CAPÍTULOS: [P][1] [2] [3][4][5][6][7][8][9][10][11][12][13][14][15][16][17][18][19][20][21][22][23][24][Epilogo]






Última atualização: 19/10/2016

Prólogo



With every small disaster
I'll let the waters still
Take me away to some place real
'Cause they say home is where your heart is set in stone
Is where you go when you're alone
Is where you go to rest your bones
It's not just where you lay your head
It's not just where you make your bed
As long as we're together, does it matter where we go?
- Gabrielle Aplin


Ela olhava as nuvens. Sempre amara viajar de avião. Ver o mundo de cima, a calmaria da paisagem. Parecia que nada daquilo era real. Que nenhum conflito era verdade. Que a Terra era apenas paz. As nuvens brancas davam uma sensação de paz que não se encontrava em nenhum lugar com os pés no chão. Ou pelo menos em nenhum lugar que ela já tenha ido.
Sua decisão de viajar não fora fácil. Mas ali, olhando para as nuvens e sentindo a melodia daquela música que tocava em seus fones, ela sabia que estava indo para um lugar desconhecido, mas que poderia a levar de volta para casa.
Sempre se perguntou onde seria essa casa. Esse lugar que se lia em músicas e livros, mas que apesar de amar onde morou nos últimos 22 anos, tudo começava a parecer tão pouco. E pela primeira vez na vida, ela sentia que estava prestes a descobrir.
So when I'm ready to be bolder, and my cuts have healed with time, comfort will rest on my shoulder


Ele



O tempo finalmente tinha firmado. Não estava calor, era impossível sentir calor em dezembro. Mas pelo menos tinha parado de nevar. Geralmente eu ia para a casa dos meus pais nas festas de fim de ano, mas resolvi voltar um pouco mais cedo. A superlotação do Natal tinha sido o suficiente para mim. Estava sentindo falta de treinar, correr. Realmente não tinha nascido para ficar enclausurado em uma casa de campo.
Daqui a dois dias seria ano novo. Meus colegas de time haviam me convidado a ir para uma festa privada na casa de um deles. Estava considerando essa possibilidade, ninguém deveria passar o réveillon sozinho. Se eu ficasse em casa, meu ano ia virar a base de macarrão instantâneo e FIFA.
O parque estava lotado, como eu esperava que tivesse em um primeiro dia sem neve em muito tempo. Não queria ser reconhecido. Era o problema de ser campeão do mundo, até quem não acompanhava futebol, sabia quem você era.
Há algum tempo atrás, descobri uma parte do parque perto do meu apartamento que ninguém visitava. A pista de corrida não era tão boa como a da área principal, mas para quem queria o isolamento, era uma boa saída.
Várias árvores ao meu redor faziam sombra, diminuindo um pouco a sensação térmica, mas nada que o calor do exercício não compensasse. Quando cheguei em uma das saídas da pista, avistei que tinha uma pessoa sentada em um banco. Pensei que poderia ser algum conhecido, afinal, só quem também queria se isolar vinha para essa parte do parque. Mas não era.
Observei ela ao longe. Seu cabelo castanho avermelhado, preso em um rabo de cavalo bagunçado. Era uma região pequena, e eu nunca a tinha visto. Com certeza não era daqui. Ela digitava sem parar em um notebook, concentrada demais para perceber qualquer coisa que acontecia ao seu redor. Não tive como não sorrir.
Ela estava sentada sozinha em um banco do parque, tinha algumas árvores em volta, mas nenhuma outra pessoa há metros de distância. Sei que provavelmente era bem errado eu ficar olhando para ela assim, mas alguma coisa me atraía para aquela garota e eu estava me controlando para não é até ela perguntar o que ela tanto escrevia.
Tinha ido até o parque para correr um pouco, tirar a cabeça de todos os problemas que estava. Todo mundo achava que ser jogador de futebol era uma coisa glamorosa, porém por trás da fama havia muitos desafios que ninguém conhecia.
Desliguei meu ipod e resolvi ir falar com a garota. Se alguém tivesse passado por mim acharia que eu era um sociopata observando a garota sem parar. E seria pior se fosse algum paparazzo ou alguém que poderia me reconhecer.
Respirei umas três vezes tomando coragem. Desde quando eu tinha dificuldades de conversar com mulheres?
Me aproximei fazendo o máximo de barulho possível. Não queria assustá-la. Mas só quando cheguei perto que percebi que ela estava com um fone de ouvido tocando músicas em um volume tão altas quanto as minhas. Reconheci a batida como sendo alguma do Paramore, apesar de não conhecer a música. Reconheceria a voz da Hayley Williams em qualquer lugar.
Não queria encostar nela, mas mesmo estando parado ao seu lado, ela não percebeu a minha presença. Estava sentada com as pernas esticadas no banco com encosto, resolvi sentar de frente para ela e aguardar ela me notar.
De frente eu percebi o quanto ela era diferente. Com certeza não era daqui. Seus traços finos denunciavam que ela era estrangeira. Sobrancelhas grossas, que desenhavam seu rosto, criando uma harmonia com o fino nariz. Seus olhos cor de areia, concentrados no notebook em seu colo, onde ela não parava de digitar. Sua boca estava em linha reta, mostrando o quanto ela estava concentrada no que quer que ele estivesse fazendo.
Alguns minutos depois ela notou a minha presença. Levantou as sobrancelhas surpresa e retirou os fones de ouvido. Abriu a boca para falar algo mas fechou. Talvez se lembrou que não estava em seu país e não falasse alemão. Ou talvez tenha me reconhecido. De qualquer forma, era estranho um homem desconhecido sentado à sua frente. Eu teria que falar algo.
- Oi. – Falei em inglês. Esperava que ela soubesse falar inglês.
Ela sorriu. Talvez eu tenha levado um tiro com aquele sorriso.
- Olá. - respondeu timidamente.
Quanta dificuldade para conseguir começar uma conversa. Quem era você e o que você tinha feio com ? E eu estava falando comigo mesmo. Desde quando eu não conseguia manter uma conversa?
- Posso ajudá-lo? – Ela falou em um perfeito inglês.
Foi minha vez de assustar. Por que eu tinha mesmo ido falar com ela?
- Ham.. Desculpa intrometer, estava correndo no parque e a vi sentada sozinha. É raro ver garotas sozinhas nesse lado do parque. É raro ver qualquer um nessa área do parque para falar a verdade. Você não é daqui é?
Ela riu de nervoso. Olhou para todos os lados menos para mim enquanto respondeu:
- Não. Não sou daqui. Sou brasileira. Precisava de um lugar tranquilo para trabalhar e achei que teria paz no parque, mas claramente não está funcionando. – Ela respondeu fechando o notebook e fazendo menção para se levantar.
Me apressei para impedi-la. Olhei para baixo sem graça, mas não conseguia olhar em seus olhos, da mesma forma que ela havia me evitado antes.
- Desculpe-me. Não foi minha intenção te atrapalhar. A gente pode começar de novo? – Fiquei olhando para ela esperado alguma reação. Ela apenas endireitou o corpo. Entendi como um sinal positivo e prossegui. – Sou . – Estendia mão. Não sabia se ela tinha me reconhecido ou não, mas preferia me manter o mais anônimo possível até ter certeza.
Ela descruzou os braços e sorriu.
- .
Sorri quando ela finalmente me respondeu e aceitou meu aperto de mão.
Ela se sentou novamente e abrir seu notebook. Eu deveria simplesmente levantar e ir embora, mas parecia que minhas pernas não me obedeciam mais. Permaneci sentado enquanto ela voltava a digitar. Peguei meu celular e comecei a rolar a barra pelo Instagram, sem de fato prestar atenção em qualquer imagem.
- Então... já que ninguém vem até essa parte do parque, porque você estava justo aqui?
Me surpreendi com sua pergunta. Esperava qualquer coisa, menos isso.
Pensei em inventar uma desculpa, pois ela não parecia ter me reconhecido.
- Sou um famoso jogador de futebol. Se eu for para a parte movimentada do parque não vou conseguir terminar minha corrida sem ser incomodado por alguém.
Achei que ela fosse fazer algum comentário sobre as palavras “jogador” e “futebol”, mas então eu entendi o porquê do voto de silêncio e emendei.
- Entendi. Você também veio para cá para não ser incomodada, e aqui estou eu atrapalhando o seu trabalho. – Levantei para ir embora, ainda surpreso por não ter sido reconhecido.
- Pode ficar. Você não estava me atrapalhando.
Ela tirou os olhos do notebook e olhou para mim sorrindo. Eu já estava de pé. A encarei por alguns segundos tentando buscar algum traço de ironia, mas ela parecia estar sendo sincera. Sentei ao seu lado, agora ela estava com as pés no chão. Vestia uma calça de moletom cinza e um tênis all star preto. Me perguntei se ela não estaria com frio, sendo acostumada a um país tropical. Lembrava de ter sentido muito calor da Copa do Mundo do Brasil, o olha que estávamos no inverno. Mas ela sorriu fingindo que não viu que eu a olhava, e continuou escrevendo no notebook.
Confesso que tentei ler o que ela tanto digitava, porém estava tudo em português. Talvez tenha sido exatamente por saber que eu não teria ideia do que estava escrito que ela me deixou ler. Ou pelo menos tentar já que não estava lendo nada.
Voltei a mexer no celular, pelo menos assim daria um pouco de privacidade a ela. Algumas vezes desviei o olhar, mas ela de fato estava concentrada no texto. Isso me decepcionou um pouco, e eu estava começando a odiar essa sensação. Tinha acabado de conhecer essa garota, e normalmente, eu não me sentia assim por ninguém.

Não sei quanto tempo se passou, mas de repente ela fechou o notebook e o guardou na mochila azul que eu nem tinha visto que estava no chão. Se levantou sem dizer nenhuma palavra e saiu andando.
Levantei correndo e fui até ela, por impulso segurando seu pulso. Ela levou um susto. E eu também. Parecia que tinha levado um choque pelo toque. Rapidamente soltei a minha mão.
- Desculpe – falei sem jeito. O que mais eu poderia dizer?
- Tudo bem.
Ela continuou andando. Por algum motivo, eu não poderia deixar essa garota ir.
- Espera! Você disse que não era daqui. O que acha de eu te mostrar alguns pontos turísticos da cidade?
Ela sorriu sem graça, colocando a mochila no ombro esquerdo ao mesmo tempo que arrumava uma mecha do cabelo atrás da orelha.
- Obrigada, mas já tem dois meses que estou aqui. Já rodei toda a cidade com meus amigos. E eu realmente preciso chegar em casa. Um outro dia, talvez?
Ela sorriu sem jeito.
- Tudo bem. Me passa algum contato para a gente combinar. O que você acha?
Ela pegou uma caneta da mochila e puxou a minha mão.
- Vamos fazer assim, se por um acaso a gente se encontrar novamente, eu te passo meu telefone. Pode ser?
Fiquei sem entender o que ela tinha escrito na minha mão. Mas enquanto eu virei para ler, ela saiu andando e desapareceu nas curvas do parque. Ela tinha escrito: “Sei quem você é. Você sabe quem eu sou? ”.
Aquela garota tinha me deixado mais intrigado ainda. Agora era uma questão de honra descobrir tudo sobre ela. Mas como fazer isso sendo que tudo que eu sabia era um apelido e que ela não era desse país?


Ela



Ir para uma área aberta e escrever nunca foi meu forte. Geralmente eu preferia trabalhar no meu quarto, escutando alguma música. Desenvolvi esse habito desde que comecei a trabalhar com o blog. Ainda estava no ensino médio, e apenas escrevia sobre coisas do meu cotidiano e o meu eterno vício: música. Mas de uma hora para outra a página começou a ter muitas visualizações e o que antes era lazer, se tornou trabalho.
Recebi um e-mail de uma gravadora interessada em investir no meu blog, aumentar o alcance do site, mais conteúdos e ganharia meu próprio assistente. Na época tinha acabado de entrar para a faculdade de biologia e usava o blog apenas como um escape da realidade. Um espaço no qual eu poderia fazer o que quisesse, no caso, escrever sobre bandas e possíveis novos sucessos da música brasileira e internacional.
Com um ano de curso vi que a biologia não era para mim, e segui o concelho do meu chefe na gravadora, porque sim, apesar de blogueira ser um trabalho autônomo, às vezes temos que responder à algumas pessoas. Troquei de curso para Relações Públicas. A princípio não era o que queria e desmotivei bastante com o curso, mas então percebi que estava ali apenas para ter uma graduação: eu já tinha profissão e emprego garantido, e enquanto continuasse dedicando a meu hobby tudo ia se encaminhar.
Me formei no final do ano passado. Estava com vontade de sair viajando pelo mundo, mas não poderia sair de perto do meu computador. Tinha passado os últimos quatro anos sem uma férias de fato, pois tinha os recessos da universidade, mas então eram viagens para cobrir shows de bandas, festivais, divulgação de álbuns. Muita gente pensa que viver nos bastidores era o paraíso, conhecer todos os artistas, assistir aos shows nos melhores lugares, as vezes ter um relacionamento com algum famoso. Mas a realidade não era essa.
Conheci muitos artistas, alguns bastante simpáticos, outros que me decepcionei. A gente rala tanto nos bastidores que nem tem tempo de aproveitar o show de fato, entrar na música e esquecer que o mundo existe. Eu continuava com meu blog, meu pequeno espaço que não era tão pequeno mais. Meu nome era conhecido em rede nacional. Recebia milhões de tweets perguntando de quem seria o próximo show internacional.
Depois da minha formatura, pedi a gravadora que eu tivesse seis meses de férias. Nesse tempo, o site seria mantido pelos meus assistentes (porque sim, quando sua página cresce o suficiente para exigirem conteúdo inédito de hora em hora, e responder as redes sociais, você precisa de ajuda). Conversei com meus pais e minha tia. Iria fazer um intercâmbio de línguas, e apesar de ficar hospedada em uma escola, teria familiares por perto. Eles concordaram. Peguei a minha mala e vim sem pensar duas vezes para uma cidade na Alemanha chamada Munique.
O principal time de futebol da Alemanha era daqui. Não que eu entendesse muito de futebol, eu não entendia nada. Nem Copa do Mundo acompanhava mais, meu trabalho não deixava. Mas eu tinha um irmão que me obrigou a assistir a Copa de 2014 justamente no fatídico jogo do 7 a 1.
Mas também o reconheci da final desta mesma Copa de 2014 no Rio de Janeiro. Meu chefe pediu para eu ir fazer algumas fotos da cerimônia de encerramento, para escrevermos sobre os shows. Não que tenha sido grande coisa, mas acabei assistindo o jogo da área de imprensa. Um locar privilegiado para o campo e os jogadores. E eu tinha sim reparado em um rosto que se destacava dos demais. Não que isso tenha feito alguma diferença, afinal.

Fui para o parque tentando sair da bagunça que estava a casa da minha tia. Não que eu seja mal-agradecida, como estávamos no recesso das festas de final de ano, passaria com minha família. Mas desde que cheguei na Alemanha comecei a escrever um livro sobre pessoas que conheci e convivi nos últimos anos, e realmente queria aproveitar o recesso para dedicar a esse projeto.
As preparações para o Ano Novo estavam a todo vapor, e o entre e sai de gente não estava me ajudando a concentrar na escrita. E sim, mesmo de férias eu queria escrever sobre música. Porque escrever é um vício, se você não escreve é como se tivesse uma crise de abstinência, e então seu cérebro começa a pensar coisas irracionais. Eu não poderia ter um ataque no meio de tanta gente que eu convivia a apenas poucas semanas e que me recebera tão bem. Precisava me soltar.
Aproveitei o milagre de ter aberto um sol nos últimos dias, e assim ser possível ir ao parque. Não imaginava que tanta gente ia ter a mesma ideia que eu. Aproveitar o raro sol no meio do inverno. Amanhã seria 31 de dezembro e esse seria o meu último momento do ano para escrever. Mesmo de férias, resolvi fazer um post no blog. Um texto curto, apenas relembrando os principais momentos do ano que passou e desejando que o próximo ano trouxesse boas conquistas. Era minha tradição esse post desde o início do blog.
E tudo estava indo bem, até perceber aquele homem sentado no mesmo banco que eu. Caraca, não tinha mais ninguém naquela parte do parque, será que ele não poderia sentar no outro branco? Foi então que o reconheci. Não que eu soubesse seu nome, mas o reconheci da bagunça no final do jogo no Maracanã.
Segurei o riso. Não deixaria que ele percebesse que eu o havia reconhecido. Ele puxou assunto, pouco respondi na esperança dele me deixar sozinha novamente. Ele não deixou. Que cara insistente! Recoloquei meu fone de ouvido e continuei meu texto. Se ele queria ficar sentado em um bando de parque do lado de uma pessoa que ele nem conhecia, era seu problema.


Minha música mudou e agora tocava “So far away” do Avenged Sevenfold. Eu não sabia explicar, mas tinha alguma coisa nas bandas com solos de guitarra que me faziam escrever sem parar. Terminei meu texto, fechei meu computador e levantei para ir embora.
veio atrás.
- Espera! Você disse que não era daqui. O que acha de eu te mostrar alguns pontos turísticos da cidade?
Pensei em aceitar o convite, afinal já tinha dois meses que eu estava na cidade e pouco tinha conhecido. E sei que não era culpa da minha família. Entre aulas e compromissos era mesmo complicado ter tempo e mesmo assim, desde que cheguei estava muito frio, era impossível sair de casa, e agora que esquentou um pouco, estavam todos ocupados com os preparativos para a festa de final de ano.
Mas eu não poderia ser tão fácil assim. Não abriria o jogo tão simples assim. Se tinha uma coisa que a vida nos bastidores tinha me ensinado, que para lidar com pessoas conhecidas pela mídia, você tinha que fingir não saber quem elas eram. E no caso daquele jogador era quase que uma verdade. Eu de fato nada sabia sobre ele, além de que ele era campeão do mundo.
- Vamos fazer assim, se por um acaso a gente se encontrar novamente, eu te passo meu telefone. Pode ser?
Pensei em manter minha pose de difícil. Ou até mesmo passar o meu telefone. Mas eu era uma subcelebridade brasileira, por mais que odiasse admitir isso. Então apenas escrevi em sua mão: “Sei quem você é. Você sabe quem eu sou?”.
E continuei andando como se aquilo fosse a coisa mais normal no mundo. Encontrar jogadores de futebol campeões do mundo no parque.
Voltei para casa da minha tia pensando nesse encontro. Agora teria que pesquisar tudo que pudesse sobre ele. Se o visse de novo e ele percebesse que eu mal sabia seu nome, minha estratégia iria toda por água abaixo.
Mas o que eu estava fazendo? Desde quando isso era um jogo para eu fazer isso? Ou pior, por que eu estava na expectativa de encontra-lo de novo?



The World is not a box



Ele POV
Alguns dias se passaram desde que encontrei aquela garota no parque. Nem me lembrava mais o seu nome. Ou pensava que não lembrava. Voltei para minha rotina de treinos. Muitos garotos e garotas ao redor do mundo tinham o sonho de serem jogadores de futebol. Se eles soubessem como é a rotina, tenho certeza que escolheriam alguma carreira mais sólida.
Entretanto, não troco minha profissão por nada nesse mundo. E diria que também não troco meu time, mas nem sempre querer ficar em um lugar é conveniente. Às vezes, temos que escolher o que é melhor para a gente, e apesar de amar o time, não era mais a mesma coisa. Claro que para quem já está no meio há um tempo, é normal que o elenco varie, sempre tem rostos novos e vários amigos acabam indo para outros clubes. Mas eu gosto da vibração da torcida nos jogos. Cada uma tem uma vibração diferente, e a do Bayern de Munique é única.
Estava dirigindo para casa. Já era quase noite. Uma pessoa mais preocupada em nomear as coisas diria que estávamos no eclipse, quando ainda estava claro mas não tinha sol, e ao mesmo tempo ainda não era noite. Ou se é que poderia dizer que existia esse período do dia nessa época do ano.
Janeiro estava quase no fim, mas o frio ainda estava presente. O recesso do final de ano já estava acabando e logo mais o campeonato voltaria. Estava ansioso por pisar de novo nos gramados. Era uma sensação única que nada mais me fazia sentir essa emoção. Tínhamos voltado a treinar, apesar de, por causa do frio, ficamos mais na musculação e demais exercícios internos. Além disso, eu aproveitava para fazer outros exercícios, como correr no parque e de vez em quando pedalar. Acho que se não fosse um atleta de alto rendimento por profissão, eu ia ser um desses viciados em exercício.
Resolvi parar em uma lanchonete e comprar alguma coisa para comer. Geralmente pedia algo em casa, ou então cozinhava. Estava escolhendo um pão quando escutei aquela voz, a mesma voz do dia do parque, falando algo em uma língua que eu não entendia. Provavelmente português. Sorri ao me lembrar da sua promessa.
Olhei por cima da prateleira e ela estava bem na minha frente. Seu cabelo estava preso de uma forma desajeitada que lhe dava um ar mais jovial. Ela usava um casaco marrom por cima de uma blusa branca. Sorri ao ver aquela imagem. Essa garota sabia ser bonita sem ter ideia de que era. Só então me lembrei de seu desafio: precisava descobrir quem ela era. Porém ela também tinha dito que me passaria o seu contato se nos encontrássemos de novo. Acho que teria que deixar esse jogo nas mãos dela por enquanto.
Fiquei na minha aguardando para que ela me notasse. Parecia concentrada em escolher coisas na prateleira, apesar de eu perceber um pouco de dificuldade com o alemão. Esperei que as pessoas que estavam com ela se afastassem.
- Esse é de chocolate com baunilha. – traduzi o que estava escrito no pacote do biscoito recheado que ela segurava.
Ela se assustou. Pensei que fosse soltar um palavrão, mas se conteve. Sorriu ao me reconhecer, mas logo em seguida a expressão tranquila voltou ao seu rosto. Ela voltou a atenção para a prateleira e eu tinha certeza que ia me ignorar, mas acabou me respondendo.
- Thanks.
Deixou um pequeno sorriso escapar. Fiquei sem reação por um tempo. O que falar com ela? Havia esquecido de pesquisar qualquer coisa na internet, mesmo não fazendo ideia de onde começar a procurar. Digitar “brasileira na Alemanha” com certeza não me levaria a lugar algum.
- Você precisa de mais alguma ajuda?
Era a coisa mais óbvia a perguntar. Provavelmente ela deveria estar achando eu estava intrometendo de novo.
- Hm, estou procurando onde tem suco. Você poderia me apontar uma direção?
Sorri ao ver a expressão curiosa dela. Mesmo que não admitisse, ela havia ficado feliz com a minha presença. Andei com ela até a geladeira ao fundo da loja. Ela escolheu um suco de cor escura.
- Acho que estou te devendo uma promessa né?
Ela se lembrou! Relaxei um pouco e acho que ficou claro na minha expressão que estava com medo dela não se lembrar.
- Você não precisa me passar seu número se não quiser. Está tudo bem. De verdade.
- Eu sou uma garota de promessas. Mas anota rápido porque minha amiga está me chamando do caixa. Ou você vai querer que meu primo venha até aqui, te reconheça e comesse a fazer uma milhão de perguntas? Ele tem só sete anos.
Ela riu. E que risada gostosa era essa. Mais que rápido peguei o meu celular e anotei seu número. E ela também havida me dado mais uma pista do mistério que havia me feito investigar: seu sobrenome. Agora sim eu saberia por onde começar a pesquisar.
- Agora que você cumpriu sua parte da promessa, preciso cumprir a minha?
Ela franziu a testa, tentando se lembrar do que era.
- Descobrir quem você é.
Ela sorriu novamente e apenas disse:
- .
Ela saiu correndo com sua cesta de compras. Fiquei parado do lado da geladeira vendo-a pagar e sair com sua família. Eu sabia que iria encontrar com ela novamente. Mas dessa vez, não deixaria o acaso ser o responsável.

Cheguei em casa e liguei a televisão. Mais tarde ia passar um episódio novo da minha série favorita. Era a única hora da semana que eu não deixava nada e nem ninguém me perturbar.
Tomei um banho escutando algumas músicas. Gostava de música mas nunca reconhecia nenhum artista fora os que já estava na minha playlist. Eu tinha o péssimo habito de escutar as mesmas coisas repetidas vezes, e sempre que conhecia alguma música nova na rádio, ficava ouvindo por vários dias seguidos, quase como um looping.
Liguei meu ipod na caixa de som e apertei o aleatório. Dessa vez vi no player que era uma música do One Republic, era uma das poucas bandas que me acalmava quando tinha algo para resolver. E era o caso daquela noite.
Precisava resolver o que eu faria na final da temporada. Se permaneceria no time ou iria procurar outros ares. Quis deixar essa decisão nas mãos do meu agente, mas então percebi que não queria uma outra pessoa decidindo a minha vida, apesar dele insistir que tinha certeza do que era melhor para mim. Estava me sentindo um garotinho de 17 anos indo prestar vestibular: não fazia ideia do que deveria fazer, porque por mais que meu coração dissesse uma coisa, a razão dizia outra completamente diferente.
E as pessoas ao meu redor não estava ajudando. Sempre que eu tentava conversar com meu irmão, ele mudava de assunto. Sabia que ele tinha sido contra eu vir para o Bayern, mas ao mesmo tempo ele via o tanto que eu cresci os últimos anos. Conversar com companheiros de time também seria furada, porque ou os caras eram extremamente fiéis a camisa, ou queriam pular fora. Era algo que meio que você sentia que precisava de mudar, e eu não estava sentindo isso.
Eu adorava meu agente, mas ele também estava me pressionando sobre isso. Tentei conversar uma vez com meu amigo de longas datas e também companheiro de seleção, , mas ele não ajudou muito. E a cada dia que passava, eu me sentia mais sozinho com uma escolha que nem sabia até que ponto que seria minha, porque nem sempre o que a gente quer é levado em conta. Às vezes, o clube resolve para onde vamos e simplesmente temos que obedecer.
Mas pelo menos eu sabia que tinha a seleção. E se tinha um lugar que eu gostava de jogar, era na seleção. Tinham poucas coisas no mundo que chegariam perto do sentimento de defender o seu país em uma competição mundial. E ser o responsável pelo título dessa tal competição era uma felicidade que eu não saberia descrever. Até hoje lembrava daquele gol quando tudo já parecia ter chegado ao fim. Escutar a torcida, nossas famílias, a comissão técnica. Um grito em conjunto de comemoração. De resultado de um trabalho bem feito durante anos. E eu tinha o maior orgulho de ter participado disso. Defenderia a seleção sempre que me fosse permitido, dando meu máximo a cada jogo que eu fosse convocado, independentemente de quem fosse o adversário.

E por um momento nem lembrei da , ou de qualquer coisa relacionada a ela. Ou as coisas que eu precisava resolver. Meu seriado tinha atraído minha atenção por uma hora, o que me fez desligar do mundo momentaneamente. Pensei em jogar um pouco de FIFA antes de dormir, mas meu sono já estava muito grande para me manter acordado por mais tempo.
Escovei os dentes e fui me deitar. Queria dormir logo e continuar ignorando as coisas que eu tinha que resolver. Sempre fui mestre em postergar qualquer decisão importante que eu tinha que fazer. Adormeci, mas não por muito tempo.
Me vi no meio do campo. Não tinha meus colegas de time, era apenas eu frente a toda equipe adversária. Não consegui descobrir qual clube, porque logo que me vi sozinho, senti uma onda de pânico que há muito tempo não tinha. Minha visão começou a ficar turva, senti a bola nos meus pés, mas não conseguia me mexer. Foi então que foquei minha visão na torcida. Só tinha uma pessoa ali, parada logo atrás do gol. Ela olhava diretamente para mim, tinha uma expressão séria, mas ilegível. .

Acordei assustado. Não sabia dizer se aquilo havia sido um sonho ou um pesadelo. Mas resolvi levar como um alerta.
Busquei o meu computado no escritório. Acho que ele nunca demorou tanto tempo para ligar. A ansiedade começava a crescer no meu peito, precisava descobrir quem era essa menina.
Digitei no google seu nome, na esperança de achar algum site em inglês. .
O primeiro link era de um site chamado mysongsmylive.com. Cliquei, apesar de saber que estava todo em português. Identifiquei onde teria uma página sobre o blog e quem escrevia nele, foi então que vi a foto daquela garota de cabelos castanho. Ela estava em um lugar aberto, fazia muito sol. Seu cabelo estava bagunçado pelo vento, ela sorria para a câmera. Parecia extremamente feliz. Em baixo consegui ler seu nome: . Tinha um texto sobre ela, mas fiquei um tempo admirando sua foto antes de traduzir aquele texto no google tradutor.
Descobrir que traduzir do português para o inglês fazia mais sentido do que traduzir do português para o alemão. Mas enquanto esperava a bolinha do tradutor carregar, pensei em milhões de possibilidades. Ela provavelmente era jornalista, trabalhava em um site. Tinha dito que tinha vindo estudar na Alemanha, mas por que? Esperava que aquele pequeno texto fizesse com que as coisas ficassem mais claras, mas não foi bem assim.
“Oi amigos, eu sou a . Formada em Relações Públicas, comecei o blog quando eu ainda estava no Ensino Médio. Apaixonada por música, resolvi escrever para tentar fugir de todos os dramas adolescentes. Quem nunca teve eles não é mesmo? Aos poucos o que era um hoby, se tornou minha profissão. E o que antes era apenas uma página perdida na internet, se tornou uma das maiores fontes de música no Brasil. Hoje, sou uma mistura de várias coisas que produzo nesse espaço: colunista, opinadora das coisas do mundo, fã de rock clássico, mas também escuto as músicas atuais, fotografa apaixonada e Dj nas horas vagas. Espero que vocês não me odeiem muito.”
Sorri olhando para a página. Dizia muita coisa mas ao mesmo tempo não dizia nada. Talvez tivesse mais alguma coisa no site que pudesse me dar uma pista, mas mesmo traduzido para o inglês, seria muito trabalho ler texto por texto. O texto dizia um pouco da sua vida pessoal, mas também não deixava muita coisa exposta. A minha página na internet tinha mais coisa sobre mim. Claramente ela estava em vantagem.
Pensei em pesquisar seu nome no facebook, deveria ter pelo menos alguns vídeos dessas tais bandas, mas pelo jeito, seu nome era tão comum que não consegui achar o perfil. Quando estava quase desistindo, digitei o nome do blog na caixa de pesquisa.
Apareceu uma página com 100 mil inscritos, mas seu nome não estava em nenhum local. Era algo extremamente profissional. Acho que teria que contar com a minha sorte.

Ela POV
O recesso de final de ano tinha chegado ao fim. E com ele, voltou a neve. Logo após o ano novo voltei para o dormitório. Primeiro porque não queria atrapalhar a rotina da minha tia, apesar dela falar que não tinha problema. Segundo porque queria escrever.
Comecei com esse projeto de livro como uma forma de contar para meu público como era de fato a vida de uma blogueira. O por trás das câmeras que ninguém vê. Não queria escrever como uma biografia, então estava se tornando mais um livro de memórias. Ele estava começando a tomar forma, mas precisava de tempo para dedicar.
Além disso, as aulas logo iam voltar, e com a agitação do final do ano, precisava colocar muitos exercícios atrasados em dia. Marie, uma francesa de cabelos loiros com quem dividia o quarto, ainda não tinha voltado do recesso, mas já me mandara várias mensagens desesperadas pedindo ajuda nos trabalhos.
Eu geralmente tinha aversão ao tipo de Marie. Aquele tipo de mulher que só se importa em ir para academia, como estava o seu cabelo loiro platinado e quem seria seu próximo namorado. Mas por algum motivo desconhecido, tinha me dado bem com ela. Não chegaria a dizer que éramos amigas, mas ainda não tinha tido vontade de dar um soco na cara dela. O que geralmente tinha com boa parte das pessoas.
O frio estava absurdo hoje, e não tive coragem de sair de casa nem para tomar café. Tinha trazido um resto de pão que fizemos no Natal, então comi um pedaço com chocolate quente enquanto abria meu computado. Pensei em abrir a Netflix e assistir alguma série. Era sempre o meu primeiro pensamento antes de fazer qualquer coisa de útil, ainda mais naquele frio com o qual não estava acostumada.
Liguei uma playlist aleatória no spotify e abri o arquivo do trabalho. Tínhamos que conjugar não sei quantos verbos e postar no sistema do curso. Eu estava começando a gostar bastante da minha rotina aqui. Temperatura agradável, as pessoas não te enchiam o saco, respeitavam a sua privacidade. Ninguém questionava se você tinha uma rotina de estudos diferente da dos outros, e principalmente, não tínhamos os trabalhos em grupos com os quais eu precisei aprender a lidar na época da faculdade.
Começou a tocar uma música do Paramore que nem se quer reconheci, e me peguei sorrindo lembrando daquele encontro no parque. Se algum dia alguém me dissesse que eu iria conhecer e ele ainda ia vir falar comigo, eu ia dize que a pessoa no mínimo havida fumado um cigarrinho suspeito.
, você está sendo muito idiota. Lembra de como ele te tratou no final da Copa. Lembra de como você ficou parada no meio do corredor no Maracanã sem saber o que fazer. Se odiando mais uma vez por ter aceitado o convite de ir assistir a final. Ele era esse cara que não estava nem ai para ninguém além de si mesmo, para de ser idiota.
Aceitei que não ia conseguir render por hoje. Desliguei o computado e deitei na cama. O aleatório do meu celular começou a tocar uma música que há bastante tempo não escutava. Era uma das músicas que me lembravam um ex namorado da adolescência. Talvez porque ele tinha tocado ela em um festival do colégio, antes mesmo da gente ficar.
O refrão de “You and me” do Lifehouse começou a tocar alto no meu fone de ouvido. “Cause it’s you and me and all of the people with nothing to do, nothing to lose”. A música deu uma pausa e eu estranhei. Apertei o botão do celular e vi que tinha recebido uma mensagem de um número desconhecido, claramente daqui da Alemanha. Pensei que poderia ser algum colega do curso, e logo desbloqueei o celular. Me odiei por ter feito isso.
havia me mandado uma mensagem.
havia me mandado uma mensagem.
Devo ter pensado a mesma coisa por um bom tempo. Ainda sem coragem de abrir o conteúdo de fato.
Jamais imaginei que ele fosse realmente me procurar. Achei que era apenas uma brincadeira para ele. Ver se poderia me iludir. Calma , vai ver que é exatamente o que ele está fazendo. Respira. Lembra da final da Copa. E principalmente, lembra quem você é. Você é aquela que nunca ligou para futebol. Se ele ainda fosse cantor de uma banda de rock...
: . Eu imaginei muita coisa sobre quem você poderia ser, mas confesso que chegou bem longe do que eu pensava. Me surpreendi. Não entendi muita coisa do site, para não dizer que não entendi nada. Desculpa, eu não sei falar uma palavra de português. Mas dei um jeito de cumprir a minha promessa. Topa dar um passeio pela cidade?
Devo ter ficado uns bons 5 minutos olhando para a tela sem saber o que fazer. Se eu respondesse sim de cara, ele ganhava. Se eu ignorasse... bem, não queria ignorar. Ignorar era fácil. Mentira, não era não. Meu deus, , você acabou de conhecer o cara. Não é porque ele é bonito que você vai ficar assim. Mas ele é maravilhoso né?
Entrei no esquema de não conseguir raciocinar. Eu sempre fazia isso e dava tudo errado. Não queria que desse errado. Espera, o que dar errado? , não faça a mesma coisa que você faz sempre. Foca no que importa. Você está em outro país, estudando outra língua, tem o trabalho dos seus sonhos. Já faz um bom tempo que você não deixa homem nenhum influenciar nas suas decisões. Não vai se agora que você vai começar. E lembra da final da Copa do Mundo.
Odiava quando minha mente começava a pregar essas peças comigo. Precisava conversar com a . Ela sempre me tirava desse estado. Olhei o relógio. No Brasil deveriam ser umas 6 da manhã. Ela tinha acabado de ter uma bebezinha, minha sobrinha, inclusive. Era isso que acontecia quando sua melhor amiga casava com seu irmão, eles formavam uma família e você ficava de fora sem saber o que estava acontecendo, sem querer intrometer. Mas era caso de vida ou morte. Mandei uma mensagem.
: , estou tendo uma daquelas crises de novo!! Me ajuda!
Podia jurar que ela não ia me responder, mas eu mal tinha travado meu celular e ele apitou com uma mensagem da . Porque eu ainda duvidava que minha amiga não fosse me responder imediatamente estando acordada? Éramos amigas desde criança, se tinha alguém que me conhecia, essa pessoa era a .
: Calma . O que aconteceu?
Contei para ela como havia conhecido o . Tinha certeza que ela ia ser sensata, me mandar ficar quieta no meu canto. Ignorar. Só que esqueci de um pequeno detalhe: a era maluca com futebol. E era casada com meu irmão, outro fanático. Ao invés de um bom conselho, recebi foi uma bronca.
: , Como assim você conhece o maravilhoso e perfeito do E NÃO FALA NADA?
Assustei com a caixa alta. Agora mesmo que eu não iria ter uma opinião racional desse assunto. E eu não poderia falar com mais ninguém. Primeiro porque não queria que ninguém soubesse, por algum motivo estranho queria guardar isso como um segredo meu. Apenas falei para a porque eu me conhecia. Se não colocasse para fora ia acabar cometendo alguma loucura.
Segundo porque ele era uma pessoa que vivia nos holofotes. Se alguém no Brasil descobrisse que havíamos nos conhecido, poderia virar capa de revista. E se tem uma coisa que eu odiava era virar notícia. Estava tudo bem com as pessoas me conhecendo pelo meu trabalho, mas não queria ser ligada a ninguém, ainda mais um jogador de futebol. Pelo menos não pela mídia. Mas mais uma vez: eu realmente estava supondo que algo ia rolar? Por que eu fazia isso comigo mesma?
Ignoraria a . Ela não seria nada útil nesse assunto. Olhei para a mensagem que eu ainda não havia respondido. Abri a foto de perfil dele. Era uma foto dele com a camisa da seleção alemã sorrindo com uma cara de moleque para a câmera. Aquele sorriso realmente tinha algo de especial. Sempre soube disso, mas nunca havia descoberto o motivo. Seria uma boa oportunidade de descobrir. Mas eu teria que me conter. Ele não poderia saber que eu tinha uma queda tão grande assim por ele. Há mais tempo do que eu gostaria de admitir, inclusive. Até porque, quando sua melhor amiga e seu irmão começam a namorar, seu programa de fim de semana é assistir jogos de futebol. Talvez eu conheça mais do esporte do que gostaria de admitir.
E então, disposta a arriscar pela primeira vez em muito tempo, respondi.
: Ok. Você mereceu. Quando a gente pode se encontrar?



That's something diferent in the air



Ele POV

A volta dos treinos me fez perceber o quanto eu era burro. Se eu tenho colegas de time que são brasileiros, porque não pedi logo para eles traduzirem o site dela para mim? Mas aí me lembrei de que, para pedir ajuda linguística para qualquer um, teria que explicar o porquê eu estava interessado em ler um site de música brasileiro, considerando que eu mal acompanhava os artistas que eu escutava. Olhar site de música? Acho que nunca tinha de fato entrado em um antes de ontem a noite. Ou seria madrugada?
Mas resolvi comentar do site. Às vezes conseguiria passar despercebido, ao menos por enquanto. Sabia que não esconderia a por muito tempo, mas nem sabia o que daria disso. Por enquanto éramos apenas estranhos que se conheceram no parque.
Cheguei no vestiário depois do treino e comentei com o Rafinha.
- Cara, eu estava procurando umas bandas na internet domingo e me deparei com um site brasileiro. Não entendi nada do que estava lá, mas tinha umas indicações bacanas. Até de bandas do seu país.
- Qual site? Eu não conheço muita música pop, mas vai que.
Peguei meu celular e abri no navegador. Merda. O site estava aberto, só que justo na parte em que tinha uma foto da .
- Tava interessado era na música Gotze?
- Velho, deve ter aberto sem querer!
- Mas ela é gata. Nada mal.
Eu devo ter ficado muito vermelho. Acho que não dava mais para fugir. Pelo menos como não confirmei nada, o Rafa ficou na dele.
- My Songs, My Live. Vou ver o que descubro para você.
Sorri sem querer nem agradecer. Qualquer coisa que eu falasse poderia ser usado contra mim. Não ia deixar começar uma fofoca quando nem tinha nada sobre o que se falar sobre. E eu sabia muito bem como os caras eram. Você dava uma brecha, e já era o mais zoado de todo o vestiário. Da última vez que um de nós começou a namorar, zoaram o ser por quase um mês.
O treino tinha sido puxado. E eu tinha agradecido por isso. Desde que encontrara com aquela garota na padaria não havia feito mais nada sem lembrar dela. Lembrar do que? Eu nem a conhecia. Mas seu rosto tinha me chamado atenção. E era raro alguém me chamar atenção assim, se é que já tinha acontecido alguma outra vez.
Fiquei mais quieto que o normal enquanto treinávamos jogadas, e isso foi o suficiente para alguns dos caras virem me perguntar se eu estava bem. Falei que sim, afinal, não tinha nada de errado. Só estava louco para chegar em casa, jogar um pouco de FIFA e dormir. Uma boa noite de sono sem sonhos. Será que era pedir muito?
Aparentemente era.
Fui dormir exausto, na esperança de que ia conseguir relaxar. E então, tudo começou de novo. O time adversário, eu sozinho no campo, estava escuro dessa vez. Enxergava ao meu redor as linhas que dividiam o meio campo, podia ver o gol. Não havia luz artificial, mas uma pequena iluminação da lua era o suficiente.
O time adversário vinha com a bola para cima de mim. Eu estava sozinho, não tinha nem goleiro no meu campo. A única coisa que eu poderia fazer era roubar a bola e atacar. Se eu ficasse parado com certeza tomaria um gol, e tinha a sensação que não estaria apenas perdendo um jogo. Não que perder um jogo fosse algo para se dizer apenas.
Corri até alcançar a bola nos pés de um dos jogadores adversários. E foi só então que percebi que nenhum deles tinha rosto. Eram todos iguais e sem rostos. Poderia ter ficado com medo, mas na adrenalina de correr pelo campo, tentei fingir que eles não era no-faces, como comecei a nomeá-los.
Depois de alguns dribles e provavelmente uma falta não marcada por um juiz inexistente, cheguei ao gol e dei o chute mais forte que eu poderia. Quando vi a bola entrando pelo canto esquerdo, ajoelhei aliviado, fechando os olhos por alguns segundos, finalmente respirando.
Abri os olhos de vagar com medo do que iria encontrar a minha volta. Estava sozinho no campo. Nem o time dos no-face estavam lá. Não havia torcida, se é que em algum momento daquele jogo tinha tido torcida. Fui andando devagar para a saída do campo e as portas que davam para o vestiário. Foi quando eu vi de longe uma figura pequena, de cabelos castanhos em pé em um canto fora do campo.
Ela estava parada com os braços ao lado do corpo, olhado fixamente para mim. Ou talvez fosse para algum lugar atrás de mim. Me aproximei dela e era como se ela não tivesse percebido a minha presença ali. Chamei seu nome, mas ela continuava sem reação, quase como uma estátua viva.
Então percebi que ela falava alguma coisa bem baixinho. Quase não abria a boca para pronunciar a palavra. E foi então que eu entendi.
-
. Repetidas vezes ela falava meu nome. Senti um arrepio e olhei para trás. O time dos sem-rosto agora não era mais um time. Apesar de estarem vestidos como jogadores de futebol, eles pareciam mais um exército. Deveria ter uns 200 deles parados na mesma posição que a e olhado diretamente para mim. Ecoado meu nome em um sussurro coletivo.
Foi então que acordei. Olhei para o lado e vi que estava em segurança de volta ao meu apartamento. Sozinho. Peguei meu celular para olhar as horas. 3 da manhã. Pensei em mandar uma mensagem para a . Não poderia ter sido aleatório sonhar com ela, ainda mais em um campo de futebol, por dias seguidos. Mas se eu mandasse uma mensagem as 3 da manhã ela poderia má interpretar.
Levantei da cama e fui no banheiro lavar o rosto. Estava mais acordado do que jamais estive, e poderia correr uma maratona. E foi exatamente isso que resolvi fazer. Não a maratona, mas sair para correr.
Troquei de roupa, peguei meu ipod e coloquei Eminem para tocar. Começou a tocar uma mais tranquila, “So far”. Era animado o suficiente e marcava um bom ritmo para correr. E então, para qualquer um que olhasse de fora, um maluco chamado começou a correr pelas ruas de Munique as 3:20 da madrugada, ignorando complemente o frio que fazia lá fora.

Eram 8 da manhã. Preparei um café, precisava ficar acordado para cumprir todos os compromissos do meu dia, apesar de ter conseguido dormir apenas as 4 da manhã, no sofá da sala, após uma corrida. Meu sonho ainda não tinha saído da minha cabeça. Não que eu achasse que ele tinha algum significado oculto, mas porque então eu não conseguia esquecer a expressão da ?
Peguei meu celular e abri o whattsap. Sei que tinha prometido que só entraria em contato com ela depois que conseguisse descobrir quem ela era. Porém, vamos ser realistas, eu jamais iria descobrir isso. Não sem a ajuda de outra pessoa e eu sentia que isso seria meio que trapacear.
Comecei a digitar uma mensagem.
Oi. Oi o que? Não fazia ideia do que falar com ela. Ou o que eu poderia fazer para convence-la a sair comigo. Travei o celular desistindo por agora. Às vezes eu precisava acordar um pouco.
Peguei a minha mochila e entrei no carro, ligando a rádio enquanto saia da garagem. Estava tocando uma melodia quase country. Eu não era bom com músicas. Geralmente escutava alguns Raps e R&B, mas fora isso só conhecia o que estava muito na mídia, como Justin Bieber. É, talvez eu conhecesse mais músicas do Bieber do que eu deveria.
Essa melodia eu não conhecia, mas comecei a prestar atenção na letra, De repente, eu estava com bastante vontade de conhecer tudo sobre música. E então veio o refrão “This is where you fall, this is when you get up, this is where it all begins”. Segurei um palavrão que deu vontade de soltar, mesmo estando sozinho no carro. Mesmo com raiva por todos os pensamentos que se passaram na minha cabeça, e principalmente, um rosto específico. Olhei de quem era aquela música, Hunter Hayes. Nome da música? This is where it all begins.
Parei em um sinal e respirei fundo. Nunca fui bom em lidar com sentimentos, ainda mais com alguém eu nem se quer conhecia. Tinha sim, a achado super gata. Ainda na padaria tudo que eu queria era saber quem ela era. E por que não, quem sabe, me divertir um pouco? Porém não conseguia tirar aquele sonho estranho da minha mente. O medo que eu senti e o alivio de quando vi o seu rosto no meio de todos aqueles no-faces.
Dei partida no carro novamente, concentrando no transito.

Cheguei no treino mais cedo do que o planejado. Ninguém tinha chegado ainda.
Sentei em um banco no vestiário, recostando em um dos armários e colocando meus pés para cima. Certeza de que brigariam por eu estar com tênis em cima do banco, mas não importei. Não tinha nenhum barulho em volta, apenas silencio. Eu odiava o silencio completo. Odiava porque se tinha silêncio, tinha o barulho dos meus pensamentos.
Peguei meu celular para me distrair um pouco. Abri o instagram e fui rolando sem de fato ler alguma coisa, de vez em quando curtindo alguma foto. Talvez eu fosse um pouco viciado nesse aplicativo.
Não sabia como funcionava esses algoritmos da internet e os conteúdos que apareciam para a gente, porque não era possível que essas coisas apareciam de uma forma tão aleatória.
Um conteúdo patrocinado do site My Songs, My Live tinha acabado de aparecer no meu feed. A foto de uma banda que não conhecia, com uma legenda em português que não fazia ideia do que estava escrito. A única coisa que entendi foi que era sobre o festival Lollapalooza.
Respirei fundo e abri o whattsapp de novo.
Depois de reescrever várias vezes, apertei enviar na mensagem que achei que seria menos problemática.
: . Eu imaginei muita coisa sobre quem você poderia ser, mas confesso que chegou bem longe do que eu pensava. Me surpreendi. Não entendi muita coisa do site, para não dizer que não entendi nada. Desculpa, eu não sei falar uma palavra de português. Mas dei um jeito de cumprir a minha promessa. Topa dar um passeio pela cidade?
No segundo seguinte os caras começaram a chegar, e eu tive que guardar meu celular e ir para o treino. Com certeza minha cabeça não ia estar nas jogadas.
Para minha surpresa, Rafinha esperou todo mundo sair do vestiário e veio falar comigo enquanto eu ainda calçava as chuteiras. Talvez pela falta de sono, estava bastante lendo hoje, e isso não era bom sinal.
- , eu não consegui descobrir nada da menina. Se ela tem alguma pagina no facebook é tão escondida que ninguém conseguiu achar. Pedi para a minha irmã procurar do Brasil.
Fui ficando sem esperanças, e me sentindo mal por ter mandado aquela mensagem. Mas por algum motivo, Rafinha achou que minha expressão era para que ele continuasse a falar, e concluiu.
- Mas descobri algumas coisas sobre o site. Ele é o maior site especializado em música do Brasil. Tem parceria com não sei quantas gravadoras, e é patrocinado pela maior e mais influente delas. Ela faz parte da empresa que geralmente leva todos os grandes shows para lá. Então não sei quem é essa menina, mas se ela trabalha para esse site, ela é alguém importante.
Logo em seguida Joseph, o assistente técnico, entrou no vestiário nos arrastando para o campo. Agora eu só poderia esperar uma resposta dela e ver no que isso ia dar.

No aquecimento eu consegui concentrar. Era fácil contar quantos movimentos você tinha que fazer, ou fazer a troca de posição com seus colegas. Correr de um lado para o outro, sem se preocupar exatamente para onde estava indo. Talvez eu conseguisse fazer um bom treino.
E então começamos a treinar pênaltis. Por que logo hoje tinha que ser treino de pênaltis?
Formamos a fila. Fiquei por último e comecei a contar quantos pênaltis eram acertados e quantos eram errados. Às vezes contar me deixava focado. Contar os segundos, contar jogadas. Mas não demorou a chegar minha vez. A bola já estava posicionada e tudo que eu tinha que fazer era chutar. De preferência, acertar o gol ou a defesa do goleiro.
Minha bola foi tão longe que ultrapassou os muros do gramado. Todos pararam o que estavam fazendo para ver onde ela ia parar, até que a perdemos de vista. Voltei andando devagar para o final da fila, o que fez o Guardiola gritar o meu nome chamando a atenção. Primeiro pelo pênalti perdido de forma estúpida, e depois por não manter o ritmo de treino.
Claramente contar não estava resolvendo. Falei que poderia ser o sono, afinal, já tinha algumas noites que não dormia. Precisava descobrir o que estava causando as minhas insônias. Precisava voltar a me concentrar no jogo, tínhamos uma semana antes da volta do campeonato, e depois ainda tínhamos Champions League e Pokal. E o time precisaria de mim em total forma dentro e fora do campo.


: Ok. Você mereceu. Quando a gente pode se encontrar?
Ainda suado e com a adrenalina do treino vi aquela mensagem. Onde a gente podia se encontrar? Onde? Eu não tinha pensado nessa parte. Poderia preparar um passeio romântico, mas algo me dizia que ela não era esse tipo de garota. Podia levar ela para jantar. Não em um lugar exatamente romântico... Mas existia jantar sem ser romântico? Não.
Precisava pensar em um passeio que chamaria sua atenção para a cidade, talvez para mim, mas que não tivesse nada de romance no ar. Poderia ter tesão, mas não romance. Eu sempre fui um cara romântico, e onde cheguei com isso? Várias decepções, algumas notícias na mídia e um bolo com a cereja de um coração partido. Não queria romance. Mas por algum motivo inexplicável, eu precisava conhecer essa mulher chamada .

Saí do treino e fui andando em direção ao meu carro enquanto escutava uma música do Steve Aoki. O boné de aba reta me disfarçava um pouco da pequena multidão que se formava ao lado do clube. Sempre tinha fãs querendo um autógrafo no final do treino.
Foi então que tive a brilhante ideia: o que lembrava a todos de Munique e que ao mesmo tempo tinha tudo a ver comigo? O time! Já sabia onde levaria a .


Só não sabia que seria tão difícil conciliar nossos horários. Quando eu estava livre do treino, ou dos jogos, ela tinha aula ou algum trabalho prático. Quase desisti da minha ideia de ir ao museu, e apenas sair com ela para tomar um café. Mas ai voltou a nevar. Foi então, que duas semanas depois, para a minha surpresa, trouxe uma solução.
: Mas não precisamos ir para nenhum lugar grande. Podemos nos encontrar naquele parque mesmo, no fim do dia...
Apesar de termos conversado pelo whattsapp por esse período de tempo, jamais achei que ela fosse querer encontrar comigo de uma forma tão simples. Tinha alguma coisa diferente nela, e eu queria saber o que era.


Ela POV

Fiquei surpresa pelo tempo que demorou a responder. Quando meu celular finalmente tocou com a resposta, tomei um grande susto considerando que estava estudando há duas horas direto sem intervalos. Estava com um fone de ouvido escutando uma playlist de Los Hermanos enquanto conjugava uns 30 verbos em alemão.
Eu era meio nerd se tratando dos estudos. Tinha a capacidade de ficar lendo sobre um único assunto durante horas sem me dar conta do mundo ao meu redor ou me distrair. Minha amiga costuma dizer que sou um ser raro para a nossa geração. Quase que uma alienígena.
Demorei a achar o celular jogado em um canto da cama. Tinham várias mensagens da porque eu não tinha respondido ela. Tinha outras mensagens da Marie, que estava finalmente voltado do feriado e queria copiar os meus deveres. Não sei porque eu deixava. Talvez minha dificuldade para me relacionar fizesse com que eu aceitasse todo e qualquer tipo de amizade. Mas isso deveria ser assunto para a terapia, o que claramente eu não tinha tempo.
Pulei todas aquelas e apensar de depois ter brigado comigo mesma por responder tão rápido, estava bastante curiosa para saber o que ele estava planejando.
: Acabei de ter uma ideia de onde posso te levar. O que você acha de conhecer um dos lugares que foi tão importante para mim nos últimos anos?
Senti vontade de xingá-lo. Para que tanto mistério? Mas eu resolvi jogar o jogo dele. Até porque, não seria uma má ideia conhecer um pouco mais das coisas por aqui.
: É uma possibilidade.
: Sério que foi tão fácil assim?
: O que você está falando de fácil, garoto? Disse que era uma possibilidade.
: Desculpa.
Me senti culpada por ter falado assim. Ele de fato não tinha feito nada de errado.
: Tudo bem. Mas então... Que dia seria essa aventura que você está me arrastando para?
: Quando você não tem aula?
: Só no fim de semana.
Ele digitou e apagou trocentas vezes. Percebi que algo estava errado. Foi então que me lembrei que ele era um jogador de futebol. Lembro de ter visto meu primo falar de jogos nos sábados e domingos. Provavelmente seriam nesses dias que ele estava mais ocupado. E ansioso. Eu pelo menos ficaria bastante ansiosa se soubesse que tinha gente do mundo inteiro me vendo fazer o meu trabalho ao vivo. A é, tinha gente do mundo todo me vendo fazer meu trabalho. Às vezes, ao vivo.
: Mas não precisamos ir para nenhum lugar grande. Podemos nos encontrar naquele parque mesmo, no fim do dia...
Sabia que estava cedendo às vontades dele. Sabia que se fosse qualquer outra pessoa, poderia ignorar e seguir adiante. Mas por algum motivo inexplicável, ele era a primeira pessoa com quem eu conversara que não tinha intenção de usar a minha influência no site, seja para divulgar o trabalho ou apenas se gabar.
Pela primeira vez em muito tempo, era alguém com quem talvez eu pudesse de fato conversar. Poderíamos ser amigos. Meu primeiro amigo potencialmente verdadeiro a milhares de quilômetros de casa. Eu estava em um país estrangeiro, sem ninguém com quem dividir meus pensamentos a não ser eu mesma.
Nunca gostei de conversar pela internet. Sabia que era um meio necessário, mas achava vazio. Sentia falta de olhar nos olhos das pessoas, sentir um calor humano. Sei que há poucos dias estava na casa da minha tia, mas por mais que adorasse a minha família, a relação de amizade era diferente. Talvez eu poderia encontrar em um sentimento de conforto para me manter aqui nos próximos meses.
: Se isso não fizer de mim a pior pessoa do mundo para criar primeiros encontros, eu topo.
: E se a gente não tratasse isso como um encontro? Somos apenas duas pessoas se encontrando em um parque.
: Em quanto tempo você consegue chegar lá?

Fazia bem mais frio do que o último dia que tinha vindo até aqui. Talvez porque já era fim de tarde e estava começando a nevar. Apesar de já estar há um bom tempo na Alemanha, meu termostato ainda era brasileiro. Por isso saí de casa com duas calças (uma própria para neve que havia comprado assim que cheguei aqui), dois moletons, um casaco de couro e uma toquinha da Grifinória, finalizando com uma botinha de couro sob uma meia de lã.
O parque era mais longe do dormitório do que eu pensava, por isso acabei pegando um ônibus. Como sempre fiz, vim escutando música. Minha playlist era bastante variada, mas esse tempo frio me fazia escolher músicas mais alternativas. Era ruim quase não ter com quem conversar na minha língua nativa, por isso eu estava escutando muitas músicas brasileiras. E não sabia que conhecia tantas!
Cheguei no parque e foi caminhando lentamente para o mesmo banco que havia me sentado no dia que conheci o . Supercombo tocava nos meus fones de ouvido uma música que me trazia várias memórias, mas hoje eu já tinha feito paz com elas. “Piloto Automático” era uma das minhas músicas favoritas, a letra dela retratava bastante boa parte dos meus sentimentos. A luta diária para tentarmos ser nós mesmos, e às vezes, chamar a atenção de uma única pessoa nesse mundinho.
Sorri ao pensar na ideia. Meus olhos encheram de lágrimas como sempre faziam ao lembrar de tudo que eu havia passado para chegar até ali. Todas as bandas que havia entrevistado, todas as aulas, o tanto que havia aprendido. E é claro, todos os corações partidos que havia deixado para trás. O meu e o de algumas outras pessoas. Odiava pensar nessas coisas.
Cheguei na pequena clareira que dava para a área deserta do parque, como havia chamado. Ele estava sentado no mesmo banco, vestia uma calça de moletom preta, assim como um casaco de gola alta com o símbolo do time de futebol em que jogava, assim como um headphone colorido. Estava de cabeça baixa e por isso não me viu chegando.
Foi a minha vez de sentar do seu lado e esperar que ele percebesse. Bom para ver como era legal assustar as pessoas de fone de ouvido.
Ficamos apenas sentados um do lado do outro, sem falar nada. Apesar sabendo da presença um do outro, olhando para um mesmo ponto no chão.
Aos poucos o crepúsculo ia dando lugar para uma noite escura. O poste de luz mais próximo fazia apenas sombras das árvores de onde estávamos. Mas por mais que estivesse em um lugar deserto, eu me sentia segura. Gotze tinha uma energia que me trazia segurança, familiaridade, apesar de não o conhecer. Apesar do que tinha acontecido no final da Copa do Mundo no Brasil.
- Você sabia que a gente já tinha se visto antes?
Não sei porque quis começar por aí. Ou porque toquei nesse assunto. Ele colocou os headphones no pescoço. Me olhou sem sair da posição em que estava, com os cotovelos apoiados nos joelhos. Eu estava recostada no banco de forma que nossos olhares se cruzaram sem muita dificuldade.
- What? – Perguntou com o sotaque que tinha ao falar inglês. Sorri ao perceber isso, mas logo voltei meu olhar para o mesmo ponto no chão.
- Quando vocês ganharam a Copa. Eu estava na área de imprensa depois do jogo, fui te pedir uma foto e você fingiu que não me viu.
Ele se endireitou no banco e franziu a testa.
- Eu não lembro... aquele dia teve momentos que eu lembro como se tivesse acontecido ontem, e tem coisas que são apenas um borrão. A área da imprensa é uma delas. Fiz o gol do título e todo mundo queria conversar comigo, e tudo que eu queria era comemorar com meus amigos.
Ele parou por um tempo olhando para o ponto no chão. Colocou uma das mãos atrás da cabeça e olhou para mim sem graça.
- Me desculpe. Não foi intencional. Juro.
Ficamos nos olhando por um tempo. Até que eu entendi que tinha nutrido uma raiva sem sentido por um bom tempo. De fato, aquele dia tinha sido uma confusão no estádio. Só tinha ido até lá porque meu “chefe” teria um outro compromisso e pediu para eu fazer umas fotos dos bastidores. E apesar de não gostar muito de futebol, era uma final de Copa do Mundo no Brasil, e falar que fui ao evento para fotografar não só entraria para o meu currículo, entraria também para um dos momentos mais marcantes da minha vida.
E quem diria que quase dois anos depois, aqui estaria eu conversando com o autor do gol do título da Alemanha, mesma seleção que deixou marcado o 7 a 1 na seleção canarinho.
Como estava muito quieta relembrando daquele dia, me deu uma cutucada na costela me trazendo de volta a realidade. Fechei a cara para ele me fazendo de brava, quando na verdade eu não estava.
Ele sorriu. Ou melhor, ele riu da minha reação. Aquela risada ecoando pelo parque, me fazendo começar a rir junto, mesmo sem saber o motivo de tanto riso.
Após algum tempo e alguma dor na barriga, paramos de rir e voltamos ao silencio inicial. Agora eu tinha um sorriso discreto no rosto. Certeza que eu ia me odiar por esse sorriso.
Recostei minha cabeça em seu ombro. Estava começando a esfriar demais.
- Quer ir para um lugar fechado? – Ele percebeu meu arrepio.
- Onde você sugere?
- Não sendo em nenhum lugar lotado, pode escolher. E antes que você venha falar que estou dando em cima de você descaradamente, eu só não quero que ninguém me reconheça. Não quero mídia em cima de algo que nem sei o que vai ser.
Assustei com esse comentário. Quem ele achava que era para já supor que eu daria uma chance para ele só porque era jogador de futebol? Me levantei do banco, claramente chateada e saí andando.
Ele percebeu que havia ficado brava, apesar de não ter feito uma cara de quem não entendeu nada.
- Ei, , espera ai. Eu falei alguma coisa errada?
- Não. Você só fez o que todo cara que tem uma pequena fama faz: supõe que eu vou ficar com você só porque é famoso.
- Pera aí! Eu não falei nada disso! Só disse que não queria nenhuma mídia atrás da gente.
- Claro! E logo em seguida supôs que poderíamos ter um relacionamento. Desiste . Ao contrário de todas as outras que você sai pegando por ai, eu conheço gente famosa. Sei quando o cara está usando a sua fama só para tentar ficar comigo.
- Menina, você é mesmo muito petulante! To aqui tentando te proteger para você não sair na capa de todos os jornais amanha de manhã e você vem com sete pedras para cima de mim.
Foi a vez dele ficar bravo.
Nos encaramos por um tempo, até eu perceber que deveria ter seguido o meu primeiro instinto.
Fui embora sem olhar para trás. Segurando lágrimas que eu nem sabia o motivo delas. Não é como se fossemos próximos ou algo assim.
Quando me dei conta já tinha chegado ao dormitório andando. Não senti o frio de -5º e nem mesmo o caminho. O alojamento não era tão longe assim do parque, afinal. Pelo contrário, era bem mais perto do que eu imaginava.



Comunication



Ele POV

Fiquei parado esperando ela ir embora. Sabia que tinha falado algo muito errado, mas não consegui me segurar. Eu não a conhecia. Não poderia pré-julgar as coisas que ela havia vivido. Assim como ela não poderia fazer isso comigo. E acabei não descobrindo o que havia de diferente, além de um brilho em seus olhos que não estavam ali há semanas atrás.
Era esse o maior problema de pessoas que estava acostumadas a viverem na mídia: tínhamos a falsa impressão de que todo mundo nos conhecia, mesmo tendo a certeza que ninguém sabia quem éramos de verdade.
Quando a perdi de vista, retornei o meu caminho secreto pelos fundos do parque. Fazia o caminho inverso do dia em que havíamos nos conhecido. Não podia deixar de sentir que era o fim de um ciclo, por mais que aquilo nem se quer tinha começado. Mas ao mesmo tempo, sabia que ainda encontraria com ela.

Tinha deixado meu carro um pouco distante do parque. Geralmente eu viria a pé, porém sabia que ia esfriar. Eu teria jogo daqui a poucos dias, e por mais que ainda não fosse uma certeza que eu ia jogar, não poderia ficar doente.
Mal entrei no carro e meu celular tocou. Era meu agente. Estranhei porque ele não costumava me ligar tão tarde. Sempre deixamos para resolver as coisas durante o dia, a não ser que fosse algum escândalo de mídia. Será que alguém tinha me visto com a ?
- Alô
“Fala grande ! Como vão as coisas?”
- Bem. Algum problema Mr. Marx.
“Problema exatamente não. Mas precisamos conversar sobre seu contrato. Para onde você está pensando em ir na próxima temporada?”
- Como assim para onde? Vou ficar no Bayern.
Eu sabia que essa temporada não estava sendo uma das melhores para o meu lado. Mas eu amava esse time, a torcida, as vibrações que sentia no campo. Não era a mesma coisa de estar defendendo a seleção, mas duvidava que em algum outro clube fosse ter o mesmo sentimento.
“Você tem certeza? Porque acho que devemos olhar algumas opções.”
Depois da conversa com a , de um dia longe de treino e algumas noite mal dormidas com pesadelos, meu futuro depois dessa temporada era a última coisa que eu poderia querer discutir agora.
- Cara, eu não to com cabeça para isso hoje.
, temos que conversar sobre isso. Não sei se ficar no Bayern seja uma ideia. Há a possibilidade de ir para o Liverpool. O que você acha de jogar na Inglaterra?”
Todo jogador tinha o sonho de jogar em outro país que não o seu. Eu poderia até vir a fazer isso, mas não estava sentindo que tinha chegado a minha hora. Ou se, se quer algum dia iria chegar.
- Olha Marx, analisa o que você quiser. Eu já dei o meu veredito. No momento eu só quero chegar em casa e dormir.
“E onde você está que não em casa? Não vai me dizer que está indo para uma balada no meio da semana.”
Sempre o controlador Marx.
- Não. Estava dando uma volta no parque para esfriar a cabeça. Mas parece que nem assim deu certo né?
Desliguei a cara dele. Lidaria com sua ira depois. Agora eu só queria chegar em casa e fazer maratona de alguma série. Ainda tinha alguns episódios da 3ª temporada de House of Cards para assistir e logo mais a 4ª estreia.
Em seguida desliguei o celular e joguei de qualquer jeito no banco do carro.
Não queria falar com ninguém.
Dirigi devagar pelas ruas de Munique. Liguei a rádio para ocupar a minha mente. Tocava uma música do Magic! que eu não parava de escutar. Por incrível que pareça, eu gostava de algumas músicas deles. Algo me dizia que a não aprovaria isso.
Me odiei por ter pensado nela, mas era involuntário. Tudo que tivesse música eu faria relação com ela agora. Era inevitável.

Dirigir melhorava um pouco do meu humor. Não era a mesma coisa de correr ou pedalar, mas era melhor do que nada.
Já conseguia pensar um pouco mais racionalmente quando cheguei em casa, mesmo que a vontade de deitar no sofá e assistir uma série continuava.
Ainda tinha um resto das comidas que minha mãe tinha me feito trazer das festas de final de ano. Não estava exatamente com fome, mas ser um atleta de alta performance te fazia querer comer mesmo sem estar com vontade.
Coloquei uma sopa de batatas para esquentar no micro-ondas enquanto trocava de roupa. Vesti uma calça velha da adidas que tinha ganhado em alguma temporada para trás, e um moletom cinza que nem sabia se tinha marca.
Sentei no sofá e liguei a série.

Devo ter pegado o celular do carro, para a minha sorte. E meu vício (que existia, por mais que eu não quisesse admitir), havia me feito ligar o telefone. Acordei sem saber onde estava com o barulho do despertador.
Tinha esquecido completamente que tinha treino hoje. Por sorte, sempre fui uma pessoa diurna. Logo já estava a caminho.

Por conta do frio, acabamos não fazendo treino com bola, apenas musculação.
Agradeci mentalmente, porque assim não precisaria encarar o Guardiola. Eu sabia que boa parte daquela conversa do Marx tinha influência do técnico do Bayern de Munique.
Nessa temporada haviam sido poucos jogos que eu participara. Me sentia subutilizado, mas confiava que o técnico estava tentando fazer bem para o time. Principalmente após a minha lesão no final de novembro. Mas ainda tinha alguns meses para mostrar serviço. Voltara aos campos após o recesso, ainda precisava recuperar.
Outra ilusão do mundo futebolístico: você ser campeão do mundo, e principalmente, o autor do gol do título, não te trazia privilégio nenhum. Muito pelo contrário. Você acabava recebendo ainda mais críticas quando não estava em um dia bom.
Eu gostava de malhar, mas estava precisando de um pouco de ação. Por isso que odiava o inverno. Ou melhor, odiava a neve.

Sai do treino e resolvi que ia tentar dar uma volta de bicicleta. Tinha parado de nevar, talvez conseguisse uma pista mais seca.
Mal cheguei em casa e meu celular apitou.
Foi só então que me lembrei da noite passada. Não da conversa com o Marx, isso tinha ficado na minha cabeça o dia inteiro. Mas de antes. Dos minutos que eu tive de felicidade que foram rapidamente tirados de mim.
: Desculpa. Acho que exagerei. Será que ainda podemos ter aquele encontro? Você não me falou qual era esse lugar tão misterioso.
Pensei em tortura-la. Fingir que não vi. Ignorar. Ela havia me tirado do sério. Em um momento que eu estava precisando de calmaria, ela havia soltado o verbo quando tudo que eu queria fazer era protege-la. Mas eu era eu. E nunca soube ficar com raiva das pessoas por muito tempo, pelo contrário, eu era o otário que sempre perdoava todo mundo. Ainda mais quando era uma garota com um sorriso tão bonito.
: Tudo bem. Podemos começar de novo?
: Podemos? Eu que estava errada.
: Por mim tudo bem.
E então fiquei encarando a tela do celular. Tive a sensação que ela ficou do mesmo jeito, sem saber o que falar.
: Eu estou saindo agora para andar de bicicleta. Quer me acompanhar?
Quando vi já tinha enviado aquela mensagem. Coloquei o celular de lado com medo da resposta, e comecei a preparar algo para comer.
: Pode parecer maluco, mas duas coisas. Primeiro, eu não sei andar de bicicleta. E segundo, não está frio demais para sair de debaixo das cobertas????
Li sua mensagem pela tela do celular, sem desbloqueá-lo e comecei a rir. Por sorte eu morava sozinho, se qualquer um me visse agora teria a total certeza que eu havia enlouquecido. Tinha conseguido visualizar a cela dela debaixo do edredom, deitada na sua cama do dormitório mexendo no celular. Gostei da imagem mental.
Fazia 10º lá fora. Para a época, estava quase calor.
: Bem, a primeira parte podemos dar um jeito. Mas pera, como assim você não sabe andar de bicicleta???? O que vocês fazem quando crianças no Brasil????
: Bom, as outras crianças eu não sei, mas eu ficava em casa assistindo desenho animado e lendo. Nunca fui muito de atividade física.
: Que menina preguiçosa! Temos que mudar isso senhorita.
Eu ri da minha própria piada. Isso estava ficando ridículo!
: Okay. Vou pensar no seu caso. Mas de qualquer forma, agora não posso. Estou entrando numa aula. Quer encontrar para tomar um café mais tarde? Eu estou precisando de alguma coisa quente e não tenho mais nada no meu dormitório.
: Me passa o endereço e a hora que te busco.
Quando vi, já tinha marcado de encontrar com ela de novo. Certeza que era o maior número de encontros que eu tinha com uma mulher sem estar dormindo com ela. Ela de fato tinha algo diferente, e a cada dia que passava eu só queria descobrir mais o que era.
Troquei de roupa e peguei minha bicicleta. Sai de casa enquanto tocava um dos remix que eu tinha para atividades físicas.

Ela pov

Depois da briga no parque eu tinha ficado mesmo chateada com ele. Não queria mais saber desse cara chamado . Cheguei em casa e sentia calor. Andar com roupas de frio não havia sido uma boa ideia.
Tomei um banho correndo, pois meu corpo esfriou e fazia frio de novo. Acho que nunca mais ia reclamar de tomar banho no frio no Brasil. E talvez a minha visão romântica do frio também estava indo embora. Rapidamente vesti meu pijama de moletom e deitei na cama debaixo do edredom. Passado a agonia do frio, voltei a sentir raiva dele.
Eu tinha proposto de nos encontrarmos, e agora me sentia uma burra por isso. Cedi rápido demais e agora ele achava que poderia usar sua fama para me conquistar. Isso não colava comigo, querido.
Rolava a barra do facebook, sem de fato ler nada. Vi um post dele. Era propaganda de alguma marca ou coisa relacionada ao time. Nem lembrava quando havia seguido seus perfis na internet, era um segredo meu. Talvez eu fosse um pouco mais fã do que queria admitir, e isso que doía mais. Sempre fiz de tudo para manter relações extremamente profissionais com meus ídolos, mas eu trabalhava com música, não futebol. Não estava preparada para conhecer assim um dos caras que eu secretamente admirava.
Eu já estava dormindo quando escutei a porta do apartamento se abrir. A faculdade dividia os alunos em apartamentos. Eram pequenos, mas tinha uma cozinha e duas suítes. Eu dividia um com a Marie, uma francesa que havia vindo para a Alemanha apenas para conhecer, mas como sua família não aceitava que ela viajasse, arrumou esse curso como desculpa.
No meio da confusão, nem lembrei que ela voltava hoje do recesso, apesar de já ter quase um mês de aula. Vi que havia acendido a luz do corredor, geralmente não me importava, mas minha porta estava aberta. Senti uma pontada na cabeça. Tudo que eu precisava era uma dor de cabeça por ter dormido chorando. Da última vez que eu chorava por outra pessoa... Vamos deixar isso quieto.
Levantei e fui até a cozinha tomar uma aspirina.
- Bonjour! Mas na verdade, o que você está fazendo acordada ? – Ela falou em inglês com sotaque frances. – Espera, você estava chorando ?

Nunca fui acostumada com as pessoas percebendo minhas emoções, da mesma forma que também não percebia a dos outros. Sempre fui muito proxima do meu irmão, e a era a versão feminina dele, ambos sempre foram muito práticos. Aprendi a ser assim, e a evitar todo e qualquer sentimento. Marie ter percebido que eu havia chorado, era uma coisa completamente nova para mim.

- Não foi nada. Estava assistindo a um filme.

- Primeiro : você não chora atoa, e segundo, você não chora assistindo filmes. O que aconteceu enquanto eu estava fora ?

Peguei um copo d’água e a aspirina enquanto ela ainda estava parada no meio da cozinha me observando. Olhei as horas no celular, eram 2 e meia da manha. Zero mensagens. Porque eu queria que tivesse alguma mensagem ali ?

- Talvez, mas só talvez mesmo, eu possa ter conhecido um jogador de futebol campeão do mundo. - Falei rápido demais, de uma vez, na esperança dela não entender nada do que eu tinha dito. Não sabia porque tinha falado com ela, talvez eu só precisasse de uma amiga naquele momento.

Olhei para ela, que continuava na mesma posição no meio da cozinha. Porém agora me encarava com a boca aberta.

- VOCÊ O QUE? QUEM?

- . - Embolei mais uma vez sem saber se eu queria contar qualquer coisa, mas já falando.

- AQUELE GOSTOSO QUE FEZ O GOL DA COPA DO MUNDO?

- O próprio. - Olhei para meu copo vazio na bancada.

Marie chegou perto de mim e me virou para encará-la. Eu nem sabia que ela tinha alguma noção de futebol. Ia perguntar isso, mas ela logo me cortou.

- Me diz que você deu uns pegas nele. Por favor!

Foi a minha vez de olhar para ela com cara de espantada.

- Ta louca! A gente se encontrou em um parque, e foi isso! Conheço gente famosa o suciciente para não me jogar para cima de qualquer um conhecido pela mídia que aparece por ai.

- Tudo bem, subcelebridade brasileira. Desculpa se você conhece o vocalista do Nickelback - levantei o dedo para dizer que eu não conhecia o Chad Kroeger, mas ela continuou - mas ainda assim, custava conversar com o moço?

- Mas a gente conversou. Na verdade trocamos Whatsapp e nos encontramos de novo. Mas ai ele propos de irmos para um lugar fechado que não teria muita gente, e eu já logo assumi que ele só queria outras coisas quando eu só queria conversar.

Olhei para ela quase chorando de novo. Deveria estar de TPM, não era possível a quantidade de lágrimas que eu havia derramado por uma coisa boba.
- Você. Tem. O. Numero. De. Telefone. Do. . . E. Está ai chorando por uma dificuldade de comunicação. Aliás, para quem se diz ter um diploma nessa área você está bem ruizinha no processo ein?

Não entendi nada do que ela tava falando. Ela foi até a geladeira e pegou uma vasilha com morangos e foi se sentar no sofá na nossa sala de TV improvisada. Na verdade, quase não ligavamos a TV. Sejam bem vindos a era Netflix.

- É bem simples pretty moon, ele deixou explicito onde queria te levar?

- Não... Na verdade ele só disse que queria evitar a mídia...

- Então você foi logo supondo que ele queria outras coisas além de conversar?

- Talvez...

Já sabia muito bem onde ela estava me levando, e agora eu estava era com raiva de mim mesma. Me sentindo a pessoa mais estúpida desse mundo.

- Você tem que ligar para ele e pedir desculpas.

Olhei assustava. Jamais ligava para ninguém. Ninguém mesmo! Eu tinha uma pequena fobia por telefones e dava graças a Deus por terem inventado o Whatsapp.

- Então pelo menos manda uma mensagem para ele e se desculpa. Assim você tira um pouco esse seu peso na conciencia!

Ela estava certa e eu sabia. Odiava brigar com as pessoas, independentemente de quem elas fossem. O mínimo que eu podia fazer era me desculpar com ele. Mas agora era de madrugada, e depois de tirar esse peso da conciencia meu sono havia chegado com toda força.

- Faço isso amanha. Agora eu só preciso de dormir - disse bocejando.

- Vai lá e por favor, não deixa esse gostoso passar se não eu vou dar um jeito de ir atras dele.

Eu ri já entrando no quarto e sabendo que, conhecendo a Marie, essa não era uma ameaça vazia.


Acordei um pouco melhor. Tanto da dor de cabeça, quanto emocionalmente. Só teria aula na parte da tarde, então me dei o direito de ficar na cama por mais algumas horas. Marie não levantava antes da uma da tarde, então teria a manhã para mim. Abri o celular para checar as redes sociais. Sempre fazia isso, mas estava começando a ir primeiro nas redes do . Mesmo tendo apenas as redes sociais profissionais dele ( se é que ele tinha alguma pessoal, fiz anotção mental para perguntar para ele depois), mas não tinha nenhuma atualização.
Levantei quando já não aguentava ficar na cama.
Peguei o ipod e o fone de ouvido. Estava com uma vontade enorme de escutar Ed Sheeram, aquele ruivos maravilhosos como diria a . Coloquei "Don't" para tocar e fui preparar um café da manhã reforçado. Há tempos que não sentia tanta vontade de comer.
Fiz um café e um pão na frigideira. Sentei no banco que dava para a bancada, e abri o wattsap. Queria muito conversar com a . Talvez agora, depois do susto, eu conseguia a minha amiga racional e não a fanática por futebol. Porém olhei o relógio, ainda eram umas 7 da manhã no Brasil, mandaria uma mensagem que queria falar com ela. Em algum momento ela me responderia e me chamaria no Skype.
Me senti sozinha novamente. Geralmente não me importava com a solidão, mas senti uma vontade enorme de conversar com o . Mesmo sem saber se estávamos bem. Eu ainda devia a ele um pedido de desculpas.
Abri a tela do celular na conversa dele. Mas a coragem não veio. A foto dele ainda era a mesma. Aquele soriso. Resolvi deixar para mais tarde e fui no mercado comparar algo para fazer de almoço.


Estava prestes a entrar em uma aula, mas ainda não tinha mandado mensagem para . Passei o dia pensando naquilo, e a culpa estava me consumindo. E, sem pensar demias, enviei.

: Desculpa. Acho que exagerei. Será que ainda podemos ter aquele encontro? Você não me falou qual era esse lugar tão misterioso.
Não demorou e veio a resposta. Sorri com a ideia de passear de bicicleta com ele pela cidade. Mas ao mesmo tempo, comecei a pensar no que ele tinha falado, sobre a mídia. Eu conhecia a mídia melhor que qualquer um, e sabia que ele estava certo: quanto menos visibilidade conseguíssemos atrair para nós, melhor seria. Mais livres seríamos.
Pensei em quantas coisas a mídia já havia publicado sobre ele que não era real. Isso era uma das coisas que sempre tomei cuidado de falar no site. Raramente falávamos de relacionamentos de artistas, e quando falávamos, esperávamos declarações oficiais. Eu particularmente não gostava desse tipo de conteúdo, não é porque o trabalho da pessoa trás visibilidade, que sua vida amorosa e demais relacionamentos se tornam públicos. Mas infelizmente, eram os mais acessados. Pelo menos no Brasil, fofoca era uma das coisas que mais atraiam a mídia.
Passei para a hora que minha aula acabava e o endereço do curso. Logo em seguida comecei a ficar ansiosa. Certeza que essa aula e nada para mim seria a mesma coisa, então comecei a pesquisar sobre ele na internet. Talvez teria algum assunto para perguntar.



Coffe?



Ele pov
Cheguei perto do curso da e fiquei estacionado um pouco distante. Mandei uma mensagem para ela avisando onde estava e qual era meu carro. Já estava escuro quando ela finalmente saiu na porta, carregando alguns livros e a mochila azul. Sai do carro e dei a volta para recebe-la e colocar seus materiais no porta malas.
- Oi - Ela chegou sorrindo.
- Olá.
- Então, para onde vamos?
- Acho que o lugar que você quer tanto descobrir, está fechado a essa hora. Mas como prometido, vou te levar na minha cafeteria favorita.
- Oba! Estou necessitando de uma bebida quente. - Ela disse esfregando uma mão na outra enquanto sorria. Acho que eu estava começando a entender essa mulher.
Mal liguei o carro e ela já começou a mexer no som.
- Desculpa, eu tenho mania de mexer em qualquer som de carro, tanto para conhecer o gosto musical do motorista, quanto pelo meu vício musical de sempre conhecer coisa nova.
Eu ri. Ela era adorável!
- Tudo bem. E ai? Aprovado?
- Não.
Olhei para ela sem entender. Ela começou a rir da minha cara de assustado.
- Desculpa, é que você escuta muita coisa que nunca ouvi falar.
- Sério? Achava que jornalistas de música conheciam todas as músicas do mundo.
- Primeiro: eu não sou jornalista. Segundo: Acho que isso é meio impossível.
Ela riu. Ou melhor, gargalhou, fazendo com que o som no carro ganhasse um tom muito mais bonito do que a música.
- Tudo bem. Pode deixar, vou te mostrar tudo que toca aqui nas rádios.
- Vou adorar!
Trocamos um olhar cúmplice. E mais uma vez, eu vi aquele brilho diferente em seu olhar. Alguma coisa tinha sim mudado, e eu não tinha certeza nem se ela sabia o que era.
Estacionei o carro na porta do café. A fachada era rústica e tipicamente alemã. Nessa hora eu sabia que vinham poucas pessoas, então mesmo que eu fosse reconhecido, havia grande chance de ser deixado em paz.
Ela vestia a mesma jaqueta marrom do dia que a encontrei na padaria, mas hoje usava um gorro azul. Fiquei parado a observando analisar o lugar.
- Acho que nunca estive em um lugar tão alemão.
- Ótimo! Era essa a minha intenção.
Entramos e escolhi uma mesa mais ao canto. Ao fundo, tocava uma música que lembrava o clima medieval. Pensei que não podia ser melhor.
Ela pediu um chocolate quente e eu, um café. Não sei se deveria tomar café a essa hora, considerando que assim que chegasse em casa, precisaria de dormir. E algo me dizia que isso não aconteceria tão cedo.
Ela me olhou com um olha desconfiado, e eu tinha certeza que ela não estava demonstrando tudo que passava em sua mente.

Ela pov
Estar com me fazia sentir em casa como há muito tempo não sentia. O que era bem estranho, considerando que nem se quer o conhecia de verdade. E ali, naquela mesa em um café no centro da cidade, ele não parecia um campeão do mundo. Parecia apenas um cara da minha idade, disposto a fazer amizade com uma estrangeira perdida em seu país. Sem querer eu sorri e desviei o olhar.
- O que foi?
- Nada.
- Você estava rindo sozinha, não pode ser nada.
- É que, por um momento, pareceu que você não era famoso, e eu não era uma estrangeira perdida.
- Como assim? - Ele franziu a testa me olhando com mais atenção. Droga, não estava acostumada com as pessoas me olhando assim.
- É que... Vou admitir. Pesquisei sobre você na internet. Mas antes que você me julgar, vou explicar. - Ele ficou mais sério e fiquei com medo de ter feito algo bem errado - No meu site, eu sempre tomo cuidado com o tipo de fofoca e notícia da vida pessoal dos artistas que vamos publicar. Não gosto. Mas infelizmente, é o que tem maior número de acessos. Pensei que, com você poderia ser a mesma coisa. E quis fazer uma pequena lista de tópicos, como um jogo, para a gente se conhecer de verdade, não apenas o que está nas páginas de internet.
- Entendi. É uma ótima ideia. Mas, a cada coisa que você me perguntar, também tenho o direito a uma pergunta.
Ele apontou o dedo indicador na minha direção, já voltando a postura brincalhona. Eu sorri.
- Não imaginava de outra forma.
Nesse momento nossos pedidos chegaram, e levei um tempo tomando um gole do chocolate quente. Precisava me aquecer. Apesar de ter aquecedor na loja, o frio ainda continuava. Ou pelo menos, eu sentia aquele frio.
Olhei para o analisando. Ele vestia uma camiseta preta e um casaco de couro por cima. Usava um boné de aba reta que, pelo que eu vi nas fotos, era sua marca registrada. Mas por mais estranho que fosse, esse acessório que eu costumava achar ridículo, ficava simplesmente maravilhoso nele. Estava começando a pensar se tinha alguma coisa que ficaria feio nele, e estava prestes a admitir para mim mesma que teria que dar o braço a torcer e concordar com a e a Marie: ele era mesmo muito gostoso. E estava ali conversando comigo. Meu Deus!
- Então, você começa ou eu começo?
- Pode começar, já que a ideia foi sua.
- Como é ser garoto propaganda de tantas marcas?
Ele começou a rir muito, quase gargalhar.
- Eu estava aqui esperando algo super constrangedor e você me solta essa?
Foi minha vez de rir.
- Bem, eu queria saber! Para quase todo canto que eu olho, eu vejo seu rosto ou de algum de seus colegas de time. É bizarro! Parece que vocês não existem. Como é isso?
- Bem, nós temos patrocinadores. Tanto o time, quanto os jogadores, assim como a seleção. E alguns desses patrocinadores pedem para sermos a cara de algumas propagandas. É por isso que as vezes você vê o rosto de alguns e outros não. Mas com o time, está no nosso contrato o uso de imagem. Sempre que tem qualquer evento, seja de divulgação ou alguma outra ação e a diretoria pede que participamos, bem, não pedem exatamente.
- Entendi. Deve ser meio bizarro ter seu rosto espalhado pela cidade.
- Acho que já me acostumei. Mas, agora é minha vez. Por que Alemanha?
Demorei um pouco para entender a pergunta dele. Mas entendi o ponto, por que de todos os lugares do mundo, eu tinha escolhido vir para cá.
- Não sei. Eu precisava sair do Brasil, conhecer alguma coisa nova. Me distanciar um pouco do mundo da música, principalmente do cenário nacional. Tinha família aqui, pareceu lógico.
- Mas não tinha nenhum outro lugar que você quisesse conhecer? Você poderia ir para qualquer lugar do mundo.
- Até tem outros lugares que quero conhecer, mas achei esse curso. E algo me dizia que eu precisava vir para cá.
- Vai ver que era para me conhecer. - Ele deu uma piscadela enquanto tomava um gole de seu café.
Apenas levantei uma sobrancelha e cruzei os braços, fingindo que tinha ficado chateada com o comentário.
- Ei, eu estava só brincando.
Eu ri voltando a posição de antes, apoiada na mesa.
- Eu também.
Nos olhamos por alguns instantes quando eu continuei.
- Como é ser campeão do mundo? Defender o seu país numa competição internacional. E sem os clichês que aparecem na mídia, por favor. Devo ter lido uns 30 artigos com a mesma fala.
- Então vou te decepcionar, porque não sei se tenho uma coisa diferente para falar. Defender o seu país, ganhar um campeonato como a Copa do Mundo, é algo simplesmente indescritível! Não sei expressar em palavras aquele sentimento. Mas pensa assim, você é apaixonada por uma pessoa durante toda a sua vida, faz de tudo para poder ficar ao lado dela, e então, vocês finalmente ficam juntos. E ai, todos os seus amigos, familiares e até quem você não conhece, começa a gritar e comemorar com você. A sensação é próxima a essa. Não sei se vou conseguir descrever de outra forma.
- Acho que não vou entender nunca então.
- Por que?
- Nunca me apaixonei. Não desse jeito.
Ele ficou calado. Não sabia o que dizer, e nem eu. Me senti idiota por ter dito isso. Resolvemos pedir algo para comer, estava mesmo com fome. Pedi um sanduiche que tinha certeza que não daria conta de comer inteiro, e ele se assustou.
- O que foi? Eu to com fome!
- Desculpa, é que as mulheres com quem eu saio geralmente não são tão a vontade com comida.
- Querido, elas que são burras, não rejeito comida de jeito nenhum.
Ele riu e então voltamos a conversar de outros assuntos. Não estávamos mais no esquema de pergunta e resposta, começava a fluir, como uma conversa normal deveria ser em um primeiro encontro. Apesar de não ter certeza se isso era um encontro, ou só dois amigos tomando um café.
Não sei como, mas começamos a falar de futebol, e então ele falou uma coisa que achei tão diplomático e fofo ao mesmo tempo.
- Desculpa pelo 7 a 1.
- Oi? Cara, duas coisas: primeiro, você não tem que pedir desculpas. Se eu tivesse no lugar de vocês naquele jogo, eu tinha feito uns 20 a 1. Vocês foram muito educados a não atacar mais no segundo tempo. O sexto ou sétimo gol, não lembro, que foi do Schurrle, foi uma coisa tão ridícula que eu fiquei rindo por meia hora. Ele parado com a bola na pequena área, com vários jogadores do Brasil em volta, incluindo o goleiro, e ninguém fez nada a respeito. E segundo, eu já estava torcendo para vocês desde o início. Vocês mereceram ganhar. E essa sensação que você descreveu, vou te dizer a do outro lado. Quando você fez aquele gol na final, já na prorrogação, eu comecei a gritar sem parar, de alívio por não termos uma Argentina ganhando em nosso país. Quase fui expulsa da sala de imprensa.
Ele ficou olhando espantado. Até que eu assimilei tudo que tinha falado, talvez com uma emoção um pouco mais acerbada para quem se dizia não se importar com o esporte.
- Então você gosta sim de futebol!
- Já te falei, um irmão e uma melhor amiga viciados. Não vou dizer que tenho ídolos, mas já assisti alguns jogos.
Agora ele estava de boca aberta olhando para mim sem acreditar. E então eu comecei a ficar vermelha, ele sorriu e pegou na minha mão que estava recostada ao lado da minha xícara vazia. Aquele toque me fez sentir milhões de choques pelo braço, pelo corpo. Estava começando a odiar me sentir assim, nunca havia me permitido e eu tinha certeza que ia dar errado.
- Você fica mais incrível a cada segundo que eu te conheço.

- Está ficando tarde. Acho bom irmos. Não que eu não esteja gostando da companhia, pelo contrário, mas infelizmente amanhã a 7 da manhã a realidade bate na porta.
Peguei minha bolsa para pagar a conta, mas logo em seguida ele me impediu.
- Deixa que eu pago.
Tentei dizer que não, que queria pagar minha parte, mas ele só respondeu que da próxima eu pagaria, que esse não era nosso primeiro encontro, éramos apenas dois amigos dividindo um café no frio. Pensei em reclamar, mas deixei que ele saísse por cima nessa. Teria troco.
Dirigimos por Munique, ele me mostrando alguns dos lugares favoritos dele, todos fechados a essa hora da noite. Mas preferi assim. Parecia que por estar escuro, estávamos seguros. Qualquer coisa dita naquele carro seria apenas um segredo nosso, ninguém mais saberia. Ninguém precisava de saber. Éramos e . Sem sobrenomes, sem títulos, sem fama. Apenas duas pessoas se conhecendo.
Depois de um tempo ele resolveu me levar ao Allianz Arena, onde aconteciam os jogos do Bayern de Munique. A essa hora, estava escuro, fechado. Já tinha visto fotos do estádio, mas de perto era indescritível. Fiquei imaginando como seria ele todo iluminado.
- Você tem que vir em algum jogo aqui. Vou olhar quando ser a próxima partida em casa e te arrumo um ingresso.
- Dois!
Ele me olhou sem entender para quem seria o segundo.
- A minha colega de quarto, Marie. Se ela souber que eu vou vir em um jogo e não trazer ela, vai dar briga.
- Ela gosta de futebol como você?
- Não. Acho que ela está interessada é em ver outras coisas mesmo.
Ele começou a gargalhar. Me senti idiota pelo que disse, mas ao mesmo tempo, sentia que podia falar qualquer coisa com ele. E talvez ele sentisse o mesmo.
- Agora está tudo explicado. Sempre quis saber comentários da ala feminina sobre futebol. E não, não estou falando sobre questões técnicas, isso qualquer um aprende, e acho que cada vez mais estamos conseguindo chamar o público feminino para o esporte. Mas de fato, acho que você tem razão sobre esse atrativo a mais. Somos muito gostosos.
- Ei, eu não falei nada disso! Não coloca palavras na minha boca.
- Mas você pensou que eu sei.
Dei um tapa de leve no ombro dele, rindo. E infelizmente, concordando totalmente com ele. Era sim um atrativo a mais.
- Era aqui que eu queria te trazer. Tem um museu do time dentro do estádio. Achei que seria uma marca da cidade.
- Eu vou adorar conhecer. Principalmente com tudo iluminado.
Virei o meu olhar para ele e o peguei me analisando. Já tinha percebido que era uma mania dele, analisar as pessoas e o local ao seu redor, mas não quis comentar nada. Haviam momentos que o silencio diziam mais que qualquer palavra, e perto dele, o silencio dizia muito.

Apesar dele ter dito que já estava tarde, apenas uma hora e meia depois que saímos do café que ele me deixou em casa. Estava sem querer sair do aquecedor do carro e ainda tínhamos que pegar minha mochila no porta malas.
Tínhamos muito o que conversar, mas não saía mais palavra alguma. A temperatura no carro deveria ter aumentado alguns graus, apesar da certeza que não havíamos mexido no aquecedor. Baixinho tocava Somewhere only we know, da Lily Allen, quis rir da coincidência dessa música na playlist dele, porque era uma das minhas favoritas.
Olhei diretamente para ele e ele olhava para mim. Nossos olhares nos atraindo como imãs. Ele tirou a mão do volante e acariciou meu rosto. E já sabíamos o que ia acontecer antes que pudéssemos impedir.
Aos poucos nos aproximamos, e cedo demais, nossas bocas se tocaram, me levando a sentir coisas que eu não achei que fosse possível. Passei minhas mãos para sua nuca, o aproximando o máximo possível que o carro permitia. E eu tinha certeza que ia explodir.

Entrei em casa e encontrei uma Marie sentada no sofá com cara de culpada.
- O que você está fazendo aqui? Não tinha uma festa para ir, ou algo assim?
- Até tinha, mas achei que esperar a minha amiga contar como foi o encontro com um campeão do mundo era mais interessante. Anda Pretty Moon, eu to curiosa!
Coloquei minha mochila e livros em cima na banca da cozinha e me encaminhei para o acento vazio do sofá ao seu lado. Era uma experiência nova para mim, falar sobre garotos desse jeito. Conversava disso com a ? Sim. Mas sempre sentia que estava falando de um lado só. Meu irmão foi o primeiro e único namorado dela, e era estranho ela falar dele comigo, com o tempo, parei de contar dos meus rolos também.
- Bem, para começar, não foi um encontro. Só fomos tomar um café e depois ele me levou de carro para conhecer alguns lugares da cidade, e - dei uma pausa, mas sentindo que estava ficando vermelha - a gente se beijou.
Queria ter fotografado a cara da Marie. Ela ficou estática sem saber o que dizer ou fazer. Mas rapidamente eu completei:
- Por favor, não conta para ninguém! Não queremos nenhuma mídia em cima disso, seja lá o que isso seja.
- Tudo bem. Minha boca é um túmulo. Juro. - Ela fez o sinal da cruz na boca, mostrando que não ia falar.
Antes de dormir, mandei uma mensagem para a . Sabia que no Brasil ainda estava cedo.
: Dudinha meu amor, talvez eu esteja ouvindo passarinhos cantando. Beijos de boa noite felizes para você.
Ela sabia bem o que isso significava.
: , VOCÊ PEGOU O GOSTOSO?
: Não usa essa palavra que você sabe que eu não gosto! Mas enfim, fomos tomar um café agora a noite, e pode ter ou não rolado um beijo.
: SÓ UM BEIJO? Deus não da mesmo asa cobra...
: Eiii, respeita meu irmão!
: Querida, nós duas sabemos que seu irmão seria o primeiro a dar uns pegas nele. Apoiar então, preciso nem comentar.
: Você não falou nada para o Gustavo né?
: Você está louca? Claro que não! Fica tranquila miga, sei como ele é ciumento. No dia que vocês marcarem o casamento a gente conta.
: !
E com essa ela sabia que eu não iria falar mais nada.

Estava quase pegando no sono, quando vi meu celular vibrando de novo. Pensei que pudesse ser a , ou até mesmo meu irmão, mas fiquei feliz de ver quem era.
: Só para desejar boa noite e dizer que vou ficar sonhando com seu beijo.
Junto com alguns emojis de coração.
Respirei fundo tentando ser racional e não surtar. Eu odiava a minha versão apaixonada, e fazia de tudo para evitar. Principalmente quando eu não tinha certeza se era sentimento de verdade, ou apenas uma euforia.
: Somos dois então. Boa noite e bom treino amanha.
E um emoji de carinha fofa.

Porém, depois disso, não obtive nenhum sinal de vida dele. Por duas semanas.



We are not always in control



Ele Pov

Na manhã seguinte acordei muito animado para o treino, não me lembro nem quando foi a última vez que acordei tão animado assim. Cheguei no Bayern no horário habitual, mas meu sorriso no rosto não negava os acontecimentos da noite anterior. Podia não ser muito, afinal, tinha sido apenas um beijo, mas para mim parecia ter sido muito mais, havia uma conexão em relação a que eu não sabia explicar.
E por esse meu sorriso era impossível de disfarçar, assim que entrei no vestiário começaram as perguntas.

- Menino com esse sorrisinho? Pode ir falando quem é ela! - Müller foi o primeiro a reparar e a abrir a boca. Eu adorava esse meu colega de time, sem dúvida um dos melhores em campo, mas ele sabia ser intrometido quando queria.
Quase ignorei a pergunta, mas alguns outros caras escutaram, e então cada um começou a sua teoria.

- Certeza que é a explicação para ele estar tão disperso nos últimos dias. - Começou o capitão Lahm.

- , , não me diga que é mais uma supermodelo? Para um cara tão baixinho você sempre consegue as modelos mais altas. - Alaba foi o primeiro a teorizar.

Pensei em reclamar sobre o comentário da minha altura. Eu não era baixo. Tinha 1,76, porém a maioria dos meus companheiros de times eram mais altos do que eu. Já tinham comentado comigo que sempre parecia mais baixo na TV, principalmente nos jogos da seleção.
E foi com esse pensamento que eu me safei de ter que dar qualquer explicação. Guardiola entrou no vestiário falando que hoje iria sair a convocação para a pausa internacional, o momento que boa parte de nós iriamos defender a seleção. Já fazia alguns meses que eu não vestia a camiseta campeã mundial, e eu estava ansioso para vestir novamente. E também para reencontrar alguns amigos.
Com esse pensamento, rapidamente troquei de roupa e fui para o treino. Ainda tínhamos um jogo antes do internacional break, então faríamos um treino fechado, apenas para treinarmos jogadas.
Nos dividimos em grupos, ataque para um lado, defesa para outro. E então a criatividade começou. Eu costumava gostar de treinos assim, era sempre bom poder inventar jogadas. Claro que algumas coisas já eram pré-determinadas, mas outras tínhamos liberdade para brincar com a bola e criar do nosso jeito, contanto claro, que ela entrasse no gol no final.
Passamos boa parte da manhã trocando passes, correndo de um lado para o outro no gramado. E eu estava tão elétrico, que acho que há muito tempo não jogava com tanta vontade. E tinha motivos o suficiente para me fazer querer ir bem: tinha a , que com certeza estaria no campo no próximo jogo. Queria marcar para ela. E tinha também a seleção.
Mas mal sabia eu, que minha felicidade duraria pouco. Teoricamente teríamos treino à tarde, mas assim que fomos liberados, John, assistente da diretoria, chegou avisando que eu tinha sido convocado para uma reunião com os chefões na parte da tarde, e que Marx estaria aqui. Isso não podia ser bom sinal.
Uma música tocava ao fundo, eu não conseguia identificar. O aquecedor parecia não estar funcionando, pois o frio naquela sala não estava normal, ou talvez fosse apenas como eu estava me sentindo. Havia tido um tempo de tomar banho e almoçar, mas o moletom do uniforme do time parecia não estar fazendo efeito nenhum.
Ao meu lado estava o meu agente, Marx. Quando eu cheguei na sala, já estavam discutindo o meu futuro sem que eu pudesse dar opinião. Pensava que a diretoria havia convocado a reunião, mas só quando escutei o Mr. Friederike, um dos diretores, dizendo que era uma surpresa essa minha decisão, foi que entendi que essa ideia não tinha saído da chefia.
- Fiquei surpreso com sua decisão . Sempre achei que você estava bem com o time, que queria crescer aqui dentro. Sua intenção de nos deixar é realmente uma coisa inesperada para todos nós.
- Espera quem disse que eu queria sair? Achei que isso era sobre alguma negociação interna.
Quando falei isso senti o olhar de Marx em cima de mim, me recriminando. Ele fez sinal para eu ficar calado, mas eu não ia deixar que ele me tratasse como um garotinho que precisava pedir permissão para a mãe sobre qualquer coisa na vida.
- Mr. Friederike, com todo respeito, eu amo o Bayern de Munique. Sei que essa não está sendo uma das minhas melhores temporadas, mas estou empenhado a melhorar. Depois da minha lesão eu perdi um pouco o ritmo, mas aos poucos estou voltando, se essa reunião era porque vocês acharam que eu queria sair, bem, acho que podemos dar o assunto por terminado, porque eu não pretendo mudar de time a não ser que vocês digam o contrário, que querem que eu saia.
Não sei se fiz certo em citar a minha lesão, mas eu sabia que boa parte do meu rendimento nessa temporada tinha saído daí. Em novembro do ano passado sofri uma lesão em uma dividida de bola, e apenas agora em fevereiro estava voltando de fato aos campos. Não gostava de me lembrar da sensação, mas tive cuidado de amigos e família que estavam do meu lado em todos os momentos. O clube sempre entendeu isso, e nunca achei que fosse ser motivo para ser mandado embora.
- , sabemos da sua lesão, e por isso mesmo não ficamos assustados com o seu rendimento ter caído. Você ainda vai demorar alguns meses, e quando falo isso não digo só fisicamente, está mais que certo em se poupar. E adoraríamos ter você aqui, 100% para a próxima temporada, principalmente porque teremos várias mudanças com a saída do Guardiola. Porém seu agente está te recomendando isso, então pense com calma no que é melhor para você.
E ainda tinha isso. A saída do Guardiola e a dúvida de se conseguiríamos manter o rendimento das temporadas passadas. Apesar de que ainda faltavam alguns meses para o final desta, e muitos jogos, Bundesliga, Champions, Super Copa...
- Prometo que pensarei com carinho. – Falei já me levantando.
- Vá para o internacional break com a cabeça na seleção. Converse com seus amigos, alguns podem ter algumas dicas para te ajudar a resolver toda essa situação. - Ele olhou no fundo dos meus olhos, e assustei com a proximidade do diretor - Tem coisas que nem sempre temos uma resposta imediata. E nem precisamos ter. Vai com calma que, quando você menos esperar, uma solução vai acontecer, agora aproveita o resto do tempo de treino, ainda temos uma Bundesliga para ganhar.
Saí o mais rápido possível daquela sala, sem nem se quer me despedir de Marx. Tínhamos muito que conversar, mas se começasse a falar agora, ia acabar me exaltando. Era melhor conversarmos fora do clube, para eventuais bate boca. Fiquei com medo de ele falar algo a mais para Friederike, mas pelo menos este, agora sabia quais eram as minhas verdadeiras intenções.

Cheguei em casa tão estressado e sem vontade de conversar, que joguei o celular na mesinha da sala e fui tomar um banho. Deixei meu ipod ligado na caixa externa tocando uma playlist do Flo Rida, e no momento escutava Wild Ones no volume máximo. Meu ipod às vezes parecia que só tinha música de balada, e gostava de escutar coisas que me deixavam para cima, mesmo quando eu só queria entrar debaixo das cobertas e ignorar o mundo ao redor.
Como o esperado, havia sido convocado para a seleção, junto com Muller, Neuer, , Hummels e vários outros que já estávamos acostumados a jogar. Nesses dias teríamos apenas amistosos, mas em ano de Euro Copa, qualquer amistoso era uma forma de treino. Estava animado para esse reencontro, e estaria extremamente pilhado se não fosse à reunião de mais cedo. Eu precisava resolver a minha vida, e tinha a sensação que Marx não ia facilitar.
Me joguei na cama de toalha, e acabei adormecendo assim, no meio dos cobertores. Pelo contrário do que geralmente acontecia, não demorei a dormir. Mas minha felicidade durou pouco, novamente me vi naquele campo rodeado de jogadores no-faces.

Dessa vez eu não estava sozinho. Consegui reconhecer alguns companheiros de seleção. Não éramos um time completo, mas pelo menos não enfrentaria aquele exercito só. Éramos eu, Müller, , Özil e Schurrle contra um exercito de No-faces. Fazíamos nossos passes como sempre, driblando os adversários. Estava com menos medo dessa vez, e começando a confiar mais em mim mesmo. Jogava como nunca havia feito antes.
Müller jogou a bola para mim, estava de frente para o goleiro, mas evitei olhar para ele, tendo apenas a ideia de que ele estava ali. Mas ao invés de chutar para o gol, como seria o normal, toquei para Schurrle que estava a minha esquerda. Confundimos o goleiro e a bola entrou para o fundo da rede.
Saímos correndo campo a fora. Gritando e comemorando. O exército de No-faces começava a diminuir à medida que ia me juntando aos meus companheiros de seleção. Eles não davam medo mais. Não enquanto tivesse os meus amigos comigo. No fundo começou a tocar uma música que geralmente tocava em estádios, Good Feeling. Me senti feliz de novo, completo.
Uma torcida começou a aparecer e gritar Deutchland, como era em todo jogo da seleção. Éramos campões do mundo, eu tinha meus amigos, não estava sozinho. Às vezes só precisava me lembrar disso.

Acordei sentindo frio, e só então vi que tinha ido dormir nu. Meu ipod continuava tocando Flo Rida, exatamente a mesma música do sonho. E acho que isso era sinal para uma coisa: após o internacional break, precisava de uma festa. Corri pela casa, ainda com a toalha amarrada na cintura para buscar o meu celular na sala. Mandei uma mensagem no grupo da seleção, só com os jogadores, claro.
: Fala seu bando de molenga, vocês estão deixando isso aqui parado demais. O que acham de uma festa pós jogos da seleção?
Achava que ninguém ia me responder até amanhecer, mas enquanto colocava uma roupa meu celular começou a apitar. Podolski foi o primeiro.
Poldi: Festa? ONDE?
: Não sei! Só preciso de uma agitação.
Müller: Já levou um pé na bunda ?
Foi só então que eu me lembrei da . Com a agitação do dia, tinha me esquecido completamente dela. Me sentia um otário por não mandar nenhuma mensagem, mas ela também não havia falado nada. Em duas semanas iria para a concentração da seleção, não poderia me encontrar com ela antes disso, no máximo a levaria para o último jogo do Bayern. Mas talvez realmente fosse melhor esperar normalizar minha rotina.
: Oh , qual é a dessa namorada que você não falou nada? Cara achei que fossemos amigos.
Opa, o entrou na história. Agora a coisa ficou feia pro meu lado.

Ela Pov

Já era o quinto dia que abria meu celular e não tinha nenhuma mensagem. Me sentia estúpida por achar que ele daria atenção para mim. Poxa, eu não era nem metade do que essas mulheres que os jogadores de futebol namoravam. Não que eu esteja dizendo que eu era feia ou coisa do tipo, só que, vamos aceitar, eu era apenas uma blogueira.
Minha rotina continuou a mesma, como se não existisse. Mas confesso que agora ficava de olho nas notícias do Bayern de Munique. Não que tivessem muitas, agora teria os amistosos internacionais. Vi que ele havia sido convocado para a seleção, e quis deduzir que foi por isso seu sumiço.
Depois de alguns dias sem noticia alguma, resolvi conversar com a . Sempre tinha mania de justificar os atos dos moços que eu era afim. E sabíamos bem como isso terminou da última vez...

: , eu acho que você precisa desencanar dele. Sério. Por mais que eu ficaria super animada com minha melhor amiga namorando um jogador de futebol, apesar de ser o , temos que aceitar que ele só queria uma coisa. E quando não conseguiu, virou a página.
: Ah , mas ele também está indo jogar pela seleção. Nem sei se pode mexer no celular por lá.
: Claro que pode! Você não lembra os tweets do Podolski na Copa do Mundo?
: Lembro.
: Então pronto. Desencana antes que você se apaixone. Até porque sabemos como você é. Agradece que você teve a sorte de dar um beijo naquela coisa gostosa e segue em frente.
: Fica difícil com você falando isso. Hahaha
: Isso o que? Gostoso? Miga, aceita. Ele é isso mesmo, porém não é seu.
: Eu sei. Acho que estou mais decepcionada comigo mesma do que com ele. Eu, mais uma vez achando que fosse dar certo. Vou morrer solteira mesmo.
: Ah não! Para com isso. Vou mandar uma mensagem para minha falsa substituta francesa e fazer ela te arrastar para uma festa!
: Não faz isso! Preciso entregar um tanto de trabalho atrasado e ainda arrumei um bico de fotografia aqui.
Só não comentei que o trabalho era exatamente em uma festa que a Marie estava me arrastando.
: Serio?? Isso amiga vai fazer algo que você gosta e esquece que existe homem no planeta.
: Eu talvez possa ter falado isso em voz alta, seu irmão escutou e agora ta falando que ele existe. Tá, talvez só ele. Opa, agora ele ta querendo roubar o meu celular e ler a conversa. Abortar missão!! Tchau amiga, fica bem.
Que saudade que eu sentia desses dois! Isso que dá você passar 22 dois anos com duas pessoas, sem nunca se separar, por nada mesmo, do tipo de passar férias juntos e tudo mais, e do nada resolver passar seis meses em outro país.
Era normal eu ser grudada com meu irmão, afinal, éramos gêmeos. O Gustavo sempre foi meu tudo, meu equilíbrio. Aquele que eu podia contar para me defender de todas as coisas que acontecessem na vida. Era ele quem estava lá quando disse a primeira palavra, e também quando dei o meu primeiro beijo e tudo o mais. Era meu companheiro de passar tardes escutando e fingindo interpretar um mesmo álbum daquela banda de rock que ninguém nunca tinha ouvido falar.
E a . Ela era nossa vizinha quando criança, e foi natural que ficássemos amigas. Principalmente porque ela roubou o meu sorvete quando tinha quatro anos, e eu cheguei chorando para o meu irmão. Achei que ele fosse brigar com ela, mas ai eles sentaram no meio fio e começaram a conversar enquanto dividiam o meu sorvete. Eu fiquei bem brava por um momento, até que aquela menina de cabelos negros e franjinha pareceu ser uma pessoa que eu queria como amiga. Sentei do lado dela, e desde então, nós três nunca nos separamos.
No ensino médio, quando eles começaram a namorar, eu achei que fosse perder os meus dois melhores amigos ao mesmo tempo. E aconteceu, por uma semana! Então eles vieram conversar comigo, pedindo para eu parar de ser infantil e ir me sentar com eles. Nada ia mudar, só que agora eles iam se pegar. Falei que contanto que não fosse à minha frente, estava tudo bem.
E enquanto os dois sempre foram um casal, eu era um desastre para qualquer relacionamento. Sempre que eu começava a gostar de qualquer cara, tanto a quanto o Gustavo faziam questão de me lembrar o que eu havia feito no 2º ano, e que fora o motivo de eu começar o blog.
Tinha um rapaz um pouco mais velho que a gente. O nome dele era Guilherme e era vocalista de uma banda na cidade. Não que fosse uma banda conhecida, mas eles faziam covers de diversas bandas de rock, como Pear Jam, Nirvana, Red Hot Chilli Peppers, entre outros. Como eu era viciada em música, fiz amizade com o moço. Ele, vendo uma garota bonitinha indo atrás dele, resolveu que podia brincar comigo.
Nós saímos umas duas vezes, onde, é claro, havíamos nos beijado entre outras coisas. Eu estava começando a falar para todo mundo que estávamos namorando. Estava realmente apaixonada. E, como a e meu irmão estavam cada vez mais juntos, fui me envolvendo com esse moço. Com o tempo, ele começou a se distanciar, e sempre que meus amigos diziam que ele estava me traindo, eu justificava dizendo que era a banda, ou o cursinho. Qualquer coisa eu inventava para justificar sua ausência para os outros e mostrar que estava bem com isso.
Dois meses depois, ele apareceu no colégio apresentando uma namorada. Uma menina do colégio que competia com o nosso que era tudo que eu não era. Nunca tive coragem de contar para ela que havíamos ficado juntos, mas desde então, tinha a maior dificuldade de me apaixonar. E quando acontecia, era sempre a mesma coisa: na hora que começava a dar certo, o cara sumia, eu inventava várias desculpas para ele, e quebrava a cara. E lá estava eu com a mesma sensação de dejavu com Gotze. Em um país no qual eu não tinha meu irmão para querer socar o cara.
Mas dessa vez, eu não podia culpa-lo. Não havíamos prometido nada um ao outro. Saímos uma vez, e simplesmente, por erro do acaso, rolou um beijo. E a estava certa, tinha mais o que fazer. Assim como ele parecia também ter.
Marie entrou no quarto na mesma hora que eu despedia da .
- Pretty Moon, você ainda não está pronta? Temos que sair. O Frank passa aqui daqui a 20 minutos.
Frank era nosso colega de sala. Era uma das melhores pessoas que eu já havia conhecido, e jogava no mesmo time que a gente, se é que vocês me entendem... E eu tinha certeza de que ele tinha sapatos melhores do que os meus.
- Já estou quase pronta, só falta passar a maquiagem.
- Só? , quanto tempo você gasta para isso?
- Menos do que você imagina.
- Você vai mesmo de vans para a festa?
Olhei para ela de forma séria, enquanto ela me encarava com uma cara de repressão.
- Sim. Por um acaso, eu estou indo trabalhar. - disse apontando para minha câmera. - Preciso de um calçado confortável se irei passar a noite inteira tirando fotos de um lugar que com certeza vocês vão me fazer sair correndo de um lado para o outro. Não é a minha primeira festa Marie, acredite.
- Espero que você esteja certa então. Só saiba que terão vários caras gatos alemães por lá.
Franzi meu nariz e fiz um som quase inaudível refutando a ideia.
- Acho que eu já estou cheia de caras alemães. - falei baixo demais para que ela pudesse ter escutado.

A festa estava bem tranquila. Já havia fotografado um casal na piscina (e ainda tentando entender como eles estavam na piscina, tinha esquentado, mas eu ainda estava com muito frio). Marie havia pedido uma foto com uns caras que pareciam ser jogadores de futebol americano, mas provavelmente eram apenas aqueles bombados de academia mesmo.
Frank estava com o namorado da semana, como ele dizia. Foi super gentil como sempre, mas eu não era tão próxima dele. Era mais ou menos um amigo de Marie que me aturava, somente. Tinha alguns assim por ali.
Era apenas uma festa aleatória. Aparentemente o pessoal do curso gostava bastante de festas assim, mas até então, nunca tinha ido a uma. Aceitei só porque eles falaram que estavam sem fotógrafo e perguntaram se eu não queria o job. Não iria recusar dinheiro.
Já estava tarde. E quando digo tarde, deveria ser umas 3 da manhã. Eu não sabia que eles podiam demorar tanto em uma festa aqui. Não era o que tinha escutado, mas eu que não ia discutir. Estava gostando de fotografar. Fazia muito tempo que não brincava com minha câmera.
De repente, as musicas começaram a ficar mais do meu agrado. Comecei a me soltar na pista de dança, enquanto fotografava boa parte dos presentes bêbados. Eram as melhores fotos. Se algum dia tivesse um estúdio, só iria fotografar a base de álcool. As pessoas pareciam ficar mais soltas e com menos medo da câmera.
No momento começou a tocar uma musica sobre um relacionamento complicado. Amei a melodia e fui correndo perguntar para o DJ qual música era aquela. "Flavor Of The Weak" de uma banda chamada American Hi-Fi, nunca tinha ouvido falar, mas com certeza iria entrar para a minha playlist. E enquanto pensava nisso, senti meu telefone vibrar, e um nome que eu não esperava mais encontrar na tela, aparecia:
está te ligando. Atender.


It's all bigger then us



Ela Pov

- Alô.

- . Onde você está?
A voz dele era de quem tinha passado um tempo chorando. E por mais idiota que isso pudesse ser, eu fiquei preocupada.
- Estou trabalhando. – O que era verdade. – , está tudo bem?
- Não. Não está. E eu nem sei por que te liguei.
Fui andando para fora da casa onde acontecia a festa. Tinha menos barulho e aquilo com certeza era importante demais para ser ignorado, apesar da vontade e de todo o meu bom senso me mandando desligar o telefone.
- Minha vida virou de cabeça para baixo, amanhã vou sair para a concentração do International Breake e eu não sei o que fazer.
- Onde você está? – Devolvi a pergunta, mas deixando o tom preocupado que eu usava sempre que ficava com medo por meus amigos.
- Em casa.
- Me passa o endereço que estou indo para ai agora.
- Mas você não está trabalhando?
- Já tenho o material que precisava. Não tem problema de ir embora.
Ele me mandou o endereço pelo whatsapp e vi que não era muito longe dali. Avisei a Marie que estava indo embora, e, apesar de algumas reclamações, ela acabou me deixando ir.

Fui andando pela madrugada até que me deparei com um prédio de 18 andares, ele possuía uma fachada rústica. Não tinha porteiro, então interfonei diretamente para seu apartamento, que logo me deixou subir.
A porta estava aberta quando adentrei a casa. Era um apartamento amplo, com uma cozinha/copa que dividia o espaço com uma sala de TV em que tinha um sofá enorme e uma TV com todos os consoles de vídeo games imagináveis ligados. Ao lado um armário com portas de vidro exibiam diversos jogos, mas não tive tempo de reparar em mais do que isso.
Sentado no sofá, envolvo por uma luz amarela fraca que vinha da cozinha, estava um me encarando. Assustei com a situação que ele se encontrava. Deixei a minha bolsa com a câmera no chão e corri ao seu encontro.
Segundos depois que eu sentei no sofá, ele deitou no meu colo. Parecia uma criança, e não um dos homens mais seguros de si que eu já havia conhecido. Comecei a acarinhar seus cabelos, passando assim mais confiança a ele. Mais uma vez, o silêncio entre a gente dizia mais do que qualquer palavra, e dei tempo para que ele falasse quando sentisse vontade.
- Eu não deveria ter te ligado. Ia esperar até voltar do International Breake, mas eu simplesmente não conseguia dormir. – Ele se virou e olhou nos meus olhos antes de continuar. – Tentei me distrair de todas as formas, mas a necessidade de falar com você era muito maior.
- Eu estou aqui. – Toquei de leve a sua barba rala que começava a surgir tentando dar segurança para que ele continuasse falando.
- Meu agente quer que eu saia do meu time. A justificativa dele é que estou sendo subutilizado, e ainda tive a ajuda da mídia com tudo que ela tem publicado sobre isso. Recebi uma ligação do Klopp, você sabe quem é?
- Sim, ele era seu técnico no Dortmund e agora está no Liverpool.
Acho que ele já não estava mais se surpreendendo com meu conhecimento um pouco maior do que o esperado sobre sua profissão.
- Isso! Falaram que seria uma boa eu ir para a Inglaterra, mas eu não sei o que eu quero. Ou melhor, para principio de tudo, meu primeiro pensamento é ficar no Bayern, tive uma reunião esses dias com o diretor, e ele deixou em minhas mãos essa decisão. E eu sei que se não resolver logo, alguém vai resolver por mim, e é isso que particularmente esta me deixando maluco, é uma decisão muito preciosa .
- , você tem que pensar no que é melhor para você. Onde você vai crescer mais, onde você vai aprender mais. É claro que o salário vai contar isso sempre conta, mas cá entre nós, você vai ganhar bem em qualquer lugar que estiver. Muitas pessoas vão falar o que eles acham que é certo, mas só você vai saber o que realmente é certo para você. E se a escolha depende de você, ela tem que ser sua, e não influenciada por alguém que pode se beneficiar disso.
- A pior parte é que todo mundo vai falar que foi por questão financeira. Eu já não sou bem visto por causa...
- Porque você saiu do Borussia no momento extremamente errado. É. Eu sei. Minha melhor amiga torce pelo BVB e ficou xingando você por dias.
- Ela deve me odiar.
- Acho que aquele seu gol da Copa fez ela não te odeia mais, mas digamos que, se algum dia vocês se conhecerem, me faz o favor de não falar nenhuma merda.
Ele riu. Pela primeira vez desde que eu entrei no apartamento escutei sua risada. E aos poucos o tom de piada foi diminuindo e o ar ficava mais leve. Senti um arrepio ao sentir seus dedos tocarem de leve a minha pele, subindo e descendo pelo meu braço.
- Por que eu estou me sentindo assim em relação a você? – Ele falou me olhando.
Ele tocou nas pontas dos meus cabelos que encostavam no seu tórax. Eu não tinha uma resposta para aquilo. Entendi o que ele quis dizer. O porquê, mesmo indo contra todas as possibilidades, tínhamos essa ligação um com o outro. Mesmo tão diferentes algumas coisas faziam com que quiséssemos procurar um ao outro, apesar do tão pouco tempo em que nos conhecíamos.
E apesar de ir contra tudo o que eu me prometi fazer, tomei a única atitude que eu podia ali. Aproximei nossos lábios e o beijei devagar. Ele passou uma mão pela minha nuca e foi aprofundando o beijo.
E não sei como, mas em alguns minutos já estávamos no seu quarto. E o resto? O resto são apenas fogos de artifícios.


O sol batia fraco no quarto. Ainda estava amanhecendo. Sorri ao me lembrar da noite passada. Eu nunca senti que tinha feito uma coisa tão certa. As sensações que aquele homem me trazia, a calma que eu sentia perto dele, tudo isso supria toda e qualquer ansiedade ou raiva.
Me virei aos poucos na cama, e vi que estava sozinha. Gostei de ter um pouco de espaço. Precisava me recuperar. Procurei minhas roupas pelo quarto e resolvi tomar um banho. Algo me dizia que ele não iria se importar.
Sai do quarto e senti um cheiro de panqueca. Na noite anterior mal tinha conseguido reparar no apartamento dele. Agora, com a luz do dia e menos emoções, eu pude perceber que as paredes eram de um tom claro, mas não branco. Era espaçoso, apesar de ter apenas dois quartos e uma sala conjunta com a cozinha. Simplista, e claramente o espaço de um homem solteiro.

Me perguntei se, com o dinheiro que ele ganhava, não teria vontade de ter algo maior, mas antes que eu pudesse falar qualquer coisa, encontrei um só de cueca na cozinha e aquela visão me fez esquecer qualquer pensamento racional.
- Bom dia princesa!
Sorri e me encostei na parede, o observando descaradamente.
- O que foi?
- Estou pensando se ainda estou dormindo ou é a realidade, porque essa minha visão não pode ser real.
Ele se aproximou de mim sorrindo, me abraçou pela cintura e me puxou para um beijo.
- Isso parece real o suficiente?
Passei os braços pelo seu pescoço, o aproximando o máximo possível. Aos poucos ele me beijou, com calma, sem aquela necessidade da noite anterior, apenas aproveitando o momento.
Dentro de alguns minutos ele teria que ir para a concentração da seleção. E isso significava que iriamos ficar um bom tempo sem se ver. Os jogos irei ser no Allianz Arena, então eu poderia ir assistir. Se ainda tivesse ingressos.
Arrumei nossa mesa enquanto ele ia trocar de roupa e arrumar a mala. E aquela dinâmica, mais uma vez, me deu o sentimento de que estava tudo certo. Acontecendo como teria que acontecer. E resolvi que, pela primeira vez na vida, ia simplesmente deixar rolar, seguir o curso que teria que seguir. Se fosse para ficarmos juntos, as coisas iriam chegar a essa resolução.
- Acabei de arrumar dois ingressos vip para você, o jogo da sábado é contra a Inglaterra, e o da terça é a Itália. Você pode ir na terça?
Ele perguntou enquanto deixava sua mala pelo caminho e sentava a minha frente na mesa para tomar um café rápido.
- Acho que sim. Não vai me matar perder uma aula. – Fiz cara de sapeca e ele sorriu.
- Ótimo! Se você quiser levar sua amiga, também tem espaço para ela.
- Vou resolver e qualquer coisa eu te aviso. Você pode ficar com seu celular né?
- Posso sim. Não vai ser o tempo inteiro, mas em algum momento do dia terei tempo para te responder. Vai ser uma correria, e se eu parecer distante, não repare. Jogos da seleção sempre são mais delicados que com o clube, mesmo quando são apenas amistosos. Este ano tem Euro Copa, então está nos testando de todas as formas possíveis, principalmente porque ainda não conseguimos voltar ao rendimento da Copa do Mundo. Eu estou falando grego com você né?
- Por incrível que pareça, não. Escutei sobre essa queda do rendimento em alguns jornais.
Rapidamente arrumamos o apartamento. Eu teria muitas fotos da festa para editar, além das aulas. Aproveitaria esses dias dele longe para resolver tudo isso. Talvez fosse até bom começarmos isso, seja lá o que fosse esse "isso", no meio de uma agenda tão apertada. Nossas vidas eram corridas, e para dar certo, teríamos que lidar com toda essa pressão.
- Eu já estava esquecendo. – Falou quando já estávamos quase na porta saindo do apartamento.
Voltou correndo para o quarto e trouxe um pacote pequeno.
- Desculpa, não deu tempo de embrulhar. Não sabia se ia ter coragem de te levar para o jogo, mas deixei separado de qualquer forma.
Abri o pacote com a falta de delicadeza que eu sempre tive. E então eu vi. Era uma camisa branca da seleção com o número 19 destacado. Abri a camisa e vi seu nome escrito atrás. . Com certeza eu iria usar.
Sorri e o abracei novamente, amaçando a camiseta.
- Obrigada.
- Não poderia deixar minha namorada me ver jogar sem estar devidamente identificada no meio de todos aqueles marmanjos.
Me afastei um pouco ao ouvir a palavra namorada. Devo ter feito uma cara de muito assustada, porque ele de repente sumiu com o sorriso que estava ali desde que acordamos.
- Eu apressei as coisas?
Sorri mostrando que estava tudo bem.
- Não, está tudo bem. Eu, só nunca imaginei ser namorada de um jogador de futebol.
O abracei novamente e ele apoiou seu queixo na minha cabeça. Me senti tão segura naquele abraço que não queria deixa-lo ir.
- Eu não consigo achar outra palavra para descrever você. Se te incomodar, tudo bem. Não precisamos dar nome às coisas.
- . – segurei seu rosto de forma a não permitir que ele desviasse o olhar do meu. – Está tudo bem. Você quer ser meu namorado?
Ele suspirou e apertou suas mãos na minha cintura.
- Quero. – E sorriu ao me beijar pela ultima vez antes de sairmos do apartamento.

Ele pov

Fui dirigindo até o hotel onde seria a concentração. Meu sorriso não enganaria ninguém, e já me preparava para os comentários dos meus amigos. Se apenas pela ideia eles já estavam impossíveis, imagina quando ela aparecesse no estádio sábado. Só de pensar comecei a ficar ansioso.
Apesar de toda a ação da noite passada eu não estava cansado. Pelo contrário. Há muito tempo não me sentia tão vivo. Tão bem para treinar, para jogar. Sabia que tinha que resolver minha vida, e aproveitaria esses dias para conversar com meus amigos que jogavam em outros times.
Os treinos começariam pela manha, então tínhamos a noite para rever os amigos e colocar a conversa em dia. Após uma reunião com a comissão técnica, fomos dispensados. Dessa vez eu dividiria o quarto com Mats Hummels, zagueiro do Borussia Dortmund e da seleção. Fiquei feliz, pois seria bom ter alguém para conversar, só não imaginava que seria ele, quem iria trazer o assunto a tona.
Estávamos assistindo qualquer coisa na TV para tentar, sem sucesso, chamar o sono. Cada um com seus problemas na cabeça. . Mandei uma mensagem para apenas parafalar que estava tudo bem. Seria estranho ficarmos tanto tempo longe depois deontem a noite, esperava que fosse dar certo.
Entre uma propaganda em outra, Mats começou o assunto que estava rondando minha cabeça sem parar.
- Eu estou pensando em voltar pro Bayern.
Olhei para ele, surpreso dessa decisão e pedindo uma explicação. Não era ele que falava que não sairia do BVB por nada?
- Mas não foi você que falava que Dortmund era sua casa? Que nunca sairia?
Levantei para olhá-lo mais diretamente. E eu achando que só eu estava com problemas para decidir o que fazer a partir da próxima temporada.
- Eu sei, mas o Bayern também tem certo sentido de casa para mim. Estou querendo novos ares, eu vim da base de vocês, parece que estou retornando a casa.
Respirei fundo, desviando o olhar do meu amigo. E mesmo querendo guardar isso para mim mesmo, soltei.
- Eu estou querendo ficar. Demorei a me adaptar a Munique e não sei se quero outra mudança radical, porém, tem muita gente me falando que eu seria burro. Que estou sendo mal aproveitado. O Klopp chegou a me ligar, para saber se eu estaria interessado no Liverpool.
Ele sentou na cama. Foi sua vez de me observar mais atentamente.
- Cara, acho que você tem que pensar com carinho. Sair às vezes é bom para evoluir, e isso não significa que você não possa voltar.
- Não fala de voltar, que minha outra ideia seria voltar para o BVB.
Ele ficou em silêncio olhando para mim assustado. Nos dois sabíamos que aquela relação não tinha terminado de um jeito muito amigável. Até hoje ainda recebia vaias do torcedor aurinegro.
- Minha namorada falou para eu não ouvir opiniões alheias que a maior decisão é minha, mas infelizmente a gente sabe que essa decisão nem sempre são apenas nossa. O clube resolve e ai só precisamos arrumar as malas.
Ele me olhou com uma cara estranha e só então percebi que tinha dito namorada. Ainda não tinha falando para ninguém sobre a .
- Vamos parar de falar de problema, e me conta mais sobre essa namorada que aparentemente ninguém sabe nada sobre ela.
Eu sorri. Provavelmente o maior sorriso que já dei ao falar de alguma namorada, e agora já não era mais segredo.


Era dia de jogo. O primeiro de dois amistosos contra duas seleções de peso na Europa. Primeiro a Inglaterra e depois a Itália. A única coisa que me acalmava era saber que a estaria em algum lugar do estádio.
Fomos para o aquecimento escutando o barulho da torcida. Estávamos jogando em casa, e isso não significava nada para o jogo em si, mas tínhamos uma torcida de peso. Contei os movimentos e evitei olhar ao redor. Escutar o barulho era uma coisa, ver a multidão ao redor era outra, e a torcida da Alemanha era algo que realmente orgulhava qualquer jogador.
Voltei para o vestiário e rapidamente liguei o meu fone de ouvido. Tocava Photograph do Ed Sheeran. Por um motivo estranho, as músicas desse cantor me acalmavam. Me lembrei da , e como mesmo longe de casa, ela estava conseguindo encontrar o seu caminho. Sorri ao perceber que eu estava fazendo parte disso. Faria de tudo para ela se sentir bem aqui. Mandei uma mensagem rápida para ela, sem que ninguém visse, afinal, tínhamos um jogo para ganhar.
: Babe, espero que esteja tudo bem. Depois do jogo a gente vai ter um tempinho para se ver.
Ela respondeu instantaneamente. Deveria estar com o celular na mão.
: Estou aqui!! Com sua camisa. E com uma pessoa que está louca para te conhecer.
E mandou a foto dela com uma menina morena e o campo no fundo. estava com a camisa que eu tinha dado para ela, e a menina vestia uma da época da Copa do Mundo, ainda com três estrelas. Fiquei curioso para saber quem era essa amiga dela.
Mas não tive tempo de responder, pois entrou no vestiário para passar as últimas recomendações e eu corri para esconder o celular.

E a animação que estava no inicio do jogo foi embora no final, perdemos de 3 a 2 para a seleção inglesa por causa de um erro bobo no final do jogo. Era um amistoso, mas ainda assim não era legal perder, principalmente quando começávamos ganhando.
Queria socar alguma coisa, mas na verdade estava controlando o . Esse sim havia socado o armário, e eu não podia deixar que ele se machucasse. Precisávamos dele inteiro na terça para enfrentar a Itália.
- Calma cara ainda tem um jogo, não faz merda agora.
- Eu odeio perder . Me sinto um inútil.
- E algum de nós gosta? Tem alguém feliz aqui?
Ele olhou para mim assustado.
- Então pronto. Não se machuca.
Nesse momento Löw entrou no vestiário. Ninguém tinha ido para o chuveiro, e o barulho de sempre estava baixo. Era um amistoso, mas era parte do que enfrentaríamos na Euro Copa. E sabíamos o que essa derrota significava.
Ele parou no centro do vestiário com uma cara séria. Encarava a todos, o que tinha feito com que não se ouvisse nem a respiração de nenhum jogador.
- Agora não podemos chorar o leite derramado crianças. Mas ainda temos um jogo pela frente. Contra a Itália. Amanhã iremos corrigir os erros para terça, mas hoje, quero que vocês esqueçam essa derrota e foquem no próximo adversário. Foi um jogo duro, bom, mas é necessário corrigir os erros.
Com isso ele saiu e deixou que cada um se arrumasse para ir de volta ao hotel.
Foi só quando já estava no ônibus que me lembrei da . Tinha prometido a ela que nos encontraríamos no final do jogo. Eu era mesmo um péssimo namorado. Nem se quer tinha me lembrado de conferir o celular por alguma mensagem ou dar notícias a ela.
: Lindo, não se preocupa. A gente se vê depois. Eu amei o jogo, amei a experiência. Vocês foram ótimos. Na terça o resultado vai ser diferente, tenho certeza.
Devo ter relido aquela mensagem umas vinte vezes antes de responder. Ela havia mandado logo após o apito final. E aquele apelido em português? Voltei a sentir o calor no peito que havia ido embora com a derrota. O que essa mulher estava fazendo comigo?
: Agora está tudo bem, mas foi uma loucura no vestiário. Desculpa não conseguir te encontrar. Depois a gente se fala. Vou tentar dormir um pouco. Depois desse resultado o treino amanha não vai ser fácil. Beijo.
: Boa noite.
: Boa. Ps.: adorei esse apelido em português.
: Pps: você sabe o que significa?
: tenho Google tradutor < 3
: IDIOTA.

Ela pov

Sai da casa de e fui direto para casa. Precisava trocar de roupa e começar a editar as fotos da noite anterior. A festa parecia ter sito há um mês e não há poucas horas.
Sabia que estava sendo precipitada em assumir um relacionamento assim. Ou melhor, dar um nome a uma coisa que nem se quer tinha certeza do que ia virar. Dentro de algumas semanas eu voltaria ao Brasil, e ele nem sabia qual time iria defender na próxima temporada. Qual a chance disso dar certo?
Abri a porta de casa ainda pensando na loucura que estava fazendo, e em como mesmo sabendo que era insanidade, como que parecia tudo certo.
- Sua doida! Onde você estava?
Marie estava logo na frente da porta. Tinha me esquecido completamente de avisa-la que não ia dormir em casa. E estava com zero vontade de contar qualquer coisa a ela. Mas então senti a camisa nos meus braços. Aquilo denunciava tudo.
- Olha, eu até poderia te passar um sermão para ir dormir com um cara que você conhece a pouquíssimo tempo, mas não tenho nenhuma moral para isso. Talvez a outra retardada que está no seu quarto tenha mais capacidade para isso do que eu.
Oi? Quem estava no meu quarto? Mas antes que eu pudesse falar qualquer coisa, uma toda descabelada e com cara de sono apareceu na sala.
- SUA MALUCA O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO AQUI?
- Minha melhor amiga resolveu virar a vida dela de cabeça para baixo e eu não ia vir até aqui ver de perto?
Sai correndo para abraçar minha amiga. E acabamos falando ao mesmo tempo.
- Mas e a Carolzinha? – eu.
- Por que você está cheirando a homem? – Ela.
Como sempre, começamos a rir. Que saudades eu estava da !
- É feriado prologando no Brasil, e seu irmão falou que dava conta de ficar com a Carol.
- Mas você ainda não está amamentando? Vê se cuida da minha sobrinha direito !
- Calma! Ela já tem seis meses e eu deixei leite congelado, acredite o Gustavo sabe cuidar dela melhor do que eu, mas você ainda não me explicou. POR QUE VOCÊ ESTÁ CHEIRANDO A HOMEM?
Desviei meu olhar dela e senti que estava ficando vermelha.
- Eu dormir com o .
Ela me olhou por uns segundos, até que não conseguiu segurar.
- Finalmente minha amiga deixou de ser sonsa!
Marie sentou no sofá e olhou sério para a gente.
- Será que vocês podem conversar em uma língua que eu entenda? Escutei um certo nome que também tenho interesse em saber o que aconteceu.
Eu ri e comecei a contar, em inglês, o que tinha acontecido deixando de fora os detalhes e as coisas que ele havia me contado. Elas não precisavam saber disso. Era nosso. E esses pequenos detalhes, ninguém jamais poderia tirar da gente.


Era dia do primeiro jogo da seleção alemã, esse era contra a Inglaterra. A iria comigo, até porque a Marie disse que era para eu leva-la quando fosse ter chance de conhecer algum jogador, e não ficar no meio de uma multidão fanática. Palavras dela.
A esperta da minha melhor amiga, sabendo do calendário da seleção, trouxe a camisa que dei de presente para o meu irmão quando a Alemanha ganhou a Copa no Brasil. Ele tinha uma coleção de camisas de títulos internacionais, tanto dos clubes brasileiros quanto dos europeus e seleções. Eu não estava brincando quando disse que meu irmão era um viciado.
- O Gustavo deve estar muito bobo com a Carol se ele te deixou trazer essa camiseta.
- E quem disse que ele sabe que eu trouxe?
Comecei a rir da cara da minha amiga.
- Eu já falei que te amo?
- Sempre soube sua chata.
- Idiota. – mandei língua para ela.
Entramos no estádio e tanto eu quanto a estávamos impressionadas com o tamanho daquele lugar. Já tínhamos ido diversas vezes ao Mineirão, e até no Maracanã e no Morumbi, mas eu não saberia descrever a sensação de estar naquele lugar. Era simplesmente enorme.
Iriamos ficar na área vip, e agradeci pela estar comigo. Não conhecia ninguém naquele lugar, e ela sabia quem era alguns dos outros privilegiados a estar ali. Geralmente os ligados as seleções que iriam jogar. Ninguém veio falar com a gente. Os ingressos que me passou não foram questionados. Era sim um lugar privilegiado do campo. Não perderíamos um lance se quer.
Mas ainda assim nos destacávamos. Ela mais que eu. Parecia que ela estava junto de alguma torcida organizada, fantasiada com tudo que ela achou pela frente que tinha a bandeira da Alemanha. Eu apenas vestia uma calça jeans e a camiseta com o nome do meu namorado. Era estranho falar isso ainda. Namorado. Sorri.
- Porque a senhorita está com esse sorriso apaixonado ai, ein?
- Ah , me deixa em paz.
- Não posso. Nasci para te encher o saco.
- Eu não acredito que isso tudo está acontecendo. Só isso.
- Calma princesa. Seu conto de fadas demorou, mas chegou. Só aproveite.
E então as seleções entraram no campo e foram tocados os hinos. Iria começar a partida.


O resultado foi negativo para nossa seleção. Nem pensei na hipótese de encontrar com ele após o jogo, como havia prometido. Apenas mandei uma mensagem e fomos embora. Tinha certeza que terça seria diferente, e sabia que ele teria um trabalho duro pela frente.
E foi só então que, ao chegar em casa e a minha amiga desmontar na minha cama, que tive tempo de começar a editar as fotos. Precisava entregar o trabalho na segunda e nem se quer tinha descarregado as fotos da câmera. Desde quando minha vida tinha ficado tão corrida?
Me lembrei da época da faculdade, e em como tudo era tão corrido quanto. Mas eu não tinha ninguém a dar satisfação além de minha família, passava o fim de semana viajando de cidade a cidade cobrindo shows, escrevendo para o site e fazendo trabalhos. Concentrada nas minhas obrigações e sem querer deixar ninguém se aproximar.
Passei quatro anos sem ter um relacionamento que durasse mais de uma noite. O Gustavo já estava achando que eu iria morrer sozinha. A sempre disse que eu acharia alguém, em algum momento. Só não imaginava que ia ser a última pessoa no mundo que faria sentido, ou que seria tão longe de casa.
Casa. Pensar no Brasil como casa já não era mais a mesma coisa. Sentia falta dos meus pais, do meu irmão, da minha sobrinha que mal tive tempo de conhecer. Mas ao mesmo tempo, eu nunca tinha me sentido tão viva como agora. Tão feliz. E coincidentemente, era também o tempo que estava longe do site.
Há dias não tinha nenhuma notícia do que estava acontecendo. Nem da gravadora nem dos meus colegas. Eu nem se quer tinha aberto as redes sociais para ver as novidades. Me sentia livre longe de tudo aquilo. Talvez não fosse apenas o que tivesse que resolver o que fazer na próxima temporada.



They don't know about us



Ela POV

O jogo era contra a Itália. Ia ser um jogo difícil, mesmo que fosse apenas um amistoso. E depois do último resultado negativo, mal tive tempo de conversar com meu namorado. Ou ele estava no treino ou dormindo.
Mais uma vez a veio comigo. Estávamos na área vip que parecia mais lotada essa vez. Algumas pessoas vieram conversar com a gente, pois nos reconheceram do último jogo, mas deixei o nome Götze de fora. Assim não fomos incomodadas.
Meu coração estava na boca. Acho que nunca fiquei tão nervosa antes. E, em uma cobrança de escanteio, ainda no primeiro tempo, Müller abriu o placar. A torcida explodiu. Mas então me lembrei que o último jogo também tinha começado bem.
No intervalo estava de 2 a 0 para a Alemanha. comemorava, gritava, xingava e elogiava alguns jogadores. Não sei como, mas ela aprendeu algumas palavras em alemão que eu tenho certeza que deveria ser algum palavrão, porque ela só soltava quando a Itália contra atacava.
Mas então, aos 25 minutos do 2º tempo, veio o 3º gol. Hummels chutou a bola para Özil e esse mandou direto para o gol, sem chance para o goleiro italiano. E então eu comecei a gritar e pular com a minha amiga. Faltavam poucos minutos e estávamos com 3 gols de vantagem.
Götze olhou para a arquibancada em que estávamos, e tenho certeza que aquela piscadela discreta tinha sido para mim. Pisquei de volta e sorri. Logo depois ele foi substituído. A Alemanha voltara a trocar passes, apenas para gastar tempo. Mas um erro fez tudo desandar. Itália u um gol sem chance de defesa para Manuel Neuer. Voltei a ficar tensa.
O jogo parecia que iria ficar nos 3 a 1. Estávamos ganhando e isso era tudo. 3 minutos de acréscimos no cronometro. E então, Schurrle sai do nada com a bola, e um chute que eu tinha certeza que era para fora, entra. Ultimo lance do jogo. Torcida explode. Comissão técnica explode. Jogadores do banco invadem o campo e todos começam a comemorar. Eles vem para perto da torcida.
- Oi. A gente ganhou.
- Oi. Eu assisti.
Não conseguíamos para de sorrir um para o outro. Estávamos alheios do que estava acontecendo ao nosso redor, ao mesmo tempo que aquela nossa comemoração silenciosa fazia parte de todo o barulho do estádio.
- Olá. Você é um idiota, eu te odeio, mas conseguiu fazer minha amiga se apaixonar. Então obrigada, porque já tínhamos certeza que teríamos que cuidar dela como uma irmã mais velha da minha filha.
- !
- Olá, você deve ser a melhor amiga.
- One and only. Esquece aquela francesa metida a besta.
fez uma cara que não entendeu nada, e ai eu lembrei que ele não conhecia a Marie.
- Você não conhece lindo. É minha colega de quarto. E essa é a , a tal fanática por futebol e torcedora do BVB que te falei.
- Ah, é com ela que eu tenho que limpar meu nome?
- Exato.
- Pera aí. Eu sou sua primeira amiga que ele está conhecendo? – Nós dois assentimos – Aprendeu direitinho . Parabéns.
- Amiga e cunhada. Certo? – questionou.
- Acho que ele está começando a me ganhar.
Nós três rimos. Tinha sido melhor do que e achei que fosse ser.
se afastou para cumprimentar outros jogadores e conseguir autógrafos do . Alguém era só um pouco fã girl.
E em um impulso, não resistimos. me rouba um beijo na frente de todos. Dos colegas, da torcida e da mídia internacional. Acabou-se a nossa chance de passar despercebidos. Antes que a gente se afastasse, a cutuca meu braço.
- Acho melhor vocês se prepararem, a imprensa já está vindo para cá.
Ele olhou no fundo dos meus olhos quando percebeu que tinha feito besteira.
- Você está preparada?
Engoli seco e respondi a única coisa que poderia, mesmo sem saber se ainda estava certa sobre isso.
- A gente consegue lidar com isso.
- Ótimo. Porque nesse momento tudo que eu queria era mostrar para o mundo todo o quanto estou feliz.
E então me aproximei dele, o beijando de novo.
Outros jogadores se aproximaram da gente, e então eu conheci todo mundo. O primeiro que chegou foi , já que ele estava próximo conversando com a .
- Ah, então você é a namorada misteriosa.
- Misteriosa? Não estava sabendo disso não.
- Você não faz ideia de como esse moço aqui escondeu o ouro – Deu um tapinha de leve nas costas do amigo que fingiu gesto de dor.
- Justo você vai falar comigo sobre esconder o ouro, ?
- Ouch, não faz isso cara. A gente não precisa né? – E então saiu de perto. Fiquei sem entender, mas Götze explicou.
- Quando ele começou a namorar a , demorou seis meses para contar. Evitava todas as festas e a gente começou a estranhar. Até que um dia, estávamos jogando na casa dele quando ela apareceu. Foi engraçado. – E apontou para uma loira muito bonita que estava com o amigo.
Pouco depois Hummels apareceu do nosso lado.
- Então você é a .
- Nossa, então pelo menos para alguém ele falou de mim! – Fingi chateação.
- Privilégios de colegas de quarto. – E trocou um soco de mão com .
A apareceu logo em seguida também pedindo um autógrafo para Mets. Ela jamais perderia essa oportunidade. Para a sorte do meu irmão, a minha amiga o amava muito. Só conseguia imaginar como estava seu coração ao conhecer boa parte de seus ídolos.
- Meninas, porque vocês não descem para o gramado.
- É uma boa ideia! – concordou, fazendo um sinal para ver que a imprensa que tentava, sem sucesso, entrar na área vip. Com certeza minha foto estaria estampada em todos os jornais na manha seguinte. E já era a minha chance de ficar fora da mídia.
Tudo que eu havia tentando fazer ao longo dos anos com o site fora jogado por água abaixo por causa de um beijo, mas por um motivo estranho, isso não me pareceu importante. Eu sabia quem eu era, e isso já bastava.
- Ainda bem que existem seguranças.
Eu e a rapidamente fomos para o gramado junto com demais familiares dos jogadores. Podolski chegou conversando em português com a gente. Ou pelo menos tentando.
- Olá. Como vai? Obrigado.
Rimos.
- Para começar está bom.
- Aprendi algumas palavras na Copa, mas por algum motivo depois descobri que na verdade eram palavras impróprias para menores. – E apontou para o filho que estava escondido em suas pernas.
A logo abaixou para conversar com o menino, e só então lembrou que não falava alemão, apesar das tentativas durante o jogo.
O menino rapidamente foi até ela, e começou a conversar em um inglês quase perfeito. Essa coisa de instinto materno deveria ser sentido por todas as crianças, porque desde a gravidez, minha amiga que sempre teve receio com crianças, virou um imã para elas. O garoto deveria ter uns 7 anos, mesma idade do meu primo. E enquanto minha amiga se entendia com quem tinha a mesma idade mental que ela, Götze me puxou para um lado que tinha menos gente. A torcida já estava se dissipando, e estávamos apenas os jogadores, seus familiares e a comissão técnica.
- O que você acha de ir para uma festa depois daqui?
Ele olhou para mim com um olhar que suplicava por uma resposta afirmativa. Tinha aula na manha seguinte, mas depois das emoções de hoje, e com a aqui, eu ia mesmo para a aula? A resposta estava mais do que na cara.
- Vou achar ótimo. Principalmente para ficar de olho em você com essas fã girls espalhadas por ai. – O abracei pela cintura enquanto ele ria, triscando o meu nariz no seu.
Uma das coisas que eu estava aprendendo a amar nele, era como que nossos corpos se encaixavam. Sua altura era perfeita para a minha. Apenas poucos centímetros mais alto, o que fazia com que abraça-lo fosse uma das coisas mais maravilhosas do mundo. Me fazia sentir segura. E foi o que fiz, sem me importar que ele estava completamente suado. Ele estava lindo assim.

Ele POV

Nunca imaginei que teria uma garota como essa nos braços. Ou que ia apresenta-la para todos os meus amigos com tanto orgulho. Ou que ia ficar tão intrigado com um único ser humano. Olhar para a me fazia imaginar coisas. O que ela estava pensando? Qual seria sua próxima atitude? Onde que ela queria ir?
A cada minuto que passava eu me sentia mais próximo dela. Sentia que pertencia mais a ela. Queria saber tudo sobre a vida dela. Seus planos, seus sonhos. Queria que todos os desejos dela se realizasse. E vê-la ali, se misturando aos meus amigos, rindo, brincando, sendo ela, era a coisa mais fantástica que eu poderia observar na vida. Olhar como seus cabelos castanhos tinham um tom cobreado ao ser iluminado pela luz amarela da casa de Müller. Sua risada era o meu som favorito. Já sabia disso desde a primeira vez que a escutara rir. Poderia passar a noite toda admirando o seu jeito de ser. Mas todo conto de fadas tem seu fim, e é claro que aquela magia tinha que acabar em algum momento.
Meu celular havia sido esquecido na mochila. Estava com meus amigos e minha namorada, meus pais jamais me ligavam em dia de jogo. Havíamos saído do estádio direto para a casa de Muller, onde faríamos a nossa pequena festinha que eu havia pedido. Estava tudo certo. A cerveja gelada, as pessoas conversando. Até a amiga francesa da , Marie, havia aparecido. Provavelmente a primeira tinha mandado uma mensagem a convidando. Estava tudo bem, em paz. Até que não estava mais.
Um Marx todo vermelho entrou correndo na sala. Ao mesmo tempo, todo mundo se calou, e então eu percebi: estava ferrado. Completamente ferrado.
- Você pode me explicar o que são essas fotos que estão circulando pela internet? Acha que isso te ajuda e alguma forma?
Levei o maior susto. Primeiro porque nunca tinha visto Marx tão nervoso. Segundo porque ele nunca tinha sido anti profissional, pelo menos não na frente de todo mundo.
Minha primeira reação foi olhar para a . Ela estava com os olhos cheios d'agua. Ele podia ter falado em alemão, mas ela já estava acostumando com a língua e entendeu o que estava rolando. Droga Marx. Tudo bem brigar comigo, mas não machuca a minha mulher.
- Calma, isso não tem nada haver com você.
- Claro que não. Sua imagem midiática já não esta boa Götze, você acha mesmo que levar qualquer uma para um jogo importante desses vai te fazer melhorar.
Nessa hora vi puxando a e a para o lado, as levando para um quarto. A agradeci silenciosamente. não precisava ver a cena que ia se formar no meio da sala de estar de Thomas Müller.
O lugar era amplo. Ele morava em uma casa que era quase um hotel fazenda. Sempre que nosso jogo era em Munique, fazíamos o after party na casa do atacante. Seu quintal dava para uma enorme pista de equitação e um celeiro. Fora que a própria casa era enorme. Um bar tão grande e tão variado quanto o de qualquer boate na cidade, e tinha uma coisa a mais: a privacidade. Éramos apenas o time, familiares e amigos extremamente próximos. Sem mídia, sem fãs.
A festa estava bem tranquila até aquele ponto. Hummels tinha assumido o bar, ele sempre gostara de organizar as bebidas. O lugar era muito bem iluminado, o que permitia que todos andassem sem tropeçar uns nos outros. Um grupo jogava algum jogo na TV de 75 polegadas. Outro jogava sinuca em outro canto, o bar tinha alguns solitários. E o nosso pequeno grupo que envolvia eu, a , , , Loiuse e Schurrle conversávamos sobre coisas do dia a dia. Tudo estava em paz. Até Mr. Marx invadir a festa sem ser convidado. Por um motivo que não fazia sentido.
- Primeiro lugar: Ela não é qualquer uma. Ela é a . Minha namorada e a partir de agora, vai ser tratada como tal em qualquer lugar. E segundo: a única pessoa que importa com o que a mídia fala sobre mim é você. E ultimamente eles andam inventando muitas coisas, me pergunto o por que.
- Talvez porque você não esteja fazendo o seu trabalho?
Ele abriu os braços de forma extremamente exagerada. E foi então que eu percebi o quanto ele estava bêbado. E o quanto não estava fazendo o seu trabalho atualmente. Schweinsteiger, com a voz de capitão da DFB, chegou do meu lado para tentar controlar a situação, mas ainda assim eu continuei falando.
- Marx, você quer me tirar de um time onde estou bem, sempre está vigiando os meus passos, e agora, só porque eu estou namorando alguém sem pedir sua opinião, você resolve fazer esse escândalo? Eu te contratei para tratar da minha vida profissional, não da pessoal.
- Você nem sabe o que esta falando garoto. Tem 23 anos e acha que sabe alguma coisa dessa vida.
Eu não aguentei. Sabia que ele não estava no juízo dele, e que na manha seguinte eu arrependeria completamente disso. Sem que percebesse, levantei meu braço o acertando em um soco. Com certeza amanha isso estaria roxo.
Ele me olhou assustado, mas não permiti que falasse mais nada.
- Você está demitido. Amanhã eu passo na agencia para cancelar o contrato.
- Você não pode sair da agencia até o final da temporada.
- Mas posso trocar de agente. E para mim, você está demitido.
Dei as costas enquanto deixei Bastian e Thomas colocando Marx para fora. Estava tremendo. Odiava essa forma de adrenalina, a ocasionada por raiva. Meu punho doía pelo soco, e Mats chegou me oferecendo gelo que havia pegado do bar.
- Obrigado.
- Está mais calmo? – assenti. – Então vai falar com sua namorada. falou que ela não parou de chorar um segundo.
Será que eu nunca conseguiria fazer nada direito ao se tratar de relacionamentos?
Entrei no quarto para onde havia levado a . Ela estava sentada na cama chorando de soluçar. Sabia que ela tinha escutado toda aquela cena, e me senti pior ainda. A abraçava a amiga de forma protetora, ise) conversava com ela explicando como que brigas nossas com os agentes era normal. Ela saberia, sempre teve problemas com agentes, até que encontrou o Henri e tudo se ajeitou. Alice Müller, como anfitriã da casa oferecia um copo de água com açúcar a .
Se fosse fisicamente possível, meu coração teria se quebrado mil vezes com aquela cena. E, se eu tinha alguma chance de fazer a gostar de mim, ela tinha acabado ali. Ela jamais me perdoaria por isso.
Sem que eu percebesse, Thomas veio atrás de mim e fez sinal para a esposa para que nos deixássemos a sós. Lice saiu do quarto, seguida por ise). ficou receosa, mas fez que estava tudo bem. Eles saíram e fecharam a porta. Eu sabia que dali para frente a festa tinha acabado. Apesar de escutar um murmurinho, a maioria das pessoas ali presentes estavam indo embora.

Estávamos no quarto de hospedes. Uma pequena luminária era a origem de toda a luz que iluminava o ambiente. estava sentada na cama de casal, olhando para a enorme janela que dava para um céu escuro. A vista desse quarto pela manha era sensacional, já havia ficado ali depois de outras festas. Algumas vezes sozinho, outras acompanhado. Mas apensar da simplicidade e beleza do local, me sentia completamente deslocado.
Aproximei da minha namorada, mas não tinha coragem de olhar em seus olhos. Ela observava a chuva cair na janela. Eu olhava para o chão. Não nos tocávamos, mas a energia que sempre fluía entre a gente estava lá. Ela tinha parado de soluçar, mas continuava chorando, apesar das tentativas de secar suas lagrimas.
- Me desculpa.
- Não foi culpa sua.
- Então porque eu estou sentindo que estraguei tudo?
Ela olhou para mim. E olhando no fundo dos meus olhos, reve porque chorava.
- Não foi sua culpa. Depois que a me trouxe para cá, fui pesquisar as fotos que escutei seu agente citou. As coisas que a imprensa está falando sobre a gente. Descobriram o site, falaram que sou brasileira e estou sendo apenas oportunista. Apenas querendo dar um golpe, falando que o site perdeu visualizações e estou te usando para voltar a mídia. E...
A interrompi antes que ela pudesse falar qualquer outra asneira.
- Babe, não faça isso com você mesma. A gente não prometeu que não deixaríamos que nada que fosse publicado na mídia atingisse a gente? Sabemos da verdade, e isso que importa.
- Deixa eu terminar Götze. – Me assustei com o tom que ela usou, e não falaria mais nenhuma palavra até que ela tivesse concluído seu raciocínio. – Fui procurar as fotos. Não tem nada demais, e estava começando a achar que seria até bom. Não termos que nos esgueirar por ai. Mas então meu chefe me mandou um e-mail exigindo que eu voltasse essa semana para o Brasil, se não eu perderia meu site. Fiquei sem entender qual relação tinha uma coisa com a outra, mas ele não explicou. E eu não sei o que fazer.
Ela começou a chorar novamente, mas me deixou aproximar. A abracei e deixei que ela chorasse. Eu sabia que nada que eu dissesse poderia fazê-la se sentir melhor. Era como se alguém virasse para mim e dissesse que eu jamais poderia jogar futebol novamente.
- A pior parte, é que essa semana estava pensando o quanto estava bem longe do site. Mas uma coisa é eu sentir que precisava sair, outra é ele simplesmente tirar isso de mim.
- Mas talvez você deveria ir ao Brasil. Resolver e depois concluir seu curso.
- Não tem como. Esse curso que estou fazendo só tem uma vez por ano. Faltam duas semanas para concluir, não quero deixar pela metade. – Ela fez uma pausa – E aqui também tem você. Eu não quero ficar sem você.
Segurei seu rosto com as mãos, aproximando nossos lábios, mas sem tocá-los.
- Você não vai ficar sem mim.
E então a beijei como se essa fosse o nosso ultimo beijo.
Acordei mas não abri os olhos. Fiquei rezando para que a noite passada não tivesse passado de um pesadelo. Minha namorada não tem que ir para o outro lado do oceano sem saber se vai voltar. Meu agente não causou a maior cena em frente a todos os meus companheiros de seleção e familiares. Eu não o soquei. Não preciso lidar com nenhuma das consequências. Mas a dor na minha mão direita me mostrou que não adiantava ficar ali desejando que nada tivesse acontecido, porque tudo tinha acontecido.
Lentamente abri os olhos, e vi a ainda adormecida ao meu lado. Ela parecia tão calma. Tão serena. Sua pele clara fazia com que seus cabelo ficassem mais escuros batendo a luz do sol. Ela era linda, e eu tinha a sensação que não falava isso o suficiente para ela.
Depois que ela acalmou, viemos para o meu apartamento. Deixei que ela escolhesse e ela preferiu passar a noite comigo. E o que fizemos foi apenas conversar. Conversar sobre o futuro que não tínhamos ideia do que ia acontecer. E se antes eu tinha dúvidas do que eu queria para a minha vida, percebi que nada disso importava se ela estivesse comigo. Se ela estivesse aqui para dividir a cama, a ça suja e as dúvidas, o resto se ajeitaria sozinho, mesmo quando parecia impossível. E foi a primeira vez que eu tive certeza. Eu amava essa mulher.

Ela POV

Se você soubesse que a sua vida ia virar de cabeça para baixo, você teria subido naquele avião? Teria andado até o outro lado do mundo apenas para encontrar algo que nem se quer sabia que estava procurando? Se, no momento em que você conheceu uma certa pessoa, você já soubesse que ele mudaria sua vida completamente, você teria falado aquele primeiro oi? O teria deixado se aproximar?
As coisas acontecem e não temos nenhum controle sobre elas. A vida de todo mundo é assim. Fazemos planos, criamos futuros, mas jamais temos certeza de que eles irão de fato acontecer, porque, de repente, sem avisar, tudo pode mudar. E aquilo que você sempre teve certeza, pode desaparecer completamente, e a única coisa que você sabe, é que você não sabe de nada.
Eu sempre fui uma pessoa que gosta de manter as coisas no controle. O famoso fazer acontecer. Mas desde que tinha embarcado para a Alemanha, tudo tinha saído das minhas expectativas. Jamais imaginara que iria conhecer Götze em um parque, e muito menos que iria me apaixonar. Porque eu estava, completamente e perdidamente apaixonada por esse homem.
Planejava finalizar meu curso, despedir da minha família e voltar para o Brasil. Continuar a rotina de viajar de cidade a cidade cobrindo shows, escrevendo sobre artistas. Uma vez o Gustavo disse que eu sonhava muito pouco, e talvez ele tivesse razão. Talvez eu esteja parada agora onde estou, porque escutei o meu irmão. Foi ideia dele que eu viesse para cá.
Era um sábado a tarde e a estava dormindo. Assistíamos algum jogo da Champion League que nem se quer lembro quem estava em campo, muito menos se era um jogo ao vivo ou apenas uma reprise. No intervalo, ele me perguntou o que eu faria depois que formasse. E então travei. Não tinha ideia. Respondi o que me parecia lógico.
- Vou continuar escrevendo para o site, indo para shows. Talvez estudar um pouco mais sobre fotografia.
- Mas o que você quer fazer? Essas são coisas que você vai seguir com o que já tem hoje. Deve ter algo que você queira conquistar .
- Na verdade não. Já tenho tudo que eu quero.
- Eu achava que você deveria viajar. Fazer algum curso fora do país. Além de agregar ao seu currículo, também vai fazer você ter outra visão de mundo.
Eu poderia ter ignorado aquela conversa, mas me perguntei: porque não?
Comecei a pesquisar diversos cursos de línguas e fotografia. Quando achei esse em Munique, pensei que era a minha melhor opção. Apesar de ter acomodação estudantil, teria família perto. Sempre fui muito ligada a família, e a ideia de ir sozinha para um país desconhecido me dava muito medo. Se fosse em outra época, poderia ter escolhido um outro lugar, onde meu irmão e possivelmente a , também iriam, porém eles resolveram adiantar a vida e tiveram a Carolzinha. Sem chance da viajar quase tendo o bebê, e com ela, as coisas só se complicariam mais ainda. Era minha hora de sair da casa dos pais e ir atrás de sei lá o que eu ia descobrir. E as coisas tinham se transformado de um jeito que eu não imaginaria nem nos meus melhores sonhos.
Se, seis meses atrás, tivessem me contado que eu estaria agora, deitada na cama de Götze, eu ia dizer que a pessoa era meio maluca. Mas era a verdade. Aqui estava eu. Deitada na cama de Götze. Em Munique, Alemanha. E vendo todo o meu trabalho fugir pelas minhas mãos, sem que eu pudesse fazer nada. Era o tipo de escolha que eu teria perda independentemente do que escolhesse.
Poderia voltar para o Brasil, retomar meu site. Era o mais lógico. Mas perderia o meu curso, teria ido até ali para nada. E eu sabia, por mais que ele jamais fosse admitir, que no momento em que eu entrasse no avião de volta para o Brasil, que e eu não teríamos um futuro. Não teríamos nada do que a gente pudesse ter construído. Seriamos um casinho de uma semana, e nada mais. Exatamente o oposto do que ele tinha dito a seu agente.
O sol entrava pela janela e aquecia a cama. Acordei com a luz, e aos poucos abri os olhos. Sabia que estava no apartamento dele. Já era a segunda vez que acordava ali. Estava começando a achar o ambiente familiar. A cama king size, que apesar do tamanho, era perfeita para nós dois, o espaço amplo do quarto, no qual provavelmente cabia o meu apartamento inteiro. A janela grande que deixava a luminosidade entrar de forma perfeita. A mesa com o notebook e alguns livros. O armário, que na verdade era a porta para um closet enorme, que dava para um outro espaço com suas chuteiras. Mas apesar de ser um ambiente completamente fora da minha realidade, eu nunca tinha me sentido tão em casa como me sentia ali.
Olhei para o lado e ele estava deitado me observando. Analisando toda e qualquer reação minha. E eu não podia ama-lo mais, ninguém nunca tinha prestado tanta atenção em mim como ele estava fazendo. Eu tinha parado de chorar em algum momento entre o caminho da casa do Müller e o apartamento de . Mas agora, a vontade tinha voltado. Não por causa dos acontecimentos da noite anterior, mas sim por causa das coisas que eu sabia que estavam por vir. E o que mais doía, era ficar sem ele.
Sem falar mais nenhuma palavra, afundei nos braços dele, que rapidamente me abraçou. Senti seus dedos fazendo cafuné e tive uma vontade enorme de ensinar para ele essa palavra que só existia na língua portuguesa.
- Cafuné.
- Hã?
Olhei em seus olhos, sem sair dos seus braços.
- Cafuné. É a palavra em português que significa fazer carinho na cabeça.
- Cafuné. Gostei. Eu acho que estou começando a gostar das palavras em português.
Ele sorriu.
- Bom dia.
- Bom dia lindo.
- Eu já falei que eu amo essa palavra.
Voltei aos seus braços e então uma musica me veio a cabeça. Levantei e fui pegar meu ipod na bolsa. Eu vestia apenas uma camisa velha dele, mas não tive vergonha de levantar e andar pelo quarto. Ele não me fazia ter vergonha de nada, pelo contrário, sentia que podia fazer e falar qualquer coisa que ele me entenderia. Era um sentimento que eu nunca tinha tido com nenhuma outra pessoa antes.
Voltei para a cama já colocando meu ipod e passando um fone para ele. Busquei rapidamente a música, e a melodia do A Day to Remember começou a tocar. "Don't say that it's not fair that you're not the person you wanna be you'll be the end of me", será que seriamos isso? O final um do outro? Nossas vidas profissionais estavam se desandando e não tínhamos ideia do que fazer.
- Você está bem? – Perguntei para ele.
- Não sei. Só estou tentando assimilar tudo que está acontecendo. E estou me sentindo culpado por ter virado a sua vida de cabeça para baixo. Já não bastava não saber o que vai ser da minha.
- Ei, não foi culpa sua. Talvez esse fosse o ponta pé que eu estava procurando a vir para cá. Não sei o que vai ser do meu futuro com o site, mas já não estava me sentindo bem lá.
- Como assim? Você ama aquilo lá.
- Sim. Mas também nunca fiz outra coisa a não ser escrever para aquele site sobre um tema que me deixa na minha zona de conforto.
Ele segurou as minhas mãos e olhou dentro dos meus olhos de uma forma tão seria que a única pessoa que já tinha me olhado assim tinha sido meu irmão, no dia que me convenceu de vir até a Alemanha.
- E o que você quer fazer?
Fechei os olhos e não respondi. Eu sabia o que eu queria fazer? Acho que ainda não poderia ter essa resposta.
- Você quer ir até o Brasil essa semana?
- Não. Quero terminar meu curso e que o site se exploda! Sem mim eles não fazem ideia de como continuar, e eu não sei se quero voltar. Preciso acabar de escrever meu livro, sinto que vai ser como um fim desse período na minha vida, e então vou poder seguir em frente.
- Ótimo. Então temos por onde começar.
Sorri para ele, e ele sorriu de volta. Se aproximou e me beijou. Primeiro lentamente, e então fomos aprofundando o contato. E assim começou um dos melhores dias da minha vida, mesmo que eu ainda não soubesse disso.




Reality sometimes knocks in the door



Ele POV

Depois de um bom tempo na cama, resolvemos que tínhamos que fazer algo produtivo do dia. Eu teria folga hoje, e como ela já tinha perdido a aula da manhã, resolveu que ficaria comigo. E talvez fosse isso que estávamos precisando. Um dia só nosso, longe de qualquer bagunça.
- O que você acha de ir andar de bicicleta?
Perguntei para ela enquanto tomávamos café. Cada um com sua vasilha de cereais sentados no tapete da sala e usando a mesinha de centro como apoio.
Ela me olhou sério e podia ter certeza que ia levar um soco.
- Você está falando sério ?
Dei de ombros.
- Claro que estou! Você não acha que 22 anos é uma idade boa para aprender a andar de bicicleta não?
- Não.
Me aproximei dela e ameacei começar a fazer cócegas.
- Vamos lá . Prometo que não deixo você cair.
- ISSO NÃO É O SUFICIENTE.
Então comecei a fazer cócegas nela e ela começou a xingar em português. Ah a forma universal de dizer um palavrão.
- Serio , para.
Parei depois que ela suplicou mais algumas vezes. E estão estávamos os dois, largados no chão da sala. Olhei em seus olhos, e aquele sentimento que só existia quando a olhava assim começou a borbulhar dentro de mim.
Paramos de rir, e a atmosfera que antes estava leve, começou a tomar um tom sério. Aproximei nossos lábios e senti suas mãos tocando a minha nuca.
Sentir seus dedos na minha pele eram uma das melhores sensações que já tinha experimentado. Me fazia arrepiar e sentir que precisava dela mais perto ainda. Eu sentia que nunca estava próximo o suficiente, que até o ar ao nosso redor era muito.
- . – Ela sussurrou com uma voz rouca.
- Estou aqui.
Foi a vez dela de procurar meus olhos.
- Eu não quero ficar sem você. – Vi lágrimas se formando em seus olhos, e eu já tinha descoberto que a pior coisa para mim era vê-la chorar. Vê-la mal era pior do que perder de goleada, era pior do que ser expulso, era pior do que ficar no banco de reservas com seu time perdendo e não poder fazer nada. Eu aguentava tudo, menos vê-la chorar.
- , você não vai ficar sem mim. A gente vai dar um jeito nisso tudo. Eu te prometo.
- Você é tão lindo.
- Lindo. – repeti a palavra que aprendi em seu idioma natal. – Você é perfeita.
Então ela começou a se levantar, me afastando. E eu não tinha ideia do que tinha feito de errado.
Ela foi até o quarto e eu fiquei sentado no chão a observando andar pelo meu apartamento. A atmosfera que ela trazia para aquele lugar fazia ele se tornar o melhor do mundo.
Me levantei e fui atrás dela, parando na porta do quarto a observando recolher suas coisas.
- , eu fiz alguma coisa errada.
- Não.
- Então o que foi?
Ela me olhou do outro lado do quarto.
- Eu não posso permitir me apaixonar por você assim. Eu sei que vou ter que voltar para o Brasil. Nós não temos futuro , então para que tentar.
Como ela podia falar assim?
Fui até ela e a segurei com firmeza, de forma que ela não pudesse se desvencilhar dos meus braços.
- Por que nós dois não teríamos futuro?
- Olha para a gente! Você é um jogador famoso e eu sou apenas uma garota em um país que mal sabe falar a língua. Eu logo vou precisar ir para casa.
- , eu sou um jogador que não tem ideia do que está para acontecer na carreira. E você é uma garota maravilhosa que tem a vida inteira pela frente. Um mundo cheio de possibilidades para escolher.
- Não é bem assim que funciona no mundo real. A gente tem que fabricar as nossas próprias oportunidades.
- E você vai. Nós dois vamos fazer isso juntos. Por favor, me permite fazer isso.
Percebi que ela começou a ceder.
- A gente passa o dia junto hoje. Podemos fazer o que você quiser. Se no final do dia, você ainda quiser desistir de tudo, vou aceitar e seguir em frente. Mas não toma uma decisão sem que eu possa participar dela. Sem que eu possa lutar por você.
- Tudo bem. A gente pode tentar fazer isso. Mas antes, eu preciso passar na minha casa e trocar de roupa. – Ela levantou a camisa que tinha usado no dia anterior e começamos a rir.

Uma hora depois eu estava parado na porta do alojamento dela, a aguardando trocar de roupa. Já estava com duas bicicletas no porta malas do carro, e conhecia o lugar perfeito para irmos. No som tocava o cd novo do Justin Bieber, o único que nós dois havíamos concordado que era bom. Estranho pensar que era o único cantor que tínhamos um gosto em comum. Será que ela estava certa e éramos mesmo tão diferentes assim?
Ela saiu na porta do alojamento vestindo uma calça leggin preta, uma camiseta branca, um moletom da Adidas azul, um tênis de corrida colorido e o cabelo preso em um rabo de cavalo, carregando uma bolsa que poderia caber um guarda roupas inteiro dentro. Sorri quando a vi entrando no carro.
- O que foi?
- Nada. Estou só te observando.
Ela abaixou a guarda e sorriu, me dando um selinho. Arranquei com o carro enquanto tocava “Sorry”, e ri quando ela começou a dançar.
- Você gosta mesmo do Bieber né? - Ela olhou para mim arqueando uma sobrancelha.
- Nada. Esse álbum ficou muito bom, e essas musicas grudam na cabeça.
- Aham. Sei.
- Eu juro!
- Vou fingir que acredito em você.
- Idiota.
E então ela falou aquela palavra de novo. Estava começando a pensar se esse seu “idiota” não significava mais do que apenas uma irritação. Principalmente quando ele vinha seguido do sorriso mais bonito que eu já tinha visto na vida.

- Então , para onde você está me levando?
Já tínhamos saído da cidade e pegado uma estrada. Tinha uma trilha de bicicleta há 80 km de Munique, e como era dia de semana, sabia que estaria vazia.
- Tem um lugar que gosto bastante de pedalar fora da cidade.
- Não é nenhuma trilha no meio do mato não né?
- Não. Fica tranquila. As trilhas aqui são asfaltadas e seguras.
Ficamos mais algum tempo em silencio quando ela pegou algo da sua bolsa e começou a mexer no som do carro.
- Por mais que eu goste de Justin Bieber, acho que preciso te apresentar música de qualidade.
- , se você colocar qualquer metal maluco nesse carro, você vai andando.
Ela me olhou com cara de brava, mas sabia que estava brincando. Aos poucos estava começando a perceber quando ela estava apenas brincando e quando o assunto era sério.
Conectou o ipod no som do carro e escutei um som que já tinha escutado várias vezes. Era uma das músicas mais tocadas da minha adolescência, e percebi que ela sentia o mesmo. E ali, no meio da estrada, fizemos a nossa primeira performance em conjunto cantando Numb do Linkin Park.
I've become so numb i can't feel you there become so tired so much more aware I'm becoming this all I want to do Is be more like me and be less like you

Ela POV

A trilha de fato era completamente diferente do que eu imaginava. No Brasil, sempre que falavam que ia fazer uma trilha de bike, significava ir para uma estrada de terra, muita sujeira e pouco equilíbrio. Eu nunca fui muito fã de bicicleta, e costumo falar que não sei andar apenas pelo motivo de que não tenho segurança para fazê-lo.
Quando era criança, é claro que tentei aprender. O Gustavo sempre pedalou, então ele me motivava a tentar. Mas eu caia e voltava para casa chorando com um joelho ou cotovelo ralado. Com o tempo, parei de tentar. Ele parou de me chamar, e eu me tornei uma adulta que não sabe andar de bicicleta. Ou pelo menos era melhor falar assim do que admitir que eu tinha era uma enorme dificuldade para fazer uma coisa tão idiota.
Estava com muito medo desse passeio que criou. Sabia que era um dos seus hobbys favoritos, havia lido isso em seu site oficial, e aceitar ir até ali já era algo completamente desafiador para mim. Na bolsa, eu havia levado um livro para aguardar no carro, caso eu conseguisse convencê-lo a não me levar, mas caso não desse certo, tinha um capacete rosa que peguei emprestado da Marie.
Mas é claro que, se eu me achava teimosa, era três vezes pior.
Ele pegou as duas bicicletas do porta malas e fomos empurrando até a entrada da trilha. De fato, era um local fechado, uma pista asfaltada e arborizada. Mas ainda assim era morro acima, com altos e baixos dos quais eu teria que fazer esforço se quisesse sair do lugar. E perder o meu medo de ficar em cima desse monstro de duas rodas.
- Qual é o seu nível de não saber andar de bicicleta?
Ele olhou para mim daquela forma que só ele sabia fazer, como se estivesse observando e fazendo anotações de todas as minhas reações. Como se eu fosse um ser fantástico ainda a ser descoberto e desvendado.
- Eu sei ficar em cima dela e começar a pedalar.
Ele arqueou a sobrancelhas e me olhou como se eu fosse maluca.
- Mas , não tem mais nenhum segredo além disso.
- É, só que logo em seguida eu tenho a tendência de cair. Ralando o joelho.
Ele sorriu e aquele sorriso me trazia calma. Talvez com ele do meu lado, eu pudesse fazer isso. , crianças de quatro anos sabiam andar de bicicleta, estava na hora de sair do berçário.
Montei na bicicleta e comecei a pedalar devagar. Ele veio correndo atrás de mim.
- Por que você está fazendo isso?
- Eu te prometi que não te deixaria cair. Vou te segurar.
No segundo que ele falou isso, me desequilibrei. Ele me segurou.
- Eu disse que te segurava.
Desci da bicicleta e olhei nos seus olhos.
- Você consegue fazer isso , só precisa perder o medo. Você tem mais medo de falhar do que de fato da bicicleta. O que te acalma?
- Música.
Ele foi andando até o carro enquanto eu estava parada ao lado da bicicleta. O que ele estava fazendo?
Voltou com meu ipod e o head phone que estava no dia em que nos conhecemos.
- Coloca isso e tenta. Não tem transito aqui, não tem ninguém além de nós dois. É apenas você e o asfalto.
Liguei o ipod e começou a tocar Castle of Glass. Sempre gostei de fazer atividade física com essa música, apesar de já ter bastante tempo que nem sabia o que era entrar em uma academia.
Subi mais uma vez na bicicleta e comecei a pedalar. Aos poucos fui relaxando e admirando a paisagem ao meu redor. Já estávamos quase na primavera e o calor estava chegando. Não se via nenhuma nuvem no céu, e apesar da trilha ser morro a cima, a vista de Munique ao longe era maravilhosa.
vinha atrás de mim em sua própria bicicleta, e eu não tinha ideia de quando começara a pedalar sozinha, muito menos quando ele começou a me seguir. A sensação do vento no rosto era uma coisa maravilhosa, uma liberdade que nunca tinha experimentado antes. E por um bom tempo, não falamos nada. Era eu, minha música e a estrada na minha frente.

Depois de 40 minutos pedalando morro a cima, chegamos a uma clareira que tinha a vista perfeita da cidade e região. Ali ventava, e apesar do esforço físico, estava começando a sentir um pouco de frio.
parou ao meu lado e por um tempo ficamos apenas observando a vista. Era lindo. Sem dúvida um dos lugares mais bonitos que eu já tinha visitado.
- O que você acha de um lanche? – Olhei para ele tentando entender onde teria comida no meio do nada e só então notei a mochila em suas costas.
- Como iriamos passar o dia fora, imaginei que trazer uma lanche fosse uma boa ideia.
- Nossa, melhor ideia que você já teve. Estou morrendo de fome.
Ele riu enquanto estacionávamos as nossas bicicletas no muro que dividia a trilha da clareira. O espaço era amplo e provavelmente usado para piqueniques. Ele pegou uma toalha branca na mochila e estendemos no chão.
- Branca?
- Algum problema? – Ele perguntou se sentando e puxando a mochila onde provavelmente estava o nosso almoço.
- Só estava me perguntando quem ia lavar.
- Eu mesmo. Anda , para de pensar demais e vamos comer. To azul de fome.
Eu realmente pensava demais. Pensava demais se estava fazendo a escolha certa, ou se se quer estava fazendo alguma escolha. Pensava demais o que significava esse homem ao meu lado. Ele vestia uma camiseta branca e shorts pretos, e eu estava começando a ter a mesma mania que ele de observar, porém, era apenas ele quem eu queria observar.
Ele não parecia ser de verdade. Essa vista não parecia ser de verdade. Nada disso podia ser real.
- ?
Olhei para ele assustada.
- Oi?
- Você escutou alguma coisa do que eu falei?
- Aham.
- Então o que você acha de pintar meu cabelo de rosa?
- Hã?
Ele começou a rir da minha cara, e só então eu entendi que ele estava brincando.
- Desculpa, estava admirando a vista e acho que me perdi nos pensamentos. Mas é sério essa coisa de pintar o cabelo de rosa?
- Logico que não.
- Ah, ainda bem!
- Então, temos sanduiche de geleia com pasta de amendoim – disse pegando dois embrulhos de dentro da mochila – e outro sanduiche de geleia com pasta de amendoim. Qual dos dois você vai querer?
Foi a minha vez de rir da cara dele.
- Ou seja, eu tenho muitas escolhas né?
- Claro. Você sempre pode escolher.
Ele me passou um dos sanduiches e comemos em silêncio enquanto observávamos a vista.
- Da para ver o Allianz Arena daqui.
- Onde?
Ele apontou a direção e só então percebi a dimensão do estádio.
- É enorme. Ainda não tinha me dado conta disso, apesar de ter ido naquele jogo.
- Sim. É incrível como tudo ao longe parece maior, ou menor. Dependendo do ponto de vista. – Percebi que ele não estava falando sobre o estádio mais. – A gente pode fazer isso . Não estou dizendo que vai ser fácil, mas também não é impossível.
- , por favor. Não fala nada. A gente prometeu que íamos nos dar o dia longe de tudo. Vamos fazer isso. Amanha é um outro dia.
Ele não falou mais nada e se aproximou de mim, me abraçando. E ficamos assim, abraçados em silêncio, apenas sentindo o vento no topo da montanha e vendo a cidade de Munique ao longe. Tudo parecia tão distante dali, tão impossível. Ele era real. Eu era real. E o resto do mundo, era completamente alheio a nós dois.


O silencio entre nós dois era uma coisa maravilhosa, e eu costumava odiar o silencio. Descemos o morro conversando sobre coisas bobas da vida, musica favorita, cor favorita, filme favorito. Um pouco sobre família, e sobre escola. Tínhamos vivido duas realidades muito diferentes, e esse choque era maravilhoso. Sempre amei a diversidade.
Agora já estava escuro, e voltávamos para Munique. No som tocava bem baixinho um álbum do Lady Antebellum que eu nem se quer estava prestando atenção. Mas o nosso silencio era agradável. Me fazia sentir em paz, em casa, ou qualquer outro sentimento de tranquilidade que fosse possível descrever. Apesar de ter certeza que amanhã não sentiria minhas pernas.
Resolvi pegar o meu celular. Havíamos desligado para nos desconectar do resto do mundo no momento em que deixamos meu alojamento, mas eu sabia que não poderia ignorar para sempre a existência de outros seres humanos, principalmente porque tinha deixado a sozinha com a Marie desde a noite anterior. Estava com medo do que me esperava em casa. Mas foi apenas quando abri meu celular que percebi que o problema era muito maior do que eu imaginava.
: , abre seu e-mail. Ou melhor não. Chega em casa primeiro, temos muito que conversar.
Pensei em abrir logo o e-mail, mas vi uma mensagem do Gustavo. Eu já imaginava que ele iria ficar chateado comigo, mas não imaginava nunca que ia ser tão grosso.
Gustavo: Obrigado por me contar que você está saindo com um jogador de futebol. Custava pelo menos falar “Oi Guga, sabe o ? A gente tá junto”. O problema não é estar com ele, mas sim não ter me contado e eu ter descoberto só pela mídia internacional. Esperava mais de você .
Nunca imaginei que meu irmão fosse ficar tão chateado. Sei que poderia ter falado com ele, e não queria que ele tivesse descoberto pela mídia internacional. Por que eu sempre escuto a sendo que quando se trata do Gustavo, eu deveria conhece-lo melhor.
Senti meus olhos arderem. Não poderia começar a chorar, não por esse motivo. Ele é meu irmão, sei que assim que ligar para ele a gente fica bem. Só que eu odeio quando as pessoas brigam comigo, principalmente quando é alguém que eu amo.
Fiquei tão chateada que nem lembrei de olhar o e-mail que a falou . Era melhor guardar o celular e esperar chegar em casa. Sabíamos que teríamos que lidar com as consequências, e elas haviam chegado. Não poderíamos fugir para sempre.
- Hey, o que foi? – tirou a mão do volante e segurou a minha.
- Meu irmão ficou sabendo da gente. Mas tudo bem, depois converso com ele.
Ele desviou o olhar da estrada por alguns segundos apenas para checar se eu estava chorando ou se era apenas a minha voz que estava tremula. Talvez eu não tenha conseguido segurar as lágrimas como deveria.
- Mas era para ser algum segredo?
- Não. Só não queria que ele tivesse descoberto assim. A falou para não contar para ele até ter certeza de alguma coisa, mas acho que a mídia internacional foi mais rápida.
- Olha, não conheço seu irmão, mas tenho experiência o suficiente com o meu para saber que a raiva sempre passa. Quiser ligar para ele, vou fingir que não estou aqui.
- Tudo bem. Chegando em casa eu falo com ele. A também me mandou uma mensagem estranha. Ainda bem que a minha amiga está aqui. – suspirei e ele voltou a mão para o volante.

Ele POV

A deixei em casa sem querer de fato deixa-la. Propus voltar para meu apartamento, apesar de já saber que ela negaria. Fiquei mal por precisar ir embora, mas ela precisava resolver os problemas dela. E eu sabia que precisaria resolver os meus.
Não tive coragem de pegar meu celular. Tinha medo de todas as mensagens que estariam ali. De todos os links de matérias que meus amigos iam me mandar, das mensagens de ódio deixadas por Marx. Não queria falar com ninguém, mas sabia que as coisas precisavam ser resolvidas.
A não seria um problema como meu ex-agente tinha dito que seria. Nosso relacionamento infelizmente a afetava mais do que a mim. E por isso, eu sabia que precisaria estar presente para ela. Jamais queria ver ela desabar de novo como havia visto na noite anterior. Noite essa que parecia ter sido há meses atrás, não há apenas 24 horas.
Cheguei em casa e me joguei no sofá, só então tive coragem de olhar o celular. 3450 mensagens no whattsap. 1530 mentions no twitter. E ainda bem que não conferia os comentários do facebook, e muito menos tinha atualizado meu instagram.
Abri o whattsap. Não era meu normal sumir por um dia inteiro, e sabia que algumas pessoas estariam de fato preocupadas, como meus pais, irmão e amigos. O primeiro da lista era , e sua mensagem era mais um conselho de amigo do que um puxão de orelha.
: , não ligue para o que a imprensa está falando. Nem se quer abra os jornais. Já liguei para o Henri e amanha ele pode te encontrar e ajudar a resolver tudo. Por minha conta, não preocupa com seu contrato. Se a quiser, convida ela para a reunião. Acredito que também vá ser importante para ela. O que vocês precisarem pode me chamar. ise) também já se dispôs a ir até Munique encontrar com a . Passa o contato para ela.
: Obrigado bro. Pode deixar, vou passar o contato para a . Não olhei nenhum jornal ainda, e só pela sua mensagem, acho que vou deixar para olhar amanhã. Tivemos um dia tão mágico que parece absurdo que alguma coisa possa destruí-lo. Mas infelizmente a realidade às vezes bate na porta né?
Achei que ele não fosse responder, mas meu amigo jamais me decepcionava.
: Se segura ai. Agora parece que estão entrando em uma turbulência, mas vai dar tudo certo. Confia nisso.
Mandei uma mensagem no grupo da família que estava bem, mesmo sem ler nenhuma das mensagens. Realmente não queria saber o que tinha acontecido. Lá estava eu adiando novamente. Postergando ao máximo todos os problemas.
Tomei um banho só pensando no sorriso da . Em como ela parecia tão serena no alto da montanha. Ela era linda, e não fazia ideia da sua beleza. Ela não fazia nada para ser tão linda. L-I-N-D-O. Essa palavra que eu tinha aprendido a dar um significado completamente diferente.
Adormeci ainda pensando no seu sorriso. Não era atoa que todas as músicas sobre o amor conseguissem ser tão mágicas. É, talvez eu de fato esteja apaixonado.

O campo estava lotado. Era como o final da copa do mundo. Todo mundo havia decido para o gramado e a multidão comemorava o resultado do jogo. Eu não sabia qual era o resultado do jogo.
Andei a procura da , ou de qualquer conhecido meu. Tínhamos ganhado, mas não conseguia enxergar nenhum amigo. Nenhum companheiro de time, e nem se quer a comissão técnica.
O barulho foi aumentando, e o que começou com o som de uma multidão, começava a se transformar em ruído agudo. Meus ouvidos começaram a doer, e eu não conseguia sair do lugar. Minhas pernas cederam e me obriguei a deitar no meio do campo, rodeado de estranhos.
Ao longe escutei a voz da me chamando. Mas era mais que um chamado, era um grito, um pedido de ajuda. Olhei em volta a procurar de forças para me levantar e ir até ela, me arrastando aos poucos no chão em direção a sua voz.
Mas então percebi que todos me encaravam e cochichavam, claramente conversando sobre mim. E eu não sabia como eles estavam me encarando. Eles não tinha rostos. Eles não tinha faces. Eram apenas o contorno de onde deveria ter olhos, bocas e narizes.

Acordei assustado mais uma vez. Meu coração estava disparado e tentei recuperar o folego.
Enquanto ainda não tinha tomado consciência da realidade, meu celular apitou. Tinha deixado do lado da cama caso a mandasse alguma mensagem, e era justamente ela quem me chamava. Uma mensagem que, se fosse fisicamente possível, teria rasgado meu coração ao meio. E apesar de ir contra a biologia, a dor era extremamente real.
: Desculpa, eu não posso fazer isso.



Apart



Ela POV

- , como assim você passa o dia inteiro sem celular? Você tem noção da repercussão daquelas fotos?
Essa era a . Direta, sem se preocupar se eu estava bem. O sorriso que estava no rosto ao despedir do meu namorado foi embora com menos de 2 minutos que eu entrara em casa.
- , calma. Me conta o que está acontecendo, porque eu tive o dia mais mágico da minha vida, e no momento que resolvermos voltar para a realidade, recebo uma mensagem do Gustavo que me deixou extremamente confusa.
- É, ainda tem essa coisa do Gustavo...
- Fala logo .
- Abre uma pagina de jornal. Qualquer uma.
Peguei meu celular e abri no Bild, desde que comecei meu curso estava lendo esse jornal por indicação de um professor. Mas me assustei com a matéria. A manchete até que era esperado, algo como “ com uma nova namorada: e ela é brasileira”, mas resolvi ler a matéria.
Ao estudar comunicação, a gente aprende que a mídia nem sempre reproduz a realidade. Conhecemos o conceito de sensacionalismo, aprendemos a odiá-lo, a não reproduzir discursos, mesmo sabendo que no mercado de trabalho as coisas não são tão utópicas. Mas tem uma coisa que não é ensinada na universidade: como lidar quando você é o assunto de uma matéria sensacionalista.
está nas notícias do ano. Não fazendo uma boa temporada pelo Bayern de Munique, o autor do gol do título alemão aparentemente pegou gosto pelas coisas brasileiras. Ele foi visto com a nova namorada no final do último jogo da seleção alemã, que saiu vitoriosa sobre a Itália por 2 a 0.
A garota também não é uma desconhecida da mídia. Ela é blogueira, e trabalha em um site especializado em música no seu país natal. A redação conseguiu entrar em contato com o dono do site pelo qual ela trabalha, o Mr. Meirelles, que confirmou o relacionamento do casal. ““A é uma garota inteligente, tem influencias, então sim, eles estão juntos”.”
O que?? Eu tinha mesmo lido isso??
- me segura porque estou quase indo a pé para o Brasil dar um soco na cara desse otário.
Ela olhou assustada para mim.
- , calma. Essa foi apenas uma declaração.
- Sim, uma declaração que está em toda a mídia internacional. Todo mundo deve estar achado que eu sou uma oferecida que resolveu se aproveitar da fama dele. Ai ! A situação dele já está complicada por causa do time, e sem ideia de onde ir na próxima temporada. Não posso fazer isso com ele. Fora que você leu o que o Meirelles disse. Se eu não voltar ao Brasil essa semana, ele vai me tirar o site. Eu nem se quer estava planejando mais voltar ao Brasil... E o Gustavo?? Com certeza ele está achando que o Meirelles sabe mais da minha vida pessoal do que ele.
- Mas esse problema é fácil de resolver – ela me entregou o telefone que eu tinha jogado com raiva no tapete – liga para o Guga. Vocês já passaram por coisas piores.
Ela tinha razão. Eu e o Guga éramos inseparáveis desde o útero. Não seria uma declaração de um aproveitador, até porque era ele quem estava tentando tirar alguma vantagem do meu relacionamento. O que ele acha que vai conseguir? Entradas para salas vips de artistas? Talvez esse tenha sido o sinal que eu precisava para tomas uma decisão. Talvez seja a hora de dizer adeus ao My Songs, My Life. Talvez, fosse a hora de começar a buscar um trabalho que me permitisse ser feliz, e isso incluía ficar com meu namorado.
Mas em primeiro lugar, o Gustavo.
Peguei o celular tremendo. me deixou sozinha na sala, mesmo sabendo que descobriria todo o conteúdo da conversa. Nós dois precisávamos de espaço, e eu me sentia muito distante dele para ficar bem.
Gustavo atendeu no terceiro toque. Ele não falou nada, mas eu podia escutar a sua respiração.
- Antes que você fale qualquer coisa, vou deixar algo bem claro: não te contei nada porque queria ter uma certeza do que estava acontecendo, se não era apenas um casinho que logo teria um fim. E, eu não sei o que o Meirelles está falando, porque não converso com ele desde que sai do Brasil.
, eu não queria ter descoberto assim.”
- Eu sei. Me desculpe. Não foi de propósito, muito pelo contrário. Estávamos tomando cuidado para deixar isso o mais secreto possível.
“Claro, ai vocês se pegam no final de um jogo que estava sendo televisionado mundialmente.”
- Gustavo, me deixa terminar de falar!
Ele ficou em silencio novamente, e eu podia sentir sua raiva pelo telefone.
- Eu ia te contar assim que tivesse uma chance de conversar com calma. Você não tem ideia da confusão que está aqui. está sofrendo pressão do agente dele para decidir a próxima temporada. O cara chegou a aprontar o maior escândalo na festa pós jogo, e eu não duvido que tenha sido ele a entrar em contato com o Meirelles para fazer aquela declaração. Fiquei feliz que eles pelo menos não te envolveram...
, eles me envolveram sim! Você sabe o que é ser acordado às 5 da manhã por uma jornalista que não fala a mesma língua que você e pedindo uma declaração sobre um relacionamento que você nem se quer sabia da existência? ”
Ele parou para respirar, e foi a minha vez que não ter o que falar.
“Eu só não queria ter sido pego despreparado. E a respeito do , se a está aceitando isso e ainda não teve nenhum instinto homicida, ele deve ser um bom rapaz. Fico fez que minha irmãzinha esteja feliz”.
- Irmãzinha é uma ova Gustavo, você é apenas três minutos mais velho que eu. Cala a boca!
Ele riu, e por consequência eu ri também. Que saudades eu estava do meu irmão.
“Fica bem pequena, e vê se volta para o Brasil pelo menos para conhecer sua sobrinha tá? ”
- Prometo não ficar aqui direto. Em algum momento irei para o Brasil. Tenho alguns assuntos inacabáveis que preciso concluir.
“Espero que você saiba o que esteja fazendo. ”
- Somos dois então.


- Está tudo bem?
Sorri para minha amiga.
- Agora sim.
- Ótimo. – ela trouxe o notebook no colo, e me mostrou o tal e-mail que eu ainda não tinha aberto. – , eu pensei em excluir, mas acho que você precisa ler.
E então eu vi. Deveria ter pelo menos umas 200 mensagens com mensagens que variavam de me chamar de oferecida, a xingando o . Me assustei com tantas mensagens de ódio. Comecei a ler algumas.
“Brasileira? Com uma pele tão branca assim eu duvido. Garota, larga meu homem, nem bunda você tem.” E essa era uma das que não tinham palavrão. Nunca achei que fosse ler tantas mensagens de ódio. Não queria mais ler aquilo. Não conseguia.
Lidar com a mídia era uma coisa. Eles sempre inventavam, aumentavam os fatos, distorciam falas, ampliavam imagens. Nunca revelavam tudo que acontecia. Isso era possível. Mas se, estar com significava receber e-mails desse tipo, eu não sabia se poderia fazer isso.
Por impulso, um enviei uma mensagem para ele. No segundo seguinte, comecei a chorar. O que eu estava fazendo?
: Desculpa, eu não posso fazer isso.

Ele POV

Não sabia como tinha ido dormir. Muito menos que horas eram. Ou o que quer que tenha acontecido na noite anterior. Parecia um sonho, ou melhor, um pesadelo. O que a queria dizer com o “não posso fazer isso? ”. E ainda tinha as matérias que me pediu para não abrir. O que tinham nas matérias?
As milhares de mensagens continuavam no meu celular. Meu irmão mandou uma perguntando o que eu tinha feito com o Marx, fiquei sem entender então resolvi contar para ele o ocorrido.
: Ele invadiu a festa pós jogo e começou a falar que minha namorada ia estragar minha carreira. Como se já não bastasse eu estar recebendo atenção demais da mídia.
Fabian: Mas ele pode não estar errado. Por um acaso você já leu as matérias que estão circulando por ai?

Mais uma vez essas matérias.
: Ainda não.
Fabian: Eu estou indo para ai. Não leia sozinho. O Henri vai encontrar a gente ai, me falou do combinado.

Então eu comecei a pensar na mensagem da . Será que sua reação seria o motivo pelo qual meu irmão e meu melhor amigo estivessem conversando pelas minhas costas? Eu não iria espera-los.
Abri o site do Bild, e li a matéria. Quem era esse Meirelles? Segundo a reportagem era o chefe da . Mas por que o chefe da estaria dando entrevistas sobre a vida pessoal dela? Será que tinha sido por isso que ela mandou aquela mensagem?
Tentei ligar para ela. Sentei no sofá e comecei a tremer. Nunca fiquei tão nervoso para fazer uma ligação, mas também nunca tinha me importado com alguém tanto quanto me importo com essa garota.
Ela não atendeu na primeira tentativa. Liguei de novo.
Fui ignorado em todas as 5 tentativas. Resolvi mandar uma mensagem. Não poderia deixar ela mandar aquilo e simplesmente sumir.
: , conversa comigo. O que foi que aconteceu?
Não obtive resposta, apesar de ter visto os dois tracinhos azuis mostrando que ela visualizou.
Quis jogar o celular na parede. Não me sentia bem, uma falta de ar que parecia que eu tinha corrido pelo menos 500 km. E quando achei que fosse explodir, a campainha tocou.
Logo pensei que seria a . Ela não tinha me atendido para vir até aqui. Porém, eu não tinha tanta sorte.
Abri a porta e me deparei com o meu irmão.
- Ah, é você.
- Eu te avisei que estava vindo.
- Verdade.
- , vem, vamos conversar. – Ele fechou a porta do meu apartamento enquanto em voltava a me jogar no sofá. – Em primeiro lugar, você comeu alguma coisa hoje?
- Não.
- Você sabe que tem treino à tarde, não é?
- Sei.
Eram 11 da manhã. O treino começava as 2 da tarde. Minha vontade de sair do meu apartamento e ver qualquer pessoa que não fosse a estava quase zero.
- Toma, come isso.
Fabian me entregou um pote com iogurte e aveia. Café da manhã dos campeões. Só que não. Era basicamente a única coisa que tinha na geladeira.
Ele se sentou no meu lado enquanto eu fingia que comia.
- , você abriu suas redes sociais?
Rapidamente peguei meu celular. De fato, não tinha aberto nada desde a manhã anterior, quando havia saído com a .
Manhã anterior. Como que a vida da gente pode sair de uma estase de felicidade para um completo abismo em apenas 24 horas? Isso não parecia ser real.
Estava no piloto automático, então apenas fiz o que Fabian mandou.
Abri primeiro o twitter. Aos poucos fui acordando e ficando em alerta, sem acreditar no que estava lendo. Milhares de mensagens de ódio para a . Como que o ser humano conseguia ser tão idiota? Essas pessoas nem se quer me conheciam, e falavam cada absurdo.
Se não bastasse o número de tweets, também tinha conteúdos iguais no facebook e instragram. Qual era o problema dessa gente que não podia ver ninguém feliz que já vinha perturbar? Eu estava acostumado a lidar com ódio de torcedor, cada um pedindo para eu ir para um time como se eles fossem decidir qualquer coisa por mim. Sério, as vezes eu me surpreendia em quanto o ser humano podia ser sem noção.
Agora tudo fazia sentido na mensagem da . Não era a gente que ela não conseguiria lidar, eram com as mensagens de ódio. Com as críticas de graça vindas de pessoas que não nos conhecia. Liguei para ela de novo, e passaria o dia tentando se ela não me atendesse. Iria até o dormitório, procuraria a . Eu não iria desistir dela assim tão facilmente.
Em algum momento que eu não fazia ideia quando, Henri chegou. E tinha sido ele a tirar o meu celular das minhas mãos.
- , você não vai resolver nada assim.
Me assustei ao ouvir a sua voz. E só então me lembrei que o tinha enviado ele até aqui. Não confiava mais no Marx e não poderia sair da agencia antes do final da temporada. Não tinha ninguém com quem lidar com essa crise, e então o Henri estava ali.
- A gente precisa pensar em uma estratégia para contornar a mídia, fãs raivosas vão aparecer em todos os lugares. Para a sorte de vocês, suas redes são todas ou profissionais ou privadas. E sim, vamos conversar com a , porém não acho que você seja a pessoa indicada para chegar até ela.
Como assim eu não deveria falar com a minha namorada?
- Se não eu, quem então?



Friends



Ela POV

A campainha começou a tocar insistentemente. Maldita hora para a sair e a Marie estar no curso. Estava debaixo de várias cobertas, com um moletom velho e a cara inchada de tanto chorar. E a pior parte é que não sabia porque estava chorando, tantos motivos e nenhuma resposta.
Fui me arrastando até a porta, sem me importar com o cabelo bagunçado ou a qualquer outra aparência deplorável que me encontrava. E me arrependi no segundo em que abri a porta.
- , porque você está assim? Vai agora para o chuveiro.
estava parada na porta do meu apartamento. Tinha conhecido a namorada de na festa pós jogo, mas jamais imaginaria que ela estaria parada na porta do meu apartamento vestindo uma calça jeans, uma blusa social com um maxi colar e um scarpin que deixava a loira ainda mais alta do que já era, fora que carregava uma pequena bolsa da Chanel.
Devo ter feito uma cara de muito assustada, porque a mulher na minha frente entrou o apartamento sem que fosse convidada, agindo como se fosse uma das minhas melhores amigas. E apesar do meu susto, eu realmente sabia que ela poderia ser sim uma das minhas amigas mais próximas ali, afinal, quem mais entenderia de como é ter um relacionamento com um jogador de futebol se não a escolhida de ?
- Oi. Desculpa, não estava esperando você aqui.
Fechei a porta e fui atrás dela. Sua segurança era tão grande e a energia tão boa que parecia que meu apartamento inteiro estava mais iluminado. Sua presença já tinha me acalmado um pouco, mas ainda assim não tinha feito nenhuma atitude para mudar minha aparência deplorável.
- , eu poderia enrolar, inventar desculpas, mas vou ser direta. Já estamos atrasadas para uma reunião com o Henri. Vou entender se você quiser ficar, mas eu li todas as mensagens e sugiro que você realmente tome um banho e venha comigo. Nesse exato momento ele está com o , e tenho certeza que vai ajudar vocês a resolver toda essa bagunça.
- , eu sei que vocês só querem ajudar, mas o problema é um pouco mais grave.
Ela se sentou no sofá, parecia mais em casa do que eu.
- Então me conta. Se você não se abrir, não tem nada que a gente possa fazer por você.
Ponderei. Ela parecia ser sim uma pessoa legal, e tinha sido uma das que me ajudaram na festa na casa do Muller.
- Tá bom.
Me sentei ao seu lado e desabei, em todos os sentidos metafóricos que a palavra desabar poderia ter. Acho que nunca chorei tanto na minha vida, e entre soluços e babas (porque sim, quando temos esse tipo de choro, há mais babas do que lágrimas), contei o que tinha acontecido.
- Primeiro eu achei que estava com raiva por causa da reação dos fãs, mas então entendi que era apenas gente sem serviço que estava com inveja. Fala sério, eu seis meses atrás também teria inveja da namorada de , ou qualquer outro jogador de futebol. – Ela entendeu a piada, mas era tão segura de si que nem se quer riu. Fiz papel de boba na sua frente e ela escutou com paciência todas as palavras sem sentido que eu reproduzia. – Mas aí depois achei que estava me sentindo culpada por não ter falado nada para o meu irmão. Mas poxa, é o Gustavo! Conversei com ele e ficou tudo bem. Porém eu não fazia ideia do que estava acontecendo. Só estava me sentindo muito mal. E quando li aquela declaração que meu chefe fez, foi o topo do problema. Eu sabia que ele ia querer usar esse relacionamento de algum jeito, mas não achei que fosse ser tão descaradamente assim. E...
- , respira.
Olhei para seus olhos azuis e respirei. Tinha alguma coisa dentro deles que de fato te fazia acalmar.
- Olha, se você está bem com seu irmão, o resto a gente dá um jeito. Posso te ajudar a lidar com essas fãs raivosas, elas passam a ser bem engraçadas com o tempo. Sei que é horrível dizer isso, mas você vai estar rindo disso daqui a um tempo. Acho que o que você tem que fazer agora é ir conversar com o . Fiquei sabendo da mensagem que você mandou para ele, e entendo seu sentimento, mas fugir não vai te levar a lugar nenhum.
Assenti concordando com ela. Estava começando a parar de chorar finalmente.
- Agora vai tomar um banho. Acho que precisamos conversar com o Henri. Ele vai poder te ajudar com o seu chefe.

Entrei no chuveiro e deixei que o calor da água quente relaxasse meus músculos. Meu ipod tocava uma música lenta que eu amava. Pools do Perlo. Uma melodia calma e aconchegante que me deixava pensar.
Ao sentir a água bater nos ombros, eu chorei de novo. Senti uma dor no peito que não sabia explicar de onde estava vindo, só que doía. Era algo tão forte que nunca tinha sentido antes. E então lembrei da mensagem que mandei para o . Será que queria mesmo desistir? Mas era possível se sentir assim com uma pessoa que você conhecia há poucos meses?
A única coisa que eu sabia, era que nada daquilo fazia sentido. Mas como já dizia o sábio Renato Russo “Quem um dia irá dizer que existe razão nas coisas feitas pelo coração, e quem irá dizer que não existe razão? ”.

Banho realmente era uma coisa dos deuses. Saí do banheiro me sentindo um pouco melhor, mas ao entrar no meu quarto podia jurar que tinha passado um furacão. Metade do meu guarda roupa estava no chão, e a outra metade em cima da cama.
- Lou, o que é isso?
- Menina, você não tem roupa!
- Eu sempre falei isso com ela, mas me escuta? – Marie chegou na porta vendo toda aquela bagunça.
- Não foram vocês que passaram a vida inteira aguentando ela dizer que não tinha roupa e ia atacar o seu armário ao invés de comprar algumas. – também apareceu não sei de onde.
E ali estava eu, apenas de toalha de frente para 3 das mulheres mais seguras de si que eu já havia conhecido. , minha cunhada e melhor amiga, sempre decidida e havia sido ela a ir atrás do meu irmão. Marie Deforest, minha amiga francesa que não estava nem aí com o que nenhuma das outras pessoas pensavam sobre ela. E por fim, minha mais nova amiga, , namorada de , modelo e atriz. Essa mulher era tudo.
E quem era eu? , vestida de toalha com os cabelos ressecados, olhando todo o guarda roupa no chão. Basicamente roupas de moletom e camisetas de banda.
esticou um conjunto de calcinha e sutiã que rapidamente vesti por baixo da toalha. Percebi que não teria direito de escolher minhas próprias roupas, então sentei na cama e deixei que escolhesse uma calça jeans que era mais colada do que eu gostaria, uma camiseta preta lisa e um sobretudo verde claro que ficava bem soltinho no meu corpo.
Rapidamente vesti e me olhei no espelho. Não me reconhecia. Meu cabelo castanho parecia ter ganhado mais vida.
- Isso estava no meu armário?
Escutei as três rindo. Eu deveria mesmo ter nascido com um nariz de palhaço.
- Estava. Mas calma, ainda não está pronta. - Marie disse e saiu correndo do quarto.
Pouco depois ela voltou com uma bota de cano baixo marrom.
- Calça isso.
Achei que já estava pronta para ir quando sentou na minha frente com uma bolsinha de maquiagem.
- Está na hora de você parar de usar só o rímel e o batom de todo dia.
E assim, minhas três amigas resolveram brincar de boneca comigo. Não que eu tenha reclamado, o resultado final ficou mesmo incrível.

Ele pov

Tinha passado as últimas duas horas conversando sobre janela de transferência com o Henri. Analisando as opções, pesquisando alguns times e lendo comentários de torcedores. Minha intenção era ficar no Bayern, mas talvez eu devesse dar o braço a torcer, podia não ser a melhor escolha. Ainda tinha muito o que ser conversado, mas o agente tinha me mostrado que não estaria errado em sair.
Ficar no banco não era agradável. Ver milhares de matérias dizendo que você tinha se tornado um jogador descartável e que o topo da sua carreira havia sido um gol há quase dois anos antes era no mínimo, deprimente.
E se eu já estava mal antes por causa da mensagem da , isso tudo estava me fazendo perder a calma. Sempre fui um cara tranquilo. Raramente arrumava briga e gosto de resolver as coisas no diálogo. Mas parecia que desde que começaram a me puxar para fora da minha zona de conforto, eu tinha virado uma granada.
Ficar no Bayern era ficar na minha zona de conforto. Já estava me acostumando com as críticas e sabia que ainda não tinha voltado a minha forma ideal. Mas daí a ir para a Premier League era outra história. Minha família estava na Alemanha, não poderia simplesmente mudar para outro país e fingir que estava tudo bem.
Podem falar que é falta de maturidade, teimosia, e talvez realmente seja. Aos 20 anos de idade tive que fazer uma escolha, e essa escolha me assombrava até hoje, e talvez fosse me assombrar por toda a minha carreira. Porém, ficar remoendo passado não me levaria a nada. E ao contrário de toda uma torcida, eu tinha que olhar para frente se queria continuar sendo jogador de futebol.
E foi com esse pensamento, que escutei alguém batendo na porta. Fabian deixou que as pessoas entrassem, mas de onde eu estava não poderia ver quem era. Até que ouvi a voz dela.
- Não sei se é uma boa ideia.
No momento seguinte eu congelei. Passei a manhã inteira tentando falar com ela, mas jamais imaginaria que seria aqui em casa, na frente de tanta gente.
- Oi – Ela disse tímida.
- Oi. – Respondi.
O clima na sala passou de tenso para super tenso. Eu não sabia o que fazer. Ela não sabia o que fazer. O que eu queria tanto falar com ela há algumas horas atrás?
Henri percebeu que não conseguiria trabalhar enquanto eu e não conversássemos.
- Bom, já está na hora do almoço. Vou buscar alguma coisa, porque ainda temos o que conversar antes do treino. – Ele apontou para nós dois. Claramente o assunto também envolvia a , e só então entendi o porquê ela estava ali. E ela não tinha vindo sozinha. estava com ela. Com certeza isso era trabalho da loira.
- Oi , tudo bom? – Lou sorriu e eu retribui o sorriso. Talvez esse tenha sido o sorriso mais falso que já dei na vida.
Mas eu não estava enganando ninguém. Fabian puxou a minha amiga para a cozinha, me deixando sozinho com a .
Não sabia se eu deveria dizer alguma coisa, ou se era a vez dela começar a conversar.
Ela sentou à minha frente na mesa, e olhamos para todos os lados menos um para o outro.
Ela começou a chorar, e foi a minha vez de não entender nada.
- ....
- Não fala nada . Por favor.
- Mas...
- Eu estou chorando por causa do site tá? Você leu a matéria?
- Li. Você não pode levar o que eles publicam a sério.
- Eu sei que não! O problema não é a matéria, o problema foi o que o Meirelles falou. Apesar de ter soado extremamente oportunista, ele está querendo me expulsar do site se não voltar imediatamente para o Brasil. Eu não quero voltar.
Acaricie suas mãos por cima da mesa
- Eu sei liebe, eu sei.
E então ela me olhou nos olhos.
- Essa palavra.
- Você tem um apelido para mim, porque não posso ter um para você?
Ela ficou parada por alguns segundos, e então passou por cima da mesa e me beijou. A posição inclinada dela não era das melhores. Então fiquei de pé e a puxei para o meu colo, encaixando-a perfeitamente em meu quadril, apenas com as finas camas de roupas sobre nós.
Por um segundo ela parou o beijo e olhou nos meus olhos de uma forma tão séria que nunca a tinha visto fazer antes.
-Ich liebe dich, .
- Eu também te amo .
E se fosse possível um ser humano explodir, eu teria explodido naquele momento.



Little Talks



Ela POV
- Então você não falou nada com o seu chefe? - Henri perguntou, checando até onde iria o seu trabalho.
- Não. Tenho certeza que se ele confirmou qualquer coisa com a mídia, foi com a tentativa de tirar algum proveito. Conheço ele. Principalmente depois do e-mail que ele me mandou na noite em que tudo explodiu.
- Me mostra o e-mail.
Abri o meu celular com o conteúdo da mensagem e traduzi para ele.
- Meirelles exigiu que eu voltasse imediatamente para o Brasil para uma reunião confidencial. E ameaçou que, se eu não o fizer, ele vai me excluir de algo que eu criei.
- E você quer voltar?
- Não. Por mim, eu fechava o site. Porém não é o que ele está propondo. O site vai continuar, sem mim. E estaria tudo bem, se eu não soubesse que só temos o acesso que temos por minha causa.
- E o que você faria saindo do site ? – me perguntou.
- Não sei , só sei que eu quero ficar na Alemanha. – Olhei para . Ele era sim o motivo de eu não querer ir embora, eu ainda não tinha chegado no final do que quer que seja que eu tenha vindo fazer aqui. O curso era de fato apenas uma desculpa que a vida arrumou para me trazer até ele.
Depois que eu e conversamos (apesar de conversar ter sido a última coisa que fizemos de fato), Bernard Henri chegou com uma macarronada, e enquanto almoçávamos, começamos a discutir qual medida tomar com as redes sócias. Precisávamos começar a discutir estratégias. Meu site e a próxima temporada eram assuntos mais complexos, porém tínhamos assuntos mais urgentes.
Minhas redes já eram verificadas, então tudo foi mais simples do que ele achou que fosse ser. Primeira coisa foi adicionar um controle mais rigoroso de spam, onde eu apenas receberia e-mail de conhecidos ou marcas. É claro que isso não filtraria tudo, mas não poderia simplesmente mudar de e-mail de uma hora para outra. Ainda era meu contato profissional.
E para completar, de ontem para hoje, Meirelles havia me mandado dois e-mails perguntando coisas extremamente pessoais sobre o , e curiosamente, todas as datas dos shows de diversas bandas que tocariam em Munique no próximo mês. Ele deveria ter mudado de ideia sobre me querer no Brasil, mas duvido que me promoveria a correspondente internacional.
É obvio que eu não tinha respondido nada. Estava de férias, não tinha obrigações de dar satisfação, principalmente sobre a vida pessoal do meu namorado.
- Bárbara, eu vou ser sincero com você, isso não está me cheirando bem. Ele claramente vai tentar tirar proveito disso. Não que vá conseguir muita coisa, as pessoas acham que só porque alguém é conhecido na mídia, que essa pessoa tem privilégio sobre as outras. Não sei como funciona no Brasil, mas te dou certeza que por aqui não é assim.
- Eu tenho consciência disso Henri. E, talvez esteja chegando na hora de fazer algo que eu deveria ter feito antes de vir para a Alemanha. – Respirei fundo e senti o olhar de em mim – Eu preciso fechar o site. Todas as contas estão em meu nome, é impossível qualquer um sem ser eu mudar qualquer parte legal da página.
- Eu queria recomendar isso, mas não tinha certeza se você queria ouvir. – Henri podia ser agente do , mas ele entendia muito de relações da mídia. Eu ainda era apenas uma criança no ramo, tinha muito o que aprender com ele – Mas você não pode fazer isso agora. Infelizmente, vai ter que aguentar um pouco a pressão. Se sair agora, vai ficar na cara que tinha algo de errado, e a mídia pode interpretar isso como sendo algo relacionado ao . Já temos problemas demais com o nome dele, precisamos lidar com isso de outra forma.
- O que você propõe? – Meu namorado se adiantou.
- Você acha que consegue se segurar ?
- Sim. Não é como se estivesse ativa no site no momento. Oficialmente estou de férias, e o Meirelles não poderia me colocar em serviço. Porém, ele me mandou todas as datas de shows aqui em Munique. Ele está pensando em algo, e eu preciso pular fora.
- Você vai. Na hora certa. Agora, quero que você se concentre em duas coisas: a primeira, é terminar seu curso. E a segunda, - ele olhou para a e entendi que a sua presença ali era maior do que apenas a namorada de . – você vai aprender a ser a namorada de .
Olhei para em busca de alguma explicação, mas ele estava tão confuso quanto eu.
ise) , que até então estava conversando com Fabian na sala, se aproximou e sentou ao meu lado.
- , não tem nada de errado com você, mas acho que você conhece uma coisa chamada imagem pessoal.
Assenti.
- Ótimo, porque é isso que vamos trabalhar. Henri achou que talvez fosse mais fácil eu te ajudar com isso, afinal, passo por isso diariamente. E eu jamais perderia a oportunidade de levar uma amiga para fazer compras.
- Compras? Espera, era por isso que você estava revirando o meu guarda roupa? – Eu ainda estava muito confusa. – Mas, eu não tenho dinheiro para mudar meu guarda roupa inteiro! Meu deus, eu não tenho nem se quer um emprego.
- Isso a gente resolve Liebe. – me abraçou, e apesar da vontade de xingar, dizer que não precisava e um tanto de outras coisas, eu sabia que não adiantava argumentar. Aquele homem era mais teimoso que eu. Dessa vez, deixaria que eles me levassem. Dessa vez.

E então, sem que eu pudesse falar qualquer coisa ao contrário, estava a caminho do shopping em uma SUV dirigida por .
tinha treino à tarde, então liguei para e agora íamos com a minha nova amiga fazer compras.
Estava bastante nervosa com isso. Nunca fui de fazer compras, e eu estava com a impressão que não seria apenas algumas roupas. ia fazer uma grande transformação. O que o Henri tinha chamado de “me fazer ser a namorada de ”, seja lá o que isso significava.
No caminho, havia apenas escutado ela e conversarem sobre a temporada do Dortmund. Não fazia ideia do que elas estavam falando, mesmo que se quisesse prestar atenção, era capaz que também teria algo para acrescentar a discussão, mas sentei no banco de trás exatamente para ter um tempo para pensar.
Resolvi prestar atenção nas músicas que tocavam no som. Nada melhor para acalmar do que uma boa música. Reconheci a banda e admirei que isso estivesse tocando logo no carro da .
- , não sabia que você gostava de Of Monsters and Men.
- Está brincando? Eles são ótimos.
Se tinha uma coisa que me fazia ser conquistada pelas pessoas, era seu gosto musical. E descobrir que tínhamos uma banda favorita em comum me fez perceber que e eu íamos ser muito próximas. E naquele momento, eu não tinha ideia de como aquela amizade ia ser muito mais presente na minha vida do que eu pensava.
Apensas começamos a cantar o refrão de Little Talks enquanto entravamos no estacionamento do shopping. “Don't listen to a word that I say the screams all sound the same cause though the truth may vary this ship will carry our bodies safe to shore”.

- você deveria experimentar isso. – me mostrou um vestido rendado branco, bem diferente de tudo que tinha no meu armário.
Já era a terceira loja que estrávamos e já tínhamos algumas sacolas. A maioria delas eram roupas novas para mim. As meninas não me deixaram escolher muitas coisas, mas estava feliz com as escolhas delas.
Resolvi experimentar o vestido que a separou e mais algumas peças eu a jogou para cima de mim. Elas mal me davam tempo de analisar o que escolhiam e já me mandavam para o provador.
Vesti uma calça jeans skiny clara e uma camiseta florida de manga comprida, mas que deixava o ombro de fora. Me observei no espelho. Mal estava me reconhecendo, e isso não era uma coisa ruim. Estava precisando dessas mudanças, só não fazia ideia que era tanto.
A música ambiente que tocava na loja era Fight Song da Rachel Platten. Por algum motivo, aquela melodia me dava mais forças para continuar com essa aventura. Porque desde o momento que entrara no apartamento de mais cedo, comecei a tratar isso como uma aventura.
Sempre preferi ficar na minha zona de conforto, não ir muito longe. Mas desde que ele entrara na minha vida, parecia que eu estava em um redemoinho, mudanças, e isso não era ruim. Parecia que eu estava precisando disso há bastante tempo, mas só agora que tinha aberto os olhos.
Saímos da loja com mais sacolas e falei que estava com fome. A reclamou porque eu sempre estava com fome, mas ise) fa que era uma boa hora para tomar um café.
Fomos até um Starbucks que tinha na praça de alimentação do shopping, e após pedir cafés (e eu um croissant apesar das reclamações da ), e resolvemos nos sentar um pouco. E foi só então que a srta resolveu explicar o que de fato estava acontecendo.
- Lembra que eu te falei que ia te ensinar a ser a namorada de ?
Olhei assustada para ela enquanto dava a primeira mordida no meu salgado. Se ela ia ser direta, que era eu para reclamar.
- Então , não sei se você já teve um tempo para ler sobre a Wags.
- Elas são tão lindas! Opa, desculpa, vocês. – A deixou escapulir.
- Já ouvi algumas coisas vindas dessa daí. – Apontei para minha amiga.
- Ser uma Wag é mais do que estar bem vestida, ou ir acompanhar o moço nos jogos. Essas coisas e as que ficam dentro das quatro paredes, vem de qualquer relacionamento. Mas a primeira coisa que eu queria te falar, é em como lidar com a mídia. – Ela deu uma pausa enquanto eu a encarava, já esquecendo do meu café – Acho que você conseguiu lidar muito bem até agora, com as críticas e mensagens nas redes sociais. Porém temos que trabalhar na sua imagem. Quem vai ser você para esses fãs. E você está em uma posição delicada, porque o futuro de ainda é incerto.
- Como assim?
- Não sabemos para onde ele vai na próxima temporada. E apesar dele estar falando para os quatro cantos que vai continuar no Bayern, essa uma opção muito pouco provável. E no meio disso tudo ainda apareceu você. Ele vai aparecer em todos os jornais, em redes sociais, e com você ao lado. Você vai ser exemplo para várias garotas ao redor do mundo. Já pensou como quer que as pessoas te vejam?
- Não quero que ninguém me veja a não ser como eu mesma sou.
- E como você é?
Eu não estava preparada para essa pergunta. Era algo que eu não sabia responder. Por anos, minha imagem tinha sido ligada ao site, mas agora, quem eu era? Quem eu queria ser?
- Pensa com carinho, e quando estiver pronta para ir atrás da sua imagem me fala. Você pode contar comigo .
Ele pov
Depois das conversas com o Henri, ir treinar foi uma cura.
O que antes era apenas um sentimento, ficou claro para mim que não era mais bem vindo ali.
Mais uma vez fora escalado para o banco, dessa vez com nenhuma possibilidade de entrar durante o jogo. Estrava treinando com os reservas e me sentia inútil. Sentia falta de entrar em campo, fazer gols, crescer pelo time. Eu estava me tornando apenas um estorvo para o Bayern de Munique, e isso ficava claro ao ler os comentários dos torcedores.
Iriamos para Madri dentro de alguns dias para o jogo de ida da semifinal da Champions League, e eu já poderia armar uma barraca no banco de reservas: Guardiola já tinha deixado claro que eu não sairia dali. Tentei ponderar e acabei gerando uma situação pior ainda para o meu lado.
- , banco. Sem possibilidade de jogar.
- Mas Guardiola, eu já fiquei no banco nas outras partidas. Me deixa ao menos entrar no segundo tempo.
- Não me importa. Aliás, acho que você já pode ir embora garoto. Nem sei o que está fazendo aqui.
Fiquei pensando se o aqui era o treino ou o clube. De qualquer forma, fiquei calado e me direcionei ao vestiário. De que adiantava discutir? Já tinha aceitado que não teria espaço ali, não era de hoje que estava sendo jogado para o lado.
A diretoria também não estava me dando folga, e o discurso inicial com o Mr Friederike havia desaparecido. Mais uma vez fora chamado para uma reunião, porém dessa vez, sozinho.
O ar condicionado estava ligado, mas ao contrário da primeira vez ali, não fazia frio. Ou eu estava mais agitado. Tudo começou de forma tranquila, mas de repente, nada estava certo.
- não sei se você sabe, mas na próxima temporada trocaremos de técnico.
- Sim, o Sr. Acelotti vai vir treinar o Bayern. Estou ansioso para trabalhar com ele.
- É este o problema garoto. Em uma conversa com Carlo para decidirmos quem teremos como opção na próxima janela de transferências, seu nome foi o primeiro a aparecer na saída.
- Mas...
- Eu sei. Mas minha opinião quase não tem valor. Pensa que pode ser melhor para você. Não que passar outra temporada no banco não é?
Olhei assustado para ele e percebi que essa era a forma de Friederike ser educado ao te mandar embora. Ainda tinha um ano de contrato, e essa conversa tinha sido algo como “procure um lugar que te aceite porque não queremos mais você aqui, seu estorvo”.
Os únicos que ainda conversava comigo no time eram Müller e o Neuer, e ainda assim por causa da relação com a seleção. Nunca havia feito amigos de verdade ali, e se meus irmãos não tivessem mudado comigo para Munique, teria passado três anos sozinho.
Parecia bobagem, mas sempre gostei de estar no meio de pessoas. Sentia falta de sair com meus amigos. Teve uma época que se não tínhamos jogo, a noite era toda em festas, algumas garotas, muitas piadas e histórias para contar quando estivéssemos velhos. Em boa parte dessas histórias estava . Criamos um vínculo naquela época, e por jogarmos juntos na seleção, ficamos cada vez mais próximos.
O último mês não tinha sido fácil, e eu ficava cada vez mais feliz que tinha a ao meu lado. Seu curso havia terminado e ela se mudara para meu apartamento, afinal, não poderia continuar morando em moradia estudantil. E apesar de todo mundo dizer que estávamos nos apressando, resolvemos que era melhor assim. Pelo menos até termos certeza do que faríamos dentro de alguns meses.
Cheguei em casa mais cedo do que o normal. Queria socar alguma coisa, gritar com alguém, mas como sempre, guardei a raiva. Engoli e tentei fingir que estava tudo bem.
estava na sala escrevendo. Seu livro estava quase no fim, e eu estava amando ver a minha namorada dedicando a algo novo, apesar de ainda não ter resolvido todos os problemas com o site. Ela havia conversado com o Meirelles, seu vínculo com a gravadora, e desfeito todos seus relacionamentos de trabalho, inclusive os estagiários que trabalharam enquanto ela esteve ausente. Mas as questões legais ainda não estavam resolvidas, e o site estava parado.
- Você chegou cedo! – Ela olhou para mim por cima do notebook.
Tentei responder, mas qualquer coisa que eu falasse iria sair rude demais. Acabei soltando um grunido e me jogando no sofá.
Estava de olhos fechados quando senti uma sentando ao meu lado e acariciando meus cabelos.
- O que foi lindo?
- Eu não aguento mais aquele lugar! Ninguém conversa comigo, jogar então nem se fala.
- Então porque você não aceita alguma outra proposta. Você sabe que vou com você para qualquer lugar que vai te fazer feliz. Eu só quero te ver feliz .
Olhei nos olhos dela e desabei. Falei o que estava escondido na minha mente e o medo estava me impedindo de colocar para fora.
- Eu quero voltar para Dortmund. Voltar para casa. Sinto falta dos meus amigos, de como era a nossa vida lá. Sinto falta do time e em como era muito mais emocionante e divertido jogar pelo Borussia. Se vencíamos, era uma festa. E não do tipo pré programada, midiatizada como é aqui. Era uma festa genuína. Nós e a torcida. E a cada vitória era como se tivéssemos ganhado um campeonato, não tinha o sentimento de que fizemos mais do que a nossa obrigação. – Eu comecei a chorar e nem sabia quando isso tinha acontecido. – Aqui eu estou sendo jogado de escanteio, ou melhor, se estivesse no escanteio pelo menos eu estaria no campo. Estou sendo jogado para o banco mesmo. , se não fosse você aqui, eu estaria tão sozinho. Está muito complicado ter que ir treinar todos os dias.
- , então porque você não tenta voltar ao BVB?
- Porque não é tão simples assim.
- Como não? Conversa com o Henri. Se tem alguém que tem contatos lá dentro, ele é a pessoa certa. É agente de metade do time.
- O problema não é voltar para o time. Eu não sei se estou afim de enfrentar a torcida enfurecida. Sair como sai não foi fácil.
- Eu sempre li sobre isso, mas você nunca me contou a sua versão. Por que anunciaram a sua saída antes da final?
- Uma jogada estratégica do Bayern. Para desestimular o time. Eu fui contra, porém tinha 20 anos e nenhum mérito. A torcida colocou a culpa toda em cima de mim quando não me deixaram jogar a final. Fui ingênuo e até hoje sofro as consequências disso.
- , você vai ter que deixar de lado a sua teimosia e se resolver. Ou você aceita a proposta de algum time inglês, ou aceita as consequências em Dortmund. Ficar no Bayern e ver você se desgastar e se tornar alguém que você não é, eu não quero ver.
Ela se levantou e me deixou ali com meus pensamentos. E então eu mandei mensagem para a única pessoa que eu conhecia que poderia me ajudar: Bastian Schweinsteiger.
: Capitão, estou precisando de uma voz da experiência.
Basti: Não me diga que é problema com a . Aquela garota é uma graça , não estraga!
: hahaha não. Está tudo bem com ela. O problema é futebol.
Basti: Eu li algumas matérias. O Bayern não está facilitando né?
: Facilitando é pouco. Você conhece o clube, conhece os jogadores. E principalmente, conhece o Guardiola. O ficar no banco está sendo a parte tranquila de estar ali. E eu acho que estou a ponto de explodir. Queria muito ficar, eu quero ficar, mas não sei como lidar.
Basti: , você tem certeza que quer ficar?
: Tenho.
: Na verdade, não sei.
Basti: Pensa com carinho garoto. Na época pareceu horrível, mas hoje eu vejo que fiz uma excelente escolha ter saído. Jogar em outra liga faz a gente enxergar o futebol de uma forma globalizada. Você ainda está no início da carreira, talvez seja bom.

Fiquei olhando para a tela do celular sem saber o que falar. Nunca tinha pensado por esse ângulo. Jogar fora da Bundesliga como forma de abrir os horizontes.
Basti: Conversa com sua namorada. Ela vai ser seu porto seguro aonde você for. E confia que as coisas vão se resolver da melhor forma possível. Só não fica se cobrando em permanecer em um time que não vai te fornecer o que você precisa para crescer.
Me despedi dele e fiquei pensando em tudo que ele tinha falado. Eu deveria sim ir para um lugar onde ia ser feliz, onde teria oportunidade de jogar. Um lugar que me faria voltar a ter um bom futebol. E eu tinha a do meu lado.
Entrei no quarto e ela já estava deitada. Lia um livro em português, mas que foi logo colocado de lado quando me viu na porta do quarto. Ela se sentou na cama com as pernas cruzadas e manteve seu olhar em mim, como se já soubesse o que eu tinha para dizer.
Parei na porta, ainda tremendo com o que eu ia falar. Ainda sem querer admitir, e morrendo de medo de todas as consequências que essa decisão traria. Porém, eu tinha a , e isso era o suficiente para querer enfrentar toda e qualquer dificuldade que a vida ainda ia trazer para a gente.
- Eu quero voltar ao Borussia Dortmund.
Ela se endireitou na cama. Percebeu o quanto essa decisão influenciaria a nós dois. Tirei a roupa que vim do treino e deitei ao seu lado na cama. Ficamos nos olhando por um tempo, sem falar nada.
- O que eu preciso fazer para ganhar os seus pensamentos?
Ela sorriu.
- Estou surpresa em como você se decidiu.
- Eu ainda não sei se é uma decisão. Mas vou conversar com o Henri e dizer que é sim uma opção favorável.
- Ótimo. Eu quero te ver se resolvendo. E eu ia adorar você em Dortmund.
- Isso tem alguma coisa a ver com o fato que você virou a melhor amiga de ?
Ela puxou a coberta cobrindo parte do seu rosto como se estivesse com vergonha.
- Talvez...
Tirei uma mecha de cabelo do seu rosto.
- Ótimo. Fico feliz que você já esteja fazendo amizades aqui. Aliás, eu adorei que ela te levou para fazer compras.
-É? – Ela perguntou fazendo o movimento inverso, e deixando a mostra o conjunto de baby-doll cor de rosa que estava vestindo.
- Sim. Eu amei essa ideia.
A puxei para meus braços e a beijei. E eu tive a certeza que enquanto a tivesse ali, o resto era apenas consequência.



On the Road



Ela Pov

Já tinha quase um mês do final do meu curso. Adiei a minha passagem de volta para o Brasil por tempo indeterminado. Depois do dia no shopping, acabei me aproximando mais ainda de , mesmo quando ela voltou a Dortmund.
Pensei em procurar um apartamento, mas falou que era mais logico me mudar para o dele. Todo mundo falou que era loucura, a chegou a perguntar se teria que voltar a Alemanha para colocar algum juízo na minha cabeça, porém, por mais estranho que fosse, Gustavo concordou e segurou a minha amiga no Brasil.
Também tive bastante tempo para conversar com o Henri. E após muita discussão, finalmente consegui trazer o site de volta às minhas mãos, fora de qualquer patrocinador.
- Bárbara, você é louca de fazer isso. Vai mesmo perder o trabalho da sua vida?
- Olha, Sr Meirelles, não estou jogando fora nada do que fiz, estou apenas pegando de volta o que sempre foi meu. Eu criei o site, ele está no meu nome, e isso significa que eu posso fazer o que quiser com ele. E isso inclui acabar com o vínculo com a gravadora, assim como seus estagiários.
- Mas ele é o maior site do Brasil. Como você pretende mantê-lo da Alemanha?
- Vão ter outros sites. O meu foi apenas o primeiro. Tenho certeza que o senhor, melhor do que ninguém, vai saber arrumar isso.
E depois de pedir o meu irmão para conversar com alguns advogados, passar tudo oficialmente para meu nome e reformular a página, meu site voltara a ser o que era ainda no início: um pequeno blog onde era meu espaço para falar o que quisesse.
Lucas, amigo do Gustavo e web designer, sugeriu que o My Songs My Live se chamasse , e agora eu não escrevia apenas sobre música, mas também sobre morar fora do país, cursos de línguas e futebol. E como era minha própria chefe, fazia meus horários.
O único problema, era que não tinha mais patrocinadores. E sem eles, também não tinha renda própria. Precisava arrumar um trabalho fixo, e não apenas os bicos de fotografa que ia fazendo por aí.
Sempre que ia aos campos, tirava foto da torcida, dos jogadores, e estava começando a fazer um pequeno álbum sobre futebol. Quando viajava, eu aproveitava para escrever meu livro, e agora estava quase concluindo.
O clima também estava esquentando, e isso significava várias atividades ao ar livre. E menino Götze era simplesmente apaixonada por elas.
Essa semana não tinha sido nada fácil para ele. Não queria me vangloriar, mas sabia que os únicos sorrisos que ele dava, era quando eu estava por perto. Não via a hora dele resolver logo essa história do time, a cada dia que passava ele se sentia pior ali dentro. Henri havia sumido por duas semanas, mas sabíamos que ele estava arrumando propostas e tentando achar soluções.
No final de semana teria folga, e como elas eram extremamente raras uma vez que a maioria dos jogos acontecia aos sábados, foi minha vez de arrumar uma surpresa.
O sábado amanheceu com um sol que clareou todo o quarto. ainda dormia, e fiquei observando como que ele parecia estar em paz ao meu lado. Estava deitado de bruços e seu rosto virado na minha direção. Dormira sem camisa e fiquei analisando suas costas bem definidas, a vontade de passar as mãos pelo seu corpo era grande, porém preferi deixa-lo dormir. Descansar enquanto podia.
Levantei e fui preparar um café da manhã diferente. Fiz um planejamento para passarmos o dia longe. Ele merecia um pouco de tranquilidade. Não conseguia nem pensar como deveria ser ir trabalhar em um lugar que as pessoas claramente não te queriam ali e você não podia simplesmente sair pela porta da frente.
Liguei para e perguntei se estava tudo combinado, e ela me garantiu que havia reservado o hotel e eles já estavam a caminho. Era mais longe de Dortmund, mas quase no meio caminho até Munique. precisava de um fim de semana com os amigos, e como seu melhor amigo também teria folga, porque não passarmos um fim de semana juntos?
- Que cheiro é esse?
Estava terminando de assar um bolo de cenoura e fazia um brigadeiro para usar como cobertura.
- Bolo de cenoura com um doce brasileiro chamado brigadeiro.
arregalou os olhos com uma expressão de felicidade.
- Você fez brigadeiro?? – Sorri ao ver como ele estava animado com a ideia de um doce.
- Sim. É meu bolo favorito, tipicamente brasileiro. Queria fazer algo diferente para você.
Ele se aproximou sem que eu visse e me abraçou pela cintura.
- Eu sou Louco com esse doce desde a Copa, mas nunca mais tinha comido. Podolski ficava falando disso todos os dias no vestiário.
Eu comecei a rir.
- Eu sempre soube que brigadeiro era remédio para tristeza, mas jamais imaginei que você fosse ficar tão animado. – desliguei o fogão e entreguei uma colher com um pouco do conteúdo para ele. – Aqui. Cuidado que está quente.
Ele se afastou um pouco e o observei experimentando.
- Isso está maravilhoso.
- Para a sua sorte eu ainda tinha leite condensado que a trouxe do Brasil. Isso é muito difícil de achar aqui.
- Da próxima vez que a gente for no Brasil, vou comprar um estoque inteiro só para fazer brigadeiro.
Sorri ao pensar no “a gente”. Imaginei comigo na casa dos meus pais. Meu pai arrastando um inglês, enquanto minha mãe ia oferecer a ele todas as comidas típicas do país, até mesmo àquelas que nem se faziam em Minas Gerais.
- A gente?
- Claro! Já estava aqui pensando – ele começou a planejar enquanto eu tirava o bolo do forno e o cobria com a mistura negra – depois da Eurocopa vou ter férias. Independentemente de para onde for. Podemos ir ao Brasil. Você pode buscar suas coisas que ainda estão lá, e podemos conhecer algumas praias. O que você acha?
- Acho que é uma coisa a ser planejada. Mas vou logo avisando que minha cidade não tem praia.
- Você é de Belo Horizonte né?
- Sim. Às vezes eu sinto falta de lá. De como temos apenas duas estações no ano, das chuvas que caem do nada, e principalmente do céu. Não é atoa o nome da cidade.
Coloquei o bolo na mesa que ele tinha acabado de arrumar os pratos. Ele segurou meu rosto, me deixado de frente para ele.
- A gente vai para lá dentro de alguns meses.
- Eu sei. E eu não trocaria esse momento aqui por nada e nenhum outro lugar do mundo.
-É?
- Sim.
Ele encostou seus lábios nos meus. Aquele era só o início de um dos melhores fins de semana que já tinha vivido.

Ele Pov

A ideia da de fazer uma viagem de carro me pegou de surpresa, porém acho que era exatamente o que eu estava precisando. Ela não me contou qual era nosso destino final, mas percebi que tinha planejado tudo. E a surpresa fazia parte dos seus planos.
O café da manhã especial com um bolo que só não devorei de uma vez porque ela não deixou. Depois me pediu para separar uma muda de roupa, contendo roupa de banho, algo para sair à noite. Iriamos passar o fim de semana fora, e nem por ameaça de cócegas ela me contou para onde estava me levando.
Em menos de uma hora já estávamos no carro que ela dirigia. Insisti em pegar o volante, mas segundo ela, ia estragar a surpresa. Se tinha uma coisa que já tinha aprendido era não discutir com a quando ela tinha algo em mente. Como uma boa virginiana, odiava ter seus planos arruinados. E talvez eu começar a entender de signo vinha um pouco de sua convivência.
E ela planejou absolutamente tudo, inclusive a trilha sonora. Uma pessoa normal teria escolhido algo no spotify, mas não a minha namorada. Ela havia gravado um pen drive com músicas o suficiente para a ida e a volta, cerca de umas 600 músicas dos mais diversos estilos.
- Às vezes queria saber planejar as coisas como você faz, mas tudo que consigo é transformar as coisas em uma bagunça.
- É por isso que você me tem lindo. – Ela desviou o olhar da estrada por alguns segundos – Você precisa de mim para organizar a sua vida.
- Exibida.
Começamos a rir. Estar com ela deixava tudo mais fácil, tudo mais leve.
No som tocava uma música do One Republic, e foi só então que lembrei de lhe contar a novidade.
- Acabei de lembrar: essa banda vai tocar em Munique. E o Bayern está tentando ver se eles se apresentam no final da Bundesliga.
- Você ta brincando?!
- Não! É serio – ri da expressão animada dela.
- A gente precisa ir no show deles! É simplesmente a minha banda favorita.
- Então você tem uma banda favorita! – Cruzei os braços fingindo estar chateado com a informação que ela omitiu.
- Ah, fala sério. Todo mundo tem uma banda favorita, mesmo que ela não admitira.
- Bom saber.
Aumentei o volume e ela começou a cantarolar If I lose Myself, uma das mais conhecidas deles.

Viajamos por duas horas, onde conversamos, cantamos e brincamos. Nem parecia a confusão que tinha sido o último mês. E talvez era esse o objetivo da .
Fugir não era sempre a melhor opção, mas por que não desaparecer por uns dois dias né?
Ao longe vi uma construção enorme. Estávamos perto de algumas cidades, mas o lugar parecia estar no meio do nada.
Não era exatamente um prédio, mas era possível ver que era um hotel enorme. Ao longe pude ver duas piscinas e uma quadra de tênis.
parou o carro no estacionamento, pegamos nossa bagagem e nos direcionamos para fazer o check in. Mas para minha surpresa, me deparei com um casal loiro nos esperando na porta.
- O que vocês estão fazendo aqui?
- Você achou mesmo que sua namorada ia planejar isso sozinha? – veio até a gente.
Abracei o meu amigo.
- Vocês três são loucos.
- Tão loucos que você não sabe ficar sem.
Cumprimentei a e entramos.

Nossos quartos era um do lado do outro e dividíamos uma sala em comum. O que foi bastante prático considerando tudo que havia programado.
- Eu e a vamos para a nossa sessão de massagem. Vocês fiquem a vontade para conhecer as quadras. Pelo que vi, temos basquete, tênis, vôlei e futebol.
Olhei para meu amigo que me devolveu o olhar. Ele com certeza pensou na mesma coisa que eu.
- BASQUETE!
Era quase uma piada interna. Sempre disputávamos basquete nos intervalos dos treinos da seleção, e eu sempre era o zoado por ser baixo demais e nunca alcançar a cesta. Entretanto, era o melhor em acertar os 3 pontos.
Olhamos para as meninas pedindo permissão para irmos, parecíamos duas crianças pedindo aos pais para ir ao parquinho.
- O que vocês ainda estão fazendo aí. Vão logo! – disse e foi o suficiente para sairmos correndo pelo hotel.

Depois de empatarmos no basquete, passarmos umas duas horas na piscina, resolvemos ir para a sauna, onde teríamos espaço para conversar. As meninas ainda não haviam dado sinal de vida, e estávamos começando a chegar à conclusão de que teríamos que aguentar sumidas estratégicas das duas agora que elas tinham virado melhores amigas.
- Então, acho que temos algumas coisas para conversar não é?
Estávamos eu e no espaço fechado. Havíamos reservado a hora para nós, então não teria nenhum espertalhão ouvindo a conversa para soltar qualquer coisa na mídia.
- Não sei. Temos?
- Para de fugir . Henri me contou tudo que está acontecendo. Fiquei feliz em saber que pelo menos o problema com o chefe da vocês conseguiram resolver.
- Ex-chefe. Agora ela mudou o formato do site. Perdeu algumas visualizações, mas pelo menos está feliz.
- E você? Está feliz?
- Ela me faz feliz.
- Isso é nítido. Mas parece que se ela não está por perto, você se torna apenas uma sombra de si mesmo. Faz tempo que não te vejo sorrindo e brincando como antes.
- Estou com muita coisa na cabeça .
- Eu sei! E é por isso mesmo que a gente precisa conversar. Se você não puder falar comigo, com quem mais vai falar?
Tinha horas que eu simplesmente odiava o meu melhor amigo. Odiava que ele me conhecia melhor do que eu mesmo, e sempre conseguia dar um jeito de me fazer falar tudo aquilo que eu preferia deixar quieto.
- Para onde você quer ir ? Se você pudesse de fato escolher qualquer time na Europa, para onde iria?
- Voltaria para Dortmund.
apoiou os cotovelos nos joelhos e me encarou.
- Por que eu não estou surpreso com isso?
Dei de ombros.
- Você sabe que essa é a escolha mais fácil e ao mesmo tempo a mais difícil né?
Olhei para meu amigo.
- Eu sei. Ao mesmo tempo que vou parecer o idiota arrependido, também sei que vou me sentir em casa. E nem estou colocando o fator torcida. Sei que não vai ser fácil esse relacionamento.
- Vou ser sincero, nós poderíamos te usar. Mas precisamos do Götze que jogava, aquele que era nosso companheiro de time. O que ganhou a Copa do Mundo. Você está pronto para voltar a ser ele?
- É a coisa que eu mais quero hoje.
- Ótimo. Vamos trabalhar para isso então. Temos a Eurocopa pela frente, antes de qualquer coisa. Estaremos juntos nessa.
Eu queria ter certeza disso, mas quando se tratava de , o azar estava do nosso lado. E a Eurocopa, não seria uma Copa do Mundo. E nem eu seria o mesmo.

Encontramos as meninas já estava escurecendo. Voltamos aos quartos para tomar um banho, e assim que abri a porta, encontrei se preparando para tomar um banho. A abracei por trás e ela me deu um beijo.
- Posso te acompanhar?
- Não imaginaria outra coisa.
E a noite estava apenas começando.



Maybe you gonna be the one



Ela Pov

A ideia de passar o dia inteiro com a me agradava. Como estava na reta final do meu livro, passava meus dias escrevendo, e o único ser humano que eu andava interagindo era o . Estava sentindo falta de alguma amiga.
- Eles não crescem nunca não é?
- Acho que não.
Observamos e correndo corredor a fora. Há tempos não via meu namorado tão animado. Sabia que sua decisão da noite anterior aliviava um pouco a tensão dos últimos meses, porém, ele querer voltar para Dortmund não significava que iria dar certo.
- O que vamos fazer primeiro? – Perguntei para minha amiga assim que abrimos a porta do quarto.
Nossos quartos era um do lado do outro, e apesar de ter portas separadas, eles se encontravam em uma pequena sala de estar com televisão e vídeo game. Escolhemos aquele quarto exatamente por ficarmos próximos e ao mesmo tempo termos privacidade.
- Pensei em agendarmos uma massagem, dar uma volta no spa e um pulo na piscina.
- Achei a ideia extremamente interessante. Podemos almoçar na beira da piscina também. Ouvi dizer que eles servem um almoço sensacional.
- Você sempre pensa na comida né?
- Talvez.
Ela riu e foi para o seu quarto. Em menos de vinte minutos já tínhamos colocado nossos biquínis por baixo da roupa e estávamos indo em direção a área de massagem para agendar nossos horários. Na bolsa eu levava meu computador, queria mostrar algumas ideias para e precisava editar umas fotos que tinha tirado do em um dos treinos abertos. Era uma pequena surpresa para ele, algo para tentar motivá-lo.
- Vou ser sincera com você , me surpreendeu que vocês dois já estejam morando juntos em tão pouco tempo.
- Na verdade eu estou ficando na casa dele enquanto não resolvemos nossas vidas.
Ela olhou para mim sem entender.
- Eu sei que ainda é cedo para dividirmos um apartamento, porém quando meu curso acabou, eu não poderia continuar na moradia estudantil, mas também ainda não tenho dinheiro para alugar um apartamento. Ainda mais agora que estou desempregada!
- Mas o que você está fazendo?
- Alguns bicos de fotografia. Não é nada grande, mas pelo menos estou conseguindo me sustentar. falou que não via sentido em procurar um outro apartamento quando tinha espaço o suficiente no dele. E como os dias dele em Munique também estão contados, era mais econômico.
- Fez sentido. Mas, como é esse seu trabalho de fotografa? – Chegamos na área da piscina e colocamos nossas bolsas em uma mesa de baixo de uma sombrinha.
- Geralmente fotografo festas. Tudo começou com uma festa do curso, e então agora vou em boates, festas de faculdades e até festas de crianças. Um dia desses surgiu até um casamento, porém coincidia com um jogo do e me prometi ir em todos que poderia.
- Ele está precisando de muito apoio não é?
- Todos que ele puder conseguir. A situação no time está cada vez pior. Tem dias que não o vejo sorrindo. O Sunny que a gente sempre via, simplesmente sumiu.
Ela debruçou em cima da mesa me analisando.
- É impressão minha ou toda vez que você fala dele esses seus olhinhos brilham.
Eu tenho certeza que tinha ficado vermelha.
- Ah, para .
- Eu acho lindo a ligação de vocês. É uma coisa muito rara . Mas – ela pareceu excitar um pouco – me mostra essas fotos que você tirou do não-tão-sunny- .
Abri meu notebook e cliquei direto nas páginas de fotografias que estava colecionando dele. Nossos momentos em casa, ele treinando, ele em campo. Não tinha culpa se meu namorado era extremamente fotogênico.
puxou o meu computador para ela e começou analisar as fotos. Uma por uma. Fui ficando um pouco ansiosa pelo seu silencio e então resolvi ir até o bar pedir uma bebida.
Voltei com uma latinha de coca na mão e recebi um olhar de reprovação da minha amiga.
- Sério? Estamos em um hotel 5 estrelas e você está tomando coca cola?
- Desculpa, mas eu simplesmente odeio álcool.
- Você não existe .
Ela me deixou com meu refrigerante e continuou olhando as fotos.
Depois do que pareceu ter passado meia hora, ela finalmente fa algo.
- Você já pensou em ser fotojornalista? Ou então trabalhar como fotógrafa de algum time?
- Oi? , eu não fiz jornalismo. Sou formada em Relações Públicas.
- Claro, e você sempre trabalhou com isso não é?
Fiquei olhando para ela sem entender a ironia. Sem perceber que havia aberto a boca.
Então me olhou sério e completou.
- , seu trabalho sempre foi muito mais relacionado com o jornalismo do que com relações públicas. E menina, você é uma fotógrafa! Olha só essas fotos! Eu tenho uma ideia, porém não sei se você vai gostar.
- O que?
- O Borussia está querendo fazer umas fotos de divulgação. Estava tudo certo para ser essa semana, porém o fotógrafo deu para trás e não estão achando nenhum substituto. Você poderia fazer um teste, ver se gosta. É um dinheiro bom, além do que você vai poder passar um tempo na minha casa. E eu sei que eles estavam procurando um fotografo fixo. Se der certo, esse emprego pode ser seu.
- Eu não deixaria o .
- Não estou falando isso. Faz o teste e veja o que acontece.
Pensei por um momento. Isso poderia resolver dois problemas de uma vez só.
- Tá bom. Mas nenhuma palavra sobre isso para o . Eu não quero que nada influencie em sua decisão. – E deixaria de fora o seu desejo de voltar para casa. Era algo dele e não era função minha dizer qualquer coisa sobre isso para ninguém, nem mesmo para a ise) .
- Sem problemas. Quando voltar eu converso com a equipe de social mídia e eles te passam todos os dados.
Sorri para minha amiga. Ela pediu um drinque colorido e brindou com a minha latinha quase vazia de coca.

Depois da nossa sessão de massagem voltamos para o quarto. Os meninos ainda não haviam retornado, mas não estranhamos. Os dois tinham muito o que conversar.
- O que vamos fazer a noite? - perguntei enquanto ligávamos a televisão procurando, sem sucesso, alguma coisa de interessante.
- Tem uma pequena boate aqui no hotel. Fiquei sabendo que o tema da festa de hoje é rock anos 90. O que você acha?
- Boa música. Bebida. Melhores companhias. Acho uma ótima ideia. - Disse enquanto enumerava os prós da ideia.
- Por que que depois da Netflix nunca parece ter nada de interessante passando na TV?
- Acho que nos acostumamos com a facilidade de poder escolher e a TV não te da essa opção.
- Justo.
Deixamos em um programa de culinária qualquer em que tentava entender como fazer um sushi.
Peguei meu notebook e continuei editando as fotos. Dessa vez, resolvi brincar com o meu álbum particular de .
Achei uma foto dele dormindo jogado no sofá. Sorri para mim mesma ao ver aquela imagem. Sua perna direita estava esticada e a esquerda dobrada, ele vestia um conjunto de moletom cinza e estava completamente relaxado. A sua serenidade enquanto dormia era o oposto do conflito de expressões que ele apresentava todos os dias. Ali ele estava de fato descansando, e como eu queria poder ler mentes para saber o que ele sonhara.
A cada dia que passava eu tinha mais certeza que amava esse homem, e estar ali com ele era o mais importante, mesmo que não tivéssemos ideia do que iria acontecer dentro de algumas semanas.

Despedi da e fui me arrumar. Quando estava para entrar no banheiro, chegou.
- Posso te acompanhar?
Ele me abraçou e senti sua barba rala roçando meu pescoço.
- Não imaginaria de outra forma.
Me virei e procurei seus lábios, mas antes de beija-lo fiquei observando de perto. Aos poucos, seus olhos voltavam a brilhar. Não sei o que ele havia conversado com , e para mim isso não tinha importância, contando que ele estivesse feliz.
- Gosto de você assim. - disse tão baixo que era quase inaudível.
- Assim como? - Ele franziu o cenho.
- Feliz.
E então o beijei.

Ele POV

A ideia de ir para uma balada me surpreendeu. Não que eu não gostasse, mas desde que minha carreira começou a desandar eu estava evitando lugares públicos. Mas não estávamos exatamente em uma casa de shows aberta, e eu estaria com meus melhores amigos. O que poderia dar errado?
Entramos na balada ao som de Nirvana, e a logo abriu um sorriso e saiu correndo para a pista de dança arrastando a . Ela parecia ter vindo direto dos anos 90, com um coturno, uma saia preta rodada e uma blusa xadrez. Ela tinha sido a única de nós que tinha vindo com uma certa caracterização, e não parecia se importar nem um pouquinho.
- Vou pegar uma bebida, aceita?
- Claro! - Ela gritou ao longe.
Fui para o bar com o enquanto as meninas dançavam de uma forma desajeitada. Estava adorando ver a se soltar. Ela não gostava de sair, e perceber que era música que a fazia querer sair da sua zona de conforto dizia muito sobre ela.
- Você vai sair desse seu transe de apaixonado e pedir alguma coisa ou eu quem vou ter que resolver?
- Hã? - Olhei para o e só então percebi que estava parado apenas observando minha namorada. - Ah, vamos lá.
Sai andando para em direção ao bar enquanto meu amigo vinha atrás gargalhando da minha cara. Porque era isso que ele estava fazendo. Gargalhando. Essa eu ia deixar passar, mas ele que me aguardava. Ainda o lembraria de quem foi que aturou ele correndo atrás da e ela simplesmente ignorando ele.

Depois de algum tempo a música mudou. Uma balada melódica começou a tocar e se aproximou, me arrastando para a pista de dança. Ali era apenas ela e eu. Parecia não ter mais ninguém em volta ao som de Wonderwall do Oasis.
Passei meus braços ao redor de sua cintura a puxando para mais perto. Ela me abraçou pela nuca e começou a cantar baixinho enquanto eu balançava nossos corpos.
- There are many things I like to say to you but I don't know how
- Couse maybe you gonna be the one that saves me, cause afterall, you're my wonderwall.
Ela aproximou nossos lábios, completamente no controle. E aquele beijo foi sutil. Senti cada pedacinho da sua pele em que eu tocava. Aquilo não poderia ser real. Essa sensação de êxtase causada pelo contato com a pele dela, o som da sua voz cantando aquela música de uma forma sussurrada.
Interrompi o beijo, mas só para que pudesse abraça-la mais de perto. Ela recostou sua cabeça no meu ombro e senti seus dedos em meu coro cabeludo. Cafuné. Aquela palavra português me veio a cabeça e eu sorri.
E talvez fosse isso. Talvez, fosse ela quem fosse me salvar. E nenhuma palavra precisava ser dita ali. Nada além do som daquela música.
A música ainda estava no final quando ela parou e se virou para olhar nos meus olhos.
- ...
- O que foi Liebe? - Alguma coisa na forma como ela falou meu nome me disse que algo estava errado.
- Será que a gente não está fazendo isso errado?
- Isso o que?
- Você lutando contra o time. Eu desistindo do meu site. Estou sentindo como se estivéssemos retrocedendo. Voltando exatamente no início de onde começamos.
Tirei uma mecha de seu cabelo escuro de seu rosto, colocando atrás da sua orelha.
- Talvez esteja sendo dado uma nova oportunidade da gente ser feliz. Nós dois passando por essas mudanças juntos. Uma chance de voltar para podermos recomeçar.
- Será que ainda da tempo?
- Uma coisa que aprendi com o futebol, é que sempre é possível fazer um gol aos 45 do 2º tempo.
Ela sorriu e então percebi que era tudo que ela queria ouvir. Que ia ficar tudo bem.
E se dependesse de mim, eu faria tudo para que ela sentisse que de fato fosse ficar tudo bem.

- Ei casal, querem pegar alguma coisa para comer? Eu estou azul de fome. - nos tirou do nosso mundinho particular.
- Cara, eu até ia zoar a sua cara, porém também estou morrendo de fome.
- Vocês querem algo aqui mesmo ou podemos ir para o quarto? - comentou apontando para a pequena multidão que estava se formando da porta.
Aparentemente alguém havia comunicado a imprensa que estávamos ali. Tinha certeza que amanhã teriam várias fotos estampando jornais. Já podia ler até as manchetes: " tem final de semana com amigos, entre eles " E todas as especulações que viriam com ela.
Olhei para a e vi que ela começou a ficar apreensiva mais uma vez. Fiquei com raiva dessas pessoas. Será que eles não podiam nos deixar em paz pelo menos por um fim de semana? Estava tão feliz ao ver minha namorada tão solta pela primeira vez em muito tempo.
Voltar para nosso quarto de hotel seria uma excelente opção.
- Eu poderia comer um hambúrguer.
- Ótimo. Vamos então. - puxou a amiga pelo braço, também percebendo que ela estava a um passo de uma nova crise.
Elas saíram andando na frente enquanto eu e fomos pagar as contas no bar. Não tínhamos consumido muita coisa.
- Você percebeu que a teve uma crise de ansiedade não é?
Assenti.
- Ela já teve isso antes ?
- Não desse jeito.
Tudo fazia sentido agora. Seu comportamento tão distinto durante a noite. Sua preocupação.
Olhei para fora do bar e tive mais raiva ainda de todas àquelas pessoas.

Chegamos no quarto de hotel e estava chorando desesperadamente sentada no sofá.
Me apressei para chegar perto dela, porém me impediu.
- Deixa ela chorar.
- Mas...
- , ela está tendo uma crise. Eu já tive isso antes, e se qualquer um chegar perto é pior. Deixe que ela coloque para fora.
Ignorei a minha amiga.
- , liebe, vem se deitar.
Sentei ao seu lado e comecei a acariciar suas costas. Não queria que ela se sentisse sozinha.
- Me deixa em paz . - Ela olhou para mim de um jeito que nem parecia ser a mesma menina de horas atrás.
- Não posso. Vem se deitar. Vamos pedir um lanche.
- Não quero comer.
- Não estou falando para você comer, apenas que vamos pedir. Se você tiver vontade...
Ela nem se quer me deixou terminar de falar e saiu correndo para o quarto. Eu odiava quando ela me afastava e eu nunca sabia o que estava acontecendo.
Fiquei parado olhando para a porta fechada, sem saber o que fazer.
se sentou ao meu lado e no chão a minha frente.
- Ela vai ficar bem, só precisa de um tempo.
- Eu achei que isso fosse acontecer quando vi aquela multidão. Não queria que ela tivesse visto cara, desculpa.
- Vocês dois não tem culpa de nada. Muito pelo contrário, eu não sei o que faria sem vocês aqui. Aliás, eu não sei o que fazer. O que aconteceu? - Passei as mãos pelos meus cabelos. Estava agoniado e a sala parecia pequena demais para mim.
- Crise de ansiedade. Ela me contou hoje à tarde que estava próxima de ter uma. Essas mudanças repentinas em sua vida acabaram desencadeando novamente as crises. Ela pediu para que eu não te contasse, mas acho que não vou ter como não contar.
- Como assim? - Olhei para sem entender nada. O que tinha falado com ela que não poderia falar comigo? Será que ela não confiava em mim a esse ponto?
- Vou pedir uns hambúrgueres. - saiu da sala nos deixando sozinhos.
- Em primeiro lugar, quero que você saiba que ela não te contou nada porque achava que estava controlada e que conseguiria lidar com isso sozinha. Em segundo lugar, eu entendi o porque ela não quis contar primeiro para você quando ela me explicou o motivo.
- O que você está falando ?
- Ela ficou com medo de que você se sentisse culpado por desencadear a crise.
E agora eu estava sim me sentindo culpado. E mais uma vez, eu odiava ser o responsável por ela se sentir mal.



Secret


br>Ele pov

Deveria ter se passado pelo menos uma hora que eu estava sentado na mesma posição: jogado no chão, escorado no sofá e olhando para o nada.
havia se acalmado e parado de chorar. Provavelmente pegara no sono no meio da confusão de sentimentos. Nunca tinha visto uma pessoa ter uma reação assim, e jamais imaginei que quem fosse me apresentar isso seria a minha namorada. A pessoa que mais me fazia bem. A que me fazia sorrir mesmo quando os dias não eram dos mais fáceis.
começou a contar a história da , e por mais que eu quisesse descobrir o que tinha acontecido com ela, eu também queria sair correndo e gritar para o mundo que isso não podia estar acontecendo.
- , a tem essas crises de ansiedade desde o ensino médio. Tudo começou quando ela abriu o site. Ela te contou o motivo pelo qual ter começado com o site?
- Sim. Um ex-namorado.
- Isso. Ela começou a ter essas crises toda vez que esse cara chegava perto dela. A princípio eram leves, apenas falta de ar, além do sentimento de incapacidade. Mas então o site foi crescendo, e tudo começou a piorar. Sempre que ela precisava ir para uma entrevista, ou cobrir um show grande, ela sentia mal dias antes. Uma vez ela começou a tomar remédios, mas com o tempo ela foi aprendendo a controlar, afinal, ela teria que lidar com essas situações de stress todos os dias da vida dela.
"Quando ela veio para a Alemanha ela se sentiu segura e tranquila para dar um tempo na medicação. E isso foi muito por sua causa, então jamais pense que você tem alguma culpa. Se você tem algum papel nisso, foi que você a ajudou a ficar livre da medicação. O sentimento que existe entre vocês dois a ajudou a controlar a ansiedade.
"Mas então ela se viu mais uma vez posta a frente a uma decisão que não cabe a ela tomar. Uma mudança radical na vida dela. E não entenda isso como se ela não estivesse feliz, porque ela está. Ela me disse que nunca se sentiu tão completa na vida dela. Mas o medo do futuro, o medo da incerteza do que vai acontecer no dia seguinte fez com que tudo piorasse de novo. "
- Mas o que a gente pode fazer para ajudá-la ?
- Agora? Deixa-la dormir. Ficar ao seu lado e mostrar a ela que ela é amada, que ela está segura e que não vai ficar sozinha.
- Tudo que eu venho fazendo é tentar falar isso para ela.
- Falar é pouco . É preciso demonstrar. E sei que você faz muito e também está com diversos problemas para resolver. Ela não vai te cobrar nada, muito pelo contrário. Mas é aqui que você precisa pensar no que você quer de verdade. Porque a sua decisão para a próxima temporada vai refletir no tratamento dela.
- Você acha que eu devo aceitar alguma proposta da Inglaterra então?
- Não é isso. Você tem que tomar uma decisão e estar certa dela. Ou pelo menos, mostrar essa segurança para ela.
E então ali estava eu. Sentado no chão fazendo os pros e contras sobre voltar para Dortmund. Sobre continuar no banco do Bayern. Sobre ir para Inglaterra, e como qualquer uma dessas decisões afetariam a .

Não sei como dormi, quando dormi ou se tinha de fato dormido. Provavelmente tinha pegado no sono, pois no dia seguinte acordei deitado no chão, no mesmo lugar da noite anterior. De alguma forma tinha me encolhido contra o sofá, e em algum momento alguém tinha colocado uma coberta em cima de mim.
O dia ainda estava clareando. Em cima da mesa da copa estavam restos de hamburguês. Nem se quer tinha lembrado de comer na noite anterior. Não estava nem se quer conseguindo sair do transe.
- Bom dia.
Escutei sua voz falha e uma vestindo o meu moletom cinza e uma legging preta estava encolhida no sofá. Ela parecia bem menor do que de fato era. Seu cabelo acobreado estava bagunçado, a deixando com um ar de criança indefesa. Ou talvez fosse a forma como eu a estava enxergando, como se ela pudesse se quebrar a qualquer momento.
Me sentei no chão e fiquei a observando. Ela olhava para o nada, com a expressão de que sabia que eu estava ali, porém não sabia o que falar. Ou não tinha o que falar.
Levantei e sentei ao seu lado, sem toca-la. Não sabia se ela precisava de espaço ou de carinho. Não sabia até onde poderia ir sem que ela entendesse de forma errada. Ou o que ela queria que eu fizesse.
Ficamos por um bom tempo em silêncio. Eu olhando para ela e ela para o nada. E o silêncio, que sempre foi uma das melhores coisas entre nós, estava se tornando insuportável. Queria que ela falasse qualquer coisa, fizesse qualquer coisa.
E sem avisar, ela fez exatamente o que eu queria que ela fizesse.
Se virou para mim e pu nos meus braços. Primeiro ela simplesmente me abraçou. Senti a sua respiração pesada no meu pescoço, e eu sabia que o medo era mais forte do que qualquer outro pensamento racional. Não podia dizer que também não sentia esse medo, porque eu sentia. Mas o meu medo maior era perde-la. E se tinha uma coisa que eu não saberia lidar, era ficar sem ela.
Abracei a sua cintura, a puxando para mais perto de mim. Ao sentir meu toque, ela procurou meus lábios, me beijando como se sua vida dependesse disso. Uma urgência que nunca havia existido entre nós.
- , por favor, vamos para o quarto porque eu não estou aguentando mais.
Eu sorri entre seus beijos e a peguei no colo, a levando lentamente para nosso cantinho.
E em meio a beijos, abraços e suspiros, eu percebi que o que ela precisava era desse sentimento. Essa coisa inexplicável que existia entre a gente. Esse fogo e essa calmaria que mudava de uma para outra em segundos.
O mundo poderia estar acabando do lado de fora, mas se estivéssemos juntos, a gente sobreviveria. Porque éramos e . E e sempre sobreviviam.

A viagem de volta foi bem menos animada do que a de ida, mas eu sabia que depois daquela manhã, estávamos bem. Uma forma torta, confusa e dolorida, mas estávamos bem. Ao menos um com o outro.
Não queria despedir de , mas ainda iriamos por caminhos separados. Agora nos veríamos na final da Pokal, em que o Bayern enfrentaria o Borussia Dortmund. Eu não jogaria. Já era normal eu não jogar. E também faria questão de não comemorar qualquer título, ou se quer torcer. Seria neutro naquele jogo, pois meu futuro ainda era incerto.
- Cuida dela.
- Pode deixar . - Eu conhecia o suficiente para saber que não estava sendo fácil para ela deixar a amiga. Se dependesse dela, iria para Munique passar todo o tempo possível com a .
Essa era uma das coisas que eu mais gostava em , o quanto ela era devota aos amigos. Era por isso que seu relacionamento com dava tão certo. Ela era a calmaria, a racionalidade e ao mesmo tempo o carinho, enquanto ele era o explosivo, a emoção pura e cheio de não me toques.
Um dia tinha vontade de morar perto deles. Eram meus melhores amigos, e pela forma como se despediu dos dois, ela concordava comigo.
Nunca consegui esse tipo de amizade em Munique. Tinha os meus companheiros de time, as vezes saia com alguns deles, mas não era a mesma coisa. Não tinha o companheirismo, o cuidado, a relação de família. A profissão era ingrata quanto a isso. A luta pelo seu lugar, seja no time, seja na mídia, seja com a torcida. Éramos um time em campo, mas fora dele, estávamos competindo uns com os outros.
É claro que fazíamos amigos verdadeiros. Havia um companheirismo. Momentos de descontração. Festas. Muitas festas. Muitas brincadeiras nos vestiários, sempre uma cueca roubada, um tênis perdido. Mas era diferente de estar com seu melhor amigo. E isso eu sentia falta do .
Uma das coisas que estava me fazendo tentar a voltar ao BVB era ele. Tê-lo por perto em momentos de dificuldade. Em momentos de felicidade. Sem contar que a vibração era outra. Mas aquele pequeno sentimento de ter fracassado estava ali. Mas, fracassado no que?
- O que vale os seus pensamentos?
estava encostada na janela do carro. Havia me deixado dirigir na volta, e também não estava falando muita coisa. Talvez também tentando digerir tudo que estava acontecendo.
- Estava pensando sobre a segunda coisa que mais vem ocupando os meus pensamentos: a próxima temporada.
Ela sorriu.
- A segunda?
Olhei para ela como quem não queria nada.
- A primeira está aqui do meu lado, tão imersa em sua própria mente quanto eu.
Ela riu. Uma risada gostosa que não escutava desde a noite passada.
- Idiota! - Aquela palavra.
Ela me deu um soquinho fraco enquanto ria, e então eu comecei a rir dela.
- Nossa, que menina fraca!
-Ah, vai cagar .
E então caímos mais ainda na gargalhada. E estar com ela era assim. Risos e silêncios, beijos e confusões. Mas era ela. E nada mais importava.

Ela pov

Ao chegar em Munique resolvi fazer uma caminhada. Alguma coisa em estava me fazendo virar uma viciada por exercícios. Desde o dia em que saímos para andar de bicicleta, eu tinha começado a correr, a andar de bicicleta e malhar. Sim, estava malhando. Minha mãe ficaria orgulhosa quando soubesse.
O deixei em casa fazendo o jantar (porque sim, era ele quem cozinhava), pequei meu ipod e dirigi até aquele mesmo parque em que nos conhecemos. Geralmente eu ia andando, mas como já estava escuro ele pediu que eu levasse o carro. O tão protetor .
Já não fazia frio e o parque estava cheio. Coloquei o meu ipod para tocar no aleatório. Tinha uma brincadeira que sempre fazia comigo mesma quando estava com dúvidas: fazia uma pergunta e deixava que a música fosse a resposta.
Pensei em fazer isso, mas então percebi que não tinha uma resposta. Para onde iria na próxima temporada? Nós teríamos futuro? E quanto mais eu pensava, pior eu ficava.
Tinha odiado a crise de ansiedade da noite anterior. Há anos não ficava desse jeito. A falta de ar, o choro, a incapacidade de fazer ou pensar qualquer coisa. Meus pulmões começaram a doer novamente. Sentei em um banco vazio, e fiz o que tinha aprendido na terapia: coloquei minha cabeça entre os joelhos e contei a respiração. Inspira um. Expira dois. Repetir até a respiração se regular.
Senti lágrimas nos meus olhos. Sabia que não estava chorando por causa da crise, mas também não tinha nenhum motivo aparente para tal.
Me encolhi no banco e comecei a observar o movimento ao meu redor. Eu soluçava, mas por sorte estava em um país no qual as pessoas nos deixavam em paz. Não que isso diminuísse a vergonha de estar chorando em público.
Sabia que estava sendo ridícula. Minha vida estava boa. Não, minha vida era boa. Olha todas as oportunidades que eu havia tido. O privilégio de conhecer as pessoas que havia conhecido. Estava sendo ingrata por me sentir assim. Tinha gente passando por coisas muito piores. Não tinha o direito de estar assim por um motivo idiota. Por um sentimento que todos nós tínhamos em relação a qualquer futuro. Não tinha direito de estar fazendo todo esse drama apenas por medo.
Porque era isso que eu estava sentindo. Estava com medo. Medo do que faria da minha vida profissional. Medo do significado de assumir um relacionamento com . Medo de que tudo isso significava ficar tão longe da minha família.
Era estranho porque sempre quis ir para longe. Viver uma vida independente, em outra cultura, com outras pessoas. Mas agora que estava aqui, eu sentia falta da minha casa, dos abraços do meu pai, dos conselhos da minha mãe, das brincadeiras com o Gustavo.
Às vezes eu queria voltar a ser aquela menina no 2º ano de novo. Voltar e dizer para ela não fazer certas escolhas. Não arrumar um namorado apenas porque se sentia sozinha, porque ela era muito mais do que qualquer cara poderia proporcionar a ela. Dizer que seu blog seria um sucesso, mas que ela era capaz de administrar seu próprio negócio, que não precisava de nenhum especialista de uma gravadora.
E por mais que todas essas dúvidas estivessem aqui, iria dizer para ela vir para a Alemanha. Porque aqui ela encontraria a pessoa mais especial de sua vida. Aquele que a faria questionar todas as suas escolhas, questionar tudo que havia passado até chegar ali.
Mas a única coisa que ela não questionaria era o que sentia por ele, era saber que não o trocaria por nenhuma outra pessoa do mundo. Saber que ele estava ali por ela, e que isso era o suficiente. Que o mundo podia estar acabando, mas se ela estivesse ao seu lado, tudo ficaria bem.
Entrei no carro e dirigi para casa. Não estava mais chorando, mas eu precisava ver o . Abraçá-lo. Sentir que ela era real e que estava ali.
Mas eu não vi o carro na direção contrária. E só percebi que tinha algo errado, quando vi o mundo girando.



Don't do this again



Ela pov

Eu poderia dizer que lembro de tudo que aconteceu, mas a verdade é que não tenho ideia. Disseram que eu não havia desmaiado, mas o choque havia apagado a minha memória. Não iria reclamar com o meu cérebro. Não dessa vez.
O outro veículo havia furado um sinal e acertou a lateral do carro ao lado do passageiro. Para a minha sorte. Com o impacto eu girei na pista. Logo veio o corpo de bombeiros e fui levada ao hospital. Não me lembrava do trajeto. Dos exames. Nada.
A única coisa que passava pela minha cabeça era ver o . Parecia que eu era um robô que apenas fazia o que me mandavam. Por sorte eu não havia machucado. Talvez ficaria com o pescoço dolorido por alguns dias por causa da colisão, mas nada que alguns analgésicos não resolveriam. Entretanto passaria aquela noite no hospital em observação.
- . Onde ela está?
Escutei a voz do na recepção. Não queria nem ouvir a bronca que ele ia me dar por ter estragado o carro dele.
Tentei levantar da cama e gritar que eu estava aqui, mas com o mínimo movimento que fiz, a tontura veio.
Mas ele não demorou a aparecer na porta do quarto com uma expressão mais assustada que eu já tinha o visto. Trocamos um olhar que durou milésimos de segundos. Logo ele estava me abraçando pela cintura e chorando quando a minha barriga. Nunca o tinha visto tão desesperado.
Passei a mão por seus cabelos o acariciando.
- Ei, está tudo bem.
Ele virou o rosto de forma a olhar nos meus olhos.
- Eu fiquei com tanto medo.
- Eu também. Mas está tudo bem. Eu estou aqui.
- Graças a Deus. Não sei o que eu faria sem você . - Ele voltou a me abraçar e ficamos ali, ele deitado contra minha barriga e eu acariciando seus cabelos, até que o médico chegou para fazer a última visita da noite.
Eu odiava hospitais. Principalmente passar a noite em um. Estava louca para chegar em casa, deitar na minha cama e dormir ao lado do meu namorado. Mas olhar para ele dormindo na cadeira do hospital me acalmava, e a única coisa que eu conseguia fazer era agradecer.
Agradecer por estar viva, por estar aqui, por ter um namorado maravilhoso e finalmente me senti em paz. O que ele resolvesse, eu iria apoiá-lo. Queria uma carreira própria, mas qual o problema de prorrogá-la por alguns meses? Eu tinha 22 anos, e se tinha uma coisa que ainda era permitido era que eu me desse tempo para escolher o que queria.
Tinha meu livro para concluir, mandar para uma editora. Já tinha inclusive recebidos algumas propostas de editoras brasileiras e alemãs (não iria negar que o fator namorada do não influenciava, mas dessa vez eu não iria reclamar. Dessa vez.)
Outra coisa que eu faria seria aceitar a proposta da . Iria até Dortmund fazer as fotos. No mínimo teria um dia divertido.
Mandei uma mensagem para minha amiga para avisar que estava tudo bem e que aceitaria a sua sugestão.
Ao pegar meu celular vi que haviam mensagens de todo mundo. Da , da , do , do Müller, do Basti, do Mats e até da Marie, quem eu não via desde o final do curso. Achava que ela tinha voltado para a França, mas não fazia ideia. Tudo que eu sabia era que ela estava com um namorado misterioso.
Primeiro mandei uma mensagem no grupo da família contanto o que tinha acontecido e que estava bem, para que eles não se assustassem com as manchetes (porque eu sabia que já deveria ter saído alguma reportagem com o título "namorada de envolvida em acidente de carro", droga de mídia).
Em seguira resolvi responder a .
: , você está bem? O acabou de ligar contando o que está acontecendo. Me manda notícias por favor! Se não tiver notícias suas em até 24 horas eu irei até Munique e não tem quem me impeça!
: Estou bem. Foi só um susto. O carro do ficou destruído, mas fora alguns arranhões estou bem. Vou passar a noite no hospital apenas para observação. , eu fiquei com tanto medo. O medo que eu senti naquele carro fez com que qualquer coisa que estava sentindo antes fosse idiota. Eu amo o e a única coisa que quero é ficar com ele.

Achei que ela não fosse responder tão cedo, mas pelo visto estava com o celular do lado.
: Fiquei com medo também! Mas bom saber que você está bem. Nós falaremos sobre essa coisa de você querer viver a vida em função dele, mas por enquanto descansa. Teremos todo o tempo para isso.
E então eu finalmente consegui dormir. Ou talvez tenha sido apenas os analgésicos fazendo efeito.

Alguns dias tinham se passado e, apesar de ainda estar com medo de me deixar sozinha, já estava me sentindo disposta. O acidente tinha sido um susto, mas nada além disso.
Entretanto, resolvi que começaria a cuidar de mim mesma, e isso começaria indo atrás de descobrir o que queria fazer profissionalmente.
havia conseguido o contato dentro do BVB e eu estava com a minha câmera na bolsa, uma passagem de avião e um segredo na cabeça.
Não queria que soubesse que estava indo para Dortmund. Era apenas um teste. Um dia de mídia. Não era a promessa de um emprego e muito menos a certeza que iria permanecer na cidade. Estava fazendo algo para mim mesma.
Meu voo saia logo pela manhã e voltaria a noite. havia saído cedo para o clube. Algumas reuniões antes do treino. Ele estava evitando ao máximo ficar com o time, mas se pretendia ser transferido, precisava resolver os problemas legais. Eu sabia que sua primeira opção era o Borussia Dortmund. Henri estava frequentando nossa casa bastante desde que começara as negociações, e apesar de estar representando em todas as reuniões, de vez em quando ele precisava aparecer.
Ainda estava com medo de ficar sozinha. Desde o acidente começara a sentir medo da solidão. Medo de tropeçar. Medo de que alguém esbarasse em mim. E talvez fosse por isso que essa viagem fosse me fazer um bem diferenciado. Uma chance de descobrir novas experiências, novas pessoas e novos desafios.
Para falar a verdade, minha vida estava se tornando uma novidade a cada dia, e para alguém que sempre foi tão dinâmica, isso era ótimo.

me esperava no aeroporto. Seus cabelos loiros voavam com a força do vento, e ela parecia estar em um photoshoot de alguma revista com uma calça capri clara e uma blusa branca. realmente tinha sorte.
Peguei a minha mochila com toda a parafernália de instrumentos fotográficos e fui até ela.
- Oii dona problemática. Sério mesmo que não posso ficar uma semana longe de você que você dá um jeito de se machucar?
Eu sorri abraçando a minha amiga. Sabia que apesar de parecer uma bronca, ela estava apenas tentando levar a situação de uma forma descontraída.
- Bom dia para você também !
- Nem inventa . - Ela parou para mim, olhando sério pela primeira vez e me abraçou novamente. - Eu fiquei com muito medo.
- Eu também.
me levou até o centro de treinamento de Dortmund, onde teria um estúdio improvisado. O photoshoot não seria com todo o time, apenas com 5 jogadores. As fotos eram para a divulgação do novo uniforme da próxima temporada, e por isso eu teria que assinar um termo de sigilo. Não poderia mostrar essas fotos para ninguém que não fosse permitido.
Não sabia bem como lidar com isso. Nunca tinha feitos fotos tão importantes antes, e fiquei um pouco nervosa quando o assistente da direção chegou com o contrato para assinar.
- Você vai receber 1500 euros pelas fotos. Tudo bem?
Eu devo ter feito uma cara de muito assustada. 1500 euros??? Para tirar fotos?? E isso era apenas um dia de trabalho. Se estava tudo bem?
- Sim, claro!
Puxei a de lado.
- Você não me falou que era um trabalho remunerado. E nem que era tanto dinheiro assim. - Olhei para ela brava, mas ela sabia que estava mais assustada do que com raiva.
Ela cruzou os braços e olhou para mim. Ela tinha mania de fazer isso, e sempre me sentia uma criança perto dela, apesar dela ser apenas 3 anos mais velha que eu.
- Claro que é um trabalho pago . Você vai tirar fotos de jogadores de um dos principais times da Alemanha e você estava achando que ia ser de graça?
- Eu não sei o que estava achando, só nunca pensei que era tanto dinheiro assim. Isso é basicamente o que eu faria em 4 festas no Brasil. Não tenho experiência para cobrar esse valor .
Pensei em desistir, mas ela segurou meu braço
- , eu vi suas fotos. Você pode nunca ter feito isso antes, de forma profissional, mas você tem dom para isso. Tem conhecimento e sabe o que está fazendo. Fica tranquila. E de qualquer forma, temos os assistentes, maquiadores. Fora que o vai ser o primeiro a fotografar. Vai dar tudo certo.
Segurei a alça da minha bolsa com um pouco mais de força. Eu já estava ali, não poderia sair correndo mais. Teria que confiar na que tudo daria certo.

O estúdio não era tão amplo quanto eu pensei que fosse ser. Uma tela verde ao fundo já estava esticada, assim como posicionamento no chão.
O assistente estava arrumando as luzes.
- Oi, você deve ser a . Erni.
-Olá. Então, o que você precisa.
Ele sorriu tímido.
- Você quem é a chefe, chefe.
- Ah, por favor.
Ele deveria ser alguns anos mais velho que eu. Tinha cabelos cor de mel e era tão alto quanto qualquer um dos jogadores de futebol. Foi nesse momento que escutei a voz de .
- Me disseram que íamos ter uma fotógrafa importada hoje.
- Oi .
Meu amigo chegou me dando um abraço, o que eu estranhei.
- Por favor não me dê outro susto daquele. Quando o me ligou eu quis pegar o carro e ir correndo até Munique.
- Você quis pegar o carro ? - interrompeu. Era conhecido que não tinha carteira. era sempre a motorista.
-Ta, eu pedi para dirigir!
- Quase.
Comecei a rir dos dois. Me sentia leve perto deles. Era um casal que fazia todos ao seu redor se sentir bem.
- Agora vou deixar vocês ai e vou voltar para o meu trabalho.
- Com o que você trabalha ?
Só agora tinha me dado conta de que nunca soube exatamente o que a trabalhava.
- Faço um pouco de muita coisa . Hoje eu estou ajudando na organização de um desfile beneficente em Berlin. Estamos selecionando meninas para participar do evento. Se você quiser, quando chegar perto eu te falo. Vai ser ótimo um fim de semana nosso em Berlin.
- Ia ser uma ótima ideia.
Sorri para minha amiga. Ela deu um selinho em enquanto os outros jogadores entravam.
Eu sabia mais ou menos quem era quem, mas ainda assim me apresentou um por um. Estava um pouco nervosa com o fato de fotografar aqueles homens, porém fui acalmando a medida que um começou a zoar a cara do outro.
E eu percebi que não precisava ficar com medo. Eles eram pessoas como eu. E se eu havia acostumado com , poderia me acostumar com qualquer um.
-, vamos por partes. Esse é o nosso goleiro, Roman Burki.
- Olá, então você é a famosa .
- Famosa?
-É. Aparentemente a mídia te ama.
- Não liga para ele. Está sempre tentando fazer amizade. Sou o Erik.
- Durm certo?
Ele assentiu.
- Lembro de você. - Sorri inocentemente. Confesso que já tive uma crush nesse cara há muito tempo atrás, quando eu nem se quer pensava em vir para a Alemanha. A vida da voltas né?
- Olha gente ela lembra de mim!
- Deixa de ser convencido Durm! - sempre líder do grupo.
Mais quieto vinham outros dois. Assustei com o grupo grande. Mas pelo menos não era o time inteiro.
Um deles reconheci ser Sven Bender, um dos gêmeos. sempre fa deles, não teria como não reconhecer. Sabia que era o Sven porque o Lars jogava em outro time, o Bayern Leverkusen.
- Você é Sven não é?
- Olá. - Ele deu um sorriso tímido e começou a rir.
- Você conhece todo mundo e está só tirando uma com a minha cara . E antes que você acabe de vez com minhas apresentações, esse é o Sokratis.
O grego assentiu de longe, ficando calado. Estava claro quem não estava no meio do grupinho de . Eu podia claramente imaginar o ali. Ele teria seus momentos infantis com , ao mesmo tempo que escutaria os conselhos de Burki. Zoaria a cara de Durm, porque eu já pude perceber que ele era o escolhido das brincadeiras do grupo, e teria várias conversas sobre o mundo com Sven Bender.
Era um grupo fechado, mas ao mesmo tempo fazia questão de receber bem os que não estavam nele. Me senti feliz por, pela primeira vez na vida, sentir pertencer a algum lugar. Eu poderia muito bem vir para Dortmund.
- Então crianças, vamos começar?
- Crianças? Sério . Você que a criança aqui, criança.
- , larga de ser implicante! - Burki chamou a atenção de e eu não consegui segurar a risada.
- Tanto faz! Quem vai ser o primeiro?
- Você quem manda. - Sokratis tentou colocar alguma ordem, coisa que eu já sabia que seria impossível.
- Vamos fazer as de grupo primeiro então.
Sven andou até o fundo da sala e começou a preparar o ambiente segundo as minhas orientações.
- Precisa de alguma coisa ? - Erni apareceu ao meu lado, sendo o único que de fato estava com uma postura profissional ali.
- O que vocês acham de uma música?
Escutei gritos de animação enquanto entregava o meu ipod ao assistente.
A primeira música foi Toothbrush da banda nova do Joe Jonas, DNCE. Eu amava essa música para trabalhar, e percebi que tinha agradado os meninos. Rapidamente eles entraram no ritmo e consegui fazer uma sessão de fotos que me agradasse.
As fotos precisavam mostrar os uniformes e seus detalhes, mas isso não significa que não tínhamos algumas fotos deles brincando com a bola. , estrelinha como sempre, foi quem mais se sentiu à vontade com a câmera e quis aparecer.
Erni me ajudou arrumado as luzes, e quando finalmente acabou a sessão, foi quem também escolheu as melhores fotos. Ele iria editar pois, como trabalhava no clube, deixaria tudo conforme os padrões exigidos.
Meu voo era as 18:30, e ainda era 17. voltaria para buscar o e me daria uma carona até o aeroporto.
Acabamos indo até o estacionamento com o Sven. Sua namorada, Elena Wolf, já estava esperando por ele.
- Sabe como é, aniversário de namoro. - Ele deu uma piscadela para o amigo.
Ela parecia ser uma garota legal. Talvez um dia eu viesse a conhece-la.
Enquanto observávamos o carro de Elena se afastar, resolveu entrar no assunto que estávamos todos tentando evitar.
- Como está?
Dei de ombros e suspirei.
- Tentando levar. A cada dia que passa ele chega em casa mais irritado. Não vejo a hora dessa temporada acabar.
- Está quase. Se o Bayern vencer o próximo jogo a taça é deles.
- Mas ainda vai faltar a final da Pokal.
- Ai, não me lembra desse jogo não.
- A pressão está tão grande assim?
- Você não faz ideia.
- Acredite. Eu faço.
finalmente chegou e, como eu esperava, me fez ir no apartamento deles antes de voltar para Munique.
Ela tinha preparado um lanche tradicional alemão, com pães e diversas comidas típicas. Nunca me senti tão bem recebida como na casa da minha amiga.
Peguei no celular para mandar uma mensagem para o , mas antes que eu pudesse abrir a conversa, uma mensagem da me chamou a atenção.
: O que aconteceu com esse seu namorado cabeça oca?
Junto da mensagem tinha um link de uma matéria.
" sofre lesão e não joga mais nessa temporada".
Fiquei parada olhando para aquela manchete. Primeiro sem reação. Ao perceber os olhares do casal a minha frente, eu comecei a ligar para .
Mas mesmo eu insistindo várias vezes, ele não me atendia.
- O que aconteceu ? - perguntou.
- Parece que sofreu uma lesão.
E foi o suficiente para ninguém mais falar nada. O ambiente tomou um tom tenso, e a única coisa que se ouvia era o barulho de chamada do meu celular, quando sem sucesso, eu tentava falar com ele.



I've got a lot to say



Ela Pov

Eu estava apreensiva. Desci do avião com medo do que encontraria em Munique. Depois que desliguei o telefone eu não quis mais nada a não ser voltar para ele. Voltar para .
Nenhum lugar dava informações o suficiente para sabermos o que tinha acontecido. Ele não atendia os meus telefonemas, e nem com o Henri conseguimos falar, apesar de ter ligado em seu escritório.
Sai com minha bolsa na mão e fui andando para o estacionamento. Pela manhã, eu não havia contado para onde eu tinha ido e na hora, eu tive meus motivos. Porém, as coisas haviam mudado. Antes de embarcar em Dortmund, mandei uma mensagem para ele contando onde estava e a hora que meu avião chegaria em Munique.
Sabia que teria que dar muitas explicações, e esperava que ele pudesse me perdoar por ter omitido. Mas naquele momento, a única coisa que eu queria era abraçar .
Procurei ele pela multidão, mas não encontrei. Ia pegar um taxi quando ouvi meu nome.
- .
Olhei para trás, com os olhos já cheios de lágrimas ao pensar que não encontraria com ele ali. Era incrível como que eu mesma me decepcionava com as expectativas que criava.
Mas as vezes, somos surpreendidos conseguindo aquilo que desejávamos.
- .
Deixei minha mochila cair no chão e corri ao seu encontro. O abracei sem me importar com o que qualquer uma das pessoas ao redor iria pensar. Sem me importar em fotos no jornal. Sem me importar com mais nada a não ser ele. Naquele momento, meu mundo se resumia em .
Comecei a chorar em seu ombro, quando ele, sem sucesso, tentava me acalmar.
- Está tudo bem liebe.
-Não, não está. Você está machucado! É grave?
Sem me tirar dos seus braços, ele sussurrou no meu ouvido.
- É uma jogada de marketing. O time não quer que eu jogue o último jogo da temporada contra o Borussia.
Olhei séria para ele
- Mais uma vez isso ?
- Calma, dessa vez é diferente.
- Diferente como?
- A ideia foi de Henri. Eu não jogaria de qualquer forma. Guardiola me colocou no banco, e se depender da direção do Bayern de Munique, é ali que vou continuar.
Uma pequena multidão começou a se formar ao redor.
- Acho melhor a gente terminar essa conversa em casa.
Assenti e peguei a minha mochila no chão.
No caminho para casa, tocava Something I need do One Republic. Dentro de duas semanas iriamos a um show deles e era a única coisa que estávamos escutando no pouco tempo que tínhamos para ouvir música.
Sorri ao prestar atenção naquela letra. E eu sabia que era a verdade, "You got something I need, in this the world fool of people, there's one killing me and If you only die once, I wanna die with you".
- I wanna live with you.
Encostei minha cabeça em seu ombro enquanto ele dirigia. Ele tirou a mão do volante para apertar de leve o meu joelho, entendo o que eu queria dizer com aquela frase.
Eu sabia que aquele momento de paz era apenas isso: um momento. Naquele carro estávamos nos dando um tempo para a conversa que não demoraria a vir. Eu odiava conversas sérias, mas se estávamos escondendo coisas um do outro, era porque tinha alguma coisa errada.

Ele Pov

Não vou mentir ao dizer que não fiquei chateado com a . Jamais iria reclamar dela ir até Dortmund. Ainda mais para concorrer a uma vaga de trabalho com uma coisa que ela claramente amava fazer. Ela podia não saber, mas já tinha dado uma olhada na coleção de fotos que ela tinha minhas de treinos e jogos. Ela era boa naquilo.
Mas depois do dia que tive no clube, nada daquilo parecia ter importância. Ela havia ido atrás do que achava que era certo, e quem era eu para dizer que ela estava errada.
Meu dia havia começado como qualquer outro. Sai de casa, peguei meu carro e me dirigi ao centro de treinamento do Bayern de Munique já pensando nas coisas que iria ouvir. Ou melhor, no que iria sentir. Desprezo por parte de alguns, pouco caso por outros e nem uma palavra se quer do técnico Pep Guardiola. Mas apesar de ter me preparado para mais um dia não produtivo, eu não fazia ideia que iria ser tão ruim.
E também não fazia ideia que, depois de meses de dúvidas, eu iria enfim tomar a decisão do que eu faria na próxima temporada.
Ainda no vestiário percebi que o clima estava diferente. Ninguém fazia brincadeiras, alguns olhavam para mim com pena enquanto outros evitava fazer contato visual. Já tinha alguns dias que eu já não chegava animado como antes. Troquei minha roupa e fui para o campo, onde boa parte dos jogadores já estavam começando o aquecimento.
Fui até o assistente para saber as orientações, se iria ser um treino convencional ou algo diferente. Mas antes que eu pudesse se quer entrar no gramado, Guardiola me chamou.
- , vai até a salinha e pega um saco de bolas por favor.
Estranhei o pedido uma vez que isso era função dos assistentes. Sempre ajudávamos a carregar os equipamentos, mas geralmente eles já estavam no campo.
No caminho fui observando o treino. Três sacos de bola já estavam atrás do gol. Quantidade mais do que suficiente para um dia de treino. Mas não iria questionar, sabia que se fizesse qualquer comentário seria pior.
A sala estava trancada, como sempre. Só quem tinha a chave eram os assistentes e o técnico, além do pessoal da limpeza. Vi um zelador ao longe e fui até ele pedir se poderia abrir a porta para mim.
-O que você quer ali dentro garoto?
- Pep pediu para que eu pegasse um saco de bolas.
- Mas o assistente já levou todos.
Olhei para ele com uma cara tão espantada que acho que ficou com pena. Andou de volta comigo até a salinha e abriu a porta.
- Viu? Não tem mais nenhum. - E de fato não tinha nem se quer nenhuma bola no lugar.
- É, ele deve ter confundido.
Agradeci o senhor e voltei para o campo. Pep Guardiola não havia confundido, ele havia feito de propósito.
Pensei que meu treino fosse ser pesado, mais pesado do que normalmente já era. E tudo isso para eu ficar no banco. Porém, hoje era preparatório para a final da Pokal. O jogo aconteceria no sábado e eu já sabia que ficaria no banco.
Mas ao invés de treinar com os reservas, ou se quer ir para a musculação, o assistente me mandou sentar no banco. E passei o dia ali, apenas observando meus companheiros de time treinarem, sem que nenhuma pessoa me dirigisse uma palavra se quer.
O Bayern de Munique estava se tornando um time comercial. Estava mais preocupado com os patrocinadores e marcas parceiras do que com o jogador. Tinha sim uma equipe fenomenal de técnicos, médicos e todo o suporte necessário para se jogar futebol, mas faltava o que mais me motivava em continuar jogando. Faltava o que eu sentia quando jogava pela seleção alemã. Faltava o amor pelo esporte, o esporte pelo esporte. Incentivar os jogadores a se divertirem antes de ter qualquer obrigação de vitória.
O time era sim muito forte. Tinha bons jogadores, e a cada dia que passava atraia mais gente interessado em jogar aqui. Porém, nos últimos 3 anos eu havia perdido o sentido do que era jogar um bom futebol. Isso, não era o número de títulos que o clube conquistava no final da temporada. Não era o placar no final de cada jogo.
Jogar um bom futebol era se divertir, era vibrar com a torcida, trocar passes com seus companheiros de time. Era ter espaço para fazer as suas jogadas individuais e ao mesmo tempo pensar no que era melhor para o coletivo. Às vezes, fazer um passe era melhor do que chutar para o gol. E eu sentia falta dessa emoção de entrar em campo e dar o meu melhor. Sentia falta de fazer isso com os meus amigos.
Sentia falta da torcida calorosa gritando pelo time, motivando mesmo se estivesse perdendo. Da torcida que viajava quilômetros só para nos vermos jogar. Eu sentia falta de me sentir tão confortável dentro do clube que era como se eu estivesse em casa. Porque eu estava em casa, e eu só queria voltar para lá.
No meio da tarde, já sabendo que não faria nada ali, mandei uma mensagem para o Henri perguntando se poderíamos nos encontrar. Sabia que ele estava em Munique essa semana justamente discutindo as questões legais de transferência com o clube.
Nos encontramos em um café perto do meu apartamento. O lugar nunca estava lotado, mas teríamos wifi grátis e diversos tipos de bebidas cafeínadas a nosso dispor.
- Fiquei feliz com você ter me ligado porque eu tenho algumas novidades.
Ele chegou carregando uma enorme pasta que com certeza teriam diversos contratos e propostas. Boa parte deles vindos da Inglaterra.
- O Liverpool fez uma proposta muito boa. Querem subir o seu salário em 3 milhões. Klopp está realmente fazendo de tudo para te contratar. Consegui uma proposta do Tottenham também, e...
Antes que ele pudesse terminar de falar eu o interrompi.
- Não quero saber de salário Henri. Eu só quero voltar para o Dortmund. Eu só quero voltar para casa.
Ele parou de mexer nos milhares de papeis e olhou sério.
- , você tem certeza do que quer fazer?
-Tenho. Eu aceito qualquer proposta que eles fizerem. Eu só quero poder ter espaço para jogar com a camisa aurinegra novamente. Quero meus amigos por perto.
Henri sorriu e eu sabia que tinha mais coisa ai.
- O que foi?
- Eu não queria falar nada porque achei que ele fosse querer te contar, mas tem outro amigo seu indo para o Borussia.
- Quem?
- André Schürrle. - Ele falou sussurrando, como se fosse o maior segredo. E talvez realmente fosse uma vez que eu não estava sabendo de nada.
-Eu poderia jogar com meus melhores amigos. Todo jogo seria como um jogo da seleção. - tenho que reconhecer que de fato tinha ficado exageradamente animado.
-Acho que você extrapolou , mas se é essa a sua vontade, vou entrar em contato com eles. Depois da nossa última conversa mandei algumas propostas, mas ainda não obtive resposta.
- Eu conversei com o e ele achou que seria uma boa ideia.
- Eu ainda tenho muitas dúvidas sobre tudo isso. Se você quisesse meu conselho, eu diria para você ir para o Liverpool. Jogar na Inglaterra, fazer novos amigos, sair da sua zona de conforto.
-É, mas você não sou eu. Depois de tudo que aconteceu nessa temporada com o Bayern, eu quero ir para um lugar que eu tenho certeza que vou jogar.
- E como você tem certeza que vai jogar em Dortmund?
- Eu só sei.
- Mas se você tem tanta certeza, não pode nem pensar em aparecer no jogo sábado.
- Estou cotado para ficar no banco e com certeza não vou entrar. Guardiola não me deixou nem se quer treinar hoje.
- Não quero você aparecendo no campo. Vamos inventar uma lesão.
- Bernard, de novo não.
- Mas dessa vez ninguém vai achar que foi o clube. Não tem uma negociação em andamento, e os olhos da torcida estarão em Mats Hummels.
- Mais uma vez o Bayern anunciou um jogador do BVB antes de um derby.
- Sim. Mas dessa vez vai ser pior para o Hummels. Ele vai jogar. E ainda com a braçadeira de capitão.
- Às vezes me pergunto o que se passa na cabeça de Thomas Tuchel.
- Bom, se tudo der certo, na próxima temporada você descobre.
Saímos do café pouco depois de Henri ter entrado em contato com a assessoria do Bayern e feito seus ajustes para noticiar uma lesão. E sem dar tempo do clube tomar qualquer posicionamento, ele também avisou a grande mídia.
Agora todos achavam que eu havia me machucado. Eu só havia esquecido de avisar uma pessoa. Alguém que eu achei que fosse encontrar assim que entrasse em casa. Porém, ao abrir a porta do apartamento, não havia sinal de .



Lies



Ele pov

Ela não estava em casa. Não havia nenhuma mensagem no celular ou na geladeira. Eu não sabia onde ela estava. Pensei que pudesse ter ido ao supermercado, e então resolvi tomar um banho para relaxar. Demorei no chuveiro. Depois do dia que tinha tido, precisava de uma boa quantidade de água quente nos ombros.
Meu celular ficou jogado em algum lugar da cozinha, e não o escutei tocando em nenhuma das 7 tentativas dela. Somente quando estranhei que já estava tarde e ainda não tinha chegado que resolvi ir atrás do aparelho.
Ela tinha deixado uma mensagem e fiquei me perguntando em que mundo estava por não ter percebido que ela tinha viajado. Simplesmente peguei as chaves do carro e fui para o aeroporto, seu avião estava quase pousando.
: , você está bem? Estou voltando para Munique. Chego às 17 horas no aeroporto. Vim para Dortmund encontrar com a . BVB ofereceu um trabalho e eu não poderia recusar. Quando chegar a gente conversa. Só queria saber se você estava bem antes de embarcar, porém a comissária já está pedindo para desligar os celulares. A gente se vê em casa. Te amo.
Peguei a chave do carro e dirigi até o aeroporto. Pela mensagem da , o voo estava quase pousado. Não sabia se queria brigar com ela por ter omitido a viagem, ou se simplesmente queria acalmá-la dizendo que estava tudo bem. Curioso como mesmo com todos os motivos para estar com raiva, só conseguia pensar em como ela estaria preocupada comigo.
Estacionei o carro e fui andando em direção à entrada, mas antes que eu sequer saísse do estacionamento a vi andando na direção oposta a minha.
- .
Ela se virou, e com uma expressão assustada e algumas lagrimas se formando nos olhos.
- .
Ela deixou a mochila cair no chão e veio correndo em minha direção. Se jogou nos meus braços como se eu fosse sair correndo assim que ela me soltasse. Mas eu estava ali, e apesar de estar com um pouco de raiva pela situação que ela me colocou, tê-la comigo no meio da confusão que virara a minha vida era o motivo para eu levantar da cama todas as manhãs.
- Está tudo bem liebe. - tentei acalmá-la quando ela não parava de tremer, segurando o choro.
-Não, não está. Você está machucado! É grave?
O que? Machucado? Só então eu me lembrei da proposta de Henri. Inventar uma lesão para me tirar completamente do campo na final da Pokal. Sussurrei no ouvido dela olhando ao redor em busca de qualquer curioso que pudesse estar vendo aquela cena.
- É uma jogada de marketing. O time não quer que eu jogue o último jogo da temporada contra o Borussia.
Sua preocupação tomou um tom de raiva.
- Mais uma vez isso ?
- Calma, dessa vez é diferente.
- Diferente como?
Suspirei. Como iria convencê-la de que ficaria tudo bem?
- A ideia foi de Henri. Eu não jogaria de qualquer forma. Guardiola me colocou no banco, e se depender da direção do Bayern de Munique, é ali que vou continuar.
Alguns curiosos começaram a se aglomerar vendo a cena. Tudo que eu não queria agora era chamar a atenção da mídia para a minha vida pessoal.
- Acho melhor a gente terminar essa conversa em casa.
Dirigi para casa no piloto automático. Tínhamos muito o que conversar e já sabia que não seria um diálogo tranquilo.

Ela Pov

Ele abriu a porta de casa e foi andando lentamente para o sofá, deitando e encarando o nada logo em seguida. Eu achei que estava tudo bem. O sorriso que ele tinha me dado no carro seria um sinônimo de que estávamos bem, que as coisas iriam se encaixar.
Mas pelo visto, não era bem assim.
Deixei minha bolsa em cima da mesa da cozinha e peguei um copo d'agua. Fui até onde ele estava e me sentei na poltrona ao lado do sofá. Não tive coragem de olhar para . Tinha aprendido a analisar suas expressões e ainda não tinha certeza se queria saber o que ele estava pensando de verdade.
Brinquei com o copo agora vazio em minhas mãos. Percebi que ele se mexeu no sofá. Estava incomodado com o silêncio tanto quanto eu.
- Eu só queria que você falasse as coisas comigo .
Mordi meu lábio tentando segurar o que estava com vontade de falar, mesmo que isso não tenha me impedido por muito tempo. Finalmente tomei coragem e olhar para .
- Claro, da mesma forma que você preferiu avisar a mídia antes de mim sobre a sua falsa lesão, não é?
- Quantas vezes eu vou ter que te falar que nem se quer tive tempo de chegar em casa antes de Henri jogar na mídia?
- Você poderia ter me mandado uma mensagem antes do final da sua reunião.
- Por que eu te mandaria uma mensagem com um assunto sério desses se estaria vindo direto para casa e poderia te contar pessoalmente?
- Mas eu não estava em casa! - cruzei os braços.
- E o motivo de eu não saber disso é culpa de quem? - Ele gesticulou com as mãos como se isso fosse uma coisa óbvia.
- Que saco ! Não está claro que fiz isso porque não queria atrapalhar na sua decisão? Tenho certeza que se eu tivesse te contado que estava indo para um teste de emprego em Dortmund você não teria pensado duas vezes se não em confirmar sua volta ao BVB.
- Não. Não está claro porque é o tipo de assunto que a gente conversa. Sempre compartilhamos nossos problemas profissionais . Fora que isso não diminui o fato que você não me contou que viajou. E de qualquer forma, você já sabia que era mais provável a minha escolha de voltar ao BVB. O problema aqui é você não ter me contado.
- Olha, que saber, pra mim chega. Vou dar uma volta.
Me levantei do sofá realmente querendo sair andando por ai. Mas antes que eu pudesse chegar à cozinha para deixar o copo, me alcançou.
Ele segurou meu pulso de leve, fazendo com que eu me virasse de frente para ele.
- Por favor, não sai por aquela porta. E principalmente, não com raiva. Eu não quero ter que sentir de novo o que eu senti na noite do acidente.
- ... - Ele segurou meu rosto entre suas mãos de forma que a única coisa que estava no meu campo de visão era seus olhos castanhos. E se tinha uma coisa que eu amava, eram seus olhos e como que era fácil de saber o que ele estava pensado se olhasse bem no fundo deles.
- Eu não quero pensar na ideia de te perder . Não sei o que eu faria sem você ao meu lado.
Senti o medo em suas palavras. Senti a dor que ele estava acumulando durante todos esses meses. Senti que minha presença ali era o que estava mantendo ele em pé, confiante de que poderia voltar a ser o jogador que um dia tinha sido.
Aos poucos ele aproximou nossos lábios, me beijando com uma intensidade que há alguns dias não tínhamos. Ali, éramos mais uma vez e . E e podiam passar por cima de tudo.



Pokal



Ela pov

Finalmente havia chegado o dia da final da Pokal. A grande copa da Alemanha. E o clássico: Bayern de Munique versus Borussia Dortmund. Era o último jogo no qual estaria no banco do Bayern. O futuro ainda era incerto, mas permanecer em Munique já não era mais uma opção.
Ele saiu logo cedo para a concentração do time. Sua vontade era de nem ir, porém ainda tinha um contrato. Ao me despedir dele, falei a única coisa que poderia.
- Vai com cabeça erguida e pensa que é a última vez que você veste a camisa desse time. Eu estarei na arquibancada, qualquer coisa é só me mandar mensagem.
Ele olhou nos meus olhos. Sua expressão era de quem queria fugir, mas sabia que isso não era possível.
- O que eu fiz para merecer você?
- Resolveu ir correr numa área deserta de um parque e tinha uma maluca escrevendo no frio.
Ele começou a rir, aquela risada gostosa que eu amava ouvir. Sorri ao escutar aquele som. Fazê-lo rir era sem dúvida uma das minhas coisas preferidas no mundo.
- Eu te amo .
- Também te amo , mas acho bom você ir logo porque daqui a pouco está chegando e não quero você atrasado para o clube te encher mais o saco.
- Depois de hoje eu estou livre, Babe.
- Não está não! Ainda tem um show do One Republic que você prometeu me levar.
- Você vai me trocar pelo Ryan né? - Ele fingiu estar chateado e me abraçou pela cintura.
- Nunca. - O beijei em seguida o empurrando porta a fora.

Um voo e algumas horas depois eu estava com em Berlim. Era a primeira vez que eu ia até a cidade, mas não estava nem um pouco afim de conhecer alguma coisa naquele dia. Chegamos ao Olympianstadion junto com a demais torcida, mas entramos direto para a área vip.
Nenhuma das duas vestia camisa dos times, pelo contrário. Eu estava com uma calça jeans que batia nos tornozelos e uma camiseta preta, enquanto minha amiga vestia um short jeans e uma camiseta tomara que caia.
Lá, encontramos Elena Wolf, namorada de Sven Bender que eu tinha tido a oportunidade de conhecer.
- Que bom que vocês chegaram, já estava me sentindo mal aqui.
- Por que? - Perguntei sem ter certeza do porque ela estaria mal antes do jogo. explicou.
- É o clássico . E valendo título. Não espere um jogo tranquilo.
- E agradece que não vai jogar.
- Sorte sua que nunca foi em um jogo contra o BVB e o em campo.
- É, mas isso vai mudar agora.
- Com certeza. Agora as vaias vão estar todas em cima de Mats. - Escutei uma voz conhecida ao meu lado e não acreditei que estava ouvindo aquilo.
- MARIE, O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO AQUI?
As outras duas olharam para mim como se eu fosse uma maluca. Espera, tinha alguma coisa rolando e eu era a única que não fazia ideia do que era?
- Oi , tudo bom? - Ela sorriu timidamente. Vestia uma calça jeans e uma blusa de manga comprida, o que seria normal se ela não estivesse usando um chapéu.
- Dá para me explicar o que você está fazendo aqui?
e Elena realmente não estava entendendo nada, mas aparentemente era eu que não sabia de nada.
- Vocês se conhecem? - A namorada de Sven me perguntou.
- Sim! Ela foi minha colega de apartamento durante o curso. E aparentemente sumiu e não está me contando muita coisa não é, Marie? - Olhei para minha amiga com cara de brava.
- Ta bom! Talvez, mas só talvez, eu esteja saindo com Mats Hummels.
- VOCÊ O QUE?
- Você achou que eu estava brincando quando disse que tinha interesses?
- Não eu só...
- Não esperava que fosse ser algo mais de uma noite?
- É.
- Amiga, eu tenho muita coisa para te contar, mas agora quero ver meu jogo.
E ao olhar para o campo vi os jogadores indo para o aquecimento. Comecei a contar mentalmente aqueles que estavam ali, mas com certeza não era um deles.
Uma garota de cabelos castanhos se sentou ao lado de Elena, que logo me apresentou.
- , conheça Herriet Bürki, a esposa do nosso goleiro.
A garota, que vestia a camisa do BVB com o nome do marido nas costas, sorriu animada ao me ver.
- Olá, então você é a famosa ?
- Famosa?
- Claro! Já ouvi tanto de e sobre a namorada de que fiquei curiosa para saber quem era você. - Sorri. Com certeza eu estava vermelha de vergonha. Quer dizer que meus amigos falavam de mim para outras pessoas? - Vou ficar feliz em te ter em Dortmund na próxima temporada.
Ela voltou a sua atenção para Roman Bürki no aquecimento, e mesmo tendo estranhado como ela tinha conhecimento dessa informação, vi que seriamos grandes amigas. Ela era que nem eu: não prestava atenção no jogo em si, somente no marido dela.
Eu ainda estava com raiva da Marie por não ter me contado nada. Cutuquei a minha amiga com o cotovelo.
- O que foi?
- Dá pra contar?
- , agora não é hora nem momento.
- Foda-se. Faz um resumo.
- A gente se pegou naquela festa na casa do Müller.
- E?
- , tem coisas que eu acho que prefiro guardar para mim.
- Marie, eu não quero saber das coisas pornográficas que vocês fazem. Só quero entender como assim vocês viraram um casal?
- E quem disse que somos um casal?
- Você está aqui na área vip só para vê-lo jogar. - Falei como se fosse a coisa mais óbvia do mundo.
- Amiga, você é muito fofinha para entender o nosso relacionamento.
Resolvi ignorar aquele comentário. Realmente nunca entenderia como a Marie lidava com relacionamentos, e aparentemente Hummels era do mesmo jeito. Como diria meu irmão, muito moderno para mim.
Os brasões dos dois times estavam estirados no campo. De fato, era um espetáculo enorme. O jogo que daria por encerrado a temporada 2015/2016 na Alemanha. Um dos maiores clássicos do país.
Eu estava nervosa. Não com quem sairia vencedor, não me importava o resultado do jogo. Eu estava nervosa por . Não parava de me perguntar como ele deveria estar se sentindo no bando de reservas.
Não entendi porque não haviam liberado ele para assistir da arquibancada uma vez que não tinha chance de ele entrar em campo. A lesão que Henri inventou não tinha surtido nenhum efeito no clube. Nem se quer toquei nesse assunto com ele. Meu namorado já tinha coisa demais na cabeça para resolver.
De longe, eu conseguia vê-lo no banco. Não sabia para quem ele torceria, ou se se quer faria alguma torcida ou comemoração. Ele estava apreensivo. Mas quem não estava em um jogo como aquele?

Ele pov

Não era para eu estar ali. Se as coisas tivessem funcionado como o planejado agora eu estaria na minha cama, com a minha namorada, assistindo ao jogo pela televisão e rezando com todas as minhas forças para que o Bayern de Munique perdesse.
Mas ao soltar a notícia de uma falsa lesão, Henri havia prejudicado ainda mais a minha imagem com o time. E se antes eles estavam sem paciência, agora eles estavam furiosos.
Nos últimos dias eu basicamente tinha morado na sala de Friederik. Fazia semanas que não sabia o que era pisar na grama, e não vamos nem contar com musculação ou se quer fisioterapia. Sabia que isso era prejudicial para a minha condição física, mas o Bayern de Munique não iria facilitar.
Nesse meio tempo Henri estava tentando negociar com o BVB. Eu mesmo já havia trocado algumas ideias com Thomas Tuchel e tudo parecia estar encaminhado para um acordo, por mais que o Bayern estava dificultando. Por isso que agora eu estava ali, sentado no banco de reservas e sabendo que eu assistiria ao derby do lugar privilegiado do campo. Mais nada além disso.
O jogo estava tenso. A bola não entrava em nenhum dos dois lados e pênaltis já era certo. estava nervoso. Eu conhecia o que significava meu amigo nervoso e tive pena com o que a teria que lidar mais tarde.
Pep Guardiola também não estava feliz. Era seu último jogo a frente do Bayern de Munique e ele queria terminar a sua Era com um título. Eu estava nervoso. Não pelo jogo em si, mas em como deveria ser a minha reação a qualquer que fosse o resultado. E ir para os pênaltis significava prolongar ainda mais a tensão que estava o estádio.
Olhei para cima e consegui ver a . Ela não tirou os olhos do campo por um segundo. Queria saber o que se passava na cabeça dela. Para quem estava torcendo ou se estava torcendo. Ela estava do lado de , Elena, Harriet e Marie? O que Marie estava fazendo aqui?
Aquela era uma dúvida para outra hora. Voltei meu olhar para o relógio que marcava o início dos acréscimos. Inevitavelmente iriamos para os pênaltis a não ser que alguém conseguisse marcar.
Três minutos.
Dois minutos.
Um minuto.
Zero a zero.
Pênaltis.

Ela pov

Meu Deus, esse drama não chegava ao fim nunca! Já não bastava o tempo regular, ainda teríamos pênaltis. Olhei para minhas amigas. Harriet já estava de costas.
- Que Deus abençoe Roman Bürki mas eu não consigo olhar.
estava de pé. Todas as suas unhas que geralmente era tão bem cuidadas estavam roídas.
- Ai ele vão colocar Sven para bater. Eu não consigo ver. - Elena acompanhou Harriet ao virar de costas.
Agradeci mentalmente por não estar em campo. Não sei se aguentaria vê-lo bater um pênalti. Não sei se ele aguentaria saber que eu estava na arquibancada e ser racional para chutar a bola.
Sempre me perguntei o que se passava na cabeça de um jogador saber que um título estava em suas mãos ao acertar ou não o gol. Deveria ser um momento de extrema tensão. A cada dia que passava eu vinha entendendo mais desse meio, e aos poucos estava começando a me solidarizar. Jamais iria querer um tamanho de responsabilidade dessas para mim.
Marie ao meu lado fingia que não estava se importando. Mas vi muito bem ela comendo uma unha e ficando nervosa quando em uma jogada mais dura Mats Hummels parou no chão.
Eu só queria que esse pesadelo acabasse logo. O jogo. O contrato de com o Bayern de Munique. Eu só queria paz.

Ele pov
Era o último pênalti. Müller ia bater. Se ele acertasse, o Bayern levava a taça. estava com muita raiva. Corro o risco de dizer que ele estava puto. Dortmund havia jogado melhor. Ir para os pênaltis era injusto. Era uma das coisas que mais odiava em jogos de futebol: disputa por pênaltis. Tira logo no cara e coroa que é mais justo. Infelizmente eu não havia feito as regras.
Não se ouvia um único ruído no estádio. Todos os olhares atentos a Roman Burki e a bola no pé de Thomas Müller. Eu prendi minha respiração num ato involuntário. Independentemente se essa bola entrasse ou não, eu já tinha feito minha escolha: me levantaria dali e iria direto para o vestiário.
O juiz apitou. Estava nas mãos e nos pés dos dois jogadores. E então o estádio rompeu em gritos, gente começou a correr. Fechei os olhos e não queria abrir. Não queria saber o resultado, mesmo que minha audição apurada já tivesse descoberto: Bayern de Munique havia ganhado mais uma taça.
Sorri ao pensar que aquele era um título meu, mas não estava feliz. Não pertencia àquele lugar. Era apenas uma coisa para entrar no currículo.
Enquanto meus ainda companheiros de time iam para o campo comemorar, os jogadores do Borussia Dortmund andavam cabisbaixos para o vestiário. Olhei para e ele estava com uma cara de pouquíssimos amigos. Sabia muito bem o que isso significava para ele. Mais um título perdido para o time de vermelho.
Me levantei e antes que qualquer um percebesse, andei em direção à saída.
Antes de entrar no túnel dei uma última olhada para a torcida bávara. A última vez que entrava no campo vestido de vermelho, mesmo que nem se quer ver a cor da bola. Também olhei para os representantes da Muralha Amarela. Me perguntava qual seria a reação deles caso eu de fato voltasse ao Dortmund. Não. Eu voltaria ao Borussia e teria que lidar com a tão apaixonada torcida.
Ao longe avistei a . Ela olhava para mim como se não tivesse desgrudado o olhar um segundo sequer. Sorria e eu só pude sorrir de volta.
E ali, eu me senti livre. Finalmente livre para fazer a escolha que eu quisesse fazer e ser feliz. Mesmo que ainda tivéssemos cerimoniais para cumprir, e um show para ir.



Lately, I've been losing sleep



Ele pov
Eu não era mais jogador do Bayern de Munique. E esse pensamento era um dos que me fizeram acordar mais leve naquele dia.
Era meu último dia com qualquer obrigação com o time, mas, ao contrário dos últimos meses, dessa vez eu estava animado. Principalmente por causa da pessoa que dormia tranquilamente ao meu lado.
era uma grande fã de música, e isso não era nenhuma novidade. A novidade era que ela iria conhecer uma de suas bandas favoritas: e não estaria trabalhando.
Quando me convidaram para a festa de final de temporada do Bayern de Munique, pensei em recusar. Não teria mais nenhuma obrigação contratual com o clube e simplesmente não conseguia mais relacionar festa e Bayern na mesma frase.
Mas então contaram que a atração musical seria a banda One Republic. A ficou elétrica com a ideia, principalmente por ser uma festa fechada, e por isso teríamos contato com os caras.
- , você está me falando que eu vou conhecer o Ryan Tedder? - Foi a primeira coisa que ela me perguntou quando cheguei em casa com os convites.
- Acredito que sim.
- Ai meu deus, ele é o amor da minha vida!
Olhei para ela com cara de ciúmes.
- Como assim o amor da sua vida?
- Ele é um artista completo! É lindo, canta super bem. Ai meu Deus eu vou conhecer o Ryan! Tenho que contar isso para a .
Saiu andando digitando no celular provavelmente contando as novidades para a melhor amiga no Brasil e parecendo ter bem menos do que os 22 anos de idade. Ela nem se quer tinha percebido o que falara. E eu sorri, pensando quantas vezes não li e ouvi a mesma frase de diversas fãs. Nunca cheguei a pensar que a minha namorada pudesse ser fangirl de algo. Deveria ter suspeitado que alguma banda chamaria a sua atenção assim.
Agora eu estava ali sendo acordado pelo sol e pensando em chamar a para tomarmos café. Antes que eu pudesse fazer qualquer movimento, olha me olhou sorrindo.
- Me fala que você já está acordado porque não aguentou mais ficar deitada.
Comecei a gargalhar. Eu conhecia a minha garota, e sua ansiedade estava a mil.
- , não são nem 8 da manhã e você já está agitada? - Olhei para ela levantando uma sobrancelha.
- Não enche ! Hoje vou conhecer o Ryan.
Ela levantou da cama me causando sensações que só ela sabia fazer. Vestia um pijama rosa bem mais curto do que o indicado, mas totalmente apropriado para o verão europeu que se aproximava.
A puxei de volta para a cama.
- Não tão rápido mocinha. - Prendi seu corpo embaixo do meu e tirei uma mecha de cabelo do seu rosto enquanto ela acariciava minhas costas. - Não pense que você vai andando correndo para esse tal de Ryan. Eu não vou deixar.
Foi a vez dela de gargalhar.
- , você é o cara mais bobo desse mundo.
- Não me importo. - Fingi estar chateado.
- Ei, eu te amo.
- Também te amo. - Beijei a ponta de seu nariz e finalmente levantei da cama, dando espaço para que ela fizesse o mesmo e finalmente pudéssemos começar nosso dia.
Eu tinha uma reunião com Henri na hora do almoço. Segundo ele tinha novidades sobre Dortmund e estava ansioso para saber o que isso se tratava.

Cheguei no mesmo restaurante que já havíamos nos reunido diversas vezes. iria almoçar com Marie. Segundo ela tinham muitas coisas para colocarem em dia.
Bernard Henri já me esperava em uma das mesas na qual estava espalhado diversos papeis. O cumprimentei e sentei na sua frente.
- Quais as novidades?
- Dortmund fez uma proposta. Conversei pessoalmente com Thomas Tuchel e ele se mostrou favorável à sua transferência. Essa janela será movimentada para o BVB e ele acredita que você tem potencial para voltar a jogar como antes e ajudar o time.
- Por que estou sentindo que essa era a notícia boa mas logo em seguida vem a ruim?
- O Bayern não está querendo negociar.
- O que? - Olhei para ele sem entender. O clube já tinha deixado mais do que claro que não me queriam ali mas quando alguém fazia uma proposta eles não liberavam? - Como assim?
- Eles estão pedindo um valor alto e o BVB não quer pagar por saber que eles simplesmente estão tentando lucrar com um jogador que eles não querem. Estão fazendo o famoso jogar verde para ver se cola.
Passei a mão em meus cabelos sem conseguir acreditar.
- Se o Bayern não ceder vou passar mais uma temporada no banco. Não aguento mais esse time fazendo da minha vida o inferno.
- Calma . Estamos apenas começando as negociações. Essa parte é comigo. Concentra na Euro, aproveita suas férias. Vai dar tudo certo porque é um negócio que os dois clubes querem. Os bávaros vão dificultar porque é o que eles fazem, mas não vou deixar o Borussia desistir.
- Espero. Não aguento mais ficar em um lugar no qual as pessoas claramente não me querem ali.
Pedimos nosso almoço enquanto conversávamos sobre outros assuntos mais triviais, mas sabia que o motivo da reunião ainda não tinha chegado ao fim.
- Como você acha que vai ser a reação da torcida com sua volta ao Dortmund? - Henri me perguntou verdadeiramente preocupado.
- Não sei. Confesso que tenho um pouco de medo. Acho que parte vai me apoiar mas sei que com os mais conservadores terei dificuldade.
- Então já começa a preparar o psicológico garoto. Estaremos enfrentando meses complicados daqui para frente.
Henri era um cara que já havia passado dos quarenta anos, mas apesar de ter o dobro da minha idade eu o via como um colega, um amigo. Mas ali, naquele momento, ele pareceu muito mais um pai preocupado com as escolhas de seu filho.
Ela pov
Estava de frente para o meu armário tentando escolher que roupa vestir. Não era possível que eu não tinha nada adequado para uma festa de encerramento da Bundesliga.
Peguei meu notebook sentando na cama e comecei a pesquisar imagens das festas dos anos anteriores. Aquilo seria impossível! Não tinha absolutamente nada que chegasse aos pés daquele figurino. Por que não poderia ir com uma blusa da banda, calça jeans e tênis? Saudades festa de trabalho do My Songs, My Live.
Liguei em uma playlist do One Republic para dar uma animada para a noite. Mania que eu tinha desde que tinha ido ao meu primeiro show aos 13 anos de idade: passar a semana que antecedia o show ouvindo apenas aquela banda.
Deixei o computador na cama e voltei para meu armário. Revirei todos os vestidos que eu tinha. Nada parecia adequado. Pensei em ligar para a ou até mesmo a Marie, mas nenhuma das duas ia na festa.
Deitei no chão de carpete. Não fazia ideia do que fazer. Fechei os olhos e comecei a acompanhar "Wherever I Go" que saia do alto falante, provavelmente de uma forma completamente desafinada.
- O que você está fazendo?
Me sentei assustada.
- ? - Ele estava parado encostado no batente da porta, ainda com sua mochila nas costas.
Bela forma de meu namorado chegar em casa e me encontrar: vestida apenas com uma blusa velha do Borussia Dortmund, um micro short e completamente descabelada.
É claro que ele começou a rir da situação.
- , resolveu assaltar meu guarda roupa?
- Na verdade não me fale de roupa. Não tenho ideia do que vestir hoje! - Devo ter feito uma cara completamente desanimada porque ele deixou a mochila na cama e veio se juntar a mim no chão.
- Você vai estar linda de qualquer jeito liebe.
- Posso ir desse jeito? - Apontei para minha precária vestimenta.
- Acho que não será adequado. E por tantos motivos que vou me abster de listar. Aliás, porque você está com essa blusa? Nem sabia que ainda guardava coisas antigas do BVB.
- Achei no fundo de uma gaveta. Sei que não deveria estar fuçando suas coisas, mas nossas roupas estão todas misturadas. Resolvi experimentar e gostei do amarelo.
sorriu. Não o sorriso torto que ele andava distribuindo por aí, mas aquele sorriso doce e sincero que me fazia derreter completamente. Jamais iria me acostumar em como que seu sorriso era lindo.
- Fico feliz que você já esteja se sentindo bem vestida de amarelo.
- Eles fizeram a proposta?
- Sim. Única coisa que precisa agora é o Bayern aceitar. Mas tem um porém.
- Qual?
- Meu salário vai reduzir.
Levantei uma sobrancelha.
- Grandes problemas! Você jogando e ficando feliz é tudo que me importa. - Segurei seu rosto entre minhas mãos e o beijei.
- Agora é sério . Sai desse carpete empoeirado! Tenho certeza que você tem alguma roupa aqui.
Ele andou até o armário no qual compartilhávamos e começou a analisar todas as peças de roupas presentes ali.
- Achei!

Quando disse que tinha achado o vestido perfeito eu fiquei sem entender. Deixar que meu namorado escolhesse a minha roupa, onde já se viu? Mas tinha que admitir: era bem melhor que eu quando se tratava de moda.
E era por isso que agora eu estava usando o mesmo vestido que usei no casamento do Gustavo, mas com algumas modificações.
- Se você cortar o vestido na altura dos joelhos fica perfeito. - Ele parou no meio do quarto me olhando de uma forma óbvia e segurando o vestido nos braços.
Sentada na cama fui pega de surpresa.
- , você está co? Esse vestido custou 1500 reais!
- Isso dá uns 400 euros né? - Assenti - , esse é o valor de uma camiseta minha para esse tipo de evento.
- O QUE? Como assim?
- Essa é a realidade.
E agora estávamos indo para o local da festa, e eu vestia o mesmo vestido preto com lantejoulas douradas que havia trazido do Brasil. Porém, havia cortado ele às pressas. A altura do joelho.
Pelo menos não me senti tão mal por não ter roupa.
O lugar estava maravilhoso, todo decorado em vermelho e branco. Parecia uma festa de formatura de alguma universidade cheia de riquinhos, com bebidas das mais caras, um amplo salão com mesas para todas as famílias dos formandos. No caso, dos jogadores.
passou um braço pela minha cintura e fomos cumprimentando cada uma das pessoas que estavam ali. Eu não conhecia metade deles, e meu namorado parecia tão perdido quanto eu com boa parte dos rostos. Estávamos ali apenas pelo One Republic, mais nada.
Depois de quase uma hora andando para lá e para cá, meus pés já estavam me matando e resolvemos nos sentar. Malditos saltos obrigatórios para eventos de gala.
Acabamos escolhendo uma mesa perto do palco e dividiríamos o espaço com Thomas e Alice Müller. Eu já conhecia os dois então me senti mais segura.
- Adorei o seu vestido . - A mulher elogiou e eu fiquei sem saber se ela estava sendo sincera, apesar de aparentar ser.
- Obrigada! - Achei melhor não comentar que estava reutilizando uma roupa, e principalmente, que tinha escolhido. e iam me matar quando ficassem sabendo.
Eu estava agitada e não parava de olhar para todos os lados em busca de qualquer sinal da banda que faria o show. Quando eu disse que era fã do One Republic, quis dizer que eu era muito fã, daquelas que acompanhava todas as redes sociais dos integrantes das bandas assim como suas namoradas, esposas e familiares. Não via a hora de poder conversar com o Ryan, nem que seja apenas para pedir um autógrafo.
Não fazia ideia do que as pessoas ao meu redor estavam conversando, mesmo que tivesse tentando me colocar na conversa diversas vezes. Alice já estava com vergonha de como eu não entendia nada do diálogo. E foi por esse motivo, que fui a primeira a ver Ryan entrar no palco, seguido por Zach Fikins, Eddie Fisher, Brent Kutzle e Drew Brown.
Os primeiros acordes de Counting Stars começaram a ecoar pelo salão, no mesmo momento puxei pela camisa e o arrastei para a frente do palco. Em pouco segundos outras pessoas nos seguiram, formando uma pequena multidão que lembrava a pista premium de grandes shows.
Pedi desculpa pelos alemães que se segurariam ali. Eu era brasileira por um motivo, e quando se estava em um show de sua banda favorita, você não se segurava.
"I feel the love and I feel it burn down this river, every turn hope is a four-letter word make that money, watch it burn"

É claro que aproveitei o show, subi no palco acompanhada de Thomas Müller que dividiu um microfone comigo cantando a épica "Apologize". Era a despedida de do clube, e ele também não se segurou.
No intervalo conversamos com o Ryan. Esse homem era maravilhoso. Ele autografou o cd que eu tinha levado sorrateiramente na bolsa.
De fato foi uma noite mágica. Um pequeno paraíso no meio de toda a confusão que nossas vidas tinham se torado. Incrível como que, mesmo com pouco tempo, eu já tratava a vida que estava tendo na Alemanha como "nossa". Eu e . e . A vida que nós dois já estávamos construindo juntos.
Entramos no nosso apartamento ainda extasiados com o que havíamos vivido ali.
Ele me puxou para um abraço no meio da sala.
- Obrigado. - Olhei para ele sem entender.
- Pelo que?
- Por ter estado ao meu lado no momento que eu mais precisava.
Sorri. E em meio a sorrisos, quase lágrimas e um sentimento de alívio, o beijei.
- E agora?
- Agora, a gente vai para a França.



Eurocopa



Ela Pov
Quando embarquei no Brasil em direção a Alemanha tinha algumas ideias de como seria passar alguns meses na Europa. Pensei que a facilidade dos trens fosse me permitir conhecer muitas coisas. Queria ir à Itália, Holanda, Inglaterra, Espanha e por fim, França. Mas a verdade era que se eu não tivesse conhecido , nem se quer teria saído de Munique.
O tempo passou mais rápido do que eu imaginara. Não tive o tempo que pensei que teria e minha vida não era mais a mesma de seis meses atrás. Alguns acontecimentos simplesmente mudam o rumo de tudo aquilo que acreditávamos, e era o que tinha acontecido comigo.
Agora, estava em um aeroporto lotado, com uma mala cheia de roupas que nem sonhava em comprar, vestindo um vestido de uma marca que nunca tinha ouvido falar, ao lado de uma das mulheres mais poderosas desse mundo: .
, e os demais convocados para ir à França já estavam na concentração em Ascona. Eu e resolvemos ir alguns dias mais cedo e conhecer Paris. Nunca tinha ido a França e não íamos perder a oportunidade de uma girls trip em um dos países mais bonitos do mundo.
O aniversário de era no dia 3 de junho. Eles já estariam na concentração, e por esse motivo comemoramos antes. Apenas nós dois, um jantar em casa. Depois de tudo que passamos, merecíamos essa folga.
Tinha dado de presente para ele uma correntinha de ouro bem fininha e as bandeiras do Brasil e da Alemanha como pingente. Uma forma dele levar para a França um mundo que era nosso.
também perderia o aniversário do que seria no dia seguinte. Não tínhamos como encontrar com eles, e por esse motivo, optamos por começar nossa viagem como planejado.
A Eupocopa começaria dia 10 de junho, então teríamos 10 dias para aproveitar aquele país até que a rotina de viajar de cidade em cidade por causa dos jogos começasse. Confesso que eu estava ansiosa. Tinha vivido um pouco da Copa do Mundo no Brasil, e quem diria que dois anos depois teria uma experiência tão parecida e ao mesmo tempo tão diferente. Agora tinha um motivo para ir ao estádio: ver a minha pessoa favorita no mundo jogar.
O nosso vôo foi anunciado e teve que me segurar tamanha era a ansiedade. Minhas crises haviam diminuído a medida que as coisas foram se resolvendo, e tenho certeza que a presença de era um dos pontos principais para que isso ocorresse.

Algumas horas depois nosso avião pousara em Paris. Logo que saímos do aeroporto percebi como aquele lugar era diferente de todos que já tinha visitado. Ele era mais frio, mas um frio romântico. Talvez eu estivesse sentindo o cheiro do romance que aquele lugar emanava. Ou talvez era apenas o cheiro de esgoto.
Já era noite então resolvemos ir para hotel e depois sair para jantar. Passaríamos o mês dividindo o quarto. Marie encontraríamos com a gente no dia seguinte. Segundo ela, nenhum guia turístico era melhor do que uma verdadeira parisiense.
O jantar tinha sido maravilhoso. A culinária francesa era tudo que as pessoas diziam ser, e me contava sobre os lugares que já tinha conhecido com . Ela estava chateada que não passariam o aniversário dele juntos, mas sabia que era por uma boa causa e que posteriormente teriam muita coisa com o que comemorar.
Fui dormir me sentindo em paz. Estava vivendo o auge da minha vida e eu tinha a total consciência de que ali, eu era feliz. Estava no caminho certo e seria apenas o início da vida incrível que teria a minha frente.

Mas infelizmente tudo que é bom dura pouco.
Acordamos mais cedo do que o previsto com o telefone da tocando. Ela sabia que era o , quem mais ligaria para ela tão cedo sabendo que ela estava em Paris?
Abri o meu próprio celular e vi que tinha postado uma foto desejando feliz aniversário ao amigo. Estava tranquila que agora eles estariam mais próximos um do outro. Mas a vida as vezes dá uma reviravolta que não estávamos esperando.
sentou na cama, visivelmente tensa. Ela não falava nada, provavelmente apenas escutando o que lhe contava. Recarreguei a página do meu instagram e vi que havia mudado a legenda da mesma foto que tinha visto segundos atrás.
recebera um presente de aniversário. O pior presente que alguém poderia receber. Ele havia se lesionado e estava fora da Eurocopa.

Ele Pov
Depois na notícia de que o mais uma vez não jogaria uma competição internacional, as coisas começaram a não fazer tanto sentido mais. voltou para a Alemanha para ficar com ele durante a recuperação, enquanto começou a explorar a França sozinha.
De início fiquei preocupado que ela fosse se sentir solitária, porém a cada dia que passava ela estava mais feliz. Em algum momento da viagem ela encontrou com a amiga do curso, Marie, então eu sabia que qualquer dificuldade ela teria a quem recorrer.
A Euro começou e foi exatamente como achei que fosse ser: correria, treino, jogos, uns mais fáceis do que outros. E depois de passar pela Itália nos pênaltis que eu tinha certeza que durariam para sempre, chegamos às semi finais. Exatamente contra a França.
No último mês quase não tinha visto a minha namorada. Únicos momentos que nos encontrávamos era aos finais dos jogos que deixavam a torcida se aproximar. Proibiram que os familiares entrassem em campo e senti falta da Copa. Seria bom ter ali comigo.
Mas isso não nos impedia de conversarmos na beirada do campo após a partida. No jogo contra a Itália, me arrumaram inclusive um banquinho para que minha altura chegasse até ela.
Deitei na arquibancada sem acreditar naquele jogo. Estava exausto, e era completamente emocional. Ela ficou ali acariciando meus cabelos. Não tínhamos muito o que conversar, mas só de sentir seu toque eu já ficava mais tranquilo.
Era incrível como que nós dois juntos parecia ser a coisa mais perfeita do universo. Jamais conseguiria traduzir aquele sentimento. Explicar o que sentia quando ela estava ali, simplesmente por estar. Alguém mais preocupado em dar nomes às coisas poderia dizer que era amor. E deveria ser, porque era a pessoa que eu mais amava nesse mundo.
- Você tem mesmo que ir embora? - Olhei para ela e tinha certeza que parecia um filhote de cachorro perdido.
- Está mais para você tem que ir embora.
- Odeio concentração da seleção. Quando fomos para a Copa podíamos ficar perto dos familiares, aqui não.
- Mas eu estou aqui . A qualquer momento que você precisar, eu estou aqui. E é tudo por você.
- O que vamos fazer depois da Euro?
- Isso a gente se preocupa depois.
- Preciso de um rumo . - Segurei uma de suas mãos e com a outra ela fez um carinho na minha nuca. Senti minha pele arrepiar com o seu toque.
Seu olhar era preocupado. Não sabia se era com os problemas que ainda teríamos que enfrentar quando voltássemos para a Alemanha: confirmação de Dortmund, mudança e mais um milhão de novidades.
- O que acha da gente ir para o Brasil? - Perguntei como quem não quer nada, só para ver a sua reação.
- Não sei se é momento .
- Então pensa. Adoraria poder conhecer o país dessa vez. Em 2014 mal tivemos noção de uma praia na Bahia.
Ela sorriu. Estava desconfortável sobre voltar, e eu sabia que tinha algum motivo por trás. Não iria pressioná-la, mas ainda teria vinte dias de férias, e depois de tudo que acontecera na temporada passada, pretendia aproveitar.

O tempo passou mais rápido do que deveria. Quando me dei conta já estávamos indo entrar em campo contra a França. Não seria um jogo fácil. Primeiro porque eles estavam fazendo uma campanha brilhante, enquanto não éramos mais a mesma seleção campeã de 2014. Segundo porque a torcida estaria no lado deles.
This one is for you começou a tocar no estádio. O clima era de festa. Queríamos passar, era um sonho que já estava entalado desde 2012. Mas nem sempre conseguimos o que queríamos.
Com pouco mais de trinta minutos de jogo Griezmann cobra uma falta. A bola fez mágica. Uma curva que jamais achei que fosse possível. Ou pelo menos foi a impressão que eu tive sentado no banco. Sem chance para Manuel Neuer.
França u. Depois disso, parecíamos não conseguir desenvolver nenhuma jogada. Estávamos travados. As alterações não resolveram. O juiz deu o apito final. França vencia a Alemanha por 2 a 0. Alemanha estava fora da Eurocopa.
Era o fim de mais um sonho.

Depois do jogo ninguém tinha ânimo. Fomos para o vestiário. Ninguém conversava. O nosso então capitão, Bastian Schweinsteiger, pediu para que todos se reuníssemos antes de sairmos do estádio. Até que tinha sido obrigado por e vir assistir a semifinal, entrou no vestiário.
Ao lado de Joachim Löw, Basti começou um discurso que não achei que fosse doer tanto escutar.
- Como vocês sabem, desde a Copa do Mundo venho pensando em afastar. A última temporada não foi fácil para mim. Sinto que já não desenvolvo o mesmo futebol que um dia tive o orgulho de jogar. Carregar a braçadeira da Die Mannschaft nos últimos dois anos foi uma das melhores coisas que já fiz em minha carreira. Saber que vocês me viam como um lidar e poder estar ali para escuta-los, mesmo quando o assunto não era sobre futebol. - Ele olhou para Muller. Todo mundo sabia que Basti fora quem o ajudou a pedir Alice em casamento. - Quero que saibam que continuo aqui por vocês. Sempre que precisarem. E, pensando em tudo isso, e em conjunto com Löw, decidi me aposentar da seleção. Está na hora de começarmos as renovações para a próxima Copa do Mundo. Queria conquistar a Euro. Sempre foi meu sonho. Mas infelizmente a vida prega essas peças. Esse ainda não é um anuncio oficial, porém é a última vez que estaremos todos juntos, vestindo a camisa da seleção alemã, agora com quatro estrelas graças a vocês. Por fim, o meu muito obrigado a todos. E boa sorte nos próximos desafios. Foco porque 2018 está aí.
Senti lágrimas se formando nos meus olhos. Olhei em volta e todos estavam tão emotivos quanto. Primeiro pelo resultado do jogo, depois pelo discurso do Basti. De fato, não estava sendo um dia fácil para se vestir essa camisa. Mas jamais deixaria de defender a minha seleção. Era o maior orgulho que eu poderia dar ao meu país.
Sorri ao pensar que, apesar de ser o fim de uma era, tínhamos conseguido conquistar o título máximo no futebol com essa camisa. Fora justamente Basti quem me disseram que o gol seria meu naquele 13 de julho de 2014. Fora ele quem me guiara a ajudar a seleção a conquistar o título. Esse cara sempre seria meu ídolo, e tinha sido uma honra conquistar o título de campeão do mundo ao lado dele.



Nobody said it was easy



Ele pov
- O que é isso ? - Olhei para ela confuso sem entender o que estava falando.
tinha acabado de pousar no aeroporto de Frankfurt. Ela tinha ido para o Brasil nos últimos 15 dias ver a família e buscar as coisas para finalmente ficar de vez na Alemanha. A princípio ela não quis ir.
- , e se eu chegar lá e não querer mais voltar? Tenho certeza que meus pais vão tentar me convencer a ficar.
- , olha para mim. - Ela desviou o olhar do café que estava em suas mãos. - Você quer voltar?
- Claro. Minha vida agora é na Alemanha.
- Então pensa que isso é sua despedida. Sua chance de passar um tempo com sua sobrinha, com o seu irmão, seus pais. E eu estarei aqui, esperando você.
Era meu plano ir com ela, mas Henri me aconselhou não viajar.
Finalmente o Bayern havia cedido e minha volta para Dortmund assinada. Agora era certo: vestiria a camisa amarela e preta na próxima temporada. Isso ainda não tinha sido anunciado à grande mídia, e eu temia pela reação da torcida.
Assustei que ela não me abraçou, sorriu ou se quer falou "oi".
- O que? - Franzi a sobrancelha. Olhei para minhas roupas, mas tudo parecia em ordem com minha camisa social preta e minha calça jeans. Do que ela estava falando?
- O seu cabelo! Por que você cortou?
Dei de ombros.
- Precisava de uma mudança.
Ela me olhou como se eu tivesse cometido um crime.
- Mas você tinha que ficar careca?
- Eu não estou careca, só tirei o topete. Logo mais cresce.
- , esse corte deixou as suas bochechas maiores do que já são. Não se assuste se você for chamado de fofão?
- Fofão? - Mesmo depois de meses eu ainda tinha dificuldade de entender algumas palavras em português.
- É um personagem. - Ela pegou o celular enquanto eu andava puxando a sua bagagem em direção ao carro. Para quem tinha ido buscar uma mudança, sua mala era bem pequena. Pensei em questionar, mas assim que entramos no casso ela me entregou o celular aberto em um vídeo com vários super heróis e um boneco do Chuck dançando.
- Que coisa estranha. Por que tem um Chuck dançando uma música esquisita ao lado do Capitão América?
- Esse Chuck é o fofão.
- Eles vão me dar o apelido desse bicho?
- Sim! Olha essas bochechas, igualzinho. - Ela levantou o celular em minha direção.
- , eu poderia viver sem ter descoberto essa.
- Quem mandou cortar o cabelo? Agora aguenta. Fofão.
Por algum motivo eu tinha certeza que agora esse seria o meu apelido.
Ela finalmente segurou a minha mão antes que eu pudesse dar partida no carro e me puxou para um beijo.
- Senti sua falta.
- Eu também sentia a sua. Fofão. - Gargalhou da sua própria piada que eu não estava vendo graça nenhuma. Mas nossa, como eu senti falta dessa risada nos últimos dias.
Logo após a semi final desastrosa da Euro tivemos uns dias para descansar. Oficialmente eu estava de férias por três semanas, mas como nenhum contrato havia sido firmado não quis sair da Alemanha para uma provável volta às pressas.
A primeira semana passou comigo. Empacotamos todo o meu apartamento de Munique em caixas. Trouxemos tudo para Dortmund e basicamente estamos morando em um quarto de hospedes no apartamento de .
- Vocês dois são os maiores empata foda do mundo. - Meu amigo reclamou em uma noite quando tinha saído com , e, ao chegarem a casa, claramente se esqueceram dos dois sem teto no apartamento.
Eu e estávamos assistindo a um filme na Netflix quando os dois adentraram o apartamento em um clima um pouco mais quente. Não preciso nem de dizer que toda e qualquer vontade deles passou na hora.
A princípio me xingou, mas depois isso virou história para contar.
Eu não queria escolher um apartamento sem a . Ela havia insistido que arrumaria o seu próprio flat, mas consegui convencê-la de que isso não fazia o menor sentido, afinal, já morávamos juntos há três meses, indo para um quarto mês.
Após muita insistência ela aceitou, mas sua viagem ao Brasil já estava marcada. Resultado: acabei morando no apartamento de por mais duas semanas esperando ela chegar para enfim começarmos a avaliar nossas opções.
Agora finalmente poderíamos escolher o nosso cantinho. Mas eu ainda tinha uma surpresa para ela.
Já estávamos rodando Dortmund de carro há algum tempo. Havíamos entrado em alguns apartamentos mas nenhum parecia agradar. Um não tinha garagem para dois carros, o outro era um flat com cozinha e um quarto. não estava satisfeita. Eu não estava satisfeito.
Foi então que me lembrei de uma aquisição que eu havia feito antes de se quer pensar em me mudar para Munique. Claro que eu sabia que estava ali, mas não estavam nos meus planos investir tão cedo.
- , o que você acha de morar em uma casa?
Ela olhou pra mim franzindo a testa sentada no lado do carona.
- Você vai comprar uma casa ?
- Eu estava pensando mais em construir uma casa. O que você acha?
- Então compraríamos um terreno? Mas onde iriamos ficar até a casa ficar pronta. Tenho certeza que expulsa a gente de lá antes.
- Sabe a Elena? Namorada do Sven?
- Sim. A conheci quando vim fazer aquela seção de fotos.
- Ela acabou de se mudar para o apartamento dele e ainda está com as chaves do antigo flat em que ela morava. A gente podia conversar com ela. Alugaríamos o apartamento até a casa ficar pronta.
Já estávamos quase chegando ao terreno. Ele era mais afastado do centro de Dortmund, mas nada ali era longe. Eu tinha um carro e já estava planejando comprar o dela.
Estacionei de frente ao terreno. Não tinha muita coisa ao redor a não ser outras casas residenciais e uma padaria. Sorri ao lembrar o quanto padarias eram importantes para nós.
Desci do carro e andei até o portão verde musgo que estava trancando. Peguei a chave no bolso e esperei que ela chegasse perto.
- Você não está brincando né? Esse terreno é realmente seu? Não vamos entrar em uma propriedade privada e infringir não sei quantas leis?
Sorri a abracei pela cintura. Ela apoiou o queixo no meu peitoral de forma que continuava olhando nos meus olhos.
- Não , esse terreno não é meu. Esse terreno é nosso. E é aqui que iremos construir a nossa casa, do nosso jeitinho.
- Home is where your heart is.
- Home is where you feel safe.
Juntei nossos lábios a puxando para um beijo. Ainda faltava muita coisa para termos nosso lar, mas era o início. Era o início da nossa tão esperada felicidade.
Ela POV
Aos poucos eu começava a me sentir em casa. A finalmente ter a minha vida independente que eu tanto sonhara. Tinha um emprego no qual eu era apaixonada por ele, tinha um namorado maravilhoso com quem eu sabia que podia dividir toda a minha vida. Tinha amigos sensacionais que estavam ali por mim sempre que eu precisava, me fazendo rir nos bons e nos maus momentos.
Ainda não tínhamos nosso espaço para chamar de casa, mas já havíamos começado a pesquisar arquitetos, montar projetos, orçamentos e isso em meio ao que significava a volta da temporada, minha vida estava de cabeça para baixo. Mas não de um jeito ruim como tinha sido logo após vir para a Alemanha, mas de um jeito incrivelmente em paz.
ainda estava receoso com a reação da torcida. Desde que o clube anunciara o seu retorno, as críticas tinham diminuído, apesar de quão contraditório era isso. Entretanto, ele estava sorrindo mais, claramente se sentindo bem recebido pelos companheiros de times.
E é claro, agora seus melhores amigos também estavam por perto. Todo domingo a noite , e André Schürrle se reuniam. As vezes eu e também íamos. As vezes também compareciam outros companheiros do time como Erick Durm e Roman Bürki.
Eu acabara fazendo amizade com a esposa de Roman, Harriet. Ela era uma mulher muito especial. Decidida, não deixava que ninguém dissesse que ela não podia fazer algo. O seu relacionamento com Bürki eram um dos mais impressionantes que eu já tinha visto. Eles combinavam de um jeito perfeito porque enquanto ele era a calmaria, ela era o furacão. Ele era a emoção e ela a razão. Adorava conversar com os dois, mesmo que tivéssemos pouco tempo de convivência.
O primeiro jogo do Borussia Dortmund na Bundesliga se aproximava. O jogo que marcava de vez a volta das competições e o início da temporada 2016/2017. estava ansioso para jogar, mas ele não contava que seus meses parados fossem lhe causar tantos problemas.
Estava no centro de mídia editando algumas fotos para a divulgação dos jogos. Nunca imaginava que tinha tanto trabalho e tanta coisa diferente para fazer em uma central de mídia de um time de futebol. E eu estava adorando. Foi quando escutei alguém batendo de leve na porta.
estava encontrado na entrada com um semblante claramente para baixo. Tinha alguma coisa muito errada. Ele olhou para mim e eu sorri o encorajando a falar.
- Distendi um músculo no treino. Não vou poder jogar na estreia da Bundesliga.
Me levantei da cadeira e fui até ele.
Antes que pudesse falar qualquer coisa, o abracei. Sabia que nada que eu dissesse naquele momento iria ajudar. Era apenas o choque, logo mais ele estaria sorrindo novamente.
Essa era uma das coisas que eu mais amava em . Ele sabia lidar muito bem com os problemas que a vida apresentava. Sabia lidar de cabeça erguida e sempre com um sorriso no rosto. E aquele sorriso era a minha visão favorita no mundo.
-Vem, vamos para casa.
- Mas você não tem que terminar?
- Estava só adiantando o trabalho de amanhã. - Olhei para dentro da sala e o encorajei a irmos.
Ele pegou a minha mão como se fosse a sua ligação com o planeta, a sua forma de não cair. Nunca tinha sentido isso antes, como se nossa ligação estivesse ficando cada vez mais forte a cada dia que passava.
Em casa, apenas ligamos a Netflix e ficamos na cama vendo um filme. E passaríamos ali todo o final de semana, escondidos na bolha que era e .



In the end, everything works how it should be.



Ele pov
Aos poucos as coisas foram se ajeitando. Nossa casa já estava quase pronta e estava animada para finalmente termos um cantinho para chamar de nosso. Eu estava feliz com o clube. Estava jogando, estava treinando.
O time iria disputar a Champion League e eu estava ansioso para voltar à minha competição favorita. Já tinha um mês desde que entrara em campo pela primeira vez desde voltara ao Borussia Dortmund. Não iria dizer que era a vez que estava mais feliz na vida porque a maturidade estava me fazendo enxergar que passamos por momentos. Sempre teria algum problema, algo para resolver, mas naquele instante, ao entrar no campo com aquele time, eu estava feliz. Estava realizado.
Se eu soubesse o que sabia hoje, jamais teria feito a escolha que fiz três anos atrás. Mas é aquela coisa, nunca sabemos o que a vida reserva para a gente e cada escolha faz parte de quem somos. Sou grato a tudo que vivi nos últimos quatro anos. A transferência confusa, um ano brilhante, a Copa no Mundo, o banco, e no final, a .
Se eu não tivesse ido até Munique jamais teria conhecido aquela pessoa que fez tudo fazer sentido. Mas estava feliz em voltar para casa. Voltar ao lugar que sentia pertencer. E, apesar de ser um jogo fora de casa, eu estava confiante. Tinha perdido a estreia da Bundesliga por causa de uma lesão idiota, mas já tinha voltado a jogar e aos poucos ia fazendo o que achei que fosse ser o mais difícil no meu retorno: reconquistar a torcida.
Mas ainda não tinha feito gols. Será que eu não seria capaz de marcar nunca mais?
O hino da Champions começou a tocar. Sempre arrepiava ao ouvir essa música. Ela sempre me fazia sorrir. Cada um foi para a sua posição. O juiz deu o apito inicial.
A bola estava rolando. Correr ao lado desses meus colegas de time era uma sensação extraordinária. Me fazia sentir parte de algo muito maior. Esses caras sabiam o que eles estavam fazendo, e não era impressionar patrocinador ou uma torcida. Eles jogam porque amam. Era essa a sensação que sempre senti falta no outro lugar que nem queria mais falar o nome.
Escanteio. Fui para meu lugar na grande área. Estava nervoso. Da ultima vez que ficara tão nervoso assim foi quando entrei em campo na final da Copa do Mundo. O juiz apitou.
Vi a bola voando, e sem pensar cabeceei. Gol. Eu havia aberto o placar na Champions League. Eu havia marcado o primeiro gol do Borussia Dortmund para a UCL. Sorri. O maior sorriso que eu já tinha dado em meses.
Corri para abraçar meus companheiros de time. Os jovens que ainda tinham muito o que aprender. Os mais velhos que tinha muito a me ensinar.
Ali era meu lugar. Eu estava em casa. estava em casa e não pretendia ir a lugar nenhum.
Ela pov
De Dortmund eu assistia o jogo com o coração na mão. Não pude viajar por causa do trabalho, mas tinha combinado com as meninas que assistiríamos juntas. Nos reunimos no apartamento de Elena. Sven e estavam machucados e assistiram o jogo com a gente.
Havia cerveja, algum salgadinho e uma televisão enorme. Harriet, estava sentada no banquinho na bancada. Ela conversava com uma garota de cabelos escuros que tinham me falado se chamar Amelie, namorada de Lukasz Piszczek, eu ainda não tinha tido oportunidade de conversar muito com ela, mas parecia ser uma garota legal.
Me sentei ao lado de Lou no sofá. Estava nervosa. Com os poucos meses que estava ali eu tinha desenvolvido um amor enorme pelo BVB. E hoje, eu já poderia me declarar uma torcedora fanática sem medo algum.
Estava nervosa. Mas mais cedo do que esperava, e me dando um susto, a bola entrou no gol. Todo mundo começou a gritar. me cutucou.
- , o fez o gol.
- O que?
- Sunny está de volta. - gritou.
Eu comecei a chorar e sabia que aquelas lagrimas eram de pura felicidade. Era uma felicidade tão grande que eu nunca achei que um dia seria capaz de sentir. Quando entrei naquele avião em direção a Alemanha imaginava que a minha vida seria de um jeito. Mas quem disse que a vida segue o plano que a gente faz?
A minha havia virado de cabeça para baixo. Eu havia conhecido as melhores pessoas desse mundo. Estava aprendendo a amar tudo aquilo cada dia mais. E eu amava . havia aberto o placar. O Borussia Dortmund estava ganhando porque ele havia voltado.
O jogo terminou 6 a 0 para o BVB. Era uma vitória espetacular. Era tudo que o time precisava para provar que queria crescer. Era tudo que eu precisava para ter certeza que estava no lugar certo. Ter certeza que estava em casa e não queria ir para nenhum outro lugar do mundo.



Epilogo



Ele POV
Muita coisa aconteceu desde conheci a naquele parque. Poderiam ter sido alguns meses, mas eu me sentia completamente diferente. Me sentia mais maduro, mais confiante, mais capaz. Hoje, eu sabia muito bem quem eu queria ser.
Não precisava me exibir para ninguém. Me provar para ninguém. Se eu jogava, era porque aquelas pessoas acreditavam que eu deveria estar ali. Sempre dava o meu melhor. Ainda escutava algumas críticas, mas aos poucos estava aprendendo a escutá-las e principalmente, a absorver apenas aquelas que fosse contribuir para que eu me tornasse um jogador melhor.
Quando mais novo, eu achei que pudesse conquistar o mundo. Por incrível que pareça, eu havia feito isso. Um gol que poderia mudar completamente a minha vida. Mas ao contrário do que eu pensava naquele Julho de 2014, as coisas não haviam melhorado. Porque quando você conquista o Mundo, você não pode mais decepcionar as pessoas. Mas porque conquistar o mundo não era nada se você não tivesse seus amigos com quem compartilhar.
Eu estava sozinho. Estava perdido. Estava confuso. E então uma pessoa apareceu na minha vida. entrou como quem não quer nada, e eu sabia que nós dois duraríamos. Nunca fui afim de estipular um tempo ou prometer o para sempre, porque essas promessas nunca eram verdadeiras.
Gostava mais de ser racional. Mas como ser racional quando se trata de sentimentos? Simples. A gente vive um dia depois do outro. E era isso que nós dois estávamos fazendo.
Eu amava aquela mulher e eu tinha certeza que ela também me amava. A cada sorriso, a cada gesto, a cada beijo. Eu sabia que havia nascido para conhece-la e que um dia nós dois iriamos conquistar o mundo juntos.
"Mas , você já não conquistou o mundo uma vez?"
Não. Eu havia chegado a um falso topo da carreira. Mas a vida não poderia ser feita apenas de vida profissional. A vida era muito longa e ao mesmo tempo muito curta para achar que se resumia a uma profissão.
E era por isso que, naquela manhã ensolarada de agosto eu acordara animado. Minha mulher estava deitada ao meu lado. Ela era maravilhosa e tinha tudo que eu sempre quis. Já havia mais de um ano que estávamos juntos. Tínhamos nossa casa, nossos empregos e tudo estava bem.
E foi por isso que, no momento em que aqueles olhos castanhos se abriram pela primeira vez no dia, eu acariciei sua face e sorri.
- , você quer se casar comigo?



Fim



Nota da autora: (19/10/2016) E então chegamos no final. Foram um total de seis meses de pesquisa, criação e aprendizado. Seis meses que dediquei a uma história que simplesmente senti que precisava ser escrita. Comecei Home após ler várias materias sobre a especulação de onde Mario Götze jogaria na temporada 16/17. Muita gente dando palpite mas nenhuma fala concreta. Brincando com um amigo, joguei que ele iria voltar para Dortmund. Era a decisão mais lógica. Paralelo a isso estava passando por diversos momentos conturbados na minha vida, e como sempre, encontrei na escrita a saída para minhas dúvidas. Home começou como uma mistura de inspiração com a tentativa de tomada de um rumo. Aprendi com essa história que sou capaz de fazer algo que eu sempre quis fazer. Ganhei segurança, autoconfiança, e principalmente, amizades que sei que vou levar comigo por muito tempo. Essa foi a primeira fanfic que escrevi que ganhou um certo reconhecimento, a primeira que eu planejei. A primeira histórias de muitas que eu ainda quero escrever. Agradeço aqui, a você leitor, que se não tivesse me mandado mensagens de apoio, comentários me animando, eu com certeza teria desistido. Um muito obrigada especial a quatro meninas que espero que elas saibam quem são, porque sem elas Home não teria se quer começado. Eu amo vocês. Para quem está curioso sobre novos projetos, entra no grupo grupo do facebook, porque qualquer novidade ou duvida estarei mandando/respondendo por lá. Adoro quando vocês interagem e dão a opinião de vocês. Não foi fácil, mas preciso dizer que enfim, colocamos o ponto final. Não esqueçam da playlist de Home no Spotify para ouvirem sempre que ficarem nostálgicos. Me sigam no twitter para qualquer novidade (@criativoativo), e mandem suas duvidas e opiniões lá na ask. E aqui, o meu último MUITO OBRIGADA!

Outras histórias: Meine
Daydreaming




comments powered by Disqus




TODOS OS DIREITOS RESERVADOS AO SITE FANFIC OBSESSION.