Última atualização: 23/10/2020

Capítulo 1

encarava seu singelo lar pela última vez por um tempo indeterminado. Durante anos, sonhara em se mudar para a casa da tia avó Lucila, que visitara algumas vezes quando criança para eventos de família, mas não naquelas condições. Após retornarem de uma visita feita a antigos amigos, seus pais, Mary e Paul , contraíram uma doença contagiosa e, para prevenção, e sua irmã mais velha, , iriam para a casa da tia.
Doeu não poder se despedir de seus pais, deixando apenas cartas apressadas com o médico da família, que se comprometeu em entregá-las. Não conseguia desprender os olhos de sua querida casa e não estava colaborando nem um pouco o ajudante de sua tia que viera buscá-las. segurou em seu ombro:
- , querida, temos que ir agora. Eles vão ficar bem.
Mas a irmã mais nova não se mexia. repetiu, mais dura dessa vez, apertando mais seu ombro.
- , vamos. Agora.
A jovem finalmente se mexeu e entrou na carruagem. Achava tão injusto que todos os seus sonhos estivessem se realizando em um momento como aquele. Em outro momento, estaria vibrando e tagarelando sobre tudo que visse no caminho e faria seu máximo para tentar acompanhá-la. Mas, agora, estava desesperada pensando em seus pais.
- , - , sempre responsável, tentava tranquiliza-la – Lembre-se que o doutor Plínio nos comunicou de que eles estão com sintomas muito primários e isso é mais por nós do que por eles. A chance de recuperação é enorme.
- Mas não 100%. - colocou, quebrando seu silêncio, mas se arrependendo na hora. Das duas, era a mais apegada aos pais e sabia que era quem estava sofrendo mais, só não era tão expressiva.
O resto da viagem foi poupada de novas conversas e apenas ficava vagando de pensamento em pensamento, lembrando de seus pais, martirizando-se pela gafe falada com a irmã e com uma pequena euforia enterrada no coração ao pensar na mansão Louborne. Todavia, esse último era afogado pela culpa e pela tristeza, fazendo-a se sentir extremamente egoísta.
Depois de algumas horas na carruagem, com Summerside já muito distante, fizeram uma rápida parada em Charlottetown. Mais tarde, pararam em Carmody, uma pequena cidade já perto de seu destino. Por orientação do médico, ambas tiveram diversas vestimentas queimadas para impedir a contaminação da patologia e tinham agora que encomendar novas vestimentas. Lucila, mais do que generosa, cobriria todos os gastos. E assim, as irmãs adentraram a loja da sra. Jeannie Pippett, costureira de renome da região.
- Boa tarde. Em que posso ajuda-las? - Uma senhora já de idade e com olhos gentis apareceu para receber as jovens. presumiu corretamente que fosse a sra. Pippett.
Depois de todas as encomendas e algumas dicas sobre a região, as irmãs partiram. Apesar de terem adorado Jeannie, ambas estavam cansadas depois da viagem e só pensavam em parar um pouco.
E, quando Linus, o ajudante de Lucila que mandara com a carruagem, conduziu-as para fora do veículo, elas se depararam com a casa da tia avó e um medo misturado com êxtase invadiu o coração de .
A mansão, melhor dizendo, que ficava ao nordeste de Canvedish, possuía um grande jardim a sua frente, com uma fonte e a entrada da casa enorme. Parecia um palácio de contos de fadas. Enormes e coloridas janelas com sacadas estavam distribuídas pela casa bege de três andares. Com o céu azul de fundo, a vida da mais jovem já parecia melhor.
A governanta da casa instalou cada uma em um quarto, cada um deles enormes, com penteadeiras, espelhos, quadros e camas grandes e confortáveis, além das lindas sacadas. Essa era, sem dúvida, a melhor parte para . Além, claro, dos quartos individuais, tão diferentes daqueles que as esperavam em casa.
De volta ao enorme hall da casa, as jovens esperaram a chegada de Lady Lucila Penvy. A senhora, já com seus 70 anos, não aparentava mais de 50, com distinta beleza, porém certa dureza no olhar.
- Mas que adoráveis jovens as duas se tornaram. - A voz da tia avó ecoou pelo aposento. Ambas fizeram uma leve reverência respeitosa para a tia, na qual já cometera o primeiro e tropeçara de leve, fazendo a senhora acrescentar, sem dó: - Talvez não tão adoráveis.
Se fosse dessas jovens que enrubescem, estaria completamente vermelha nesse momento. Por sorte, o constrangimento não transpareceu e apenas , muito observadora, percebeu.
- Pedimos perdão, tia Lucila. Nos encontramos abaladas com os acontecimentos recentes e, por tal razão, não nos portamos perfeitamente. Rogamos sua compreensão.
Os olhos da sra. Penvy brilharam ao ouvir as palavras de . Aquela jovem era bonita, jovem, perfeitamente educada e, talvez, uma esperança para sua família e sua herança, contudo pensaria naquilo mais tarde.
- Acredito que seja , a mais velha. Quantos anos você tem?
- 21, querida tia. E minha jovem irmã completará os seus 19 anos daqui há breves dias.
- Sim, sim, recordo-me que uma de vocês aniversariava em maio junto com o meu falecido marido. Acredito que futuramente devemos tomar providências sobre as comemorações.
discretamente cutucou , que ainda estava ofendida. Esta suspirou baixinho e se pronunciou.
- É extrema gentileza sua, tia, oferecer algo assim.
Lucila olhou novamente para , tendo esquecido que ela também falava, tão encantada estava com a sobrinha mais velha. Concordou algumas vezes e dispensou as duas.
- A sra. Taylor, nossa governanta, as convocará para o jantar às seis, portanto, estejam prontas, eu gosto de pontualidade. Caso desejem banhar-se, chamem algum criado. Não façam muito barulho e não entrem na biblioteca às quatro, pois faço minha meditação nesses momentos.
, que era considerada barulhenta, atrasada e esquecida, estava logo percebendo que ia se tornar tudo o que a tia não desejava e Lucila, caso irritada, poderia revidar. Sua estadia dos sonhos já não parecia mais tão perfeita.


Capítulo 2

Um pouco a oeste da desolada , encontrava-se o povoado de Avonlea. Eram poucos moradores, mas todos se conheciam. No entanto, por causa disso, a fofoca era muito constante. E a notícia que todos não paravam de compartilhar era o esperadíssimo noivado de Anne Shirley e Roy Gardner. Todos os moradores estavam felizes. Ou quase todos.
Em uma fazenda dos arredores, encontrava-se o solitário Gilbert Blythe. Seu melhor amigo, considerado seu irmão, Sebastian, carinhosamente chamado de Bash, estava viajando na sua lua de mel com a antiga professora de Gilbert, a senhorita, agora senhora, Stacy, depois de se permitirem amar de novo, visto que ambos eram viúvos. A bebê Delphine estava com a mãe de Bash, que aparecia todo fim de semana para visitá-lo, pois insistiu que permanecer ali seria um incômodo. E, quando Blythe mais precisava de amigos e de sua família, todos estavam longe.
Ele sabia que aquele dia ia chegar. Afinal, sua Anne que, na verdade, era de outro, recusara seu pedido de casamento, namorara com Roy Gardner por dois anos e, para espanto de ninguém, agora estava noiva dele. Mas por tantos anos acreditara que eles iriam ficar juntos, foi difícil vê-la partir.
Nos primeiros dias, não conseguira apresentar-se no consultório para trabalhar, visto que cada pessoa na rua vinha lhe contar as tão belas notícias. Ficara surpreso que justamente Rachel Lynde estava tentando afastá-lo dessas fofocas, pois sabia do seu carinho pela jovem Anne.
Gilbert firmemente tentava a cada dia superar aquela que um dia ele achara ser seu amor. Era difícil responder as cartas raras, mas entusiasmadas de Anne. Afinal, ainda era seu amigo e não iria deixar nenhum sentimento egoísta afastar a boa amizade que tinham.
Mesmo um mês tendo passado do ocorrido, cada dia uma notícia nova do casal chegava.
- O arranjo escolhido foi de lírios selvagens! Imagino se a sra. Gardner concordaria.
Ouviu um dia a Sra. Allan contar a sra. Barry.
Por isso, foi uma grande surpresa para ele quando a fofoca da cidade mudou seu foco.
Era um dia de maio e Gilbert estava no consultório, atendendo a sra. Pippett, uma das poucas da região que confiava já em suas habilidades médicas. Era muito difícil ganhar seu espaço no mercado quando ninguém da sua família tinha essa formação. Ele tinha poucos clientes, mas a sra. Pippett estava entre eles.
- Você soube da nova notícia, doutor Blythe?
Gilbert adorava quando o chamavam assim, porém nem o adorado título poderia distraí-lo da pontada de dor o preparando para ouvir mais sobre Anne Shirley.
- Não, sra. Pippett, não soube. Foi a escolha do bolo de casamento de Gardner e Shirley dessa vez? - Ele indagou, um pouco impaciente, mas não querendo descontar naquela pobre senhora.
- Oh, não, menino bobinho. Essa notícia é passado.
Gilbert ficou perplexo com isso. Uma sensação de alívio, mas também de perda passaram por seu corpo. Jeannie continuou falando.
- Duas jovens se mudaram para a casa de Lady Pency dois dias atrás. Não sou do tipo fofoqueira, mas posso falar isso, pois fui a primeira a ter contato com elas. Moças bonitas e educadas, mas não parecem ser tão ricas quanto Lady Pency. A sra. Lynde me disse que são sobrinhas netas da Lady. Parece que os pais estão doentes e elas tiveram que sair de casa, pois era uma patologia muito contagiosa, pobrezinhas. Talvez o senhor devesse visitá-las, doutor. Talvez lhes dar esperança.
- Vamos esperar um pouco, sra. Pippett. Não sabemos se querem visitas e nem se esses boatos são reais.
- Ah, por mais que eu odeie admitir isso, Rachel Lynde nunca erra, sr. Blythe. Nunca!
Contudo, Gilbert se lembrava de uma vez em que ela errou. Uma vez em que Rachel teve certeza absoluta de que ele e Anne logo estariam noivos.
Mas ela disse não.
- Muito bem, senhora, realmente foi a sua tendinite está mais estável. Mas procure diminuir o ritmo da costura para evitar sentir essas dores muito constantemente. Em casos muito extremos, retorne aqui que eu vejo a necessidade de tomar um pouco de ópio.
- Ah, Gilbert, muito obrigada, querido! Quero dizer, doutor Blythe. - Ela se corrigiu com uma risadinha, fazendo-o corar. Sentia-se como uma criança. - Boa tarde, querido, se quiser um chá ou um café, sabe que pode me procurar!
- Cuide-se, Jeannie, e, ahn, obrigada pelo convite. - Ele disse, ainda meio constrangido. Era difícil conquistar respeito em uma posição com apenas 19 anos e com todos de Avonlea e Carmody tendo o visto crescer.
Depois que a sra. Pippett saiu, deixando o consultório vazio, Gilbert se apropriou daqueles instantes para refletir sobre aquele novo boato. Será que todas as notícias de Anne iriam diminuir agora? Isso era bom, certo? Por que, então, sentia que era mais um choque de realidade e que sua querida amiga estava muito mais do que estabelecida com aquele a quem amava?
Não deveria ficar feliz por ela?
Sua cabeça voltou-se um pouco para a notícia das duas jovens, sobrinhas netas da Lady Pency. Aquela mulher estava sempre sozinha. E com muito dinheiro. O que a chegada daquelas duas jovens ia significar?
“Provavelmente, nada” pensou, e, em seguida, a sra. Jeannie retornou para novas dúvidas, como sempre.


Capítulo 3

Os primeiros dias na casa de Lady Pency foram melhores do que esperava.
Ajudou bastante que sua tia só tivesse olhos para sua irmã.
Durante a vida das duas irmãs, algo sempre fora claro. Enquanto era mais cativante e enérgica, era como uma princesa. Linda, educada, sabia o seu lugar e encantar a todos ao seu redor. sempre quis ser igual a ela, porém um dia ela simplesmente percebeu que nunca seria possível.
Mais de uma vez, a caçula sentira inveja de sua irmã por ser o perfeito exemplo de como uma moça deveria se portar. Mas, naqueles dias, apesar de claramente querer que a tia também gostasse dela, pelo menos havia conseguido uma liberdade provisória.
Rodou a casa umas três vezes, tentando ver o que lembrava, o que não lembrava e o que mudara. Visitou os cavalos da propriedade que, quando pequena, sonhava em montar. Sentou na fonte e refrescou o rosto no jardim. Avistou um antigo balanço de madeira, que o pai implorara a tia para montar para elas. Para alguém que foi tão resistente a isso, se surpreendeu que Lucila manteve aquele brinquedo.
Os jantares não eram muito interessantes. Se resumiam em:
- , você por acaso tem algum pretendente em Summerside?
- Não, Lady Pency, tive um pedido, porém não achei o jovem muito adequado nem muito de meu interesse.
- , querida, me chame de tia Lucila. E, para você, o que seria um jovem adequado?
- Um jovem que pensa no futuro, na família e, principalmente, sabe aproveitar oportunidades. Que saiba ser gentil em casa e firme no trabalho. Um homem por quem sua mulher de tudo faria.
- , - a tia às vezes lhe dirigia, quebrando a aura de esperança - A comida não irá fugir de seu prato. Poderia, por favor, se comportar?
Não bastassem os jantares, depois de uma semana na casa, Lady Pency lhes informou que elas iriam a Carmody buscar os vestidos que elas encomendaram.
tinha que controlar sua cara sempre que Lucila ia apresentar aos novos vizinhos e sempre se esquecia dela, causando desconforto entre os outros que não sabiam se deviam perguntar da terceira pessoa no canto. Por sorte, ou por azar, não esquecia da irmã, a apresentando com todo carinho, quebrando um pouco sua irritação. Todavia, isso sempre acabava com todos elogiando a doçura e a educação da mais velha.
Chegando à loja, o humor de piorou quando a tia começou a reclamar dos lindos trabalhos da sra. Pippett.
- Estão muito simples. Como espera que Charlottetown e Canvedish vejam minha querida sobrinha? Ela precisa estar apresentável.
- Acho que a senhora quis dizer sobrinhas, madame. - Jeannie colocou, constrangida, ao perceber as caretas de .
- Tanto faz. O que realmente precisamos acertar são esses vestidos. Elas podem levar um do jeito que está para caso precisem de algo muito simples. Mas precisamos da moda atual estampada em cada um deles.
- Tudo bem, Lady Pency. Acredito que esses ajustes levarão mais uma semana.
- Uma semana?! E estará vestindo trapos até lá?
- Sinto muito, Lady Pency, porém minha ajudante está ocupada com outros projetos e eu estou debilitada, não posso trabalhar muito tempo por dia.
estava já de saco cheio e sussurrou para :
- Vou procurar alguns selos, para podermos escrever para papai e mamãe.
A irmã mais velha, compreensiva, assentiu e, enquanto a caçula saía, assumiu a discussão e convenceu a tia a esperar aquele prazo.
estava furiosa. Mesmo com todas as diferenças entre ela e sua irmã perfeita, nunca fora tratada tão mal em sua vida. Seus pais, às vezes, deixavam escapar comparações que a magoavam, mas sempre evitavam fazer isso e a tratavam com muito amor, fazendo-a se sentir especial do jeito que era. Estava com tantas saudades deles e tão irritada com o jeito que estava sendo tratada e a cena a qual a sra. Pippett fora submetida que, sem perceber, algumas lágrimas começaram a rolar em seu rosto.
Distraída pelas lágrimas que a pegaram de surpresa e pela angústia que a abatia, a jovem não percebeu que uma carruagem estava vindo em sua direção. E não teria percebido se alguém não a tivesse puxado no último segundo.
ficou assustada. De repente, estava cercada de pessoas.
- É aquela menina de hoje mais cedo? A outra sobrinha de Lady Pency?
- Será que nunca esteve em uma cidade? Que sorte ela teve de o jovem Blythe estar atento.
- Ei, menina, tome mais cuidado, se minha carruagem quebrasse, já era para você! Isso se não morresse no acidente.
“Morrer?” pensou, engolindo em seco.
- Com licença a todos, eu vou levar a jovem comigo para ser examinada.
, que parecia prestes a desmaiar, tentou focar o olhar na voz abafada que ouviu, mas tudo estava turvo.
- Eu... - Ela se esforçou para dizer - Não posso... Ir com estranhos... Minha irmã...
Porém, sem mais forças, desmaiou nos braços do estranho de quem queria fugir.


Capítulo 4

Gilbert Blythe estava intrigado com aquela menina. Deitada inconsciente no seu consultório há 15 minutos desde o acidente, ele começava a se preocupar.
Tirá-la da rua fora um transtorno, pois além de ter que carregá-la (por sorte, estava perto do trabalho), as pessoas não saíam de cima. Aparentemente, além de quase ter sofrido um acidente e ter desmaiado, a jovem dama era sobrinha de Lady Pency.
Desde que Mary, antiga esposa de Bash, morrera aos seus cuidados, Gilbert tinha medo de não ser um bom médico. Então, mesmo que tudo indicasse apenas uma queda de pressão por susto, Blythe estava apavorado. Por causa disso, observava a estranha deitada no seu consultório a seus cuidados.
Cabelos caíam em ondas pela almofada do sofá e seu vestido verde claro se estendia pelo móvel. Tinha um rosto adorável e poderia até ser considerada atraente, se não estivesse com a boca ligeiramente aberta e babando. A cada minuto ansioso, ele analisava as 3 pintas no lado direito do rosto da jovem.
Estava tão absorto que levou um pequeno susto quando a jovem abriu os olhos, mas logo já estava analisando o estado da moça, que tentou se levantar rápido, de modo que ficou tonta novamente.
- Senhorita Pency, sente-se, por gentileza. Gostaria de conferir sua pressão.
- Não.
Gilbert franziu as sobrancelhas.
- Mas eu sou médico. Preciso fazer isso. É o procedimento padrão.
- Não. Não sou Pency, sou . Sou . Mas também não aos procedimentos. Devo me retirar. Minha irmã deve estar preocupada. - Ela tentou novamente se levantar e, novamente, as pernas fraquejaram. - Droga. Que fique claro que eu não desmaio nunca. E eu estou perfeitamente bem.
- Senhorita...
- O quê? Vai informar-me de que eu fui uma completa desatenta e tola, doutor? Esse diagnóstico é extremamente óbvio.
O jovem médico se assustou um pouco com a reação da dama, no entanto, distraiu-se com uma pequena mecha de cabelo que ficara grudada na baba do canto de sua boca. Automaticamente, afastou aqueles fios, roçando de leve no rosto de . Só então percebeu a sua invasão e seu desleixo, corando violentamente e tentando disfarçar.
Ambos ficaram sem reação, o que tornou o momento excelente para a entrada de .
- ! ! Você está bem? - A irmã estava realmente preocupada, uma pequena quebra da sua geral calma e perfeita compostura. Gilbert se afastou enquanto as duas se abraçavam.
- Estou, . Era justamente isso que eu estava explicando ao doutor... Ahn, perdão, e o seu nome seria...?
- Doutor Blythe. Gilbert Blythe.
- Pois bem, ao doutor Blythe que eu estava perfeitamente bem.
- Sem querer soar arrogante, senhorita, mas depois de afirmar isso, a senhorita já quase desmaiou mais duas vezes e continua fraca. Permita-me garantir que você está bem, srta. .
- Ela não está colaborando? - lançou a um olhar que o jovem médico presumiu ser bem comum. - Vamos, faça logo. Tia Lucila já foi embora de carruagem com os vestidos, então devemos alugar uma carruagem, não podemos voltar tarde. Ah, e creio que não fomos apresentados. Sou , irmã mais velha de , que vai fazer os exames agora.
- Está bem. - Disse, finalmente rendida.
Após alguns momentos de análise, Gilbert pode conferir que realmente houvera uma baixa na pressão, que logo se normalizou. Enquanto isso, a jovem contava à irmã sobre o quase acidente, embora nem nem Gilbert tenham acreditado na desculpa de que ela se distraíra com um pássaro. Afinal, marcas de lágrimas ainda residiam em seu rosto. Porém, depois de se comportar tão mal, ele não comentou nada sobre o assunto.
- Procure ficar de repouso o resto do dia, beber bastante líquido e comer bem, especialmente algo mais salgado. Caso sinta algum mal-estar, pode retornar ou mandar alguém de sua casa me chamar.
- Casa de Lady Pency. - Ela corrigiu, muito formal.
- Exato. Peço perdão se lhe ofendi em algum momento de nossa consulta e espero encarecidamente que preste maior atenção às ruas. - Ele levantou uma sobrancelha, avaliando aquela nova jovem que estava quebrando suas expectativas como sobrinha neta de uma Lady bem afortunada.
Eles trocaram um breve olhar antes que a mais velha o agradecesse e se despedisse, alegando que logo o sol iria se por.
- Tenha uma excelente tarde, doutor Blythe. Sou profundamente grata por salvar a vida da minha irmã e providenciar-lhe conforto durante um momento frágil, além de atendê-la.
- Não há de quê, senhorita . Este é apenas o meu trabalho. E digo apenas que foi um prazer conhecê-las e espero vê-las mais pela região, mas de preferência não em meu consultório, sem ofensas.
riu e esboçou um sorriso perante aquela cortesia.
- Obrigada mais uma vez por tudo, embora eu já estivesse bem desde o início e entenda: eu não desmaio. Mas, de qualquer jeito, obrigada por não me deixar ser esmagada por uma carruagem. - Ela desatou a falar, forçando uma risada no final e saindo apressada, sem dar a Gilbert tempo de processar aquilo.
Na carruagem, no colo da irmã, enfim chorou todo o medo que sentiu naquela tarde, na qual algo sério poderia ter acontecido.
No consultório, Gilbert estava estupefato com o jeito daquela nova moça, um pouco preocupado e curioso. E, pela primeira vez em alguns meses, permitiu-se sorrir sem forçar.


Capítulo 5

A segunda semana na casa da tia estava se aproximando do fim e estava angustiada de saudades dos pais. Não era do tipo que sentia muita saudade, conseguia viver afastada por um tempo sem desesperar-se com a ausência dos outros, mas o estado de Mary e Paul, junto com a falta de notícias, lhe deixava com um gelo no estômago e a garganta apertada.
Além disso, as atitudes de Lady Pency se mantinham as mesmas. Colocara para meditar com ela todas as tardes e, de manhã, ficavam meia hora no jardim conversando e depois ia estudar com um tutor contratado às pressas. Teoricamente, ele era para ambas as irmãs, mas nem nem a própria tia davam a mínima para sua presença na aula, de modo que a jovem só comparecera uma vez e não retornara. Com isso, cada vez menos ela conseguia ver a irmã.
Elas só saíam de casa para ir à Igreja nos domingos, no entanto, poucos se dirigiam a elas, visto à posição de respeito de Lucila. No segundo dia, falaram com uma vizinha rapidamente, que se encantou com , mas logo depois teve sua companhia dispensada pela velha senhora.
Apesar de adorar a liberdade que tinha pela casa, já não via mais novidades ali. Gostava de ir para o jardim (apenas quando a tia lá não se encontrava), ficar um pouco no balanço, olhar os equinos de vez em quando (mas ainda sem coragem para cavalgar) e, longe dos horários de meditação da tia ou das aulas de , passava na biblioteca e contemplava suas enormes prateleiras, mas sempre confusa sobre que obra escolher. Depois de dois dias apenas contemplando, escolhera o romance Emma.
- Emma, Emma, você não está ajudando ninguém assim! - comentou o livro em voz alta para si própria. Falar sozinha estava virando um hábito.
- Uma flor, para mim?! Que gentil da sua parte, minha cara . E ainda por cima, ofereceste-me uma singela margarida, uma de minhas preferidas. - Falara uma vez com si própria no jardim.
É claro que as notícias chegaram aos ouvidos de Lady Pency, que ficara horrorizada com a sobrinha delirante. Afastara ainda mais da irmã e olhava horrorizada para a jovem em cada jantar.
, distraída, não percebera o quanto a tia estava assustava com ela e, na verdade, só descobriu sobre os horrores de Lucila conversando um dia com a senhora Taylor.
- Bom dia, senhora Taylor. - A jovem disse em uma manhã, descendo as escadarias correndo.
- Meu bom Deus, milady! Que susto você me deu! - A governanta, beirando os seus cinquenta anos, ficou pálida com aquela aparição.
- Desculpe-me! Fiquei animada para terminar logo esse livro. Que romance! Vou sentar no balanço para ler agora.
- Atenha-se a guardar seus pensamentos para si, senhorita. - A sra. Taylor não pode deixar de colocar, apreensiva.
parou por um momento, confusa.
- E qual seria o objetivo desse conselho, senhora?
A governanta ficou envergonhada, porém não podia mais esconder nada.
- Lady Pency anda apreensiva com a senhorita pensando alto por estes cômodos. Preocupada com... sua saúde mental. - Ela completou, quase em um sussurro, trêmula.
A jovem parou para refletir. Então aquela brincadeira inocente estava atormentando verdadeiramente sua tia avó? Soltou um risinho ao imaginar o que Lucila faria se ela começasse a falar sozinha no jantar.
- Não há graça nenhuma nisso, milady. Ontem mesmo ela estava considerando chamar um médico.
O sorriso de se apagou e ela entendeu a seriedade do assunto. No resto do dia, ela se conteve para acabar com qualquer brincadeira, não queria ter que envolver nenhum doutor num pequeno passatempo bobo. Ainda mais quando a última vez que encontrara um, estava tão atordoada que fora uma completa ignorante.
À noite, Lady Pency estava bem menos tensa, embora ainda atenta para qualquer esquisitice da sobrinha. , então, trouxe um assunto que, algumas poucas vezes, rondara a cabeça de .
- Querida tia, acredito que deveríamos contar a que oficializamos o seu baile de aniversário. Será na próxima quarta e nós duas já escrevemos alguns convites que demorariam a chegar aos seus destinatários. Por que não escreve os restantes destinados à vizinhança, irmã?
ficou um pouco surpresa com aquilo e um pouco entusiasmada. A irmã sabia que ela adorava escrever cartas, embora de preferência não modelos prontos. Mas sabia que aquilo seria uma boa distração. Sem contar que nunca tivera um baile de aniversário.
- Essa será uma ótima oportunidade. - A tia falou, surpreendendo . - Vocês precisam de uma apresentação digna à sociedade e poderemos receber ilustres convidados. - Lucila lançou alguns olhares para que a mais jovem irmã não compreendeu.
No dia seguinte, levantara cedo e começara a escrever convites a toda Carmody, Canvedish, Avonlea e Charlottetown. Não conhecia quase nenhum dos nomes, tendo reconhecido apenas a sra. Jeannie Pippett e o doutor Gilbert Blythe.
Ainda se envergonhava toda vez que pensava no jovem médico, mesmo que, com a visão embaçada, nem se lembrasse muito de seu rosto. Ficou indagando como ele realmente seria. Se ele viria. E, principalmente, bom Deus, que ele tivesse esquecido seu comportamento lastimável naquele consultório.


Capítulo 6

Depois de passar a semana inteira revezando entre o consultório e trabalhar na fazenda com Elijah, filho da antiga esposa de Bash, Mary, Gilbert precisava de um descanso. Elijah estava morando com sua esposa desde que se casaram, há dois meses, e ia passar o fim de semana com ela, de modo que ficar em casa significaria o mesmo que ficar sozinho.
Decidiu, então, aceitar um convite muito antigo de Moody Spurgeon, seu antigo colega da escola. Por meses, Moody chamou Blythe para um encontro semanal em uma taverna próxima. Apesar de não ser muito seu estilo, sabia que estava afastando os garotos há um tempo e que, apesar de não serem melhores amigos, era uma afinidade que valia a pena manter.
E foi assim que, na noite de sábado, Gilbert acabou encontrando Moody, Charlie Sloane e até mesmo Billy Andrews.
Ele entrou na taverna escura e a surpresa foi tão grande que Moody derrubou a própria bebida no chão.
- A bebida está me fazendo alucinar ou eu realmente estou vendo Blythe aqui?!
Todos os jovens foram cumprimentar o antigo colega com abraços calorosos, já estando levemente alterados pelo álcool. Gilbert aceitou apenas um gole, nunca tendo sido muito fã.
- E como anda a vida, doutor Blythe? - Charlie zombou dele.
- Pelo menos alguém aqui terminou a faculdade. - Gilbert retrucou com humor, sabendo que Charlie nunca tivera o menor interesse nisso e não se importava com essa questão, já que ia administrar a fazenda de seu pai no futuro.
- E as moças de Carmody? Fingindo muito desmaio apenas para te verem? - Billy caçoou.
- Segura a onda aí, Andrews. - Moody o empurrou de leve.
- O quê? - Gilbert perguntou confuso, levantando uma sobrancelha.
- Ora, Avonlea só comenta das sobrinhas de Lady Pency e de como você socorreu a mais tola delas. Pelo menos era bonita? - Billy continuou.
- Billy, você ‘tá forçando a barra. - Charlie falou, embora um pouco patético, já com um ar bêbado.
- Mas isso não foi semana passada? - Gilbert estava um pouco apreensivo.
- E daí? Você ‘tá fugindo do ponto principal, Blythe. Era bonita?
- Era uma paciente.
- Ah, tenho certeza que era bonita. Pena que ainda não a encontrei. Ainda. - Andrews colocou com uma risada que deixou Gilbert um pouco desconfortável. - Ah, se eu fosse você, tendo uma moça assim inconsciente aos meus cuidados...
- Billy, é melhor você parar de falar antes que alguém te soque. - Blythe falou, com um humor fingido apenas para não estragar a conversa.
- Ele ‘tá certo, Billy. E por isso precisamos de mais uma rodada! A Gilbert Blythe! - Moody tinha ido de animado para completamente bêbado durante aquela conversa.
Mais tarde, Gilbert chegou exausto em casa. Prometera a todos que se esforçaria mais para aparecer, porém não sabia dizer se aquela era uma vontade real.
No dia seguinte, voltando da Igreja, o médico percebeu que havia recebido algumas cartas.
A primeira, trazia notícias de Bash.

“Caro Gilbert,
Quando essa carta chegar até você, já devo estar no meu caminho de volta. E espero não encontrar a casa incendiada. Espero que os vizinhos tenham se compadecido e te alimentado, porque sem a minha mãe te resta apenas comer maça todo dia, já que elas nascem prontas.
Você reclamou de falta de notícias na última carta. Você queria que eu passasse a Lua de Mel trocando cartas com um garoto? Você vai matar sua futura esposa de tédio.
Não, não vou escrever mais.
Se cuide,
Sebastian”


Gilbert ria e revirava os olhos lendo a carta. Quantas saudades, ele pensava.
A segunda carta trazia um nome que lhe dava alguns arrepios. Piscou algumas vezes para ter certeza que não estava alucinando.

“Querido Gilbert,
Como tudo está aí em Avonlea? Como vão os pacientes? Espero que não estejam te dando trabalho. Ou talvez eu deva desejar que estejam, já que você precisa trabalhar, mas me parece simplesmente cruel o menor ato de imaginar este desejo.
Hoje, Dorothy, irmã de Roy, creio que deve se recordar dela de minhas cartas regressas, veio me perguntar o significado de algésico, minha palavra da semana. Recordei de seu presente precioso de anos atrás, aquele singelo dicionário de bolso, e procurei para lhe mostrar que significava sofrimento. Para um tamanho tão questionável, ele é esplêndido!
Sinto saudades da época de escola, embora você fosse mais irritante lá. Que reviravolta hoje em dia cultivar tão singular amizade.
Não devo me demorar, pois estou muito cansada. Quem diria que planejar um casamento pudesse ser tão exaustivo. Uma linda expressão de amor nascida de uma tragédia, porque minha mente está tão cansada que já prevejo que farei alguma grande besteira.
Um abraço,
Anne
P.S.: Que fique claro que eu já sabia o significado da palavra. Só usei o dicionário para parecer mais formal.”


Gilbert não sabe quanto tempo ficou ali lendo e relendo aquela carta. Todas as emoções possíveis passaram por seu peito ao analisar aquela caligrafia. Anne, por que mesmo depois de tantos anos, não podia simplesmente esquecê-la? Sabia que estava aos poucos melhorando e seguindo em frente, afinal só nos últimos meses estava realmente se forçando a acreditar que tinha perdido aquela que jurava ser seu amor. No entanto, apesar dos seus progressos, haviam dias em que a dor da lembrança era tanta que nada parecia haver mudado.
Dias como aquele.
Passou para a terceira e última carta, com uma caligrafia que lhe era nova.

“Para o doutor Gilbert Blythe:
Convido você para celebrar o meu baile e jantar de aniversário na mansão Louborne, no dia 25 de maio, às 19 horas. Será uma honra contar com sua presença.
Respeitosamente,


Gilbert precisava de uma distração. Não uma taverna com perguntas idiotas. E nem mais trabalho que seu corpo não aguentasse. Precisava de uma distração e só havia comparecido a um baile uma vez, na época da faculdade. Não seria a oportunidade perfeita de aproveitar o tempo? Aliás, desde que Billy fizera suas perguntas desrespeitosas, aquela estranha paciente às vezes lhe vinha em mente. E isso era melhor do que ter uma jovem noiva em seus pensamentos.
Estava mais do que decidido. Não adiantava ficar pensando em Anne. Ele tinha que se ocupar.
Mas é claro que pensou nela algumas vezes, afinal, no mínimo, tinha que escrever uma carta de volta.
- Malditas convenções sociais. - Ele murmurou para si mesmo.


Capítulo 7

adorava bailes. Quando era criança, sonhara em acompanhar nas várias festas que sua família frequentava, mas, conforme ela foi crescendo, foi entendendo que as pessoas não podiam nem queriam ficar gastando seu dinheiro em celebrações como essas, de modo que poucos ainda aderiam essa tradição.
A vida para os nunca fora muito difícil, então ela era do tipo que apoiava esses gastos. Afinal, para , apenas serviam para deixar todos felizes.
A mansão Louborne estava deslumbrante. A sra. Taylor passara o dia todo de um lado para o outro, recebendo bebes e comes, ordenando a limpeza do grande salão e posicionando mesas e adereços. A jovem só parou de olhar tudo quando foi forçada a se arrumar.
Ela e provaram os vestidos novos, animadas como duas crianças na noite de natal. O vestido de era lilás com detalhes de renda branca contornando os seios e os braços. Já o de era creme, justo até a cintura, onde pairava uma fita preta de seda amarrada em um laço. Ambas fizeram o cabelo e passaram um pouco de maquiagem, ficando então satisfeitas com o resultado.
Elas desceram as escadas para se juntarem aos convidados, se sentindo quase como princesas. estava encantada com o salão, que parecia ainda maior e mais brilhante com aquela decoração. Uma banda estava posicionada no fundo, tocando uma melodia extremamente agradável.
- , querida, venha receber os convidados. - Lady Pency chamara da entrada de maneira até gentil e carinhosa. Muito diferente do tom usado para a outra sobrinha.
- Aproveite a noite e o seu aniversário, irmãzinha. - disse, amavelmente.
logo estava sozinha e um pouco da magia se foi. Achou que pelo menos no seu aniversário estaria na presença de sua irmã, mas até isso ela perdera. No entanto, estava determinada a não deixar sua tia estragar tudo. Desceu para encontrar alguns convidados no salão, mesmo com um frio na barriga de não conhecer ninguém.
- Boa noite, como vão? - Ela se aproximou de um casal que pareciam estar nos seus 50 anos. - Espero que tudo esteja agradável. É um prazer receber vocês aqui.
- Você deve ser a jovem . - Os olhos da senhora que estava falando brilharam quando confirmou. - Parabéns pela linda festa e pelo seu aniversário. Eu sou Eliza Barry, de Avonlea, e esse é meu marido.
Após uma pequena conversa educada, ia se retirar para falar com outros convidados, quando a sra. Barry falou.
- Sabe, eu tenho uma filha da sua idade. Diana é uma ótima menina, acredito que vocês iriam se dar muito bem. Ela está por aí com seu noivo, Fred Wright. Mais tarde eu gostaria de apresentá-las.
- Seria um prazer. - Ela respondeu educadamente e foi para o próximo convidado.
Passou os primeiros 40 minutos conhecendo vários daqueles que seriam seus vizinhos por tempo indeterminado, moradores de toda a região. Já estava ficando exausta, quando uma apresentação em particular lhe chamou a atenção.
- Monroe. - A jovem, que parecia ter a mesma idade de , a cumprimentou. Algo nela lhe interessou e, por isso, a convidou para caminhar pelo salão.
Conversaram brevemente sobre a festa, um pouco sobre a estadia de , seus pais e outros assuntos. estava elogiando os docinhos de chocolate, quando ambas foram abordadas por duas figuras loiras.
- , quem é esta com você? Por acaso seria a deslumbrante aniversariante? - A mais velha das moças falou com um sorriso que parecia um tanto forçado demais para a jovem .
- Era só o que me faltava... - A srta. Monroe murmurou. - Josie, querida, sim, essa é . , essas são Josie e Gertie Pye.
- Prazer. - Ela respondeu.
- Ah, o prazer é nosso. - agora não tinha dúvidas. Aqueles dentes mostravam a mais falsa simpatia e ela nem entendia o porquê. - Embora, devo admitir, você não é... como posso dizer? Tudo aquilo que dizem de você. Mas você me entende, né, ? As fofocas, às vezes, exageram.
- Josie, o que é isso no seu rosto? - disse, agindo de forma genuinamente preocupada que até ficou procurando o que havia de errado. - Você está verde porque está enjoada ou é apenas a inveja? - Ela completou com um sorriso doce, mas fingido.
As irmãs Pye fecharam os olhos com raiva, tão simultaneamente que deixaram as outras moças com nervoso, até que, para alívio de todos, se retiraram.
soltou a respiração que nem percebeu que estava prendendo. Aquela presença realmente fora pertubadora.
- Acho que devo te agradecer, , embora esteja preocupada com o que elas podem falar de você.
- , você vai aprender que, com a família Pye, não importa se você é o humano mais agradável que já pisou em Canvedish, eles vão te criticar. E não há de que. Confrontar uma Pye foi, por enquanto, o ápice da minha noite. Nada contra sua linda celebração. Inclusive, pode me chamar de .
- E você pode me chamar de , . - Ela falou, sorrindo. Esperava ter feito sua primeira amiga.
Depois de mais algumas palavras trocadas, elas tiveram que se separar para cumprimentar mais pessoas, prometendo manter contato. foi para perto de sua irmã na entrada, porém parou ao ver que ela estava acompanhada.
- Ah, . - Lady Pency falou, avistando-a. Mais sorrisos forçados. - Devo apresentá-la ao Conde Travis Phillips, que veio da Inglaterra a nosso convite. Eu e o pai dele somos velhos amigos.
- Encantado, senhorita . E, devo dizer, que linda festa. - Ele, no entanto, olhava para , que estava corada.
fez uma reverência enquanto entendia o porquê de sua tia avó ter aceitado fazer o baile. O motivo de elas terem escrito cartas para convidados distantes. A necessidade de um ótimo vestido. Ela entendeu que Lucila estava tentando arranjar um casamento para a irmã. E, para desgosto de , não parecia muito contrariada.
Enquanto ainda assimilava tudo aquilo, ouviu alguém dizer:
- Doutor Blythe, que ótimo te ver essa noite!
A jovem olhou em direção à porta de entrada e seu olhar parou ali. Diversas palavras inapropriadas vieram a sua cabeça quando ela olhou Gilbert Blythe. Como, em sã consciência, ela conseguira esquecer alguém com aquela aparência?
Seus cabelos pretos e encaracolados estavam muito bem ajeitados, embora com alguns fios rebeldes. Ele estava lindo com paletó. E seu rosto... tudo parecia simplesmente combinar. Seu maxilar, sua boca e seus olhos... Olhos cor de avelã...
Olhos cor de avelã que estavam a encarando, confusos, com uma sobrancelha arqueada.
se recompôs rapidamente.
- Boa noite, doutor Blythe. - E saiu para se esconder entre os convidados, tentando esconder seu constrangimento.
Como pudera ficar encarando o homem sem nenhum pudor?! Porém, ela estava atordoada com tantas coisas acontecendo ao mesmo tempo. E não era culpa dela Gilbert ser tão atraente... Ai, se sentia tão envergonhada. Mais uma vez, agradeçera aos céus por não corar.
Ainda intrigada com o doutor, esbarrou, sem querer, em um convidado, derramando metade do conteúdo de seu copo. Clamou milhares de desculpas e se afastou, sem saber se a situação poderia piorar.
Aquela seria uma longa noite.


Capítulo 8

É preciso compreender um fator importante sobre corações partidos e superações. Assim como existem dias que a dor parece infinita, o amor parece inesquecível e roga-se aos céus por um milagre - esquecimento ou retorno da pessoa amada - existem também os dias médios. Os dias médios são aqueles que se lembra da pessoa, mas uma vez ou outra consegue se desprender e viver além daquilo. E, ainda mais, existem os dias bons. Os dias bons são os dias que se pensa que os anjos ouviram os pedidos e a superação chegou. Quase não se pensa no antigo amado e não sente nada ao pensar. Claro que no dia seguinte já é possível estar de novo em um dia ruim.
Mas, o que importava, é que Gilbert Blythe estava em um dia bom. Sabia que toda a Avonlea estaria no baile, assim como outras vizinhanças, mas aquilo não o assustou. Uma hora ou outra tinha que encarar as pessoas e estava determinado àquilo.
- Boa noite, sr. e sra. Sloane. Como vão? - Gilbert se aproximou para cumprimentá-los, surpreendendo os vizinhos com seu bem-estar.
- Gilbert, que prazer te ver essa noite. - O sr. Sloane falou. - Charlie estava me contando que esteve com você esses dias. Bom garoto, o meu Charlie. Vai nos deixar ricos administrando a fazenda comigo.
- Certamente, senhor. - Gilbert falou, um pouco arrependido de ter se aproximado e começado a conversa. Esquecia que os Sloane podiam ser bem falantes sobre eles mesmos. - Espero que os senhores tenham uma noite muito agradável. - E se retirou, tentando não desanimar com aquele primeiro encontro. Festas eram assim. Exigiam educação e conversas fiadas.
Quando finalmente adentrou a mansão, ficou encantado. O grande salão estava preenchido com uma melodia incrível, rodeado de pessoas conversando, bebendo e dançando. Tudo parecia brilhar naquela imensidão. Então, alguém o tirou de sua admiração:
- Doutor Blythe, que ótimo te ver essa noite! - Era Prissy Andrews, irmã mais velha de Billy, que estava junto de Jane, irmã mais nova que estudara com Gilbert.
- Prissy, Jane, boa noite! Como estão as duas? Aproveitando a noite, senhoritas? - Ele disse, educadamente. Continuaram uma conversa curta, até que Gilbert se despediu, sentindo sua nuca arrepiar com uma sensação esquisita.
Quando se virou para trás, encontrou ninguém menos que a própria anfitriã o encarando.
E ela não parava.
Ele olhou curioso para ela, arqueando uma sobrancelha. Ela pareceu ter levado um susto e falou:
- Boa noite, doutor Blythe. - E se perdeu no meio dos convidados.
Gilbert ficou um pouco confuso e transtornado, mas compreendeu que a jovem, ao olhar para ele, devia se recordar do acidente traumatizante. Suspirou, esperando que aquela impressão passasse. Começou a andar pelo salão para cumprimentar a todos e se servir.
- Gilbert! - Moody se aproximou do jovem. - Que bom te ver aqui!
- Bom te ver também, Moody. - Blythe disse, sorrindo sincero. O velho amigo, mesmo com seu afastamento, insistiu na amizade deles e perceber as pessoas que o consideravam até nas horas ruins fora muito importante.
- Esses dias estava vendo alguns tacos de hóquei à venda. Modelos novinhos! Lembra-se, Gilbert, de quando jogávamos entre as aulas? - O jovem Spurgeon comentou, se apoiando em uma mesa e quase derrubando tudo que estava em cima. Gilbert levou um susto e o ajudou a colocar tudo de volta no lugar. Aquilo tudo era muito caro para se manter perto daquele garoto desastrado. - Enfim, bons tempos. Afinal, por que não marcamos um dia para jogarmos uma partida?
- Sabe, Moody, estou um pouco atolado com o trabalho na fazenda. - Ele viu o amigo suspirar e logo completou. - Mas uma tarde jogando não faria mal, certo?
- Esse é o bom e velho Gilbert Blythe! - Moody falou, erguendo sua taça. Gilbert entrou no clima, erguendo um copo e comemorando também, depois caindo na gargalhada.
Naquele momento, Ruby Gillis passou e o amigo de Blythe começou a se ajeitar no lugar.
- Depois de todos esses anos, ainda é o velho Moody, com medo de agir. - Gilbert provocou, vendo o outro ficar vermelho.
- Eu não tenho medo de falar com uma garota! - Ele completou, envergonhado e irritado.
- Então convide-a para dançar. - O jovem médico falou, empurrando Moody que estava quase tropeçando nos próprios pés. Ali perto, Ruby olhava corada para o garoto desastrado, achando tudo encantador.
- Ta bom, ta bom, to indo! - Moody falou, ficando cada vez mais vermelho ao se aproximar de Gillis e lhe chamar para dançar. Os dois saíram dali como se fossem os únicos na festa.
Gilbert já devia estar há mais de uma hora na festa, quando Rachel Lynde se aproximou.
- Ora, bem, veja se não é Gilbert Blythe. Como você está, garoto? Está mais forte, mas continua magro. Anda trabalhando na fazenda? Está comendo direito?
- Boa noite, sra. Lynde. - Ainda estava digerindo todas as perguntas dirigidas a ele. - Estou bem, obrigado, e bem alimentado também. - Teve que rir perante aquela situação. - O trabalho na fazenda está puxado, mas acho que temos que agradecer por isso. Como está Thomas?
- Aquele velho já está andando por aí e bebendo como se fosse vinte anos mais novo. Não duvido nada que amanhã vai passar a manhã inteira reclamando para mim de dores nas costas. E ele acha que vou escutá-lo? Bom Deus sabe que só o faço por ser uma boa mulher. E a nova menina? Avonlea não recebe um morador de fora há tempos, desde de... Bom, soube que você e Jeannie foram os primeiros a conhecê-la. Vi ela hoje. Jovem bonita, mas precisa engordar, educada, mas parece um pouco atrevida. A irmã parece um excelente partido, mas já parece estar rendida pelo Conde. Esses malditos ingleses – Deus me perdoe -, roubam nossas terras e, mais tarde, voltam para roubar nossas meninas.
- Se a senhora diz... - Gilbert colocou, embora soubesse que aquilo era mais um monólogo. Ouvia tudo intrigado, uma das sobrancelhas levantadas e rindo de vez em quando.
- Mas, oh céus, esqueci do mais importante. Eu vi que Billy Andrews já dançou com ela uma vez, parecia um cachorro velho marcando território. Mesmo assim, ela recusou outro convite. Garota esperta, evitando escândalos. Diferente daquela garota Ruby Gillis, dançando por aí com Spurgeon três vezes. Três vezes! - Mesmo com o jovem claramente perdido, Rachel não parava de tagarelar. - De qualquer jeito, a mais jovem pode não parecer perfeita, mas não é bem dispensável.
- Perdoe-me, mas não compreendo o que quer dizer, sra. Lynde. - Gilbert colocou, um pouco incomodado com o jeito que a menina estava sendo avaliada.
- Estou falando, meu bom Deus, que você deve chamá-la para dançar, Gilbert Blythe! Não desperdice boas chances, menino! - Ele continuou a encarando, em choque. - Garoto, eu não tenho que fazer tudo! Vá logo!
Rachel saiu em seguida, indo conversar com outros convidados, embora ainda estivesse lançando olhares assustadores a Gilbert, movimentando a cabeça em direção à menina. Ele engoliu em seco e foi em direção a , sabendo que não estaria livre disso se não o fizesse logo. Assim, bem envergonhado, ele se aproximou da jovem, que estava conversando justamente com uma das últimas pessoas que queria ver: Diana Barry.
- Boa noite, srta. . - Então olhou para o lado e completou, tentando ser simpático e não desanimar. - Diana. - Respirou fundo e continuou. - Meus parabéns, senhorita. E que bela festa você está nos proporcionando. Não temos algo assim há muito tempo.
- Era o que eu estava contando para ela, Gilbert. - Diana falou e lá estava aquele olhar que ele mais do que nunca queria evitar. O olhar de pena. - Bom, eu vou pegar uma bebida. Vejo vocês mais tarde. Foi um prazer conhecê-la, .
- O prazer foi meu, Diana. - sorriu, mas parecia notar que algo estava errado. No entanto, antes que ela pudesse falar qualquer coisa, ele se apressou:
- Me daria a honra dessa dança?
Ela pareceu um tanto surpresa, mas logo assentiu e sorriu, colocando a mão sob a do rapaz. Ele a conduziu gentilmente até a parte do salão aonde todos estavam dançando.
- Então, Gilbert Blythe, apesar de ser um menino de fazenda, o senhor sabe dançar? - Ela colocou, com humor, enquanto se posicionavam para a próxima dança.
- Pode ser que as faculdades não te ensinem a dançar, mas certamente estar em uma te faz aprender. - Ele falou, começando a andar com a música que começara. Logo, estavam um pouco distantes para conversar.
- Soube que além de médico, você tem as melhores maças. - falou, quando voltaram a se encontrar na dança. Gilbert não respondeu de imediato, pois os pares haviam sido trocados.
- Soube que você está perguntando muito sobre mim. - Ela congelou sob aquela afirmação, constrangida, mas se recompôs para continuar dançando, sem olhá-lo diretamente. “Droga”, ele pensou. Tentando quebrar o constrangimento que causara, completou: - E falando pouco de si mesma. Está gostando da região?
Ela sorriu, parecendo aliviada.
- É tudo muito lindo. As flores da primavera são excepcionais. O único problema é que é um pouco frio. E que eu saio pouco. - Ela fez uma careta, depois riu, enquanto rodava ao seu redor batendo palmas. - Sempre adorei a região. Só queria que as circunstâncias fossem diferentes... - Ela suspirou, depois sorriu tristemente.
- Sinto muito pela situação dos seus pais. Não sei se te conforta, mas pela situação que eu soube, eles bem provavelmente irão se recuperar logo e você e sua irmã poderão retornar. - Ele falou.
- O problema é que são sempre altas probabilidades, porém não certezas, se o senhor me entende.
- Entendo mais do que imagina. - Ele suspirou sob o olhar curioso dela. - Eu perdi meu pai com 14 anos. Minha mãe faleceu no parto. E, há três anos, perdi uma amiga para uma doença. Eu sei como é. O medo e o desespero. Mas sabe o que todos eles não tiveram que seus pais têm? Um diagnóstico imediato e inicial. Eles vão se recuperar.
parecia tocada com aquela informação e ele percebeu que, com todos aqueles sentimentos sinceros expostos, ela estava linda. Aquele vestido certamente ajudava, ela estava parecendo uma Lady. Na verdade, não estava longe disso, visto sua árvore genealógica.
- Sabe, doutor Blythe...
- Pode me chamar de Gilbert. - Ele a interrompeu, fazendo-a sorrir.
- Sabe, Gilbert, - ela se corrigiu - você parece um bom rapaz que vai me compreender. Espero não estar presumindo uma falsa amizade, mas sinto certa... confiança em você. Não sei explicar. Mas, enfim. Eu estou... meio confusa. Como... - Sua voz foi diminuindo e certo pânico se estampava no seu rosto. - Algo está me perturbando. Entalado na garganta.
- Pode continuar. - Ele a incentivou, mesmo que estivesse um pouco perdido sobre o que fazer.
- Eu sinto que é errado eu estar aqui comemorando quando meus dois pais podem estar morrendo agora. - Ela colocou firme, depois pequenas lágrimas se formaram no canto de seus olhos.
- A senhorita precisa de um lenço? - Gilbert ofereceu, desconfortável. Não sabia como agir com meninas chorando.
- Não! - Ela respondeu, um pouco alto demais. - Eu não estou chorando. - E completou, em um sussurro. - Eu não choro.
Um silêncio um pouco desconfortável se estabeleceu e Blythe sabia que devia falar algo depois da maneira com que ela se abrira.
- Sabe, posso não ser, nem de longe, a melhor pessoa para falar isso, mas, pelo pouco que a conheci, você parece ser do tipo... como dizer?... espirituosa. E se eu consigo ver isso, seus pais com certeza enxergam e admiram essa qualidade. Não acredito que eles iriam querer acabar com elate trancando em uma casa para sofrer o dia inteiro em nome deles. Na verdade, nesse momento, os dois devem estar esperando muito que você esteja comemorando. Não é errado se divertir nessa situação. Na verdade, acho que é necessário.
Assim que terminou, se calou. E se tivesse falado a coisa errada? Desde quando era tão tagarela? “Imbecil”, pensou consigo mesmo.
Até que viu abrir um sincero sorriso.
- Obrigada. - Foi tudo o que ela falou. E foi suficiente.
Quando se deram conta, a dança já havia se encerrado e eles se cumprimentaram, antes de se separarem.
- Gilbert! - Ele a ouviu chamar, indo atrás dele. - Eu esqueci. Se eu posso te chamar pelo seu nome, por favor, me chame de . Ou .
- Tudo bem, . - Ambos sorriram e se separaram, se esbarrando, às vezes, durante a noite.
Gilbert foi embora, duas horas depois. Afinal, tinha que trabalhar no dia seguinte. Mas só pensava que não conseguira se despedir de , que parecia ter ocupado um espaço na sua cabeça aquela noite. Mal sabia ele o quanto Rachel Lynde estava rezando por isso.


Capítulo 9

O baile de aniversário de parecia ter acontecido em um universo paralelo. Depois que deixou de sentir culpa e se permitiu aproveitar, todos os seus problemas escorreram da cabeça e teve uma das melhores noites de sua vida. Realmente adorara , ou melhor, , amara os docinhos, se divertira muito dançando com Billy e Gilbert e até mesmo conseguiu tolerar o tal Conde Phillips que não desgrudara de a noite inteira.
Mas o dia seguinte ao seu aniversário foi um completo balde de água fria. Todas as preocupações com os pais voltaram redobradas. Escreveu mais uma carta naquele dia mesmo para o médico, os pais, os criados, qualquer um que lhe pudesse dar alguma resposta.
Durante os próximos dias, ficou dividida novamente entre ler, escrever aos pais, ouvir as reclamações da tia e raramente ver . A cada dia descobria um novo cantinho preferido na enorme propriedade, de tanto que ficava rodando seus corredores (Lady Pency uma vez berrara durante seu horário de meditação por causa de seus passos ansiosos), mas, nos últimos dias, um lugar em especial ganhara a sua atenção.
No primeiro piso, nos fundos do grande salão, escondida, havia uma porta que levava a um pequeno corredor, onde a jovem encontrou uma sala apenas com muitas fotos de um casal jovem desconhecido e, ao seu lado, uma porta trancada. Diferente das outras portas da casa, era apenas de madeira e parecia muito velha (talvez mais velha que Lucila).
Por dias, ficou lendo naquele corredor, escrevendo para seus pais e, quando a dor apertava muito, imaginava o que poderia estar escondido por aquelas portas. Mais fotos? Algo muito secreto? A fortuna da tia? Uma sala de fotografia?
Enfim, um dia, ao acordar e descer para o café da manhã, viu a srta. Taylor se espreitar por aquele pequeno corredor. Seu coração palpitou de ansiedade. Será que a governanta iria abrir a misteriosa porta? Poderia se esconder na sala ao lado e pelo menos espiar quando ela entrasse... será que conseguiria ser furtiva o suficiente?
Todos os seus pensamentos e planos foram interrompidos por batidas na porta principal e, logo, a srta. Taylor parecia ter se teletransportado para a porta, já anunciando:
- Lady Pency, é o Conde Travis Phillips!
Antes que seu cérebro pudesse processar, estava descendo as escadas perfeitamente arrumada, como sempre, seguida de Lady Pency, mais ansiosa do que jamais a vira.
- Ajeite-se, menina. - A tia a repreendeu baixo, duramente, antes de se virar para o Conde. - Ah, Travis, que agradável surpresa tê-lo conosco em minha humilde casa!
Humilde seria a última palavra que usaria, mas tinha amor próprio o suficiente para não corrigir a tia avó.
- A honra é toda minha, Lucila. - Conde Phillips colocou com um sorriso educado. - Jovem , que prazer revê-la. – fez uma pequena referência na menção de seu nome. - E... ... - sua voz estava repleta de admiração e, constatou com horror, paixão. – Não sei como pude acreditar que qualquer outro dia fora bom, se não tive o prazer de ser alegrado por sua doce presença.
estremeceu diante de tanto flerte exagerado. Se manteve o mais educada e quieta possível, até poder ser dispensada, quando o jovem casal saiu para passear pelo jardim. Vendo-se livre, foi correndo para aquele corredor que estava se tornando seu maior conforto.
Como aquilo era possível?! Um homem chegava e logo a irmã não conseguia nem se lembrar dela! Ela, que estivera com a irmã por 19 anos, nas horas boas e ruins, trocada por um cara que ela via pela segunda vez. Isso era ridículo!
Sabia que se a mãe estivesse ali, ela riria, como se entendesse de coisas que não conseguia nem imaginar e diria algo como:
- Um dia você vai entender, um dia você vai agir igualzinho.
Já seu pai, provavelmente do outro lado da sala, lendo jornal, ia apenas resmungar indignado.
Mas não conseguia se imaginar agindo igual uma idiota por ninguém. Uma vez, estivera apaixonada por um amigo seu da escola, mas não ficava corando e rindo por qualquer elogio bobo.
Pensando bem, ela provavelmente nunca fora elogiada assim.
“Ainda bem”, ela pensou, imaginando que provavelmente sentiria vontade de rir – ou ânsia de vômito. Seria ridículo.
Mesmo assim, apoiada naquela porta de madeira, talvez por estar meio sonolenta, começou a imaginar alguém a elogiando assim.
- Meus dias não parecem o mesmo sem ver o seu belo rosto. - Disse a voz imaginária da sua cabeça. - Sortudo será aquele que puder ouvir o som de sua risada todos os dias. - Ele continuava, delirante. Ela realmente estava adormecendo...
- A senhorita está muito bonita, . - Ela viu o doutor Gilbert Blythe dizer.
acordou com um susto. O que diabos estava sonhando?
Envergonhada demais, ela tentou tirar aquela cena da sua cabeça. Primeiro, ficara a noite do seu baile pensando em Gilbert, tão bonito (ainda se envergonhava de lembrar como ficara encarando-o!) e tão gentil. Mas, então, o problema com os pais o tirara da cabeça, justamente. O que faria agora que ele parecia estar voltando?
Durante todo o jantar (no qual o Conde se recusou a ficar pelo horário e nunca agradeceu tanto às regras de etiqueta), Lucila muito distraída com para lhe dirigir comentários sarcásticos, os pensamentos da jovem ficavam se voltando para aqueles cabelos negros e os olhos de avelã. Nunca se sentira tão boba na vida, mas percebia que uma parte dela parecia gostar daquilo, chocando-a.
Em uma situação normal, naturalmente falaria com a mãe ou, melhor ainda, com . Mas, com a mãe distante e sempre sob os olhares atentos da tia e suas longas tarefas, estava sem ninguém. Com quem poderia falar sobre isso?
Já estava deitada na cama, se desviando de pensamentos com Gilbert Blythe, quando uma súbita ideia a invadiu.

“Cara Monroe,
Espero que a senhorita se recorde de mim! Apesar de nosso breve contato, senti uma imediata confiança, da qual espero desenvolver uma amizade.
Recorro a você e espero não a assustar com assuntos tão estranhos para uma primeira carta, mas...”
achou muito exposto se abrir completamente com , por mais que gostasse dela, então decidiu contar uma pequena mentira:
“... minha irmã, , se encontra em uma situação delicada. Ficar pensando constantemente em um garoto, especialmente pensamentos bobos, significa amor ou paixão? Ou poderia ser simples consequência de uma rotina tediosa?
Grata por sua atenção,


Na manhã seguinte, ela buscou o endereço para o qual tinha mandado o convite do seu baile de aniversário e mandou a carta, ansiosa. Quatro dias depois de pensamentos constantes e nervosismo crescente, sua resposta chegava, afinal.

“Querida ,
Fico imensamente feliz que tenha me escrito! Acredito, igualmente, que podemos ter uma futura amizade muito boa!
Sobre o outro assunto, avise a ‘sua irmã’ que é possível tais pensamentos acontecerem sem compromisso, mas é preciso avaliar muitos outros fatores, então eu lhe trago uma sugestão: por que você não aparece aqui em casa no sábado às 15 horas para me trazer notícias mais detalhadas?
Aguardo sua resposta.
Carinhosamente,

P.S.: Você é muito ‘educadinha’ em suas cartas!”


Rindo aliviada de sua não-paixão e de não ter sido idiotice escrever a bendita carta, foi procurar a tia avó para confirmar sua ida.


Capítulo 10

Era plena quarta-feira e o assunto mais interessante que se passara no dia inteiro de Gilbert foram, novamente, as dores da sra. Pippett e seus convites para um chá, mas, dessa vez, ele preferiu recusar, alegando que precisava trabalhar na fazenda. Não era exatamente verdade, mas certamente precisava descansar para trabalhar na fazenda cedo no dia seguinte.
Mas, chegando a sua casa, ele encontrou todas as luzes acessas. Seu coração paralisou. Era Elijah? Ele ainda estaria lá até aquela hora? Ou poderiam ser ladrões? Ficou sério e olhou ao redor, procurando como se aproximar sem chamar atenção e, sem muitas opções, pegou um machado que estava próximo das árvores. Se espreitou silenciosamente até a casa, porém percebeu que sua melhor chance seria assustá-los. Assim, respirou fundo e fez a cara mais raivosa que podia, chutando a porta entreaberta em seguida para entrar.
No entanto, ao ver quem estava lá dentro, ele congelou. Depois, soltou o machado e correu, sorrindo, para abraçar Sebastian, que estava sentado na mesa da cozinha.
- Meu Deus, Blythe, não se pode nem fazer uma surpresa para você sem correr risco de morte? - Bash riu, com seu sotaque carregado.
- Talvez, na próxima surpresa, você possa tentar não invadir minha casa, certeza que será melhor sucedido. - Gilbert falou sarcástico, mas não conseguia tirar o sorriso do rosto. Logo depois, viu uma outra figura ali no canto, observando tudo com muito carinho.
- Senhorita Stacy! Quer dizer... Senhora Lacroix... Como você está?
- Eu estou bem! E, Gilbert, eu sei que isso pode ser esquisito a princípio, mas, por favor, me chame de Muriel. - Ela disse rindo, antes de eles se abraçarem. Gilbert tinha um grande carinho por ela. Ela sempre o incentivara, o ajudara a conseguir uma vaga na Universidade de Toronto e, depois, ainda fizera o seu melhor amigo e irmão feliz novamente.
- Então, como foi a Lua de Mel? - Gilbert falou, sentando-se perto deles.
- Você provavelmente não quer saber. - Bash provocou, colocando os pés na mesa.
- Sebastian! Ele só quer saber sobre os lugares que passamos, não é? - Muriel disse, enquanto servia um chá que tinha acabado de fazer com alguns biscoitos que já estavam na mesa - Ah, Gilbert, foi incrível! A praia, o lago de pesca, eu peguei um peixe desse tamanho! - Ela separou bem os braços. - Claro que esse aqui – ela cutucou Bash – mal conseguiu pegar o menor de todos.
- Eu estava distraído com outras coisas. - Sebastian sorriu atrevido. – ‘Tá olhando o que, Blythe? Tem mais o que fazer não?
- Certamente tenho, achei só que você poderia ter sentido saudades e por isso estou me foçando a ficar nessa cozinha.
- Saudades de um garoto magrelo e folgado? Certamente que não. Que biscoitos gostosos. São de minha mãe, né? Só não morreu de fome por causa dela. - Então o seu olhar se desviou para a pilha de cartas. - Vamos ver o que temos aqui. Jornal, jornal, ah, minha carta! O que mais? Jeannie reclamando de dor, ainda é sua única cliente? Que foi? Você ainda vai conquistar eles e... - Ele olhou para uma carta e arregalou os olhos. - Muriel, querida, por que não traz para ele ver todas as conchinhas que você colecionou na praia?
- Não são “conchinhas”, Sebastian, eu já te disse! São fósseis de animais marinhos como mariscos e... - Ela percebeu o olhar de Sebastian - Claro, vou pegar.
Ele mal esperou a esposa sair da sala, explodindo.
- Que porcaria é essa? - Sebastian jogou para Gilbert a carta de Anne. - Eu adoro aquela menina, mas para alguém tão inteligente... Como você está?
- Não sei. - Gilbert respondeu sinceramente. - E não chame de porcaria, é só uma carta de... uma amiga.
- Uma amiga que te beijou e depois começou a namorar outro? Me poupe, Blythe, isso não é só uma carta.
- Olha, é o que é. Somos amigos. Eu só tenho que me acostumar com isso e isso é um bom choque de realidade.
- Um bom choque de realidade? Isso só te faz pensar mais nela. Certeza que depois você já ficou cheio de vontade de enviar outra carta e ter mais notícias dela. - Gilbert ficou envergonhado ao perceber que quase fizera aquilo mesmo. Levou um belo tapa na cabeça de Bash.
- Ei!
- Isso é para você pensar melhor em como você tem que esquecer a Anne.
Os dois ficaram quietos em seguida, até que Sebastian pegou a última carta e, tentando melhorar o clima, falou:
- ? Eu saio e você já arruma convite para festas de desconhecidos? Talvez você esteja melhor do que eu pensei.
- Para, Bash, não fala besteira. É só uma moradora nova. É sobrinha neta daquela ricassa Lady Pency. Ela e a irmã se mudaram para cá logo depois que você viajou. Todos da região foram convidados para essa festa.
- E aí? Conta mais!
- Cuidado para não tirar o cargo de Rachel Lynde de maior fofoqueir... ai! - Levara mais um tapa, agora na nuca. – ‘Ta bom, ‘ta bom, eu só as vi duas vezes! A mais nova parece ter a minha idade ou menos e quase foi atropelada por uma carruagem, eu a ajudei e nesse dia eu conheci a mais velha também. Depois, as encontrei de novo nesse baile, mas só falei com a mais nova, que é essa .
- Então, você ‘ta tendo bastante contato com essa . - O sotaque de Sebastian parecia deixar a ironia muito pior.
- Para de achar que tudo tem segundas intenções! Além disso, não sei se ela realmente gosta de mim, ela meio que... brigou comigo por ajudar ela. Mas depois foi simpática comigo quando dançamos.
- Vocês dançaram?! E eu entendo a coitada, quem não quer brigar com você? E isso é mais ponto para ela, né? Só falta ela te bater e logo você vai estar caidinho.
Sebastian teve que se desviar de um biscoito que voou em sua direção.
- ‘Ta precisando praticar mais a mira, Blythe. Achei que sendo um doutor, você ia saber ser mais certeiro.
Logo, uma pequena guerra se estabeleceu na cozinha e só parou quando Muriel voltou com sua coleção de conchas. O resto da noite foi extremamente agradável e o coração de Gilbert apertou quando eles se retiraram, já de noite, para dormirem na casa deles. O seu ânimo melhorara muito de uma forma que só Sebastian conseguia fazer. Porém, não conseguia tirar da sua cabeça toda aquela conversa sobre Anne e sua necessidade de realmente esquecê-la. E sabia que não seria a única vez que Bash ia zombar dele por causa da nova garota, mas apenas a primeira. Aquele era Sebastian: sempre o perturbando. Mas Gilbert sabia. Por trás de todas aquelas implicações, ele encontrava ali o amor de um irmão.


Capítulo 11

nem acreditava que realmente estava a caminho da casa de . Dera a imensa sorte de o Conde ter marcado de voltar naquele mesmo dia e, para Lady Pency, manter a sobrinha neta mais nova afastada provavelmente seria bom para prevenir que ele não se afastaria, então recebeu permissão para visitar a amiga. nunca comemorou tanto o fato de ser considerada um empecilho. Até prendera o cabelo em um alto coque, colocara um vestido bem arrumado e levava uma sombrinha. Não havia como estar cumprindo melhor as regras de vestimenta social.
Escrevera mais uma das centenas de cartas que enviava aos seus pais pedindo notícias. Depois, relembrando as palavras de Gilbert Blythe em seu baile de aniversário, tentou colocar aquela tarde como sua prioridade, afastando pensamentos de culpa e tristeza.
só desejava profundamente (ou talvez nem tanto assim) que esse fosse o único momento que pensara em Gilbert desde então: com apenas um conselho justo de ser lembrado. Mas não. Quando não estava pensando em seus pais ou na porta trancada, acabava pensando nele. Se frustrara tanto quando não conseguira ler um livro porque seus pensamentos ficavam se desviando para ele. Não se achava completamente culpada. Ela era uma menina vulnerável que acabara achando de pretexto pensar em um garoto bonito, gentil, inteligente... Porém, isso precisava parar. E, se tudo corresse bem, uma tarde de conversa com tiraria o médico de sua cabeça.
Quando a carruagem finalmente parou, se encontrou diante de uma casa marrom clara de dois andares e um belo jardim. Tropeçou ao descer a carruagem de tão animada que estava.
Na bela porta de madeira, ela ajeitou os últimos fios de cabelo e bateu à porta. Uma senhora, que ela imaginou ser a governanta, apareceu ali.
- Boa tarde, sou . Fui convidada pela senhorita .
- Mais convidados? Um segundo, chamarei a senhorita Monroe.
“Mais convidados?” pensou , confusa. Logo, no entanto, uma animada estava a sua frente.
- Obrigada, senhora Prewett. ! Você veio mesmo! - A anfitriã começou a arrastá-la para dentro da casa, mas, depois de fechar a porta, fez parar e sussurrou. - Meus tios e uma de minhas primas veio me visitar, eu não estava sabendo disso, por isso vamos ter que passar por eles primeiro. Mas fique tranquila que o assunto da “sua irmã” não foi esquecido. Provavelmente minha prima vai ficar conosco e ela é confiável, porém, caso você não se sinta confortável, nós fugimos de sua vista.
ficou um pouco nervosa, mas respirou fundo e agradeceu que sua animação tivesse feito ela se arrumar propriamente. Entraram, então, na sala de visitas.
- Voltei, mamãe! Essa é de quem lhe falei. , esses são meus pais, Vera e Paul Monroe. – ela apontou para o casal ao seu lado e a convidada percebeu que a amiga possuía uma semelhança incrível com a mãe, exceto a cor do cabelo. - Esses são meus tios, Ruth e Harmon Andrews. - agora apontava para um casal sentado no sofá, oposto a elas. percebeu que o sr. Harmon e a sra. Vera eram irmãos, pois eram muito parecidos. - E essa é minha prima, Prissy Andrews. Estavam todos no baile, mas, com tantos convidados, não te culparia de esquecer alguns. - Todos riram educadamente.
- , como você vai? E sua tia? Você também tem uma irmã certo? - Perguntou a senhora Monroe, enquanto a conduzia para uma cadeira.
Uma conversa agradável e educada se instaurou por alguns minutos, até que a senhora Andrews falou:
- Pobres meninas, devem estar entediadas!
- Você tem razão, Ruth. - Vera concordou com a cunhada. - , leve para conhecer a casa. Prissy, querida, acompanhe sua prima.
- Certamente, tia. - A jovem Andrews disse, se levantando com elas.
- Venha, vou te mostrar meu quarto! - falou, animada, quando elas já estavam fora da sala. Prissy riu da prima.
- Que lindo! - falou sinceramente, olhando o pequeno quarto azul turquesa com uma vista para o jardim da casa. - Que livro é esse? - Ela disse, apanhando um volume esquisito que estava na cama.
- Ah, entendo sua surpresa! Um livro de economia no quarto de uma menina. Bom, não é meu, é de Prissy, ela que é boa com essas coisas, até na escola eu era péssima com contas. Vamos para a sala de música, esse quarto é muito apertado para todas nós. Prissy, conte a ela sua história.
estava empolgada demais com a sala de música, contudo ouviu a srta. Andrews atentamente.
- Bom, não é uma história muito bonita. Primeiro, eu me envolvi com o professor da minha escola. Eu era muito nova para pensar no que eu queria, tinha apenas 15 anos.
- Aquele nojento. - acrescentou.
- Não discordo. - Prissy continuou. - Mamãe nunca quis que eu me casasse, queria que eu fosse para a faculdade. No dia de meu casamento, eu decidi que aquilo não era o que eu desejava e sim continuar minha educação. Então eu fui para Queens.
- Sua mãe incentivou a faculdade? - ficou assombrada. Era raro ver meninas indo a faculdade.
- Bem, aqui em Avonlea, muitas meninas foram. Mamãe coordena um grupo que é a favor da educação superior para meninas também. Na verdade, o único da minha família que não foi para a faculdade foi meu irmão, Billy. Você o conheceu no baile.
se lembrou de ter dançado com o menino no baile, mas achou que não seria bom falar para sua irmã e sua prima a sua opinião dele, pois não era positiva. Decidiu apenas assentir para demonstrar que estava acompanhando.
- Desde que retornei, no entanto, minha maior vontade era administrar a fazenda do meu pai, mas claramente ela iria para Billy, mesmo que ele nem soubesse o que estava fazendo. Papai negou até mesmo que eu apenas ajudasse meu irmão.
- Até ele quase estragar tudo, como sempre. - falou honestamente.
- Praticamente, é. E quando eu consegui planejar maneiras de nos recuperar e melhorar nossos lucros, mamãe implorou para papai me deixar ajudar. E aqui estou eu.
não se lembrava de ter se sentido tão surpresa com algo antes. Uma mulher administrando uma fazenda? Sem se casar? Tendo feito faculdade?
- Você também fez faculdade, ?
- Ah, não, mamãe não concorda com essas coisas. O maior aprendizado que eu tive na vida, além da escola, foi sobre como bordar. - Ela completou, com uma careta.
compreendeu a amiga, contudo, sua concentração se perdeu quando avistou um belo piano na sala. Sem perceber o que estava fazendo, ela já estava colada no instrumento, encantada.
- Você gosta? - Prissy perguntou, educada.
- Ah, sim! Temos um lá em casa. Eu adoro tocar. Mas eu não toco desde que cheguei, não tem nenhum na casa de Lady Pency.
- Você pode tocar, se quiser. - falou, animada. - Mas... estou muito curiosa. Podemos começar o assunto da sua carta? Acho que, se minhas suspeitas estiverem certas, Prissy pode ser de grande ajuda.
A prima olhava para ela completamente confusa e , tentando se distrair no piano, acabou concordando, começando a tocar.
- Para começar, não quero te deixar desconfortável, mas você não estava falando da sua irmã na cartam certo? - nem esperou confirmação para continuar. - Eu sabia porque sua irmã não parecia nem um pouco confusa naquele baile. Ah, você deve estar perdidinha. - olhou para Prissy. - está a fim de alguém.
- Não estou. Você mesma disse que não era necessariamente gostar. - falou, errando uma nota perante seu nervosismo.
- E quem é? - Prissy indagou, agora bem interessada.
- Ah, se for quem eu penso, não são boas notícias. Fala logo, . É aquele Gilbert Blythe, não é?
levou um choque e parou de tocar. Estava tão óbvio assim? Seu susto foi suficiente para confirmar que estava certa e logo as duas primas estavam lhe lançando olhares de pena.
- Desculpa, mas o jeito que você estava dançando com ele. Ficou na cara! - Mas o olhar esquisito não sumia.
- Que foi? - indagou, suspeita.
- Ah, Prissy você sabe melhor que eu. - falou, agora o olhar de pena se dissolvendo em curiosidade.
- Eu? Não é melhor você?
- Você sabe que não faz sentido eu contar, só sei por meio do que você contou em primeiro lugar. Conte logo!
- Ah, certo. Bom... -Prissy parecia confusa. - Por onde começar? Gilbert estudou comigo na escola. É, todas as meninas da idade adoravam ele e eram apaixonadas por ele, principalmente aquela Ruby Gillis, – se recordou de uma menina loira que estava em sua festa – mas ele nunca se interessou por ninguém, mostrando apenas a sua habitual simpatia que era direcionada a todos.
- Isso é, até Anne chegar. - não se segurou e se adiantou.
- Anne? Não lembro de ninguém com esse nome no baile.
- Ah, é porque aí vem história!
- Continuando, - Prissy se endireitou. - Anne é uma menina órfã que foi adotada pelos irmãos Cuthbert. Ficou claro que Gilbert estava a fim dela desde que se conheceram, mas ela nunca lhe deu bola. Anos depois, então, ele decidiu seguir em frente. Conheceu essa moça, Winifred Rose e eles quase noivaram! Mas algo aconteceu e pelo que Diana, a melhor amiga de Anne, me contou, ela se declarou para ele e, quando ele descobriu, foi atrás dela. Que cena foi aquela! Beijos e promessas para todo lado.
O estômago de estava se embrulhando a cada palavra, mas ela conseguiu falar:
- E então?
- Então, cada um foi para a sua faculdade e Anne conheceu Roy Gardner, um garoto lindo, inteligente, rico...
- Basicamente perfeito. - comentou.
- Basicamente. - Prissy concordou. - Anne deixou sua relação com Gilbert voltar à amizade e namorou com Roy por dois anos antes de noivarem. Agora ela está na casa dele, quilômetros daqui. Mas há boatos que, mesmo sabendo do namoro, Gilbert nunca realmente desistiu dela. Mas agora está sendo forçado, não é? Já fazem dois meses desde que eles noivaram. É realmente para valer.
- Todos que conhecem ele comentam sobre como ele está abalado. - concluiu.
Então era isso. não conseguia parar de pensar em um garoto cujo coração era completamente de outra. Todas as esperanças (que ela não admitira para si mesma) pareciam agora pesar dentro de si.
- Ah, eu sabia que você ia ficar assim. - comentou tristonha.
- Assim como? - falou, espantando o choque e o desconforto. Tinha necessidade de se sentir assim por uma pequena queda que achou que talvez tivesse por um médico que apenas vira duas vezes? - Eu disse, não estava gostando dele, ele apenas me falou uma coisa no baile que me deu conteúdo para pensar. - Mas nem ela acreditava 100% no que dizia.
Um silêncio se instalou na sala de música.
- Bom, acho que esse momento pede biscoitos da Sra. Prewett. - Prissy falou, gentil.
Os olhos de brilharam.
- Alguém disse biscoitos?


Capítulo 12

Gilbert tivera um dia agitado. Começou com uma visita de Bash e da bebê Delphine, que logo estaria fazendo 4 anos e que agora só o chamava de “tio Gilby”. Era melhor do que quando Sebastian ensinara a criança a chamá-lo de uma forma que fez o sapato da sra. Lacroix voar em direção a cabeça do filho de forma que desafiou a física.
Depois de se despedirem, foi Elijah quem chegou e eles começaram a trabalhar nas macieiras, pois, com o início do verão, dali a dois meses já estariam carregadas. Depois, eles almoçaram e Gilbert deixou Elijah na fazenda, porque iria pegar o trem para Charlettown às 12 horas para comprar alguns materiais para o seu consultório.
A viagem foi agradável, mas estava um pouco preocupado com o horário. Queria chegar cedo em casa em um dos seus poucos dias de descanso e no dia seguinte, já nas primeiras horas da manhã, teria Igreja.
Chegando na cidade, procurou a loja que ele costumava ir para encomendar o material e teve uma agradável surpresa ao encontrar um rosto amigo ao se dirigir para pagar.
- Meus olhos me enganam ou eu vejo Gilbert Blythe aqui comigo? - Era o Doutor Raynes, que cuidara de seu pai, de Bash, de Mary e dera a Gilbert seu primeiro estágio com ainda catorze anos.
- Doutor Raynes! Como o senhor vai?! – Eles apertaram as mãos, Gilbert muito animado. Tinha uma grande admiração e gratidão por ele.
- Bem, bem, mas o tempo está começando a me cobrar, meu jovem! – Ele disse, rindo. – E você não apareceu mais no meu consultório!
- Ah, voltei da faculdade há apenas uns meses e estou com um pequeno espaço lá em Avonlea. Tentando conquistar as pessoas. - Ele respondeu, em tons de pedido de desculpa.
- Elas são difíceis, não são? Nunca abertas para o novo! Ainda mais você, que tinha a cabeça deslumbradas pelas novas pesquisas.
- Ah, senhor, mas você deveria ver todas as ideias que eles pensam! Pensar que tudo que temos pode ser útil, apenas não testamos da maneira correta! – Gilbert teve que se segurar. Aquele assunto o deslumbrava e o intrigava, mas a maioria apenas olhava com grande desinteresse.
- Ah, meu garoto, você pensa tanto! – Doutor Raynes riu. – Você deveria vir me visitar um dia desses.
- Ah... Claro! – Gilbert estava atônito. – Seria um prazer.
- Não suma de novo! E, Paul, – O doutor se dirigiu ao caixa. – pode colocar o que ele precisar na minha conta.
- Doutor! Isso não é necessário!
- Não é mesmo. – Ele piscou. – Mas eu sei como é difícil sustentar um negócio no começo, ainda mais numa cidade pequena, com desconfiança. Venha ao meu consultório semana que vem e me pague isso com uma tarde com você como meu assistente novamente. Mãos jovens fazem milagres que já não me pertencem mais!
E, assim, ele saiu, deixando Gilbert completamente atônito.
Quando sua gratidão àquele homem já parecia no limite, ele aparecia novamente.
Depois de comprar o necessário na loja, aproveitou o dinheiro economizado e comprou uma boneca simples para Delphine, guardando o que restara.
Já voltando no trem, o jovem ficou refletindo sobre como o destino era engraçado. As últimas vezes em que estivera em Charlottetown fora para encontrar Winnifred, quase sua noiva, que ele abrira mão por... Anne. Sempre ela.
Afastou aqueles pensamentos. O dia estava ótimo. Ele não queria atrapalhar aquilo. Ainda mais em uma viagem de trem, que ele adorava tanto. Ganhara o gosto de viajar por seu pai e, apesar de ter decidido ficar em Avonlea e virar um médico, cercado por seus amigos e sua família, ele ainda esperava ter a chance de conhecer tantos lugares novos. Tantos mares, tantas praias, tantos campos e montanhas... mas um passo de cada vez. Primeiro, precisava melhorar seu consultório. E conquistar mais clientes.
Depois de uma viagem agradável, ele desembarcou na estação e já estava pensando em alugar uma carruagem para voltar, quando escutou:
- Blythe? É você mesmo?
O dia realmente estava cheio de reencontros.
- Billy! Como está? – Ele respondeu, o mais educado possível.
- Bem, mas tenho que visitar minha família chata agora. E você? Vai para onde?
- Estou voltando para casa. Estive em Charlottetown.
- Ah, a última vez que vivia lá, quase acabou amarrado. – Ele riu e Gilbert forçou uma risada. – Sua casa fica perto, deve ser uma hora andando de lá. Quer uma carona?
Pagar uma carruagem ou ter que aturar Billy Andrews? A resposta lógica era gastar o dinheiro, mas nem ele era capaz de negar uma economia.
- Claro! É muito gentil da sua parte.
Os dois garotos subiram no transporte e se acomodaram. Gilbert começou a se arrepender quando Billy abriu a boca:
- Anda brincando de boneca, Blythe? Não é muito homem da sua parte.
Ele respirou fundo. Ele está te dando uma carona, seja gentil, ele se relembrou, antes de forçar uma risada.
- É para Delphine, filha do Bash.
- Ah. Aquela gente. – Billy falou, com claro desgosto.
Aquela gente é minha família, seu jumento. Ele respirou fundo e engoliu novamente os comentários e a súbita vontade de pular da carruagem. A partir de então, ele parou de ouvir, soltando apenas alguns “ahã” para não ser completamente ingrato pela carona. Mas era realmente muito difícil conviver com Billy Andrews.
Depois de uma hora de carruagem (que Gilbert ficava se relembrando, para não demonstrar sua frustração, que teria enfrentado muitas longas horas de caminhada ou um bolso bem mais leve), a visão da casa marrom clara foi o mais perto que ele poderia dizer de paraíso, tamanho seu alívio. Quando Billy parou a carruagem, o acompanhante pulou imediatamente para o chão e já se preparava para se despedir, quando os dois jovens perceberam duas figuras se aproximando deles. O dia realmente estava para reencontros.
- ... me visitar sempre que quiser! – Uma jovem, que Gilbert reconheceu como Monroe, falando para ninguém menos que . Ele viu Billy se ajeitar. então reparou neles. – Ah, doutor Blythe, que prazer! E, Billy, finalmente, seus pais já estavam começando a se desesperar.
- Boa tarde, senhores. – cumprimentou todos. Então, olhou para longe e pareceu congelar por um minuto.
- Tudo bem, ? – a srta. Monroe perguntou.
Ela pareceu constrangida.
- Bom, acho que me empolguei muito e planejei tudo para vir, mas... – Ela olhou para as próprias mãos, mexendo várias vezes no vestido. – Esqueci que precisava voltar.
Os três que a escutavam não puderam deixar de rir.
- Bom, estou com uma carruagem bem aqui, que conveniente. – Billy riu. – Não será incômodo acompanhá-la.
- Ah, Billy, mas você acabou de chegar. Seus pais vão falar no meu ouvido. – resmungou.
- Mas seria muito perigoso deixá-la sozinha.
tentava pensar em alguma opção. Gilbert sabia o que era certo a fazer.
- Se Billy permitir, eu a deixo em casa e depois retorno com a carruagem para cá. Não é longe de carruagem e assim ninguém precisa correr perigo, especialmente ameaças de parentes. – Ele comentou, bem-humorado. Estava cansado, mas não podia deixá-la sozinha. Ou com Billy. A última parecia ainda pior.
- Ah, doutor Blythe, o senhor é tão gentil! – disse.
- Não precisa, Gilbert. – murmurou, baixinho.
- Não precisa mesmo, Blythe. – Billy agora estava mais mau humorado.
- Claro que precisa. Não quero causar nenhuma discórdia familiar e nenhum risco desnecessário. E acredito que você tenha alugado a carruagem até amanhã, certo? – Gilbert replicou, agora já um pouco de saco cheio.
- Certo. – Billy resmungou, depois de um tempo, ainda contrário.
- Então, perfeito! – falou, puxando o primo, como se já soubesse do que ele era capaz. – Vamos, Billy. Tchau, , até outro dia, mas garanta sua carona de volta! Tchau, doutor, obrigada novamente! – E, em um rápido momento, os dois sumiram dentro da grande casa, sobrando apenas Gilbert e .
- Vamos? – Ele a chamou.
Andaram até a carruagem e ele ofereceu ajuda para levantá-la, mas ela recusou e subiu sozinha no transporte.
- Eu juro que normalmente eu não sou tão... tão... estúpida. – Ela completou baixinho. – Era tão óbvio.
- Bom, já percebi que você tende a entrar em situações inusitadas. Não precisa da cara fechada. – Ele acrescentou, rindo. – É só brincadeira.
- Para você, talvez. – Ela falou, mas suavizando a sua expressão. – Vejo que você está bem-humorado hoje.
- Gosto de pensar que estou sempre assim. Mas, sim, tive um bom dia, mas também um pouco longo.
Um silêncio se instalou.
- Me desculpa, se eu não fosse burra, você já poderia estar indo para casa. Estava indo para casa, certo? A propriedade dos Monroe fica próxima da entrada de Avonlea. – falou.
- Estava, mas não me importo. A companhia me agrada. – Ele sorriu para ela. – E não se chame de burra, foi apenas distração.
- É, mas não é só isso. Parece que todas as meninas fizeram faculdade, menos eu. Eu nem fiquei tantos anos na escola. Nem era uma aluna muito boa. E parece que eu não faço nada certo. – Ela resmungou. – Meu bom Senhor. – Ela olhou de esguelha para ele. – Não era para eu ter falado isso. Me desculpa. Isso só estava na minha cabeça.
- Não precisa se desculpar. Acho que é natural ficar assim. Além disso, há muitas coisas que não se aprendem na escola. Todos os meus meses de viagem equivalem há anos de aula que eu nunca tive. Não é só porque você não teve uma formação que você é incapaz ou inferior.
- Para onde você foi? – Ela perguntou, os olhos brilhando de curiosidade.
- Com meu pai, fui para as montanhas. Depois, bom, estive dentro do navio a maior parte do tempo. Mas o Oceano Atlântico me levou a muitos lugares inesperados, como a Ilha de Trindade, terra de Bash.
- Bash?
- Ah, verdade, você não o conhece. Sebastian é um amigo que conheci no navio e, hoje em dia, ele é meu sócio na fazenda e mais. É como um irmão para mim. Inclusive, essa boneca aqui é para Delphine, sua filha.
- Que lindo. – Ela falou, sorrindo. – Mas por que não o encontrei no baile? Se me lembro, você chegou sozinho.
- Olha você me observando de novo. – Ele brincou.
- Observei a todos! – Ela disse, novamente com uma careta.
- Ta bom, ta bom! Você precisa de mais senso de humor.
- O meu senso de humor é excelente. Mas você não me respondeu.
- Ele estava em Lua de Mel, voltou há poucos dias.
- Ah, isso explica! Mas também não lembro dele na lista dos convidados. Escrevi apenas para você.
Gilbert sussurrou, pensando em como ia explicar aquilo. Esperava que o que dissesse a seguir não transformasse em uma Josie Pie.
- Provavelmente, ele não era bem-vindo lá. Isso acontece frequentemente com quem não o conhece.
- Mas por que ele não seria bem-vindo? Ele... – Ela respirou fundo. – Ele é um criminoso?
- Só se você considerar um crime ele ter a língua tão afiada. – Gilbert riu, imaginando Sebastian reagindo àquela conversa. – Não, não, mas ele é uma pessoa de cor. – Ele falou, com um que de orgulho de toda a força de seu amigo.
- Ah. – Foi o que ela pode dizer.
O silêncio se instalou novamente e Gilbert suspirou. Por que todos não podiam só enxergam o fato de ele ser simplesmente... uma pessoa? E muito melhor do que muitos que ele conhecia.
- Ele deve passar por vários problemas por causa disso. – Ela falou, de repente. – Eu só conheci uma pessoa de cor na vida, por cinco minutos, antes de um oficial começar a segui-lo. Nunca mais o vi desde então. E tudo que ele fizera foi... estar na cidade.
- É bem assim. – Ele suspirou. – Mas acho que não sou indicado para falar. Nunca passei por isso. Bash certamente tem muitos relatos ruins sobre essas questões.
- Seria adorável conhecê-lo. – Ela acrescentou, olhando para longe. De repente, se deu conta do que estava falando e ficou novamente constrangida. – Não que eu esteja me oferecendo para visitar ou algo assim!
- Uma pena, seria um convite bem-vindo. Mas, também, ele agora se mudou com a esposa.
- Ah, claro. – Ela falou, ainda envergonhada. Gilbert estava achando aquilo adorável e engraçado. Talvez eles pudessem ser bons amigos, afinal. Continuavam se esbarrando sempre por aí.
Depois de meia hora de viagem, com conversas e alguns silêncios, agora confortáveis, e eles chegaram à Mansão Louborne.
- E a senhorita está entregue. – Gilbert disse, com uma pseudo reverência, que a fez revirar os olhos e abrir um sorriso.
- Você se acha muito engraçado, mas precisa mais do que gestos bobos para me fazer rir. – Ela disse, embora já estivesse quase rindo.
- Bom, então pretendo te escrever futuramente para que você me visite, para conhecer Bash e para que eu prove, não que seja necessário, que eu sou um cara engraçado.
- Vai sonhando, doutor. Volte para a medicina. Você não trabalha em um circo. – Então, a jovem sorriu. – Mas aguardo o convite. Obrigada novamente. Foi muito gentil da sua parte me trazer aqui. Boa noite, Gilbert.
- Boa noite, . – Ele se despediu e, enquanto ela entrava, começou a retornar.
Meia hora para deixar a carruagem na casa dos Monroe e mais uma hora caminhando até em casa. Com isso, ele chegou na sua fazenda exausto e iluminado já pelo luar.
Mal jantou e se jogou na cama, feliz com o dia. Fora um dia fora do comum e dias diferentes sempre eram bem-vindos. tinha razão. Ele estivera mesmo de muito bom humor naquele dia.
Pensar em o fez lembrar de sua futura visita e ele planejou escrever para Bash no dia seguinte para marcar um dia. Ele sabia que ia ouvir diversas reclamações e implicâncias, mas, por algum motivo, estava animado demais para deixar isso desanimá-lo.


Capítulo 13

Desde que recebera a carta de Gilbert convidando-a para o aniversário de Delphine, ela não conseguira dormir.
Na primeira noite, sonhou que estava levando o bolo e o deixou cair no chão, fazendo a criança sem rosto chorar e todos a olharem de cara feia.
A segunda noite fora pior. Agora, ao invés de levar o bolo, ela tentava acender a vela, mas sempre apagava e, quando finalmente conseguia acender, ela derrubava a vela incandescente no chão e toda a casa começava a pegar fogo.
Na terceira noite, ela chegara na casa e ninguém estava. Horas depois, ela descobria que errara o local e estava no lugar errado. Quando conseguia chegar, todos a olhavam com desaprovação e desgosto. Até Gilbert.
Que, inclusive, foi o principal do quarto pesadelo, em que ele a olhava a festa toda e ela decidia se declarar... então, todos riam dela, enquanto uma linda mulher chegava e eles se beijavam e todos diziam “é claro que Gilbert só poderia ficar com Anne Shirley...”.
Por sorte, o quinto dia era o dia da festa, então os pesadelos só dependeriam do decorrer do dia, que faria de tudo para ser perfeito.
Conferiu novamente o presente da jovem menina que comprara: um pequeno urso de pelúcia. Ficara tentada a comprar uma boneca de porcelana, mas a menininha tinha apenas quatro anos. Quem sabe no futuro.
“Olha só você, achando que haverá um futuro”, ela falava consigo mesma. Tinha decidido que Gilbert Blythe era apenas um jovem gentil. E a única coisa que poderia sair daquela relação era uma boa amizade. Nada mais.
Ela suspirava com os pensamentos.
Escolhera um dos seus vestidos de festas de dia, um pouco mais simples que os noturnos, mas igualmente elaborados. Com a ajuda do espartilho bem desconfortável, o vestido verde claro com renda azul e amarela lhe caiu perfeitamente. Por insistência da irmã, colocara um chapéu que combinava, conforme as regras de conduta social.
Não contara para Lady Pency de quem era o aniversário, apenas que Gilbert Blythe a convidara. Porém, foi um escândalo explicar que ele não poderia lhe buscar por ter prometido ao caro amigo que ajudaria a organizar a festa (apenas não mencionou que tal amigo era este), contudo, ele lhe oferecera carona de volta, situação que melhorou o mau humor da tia.
Um pouco.
Desceu da carruagem no endereço indicado e respirou fundo. De longe, conseguia ver uma fazenda adorável e algumas pessoas agrupadas em uma área externa.
Foi se aproximando aos poucos, analisando todos ali presentes. Pessoas de todos os tipos estavam presentes. Simples e arrumadas, brancas e de cor, contidas e animadas. Reconheceu alguns rostos de sua festa, entre eles Diana Barry e Rachel Lynde. Ambas a cumprimentaram cordialmente, a jovem com uma expressão doce e educada, já a senhora, curiosa e observadora. Sentiu-se muito constrangida sob aqueles olhos.
- Ora, ora, se não é . Boa tarde. – A sra. Lynde disse, a olhando de cima a baixo.
- Boa tarde, sra. Lynde. Como vai?
- Muito bem, minha jovem, graças ao bom Deus. Então, o que faz aqui? Foi convidada? Talvez por Gilbert Blythe?
- Ahn, sim, precisamente, Gilbert me convidou.
- Então já estão se tratando pelos primeiros nomes? – Ela sorriu de maneira nada sutil.
- O quê?
- , que prazer te reencontrar depois daquele baile maravilhoso! Como você e sua família passam? – Diana Barry perguntou, salvando de uma péssima situação.
- Muito bem, obrigada, e a senhorita e sua família?
- Bem também, muito obrigada por perguntar.
- Que jovens perfeitamente educadas. O bom Cristo sabe que logo terão maridos. Diana já está noiva e prevejo que logo você estará no mesmo caminho, srta. .
levou um susto tão grande que quase se engasgou na própria saliva.
- Perdão?
- Se todos ouvissem meus conselhos de cara seria mais fácil. Como aqueles ali. – Ela apontou para um casal. – O sr. e a sra. Lacroix. Estariam casados há mais tempo se simplesmente me escutassem! Mas já vi que você é tão teimosa quanto. Um dia, como todos, você dirá, ah, sim, como dirá, que Rachel Lynde tinha razão. Guarde minhas palavras, criança.
estava em completo choque e só observou a senhora e a jovem se afastarem. Continuou seguindo, procurando um olhar conhecido, e recebendo vários estranhos e de julgamento em troca. De repente, sentia que estava muito arrumada, muito deslocada, muito educada e muito... desconhecida.
Por sorte, a salvação chegou com um par de olhos cor de avelã especialmente gentis.
- , você veio!
- Boa tarde, Gilbert. Obrigada pelo convite. – Ela disse, tentando não soar agradecida demais. “Seremos só amigos”, reforçou para si mesma.
- Não há de quê! Venha, tenho que te apresentar a todos.
percebeu que nunca o vira tão feliz. Provavelmente, era porque estava no meio daqueles de quem verdadeiramente gostava. Aquilo fez o coração de se aquecer, feliz por ele estar daquele jeito e ter pessoas tão especiais para si, especialmente por sua história trágica.
- Bom, primeiro te apresentarei a Bash e a Muriel, e depois para Delphi. Ela deve estar correndo por aí como uma louca. Está em uma fase em que tudo é brincadeira.
Gilbert os conduziu em direção a um casal que pareciam conversar com todos, os que Rachel Lynde havia apontado. A moça tinha os cabelos claros, olhos verdes e pele alva. Já seu companheiro, tinha cabelos e olhos escuros e espertos, a pele de cor e uma barba cheia, um homem que parecia brincalhão, mas que já havia passado por maus bocados.
- Bash, Muriel, essa é a amiga que eu tinha dito que convidaria. – O estômago da jovem se revirou de nervosismo. Então ele já os considerava amigos? – Esta é .
- Sr. Lacroix, Sra. Lacroix, é um prazer conhecê-los. Obrigada por permitirem a minha presença neste dia tão encantador. – curvou a cabeça ligeiramente.
- Então, você é a famosa . Blythe falou bastante de você. – Sebastian comentou, com um sotaque carregado, fazendo corar.
Gilbert lhe deu um tapa no ombro.
- Ai! O que foi?
- Sebastian, você está constrangendo a moça! – Sua esposa comentou, mas parecia achar a situação muito engraçada. – Peço desculpas por meu marido. Era apenas uma brincadeira. E, por favor, me chame de Muriel. E nós que agradecemos por sua presença.
Muriel olhou feio para o marido, que estava quieto ao seu lado. Depois de uma forte cutucada, ele falou:
- Claro, claro! Bem-vinda, isso. Espero que aproveite.
- Bom, eu trouxe uma pequena lembrança para a jovem aniversariante. Devo deixar com vocês?
- Oh, não era necessário! – Muriel falou. – Mas, visto que já está feito, por que não entrega para a aniversariante em pessoa? – A mulher sorriu.
- Seria um enorme prazer!
Os quatros foram andando pela festa, cumprimentando convidados no caminho, inclusive sendo apresentada para vários, enquanto procuravam a “pestinha”, como Sebastian a chamara.
Finalmente, a busca cessou quando encontraram um arbusto que estava se mexendo demais.
- Te achei! – Bash falou, afastando os arbustos e revelando duas crianças comendo biscoitos, uma que parecia ter 8 anos e uma mais nova, que assumiu ser a pequena Delphi.
- Por favor, srta. Stacy! – A menina maior começou a exclamar. – Não conta pra mamãe, por favor!
- Está bem, Minnie May. – Muriel respondeu, parecendo segurar o riso. – Eu não conto, mas que isso não se repita. Muito biscoito faz mal. E é sra. Lacroix agora.
- Eu não sei por que gente adulta muda de nome! – A criança saiu correndo, logo depois de fazer isso.
- E olhe quem também ta aqui! Se não é a bonequinha do papai! – Sebastian disse com uma voz infantil, pegando a criança no colo e depois fazendo cócegas nela, que não parava de rir. – Você tem mais um presente!
- “Pesente”! – A jovem criatura agora tinha os olhos brilhantes e logo se viu completamente encantada com aquela menina tão pequena e tão preciosa.
- Ela é uma amiga do tio Gilby. – Sebastian continuou.
- Delphi, essa é a , e ela trouxe um presente para você! – Gilbert falou.
- ! “Pesente”! Que é? Que é? - A figura tentava agarrar o pequeno embrulho, mas o pai a segurava fortemente, rindo. Ele estava completamente bobo perto dela e dava para ver que ela era o que ele mais amava no mundo.
- Tudo bem, Delphi? – se aproximou sorridente. – Ta aqui o seu presente, oh! Espero que goste.
A criança nem respondeu, agora no chão, já abria o embrulho e soltou um arquejo ao ver o urso, abraçando-o e correndo de alegria.
- Espera aí pestinha! – Bash a agarrou no último segundo antes que ela fugisse. – Como que se diz?
- “Bigada”! – Delphine abraçou a jovem, sendo um pouco mais alta que seus joelhos, e depois saiu correndo. estava completamente apaixonada.
- Não se sinta muito especial, cada presente que chega vira o seu favorito. – Bash brincou.
- Então, pela primeira vez, espero que eu tenha sido a última a chegar! – replicou com humor, fazendo todos rirem.
- Gilbert, você deveria mostrar a fazenda para . – Muriel falou, encostando gentilmente na jovem, guiando-a para perto do garoto.
- Ah, mas nada aqui nem se compara com a sua casa. – Ele coçou a cabeça, meio envergonhado.
- O seu problema é esquecer que aquela casa e essas roupas não são minhas, e sim de minha tia. – falou para Gilbert. – O local é encantador e eu adoraria conhecer. – Não tinha problema, certo? Era educação, e nada romântico.
- Vai logo, Blythe, não seja um anfitrião babaca. – Sebastian o empurrou em direção à garota, ganhando um empurrão de fora. – Que foi? Quero que a educação se mantenha nessa casa ou vão pensar que fui eu que te ensinei a ser sem noção desse jeito.
- Ninguém pensa isso, todos têm certeza! – Gilbert replicou para o amigo, depois parando para suspirar. – Então... me acompanha?
olhou para aquela mão erguida para ela, tão convidativa, mas também a chamando para trair seus sentimentos. Então, olhou para aquele rosto encantador, com a sobrancelha erguida e o sorriso de canto, e teve que segurar um suspiro.
“Amigos. Somos apenas amigos”.
Ela sorriu de volta.
- Será um prazer.


Capítulo 14

- Então, apesar da plantação diversa, a maçã é a chave de ouro daqui? - perguntou a Gilbert, tentando assimilar tudo.
- Exatamente! Infelizmente, não são tão bonitas quanto as flores do jardim dos Barry, por exemplo, mas acho que elas têm seu charme. E, com certeza, têm seu valor.
- Elas são lindas! - A jovem falou, maravilhada. - Em minha cidade, os edifícios andam tirando todo o espaço das árvores. E eu até gosto dos prédios, sabe? Especialmente os chiques. Mas eles são bem padronizados. Planejados. A natureza é espontânea. Nenhuma árvore vai ser igual, nem que seja por um pequeno desvio de um galho. É único. Acho que eu gostaria de poder ser tão espontânea quanto esse crescimento, então acabo admirando muito. Entende?
- Acho que peguei a ideia. - Ele sorriu para ela. - Embora eu te ache espontânea. Não acho que pessoas não espontâneas falariam coisas assim.
- Ah, não! Desculpe-me. Eu falei demais de novo, não é? - Ela não corou e nem abaixou a cabeça, mas não parecia conseguir olhá-lo nos olhos.
- Você não parece do tipo que se desculpa por falar o que pensa. E comigo, tem menos motivos ainda para fazê-lo.
Ela fez uma cara pensativa e ele esperou ansioso sua resposta. Teria sido invasivo falando aquilo? Só queria ser educado. era uma pessoa legal, que estava virando sua amiga. Não queria deixá-la desconfortável.
- Tem razão. - Ela disse, fazendo-o suspirar aliviado. - Você quem me convidou e é quem está puxando assunto. Agora, vai ter que me ouvir falar coisas desse tipo. Por bem ou por mal.
Os dois riram, enquanto continuavam sua caminhada. De vez em quando, encontravam algum convidado e Gilbert cumprimentava a todos. Hoje, estava tendo um dia particularmente bom.
Delphi estava muito feliz, cheia dos presentes. A festa ainda estava com poucas crianças, porque a pequena não começara a frequentar a escola. Muriel tentava a todo custo convencer Bash a colocá-la na escola de Avonlea, mas ele temia o que sua pequena podia sofrer. Mas isso era discussão para outra hora.
Ainda sobre a festa, Rachel e Marilla haviam ajudado na decoração floral. No início, foi muito complicado ver a senhora Cuthbert, mas o fato de Anne não estar por perto ajudava. Aos poucos, a distância e o tempo faziam seu trabalho. Além disso, fazia um lindo dia de sol e estava na companhia de . Fazia muito tempo que não tinha novas amizades e aquilo fazia bem. fazia parte de um novo universo e até mesmo de um novo Gilbert.
- Gilbert... Posso te fazer uma pergunta? - falou, de repente, depois que eles se afastaram de uma conversa educada com uma das antigas amigas de Mary, falecida esposa de Bash.
- Acho que sim. Desde que prometa não me humilhar completamente. - Ele falou, irônico, vendo-a reagir revirando os olhos e dando um sorriso de canto. Estava determinado a diverti-la e se provar uma boa companhia.
- Você me deixou tentada a te constranger de diversas formas, mas não será dessa vez. Minha dúvida é sobre uma convidada sua... bom... a senhora Lynde. Espero que não me entenda mal, não é nada para magoá-la! - Ela acrescentou rapidamente ao vê-lo levantar uma sobrancelha. - Ela é apenas... como dizer?
- Acho que você vai se complicar se tentar colocar isso em palavras e ainda pode arrumar problemas! - Ele caçoou.
Rachel era... digamos... única. Mas, apesar de todo o seu jeito, ela fora uma amiga excelente da família de Gilbert sempre que eles precisaram.
- Era isso que eu queria evitar! Não quero criticá-la! Só fiquei me indagando... ela sempre foi assim? Metade do tempo, ela me trata como se estivesse me analisando detalhe por detalhe e, na outra metade, fica fazendo insinuações sobre mim e sobre... han... outros... que eu não compreendo uma única sílaba!
O garoto tentou se conter, mas não pode deixar de rir. Ele, que crescera conhecendo a senhora Lynde, ainda se encontrava confuso com seu jeito de ser. Imagine uma completa estranha a todos esses seus modos tão... de maneira não rude, distintos?!
- BLYTHE! - Ele ouviu alguém o chamar de fundo. Virou-se e viu Sebastian desalinhado e com uma expressão de desespero.
- Que foi, Bash? - Ele disse, aproximando-se.
- Aí que você está, seu idiota. Preciso de você.
- Calma aí, que que foi?
- O bolo. Cadê o bolo?! - Sebastian arregalou os olhos de tal forma, que Gilbert não acreditou que fosse algo tão bobo.
- Como assim, cadê o bolo? Está em cima da mesa, exatamente onde a senhora Barry deixou. - Gilbert riu diante do estresse do amigo.
- Cacete, Blythe, acha que eu te chamaria pra isso se estivesse lá? O bolo sumiu. - O amigo parecia que teria um infarto, como se quem tivesse sumido fosse sua própria filha.
- Tá, tudo bem, vamos ver. - O mais jovem tentou pensar. - Já viu com Muriel?
- Ela que me mandou buscar, porque alguns convidados já vão embora. Quando eu cheguei lá, puf! Sem bolo.
- Não poderia estar em outro cômodo? - sugeriu, baixo, parecendo não saber se deveria fazer algo. - Ou com alguém que tivesse tentado ajudar e tivesse ido buscá-lo...
- Acho difícil. Eu preciso achar esse bolo, senão, não sei quem me mata primeiro: Delphi ou Eliza Barry. - Bash comentou, enquanto os levava apressadamente para a entrada de trás da casa que estava vazia.
- É melhor nos dividirmos, certo? - Gilbert comentou. - Um de nós dois sonda com os convidados e o outro vê dentro da casa. Seria bom chamar alguém para ajudar, mas alguém discreto. - Ele pensou, lembrando-se da conversa anterior sobre sua convidada mais fofoqueira.
- Vou falar com Muriel e perguntar por aí. Talvez Rachel ou Marilla tenham mexido em algo. - Ele disse, antes de se afastar apressado.
- E eu faço o quê? - perguntou.
- Han? - Gilbert olhou para ela, confuso.
- Eu quero ajudar. - A menina disse, levantando o queixo determinada.
- Agradeço, mas realmente não é necessário...
- Honestamente, você é a única pessoa daqui com quem eu me sinto mais confortável. Eu me sinto estranha entre todas essas pessoas. Eu não conheço ninguém e, por mais simpáticos que pareçam, não quero me sentir deslocada e desconfortável. Por favor, não me deixe sozinha. - Ela pegou em uma mão dele e olhou dentro de seus olhos. – Deixe-me ajudar.
Ele engoliu em seco, sentindo-se um pouco desconcertado com aqueles olhos brilhantes o encarando, decididos. Quando percebeu que estavam de mãos dadas, soltou-se dele, constrangida. Ele sentiu um vento frio onde antes tivera aquele contato quente.
- Tudo bem. - Ele cedeu, por fim, sentindo-se um pouco confuso. - Mas vamos logo. Sei que Bash quer deixar tudo perfeito e Delphi realmente é louca por bolos. Especialmente esse, que é de uma das receitas antigas da mãe dela.
Eles entraram na casa vazia, onde ainda se ouvia a conversa abafada dos convidados.
- Certo. Se o bolo estiver em algum cômodo, será óbvio de ver. Se cada um verificar metade, terminamos em menos de cinco minutos e podemos investigar no quintal. Fique com os quartos mais pertos dessa entrada que eu vou para os mais distantes.
Gilbert estava realmente intrigado que um detalhe como o bolo tivesse se tornado uma confusão. Ele começou olhando pela cozinha, onde o bolo deveria estar na mesa de madeira, mas encontrou apenas um rastro da cobertura que deveria ter pingado ali. Procurou logo na dispensa e no primeiro quarto, que foi de seu pai.
A casa não era muito grande, então, dois minutos depois, ele e se trombaram na entrada de seu próprio quarto.
- Perdão. - Ele disse, segurando-a para que esta não caísse.
- Eu que peço. Achou algo?
- Previsivelmente, nada. E você?
- Apenas uma bolinha de gude que quase me derrubou. - disse, rindo, entregando para o garoto uma pequena bola de vidro.
- Ah, desculpa, acho que é um dos presentes de . Quem a presenteou deveria ter esperado alguns anos a mais. Ela vai perder tudo nessa idade. Então, vamos lá para fora? - Ele lhe estendeu a mão, que ela segurou decidida.
Certamente, não segurava a mão de alguém tantas vezes assim desde Winnie. Ou em uma dança.
Eles saíram apressados juntos da cozinha e foram procurar Bash. Depois de receber um olhar arregalado da mãe de Sebastian, que ela tentou disfarçar, ele percebeu o que deveria estar parecendo ao sair daquela casa vazia de mãos dadas com . Ele a soltou, envergonhado, e sentiu um grande alívio ao perceber que ninguém mais parecia ter visto aquilo.
- Bash, Muriel! - Gilbert exclamou, finalmente os encontrando. - Não encontramos nada dentro da casa, e vocês?
- Então quer dizer que vocês procuraram juntos? - Bash perguntou, levantando as sobrancelhas sugestivamente.
Por sorte, Muriel falou por cima dele.
- Infelizmente, encontramos o bolo. - Ela disse, suspirando. - Ou melhor, o que sobrou dele.
Ela os levou até uma mesa onde estava apoiado um amontoado meio confuso. E então, com um susto, Gilbert percebeu que aquele era o bolo.
- O que aconteceu? - perguntou, os olhos arregalados.
Antes que o casal pudesse respondê-la, o choro de uma criança chamou a atenção.
- E da próxima vez, Minnie May, te levaremos em um médico. Essa sua obsessão por doces está demais. E pelo amor de Deus, limpe sua boca ou eu repensarei a ideia de trazer as aulas de etiqueta de volta para nossa casa! - A senhora Barry gritava com a criança cheia de farelo e glacê de bolo por toda sua roupa e sua face.
- Mistério... resolvido. - Gilbert falou, meio em choque, e acabou rindo de tão sem reação.
- Não ria! Estamos sem bolo de aniversário! Delphi perguntou por ele o dia todo! - Bash estava realmente desesperado. Ver Delphi feliz significava tudo para ele.
- Não sei quanto do bolo pode ser salvo... - Muriel disse, desesperançosa. - E sua aparência certamente foi arruinada. Talvez eu tenha um resto de cobertura que Eliza Barry trouxe. Mas não sei se adianta muito...
- E se partirmos os pedaços? - falou, parecendo perdida na sua ideia. - Talvez distribuir os pedaços pela mesa e pegar aquele pedaço direito que está mais inteiro para colocar no centro com a vela. Os pedaços que estiverem muito feios, podemos jogar essa cobertura extra. Você pode até dizer que foi proposital, para já deixar acessível para os convidados... Ou não, também, é só uma ideia idiota. - acrescentou rápido ao ver todos a encarando.
- Não acho uma má ideia. Na verdade, talvez seja a melhor opção. - Gilbert comentou, sorrindo para ela.
- Não custa tentar. - Muriel disse. - Mesmo que ninguém caia nessa do proposital, ninguém ali deve comentar muito. Bom, talvez Rachel, mas é bem capaz de ficar mais focada no escândalo de Minnie May.
E assim, eles foram para a cozinha começar a arrumar tudo o mais rápido possível. Em algum momento, Bash o chamou para um canto.
- Devo dizer que não sei como essas garotas decentes conseguem aturar um pé no saco como você.
- Talvez a gente deva perguntar à Muriel o segredo, por aturar o pior de todos. - Gilbert rebateu. - E você está louco. Nós somos só amigos.
- Blythe, qual foi a última vez que eu ouvi esse discurso? Ah, é, sobre a garota que você era completamente apaixonado e ficou em negação por anos. - Bash deu-lhe um tapa no pescoço.
- Ai! Eu mal a conheço. E sei que ela não me enxerga assim. Fala sério, mal começamos a ser amigos.
- Tá bom, Blythe, tá bom. Acredite no que quiser.
Gilbert ficou meio irritado com aquele papo. Ele estava começando a se aproximar de . Claro, ela era bonita. Muito bonita, tinha que admitir. E era engraçada, divertida. Era fácil conversar com ela. E por isso que eles eram amigos.
Certo?
Eles cantaram parabéns e Delphine achou incrível aquela disposição do bolo, tão acessível para comer que metade do maior pedaço havia sumido antes de apagar a velinha. Ao invés de chatear Bash, isso o deixou aliviado e contente. Não se importava com os outros, apenas em ver sua pequena feliz.
Aos poucos, os convidados foram embora e Gilbert cumpriu sua promessa de deixar em casa. Eles conversaram o caminho de volta, embora Gilbert começasse a ficar mais ciente de cada palavra que dizia e recebia como resposta, mas depois tirou aquilo da cabeça. Não havia nada entre eles. Não ia deixar um comentário sem nexo de Sebastian deixar aquela nova relação esquisita. Além disso, Gilbert sabia, no fundo, que ele ainda não esquecera Anne por completo. Ele não seria capaz de gostar de duas pessoas ao mesmo tempo. E ele não sabia se estava pronto para outra nova rejeição.
Ele deixou no portão e eles se despediram com um curto abraço, amigável.
Por isso, na volta, ele percebeu que estava aumentando tudo aquilo só por estar pensando no que Bash disse. Eles eram amigos. E nada mais. Ele não estava interessado nela e nem ela nele. E assim ia permanecer. Ainda mais que ela iria voltar para sua cidade natal em breve. Logo, ela nem se lembraria mais dele. Mas ele sabia que não ia esquecê-la.
Afinal, não havia nada errado em lembrar de uma boa amiga.


Capítulo 15

“Querida ,
Tudo bem? Como vão as coisas?
Essa semana eu recebi o convite do aniversário de Ruby Gillis e gostaria de saber se você também vai. Não seria nada agradável aparecer lá sem conhecer ninguém.
Espero muito que você compareça, sinto sua falta!
Com carinho,
.”


“Querida ,
Aqui está tudo bem, embora eu ande muito entediada. Mamãe diz que já passou da hora de eu arrumar um pretendente. Honestamente, não aguento mais estudar etiqueta em casa. Acho que gostaria de viajar, conhecer outros lugares. Mas mamãe diz que eu só viajarei, por enquanto, até Charlottetown.
Andei pensando em conseguir um emprego para guardar um dinheiro para mim. Eu sei o que você vai dizer! Mas dependendo do emprego, acho que não vai ser radical. Contudo, esse não é o assunto.
Infelizmente, eu não conheço Ruby Gillis para ela me convidar. Honestamente, você deve ter sido chamada por conta de Lady Pency (não se ofensa). Mas acho que Prissy estará lá e você pode conhecer Jane também, irmã da Prissy. Ela é quase da nossa idade.
Além disso, pelo que você me contou da última festa que você foi, acho que companhia não deve ser difícil de arrumar. O seu querido apenas amigo doutor Blythe deve estar na festa. Aproveite para fortalecer seus laços de amizades.
Inclusive, devo dizer que sinto certa inveja de você. Está aqui na região há apenas dois meses e já tem uma vida social bem mais agitada que a minha.
Vamos marcar um encontro! Já se passaram duas semanas que não nos vemos e parece que foram meses. Me responda depois marcando um horário.
Mas isso é assunto para depois. Foque agora nesse aniversário. E depois me conte tudo!
Carinhosamente,
.”


ainda analisava aquela carta. O dia da festa havia chegado e ela ainda se sentia nervosa, porque estaria sozinha lá.
Além disso, Lucila parecia cada vez mais irritada com todas essas saídas pegando a carruagem emprestada. Mas o que ela esperava? Que passasse seus dias trancada em casa? E a culpa daquele último convite era bem provável de ser de Lady Pency. Não que a jovem fosse reclamar com a tia avó. Ainda era uma boa desculpa para sair de casa.
O que falara sobre arrumar um emprego também martelava na cabeça de . Não seria nada mal conseguir um dinheiro seu e não depender de Lucila. Porém, honestamente, não conseguia pensar em nada em que fosse realmente boa.
A jovem ouviu uma batida na porta.
- Pode entrar. - Ela disse, sentando-se na cama.
A porta se abriu e entrou.
- Oi, . - Ela entrou elegante e com um sorriso gentil. - Titia disse que você ia sair agora.
- Titia? - Ela retrucou, sarcástica.
sorriu, balançando a cabeça de leve em reprovação.
- Mas, sim. Eu fui chamada para um aniversário.
- Posso te ajudar a se arrumar? - perguntou, esperançosa. - Estou com saudades.
- Estranho como moramos na mesma casa, mas nos encontramos poucas vezes e raramente conversamos. - falou, tentando esconder sua mágoa. - E eu já tô pronta.
- É complicado. Você vai assim? - disse, analisando a mais nova. Seu senso estético era o melhor das duas. - Anda, tire esse chapéu. Não combina com seu rosto. E prenda o cabelo assim. Ah, essas mangas...
E, antes que percebesse, tinha a transformado. Seu vestido antes branco foi trocado por um azul celestial. Seu simples coque agora era uma elaborada trança com um chapéu simples. Os sapatos de salto delicados, o batom rosa e um pó que corava as bochechas foram os últimos toques.
- Agora sim! Uma verdadeira dama. - sorriu, orgulhosa.
- De nada adianta parecer uma dama, se estou longe de ser uma. - retrucou.
- Vamos, pare de birra. A carruagem está te esperando. Ficarei surpresa se voltar sem pretendentes. - riu.
“Por que você só pensa em pretendentes?” pensou em responder, mas não queria estragar aquele clima. Era tão bom estar ali com sua irmã.
- Então eu vou indo. - Estava saindo, quando se virou para perguntar aquilo que ela sempre pensava, embora já soubesse a resposta. - Alguma carta do papai e da mamãe?
sorriu tristemente e já tinha entendido.
- Sabe, a falta de notícias é uma boa notícia. Se algo muito ruim tivesse acontecido, teriam que nos informar. - A mais velha sorriu.
- Obrigada, . Por isso e pelo visual.
- De nada, . Aproveite. - A mais velha se despediu.
Passado o trajeto de carruagem, a jovem chegou na residência dos Barry. O casal cedera o seu jardim para a comemoração do aniversário da amiga de sua filha. Era um lugar esplêndido, tinha que admitir. Mas o nervosismo já a consumia. Carregava consigo o pequeno embrulho que trouxera para presentear a aniversariante.
Avistou de longe uma pequena figura loira, que ela conheceu havia um mês em seu próprio aniversário.
- Boa tarde! Feliz aniversário, Ruby. Espero que o presente seja de seu agrado. - sorriu, nervosa.
- Ah, obrigada, senhorita Pency! - A jovem agradeceu.
- Na verdade, é .
- Ah, claro, claro. Por favor, fique à vontade.
andou pelo jardim até identificar alguém que ela conhecia.
- Prissy! - Ela foi rapidamente ao seu encontro.
- Ah, olá, ! Como vai? - A jovem Andrews respondeu, sorrindo.
- Bem e você? - só queria conversar com alguém sem formalidades. Que falta fazia !
- Tudo ótimo. Creio que você não conheceu minha irmã. Essa é Jane. - Ela apontou para uma morena que lhe disse oi. - Estamos esperando Tillie, a melhor amiga de Jane. Ela esteve viajando com uma tia e retornou ontem.
- Sinto muita falta dela. - Jane confessou. - Sabe, somos amigas desde muito jovens. Até a faculdade fizemos juntas. Nunca estivemos longe por tanto tempo!
- Enquanto ela não chega, quer dar uma volta? - Prissy ofereceu.
As três jovens passearam por aqueles lindos jardins, Jane focada mais em procurar a amiga e e Prissy conversando casualmente. Até que dois jovens chegaram na festa.
- Olha como as coisas mudam! Ruby mal olhou para Gilbert e ficou toda corada falando com Moody! - Jane apontou, rindo. - Esses dois vão acabar juntos, mas como vai demorar se depender do Moody.
- E agora Gilbert tá sem Anne e sem Ruby. Todas as meninas desse salão devem estar doidas por uma oportunidade. - Prissy falou, olhando de esguelha.
- Ele parece mais contente nos últimos dias, não acha, Pris? - Jane comentou.
- Não reparei muito, mas você tem razão. O que será que causou isso? Ou melhor, quem? - Prissy sorria para cada vez mais zombeteira. - O que você acha, ?
- Eu? Não sei. - Ela falou meio nervosa. - Não o conheço há muito tempo e mal nos falamos.
Mas, naquele momento, Gilbert reparou nela e deixou o amigo em seu flerte. E veio na direção delas.
- Prissy, Jane, que bom vê-las aqui. , não sabia que ia ser convidada. Fico feliz. Dessa vez tem carona de volta ou vai precisar de algo? - Ele falou, sorrindo.
- Ahn... - ela começou, o coração um pouquinho acelerado, mas tentando ficar completamente indiferente. - Eu lembrei de pensar na volta dessa vez. Não precisa se preocupar.
- Fico feliz. - Ele comentou. - Bom, vou andar por aí e cumprimentar as pessoas. Embora eu acredite que perdi meu acompanhante para a aniversariante. - Todos riram. - Bom, vejo vocês mais tarde. - Ele se despediu e saiu.
- O que foi isso? - Jane comentou com as sobrancelhas erguidas e um sorriso no rosto pronta para uma fofoca.
- Quase não se conhecem, é? - Prissy zombou.
- Ah, por favor, somos só amigos. - falou e de novo agradeceu aos céus por não corar e entregar o que sentia.
- Se você diz. - Prissy disse, mas trocou um olhar divertido com a irmã.
Pouco depois, uma jovem de cabelos pretos bem arrumados e um rosto gentil que não conhecia entrou no jardim e Jane saiu correndo, assim como Ruby, para cumprimentá-la.
- Tillie! - As jovens falavam, animadamente.
Mas a saída de Jane abriu espaço para a chegada de outro Andrews.
- Ora, , nos encontramos de novo! - Billy riu, talvez numa tentativa de ser charmoso.
- Billy, na minha frente não. - Prissy disse, antes de se retirar. Droga, agora estava nessa sozinha.
- Olá, Billy, como vai? - Ela forçou um sorriso. Não era exatamente a companhia que ela estava imaginando.
- Melhor agora que te encontrei. Então, soube que vai ter uma dança mais tarde. Gostaria de me acompanhar?
sabia muito bem quem ela desejava que a convidasse. Mas olhou discretamente em volta e o viu absorto em uma conversa com a recém-chegada, suspirando em seguida. Desejar não era o suficiente.
- Claro. - Ela respondeu, cortês.
- Então, te vejo já, já. - Ele disse, piscando e se retirando. Billy era bonito, mas algo no jeito que ele falava e agia o deixava menos agradável.
- Não acredito que meu irmão tá a fim de você. - Prissy falou, desgostosa.
- Desculpa se você acha que eu não estou a altura dele. - sabia que eles eram irmãos, mas Prissy precisava tratá-la assim?
- Ah, não é isso! - Prissy sorriu. - Ele que não está a sua altura. É um idiota sem personalidade e cérebro.
- Bom, por enquanto, não ando com muito direito de opinar e escolher. - deu de ombros.
- Sei, sei. - Prissy riu.
foi apresentada à Tillie, que foi bem educada com ela. Encontrou Josie Pye de novo, que não agira muito diferente da última vez. Pelo menos, agora ela estava sem a irmã. não sabia se ia conseguir aturar duas Pyes novamente. Até Diana aparecer, acompanhada do seu noivo, Fred Wright, que ainda não tinha conhecido. Não se sentia extremamente confortável naquele meio onde sabia que era a estrangeira dentro de amizades de anos. Conheceu rapidamente também um primo de Ruby, Jake, e duas amigas da faculdade das meninas, Esther e Susane. Porém, logo o tempo passou e estava na hora da primeira dança. Billy logo veio convidá-la, o que fez Josie a olhar ainda mais feio.
- Vamos? - Ele disse, oferecendo-lhe o braço, que ela aceitou.
A banda que a família Gillis havia contratado já havia aquecido e agora vários pares se formavam. A própria Ruby e Moody. Diana e Fred. Jane e Charles, outro amigo antigo das meninas. Tillie e um garoto que não recordava o nome, mas era alto. Prissy e Gilbert. E Josie com Jake. O garoto claramente olhava para a Pye com completa admiração, mas essa simplesmente revirava os olhos. Esther e Susane dançavam juntas, para o horror dos pais de Ruby, mas claramente estavam se divertindo.
A dança foi bem divertida, embora às vezes Billy a tocasse “acidentalmente” perto demais de lugares que ela preferia que ele se mantivesse longe.
No final da dança, todos aplaudiam e riam, com as bochechas coradas do esforço. Ruby era a que parecia estar se divertindo mais, afinal, era o centro de todas as atenções. Todos se dispersaram e Billy continuou grudado em .
- Vamos passear pelo jardim. Acho que existem cantos interessantes para serem... explorados. - Ele sorriu, maldoso.
- Ah, não, a música está tão boa, vamos ficar aqui. - o desconversou.
- Qual é, você vai gostar, não seja chata.
- Chata? - olhou para ele, agora com total frieza. - Eu apenas gostaria de ouvir a música.
- É sua última chance, . Vamos passear?
- Eu faria um teste de audição, Andrews... - ouviu uma voz vindo por trás. - Porque ela disse não.
Billy olhou feio para Gilbert, que havia acabado de interferir.
- Escuta aqui, Blythe, você anda me atrapalhando vezes demais.
- Então deixe eu te ajudar. Eu te dou um desconto pro teste de audição no meu consultório. - Gilbert disse, sorrindo, mas com os braços cruzados passando uma seriedade.
Billy, pela primeira vez sendo esperto, decidiu sair de perto.
- Obrigada. - agradeceu, agora podendo revirar os olhos. Meu Deus, esse Andrews se mostrara um cafajeste.
- Me agradeça com uma dança. - Ele disse, estendendo a mão e sorrindo.
Ela aceitou rindo e eles se prepararam para dançar.
O resto da noite foi super divertido. dançou bastante, conversou mais com as meninas e, quando a carruagem chegou para buscá-la, qualquer chateação por conta de Billy já havia sumido e ela não parava de sorrir.
Mal sabia que o maior motivo do seu sorriso também sorria em sua própria casa.


Capítulo 16

Gilbert estava em seu quarto, escrevendo algumas cartas. Não se lembrava para quem eram nem o que estava escrito em cada uma, mas honestamente aquilo não importava, ele só tinha que escrever e lacrar.
Quando terminou, espreguiçou-se e se esticou na cadeira. Algo dizia que estava sendo observado e, por isso, olhou para trás.
Sentada em sua cama como se fosse a coisa mais natural do mundo, Anne lia um de seus velhos livros, os cabelos presos em um coque e usando um vestido azul, como naquele dia, há três anos, em que se beijaram. Blythe deveria se sentir chocado, mas algo dentro de si já esperava por isso.
- O que está fazendo? - Ele indagou.
Sem erguer os olhos, ela apenas respondeu:
- Quantos livros de geometria você tem aqui! Sabe, eles não são muito interessantes e nem muito românticos. Suas palavras são tão diretas e chatas, não existem versos nem metáforas. Qual seria a mínima graça nisso?
- Acho que está irritada, porque sabe que eu sempre fui melhor nessa matéria. - O menino riu.
- E mesmo assim nunca conseguiu me vencer.
- Um empate com você é um prêmio tão bom quanto o primeiro lugar. - Ele riu.
Ela bufou, finalmente deixando o livro de lado e olhando para ele. O coração do garoto errou uma batida. Ela estava tão linda. Estava como sempre tinha sido, lembrando a eles todos os momentos em que ele achou, erroneamente, que ela era sua.
Como se lesse seu pensamento, Anne ficou pensativa.
- Você não gosta mais de mim?
O garoto travou e colocou a mão nos bolsos, tentando disfarçar o nervosismo.
- Claro que gosto. Quer dizer, somos amigos, né? Até porque você tem Roy...
Anne se aproximou ainda mais, tão próxima, que o garoto podia contar suas sardas, e colocou a mão em seu rosto.
- Você me ama? - Ela sussurrou, os olhos tão vivos, curiosos e cativantes.
Gilbert engoliu em seco e fechou os olhos, tentando pensar no que fazer. Anne era a garota a quem ele tinha amado nos últimos anos de sua vida. Mas ele não podia mais amá-la. Ela tinha Roy. Não. Ela
escolheu Roy, o que era pior ainda. Anne não era sua.
Mas isso significava que ele deixara de a amar?
Antes que pudesse responder algo, o toque de Shilbert mudou. Tornou-se um toque também conhecido, um toque que frequentemente ele estava encontrando.
Quando abriu os olhos, era quem estava na sua frente com seus olhos brilhantes.
- Gilbert, você me ama? - Ela sussurrou, antes de se aproximar para beijá-lo.

Blythe acordou, o coração batendo no peito. De nervosismo? De expectativa? Talvez de tudo isso e até mais. Afinal de contas, que porcaria de sonho tinha sido aquela?
Não sabia se tinha sido exatamente ruim. Odiava que seu subconsciente o fizesse recordar de Anne, como se acordado já não fosse difícil o suficiente fugir desses pensamentos. Também se odiava por alimentar aqueles pensamentos com . Aquilo o fazia se sentir esquisito e podia acabar a afastando dele. Não queria estragar sua amizade. E, bom, parte dele ficou muito ansioso por aquele beijo. Muito mais do que qualquer amigo deveria ficar.
Afastou aquilo tudo. Ele estava perdendo tempo e neurônios por causa de uma criação do seu subconsciente. Bom, não eram as horas no travesseiro que iriam pagar as contas.
Decidido a esquecer aquilo, ele se levantou, tomou seu café e partiu para Carmody trabalhar.
No dia anterior, tinha cumprido sua promessa e visitado o doutor Raynes. Blythe foi seu assistente durante o dia inteiro e o médico elogiou muito o quanto ele havia crescido em suas habilidades. O gentil doutor ainda pediu o endereço de seu consultório para recomendar aos seus clientes, além de ter dado uma ou outra dica para o mais jovem. Combinaram que, toda quinta, ele o ajudaria em Charlottetown.
Gilbert não se sentia tão feliz há tempos. Sentia-se revigorado ao trabalhar com alguém que compartilhava com ele o mesmo amor pela medicina. Sentia saudades dos colegas da faculdade e de todos os trabalhos e pesquisas que fizeram em conjunto.
Alegre e espantando qualquer pensamento que pudesse atrapalhar seu dia, Blythe chegou em seu consultório, cumprimentando a todos no caminho com um entusiasmo que sentia falta. Várias jovens acenaram para ele no caminho, encantadas e envergonhadas, mas ele apenas acenava de volta sem perceber o efeito que causava nelas.
Mal tivera tempo de tirar dois livros da estante, quando ouviu uma batida na porta. Não se surpreendeu nem um pouco ao ver a senhora Pippet parada na porta. Só ela iria procurá-lo sem que ele tivesse colocado o aviso “aberto” ainda.
- Ah, Gilbert, bom dia!
- Bom dia, senhora Pippet. - Ele respondeu, sorridente e educado.
- Vejo que está com um ótimo humor hoje! Bom, muito bom. Vi você chegar com seu cavalo e trouxe alguns bolinhos e café para você. Está tão magrinho recentemente. O dinheiro está dando para comer?
- Não se preocupe, estou me alimentando direitinho. - Gilbert riu, lembrando por um segundo da senhora Lacroix, que sempre reclamava que ele estava magro e colocava mais uma boa colher de comida no prato dele.
- Ah, não é só isso. Depois, gostaria que você desse uma olhadinha no meu pulso também. Uma senhora da minha idade precisa ficar atenta a todas as dores que sente: e, infelizmente, são muitas.
- A senhora é muito saudável e ainda é jovem, senhora Pippet. Não precisa se preocupar.
- Ah, Gilbert, uma jovem senhora não merece ser bajulada assim!
Eles se sentaram e Gilbert tomou seu segundo café da manhã do dia. Jeannie ia empurrando os pedaços deliciosos de bolo para o prato do menino, mas ela mesma pouco comia, sempre o olhando com seus olhos gentis. Ela não era de falar muito no início, mas depois de todos esses meses, a velha senhora se sentia mais à vontade para conversar com o menino. Estava cada vez mais o vendo como o neto que nunca teve. E ele, a avó que nunca conheceu.
- Agora, vamos dar uma olhada nesse pulso. - Blythe disse, quando terminaram a refeição. – Acho que está melhorando. Infelizmente, creio que nunca mais vai voltar a ser o que era antes. Mas, se você cuidar e não se esforçar muito, não vai voltar a sentir dor. Seria bom uma vez por semana você não trabalhar, ficar de repouso e colocar uma compressa quente. Isso fará com que a tendinite fique apenas dormente.
- Ah, doutor Blythe, você é um menino bom demais para mim! Muito obrigada! Aqui, tome, pela consulta.
A senhora Pippet deixou uma quantia para ele, que deveria equivaler a cinco consultas suas, se não mais.
- Ah, você contou errado. - Ele devolveu a maior parte do dinheiro.
- Devo te dizer que fui a melhor aluna de matemática da minha série. Costurar envolve medidas! Eu não erro minhas contas. - Jeannie negou a devolução.
- Mas é muito!
- Então considere o resto por aturar uma velha chata como eu.
- Eu nunca consideraria passar tempo com a senhora algo chato. Assim como não a vejo assim.
- Viu? Gentil demais! Deve aceitar o dinheiro e guardar os elogios para uma moça mais jovem que os mereça.
E, antes que ele pudesse replicar, ela foi embora, deixando-o atônito.
Colocou a placa de “aberto” e se sentou em sua poltrona, mas logo o local foi ocupado.
Aqueles olhos que ele jurou que facilmente esqueceria entraram no seu consultório. Então, ele percebeu que nenhum sonho seria capaz de reproduzir o brilho daqueles olhos , nem a maciez de sua pele ou o rosa de sua boca. Seus cabelos estavam meio preso, meio solto, bagunçado e ela parecia mancar um pouco.
Por Deus, ela estava mancando!
- ! O que houve com você? - Gilbert se aproximou, afastando qualquer pensamento e constrangimento além da racionalidade médica.
- Er... Eu caí? - Ela riu fraquinho, mas gemeu de dor logo em seguida.
Gilbert olhou para , pedindo permissão para levantar seu vestido. Ela assentiu, distraída. Ele o levantou até o joelho e encontrou suas pernas cobertas de sangue.
- Caiu exatamente aonde? - Blythe perguntou, os olhos arregalados.
- Olha, eu só estava dando uma volta, enquanto... ai, cuidado aí... enquanto Lady Pency e minha irmã faziam compras juntas. Bom, eu só estava espian... olhando curiosamente o bar, mas parece que eles colocaram uma nova decoração.
Gilbert buscou um pano para limpar as pernas da menina.
- Que tipo de decoração?
Ela gemeu de dor antes de responder.
- Me diga, que tipo de estabelecimento se enfeita com uma planta tão espinhenta? Isso é ridículo. - bufou, agora as pernas não mais cobertas de sangue e os diversos arranhões expostos.
- Você caiu em cima do cacto? - Blythe perguntou, permitindo-se rir, agora que via que não era nada grave.
- Bom, não foi exatamente culpa minha, você entende, não é? Semana passada esses espinhos não estavam lá.
- Foi um presente, ele ganhou de um cliente que voltou de uma grande aventura nos desertos distantes, ou assim ele diz. Fico surpreso que não tenha escutado as histórias.
- Fiquei mais preocupada com os machucados.
O menino pegou uma substância gosmenta e começou a aplicar na garota, que fazia várias caretas e exclamava muxoxos.
- Por acaso, Lady Pency e a senhorita sabem onde você se encontra?
- Não sabem e não saberão, se você cuidar rápido desses cortes.
- Isso é jeito de tratar o seu médico? Eu posso decidir sua vida, sabia?
Ela riu docemente, enquanto revirava os olhos, mas depois se contraiu quando ele passou aquela gosma em um corte particularmente grande. Depois, ela permaneceu quieta, apenas olhando todo o processo.
- O que você tanto olha? - Ele perguntou, enquanto pegava as gazes para o curativo.
- Ah, eu costumo ralar meu joelho às vezes, é bom saber como me virar numa situação dessas para não te perturbar sempre. Essa já é a segunda vez em dois meses que eu te perturbo.
- Você nunca me perturbaria e é sempre bem vinda aqui. Venha sempre que puder. - Gilbert sorriu, enfaixando sua perna direita.
dirigiu um olhar um tanto surpresa para ele. Estavam próximos, enquanto ele cuidava dela. Na verdade, agora ganhava consciência de que havia levantado a saia dela. Como médico, aquilo era apenas um procedimento padrão, mas não era exatamente assim que se sentia.
“Você me ama?”, a voz dela no sonho o perguntara.
Não, ele não a amava. Conhecia a jovem havia pouco tempo. Mas gostava de sua amizade, de sua risada e do jeito em que ela passava de uma dama educada para uma menina obstinada. Céus, e com certeza a achava bonita.
Mas seu coração ainda era de Anne. Ou, ao menos, parte dele. Sentia que não era como antes, mas ela ainda estava lá.
Pensando bem, só deveria estar incomodado desse jeito, porque as pessoas pareciam de certa forma fazê-lo considerar como uma pretendente. Até seu subconsciente sabia disso. Mas via, pela expressão chocada da menina, que ela o via apenas como amigo. Assim como ele via ela. Só tinha que lembrar a si mesmo disso. Por isso, completou sua frase:
- Venha sempre que puder, é sempre bom ter uma companhia amiga.
A menina pareceu se acalmar diante aquela última palavra. Então, afastando qualquer pensamento que não fosse puramente amigável, Gilbert continuou:
- Sabe, desde que Lady Pency e sua irmã não a vejam com qualquer vestido curto por, pelo menos, três semanas, não irão descobrir os arranhões. Mas eu só sei costurar pele e não tecido, por isso, não posso disfarçar seu vestido.
seguiu seu olhar e encontrou vários fios soltos saindo das suas vestes e suspirou, frustrada.
- Por que eles não podem enfeitar um bar com trevos? Ou, quem sabe, margaridas? Por que tinha que ser um cacto?
- Talvez para afastar pessoas bisbilhoteiras como você.
- Ei, eu não estava bisbilhotando, estava apenas... fazendo pesquisa local.
- Vou deixar passar essa sua pesquisa local, porque tive uma ideia sobre o seu vestido.
Logo, Jeannie Pippet estava de volta, parecendo radiante de poder ajudar Gilbert. Ela cumprimentou , que falou com ela animada, já conhecidas. Não que isso surpreendesse Blythe. Em uma cidade tão pequena, era impossível não conhecer todos.
As mãos habilidosas da senhora logo deixaram o vestido novo e impecável, escondendo todos os fios soltos e consertando os rasgos. Ao mesmo tempo, Gilbert agora terminara a perna esquerda da garota.
Em um instante, ela estava de pé, ajeitando os cabelos novamente, sem mancar mais, embora andasse devagar.
- Nunca poderei ser grata o suficiente para com ambos. Infelizmente, meu dinheiro está todo com Lady Pency, depois mandarei por correio o dinheiro de cada um, juro por minha vida!
- Não precisa jurar, eu acredito. - Gilbert riu dela e ela retribuiu, mas logo parou ao desviar os olhos para a janela.
- As duas estão se aproximando daqui. - falou, quase que em um sussurro. - É melhor eu ir rápido.
E assim, sem olhar para trás, ela saiu pela porta, enquanto Gilbert a seguia com o olhar.
Jeannie soltou uma risadinha.
- O que foi? - O menino perguntou.
- Sabe, essa é uma jovem que vale a pena gastar elogios com.
E antes que Gilbert pudesse responder, ela saiu, deixando para trás um jovem médico confuso e com um leve sorriso nos lábios.

Continua...



Nota da autora: Sem nota.



Qualquer erro nessa fanfic ou reclamações, somente no e-mail.


comments powered by Disqus