FFOBS - Our Love, por Nataly

Última atualização: 04/03/2018
Contador:

Parte I

- Ashley, você é a mulher que eu quero na minha vida - ele a olhava apaixonado. – Olha, me escute – ele segurou a mão dela – Nada, nem ninguém vai nos separar, você me ouviu? – ele alisou o rosto dela.
- Eu tenho tanto medo... – ela abaixou a cabeça.
- Não tenha medo, eu te amo e isso basta. Qualquer coisa a gente foge.
- Fugir?! – ela o olhou, assustada – Luke, eu... – ele a interrompeu lhe dando um longo selinho. – Eu amo tanto você... – eles se aproximaram e se beijaram novamente.

--------


- Corta! Muito bom, muito bom, gente! - o diretor de cena deu o aval para que a filmagem acabasse. - Que química a de vocês.

Eles sorriram aliviados, mais uma cena concluída, sem a necessidade de reparos.

- Valeu, JK. - Zac sorriu agradecido - Preciso tomar um ar.
- Ok, vamos trocar de tak - o diretor autorizou a saída dele. - Vinte minutos, Zac, não se atrase!

Ele correu em direção ao camarim. Zac gravava um filme que tinha como tema o amor proibido entre dois jovens adultos, seu personagem era pobre e a moça rica. Ele não curtia mais aquele tipo de trabalho, mas não estava em condições de escolher, já que não estava na sua melhor fase na carreira.
Ele a procurava, mas não a achava em lugar nenhum. Onde ela poderia estar? Por fim, enquanto espionava os camarins alheios a viu pela fresta da porta do camarim de Nina, dando os últimos retoques na coadjuvante. Ele deu três batidinhas na porta, de forma sútil.

- Ei, Zac. Pode entrar - Nina autorizou.
- Oi, Nina. - ele sorriu discreto para ela - Tá terminando aí, Nina? É que me pediram para ajustar o pó, está dando problema na iluminação.
- Está sim, Zac - ela terminava de passar um batom nude na boca da moça - Prontinho, Nina.
- Obrigada, ! Toda sua, Zac - ela sorriu desconfiada, se levantou da cadeira a qual estava sentada e saiu do camarim. Zac ficou na porta até ver que a moça tinha se afastado o suficiente. Encostou a mesma, passando o trinco. revirou os olhos, ele precisava ser mais discreto se queria que aquilo ficasse escondido.

Ele se aproximou dela, a abraçou e deu um selinho demorado na namorada. Aprofundou o beijo, explorando cada canto da boca dela. Terminaram o beijo com selinhos demorados.

- Eu não deveria te deixar me beijar agora, você acabou de beijar a boca da Dakota. - ela fez um bico fofo, ele não aguentou e lhe deu mais um selinho.
- Foi beijo técnico, não teve língua dessa vez, te juro - ele sorriu, falando em partes a verdade para a namorada, permaneceu abraçado a ela.
- Aham... - ela assentiu, desconfiada - Zac, seja mais discreto pelo amor de Deus, as pessoas não são bobas.
- Eu não consigo, a todo o momento eu quero você perto de mim - ele suspirou, frustrado.
- Eu também quero, mas sua carreira é muito importante, não é visto com bons olhos você ter um caso com a maquiadora.
- Você é minha namorada, não é um caso. - ela sorriu largo com a fala dele.
- Eu gosto tanto de você! - ela suspirou, o olhando apaixonada.
- Eu também gosto muito você. - selaram-se rapidamente. Ele alisou o rosto dela demoradamente - Preciso ir...
- Eu sei que precisa - ela não tirou os seus braços em volta da cintura dele.
- Que horas você sai hoje? – ele ainda alisava o rosto dela, carinhoso.
- Cheguei às 10h00 vou largar por volta das 19h00min não vou plantonar hoje.
- Certo, vai pro meu apê, que assim que finalizar eu vou pra lá, só não sei o horário ainda.

As gravações eram em Atlanta e como ficariam muito tempo gravando, Zac decidiu alugar um pequeno apartamento ali perto do local. Depois que eles começaram a se relacionar a maquiadora sempre ia pra lá, ficava mais na casa dele, do que na dela.

- Tá certo, pode deixar – ela deu um selinho nele o empurrando em direção à porta – Agora vai, Zac – ela destrancou a porta, para que ele fosse embora.

Ele segurou o rosto dela e lhe deu um longo selinho.

- Até mais tarde – ela sorriu assentindo, e ele se foi. Ela se sentou na cadeira de maquiagem, suspirou longamente com um sorriso bobo nos lábios.

***

Finalizaram aquele tak e finalmente terminaram mais um dia de gravações. Zac estava cansado, tudo o que ele precisava era de sua cama, acima de tudo. Ele andava rápido em direção a sua moto que estava estacionada próximo do local.

- Zac? – ele ouviu a voz de Dakota, e quis revirar os olhos, a garota era bem... complicada.
- Diga, Dakota – ele continuou andando rápido, sendo seguido pela moça.
- Eu pensei da gente passar em algum lugar para comer algo, o que acha? – ela finalmente o alcançou e segurou o braço do rapaz.
- Eu passo essa, tudo o que eu quero é minha cama – e uma boa massagem da . Ele terminou a frase mentalmente.
- Você sempre recusa os meus convites... Por que, Efron? – ele quis dar a ela uma resposta atravessada, mas não podia ser grosseiro, já que trabalhariam juntos por mais três meses.
- Olha, Dakota, não é nada pessoal, mas os seus convites somente aparecem em dias que estou morto de cansaço. Eu sinto muito, mas pode ficar para próxima, hein? – ele pegou o capacete e já foi o colocando.
- Então, me dá uma carona até o hotel? – Dakota não desistiria facilmente dele, era Zac Efron, seu ídolo teen e de quebra estava solteiro.
- Ok, sobe ai – ela deu pulinhos de felicidade – Só não tenho um capacete para você – Ele afivelou o capacete dele, e montou no veículo, esperou que ela montasse também.
- Não tem problema – ela sorriu e segurou a cintura do rapaz com força. Enfiou o rosto no pescoço dele sentindo o quão cheiroso ele estava. – Você é tão cheiroso... – ela suspirou. Pode se ouvir o click de uma câmera de algum lugar ali.
- Obrigado – ele ligou a moto e foi em direção ao hotel da garota. Não demorou nem sete minutos e ele já estava em frente ao lugar, era bem perto do set de filmagens.
- Aqui é minha deixa – ela suspirou docemente – Obrigada pela carona – ela viu uma brecha no capacete e o beijou rapidamente na bochecha. Mais clicks foram ouvidos naquele momento. – Até amanhã.
- Até, Dakota – ele devolveu a saudação e logo se mandou dali.
A garota entrou no hotel saltitante, Zac Efron era tudo o que ela sempre quis, pelo menos um avanço ela havia tido.

Zac dirigiu tranquilamente até sua residência. Chegou ao local e do lado de fora do apartamento sentiu o cheiro de comida fresca, era maravilhosa mesmo. Ele abriu a porta, e a avistou na cozinha, ela mexia alguma coisa na panela. Ele foi de mansinho, se aproximou dela e a agarrou por trás, lhe abraçando.

- Ai, Zac, que susto! – ela tinha o coração disparado.
- Desculpa... – ele sorriu sapeca - Cozinhando o que pra nós? – ele deu beijo no pescoço da moça, que se arrepiou.
- Molho branco para colocar no macarrão - ela se virou para ele, enquanto mexia calmamente o alimento.
- Eu já te disse que você é extraordinária hoje? – ele abriu um lindo sorriso, enquanto tirava a blusa.
- Acho que sim, mas é sempre importante reforçar, meu bem – ela riu e ele lhe roubou um selinho.
- Eu gosto tanto de você, – os olhos dela brilharam com a fala dele – Vou só tomar banho e já venho jantar – ela assentiu e o viu o ir rapidamente até o quarto.

Ela aproveitou que ele entrou no banho e finalizou o molho, o colocando em cima da mesa. Disponibilizou ao lado o macarrão, pegou um dos vinhos caros dele, as taças, pratos e talheres e finalizou a mesa. Sentou-se enquanto o aguardava pacientemente. Ali, ela acabou se lembrando de como se conheceram...

Quatro meses antes...

tinha as mãos geladas enquanto dava seus últimos passos para chegar ao lugar, hoje seria seu primeiro dia de trabalho na Atlanta Records, ela tinha conseguido um emprego onde sempre sonhou e fazendo o que mais amava na vida: maquiar. Seria uma das muitas maquiadoras do set de filmagens, era seu primeiro trabalho grande.
Limpou as mãos suadas na calça, adentrando o lugar. Avistou o segurança, identificou-se e logo teve sua credencial liberada. O mesmo segurança lhe acompanhou até próximo ao lugar onde trabalharia. Olhou maravilhada tudo aquilo, era bem maior do que poderia imaginar, quando havia feito o teste, não tinha passado da sala de recepção.

- É aqui que você deve aguardar, logo alguém da produção vem – ela assentiu, e agradeceu ao rapaz.

Adentrou uma sala, que tinha uma mesa redonda com várias cadeiras em volta, decidiu sentar-se ali já que teria que aguardar. Escutou a sala ser aberta com rapidez e acabou se assustando.

- Olá, ! Seja muito bem vinda à equipe de maquiadoras – a moça se aproximou dela, e lhe cumprimentou com uma das mãos. – Me chamo Elena, serei sua coordenadora.
- Oi, muito obrigada, Elena – ela respondeu animada.
- , antes de começarmos seria importante que você assinasse esse termo de confidencialidade – ela olhou Elena, confusa - Resumindo, é para que não seja divulgado nada do que você presenciar do filme – assentiu, e pegou as folhas da mão da moça. – Pode ler com calma, eu aguardo.

E foi o que ela fez, leu as páginas, tirou algumas dúvidas e assinou o termo de confidencialidade.

- Obrigada, agora vou te levar até os camarins, set de filmagens, as instalações, enfim, para que você conheça e se adapte. Às vezes será necessário a sua presença para algum retoque em algum dos atores.
- Tudo bem – concordou e saiu do lugar, seguindo a moça.

Elena apresentou a os camarins individualmente, não abriu as portas, mas passou em frente aos lugares, as instalações em geral, refeitório central... A cada passo, encarava maravilhada, aquilo parecia uma cidade de tão grande que era. Pararam em frente a uma das inúmeras portas azuis.

- Quando essa luz estiver acesa – ela apontou para uma placa luminosa que tinha a palavra “gravando” - Não devemos entrar, cada barulho externo pode atrapalhar o desenvolvimento dos atores, então mesmo que você receba um chamado no rádio, porque eles precisam urgente, você deve esperar a luz se apagar – assentiu – Como a luz está apagada a gente pode entrar - ela abriu a porta.

pode avistar muitas pessoas ali no set, incluído os contrarregras, câmeras, maquiadores, alguns cabelereiros, provavelmente para deixar as cenas as mais naturais possíveis.
Foi adentrando com Elena, olhava cada canto daquele lugar, era magnífico. Acabou tão distraída que tropeçou em um dos fios das câmeras e caiu, chamando a atenção de todos ali. A garota quis se enfiar na terra e nunca mais sair. Depressa, ela se recompôs e se levantou rapidamente do chão.
- Opa, cuidado, moça – ela pode escutar uma voz próxima dela. Olhou rapidamente para trás e viu um rapaz que não lhe era estranho – Você está bem?
- Obrigada pela preocupação, estou bem sim – ela deu um meio sorriso, envergonhada, sustentando o olhar dele.

Zac sorriu sem graça com a forma que a garota lhe encarava. Pela primeira vez, sentiu-se exposto. Aquele par de olhos tinham algo que lhe encantavam, parecia que a garota o lia. Ela ajeitou a roupa e estava pronta para seguir o caminho atrás de Elena, quando sentiu que sua mão direita foi segurada.

- Qual é o seu nome? – Zac perguntou.
- , meu nome é – ela soltou a mão da dele, e sentiu um rubor querendo subir pelas bochechas. – E o seu? – ele sorriu, devia mesmo ter caído em esquecimento já que a garota não o reconhecia.
- Sou Zac Efron – ela perdeu a cor do rosto, como pode ser tão tola? Era claro que era ele. Mais uma vez naquele dia ela quis sumir.
- Claro que é – bateu a mão na testa – Eu preciso ir – ela suspirou fundo.
- Oportunidades para nos vermos não faltarão – ele piscou maroto, enquanto a via continuar a caminhada.

Fim do flashback
Seu relacionamento com Efron era recente, mas não conseguia imaginar uma vida sem ele, e aquilo a assustava. Eram sentimentos fortes demais, e ela sabia o risco que tinha de não dar certo, já que seu namorado era um ator que estava depois de uns bons anos conseguindo voltar à mídia, um passo em falso e ele poderia perder o que já conquistou.

- Voltei – ele a despertou de seus pensamentos. Sentou-se de frente para ela – Vamos experimentar mais um dos pratos deliciosos da chefa cuca – ela riu e lhe deu um leve tapinha no ombro.
- Bobo, nem sei se está bom essa gororoba – ela sorriu para ele, logo se servindo também. Ele pegou as duas taças, e colocou vinho para os dois. A levantou, a instigando a fazer o mesmo.
- A nós, e ao nosso amor – ele encostou a taça na dela.
- Sim, a nós e ao nosso amor – brindaram mais uma vez e começaram a comer.
- Gororoba? Eu que faço gororoba! Isso está maravilhoso, você se supera a cada dia mais, .
- Nossa, está bom mesmo – ela sorriu, se esticou na mesa e alisou a mão livre do rapaz.
- Zac – ela parou de alisar a mão dele - Ouvi uns rumores de que a Dakota gosta mesmo de você... – ela o olhou de esgueira. Efron revirou os olhos – Ela tá realmente levando a ficção para a realidade?
- Não vou mentir pra você, ela está sim – ela largou os talheres na mesa, já havia terminado de comer – Mas eu já dei uns cortes nela.
- Eu não posso culpá-la, ela acha que você está solteiro – ela pegou o guardanapo e limpou a boca.
- Situação provisória, só mais três meses e eu te assumo pro mundo – ele levou a taça de vinho a boca.
- Zac, já conversamos sobre isso...
- Por você, eu nunca assumiria nosso relacionamento. Poxa, eu não me preocupo com a mídia, se eu não assumi, foi porque você não quer – ele levou mais uma garfada a boca. Esse assunto sempre vinha em pauta, e ele não entendia qual era o problema da mulher.
- É o melhor a se fazer, depois de cinco anos afastado dos holofotes é importante que você não se envolva em escândalos, só quero te proteger.
- Sempre a mesma conversa, de querer preservar minha carreira – ele fechou os olhos. Terminou de comer e se aproximou dela – Você não deve se preocupar com isso, eu pedi você em namoro sabendo o que eu queria.
- Sim, eu sei – ela sorriu largo – Eu amo muito tudo isso que a gente tem.
- Eu também amo, por isso já tem data o dia que a gente vai poder namorar em paz – ela mordeu os lábios, nervosa.
- Quando? – ele sorriu, misterioso.
- No dia da estreia do filme – ela arregalou os olhos – Não me venha com desculpas, eu não vou mais adiar essa situação.
- Zachary!
- Não adianta me chamar assim que não vai adiantar, eu estou decidido – ele a puxou da cadeira dela, e a sentou em seu colo
- Seja o que Deus quiser, pelo menos temos alguns bons meses até lá – ela sorriu e deu um beijo no pescoço dele, que se arrepiou.

Ele a ajeitou em seu colo, e a puxou para um beijo, as mãos dele pararam em cima da bunda dela, ele a apertava com um pouco de força, fazendo a mulher ofegar nos braços dele. Ele se levantou com ela no colo, empurrou os objetos da mesa para o lado e a sentou ali, se encaixando no meio das pernas dela, trazendo-a cada vez pra si, se é que aquilo era possível. Ela interrompeu o beijo ofegante.

- Aqui não, Zac! – ela segurava o peito dele com a mão direita. Ele tentou beijá-la de novo, mas ela o empurrou – Quarto!
- Certo – ele suspirou, a pegou no colo e andou o mais rápido que pode para o quarto.

A colocou na cama e se deitou por cima, voltando a beijá-la, dessa vez despindo-a e fazendo o mesmo processo para si. era única, e ele sabia exatamente o que sentia dentro de si: amor. Ele amava aquela mulher.





Continua...



Nota da autora: Introduçãozinha básica da fic, ela não será longa, meus amores. Se tudo der certo na próxima atualização eu a finalizo. Oremos rsrsr! Vem pro grupo do facebook (só clicar no ícone embaixo) que eu aviso por lá quando entrar a última parte, ok? Beijos <3





Lembrando que qualquer erro nessa atualização e reclamações somente no e-mail.


comments powered by Disqus