Última atualização: 17/09/2018

1. Into The New World

Meu reflexo estava na janela do trem,
Enquanto eu embarcava numa nova cidade.”
- All My Love Is For You / Girls Generation

— Ah… — dei um suspiro cansado assim que desembarcamos no Aeroporto Internacional de Incheon, era visível minha insatisfação naquele momento.
— Pandinha, pare com essa cara. — minha mãe se aproximou de mim e segurou em minha mão, me dando o braço para me apoiar nela — Pensei que será um ano mais divertido em sua vida.
— A senhora sabe que meu currículo acadêmico não fica nada divertido com essas mudanças. — a olhei contrariada — Aish¹, que menina mais nerd. — ela riu de leve — Eu deveria ser grata por isso, mas você está se sobrecarregando antecipadamente de mais por causa dos seus estudos.
— Mesmo assim…
— Além do mais… — ela me interrompeu — Olhe pelo lado bom, agora você vai estudar em um país onde alunos passam até dezesseis horas por dia, até sete dias por semana. — mamãe me lançou um olhar de: te peguei — Não deveria estar animada e contente por isso.
— Omma²?! — a suspirei novamente — Eu sou nerd, não masoquista.

Ela soltou uma gargalhada alta, fazendo as pessoas que passavam perto olhar para nós.

— Agora te peguei, panda nerd. — ela riu mais um pouco — Tenho certeza que minha filha querida vai sobreviver a isso, você tem um ponto positivo.
— Qual? — agora estava curiosa.
— Seus pais não irão te crucificar se você não entrar no top10 dos melhores alunos. — ela riu mais um pouco, parecia estar zoando a minha cara, era típico da minha mãe.

Porém, amava esse seu lado descontraído já que meu pai era um pouco mais sério e fechado, isso era mais visível do que suas diferenças culturais.

— Está tudo bem? — perguntou papai ao se aproximar de nós, empurrando o carrinho de bagagens.
— Sim. — assentiu mamãe ao sorrir para ele, voltando sua face para meu irmão — Jinho largue esse game portátil, acabamos de chegar e só pensa em jogos.
— Omma, estava entediado. — resmungou ele mantendo seu olhar para o jogo — Passamos mais de doze horas em um avião.
— Por isso mesmo, este primeiro momento é crucial para respirar ar puro e ver paisagens novas. — retrucou ela.
— O que sua mãe disse?! — meu pai em seu tom reconhecível de autoridade, o olhou sério — Precisarei guardar eu mesmo?
— Aniyo³. — disse ele desligando o aparelho e guardando na mochila, claro que sua cara estava emburrada.

Omma segurou o riso e deu uma piscada disfarçada para papai, que sorriu de canto. Meu pai era muito rigoroso quanto ao respeito que deveríamos ter com nossa mãe, isso me fazia admirá-lo ainda mais, o carinho que ele demonstrava de forma discreta por ela era fofo e em alguns momentos engraçados. O que me fazia ficar curiosa se todos os outros homens coreanos eram assim.

— Então vamos? — disse minha mão, continuando de braços dado comigo.
— Sim, vamos. — meu pai ajeitou a bolsa transversal que estava em seu ombro e seguiu na frente.
— Vamos de táxi? — perguntei a minha mãe, enquanto seguíamos ele.
— Não, seu pai reservou um carro para irmos mais confortáveis.
— Quando foi isso? — meu pai era sempre precavido.
— Pouco antes de embarcarmos de Lisboa. — respondeu ela — Ele ligou para a companhia e reservou um.
— Faz sentido. — desviei meu olhar para as pessoas que passavam por nós, todas pareciam apressadas com sua vida.

Assim era a rotina coreana, as pessoas sempre estavam com pressa para fazer algo.

— Omma, estou com fome — reclamou Jinho com uma voz desanimada.
— Você comeu no avião. — disse minha mãe de forma despreocupada.
— Mas ainda estou com fome. — reclamou ele novamente.
— Assim que entrarmos no carro te dou algo. — ela deu um suspiro fraco — Esse menino só come e joga.
— Agradeça por ele ter o metabolismo acelerado. — brinquei rindo.
— Yah4, isso é coisa que se brinca?! — ela me olhou como se tivesse matado minha indireta — Este ano Jinho não me escapa, colocarei ele em uma aula de natação, não o deixarei nessa vida sedentária. — seu tom estava confiante.
— Está falando como uma mãe coreana. — eu ri de leve.
— Sua boba. — ela riu também — Morreu aí Jinho.
— Não omma. — ele se aproximou mais de nós — Mas se não comer…
— Yah, deixe de ser manhoso little Jini. — disse o chamando pelo apelido que minha mãe sempre lhe dava, assim como o meu pandinha.
— Ahhh… Só a omma pode me chamar de little Jini. — reclamou ele assim que eu esfreguei minha mão em sua cabeça atrapalhando seu cabelo.
— Sou sua irmã mais velha, por isso vou te chamar assim, sim. — retruquei.
— Jini e Pandinha… — minha mãe nos olhos, como se dissesse que se aquela brincadeira rendesse, sairia briga.
— Omma, não nos olhe assim, não está vendo o amor exalando de nossos corações. — brinquei fazendo ela rir.
— Chegamos. — disse papai parando pouco mais a frente, diante de um carro que parecia ser da empresa — Todos entrando, temos mais duas horas até Daejon.

Duas horas a mais… Pelo menos teríamos paisagens pelo caminho.

Appa5 é um coreano que passou parte da sua juventude estudando nos Estados Unidos, já minha mãe uma brasileira que após lutar muito para conquistar seu sonho, conseguiu se graduar em gastronomia tendo a chance de fazer MBA na França, o país onde se conheceram. E 18 anos após o casamento mais rápido do mundo, eles ainda são muito apaixonados um pelo outro, mesmo depois de tantos anos, muitas dificuldades e preconceitos de diversas pessoas. Uma dessas pessoas eram meus avós, que não aceitaram muito essa mistura cultural, porém mesmo assim eles se casaram e graças a isso estou completando 16 anos nesta data.

Eu sou a mistura dos dois que nasceu quando eles tiveram que morar em Sydney, na Austrália e meu irmão Jinho de 10 anos é a mistura que nasceu em Tóquio, no Japão. Deveria ser uma data alegre já que era meu aniversário, mas depois de 3 meses tentando me adaptar a nova rotina que tínhamos em Lisboa, mudar novamente, fez meu dia ser esquecido por todos. Nossa nova localização seria Daejon, há 150km da capital Seoul.

— Estão muito calados, dormiram aí atrás? — perguntou minha mãe rindo.
— Estou comendo. — respondeu Jinho após terminar de engolir — Não posso jogar.
— Não mesmo, aproveite a paisagem, tenho certeza que sua imaginação te ajudará a não se entediar. — sugeriu meu pai que mantinha sua atenção na estrada.
— Appa deu uma boa sugestão. — desviei meu olhar novamente para a janela do carro, ajeitando o fone direito que estava no ouvido — Mas eu prefiro fazer isso com um fundo musical.
— O que está ouvindo? — perguntou ela — Música clássica?!
— Não. — eu ri — Estou ouvindo a ost de Boys Over Flowers.
— Primeiro dorama a gente nunca esquece. — comentou ela — Sempre me pego ouvindo a ost de Hana Kimi.
— Clássicos da vida. — eu ri.

Tinha mesmo que distrair a minha mente, pois a cada vez que me lembrava da minha nova vida escolar, nesta altura do ano letivo europeu, eu teria que sobreviver o dobro e não me deixar ser prejudicada. Toda essa mudança veio através da multi-concessionária onde papai trabalhava, sendo um membro da diretoria muito competente o fazia ter que mudar com frequência, afinal, sempre que surgia um problema em alguma filial era ele quem resolvia.

Enquanto meu irmão estudaria na Song Elementary School, que ficava perto de onde moraríamos, eu iria estudar na Daejon Cho High School, um colégio particular onde o dono era amigo de infância do papai, nem queria imaginar como será meu primeiro dia de aula.

Quando appa estacionou o carro e nós descemos, não resisti em soltar um suspiro desmotivado, depois de tantas casas lindas e espaçosas, moraríamos em um apartamento. Entramos no edifício, um rapaz que ficava na recepção nos cumprimentou e ajudou a carregar as bagagens, como sempre nos mudávamos, então não acumulávamos muita coisa além das roupas do corpo.

Sétimo andar, apartamento 702, mantive meu olhar desinteressado no telefone ao sair do elevador, aquela distração me fez derrubar minha pasta de desenhos, que estava carregando comigo.

— Eu te ajudo. — disse um homem ao se aproximar, ele pegou a pasta e me entregou — Aqui.
— Oh, obrigada. — eu me curvei em agradecimento, meio sem graça, ainda não tinha me acostumado com o lado mais formal dos coreanos, pois sempre era tão informal com meus pais.
— Espero que se acomodem bem. — ele deu um sorriso de boas vindas que me fez ficar encantada.
— Obrigada. — disse minha mãe ao se posicionar ao meu lado — O senhor mora aqui também?!
— Sim, sou o professor Han. — ele abanou a cabeça — Se precisarem de ajuda.
— Agradecemos, mas está tudo sob controle. — minha mãe se curvou de leve — Vamos querida.

Nos despedimos dele e fomos até nossa porta, demorou em pouco para appa configurar o sistema de segurança e escolher a senha da fechadura. Quando entramos, me deparei com um apartamento todo decorado e mobiliado num estilo simples, porém aquela sofisticação básica da minha mãe exalava em cada um dos móveis. Me perguntava como aquele lugar tinha sido decorado e se ela realmente tinha parte nisso, por mais que sua profissão fosse da gastronomia, mamãe amava assuntos referentes a decoração.

Uma notícia boa?! Três quartos, ou seja, eu teria minha privacidade.

Isso me deixou mais animada, quando entrei no meu quarto reconheci rapidamente a colcha de patchwork que a vovó Margarida tinha me dado de presente de aniversário, senti que podia fazer daquele pequeno espaço o meu novo refúgio do mundo. Abri as malas e comecei a organizar minhas roupas no armário, ao final olhei para meu amigo de infância meu gato de pelúcia que eu chamava de Heebum, retirei da mala e o coloquei em cima da cama.

Abri as cortinas e deixei o vento entrar, ainda era dia, acho que estava quase na hora do almoço. Terminei minha arrumação e fui para cozinha, omma estava preparando um lanche rápido para o nosso almoço.

— Veio me ajudar pandinha? — perguntou ela quando entrei.
— Sim, por onde começo? — eu sorri.
— Pegue os pratos e os copos naquele armário. — ela apontou para a minha esquerda — Coloque na mesa de jantar para mim.
— Tudo bem! — caminhei até o armário e abri a porta — A senhora parece muito familiarizada com esse apartamento, além da decoração ser do seu gosto.
— Está se perguntando como fui capaz de fazer isso antes de nos mudarmos para Daejon? — ela riu de leve.
— Basicamente. — retirei primeiro os pratos para colocar na mesa.
— Estava fazendo isso desde as férias do natal passado. — explicou.
— Hum, por isso ficamos na casa da vovó Margarida.
— Exatamente. — confirmou.
— O que estão fazendo? — perguntou Jinho ao entrar na cozinha.
— O que mais gosta? — respondeu omma com outra pergunta.
— Vocês não sabem fazer jogos. — brincou ele rindo — Omma, o que vamos comer

Não demorou muito e finalmente fizemos nossa primeira refeição, na nova casa e como não tínhamos muita coisa para fazer nesse primeiro dia, minha mãe nos fez ir as compras com ela no mercadinho que havia perto de casa. Logo à noite, me confinei em meu quarto para trocar algumas mensagens com minha única amiga real, Lira, nos conhecemos de uma temporada que morei no rio Grande do Sul no Brasil, e continuamos a ser amigas sempre mantendo contato através do mensenger do facebook.

Quando o sol saiu, senti que meu corpo não queria se desfazer do conforto da nova cama, ainda estava com sono, tinha ido dormir tarde, após passar horas conversando com a Lira. Me levantei assim que o despertador tocou pela 3ª vez, me alonguei, espreguicei e até pensei em me deitar novamente, mas um toque na porta me alertava que era minha mãe garantindo que eu havia acordado.

— Estou me arrumando. — eu disse.

Me arrumando?!

Nem consegui me arrumar direito, pois a troca de olhares que eu tinha com minha cama eram tão intensos. Quando cheguei na cozinha segurando a mochila, minha mãe me convenceu a acordar me dando uma xícara de chocolate quente.

— Aqui querida. — ela esticou o copo e sorriu.
— Komaweyo6 omma. — eu peguei, estava meio quente.
— Hum, se quiser posso levar você e seu irmão de carro.
— Não! — eu a olhei, tomei todo o chocolate e coloquei o copo em cima da mesa — Prefiro ir sozinha.
— Como assim sozinha? É seu primeiro dia. — ela me olhou espantada — E se você se perder?
— Omma, passei a noite pesquisando no google maps, eu ficarei bem.
— Então, vá em segurança. — ela sorriu de leve — E fighting!
— Fighting!

Não queria passar por algum constrangimento por causa da minha mãe. Eu saí primeiro após mais algumas observações dela sobre a estação que deveria parar e como eu deveria me comportar no meu primeiro dia. Uma curiosidade, o sistema educacional coreano é um pouco diferente, as aulas começam em março e se finalizam em fevereiro, tendo recesso em meados de julho agosto por causa das férias de verão, e finais de dezembro para as férias de inverno, por causa do natal e ano novo.

Eu finalmente iria conhecer a linda rotina dos alunos asiáticos, que estudavam as vezes até quase 18 hrs por dia, minha aula seria das 7:30 da manhã até às 17hrs da tarde, seria mais um desafio passar pouco mais de 9 horas estudando. Como não fazia amigos nos lugares que morava, meu passatempo era livros e estudo, então não seria tão ruim assim!

Era legal começar a estudar em plena segunda-feira, foi neste mesmo dia que minha vida entrou em um ritmo de adrenalina. Quando cheguei na escola, fui diretamente para secretaria, precisava assinar alguns documentos e pegar minha folha de horários. Foi um leve momento de distração, procurando meus documentos na mochila que me fez trombar em uma pessoa, derrubando minhas coisas no chão.

— Yah! — disse o garoto num tom alto e rude.
— Ah, me desculpa. — eu olhei me curvando e logo abaixei para pegar tudo que tinha caído.
— Olha por onde anda novata. — ele se abaixou e pegou justo meu passaporte, já abrindo para ler — — ele esticou a mão me entregando com um sorriso prepotente.
— Obrigada. — me curvei de novo e quando fui pegar ele deixou cair de propósito.
— Ops. — seu olhar continuou sério — Acho que deixei cair.
… Yah, vamos. — gritou um menino que estava perto da escadaria.
— Vou me lembrar disso novata estrangeira. — ele saiu tranquilamente, reparei que em sua mão, ele balançava uma corrente de prata.
— Belo primeiro dia. — sussurrei para mim enquanto pegava meu passaporte.

Após preencher o resto dos papéis que faltava, uma senhora muito simpática meu deu minha folha de horários e me disse onde era minha sala, a prestigiada 2-2. Ao chegar na porta outra surpresa, mas esta era boa, o professor responsável era o senhor super legal que havia oferecido ajuda na noite anterior, professor Han.

— Annyeonghaseyo7! — eu sorri e entreguei o papel da minha transferência.

Ao ler o que estava escrito, ele caminhou até a frente da classe e enunciou a minha presenta, segundo constrangimento: me apresentar para todos.

— Annyeonghaseyo, imnida8. — sorri de leve — Cuidem bem de mim.
— Seja bem vinda. — o professor Han sorriu com gentileza — Novamente.
— Obrigada. — me curvei em respeito novamente e caminhei até uma carteira ao lado da janela que estava vazia.

Aquela providencial janela, dava vista para o pátio central e a quadra de esportes, bem debaixo de uma árvore deitado em um banco estava o pesadelo de nome , com mais quatro garotos, incluindo o da escadaria.

— Aqueles são o Prince Line, se acham os donos da escola. — disse o menino que estava sentado na minha frente com um tom amargo.
— Percebi. — eu respirei fundo desviando meu olhar para ele.
— Prazer, sou ! — ele sorriu gentilmente, seu olhar era sereno e ao mesmo tempo profundo.
— Prazer, pode me chamar de se quiser. — sorri de volta.

Ele se virou para frente, o professor Han iria começar a falar sobre a importância da Literatura nos dias atuais, além de nos passar o primeiro trabalho no semestre. Mesmo tendo um professor tão lindo e gentil, eu não conseguia me concentrar, acho que meu cérebro estava meio travado por causa da recepção na secretaria. Sorte que percebeu e se ofereceu para me passar suas anotações.

No intervalo eu e sentamos em uma mesinha perto do refeitório, ele era realmente gentil e super educado, me contou um pouco como era a rotina de estudos no país e me deu algumas dicas para que eu pudesse me adaptar com facilidade. Nossa conversa estava interessante até o grupinho se aproximar, comecei a respirar fundo vendo aquele presunçoso vir em nossa direção.

— Novata estrangeira. — disse ao se aproximar sentando ao meu lado ficando de costas para a mesa encostando-se à ela.
— O meu nome é… — eu olhei tentando manter minha educação.
. — ele me interrompeu — Eu sei.

Os amigos dele se encostaram na parede que tinha perto e ficaram nos olhando.

— Desculpe, mas está nos atrapalhando. — disse com uma voz séria.
— Ha...ha...ha… — deu uma gargalhada e se virou para ele — Quem é você? Namorado dela?
— O que? — eu me levantei — Ele é meu novo amigo e você está realmente nos atrapalhando.
— Não vou demorar. — ele se levantou e me encarou — Graças a você me atrasei para aula, e isso me custou uma punição.
— Eu já pedi desculpas. — olhei não demonstrando fraqueza.
— Suas desculpas não são suficientes. — ele pegou a maçã que estava na minha bandeja — Nos vemos na saída.

Ele deu uma leve piscada para mim antes de se afastar, me deixando paralisada por um momento.

— O que você fez? — perguntou .
— Eu trombei nele quando fui a secretaria, mas pedi desculpas. — eu o olhei meio sem entender.
— Bem, ele não é muito de aceitar desculpas. — ele suspirou fraco — Como eu disse, Prince Line se acham os reis da escola.

Eu respirei fundo tentando não ficar revoltada, não podia criar problemas, não no primeiro dia, o que meus pais pensariam? Eu era o orgulho acadêmico deles. Voltamos para sala para mais uma jornada e exercícios, pediu dispensa mais cedo, ele tinha que ir ao médico pegar uns exames para sua mãe. Passei o resto da aula tentando me concentrar nas tarefas de geometria e como iria preencher os relatórios de literatura, porém a gentileza do professor Han me fazia perder um pouco a noção do tempo e espaço. Assim como todo o restante das meninas da sala!

Quando me dei conta já era 17:15, todos da sala já haviam ido quando o professor veio me chamar para realidade.

— Ah! — disse ao acordar do transe.
— Estava me ouvindo? — perguntou ele.
— Oh, desculpa o que disse?
— Está na hora de ir. — ele deu um sorriso.
— Ah, sim. — eu curvei a cabeça — Obrigada!
— Até amanhã. — ele se afastou, pegou sua pasta e saiu.

Eu me espreguicei e comecei a guardar minhas coisas quando meu estojo de lápis caiu, senti que alguém havia pegado e esticando para mim, eu peguei agradecendo, guardei e quando olhei de volta.

— Você?
— Eu disse que voltaria. — estava sentado na mesa da frente me olhando.
— Veio sozinho? — eu olhei para porta e um dos seus amigos estava lá — Ah, claro que não. O que você quer?
— Cobrar sua dívida. — seu olhar era sereno.
— Dívida? — eu o olhei indignada — Te conheci hoje de manhã e já tenho uma dívida?
— Como eu disse, levei punição por sua causa. Você tem uma dívida comigo.
— Foi um acidente. — eu me levantei e olhei sério — Não pode me culpar.
— Posso, a culpa foi sua. — ele se levantou se mantendo parado em minha frente, seu olhar tranquilo já estava me irritando.
— Não mesmo. — eu peguei minha mochila e coloquei nas costas — Se continuar me perseguindo eu delato ao diretor.
— Eu sou o melhor aluno desta escola, meu pai é o dono e o diretor meu tio, em quem acha que vão acreditar? E pior, poderão te expulsar por tentar espalhar conflito e difamar um aluno que só foi prejudicado, desde o primeiro momento que você chegou aqui.
— Não acredito. — eu respirei fundo, queria poder jogar ele pela janela.
— Te vejo amanhã então. — ele caminhou até a porta — Há, diga ao seu namorado para não interferir.
— Ele não é meu namorado. — disse num tom mais alterado.
— Que seja. — ele piscou de leve novamente e saiu rindo.

Eu engoli seco aquelas palavras, não iria me curvar a ele, jamais.

Você está em perigo
Você mexeu com a pessoa errada, saia daqui
Porque eu, porque eu sou perigoso.”
- Badman / B.A.P

 

Dicionário Coreano:
1. Aish: usado para expressar falta de paciência ou ansiedade.
2. Aniyo: não
3. omma: mamãe
4. Yah: Ahhh.
5. Appa: papai
6. Komaweyo: Obrigado (informal/polido)
7. Annyeonghaseyo: Oi
8. imnida: eu sou (para apresentação)


2. Danger

“Apareço como o vento, desapareço como fumaça,
Enganando seus olhos
Me aproximo como uma pétala,
E desapareço como um espinho em direção ao seu coração.”
- Danger / Taemin

— Idiota. — sussurrei respirando fundo.

Como uma pessoa que eu conhecia a menos de um dia, podia me deixar tão irritada com facilidade?

— Preciso ir para casa. — disse fechando minha mochila e ajeitando nas costas.

Peguei o celular e olhei novamente no aplicativo coreano de rotas e transportes, que havia me passado, foi uma boa dica dele para que eu não me perdesse com tanta facilidade. A distância entre a escola e a estação não era tão grande assim, mas para quem havia passado algumas horas sentada, seria uma bela caminhada.

— Boa noite querida. — disse ela da cozinha ao ouvir o barulho da porta.
— Boa noite, omma! — passei por Jini que já estava com seus olhos pregados na televisão jogando — Você não cansa garoto?!
— Não. — ele riu.

Passei direto para o quarto, continuaria meus estudos por mais algum tempo revisando minhas anotações da aula e analisando as que havia me emprestado. Minha mãe veio até meu quarto com uma bandeja de lanche, eu estava tão concentrada em minha revisão do primeiro dia, que pensei em fugir das perguntas dela sobre o 1º dia de aula. Porém, como o esperado, quando entrou foi logo perguntando as novidades.

— Trouxe seu lanche. — disse ela me fazendo parar de escrever e colocando a bandeja em cima de alguns papeis ao lado.
— Obrigada, omma. — sorri de leve e olhei para o bolo de chocolate que me aguardava — Foi ao mercado novamente?!
— Sim. — ela deu alguns passos até a cama e se sentou — Senti que faltava algumas coisas para comprar, sabe como sou, não consigo me acostumar a comer fora.
— Mas aqui na Coreia é normal. — comentei.
— Ahhh… E eu não sei?! — ela me olhou com tristeza — Os preços são tão altos no mercado, mas eu gosto tanto de cozinhar.
— Então continue cozinhando. — ri dela.
— Vamos mudar de assunto. — ela sorriu — estou curiosa sobre seu primeiro dia.
— Ai mãe, não podemos deixar para depois? Estava estudando.
— Pandinha. — ela me olhou com carinho — Me conte só as partes boas então?!

Eu fiz alguns rodeio e tentei mudar de assunto novamente, mas acabei contando a parte sobre e o professor Han que era o nosso vizinho, assim que vi uma certa satisfação em sua face, pedi a ela para ficar sozinha, pois ainda tinha matérias para estudar. Consequentemente, passei o resto da noite colocando toda minha vida escolar no lugar, percebi que nunca havia feito tanta anotação em um único dia de aula, a parte boa era aquele professor fofo e gentil, a parte má é que sempre me distraía muito com o seu sorriso, eu e todas as outras meninas da sala.

, se concentre. — me repreendi um pouco ao desviar meu foco das anotações para meus pensamentos sobre a vida do professor Han — Onde parei mesmo?! Hum...

Tentei me concentrar em absorver tudo o que tinha aprendido, porém a imagem de invadiu minha mente de forma inesperada.

— Garoto ridículo… — sussurrei me lembrando das suas provocações — Acha que sou culpada, eu me recuso a aceitar ter uma dívida com ele.

Mantive meu olhar para o livro por um tempo, porém não conseguia deixar de pensar sobre isso. Quando terminei meus estudos já era madrugada, completaria mais uma noite de 4 horas de sono e foram as melhores quatro horas que eu poderia ter, revigorante e confortável aquela cama. Acordei bem quando o celular tocou e mesmo não dormindo muito tempo, senti meu corpo leve e descansado, me levantei, troquei de roupa colocando meu uniforme e fui para a cozinha tomar café.

— Que milagre não estar atrasada. — comentou minha mãe ao servir Jini — Vi quando apagou a luz do seu quarto.
— A senhora estava acordada àquela hora?! — perguntei permanecendo de pé e pegando um biscoito para comer.
— Acha mesmo que conseguiria dormir sabendo que estava acordada estudando?! — ela me olhou como se tivesse demonstrando que sempre estaria preocupada comigo em qualquer situação — E você Jinho, também vi quando desligou o tablet e foi para cama.
— Eu estava sem sono omma. — explicou ele.
— Sem sono, e criança nessa idade não tem sono? — ela colocou a mão na cintura — Ainda chegará o dia em que ficará sem toda essa tecnologia.
— Eita. — ri da cara dele — Já até te vejo nesse jejum, farei questão de jogar na sua frente.
— Yah. — ele me olhou — Sua chata.

Ri um pouco mais e terminei meu café, era divertido nossos momentos no café da manhã.

Já que appa havia saído primeiro para um café da manhã de negócios, minha omma levaria Jinho para a escola e passaria na casa de um amigo do papai, a esposa dele iria apresentá-la a algumas amigas. Já eu saí tranquilamente para ir ao colégio, de acordo com meu cronograma chegaria na hora exata, porém quando você pensa que seu dia não vai te surpreender, eu me perdi na estação e peguei o metrô na direção errada.

Tinha que acontecer isso justo hoje, teríamos teste de aptidão na aula de educação física logo no 1º horário.
— Oh, não! — disse para mim mesma tentando não chorar.
Peguei o metrô na direção certa, depois de esperar por quase 30 minutos. Fui correndo até chegar no portão da escola que já estava fechado.
— Senhor, por favor me deixe entrar. — eu gritei.
— Me desculpe. — o homem com cabelos grisalhos se aproximou — Mas não poderá entrar.
— Senhor, esse é meu segundo dia, não posso ficar fora da escola.
— Não posso fazer nada, esse portão não abrirá, da próxima vez chegue mais cedo.
— Por favor. — eu segurei na grade, estava meio desesperada — Eu peguei o metrô errado.
— Senhor Kim. — disse alguém se aproximando — O que está acontecendo?!
— Ah, jovem príncipe. — ele se virou e eu pude ver o rosto da pessoa — É uma aluna que chegou atrasada.
— Interessante. — disse ao se aproximar mais — Novata estrangeira.
— Oh não, você não. — eu suspirei fraco, era o que eu menos queria naquele momento.
— Senhor Kim, esta aluna deveria estar em um lugar muito importante.
— Jovem príncipe?! — ele me olhou não entendendo.
— Podia abrir o portão para ela, por favor. — ele desviou o olhar para mim e sorriu.
— Não. — eu gritei no impulso — Eu prefiro suspensão.
— Acho que não tem escolha, sua turma já está na quadra e se não chegar terá um castigo e tanto, quer mesmo isso? Logo no segundo dia?!
— Droga. — eu sussurrei — Não. — concordei com ele — Não quero.

O senhor Kim abriu o portão e eu entrei, parei frente , ele estava com um sorriso debochado no canto do rosto, ficamos nos encarando por alguns instantes até que.

— Acho que ainda está atrasada. — disse ele apontando para quadra.
— Por que fez isso? — eu perguntei.
— Te vejo na biblioteca no primeiro intervalo — ele saiu andando — Ah, agora você me deve duas vezes.
— Yah… — um grito preso soltou da garganta.

Eu gostaria de ter dado uma boa resposta a ele, mas estava mesmo atrasada. Saí correndo em direção à quadra, aquela aula era importante para mim. Quando cheguei levei uma bronca do treinador Lee, que me mandou ir correndo trocar de roupa, assim me troquei o mais rápido que pude no vestiário e saí correndo de novo para quadra.

— Como conseguiu entrar? — perguntou ao chegar perto de mim.
— Se eu contar não vai acreditar. — eu o olhei.
— Me surpreenda.
— Uma palavra. — eu respirei fundo — .
— Como?
— Digamos que ele tem influências pela escola.
— Típico, só porque é filho do dono. — bufou, deu pra perceber sua frustração.
— Mais uma coisa para ele dizer que eu devo. — suspirei fraco.
— Idiota. — sussurrou, parecia mais revoltado do que eu.

Acho que não vou aguentar isso...

O professor nos mandou formar duas filas, uma de meninas e uma de meninos, ele iria testar nossas habilidades para separar os alunos por esportes. Eu fiquei na modalidade do basquete, eu realmente era boa isso, ainda mais por que tinha assistidos muitos jogos com meu pai na temporada que morei em Chicago, nos Estados Unidos.

— Mal começamos e já está cansada? — comentou ao se aproximar de mim rindo.
— Meu forte nunca foi educação física. — expliquei permanecendo sentada no chão da quadra — Não consigo mais sentir minhas pernas.
— Não acha exagero? — ele sentou ao meu lado.
— O professor Lee nos colocou para dar cinquenta voltas pela quadra, não que eu seja uma sedentária, mas… — suspirei fraco — Já tive que correr para chegar a tempo.
— Você é mesmo fraca. — ele continuou rindo, o que me fez empurrá-lo de leve.
— E você um bobo. — reclamei virando meu rosto para a direção de onde estava um grupo de meninas — O que tem de errado comigo?
— Oo que? — ele me olhou confuso.
— Me pergunto o que tem de errado comigo. — repeti.
— Por que teria algo de errado com você?! — indagou ele.
— Todos os meninos me trataram super bem, mas desde que cheguei hoje percebi que ainda não sou bem vinda pelas meninas. — disse mantendo meu olhar na direção delas — Por isso me pergunto se tenho algo de errado.
— Deixe elas, garotas são mesmo estranhas. — ele riu do próprio comentário — Uma hora elas se cansam e te aceitam.
— Não sabia que existia tanta rejeição… Só porque sou estrangeira. — cruzei os braços — Nem sou tanto assim, meu pai é coreano.

Ele riu de novo.

— Não se sinta chateada. — ele deu um breve pausa e se levantou esticando a mão para mim — Você tem a mim.
— O que?! — o olhei.
— Disse que você tem a mim. — repetiu continuando com a mão esticada — Podemos ser amigos?!
— Claro. — segurei em sua mão e apoiada nele, me levantei com facilidade — Só espero que ninguém fique com ciúmes disso, já percebi que você também é popular.
— Onde que sou?! — ele fez uma careta.
— Existem meninas que gostam de nerds, além do mais, você é o presidente da turma. — eu ri e brinquei — Você pode até se candidatar para ser um Prince Line.
— Yah, Deus me livre, não quero ser arrogante como eles. — reclamou ele — Prefiro permanecer como estou.

Eu ri um pouco mais dele.

— Posso tirar uma dúvida?!
— Claro. — assentiu ele.
— Se você é o presidente, quem é o vice?! — perguntei.
— Kim Yuri. — respondeu ele — Nossa medalhista em redação.
— Uau.
— É aquela com o livro na mão e cabelo amarrado com uma presilha verde. — mostrou ele discretamente.

Ah! Justo a garota que não olhava na minha cara sempre que eu estava perto de , bem, quando eu estava longe ela também agia assim.

— E vocês dois são namorados? — perguntei curiosa, para ela agir assim comigo.
— Não, somos amigos de infância apenas. — ele segurou o riso — Por que a pergunta.
— Nada, é que vocês parecem ser muito próximos. — disfarcei já entendendo qual era a da Yuri — Como um casal.
— Ah, não… — ele riu sem graça — O que você vê é somente a nossa amizade e nossos pais, são amigos também.
— Ela parece ser um pouco tímida, mas se dá muito bem com as outras meninas. — observei.
— Bem, ela é um pouco silenciosa, sempre que estudamos juntos ela não perde o foco com facilidade. — ele me olhou — Você já tem um clube?!
— O que?! Clube?!
— É! Na escola tem muitos clubes, eu participo de dois o de estudos e o de xadrez. — ele pensou um pouco — Você pode se juntar a nós no grupo de estudos, vai te ajudar muito agora, estamos eu, a Yuri, o Chang e a Holly, eles participam do grupo de leitura também, ajudam muito na biblioteca.
— Grupo de estudos… Hum, geralmente gosto de estudar sozinha, de preferência com fones no ouvido.
— Sério?! — o espanto estava em seu olhar — Como consegue estudar ouvindo música?
— Não sei, acho que é costume, faço tudo ouvindo músicas. — eu ri — Desde bebê minha mãe me colocava para dormir ouvindo música, cantava para mim o dia todo, cresci com a música.
— Que loucura. — ele riu — Eu preciso de silêncio para conseguir estudar, sem isso não dá.
— Cada um com sua loucura. — desviei meu olhar para as meninas se alongando — Sinto que devo disfarçar estar participando, se não ficarei sem nota.
— Concordo. — ele segurou em minha mão com respeito e me puxou até o colchão que estava estendido — Vamos alongar, enquanto o professor Lee não volta.

Passaram-se algumas horas e finalmente havia chegado a hora do intervalo, eu fiquei em dúvida se iria ou não me encontrar com . Decidi não ir, para mostrá-lo que não cederia às suas chantagens e loucuras sobre dívidas. Me sentei no pátio embaixo de uma árvore, estava com meu sketchbook desenhando um pouco.

— Quem você pensa que é? — disse uma voz conhecida, parando em minha frente.
— Quem eu penso que sou? — eu me levantei e o olhei firme — Que você pensa que é? Não cederei às suas vontades.
— Ah!? — ele se aproximou mais de mim, eu recuei um pouco até encostar na árvore, seu olhar era um pouco intimidador, pude ver que ele não estava bem com que eu tinha feito — Corajosa. — ele se aproximou ainda mais de mim, eu podia sentir sua respiração, nossos olhos encontrados, ele possuía um olhar profundo que em fazia perder o foco — Mas eu não aceito não, como resposta. — ele ergueu sua mão direita e tocou de leve em meus cabelos, lentamente foi percorrendo sua mão pelo meu ombro, braço, até que chegou até meu sketchbook — Da próxima vez, não se faça de difícil. — ele pegou meu sketch book e se afastou  — Te devolvo no final da aula.
— O que?! — sussurrei tentando raciocinar o que tinha acontecido.

Estava paralisada com aquilo tudo, respirei fundo e senti um cheiro suave e doce, era seu perfume que ainda havia permanecido no ar. De repente voltei a realidade, aquele garoto sabia como me deixar revoltada e pior, me fazia querer devolver na mesma moeda suas chantagens. Assim que o sinal tocou, voltei para a sala e me sentei ainda querendo arrancar o pescoço dele, que estava na porta de trás da sala, conversando com uma menina, veio até mim e se sentou na sua habitual carteira que ficava na minha frente, virando para trás em seguida.

— Está tudo bem? — perguntou ele com um olhar preocupado.
— Não. — resposta curta e direta, ainda estava irritada.
— Até imagino por que. — ele olhou para janela, eu segui seu olhar e vi em sua aula de esportes na pista de corrida, com seus amigos.
— Não quero falar sobre isso. — eu virei minha face para o quadro, nem percebi que o professor Han já estava na sala.
— Então respire fundo, teremos mais longas horas de estudo. — sugeriu ele se virando para frente.
— Farei isso. — concordei exatamente ao respirar fundo.

Nosso professor começou a aula falando sobre capitalismo e a economia atual coreana, enquanto explicava as anotações que fazia no quadro, eu escrevia e fazia minhas anotações como de costume, seria mais uma aula, em que eu teria que escolher entre estudar ou tentar me acalmar.

Professor Han era tão simpático e atencioso com todos, eleito o melhor professor de história de Daejon pela secretaria de educação e pelos pais, aparentava seus 30 ou 35 anos, quem me dera se eu tivesse pelo menos uns 23 ou 25, não teria dúvidas em demonstrar um certo interesse por ele. Será que tinha namorada? Ou esposa? Eu não deveria pensar nisso, não deveria nem mesmo me deixar viajar naquele olhar gentil que ele tinha, eu era uma aluna que deveria me focar nos estudos, afinal teríamos uma importante prova na próxima semana e muitas matérias para absorver.

No meio da aula, me senti como se estivesse injetando o Google Academics no meu cérebro, e uma leve dor de cabeça começou a me atrapalhar. As horas se passaram e ao final da aula, após todos se despedirem e irem, novamente ao recolher minhas coisas e ajeitar a mochila nas costas, percebi que fui a última a deixar a sala. Passei pelo corredor tranquilamente, porém quando cheguei nas escadas estava lá me esperando, encostado na parede de braços cruzados.

— Novata estrangeira. — ele deu um sorriso de canto.
— Meu nome é….
. — ele me interrompeu — Eu sei.
— Então por que insiste em me chamar assim? — eu o olhei meio furiosa, detestava quando me chamavam de novata ou estrangeira.
— Por que eu gosto de ver você assim, fica muito mais bonita quando está brava. — ele deu um riso baixo — Não diga isso ao seu namorado, ele pode ficar com ciúmes.
não é meu namorado. — mantive minha voz nivelada.
— Que seja. — ele deu de ombro e olhou para trás, era seu amigo dando sinal para irem — Bem, eu não posso demorar agora, toma isso. — ele esticou um papel.
— O que é? — eu peguei o papel e li — Trabalho de francês? — eu o olhei — Você não quer que eu faça né?!
— Que bom que entendeu sem que eu tivesse que explicar.
— O que?! — eu o olhei indignada — Eu não vou fazer.
— Vai sim. — ele tocou em meus cabelos novamente, eu retirei a mão dele — Soube que é boa em francês, preciso de pontos extras em línguas estrangeiras para acrescentar no meu currículo acadêmico. Além do mais, você ainda me deve duas vezes.
— Ok. — eu queria acabar com aquilo, duas dívidas, significava que eu teria que fazer duas coisas, não queria mesmo fazer, mas queria me livrar rápido dele.
— Sério?! — ele me olhou surpreso — Concordando assim tão rápido?!
— Quero me livrar logo de você. — fui sincera e direta.
— Se você diz. — ele sorriu e piscando de leve para mim, desceu as escadas na minha frente.
— Yah!? — eu gritei.
— O que? — ele se virou.
— Meu sketchbook!
— Eu o perdi. — seu olhar estava tranquilo.
— O que? — eu fiquei em choque, meus desenhos perdidos.
— Até amanhã e não se esqueça do meu trabalho.

Ele saiu rindo, tudo que eu mais queria era rasgar aquela folha dele, mas isso seria mais uma desculpa para ele me perseguir. Não acreditava que ele tinha perdido meu sketchbook, meus desenhos, não queria acreditava, eu queria matar ele, como uma pessoa que eu conhecia há dois dias pudesse me deixar com tanta raiva.

— Calma . — respirei fundo — Yahhh… — comecei a raciocinar — Se ele realmente perdeu, alguém achará e levará para o achados e perdidos, é uma regra da escola.

Eu havia decorado todas as regras da escola.

Cheguei em casa transpirando revolta, até minha omma percebeu que meu bom humor estava inativo. Me tranquei no quarto, não estava para mais ninguém, tinha tanto o que estudar, o professor Han queria dar um teste antecipado para testar nossos conhecimentos antes da prova mensal. Além do trabalho daquele tirano filho da mãe, que eu teria que fazer, como será que ele tinha descoberto que eu sabia francês?

Isso não importava naquele momento, a cada tópico do trabalho dele minha raiva aumentava, ainda mais quando me lembrava da forma que ele se aproximou de mim na árvore, ou pior naquele perfume que tinha bambeado meus sentidos.

— Vou me livrar de você, . — sussurrei enquanto traduzia o segundo texto do trabalho dele.

No relógio bateu meia noite e eu estava quase caindo da cadeira, acho que tinha cochilado sentada, foi neste momento que minha mãe bateu na porta, eu levei um susto tão grande que realmente caí.

?! Está tudo bem? — perguntou ela demonstrando preocupação.
— Estou! — eu gritei me levantando — Estou indo. — caminhei com dificuldade até a porta, minha bunda estava doendo.
— Ah, querida. — disse omma quando eu abri — Trouxe um lanche, você ficou trancada aqui desde que chegou.
— Muitos deveres. — eu peguei a bandeja que estava na sua mão — Mas komaweyo omma. — dei um beijo em seu rosto e fechei a porta em seguida.

Com certeza minha omma não entendeu nada, mas eu tinha muitos problemas que não queria falar com ela. Comi aquele lanche gostoso, acho que a melhor hora do meu dia estava sendo aquela, o que a comida não faz com meu humor. E com isso concluí a terceira noite em claro, e eu tinha certeza que isso iria me deixar de mau-humor e louca o dia todo.

Amanheceu e tomei um banho relaxante, coloquei meu uniforme e fui para a escola, minha sorte é que finalmente tinha decorado o caminho e as estações que desceria.

Me apaixonei por você,
Mas gostaria de ter pelo menos metade da sua personalidade
Em outras palavras, você é uma menina má,
Mas eu me sinto atraído por você.”
- Yeowooya / Lunafly



3. Bad

Você é a garota que me deixa inquieto sempre que te vejo.”
- Bad / Infinite

* - on *

Desci as escadas correndo, juntamente com Junhae que não parava de me perguntar o que eu queria com a novata estrangeira. Assim que chegamos no portão, os outros já haviam ido embora, cada um tinha seu compromisso naquela noite e Junhae havia me convidado para jogar um pouco na casa dele, já que sua mãe estaria de plantão no hospital.

— Chegamos. — disse ele assim que entramos no pequeno apartamento onde moravam e jogando a mochila no sofá — Acho que a omma deixou alguma coisa pra comermos.
— Ajumma Nya é daebak9.

Ele riu caminhando até a cozinha para vasculhar a geladeira, deparou com um enorme bilhete na porta dizendo que o jantar estava no forno, era só esquentar. Enquanto Junhae preparava nossa refeição, me joguei no sofá e abri minha mochila, meu olhos foram imediatamente no sketchbook dela, que falsamente tinha desaparecido.

— Vejamos o que tem aqui dentro. — sussurrei o retirando da mochila e abrindo — Interessante.

Havia vários desenhos espalhados em páginas alternadas, a novata estrangeira tinha muito talento para artes, conseguia notar isso só de olhar para seus traços ora delicados e bem contornados, ora rabiscados porém extremamente detalhados. Senti meus olhos encherem de fascínio por cada página que olhava, sua beleza não estava somente nela, mas também em seus desenhos escondidos naquele sketchbook.

— Vem comer. — disse Junhae em voz alta da cozinha.
— Estou indo. — fechei-o e guardei novamente na mochila, estava curioso para folhear mais quando chegasse em casa.
— Uahhhh… Que fome. — disse ele já sentado na banqueta em frente a bancada de refeição — Nem parece que almocei.
— Confesso que também estou sentindo um fundo no estômago. — me sentei de frente para ele — Yah… Ela fez sopa de algas com broto de feijão e pasta de peixe, minha preferida.
— Disse a omma que viria para o jantar. — comentou ele — Ela disse que fez com muito carinho, mas recebeu a ligação para voltar ao hospital.
— Aish… — resmunguei — Vida de médico é complicado.
— Ela não é médica. — corrigiu ele — É enfermeira.
— Dá no mesmo, ambos não tem vida depois do diploma. — meu argumento era válido.
— Verdade. — concordou ele.

Comemos com todo prazer e fome que tínhamos, a sopa estava mesmo muito boa, fazer minhas refeições na casa dos meus amigos era a melhor parte do meu dia, após o final das aulas. Voltar para casa que sempre se tornava a parte mais difícil e desprezível.

— Você vai se inscrever no concurso de artes?! — perguntou ele.
— Por que faria isso?!
— Mais prêmios, mais méritos para o currículo acadêmico. — explicou ele.
— Como se ganhar um concurso artes fosse influenciar no meu currículo. — ri — Sabe que meu curso é exatas e não artístico.
— Verdade. — ele suspirou — Seu pai quer mesmo você fazendo administração?!
— Sim. — dei um suspiro cansado — Tenho que aprender a administrar os negócios da família.
— Ah… Família… Me pergunto se as aulas extras que Mijun está fazendo dará resultados. — comentou Junhae — Ele não para de falar da noona que parece k-idol.
— Acho que não. — ri — Será dinheiro jogado fora se ele continuar atento somente as curvas da Nara sunbae10.
— Aquela criança travessa. — Junhae riu também — Se não tirar boas notas na próxima prova de destaque, seus pais vão linchá-lo.
— Vamos torcer que não, o ajuhssi é militar, certamente tem muita força para bater.
— Verdade. — concordou ele.

Eu estava um pouco preocupado com meu amigo, além de ser o maknae11 do Prince Line, seus pais eram militares e sua vida era ainda mais disciplinada que a minha em casa, o que me levava a pensar que com certeza serviria as Forças Especiais assim como o ajuhssi, ou seria oficial médico do exército como sua mãe.

— Cada um com seus problemas paternos. — sussurrei.
— Falando em problemas paternos… Por que não dorme aqui hoje? — sugeriu ele.
— Não dá. — respondi — Já dormi ontem na casa do Hwang, preciso voltar hoje.
— Aigoo12. — ele suspirou fraco — E como estão indo as coisas com seu pai? Ele já se acalmou?
— Eu bati a moto há duas semanas, escondi dele sobre isso, acha mesmo que passaria assim tão rápido? — o olhei — Isso foi mais uma coisa para aumentar o peso sobre mim.
— Yah!!! A culpa também foi sua. — reclamou ele com razão — Não deveria dirigir enquanto está com raiva, você sempre fica cego quando briga com ele.
— Não pensei nisso, só queria me distanciar dele o máximo que conseguiria. — expliquei em minha defesa.
— E acabou fazendo idiotices. — ele bufou — Não quero perder meu amigo tão jovem, além do mais, você será meu padrinho de casamento.
— Hum.
— Não quero ficar sem aquele presente caro que você prometeu me dar. — brincou ele rindo.
— Yah, seu interesseiro. — fiz um gesto rápido de que iria bater nele com o hashi que segurava — Estou melhor agora, ficarei sem dirigir por um tempo.
— Isso porque ele confiscou sua carteira de habilitação.
— Não precisava me lembrar deste detalhe. — mantive meu olhar na tigela de sopa.

Deixei o tempo passar e aproveitei meu momento de tranquilidade, jogando algumas partidas de Warcraft com ele e próximo de dar meia noite, recebi uma mensagem dele me lembrando que havia ordenado que chegasse em casa antes do dia terminar. Me despedi do meu amigo e fui para o apartamento onde morava com meu pai, o pior lugar do mundo para se estar.

— Eu disse para voltar antes do dia terminar. — seu tom era o mesmo de sempre, rude e frio.
— São exatamente onze e cinquenta e oito. — o olhei deixando minha face fria também — O dia não terminou ainda.
— Criança arrogante. — ele se levantou da sua poltrona de estimação — Acha que pode falar comigo nesse tom?
— E como quer que eu fale?! — juro que tentei mais meu olhar de ironia foi mais forte.
— Continue agindo assim, que outras pessoas sofrerão as consequências. — ameaçou ele.

Respirei fundo e engoli seco, simplesmente odiava quando ele achava que me ameaçando conseguiria respeito de mim, ajeitei a mochila em minhas costas e me virei para a escada que dava para os quartos. O prédio onde morávamos era luxuoso, dois apartamentos por andar e como o nosso ficava na cobertura, tínhamos o privilégio de ter dois pavimentos no apartamento.

Ao passar pelo corredor, percebi que a porta do quarto dele estava entreaberta, ouvi o barulho do chuveiro ao longe, certamente uma de suas amigas estava aqui, só não imaginava qual delas. Respirei fundo e continuei seguindo até entrar em meu quarto, joguei a mochila no chão e já entrei no banheiro retirando a camisa da escola, após um banho quente que serviu para mudar o rumo de meus pensamentos, me deitei na cama.

Fiquei olhando o teto por um longo tempo, pensando em minha vida acadêmica e tudo que havia acontecido nos últimos dois dias, a escola este ano aparentemente seria tão chata, até que ela apareceu. Confesso que foi proposital ter trombado nela na secretaria, estava tão distraída mexendo na mochila, que nem me viu me aproximar. Aquela novata estrangeira.

— Meu nome é . — disse imitando ela enquanto ria — Como uma garota pode ficar tão linda quando está brava?! Mas ela já é linda!

Era engraçado perturbá-la, seu rosto ficava mais iluminado quando deixava transparecer a raiva, e como ela ficava com raiva tão fácil perto de mim. Me espreguicei e levantei lentamente pensando em seu rosto, quando disse que tinha perdido seu objeto, então fui até minha mochila, abri e retirei o sketchbook dela.

— Então, agora vamos ver o que mais tem aqui — disse indo até minha cama novamente.

Me deitei meio inclinado encostando minhas costas na almofada, comecei a folhear de onde parei, nem mesmo senti sono olhando cada páginas desenhada, o que resultou em um longo tempo apreciando cada desenho dela, ela tinha talento para desenho artístico. Fechei o sketchbook e o coloquei na mesa de cabeceira do lado, peguei meu celular e abri o kakaotalk, tinha algumas mensagens no grupo de conversa Prince Line. Ignorei um pouco os comentários do Junhae, contando aos outros sobre eu ter pedido ela para fazer meu trabalho de francês.

Bem, eu já tinha feito aquele trabalho, porém fiquei curioso para saber como ela reagiria se eu pedisse, só não imaginava que ela faria e isso me deixou impressionado. O que me levou a pensar no meu próximo pedido, queria algo que me fizesse ficar mais tempo perto dela. Felizmente, essa ideia de dívidas foi genial da minha parte, voltei para a página inicial do kakaotalk e fiquei olhando para o nome dela, será que eu deveria mandar uma mensagem de boa noite?

— Hum. — me espreguicei um pouco — Acho que vou dormir.

Coloquei o celular ao lado do meu travesseiro e me deitei direito me cobrindo com o lençol, fechei meus olhos sorrindo um pouco, estava curioso pelo dia seguinte.

* - off *

Meus pensamentos são muito para você, eu não sei o que fazer
O que eu vou fazer comigo mesmo?
Você tem que algo que eu preciso.”
- Seeing You Or Missing You / Lunafly

Primeira boa notícia do dia? Consegui chegar cedo na escola!
Primeira má notícia do dia? Quando cheguei na porta da sala, já estava me esperando.

Respirei fundo ao vê-lo, acho que em minha mente eu conseguia ver sua morte em 100 maneiras diferentes. Ele estava encostado na parede de braços cruzados me olhando.

— Aqui está, formatado e impresso. — eu estiquei uma pasta para ele.
— Nossa. — ele pegou admirado — Além das minhas expectativas.
, que bom que já chegou. — disse se aproximando com algumas folhas na mão — Você me ajuda a colocá-las em cima das mesas?
— Claro. — eu o olhei pegando as folhas — Claro que ajudo, .
— Bom dia, . — disse com um tom irônico.
— Bom dia. — a voz de se manteve firme, porém no seu tom baixo e habitual.
— Se nos dá licença, temos algo a fazer. — disse para .
— Hum... — deu uma risada debochada — Vou deixar o casal a sós.
— Idiota. — eu disse meio estressada com ele — Não somos um casal.
— Se você diz. — ele se afastou da parede — Te vejo na quadra no intervalo.

Ele saiu andando, eu respirei fundo controlando minha raiva.

— Qual é a dele?! Idiota. — resmungou .
— Ai que raiva. — eu bufei — Me desculpe .
— Não precisa se desculpar. — ele segurou de leve em minha mão e sorriu — Fique calma, ele não merece isso.
— Obrigada. — eu dei um sorriso fraco, era tão gentil comigo, ao contrário do , eu me sentia bem ao lado dele.
— Então, me ajuda?! — ele ergueu as folhas.
— Claro. — assim que entramos, o ajudei a distribuir as folhas em cada carteira.
— O que está acontecendo? — perguntou Yuri ao entrar na sala com mais uma menina, certamente do clube de estudos.
— Ah, Yuri, já chegou. — a olhou surpreso — Disse que chegaria atrasada por causa da sua mãe.
— Consegui chegar na hora. — pela primeira vez ela desviou o olhar para mim — O que ela está fazendo?
— Ah, pedi a para me ajudar a distribuir essas folhas antes de todos chegarem. — explicou .
— Este é o meu dever. — Yuri veio até mim e pegou as folhas — Agradeço, mas eu sou a vice da sala.
— Tudo bem, só estava ajudando um amigo. — disse recuando um pouco.

Aquilo confirmava minhas suspeitas, Yuri gostava de e certamente tinha ciúmes de mim, preferi não criar mais desconforto para mim, já estava cansada de mais por causa da minha noite mal dormida. Assim que sentamos, o professor Han entrou na sala juntamente com os outros alunos, nossa aula de história seria sobre a guerra do Vietnã. Após algum tempo, percebeu que eu estava passando mal e pediu ao professor para me levar a enfermaria.

Andamos lentamente pelos corredores até chegar, eu realmente estava com a pressão baixa e meio zonza, será que era estresse de mais? Quando cheguei só consegui ver a luz da enfermaria e logo tudo se apagou, ao abrir meus olhos novamente, já estava deitada na maca que tinha lá, tomando soro na veia, acho que estava mesmo mal.

— Você está melhor agora? — perguntou sentando ao meu lado.
— Oh! — eu o olhei — Acho que sim, ainda estamos na escola?
— Sim, a enfermeira foi reportar ao diretor. — ele estava segurando em minha mão, como era doce e gentil.
— Obrigada, por ter ficado comigo.
— Eu até gostei de ficar aqui. — ele me olhou com carinho — Você sorri enquanto dorme.
— Por quanto tempo fiquei apagada?
— Umas duas horas. — ele levantou minha mochila — Enquanto a enfermeira estava cuidando de você, peguei nossas coisas na sala.
— O que a enfermeira disse?
— Que talvez deva ser estresse ou exaustão por causa da sua nova rotina, como é seu terceiro dia aqui, seu corpo ainda não se acostumou.
— Hum, pode ser mesmo. — eu desviei meu olhar para a porta e lá estava ele, encostado na parede de braços cruzados, a causa dos meus problemas — !?
— Você está bem? — ele entrou caminhando até nós — A escola inteira está comentando.
— O que está fazendo aqui? — eu perguntei.
— Vim ver se estava bem.
, eu vou buscar algo para você comer, a enfermeira disse que você precisaria se alimentar ao acordar. — soltou minha mão lentamente, era como se ele não quisesse se afastar — Eu já volto.
— Espero que não fique com ciúmes se eu ficar aqui até voltar. — disse num tom de provocação.
— Nós somos amigos, mas isso não é da sua conta. — se afastou e saiu, era impressionante, até mesmo uma resposta rude parecia tão sutil ao sair dele.
— Já disse, ele não é meu namorado. — o olhei séria.
— Se você diz. — ele permaneceu parado em minha frente — O que aconteceu com você?
— Você aconteceu. — sussurrei olhando para janela, respirei fundo — Estresse, meu corpo reagiu assim.
— Parece que não dorme há dias.
— Está tão visível? — eu o olhei.
— Sim. — ele sorriu de canto — Mas até que mesmo com olheira você continua bonita.
— Hum. — tentei ignorar aquilo que parecia um elogio — Acho que ainda não me adaptei ao ritmo escolar coreano.
— Tenho certeza que seu namorado irá te ajudar.
— Já disse que ele não é meu namorado. — eu gritei.
— Não é o que parece, não da parte dele... Mas enfim, espero que melhore. — ele caminhou até a porta — Logo teremos um baile de primavera.

Baile de primavera? O que ele queria dizer com isso?

Assim que ele saiu, voltou com uma bandeja nas mãos, ele havia levado um sanduíche, suco de laranja e maçã. Eu comi meio que sendo incentivada por ele, logo na hora de ir para casa, meus pais foram me buscar, eles conversaram com o diretor, o professor Han e a enfermeira. Acho que eu havia ganhado o direito de ficar em casa por dois dias.

O lado bom é que o professor Han iria me explicar as matérias na minha casa à noite, e eu ficaria dois dias sem na minha vida. Me despedi de antes de entrar no carro do appa, minha omma o convidou para jantar em nossa casa no sábado, mesmo ficando com vergonha pelo convite eu percebi seus olhos brilharem um pouco.

Comecei a me perguntar se estaria certo e estaria interessado em mim. , por que a cada 10 pensamentos 9 envolvia ele.

Agora na minha frente existem duas pessoas brilhantes,
E eu que estou agindo pobremente,
Embora eu tente me repreender por ser um idiota,
Meu coração continua se curvando na sua direção.”
- Aside / SHINee

 

Dicionário Coreano:
9. Daebak: termo usado para indicar um sucesso como: "o melhor", "incrível", "maravilha", "muito bom".
10. sunbae: termo usado pelos mais novos como forma de tratamento de respeito para os que estão em um nível superior de graduação seja na escola, ou no trabalho.
11. maknae: nome dado ao mais novo, seja de grupo de amigos ou musical, família ou escola.
12. Aigoo: expressão usada como se fosse "Ai meu Deus".


4. Need U

Eu preciso de você, garota
Por que eu me apaixono e
Digo adeus sozinho?
Eu preciso de você, garota
Por que eu preciso de você mesmo sabendo que vou me machucar?”
- I Need U / BTS

* - on *

Eu estava feliz por ter sido convidado pela mãe dela, nos conhecemos há três dias e eu não conseguia deixar de me sentir atraído pela sua simpatia e amizade. era uma garota que despertava muita curiosidade em mim, eu queria realmente conhecê-la mais, passar mais tempo conversando com ela. Nossos intervalos no pátio eram tão cheios de assunto, ela falava sobre tudo, até mesmo Champions League da UEFA, algo novo para mim uma menina saber tanto sobre futebol.

Eu confesso que me sentia irritado toda vez que se aproximava dela, ele e sua arrogância de sempre, principalmente hoje na enfermaria foi ainda pior. Será que ele estaria interessado em ? Não, ela é muito boa para ele!

— Espero que não fique com ciúmes se eu ficar aqui até voltar. — disse imitando a voz dele, fazendo uma careta — Idiota.
— Falando sozinho querido?! — perguntou minha mãe ao adentrar a sala.
— Não, só estava pensando alto.
— Que parar os estudos e ir comer alguma coisa? — sugeriu ela — Barriga vazia a mente não funciona.
— Vou daqui a pouco, sem falta. — assenti abrindo mais uma vez o livro de física — Só preciso terminar uma conta que comecei.
— Estou indo dormir primeiro. — ela se aproximou e deu um beijo de leve em meu cabelo, de forma carinhosa — Não faça muito barulho quando for comer e ir dormir, seu pai já está dormindo também.
— Sim senhora. — fiz um gesto de continência e sorri — Serei silencioso.

Ela sorriu de forma gentil e seguiu pelo corredor dos quartos, me voltei para a folha do caderno e logo me veio algumas reflexões sobre falar que eu e namorávamos desde o primeiro dia dela na escola, isso me irritava um pouco, mas olhando agora, não era um comentário ruim.

era uma garota de uma beleza simples, mas um sorriso de gravar na memória, seu olhar era profundo e tinha uma ponta de brilho, sua voz doce, porém firme, era inacreditável uma garota gostar de games e mangás como ela gostava. Ela era única e especial.

* - off *

Quando chegamos em casa, seguimos para a cozinha, estava com muita sede, foi neste momento que o sistema de interrogações da minha mãe ativou, ela parecia muito animada com a ideia de jantar em nossa casa. Mais ainda por sua filha ter encontrado um amigo legal que pudesse cuidar dela, o que a motivou a querer saber sobre tudo, como começamos a conversar, como ele era comigo, se ficávamos perto no intervalo...

, deixe se ser discreta e vai falando mais sobre seu amigo. — insistiu ela novamente.
— Já disse mãe, ele só é um garoto legal que está me ajudando nos estudos, um bom amigo.
— Só amigo?
— Só amigo! — eu ri ajeitando minha mochila nas costas — Vou descansar um pouco.
— Vá sim, já que não quer me contar mais, ficarei aqui sozinha sem assunto preparando o nosso jantar. — naquele tom dramático.
— Quanto drama. — eu saí rindo em direção ao meu quarto.
— Não é drama, são sentimentos de uma mãe. — retrucou ela gritando da cozinha.

Curiosidade era o sobrenome da minha mãe, o que me deixava impressionada com ela, mas eu havia dito realmente a verdade e o que importava, era sim um bom amigo para mim. Logo que entrei no quarto coloquei a mochila nos pés da cama e me espreguicei, estava mesmo cansada, após um banho quente só conseguia pensar em me jogar na cama e dormir, mas a fome estava lá para me lembrar que deveria comer algo antes.

O lado bom da minha família é que eles respeitam nosso espaço e silêncio, mesmo com suas curiosidades minha mãe nunca avançava o sinal e sempre me dava liberdade para falar com ela quando quisesse. Me respeitando, ela nem tocou mais no assunto do e nossa amizade, o jantar foi tranquilo e cheio de informações sobre o rendimento escolar de Jinho e sua futura excursão ao zoológico.

No dia seguinte acordei na metade do dia, fazia tempos que isso não me acontecia, me levantei espreguiçando. Ao chegar na sala vi um bilhete da omma deixado na mesa de centro, ela tinha deixado meu almoço no microondas, almocei e voltei para o quarto. Peguei meu celular e tinha uma mensagem de no kakaotalk13, nós tínhamos trocado os contatos para nos comunicar melhor, nossa sorte é que estava no horário do intervalo, trocamos algumas mensagens.

“como está tudo aí?” — perguntou ele.
“bem, acabei de acordar e fui comer.”
“sortuda.”
“e você?”
“aqui eu estou fazendo cálculos de matemática.”
“que tristeza”
“o professor perguntou se estava melhor”
“que fofo da parte dele”
“ele ficou preocupado, todo mundo ficou”
“diga a todos que estou bem agora.”
“vou dizer sim, estou fazendo muitas anotações para te emprestar”
“komawo14 *-*!”
“tenho que ir agora, se recupere bem!”
“vou sim, só preciso dormir mais! kkkkkkkkk”

Deixei meu celular em cima da cama e liguei o meu notebook, coloquei minha playlist do EXO para tocar enquanto desenhava um pouco em algumas folhas brancas soltas. Quando a noite chegou appa e omma chegaram juntos com Jinho, não demorou muito e o professor Han tocou em nossa porta. Ele estava com sua maleta, sentamos na mesa do jantar e ele começou a me passar toda a matéria dos dois dias me explicando de forma rápida e superficial os pontos mais importantes.

Como sempre eu passei 50% do tempo admirando aquele sorriso tímido que ele tinha, passou um tempo até que ele recebeu uma mensagem, tivemos que acelerar as últimas tarefas e ele se foi. Após o jantar, ajudei omma com a louça suja, nós conversamos mais um pouco sobre minha saúde,quando terminamos voltei para meu quarto e fui dormi.  Amanheceu o dia, uma linda sexta-feira de chuva, felizmente eu amava o clima chuvoso e não iria a aula também. Isso sim era boa notícia, ajudei omma a organizar a casa, meu appa traria um amigo de infância para o jantar de hoje, já não bastasse ela estar ansiosa pelo jantar com o , mais do que eu por sinal, graças ao appa hoje também teríamos visitas.

As horas se passaram, e à noite os convidados do appa chegaram com ele, eu ainda estava no meu quarto me arrumando. Coloquei uma regata branca com uma camisa xadrez vermelha e um jeans surrado, aquele era meio que um estilo que eu vestia muito em Londres. Saí do quarto e quando entrei na sala meu corpo congelou na hora, havia um rosto conhecido sentado entre as almofadas com meu irmão jogando Xbox, um rosto que eu não esperava ver tão cedo.

— Ah, aqui está minha princesa. — disse meu pai dando um largo sorriso — DongHo esta á minha filha .
— Prazer senhor. — eu sorri de leve e me curvei em cumprimento.
— Que jovem simpática. — ele me olhou com gentileza — E bonita.
— E aquele é , seu filho. — appa apontou para ele.
— Annyeonghaseyo. — me curvei formalmente novamente ainda não acreditando no que presenciava, mas iria agir como se nada tivesse acontecido entre nós.
— Oi. — ele se levantou e caminhou até nós — Já nos vimos na escola, uma vez.

Uma vez?! Ok, segue o fluxo! Também iria ignorar brevemente o que estava rolando nos bastidores.

— Ah, então já se conhecem. — minha omma me olhou sorrindo, seus olhos estavam felizes.
hyung, vamos terminar nossa partida. — protestou meu irmão vendo que toda a atenção estava sendo voltada para mim.
— Claro. — sorriu de canto e voltou para onde estava sentado.
— Fiquem à vontade. — minha omma pegou em minha mão — Vem querida, me ajude a colocar a mesa.

Eu segui minha omma até a cozinha, demoramos um pouco para colocar os pratos e as travessas com comidas, omma chamou eles e nos sentamos todos à mesa, nossa mesa era redonda de vidro, se sentou justamente de frente para mim. Aquele idiota de sorriso nebuloso, eu notei que ele não parava de me olhar.

Quanto mais você me perturba
Mais eu gosto de você
E eu não sei porquê.”
- Yeowooya / Lunafly

Após o jantar, appa e o senhor Dongho foram para o escritório beber, meu irmão ficou na cozinha ajudando a omma, era a noite dele. Já eu fui para a varanda tomar um ar, estava mesmo precisando.

— Bonita a decoração. — disse ao chegar na porta.
— Minha mãe tem bom gosto. — eu mantive minha atenção nos prédios iluminados.
— Conseguiu voltar ao normal? — ele caminhou até mim e debruçou um pouco no guarda-corpo que era de vidro.
— Longe de você. — eu olhei — Tudo fica perfeito.
— Yah… Quanta sinceridade. — ele me olhou meio ofendido — E só temos três dias.
— Irônico não é?

Ficamos parados nos olhando por um tempo até que seu pai o chamou para ir.

— Bem, nos vemos na segunda. — ele deu um sorriso de canto — Te desejo boa prova.
— Cínico. — eu sussurrei.
— Ah! — ele se virou — Você ainda tem uma dívida.

Eu desviei meu olhar engolindo seco, não queria mais olhar aquele sorriso pretensioso dele. Fui para meu quarto, troquei de roupa e me joguei na cama, o sono veio com a mesma rapidez que as horas se passaram, eu mal comecei a sonhar e já estava na hora de levantar. Bem aquilo não era um sonho, estava mais para pesadelo, sonhei que estava fazendo uma prova para aquele idiota do , ainda não acreditava como uma pessoa conseguia me irritar tanto como ele.

As horas se passaram, sábado à tarde levei meu irmão ao parque, nunca o vi tão sociável quanto aquele dia com as crianças que estavam lá. Nos divertimos bastante até que recebi uma mensagem da omma, nos mandando retornar. Quando chegamos em casa, Jinho foi correndo para o banho, eu enviei o endereço do apartamento para , havia esquecido. Ele chegou sozinho, seus pais tinham viajado, estava tão diferente, bonito e descontraído sem o uniforme da escola, vestia uma camisa do Hillsong United, uma calça jeans meio rasgada na região da coxa e all star preto.

 O sorriso gentil carismático era o mesmo.

— Que bom que não se perdeu. — eu sorri para ele — Fiquei preocupada, eu não sabia explicar direito o caminho.
— Não se preocupe, nada como o google maps para ajudar. — ele riu e entrou.
— Omma! — eu fechei a porta — chegou.
— Oh! Que bom, bem na hora. — minha omma o abraçou de leve — Que bom que veio, fico feliz que tenha arrumado um amigo.
— Bem, é um pouco difícil não ser amigo da sua filha. — ele me olhou, senti um certo carinho naquele olhar.
— Você que é muito gentil. — eu sorri devolvendo o elogio dele.
— Hum. — meu pai tossiu de leve se levantando do sofá — Estamos mesmo felizes por ter vindo.

se curvou em agradecimento, sua educação era admirável. O jantar foi tranquilo, appa sempre perguntando como eu me comportava em sala de aula, e me elogiando com um disfarçado sorriso, omma tinha preparado um jantar meio italiano e muito saboroso. Depois que começamos, eu e juntamos os pratos e levamos para cozinha, ele se ofereceu para ajudar a lavar a louça. Fiquei admirada com isso, conversamos sobre os acontecimentos na escola durante os dias que eu estive fora.

— Vou ser sincero, está meio chato sem você. — ele riu timidamente — Ainda mais as aulas de literatura.
— Sério? — o olhei chocada — Agora me deixou surpresa.
— Claro, você disse que citaria alguns poemas para mim, fiquei cheio de expectativas para isso. — ele fez cara de chateado.
— Que dó, me desculpe , mas eu realmente precisava ficar em casa, foi férias forçadas, porém merecidas.
— Te dou um desconto, só se entrar no clube de leitura. — disse ele.
— Ah, ainda estou pensando sobre os clubes, eu vi que tem um de arte e desenho, me interessei um pouco. — expliquei minha demora em decidir.
— Se é o que gosta, acho que deveria entrar nos dois. — ele riu.
— Vamos ver, vou pensar direito, não tenho nem uma semana direito que cheguei, ainda me sinto meio perdida em tudo isso. — suspirei fraco.
— Se precisar de um guia, estou aqui. — ele sorriu — Amigos são para isso.
— Você é um amigo muito fofo! — sorri de volta — Obrigado pela ajuda, vou mesmo precisar!!!

Ele também me contou sobre os boatos que foi visto aos beijos atrás da quadra com uma menina do segundo ano, aposto que se eu tivesse lá ele ficaria me perseguindo com a desculpa da dívida. retirou seu caderno na mochila e me emprestou para que eu pudesse colocar em dia tudo que tinha perdido, antes dele ir embora minha omma entregou uma pequena vasilha com a sobremesa para que ele levasse para seus pais.

* - on *

Foi pura sorte tê-la visto naquele parque pela manhã, mesmo não a deixando me ver, fiquei de longe a observando brincar com seu irmão. Aquele foi um momento raro que pude ver ela sorrindo expontaneamente, e seu sorriso me encantava de uma forma inexplicável, meu coração acelerou ainda mais. Naquela noite de sábado me reuni com a Prince Line na casa de Junhae, estávamos fazendo nosso mensal campeonato de Starcraft. Mesmo sendo meu jogo favorito, havia algo me incomodando, eu estava sentindo falta de alguma coisa.

— Parece que alguém aqui não está entre nós de fato. — comentou Hwang jogando a almofada em mim.
— Está pensando na notava estrangeira?! — sugeriu MiJun.
— Yah!! — peguei a almofada e joguei nele — O nome dela é , e só eu posso chamada de novata estrangeira.
— Hummmm…. Estava pensando nela. — constatou Junhae.
— YAHHHHH… Pare você também, não estava…
— Estava sim, seus olhos estavam brilhando, mais ainda que no dia me que comprou sua moto. — MinSoo riu de mim — Confesse logo.
— Confessar o que?! — o olhei confuso.
— Que foi amor a primeira vista e está apaixonado. — explicou ele.
— Claro que não, não estou apaixonado por ela, porque estaria?
— Negou demais. — Junhae soltou uma gargalhada estranha, fazendo os outros rirem.
— Não estou negando, só estou…
— Hyung18, você está apaixonado, só não percebeu ainda. — MiJun me olhou suas palavras pareciam sinceras.
— Desde quando você sabe sobre o amor?
— Desde que conheci a Nara noona15, porém sei que nunca serei correspondido, então prefiro esquecê-la. — respondeu.
— Aish, sua criança. — joguei a outra almofada nele.

Voltei meu pensamento novamente para e me senti desanimado e sem vontade de fazer nada, e mesmo gostando de estar entre meus amigos que considerava irmãos, eu não estava feliz naquele lugar. Certamente aquele sentimento fosse o fato de não vê-la na escola, um pouco de culpa interna por irritá-la demais, pensar que ela teria ficado mal por minha causa me deixava ainda mais agoniado.

“Porque as pessoas que gosto se machucam comigo?!” Pensei comigo mesmo, talvez fosse aquilo que me impedia de querer assumir algum sentimento por ela, não queria machucá-la.

— Estou indo primeiro. — disse me levantando do sofá e pegando minha mochila.
— A omma está fazendo o jantar, não vai esperar? — perguntou MinSoo.
— Não, preciso chegar mais cedo hoje, se divirtam por mim. — me dirigi para a porta.

Meus amigos entendiam que quando eu precisava chegar mais cedo, eu realmente não podia me atrasar ou levantar a fúria do meu pai, tínhamos nos dado uma trégua por causa do jantar na casa de . Tive que dar meu braço a torcer só para poder ir lá, que coisa mais boba da minha parte, mas vê-la naquele dia foi como recarregar minhas energias.

— Yahhh… Não posso me apaixonar por você. — sussurrei enquanto caminhava pela rua — Você é boa demais para mim!

Sim, ela era!

Assim cheguei no apartamento na cobertura do meu pai, o encontrei conversando com uma “amiga” na sala, virei meu rosto não demonstrando interesse e subi as escadas, me tranquei em meu quarto. Definitivamente não queria sermões aquela hora, já estava antes das dez da noite em casa, então não haveria reclamações quanto a isso.

Fiquei alguns minutos jogado na cama olhando para o teto pensando qual poderia ser minha próxima forma de cobrar a suposta dívida.

— Desta vez tem que ser alguma coisa mais demorada. — eu sussurrei ao olhar para o relógio na escrivaninha.

Eu havia passado mesmo muito tempo afogado em meus pensamentos, todos se resumindo a uma única pessoa, era divertido fazer tudo aquilo.

* - off *

Meu dia está cheio de você depois de conhecer você
Vendo você ou sentindo sua falta
Meus pensamentos são muito para você, eu não sei o que fazer.”
- Seeing You Or Missing You / Lunafly



5. Beautiful

“O curso de tudo se interrompe apenas com o tocar de seus dedos
Parece que eu vejo você por onde quer que eu passe
Você é a resposta,
E eu não consigo voltar atrás agora
Eu não consigo me parar,
Eu apostarei em você.”
- Bad / Infinite

Domingo de manhã, acordamos cedo para sair, visitamos a igreja J-US Ministry, onde um outro amigo do appa era pastor. O lugar era bonito e muito bem decorado, havia um jardim na lateral do templo que tinha alguns desenhos grafitados pelos jovens da igreja no muro, desenhos representando algumas histórias da Bíblia, fiquei impressionada com a riqueza de detalhes nos desenhos.

Na hora do almoço, fomos convidados por esse amigo para participar da refeição em sua casa. Ele tinha uma esposa super simpática e um filho de 9 anos. Passamos a tarde em sua casa, como sempre enquanto todos os adultos conversavam na sala, eu fiquei com meu irmão e o pequeno MiNam na sala de tv jogando PS3.

Fomos para casa no final da tarde, eu ainda tinha que estudar para prova de segunda, e foi o que fiz até que minha mãe me mandou ir dormir ameaçando cortar a energia do meu quarto. Assim terminou meu final de semana, mais ou menos divertido.

- 6 horas da manhã / segunda-feira   

E acordei assustada com o despertador do celular tocando, fiquei meio aliviada por não estar atrasada. Deu tempo até para o café da manhã, quando cheguei na escola fui direto para sala, já estava na porta me esperando.

— Meus pais pediram para agradecer pela sobremesa.
— Ah, não foi nada. — nós entramos e eu me sentei no meu lugar — Minha omma adora sair distribuindo doces para os amigos.
— E como foi o domingo? — ele se sentou de lado e ficou me olhando.
— Almoçamos na casa de um amigo do meu appa, foi legal, estudei um pouco à noite.

Não demorou muito e o professor Han entrou na sala, e com uma boa notícia, nossa prova de destaque havia sido adiada para terça-feira da próxima semana. Eu fiquei feliz pois teria mais tempo para absorver aquela triste matéria de logaritmo que estava me dando preocupações. Desta vez a aula foi produtiva, acho que dois dias a mais em casa me descansaram muito, e mesmo que eu me distraísse me imaginando num encontro impossível com o professor Han, consegui entender todas as matérias que ele havia anotado no quadro, e quanta matéria, cheguei até cogitar a ideia de fotografar ao invés de escrever no caderno.

Finalmente o sinal tocou e fomos liberados para o intervalo.

— Vamos sentar no pátio hoje? — perguntou colocando sua mochila nas costas.
— Ah, não. — eu o olhei — Eu vou a biblioteca primeiro se não se importa, mas pode me esperar em alguma mesa.
— Se quiser eu posso ir com você.
— Não precisa, sério. — eu segurei firme os livros que estava em minha mão e me aproximei dele dando um beijo de leve em sua bochecha — Te vejo daqui a pouco.

Eu o deixei sem reação, isso era um fato, mas tinha que passar na biblioteca sozinha, já que o idiota do tinha me mandando uma mensagem que estaria me esperando lá, como será que ele descobriu meu id no kakaotalk? Até aquele momento eu não tinha entrado na biblioteca, fiquei surpresa com tamanha organização, meus olhos brilharam até que uma certa pessoa se aproximou.

— Pensei que não viria. — disse parando ao meu lado.
— Se eu não viesse, me buscaria. — eu o olhei — Então, como vou quitar a última dívida?
— Hum. — ele me olhou tranquilamente, aquele olhar era profundo e tinha um charme que me dava raiva — Eu tenho um teste de francês e…
— Quer que eu faça pra você?
— Bem. — ele sorriu de canto — Eu não tinha pensado nisso. — e rindo — Queria que me ajudasse a estudar.

Oh! Fiquei sem reação, em todos os sentidos, achei mesmo que fosse uma pessoa que levasse vantagem sobre os outros. Mas olhando assim, ele parecia uma pessoa diferente do que aparentava, como se escondesse algo por trás do status de filho do dono da escola.

— Minha ajuda? — ainda não conseguia digerir aquilo.
— Está surpresa? — ele riu mais um pouco — Não sou tão mercenário assim.
— Ha...ha...ha… — eu caminhei até uma estante e fiquei olhando entre os livros.
— Então podemos começar no final da aula. — ele se aproximou de mim — Prometo te levar para casa. — ele saiu rindo.
— Abusado. — eu sussurrei — Tenho outra escolha?
— Bem, se você quer saldar sua dívida! — reforçou ele.
— Tudo bem, final da aula começamos. — voltei minha atenção aos livros, guardando minha indignação para mim.

Não acreditava que iria passar alguns dias ensinando o básico de francês a ele, durante aquela semana, todos os dias no final da aula eu e nos encontrávamos na biblioteca para estudar francês. Eu ainda achava aquilo tudo uma loucura, mas ele se mostrava atento a cada ensinamento e dica que eu dava.

“Quando eu me ver durante estes tempos
Eu sinto que eu realmente sou jovem
Mesmo com você na minha frente
Eu não sei o que fazer
Pessoas apaixonadas me digam por favor.”
- Hello / SHINee

No sábado ele havia me mandado uma mensagem para ir de manhã em sua casa, junto com uma foto de um desenho meu que estava no meu sketchbook. A princípio eu não ia, mas a curiosidade estava tomando conta de mim, logo após tomar meu café da manhã, avisei minha omma que iria na casa de um amigo estudar, primeiro ela pensou que poderia ser , quem me dera, mas eu expliquei que estava ajudando com a matéria de idiomas.

Quando cheguei na frente de sua casa, toquei a campainha e fiquei esperando no portão que era de grade. Do lado de fora dava para ver o pequeno jardim estilo oriental do lado de fora da casa, havia um caminho de madeira no estilo de um deck até a porta da casa, eu reconheci algumas plantas e fiquei encantada com outras, havia uma árvore bonsai dentro de um vaso de porcelana ao lado da porta, e uma fileira de bambus plantados nas duas paredes laterais da casa, era um jardim muito harmônico que me despertou um forte desejo de desenhá-lo.  

Não demorou muito e abriu a porta com um sorriso de canto no rosto, vindo em minha direção abriu o portão me deixando entrar, assim que eu entrei me curvei um pouco em cumprimento. Logo olhei disfarçadamente para uma das janelas do segundo andar, então vi uma mulher que aparentava ter seus quarenta anos. Entramos em silêncio e logo a mulher desceu as escadas.

— Oh! Aqui está ela. — disse a mulher — Que bom que pode vir.
— Hum?! — eu olhei para sem entender.
esta é minha omma, Kim Seohyun. — explicou ele segurando o riso.
— É um prazer conhecer a senhora. — eu disse meio sem jeito a olhando.
— Eu que fico feliz em ter aceitado almoçar conosco hoje, eu estava mesmo muito curiosa para conhecer a garota de ajuda nosso nos estudos.
— Almoçar?! — eu olhei para novamente e olhei para ela tentando disfarçar — Ah, sim, eu que agradeço pelo convite.
— Vou deixar vocês estudando um pouco, preciso buscar sua irmã na casa do seu pai e voltar para preparar nosso almoço. — ela saiu com um sorriso largo em seu rosto demonstrando animação.
— Almoço? Irmã? — eu olhei para ele — Você poderia me explicar agora?
— Se eu te dissesse que minha omma estava te convidando não viria, então.
— Então achou que deveria me forçar a vir sem saber o que estava acontecendo de fato? — analisei os fatos.
— Nossa, você realmente acha que tenho uma mente tão calculista assim?!
— Não acho, tenho certeza. — eu cruzei os braços permanecendo séria — E por acaso, onde está meu sketchbook?
— Eu o perdi, já disse.
— Mas e a foto?
— Ah, eu tirei antes de perder, agora venha, temos que estudar. — ele pegou em meu braço de leve e me puxou para a sala de estudos, me explicando que aquele lugar era o antigo escritório do pai dele, antes dos seus pais se divorciarem.

O lugar era descontraído e muito confortável, deveria ser interessante estudar em um lugar tão legal como aquele, minha concentração seria mais produtiva ali do que na escrivaninha do meu quarto. Nos sentamos no chão, em cima do carpete, e colocamos os livros e cadernos sob a mesa de centro, apoiamos nossas costas no sofá e passamos os primeiros trinta minutos concentrados até que sua omma e irmã chegaram.

— Oppa16!!! — disse a garotinha que aparentava ter seus 7 anos ao entrar correndo na direção dele — Senti sua falta.
— Eu também princesinha! — ele a abraçou e me olhou — esta é minha irmãzinha Sunny, ela tem oito anos.
— Annyeonghaseyo unnie17. — ela me olhou e sorriu de leve — Ela que é sua namorada, oppa?
— Não! — eu gritei — Sou uma aluna da escola dele.
— Ela já tem um namorado e não é o oppa. — disse ele ao olhar para mim.
— Eu não tenho namorado. — respirei fundo tentando não ficar irritada, ele virou o rosto segurando o riso.
— Princesa o oppa está estudando, por que você não vai ficar com a omma, prometo que depois do almoço te levo para comprar sorvete.
— Oba! — ela se afastou dele com seus olhos brilhando e saiu da sala correndo.
— Muito fofa sua irmã. — comentei.
— Sim. — ele me olhou — Vocês não estão mesmo namorando?
— O que?
— É que estão sempre juntos. — ele desviou seu olhar para o livro tranquilamente.
— Não, não estamos, é meu amigo, e mesmo que se fosse, minha vida pessoal não interessa a você.
— Hum. — ele riu — Você fica mais linda quando está assim.
— O que? — eu o olhei — Assim como?
— Irritada. — ele me olhou com um sorriso leve.

Eu paralisei um pouco com aquele sorriso, mas logo voltei ao meu normal, eu realmente ficava irritada com muita facilidade quando ele estava perto de mim. Sua omma terminou o almoço pontualmente ao meio dia, ante de me sentar à mesa liguei para minha omma avisando que ficaria para o almoço e voltaria mais tarde para casa. A senhora Seohyun cozinhava muito bem, o almoço estava muito delicioso. Como prometido, foi com Sunny até a sorveteria, e eu fiquei ajudando a ajumma Seo a arrumar a cozinha, ela me contou algumas histórias da infância de e de como ele era um menino muito agitado e comunicativo.

Após o retorno de , eu e ele passamos a tarde estudando, enquanto isso a ajumma e Sunny ficaram brincando no jardim.

— Acho que com isso encerramos, já te ensinei tudo que podia, você fará uma boa prova na segunda. — eu disse fechando um dos livros.
— Com certeza, tive uma boa professora. — ele olhou para a janela meio desanimado.
— Bem, então encerramos minha dívida. — eu o olhei de forma séria.
— Sim, encerramos, você está livre de mim agora. — sua voz estava um pouco estranha.
— Hum, onde tem um banheiro aqui? — perguntei me levantando.
— Ah. — ele se levantou também. — Você pode subir as escadas, primeira porta à esquerda.
— Ok. — eu me afastei dele saindo da sala.

Subi as escadas, ao entrar no segundo andar, tinha um hall um pouco amplo com uma estante e duas poltronas na parede que ficava a janela, percebi que aquela era a mesma janela que eu tinha visto a ajumma, cada uma das paredes laterais tinha duas portas, com certeza três eram os quartos, eu segui até a primeira porta à esquerda como ele disse e abri, era o banheiro.

Entrei me trancando e utilizei de acordo com minha necessidade, quando saí olhei rapidamente para a porta ao lado e vi que estava entre aberta, tentei segurar minha curiosidade, mas não resisti a tentação e entrei, era o quarto de . Na parede da porta tinha algumas prateleiras com vários dvd’s de games e alguns carros clássicos em miniatura.

Sua cama ficava do lado direito do quarto e o guarda roupa do lado esquerdo, eu olhei para a mesinha ao lado da cama que reconheci um objeto que me pertencia. Caminhei até lá e peguei meu sketchbook, o abracei automaticamente dando um longo suspiro.

— Por que será que eu sabia que você não iria resistir. — disse ele rindo encostado na porta do quarto.
. — eu olhei — Você deixou a porta aberta de propósito não foi?
— Talvez. — ele riu mais um pouco.
— Por que mentiu? — eu mostrei meu sketchbook.
— Queria ver sua reação. — ele caminhou um pouco adentrando o quarto — Foi engraçado.
— Não vou nem comentar isso. — eu o olhei atravessado.
— Minha omma está chamando para o lanche. — ele riu — E acho melhor não recusar.

Eu assenti com a face e nós descemos para a cozinha, sentamos à mesa que estava convidativa, ajumma tinha feito um bolo de cenoura com calda de chocolate e chá de camomila. Naquele momento eu estava mesmo aceitando ficar mais calma, ainda mais depois dos olhares de ironia de para mim.

Depois do lanche me levou para casa no carro da omma dele, nem acreditava que ele já tinha carteira de motorista. Quando cheguei em casa, no relógio já marcava sete da noite, minha omma não estava muito preocupada, pois eu havia mantido ela informada de todos os meus passos naquele dia, e meu pai estava tranquilo por que eu estava na casa da mãe do filho do melhor amigo dele, ou seja eu estava quase em família.
Ficamos um bom tempo reunidos na sala vendo alguns programas de entretenimento que estava passando na televisão, até que omma foi para cozinha preparar o jantar. Eu a acompanhei e fiquei ajudando, após o jantar brinquei um pouco com Jinho no seu xbox e depois fui para o quarto dormir, estava um pouco cansada.

* - on *

Foi divertida aquela tarde, e ter ela em minha casa foi surpreendente. Eu não imaginava que viria mesmo com a foto do seu desenho, mais descobri algo hoje, era muito curiosa e isso seria divertido no futuro.

— Ah…. Acho que desta vez acabou. — sussurrei para mim, enquanto guardava os livros na estante — Foi divertida essa tarde.
— Oppa!!! — disse Sunny se aproximando.
— Sim princesinha! — eu a olhei — O que deseja?
— Oppa gosta da unnie que veio aqui hoje?
— Por que pergunta?
— Por que você nunca trouxe uma unnie aqui.
— A unnie que veio aqui hoje faz seu oppa se divertir bastante, por isso ela veio.
— Eu gostei dela, vocês vão namorar?
— O oppa não sabe ainda.

Eu a abracei de leve a pegando no colo e a levei para o quarto, a coloquei na cama e cantei um pouco a música do pequeno urso para ela, quando adormeceu deixei seu abajur ligado e sai fechando a porta do quarto. Me sentei na poltrona do hall e fiquei pensando em tudo que havia acontecido naquela tarde e de como me diverti muito mais com ela naquele dia do que no sábado passado que estava na casa de Junhae.

— Ela é só uma garota . — disse para mim mesmo, mas era nítido que ela estava marcando presença na minha rotina.

Eu não imaginava que uma garota como ela iria despertar algum interesse em mim, principalmente sem querer. Mas analisando meus pensamentos, eu sempre me pegava pensando nela e em seu sorriso e de como ela fica mesmo muito mais linda quando está irritada comigo.

— Aish , como você conseguiu fazer isso? — eu ri de leve — Não acredito que estou mesmo interessado nela, novata estrangeira, não quero te machucar.

Eu estava convencido que não queria ficar afastado dela, mesmo meu lado racional não querendo, deixaria meu coração comandar isso, então definitivamente deveria fazer alguma coisa para que ela permanecesse em dívida comigo novamente.

Mas o que eu poderia fazer para trazê-la de volta?

* - off *

Acordei um pouco antes do despertador do celular tocar, me espreguicei um pouco e levantei, tomei um banho gelado para acordar mais rápido e coloquei o uniforme. Quando entrei na sala, meu pai já estava se despedindo da omma com um beijo para ir para o seu trabalho, ele acenou rapidamente e saiu apressado.

Saí um pouco mais adianta que de costume, após tomar meu café tranquilamente, segui para o metrô, o meio de transporte mais rápido para a escola. Quando cheguei na escola o portão não tinha nem aberto ainda, alguns alunos já estavam esperando na entrada também.

?! — disse ao se aproximar de mim.
. — eu o olhei e sorri.
— Não costuma chegar tão cedo assim! — disse ele admirada.
— Tive uma boa noite de sono. — eu me espreguicei de leve novamente.
— Estou vendo, ao que se deve isso?
— Não tenho mais dívidas!!! — eu sorri novamente — Estou livre dele!!!
— E por falar nele. — virou sua face para o portão evitando olhar para a direção onde o Prince Line estava.
— Que bom que logo iremos entrar.

Assim que o portão se abriu nós fomos os primeiros a entrar, eu queria o máximo de distância de e seu grupo de amigos. Quando entrei na sala, uma garota que sentada no fundo caminhou em minha direção, ela estava com a cara séria e fechada, ela esbarrou em mim como se não tivesse me visto no caminho, a reconheci como uma das poucas amigas de Yuri.

— Bom dia alunos. — disse o professor Han ao entrar na sala.
— Bom dia senhor Choi. — dissemos todos em coral.
— Bem, como amanhã teremos nossa prova de destaque, hoje vamos revisar algumas matérias mais complexas. — disse ele olhando para mim, acho que ele ainda estava preocupada por eu ter passado dois dias em casa.
— E vamos para mais uma aula cheia de cálculos. — brincou ao olhar para mim.
— Good Luck! — eu sorri de leve para ele.

As horas se passaram e meu caderno já estava transbordando de anotações, o sinal tocou para o intervalo, eu e juntamos nossas coisas e saímos da sala, caminhamos um pouco pelo corredor. De repente senti alguém pegar em minha mão e me puxar para longe de , era , não entendia por que ele estava fazendo aqui.

— Ei, me solta. — eu tentei fazer com que ele me largasse sem sucesso.
— Você reclama de mais. — ele riu de canto e me virou, fazendo com que eu encostasse na parede — Está com medo?
— Não. — eu o olhei séria, não sabia se prendia minha respiração para não sentir aquele perfume maravilhoso que ele tinha passado, ou se respirava fundo tentando não deixar me levar com aquele momento — O que você quer agora?
— Agradecer. — ele me olhou com gentileza, aquilo me fez paralisar por uns instantes.
— Agradecer? — estava surpresa com aquilo, no choque deixei minha mochila cair — Não podia fazer isso na frente do ?!
— Sim e não. — ele se abaixou e pegou minha mochila — Por que está surpresa? — ele olhou fixamente nos meus olhos, prendendo minha atenção — Você estudou comigo, graças a você consegui fazer uma boa entrevista hoje mais cedo, meu professor ficou admirado.
— Ah, isso. — tentei manter minha respiração natural e controlada, mas olhar para aquele olhos dele estava me deixando desnorteada, ele tinha algo que me hipnotizava. — Quem bom… que… conseguiu.
— Sim. — ele se aproximou mais de mim e apoiou sua mão direita na parede na altura do meu rosto.
— Se isso for tudo, eu… — parei por um momento sentindo meu coração acelerar — , você está...
— Só queria que soubesse que minha irmãzinha quer te ver de novo. — ele sorriu de canto me entregando minha mochila e se afastou de mim — Até mais. — ele piscou de leve e saiu andando.

“Eu não sei, meus amigos me dizem que eu sou louco
É a minha primeira vez se sentindo assim desde que nasci
Você não é completamente meu tipo ideal, nem o corpo
O que você fez para mim.”
- Seeing You Or Missing You / Lunafly

Dicionário Coreano:
13. kakaotalk: aplicativo de celular semelhante ao WhatsApp.
14. komawo: Obrigado (informal/não polido).
15. noona: termo usado por garotos para chamar garotas mais velhas e próximas.
16. oppa: termo usado por garotas para chamar garotos mais velhos e próximos.
17. unnie: termo usado por garotas para chamar garotas mais velhas e próximas.
18. hyung: termo usado por garotos para chamar garotos mais velhos e próximos.



6. Good Boy

“Quero ser como seu diário, para saber os segredos do seu coração,
Quero ser como seu gato por apenas um dia,
Você me alimenta com leite quente e o abraça ternamente.”
- Hug / TVXQ (Dong Bang Shin Ki)

Fiquei por um tempo ali parada olhando para o nada tentando me recuperar, como sempre estava perplexa pelas atitudes dele. Minutos depois se aproximou de mim, estava com um pacote em suas mãos.

. — ele me olhou — O que aconteceu?
— Nada.
— Tem certeza? O que ele queria? — esticou o pacote — Trouxe para você.
— Obrigada. — eu peguei o pacote e sorri de leve — Ele só queria me agradecer por ter estudado com ele.
— Hum. — disfarçou um pouco — Pelo menos isso vindo dele.
— Sim. — eu olhei para a escada — Vamos, antes que o intervalo termine.
— O que tem nesse pacote? — perguntei curiosa.
— Aqueles mangás que fiquei de te emprestar. — respondeu.
— Hum… Então é melhor eu guardar eles no armário antes de voltar para a sala.
— Se quiser eu te acompanho. — se ofereceu.
— Oh não, a última vez você chegou atrasado por minha causa, deve dar exemplo senhor presidente da classe. — eu ri de leve e saí correndo na sua frente, subi algumas lanças de escadas até chegar ao corredor onde ficava meu armário.

Deixei minha mochila no chão e abri o armário tranquilamente, enquanto estava ajeitando o pacote dentro, percebi que havia duas cartas que pareciam de declaração ali dentro, algo que não imaginava receber tão cedo. Do lado externo nenhuma das duas tinha remetente, me deixando ainda mais intrigada para saber de quem era, a única coisa escrita era a data, uma escrita hoje e a outra escrita há três dias.

— Olha só quem está aqui… — disse uma voz feminina bem próxima.
— O que?! — eu fechei o armário e me afastando, vi uma menina escorada nele, parecia estar mascando chiclete.
— Eu te conheço?! — não reconhecia seu rosto.
— Não, mas logo vai. — ela endireitou seu corpo e chutou minha mochila para trás — Novata estrangeira.
— Ah não, mais uma com isso. — eu me movi para cima dela, vendo que tinha mais duas garotas atrás acompanhando ela — Me devolve a mochila.
— Acho que não. — a primeira garota se colocou na minha frente e me empurrou com força, me fazendo cair.
— Você é louca, o que acha que está fazendo?! — disse assustada.

Eu já havia pesquisado sobre bullyings nas escola coreanas, não eram somente exageros o que tinha visto em alguns doramas colegiais como The Heirs ou School 2013, era real que às vezes chegavam ao extremos na maldade de alguns alunos, mas nunca imaginaria que fosse sofrer isso, já que aparentemente gostavam de estudantes de outros países.

— Achou mesmo que seria amiga do Prince e sairia ilesa?! — perguntou ela.
— Eu não sei do que está falando. — me levantei sentindo uma leve dor em meu joelho, havia ralado quando caí — Quem é prince?
— Não deveria estar em outro lugar? — aquela sim era a voz que certamente eu não imaginava ouvir — Você ainda está suspensa.
— Oppa. — a garota se virou e lá estava a ele.
… — sussurrei me encolhendo um pouco, ele conhecia elas.
— Acho que isso não é seu. — ele pegou minha mochila da mão da menina que tinha algumas fitas no cabelo e veio em minha direção — Não posso te liberar nem um pouquinho que já arruma confusão. — ele sorriu de canto — Você está bem?!
— Acho que sim. — disse pegando a mochila de sua mão, ao mesmo tempo tentando esconder meu joelho machucado.
— Você mente muito mal. — seu olhar sério me estremeceu por dentro, então ele desviou o olhar para as garotas — Eu só vou dizer uma vez, então prestem atenção, fiquem longe dela.

segurou em minha mão e me guiou até as escadas, seguimos em silêncio até chegar na enfermaria, quando chegamos a porta estava trancada, ele olhou pelo vidro da janela e constatou que estava vazia.

— Eu vou ficar bem, não se preocupe. — disse me afastando dele.
— Pare de dizer besteiras. — ele pegou seu celular e mandou mensagens para alguém, se manteve sério todo o tempo, nem parecia aquele pesadelo que me irritava.

Eu tentei mais uma vez ir embora sem sucesso. Ele me fez ficar sentada no banco ao lado da porta enquanto esperávamos, foi quando uma garota veio correndo em nossa direção com uma caixinha nas mãos, consegui reconhecê-la, era uma das líderes de torcida.

— Aqui está . — disse ela ao parar, esticando a mão com a caixinha para ele, tentando recuperar o fôlego — Vim o mais rápido que pude.
— Komawo Hari. — ele sorriu pegando a caixinha — Pode ir agora.

Ela sorriu e brincando bateu continência, então se virou e saiu correndo de novo.

— Hari…
— Vai perguntar se ela é minha namorada? — ele riu baixo, se ajoelhando na minha frente, colocou a caixinha ao lado, era branca e estava escrito primeiros socorros de rosa — Não, ela já tem um namorado e não sou eu.
— Não era isso que eu ia perguntar. — cruzei os braços.
— Tem certeza? — ele me olhou confiante e sorriu de canto, então voltou a atenção para a caixinha e abriu.
— O que vai fazer?
— Não é óbvio?! — ele riu pegando um pedaço de algodão.
— Porque está fazendo isso?!
— Também não é óbvio?! — ele me olhou novamente — Se quiser, pode segurar em minha camisa, vai arder um pouco.

Ele começou a limpar o arranhado no meu joelho, me retraía a cada vez que sentia dor, não me segurei e em um momento acabei segurando mesmo em sua camisa. Após limpar e desinfeccionar, ele colocou o band-aid de forma cautelosa, me deixando ainda mais impressionada.

— Pronto, pode ir agora. — disse ele fechando a caixinha e se levantando.
— Obrigada doutor. — eu ri de leve pela brincadeira — Alguma recomendação médica?!
— Não arrume mais confusões. — disse ele com um tom de estresse.
— Como se fosse eu a culpada. — peguei minha mochila que tinha deixado no banco e me levantei — Foram elas que começaram, chegaram de repente dizendo…
— Termine. — ele se levantou também.
— Não importa agora, tenho que ir para sala, o sinal já bateu. — me afastei dele e segui para a direção do prédio da minha sala.

Me esforcei muito para não ficar mancando, apesar de não doer mais, ainda sentia um formigamento e desconfortos no local. Assim que cheguei em frente a porta da frente da sala, o professor Han já estava à frente com sua face séria e apreensiva, acompanhado do senhor Song, o supervisor e a pedagoga da escola. O assunto parecia sério.

— Senhorita Kim. — o professor me olhou parada na porta — Entre, por favor, depois falaremos sobre seu atraso.

Eu assenti em silêncio e entrando, corri para meu lugar. Olhei de relance para , ele parecia preocupado com minha demora.

— Alunos, serei direto. — ele se levantou da cadeira e olhou para todos já sentados em suas carteiras — O gabarito das provas de amanhã, foi roubado. — ele respirou fundo — E recebemos uma denúncia de que foi por um aluno do segundo ano.

Os alunos começaram a conversar entre si perguntando quem poderia ter feito aquilo.

— Quem será que pode ter feito isso? — me olhou espantado.
— Não imagino. — olhei para ele.
— Silêncio, juseyo. — disse o professor Han — O senhor Song está aqui para fazer uma revista geral nos pertences de todos os alunos.

Primeiro, o senhor Song fez um discurso longo sobre como é errado o que a pessoa tinha feito e que seria punida severamente. Assim ele passou de carteira em carteira olhando todas as mochilas, mesmo achando aquilo errado, não podíamos reclamar, ele era o supervisor e devíamos respeito a ele.

— Nós iremos passar em todas as salas e irá revistar a mochila de todos os alunos, sem restrições. — disse senhor Song com firmeza, segurando firme aquela varinha de madeira que o fazia se sentir o rei da escoda.
— Mais isso não é justo. — gritou Donghwa se levantando — E nossa privacidade?!
— Por acaso você está com algo na sua mochila que seja indevido? — perguntou Song fazendo todo mundo rir de Donghwa.
— Não senhor. — ele se sentou novamente — Não tenho nada para esconder.
— Então será a primeira que eu irei checar. — disse indo até sua carteira.

Não demorou muito até que chegou na minha vez. Coloquei minha mochila em cima da mesa, ele pegou e a abriu, passou alguns instantes revirando meus cadernos até que retirou um papel azul dobrado. Eu nunca havia visto aquele papel e não tinha ideia de como havia parado ali. Pior ainda, era justo o que ele estava procurando.

— Aqui está. — ele desdobrou o papel e verificou — Encontramos o ladrão. — a sala toda me olhou surpresa — Ou melhor, a ladra.
— Não. — eu me levantei — Não foi eu.
— Supervisor Song. — se levantou também — Isto é um engano, ela não faria isso, estive com ela desde o início da aula até o intervalo, nem passamos perto da sala dos professores.
— Sim. — concordei com ele.
— Então explique o que o gabarito da prova está fazendo na sua mochila mocinha? — retrucou ele — Além do mais, este gabarito não foi roubado hoje pela manhã, ao que tudo indica foi roubado ontem.
— Eu não sei como foi para aí, minha mochila sempre fica comigo o tempo inteiro. — tentei explicar.
— E você sempre fica com o aluno o tempo todo na escola? — perguntou o pedagoga.
— Bem, não. — eu olhei para ela — Não o tempo todo, mas não foi eu, eu juro.
— Vamos à sala do diretor, você terá que nos explicar isso direitinho. — disse o supervisor Song.

"Fique, tudo está seguindo de acordo com seus planos
A verdade está em suas mãos."
- Danger / Taemin

Mesmo não aceitando aquela acusação, eu segui para a diretoria em silêncio, não sabia como explicar que aquilo não tinha sido feito por mim. queria ir junto, mas o professor Han achou melhor ele não se envolver naquilo, e eu também, a última coisa que eu queria era que se prejudicasse por minha causa. Fiquei alguns longos minutos esperando do lado de forma, enquanto o supervisor relatava tudo ao diretor Lee.

— Muito bem senhorita Kim. — disse o diretor, me chamando pelo sobrenome também, assim que entrei em sua sala — Agora se explique.
— Eu não sei como isso aconteceu, eu juro que não foi eu. — segurei as lágrimas que se formavam no canto dos meus olhos.
— Estava em sua mochila. — ele insistiu — Vai negar os relator do supervisor Song?!
— Não senhor. — estava mesmo em minha mochila, só não sabia como havia chegado lá.
— Terei que notificar isso aos seus pais, o que fez foi muito grave, suspensão não será o bastante. — disse ele mantendo seu tom moderado — Talvez a senhorita terá que ser expulsa da escola.
— Não. — eu o olhei deixando a primeira lágrima cair — Diretor Lee, não foi eu. — limpei minhas lágrimas rapidamente.
— Lamento, mas a gravidade do delito me obriga a seguir as regras da escola.

Bateram na porta de repente.

— Entre. — disse o diretor.
— Diretor Lee. — abriu a porta e nos olhou — Preciso conversar com o senhor.

Ele respirou fundo, parecia ter corrido para chegar ali.

, o que faz aqui? Não posso ouvi-lo, estou ocupado.
— É sobre o roubo do gabarito. — ele entrou na sala fechando a porta — Fui eu quem roubou.
— O que? — eu o olhei sem entender mais nada.
— Isso é muito grave. — o diretor se levantou de sua cadeira — Está ciente de suas palavras?
— Sim. — ele me olhou — Eu roubei por que queria ajudar esta aluna, queria que ela tirasse uma boa nota, assumo toda a responsabilidade, ela não sabia de nada.
. — eu sussurrei seu nome o olhando, estava indignada com aquilo tudo.
, por que fez isso? Por que está ajudando esta aluna?
— Por que. — ele me olhou — Eu gosto dela.

O diretor suspirou fraco, parecia estar indignado como eu e ao mesmo tempo se controlando para não explodir de fúria.

— Muito bem, por que assumiu, irei ligar para seu pai. — ele caminhou até sua mesa — Não posso te expulsar pois é o filho do dono da escola, e meu sobrinho, mas não ficará impune o que fez.
— Eu sei diretor e arcarei com as consequências dos meus atos, só quero que o nome dessa garota continue limpo.
— Sim. — o diretor olhou para mim — Senhorita Kim, pode retornar a sua sala, se alguém perguntar diga que está tudo resolvido e encontramos o verdadeiro culpado.
— Sim diretor. — caminhei até a porta e saí.

Ouvi alguns gritos do diretor até chegar no corredor, eu estava perplexa com aquilo tudo, havia roubado as provas, mas como tinha colocado na minha… Mas é claro que ele havia me puxado para longe mais cedo para fazer isso, não acredito nisso. Quando cheguei na sala, disse exatamente o que o diretor havia mandado, o culpado havia confessado seu erro ao diretor limpando meu nome.

— Obrigada por tentar me defender. — disse ao ao me sentar na minha carteira.
— Somos amigos e amigos são para isso. — ele sorriu de canto e virou para frente.
— Mas me diga, quem foi? O verdadeiro culpado? — perguntou curioso.
— Prefiro não comentar mais sobre isso, daqui a pouco todos saberão. — e debrucei sobre a mesa e fechei os olhos tentando descarregar toda a minha raiva de .

Minutos depois o diretor começou a fazer um discurso pelo alto-falante, esclarecendo o aparecimento do culpado e informando que a prova seria dada no dia seguinte normalmente. Os suspiros de tristeza de alguns alunos pode ser notado e o sorriso de alegria do professor Han também.

Ao final da aula, fui a última a sair da sala, como sempre. tinha ido na frente, precisava ir na farmácia comprar algo para sua mãe. Saí da sala tranquilamente e quando fui descer as escadas, dei de cara com , ele estava encostado na parede me esperando.

— Seu pabo. — eu o empurrei, estava com raiva — Fez isso por que? O que você tem contra mim? O que eu te fiz?
— Yah. — ele segurou em meu braço me fazendo parar de bater nele — Eu te ajudo e é assim que retribui.
— Me ajuda?! Você colocou aquelas provas na minha mochila. — eu tentei me soltar dele, sem sucesso — Eu quase fui expulsa.
— Eu assumi no seu lugar e livrei seu pescoço, deveria me agradecer. — ele bufou soltando meu braço e se afastou — Não fui eu que fiz aquilo, jamais te prejudicaria assim.
— Eu me lembro do início da aula, você pegou minha mochila… Se não foi você foi quem?! — cruzei os braços o olhando ainda com raiva.
— Essa é a questão… — ele olhou para o teto pensando — Apesar da ideia ser boa, eu não sou tão mercenário assim… Mas…
— Mas o que?
— Ah não. — ele se virou para parede e a socou, parecia ter resolvido o mistério — Droga.
— O que foi?! Dá pra me dizer.
— Já sei quem foi, mas não podemos provar. — disse ele.
— Como assim, não podemos… — minha mente já estava ficando ainda mais confusa — , você pode, por favor, falar direito. Quem foi?
— Suas novas fãs. — ele voltou seu olhar para mim de forma tranquila.
— Ah não…

Logo me lembrei da pequena desavença que tive quando fui até meu armário, aquelas três garotas tinham mexido com a minha mochila, claro que enquanto a líder me distraída, as outras duas poderia implantar o gabarito.

— Droga… — xingou ele aumentando o tom — Por que só agora eu pensei nisso.
— Então a culpa é sua. — eu o empurrei novamente.
— Yah, por que?
— Porque elas vieram por sua causa. — expliquei — Nem as conheço e já estou sendo odiada, por que não me deixa em paz.
— Yoona me persegue a muito tempo, mas não imaginei que ela pudesse fazer isso com você. — ele voltou seu olhar para meu joelho, sua voz estava amarga novamente.
— Mas… Ainda temos como provar, a escola é cheia de câmera de segurança.
— Sim, exceto o corredor onde você escolheu ter um armário. — retrucou ele respirando fundo — Com tanto armários, foi escolher justo aquele, no corredor onde as câmeras não funcionam?
— Eu lá ia saber. — o olhei mais indignada ainda — Está colocando a culpa em mim? A garota é sassaeng19 sua, não minha.

Ele encostou na parede e ficou me olhando com um sorriso malicioso no rosto.

— O que foi? Porque está me olhando assim?
— Já te falei que você fica mais linda ainda, quando está com raiva. — seu olhar era tão malicioso quanto o sorriso.
— Babaca. — bufei de leve e ajeitei a mochila no ombro.
— Eu te levou.
— Não preciso.
— Não me importo com a sua rejeição, eu vou te levar. — ele pegou retirou a chave do bolso — Vamos chegar mais rápido.
— Pegou o carro da sua mãe de novo? — perguntei.
— Garota curiosa. — ele riu — Vamos logo.

“Fique, no momento a ponta dos meus dedos te seguem
Só você brilha no mundo todo.”
- Danger / Taemin



7. Growl

“Meu dia está cheio de você depois de conhecer você
Vendo você ou sentindo sua falta
Meus pensamentos são muito para você, eu não sei o que fazer
O que eu vou fazer comigo mesmo?
Você tem que algo que eu preciso.”
- Seeing You Or Missing You / Lunafly

* - on *

Eu não conseguia parar de pensar naquele jeito fofo que ela tinha de me xingar, aquela garota estava mesmo monopolizando meus pensamentos para si. Permaneci por alguns minutos dentro do carro olhando para a entrada do prédio onde morava, pensando se deveria ou não subir para fazer uma rápida visita aos seus pais. Seria engraçado se ela saísse do banho e me visse jogando com seu irmão, como da primeira vez.

Logo meu celular vibrou, era uma mensagem privada de Junhae

“onde está?”
“o que foi agora?”
“estamos indo na casa do Hwang, vem também? ou vai pra casa ficar com seu pai?”

Fiquei pensando alguns instantes.

“????”
“Yah! Junhae, tenha paciência de me esperar responder”
“venha rápido, estamos curiosas para saber sobre o roubo do gabarito. tenho certeza que não foi você”
“aish… vocês estão sendo muito curiosos, assim não ajudo ninguém com suas namoradas”
“yah hyung, deixa de moleza e vem logo kkkkkkkkkkk”

Eu coloquei o celular dentro da mochila novamente e liguei o carro. O caminho foi curto até a casa de Hwang, quando cheguei, sua mãe já estava preparando a mesa de centro da sala com alguns biscoitos que tinha feito e um bule de chá.

— Ajumma, não precisava. — disse Junhae largando sua mochila no chão perto da porta e se encostando na parede.
— Fale por você. — MinSoo caminhou até a mesa com seus olhos brilhando. — Precisava sim.
— Yah, maknae. — eu joguei minha mochila de leve nele — Olha os modos na casa da ajumma.
— Oh!!! , não se preocupe. — ela sorriu para mim, seus olhos haviam gentileza — Se estão com fome fiquem à vontade, mas antes lavem as mãos. — ela saiu sorrindo em direção à cozinha.
— Mais respeito em minha casa MinSoo. — disse Hwang indo em direção ao banheiro.

Todos lavamos nossas mãos e voltamos para sala, nos sentamos no chão e começamos a devorar os biscoitos feitos pela ajumma.

— Pode ir desembuchando hyung, sabemos que não foi você o ladrão. — disse MinSoo com a boca cheia de biscoitos.
— Yah, já disse para ter modos aqui. — Hwang mandou a almofada nele.
— Vocês estão muito curiosos. — tomei um gole de suco.
— Claro, se tem a envolvida, queremos saber. — afirmou Junhae.
— Aish… — eu o olhei fazendo careta — Foi a Yoona.
— O que? — disseram em coral.
— Aquela louca não estava de suspensão? — perguntou MiJun.
— Ainda está, mas parece que teve tempo para fazer isso. — bufei de novo contrariado — Tive que ficar no seu lugar, pois não tem como provar que foi a louca — me espreguicei um pouco — Meu tio me dei algumas tarefas que vou adorar cumprir com meus fiéis amigos.
— A yahhhh… Você fica se fazendo de herói e a gente tem que pagar junto.
— Claro. — olhei sério para MinSoo por sua reclamação.
— Já entendi hyung.
— Vamos mudar de assunto?! — sugeriu Junhae — Depois descobrimos o que teremos de fazer.
— Que tal o baile de primavera? — disse MinJu com animação — Está se aproximando a data.
— Isso é bom. Este ano quem vocês levaram? — perguntou Junhae — Lembrando que é o nosso último ano.
— Tem que ser com a garota. — enfatizou Hwang — A minha já está escolhida.
— E quem pretende levar? — perguntou MinSoo.
— Vou levar a YeJin. — ele tomou um pouco do chá que estava na sua xícara — Ela me entregou uma carta de amor na sexta, acho que devo dar uma chance.
— Ohhhhhh. — dizemos todos juntos.
— Carta de amor é legal, ela já te chama de oppa? — perguntou MiJun.
— Sim. — ele riu — Ainda me sinto sem jeito quando ela diz.
— Está apaixonado. — eu disse fazendo todos rirem.
— Eu vou levar Hari. — Junhae me olhou — Se o hyung me ajudar, ela ainda está brava comigo.
— É claro que vou. — assenti pegando mais um biscoito.
— Eu decidi levar Sooyong. — disse MinSoo — Ela é uma das garotas mais bonitas do segundo ano e entrou para o grupo das líderes de torcida.
— Não vai dar falsas esperanças para garota. — advertiu Junhae.
— É claro que não hyung. — ele fez cara de inocente nos fazendo rir.
— A minha não é novidade. — disse MiJun — Vou levar minha namorada Chohee.
— E o pai dela vai deixar? — perguntou Hwang — Sabemos que ele é muito bravo.
— Claro que vai, nada como uma garrafa de Soju para deixá-lo mais gentil.— ele riu baixo, já pegando outro biscoito — Estou descobrindo os pontos fracos dele aos poucos.
— Você é o único que não disse nada hyung. — MinSoo me olhou curioso.
— Aposto que ele vai leva a estrangeira. — comentou Junhae — Com tantas garotas mais bonitas e que estão caindo por ele.
— Verdade. — MiJun pegou mais um biscoito.
— Yah, fique calado. — eu olhei atravessado para Junhae — Quem levarei não interessa, de qualquer forma será a melhor garota da festa.
— É a estrangeira. — concluiu MinSoo fazendo todos rirem.
— Parem de falar dela. — protestei — Não sei se a levarei, e se for quero que se comportem perto dela.
— Você que manda hyung. — brincou Junhae batendo continência.
— Idiota. — ri de leve o olhando.

Passamos longas duas horas, conversando e jogando um pouco no xbox de Hwang, estávamos em uma competição de Mortal Kombat desta vez. Ao sairmos da casa de Hwang, eu convenci os outros a me acompanharem até a casa da minha mãe, eu tinha que devolver seu carro. Depois, fomos para o metrô, entre risos e mais brincadeiras sobre o que faríamos no baile, tínhamos que deixar nossa marca do Prince Line.

Aos poucos cada um parou em sua estação, quando cheguei em frente o edifício do apartamento do meu appa, dei um suspiro cansado, a cada dia estava ficando mais difícil de morar com ele. Porém, não tinha escolha, só podia passar os finais de semana com minha linda omma. Quando entrei no apartamento, fui direto para meu quarto, ouvi algumas vozes vinda do escritório do meu pai, com certeza ele estava com mais uma de suas “amigas”, queria poder fugir dessa realidade.

— Que bom, pelo menos não terei que ouvir sermão hoje. — sussurrei ao chegar na porta do meu quarto.

Me tranquei como de costume, joguei minha mochila no chão ao lado da cama e caminhei para o banheiro já tirando minha camisa do uniforme, tomei uma ducha quente e voltei para o quarto com a toalha enrolada em minha cintura. Caminhei até minha mochila e tirei meu celular dela, fiquei olhando para tela por um breve momento. Naquele instante eu tinha reparado que havia colocado a foto de como protetor de tela, ainda não me lembrava em que momento e o motivo de ter feito isso.

Fiquei alguns minutos olhando aquela foto e resolvi mandar uma mensagem a ela pelo kakaotalk, segurei o riso ao me lembrar dela gritando comigo no corredor. Mas este pensamento me trouxe aquela afirmação da qual vinha fugindo, eu estava mesmo apaixonado por ela.

— Sim. — caminhei até meu armário e abri a gaveta que ficava meus pijamas — Agora irei te conquistar de verdade, novata estrangeira. — eu ri de leve pegando minha calça de um pijama que tinha ganhado de minha omma, e imitando a voz dela — Meu nome é !

* - off *      

Não consegui dormir direito aquela noite, o que havia feito por mim, havia me deixado sem reação e sem palavras. Por duas vezes, havia sido defendida por ele, estranhamente meu coração acelerou ao me lembrar dele cuidando do meu joelho machucado. Apesar da culpa ser dele, inicialmente, ainda assim, foi um estranho fofo ele cuidar de mim, com tanta atenção.

“O mundo inteiro tenta me agitar
Até mesmo meus amigos tentam animar as coisas
Dizendo que você e eu
Ficamos bem juntos.”
- How Nice Would It Be / Lunafly

Me levantei da cama, toquei minha ducha matinal e coloquei meu uniforme, ouvi um barulho vindo do meu celular, era o despertador que não tinha desligado. Mexi um pouco nele quando percebi que tinha uma mensagem no kakaotalk para mim, abri o aplicativo e olhei.

“Espero que seu joelho não esteja mais doendo, te espero no portão da escola.
-

Sorriu de forma automática e meio boba, era admirável ele ter me enviado uma mensagem àquela hora da noite. Guardei o celular na mochila, saí do quarto ainda meio sonolenta e fui para cozinha.

— Querida, o que aconteceu? — minha omma estava colocando a jarra de suco na mesa, me olhou preocupada — Você nem quis jantar ontem.
— Desculpa omma. — eu sentei na cadeira e coloquei uma fatia do bolo de chocolate no meu prato — Estava sem fome, acho que é preocupação com a prova de hoje.
— Ah, sim, esta prova. — ela sorriu para mim — Espero que consiga fazê-la bem.
— Eu também, estudei muito. — despejei um pouco de leite no meu copo e misturei açúcar mesmo, comecei a comer permanecendo em silêncio.
— E este machucado aí? o que aconteceu? — ela veio toda preocupada olhar mais de perto.
— Eu caí, não prestei atenção. — odiava mentir para a mamãe, mas não iria dizer que sofri uma tentativa de bullying na escola — Não está mais doendo, está tudo bem.
— Tem certeza?! — ela continuou me olhando desconfiada.
— Sim. — assenti de imediato, realmente não estava doendo mais.
— Bom dia unnie, bom dia omma. — disse Jinho sorrindo.
— Nossa que animação. — disse minha mãe servindo um chocolate quente para ele — Bom dia para você meu pequeno ninja.
— Omma, teremos uma excursão, eu poderei ir? — ele pegou um pedaço do bolo e colocou no seu prato também e começou a comer.
— Claro, mais terei que saber mais sobre isto.
— Onde está o appa? — perguntou ele.
— Já saiu para o trabalho. — ela se sentou na cadeira em frente a mim e me olhou — Está muito calada hoje , isto é somente pela prova mesmo?
— Sim omma, estou tentando me manter concentrada.
— Ah, então coma bem, assim sua mente funcionará direito. — ela colocou alguns biscoitos no meu prato e no de Jinho — e você também pequeno ninja, comendo tudo para ir para escola.

Eu sempre me sentia bem quando minha omma cuidava de mim daquela forma, ela me fazia sorrir mesmo quando queria chorar. Minutos depois de terminar meu café, voltei ao banheiro e escovei meus dentes, peguei minha mochila, me despedi dos dois e saí. Estações depois cheguei na escola, o portão já estava aberto.

Poucos passos até o bloco onde ficava minha sala, me puxou pelo braço me levando para trás da quadra de basquete. Tentei me soltar, mas era sempre sem sucesso, ele estava com sua face séria, não me deixei intimidar, ficamos nos olhando por alguns instantes.

— Seu joelho melhorou?! — perguntou ele, direto e sério.
— Sim, não está mais doendo.
— Te vejo depois da prova. — ele se virou e seguiu em direção onde estava seus amigos.

Eu fiquei paralisada com aquilo, ele havia me levado para longe só para perguntar como estava meu joelho, e foi assim, sem me irritar ou fazer onda com a minha cara? Nem de novata estrangeira, ele me chamou.

— Aish, agora eu estou irritada, não acredito que estou preocupada com a forma dele me tratar. — respirei fundo e ouvi o sinal bater.

Tomei fôlego e corri até a sala, quando entrei felizmente o professor ainda não estava, caminhei até minha carteira e me sentei ficando em silêncio. se virou e ficou me olhando, ele mexeu no meu cabelo tentando chamar minha atenção para a realidade, mas eu não conseguia parar de pensar em tudo que tinha acontecido no dia anterior
.
? ? — disse ele.
— Hum?! — eu o olhei.
— Está tudo bem? — ele me olhou preocupado — Eu vi quando te arrastou até os fundos da quadra de basquete.
— Sim, ele só queria saber como estava meu joelho.
— Verdade, você não me contou como se machucou. — ele me olhou curioso.
— A história é longa e tem relação com o roubo de ontem.
— Sério?
— Sim.

Contei a em detalhes o que havia acontecido, desde a desavença no corredor dos armários até quando eu e descobrimos quem de fato era o ladrão. Assim como nós, ele também ficou revoltado por não podermos provar, contudo ficou ainda mais surpreso por ter tomado a culpa para si, para que eu não saísse prejudicada.

Foram três horas de prova, 120 questões e muita concentração de minha parte, quando terminei já estava sentindo que minha coluna não existia mais de tanta dor e desconforto. Saí da sala pouco depois de , ele estava no corredor me esperando com sua mochila meio caída no ombro direito.

— Então, como foi? — perguntou ele.
— Acho que não passarei vergonha. — eu brinquei um pouco caminhando até a sacada olhando o pátio — Para a primeira vez, posso declarar que sobrevivi.
— Com certeza, todos somos sobreviventes. — ele riu de mim me seguindo — Mas mesmo chegando depois, você estudou muito, trabalhou duro, então agora é esperar o resultado.
— Espero que seja um resultado positivo. — eu ajeitei a mochila no meu ombro e o olhei de leve sorrindo — Conto com isso para pedir um tablet novo aos meus pais.
— Good luck. — ele riu de leve virando sua atenção para o corredor.
— Vou precisar. — eu virei de costas para o pátio e encostei de leve na sacada.
— Hoje mais cedo ouvi alguns comentários sobre o baile de primavera.
— E pretende levar alguém? — eu o olhei ficando curiosa.
— Bem, eu estava pensando em convidar uma amiga, mas não sei se ela vai aceitar.
— Hum. — eu imaginava que essa amiga fosse eu, mas não queria levantar falsas esperanças, era um amigo e nada mais que isso — Mesmo não sabendo quem seja essa garota, eu te aconselho a convidar a Yuri, eu vejo os olhares dela para você.
— Nunca percebi. — ele desviou seu olhar para o chão.
— Mas deveria, acho que até sei porque ela não conversa comigo, acho que Yuri gosta de você.
— E você? — ele me olhou.
— Eu o que? — me senti um pouco intimidada com aquele olhar.
— Você vai ao baile? — ele reformulou a pergunta, acho que percebeu que eu havia entendido algo a mais.
— Não. — eu desviei meu olhar para a escada — Não gosto dessas coisas, para dizer a verdade nunca tive interesse em ir, nem quando eu morei na América.
— Que pena, seria legal se fosse. — disse ele num tom de frustração — Geralmente os bailes promovidos pela escola são divertidos.

Meu celular tocou, era uma mensagem de , olhei rapidamente e coloquei no bolso novamente.

— Preciso ir agora.
— Era o ? — ele voltou sua atenção para o chão novamente, seu olhar estava triste.
— Sim. — eu me afastei um pouco — Mas pense no que te falei, Yuri gosta mesmo de você, deveria dar uma chance a ela.

Me virei e segui pelo corredor, desci as escadas tranquilamente e caminhei em direção a quadra de basquete, chegando na porta, abri um pouco e entrei. Os garotos do time estavam treinando, pois os jogos do campeonato intercolegial deste ano estavam próximos. Haviam umas meninas sentadas na arquibancada, pareciam ser as líderes de torcida, elas além do professor de educação física/treinador Chang e sua auxiliar, eram as únicas que podiam ver o treino.

— Aluna , o que está fazendo aqui. — perguntou o treinador Chang — Este treino é fechado.
— Ah, aqui está você. — disse se aproximando — Bem na hora.
— O que ela faz aqui? — o treinador o olhou sério.
— Então treinador, o senhor disse que precisava de alguém para ser sua auxiliar nos treinos, aqui está ela. — me olhou com um sorriso nebuloso.
— O que? — dissemos eu e o treinador juntos.
— Isso mesmo. — confirmou segurando o riso.
— Bem, contando que esta aluna não atrapalhe. — o treinador se afastou indo para o centro da quadra.
— Que história é essa de auxiliar? — eu coloquei a mão na cintura o olhando séria.
— Você novamente está se superando em ficar bonita. — ele sorriu de canto.
— Não tem graça.
— Bem, eu te salvei lembra? Voltou a ficar em dívida comigo.
— O que? Preciso te lembrar que a culpa foi sua? Aquela louca fez isso por sua causa.
— Não importa… — ele continuou me olhando tranquilamente — Você precisa participar de no mínimo dois clubes, até agora você só entrou no grupo de estudos que nem sei o motivo… E como só podia escolher o segundo até ontem, ou então levaria um demérito, achei que deveria te ajudar.

Oh céus, aconteceram tantas coisas na minha vida em pouco tempo, que já estava me esquecendo dos pequenos detalhes daquela escola, além de suas chatas regras.

— Estou esperando.
— Esperando o que?
— Até se sentir confortável para me agradecer. — ele piscou de leve — Mais uma vez te salvei.

“Basta ficar como está,
A medida que você só olha para mim,
Eu nunca vou deixar você ir,
Apenas observe.”
- Growl / EXO



8. Colorful

“Eu quero dizer
Não sou um cara maneiro ou bonito
Eu sou apenas um honesto bad boy.”
- Ring Ding Dong / SHINee

Fiquei o olhando sem reação, enquanto se afastava indo em direção aos outros. Permaneci parada, ainda perto da porta olhando o treinador Chang orientar cada um deles. Após alguns minutos vendo eles trocando alguns passes dentro da quadra, o treinador se aproximou de mim com uma lista na mão.

— Aqui está. — ele esticou a lista.
— O que é isso? — eu peguei o papel olhando assustada.
— Este são os horários do treino e suas tarefas, no verso tem um pedido meu para que você possa se ausentar das aulas que precisar, para acompanhar os treinos quando necessário.
— Ah. — eu assenti meio sem reação novamente, acho que não estava preparada psicologicamente para aquilo.

Eu olhei novamente para lista e comecei a ler:

“Horário:
9am — 10am — treino leve*
1pm — 1:30pm — prática de arremesso*
4pm — 6pm — treino intenso*

Tarefas:
— manter toda a quadra limpa
— manter as bolas guardadas
— levar as toalhas para lavanderia
— auxiliar os jogadores com a hidratação, fazendo a manutenção das garrafas de água
— manter sigilo quanto aos treinos

* indispensável a presença da assistente”

— Legal, porque o asterisco se já deu pra perceber que terei que estar aqui em todos os treinos? — sussurrei de leve tentando absorver tudo aquilo.

Como aquele dia tinha sido reservado para a prova dos alunos do segundo ano, o time ficaria todo o horário dedicando-se aos treinos, e eu teria que ficar lá com eles. Dobrei o papel e guardei no bolso, coloquei minha mochila ao lado do armário das toalhas e fiquei olhando o treino mais um pouco, a cada cesta que eles faziam as líderes de torcida gritavam um pouco mais alto.

— Ei ajudante. — disse Minsoo.
— Hum?! — eu o olhei sem saber o que faria.
— Preciso de água. — ele segurou o riso.
— Eu também. — gritou Junhae após dar uma enterrada na cesta.
— Ok. — eu caminhei até a máquina de água e retirei duas garrafas e levei para eles — Aqui está. — disse entregando.
— Preciso de outra toalha, ajudante. — disse ao chegar perto, dando um sorriso de canto.
— Mais alguém quer mais alguma coisa? — eu disse segurando minha raiva.
— Precisamos comer alguma coisa, ajudante. — disse Hwang ao se aproximar — Você terá que ir pegar comida para nós.
— O que? — eu o olhei.
— Não podemos parar o treino. — explicou Hwang — Se quiser posso chamar o treinador.
— Não. — eu disse engolindo seco — Eu vou. — me afastei indo em direção à porta.
— Minha toalha. — riu baixo.

Respirei fundo indo até o armário, peguei uma toalha e levei até ele, joguei em sua cara com toda raiva que consegui reunir. Fui até a cantina, estava tão afundada em minha revolta que me distrai e trombei em uma pessoa.

— Mianheyo. — disse quase em sussurro.
— Sem problema . — disse .
— Oh, você. — eu sorri de leve.
— Sim. — ele me olhou curioso — O que estava fazendo na quadra?
— Hum. — eu me encolhi um pouco — Estou ajudando o time de basquete agora.
— Você gosta de basquete? — ele me olhou surpreso.
— Digamos que sempre tive curiosidade. — eu menti, mas por uma causa nobre, não queria dizer que era por causa de .
— Espero que consiga fazer um bom trabalho. — ele sorriu de leve.
— Eu também! — o olhei curiosa — E você? Não voltou para casa, porque?
— Me juntei ao clube de ciências. — explicou ele — Hoje foi nossa reunião sobre a feira de ciências que vamos organizar.
— Que legal. — o olhei admirada, até que me lembrei da minha missão — , tenho que ir agora, nos vemos amanhã.

Me afastei dele e segui. Quando cheguei na cantina, pedi a ajumma super simpática que separasse o lanche do time de basquete, ela havia preparado vários sanduíches para eles, ela me deu duas sacolas, uma com os sanduíches e a outra com as latas de suco.

— Aqui querida, este é para você. — disse ela colocando um embrulho feito com papel de alumínio dentro da sacola dos sanduíches.
— O que é ajumma? — perguntei a ela.
— Um bolo de cenoura, espero que goste.
— Oh, não precisava.
— Ah. — ela sorriu para mim — Você me parece ser uma menina muito especial, é para adoçar seu dia.
— Obrigada ajumma, comerei feliz. — eu sorri de volta e me afastei dela.

Retornando, andei um pouco devagar olhando para o céu, estava um dia lindo e ensolarado, ao chegar perto da quadra ouvi alguns risos vindo de dentro e quando entrei, eles já estavam sentados no chão no centro da quadra com as líderes de torcida comendo, fiquei paralisada por um tempo.

Meus olhos se encheram de lágrimas, deixei as sacolas caírem de repente e eles olharam para mim. Não consegui continuar ali, estava muito chateada com aquilo, saí correndo da quadra antes mesmo que eles pudessem dizer alguma coisa.

* - on *

No momento em que vi as lágrimas se formarem em seus olhos senti meu coração apertar um pouco, acho que havia exagerado demais naquela brincadeira, não sabia o que havia dado em mim. Eu era mesmo um babaca, sempre errado ao invés de acertar.

Me levantei automaticamente e saí correndo atrás dela, não sabia onde procurá-la primeiro, corri por toda a escola meio desesperado. Parei no meio do pátio para recuperar meu fôlego sem saber o que fazer, eu tinha magoado ela mais uma vez e desta vez, eu não estava feliz com o resultado final.

hyung. — gritou Junhae correndo até mim — Encontrou ela?
— Não. — eu desviei meus olhos para o chão.
— Não precisa se explicar, já entendemos o que sente por ela, hyung. — ele colocou a mão direita no meu ombro — Vamos procurar juntos de novo.
— Junhae?! — eu o olhei surpreso.
— Prince Line toda. — ele se afastou um pouco e eu pude ver os outros de longe nos olhando — A escola não é tão grande assim, vamos achá-la.
— Sim. — eu assenti agradecendo a ajuda.

Cada um correndo em uma direção olhando de sala em sala, de repente eu me lembrei que não havia ido a biblioteca antes, estava tão desesperado que nem estava pensando direito. Quando entrei na biblioteca a ajumma veio até mim em silêncio, ela apontou para o fundo, já estava entendendo o que ela queria me dizer, aquela ajumma era muito gentil comigo e sempre me ajudava quando eu precisava.

Pedi a ela para não deixar ninguém entrar e me afastei, segui em silêncio até o fundo, ela estava sentada no chão abraçada aos seus joelhos chorando. Parei em sua frente e fiquei a olhando por um tempo, estava pensando no que iria falar para ela, não sabia como me desculpar. Nunca havia pedido desculpas a uma garota antes, acho que este meu lado malvado estava entrando em conflito comigo, este era o lado do meu pai que eu odiava, mas havia herdado também.

.

* - off *

“Você é a garota que me deixa inquieto sempre que te vejo.”
- Bad / Infinite

Aquela era a primeira vez que ele havia falado meu nome, senti meu corpo arrepiar quando ouvi sua voz. Mesmo chorando, chateada, aquela única palavra tinha me aquecido por dentro, levantei minha face e o olhei deixando algumas lágrimas caírem.

— O que está fazendo aqui? — eu fixei meus olhos nos dele — Veio rir de mim de novo?
— Não. — ele pegou em minha mão e me puxou de repente.

Meu corpo levantou com seu impulso indo em direção ao corpo dele, ao ficarmos bem próximos me abraçou imediatamente de forma suave. Eu não deveria demonstrar fraqueza, mas seu abraço era tão acolhedor que desabei em lágrimas novamente.

Não acreditava naquilo, como ele conseguia fazer eu me sentir tão mal e depois tão bem, não conseguia entender como ele tinha esse controle sobre mim, e isso me deixava ainda mais irritada e intrigada com ele. Ficamos por um tempo abraçados, até que ele se afastou um pouco e secou minhas lágrimas com sua mão suavemente, seu olhar era tão encantador que me fazia esquecer de tudo.

— Vamos, o treino ainda não terminou.
— Ah?! — eu o olhei de novo sem reação, isso já estava virando um costume, ele fazia isso comigo.

Ele sorriu de canto, que sorriso, vontade de matar ele de tão lindo, segurou em minha mão e me guiou em direção à saída. Quando entramos na quadra, as sacolas não estavam mais no chão e os amigos dele estavam treinando naturalmente como se nada tivesse acontecido.

O treinador estava monitorando os passes deles atentamente, soltou minha mão de forma discreta e correu para o centro da quadra. Eu fiquei no canto olhando até que o treinador se aproximou de mim ainda atento aos meninos.

— Espero que não esteja muito cansada.
— Não, não estou. — eu desviei meu olhar colocando a mão na barriga, estava sentindo fome.
— Não comeu ainda não é? — perguntou ele.
— Não.
— Vá se alimentar na minha sala, os meninos deixaram seu lanche lá.

Eu assenti meio admirada e corri até a sala dele, ao entrar perto da mesa da porta estava meu bolo de cenoura, um sanduíche e uma lata de suco me esperando, meus olhos brilharam de imediato. Puxei a cadeira e me sentei, nada como a comida para me fazer esquecer . Quando estava terminando me virei para porta e lá estava ele encostado na porta, meu pesadelo.

— Estava gostoso o bolo? — perguntou ele.
— Sim. — eu desviei meu olhar para a lata de suco na minha frente não dando importância para ele.
— Que bom, fui eu quem pediu para ajumma fazer para você.
— Hum?! — eu o olhei novamente meio surpresa — Você?!
— Sim. — ele sorriu de canto — Disse a ela que uma garota especial iria buscar.
?! — eu sussurrei.
— Agora que já terminou seu lanche, ainda tem tarefas a cumprir. — ele se afastou um pouco da porta — O treino acabou e a quadra deve ficar organizada.

Ele saiu mantendo aquele sorriso em sua face, e eu fiquei novamente indignada com ele, como uma mãe tão simpática e fofa como a ajumma Seohyun pode ter um filho como ele? E como eu, depois de tudo poderia ficar encantada com aquele sorriso? Comecei a fica indignada comigo mesma.

— Babaca. — eu sussurrei.

Ele era mesmo um pabo20, que me fazia ficar maluca e irritada a todo momento. Joguei as embalagens do lanche no lixo e saí da sala do treinador, todos os jogadores e as líderes de torcida estavam sentados conversando na arquibancada. Exceto MinSoo estava em pé no canto com uma menina também do segundo ano chamada Sooyong, ela tinha entrado recentemente para o grupo das líderes de torcida.

Eles ficaram em silêncio quando me viram, respirei fundo e comecei a juntar as toalhas primeiro, andando de uma ponta a outra da quadra, parecia que eles tinham espalhado as toalhas de propósito, e isso não era surpresa para mim. Depois que coloquei todas as toalhas no cesto, passei para as bolas que também estavam espalhadas.

Permaneci em silêncio todo o tempo com eles olhando para mim entre risos e cochichos, aquilo me dava uma raiva, mas preferi manter minha tranquilidade mínima e continuar minha tarefa. Felizmente a única coisa que não precisava fazer, era varrer ou limpar a quadra, isso o zelador faria com uma máquina apropriada.

Voltei para a sala do treinador e comecei a organizá-la, o que me levou a pensar como ele conseguia se localizar no meio de tantos papeis soltos pela mesa. Assim que terminei, percebi um silêncio estranho do lado de fora, saindo da sala, vi que todos já haviam ido embora. Peguei minha mochila e dei alguns passos em direção à porta, até que me pegou pela mão me virando.

— Aonde está indo? — perguntou ele.
— Para casa.
— Você ainda não terminou. — ele mostrou a bola em sua mão.
— É sério isso? — eu o olhei respirando fundo para não bater nele.
— Você quer? — ele sorriu esticando a bola.
— Não vou jogar seu jogo infantil. — eu tentei pegar, mas ele fez um movimento de jogo se desviando de mim.
— Assim você me ofende. — ele se posicionou e lançou a bola, que caiu perfeitamente dentro da cesta — Se tivesse pedido, eu te daria a bola. — ele piscou de leve para mim e saiu rindo.
— Aish, babaca. — eu gritei extravasando minha raiva acumulada durante o dia todo.

Caminhei bufando até a bola e a peguei, segurei algumas palavras de xingamento e soltei outras, coloquei a bola no lugar e saí da quadra, fechando a porta. Eu o avistei de longe saindo pelo portão com seus amigos e aquelas garotas que me enojam, acho que agora eu entendia o porquê de nunca gostava de líderes de torcida.

Demorei um pouco para chegar no metrô, meus passos estavam bem lentos e minha atenção bem longe dali, pela primeira vez não estava pensando em nada relacionado ao pesadelo. Assim que me sentei na cadeira do vagão que entrei uma pessoa sentou ao meu lado, olhei automaticamente.

— Aish. — porque eu olhei.

permaneceu em silêncio, estava com fone no ouvido, fechou seus olhos tranquilamente agindo com naturalidade. Como ele conseguia fazer aquilo mesmo? Me deixava irritada e odeio admitir, fascinada ao mesmo tempo, intrigada a todo momento. Quando chegou na minha estação, eu me levantei e ele também, fiquei calada para ver o que ele iria fazer.

E como eu previ, ele saiu atrás de mim e ficou me seguindo, eu parei e me virei o olhando, ele parou e ficou me encarando ainda com seus fones no ouvido. Seu rosto suave, seu olhar envolvente, um sorriso se formando no canto da boca, respirei fundo e me aproximei dele, retirei seus fone.

— Está me seguindo?
— Não. — ele pegou os fones e guardou na mochila — Estou te acompanhando.
— Como?!
— Acha mesmo que te deixaria ir para casa sozinha? — ele me olhou sério e pegou em minha mão — Vamos antes que seus pais fiquem preocupados, vou te levar até a porta.

Por essa eu não esperava mesmo, inacreditável seria a palavra certa. E como dito, ele me acompanhou até a porta do apartamento. Quando eu abri, fiquei meio sem graça de não convidar ele para entrar, mesmo me fazendo raiva, eu queria agradecer por ter me acompanhado, e meus pais iriam gostar de ver ele.

— Omma, appa!? — eu disse ao entrar.
— Ah, querida, que bom que chegou. — disse minha mãe vindo da cozinha com uma forma com biscoitos — Oh, .
— Ele me acompanhou hoje omma. — eu expliquei meio com vergonha.
— Fico feliz por ter vindo. — ela me olhou — Mas porque ele te acompanhou?
— Sua filha se inscreveu para ser auxiliar do treinador no clube de basquete. — ele respondeu tranquilamente como se fosse a coisa mais normal do mundo, cínico.
— É! — eu concordei meio que automaticamente.
— Que legal, seu pai vai ficar feliz, ele jogou basquete nos tempos de colegial. — ela sorriu animada — Eu vou colocar os biscoitos em uma bandeja melhor, você vai ficar para o jantar não é ?
— Não, não quero incomodar.
— Incômodo nenhum, faço questão. — ela se virou indo para cozinha.
— Hyung. — gritou meu irmão correndo em direção a ele.
— Nada de correr. — repreendeu minha mãe do corredor.
— Desculpa omma. — Jinho riu — Hyung, veio jogar comigo?
— Não exatamente, mas podemos fazer isso agora.
— Legal. — Jinho ligou seu xbox animado e se sentou no chão pegando uma almofada para apoiar suas costas melhor, no sofá.

Naquele momento eu percebi que já estava totalmente fora de foco, e me virei em direção ao corredor dos quartos.

— Não demora. — disse com sua atenção na televisão.

Eu ri alto enquanto caminhava, entrei no meu quarto colocando minha mochila em cima da cama, peguei uma roupa aleatória e fui em direção ao banheiro. Tomei uma ducha rápida e coloquei a roupa no banheiro mesmo, quando saí estava na porta de braços cruzados me olhando.

Por causa de você, meu coração é colorido
No mundo em preto e escuro, no momento em que tento fechar meus olhos
Você faz minha vida colorida.
- Colorful / SHINee

Dicionário Coreano:
19. sassaeng: fã obcecada que persegue a pessoa/artista em todos os lugares.
20. pabo: bobo/tolo


9. Last Romeo

“Não ligo se é veneno, tomo tranquilamente
Nenhuma tentação pode ser mais doce ou forte que você.”
- Last Romeo / Infinite

— O que está fazendo parado aqui? — perguntei a ele.
— Você demorou. — ele riu de canto — Sua mãe está chamando para o jantar.

Eu segurei o riso para não dar motivos a ele, fomos juntos para sala de jantar e nos sentamos à mesa. Omma tinha feito lasanha à bolonhesa, arroz branco e salada, bem simples para ela que adorava caprichar quando o assunto era receber visitas para o jantar.

— Onde está meu appa? — perguntei.
— Ele teve que viajar de última hora para Busan. — ela serviu o prato de primeiro, e sorriu disfarçadamente — Assuntos da empresa.

Aquele sorriso já me dizia que ela não estava gostando muito daquilo, realmente omma sempre detestava quando meu pai se ausentava pela empresa, principalmente por nossa causa. Esse era um dos principais motivos de nos mudar tanto, ela queria que meu pai acompanhasse a todo custo nosso crescimento, mesmo que isso custasse um preço.

— Obrigado ajumma. — ele sorriu de leve pegando o prato das mãos dela.
— Espero que goste. — omma serviu o prato de Jinho em seguida, enquanto eu me servia.
— Tenho certeza que vou. — a olhou — O cheiro está maravilhoso.
— Omma é a melhor na cozinha. — comentei de forma espontânea.
— Não posso dizer isso, tenho minha mãe… — sussurrou ele rindo baixo.

Confesso, ele sabia ser fofo e gentil quando queria, somente com as outras pessoas, mas era legal ver como ele tratava minha omma. Após o jantar, o acompanhei até a portaria a pedido da minha mãe.

— Obrigado. — disse ao sairmos do prédio.
— Por te acompanhar ou por sua mãe ter ficado animada com sua entrada para o clube de basquete?
— Vamos fazer um pacote fechado para todos os obrigado que ainda te devo.
— Pacote fechado. — ele sussurrou rindo, depois voltou a me olhar tranquilamente — Então…
— Então?!
— Não está mais zangada?! Pelo clube?!
— Ainda estou, mas de qualquer forma teria que entrar em algum mesmo. — cruzei meus braços mantendo meu olhar nele, séria.

Me dei por vencida desta vez, mas a guerra não havia terminado, eu ainda pensaria em como dar o troco nele, por tudo que estava me fazendo passar desde o início.

— Que bom. — ele sorriu de forma fofa, que não imaginava que pudesse — Me desculpe…

O que?! Ele pedindo desculpas?

— Pelo que? — o olhei surpresa.
— Pacote fechado. — ele se virou e saiu sem dizer mais nada.

Permaneci mais alguns instantes o olhando ir, paralisada. Pacote fechado?! O que aquilo significava?? Quando voltei para o apartamento, minha omma já estava terminando te arrumar a cozinha, ela ficou me olhando de forma esquisita segurando o riso.

— O que foi omma? — eu a olhei.
— Posso te fazer uma pergunta? — ela guardou o último prato no armário e me olhou.
— Pode.
— Você está gostando do ?

Aquela pergunta tinha me pegado de surpresa, e eu não sabia o que responderia a ela.

* - on *

Fiquei um tempo vagando pelas ruas, queria demorar o máximo de tempo possível até ir para casa, eu já estava considerando menos aquele lugar, não era mais um lar, e agora se tornou menos ainda uma casa. Retirei o celular do bolso e enviei uma mensagem a Junhae, pedi que me encontrasse na lojinha de games que descobrimos na quinta série, aquele havia se tornado nosso refúgio de todas as horas.

— Uahhh, pra me mandar uma mensagem a essa hora… — disse ele ao chegar já jogando sua mochila ao meu lado no sofá onde estava sentado — Brigou de novo com seu pai?
— Não. — me inclinei um pouco encostando nas almofadas e fechei meus olhos — Nem fui pra casa ainda.
— Não foi pra casa? — seu tom de surpresa era esperado — Onde estava todo esse tempo? Na escola? Com sua mãe?
— Não. — sussurrei desanimado — Estava na casa dela.
— Notava estrangeira?
— O nome dela é . — o corrigi, levemente me lembrei dela dizendo essa frase, o que me fez soltar um sorriso espontâneo.
— Você está se tornando muito próximo dela. — comentou ele, senti seu movimento, parecia se sentar na poltrona ao lado — Está ficando perigoso.
— E eu não sei. — suspirei fraco — Sinto que não sou capaz de me manter longe dela, mas não acho que…
— Vai quebrar aquela promessa? — perguntou.
— O que acha?! — abri meus olhos e o olhei.
— Está no seu olhar, só não admitiu ainda. — ele tentou não rir sem sucesso — Hyung, deixe de se torturar, não será como ele.
— Tento repetir isso todos os dias para mim mesmo. — me espreguicei no sofá e olhei para a luminária do teto — Não acredito que isso está acontecendo comigo.
— Acho que ainda demorou muito. — ele riu.
— Aish… É doloroso confessar… Mas estou realmente apaixonado por ela.

Junhae permaneceu em silêncio, então se levantou e foi até a mesa de pebolim.

— Yah, levante daí e venha jogar. — reclamou ele — Não podemos perder a oportunidade de estar aqui e não rolar nem uma partida.

Eu ri dele e me levantei. Meu amigo conseguia ser mais viciado em jogos do que eu, seu sonho era se tornar um jogador profissional de League of Legends, mas seria difícil ajumma Nya permitir isso. Passamos mais alguns minutos jogando, até que Junhae me aconselhou a voltar para casa, eu já estava acumulando muitos problemas com meu pai e certamente, a notícia do roubo das provas haviam chegado até ele.

Senti meu corpo cansado assim que entrei no elevador, ao entrar na cobertura estranhei sua ausência, não me importei de imediato, quanto mais longe melhor para mim. Segui direto para meu quarto, joguei minha mochila em cima da cama e desci novamente indo em direção a cozinha. Peguei uma lata de coca e fechei a geladeira, rindo da cara dela quando falei sobre o clube de basquete para sua mãe, era divertido suas reações quando estava perto da família. Ainda me lembro da sua cara quando fui em sua casa pela primeiro vez.

— Por que tudo me faz pensar em você?! — sussurrei ao caminhar até o armário, peguei um pacote de salgadinho e me virei em direção a porta.

Meu sorriso se desfez na mesma hora, uma das muitas “amigas” do meu pai estava na porta com uma garrafa de soju nas mão direita com um sorriso meio sem graça. Meu pai entrou atrás dela rindo de alguma coisa, mas seu sorriso também se desfez ao me vez.

— Oh, filho, não sabia que ainda estava acordado. — seu tom era um pouco desconcertado.
— DongHo, eu vou te esperar no escritório. — a mulher se curvou de leve e saiu.

Eu permaneci em silêncio com minha face séria olhando meu pai, tentava não demonstrar em meu olhar a raiva que ainda sentia dele, quando me movi para sair da cozinha, ele segurou em meu braço.

— Temos que conversar.
— Não tenho nada para falar. — disse mantendo meu olhar para frente.
— Seu tio me falou sobre o roubo das provas e sobre uma garota envolvida. — ele começou tentando manter sua voz baixa.
— Não falarei sobre isso com você. — eu me solte e deu mais dois passos para frente — Só estou aqui, por que minha irmã não merece viver nesta casa.
— Olha como fala comigo. — ele alterou sua voz — Sou seu pai e me deve respeito.
— O senhor também devia respeito a minha mãe. — eu saí da cozinha o deixando sozinho.

Não me importava se ele iria me tirar o pouco dinheiro que me dava mensalmente ou se iria me trancar em algum internato, eu não o tinha mais como meu pai. Entrei no meu quarto e tranquei a porta, senti algumas lágrimas de raiva sair de meus olhos, coloquei a lata e o pacote em cima da escrivaninha e retirei meu celular que estava no bolso. Olhei para minha mão e ela estava tremendo, respirei fundo, sentia lá no fundo que as palavras que disse para meu pai eram as que eu queria dizer a muito tempo.

Desbloqueei a tela e olhei para a foto de no papel de parede, disquei o número dela e liguei.

— Yeobosseyo! — sua voz continuava atraente ao telefone, era doce como a da minha mãe e delicada como da minha irmã, eu gostava disso, ela de alguma forma me lembrava as duas mulheres da minha vida.

Eu desliguei o telefone, respirei fundo e liguei novamente, percebi um leve riso saindo espontaneamente de mim.

— Yeobosseyo!? — ela disse novamente, eu permaneci em silêncio, senti mais algumas lágrimas caindo de meus olhos — ?!

Ela sabia que era eu, tinha a opção de desligar, mas mesmo assim ela continuou na linha, mesmo sem eu dizer uma só palavra. Por que? Por que ela continuava sendo tão boa para mim?!

* - off *

“Apenas deixe-me ficar ao seu lado
Não importa como você pense (é você).”
- My Answer / EXO

Eu me mantive meio sem reação a pergunta da minha mãe, desconversei no início e a deixei sem resposta, afinal, nem eu mesma sabia a resposta. A deixei na cozinha terminando de guardar os pratos e fui para meu quarto, assim que abri a porta meu celular tocou, o peguei no bolso de fora da mochila e olhei, era ele, será que queria dizer que tinha chegado em segurança?

— Yeobosseyo!  — disse naturalmente.

Em menos de cinco segundos ele desligou, eu não entendi por que, mas se tratando de , certamente ele estava fazendo alguma brincadeira sem graça comigo. O celular tocou novamente e outra vez era ele, pensei em desligar na sua cara, mas resolvi atender, afinal talvez a ligação pudesse ter caído. Ele ainda tinha o benefício da dúvida.

— Yeobosseyo?! — disse novamente num tom calmo, ele permaneceu em silêncio, eu comecei a notar bem lá no fundo que alguma coisa estava errada, que ele não estava bem, como se estivesse precisando de companhia — ?! — disse seu nome.

Eu poderia desligar, mas não, senti que não deveria, talvez ele tivesse brigado com seu pai e quisesse desabafar com alguém que não fosse seus amigos, ou que só precisava ouvir minha voz para se sentir mais confortável. Eu não sabia o que estava acontecendo com ele, mas não desligaria aquela ligação até que ele fizesse antes de mim.

, eu… — nem sabia o que dizer — Não sei porque me ligou, mas espero que tenha se divertido hoje no jantar, aqui.

Eu não sabia mesmo o que dizer, ficamos longos minutos em silêncio, um ouvindo a respiração do outro, e parecia estar em sincronia.

— Hum, … — hesitei um pouco, mas tinha que falar, olhei para o relógio na cabeceira da minha cama e já passava de meia noite — Ainda temos aula ao acordar, mas eu não irei desligar até você desligar.

Demorou mais alguns minutos até que ele encerrou a ligação, senti meu coração na mão, queria entender o que ele estava passando, mas não sabia nem mesmo entender o que eu estava sentindo. A pergunta da minha mãe voltou em minha mente, o que eu sentia por ? Será que ficar mais de uma hora no telefone sem dizer uma só palavra poderia ser definido como amizade? Será que talvez ele quisesse bem mais que amizade?

 — Não, não, não… — balancei a cabeça tentando me livrar de qualquer pensamento sobre ele e suas possíveis segundas intenções — , hora de dormir, somente dormir e nada mais.

Troquei minha roupa e me deitei, fechei meus olhos uma vez e a imagem dele invadiu minha mente, abri os olhos e respirei fundo, estava com medo de dormir e acabar sonhando com ele.

seu bobo, não posso me apaixonar por você. — sussurrei ao apagar a luz do meu abajur.

Dormi tranquilamente e por ironia não sonhei com ele, não consegui definir se era alívio ou frustração, mas acordei descansada e preparada para mais um dia de aula. Me espreguicei de leve ao levantar da cama e fui direto para o banheiro, estava criando um leve hábito de tomar uma ducha quente antes de ir para aula quando acordava cedo. Por incrível que pareça, mesmo indo dormir tarde eu havia acordado antes do despertador tocar.

Ao retornar para o quarto coloquei o uniforme e calcei meu inseparável all star, verifiquei se tudo que precisava estava na mochila. Foi então que me lembrei das duas cartas que havia encontrado no meu armário, tantos acontecimentos causados por que já estava me esquecendo daquilo. Pensei alguns tempo em lê-las, mas ao olhar para o celular, vi que não dava tempo para mais nada, então as coloquei de volta no fundo da mochila e saí do quarto.

Minha mãe já estava cantarolando na cozinha enquanto preparava o café, Jinho estava sentado à mesa saboreando seu chocolate quente.

— Omma!  — disse meio empolgada, peguei um cookie que estava no prato de Jinho — Não ficarei para o café, tenho que chegar mais cedo hoje.
— Noona, pegue um que não seja meu. — reclamou Jinho.
— O seu vem com amor dobrado. — retruquei dando um sorriso para ele.
— Está animada, vai mais cedo por que? Vai encontrar ? — insinuou ela com um sorriso malicioso no rosto.
— Omma?! Não. — eu desviei meu olhar para meu celular que estava na mão esquerda e olhei a hora —Tem reunião do clube de basquete e eu devo participar.
— Sei. — ela me lançou um olhar desconfiada — Vá em segurança.
— Até mais tarde. — eu sorri e pegando outro cookie do prato de Jinho saí correndo.

Corri até a estação de metrô, após esperar alguns minutos, entrei no segundo vagão e lá estavam os membros da Prince Line rindo de alguma coisa. Exceto que estava encostado na janela em silêncio com seu headfone no ouvido.  Permaneci onde estava e fingi que não tinha visto eles, quando parou na estação da escola, desci primeiro e tentei andar o mais rápido de pude. De repente senti uma mão segurar a minha, olhei para o lado era .

— Bom dia.  — disse em sussurro.
— Bom dia. — disse ele olhando pra trás, seus amigos já estavam se aproximando — Espero que tenha dormido bem.

Ele sorriu de canto como se respondesse positivamente a minha pergunta, o que honestamente me deixou aliviada e feliz por aquilo. Caminhamos lentamente em silêncio o resto do caminho, deixando seus amigos nos ultrapassaram permanecendo a alguns passos na nossa frente. Discretamente eu olhava para ele, tentando decifrar aquele olhar sereno e concentrado que mantinha, foi quando me dei conta que ainda estávamos de mãos dadas. Eu me soltei dele e cruzei os braços deliberadamente.

— Está com medo que fale algo sobre nós?! — ele riu baixo.
— Não é isso, ou melhor, não teriam nada para falar. — respondi — Não há nada entre nós.

Senti uma forte convicção em minha voz.

— Hum… — ele virou a face para o lado — Se você diz.
— Porque sempre diz essa frase? — o olhei curiosa.
— O que gostaria que eu dissesse? — ele parou e me olhou — Acaso que ser minha namorada?! — um sorriso de canto malicioso surgiu no canto do seu rosto.
— O que?! — fiquei um tanto atordoada com aquilo, me voltei para frente e segui primeiro.

Estava um tanto perplexa com aquela pergunta cheia de suposições. Ele se manteve dois passos atrás de mim, entre risos baixos aleatórios. Assim que chegamos na quadra o professor já estava a nossa espera. Os garotos sentaram na arquibancada e o treinador começou seu discurso sobre o primeiro jogo e o início do campeonato intercolegial. Fiquei encostada nos armário ouvindo tudo aquilo também, até que deu a hora de eu ir para a sala e pedi para sair da quadra.

Quando entrei na sala, já estava sentado em sua carteira escrevendo alguma coisa no caderno, como sempre suas anotações superavam as minhas, caminhei até lá e me sentei atrás dele como sempre.

— Bom dia. — disse meio sem jeito.
— Bom dia. — ele se virou para trás e sorrio de leve — Então como está indo com o clube de basquete?
— Comecei ontem, então, não tem muita novidade, mas acho que vou sobreviver. — eu ri e ele riu também — E você? Já convidou a garota que queria para o baile?
— Ainda não. — ele desviou seu olhar para a mesa — Ainda estou tomando coragem, não sei se ela vai querer ir comigo.
— Que garota seria louca de não querer ir com você? — eu ri de leve — Espero que ela aceite.
— E você?
— Eu o que?
— Acha que alguém vai te convidar? — ele respirou fundo, parecia ter medo da resposta.
— Não sei, mas eu não iria mesmo.
— E se te convidar? — ele me olhou sério.
— Definitivamente eu não iria.
— Bom dia alunos. — disse o professor Han ao entrar na sala  — Quem está curioso para saber como foram as notas? — ele deu um sorriso tão fofo que vários suspiros surgiram pela sala.

Eu também suspirei baixo, vi rindo ao se virar para frente, tinha que admitir que o professor Han era mesmo de causar suspiros. A aula foi bem produtiva e engraçada, com vários comentários a parte de , no intervalo eu e resolvemos ficar na biblioteca estudando juntos, já que agora eu estava no clube de basquete, tinha que estudar dobrado nas horas vagas. E por falar em horas vagas, meu horário após este segundo intervalo seria na quadra.

— Podemos ter uma pausa, não aguento mais arquitetura barroca.
— Estamos estudando literatura clássica. — ele riu.
— Viu, nem minha mente está sabendo mais o que eu estou lendo. — eu ri junto.
— Ah, aqui está você. — disse ao se aproximar do sofá onde estávamos sentados.
— O que está fazendo aqui?
— Vim te buscar para o treino. — ele parou na minha frente — Ah, oi, .
— Oi. — o olhou sério.
— Hum, vai ao baile ? — perguntou ele.
— Por que quer saber? — estava com um tom de voz áspera e fria, eu já sabia que ele não gostava de .
— Por nada, é que eu vou com a , e certamente ela iria gostar de ter um amigo por lá, caso fique entediada com as líderes de torcida.
— Eu vou? — olhei surpresa para — Não, eu não vou.
— Vai sim.  — pegou minha mão e me puxou para perto dele — Todos os integrantes do time de basquete estão convocados e você vai comigo, o capitão do time.

O que?!
Eu olhei para sem saber o que dizer, vi uma certa decepção em seu olhar, mas antes que pudesse dizer algo, me puxou para sair de lá. Fui um pouco contrariada, mas não tinha outra escolha, fiquei sentada na arquibancada vendo eles treinando, estava tão disposto correndo de uma ponta da quadra a outra fazendo cestas. Nem parecia que tinha me ligado na noite anterior, com traços depressivos.

“Agora na minha frente existem duas pessoas brilhantes,
E eu que estou agindo pobremente,
Embora eu tente me repreender por ser um idiota,
Meu coração continua se curvando na sua direção.”
- Aside / SHINee



10. My Little Princess

“Por favor, permita-me entrar,
Em seu coração, a qualquer hora que eu quiser.”
- My little princess / TVXQ (DBSK)

— Que tédio. — sussurrei vendo eles fazendo uma sequência de cestas de três pontos, respirei fundo me lembrando vagamente das cartas que estavam na minha mochila.

Desci da arquibancada e caminhei até a sala do treinador, assim que sentei em sua cadeira, abri minha mochila e retirei as duas cartas. Já tinha visto em alguns doramas colegiais, sobre essas cartas de confissão que os alunos entregavam, o que me deixou intrigada ao receber duas, que possivelmente poderiam ser da mesma pessoa. Um sorriso escapou dos meus lábios, era a primeira vez que teoricamente um garoto confessava pra mim, o que me levou a pensar que o remetente pudesse ser o .

— Hum… Que frio na barriga. — ri baixo já abrindo a primeira com escrita com a data da semana passada — Vejamos…

Comecei a ler:

“Não sei como começar esta carta, mas sei que desde a primeira vez que a vi na secretaria, meu coração acelerou de forma inesperada. Gostaria de me confessar pessoalmente, mas não tenho coragem suficiente para isso…

Posso te chamar de Nalla?

ass: PJM”

Eu ri de imediato, achei aquela confissão fofa. Dobrei a primeira carta e guardei na mochila novamente, então assim que abri a segunda carta, a porta se abriu junto, então me levantei no susto e abaixei a mão.

— O treino já terminou? — o olhei.
— Sim. — respondeu ele encostando na porta e cruzando os braços — O que estava fazendo aqui?
— Fiquei entediada de ver vocês jogando. — respondi tranquilamente.
— Entediada? Que garota fica entediada de me ver jogando? — ele me olhou confuso e meio indignado.
— Prazer, novata estrangeira. — disse de forma irônica e pisquei de leve.

Ele começou a rir de imediato, uma risada espontânea.

— Se o treino já terminou, porque não foi embora? — perguntei curiosa.
— Já escureceu, não poderia te deixar ir embora sozinha. — ele se afastou da porta e deu alguns passos até mim, me olhando de forma avaliativa.
— Está preocupado comigo? — sorri de leve.
— Não. — manteve seu olhar atento em mim — Você faz parte do clube de basquete, eu sou o capitão do time, de certa forma sou meio responsável por você.
— Meio?! — não me contive em rir.
— O que está tentando me esconder? — ele se aproximou mais e em instantes pegou a carta da minha mão — O que é isso?
— Me devolve. — disse tentando pegar sem sucesso.
— Não. — ele deu alguns passos para trás — Sem antes me dizer o que é isso.
— Não é da sua conta. — permaneci séria.
— É uma carta de confissão? — ele elevou a carta até a luz para conseguir ler.
— Ei. — elevei minha voz — Isso é invasão de privacidade.
— Quem é PJM? — ele me olhou novamente entregando a carta.
— Por que quer saber? — peguei logo e guardei na mochila — Está com ciúmes?
— Ciúmes? Eu? — ele coçou a cabeça me olhando meio desconsertado — Por que teria ciúmes de você?

Eu ri, estava estampado no olhar dele. Confesso que não havia nem sequer namorado antes, mas ver ali na minha frente, naquela situação. Foi um tanto embaraçoso e engraçado para mim, porém no fundo, achei estranhamente fofo.

— Sei. — ajeitei a mochila nas costas — Estou indo e não precisa me levar, não está tão tarde assim e não vou pra casa agora.
— Como assim não vai para casa? — ele cruzou os braços.
— Simplesmente não vou. — sorri — E como você não está com ciúmes de mim, não precisa saber o motivo.

Pisquei de leve e sair segurando o riso.
Sim, eu realmente não voltaria para casa. Descobri recentemente que sábado seria o aniversário de , então compraria um presente para meu mais novo amigo, só não sabia o que comprar. Fui até o shopping mais famoso de Daejon, após olhar algumas vitrines com a leve sensação de que estava sendo seguida, retirei o celular do bolso e conferi se Lira havia me respondido. Ela era ótima em me dar dicas para presentes, tinha certeza que havia pensado em algo para me ajudar.

— Vejamos. — sussurrei ao olhar — Mangás... Livros… já tem tudo isso…

Continuei olhando a lista de sugestões dela, até que cheguei ao item “caneca personalizada”, não era de todo uma má ideia. Me aproximei do segurança e perguntei se teria uma loja nessa especialidade, segui na direção indicada e adentrei na loja, tinha várias canecas e outros objetos todos serigrafados e personalizados. Logo me lembrei que gostava de fotografia, então tive uma ideia legal.

— E vai demorar quanto tempo para ficar pronto? — perguntei assim que expliquei a atendente o que eu queria.
— Sábado. — respondeu ela com segurança.
— Hum… Acho que terei que vir aqui antes de ir para a festa de . — conclui — Tudo bem, posso pegar após o almoço?
— Sim, ficará pronto pela manhã. — assentiu ela dando um sorriso cativante — Mais alguma coisa?
— Não, só isso mesmo, gostaria que não mudassem a embalagem que escolhi para embrulhar. — assegurei, havia escolhido uma caixa de madeira serigrafada com o nome dele.

Ao voltar para rua, parei em uma barraquinha de biscoitos caseiros e comprei um pacote da ajumma, que vendia atenciosamente sem desfazer o sorriso do rosto. Mantive meu ritmo lendo cantarolando pela rua, enquanto pensava na cara de ciúmes de , o que me fazia dar algumas gargalhadas. Foi quando esbarrei em alguém.

— Hum?! Junhae?! — disse surpresa.
— Ah, . — ele me olhou confuso e curioso — O que faz na rua a essa hora?
— Estava resolvendo assuntos pessoais, acaso não está me seguindo, não é?! — o olhei desconfiada.
— Claro que não. — ele riu — Por que te seguiria?
— Você é amigo do .
— Ah… Fiquei tranquila, eu estava no hospital universitário que fica aqui perto, minha mãe trabalha lá. — explicou ele — Você parece um pouco longe de casa, estava no shopping?
— Como sabe?
— Pelo pacote de biscoitos, essa ajumma só fica na porta do shopping. — respondeu rindo da minha cara — Você tem manias de perseguição mesmo? Ou é impressão minha?
— Nem um, nem outro. — guardei o pacote na mochila e o olhei — Você mora aqui perto?
— Não, tenho que pegar o metrô. — respondeu — E você?
— Acho que estou há duas quadras da minha rua. — respondi tranquilamente.
— Uau, você realmente mora longe da escola. — constatou ele.
— Sim. — admiti rindo — Mas é legal o lugar onde moro.
— Quer companhia?
— Não precisa.
— Ah… Precisa sim, se souber que te deixei ir pra casa sozinha, ele me mata. — ele se posicionou ao meu lado — Vamos senhorita, vou te acompanhar.
— Nossa. — eu ri e brinquei — Só vou aceitar, porque não quero vê-lo morrer.
— Agradeço. — ele riu junto — Posso te fazer uma pergunta?!
— Sim. — começamos a caminhar na direção da minha rua.
— Você e o hyung estão tendo algum relacionamento?
— O que? — o olhei surpresa — Por que teríamos?
— Bem, vocês tem ficado muito próximos. — respondeu ponderadamente.
— Não temos nada, nem sei se posso dizer que somos amigos. — expliquei — implica comigo desde que cheguei na escola.
— Ele é assim desde sempre, primeiro implica com todas as pessoas que acha que vai fazer parte da vida dele. — Junhae soltou uma gargalhada — Foi assim no jardim de infância, quando nos conhecemos, ele implicou comigo desde o primeiro dia, um ano depois já nos considerávamos irmãos.
— Por que ele é assim? — perguntei.
— Hum… Por causa do pai, é complicado explicar, hyung sempre que tenta afastar as pessoas, acaba gostando delas. — ele me olhou como se estivesse direcionando aquilo para mim.

O que me deixou ainda mais confusa e intrigada. Será que implicava comigo para me afastar dele? Mas no fundo ele gostava de mim?!

Agradeci Junhae ao chegarmos em frente o meu prédio e logo entrei. Assim que o elevador se abriu, o professor Han surgiu ao meu lado entrando comigo, o que me deixou impressionada.

— Não está tarde para estar na rua mocinha? — disse ele num tom de brincadeira.
— Hum… Estava comprando um presente para um amigo. — expliquei — Mas não vim para casa sozinha.
— Isso é bom, por mais que este país seja tranquilo, devemos ser prudentes, você ainda é menor. — atentou ele de forma séria.
— Sim. — assenti mantendo meu olhar na porta — Serei mais cuidadosa.

Quando entrei no apartamento, Jinho estava jogando xbox na tv e meus pais estavam na cozinha conversando.

— Boa noite família.
— Boa noite noona! — Jinho continuou com sua atenção para seu jogo.
— Querida, chegou um pouco mais tarde hoje. — disse minha mãe.
— Sim, o campeonato está perto, então os treinos estão demorando mais para acabar. — expliquei — E também tive que ir comprar o presente do .
está fazendo aniversário? — minha mãe me olhou curiosa.
— Descobri que será no sábado. — respondi — Não posso deixar passar em branco.
— Fez muito bem. — concordou ela, piscando de leve.
— Sua mãe me contou sobre o clube de basquete, isso é legal, eu era o capitão na minha época. — disse papai com satisfação.
— Que bom que gostou. — sorri.
— Até nisso sua filha é igual a mãe. — minha mãe riu.
— Como assim? — meu pai a olhou.
— Omma?! — eu a olhei.
— Não disse nada. — ela guardou o prato no armário — Está com fome filha?
— Um pouco, vou me trocar!

Após comermos o lanche que meus pais prepararam, ficamos um pouco na sala vendo um dorama novo que tinha estreado. Resolvi ir para meu quarto antes de todos, estava com sono e sentindo um leve cansaço por aquele dia tumultuado, era visível que o clube de basquete estava sugando 70% da minha energia diária. Além da parte em que minha mente lutava sem sucesso para não ficar pensando em , eu queria entender por que ele agia assim comigo, entender o que estava acontecendo de fato em sua vida.

— Como pode uma pessoa mudar de humor com tanta rapidez. — comentei assim que me deitei na cama — Queria entender melhor seus problemas.

Somos amigos?!
Aquela indagação invadiu meus pensamentos. O barulho do meu celular tocando me despertou, era uma ligação dele, pensei por um instante em não atender, só para deixá-lo intrigado. Entretanto, me lembrei da noite em que havia me ligado pela primeira vez, então atendi.

?! — disse num tom baixo.

"Eu não quero estar aqui,
E eu nem ao menos sei porque eu estou sozinho ou assustado."
- Hot times / SM The ballad

Ele permaneceu em silêncio, me levando a acreditar que não estava bem como na noite anterior. Respirei fundo e continue mantendo a ligação, queria que ele dissesse algo, desabafasse ou simplesmente me desse boa noite.

— Você não vai mesmo dizer nada? — perguntei, conseguia ouvir sua respiração, parecia raivosa — Está tudo bem com você.

Logo um barulho veio do outro lado da linha, me deixando assustada. Então, ouvi a voz do seu pai o chamando ao longe, pouco antes de encerrar a ligação.

— O que será que está acontecendo?! — olhei para o celular e entrei no kakaotalk, para mandar uma mensagem a ele.

Fiquei alguns minutos esperando pela resposta, porém nenhum sinal de vida. A preocupação tomou conta de mim, consequência disso foi minha noite mal dormida, acordando de uma em uma hora para saber se já estava na hora de ir para aula. A primeira coisa que fiz ao chegar na escola, foi correr para a quadra, sabia que todos do time se reuniram para um treino rápido antes da aula.

— Oh, novata estrangeira. — disse MiJun.
— Yah, devemos chamá-la pelo nome. — Hwang o repreendeu, batendo de leve em sua cabeça.
— Não me importo mais com isso. — disse me aproximando deles.
— Mas o hyung sim. — MinSoo que estava jogado no chão, ergueu seu corpo — O que a trás aqui? Não precisava chegar cedo hoje, só nos dias que o treinador vem.
— Queria falar com . — respondi.
— Ele não vem hoje. — respondeu Junhae.
— Não vem ao treino?! — olhei para ele.
— Não vem a aula. — explicou Junhae.
— Aconteceu alguma coisa? — insisti, a mesma preocupação que me acompanhou pela madrugada retornou.
— Ele e o pai tiveram um desentendimento. — Junhae me olhou com tranquilidade, como se aquilo não fosse novidade para ele — Não precisa se preocupar, ele está bem.

Não preciso me preocupar?!
Ora essa, eu já estava assim. Me afastei deles um pouco contrariada e segui em direção a sala de aula, sentei em minha cadeira e no impulso, acabei enviando mais três mensagens para ele.

— Isso é que é uma surpresa. — disse ao aparecer ao meu lado — Você chegou antes de mim.
— Ah. — desviei o olhar para ele, guardando o celular no bolso — Não dormi direito à noite, então resolvi vir cedo.
— Não me diga que está preocupada com a prova de classificação?! — ele me olhou confuso — Você ficou em segundo na nossa turma, suas notas estão ótimas.
— Não, não é isso, nem estava me lembrando dessa prova. — soltei um suspiro fraco.
— O que foi?! — ele se sentou em sua cadeira e ficou virado para mim — Aconteceu algo?
— Ando preocupada com um certo pesadelo. — desviei o olhar para a janela.
— Está falando de ?!

Assenti com a face.
Pensar nele durante a aula me fez perder toda a explicação do professor Han sobre geometria analítica. As horas se passaram e após o professor nos dispensar, me despedi rapidamente de e saí correndo em direção ao meu armário, quando cheguei no corredor, um menino encapuzado passou por mim. Não dei tanta importância assim e continuei, assim que abri meu armário para tirar o livro que deveria entregar na biblioteca, vi outra carta.

— Hum… — virei minha face para o lado novamente, a imagem do menino encapuzado veio — Será?!

havia tomado tanto meus pensamentos, que por um momento me esqueci que tinha um admirador secreto na escola, guardei a carta na mochila e fechei o armário, após pegar o livro. Depois que entreguei o livro na biblioteca, passei rapidamente na sala do treinador aos fundos da quadra, precisava pegar os formulários do torneio do colegial para preencher e entregar a secretaria na segunda pela manhã.

Estranhamente o caminho de volta para casa estava muito monótono para mim, então, coloquei meus fones no ouvido pouco antes de sair do metrô, meu cérebro entrou no automático, não me deixando prestar atenção em mais nada. Em um piscar de olhos quando fui atravessar a rua, vi uma luz forte se aproximar de mim, meu corpo gelou no mesmo minuto e fiquei paralisada, fechei meus olhos e logo senti uma pessoa me puxar fazendo meu corpo cair no chão. Ao longe o barulho de carros freando surgiu.

— Yah, sua louca. — gritou um homem.
— Hum. — eu abri meus olhos e encontrei o olhar de , estávamos caídos no chão da rua.
— Ommo, vocês estão bem? — perguntou uma ajumma ao se aproximar de nós.
— Sim, estamos. — disse ele num tom sério e baixo, ele se levantou me ajudando a levantar também.

Olhei em minha volta e tinha algumas pessoas paradas olhando, segurou em minha mão, pegou minha mochila que estava no chão e me tirou dali. Ele continuou segurando em minha mão, não sabia para onde estava me levando, porém, lá no fundo me senti segura de uma forma inexplicável.

Logo paramos em frente a um edifício luxuoso, imediatamente pensei que pudesse ser onde morava com seu pai. E estava 100% certa, assim que entramos na cobertura, me deparei com um lugar sofisticado e elegante, totalmente diferente da casa simples e aconchegante da mãe dele. colocou minha mochila no sofá e me levou até a cozinha e me colocou sentada em uma banqueta que havia em frente a bancada de refeições.

Fiquei alguns instantes observando tudo ao meu redor, aquele lugar branco com alguns pontos de cor aleatórios, sem vida. Se minha mãe visse aquela cozinha, se sentiria desmotivada a cozinhar. Ele voltou com uma caixinha de primeiros socorros na mão, até então não havia percebido, mas meu braço estava com um pequeno arranhão proveniente de nossa queda.

— Komaweyo. — sussurrei o observando limpar mais um machucado meu.
— Não posso me afastar um dia, que você provoca isso? — disse num tom de repreensão, parecia bravo comigo — Você deve ser mais atenta quando estiver na rua.
— Mianheyo. — eu levantei minha face, ele estava sério e concentrado — A culpa é sua.
— Minha?! — ele me olhou.
— Sim, se tivesse ido a escola, teria me acompanhado em casa. — expliquei tentando não me comprometer — Não é você que diz ser responsável por mim?!
— Você quer isso? — ele sorriu de canto — Sentiu minha falta?!
— Eu estava preocupada com você...

Ele se virou, parecia ter ouvido um barulho vindo da sala.

— Já volto.

Ele saiu da cozinha e em instantes comecei a ouvir alguns gritos vindo da sala. Certamente era seu pai, comecei a pensar no que poderia fazer para ajudar. Então, tomei impulso e fui em direção a sala.

, eu preciso ir… — disse ao adentrar e deixar o pai dele sem reação — Boa noite, senhor Cho.
— Ah… . — ele pareceu sem graça e meio desconfortável ao me ver, então desviou o olhar para .
— Ah, minha mochila. — caminhei até e peguei minha mochila de suas mãos, seu olhar ele fixo em seu pai — Eu realmente preciso ir.
— Ah não, fique mais um pouco. — disse Dongho — Como está seu pai? Ando querendo visitá-lo.
— Está muito bem, acabou de chegar de uma viagem a Busan. — respondi voltando minha atenção para ele.
— Ah sim, meu amigo e sua vida de viagens. — ele soltou uma gargalhada — Janta conosco?!
— Não quero incomodar.
— Vou levá-la para casa. — disse voltando seu olhar para mim.
— Ah, que pena, eu e cozinhamos muito bem. — insistiu ele — Mas atualmente não temos feito isso.
— Prometo que da próxima vez, ficarei para o jantar. — disse pegando na mão de sem receio do seu pai ver — Mas agora preciso mesmo ir.

ficou um pouco surpreso com minha atitude, porém um sorriso disfarçado surgiu em sua face, antes de sairmos, seu pai jogou a chave do seu carro, para que me levasse em casa em segurança. Assim que chegamos em frente ao meu prédio, ele saiu do carro junto comigo e me levou até a porta, permanecendo em silêncio ele se virou para sair, então peguei no seu braço o fazendo parar e me coloquei na sua frente.

— Você está bem?!
— Por que está perguntando? — ele desviou seu olhar para rua — Está tarde, você precisa entrar.
— Não agora.  — eu respirei fundo — Você me ligou duas noites seguidas, me deixou preocupada, e agora vendo-o brigar com seu pai...
— Eu estou bem. — ele se aproximou de mim e me abraçou forte, senti meu corpo se arrepiar — Komawo, por se preocupar.

“Eu posso parecer forte, até mesmo sorrir, mas na verdade eu estou tão sozinho
Pode até parecer que eu não tenho nenhuma preocupação,
Mas na verdade eu tenho muito a dizer
A primeira vez que te vi, me senti tão atraído por você,
Andando sem rumo,
Não pude dizer uma palavra.”
- My Answer / EXO



11. Stand by Me

“Quanto mais te vejo, mais fico feliz,
Às vezes até me pego cantarolando,
Repentinamente quero comprar uma rosa,
Este lado de mim nem mesmo eu conhecia.”
- Stand By Me / SHINee

Assim que deitei na cama, eu finalmente consegui dormir tranquilamente. Aquele abraço não tinha acalmado somente seu coração, mas também o meu, assim como Junhae havia garantido, ficaria bem. Porém, percebi que ele só estaria assim, estando perto das pessoas que o amava, mesmo ele tentando nos afastar.

Desta vez acordar cedo, nem foi sacrifício. Mas ainda assim, saí correndo meio atrasada em direção a escola, o clube de basquete faria seu treinamento matinal de sábado. Um ponto positivo, sempre que mencionava sobre o clube papai soltava um sorriso de satisfação, o que me motivava ainda mais a não decepcioná-lo. Ainda que tivesse meus sentimentos indefinidos sobre ficar perto de , já estava me acostumando a conviver com o Prince Line.

— Não está cedo demais para ir embora?! — disse ao se aproximar de mim.
— Vocês não precisam de mim. — fechei minha mochila e ajeitei nas costas — Podem muito bem continuar sozinhos.
— Você é a assistente, deveria ficar até o final. — questionou ele.
— O treinador disse que eu podia ir embora mais cedo hoje. — retruquei — Além do mais, tenho outro compromisso agora.
— Que compromisso? — ele cruzou os braços.
— Eu não deveria te contar, mas hoje é aniversário do , vou a sua festa mais tarde.
— Hum… — ele tentou disfarçar o olhar de ciúmes.
— Até segunda.

Me afastei dele indo até a saída da quadra, corri até a loja de canecas do shopping, precisava pegar antes do almoço, assim conseguiria chegar em casa a tempo de escrever um cartão de felicitações e me arrumar a tempo.

— Como está linda. — disse minha mãe assim que saí do quarto — Este vestido cai bem em você.
— Obrigada mãe. — conferi de leve se meus documentos estavam na minha bolsa e peguei o pacote com o presente de — Não irei voltar muito tarde.
— Se quiser posso pedir seu pai para te buscar.
— Não precisa, vou voltar cedo. — sorri de leve e segui para porta.

Não demorou muito até que o ônibus passou, assim que cheguei na casa de , sua mãe me recebeu com gentileza. Sua casa não era modesta no tamanho e já tinha algumas pessoas, me senti meio deslocada, porém logo avistei meu amigo conversando com o pessoal da sala que também havia ido.

. — sorriu ao me ver — Que bom que veio.
— Sua mãe me convidou, não pude recusar. — sorri de volta — Aqui seu presente.
— Hum… Sério, não precisava. — ele pegou a sacola de minha mão.
— Claro que sim, meu mais novo amigo.
— Obrigado, vou guardar com muito carinho. — disse ele abrindo — Uau, uma caneca personalizada.
— Gostou?
— Nossa, demais, achei incrível. — ele retirou a caneca em formato de lente, com seu nome serigrafado.
— Como você gosta muito de fotografia, achei que seria divertido ter uma caneca assim.
— Vou guardá-la com muito carinho. — ele colocou de volta na sacola — Obrigado.
— Fico feliz que tenha gostado.

Eu me juntei ao pessoal da sala, o assunto do momento era a prova de classificação que rolaria antes do baile de primavera, eu não estava preocupada com a prova, minha preocupação era com o baile. Mas não iria pensar sobre isso agora, era o aniversário do meu melhor amigo e queria aproveitar para me enturmar um pouco. Apesar da única curiosidade de todos em relação a mim, é perguntar como havia me tornado próxima dos reis da escola.

Depois de um tempo, meu celular tocou, me afastei de todos para atender, era uma ligação de , daquelas que ele sempre ficava em silêncio. Isso me preocupava um pouco, principalmente por saber que a causa daquilo era seu relacionamento com o pai. Estranhamente senti de sair da casa de e ir para rua, minha intuição estava certa, permaneci na linha falando sozinha para que ele não desligasse. Quando cheguei na rua, avistei ele do outro lado parado com o celular no ouvido.

— Deveria estar em casa. — disse parando em sua frente, já tirando o celular do ouvido e desligando.
— Como sabia que eu estava aqui? — perguntou ele colocando seu celular no bolso.
— Não sabia. — respondi sinceramente.
— Não deveria ter saído da festa do seu amigo. — sua voz estava estranha, tinha traços de tristeza.
vai entender, e tem muitas pessoas lá, então… — respirei fundo — Quer sorvete?
— Sorvete? — ele me olhou confuso.
— Sim.
— Está me convidando para um encontro? — seu olhar sugestivo estava lá.
— Não. — o cortei — Só estou com vontade de tomar sorvete.
— Sei. — começou a rir de mim.

Seguimos caminhando em silêncio até chegarmos em uma loja de conveniência, felizmente vendiam sorvete lá.

— Matou a sua vontade? — perguntou ele.
— Sim. — ri de leve, saboreando meu sorvete.
— Que bom. — ele continuou seguindo, parecia uma pessoa sem direção.
— Está tudo bem? Você e seu pai? — perguntei.
— É complicado estarmos bem. — respondeu ele — Não quero falar sobre isso com você… Não quero te preocupar.
— Você não está me preocupando.
— Então não se preocupa comigo? — ele me olhou.
— Não foi isso que eu disse. — fiquei séria — Você me deixa preocupada quando me liga no meio da noite e não diz nada.
— Gosto de ouvir sua voz. — disse ele sorrindo maliciosamente.
— Pare com isso… — desviei o olhar para a rua.
— Se quiser não te ligo mais. — sua voz ficou séria.

Eu poderia até concordar, mas…

— Você pode me ligar se quiser. — sorri de canto também.

Mesmo não sabendo tudo sobre ele, eu já me sentia bem em ajudá-lo daquela forma. parou e pegando em minha mão, me puxou para perto me abraçando, isso vez meu coração acelerar como das outras vezes.

Passaram-se os dias e sempre após o intervalo eu era liberada para acompanhar os treinos intensos da semana. O campeonato já se aproximava, porém, naquela tarde de sexta,  tiramos uma pausa no cronograma de treinos, para festejar o aniversário da mãe de MinSoo, afinal, o clube todo tinha sido convidado para uma pequena comemoração, em sua casa.

— Onde pensa que vai? — perguntou .
— Para casa. — respondi tranquilamente seguindo minha direção.
— Não. — ele segurou em minha mão e me virou para a outra direção — Quando MinSoo disse o clube, você está inclusa, então não seja mal educada.
. — tentei argumentar.
— O clube de basquete não é só treino, vamos para a diversão. — ele sorriu de canto — Já liguei para sua mãe avisando.
— O que?! — por essa eu não esperava.

Quando chegamos, me senti meio deslocada, todos se conheciam e eu era a intrusa, por mais que a ajumma, mãe de estivesse lá com a irmanzinha dele, eu ainda sim não me sentia à vontade. Fiquei um tempo sentada na poltrona ao lado da porta, a mãe de MinSoo me ofereceu um copo de suco, sorri e me curvei um pouco em agradecimento ao pegar o copo. MiJun e Hwang, estavam entre risos com as líderes de torcida sentados entre as almofadas no chão, Junhae havia saído para a varanda da frente acompanhado de Hari.

Me levantei da cadeira e comecei a procurar por , como eu estava um pouco invisível naquele lugar, então não notariam minha ausência. Entrei na cozinha e ouvi um barulho vindo do jardim que tinha nos fundos da casa, dei alguns passos silenciosos até a porta de saída, meu coração parou por um momento com o que meus olhos viram.

, oppa. — disse Taeyeong, a capitã das líderes de torcida, ela estava parada frente a ele.
— O que?  — ele estava encostado na parede com suas mãos no bolso da calça, seu rosto sério e sua atenção totalmente voltada para ela.
— Você não me respondeu. — ela se aproximou mais um pouco dele e segurou de leve em sua blusa, dando um sorriso malicioso — Vamos ao baile juntos?

Eu dei um passo para trás para sair dali, porém minha sorte me fez tropeçar em minha própria perna e cair, consequentemente um pouco do suco se derramou na minha blusa, olhei para frente e os dois estavam me olhando, me levantei rápido e saí de lá correndo. Eu não deveria ficar triste, teoricamente não me importava com e quem ele levaria ao baile, mas percebi algumas lágrimas se formando em meus olhos.

Por que estava chorando?!

Pergunto-me como pude passar um dia sem você,
Fico curioso pensando o quanto você gosta de mim.
- Hug / TVXQ (Dong Bang Shin Ki)

Parei no ponto de ônibus e me sentei no banco, fiquei alguns minutos com a cabeça abaixada, percebi alguém se aproximar de mim. A pessoa pegou em minha mão e me puxou me fazendo levantar.

— Hum!? — eu o olhei, era — O que está fazendo?
— Por que pergunta tanto. — ele segurou em minha mão e me puxou, percebi que minha mochila estava em seu ombro.

Alguns minutos a mais de caminhada, chegamos na escola, estranhei aquilo.

— Deveria tirar essa blusa molhada. — ele retirou sua blusa de frio, então me entregou.
— Não precisa, logo vai secar. — recusei.

Ele respirou fundo, mantendo a mão esticada. Peguei sem mais protestos, sabia que sua intenção era cuidar de mim, caminhei até a sala do treinador e lá retirei aquela blusa molhada e coloquei a dele. Assim que retornei para quadra, guardei minha blusa no bolso externo da mochila.

— Por que estamos aqui? — perguntei curiosa, tentando não me concentrar no perfume dele que estava naquela blusa.
— Semana que vem será o primeiro jogo, como capitão do time, carrego toda a responsabilidade. — entramos com a permissão do porteiro ajhussi e fomos em direção à quadra.
— Isso não é resposta.  — questionei cruzando os braços.
— Você é a auxiliar do técnico, seu trabalho é ajudar o time, então você vai treinar comigo.
— Mas eu não sei jogar isso, a teoria eu entendo, mas a prática... — expliquei enquanto o observava ir buscar a bola.
— Apenas faça o que eu disser.  — ele me entregou a bola dando um sorriso de canto.
— Vou tentar. — assenti pegando a bola, estava com receio de atrapalhar ao invés de ajudar, porém animada com aquilo.

Ele me explicou o básico dos principais movimentos e passes entre os jogadores, foi mais uma aula misturada à um treino. A única coisa que eu teria que fazer era tentar bloqueá-lo e impedir que fizesse cestas. Era meio complicado isso, era um jogador excepcional e muito talentoso, tinha curiosidade em saber se como aluno ele também era assim, já que suas notas eram as mais altas do ranking geral da escola.

— Tive uma ideia. — disse ele ao se aproximar de mim.
— Qual? — eu o olhei.
— Vou te ensinar a fazer uma cesta.
— Acho melhor não. — eu me afastei um pouco com receio.
— Deixe de ser medrosa. — ele pegou em minha mão suavemente e me rodou de leve, e segurando em minhas mãos me forçou suavemente, a me posicionar em frente a cesta — Respira fundo e relaxe, você é quem controla o jogo.
— Controlo? — eu o olhei, sua face estava bem perto da minha.

Parecia que o mundo havia parado naquele momento, ele moveu minhas mãos me fazendo arremessar a bola, meus olhos continuaram o olhando fixamente. virou de leve sua face para ver a trajetória da bola.

— Viu. — ele se virou para mim com um sorriso — Você acabou de fazer sua primeira cesta.

Eu não conseguia reagir a nada, internamente estava lutando comigo mesma para não me deixar encantar por aquele olhar charmoso e sorriso fatal. Fechei meus olhos tentando voltar a realidade e deu um passo para trás, em segundos senti sua mão tocar de leve meus cabelos, de forma a me acariciar singelamente.

. — eu me afastei um pouco dele — Você não pode ficar fazendo isso assim, tão repentinamente.
— Isso o que? — ele tombou um pouco a cabeça dando um sorriso de canto malicioso.
— Quero ir para casa. — eu me afastei mais indo em direção a minha mochila.
—Tudo bem. — ele me seguiu e assim que peguei minha mochila ele segurou em minha mão — Já que você quer, vou te levar para casa.

Passei todo o caminho olhando para rua para não encará-lo, quando chegamos em frente ao meu prédio, ele parou em minha frente e ficou me olhando.

— Você está meio estranha. — disse ele tranquilamente — Aconteceu algo?
— O que? — eu olhei — Não estou estranha, boa noite.

Eu me afastei rapidamente dele e entrei, quando cheguei no apartamento fui direto para meu quarto. Coloquei minha mochila na poltrona e peguei meu celular, fiquei olhando para a tela por um tempo, em um piscar de olhos uma mensagem chegou, era dele desejando boa noite. Um sorriso brotou espontaneamente do meu rosto, quando percebi fiquei séria.

— Yah, , não faça isso. — disse comigo mesma — Esse pabo implica com você desde o primeiro dia, pare de querer se apaixonar por ele.

* - on *

Eu não sabia porque ela tinha ficado meio estranha, mas já imaginava, será que ela está pensando que eu tenho algo com Taeyeong? Seria divertido ver ela com ciúmes de mim, me virei rindo de tudo aquilo e voltei para casa de MinSoo para pegar minha mochila, no meio do caminho enviei uma mensagem de boa noite para ela. Quando cheguei, os membros ainda estavam lá conversando sobre o primeiro jogo e o baile que seria duas semanas depois.

— Yah, , pensamos que tinha ido embora. — disse Junhae.
— Vocês não viram, mas ele saiu atrás da novata.  — comentou YeJin — É o nome dela, não é?
— Ah, sim, é . — confirmou Hwang.
— Agora que já sabem. — eu encostei na parede e coloquei minhas mãos nos bolsos da calça.
— E ficou todo esse tempo com ela? — Minsoo riu de leve — Hyung, temos um novo couple?
— Não. — eu o olhei sério — Estávamos treinando na quadra da escola.
— Jinja? — todos falaram em coral e me olharam surpresos.
— Sim. — eu me afastei da parede e peguei minha mochila que estava no chão ao lado de Taeyeong, olhei sério para ela e saí em direção a porta — Espero vocês para o treino extra de amanhã, sem atrasos MinSoo.
— Sim, capitão. — disseram todos eles em coral.

Como era final de semana eu poderia ir para casa da minha mãe e foi o que eu fiz, quando cheguei, fui recebido com um abraço de Sunny. Minha omma estava na cozinha fazendo ramem para o jantar, deixei minha mochila ao lado da porta do meu quarto e fui para cozinha, fiquei um pouco encostado na porta da cozinha a olhando preparar tudo.

— Filho. — ela olhou para mim com um sorriso singelo no rosto — Que olhar brilhoso é esse?
— Estou onde quero estar. — senti Sunny parando ao meu lado e me abraçando.
— Oppa, senti sua falta. — ela sorriu de leve.
— Eu também. — eu a peguei no colo — Uau, está pesada, andou comendo muito essa semana?
— Oppa?! — ela riu — Estou crescendo.
— Estou vendo. — eu a coloquei no chão — E está ficando mais linda do que já é.
— Poderei ter namorado? — ela me olhou séria.
— Vou pensar.
— O jantar está pronto. — minha mãe segurou um pouco o riso e colocou a tigela em cima da mesa — Pensei que demoraria mais na casa de MinSoo.
— Estou um pouco cansado dos treinos, resolvi vir mais cedo. — me sentei na cadeira e ajudei Sunny a se sentar.
— Hum, quando voltamos para casa, não encontramos você, onde estava? — ela serviu minha tigela.
— Fui levar uma garota em casa. — respondi pegando minha tigela.
unnie? — Sunny me olhou.
— Sim. — assenti movendo a cabeça.
— Ela é uma garota adorável, fico feliz que tenha convidado ela para o baile.
— Sim. — eu assenti novamente.

Era legal que minha mãe aprovasse ela, afinal era a primeira garota de muitas que apresentei, que tinha conquistado a simpatia da minha omma. Após o jantar me ofereci para arrumar a cozinha, enquanto minha mãe foi assistir televisão com Sunny, os dias que eu passava com elas eram os únicos que eu tinha motivos para sorrir, até que entrou na minha vida e sem perceber me deu ideias para melhorar meu dia.

Mesmo que não conseguisse dizer a ela, eu já sabia que estava apaixonado pela novata estrangeira que me fazia sorrir sem nem saber. Terminei de arrumar tudo na cozinha e fui para meu quarto, ao passar pela sala, via as duas dormindo, fui até o quarto da minha mãe e peguei uma manta do seu armário, voltei na sala e as cobri de leve e desliguei a televisão. Eu me sentia bem quando via minha mãe dormir tão tranquilamente, após todo o sofrimento que ela passou pouco antes e depois do divórcio dela, com aquele que um dia chamei de pai.

Apaguei as luzes deixando somente a do corredor da cozinha acesa e fui para meu quarto, fechei a porta e troquei de roupa, peguei a mochila que estava no chão e coloquei na escrivaninha. Estava sem sono e não mesmo sentindo meu corpo um pouco dolorido devido aos treinos excessivos, abri o caderno de anotações que Ha Ri tinha me emprestado e comecei a estudar. Eu ainda tinha que me preocupar com a prova para as universidades e mesmo sendo um aluno destaque, não queria depender daquele homem ou da sua influência para nada em minha vida.

“Óh, você é diferente
Definitivamente você não é como as outras garotas
Quanto mais eu te vejo, estranhamente, mais eu me apaixono por você
Onde quer que eu olhe nesse mundo
Não há garota como você
Eu sei disso, baby
Você é a única que eu quero.”
- Need U / MONSTA X



12. Dilema

"Quem foi que fez você trancar seus sentimentos,
Quando você era antes tão honesta e gentil?
Foi como se você tivesse construído uma muralha,
Para se trancar dentro dela e se proteger de seu coração fragilizado."
- Dilema / INFINITE

O professor havia me liberado do treino de sábado, estava feliz por isso, assim teria meu primeiro fim de semana de descanso realmente. Fiz questão de acordar depois das dez da manhã e ver um pouco de anime na Netflix, após o almoço minha mãe me chamou para dar um passeio no parque com ela, papai e Jinho, porém meu corpo estava tão cansado que preferi ficar em casa dormindo.

Acordei já no final da tarde, ainda sonolenta peguei minha mochila e abri um dos bolsos menores, foi então que vi a terceira carta lá dentro, havia me esquecido totalmente dela.

— Aquele pesadelo toma tanto meu tempo que até me esqueço das coisas. — peguei a carta e voltei para cama, me sentando — O que será que ele escreveu desta vez… A primeira se confessou, a segunda foi um poema…

Annyeonghaseyo Nalla,
 vejo você com muita frequência indo para a quadra, soube que participa do clube de basquete, eu deveria fazer o mesmo para me aproximar de você? Se sim, me espere na porta da quadra na segunda após o treino, quero me declarar pessoalmente.

PJM

Senti um breve frio na barriga carregado de curiosidade. Quem será meu admirador secreto?

Meu domingo se passou com um piscar de olhos. Segunda de manhã acordei mais cedo para não chegar atrasada, assim que cheguei na escola, Prince Line já estava treinando na quadra antes das aulas, o que me levou a imaginar que horas teriam chegado. Não demorou muito até que apareceu, ele também havia chegado cedo para entregar alguns formulários do clube de leitura na secretaria.

— Então, como foi seu fim de semana? — perguntou ele assim que entramos na sala.
— Foi tão bom. — abri os braços em comemoração — Dormi muito, pena que passou rápido.
— Uau, mas e os treinos senhorita auxiliar?! — ele me olhou curioso.
— O treinador me dispensou dos treinos dessa semana, já que semana que vem já teremos as provas do quadro de classificação, ele disse que meu foco terá que ser nos estudos. — expliquei contente — Uma semana livre.
— Você está bastante contente por isso. — ele riu de mim — Uma semana sem .
— Bem… Difícil de acreditar, mas de certa forma ele não me incomoda mais. — adimiti sem receio — Acho que estou me acostumando com o Prince Line.
— Você gosta dele? — senti uma preocupação vindo de sua voz.

Eu realmente não sabia o que responder, ao mesmo tempo que tomava a maior parte dos meus pensamentos fazendo meu coração acelerar, eu queria afastá-lo e não me preocupar com ele.

— Eu…
— Não precisa responder. — desviou o olhar — Vejo que está confusa com seus sentimentos.
— Você me entende muito bem. — sorri disfarçadamente — É um bom amigo.
— Amigo… — ele respirou fundo e se virou para frente, parecia frustrado.

Logo os outros alunos começaram a entrar, permaneci toda a aula em silêncio, pensando em um assunto aleatório para falar com .

, espera. — disse assim que ele saiu da sala.
— O que? — ele se virou para mim.
— Podemos conversar?! — perguntei.
— Claro. — ele deu um sorriso fechado — Vem comigo.

Assenti o seguindo, me levou até o terraço do prédio onde estávamos, havia muitas cadeiras quebradas entulhadas em um dos cantos, e dois bancos ao lado da porta. Demos alguns passos até o beira e ficamos olhando o horizonte.

— Não precisa me explicar nada se não quiser. — iniciou ele como se soubesse o que eu estava pensando em dizer.
— Não quero que fique chateado comigo. — expliquei — Sei que não gosta do , vejo como fica incomodado com a presença dele.
— Não fico incomodado por causa dele, eu só… — ele se calou, apoiando as mãos no beiral.
— So?! — o olhei insistindo.
— Fico triste que goste de alguém como ele. — manteve seu olhar para frente, parecia um desabafo.
— Eu não sei se gosto dele… Mas também não sei se não gosto… — suspirei fraco — Sinto que não sou capaz de responder sobre isso agora.
— É claro que gosta dele, só não percebeu ainda. — ele abaixou as mãos, fechando os punhos.
— Com pode dizer isso. — ri baixo — Com tanta certeza.
— Porque vejo como fica, quando ele está perto. — ele se virou para mim — Eu preciso ir.
. — segurei em sua mão — Ainda vamos ser amigos?!
— Eu jamais deixaria de ser seu amigo por causa disso. — ele sorriu de forma fofa, então me puxou para perto e me abraçou forte — Eu sempre estarei aqui.
— Obrigado. — sussurrei, retribuindo o abraço.

se despediu de mim, ele realmente tinha que ir, iria passar na farmácia novamente para sua mãe. Permaneci mais um tempo ali no terraço, olhando o movimento dos alunos no pátio, foi então que me lembrei da carta e do meu admirador secreto. Desci correndo para quadra, a porta estava aberta e os membros do Prince Line estavam todos presentes reunidos perto do vestuário, o clima não parecia estar dos melhores.

— O que está acontecendo?! — perguntei me aproximando.

Todos permaneceram em silêncio, então movi meu olhar para que estava de costas perto da parede, notei que sua mão direita estava sangrando.

?! — corri até ele e parei em sua frente — O que está acontecendo?

Ele manteve seu olhar para o lado, parecia não querer me encarar.

— Não se preocupe Nalla, ele está bem. — disse Junhae, pelo seu tom já imaginava que fosse relacionado ao senhor Dongho.
— Não vai mesmo dizer? — insisti.
— Vai embora. — disse num tom firme, virando seu olhar para mim — Não precisamos de você aqui hoje.

“Tenho medo de me ver arruinado por você,
Você acena para mim e então se vira.”
- Bad / Infinite

Senti uma breve chateação naquele momento, queria entender o motivo dele estar tão frio comigo. Saí correndo da quadra, só queria realmente ir para mais longe possível dele, entre o percurso até a estação de metrô algumas lágrimas surgiram no canto dos olhos. Foi então que trombei em alguém.

— Me desculpe. — mantive minha face baixa, não entendia porque estava triste com o tratamento de , eu nem queria gostar dele mesmo.
— Está tudo bem Nalla?! — disse a voz desconhecida.
— Hum?! — ergui minha face, o olhei confusa — Como sabe meu nome?!

O garoto sorriu de canto, era um pouco alto e usava um óculos bvlgari, vestia uma jaqueta preta de couro, aparentemente sintético.

— Estudamos na mesma escola, como não saberia. — respondeu entre linhas.
— Isso não é resposta.
— Me desculpe, é que sempre fico nervoso quando te vejo. — ele riu meio tímido.
— PJM?! — perguntei instintivamente, cheia de teorias na minha mente.
— Prazer, pode me chamar de Joonseo, Park Joonseo. — afirmou — PJM é meu nome de gamer.
— Ah… — limpei os vestígios das minhas lágrimas disfarçadamente.
— Você estava chorando. — observou ele — Meu primo te incomodou novamente?!
— Seu primo? — agora estava confusa.
— Sou enteado do diretor Lee. — esclareceu ele, dando um sorriso leve.

Oh não…

é seu primo? — por essa eu não esperava.
— Bem, curiosamente nossas mães são amigas desde o ensino médio, eu tinha quatro anos quando o diretor Lee se casou com minha mãe. — explicou — Como o diretor se considera meu pai, nos consideramos primos, principalmente por nossas mães.
— Entendi. — desviei o olhar para a rua.
— Quer dar uma volta?! — perguntou.

Pensei por alguns instantes, ele me olhou esperançoso por uma resposta positiva, mas eu já estava tão cansada das alterações de humor de , que não queria me aproximar de mais ninguém dessa família maluca.

— Joonseo, sobre aquelas cartas… — iniciei.
— Calma, não estou pedindo para ser minha namorada e nem te chamando para um encontro, só quero ser seu amigo. — disse me interrompendo — Sei que não posso competir com meu primo.
— Não acredito… — sussurrei — Por que tiraram o dia para dizer que gosto daquele grosso?
— O que disse?! — perguntou confuso.
— Nada… Não disse nada.

Não havia como negar, estava chateada com , mas não deixaria que isso interferisse ainda mais em meus sentimentos. Acabei aceitando, ruim certamente não poderia ficar, ou pelo menos era o que eu imaginava...

— Chegamos. — disse parando em frente a uma cafeteria rosa e branco — Bem vinda a Rabbit House Coffee.
— O nome é bem interessante. — comentei o seguindo até a entrada.
— Minha mãe é a dona, ela gosta muito de coelhos. — explicou ele abrindo a porta — Você vai gostar, as tortas daqui são as menores.
— Preciso mesmo adoçar meu dia. — sussurrei.

Infelizmente sua mãe não estava naquele momento, mas Joonseo me contou a história de como sua mãe montou a cafeteria após ganhar alguns concursos de culinária. Ela ainda não havia se casado naquela época, tinha que se sustentar e cuidar do filho ainda recém-nascido. Ele contou que Seohyun ajumma a ajudou muito nessa época, foi assim que a senhora Sora conheceu o diretor Lee.

— Obrigado por hoje, não estava mesmo bem. — agradeci assim que chegamos em frente ao meu prédio — Mas, ainda não falamos das suas cartas…
— Não precisamos falar sobre isso agora, apenas saiba que eu gosto de você. — seu olhar sincero me deixava estranhamente constrangida — Apesar de nem me conhecer direito.
— Nem sei o que dizer. — sorri sem graça — Tenho que entrar agora.
— Espera. — ele segurou em minha mão.
— O que?
— Sei que não é da minha conta, mas…
— Mas?!
— Se você e meu primo estão próximos, quem é o garoto da foto?! — perguntou.
— Que foto?!

Joonseo respirou fundo e retirando o celular do bolso da calça, me mostrou uma foto minha abraçada a , notei que o lugar era o telhado. Alguém havia nos seguido e tirado aquela foto, depois espalhado para todos que éramos o novo casal da escola. Logo meus pensamentos foram até , na forma como ele me tratou na quadra.

Será que ele havia visto aquela foto também?

Não consegui raciocinar direito, somente senti meu corpo se mover na direção contrária e sair correndo. Mesmo que eu não soubesse meus reais sentimentos por , mesmo que eu não devesse nenhuma explicação para ele, neste momento meu corpo não estava mais seguindo minha mente, mas talvez meu coração.

— Nalla?! — disse o Dongho ao abrir a porta do apartamento — Fiquei preocupado quando o recepcionista disse que estava aqui.
— Me desculpe pela hora senhor Cho, mas… — desviei o olhar para frente, estava descendo as escadas.
— Entendi. — ele se virou e olhou para o filho.

se manteve em silêncio, certamente paralisado por me ver ali.

— Vou deixar vocês a sós, estava mesmo de saída. — ele olhou para o filho e retirando as chaves do bolso, jogou para ele — Leve-a para casa.

Adentrei um pouco mais e esperei até que o senhor Dongho saísse.

— O que faz aqui?! — perguntou ele, sua voz continuava áspera.
— Sua mão está melhor?! — perguntei, vendo que estava enfaixada.
— Veio para me perguntar sobre minha mão? — ele tombou a cabeça tentando entender.
— Não… Vim porque tenho que te explicar sobre…
— Se for pela foto, não me importa. — me interrompeu ele — Não deveria ter vindo.
— Você quer parar de agir assim e olhar para mim? — alterei minha voz, já estava ficando irritada com ele.
— Como você quer que eu haja?!
— Como alguém que não está com ciúmes. — respondi.
— Quem disse que estou com ciúmes. — ele desviou o olhar, me fazendo rir.
— Pabo. — sussurrei.
— Vamos, vou te levar para casa. — ele veio em minha direção para seguir até a porta.
. — segurei em sua mão enfaixada — O é somente meu amigo.
— Por que está me dizendo isso? — perguntou ele.
— Porque não quero que acredite em falsas informações. — respondi — Se for para acreditar em alguém, que seja em mim.
— Quem disse que não acredito em você?! — seu olhar intenso estava ali — Vocês realmente são amigos?

Eu comecei a rir, mas me controlei.

— Nada de ciúmes não é?! — ri mais um pouco.
— Yah, pare com isso, já disse que não tenho ciúmes de você. — ele olhou para o lado inconformado.
— Eu acredito.

Apesar de ser engraçado… Quanto mais agia daquela forma, mais eu ficava confusa dentro de mim. Uma louca indecisão entre gostar ou não gostar dele.

Eu mudei depois que eu te conheci,
Eu não me assusto ou me machuco mais,
Dia após dia eu vivo me antecipando, e está tudo bem, porque é você
- Hot times / SM The ballad



Continua...



Nota da autora:
Annyeonghaseyo pessoa linda que está lendo, essa é oficialmente minha primeira fic colegial e gosto muito dela, espero que gostem dessa também! Já deixo meu agradecimento a querida Jane, amiga da minha tia que mora na Coréia e tem que ajudado bastante em minhas pesquisas. E convido a todos a lerem minha outra fic colegial cristã Princess of God!!! Bjinhos...
By: Pâms!!!!
Jesus bless you!!!




Outras Fanfics:
PRINCIPAIS
| 02. Blood Sweat & Tears | 04. My Answer | 04. Stand By Me | 05. Sweet Creature | 06. El Dorado | 10. Islands | Beauty and the Beast | Beauty and the Beast II | Coffee House | Crazy Angel | Destiny's | Finally Th | First Sensibility | Genie | Mixtape: I Am The Best | I Need You... Girl | My Little Thief | Noona Is So Pretty (Replay) | Mixtape: A Whole New World | Mixtape: Piano Man | Photobook | Princess of GOD | Smooth Criminal |
*links e outras fics vocês encontram na minha página da autora!!


comments powered by Disqus