararam.
- Vai tomar um banho, filha, tirar essa roupa molhada! Parabéns pela atitude! Estou orgulhosa!
As duas sorriram uma para a outra e subiu depois de depositar um beijo na testa do pai.

****************************************************************************************************

Bateu à porta da casa atrás de si e encarou os pais. O pai, como sempre, tomava uma dose de seu licor e a mãe encarava a TV sem de fato prestar atenção.
- Foi rápido! - a mãe olhou para ele.
- Ela dispensou a minha companhia! - deu de ombros enquanto ia para a sala.
O pai balançou a cabeça e soltou um muxoxo.
- Você é um inútil mesmo! Nem para ser cavalheiro com uma dama você serve, Seokjin! - Jin soltou um suspiro cansado e sentiu as têmporas doerem.
- Já que a Eun está em casa sã e salva eu vou embora para o meu apartamento!
- Não! Está tarde, Seokjin! Não vou deixar você voltar para aquele fim de mundo a uma hora dessas! Aqui também é a sua casa, dorme aqui e vai amanhã cedo!
- Isso, meu filho! Fica, por favor! O dia já foi muito estressante!
Ele assentiu para os pais.
- Então boa noite!
Resolveu passar no quarto da irmã para dar uma olhada nela e a encontrou sentada na cama, mexendo no celular. A mais nova bloqueou o celular, assustada, e tentando disfarçar. Jin sorriu sem mostrar os dentes para ela e fechou a porta do quarto dela, entrando.
- Achei que você já estivesse em casa!
- Eomma e appa pediram para eu dormir aqui por causa do horário! Você já deveria estar dormindo, criança!
Os dois se olharam e Eun bateu ao seu lado na cama sinalizando para que ele se sentasse e Jin assim o fez.
- Pronta para me contar o que aconteceu e onde você estava, Eun? Ou quer falar sobre isso em outro momento?
- Você não sabe? Eomma e o appa não te contaram?
- Contaram a versão deles! Você estava com ele?
Eun assentiu.
- Na casa dele? Os pais dele sabem então?
- Sim e diferente dos nossos pais, eles apoiam! Jin, eu estou apaixonada! - Jin viu as bochechas dela ficarem rosadas.
Ele sorriu, acariciando a bochecha dela.
- Eu entendo, criança! - ele suspirou - Vou te ajudar com isso, pode contar comigo para cobrir suas mentiras! Mas, Eun, não deixa de cumprir com suas obrigações como estudante! Se eu pudesse te levava para morar comigo, mas ainda não dá! Então não pise na bola com isso!
- Pode deixar! A me deu o mesmo conselho! Sabia que ela passou por uma situação igual a minha quando tinha dezesseis anos? Ela me deu umas dicas de como fazer para os nossos pais aceitarem!
- Eu não sabia, criança! - ele balançou a cabeça.
Pensou que de , de fato, ele não sabia nada!
- Eu gosto muito dela! E senti como se, sei lá, ela fosse a irmã mais velha que eu nunca tive, sabe? Eu senti que ela queria me ajudar de verdade! - Eun segurou a mão dele - Você está desperdiçando uma garota muito legal por causa do seu orgulho, irmão! Eu torço muito para que vocês dois deem certo!
- Você acha que sou homem o suficiente para ela? Hoje o pai disse que fazia muito gosto que ela fosse minha esposa…- ele riu - Mas disse que provavelmente os pais dela me achavam um fracassado por causa da minha profissão, e bom, ela é famosa e bem-sucedida, não é?
- Mas você também é! Você é um artista plástico renomado, Jin! Isso que o pai disse é ridículo! Tenho certeza de que os pais dela são bem diferentes dos nossos! Você deveria se entregar ao que sente, porque eu sinto que ela ainda gosta de você!
Os dois se olharam e Jin apertou a mão da irmã.
- Vou deixar você dormir! O dia hoje foi pesado, e se prepara para amanhã! Mas eu vou tentar te ajudar, tá bom?
- Obrigada, Jin! Eu te amo! - ele lhe beijou a testa.
- Eu também, criança! Eu também!

****************************************************************************************************

- Bom dia, Eliana! A gente está atrapalhando?
- Imagina, Eui! Entra, gente!
A mãe de deu espaço para que os pais de Seokjin entrassem.
- A gente trouxe para vocês! - Eui ergueu a cesta cheia de frutas na direção de Eliana.
Ela segurou a cesta, sorriu e agradeceu.
- Isso é da nossa família para a sua! Uma forma de agradecer o que sua filha fez pela nossa! E também uma forma de pedir desculpas por sua filha ter dirigido na chuva! O Seokjin explicou para gente sobre isso!
- Imagina! Eu fiquei muito feliz que foi a que ajudou vocês com a Eun! Ela está bem?
- Está sim! Ainda bem! Graças a Deus, não é? - os pais de Jin se olharam.
- Fico feliz!
O pai de adentrou a sala e cumprimentou o casal de amigos. Os dois voltaram a agradecer.
- Vocês têm que ter muito orgulho da ! Ela é uma mulher muito forte! E gentil!
- E inteligente! - Eui sorriu.
- E bonita! - os pais de se olharam quando Si-Woo complementou.
- Nós temos! Não é, meu bem? - o pai de assentiu.
Os quatro ficaram trocando figurinhas e os pais de Seokjin até tomaram uma xícara de café, já na porta Eui e Si-Woo trocaram um rápido olhar.
- Antes de irmos de vez, eu gostaria de falar uma coisa! - Eui sorriu. - Gostaríamos muito que vocês dois considerassem o Seokjin como uma opção de genro!
Eliana e William se entreolharam e então os dois soltaram uma risada, ambos sem graça. Os dois sabiam que a cultura sul-coreana ainda era muito presente na família e que eles tinham a melhor das intenções.
- Se acontecer de algum dia os dois de fato se apaixonarem e quiserem, eu e o William fazemos muito gosto! Adoramos o Seokjin! Ele é sempre tão educado quando nos vê aqui pelo condomínio!
Si-Woo e Eui sorriram satisfeitos e então depois de se despedirem mais uma vez, eles rumaram para casa.
Assim que William e Eliana entraram em casa outra vez, já estava sentada na mesa e admirava a cesta de frutas dos pais.
- De onde veio isso? - ela apontou com a cabeça.
- Os pais do Seokjin e da Eun vieram trazer agorinha para a gente! Em forma de agradecimento por você ter ajudado eles com a Eun!
analisou a cesta outra vez e deu de ombros.
- Eles estão doidinhos para te ter como nora! Você é quem não sabe! - os pais riram.
acabou por se engasgar com o leite que tinha acabado de levar à boca e os pais riram ainda mais. Depois de se recuperar, ela se levantou para limpar a roupa e a mesa.
- Um assunto desses a essa hora da manhã?
- Você bem gostou que a gente sabe!
e a mãe se olharam, e ela riu.



Septuagésimo Primeiro Capítulo - Deja Vu

Abriu a porta do quarto dela depois de duas batidinhas e a encontrou lá lendo. Os dois haviam ficado basicamente o sábado todo juntos, ele havia começado a ensiná-la como tocar o piano e ela estava o ajudando a parar de fumar.
- Estou indo ao mercado, o que você quer para o jantar?
- Eu vou com você! - ela se desfez do cobertor.
- Tem certeza? Não acho uma boa ideia! - Suga coçou a nuca.
- Tenho sim! Se estiver muito cheio eu fico dentro do carro! Não aguento mais ficar trancada aqui, Suga!
Os dois se olharam e ele adentrou o quarto erguendo a mão na direção dela e a ajudando a se levantar. Os dois então caminharam lado a lado com Suga a apoiando pela cintura. Vagarosamente os dois chegaram ao estacionamento do prédio e ele a ajudou a ficar confortável no carro.
Os dois conversaram sobre os pais de até que chegaram ao mercado, que parecia estar vazio. relatou a Suga que estava com vontade de comer frango e então eles entraram. Depois de comprarem tudo, bem devagar, porque, afinal de contas, não podia se movimentar muito e nem bruscamente, caminharam em direção ao caixa.
Quando eles foram para o caixa preferencial e Suga começou a passar as compras a atendente sorriu para ele, que apenas a cumprimentou com um aceno de cabeça.
observou a moça toda sorridente puxar assunto com Suga, como se ela nem estivesse ali também. E Suga dava bola, respondia as perguntas e até sorria para ela. franziu a testa e se perguntou se ele percebia que aquilo estava sendo desrespeitoso com ela.
- Você mora aqui perto? - ela perguntou enquanto entregava o troco para ele.
- Moro! Uns dez, quinze minutos só daqui!
- Espero ver você mais vezes aqui então!
E para fechar com chave de ouro ela deu uma piscadinha na direção de Suga, que apenas riu, abaixando a cabeça. balançou a dela em negativa, incrédula. Os dois se despediram e então e ele caminharam em silêncio e vagarosamente de volta ao carro.
Já fora do estacionamento do mercado, o encarou com a cara visivelmente fechada.
- O que foi? - ele a encarou de volta.
- Espero ver você mais vezes aqui então! - ela imitou a atendente, debochada.
Suga gargalhou alto, jogando a cabeça para trás.
- Você está com ciúmes?
rolou os olhos.
- Não! Seu ridículo! Eu só não gostei! Me senti desrespeitada! Inclusive gostaria de pedir isso a você! Que pelo menos durante o período da gestação você não se envolvesse com ninguém! Em respeito a mim e a esse bebe!
- Tá bom! - ele assentiu com a cabeça, voltando a prestar atenção no trânsito - Não vou me envolver com ninguém durante esse período! Pode ficar tranquila!
arregalou os olhos, se sentindo subitamente egoísta já que os dois não tinham nada e ela não tinha aquele direito, e se sentiu surpresa ao vê-lo concordar com aquilo.
- Você está maluco? - ela cruzou os braços - Estou sendo egoísta! Que loucura!
balançou a cabeça.
- Por mim está tudo certo! Não quero te estressar, para correr tudo bem nesse período! Fica tranquila que não tem nada demais nesse pedido!
Os dois voltaram a se encarar. Suga entendia muito bem que os hormônios dela estavam uma loucura e que ela se estressava por muito pouco, e como aquilo não podia acontecer, ele concordava com tudo que ela pedisse.

Já em casa, o clima parecia ter voltado ao normal entre os dois, enquanto ele preparava o jantar, praticava no piano o que ele a havia ensinado e hora ou outra ele se sentava ao lado dela para ajudá-la. Depois que os dois jantaram, ficou assistindo TV enquanto ele ajeitava as louças sujas e depois ele a ajudou a caminhar até o banheiro, e depois a ajudou de volta ao quarto. Os dois se despediram e Suga foi tomar seu banho. leu até conseguir pegar no sono.

****************************************************************************************************

“Os dois seguravam as mãos um do outro e ambos sorriam. observava os olhos brilhantes de Suga a encarando e ela sentia o coração bater rápido. Os dois estavam num lugar desconhecido, mas muito bonito, não parecia ser o Brasil, ela pensou. Os dois se abraçaram com força e Suga sussurrou: Não se preocupe, vai ficar tudo bem, ! Foi quando de repente ela viu sangue em suas mãos, olhou para baixo e havia mais sangue ainda, ao olhar ao redor ela só via as paredes brancas e Suga parado a sua frente. Ele estava quase tão branco quanto as paredes do local e ele não tinha expressão no rosto. Mais sangue e dor, muita dor. Um homem que ela nunca havia visto apareceu ao lado de Suga: O bebê de vocês não resistiu, sinto muito! Um grito ensurdecedor saiu da garganta dela.”

Abriu os olhos encontrando o abajur ainda aceso e bateu a mão ao seu lado na cama: vazio. O coração dela batia rápido e ela estava suada, os olhos marejados. Gritou por Suga o mais alto que pôde. O coração batia rápido, rápido demais. Levou as mãos à barriga e a acariciou. Gritou por ele outra vez, ainda mais alto. Segundos depois, um Yoongi sonolento e descabelado apareceu no batente da porta.
- O que foi? - a voz rouca dele ecoou pelo quarto.
deixou que as lágrimas descessem pelo rosto enquanto se sentava na cama, Yoongi arregalou os olhos e então se sentou em frente a ela, a abraçando com força.
- O que foi, ? O que aconteceu?
- Eu tive um sonho com o Hyuk!
- E por que você está chorando e tremendo desse jeito?
- Porque no sonho ele não resistia! E tinha muito sangue, Yoongi, muita dor! Foi horrível! Eu não quero perder o bebê!
Suga acariciou as costas dela enquanto a apertava mais em si. Sentiu o próprio coração acelerar também.
- Isso não vai acontecer! Calma, meu bem! Você está seguindo todas as recomendações médicas e tomando o remédio! Isso não vai acontecer, foi só um sonho ruim! Só isso!
- Mas foi muito real! - eles se soltaram e ela agora enxugava as lágrimas.
- Tenta se acalmar, ! Você não pode passar por emoções fortes, se lembra? Está tudo bem com o Hyuk!
Suga colocou as mãos sobre a barriga dela e acariciou, tentando acalmá-la.
- Vou buscar uma água com açúcar para você!
- Não! - ela segurou as mãos dele - Não quero ficar sozinha! Por favor, Yoongi!
- Tá bom! - ele sorriu para ela - Se deita, que vou dormir com você essa noite! Está tudo bem!
assentiu ainda com os olhos molhados e voltou a se deitar na cama. E logo em seguida Suga apagou a luz do abajur e se ajeitou ao lado dela a abraçando pela cintura e juntando os corpos. Cheirou os cabelos dela, que segurou as mãos dele com força.
- Não sai daqui, Yoongi!
- Não vou sair, ! Não vou sair! - ele beijou a cabeça dela.
Fechou os olhos quando a sentiu soltar a respiração presa nos pulmões.
- Estou aqui! Vai ficar tudo bem!
assentiu para ele enquanto também fechava os olhos. Havia sido só um sonho!

****************************************************************************************************

Acordou e percebeu que Suga não estava na cama, se levantou com o cuidado de sempre e saiu do quarto percebendo que Suga estava em seu próprio quarto.
- Já vou preparar nosso café da manhã! Está tudo bem?
assentiu que sim e então foi para o banheiro vendo Suga passar pelo corredor antes de fechar a porta. Depois de fazer sua higiene, ela voltou para o quarto e observou o berço do filho. A cabeça dela doía bastante, mas ela acreditava ser devido à noite turbulenta que tivera, depois do pesadelo ela e Suga dormiram mal. Trocou o pijama por uma camiseta larga e um short de malha e caminhou devagar para a cozinha e viu Suga de costas no fogão fazendo o café.
- Bom dia! - ela bradou, se aproximando dele - Vou ajudar você a montar a mesa do café!
- Não precisa! Vai se sentar!
riu e então ficou na ponta dos pés abrindo o armário para pegar alguns pratos. Mas se curvou de dor com a pontada que atingiu a barriga. Ela soltou um muxoxo baixo o suficiente para que só ela ouvisse e então levou a mão à barriga. Olhou para baixo se escorando na pia viu o sangue começar a escorrer pernas abaixo.
- Suga! - ela chamou, já enchendo os olhos de água.
Suga olhou para ela com a mão na barriga e escorada na pia. Ele colocou as mãos nas costas dela antes de desligar o fogão.
- O quê?
- Eu estou sangrando! Igual no sonho!
- Como assim sangrando?
- É, Suga! Sangrando! - ela colocou as duas mãos nos ombros dele virando o corpo.
Suga observou o sangue escorrer pelas pernas dela e o coração dele acelerou.
- Vamos para o hospital agora! Vou pegar sua bolsa e minha carteira, vem!
Eles deram as mãos e Suga a sentou no sofá, enquanto atônito ele procurava pela bolsa dela e por sua carteira.
- Em cima da escrivaninha que está a minha bolsa!
- Seus documentos estão todos lá?
- Sim! Rápido, Suga! - ela passou as mãos pelas pernas se sujando com o sangue.
Com ela nos braços ele caminhou até o elevador, não queria que ela andasse, o sangramento não podia piorar. O coração dele batia descompassado enquanto , mesmo com os olhos marejados, tentava manter a calma. Saiu do prédio às pressas, enquanto orava em silêncio para que ficasse tudo bem.

Já no hospital, Suga andava de um lado para o outro sem conseguir se acalmar. Outra vez eles não deixaram que ele entrasse com , fazendo a angústia dele aumentar a cada minuto. Ele se questionava a todo momento o porquê o sangramento havia voltado se estava seguindo as recomendações médicas e se esforçando o mínimo possível. Olhou para o teto do hospital e pela primeira vez na vida, ele rezou. Não sabia se de fato existia um Deus ou uma força maior que regia todas as coisas, mas ele rezou.
olhava as feições do médico enquanto era submetida a uma ultrassonografia. O médico se mantinha sem expressão nenhuma durante o exame e estava desesperada por notícias!
- Você pode pelo menos falar alguma coisa, doutor?
- É melhor eu terminar o exame primeiro e te passar para o nosso ginecologista de plantão! Ele vai explicar melhor!
respirou fundo e então fechou os olhos, voltando a orar em silêncio. Pediu que nada acontecesse com o filho, afinal de contas, ela estava no quinto mês, com quase dezenove semanas de gestação. Alguns minutos depois ela foi submetida a mais um exame, e outra vez ninguém dizia nada. O enfermeiro chefe disse que ela precisava ficar lá em observação, até que o médico plantonista viesse falar com ela e com Suga.
Fechou os olhos, sentindo vontade de chorar e então Yoongi adentrou o quarto e passou a mão pelo rosto dela.
- Eles falaram alguma coisa para você, Suga? - ela perguntou, ainda de olhos fechados.
- Só que você já havia feito todos os exames que já, já o médico viria falar com a gente!
- Eu estou com medo, Yoongi! - abriu os olhos, encarando os de Suga -
- Vai dar tudo certo! Tenho certeza!
- E se a situação tiver piorado? E se a minha ida ontem no mercado atrapalhou tudo? Eu não vou me perdoar, Suga!
- Não fala assim! Para com isso! Está tudo bem com vocês dois, e eu tenho certeza! Foi só um sangramento, agora é redobrar os cuidados, !
- O médico ficou totalmente sem expressão durante os exames, e eu acho que isso não é um bom sinal!
Suga passou a mão pela cabeça dela enquanto a via marejar os olhos. Odiava vê-la chorar! Mas ele estava confiante que estava tudo bem, que havia sido só um sangramento e que agora era só os dois mudarem outra vez a rotina para que aquilo não acontecesse novamente. engoliu o choro assim que viu o médico entrar no quarto.
- e Yoongi, certo? - os dois assentiram - Bom!
O médico olhou de um para o outro e então com alguns papéis na mão ele se aproximou dos dois.
- E então, doutor? - Suga umedeceu os lábios - O que apontaram os exames?
- Infelizmente eu não trago boas notícias! - fechou os olhos - Os exames apontaram o deslocamento da placenta! E não há nada no momento que nós possamos fazer, porque infelizmente o bebê não resistiu! Sinto muito mesmo! Não detectamos os batimentos cardíacos, você deve ter tido um sangramento oculto durante esses dias, ou seja, o sangue pode ter ficado retido entre a placenta e o útero. Sentiu dores por esses dias?
- Um cólica muito leve! - ela já tinha a voz embargada - Mas achei que não fosse nada demais, já que eu vivo sentindo algumas cólicas!
Suga fechou os olhos. Não brigaria com ela, mesmo que estivesse com vontade, não era o momento.
- Entendi! - o médico ficou em silêncio por alguns segundos - Eu sinto muito! Muito mesmo! Mas vocês dois são novos, ainda podem tentar muitas vezes! Esse assunto que vou tocar com vocês é delicado, mas preciso que vocês dois decidam o que querem fazer! Nós temos a opção de fazer a curetagem do feto aqui no hospital, num procedimento cirúrgico, é menos doloroso para você ,! Precisamos encontrar uma data para que isso seja feito! Mas caso vocês queiram, podem ir para casa e eu te passo um remédio para ajudar a expelir o feto.
- Como funciona esse remédio? - questionou.
- Ele vai provocar o amadurecimento do colo do útero, é como se fosse um parto normal! Você vai sentir algumas contrações e o seu corpo vai expelir o feto de forma natural!
Ele e Yoongi se encararam. engoliu seco e voltou a fechar os olhos. A cabeça ainda doía.
- Vou deixar vocês dois a sós para conversarem melhor sobre o assunto, depois é só me chamar para me comunicar a decisão!
Assim que os dois ficaram sozinhos, se entregou. Chorou alto enquanto era amparada por Yoongi. Os dois se abraçaram da forma que puderam com ainda deitada. Suga fechou os olhos com força, lembrou da mãe. Desejou que ela estivesse viva para poder ampará-lo! O peito dele doía como nunca antes, tanto que chegava a arder. E ele sabia que deveria estar sentindo a mesma coisa. Os dois queriam muito aquele filho!
- Você prefere qual procedimento? - ele segurou o rosto dela entre as mãos.
Infelizmente precisavam lidar com aquilo.
- Eu quero ir para casa! Não quero ficar no hospital! Não quero ter que dormir aqui! Quero ir embora, Yoongi!
- Tá bom! A gente já vai! Vamos comunicar ao médico a nossa decisão e ver se ele tem mais alguma orientação para gente!
Suga saiu do quarto a procura do médico, deixando sozinha. Ela tapou o rosto com os olhos voltando a chorar. Sentia um vazio no peito misturado com dor. Não queria perder o filho, se cuidou o máximo que pôde para que aquilo não acontecesse! Se sentiu culpada de não ter feito o suficiente e especialmente por não ter reclamado das cólicas. Será que ela poderia ter impedido que aquilo acontecesse? Pensou em Yoongi, e em como ele estava empolgado com a possibilidade de ser pai, pensou em como ele era cuidadoso - até paranóico - com ela e com o filho… Ele deveria estar devastado, e tudo por culpa dela!
Suga se encontrou com o médico e informou a ele a decisão que eles haviam tomado, o médico então pediu que Suga o acompanhasse até seu consultório para que ele pudesse passar a receita com os medicamentos e algumas instruções! Concentrado, Suga prestou bastante atenção nas indicações do médico. ainda precisava de repouso até que o remédio começasse a fazer efeito, ela voltaria a sangrar e assim que sentisse dores muito fortes ela precisaria ir para o banheiro da casa e esperar o corpo expulsar o feto. O médico recomendou que isso fosse feito em um chuveiro com água corrente para ajudar. O médico recomendou também que depois que o feto fosse expelido, fizesse tratamento com algum psicólogo, pois todo esse processo poderia ser muito traumático para as mulheres. Suga com certeza cuidaria daquilo.

***********************************************************************************************

Os dois passaram na farmácia antes de irem para casa, onde Yoongi comprou os remédios dela. Assim que chegaram no apartamento de Suga, se sentou no sofá e voltou a chorar. Não se sentia capaz de pensar em nada coerente ainda. Ela só conseguia sentir dor. Era como se ela tivesse levado uma surra, tamanha a dor que sentia pelo corpo, era uma dor física também!
Yoongi sentou ao lado dela no sofá, lhe entregando o copo de água e os dois comprimidos.
- Eu não quero tirar ele de mim, Yoongi! - Suga engoliu seco com as palavras dela.
O peito dele estava dilacerado, e a dor que ele sentia, assim como a de , era física também. Todos os músculos do corpo dele doíam, a cabeça dele, o peito… Mas ele precisava ser forte e racional, tinha que fazer isso por .
- Mas você precisa, ! A gente tem que deixá-lo descansar! E você e eu também precisamos descansar! A gente fez o possível!
balançou a cabeça em negativa.
- Não! Eu não me cuidei o suficiente!
- Não quero ouvir besteiras desse gênero saindo da sua boca, ! Por favor, tome o remédio! Quanto mais cedo você tomar, mais rápido vai ser tudo isso!
pegou os comprimidos e em seguida o copo com a água, e os ingeriu .
- Vem! Você precisa se deitar! Tem que ficar de repouso até o efeito do remédio começar! - ele ergueu a mão para ela.
Assim que os dois se deitaram na cama, encostou a testa na dele. Os dois se encararam e sentiu a mão dele sobre sua cintura.
- Você me desculpa? - ela sussurrou, fechando os olhos.
- Pelo que, ? - foi a vez dele fechar os olhos.
- Por não ter conseguido!
- Você não tem culpa de nada, por favor! Tenta dormir um pouco, que tal?
- Você queria tanto esse filho!
- Você também! Nós dois queríamos!
Ela assentiu enquanto deixava algumas lágrimas rolarem pela face.
- Você precisa descansar um pouco!
Suga levou a mesma mão que estava em sua cintura para o rosto dela e então limpou as lágrimas que caiam por lá. abriu os olhos e encarou os dele também abertos.
- Você também precisa descansar! - ele balançou a cabeça positivamente.
Voltou a fechar os olhos e Suga observou os detalhes do rosto dela. Passou delicadamente o nariz no dela, numa carícia, cúmplice. Ele esperou alguns minutos e quando percebeu que ela havia pegado no sono, ele desceu o corpo pela cama, ficando com o rosto na altura da barriga dela. Encostou o nariz por lá.
- Ah, meu filho! - ele respirou fundo - A gente estava te esperando! Com tanto amor! Tanta ansiedade! Eu cuidei tanto de vocês! Tanto! Eu não estava preparado! No começo eu não estava preparado para ter você e agora eu não estava preparado para perder você!
abriu os olhos quando ele suspirou pesadamente mais cedo, e ouvia ele se despedindo do filho. Resolveu que não atrapalharia aquele momento, ela não tinha direito. Aquele era um momento único e exclusivo de Yoongi. Ela sabia como era difícil para ele se expressar, então deixou que ele conversasse com o filho.
- Eu estava contando os dias para você chegar, sabe? Até tinha sonhado com o seu rosto esses dias, sua mãe nem sabe disso! - ele balançou a cabeça - Vai ser muito difícil, Hyuk! Muito difícil! Para mim e para sua mãe! Você ia mudar as nossas vidas, sabe, filho? E mudou, não é? Mudou tudo! Mesmo que você não venha mais, você foi amado e muito importante! E tenho certeza de que você cumpriu sua missão, mesmo que curta, eu acho que cumpriu! Me transformou num homem melhor, sabe? E me apresentou a sua mãe!
Ele sorriu contra a barriga de , que agora chorava outra vez.
- Vai em paz, tá bom? Descansa! A gente vai seguindo daqui, vai dar tudo certo! Obrigado, meu filho! - Yoongi depositou um beijo demorado na barriga de .
limpou as lágrimas teimosas e então voltou a fechar os olhos, fingindo que ainda estava dormindo, ela sabia que seria melhor assim. Suga depositou um beijo na testa dela e então se permitiu descansar.

****************************************************************************************************

Acordou sentindo uma forte pressão no ventre e então se sentou na cama, devagar. Olhou no relógio da cabeceira da cama de Yoongi e ela percebeu que havia se passado uma hora desde que havia se deitado. Provavelmente o remédio já começava a fazer efeito. A cabeça dela doía terrivelmente. Sentiu uma das mãos de Suga lhe acariciarem as costas.
- Eu vou para o banheiro! Acho que o remédio está fazendo efeito, estou sentindo bastante dor e acho que estou sangrando!
- Eu vou com você! Vai indo, que vou pegar sua toalha! Consegue ir sozinha?
Ela fez que sim e então se levantou, sentia muitas cólicas então caminhou com certa dificuldade até o cômodo. Lá ela se despiu e então entrou no box, ligando o chuveiro e se enfiando debaixo dele. Apoiou uma das mãos na parede do banheiro e mantinha a outra na barriga, pressionando-a na intenção de amenizar mesmo que um pouco as dores que sentia por lá. De olhos fechados ela sentiu a presença de Yoongi no banheiro.
- Vou ficar sentado aqui! Qualquer coisa é só você me chamar, tá bom?
Ela assentiu ainda pressionando o ventre. A água quente ajudava um pouco. Suga observava sentado sobre a tampa do vaso, ele fechou rapidamente os olhos e desejou que ela não sentisse muita dor e que tudo acontecesse o mais rápido o possível. Eles ainda precisavam contar para os pais dela e para . Não seria fácil!
Ela soltou alguns gemidos de dor enquanto escondia o rosto no braço e sentia a água quente bater em suas costas. Yoongi observava o sangue escorrendo pelo piso do banheiro e indo embora pelo ralo.
- Está doendo muito?
- Sim! Bastante! - ela escorou as costas na parede e encarou Suga.
- O médico disse que não deve demorar muito até você expelir! Aguenta firme!
Ela tentou sorrir, mas acabou chorando. Yoongi sentiu o coração doer e quis abraçá-la com força até que tudo passasse. Depois de alguns segundos chorando, ela voltou a se enfiar debaixo do chuveiro, com os olhos fechados. As dores só faziam aumentar e o sangramento também.
- Quanto sofrimento! - ela riu, desgostosa - Eu queria tanto ter você, Hyuk! Por quê?
E voltou a chorar. Suga fechou os olhos com força. Ela tinha razão: quanto sofrimento. Se ele pudesse trocar de lugar com ela, ele o faria.
Depois de quase duas horas de agonia e de muita dor, observou o feto cair sobre o solo do banheiro. Ela sentia ainda muita dor e ainda sangrava. Mesmo assim ela se abaixou e o pegou nas mãos. Observou o filho e então chorou por mais alguns minutos. Suga a observava sentindo os músculos doerem ainda mais. A cabeça dele doía também, assim como a de . Assim que ela se virou e abriu o box, os dois se encararam.

***********************************************************************************************

voltou para debaixo do chuveiro e deixou outra vez que a água caísse sobre ela. De olhos fechados ela pediu à Deus que o filho estivesse em um bom lugar e pediu que logo ela superasse a dor de não ter visto o filho nascer. Alguns minutos depois ela observou Suga adentrar o banheiro outra vez. Os dois se encararam.
Yoongi se despiu lentamente e então ele entrou no box, encarando os olhos inchados de . Ela viu os olhos dele marejarem com força e então ele a abraçou pela cintura e encaixou o rosto na curva do pescoço dela. E então ele chorou.
Há anos ele não chorava. O corpo todo dele tremia e o apertava com força enquanto subia e descia as mãos pelas costas dele. Ele chorava com tanta força que teve medo de não conseguir segurar o corpo dele.
agora passava as mãos pelos cabelos molhados dele.
- Você foi incrível Yoongi! Incrível! Chora! Vai te fazer bem! Eu estou aqui para te amparar, da mesma forma que você esteve esse tempo todo por mim e pelo Hyuk!
- Dói tanto! - ele sussurrou contra o pescoço dela.
- Dói! Eu sei! - ela voltou a descer as mais pelas costas molhadas dele.
E assim os dois ficaram até que Suga começasse a se acalmar, cessando o choro.
Depois de um banho demorado, pediu que Suga fosse até a farmácia e comprasse absorventes para ela, já que o sangramento duraria dias.
Suga não deixou que ela entrasse no quarto onde dormia, por causa do berço então ela foi para o dele.
- A já chegou da viagem?
- Sim! Ela me avisou um pouco mais cedo que já estava em casa!
- Manda uma mensagem para ela, avisando que na volta da farmácia eu passo lá para pegar ela! Você precisa de uma amiga, não é?
fez que sim com a cabeça.

****************************************************************************************************

Suga abriu a porta do apartamento para e ela entrou.
- Fica à vontade, ! Entrega para a para mim? Eu vou deixar vocês duas sozinhas, vou espairecer um pouco também!
- Tá bom! Qualquer coisa liga!
- Vocês duas também! Eu volto a tempo de fazer um almoço para a gente!
- Relaxa! Eu mesma faço!
Os dois se despediram e Suga fechou a porta do apartamento. , já com lágrimas nos olhos, andou até o corredor que dava para os quartos e ao banheiro e chamou pela amiga que respondeu. Assim que ela parou no batente da porta e as duas se encararam, não aguentou e começou a chorar.
Logo também estava chorando. Se sentou ao lado da amiga e as duas então se abraçaram. Elas se apertaram uma na outra.
- Eu estou destruída, amiga!
- Eu imagino, meu bem! Mas sei que o que eu imagino não chega perto do que você está sentindo!
- Foi como um déjà vu, sabe? Sonhei noite passada que isso acontecia e quando acordei já estava sangrando, foi tudo rápido demais! Eu não me preparei para perder o Hyuk, e eu estou me sentindo culpada!
- Culpada de quê, amiga? - elas se soltaram - Essas coisas infelizmente acontecem! Você e o Suga fizeram tudo que estava ao alcance de vocês!
- Eu podia ter feito mais! Ter repousado mais, ter ido ao médico quando comecei a sentir cólicas e dor de cabeça!
- Para com isso, amiga! Vocês dois foram incríveis! E você não tem culpa de nada! Não carregue mais esse peso com você, que ele é desnecessário!
limpou as lágrimas e a amiga a ajudou. As duas voltaram a se abraçar ternamente.
- Eu queria tanto ver o rostinho dele! - soltou um riso nasalado.
- Eu também, ! - as duas se soltaram outra vez.
- Mas e a viagem, como foi?
soltou um longo suspiro e então umedeceu os lábios.
- Foi horrível!
- Por você ter que encarar o Gabriel seguindo em frente, não é, amiga?
- Não só por isso! Eu tive uma briga horrível com o V, e acabou tudo entre a gente!
- Como assim acabou tudo?
voltou a suspirar, sentindo os olhos se enchendo d’água outra vez.
- Ah, ele se sentiu usado! Eu fiz a maior merda, ! E bom, provavelmente acabei com tudo de bom que a gente estava construindo.
- Eu te avisei para não fazer bosta, ! - balançou a cabeça em negativa.
- Eu não estou aqui para falar disso! Vim aqui para te distrair, para gente ficar juntas!
As duas se aninharam na cama e ficaram relembrando os velhos tempos desde quando se conheceram, e depois preparou o jantar. Assim que ligou para ele, a porta do apartamento se abriu e ele entrou.
- Já estava te ligando para você vir jantar! - ela sorriu sem mostrar os dentes e ele retribuiu.
Fechou a porta atrás de si e então caminhou até as garotas.
- Fiz um jantar bem simples para a gente, vem comer, Suga!
Ele se sentou com elas na mesa e serviu um prato para cada, eles conversaram assuntos aleatórios enquanto comiam e depois Suga foi cuidar das louças, já que elas haviam cozinhado.
Assim que ele acabou, se juntou às duas na sala, sentando-se ao lado de .
- Que tal a dormir aqui com você hoje? - ele sugeriu.
olhou para a amiga.
- O que você quiser, !
- Eu acho que só nós dois entendemos o que a gente sente, Suga! É uma dor muito nossa! Ter a aqui esse tempinho ajudou demais já, mas não acho necessário ela dormir aqui, sei lá. Acho que isso tem que ser vivido mais entre eu e você!
desviou o olhar para Suga, que assentiu.
- Você está certa amiga! Sendo assim, eu vou para casa!

****************************************************************************************************

Ajeitou as coisas no sofá e se deitou, antes de apagar a luz e então ligou a TV, ainda não tinha sono. O peito dele ainda doía e nem ele, nem haviam adentrado o quarto onde estava o berço de Huyk. dormiria no quarto de Suga, depois de muito relutar.
Assistia a TV, mas sem de fato saber o que passava, ele só conseguia pensar em como ele se sentia vazio agora. Fechou os olhos e tentou acalmar a respiração. apareceu em sua frente, e o vislumbrou de olhos fechados. Achou que ele estivesse dormindo. Suspirou pesadamente e então virou-se de costas para ele, pronta para voltar para o quarto.
- Precisa de alguma coisa, ? - ouviu a voz dele ecoar.
Ela parou onde estava e então se virou outra vez na direção dele, que agora já estava sentado no sofá.
- Não! Eu só vim ver como você estava! - ela coçou a nuca.
Suga sorriu, abaixando a cabeça.
- É incrível como eu já conheço você…
Os dois se olharam e sentiu as bochechas queimarem.
- O que você precisa? Pode me falar!
- Não quero dormir sozinha, Suga!
- Eu me deito com você então! - ele se descobriu, se levantando logo em seguida.
- Tem certeza?
- Quantas vezes a gente já não dormiu juntos? Tenho certeza.
Os dois caminharam de volta para o quarto, e se deitaram. As testas coladas e as pontas dos narizes se acariciando. Logo, dormiram.



Septuagésimo Segundo Capítulo - Abrazame

Acordou com a luz batendo na janela, fechou os olhos outra vez com a claridade fazendo suas têmporas doerem. A cabeça doía terrivelmente também. tapou o rosto com as mãos, a boca estava seca e o estômago enjoado. Ressaca. Era isso, estava com uma bela ressaca! A noite anterior havia sido caótica! De olhos fechados ela se lembrou: a boate, Jungkook, a garrafa, a mão, , Jungkook outra vez…
Balançou a cabeça em negativa várias vezes. Havia metido os pés pelas mãos e feito muitas besteiras. Muitas! Se lembrou da boca de Jungkook colada à sua, dele dizendo que não faria nada com ela… se sentiu muito envergonhada.
Com certa dificuldade ela se levantou e caminhou até o banheiro e lá no espelho ela encontrou um bilhete de JK:

"Bom dia! Deixei café da manhã pronto para você! Tem remédio para a sua ressaca também! Um beijo, JK."

Ela sorriu sem mostrar os dentes. E então pegou o bilhete jogando-o no lixo. Fez sua higiene matinal e então desceu. Mandou mensagem para o irmão, mas ele deveria estar na estrada já que a mensagem não havia sido enviada. Havia uma mensagem de perguntando como ela estava. respondeu e recebeu um convite da morena para almoçarem fora. Ela aceitou e mandou o endereço.
Tomou o café que Jungkook havia feito e tomou um analgésico. Rezou para que pelo menos a dor de cabeça passasse. Depois foi tomar um banho longo. Fechou os olhos e pensou em Jungkook outra vez. Precisava deixá-lo ir. Tinha que fazer isso.
Depois do longo banho ela foi se arrumar para encontrar as meninas. Já pronta, ela avisou ao irmão que sairia e assim o fez.
Encontrou as garotas pontualmente ao meio-dia e quarenta e cinco. Lá estavam as três. A cabeça dela latejava a cada passo que ela dava. Mas sorriu assim que as avistou. Tirou os óculos escuros e então cumprimentou uma por uma. Já sentadas elas fizeram seus pedidos.
- E aí? - começou - Está melhorando da ressaca?
- Um pouco melhor! Tomei um analgésico, o Jungkook deixou uns remédios lá para mim.
ficou vermelha e as outras três se entreolharam.
- E como foi com ele? - perguntou.
respirou fundo e então gargalhou, de nervoso. As garotas a acompanharam.
- Podemos dizer que eu não agi da melhor forma, ou da forma que deveria!
- O que você aprontou, ? - ergueu uma sobrancelha.
- Eu estava alcoolizada, ok? - ela voltou a rir - Ah, eu tentei transar com ele!
fechou os olhos com força e soube que havia ficado vermelha.
- E o que ele fez? - questionou enquanto mexia no celular.
e riam. encostou a mão na perna de .
- Olha, relaxa! Como você mesma disse, foi efeito do álcool, a gente entende!
- Não estamos aqui para te julgar! - complementou.
O garçom depositou as bebidas que elas haviam pedido sobre a mesa.
- Ah, gente, ele não quis! Disse que eu não estava cem por cento sóbria e que não faria nada comigo sob efeito do álcool! E eu lembro e fico morrendo de vergonha!
- Ah, que fofo! - bradou .
- Não fez mais que a obrigação dele! - tomou um gole de sua bebida enquanto as amigas riam.
- Mas eu não devia ter feito isso! Não tem como a gente ficar junto infelizmente! E eu não queria ter dado nenhuma esperança para ele!
- Calma, as coisas vão se ajeitar! Tenho certeza! - sorriu para ela - Agora, tem mais uma pessoa aqui na mesa que precisa contar algumas coisas, né, ?
deu um sorriso amarelo na direção das amigas.
- Amigas, eu contei! Para os dois!
- Certo e como foi?
- Ah, mais fácil do que eu imaginei, mas tem um porém!
- O Hoseok? - questionou.
Os pedidos haviam acabado de chegar à mesa.
- Exato!
- Como ele reagiu?
- Ele tentou parecer tranquilo, mas eu sei que no fundo, no fundo ele não ficou! Então ainda quero ter a oportunidade de... aí! - ela levou a mão ao lado direito da barriga.
- O que foi? - se preocupou -
- Não sei! Uma pontada aqui nesse lado da barriga - Enfim, eu quero ter a oportunidade de conversar só com ele!
- E o outro? - perguntou enquanto terminava de mastigar.
- O outro reagiu super bem! - ela ainda massageava a barriga.
- Finalmente alinharam as expectativas?
- Sim! Somos amigos coloridos! - ela piscou.
As amigas riram.
- Mas tem que ver isso do Hoseok, hein? Ele é muito legal, não quebra o coração dele!
e se olharam.
- Jamais, ! Eu não seria capaz, eu gosto muito do Hoseok! E sei de todas as paredes que ele tem quebrado por minha causa, por isso quero conversar só com ele! Inclusive, como ficou o clima na boate depois que a gente foi embora, já que ficou só você e o Jimin?
observava as garotas enquanto comia. engoliu seco e tomou um pouco de sua bebida. Teria que mentir, mais uma vez!
- Ficou cada um no seu canto! - ela deu de ombros - E a gente foi embora rapidinho! E você, , alguma novidade com o Seokjin?
- Tenho! - ela riu.
- E você não ia contar, se a não tivesse perguntado, é isso mesmo? - protestou.
- É irrelevante! - ela mentiu e trocou um olhar com - A irmã mais nova dele fugiu de casa e eu ajudei ele e a família a encontrar ela! Só isso!
- Só isso? - riu - Eun fugiu por quê? Ai na moral, ninguém aguenta os pais deles! Juro! E como você se meteu nessa? Ele te pediu ajuda?
- Não! Bom, eu e meus pais somos basicamente vizinhos dos pais dele e da Eun! Eu estava chegando no condomínio e ele estava procurando por ela, e me parou para perguntar se eu não a tinha visto e eu resolvi ajudar porque eu gosto da menina!
- Qual é a dos pais dele?
- Eles são preconceituosos! Tipo, para caralho!
- Exato! - concordou - A menina está com um namoradinho pobre e eles proibiram, aí ela fugiu!
- Olha, parece uma história que eu conheço! - e se olharam.
- E o Seokjin concorda com os pais?
- Provavelmente não! - olhou para - O Jin é uma das melhores pessoas que eu conheço! Ele tem a alma pura demais!
- É, eu acho que ele é bem diferente dos pais, ele sofre muito com isso inclusive por ser artista! Enfim! Vamos terminar de almoçar?

Assim que elas foram acabando a refeição, uma a uma, elas se serviram de uma sobremesa enquanto jogavam conversa fora, conhecendo as meninas melhor e vice e versa. Foi aí que o olhar de encontrou o dele mais uma vez. Ele estava para sair do restaurante, mas parou assim que a viu também. O sorriso de murchou, esperava não ter que vê-lo nunca mais depois dos acontecimentos, e não vê-lo no mesmo dia e algumas horas mais tarde. Mas o destino gostava de brincar com as pessoas. Jungkook coçou a cabeça com os cabelos agora pretos. Resolveu que cumprimentaria as garotas, já que agora as quatro sabiam da presença dele e o fitavam. Caminhou até elas.
- Meninas! - ele balançou a mão em um cumprimento geral.
- Olá! - sorriu para ele.
e acompanharam a amiga.
- ! - ela balançou a cabeça para ele - Está melhor?
- Estou sim! - ela sorriu sem mostrar os dentes.
- Bom almoço para vocês! - se cumprimentaram com a cabeça outra vez e ele deu as costas para elas.
Saiu do restaurante e rumou para o estacionamento, o coração dele acelerado ao se lembrar de tudo que havia acontecido naquela noite/madrugada. A boca ficou seca. Gostava tanto dela! Pensou em como ela pareceu de fato ter ficado mexida ao vê-lo com outra garota, pensou em como ela ainda sabia que ele gostava dela, pensou em como ela pareceu de fato desejar mesmo que os dois transassem na noite passada. Balançou a cabeça, afastando os pensamentos, mas não adiantava. Precisava falar com ela e entender o porquê daquelas reações todas, já que ela havia terminado tudo. Se escorou no capô do carro e então almoçou por ali mesmo a marmitinha que havia comprado. Esperaria por ela ali no estacionamento mesmo, como já fizera tantas outras vezes…

****************************************************************************************************

Assim que as quatro pisaram no estacionamento elas encontraram com Jungkook outra vez. Ficou muito bem entendido para as quatro que ele queria falar com .
- Vê lá, hein? Pensa direitinho nas coisas! Ele com certeza quer conversar com você!
assentiu para enquanto elas se despediam. Caminhou vagarosamente até se aproximar de Jungkook.
- Será que a gente pode conversar? - ele cruzou os braços abaixo do peito.
- A gente precisa mesmo, Jungkook? - ela soltou um riso sem graça.
- Você acha que não, depois de tudo que aconteceu? - ele arregalou os olhos.
- De tudo o quê? - se fez de desentendida.
- Entra no carro, por favor! Depois eu te trago aqui para você pegar seu carro, já que aqui é vinte e quatro horas aberto!
- Tá bom! Tá bom! - ela ergueu os braços em rendição.
Entrou do lado do passageiro e afivelou o cinto, depois observou Jungkook fazer o mesmo.
- E para onde a gente vai?
- Para algum lugar sem movimento, é rápido! Eu prometo!
Ela assentiu enquanto eles saiam do estacionamento. O caminho foi feito em silêncio e eles rumaram então para uma rua deserta, onde o movimento costumava ser quase nulo. sentia o coração palpitando, e quando o carro parou ela o viu se desfazer do cinto e se virar para encará-la melhor. O coração palpitou ainda mais. Ele estava ainda mais bonito com os cabelos menores e pretos e ela reparou no piercing novo dele, nos lábios. Ontem ela nem havia se dado conta. Se desfez do cinto também.
- Do que você se lembra?
- De poucas coisas! Quase nada! - ela mentiu - Mas me lembro de ter sido grosseira com a sua namorada! Se você quiser eu posso pedir desculpas pessoalmente para ela! Foi ridícula a minha atitude!
- Ela não é minha namorada, ! - ele balançou a cabeça em descrença - E você tinha razão em tudo que disse para ela na boate, infelizmente! Não precisa se desculpar com ela, eu já nem tenho mais contato com a menina! Mas talvez, comigo?
JK suspirou alto e sentiu a cabeça voltar a doer de nervoso.
- Tem razão! Me desculpe, Jungkook! Eu não tinha nenhum direito de invadir sua privacidade daquele jeito, tendo em vista que a ideia do término partiu de mim!
- E você só se lembra da boate?
- Só! - ela engoliu seco.
Jungkook se perguntou se ela estaria mentindo, ou apenas com vergonha.
- Eu me lembro de tudo! E vou refrescar sua memória então! Você cortou sua mão, se lembra? - balançou a cabeça e então olhou o curativo na própria mão - Depois disso a te levou para casa, e eu fui atrás de vocês! A foi embora e deixou nós dois sozinhos. Você tomou seu banho, eu preparei a cama para você, depois você trocou de roupa e me pediu para deitar com você! Eu me deitei e a gente acabou se beijando! O beijo ficou mais intenso e bom… - ela o interrompeu.
- Eu sei, Jungkook! - engoliu seco - Eu sei o que aconteceu! Não precisa continuar!
- Por que ? Por que você fez tudo isso? Por que foi lá falar com a garota que eu estava? Por que ficou com tanta raiva? E por que me beijou? Por que todas essas coisas?
- Me precipitei ao achar que não ardia te ver seguindo em frente! - deu de ombros.
- Então olha para mim! - ele pediu e ela assim o fez - Me fala a verdade! Por que a gente acabou? Porque depois de tudo isso, eu não acredito mais no motivo que você me deu! Então, por favor, seja honesta comigo! Eu tenho o direito de saber e você sabe disso!
- Tá bom, JK! Tá bom! - ela fechou os olhos e soltou o ar preso nos pulmões - É como se eu tivesse criado um muro dentro de mim que ninguém consegue escalar e nem mesmo quebrar! Toda vez que alguém consegue atingir e rachar, lá estou eu com cimento e tijolos para remendar… Eu não sei perder as pessoas, Jungkook! É isso! Eu perdi meus pais e foi uma dor horrível! Desde então eu não deixo ninguém ir muito a fundo! Eu não me apego a ninguém, porque dói muito! Muito! Eu costumo fugir dos meus problemas, e quando você se tornou um deles, eu fugi de você também.
- A estranha mania de evitar a felicidade por não saber lidar com o vazio quando ela partir…
assentiu para ele, abrindo os olhos e os sentindo se encherem d’água.
- Agora eu entendo! De verdade! Eu entendo e acho que sentiria o mesmo no seu lugar! Mas sei que ainda tem uma faísca aí dentro de você que chama por mim, e isso você não pode negar! Da mesma forma que você não pode me negar esse pedido…
- Que pedido, JK? - ela sussurrou e engoliu o choro - Eu não quero te machucar!
- É inevitável que tudo o que é bom chegue ao fim! É impossível saber se depois disto ainda podemos ser amigos. Eu sei que você está dizendo que não quer me machucar, e talvez você deva mostrar um pouco de misericórdia... A maneira como você olha, eu sei que você não veio para pedir desculpas! Eu sei que não há nada que eu possa fazer para mudar isso, mas isso é algo que poderia ser negociado, não? Meu coração já está quebrando, meu bem, vá em frente, torça a faca!
- JK! - ela balançou a cabeça, atônita e ele a interrompeu.
- Meu bem, me deixe te amar de despedida. Mais um gosto dos seus lábios apenas para me trazer de volta para os locais que estivemos e as noites que tivemos, porque se é isso, então, pelo menos, podemos acabar isso do jeito certo.
As mãos dele seguraram o rosto dela e então os lábios dos dois encostaram. fechou os olhos, sentindo as mãos ficarem trêmulas. Jungkook mordiscou levemente o lábio inferior dela e então os lábios se chocaram com força e pressa. Uma das mãos de segurou a cintura dele enquanto a língua de Jungkook invadia sua boca.
Ele embrenhou uma das mãos nos cabelos longos dela enquanto ela cravava as unhas sobre o tecido da camiseta que Jungkook usava. Ele voltou a morder o lábio inferior de , puxando-o com intensidade enquanto ela invadia a blusa dele com a mão sentindo a pele quente dele. Subiu a mão pelas costas dele com delicadeza, fazendo o corpo dele arrepiar. Quando os dois já começavam a ficar sem ar, num impulso se sentou no colo dele entrelaçando as pernas uma de cada lado dos quadris dele. Ela retirou apressadamente o casaco que usava enquanto Jungkook chegava o banco do carro mais para trás para que ela ficasse mais confortável. Logo as bocas voltaram a se juntar num beijo apressado. segurava o rosto dele enquanto Jungkook apertava a cintura dela com força.
já não raciocinava mais, só queria senti-lo. A ereção dele já pressionava sua entrada por cima do tecido mesmo, e ela só conseguia pensar em tê-lo dentro dela…
As mãos de Jungkook pararam na barra da blusa dela e os dois pararam o beijo para que ele pudesse retirar a peça. Jungkook desceu o olhar pelo torso dela, então passou as mãos vagarosamente pela barriga dela e foi subindo até alcançar os seios dela, ainda dentro do sutiã. fechou os olhos, mordendo os lábios quando ele os apertou. Jungkook encostou os lábios nos dela outra vez.
- Eu quero muito você! - Jungkook sussurrou contra a boca dela.
mordeu o lábio inferior dele em resposta e Jungkook levou as mãos até o fecho do sutiã que ela usava. De olhos fechados ele o abriu lentamente e desceu as mãos pela lateral do corpo de . Ela mesma retirou a peça jogando-a em qualquer lugar do chão do carro, as mãos de Jungkook voltaram para a cintura dela. abaixou o rosto o suficiente para distribuir beijos pelo pescoço dele. Jungkook sentiu o corpo voltar a arrepiar e então apertou com força a cintura dela. Os dois trocaram um beijo rápido e logo a boca de Jungkook alcançou um dos seios dela. mordeu o lábio contendo um gemido quando sentiu a língua dele por lá a torturando. Jungkook deixou uma leve mordida no mamilo dela fazendo com que soltasse o gemido preso na garganta. O membro dele pulsou dentro da calça quando ela gemeu.
percebendo o estado em que ele já se encontrava mexeu o quadril de encontro ao membro já duro de Jungkook, arrancando um gemido dele dessa vez.
Logo a boca dele passou para o outro seio dela e jogou o corpo para trás, se apoiando nos ombros dele. A língua dele brincava por lá enquanto ela gemia. Quando os dois se encararam, os olhos de Jungkook brilhavam de desejo e sorriu. Ela se atreveu a tirar a blusa que ele usava admirando o corpo dele logo em seguida.
Passou as unhas pelo braço tatuado dele e depois chocou os lábios nos dele. Jungkook apertou as coxas dela enquanto as línguas se chocavam uma com a outra. cravou as unhas nos braços dele e depois subiu as mãos e acariciou seus cabelos. As mãos dele subiram para o cós do short de tecido que usava e ele o desabotoou.
- Você não vai se arrepender disso depois, Jungkook? Tem certeza do que quer?
- Nunca tive tanta certeza! Eu sou maluco por você, garota!
encostou a testa na dele e fechou os olhos. Ela também era maluca por ele…
Numa espécie de malabarismo ele e ela retiraram o short que ela usava e Jungkook desabotoou a própria calça, não sem antes tirar a carteira do bolso e depositá-la sobre o banco do passageiro. Os dois voltaram a se encarar com desejo, enquanto forçava o quadril de encontro ao membro de Jungkook outra vez, ele sentiu o quão molhada ela estava e não resistiu, levou a mão até lá. Ele fechou os olhos com força quando encostou os dedos por lá.
- Você quer tanto quanto eu quero, não é?
assentiu que sim com a cabeça.
Jungkook delicadamente afastou o tecido para o lado e então passou o dedo indicador pela intimidade molhada - quase encharcada - dela. Os dois soltaram juntos um gemido alto. fechou os olhos.
-Você vai me enlouquecer, sabia? - apertou os ombros dele com força, cravando as unhas por lá.
- Você já viu o meu estado, Jungkook, você é quem vai me enlouquecer!
Jungkook invadiu a intimidade dela com um dedo sem aviso prévio e mordeu o lábio inferior com força antes de soltar um gemido sôfrego. Logo dois dedos dele estavam se movimentando lentamente dentro dela. sentiu as costas baterem no volante do carro ao se jogar com mais intensidade para trás, dando mais espaço para que os dedos dele trabalhassem.
Os movimentos aumentaram o ritmo e os olhos de JK brilhavam cada vez mais, quanto mais ela gemia, mais ele acelerava. Quando achou que chegaria lá, ele retirou os dedos de dentro dela. jogou o corpo para frente e então enterrou o rosto na curva do pescoço dele. Inalou o cheiro dele para dentro de si e então mordeu o local enquanto Jungkook mexia o quadril dela sobre sua ereção.
- Por favor, JK! - ela pediu ao pé do ouvido dele.
- Eu sei! Eu também quero muito! Hum?
ergueu o quadril para cima para que ele pudesse abaixar sua calça, levando a cueca junto.
As mãos dela foram direto para o membro de Jungkook, que fechou os olhos. Assim que as mãos dela subiram e desceram pela ereção dele Jungkook gemeu. levou uma das mãos para o abdômen dele, arranhou o lugar enquanto o masturbava lentamente. Seguiu com o plano enquanto o ouvia gemer. Jungkook colou os lábios aos de , e continuou gemendo enquanto a ajudava com os movimentos em seu membro.
-Você geme tão bonito! - ela selou os lábios dele.
Então ele parou os movimentos dela segurando sua mão, ela continuou a arranhar o abdômen dele enquanto ele abria os olhos e a encarava. Jungkook levou a mão até o banco do passageiro pegando a carteira, tirou um preservativo de lá de dentro e vestiu o membro sem tirar os olhos de .
Os dois voltaram a se beijar. Dessa vez lentamente, como se quisessem decorar cada canto da boca um do outro, os dois sabiam que aquela seria provavelmente a primeira e única vez em que fariam aquilo, então estavam se despedindo. Jungkook voltou a afastar a calcinha dela e então posicionou o membro em sua entrada. gemeu contra os lábios de Jungkook enquanto ia sentindo o membro dele a invadir devagar. Jungkook apertou o corpo dela no seu com força enquanto ela se ajustava a ele.
Jungkook gemeu alto quando o quadril dela começou a subir e descer e satisfeita aumentou gradativamente o ritmo em que ele entrava e saia dela. Os dois gemiam juntos enquanto ela subia e descia rapidamente. Os movimentos foram ficando mais lentos então Jungkook a ajudou ditando o ritmo segurando a nos quadris e na cintura. Os dois voltaram a se beijar.
Ambas as respirações descompassadas e tudo o que se podia ouvir dentro do carro além das respirações, era o som da pele dos dois se chocando uma na outra. Jungkook embrenhou uma das mãos nos cabelos longos dela e os puxou. As bocas se soltaram e de olhos fechados intensificou os movimentos ouvindo um gemido manhoso sair dos lábios de JK. O famoso nó no estômago começava a se formar e ela sentia que estava quase chegando lá. Jungkook sentiu as paredes do interior dela agarrem seu membro com força e ele puxou ainda mais os cabelos de .
Ele voltou a guiar os movimentos dela com uma das mãos agarradas em seu quadril.
- Eu não vou aguentar por muito mais tempo, ! - ele soltou os cabelos dela e enfiou o rosto na curva de seu pescoço.
e ele diminuíram o ritmo e o sentia entrando e saindo lentamente. Quando os dois voltaram a acelerar os movimentos, gozaram juntos. gemeu baixinho, sentindo as pernas ficarem trêmulas e Jungkook gemia contra a pele do pescoço dela.
Já com as respirações mais calmas Jungkook a abraçou enquanto ela deitava a cabeça no peito dele.
- Não existe nenhuma possibilidade de você voltar atrás na sua decisão? Mesmo depois do que aconteceu agora?
respirou fundo.
- Não faça as coisas ficarem ainda mais difíceis, Jungkook! Por favor! Você me fez um pedido e eu atendi, tem que me deixar ir agora!
Foi a vez de ele respirar fundo. Os dois se encararam e então ela saiu do colo dele voltando a se sentar no banco do passageiro. Os dois se vestiram e então ele questionou:
- Já quer voltar para o restaurante para pegar seu carro?
Os olhos dele estavam marejados e sentiu a garganta fechar.
- Já! - ela balançou a cabeça.
Os dois voltaram em silêncio e Jungkook só queria ficar sozinho para então poder chorar. sentia o peito em frangalhos, mas sabia que era o melhor para ele. Já de volta ao estacionamento do restaurante, os dois se encararam.
- Me promete que vai me deixar pelo menos ter notícias suas? Sei lá, nem que seja pelo seu irmão!
- É melhor eu não te prometer nada! Bom, eu já vou, JK! Se cuida, por favor!
Ela saiu batendo a porta do carro e então Jungkook se permitiu chorar, tapando os olhos com as mãos.
também chorou durante o caminho, estava sendo mais difícil do que ela podia imaginar. Chegou em casa e encontrou o irmão sentado no sofá da sala, olhando o nada.
- Já chegou, bebê? Que bom! Como foi a viagem?
Taehyung encarou a irmã com lágrimas nos olhos e se levantou. arregalou os olhos e viu o irmão a abraçar, desabando num choro sem fim.
- O que aconteceu, Tae?





Continua...



Página Inicial | Próximos Capítulos



Lembrando que qualquer erro nessa atualização e reclamações somente no e-mail.
Para saber quando essa linda fic vai atualizar, acompanhe aqui.

Caixinha de comentários: Oi! O Disqus está um pouco instável ultimamente e, às vezes, a caixinha de comentários pode não aparecer. Então, caso você queira deixar a autora feliz com um comentário, é só clicar AQUI.


comments powered by Disqus