Contador:
Última atualização: 09/06/2022
Music Video: Out of The Woods - Taylor Swift

Part 1

Uma feiticeira e um lobo. Um relacionamento fadado ao fracasso. Predestinados a cair aos pedaços. Mas um elo que os ligaria pra sempre. Uma maldição passada de mulher pra mulher, a todos que se envolvessem com as que viessem depois dela.

A floresta do reino de Whanlen era cercada por seres místicos como fadas, gnomos, minotauros, cervos e tudo o que você pudesse imaginar. Whanlen era um lugar mágico comandado pela feiticeira Broom, que tinha cabelos ondulados e longos de cor escarlate e olhos que pareciam dois pares de quartzos verdes e uma pele oliva que a deixava ainda mais bonita. Todos em Whanlen tinham admiração por ela e a respeitavam como a soberana da floresta. Um pouco mais distante dali, na parte “renegada” da floresta, tinha o sub-reino de Flowreist, tinha Ellijah, metade homem e metade lobo, Ellijah é o bode expiatório da alcateia, era o que conseguia as informações, os movimentos. Ellijah tem a pele negra e o corpo bem definido, com olhos negros como a noite e um sorriso tão lindo quanto ele. Os outros lobos não aceitavam fazer parte dali, ficarem escondidos, vivendo nas sombras do que foram um dia. Eles queriam tomar Whanlen de volta e transformar os dois em um só, mas com eles no comando, nada de feiticeira nenhuma mandando no que um dia foi deles. Era por isso que eles estavam planejando há meses mandar Ellijah até lá e tentar ganhar a confiança deles e descobrir quais eram suas fraquezas, principalmente a dela.

— Não acha que isso pode dar errado? Quer dizer, eles devem saber quando estamos mentindo, principalmente aqueles bichinhos brilhantes irritantes. – constatou Ellijah. – Como vou fazer com que eles e ela confiem em mim?
— Vamos te auxiliar nisso, jovem. – disse Carl, o lobo beta. – Conseguimos uma poção que faz você dormir por algumas horas e vamos te deixar na entrada de Whanlen. Tente ficar lá o máximo que puder e toda vez que der meia noite, você vai uivar e saberemos que está dando certo.
— E se eu precisar de algo, como faço pra vir aqui me comunicar?
— Você tem seus instintos, acredite neles. Quando não for eu, será Zoe, precisa de mais alguma coisa?
— E se eu falhar?
— Mataremos você e teremos uma bela refeição a noite. – Ellijah disfarçou o medo o encarando. – Mais alguma dúvida?
— Não senhor, ficarei esperando seu comando. – disse se levantando. – Com licença.

Ellijah deixou a casa de Carl e caminhou até sua casa, que ficava mais longe do que as outras, devido a sua posição na matilha. Balançou a cabeça sozinho e deu meia volta, indo até o rio e afundou-se na água e ficou refletindo sobre sua missão. Se falhasse, iriam comê-lo. Se ele fosse bem sucedido, não fazia ideia do que poderia acontecer. Talvez colocassem outro como o último e assim sua vida melhoraria um pouco, poderia morar mais perto e não seria o último a comer, muitas coisas passavam na sua cabeça naquele momento. Depois de alguns minutos mergulhando, voltou para sua casa e ficou observando a lua e seu brilho diferente. Um que ele nunca tinha visto em Flowreist.


Já Broom e seus amigos estavam todos sentados à mesa jantando e comemorando o aniversário de uma das gnomos, Kathy. Ela era uma das mais novas e das mais responsáveis do grupo, era a que mostrava o reino aos novos que chegavam e os levava até suas casas. Broom fazia questão que todos frequentassem sua casa, para que sentissem que ela não era a única peça importante dali. Todos eram uma família, se eles estão juntos nos momentos ruins, também estão nos bons momentos. Eles eram uma grande e diversificada família. Quando outro gnomo veio trazer o bolo, Broom fez questão de acender as velas, dançando os dedos sobre elas, as fazendo explodir em cores chamativas e diversas. A feiticeira dominava toda a natureza e elementos conhecidos desde os 15 anos, desde o pantanal mais escuro à mais cristalina das praias, o fogo mais brando até a mais perigosa das águas. Era forte, corajosa, destemida, mas principalmente, tinha a maior virtude que alguém poderia ter, era empática. Todos sabiam que podiam contar com ela para o que fosse, ela sempre estaria disposta a ajudar. Sem exceção.

— Feliz aniversário, Kath! – ela disse dando um beijo estalado na testa da mais nova. – Faz um pedido.
— Obrigada, Broom. Obrigada, pessoal. – ela disse soprando as velinhas

Depois que todos foram para suas casas, Broom foi até a varanda de seu quarto e encarou a lua grande e brilhante, que hoje parecia conversar com ela mais do que o normal, iluminando uma parte da sua cama que nunca havia tido tanta luz. Se aproximou da cama e ficou a observando. Que tipo de sinal era aquele?

xXxX

Alguns dias depois...

— Ellijah, chegou o momento. – disse Carl entrando em sua casa.
— Carl, eu estive pensando, acha que vão acreditar nisso? Eu posso só fingir que sou um feiticeiro inexperiente e ganhar a confiança dela. Acho arriscado vocês se meterem nisso e principalmente pra mim. Não sabemos com quem estamos lidando.
— Você é o último da alcateia por um motivo. Você obedece nossas ordens.
— Mas sou o bode expiatório de vocês, nenhum de nós foi morto ainda porque eu me coloco em perigo por vocês. Então eu acho que mereço essa chance de fazer as coisas do meu jeito! – falou firme com o mais velho. – Sei que sou capaz disso, Carl.
— Você tem uma chance, escutou? Se estragar tudo, já sabe. Pode ir quando quiser.
— Obrigado. – ele assentiu.

Carl saiu sem prestar muita atenção a Ellijah, que o deixou livre para liberar todo o ar que prendia nos pulmões. Fechou sua casa completamente e, quando saiu, se deparou com toda alcateia em sua porta.

— Confiamos em você, Ellijah. Espero que continue assim. – disse Zoe do lado das outras fêmeas. – Carl teve que ir, mas eu fiquei responsável por te dar o recado.
—Já estou sabendo, Zoe. Agradeço. – É melhor eu ir, o caminho até Whanlen é longo.

Ellijah se despediu e começou a entrar pela floresta. Conhecia aquelas terras como ninguém e rapidamente chegou ao seu destino. Sem saber o que estava o esperando, ele tomou o tal frasco que lhe deram antes de sair, e deitou perto da entrada de Whanlen.

xXxX

Broom costumava andar pela floresta de madrugada quando não conseguia dormir, ela dizia que cheirar o vento que trazia um aroma de ar fresco era como o melhor remédio para qualquer dor. Ou para quando você simplesmente quer se desligar do seu próprio mundo, quanto mais se enfiava na floresta, mais ainda Broom sentia seu coração descompassar, como se ela fosse puxada para a entrada de Whanlen, coisa que ela raramente fazia. Quando ela chegou ao seu destino, encontrou um corpo gélido no chão.
Abaixou-se rapidamente e colocou o ouvido no peito do desconhecido, que tinha as batidas do coração lentas e pausadas. Olhou em volta e percebeu que ninguém estava ali, ou ele fora deixado, ou estava tentando entrar no reino. Mesmo desconfiada, Broom reuniu toda força que tinha e arrastou o corpo com cuidado para dentro do lugar, sendo recebida por vários gnomos curiosos e assustados.

— Broom, o que aconteceu?! – indagou Vennie. – Quem é esse?
— Não sei. O encontrei caído na entrada. Resolvi trazer. Mas não sei porque, quando eu dei por mim, já tava arrastando ele de volta pra cá. – suspirou
— Vamos o levar pra nossa aldeia e cuidar dele, não se preocupe.
— Não. Coloque-o em minha casa. Quero ficar de olho nele. Não posso por vocês em perigo, qualquer coisa, posso o prender lá.
— Tem certeza? Pode ser perigoso para você. – preocupou-se Vennie
— Tenho meios para me proteger, não se preocupe. Peça que o coloquem no quarto de visitas, à direita do meu corredor. Eu vou conversar com Dewit. – disse se afastando e indo procurar um dos conselheiros de Whanlen.. Dewit era um dos poucos meio sangues do reino, assim como Broom.

Broom chegou até o chalé um pouco afastado do centro do reino e deu algumas batidas leves na porta. Ouviu um murmuro de “pode entrar”. Abriu a porta devagar e entrou.

— Dewit, precisamos conversar. Encontrei um homem caído na entrada do reino, não sei se agi bem, mas pedi que os hospedassem no meu castelo. Queria que você o visse.
— Vou assim que puder, Broom. Levo algo?
— Eu vou ver como ele vai ficar e mando alguém te avisar. Era só isso mesmo. Eu já vou indo lá. Obrigada. – ela disse sorrindo e foi até o seu castelo, indo diretamente até o quarto onde o desconhecido estava.
— Ele está do mesmo jeito que chegou, Broom. – pronunciou Vennie. – Mas achamos um frasco nas roupas deles. Belladonna.
— Bom, tudo bem. Eu cuido daqui. Obrigada Vennie.

A menina se despediu deixando Broom cuidando do homem que estava deitado na cama, já limpo, descansando. Broom não queria arriscar e fazer qualquer coisa com medo de dar algum efeito que pudesse complicar sua vida. Deixaria que ele acordasse por si só e depois cuidaria disso.

— Broom? Cheguei. – Dewit disse entrando no quarto. – Quem é ele?
— Não sei. Vennie disse que achou Belladonna no bolso dele, resolvi não fazer nada e esperar o efeito passar.
— Perfeito. É melhor mesmo. Não sabemos quem é, nem o motivo de estar aqui. – refletiu — Acha que corremos perigo, Dewit? – suspirou
— Espero que não. – Se corrermos, vamos dar um jeito. Confio em você, se trouxe ele pra cá, sabe o que está fazendo. – Volto quando ele acordar, ok?
— Tudo bem, obrigada.

Dewit assentiu e seguiu o caminho de volta para fora do castelo deixando Broom pela terceira vez sozinha com esse estranho. Ela respirou fundo e se sentou na cadeira próxima a cama, enquanto lia um livro que estava no criado. Ficou lendo por algumas horas e não percebeu quando adormeceu.

Ellijah’s POV ON

Acordei desnorteado devido a poção que eu tomei antes de entrar em Whanlen e senti minha cabeça pesar quando tentei levantar, olhando em volta percebi que não estava na mata, mas sim num quarto grande e espaçoso e com uma mulher do lado. Cheguei mais perto dela e vi que ela dormia tranquilamente com um livro nas mãos. Me arrastei pra fora da cama devagar e abri a porta do quarto tentando descobrir o que tinha lá e principalmente quem morava lá. Depois de rondar por alguns minutos, achei um quarto mais afastado e entrei devagar, contando os passos nos pés. Tranquei a porta silenciosamente e fui até a varanda, onde me assegurei que não teria ninguém vendo e uivei na direção de Flowreist, alto o suficiente pra ouvir um uivo de volta ao longe. Antes que eu pudesse sair do quarto, a porta foi aberta abruptamente por uma fumaça de cabelo vermelho que estava dormindo há pouco no outro quarto.

— O que foi isso? – ela disse se pendurando no parapeito. – Lobisomens?!

Eu estava completamente hipnotizado. Eu nunca tinha visto uma mulher tão bonita quanto aquela. Os olhos, a voz, o cabelo, o jeito de andar, a pele... Ela parecia saída de um sonho. Eu nunca tinha sentido isso por nenhuma das mulheres que eu convivi, apesar de ter me envolvido com algumas, elas não se comparavam a visão que eu tinha bem na minha frente.

— Eu vim aqui ver, achei injusto te acordar. Sinto muito. Eu sou Ellijah. Muito prazer. – estendi a mão.
— Broom. – ela disse apertando firme. – Que bom que acordou, Ellijah. Vamos para dentro e comer. Vou avisar aos outros sobre o lobisomem.
— Avisar? Por quê? – perguntei.
— Por segurança. – disse finalizando o assunto. – Vennie!
— Sim? – uma jovem veio correndo e parou na sua frente.
— Avise ao pessoal que o nosso convidado ouviu um lobisomem por perto, peça que façam uma ronda. Peça que venham aqui pegar as tochas com fogo. – a jovem assentiu e saiu em disparada pela porta.

Ela me olhou como quem dissesse para que eu a seguisse e fomos até a cozinha, quando cheguei lá, uma mesa farta estava ao nosso dispor. Imaginei que ela já havia pedido que preparassem para quando eu acordasse.

— Fique à vontade. – ela sorriu. – Preciso resolver umas coisas, mas pode chamar a Vennie se precisar, logo ela estará de volta. Preciso fazer o fogo para as tochas, se me der licença. Ah! O banheiro do seu quarto já está arrumado, Vennie tomou a liberdade de botar uma muda de roupa também, já que não encontramos quase nada na sua bolsa.
— Toda. Muito obrigado por me ajudar.
— Disponha.

A nuvem de cabelos cor de fogo saiu de novo do meu campo de visão, me fazendo esfregar o rosto bufando. Peguei o prato de cerâmica terracota e coloquei algumas coisas. Comi em silêncio pensando como eu ia descobrir quem era a “líder” deles ou o líder. Ganhar a confiança deles, avisar o clã e tomar de volta o que uma vez foi nosso. O plano era esse. E não importa o que meu estômago fizesse aqui dentro quando Broom aparecesse sorrindo.
Depois de encher a barriga, voltei para o quarto em que eu estava, procurando um jeito de me refrescar, achei uma banheira com um chuveiro em cima, tirei as roupas e afundei lá dentro, perto da banheira tinha um pedaço de sabonete e uma esponja, aproveitei a chance e me esfreguei bem, sentindo o cheiro de jasmim flutuar no ar. Depois de um longo tempo lá dentro, me enxuguei e vesti as roupas que deixaram pra mim. Voltei ao quarto e deitei na cama. Não percebi que horas ou quando, mas adormeci rapidamente e sonhei com Broom naquela noite.

Ellijah’s POV OFF

Mais afastada dos arredores do castelo, Broom estava acompanhada de Dewit e reunida com os outros. O uivo do lobo desconhecido havia preocupado alguns deles, já que não se ouvia um desses tão perto há muitos anos. Quando Broom conseguiu acalmar a todos, Dewit puxou a conversa.

— Sei que estão preocupados, mas vamos dar um jeito. As equipes de caça já estão na floresta à procura de algum rastro deles. Pedimos confiança e principalmente calma. Broom e eu conversamos e achamos melhor ninguém sair de casa ao menos que precisem e não se afastem daqui.
—Como vamos saber se estamos seguros? – questionou uma das fadas
— Já deixamos vocês na mão alguma vez? – retrucou Broom. – Temos tudo sob controle, pessoal. Podem acreditar.
— Aquele homem esquisito que está no seu castelo. Quem é ele? – perguntou outra fada.
— O nome dele é Ellijah. Ainda não sei de onde veio, mas trarei respostas em breve. Caso ele nos ponha em risco, sei o que fazer.
— O recado é esse, pessoal. Voltem para casa. Tenham cuidado. – Dewit os olhou com compaixão. – Boa noite.

Dewit saiu acompanhando Broom até o castelo, foram conversando o caminho inteiro sobre o que fariam para proteger os seus. Após o episódio de anos atrás, eles redobraram o cuidado com invasões. Todo cuidado era pouco agora.

— Eu ouvi tão perto que parecia que estava dentro do castelo. – ela o olhou com os olhos assustados. – Não sei o que fazer, não queria parecer fraca na frente deles. Eles confiam em nós.
— Fez bem. É melhor assim.
— Não gosto de mentir, Dewit. Não é do meu caráter enganar quem tanto me respeita.
— Broom, às vezes é preciso mentir para proteger quem nos ama. Se você contasse, eles iam ficar desesperados. Pense nas pessoas que moram no castelo com você. Acha que eles ficariam em paz lá dentro? Você mentiu por uma boa razão. – ela assentiu ainda preocupada.
— Eu vou entrar, não quero deixar Ellijah sozinho. Ele estava quase morto quando o encontrei, Vennie cuidou muito bem dele, podemos precisar dela mais cedo do que imaginei.
— Como quiser, faço questão de instruir a jovem. Até mais, Broom.

Broom entrou no castelo e foi direto ao dormitório onde estava Ellijah, que dormia profundamente com a respiração lenta e calma. A feiticeira fechou a porta e foi para seus aposentos, adormecendo assim que se ajeitou na cama.

Alguns dias depois...

— Broom, a equipe de caça mandou avisar que não acharam nenhum lobisomem até o limite do reino. – Vennie anunciou batendo na porta devagar.
— Obrigada. Não sei o que eu faria da minha vida sem você.
— Imagina. Estou aqui pra ajudar. Ah! O Ellijah está na cozinha comendo. Podemos usar ele para ajudar, o que acha? Ele seria útil, já que foi ele que escutou.
— Excelente ideia. Irei conversar com ele quando acabar aqui. – a menina assentiu e deixou Broom sozinha com suas plantas.

Depois de cuidar das plantas e podá-las, Broom se dirigiu à cozinha encontrando Ellijah comendo pão e frutas.

— Como se sente, forasteiro? – ela disse o tirando de seu transe.
— Muito melhor. – ele sorriu.
— Eu vou ser direta. Tenho uma proposta para você. Pode ficar morando aqui ou com Dewit, mas vai nos ajudar a descobrir da onde veio aquele uivo.
— Combinado. – Ellijah sorriu satisfeito.



Continua...



Nota da autora: Sem nota.



Qualquer erro nessa fanfic ou reclamações, somente no e-mail.


CAIXINHA DE COMENTÁRIOS
Oi! O Disqus está um pouco instável ultimamente e, às vezes, a caixinha de comentários pode não aparecer. Então, caso você queira deixar a autora feliz com um comentário, é só clicar AQUI.


comments powered by Disqus