CAPÍTULOS: [1] [2]
[3]






Capítulo 1


“-Aqui é Marie D’empine – a mulher que sempre via como repórter da família real dizia animada para as câmeras bem à frente do castelo de Avallon ao lado de Jeremy Cooper, o segundo repórter da família real
-E aqui é Jeremy Cooper – ele falou sorrindo, como sempre e logo depois os dois disseram juntos a frase que era um sucesso e todos diziam juntos, por ter sido decorada - do reino de Avallon, e esse é o Time Aykroyd!
-É, Jeremy, o rei Roger Aykroyd anunciou semana passada que tinha um grande comunicado para as famílias de Avallon – Marie começou a falar, com as mãos na cintura e encarando o homem ao lado dela
-Pois é, Marie... E há boatos de que esse comunicado irá mudar a vida de muitas pessoas de Avallon
-Daqui alguns minutos, nós estaremos lá dentro cobrindo esse comunicado da nossa querida família!
– Marie deu um sorriso, e Jeremy também. – e aí? Estão animados? Aguardem, em instantes nós voltamos ao lado da Elite do nosso país.”
Estava com minha mãe, minha irmã mais velha e meus dois irmãos menores, assistindo, como sempre, mais um jornal sobre Avallon, morávamos em uma pequena província em Southampton. Minha mãe era costureira e meu padrasto... Bem, meu padrasto trabalhava para quem pedia ajuda e pagasse, não é um emprego fixo, mas pelo menos em alguns momentos ele fazia algo para ajudar em casa. Eu era garçonete no restaurante da minha irmã mais velha junto com o seu marido, eles claramente tinham uma vida melhor que a minha e claramente, ela escolheu bem o marido para ter uma vida melhor.
- O que será que o Rei Robert tem pra dizer pra gente? – Kurt, meu irmãozinho de cinco anos perguntou, levantando do tapete e indo para o meu colo, já que eu estava no sofá com as pernas dobradas iguais a um índio. Eu o abracei rindo da sua cara toda suja de biscoito.
-Vamos descobrir juntos?! – perguntei fazendo cócegas nele e o mesmo gargalhava e concordava comigo
-Cada vez que Rei Robert anuncia algo assim, eu fico super nervosa – mamãe e levantou e foi para cozinha e voltando com uma bandeja com chocolate quente para nós – ainda mais agora, já que praticamente vai mudar a vida das pessoas de Avallon.
-Você acha mesmo que isso vai ser capaz de mudar alguma coisa? – perguntei dando de ombros – se quisermos, nós mesmo mudamos nossas vidas, mãe
-Bem, você precisa de um marido para ter uma vida boa. Veja a Kira, depois que ela conheceu o Jordan, ela se veste super bem e até esta mais gorda – olhei espantada para Kiara, minha irmã mais nova, de sete anos. Ela já era super madura para a idade que tinha e eu não gostava nada do que ela pensava... – então sozinha você não vai conseguir nada,
-Kiara! – a repreendi – Você não precisa de um homem para ser alguém na sua vida!
-, essa é a nossa monarquia, não adianta você querer muda-la, você não vai conseguir isso! – Kira falou dando de ombros passando as mãos nas minhas costas
-Acontece que eu não quero um... Um... – falei irritada e encarei minha mãe que me encarou um pouco chateada
-Não quer o que, ? – minha mãe incentivou – não quer um Merck? – ela se referiu ao meu padrasto e eu suspirei
-Nem todo mundo tem a sorte de Kira – falei abaixando a cabeça e olhando a TV
-SERA QUE O PRÍNCIPE CHRISTOPHER VAI APARECER HOJE? – Kurt perguntou todo eufórico me fazendo rir, ele era o único naquela casa que me fazia ficar melhor
-Eu gosto mais do ! – Kiara falou se virando para a TV
-Ah, parem! é maravilhoso! – Kira falou rindo e encarando a TV.
-Eu gosto dos três – mamãe riu e também voltou o olhou para a TV
-Eles são basicamente iguais – falei inconformada e todo mundo só faltou me matar
-Pelo amor de Deus, , o tem um olho azul magnífico, fora aquele sorriso... O homem perfeito! – Kira me encarou como se eu fosse um monstro
- é forte, bonito e li em uma revista que ele é cheiroso e gosta de cozinhar! – Kiara falou toda apaixonada nos fazendo rir
-Bem, gosta de pintar, montaria, futebol e lacrosse! – Kurt falou como se isso fosse uma coisa incrível, todo animado, me fazendo sorrir do jeitinho que ele falava
-Como você sabe disso, Kurt? – Kiara perguntou com as mãos na cintura
-Mamãe leu pra mim! – Kurt mostrou a língua pra ela, fazendo todos rirem
-Fora que realmente, é um cara muito bonito – mamãe ajudou Kurt ao falar sobre o príncipe
-OLHA! – Kurt apontou pra TV – VAI COMEÇAR – não sabia o motivo, mas também estava ansiosa com esse tal anúncio da família real
-Boa noite, Avallon! – demos de cara com Rei Robert sentado em seu trono, ao lado de Leigh-Anne Aykroyd, nossa rainha. Eu achava ela maravilhosamente bela, toda cheia de postura, com os cabelos loiros sempre arrumados em um coque e a Coroa na cabeça e um sorriso incrível. Não poderia deixar de falar do rei, ele também era lindo, mesmo já com a barba e os cabelos um pouco grisalhos, porém sempre com os olhos azuis brilhando. Atrás deles, estavam seus três filhos, os trigêmeos Aykroyd. Príncipe , Príncipe e Príncipe . Eles não estavam com uma cara muito boa, na verdade, estavam com a cara fechada, sérios – É com grande prazer que cumprimento as Famílias avallonesas
-A família real esta muito feliz pelo 500° aniversário do nosso país começou a dizer, abrindo a boca espantado para seus irmãos que olharam para ele completamente pasmos -é galera, Avallon esse ano comemora o famoso cinco, zero e zero
-Caraca! fingiu estar surpreso, fazendo seus pais rirem e obviamente, toda Avallon – temos que comemorar, vocês não acham?
-Ah, ! Meu chapa... bateu nas costas do irmão gentilmente – eu acho que o Rei e a Rainha de Avallon devem decidir o que querem para Avallon. Quais são os planos para a grande comemoração do país, majestade?
-Príncipe , meu filho, você sabe...
– Rainha Leigh falou sorrindo amarelo e o mesmo deu um sorrisinho
-Ah, mãe, porque você mesma não da a grande notícia? – respondeu ele num tom de brincadeira, aquilo estava me cheirando a encrenca...
-... Se você não for falar, eu mesmo falo – Rei meio que deu uma estressada, ao ver que aquilo não ia dar em nada então tomou a frente, novamente – A primeira família real da corte aqui de Avallon, passou por isso, a quinta, a décima, décima quinta, vigésima, centésima, e assim foi sucessivamente... -encarei a TV abismada, ele não pode fazer isso que estou pensando que vai fazer – esse ano, como um pedido de agradecimento e diversão para a família Avallonesa, resolvemos que teríamos sim, isso!
-Oh, não – falei colocando a mão na boca
-Oh, sim! – Kira e mamãe falaram juntas animadas
-É com grande empolgação que a família real anuncia – Rainha Leigh falou se levantando calmamente e indo junto aos seus filhos – que as próximas três princesas de Avallon, uma das três, pode ser você, isso mesmo, cara jovem!
-Haverá uma seleção para cada província, todas as jovens solteiras com mais de 16 anos até 22, poderão participar! – o rei continuou – meus filhos e eu nos encarregaremos de escolher quinze garotas, que irão ficar aqui no castelo.
-No cartório de sua província você terá todas as informações necessárias.
– a rainha falou olhando para os filhos, e olhavam para baixo, um pouco abalados, olhava pra câmera, mas sem dar nenhum sorriso – as quinze damas irão ser anunciadas aqui mesmo, no Time Aykroyd, na próxima sexta-feira, as 19:30! – ela de sentou, segurando a mão de seu marido
-O prazo é até segunda, meninas! – Jeremy lembrou as pessoas ao aparecer na frente da câmera depois de saldar a realeza – mas, e aí, rapazes? Como estão se sentindo?
-Obviamente, muito feliz, certo?
respondeu com a sobrancelha arqueada, me fazendo rir da cara de Jeremy de palhaço com o sarcasmo visível na ponta da língua, para um bom entendedor
-Vou ter quinze garotas andando pelos corredores do castelo, tem como estar melhor? perguntou rindo – com todo respeito as minhas duas futuras cunhadas...
-Estou ansioso, vamos receber mais atenção do que estamos acostumados, vai ser legal ter pessoas novas aqui, no castelo
respondeu sem humor algum, deu totalmente de ombros
-Estou ansiosa pela Seleção de Aykroyd – Marie apareceu sorrindo para as câmeras – acompanhei a Do reino de Illéa e o Rei Maxon e a Rainha America estão administrando o reino muito bem! E essa vai ser inesquecível, já que os primeiros trigêmeos da história da corte real, estão em uma Seleção.
-Bem lembrado, Marie! – Jeremy lembrou e parabenizou a mesma – Rainha Leigh, boatos que Marie vai poder participar do reality
-Que ela vai poder participar, sim... Se ela vai ser uma das quinze, ai já não é algo que eu possa dizer – fiz careta ao ver o touché da rainha em Marie e Jeremy...

A família real ainda ficou conversando por alguns minutos, mas eu já não estava pensando e nem ouvindo mais nada... Aquilo era ridículo. Casamento arranjado, exposição dos próprios príncipes e das meninas, o que isso poderia fazer de bem para as famílias de Avallon?
Sabia que minha família me obrigaria a participar deste reality maldito e que eu negaria até o fim, não teria benefício algum para eles em casa, eu perderia meu tempo!
- ,VOCÊ TEM QUE PARTICIPAR! – Kiara gritou eufórica pulando pela sala
-, É UMA OPORTUNIDADE MARAVILHOSA! – Kira falou me encarando – DROGA, ODEIO NÃO SER MAIS UMA GAROTINHA!
-Eu não vou participar desse concurso ridículo! – falei na defensiva
-Deixem a sua irmã decidir o que ela quer para ela! – mamãe me defendeu e eu fiquei agradecida por ela não querer me obrigar a participar disso
-Ah, mãe! – Kira e Kiara resmungaram e eu fiquei aliviada pelo assunto ter sido encerrado
Depois de algumas horas, Jordan passou para buscar sua esposa, que no caso, era minha irmã. E eu fiquei arrumando a bagunça da casa com minha mãe, enquanto Kurt e Kiara ficavam brincando na sala
Bom, minha mãe estava arranjando coisa para fazer, já que estava preocupada com Merck, que ainda não tinha chego em casa, e o toque de recolher ia dar em alguns minutos. Southampton e todas as províncias de Avallon tinham uma hora de recolher se qualquer pessoa fosse pega por um dos guardas, era preso ou até mesmo morto! A da minha província eram as onze da noite.
Estava indo para o meu quarto, ajeitar minhas coisas pois amanhã eu tinha que estar no restaurante para trabalhar cedo. Enquanto minha mãe ficava na cozinha.
Nossa vida só não era pior, por causa do dinheiro que eu colocava dentro de casa e pelo trabalho duro de minha mãe para as pessoas mais ricas da cidade. Eu nunca conheci meu pai verdadeiro, na verdade, Merck sempre deixou claro que eu não era filha dele, porém, nunca deixou de cuidar de mim, até eu fazer treze anos, foi quando eu passei a odiá-lo. Nunca procurei saber quem era meu pai verdadeiro, não queria saber. Mas agora, passa na minha cabeça sempre, sobre como minha vida seria diferente, caso eu estivesse com meu pai, caso ele estivesse com minha mãe
Enquanto estava lá em cima, terminando de arrumar minha zona, ouvi um barulho de vidro quebrando, meu coração disparou e minha raiva subiu na hora.
Merck tinha chegado
Corri para a sala e vi Merck todo sujo, com a camisa aberta e uma garrafa quebrada nas mãos, gritando com minha mãe que estava protegendo Kurt e Kiara. Ele me olhou rindo.
-Oh, ! Vem aqui dar um abraço no papai! – ele falou já me puxando para um abraço, ele estava fedendo como um porco, eu odiava que ele me tocasse. Eu o odiava muito.
-Me solta, Merck! – o empurrei forte, com raiva, o mesmo cambaleou e caiu no chão em entender muita coisa. Me virei para as crianças sorrindo, deixando de lado minha raiva
-Vamos brincar de esconde-esconde? – perguntei e eles ainda estavam assustados, mas, assentiram com a cabeça – subam lá para o meu quarto, e se escondam! Vou contar até cinquenta!
-Uau! Até cinquenta?! – Kurt perguntou animado me fazendo sorrir e concordar com a cabeça
-Me ajuda nessa, Kiara? – perguntei pra ela, que assentiu e me abraçou
-Vamos, Kurt! – ela falou, encarando o pai, com nojo. Aquilo me partia o coração sempre que acontecia – Vamos nos esconder da ! – ela puxou ele, subindo as escadas correndo
Me virei para a mamãe, que foi para a cozinha na hora, para que a gente não visse a mesma chorando. Ela se fazia muito bem de forte. Encarei Merck e o mesmo mostrou os dedos do meio para mim
-Merck, a próxima vez que você chegar em casa nesse estado, eu juro por Deus, que eu denuncio você para os guardas, e você vai preso e nunca mais vai ver a sua família – agachei falando isso pra ele, apontando o dedo na sua cara e o mesmo gargalhou.
-Quem é você, ? Quem pensa que é? Essa casa é minha, tudo aqui me pertence, até você – ele riu malicioso me fazendo dar um soco em seu rosto, com ódio. Foi aí que ele virou “homem” e levantou puto da vida, indo para cima de mim, com as mãos apontadas para minha cara. Arqueei a sobrancelha e nem me movi, ele não teria a coragem de me bater.
-Você vai me bater mesmo, Merck? – perguntei com os braços cruzados, vendo o mesmo com a respiração descompassada, se segurando completamente – encosta a porra da sua mão em mim, para você ver se não vai para a cadeia novamente, e desta vez você não vai ter uma segunda chance, você vai ser decapitado na frente da cidade inteira.
-Você está me ameaçando, ? – ele perguntou rindo e eu dei de ombros
-Se entra na sua cabeça isso, como uma ameaça, então sim
-O que esta acontecendo aqui? – minha mãe entrou na sala e viu Merck com o rosto vermelho e eu segurando minha mão, por causa da dor pelo soco que dei. – Merck, vai dormir
-Você não manda em mi...
-AGORA, MERCK! – ela gritou extremamente irritada, o mesmo bufou e subiu, ela esperou ouvir a porta bater para se virar para mim – Já disse para não ficar perto dele, , ainda mais com ele bêbado deste jeito
-Eu não consigo ver ele fazer isso com você e você não reagir! – falei inconformada
-E eu não vou suportar caso aquilo aconteça novamente, ... – ela suspirou e eu olhei para o chão
-eu sei me defender agora, mãe
-Eu sei bem disso – ela sorriu me abraçando – e sobre o concurso... Acho que seria uma boa você pensar no assunto
-Boa noite, Dona Karin – gargalhei subindo para o quarto – dorme na minha cama hoje, eu espero você lá




-Eu já me inscrevi no reality da seleção, espero que eu seja uma das selecionadas... Está completamente lotado o cartório! – escutei uma das cinco garotas dizendo isso no restaurante enquanto eu ia atendê-las. Revirei os olhos e dei um sorriso forçado.
-Bom dia, o que vão querer? – perguntei com o caderninho nas mãos e uma caneta para anotar o pedido.
-Quero o – a ruiva disse rindo, toda apaixonada e suas amigas riram. Dei uma risadinha falsa – brincadeira, quero algumas torradas com café.
-Hm – a loira fez a pensativa olhando para o cardápio – tem alguma coisa aqui que não engorde? Eu preciso manter o peso, príncipe ama loiras magras!
-Tem... Água – respondi sem humor e a mesma deu um sorriso amarelo ao escutar suas amigas rindo.
-Pode ser, então – ela revirou os olhos.
-Poderia mandar panquecas para mim? E suco de laranja... – a morena falou sorrindo. Anotei todos os pedidos e fui para a cozinha, completamente farta.
Entrei na mesma, e observei que não tinha ninguém ali, exceto por Eric, o nosso cozinheiro. Ele era dois anos mais velho que eu, loiro alto e magro, com os olhos verdes lindos. Era meu melhor amigo, meu companheiro e em alguns casos, a gente se pegava... Ele sempre ficou ao meu lado, sempre me diz o que fazer e qual direção seguir, está pra nascer alguém que me ajude e me entenda como ele.
-Que cara é essa? A freguesia vai embora por sua causa, ! – ele brincou, pegando o papel de minha mão, me fazendo revirar os olhos – quanto mau humor, não vai se inscrever no reality?
-Claro que não vou! – falei na defensiva – Eric, você acha mesmo que eu vou?
-... – ele riu enquanto fazia as coisas e falava comigo ao mesmo tempo – não vejo motivos para você não ir... É uma oportunidade única e isso vai te abrir muitas portas, como por exemplo... Na área da veterinária, você quer isso! Ou na dança, você vai ser reconhecida! – pensei por esse lado, ele tinha razão, como sempre.
-Não posso deixar minha família com Merck naquele estado... Não posso esquecer minha vida aqui – falei suspirando – fora que eu não vou ser uma das quinze selecionadas, é impossível.
-Você indo para lá, vai ter total segurança mandada do próprio palácio para sua casa, você não lei as regras e condições do reality? – ele perguntou rindo – você pode reconstruir sua vida lá, e muito melhor ainda por cima! Você tem medo, porque sabe que pode ser escolhida sim.
-Não li e nem vou! – falei rindo pegando a comida na bandeja – mas obrigada por tentar, você é o melhor – dei um beijo em sua bochecha, que quase foi em sua boca, já que ele quase virou o rosto, fiquei sem graça e ele sorriu sapeca e eu sai correndo.

Cheguei em casa sete da noite, cansada e estressada por causa do trabalho, as pessoas não paravam de falar do reality. O marido de minha irmã estava um saco de estressado, mas eu gostava dele até. Jordan era um bom homem, minha irmã teve sorte por ter conhecido alguém que a ame de verdade.
Adorava chegar em casa e ver Kiara e Kurt brincando no tapete da sala com seus brinquedinhos que eu consegui comprar com meu dinheiro. Sentir o cheiro de comida quase pronta, vindo da cozinha com minha mãe preparando a mesma... Mesmo ela não cozinhando bem e eu tendo que ir salvar a janta com meus dotes culinários.
Entrei e me joguei no sofá, recebendo um abraço caloroso de Kurt, eu amava o jeito que ele me tratava, amava a nossa relação de irmãos. Não queria que ele crescesse e isso mudasse.
Kurt estava um pouco tristonho, mesmo brincando e me abraçando como sempre fez, mas preferi não comentar nada, ele deve ter pedido chocolate e mamãe não quis dar para ele, provavelmente, não porque ela não queria, mas sim porque não tinha. Levantei do sofá e Kurt foi subir para o quarto, mas percebi uma marca vermelha em suas pernas e que ele estava mancando um pouco, fiquei assustada
-Kurt... O que houve? – segurei ele no colo e o mesmo balançou a cabeça abaixando a mesma, não dizendo nada. Olhei para Kiara que olhou para baixo também e correu para a cozinha, a segui, completamente assustada e irritada, já imaginando o que tinha acontecido. – Que merda que tá acontecendo aqui? – perguntei ao ver Merck sentado com os pés na mesa bebendo uma lata de cerveja. Enquanto minha mãe ainda estava no trabalho, tinha esquecido que hoje ela ficaria até tarde.
-Ah, você chegou! – ele disse jogando uma latinha vazia em mim e falhando completamente – venha, vamos lá em cima, você vai fazer algumas coisas para mim, a velha da sua mãe não tá mais me satisfazendo – se levantou e eu olhei para meus irmãos que estavam assustados .
-Kiara, leva Kurt para cima, não sai de lá até eu mandar – ordenei e a mesma fez isso sem pestanejar. Encarei ele novamente, que se aproximava de mim, peguei a primeira coisa que vi, a garrafa de vidro e quebrei a mesma apontando ela para ele – Merck, eu já falei que você não vai encostar mais em mim, nunca mais! Seu velho nojento.
-Velho nojento? – ele riu alto e passou a mão na barriga – você prefere quem? Ah, deve ser igual a sua mãe, prefere quem não pode do que ficar com quem pode e quer. Você será minha amante, sua mãe vai aceitar isso.
-O que você tá falando? – perguntei com dele e o mesmo ria me olhando da maneira que me olhou quando eu tinha 13 anos, senti um arrepio novamente por isso. – nunca irei ser amante de ninguém e nunca vou sentir interesse em você, seu escroto!
-De qual parte? De que você é igual a sua mãe? Ou que você vai ser minha putinha? – ele tentou se aproximar mas eu quase o ataquei com a garrafa, então ele se afastou – ela nunca te contou quem é seu pai, né? Em como você foi gerada? Em como ela gritava naquela cama onde nós dormimos juntos, com um dos guardas da corte real? Nunca te tratei como filha, você já sabia que não era o seu pai. Sua mãe é uma vagabunda e eu só percebo isso agora.
-Que bom que você aceitou o chifre! – soltei para provocar e o mesmo revirou os olhos apertando os punhos, irado comigo.
-Você é cheia de querer cutucar ferida, por que não me responde o motivo de nunca ter corrido atrás do seu verdadeiro pai? – via em seus olhos, a raiva, ódio, vontade de me ver sofrer.
-Eu não vou te responder isso, não lhe interessa e...
-Oh, claro! – ele bateu na testa rindo alto – Cendrowski, porque ir atrás de algo que provavelmente vá causar apenas dor e sofrimento? Você descobrindo quem é ele, vai praticamente entregar a cabeça de sua mãe na bandeja.
-Mas eu te conheço... E muito bem – ele me olhou de cima para baixo sorrindo – vou te dar uma dica sobre aonde ele está – tentou se aproximar de mim, e eu estava péssima, querendo chorar, com raiva, nojo... Não aguentava aquela situação – Mas antes você vai ter que abaixar essa garrafa, pode machucar alguém.
-Vá para a casa do caralho – me irritei, tentando correr para a sala, mas acabei tropeçando em um dos brinquedos de Kurt e Kiara, que acabei caindo e machucando minha mão esquerda, ela doía muito. Senti que Merck havia me segurado pela barriga, eu estava gritando para que ele me soltasse e tentando fazer com que eu conseguisse agarrar a garrafa, que havia parado alguns centímetros de distância de mim.
-Olha só, você assim... Que maravilha – ele dizia rindo e me segurando firme enquanto eu me debatia – senti falta, a última vez faz muito tempo, e agora com o seu corpo assim, você está mais gostosa e...
-E você vai me deixar em paz – grunhi ao enfiar a garrafa em seu ombro, o mesmo urrou de dor, me dando tempo para correr até a porta, que já estava aberta, e eu tinha fechado a mesma. Estava completamente ofegante, com dor na mão, acho que quebrei minha munheca, e com sangue em meus braços, sangue daquele homem nojento. Olhei para trás, antes de sair e vi o mesmo se levantando, ia correr atrás de algum guarda, porém dei de cara com dois em minha porta, com Kurt e Kiara atrás deles assustados.
Os mesmos me puxaram para frente ao ver Merck indo para cima de mim, com a garrafa que ele havia tirado de seu ombro e o segurando pelos braços. Estava assustada com tudo aquilo, não conseguia pensar direito então só sei que coloquei as crianças atrás de mim e me afastei da casa, de perto dos guardas, de Merck. Ele estava sendo levado para a cadeia, e só Deus sabe o que o juiz ia decidir. Provavelmente ele apanharia na praça, na frente de todo mundo, ou teria a cabeça arrancada, na frente do palácio de Avallon.
-Você pensa que isso vai ficar assim? Barato? .toUpperCase()), EU VOU VOLTAR E QUANDO EU VOLTAR, REZE PARA EU NÃO MATAR VOCÊ E SUA MÃE, SUA VAGABUNDA – ele gritou se debatendo contra os guardas, eu o encarava, com o rosto sem demonstrar emoção alguma – E SEU PAI NÃO VAI ESTAR AQUI NA CIDADE PARA SALVAR VOCÊS, AQUELE GUARDINHA DE MERDA!
Fiquei em choque. Se alguém não tivesse segurando-me pela cintura, eu teria ido para cima de Merck, ia ter provavelmente terminado de foder minha mão, mas pelo menos teria acabado com a cara daquele nojento. Kiara e Kurt estavam atrás de mim, assustados vendo a cena toda, vendo o próprio pai sendo levado pela polícia. Depois que a carruagem dos guardas estava longe, me virei para trás e vi Eric me segurando, pois eu já estaria no chão naquele momento. Eric além de trabalhar comigo, era meu vizinho. Ele morava algumas casas depois da minha.
Algum tempo depois olhei para o lado e vi minha mãe olhando para aquela bagunça, com os olhos arregalados. Kurt e Kiara correram até ela, chorando. Minha mãe veio até mim e eu só balanceia a cabeça, pedindo desculpas, entrei em casa pegando minha bolsa e sai andando ao lado de Eric, que me puxou para a casa dele.
Me joguei no pequeno sofá de sua casa, ele morava sozinho pois os pais morreram num acidente e sua irmã morava fora da cidade. Reclamei de dor por causa de meu braço, minha mão estava doendo muito.
-Primeiro você vai tomar água, vai respirar e se acalmar enquanto eu pego o que eu tenho aqui para ajudar você com sua mão – ele disse calmo, ao se ajoelhar na minha frente, visualizando minha mãe, dando um sorriso e depois saindo da sala. Alguns minutos depois ele voltou e fez eu tomar a água junto com o remédio. – , vai doer um pouco, você terá que ir ao hospital amanhã e...
-Eu tenho certeza que vou ficar bem, você é filho de enfermeiro, confio em você – falei sem jeito, mordendo o lábio, pois a dor estava ficando mais forte.
-Eu sou pau pra toda obra - gabou-se me fazendo rir baixinho e observar ele visualizando mão e logo depois apertando o mesmo pois tinha saído do lugar, ele não havia avisado que faria isso, foi difícil não gritar. Encarei o mesmo horrorizada – Desculpe, eu esqueci... Mas se eu tivesse avisado você não ia deixar eu fazer isso e precisava voltar ao lugar
-Doeu! – resmunguei e o mesmo riu balançando a cabeça, pegando umas faixas brancas e encaixando o meu braço.
-Pronto, ! – ele terminou colocando algo em volta de meu pescoço para meu braço não ficar caído e se sentou ao meu lado – estou orgulhoso de você...
-Mas eu não fiz nada – falei balançando a cabeça, muito mal.
-, você suportou essa luta por anos, hoje finalmente ele foi preso e desta vez, acho difícil ele conseguir sair... – ele me abraçou de lado e eu sorri – Você finalmente está livre.
-Finalmente me livrei dele, obrigada por aguentar isso junto comigo – agradeci e o mesmo revirou os olhos pois ele odiava quando eu agradecia algo, já que ele apenas estava fazendo o trabalho dele, como amigo, irmão mais velho, pseudonamorado e paizão. – mas... Meu pai, Merck disse que ele era um guarda... Eric, meu pai é um guarda! É impossível eu encontrar ele.
-Vai ser difícil mesmo – ele concordou comigo – mas pense que tem uma maneira um pouco menos difícil, digo, que seja mais acessível.
-O que...? – perguntei sem entender, ele me olhou sugestivamente e entendi tudo, falei dezesseis “não” e ele ficou esperando eu terminar o meu show – Não, não, não... NÃO!
-Por que é tão difícil pra você aceitar que tem que se inscrever na seleção?
-Eu não vou me inscrever! Eu não vou ser uma selecionada e eu não quero ter que criar expectativas com algo que sei que nunca vou conseguir, vivi sempre sem ele, não vai ser agora que vou simplesmente assinar um atestado de óbito! Vou perder minha vida, minha juventude, não vou ver Kurt e Kiara crescerem e...
-Você tá dizendo isso pra mim, porque tem certeza disso, ou tá dizendo isso, pra você acreditar nessas palavras? – ele me encarou daquele jeito que parece que está visualizando meu cérebro. Odiava Eric pois ele sempre sabia o que eu estava sentindo.
-Por que eu tenho certeza – segurei um suspiro ou qualquer outro detalhe que fizesse isso ser desmentido para ele, esperei ele terminar de me examinar, sem nem respirar direito.
-Okay, você perdeu – ele saiu da sala enquanto eu ficava indignada pelo fato de ele dizer aquilo e ia atrás dele.
-Ah, qual é, eu não hesitei e...
-, eu joguei verde e você caiu maduro – disse rindo me fazendo rir logo depois e dar um tapa em sua cabeça e sair andando pela casa.
-Mas de qualquer forma, eu não irei me inscrever – dei de ombros e ele suspirou – essa é a minha última palavra – disse andando comendo uma maçã, senti Eric segurando minha mão e olhei para trás rindo, pois sim, eu tinha cócegas nas mãos, e vi que ele estava com sua câmera nas mãos e havia tirado uma foto bem na hora – ERIC!
-Ah, qual é, ficou meiga! – ele disse rindo da minha cara irritada – vai ficar guardada na minha coleção.
-Você é ridículo! – falei andando nervosa e ele rindo atrás de mim – Vou pra casa.
-Já passou do toque de recolher, você vai ter que ficar – ele me olhou e u revirei os olhos – Faremos como sempre, eu no sofá e você lá em cima.
-se não se importar... Eu vou querer que você fique comigo – falei meio sem jeito e ele sorriu de novo, me puxando para um abraço – estou com medo – estava parecendo uma criança.
-Quer que eu leia uma história para você dormir? – dei um soquinho nele rindo – claro que eu fico com você, princesa .




Era sexta-feira, havia se passado uma semana desde que Merck estava longe de nós, havia uma semana que estávamos em paz. A convivência se tornou mais leve, não tinha brigas, não vivíamos com medo, minha mãe estava mais sorridente, Kiara não suportava olhar ou falar de seu pai e Kurt tinha medo ainda... Kira estava confusa em relação aos seus sentimentos com Merck, não a culpava, aquilo era demais para alguém.
Sobre meu pai, minha mãe não me contou muita coisa, apenas repetiu o que Merck havia dito, dizia que estava apaixonada por meu pai, desde a infância, e culpava meus avós por ter feito-a casar com Merck. Eu implorei por mais, porém ela não quis dizer muito, não consegui a força-la. Não vou mentir, pensei seriamente em me inscrever no concurso, para saber de meu pai, já e ele era um general de uma base de guardas que recrutavam outros guardas e estavam em Southampton quando fui concebida. Eu conseguiria descobrir mais caso eu fosse escolhida (uma coisa impossível, já que eles iriam escolher as com mais classe, condição de vida, educadas, bonitas e com dinheiro. )Não queria me iludir achando que isso seria possível, se ele realmente gostasse de minha mãe como dizia, ele teria vindo atrás dela, teria vindo atrás de nós duas.
Eric e eu estávamos muito próximos, mais do que nunca e eu ficava receosa as vezes, por talvez estar criando algum tipo de sentimento por ele, algum tipo de sentimento, do tipo você sabe. Ele estava sendo uma pessoa incrível me ajudando em casa com o que precisava ser feito... Kiara e Kurt adoravam ele, minha mãe o tratava como filho e Kira amava-o como irmão mais velho, ficava feliz por isso. Mamãe sempre fala sobre ele gostar de mim muito mais do que amiga, que aquilo era óbvio e visível, temia que fosse verdade, mesmo estando receosa com meus sentimentos, sabia que eles eram traiçoeiros e me trairiam caso Eric resolvesse se declarar para mim. Ele era incrível demais para uma pessoa como eu, que como Kira diz, não sei o que quero da vida e ainda acha que eu gosto de mulheres.
Jordan e Kira convidou nossa mãe e nossos irmãos para irem ao restaurante assistir o Time Aykroyd junto com a maioria do pessoal da cidade, já que aquilo estava uma bagunça cheio de ansiedade, então estavam todos animados com aquilo tudo. Eu estava trabalhando, já que o movimento estava grande, conseguiria algumas moedas a mais.
-Hey, Marie, conversei com o Príncipe e ele disse que esta muito animado com o dia de hoje! – Jeremy estava dizendo para sua parceira, depois de alguns minutos enrolando para entrar no castelo e dizer logo quem eram as quinze fantoches do reino, enquanto eu estava anotando o pedido de uma mesa de garotas que tinham se inscrevido no concurso e estavam animadas demais – nossa Rainha está animada para conhecer suas novas filhas.
-Não é só a Rainha que está animada para isso, todos os avallonesos estão deste jeito para conhecer nossas novas Meninas
– Marie estava mais arrumada hoje, ela estava confiante de que seria escolhida, aquilome irritava, seria marmelada, ela sempre ficou no palácio junto com os príncipes, não era justo! – daqui alguns minutos, depois do anúncio sobre o reino que não estão relacionados a Seleção, nós voltaremos já ao lado da família real! Aguardem!
Revirei os olhos ao ver as meninas dando um gritinho animado, com aquilo tudo, juntamente com a maioria das pessoas do local. Meus irmãos estavam mais preocupados com a comida do que com o concurso, na verdade, Kurt... E depois ele sempre vinha até mim perguntando se eu queria ajuda, eu não sabia lidar com aquela fofura toda. Já Kiara, estava ansiosa com quem seria escolhida, sempre jogando na minha cara que eu fiz a maior burrada da minha vida ignorando o concurso.
Depois que os pedidos deram uma abaixada, pude descansar um pouco, deixando dois garçons lá, entrei na cozinha a qual estava um fervo, pelo menos hoje Eric estava tendo ajuda de mais gente, então na hora que entrei, o mesmo estava indo pelas portas do fundo, tomar um ar. Dei um sorriso e fui atrás dele.
-Sua dissimulada! – ele disse assustado, depois de eu lhe dar um susto, enquanto eu ria muito com a sua cara
-Consegui! – falei me gabando, vendo o mesmo revirar os olhos rindo – o que você tem? Ta estranho... Parece que está nervoso...
-Ah, você sabe... A cozinha está uma bagunça hoje, o trabalho não parou... – ele respondeu passando as mãos no pescoço, sinal de que ele estava escondendo algo
-Você não me engana, o que você fez? – perguntei segurando suas mãos e o mesmo abaixou o olhar suspirando – Eric!
-, não se preocupa, okay? – ele sorriu encostando a testa na minha
-Eric, você fala o que tá acontecendo ou eu vou fazer greve com você de novo, você lembra como foi a última vez! – sai de perto dele cruzando os braços brava
-Ah, por favor, não faça birra! Você tem dezessete anos! – ele fez careta enquanto eu dava as costas para ele, voltando para o restaurante – Volta aqui, ! – ele me chamou umas três vezes, até eu encostar a mão na maçaneta da porta e entrar
Sabia que Eric viria atrás de mim, ele sempre vinha, só demorava alguns dias, ou semanas... Só esperava que isso não fosse por tempo demais, é horrível não poder contar com ele nessas horas, ele é meu único amigo. Nunca tive sorte com amigas, a única mesmo era Kira e minha mãe. Nunca consegui confiar em ninguém, meu mal é esse. Percebi que estava começando o programa novamente, já que todos da cozinha tinham ido para fora assistir junto com os outros.
Ouvi o hino do país sendo tocado junto com todo mundo cantando junto, e na calmaria, me sentei no balcão esperando pelo espetáculo que estava chegando.

- Boa noite, Avallon! – Rei Robert apareceu, sorrindo, ao lado e sua esposa com seus filhos atrás, os três usavam um terno preto junto com a coroa, o que o deixavam com cara de sérios, não vou mentir, estavam lindos. , e deram um sorriso para a câmera e fizeram uma reverência com a cabeça – estamos muito felizes por cada uma das garotas que se inscreveram, infelizmente eu só tenho três filhos – ele riu junto com a Rainha e os meninos riram juntos.
-Meu coração está cheio de alegria por poder estar fazendo parte de algo tão incrível como a Seleção dos meus filhos. - Leigh-Anne estava com os olhos marejados mas sorrindo muito.
-Meninos, como estão se sentindo com isso tudo? – Jeremy tomou a palavra e os meninos se encararam e a palavra acabou sendo tomada por vocês ajudaram na escolha das garotas? Como foi o processo?
-Escolhemos todas as garotas, foram mais de quinze mil inscrições. Nossa semana foi dedicada somente a isso, óbvio que tivemos ajuda dos membros do conselho, de alguns amigos e até mesmo meu pai, cada um separava as que mais agradavam e meus irmãos e eu decidimos quem ficava
deu uma risadinha lembrando de algo, fazendo seus irmãos rirem junto, até mesmo , que nunca tinha visto rir sem parecer falso.
-Espero que essas quinze garotas valham a pena, porque estou sem dormir faz dias, estou ansioso com tudo isso, e ansioso por conhecer cada uma disse me fazendo dar uma risadinha, ele era engraçadinho.
-Uhhh – Marie disse sorrindo para eles – e vocês já tem alguma preferida?
-Ou já teve alguma discussão sobre quem ficará com quem? – Jeremy alfinetou. Os garotos se olharam rindo ainda mais lembrando de algo, me deixando curiosa
-É cedo para dizer isso! respondeu despreocupado.
-Ah, , para! – começou a rir – Já temos uma preferida sim e é até engraçado, porque nós três gostamos dela.
-oh! – Jeremy riu alto e Marie deu um sorriso – Vamos querer saber o nome da sortuda, hein?!
-Vai ser difícil a gente dizer isso riu junto com os irmãos – é tipo um segredo de estado
-Vamos querer saber! – Marie repetiu a frase rindo e se virou para Robert e Leigh que estavam se divertindo com a situação toda – E o que vocês estão achando? Uma palavra que defina o momento!
-Estamos achando tudo isso incrível, é uma honra poder fazer parte disso tudo, ver meus filhos participando de algo feito em gerações passadas! – Rei Robert começou a dizer orgulhoso, eu adorava ele. – a palavra, creio que seja... Ansioso
- E acho que vamos tirar um bom proveito de tudo isso, vi as garotas escolhidas, gostei da maioria, vou adorar conviver com esse bando de mulher aqui nesse lugar, vivo muito sozinha e agora vou ter companhia até para ir ao banheiro! – rainha Leigh disse rindo – e a palavra, digamos que seja... Positividade
-E vocês, meninos? – Marie perguntou
-Confiante! foi o primeiro a dizer
-uh... Entusiasmado! – foi o segundo depois de pensar um pouco
-an... Esperançoso! deu um sorriso e o rei tomou a palavra se levantando
-Creio que já está na hora de dizer o nome das quinze garotas – ele sorriu segurando a mão de sua mulher – é com você, Jeremy!
-Aqui em minhas mãos, estão os nomes das quinze garotas e ai na tela de vocês, vai aparecer a foto de cada uma, respirem fundo e torçam os dedos! – ouvi o gritinho animado das garotas ali atrás dei risada, aquilo seria engraçado – e a primeira garota é... Summer McCanlies da província de Taim. – Ela era ruiva, dos olhos verdes e na foto estava com uma cara de má, o que me fez julgar pela imagem e achar ela uma nojenta, talvez pelo fato de ela morar em Taim, um dos lugares mais ricos de Avallon.- Bethany Bones de Huang – essa era morena dos olhos verdes – Courtney Gade de Bowen – ela era loura dos olhos castanhos. – conforme ia falando os nomes das garotas, estava entediada com tudo aquilo, as garotas eram realmente bonitas, porém, ficar sentada esperando não era meu forte, nunca foi, então resolvi ir tirando os pratos das mesas das pessoas, agilizando o trabalho. Ouvindo a voz de Jeremy falando e o povo reclamando de tudo.
Estava na mesa da onde minha família estava, pegando os pratos deles, que estavam concentrados na TV, olhei para o balcão, Eric estava sentado, encarando ora a TV, ora à mim. Se ele achava que eu ia recuar, estava enganado.
-Nossa penúltima garota é de Portillo, Lizzie Frost. – ela tinha o cabelo curto, da cor castanha e os olhos azuis. – agora rufem os tambores, pois nossa última menina, vem de Southampton – “Finalmente”, “AGORA SIM”, pude ouvir várias outras frases das pessoas que comemoravam ansiosos por aquilo, eu comecei a rir pela muvuca e comecei a andar novamente com alguns pratos nas mãos - é a nossa garota final! – me engasguei com o que eu ouvi, me virei para a TV e vi minha foto ali, a foto que Éric havia tirado em sua casa no dia que Merck foi preso, eu estava com a mão enfaixada, porém, meu sorriso estava tão sincero, tão real. Foi então que derrubei os pratos no chão assustada, com tudo aquilo, não conseguia ouvir mais nada, ninguém, mesmo sentindo o povo comemorando, mesmo vendo que a maioria estava feliz com aquilo. Olhei para frente e vi minha mãe e meus irmãos comemorando me abraçando.
Meio tonta, ainda, dei uma olhada procurando por Eric, vi o mesmo com as mãos no rosto e logo depois correndo para fora do restaurante. Tentei ir atrás, porém, sem sucesso.
Eu era a nova estrela da cidade.

Continua...



Nota da autora: (09.04.2017)
Hey Avallonesa, gostaria de dizer que esta é uma história baseada em “A seleção” (com o nome baseado no filme ‘Passageiros'. Os trigêmeos que provavelmente não serão iguais dependendo da sua escolha, não tem um certo ainda para ficar com você, será decidido conforme o povo for lendo e escolhendo (se quiser ajudar, diga nos comentários usando o “mais velho”, “mais novo” e “do meio” vou conseguir ter uma noção dos queridinhos. Espero que gostem!




comments powered by Disqus




Qualquer erro nessa atualização são apenas meus, portanto para avisos e reclamações somente no e-mail.
Para saber quando essa linda fic vai atualizar, acompanhe aqui.



TODOS OS DIREITOS RESERVADOS AO SITE FANFIC OBSESSION.