Última atualização: Fanfic Finalizada

Arizona, 1844.

- Você tem que me amar, Kennedy. – a mulher suplicava, com as pernas fraquejando, quase atingindo o chão. – Você precisa me amar. – a sua voz tinha um tom que beirava a loucura, enquanto uma de suas mãos prendia a do rapaz entre as suas, impedindo que ele se afastasse.
- Por favor, entenda. – ele ponderou, com a voz baixa e suave, como se deixasse bem claro que não desejava confusão. – Eu não escolhi isso, nós não escolhemos por quem nos apaixonamos. E eu a amo.
- Você tem que ser meu, Kennedy. Você vai ser meu. – a mulher murmurava, mais para si, do que para alguém.
- Katherine, me escute. – pediu, abaixando-se, para que ficar na mesma altura que ela, que nesse momento já estava no chão, num estado quase deplorável de desespero. – Eu espero que me perdoe, sei que tínhamos nosso compromisso, que casaríamos no próximo verão, mas não poderia te enganar dessa forma. Não seria justo, nem com você e nem comigo. Não poderia me condenar a uma vida de infelicidade.
- Você está sendo egoísta, pensando apenas em você mesmo.
- O amor é egoísta, não é isso que dizem? – ele deu de ombros. – Eu preciso buscar minha felicidade e espero que um dia você encontre a sua também.
- Você não vai ser feliz, Kennedy . Nem você, nem seu filho, nem o filho o do seu filho. – Katherine sorriu de lado, com uma expressão quase diabólica em seu rosto. – Você não será feliz usando outra pessoa para isso, tendo a infelicidade de outro como motor. Então se você quiser mesmo ser feliz hoje, todos os homens que nascerem de você serão infelizes.
- Você está me jogando uma maldição? – o homem perguntou, descrente, observando um sorriso surgir no canto dos lábios dela.
- Estou. – sua voz soou dura e cortante. – Todos os seus descendentes serão infelizes no amor, Kennedy. Mas o sétimo filho homem a nascer em sua linhagem estará condenado a algo muito pior: ele não saberá amar. Porque a única coisa pior do que amar e ser infeliz, é nunca amar.
- Katherine, por favor. – o homem repetiu, mas a mulher se levantou num rompante, encarando-o com seus olhos negros.
- Está feito, . Não há nada pior do que uma mulher rejeitada. Tenha uma bela e longa vida sabendo do tamanho o sofrimento que você causou aos seus próprios descendentes. Conte a todos, digam para esperar pela Maldição do Kennedy.
- Eu não acredito em você. – ele tentou fazer com que sua voz soasse segura, mas tudo o que conseguiu foi soar amedrontado.
- Será que não acredita mesmo? – Katherine perguntou de forma retórica, rindo em seguida. Uma risada alta e grandiosa, que encheu todo o cômodo.

Amor não restará
Do amor não saberá
Até que surja alguém
E não sobre nada além
Do que quebrar o coração
De quem te quer mais bem

(Indira Cecília - @maiscartasperdidas)



Era como se estivesse num filme antigo.
O rapaz conseguia ver o que estava acontecendo, como um telespectador transportado do seu tempo para o passado. Havia uma mulher de costas bem à sua frente. Ela parecia concentrada em algo, murmurando repetidamente as mesmas palavras, como num mantra estranho, que ele não entendia. A parte interna da casa, as roupas da mulher, seu penteado, tudo lhe dizia duas coisas: 1. Nada disso podia ser real; 2. tinha uma boa imaginação, melhor do que imaginava. Ele caminhou pelo aposento, ouvindo a madeira do chão ranger e chamar a atenção da mulher, que virou o corpo e o encarou, com um sorriso estranho no canto dos lábios. Ela o estudou por alguns segundos, antes de se levantar, deixando o longo vestido preto cair até os pés. Se aproximando, ela o olhou nos olhos e sentiu os pelos de seu braço se arrepiarem. Não era apenas um sonho.

- Não é um sonho. – a mulher lhe disse, como se pudesse ler seu pensamento. Ele sentiu o desespero crescer dentro do peito, queria acordar, queria abrir os olhos e fugir daquele lugar, mas não conseguia, era como se estivesse preso, congelado. – Vejo que você é o sétimo filho homem da linhagem de Kennedy . – os dedos finos e frios da mulher tocaram o rosto de quando ela o segurou pelo queixo, fazendo com que a olhasse. – Será que lhe contaram a maldição da sua família? A maldição que ele deixou nascer com você? Ou será que pensaram que seria melhor você achar que é um problema seu e não de todos eles?
O rapaz travou o maxilar, aflito. Não sabia do que ela estava falando, mas tinha a sensação de que deveria saber. Ficou dividido entre acabar a conversa e pedir explicações, mas ele não estava numa posição de escolha. E tinha certeza disso. A mulher continuava a encará-lo, como se quisesse brincar com ele, como se tudo fosse apenas um jogo.
- Se não vai me dizer o que tanto esconde, ao menos me deixe ir. - o rapaz pediu, com sua voz saindo baixa, quase inaudível.
- Deixarei que você vá, mas saiba que ainda nos encontraremos. - conforme ouvia aquela frase, ele via tudo ao seu redor se tornar turvo, como se estivesse desaparecendo, até não restar mais nada além da escuridão.

abriu os olhos e encarou o teto. Tão cansado, que parecia que nem havia dormido. Ao seu lado na cama, Ellie descansava despreocupadamente, sua expressão estava calma, como se ela estivesse tendo um sonho bom. Só contrário dele. Ele tentava jurar para si que seus pêlos estavam arrepiados por puro reflexo do sonho estranho que teve e que a sensação estranha de que tinha alguém o observando era fruto da sua imaginação.
O rapaz virou o rosto na direção da menina e encarou seus cabelos loiros, fez menção de tocá-los, mas logo desistiu, evitando qualquer movimento que pudesse acordá-la. Bem devagar, ele jogou os pés para o lado e ficou sentado por alguns segundos, pensando se realmente era isso que deveria fazer, se não era melhor ser sincero e correr o risco de ouvir algumas palavras que não queria, mas, pelo menos, estaria sendo verdadeiro. Mas, como todas as vezes, percebeu que não valia o esforço. Ele não valia todo o esforço de ninguém. Qualquer demonstração poderia significar algo diferente para Ellie e ele não queria enganá-la e nem fazê-la sofrer. Esticando o braço, ele pegou sua calça e levantou para vesti-la. Em seguida caminhou pelo cômodo e procurou pelo restante de suas roupas pelo chão. Quando olhou ao redor e não encontrou mais nada que fosse seu, seguiu em direção à porta, saindo pela a mesma. Sem sentir necessidade de olhar para trás. Sem sentir o peso da culpa. Sem sentir nada...

Oh, this feels like the kennedy curse
And everything inside is dead
I'm on the fence about what feels worse
The one leaving or the one in bed


- Você largou a menina lá sozinha e nunca mais atendeu as ligações dela? – perguntou, enquanto andava ao lado do amigo, tentando acompanhar seus passos largos.
- Acho que ela já entendeu que eu não quero mais nada. – deu de ombros, passando a mão pelo cabelo já bagunçado.
- Sério, , se eu fosse ela ou qualquer outras dessas garotas, eu te enchia de porrada. – a garota comentou, fazendo que o rapaz sorrisse de lado.
- Você não mata nem uma formiga, . Você é muito boazinha para bater em alguém. – rolou os olhos e soltou o ar pesadamente.
- Para tudo há uma primeira vez, . – disse de forma ríspida, antes de tentar acelerar o passo e deixar o menino para trás.
- Não adianta você tentar fingir que tá chateada comigo, porque eu sei que não está. – ele falou, alcançando a menina e jogando seu braço nos ombros dela.
- Eu só fico pensando nessas meninas, como elas devem se sentir mal. Você não pensa nos sentimentos delas nem um pouquinho?
- É claro que eu penso, só não posso deixar que os sentimentos dos outros sejam mais importantes que os meus.
- Como se você tivesse algum, não é mesmo? – a menina o respondeu atravessado e o rapaz sorriu de lado, achando engraçado o incômodo da amiga.
- Pelo menos eu não sofro por nada. Sem sentimentos, sem sofrimento. – deu de ombros. A menina parou onde estava, fazendo com o rapaz imitasse seu gesto. Sua expressão era de decepção e ele queria entender por que ela parecia se importar tanto com isso.
- Nossa, isso foi absurdamente egoísta. Dá pra perceber que você nunca gostou mesmo de alguém. Falta um pouco de amor nesse coraçãozinho gelado. – disse, dando alguns tapinhas no peito do amigo. A menina suspirou após dizer essas palavras, pensando na quantidade absurda que amor que ela guardava em seu próprio coração e que nunca poderia colocá-lo para fora. Porque , seu amigo e o cara que ela sempre amou, não acreditava no amor. Pior, sempre disse não ser capaz de amar. Amor esse que ela tinha até de sobra.
- Amor só faz as pessoas sofrerem, para que eu vou querer sentir algo assim?
- Para se sentir vivo? Para ter algum sentido na vida? Não sei, , mas acredito que as pessoas crescem quando amam, até mesmo quando o amor não é correspondido. Você aprende mais sobre você mesmo, sobre o outro, sobre o mundo. – a menina parou de falar quando sentiu que suas frases estavam perdendo o sentido. – Eu só tô dizendo que quando você ama alguém, qualquer tipo de amor, a vida se torna mais fácil. Ninguém precisa ficar sozinho pra sempre. Dizem que nascemos e morremos sozinhos, o período entre eles é por nossa conta e acredito que acompanhado deva ser muito mais fácil.
- Você é uma amante por natureza, . – se aproximou da menina, tocando uma mão cada lado do seu rosto. – Você nasceu para amar, nasceu para o amor. Eu vejo isso e acho lindo, mas eu não sou assim, eu…
- Você não nasceu para ficar sozinho, . Eu não admito que você diga isso. – o cortou, já nervosa pelo rumo que a conversa tomou.
- Eu gosto de ser sozinho. Talvez seja essa a diferença. – deu de ombros, vendo a menina balançar a cabeça, como se estivesse decepcionada.
- Talvez você não goste, . Talvez você só saiba ser assim, porque nunca se abriu para alguém, nunca deu uma chance pra ninguém nem mesmo tentar. suspirou, derrotada. – Você se julga muito superior, que não precisa de ninguém, se você sozinho basta. Mas até quando? Até quando vai conseguir viver assim? Pulando de mulher em mulher, quebrando um coração em cada esquina, machucando pessoas como se isso não fosse sua culpa. Mas eu tenho uma novidade pra você: é sua culpa, sim. Você diretamente responsável pelo o que faz uma pessoa sentir, se em nenhum momento disse o que queria e é exatamente isso o que você faz. Deixa com que as pessoas se apaixonem por você e depois age como se não tivesse nenhuma responsabilidade.
- , o que foi? – o amigo perguntou, confuso com as palavras agressivas da amiga, sem entender seu comportamento.
- Eu cansei. – ela disse simplesmente, com a voz baixa, antes de virar o corpo e sair caminhando a passos largos e rápidos, como se deixasse claro que não queria a companhia do rapaz.

se sentia mal com toda aquela situação, porque não o entendia, mas talvez devesse ser difícil para ela compreendê-lo. Ela era uma pessoa maravilhosa, do tipo que todo mundo gostava e queria ser amigo. Tinha espaço para todos em seu grande coração, repleto de amor. Então quando eles se conheceram e desenvolveram essa amizade, era engraçado ver tamanha diferença de enxergar o mundo, mas com o passar do tempo eles foram se conhecendo, se entendendo e se aceitando. Pelo menos na medida do possível. Talvez achasse que fosse capaz de mudá-lo e agora estivesse percebendo que não seria tão fácil assim.
Até porque nem mesmo conseguia se entender. Não era como se ele quisesse machucar as pessoas, ele apenas não conseguia desenvolver nenhum tipo de sentimento por ninguém. Ele não conseguia amar. Sempre se achou estranho, diferente de todo mundo. Enquanto seus amigos compartilhavam as dores e as experiências dos corações partidos, ele só conseguia imaginar como era. Como poderia ser sentir alguma coisa, qualquer coisa.

Quando colocou a cabeça no travesseiro mais tarde naquela noite, não conseguiu parar de pensar em e nas palavras que ela lhe disse. Não entendeu porque a amiga agiu daquela forma, muito menos porque ela foi tão dura com ele. Claro que sabia que não agia da forma mais correta com as mulheres que se envolvia, mas isso não deveria atingi-la. Suspirou pesadamente, virando de lado e fechando os olhos, tentando pegar no sono, mas só conseguia ver o olhar decepcionado de e ouvir sua voz em seu pensamento: “Até quando vai conseguir viver assim? Pulando de mulher em mulher, quebrando um coração em cada esquina, machucando pessoas como se isso não fosse sua culpa.” Abriu os olhos, encarando o teto. Talvez ele estivesse errado, afinal. Não sentir nada não te deixa imune às consequências. Você não sentir nada não significa que as pessoas ao seu redor também não sentirão. Mas será que a culpa era dele? “É sua culpa, sim”, a voz da menina ecoou pela sua cabeça. Tão alto e claro, que parecia que ela estava bem ao seu lado. Ele continuou ouvindo aquela afirmação ecoando em seus ouvidos até conseguir pegar no sono. Se é que ele estava dormindo de verdade, porque sentiu um arrepio estranho percorrer seu corpo e quando abriu os olhos, estava em outro lugar.

estava no mesmo lugar estranho e antigo, a mulher de vestido longo e preto o encarava com uma expressão divertida, como se achasse graça de sua confusão. Ela fez menção de se aproximar, mas ele deu um passo para trás, por reflexo, como se quisesse se proteger.
- Não precisa ter medo de mim, meu jovem. – o tom de voz que ela usava dessa vez não parecia tão ameaçador. Se aproximando a passos curtos, ela se manteve a uma distância razoável. – Pronto para entender um pouco mais sobre a sua vida? Para entender o que há de errado com você ou prefere continuar fingindo que você não tem nenhum problema?
- O que você sabe? – ele disse, simplesmente, sem se alongar.
- Tudo isso é culpa minha. – sorriu de lado, parecendo orgulhosa. – Kennedy é um antepassado seu, ele era prometido em casamento para mim, mas um dia resolveu que amava outra pessoa. E terminou tudo comigo, como se o nosso compromisso, como se eu não significasse nada. Ele foi egoísta demais para alguém que dizia amar outra pessoa. Então, se ele não seria totalmente meu, não seria de mais ninguém.
- Você fez o que, o matou? Eu não estou entendendo.
- Eu o amaldiçoei. Não apenas ele, mas toda a sua linhagem e isso inclui você. Você se lembra de algum relacionamento que tenha sido feliz e bem sucedido em sua família?
- Não. – murmurou, com algumas peças de um enorme e confuso quebra-cabeça, finalmente, se montando e fazendo sentido em sua cabeça.
- Por causa de Kennedy , todos os relacionamentos dos estão destinados ao fracasso. Todos foram condenados a serem infelizes no amor. Principalmente você. Ele foi egoísta a ponto de não levar meus sentimentos em consideração, então ele seria egoísta com todas as pessoas que nascessem daquele grande amor que ele jurava que sentiam.
- Como assim? Por que principalmente eu? – perguntou, franzindo a testa.
- Recorda que eu disse que você era o sétimo filho homem da linhagem? – o rapaz balançou a cabeça levemente, afirmando. – Eu disse que você, especialmente você, o sétimo, estaria fadado a algo pior do que apenas ser infeliz no amor. – a expressão de era um misto de surpresa e choque. Ele ouvia aquelas palavras atentamente, como se em um segundo, toda a sua vida passasse a fazer sentido. – Você não saberia o que é o amor, em nenhum momento da sua vida. Bem, não até partir o coração daquela pessoa que mais te amar no mundo. Ou como eu disse a ele e murmurei para você, muitas vezes em sonho: “Amor não restará, do amor não saberá. Até que surja alguém e não sobre nada além, do que quebrar o coração de quem te quer mais bem.” Você se lembra de algumas dessas palavras? – negou com a cabeça, mas ainda incerto. Era muita informação ao mesmo tempo. – Você já se viu apaixonado por alguém? Já experimentou algum sentimento tão arrebatador, que só conseguia pensar que poderia ser amor?
- Não. – a voz o rapaz era fria, dura e cortante como gelo. Ele levantou os olhos, encarando a mulher à sua frente. – Por que você fez isso? Por que outras pessoas devem pagar pelo erro dos outros? Por que eu tenho que pagar pelo seu sofrimento?
- Alguém tem que pagar, não? Eu não paguei pelas escolhas de Kennedy com o meu sofrimento? Então os pagarão pelo meu sofrimento também. Olho por olho, nunca ouviu? – ela sorriu abertamente, como se estivesse completamente satisfeita com a forma que tudo se desdobrou. – Mas você tem como acabar com tudo isso, afinal. Basta partir o coração de quem te amar, mas precisa ser aquele amor verdadeiro que todos sempre falam. Ele está perto, muito perto. Talvez você precise apenas abrir os olhos.

acordou sobressaltado, com a respiração ofegante e cansado, como se não tivesse dormido nada durante a noite. Ouviu as batidas insistentes na porta e tentou se localizar, porque ainda estava muito confuso. Do lado de fora, o sol já estava alto no céu, já deveria ser mais tarde do que ele imaginava. Vestiu algo que encontrou pelo caminho e viu pelo olho mágico antes de abrir a porta. estava no corredor esperando que ele a deixasse entrar. Sua expressão mostrava que ela estava ansiosa com alguma coisa. O rapaz se sentiu um pouco melhor, afinal, ela tinha o procurado depois da briga boba que tiveram no dia anterior. Ele destrancou a porta, deixando a menina entrar, mas tinha algo na forma que ela agia que não estava certa. Ela mexia as mãos de forma estranha, como se estivesse tentando controlar seu nervosismo. já tinha a visto dessa forma e agora só restava saber o porquê.

- O que foi, ? – ele perguntou, encarando a menina, que estava parada em sua frente, como se decidisse algo muito importante.
- Eu tenho pensado muito numa coisa e acho que já passou da hora de falar. – a voz dela estava mais alta e rápida que o normal, quase atropelando uma palavra na outra. – Mas eu não sei como dizer isso.
- Sou eu. – disse, rindo de lado e apontando para si mesmo. – O que você não poderia falar para mim?
- Na minha cabeça parecia mais fácil, de verdade. Eu ensaiei a noite toda, tinha um texto todo pronto, mas... – ela olhou para o rapaz, como se não soubesse completar a frase. – Toda vez que eu olho pra você, eu penso como essa é uma péssima ideia. Só que eu também penso que é o que eu preciso fazer. – caminhou para mais perto da menina, ficando a uma distância onde poderia tocá-la se quisesse, bastava levantar a mão.
- Então faz, se isso vai fazer você se sentir melh... – a frase foi interrompida quando os lábios de se juntaram aos de num beijo inesperado e meio desajustado.
Ela passou o braço pelo seu pescoço, puxando o rapaz para mais perto, enquanto ele permanecia parado em seu lugar, como se estivesse petrificado. Ela tentava dizer, com aquele beijo, tudo o que as palavras que lhe faltaram impediram. Queria liberar parte do amor que manteve preso em seu peito durante tanto tempo, mas que não conseguia mais guardar apenas para si. Talvez, apenas talvez, pudesse ser diferente com ela, afinal era ela. Era , sua amiga. Se ela o amava dessa forma, por que ele não poderia nutrir algo também, mesmo que fosse pouco perto do que ela sentia, certo? queria ser especial pra ele, ser aquela que faria seu coração, finalmente, bater mais forte. Talvez ela pudesse ser a pessoa que entraria em seu coração.
- , o que você tá fazendo? – perguntou, depois de interromper o beijo e afastar a menina de forma delicada.
- Eu te amo. – ela disse, como se confessasse o maior dos crimes. – Amo praticamente desde a primeira vez nos vimos, mas eu não sabia se deveria falar. A amizade que temos é muito importante e eu mantive tudo o que sinto só para mim durante todo esse tempo, porque pensei que poderia estragar tudo. Mas eu não consigo mais esconder, . Não consigo e não posso. Eu amo você. – abriu seu coração e ficou esperando o rapaz dizer alguma coisa, qualquer coisa. Mas ele só ficava a encarando, com a expressão triste, quase devastada.
Naquele momento, lembrou-se do que ouviu da mulher estranha em seu sonho, sobre não poder amar, sobre seu destino de ser infeliz no amor e como acabaria com toda a maldição partindo o coração de quem o amasse. Mas, em nenhum momento, sequer passou pela sua cabeça que essa pessoa seria sua melhor amiga. realmente não sabia o que fazer, porque não se sentia dessa forma por ela, pelo menos não o que ela esperava que ele sentisse. Sabia que não tinha uma forma de falar isso sem magoá-la e sabia que esse momento poderia levar a uma transformação significativa no relacionamento dos dois. E não seria uma mudança boa.
- Você não vai dizer nada? – a menina perguntou, com fio de esperança em sua voz.
- , eu... – tentou dizer alguma coisa, qualquer coisa, mas as palavras ficavam travadas em sua garganta. Doía nele pensar em magoá-la, mas ele não podia enganá-la.
- Você não sente nada por mim. – disse, colocando em palavras o que ele não conseguia. – Eu sabia que essa era a opção mais provável, mas no fundo, bem no fundo, ainda existia a ilusão de que comigo poderia ser diferente.
- Eu juro pra você que se eu pudesse, se eu soubesse me sentir assim. Se eu fosse capaz de amar alguém, você seria a primeira opção.
- Não quero ser uma opção, porque você não é uma opção para mim, é a única escolha. Eu amo você, não tenho mais medo dizer isso e muito menos de sentir. Só queria que você tivesse coragem só uma vez e se deixasse sentir...
- Não é falta de coragem. – murmurou, fechando os olhos fortemente, tentando pensar numa forma de fazê-la entender. – Eu não consigo, eu não sei.
- Não consigo decidir o que é pior. – falou, respirando fundo antes de continuar. – Se declarar e não ter o sentimento correspondido ou que a outra pessoa não tenha nem vontade de tentar.
- Não é questão de tentar, . Eu não consigo. – ele tentou segurar uma das mãos da amiga, mas ela puxou de volta, evitando até mesmo olhar em seus olhos. – Você diz que eu não tento, que eu não me abro, mas isso não mudaria nada. É como se tivesse algo errado comigo, um barreira, qualquer coisa me impedisse de sentir, seja lá o que você queria que eu sinta. Quando você diz que me ama, eu não sei o que é isso, eu não entendo. Não consigo ter noção do sentimento, da sensação. Eu não sei o motivo, só que eu sou assim.
- Então não há nada que eu possa fazer. Eu falei tudo o que tinha para falar, até mesmo mais do deveria. E talvez seja melhor a gente não se ver mais, não sei se consigo lidar tudo isso. – a menina disse, passando as mãos pelos olhos, como se secasse lágrimas que teimavam em rolar, por mais que ela tentasse evitar. – Me desculpa por qualquer coisa. – ela fez menção de se afastar, mas segurou levemente o seu braço.
- Você não precisa se desculpar. – falou, com a voz baixa, como se estivesse se sentindo culpado por todo aquele sofrimento. Pela primeira vez em sua vida.
- Sim, acredito que preciso me desculpar por te amar. E se eu pudesse escolher, também gostaria de sentir nada como você. Parece mais fácil, menos problemático e, com certeza, menos sofrido. Afinal, o amor só faz as pessoas sofrerem, não é isso que você fala?

Will someone just come and take my heart?
Set it down in front of moving cars
I feel nothing at all
So won't someone just come and take my heart?
And tear it apart


Um ano depois.

Quando disse que era melhor que eles não se vissem mais, ela estava falando sério. A menina se afastou de todos com quem ela dividia a convivência com , mudou de grupo de amigos e sumiu completamente do mapa. tentou procurá-la, foi até a sua casa dezena de vezes, mas depois de ficar plantado como uma estátua na porta pela vigésima vez, ele desistiu. Se não queria falar com ele, não iria insistir, daria o espaço que ela pediu e se um dia ela quisesse vê-lo novamente, ele estaria esperando. Mas ele estava ansioso para lhe contar sobre as pequenas mudanças que estava vendo em si, na forma de ver e sentir o mundo.
Na primeira vez que se envolveu com alguém depois do ocorrido com a amiga, já se sentiu diferente. Quando seu olhar cruzou com o da menina no bar, ele sentiu algo estranho dentro de si. O coração acelerou um pouco, suas mãos ficaram levemente suadas e ele até mesmo teve dificuldades de iniciar uma conversa com ela. Ele se sentia estranho, como se tivesse que aprender como seu próprio corpo funcionava novamente, vinte e cinco anos depois de nascer. Era tudo novo, as sensações, as reações. Até mesmo um sorriso e um leve toque em suas mãos faziam seu coração bater diferente do normal. E ele constantemente se perguntava se aquilo era amor, porque ele não sabia o que era. Então qualquer coisa diferente que sentia, se perguntava se podia estar amando, mas algo lá no fundo dizia que a sensação deveria ser maior do que aquela, não apenas se limitação a um coração acelerado e mãos suadas. Até porque outras situações também acabavam trazendo esse tipo reação. Talvez fosse nervosismo puro, medo e anseio pelo o que estava por vir.
Quando Claire, a garota do bar, terminou tudo um mês dois, não conseguiu entender o motivo. Em sua cabeça, tudo estava indo bem, eles se divertiam, se davam bem, ele gostava de passar o tempo com ela. Sentia que gostava dela ou que poderia vir a gostar um dia, talvez. Ele não sabia como tudo funcionava, poderia ser uma questão de tempo, ou não. Mas Claire queria mais, não queria apenas diversão, ela queria estar com alguém que gostasse dela e que ela também gostasse. E esse alguém não era . Naquele momento ele sentiu, pela primeira vez, como era ser dispensado. Claire ainda tinha sido muito sincera e integra com ele, falando tudo o que estava sentindo. Porque ela poderia muito bem ter feito como ele sempre fez: parado de atender suas ligações, o ignorado de todas as formas, até que percebesse por si só que ela não queria mais nada.
E foi como uma epifania. Subitamente, ele entendeu todas as coisas que sempre disse sobre ele, sobre como ele era egoísta, sobre como ele não pensava e não se sentia responsável pelos sentimentos que despertava nas pessoas, que por mais que ele achasse que não, ele era culpado sim. E era, muito culpado. Talvez o fato de não sentir, não criou um sentimento de empatia no rapaz. E isso o assombrou por longos e longos dias. Até que resolveu fazer alguma coisa a respeito, mesmo que não significasse nada para as outras pessoas, significaria para ele. procurou as meninas com quem já tinha se envolvido e não tinha agido da forma correta e pediu desculpas. Ele não sabia o que falar, então só disse que ele sentia muito pela forma que agiu, que via como era errado e que esperava que elas fossem capazes de perdoá-lo. A maioria estranhou a seu contato e ainda mais o seu pedido de desculpas, mas todas o desculparam, dizendo que era legal ele ter tido essa preocupação depois de tanto tempo. E ele sentiu como se, enfim, estivesse com o coração pronto para finalmente amar alguém, já que não carregava nenhuma culpa pelo seu passado. Bem, faltava somente uma.
Um dia, um amigo de o convidou para ir até um bar novo que tinha aberto no bairro vizinho. Eles tinham costume de ir sempre ao mesmo lugar, então ele achou que seria bacana mudar um pouco de ares. Chegaram e sentaram no balcão mesmo, o rapaz comentou como o lugar parecia legal, estava cheio, tocava uma música animada e as pessoas pareciam se divertir. Pediram uma cerveja e enquanto conversavam sobre qualquer coisa, pensou ter reconhecido alguém numa mesa mais a frente. Seu olhar ficou preso numa das moças e quando ela virou em sua direção, ele sentiu como se o chão tivesse desaparecido debaixo de seus pés e como se fosse capaz de voar. Estava leve, sem palavras e reação.
Era .
Tão rápido se sentiu leve como uma pluma, ele foi arrastado para a realidade. Tudo em sua volta parecia estar em câmera lenta, seu amigo falava sobre coisas que ele não prestava mais atenção. Só conseguia olhar para sua antiga amiga, como se tivesse um imã que atraía seu olhar. Ele conseguia observar com perfeição cada traço, movimento que a menina fazia. parecia brilhar, reluzir mais que o sol. E ele parecia como a lua, aprisionado em sua órbita e dependente de seu brilho. Ela levantou uma das mãos, tocando levemente o cabelo e apoiando os fios atrás da orelha, enquanto ria de qualquer coisa. estava tão envolvido, que se pegou rindo junto, mesmo sem saber qual era a piada, ou até mesmo sem saber se era uma piada. Se o seu coração batia mais forte com as outras garotas, agora ele sentia como se o mesmo fosse capaz de pular para fora do peito de tão acelerado que estava. Na verdade, as outras garotas pareciam nem existir naquele instante. Era como se fosse a primeira e única mulher que ele viu na vida. Tudo tinha desaparecido ao redor, só tinham os dois ali naquele lugar. Lugar esse que, de repente, pareceu grande demais e que fazia com que eles ficassem muito longe um do outro. Mas que também era pequeno demais, abafado, apertado. se sentia sufocado, uma onda de calor passou pelo seu corpo. Suas mãos tremiam e sua respiração falhava, como se estivesse perto da própria morte. Talvez estivesse, ele não sabia. Saudade matava? Aparentemente, sim. E o que poderia ser isso além de saudade? Então o olhou de volta e pela expressão em seu rosto, ela estava tão surpresa quanto ele. queria levantar e ir até ela, mas o que ele falaria? Ele não sabia mais lidar com ela e, principalmente, com todas essas sensações que tomaram conta do seu corpo de uma única vez. Seu estômago estava estranho, ele se sentia mal e bem ao mesmo tempo, parecia que tinha algo vivo dentro de si, que se mexia, querendo sair. Queria sorrir e queria chorar, tudo ao mesmo. Era uma mistura, uma confusão de sentimentos que não cabia dentro dele. E então percebeu que o que estava vivo dentro dele, era ele mesmo. Que o que estava sentindo não era saudade. Afinal, saudade era um sentimento nobre, mas não era capaz de mexer com todas as suas emoções assim de uma única vez.
Quando percebeu o que estava sentindo, sorriu. Um sorriso largo, verdadeiro. Talvez o primeiro de toda a sua vida. Finalmente ele tinha entendido tudo o que sempre disse, tudo o que ela sempre afirmou que ele estava perdendo e precisava sentir. Fechou os olhos por um breve instante, como se agradecesse aos céus, Deuses, santos, quem quer que fosse. Porque ela era a única pessoa que poderia ser. Tinha que ser ela. Se tivesse que amar alguém um dia, ele sabia, sempre soube de alguma forma, que tinha que ser . E agora sentia como se tudo fizesse sentido, enfim. A maldição tinha acabado, ele tinha partido o coração dela, mas ela tinha feito com que ele sentisse que tinha um. Ele a amava. Não sabia como amar. Não sabia se deveria. Mas amava e só isso que importava.





Fim.



Nota da autora: Essa é uma das minhas músicas preferidas do The Maine e eu sentia que precisava escrevê-la. Tentei fazer um bom trabalho, fazer uma história diferente e espero ter conseguido.
Até a próxima.
Beijo da That.



Outras Fanfics:
»Ficstapes&Mixtapes«
03. As Long As You Love Me - Ficstape #029: Greatest Hits – Chapter One
03. Stay With Me - Ficstape #010: In A Lonely Hour
04. 18 - Ficstape #003: Four
05. Love Yourself - Ficstape #052: Purpose
06. N° 1 Party Anthem - Ficstape #001: AM
06. No Worries - Ficstape #011: AM
08. Kennedy Curse - Ficstape #063: Forever Halloween
08. Tenerife Sea - Ficstape #009: X
09. Sad Songs - Ficstape #063: Forever Halloween
10. Hey Stephen - Ficstape #025: Fearless
10. How You Get The Girl - Ficstape #004: 1989
11. Same Mistakes - Ficstape #024: Up All Night
14. Everything Has Changed - Ficstape #027: Red
Bônus: Grown Woman - Ficstape #027: Red
Mixtape: I Don't Want to Miss a Thing - Awesome Mix: Vol 1 "80/90's"
Mixtape: Salute - Awesome Mix: Vol 4 "GirlPower"
Mixtape: Fênix - Awesome Mix: Vol 5 "Brasil 2000's"

»Shortfics«
100 Vezes Você - McFLY/Finalizadas
Aquela dos Trinta - McFLY/Finalizadas
Antes das Seis - Especial de Agosto
Midnight in Paris - Especial de Agosto
Nothing Left To Lose - Especial do Dia dos Namorados
Raining in Paris - Especial da Saudade
Untangle Me - Especial da Equipe
The Way to The Edge of Desire - Restritas/Finalizadas
We Could've Fallen in Love - Especial de Agosto
What Goes Around... Comes Around - Restritas/Finalizadas
What Goes Around... Comes Around II - Restritas/Finalizadas

»Andamento«
Dylan - Outros/Em Andamento
Pretty Hurts - Restritas/Em Andamento

»Finalizadas«
Enchanted - McFLY/Finalizadas
When I'm Hurt - McFLY/Finalizadas





comments powered by Disqus