Última atualização: 09/11/15

Capítulo Único

Janeiro

Nunca gostei muito de praia, ainda mais quando você sabe que todos seus amigos estão se divertindo bem longe de onde você está. Meus pais me arrastaram para Santa Catarina, depois de eu quase reprovar no ano passado, esse era o meu castigo.
E por quase uma semana foi mesmo. Até o dia em que resolvi sair sem eles. Já estava de saco cheio daquele lugar e fui dar uma volta pela orla. Meu plano era dar apenas uma caminhada e voltar pra casa, mas uma bolinha de frescobol mudou meus planos totalmente.
– Desculpa! Eu já disse que não nasci pra essas coisas – Estava coçando meu olho, que foi atingido pela bolinha de frescobol cheia de areia, quando senti duas mãos no meu rosto e de repente aquela garota estava ali, me encarando preocupada e tentando assoprar meu olho de qualquer jeito.
– Hmm... eu acho que já está bom – Abri meu olho e só então eu pude vê-la de verdade e por Deus como ela era linda.
– Tem certeza?! – Ela se aproximou novamente, eu ri de leve com sua preocupação exagerada e ela sorriu.
– Qual é seu nome mesmo?! – Ela perguntou me olhando mais de perto, tentando mais uma vez se certificar de que eu estava enxergando direito.
– É e o seu?! – Estendi minha mão a ela que sorriu e me puxou para um abraço.
ou , tanto faz – Ela me soltou do abraço e me puxou pela mão, indo até um agitado grupo de pessoas. Segundo quase fiquei cego e ela tinha a obrigação de ficar me observando.
Quando me dei conta, já estávamos sentados na areia da praia junto com os amigos dela, com uma fogueira no centro e dois caras tocando violão. Aquela até então desconhecida sentou ao meu lado, me oferecendo uma cerveja e sorrindo.
– Vamos nos divertir ! – Ela estreitou os olhos pra mim – Posso te chamar assim?! – Ela nem esperou resposta e brindou comigo rindo em seguida.
era a garota mais divertida que eu já conheci e depois de algumas cervejas até mesmo eu estava me achando um cara engraçado, me deram o violão e eu comecei a tocar, vendo mais sorridente ainda quando reconheceu a música, cantando junto comigo cada verso.
E a gente vive junto
E a gente se dá bem
Não desejamos mal a quase ninguém
E a gente vai à luta
E conhece a dor
Consideramos justa toda forma de amor!

Terminei recebendo aplausos dos meus novos amigos e um abraço apertado de com um beijo no canto da boca. Depois de mais umas três músicas nós decidimos dar uma volta pela orla da praia.
– Aquela música ficou ótima na sua voz – sorriu e me empurrou de leve, parei na frente dela e fiz com que ela parasse também.
– Eu gostei mais na sua voz e mais ainda depois da música – Coloquei minhas mãos na cintura dela e sorriu torto, arqueando a sobrancelha de leve.
– O que teve depois?! – Ela sussurrou um pouco mais perto de mim e eu apenas meneei a cabeça, antes de juntar nossas bocas e a trazer para mais perto, em um beijo calmo, mas cheio de desejo. Eu sentia sorrir em meio ao beijo e a puxei ainda mais pela cintura, apertei meu abraço enquanto sentia ela bagunçar meus cabelos com vontade.
Ela parou aos poucos, desceu seus beijos até meu pescoço e ficou ali, com o rosto na curva do meu pescoço eu a sentia sorrir, e não pude evitar em fazer o mesmo.
, ! – Ela beijou mais uma vez meu pescoço antes de voltar seu olhar para mim, com um sorriso maroto brincando em seus lábios, ela segurou meu rosto em suas mãos.
– Você tem jeito de perigo, garoto! – Ela estreitou seus olhos para mim, olhando mais de perto e eu ri alto, jogando minha cabeça pra trás, devolvi seu olhar em seguida.
– Vai querer arriscar?! – Perguntei a abraçando um pouco mais forte e ela sorriu, fingindo estar em dúvida, franziu o nariz antes de responder:
– Não perco isso por nada!
Ela sorriu e eu a beijei de novo.

Foi o melhor verão de todos, eu que odeio sol ia à praia praticamente todos os dias junto dela, via ela “brigando com as ondas” e depois ela corria na minha direção, era definitivamente a minha parte favorita.
era irresistível e cada dia me encantava mais com tudo que descobria sobre ela. Nenhum dia era ruim, ela sempre dava um jeito de deixar tudo melhor, como quando em um dia de chuva muito forte, ela apareceu na “minha” casa e nós passamos a tarde toda jogando videogame e falando sobre filmes. Ela adorava Velozes e Furiosos e eu tinha vontade de dizer que eu a adorava mais ainda depois disso.

Mas é o que dizem: “Amor de verão não sobe a serra” eu realmente tentava enfiar isso na minha cabeça, que todo aquele contato, que o beijo e o cheiro dela seriam algo passageiro e com data para acabar na minha vida, mas era impossível; meu coração poderia estar errado, mas toda vez que eu a via sorrir, eu sentia que era única e que não me importaria de chamá-la de minha, de fazer o que nunca fiz por nenhuma garota. Até que em nosso último dia na praia, eu ensaiava nossa despedida em minha mente, pronto para fingir ser forte, ela chegou correndo e pulou no meu colo, me enchendo de beijos e sorrindo abertamente.
– Eu acabei de descobrir que minha mãe e meu novo colégio são perto de onde você mora! - Ela riu e me beijou, a coloquei no chão e a olhei confuso.
– Explica direito – Pedi com calma e ela respirou pausadamente antes de falar
– Eu sempre morei com meu pai aqui no Sul, mas esse ano eu vou morar com a minha mãe e com o meu irmão em São Paulo, mais precisamente no interior, em Campinas! – Ela sorriu ainda mais conforme minha cara de confuso se desfazia.
– Não acredito! Não vou precisar gastar com passagem! – Ri e ela começou a distribuir tapas pelo meu braço rindo também.
– Idiota! – Ela me abraçou e apertou meu rosto entre suas mãos – Você tá ferrado, ! – Balancei a cabeça negando e ela sorriu escondendo seu rosto em meu peito.
– Qual o nome da sua escola?! – Perguntei como se fosse um golpe extra de sorte, talvez desse certo...
– Minha mãe disse que é Dom Pedro II, conhece?! – Não me contive em rir alto, aquilo era muito mais do que eu esperava, aquilo era tudo que eu queria.
– Não acredito! – sorriu ainda mais ao entender. Nós ficaríamos juntos. E eu só conseguia sorrir.

Fevereiro

Exatamente uma semana entre a nossa volta da praia e o início das aulas, eu nunca estive tão ansioso para um início de ano letivo como para esse, estava no portão do colégio esperando por , esperando para continuarmos tudo que começamos na praia. Mas quando eu a vi chegando, com um olhar duro sobre mim e praticamente me empurrando para sair de sua frente não entendi nada, até ver meu melhor amigo Lucas vindo alguns passos atrás dela, se divertindo com alguma coisa.
– Acho que minha irmã não foi com a sua cara! – Ele me deu um tapinha no ombro e eu senti um frio na barriga, não era possível.
– Irmã?! – Corri até ele que já estava quase no centro do pátio, cumprimentando o resto dos meninos do nosso time de basquete.
– Pois é cara, ela morava com meu pai desde os 10 anos e agora minha mãe convenceu ela a passar esse ano com a gente! Vou ter trabalho esse ano – Lucas me encarou com as sobrancelhas erguidas, exatamente por conhecer Lucas eu sabia o quanto ele era estressado e ciumento, e o quanto eu estaria ferrado. Apenas bati no ombro dele e procurei , sem vê-la em lugar nenhum, algo estava muito errado ali.
No fim do intervalo, depois de conseguir escapar dos garotos do time, eu consegui encontrá-la no corredor do último ano.
– Você está se escondendo? Porque passou por mim daquele jeito? – Consegui alcançá-la e me olhou de cenho franzido e totalmente zangada.
– Me solta! – Ela disse baixo enquanto eu a olhava sem entender nada.
– O que aconteceu? O que foi que eu fiz?! – Bloqueei sua saída com meus braços e apenas rolou os olhos cruzando os braços.
– Confesse que você só quis brincar comigo, que foi tudo de caso pensado... Eu já sei do seu passado !
– Que parte da história eu perdi? Do que você tá falando? – Cruzei meus braços como ela, se ela queria brigar então nós brigaríamos.
– Eu estou falando do cara que não deixa passar uma, do amigo do meu irmão que segundo todo mundo não fica preso a ninguém, eu não contei nada pro Lucas e espero que você também não conte e me esquece o.k.?!
– Não! Eu não... – Comecei a me explicar, mas me empurrou de leve e antes de seguir seu caminho, ela me olhou nos olhos e disse:
– Me disseram que você tem um coração de pedra, que você adora brincar, mas eu não nasci pra ser brinquedo de ninguém! Então só ignora tudo, fingi que nunca me viu porque é o que eu vou fazer com você!
E saiu praticamente marchando dali, me deixando sem fala, sem reação e absolutamente puto com quem foi o fofoqueiro que passou “minha ficha” pra ela.

Os dias passaram, eu tentei com todas as forças ser aquele cara que todo mundo realmente achava que eu era, mas eu só pensava em e nos melhores dias que passamos juntos. Lucas comentou que quando voltou da praia sua irmã resolveu perguntar sobre os amigos dele e ele confessou que exagerou um pouco nas descrições pra deixar ela bem longe dos marmanjos e eu quis socar com todas as minhas forças o nariz dele e mandá-lo desfazer a merda que tinha feito.
Ela me ignorava com perfeição, com seu jeito tão simples e simpático em menos de uma semana ela já tinha vários amigos, ela já nem vinha mais falar com Lucas e consequentemente eu quase não a via.

– Posso falar com você?! – Lucas não estava na escola e eu sabia exatamente onde o grupinho de se escondia, quando me viram as meninas sorriram abertamente e apenas revirou os olhos.
– Não! – Ela disse simplesmente voltando a se virar para um dos garotos ali presentes, mas até mesmo ele prestava atenção em mim, ali naquele colégio todos nós do time de basquete sempre chamamos muita atenção e todos os amigos dela pareciam surpresos de me ver ali.
– É rápido, eu prometo! – Coloquei as mãos nos bolsos e esperei pela boa vontade dela que só se levantou depois de sentir todos os olhares sobre ela.
– Anda logo – Ela saiu na minha frente, indo para trás da maior árvore do pátio onde quase ninguém podia nos ver.
– Você disse tudo o que quis, você acreditou em tudo que ouviu, mas eu tenho direito de me explicar, se você quer a verdade então que venha de mim, não do seu irmão! – me analisava friamente, cruzou seus braços e deu de ombros.
– Realmente não sou santo, já fiquei com algumas meninas do colégio e nunca negaria isso, mas mesmo vocês achando que eu não gosto de ninguém, não é verdade, nunca foi e não foi mentira quando eu disse que queria ficar com você aqui em São Paulo – riu debochada e eu não aguentei, me aproximei mais dela que parou de rir e me encarou mais séria.
– Lucas não falava de você, não tem mil fotos suas espalhadas por aí pra eu saber que você era a irmã dele, eu gostei de você pelo que você é... – Eu estava muito mais perto agora, com meu rosto quase colado ao dela, eu a vi vacilar e tentar desviar seus olhos dos meus, mas segurei seu queixo, ela precisava ouvir tudo.
– Agora você sabe quem eu sou, não me importo de “ganhar ou perder” eu estava e ainda estou disposto a tentar de verdade, mas é você quem vai decidir o que quer fazer – Eu a beijei de leve nos lábios e sai. As cartas estavam claras agora, ela podia decidir se queria ou não.

Depois de uns três dias, em que eu já acreditava que tudo estava perdido, saindo do vestiário perdido em pensamentos eu senti uma mão me puxando para os armários, lá estava , ofegante e com o rosto vermelho.
– Até que enfim! – Ela se apoiou no armário tentando recuperar o fôlego – Eu queria falar com você
– Pode falar – Me coloquei a frente dela, perto o suficiente para sentir sua respiração batendo em meu rosto.
– Eu queria te fazer uma pergunta, só uma! – Ela me olhava atentamente, assenti e ela respirou fundo antes de falar – Você tem certeza sobre tudo que me disse? Porque nada vai ser fácil, já tá bem complicado pra algo que nem aconteceu direito e...
E eu a calei, puxei sua cintura de encontro a minha e colei nossos lábios. Estava com saudades daquele beijo, daquela garota e não queria parar, me puxava pelo pescoço e nós só paramos porque precisávamos de ar e porque alguém resolveu entrar naquele corredor. Depois do susto, eu a puxei para mim novamente.
– Eu prefiro falhar, prefiro me ferrar tentando a nunca mais ter isso! – A apertei um pouco mais em meu abraço – Foi só um passo errado, é preciso mais do que isso pra me derrubar, garota! – Pisquei para ela que riu tentando sair do abraço, mas eu a prensei no armário e ela riu mais forte.
– Vai aparecer alguém, eu não posso ser vista com você! – disse baixo como se fosse o maior dos segredos.
– O QUE?! – Coloquei a mão na boca, exageradamente chocado e me afastei – VOCÊ SÓ VAI ME USAR! EU NÃO ACREDITO! – Eu falava alto porque sabia que ninguém mais estava naquele prédio e via ficar a cada segundo mais vermelha e tentar segurar a risada.
– Para com isso! – Ela começou a rir e tentou se aproximar – Se você não ficar quieto, eu vou embora! – apontava seu dedo para mim e eu a puxei pela mão pra dentro do vestiário.
– Prontinho, aqui você pode me usar a vontade que ninguém vai ver – Pisquei para ela que correspondeu com sua malícia na ponta da língua, me puxando pela camiseta e sorrindo torto.

Março

Era horrível não poder abraçá-la no colégio ou vê-la passar reto e não conseguir escapar do Lucas. Cada dia ele estava mais ciumento em relação à e os garotos do colégio. E nós nos arriscávamos no final da aula, eu dizia que estava treinando mais e ela inventava vários trabalhos.
– Lucas encheu a cabeça da minha mãe dizendo que eu tenho um namorado e agora os dois ficam pegando no meu pé toda vez que vou sair – estava sentada entre minhas pernas e apoiada em meu peito, parecia mais inquieta do que o normal, me desencostei da árvore em que estava e busquei seu olhar.
, eu já disse que posso enfrentar o Lucas, não tem problema, uma hora ele vai ter que saber e entender! – A beijei e acariciei sua bochecha a vendo sorrir de leve, mas voltar a parecer preocupada.
– Eu sei que ele não vai aceitar e eu não quero acabar com a amizade de vocês, eu seria um monstro – Ela voltou a encostar a cabeça em meu peito e suspirou fechando os olhos. Eu estava prestes a beijá-la quando senti uma mão em meu ombro.
– Se divertindo seu filho da puta! – E um Lucas totalmente furioso começou a me puxar pela camiseta, deixando apavorada.
– Para já com isso Lucas!
E já era tarde demais, Lucas me deu um soco, eu devolvi e tentei me afastar, mas ele queria mais e investiu novamente.
– Eu não quero brigar caralho! – Empurrei Lucas que continuava furioso me olhando.
– Mas quis pegar minha irmã né, porra ! Você sempre soube, já tinha te avisado, eu não vou deixar você brincar com ela! - Lucas conseguiu me acertar um soco na barriga quando me distraí olhando para que estava com os olhos cheios de lágrimas, me implorando para parar. Comecei a tossir e ele vinha pra cima de mim novamente, mas o segurou.
– PARA CACETE! PARA AGORA! – Ela o empurrou o mais forte que pode e Lucas a olhou inconformado.
– Eu gosto dela, eu não estou brincando!
– Gosta nada, você não gosta de ninguém! – Lucas se aproximou e puxou pela mão. Praticamente cambaleando ela o seguiu, mas olhou pra mim uma última vez e naquele olhar eu tinha a resposta das minhas dúvidas. Eu teria de arriscar tudo para tê-la comigo e eu arriscaria. Sem pensar duas vezes.

Todos os dias que se seguiram eram uma grande porcaria porque Lucas ficava como um cão de guarda ao redor de , fazendo questão de contar a escola inteira que eu era um grande FDP traidor, ele conseguiu me excluir de praticamente tudo.
Minha única chance era provar que eu gostava realmente de , que ela não era como todas as outras e que Lucas não precisaria se preocupar mesmo que fosse contra.

Com a ajuda de uma amiga dela, eu consegui arranjar um “encontro” escondido na biblioteca. E eu sentia em todas as células do meu corpo, dos meus ossos ao meu coração palpitante, em minhas mãos suando, o quanto ela era importante e única pra mim.
– Eu não acredito que estou fazendo isso – Ela riu em meio ao beijo quando eu a pressionei contra uma das estantes da biblioteca.
– Estava morrendo de saudade! você me enlouquece, garota! – Puxei seu queixo pra mim, e olhando em seus olhos a vi sorrir e ficar levemente corada.
– Temos pouco tempo, minha “aula” já vai acabar – Ela sussurrou contra minha boca e tive de me afastar para poder falar com clareza o real motivo de eu ter pedido para encontrá-la.
eu sei que isso pode ser realmente esquisito e até meio apressado, mas eu preciso te perguntar, eu preciso saber se terei você ao meu lado... – me olhava confusa e levemente assustada, peguei em suas mãos e beijei cada uma delas – Eu vou enfrentar o Lucas, eu pretendo lutar por nós, mas antes de sair daqui e enfrentar o mundo, eu preciso saber se você estará nessa comigo?!
– Não, não briguem mais, eu imploro! – Ela apertou minhas mãos entre as suas e me olhava preocupada.
– Não, eu não vou sair na mão com ele, eu não pretendo fazer isso desse jeito – olhou desconfiada e eu jurei, assim como quando se é criança e ela riu de leve, assentindo e me abraçando em seguida.
– Mas gostaria de deixar claro que se tivesse de pular de um prédio sem paraquedas, por você, eu pularia! – Pisquei para ela que riu saindo do abraço negando com a cabeça.
– Acho melhor não né – sussurrou no meu ouvido e eu beijei sua bochecha como resposta
– Então eu posso contar com você?! – Perguntei mais uma vez e ela entrelaçou sua mão a minha, assentindo antes de me beijar mais uma vez.

Meu grande dia chegou, eu nunca tinha feito nada do gênero e também jamais me imaginei fazendo isso, mas eu precisava de algo importante e grande, eu não podia deixar dúvidas. Sabia que minhas chances de falhar e passar uma bela vergonha eram realmente enormes, mas eu preferia isso a ter de ficar me escondendo com .
O ginásio estava cheio, eram as apresentações finais do trabalho de português e mesmo nem sendo da turma, praticamente implorei a professora para me apresentar no final. Ela demorou, mas deixou, e aqui estou eu, quase vomitando de ansiedade por saber que a escola inteira está lá fora e em dez minutos seria a minha vez.
– Meu Deus! – saiu de trás de uma das cortinas me assustando. Ela sorria abertamente, e me olhava boquiaberta, confesso que eu havia caprichado, já que ia pagar mico, que fosse então em grande estilo.
– Você está demais! , tô sem palavras! – Ela sorriu pegando dos dois lados do meu rosto e me beijando de leve nos lábios – Quero muito saber o que você vai fazer, mas não quero estragar a surpresa! - Ela riu nervosa e me abraçou.
– Só vim te desejar toda sorte do mundo, e dizer que assim que você descer desse palco, eu estarei te esperando bem ali embaixo – sorriu, seus olhos brilhavam e eu me sentia o cara mais sortudo do mundo. Já estava valendo a pena. A professora apareceu pra avisar que eu era o próximo.
– Meu amor. Boa Sorte! – me tirou a fala e sorriu ainda mais, a beijei calmamente e ela sorriu, nos separando e saindo rapidamente dali. Então chegou minha vez.

– Nós temos uma “participação especial” de um dos nossos alunos do segundo ano. Com vocês: .
As caras de espanto, deboche e curiosidade eram unânimes, mas eu me concentrei no que PRECISAVA fazer e dizer.
– Bem, eu sei que é estranho, mas eu pedi para me apresentar hoje porque eu tenho uma coisa a dizer – Todos aqueles olhares não era o bastante para me fazer desistir, eu estava ali pra mostrar que sou forte e que não desistiria.
– Existem coisas que exigem muita coragem, uma delas é enfrentar seus amigos por algo que você acredita e que é realmente importante e estar aqui na frente de todos vocês. Dá um desconto galera. Eu disse que arriscaria tudo e é tudo por você, .
Peguei o violão e encontrei Lucas na plateia, me olhando boquiaberto. Procurei pelo olhar de e lá estava ela ao pé do palco, emocionada e nervosa roendo as unhas. Respirei fundo e comecei a dedilhar o violão. “Apenas Mais Uma de Amor” essa era a minha aposta maior, essa música falava tudo que eu precisava dizer a ela e esperava do fundo do coração que Lucas entendesse, que não adiantaria tentar. Nós ficaríamos juntos a partir de agora.
O que eu ganho, o que eu perco
Ninguém precisa saber

Pelos aplausos no final e as caras impressionadas acho que agradei algumas pessoas com a minha apresentação, devolvi o violão a professora e agradeci. Desci as escadas do palco e fui recebido por ela. se jogou em meus braços, me abraçou apertado, sorrindo emocionada. Procurei por seus lábios e enfim pude beijá-la do jeito que queria, sem culpa, me sentindo livre. Ela era minha e eu dela, e isso estava bem claro agora.
Ouvimos alguém pigarrear perto de nós e eu parei de beijá-la. Era Lucas.
– Então isso é sério?! – Ele ainda com a expressão séria apontou para nós, entrelaçou sua mão a minha e sorriu para o seu irmão.
– Sim. Muito sério – Respondi e Lucas olhou diretamente para mim, com seu tom mais ameaçador ele disse:
– Você sabe que eu te arrebento se você a machucar, certo?! – Ele apontou o dedo pra mim e eu assenti, sem recuar em momento algum, estava preparado para qualquer coisa – Eu jamais imaginei te ver pagando tanto mico assim, então tô levando fé em você, cuida dela direito! – Lucas estendeu sua mão para mim e eu a apertei com firmeza, assim como ele.
Aquilo já era um grande passo pro cabeça dura do Lucas, com o tempo ele aceitaria e talvez até nós voltássemos a ser amigos como antes. Era só esperar, ter paciência.
Lucas se afastou e quando não podíamos mais vê-lo toda sorridente se colocou a minha frente, indo direto ao meu ouvido.
– Você precisa parar de cantar Lulu Santos pra mim, eu posso me apaixonar sabia?! – Ela sussurrou rindo e beijando meu pescoço logo depois. Repeti seu gesto e a puxei para mim com a boca colada em seu ouvido eu sussurrei:
– Que perigo! Será que isso é possível?! – Mordisquei sua orelha, sentindo ela se encolher nos meus braços e sorrir assentindo. Aproximei minha boca da dela e disse contra seus lábios, sorrindo como ela. Feliz como ela.
– Esse é um risco que eu quero correr! Todos os dias!
Os olhos dela brilharam antes de se fecharem novamente, nossas bocas se juntaram de novo e eu sabia que aquele era só o nosso início. Sem mais nada pra nos impedir. Agora era só com a gente.


FIM


Nota da autora: Oii gente! Tudo bem?! Adorei participar deste ficstape e espero que gostem desta história curtinha, mas pensada com muito carinho pra vocês! Se gostarem, por favor, comentem ;D Qualquer coisa, só falar no twitter. Beijoooos, até mais!


Outras Fanfics:
Better With You - One Direction/Em Andamento,
07.This – Ficstape Ed Sheeran/Finalizada


Nota da beta:Gente, esse ficstape tá muito fofo! Eu como beta to me deliciando horrores com essas fics, e Risk It All é a prova! Amei bastante. Parabéns Aly; espero ver vários comentários aqui embaixo porque você merece! Xoxo-A



Qualquer erro nessa fanfic ou reclamações, somente no e-mail.
Para saber quando essa fic vai atualizar, acompanhe aqui.


comments powered by Disqus