Última atualização: 16/10/2020

Prólogo

Nervosismo certamente era o maior dos sentimentos daquela semana. O Grammy Latino estava prestes a começar e não parava de me mandar mensagens. Ela, e enviavam fotos em frente à TV, dizendo que estavam prontas para assistir a premiação. Mas, a questão é: eu estava pronta para participar dela?
Minhas mãos suavam e eu sentia que o vestido escolhido por um de meus estilistas fazia meu pulmão implorar por ar. Tentava procurar calmaria olhando pela janela do carro que me levava até o tapete vermelho, mas não adiantava. Os flashes e a quantidade de gritos dos fãs só me faziam lembrar que aquilo era real e eu precisava criar a coragem para encarar.
Já estive em diversas premiações, inclusive no Grammy, mas dessa vez eu estava concorrendo à uma categoria: artista revelação. E aquilo, para mim, era um motivo de desespero.
Senti uma mão encontrar a minha e só então lembrei que meu namorado estava ao meu lado. Ele tinha viajado até a Colômbia para participar da premiação comigo.
Aaron era uma pessoa especial, e mesmo com a grande diferença de idade, nos dávamos bem. Ele era respeitador e amoroso, e eu não podia pedir por alguém diferente dele.
Nossas mãos se entrelaçaram e eu levantei meu olhar, procurando em seus olhos a calmaria necessária para aquele momento.
- Vai dar certo, . - ele disse, sorrindo. - Você é a artista mais incrível que já conheci. Esse prêmio já é seu. - meneei em concordância, sorrindo fraco. Olhei novamente para o lado de fora do carro e percebi que havíamos chegado ao local.
Uma equipe de seguranças abriu a porta traseira do veículo, assim que o mesmo estacionou. Uma mão desconhecida me ajudou a descer, e logo depois Aaron. Uma onda de aplausos e gritos surgiram, muitos dos meus fãs imploravam por fotos e eu me dispus a atender cada um deles.
Aaron puxou minha mão calmamente, avisando que tínhamos que posar no tapete vermelho, para os fotógrafos. O segui e então paramos em frente ao painel da premiação, onde os jornalistas e paparazzi nos fotografavam. Nós éramos considerados pela mídia como um casal modelo. Todos queriam ser como nós, todos queriam saber de nós. O que fazíamos ou não fazíamos aparecia em jornais, revistas e sites de fofoca.
A mão de Aaron estava ao redor de minha cintura, e assim que as fotos acabaram, ele me guiou até o interior do evento. Nos sentamos na mesma mesa que Anuel, Karol G, J Balvin e Anitta.
Meu telefone tocava, um pouco antes do início do evento, tratei de atendê-lo rapidamente.
- Oi? - falei baixo.
- Minha melhor amiga é indicada ao Grammy Latino, viaja pro outro lado do mundo e você acha mesmo que eu não vou ligar pra desejar boa sorte? - a voz de Brandon soou do outro lado da linha. - Estamos todos torcendo por você aqui.
- Brandon, eu não te liguei porque estou uma pilha de nervos. - disse, enquanto segurava uma risada. - Mas, eu sei que estão torcendo aí. me mandou uma foto das meninas lá em casa, porque não estão com elas?
- Edwin disse que não está com paciência para a hoje. - ele falou e eu ri fraco. - Além do mais, não estamos em Miami. Temos um show em Nova Iorque daqui algumas horas. - concluiu.
- Entendi. - falei. - Bom, preciso desligar, vai começar aqui. - as luzes do palco se acenderam. - Mande o Edwin e a pararem com infantilidade, eles são tão amigos quanto eu e você. - mandei. - Beijos e te amo.
- Vai que essa já é sua, brasileira. - o garoto falou e eu senti meu peito relaxar. - Também te amo. Aliás, te amamos.
A ligação foi finalizada e eu guardei o celular, voltando meu olhar para o palco.
Depois de alguns prêmios entregues e performances feitas, Anitta saiu de nossa mesa e subiu ao palco para apresentar, ao lado de Maluma, a categoria que eu mais esperava.
- Todos os anos a música se renova e, com isso, novos artistas surgem. - Maluma disse.
- E nós estamos aqui para premiar o melhor novo artista do último ano. - Anitta falou, sorrindo. - Aqui estão os nomeados…
Um pequeno vídeo com os artistas que concorriam à categoria foi reproduzido. A mão de Aaron apertava a minha e eu tinha os olhos vidrados no palco. O vídeo foi finalizado e a luz novamente se acendeu.
- E o vencedor é… - o colombiano falou, enquanto Anitta abria o envelope.
- Eu estava esperando muito para dizer isso. - a mulher sorriu. - Herron!
Um arrepio subiu por minha espinha e um sorriso enorme surgiu em meus lábios, todos se levantaram para aplaudir. Aaron me olhou com orgulho e depositou um beijo em meus lábios, me parabenizando logo em seguida. Caminhei até o palco, e Anitta me entregou o prêmio, me dando um grande abraço. Maluma de deu um beijo no rosto e me desejou toda felicidade do mundo.
- Uau. - falei ao microfone, olhando para o gramofone em minhas mãos. - Isso aqui é a maior das honras que um músico pode ter. - sorri, boba. - Ser mulher, brasileira e conseguir ganhar esse espaço não é fácil, e minha amiga aqui pode dizer o mesmo. - virei para Anitta que concordava com a cabeça. - Eu lutei muito para chegar aqui. A quantidade de "nãos" superou os "sins", mas, está tudo bem. Hoje, eu posso subir nesse palco e dizer a todos que me colocaram para baixo que eu consegui realizar meu sonho. - sorri. - Eu quero agradecer à minha família, à toda minha equipe, que me ajuda em todos os momentos, a Rodrigo, Jones e Lana, meus produtores e empresária, respectivamente, às minhas melhores amigas que estão em Miami agora assistindo à premiação. - apontei para a câmera. - Obrigada por estarem comigo e por me apoiarem até mesmo antes da fama. - uma lágrima se formava no canto do olho. - Ao Prettymuch que também está me assistindo, e por terem me dado à honra de gravar uma música com eles no início disso tudo. - respirei fundo. - E, Aaron, se não fosse por você eu não estaria onde estou. Obrigada por ser meu apoio em todos momentos, eu te amo. - mandei um beijo para ele. - E aos meus fãs, esse é só o começo. - levantei o prêmio e uma ovação foi iniciada, as luzes se apagaram e nós fomos guiados até os bastidores.
O nervosismo ainda era presente, mas dessa vez não tão forte. Sorri assim que peguei meu celular com um dos produtores da premiação e vi que minha caixa de mensagem estava lotada. Eu estava certa, aquele era só o começo.


Capítulo 1

- Um bom filho à casa torna. - o grito de soou pela casa assim que eu passei pela porta. – Bem-vinda de volta, amiga.
- Que bela recepção. - sorri, ao ver que, diferente dos outros dias, a casa estava organizada. - Obrigada, meu amor. - abracei a garota. Eu estava morrendo de saudades dela e de todas as outras. - Cadê aquelas cachorras? - me soltei do abraço e comecei a caminhar pela casa, em direção ao meu quarto, onde iria guardar minhas bagagens.
- Só porque é ganhadora do Grammy acha que pode falar assim da gente? - a voz inigualável de surgiu e eu me virei, dando de cara com a garota que tinha as mãos na cintura e uma pose séria que não foi sustentada por muito tempo. - Vem cá. - abriu os braços e eu corri até ela.
era comissária de bordo e, por isso, não ficava muito conosco e mesmo depois de eu a oferecer uma vaga em minha equipe, ela preferiu manter seu antigo emprego e voltar durantes os fins de semana para casa.
- E ? - perguntei, jogando minha mochila no chão.
- Chega em dez minutos e eu acho melhor você se arrumar o mais rápido possível, porque ela disse que você fará uma entrevista pro BuzzFeed. - comentou e eu levei a mão à testa.
- Ok, vou me arrumar. - suspirei.
- Vai logo. - deu um leve tapinha em minha bunda e eu ri.
Corri até o quarto e abri meu armário, iria vestir qualquer roupa que ficasse bonita e confortável, então peguei uma calça estilo mom jeans, uma blusa vermelha um tanto larguinha, que colocaria por dentro da calça, um cinto preto e meu nike-air branco. Deixei tudo em cima da cama e fui para o banho.
Rapidamente me ensaboei, lavei os cabelos e todo o resto. Assim que saí do banheiro, pude ouvir a voz de na sala. Me vesti rapidamente e logo tratei de secar o cabelo e fazer uma rápida maquiagem, , além de uma de minhas melhores amigas, era minha assessora, ou seja; ela cuidava de todas as minhas agendas, compromissos e, o mais importante, da minha imagem.
- Oi, estrela. - a garota bateu na porta do quarto.
- Mais cinco minutos, por favor. - sorri, virando meu rosto e a mostrando que eu estava terminando a maquiagem.
- Ok. - ela riu. - Te espero no carro.

***

Assim que chegamos no prédio comercial, seguimos até a sala onde era localizada o estúdio de gravação do canal da BuzzFeed no YouTube e fomos extremamente bem recebidas.
Uma das diretoras pediu para que aguardássemos alguns minutos em uma sala de espera até que ela voltasse com a pauta do dia.
- Como foi na Colômbia? - minha amiga perguntou, enquanto pegava um pouco de café na máquina de expresso.
- Foi ótimo. - sorri. - Tão perto do Brasil e nem passei por lá. - torci o lábio e sorriu fraco.
- Sente saudades de casa, não é, amiga? - se sentou ao meu lado e eu concordei. - Também estou com saudades. - ela sorriu. - Mas, estamos organizando sua nova turnê e você passará por pelo menos quatro estados no Brasil.
- Amém? - ri e a garota me acompanhou.
- Voltei. - a mulher que nos recebeu, entrou novamente na sala, mas dessa vez com uma prancheta em mãos. - Hoje você vai responder algumas perguntas do Twitter, ok?
- Por mim tudo bem. - sorri e me levantei. - Vamos. - falei e a mulher saiu da sala e eu tratei de segui-la. veio logo atrás de mim.
Um fundo verde estava atrás de mim, e uma cadeira azul estava posicionada no meio da sala. Eu me sentaria ali e responderia as perguntas que tiraria de uma caixa. Fiz isso e aguardei o ‘ok’ da equipe de filmagem. Um pequeno roteiro tinha me sido entregue, mas apenas com o básico; o que eu deveria dizer na apresentação e na finalização do vídeo.
- Luzes, ok. - a mulher falou alto. - Câmera, ok. - continuou. - , está ok? - perguntou para mim e eu levantei o dedão em concordância. - Então, preparar…- ela se sentou em sua cadeira. - Ação.
- Oi, meu nome é Herron e eu vou responder algumas perguntas enviadas pelos meus fãs para o Twitter do BuzzFeed. - sorri para câmera, aguardei alguns segundos e puxei um dos papéis que estava dentro da caixa. - @myloveh perguntou: “O que você espera para este ano de 2020?” - joguei o papel em um cantinho e olhei novamente para câmera. - Olha, eu não faço a mínima ideia, mas sei que teremos álbum novo e turnê. - apontei e pisquei, sorrindo em seguida. - Próxima. - puxei outro papel. - @wdwmeetsh: “Afinal, você e o Zach são parentes ou não?” - eu engatei uma risada que contagiou todos do estúdio. - Gente, de uma vez por todas: Herron é meu sobrenome artístico. Eu e o Zach somos amigos, e desde que eu comecei a estourar ele diz para todo mundo que somos primos, mas é a pura mentira, porque nem parecidos somos. - falei em meio aos risos. - Aliás, um beijo para os meninos do Why Don’t We, estou morrendo de saudade de vocês. - estalei meus lábios e segui em frente. - @mylifecnco: “Sendo amiga das três maiores boybands da atualidade e já tendo feito parceria com uma delas, eu te pergunto: E o feat. com o CNCO sai ou não?” - joguei o papel fora. - Olha, tendo o convite eu toparia com toda certeza, eles são latinos como eu, e além do mais, dois deles são praticamente meus vizinhos, ou seja, estamos todos em casa. Só falta o convite mesmo. Fica a dica aí, meninos. - brinquei, apontando para a câmera. - Para finalizar, a @crystalherron perguntou quando eu e o Aaron vamos casar. - Repito; só falta o convite mesmo. Fica a dica aí, Aaron. - ri. - Esse foi o respondendo fãs de hoje, espero que vocês tenham gostado e não esqueçam de ouvir meu novo single: “Tu Canción (feat. Anitta)” em todas as plataformas. Obrigada por assistirem. - pisquei.
- Corta. - a mulher falou. - Maravilhoso, . - se aproximou de mim. - Você consegue voltar aqui na semana que vem para um jogo ao lado dos meninos do Prettymuch?
- Com certeza, só assim para eu conseguir vê-los mesmo. - brinquei e a mulher riu fraco.
- Ok, falarei com , então. - ela se afastou e começou a conversar com outras pessoas que estavam no estúdio.

***

Um balde de pipoca estava sobre a mesa de centro e entrava na sala com uma jarra de suco nas mãos. Estávamos apenas eu, e em casa, já que já estava em viagem novamente. Decidimos por assistir um filme de comédia, como fazíamos nos tempos que morávamos no Brasil.
As garotas são minhas amigas desde que nos entendemos por gente, e por isso, assim que a oportunidade de morar em Miami surgiu, a primeira exigência que eu fiz foi levar minha família e elas. Minha mãe e meu pai preferiram continuar no Brasil por conta da dificuldade com a língua inglesa. Então, apenas comprei uma casa para cada um deles em um bairro nobre do Rio de Janeiro.
A casa que eu dividia com as meninas nos EUA era enorme, e dava facilmente para abrigar um batalhão, e as vezes ela abrigava.
Minha fama na mídia, depois da minha música com Prettymuch, diversas ligações “familiares” com os meninos do Why Don’t We, já que a é amiga deles e tem todo esse burburinho com meu sobrenome e o do Zach, e ser vizinha de dois integrantes do CNCO, era de que eu era o elo comum entre todas as boybands existentes no momento, e isso era parcialmente verdade. Eu não tinha contato frequente com todos, apenas com Brandon. Mas, isso fazia com que a minha casa fosse o point de encontro e de todas as festas possíveis, ou seja, ela realmente abrigava um batalhão.
Falando em CNCO, e Richard tem saído às escondidas, por mais que ela não conte muito de sua vida amorosa, eu e descobrimos depois de encontrar os dois sozinhos em casa.
também é da minha equipe. Formou-se em fotografia pouco antes de nos mudarmos para Miami, então logo a ofereci um contrato e ela aceitou.
Sobre a minha vida pessoal, não há nada que não esteja na internet. Eu sempre fui muito aberta ao público, pois nunca tive nada a esconder, e além disso, meus fãs são o principal motivo para eu estar onde estou, e eu não gostava de esconder nada deles. Isso incluía, também, meu relacionamento com Aaron Taylor Johnson, que para mim era apenas Aaron. Nos conhecemos após uma performance que fiz no Brit’s de 2019, e desde então estamos juntos, completando um ano em breve. As especulações do início do relacionamento foram feitas quando fomos vistos saindo de um restaurante em Londres, local onde a família dele reside.
Não tínhamos brigas frequentes e nos dávamos muito bem. Os fãs imploravam por um casamento e eu quase fazia o mesmo. Por mais que ele seja seis anos mais velho que eu, tendo vinte e nove, eu tinha quase certeza de que era mais madura que ele. Quando o garoto se juntava com Brandon e Zion, parecia que eu estava com três crianças de cinco anos para cuidar.
Meus devaneios foram interrompidos pela campainha que soou alta. rapidamente se levantou e foi atender a porta. Estiquei meu corpo para espiar quem era.
- Levantem-se, fracassadas, nós vamos para a Liv. - Joel Pimentel, o rapaz do CNCO que era um de nossos vizinhos, falou.
- Eu passo. - disse, torcendo o lábio. - Estou extremamente cansada, e não quero pagar mico nos seus stories de novo, Joel. - o garoto rolou os olhos e concordou, mas logo olhou para e , que me encararam como um filho encara para uma mãe.
- Vocês não precisam me pedir nada. - eu ri. - Aaron ficou de dormir aqui hoje de qualquer jeito. - falei e elas bateram palminhas.
- Vamos para a LIV. - gritaram em uníssono, arrancando risadas minhas e de Joel.
Passados alguns minutos, as meninas foram para a festa com Joel, Christopher e Richard. Continuei em casa assistindo ao filme que tinha sido escolhido por nós, e assim que o filme acabou, a porta foi aberta, indicando que meu namorado acabara de chegar.
Se aproximou por trás e depositou um beijo na curva de meu pescoço.
- Como está a maior e melhor cantora do mundo hoje? - ele perguntou.
- Não sei, deixa eu ligar para Christina Aguilera e perguntar. - fui em busca do telefone em cima do braço do sofá, mas fui surpreendida ao sentir Aaron pulando a poltrona e me puxando para perto.
- Eu não consigo ficar uma semana fora gravando que já fico morrendo de saudades. - ele disse próximo ao meu ouvido.
- Isso é meloso demais, até para você. - brinquei e ele rolou os olhos, rindo. - Pensei em um programa especial para nós essa noite. - o olhei intuitiva e ele logo entendeu.
- Marshmallows com chocolate enquanto assistimos aqueles programas péssimos do Discovery Channel? - disse, em tom de pergunta e eu apenas concordei com um sorriso.
Aquela noite não seria tão longa quanto o imaginado.


Capítulo 2

Meus dedos batiam no apoio de braço da poltrona conforme o ritmo da música que soava no fone ouvido. Qual era? Meu próximo lançamento. Parecia tudo perfeito e realmente estava.
Senti o baque assim que o jatinho tocou o chão, pousando no aeroporto de Nova Iorque, onde passaria aquela semana, para uma sequência de shows e entrevistas. Alguns fãs esperavam por minha chegada, e os seguranças os continham, formando um corredor para que eu pudesse passar entre eles com facilidade.
Quem me acompanhava nesta viagem era Lana, minha empresária. precisou ficar em Miami para resolver outras questões, mas, normalmente as duas ficavam comigo em viagens do tipo.
Meu cabelo estava preso em um coque meio desarrumado e eu estava vestida em um conjunto cinza de moletom. Embaixo do braço tinha um notebook e nos olhos, um óculos de sol, apenas para disfarçar as bolsas sob eles.
Fui guiada calmamente entre os fãs, parando para dar atenção à alguns e logo entramos na van que nos aguardava na saída do aeroporto.
- Como foi o voo? - Michael, o meu segurança particular, que já estava na van, pois havia chegado um pouco antes de nós, perguntou.
- Tranquilo como sempre. Só estou um pouco cansada. - joguei a cabeça no banco, bufando.
- Então descanse durante esses vinte minutos, pois você tem entrevista assim que chegarmos no hotel. - Lana falou e eu concordei, mesmo que desanimada.
Coloquei os fones novamente e comecei a me distrair com a rua, enquanto ouvia canções, que dessa vez, não eram minhas. Caí num sono, que poderia mais ser classificado como um cochilo, mas que fora suficiente para meu corpo retomar as energias necessárias.
- Mike, suba com ela. - minha empresária disse ao ver a quantidade de fãs que estava em frente ao hotel. - Eu cuido das malas e do check-in. - o homem, de quase dois metros de altura, concordou e abriu a porta do veículo, saindo antes de mim.
- Tenho quase certeza de que isso aqui não é tudo pra mim. - falei para o homem, que me olhou com uma feição engraçada.
- Muitos artistas se hospedam aqui, . - falou. - Talvez tenha alguém além de você. - deu de ombros e, finalmente, me liberou para aguardar no saguão, já que estávamos esperando Lana e as malas.
Alguns fãs acenavam através da porta de vidro e eu fazia o mesmo para eles. Assim que a mulher entrou, acompanhada de alguns funcionários do hotel que a ajudavam com as malas, eu fui rápida ao perguntar quem era o outro artista que estava ali.
- Calma que esse momento é uma novidade para mim. - ela colocou a mão no peito e eu fiz uma cara de dúvida. - Pela primeira vez na vida houve falha de comunicação entre você e o Brandon. - completou e eu abri um sorriso enorme.
- Mentira que eles estão aqui! - falei, animada.
- Verdade. - ela disse. - Não só ele como o Zayn, também. - falou, olhando uma prancheta.
Meu coração acelerou por alguns instantes. Eu era extremamente fã do trabalho do rapaz desde que ele fazia parte da One Direction, para mim ele possuía um dos melhores vocais do mundo. Lembrei, por um momento, do show da 1D no Brasil e pensei na sorte que estava tendo. Depois de anos querendo conhecê-lo, eu finalmente estava no mesmo hotel que ele.
O rapaz não costuma ir em muitas premiações, por isso nunca o encontrei. Mas, queria muito ter a oportunidade de trocar uma ideia com ele e talvez até marcar uma parceria. Por que não?
Senti uma cutucada em minha cintura, que me fez perder todos os pensamentos e virar para trás, encontrando Brandon com o maior sorriso do mundo no rosto.
- Herron. - ele me puxou para um abraço, me tirando do chão. Do lado de fora, os fãs iam à loucura. Nossa amizade era um tipo de pedra preciosa para eles, sempre que tínhamos alguma interação nas redes, ou fotos nossas saíam, eles surtavam. Alguns insistiam na ideia de um possível relacionamento além da amizade entre nós, mas ambos sabíamos que aquilo nunca aconteceria, já que ele é como meu irmão e eu sou tão apaixonada por Maggie, sua namorada, quanto ele. - Eu tenho que ficar sabendo através da sua empresária que você está aqui. - falou, fingindo indignação. - Devo dizer que não só eu, mas Nick e Zion ficaram possessos. - semicerrei os olhos. - Edwin e Austin estão dormindo ainda. - ele riu e eu o acompanhei.
- Bom, eu tenho algumas entrevistas agora. Mas, podemos almoçar todos juntos. O que acha? - sugeri e ele sorriu.
- Eu acho que topamos. - deu língua e me puxou, beijando minha testa. - Vou subir agora, nos vemos depois. - concordei. Ele virou para os fãs, fazendo um sinal de paz e logo entrou no elevador. Esperei com que Lana finalizasse o check-in para que pudéssemos subir.
No quarto onde eu ficaria, já estava montado um pequeno estúdio com luzes e câmeras, preparadas para as entrevistas que viriam a seguir.

***

Meu corpo estava cansado e eu estava praticamente jogada sobre a cadeira do restaurante, pouco me importando para a visão que teriam de mim. Nick estava ao meu lado, comentando algo aleatório sobre cebolas que eu preferi não escutar no momento, então eu apenas concordava com tudo.
- Então é verdade que você ainda chupa o dedo? - ele falou e eu concordei, automaticamente. - ! - falou com autoridade. - Eu não acredito que você entrou no modo stand by no meio do jantar.
- Me dê um desconto, eu estou cansada demais. - falei. - Gravei na semana passada, fazem duas semanas do Grammy e eu ainda tenho que fazer entrevistas sobre. - rolei os olhos. - Olha que era o Latino, se for a premiação mundial eu prefiro dar meu prêmio para vocês.
- Ela sempre foi metida assim mesmo? - Austin perguntou pro Brandon que gargalhou.
- Gente, não quero fazer alarde, mas alerta ex integrante de boyband. - Edwin falou, apontando discretamente para a porta do restaurante, por onde Zayn passava. Cumprimento os garçons rapidamente e procurou uma mesa. Logo atrás dele vinha um rapaz que parecia ter a mesma idade, e se sentou ao seu lado. Provavelmente um amigo que o acompanhou na viagem.
Meus olhos o acompanharam a cada passo. Os deles estavam vidrados no telefone, onde digitava alguma mensagem. Ele era ainda mais perfeito pessoalmente, e estava bem diferente de 2014, quando o vi ao vivo no Rio de Janeiro. Ele tinha o rosto mais amadurecido, uma barba cerrada e perfeita, seus cabelos estavam curtos e suas mandíbulas ainda mais marcadas. Ele simplesmente tinha passado de menino para homem em pouquíssimo tempo.
- Herron, quer um babador? - Zion disse enquanto estendia um guardanapo em minha direção. Bati em sua mão e ri fraco.
- Não é porque eu sou amiga das três maiores boybands de agora, que eu não posso ter meu momento fangirl com as boybands que já deixaram de existir. - falei, dando língua para o canadense. - Ouch, falar isso em voz alta foi mais doloroso que pensei. - risadas tomaram conta da mesa.
Ao fundo, ouvíamos as vozes dos fãs formando um coral com a canção The Weekend, que fora minha parceria com os meninos que estavam à minha frente. Sorrimos fraco e gravamos um pequeno trecho do que ocorria para colocar nos stories.

***

O corredor estava vazio e era a quinta vez que eu colocava o cartão na porta e ela não abria.
- Que merda. - bufei.
- Quer alguma ajuda? - o sotaque britânico soou e eu levantei os olhos, encontrando Zayn bem em minha frente. - Ei, você não é a garota que tá fazendo o maior sucesso cantando em Inglês, Espanhol e todo o resto? - perguntou, apontando para mim.
- Sim, Herron. - sorri orgulhosa.
- Duas coisas, Herron. - falou meu nome com um tanto de desdém. - Primeira; peça para seus fãs fazerem um pouco mais de silêncio, porque desde que você chegou eu não consegui ter um segundo de paz ou quietude. - levantou um dos dedos. - Segunda; esse é o meu quarto, você está na porta errada. - pegou um cartão em seu bolso e abriu a porta.
O sorriso que estava em meu rosto foi desfeito no mesmo momento. Quem aquele cara pensava que era para falar comigo daquela forma.
- Pode deixar que eu avisarei aos meus fãs que o príncipe da Inglaterra quer dormir. - die um sorriso debochado. - Também foi ótimo conhecê-lo, Malik. - virei-me, com toda raiva do mundo e segui à procura do meu quarto.
Assim que encontrei o mesmo, no fim do corredor, corri primeiro para um banho e logo depois me joguei na cama, enviando uma mensagem para o grupo que eu tinha com minhas amigas, avisando que estava bem, viva e que os meninos do PM estavam no mesmo hotel que eu. Coisas essas que elas provavelmente sabiam, já que qualquer passo que eu dava era notícia para a mídia.

Você não vai acreditar quem está no mesmo corredor que eu e foi super grosso comigo!


Brandon <3
O Obama que não foi, porque ele é gente boa.

Zayn!!!
Eu esperei ANOS pelo momento no qual o conheceria e ele me trata como um LIXO.
A partir deste dia eu declaro meu ódio ao Zayn Malik. Esteja dito.


Brandon <3
Estou indo aí e você vai me contar tudo. Vou levar o Edwin e a gente vai ligar para
as meninas por FaceTime. Da última vez que você fez uma fofoca e elas não
souberam junto de nós, deu um problema gigante.


Justo! Estou esperando por vocês.


Capítulo 3

A volta para Miami fora rápida e finalmente eu teria uma semana inteira de folga. já havia mandado mensagem para avisar que ficaria esta semana conosco e eu fiquei extremamente feliz com a notícia. As quatro juntas de novo como sempre acontecia durante o ensino fundamental e médio.
O aeroporto de Miami não tinha tantos fãs, apenas uns cinco ou seis. Afinal, eu morava ali e alguns deles me encontravam na padaria, por exemplo. O carro que me buscou foi o de , que tinha uma sorridente no banco do carona.
- Ganhou na loteria, foi? - brinquei com a morena, que rolou os olhos.
- Digamos que essa aí está dando uns amassos naquele tal de Christopher Velez. - apontou para a menina que respondeu com um tapa em seu braço.
- Eu fico fora uma semana e vocês não me atualizam sobre nada. Terei que recorrer ao Erick para fazer isso por vocês. - coloquei minhas malas no bagageiro e entrei no banco de trás. - Conte tudo, do início. - me apoiei entre os bancos da frente, apenas esperando começar a história.
- Fomos para Liv, bebemos um pouco e demos uns beijos. - falou, sucinta.
- Estão se beijando desde então. - a outra garota comentou e eu ri.
- Vamos para casa logo, está vindo mas disse que vai pegar um táxi até lá. - concluí e concordou. Me ajeitei no banco, colocando o cinto de segurança como uma deixa para que a garota desse partida no carro.
Assim que estacionamos em frente nossa casa, já abriu o porta malas e começou a me ajudar com as bagagens. A primeira coisa que fiz foi chegar em casa, tomar um banho relaxante e me jogar na cama. Esse conforto durou exatos quinze minutos, já que chegou aos berros. Desci as escadas e pulei em minha amiga, a abraçando fortemente. Estava com saudades.
- Piranha, como assim você vai lançar um EP e não me contou? - bateu em meu braço e eu fiz cara de culpada. - Tenho que ficar sabendo pela televisão agora.
- Era uma surpresa, fiquei gravando durante essas viagens que fiz, e são músicas bem pessoais para mim. - sorri e ela fez o mesmo. - Mas, ele só lança daqui duas semanas, no People’s Choice, vou cantar uma música dele lá. - ela olhou para cima por um momento.
- Vou estar aqui. - ela disse, animada.
- Ótimo, no People’s Choice eu consigo levar vocês. - Raira e , que estavam na sala, levantaram suas cabeças, para ouvir melhor. - Vou pedir cadeiras ao lado do CNCO, então. - ri.
- Não acredito que a também está com um deles? - perguntou, indignada.
- Só falta você agora, princesa. - brinquei. - Joel está disponível.
- ‘To fora. - ela disse, gargalhando. - Vou tomar um banho e pediremos uma pizza. Nada de Aaron hoje, . - me encarou. - Noite das meninas! - gritou animada e nós fizemos o mesmo.

***

No dia seguinte a tal ‘noite das meninas’, eu decidi ter uma tarde com meu namorado.
Encontrei Aaron em nosso restaurante favorito e ali estávamos, esperando nosso almoço.
A postura do britânico estava diferente. Ele, que normalmente é quieto, dessa vez estava agitado e toda hora mudava de posição na cadeira. Estranhei por um momento, mas então percebi que era nervosismo. Eu o conhecia o suficiente para dizer que era isso.
Talvez o momento finalmente tivesse chegado e ele fosse pedir minha mão. Comecei a ficar nervosa, assim como ele.
Nossas comidas chegaram e almoçamos praticamente em silêncio, sem muita interação. Mas, eu entendia, ou achava que entendia.
O garçom se aproximou e recolheu os pratos e copos. Foi nesse momento que Aaron respirou fundo, colocou uma das mãos sobre a mesa e me encarou.
- . - ele disse e meu coração acelerou, aquilo realmente iria acontecer. - Você é a mulher mais incrível que já conheci. Tudo que você toca vira ouro e eu sinto muito orgulho de você. - sorri e coloquei minha mão sobre a dele. - Eu não menti em todas as vezes que disse que te amei. - meu estômago revirava. - Mas… - como assim “mas”? - eu já não tenho tanta certeza desses sentimentos. - meu sorriso se desfez e o encarei com dúvida.
- O que você quer dizer com isso, Aaron? - perguntei, tentando manter a pose, já que fotógrafos cercavam o local.
- Eu não consigo mais fazer isso, . - apontou para nós dois. - Acho que deveríamos terminar. Eu não estou mais sentindo o mesmo, não posso te enganar. - foi então que meu mundo desabou e eu tive que me segurar para não cair em lágrimas. Sorri fraco para ele, porque sei que os paparazzi tiravam fotos daquele momento. Eu estava incomodada com aquilo. - Não vai dizer nada?
- O que eu tenho que dizer? - ri, incrédula. - Eu estava jurando que seria um pedido de casamento. - balancei a cabeça e suspirei. - Acho que preciso ir embora. - falei enquanto sentia o choro entalado.
- Tem certeza? - perguntou.
- Aaron, eu sei que podemos ser amigos, sei que somos maduros para isso. Mas, agora eu preciso de tempo para mim. - falei. - Você não percebe que você acabou de terminar comigo? - a obviedade era clara em minha voz. - Porra, você está agindo como se fosse a coisa mais normal do mundo, mas você quebrou meus sentimentos. - tentei não transparecer a raiva. - Entenda isso, pelo menos dessa vez.
- Tudo bem. - falou. - Você vai sozinha?
- O que mais tem aqui é táxi! - apontei para a rua, tirei uma quantia de dinheiro da carteira e deixei em cima da mesa. - Fique bem. - caminhei em direção à saída e os barulhos de cliques de máquinas fotográficas podiam ser ouvidos de todos os lados. Assim que parei um táxi e entrei no banco traseiro, desabei em lágrimas. Com certeza os paparazzi capturaram isso e seria a mais nova estampa de uma revista jovem no dia seguinte, ou alguma manchete no TMZ mais tarde.

***

Minha caneta escorregava pelo caderno, e minha mão esquerda pelas teclas do piano. E, então, depois de algumas horas, a última música do meu EP estava pronta e já poderia ser gravada. Mandei uma mensagem para Rodrigo e Jones, marcando um horário no estúdio e eles reservaram para a noite do mesmo dia, já que tínhamos um prazo para entregar esse EP se quiséssemos que eu me apresentasse no PCA. Me joguei na cama.
Como esperado, a notícia já estava na mídia e meu celular não parava de tocar. Mensagens de Brandon, meus pais e meu irmão chegavam a todo momento, mas eu simplesmente não queria respondê-las. Eu estava deitada, olhando para o teto e criando a coragem para arquivar todas nossas fotos em meu Instagram. Mas, a dor que eu sentia ao olhá-las e lembrar de cada momento no qual foram tiradas, não era comparável à outra coisa.
A porta de meu quarto recebeu dois toques.
- Meninas, eu já disse que não quero visitas. - falei, com a voz abafada pelo travesseiro que acabara de colocar sobre o rosto.
- Não é nenhuma das meninas. - quando reconheci a voz de Brandon, não consegui segurar, me sentei na cama e, como um neném, comecei a chorar e levantei os braços em sua direção. As meninas já tinham me consolado, conversado comigo e todo o resto, mas Brandon era o mais próximo de um irmão que eu tinha nos Estados Unidos e aquilo me passava uma segurança e confiança que mais ninguém passava.
Ele veio em minha direção e me envolveu em seus braços. Eu me encolhi, acolhendo-me em seu peito, enquanto ele beijava minha cabeça e sussurrava uma canção.
- Sabe o que meu avô dizia? - perguntou para mim e eu meneei em negação. - Vão-se as paixões, ficam-se as canções. - falou. - Transforme essa dor em música, . - ele sorriu e eu peguei meu caderno mostrando a ele coisas que já estavam escritas. - Ei, o que acha de gravarmos essa. - ele apontou para a última letra que havia escrito, em espanhol.
- Tem certeza? - perguntei.
- Sim. - se levantou rapidamente. - Vamos, o Edwin está na sala com a e vou pedir a ajuda dele para produzir isso. Me encontre em seu estúdio em quinze minutos. - beijou minha testa mais uma vez. - Estamos aqui para tudo, ouviu? Você minha melhor amiga e eu vou fazer tudo para arrancar um sorriso de seu rosto.


Capítulo 4

Dia do People’s Choice Awards
Os cabelereiros e maquiadores estavam em maior número lá em casa, já que todas iríamos para a premiação, e os meninos do CNCO se aproveitaram da minha boa vontade para arrumarem-se lá em casa.
Ou seja, fiquei cerca de vinte minutos ouvindo uma discussão entre e Zabdiel sobre se tomates são frutas ou não, e isso me deixou estritamente estressada, o que foi notado por Joel, que me perguntou se eu queria dar uma volta para esfriar a cabeça enquanto ele fazia o cabelo no meu lugar. Aceitei a sugestão e fui para o jardim. O nervosismo de se apresentar numa premiação onde eu sabia que Aaron estaria me fez ficar inquieta por um momento, até que Erick apareceu e me deu um abraço forte e demorado, como ele sempre fazia ao me ver. O garoto não sabia o poder que aqueles abraços tinham, mas eu podia confirmar que eles tinham algum.
Caminhei ao lado do cubano para dentro da casa e , que já estava de maquiagem pronta, apareceu em minha frente com um semblante preocupado.
- O que houve? - perguntei, também mostrando preocupação e a garota apenas estendeu o celular em minha direção.

Perez Hilton: Seria Brandon Arreaga o pivô do término entre Herron e Aaron Taylor Johnson?

Há duas semanas, na segunda-feira 10, Herron esteve em Nova Iorque para uma rotina de entrevistas sobre seu Grammy e o novo EP. O que acontece é que ela ficou hospedada no mesmo hotel que a banda PRETTYMUCH. Todos já sabem que a brasileira e a boyband são amigos de longa data já que produziram juntos a canção “The Weekend” que alavancou a carreira internacional da menina.
Mas, o que algumas fontes dizem é que ela e Brandon, além de melhores amigos também seria amantes.
As mesmas fontes informam que ambos estariam pensando em terminar seus relacionamentos para finalmente ficarem juntos. Logo depois dessas fontes entrarem em contato, Herron e Aaron Taylor Johnson anunciaram o término em suas redes sociais.
Será que esperamos Brandon e Maggie terminarem para saber a verdade? Aguardem os próximos capítulos dessa novela.


Meu peito gelou e eu comecei a tremer. Tanto Maggie quanto Brandon sabiam que aquilo era uma farsa, mas naquele exato momento eu me preocupei com minha imagem. Todos nós sabemos que um homem trair “é normal”, mas uma mulher não. A questão é que ambos estão errados em fazer isso. Mas, para a mídia, as mulheres são crucificadas e os homens não. E a verdade era que, eu traindo ou não, eles continuariam a falar o que querem.
- Você deveria se pronunciar sobre isso. - falou. - Eu já falei com o Brandon e ele publicou um texto no twitter, se eu fosse você faria o mesmo.
Decidi que o ideal seria colocar algo no instagram. Já que era minha rede social mais acessada.

[@.herron]: Esse na foto é meu melhor amigo. Ele é quem me apoia nos momentos difíceis, e me acompanha nos felizes.
Tudo que Brandon e eu fazemos, não escondemos, porque sabemos que a nossa amizade é bem maior que qualquer fofoca da mídia. Já nos pegaram saindo super bêbados de uma balada, já descobriram que fugimos um dia para fazer uma tatuagem igual no meio de uma premiação, já encontraram conosco em um zoológico discutindo com os funcionários sobre a liberação dos animais e vocês podem ter certeza que ainda nos flagrarão em situações constrangedoras como essas. Mas, o ponto é que vocês não podem ver uma amizade saudável entre um homem e uma mulher, que já querem forçar um relacionamento entre eles dois. Eu respeito todos os tipos de relacionamento, assim como respeito o namoro de meu amigo e Maggie.
Então, peço para que entendam que tudo que foi dito pelo @perezhilton se trata de uma mentira grande e deslavada. Eu nunca trairia a confiança de um amigo, ou um namorado. Eu sei disso, Brandon sabe disso e Aaron também. Peço respeito ao meu momento de dor. Obrigada!

Publiquei o texto acompanhado de uma foto minha e de Brandon usando toucas e camisetas com os dizeres “BFF’S”.

***

Noite do People’s Choice Awards
- , entra com elas direto, que eu vou passar pelo Red Carpet rapidinho e já encontro com vocês nos bancos. - falei para a garota, que rapidamente concordou e chamou e para seguirem-na.
Assim que saí do carro, o nervosismo de sempre tomou conta de mim. Lana me aguardava na entrada do tapete vermelho e sua feição não era nada boa. Eu sabia que ela, tanto quanto eu, estava preocupada com a repercussão que aquela história inventada por Perez teria em minha carreira. E ela e , como as responsáveis por minha imagem, deveriam pensar rapidamente em uma solução para aquela situação.
Posei para as fotos, usando meu longo vestido azul de cetim, que contrastava com o castanho dos meus cabelos. Passei direto pelos jornalistas, à mando de Lana. Falei com alguns fãs e entrei, encontrando com o pessoal dentro do teatro. - Amiga, você não está marcada para sentar aqui. - falou, torcendo o lábio. - Acho que por você ser… você. - ela riu fraco. - Tem que sentar lá na frente. - suspirei e rolei os olhos. Tive que concordar com aquilo, mas sabia que após minha apresentação eu poderia mudar de lugar, caso quisesse.
Porém, assim que cheguei no local indicado com minha foto e nome, eu tive a certeza que eu seria retirada do meu lugar à força pelos seguranças, porque provavelmente eu cometeria um crime.
Ao lado da minha foto estava um papel com o rosto e o nome de meu pior inimigo: Zayn Malik.
Aquilo não poderia ser sério. Lana sabia que poderia me colocar ao lado de qualquer pessoa, menos dele.
- Que merda. - xinguei baixo. Mas, mesmo assim, me sentei no lugar. Não podia fazer muita coisa quanto àquilo.
Passados alguns minutos, Zayn e algumas pessoas de sua equipe chegaram. Como a “boa” pessoa que é, nem percebeu minha presença ao seu lado, e isso durou até o momento no qual uma das pessoas da produção me chamou para me preparar para cantar, que foi quando ele olhou para mim e deu um sorriso desgostoso.
- Vai lá usar seu playback de sempre? - perguntou, me alfinetando e eu rolei os olhos. - Ainda bem que sabe que é apenas um rostinho bonito.
Respirei fundo ou eu voaria no pescoço daquele babaca em alguns segundos. A produtora me puxou e eu fui trocar de roupa.
Vesti uma calça preta de couro, com botas da mesma cor, um top brilhante monocromático, tive o cabelo preso em duas tranças estilo boxeadora e uma coroa pequena estava sobre elas. Esperei alguns minutos ao lado dos bailarinos que dançariam em minha apresentação, até que ouvi a voz de The Rock começando um pequeno discurso sobre mim. A produção me posicionou no palco sentada e com o microfone em mãos.
- E agora, cantando sua mais nova música “Sit Still, Look Pretty”: Herron! - apontou para o palco onde eu estava e as luzes se acenderam num tom de azul e a música começou a tocar.
Os bailarinos se movimentavam com destreza em volta de onde eu estava, e mexiam eu meu cabelo em minhas roupas como se eu fosse uma boneca, eu ainda estava paralisada, agindo como uma. Assobios começaram e eu me movimentei, levando o microfone aos lábios.

Could dress up
(Poderia me vestir)
To get love
(Para ganhar amor)
But guess what?
(Mas, adivinhe só)
I'm never gonna be that girl
(Eu nunca serei essa garota)
Who's living in a Barbie world
(Que está vivendo em um mundo da Barbie)


Enquanto os bailarinos, que usavam macacões pretos e bem justos, dançavam ao redor da cadeira na qual eu estava sentada, eu apenas reproduzia os movimentos com as mãos. Os jogos de luzes faziam com que o cenário parecesse cinco vezes maior do que era.
Eles me apresentavam várias joias e coisas de marca, e eu recusava todas. Mostrando a real razão para qual eu tinha escrito aquela música. Mostrar que nós, mulheres, podemos ser relacionadas a muito mais que só coisas materiais.
Levantei-me da cadeira, pisando com precisão no chão e começando a fazer a coreografia com eles.

Oh, I don't know what you've been told
(Eu não sei o que te disseram)
But this gal right here's gonna rule the world
(Mas, essa garota aqui vai dominar o mundo)
Yeah, that is where I'm gonna be because I wanna be
(Sim, é lá que vou estar, porque eu quero estar)
No, I don't wanna sit still, look pretty
(Eu não quero ficar quieta, permanecer bonita)

Meu olhar rapidamente procurou pela primeira fileira do teatro, onde eu pude ver que Zayn observava a apresentação com curiosidade, e talvez um pouco de raiva, já que minhas palavras cantadas eram a resposta perfeita para o que ele me disse um pouco antes de eu entrar no palco.
Comecei a desfilar pelo palco, enquanto a coreografia era feita. As luzes me acompanhavam e eu ia até a plateia, alguns fãs gritavam e pulavam.
Olhei para as fileiras um pouco mais afastadas e encontrei minhas amigas e os meninos do CNCO dançando animadamente à música.
Me abaixei, cantando diretamente para uma das fãs que chorava desesperadamente. Ela tinha uma das mãos no peito, como quem estava impressionada. Puxei sua outra mão e a beijei. Ela chorou mais ainda, mas conseguiu, ao menos, falar um “eu te amo” que foi respondido por mim através de uma piscadela.
Quando a ponte começou novamente, olhei para o lado direito e pude ver os meninos do PRETTYMUCH cantando audivelmente a música, eles tinham me ajudado a produzir e compor aquela, então eles estavam tão animados quanto eu.
Os fãs no teatro também cantavam, já que conseguiram pegar aquela estrofe facilmente.
Agora estávamos na passarela do palco, dançando lindamente à coreografia que fora montada com muito amor pelo nosso coreógrafo Wildabeast, um dos melhores do país.
Eu fazia questão de cantar diretamente para Zayn. Será que agora, para ele, eu era apenas um rostinho bonito?
Olhei a plateia novamente e encontrei o rosto de Aaron, ele me encarava com carinho e eu senti uma pontada rápida no coração. Aquela seria a maneira que me olharia a partir de agora, apenas carinho e admiração, nunca mais amor. Tentei sorrir assim que ele percebeu que meu olhar estava repousado sobre ele.
Os bailarinos se aproximaram e nesse momento começamos a dançar todos juntos, e eu não cantava, apenas um vocal de apoio ficava ao fundo, fazendo a ponte.
E quando a última frase da ponte foi cantada pelos back vocals, a coroa que estava em minha cabeça foi arrancada e jogada para a plateia. Que quase se matou para ver quem ficava com o objeto. Eu ri fraco por um tempo e logo voltei a cantar.

Oh, I don't know what you've been told
(Eu não sei o que te disseram)
But this gal right here's gonna rule the world
(Mas, essa garota aqui vai dominar o mundo)
Yeah, that is where I'm gonna be because I wanna be
(Sim, é lá que vou estar, porque eu quero estar)
No, I don't wanna sit still, look pretty
(Eu não quero ficar quieta, permanecer bonita)

Desci as escadas do palco e comecei a cantar no meio dos artistas. Taylor Swift dançou ao meu lado por alguns segundos, assim como Selena Gomez que estava logo na fileira de trás. Passei por outra fileira na qual meus outros amigos, da banda Why Don’t We estavam, e entrei no meio deles, dançando animadamente com os cinco.

Oh, I don't know what you've been told
(Eu não sei o que te disseram)
But this gal right here's gonna rule the world
(Mas, essa garota aqui vai dominar o mundo)
Yeah, that is where I'm gonna be because I wanna be
(Sim, é lá que vou estar, porque eu quero estar)
No, I don't wanna sit still, look pretty
(Eu não quero ficar quieta, permanecer bonita

Desci o corredor novamente e na última frase da música, me sentei na cadeira que estava reservada para mim ao lado de Zayn e o encarei.

I don't wanna sit still, look pretty
(Eu não quero ficar quieta, permanecer bonita)

Olhei para a câmera a encarando e dando uma piscada logo em seguida, finalizando ali mais uma performance.


Capítulo 5

- , o seu EP não está vendendo o tanto quanto achamos que venderia. - Lana dizia preocupada ao telefone. - E você vem recebendo muitos hates nas redes sociais. Está sendo chamada de traidora e todo o resto relacionado a isso. - respirou fundo. - Onde você está agora?
- Acabei de chegar em casa, Lana. - suspirei. - Estava gravando uma chamada para aquele filme da Disney que está usando minhas músicas na trilha sonora e concorrendo ao Oscar. - falei. - Você deveria saber.
- Eu sabia que era hoje, mas não esperava que ficasse tanto tempo por lá. - ela comentou. - Enfim, precisamos conversar. Temos que arrumar um jeito de te fazer voltar a ser a queridinha da mídia.
- Lana, meu EP está com uma boa quantidade de streaming, meus números de seguidores estão subindo, eu estou bem e minha amizade com o Brandon sobrevive e isso que importa, não? - perguntei, enquanto jogava minha bolsa em cima da cama. - Eu acabei de terminar e não tenho um tempo de descanso. Porra, eu amava Aaron. Uma ou duas músicas não me farão superá-lo.
- Sim e não. - ela falou com apreensão da voz. - Eu sei disso tudo e como sua amiga, me importo. Mas, como sua empresária eu digo que você está ganhando números, mas está perdendo dinheiro, . - sua preocupação era notável. Me sentei no colchão e comecei a prestar um pouco mais de atenção em sua fala. - Muitas marcas querem quebrar contrato, algumas que estavam te procurando desistiram de fechar a parceria. Sabe por que? - murmurei uma onomatopeia e ela riu fraco. - Porque toda sua visibilidade está sendo negativa. - respirei fundo, sentindo meu ombro pesado. - Manipularam fotos suas e do Brandon naquele dia no hotel, para que parecessem se beijar e tem pessoas que estão acreditando. - coloquei a mão na testa.
- Tudo bem, Lana. - pigarreei. Eu sabia que se não cedesse, ela iria me fazer ceder de alguma forma. - O que quer que eu faça?
- Me encontre em meu escritório às sete, eu acho que tenho a solução para isso. - falou e eu concordei.
A ligação fora desligada e eu deitei sobre a cama, colocando o rosto no travesseiro e abafando um grito. A raiva que transitava por meu corpo, naquele momento, era capaz de me fazer matar um ser humano. Tentei utilizar um pouco das minhas aulas de Ioga para me concentrar e relaxar, mas nada parecia dar certo.
Evitei entrar nas redes sociais até que encontrasse com Lana e ela, finalmente, me dissesse o que fazer.

***

O caminho até o escritório de Lana era longo, mas dessa vez pareceu ainda mais longo pelo simples fato de que eu estava nervosa para um caralho. Na rádio tocava algumas músicas já conhecidas por mim e que me distraíram um pouco até pararmos em frente ao prédio onde encontraria minha empresária.
Desci do carro, agradecendo ao motorista que tinha me levado até lá e fiquei por alguns segundos encarando a frente espelhada da construção, mas, no mesmo momento que fui abordada por uma fã para uma foto, eu percebi que talvez não fosse tão seguro continuar do lado de fora.
Fiz uma selfie com a menina de cabelos ruivos e autografei um caderno, logo depois disso ela me deu um abraço apertado e disse que me amaria não importava o que eu fizesse.
Senti o meu coração aquecer, mas só então percebi a responsabilidade que tinha sobre a vida de muitos jovens no mundo inteiro. Eu realmente precisava consertar aquela situação o mais rápido possível.
Entrei no prédio e a recepcionista abriu um sorriso simpático, e como já me conhecia, permitiu minha entrada. Provavelmente, Lana também tivesse a avisado sobre minha chegada. Corri para pegar o elevador que estava parado no térreo e graças às minhas pernas muito acostumadas a correr e dançar, cheguei rápido e consegui entrar na cabine. Alguns executivos estavam ao meu lado e se destacavam totalmente de mim, já que todos usavam terno e gravata e eu usava uma saia jeans de cós alto, com um cropped preto, um corta vento azul e um nike air branco.
Desci no nono andar e caminhei até a sala novecentos e cinquenta. Bati duas vezes na porta e fui atendida por Marcine, a secretária de Lana, que me permitiu entrar e avisou que a mulher já me esperava na sala de reuniões.
- Lana? - falei, ao entrar pela porta de vidro e não ver ninguém.
- Estou aqui na sala de imagens, pegando o data show. - ela falou e eu concordei, me sentando em qualquer uma das cadeiras.
- Mas, pra que isso? - perguntei, assim que ela saiu da salinha com o aparelho em mãos.
- Teremos mais pessoas na reunião. - ela disse e meu semblante rapidamente tomou a forma de dúvida. No exato momento, entrou pela porta, com uma feição culpada, me encarando como quem não gostava do que estava prestes a acontecer, mas que precisaria acontecer de qualquer forma. - Que bom que chegou, . Onde estão nossos convidados?
- Subindo. - ela disse, e logo se aproximou, me abraçando e aproveitando para sussurrar algo em meu ouvido. - Aceite tudo que ela disser, será melhor para você, não relute. Por mais que você queira. - ela suspirou. - E eu sei que vai querer.
Suas palavras foram seguidas pelo barulho da porta abrindo e uma pessoa entrando. Eu a reconhecia, Sarah Stennett, ex-empresária de Iggy Azalea e atual empresária do meu pior inimigo. Foi quando, por alguns segundos, a ficha caiu e eu percebi quem entraria logo depois dela.
- Olá, Sarah. Olá, Zayn. - Lana disse, animada. - Sejam bem-vindos. - Sarah sorriu, tão animada quanto minha empresária. E pelo visto apenas elas estavam daquela forma, pois eu, e Zayn estávamos com a pior cara que você poderia imaginar. - Sentem-se, vamos começar a reunião. - ambos sentaram-se e Lana se manteve de pé, em frente a tela onde seriam projetadas as imagens. Ligou rapidamente o data show, que logo revelou uma quantidade absurda de tweets maldosos sobre mim. - Bom, como vocês já sabem, a carreira de está por um fio por conta das acusações falsas sobre ela ter traído o Aaron, seu ex. - ela passou uma foto e uma das edições onde parecia que eu beijava Brandon apareceu. Logo ela apertou o botão do controle novamente e alguns tweets sobre Zayn apareceram. - E, não sei se é do seu conhecimento, . - ela olhou para mim. - Mas, Malik tem sofrido muitos hates ultimamente depois do seu, também recente, término.
- Talvez eu saiba o motivo do término. - cochichei e pude ouvir uma risada fraca vindo de , que por baixo da mesa ofereceu uma das mãos para um high-five.
- Continuando. - me olhou com repreensão e passou a imagem novamente, mostrando algumas fotos de Zayn tiradas por paparazzis. - A carreira dos dois está por um fio, mas, sabe o que o público amou? - ela perguntou e nós negamos com a cabeça. Então, mais uma foto foi passada, e logo surgiu na tela o frame da última frase da música que cantei na última premiação, no qual eu olhava fixamente para Zayn e cantava. Meu coração acelerou, talvez eu soubesse onde aquilo chegaria, e não era nada bom. - Vocês. - apontou para nós, e nos entreolhamos. Pela primeira vez não havia ódio no olhar, e sim desespero. - Por isso, o que vamos sugerir, não é bem uma sugestão. - a mulher riu e foi acompanhada por Sarah. - Ou vocês fazem, ou suas carreiras vão pro lixo. - engoli seco. - Vocês vão começar a namorar.
- O QUÊ? - eu e o britânico falamos juntos.
- Isso não pode acontecer, Lana. Nos mataremos na primeira oportunidade. - falei e o garoto concordou.
- Eu não me importo, porque sei que não farão isso. - mexeu em uma bolsa e tirou dois papéis. - Aqui estão os contratos. - colocou um na frente de cada. - Eles basicamente dizem que irão gravar uma música juntos, e faremos isso hoje. E lançaremos ela amanhã. - arregalei os olhos, assustada. - Depois disso, vocês começarão a ser vistos juntos por aí. E, no Oscar, vocês aparecerão como um casal pela primeira vez, já que a animação na qual a trabalhou ao lado dos estúdios Disney estará concorrendo, será uma ótima oportunidade. Serão apenas espectadores da cerimônia, mas o que importa para nós é o tapete vermelho. - começou a indicar os parágrafos nos quais aquilo estava sendo sinalizado. - Vocês terão um relacionamento de um ano, e logo depois poderão se ver livres um do outro para sempre.
- Mas, o Oscar é daqui um mês. - Zayn comentou.
- O amor não tem tempo. - Lana falou, nos apressando para assinarmos o papel, e assim fizemos. - Agora que assinaram, vou no estúdio ver se está tudo certo, pois gravaremos a música em meia hora. - ela pegou dois IPods dentro da bolsa e nos entregou. - Ouçam a demo, o nome dela é Wrong e eu quero que fique perfeita. - sorriu. - Agora, eu e Sarah vamos sair. - falou. - , vem comigo.
A minha amiga encarou Lana e logo voltou o olhar para nós, com um semblante assustado.
- Eles precisam aprender a ficar um tempo juntos sem se matarem. - a mulher falou e minha amiga olhou para mim como quem pedisse desculpas por aquilo.
Elas saíram da sala e o silêncio total se instalou no ambiente, se aquilo se mantivesse daquela forma, talvez não seria tão difícil conviver com Zayn. Mas, aquele pensamento foi refutado no mesmo momento que o garoto abriu a boca para falar.
- Acho que podemos fazer isso acontecer. - ele falou. - Aqui diz que não precisamos nos beijar. - apontou para o papel. - Apenas abraços e carícias em locais públicos, e mãos dadas na rua.
- E se eu disser que não quero que tenha contato algum? - cruzei os braços e me joguei minhas costas para trás.
- Você já assinou, bonitinha. - sua voz saiu esganiçada e eu tive vontade de socar o rosto dele. - Agora você é minha namorada, olha só que coisa incrível. - o seu tom de deboche era notável.
- Que fique claro: eu não te abraçarei e você nunca mais me chamará de bonitinha. - levantei, com raiva. - Ou então eu acabo com tudo isso. - falei pausadamente. - Porque seria um prazer te ver afundando, Zayn Malik. - apontei para seu rosto.
- Eu te odeio. - ele falou.
- O prazer é todo meu. - saí da sala, caminhando em direção ao estúdio.


Capítulo 6

- Eu não acredito que você aceitou isso, . - Brandon falava do outro lado da tela e eu rolava os olhos, concordando. - Porém, eu odeio dizer isso. - ele deu uma pausa dramática digna de trilha sonora como acompanhamento. - Eu amei a música. - fez uma cara de culpado e eu bufei.
- Eu sei, ficou perfeita. - eu odiava admitir, mas era verdade. Nossa música juntos tinha ficado incrível. As vozes conversaram perfeitamente e harmonizaram de forma incrível. - Eu odeio ter que odiar o Zayn mas amar a voz dele. - grunhi e Brandon riu.
- Quem mais sabe disso? - perguntou.
- e as meninas. Mas, pelo contrato ninguém deveria saber. - ri e logo depois dei de ombros. - Mas, eu não me importo.
- E está dando certo? - ele mastigava algo.
- Até o momento a mídia só tem falado bem da música e esqueceram um pouco das polêmicas, vamos ver no que vai dar. - ri fraco e olhei para o relógio do celular, checando a hora. - Bran, preciso ir. Tenho um encontro com meu namorado. - quase vomitei ao pronunciar aquela palavra.
- Use camisinha. - ele brincou e desligou logo antes de eu poder xingá-lo.
De acordo com o contrato, eu e Zayn deveríamos fazer algumas aparições em pequenos encontros. Como o garoto estava em Miami durante o fim de semana, aproveitamos para ir à uma sorveteria. Obviamente houve muita briga antes de decidirmos para qual lugar iríamos, já que Malik é cabeça dura e tudo que eu penso ele quer ir contra.
Me vesti adequadamente para situação, passei um pouco de maquiagem já que estávamos ali exatamente para sermos iscas de paparazzi. Nosso objetivo era sermos vistos juntos. Um vestido florido de fundo laranja e que ia até metade da coxa tomava conta de meu corpo, junto com uma rasteirinha em cores quentes. Meu cabelo estava solto e eu levava uma presilha só para caso eu sentisse calor e precisasse prendê-lo.
Assim que ouvi a buzina do carro de Zayn, peguei minha bolsa e saí para encontrá-lo. Erick e Joel estavam descendo do carro do mexicano quando que eu saí pela porta.
- Ei, . - eles acenaram. - LIV mais tarde? - Joel perguntou e eu ri.
- Vocês estão muito baladeiros. - falei. - Assim a vai ficar com ciúmes Joelito. - brinquei.
- Águas passadas, Herron. - gritou e logo entrou na casa, enquanto ria. Abri a porta do carona e Zayn tinha o semblante fechado, eu sabia que, assim como eu, ele não queria estar ali.
Entrei sem falar uma palavra e assim continuamos até chegarmos ao local combinado. Eu tinha planejado com e , já que ambas tinham um fã clube falso, que criaram para descobrir o que falavam sobre mim por aí, de vazar a informação de que eu e Zayn estávamos juntos em uma sorveteria próxima à praia.
- Você sabe que não podemos ficar nesse silêncio durante o falso encontro, não? - perguntei.
- Então fique em silêncio agora, quanto menos eu escutar sua voz, melhor será meu dia. - ele virou para mim, com um sorriso forçado.
- Isso vai ser impossível. - sussurrei, bufando logo em seguida.
O silêncio se manteve e eu agradeci aos céus assim que chegamos na sorveteria. Não era um local muito frequentado, porque tudo era muito caro e eu sempre achei isso um absurdo. Como poderiam vender sorvete a um preço absurdo desses. Mas, era lá que marcamos.
- Tente ser simpático comigo em frente as pessoas. - disse, ríspida. - Não temos que enganar só a mídia, tem que ser todo mundo.
- Eu digo o mesmo para você. - ele respirou fundo e colocou a testa no volante. Murmurou algo inaudível e logo virou seu corpo para mim. - Vamos, me xingue de tudo que quiser agora, para não me xingar lá dentro. - apontou para a conveniência. - Estou tentando ser legal com você. - levantou uma das sobrancelhas.
- Vá se fuder, Zayn. - praguejei e saí do carro, já tendo alguns olhares curiosos sobre mim. Logo depois, Malik saiu e trancou o Mustang.
Eu caminhei em frente, e o britânico veio logo atrás. Ainda não daríamos as mãos, não estávamos oficialmente namorando. Assim que entrei na sorveteria, a garota no caixa abriu um sorriso enorme e aparentou ficar animada. Aquilo era ótimo, ela era uma fã e provavelmente espalharia nossa localização.
Me aproximei do caixa e sorri para a garota, que por pouco não desmaiou.
- Boa tarde. - falei. - Eu vou querer um Sundae de morango. - a menina anotou no computador.
- Mais algo? - perguntou, simpática.
- Ei, Z. - o chamei, tentando parecer o mais amiga possível. Ele, que mexia no celular, apenas levantou o olhar para mim. Eu sabia que aquele olhar poderia matar qualquer pessoa, mas eu nutria um ódio tão verdadeiro por aquele homem, que a única coisa que eu verdadeiramente queria era matá-lo. - Você vai querer o que? - O meu pode ser um Sundae de chocolate. - sorriu. Mas ele estava sorrindo para mim ou para atendente?
- Ok. Vocês estão juntos? - era claro que estávamos, e que ela não fazia aquela pergunta a todos os clientes. A garota queria saber se realmente estávamos juntos.
- Sim. - falei, sucinta. - Vamos sentar ali, na janela. Ok? - falei e ela concordou.
Eu e Zayn caminhamos lentamente até a mesa que escolhi, o rapaz olhava para a paisagem e não prestava muita atenção em mim. Eu dava graças à Deus porque a cada movimento dele, era uma vontade diferente de voar em sua jugular.
Observei o ambiente com calma, voltando novamente meu olhar para a menina do caixa. Percebi que ela tinha o celular em mãos e digitava algo. Eu poderia apostar todo dinheiro do mundo que ela estava enviando para alguém a seguinte mensagem: Herron e Zayn estão aqui. E estão JUNTOS.” Sorri ao ver a cena, estava dando certo. Adeus rumores ruins.
- Zayn, eu sei que você não quer conversar. - sussurrei. - Mas, a garota que nos atendeu está no telefone e eu aposto que daqui alguns segundos ela vai tentar tirar uma foto nossa disfarçadamente. - o rapaz virou seu olhar para a menina e meneou em concordância.
- O que fazemos? - perguntou.
- Não sei, converse comigo sobre qualquer coisa. - falei, gesticulando. - Pode falar o quanto você odiou a minha performance do People’s Choice, contanto que você fale baixo. - indiquei e ele concordou.
- Eu não odiei. - assim que ele falou, minha cara de espanto foi notória. - Ficou surpresa? - balancei a cabeça, concordando. - Pois eu estava mentindo, é óbvio que odiei. - ele riu. - Você tinha que ver sua cara. - ele continuou rindo, e eu bufei. Quem nos visse de fora, claramente diria que éramos um casal no meio de uma brincadeira boba. - Você está com essa cara até agora. Olha só. - ele puxou o celular do bolso e capturou uma foto minha. Agora sim a garota estava indo a loucura, aquilo era coisa de casal. Com certeza era.
Me mostrou a foto e eu me segurei para manter a pose e não rir. Eu realmente estava com uma feição engraçada.
- Eu acho que você deveria postar isso no seu Instagram. - comentei e ele franziu o cenho. - Sério, coloca no story com alguma legenda tipo: “companhia dessa tarde”. Não sei. - ele torceu o lábio e eu suspirei. - Malik, eu não quero isso tanto quanto você, mas se temos que enganar, temos que enganar de verdade. - sussurrei e ele concordou, completando a ação e publicando a foto. Eu fiz o mesmo, pegando meu celular e tirando uma foto na qual ele estava distraído, olhando para a janela, enquanto observava alguns paparazzi se aproximarem na loja. Coloquei em minha rede social com a legenda “esse idiota fica bonito até do avesso.”. Eu sei que ele veria, e talvez me zoaria com aquilo para o resto da vida, mas eu nunca iria assumir que aquele era meu real pensamento sobre ele.
- Temos paparazzis por aqui. - apontou para janela. Um garçom se aproximou com nossos sorvetes e colocou em cima da mesa. - Obrigado. - ele sorriu para o menino, que logo saiu. - Hora do show. - ele falou para mim.
Nós engatamos uma conversa sobre a única coisa que poderíamos discutir sem finalizar em uma briga: música. Nós tínhamos gostos parecidos e até que foi divertido conversar com ele sobre aquilo. Pelo menos em algum aspecto ele não era tão chato.
O número de fotógrafos aumentava, então precisei entrar em contato com Mike para que ele nos encontrasse.
- Parece que ficaremos por aqui mais um pouco. - ele falou, um tanto chateado. - Ei, quer um pouco do meu sorvete? Sério está muito bom. - apontou para a taça de vidro em sua frente e eu dei de ombros. Ele colocou um pouco em sua colher e levou em minha direção. - Experimenta, garota. Não está envenenado. - ele riu fraco e eu abri a boca. Aquela cena era perfeita para nosso plano, e talvez ele tenha a simulado por esse exato motivo. Mas, por alguns segundos eu acreditei que era verdade.
- Está realmente bom. - comentei de boca cheia e ele gargalhou fraco.
Alguns minutos se passaram e eu percebi que poderia aguentar Zayn, mas não todos os dias.
Mike entrou no local e logo foi pagar a conta, mesmo que eu tivesse o impedido disso.
- Precisamos ir. - ele falou e eu concordei. - Sr. Malik, você vai na frente, trouxe Carlos para me ajudar aqui. - apontou para o outro armário que estava do lado de fora do recinto. - Srta. Herron, vem comigo.

***

Quando cheguei em casa, a primeira coisa pela qual pesquisei foram nossos nomes em todas as redes, achando alguns tweets.
@z1dlnlh: inveja eu tenho é da Herron que recebe sorvete do Zayn na boca. De você eu tenho pena. [foto anexada]
@herronpride: Amizade ou namoro? Zayn e foram vistos juntos nessa tarde, numa sorveteria de Miami.
@seaveydaniel: , como eu faço para ganhar sorvete do Zayn também?
Ri ao ver a pergunta de Daniel em meu perfil.
@.herron: Eu não sei qual é o segredo, mas eu posso te dar sorvete na boca se quiser. hahahahahahah
reply - @zayn: Você não me dá sorvete e quer dar para o Daniel?
reply - @.herron: Está com ciúmes, Malik?
E só aqueles dois tweets foram o suficiente para fazer com que nossos nomes fossem parar nos Trending Topics Mundiais. Estávamos conseguindo alcançar nosso objetivo com maestria.


Capítulo 7

Acordei as nove da manhã com uma gritaria vindo da sala de estar. Corri em direção às vozes e percebi que e Joel estavam no meio de uma briga que era separada por e Erick, já que decidiu se engraçar com Richard na última noite.
- Você não tem o direito de falar isso, . - Joel falava, ele tinha um tom mais calmo que o de minha amiga.
- Claro que tenho, Pimentel! - ela jogou as mãos para cima, em desistência. - Sabe por que eu terminei com você? - ele ficou em silêncio, assim como todos nós. - Porque eu não aguentava ficar longe durante tanto tempo, para chegar aqui e ter que discutir com você! - ela falou, deixando uma lágrima escorrer pelo seu rosto. - Mas, eu não suporto o fato de que eu ainda te amo. - ela gritou. - Que merda, é tão difícil entender isso?
O rosto de Joel ficou paralisado na mesma feição surpresa durante alguns segundos. Erick olhava para mim e para como quem pedia por explicações para tudo aquilo. Óbvio que nós sabíamos que eles namoraram, e ficaram juntos durante dois anos, desde minha chegada em Miami. Mas, nunca fora revelado para nós o motivo e nem quem tinha chegado com a ideia da separação. E ter vindo de foi uma surpresa para todos.
- Acho que vocês deveriam conversar. - interrompi o silêncio. Eles se encararam e depois olharam para mim. - Vocês sabem que precisam. - me aproximei dos dois, os segurando pelos ombros. - Mas, vocês vão se resolver lá na casa do Joel. - os acompanhei até a porta. - Eu amo muito vocês. Cansei de vê-los fingindo ser amiguinhos, sofrendo sozinhos e depois brigando. Deixem de ser crianças e se resolvam. Quero sossego em meu dia de folga.
- Pois não terá. - o sotaque britânico soou e se eu tivesse uma arma naquele momento, eu juro que atiraria na primeira pessoa em minha frente, nele mesmo: Zayn. - Vim te fazer companhia, porque me disse que tem uma sessão de fotos para fazer hoje e você vai ficar sozinha.
Olhei para meus amigos, que entenderam o recado e logo foram em direção à casa de Joel para resolverem as pendências do antigo relacionamento.
- Zayn, você sabe que nessa casa tem facas, né? - apontei para dentro. - E que nós dois num ambiente com objetos cortantes não seria uma boa ideia. - falei e ele riu fraco.
- Eu ainda te odeio mas vim com um voto de paz. - ele disse e eu franzi as sobrancelhas. - , eu percebi que precisaremos ficar um ano inteiro nos aturando, melhor que pelo menos trabalhemos com a política da boa vizinhança. - sorriu fraco.
- Eu odeio admitir, mas você está certo. - falei baixo e ele aproximou a orelha de mim. - Não me peça para repetir. - Zayn riu e eu apenas abri a porta para deixá-lo entrar. Erick e conversavam sobre a discussão que tinha acabado de acontecer enquanto a garota arrumava seus equipamentos em uma mochila.
Assim que entramos, eles se despediram de nós e saíram correndo pela porta da frente. Talvez eles não quisessem ter que aparatar outra briga apenas essa manhã.
Entreguei o controle da televisão para Malik, que estava zapeando entre alguns filmes na Netflix enquanto eu olhava para teto, pensando em nada.
Um barulho diferente tomou conta do ambiente, o que arrancou risadas minhas e de Zayn.
- Isso foi seu estômago? - ele perguntou, ainda rindo.
- Acordei agora, não tomei café. - falei. - Sem julgamentos.
- Então, vamos fazer seu café. - ele sugeriu e eu o olhei com uma feição engraçada. - O que? Não acredita que eu posso ser um cozinheiro incrível? - perguntou, se levantando e estendendo a mão para mim. - Estou tentando ser legal aqui, . Você precisa colaborar. - eu o olhava com repressão. - Política da boa vizinhança, lembra?
- Tudo bem! - me rendi ao jogo sujo de Zayn. - Só não vou segurar na sua mão. - falei, me levantando sem sua ajuda e ele concordou, levando a mão novamente para o bolso.
- Faremos a maior iguaria desta terra. - ele disse e meu estômago roncou novamente - Ovo mexido com pão na chapa. - beijou a ponta dos dedos e eu levei a mão à testa, o que eu estava fazendo da minha vida para merecer aquilo?

***

O dia passou voando e durante a manhã eu e Zayn devemos ter assistido cerca de cinco filmes. Podíamos ter maratonado alguma saga? Sim! Fazemos isso? Se você considera todos os filmes do Shrek e depois alguns filmes da pixar uma maratona, eu acho que sim.
Ele estava deitado em um sofá, enquanto eu estava em outro. Em um dos momentos eu acabei caindo no sono e dormindo ali mesmo. Logo que acordei, vi que uma notificação de marcação no storie tinha chegado para mim.

@zayn: essa menina fica linda até do avesso. Parece um anjinho dormindo.

Eu ri fraco ao ver a menção, e apenas repostei.
- Não acha que isso já vai fazer o pessoal tirarem conclusões precipitadas? - perguntei, bocejando e ele se ajeitou na poltrona.
- Temos que implantar pistas. O Oscar está chegando. - ele falou e puxou sua mochila para perto. - Por isso. - a abriu e tirou de dentro dela uma camisa branca com detalhes em preto. - Fiz questão de ser fotografado com essa camisa ontem, e hoje vou deixar ela com você. - deixou a blusa em cima da mesa de centro. - Use-a para sair amanhã, se quiser.
Me levantei e caminhei até a mesa, para pegar a roupa. O tecido era macio, e o forte perfume de Zayn era tão característico que eu saberia a quilômetros que ele está por perto.
Não que eu fique prestando atenção em seu cheiro, mas certamente ele usa muito perfume e talvez isso seja um defeito. Principalmente para as pessoas alérgicas.
- Tudo bem. - sorri fraco. - Usarei.
- Eu volto para Miami em uma semana. - ele falou e eu concordei. - Tem uma festa para ir, você gostaria de ir comigo? - perguntou, realmente interessado em saber minha vontade.
- Talvez. Posso pensar? - perguntei, torcendo o lábio e ele sorriu, concordando.
- Preciso ir, tenho um voo amanhã de manhã. - ele falou e eu apenas concordei o levando até a porta. - Não queria admitir, mas foi legal passar o dia com você. - nossa despedida foi apenas um aperto de mãos, e aquilo já era um passo enorme para nós dois.

***

Joel e ficaram a tarde toda juntos, o que me fez chegar à conclusão de que tinham se resolvido. Eu estava prestes a mandar uma mensagem para minha amiga, mas fui surpreendida ao ver uma foto dos dois no Instagram do rapaz, com a legenda que dizia: "Lar é o lugar para qual retornamos, sempre. Lar é onde o coração está."
Um misto de animação e borboletas no estômago tomaram conta de mim. Eu sempre amei a dinâmica dos dois e esperava, de verdade, que dessa vez desse certo.
Fui para o Twitter e comecei a rolar o feed, alguns prints com reações ao retorno de e Joel, e claro, muitas menções a mim e Zayn.

@herronheatpm: @brandon_arreaga o que você está achando do suposto casal e Zayn?
reply- @brandon_arreaga: @herronheartpm . eu apoio a felicidade de minha melhor amiga.
reply- @.herron: @brandon_arreaga @herronheartpm eu ficava feliz quando você aparecia aqui com pizza e sorvete. Vou ter que te trocar pelo Zion.
Eu adorava o furdunço que acontecia nas redes sociais por conta de toda aquelas interações.

Zayn
Estou embarcando. Não esqueça da camisa.

Separada para usar na reunião amanhã.


Zayn
Boa.

Boa viagem.


Zayn
Valeu ;)


Capítulo 8

Eu odiava admitir, mas Zayn estava certo. Usar aquela blusa dele trouxe um buzz enorme para toda nossa história. Faltava uma semana e meia para o Oscar e estávamos nos saindo bem. Hoje era a tal festa para qual me convidou. Descobri que era de um ator e que o mesmo é conhecido de Aaron, fiquei um pouco desesperada de início, mas descobri que meu ex estava em Londres e não nos EUA, o que me deixou bem mais aliviada. Não estava preparada para vê-lo novamente, não neste momento.
Eu vestia um vestido preto de costas nuas e com a frente soltinha. Nos pés uma sandália de tiras da mesma cor. Uma maquiagem leve no rosto apenas com um marcante batom vermelho.
Logo que terminei de passar o babyliss em meu cabelo e soltar os cachos, a buzina de Zayn soou. Corri até a porta, passando pelas meninas na sala e avisando que chegaria tarde. Elas apenas concordaram, já que estavam distraídas o suficiente no jogo de tabuleiro que jogavam com o CNCO.
- Ei. - Zayn disse assim que eu saí de casa. Ele estava com uma blusa preta de botões, e uma calça da mesma cor, parecia que tínhamos combinado. - Vamos? - sorri fraco. Não sei por que, por um instante, esperei que ele fosse me elogiar. Mas, ele não era obrigado, afinal, aquilo ali era apenas um teatro e nós combinamos que tentaríamos ser legais um com o outro, mesmo que seja quase impossível.
- Vamos! - falei, e entrei no carro assim como ele.
O caminho fora silencioso em palavras, mas cheio de melodias. As mais pedidas da semana tocavam na rádio e nós cantávamos algumas delas em um tom bem audível. Foi quando o locutor disse que Wrong tocaria e eu e Zayn praticamente surtamos, como se aquela fosse nossa primeira música que tocasse na rádio. Sabíamos que não era, mas mesmo assim, vibramos fortemente.
Paramos em frente à casa de Tom, o amigo de Zayn, e também de Aaron. A casa era toda em mármore branco, parecia uma grande estátua. Havia colunas que sustentavam a entrada, dando um ar grego à arquitetura, que eu, particularmente achei exagerada. Mas, o dinheiro é do cara e ele gasta com o que bem deseja.
- . - Malik abaixou o volume do rádio. O carro já estava parado. - Precisamos usar nossos melhores dotes de atores nesse momento. - ele disse. - Esse pessoal é da mídia, alguns já estiveram em relacionamentos falsos. - enquanto ele dizia, eu já sabia onde iria chegar. - A gente pode convencê-los de que somos reais. - suspirou. - Tá comigo nessa? - estendeu a mão.
- Desde que assinei o contrato, Malik. - unimos as palmas em um aperto de mão.
- Então vamos! - saiu do carro de maneira animada, e logo veio em direção a porta que estava ai meu lado. - Permissão para caminhamos de mãos dadas?
- Permissão concedida. - ri por um instante e nossas mãos se uniram. Eu ainda tinha raiva do garoto, mas de alguma forma, estava mais fácil conviver com ele do que antes.
Não entrelaçamos dedos ou nada do tipo, apenas ficamos de mãos dadas e caminhamos até a porta de entrada. Eu nunca fui de aparecer nessas festas, mas era algo meu, porque eu realmente não gostava. Mas, desde que tem minha assinatura em um papel que promete não deixar minha carreira ir pro ralo com esse relacionamento, eu preciso ir para esse tipo de lugar.
Logo que Tom abriu a porta, puxou Zayn para um abraço saudoso e logo olhou para mim com um grande sorriso. Seus olhos eram azuis como o oceano e sua pele branca como papel. Ele era o tipo padrão de cara que encontrava em qualquer premiação, mas era bonito mesmo assim.
Assim que entramos, uma música eletrônica desconhecida por mim, soava no ambiente. Algumas pessoas dançavam em um local mais centralizado. Zayn apertou minha mão com força e me olhou, pedindo para que eu tentasse me enturmar.
Nos sentamos em um sofá e não conversamos nada durante alguns minutos, já que Malik engatava uma conversa animada com um de seus amigos.
- Z, vou pegar algo para beber. - sussurrei e ele concordou.
- Pega algo sem álcool para mim. - sorriu. - Estou no volante. - deu uma piscadela e eu sorri fraco.
Fui até o bar improvisado e pedi um suco para Malik e um drink para mim. Sentei em um dos bancos altos que tinham ali e fiquei aguardando. Até que eu senti um toque em meu ombro e me virei rapidamente.
- Você só pode estar de brincadeira! - o loiro exclamou, dando um sorriso como só ele dava.
- Corbyn! - disse animada. - Por que nunca imaginei que te encontraria aqui?
- Não sei, mas aqui estou! - riu e me puxou para um abraço, que retribui com muito amor. - E você, por que está aqui? - ele perguntou e eu apontei para Zayn. Sua expressão no momento que fiz isso foi icônica. - Uau, então estão mesmo juntos.
- Estamos saindo. - frizei. - Mas, se me permite citar sua banda, eu realmente não pertenço a esse lugar. - ri fraco, brincando com o nome de uma das músicas do Why Dont We.
- Pare com isso, logo você se encaixa. - ele falou. - Qualquer coisa, foge pro terraço. - piscou e sorriu. - Preciso ir encontrar a Christina agora, eu te ligo essa semana para fazermos algo. - depositou um beijo estalado em meu rosto e saiu rapidamente.
Alguns segundos depois as bebidas chegaram e eu segurei os copos, agradecendo ao barman. Voltei para o sofá onde estava sentada ao lado de Zayn e entreguei o suco a ele, que apenas sussurrou um "obrigado" e voltou para a conversa que tinha com o rapaz.
Pensei que se eu fosse dar uma volta e ficasse um pouco no terraço, ele não notaria. E isso realmente aconteceu. Sai de seu lado e subi as escadas, indo para o terceiro andar da casa.
Deitei em uma espreguiçadeira que tinha ali e comecei a observar as estrelas. Fazia um pouco de frio, mas eu não me importava. A vista estava incrível e aquilo era o suficiente.
- Você vai congelar aqui. - a voz de Zayn soou e eu apenas murmurei em resposta. - Você é sempre tão teimosa assim? - riu fraco, e quando olhei para o lado percebi que ele se aproximava, com uma manta em mãos. - Se cubra. Logo iremos embora.
- Podemos ficar, Zayn. - falei.
- Você não está confortável, no contrato não dizia nada sobre eu te obrigar a ir à lugares que não gosta. - me encarou e pela primeira vez eu percebi um olhar diferente sobre mim. Ele estava se preocupando?
Peguei a coberta em suas mãos e joguei em meu corpo. Ele se sentou em uma cadeira em frente à minha, sorrindo.
- Viu? Não foi tão difícil aceitar minha ajuda. - ele riu e eu concordei, rolando os olhos. - Me dê mais dez minutos e nós vamos embora. - assim que ele se levantou, eu estiquei a mão. - Diga.
- Vamos àquele cinema de rua que fica próximo à minha casa? - perguntei, torcendo o lábio. - Eles estão reprisando O Exterminador do Futuro. - sorri fraco.
- Se ainda estiver aberto. - deu de ombros e eu concordei. Eram apenas dez da noite, o cinema fechada uma da manhã, dava tempo. - Já volto. - saiu do local rapidamente e me deixou ali observando as estrelas.

***

Dentro do carro, a caminho de casa, Zayn ligou o rádio, como sempre fazia. Um sorriso surgiu no meu rosto assim que o locutor falou sobre meu novo EP e Sit Still, Look Pretty começou a tocar.
Eu dublava a música, enquanto olhava pela janela. Percebi, panoramicamente, que o garoto batia os dedos no volante conforme o ritmo da música. Eu pude jurar até que o ouvi cantar um pedaço dela, mas talvez estivesse delirando.
Pegamos a rua do cinema, onde passamos em frente ao mesmo e percebemos que tinha uma fila enorme na frente.
- O que acha de assistirmos O Exterminador do Futuro em casa? - ele perguntou e eu, pela primeira vez, concordei com ele sem antes pensar duas vezes.
- Tem algumas pessoas em casa, espero que não ligue. - falei.- Podemos assistir da sala de TV, qualquer coisa. - ele balançou a cabeça em concordância.
Chegamos em casa e o carro foi estacionado em minha garagem, já que eu insisti para o garoto passar a noite em um dos quartos de hóspedes ao invés de dirigir com sono. Ele relatou, mas por fim concordou.
Assim que entramos em casa, apenas estava lá. Provavelmente todos estavam na LIV, como sempre. Ela nos encarou com dúvida e eu apenas disse para ela relevar.
Entramos na sala de TV e eu comecei a zapear pelos filmes, procurando aquele que decidimos assistir.
- Me diz, . - ele estava sentado a duas cadeiras de mim. Virei meu rosto em sua direção. - Por que você começou a cantar? - perguntou e eu estranhei, por um momento. Ele realmente estava levando nossas conversas para o pessoal?
- Então, eu não sei exatamente o motivo. Pois canto desde pequena. - falei. - Mas, eu sempre senti que era algo que fazia com que me sentisse viva. - sorri e ele fez o mesmo, concordando com minha fala.
- Eu menti quando disse que odiei sua apresentação. - torceu os lábios e eu arregalou os olhos, fazendo-o rir. - Mais uma vez uma feição impagável! - gargalhou. - Eu admito que sua flexibilidade para cantar vários estilos e falar várias línguas me deixa encantado. - olhou para baixo. - Estou completamente viciado em seu EP. - meu queixo caiu. - Assumi! - jogou as mãos para o alto.
- É muita informação para alguns minutos. - brinquei. - Ah, Malik. Eu sempre fui fã de One Direction. - sorri fraco e o garoto fez o mesmo. - Quando descobri que você estava no mesmo hotel que eu, fiquei ansiosa para te conhecer. Mas, não foi exatamente como eu esperava. - dei de ombros.
- Sinto muito. - falou e eu apenas meneei a cabeça. Ele parecia esconder algo, pelo seu rosto eu via que ele estava incomodado. Mas, estávamos "juntos" há praticamente três semanas, quase um mês, e começamos a nos "dar bem" agora. Eu não queria forçar a barra para seu lado, assim como ele não forçava para o meu, ao evitar falar de meu antigo relacionamento.
Um silêncio constrangedor se instalou na sala por alguns instantes, até eu achar o filme na TV.
- Você acha que a gente realmente vai conseguir fazer isso? - olhou com preocupação para mim.
- Já estamos fazendo. - sorri sem mostrar os dentes e dei play no filme.


Capítulo 9


- Por que ele está com a gente, ? - perguntei.
- Eu estou ouvindo isso, Herron. - o garoto falou, cantarolando.
- Porque ele é meu melhor amigo e é a pessoa mais estilosa que eu conheço. - ela disse, enquanto caminhávamos pelo shopping.
- Mentiu. - falei e os dois me olharam em desaprovação. - Que foi? Você sabe que o Edwin só coloca qualquer coisa e está arrumado. - apontei pro garoto que deu de ombros e começou a rir, concordando comigo. - Era pra eu ter chamado o Joel.
- Mas não chamou. - ele falou, e entrelaçou o braço no meu. - Vamos logo experimentar uns vestidos para o Oscar. - afetou a voz e eu meneei em negação. O que fiz para merecer?
Caminhamos por algumas lojas, mas todos sabíamos onde meu vestido estava; Gucci. A marca era minha parceira de diversos tapetes vermelhos, e meu objetivo era ir ao shopping e passar direto na loja para pegar a roupa e ir embora. Mas, inventou de levar Edwin com ela e os dois não paravam de dar pitaco sobre os vestidos de outras marcas.
Quando finalmente entramos na loja da Gucci, a gerente se aproximou, já me reconhecendo e avisando que iria pegar o vestido.
Eu e meus amigos nos sentamos em um banco acolchoado que havia ali, apenas para esperar. Assim que a mulher desceu as escadas com uma capa preta em mãos, eu sabia que ali dentro estava o vestido que usaria na noite do dia seguinte. Ela me entregou e eu decidi que não abriria ali. As provas de tecido e medidas tinham sido feitas durante a semana e eu podia confiar totalmente neles, já que nunca erraram em nada.
Zayn avisou que chegaria na manhã do próximo dia para que nos arrumássemos e saíssemos juntos para a premiação.

***

Joel e invadiram meu quarto procurando pela cesta de piquenique que tínhamos, já que eles e as meninas decidiram fazer um durante a manhã de domingo. Eles corriam de um lado para o outro, bagunçando as coisas e jogando minhas roupas para o alto. Definitivamente, mais um final de semana normal na nossa casa.
Assim que acharam, vieram até mim e depositaram beijos em meu rosto, desejando um bom dia. Saíram do quarto e eu finalmente pude despertar com calma. Estiquei cada membro do meu corpo e me sentei na cama. Precisava levantar, tomar café e me preparar para receber a equipe de figurino, cabelo e maquiagem.
iria ao Oscar comigo no lugar de Lana, mas como ela estaria à trabalho, não convidou ninguém para ir com ela. Por mais que eu soubesse o quanto ela queria convidar Richard.
A campainha tocou e eu esperava que fosse Zayn, já que ele avisou que chegaria pela manhã, mas era Brandon e Maggie.
- Bom dia, amore mio. - o garoto falou, abrindo os braços. - Caiu da cama?
- Joel e me acordaram por causa de uma cesta de piquenique. - falei, coçando o olho. - Entrem. - abri a porta e dei passagem.
- Bom dia, amiga. - Maggie falou e me deu um abraço.
- Bom dia. - sussurrei. - Fiquem à vontade. ainda está dormindo e daqui a pouco a equipe vem começar a me arrumar para o Oscar, então.
- Então, continuaremos aqui porque farei questão de ver isso tudo. - Brandon falou, colocando a mão no peito. - Que orgulho dessa garota. - se jogou no sofá e Maggie se sentou ao seu lado, encaixando a cabeça no ombro do namorado. Eles ligaram a televisão e começaram a assistir um programa aleatório que passava em algum canal de culinária. Enquanto eles descansavam, eu aproveitei para ir à cozinha e preparar um café. Meu celular rapidamente vibrou, enquanto eu caminhava até o outro cômodo.

Zayn
Estou aqui na frente!

Está aberta, pode entrar.


E no mesmo momento a porta se abriu, revelando Zayn com uma feição casada e dois sacos de papel em mãos.
- Trouxe café. - levantou as sacolas, sorrindo. - Bom dia.
- Bom dia. - sorri de volta e peguei as compras de suas mãos. - Brandon e Maggie estão na sala. Acho que você já os conhece. - ele concordou com a cabeça e caminhou até o cômodo onde meu melhor amigo e sua namorada estavam. Eles se cumprimentaram e logo engataram uma conversa animada.
Alguns minutos depois, quando coloquei em cima da mesa os donnuts e fatias de torta que Zayn trouxe, junto com o café que tinha feito, mais alguns ovos e bacons, pude ver descendo as escadas, enquanto coçava os olhos.
- Eu durmo, não tem ninguém. Acordo tem uma cabeçada aqui. - resmungou, apontando para sala. Eu não sabia ao certo se ela falava comigo, ou estava reclamando sozinha.
- É amiga de Edwin mesmo. - Arreaga falou, rindo. - Até acorda do mesmo jeito que ele. - segurei a gargalhada que estava entalada em minha garganta. - Bom dia, minha querida . - falou.
- Vá se fuder, Brandon. - levantou o dedo para o garoto. - Bom dia, Maggie, e Zayn. - terminou de descer as escadas e caminhou direto para a mesa, sentando-se para tomar seu café. Isso fez com que os outros também se levantassem e tomassem seus lugares para a refeição mais importante do dia.

***

Noite do Oscar

Engoli seco assim que o carro parou em frente ao tapete vermelho. Ajeitei meu vestido vinho, deixando a fenda bem solta para que mostrasse minha perna de maneira correta. Olhava para o lado de fora e as câmeras estavam apontadas para o tapete, apenas esperando as estrelas chegarem.
- Pronta? - Zayn perguntou, olhando para mim. Por um momento vi sua mão se mexer e pensei que ele iria unir à minha. Respirei fundo e concordei. - Precisamos fazer isso. - concluiu.
Como de praxe, um segurança abriu a porta do carro para nós. Saí primeiro, já percebendo a presença de alguns fãs. Olhei para dentro do carro, e logo saiu Zayn. Ele vestia um smoking preto, com alguns botões da camisa de baixo abertos. Seu cabelo estava penteado para trás e sua barba linda como sempre. Sorriu e acenou para os fãs, mordendo o lábio inferior e dando um sorriso em seguida.
Olhou para mim e estendeu sua mão, unindo-a a minha, e diferente das outras vezes, nós entrelaçamos os dedos. E apenas com aquele ato, uma onda de gritos se formou no local. Flashes por todos os lados.
, que havia chegado antes e nos encontrou no início do red carpet, sussurrou para nós que precisaríamos ser o mais reais possíveis, abraços, troca de olhares, carícias e tudo que estava no contrato. Concordamos e logo a produção do evento nos chamou para ir até o tapete.
Zayn ia na frente, segurando minha mão. A primeira pose foi simples, ele colocou a mão ao redor de minha cintura e nós olhamos para as câmeras. Seguimos em frente para a segunda pose, que foi uma troca de olhares entre nós. E naquele momento eu percebi em quantas cores os olhos de Malik se dividiam. Ele tinha aquele olhar penetrante, que parecia ler sua alma, e durante aquela fração de segundos, eu não me importei se ele realmente estivesse lendo a minha. Caminhamos para a terceira e última pose, no fim do tapete. Ele beijou minha testa e sussurrou um “estamos indo muito bem” e eu sorri para ele.
- Um beijo, por favor. - um dos fotógrafos gritou e os outros, ao ouvirem, começaram a concordar.
Zayn me encarou, nervoso. Aquilo não estava no contrato. Neguei levemente com a cabeça para os fotógrafos e eles começaram a reclamar e falar algumas besteiras. Malik então envolveu seu braço novamente em minha cintura e me puxou para perto. Nossos olhares se encontraram e eu respirei fundo. Ele não ia fazer isso. Ia?
- Desculpe, . - sussurrou e então tudo aconteceu em câmera lenta. Seu rosto se aproximou do meu, e nossos lábios se uniram. Um choque percorreu minha espinha e eu não sabia se aquele era um sentimento bom ou ruim. Não teve língua, foi apenas um selinho, mas de certa forma, depois que Zayn se afastou de mim, meus lábios pediam por mais.
Olhei para e a garota tinha o queixo caído.
- Podemos ir agora? - perguntei, falando baixo para Zayn, que ainda tinha o rosto perto do meu. Ele apenas meneou e nós seguimos em frente.


Capítulo 10


A noite passada ficava passando repetidamente em minha cabeça como um flashback. Zayn me beijou no tapete vermelho, depois fingiu que nada aconteceu e no momento estava dormindo no quarto de hóspedes.
Minha madrugada foi em claro, compondo uma nova música que surgiu exatamente depois de toda a situação do dia anterior. Eram sete da manhã e eu estava com o telefone pendurado na orelha, esperando Brandon atender.
- Alô. - a voz de sono do garoto entregou que o acordei.
- Bran, eu preciso de você. - falei e isso foi o suficiente para o tom do garoto mudar.
- Me dê quinze minutos e já estarei aí. - concluiu. - Me espere com café.
Depois de esperar um tempo, meu amigo apareceu em minha casa usando óculos escuros e com o cabelo por pentear. Seu olhar era de confusão e ele bocejava a cada dois minutos.
Caminhou em minha direção, deixando um beijo em minha testa. Estendi uma xícara de café para ele, que aceitou de bom grado e começou a bebericar o líquido.
- O que houve? - ele tossiu fraco e eu o olhei em súplica. - O beijo com o Zayn, né? - arqueou as sobrancelhas e eu meneei em concordância. - Ok, vamos para o estúdio.
Brandon sabia exatamente o que tinha acontecido, apenas de olhar para mim, de perceber meus trejeitos, ele sabia que eu estava começando a questionar se eu realmente odiava Malik. E, automaticamente, músicas surgiam em situações como essas e ele também sabia disso.
O garoto se sentou em frente à mesa do estúdio, enquanto eu entrava na cabine. Ele começou a mexer em alguns botões e abriu o macbook.
- Vamos, me mostre o que tem. - assenti e peguei o baixo que estava próximo à parede. - Um baixo? Já acho que vou gostar dessa aí! - ele riu e então me deu a deixa para começar a tocar e cantar. E assim eu fiz, era uma música com uma batida bem marcada e vocais simples, mas viciantes. Brandon balançava a cabeça no ritmo, e pelo que percebi, ele já montava a parte da bateria no programa do computador. Assim que acabei, ele respirou fundo e se levantou para bater palmas. - Vamos gravar isso agora. - ele falou. - Enquanto você cantava eu já gravei o take do baixo. Vamos começar!
Ficamos exatas duas horas gravando até finalizarmos a música.
- Pronta para ouvir o resultado final? - ele perguntou e então apertou o play.
Minha voz soou clara e seca de início, até que uma melodia começou a acompanhar. Brandon e eu balançávamos a cabeça conforme o ritmo.
Comecei a mexer meu corpo e me levei pela melodia. Brandon se juntou a mim e começamos a dançar animadamente.
O garoto me girava e logo depois fazia uns passos engraçados com os pés, que eu reproduzia com maestria. Decidi apoiar o celular na cadeira e filmar aquela aleatoriedade nossa.
Assim que começou a filmar o refrão veio e nós, sem mesmo pensar, começamos a montar uma coreografia. Nossos braços e pernas se movimentavam, fazíamos trocas de lugares, e claro, sempre dávamos muitas risadas.
Ele me entregou um microfone desligado e eu comecei a performance para a plateia imaginária, da mesma maneira que fazia aos sete anos de idade.
- Que música é essa? - perguntou, abrindo a porta do estúdio.
- É nova. Vem dançar com a gente. - fui em direção à minha amiga e a puxei para dentro. Sem pensar duas vezes ela se juntou a dança.
- Muito boa, . - ela falou alto. - A letra é bem chiclete! - apontou algo que era um fato.

***

Na tarde daquele dia, eu finalmente pude ter um momento de sossego. Todos foram embora para suas casas, teve um trabalho para fazer com uma marca, precisou acompanhar seu outro cliente, Abraham Mateo, em um evento e voltou para o trabalho.
Estava deitada no sofá, encarando o teto e procrastinando. As vezes era bom ter um tempo para ficar na preguiça. Eu trabalhava muito, todos os dias, raramente estava em casa e poder fazer isso era como uma vitória para mim. Lana, Rodrigo, Jones e , já estavam fechando as datas da nova turnê e em breve eu começaria os ensaios, o que me deixaria ocupada e sem tempo para fazer qualquer coisa que não fosse ficar num estúdio de dança ensaiando as performances.
No meio dos devaneios, me peguei pensando em Zayn e no contato que tivemos no Oscar.
Durante a premiação não nos falamos muito, mas trocávamos alguns olhares. Esses, diferentes dos que trocávamos antes. ficou conosco durante toda a cerimônia, o que fez com que o clima não ficasse tão pesado.
Mas, o que me deixava com uma pulga atrás da orelha, foi a maneira que Malik agiu depois disso tudo. Ele continuou como se nada tivesse acontecido, como se não tivéssemos acabado de nos beijar em rede internacional.
Imaginei que eu pudesse estar exagerando naqueles pensamentos, já que aquilo era puramente publicitário e nada além.
Respirei fundo e balancei a cabeça, rapidamente expulsando esses devaneios.
Meu celular tocou em cima da mesa de centro, e eu me estiquei para pegar. O coração gelou no momento que vi o nome na tela.
- Oi. - a voz já conhecida por mim soou, fazendo meu estômago revirar. - Te liguei para saber como está.
- Eu estou bem, Aaron. - engoli seco. - Engraçado você me ligar depois de quase um mês e meio do nosso término. - ri fraco.
- Vi que você seguiu em frente. - seu tom era debochado. - Parabéns ao novo casal. - riu fraco. - Ainda achei que seria Brandon.
- Seu problema é com o Bran? - tentava manter a calma para não aumentar o tom de voz. - Nunca achei que você fosse esse tipo de pessoa, Aaron. - ri, incrédula. - Eu esperava mais de você, sempre esperei. - suspirei. - Tanto que quando você terminou, eu, na verdade, esperava por um pedido de casamento. - pausei para tomar fôlego, já que falava rapidamente. - Mas, você fez totalmente o contrário, e mesmo já estando com outra pessoa, isso é algo que me pergunto todos os dias. - funguei. - Por que você terminou? Qual foi o real motivo para isso ter acontecido?
- Eu te falei no dia. - ele comentou.
- Mas, aquilo nunca fará sentido para mim. - ri. - Estávamos tão bem, no auge do nosso relacionamento. Então, do nada, você chega e diz que não sente mais o mesmo? - tossi. - Isso não está certo. E eu vou descobrir o verdadeiro motivo. - falei.
- Esse foi o verdadeiro motivo. - ele disse.
- Eu sei que não. Você nunca conseguiu mentir para mim, Aaron. - bufei. - E não vai ser dessa vez que vai conseguir. - desliguei a ligação, não poderia me render aquilo novamente. Eu mal tive tempo para ter um momento de luto, porque tudo aconteceu tão rápido: Eu terminei, Perez Hilton soltou a notícia, meu nome começou a ser associado à coisas ruins, Lana surgiu com o relacionamento falso, eu e Zayn começamos a sair, nos beijamos no Oscar, compus uma música sobre isso… Minha mente estava uma bagunça. Eu precisava de um descanso.
Era isso! No dia seguinte ligaria para Lana e pediria, ao menos, um fim de semana de férias. Longe de tudo e todos. Sem redes sociais e sem câmeras. Só eu, uma rede e uma água de coco.
É, aquilo seria interessante.


Capítulo 11

Depois de muito implorar, Lana e aceitaram me dar um fim de semana de "férias". Seria de sexta à domingo e eu teria que deixar o celular com elas, já que aquilo foi uma das minhas exigências. Porém, como nem tudo são flores, minha empresária pediu, ou melhor, mandou que Zayn me acompanhasse.
Eu e ele tentamos conversar com a mulher para fazer algum tipo de negociação, mas ela não mudou sua opinião; nós iríamos juntos e aquela seria mais uma oportunidade para começarmos a nos entender. Lana sabia que se continuássemos naquela de sair juntos mas não olharmos para cara um do outro, ou ao menos conversarmos, todo o plano iria por água abaixo e nossos nomes começariam a ficar mal falados novamente.
Então, depois do esporro, eu e Zayn estávamos em meu jatinho a caminho de Maui, no Havaí.
- Eu fiquei sabendo que tem umas atividades legais no resort que ficaremos. - comentei, tentando puxar assunto com o britânico que estava na poltrona em frente à minha.
- Eu pretendo não sair do quarto. - falou, ríspido. - Aliás, temos que definir como faremos para dormir na mesma cama. - me olhou. - Não vou dormir no chão.
- Justo. - sorri fraco. - Acho que podemos separar nossos corpos com travesseiros, ou algo do tipo. - sugeri e ele meneou em concordância, talvez aquela realmente fosse a melhor opção.
Lana tinha nos avisado que iríamos ficar no mesmo quarto, já que midiaticamente éramos um casal e ficar em quartos separados não faria sentido. Mesmo que estivéssemos longe das redes sociais, elas continuariam perto de nós, através de terceiros.
Não tivemos chance de discutir ou refutar a ideia. Por pouco não desisti dessa viagem toda e a implorei para começar logo os ensaios da turnê. Mas, lá estávamos nós, pousando no Havaí para passar o fim de semana juntos.
Descemos da aeronave e fomos levados até um carro que já estava nos esperando. Entramos em silêncio e assim permanecemos até chegar no Resort. Assim que o motorista parou, uma equipe se aproximou para ajudar com as malas. Cumprimentei todos com um sorriso, assim como Zayn, mesmo que estivesse um pouco mais tímido que eu.
- Vamos precisar dar as mãos agora. - ele sussurrou perto de mim e eu suspirei. - Lembre-se do que Lana disse: a gente está longe das redes, mas elas não estão longe de nós. - falou. - Desde que chegamos umas cinco pessoas nos encararam com curiosidade. Nós precisamos fazer isso direito.
Eu não falei nada, apenas estendi minha mão para que ele unisse a sua, e assim ele fez, entrelaçando nossos dedos. Um choque passou por meu corpo em uma fração de segundos, me deixando arrepiada. Mentalmente, eu torcia para que ele não tivesse percebido aquela reação.
Nos aproximamos da recepção e uma mulher de cabelos longos e cacheados nos atendeu. Ela me lembrava , porém a atendente tinha a pele mais clara que a de minha amiga.
- Sejam bem-vindos ao paraíso. - ela sorriu, simpática. - Acho que o casal dispensa apresentações, não? - falou e nós sorrimos, concordando. - Aqui estão as chaves do quarto. - esticou dois cartões para nós. - Tenham um bom descanso. Qualquer coisa podem ligar para a nós aqui em baixo. - sorriu e nós concordamos.
Caminhamos até o elevador, apenas com os cartões em mãos, já que nossas malas haviam sido levadas ao quarto.
Chegamos no quinto andar, onde fomos instalados, e caminhamos até a porta do quarto separado para nós. Zayn encostou o cartão no leitor e a porta foi destrancada, revelando um quarto perfeito. Suas cores eram vibrantes, porém claras, a decoração era simples e linda, com algumas conchas e coisas relacionadas ao oceano. A cama era enorme e, com certeza, não seria difícil dividi-la com Zayn. A televisão era tão grande que me lembrava a tela da sala de cinema que tínhamos em casa. Nossas malas estavam no canto do quarto, perto da porta de vidro que dava para a sacada.
A vista era perfeita: a piscina do hotel e ao fundo, o azul cristalino do oceano.
Sorri e voltei meu olhar para Zayn, que deitava sua mala e pegava algo dentro dela.
- Aqui é bonito, não? - perguntei e ele concordou com a cabeça. - O que tanto procura?
- Eu vou tomar banho. Estou procurando a bolsa que trouxe com minhas cuecas. - ele falou, mexendo mais um pouco dentro da mala, até puxar uma bolsa de zíper em material transparente. - Aqui. - riu fraco e eu o acompanhei.
- Bom, vou vestir o biquíni enquanto você toma banho e ficar deitada por enquanto. - avisei e ele concordou. - Já vou arrumar o esquema da divisão do colchão. - falei.
- Tudo bem. - ele caminhava em direção ao banheiro. - Sem problemas.
Assim que ele fechou a porta eu suspirei e olhei para o grande colchão. O hotel oferecia mais travesseiros que o usual, então talvez eles pudessem ser usados.
Distribuí três deles em posição vertical no meio da cama, e deixei outros dois, um de cada lado da divisória. Escolhi o lado direito para ser o meu, e me deitei ali, antes mesmo de colocar o biquíni. E, devido ao cansaço, acabei caindo no sono. Mas, só percebi que isso aconteceu quando fui acordada por Zayn para irmos jantar.
- Não quis te acordar mais cedo porque você parecia estar realmente cansada, e o objetivo da viagem era esse, não? - perguntou e eu concordei coçando os olhos e balançando a cabeça. - Mas, liberaram o jantar e eu acho que deveríamos ir comer. - falou.
- Obrigada. - sorri fraco. - Vou tomar um banho e te encontro para o jantar.

***

No final do jantar, no qual eu e Zayn trocamos pouquíssimas palavras, subimos para o quarto e o garoto foi tomar um banho enquanto eu esperava minha vez sentada na ponta da cama.
Trocava os canais da televisão sem prestar muita atenção em quais passavam, até que automaticamente parei de apertar o botão justamente no Discovery Channel. Passava um programa sobre a reprodução das baleias-jubarte. Meu coração apertou, pois no mesmo momento me lembrei de Aaron. Aquele era o tipo de coisa que assistíamos quando estávamos juntos e queríamos rir um pouco. Mas, dessa vez, me peguei com os olhos cheios de lágrimas.
Era difícil não ter o meu momento de dor, era difícil fingir que eu tinha o superado totalmente, quando na verdade quase tudo que fazia me lembrava dele. E o mais difícil era assumir para mim mesma, que os únicos momentos nos quais não pensava em Aaron, eram os quais eu estava acompanhada de Zayn.
Senti minha bochecha molhada e soube, então, que as emoções haviam ganhado e eu estava chorando. Estava, finalmente, colocando para fora o que era para eu ter colocado há um mês.
- Ei, , acho que vamos ter que pedir mais shampoo. - Zayn comentou, ao sair do banheiro vestindo apenas uma bermuda e secando os cabelos com uma toalha que tinha o nome do resort estampado. Sequei rapidamente as lágrimas e balancei a cabeça em concordância. - Está tudo bem? - perguntou, parecendo preocupado.
- Não é nada. - pigarreei. - Acho que me emocionei com as baleias. - apontei para a TV e o garoto riu fraco, se sentando na outra ponta do colchão.
- Eu sei que a gente tem esse ódio entre nós, e que você não me deve satisfação de sua vida. - ele falou baixo. - Mas, me preocupa te ver assim. - olhei para ele, surpresa. - Pode parecer mentira, . Mas, eu não te odeio.
- Muita informação…
- Para alguns minutos. - ele completou. - Eu sei. - riu fraco. - Mas, eu acho que na verdade começamos com o pé errado e criamos esse ódio sem sentido à toa. - eu meneei. - Se você se sentir confortável para comentar comigo o que te aflige, talvez eu possa me abrir contigo também.
- Não é nada demais, Zayn. Eu juro. - falei secando as lágrimas. - Mas, concordo com você. Acho que não começamos bem. - ele se ajeitou e se aproximou um pouco mais do centro do colchão, estendendo a mão em minha direção.
- Zayn. - ele disse e eu sorri.
- . - apertei sua mão. - É um prazer conhecê-lo.
- O prazer é todo meu. - rimos. - É, acho que agora podemos fazer isso dar certo. - sorri fraco.
- Para fazermos isso dar certo você tem que admitir que eu sou incrível e que a One Direction vai voltar esse ano. - brinquei, dando língua para o garoto.
- Você é incrível e a One Direction vai voltar esse ano. - ele riu. - Uma dessas é mentira, e eu digo que a mentira é a primeira.
- Eu te o… - parei por um segundo e encarei o britânico. - Você está brincando comigo? - perguntei, alterando a voz e ele deu de ombros. - Zayn Malik você não pode brincar com o pobre coração de uma jovem directioner. - coloquei a mão no peito e o garoto começou a gargalhar.
- Estamos amadurecendo a ideia, não sabemos se irá acontecer mesmo. Mas, estou confiando em você para guardar esse segredo. - falou.
- Eu juro que está bem salvo comigo. - beijei meus dedos e ele riu. Seu olhar estava sobre mim e o silêncio tomou conta do ambiente por alguns instantes. O sorriso de Zayn não havia se desfeito, mas dessa vez ele estava um pouco mais retraído, talvez um pouco mais tímido. Nossos olhares se encontraram mais uma vez, e diferente daquela noite no tapete vermelho, só tínhamos nós ali. Não haviam câmeras, jornalistas ou fãs. Éramos apenas nós dois em uma verdadeira troca de olhares.
- Vi que você deu um jeito de dividir o colchão. - ele apontou para a cama que tinha diversos travesseiros em sua extensão, desviando o olhar do meu por alguns segundos.
- É. - eu ri. - Só não sei se vai ser confortável, mas a gente pode tentar se virar. - mordi o lábio inferior, algo que era uma mania que tinha quando estava com vergonha de algo.
- Eu durmo no chão, . - ele sorriu, se levantando de onde estava indo em direção ao banheiro para guardar a toalha. - Pode ficar à vontade.

***

Meu corpo tremia, minhas costas estavam suadas e minha respiração ofegante. Me sentei rapidamente na cama, assustada com o sonho que acabara de ter. Nele, minha mãe estava prestes a cair de um abismo e eu era a única capaz de salvá-la, mas não consegui e a deixei morrer diante de meus próprios olhos. A minha primeira reação foi mandar mensagem para ela, que estava no Brasil, provavelmente trabalhando à esta hora, devido ao fuso.
Meus olhos lacrimejavam e eu tentava controlar a respiração até que eu recebesse uma resposta de minha mãe.
- ? - a voz de Zayn soou fraca em meio ao escuro do quarto. - Está tudo bem? - perguntou.
- Foi só um pesadelo, fica tranquilo. - falei, respirando fundo e em questão de segundos eu pude sentir o lado esquerdo do colchão afundar.
- Eu não sei se vai funcionar com você, mas eu cantava para minha irmã mais nova até que ela voltasse a dormir. - ele se aproximou um pouco mais, e agora eu conseguia ver alguns detalhes de seu rosto.
- Você faria isso agora? - perguntei, fungando.
- Por que não? - me virei para o garoto, que se aproximou, apoiando a cabeça em sua mão e seu cotovelo em um dos travesseiros. Com a mão que estava livre ele afagava meus cabelos. - Que música você quer ouvir? - Nossos corpos não estavam em contato, mas eu podia sentir minha pele arrepiar a cada palavra falada pelo rapaz.
- Cante alguma sua. - falei e ele riu fraco, sussurrando um “ok”.

You could be the best friend
(você poderia ser a melhor amiga)
Or you could be the one
(ou poderia ser a única)
But girl I got a problem
(Mas, garota eu tenho um problema)
Unless we trust in love
(A menos que confiemos no amor)


Seus dedos brincavam com minhas mechas, e o ar quente que saía de sua boca encontrava minha pele. E, então ali, em seus braços e ao som de You Wish You Knew, eu voltei a dormir.


Capítulo 12

Acordei com a sensação de proteção que tive ao dormir ao lado de Zayn na última noite, mas, assim que olhei para o lado, vi que o garoto não estava ali. O procurei na cama improvisada que tinha feito no chão, e ali ele também não estava.
Foi quando a porta do quarto abriu e ele surgiu em suas bermudas de banho e um óculos escuro.
- Achei que ia ficar dormindo até o fim do dia. - brincou, e logo parou em frente a cama, onde eu ainda me espreguiçava. - Vamos, o sol está lindo lá fora. Acho que deveríamos ir à praia.
- Que animação é essa, Malik? - perguntei, rindo fraco e coçando meus olhos com as costas das mãos.
- Coloque o biquíni e pare de reclamar, . - riu. - Te espero no saguão. - olhou o relógio que ficava ao lado da cama. - E te dou vinte minutos. - concordei com o garoto, afinal aquela era minha única opção.
Me levantei rapidamente e fui até minha mala procurar uma das roupas de banho que havia separado para ocasião. Escolhi um biquíni preto e simples, e para vestir uma saída de praia branca, que mais parecia um vestido. Separei os óculos escuros e comecei a me trocar.
Aproveitei para comer algumas coisas do minibar, já que pelo horário, eu tinha perdido o café da manhã. Peguei minha carteira e estava pronta para ir, porém o telefone do quarto começou a tocar antes disso. Me aproximei da pequena mesa de cabeceira e atendi.
- Ligação externa. - uma voz robotizada avisou. - , meu bem. - dessa vez a voz de minha empresária soou. - Desculpe atrapalhar sua viagem, mas eu preciso te avisar que já fechamos as datas de sua turnê e você começará os ensaios daqui duas semanas. - ela falou.
- Tudo bem, Lana. Assim que eu chegar em Miami você me passa tudo certinho. - sorri, por mais que ela não pudesse ver. - Tenho que ir. Zayn está me esperando para irmos à praia.
- Vocês não se mataram? - a surpresa na voz da mulher foi algo que me fez rir por alguns segundos. - Vou levar isso como um “não”, e espero que tudo realmente esteja bem! Vou desligar e deixar vocês aproveitarem seja lá o que for que esteja acontecendo entre os dois. - no momento que eu ia tentar explicar que nada além de uma amizade estava sendo formada, Lana desligou.
Ri fraco mais uma vez e coloquei o telefone novamente no gancho.
Segui meu caminho para o lado de fora do quarto e me pus a esperar o elevador, que chegou mais rápido que o imaginado. Logo que cheguei no térreo, vi que Zayn folheava uma revista qualquer, que percebi ser sobre jardinagem.
Me aproximei dele, cutucando seu ombro. Ele sorriu em minha direção e se levantou. Automaticamente nossas mãos se uniram. Aquele ato já não era robótico, não era planejado, nossos corpos pareciam sentir a necessidade daquele toque, por menor que fosse.
Saímos pela porta da frente do Resort e apenas atravessamos a rua. A praia era logo ali e Zayn parecia animado. O mar azul cristalino me fez tirar os óculos para o observar melhor, os raios solares pareciam pedir licença para adentrar aquelas águas. Era tudo perfeito.
- Se você não tivesse dormido horrores, poderíamos ter assistido o pôr-do-sol ontem. - ele comentou, se sentando em uma das cadeiras reservadas para hóspedes.
- Podemos ficar e assistir hoje? - perguntei, parecendo uma criança de cinco anos de idade, totalmente animada e agitada. Zayn deu um sorriso terno, que fez meu coração aquecer por alguns segundos. - Por favor. - fiz um biquinho, tornando aquilo ainda mais infantil e arrancando uma risada do britânico.
- Tudo bem. - ele disse. - Mas, o que me convenceu foi esse biquinho super fofo. - ele falava, enquanto levantava a mão para chamar a atenção do garçom para nós. O homem percebeu que era requisitado naquele momento e se aproximou. - Eu quero uma cerveja. - ele pediu e logo olhou em minha direção, como quem perguntasse o que eu queria.
- Pode me dar uma água de coco. - pedi e sorri em seguida. - Obrigada, querido. - o rapaz anotou os pedidos e em menos de um minuto trouxe até nossa mesa.
Zayn contornava a garrafa de vidro com um dos dedos, fazendo as partes antes embaçadas, agora ficarem transparentes. Seu olhar estava perdido no horizonte e novamente percebi que ele pensava em algo que o incomodava, porque seu comportamento era inquieto e ele movimentava uma das pernas de maneira frequente.
Continuei o observando por alguns segundos. Sua mandíbula era perfeitamente desenhada, as veias em seu pescoço se marcavam a cada suspirar, seus lábios, nariz e olhos eram perfeitamente simétricos. Seus cílios eram de dar inveja em qualquer mulher, e seu olhar era do tipo que poderia sentenciar qualquer um à morte.
Percebi, então, que eu estava olhando Malik com outros olhos. Eu o observava com curiosidade de conhecê-lo um pouco mais, talvez saber o que o deixa tão intrigado.
Quando sua cerveja terminou ele pediu outra para o garçom, que de prontidão atendeu seu pedido.
- O que você acha daquela ideia que te falei? - ele ainda olhava para um ponto fixo no oceano.
- Qual? - perguntei, enquanto procurava algo para comer no cardápio.
- Da volta da banda. - ele finalmente virou seu olhar para mim. - O que você acha?
- Sinceramente? - perguntei e ele acenou em concordância. - Eu já conheci os outros meninos. Cantei com Harry em 2018 e agora no início do ano, produzi algumas coisas com Liam e, bom, Louis e Niall são os que eu mais mantenho contato. - sorri. - Todos são pessoas incríveis, Zayn. E eu sei que todos eles topariam isso de primeira. - falei. - A não ser que já tenham topado e estejam apenas esperando por sua resposta. - ele olhou para o chão e logo depois para mim. - Estou certa, não estou? - ele afirmou e eu sorri fraco. - Pois eu acho que você deveria deixar o orgulho para trás e dar uma nova chance aos caras que, por muitos anos, foram seus melhores amigos.
- Você está certa. - ele suspirou. - Passamos por tanto juntos, todos eles me davam apoio em tudo. - virou seu corpo e ficou frente à frente de mim. - Mas, quando eu saí da banda, me vi sozinho num limbo onde eu não falava com ninguém, e me afastei de todos. Tudo foi muito difícil. Desde a ideia de seguir uma carreira solo, até o meu relacionamento com Perrie. - engoliu seco. - E quando me separei, eu não tinha mais meus amigos como suporte. Sabe?
- Eu não posso dizer muito sobre isso, porque não convivi com você nesse período. Mas, eu sei bastante sobre períodos ruins, nos quais a gente se vê sem saída e tudo mais. - ele me encarava com curiosidade. - O que eu posso te garantir é que há uma saída, e você encontra ela um dia. Só não deixe esse sentimento ruim tomar conta de você.
- Obrigado pelas palavras, . - seus olhos encararam os meus e ficamos sem proferir uma palavra sequer por alguns minutos. - Mas, me diz. - ele interrompeu a troca de olhares. - Onde você cantou com o Harry em 2018?
- Madison Square Garden. - falei, me lembrando daquele dia. - Os meninos estavam lá também. - me referia à Liam, Niall e Louis. - Foi engraçado porque eu tive um pequeno surto ao conhecê-los. - o garoto riu fraco. - Não ria disso. Foi o maior mico da minha vida. - balancei a cabeça em negação. - Se não fosse Summer, a ex de Harry, eu teria desmaiado bem naquele camarim. - ri e o garoto me acompanhou. - Ei, se eu não me engano eles te convidaram para esse show. - apontei para o garoto.
- Sim. - falou. - Eles chegaram a me ligar, mas eu não pude ir. - deu de ombros.
- Uma pena. - suspirei. - Talvez podíamos ter tido uma impressão melhor um do outro. - torci os lábios.
- Você sabe que minha impressão por você mudou desde o momento que te vi subindo no palco sem ter medo de nada nem ninguém. - ele afirmou aquilo normalmente, como se elogios para fossem corriqueiros. - Você é uma artista de verdade, . - ele voltou a me encarar. - Uma das melhores dessa geração.

***

A tarde passou voando ao lado de Zayn. Almoçamos por ali mesmo, depois demos um mergulho e continuamos a conversar. Os assuntos eram variados e surgiam facilmente. Não era mais difícil ter o garoto como companhia.
O sol começava a se aproximar do horizonte e nós estávamos sentados na areia, um ao lado do outro.
- A mãe de nos dizia que fazer um desejo ao sol se põe faz com que ele se realize. - falei, fechando meus olhos e respirando fundo. Comecei a mentalizar todas as coisas boas que queria para mim e para aqueles que amava e quando abri os olhos novamente, o sol já estava se escondendo atrás das montanhas, deixando o céu com lindas cores alaranjadas. Me virei para Zayn e ele também tinha os olhos abertos. - Fez um pedido? - perguntei e o garoto meneou em negação. - Por que? - me senti um pouco decepcionada.
- Porque eu acho que tudo que eu desejo já está acontecendo. - seu olhar para mim foi diferente de todos os outros que ele já tinha dado. Dessa vez era um olhar solícito, eu podia sentir que ele pedia abertura para mim. E eu, me encantando por cada pigmento de sua íris, dei a abertura que ele tanto pedia.
Nossos corpos, que já estavam lado a lado, dessa vez, procuravam uma forma de se aproximar ainda mais. Nossas mãos estavam tímidas, mas procuravam o toque um do outro. E, finalmente, depois de tanto tempo sentindo-se errados, nossos lábios se uniram em um beijo que nos mostrou que o único erro foi ter nos evitado por tanto tempo.


Capítulo 13

Nossas mãos estavam unidas e eu repousava a cabeça sobre o ombro de Zayn. Estávamos no avião, prestes a pousar em Miami novamente. Nosso fim de semana tinha acabado, e com ele tivemos diversas surpresas. Decidimos deixar a história do beijo como um segredo até descobrirmos o real sentimento que tínhamos um pelo outro. Afinal, aquilo era apenas curiosidade ou poderia ser mais? O tempo era o único que poderia dizer.
Assim que desembarcamos, vimos que toda a trupe estava ali para nos buscar, e quando eu digo todos, eu falo de , , e Brandon. Eles tinham sorrisos no rosto e eu também tinha um no meu, principalmente por ver que estava ali. Eles vieram em nossa direção em passos rápidos, prontos para nos abraçar.
, ao ver a minha mão e de Zayn unidas, me olhou com uma cara engraçada. Ela com certeza perguntaria sobre o que estava acontecendo ou sobre o que aconteceu na viagem.
A garota envolveu os braços em meu corpo, me apertando. Enquanto isso, os outros falavam com Malik, que de um tempo para cá tem se dado bem com meus amigos.
- Você está diferente. - sussurrou em meu ouvido. - Está mais feliz. - ela afastou o rosto e sorriu. - Mas, vou esperar o seu tempo. - ela olhava em meus olhos e tinha um sorriso largo.
- Obrigada. - foi a única coisa que eu disse antes de ser afastada de por um Brandon desesperado.
- Eu estava jurando que minha melhor amiga tinha sido engolida por um vulcão. - ele me abraçava de uma forma na qual seus braços envolviam minha cabeça, que estava na altura de seu peito. Eu ouvia a risada de meus amigos ao observarem a cena.
- Eu senti falta do seu exagero, sabia? - comentei, com a voz abafada e ele estalou um beijo em minha cabeça.
- Vamos logo. Você precisa levar suas malas e descansar porque amanhã os ensaios começam. - comentou, dando um tapinha em meu ombro e eu respirei fundo. Eu queria mais férias, porém não seria possível.

***

A música tocava alta dentro da sala, os bailarinos faziam a coreografia em frente ao espelho e Willdabeast estava ao meu lado, enquanto observávamos os movimentos.
A batida era forte e as marcações também, os dançarinos completavam cada movimento com perfeição. Assim que a canção terminou, o coreógrafo caminhou novamente para o centro da sala, onde começaria a limpar os movimentos.
A caixa de som, que estava conectada ao bluetooth do telefone, começou a tocar uma música que não era minha, e sim um funk carioca daqueles bem antigos. Foi então que Joel e Christopher entraram na sala fazendo movimentos engraçados e fazendo todos caírem na risada. Atrás deles estava , namorada e melhor amiga, respectivamente. Ela tinha a mão na cintura e balançava a cabeça em negação. Se ela não sabia o que fez para merecer, quem dirá eu.
- O que estão fazendo aqui? - perguntei, ainda me recuperando da cena.
- Estávamos por perto e decidimos aparecer para prestigiar nossa amiga. - Joel falou sorrindo e eu retribuí.
- Calúnia, ele quer roubar suas coreografias para colocá-las na nossa tour. - Chris falou e eu semicerrei os olhos para Pimentel, rindo.
- Ok. Contanto que fiquem quietos, podem assistir. - falei, apontando para os dois. - Amiga, segure esses homens, por favor. - praticamente implorei para , que ria verdadeiramente, porém concordava com meu pedido.
Voltei para onde estava e logo Willdabeast me chamou para fazermos as marcações de palco. Não foi algo que demorou tanto, já que todos ali eram bastante profissionais. Passamos mais algumas vezes aquela coreografia e finalmente ele nos liberou, avisando que nos encontraríamos ao mesmo horário no dia seguinte.
Enquanto ele se despedia de Chris, Joel e , vi que minha assessora entrava na sala com um celular grudado na orelha e um tablet em mãos. Eu sorri fraco. Eu ou Abraham que estávamos dando este trabalho a ela?
- . - ela falou. - Um segundo. Já retornarei para você. - ela disse para a pessoa que estava do outro lado da linha e eu ri. - Voltando. - se aproximou de mim e me deu um beijo no rosto, já que eu estava muito suada para abraços. - vai estar na semana de moda de Nova Iorque para fotografar algumas modelos, com isso, sua fotógrafa oficial não estará aqui para fazer a campanha de divulgação da tour. - torceu o lábio. - E como eu sei que você é bem exigente com esse tipo de trabalho, eu quero perguntar se você tem algum profissional em mente para fazer essas fotos. - assim que ela perguntou, eu não precisei ao menos pensar em quem chamaria.
- Summer. Summer Andrews. - falei e ela sorriu. sabia quem a garota era, porque estava comigo no show do Madison Square Garden em 2018, onde cantei com Harry, que era o artista que Sun estava acompanhando em turnê na época.
- Ótimo. Enviarei um e-mail para ela. - ela anotou algo em seu tablet e voltou o olhar para mim. - Planos para essa noite? - ao perguntar, senti que havia um duplo sentido em sua voz. Provavelmente era queria que eu entregasse que fiquei conversando com Zayn a noite inteira, marcando um jantar no Ritz.
- Vou sair para jantar. - sorri fraco e ela levantou as sobrancelhas. - É, , vou sair para jantar com meu namorado. - coloquei a mão na cintura. Eu não poderia falar do contrato ou dar a entender que aquele relacionamento não era real, enquanto estava na frente de Chris e Joel.
- Ok. - ela sorriu. - Então tirarei a noite para sair também. - falou.
- LIV? - Joel perguntou e eu comecei a gargalhar.
- Sai, cara. Todo dia isso. - falou e saiu pela porta, sendo seguida de Chris e Joel. ficou alguns segundos a mais para se despedir de mim de maneira mais calorosa. Falei que a encontraria em casa e então conversaríamos.
Parei um tempo no centro da sala e me observei no espelho. Quem diria que um dia eu estaria ali; ensaiando para minha turnê, dona de um Grammy Latino e diversos outros prêmios, sendo amiga de meus maiores ídolos, e “namorando” meu crush da adolescência.
Eu achava engraçado pensar que Zayn, aos meus dezesseis, era quem estampava as paredes de meu quarto ao lado de outros cantores e alguns filmes. Naquela idade eu lia fanfics e imaginava o momento no qual o conheceria e ele logo se apaixonaria por mim, mas não foi daquela forma. Sorri fraco ao lembrar da cena no hotel. Hoje, com vinte e três, e depois de um fim de relacionamento um tanto inexplicado, eu estava me vendo num cenário no qual eu estava começando a criar sentimentos por Malik.
Em alguns momentos, eu imaginava que aquilo poderia ser apenas o sentimento de nostalgia me consumindo, e eu não estava sentindo nada. Porém, em outros, eu tinha a plena certeza de que meu coração saltaria pela boca, apenas por estar perto dele.
Suspirei. Onde estava me metendo?
Fui até a caixa de som e peguei meu celular que estava em cima da mesma, e liguei através do FaceTime para Summer.
-Alô, alô. - ela falou em nossa língua mãe e eu sorri.
- Eu tenho uma proposta irrecusável para você, falsa britânica. - ouvi a risada suave da garota e vi que ela jogava a cabeça para o lado, enquanto fechava os olhos.
- Pois me diga, falsa norte-americana. - ela imitou meu tom e eu gargalhei.
- , à essa altura do campeonato já te enviou o e-mail. Mas, eu prefiro te convidar falando diretamente contigo. - mordi o lábios e ela fez o mesmo, uma mania que tínhamos em comum. - Quero você para fotografar a divulgação da turnê. - eu falei e ela abriu a os lábios em surpresa e eu ri fraco com sua reação.
- Mas e a ? - perguntou, se referindo a minha amiga e sua colega de profissão.
- Vai estar no fashion week. - citei e ela meneou em concordância.
- Você ainda acha que iria recusar? - falou, jogando as mãos para cima. - Vou para Miami quando? - brincou.
- Vamos te mandar as passagens por e-mail ainda hoje. - falei, sorrindo. Eu estava animada para ver a garota novamente. - Queremos você aqui na semana que vem. - ela sorria largamente. - Precisamos colocar o assunto em dia.
- Precisamos mesmo. Porque você começou a namorar Zayn fucking Malik do nada e está aí agindo como se nada estivesse acontecendo. - ela tinha os olhos arregalados, que me fizeram gargalhar. - O homem é um deus, . Você tem que me explicar como isso começou. - ela pediu e eu dei de ombros. Provavelmente contaria a mesma história que conto a todos: nos conhecemos no hotel, começamos a conversar e quando terminei ele viu uma oportunidade para me convidar para um jantar, nós fomos, nos beijamos, ficamos apaixonados e em menos de três semanas já estávamos gravando um single e saindo por toda Miami juntos.
- Pode deixar. - falei. - Nos vemos na semana que vem. - desliguei a ligação após mandar vários beijos para minha amiga.
Respirei fundo e soltei um grito abafado. Por quanto tempo eu conseguiria guardar aquela mentira de todos que amo?


Capítulo 14

Depois do ensaio, eu e as meninas combinamos de fazer uma noite com filmes de comédia, pizza e comida japonesa, como fazíamos no Brasil. viajaria durante o fim de semana, então desmarcamos todos os compromissos da noite - incluindo meu "encontro" com Zayn - e adiantamos a girls night.
e ajeitavam os colchões no chão da sala de filmes enquanto eu e procurávamos alguns jogos de tabuleiro que estavam em um dos armários do quarto de hóspedes. Depois que conseguimos juntar todas as caixas, fomos para o outro cômodo encontrar as meninas que já conversavam sobre algo, em meio a risadas.
- Qual a pauta? - perguntou, se sentando ao lado de e roubando uma fatia de pizza de seu prato, fazendo a loira olhar em repreensão e logo depois soltar uma risada.
- Eu estava comentando sobre o relacionamento dela. - falou, enquanto pegava um sushi e levava à boca. - Só nós sabemos o quanto fomos obrigadas a ouvir as lamentações de Joel por quase um ano. - a fotógrafa falou e deu uma risadinha. - É sério, todo dia ele queria vir aqui e desabafar. Até para LIV ele evitava ir. - concordou com a fala da menina. - Depois, o tempo passou e tínhamos achado que ele tinha superado. Porém, depois daquela discussão aqui em casa e vocês reatando misteriosamente, eu não duvido de mais nada nesse mundo.
- Olha só quem está falando de relacionamentos doidos. - eu disse, e logo troquei olhares com . - Não esqueça que você pegou todos os meninos do Prettymuch, deu uns beijos no Jonah e agora “pega” o Chris. - fiz as aspas com os dedos.
- Para minha defesa, eu beijei os garotos em um jogo de verdade ou consequência, e não tinha problema algum já que estavam todos solteiros. - colocou as mãos para cima, se defendendo e eu a encarei. - Ok, menos o Zion. Você sabe que nós tivemos um rolo que não deu muito certo. - deu de ombros. - Éramos mais melhores amigos do que qualquer outra coisa. - concordamos com a menina. - Sobre o Jonah, foi em festa também. Vocês sabem. - apontou para nós. - E o Christopher, bom, a gente anda se conhecendo.
- Eu acho que estão se conhecendo bem demais. - falei, rindo e ela torceu o lábio.
- E a , não vai ter exposed? - perguntou, fazendo cara de malandra e levando um leve tapa no braço que veio da garota à qual se referiu.
- Pegou o Nick, teve um rolo com o Jack, mas trocou ele pelo Richard. - citei, levantando os dedos, o que fez com que elas rissem.
- Pelo menos a pode concordar comigo que o Nick beija bem. - ela levantou a mão para a garota à sua frente, que juntou a sua em um high five.
- Depois eu que sou a safada. Sou a única que pegou um só. - balançava a cabeça em negação enquanto gargalhava. - E nem venha me falar algo, . Você pegou o Daniel, o Zabdiel e agora ‘tá de rolo com o Zayn. - fiz cara de quem não entendeu o que ela dizia. - Não se faz de sonsa. Nós te conhecemos há 84 anos e você ainda quer fingir que vocês passaram da fase do ódio e estão se beijando agora? - tomou um gole do vinho que tinha sido servido por durante sua fala. - Me poupe.
Em meio à tantas risadas, a noite ficou curta. Quando olhamos pela janela, o dia já estava raiando e nós ainda estávamos acordadas.

***

Após deixarmos no aeroporto, , e eu voltamos para casa. Mas, não necessariamente a nossa casa. foi até a casa de Joel, combinou de encontrar Corbyn e Jack, que estavam pela cidade e queria sair para fazer algo. E eu, bom, eu era a única que estava em nossa casa. Lana havia me liberado dos ensaios daquele dia, deixando claro que queria mais esforço por parte dos bailarinos e os mandou ficar com aquele dia inteiro só para o ensaio deles.
Pela primeira vez, depois de tantos anos morando em Miami, eu estava sozinha em casa. Brandon e a banda tinham viajado para fazer alguns shows no Canadá, e as outras bandas estavam fazendo suas coisas pessoais, que muitas vezes, não condizem a mim.
Subi as escadas com rapidez e entrei em meu quarto, já me jogando na cama. Eu estava cansada e cheia de sono. A girls night realmente tinha acabado comigo.
Tirei as sandálias e joguei em algum canto do quarto, puxei o cobertor e quando percebi, já estava dormindo.
Ouvi um leve barulho que deduzi ser a porta do quarto se abrindo. Me movimentei levemente na cama e virei-me para ver quem entrava, sorri ao ver Zayn com uma cara de culpado.
- Eu não queria ter te acordado. - ele falou, levantando um pouco as mãos, insinuando que iria se retirar.
- Fica. - o interrompi e pude ver um sorriso sincero se formando em seus lábios. - Estou sozinha. - bati no colchão, pedindo para que ele se deitasse ao meu lado, e assim ele fez. Com um movimento involuntário me aconcheguei em seus braços, apoiando minha cabeça em seu peito. Eu podia ouvir claramente as batidas descompassadas de seu coração. Estaria Zayn nervoso? - Sabe de uma coisa? - sussurrei e ele virou o olhar para mim. - Eu adorei nossa viagem. - sorri fraco e ele fez o mesmo. - Por mim poderíamos fazer isso todo mês.
- Mas você entra em turnê daqui um mês e pouquinho, . - ele falou, afagando meus cabelos. Quem visse aquela cena de fora, rapidamente concluiria que éramos um casal verdadeiramente apaixonado.
- Não me lembre disso. - bufei, e ele riu.
- Não fique assim. - seus dedos brincavam com uma mecha minha, e os meus acariciavam seu peito sobre a camisa. - São seus fãs, você os ama, eles te amam e isso tudo é por eles.
- Você está certo. - suspirei, com um sorriso. - O que acha de sairmos para almoçar? - levantei minha cabeça, observando a reação do britânico.
- Eu vim aqui exatamente para isso. - falou.

***

O som do carro tocava a mais nova música do CNCO e eu ria fraco, enquanto gravava um stories marcando cada um dos meninos.
Zayn tinha os olhos focados na estrada, até que parou em um dos semáforos e me encarou com um sorriso.
Por um momento eu pude sentir meu estômago revirar e uma sequências de arrepios tomar conta de meu corpo. Por que aquele homem tinha tanto poder sobre minhas reações?
Ele pegou seu celular e conectou ao bluetooth do carro. Rolou o dedo por algumas playlists até que apertou em uma das músicas que já estavam baixadas. O que me surpreendeu era que eu já conhecia aquela canção, e a conhecia perfeitamente, afinal era minha.
- Essa é a minha favorita. - ele comentou, aumentou o volume e logo deu partida no carro, já que a luz verde havia acendido. Eu o encarei com dúvida. Eu já havia lançado três álbuns e um ep, que era o mais recente. Essa música era do meu segundo álbum, cujo nome era Know Me Better, aquela era a faixa sete do álbum, e o mais engraçado de toda aquela situação era que ela também era uma de minhas favoritas.
- And I won't tell anybody where I'm going tonight say I drank a little much and I do my goodbyes… - ele cantarolou junto com minha voz, que soava pelos alto falantes e eu ri fraco vendo a cena. Nunca imaginaria que Zayn Malik estaria cantando uma música minha em plenos pulmões. - And I'll find the blue door at the end of your street… - ele continuou, e dessa vez fechou o punho e levou a mão até a boca, imitando um microfone. O garoto se divertia e eu ria verdadeiramente, sentindo meu coração disparar um pouco mais à cada verso da canção. - And you hold my hand in the street light and you kiss my lips and it feels right… - ele cantou e então esticou a mão para mim, pedindo para que eu o acompanhasse naquele verso.
- 'Cause it feels so good when you come 'round, just to set me up for a breakdown… - eu cantei e um sorriso enorme se formou no rosto do britânico. Aquele sorriso foi o gatilho perfeito para todas minhas imaginações. Talvez a de dezesseis anos de idade não acreditasse se alguém a dissesse que ela estaria cantando sua própria canção em um carro com seu antigo ídolo. - You know I hate you, but I hate me… - cantamos juntos e seguimos assim até o final da canção.
Quando a mesma se finalizou, a faixa oito do álbum começou a tocar e eu olhei para Zayn, que se concentrava em colocar o carro na vaga em frente ao restaurante.
- O que foi? - ele riu, olhando para minha feição.
- Você tem o Know Me Better baixado, Zayn? - minha voz ficou um pouco esganiçada, o que fez o garoto rir um pouco mais.
- Já está na hora de você aceitar que eu sempre fui seu fã e fui um babaca com você por insegurança, só não te assumia isso. - ele abria a porta do carro e eu ainda estava em estado de choque. Alguns paparazzi já nos fotografavam. Malik deu a volta no veículo e abriu a porta para que eu saísse. Eu tinha um sorriso bobo e surpreso nos lábios. - Ainda chocada? - ele perguntou, entrelaçando seus dedos aos meus.
- É claro. - falei, sendo óbvia e o garoto riu novamente.
- Eu sempre ouvi suas músicas, . - ele sussurrou contra meu ouvido e logo depois depositou um beijo longo em minha bochecha. - Você é uma estrela, babe. E eu sou seu maior fã.


Capítulo 15

A reunião já estava chegando ao fim. Lana e assinavam alguns papéis e eu fazia o mesmo. Turnê confirmada, e seriam ao todo 30 apresentações. Não poderíamos nos estender muito já que outros projetos estavam sendo preparados ainda para este ano. Começaríamos os shows na Europa, passando pela Espanha, Inglaterra, Alemanha, Portugal e França. Depois disso estenderíamos até a Ásia, onde eu me apresentaria na China, Japão, Finlândia e Rússia, voaremos até a Austrália e de lá vamos para América do Sul, com Shows no Brasil, Chile, Argentina e Colômbia. A tour seria finalizada na América do Norte com shows nos Estados Unidos, Canadá e México.
Eu estava confortável com a quantidade de shows e com os intervalos entre eles. Então assinei tudo que era necessário e avisei à Lana que precisaria sair com , já que encontraríamos Summer para fazer as fotos de divulgação. Minha empresária concordou e nos avisou que já tinha um carro nos aguardando.
Eu e nos deslocamos até o local com rapidez. No meio tempo fazíamos uma chamada de vídeo com , que estava totalmente feliz por estar fotografando seus grandes ídolos em Nova Iorque. Assim que chegamos no estúdio, a equipe já estava toda preparada e eu pude ver um tufo castanho se movimentando de um lado para o outro, ajeitando alguns pontos de luz.
- Eu acho que nunca presenciei um momento no qual não estivesse correndo, Summer Andrews. - falei, em tom um tanto alto e a garota se virou rapidamente, abrindo um sorriso contagiante.
- ! - ela disse, animadamente e veio em minha direção para um abraço. - Só assim pra gente se encontrar, em.
- Eu que o diga. - falei. - Precisamos fazer algo além de fotos, eu não aguento mais o Brandon falando que nós três temos que sair juntos. - a paulista riu e eu a puxei novamente para um abraço. Eu estava com saudades da menina e eu sabia que ela sentia o mesmo. Summer era uma das poucas pessoas, além de minhas roommates, que fazia com que eu me sentisse totalmente em casa. Tanto na questão da língua, quanto nos jeitos. Ela não se importava com abraços ou demonstrações de afeto consideradas ‘exageradas’ pelos norte-americanos.
- Vamos começar isso, então. Depois colocamos o papo em dia. - a menina falou e eu concordei. - Vá se trocar, te dou vinte minutos. - concordei e corri para o camarim, onde a equipe de maquiagem e cabelo já estava preparada para me atender.
Os profissionais de beleza foram bem rápidos e conseguiram me devolver no tempo estipulado por Sun. Minhas roupas eram as mesmas da apresentação do People’s Choice, que eram um tipo de “padrão” das quais usaria nos shows.
Assim que voltei para o estúdio, vi que outras duas pessoas nos faziam companhia, e essas pessoas eram, simplesmente, Liam e Zayn. Eu me assustei um pouco, mas logo sorri ao vê-los.
- Meu Deus, vocês poderiam avisar a chegada. - falei, indo em direção à Liam e o abraçando fortemente. - Oi, Payne. - beijei sua bochecha, e meu ato fora retribuído com um sorriso. Me desloquei até Zayn e para sua surpresa, e a de , eu o cumprimentei com um selinho. - Oi, babe. - o abracei. - Temos que ser convincentes, não? - sussurrei contra seu ouvido e ele sorriu, concordando. - Então, os dois bonitos fiquem esperando, iremos almoçar todos juntos. - avisei.
- Eu vou precisar ir para uma entrevista com o Abraham. - falou. - Então, não vai dar para mim. - fez uma cara de decepcionada e eu torci o lábio.
- Tudo bem. - falei, com a voz baixa. - Mande um beijo para Matu, então.
O ensaio fora divertido e leve, como sempre era. Colocamos algumas músicas animadas para tocar e aquilo deixava mais animado e bem mais rápido.
Summer finalizou as fotos com uma onda de palmas para toda equipe. teve que sair no meio da sessão, então deixamos o dono do estúdio encarregado de mostrar a saída aos outros contratados.
Sun conversava com Liam e Zayn, enquanto eu voltava do camarim, já em minhas roupas normais e sem maquiagem.
- Finalmente. - Liam falou. - Achei que morreríamos de fome esperando por você.
- Nem um pouco exagerado, Payne. - falei e pude sentir o braço direito de Zayn envolvendo minha cintura. Meu corpo arrepiou com o toque repentino, e o sentimento intensificou depois que um beijo fora depositado em minha cabeça. Summer nos olhava com ternura e eu quase podia ver os corações saindo de seus olhos.
- Vamos logo, então. - Malik falou e todos concordaram.
Caminhamos até o carro de Liam, onde Sun foi com o rapaz na frente, e eu fui no banco dos passageiros com Zayn. Paramos para almoçar em um restaurante pouco movimentado, já que não queríamos nossos nomes nas capas de revista no dia seguinte.
A refeição foi repleta de risadas, conversas aleatórias e boas memórias. Em nenhum momento citamos coisas das quais não podíamos falar, e quando digo isso, me refiro à situação de Summer e Harry.
Após o almoço, decidimos dar uma volta na praia e aquele foi um dos únicos momentos do dia no qual consegui ficar completamente sozinha ao lado de minha amiga. Os garotos jogavam futebol com alguns jovens que estavam por ali, enquanto eu e Sun tomávamos um sorvete em um dos bancos embaixo de uma árvore.
- Você e o Zayn combinam bastante. - a garota falou, enquanto mantinha o olhar fixo no horizonte.
- Não é real, Sun. - eu falei, simplesmente cuspi a informação. Eu não poderia mentira para Andrews, aquilo não era justo com nossa amizade. A garota quase se engasgou com o creme de chocolate. - Assinamos um contrato. - falei, sussurrando. - Depois que Aaron terminou comigo, sem motivos aparentes, eu fui taxada de traidora e minha visualização estava sendo negativa. Essa tinha sido a única forma de tentar “sair dessa”. - eu dei de ombros. - Por mais que eu ache ridícula a ideia de eu ter que ser relacionada a alguém para ser bem falada, eu tive que aceitar. - a garota ainda estava em estado de choque. - Então, não é real. - conclui. Meus olhos estavam focados em Zayn correndo atrás da bola e sendo interceptado por Liam. Era engraçado o quanto ele se parecia com uma criança de doze anos no corpo de um adulto de vinte e sete.
- Eu não sei. - minha amiga falou. - Mas, me parece bem real. - seu olhar tramitava entre eu e Zayn, com um sorriso fraco. - No início poderia não ser, mas eu tenho certeza que vocês estão começando a desenvolver algo aí dentro. - ela apontou para meu peito. - Eu e Harry ficamos nessa por um tempo também. - mordeu o lábio inferior e eu mencionei interrompê-la, mas ela me impediu. - Está tudo bem, . - sorriu fraco. - Eu e ele ficávamos fingindo que não existia nada, e demoramos um tempo para assumir que queríamos algo além de só um sexo sem compromisso. - seus olhos encaravam o chão e sua mão brincava com a colher que estava dentro do recipiente de sorvete. - Quando menos eu esperava, eu percebi que estava apaixonada por ele. - ela suspirou e olhou para mim. - Olha lá. - ela indicou Zayn com a cabeça. - A maneira que ele te olha… - o garoto sorria para mim, enquanto acenava com uma das mãos e eu fiz o mesmo. - Me parece real, .


Capítulo 16

- Eu não acredito que concordei em vir à Espanha com você. - Zayn murmurou, enquanto eu o acordava para avisar que já estávamos em solo europeu.
- Pare de reclamar. - ri fraco vendo o garoto se movimentar aos poucos. Seus olhos foram abrindo-se devagar, revelando a cor de mel que predominava neles. Zayn era um dos homens mais bonitos do mundo, de fato.
- Precisará se redimir por isso. - ele coçou o olho direito e bocejou.
- Tudo bem, vamos dar ótimos passeios por aqui. - eu falei e me levantei da poltrona, me preparando para descer do jatinho.
- Como se fosse possível senhora “eu sou uma estrela mundial”. - ele vestiu a jaqueta que estava ao seu lado e colocou seus óculos escuros.
- O sujo falando do mal lavado. - dei língua para o garoto, que apenas riu em resposta.
Michael entrou na aeronave e nos avisou que precisaríamos sair pelos fundos, já que a quantidade de fãs nos esperando era maior que a imaginada. Concordei, por mais que eu não quisesse. Eu amava o contato com meus fãs e era eternamente grata por tudo que faziam por mim. Malik, ao contrário de mim, preferia a discrição. Seu passado com crises de ansiedade causadas pela “febre” que a One Direction teve no mundo, fez com que ele preferisse dessa maneira. Obviamente ele amava seus fãs, mas ele gostava de ser apenas um cara normal - e isso qualquer fã de 1D tem ciência.
Descemos do jato, contemplando o calor que fazia na capital espanhola. Alguns paparazzi autorizados a entrar na pista de pouso, tiravam fotos nossas. Zayn caminhava um pouco à frente de mim, e tinha uma mochila nas costas. Eu estava ao lado de Mike, sendo guiada pela equipe do aeroporto.
Apressei meu passo para tentar alcançar Malik, e consegui mesmo depois do esforço.
- O que você quer almoçar? - ele perguntou, olhando em minha direção, assim que me aproximei.
- Não sei, talvez comeremos no hotel. - dei de ombros.
- Estou te chamando para comer comigo, . - ele rolou os olhos. - Fora do hotel. - riu fraco e eu abri a boca, entendendo o que queria dizer. - Eu sinto que te devo constantes desculpas por ter sido umbabaca desde o início disso. - ele apontou para nós dois.
- Ei, fica tranquilo. - segurei sua mão com gentileza e ele sorriu automaticamente. - Eu até que prefiro o serviço de quarto. - meneou sua cabeça em concordância e eu mordi o lábio inferior.
Entramos na van que estava pronta para nos levar ao hotel no qual ficaríamos. O motivo para o qual estávamos em Madrid era simples; estava acontecendo um evento de uma grande marca de roupas do país, e eles precisariam de alguém para fazer a performance musical durante os desfiles, e eu fui a convidada para tal feito. Malik não estava contente de precisar ir à um desfile, então eu apenas o convenci de me acompanhar até a Espanha para fazermos algo juntos, e o poupei de ir ao desfile.
Normalmente eu carregaria , ou comigo. Mas, todas elas têm seus trabalhos paralelos a mim, por mais que parte delas fosse de minha equipe.
estava em um trabalho grande com Abraham Mateo, seu outro cliente e amigo, por isso pediu para que Lana fosse a pessoa que me acompanhasse nesta viagem. , por mais que estivesse de férias, arrumou alguns pequenos trabalhos de modelo para fazer em Miami, principalmente nos clipes de seu namorado. , que esteve semana passada em Nova Iorque, decidiu estender a estadia e ficar mais alguns dias, acompanhando o Why Don’t We em alguns shows que faziam pela cidade.
Os ensaios para turnê ainda aconteciam, mesmo sem mim. Porém, prometi a meus preparadores e coreógrafos que voltaria em dois dias para continuarmos o trabalho, e assim eu faria.
O hotel era, como sempre, luxuoso. Fomos recebidos com atenção e carinho. Pedi para que acomodassem toda minha equipe da melhor forma possível. Lana ainda não tinha chegado no país, mas já estava a caminho. Enquanto subíamos de elevador até nosso andar, passei uma mensagem para Cami - uma de minhas melhores amigas e namorada de Abraham. -, a avisando que estava na cidade e que em breve iríamos nos esbarrar no evento.
O estalar do sino avisou que estávamos em nosso andar. Saímos do cubículo e caminhamos até o quarto separado para nós. Assim que Zayn abriu a porta, vimos que nossas malas já estavam devidamente colocadas no local.
O ambiente era todo em branco e azul, um tanto futurista para um hotel cinco estrelas. Suas paredes eram de cimento queimado e tinha um quadro com um estilo diferente de grafite. Zayn sorriu para mim, claramente se sentindo um pouco mais confortável por estar em um local que o agradava.
- Vou tomar um banho. - comentei, jogando minha bolsa em uma das poltronas que tinha ali. - Você pede o almoço enquanto isso? - virei-me para o britânico, que assentia, com um sorriso. - Ótimo. - abri minha mala e peguei uma muda de roupas, que consistia em uma calça de moletom cinza e um top azul de academia.
Entrei no banheiro e me deparei com um espelho enorme e uma grande quantidade de produtos de beleza de algumas marcas que me patrocinavam. Me despi rapidamente e entrei no box e tomei um banho quente para relaxar meus músculos depois de algumas horas de viagem. Meu celular, que estava em cima da pia, não parava de apitar. Provavelmente Lana avisando que já havia chegado e que depois do almoço passaria para me buscar. Eu checaria após o banho.
Depois de alguns longos minutos eu saí do chuveiro, me sequei e vesti minhas roupas. Assim que saí, Zayn entrou e tomou seu banho. Enquanto ele estava se preparando, o serviço de quarto chegou com nossos almoços.
Sorri ao ver que o garoto havia pedido meu prato favorito; macarrão ao molho branco acompanhado de brócolis.
Mas, como ele sabia daquela informação se eu nunca havia comentado com ele?
Malik saiu do banheiro apenas com uma calça jeans e logo se aproximou, jogando seu peso na cama.
- Como você descobriu, em? - perguntei me referindo ao prato.
- Brandon. - ele piscou maroto e eu rolei os olhos. - Sim, nos uniremos para poder te fazer a mulher mais feliz do mundo. - ouvir aquilo saindo da boca de Zayn fez com que um choque passasse por meu corpo.
- Z. - eu sussurrei e ele murmurou em resposta. - O que está acontecendo, de fato, entre a gente? - perguntei, engolindo seco, por medo da resposta.
- Eu não sei, . - ele mordeu o lábio inferior. - Mas, faz um grande tempo que não me sinto desse jeito e eu estou gostando de cada momento. - sorriu e eu fiz o mesmo. - Não precisamos rotular nada agora, estamos apenas nos conhecendo. Mas, esse sorriso… - ele apontou para meu rosto. - Já é estritamente importante para que isso aconteça. - ele levou seu dedo indicador até os próprios lábios, e por reflexo, eu me aproximei deles, os selando com um beijo. Esse que era calmo e gentil. Nossos lábios não eram velhos conhecidos, mas alguma coisa fazia com que eles sentissem falta um do outro. Todo dia eu precisava deles, era como a minha dose diária de dopamina, e essa era causada pelo toque dos lábios de Zayn nos meus.
- Eu acho que posso me acostumar com isso. - sussurrei, e o garoto riu.

***

- Tem certeza que quer ficar? - perguntei a Malik e ele apenas assentiu, ligando a TV do quarto, enquanto se jogava na grande cama do hotel. - Tudo bem, volto em breve.
- Boa sorte e arrasa. - ele piscou e eu balancei a cabeça em negação.
Sai do quarto para ir de encontro com Lana, mas o que eu não esperava era que a minha amiga, e empresária, já estava em meu corredor, apenas esperando minha saída.
Ela tinha os braços cruzados e uma das sobrancelhas erguidas, seus cabelos loiros e naturais caíam perfeitamente sobre seus ombros nus, já que usava uma camisa de estilo cigano.
- Vocês estão se dando muito bem, não? - ela tinha um tom irônico em sua voz.
- Não era isso que você queria? - perguntei com o mesmo tom que a mulher, e ela apenas riu.
Descemos rapidamente e saímos pelos fundos, indo até a van. Mike estava conosco e nos acompanharia até o evento.
Assim que chegamos no local onde estava acontecendo o desfile, vi de longe uma pessoa magra e extravagante, que conversava animadamente com Camilla no backstage. Eu não tinha dúvidas de que era Lalo Ebratt, e apenas confirmei o fato quando me aproximei dos dois com um sorriso.
- Mamacita, você me assustou. - a espanhola colocou as mãos na altura do peito e soltou uma risada. - Como está, bela? - perguntou, enquanto me dava um abraço caloroso e um beijo na bochecha.
- Eu estou bem, Cami. - retribui o beijo em seu rosto. - E você, senhor Ebratt? - levantei a mão e o colombiano as juntou em um high-five seguido de um abraço. - Não me diga que veio para cantar também? - perguntei.
- Na verdade, vim apenas para assistir. - ele falou.
- Mas, vocês não têm uma música juntos? - Cami perguntou, apontando para nós dois.
- Sim, El Vecino, é do novo EP. - eu falei e sorri. - O que acha de cantar ela comigo essa noite, Lalo? - perguntei e o homem de primeira concordou, sorrindo largamente. - Era isso que eu queria ver. - brinquei. - Vem, vamos nos preparar. - o puxei pela mão. - Já voltamos para você, Cami.
- Tudo bem, estou indo fazer a cobertura do evento. Nos vemos no show. - ela falou e logo saiu de cena, assim como nós.

***

Depois do desfile e de minha apresentação ao lado de Lalo, liguei para Zayn pedindo para que ele encontrasse conosco no restaurante que ficava no início da quadra do hotel onde estávamos. O britânico pediu alguns minutos para se arrumar e disse que nos encontraria lá.
Eu, Lalo e Cami fomos levados por Mike até a van que me trouxe ao evento, a mesma nos levaria para o jantar. O colombiano estava com a perna esticada em um dos bancos vazios, enquanto eu e a espanhola estávamos lado a lado. A garota gravava alguns stories para o seu Instagram, já que aquela era sua profissão. Eu olhava o caminho através da janela e tinha os pensamentos perdidos no olhar de um certo britânico, que estava mexendo com meus sentimentos de um tempo para cá. Sorri fraco por uns instantes.
- , eu não quero ser estraga prazeres… - Cami falou, atraindo a minha atenção e de Lalo. - Mas, você não vai acreditar quem está na Espanha e acabou de comentar uma foto de nós duas em meu perfil. - sua feição não foi a das melhores, ela mordia o lábio com apreensão e eu podia ver a inquietude em seus movimentos.
- Quem, Camilla? - perguntei, trocando olhares assustados com Lalo.
- Aaron. - ela engoliu seco. - Ele comentou a foto e logo me mandou uma mensagem dizendo que precisa te encontrar para terem uma conversa.


Capítulo 17


- Você tem certeza de que vai fazer isso, ? - Zayn perguntou. Ele estava sentado na cama, mexendo no controle remoto da TV e eu vestia um casaco, que era a peça que faltava para eu ficar pronta.
- Eu sinto que preciso de respostas sobre o nosso término, sabe? - falei suspirando. Eu não queria fazer aquilo, mas eu sabia que era necessário colocar os pingos nos i’s e finalmente esclarecer tudo.
- As pessoas não vão falar? - pela primeira vez pude ver Malik preocupado com a minha imagem e o que falariam dela.
- Fica tranquilo. - sorri fraco. - Bella e Abel me mandaram mensagem ontem à noite e eu combinei de encontrá-los no mesmo local que marquei com Aaron, qualquer coisa, será só uma reunião de amigos. - dei de ombros. Zayn me encarou com uma feição surpresa, o garoto estava atônito e isso me fez dar uma risada. - Sim, Malik, é a Bella Hadid, sua ex-cunhada. - ele engoliu seco e eu ri fraco. - Fica tranquilo, bobo. - me aproximei do rapaz e selei nossos lábios em um beijo demorado. - Eu volto logo depois do almoço.

***

O local estava cheio e isso, de certa forma era bom, já que as únicas mesas que sobraram foram aquelas bem escondidas onde ninguém conseguiria capturar uma foto sequer de nós.
Assim que cheguei, Aaron já estava no local. Seu cabelo estava um pouco maior que da última vez que nos vimos, assim como sua barba. Mas, isso não o deixava feio, pelo contrário, ele estava ainda mais bonito que antes. Seu sorriso abriu largamente quando me viu e eu fiz o mesmo. Nada que dura por tantos anos, acaba do nada. E assim era meu sentimento por ele; estava desaparecendo, mas não seria da noite para o dia.
- Herron. - ele se levantou para me abraçar. Nossos corpos se chocaram e então eu senti que não era mais a mesma coisa, não era mais o mesmo toque, não era mais a mesma sensação. - Eu vou ser breve, pois estou no intervalo de uma gravação e não posso me alongar por aqui. - ele falou, se sentando novamente e eu apenas concordei, fazendo o mesmo que ele. - Eu fui um idiota naquele dia, terminei com você sem te dar explicações prévias e, bom, eu vou ser sincero com você, . - ele se ajeitou na cadeira e engoliu seco. - Eu gosto muito de você. Mas, eu me apaixonei por outra pessoa. - suspirou e eu meneei em concordância. Aquilo não me fez mal, porque de alguma forma, eu estava compartilhando do mesmo sentimento que ele. - Você me fez feliz, mas ela me faz mais. - eu sorri fraco e ele também. - Peço para que não fique triste e entenda que eu fiz isso para não te fazer sofrer tanto. - toda aquela história, para alguns, poderia fazer sentido. Mas, para mim não fazia. Aaron nunca teve um histórico de traição com suas ex namoradas, o que fazia aquilo tudo ficar ainda mais estranho.
- Eu só preciso saber de uma coisa, Aaron. - eu disse séria. - Você realmente ficou com alguém ou fez isso para aumentar sua fama, já que você não estava fechando contratos milionários. - ri, incrédula. - Se você realmente me traiu, eu não vou me importar. Mas, algo está me dizendo que, para você, era muito mais cômodo criar um falso relacionamento entre eu e meu melhor amigo, sair como vítima e conseguir finalmente seu espaço na mídia. - ele engoliu seco. - O que eu me pergunto é se você realmente me amava de verdade. - eu queria chorar, mas não iria, eu era forte o suficiente para superar tudo isso. - Da mesma maneira que eu te amei e doei cada parte de mim.
- Por que saber sobre isso seria relevante agora? - ele mordeu o lábio inferior.
- Sua fala já me responde muita coisa. - ri sarcástica e ele ameaçou falar. - Bom, agora você já pode ir. - levantei a mão. - Eu não irei me estender nisso e também pode guardar seu rabinho dentro das calças, porque não vou te processar. Afinal, para mim, você é apenas mais uma pessoa do passado. Alguém com quem, infelizmente, eu me arrependo de ter aberto meu coração. - suspirei. - Combinei de encontrar um casal de amigos aqui, espero que você não fique e atrapalhe a situação. - fui seca o suficiente para fazê-lo se sentir desconfortável para se retirar.
- Tudo bem. - ele respirou fundo. - Acho que é melhor eu ir mesmo. - foi com essa fala que ele se levantou e, sem pestanejar, foi embora. Um peso tinha saído de meus ombros naquele momento e eu senti como se eu estivesse livre para bater asas e voar a partir de agora.
Um garçom muito atencioso se aproximou e anotou o pedido de vinho que eu fiz. Depois da notícia de que você foi corna, a melhor coisa é afogar as mágoas no álcool. Fiz questão de mandar uma mensagem no grupo que tinha com meus amigos, avisando que tive uma conversa com Aaron e explicando todos os detalhes.
Alguns minutos depois, uma das recepcionistas do restaurante, se aproximou da mesa ao lado de meus convidados, que tinham uma convidada.
- Oi, amiga. - Bella disse, sorrindo e depositando um beijo em minha bochecha. - Espero que não se importe, mas trouxe minha irmã também. - ela apontou para a loira que tinha um grande sorriso no rosto. - Não sei se já se conhecem. - a mais velha falou e eu neguei, me levantando para cumprimentar Abel, que estava ao seu lado, e logo depois Gigi.
- Não nos conhecíamos pessoalmente, mas, me poupe, Bella. - eu sorri. - Eu sou tipo a maior fã das irmãs Hadid que existe no mundo. - falei apontando para as duas e elas riram. - É capaz que eu possa desmaiar a qualquer momento.
- Então vamos sentar. - Abel falou e eu concordei, ainda em meio a risadas, como eles.
O garçom se aproximou e anotou nossos pedidos, nos deixando bem à vontade para experimentar o que quiséssemos.
A Hadid mais nova estava sentada ao meu lado, e usava uma calça jeans, uma blusa preta básica e tênis da mesma cor. Era incrível como qualquer coisa que aquela mulher vestisse ficava incrível, do mais básico ao mais extravagante.
- Vou confessar que eu achei que seria estranho vir aqui hoje. - ela virou para mim, falando em um tom mais baixo. - Eu não sabia como poderia ser esse encontro, você estando com Zayn agora. - ela pressionou os lábios e eu balancei a cabeça em negação.
- Deixa disso, Gigi. - toquei em seu braço direito e fitei seus olhos. - Eu sou totalmente contra qualquer tipo de rivalidade feminina. Principalmente as que a sociedade dizem ser obrigatórias, como: odiar a ex do seu atual, e vice-versa. - a garota respirou fundo, como se agradecesse mentalmente por meu pensamento. - Sou sua fã, Gigi. E, sinceramente, eu amava você e Zayn juntos. - ri e a garota também. - Mas, coisas aconteceram e vocês não estão mais juntos. Isso é extremamente comum, meu bem. - ela concordou com um aceno de cabeça. - Eu não te odeio, não odeio a história que teve com Zayn e não quero que nem ele, nem você, apaguem isso de suas vidas.
- Uau. - foi a única coisa que ela falou, seguindo um sorriso verdadeiro que saía de seus lábios. - Uma aula de feminismo e sororidade agora. - eu meneei em concordância e ela sorriu fraco, me abraçando de lado logo em seguida.
- Pois a senhora já vai me trocar, ? - Bella perguntou, em falso ciúme e arrancou gargalhadas de todos da mesa.
Nossos pratos chegaram e, finalmente, pudemos almoçar. Meu estômago estava revirando de fome e eu precisava me alimentar. Lana estava enchendo meu saco, assim como , dizendo que eu não estava tendo uma boa alimentação, e como eu entraria em turnê, precisaria estar em forma.
O almoço foi divertido, e rapidamente percebi que já eram duas da tarde. Levantei uma das mãos e pedi a conta para o garçom, pagando toda ela, já que em cada restaurante que íamos, fazíamos dessa forma: uma pessoa pagava a conta, e a outra dava uma bela quantia de gorjeta, e assim foi feito; Abel, Bella e Gigi deram muitos dólares para o menino que havia nos servido com tanta maestria.
- Eu realmente preciso ir. - falei, me levantando da mesa. - Eu disse à Zayn que chegaria depois do almoço para ficarmos um tempo juntos, já que à noite eu tenho que encontrar minha empresária.
- Então vá ficar com seu namorado, . - a Hadid mais velha falou e eu ri. - Largue de ser idiota. - Distribuí beijos em todos da mesa, troquei números com Gigi, porque combinamos de nos encontrar quando ela estivesse em Miami, e fui embora. Não precisei de Mike naquele momento, pois não haviam tantos paparazzi e eu consegui ir facilmente até o carro que Lana havia alugado para que eu usasse durante o fim de semana.
Acelerei e em alguns minutos eu estava de volta ao hotel. Corri até o elevador, e entrei em desespero, odiava me atrasar. Corri até a porta do quarto, e a pressa me fez ter dificuldade para achar o cartão que abria a porta, me fazendo perder mais alguns minutos em frente a ela. Assim que abri, vi que Malik abotoava sua calça e vestia uma camisa azul de meia manga.
O observei por alguns instantes, ele parecia ter sido desenhado. Cada detalhe dele era perfeito, os olhos, cabelo, corpo, tudo. Eu deveria ganhar um prêmio de autocontrole, porque naquelas condições, eu poderia pedir para que ele fizesse o que quiser comigo.
Virou seu olhar para mim e sorriu, era um sorriso sincero, e que eu não sabia se significava algo.
- Você voltou. - ele falou, parando na frente do espelho e ajeitando o cabelo.
- E você está se arrumando. - apontei para o garoto, com dúvida.
- Claro, vou te levar para um passeio por Madrid. - virou-se. - Bom, eu e Mike. - ele riu e eu o acompanhei. - Mas, eu sei o quanto você queria conhecer um pouco da cidade. Então, eu mexi uns pauzinhos para tentar te levar para um tour.
Eu estava boquiaberta. Não era possível que Zayn faria mesmo aquilo, e principalmente por mim. Senti meu estômago revirar e um misto de ansiedade e nervosismo passar por meu corpo. Era como se eu estivesse no ensino fundamental e o garoto bonitinho da aula de matemática me chamasse para conversar. Mas, Zayn não era nenhum garoto das escolas brasileiras. Ele era o Zayn Malik e estava me levando para um tour por Madrid.
- Vai com essa roupa mesmo? - ele perguntou, se aproximando e colocando uma das mãos sobre meu ombro. Eu concordei e ele sorriu. - Ótimo, está linda como sempre. - beijou minha testa e foi em direção ao banheiro para passar seu perfume.
Eu não sabia exatamente o que estava acontecendo entre mim e Zayn. Mas, eu gostava da sensação de estar perto dele, de saber que se eu o chamasse para ficar em casa sem fazer nada comigo, ele viria e principalmente, eu gostava de saber, que ele estava sentindo o mesmo que eu, por mais que isso a gente a ainda não soubesse o que fosse.


Capítulo 18

Voltar para casa nunca foi tão ruim. O fim de semana ao lado de Zayn tinha sido muito mais do que poderia imaginar e isso me deixou reconfortada. Nossos momentos juntos me faziam esquecer o quão idiota ele foi ao nos conhecermos.
Eu ainda tinha dúvidas quanto ao rótulo do que tínhamos, mas, diferente das outras vezes, eu não estava com pressa. O que eu queria, de verdade, era apenas tê-lo por perto.
Por isso - praticamente - implorei para que ele ficasse em Miami essa semana e me acompanhasse em alguns ensaios finais da tour.
- Começaremos às dez, Z. - me mexi na cama, depois de sentir seus lábios sobre minha testa. - Não precisa me acordar agora. - meus braços se esticaram e meus olhos começaram a abrir devagar. E, francamente, eles não esperavam ver o que viram. Um amontoado de lírios em um buquê e uma bandeja de café da manhã. Não era meu aniversário, ou qualquer uma dessas datas comemorativas. Então por que Zayn tinha feito aquilo?
O olhei com dúvidas e ele sorriu.
- Você alcançou o topo da Billboard hoje, . - ele falou, com um sorriso orgulhoso no rosto. - E a única música que está prestes a te tirar do topo, também é sua. - eu tinha um sorriso tão grande quanto o dele, eu não estava acreditando naquilo. - Parabéns. - concluiu e eu me joguei para cima dele, o beijando lentamente.
Nossas línguas se encontraram e um gostoso arrepio tomou conta de minha espinha. Zayn tinha uma das mãos em minha nuca e a outra em minha cintura. A que estava em meu pescoço ele abaixou e usou para ajudar a outra mão a me colocar em seu colo.
Estávamos frente à frente e eu sabia exatamente onde aquilo iria acabar. Mas, eu deveria impedir?
Os beijos começaram a descer por meu pescoço e traçaram um caminho gentil em minha clavícula. Nossas respirações eram tão descompassadas quanto as batidas de nossos corações. Eu podia sentir Zayn de todas as formas naquele momento, e não, eu não o impediria.
Quando seus dedos encontraram a barra de minha blusa, rapidamente fizeram questão de puxá-la para cima e me deixar completamente exposta para o britânico, que tinha desejo em seus olhos.
- Você tem certeza disso, ? - ele perguntou, enquanto acariciava um de meus seios e distribuía beijos em meus lábios.
- Nunca estive tão certa de algo. - e aquela frase foi o gatilho perfeito para que nossos corpos sentissem ainda mais vontade de se unir, assim o fazendo.

***

Durante toda minha adolescência eu imaginei como seria fazer sexo com um de meus ídolos, e agora que eu finalmente havia quebrado essa barreira com Zayn, eu poderia dizer que foi bem melhor do que sempre pensei.
Todas as vezes que estive com Malik, eu me segurava para não pular em cima dele. Nos primeiros encontros, por ódio, nos outros, por tesão. Aquele homem não é apenas um pedaço do mal caminho, ele é o caminho, a rua, estrada, avenida inteira. Não havia uma alma sã que pudesse dizer que Zayn Malik não é atraente.
Durante todo ensaio, eu não conseguia tirar o início daquele dia de minha mente. De fato, nós precisaríamos conversar e decidir como faríamos isso. Envolveríamos sentimentos ou não? Seria apenas sexo e beijos? Mas se eu o dissesse que já estava sentindo algo, o que ele falaria? Mas, eu estava realmente sentindo algo ou era apenas algo da minha cabeça?
Muitas perguntas rondavam minha mente, me deixando um pouco nervosa com toda a situação. Entretanto, eu tinha certeza de que Malik estava passando pelo mesmo, e aquilo me deixava um pouco mais aliviada.
- Terminamos por hoje. - Willdabeast gritou, batendo palmas. - Nos vemos amanhã no mesmo horário. - Sorriu e foi em direção ao som para desligá-lo e, finalmente, poder ir embora.
Olhei para a porta, e estavam me esperando com um sorriso. Corri para abraçá-las, assim que as vi. Era o mesmo abraço de anos, o mesmo toque com sensação de casa. É estranho de falar, mas eu podia sentir o cheiro da minha antiga casa ao abraçar as meninas.
- Vamos, tem gente lá em casa esperando por você. - falou.
- A parte de ter gente lá em casa não é nenhuma novidade. - comentei, arrancando risadas de minhas amigas.
O carro de Joel estava estacionado em frente ao estúdio de dança, e por um momento achei que o garoto abaixaria o vidro para falar comigo. Porém, puxou a chave de seu bolso e apertou um botão, destravando as portas. Eu a olhei surpresa, e isso fez com que ela corasse. Só eu sabia o quanto Pimentel era ciumento com suas coisas, e deixar um de seus bens mais preciosos na mão de alguém era algo raro. Isso só provava o quanto ele amava e confiava em .
Meu coração aqueceu por alguns instantes. Nunca fui cética em relação ao amor, pelo contrário, sempre acreditei fielmente nele. Afinal, sou uma artista e sem o sentimento, minhas músicas não seriam as mesmas. E ver que ele se manifesta de maneiras que achamos simplórias, era lindo e me deixava realmente muito feliz.
Joel amava , amava Joel. E aquele sentimento não tinha deixado de existir por conta do tempo que estiveram separados. Quando se ama alguém de verdade, não importa quanto tempo fiquem distantes, o sentimento permanecerá o mesmo.
Pensamentos como aquele me traziam devaneios. Eu nunca tinha amado alguém - que não fosse família e amigos - de verdade. Dizia a todo momento que amava Aaron, mas comecei a me questionar depois de todos os fatos ocorridos. Eu realmente o amava?
Minha mãe costumava dizer que eu sou cabeça dura e me desapego das pessoas muito rápido. E isso é uma verdade que carrego até hoje. Mas, ela também afirmava que quando eu realmente amasse alguém, aquele sentimento iria ser eterno.
Eu gostaria de encontrar o amor.
O carro estacionou lentamente perto da nossa porta de entrada, e enquanto e tiravam algumas mochilas da mala, junto com alguns sacos de compras, eu pude ouvir a voz de Brandon ecoar.
- Sabe, eu concordo que faça isso. - ele falava com calma. - Só vou pedir o que todo amigo pede.
- “Não faça mal à ela” - sua voz soou junto com a de outra pessoa. - Eu nunca seria capaz de quebrar o coração de . - era Malik, e ouvir aquelas palavras saindo de sua boca fez com que eu tremesse na base e perdesse um pouco da força nas pernas, precisando me apoiar entre a porta e a parede. Mas, me apoiei errado e acabei abaixando a maçaneta, fazendo a grande porta de madeira se abrir.
- Olha quem está aqui. - Brandon se levantou e correu em minha direção. - Incrível como eu não consigo ficar longe de você. - ele falou e eu sorri fraco.
- Senti saudades também. - me aconcheguei em seu peito. - Ei, Malik. - olhei em sua direção e ele sorria sem mostrar os dentes. - Eu também quero um abraço seu, mocinho.
- Achei que nunca fosse pedir. - veio em nossa direção e assim que Brandon me soltou, Zayn me abraçou pela cintura, me tirando do chão. - Acho que já estou ficando dependente de sua presença. - ele sussurrou contra meu ouvido e eu pude sentir cada pelo de meu corpo arrepiar.
- Eu digo o mesmo para você.


Capítulo 19

Meu tempo sem ter as muitas responsabilidades de estrela mundial durou mais do que eu imaginava. Porém, se eu não voltasse à programação normal, provavelmente Lana comeria meu fígado, mesmo que ela fosse vegana.
estava ao meu lado no camarim enquanto eu era maquiada para a minha entrevista no The Late Late Show, que originalmente era apresentado por James Corden, mas o mesmo estava de férias e chamou ninguém mais, ninguém menos que Harry Styles para comandar o programa em suas férias.
Eu já cantei com Harry num estádio lotado, já o encontrei em várias ocasiões, mas era sempre o mesmo nervosismo e suadouro. Chegava a ser cômico a maneira com a qual eu agia sobre essas situações.
Assim que a maquiagem acabou, uma das mulheres da produção veio me preparar, colocando microfones em minha roupa, que se tratava de um vestido tubo azul marinho, de alças finas e em meus pés uma sandália preta de tiras. Meus cabelos estavam soltos e lisos, como em todas as outras vezes.
- Obrigada. - falei assim que a mulher terminou seu trabalho comigo. A mesma sorriu em retribuição e eu fiz o mesmo.
Na sala onde eu estava tinha uma TV na qual estava passando a gravação do programa. Harry usava um terno, também azul, o que me fez rir, já que estávamos combinando, e ele fazia o clássico monólogo de início de programa. estava parada à porta ao lado da produtora geral do programa, que tinha uma prancheta em mãos e passava informações para minha assessora.
- Você tem que estar atrás daquela cortina em cinco minutos. - minha amiga se aproximou, falando. - E quando o Harry falar seu nome, você vai entrar e soltar o texto ensaiado. - foi clara e objetiva, como sempre era em relação à seu trabalho. Meneei em concordância.
Esperei alguns minutos e fui até a cortina que indicou. Não era minha primeira vez no programa, mas era a primeira vez que seria entrevistada por Harry.
- Ela é a artista mais falada da atualidade. - ele falou. - Suas músicas não saem das paradas e, além de linda e talentosa, é poliglota. - riu fraco. - Ela, que tem mais prêmios do que eu tive em quase dez anos de carreira. - ele deu uma pausa. - Minha amiga de longa data, Herron. - a cortina se abriu e automaticamente minha postura ficou um pouco mais ereta do que estava antes, um sorriso se formou em meus lábios e eu comecei a acenar para a plateia, que gritava animadamente. Caminhei em direção à Harry, que abriu os braços e me envolveu em um abraço saudoso. - Sente-se e fique à vontade, . - ele apontou para a poltrona onde os convidados costumavam ficar e eu me acomodei ali, de forma confortável. - Que prazer recebê-la aqui hoje, .
- É um prazer ainda maior estar aqui, Harry. - falei, imitando seu sotaque, já que isso era uma brincadeira que nós tínhamos. O rapaz revirou os olhos e a plateia riu.
- Vamos ao que realmente interessa. - ele puxou debaixo de sua mesa uma foto da capa do meu ep, que foi intitulado Self Love. - Essa belezinha aqui não sai das paradas tem um bom tempo, e já fazem quase dois meses do lançamento. - ele falou, com uma cara de surpreso. - Me explica qual o feitiço que você usou para que isso acontecesse.
- É talento que chama, Harry. - olhei para minhas unhas e estalei os lábios. - Você deveria saber, afinal tem de sobra. - pisquei para o garoto e ele gargalhou.
- Por um momento eu achei que você fosse acabar comigo em rede internacional. - suspirou e encarou a câmera, rindo fraco.
- Você faz isso sozinho, meu amigo. - a plateia gargalhou e o britânico fechou a feição, fazendo com que o público risse ainda mais.
- Me fala mais um pouco desse EP, . Como você trabalhou nele? - mudou de assunto rapidamente, mas ainda fazia uma graças com sua maneira de falar ou olhar.
- É um álbum um tanto pessoal, já que a maioria das músicas eu gravei entre shows ou na minha própria casa. - sorri, com orgulho. - As letras são todas composições minhas, com exceção de Too Cool que foi uma parceria de escrita com Daniel Seavey e Corbyn Besson.
- Da Why Don’t We, certo? - ele perguntou e eu concordei com um aceno de cabeça. - Bom, você tem muito contato com as boybands da atualidade. Já trabalhou com o Prettymuch. - ele comentou, enquanto olhava os cards em suas mãos. - Que inclusive tem participação na produção desse EP. - ele olhou para mim.
- Sim. - sorri. - Brandon e Edwin foram dois dos produtores de algumas músicas. - eu gesticulava. - Sobre as outras boybands, eu e o CNCO estamos trabalhando em algo que em breve sairá para vocês. E eu e o Why Don’t We já saímos em turnê juntos, não temos nada em vista para esse ano, mas caso aconteça, vocês saberão. - pisquei.
- Falando em turnê, a sua começa em breve. - ele tinha um tom sugestivo.
- Isso, começaremos pela Ásia e eu viajo no início do mês que vem. - eu sentia um orgulho crescer em meu peito. - Os tickets começarão a ser vendidos na próxima semana. - sorri.
- Temos uma última pauta para finalizar este bloco. - ele uniu as mãos e me encarou. Eu me segurava para não começar a rir. - Zayn Malik. - quando o nome de seu ex colega de banda saiu de sua boca, as fãs que estavam na plateia começaram a gritar em níveis absurdos. Foi necessário que a produção as acalmasse. - Vocês estão namorando desde Fevereiro, isso nos dá quase dois meses de namoro. Não? - ele perguntou e eu concordei, ainda sorrindo. - Gostaríamos de saber se ele vai sair em turnê com você, para apresentar a música que tem juntos, ou apenas para te acompanhar mesmo…
- Isso ainda está sendo discutido, mas eu espero que ele consiga ir. - sorri sem mostrar os dentes. - A não ser que você precise dele para um possível retorno da One Direction, Harry. - o olhei sugestiva.
- Essa foi Herron, pessoal. Ouçam o EP ‘Self Love’. Voltamos já. - uma onda de aplausos tomou conta do lugar e as câmeras foram desligadas. - Isso foi ótimo, . - ele comentou, dessa vez falando baixo, já que os microfones estavam desligados. - Obrigado por vir.
- Como se fosse um fardo te ver, Styles. - bati leve em seu braço.
- Soube que você e Summer se encontraram… - ele começou a falar e eu o encarei assustada.
- Esse assunto já está sendo permitido? - ri fraco e ele me mostrou o dedo. - Mas, sim. Nos encontramos em Miami no mês passado. A contratei para fazer umas fotos minhas. - o garoto sorria de maneira terna e tinha um brilho no olhar. Certamente ele ainda nutria um grande carinho pela brasileira.
- Eu a encontrei na festa de noivado de uns amigos, uma semana depois. - ele suspirou.
- E como foi? - perguntei.
- Doloroso. - arfou. - É difícil saber que tenho que conquistar tudo aquilo que um dia já foi meu, sabe? - um maquiador se aproximou do rapaz e começou a retocar sua maquiagem. - Estamos nos falando, e todo o resto. Mas, ainda não é a mesma coisa. - o homem terminou de aplicar o pó compacto e se retirou do local, recebendo um leve ‘obrigado’ de Harry. - Além do mais de que ela está namorando.
- Como é que é? - arregalei os olhos. - Está se drogando, Styles?
- Tem esse brasileiro que marcou ela em algumas fotos, e ela, Liz e Kevin não paravam de comentar sobre ele…
- Não se faça de maluco, Styles. - bufei. - Essa é função do Louis. - o garoto riu fraco. - Além do mais, quais fontes te afirmam que esse relacionamento não passa apenas de uma amizade?
- As vozes da minha cabeça? - ele fez uma feição de culpado.
- Harry, quando você estiver são e quiser sair para um café, você me liga. Mas agora, se eu pudesse, eu bateria sua cabeça nessa mesa. - apontei para o móvel de madeira em nossa frente. - Larga de ser louco e tente fazer as coisas da maneira certa dessa vez. - rolei os olhos. - Preciso ir, porque fiquei de encontrar Zayn para jantar. - me levantei devagar e dei a volta na mesa para abraçar o britânico. - Espero que tudo dê certo. Estou aqui caso qualquer coisa aconteça. - beijei sua bochecha me despedindo.

***

Após o jantar com Zayn, cheguei ao hotel onde estava hospedada, me joguei na cama de maneira relaxada. Eu precisava daquilo. entrou logo em seguida e fez o mesmo, se jogando ao meu lado.
- Acho que vou ligar para minha mãe. - falei, olhando para o teto.
- Eu acho que deveria mesmo, Tia Nara deve estar com saudades. - ela riu fraco e eu murmurei, concordando. - Bom, faça isso. Eu vou dar uma saída para fazer outra ligação. - sorriu, se levantando da cama. - Me chame assim que terminar.
Continuei olhando para o teto. Já fazia um tempo que eu queria entrar em contato com minha mãe para contá-la sobre as novidades, mas nunca conseguia, pois nossos horários raramente batiam. Porém, como era final de semana, eu acredito que ela poderia me atender.
Puxei o celular de meu bolso e o desbloqueei. Na tela desciam as notificações da conversa com Zayn. Ele mandava mensagens perguntando se eu estava bem, e se poderíamos nos ver no próximo dia. Meu coração acelerou por um instante e eu respirei fundo, respondendo ‘sim’ para as duas perguntas.
Procurei o número de minha mãe na agenda e apertei para começar uma ligação por vídeo, que em menos de vinte segundos foi atendida pela mulher que me colocou no mundo. Seus cabelos claros devido à tintura loira que constantemente passava nos fios, contrastavam com seus olhos escuros e sua pele branca. Meus traços eram bem parecidos com os seus, e isso me deixava feliz, pois Nara era uma mulher linda.

- Minha filha. - ela sorriu verdadeiramente e eu fiz o mesmo. - Nossa, como você está bonita! - seus olhos já estavam marejados, e essa cena me fez soltar uma leve risada. Coisas de Dona Nara, como sempre muito emocionada.
- Oi, mãe. Como a senhora está? - perguntei, me ajeitando na cama, para ficar com as costas eretas e poder vê-la melhor.
- Eu estou ótima, meu bem. - falou. - Eu quero saber de você. - apontou para a tela. - Terminou com o Aaron e agora já está namorando outro menino? - sua feição de dúvida me fez torcer os lábios.
- Não é bem assim. - suspirei. - Aaron terminou comigo, daí começaram a espalhar que traí ele com o Brandon. - rolei os olhos.
- Mas o Bran é como um irmão pra você, filha. - minha mãe disse, assustada.
- Algumas pessoas não tem noção, mãe. - meneei em negação. - Continuando… - pigarreei. - Por conta dessa imagem ruim que eu estava tendo, Lana e decidiram criar um contrato para eu namorar com esse menino, o Zayn. - sua boca se formou em um perfeito “O”. - Só que tem um problema: Quando começamos esse “relacionamento” nós não nos dávamos bem. Ele era sempre rude e eu ficava na defensiva. Mas a senhora sabe que sempre fui fã dele. - mordi o lábio inferior. - Mas, pela convivência, acabou que nos conhecemos melhor e agora estamos ficando de verdade.
- De verdade? - ela perguntou.
- Com sexo e tudo mais, Dona Nara. - brinquei e ela riu, me dando língua em seguida.
- Sabe, filha, eu nunca passei por uma situação na qual cada passo que eu desse estivesse na mídia. - ela suspirou. - Mas, eu entendo de assuntos do coração. - um sorriso se formou em seu rosto. - A maneira com a qual seus olhos brilham quando você fala desse rapaz, faz com que eu perceba que você realmente está sentindo algo por ele. Vocês estão a dois meses nesse falso relacionamento, não é? - eu assenti, fariam dois meses que tínhamos assumido o “relacionamento” para o mundo. - Eu não diria, pelo tempo, que você está apaixonada por ele. Mas, eu sei que você está gostando de ter a sua companhia e a segurança de ter alguém com quem contar. - respirou fundo. - Alguém que não seja apenas um amigo. - agora era eu quem sorria. - E se ele te tratou mal no início disso tudo, deve ter um motivo por trás, e um dia você vai saber. Ninguém trata a outra pessoa mal sem motivos. Talvez ele esteja passando por problemas, .
- Como saber? - bufei.
- Se aproxime ainda mais, filha. - sorriu sem mostrar os dentes. - É isso que ambos querem.
- Estou confusa com tudo isso. - grunhi e a mulher gargalhou.
- Ah, esses jovens. - falou sozinha, balançando a cabeça. - Quando você está assim, você não compõe? - concordei. - Então, vá e escreva uma música, ou quem sabe um álbum inteiro para este rapaz. - ela sorriu. - Talvez só assim você vai ter certeza do que está sentindo.
-
Sempre cheia de razão. - brinquei e ela levantou as sobrancelhas. - Mãe, eu preciso ir. Vou chamar e vamos dormir, porque amanhã eu ainda tenho alguns compromissos.
- Mande um beijo para minhas meninas. - ela disse, animada e eu concordei. - Eu te amo, . - suspirou. - Se entregue, mas com cuidado para que ele não parta seu coração.
-
Fique tranquila quanto a isso. Se der errado, no final do contrato não haverá mais nada disso. - mandei um beijo para a mulher do outro lado da tela. - Eu também te amo.

Assim que a ligação foi finalizada, eu mandei uma mensagem para que pudesse voltar para o quarto. Me joguei novamente na cama, voltando a olhar para o teto. Muitas dúvidas ainda rondavam meu pensamento, e elas precisavam ser sanadas urgentemente.

***

Na manhã seguinte, acordei com um beijo na testa e me assustei. Por que estava me beijando?
Quando abri os olhos vi que Zayn estava parado ao lado da cama com um sorriso no rosto. Virei-me, procurando por , mas ela não estava mais ali.
- Ela saiu para tomar café e me deixou subir. - ele falou, sorrindo fraco.
- E você decidiu me acordar? - cocei os olhos.
- Sim, porque vou te levar para um passeio de turista. - ele colocou as mãos na cintura, e arqueou as sobrancelhas. - Eu sei o quanto você gosta disso, . - ele me encarou. - Vamos. Levante-se e vá tomar um banho. - disse, me empurrando levemente da cama.
- Tem prestado bastante atenção em mim, senhor Malik. - levantei uma das sobrancelhas, expressando surpresa.
- Mais do que você pensa. - ele riu. - Agora vai logo.
Levantei da cama, ainda um pouco sonolenta, mas caminhei até o banheiro, pronta para um banho revigorante.
Tirei minhas roupas e me joguei rapidamente embaixo da água gelada. O choque térmico fez com que meu corpo despertasse no mesmo momento, me deixando atenta para tudo que acontecia em volta.
Depois que terminei minha higiene matinal, me enrolei na toalha e saí do banheiro, já indo em direção à minha mala, separando uma roupa confortável. Um passeio de turista por Los Angeles se resumia a caminhadas e mais caminhadas, então precisava de um tênis e uma calça confortável.
Zayn estava sentado na cama, mexendo no celular, mas logo que me viu chegar no quarto, levantou o olhar para mim.
- Vou só vestir a roupa. - avisei e ele concordou. Voltei para o banheiro onde me vesti e prendi meu cabelo em um alto rabo de cavalo. Corri para o quarto novamente, parando em frente ao britânico. - Vamos. - eu disse e ele sorriu, se levantando.
Descemos pelo elevador do hotel e encontramos com , que pediu para que não voltássemos tarde, já que eu teria um compromisso na parte da noite. Zayn garantiu que almoçaríamos no hotel, mas eu não acreditei muito.
Pegamos o carro no qual Zayn veio, que provavelmente era alugado, já que era a primeira vez que o via com ele.
- Para onde vamos? - perguntei, colocando o cinto de segurança.
- Placa de Hollywood. - ele piscou e eu sorri animada. - Era essa a reação que eu queria.

***

Depois de uma longa caminhada até o topo da montanha na qual conseguiríamos ver a placa de maneira mais clara, minha respiração estava ofegante e minhas costas suando de forma exagerada.
Zayn estava ao meu lado, me segurava pela cintura e parecia não se importar com meu suor ou meu cansaço, ele apenas tinha os olhos fixos no letreiro enquanto respirava fundo, até voltar ao seu ritmo normal.
Tombei minha cabeça para o lado, apoiando-a em seu ombro. Rapidamente a mãos que estava em minha cintura escorregou para o lado e foi a procura de meus dedos, e logo que os encontrou, eles se entrelaçaram como já estavam acostumados.
- Eu estive pensando, . - ele sussurrou. - Acho que você merece saber porque fui tão idiota contigo. - meu olhar subiu, focando em seu rosto. Seus olhos estavam vidrados no horizonte.
- Ei. - chamei sua atenção em outro sussurro. - Não precisa fazer isso agora, Z. - ele me encarou, e então percebi que havia lágrimas em seus olhos.
- Eram as drogas, . - ele soltou a informação, junto com a primeira lágrima. - Eu estava em um processo de limpeza, para minha própria saúde. E durante esse processo, eu tendia a ficar um pouco estressado, por conta da abstinência. Além, é claro, das crises de ansiedade. Mas, estou melhorando. - eu estava impressionada, mas aquilo não me chocava tanto quanto eu imaginei que chocaria. É normal artistas terem problemas com tóxicos, principalmente em nossa idade. Todos eram muito influenciáveis. O que eu poderia fazer é tentar ajudá-lo a sair dessa, e eu sabia que ele já estava indo muito bem. - Fazem alguns meses que eu não sei nem o que é colocar um cigarro na boca. - ele riu fraco. - Se eu ainda fumasse, eu não teria subido esse morro com toda essa tranquilidade. - eu concordei. - Eu só quero que me perdoe e entenda que isso nunca irá se repetir, foi simplesmente um surto pela falta de tudo que eu tinha diariamente.
- Eu te entendo, Zayn. - ele sorriu. - Eu tenho um tio que é psiquiatra e falou que uma das piores coisas é sair de um vício, e que isso deixa a pessoa estressada e com picos altos dessa emoção.
- Talvez por isso esse contrato teve que ser o mais rápido possível. - ele engoliu seco. - Eu acho que estavam mais preocupados com a minha imagem e com o fato de que, por conta do meu término, eu pudesse voltar a usar algumas drogas, que aceleraram o processo do nosso namoro. - ele falava baixo. - Mas, eu posso te confessar algo? - eu meneei em concordância. - Estar com você tem me feito muito bem. - ele beijou o topo da minha cabeça. - Ver o mundo através de seus olhos, e perceber como você enxerga a bondade em cada ser, como você se preocupa com seus amigos, como você é dedicada ao seu trabalho e a seus fãs. - ficou frente à frente de mim. - Isso só me fez perceber que eu estou gostando de você. - o interrompi por um segundo, depositando um selinho em seus lábios, que fez com que ele sorrisse largamente. - Eu acho que deveríamos tentar. Digo, tentar até finalmente rotular o que temos.
- Isso é um pré pedido de namoro, Zayn Malik? - perguntei, envolvendo meus braços em seu pescoço.
- Sim, Herron. - mordeu o lábio inferior. - Você aceita quase namorar comigo?
- Vai precisar de mais que isso para me convencer. - sorri maliciosa e ele rapidamente me puxou para um beijo longo e intimista. - Ok, estou convencida. Eu aceito. - rimos. - E te agradeço por ter abrido seu coração para mim desta forma. Saiba que eu estou realmente contente com a amizade que temos e que você pode contar comigo para qualquer situação. - ele concordou, beijando minha testa. - Só não tem mais vaga para morar lá em casa, mas você pode comprar uma casa no quarteirão e sempre que precisar aparecer por lá.
- Ok. - ele riu e eu o acompanhei. Eu sempre soube que algo não estava certo na maneira com a qual o garoto me tratava, e agora que tudo estava claro, eu sabia que poderia o ajudar ainda mais.
Zayn não parecia ser o tipo de pessoa que, mesmo depois da reabilitação, volta para as drogas. Ele era uma pessoa de bom coração, e que precisava de toda atenção e carinho do mundo. Os momentos ao seu lado eram leves e intermináveis, e era exatamente isso que eu desejava.


Capítulo 20

Depois das fotos feitas na noite anterior, voamos direto de volta para Miami. Em breve a turnê começaria e eu precisava voltar com os ensaios em força total.
Zayn, que nos acompanhou, dormia em uma das poltronas do jatinho. Tirei uma foto daquela cena para guardar e futuramente usar contra ele, caso necessário.
estava na poltrona ao lado da minha. A garota não dormia, mas estava em uma ligação via FaceTime com seu namorado. Isso mesmo, ela e Richard finalmente se assumiram para o mundo e eu estava extremamente feliz por eles.
O grupo que tínhamos com todos aqueles que considerávamos família mandava as atualizações da semana, que se resumiam em: Chris e ainda não se assumiram, mas não se desgrudam, Joel e adotaram um cãozinho e agora parece que ela está morando mais com ele do que conosco, Edwin e Zion fizeram uma tatuagem juntos, Nick e Austin pegaram uma infecção intestinal por inventarem de participar de uma competição onde se come vários cachorros-quentes. Os meninos da Why Don’t We não davam tanto problema, apenas comentaram da grande ressaca que fez Daniel dormir no gramado do nosso quintal em uma das festas que eles deram enquanto eu estava fora. E sim, isso tudo aconteceu em apenas um fim de semana.
Bloqueei o celular e mexi em minha bolsa, encontrando o que procurava: meu caderno de composições. Nele, alguns esboços de músicas que talvez nunca serão lançadas e outras que me trouxeram diversos prêmios. Abri uma das páginas em branco e comecei a fazer o que minha mãe me sugeriu: escrever sobre meus sentimentos. Os flashes de alguns dos poucos momentos que já tive com Zayn começaram a aparecer em minha mente, enquanto eu o olhava dormir feito um anjo. Ele realmente seria capaz de quebrar meu coração como minha mãe disse?

“Maybe momma doesn't always know best”

Escrevi a frase, terminando a música e tornando ela minha composição mais rápida. Ri fraco e guardei o caderno novamente.
Mike apareceu em pé ao lado de uma comissária de bordo e avisou que estávamos prestes a pousar, que era melhor nos ajeitarmos. Concordei com um sorriso, e o homem se encarregou de acordar Malik para avisá-lo sobre o pouso.
Quando descemos do jatinho, fomos recebidos por alguns funcionários do aeroporto e Lana, que me abraçou fortemente ao me ver. Caminhamos todos juntos até a saída, onde atendi alguns fãs que esperavam por minha chegada e depois fui para a van que nos aguardava. Dessa vez foi necessário uma equipe para me levar até em casa, já que o aeroporto estava cheio.
Me sentei no último banco do veículo, bem no fundo e minha empresária se sentou ao meu lado.
- Eu escrevi uma música no voo. - comentei, olhando para o lado de fora através da janela.
- Jura? E sobre o que é? - Lana perguntou, animada e eu apenas virei o olhar para ela, mudando-o rapidamente para Zayn, que conversava animadamente com Mike e , e voltando para ela novamente. - Eu sempre soube. - sua risada foi fraca.
- Ele conversou comigo ontem sobre…
- As drogas? - ela perguntou e eu assenti lentamente. - Eu fico feliz que ele esteja totalmente limpo agora. - olhou para o rapaz. - Ele é um ótimo artista, acho que estando com você ele pode melhorar. - me encarou. - E eu não digo em relação ao público ou imagem, muito menos ao contrato. - sorriu. - Eu digo que você pode ajudá-lo a encontrar o artista dentro dele novamente. Eu não só acredito que você consiga isso, como eu acredito que vai fazer. - piscou marota. - Olha, chegamos. - apontou para a minha casa e eu suspirei aliviada, finalmente eu poderia dormir em minha cama. - O que acha de me mostrar essa música nova agora? Ela já tem melodia?
- Eu criei uma em minha mente, posso tentar. - falei, saindo da van com ajuda de Mike. - Obrigada. - sorri para o homem, que logo entrou novamente no carro para pegar o restante das malas. - Vamos para a sala de música e eu te mostro.
Abri a porta, que já estava destrancada, afinal não era novidade nenhuma que tinha gente em casa. Passei pela sala, cumprimentando rapidamente Edwin e Richard, que conversavam animadamente, até que entrou e os dois foram abraçá-la. Os avisei que estaria na sala de música e eles comentaram que Brandon estava por lá.
- Você vem conosco? - perguntei para Zayn e ele apenas assentiu, seguindo eu e Lana para o outro cômodo. Abri a porta e vi que Bran estava sentado em frente ao piano que tínhamos, e ele anotava algumas coisas em um caderno de partituras. Pigarreei, chamando sua atenção. O garoto se virou e abriu um sorriso, vendo que era eu quem o chamava. - Aproveitando que está aqui, continue. - ele fez uma cara de dúvida e eu gargalhei. - Quero dizer, continue na sala de música. - me aproximei e bati em seu ombro, indicando que queria o lugar em frente ao piano. - Compus algo no avião e gostaria de mostrar para vocês. - Zayn franziu as sobrancelhas. - Sim. Para você também, Zayn.
Ele concordou e logo arrumou um lugar para se sentar, assim como Lana e Brandon. Este que parou por um instante para cumprimentar o britânico, que também tinha virado seu amigo.
Respirei fundo e passei a mão pelas teclas, iniciando a música.

- Momma said there'd be boys like you, tearing my heart in two, doing what you do best, taking me for a ride, telling me pretty little lies but with you, I can't resist… - minha voz soou baixa e calma. Eu sorria entre uma palavra e outra, meus olhos estavam fechados como sempre ficavam enquanto eu cantava algo que para minha tinha bastante significado. - So when you hold my hand, do you wanna hold my heart? When you say you want me, is it all of me or just one part? - e quando esse verso se iniciou, eu levantei meu olhar até Zayn. Naquele momento ele soube que a música ela para ele e eu o perguntava se ele realmente queria algo comigo, por inteiro. - Momma said there'd be boys like you, tearing my heart in two, doing what you do best, taking me for a ride, telling me pretty little lies but with you, I can't resist. Maybe momma doesn't always know best… - sorri e o garoto fez o mesmo. Brandon e Lana apreciavam a música, cada um de sua forma. Minha amiga tinha os olhos fechados e balançava a cabeça, já Arreaga me encarava com um sorriso bobo no rosto, algo como um pai orgulhoso misturado com um produtor cheio de ideias para incrementar a música. Eu dei uma risadinha, porém continuei cantando. - I'll never let you go… - Zayn me encarou e sussurrou um “obrigado”, que me fez sorrir fraco. Brandon, que já havia aprendido a letra, começou a dublar a ponte, como se aquela música já tivesse tocado milhares de vezes na rádio, ou em sua playlist. Eu sorri e iniciei o refrão mais uma vez, colocando mais paixão e vontade que nas outras vezes, deixando a melodia mais marcada. Ouvi a porta da sala se abrindo, mas não dei muita atenção, assim como os outros que estavam ali. No final da música eu veria quem era. - Do you wanna know me, or is this all just for fun? - e mais uma vez Malik me encarou com um sorriso bobo, e eu correspondi. - Momma said there'd be boys like you, too good to be true, doing what you do best taking me for a ride, telling me pretty little lies but for you, for you, for you I'll take that risk… - finalizei a música e todos que estavam na sala começaram a aplaudir, inclusive as pessoas que estavam atrás de mim, que eram , Richard, Edwin e , que pelo visto havia acabado de chegar de um trabalho.

- Você vai gravar isso, ou eu te como viva. - ameaçou e eu coloquei as mãos para cima. - Ouviu, Brandon? - apontou para o cantor e produtor. - Eu quero essa música pra ontem na minha mesa. - ela colocou a mão na cintura. - Se virem. - todos rimos.
Zayn se levantou de onde estava e veio em minha direção, eu me levantei do banco e ele me abraçou, logo depois depositando um beijo em meus lábios. Brandon já sabia que estávamos ficando de verdade e desconfiava, mas ver isso ao vivo e em cores foi algo novo para elas. Menos para Edwin e Richard, que desde o início acreditaram que o relacionamento é real. Bom, pelo menos naquela época não era.
- Eu acho que eu quero mais do que quase namorar você, Malik. - sussurrei ao final do beijo e ele sorriu.
- Eu também, . - nossas testas estavam coladas. - Mas, você terá um pedido decente, no momento certo. - depositou um beijo na ponta de meu nariz. - Agora fique com Brandon aqui e grave essa música antes que a te mate. - ele falou dessa vez em tom de voz normal, para que todos pudessem ouvir, e minha assessora concordou. - Não quero minha namorada morta. - brincou e se despediu com um selinho. - Vou para sala com eles, talvez a gente componha algo também. - todos se retiraram do quarto de música, parando primeiro para me dar um beijo e um abraço. Lana foi a única que continuou, pois queria participar do processo de gravação.
Acrescentamos um pouco de batida na música deixando ela mais dançante e vendível. Mas, não importava como ela fosse tocada nas rádios, a versão que deu início a tudo sempre seria minha favorita.


Capítulo 21

Faltava apenas uma semana para o início da turnê e eu, finalmente, estava sozinha em casa - praticamente, já que Zayn estava comigo.
O garoto estava na cozinha, preparando algo para almoçarmos enquanto eu mexia no celular, passando por alguns testes do buzzfeed, até que um me chamou atenção.
- Ei, Z. - chamei o garoto, que apenas colocou a cabeça para fora da porta. - Achei um teste legal, quer fazer?
- E sobre o que é? - perguntou, saindo do cômodo e se jogando ao meu lado no sofá.
- "Qual música da One Direction define seu relacionamento?" - li o título e o garoto gargalhou e concordou rapidamente. - Ok, chega mais perto, vamos começar. - eu ri, batendo no sofá e ele se ajeitou ao meu lado. - Quando estão juntos, o que preferem fazer? - li a primeira pergunta, e olhei para o garoto, que mordia os lábios e tinha um olhar maldoso. - Zayn! - bati em seu braço.
- Estou mentindo? - ele perguntou e eu rolei os olhos, fazendo o garoto rir. - Ok, marca que gostamos de sair para comer. Não deixa de ser verdade.
- Escolham uma cor. - li. - Não sei o que isso tem a ver, mas… - o garoto riu. - Azul. - falamos juntos. Zayn rapidamente depositou um beijo em meus lábios, me fazendo ruborizar por alguns segundos. - Qual o integrante favorito dos dois? - pressionei os lábios e ele cruzou os braços, esperando por minha resposta.
- Quem é, ? - ele perguntou, claramente segurando um riso e eu apenas apertei no nome de Louis, que era logo o primeiro da lista e ele meneou lentamente em afirmação. - Eu também o escolheria.
- Me parece que essa é a última pergunta. - verifiquei o site para ter certeza e apenas confirmei o que imaginava. - Se você e seu amado pudessem morar em algum lugar para o resto da vida, onde seria? - olhei para Zayn e ele semicerrou os olhos, pensando.
- Acho que eu iria para alguma cidade pequena na Inglaterra. - ele falou.
- Comigo? - perguntei piscando rapidamente e ele sorriu, concordando. Borboletas começaram a festejar em meu estômago e eu respirei fundo, retomando minha concentração e tentando afastar todas as possibilidades de um futuro com Zayn. - Uhm, então vou marcar Londres. - ele concordou e a página começou a carregar, nossos olhos estavam vidrados e preparados para saber a resposta. - Change My Mind, do álbum Take Me Home. - eu li e Zayn sussurrou “boa música”. - Você e seu parceiro podem estar possuindo o benefício da dúvida, mas não deixem que isso impeça que vocês tenham algo mais forte. Chegue no amado e cante essa música, afinal: “somos amigos, ou somos mais?”
- Olha, esses testes me dão medo. - Malik sorriu e eu concordei, bloqueando o celular e o jogando para o lado. O garoto, então, desencostou do sofá e se aproximou ainda mais de mim, me impedindo de sair de onde estava. Então começou a depositar beijos por toda extensão de meu pescoço e mandíbula. - baby if you say you want me to stay
I'll change my mind… -
ele parou os lábios próximos ao meu ouvido e começou a cantarolar, fazendo um arrepio percorrer todo meu corpo. - 'Cause I don't wanna know I'm walking away, If you'll be mine. - beijou o canto de minha boca e eu sorri involuntariamente. - Won't go, won't go - meus olhos estavam fechados, apenas sentindo a respiração quente de Zayn sobre minha pele. - So baby if you say you want me to stay, stay for the night. I'll change my mind. - ele finalizou o coro da canção, me deixando mole sobre o sofá. O que aquele homem tinha que me deixava nas nuvens só de se aproximar? Qual feitiço pairava sobre ele que me deixava atordoada com sua presença?
Sua cabeça repousou sobre meu ombro e eu pude sentir, através de seus movimentos, sua respiração leve. Pensei que logo estaria em turnê e não poderia ter mais tempo ao lado de Zayn, isso por alguns meses. Um certo tipo de tristeza se aproximou de mim, me deixando desconfortável com aquele fato.
- Eu quero que você fique, Zayn. - eu falei e o garoto levantou o olhar rapidamente. - Eu quero que você me acompanhe na turnê. Pelo menos por alguns países. Você pode ir ao Brasil comigo e conhecer minha família e… - parei de falar quando percebi o que tinha acabado de sugerir. Um sorriso surpreso e feliz tomou conta de seu rosto. Mordeu o lábio inferior e me encarou com sinceridade. - Me desculpe, eu não queria…
- Seria ótimo conhecer sua família, . - ele me interrompeu, se aproximando ainda mais e selando nossos lábios. - E, sim, eu vou em turnê com você.

***

Eu nunca pensei que pudesse sentir falta de arrumar as malas, até ter que arrumar minhas malas para a turnê. Eu me divertia tanto com aquilo, normalmente Brandon me ajudava, mas dessa vez ele não estava aqui. De acordo com sua mensagem enviada na madrugada do dia anterior, ele e Maggie não estavam nos melhores dias do relacionamento e ele precisava de um tempo com a garota para acertar as coisas, ou talvez decidir o que realmente fariam. Eu sempre torci para a sua felicidade, fosse com Maggie ou qualquer outra pessoa, mas no fundo eu sempre soube que Brandon não ficaria com Lindemann, mesmo que ela fosse uma pessoa incrível e amável. Arreaga e Oly Cowell, sobrinha de Simon, tiveram um caso a um tempo e eu, estando perto dos dois, percebi o quanto isso os abalou. Então, se meu coração pudesse dizer com quem Brandon ficaria quando toda aquela confusão acabasse, certamente seria com Oly.
Mandei mensagem para meus pais, os avisando que a turnê se iniciaria no dia seguinte e eu estaria levando alguém para o Brasil comigo, além das meninas, que também me acompanhariam durante toda a viagem. E por falar nelas, todas estavam se despedindo de seus respectivos namorados. Sim, até , que finalmente assumiu seu relacionamento com Christopher. tinha dormido na casa de Joel durante toda a semana, assim como Raíra foi para a de Richard e para a de Chris. Como os meninos também começariam a turnê em breve, todos nós nos encontraríamos novamente apenas em junho ou julho, e ainda estávamos no início de Abril.
Meu celular apitou, anunciando uma mensagem de Zayn, avisando que estava chegando e que dormiria em minha casa para não precisar acordar ainda mais cedo para chegar até o aeroporto no próximo dia. Respondi rapidamente e voltei a arrumar minhas malas, eu precisava me preparar para todo tipo de temperatura, das mais altas às mais baixas, já que passaríamos por países como Alemanha e Inglaterra, que faziam bastante frio, independente da época do ano.
Depois de exatas duas horas apenas dobrando roupa e ensacando sapatos, a campainha da minha casa tocou e eu corri para atender, encontrando um Zayn sorridente e com um saco do Taco Bells em mãos.
- Esse vai ser o jantar mais romântico que vamos ter. - ele brincou, me dando um selinho e eu dei de ombros, rindo.
- Se você diz. - dei espaço para que ele entrasse.
- Que silêncio todo é esse aqui? - perguntou, enquanto colocava as comidas em cima do balcão da cozinha.
- As meninas estão namorando, Brandon está resolvendo uns problemas pessoais. - falei e ele concordou, sorrindo maliciosamente.
- Então isso quer dizer que poderemos namorar também? - mordeu o lábio e começou a se aproximar, envolvendo os braços em minha cintura.
- Não antes de jantar, estou morrendo de fome. - toquei a ponta de seu nariz e ele concordou.
- Ok, faminta. Vamos alimentar esse monstro que habita em você.

***

- Como você tem estado, Z? - perguntei com cautela, já que entraria em um assunto um pouco delicado. - Em relação às drogas e ao tratamento? - o garoto, que comia um taco, respirou fundo e balançou a cabeça.
- É sempre difícil. Mas, eu tenho estado bem. - ele sorriu. - Principalmente por sua causa. - apontou para mim. - Você é o único motivo para eu não querer correr atrás de maconha ou um pouco de cocaína. Eu tenho até largado o cigarro… - ele comentou, orgulhoso e eu sorri fraco. - Não quero que pense que estou aqui apenas te usando como um escape para meu problema com as drogas, . - ajeitou sua postura. - Eu realmente gosto da sua companhia, dos seus beijos e do seu carinho. - ele sorriu singelo.
- Eu sei disso, Zayn. - concordei. - Não se preocupe. - sorri. - Eu fico feliz por se a pessoa na qual você encontrou refúgio e motivo para ser alguém melhor.


Capítulo 22

Espanha, abril de 2020

- O que você está escutando aí? - perguntou, se aproximando de mim no lobby do hotel onde toda equipe estava hospedada. Alguns fãs estavam do lado de fora esperando por alguma atenção ou algumas fotos. Minha amiga bisbilhotou meu celular, vendo o que tocava naquele momento. - One Direction? - ela riu fraco. - Zayn está te fazendo voltar aos dezesseis anos, minha amiga?
- Digamos que sim. - fiz uma feição culpada e ela riu. Acenei para alguns fãs que conseguiam enxergar onde estávamos e eles responderam com gritos. - Não sei exatamente o que estou sentindo, mas é bom, e essa turnê será perfeita para realmente sabermos.
- Isso me lembra aquelas fanfics que a gente lia quando mais nova. - ela gargalhou e eu a acompanhei. - Namoro por contrato que vira paixão de verdade. - balançou a cabeça devagar.
- Falando no namorado. - apontei para o elevador com a cabeça e se virou, vendo Zayn sair do mesmo. O garoto se aproximou de nós, falou rapidamente com e logo depois depositou um beijo rápido em meus lábios, fazendo os fãs do lado de fora gritarem ainda mais alto.
- O que acha de sairmos para jantar hoje? - perguntou, sorrindo. Aquele sorriso que fazia cada parte de mim derreter de uma forma inimaginável.
- Você pretende roubá-la de nós em todos os países, Zayn? - falou com um tom de falsa raiva, que fez o garoto gargalhar.
- Estou falando de todos nós, sua louca. - ele falou e a garota rapidamente concordou.
- Então, tudo bem. Vou chamar as meninas. - minha amiga se levantou e caminhou rapidamente até o elevador, para poder se arrumar. Zayn, que antes estava em pé, sentou-se ao meu lado e me abraçou. Alguns hóspedes que passavam por ali, nos olhavam com curiosidade, como se já tivessem visto nosso rosto em algum lugar.
Uma das coisas que exigi para minha produção e para meu agente de turnês, foi que eu pudesse ficar, pelo menos, um dia antes ou depois do show no país no qual estávamos. Eu achava de extrema importância conhecer outras culturas e, por isso, eu amava fazer turnês mundiais. Então, na Espanha ficamos no dia anterior ao show apenas passeando, até que voltamos ao hotel e Zayn sugeriu o jantar. Eu não sabia exatamente para onde ele nos levaria, mas eu não desconfiava do gosto do rapaz. Até que era bem sofisticado.
Ele tinha uma das mãos no lóbulo da minha orelha, e o acariciava de leve, enquanto eu estava encostada em seu ombro. Nenhuma palavra era proferida naquele momento, mas o ter ao meu lado era tudo que eu precisava, e eu sabia disso. Desde que Malik abriu seu coração para falar de seus problemas com drogas e transtornos psicológicos, eu senti ainda mais vontade de mantê-lo por perto. Eu precisava cuidar dele.
Subi meu olhar, mexendo um pouco a cabeça, o que fez o garoto me encarar por um instante. Mais uma vez percebi que as cores em seus olhos eram mescladas. As vezes escuros como terra, em outras, claro com âmbar. Sorri e ele retribuiu.
- Obrigada por vir nesta viagem comigo. - sussurrei.
- Eu não sei como ficaria se não viesse com você. - ele mexia em meu cabelo, de forma carinhosa e eu pude sentir o interior de meu corpo aquecer. - Você vai vestida assim ou vai querer se trocar? - ele perguntou, ainda sussurrando.
- Está ruim para ocasião? - apontei para meus jeans escuros de barras dobradas, all stars pretos, cropped verde militar e touca da mesma cor do tênis. Malik apenas negou e sussurrou um: “você está linda.”, que foi seguido de um beijo leve em meus lábios. - Então, vou assim. - sorri sem mostrar os dentes e ele concordou. Nos encarávamos

***

Logo que chegamos no restaurante, alguns paparazzi nos cercaram, dando um pouco de dor de cabeça para os seguranças do local. Porém tudo fora resolvido rapidamente, quando uma equipe se apressou para nos colocar para dentro, em uma das mesas mais escondidas do local.
Meu celular apitava loucamente e provavelmente eram mensagens dos meninos no grupo, perguntando se já estávamos em Madrid. Assim que nos sentamos, peguei o aparelho e vi que era Brandon me avisando sobre o album de lançamento de .
Sim, uma de minhas melhores amigas - e fotógrafa -, decidiu que colocaria o medo de lado e finalmente se arriscaria na carreira musical. Sempre disse à ela que sua voz era linda e precisava ser ouvida, mas também sabia que ela só daria ouvidos aos meus conselhos quando o momento chegasse. Então, quando esse momento chegou, ela falou comigo e com Brandon e nós mergulhamos na produção de seu sonho.
- Vocês devem estar se perguntando por que obriguei vocês a sair pra jantar. - Zayn falou, olhando para as garotas.
- Porque você é chato. - comentou e eu a repreendi com o olhar, mas o garoto gargalhou. Pelo visto ele minhas amigas já estavam se dando bem o suficiente para fazerem piadas um com o outro.
- Bela teoria. - ele apontou para minha assessora. - Mas, não. - torceu o lábio. - Eu queria que a pudesse finalmente comemorar o lançamento do EP. - ele disse e eu o olhei com dúvida. Como ele sabia que já tinha sido lançado? E por que ele não tinha comentado comigo sobre a surpresa para . - Brandon me ligou mais cedo, já que você não estava com o celular, e me contou que soltaria o álbum às sete da noite. - ele virou para mim e sorriu. Então eu concordei, finalmente entendendo. - Por isso, estamos aqui. Não podemos deixar esse momento passar.

***

Finalmente era noite de show. As luzes já estavam se acendendo e os produtores de palco estavam me avisando que faltavam apenas alguns segundos para que eu entrasse.
Minhas amigas, assim como Zayn, estavam no backstage. Algumas vezes e os outros fotógrafos circulavam, mas ao fim sempre voltavam para o mesmo lugar.
Os gritos dos fãs eram ensurdecedores e eu podia sentir cada parte do meu corpo arrepiar com aquela energia. Não importa quantos álbuns, shows ou prêmios eu tivesse. Nada nunca se compararia à emoção de ter o contato com meus fãs.
Eu vestia uma espécie de macacão prateado, com botas na mesma estampa e o cabelo solto. Meus bailarinos usavam um figurino preto com alguns brilhos, também, prateados.
- Pronta? - perguntou, se aproximando de mim.
- Eu nasci para isso. - assenti e ela sorriu, orgulhosa.
- Então, vai lá e arrasa. - deu um tapinha em meu ombro e eu sorri.
As luzes se apagaram e eu subi a rampa que dava para o fundo do palco. Montando uma formação em ‘v’ com meus bailarinos. Então, a luz brilhou, nos revelando e levando o público à loucura.
- Oi, Madrid. - gritei, em espanhol e os fãs responderam aos berros. - Vamos começar isso! - os acordes de (Cambió) começaram a soar, e assim que comecei a cantar os fãs me acompanharam com animação. Desci as escadas do fundo do palco e fui para o centro, junto com os bailarinos. Quando o refrão chegou, dançamos juntos. Muitas bandeiras e cartazes, além de celulares filmando toda a apresentação. Eu tinha combinado com Lana e que nos países falantes do espanhol eu abriria o show com essa música, e nos países de língua inglesa ou qualquer outra anglo saxônica, eu começaria com Silly Boy.
Quando a música finalizou, as luzes se abaixaram, dando tempo dos bailarinos se posicionarem para a próxima, que seria a citada anteriormente: Silly Boy.

***

- Você estava perfeita como sempre! - disse, enquanto entrávamos no hotel. - Mas, sinto em lhe informar que não poderei ficar elogiando sua magnitude porque partimos amanhã de manhã para Alemanha e eu estou completamente morta. - me abraçou rapidamente e depositou um beijo longo em minha bochecha. - Obrigada por me deixar viver esse sonho contigo. - sorriu e seguiu seu rumo para o elevador.
e passavam conversando animadamente. Até que pulei em frente as duas, que tomaram um susto com minha ação, mas logo caíram na risada.
- Quero te parabenizar de novo pelo EP, amiga. - olhei para minha fotógrafa, que sorriu envergonhada. - Você é incrível. - puxei-a para um abraço. - E estive pensando. - olhei para . - Quero a como abertura dos meus shows na Ásia e Oceania. - pude ver a garota arregalando os olhos e eu ri fraco. - Não tínhamos fechado com ninguém para esses continentes, então acho que seria uma oportunidade incrível para você divulgar seu trabalho. E como ainda estamos na europa, você pode trabalhar na setlist e usar um pouco do meu tempo de soundcheck para ensaiar. - estava sem reação, mas eu sabia que por dentro estava eufórica.
- Eu… - ela tentava falar. - Você… - gaguejou.
- Eu te amo, . - sorri. - Tudo por você. - então, a menina me abraçou e eu afundei o rosto na curva de seu pescoço, a apertando ainda mais.
Quando soltamos o abraço, vi que Zayn se aproximava com um sorriso gigante no rosto. Retribuí o sorriso e as meninas perceberam que ele se aproximava.
- Eu também te amo demais, . - falou. - Mas, agora vamos subir. Vamos deixar você com seu namorado. - fez aspas com os dedos e eu rolei os olhos, rindo. - Boa noite.
O britânico se achegou e me puxou para perto, selando nossos lábios em um beijo demorado.
- Parabéns. - falou, encostando nossas testas. - Você foi incrível. - eu sorri envergonhada. - Te ver naquele palco só me fez ter ainda mais certeza de que eu… - houve uma pausa em sua fala e eu franzi a testa. - estou gostando cada vez mais de você. - borboletas tomaram conta de meu estômago e eu não soube o que falar. Então, apenas o puxei para um beijo onde tentei o dizer o mesmo: sim, eu também estava “gostando cada vez mais” dele.


Capítulo 23

Berlim, Alemanha - Abril de 2020

Depois de uma viagem um pouco cansativa devido à um show incrível na noite anterior, tudo que eu precisava fazer era descansar um pouco. Entrei em meu quarto no hotel da vez e percebi que Zayn não estava. Provavelmente ele estava comendo algo, já que era hora do almoço.
Tentei ligar meu celular, para avisar aos meus pais como foi o primeiro show e os garantir que eu estava bem. Assim como eu também queria ligar para Brandon e saber o que ele tinha resolvido com Maggie, desde que saí do Estados Unidos. Porém, minha bateria havia acabado e só então lembrei que no jatinho tinha pedido meu carregador emprestado. Então, antes de tomar um banho e deitar para fazer minhas ligações, fui até o quarto de minha amiga para pegar meu pertence. Mas, o que eu não esperava, era ouvir a voz de Zayn saindo de sua acomodação.
- Então, eu já conversei com Brandon e queria falar com você agora. - Malik tinha o tom de voz apreensivo. - Estou pensando em pedir a em namoro na Inglaterra. - por um segundo minhas pernas falharam, me deixando bamba. - Sabe, ela vai conhecer meus pais, acho que seria uma boa hora.
- Eu creio que Bran já te disse para não magoá-la. -
pude ouvir Zayn murmurar em concordância. - Então, eu te digo o mesmo. A é um cristal e não pode ser quebrada. Espero que saiba disso, Malik. - quando percebi que a conversa havia terminado, e que algum deles iria sair do quarto, eu bati na porta, como se tivesse acabado de chegar. abriu rapidamente, com um sorriso no rosto. - Eu estava indo te entregar o seu carregador agora mesmo, Zayn veio me lembrar disso. - o bom de é que ela era muito boa em guardar segredos, e eu sabia que ela esconderia aquela conversa de mim até o dia do pedido.
- Eu vim pegar porque vou ligar para os meus pais, e para Brandon. - falei, esticando a mão e pegando o fio branco. - Obrigada, amiga. - sorri sincera. - Z, se quiser ficar mais um pouco aí com as meninas, eu vou fazer umas ligações e tirar um cochilo, ok? - coloquei a cabeça para dentro e o garoto concordou, com um sorriso. - Nos vemos mais tarde, meus amores. - cantarolei e segui meu caminho novamente.
Enquanto meu celular pegava um pouco de carga, eu tomava um banho. E enquanto a água escorria por meu corpo, eu pensava o quão ruim foi receber aquela informação do nada. Talvez fosse melhor que eu não ficasse sabendo, assim seria surpresa e eu ficaria bem mais feliz. Não que eu não fosse ficar feliz com o pedido, mas vocês entenderam.
Terminei de tirar o condicionador de meu cabelo e desliguei o registro, finalmente saindo do box e me enrolando na toalha.
O frio que fazia em Berlim fez com que uma brisa gelada encontrasse meu corpo. Corri para a cama, onde tinha deixado meu conjunto de moletom separado e o vesti rapidamente, apenas amarrando a toalha em minha cabeça, para secar os fios de forma mais ligeira.
Meu celular, que já havia ligado, começou a apitar com as notificações. Exclui as que estavam no bloqueio de tela e, por um instante, analisei minha foto. Éramos eu, Brandon e Summer em uma das nossas saídas em Nova Iorque. Me lembrei daquele dia e do quanto tínhamos ficado bêbados, e o quanto cantamos Shania Twain no Karaokê. Na fotografia, eu e Sun abraçávamos Brandon, que estava encolhido entre nós. Todos tinham um enorme sorriso no rosto. Tinha sido incrível.
Para não acharem que esqueci das outras meninas, essa era apenas a foto de bloqueio, no fundo de tela do celular desbloqueado era uma foto minha e das garotas no Coachella do ano passado.
Porém, assim que vi Summer na imagem, pensei no quanto estava com saudades e no quanto precisava contar à ela sobre o que eu acabara de descobrir. Então, rapidamente a liguei por vídeo, e a menina não demorou para atender.
- Oi, oi. - falei, assim que o rosto da brasileira apareceu do outro lado da tela.
- Ei. - ela falava em tom baixo, e não sorriu largamente como costumava fazer, apenas apertou os lábios sem mostrar os dentes. Naquele instante eu soube que eu o que ela passava era muito mais importante do que minha notícia, então eu diminuí minha euforia e desfiz o sorriso.
- Você não está bem. - aquilo não tinha sido uma pergunta, e a garota sabia. Tanto, que no mesmo momento no qual falei, ela deixou uma lágrima escapar de seu olho direito. - Ei, Sun. Por que está chorando? Conversa comigo.
- Harry. - ela secou sua bochecha, mas sua voz ainda estava embargada. - Nós voltamos a conversar e estamos restabelecendo um tipo de amizade. Mas eu ainda tenho grandes incógnitas sobre nosso término. - ela suspirou. - Eu não deveria ter que me culpar, . Mas, eu me culpei muito naquela época. Eu levei tudo ao pé da letra, mas eu não sei o que fazer a partir daqui. Sabe? - eu concordava com sua fala, deixando apenas a garota desabafar. - Eu só queria deixar ele saber que eu não estou tentando me fazer de vítima nessa situação, eu só precisava tirar isso do meu peito. Porque é um peso tão grande, amiga. Tão grande. - ela soluçava e meu coração apertava no peito por não poder abraçá-la naquele momento. Vê-la sofrendo era a pior das dores que eu poderia sentir. - E eu acho que eu preciso falar sobre isso com ele, porque só dessa forma vamos conseguir seguir essa amizade que estamos tentando fazer reviver. Eu sinto que preciso colocar isso pra fora de algum jeito porque mexe com meu emocional e com meu psicológico de uma forma surreal. Eu só queria que ele soubesse como me sinto. Mas eu não sei como fazer isso… - ela suspirou, deixando a última lágrima cair de seu rosto. - Eu não sei.
- Sun, você conhece o Harry antes de mim. Então, tanto quanto eu, você sabe que ele é um cabeça dura de primeira. Ele nunca vai assumir o erro dele por causa do orgulho, e você deveria saber. - tentava ser o mais sincera, sem machucá-la tanto. - Mas, ele é uma das pessoas mais doces e compreensivas que já conheci. Talvez você devesse conversar com ele sobre isso. - a garota meneou em negação.
- Não sei, . - engoliu seco. - Não sei se consigo.
- Então faremos o seguinte. - olhei fixamente para a tela. - Você vai esperar quatro dias, eu estarei na Inglaterra, e nós vamos sair. Eu, você e Harry. - ela concordou, secando algumas lágrimas que insistiam em cair. - E eu vou estar ali para te apoiar, ok? - perguntei e a garota concordou. - Eu estou aqui com você pra tudo. - sorri e ela fez o mesmo, dessa vez sorrindo de verdade. - Você me promete que vai esperar até eu chegar aí?
- Eu prometo. - ela disse. - Ah, e - chamou minha atenção. - Obrigada por me ligar, você não faz ideia do quanto eu estava precisando colocar isso para fora.
- Conte comigo sempre, Summer. - falei, sincera e ela sorriu. - Eu queria continuar conversando mas preciso ir. Preciso descansar e ligar para meus pais. - comentei, fazendo uma carinha triste, mas a garota entendeu perfeitamente. - Eu te amo, até mais. Por favor, espere por mim!
- Pode deixar. Eu também te amo. - a ligação foi desligada e todo meu sono e cansaço havia sido perdido, já que aquela conversa me fez ter a ideia perfeita para fazer Summer contar de seus sentimentos para Harry, sem precisar abrir sua boca na frente do garoto.
Levantei da cama e peguei meu violão, junto de meu caderno de anotações. Pela primeira vez eu escreveria uma música que não era sobre minhas experiências de vida, mas que era, na verdade, o grito inaudível do interior de outra pessoa, e essa pessoa era uma de minhas melhores amigas.


Capítulo 24

Londres, Inglaterra - Abril de 2020

Saímos da França logo depois do último show. Minha saúde não estava a das melhores, por isso, acabei ficando no hotel com Zayn enquanto as meninas iam para a Disney de Paris com Lana.
Já estávamos pousando em Londres e todos estávamos igualmente cansados. Porém, eu e Zayn iríamos jantar com seus pais, já que eu tinha o prometido que iríamos. O ideal teria sido um almoço, porém demoramos um pouco mais de duas horas para sair de Paris. Meu estômago roncava só pensar na possibilidade de ser pedida oficialmente em namoro por ele depois do jantar.
O relógio marcava seis da noite e já haviam dois carros esperando por nós. Uma para levar eu e Zayn até a sua casa, e outro para as meninas irem ao hotel.
Descemos do jatinho e eu desativei o modo avião de meu celular, fazendo ele começar a receber notificações loucamente. Muitas delas de amigos que moravam em Londres e estavam esperando por minha chegada.
Nossas malas foram com minha empresária para o hotel, onde ela já deixaria em nosso quarto.
Entramos no carro e meu celular começou a tocar.
- Não vai atender? - Zayn perguntou ao ver que o nome de Nick brilhava em minha tela. Eu apenas concordei e aceitei a ligação.
- Eu espero que você tenha um bom motivo, Mara. - brinquei, olhando para o garoto do outro lado da tela.
- E tenho! - ele disse animado. - Eu e Brandon estaremos desembarcando aí as sete da manhã. - olhou o relógio, talvez para checar o fuso horário. - Isso, às sete.
- Como assim? Vocês não me avisaram nada sobre isso! - arregalei os olhos e o americano soltou uma risada.
-Chegaremos com Oly. - comentou e eu torci os lábios. Ela e Brandon ainda estavam se falando? Por mais que eles tivessem todo esse rolo entre eles e que B estivesse num péssimo momento com Maggie, eu tinha quase certeza de que eles não estavam se falando. - Brandon vai te explicar tudo aí. - esclareceu. - Até amanhã, princesa.
- Tudo bem, então. - franzi a testa e sorri fraco. - Até amanhã.

***

Assim que chegamos na casa dos pais de Zayn, meu estômago saltou mais uma vez. Sempre era uma sensação estranha conhecer os sogros, ainda mais quando eles não eram seus sogros de verdade.
Zayn entrelaçou os dedos aos meus e beijou minha bochecha com calma.
- Vai dar tudo certo. Você sabe, não? - ele perguntou e eu senti, por um instante, que ele falava isso tanto para mim, quanto para ele. Ele, com certeza, falava sobre o pedido de namoro.
- Zayn, eu… - gaguejei e fui interrompida pela porta que abriu, revelando a mãe de Malik; Trisha.
-Olá, meus amores. - ela sorriu simpática e veio nos abraçar. Envolveu seus braços ao meu redor como se eu já fosse uma velha conhecida. - Espero que não se importem, mas estou sozinha, seremos apenas nós três. Seu pai vai se atrasar um pouco no trabalho. - ela se virou para Zayn e ele apenas sorriu, concordando.
A mulher, que era muito bonita por sinal, nos acompanhou até a mesa de jantar, que já estava posta com comidas que pareciam deliciosas.
Em todo momento durante a refeição, Trisha foi cordial e super simpática. Ela quis saber um pouco mais sobre minha vida em Miami e no Brasil, como foi ter que deixar meus pais tão longe. Ela era o tipo de sogra que qualquer pessoa gostaria de ter.

***

Assim que Trisha subiu para tomar um banho, eu e Zayn ficamos sozinhos na sala e eu sabia que aquele seria o momento no qual ele faria o pedido. Então eu me ajeitei ao seu lado no sofá, segurei suas mãos e olhei em seus olhos. O rapaz tinha um olhar de curiosidade e um sorriso que se formava no canto da boca.
- Eu sei que você estava planejando me pedir em namoro. - eu falei, suspirando. - Dessa vez de verdade… - ele franziu a testa e eu sorri. - Ouvi sua conversa com . - ele meneou em concordância e eu ri fraco. - Então, eu serei mais rápida que você, Zayn. - pisquei. - Você chegou de uma maneira totalmente inesperada, já que você não foi nada o que eu esperei que fosse. Mas, a questão é: Zayn Malik, você só me proporciona sentimentos extremos. E dessa vez, eu posso garantir que eu não te odeio. - mordi o lábio inferior. - Por isso, eu vou te perguntar, e talvez eu saiba a resposta, mas… - eu respirei fundo.
- Você quer namorar comigo? - falamos ao mesmo tempo, com um sorriso. - Sim. - ambos respondemos as perguntas, rindo de como aquela situação tinha sido engraçada e finalmente selamos nossos lábios em um beijo. O primeiro beijo como verdadeiros namorados.

***

Você só sabe que é uma estrela mundial quando você precisa contratar seguranças para seus melhores amigos.
Summer e Letícia, que já haviam chegado ao hotel onde eu estava hospedada, precisaram de escolta para voltar até onde estavam e conseguirem se arrumar para o show de mais tarde.
Eu estava no saguão com , Lana e , apenas esperando a chegada de Brandon, Nick e Oly. Zayn tinha saído para encontrar seus ex companheiros de banda.
, que tinha acabado de lançar seu ep, co-produzido por mim e Brandon, estava respondendo aos muitos comentários em suas fotos no Instagram. conversava ao telefone com Abraham, que estava na Argentina para um festival.
Lana andava de um lado para o outro, também com a orelha pendurada no celular, resolvendo outros problemas.
Minha perna mexia freneticamente, até que pude ver meus amigos passando pela porta e eu levantar em - literalmente - um pulo e correr na direção deles.
A primeira que abracei foi Oly. Fazia séculos que não a via e estava cheia de saudades. Oly também era produtora, e ela que me deu a oportunidade de ser internacional, me convidando para trabalhar com o Prettymuch em sua faixa The Weekend.
Nick me puxou dos braços da brasileira e me apertou nos seus. Eu sabia que ele tinha tantas saudades quanto eu.
Brandon, já não satisfeito, me puxou dos braços de Nick e finalmente matou toda saudade que havia entre nós. Era muito difícil não ter meu melhor amigo ao meu lado em todos os momentos.
-Estou namorando de verdade. - sussurrei.
-E eu estou solteiro. - ele respondeu e eu saí do abraço para o encarar. Ele me puxou para um canto mais afastado de Oly e Nick. Minha feição era de susto e desentendimento. - Fica calma, foi algo que eu e Maggie decidimos juntos. Simplesmente não estava dando certo mais. Muitas cobranças desnecessárias e sem o tempo que esperávamos ter um para o outro. - ele se explicou e eu não pude deixar de levar meu olhar até Oly. - Não, eu e ela não temos nada. Bom, já tivemos, mas agora nem estamos nos falando direito. - suspirou. - Eu acabei de terminar e não quero pensar em ficar com alguém assim, do nada. A única coisa que eu quero de Oly é que ela me de chance de sermos amigos novamente. Ela viajou horas conosco sem abrir a boca para falar comigo. - torceu o lábio e eu pressionei os meus.
-Eu não sei o que falar sobre isso tudo. Muitas informações de uma vez. - ri fraco e ele fez o mesmo.
-Só quero que prometa me apoiar. - ele sorriu.
- Eu prometo.

***

A correria dos bastidores era sempre a mesma, uma grande quantidade de bailarinos indo para lá e pra cá, assim como os músicos. Uma equipe de cabelereiros e maquiadores me preparando para entrar no palco. Era a mistura perfeita do glamour com a confusão.
Meus amigos, com exceção de e , que eram da minha equipe, estavam na área vip, aquela entre o palco e a grade da pista principal, que muitos chamavam de premium.
O show de Londres seria um dos mais importantes, junto com o de Nova Iorque, já que seriam realizados nas maiores arenas e, para minha surpresa, todos os ingressos esgotaram antes mesmo de completar uma hora de venda.
- Prince, precisamos que libere a pro Meet & Greet. - apareceu, falando com o maquiador, que finalizava meus lábios com um batom vermelho.
- Tudo bem, ela já está pronta. - ele sorriu para mim e eu retribuí.
- Obrigada, Prince. - falei e mandei beijinhos no ar. Levantei da cadeira e acompanhei e Mike, meu segurança, até o local onde aconteceria o M&G. Passamos pelos fundos e eu consegui ver, por uma fresta, a fila de fãs que tinha do lado de fora, esperando para tirarem suas fotos.
Chegamos na pequena sala, onde tinham alguns produtores da turnê, responsáveis pela arena e também , que estava no centro da sala ajustando sua câmera fotográfica. Um banner com o logo da tour estava devidamente colocado em frente a fotógrafa, e era ali onde me posicionaria. Cumprimentei todos da sala, e fui para meu lugar.
- Vamos começar a chamar os fãs, ok? - falou e eu concordei. - Quantos por vez?
- Um por um, a não ser que estejam em grupos de amigos. Quero dar a atenção que eles merecem. - falei, sorrindo e a garota concordou rapidamente. Ela tinha um fone no ouvido e um walkie talkie pendurado em sua calça e por ele se comunicava com os produtores do lado de fora da sala, pedindo para liberar a entrada dos fãs para o meet.

***

Depois de meia hora conhecendo alguns fãs, era hora de subir ao palco. Estava completamente ansiosa para aquele show, ele seria mais especial que todos os outros.
Praticamente todos meus amigos estavam ali. Zayn, Louis, Liam, Niall, Harry, Letícia, Summer e Oly já estavam posicionados na área vip, bem em frente ao palco. Olhei para a esquerda e vi, perto de alguns fãs na grade, Brandon e Nick posando para fotos.
As luzes se abaixaram e eu, finalmente, subi ao palco. A animação dos fãs era algo contagiante. Eu amava estar ali, principalmente com meus amigos podendo me assistir. Era como estar em casa, mesmo sem estar.

***

- Eu gostaria de cantar uma música nova. - falei, enquanto me ajeitava em frente ao piano. - Eu a escrevi há dois dias, durante as viagens pela Alemanha e França. - os fãs gritavam, me fazendo sorrir. - Essa música é bem pessoal, mas não para mim. - eu ri fraco e meu olhar logo encontrou o de Summer, que estava na área VIP junto com os meus outros amigos que foram me prestigiar naquele show. - Eu a escrevi sobre o ponto de vista de uma amiga que passou por um término de relacionamento, mas não deixou algumas coisas claras para a outra pessoa. - eu sorria, e Sun me encarava balançando a cabeça em negação, também com um sorriso nos lábios. - Então, como ela não estava conseguindo dizer tais coisas, eu decidi que a ajudaria a falar o que precisa. - coloquei as mãos sobre as teclas em minha frente. - Essa é Let You Know.
E assim que a música começou, eu percebi que a troca de olhares entre Summer e Harry se intensificou. Ele sabia que aquela música era para ele. No mesmo momento que a primeira frase saiu de meus lábios, ele sabia que aquelas palavras eram de Sun.
Meus olhos se fecharam, apenas sentindo cada momento e cada acorde que aquela canção trazia.
Meu coração estava apertado e algumas lágrimas queriam sair. Por um momento eu pedi para que esse sentimento de perda do amor nunca passasse por mim. Foi quando olhei para Zayn e percebi que, não, eu nunca havia amado Aaron. Meu coração e meu amor estavam destinados à alguém em específico, e essa pessoa estava abraçada à Liam Payne enquanto me ouvia cantar, essa pessoa era Zayn Malik.

***

A festa pós show foi totalmente esperada por todos, já que todo mundo ali era o que podíamos chamar de baladeiros.
O terraço do hotel estava cheio com meus amigos e produção, além de banda e bailarinos. Todos dançavam e bebiam felizes.
-Quero te agradecer. - Summer se aproximou de mim, me abraçando por trás. - Aquilo foi lindo, . Eu nem sei o que dizer, de verdade. Aquelas palavras, tudo… Você é realmente uma artista e tanto. - me puxou mais uma vez para um abraço. - Eu te amo. Obrigada.
- Eu que te agradeço, Sun. Essa música é incrível. - sorri e depositei um beijo em sua testa. - Vocês ainda vão se resolver, eu tenho certeza. - sussurrei.
- Eu espero. - ela falou, com peso na voz.
- Que lenga lenga é esse aqui? - Letícia, que já estava alterada pelo álcool, se aproximou agarrada a cintura de e Oly, que também já não estavam muito bem. Risadas saíram de minha boca e da de Summer.
-Estávamos só esperando por vocês para começarmos a dançar. - comentei, fugindo do assunto que eu estava tendo com Sun, já que o mesmo era sério demais para ser tratado com três pessoas claramente altas.
- Eu só espero que não dancem sem nós duas. - e se aproximaram com garrafas de cerveja para todas ali. - Peguem. - minha assessora entregou as garrafas e nós sete formamos um círculo.
-Vamos brindar. - propôs.
-Ao sucesso de todas nós. - Oly disse.
-Ao futuro. - Letícia disse, mordendo o lábio inferior.
-Às coisas boas que ainda virão. - disse.
-Ao amor. - Eu e Summer dissemos juntas e trocamos olhares.
As garrafas se encontraram no meio do círculo e em seguida foram até nossa boca. Eu e Sun trocávamos sorrisos cúmplices.
- Vamos tirar uma foto para marcar esse momento. - Letícia sugeriu e todas concordamos rapidamente.
Sentamos em um dos bancos da cobertura e chamamos a primeira pessoa que passava, que nesse caso era Louis, para poder capturar o momento.
A foto estava uma bagunça, era uma no colo da outra, em outro canto uma estava jogada sobre outras duas e tudo estava bem confuso. Mas, em nenhum momento reclamei daquela confusão. Pelo contrário, eu sempre soube que se todas aquelas pessoas não estivessem em minha vida, eu não teria conseguido metade do que tenho. Por isso, quando brindes ao amor, não foi necessariamente ao amor romântico, mas sim, a esse amor; o que eu sabia que nunca seria destruído. O amor de família.

Capítulo 25

Tóquio, Japão - Abril de 2020

Depois que passamos pela Itália, Portugal e Holanda, finalizamos a turnê na Europa e começamos a passar pela Ásia. Seriam apenas dois dias por ali, um na Oceania, passando pela Austrália e, então, estaríamos no Brasil.
Zayn dormia como um anjo ao meu lado na cama do hotel. Eu queria muito sair para explorar a cidade, mas ele me parecia tão confortável dormindo. Então, decidi começar a me arrumar e esperar para ver se ele acordava, caso ele não acordasse, deixaria um bilhete e chamaria uma das meninas para me acompanhar.
Levantei da cama, tomei um banho e troquei de roupa. Estava frio na cidade e, provavelmente, ventaria bastante à noite, então vesti um casaco quentinho. Zayn ainda dormia.
Sentei-me no colchão para calçar as botas e então meu namorado finalmente se mexeu, virando-se para mim e abrindo os olhos lentamente.
- Ei, onde vai, amor? - Ele perguntou com a voz sonolenta e eu, com toda minha criação à base de comédias românticas, senti as borboletas dançarem em meu estômago.
- Me chamou de que? - Ri desacreditada e ele sorriu meneando em negação.
- Amor. - Ele repetiu, sorrindo ainda mais. Talvez eu não me incomodasse de ver aquele sorriso todas as manhãs. - Algum problema com isso?
- Nenhum, até que gostei de ouvir esse apelido na sua voz. - Mordi o lábio inferior. - Pode me chamar assim quando quiser.
- Sempre? - Perguntou, se aproximando e levantando o tronco, para que seus lábios encontrassem a curva de meu pescoço.
-Sempre! - eu sabia que por trás daquela simples pergunta, havia uma promessa. Uma promessa de que para sempre seríamos um do outro.
- Vou tomar um banho e já saímos juntos. - Ele comentou, sem ao menos esperar para que eu respondesse sua pergunta inicial. O que eu gostava era que Zayn sabia dos meus gostos e sabia exatamente que eu queria conhecer os países por onde estávamos passando. Então, ele não reclamava, nem ao menos pedia para ficar no hotel. Ele só levantava da cama e me acompanhava.
Liguei a TV por alguns instantes e algumas notícias eram transmitidas. Em alguns minutos, Zayn já estava saindo do banheiro e se arrumando.
- Ei, onde quer ir? - Perguntou e eu dei de ombros. Não conhecia o Japão tão bem para ter um lugar específico no qual quisesse ir. - Então vamos caminhar por aí sem rumo. - Riu fraco.
- Eu não me importaria de me perder ao seu lado. - Falei, me levantando da cama e o envolvendo em um abraço.
- Tudo que você fala soa como música. - Tocou a ponta de meu nariz e me deu um beijo.
- É, talvez eu escreva algo sobre isso. - Sorri fraco e ele concordou, também sorrindo.

--

Estávamos em uma espécie de estação de trem, algo muito amplo e que, bem ao centro, tinha um piano.
Ele estava ali, parado, ninguém se movimentava ou ameaçava sentar em seu banco para tocá-lo.
Apertei o braço de Zayn e ele riu, já que ele sabia o que eu queria fazer, e me indicou o instrumento com a cabeça.
Caminhei lentamente até o piano, Mike sempre estava ao meu lado. Por mais que japoneses não tivessem a fama de serem invasivos, meu segurança sempre se preocupava.
Sentei em frente às teclas e comecei a tocá-las lentamente. Era um sentimento de casa. Não importa onde eu estivesse, a música sempre me levava para meu quarto em um bairro qualquer do Rio de Janeiro, aos quinze anos de idade.
Sorri fraco, olhando para o mármore. Percebi que Zayn me observava com brilho nos olhos.
Eu estava totalmente entregue àquele homem, aquilo era um fato.

--

Melbourne, Austrália - Abril de 2020

tinha acabado de descer do palco e sua animação era contagiante. Era o terceiro e último show que ela abriria para mim, e eu não poderia estar mais feliz por ela.
- Ei, princesa. - A abracei com força. - Parabéns. Eu tenho muito orgulho de você. - Ela tinha os olhos marejados e eu conseguia entender o motivo, eu já estive no mesmo lugar que ela está, e a sensação é ótima.
- Agora é sua vez. - Interrompeu o abraço, mas ainda segurava meus ombros. - Vai lá e arrasa como sempre. - Concordei ajeitando meu microfone e esperando as luzes abaixarem para eu aparecer no palco como todas as outras vezes.

--

O show estava quase no fim e eu corri para os bastidores, pedindo o piano de última hora. e Lana quiseram me matar, mas um show meu sempre tinha uma surpresa, e nesse não seria diferente.
O instrumento rapidamente foi colocado no centro do palco e todos se surpreenderam, inclusive Zayn.
Sentei em frente ao piano e me senti exatamente como me senti naquele piano parado no meio de uma estação em Tóquio. Eu estava me sentindo em casa.
- Essa é uma canção antiga. - Aproximei meus lábios do microfone. - Ela nunca fora lançada antes, mas eu a compus assim que me mudei para os Estados Unidos. - Sorri fraco. - Hoje, depois desse show, estarei indo para meu país natal e finalmente verei meus pais depois de tanto tempo. - Suspirei. - Mas, o fato é que, nenhuma família é perfeita. A minha, a sua, a de ninguém. Nem sempre é fácil, mas no final de tudo, continuam sendo sua família. - Fechei meus olhos e pude visualizar as brigas bobas que tinha com minha mãe ou as discussões que tinha com meu pai. Fui ainda mais fundo nas memórias, lembrando de algumas brigas que eles tinham entre eles e as quais me inspiraram a compor a canção que estava prestes à cantar. - Essa é Older, espero que gostem.

A cada palavra cantada meu coração ficava mais pesado. Era como se todos aqueles sentimentos voltassem à tona, era como se eu tivesse apenas 19 anos e estivesse medo de ganhar o mundo longe de todos aqueles que me faziam sentir em casa, mas ao mesmo tempo, aliviada por sair do lugar onde eu ficava sufocada pelas brigas na maior parte do tempo.
Logo depois que viajei, meus pais se divorciaram e aquilo com certeza foi o melhor que fizeram.
Zayn me encarava com encanto, enquanto mordia o lábio inferior. Ele poderia não ter vivido o mesmo que eu, mas ele sentia cada pingo de dor que rondava por meu corpo e isso só me dava mais garantia da conexão que tínhamos.
, e me olhavam dos bastidores com os olhos marejados. Só elas sabiam o quanto sofria com as brigas dos dois e quantas noites fugi de casa para dormir com uma delas.
Aquela era a única música que eu nunca tinha mostrado a ninguém, porque até o momento, ela era a mais pessoal que tinha. Mas, isso é ser artista, compartilhar do seu mais íntimo sentimento e ver que não é só você que passa por aquilo.

Capítulo 26

Rio de Janeiro, Brasil - Maio de 2020

Havíamos desembarcado no Rio, a última cidade dos shows no Brasil. Nem preciso dizer o quanto todos estavam animados por estarem em terras brasileiras. Zayn estava se divertindo podendo sair com as meninas para conhecer as cidades, já que não conseguiu fazer isso quando veio com a One Direction, as meninas podendo falar português com todo mundo, o que eu sei que era algo da qual elas sentiam falta, porque normalmente nos comunicávamos em inglês em casa, já que quase sempre ela estava cheia dos nossos amigos.
O aeroporto do Galeão estava completamente lotado e infelizmente tivemos que usar a saída alternativa, por recomendação da segurança e de Lana. Eu queria passar por meus fãs, meus conterrâneos, mas não seria possível naquele momento. Então, gravei um story pedindo desculpas a todos e dizendo que os recompensaria de alguma forma.
Na van, estava em uma ligação de vídeo com os meninos da Why Don't We, mais especificamente Corbyn e Jack, que perguntavam milhares de coisas sobre o Brasil. Os rapazes planejavam vir ao país com sua próxima tour e estavam nos usando para sanar todas as dúvidas.
estava conversando animadamente com . Finalmente depois de anos elas também veriam suas famílias.
- Lana, qual a possibilidade de conseguirmos fazer igual o Shawn e disponibilizar um meet amanhã pela tarde para os fãs da frente do hotel? - Me virei para minha empresária, que sentava do meu lado direito, enquanto Malik estava do esquerdo. Seu olhar, primeiramente, foi de surpresa, mas logo um sorriso se mostrou.
- Vou falar com o gerente e ver se ele libera usarmos o espaço perto do saguão para as fotos. Levamos o fundo do meet oficial e acho que pode fazer essas fotos pra ti. - Sorriu sincera. - Mas, antes disso tudo. - Ela tocou na ponta de meu nariz. - Vocês acabaram de chegar, cada um vai para sua casa e vai passar essa tarde e noite com sua família. Entendido? - Piscou com um dos olhos e eu sorri concordando. - Ok! - Chegou o tronco para frente, tentando encontrar Zayn, que olhava fixamente para a janela. - Espero que esteja pronto para a sogra. - O britânico sorriu totalmente assustado e eu gargalhei ao ver a cena.

--

- Dona Nara! - Falei em alto e bom som assim que minha mãe apareceu na porta de sua casa. Seus braços se abriram e logo me puxaram para perto e foi então que aquela palavra existente apenas na língua portuguesa fez total sentido para mim.
- Oi, minha filha. - Ela sussurrou, beijando meu rosto que tinha algumas lágrimas. Logo depois desfez o abraço e olhou para o britânico ao meu lado. - Você deve ser o Zayn! - Ela falou e o garoto sorriu concordando. - É engraçado ver você na minha frente. Há um tempo você estampava as paredes do quarto da . - Uma gargalhada conjunta veio dos dois enquanto eu revirava os olhos. - Vem, vamos entrar. O almoço já será servido.

Eu e Zayn passamos pela porta e de repente eu voltei aos meus dezesseis anos. A decoração era a mesma. O mesmo cacto no canto da sala, a mesma mesa de centro rústica que fora um presente de meu falecido avô, os porta-retratos com fotos minhas e de meus primos, além de fotos de minha mãe, Carlos, meu padrasto e Laura, minha meia irmã.
- Eles estarão aqui hoje? - Malik me abraçou por trás e apontou para um dos retratos na estante.
- Eu acho que sim. - Sorri fraco. - Laura deve estar no colégio e Carlos trabalhando. Mas creio que eles cheguem para o almoço. - Ele me abraçou forte e me beijou a bochecha. - Obrigada por estar aqui comigo.
- Por que não apresenta seu antigo quarto a ele, ? - Minha mãe apareceu e a vontade que eu tive foi de pular em cima dela antes que aquela frase terminasse, mas ela terminou, e Zayn achou uma boa ideia. Seu olhar cúmplice me fez sorrir por alguns segundos.
Por mais que eu tivesse comprado uma casa para minha mãe e meu pai, Dona Nara gostava mesmo era da nossa antiga residência em um dos bairros nobres da cidade. Eu ofereci a ela coisas mil vezes melhores, mas ela preferia o conforto de ter algo que ela havia conquistado com o próprio suor.
Subimos as escadas encapadas por piso de madeira até que chegamos na porta branca que dava para meu antigo quarto.
Ao abrir a porta, percebi que tudo estava do mesmo jeito que eu havia deixado. Os pôsteres na parede, meu violão roxo encostado na parede, um teclado empoeirado e um guarda roupa com um grande espelho na frente.
- Quando sua mãe falou sobre estampar suas paredes, eu não sabia que era dessa forma. - Malik apontou para os pôsteres da One Direction que estavam ao lado da cama e na porta do guarda roupa. Eu corri em sua direção e, com minhas mãos, fechei seus olhos. - Você não pode apagar da minha memória o que eu acabei de ver. - Sua gargalhada era como o som mais precioso que eu havia escutado na vida. Com certeza, aquele era o som do céu. Não havia dúvidas. Retirei minha mão de seus olhos e o encarei por alguns segundos.
Uma chuva de lembranças começou a cair sobre minha mente. Quantos sonhos não tive naquele quarto? Quantas músicas não compus ali? Quantas vezes não sonhei com momentos como aquele bem ali?
Um sorriso surgiu em meu rosto e fez com que Zayn fizesse o mesmo.
Então, naquele momento eu lembrei de uma coisa que Jonah tinha me falado sobre o sentimento do amor: você pode achar que já amou milhares de pessoas, mas só quando você sentir seu estômago se revirando por uma em específico, você vai saber o que é amor.
Será que eu amava Zayn, ou apenas apreciava sua companhia e apenas tinha um grande carinho por ele.
- Deveríamos descer para o almoço. - Malik sussurrou e depositou um beijinho na ponta de meu nariz. Concordei e assim fizemos, já encontrando com minha irmã e meu padrasto ao lado de minha mãe na mesa.

--

Era o último fã que entrava no hotel para o M&G improvisado que tínhamos planejado.
Lana estava inquieta ao lado de Mike e eu tinha certeza que logo saberia o porquê.
O menino me abraçou forte e eu beijei o topo de sua cabeça. Palavras de amor começaram a ser proferidas e o sentimento que eu tinha era o mesmo de sempre: gratidão.
pediu, com paciência, para nos arrumarmos para a foto. Fizemos duas poses que foram pedidas pelo garoto e logo ele me entregou uma caixinha com um pequeno cordão, que era um presente. O pingente era um globo terrestre que estava sendo circulado por um avião, com certeza eu usaria, eu tinha amado.
Dei um último abraço no menino e, então, o meet havia acabado.
Agradeci à equipe do hotel e logo fui em direção à Lana.
- Eu acho bom você me contar o que está acontecendo. - Fui sucinta e a mulher suspirou.
- A banda que iria abrir para você não poderá fazer o show. O vocalista ficou muito doente. - Ela mordeu o lábio inferior. - Já estamos tentando resolver.
- Lana, você tem a solução na sua frente. - Apontei para a menina que guardava seus equipamentos em uma bolsa preta. - . - Gritei em sua direção. - O que acha de se apresentar na sua cidade natal?
--

- Vai lá e arrasa, filha. - A voz de meu pai ao telefone era abafada pelo som do show de que terminava. - Eu te amo.
- Eu te amo mais. - Falei, finalizando a ligação com meu velho.
Zayn se aproximou, me abraçando pelas costas e beijando a curva do meu pescoço. As borboletas faziam festa em meu estômago, me trazendo à tona as palavras de Jonah para mim.
- Nervosa? - Perguntou.
- Eu nunca imaginei que um dia poderia lotar a maior arena da minha cidade. - Sussurrei e ele sorriu orgulhoso.
- Mas você conseguiu, . - Me encarou por alguns segundos, passando o dedão pela minha bochecha. - Isso tudo é para você. - Apontou para o ar, me indicando o grito dos fãs. - Eles te amam. - Sorriu. - O mundo te ama, . - Selou nossos lábios. - Agora vai lá e mostre a eles que você porque você é a maior artista da atualidade.
Suas palavras foram reconfortantes, me fazendo subir no palco com toda a confiança que estava faltando.
Os fãs gritavam meu nome e algumas frases em português que me deixavam com o coração quente. Zayn estava certo: aquilo tudo era para mim. Eu tinha conseguido.

Capítulo 27

Miami, Flórida - Maio de 2020

Depois de passarmos por outros países da América Latina, finalizando na Colômbia - onde encontramos casualmente com os meninos do CNCO, que estavam viajando para divulgação do novo álbum -, viajamos para Nova Iorque, onde o último show da turnê foi realizado no Madison Square Garden, e finalmente voltamos para casa.
A recepção não foi a das melhores, já que os meninos da Prettymuch estavam em sua casa em Los Angeles, os da WDW estavam iniciando a sua turnê e bom, o CNCO estava em divulgação. Então, nos restou apenas nossa própria companhia e uma longa tarde de descanso.
Durante a passagem por Nova Iorque, eu pude fechar um contrato com algo totalmente incrível e inesperado. Lembro-me de Lana perguntando sobre o meu interesse em ser jurada de algum programa de TV. Obviamente disse que seria algo incrível e único. Foi então que ela apareceu com um papel timbrado com o logo do The Voice e uma mensagem de Adam Levine, um dos produtores oficiais do programa, me chamando para um reunião oficial em Los Angeles.
E se com isso você pensou que eu precisaria me mudar para Los Angeles… você estava certo.
Logo que cheguei em Miami, comecei com a organização - ou melhor, desorganização - para a mudança.
e ficariam em Miami. A segunda, que havia fechado um contrato para a próxima turnê do CNCO, estava totalmente animada por começar a trabalhar de fato ao lado de Chris. voltaria ao trabalho normalmente, voando para vários lugares do mundo. ficaria fazendo a escala de sempre entre LA e Miami.

Enquanto eu fechava a grande mala de roupas que estava em cima da cama, uma notificação surgiu no canto da tela de meu notebook. Era Brandon solicitando uma chamada de vídeo.
- Então agora estaremos ainda mais perto um do outro? - Seu tom de voz era animado, o que me fez rir por um instante.
- Digamos que sim. - Dei de ombros levemente. - Lana me disse que o The Voice tomará um pouco do meu tempo. - Rolei os olhos e pude ouvir uma gargalhada vinda de Brandon.
- Você não muda, continua uma preguiçosa. - Ele apontou para a tela e eu me virei, dando língua para o garoto. - Mas, me diga, onde você vai morar? - Juntou as mãos embaixo do queixo, como uma menina fofoqueira e eu ri da cena.
- Hollywood. - Estalei os lábios e dei uma piscadela. - Na verdade, morarei com Zayn. - Os lábios fechados de Brandon automaticamente se transformaram num sorriso maldoso.
- As coisas estão realmente sérias, então. - Rolei os olhos mais uma vez. - Já tão casando.
- Brandon, vá se foder. - O garoto iniciou uma gargalhada. Tentei manter a pose de durona, mas ele sabia que eu não conseguiria por muito tempo. Então, desatei a rir junto à ele. - Na verdade, isso vai ser bom tanto para nós quanto para o contrato. - Dobrei mais uma blusa e coloquei dentro da mala.
- Ah, o contrato… - Ele suspirou.
- Não podemos fingir que não existe um. - Respirei fundo. - E Zayn foi ótimo me oferecendo espaço na casa dele. Acho que isso vai ser divertido. - Sorri verdadeiramente. Minhas intenções diziam que aqueles seriam os melhores meses da minha vida.

--

- Está tudo aqui? - Zayn checava o bagageiro do carro pela milésima vez enquanto eu o observava. - Vai ficar me encarando aí igual uma louca? - Virou seu rosto para mim e eu semicerrei os olhos, fazendo-o rir. Aquele sorriso que, com certeza, estava entre os mais lindos do mundo.
- Sim, Zayn, está tudo aqui. - Cruzei os braços. - Você age como se eu não tivesse dinheiro para repor qualquer coisa que faltasse aqui. - Afetei minha voz para soar como uma patricinha e ele riu novamente. - Vamos logo, daqui a pouco tem mais paparazzi por aqui e eu não quero causar um problema para a segurança do aeroporto. - Torci o lábio e ele concordou, fechando a mala do carro.
Para Zayn tudo era mais simples, ele evitava ao máximo estar nos holofotes e fazia sua música por amor, literalmente não se importava se elas alcançavam o topo ou não. Malik é do tipo de pessoa que não se arrepende do que viveu, mas não quer pra sempre ser reconhecido apenas por aquilo. E sim, eu falo da One Direction. Todo o sigilo de Zayn é apenas para desvincular sua imagem da banda.
Por mais que ame os meninos como irmãos, ele quer apenas sua vida, a fama lhe fez muito mal. E, por mais que nosso namoro tenha começado como um contrato para que ele voltasse para a mídia, eu sabia que não era bem aquilo que ele queria.
Meu maior medo era inseri-lo novamente neste mundo, da pior maneira.

Enquanto Zayn dirigia, eu pude observar os detalhes de seu rosto, sua barba cerrada e a maneira que suas mãos apertavam o volante. Ele era lindo, de todas as formas. Eu estava completamente apaixonada por cada detalhe daquele homem, aquilo não era mentira.

O carro parou subitamente assim que chegamos em sua casa.
Tudo bem, Zayn não queria os holofotes, mas sabia bem como aproveitar seu dinheiro.
Sua casa era grande e possuía um quintal ainda maior que ela. Alguns cachorros corriam por ali, ao lado de um pequeno pomar, havia uma piscina envolta de pedras, era a coisa mais linda que vira na vida.
Sobre a casa, o principal eram seus detalhes de cimento queimado e vidro. Praticamente todo o redor da casa era de vidro e espelhos.
Zayn tirou as malas do carro enquanto eu estava parada observando tamanha beleza arquitetônica. O britânico parou ao meu lado, me abraçando pela cintura e beijando meu rosto.
- Então? - Malik perguntou com um tom um tanto preocupado.
- É linda. - Eu sorri, boba.
- Fico aliviado por saber que gostou da casa. - Sorriu, ficando frente à frente de mim. - É nela que você irá morar pelos próximos seis meses, fiquei com medo de você não achar, ao menos, confortável. - Meu estômago revirava e eu sabia o que era aquilo. Não era possível que Zayn tinha tanto efeito sobre mim. Ninguém nunca teve.
Ele se aproximou e selou nossos lábios em um beijo calmo. Toda vez era como a primeira. Sua boca era tão macia quanto pêssego e tão doce quanto chocolate, e aquele combinação era perfeita. Ele era perfeito, de sua maneira.
- Ao seu lado, eu fico confortável. Não importa qual seja o lugar. - Suspirei. Não precisava das palavras para que ele soubesse que aquela frase era sim uma prova de amor.

Capítulo 28

Los Angeles, LA - Maio de 2020

Me levantei com a cabeça latejando, talvez fosse um efeito colateral da mudança, ou da nova cama com a qual meu corpo ainda não estava acostumado. Olhei para o lado e Zayn dormia como um anjo, da forma mais serena possível. Peguei meu celular na mesa de cabeceira e verifiquei que haviam mensagens de dizendo que eu precisava estar no estúdio da Sony em algumas horas.
Desci para preparar um café já que estava cedo demais para que a diarista de Zayn chegasse. E, por mais que eu tivesse muito dinheiro, nada se comparava à sensação de fazer minha própria comida.
Peguei alguns ovos, enquanto o café passava na cafeteira. Ouvi alguns sons de passos descendo as escadas, assim que me virei, vi Zayn apenas com uma calça de moletom e cabelos bagunçados.
- Summer me ligou pelo número do Harry, disse que mandou suas fotos por e-mail. - Ele coçou o olho esquerdo e se aproximou dando um leve beijo na lateral do meu pescoço. - Bom dia, amor. - Um sorriso bobo tomou conta de meu rosto.
- Bom dia. - Quebrei os ovos na frigideira e Malik olhou com curiosidade. - Vai querer também? - Ri e ele assentiu. - Ótimo. Vou fazer um para você também. - Acrescentei uma pitada de sal e alguns temperos, enquanto Zayn olhava para a tela de seu telefone, aparentemente preocupado. - Está tudo bem? - Ele apenas bloqueou a tela e concordou.
- O que acha de eu te acompanhar até o trabalho hoje? - Aquela pergunta fez meu coração se encher de amor, já que a companhia de Zayn era tudo que eu precisava para o dia ficar ainda melhor. Assenti com um sorriso largo no rosto e ele riu de minha reação, se aproximando. - Deixa eu desligar isso aqui. - Segurou o botão que deixava o fogão ligado e separou os ovos num prato que estava ao meu lado, na bancada. - Não queremos que o café da manhã queime. - Suas mãos encontraram minha cintura e me puxaram para perto, fazendo com que meu corpo e de Zayn fosse praticamente um.

--

Chegando no estúdio de Gravação da Sony, Lana estava com sua corriqueira prancheta e um sorriso.
- Olha só se não é o meu casal? - Nos puxou para um abraço que deixou Zayn um pouco desconfortável. Mas aquela era Lana, seu jeito de ser era esse. - Herron, como você já deve saber, esse ano Adam não estará na competição, mas ele continua sendo o produtor do programa, então ele pediu para que eu te apresentasse aos jurados que te acompanharão. - Assenti, com um sorriso. - Vamos entrar, então. Zayn, nos acompanhe, assim que começarem os ensaios, você fica nos bastidores comigo.
Seguimos a mulher pelos corredores da Sony. Muitos engenheiros de som e produtores andavam por ali. Aproveitei para pegar meu celular e mandar uma mensagem para Brandon.
"Prepare-se porque vou chamar o Prettymuch pra cantar no The Voice."
Na foto anexada, eu sorria largamente com o palco do programa de fundo.
- Herron. - Blake Shelton se aproximou com um sorriso enorme. Perto daquele homem eu era uma anã. - Não sabe quão difícil foi conseguir você por aqui. - Passou a mão pela testa, fingindo estar exausto e eu ri. - Olha só, vocês não se desgrudam mesmo. - Apontou para minha mão que estava entrelaçada à de Zayn e sorrimos fraco. - Porém, agora precisarão se separar um pouquinho pra podermos iniciar o ensaio.
Lana e Zayn tomaram seus caminhos aos bastidores, enquanto Blake me acompanhava até aquela que seria minha cadeira.
- Como você já sabe, Adam não estará nessa edição. - Meneei em concordância. - Então, seu companheiro de cadeira será Nick Jonas. - Fiquei aliviada por alguns instantes, eu e o Jonas já nos conhecíamos e nutrimos uma boa amizade, seria fácil trabalhar com ele. - A outra moça, será a mais linda desse mundo. - Ri. - Já sabe que é a Gwen, né? - Assenti e ele colocou as duas mãos na cintura. - Ótimo, eles já estão chegando e iremos começar a ensaiar a música que nós, jurados, iremos cantar para abrir a temporada.
- Não me passaram qual vai ser. - Torci o lábio e ele sorriu.
- Porque vamos cantar sua música, oras. - Ele falou e eu levantei as sobrancelhas, fazendo ele rir. - Cut & Run.

--

- Como está se sentindo? - Zayn perguntou, enquanto estava ao volante, à caminho de casa.
- Cansada. - sorri fraco. - Mas completamente satisfeita com o rumo que tudo tem tomado. - o olhar de Malik tinha dúvida, ele queria saber ao que eu me referia ao falar de "tudo". - Nós, o programa, minha carreira, vida pessoal, tudo.
- Então, nada melhor que a companhia de quem gosta por perto para comemorar, não? - Mordeu o lábio inferior e eu segurei a vontade de pular em seu colo e beijá-lo por pelo menos dez minutos direto.
- Isso, meu amor, vamos comemorar.



Continua...



Nota da autora (30/08/2020): Oi meus amores, demorei um pouco para atualizar, mas aqui estamos.
Estive com alguns problemas familiares, porém já foram todos resolvidos.

Apreciem esse casal lindo. 😍

Obrigada à todas que estão lendo, amo vocês.@anaherronz
Aproveitem e sigam as amigas também: @raicastelli.y e @ellafranz_
Beijos.

Outras Fanfics:
» Vuelvas a Mi
» The Last Song I'll Write For You

Qualquer erro nessa fanfic ou reclamações, somente no e-mail.


comments powered by Disqus