Última atualização: 07/10/2017

Minha Resposta

Os meses foram passando e nossa vida de casado, mesmo sendo diferente da forma tradicional, estava seguindo como desejávamos. Minha rotina diária começava com um animado café da manhã com minha esposa, depois enfrentava horas cansativas no trabalho, até chegar à noite finalizando com um jantar em família, que incluía seus tios, meu primo e Darya.

— Uah... Estou sentindo o peso da idade. — disse me levantando da cama pela manhã e me espreguiçando.
. — sussurrou ao fechar a porta do guarda-roupas.
— Sim?! — virei minha face em sua direção — Aconteceu alguma coisa?
— É... Não sei o que dizer e nem como dizer.
— Dizer o que? — perguntei dando alguns passos até ela — , está com alguma dúvida? Falta alguma informação no seu álbum?
— Não, está tudo ok... É uma nova informação que acabei de ler e...
— E?
— Eu ainda não te contei.
— O que você não me contou?
— Acho que eu queria que você sentisse.

pegou minha mão e lentamente levou até sua barriga, eu não entendi a primeiro momento, mas depois comecei a sentir algo diferente, aquilo não era o batimento cardíaco dela. Então eu entendi o que ela queria que eu sentisse, meus olhos se encheram de lágrimas, aquela notícia era a melhor coisas que poderia imaginar a ter um dia.

— Eu estou te vendo. — sussurrei bem próximo a barriga dela — Estou vendo o nosso bebê.
— Estou feliz por poder vê-lo, de alguma forma. — sua voz estava ainda mais suave — Agora seremos ainda mais completos.
— Nós já somos. — eu a abracei de leve, sentindo ela se aninhando em meus braços.

“Eu já abri o meu coração para você há muito tempo,
Você é tudo para mim, esse é o meu jeito de confirmar,
[...]
Meu cérebro e pensamentos estão preenchidos por você,
Preenchidos pelas suas expressões e suas risadas.”
-  My Answer / EXO

estava grávida e tinha que ser comemorado, o que resultou em um jantar improvisado no apartamento de . Darya e a senhora Charlie, fizeram questão de oferecer este jantar a nós, mas minha linda esposa não deixaria de preparar a sobremesa, que era sua especialidade.

— Uah! Não acredito que será papai antes de mim. — riu um pouco.
— Quem ficou enrolando um noivado por anos foi você, mas olhando agora, foi melhor. — ri junto — Ah, estou tão feliz.
— Percebe-se pelo sorriso estampado na sua cara. — comentou ele — Já pensou na mudança?
— O que? Que mudança? — virei minha face para sua direção.
— É, mudança. — ele riu novamente — Ou você acha que o pequeno lugar onde moram cabe uma criança?! Filhos exigem espaços.
— Ainda não tinha pensado nesse detalhe, mas vou começar a pensar nisso.
— Hum, se eu não me engano, colocaram o apartamento do andar de baixo para alugar ou vender, preciso confirmar com o síndico. — sua voz parecia de alguém confuso.
— Se você puder conversar com ele para mim, seria legal morar perto, ainda mais que a cafeteria é aqui em frente. — expliquei.
— Sobre o que tanto conversam? — perguntou Darya ao se aproximar de nós.
— Sobre mudanças, me lembrou que uma casa com crianças deve ser espaçosa. — respondi voltando minha face para a direção dela.
— Como ele sabe?! — disse ela com surpresa — Ainda me surpreendo com as suas reações, parece uma pessoa normal.
— Até hoje nem eu me acostumei. — retrucou.
— Apenas se esqueça que sou cego. — sugeri com facilidade — Assim irá se acostumar mais rápido.
— Você é cego? — perguntou num tom surpreso, sua voz vinha da direção da cozinha.
… — respirei fundo para não gaguejar.

Estava me perguntando se ela não tinha lido isso em seus álbuns.

. — a voz de Darya estava um pouco mais longe — E…
— O que, quando? — sua voz falhava um pouco.

Não era uma brincadeira, aparentemente tinha deletado a informação da minha deficiência visual, o que me fazia pensar se era bom ou não. Já que eu sempre agia com naturalidade, era bem raro os momentos em que percebia. me aconselhou a conversar com ela no quarto, assim seria mais melhor para nós dois.

Eu estava me sentindo como na primeira vez que ela descobriu que eu era cego, porém meu coração estava tranquilo e calmo, era somente uma informação que tinha omitido de si mesma por algum motivo, mas no fim, eu iria ajudá-la a entender tudo. Assim como todas as manhãs eu sempre conversávamos no café, e ela me tirava suas dúvidas sobre nós dois, estava sendo naquele momento.

Felizmente, tudo foi esclarecido em sua mente, sua voz e gestos continuaram os mesmo e ela me prometeu nunca mais tentar apagar aquela informação de si mesma, mesmo que seja numa boa intenção. Assim como não era fácil para ela perder a memória todas as noites ao dormir, e descobrir pela manhã que era uma mulher casada com um deficiente visual e agora grávida, também era complicado para mim manter todo aquele sentimento negativo do passado, e continuar otimista sobre nosso futuro.

— Me desculpe, novamente. — sussurrou ela.
— Eu já disse que não precisa se desculpar. — envolvi de leve meus braços em suas cintura — Basta que apenas não apague mais esta informação de sua vida, sei que pode continuar agindo naturalmente comigo mesmo sabendo, isso já aconteceu antes.
— Verdade. — ela pegou minha mão de leve e elevou até sua face.

Passei alguns segundos admirando aquele sorriso em seus lábios, até que em um movimento suave e espontâneo dela, seus lábios tocaram nos meus. Sua forma delicada e ousada de me beijar era a melhor parte do nosso dia, sempre me deixando surpreso e sem reação, além de levar meu fôlego junto.

Quando voltamos para sala, Darya já estava ajeitando os pratos na mesa, foi em direção a sua tia para ajudá-la. Claro que mesmo não vendo, conseguia sentir a curiosidade alheia pairando pelo ar, principalmente do meu primo, me sentei no sofá e ri de leve.

— Não se preocupem, já está tudo resolvido.

Disse para e o senhor John, que não havia se levantado do sofá desde que chegou.

— Tenho certeza que sim, só de ver aquele brilho nos olhos de minha sobrinha. — John riu também — Uma já está resolvida, agora falta a outra.

Eu ri entendendo a indireta, enquanto começou a tossir do meu lado, provavelmente engasgando com algo líquido, pois gotículas tinham caído em meu braço.

— Darya é uma moça de família. — completou John.
— Claro, tenho maior respeito por sua afilhada. — concordou .
— Hum, o senhor está tentando me casar também?! — riu Darya ao se aproximar de nós — Padrinho, não se preocupe, não ficarei para tia.
— Hum. — riu da cozinha — Estou sentindo cheiro de bolo de casamento.
querida, eu ainda gosto de você. — brincou — Você ainda é meu cupido da sorte, mas acho que não podemos nos apressar muito.
— Quem vai ao ar, perde o lugar. — retruquei rindo.
— O que quis dizer com isso? — perguntou — Darya?!
— Eu não sei de nada, mas está certo, não gosto de esperar por muito tempo. — afirmou ela.

Todos começamos a rir de .

— Assim vocês me deixam sem graça. — disse ele tossindo novamente.
— Pare de tossir e faça logo o que é certo. — disse num tom baixo para que somente ele ouvisse — Esta é a certa, não enrole desta vez.

Eu estava feliz pelo meu primo, era a primeira vez que eu aprovava uma namorada dele, e era a primeira vez que eu me sentia tão bem perto de pessoas tão diferentes de mim. A maior descoberta sobre os tios de , era o bom gosto para vinhos e assuntos para conversar. O senhor John conseguia prender minha atenção falando desde carros de corrida até League of Legend, algo que me deixava admirado.

- x -

— O que foi , acabei de acordar e nem sei onde está minha esposa ainda. — disse ao atender o telefone que tocava pela sétima vez num sábado pela manhã.
Finalmente atendeu. — ele bufou um pouco — Seja mais gentil com seu primo, estou aqui te fazendo um favor.
— E qual seria esse favor? — disse me espreguiçando na cama.
Falei com o síndico, ele concordou em te mostrar o apartamento que estão vendendo aqui. — explicou ele — Mas deve vir agora.
— Agora? — ergui meu corpo da cama — Sério?
Estou te esperando aqui, já sabe, é um andar abaixo do meu. — disse ele já encerrando a ligação.
— Yah! ?! — gritei sem sucesso.
, o que houve? — perguntou , sua voz vinha da escada.
— Nada, foi uma ligação do , ele quer me encontrar agora.
— Para que? — indagou ela.
— Hum, surpresa. — disse me levantando da cama.
— O que anda aprontando senhor meu marido?! — ela riu.
— Só posso dizer que é algo maravilhoso para nossa família. — dei alguns passos até o armário e troquei de roupa.

Antes de sair, me despedi de com um selinho singelo e segui em direção ao prédio do outro lado da rua. Um lugar novo para morar, aquela era minha surpresa para ela, teríamos um lugar maior para criar nossos filhos, afinal queria ter bem mais de um.

Apesar de espaçoso e amplo como o do , o apartamento tinha alguns problemas com a encanação e cheirava a mofo, pois tinha passado muito tempo fechado e abandonado. Era complicado achar algo de positivo naquilo, mas como tinha as palavras de minha querida esposa sempre presente em minha mente, eu acharia de alguma forma o lado positivo.

E não foi difícil, com os argumentos espontâneos de sobre um desconto no valor da hipoteca do apartamento, já que os custos da reforma sairia também do meu bolso. Após uma longa e agradável conversa com o síndico, que estava responsável por todas as negociações do lugar, conseguimos fechar o negócio e ainda fui agraciado com a indicação de uma empresa que poderia me ajudar com a reforma, limpeza e detetização.

- x -

— E então? O que achou? — perguntei assim que retirei a faixa que tinha colocado em seus olhos.

Havia sido um pouco engraçado, eu a guiando vendada até o apartamento. Ainda mais pela minha condição, mas aquela simples brincadeira acabou se tornando uma diversão, se mostrou ainda mais empolgada e segura em me seguir para qualquer lugar.

— Uau. — disse ela num tom de surpresa — Não sei o que dizer.
— Não diga nada, já consigo ver pela sua voz. — disse permanecendo com minha face voltada para ela.
— É tão espaçoso quanto o do , ainda não acredito que vamos morar aqui. — retrucou ela, estava mesmo surpresa.
— Pois acredite. — eu segurei de leve em sua mão — E faço questão que você mesma decore tudo.
— Sério?
— Sim. — assenti.

Fiquei feliz por ela ter gostado e ao mesmo tempo aliviado, pela pequena reforma ter sido um sucesso, porém ainda tinha a aquela preocupação com a decoração e os poucos móveis que tínhamos. Gastar mais do que nosso orçamento, não estava em meus planos, menos ainda tocar nas economias de , que eram para seu futuro profissional.

— Para quem está indo ligar? — perguntei ao ouvir o barulho do teclado do seu celular.
— Estou mandando uma mensagem para a melhor decoradora que tenho. — respondeu com tranquilidade.
— Darya?
— Sim, já que nós mesmo vamos colocar a mão na massa. — assentiu com uma risada baixa.
— Hum, ok. — me virei para a porta.
— Aonde está indo? — perguntou ela.
— Vou recrutar outra força física, no andar de cima. — expliquei ao abrir a porta
?
— Sim, afinal quatro pessoas trabalham melhor que três. — ri — E você não pode se esforçar muito.
— Verdade. — concordou ela rindo junto — Não demore.

Claro que meu primo não se negaria a nos ajudar, ainda mais que Darya estaria junto naquela força tarefa. Passamos algumas semanas entre pinturas, texturas de parede, montagem e organização dos móveis que já tinham no loft de , apesar de simples nosso apartamento estava do jeito que queríamos. Claro que a parte mais pesada ficaria comigo e , para não cansar minha linda esposa, já que as primeiras semanas de gravidez eram importantes e delicadas.

Só faltava uma coisa.

— Não, não quero nada que venha deles. — me virei para a direção da janela ficando de costas para eles.
— Aceitamos sim. — se colocou em meu lado, segurando de leve em minha mão, ela sabia que eu não queria mais contato com meus pais — Agradeça aos meus sogros e diga que ficamos felizes com os presentes.
— Tem certeza? — indagou , certamente estava se referindo a minha recusa inicial.
?! — questionei me virando para ela.
— Sim, temos certeza. — confirmou ela, senti uma respiração mais profunda vindo dela — , não podemos recusar, se eles querem dar de bom coração, não deixe que o orgulho e a mágoa atrapalhe, olhe o lado positivo.
— Tudo bem. — assenti com um suspiro fraco.
— Bem, então vocês só precisam escolher os móveis e o valor será pago pelo tio Han. — concluiu deixando sua voz um pouco mais suavizada — Preciso ir agora.
— Eu te acompanho até a porta. — disse indo em direção a porta e o empurrando.
— A yah! — reclamou ele.

Ouvi os risos baixos de , pelo seu andar, estava indo em direção a cozinha.

— Seu linguarudo. — disse ao assim que saímos do apartamento — Porque contou da minha vida para meus pais?
— Yah! — se alterou ele parando no meio do corredor — Não contei toda a história, eles já sabiam do seu casamento quando me ligaram.
— O que? Como assim sabiam? — aquilo havia me deixado confuso.
— Taylor, ela foi para Coreia há duas semanas para o casamento da prima, então encontrou seus pais e perguntou se eles tinham comparecido ao seu casamento, foi então que a tia Yuri me ligou.
— E tinha que falar do bebê? — cruzei os braços ficando ainda mais sério.
— No começo, pensei em não falar. — se explicou — Mas não podia deixar o neto deles sem o amparo dos avós, estou vendo o quanto esse início está sendo difícil para vocês financeiramente. — ele estava certo — Além do mais, a herança dos seus pais é um direito seu e do seu filho agora, pare de ser orgulhoso e apenas aceite a aproximação deles, me parece ser sincera.
— Farei isso por ela e pelo nosso bebê. — segurei na maçaneta novamente — Agradeço a ajuda .
— Sou seu primo, é um prazer ajudar, afinal serei o padrinho. — ele saiu rindo pelo corredor.

Mas estava certo, e Darya seriam os melhores padrinhos do mundo, e essa escolha havia sido unânime. Assim que entrei novamente e fechei a porta, ouvi cantarolando da cozinha, o cheiro logo invadiu minhas narinas, o que me fazia constatar que nosso jantar estava em andamento.

Dei alguns passos até ela que estava perto de fogão, encostei de leve na pia e cruzei os braços, permanecendo em silêncio com minha face voltada para ela.

— O que está me olhando? Por que sei que está me olhando de alguma forma. — explicou ela de forma específica.
— Nada. — ri um pouco e ajeitei o óculos escuros que estava em meu rosto — Só estou curioso para saber o que está preparando para o jantar, pelo cheiro parece algo vegetariano.
— Uah, está ficando cada dia mais afiado em suas suposições. — elogiou ela — E o que acha que estou fazendo?
— Hum. — respirei fundo para sentir um pouco melhor o leve aroma que recendia no ar — Tem arroz, ervas, tomate e cebola, acertei?!
— Faltou o brócolis. — ela riu de leve e logo senti um beijo em minha bochecha — Mas te perdoo por não acertar tudo.
— Yah, me dê um desconto, não consegui sentir o cheiro do brócolis. — reclamei em aproximando mais um pouco.
— Hum, confesso que ainda não o coloquei para cozinhar. — ela riu um pouco.
— Está explicado. — eu segurei de leve em sua mão e a puxei para perto de mim — Obrigado.
— Pelo que? — perguntou ela.
— Por novamente que fazer perceber que estou errado. — expliquei.
— Hum, confesso que a maioria das vezes tem andado errado. — ela riu de novo — Mas entendo sobre sua rejeição ao seus pais.
— Não consigo somente perdoá-los e esquecer as palavras duras deles. — desabafei superficialmente.
, sei que não podemos apagar as palavras que saíram deles, mas você pode abrir seu coração e deixar a mágoa ir embora. — ela pegou em minha mão e a encostou em sua barriga, senti o pequeno volume que já formava — Não somente eu, mas essa linda criatura que cresce a cada dia aqui dentro, também deseja que nossa família seja unida, e isso se estende aos seus pais também.
— É difícil achar que eles estejam com boas intenções. — retruquei.
— Meu falecido avô sempre falava que, boas intenções não são garantia para o paraíso. — ela riu de leve — Mas, não crie mais sentimentos ruins e pensamentos tortuosos, pode não ser fácil agora perdoá-los, mas se você se esforçar, pode ser que veja algo positivo e sincero vindo deles.
— Estou realmente grato por Deus ter colocado você em minha vida, logo eu que não mereço. — sussurrei de leve.
— Pare de ser assim consigo mesmo. — ela me abraçou de leve — Ambos fomos abençoados.
— Sim. — eu ri — Mas ainda temos que tomar cuidado ao abraçar na cozinha, estamos perto do fogão.
— Verdade. — ela deu dois passos para o lado, me fazendo segui-la para longe do fogão — Segura acima de tudo.
— Sim. — concordei.

São estes momentos que me deixam ainda mais fortalecido, sabe que tenho ela ao meu lado para me aconselhar e me levantar quando caio em meus medos. Numa coisa ela tinha razão, agora eu deveria pensar no que poderia ser melhor para nosso bebê, então deveria a todo custo me livrar do meu orgulho e da raiva que ainda sentia dos meus pais.

Eu estava decidido, aceitaria a aproximação dos meus pais de fosse realmente sincera.

“Quanto mais eu penso sobre isso, mais eu tenho a certeza,
Minha resposta,
É você.”
- My Answer / EXO



The End...




Nota da autora:
Mais uma spin-off de I Need You Girl, com esse casal fofo que nos ensina muitas coisas!!! Em breve mais spin-offs deles *-*
Espero que tenha ficado legal, me desculpem qualquer erro de gramática ou betagem, não desistam de mim, kkkk...
Críticas e elogios sempre serão bem-vindos!!

Minhas fics no FFOBS:

| 01. Money (Ficstape 5 Secunds of Summer) | 04. My Answer (Ficstape EXO) | 04. On My Mind (Ficstape Ellie Goulding) |
| 05. Así Soy Yo (Ficstape RBD) | 05. Sweet Creature (ficstape Harry styles) | 06. El Dorado (Ficstape EXO) |
| 07. Never Been Better (ficstape Olly Murs) | 11. As You Are (ficstape Charlie Puth) | 13. I Won't (Ficstape Little Mix) |
| 14. Blood (Ficstape My Chemical Romance) | 14. Goodnight Gotham (Ficstape Rihanna) | 15. Airplanes (Ficstape 5 Secunds of Summer) |
| 16. Nothing But Trouble (ficstape Charlie Puth) | 17. Trust (Ficstape Justin Bieber) |
| Beauty and the Beast (Contos Dia dos Namorados) | Beauty and the Beast II | Coffee House | Cold Night | Crazy Angel | Destiny's |
| É isso aí (mixtape Brasil 2000) | Electrick Shock (Especial Challenge #18) | Evidências (Especial: Arraiá) | First Sensibility | Genie |
| I Am The Best (mixtape Girl Power) | I Need You... Girl | Love of My Life (mixtape Classic Rock) | My Little Thief | Noona Is So Pretty (Replay) |
| One Shot | Piano Man (mixtape Girl Power) | Photobook | Promise (Contos de Halloween) | Quem de Nós dois (mixtape Brasil 2000) |
| Sem ar (mixtape Brasil 2000) | Smooth Criminal | The Boys (mixtape Girl Power) | TVXQ: Tohoshinki | Wind Of Change (mixtape Classic Rock) |


Bjinhos...
By: Pâms!!!!
*Ps.: o link das fics vocês encontram na minha página da autora!!







comments powered by Disqus