Última atualização: 05/09/2017

Sexto Prodígio: Clown Fish

Aquele era para ser meu primeiro roubo sozinho, mas o senhor D nunca me deixava fazer algo sem outro para me monitorar. Poderia dar a desculpa por eu ser novo e menos experiente, mas até a preciosa , ou melhor Little Thief, que era oficialmente a mais nova entre todos e a última a entrar para a família, já tinha feito um serviço sozinha e se saído muito bem.

O que me faz pensar que Dean não confiava em mim e jamais me deixaria tentar. Era frustrante e me deixava ainda mais irritado, com o fato dele colocar a LT para ser minha instrutora. Odiava admitir que ela era muito habilidosa e esperta, além de bonita e inteligente.

— Fish?! Fish?! — gritou ela.
— O que?! — a olhei confuso, rezando para não ter me perguntado nada, pois estava distraído em meus pensamentos.
— Você ouviu o que eu disse? — perguntou.
— O que você disse? — cocei a cabeça e destravei o cinto de segurança.
— Depois pergunta por que não faz nada sozinho. — ela bufou, parecia o Dean na minha frente.

Não conseguia definir desde quando, mas a cada ano que se passava ela se parecia mais com nosso chefe, tanto no modo de falar com todos nós, como seu modo de trabalhar, obviamente que isso a fez ser a favorita do senhor D.

— Não se preocupe comigo, eu sei o que tenho que fazer. — assegurei.
— Assim espero. — ela saiu do carro primeiro e atravessou a rua, entrando no cassino.

Respirei fundo e fiquei esperando por mais alguns minutos.

— Vou mostrar a você que posso fazer isso sozinho, LT. — sussurrei ao sair do carro.

As ordens dela me faziam ficar ainda mais...

Atravessei a rua e entrei no grande Moonlight Casino, ao passar pela recepção comprei algumas fichas, minha missão era criar uma grande distração e atrair os olhares dos seguranças para mim. Assim, a doce e ágil LT poderia chegar ao nosso alvo, o dono do hotel.

Seu nome era Sebastian Callister, ele possuía um documento que era o objeto de desejo que Dean queria, não sabíamos de fato o que tinha nesse documento, mas era muito importante para o chefe. Segui em direção aos caça-níqueis primeiros, sentei em frente a um e coloquei uma moeda, discretamente retirei do bolso um dispositivo que Dean tinha me dado, podia controlar o resultado do caça-níquel.

— Acho que hoje estou com sorte. — sorri de leve assim que as moedas começaram a sair.

Me levantei e olhei para a direção do bar, LT já estava com seu olhar fixo em Sebastian que sentava em uma mesa de poker. Eu me desviei para a mesa de blackjack, que era minha especialidade, eu poderia até ser lento, atrapalhado e em alguns momentos distraído, mas quando o assunto era jogos, ninguém ganhava de mim.

Cartas, tabuleiro, jogos online, nem mesmo a hacker da Louise com toda a sua tecnologia na ponta dos dedos, conseguia ganhar de mim. Assim como o Dean era o melhor em jogos, eu havia superado o mestre, e agora era a minha oportunidade de mostrar minhas habilidades no jogo.

— Venham senhores, façam suas apostas. — disse a mulher que comandava a mesa.

Ruiva de cabelos ondulados, lábios chamativos que se destacavam ainda mais com aquele batom vermelho. Talvez fosse uma estratégia muito eficaz do casino, colocar mulheres atraentes para comandar as mesas de apostas, apesar de ter homens em algumas poucas, o que me deixava ainda mais intrigado. Como era a distribuição do quadro de funcionários de um casino?

— Mais uma carta senhor? — perguntou a mulher.

Só naquele momento eu voltei a realidade e me concentrei no jogo. Após olhar minhas cartas acabei pedindo mais uma, estava mesmo com sorte e talvez pudesse até arriscar quebrar a mesa, afinal LT havia pedido a melhor distração possível.

— Vou subir minha aposta para cinquenta mil. — disse um homem grisalho ao lado.
— Eu cubro. — retruquei confiante.
— Eu dobro a aposta. — uma senhora que parecia bem concentrada no jogo empurrou suas fichas — E quero outra carta.
— Como desejar. — a mulher que comandava a mesa lhe entregou outra carta e desviou seu olhar para mim.

Eu deixei que a senhora vencesse aquela rodada, para fazê-la apostar o triplo na próxima, então perderia tudo e tentaria reaver ou compraria mais fichas. Como eu sabia disso? Estava no olhar dela, quase escrito em sua testa que ela vivia para jogar, seus olhos brilhando e aquela pequena ficha Premium, que estava pregada em sua blusa como um broche, me confirmavam.

Aquela senhora era uma jogadora vip.

Comecei a pensar em como me beneficiaria disso, enquanto dividia minha atenção entre jogar e olhar a sutil aproximação de LT em nosso alvo.

— Mais uma carta por favor. — disse a mulher.
— Aumento a aposta em sessenta mil. — anunciou o homem grisalho.
— Eu dobro a aposta. — anunciou a senhora ao pegar sua carta.
— Cubro sua oferta. — retruquei ao olhar a minha carta.
— Eu dobro novamente. — me desafiou a senhora com confiança.

Era exatamente isso que eu queria, estávamos na sexta rodada e nossa mesa rodeada de pessoas, somente nós três jogando e muitos cochichos em volta. Seria minha sexta vitória consecutiva, o que já estava fazendo alguns seguranças me olharem desconfiados, era bem o que eu queria. Quanto mais eu ganhava, mas as atenções estavam em mim, principalmente de quem eu queria. LT já estava ao lado de Sebastian, conversando com ele, dava para ver nos olhos dela que estava esperando pelo melhor momento, e lá estava. Assim que os seguranças vieram em minha direção, eu empurrei algumas pessoas e corri em direção a eles, esbarrando de propósito em Sebastian.

LT teve alguns segundos de oportunidade para pegar seu cartão de acesso, no meio de toda aquela confusão que eu havia arrumado, consegui ver ela piscando para mim de relance, o que significava o sucesso da minha parte do serviço. Agora, tinha outro problema, me livrar dos seguranças que vinham atrás de mim, as saídas normais estavam bloqueadas, então entrei na área de acesso dos funcionários.

Saí correndo pelo extenso e largo corredor, até que começaram a atirar em minha direção, o que me deixou um pouco desesperado. Não entendia, por que a parte mais perigosa ficava comigo?

— Ahhhhhh… — gritei enquanto corria, até avistar uma saída.

Havia homens descarregando algumas caixas, ao passar por eles segui em direção ao beco lateral, até esbarrar novamente em uma pessoa.

— Me desculpa. — disse olhando para trás.
— Francis?! — disse uma voz feminina — É você mesmo?!
— Ellie?! — eu não acreditava que estava vendo ela novamente.

Peguei em sua mão e saí correndo novamente e puxando comigo. Aquela era a primeira vez que a estava vendo de novo, depois de ter sido resgatado daquele orfanato horrível, eu havia ficado triste por tê-la deixado para trás, mas Dean havia me garantido que daria uma família de verdade para ela.

- x -

— Francis, espere. — disse ela ao me fazer parar assim que entramos em um beco — O que está acontecendo? Por que estamos correndo? Como conseguiu me encontrar?
— Ellie, são muitas perguntas e agora não podemos ficar aqui. — continuei segurando firme sua mão, a puxei em direção uma porta que estava entreaberta no prédio ao lado.
— Pronto. — disse ela assim que eu fechei a porta — De quem estamos fugindo? O que você faz aqui em Vegas? Por que demorou tanto para me encontrar?
— Você está mesmo muito curiosa. — eu ri de leve.
— Já faz anos que não te vejo. — ela bateu de leve em meu ombro — Sabe o quanto é difícil viver sem meu melhor amigo?!
— Hum… — eu peguei em sua mão novamente e a puxei em direção as escadas — Vem, eu vou te contar tudo.

Claro que eu não iria contar exatamente tudo para ela, fazia parte do acordo que eu tinha com Dean, eu seria seu fiel prodígio e ele manteria Ellie a salvo em um lar amoroso e atencioso. Eu a considerava minha verdadeira família, a primeira vez que a vifoi no dia em que cheguei ao orfanato, tinha somente cinco anos e ela foi a primeira criança a se aproximar de mim.

Nos tornamos amigos em pouco tempo, tínhamos planos de fugir daquele lugar medonho, que se localizava próximo ao Mount Vancouver. Mas como duas crianças sobreviveriam, no frio do Canadá? Foi em uma de nossas escapadas mal sucedidas, que minha vida esbarrou no caminho do senhor D, ele ficou impressionado quando me viu pegando discretamente a comida que estava dentro da sacola, ao seu lado no banco do trem.

Assim que chegamos no terraço daquele prédio, eu a guiei até o beiral e nos sentamos no chão, fiquei olhando para as estrelas por um tempo, procurando as explicações superficiais que poderia dar a ela.

— Não vai começar a falar? — disse ela num tom baixo.
— Eu… Não importa o motivo de estar aqui, só importa que nossos caminhos se cruzaram.
— Você sempre dá uma desculpa quando não quer me contar a verdade. — retrucou ela.
— É melhor que mentir para você. — ri baixo.
— Tenho que concordar, você mente mal. — ela riu também — Mas como chegou aqui?!
— Hum… Estou em Vegas a trabalho, mas não imaginava que esbarraria em você. — desviei meu olhar para ela — Desde quando veio para cá?
— Há três dias em férias da universidade, eu e algumas amigas viemos a passeio. — explicou ela.
— Só amigas?! — perguntei curioso.
— Sério? — ela me olhou rindo — Você fica anos longe de mim e está com ciúmes?
— Sempre estive. — ri junto permanecendo meu olhar nela — Estou feliz que tenha conseguido a bolsa de estudos, sei que universidade é caro.
— Para ser honesta, eu não consegui. — ela suspirou fraco — Yale me mandou uma carta, dizendo que minha vaga estava sendo patrocinada por uma pessoa anônima.
— Nossa que loucura. — comentei meio sem graça.
— Pois é, cheguei até pensar que era você, mas da última vez que me escreveu, disse que estava desempregado. — ela sorriu de leve — Eu só queria poder agradecer essa pessoa.

“Você já está agradecendo!” Pensei comigo mesmo, eu jamais confessaria que estava pagando seus estudos, além da sua proteção, era também uma das exigências do acordo que tinha feito com Dean. Ellie não poderia saber que sou um prodígio, muito menos sobre o senhor D ou nossos serviços, para ela, eu teria que ser somente uma pessoa comum que não consegue seguir um caminho na vida.

Consequentemente, todas as histórias que eu inventava para ela nas cartas, fizeram com que sua família nos afastasse mais ainda, afinal, seus pais adotivos não queria que sua filha, fosse amiga de um ninguém sem futuro. Porém, Ellie jamais obedeceu eles quanto a isso, ela não queria deixar de ser minha amiga.

De repente, senti meu celular vibrar em meu bolso, era uma chamada restrita.

— Eu tenho que atender. — disse a ela me levantando.
— Aconteceu algo? — perguntou ela demonstrando preocupação.
— Não, é somente um amigo, mas tenho que atender.

Eu me afastei dela e atendi a chamada.

— Fish na linha.
Está concluído, bom trabalho. — disse a voz de Dean do outro lado da linha.
— Voltaremos quando? — perguntei.
LT voltará amanhã pela manhã, já você… — ele riu de leve — Estou impressionado, fez um bom trabalho na distração dos seguranças, então acho que merece ficar mais alguns dias em Vegas, tenho certeza que não faltará companhia.
— Você sabe que ela está aqui? — eu ainda ficava impressionado, por Dean sempre saber de tudo.
No terraço de um prédio com você. — ele foi direto e preciso, fazendo até meu corpo gelar — Você deve estar pensando em como consigo saber de todos os seus passos.
— Sei muito bem que possui olhos em todos os lugares. — respondi convicto, de certo estava me monitorando pelas câmeras de ruas — Não se preocupe senhor D, eu me lembro muito bem do nosso acordo.
Ótimo. — ele encerrou a ligação.

Dei um suspiro fraco e me virei, Ellie estava parada diante de mim, conseguia ver em seus olhos que estava confusa.

— Quem é senhor D? E que acordo você tem com ele? — seu tom de voz sério, sobressaiu com segurança.

Respirei fundo, estava entre a cruz e a espada, sabia que Dean estava nos vigiando a todo momento, por outro lado, Ellie sempre sabia quando eu mentia.

“Eu quero, quero, quero estar no jogo,
Eu quero saber, saber seu nome do meio,
Se pudermos ir, ir, não vai ser a mesma coisa,
Porque agora,
Você está matando o jogo.
Todo mundo vai curtir muito hoje à noite.”
- Money / 5 Seconds Of Summer





The End...




Nota da autora:
Desta vez escrevendo adiantado kkkkkkk... Eis aqui mais um ficstape, espero ter conseguido pegar a essência da música e feito algo legal!!!
Resolvi fazer um spin-off de My Little Thief, contando um breve momento da história do prodígio Fish, o que me faz querer ainda mais escrever essa fic linda!!!
Me desculpem qualquer erro de gramática ou betagem, eu só vejo isso depois que a fic entra no site, não desistam de mim, kkkk...
Críticas e elogios sempre serão bem-vindos!!
Bjinhos... By: Pâms!!!!
Jesus bless you!!!




Outras Fanfics:
PRINCIPAIS
| 04. My Answer (Ficstape EXO) | 05. Sweet Creature (ficstape Harry styles) | 06. El Dorado (ficstape EXO) | Beauty and the Beast (Contos Dia dos Namorados) | Beauty and the Beast II | Coffee House | Cold Night | Crazy Angel | Destiny's | É isso aí (mixtape Brasil 2000) | First Sensibility | Genie | I Am The Best (mixtape Girl Power) | I Need You... Girl | My Little Thief | Noona Is So Pretty (Replay) | Piano Man (mixtape Girl Power) | Photobook | Quem de Nós dois (mixtape Brasil 2000) | Smooth Criminal | TVXQ: Tohoshinki |
*as outras fics vocês encontram na minha página da autora!!


comments powered by Disqus