...

- Acho que você já bebeu demais, - comentei.
- Não o suficiente - respondeu sorrindo.
- Estou falando sério, , não quero ter que carregar você pra casa.
- Você é um saco, - bufou. Uma música conhecida começou a tocar e eu vi seu sorriso aumentar. - Acho que eu vou me divertir um pouco - falou antes de caminhar até a pista de dança.

Put your hands all over
Put your hands all over me
Put your hands all over
Put your hands all over me


Assim que encontrou um bom lugar na pista, deixou seu corpo ser completamente conduzido pela música, atraindo algumas atenções.

I can't seem to find the pretty little face I left behind
Wandered out on the open road
Looking for a better place to call home
Gave her a place to stay
But she got up and ran away
And now I've had enough
That pretty little face has torn me up


Suas mãos passeavam por seu corpo, atendendo ao pedido da música, deixando a cena incrivelmente sensual para qualquer um que estivesse assistindo.

Put your hands all over me
Please, talk to me, talk to me
Tell me everything is gonna be alright
Put your hands all over me
Please, walk with me, walk with me (now)
Love is a game, you say
Play me and put me away

Put your hands all over me

Seus olhos estavam fechados, curtindo ao música, enquanto uma de suas mãos bagunçava seus cabelos, a fazendo rir.

Now you've lost your mind, pretty little girl I left behind
I'm not yours, getting rough
but everybody knows you're not that tough
Wandered out on the open road
Looking for a place to call your own
You're scared to death of the road ahead
You pretty little thing, don't get upset

continuava com sua dança incrivelmente sensual, me deixando completamente hipnotizado. Aparentemente eu não era a única pessoa ali que estava perdendo a linha com sua dança, já que no instante seguinte um homem se aproximou dela, começando a dançar colado ao seu corpo. Suas mãos passeavam pelo corpo dela, apertando alguns locais. abriu os olhos, os focando nos meus, e um sorriso malicioso se formou em seus lábios. Eu estava achando aquilo incrivelmente excitante, e o sorriso em seu rosto comprovava que essa era sua intenção.
Seus lábios começaram a se mover junto com a música, fazendo minhas calças ficarem apertadas. O loiro continuava sua dança pelo corpo da garota, seguindo veemente a letra da música, tentando atrair sua atenção; sem nenhum sucesso. voltou a fechar seus olhos, ficando agora de frente para o loiro, começando a rebolar e descer lentamente o corpo, o provocando. se transformava em uma pessoa completamente diferente quando estava sob o efeito do álcool e, aparentemente, meu corpo estava adorando aquela , já que o incomodo nas minhas calças só aumentava.
As mãos do loiro se prenderam em sua cintura enquanto ele tentava a todo custo alcançar os lábios da garota.

Put your hands all over me
Put your hands all over me
Put your hands all over me
Put your hands all over me


- Se você não fizer alguma coisa, eu faço - ouvi a voz de Max ao meu lado. Eu nem havia percebido que ele estava ali. O olhei e vi que seus olhos estavam fixos nas mãos do loiro, que começavam a descer até a barra do vestido de .

So come down off your cloud
Say it now and say it loud
Get up in my face
Pretty little girl, come make me day


Caminhei até onde estava e a tirei das mãos do loiro, que protestou. Ignorei e a puxei até um canto da boate, a colocando contra a parede. Sua respiração estava falha graças a dança, mexendo ainda mais com a minha masculinidade.
- Você está fodendo com a minha sanidade há dias, . Eu não consigo mais entrar no meu quarto e não imaginar como seria te jogar na minha cama e acabar com o meu problema - despejei tudo de uma vez, a pegando de surpresa. Comecei a distribuir mordidas por seu pescoço e senti sua mão no meu braço. Achei que ela fosse me empurrar, mas seus dedos apenas apertaram o local, me puxando para mais perto - Você está me enlouquecendo aos poucos, . A cada dia que passa, um pouco da minha sanidade e do meu auto controle evaporam quando você está por perto. - minhas mãos estavam encostadas na parede, ao lado de seu corpo, a prendendo ali. levou suas mãos para dentro da minha camiseta, deixando suas unhas arranharem meu abdômen. Forcei meu quadril contra o seu, a colando ainda mais na parede, e um suspiro escapou de ambas as partes. Meu auto controle era quase inexistente naquele momento, assim como a minha sanidade diante dela. Seus lábios encontraram meu pescoço com facilidade, graças aos saltos, deixando uma mordida no local. Dei um soco na parede, sentindo o resto do meu auto controle ir embora a cada segundo. - Porra, garota, o que você quer de mim?

Love is a game, you say
Play me and put me away
Put your hands all over


- Put your hands all over me - sussurrou junto com a música no meu ouvido. Joguei meu auto controle pros ares e agarrei sua cintura com um pouco de agressividade. Levei minha outra mão à sua nuca, puxando seu rosto na direção do meu e colei nossos lábios, dando início à um beijo desesperado.
Suas unhas agora arranhavam minhas costas, ainda por dentro da camiseta, desci uma de minhas mãos pela sua perna e a puxei para cima, fazendo com que ela a prendesse na minha cintura. Parti o beijo e desci meus lábios para o seu pescoço, deixando um chupão no local.
- Acho melhor a gente terminar isso em outro lugar - sua voz falou no meu ouvido. Concordei com a cabeça e me afastei por um segundo. Entrelacei sua mão na minha e a puxei para fora do pub até o carro.

O caminho, que antes havia levado quinze minutos, foi feito em menos de dez, devido à minha pressa de chegar logo em casa. Estacionei o carro de qualquer jeito e desci, dando a volta rapidamente para ajudar a descer. Assim que fechei a porta, a puxei para mim novamente e a encostei no carro, dando início à outro beijo, que não durou muito tempo já que me empurrou lentamente. Fui puxado até a porta e levei mais tempo que o necessário para conseguir abri-la. Eu não faço ideia de como, mas instantes depois minhas costas estavam coladas na porta do meu quarto enquanto estavam de pé na minha frente, distribuindo beijos pelo meu pescoço. Apertei sua cintura e comecei a empurrá-la para trás até o meio do quarto. Suas mãos desceram até a barra da minha camiseta, a puxando para cima e nos forçando a interromper o beijo; pude vê-la morder os lábios enquanto olhava para o meu tronco, me fazendo sorrir satisfeito.
Me aproximei novamente e logo levei minha boca ao seu pescoço, distribuindo beijos e mordidas pelo local. A virei, fazendo com que ficasse de costas para mim, e afastei seu cabelo dando leves beijos em sua nuca. Levei minhas mãos até o zíper do vestido e comecei a descê-lo lentamente, arrastando meus dedos por cada centímetro de pele que ficava exposto. Seu vestido logo encontrou o chão no quarto, me dando total visão de seu corpo.
Dessa vez quem mordeu os lábios fui eu.
usava um conjunto de lingerie vermelho rendado, deixando seu corpo ainda mais sexy. A puxei pela nuca e iniciei outro beijo, dessa vez transbordando luxúria.
Suas mãos encontraram o fecho da minha calça e logo pude sentir o jeans escorregando pelas minhas pernas; chutei a calça para o lado e levei minhas mãos à sua cintura, a puxando para mais perto. Minhas mãos logo encontraram o caminho já conhecido de suas costas até o fecho do sutiã, me fazendo sentir um grande alívio quando consegui me livrar da peça sem ser interrompido como na manhã daquele mesmo dia. Afastei meu corpo do seu e foquei meus olhos em seus seios fartos, me deliciando com a visão. Seus mamilos estavam rígidos e seu peito subia e descia, devido a respiração pesada, os deixando ainda mais convidativos.
Levei minhas mãos à sua cintura e comecei a empurrá-la para trás, até estarmos deitados na minha cama. Subi uma de minhas mãos pela lateral de seu corpo e capturei seu seio, brincando com o mamilo; desci alguns beijos até seu outro seio e logo o abocanhei, ouvindo um gemido de aprovação. Suas mãos não deixaram a festa durar muito tempo, já que instantes depois começaram a puxar meus cabelos, me obrigando a parar e iniciar outro beijo.
aproveitou e inverteu nossas posições, ficando por cima, e partiu o beijo passando a fazer uma trilha pelo meu pescoço. Suas unhas se dedicavam a arranhar meu abdômen, me fazendo contraí-lo repetidas vezes. Quando se cansaram do meu pescoço, seus lábios começaram a descer pelo meu corpo, dando lugar para os seus dentes, ocasionalmente, até alcançarem a minha boxer. Seus dentes se fecharam na barra da única peça que eu usava e logo começaram a descê-la pelas minhas pernas deixando minha ereção completamente exposta. Um sorriso malicioso se formou em seus lábios assim que seus olhos focaram meu membro, me deixando orgulhoso.
prendeu seu olhar no meu, descendo seu corpo até minha ereção, me fazendo gemer em antecipação. Seus dedos se fecharam gentilmente ao redor do meu membro enquanto ela depositava leves beijos na cabecinha, arrancando um alto suspiro meu. Eu não era capaz de quebrar o contato visual, nem mesmo quando sua boca se abriu engolindo meu pau lentamente.
Eu já tive muitas garotas naquela situação, mas nenhuma se comparava à . Sua mão seguia o movimento de sua boca em uma incrível sincronia, sua outra mão sabia exatamente como e onde tocar enquanto seus olhos me transmitiam toda a excitação e o prazer que ela sentia em me ver naquela situação. Fechei meus olhos fortemente quando senti a pressão de seus lábios aumentarem, deixando um gemido alto escapar da minha boca. Puxei seus cabelos assim que senti meu orgasmo se aproximando, a fazendo parar com os movimentos e me olhar confusa. A puxei para cima e grudei nossas bocas em um rápido selinho antes de vira-la na cama, voltando a ficar por cima.
Não levei muito tempo em sua boca, logo começando a descer meus beijos por seu pescoço e busto. Dei leves mordidas em sua barriga antes de descer sua calcinha, a jogando pelo quarto. Comecei distribuindo beijos demorados pelo interior de suas coxas para provocá-la. Dei leves beijos por sua vagina, evitando o ponto onde ela mais precisava, e senti suas mãos puxarem meus cabelos.
- Quem diria que estaríamos nessa situação hein, ... - comentei com um breve sorriso.
- Cala a boca e me chupa logo, .
- Direta. Adoro garotas assim - separei seus grandes lábios com dois de meus dedos e passei minha língua por toda sua intimidade, parando em seu clitóris e o abocanhando.
Um gemido de alívio e prazer escapou de seus lábios enquanto arqueava as costas em busca de mais contado. Atendi aos seus pedidos e intensifiquei meus movimentos, sentindo uma de suas mãos puxar meus cabelos com mais força. Os gemidos altos que escapavam de sua boca eram completamente capazes de acordar meus pais, deixando tudo ainda mais delicioso e excitante. Percebi, através dos movimentos de seu corpo, que seu orgasmo estava próximo, então me afastei de sua intimidade e refiz a trilha de beijos até chegar em sua boca. Seus lábios imediatamente devoraram os meus, dando início à um beijo desesperado.
- Camisinha - sussurrou com a voz falha. Concordei com a cabeça e me levantei da cama indo até minha bolsa, tirando um pacotinho preto de lá de dentro. - Eu não acredito que você trouxe camisinhas.
- O Tom colocou na minha bolsa antes de eu sair de casa - dei um sorriso amarelo enquanto vestia meu membro com a camisinha.
- Me lembre de agradecer ele depois - dei um sorriso malicioso e voltei para a cama, me posicionando entre suas pernas.
- Com certeza - falei em seu ouvido antes de me enterrar completamente dentro dela de uma única vez. Um gemido de prazer escapou de ambas as partes enchendo o quarto. Fiquei um instante parado, deixando que ela se acostumasse com a sensação, antes de começar a mexer meu quadril, tirando completamente meu membro de dentro dela e o colocando novamente.
Mexi meus quadris primeiramente em movimentos lentos, arrancando suspiros nada discretos de . Aumentei os movimentos aos poucos, fazendo suas unhas se enterrarem ainda mais na carne das minhas costas, me causando uma dor prazerosa. Depositei beijos descompassados pelo seu pescoço, não me importando com os gemidos cada vez mais altos que saiam de sua boca, e tentei dar leves mordidas, deixando pequenas marcas pelo local.
Eu poderia viver naquele momento para o resto da minha vida. era incrivelmente quente, macia e apertada, me fazendo querer gritar a cada nova estocada. Deslizei uma de minhas mãos de sua coxa até seu busto, capturando um de seus seios novamente; seu mamilo rígido roçava na palma da minha mão implorando por uma atenção que foi prontamente atendida.
O som de nossos quadris se chocando e de nossos gemidos enchiam o quarto em uma sinfonia deliciosa. Apertei sua coxa com um pouco de força, sentindo os cabelos de minha nuca serem puxados com a mesma intensidade. Busquei sua boca, tentando iniciar um beijo mal sucedido, e aproveitou para inverter as posições. Um sorriso satisfeito se formou em seu rosto enquanto ela rebolava os quadris lentamente sobre o meu pau, me fazendo apertar os olhos e gemer com sua tortura.
iniciou um movimento para cima e para baixo com seu corpo e a visão de seus seios saltando foi demais para mim. Suas mãos estavam apoiadas no meu peito, sua cabeça jogada para trás e sua boca permanecia aberta, não se importando em reprimir nenhum gemido. Levei minhas mãos à sua cintura, ajudando com os movimentos, e passei a impulsionar meu quadril para cima, intensificando as estocadas. Seu corpo devorava o meu membro cada vez mais rápido, me fazendo apertar sua cintura com cada vez mais força enquanto contraia meu abdômen. Segurei sua cintura com força, a obrigando parar com os movimentos, e inverti as posições novamente, voltando a ter controle total da situação.
Continuei com os movimentos rápidos, sem coragem para diminuí-los; deslizei minha mão desde seu pescoço até alcançar seu clitóris, começando a brincar com o pequeno ponto inchado. Não foram precisos mais do que alguns beliscões em seu carocinho para que eu sentisse sua vagina começar a se contrair ao meu redor, anunciando seu orgasmo. Seu corpo todo tremia e se contorcia embaixo do meu enquanto gemidos desconexos saíam de sua boca. Sorri satisfeito ao ouvir meu nome entre esses gemidos. Suas unhas arranharam minhas costas com tanta força que eu podia jurar que estava sangrando. Poucas estocadas depois, senti meu próprio orgasmo me atingir, sendo acompanhado de um gemido quase animalesco. Escondi meu rosto em seu pescoço, esperando minha visão voltar ao normal e os espasmos pararem.
Quando recuperei os movimentos do meu corpo, saí de dentro de e me joguei ao seu lado, respirando pesadamente. Comecei a rir sozinho ao me lembrar de um acontecimento.
- O que foi? - perguntou com a voz voltando ao normal.
- Acho que vai ter que retirar o que disse sobre eu não durar muito tempo - falei olhando em seus olhos, logo me acompanhou nas risadas, concordando com a cabeça.



Especial da fanfic Namorada Temporária


Nota da autora (25/03/16): Olá amores, voltei com esse casal super amor e ódio nessa short que é uma forma de agradecer a todos os meus leitores por me acompanharem (mesmo com os atrasos hahaha). Espero que vocês gostem desse especial com muuuuuuita pegação e beeeem hot. Não esqueçam de comentar.
Beijinhos <3


Nota da Beta: O que mais especial do que um Especial de uma boa transa, não é mesmo? hahaha Acho que foi a comemoração perfeita para essa fic que tem um dos casais mais quentes e maravilhosos do momento. Arrasou, Naty! Tenho certeza que todo mundo vai adorar e querer mais, porque EU quero e vou ficar esperando enquanto Namorada Temporária fica cada dia mais famosa, porque merece demais!! xx-A




comments powered by Disqus




Qualquer erro nessa atualização e reclamações somente no e-mail.
Para saber quando essa fic vai atualizar, acompanhe aqui.



TODOS OS DIREITOS RESERVADOS AO SITE FANFIC OBSESSION.