Última atualização: 08/03/2019
Contador:

Capítulo 01

São Paulo - Maio de 2018.


sempre foi o tipo de garota que não media esforços para conhecer seus ídolos, fossem eles atores ou cantores. Desde a adolescência ela costumava acompanhá-los caso viessem ao Brasil. No início, precisava de ajuda de seus pais, mas conforme foi crescendo e começou a trabalhar, ela mesma passou a bancar suas aventuras. As coisas ficaram ainda mais sérias e ela se tornou ainda mais responsável quando saiu de casa ao completar dezoito anos. A relação de com seus pais nunca foi das melhores. Eles eram boas pessoas, mas não eram o que se pode chamar de pais exemplares. Nunca apoiavam a filha em nada, fosse em coisas relacionadas a sua educação e crescimento pessoal ou em suas aventuras, constantemente preocupados depois com o próprio trabalho para enxergar o que acontecia de baixo de seu próprio teto.
Por isso, quando surgiu a oportunidade de estudar em São Paulo, não pensou duas vezes e juntou todas as suas economias para se mudar. Seus pais, obviamente, não colocaram empecilhos e até ajudaram a garota durante os primeiros meses. Na faculdade, conheceu , uma garota que também havia saído de sua cidade para estudar em São Paulo, as duas resolveram dividir as despesas e alugaram um apartamento juntas. Hoje, mesmo ambas já estando formadas e cada uma seguindo sua carreira profissional - se formou em design gráfico e em hotelaria e turismo - eram inseparáveis e era quem agora acompanhava em suas loucuras.
E agora estava, mais uma vez, se controlando para não gastar cerca de quatrocentos reais em um pacote de quatro dias para a CCXP. Não importava quantos anos tivesse, seria sempre apaixonada por esses eventos e já tinha ido a três edições seguidas, mesmo seus atores favoritos não tendo comparecido. Porém, esse ano, prometeu a si mesma que somente compraria um pacote caso um dos artistas confirmados fossem Chris Evans, Tom Hiddleston ou Sebastian Stan, crente que nenhum outro a faria mudar de ideia. Ao mesmo tempo que torcia para que nenhum dos três viesse, já que sua situação financeira não estava das melhores, sonhava com o momento em que conheceria um deles, pelo menos. Secretamente, ela desejava que fosse Sebastian Stan, já que era louca pelo ator desde seu papel como Carter Baizen no seriado Gossip Girl.
Fechou seu notebook e suspirou, levantando-se da cadeira e indo ao banheiro escovar os dentes para dormir. Depois de fazer sua higiene, foi até a cozinha pegar um copo de água. O apartamento estava estranhamente silencioso, já que sua melhor amiga e colega de quarto, , havia ido dormir na casa do namorado. Encheu o copo e fez o caminho de volta para seu quarto, fechando a porta. Deixou a água sobre o bidê ao lado de sua cama e acendeu o abajur antes de se deitar.
Pegou seu celular, checando as redes sociais. Curtiu algumas fotos, entrou pela milésima vez no dia no perfil de Stan, checou novamente o site da CCXP - apenas para confirmar que nenhum artista havia sido confirmado -, respondeu algumas mensagens no whatsapp e finalmente ativou o modo silencioso do aparelho para dormir. Caiu no sono enquanto repassava mentalmente tudo que precisava fazer no dia seguinte: nada, pois era feriado e, se Deus quisesse e ele iria querer, dormiria até meio dia.


O som irritantemente conhecido de uma chamada sendo recebida em seu celular soava ao fundo. se revirou algumas vezes na cama, tentando cobrir seus ouvidos, e momentaneamente obteve sucesso, apenas para, poucos segundos depois, voltar a ouvi-lo novamente. Bufou, irritada por estar sendo acordada às dez horas da manhã de um feriado. Esticou a mão para o lado e pegou seu celular, atendendo-o sem nem checar quem era.
- Hm. - Resmungou ao mesmo tempo que abriu os olhos com um pouco de dificuldade.
- , SUA RETARDADA MENTAL, ACORDA, TÔ TE LIGANDO HÁ QUASE QUINZE MINUTOS! - A voz de saiu alta, fazendo a garota afastar o telefone do ouvido.
- Hoje é feriado, linda. - Respondeu debochada. - O que você…
- A CCXP ANUNCIOU QUE VAI TRAZER UM ATOR DA MARVEL, ! - berrou novamente e dessa vez levantou em um pulo. - AINDA USARAM UMA IMAGEM DE GUERRA CIVIL PRA ANUNCIAR. PUTA QUE PARIU, !
A menina não respondeu, correndo até seu notebook para acessar as redes sociais da CCXP. E o que disse era verdade. Haviam anunciado que, no dia seguinte, um ator do maior filme de super heróis teria sua presença confirmada no evento.
- EU NÃO ACREDITO! - respondeu, animada, sem tirar seus olhos da imagem no computador. - Você acha que é quem?
- Sinceramente? Meu coração diz que é o Seb. - Confessou . - Mas…
- Tô achando que é Olsen. - A outra respondeu, mordendo o lábio. - Eu não sei se pagaria pra ver ela…
- Se for ela, a gente compra o ingresso normal. Se for o Seb, não preciso nem falar, né? - disse, ouvindo a amiga dar um gritinho empolgado.
- Eu parcelo em trocentas vezes, , mas a gente vai! - Afirmou , voltando a se jogar em sua cama. - Que horas você vem pra casa?
- Acho que perto do almoço. Lucas vai almoçar com a família e eu não tô afim, não. - Respondeu, rindo. - Vai fazer algo pra comer?
- Miojo? - respondeu, soando mais como uma pergunta do que uma afirmação.
- Ah, pelo amor de Deus! - exclamou e pode jurar que ela revirou os olhos. - Vou pedir pro Lucas me deixar no mercado aí perto de casa e aí eu faço algo decente pra gente comer.
- É por isso que você é minha melhor amiga. - respondeu, rindo.
- Por que eu cozinho pra você? - Replicou .
- Sim. - Respondeu simplesmente, sorrindo de maneira convencida.
- Eu preciso, né? Porque se depender de você, vivemos à base de miojo e lasanha de micro-ondas. - disse.
- Blá, blá, blá. Traz chocolate, por favor. - Pediu ao lembrar que seu estoque de doces havia acabado.
- Mais alguma coisa, linda? Porque eu não tô cheia da grana, não. - respondeu.
- Nah, só isso. E vem logo que já to com fome. - disse enquanto pensava se devia voltar a dormir ou levantar de uma vez.
- Você sabe que ainda são dez horas da manhã, certo? - perguntou, apenas para confirmar.
- Sim, e daí? - deu de ombros e, ainda deitada, esticou suas pernas, esforçando-se para tirar as meias que usava, esfregando os pés um no outro.
- Perto do meio dia eu tô aí. - avisou. - Come uma fruta pra não morrer de fome.
- Ah, precisa comprar frutas, também! - lembrou, chutando suas meias para longe.
- Que parte de eu estar sem grana você não entendeu? - Respondeu . - Por que você não volta a dormir, hein? Não quero ninguém mau humorada porque foi acordada…
- Mas foi você que me acordou! - rebateu, rindo. - E vou voltar a dormir, sim. Cansei de ouvir sua voz.
- Babaca. - xingou.
- Bye, linda. - respondeu e colocou o celular na cômoda antes de de puxar as cobertas para cima de si e voltar a dormir - ou pelo menos tentar. De cinco em cinco minutos ela acordava, sonhando com o convidado da CCXP que seria anunciado.


- O que você tá fazendo? - perguntou ao entrar na cozinha e encontrar cortando algumas frutas.
- Caipirinhas! - A amiga respondeu, empolgada, apontando para a vodka e as frutas ao seu lado.
- Só pra gente? - encostou-se na bancada, observando-a organizar os ingredientes.
- Deu vontade. Hoje é feriado e amanhã é recesso, portanto… - deu de ombros. - Dia de se embebedar!
- É por isso que te amo.
- Achei que era porque eu cozinhava pra você. - A amiga rebateu, erguendo as sobrancelhas.
- Por isso também. - riu, aproximando-se de e dando um beijo em sua bochecha. - Lucas vem?
- Nop. - Respondeu, colocando as frutas na coqueteleira e amassando-as com o açúcar. - Ele saiu com os meninos, hoje somos realmente só nós duas.
- Vou já colocar uma música pra gente ouvir! - disse e correu para buscar sua caixinha de som. - E EU QUERO CAIPIRINHA DE KIWI!
- Folgada. - resmungou, mas acabou rindo.
Em poucos minutos as caipirinhas já estavam prontas e as duas garotas se encontravam sentadas no chão da sala de TV, com seus copos em mãos, conversando sobre tudo e mais um pouco.
- Como estão as coisas com Lucas? - perguntou, dando um gole em sua bebida. - Tudo ótimo. Te falei que resolvemos aquele problema, né? - perguntou e balançou a cabeça, assentindo. - Ele sempre foi um amor comigo, mas agora tá mais ainda!
- Ah, mas é bom mesmo que esteja. Eu arranco as bolas dele se ele te machucar. - ameaçou, fazendo a amiga rir.
- E você e o… Como é o nome do contatinho da vez, mesmo? - questionou, arqueando uma sobrancelha.
- Já mandei pastar. Tinder só tá me trazendo porcaria ultimamente, amiga. - disse, apoiando seu braço no sofá. - Essa caipirinha tá uma delícia!
- Claro, fui eu quem fiz. - sorriu convencida, bebendo um gole de seu copo. - Ah! Vamos brincar de Top 5?
- Nossa, voltamos a ter 18 anos? - riu, mas deu de ombros. - Eu começo, então… - Mordeu o lábio, pensativa. - Top 5 com quem você já dormiu.
- Que previsível. - rolou os olhos. - Lucas, é claro, Vitor, Diego… Olha, por mim, eu fechava só nesses 3, porque o resto foi uma bosta. Mas já que são 5… Hm… Tiago e Luís. - Encerrou sua lista e bebeu mais um gole de sua caipirinha.
- Vitor também… - Começou , rindo da careta que a amiga fez. - Meu segundo não é um cara, vale? - concordou. - Então Vitor, Ana, Will, Marcelo e Pedro.
- Eu ainda não acredito que você e a Ana transaram. - riu, estreitando os olhos. - Foi bom mesmo?
- Olha, ela só não tá no meu primeiro lugar porque não tem um pinto. - deu de ombros e gargalhou.
- Você sabe que isso é fácil de resolver, né? Tem muitos vib...
- Certo, cala a boca. - a interrompeu, segurando o riso. - Vai, Top 5 Famosos que você faria sem pensar duas vezes.
- Sebastian Stan! - Berraram as duas ao mesmo tempo, caindo na gargalhada em seguida.
- Que dúvida, né. - riu e virou o restante de sua bebida. - Vai, vamos terminar essa rodada pra fazer mais caipirinha.
- Ok… - concordou, mordendo seu lábio e fazendo uma careta pensativa. - Sebastian Stan, Chris Evans, Ian Somerhalder, Henry Cavill e Chris Hemsworth.
- Nossa senhora, chegou a subir um calor! - comentou. - Sebastian Stan, Gal Gadot é óbvio, Chris Evans, Tom Hiddleston e Danny Jones.
- Ah, a banda acaba, mas o amor pelos integrantes não, né? - riu, levantando-se e estendendo a mão para que levantasse também. - De kiwi de novo?
- Yep.
As duas seguiram para a cozinha, onde prepararam mais um grande copo de caipirinha para cada uma, enquanto brincavam de mais algumas rodadas de Top 5 e especulavam sobre quem viria para a CCXP e como reagiriam caso fosse Sebastian Stan ou Chris Evans. Era perto das 4h da manhã quando as frutas acabaram e, como não haviam mais ingredientes para preparar os drinks, elas acabaram indo dormir.


Apesar da dor de cabeça que estava sentindo por consequência de ter bebido muito na noite anterior, encarava pela milésima vez a tela de seu celular - mais especificamente o perfil da CCXP no facebook e twitter, alternando entre os dois de minuto em minuto. Em todos esses anos de evento, ela nunca se sentiu tão ansiosa para um anúncio como estava se sentindo para esse. Por outro lado, tentava manter a cabeça no lugar para não se iludir de que algum artista que ela gostasse muito estaria vindo.
tentou acordar de todas as formas possíveis, mas a amiga continuou dormindo e pediu para que voltasse a acordá-la apenas quando saísse o tão esperado anúncio. Já eram cerca de 15h e nada. A ansiedade estava começando a lhe incomodar, então decidiu por ativar as notificações das redes sociais da CCXP e se distrair assistindo a uma série. Caso postassem algo, seria avisada.
O segundo episódio da série já havia começado quando seu celular apitou, indicando uma atualização de status no perfil da CCXP. Mal desbloqueou o aparelho e abriu o twitter, lendo a última postagem do perfil da convenção:

"Comic Con Experience‏ @CCXPoficial Sebastian Stan estará na CCXP18. #SebastianStanNaCCXP O ator está empolgadíssimo para vir ao Brasil e conhecer os fãs nos dias 7 e 8 de dezembro."

- PUTA QUE PARIU! - berrou e levantou do sofá, quase derrubando tudo que estava perto de si. - , , ! - Abriu a porta do quarto da amiga, pouco se importando com o fato de que ela odiava ser acordada dessa maneira. - , É O SEBASTIAN!
- Meu Deus, vai gritar pra lá, garota! - pediu, cobrindo sua cabeça com o edredom que tapava seu corpo. - Você sabe que eu odeio ser...
- Cala a boca e me ouve, ! SAIU A PORRA DO ANÚNCIO! - gritou e subiu na cama da amiga, pulando sem parar.
- MAS QUE INFERNO. - disse, chutando as cobertas para longe. - Que caralho, é bom que o anunciado seja alguém que amamos, se não eu vou…
- EU JÁ FALEI TROCENTAS VEZES QUE É O SEBASTIAN!
- É o quê?! - berrou, levantando-se rapidamente. - SE VOCÊ ESTIVER DE BRINCADEIRA, EU VOU DAR NA SUA CARA!
- OLHA PRA MINHA CARA, . OLHA BEM PRA MINHA CARA E ME DIZ SE PARECE QUE EU TÔ BRINCANDO! - praticamente berrou, irritada com a dificuldade de em entender as coisas.
- Me dá essa merda aqui, . - Pediu e não esperou resposta para arrancar o celular da mão da amiga para ler o anúncio. - PUTA QUE PARIU, O SEBASTIAN VEM PRO BRASIL!
rolou os olhos, mas acabou rindo. No próximo segundo as duas já estavam pulando na cama abraçadas, como duas adolescentes felizes que recém obtiveram permissão dos pais para ir à algum lugar. Não conseguiam acreditar que Sebastian fora realmente confirmado como uma das atrações da CCXP 2018. Era inacreditável!
- Meu Deus. - comentou assim que pararam de pular, passando a mão em seu rosto para afastar os fios de cabelo que grudaram em seu rosto. - Precisamos comprar os ingressos!
- Eu espero que dê pra parcelar essa porra. Meu salário de designer não é altíssimo, não. - comentou, sentando-se na cama e puxando o computador da amiga para seu colo. - Vamos comprar agora?
- Sim, vou pegar meu cartão. Cadê sua carteira? - pediu e desceu da cama.
- Em cima da mesa da cozinha. - Respondeu .
Alguns segundos depois e voltou com sua carteira e a de na mão.
- Aqui. - Entregou a carteira da amiga enquanto abria a sua.
- Eu não acredito que estamos fazendo isso. - riu, selecionando os ingressos que seriam comprados. - Mês passado estávamos reclamando de dinheiro.
- O que não fazemos por Sebastian Stan? - questionou, fazendo a amiga rir e concordar com a cabeça. - Vai comprar o de quatro dias mesmo?
- Tô querendo, já vi que pode parcelar em seis vezes.
- Não tem Epic esse ano? - perguntou, já com seu cartão de crédito em mãos. - Aqui, ó. E tem direito a uma foto ou autógrafo com um artista.
- Se comprarmos o normal, ainda temos que pagar o meet separado, né?
- Yep. Topa ir todos os dias? - questionou, olhando-a em expectativa.
- Claro que sim. - riu concordando. - E olha, parcela em dez vezes!
- Compra pra gente, então. - pediu, encarando a tela do computador com ansiedade. - Parcelar em dez vezes mesmo?
- Claro, nem sei como vou conseguir pagar isso, então tem que dividir quantas vezes puder.
- Por que não nascemos ricas? - suspirou, já inserindo os dados dos cartões de crédito para realizar a compra.
- Um dia vamos ser, e ainda vamos para ccxp com o pacote full experience. - Replicou , um pouco sonhadora.
- Só se for em outra vida, porque nessa, vamos continuar parcelando tudo. - comentou antes de finalmente clicar em comprar. - OBRIGADO POR COMPRAR NA CCXP. - Leu o que estava escrito na tela e se levantou rapidamente.
- FOI APROVADO?
- FOI! PUTA QUE PARIU, ! - As duas comemoraram, abraçando-se. - VAMOS CONHECER SEBASTIAN STAN!

São Paulo - Agosto de 2018.


estava jogada no sofá mexendo em seu computador quando a porta do apartamento se abriu e Lucas entrou, com uma pequena caixa em mãos.
- Oi, insuportável. - Ele a cumprimentou quando se aproximou do sofá e deu um beijo na bochecha dela. - ainda não chegou?
- Nop, mas já são quase 19h, ela deve estar quase aí. - Respondeu, desviando seu olhar do notebook em seu colo para a caixa que ele carregava. - O que é isso?
- Acho que são os ingressos de vocês praquela conv…
- AH! - berrou e arrancou a caixa da mão dele, abrindo-a com certa pressa. - Não acredito que já chegaram!
- Eu que não acredito que nessa caixa minúscula tem mais de dois mil reais. - Lucas disse, revirando os olhos ao mesmo tempo em que se sentou no sofá.
- Dinheiro mais bem gasto da vida. - afirmou quando finalmente abriu a caixa e tirou as duas credenciais de dentro.
Ela pegou seu celular para tirar uma foto e mandar para , mas a porta se abriu no exato momento em que apontou a câmera para fotografar.
- Ei, gente. - cumprimentou. Andou até a mesa e soltou sua bolsa sobre ela, tirando seus sapatos antes de sentar no colo de Lucas, abraçando-o. Só então sua atenção foi para os objetos que segurava. - Isso é o que eu tô pensando que é?
sorriu abertamente e estendeu a credencial de para ela.
- QUE COISA MAIS LINDA! - Ela berrou e Lucas fez uma careta, cobrindo os ouvidos.
- Mais uma CCXP pra conta, amiga. - riu, estendendo a mão e fazendo um high five com a amiga. - Vou guardar bem guardadinho pra gente não perder.
sorriu e estendeu a sua credencial para que voltasse a guardar na caixa. Ela se levantou e foi até o quarto, guardando-a dentro do seu armário para que não corresse o risco de perdê-las. Quando voltou para a sala, os dois amigos estavam atracados em um beijo, o que a fez revirar os olhos.
- Um segundo que eu saio e vocês já começam. - disse, jogando-se no sofá e arremessando uma almofada nos dois.
- Meu Deus, você precisa arranjar alguém, garota. - Lucas comentou e concordou rindo. - Tô muito bem assim, obrigada. - retrucou, puxando a coberta que estava no braço do sofá para cima de si. - Homens me irritam e garotas me tiram do sério, um pior que o outro.
- vai ser aquelas solteiras de quarenta anos que tem 30 gatos, sabe? - perguntou e Lucas gargalhou.
- E quando a gente casar, amor, vamos ter que arranjar um primo pra ser companhia dela na igreja, porque ela não vai poder entrar sozinha. - Lucas disse, divertindo-se com as teorias que estava criando sobre o futuro da amiga.
- Ah, vão tomar no cu, vocês dois!

São Paulo - Novembro de 2018.


estava tão concentrada no trabalho que estava fazendo que não notou seu celular vibrando em cima da mesa. Foi só na segunda ligação que ela viu a tela piscando e pegou o aparelho para atender.
- Fala logo, eu tô trabalhando, . - Falou assim que aceitou a ligação.
- Você não vai acreditar! - disse, praticamente sussurrando.
- Você precisa me contar pra eu saber se vou acreditar ou não, e por que diabos você tá sussurrando? - questionou, franzindo o cenho.
- Porque ninguém pode saber que eu to te contando isso. - respondeu.
- Mas você ainda não me contou nada! - Retrucou , um pouco impaciente.
- Puta que pariu, me deixa falar, caralho! - levantou um pouco a voz, mas logo voltou a sussurrar. - Você sabe que o hotel vive recebendo vários famosos, né?
- Uhum. - resmungou, apertando a caneta que segurava sem parar.
- Eles nunca nos contam quem vem e a gente só fica sabendo bem perto da data, isso você também sabe. - Comentou, obtendo um resmungo de . - Você sabe quem vem dessa vez?
- Eu não sei, porque você ainda não me contou! Fala logo, ! - pediu. - Amiga, você tá sentada?
- Tô, mas se você não desembuchar logo, eu levanto e juro que vou até aí te socar até você abrir a porra da boca! - ameaçou, fazendo a amiga rir do outro da linha.
- Sebastian Stan vai se hospedar aqui, . E parece que outros atores também, mas só vou saber quem mais pra frente. - soltou a bomba.
- O QUÊ? - praticamente berrou, atraindo olhares de seus colegas de trabalho.
- EU QUASE SURTEI, AMIGA! - disse. - E já tô sabendo que vai rolar festa aqui, eu preciso conseguir convites pra gente!
- Você nunca conseguiu antes, , será que dessa vez vai ser diferente?
- Eu vou tentar. Nem que eu precise usar meu charme, Lucas que me desculpe, mas nós vamos a essa festa!
- Tomara, amiga, tomara! - torceu, tentando esconder sua empolgação. - De qualquer maneira, já reserva uma mesa no restaurante do hotel pra mim durante o jantar pra todos os dias em que o Seb estiver hospedado.
- Já até fiz isso e já avisei ao Lucas que ele vai te fazer companhia. - respondeu, rindo. - Amiga, eu preciso desligar. A gente se fala em casa.
mal teve tempo de responder, porque no segundo seguinte a linha já estava muda. Soltou o celular em sua mesa e sorriu, ainda sem acreditar na sorte que ela e estavam tendo com tudo relacionado à CCXP. Faltava menos de um mês para o evento e as duas amigas estavam começando a ter dificuldades para dormir por conta da ansiedade.


Capítulo 02 - Parte 1

São Paulo - Dezembro de 2018.


Era quarta-feira, dia 05 de dezembro de 2018 - dia da Spoiler Night da CCXP. Ou seja, para as meninas, era oficialmente o primeiro dia de evento! A única parte chata - ou muito chata, dependendo do ponto de vista - era que estava sozinha. não conseguiu liberação do trabalho no horário noturno, pois o hotel estava lotado - principalmente de famosos, já que todos iam se hospedar lá, incluindo os novos convidados confirmados: Brie Larson, Zachary Levi, Sophie Turner, Jessica Chastain, Michael B. Jordan, entre outros - e precisavam muito dela. só conseguiu trocar seu horário para o noturno nos outros dias do evento porque já havia solicitado com muita antecedência. Se ela ficaria absolutamente exausta? Sem dúvidas, mas valeria a pena. Mesmo com todos esses fatores, nenhuma das duas se deixou abalar: , nesse momento, aguardava na fila pela liberação dos portões, e , no hotel, acompanhava tudo pelas mensagens que a amiga lhe mandava.
O hotel se encontrava lotado, mas nenhum famoso tinha chego por enquanto - e eles poderiam começar a chegar a qualquer momento, tinha noção disso. Então, sua atenção estava redobrada - até porque seu supervisor tinha avisado que, qualquer passo fora da linha, ela não poderia mais trocar seus horários e a promoção tão ansiada por ela poderia não vir. Era por isso, então, que mantinha seu celular atrás do computador da recepção, onde era fácil esconde-lo caso alguém lhe visse mexendo no aparelho. Foi só terminar de atender um cliente que o aparelho vibrou novamente.

: ENTREI, PORRA!
: TÁ TUDO TÃO MARAVILHOSO
: Você ia amar!
: TO SURTANDOOOO

riu e revirou os olhos ao mesmo tempo. Estava muito feliz pela amiga, mas estaria mais ainda se pudesse estar lá.

: Aproveita aí e me manda os spoilers
: Vou demorar pra responder pq né, se o chefe pega, tô ferrada
: Te mando fotos, responde quando der
: Bye

E a noite se passou assim até 21h, com mandando spoilers de tudo e mais um pouco sobre a feira e com trabalhando muito. Quando ela achou que as coisas iam ficar mais tranquilas, uma movimentação estranha começou fora do hotel e um dos seguranças entrou e avisou a todos os funcionários que Maisie Williams e John Bradley estavam a caminho. Como nenhuma das duas amava Game of Thrones loucamente, não foi tão difícil para realizar seu trabalho. Eram cerca de 22h quando avisou que já estava em casa, com muitas compras, ansiosa para que a amiga chegasse e pudesse contar tudo para ela.


- Bom diiia, flor do dia! - entrou na cozinha sorridente, afinal, hoje era dia de CCXP.
- Bom dia, amiga. - a cumprimentou, servindo uma xícara de café e estendendo para ela.
- Ansiosa? - perguntou e depois tomou um gole do café, pegando um pão e uma faca da gaveta para preparar um sanduíche.
- Muito! Já fiz sanduíches pra gente levar. - avisou, apontando para os sanduíches super bem embalados em cima da bancada.
- Quanta eficiência! - comentou, dando uma mordida em seu pão.
- Come rapidinho que já temos que sair. - disse. - Vou lá no quarto pegar minha mochila e a roupa do trabalho pra mais tarde.
- Como você vai aguentar 4 dias sem dormir direito? - perguntou, preocupada.
- Não sei, vamos descobrir. - Ela deu de ombros, conformada. - 5 minutos e saímos.
1h depois as duas já estavam sentadas na fila do EPIC, conversando entre si e com algumas pessoas que também estavam por ali. Faltava muito pouco para os portões abrirem, e elas não viam a hora de entrar e correr direto para a loja do Harry Potter. Não demorou muito, logo as pessoas começaram a se levantar e andar em direção as catracas. Quando a entrada foi finalmente liberada, foi uma correria. Elas rumaram em direção à loja, entrando com facilidade. Gastaram um pouco, mas nada em excesso. Depois, foram passear pelos outros estandes. Participaram de algumas atividades na Warner, Disney, Marvel... E depois foram acompanhar a entrevista que Maisie Williams e John Bradley estavam dando na HBO. Mesmo não sendo fãs assíduas da série, foi legal acompanha-los tão de perto. O resto do dia foi assim: visitando estandes para pegar todos os brindes possíveis. Só pararam para almoçar e para fazer algumas compras.
Quando eram quase 16h, o celular das meninas começou a apitar com tantas notificações: Sebastian Stan havia chego ao Brasil. E foi uma loucura, com as duas decidindo sair 1h mais cedo do evento para irem até o hotel. Como entraria para trabalhar, conseguiu colocar para dentro com facilidade.
- Meu Deus, meu Deus... - não parava de falar, tamanha era sua ansiedade.
- Eu preciso que você se acalme. Se descobrirem que você é fã dele, , eu tô na m...
- Eu vou me conter, relaxa. Posso ficar no restaurante?
- Pode, se ele aparecer eu te aviso. - avisou enquanto terminava de ajeitar seu uniforme. - E vê se não passa a noite aqui, pelo menos uma de nós precisa estar bem descansada.
- Fica tranquila. - mordia o canto de seus dedos, um pouco nervosa. - Você conseguiu ingressos pra festa sábado?
- Ainda não, tô negociando. - sorriu, orgulhosa. - Acho que vai rolar, pelo menos pra você. Mas tô tentando dois, aí o Lucas pode vir contigo.
- Tomara! Eu vou de qualquer jeito, mas se tiver companhia vai ser melhor ainda. - deu de ombros e sorriu. - Bom, vou te deixar trabalhar, amiga. A gente se vê depois?
- Passa me dar tchau quando estiver indo pra casa.
- Pode deixar.
deu as costas para e saiu do vestiário - onde nem podia entrar - e seguiu para o restaurante. Cumprimentou os garçons e se sentou em uma mesa, pedindo apenas uma água - não queria gastar mais que o necessário. Pegou seu celular e desbloqueou-o, twittando algumas coisas sobre a CCXP e vendo todas as fotos que foram tiradas durante dia. Algum tempo depois, ela notou uma movimentação na recepção e tentou espiar, mas sem sucesso.
: O que tá acontecendo?
: Zachary Levi chegou
: Ai, socorro
: Parece que ele vai jantar antes de subir, a agente dele veio me pedir se é tranquilo ele entrar
: Putaquepariu o Sebastian ta aqui
: É O QUE? DOIS DE UMA VEZ SÓ? MEU CORAÇÃO NÃO VAI AGUENTAR
: Ah, vai sim! Ou eu te mato. Supervisor, até dps
bloqueou o celular. Suas pernas balançavam incessantemente e ela não parava de girar sua garrafinha de água em suas mãos. Ela estava muito ansiosa, afinal, a qualquer momento Zachary Levi entraria pelas portas do restaurante e...
- Droga. - Reclamou quando a garrafa rolou para o chão.
Levantou-se da cadeira e se abaixou para pegar a garrafa de plástico, mas, quando foi se levantar, bateu a cabeça na mesa.
- Ouch! - Exclamou, deixando a garrafa em cima da mesa e finalmente se levantando.
Quando o fez, porém, encontrou Zachary Levi a encarando de maneira engraçada.
- That was funny. - Ele disse, e ela não soube onde enfiar a cara. Por fim, ele riu. - Tudo bem?
‘’Puta que pariu, como é que fala, mesmo?”, repreendeu a si mesma, porque não saía voz alguma de sua boca.
- Ei, garota? - Ele chamou novamente.
- Oi, sim. - Ela falou, soltando o ar pela boca. - Tudo bem, só bati a cabeça.
- Isso eu percebi. - Ele sorriu divertido.
Nossa, como ela não tinha percebido o quão maravilhoso era aquele homem?
Como não recebeu resposta novamente, Zachary deu de ombros e acenou para ela antes de se despedir murmurando ‘’bye, then’’. piscou algumas vezes, praticamente caindo sentada em sua cadeira.
- O que acabou de acontecer? - Perguntou a si mesma, com um pouco de dificuldade de acreditar. - Zachary Levi acabou de rir de mim. Sim, porque foi de mim, e não pra mim. Claro que isso tinha que acontecer comigo, virar motivo de risada de um ator intern... - Ela interrompeu seu monólogo quando sentiu seu celular vibrar repetidas vezes.

:
:
:
: O que foi garota
: Sebastian acabou de passar aqui
: Zachary Levi acabou de rir da minha cara
: É O QUE?
: É O QUE?

riu sozinha, terminando o último gole da água que tinha em seu copo antes de voltar a digitar.

: Eu derrubei uma garrafa no chão e me abaixei pra pegar, quando eu fui levantar, bati a cabeça na mesa e aí eu dei de cara com Zachary Levi rindo da cena
: Meu deus, coisas que só acontecem com você, né
: Total... E COMO ASSIM O SEBASTIAN PASSOU AÍ?
: Ele foi jantar com a agente dele, passou aqui, acenou pro pessoal da recepção e saiu
: Ai, porque não veio jantar no hotel? Que droga
: Sei lá, de qualquer maneira, tá tarde, é melhor vc ir pra casa pra descansar por mim e por vc
: Eu já vou... Amanhã posso vir de novo?
: Amanhã vc não vai madrugar pra fila do auditório?
: To pensando ainda, não queria entrar sem vc
: A gente pode ir direto quando eu sair do trabalho. Tomo banho aqui e vamos correndo, às vezes conseguimos entrar lá por dentro
: Fechado, agora solta o celular antes que seu supervisor apareça
: Ok, tchau, te vejo em casa
: Aviso quando chegar

guardou suas coisas e se levantou, indo até o caixa do restaurante para acertar o que consumiu - basicamente, uma água. Depois de pagar, pegou seu celular e resolveu pedir um Uber ao invés de pegar o metrô. Não demorou a chegar em casa e logo foi descansar, pois o dia seria longo amanhã.


- Hoje é dia de foto com Sebastian, nenê! - comemorou com uma dancinha ridícula enquanto entrava no pavilhão ao lado de , dando início ao segundo dia de CCXP.
- Tô calma por enquanto e espero continuar assim quando chegar no horário. - Foi o que disse antes de começar a correr em sua frente, fazendo-a revirar os olhos. - Porra de garota apressada.
As duas passaram praticamente a manhã inteira no Artist’s Alley. Muitos artistas incríveis com trabalhos sensacionais. Era muito fácil gastar dinheiro ali, mas, como elas estavam tentando se controlar, cada uma escolheu somente uma arte para comprar - e foi muito, muito difícil. Depois, resolveram visitar outros estandes até o horário da foto. Nesse meio tempo, pararam para almoçar os sanduíches que trouxeram de casa e depois foram para o local da foto. Já tinham algumas pessoas esperando, mas a maioria era para outros artistas.
- Você trouxe alguma coisa pra ele autografar? - perguntou para , que procurava algo dentro de sua mochila.
- Eu trouxe uma réplica em miniatura do escudo do Capitão América. - Respondeu sem tirar seus olhos da mochila, finalmente encontrando o que procurava e estendendo-o para a amiga.
- Ai, que bonitinho. Nem lembrava que você tinha isso! - disse, observando a miniatura. - Tomara que deixem autografar, né? Porque não tinha essa opção...
- Se eu não conseguir durante a foto, a gente tenta depois. Quero entrar com o escudo pra tirar a foto, pelo menos... - disse, esperançosa.
- Eu não trouxe nada, vou aproveitar só a foto mesmo. - deu de ombros. - Olha, vamos sentar ali, ainda não abriu a fila.
Elas andaram até o canto e se sentaram no chão, apoiando-se na parede. Esperariam até que um dos staffs começasse a formar a fila para a sessão de foto das 15h, o que não demorou muito, pois logo o staff anunciou que a fila para a sessão estava aberta. Com certa pressa, as duas levantaram e seguiram até o local indicado.
- Ai, agora o nervosismo tá batendo. - disse, esfregando as mãos umas nas outras, ansiosa.
- Segura aí, amiga, se não você não consegue nem falar com ele.
- Eu não vou surtar, relaxa. Só tô com friozinho na barriga. - Respondeu, apoiando-se na grade que separava a fila. - Será que ele é cheiroso?
- Se não for, vai ser decepcionante. - riu e se esticou, tentando espiar algo dentro da sala onde as fotos aconteceriam.
- Ei, galera! - Uma staff gritou, chamando a atenção de todos. - Sei que vocês estão ansiosos, mas, por favor, não cheguem abraçando, beijando, gritando. Se quiserem abraçar, perguntem se pode. Sebastian não vai negar, a agente dele já nos avisou, mas não assustem ele! - Ela comentou, recebendo vários ‘ok’’ como resposta do pessoal. - Outra coisa: ele não vai autografar nada, só pode entrar com presente pequeno e não enrolem! Tem muita gente pra ser atendida, então é rápido, ok?
Algumas pessoas reclamaram, mas a maioria entendeu. foi uma das que entendeu, não tinha problema, seu autógrafo ficaria para a próxima, a prioridade era a foto. Mesmo assim, ela entraria com a miniatura do escudo, pelo menos para mostrá-lo a ele.
Pouco a pouco as pessoas foram sendo liberadas para entrar na sala, uma de cada vez e, quando saíam - o que realmente acontecia muito rápido - era possível ver os sorrisos enormes e os olhos cheios de lágrimas de algumas.
Passou tão rápido que logo era a vez das meninas. As duas entraram juntas, mas, lá dentro, foi uma de cada vez. foi a primeira. Tão rápido quanto entrou, saiu. Depois, foi a vez de , que estava a ponto de ter um ataque de nervos, mas respirou fundo e foi.
- Hey! - Ele a cumprimentou, abrindo os braços para lhe dar um abraço, o qual ela não pensou duas vezes em aceitar.
- Oi. - Ela disse enquanto envolvida pelo abraço dele, que durou muito pouco, pois ele logo se afastou.
- Opa, tem algo aqui. - Sebastian fez uma careta, olhando para as mãos de . - O que é iss... Ah! Uma miniatura do escudo do Steve!
Sebastian pegou-o e o observou, achando a peça muito bem-feita. E então, o escudo caiu no chão e quebrou. A expressão no rosto dele foi de pura incredulidade, impagável de se ver. não estava diferente, não acreditando que isso tinha acontecido. Como assim ele derrubou e quebrou o escudo que ela havia trazido?
O ator começou a pedir desculpas várias e várias vezes, sem saber o que fazer. se abaixou para pegar os pedaços do escudo e teve que pensar rápido para falar alguma coisa, pois sabia que a qualquer momento a mandariam posar para a foto e sair, e isso arruinaria totalmente a experiência.
- Tá tudo bem. - Tentou amenizar a situação, mesmo que, no fundo, estivesse um pouco triste.
- Não, eu quebrei seu escudo, como pode estar tudo bem? - Sebastian rebateu, fazendo um pouco de drama. - Podemos tirar duas fotos pra ela? Por favor, gente? - Dirigiu-se a sua agente, praticamente implorando.
não sabia onde enfiar a cara. Ouvi-lo argumentar com sua agente foi a melhor parte. ”I broke her shield! Please, it’s the least I can do!”. Apesar do pequeno acidente, a possibilidade de tirar duas fotos a animou muito, afinal, ela só tinha direito a uma, né?
- Certo, vamos tirar duas fotos. - Ele se voltou para ela depois de receber confirmação da agente. - Como você quer as fotos?
- Você pode me abraçar em uma e na outra podemos fazer uma careta juntos? - A criatividade de para fotos era zero, como podem perceber.
Sim, ela poderia facilmente ter pedido para olharem um nos olhos do outro, mas tinha certeza que desmaiaria ao encarar tão profundamente aqueles olhos azuis - mesmo que por pouco tempo.
- Claro que sim!
E então Sebastian a puxou para um abraço, envolvendo-a com seus braços. Foi só nesse momento que conseguiu finalmente sentir o perfume que ele usava e Deus, como ele era cheiroso! Um dos homens mais cheirosos que ela já tinha visto. A primeira foto foi tirada e no segundo seguinte, os dois já estavam fazendo careta para a segunda foto e então a sessão chegou ao fim, tão rápido quanto começou.
- Muito obrigada! - agradeceu, seu coração acelerado de animação por tê-lo conhecido.
- Me desculpa, de verdade. - Sebastian pediu novamente, fazendo uma espécie de biquinho para ela.
- Tá tudo bem. - repetiu e sorriu sincera.
Stan abriu um sorriso e deu uma piscada para ela antes de acenar em despedida. retribuiu seu aceno e logo foi guiada para fora da sala por uma das staffs. Ok, o que tinha acabado de acontecer, mesmo? Ela só conseguiu andar até sua mochila porque viu esperando-a, com os olhos brilhando.
- A gente já surta, mas primeiro eu preciso saber por que diabos você demorou tanto? - quase berrou e riu, pegando na mão da amiga e puxando-a para longe.
- Puta que pariu, eu acabei de conhecer Sebastian Stan! - A ficha caiu e os olhos de se encheram de lágrimas instantaneamente, a primeira não demorando a escorrer. - Meu Deus, meu Deus...
- Eu sei, amiga, eu sei. - disse, abraçando-a pelos ombros enquanto dava pulinhos animados. - Mas se situa, porque eu preciso saber o que diabos aconteceu lá dentro!
riu e fungou, limpando o canto de seus olhos para secar as lágrimas antes de contar tudo para a amiga.
- Ele quebrou meu escudo. - mostrou os pedaços para , que abriu a boca em espanto.
- Não acredito!
- Eu fiquei triste, confesso, mas , ele ficou tão sem jeito, pediu várias desculpas e no fim eu acabei tirando duas fotos! DUAS! - Ela teve que se conter para não gritar de emoção.
- Puta que pariu, você é muito sortuda, garota! - riu e puxou a amiga em direção ao local de retirada das fotos. - Vamos lá retirar as fotos logo, tô muito ansiosa pra ver!
Como a sessão delas foi uma das primeiras do dia, ainda não tinha fila para retirar as fotos, então tudo correu muito rápido. Logo elas já estavam com suas fotos em mãos, admirando-as.
- Meu Deus, como você conseguiu encarar ele nos olhos desse jeito pra tirar essa foto? - perguntou ao ver a foto da amiga com Sebastian, onde os dois estavam frente a frente e ele segurava a perna ao redor de seu quadril.
- Ah, cara, eu pensei: ele nunca mais vai me ver, mesmo, por que não? - deu de ombros, rindo. - Essa de vocês fazendo caretas ficou engraçada, olha sua cara!
- Caguei se eu saí ridícula, amiga, o que importa é que ele tá lindo, mesmo fazendo careta. - Ela riu, guardando suas fotos cuidadosamente dentro de uma pasta para não amassar. Depois, ajeitou sua mochila nas costas e olhou para , empolgada para continuar o dia. - E agora, onde vamos?


Eram cerca de 22h quando entrou em casa, soltando suas coisas no sofá e indo direto para a cozinha para preparar algo para comer. Estava exausta. Depois da foto com Sebastian, ela e fizeram tudo e mais um pouco. Voltaram com o dobro de brindes do que no primeiro dia e não sabia o que faria com todos eles, mas, tudo bem. Ao entrar na cozinha, abriu o armário em busca de um miojo. Quase nunca comia essas porcarias, mas o cansaço era muito grande, então precisava de algo rápido. Em poucos minutos já estava sentada na mesa comendo seu macarrão sabor galinha caipira. Depois, lavou a louça e seguiu para o banho, determinada a tomar uma ducha rápida - quanto mais tempo tivesse para dormir, melhor. Amanhã ela e tentariam entrar no painel, portanto, quanto mais cedo chegassem para a fila do EPIC, mais chances teriam de conseguir entrar pela fila interna.
O relógio marcava 22h43 minutos quando ela finalmente se deitou em sua cama, pronta para dormir - mas não sem antes checar rapidamente suas redes sociais. Estava abrindo o instagram quando chegaram várias mensagens de , uma atrás da outra. Eram fotos, muitas delas. Em duas das fotos, aparecia ao lado de Jessica Chastain e Sophie Turner, o que faz quase dar um berro de felicidade pela amiga. As outras fotos que se seguiram eram aleatórias, mas todas mostravam as duas artistas.

: TIREI FOTO COM AS RAINHAS
: Eu to vendo, amiga!!! Muito feliz por vc!
: Já comecei a trabalhar, mas fiquei muito feliz. Elas estavam chegando no hotel no mesmo horário que eu
: E foram queridas?
: Foram, muito! Não viu o vídeo que te mandei?
: Não chegou vídeo

Foi só enviar a mensagem que um vídeo foi recebido. Ela esperou alguns segundos para que o arquivo baixasse e então apertou o play. Jessica e Sophie estavam na tela, acenando.

- Hey, ! - Sophie Turner pronunciando seu nome com sotaque era sensacional. - Muito triste por você não estar aqui!
- Mas sua amiga nos pediu um vídeo, então... - Jessica quem falou, dando de ombros e abrindo um sorriso imenso. - Um beijo, querida!
Jessica saiu do foco e Sophie se despediu, fazendo um coração com as mãos antes de acenar para a câmera e rir e aí o vídeo acabou.

: PUTA QUE PARIU
: EU TE AMO, , QUE VÍDEO SENSACIONAL
: Eu sei, de nada hahahahaha
: E tem mais, consegui dois ingressos pra festa, vc e Lucas vão juntos
: NÃO ACREDITO! Eu te amo! Obrigada, obrigada, obrigada!
: Também te amo. Combina com ele pra vcs virem pra cá juntos amanhã
: Preciso trabalhar, e vc vai dormir, por favor
: Deixa eu surtar um pouco, porra
: À vontade, mas preciso ir, bj

, ainda com um sorriso imenso no rosto, não pensou duas vezes em postar esse vídeo no instagram - e foi o que ela fez depois de postar a foto com Sebastian Stan. Até queria esperar os comentários de seus amigos, mas lutar contra o sono estava muito difícil, por isso, resolveu bloquear seu celular e dormir. O dia seria muito longo amanhã.


estava no metrô, esperando no local onde marcou de encontrar com . A amiga saíra direto do trabalho para as duas irem para a fila da CCXP o mais cedo que lhes era possível. Era sábado, dia de painel da Marvel e Sony, e as meninas não queriam perder por nada - mesmo sabendo que tinham chance de não conseguir acesso, pois era muito concorrido e tinha muita gente na fila para acesso direto ao auditório desde a madrugada - coisa que pensou em fazer, mas conseguiu convence-la deixar essa ideia pra lá, ainda mais porque ela iria sozinha.
Não demorou muito e apareceu, então as duas seguiram caminho ate a CCXP. Andaram rápido e, quando chegaram na fila, comemoraram ao ver que tinham apenas cerca de 10 pessoas na fila do EPIC.
- Ufa, chegamos! - disse enquanto tirava da mochila uma manta para as duas se sentarem no chão.
- Obrigada por essa manta. - agradeceu assim que se sentou e ajeitou sua almofada ao redor de seu pescoço. - Vou dormir, boa noite.
não atrapalharia o sono de sua amiga, já que ela havia trabalhado a noite inteira e não dormia há aproximadamente dois dias. Haviam ainda cerca de cinco horas para as filas serem liberadas, então, aproveitou para também tirar um cochilo.
sentiu um peso em seus ombros e abriu os olhos, acostumando-se com a claridade. Olhou para o lado e deu de cara com os cabelos de praticamente em seu rosto, já que a amiga dormia com a cabeça apoiada em seu ombro. Antes de acorda-la, porém, olhou para os lados e constatou que já estava cheio de gente. Ela ia procurar seu celular para checar as horas, mas nem precisou, pois no segundo seguinte as pessoas começaram a se levantar, preparando-se para o andamento da fila.
- . - chamou, cutucando-a. - Amiga, vamos, vai andar.
resmungou baixo, mas logo despertou e se levantou.
- Nossa, a gente dormiu o tempo todo?
- Ao que parece, sim. - riu e levantou, pegando a manta e dobrando-a para que guardasse.
Depois que elas andaram até as catracas, o tempo passou muito rápido e quando se deram conta, elas já estavam na fila interna do auditório - e sim, eram as primeiras.
- Moço? - chamou um dos staffs que estava na porta controlando o fluxo de entrada da fila exclusiva pro auditório.
- Oi, diga. - Ele respondeu, aproximando-se das duas.
- Seja sincero, você acha que tem chance de conseguirmos entrar? - A esperança de era enorme.
- Sendo as primeiras da fila? Com certeza. Só não sei se já entram para os primeiros painéis, mas até de tarde, sempre tem alguém que sai. - Sorriu para elas. - A entrada de vocês libera um pouco mais tarde, ok?
- Sem problemas, a gente espera.
- Obrigada! - agradeceu e se virou sorridente para . - Bom, agora a gente espera mais um pouco, né?


- Entramos! - comemorou assim que as duas passaram pela porta do auditório.
- E só perdemos os dois primeiros painéis. Marvel e Sony que nos aguardem! - fez uma dancinha ridícula, fazendo a amiga rir. - Olha, tem duas cadeiras ali! - Apontou e seguiu para o local com em seu encalço. - Preparada pra ficar com a bunda quadrada?
- Com certeza. - Concordou, sentando em uma das cadeiras e colocando sua mochila no chão.
também se sentou e pegou seu celular, checando suas redes sociais. Tinham muitas mensagens não lidas de sua colega que trabalhava com ela no hotel. Ela estranhou e abriu a conversa, praticamente berrando quando leu o que estava escrito.
- PUTA QUE PARIU! - Exclamou alto, fazendo pular de susto e recebendo vários olhares tortos. - Puta que pariu, puta que pariu, puta que pariu...
- O que foi? - perguntou, começando a ficar preocupada.
- Eu não to acreditando nisso! - falava alto e estava cada vez mais curiosa, então, arrancou o celular da mão da amiga para ler.
- NÃO ACREDITO NISSO! TOM HOLLAND TÁ NO BRASIL! - Ela berrou em seu lugar e imediatamente burburinhos começaram a percorrer o auditório.
- Ele não só tá no Brasil, , ele tá no hotel, caralho! - contou, pegando de volta seu celular e abrindo a foto que havia recebido. - Olha a foto, criatura!
- Meu. Deus. Do. Céu. - disse pausadamente.
- Isso é sério? - Uma menina sentada na fileira de trás perguntou, chamando a atenção das duas.
- Olha aqui. - mostrou a foto recebida. - Esse é o hotel que eu trabalho, cara, eu não tô acreditando nisso!
- Será que ele vem pro painel da Sony? - Um garoto na fileira da frente perguntou, também interessado.
E assim se seguiram os próximos minutos, todos ansiosos para receberem algum tipo de confirmação de que, sim, ele estaria no painel.
- Jake Gyllenhaal também foi visto no aeroporto! - Outra garota falou, alto, e o burburinho recomeçou.
- Você tem noção disso? - cutucou , que ainda estava em êxtase. - Meu Deus, , a gente teve meses de preparação pra ver o Sebastian, como assim vamos ver o Tom Holland e Jake também?
- Amiga, eu não sei, só sei que se eles realmente aparecerem aqui, eu vou enfartar. Não acredito que vou ver o pirralho tão de perto! - estava empolgada, tagarelando o tempo todo.
- Diz pra sua amiga mandar informações, por favor!
- Eu já pedi, é óbvio. - riu, mostrando o celular em sua mão. - Tô com o celular na mão caso ela mande algo.
- Eu n...
A fala de foi interrompida pelo anúncio de que o painel da Marvel se iniciaria dentro de poucos minutos e foi o que aconteceu. A multidão foi a loucura já quando as luzes se apagaram e pouco tempo depois, quando o convidado foi anunciado e Sebastian Stan entrou no palco, os berros triplicaram.
As meninas estavam em êxtase, mesmo o tendo conhecido no dia de ontem, era incrível vê-lo ali, conversando sobre os filmes e dando alguns - mesmo que poucos - detalhes exclusivos do que ainda estava por vir. Ele não demorou muito em cima do palco, já que a atração principal do painel era Brie Larson. E mesmo assim, ainda antes dela, houve uma recapitulação de todos os filmes da Marvel e uma homenagem para Stan Lee.
Depois foi finalmente a vez de Brie Larson. Os gritos se repetiram e ela com certeza não esperava tanta gente e tanta receptividade. Brie falou sobre Capitã Marvel, deu alguns detalhes sobre como se preparou para o papel e o que devíamos esperar do filme. O trailer foi exibido com uma cena exclusiva, ainda não vista pelo restante do público. A atriz era incrível, dona de uma beleza estonteante, e, assim como Sebastian, também não se demorou muito, pois o tempo era limitado.
Quando o painel chegou ao fim, já estava na hora do painel da Sony, e ninguém sabia realmente o que esperar, afinal, mesmo com as fotos, ainda era somente um boato o fato de que os dois atores pudessem aparecer na CCXP.
O painel se iniciou e as meninas puderam ter uma noção das surpresas que a Sony havia preparado quando Tessa Thompson apareceu no palco para falar sobre MIB - Homens de Preto, filme em que atuou em conjunto com Chris Hemsworth. Tessa foi ovacionada - ninguém tinha nem idéia de que ela estava no Brasil e isso tornou tudo mais incrível. O trailer foi exibido junto com algumas cenas exclusivas do filme antes de ela finalmente se despedir e sair do palco. Depois de MIB, a Sony divulgou outros filmes e ainda exibiu trinta minutos exclusivos de um deles.
Mesmo com tantas coisas mostradas pela Sony, o público do auditório sabia que ainda não tinha acabado, pois a principal atração do painel - além de MIB - era Homem Aranha: De Volta Para Casa.
Foi só quando, de repente, Jacob Batalon apareceu no palco que a ficha caiu: ainda tinha muita coisa para acontecer. Jacon falou um pouco com o público e depois simulou uma ligação em seu celular com Tom Holland, que apareceu no palco e levou todos que estavam ali a loucura, confirmando todos os boatos que correram durante o dia. Um pouco mais tarde, foi a vez de Jake Gyllenhaal aparecer, impressionado com a quantidade de fãs presentes. O trailer do filme foi exibido pela primeira vez, novamente com exclusividade, e estava incrível, cheio de detalhes e cenas que deixaram os fãs sem palavras. Cerca de quarenta minutos depois, eles se despediram, agradecendo aos fãs pelo carinho, deixando todos em êxtase pela quantidade de surpresas que aconteceram em um período tão curto de tempo.
e saíram do painel muito felizes por terem conseguido acompanhar tudo tão de perto. Foi incrível! Mas tão rápido quanto saíram, as duas precisaram correr: , para seu trabalho, e , para casa, pois tinha que se arrumar para a tão esperada festa.



Capítulo 02 - Parte 2

se olhou no espelho uma última vez. Seu corpo estava envolvido por um vestido azul marinho colado que descia até a altura dos joelhos. Possuía uma pequena fenda na perna direita e um decote em forma de V delineava seus seios de maneira discreta. Nos pés, um salto preto e uma bolsa pequena, também preta. A maquiagem que cobria seu rosto era leve, nada em excesso. Para finalizar, usava seu perfume preferido. Estava prontíssima para a festa.
Sorriu para sua imagem antes de se afastar e sair do quarto, indo até a sala para encontrar Lucas.
- Pronto? - Ela perguntou quando o viu sentado no sofá.
- Faz eras. - Lucas praticamente revirou os olhos. - Você consegue ser mais lenta que a , e isso é algo muito difícil.
- Cala a boca, vai. - riu e seguiu até a porta com Lucas em seu encalço. - Pede um Uber pra gente?
- Yep. - Respondeu, desbloqueando seu celular e solicitando o transporte.
Os dois entraram no elevador para descer até o térreo em silêncio, provavelmente muito distraídos com seus próprios pensamentos sobre a festa. Quando saíram, foram esperar o carro na frente do prédio. Lucas se encostou na parede e permaneceu ao seu lado, praticamente roendo as unhas e batendo seu pé no chão sem parar, fazendo um barulho irritante que ecoava por todo o hall.
- Pelo amor de Deus, se acalma! - Lucas pediu, fazendo olha-lo e tirar as unhas da boca.
- Eu tô muito ansiosa. Tipo, muito ansiosa. Tô mais ansiosa que eu tava quando fui tirar a foto com o Seb. - confessou, cruzando os braços para tentar se conter.
- Claro que tá. Estamos indo pra uma festa que vai ter vários famosos e não só ele, estranho seria se você tivesse um poço de calma, né? - Lucas riu ao mesmo tempo em que o carro se aproximou. - Ali, vamos.
o seguiu e os dois entraram no carro. O caminho até o hotel não era muito longo, mas como se tratava de uma sexta-feira a noite, tinha bastante trânsito. Levou cerca de trinta minutos para que o Uber deixasse os dois em frente ao hotel, que estava lotado de seguranças além de muitos, muitos fãs.
- Com licença? - Um dos seguranças parou os dois quando eles estavam quase na porta do hotel. - Vocês estão hospedados?
- Ah, não. - sorriu e abriu sua bolsa, pegando o par de ingressos e mostrando para o segurança. - Aqui, viemos para a festa.
- Ah, claro. - O segurança os analisou de cima a baixo, mas deixou os dois passarem. - Aproveitem a noite.
- Muito obrigada.
- Valeu.
e Lucas seguiram pelo saguão do hotel, acenando rápida e discretamente para , que retribuiu e abriu um sorriso muito empolgado. Continuaram a andar até que chegaram nos elevadores.
- Para a festa, senhores? - Um dos funcionários do hotel perguntou.
- Isso. - sorriu brevemente para ele.
O funcionário concordou e assim que as portas do elevador se abriram, ele apertou o último andar e sinalizou para que os dois entrassem, o que eles prontamente fizeram. aproveitou o espelho para checar se estava tudo bem com sua maquiagem e retocar seu batom, enquanto Lucas permaneceu encostado na parede. De repente o elevador parou, em um andar muito antes do previsto. Quando as portas se abriram, Jake Gylenhaal entrou no elevador e cumprimentou-os com um breve sorriso. quase enfiou seu batom no nariz sem querer, mas se conteve e terminou de aplica-lo, guardando-o em sua bolsa e virando-se para frente e trocando um olhar animado com Lucas.
Depois de poucos segundos o elevador chegou no andar da festa e o som da música os atingiu, assim como as luzes que decoravam o local. Jake Gylenhaal saiu primeiro - mas não sem antes desejar uma boa festa para os dois, que tiveram que se lembrar que caso não saíssem do elevador, ele desceria de novo com eles dentro.
- Caralho. - Lucas disse assim que entraram no salão, olhando incrédulo para . - Agora eu tô nervoso.
riu e arqueou a sobrancelha para ele, como se dissesse “viu só?”. Juntos, eles olharam ao redor, procurando mais rostos conhecidos, apenas para ter certeza de que eles realmente estavam ali. Eles não tinham planos de tentar tirar foto com os artistas na festa (apesar de querer muito uma foto com Tom Holland), mas só de saber que estavam no mesmo local já era algo muito grande.
Não foi difícil encontrar a rodinha da Marvel: Sebastian Stan, Brie Larson, Tom Holland, Jacob Batalon, Jake Gyllenhaal e Tessa Thompson estavam em um canto, conversando, bebendo e rindo alto. Foi difícil conter o impulso de se aproximar, mas, eles conseguiram - principalmente para . Mais próximo do bar, estava Zachaly Levi com duas cervejas em mãos conversando animadamente com uma mulher.
Foi para lá que e Lucas resolveram ir primeiro. Ao chegar lá, Lucas pediu uma cerveja e pediu uma caipirinha de kiwi. Eles se sentaram nos bancos e ficaram olhando para os lados, observando as pessoas na festa enquanto as bebidas não chegavam.
- Aquele ali é o Shazam, né? O que riu de você? - Lucas perguntou, fazendo fechar a cara.
- Pelo menos eu posso dizer que já interagi com Zachary Levi de alguma maneira. - riu, dando de ombros. - E eu n...
- Ouvi meu nome? - Zachary apareceu de repeten, praticamente colocando a cabeça no meio dos dois. - Hey, eu conheço você...
Lucas e se entreolharam, sem saber muito o que falar. parecia que ia desmaiar, então Lucas tomou a frente.
- Parece que você riu dela no restaurante. - Lucas contou, apontando com a cabeça para a amiga, recebendo um olhar feio dela como resposta.
- Ah! A garota que bateu a cabeça. - Ele riu, tomando um gole de sua cerveja. - Espero que não tenha ficado com galo.
- Não ficou. - sorriu sem mostrar os dentes, mesmo que por dentro estivesse querendo rir.
Um garçom apareceu com a bebida dos dois e imediatamente tomou um pouco de sua caipirinha - precisaria de muito álcool para aguentar a noite inteira caso ela continuasse nesse ritmo.
- O que é isso? - Levi apontou para o copo dela, curioso.
- Isso? Caipirinha. - respondeu, oferecendo o copo para ele, que pegou e o cheirou antes de tomar um gole.
- É muito bom. - Elogiou, mas suas sobrancelhas se franziram. - Achei que caipirinha fosse de limão.
- Na verdade, a original é com limão, mas da pra fazer com qualquer fruta que você quiser e com vodka ao invés de cachaça. - Explicou, vendo-o erguer as sobrancelhas como se fosse algo muito interessante.
- A dela é com vodka. - Lucas contou, bebendo um gole de sua cerveja.
- Eu amo vodka, mas a ressaca é muito cruel comigo. - Levi contou e riu, bebendo mais um pouco de sua cerveja.
Lucas e riram, e os três continuaram a conversar sobre bebidas e suas preferências. Um pouco depois, uma mulher apareceu ao lado de Levi e passou as mãos por seus ombros, abraçando-o.
- Fez novos amigos e vai nos abandonar? Achei que tinha ido fabricar minha cerveja. - Ela perguntou, fazendo-o rir.
só prestou atenção na mulher quando ela falou, quase engasgando com o líquido que estava em sua boca. Era Tessa Thompson. Engoliu rapidamente a caipirinha e sorriu sem jeito, tentando disfarçar, enquanto Lucas ria abertamente ao seu lado.
- Eles são brasileiros. - Levi contou depois de entregar a cerveja para Tessa. - Essa é...
- . - Sorriu ao se apresentar sob o olhar atento de Tessa.
- Lucas.
- Bom, muito prazer, e Lucas, mas preciso do meu amigo aqui de volta. - Ela disse, tentando puxar Levi, mas ele permanecia parado. Tessa revirou os olhos. - Levi! O pessoal tá só esperando você!
Levi olhou para Lucas e e fez uma cara de entediado, revirando seus olhos. Depois, bebeu o restante de sua cerveja e soltou a garrafa na mesa do bar assim que terminou.
- Depois eu volto. - Despediu-se com uma reverência exagerada e se afastou com Tessa praticamente agarrada em seu pescoço.
- Ok, já começamos bem, não? - riu, voltando a beber sua caipirinha.
- Me lembre de, por favor, agradar muito a por ter conseguido nos colocar nessa festa. - Lucas pediu, fazendo rir e concordar.
De longe, eles observaram todo o grupo de artistas se reunir para uma foto oficial e depois seguir para a cabine de DJ, onde Tom Holland resolveu se aventurar e, meu Deus, como ele estava bêbado. A dança que ele fazia enquanto tocava era hilária - e Lucas e precisavam concordar que ele não era um mal DJ, já que os dois estavam dançando no meio da pista. Cada vez eles se aproximavam mais do local de onde eles estavam, pois não queria perder a oportunidade de ver Sebastian Stan bêbado.
- Eu queria tanto filmar isso. - Lucas ria da maneira como Holland dançava junto com Zachary Levi e Jake Gyllenhaal.
- Se controla, nem eu tirei foto até agora. - disse, dando uma última sugada no líquido em seu copo. - Eu vou pegar mais caipirinha, você quer alguma coisa?
- Tô de boa por enquanto, valeu. - Lucas disse e deu de ombros, se afastando do amigo para ir até o bar.
Quando chegou lá, logo pediu outra bebida igual a anterior e se sentou para esperar enquanto não ficava pronta. Resolveu, então, pegar seu celular e mandar notícias para .

: Amiga, isso aqui tá demais
: Já andamos de elevador com Jake Gyllenhaal, bebemos com Zachary Levi e conhecemos Tessa Thompson
: Agora o Holland tá dando uma de DJ e ta muito bêbado
: É muito feio eu dizer que tô morrendo de inveja? Vai tomar no cu

riu ao ler a mensagem da amiga e guardou seu celular. Passou o olhar pelo ambiente procurando Sebastian, mas não o encontrou. Havia-o visto só quando chegou, junto do restante do pessoal e até agora nada. Paciência, provavelmente o veria depois. Assim que recebeu sua caipirinha, se levantou já bebendo mais um pouco. Deu alguns passos em direção a pista de dança onde Lucas estava, mas logo foi interrompida por um homem que esbarrou nela, derrubando sua caipirinha em sua roupa.
- Só pode ser brincadeira. - esbravejou ao observar seu vestido todo molhado de vodka e sujo de pedacinhos de kiwi.
- Me desculpa! - O homem falou e congelou ao ouvir sua voz.
De novo? Sério, universo? Sério, Sebastian Stan?
Se não fosse ele, ela provavelmente estaria muito puta. No momento, ela só estava irritada - e muito, mas muito nervosa - mas, qual é, era Sebastian Stan. Não era todo dia que um de seus atores preferidos esbarrava nela e ainda derrubava algo em cima de si.
Tentando conter sua emoção - mesmo estando extremamente difícil - ela levantou seu olhar e encontrou ele lhe encarando, seu rosto vermelho, provavelmente de vergonha por ter derrubado todo o líquido nela.
- De novo? - perguntou, mal percebendo que aquilo havia saído em voz alta.
Sebastian franziu o cenho por alguns segundos, mas logo seu olhar se iluminou e ele levou a mão até o cabelo, bagunçando-o, sem jeito.
- Você de novo. Nossa... - Ele disse, visivelmente envergonhado. - Me desculpa, de verdade. Eu posso te ajudar? O que eu posso fazer?
- Claro, você tem um vestido pra me emprestar? - A pergunta de acabou soando mais irônica do que ela planejou, assim como o tom irritado de sua voz.
Era isso, ela queria sumir. Quem, em sã consciência, fala assim com seu ídolo? Bom, ela estava bebendo, estava irritada e ainda por cima, estava mais do que emocionada por tê-lo tão perto. Alguma coisa tinha que sair errado, né?
- Er... Não, mas... - Ele começou a falar, sem saber o que fazer.
Até por que, vamos combinar que não tinha muito a ser feito. não tinha como se trocar. A melhor opção era ir ao banheiro, tirar os pedaços de kiwi de sua roupa e passar uma água, torcendo para que secasse rápido e disfarçasse o cheiro de álcool.
- Deixa pra lá, sério. - Ela suspirou pesadamente. - Eu vou ao banheiro tentar dar um jeito nisso aqui, não esquenta. - Finalizou, virando as costas para Stan e seguindo caminho até o banheiro.
- Garota! Ei! - Ela pode ouvi-lo chamar enquanto ia para o banheiro.
- Oi? - Ela se virou rapidamente.
No momento, ela estava muito irritada. Não diretamente com ele - Sebastian realmente não teve culpa, isso pode acontecer com qualquer pessoa. Ela estava encharcada e não sabia se conseguiria voltar para a festa tão rápido. Sua chateação, em maioria, era por isso.
- Você precisa de ajuda? - Sebastian perguntou e ela imediatamente negou.
Ah, pronto. Agora Sebastian Fucking Stan estava lhe oferecendo ajuda. Era a noite mais surreal do mundo ou o quê?
- Não precisa. Muito obrigada. - Ela sorriu rapidamente e acelerou os passos e logo entrou no banheiro, indo direto para o espelho para ter noção do estrago.
Queria muito ligar para e pedir ajuda - além de contar tudo que recém tinha acontecido - mas amiga não poderia atender no momento e, mesmo assim, não teria nada que pudesse fazer.
- Que bela bosta. - Reclamou ao enxergar seu reflexo cheio de pedacinhos verdes de fruta grudados no tecido de seu vestido.
Rapidamente ela começou a tirar os pedaços, tentando limpar o máximo que conseguia. Depois, molhou as mãos e passou por seu vestido, para tentar amenizar o cheio forte de vodka que, muito provavelmente, ficaria impregnado no tecido. Depois de fazer o máximo que pode, ela lavou as mãos e olhou-se no espelho. Suspirou, bastante frustrada. Mesmo assim, não deixaria que isso acabasse com a festa mais badalada - literalmente - que ela já fora em sua vida. Por isso, abriu sua bolsa e retocou sua maquiagem. Depois, deu meia volta e resolveu sair do banheiro.
Ao abrir a porta, porém, ela deu de cara com Sebastian Stan encostado na parede, provavelmente esperando que ela saísse. já estava mais calma, então ela abriu um sorriso para ele e tinha plena noção de quem estava em sua frente. Ela nunca iria ignora-lo, afinal.
- Tá tudo bem. - Ela falou antes mesmo que ele abrisse a boca. - Não precisa se desculpar, de verdade. Eu já limpei, tá tudo certo.
- Mas eu n...
- Sebastian. - Ela o cortou, recebendo um olhar surpreso dele. - Já aconteceu e podia ter sido com qualquer uma que não eu. Relaxa.
Sebastian ergueu levemente as sobrancelhas, mas acabou sorrindo de canto. E então observou-a, prestando atenção nela pela primeira vez de verdade desde que a viu pela primeira vez na sessão de fotos. Não era difícil de notar sua beleza. Os traços dela eram delicados e muito, mas muito únicos. Seus cabelos castanhos soltos até o ombro e seus olhos da mesma cor contrastavam muito bem com sua pele. Ele não precisou de muito tempo para notar que seu corpo era muito bonito, também - o vestido grudado em seu corpo realçou muito as curvas de .
- Qual seu nome? - Ele perguntou, finalmente quebrando o silêncio.
- Desculpe? - estranhou, franzindo o cenho.
- Seu nome. - Ele perguntou novamente, abrindo um pequeno sorriso de canto.
- É . . - Respondeu, ajeitando sua bolsa em seus ombros, ainda tentando conter a emoção de estar frente a frente com ele.
- Ok, ... - Ao ouvi-lo pronunciar seu nome, praticamente esqueceu de toda a irritação que ele lhe causou há alguns minutos. Nem em seus sonhos mais ousados seu nome ficava tão bem quando pronunciado por Sebastian Stan. - Posso, pelo menos, te pagar um drink?
Ela quase riu de nervoso. Ele era muito lento.
- Os drinks são de graça, estamos em uma festa. - Ela disse, abrindo um sorriso.
- Eu sei. - Mentira, ele tinha esquecido. - Mas eu poderia te pagar um drink em outro lugar. Não tá achando essa festa muito barulhenta?
- Pra falar a verdade, não. Eu tô curtindo.
, qual seu problema?, ela pensou. Sebastian Stan quer te pagar um drink, só vai, linda!
- Certo, então... Me deixa pelo menos pedir outro desses que você tava tomando. - Stan disse, colocando suas mãos nos bolsos de sua calça. - É o mínimo que posso fazer.
Não, meu bem, o mínimo que você pode fazer envolve eu e você fazendo coisas proibidas para menores, mas, já que é o que temos pra hoje, né...
- Por que não? - concordou e Sebastian finalmente abriu um sorriso satisfeito, fazendo sinal para que ela seguisse em sua frente.
Os dois caminharam lado a lado, em um silêncio um pouco estranho, mas agradável. já tinha praticamente esquecido o episódio anterior, focada demais em tentar manter a calma - não era todo dia que se interagia dessa maneira com Sebastian Stan, um cara que, até ontem, só existia do outro lado do mundo. Respirando fundo algumas vezes para se manter calma, ela nem percebeu quando os dois chegaram ao bar, só se deu conta quando ele se virou para ela antes de falar com o garçom.
- O que você tava bebendo, mesmo?
- Caipirinha de Kiwi. - Ela respondeu, mantendo seus olhos fixos nos dele.
- Ok, duas caipirinhas de kiwi. - Sebastian pediu ao garçom, que logo se afastou para fazer os drinks.
- Duas?
- Vou provar, vai que é bom?
riu e acabou dando de ombros. Os dois se sentaram nos bancos vazios em frente ao bar e se olharam, ambos sem assunto para conversar.
- Então...
- Então, você é sempre desastrado desse jeito ou é só comigo? - , novamente, soou mais rude do que queria, o que fez Sebastian ficar muito sem jeito. - Desculpa, não era pra soar assim. Era pra ser uma piada. Sou péssima com piadas.
Coçando a cabeça, ele riu, ainda sem jeito, mas logo se soltou.
- Eu não sei o que aconteceu, não costumo ser d... - Ele foi interrompido por Lucas, que surgiu do nada.
- Onde você tava? Te procurei por toda parte! - Lucas perguntou para , sentando-se no banco vazio ao lado dela, sem nem se dar conta de quem estava junto com a amiga.
- Fui ao banheiro. - Ela deu de ombros.
As caipirinhas chegaram e Sebastian entregou a de para ela e pegou a sua. Ele permaneceu observando os dois, sem entender uma palavra que era dita, aguardando o momento em que eles começariam a falar em inglês para incluí-lo.
- Esse tempo todo? Quase desci falar pra que você tinha sumido. - Ele fez drama e só então olhou para a pessoa que entregou a caipirinha para sua amiga.
Percebendo que estava sendo observado, Sebastian levantou um pouco seu copo, cumprimentando Lucas.
- Ele derrubou bebida em mim. - contou, agora em inglês e Sebastian agradeceu silenciosamente.
- Eu derrubei bebida nela, desculpa. - Sebastian se desculpou novamente. - Sebastian Stan. - Apresentou-se, como se fosse necessário.
Lucas estava a ponto de cair duro no chão. Ele nem era louco pelo Sebastian igual a namorada e a amiga, mas, não é todo dia que o Soldado Invernal está sentado em um bar conversando com a sua amiga.
Como assim? Quê? Como? Quando?
- Lucas. - Foi só o que ele conseguiu falar antes de se voltar para . - Que porra é essa? Como assim você tá bebendo com Sebastian?
- Lucas, pelo amor de Deus, sem escândalo. - tentou disfarçar, bebendo um gole de sua caipirinha.
- Não, eu preciso de mais bebida. - Ele se levantou, afobado, fazendo-a rir. - E preciso contar pra . Eu provavelmente perdi minha companheira de festa, né?
- Muito provavelmente. - riu e ergueu as sobrancelhas. - A gente se fala depois.
- Não some. - Ele pediu antes de se despedir de Sebastian com um sorriso e se afastar dos dois.
- Namorado? - Sebastian perguntou.
- Quem? Lucas? - riu e negou com a cabeça. - Ele namora minha melhor amiga. É praticamente um irmão.
- Ah, certo. - Stan sorriu. - Então, essa bebida é boa mesmo. Gostei. Quero mais.
Dito isso, ele terminou de virar o copo - e olha que não estava nem perto de estar vazio. ergueu as sobrancelhas em surpresa e deu de ombros, fazendo o mesmo com seu copo.
- Por favor, mais duas. - Sebastian pediu novamente e voltou-se para com um sorriso divertido no rosto.
- Acho que vou querer uma água também. - riu um pouco alto, efeito do segundo copo de caipirinha da noite.
Ela fez sinal para o garçom e pediu uma água, que recebeu em poucos segundos. Abriu a garrafa e deu um gole longo, tentando amenizar o efeito do álcool - afinal, ela não podia estar louca de bêbada para conversar com Sebastian Stan, né?
Ao terminar, ofereceu a água para Stan, mas ele negou, preferindo aguardar sua caipirinha chegar, o que logo aconteceu. Imediatamente os dois deram o primeiro gole, cada um em seu copo, soltando-o na bancada em seguida.
- Então, você sempre frequenta essas festas com famosos? - Ele perguntou e fixou seu olhar no dele, tentando identificar se havia alguma pegadinha ou alguma intenção escondida por trás da pergunta.
- Na verdade, não. - Ela respondeu, encolhendo os ombros. - Mas eu não sei se posso te contar porque a recém te conheci, então...
- Achei que você me conhecesse! Não é minha fã? Somos praticamente íntimos! Não? - Ele arqueou a sobrancelha, um pouco desconfiado, fazendo-a rir.
- Sim, eu sou sua fã. Tirei foto com você, lembra? - respondeu, um pouco sem jeito em confirmar. - Mas mesmo sabendo que você existia, era meio surreal, sabe? Agora eu tenho certeza.
- Você precisa me beliscar? - Stan brincou, fazendo-a rir. se aproximou e beliscou-o no braço. - Ouch! Eu tava brincando.
- Eu também. - Ela riu e deu de ombros, bebendo sua caipirinha. - A verdade é que minha amiga trabalha no hotel. - contou, abaixando um pouco a voz. - E ela conseguiu ingresso pra mim e pro Lucas.
- Ah, então você realmente não frequenta essas festas sempre. - Ele concluiu. - Devo dizer que não costumo interagir dessa maneira com fãs, mas, me senti na obrigação depois q...
- Você vai estragar tudo se disser o que eu penso que vai falar.
- O que? Ah, não! - Sebastian se ajeitou no banco. - Não! Eu não quis dizer isso. Quer dizer, me desculpe. De novo.
não podia negar que era fofo vê-lo pedir desculpas o tempo todo, mas já estava começando a se incomodar. Sebastian não fazia o tipo arrependido, mesmo que tivesse sido desastrado com ela duas vezes, já estava tudo bem e não tinha necessidade disso tudo.
- Vamos combinar uma coisa? - Ela perguntou sob o olhar atento dele. - Sem mais pedir desculpas. Quem falar a palavra desculpa, precisa virar o copo.
- É melhor eu calar a boca, então. - Ele riu, mas concordou. - Quantos anos você tem?
- 26. - respondeu.
- Achei que fosse mais nova. - Stan comentou, dando mais um gole em sua caipirinha. - Nossa, essa caipirinha é muito melhor que aquela azeda de limão que me deram no primeiro dia!
- Eu também não gosto. E essa é com vodka ao invés de cachaça. - Contou . - Modéstia a parte, a que eu faço fica melhor que essa.
- Ah, agora eu vou querer provar. - Ele riu, esvaziando novamente seu copo. - Mais uma?
- Por favor. - concordou e levou suas mãos até seu cabelo, colocando-o atrás da orelha. - Acha que poderíamos ir lá fora? Deve estar mais fresco.
- Claro, mas eu vou pedir algumas caipirinhas pra gente levar. - Ele riu e chamou novamente o garçom, pedindo para ele fazer mais que somente duas.
- Não é mais fácil vir buscar?
- Preguiça. - Stan deu de ombros. - Se quiser ir, pode ir. Vou passar falar com o pessoal rapidinho e logo te encontro lá fora. - Ele piscou para ela.
abriu um sorriso de canto, mordendo seu lábio internamente para conter o grito que queria sair de sua garganta. Levantou-se, sentindo o efeito das três caipirinhas que já tinha tomado. Seu corpo estava leve e ela estava um pouco zonza - nada que água não resolvesse. Pegou, então, sua garrafa e seguiu caminho para a área externa da festa. Ao chegar lá, abriu sua bolsa e procurou rapidamente por seu celular.

:
: eu to com o Sebastian
: EU JÁ SEI, SORTUDA DO CARALHO, LUCAS ME CONTOU
: Ele ta pegndo mais bebdas pra gente
: Eu to surtandi mas to conseguindo me contr
: Eu sei, vc sabe se controlar como ninguém
: Mas me conta, vc quis matar ele quando ele derrubou a bebida em vc?
: Ah amiga fiquei puta, mas agora já até esqueci pq eu seria uma babaca se tratasse meu idol mal pr isso
: Menos mal
: Só pelo amor de Deus, não faz escândalo bêbada
: E me avisa qualquer coisa
: To começand a ficar bebad agora, amiga
: Eu to notando pelas mensagens
: Ele ta voltando, te amo

Ao vê-lo se aproximar, encerrou a conversa e bloqueou seu celular, guardando-o em sua bolsa novamente. Sebastian se aproximava com um garçom em sua cola, ajudando-o a trazer as inúmeras caipirinhas que ele pedira.
- Meu Deus. - Ela comentou quando ele chegou, rindo da quantidade de bebidas. - Se eu beber tudo isso, não vou saber nem como voltar pra casa.
Ele riu, entregando-a um copo de caipirinha e pegando outro para si. Os dois se sentaram em um banco próximo a beirada do terraço - que por sinal, tinha uma vista maravilhosa. O clima estava muito agradável, uma brisa levemente fria quebrando o calor que fazia naquela noite. Antes de darem os primeiros goles, os dois fizeram um brinde e só então levaram os copos a boca.
- Esse negócio tá começando a fazer efeito. - Sebastian quebrou o silêncio, fazendo-a rir.
- Pra mim já começou faz tempo. - Ela comentou, dando risada. - Acho que esse é o meu... quarto copo? Não sei. - Deu de ombros, bebendo mais um pouco.
- Você parece ser acostumada a beber.
- Não muito, na verdade, mas quando eu bebo, prefiro caipirinha, então... - contou, cruzando suas pernas e apoiando os braços nas mesmas. - Você já vai embora amanhã? - Ela virou seu rosto para olha-lo, sem perceber que estavam tão próximos.
- Amanhã de manhã. - Ele respondeu, seu olhar fixo no dela. - Seus olhos são lindos.
queria, novamente, gritar.
Sebastian Stan estava elogiando-a, assim, diretamente, olhando em seus olhos. A respiração dele tão próxima e seu perfume sendo inalado tão profundamente por ela estavam deixando-a zonza.
Quando ela acordaria desse sonho, meu Deus?
- Os seus também. - Ela arriscou responder, mordendo seu lábio.
O olhar de Stan acompanhou seus movimentos, demorando-se um pouco mais na boca dela antes de voltar a olhá-la nos olhos. , por sua vez, tentava gravar cada pedacinho do rosto dele, ainda tendo um pouco de dificuldade para acreditar que ele realmente estava ali, tão perto, e que eles estavam envoltos nessa troca intensa de olhares.
Ela quase não notou a aproximação lenta que ele promoveu entre os dois, se dando conta apenas quando a respiração dele bateu diretamente contra os lábios dela, prestes a encostarem um no outro. não ousou fechar os olhos, com medo de que tudo realmente pudesse ser um sonho. Ela só acreditou que era verdade quando os lábios quentes de Sebastian encostaram nos seus e uma onda de calor percorreu seu corpo, deixando-a completamente arrepiada. Foi aí, então, que ela finalmente fechou os olhos e se entregou ao momento.
Era surreal a sensação de estar beijando seu ídolo. Sebastian tinha sua mão no rosto dela, afagando-o lentamente com o polegar enquanto movia seus lábios contra os dela. ainda estava estática, um pouco em choque pelo fato de estar beijando Sebastian Fucking Stan. Ela precisava reagir, então, levou sua mão até a nuca dele, acariciando a região.
O beijo durou por alguns minutos e foi se intensificando lentamente. A cada toque, a cada roçar de línguas, ficava mais maluca. Não precisava de muito para anima-la na atual situação em que se encontrava - ainda mais levando em conta com quem estava. Os dois se aproximaram, praticamente grudando seus corpos em busca de mais contato. Mas, assim que isso aconteceu, Sebastian quebrou o beijo, mantendo seu rosto bem próximo ao de . Ele desviou os lábios dos dela e sua mão deslizou até a nuca da garota, entrelaçando seus dedos pelos seus longos cabelos, fazendo-a se arrepiar. A boca de Sebastian roçou por seu rosto até chegar próximo a sua orelha, e então, ele falou:
- Eu quero muito continuar isso. Mas não aqui. - Sua voz contra a orelha de a fez se encolher por completo, tamanho foi o arrepio que sentiu. Sem perceber, ela aproximou mais seu corpo do dele, praticamente o abraçando. - Você topa ir pro meu quarto?
não precisou pensar duas vezes. Seria loucura dizer não. Agora, na sua frente, não estava só Sebastian Stan, seu ídolo. Estava o cara com quem ela passou a noite conversando e se divertindo, e ela não tinha motivo algum para negar o convite.
- Te encontro na frente do elevador. - Ele sussurrou antes de roçar novamente seus lábios até a boca dela e selá-los rapidamente antes de se levantar e entrar na festa.
se levantou, ainda em êxtase. Passou as mãos por seu vestido rapidamente e pegou sua bolsa, deixando as infinitas caipirinhas para trás, nem ligando para elas. Antes de entrar, pegou seu celular e enviou uma mensagem para . “Tô indo pro quarto com ele”, foi só o que ela disse - não tinha necessidade de entrar em detalhes, era somente para amiga saber e não ficar preocupada. Enfim ela seguiu caminho para dentro, estranhando um pouco a música alta que tocava já que lá fora estava tão silencioso. Seguiu direto para o elevador, avistando Sebastian parado de costas com as mãos em seus bolsos. Ela parou ao seu lado, bem próxima, as mãos dos dois roçando o tempo todo. A porta rapidamente se abriu e entrou, imediatamente sendo prensada na parede por Sebastian.
- Enfim, sós. - Ele disse ao afastar o cabelo dela de seu pescoço, roçando os lábios por ali.
- Você sabia que tem câmera no elevador, né? - teve que perguntar e se arrependeu no momento seguinte quando ele se afastou e passou as mãos pelos cabelos, bagunçando-os.
- Porra. - Reclamou, sem tirar seus olhos dos dela. - Desculpa, é que não dá pra arriscar ter qualquer coisa do tipo vazada...
- Eu imaginei, foi por isso que você quis sair da festa também, não?
Sebastian concordou, ainda se mantendo próximo a ela, o suficiente para que os dois sentissem o calor emanando do corpo um do outro. Nenhum dos dois ousava desviar o olhar, tamanha era a intensidade do momento.
Quando o elevador finalmente abriu as portas, Sebastian pegou na mão de e guiou-a pelo corredor com certa pressa até que eles chegaram em seu quarto. Ele abriu a porta e deu passagem para ela. mal havia ouvido a porta se fechar e Sebastian novamente prensou-a contra a parede, dessa vez entrelaçando seus dedos nos cabelos dela e puxando sua nuca levemente para trás, mantendo o olhar fixo no dela.
- ... - Ele soprou contra seus lábios, roçando-os lentamente.
teve certeza de que se Sebastian não estivesse mantendo-a na parede, ela teria deslizado até o chão.
Ele mordeu o lábio dela e puxou-o para si, iniciando um beijo que nada tinha a ver com o primeiro. Sebastian devia estar se contendo antes, porque esse beijo estava, literalmente, de tirar o fôlego. A mão livre dele desceu contornando seu corpo até chegar em sua coxa, e então ele a levantou e envolveu seu quadril com sua perna, puxando-o para mais perto. Suas mãos foram até as costas dele e suas unhas arranharam-no levemente até chegar na barra da camisa que ele vestia. Ela colocou suas mãos por dentro da camisa, agora arranhando com um pouco mais de força e ouvindo-o gemer baixo contra seus lábios.
- ... - Sebastian se afastou rapidamente somente para pronunciar seu nome, o que a deixou maluca.
Imediatamente levou suas mãos até a camisa de Stan, abrindo os botões com certa pressa. Ele esperou até que ela terminasse e deslizou a camisa pelos braços, jogando-a para o canto. Depois, olhou intensamente em seus olhos antes de vira-la de costas e novamente prensa-la na parede. Afastou os cabelos de de sua nuca e passou os lábios por ali, enquanto abria com certa pressa o vestido da garota, puxando-o para baixo. Suas mãos, então, tocaram-na de maneira intensa. Com uma delas, ele roçou seus dedos até que chegassem em seus seios, envolvendo um deles com a mão e apertando-o levemente. Com a outra, ele aproveitou para tocar a lateral de seu corpo, deslizando-a até a calcinha que vestia e finalmente apertando sua bunda.
soltou um gemido, tamanho era o prazer que estava sentindo com esse simples toque. Sebastian soprou contra a nuca da garota, passando a trilhar beijos pela região antes de vira-la de frente para si e guia-la até a cama. Ela se deitou e ele se pôs em cima dela, pressionando a região íntima de com sua coxa, deixando-a maluca. Imediatamente ela levou suas mãos até a nuca do ator, puxando seu rosto para perto e mordendo seu lábio antes de iniciar mais um dos muitos beijos que ainda estavam por vir.
Esse era só o início de uma das noites mais memoráveis da vida de e Sebastian - eles só não sabiam disso. Ainda.


Capítulo 03

São Paulo - Dezembro de 2018.


A pouca claridade que entrava pela janela foi o suficiente para acordar . Ela se revirou na cama, estranhando o fato de estar sozinha. Abriu os olhos, se habituando com a luz. Piscou algumas vezes antes de se sentar e olhar ao redor. O quarto estava vazio. A mala de Sebastian, que antes estava em cima da cômoda, já não estava mais ali. Ela suspirou, se levantando e indo até o banheiro, seu pensamento ainda no romeno.
Tudo bem, havia sido uma noite incrível. Uma experiência que não iria esquecer. Mas era só isso. Não tinha porquê ficar triste por ele ter ido embora sem se despedir. E ela não ficaria.
Fez sua higiene matinal rapidamente com as coisas que tinham disponíveis no banheiro - ela não era a hóspede, mas as usaria do mesmo jeito. Depois, pegou suas roupas, vestindo-se. O vestido usado na noite anterior ainda cheirava a vodka, mas ela já não se importava mais. Antes de sair, pegou sua bolsa em cima da mesa, franzindo o cenho ao encontrar um bilhete escrito em inglês.

“Thank you for the amazing night.
Sebastian”

sorriu e dobrou o bilhete, mordendo seu lábio com uma expressão um tanto quanto saudosa. As lembranças da noite anterior lhe atingiram em cheio. O toque de Sebastian, as mãos dele percorrendo seu corpo enquanto investia contra ela, os gemidos e os sussurros ao pé do ouvido... Céus, nunca seria capaz de esquecer as sensações que ele a proporcionou. Suspirou baixo e guardou o bilhete em sua bolsa, saindo do quarto em seguida. Enquanto estava no elevador, pegou seu celular, desbloqueando-o. Tinham inúmeras ligações e mensagens de . Por Deus, já eram quase 10h. Elas tinham que correr para o último dia de CCXP. Quer dizer, isso se não tivesse ido sem ela, né?
Quando as portas se abriram, saiu, olhando para os lados. Resolveu ir até a recepção para avisar que saíra do quarto - provavelmente Sebastian havia avisado que ela continuava lá. Recebeu um olhar desconfiado da recepcionista, que logo virou espanto.
- Você não é a amiga da ?
- Sim, por q...
- ! - ouviu a voz de e a amiga apareceu em sua frente, parecendo bastante preocupada.
- Oi! - sorriu para ela, que se aproximou, dando vários tapas nos braços de . - Que porra, garota, pra quê isso?
revirou os olhos e se despediu de sua colega de trabalho antes de puxar a amiga para fora do hotel.
- Será que dá pra você me falar o que tá acontecendo?
- O que tá acontecendo, ? Você sumiu! Isso que tá acontecendo! - bufou, cruzando os braços. - Eu não sabia se você tinha passado a noite aqui, ou ido pra casa.
- Mas eu te avisei que tava indo pro quarto com ele e...
- Sim! Mas não me disse que passaria a noite aqui. Você tem noção de como eu fiquei preocupada? O Lucas foi até em casa te procurar, garota!
encolheu os ombros, desviando o olhar. estava certa, ela poderia ter avisado. Mas, qual é, não é como se fosse prioridade pegar o celular para mandar mensagem par a amiga quando se está com Sebastian Stan, né?
- Desculpa. - falou, voltando a encara-la.
- Tá tudo bem, não faz mais isso. - pediu e a amiga concordou. - Desculpa pelos tapas, eu fiquei preocupada...
- Eu realmente não lembrei de te avisar que dormiria aqui... - comentou, cruzando os braços e viu abrir um sorriso.
- Acho que fui dura demais, não sei se eu me lembraria de qualquer coisa depois de ter dormido com Sebastian Stan. - A amiga riu, cutucando , que se encolheu. - Mas agora precisamos ir pra CCXP, depois você me conta tudo!
- E eu vou com essa roupa, ? - apontou para o vestido que usava, fazendo uma careta.
- Não dá pra meter o louco e dizer que você tá de cosplay?
- Cosplay de bêbada, só se for. Me empresta uma roupa que eu sei que você tem no seu armário. - pediu e as duas voltaram para dentro do hotel para que ela se trocasse.
Seria mais um dia longo e cansativo, mas acima de tudo, seria épico.


- Amiga, tô exausta. - comentou assim que entraram em casa. Ela trancou a porta atrás de si e seguiu caminho para o seu quarto. - Essa CCXP foi incrível e eu preciso descansar. Vou direto pro banho e depois vou dormir.
- Nananinanão! - protestou, chamando a atenção de , que se virou para olha-la. - Você tem muitas coisas pra me contar, esqueceu?! Nem vem!
- Óbvio que não esqueci. Como poderia? - Ela abriu um sorriso pervertido e riu. - Mas eu preciso dormir. Como você não tá acabada?
- Eu tô, mas queria saber da fofoca antes. - fez um biquinho, mas acabou dando de ombros. - Tá, vai. Amanhã você me conta tu-do. TU-DO! Ouviu?
- Prometo! - disse antes de desejar boa noite para a amiga e voltar a andar em direção ao seu quarto.
Por mais que quisesse sentar e contar sobre a noite incrível que teve com Sebastian Stan, ela realmente precisava dormir. Seu corpo todo estava dolorido, seus pés estavam inchados e suas costas gritavam por um descanso.
Assim que entrou, fechou a porta, soltando as inúmeras sacolas que carregava no chão, junto com sua mochila. Tirou a roupa no quarto mesmo e depois seguiu para o banheiro. Tomou uma ducha rápida e foi finalmente se deitar. Organizaria suas compras e brindes no dia seguinte, depois do trabalho. A prioridade agora era descansar.


- O que é isso, gente? - perguntou assim que entrou em casa. Lucas e estavam sentados no chão da sala, com duas caixas enormes de pizza e algumas cervejas. soltou sua bolsa e tirou os sapatos, deixando-os ao lado da porta. - Hoje é segunda-feira!
- Sim, e daí? Não vamos tomar um porre. - rolou os olhos, estendendo uma cerveja para assim que ela se aproximou, sentando-se junto com eles.
- Você tem coisas pra nos contar, senhorita. - Lucas explicou, juntando a sua garrafa a dela pra um brinde.
- E desde quando você se interessa pela minha vida sexual, criatura? - riu depois de beber um gole de sua cerveja.
- Desde quando você transou com Sebastian Stan. Eu preciso saber como é o sexo com o Soldado Invernal. - Lucas deu de ombros, fazendo rir.
- , dá um jeito nesse teu namorado. Eu não vou contar detalhes sórdidos na frente dele. - revirou os olhos.
- Amiga, me poupa o trabalho, vai. Depois ele vai me obrigar a contar, melhor você fazer isso. - explicou e a olhou, incrédula. - O quê? Ele sempre faz isso.
- Você conta tudo pra ele? ! - a repreendeu e a amiga riu. - Não sei qual dos dois é mais fofoqueiro.
- Dá pra parar de enrolar e contar logo? - pediu, bebendo um gole de sua cerveja.
Ela e Lucas encararam a amiga, ansiosos. suspirou, levando sua garrafa até a boca e tomando um pouco antes de começar a contar tudo detalhadamente. Relatou desde o primeiro beijo que deram ainda na festa até os momentos que tiveram juntos no quarto. Claro que foi interrompida várias vezes no meio do relato, Lucas e surtando a cada novo detalhe que contava. Quando ela estava quase terminando de contar, percebeu que fazia algum tempo que Lucas não fazia comentários. O amigo estava com a testa franzida, como se tentasse lembrar de algo.
- Que cara é essa? - perguntou, estranhando a atitude do amigo.
- Tô com uma dúvida importante. - Ele confessou, sob o olhar atento das duas mulheres. - Eu não sei se você deixou de contar porque é um detalhe, ou se realmente... - Ele suspirou, fazendo uma pausa.
- Lucas, você tá me deixando preocupada. - riu nervosa.
- Vocês usaram camisinha? - Lucas perguntou.
congelou. Eles usaram? Ela não lembrava. Estavam os dois bêbados, mas não era possível que tenham sido tão irresponsáveis. Não, claro que usaram. Tinham que ter usado. queria muito acreditar que sim. Nunca faria isso, ela presava muito a proteção sexual. Nenhum dos dois transaria sem, aliás. Não é? Meu Deus...
- Eu... Não lembro. - confessou, soltando sua garrafa no chão. - Puta merda.
- Calma, amiga. - pediu, finalizando sua cerveja antes de se aproximar de . - Pensa. Você lembra de todos os detalhes, tenta se lembrar de mais esse.
- É isso que me preocupa. Eu lembro de tudo, menos de ter usado camisinha. - suspirou pesadamente, passando suas mãos pelo rosto, nervosa.
Tentou, a todo custo, se lembrar de qualquer detalhe, mas simplesmente não conseguia. O pior era que não tinha nem como entrar em contato com Sebastian para perguntar. Provavelmente nunca mais o veria na vida. De qualquer maneira, ela marcaria horário com sua ginecologista para fazer um check-up. E, por hora, tentaria não fazer alarde sobre isso.
- Claro que usamos. Usamos, sim. Sei que usamos. - Mentiu repetitivamente, e Lucas se entreolharam um pouco preocupados.
- Tem certeza? - Lucas perguntou. - Porque...
- Nós usamos. - Ela confirmou, forçando um sorriso.
não tinha certeza e talvez nunca tivesse. Mas preferiu mentir de maneira a confortar a si mesma no momento. Era melhor do que aceitar que tinham sido, os dois, tão irresponsáveis.

Nova Iorque - Dezembro de 2018.


Era manhã seguinte após o Natal. Sebastian tinha passado a data comemorativa na companhia de sua mãe, Helena. Ela havia conseguido tirar alguns dias para visitá-lo e agora os dois estavam no aeroporto, se despedindo. Ele sorriu ao quebrar o abraço com sua mãe.
- Volta mais vezes, por favor. - Pediu, fazendo um biquinho fofo que a fez rir.
- Querido, você sabe que se eu pudesse, viria morar aqui. - Helena levou sua mão até o rosto do filho, acariciando a bochecha dele. - Prometo tentar vir mais vezes.
- Eu compro as passagens, você sabe... - Ele argumentou.
Odiava ficar tanto tempo longe de sua mãe. Claro, eles se viam duas ou três vezes no ano, mas para Sebastian, era muito pouco. Uma de suas maiores vontades era trazer sua mãe para morar em NY.
- Sei que sim, não é por isso. É que é realmente difícil deixar o trabalho tantas vezes. - Ela suspirou, ajeitando sua bolsa em seu ombro. - Você sabe como é, também não consegue viajar sempre que quer.
- Eu sei. - Ele sorriu tristemente, puxando-a para mais um abraço. - Se cuida, tá? E me liga qualquer coisa.
- Querido, eu quem devia estar te falando essas coisas. - Helena riu, afastando-se apenas para dar um beijo na bochecha do filho. - Preciso ir, tá na hora.
- Boa viagem. Me avisa assim que chegar, mãe. - Sebastian pediu, recebendo um último abraço de sua mãe antes de ela se afastar.
Stan permaneceu observando até o momento em que ela passou pelos portões da área de embarque. Suspirou baixo e então voltou a colocar seus óculos e a toca de seu moletom. Colocou as mãos no bolso e andou com certa pressa até o estacionamento. Quando entrou em seu carro, tirou seus objetos de disfarce, assim como o casacão que usava por cima do moletom, ligando o ar condicionado em seguida. Deu partida no carro em direção ao seu apartamento.
Logo já estava entrando em casa. Tirou seus casacos e os tênis que usava, jogando-se no sofá de qualquer maneira. Abriu seu celular, checando as redes sociais. Passou por uma foto que Carly, a irmã mais velha de Chris Evans, havia postado no instagram e sorriu, lembrando-se que ainda não havia falado com o amigo desde que ele viajara. Resolveu então iniciar uma ligação de vídeo. Demoraram alguns segundos, mas logo Chris atendeu.
- E aí, Seb! - Evans o cumprimentou.
- Chris! - Stan respondeu empolgado, abrindo um sorriso imenso ao ver o amigo. - Como estão as coisas por aí? Feliz Natal, cara. Mandou um abraço pra sua família?
- Feliz Natal, Seb. Claro que mandei, todos agradeceram e Shanna disse que ano que vem se eu não trouxer você pra cá, sou um homem morto. - Chris contou e Sebastian riu. - Mas enfim, aqui tá tudo muito bem. E por aí? Passou o Natal com sua mãe? Como foi no Brasil?
- Acabei de voltar do aeroporto. - Seb sorriu tristemente, mas depois abriu um sorriso ao lembrar do Brasil. - Foi incrível. Incrível! - Ele bagunçou o cabelo. - Os fãs realmente são demais e o evento foi enorme. O país é maravilhoso, queria muito ter feito turismo, mas realmente não tinha como. Você deveria ir qualquer hora dessas. Aliás, deveríamos ir juntos.
- Eu concordo, mas, nunca me convidaram. - Chris fez drama e Stan revirou os olhos, mas acabou rindo.
- Cala a boca, seu cachê que é muito caro, Capitão América. - Stan argumentou e Evans riu, concordando.
- Mas falando sério, tenho vontade de ir. Quem sabe no próximo ano não dê certo? - Ponderou e Sebastian deu de ombros, concordando com a cabeça. - Conheceu alguma brasileira?
- Pra falar a verdade, sim! Muito bonita e muito legal, por sinal. - Seb sorriu convencido ao se lembrar da noite que havia passado com .
Gostaria de ter conversado mais com a garota, mas não havia tempo. De qualquer maneira, a noite tinha sido incrível e ele sempre se lembraria com carinho e, bom, com desejo.
- Bonita eu imagino que realmente ela devia ser, porque brasileiras são lindas. Mas, legal? Só legal? Sebastian, não foi assim que te ensinei... - Evans falou, interrompendo os pensamentos de Sebastian.
- Eu não vou ter fofoca pra te contar se abrir a boca agora! - Stan riu e viu Evans dar de ombros, concordando. - Enfim, cara, eu só liguei mesmo pra desejar Feliz Natal e saber como você tá. Já tô com saudade, Steve.
- Eu também, Bucky. - Chris riu. - Falou então, cara. Nos vemos quando eu voltar?
- Por favor, já tô sentindo falta de roubar suas roupas. - Stan riu e afastou o celular do rosto, mostrando que usava um suéter de Chris. O amigo riu, balançando a cabeça em negação.
- Parece até que não tem roupa em casa. Até mais, Seb. - Chris ainda ria quando se despediu.
- Nos vemos. - Sebastian se despediu e encerrou a ligação.
Tentou ligar para Anthony Mackie, já que também não tinha falado com ele, mas não obteve resposta. Desistiu por hora e resolveu tirar um cochilo. Só voltaria a trabalhar amanhã, então, agora era o momento de descansar.

São Paulo - Janeiro de 2019.


- ? - Dra. Lilian a chamou sorridente. - Tudo bem?
- Tudo bem, e você? - a cumprimentou antes de entrar no consultório.
As duas seguiram até a mesa, a médica se sentando em sua cadeira e indicando a poltrona em frente a mesa para que se sentasse. Era a segunda vez em menos de dois meses que precisava consultar com sua ginecologista. Ela havia contatado a médica poucos dias depois da noite que passou com Sebastian e fez uma bateria de exames - todos eles negativos, para a sorte de . Mas agora, mesmo sabendo que estava livre de DST’S, algo ainda a incomodava. Desde o início do mês de janeiro vinha sentindo enjoos e tinha até vomitado algumas vezes. Ela sabia o que isso poderia significar, mas não queria, de maneira alguma, acreditar. Não havia falado nada para , porque a amiga ainda achava que ela e Sebastian tinham usado camisinha. Não queria ter que lidar com a mentira que contou.
- E então? - Dra. Lilian começou, quebrando o silêncio.
sorriu nervosa, sem saber muito bem o que falar.
- Eu tô apavorada. - Confessou, suspirando pesadamente em seguida. - A gente fez um monte de exames, descartamos qualquer coisa, né? - A médica balançou a cabeça em confirmação. - Mas não fizemos exame de gravidez.
Lilian franziu o cenho.
- Era muito cedo, querida, dificilmente teríamos visto... - Explicou. - Você tem sentido algum sintoma?
- Muitos. Dor na parte de baixo da barriga, meus pés incharam muito, meus seios estão maiores... - Ela contou, mexendo suas mãos nervosamente. - Até aí eu achei que era cólica e que tinha engordado um pouco, sei lá. Mas depois percebi que minha menstruação não tinha descido e quase ao mesmo tempo os enjoos começaram...
- Realmente, são vários sintomas. - A médica concordou, fazendo algumas anotações. - Precisaremos fazer alguns exames, e...
- Como eu imaginei que você pediria, eu tomei a liberdade de fazer um exame de sangue. - a interrompeu e abriu sua bolsa, tirando de dentro um envelope que continha o resultado. - Eu não tive coragem de abrir.
Dra. Lilian pegou o envelope, abrindo-o. Ela desdobrou as folhas e passou os olhos por elas rapidamente. Sua testa se franziu e seus lábios se tornaram uma única linha fina. Depois, ela suspirou e virou as folhas para que visse.
- Você está grávida. - Ela confirmou e sentiu seu coração dar um pulo. - Com esses parâmetros, eu diria que, realmente, tem quase dois meses de gestação e...
A médica continuou a falar, mas já não ouvia mais. O que ela faria agora, meu Deus? Como criaria um filho sozinha? Não gostava de admitir, mas, mesmo tendo falado que nunca abortaria um bebê caso engravidasse, essa opção foi uma das primeiras que lhe passou pela cabeça, apenas para descartá-la logo depois. Não, ela não faria isso, muito provavelmente não conseguiria lidar com seu psicológico depois. Meu Deus, ainda teria que lidar com seus pais... Não conseguiria passar por isso sozinha. Precisaria, e muito, do apoio de . A amiga com certeza saberia o que fazer.
- Você comentou que o pai é alguém famoso, né? - Dra. Lilian perguntou, tirando de seus pensamentos. Ela balançou a cabeça em concordância. - Vai entrar em contato com ele?
- Não pretendo. Na verdade, não sei nem se conseguiria... - Ao ver a expressão confusa da médica, suspirou. - Ele mora em NY. Não é do Brasil.
A boca da médica se abriu em surpresa, mas ela logo se recompôs.
- Claro que eu não estou nenhum pouquinho curiosa pra saber quem é. - Ela riu e sorriu forçadamente. - Te aconselho a tentar falar com ele se quiser manter a gestação...
- Eu quero. Não vou tirar. - a interrompeu.
- Ah, ótimo. Você é muito nova, não deve passar por isso sozinha. Tente entrar em contato com ele. - Dra. Lilian disse. - Você quer aproveitar que já está aqui e fazer uma ultrassonografia?
- Não sei se tô preparada pra isso. - confessou, afundando seu corpo na cadeira.
- Pode ser bom. Muitas vezes, ao escutar o coração e saber de quantas semanas está, a aceitação é um pouco mais fácil.
- Pode ser então. - cedeu e as duas se levantaram, seguindo para a sala de exames.
Dra. Lilian pediu que se deitasse e levantasse sua blusa até a altura dos seios, e assim ela o fez. A médica passou um gel muito gelado na barriga dela e aproximou o aparelho de ultrassom, apertando alguns botões para configurar a máquina.
estava uma pilha de nervos. Ela observava o teto do local com muita atenção, como se fosse a coisa mais interessante e bom, não era. Ela só não queria encarar a tela que mostraria um feto em seu ventre. Não sabia muito bem o que pensar, nem o que sentir. Talvez apavorada fosse a palavra certa pra descrevê-la. E, ao contrário do que pensou que aconteceria, quando finalmente ouviu o coração do bebê batendo, seu mundo não parou. Ela não sentiu aquele amor instantâneo que as mães costumam relatar. Não foi mais fácil de aceitar, igual Dra. Lilian havia comentado. Pelo contrário: agora estava em pânico.
De repente o ar ficou denso e ela começou a ter dificuldades para respirar. Dra. Lilian pediu que ela se sentasse e respirasse fundo várias e várias vezes. Imediatamente pegou um copo d’água para a paciente, entregando-o. Quando começou a se acalmar, tomou um gole d’água e permaneceu com o olhar perdido. A médica aproveitou para imprimir a imagem e colocou dentro de um envelope. Depois, guiou para o consultório novamente.
- Tudo bem? - Ela questionou e a paciente confirmou com a cabeça. - Acho que não foi uma boa ideia.
- Não foi. - finalmente conseguiu falar.
- Se acalme, vá pra casa, tome um banho e relaxe. - A médica recomendou, entregando o envelope com a imagem para que levasse. - Isso fica com você. Eu estou aqui qualquer coisa. Quero te ver em 30 dias para acompanharmos desde já, ok?
- Tudo bem. - concordou, ainda um pouco atordoada. - Obrigada.
- Eu que agradeço. Você tem meu celular, qualquer coisa me ligue. E pense no que te falei, ok?
- Certo. Obrigada mais uma vez. - agradeceu e se despediu da médica, saindo imediatamente da clínica sem nem olhar para trás.
O envelope em sua bolsa parecia pesar uma tonelada. Era surreal pensar que ela estava grávida e que essa gravidez foi resultado de apenas uma noite com Sebastian Stan.
Sebastian fucking Stan.
Ela estava muito fodida.
estava tão aérea que o caminho para casa foi feito no modo automático. Ela mal percebeu que já estava chegando, se dando conta apenas quando entrou no elevador do prédio. Torcia para que ainda não tivesse chegado em casa - e se tivesse, que Lucas não estivesse com ela. Mas não foi isso que aconteceu. Assim que abriu a porta, encontrou a amiga no sofá com os pés para cima, assistindo a um programa qualquer na televisão.
- Ei! - disse sorridente ao ver entrar em casa. - Tudo bem? - não respondeu, se limitando a apenas balançar a cabeça em negação. franziu o cenho. - O que aconteceu?
suspirou pesadamente antes de se aproximar do sofá. Nem se deu ao trabalho de sentar. Abriu sua bolsa e pegou o envelope, estendendo-o para . A amiga o pegou e abriu. Sua expressão era de confusão durante todo o tempo que ficou encarando o papel. Quando finalmente entendeu o que significava a pequena fotografia que segurava em mãos, a única coisa que disse foi:
- Que porra é essa, ?


Capítulo 04

Nova Iorque - Janeiro de 2019.


- Caramba, Mackie, coloca esse tênis, cara! - Sebastian ouviu Evans falar na sala, e riu, fechando a geladeira em sua frente. - Que nojo.
O ator equilibrou as três cervejas nas mãos e saiu da cozinha, indo até a sala de seu apartamento, onde os amigos estavam. Entregou uma garrafa para cada um e se sentou no sofá, abrindo a sua e bebendo um gole logo em seguida.
- Você precisa dar um jeito nesse chulé. - Ele disse, apontando para Mackie.
- Deixa meu chulé pra lá. Conta aí, qual a ocasião da reunião? - Anthony perguntou para Chris depois de beber um gole de sua cerveja.
Estavam os três no apartamento de Sebastian. Chris havia mandando uma mensagem mais cedo, dizendo aos amigos que queria beber uma cerveja com eles - o que, na linguagem deles, significava que algo estava acontecendo. Então Stan não pensou duas vezes em chama-los para vir até seu apartamento, já que ele também tinha algumas coisas para contar.
- Não tem ocasião nenhuma. - Evans mentiu e rolou os olhos.
Stan e Mackie se entreolharam. Eles sabiam que Evans estava escondendo algo.
- Você tá meio besta desde que voltou de Sudbury, cara. E já fazem quase três meses. - Stan comentou e Anthony concordou. - Quer dizer, besta você sempre foi, mas agora, tá pior ainda... Enfim, e você tá sempre grudado nesse celular...
- Abre o bico, Evans. – Mackie pediu. – Tem mulher envolvida na parada?
Chris se limitou a rolar os olhos.
- Que eu me lembre, quem me disse que tinha uma garota no Brasil, foi você, né, Sebastian... - Evans deu a dica e Mackie abriu um sorriso de lado, agora voltando sua atenção para Stan.
Sebastian riu um pouco sem jeito, tentando disfarçar.
- Desembucha. - Pediu Anthony, bebendo um gole de sua cerveja.
Stan passou as mãos pelo cabelo, bagunçando-o. Depois, ele lançou um olhar feio para Chris antes de começar a falar.
- Não foi nada demais, só passamos a noite juntos no hotel que eu tava hospedado, a gente nem manteve contato. - Stan deu de ombros. - Ela é uma fã.
Os outros dois se olharam um pouco apreensivos, mas Stan os ignorou e continuou.
- Foi até engraçado, pra falar a verdade. - Ele riu, lembrando de quando viu pela primeira vez. - Ela foi tirar foto comigo na comic con e eu quebrei o escudo que ela levou.
- Você quebrou? - Evans perguntou e Mackie gargalhou.
- Quebrei. Mas isso não é o pior. - Stan bebeu um gole de sua cerveja antes de continuar. - No outro dia, teve uma festa no hotel e foi todo mundo, inclusive ela, parece que ela tinha uma amiga que trabalhava lá, enfim. Eu esbarrei na garota e virei toda a bebida que ela segurava nela.
Anthony e Chris agora gargalhavam ao ouvi-lo. Sebastian conseguia ser muito desastrado quando queria - e quando não queria também. Eles conseguiam até visualizar a cena conforme ele contava.
- Parem de rir, idiotas. - Stan acabou rindo também e mandou os dois amigos à merda. - O nome dela era .
- Hmm, gravou o nome dela, é? - Mackie zombou e Sebastian revirou os olhos. - E o nome da sua, Evans?
- Amelia. - Respondeu rapidamente, sem nem se dar conta do havia feito. Só percebeu quando os dois amigos o encaravam com sorrisos convencidos no rosto.
- Eu disse, não disse? - Anthony se gabou e finalizou sua cerveja, deixando a garrafa em cima da mesa.
Chris levou sua garrafa a boca e virou todo o conteúdo, levantando-se para buscar mais em seguida.
- Mackie, mais cerveja? Stan?
- Ah, não. Pode voltar aqui e contar pra gente. - Stan pediu e Anthony concordou.
- Cara, vocês são muito fofoqueiros. - Evans rolou os olhos enquanto se afastava. - Nem a Scarlett é tão curiosa quanto vocês.
- Christopher Robert Evans! - Mackie falou um pouco alto e o loiro não aguentou, dando risada, já com as cervejas em mãos.
Ele entregou as cervejas para os amigos e Stan agradeceu, bebendo um gole do líquido antes de prestar atenção na história de Chris. Não pode deixar de notar o sorriso que permaneceu nos lábios do amigo conforme ele contava sobre a tal Amelia Reed.

São Paulo - Fevereiro de 2019.


O restante do mês de janeiro havia passado em um piscar de olhos. Desde que descobriu a gravidez, as coisas para não estavam nada boas. Ela ainda passava mal e seu humor estava constantemente alterado. Havia feito contas e mais contas para saber como iria conseguir, sozinha, arcar com as despesas de ter um filho, já que muito provavelmente o pai não estaria presente. Ela chegou a conclusão de que precisaria economizar muito, e talvez até procurar outro emprego que pagasse melhor - o que seria muito difícil, porque, quem em sã consciência contrataria uma grávida que precisaria sair em alguns meses por conta da licença maternidade? Pedir ajuda a seus pais estava fora de cogitação, uma vez que eles mal se falavam. era quem sempre quem ligava para eles - e até o fazia com certa frequência - mas as ligações nunca passavam de um ou dois minutos, porque eles estavam trabalhando e, mesmo assim, nunca se davam ao trabalho de retornar à ligação mais tarde.
recém havia encerrado mais uma curta ligação com sua mãe, quando olhou para o lado e encontrou a encarando.
Merda. Será que ela tinha ouvido tudo?
- Você ainda não contou pros seus pais? - quase gritou, encarando com um olhar repreendedor.
Sim, ela tinha ouvido tudo.
- E eu vou falar o quê, amiga? - bufou, jogando seu celular no sofá. – “Oi pai, oi mãe, sei que a gente não se fala há algum tempo, mas eu tô grávida de um ator famoso, tá?’’ - revirou os olhos. - Mesmo se eu contar, , eles não vão me dar o apoio que você acha que vão. Não é como se eles estivessem presentes na minha vida, você sabe que não estão desde que vim morar em São Paulo. Mal atendem quando eu ligo pra perguntar como eles estão...
- Mesmo assim, acredito que eles gostariam de saber que a filha deles tá grávida! - argumentou, sentando-se no sofá ao lado da amiga. - ...
- . - a cortou, balançando a cabeça em negação. - Quando eu saí de casa, eles nem se importaram, você sabe disso. Só pensam no trabalho deles. Eu estar grávida não vai mudar isso. Além do mais, não quero que me julguem e pensem que eu preciso de ajuda, porque eu não precis...
- Ah, pelo amor de Deus, , cai na real! - revirou os olhos, encarando a amiga. - Você realmente acha que vai dar conta de criar um filho sozinha? Sem o pai, sem os avós?
- Eu tenho você e o Luc...
- Sim, você tem! É claro que tem. - suspirou e se virou no sofá, olhando diretamente para . - Mas, , uma criança é algo sério, não é tão simples como você tá achando que é. Óbvio que eu vou te ajudar, amiga, mas você precisa contar pros seus pais. Ou pro Sebastian. - falou a última frase mais baixo, recebendo um olhar assustado da amiga. - Não me olha assim... Você sabe disso...
- E como exatamente você sugere que eu faça isso? Como vou conseguir entrar em contato com ele? Não é como se tivéssemos trocado contato ou como se ele respondesse as mensagens no instagram...
pensou por um momento, antes de uma ideia surgir em sua mente.
- Você sabe quem é a agente dele! Luana, Louisa, Luciana... Algo assim...
- Louise. - corrigiu, suspirando pesadamente. - Acho que é o jeito mais provável de conseguir algo, né?
- Sim. - pegou o celular da amiga e o estendeu para ela.
- O quê? Agora?
- Agora, . - mandou e a amiga resmungou algo em resposta.
pegou o celular e o desbloqueou, acessando imediatamente o seu instagram, procurando pelo perfil da agente de Sebastian. Preferiu mandar uma mensagem pelo aplicativo mesmo, caso não obtivesse resposta em alguns dias, enviaria um e-mail. Contou, com alguns detalhes, o que havia acontecido entre ela e Sebastian quando ele veio ao Brasil, torcendo para que a mulher soubesse e não pensasse que ela era mais uma fã maluca que inventava qualquer coisa para chamar a atenção.
- Pronto. - suspirou, bloqueando novamente o aparelho.
- Ótimo. - disse e se levantou do sofá para ir até a cozinha. - Lucas vem jantar. Não pense que você tá livre. Se você não contar pros seus pais até o final da semana, eu mesma vou ligar pra eles. E você sabe que eu não tô só ameaçando.
É, sabia. Suspirou ao ver a amiga se afastar, deitando-se no sofá de qualquer jeito, esticando as pernas. Instintivamente, levou as mãos até sua barriga, pousando-as sobre seu ventre. Estava se acostumando com a ideia de ter um ser dentro de si, crescendo e se desenvolvendo lentamente a cada dia que passava. Porém, isso não significava, de maneira alguma, que estava pronta para lidar com a gravidez e com tudo que ela trazia.


- ! - berrou, chamando pela amiga.
Ela estava deitada em sua cama, com os pés para cima. Estava exageradamente enjoada naquela tarde. Como se não bastasse, o nervosismo também estava presente, porque seu celular havia acabado de apitar com uma notificação de Louise, agente de Sebastian.
- ! - gritou mais uma vez e a amiga finalmente apareceu, abrindo a porta preocupada.
- O que foi que aconteceu? Tá tudo bem? - questionou ao se aproximar da cama.
estendeu o celular para que o pegasse.
- Ela respondeu? O que ela disse? – A amiga perguntou assim que leu a notificação na tela.
- Não sei, eu não li ainda. - confessou, sentando-se na cama. - Lê pra mim.
desbloqueou o celular da amiga e acessou o instagram, abrindo a mensagem que havia chegado.
- , tudo bem? Desculpa a demora pra te dar um retorno. - leu em inglês, sob o olhar atento da outra, que roía as unhas nervosamente. - Eu demorei porque precisei confirmar essa história com Sebastian, espero que entenda. Preciso do seu telefone e endereço, estarei no Brasil depois de amanhã e aí conversaremos com calma. Fique tranquila que vamos esclarecer tudo, ok? Até breve.”
Assim que terminou de falar, encarou , que tinha os olhos arregalados.
- Ela tá vindo pra cá? - perguntou apenas para confirmar. - Puta que pariu.
- Ela precisa, amiga... - suspirou, aproximando-se de . - Acho que ela precisa confirmar essa história pessoalmente, antes de realmente envolver o Sebastian...
- Eu não acredito que isso tá acontecendo. - balançou a cabeça em negação, escondendo seu rosto com as mãos. - É real mesmo, ...
- O quê? - perguntou, um pouco confusa.
- Eu tô grávida, porra, eu tô grávida do meu ator favorito, puta que pariu... Eu tenho vinte e seis anos e vou ser mãe solteira. - desabafou, mal percebendo que seus olhos haviam se enchido de lágrimas.
Suas mãos agora tremiam e ela lutava para não soluçar alto e chorar tudo que ainda não havia chorado desde que descobrira a gravidez. A realidade havia, finalmente, batido em sua porta.
- Ah, amiga... - suspirou e puxou para o seu colo, abraçando-a e acariciando seu cabelo. - Pode chorar. Chora tudo que precisar. Eu tô aqui com você.
Foi só então que soluçou, permitindo-se chorar copiosamente nos braços da melhor amiga. , apesar de não saber muito o que fazer, não a deixaria sozinha, elas enfrentariam isso juntas, lado a lado, independente de qualquer coisa.


encarava a mesa posta em sua frente com muito nervosismo. e ela haviam preparado um café para esperar Louise, que deveria chegar a qualquer momento. A verdade era que não sabia o que esperar. Não tinha ideia de qual seria a reação dela e principalmente de Sebastian, tinha medo do que eles poderiam querer fazer. Aos olhos de quem vê, pode até parecer exagero, mas não era para .
O som do interfone tocando a tirou de seus pensamentos. Antes que ela pensasse em atender, porém, apareceu sorrindo de maneira nervosa, tentando tranquilizar a amiga.
- Ela chegou. - avisou e parou ao lado de . - Tudo bem?
- Tô muito nervosa. Até parece que é o Sebastian que vem. - suspirou, passando a mão pelos cabelos. - Eu tô com medo.
- Medo de que? Você não acha que ele pediria pra você tirar, acha? - perguntou, erguendo as sobrancelhas.
não respondeu, já que logo a campainha tocou. As duas se entreolharam e seguiu até a porta, abrindo-a. Louise tinha um sorriso singelo nos lábios ao entrar em casa.
- Olá. - Ela cumprimentou em inglês, recebendo respostas breves das duas. - Qual de vocês é ?
Como ficou em silêncio, deu um cutucão na amiga, fazendo-a se mexer.
- Sou eu. - Ela disse, abrindo um sorriso forçado. - Essa é , minha amiga.
- Tudo bem? - Louise perguntou, simpática.
Talvez ela não fosse tão ruim assim, mas, isso não fez se sentir menos nervosa, pelo contrário, ela apenas encarava a mulher a sua frente, sem expressar reação alguma. , ao perceber, pigarreou baixo e tomou as rédeas da situação.
- Tudo bem. Você deve estar cansada, vamos sentar? - ofereceu e a mulher sorriu, concordando.
Louise pendurou sua bolsa na cadeira e se sentou onde havia indicado. Depois, as duas amigas sentaram nas cadeiras vazias em frente a ela.
- Você aceita um café? - ofereceu, recebendo uma resposta positiva.
Serviu então a xícara de Louise e entregou-a ela. A mulher bebeu um gole do líquido e colocou a xícara na mesa, voltando sua atenção para .
- Você não precisa ficar nervosa. - Ela se dirigiu a dessa vez, percebendo a falta de reação da parte dela. - Tá tudo bem. Eu só vim conversar, esclarecer as coisas...
- Certo. - finalmente falou, tentando relaxar um pouco.
- Sebastian lembra de você. - Louise disse. Em qualquer outra situação, surtaria, afinal, seu ator preferido se lembrava dela. - Ele também lembrou, com muito esforço, de que vocês não se protegeram.
- Pois é... - Foi a única coisa que saiu da boca de .
- Você tá muito nervosa. - Louise sorriu, tentando tranquilizá-la. - Vou tentar te explicar com mais calma.
levou sua mão até a da amiga, segurando-a. As duas encaravam a mulher, ansiosas.
- Sebastian é um ator novo, não tinha pretensão alguma de ter um filho agora, mas... - Louise explicou, ajeitando-se na cadeira. - Em hipótese alguma ele vai te pedir pra interromper essa gravidez, isso é uma decisão unicamente sua. Porém, antes de qualquer coisa, ele gostaria de pedir uma coisa.
- O quê? - Foi quem falou.
- Eu entrei em contato com uma clínica de reprodução aqui de São Paulo e tomei a liberdade de marcar um exame de DNA não invasivo. Nós vamos bancar tudo, não se preocupe... Eu espero que entenda, , não é por mal, mas...
- Ela entende. - respondeu novamente.
encarou a amiga, atônita.
- Eu entendo? - Ela questionou, rindo de maneira nervosa. - Entendo uma ova, !
- ... - a repreendeu, apertando a mão da amiga.
- Eu não durmo com um homem por dia, Louise. - cuspiu as palavras, se defendendo.
- Eu sei que não. Nunca disse isso. - Louise explicou calmamente. - Eu entendo sua reação, , mas foi uma exigência de Sebastian.
se levantou, encarando a mulher a sua frente. Ela não estava acreditando nisso. Como eles podiam sequer pensar nisso?
- , amiga, se acalma, por favor... - pediu novamente, lançando um olhar para Louise.
- . - Louise chamou, encarando-a. - Eu não quis ofender, Sebastian não quis ofender. Mas precisamos ter certeza de que...
- Isso é inacreditável! - argumentou, sua voz saindo alta.
Com a voz baixa, tentava acalmar a amiga, mas, sem sucesso. Nenhuma das duas estava se importando com o fato de que Louise ainda falava.
- ...esse bebê é mesmo dele para que ele possa assumir o filho. - A agente completou, erguendo um pouco a voz para que elas ouvissem.
e pararam de falar imediatamente, encarando a mulher.
- Assumir o filho? - perguntou.
voltou a se sentar na cadeira e passou as mãos por seu cabelo nervosamente.
- Sebastian quer assumir o filho? - perguntou, custando a acreditar.
- Se for realmente dele, claro que sim. - Louise respondeu, abrindo novamente um sorriso singelo.
- Nossa. - comentou e suspirou, ainda não acreditando.
- Eu falei que você não precisava ficar nervosa dessa maneira, . - Louise levou sua mão até a da garota, segurando-a. - Ninguém quer te prejudicar, pelo contrário... Queremos ajudar, e Sebastian quer estar presente.
- Mas como ele vai ajudar estando do outro lado do mundo? - quis saber, achando tudo aquilo muito surreal.
- Isso é conversa pra outro momento, querida. - Louise balançou a mão. - Então, sobre o exame...
se virou para , como se pedisse a opinião da amiga. Ao receber um sorriso encorajador, ela voltou seu olhar para a agente.
- Acho que tudo bem. - suspirou, esboçando um sorriso pela primeira vez naquela tarde.


- Como funciona? - quis saber.
- É um procedimento não invasivo. - O médico explicou enquanto guiava e até a sala de procedimentos. - É um exame de sangue, basicamente.
- Certo. - respirou aliviada. - Achei que você ia enfiar uma agulha na minha barriga.
- Não, esse é o exame tradicional e só pode ser feito depois dos primeiros três meses. Geralmente as pacientes aguardam até o fim da gestação pra fazer o exame de DNA, mas com a procura cada vez maior para realizar durante a gravidez, foi desenvolvido um método mais simples, que não apresenta risco algum para a mãe e para o bebê. - Ele explicou e abriu a porta, dando espaço para as duas entrarem na sala. - Pode se sentar, por favor.
caminhou até a cadeira no centro da sala e se sentou, estendendo o braço. O médico preparou os materiais e se aproximou para realizar o exame em . Ela fez uma careta ao ver o tamanho da agulha, mas respirou fundo e fechou os olhos, segurando a mão de , que estava parada ao seu lado. Logo o médico avisou que já havia terminado e respirou aliviada.
- E agora? - perguntou, levantando-se.
- Agora precisamos esperar algumas horas até o exame ficar pronto. - Ele explicou, tirando as luvas e jogando-as no lixo. - Geralmente o resultado leva alguns dias para sair, mas como foi solicitado com urgência...
- Certo. - sorriu nervosa e encolheu seu braço, pressionando o local onde a agulha havia sido inserida.
- Nós ligaremos assim que o resultado estiver disponível, provavelmente perto das cinco horas da tarde. - O médico disse, abrindo a porta para as duas saírem.
- Obrigada. – Elas agradeceram.
Andaram em silêncio pelo corredor até chegarem na recepção, encontrando Louise, que sorriu ao vê-las.
- Tudo certo? - A agente perguntou, levantando-se.
- Sim. Eles vão ligar quando estiver pronto. - disse, cruzando os braços. - O que vai acontecer quando o resultado vier?
- Eu vou ligar para o Sebastian e veremos como prosseguir. - Louise explicou. - Mas fica tranquila, tá?
- Obrigada. - sorriu, enquanto as três andavam em direção ao lado de fora para esperar o Uber. - Eu não achei que você fosse tão querida.
- Você achou que eu fosse como?
- Uma megera. - disse.
- Uma vaca. - respondeu ao mesmo tempo.
Louise arregalou os olhos, mas acabou rindo ao ouví-las.
- Eu acho que simpatizei com sua história. - Louise confessou, dando de ombros. - Sou mãe solteira. Mas essa história fica pra outro momento. - Ela sorriu de maneira triste.
- Certo. - Foi a única coisa que respondeu antes de entrar no Uber junto com as duas.
O restante do dia passou tranquilo, apesar de lento. As horas que se passaram pareceram dias. Por sorte, e haviam conseguido folga do trabalho. Como estava grávida, não foi difícil conseguir dispensa. Já teve um pouco de dificuldade, mas, no fim, negociou seus dias livres com uma colega e deu tudo certo.
Louise não quis ficar na casa delas para não incomodar, então combinaram que, perto do horário que o médico tinha dito, ela iria até as meninas para receberem juntas o resultado, então, quando a campainha tocou, as meninas se deram conta de que era hora da verdade.
Assim que Louise entrou e se sentou no sofá, o celular de tocou. Ela o atendeu e colocou a ligação no viva-voz. Conforme o médico falava, ia traduzindo as palavras para que Louise entendesse, porém, não foi necessária tradução alguma para entender a palavra positivo.
- Então, é isso. - Louise disse, levantando-se. - Eu vou conversar com Sebastian e entro em contato assim que possível, pode ser?
- Sim. - respondeu, ficando nervosa de repente.
A agente percebeu e se aproximou da mais nova, tocando em seu ombro.
- Fica tranquila. Vai dar tudo certo, e você pode contar comigo.
- Obrigada. - agradeceu, sendo envolvida pelos braços de Louise em um abraço breve.
Elas se despediram e Louise foi embora. Uma vez sozinhas, e se encararam e jogaram-se lado a lado no sofá.
- Tá nervosa?
- Nervosismo tem sido meu estado de humor constante. - disse, encolhendo os ombros.
- Vai ficar tudo bem. - assegurou e a amiga sorriu forçadamente.
Ela queria muito acreditar nisso.

Nova Iorque - Fevereiro de 2019.


- Você tem certeza? - Sebastian perguntou mais uma vez, andando de um lado para o outro na sala de seu apartamento. - Louise, você tem certeza mesmo?
- Sim, Sebastian. Eu mesma ouvi a confirmação. O filho é seu.
- Puta que pariu. - Ele exclamou, bagunçando os cabelos.
- O que quer fazer? Como quer prosseguir? - Ela pediu ao ator.
- Eu... - Ele respirou fundo e depois bufou, um pouco impaciente por conta do nervosismo. - Eu não sei!
- Posso dizer o que acho?
- Deve. - Stan pediu, jogando-se no sofá.
- Eu acho que você precisa vir pro Brasil. Hoje, se possível. - Louise explicou e Stan parou de se movimentar, ouvindo-a atentamente. - é uma boa pessoa, ela não vai conseguir passar por isso sozinha, mesmo que tenha o apoio da amiga...
- Você tá sugerindo o que eu acho que tá? - Sebastian riu um pouco nervoso, querendo não acreditar no que sua agente estava falando.
- Acho que você deve convidar ela pra morar em NY, Sebastian. - Louise fez uma pausa, mas logo voltou a falar. - Os pais dela não são presentes, ela tem um emprego aqui, mas é algo básico, você pode ajudar a proporcionar uma boa condição de vida pra esse bebê.
- Mas isso envolve trazer uma garota com quem eu dormi uma noite pra morar aqui.
- Não tô dizendo pra você morar com ela, Stan. - Louise revirou os olhos. O ator conseguia ser muito lento, às vezes. - Só estou dizendo pra ter ela por perto, assim como o seu filho. Acompanhar essa gravidez, vivenciar junto com ela. Vocês não precisam se relacionar, mas podem construir uma amizade, pro bem desse bebê.
- Você realmente acha isso uma boa ideia? - Ele suspirou, levantando-se novamente e andando até seu quarto.
- Qual a sua ideia, Stan? - A agente perguntou, um pouco impaciente. - Mandar dinheiro pra ela mensalmente? Ver seu filho de ano em ano? Porque, vamos ser sinceros, você não vai conseguir viajar tanto, e isso envolve também expor a situação para a imprensa, porque...
- Tá, tá. - Stan bufou, dando-se por vencido. - Você tá certa. Eu... Eu vou... - Ele tentou falar, mas a palavra não saía.
- Você vai ser pai, Sebastian. - Louise completou a fala dele. - Sugiro que arrume suas malas, porque você embarca no próximo voo para o Brasil.
O ator suspirou e concordou, encerrando a ligação. Pegou a primeira mala que viu em sua frente e jogou algumas roupas dentro, arrumando-as de qualquer maneira. Organizou seus itens de higiene pessoal do melhor jeito que pode. Suas mãos tremiam levemente e ele estaria mentindo se dissesse que não estava nervoso.
Poucos minutos depois, quando estava com quase tudo pronto, seu celular vibrou. Era um e-mail de Louise, contendo as informações necessárias sobre o voo que o levaria até o Brasil. Depois de bloquear o aparelho novamente e deixá-lo em cima da cama, ele decidiu tomar um banho rápido. Não demorou nem dez minutos e já estava se vestindo. Organizou uma mochila com seus documentos e pegou seu boné antes de solicitar um Uber em direção a casa de Anthony. No caminho, ligou para ele e explicou brevemente a situação. Mackie disse que estava na casa de Evans, então foi para lá que Sebastian foi.
Cerca de quinze minutos depois, Stan andava arrastando sua mala pelos corredores do prédio de Evans. Assim que chegou na frente da porta do amigo, abriu-a rapidamente e entrou, sendo recebido pelos dois, que o encaravam de maneira nervosa.
Sua feição mostrava o quão cansado ele estava, assim como as olheiras em baixo de seus olhos. Desde que Louise embarcara para o Brasil, há dois dias, ele não dormia direito, pois não conseguia pensar em nada a não ser no filho que, agora ele já sabia ser seu.
- Cara? - Mackie questionou quando o amigo se aproximou.
Stan se jogou no sofá no meio dos dois, encarando o espaço a sua frente.
- Eu não sei o que fazer, meu mundo vai virar de cabeça pra baixo. - Ele suspirou, bagunçando os cabelos nervosamente. - Louise me ligou ontem, dizendo que tava no Brasil. Eu não entendi nada, fiquei preocupado. Lembram da ? - Os dois amigos assentiram, concordando. - Ela tá grávida! Grá-vi-da! - Falou pausadamente, ainda com dificuldade de assimilar a informação. Vendo que os dois não responderiam pois estavam em choque, ele resolveu continuar. - Louise foi lá pra confirmar isso, pra ver se não era um golpe, sei lá, qualquer coisa, cara, qualquer explicação que não isso... - Sebastian suspirou, apoiando os cotovelos nos joelhos e segurando sua cabeça nas mãos. - Eu pedi que Louise falasse com pra que ela fizesse aquele exame de DNA não invasivo, porque parece que ela já tá com 12 semanas de gestação. As contas batem, tudo bate, e o DNA deu positivo. Eu vou ser pai.
Stan bagunçou seu cabelo e levantou o rosto, passando suas mãos por ele. O ator ainda não estava acreditando, eram muitas informações para assimilar em tão pouco tempo. Há menos de dois dias, as coisas estavam normais, e agora ele ia ser pai e estava indo para o Brasil para convencer a mãe de seu filho a se mudar para outro continente.
- Cara... Eu não s... - Evans começou a falar.
- A gente deve ficar feliz? - Mackie perguntou, cortando Evans.
Sebastian encolheu os ombros, sem saber o que responder. Nem ele havia tido tempo de decidir se estava feliz por realizar um de seus maiores sonhos. Afinal, apesar de querer ser pai, com certeza nunca imaginou que seria nessas circunstâncias e que a mãe seria uma garota com quem passou apenas uma noite.
- A gente tá contigo, Stan. - Evans disse e levou sua mão até o ombro dele, apertando-o. Mackie fez o mesmo. - O que você vai fazer agora? Digo, vocês? Como vai ser isso?
Stan suspirou lentamente e levantou o tronco, voltando a se sentar com as costas apoiadas no sofá.
- Eu vou lá pra conversar com ela. Eu não queria ter um filho assim, e também não quero que esse bebê viva do outro lado do mundo. Quero trazer os dois pra cá. - Respondeu sob o olhar atento dos amigos.
- Tem algo que possamos fazer? - Mackie perguntou.
- Me levem no aeroporto, por favor, caras. - Sebastian pediu, suspirando pesadamente antes de se levantar e caminhar até a porta. - E não contem pra ninguém.
- Nem precisa pedir. - Anthony respondeu e também se levantou, andando atrás de Sebastian.
- Como eu disse, estamos com você. Até pra cuidar dessa criança. - Evans disse assim que passou pela porta, fechando-a atrás de si.
Ele sabia que os próximos meses não seriam nada fáceis, mas a certeza de que poderia sempre contar com seus amigos foi algo que o tranquilizou, pelo menos momentaneamente.
Sebastian seria pai.
E ele não estava preparado para lidar com isso.


Capítulo 05

São Paulo - Fevereiro de 2019.


- Não, mãe... - ouviu falar ao telefone e suspirou, apreensiva pela amiga. - Não! Eu não sei! Que diferença vai fazer? Não é como se vocês fossem vir até aqui ou me mandar alguma ajuda, né? Até porque posso contar nos dedos quantas vezes vocês fizeram isso desde que saí de casa. - passou a mão livre pelos cabelos, bufando, frustrada. - Já entendi que sou uma decepção, Dona Laura. Você já falou isso três vezes.
bufou e se levantou, andando até a amiga. Parou em frente a ela e pôde observar que ela tinha lágrimas nos olhos. Suspirou baixo, querendo arrancar o celular dela e falar poucas e boas para Dona Laura, mas, sabia que essa conversa era importante, portanto, apenas estendeu sua mão para que a pegasse, mostrando que estava ali caso precisasse de apoio.
- Fica tranquila, não vou pedir ajuda. Eu me viro, como sempre me virei. Tchau.
encerrou a ligação e afastou o celular da orelha, encarando o aparelho por alguns segundos antes de cair em um choro intenso. suspirou e puxou a amiga para um abraço, envolvendo-a com seus braços e mantendo um carinho leve no cabelo de . Permaneceram assim por alguns minutos até que se afastasse, encarando os olhos preocupados de .
- Foi tão ruim assim?
- Basicamente ela disse que sou uma decepção, que não devo contar mais com eles pra nada, que fui uma biscate irresponsável por transar com um ator famoso... - fungou, encolhendo os ombros. - E meu pai nem quis falar comigo.
- Ah, amiga... - suspirou, os cantos de seus lábios se curvando em um sorriso triste. - Eu nem sei o que te falar. Eu achei que seria difícil, mas não assim...
- Nem eu achei que seria dessa maneira, . - deu de ombros, sorrindo tristemente. - Acho que eu ainda espero demais deles.
- São seus pais, é normal que você se sinta assim... - Pontuou . - Quero que você me prometa que não vai tentar falar com eles de novo, tá? Porque você não pode passar por esse tipo de situação, amiga, é perigoso, eu fico preocupada...
- Não vou. - garantiu, limpando seus olhos e levantando-se do sofá. - Prometo. Eu preciso comer algo, tô com fome.
- Eu sei que você tá grávida, e tal, mas, não acha que tá comendo muito? - se levantou também e as duas seguiram até a cozinha. - O que sua médica disse?
- Que é normal. - respondeu com a cabeça praticamente enfiada dentro da geladeira.
- Hm... - se sentou em um banco e apoiou os braços na mesa. - E não tem nada a ver com o fato de que Sebastian vem aqui amanhã?
O questionamento da amiga pegou de surpresa e ela levantou a cabeça rapidamente, mas acabou batendo em uma das prateleiras da geladeira.
- Meu Deus. - riu nervosa, soltando o recipiente com a sobra do almoço na bancada. riu baixo. - Eu tinha esquecido disso por alguns minutos.
- Como se esquecer do fato de que Sebastian Stan, um ator mundialmente famoso, vai estar aqui em casa amanhã?
- Quando você escuta sua mãe dizer, várias vezes, que você é uma decepção, é fácil esquecer de muitas coisas.
- Desculpa, amiga, eu não quis...
- Tá tudo bem. - Suspirou e deu de ombros. - Vou comer algo e dormir.
- Mas já? Lucas tá vindo aqui! - argumentou, levantando-se para se aproximar de . - Você precisa de um tempo, né?
- Preciso. - Mordeu os lábios, sorrindo de maneira triste enquanto colocava seu jantar para esquentar. - Preciso pensar, ficar um pouco sozinha... E eu realmente tô com sono.
- Certo, só espera o Lucas chegar, ele quer te ver, tá? Parece que trouxe um presente da viagem ou algo assim.
- Vou esperar. - garantiu, escorando-se no balcão.
- Vou tomar um banho rápido. Já volto! - deu um beijo no rosto da amiga e saiu pela porta da cozinha.
sorriu sozinha e tirou seu prato do micro-ondas, sentando-se à mesa para comer. Até tentou, mas não conseguiu limpar sua mente na hora da refeição, pensando em tudo, desde a gravidez, a conversa com sua mãe e o fato de que veria Sebastian novamente amanhã.
Não estava pronta para encarar o pai de seu filho, definitivamente não. Mas, era algo que precisava acontecer, afinal, caso o ator fosse realmente assumir a paternidade, eles tinham muito a conversar. O fato que mais preocupava era a distância. Como eles conseguiriam fazer isso funcionar? Ela não conseguia nem imaginar.
Estava tão imersa em seus pensamentos que não ouviu quando Lucas chegou, levando um susto ao ouvir o garoto chamá-la.
- Quer me matar do coração, Lucas? - Foi o que disse ao soltar os talheres, olhando assustada para o amigo, que riu da expressão dela. - Babaca.
- Desculpa. - Ele pediu assim que se aproximou e deu um beijo no rosto de . - Não percebi que você tava tão distraída. Como você tá?
- Indo. - deu de ombros, limpando a boca com um guardanapo e se levantando para levar seu prato até a pia.
- disse que você ia conversar com seus pais. Como foi? - Ele quis saber, apoiando-se na bancada ao lado dela.
- Uma bela bosta. - quase riu ao contar, mas logo sorriu tristemente. - Mas não vamos falar de mim! Me conta, como foi a viagem?
- Ótima. Trouxe um presente pra você e pra coisinha. - Avisou e só então notou que Lucas carregava uma sacola.
- Coisinha? - não conseguiu conter uma risada, arqueando as sobrancelhas para ele.
- Não sabemos do sexo nem nada, ué. - Ele deu de ombros, estendendo a sacola para ela.
abriu a sacola, tirando um embrulho de dentro. Abriu o presente, ansiosa, e assim que viu o conteúdo, sorriu enormemente para Lucas.
- Eu amei! - Ela riu, levantando as duas peças na altura do rosto para olhar melhor. - Amei!
Lucas havia lhe dado uma t-shirt e um body infantil, ambos com a escrita Team Cap, combinando entre si. Era o primeiro presente seu filho ganhava, e, apesar de ainda não estar sabendo lidar direito com o fato de estar grávida, a pequena peça de roupa para seu filho fez seu coração se encher de amor.
- Gostou mesmo? - Ele pediu e balançou a cabeça furtivamente, puxando o amigo para um abraço. - Fico feliz!
- Eu amei, de verdade, Lucas! - Agradeceu mais uma vez ao se afastar, dobrando as duas peças e guardando-as novamente. - Animou um pouquinho o dia bosta que eu tive.
- Ei! - entrou na cozinha, com uma toalha enrolada nos cabelos. - Oi, amor.
Lucas imediatamente se virou e andou em direção a namorada, envolvendo-a em um beijo. sorriu ao observar a cena, mas, ao perceber que eles não iriam se separar tão cedo, resolveu se retirar.
- Eu vou... - Ela começou, mas era como se não estivesse ali. - Enfim.
revirou os olhos e riu baixo antes de sair da cozinha e ir até seu quarto para relaxar um pouco antes do fatídico reencontro que ocorreria no dia seguinte.


- Eu tô nervoso. - Sebastian confessou a Louise, sentando-se no sofá do seu quarto no hotel em que estavam hospedados. - Porra, Louise, eu vou ter um ataque de nervos!
Ele passou as mãos pelos cabelos nervosamente, deitando o corpo para trás. A agente riu e se aproximou, sentando ao lado dele.
- Meu Deus, imagina quando esse bebê for nascer? - Brincou, recebendo como resposta um revirar de olhos. - Fica calmo. Ela é uma boa garota, e acho que se conversarmos bem, é bem possível que ela aceite sua proposta...
- Não é minha proposta, é sua. Isso é ideia sua. - Ele acusou, encarando Louise.
- Já falamos sobre isso. Prefere viajar para o Brasil de mês em mês e ter que explicar a situação para os tabloides? - Louise arqueou a sobrancelha e Stan bufou, um pouco contrariado. - Você mesmo disse que quer estar presente, e que vai fazer o possível pra ser um bom pai pra esse bebê. Realmente acha que vai conseguir fazer isso morando em outro continente? Porque se você acha que sim, você não precisava nem ter vindo pra cá, Sebastian.
Stan desviou o olhar, pensando por alguns segundos. Ele sabia que Louise estava certa, claro que sabia. Em nenhum cenário isso daria certo se continuasse morando no Brasil. Ele precisava mostrar a ela que ir para Nova Iorque era a melhor opção, fazê-la querer se mudar. Precisava convencer uma garota, anos mais nova que ele, de que essa escolha seria a melhor para os três. De maneira alguma aceitaria que ela fosse contra a sua vontade, Sebastian não faria isso. Mas tentaria, sim, mostrar a ela os motivos para que fosse embora com ele.
- Você tá certa. - Ele finalmente falou, recebendo um sorriso convencido de sua agente. - Já temos que ir?
- Sim. Quase na hora. - Louise disse ao se levantar, pendurando sua bolsa em seus ombros e pegando uma sacola, entregando-a ao ator.
- O que é isso? - Ele questionou, tentando espiar dentro da embalagem.
- Um presente para ela e para seu filho. - Ela explicou. Stan o olhou, um pouco confuso. - Não me olha assim. Você vai levar flores também.
- É o quê? - Ele riu ao se levantar. Pegou seus óculos e seu celular, guardando-o no bolso. - Tá bom. Acho que é o mínimo que posso fazer.
- E é educado, também.
- Eu não sou um ogro, Louise. - Ele retrucou quando saíram do quarto e ela riu, rolando os olhos.
- Sei que não, pelo contrário, você é um gentleman. Mas você não está no seu melhor estado, Stan. - Ela pontuou e ele acabou por concordar. - Sei que vai saber o que falar quando estiver frente a frente com ela, não tenho dúvidas disso, porém, eu posso ajudar, não posso?
- Pode. - Ele sorriu, abraçando-a lateralmente enquanto entravam no elevador. - E eu sou muito grato por isso, sempre.
Louise sorriu para ele ao receber um beijo no rosto. As portas do elevador se fecharam e, se não estivesse na companhia dela, ele teria começado a surtar ali mesmo. Sua agente era, acima de tudo, uma grande amiga. E Sebastian só tinha a agradecer por ter alguém como ela em sua vida.


Depois que Louise tocou a campainha, precisaram esperar apenas alguns segundos para que a porta se abrisse e o olhar de Sebastian e se encontrasse.
O mundo não parou ao se encararem, claro que não.
Não era como se Sebastian tivesse sentimentos por ela, pelo contrário, ele mal a conhecia. A mulher parada em sua frente era apenas alguém com quem tinha tido uma noite de prazer e que agora estava grávida de um filho seu. Stan não sabia nada mais que seu nome.
, por sua vez, até sentia que conhecia bem o romeno, mas era somente por conta do amor que nutria por ele como ídolo. Não sabia nada além do que fosse de conhecimento público - e olha que eram muitas coisas - e, mesmo assim, era como se ele fosse um estranho.
Um estranho que era pai de seu filho.
Ela teria que se acostumar com isso, mas, por enquanto, ainda não sabia como reagir, afinal, Sebastian Stan estava na porta de sua casa. Ela teria que se habituar ao vê-lo com frequência, mas, seu lado fã falava mais alto. Sua barriga se revirou levemente, exatamente como tinha acontecido na primeira vez que o viu, na CCXP. Além disso, ela não sabia o que falar ou fazer. Como deveria cumprimentá-lo? Com um sorriso, um abraço, um beijo? Não, definitivamente não um beijo. Talvez apenas um ab...
recebeu um cutucão na cintura e só então voltou a realidade, piscando algumas vezes ao perceber que havia ficado em silêncio por tempo demais. Ela sorriu sem jeito e finalmente deu passagem para que Sebastian e Louise entrassem em casa.
- Desculpa, eu... - Ela começou, sem saber o que falar. - Podem entrar, por favor.
- Fiquem à vontade. - quem disse, ao perceber que a amiga não falaria mais nada.
Louise cumprimentou as duas e se sentou no sofá, onde havia indicado. Sebastian e , porém, ainda se encaravam. Ela olhava curiosa para o buquê de flores que ele carregava, tendo notado o presente somente agora, já que antes só conseguia olhar para os olhos dele. Já Stan tentava encontrar qualquer sinal de gravidez na mulher, mesmo que ainda estivesse no início.
- Trouxe pra você. - Foi o que ele disse ao estender o buquê para ela, finalmente iniciando a comunicação entre os dois.
pegou as flores e abriu um sorriso um tanto tímido.
Sério, , timidez agora? O cara é um de seus ídolos, mas ele já te viu pelada, pelo amor de Deus!, ela pensou, obrigando-se a abrir um sorriso um pouco mais simpático.
- Obrigada. - agradeceu, levando as flores até o nariz para sentir o cheiro. - São lindas. E muito cheirosas.
Ele abriu um sorriso, galanteador, afinal, era Sebastian Stan, e sabia muito bem como agir e como tratar as mulheres, mesmo que, no momento, ainda não soubesse exatamente como se sentia em relação ao que ele e tiveram.
- Trouxe isso também, para... - Ele franziu o cenho, um pouco confuso. - Para...
- O nosso filho. - completou, sorrindo brevemente.
- Isso. Para o nosso filho. - Stan repetiu, entregando a ela a sacola com o presente.
Antes de pegá-la, porém, soltou o buquê em cima da mesa de jantar e então se voltou para Sebastian, pegando a sacola. Abriu-a rapidamente, um pouco confusa, já que não esperava nenhum dos dois mimos que ele havia trazido. Sorriu involuntariamente ao ver o par de pequenos sapatinhos cinzas.
- Obrigada. - Ela agradeceu mais uma vez, olhando para o ator. - São adoráveis! E são os primeiros que eu ganho... Quer dizer, eu não, o bebê...
Ele riu da falta de jeito dela, seus olhos adquirindo um brilho divertido. Depois, colocou as mãos nos bolsos e encarou-a.
- Que bom que você gostou, mas, tem mais aí dentro. - Stan avisou, arqueando as sobrancelhas sugestivamente.
franziu o cenho, voltando a abrir a sacola, só então enxergando outro pequeno pacote no fundo. Desembrulhou-o rapidamente e depois abriu a caixinha, que continha um colar delicado, em ouro rosé, com uma pequena argola como pingente. Na caixa, também havia um papel, que explicava que aquela simples argola significava o “círculo da vida”, bastante propício para a situação.
- Nossa... - disse, olhando encantada para a peça. Depois, desviou o olhar para ele. - Sebastian, não precisava, isso é...
- Não aceito devoluções. - Ele avisou de antemão, fazendo ela sorrir. - Sério. É um presente e é seu.
- É lindo. Muito obrigada. - Ela agradeceu finalmente e ele sorriu, aproximando-se e estendendo a mão para que ela entregasse o colar.
- Posso? - Stan pediu, indicando o pescoço dela.
balançou a cabeça em confirmação e se virou, colocando seu cabelo sobre o ombro. Olhou de relance para e Louise, que tinham sorrisos nos lábios ao observar a cena. Sebastian passou o colar pelo pescoço de e fechou a peça, tocando o ombro dela para que ela se virasse e assim o fez.
- Obrigada. Mais uma vez. - Ela sorriu e ele retribuiu.
Os dois permaneceram se encarando por alguns segundos, até que finalmente pareceu se lembrar que haviam mais pessoas na sala e que eles tinham assuntos sérios para conversar.
- Bom, vamos sentar? - sugeriu e ele concordou, sentando-se em uma poltrona ao lado do sofá.
- Eu vou fazer um café. Todos tomam? - perguntou, recebendo afirmações de todos, menos de . - Já volto.
Assim que se retirou, os três que ficaram se encararam, sem saber por onde começar a tão importante conversa.
- . - Foi Louise quem quebrou o silêncio, chamando a atenção dela para si. - Sebastian quer falar algumas coisas, eu acho melhor eu deixar vocês sozinhos? - A frase soou como uma pergunta, já que a agente olhou para o ator, recebendo um aceno positivo dele como resposta. - Certo, eu volto logo. Fica tranquila, tudo bem?
sorriu para ela ao mesmo tempo que Sebastian se levantou, sentando ao lado dela no sofá.
- Então... - Ele começou, sem saber ao certo o que falar. - Seremos pais.
- Pois é... - concordou, cruzando suas pernas.
- Como você tá em relação a isso? - Stan quis saber, genuinamente preocupado. - Porque eu não sei o que fazer.
- Não tô muito diferente de você. - confessou e ele arqueou a sobrancelha. - A diferença entre nós dois, além do fato de eu carregar o bebê, é que eu tenho outras coisas que têm me tirado o sono.
- Tipo...?
- Nunca tive uma relação boa com meus pais, e agora a situação piorou bastante, acho que nem existe mais uma relação. - Ela riu nervosa, encarando seus dedos. - Não tenho um emprego bom que me pague o suficiente para que eu consiga manter um filho, e eu...
- Com isso você não precisa se preocupar. - Ele a cortou e o olhou.
- Eu não quero seu dinheiro, Sebastian...
- Eu sei que não. Não pensei isso. - Stan assegurou e ela mordeu seu lábio, um pouco incerta. - Mas eu vou ajudar. Esse filho também é meu. É o mínimo que posso fazer.
- Certo. - Ela respondeu de maneira insegura. - Obrigada, eu acho.
- Não tem motivo pra agradecer. - Sebastian assegurou, virando-se para ficar de frente para ela. - E qual o outro problema que você ia contar antes de eu te interromper?
- Eu preciso procurar outro lugar pra morar, não tem espaço nesse apartamento pra criar um bebê, e eu não quero incomodar ...
- Eu tenho uma solução simples para todos esses problemas, quer dizer, quase todos, porque infelizmente não posso ajudar com seus pais.
- E qual seria? - o encarou, curiosa, já que não imaginava qual pudesse ser a solução.
- Você se muda pra Nova Iorque. - Sebastian falou com simplicidade e riu, pois achava que ele estava brincando. - Tô falando sério...
- Não, pera. - Ela riu nervosa, e o ator fez uma careta, franzindo o cenho. - Você tá maluco, só pode. Pirou.
- Pode, pelo menos, ouvir o que tenho a dizer? - Stan pediu, revirando os olhos.
- Eu não vou embora do meu país, Sebastian! - Ela argumentou, indignada. - Não tenho dinheiro pra isso, não tenho como trabalhar lá, e não vou deixar .
- Você ainda não me deixou falar. - Ele tentou mais uma vez e finalmente ficou quieta, permitindo que ele expusesse sua ideia. - Eu sei que não é o que você quer, mas eu posso ajudar. Você moraria em um apartamento perto do meu ou até no mesmo prédio, poderia procurar um emprego, nós daríamos um jeito. Seria melhor pra essa criança, seria melhor pro nosso filho. Eu não quero que ele cresça longe, ...
- Ele não precisa crescer longe, você pode vir visitar sempre que quiser. - Ela argumentou e ele balançou a cabeça em negação.
- Questionariam o motivo pelo qual eu estaria vindo tanto pra cá, não desistiriam até descobrir, e isso envolve expor você e o bebê, e eu não vou fazer isso.
o encarou. Nisso ele tinha razão, ela não queria chamar atenção, não queria se tornar conhecida da noite para o dia e, principalmente, não queria expor seu filho.
- Você tá me pedindo pra ir embora do Brasil, pra morar com você, deixar tudo pra trás. - voltou a falar depois de alguns segundos em silêncio.
- Eu não tô te pedindo nada e nós não moraríamos juntos. - Sebastian deixou claro e ela franziu o cenho. - Isso seria estranho. - Ele arriscou rir, mas ela permaneceu séria. - , eu tô te oferecendo uma solução, dizendo que posso te ajudar. Se você não quiser ir, eu vou entender, mesmo não achando a melhor opção. A escolha é totalmente sua.
permaneceu em silêncio, encarando o homem em sua frente enquanto ele falava. Sebastian não tinha razão, tinha? Não, claro que não, a ideia era absurda. Mas, não era como se ela tivesse uma vida maravilhosa no Brasil, não estaria deixando muito para trás, ainda mais levando em conta o fato de que não estava se dando bem com seus pais. Também tinha o fato de que não se imaginava vivendo longe de e Lucas, seus melhores amigos desde que se mudara para São Paulo. Além disso, odiaria viver às custas de Sebastian, para falar a verdade, esse fato era o que mais a incomodava.
- Eu preciso pensar. - Ela finalmente disse, ainda sob o olhar atento dele. - Caso eu diga não, o que vamos fazer?
- Não vejo como conseguiríamos esconder o motivo das minhas viagens pra cá. Você vê?
- Pra ser sincera, não. - confessou e ele sorriu, como se dissesse que tinha razão.
Os dois permaneceram em silêncio por alguns segundos, se encarando como se tentassem descobrir o que se passava na cabeça um do outro. Esse momento durou até que e Louise aparecessem com duas bandejas em mãos.
- Trouxe o café. - entregou uma xícara para Sebastian enquanto Louise colocava, na mesinha de centro, um prato com algumas bolachas caseiras. - Suco pra você.
sorriu para amiga e levou o copo até a boca, bebendo um gole do líquido.
- E então? - Louise quis saber assim que se sentou em uma das poltronas vazias.
- Já fiz a proposta, mas disse que precisa pensar. - Sebastian avisou e Louise encarou a garota.
- Que proposta? - quis saber.
- Sebastian acha que devo ir morar em Nova Iorque. - contou e a amiga arregalou os olhos, surpresa. - Eu sei, é loucura. - ficou em silêncio, sendo observada pelos demais. - É loucura, né? - perguntou.
- ... - foi cuidadosa, seu tom de voz saindo calmo. - Eu não acho loucura.
- Quê? - riu, gesticulando nervosa com as mãos. - Você entende o que “mudar para Nova Iorque’’ significa, né?
- Claro que sim. - revirou os olhos. - Mas, acho que você e o bebê podem ter uma vida muito melhor lá. Além de que Sebastian não precisaria ter que vir pra cá o tempo todo e...
- Eu vou ficar longe de você, ! - A garota levou as mãos até o rosto, esfregando-o brevemente.
- Nossa amizade não vai mudar por isso e você sabe. - argumentou.
- . - Louise chamou a atenção dela. - Eu entendo que é uma mudança radical, mas, você precisa pensar em você e no bebê que vai nascer. Sei que no fundo você sabe disso.
- Ela sabe. - respondeu pela amiga, recebendo um olhar feio como resposta. - Amiga, por favor, você sabe!
mordeu os lábios, novamente sem saber o que falar, porque, sim, ela sabia, não importava o quanto dissesse que a ideia era maluca, que Sebastian estava louco, que não tinha razão e que Louise estava errada.
Ela sabia.
Sabia que seria a melhor opção, sabia que teria melhores chances e condições e, principalmente, sabia que todos estavam certos.
se levantou e, em passos rápidos, foi até . A amiga entendeu e se levantou, sendo envolvida pelos braços de , que começou a chorar imediatamente.
- Eu tô com medo. - disse baixo para que apenas ela ouvisse.
- Eu sei. - a confortou, fazendo carinho no cabelo da amiga. - Eu sei. Mas vai ser melhor.
- Eu não sei, ... - fungou baixo.
- . - quebrou o abraço e segurou o rosto de , limpando suas lágrimas antes de abrir um sorriso para ela. - Vai ficar tudo bem.
- Eu não quero ficar longe de você. Você é minha família, , você e Lucas... - argumentou e sorriu, também emotiva.
- Não vamos. Eu e Lucas podemos ir te visitar. Você sabe disso. - As duas sorriram. - Tudo bem, talvez demore um pouco, mas... Estaremos lá quando esse bebê nascer. Tá?
Entre as lágrimas, balançou a cabeça levemente em confirmação antes de ser envolvida em outro abraço breve.
Sebastian e Louise, que até agora observavam a cena com atenção e compaixão, trocaram um olhar e um pequeno sorriso, satisfeitos. Não seria fácil para , mas, com certeza era a melhor opção. Louise faria o que estivesse ao seu alcance para ajudá-la a se adaptar, e Sebastian também, até mais. Não queria que ela sofresse, pelo contrário, faria o possível para tornar tudo mais fácil e agradável para que e o filho que ela carregava tivessem as melhores condições possíveis.
Talvez não fosse simples, e muito provavelmente não seria fácil, mas seria melhor do que manter as coisas como estavam. Como todos disseram, ela agora tinha outra pessoa para se preocupar, alguém que, aos poucos, estava começando a ocupar um espaço em seu coração e em sua vida.
Ela havia tomado sua decisão, e estava pronta.
Era isso.
iria embora para Nova Iorque.
- Então... - falou ao finalmente se afastar de , voltando sua atenção para Sebastian e Louise. - Quando eu me mudo?


Continua...



Nota da autora: Olááá amores! Como estão? Tudo certo? Atualização rapidinha, e prometo não demorar com a próxima! As coisas estão se desenrolando e em breve nossa pp irá se mudar. <3
Espero que estejam tão ansiosas quanto eu! Aaaaa hahahah
Aqui em baixo tem o link do meu grupo no face, e, caso queira entrar, aqui fica o link do meu Grupo do WhatsApp! <3
Beijos!


Redes Sociais Kari:

Redes Sociais Nanda M:


Outras fanfics:
Em andamento:
Above It All [Atores - Chris Evans - Em Andamento]
A Place to Call Home [Restritas - Outros – Em Andamento]
Dear Roommate [Restritas - Outros - Em Andamento]
Outer Space [Restritas - Outros - Em Andamento]

Shorfics:
Sixth Sense [Outros – Finalizada]
9/11 [Outros – Shortfic]

Ficstapes:
01. On The Loose [Ficstape Niall Horan - Flicker - Restrita]
02. Halo [Ficstape Beyonce - I Am… Sasha Fierce]
02. Tell Me You Love Me [Ficstape Demi Lovato - Tell Me You Love Me]
02. Revenge [Ficstape Pink - Beautiful Trauma] 07. Hot as Ice [Ficstape Britney Spears - The Essential - Restrita]
08. Stay [Ficstape Miley Cyrus - Can’t Be Tamed]
12. Keep Holding On [Ficstape Avril Lavigne - The Best Damn Thing]
12. Only The Strong Survive [Ficstape McFLY - Radio:ACTIVE]
15. Outrageous [Ficstape Britney Spears - The Essential - Restrita]

Especiais:
Endlessly [Dia dos Namorados - Equipe]


comments powered by Disqus