CAPÍTULOS: [único]









Capítulo Único


caminhava a passos lentos pelas ruas centrais de Taylorsville, seus olhos observavam tudo, mas não absorviam nada. ‘Uma pilha de nervos’ seria a maneira perfeita para descrever o estado emocional no qual ela havia empacado há alguns dias. Nenhuma data havia sido definida, mas ela sabia que até o dia 10 de outubro receberia uma carta que definiria não apenas o seu inverno - sua estação favorita do ano - como também o seu futuro. Agora restavam oito malditos dias de tortura para saber se ela fora aceita ou não no programa de inverno do Park City Mountain Resort.
~*~

- Não quero abrir esse envelope... – disse enquanto colocava o item em sua escrivaninha.
- Deixa de ser boba. Você tem tudo o que eles buscam! – Lucy, sua melhor amiga, mal havia terminado de falar quando a outra a replicou.
- “Tudo o que eles buscam?” Você só pode estar maluca! Sou apenas uma recém-formada em Educação Física, com pouca experiência...
- Desde quando esquiar e praticar ski desde bebê é considerado como pouca experiência, sua maluca? E digo mais, além de experiência prática você ainda tem conhecimento, agora trate de abrir esse envelope antes que eu mesma o faça! – exclamou, fazendo com que pegasse o envelope novamente e começasse a rasgá-lo.


“Querida ,
SIM!
Estamos felizes em anunciar sua admissão no Programa de Inverno do Park City Mountain Resort e estamos encantados em lhe dar as boas vindas à turma de 2016/2017.
Sinceramente,
Steve Cardwell.”

Antes mesmo de terminar de ler a carta, a jovem já tinha as mãos tremulas e os olhos marejados. Embora a amiga também estivesse pulando e gritando de felicidade, só ela sabia o que aquilo significava. Por mais que fosse “apenas” um estágio, era um estágio em um dos resorts de inverno mais bem conceituados dos Estados Unidos da América e ela finalmente poderia caminhar com as próprias pernas. Sem qualquer sombra de dúvida, ela iria jogar-se com tudo naquela experiência, absorvendo cada segundo a fim de fugir da mediocridade em que vivia o mais rápido possível.
- CARALHO!!! EU FALEI, AMIGA!!! EU FALEEEEEEEEI!!! – Lou abraçava , que não conseguia se decidir entre rir ou chorar.
- EU NÃO ACREDITOOOOOOO!!! – ela passava a mão pelo rosto, tentando afastar as lágrimas de felicidade que caíam por ali. – Muito obrigada por todo o apoio, de verdade – abraçou a amiga, que já estava fazendo sua cabeça girar de tanto rodopiar a sua volta.
- Você nem foi ainda e eu já estou morrendo de saudade!
- Eu também, amiga, mas você pode aparecer lá, quando estiver a fim de algumas aventuras radicais - falou, rindo, e recebeu uma almofada na cara em resposta, já que Lucy era a maior medrosa que ela conhecia.

~*~

Embora o alojamento em Park City fosse ser liberado para ocupação apenas dali a dois dias – e o estágio começasse em quatro – havia viajado para Salt Lake City para aproveitar seus últimos momentos de folga. Ela simplesmente amava aquele lugar, principalmente durante o inverno, no qual a cidade – a 30 minutos do parque onde iria estagiar – era tomada pelo branco da neve e pela cor preta dos enormes casacos que protegiam seus moradores e turistas. Não restavam dúvidas de que ela pegaria um ônibus para ir ali, a cada minuto livre que tivesse.
Ao terminar de bebericar seu chocolate quente, a jovem deixou a cafeteria e deparou-se com um rapaz que tinha em suas mãos um pequeno mapa, e, diante das expressões faciais que ele fazia, sabia que ele estava totalmente fora de rumo.
- Errr... oi! Você precisa de ajuda com isso aí? – disse abrindo um sorriso tímido, enquanto apontava para o papel que ele segurava.
- Oi! Claro, toda ajuda é sempre bem vinda - assim que o jovem a sua frente retribuiu o sorriso, a garota sentiu seu coração pulsar mais forte e suas pernas bambolearem. Ele era simplesmente lindo! E ela não estava nem um pouco preparada para aquilo.
- Então... - enrolou-se um pouco mais ao observar o rosto dele novamente - aonde o forasteiro precisa chegar?
- Um amigo está me esperando no Planetário Clark, mas como você já deve ter percebido, não faço a mínima ideia de como chegar lá.
- É super tranquilo! Não se preocupe. Basta atravessar a rua e caminhar para a esquerda até a parada de ônibus, onde você pode pegar o Linha 1 - Expresso que vai te deixar bem em frente ao planetário.
- Tranquilo para quem parece poder percorrer a cidade inteira vendada, né? - ele disse rindo e o acompanhou.
- Sério! Você vai descer na última parada. Não tem mesmo como se perder.
- Muito obrigada... - ele hesitou, envergonhado por não ter perguntado o nome dela antes. - , ela completou. - Certo. Muito obrigada, ! O mundo seria um lugar melhor se todos fossem como você - ambos riram, aquela era uma frase clássica proferida pelos mais velhos e que os jovens estavam acostumados a ouvir.
- De nada...
- - dessa vez ele fora mais rápido, fazendo-a rir.
- Boa sorte e aproveite o passeio! - abanou, já caminhando em direção ao mercado público local.
~*~

- Someone pinch me ‘cause I must be dreaming… - a garota sussurrou a canção para si mesma ao parar em frente a porta do apartamento 304 B. Ela finalmente estava prestes a iniciar uma nova e empolgante fase de sua vida, deixando para trás Taylorsville e toda sua monotonia, mesmo que por apenas alguns meses. Ao girar a maçaneta, deparou-se com uma ampla sala de estar, cujo chão era forrado por um tapete extremamente fofo e no qual ela estava louca para deitar-se. Um balcão estilo americano separava o cômodo atual da cozinha completa, onde ela agora teria que provar ou não suas habilidades culinárias. Não teve muito tempo para observar o resto do apartamento, pois foi tirada de seus devaneios por uma voz feminina que parecia estar reclamando no corredor à frente.
- Oi? - perguntou, receosa, e logo uma garota que aparentava ter mais ou menos a sua idade surgiu no local.
- Ah, oi! Não vi você chegando, desculpa. Eu sou a Naomi, prazer - estendeu a mão para , que retribuiu o gesto e se apresentou. - Coloquei minhas malas no primeiro quarto, mas podemos trocar caso queira.
- Relaxa! Estou tão realizada de estar aqui que a localização do quarto é a última coisa que me interessa - ela riu, sendo acompanhada pela nova companheira de quarto. Antes mesmo que pudessem continuar a conversa, a maçaneta da porta foi girada e uma terceira moça apareceu.
- Hola, que tal? - ela perguntou já rindo, fazendo com que as outras repetissem seu gesto.
- Muy bien, gracias muchacha! Y usted? - Naomi e a até então desconhecida olhavam para de boca aberta, já que o espanhol de ambas não ia muito além da primeira saudação.
- Já gostei de vocês. Aliás, meu nome é April e o prazer é todo de vocês - riu, terminando de colocar a segunda mala no centro da sala. e Naomi apresentaram-se e ajudaram a ruiva carregar as coisas até o dormitório restante.

Por volta das 14h, as três jovens do 304 B já haviam ajeitado seus pertences nos dormitórios e também haviam ajeitado um pouco do restante do apartamento. Sem combinar, cada uma havia trazido alguns pequenos enfeites que foram espalhados pelo ambiente, além das fotos. Um pouco cansadas, mas com muita fome, decidiram agasalhar-se bem e rumar até a lanchonete mais próxima.
- Mas então, minhas caras, o que trouxe vocês até aqui? De onde vocês são? Contem-me tudo e não me escondam nada! - April, que já demonstrava ser a mais falante do recém-formado trio, iniciou uma nova conversa enquanto aguardavam a entrega dos sanduíches que haviam solicitado.
- Eu moro em Taylorsville, recém-formada em Educação Física e totalmente louca para fugir do marasmo da cidade pacata onde dou aula de dança em uma academia - respondeu, dando um gole em seu chá de hortelã.
- Eu sou de Ogden, formada há dois anos e professora de E.F para turmas iniciais na principal escola da cidade e de vez em quando faço uns bicos em alguma academia também. E você, dona curiosa?
- Então... St. George é minha casa. Formada há quatro anos e trabalho na Secretaria Municipal de Esporte, na área de pesquisa e auxílio ao desenvolvimento de projetos - April respondeu, abrindo um sorriso cheio de orgulho.
- Wow! Quero ser igual você quando crescer - disse e ela e Naomi fizeram um high five.
Logo após, o papo delas foi interrompido pela garçonete que viera entregar os pedidos.

- Tô morta! - disse, deitando-se confortavelmente no tapete fofinho da sala.
- Somos duas - Naomi respondeu.
- Três - April completou.
- Imaginem como estaremos amanhã, após o primeiro dia no batente - fingiu uma expressão de dor.
- Estou super animada! Eu escolhi tarefas que sejam realizadas sempre nessas lindas e magníficas pistas que eles têm aqui. E vocês marcaram quais opções nas preferências durante a inscrição? - a ruiva questionou.
- Apesar de esquiar desde pequena, eu vim aqui para testar coisas novas e adquirir, assim, mais conhecimento. Então, optei por algumas tarefas na pista, mas também assinalei entretenimento, deixando bem claro que estava a fim de fazer coisas diferentes das quais estou habituada e que quase ninguém quer fazer - as meninas riram, concordando. Afinal, ter crianças berrando nos ouvidos enquanto os pais estão nas montanhas não é a tarefa mais agradável que existia no resort.
- Já eu quero exatamente o contrário da - Naomi disse. - Quero adquirir, justamente, mais prática nas tarefas da pista para que daqui a algum tempo possa fazer trilhas mais longas pelas montanhas, e depois obter a licença necessária para guiar minhas próprias excursões.
Cada uma estava ali para aprender algo diferente, mas as três se uniam por algo em comum: o desejo de ter mais conhecimento e experiência para buscar algo melhor, independentemente dos caminhos que seguiam atualmente. A animada conversa do Clube das Luluzinhas durou até cerca das 22h, quando elas decidiram que era hora de ir para o berço descansar para o grande dia seguinte.
~*~

Os ponteiros do relógio indicavam que as três jovens ainda tinham treze minutos até terem que dirigir-se a sala de reuniões do resort. Enquanto isso, aproveitavam para observar cada detalhe do lado de fora do estabelecimento, ignorando totalmente a baixa temperatura daquela manhã.
- Ok, chega de selfies! Vamos entrar - disse com a voz firme, saindo do meio de April e Naomi, que a abraçavam enquanto registravam o primeiro dia delas ali em diversas fotografias.
- Tá bom, mamãe. Vamos. - April respondeu e a mais nova apenas deu de língua.
Adentraram a pequena sala, que já era ocupada por três jovens vestindo o mesmo uniforme de “estagiário” que elas e por outros dois com uniformes oficiais. Saudaram a todos e sentaram-se na fileira de cadeiras do meio - lugar bem estratégico -, de acordo com Naomi, uma vez que você não ficava totalmente na frente para não ser lembrada sempre e também não ficava completamente excluída como nas últimas fileiras. Faziam comentários bobos sobre as fotos recém-tiradas, até que a atenção de todos fora tomada por um forte barulho. mal podia acreditar no que via! O belíssimo rapaz a quem havia ajudado em Salt Lake City estava ali e era a razão do barulho, causado pelo esbarrão que ele dera na lata de lixo.
- Desculpem - sorriu de lado enquanto coçava a nuca e tratava de seguir rapidamente até os outros três rapazes que gargalhavam da cena. “Devem ser amigos”, presumiu e continuou pensando na coincidência que era encontrá-lo novamente, ainda mais num programa de estágio!
- Terra chamando , Terra chamando ! - Naomi sacudia a palma da mão em frente ao rosto da garota perdida em pensamentos.
- Qual é? Estou aqui.
- Seu corpo pode estar aqui, mas seus pensamentos estão perdidos no bonitinho que acabou de entrar - April completou e afundou-se um pouco mais na cadeira.
- Shhhh! Vocês não apenas estão, mas são malucas! - ouviu mais alguns resmungos e deboches, que logo deram lugar ao silêncio, já que um homem de meia-idade trajando um terno cinza apareceu no local.
- Bom dia, jovens! Todos que estão aqui presentes receberam uma carta de aceitação para o programa e já devem saber meu nome, mas não custa reforçar, certo? - sorriu - Eu sou Steve Cardwell, proprietário e presidente do Park City Mountain Resort. Fico extremamente satisfeito em recebê-los para uma temporada de muitas aventuras e aprendizado, e torço para que vocês carreguem as lições dessa incrível vastidão de neve para a vida, sempre que possível repassando-as aos que os cercam. Embora tenha assinado cada carta individualmente, não conheço o rosto de vocês e gostaria que se apresentassem, exatamente como fazíamos durante a escola e até mesmo na faculdade. Eu tinha pavor daquilo e cá estou solicitando que vocês o façam! - gargalhou, fazendo com que a pequena turma o acompanhasse. Durante a apresentação dos rapazes, descobriu que e seus três amigos - , e - também viviam em Ogden. Embora fosse uma cidadezinha, Naomi e eles não se conheciam, fato que consideraram curioso, devido ao tamanho reduzido da localidade. Enquanto fazia sua “autopromoção” em pé, podendo passar seu olhar por toda a área, ela percebeu que a encarava sorrindo e isso a fez corar imediatamente e gaguejar algumas informações, mas acabou por discretamente sorrir de volta.
- Bom, agora que todos se “conhecem” - fez aspas com as mãos - vou deixá-los nas mãos de ótimos profissionais. Clark e Debbie cuidarão muito bem de vocês! Caso precisem de algo, minha sala fica logo ali - apontou para o corredor e despediu-se dos novos estagiários.
Os dois instrutores também fizeram suas introduções e passaram as informações básicas sobre o parque - mapas, regras, números de apoio, etc - e também uma visão geral do papel que cada um desempenharia ali, de acordo com as áreas de interesse apontadas na ficha de inscrição.

- Nossa, minha cabeça está girando com tanta informação - confessou, observando as duas colegas fazerem joinha com as mãos em sinal de concordância, já que as bocas estavam atarefadas demais. Elas encontravam-se no refeitório - ocupado praticamente apenas por eles, já que os demais funcionários normalmente almoçavam um pouco mais tarde -, onde a estagiária de Taylorsville estava tremendamente grata por ser poupada de cozinhar em pelo menos uma das refeições diárias e, de acordo com seus comentários, preparar o almoço era a mais chata delas.
- Após o almoço as coisas vão melhorar, já que vamos finalmente conhecer cada cantinho desse lugar maravilhoso! - April exclamou com tamanha empolgação que tudo que pode fazer foi abrir um sorriso sincero e concordar com a cabeça.
A cada instante parecia que o Park City Mountain Resort ficava ainda melhor e as três recém-conhecidas já haviam apelidado o local de “Disney do Gelo”. Tudo em função de um instrutor ter contado a elas que se adentrassem a primeira porta à esquerda, onde havia uma placa de “NÃO ENTRE!” parafusada na madeira, encontrariam um playground para os colaboradores. Ali havia sofás extremamente confortáveis, daqueles que você senta e praticamente afunda na maciez, além de televisores, computadores, videogames, alguns livros, etc. Assim que a informação fora descoberta, Naomi e April pediram permissão para deixar sozinha na mesa enquanto a mesma terminava de almoçar. Ela riu e concordou, achando a atitude muito engraçada. Afinal, não era mãe ou chefe de nenhuma! No entanto, entendia o lado sentimental de ambas, mas não se importava em ficar sozinha por alguns minutos, tendo em vista que logo se juntaria ao Clube das Luluzinhas novamente.
Ao sair da mesa para servir-se um pouco de suco, ela quase deixou o copo cair. O motivo tinha nome e sobrenome: . O rapaz aproximava-se dela já com um enorme sorriso em seus lábios perfeitamente desenhados, fazendo com o que os traços quase perfeitos de seu rosto ficassem ainda mais evidentes, deixando transparecer toda a sua beleza e charme.
- Olá, Brenner - ele mantinha uma sobrancelha erguida, como se suspeitasse de algo.
- Olá, - ela entrou na brincadeira, franzindo o cenho e o olhando de maneira extremamente séria, mas, poucos segundos depois, caindo na risada, levando o garoto junto. - Fiquei extremamente surpresa em te encontrar aqui. Achei que talvez pudesse ter se perdido no caminho para o Planetário - alfinetou em um leve tom de brincadeira, como sempre fazia.
- Oh, não, não. Graças à ajuda de uma bela mocinha caridosa eu cheguei muito bem ao meu destino - notou que ela havia corado ao ouvi-lo proferir a palavra bela e gostou da reação que havia provocado. Era um sinal mínimo, mas totalmente satisfatório para ele, que vivia tendo flashbacks com a menina desde aquele dia em Salt Lake City.
- Talvez eu tenha escolhido o curso errado, não? Poderia ter feito o de Guia de Turismo - ela brincou, posicionando a mão no queixo como se estivesse refletindo sobre o que acabara de falar.
- De jeito algum! Se tivesse optado por outro curso, nós provavelmente não teríamos nos encontrado aqui.
- Provavelmente… - sorriu, abaixando a cabeça para finalmente depositar suco em seu copo vazio. Ele nunca vai parar de me deixar sem graça? Que saco! - seus pensamentos com relação ao belo moço a sua frente não cessavam. Esperou até que ele enchesse o copo com suco de uva e voltou para a mesa onde estava antes e foi agraciada pela companhia dele. Poucos minutos depois, os outros três rapazes juntaram-se a eles.
-Então você é a famosa que ajudou nosso amigão lá em SLC? - perguntou e logo sentiu um chute em sua canela.
- A parte do famosa eu desconheço, mas ajudei ele sim - ela riu para tentar, mais uma vez, esconder a vergonha. Sabia que os amigos de estavam fazendo aquilo apenas para incomodá-lo.
- Pode acreditar que você ficou famosinha nas nossas conversas, já que o sr. aqui… AI, AI, AI! - aquele que ela jurava ser o não conseguiu completar a frase, pois fora beliscado por , que depois tapou sua boca. Ainda rindo, a senhorita Brenner pediu licença e deixou a mesa, indo encontrar as companheiras na sala de descanso.
- Levou duas chineladas na cara? - Naomi questionou debochada.
- Não, mas você pelo visto dormiu com o Bozo, né? Pois está toda cheia de gracinha.
- Só que não...mas bem que eu queria ter dormido com aquele moreno amigo do teu boy magia.
- Sua safada! - April soltou rindo, enquanto explicava - em vão - que não era nada seu, além de um colega de estágio. Suas respostas eram inúteis, pois nada que ela falasse faria com que as senhoritas Walsh e Montgomery parassem com a zoação, ainda mais quando notaram o evidente interesse que o rapaz demonstrava na mais jovem do grupo.
- Ok, ok. Agora dá pra vocês pararem de falar e partirem pra ação? Vamos jogar XBox! - acabara de arrumar uma bela maneira de distrair aquelas que já considerava suas amigas.
No entanto, assim que os quatro rapazes chegaram ao local, o clima mudou totalmente, em questão de segundos. April e Naomi não controlaram os instintos “zoeiros” e acabaram encarando , soltando risadinhas. Pareciam adolescentes outra vez! , e notaram a situação e logo emendaram risadinhas sarcásticas em direção ao amigo. continou jogando como se não estivesse presente, embora suas bochechas levemente coradas denunciavam que ela havia ouvido e assimilado tudo. Sentado no sofá pequeno à esquerda de onde as garotas estavam, apenas direcionava o famoso dedo do meio para os amigos. Em poucos minutos a partida entre Naomi e terminou e elas cederam os controles a e , que praticamente se jogaram nos lugares antes ocupado por elas.
- O Barcelona é meu! - ambos falaram juntos, fazendo com que e caíssem na gargalhada. Essa mesma discussão ocorria todas às vezes e era sempre resolvida da mesma maneira: no par ou ímpar.
- Toma! Eu sou o melhor - sorria vitorioso por ter ganho a disputa para jogar a partida com o time espanhol.
- O Bayern de Munique vai dar uma lição em vocês - retrucou, já com um dos controles em mãos.
Assistir aos dois estava sendo mais divertido do que jogar, de acordo com a declaração de , mas, antes que os rapazes pudessem desempatar a partida que estava em um a um, Clark abriu a porta e gentilmente solicitou que todos retornassem à sala de reuniões, onde mais algumas informações seriam repassadas para que eles, então, pudessem partir para a visita técnica pelo parque.

Quando finalmente foram liberados do primeiro dia do estágio, todos se encontravam mentalmente cansados, devido à grande parte teórica apresentada por Debbie e Clark, e fisicamente cansados, devido ao passeio pelo gigantesco local. Sem nenhuma pretensão e vontade de cozinhar, o trio de garotas decidiu que acompanharia o quarteto de garotos até uma lancheria próxima dali, afinal, quem disse que os profissionais de Educação Física precisam ser fitness todos os dias?!?
- Querida batatinha frita, que saudade de você, meu amor! - declarou todo seu amor pelo alimento em sua mão.
- Cara, você precisa de uma namorada! Desse jeito vai assustar as meninas e nós ficaremos sem companhia… - comentou, sendo apoiado pelos outros dois amigos.
- Aliás, alguma de vocês tem namorado? - questionou na lata o que os amigos também queriam saber, mas não tinham coragem nem intimidade suficiente para fazê-lo.
- Não! - a resposta em uníssono fez com que os jovens esboçassem um sorriso tímido, que eles tentavam controlar para que não se expandisse. O mais feliz com a resposta foi , que, embora não quisesse admitir totalmente, estava encantado com Brenner desde o primeiro dia em que a vira. A touca que ela usava na cabeça no dia em que se “esbarraram’’ em Salt Lake City dava a ela um ar de menininha, que entrava em contraste com o batom vermelho que ela carregava nos lábios fartos. Porém, o que mais o agradou foi o fato dela ser cem por cento espontânea. O sorriso surgia naturalmente em sua boca, bem como as réplicas engraçadas ou com pitadas de acidez. Ele simplesmente adorava aquela qualidade, e faria de tudo para poder aproximar-se da garota.
- Que bom, assim podem fazer várias festas! - ergueu a mão em direção a April, convidando-a para juntar-se a ele em um high five.
- Agora é sério… como nós cinco podemos morar em Ogden e não nos conhecermos? - Naomi apontou para si mesma e para os quatro homens a sua frente.
- Isso é bizarro! Mas somos a prova viva de que morar numa cidadezinha pequena não significa que todos os moradores se conheçam - respondeu, entre uma batatinha frita e outra, e com isso os cinco acabaram engatando uma conversa sobre qual colégio haviam frequentado, quais eram os lugares aos quais costumavam ir, e assuntos desse tipo. April acabou juntando-se àquele papo também, já que seu casal preferido de tios morava em Ogden e ela costumava visitá-los com certa frequência.
- Um chocolate quente por seus pensamentos - falou para , que estava sentada ao seu lado na grande mesa redonda.
- Só isso? Meus pensamentos valem muito mais, te garanto.
- Não tenho dúvidas disso, senhorita Brenner. Então, que tal um chocolate após uma ida ao cinema em Salt Lake City qualquer fim de semana desses? - ele não queria assustar a garota com o convite, por isso deixou o período para o acontecimento indefinido, mostrando a ela que iria com calma.
- Hmmm… fechado - ela sorriu e deu uma mordida no cheese burguer que havia pedido. Por dentro, seu coração batia acelerado e aquelas borboletas que vivem no fundo do estômago de todos fizeram uma pequena dança. Ela podia negar para os outros que não se sentia atraída pelo homem ao seu lado, mas não para si mesma e, embora sua autoestima não fosse tão alta assim, sabia que ele também estava atraído por ela. O que mais captava sua atenção era a delicadeza que ele demonstrava com ela, diferente de qualquer cara que ela já havia conhecido ou se envolvido. Não podia deixar de fora o sorriso dele...ah, o sorriso! Certamente entraria para o seu top de “sorrisos bonitos e sinceros”. Conforme os pedidos do restante do grupo foram chegando a mesa, as conversas deram lugar a mordidas e bebericos.
~*~

Hilary e Lisa venham com a tia - a mulher segurou a mão das duas crianças, levando-as até as plataformas do Wii, sob a qual as pequenas dariam os passos iniciais para jogarem We Ski. Utilizar videogames era uma das técnicas utilizadas na recreação do parque, já que muitas famílias vinham acompanhadas de crianças com idade inferior a permitida nas diversas pistas espalhadas pelas montanhas. posicionou-as da maneira correta, explicando de maneira calma e simples que elas deveriam mover-se para frente e para trás para que o bonequinho que viam na tela pudesse se mover e esquiar. Por tratar-se de crianças, aquilo obviamente funcionava melhor na teoria do que na prática, mas isso não era empecilho para que todos dessem boas gargalhadas e movimentassem o esqueleto.
- Tia, quero de novo! - Lisa agarrou as pernas de , enquanto dava pequenos pulinhos.
- A tia sabe que esse jogo é muuuuuuito legal, mas os amiguinhos também precisam jogar, não é mesmo? - a pequena fez que sim com a cabeça - Então que tal ir colorir alguns desenhos com a tia Debbie? - ela mal havia terminado de falar e a garotinha já estava correndo em direção a pequena mesa cor de rosa com vários desenhos e lápis de cor espalhados.

Já na primeira semana de estágio, havia conseguido ficar na área de sua preferência: a recreação. Com menos de três dias de serviço, ela já havia sido elogiada por Debbie, que admitiu ser difícil encontrar uma profissional com tamanho carisma e atenção para com os pequenos. Era engraçado pensar que, mesmo tendo pouca convivência com crianças pelo fato de sua família ser reduzida, ela tinha habilidade para conviver com elas. Talvez um pouco fosse pelo fato de sua alma ainda ser preenchida por uma criancinha, cheia de sonhos e esperanças. Ela estava longe de sofrer da “Síndrome de Peter Pan”, mas graças à criação que seus pais lhe deram, manter os pés sempre no chão era algo que ela nunca soube exatamente como fazer, mesmo vivendo em uma localidade pacata.
-Olá, tia - ouviu uma voz que estava tornando-se cada vez mais familiar aos seus ouvidos.
- Se eu sou tia, imagina a denominação que sobra para você - ela gargalhou ao ver a cara de indignação que o rapaz fazia.
- Pois fique sabendo que eu sou como um vinho… quanto mais velho, melhor - piscou para ela, que se limitou a rir e concordar mentalmente.
- Agora falando sério, o que você está fazendo aqui?
- Acho que o Clark cansou de me ver recolhendo os equipamentos e me despachou para cá - ele riu - Vim cobrir o intervalo da outra monitora, já que crianças dão muito mais trabalho do que os adultos.
- Nem todas, sabia? As que estão aqui, pelo menos até agora, são uns amores! - juntou as mãos embaixo do queixo, numa expressão pura de felicidade e teve vontade de abraçá-la ali mesmo, mas controlou seus impulsos.
- Tia, tia, tia! - dessa vez a voz era realmente de uma criança e antes de olhar para baixo a mulher já sabia que a mesma pertencia a Lisa, que havia voltado para mais uma rodada no We Ski.
- Observe e aprenda com a mestre - dessa vez foi ela quem piscou e a vontade de tê-la em seus braços assombrou novamente.
Como a maioria das crianças estava entretida pintando ou assistindo a um filme infantil, decidiu acompanhar a garotinha na outra plataforma. Embora ela dispusesse de muita prática nas pistas, as gargalhadas contagiosas da pequena ao seu lado faziam com que ela de desconcentrasse e por vezes perdesse alguns pontos. Ao final do jogo, que não demorou muito, a barriga da mais velha doía de tanto rir e o rosto do rapaz que observava as duas estava vermelho pelo mesmo motivo.
- Você realmente tem jeito com crianças.
- É porque ainda sou uma delas - ela declarou rindo e ele fez o número “dois” com os dedos, indicando que compartilhava do mesmo sentimento.
Antes que pudessem prolongar a conversa, uma nova avalanche de crianças chegou à área de recreação e eles tiveram que se dispersar para atender a nova demanda.
~*~

“Noite da pizza no 202 C, sua presença é indispensável! Até logo, gatinha.” havia acabado de sair do banho quando a mensagem de apareceu na tela de seu celular, fazendo-a sorrir. Sem sombra de dúvidas, ele era o mais engraçado da turma e ela achava que o rapaz e April formavam um par divertidíssimo, embora nada havia rolado entre os dois ainda e ela guardasse sua opinião para si mesma. Vestiu uma calça jeans e uma blusa de lã, que logo seria coberta por um casaco enorme e aquecido, e caminhou para a sala.
- Achei que iriamos ao apartamento no bloco ao lado e não à pizzaria mais chique do estado - comentou ao ver Naomi e April bem vestidas e maquiadas como se realmente estivessem indo a um encontro.
- Qualquer janta que não seja em nossa casa, é uma janta fora! Então precisamos nos arrumar… - April prontamente rebateu.
- Que resposta fajuta! Você já foi melhor.
- Vamos? - antes que sobrassem piadinhas para ela, Naomi decidiu que era hora de irem.

Não havia uma restrição quanto a visitas nos dormitórios, mas não atrapalhar o sossego alheio era algo que todos os porteiros levavam muito a sério. Assim que chegaram em frente ao apartamento, abriu a porta trajando um avental branco coberto por massa de tomate. Viram sentado em uma poltrona dedilhando algumas notas em seu violão, enquanto tentava decidir qual cd colocaria no rádio para deixar o espaço com uma música ambiente. também trajava um avental sujo e apresentou-se como o auxiliar de cozinha de . Embora tenham se oferecido para ajudar, os rapazes disseram que pelo menos naquela noite tudo seria preparado por eles. Naomi e April acomodaram-se nos sofás e quase enlouqueceu ao ver que eles também possuíam um tapete fofinho e decidiu sentar-se nele, tendo as costas apoiadas por um puff.
- Minha mãe ficaria tão desapontada ao ver como a qualidade de minha alimentação caiu desde que vim para cá… mas é tudo é tão bom! - comentou quando o cheiro de pizza assando invadiu suas narinas.
- Relaxa que você não seria a única a decepcionar a família - Naomi completou.
- Vocês ainda não viram nada. Ainda temos a noite do sushi, do cachorro-quente, da comida mexicana e muito mais! - gritou da cozinha.
- Me convidem para todas, por favor - April juntou as duas mãos em frente ao peito, como se implorasse por aquilo.
- Podem ficar tranquilas, vocês são nossas convidadas VIPs sempre! - declarou abertamente, ao mesmo tempo em que verificava a temperatura do forno.
- Vai com calma, cara. Desse jeito elas vão ficar se achando - respondeu sorrindo e a resposta de Naomi veio instantaneamente.
- Nós não nos achamos, nós somos - pendeu a cabeça para o lado e deu um beijinho em seu ombro, coisa que havia aprendido com uma amiga brasileira.
- Outch! Quer uma pomada para queimadura, ? - questionou e tudo que recebeu de volta foram gargalhadas e alguns palavrões do amigo.
- Eu. Estou. Cheio. Pra. Caramba. - jogou-se em um dos sofás, logo refazendo sua postura para que todos pudessem se aconchegar na sala. Novamente, sentou-se na poltrona com o violão no colo. Os primeiros acordes de “Let Her Go” invadiram o ambiente e quatro vozes masculinas em completa harmonia deram vida a música.
- Wow!!! - Naomi foi a primeira a se pronunciar, sendo seguida de outro “Wow!!!” vindo de April.
- COMO ASSIM VOCÊS TEM UMA BANDA E NUNCA NOS CONTARAM NADA? - simplesmente disparou as palavras em alto e bom tom, completando sua indignação com uma feição de brabeza.
- Calma! - pediu com um sorriso no rosto e com as mãos para cima em sinal de rendição. - Nós apenas nos reunimos para fazer um som entre amigos, mas não é nada sério nem oficial.
- Mesmo tendo algumas músicas de própria autoria… - anunciou.
- Vocês são extremamente talentosos. Sério mesmo, estão de parabéns! - estava verdadeiramente admirada. Eles eram bons demais para um resort, deveriam estar em cima de um palco.
- Nossa, concordo muito! Minhas próximas festas em Ogden vão bombar com a super inovação de música ao vivo. Open bar de comida e bebida pra vocês em troca da cantoria - Naomi ofereceu e os rapazes - rindo muito - imediatamente concordaram.
- Vocês bem que podiam nos mostrar as músicas próprias… - April soltou, como se não quisesse nada.
- Quem sabe da próxima vez, ai nos preparamos melhor para nos apresentarmos para as belas damas - pronunciou, sentindo-se um pouco incomodado, já que ele era o principal compositor da banda não oficial.
- Vou cobrar e não deixarei vocês em paz. Som no violão, mocinhos! - Naomi ordenou e uma nova música teve inicio.
Após uma hora recheada de muita música, risadas e vinho para aquecer, - que era o mais fraco para bebidas - encontrava-se capotado na poltrona antes ocupada pelo amigo. Naomi, April, e estavam mais para lá do que para cá e desconfiava-se que eles haviam subido para jogar sinuca no salão de festas compartilhado com todo o condomínio. Os únicos que se encontravam sóbrios eram , que continuava esparramada no tapete, e - que havia ido ao banheiro. A mulher trouxe o violão para si e começou a dedilhar qualquer coisa, até que uma música lhe veio em mente e, graças à taça de vinho ingerida anteriormente, começou a soltar a voz em tom baixo.

I've got my ticket for the long way 'round (Tenho a minha passagem para um longo caminho)
Two bottle whiskey for the way (Duas garrafas de uísque para a caminhada)
And I sure would like some sweet company (E com certeza gostaria de uma doce companhia)
And I'm leaving tomorrow. What d'you say? (E vou sair amanhã. O que você diz?)

When I'm gone, when I'm gone (Quando eu for embora, quando eu for embora)
You're gonna miss me when I'm gone (Você vai sentir minha falta quando eu for embora)
You're gonna miss me by my hair (Você vai sentir minha falta por causa do meu cabelo)
You're gonna miss me everywhere, oh (Você vai sentir minha falta em todos os lugares, oh)
You're gonna miss me when I'm gone (Você vai sentir minha falta quando eu for embora)

Diversas semanas haviam se passado sem que ela tocasse no violão que o pai tinha dado a ela, quando completara dez anos, mas era como ele sempre dizia: “é como andar de bicicleta, você aprende uma vez e nunca mais esquece.”. Então, a cada dedilhar de seus dedos e a cada palavra cantada, sua confiança aumentava, assim como o tom de sua voz.
I've got my ticket for the long way 'round (Tenho a minha passagem para um longo caminho)
The one with the prettiest of views (Aquele com as paisagens mais bonitas)
It's got mountains, it's got rivers (Com montanhas, rios)
It's got sights to give you shivers (E vistas que te dão arrepios)
But it sure would be prettier with you (Mas com certeza seria mais bonito com você)
When I'm gone, when I'm gone (Quando eu for embora, quando eu for embora)
You're gonna miss me when I'm gone (Quando eu for embora, quando eu for embora)
You're gonna miss me by my walk (Você vai sentir minha falta pelo meu jeito de andar)
You're gonna miss me by my talk, oh (Você vai sentir minha falta pelo meu jeito de falar, oh)
You're gonna miss me when I'm gone (Você vai sentir minha falta quando eu for embora)


Quando a música atingiu o último refrão, estava totalmente entregue ao momento. Assim que a canção terminou, ela abraçou o violão e sorriu de olhos fechados. Aquele momento não durou muito, já que mais uma vez fora tirada de sua bolha por aquela voz doce que ela tanto gostava de ouvir. Só que dessa vez ela estava morrendo de vergonha, pois tinha certeza de que ele a ouvira cantando e isso a deixava sem chão.
- Parece que você também esconde seus talentos.
- Nem vem com essa, ! Você e os meninos, sim, são talentosos. Eu apenas faço isso esporadicamente e com uma voz 0,01% boa.
- Você é muito teimosa, e eu não mudo de opinião sobre o seu talento, não importa o que você diga, super estrela. - argumentou, fazendo a mulher mostrar-lhe a língua. A intenção dele de sentar-se ao lado dela foi totalmente por água abaixo, quando os quatro malucos resolveram voltar para o apartamento.
- Vocês vão se arrepender de terem bebido tanto, então o quanto antes formos dormir, melhor. Afinal, amanhã é dia de trabalho! - levantou e começou a empurrar as amigas para a porta. - Obrigada por tudo! - ela agradeceu os três rapazes, sendo imitada pelas amigas risonhas.
~*~

Depois de uma longa e dura semana de estágio, Debbie e Clark resolveram presentear o grupo com o sábado de folga e isso explicava o extremo bom humor de ao acordar naquela manhã. Ela havia pegado um ônibus até Salt Lake City, onde almoçou com seus pais e agora esperava Lucy na mesma cafeteria em que havia conhecido .
- Certas coisas nunca mudam, não é mesmo? Seus atrasos, por exemplo… - disse para a amiga enquanto levantava para abraçá-la.
- E mesmo assim eu continuo sendo a melhor amiga do mundo!
- Humildade passou longe, hein.
- Brenner, pare de me enrolar e conte-me cada detalhe do que anda acontecendo em Park City.
- Ai, amiga - suspirou - é tudo tão encantador! A infraestrutura que eles têm é inacreditável, assim como o tratamento dispensado aos funcionários, incluindo os pobres estagiários.
- Você já conseguiu ficar na área em que queria?
- Sim, e estou apaixonada! As crianças são uns amooooooores e incomodam menos que muitos adultos - confessou rindo, fazendo a amiga rir também. - Eles possuem diversas técnicas de recreação muito interessantes, é possível aplicá-las em várias situações e não apenas no parque.
- Meu coraçãozinho se enche de orgulho e felicidade ao te ver falando assim - Lucy pendeu o corpo para frente e apertou as bochechas da mulher a sua frente, que riu e pediu que ela a soltasse. - Agora quero mais detalhes sobre o alojamento, cujas fotos você está me devendo até hoje.
- Opa, falha minha! Como eu já havia lhe dito anteriormente, é um apartamento com três dormitórios, sala e cozinha juntas e tem um tapete muito fofinho que eu estou pensando em levar comigo de volta para Taylorsville - soltou uma risadinha e tapou a boca, típico gesto de quando se fala algo errado. - Minhas colegas de quarto são extremamente maluquinhas e divertidas, mas antes que você comece a chorar já quero deixar claro que ninguém vai te substituir, ok? Você é minha irmã de coração.
- Uhg, para com isso ou logo eu começarei a chorar. Estava com tanta saudade de você!
- Eu também, Lucy in the sky with diamonds - ambas sorriram e decidiram que era hora de estufar o estômago com uma bebida quentinha e algo doce.
- Dois brownies e dois chocolates quentes, por favor - gentilmente solicitou para a garçonete.
- Enquanto isso… e aquele gatinho chamado ?
- Deve estar miando por ai - ela tentou manter a feição séria, mas falhou.
- Nossa, , como você é engraçada! - a amiga zombou.
- Ok, eu não posso negar que ele é extremamente bonito e educado. A delicadeza com que ele trata não só a mim, mas a todos, é algo impressionante. Parece que ele veio direto de um daqueles filmes águas com açúcar que a gente costuma assistir - despejou tudo de uma vez só, a fim de tentar evitar mais interrogatórios.
- Só não digo que você está apaixonada porque te conheço há quase 20 anos e sei que esse coração ai não é derretido da noite para o dia, mas sei que ele está mexendo bastante contigo.
- Ainda bem que você sabe! - riu - Ele me convidou para ir ao cinema, mas sem data definida.
- Como você ainda não fez nada sobre isso? Mexa-se, ! - a estagiária do Park City Mountain Resort apenas deu de língua, sabendo que as coisas aconteceriam dentro de seu próprio tempo.


Embora já houvessem terminado o café da tarde, as duas amigas decidiram passar mais um tempo na aconchegante cafeteria. Lucy contava as últimas novidades de Taylorsville quando percebeu que a mulher a sua frente já não prestava mais atenção no que ela falava. Alguns segundos depois, quando dois belos homens aproximaram-se da mesa, ela entendeu a razão.
- Que surpresa!
- Digo o mesmo, super estrela. - pronunciou e ela não pode deixar de sorrir abertamente, embora sentisse todo o sangue de seu corpo vindo parar em suas bochechas.
- Lucy, esses são e - percebeu o sorrisinho irônico da amiga em sua direção e tratou de ignorá-lo.
- Muito prazer.
- Prazer em revê-la, . Muito honrado em conhecê-la - segurou a mão de Lucy, logo depositando um beijo ali.
- O prazer é meu - dessa vez foi a vez de zoá-la em silêncio, utilizando apenas seu olhar e sorriso.
- Fiquem à vontade - a estagiária disse, apontando para as duas cadeiras livres.
- Não queremos atrapalhar vocês - declarou e ambas disseram que não seria incomodo algum. Eles então se sentaram e logo fizeram um pedido.
- O que vocês fazem perdidos por aqui? - questionou.
- Apenas vagado sem rumo, pois já conhecemos tudo o que existe em Park City - disse rindo.
- Interessante...Cuidado para não se perderem! - ela riu, lembrando-se do primeiro encontro entre os dois.
- Engraçadinha… - o rapaz retrucou, mas acabou rindo junto aos demais.
- E vocês? - questionou as duas, mas seu olhar estava vidrado na moça a sua frente.
- Aproveitando para matar um pouco a saudade dessa chata - Lucy respondeu e recebeu um discreto dedo do meio em retribuição. - Vocês tem algum plano para depois que saírem daqui?
- Sinceramente, não.
- Isso virou um monólogo, né? - zoou o amigo e a recém-conhecida, e ambos apenas sorriram amarelo.
- Podíamos ir ao cinema… o que vocês acham? - Lucy sentiu chutar sua perna embaixo da mesa e teve vontade de matá-la.
- Ótima ideia! - foi o primeiro a se pronunciar, já que não havia se esquecido do convite feito há algum tempo. , que bebia um gole de café, apenas fez sinal de joinha com a mão desocupada, sendo imitado por .

Caminharam por dez minutos até chegarem ao shopping Megaplex, onde a maioria optou por assistir Batman vs Superman: A Origem da Justiça.
- Vou ali comprar pipoca doce pra ver se te adoço um pouco - Lucy disse para a amiga, que ainda estava meio contrariada com relação à escolha do filme.
- Traz um pote grandão! - advertiu antes que a outra saísse com a seu encalço.
- Não fique assim, nós podemos vir outro dia assistir “Casamento Grego 2” - disse e piscou para a garota a sua frente.
- Uhul! Agendado para nossa próxima folga, então - ela estendeu a mão e o rapaz estendeu a dele para que as duas se encaixassem. Em um impulso, ele delicadamente puxou para junto de seu corpo, abraçando-a de lado enquanto esperavam para entrar na sala de cinema. Durante alguns segundos, ela não expressou reação alguma, mas, quando voltou a si, suavemente espalmou a mão direita nas costas de , fazendo um carinho rápido na região. Naquele momento ela não estava se importando com as brincadeiras que a amiga e fariam adiante, pois já não podia mais fingir que não se sentia atraída por aquele que agora a abraçava. Ficaram em silêncio, apenas aproveitando a companhia um do outro, até que os amigos voltaram segurando dois enormes baldes de pipoca.
- Vamos? - foram questionados por Lucy, que sorriu abertamente para a amiga.
- Vamos! - retribuiu o sorriso na mesma intensidade, captando a mensagem que a outra queria transmitir através do olhar.

- Esse filme foi… - proferiu as primeiras palavras ao saírem do cinema.
- Longo. - completou rindo.
- Ah, deixa de ser chata amiga! Eu adorei.
- Sei bem do que você gostou, dona Lucy - percebeu as bochechas da amiga corarem, o que a fez rir.
- Vocês estão com fome? - indagou e obteve somente respostas negativas. - Então creio que já podemos ir para a rodoviária…
- Vamos sim. Amanhã voltamos a árdua rotina - completou e o garoto primeiramente fez cara de sofrimento, mas depois riu.
A caminhada até a rodoviária não durou mais que cinco minutos, bem como a compra de passagens.
- Se cuida, Lucy in the sky with diamonds! Te amo - falou baixinho enquanto abraçava a amiga.
- Você também, mala. Te amo! - soltou-se da amiga para poder dar tchau aos rapazes.
- Tchau, Lucy! Nos encontramos por ai - o primeiro a despedir-se da garota foi .
- Foi um enorme prazer te conhecer - declarou, puxando a menina para um abraço. “Digo o mesmo” fora a resposta dela em meio ao gesto.
Cerca de quinze minutos após a partida de Lucy em direção a Taylorsville, o ônibus que os levaria até Park City estacionou. sentou-se nas primeiras poltronas, alegando que eram mais espaçosas. Já os outros dois buscaram lugares mais ao meio do veículo, ela na janela e ele no corredor.
encaixou um dos fones de ouvido na orelha e o outro estendeu a . A primeira canção da playlist era Free Fallin’, de John Mayer. Quando a voz do cantor atingiu seus ouvidos, desligou sua mente. Assim que o ônibus começou a mover-se pela estrada, ela sentiu a mão de encaixando-se na sua, o que a fez abrir os olhos e olhar para o rapaz ao seu lado, que sorria um tanto que envergonhado. Não lhe restava mais nada a fazer além de sorrir de volta e aproveitar o momento e as lembranças daquele dia.
- Caramba, essa mini-viagem me deixou muito sonolento. Até mais - declarou, deixando bem claro que não os acompanharia até o restaurante japonês ao qual decidiram ir assim que desembarcaram em Park City.
- Boa noite! Tenha bons sonhos com a Lucy - desejou, fazendo com que tivesse um ataque de risos e respondesse incrédulo:
- Não esperava isso de ti, senhorita Brenner. - antes que pudesse ser ainda mais zoado, saiu andando na direção oposta.
Pegaram um táxi na praça central da cidade, e em poucos minutos já estavam acomodados dentro do Yuki Yama Sushi. Optaram pelo Combo 3 e foram informados que não levaria muito tempo.
- Fazia bastante tempo que eu não comia sushi - iniciou a conversa.
- Somos dois - pronunciou - e eu sempre me lembro da primeira vez em que comi.
- Achava a coisa mais nojenta do mundo, não é mesmo? - ela indagou e o rapaz concordou - Eu também! Mas agora amo e tenho de me controlar para não gastar meus poucos recursos financeiros só nisso - confessou.
- Já sei como te agradar - recebeu uma risadinha da garota a sua frente.
- Comida é sempre uma boa tática! - ela confessou.
- Bom saber - piscou.
- Engraçadinho.


- Então… obrigada pela companhia no cinema, no ônibus, no restaurante e na frente do meu prédio - riu e sentiu um rápido frio na barriga ao perceber que ainda estava de mãos dadas com o homem.
- Te encontrar em Salt Lake City foi a melhor coisa que aconteceu, e não estou falando apenas de hoje - ele elevou uma das mãos dela e posicionou um beijo na ponta dos dedos, fazendo-a sorrir com o gesto. - Você é incrível, super estrela.
Em questão de segundos a mão esquerda de estava na cintura dela, enquanto a direita segurava sua cabeça e aproximava as faces. O reflexo rápido de fez com que seus braços envolvessem o pescoço do rapaz, sem desviar o olhar do dele por qualquer momento. Quando os lábios se tocaram, ambos sentiram seus corpos encherem-se de serenidade e alegria. Desejavam aquilo há algum tempo, e a maneira leve como essa vontade foi conduzida fez com que o primeiro beijo tivesse ainda mais significado. Já quase sem fôlego, eles separaram as bocas e encostaram as testas, cada um com um enorme sorriso sincero no rosto.
- Agora sim, boa noite - disse, dando diversos selinhos nela.
- Boa noite, - ela mandou um beijo no ar antes de passar pela portaria e adentrar o prédio.
sorriu ao deparar-se com o apartamento completamente vazio. Adorava as companheiras de quarto, mas depois do emocionante dia que tivera tudo o que ela queria era tomar um banho relaxante e adormecer com os flashbacks em sua mente e John Mayer em seus ouvidos.
~*~

-Bom dia, raios de sol - adentrou o refeitório, onde eles se reuniam para tomar café antes de iniciarem o estágio.
- Bom dia flor do dia - a resposta de foi a que mais se destacou entre as outras saudações matinais direcionadas a garota.
- Hmmm, já vi que o jantar de ontem rendeu - declarou e tudo o que o “casal” queria era que um buraco bem grande se abrisse no meio do local para que eles pudessem cair dentro do mesmo. O vermelhão de e o sorriso de lado do rapaz denunciavam tudo.
- AEEEEEEEE CASAL!!! ATÉ QUE ENFIM - gritou e começou a bater palmas, sendo acompanhado pelos outros integrantes da mesa.
- Vocês nunca me enganaram - April declarou.
- Nem a mim - dessa vez foi Naomi quem pronunciou.
Ouviram mais algumas zoações até que pediu para que os comentários cessassem antes que ela começasse a incomodá-los também, já que o interesse entre e Naomi e e April era evidente. Sem falar no fato de ter se interessado por Lucy, sua melhor amiga. A ameaça deu certo, pois logo todos começaram a conversar sobre a festa de confraternização que ocorreria em meados de dezembro.
- Pelo que ouvi os funcionários comentando, é uma super festa! Estou muitooo animada - Naomi comentou.
- Vocês sabem se podemos trazer acompanhantes de fora ou é restrita apenas para os funcionários mesmo? - t indagou, fazendo com que Brenner e começassem a rir. Ele estava obviamente desesperado para ver Lucy Kruger novamente.
- Pelo que ouvi da Debbie, cada um pode trazer um acompanhante. Então, vá em frente e convide ela para vir - ele fez uma feição irritada e caiu no riso.
- Estou curioso para conhecer a garota que fisgou o coração do garotão aqui - falou, depositando tapinhas no ombro esquerdo de .
- Cuidado com o fura olho!!! - exclamou.
- Cala a boca, tampinha. Já tenho minha acompanhante - mandou um beijo no ar em direção a April, que mandou outro de volta. Mais uma vez, o barulho de diversos comentários sendo feitos juntos e palmas havia se instalado na mesa.
- Estamos quase atrasados, bora trabalhar cambada! - interrompeu, tentando colocar ordem.
O rapaz e foram os últimos a passarem pela porta do refeitório e aproveitou que o ambiente estava vazio para roubar um selinho demorado da garota.
- Arrumem um quarto!!! - a exclamação, mais uma vez, havia sido proferida por , o que fez com que todo o grupo parasse e olhasse para trás.
- Arrumem uma vida!!! - foi a vez de rebater e ouvir alguns urros como resposta, antes de continuarem andando em direção aos seus respectivos setores. Antes de seguirem lados opostos, ela solicitou que não deixasse transparecer que estavam juntos, já que levava o ambiente profissional muito a sério e ele concordou plenamente. Nenhum dos dois queria ter a imagem “prejudicada” por comentários da rádio corredor, que eles sabiam que rolariam caso alguém fora do grupo de amigos os visse juntos. Do grande portal de entrada para fora, o que faziam ou não, era da conta deles, mas, ali, dentro do parque, eles precisavam ser bastante cautelosos.
~*~

A grande noite de dezoito de dezembro havia finalmente chegado. O salão de eventos onde ocorria a festa de final de ano do Park City Mountain Resort estava absolutamente lindo. Por todos os lados havia placas com os dizeres “Bem Vindos”, “Divirtam-se” e afins, sem deixar de lado alguns itens natalinos, como luzes e enfeites de papais-noéis, já que a data comemorativa estava muito próxima.
- Adorei essa - April apontou para a placa #esfrieacabeça.
- Estamos precisando! - apoiou.
- Sigam-me os bons! - exclamou Naomi, que saiu em direção ao “bar”.
- Somos os melhores, então vamos lá, super estrela.
- disse e saiu carregando consigo. Pouco a pouco, depois de colocarem um pouco de álcool nas correntes sanguíneas e petiscos em seus estômagos, eles foram dirigindo-se para a pista de dança, que já se encontrava bem agitada e animada.
- Não faça isso comigo, … - o rapaz fez sua melhor cara de cachorro que caiu da mudança quando a moça o convidou para “remexer o esqueleto”, de acordo com palavras da própria.
- Ah, perdidinho, não faça drama. Eu tenho certeza que você sabe requebrar esses ossinhos - puxou-o pela mão, até o canto da pista. - Apenas sinta o momento - ela disse, balançando o corpo de acordo com o ritmo de Ain’t Nobody. Na metade da música, já estava um pouco mais solto, graças ao incentivo que recebia de .
Depois de dançaram diversas canções e conversarem com alguns colegas de trabalho, o homem pediu um tempo para que pudessem descansar e beber um pouco.
- Você dança muito bem - ele declarou.
- Até que você não é tão ruim assim - ela retrucou rindo.
- Mudando da água para o vinho, o que tem nesse seu drink?
- Groselha, espumante e água com flor de laranjeira… uma delícia! O nome é Passion - espetou o morango que enfeitava a bebida e lentamente o levou até a boca. Antes de mordê-lo por completo, primeiramente lançou um olhar sedutor e depois piscou para , deixando-o maluco.
- Isso é tortura, sabia? Você não deveria fazer isso se quiser manter as aparências diante do pessoal do trabalho.
- Oh, desculpe-me. Não consegui resistir… - confessou.
- Tudo bem, a noite é longa - dessa vez foi ele quem lançou seu charme, dando a ela seu melhor sorriso galanteador.
- Ulala - ela comentou rindo. Opa! Olha lá - apontou para um canto do salão, onde e Naomi e e April dançavam praticamente colados. Em outro canto, Lucy e já haviam avançado o sinal e beijavam-se.
- Vem comigo - ela sussurrou no ouvido dele. Ambos vestiram os casacos que os protegeriam do frio intenso que fazia do lado de fora e ela seguia em direção da porta.
- Vai abandonar o salão quentinho por esse frio aqui? - foi questionada por .
- Sim, quero fazer uma coisa… - ela comentou e arregalou os olhos, certamente tendo pensamentos pervertidos.
- Deixa de ser maluco! - ela riu. - Quero fazer anjos de neve. Vamos, por favor? - ajoelhou-se, sentindo um pouco de gelo atravessar a meia-calça de lã que vestia.
- O que eu não faço por você, super estrela maluquinha?
Deitaram-se no chão, preservando alguns metros de distância um do outro, e começaram a mover os braços e as pernas pelo tapete branco de gelo. Quem os visse poderia pensar que realmente eram malucos, mas essas pessoas estariam erradas. O riso expressava toda a felicidade que sentiam, por estarem crescendo profissionalmente e por estarem compartilhando do mais lindo e puro sentimento: o amor.

~*~

-Não acredito que amanhã já é véspera de Natal. O tempo está passando rápido demais - falou, jogada em um puff no quarto de .
- Realmente! O tempo voa mais ainda quando estou perto de você - ele fez biquinho e ela inclinou-se para frente para depositar um beijo nos lábios dele.
- Antes que você vá para casa aproveitar esses três dias de folga, quero te mostrar uma coisa - coçou a nuca e naquele instante soube que ele estava nervoso.
- Ahhh, não começa! Mostra logo antes que a ansiedade me mate.
- Na verdade não vou mostrar nada, você vai ouvir.
Dito isso, ele levantou-se para pegar o violão e logo voltou para a cama, onde começou a tocar e cantar.
A superstar (Uma super estrela)
That you're a star, a superstar (Que você é uma estrela, uma super estrela)
That you're a star, a superstar (Que você é uma estrela, uma super estrela)
That you're a star, star, star, star, star (Que você é uma estrela, estrela, estrela, estrela, estrela

Oh no, it's on tonight (Oh não, é esta noite)
And here we go (E aqui vamos nós)
You're looking brighter now you know (Você está brilhando mais agora, você sabe)
So go ahead and let it go go go... go oh (Então vá em frente e deixe rolar, rolar, rolar...rolar oh)
Yeah, you're shining like a star (Sim, você está brilhando como uma estrela)
I wanna be where you are, are (Eu quero estar onde você está, está)
Oh no, oh no (Oh não, oh não)
Let's take over this club (Vamos dominar essa festa)
You're shining bright in the dark, dark (Você está brilhando no escuro, escuro)
You light up the night (Você ilumina a noite)

You wanna wild out, then wild out (Você quer enlouquecer, então enlouqueça)
All eyes on you (Todos os olhares em você)
It's going down, down, right now (Está acontecendo, acontecendo, agora mesmo)
You can't lose (Você não pode perder)
You wanna wild out, then wild out (Você quer enlouquecer, então enlouqueça)
That's what you do (É isso o que você faz)
Talk of the town now (Sensação da cidade agora)
And you already know (E você já sabe)
That you're a star (ah ah ah) a superstar (Que é uma estrela, uma super estrela)
That you're a star (ah ah ah) a superstar (Que é uma estrela, uma super estrela)
That you're a star (ah ah ah) a superstar (Que é uma estrela, uma super estrela)
That you're a star (ah ah) (Que você é uma estrela)
And you already know (E você já sabe)

It's time (Está na hora)
I love this feeling can't we rewind (Eu amo essa sensação, não podemos voltar)
To the beginning of this crazy night (Ao inicio dessa noite maluca?)
So, baby, we can let it go, go, go (Então, baby, nós podemos deixar rolar, rolar, rolar)
Hey-ey-ey (Ei, ei, ei)

You're shining like a star (Você está brilhando como uma estrela)
I wanna be where you are, are (Quero estar onde você está, está)
Oh no, oh no (Oh não, oh não)
Let's take over this club (Vamos dominar essa festa)
You're shining bright in the dark, dark (Você está brilhando no escuro, escuro)
You light up the night (Você ilumina a noite)

You wanna wild out, then wild out (Você quer enlouquecer, então enlouqueça)
All eyes on you (Todos os olhares em você)
It's going down, down, right now (Está acontecendo, acontecendo, agora mesmo)
You can't lose (Você não pode perder)
You wanna wild out, then wild out (Você quer enlouquecer, então enlouqueça)
That's what you do (É isso o que você faz)
Talk of the town now (Sensação da cidade agora)
And you already know (E você já sabe)
That you're a star (ah ah ah) a superstar (Que você é uma estrela, uma super estrela)
That you're a star (ah ah ah) a superstar (Que você é uma estrela, uma super estrela)
And you already know (E você já sabe)

Forget the moon, ignore the sky (Esqueça a lua, ignore o céu)
'Cause the whole world is all yours tonight (Por que o mundo todo é inteiramente seu essa noite)
Get it girl, it's your time (Vá garota, está na sua hora)
Shine until the morning light, the light (Brilhe até o amanhecer, amanhecer)

(A superstar) oh the light (Uma super estrela, oh, a luz)
(That you're a superstar) (Que você é uma super estrela)
A superstar (Uma super estrela)

You wanna wild out, then wild out (yeah) (Você quer enloquecer, então enlouqueça, sim)
All eyes on you (Todos os olhares em você)
It's going down, down, right now (Está acontecendo, acontecendo, agora mesmo
You can't lose (Você não pode perder)
You wanna wild out, then wild out ((Você quer enloquecer, então enlouqueça)
That's what you do (É isso o que você faz)
Talk of the town now (oh oh) (Sensação da cidade agora, oh oh)
And you already know (E você já sabe)
That you're a star, a superstar (Que você é uma estrela, uma super estrela)
That you're a star, a superstar (Que você é uma estrela, uma super estrela)
That you're a star, a superstar (Que você é uma estrela, uma super estrela)
(You already know) (Você já sabe)
That you're a star (Que é uma estrela)
And you already know (E você já sabe)
Hey, yeah, woah, hey (Ei, sim, woah, ei).


Quando finalizou a música que ele mesmo havia composto, a boca de estava entreaberta e ele podia jurar que seus olhos estavam um pouco marejados.
- Eu não tenho palavras.... - ela começou.
- Pode apenas dizer se gostou ou não?
- Perdidinho, não acredito que você está me perguntando isso. É claro que eu amei!
- Queria deixar claro que não te chamo de super estrela apenas porque você sabe cantar e tem diversas habilidades, mas sim porque você realmente é uma estrela que vem me guiando desde aquele dia em Salt Lake City, quando tudo começou.
- Espero que você nunca se encontre, para eu poder sempre te guiar - declarou e em poucos segundos já estava no colo de , beijando-o com toda a paixão que sentia verdadeiramente pela primeira vez em seus vinte e tantos anos.

Fim.



Nota da autora: (07/05/16) Depois de tantas dúvidas e mudanças, nem consigo acreditar que 10. Superstar está aqui, prontinha. Queria ter deixado a história mais fiel a letra, mas... nem tudo é como queremos, certo? Gostaria de deixar um enorme agradecimento a Bruh Fernandes e a Lu Katto, pois sem o apoio de vocês essa fanfic jamais teria sido escrita. Nana, um super beijo pra você pela paciência (hahaha). Desde já, gostaria agradecer a você que dedicou um pouco do seu tempo para conhecer a história desse grupo de estagiários do City Park Mountain Resort :)
Outras Histórias:
Around Here
Turma de 2003




comments powered by Disqus




Qualquer erro nessa atualização é meu, portanto para avisos e reclamações somente no e-mail.



TODOS OS DIREITOS RESERVADOS AO SITE FANFIC OBSESSION.