Contador:
Postada em: 10/08/2020

Capítulo Único

Terceiro ano do ensino médio, 5 anos atrás...
acordou naquele dia animada, mesmo sendo final de bimestre na escola e com os simulados a vista, ela amava ir para a escola, amava estudar e aquilo a fazia feliz. Dentre toda sua família,  ela era a única que levava os estudos a sério e seu maior sonho era ser médica assim como o do seu melhor amigo, e sua mãe a apoiava totalmente e a incentivava, tentava proporcionar o melhor para ela e os irmãos com o pouco que ganhava como diarista, mas as contas sempre acumulavam, então naquele dia após a escola, iria começar seu primeiro emprego, era meio período mas com o dinheiro que ia ganhar, ia poder ajudar sua mãe com as contas.
– Posso saber o porquê dessa animação toda? – Núbia perguntou ao ver chegar na escola saltitante.
– Meu primeiro dia de trabalho hoje. – sorriu, Nubia era uma colega de , elas se conheceram no primeiro ano do ensino médio, mas nada comparava a amizade da e .
– Ah é mesmo, que bom. –Núbia a olhou e de repente abriu um sorriso, a garota seguiu o olhar e viu de quem se tratava.
– Você ainda não superou esse tombo por ele?
se referia a que vinha pelo corredor e conversava com algumas pessoas ao passar, Nubia tinha uma queda pelo rapaz, mas ele nunca deu muito ideia para isso, e entendia o amigo, Nubia era bonita, mas não fazia o gosto do amigo, ela era extravagante demais, escandalosa demais.
– Sabe que nunca vou superar. – Nubia olhou para . – Ele é tão lindo.
Ela tinha razão, era o melhor amigo de desde a quarta série do ensino médio, desde que se conheceram nunca mais desgrudaram e o destino facilitou, já que em todos os anos até hoje eles permaneceram na mesma turma e amou ver a transformação do amigo e como ele arrancava suspiros de todos por onde passava.
– Seca aí Nubia. – apontou para o canto da boca. – Sua baba está escorrendo.
– Palhaça. – Nubia riu com a garota.
– Fecha os olhos. – disse para ao se aproximar. – Estica a palma da mão.
– Medo. – disse, mas fez o que o amigo pediu.
– Pode abrir, feliz primeiro dia de trabalho.
– Você me conhece mesmo né? – disse ao ver seu chocolate favorito na sua mão. – Obrigada.
– Vocês são tão bregas. – Nubia disse pegando sua mochila e saiu andando, logo em seguida o sinal tocou avisando que a primeira aula iria começar.
– Isso é pura inveja. – gritou para a garota que já se afastava, mas não obteve resposta. – E então, o que você estava conversando com o Erick?
– Nada demais. – a olhou e riu andando ao seu lado, tinha uma quedinha por Erick, ele era do segundo ano, mas a garota não podia resistir, ele era fofo demais. – Deixa de ser papa anjo .
– O que eu posso fazer, se aqueles olhos angelicais são tão chamativos. – Disse rindo subindo as escadas. – Merda.
disse ao ver Lucas no topo da escada, os dois eram como gato e ratos, desde a sétima série implicavam um com o outro por pura diversão, mas recentemente ela havia descoberto que ele tinha uma queda por ela, então tentava evita-lo a todo custo, não queria dar esperanças.
– Para a sala Souza. – O vice diretor a chamou quando a viu dando meia volta.
– Pode passar, eu não mordo. – Lucas gritou do topo da escada.
– Bem que você queria né? – disse sarcástica e o rapaz corou, ele era branquinho, não tinha nem como esconder.
– Dessa vez ela te pegou cara. – disse rindo e adentrou a sala com . – Odeio física.
– Obrigada pela sinceridade . – A professora disse arrancando a risada de todos.
💉🎓

– Não acredito que o ENEM é esse fim de semana. – disse se sentando no banco do meio do pátio onde vários colegas de classe estavam juntos.
– Coragem vocês dois tentarem medicina. – Nubia disse.
– Minha querida, tentar não a gente vai passar em medicina. – disse.
– Desculpa gatinho, claro que você vai passar, é que medicina é tão...como eu posso dizer. – Nubia disse pensativa. – É tão surreal para certas condições financeiras.
– Quer dizer minha condição financeira? – perguntou.
nunca escondeu de ninguém suas condições financeiras, sempre teve muito orgulho da sua mãe e como ela lutou para criar ela e seus dois irmãos.
– Bom, é...
– Qual o seu problema Nubia? – a interrompeu. – Se acha melhor que ela? Se tem alguém aqui que tem chances reais de passar em medicina esse alguém é a , por que ela batalhou para chegar onde está, ela é mais inteligente que todos vocês juntos, deixe de ser mesquinha e respeite o próximo.
, não precisa gastar saliva. – o olhou. – Esse tipo de gente não merece sua atenção. – Disse se levantando e saiu em direção ao outro pátio da escola, já que sua próxima aula era educação física.
espera. – Lucas gritou e foi atrás da garota junto com .
💉🎓

– Mãe vou sair com o . – disse ao adentrar a cozinha.
– Nossa, finalmente filha. – franziu o cenho. – Você não se diverte, só estuda, sei que você quer medicina, mas tem que respirar outros ares as vezes.
– Agora que o ENEM passou, dá para respirar um pouco. – Disse pegando a maçã e a mordeu. – Não precisa me esperar acordada.
– Tome cuidado e mande o te trazer em casa.
– Pode deixar. – Disse pegando o celular e as chaves e saiu de casa.
– Finalmente. – disse ao ver sair do portão.
– Ei, você avisou de última hora, eu passei o dia de pijama, precisava de um banho. – Disse entrando no carro do amigo e colocou o cinto e fez um sinal da cruz.
– Engraçadinha, acha que comprei minha carta?
– Eu não acho, tenho certeza. – riu com a cara que o amigo fez.
Ao chegarem na casa de seu amigo Thales, viu vários rostos conhecidos da escola, o ruim de reuniões assim era que todos se conheciam e ela não podia beijar uma boca diferente.
– Nossa estragou minha noite. – Lucas disse ao ver .
– Jura? Sua infelicidade me deixa feliz. – Sorriu e o garotou riu junto.
– Maldosa, eu amo desse jeito. – Lucas a olhou de cima a baixo.
– Já bebeu quantos? – perguntou cheirando copo do rapaz. – Uísque, credo.
– Finalmente chegaram. – Thales disse chamando a atenção para si. – Fiquem à vontade, principalmente você .
– Obrigada Thales. – Sorriu.
– Sabe que ele é sua cadelinha né? – cochichou para a amiga que riu e concordou.
– Quem dessa escola, não é?
– Touché. – riu.
A amiga estava certa, mesmo ela sendo o "tipo" nerd, ela era conhecida por todos na escola, sua beleza chamava atenção, seu jeito meigo cativava todos, mas ela tinha o lado cavalona, que na opinião de era o melhor, por que amava ver os caras da escola sofrer na mão da amiga.
– Quem vê esse rostinho angelical, não imagina a alma de caminhoneiro que você carrega. – Disse Lucas ao ver o prato de cheio de carne, arroz e salada de maionese.
– Meu amor, comida boa não se dispensa. – Disse sentando ao lado do rapaz na mesa. – Não vai comer?
–Já comi. – A olhou.
– O que?
– Você é linda.
– Ah cala a boca. – Disse colocando um pedaço de carne na boca de Lucas.
– Já estão assim? – perguntou se sentando á mesa com seu prato cheio também. – Poxa nem me contou.
– Se cale . – Disse comendo um pouco da maionese.
– Ela não resistiu ao meu charme. – Lucas disse arrancando risada dos dois amigos.
No fim daquele churrasco acabou ficando com Lucas, a bebida falou por ela e não se aguentou e beijou Lucas, o que não sabia era que o seu amigo viu toda cena e uma ponta de ciúmes surgiu em , foi ali que tudo começou, ele não entendia o porquê, mas ver a amiga beijar outra pessoa o incomodou, por um minuto pensou que poderia ser ele ali.

💉🎓

– Me lembre da próxima vez não beber tanto. – Disse ao ver chegar em sua casa.
– Tentarei. – Riu. – Oi tia.
– Oi , quanto tempo não? – A mãe de disse. – Como sua mãe está?
– Está bem, obrigada por perguntar e a senhora?
– Estou ótima querido, fique à vontade, vou no mercado filha.
– Tá mãe. – Disse e se virou para . – Bora terminar esse trabalho de física, por que eu vou enlouquecer.
– Por favor. – disse rindo.
Os amigos estavam sentados á mesa finalizando o trabalho de física, quando começou a olhar para a amiga e se lembrou o beijo dela e Lucas.
...
– Oi. – Disse sem tirar a atenção do notebook, no qual digitava algo.
– Eu vi você e o Lucas ontem... – começou a falar e sua amiga o olhou assustada. – O que?
– Então aconteceu real? – perguntou descrente. – Preciso começar a rever meus gostos, tá vendo por isso que você não pode deixar eu beber.
– Não paga de louca, você pareceu gostar do pouco que eu vi. – disse rindo.
– Se eu tivesse na minha sã consciência não teria ficado com ele. – Pontou. – E por que você não foi me resgatar?
– Ah , para de graça ridícula, você sabia muito bem o que estava fazendo. – Riu. – Quero ver as reações sua e dele amanhã na escola.
– Vou chegar bem plena, fingindo que não lembro de nada.
– Você gostou? – a olhou.
– Sendo bem sincera, foi meio merreca. – Riu acompanhada do amigo. – Esperava mais viu.
– Você é exigente demais.
– Meu amor, eu quero o melhor, não quero alguém meia bosta para namorar. – Riu. – Mas meu "príncipe encantado" não está naquela escola, disso eu tenho certeza.
Ouvir a amiga dizer aquilo doeu em , ele não entendia o que estava acontecendo, conhecia a anos nunca se importou com os caras que ela beijava, por que agora ele estava daquela forma, com ciúmes, sim ciúmes era o que ele estava sentindo, mas não entendia por que e precisava afastar essa ideias da sua cabeça.
💉🎓

podemos conversar? – Lucas se aproximou dela e que conversavam animadamente.
– Pode falar ué. – Disse olhando para .
– É que é algo meio... pessoal. – Lucas disse sem graça.
– Entendi, estou sobrando. – se levantou rindo. – Te vejo na sala .
– Sobre o que quer conversar? – se ajeitou no banco e Lucas sentou ao seu lado.
– Sobre nosso beijo... – Lucas a olhou. –Você está me evitando a semana toda, foi tão ruim assim?
– Lucas, eu não tenho o que te falar, sinto muito, não estou procurando um namorado.
por Deus. – Lucas riu. – Você é inteligente, engraçada, fofa as vezes, linda, eu seria idiota se não quisesse algo com você, mas sei que você é areia demais para o meu caminhãozinho. – Ele riu com a cara de surpresa da garota. – Eu só não quero que você se afaste de mim, eu sei separar as coisas, e queria sua amizade, sempre a tive, mesmo a gente vivendo em pé de guerra, mas sei que no fundo era pura implicância de ambas as partes, eu gosto de  chegar aqui na escola e te provocar, assim como gosto da maneira como me provoca, me deixa louco. – Riu acompanhado da garota.
– Também gosto da amizade que temos, mas sei que você nutre sentimentos por mim Lucas, eu seria uma idiota sem coração se te desse esperanças. – Ela o olhou. – Você tem a minha amizade, mas não posso te prometer mais do que isso.
– Isso basta para mim. – Sorriu.
– VOCÊS DOIS, PARA A AULA, O SINAL JÁ BATEU! – O diretor gritou. – SOUZA POR FAVOR NÉ!
– Desculpa, já estamos indo. – Disse levantando os braços em sinal de inocência.
– Licença professora. – disse a bater na porta.
– Entrem atrasadinhos. – Disse a professora Lucia. – Bom hoje vamos falar sobre a Lei e Coulomb.
O que ele queria? cochichou para assim que ela se sentou na sua frente.
Queria saber porque estou evitando ele a semana toda. cochichou de volta se virando para .
E você disse o que?
, me fale sobre a lei de Coulomb. – A professora chamou a atenção. – Você deve saber já que está conversando na minha aula.
– É a lei sobre às forças de interação, que no caso é atração e repulsão entre duas cargas elétricas puntiformes.
– Cargas puntiformes seriam? – A professora a pressionou.
– Cargas com dimensão e massa desprezível. – respondeu rapidamente. – Desculpa atrapalhar a aula.
– Não sei por que insisto em te perguntar as coisas. – A professora riu. – Bom, continuando, como a disse...
💉🎓

– Nem acredito que são as últimas semanas de aula. – disse abraçando de lado. – Ainda bem que somos melhores amigos e vou poder te perturbar mesmo quando as aulas acabarem.
– Eba. – fez uma falsa animação.
– Essa doeu, o que foi? Que bicho te mordeu hoje?
– Nada. – bufou. – Amo estudar, mas queria ter faltado hoje!
– Por que motivo?
– Aquele motivo. – disse apontando com a cabeça. – Eu acho que estou gostando do Lucas.
– O QUE? – gritou e cobriu a boca dele com as mãos.
– Para de gritar! – Olhou para ele.
como assim?
– Eu não sei...acho que é aquela coisa reversa. – disse confusa. – Sabe quando você sabe que alguém gosta de você, mas fica tudo sub entendido? E aí a pessoa acaba jogando as cartas na mesa e quando você dá um fora nela, ela leva de boa, mas ai você começa a pensar naquilo e em como seria vocês dois juntos e aí você pensa que as aulas estão acabando e talvez, só talvez você pudesse dar uma chance para essa pessoa,  porque vocês estariam fora da escola, e seria diferente.
respira. – riu. – Pensa bem é o Lucas, tipo...quais as chances?
– Eu sei, é o Lucas, mas eu sei lá . – Ela disse cansada e se sentou no banco junto ao amigo. – A gente o conhece desde a sétima série, e eu sei que vivemos implicando um com o outro, mas a gente se dá bem no fim das contas.
– Minha opinião, não faça isso. – a olhou. – Você é areia demais para o caminhãozinho dele.
– Você fala isso de todos os garotos que eu começo a gostar.
– Já estive erado alguma vez?
– Não. – Disse pensativa. – Mas e se dessa vez for diferente?
– Ah por favor, é o Lucas mano. – se levantou. – Eu não acho que vocês combinem, mas o que você decidir eu vou te apoiar.
– É loucura né? – O viu concordar com a cabeça. – Eu vou tirar isso a cabeça, quer dizer, aqueles olhos verdes são um pecado me olhando, mas é loucura, por que é o Lucas, tipo... Ah , eu sei lá cara.
esquece isso, vamos para a aula. – Disse a empurrando pelos ombros. Hoje é sexta nós vamos sair amanhã para você esquecer esse cara e focar em outras coisas.
– Já te falei hoje que te amo? – Perguntou ainda sendo empurrada pelo amigo.
– Já, mas pode dizer de novo. – Riu.
– Eu te amo, obrigada por ser essa pessoa incrível. – Disse parando e olhando o amigo e o abraçou.
– Ao seu dispor – Riu e começou a subir as escadas com a amiga ao seu lado.
💉🎓

, podemos conversar? – Lucas a parou ao vê-la sair da sala.
– Oi! – O olhou, a gente tem educação física agora, estamos atrasados. Disse apontando para a sala vazia, mostrando que só havia eles ali. – Pode ser outra hora?
– Se você prometer que não vai fugir, eu deixo você sair. – Lucas colocou o braço na porta para impedir a garota de sair.
– Ah faça-me o favor. – Empurrou o braço dele e saiu da sala. – Eu não costumo fugir.
– Não é o que parece. – Lucas disse andando atrás dela.
, vem logo. – disse subindo as escadas. – O que vocês estão fazendo?
– Nada. – disse descendo as escadas e deixando os dois para trás.
– O que é Lucas? – perguntou. – Por que você tanto cerca a ?
– Relaxa cara, eu só quero conversar com ela.  Lucas o olhou confuso. – Assunto nosso.
Após a aula e educação física, e se desencontraram então ela seguiu o caminho para casa de ônibus, mas ao parar no ponto encontrou Lucas.
– Você tenta me evitar, mas acabamos sempre nos encontrando. – Lucas sorriu.
– Pois é... vai pegar qual o ônibus?
– 4405 e você?
– Esse ou o 2402, o que vier primeiro. – O olhou e voltou sua atenção para a rua.
, por que você voltou a me evitar? – Disse parando ao seu lado. – Eu nem estou mais implicando com você.
– Eu não estou te evitando, a gente só se desencontra.
– Sério? Nosso grupo de amigos é o mesmo , arrume uma desculpa melhor. – Riu. – Eu fiz algo?
– Você não fez nada. – Disse vendo o ônibus se aproximar era o 4405 e se lamentou em pensamento.
– Acho que nossa conversar vai durar um pouco mais. – Lucas disse dando sinal para o ônibus.
Ao adentrarem o ônibus tinha algumas pessoas, se sentaram mais ao fundo, ficaram em silêncio por alguns minutos.
– E então, se eu não te fiz nada, por que está fugindo de mim, como o diabo foge da cruz?
– Eu não estou... – Respirou fundo. – Eu...
– Você? – Lucas a olhou. –  , me fala o que está acontecendo.
– Eu acho que gosto de você. – Disse rápido e o garoto a olhou surpreso.
– Vejam só... – Sorriu e viu revirar o olho. –Tá, me desculpa.
– Olha, eu não quero falar sobre isso.
– Tá de sacanagem né? Você sabe que sou afim de você desde o primeiro ano do ensino médio, me diz que gosta de mim e não quer falar sobre isso?
– Eu disse que acho, eu não afirmei nada.
– Tá, e porque você acha isso?
– Eu não sei, desde do dia que a gente ficou e tivemos aquela conversa, eu venho pensando nisso e para ser bem sincera, quando eu te vejo na escola minha vontade é de te beijar.
– E por que não beija? – Perguntou e ela o olhou surpresa. – O que?
– Nada.
, qual é, por que não podemos ter algo? Se você está nutrindo sentimentos por mim e eu por você, o que nos impede?
– A escola. – disse. – Não quero me relacionar com alguém de lá, eu sei lá.
– Sério? Você acha que vai acontecer o que?
– Eu não sei, mas não quero ter um relacionamento onde todos fiquem em cima e perguntando, fora da escola seria tão de boa.
– Então quando as aulas acabarem você me dá uma chance? – Disse dando o sinal no ônibus.
– Talvez...podemos conversar sobre isso. – disse ao ver o ônibus parar.
– Eu vou cobrar. – Lucas disse descendo do ônibus.

Último dia de aula – 5 anos atrás
– O que vai fazer em relação ao Lucas? – para em frente a .
– Nada. – Ela o olhou.
– Amém. – sorriu. – Finalmente colocou juízo nessa cabeça.
– Pois é. – Disse voltando sua atenção para o livro que lia.
– O que foi? Por que esse desanimo todo? É o último dia de aula .
, por que você é contra eu ter algo com o Lucas?
– Não sou contra. – Disse e viu a amiga o olhar sério. – eu só quero o melhor para você, e não acho que ele seja o melhor. – O melhor seria ele, era o que pensava.
– Não me convenceu... – disse ao ver Lucas andar em sua direção. – Ele tá vindo.
– Posso dar a notícia por você.
– Para , deixa ele tadinho.
– Oi , . – Lucas sorriu. – Último dia de aula né? Isso te lembra algo ?
– Cara, ela não vai ficar com você. – disse.
– Você contou para ele? – Lucas perguntou.
– Sou o melhor amigo dela, o que acha?
– Contou o que? – Nubia se aproximou do trio.
– Também quero saber. – Thales se junto a eles.
– Lucas acabou de tomar um fora da . – disse todos ficaram surpresos.
– É isso mesmo ? – Lucas perguntou.
– Vocês não me deixam falar, ficam supondo coisas. – se levantou deixando seu livro de lado. – , você podia ao menos me ouvir uma vez na vida em vez de ficar esparrando minha vida para todos.
... – disse ao vê-la sair andando e foi atrás dela, mas Lucas foi mais rápido
, espera. – Lucas encostou em seu braço. – Vamos conversar, é verdade o que ele disse?
– Lucas... – viu todos observarem a cena. – Não, não é verdade.
– Então o que é?
o que tá acontecendo? – perguntou ao se aproximar dos dois
, eu te amo, você é meu melhor amigo e respeito sua opinião, mas dessa vez eu vou ter que te ignorar. – disse pegando folego. – Eu gosto do Lucas, não sei como veio a acontecer, mas gosto dele e quero ficar com ele, e preciso que você seja meu amigo e me apoie, por que sempre te apoiei em tudo.
– Tudo bem , sinto muito por não ter sido um bom amigo nesses últimos dias, é claro que eu vou te apoiar.
– Então, isso quer dizer... – Lucas olhou para os dois.
– Se você a magoar eu vou te quebrar na porrada. – disse sério e logo em seguida riu.
– Relaxa cara, eu vou cuidar dela. – Lucas olhou para . – Então, posso te beijar?
sorriu e abraçou Lucas para beija-lo, foi um beijo calmo, mas que fez a garota sorri internamente.
💉🎓

– CONSEGUIMOS, ESTAMOS DENTRO. – gritava em frente ao computador com ao seu lado, ao ver que havia entrado na faculdade que mais almejava e ainda com seu melhor amigo. – MÃE EU CONSEGUI!
– Parabéns filha. – A mãe de a abraçou. – Vocês merecem, valeu todo o esforço.
– Mano, a gente vai cursar medicina. – olhou para . – MEDICINA PORRA!
– Parabéns amor. – Lucas deu um selinho na garota. – Você merece.
– Eu devo estar sonhando. – disse se sentando no sofá. – Mano
– Eu tenho que ir amor, tenho que ir para o quartel. – Lucas disse se levantando, ele havia entrado para o exército, algo que ele sempre quis, seguir carreira militar. – Nos vemos mais tarde.
– Até lá, se cuida.
– Bom turno Lucas. – A mãe de sorriu.
– Obrigado. – Disse e saiu.

💉🎓


Três anos atrás – Faculdade de medicina.
– Sinto muito por você e o Lucas. – disse ao ver saindo da aula de anatomia.
– Tá tudo bem, não daríamos certo... meus planos para o futuro são outros e os dele infelizmente não se encaixavam nos meus.
– O que acha de sairmos hoje? Eu, você e a Sofia.
– Vou dispensar , fica para uma próxima.
Sofia era a namorada de , eles se conheceram numa festa da faculdade, estão juntos há dois anos, e sabia que a namorada do amigo não a suportava, Sofia tinha ciúmes dela e  não conseguia entender o motivo, sempre foi amiga do e infelizmente estava se afastando do amigo por conta disso, não queria causar problemas. Mas se sentia sozinha, porque seu maior companheiro era e infelizmente Sofia tomava a maior parte do tempo dele, quando não estava na faculdade, estava com a namorada.
sabia das crises de ciúmes que Sofia dava e se sentia mal pelo amigo, mesmo tendo o alertado no inicio que ela não era para o , o amigo a ignorou e manteve o contato e agora a namora. por parte sentia ciúmes por perder o amigo, ela só o tinha, era para ele que ela contava suas vitórias e suas derrotas, e não o ter mais por perto como antes, era ruim.
, ele havia enterrado seus sentimentos por na época da escola, ele sabia que aquilo tudo era loucura, afinal a amiga estava namorando, mas depois de descobrir que Lucas e haviam rompido sentimentos que até então estavam guardados vieram à tona, mas ele sabia que não era justo com Sofia, porém também pensava em ser sincero, mas também tinha a possibilidade de acabar com a amizade dos dois e não saberia lidar com a perda da amizade dela, ele estava confuso.

Um ano atrás – Residência no Hospital Santa Mônica
– A Sofia vai me enlouquecer um dia. – disse se sentando ao lado de no refeitório. – Eu não sei mais o que fazer , eu disse que ia na sua casa hoje para estudarmos e ela surtou.
– Mano, ela é louca . – disse bebendo seu suco. – Mas se não der para você ir, tudo bem.
– Não, eu vou! – á olhou. – Sei que venho sendo um péssimo amigo, e quero compensar por isso, então hoje eu vou para sua casa, vamos estudar, ver um filme, sou todo seu depois do plantão.
– Olha cuidado hein, eu ando carente demais...
?
– Eu estou brincando . – Ela riu e o amigo riu junto. – Prometo que vou me comportar, vai ser bom ter sua companhia.
– Certo, tenho que ir. – se levantou. – Estou na pediatria hoje.
– Inveja, estou no pronto socorro. – Disse rindo e viu o amigo se afastar.
O resto do plantão foi tranquilo, e os dois amigos seguiram rumo a casa de conversando e cantando, estavam colocando o papo em dia, era bom, ambos se sentiam felizes e completos. Ao chegar em casa, ninguém estava, segundo o bilhete da mãe de , eles estavam na sua tia e voltariam mais tarde.
– Acho que nunca estudei tanto na minha vida. – disse rindo e fechou seu livro.
– Muito menos eu. – riu. – Mas fico feliz em ver que todo nosso esforço valeu a pena , quem diria que nosso sonho ia se manter vivo desde a quinta série cara. – Disse colocando as coisas de lado e se deitou ao lado da amiga. – Acho que se eu não tivesse você me incentivando, não teria chegado até aqui.
– Além da minha mãe, você foi uma peça chave para eu estar onde estou. – o olhou. – Obrigada por ser esse amigo maravilhoso, por ser esse ser humano incrível.
– Você falando assim ... – começou a falar, nenhum dos dois haviam se dado conta que a distância entre eles havia diminuído, suas respirações agora se misturavam. – Me deixa extremamente feliz, saber que faço parte da sua vida, eu...
Ambos ficaram se olhando por alguns minutos, e pensando no que estava acontecendo, como podiam estar tão próximos  um do outro a ponto de se beijarem, se perguntava o porque de sentir aquele frio na barriga e uma vontade de beijar o melhor amigo, já decidia se deveria ou não beijar sua melhor amiga, se deveria colocar a amizade deles em risco, mas ambos pensaram de mais, um barulho se fez presento no cômodo, era o celular de .
– Oi Sofia. – disse sem graça. – Estou na casa da ... certo, te pego em vinte minutos.
– Está tudo bem? – perguntou já sentada na cama.
– Está, ela pediu para eu ir busca-la na faculdade. – se levantou. – Nos vemos amanhã?
– Sim... , o que... – ia dizer algo mas foi interrompida.
– Certo, até amanhã . – O rapaz disse e saiu praticamente correndo dali.
passou o resto da noite pensando no que havia acontecido e confusa com seus sentimentos, era seu amigo e tinha namorada, ela não podia cogitar coisas com ele, era errado... pelo menos era o que ela pensava.

Atualmente
Desde o último ocorrido entre e , ambos ficaram confusos com tudo que aconteceu, e tentaram reprimir ao máximo, se jogou no trabalho assim como , mas diferente da amiga, ele vivia em um relacionamento infeliz e se questionava sobre o porquê de ainda estar nele, ele tinha o que sempre sonhou, estava se especializando na área que sempre quis cardiologia, sua melhor amiga em neurocirurgia, mas para ainda faltava algo para ser feliz, e esse alguém não era Sofia.
– PORQUE VOCÊ NÃO ME ESCUTA? – Sofia gritou.
– Eu ainda estou tentando entender por que você está gritando? – perguntou calmo. – Eu realmente não consigo entender o que tem de mais em eu levar a para o trabalho, trabalhamos no mesmo hospital e ela é minha melhor amiga.
– Eu deveria ser sua melhor amiga e não aquela piranha. – Sofia bufou. – Tudo é para cá, para lá, eu estou cansada dela ficar se intrometendo na nossa vida, ela gosta de você , muito mais que amiga, você só não vê porque é burro.
– Você está louca? Quando foi que ela alguma vez se envolveu nos nossos problemas? – a olhou indignado. – Toda vez que brigo com você Sofia, é a que me faz voltar e conversar, por que sinceramente, acho que se não fosse isso, eu não estaria mais com você há muito tempo.
– Ah, a santa ! – Disse em forma de deboche. – Me poupe né, ela é uma falsa, ela é apaixonada por você tonto, vai dizer que nunca percebeu como ela vem te olhando nesses últimos anos?
– Ah Sofia me poupe, eu tenho que ir, tenho um plantão de 36 horas me esperando, não tenho tempo para suas palhaçadas. – disse pegado sua mochila.
– EU NÃO TERMINEI DE FALAR! – Sofia gritou, mas foi em vão, saiu de seu apartamento sem nem olhar para trás.
dirigiu o caminho todo pensando na briga, estava completamente irritado queria socar alguma coisa, mas ao ver saindo pelo portão, percebeu que precisava era de um abraço da amiga.
– O que foi ?
– Me abraça, por favor! – Implorou e sentiu os braços da amiga o envolver.
– O que aconteceu? – Perguntou vendo o amigo negar com a cabeça. – Tudo bem, quando quiser falar eu vou estar aqui.
– Estou melhor. – disse secando algumas lágrimas. – Acho que podemos ir.
– Tem certeza ? – Ela perguntou. – O que aconteceu para você ficar dessa forma? Foi a Sofia?
, não quero falar disso agora. – ligou o carro. – Quando eu tiver melhor eu te conto.
Seguiram o caminho em silêncio, em partes porque vinha pensando em tudo que aconteceu e em todos esses anos de amizade com , todo o sentimento que ele vinha guardando estava o sufocando, precisava tirar aquilo do peito e tinha que ser logo, ele estava decidido, após o plantão iria contar tudo para a amiga.
Ao chegarem no hospital cada um foi para um lado, seguiu para o andar de internação e foi para o pronto socorro.
– Doutora, homem 24 anos, traumatismo por impacto violento, a vítima estava no carro.
– Escala de como do Glasgow está em quanto?
– Quatorze doutora.
– Certo, vamos dar uma olhadinha nele. – disse dando uma última revisada no prontuário. – Boa noite senhor Lucas, sou a doutora , sou neurocirurgiã.
– Quanta formalidade doutora. – Ele riu.
– Lucas? – perguntou ainda sem acreditar. – Que coincidência.
– Concordo. – Ele riu e logo ficou sério. – Se você é neurocirurgiã, significa que vou ter que fazer cirurgia?
– Pelo que li no seu prontuário não. – Sorriu. – Mas vamos fazer mais alguns exames, para ter certeza de que está tudo bem.
– É bom te ver , como você está?
– Estou bem. – Disse analisando a ferida na cabeça de Lucas. – A Joyce vai te levar para fazer uma tomografia, e depois que eu tiver o resultado venho te ver.
– Vou esperar ansioso. – Riu
saiu dali e foi atender outros pacientes, se perguntou se o universo estava de palhaçada com ela, em trazer o Lucas, seu ex namorado para o mesmo hospital que ela.
? – a chamou.
– Entra . – Disse já sozinha no consultório. – Você não vai acreditar em quem está aqui!
– Quem? – Perguntou curioso e se sentou de frente para a amiga.
– O Lucas, acredita?
– Aquele Lucas? – Perguntou surpreso. – Mentira né?
– Não, super sério. – Disse assinando alguns papéis. – Eu que atendi ele.
– Que sorte a minha. – resmungou.
– O que? Como assim?
será que podemos conversar?
– Agora? Tenho mais alguns pacientes até o Gustavo descer, pode ser na hora da janta?
– Está bem, te encontro no refeitório.
Já com os exames de Lucas em mãos não encontrou nenhuma anormalidade, estavam todos limpos, mas deixaria o rapaz passando a noite em observação.
– Certo Lucas, Seus exames estão tudo ok, mas eu quero te deixar uma noite em observação, só por precaução mesmo.
– Certo!
– Doutora, ele está bem mesmo? – Uma mulher na idade de perguntou.
– Ele está bem sim. – Sorriu. – Não nos conhecemos mais cedo, você é?
– Sou Aniele, noiva do Lucas.
– Noiva? Uau, parabéns ao casal.
– Obrigada.
– Agora se me dão licença, tenho alguns pacientes para ver.
Era mentira, Lucas era seu último paciente e ia jantar, desceu as escadas até o refeitório onde encontrou já jantando.
– Você não vai acreditar. – disse se sentando com a bandeja em mãos. – Lucas tem uma noiva! Acredita?
– O que? – Ele perguntou assustado.
– Pois é, Aniele. – bufou. – Acredita?
– Se eu não te conhecesse diria que está com ciúmes.
– Não estou. – Bufou. – Enfim, só queria compartilhar minha indignação com você.
– Se vale de alguma coisa , quem saiu perdendo foi ele. – sorriu.
– O que você queria conversar?
– Será que poderíamos ir para um lugar mais privado?
– Terraço? – perguntou sorrindo, o terraço havia se tornado o lugar favorito deles, era ali onde eles se escondiam de toda a loucura.
– Sim.
Os dois se levantaram com suas bandejas em mãos e subiram até o terraço, ali teriam a privacidade que anto queria e era perfeito á que havia uma mesa com três cadeiras.
– E então, o que era? – perguntou se sentando e começou a comer.
– Eu fiquei até esse momento me perguntando se era melhor eu ser sincero ou simplesmente esconder.
– Do que você está falando ?
– Eu tenho medo de contar e você se afastar de mim, não sei o que faria se perdesse sua amizade, eu queria muito estar errado sobre isso, mas depois de hoje eu tive total certeza.
, você está me deixando preocupada.
, deixa eu terminar de falar, só escuta. – disse e viu a amiga concordar. –A gente sempre esteve juntos, você conhece todos os meus problemas, sabe tudo que penso e que eu quero, conhece o relacionamento complicado que tenho com Sofia, algo que já não quero mais levar para a minha vida e que Deus me perdoe se isso for errado. – Respirou fundo. – E hoje eu decidi criar coragem para te contar que sou completamente apaixonado por você , e não eu não estou confundindo os sentimentos, já não é de hoje que venho guardando esses sentimentos por vocês, mas eu cansei, não quero mais me esconder, quero te olhar e dizer que sou completamente apaixonado por você.
, eu...
– Eu sei, é muito para absorver, eu te entendo. – a olhou. – Mas você me faria o homem mais feliz do mundo se aceitasse ser minha namorada.
e a Sofia? Vocês terminaram?
– Não exatamente. – coçou a nuca. – A gente brigou feio antes de eu sair de casa, mas não é com ela quero ter um futuro , é com você.
, eu entendo e ficou feliz por isso, eu quero dar uma chance para a gente, por que também sou apaixonada por você, mas só podemos ficar juntos, depois que você conversar com a Sofia, não é justo com ela, entende?
– Entendo. – Ele sorriu. – Fiquei com medo de acabar com a nossa amizade.
– Sendo bem sincera, há duas semana atrás eu quase te contei dos meus sentimentos. – Riu. – Desde a escola tinha algo em mim que dizia que eu deveria prestar mais atenção em você, eu não dei ideia e ai namorei o Lucas, você namorou a Sofia, então eu fui deixando pra lá, até aquele dia que quase nos beijamos pela primeira vez, depois daquele dia, te ver com ela era ruim, mas eu tinha que fazer meu papel de amiga.
– E você é uma amiga maravilhosa, sem defeitos, e eu te quero para a minha vida, quero que você seja a minha mulher, a mãe dos meus filhos. – segurou as mãos dela.
– Você está me deixando sem graça . – Riu junto com o amigo.
💉🎓

Terminar com Sofia foi mais difícil do que imaginava, ela fez um escândalo e novamente acusou como motivo dele está terminando, em partes era sim, já que era apaixonado pela amiga, mas o rapaz estava cansado das crises de ciúmes da garota fazia tempos, eles viviam um relacionamento infeliz, então terminar com Sofia foi como tirar um peso das costas dele, ela saiu do apartamento do rapaz chorando, mas acabou indo embora sob protesto. respirou fundo ao sentir o silêncio pairando pelo local ao observar se lembrou do dia que seus pais lhe deram aquele lugar como presente, diferente de , a condição financeira dos pais de eram até que boas e ter ganhado aquele apartamento de presente foi ótimo para , era bom ter seu próprio espaço.
Ao se encontrar com aquele dia, ele abriu um sorriso, pela primeira vez se sentia completamente feliz.
– Como foi? – Ela perguntou se referindo a Sofia.
– Barulhento, ela me xingou muito, mas no fim foi embora. – disse olhando para . – Eu me senti tão leve ao falar com ela, foi como se um peso tivesse sido tirado.
– Que bom que tudo se resolveu. – sorriu.
– Nem tudo. – a puxou pela cintura e ficou próximo do rosto da amiga. – Falta uma coisa ainda.
Eles se entreolharam e se beijaram, um beijo calmo e com desejo, algo que ambos ansiavam há muito tempo, e pela primeira vez os dois se sentiam completos, como um quebra cabeça de duas peças com encaixe perfeito.


Fim.



Nota da autora: Espero que tenham gostado, e não se esqueçam de deixar um comentário para deixar essa autora aqui feliz.





Outras Fanfics:
Change Your Life
The First League


comments powered by Disqus