Última atualização: 01/09/2020

Único


Na manhã ensolarada de sábado, Evans e Marlene McKinnon caminhavam em direção a Hogsmeade.
, mais uma vez, passou as mãos pelos cabelos, alisando os fios longos e ruivos.
— Em minha opinião, você parece bem interessada nele. — Marlene começou. — Não para de se arrumar. — Concluiu.
— Não sei do que você está falando. — Evans falou, dando de ombros.
— Aham, tá certo. — A loira falou, rindo do comportamento bobo da amiga. Se ela queria negar que tinha sentimentos pelo Potter, que continuasse. — Aliás, por que vocês já não vieram juntos? — McKinnon questionou, confusa.
— Bem, queria fazer ele sofrer um pouquinho. — falou, rindo. — Ele é muito cheio de si. — completou.
— E você está indo para um encontro com ele. — Marlene disse, debochando da amiga.
— Mas só depois de dois anos. — A ruiva acrescentou.
As duas seguiram o restante do caminho conversando e rindo de bobagens.


James respirou fundo, nervoso. Tirou novamente o relógio do bolso para checar o horário.
ainda não estava atrasada, mas o moreno temia que ela não viesse.
Potter quase não acreditou quando Evans aceitou o seu convite, estava correndo atrás dela desde o 5º ano e ela sempre o ignorou.
— Pontas, estou falando sério. — Sirius começou. — Ficar na frente dessa loja vai acabar com minha reputação. Vou embora. — Almofadinhas concluiu, apontando para a Casa de Chá da Madame Puddifoot atrás deles.
A loja era, na opinião de James, muita informação, com todos aqueles babados.
E imaginou que seria perfeito para seu primeiro encontro com a , já que quase todos os casais sempre se encontravam ali.
— Não vai não, Black. — James falou, segurando o braço do amigo. — Vocês tem que esperar comigo até a aparecer. — completou, ansioso.
— Espera, você acha que ela não vai aparecer? — Sirius falou, sorrindo. — Imaginem a cena: James Potter levando um bolo. — Black gargalhou, sentindo o desespero do amigo.
— Não se preocupe, Pontas. A não faria isso. — Aluado falou, tentando acalmar o amigo.
Como se fosse sincronizado, apareceu naquele momento virando a esquina, acompanhada de sua amiga.
— A Marlene está com ela, pelo menos essa espera valeu a pena. — Black falou, maroto.
James, que ainda estava nervoso, ams agora muito mais feliz, só respondeu ao amigo com um sorriso seco.
foi a primeira garota por quem o moreno realmente se interessou de forma tão forte e, jamais admitiria isso para os amigos, mas sempre que via a ruiva sentia o coração palpitar mais forte e o estômago borbulhar, como se várias fadas estivessem dançando dentro dele.
— Tarde, meninos. — cumprimentou, ao se aproximar. — Onde está o Pedro? — A ruiva questionou, ao notar a falta do quarto integrante dos Marotos.
— Ele não veio a Hogsmeade hoje. — Lupin disse. — Tinha algumas atividades atrasadas, então ficou estudando.
— Você quer dizer: copiando das nossas. — James falou, mas não havia maldade em seu tom.
sorriu. James Potter tinha vários defeitos, mas a falta de lealdade não era um deles. A ruiva sempre admirou como ele defendia os amigos.
Pettigrew era um acréscimo estranho aquele quarteto, todos em Hogwarts viam isso. Mas James, Sirius e Remo acolheram Pedro, que não era tão esperto e jamais teria tanta popularidade sem os outros três, como parte deles.
— Bem, que tal deixarmos os pombinhos sozinhos? — Sirius falou, zombeteiro, fazendo corar. — E você, McKinnon, tem algo planejado ou gostaria de nos acompanhar? — Black perguntou a loira, sorrindo galanteador.
— É o que temos para hoje. — Marlene falou, risonha e acompanhou os dois rapazes.
James sorriu para e juntos caminharam para dentro da casa de chá.
Um tilintar melodioso anunciou a entrada do casal na loja, algumas cabeças viraram rapidamente e alguns olhos se arregalaram ao ver acompanhada de James.
Era de conhecimento público que a ruiva tinha certa antipatia pelo rapaz.
sorriu contrariada, euqnanto Potter a guiava para uma mesa.
Sentaram-se na mesa pequena e ficaram extremamente próximo, pois tudo no local era apertado.
James suspirou e conseguiu sentir a fragrância floral que vinha de . Finalmente uma vantagem nessa loja, Potter pensou.
— Você está tão quieto hoje. — falou, olhando o cardápio que estava em cima da mesa.
— Vou te confessar uma coisa: — James começou, sorrindo com um pouco mais de confiança. — estou um pouquinho nervoso.
— E por que você está nervoso, Potter? — perguntou sorrindo.
— Por que estou acompanhado da garota mais bonita de Hogwarts. — O moreno falou, sorrindo.
— E voltamos para James Potter em seu estado natural. — sorriu zombeteira para o moreno.
James sorriu para ruiva, brincando com o laço que tinha no guardanapo.
Foram interrompidos por uma ruidosa Madame Puddifoot, que estava servindo o casal na mesa ao lado, o espaço entre as mesas era mínimo, e James e conseguiam ouvir tudo que as mesas ao redor conversavam.
Potter engoliu em seco, novamente nervoso. Uma coisa seria flertar com a sozinho, outra coisa totalmente diferente é com pessoas ouvindo.
O garoto ainda não tinha certeza sobre os sentimentos da ruiva, talvez ela ainda quisesse se vingar dele pela forma que tratou o Ranhoso nos últimos anos.
No outro lado deles, o casal que estava sentado na mesa começaram a se beijar avidamente, aproveitando o pouco espaço entre eles.
Evans olhou para eles, de olhos arregalados, ao voltar a encarar James, o moreno piscou para ela, sugestivo.
— Nos seus sonhos, Potter. — A ruiva falou sorrindo.
— Não pode culpar um homem por tentar. — James disse, brincalhão. — Sendo sincero, ainda estou surpreso por você ter finalmente concordado em sair comigo. — Potter falou. — Sendo mais sincero ainda: estava esperando você me deixar plantado na frente da loja feito um bobo. — completou.
— Poxa, devia ter feito isso. — falou, com um sorriso no rosto. — Seria uma visão linda.
— E por que você decidiu, finalmente, aceitar sair comigo? — O moreno perguntou. — Hey, não me leve a mal, não estou reclamando. Só fiquei curioso.
— Pra mim, parece que você está caçando elogios…
— Ah, Evans, você me conhece tão bem… — James brincou.
— É que você está diferente. — começou. — Não parece mais tão cheio de si e nunca mais o peguei azarando pessoas pelo corredores…
— Eu só azarava o Ranho… — James se interrompeu, ao ver a expressão da ruiva murchar.
O garoto sempre esquecia que os dois já tinham sido amigos. James sentiu a fúria arder em seu peito, fúria que sempre vinha ao lembrar daquela tarde, há quase dois anos, em que Snape havia chamado de sangue-ruim. Potter voltou a encarar a ruiva, que tinha os olhos verdes manchados com mágoa.
— Você não vai pedir nada? — James perguntou, tentando mudar de assunto.
— Ah, sim, claro. — A ruiva falou, voltando a encarar o cardápio. Franziu o cenho, não sabia o motivo de James ter escolhido a levar ali, preferia muito mais o Três Vassouras. Lá poderiam ter uma mesa afastada o suficiente para ter uma conversa privada.
— Você não gosta das coisas que são servidas aqui? — James perguntou, preocupado ao notar a expressão no rosto da ruiva, que tentou disfarçar. — Por Merlim! Você não gosta desse lugar? — Potter perguntou, horrorizado. — Estou fazendo papel de bobo aqui, não acredito.
— É que aqui não é tão confortável. — Como se fosse para validar o argumento da ruiva, Madame Puddifoot passou novamente ao lado deles, se espremendo no pequeno espaço entre as mesas. — Mas se você gosta, podemos ficar sem problemas. — falou, diplomática.
— Não! — James quase berrou. — Eu só escolhi aqui porque achei que você ia gostar. — o moreno falou.
— Pelas barbas de Merlim! Ainda bem, estou louca por uma cerveja amanteigada. — falou sorrindo.
O casal se levantou, Madame Puddifoot os encarou, fuzilando com o olhar, certamente chateada por terem ocupado a mesa por tanto tempo e não terem consumido nada.
Como um agrado, James retirou algumas moedas do bolso e as depositou em cima da mesa, notou a expressão da senhora mudar.
O moreno não pretendia voltar aquela loja apertada nunca mais, mas não queria criar inimizades.
O ar fresco preencheu a narina do casal quando saíram da loja, caminharam em silêncio, lado a lado, em direção ao Três Vassouras.
— Você está certa. — James falou, cortando o silêncio. — Eu mudei. Muito do que você me falou no quinto ano me influenciou. Eu não podia continuar agindo como um adolescente o resto da vida. — O moreno disse. — Ainda mais com o tempo sombrio que vivemos. — Potter terminou. A ruiva encarou o rapaz de cabelos desgrenhados, com as mãos nos bolsos.
— Todo mundo notou isso, James. — falou. — E as suas principais qualidades ficaram ainda mais visíveis: sua lealdade e coragem. — a ruiva completou, sorrindo.
— Acho que me inspirei em você. — Potter falou e o encarou, cética. — Não, estou falando sério. Você é tão responsável, dedicada e forte. E mesmo assim, sempre é gentil. — James falou, parando de caminhar e olhando para . — Muito obrigada por me dar essa segunda chance, Evans. De olhar além das minhas atitudes antigas. — Potter concluiu, encarando a ruiva.
— Espero não me arrepender. — falou, com um sorriso leve. Aproximou o rosto do de James, que umedeceu a boca, ao encarar os lábios da ruiva. Evans, ainda sorrindo, fechou o espaço existente entre os dois em um beijo curto, mas bastante ávido, selando o início do amor dos dois.
Ao se separarem, tinha um sorriso tímido, enquanto James ostentava uma expressão vitoriosa.
— E você acabou de descobrir minha principal qualidade. — James falou, olhando para .
— Qual? — Evans perguntou, já sabendo a resposta.
— Eu beijo incrivelmente bem. — Potter falou, zombeteiro.
o empurrou de lado. Ainda rindo, James lançou o braço por cima dos ombros da ruiva e caminharam, naquele quase abraço, até o Três Vassouras
Ao chegaram na porta do bar, ela se abriu, saindo de lá Avery, Mulciber e Snape.
Severo encarou e James, notando o braço do garoto nos ombros da ruiva, com desprezo.
James sentiu todo seu corpo tensionar e mão coçar para pegar a varinha ali mesmo, mas os ignorou e seguiu adiante, se desfazendo do quase abraço, alguns passos a frente, virou e olhou para james com os olhos verdes cintilantes fazendo uma pergunta não dita.
“Você vem?”
E ele foi, pois, James Potter pensou, nem o Ranhoso é capaz de estragar minha felicidade hoje.








Fim!





comments powered by Disqus