Contador:
Enviada em: 28/12/2019

Capítulo Único

— Preciso ir, meu amor. Tenho uma transmissão daqui a pouco e aí você já sabe — uma piscadela foi lançada para a garota do outro lado da tela.
, ... — suspirou, balançando a cabeça em negação. — Já imaginou se a Margot descobre essas coisas que você faz? Eu duvido que o papai vai conseguir impedi-la de te colocar pra fora de casa — o semblante da mais velha demonstrava preocupação, mas apenas riu.
— Você fala em descobrir como se eu estivesse fazendo algum segredo, Debbie — retrucou, realmente achando graça. — No fundo, essa sua preocupação toda aí é medo que eu tenha que ir morar com você, não é? Já te falei que não vou roubar seu namorado dessa vez, fica tranquila — lançou um olhar maroto para a irmã, que revirou os olhos e soltou um suspiro.
— Até parece, . Não é nada disso. Já te falei mil vezes que minha casa tá de portas abertas pra você. Na verdade, eu nem sei o que ainda você faz aí. A Margot não gosta de você e o filho dela faz questão de discutir contigo a cada segundo em que vocês estão no mesmo cômodo — nada daquilo era mentira, mas a garota realmente não se importava a ponto de querer se mudar.
— E eu te falei que os incomodados que tem que se mandar. Eu não ligo se Margot gosta ou desgosta de mim, maninha. Quanto ao , acho divertido testar a paciência dele também, então tá tudo certo — deu de ombros.
— Mas, ...
— Esqueça essa história, Debbie. Não quero me mudar daqui. Você sabe que meu sonho é entrar na Columbia University. E assim que eu conseguir, essa grana toda que eu to juntando vai quebrar todos os galhos que eu preciso — explicou, pela milésima vez, tentando tranquilizar a irmã, como ela sempre fazia a cada chamada de vídeo que faziam.
Debbie soltou mais um suspiro, mordendo o lábio inferior e calando mais uma infinidade de argumentos porque sabia que não tinha jeito. Quando metia algo na cabeça, não havia quem tirasse.
— Eu ainda acho que você não precisa fazer isso que você faz pra conseguir grana — Debbie também era teimosa, tanto que não conseguiu segurar a língua.
— Ih, lá vem você me julgar de novo. Tchau, maninha. Quero tomar um banho gostoso antes de começar. Beijos e se cuida — já foi se despedindo, sem qualquer pingo de paciência pra aturar aquilo. Não era do tipo que ligava para o que os outros pensavam dela, mas odiava preconceito e por mais que amasse Debbie, sabia que a irmã tinha muito que aprender.
— Beijos. Se cuida, tá? Não faça nada do qual pode se arrepender — sorriu fraco para a mais nova, que soltou um muxoxo e riu.
— Eu só me arrependo do que não fiz, Deb — encerrou a ligação e num salto correu até o banheiro para tomar o tão desejado banho.
Enquanto a água corria, se perdia em pensamentos, imaginando que seria muito engraçada a cara de Margot quando visse os vídeos que a garota fazia.
No início do novo casamento de seu pai, ela até tentou fazer amizade com a madrasta, mas a cara de nojo disfarçada da outra não ajudou nem um pouco. Sabia que Margot não via a hora de vê-la pelas costas e ela deixava isso muito claro na ausência de Ethan. Na frente dele, era outra história, a falsidade comia solta.
não ligava e nem fazia questão de que as coisas mudassem. Ela só queria ver o pai feliz e se era de Margot que ele precisava, não ia se meter.
— Tem mais gente querendo tomar banho nessa casa, garota — era só ela pensar no diabo, que o capiroto filho vinha lhe perturbar a mente.
Seus olhos se reviraram no exato momento em que as batidas na porta lhe fizeram pular de susto. Não bastava obrigá-la a ouvir sua voz irritante.
— E desde quando você toma banho no meu banheiro, ? Vá embora daqui — gritou, enxaguando seus cabelos sem pressa nenhuma.
— O meu queimou, tá legal? — um sorrisinho irônico se fez presente no rosto dela.
— Queimou? E eu com isso? Tome banho frio, ué! — ela que não ia interromper seu banho por causa dele.
— Eu to falando sério, garota. Sai daí de uma vez. Não é possível que você precise de mais do que cinco minutos.
— É o quê? Nem meu pai controla o tempo do meu banho. Vai procurar o que fazer, . Me deixa em paz! — gritou mais alto a última parte, tentando mentalizar a música de metal mais pesada que conseguia lembrar pra conseguir ignorar aquela lengalenga.
— Desgraça — resmungou, irritado. Querendo arrombar a porta e tirar a garota dali. Ele não ia tomar banho frio nem ferrando. Não era culpa dele, aquela porcaria precisava ser trocada há séculos.
Esperou mais um minutos que pareceram eternidade e quando ele escutou a voz de cantando, seu sangue ferveu de raiva.
Se ela não fizesse aquilo de propósito, não seria .
— Então é guerra — resmungou, e sem pensar duas vezes andou até a caixa de luz, desligando a energia da casa inteira.
não ligava que aquilo tudo soasse como uma implicância boba entre os dois, apenas o grito que soltou era o bastante para que ele fosse às nuvens.
, EU VOU ARREBENTAR SUA CARA — então ela não hesitou em puxar a toalha, enrolar no corpo e sair do banheiro com os olhos faiscando de ódio.
a olhou com o humor nas alturas.
— Vai me arrebentar pelada? — arqueou uma sobrancelha, fazendo bufar.
— Só nos seus sonhos que vai me ver pelada, ridículo — ela retrucou, enquanto ia até a caixa de luz pra religar tudo. Ele merecia mais do que umas porradas por fazer aquilo.
— Eu to acordado, ué — ela o fuzilou com o olhar. havia lhe acompanhado e ela não sabia o porquê. Ele não tinha medo de morrer, não?
— Por que você não procura o que fazer, garoto?
— Eu já achei — retrucou, divertido. — E você vai tomar um belo choque mexendo nesse troço aí toda molhada.
— Pedi sua opinião? Sai daqui — ela não ligava em tomar choque nenhum. Queria era explodir aquele ser.
— É serio, . Deixe que eu ligo — se adiantou, levando a mão até a caixa de luz e recebendo um tapa da garota. — Ficou louca?
— Sai daqui! — gritou, na cara dele, e já ia erguendo a mão pra lhe meter mais um tapa. foi mais rápido dessa vez e a segurou, mas ela não desistiu e investiu com a mão livre.
só havia esquecido que estava de toalha e não deu dois segundos e a peça estava no chão.
Levou quase três segundos pra que ela se desse conta que estava completamente nua na frente do filho insuportável de sua madrasta nojenta, então ela arregalou os olhos e abaixou logo pra pegar a toalha de volta.
— Olha só, eu até te deixo me bater assim — não conseguiu não olhar para o corpo de . Por mais irritante e implicante que a garota fosse, era bonita e definitivamente gostosa.
Pensando bem, o que era ser irritante mesmo?
— Você é nojento, . Sai da minha vida — grunhiu, vendo o jeito que o garoto lhe encarava. Então se enrolou de qualquer jeito e voltou correndo para o quarto. Nem pensou na luz que não havia religado, muito menos que minutos depois ele voltaria a lhe encher a paciência porque precisava usar seu chuveiro.
— Pelo amor da deusa! Você é burro ou só se faz? — resmungou, quando ouviu ele falar qualquer coisa que ela nem fez questão de entender.
— Você tá muito estressadinha, . É só um banho — riu enquanto caminhava até o banheiro da garota.
— Vem cá, e por que você não foi no banheiro de nossos pais? — arqueou uma sobrancelha para aquilo. Já havia conseguido ao menos se vestir antes que o garoto voltasse a invadir seu quarto.
— Você sabe que minha mãe deixa o quarto trancado. Ela não confia em você — riu, dando de ombros.
— Nesse caso, você devia ouvir sua mãe. Qualquer hora dessas eu te mato dormindo, peste — gargalhou daquilo e se trancou no banheiro.

~//~


Um sorriso travesso se formou nos lábios de , então ela passou a língua lentamente pelo inferior enquanto encarava a tela à sua frente e brincava com a alça da blusa branca que usava, tão transparente que era possível ver o sutiã preto que usava por baixo. Ela até a abaixou, rindo ao fingir deixá-la escapar, então nem se preocupou em arrumá-la de volta porque estava adorando as notificações de mensagem.
Levou uma das mãos até seus cabelos, erguendo-os e expondo seu pescoço, inclinando-se sobre a cama e balançando os quadris de um lado para o outro. O short que vestia era tão pequeno que mal cobria a bunda da garota, do jeito que ela adorava e que tinha certeza que seus fiéis seguidores também aprovavam.
A música ecoava pelo cômodo, fazendo trilha para os movimentos da garota, que agora virada de costas para a câmera, ficava quase de quatro sobre a cama. Por mais que o ar condicionado de seu quarto estivesse ligado, ela sentia um calor absurdo percorrendo seu corpo, mas provocaria só mais um pouquinho antes de tirar alguma peça de roupa.
Se endireitando, voltou a virar para frente, levando o polegar da mão esquerda até a boca e o chupando devagar, seu olhar faiscando na direção do computador como se ali na verdade estivesse a pessoa mais sexy que ela havia conhecido.
I hope you like the view — cantarolou um trecho da música que tocava, então se aproximou para ler alguns dos comentários que chegavam e não eram muito diferentes uns dos outros, em meio a eles algumas contribuições que lhe garantiam uma renda além da remunerada pelo site.
— Vocês estão incríveis como sempre, meus meninos. Será que devo brindar a isso? Ou melhor, tirar essa blusa aqui? Tá quente aqui, vocês nem imaginam — até puxou um pouco da peça, deixando um pedaço de sua barriga à mostra.
Se ela dissesse que não gostava da quantidade absurda de elogios que recebia, estaria mentindo descaradamente. Talvez a maioria das pessoas achasse que eram comentários de péssimo nível, mas ela não encarava dessa forma. Seu ego ia lá em cima e talvez o negócio todo da faculdade fosse uma desculpa pra ela continuar com aqueles vídeos e transmissões ao vivo.
— Hoje eu também estou generosa. — sorriu de canto, então puxou a blusa pra cima, tirando de seu corpo e jogando a peça em qualquer lugar de seu quarto. Se moveu no ritmo da música, sabendo que suas investidas em ser sensual estavam dando certo.
Logo o shorts curtíssimo de acompanhou a blusa e, usando apenas a lingerie preta rendada, resolveu dar mais uma espiadinha nos comentários.
Não soube exatamente o porquê, mas um deles lhe chamou a atenção.

“HunterB: Estou em dúvida no que acho mais enlouquecedor em você. Se são os olhos ou esse sorriso travesso”.

Analisando o conteúdo, na verdade, ela percebeu o motivo. Normalmente, os caras falavam de seus peitos, no quanto queriam vê-la se masturbar ou ofereciam-se para transar com ela. Aquele ali estava soando quase poético.
— HunterB, tem algo que eu possa fazer pra te ajudar a decidir? — respondeu, lendo rapidamente outras mensagens, mas ignorando seu conteúdo.

“HunterB: Consigo pensar em uma coisa ou até duas, mas talvez o dilema só aumente. Está mesmo disposta a me ajudar?”

Deu risada da resposta dele, sentindo-se subitamente nervosa e tentando recobrar o juízo porque era ridículo. Não podia flertar com um cliente, ela nem sabia a aparência do cara. Vai que era algum psicopata.
— E não é pra isso que eu estou aqui? — piscou em direção à câmera. — Whose the topic of your conversation? I am — cantarolou, voltando a dançar, girando pelo cômodo e rebolando lentamente, passeando com suas mãos delicadas desde seu colo até a barriga. Tocou a lateral de seus quadris e enroscou os dedos no elástico da calcinha, brincando, ameaçando puxá-la, mas apenas a fazendo estalar contra sua pele.
Estava mais afastada do computador, mas ainda assim conseguiu identificar a resposta do admirador.

“HunterB: Se existe uma outra definição de perfeição que não seja você, eu desconheço”.

E após as palavras seguia uma mensagem informando que HunterB havia lhe presenteado com 100 dólares.
Sua expressão não foi contida dessa vez e ela olhou surpresa para a tela.
— É sério, HunterB? Minha nossa, muito obrigada! Acaba de fazer o meu dia! — ela estava tão animada que poderia sair pulando por ali. Quem era aquele cliente? De repente, ela queria muito conhecê-lo, mas não apenas pelo dinheiro que pagou, mas pelas palavras dele.

“HunterB: E você alegre desse jeito acaba de fazer o meu. Aproveite o presente”.

Droga, por que ele tinha que ser gentil daquele jeito? Ela não conseguiria se segurar daquele jeito. Talvez fosse louca, mas nem ligava de qualquer forma.
— Sinto que devo recompensar. Me passe o seu e-mail.
Obviamente, os outros clientes estavam em um grande alvoroço. Houveram outras contribuições e nunca havia faturado tanto antes de propriamente tirar suas roupas.
Ela não via a hora de acabar aquela transmissão. Mal conseguia se conter de curiosidade para saber mais sobre o tal HunterB, mas ao mesmo tempo tentava manter os pés no chão, já que não sabia mesmo quem estava do outro lado da tela.
Será que ela conseguiria ao menos uma dica?
E se ele fosse casado?
Um velho tarado?
Um assassino em série?
Droga, ela havia lido tanto sobre Jack, O Estripador e Ted Bundy, mas ainda assim cometia uma loucura como aquela.
Precisou se conter para não soltar o bendito nickname de HunterB enquanto suas mãos se ocupavam massageando seu clitóris e o orgasmo veio com uma intensidade gritante, fazendo-a morder os lábios com força pra não fazer escândalo.
Despediu-se de seus clientes com um sorriso satisfeito e tratou de correr para o banheiro tomar outro banho pra acalmar o calor. Provavelmente, era ele que estava lhe deixando louca daquele jeito.
Resolveu que não ia se vestir muito, uma camiseta folgada e uma calcinha eram o suficiente, já que estava praticamente sozinha em casa, se não fosse pela presença de . A garota sempre escolhia horários estratégicos para fazer seus vídeos. Não fazia segredo de seu trabalho, mas também nunca havia contado e não ia ser nada legal um flagrante.
Ouviu uma movimentação no quarto ao lado do seu quando suas músicas pararam de tocar e revirou os olhos, se aproximando da parede e a socando.
— Não sei o que você tá fazendo aí, mas tem gente aqui tentando estudar, ! — berrou, nem se importando pela mentira e na verdade o barulho não estava incomodando em nada, ela só queria implicar com o irmão postiço mesmo.
— Não sabia que você estudava com música alta, . Dá um tempo — o ouviu resmungar.
— Morre que eu dou — retrucou, e deu play, repetindo a música, sentindo que algumas partes da letra se encaixavam perfeitamente ao momento.
HunterB havia passado seu e-mail de prontidão para a garota, mas ela não enviaria nada para ele de imediato. Por isso, resolveu que só faria isso no dia seguinte, caso sua consciência ainda estivesse ausente. Desligou o som quando a música acabou pela milésima vez e ponderou se devia assistir algo na Netflix.

Você recebeu um novo e-mail.

Havia acabado de resolver vasculhar suas redes sociais quando recebeu a notificação e a abriu, sem muita surpresa, já que recebia e-mails o tempo todo.
“Eu acabei de te ver, mas preciso de mais – HunterB”.

Como ele havia descoberto o e-mail dela? não havia deixado escrito em lugar algum que se lembrasse.

“Como você descobriu meu e-mail?”

Foi inevitável que não perguntasse.

“Bruxaria. Estou em meu último ano de Hogwarts. Sonserina, com orgulho”.

soltou uma gargalhada alta com a resposta que recebeu.

“Nesse caso, vou querer aprender essa sua magia. Sonserina, sim!”

Não podia flertar com ele, não podia flertar com ele, não…
Franziu o cenho. Talvez fosse coincidência demais ela ouvir a risada de quase ecoar a sua do outro cômodo.

“Estava pensando em como poderia te presentear, HunterB.”

“Você não precisa fazer isso. Não te dei nada pensando em receber algo em troca”.


Aquilo a deixou confusa. O intuito do site não era pagar para ver ela tirando a roupa?

“Ah, não? E por que fez isso então? Não estávamos em um site de troca mútua?”

Arqueou uma sobrancelha, balançando a cabeça em negação em seguida ao perceber que estava realmente fazendo aquilo, sendo que não estava conversando com ele pessoalmente. Talvez ela estivesse pirando mesmo.

“Só quis ver o seu sorriso um pouco mais.”

Era o quê?
De onde aquele cara havia surgido?

“Meu sorriso e meus peitos, pode falar a verdade”.

Deu risada mais uma vez e mais uma vez ouviu fazer o mesmo de seu quarto.
Que droga aquele garoto estava fazendo?
Era zoação com a sua cara ou…
Estreitou os olhos.
Era ele o HunterB? Não podia ser, não…
O que ele fazia em um site daqueles?
— O óbvio, — resmungou, para si mesma.

“Eu não vou mentir. Gosto muito dos seus peitos.”

Com uma ideia na cabeça, levantou rapidamente e pegou o celular em mãos. Correndo até o quarto de e parando encostada do lado de fora da porta fechada.

“Gosta mesmo? Quer vê-los de novo? Acho que você vai gostar de uma sessão privada”.

A exclamação de “puta que pariu” vinda do quarto de , deixou claro o que já estava reluzente.
Então a forma como HunterB escrevia ficou bastante óbvia para ela, o que fez a garota se sentir burra por não ter percebido aquilo antes.
E por que ela continuava mandando coisas a ele, mesmo sabendo que o cliente generoso era na verdade o filho insuportável de Margot?
Vamos lá, ele era um gostoso, por mais irritante que fosse. E sim, ela havia se imaginado sentando naquela cara linda dele de várias formas, isso até ele abrir a boca e implicar com ela por respirarem o mesmo ar.

“Não consigo nem pensar em algo melhor que isso.”

O sorriso malicioso de teria entregado a garota completamente se eles estivessem em um mesmo cômodo.

“Ah, mas eu consigo. Se eu puder ver você, com toda certeza, nós nos divertiremos muito mais”.

demorou para responder àquela mensagem.

“Eu gostaria mesmo e tenho certeza que nos divertiríamos. Infelizmente, minha webcam não está funcionando.”

Aquela havia sido a desculpa mais esfarrapada de todas.

“Não está, é? E se eu te dissesse que não acho que ver meu admirador por uma tela seria o suficiente?”

“Seu pai nunca te ensinou a não sair com estranhos da internet?”


Sabia que era ele, não lhe restaram dúvidas.

“E a sua mãe nunca te ensinou a inventar uma desculpa menos esfarrapada que essa da webcam?”

engoliu em seco ao ler aquela resposta. Ela havia lhe descoberto?
Talvez fosse apenas coincidência ou…

“Vai demorar quantas horas pra vir aqui, ?”

Sim. Ela havia lhe descoberto.
Levantando em um salto, foi até a porta, encontrando uma lhe sorrindo com malícia quando a abriu.
— Eu deveria fazer picadinho de seu pau por isso — a voz dela, no entanto, não era a de quem faria algo sanguinário com o garoto.
A julgar pelo olhar de , o analisando de cima a baixo e parando no baixo ventre, onde ele abrigava o início de uma ereção só de conversar com a garota, ela tinha um rumo bem mais interessante para .
— Mas não vai fazer isso. — ele retrucou, arqueando uma sobrancelha e passando a língua por seus lábios.
— Ainda não — sentindo quebrar a distância que havia entre eles, a garota não hesitou em puxá-lo pelo colarinho da camiseta e iniciar um beijo ardente, revertendo cada momento de raiva que havia passado com ele em um desejo enlouquecedor.
a abraçou pela cintura sem pestanejar, grudando o corpo da garota no seu e a puxando para dentro do quarto, fechando a porta e prensando contra ela.
Grunhidos escapavam de ambas as bocas, como se fosse aquilo que quisessem fazer desde a primeira vez em que se viram. levava suas mãos até a nuca do rapaz, arranhando-o e adorando sentir o corpo dele sacudir em arrepios. O gesto o instigava mais e por alguns segundos ele encerrou o beijo, encarando os lábios vermelhos da moça e achando aquela cena tão sexy que ele mordeu a própria boca.
— Você gosta, ? Gosta do que vê? — questionou, vendo-o afirmar positivamente. — Não te ouvi — provocou.
— Gosto e muito — admitiu, fazendo a garota sorrir e antes que pudesse voltar a beijá-la, o empurrou até que o garoto caísse deitado em sua cama.
Os olhos dele brilharam de expectativa quando ela parou diante dele, se posicionando entre suas pernas.
— Há quanto tempo você me assiste, ? — questionou, se movendo como se tivesse música tocando e passando as mãos pelo próprio corpo, o acariciando sensualmente enquanto mantinha contato visual.
— Eu n… Algumas semanas — a princípio ia negar, mas não conseguiu.
— Me mostra — então ela pediu, sorrindo de canto quando puxou um pouco a camiseta pra cima. se embasbacou na própria fala, sem saber se prestava atenção nas palavras ou nos gestos de .
— Mostrar o quê? — murmurou, confuso.
— Quero que mostre como me assiste, . O que você faz, HunterB? — o instigou com o nickname.
Sem dar tempo para que o garoto respondesse, puxou sua camiseta pra cima, nem olhando pra onde a jogava e deixando à mostra os peitos que o rapaz havia deixado claro gostar até demais.
Agora usando apenas uma minúscula calcinha vermelha, ela acariciou seus peitos com as duas mãos, brincando com o bico de um deles e mordendo a própria boca antes de então seguir por seu ventre e ameacar adentrar a calcinha.
Hipnotizado pela cena, quase não conseguiu reagir e fazer o que havia lhe pedido.
Num movimento repentino, o rapaz fez questão de tirar a camiseta e abrir a braguilha da calça, se livrando das peças e encarando os movimentos de cheio de desejo. A mão de adentrou a cueca boxer e ele começou a se acariciar, fazendo movimentos de vai e vem em seu pau.
Com os olhos fixos no que fazia, passou a acariciar sua boceta por cima do tecido da calcinha, soltando gemidinhos baixos e só puxando a peça para o lado para um maior contato quando ele puxou a boxer pra baixo, deixando à mostra seu pau.
— Droga, como você é gostoso, — ela resmungou, se segurando pra não parar o que fazia para avançar em cima dele.
— Não mais do que você, — respondeu, fazendo-a rir meio rouca.
parou o que fazia para se movimentar novamente, enroscando os dedos no elástico de sua calcinha e então a puxando para baixo, se livrando da peça e deixando contemplá-la completamente nua.
Então o garoto não se conteve e a puxou para si, beijando-a com ainda mais fervor, enroscando sua língua na dela e descendo então os beijos pelo pescoço de . As mãos dele se encheram com os seios dela, então a garota quase quis gritar de tesão, sentindo-o brincar com os bicos.
Quando sentiu então a língua dele tocar a mesma região, grunhidos mais altos escaparam. inverteu as posições de ambos e fez com que caísse sob a cama só para que ele pudesse apreciar aquela mulher deliciosa.
A boca dele então passou por toda a extensão do corpo da mulher e lhe lançou um sorriso arteiro quando parou próximo à virilha da garota, não hesitando em se colocar entre as pernas da mulher e sentir como era o gosto da boceta dela. Sua língua passou a fazer movimentos circulares em seu clítoris, adorando sentir ela se contorcer enquanto ele segurava em suas pernas abertas. estava tão quente e pronta pra ele que precisou se conter pra não fodê-la de uma vez. Foi chupando a garota com vontade, explorando toda extensão de sua vulva sem deixar de encarar as reações da moça, que contorcia cada vez mais, mordendo seus lábios, deixando gemidos escaparem e segurando nos cabelos de com força, os puxando sem dó.
Quando ela sentiu os dedos dele lhe penetrarem, foi quase como se suas entranhas se revirassem em prazer e ela soltou um gemido mais alto, suas pernas contraíram com mais intensidade e o rapaz aumentou o ritmo de seus movimentos a um ponto em que a garota não conseguiu mais se conter, explodindo em um delicioso orgasmo que lhe deixou momentaneamente de pernas bambas.
espalhou beijos lânguidos no interior das coxas de , que enroscou as unhas entre os cabelos dele e então o puxou pela nuca para que suas bocas voltassem a se encontrar em mais um beijo ávido.
Fazendo com que o rapaz voltasse a deitar na cama, montou sobre o colo dele e lhe lançando um sorriso tão travesso quanto o que ele havia feito antes, rebolou devagar sobre seu pau. soltou um gemido rouco, levando suas mãos até a cintura dela e apertando com força, já desesperado para que ela parasse com aquela provocação. riu, se movimentando mais uma vez, e outra, esfregando sua boceta nele com gosto e pressionando seus lábios um contra o outro porque por mais que o intuito fosse deixá-lo maluco, ela sentia seu corpo responder aos movimentos. Era gostoso demais se esfregar nele e sentir o quanto ele a desejava.
… — ele murmurou, em súplica.
— Hum? — foi a resposta dela, enquanto se inclinava para lamber o lóbulo da orelha do rapaz.
— Por favor… — tentou novamente, sabia que ela fazia de propósito.
— Por favor o quê? — pirraçar nunca havia sido tão gostoso.
— Eu não aguento mais — e antes que ela levasse adiante aquela brincadeira, desceu suas mãos até a bunda de , apertando e fazendo-a se encaixar nele.
A sensação de estar dentro dela era indescritível. Por mais clichê que aquilo fosse, desejava aquela garota desde a primeira vez em que a viu. Adorava implicar com ela porque suas reações lhe deixavam doido e descobrir os vídeos que ela fazia apenas alimentarou ainda mais aquilo que ele chamava de intensa atração. Ele não conteve o gemido que ecoou de sua garganta, assim como não controlou a força em que as próximas estocadas vieram, intensas, firmes, enquanto ela se movimentava sobre , fundindo-se cada vez mais a ele.
sentia seu corpo vibrar de prazer, estava adorando a vontade com que o garoto a tocava, apertando cada centímetro de seu corpo, o trazendo pra ele, guiando cada movimento de vai e vem dela sobre ele. Sentia que a cada estocada ele ia mais fundo, atingindo pontos que a faziam enlouquecer e gemer mais alto. Sentia seus cabelos grudando em suas costas, o suor correndo em seus corpos e uma vontade de rir ao mesmo tempo em que o prazer lhe enlouquecia.
Fincou suas unhas nas costas do rapaz, não se importando se marcas seriam deixadas e grunhiu alto, aprovando o gesto, sentindo o prazer aumentar intensamente.
Suas bocas se uniram mais uma vez, um beijo seguiu, interrompendo-se diversas vezes para que gemidos ecoassem, o fôlego se esvaía aos poucos, mas a cada sensação de prazer era como se este se renovasse ao mesmo tempo.
Sugando o lábio inferior de , desfez o beijo, desmontando do colo dele e sentindo falta imediata de tê-lo dentro de si. Então colocou-se de quatro sobre a cama, com sua bunda empinada para ele e um sorriso sacana nos lábios.
— Toda sua, HunterB — se é que era possível, sentiu o desejo por aquela garota aumentar ainda mais e ele não hesitou em se colocar sobre ela e penetrar com gosto, sentindo que a posição favorecia e seu pau tocava cada vez mais fundo.
Segurando nos cabelos de , ele a puxou para beijá-la, se contentando em espalhar selinhos por seu rosto enquanto voltava a estocar dentro dela, aumentando cada vez mais a intensidade, sentindo seu quadril se chocar com o dela e ouvindo os gemidos de ecoarem cada vez mais intensos, ritmados, como uma deliciosa sinfonia.
Com a mão livre, ele apertou a bunda dela com vontade, abrindo para que pudesse ver seu pau entrando a cada estocada na boceta encharcada de . Ela gemeu mais alto e começou a rebolar, deixando tudo cada vez mais gostoso e sentindo que daquele jeito ela não aguentaria mais tanto tempo.
Percebendo o estado de , fez questão de intensificar ainda mais seus movimentos, entrando e saindo com velocidade, indo mais fundo, forte, de um jeito tão delicioso e enlouquecedor que a garota gemeu sofregamente, suas pernas amoleceram e seus quadris contraíram violentamente quando o segundo orgasmo a atingiu.
Ela fez o melhor que pôde para se manter na mesma posição, já que seu corpo estava entorpecido pelo prazer. continuava estocando numa velocidade incrível e ela sabia que não faltaria muito para que seu ápice chegasse.
— Quero que goze nos meus peitos, — ela disse, de um jeito tão sexy que ele nem cogitou negar. Deu mais algumas estocadas, apertando a bunda de com força, então tirou seu pau de dentro dela rapidamente, vendo a garota se virar pra ele e fazendo movimentos intensos de vai e vem sobre seu pau ao sentir o gozo vindo. Grunhiu alto, sentindo o prazer lhe deixar zonzo enquanto seu ápice se derramava sobre os peitos da garota.
Precisou se apoiar sobre ela para não desmoronar, suas respirações irregulares era tudo que se ouvia por alguns minutos e estas foram substituídas por risadinhas cúmplices.
, você acabou comigo — murmurou, fazendo a garota gargalhar.
, eu mal comecei — piscou para o garoto, levantando-se da cama porque precisava logo tomar um banho antes que os pais dos dois chegassem ali e os vissem naquela situação.
— Aonde você vai? — questionou, atordoado.
— Tomar banho é claro — respondeu, rindo dele de novo.
— Meu chuveiro queimou, lembra? Vou com você — ele se levantou também, mas o parou.
— É claro que não. Meu chuveiro funciona, querido. Se vire — piscou pra ele travessa e então saiu correndo.
, você me paga.


FIM



Nota da autora: Oi, gente! Nem acredito que consegui finamente terminar essa fic. Eu amo tanto essa música e Little Mix que foi difícil conseguir pensar em algo a altura. Espero que eu tenha conseguido! Quero agradecer ao meu amorzinho, Saby Gomes, por me ajudar com o plot porque eu tava indo num caminho totalmente diferente que não tava funcionando, mas ela veio com a luz. Te amo tá? E amo todas vocês que lerem e comentarem aqui hahahaha. Entrem no meu grupo! Lá vocês podem ficar por dentro de todas as minhas outras histórias e até de repente sobre uma continuação pra essa aqui.
Beijinhos da Ste!





Outras Fanfics:
Fanfics mais recentes:
04. Lucky Strike [Ficstape Maroon 5 – Overexposed]
03. Goodnight and Goodbye [Ficstape Jonas Brothers – Jonas Brothers]
13. Icarus Interlude [Ficstape Zayn - Icarus Falls]
Acesse minha página de autora para encontrar todas as minhas histórias


comments powered by Disqus