Contador:
Última atualização: 07/01/2022

Capítulo 1 – She's NOT an angel

AVISO: Oi gente, aqui quem fala é uma das autoras de Beautiful Mistakes. Antes de começar a leitura, gostaria de deixar um breve aviso para vocês. Para quem é leitora de BM e seguia a PP Olivia no Instagram @therealoliviah, já deve saber do que se trata, mas caso não, vou explicar agora. Devido a conflitos de interesse por parte das autoras de BM, decidimos por não dar continuidade a fic, que contava a história de duas amigas, Olivia e Kate. Mas trago uma boa notícia para os fãs de Olivia e Harry. A história do casal será contada nessa fic, então chega de blá blá blá e vamos finalmente a história. 😘


20 de novembro de 2017, Píer 94, New York City – NY

Depois de 23 anos, agora era a vez de . Ela já havia percorrido os quatro cantos do mundo ajudando a realizar o sonho de cinco garotos a cantar.
Ser uma Angel da Victoria’s Secret era algo muito almejado no mundo da moda, e jamais imaginaria alcançar tal feito. Sua vida era nos bastidores de eventos como esse, com pincéis nas mãos e exaltando ainda mais a beleza das modelos. Agora, ela estava vivendo o outro lado da moeda. Nunca imaginou tornar-se uma delas, mas, depois do inesperado convite de um agente que circulava nos bastidores de um dos freelances que a garota havia feito, sua vida mudou completamente. Pensar em ser uma Angel ainda parecia fora da realidade para a brasileira, que, já muito pequena, foi morar na Inglaterra com os pais e, depois de percalços da vida, se dividia entre Los Angeles e Nova York para viver da profissão que tanto passou a amar.




Eu estava nervosa, porém animada. Já tinha desfilado algumas vezes para outras marcas, mas esse era um dos maiores desfiles de todos os tempos. Para a minha carreira seria um marco, além de uma realização de um sonho, por mais distante que me parecesse. O frio na barriga estava sempre presente antes de entrar na passarela, mas hoje eu estava uma pilha de nervos. Eu seria a atração da noite e estaria em destaque, e pensar nisso me deixava ainda mais empolgada. Todos ali esperavam para ver lindas mulheres com seus corpos esbeltos e lingeries espetaculares, e ansiosos para ver a joia da noite, a qual eu iria usar. Os preparativos para cada modelo em um desfile eram inúmeros, então tínhamos que chegar um tempo antes, já que era cabelo, maquiagem, unhas etc.
— E aí, nervosa com sua estreia como a mais nova Angel? — fui desperta de meus pensamentos por Laís Ribeiro, uma das modelos que estava sentada ao meu lado, que fez a pergunta enquanto éramos maquiadas.
— Nossa, muito! Uma honra, mas também muita responsabilidade ser a modelo escolhida pra usar o Fantasy Bra.
— Verdade, lembro da minha primeira vez desfilando com o Fantasy. Também fiquei bem nervosa, mas no final dá tudo certo, você vai ver! Tenho certeza que vai arrasar, fica tranquila.
— Obrigada, Laís!
— Por nada! — ela respondeu com um sorriso acolhedor. — Você já tá sabendo quem vai cantar no desfile hoje?
— Não ia ser o Shawn? — olhei de soslaio para ela, confusa.
— Faz tempo que não vai ser mais ele, e como a atração principal é surpresa, está rolando uns rumores de que seja o Harry.
— Que Harry? — olhei descrente, sem conseguir acreditar no que estava ouvindo.
— Styles?! — ela respondeu, como se fosse óbvio.
— Não, sério! Que Harry?
— É sério, ! Algum problema?
— Puta que pariu, não pode ser! — falei em português, mas Laís, que era brasileira, entendeu.
, eu posso te entender. O que houve? — ela continuou a conversar no mesmo idioma, preocupada.
— Quanto mais eu tento esquecer meu passado, mais ele aparece — falei para mim mesma em um murmúrio quase inaudível, mas que não impediu que ela ouvisse.
— Passado? Como assim? Vocês se conhecem? — ela me bombardeava de perguntas, tentando entender o que estava acontecendo. Eu tinha o olhar fixo na bancada à minha frente, desacreditada no que estava prestes a acontecer.
— Não, não é nada. Tá tudo bem, só fiquei um pouco surpresa. Não estava esperando que fosse ele, estava realmente esperando o Shawn — falei rapidamente, tentando não demonstrar o nervosismo que sentia.
— Oh, entendi. Eu amo o Shawn, mas o Harry é bem mais gato, não acha?
— Sim, muito gato — não menti, mas precisei forçar um sorriso.
Quando terminamos de nos maquiar, cada uma seguiu seu rumo para trocarmos de roupa. Assim que cheguei ao camarim destinado para colocar a lingerie, vi que era uma sala especial com alguns seguranças na porta, devido ao valor da peça que usaria. A peça, que eu poderia chamar de joia, era avaliada em mais de 2 milhões de dólares. Possuía cerca de 6 mil pedras preciosas entre diamantes, safiras amarelas, topázio azul e ouro 18k, e fiquei sabendo que levou 350 horas para ser confeccionado. Então, seria uma puta responsabilidade. E nada poderia dar errado, nem mesmo as memórias que insistiam em invadir minha mente.

Eu não podia mais fazer isso. Eu tinha que ter coragem de terminar tudo, por mais difícil que fosse. Era o certo a se fazer. Talvez, um dia, quando descobrisse a verdade, Harry me perdoaria – e era nessa mínima chance que eu me agarraria até meu último suspiro.
Enquanto procurava minhas roupas espalhadas pelo chão de seu apartamento, minha mente entrava em um conflito interno e louco sobre o que eu já deveria ter feito há muito tempo. Em frente ao grande espelho na parede do closet, eu vestia minha calcinha de renda preta. Enquanto encarava no reflexo o meu semblante visivelmente abalado pelo que estava prestes a acontecer, vi um Harry ainda nu parar atrás de mim. Meus seios ainda estavam descobertos, e ele segurava meu sutiã também preto em suas mãos.
— Procurando por isso, babe? — perguntou, com aquela voz rouca que eu tanto amava, em um tom extremamente sexy.
— Sim, obrigada — minha voz era só um fio. Eu sabia que tinha que pôr um ponto final, mas a coragem de segundos atrás parecia ter sumido.
— Eu ainda acho que você fica melhor sem eles, e sem isso — ele me abraçou por trás, colocando a mão na barra da minha calcinha. — Na minha cama.
Estava cada vez mais difícil fazer o que eu tinha vindo fazer. Era só para pôr um ponto final, e cá estava eu, me vestindo depois de um sexo incrível – mas com gosto de despedida. E agora aqui estou, com mais uma lembrança que ficará gravada na minha mente e no meu coração para sempre.
Me esquivei de seus braços e me distanciei um pouco dele de cabeça baixa, deixando-o ainda mais confuso quando viu meus olhos marejados. Então, ele começou um diálogo cautelosamente:
— Amor, o que está acontecendo?
— Eu...
, você está me preocupando. O que houve? Tenho sentido você distante já faz um tempo — ele tentou chegar mais perto, mas dei um passo para trás, o que o fez parar instantaneamente.
— Harry, não dá mais, a gente não dá mais. Isso não pode mais continuar — a dificuldade que aquelas palavras tinham para sair da minha boca parecia cortar meu coração, mas eu precisava fazer aquilo.
— O que está acontecendo, ? O que eu fiz? — o tom tinha um desespero contido, mas estava ali. Talvez ele achasse que fosse mais um drama, mas esse realmente era verdadeiro.
— Nada, Harry. É isso que você ouviu.
— Como nada? Você quer terminar e sequer tem uma explicação?
— Eu não posso… — soltei, num tom quase inaudível.
— Por favor, me fala o que está sentindo. Você não confia em mim? — as lágrimas escorriam sem pudor por seu rosto, e aquilo estava me matando. Eu só queria acabar com aquilo. — Você não vê o que você significa pra mim?
— Não faz isso, por favor — supliquei.
— Eu te amo, !
— PARA! — gritei, desesperada. — Você só está dificultando as coisas. Não dá mais, isso tem que acabar! É isso, acabou.
Vesti o restante das minhas roupas, peguei minha bolsa e saí praticamente correndo. Mas, antes, olhei para trás e vi Harry parado na porta do quarto com os olhos inchados, olhando fixamente para o que eu fazia. Vê-lo despedaçado daquele jeito e sem entender nada dilacerou ainda mais meu coração.
Ele me seguiu até a porta de seu apartamento.
— Por que eu tenho a sensação de que você está indo embora? — perguntou, triste.
— Porque eu estou...
— Eu quero dizer para sempre...
Não respondi. Sabia que não conseguiria mentir para ele, então olhei em seu olhos e falei:
— Eu te amo, Harry — e entrei no elevador sem esperar por uma resposta.


Fui desperta de minhas lembranças quando Lauren, uma das organizadoras do evento, veio me chamar para ir de encontro ao restante das modelos, visto que o desfile estava prestes a começar. Dei uma última olhada no espelho, respirei fundo e resolvi que o melhor seria esquecer de tudo por algumas horas, ou pelo menos até que eu saísse da passarela.
Agradeci as pessoas que me ajudaram a me vestir e segui Lauren. Estava no backstage do desfile com as outras meninas e aquilo estava uma loucura, cheio de fotógrafos, organizadores, staffs e mais algumas pessoas importantes para que o evento acontecesse. Tinha gente pra todo lado, mas eu estava amando. Ouvimos o som dos instrumentos e sabíamos que o show ia começar.
— Todo mundo se movendo! Nos deem espaço, por favor! — uma das organizadoras pediu, afastando as pessoas que não eram Angels.
It’s show time! — eu, Alessandra Ambrósio, Laís Ribeiro e Jasmine Tookes dissemos em coro para o câmera que gravava os bastidores do evento.
Go, Candice! Let’s do this! — um delas gritou para Candice Swanepoel, que abriria o show.
— Uhuuul! — gritávamos animadas, batendo palmas.
Os staffs nos organizaram em fila para que ficássemos na ordem correta. Eu seria a última e, por estar portando a peça principal do desfile, teria que desfilar por mais tempo comparado às outras modelos.
— Preparar Candice — alguém informou pelo rádio. — Candice, vai! — o rádio informou novamente, e o staff sinalizou para que ela entrasse.
Candice entrou ainda ao som da banda de Harry, e, quando ela estava voltando na passarela, o cantor entrou, cumprimentou-a com a cabeça e começou a cantar Only Angel. As outras modelos, então, começaram a entrar no palco. Estava cada vez mais perto da minha vez, o que me deixava ainda mais nervosa.
Harry já estava cantando Kiwi, até que parou para anunciar a minha entrada, mas com a banda de fundo ainda tocando.
— Agora, por último, a estrela da noite em sua estreia na passarela do Victoria’s Secret Fashion Show. A mais nova Angel com a peça mais aguardada do evento, o Champagne Nights Fantasy Bra. Com vocês, a brasileira !

Coloque para tocar: Kiwi – Harry Styles

She worked her way through a cheap pack of cigarettes
(Ela trilhou seu caminho até um pacote barato de cigarros)
Hard liquor mixed with a bit of intellect
(Licor forte misturado com um pouco de intelecto)
And all the boys, they were saying they were into it
(E todos os garotos diziam que estavam a fim dela)
Such a pretty face on a pretty neck
(Um rosto tão bonito, em um belo pescoço)

Quando o ouvi falar meu nome, meu estômago revirou. Há muito tempo não sentia o frio na barriga que só ele me causava. Agora não tinha mais para onde correr. Quando estava prestes a entrar na passarela, recebi o aviso de última hora de Lauren, que teria que interagir com Harry durante o desfile. Assim que viu minha cara surpresa, ela apenas disse “improvise”, e não havia mais tempo para contestar. Foi algo que aconteceu em segundos, e, além do mais, eu estava sendo paga para fazer o que me mandassem e faria majestosamente.
Segui meu caminho até a passarela – eu daria tudo de mim naquela noite. Então, coloquei minha face mais sexy e ouvi o público gritar assim que me viu.

She's driving me crazy
(Ela está me deixando louco)
But I'm into it, but I'm into it
(Mas estou a fim, mas estou a fim)
I'm kinda into it
(Estou meio que na dela)
It's getting crazy
(Está ficando louco)
I think I'm losing it, I think I'm losing it
(Acho que estou fora de mim, acho que estou fora de mim)
Oh, I think she said
(Oh, acho que ela disse)

Na hora que Harry me viu, recebi um olhar surpreso. Fingi costume e sorri de volta para ele como se fôssemos velhos amigos. Olhei em direção à plateia e sorri assim que vi Nick. Mandei um beijo e acenei, que me lançou um olhar orgulhoso. Meu namorado não tinha ideia do quão difícil estava sendo aquele momento, mas eu estava fazendo meu trabalho perfeitamente, e era isso que importava naquele momento.



HARRY

Era a minha primeira vez cantando em um desfile de moda, ainda mais no Victoria’s Secret Fashion Show, que era um dos maiores do mundo. Era um privilégio, e eu estava muito animado. Estava me preparando para anunciar a última modelo que teria sua estreia naquela noite, até que recebi um aviso no ponto de ouvido que teria que interagir com ela. Para ser sincero, eu até gostei. Seria divertido.
O nome dela era . Assim que soube seu nome, minha mente instantaneamente me levou para minha – minha não, nunca foi. Ela foi embora e ainda era meu maior arrependimento em todos esses anos.
Após anunciar seu nome, voltei a cantar Kiwi, mas, dessa vez, de olhos fechados e com as duas mãos no microfone que estava apoiado no pedestal. Fui sentindo a música. A distração tinha que sumir para que minha performance ficasse perfeita. Após a primeira estrofe, abri os olhos e, então, pude perceber que o costumeiro frio na barriga que me assolava era unicamente porque era “A ” que eu conhecia, com o sobrenome diferente e muito mais linda. Mas ainda era ela. Aquele olhar e sorriso jamais sairiam da minha mente, por mais que eu tenha aprendido a odiá-los para o meu próprio bem.

I'm having your baby
(Vou ter o seu bebê)
It's none of your business
(Não é da sua conta)
I'm having your baby
(Vou ter o seu bebê)
It's none of your business
(Não é da sua conta)
It's none of your, it's none of your
(Não é da sua, não é da sua)
I'm having your baby (hey!)
(Vou ter o seu bebê (ei!))
It's none of your business (oh)
(Não é da sua conta (oh))
I'm having your baby (hey!)
(Vou ter o seu bebê (ei!))
It's none of your, it's none of your
(Não é da sua, não é da sua)

Minha cara de surpresa pareceu ser percebida por ela, que me retribuiu com um belo sorriso digno de uma Angel. Porém, havia nele um toque forçado, como se ela tivesse medo da minha reação – mas que só nós dois seríamos capazes de perceber. E, então, tudo estava de volta: aquele sentimento de dor, o coração apertado, minha cabeça tentando entender o que eu tinha feito, por quê ela havia partido, partido meu coração e partido da minha vida. Então, a lembrança do dia que ela se foi e a música que eu cantava me pareceram casar uma com a outra, e toda minha decepção e raiva foram para minha voz para que eu pudesse externar cada uma delas. “She is such an actress” – nunca essa frase fez tanto sentindo. Cantei olhando bem naquele belo par de olhos verdes, e entendeu que eu me referia a ela.

It's New York, baby, always jacked up
(É Nova York, querida, sempre ligada)
Holland Tunnel for a nose, it's always backed up
(Nariz como um túnel, sempre entupido)
When she's alone, she goes home to a cactos
(Quando ela está sozinha, ela vai para casa para um cacto)
In a black dress, she's such an actress
(Num vestido preto, ela é tão atriz)
Driving me crazy
(Me deixando louco)
But I'm into it, but I'm into it
(Mas estou a fim, mas estou a fim)
I'm kinda into it
(Estou meio que na dela)
It's getting crazy
(Está ficando louco)
I think I'm losing it, I think I'm losing it
(Acho que estou fora de mim, acho que estou fora de mim)
Oh, I think she said
(Oh, acho que ela disse)

Eu teria que interagir com ela, e o calor subia por todo meu corpo. Não tinha como fugir e nem podia dar bandeira para que alguém percebesse. Então, enquanto ela ia até o final da passarela e se demorava um pouco mais nas poses, tirei o microfone da base e segui até a metade da passarela ainda cantando. vinha em minha direção num caminhar perfeito, e, se eu não tivesse um passado para me recordar e me trazer decepções à tona, com toda certeza eu ficaria extremamente tentado e excitado por ela. Mas o teatro tinha que continuar.
Chegando ao meu encontro, aquele olhar fatal me atingiu bem de perto, e um sorriso de lado foi direcionado a mim. Ofereci minha mão e a conduzi mais um pouco à frente; girei-a no lugar, puxei-a contra meu peito e a joguei de volta. A interação pareceu demorar uma eternidade, tudo passava em câmera lenta. Quando o toque dela entrou em contato com o meu, foi como se uma avalanche me arrastasse para o passado e me trouxesse toda nossa história e nossos sentimentos de uma só vez.

She sits beside me like a silhouette
(Ela senta ao meu lado como uma silhueta)
Hard candy dripping on me 'til my feet are wet
(Uma garota proibida babando em mim até meus pés ficarem molhados)
And now she's all over me, it's like I paid for it
(E agora ela está em cima de mim, como se eu estivesse pagando por isso)
It's like I paid for it, I'm gonna pay for this
(É como se eu estivesse pagando por isso, eu vou pagar por isso)
It's none of your, it's none of your
(Não é da sua, não é da sua)

Quando me virei para voltar ao meu lugar, vi aquele rebolado que me deixou alucinado, e, de novo, meu racional me salvou e me lembrou de tudo o que sofri por conta dela. Só assim consegui voltar ao meu lugar inicial e finalizar a música. Literalmente “I'm gonna pay for this”.


❤️🩹❤️


O desfile havia acabado e todos estavam comemorando seu sucesso nos bastidores. Um dos organizadores chamou a atenção das modelos para que se juntassem para tirar a clássica foto do “Class of 2017”, que era marca registrada dos desfiles da marca. Desde então, não havia mais visto Harry – acreditava que ele havia ido embora e que não apareceria no after party, e se sentiu aliviada por isso. Não estava preparada para lidar com todos aqueles sentimentos que estavam brigando dentro de si. A garota se dirigiu até o camarim para se arrumar para a festa que aconteceria logo menos. Recebeu ajuda para remover o acessório que usara nas costas e retirar a lingerie, vulgo a joia que usou no desfile. Depois, as pessoas se retiraram do local, lhe dando privacidade. Então, ela colocou um robe preto da marca e sentou-se no sofá para relaxar um pouco antes de tomar banho.




Estava sentada no sofá do meu camarim relembrando o dia de hoje e cheguei à conclusão que não saberia descrever o que eu estava sentindo. Era um mix de emoções, todas juntas de uma vez só. Me sentia feliz e realizada pela oportunidade que me foi dada hoje, ainda mais por ter realizado meu trabalho perfeitamente, dando o melhor de mim, mesmo sob as circunstâncias. Mas, ao mesmo tempo que aquela avalanche de bons sentimentos invadia meu corpo, sentimentos como medo, culpa e ansiedade apertavam meu peito a ponto de me sufocar. Eu definitivamente precisava distrair minha mente e focar apenas nos bons momentos.
Fui interrompida de meus pensamentos por batidas na porta.
— Pode entrar!
Hey, babe! — Nick disse ao passar pela porta. Me levantei assim que o vi, nos abraçamos e demos um selinho rápido. — Estou tão orgulhoso. Você foi muito bem, amor! Era a modelo mais linda de todas.
— Muito obrigada, babe. Ja disse que te amo hoje?
— Não, também amo você! — disse ele, me abraçando. — Mas devo admitir, fiquei com uma pontinha de ciúmes do Styles — Nick brincou mas com um fundo de verdade, escondendo o rosto no meu pescoço. Ainda bem que ele não sabia do meu passado com Harry.
— Não precisa, babe. Sou única e exclusivamente sua — lhe dei um selinho e fui pegar uma cerveja no frigobar. — Quer?
— Sim, por favor!
— Estou morta de cansada e ainda tem esse after. Eu só queria minha cama.
— Eu também, mas já falando em after, você vai comigo? — Nick me abraçou por trás, passando seus braços ao redor de mim. — Preciso ir logo e ver com o pessoal como vai ser pra eu cantar lá — ele terminou com o queixo apoiado em meu ombro.
Antes mesmo de conseguir responder, Nick me virou com rapidez de frente para ele e encaixou nossos corpos, iniciando um beijo com desejo. Coloquei uma de minhas mãos em seu pescoço, trazendo-o mais para perto, e a outra, que estava segurando a cerveja, apoiei em seu ombro, causando um longo arrepio nele. Pude notar que até os pelos de sua nuca estavam eriçados. Logo tentei achar um lugar para apoiá-lo sem quebrar o beijo. Ao perceber que o trazia mais para perto de mim e intensificava ainda mais o beijo, Nick colocou a mão em minha bunda por cima do robe preto de seda que eu usava.
— Você está sem calcinha — ele disse, com o olhar cheio de desejo e luxúria.
Assenti com um sorriso safado e um olhar na mesma intensidade que ele me olhava. Tomei seus lábios mais uma vez e voltei a beijá-lo com ainda mais desejo.
Sua mão percorreu minha cintura até minha barriga e habilmente adentrou meu robe. Mas, dessa vez, ele tomou meu seio em sua mão e sorriu mais uma vez ao ver que eu também estava sem sutiã. Enquanto Nick revezava entre apertar e massagear meu seio, um gemido escapou da minha boca, entre nossos lábios. Logo os beijos desceram pelo meu pescoço, lentos e úmidos, até chegarem ao meu colo. Quando dei por conta do que ele iria fazer, joguei meu pescoço para trás, dando passe livre para que sua boca tivesse acesso aos meus seios, que foram abocanhados e chupados com vontade. Não consegui conter mais meus gemidos. Com a outra mão, ele desceu pelas curvas do meu corpo e adentrou minha intimidade, me deixando ainda mais excitada – se é que isso era possível. Sua mão apenas passeou por ali, até que ele resolveu passar os dedos com ainda mais pressão, me fazendo arfar ainda mais de desejo. Eu estava úmida quando Nick começou a me masturbar de fato e me fez gemer ainda mais alto.
Até que alguém bateu na porta e, sem esperar por uma resposta, já foi entrando e nos pegando no flagra.
— Caramba, Taylor! — fui tomada pelo susto e uma leve frustração, já que minha amiga – que também era uma das modelos do desfile –, não tinha apenas entrado sem bater, mas colocado um grande cubo de gelo no que acontecia ali.
Nick, ao levar o susto, ficou sem graça e logo limpou os lábios. Em seguida, foi para trás de mim na tentativa de esconder sua ereção.
— Oh, meu Deus, me perdoem! Não deveria ter entrado assim. Me desculpem de verdade — ela disse, visivelmente sem graça com toda a situação.
— Está tudo bem. Mas da próxima vez, vê se bate antes e espera — falei, brincando com ela.
— Com certeza! Ou você acha que eu quero ver essa cena novamente? Deus me livre — Taylor brincou também. — Mas, então, vim me despedir de vocês.
— Mas já?
Ela confirmou com a cabeça, e eu fui em sua direção para lhe dar um abraço. Nick, que ainda estava com a ereção, ficou meio desesperado, sem saber o que fazer para que Taylor não visse.
— Não se preocupe, Jonas, eu já entendi — ela disse, segurando o riso. Dei uma gargalhada.
— Há-há. Muito engraçado, ! E Taylor, fico te devendo um abraço.
— É engraçado sim! — falei, rindo.
— Mas, então, o que te traz aqui?
— Vim saber que horas vocês vão pro after. Te mandei mensagem, mas você não respondia. Agora sei o motivo.
— Há-há. Muito engraçado!
The tables have turned — Nick tirou sarro de mim.
— Nicholas, Nicholas, não brinca comigo!
— Tá vendo, Taylor, como as coisas são?
— Amiga, não sei exatamente a hora que vamos. Vou só me arrumar para sairmos — ignorei as piadinhas de Nick.
— Ah, tá bem, me avisa quando chegar lá.
— Claro!
— Tchau, gente! Vejo vocês no after, beijo — Taylor se despediu e voltou para seu camarim.


❤️🩹❤️


Ao chegar no local da festa, um grande tapete rosa – que até lembrava um Red Carpet, mas esse em específico se chamava Pink Carpet –, estava estendido da porta do carro até o banner do evento, onde as fotos de quem chegasse eram feitas. Como havia chegado num carro da própria VS, Nick desceu antes e estendeu a mão para ajudá-la a sair, e os dois seguiram até o banner com alguns flashes em sua direção. , então, posou para algumas fotos sozinha e algumas com Nick ao seu lado. Ela usava um vestido tubinho e tomara-que-caia na cor prata, de uma marca privada europeia e de alta-costura chamada Ralph & Russo. A roupa deixava seu corpo bem delineado, fazendo a garota se sentir linda e poderosa nela. As pedras prateadas faziam o vestido brilhar bastante, e, além de chamar a atenção para quem o vestia, ressaltava ainda mais o tom verde dos olhos de .
Logo após as fotos, o casal seguiu para dentro do evento, onde era proibida a entrada com celular para manter a privacidade de todos os convidados. Assim que entraram, o cheiro de álcool invadiu suas narinas, e a música alta penetrou seus ouvidos – estava tocando um remix de This Is What You Came For, de Calvin Harris e Rihanna. O ambiente era escuro, mas eles conseguiam ver alguns rostos conhecidos iluminados pelas luzes de festa que piscavam, mas não o rosto que mais temia encontrar.
Antes de irem cumprimentar os colegas, se dirigiram até o bar em busca de álcool para animar ainda mais a noite. Nick optou por um drink com tequila, enquanto ficou em um drink qualquer com vodka. O bar tinha uma vista privilegiada de grande parte da festa, e era possível ver as Angels deixarem de ser tão angelicais como eram na passarela. O casal, então, foi até onde elas se encontravam: uma espécie de área VIP bem próxima ao palco onde Nick cantaria logo menos. Ficaram ali dançando por alguns minutos, até Nick precisar se retirar, pois o show começaria em breve.
— Quer que eu vá com você? — perguntou.
— Não, amor. O show não vai demorar. Só vou cantar três músicas, depois é só o DJ. Fique aí se divertindo com suas amigas pra não ficar sozinha lá em cima.
— Tudo bem, você quem sabe. Se precisar de mim, é só me gritar — ela disse, colocando as mãos em seu rosto e lhe dando um selinho de despedida, que foi retribuído.
— Até daqui a pouco, baby — ele disse, lhe dando um abraço e se retirando.
continuou dançando e bebendo com suas colegas até a hora do show de Nick começar. Ela estava tranquila – não havia sinais de Harry naquele recinto, então pôde se soltar mais e tirar toda aquela tensão de seus ombros, principalmente quando começou a tocar Vai Malandra de Anitta. Na mesma hora, , Laís, Alessandra e Adriana deram um gritinho animado e se juntaram para dançar. Se tinha algo que fazia a garota esquecer dos problemas era dançar.
Antes da música chegar ao final, foi interrompida por uma das organizadoras anunciando o início do show de Nick, deixando bastante animada. Ela era muito fã do namorado e sentia muito orgulho dele. O show foi iniciado com Jealous, um dos hits de maior sucesso do Jonas, que cantou sem tirar os olhos da mulher. Em seguida, cantou Chainsaw, a música do clipe em que os dois se conheceram, pois ela tinha sido a musa. Na sequência, ele cantou Close, também uma das favoritas de . A garota dançava sensualmente no ritmo da música e, ao perceber um olhar por sua visão periférica, se virou para ver quem era.
Ela se surpreendeu ao enxergar um par de olhos verdes em sua direção, praticamente arrancando seu vestido com os olhos. Tentou disfarçar, mas sem sucesso. O cantor encerraria o show com Numb, canção que tinha uma letra bem significativa para o momento – e Nick nem imaginava.



HARRY

Até algumas horas atrás eu estava bem. Pelo menos era o que eu achava, até ver a mulher que fodeu meu psicológico e meu coração desfilar naquela passarela e, ainda por cima, mais bonita do que nunca. Ela agiu como se nada tivesse acontecido e como se estivéssemos em bons termos. Mas não, não estávamos de forma alguma. Tudo o que eu sentia por ela era raiva. Afinal de contas, fui ferido por sem explicação nenhuma e, desde então, não obtive mais notícias dela, apesar das inúmeras tentativas de contato por celular e até mesmo com seus pais. Ela havia sumido no dia seguinte que saiu pela porta da minha casa. Sua mãe não quis me dizer para onde ela tinha ido, disse apenas que “era melhor assim”. Mas, obviamente, aquilo já estava planejado há algum tempo, pela rapidez que ela havia ido embora. Até hoje não acreditava como pude me deixar levar por , a ponto de partir meu coração de uma forma tão brutal como ela fez.
Não vou negar que, naquele momento, também senti desejo pela mulher. Ela estava gostosa pra caralho dançando com aquele vestido. Assim que me viu a observando, nitidamente ficou sem graça. Acredito que não esperava me ver ali, afinal, eu não era de frequentar aquele tipo de festa. Quem acompanhava meu trabalho sabia o quão low profile eu era, mas eu não perderia a oportunidade de estar cara a cara com essa mulher depois de anos.
— Antes de iniciar a próxima canção, eu gostaria de aproveitar para parabenizar ma beautiful por sua estreia hoje. Babe, eu já lhe disse mais cedo no camarim, mas vou falar novamente. Estou muito orgulhoso! Love ya — Nick Jonas disse, e eu não podia acreditar no que tinha acabado de ouvir.
tinha outro, e aquilo doeu como jamais imaginei.

Coloque para tocar: Numb – Nick Jonas

This is so dumb, this is so bad
(Isso é uma bobagem, é tão ruim)
Gotta be numb to wish you like that
(Devo estar paralisado, pra te desejar tanto assim)

Lifting me up, letting me fall
(Me fortalecendo, me enfraquecendo)
Fuck with my head like it's nothing at all
(Me tira do sério como se não houvesse nada)

Ela já não dançava na mesma intensidade de antes, mas ainda dançava. Nossos olhares se encontravam em alguns momentos, pois, apesar de não conseguir tirar os olhos dela, parecia intimidada e desviava seu olhar algumas vezes. Era bom saber que eu ainda causava essa tensão nela, mas, ao mesmo tempo que eu tinha esse sentimento, também estava me sentindo um idiota. Como eu ainda me importava com isso? Como ainda podia desejá-la tanto assim? Que merda estava acontecendo comigo? Horas atrás eu sentia raiva, e agora, eu estava a desejando. Não acredito que ela estava fodendo com minha cabeça novamente.

You were my sun, you were my Earth
(Você era meu sol, você era meu mundo)
I was your best, and you were my first
(Eu era seu melhor amigo e você a minha primeira)
Breaking my heart one piece at a time
(Partindo meu coração pouco a pouco)
Well here's a piece of mind, yeah
(Há um motivo para isso, sim)

As lembranças de nosso passado, que tanto lutei para tentar esquecer, invadiram minha mente de uma forma avassaladora. Lembranças boas, mas que se tornaram ruins com a partida dela. A mulher já não parecia tão intimidada, e agora dançava despreocupada. Aparentemente, havia se recomposto após a descoberta de minha presença. Como ela conseguia agir assim?

You don't know what it is you do to me
(Você não sabe o que é capaz de fazer comigo) Yeah, you stole my heart
(Sim, você roubou meu coração)
And all I have is a hole where it used to be
(E tudo o que tenho é um buraco onde ele costumava ficar)
And the hardest part
(E a parte mais difícil)

A cada estrofe cantada por seu namorado, eu percebia o quanto a canção se encaixava perfeitamente não só com o que eu sentia há anos, mas principalmente com aquele momento. Ela sabia que eu estava dedicando a música para ela. Infelizmente, meus olhos mostravam toda minha mágoa e vulnerabilidade, mas o pior é que ela, aparentemente, estava pouco se fodendo para o que eu estava sentindo. E isso me fazia ter mais raiva dela.

Is now you've got some substitute for me
(É agora que você tem outro pra me substituir)
But he's not the one
(Mas ele não é o cara certo)
You don't know what it is you do to me
(Você não sabe o que é capaz de fazer comigo)
Yeah, you leave me numb
(Sim, você me deixa paralisado)

Yeah, you leave me numb, numb
(Sim, você me deixa paralisado, paralisado)

Losing my mind, losing control
(Perdendo a cabeça, perdendo o controle)
Swallow my pride, you swallow me whole
(Engulo o orgulho, você me devora)
Smile on my face to cover my hurt
(Sorriso no rosto para esconder minha dor)
Spent so much time, but what was that worth?
(Tempo desperdiçado, mas para quê?)

Eu havia engolido todo o meu orgulho por estar totalmente vulnerável naquele momento, mostrando meus sentimentos através daquela música estúpida, mesmo que apenas com meu olhar. Mas me conhecia bem demais para não entender, e o fato de ela não se importar – e não se sentir abalada com nada do que estava acontecendo – estava me fazendo perder a cabeça.
Por todos esses anos, coloquei um sorriso forçado no rosto, fingi estar bem e tentei esconder a dor de mim mesmo, pois, até então, eu achava que havia me esquecido dela. Até porque eu não tinha muita escolha. Mas quando a vi depois de todo esse tempo, cheguei à conclusão que a dor estava apenas adormecida em meu peito, esperando por para acordá-la.

I'm broken hard, I'm saving it all
(Estou arrasado, me poupando ao máximo)
Crossing my head, mistaken for love
(Você passa pela minha cabeça, enganado pelo amor)
Nails on my back, they don't mean a thing
(As marcas de unhas em minhas costas, elas significam nada)
They ain't yours, they ain't yours
(Pois não são suas, não são suas)

Após meses lamentando sua partida, resolvi tomar vergonha na cara e seguir em frente. Nesse meio tempo, resolvi aproveitar o que não aproveitei enquanto estive com ela. Não que algo tenha me feito falta enquanto ainda estávamos juntos, mas resolvi desfrutar da minha solteirice indo para baladas, bebendo bastante e acordando com arranhões nas costas de mulheres que, muitas vezes, eu sequer lembrava o nome na manhã seguinte. Arranhões estes que não tinham significado algum por não serem dela. Tudo isso numa tentativa frustrada e inconsciente de tentar preencher um lugar que era só dela. O lugar de .

You don't know what it is you do to me
(Você não sabe o que é capaz de fazer comigo)
Yeah, you stole my heart
(Sim, você roubou meu coração)
And all I have is a hole where it used to be
(E tudo o que tenho é um buraco onde ele costumava ficar)
And the hardest part
(e a parte mais difícil)

Is now you've got some substitute for me
(É agora que você tem outro pra me substituir)
But he's not the one
(Mas ele não é o cara certo)
You don't know what it is you do to me
(Você não sabe o que é capaz de fazer comigo)
Yeah, you leave me numb
(Sim, você me deixa paralisado)

Numb, yeah, you leave me, numb, numb
(Paralisado, é, você me deixa paralisado, paralisado)
Yeah, you leave me
(É, você me deixa)

Meus sentimentos conseguiam ir do céu ao inferno olhando para ela. Eu conseguia sentir ódio misturando-se com tesão apenas por observar rebolando com aquele vestido curto. Eu conseguia lembrar da sensação quando ela estava por cima de mim e tendo a certeza de que nunca seria substituída por mim do jeito que ela conseguiu me substituir tão bem por aquele idiota que estava no palco.
Mas que merda. Eu estava tentando a todo custo encontrar defeitos em um cara que sequer conhecia pessoalmente, só por causa dela. Que porra essa mulher tem que mexe com minha cabeça mesmo depois de tanto tempo?

You don't know what it is you do to me
(Você não sabe o que é capaz de fazer comigo)
Yeah, you stole my heart
(Sim, você roubou meu coração)
And all I have is a hole where it used to be
(E tudo o que tenho é um buraco onde ele costumava ficar)
And the hardest part
(E a parte mais difícil)

Mas a parte mais difícil não era me lembrar o quão fascinante era o sexo entre a gente. Olhar todas as noites seguidas para o lado oposto da cama e não vê-la deixava meu coração vazio. E não havia ninguém que pudesse tirar esse sentimento de mim. Talvez ela mesma teria o poder de me curar depois de ter me machucado, mas eu jamais saberia. Afinal de contas, agora o cara que acordava ao seu lado não era eu, e pensar que ele tocava cada centímetro de sua pele como eu costumava fazer me deixava extremamente enraivecido e inconformado em ter perdido aquela mulher, sem nem ao menos saber exatamente como tudo aconteceu.

Is now you've got some substitute for me
(É agora que você tem outro para me substituir)
But he's not the one
(Mas ele não é o cara certo)
You don't know what it is you do to me
(Você não sabe o que é capaz de fazer comigo)
Yeah, you leave me numb
(Sim, você me deixa paralisado)
Numb, yeah, you leave me, numb, numb
(Paralisado, sim, você me deixa paralisado, paralisado)
Yeah, you leave me numb
(É, você me deixa paralisado)


❤️🩹❤️


Após o final do show de Nick, aguardava o namorado para que curtissem o restante da festa juntos. Porém, enquanto o cantor não chegava, a tensão ficava cada vez mais elevada entre ela e Styles, que não tirava os olhos raivosos e cheios de mágoas da mulher. Harry, então, virou o restante de seu uísque, deixando o copo na mesa em que estava. Sem quebrar a troca de olhares, foi na direção dela, mas travou quando já estava relativamente próximo de , vendo Nick Jonas cumprimentando a namorada com um beijo.
Harry despertou de seus pensamentos quando Ryan Williams, um produtor musical e velho conhecido dele, o parou para cumprimentá-lo. Após alguns minutos conversando, foi surpreendido pelo namorado de – que também era amigo de Ryan –, cumprimentando-o e sendo apresentado a Styles.
Após mais algum tempo conversando sobre música, Nicholas acenou para que a namorada viesse ao seu encontro e, assim, apresentá-los formalmente.
Hey, babe — a mulher falou, tentando não transparecer a tensão que acompanhava sua voz.
— Harry, essa aqui é , minha namorada — disse Nick, colocando o braço ao redor da cintura da mulher.
Styles olhou fixamente nos olhos dela e, lhe dando um firme aperto de mão, disse:
— Eu sei. Já nos conhecemos.


Capítulo 2 – All over again

— Oh, sério? Você nunca comentou nada, baby — Nick questionou, sorrindo.
— Sim, é que nunca surgiu a oportunidade. E, de qualquer forma, faz tempo que não o vejo — sorriu amarelo.
— É, muito tempo — Harry respondeu enquanto lançava um olhar irônico para ela.
— Nossa, eu realmente não tinha ideia. Mas de onde se conhecem?
— Conta pra ele, — Harry não tirava os olhos da mulher, agora com um sorriso de canto debochado quase imperceptível, mas percebeu.
— Err… foi no… foi no começo da minha carreira de modelo. Harry estava saindo com uma das meninas, é isso — disse nervosamente.
— Quem era mesmo? Faz tanto tempo que não me lembro, acredita? — Harry dizia debochado, mas Nick parecia não perceber.
— Foram tantas assim que você nem lembra, Styles? — Nick questionou, rindo da situação.
— Você nem imagina — dessa vez, Styles olhava pra Nicholas.
— Mas e aí, quem foi, ? — Nick estava curioso.
— Eu também não lembro, faz muito tempo. Vamos, baby? Estou exausta.
— Foi um prazer, Styles. Nos vemos por aí — Nick estendeu as mãos para cumprimentar o rapaz.
— Igualmente — ele apertou a mão de Jonas. — Foi um prazer revê-la, — Harry pegou a mão dela e depositou um beijo, mantendo seus olhares fixos.
— Tchau, Harry — ela saiu de mãos dadas com o namorado.




Antes que a noite de ontem terminasse em um desastre maior, precisei intervir. Não que eu não estivesse cansada, eu estava exausta, e o rumo que aquela conversa estava tomando foi o pretexto perfeito para encerrá-la e irmos embora. Por sorte, aparentemente Nick não tinha percebido o clima pesado que havia entre mim e Harry.
No dia seguinte, Nicholas e eu acordamos ressacados. Quase não tínhamos forças para levantar, mas tomamos um café da manhã reforçado e passamos o dia na cama. Porém, infelizmente Nick tinha um compromisso durante a tarde e não pudemos dar continuidade à nossa programação, que para muitos parecia entediante, mas que, para nós que estávamos sempre trabalhando, era uma das melhores.
Naquela tarde, com fome e cansada de ficar sozinha naquele apartamento, resolvi dar uma passada na Magnolia Bakery, uma das confeitarias mais famosas de Nova York e a minha favorita. Durante o caminho, pude notar movimentações diferentes naquela rua quando olhei ao redor. É claro que eram os paparazzi. Eu já estava acostumada com eles, mas o grande número me preocupou. Algum outro famoso deveria estar por perto.
Depois da quantidade de flashes em cima de mim, que me cegaram por alguns segundos, adentrei o estabelecimento. Fui até o balcão, onde havia uma vitrine com uma infinidade de cupcakes e outros doces.
Estava no meu paraíso, até que vi o motivo dos inúmeros paparazzi na porta do lugar. Avistei Liam, que, assim que me viu, veio ao meu encontro.
, que surpresa boa! Como está? — ele veio para me dar um abraço.
— Tudo ótimo! E você, como estão as coisas? Bastante corridas nos últimos dias? — perguntei animadamente com sua presença.
Liam havia sido o único que se propôs a ouvir o meu lado da história após minha saída repentina da banda. Nenhum dos garotos me procurou mesmo após o fim da banda, mas não os culpo, não sei se eu também teria a maturidade de Liam. Durante o começo da carreira solo dele, nos encontramos nos bastidores de algum evento e tivemos a oportunidade de conversar. E com tudo o que havia acontecido, precisei desabafar com alguém que poderia entender, pois ele acompanhou tudo de perto, mesmo não sabendo de tudo. Por isso Liam que sempre foi uma das pessoas mais compreensíveis que conheço, escutou o meu lado, concordando ou não, e foi o único que manteve contato. Era bom ter um pouco daquela época que foi tão especial para mim por perto.
— Definitivamente. Estou correndo para esse álbum ficar pronto logo!
— O que acha de irmos lá para casa e conversarmos com mais privacidade, longe de todos esses paparazzi? Quer dizer, se não tiver compromisso depois daqui, obviamente.
— Claro, acho ótimo! Acabei de sair do estúdio, estava indo para o hotel e por sorte resolvi parar aqui.


❤️🩹❤️


Estávamos sentados na sala tomando vinho, quando o assunto “desfile” e consequentemente “Harry” vieram à tona.
— A propósito, mil perdões por não comparecer ao desfile. Fiquei preso no estúdio.
— Está tudo bem! Eu entendo, nossa vida nunca foi e nunca será tranquila — sorri com as boas lembranças que me invadiram a mente, da época em que eu era maquiadora da banda.
— Mas, pelo menos, naquela época eu poderia fazer e falar qualquer besteira por ser apenas um adolescente. Lembra daquela vez que…

Os últimos dias haviam sido uma correria. Os garotos estavam ficando cada vez mais famosos, e a turnê estava bombando. Hoje era dia de show – o segundo seguido, diga-se de passagem. Acabei vindo mais cedo para o local do evento, pois Kate me pediu ajuda em algo, mas acabou que nem precisou.
Arrumei meu material de trabalho na bancada do camarim e me sentei no sofá branco que havia al, até que meu celular tocou.
— Hey, como estão as coisas por aí?
— Uma correria, como sempre. Mas sinto falta das presepadas de vocês — ouvi uma voz de fundo perguntar quem era na chamada, ao que Niall respondeu: “É a .”
— Harry disse que está sentindo sua falta — assim que Niall falou isso, ouvi a voz de Harry protestar: “Ei, eu não disse isso!”.
Até que Harry tomou o celular de Niall para falar comigo:
— Desculpe pelo Niall. Ele fica inventando que eu falei as coisas e...
— Então você não sente minha falta?
— Claro que sinto! — ele disse prontamente.
— Então o Niller não estava mentindo?
— Estava!
— Harry, não estou te entendendo — falei, me divertindo com o nervosismo do garoto do outro lado da linha.
— Eu sinto sim sua falta, mas eu não falei isso para o Niall e... — ele parecia ainda mais nervoso.
— Harry, só estou zoando você. Eu entendi, não precisa se explicar — gargalhei.
— Te odeio! — ele também riu.
— Odeia nada! A propósito, vocês não deveriam estar descansando?
— Talvez... — eles falaram, meio desconfiados.
— Eu aqui morrendo de sono e vocês aí, certeza que estão jogando videogame.
— Como você sabe?
— Eu conheço vocês muito bem, mas agora preciso desligar.
— Tudo bem, até mais tarde! — Harry se despediu, depois ouvi Niall gritar: “Beijo, .”
— Até mais tarde, meninos!
Ainda faltavam algumas horas até os garotos chegarem. Como não havia mais nada para fazer, resolvi tirar um cochilo, já que havia dormido muito pouco na noite anterior.
Liam deu dois toques na porta do camarim antes de entrar e não obteve resposta. Então, abriu lentamente a porta para que desse tempo de fechá-la, caso estivesse trocando de roupa ou algo do tipo.
O cantor me encontrou deitada no sofá, dormindo. Chegou até mim na intenção de me acordar, mas teve uma ideia “melhor”, se assim posso dizer. Ao ver todo o meu material na bancada ali exposto, não pensou duas vezes em me pregar uma peça.
Alguns minutos depois, acordei com o barulho da porta abrindo bruscamente. Era Harry correndo de uma das stylist que ele estava perturbando. Ela desistiu assim que o viu entrar no camarim da maquiagem.
Quando abri os olhos, vi Liam com as mãos para trás como se escondesse algo, segurando o riso junto com Harry.
— Meu Deus, vocês já chegaram! Quanto tempo eu dormi?
— Não sei, mas pelo visto, bastante — Harry disse, segurando uma risada.
— Vocês estão estranhos. O que está rolando?
— Nada, — Liam continuava prendendo o riso.
— Eu conheço vocês, podem ir falando! A propósito, o que está escondendo aí?
— Nada, olha — ele guardou o que tinha em mãos no bolso de sua calça.
— Tá bem, eu estou sem tempo para as palhaçadas de vocês. Sentem logo ali, porque, pelo visto, já estamos atrasados.
Os garotos não conseguiram mais se segurar e caíram na gargalhada.
— Mas que porra! Meu cabelo está bagunçado, é isso? — me levantei, fui até o espelho e tive uma surpresa. — Quem fez essa merda?
— Eu não fui, acabei de chegar — Harry se justificou. — Mas você continua linda — falou, me zoando.
— PAYNE, EU VOU TE MATAR!
— HAHAHA, se ferrou Liam!
— Você também, STYLES! Vocês vão me pagar caro por isso!


— Nossa, você ainda me paga por isso, Liam!
— Ah, qual é? Foi engraçado.
— Tá bem, tá bem, foi mesmo — os dois ficaram ali, rindo e relembrando os velhos tempos. — Nossa, eu morri de vergonha aquele dia. Foi logo quando eu estava começando a me envolver com Harry — ela sorriu triste ao se lembrar daquele detalhe.
— Desculpe por isso, eu não sabia na época.
— Tudo bem, mas sei que você faria mesmo assim.
— Faria mesmo — eles riram juntos. — Mas me conta, como foi o desfile? Soube que o Harry que cantou no evento. Eu não fazia ideia que ele estaria lá...
— Nem me fale, eu descobri minutos antes. E você acredita que ele ainda quis me provocar na frente do Nick, no after party? Tive a sorte de interagir com ele — revirou os olhos, lembrando-se da raiva que sentiu naquele momento.
— Sério? Isso não parece algo que Harry faria.
— Pois acredite, aconteceu! Ele não deve ser mais o Harry que você conhece.
— Ou ele apenas está com ego ferido... Eu ficaria — ele deu de ombros com agudeza.
— Ok! Sua perspicácia me deixa irritada... — Liam riu com a frase dela.
O silêncio se instalou por alguns segundos, até quebrá-lo.
— Sabe, Liam, eu sinto muita falta daquela época, dos meninos…
— Apesar dos momentos difíceis que passamos, eu também.
— Sinto muita falta da minha amizade com o Niall.
— Vocês nunca mais entraram em contato?
— Não, mas eu entendo que ele tenha ficado do lado de Harry. Fui eu quem fui embora sem falar nada. Deveria ter ao menos me despedido dele, mas eu não conseguiria fazer o que era preciso. Não conseguiria mentir para o Niall.



HARRY

Acordei com o primeiro raio de sol vindo da grande janela com vista para Manhattan de um hotel qualquer. Não lembrava como havia ido parar ali, já que tenho um belo apartamento na Tribeca. Confuso e com uma puta ressaca, olhei para o lado e vi uma mulher dormindo. Foi assim que flashes da noite passada me atingiram em cheio. me pegando totalmente de surpresa na passarela, no after party, namorando, a bebedeira e a raiva causada por que me levou até onde eu estou agora. , , , era tudo resumido a ela, todo esse transtorno havia sido causado por ela!
Rapidamente vesti minhas roupas e, antes de ir embora, acordei Taylor Hill, a modelo com quem havia passado a noite e tido um pequeno affair um tempo atrás, quando não estava no meu melhor momento. Por pouco o nome de não escapuliu de minha boca, me fazendo quase cometer o erro que por um triz também não cometi naquela época. Avisei que precisava ir embora e, então, ela voltou a dormir.
Assim que saí do elevador, prestes a chamar um táxi, notei a presença de James, meu motorista, sentado no lobby me aguardando. Sempre que eu precisava, quando estava em Nova York, James estava lá e, assim que me viu, se pôs de pé. Provavelmente, devido à embriaguez de ontem, acabei esquecendo de dispensá-lo.
— Bom dia, senhor! — disse o motorista, que tinha lá seus cinquenta e poucos anos.
— Bom dia, James! Já disse pra parar de me chamar de senhor. Parece até que tenho 70 anos! Só Harry, por favor.
— Desculpe, é o costume.
— A propósito, não me diga que te deixei me esperando aqui. Tenho poucas lembranças de ontem.
— Não, senhor, quer dizer... Harry. Na verdade, o senhor me dispensou ontem, mas como estava bastante alcoolizado, fiquei preocupado e decidi aguardá-lo.
— James, não precisava! Sua família deve estar preocupada.
— Não tem problema, eles já estão cientes.
— Então, já que me esperou, pode me deixar em casa?
— Claro!
— E vá pra casa depois disso, por favor. E peça desculpas à sua esposa Esther e à sua filha Rose por mim.
— Tudo bem.
Me desculpando mais uma vez, me despedi dele e subi para o meu apartamento. Assim que entrei, estava tudo em silêncio. Como ainda era muito cedo, e, aparentemente, Jeffrey e Glenn que estavam hospedados aqui em casa estavam dormindo devido à festa de ontem, fui direto para o meu quarto. Tomei um demorado banho, molhando meus cabelos na tentativa de afastar aqueles pensamentos, mas sem sucesso. Ainda de toalha, abri a cortina da grande janela do meu quarto e me sentei, observando a vista.
Era incrível como ver , mesmo após tanto tempo, me desestabilizava a ponto de reviver momentos que achei que jamais viveria novamente. Me estiquei até alcançar o violão, que eu sempre deixava ali em algum lugar próximo, e comecei a dedilhar uma das canções que havia feito para ela. Eu estava revivendo um dos meus piores momentos, e a culpa era única exclusivamente dela.
Algum tempo depois, ouvi toques na porta e avisei que poderia entrar, seja lá quem fosse.
— Hey… — Jeffrey me saudou cautelosamente.
— Hey, bom dia — fui colocando o violão deitado em meu colo.
— Ouvi você dedilhando From The Dining Table, está tudo bem? Vi o que aconteceu ontem.
— Não, mas não quero conversar sobre isso. Pelo menos não agora.
— Tudo bem, é compreensível. Vim avisar que o café da manhã está na mesa.
— Vocês pediram delivery? — meu semblante confuso fez com que Jeff desse uma risada.
— Não, fomos comprar na padaria aqui perto. Não tinha quase nada na geladeira.
— Oh, entendi.
— A propósito, não sabia que existia delivery a essa hora.
— Eu também não, por isso fiquei confuso. Mas é Nova York, com certeza deve ter. Estamos na cidade que não dorme, esqueceu?
— Verdade. Mas agora se troque e venha comer conosco, estamos te esperando. E não demore, estou com fome — ele brincou.
— Tudo bem, já chego por lá.
Jeffrey, meu empresário e amigo de anos, era uma das poucas pessoas que sabiam da minha história com . Nunca fui de falar sobre minhas inspirações para as músicas que escrevia, mas não se engane achando que, com Jeff, havia sido uma exceção. Eu jamais admiti para ele – ou qualquer outra pessoa que perguntasse – que aquela música havia sido escrita para ela. Mas bastava conhecer o mínimo da nossa história que ficaria óbvio.
A verdade era que praticamente ninguém sabia do meu relacionamento com ela. Quando namoramos, era anônima. Por isso a Modest, que não aprovava muito o relacionamento, pediu que mantivéssemos sigilo, e foi isso que fizemos. Apenas algumas fãs “sabiam” de nós, e eu não fazia ideia de como. Elas criavam umas teorias bem assertivas; outras, nem tanto. Sabiam de umas informações que nunca foram divulgadas – o que me chocava um pouco –, mas nunca tiveram confirmações. Então, para elas, não passavam de teorias conspiratórias.
A noite de ontem só me fez perceber o quanto ainda mexia comigo, o quanto meus sentimentos por ela não haviam mudado tanto assim. Eu ainda a amava. Isso era nítido, e eu nunca admitiria em voz alta. Mas, infelizmente, o sentimento pouco nobre da raiva rondava meu coração. Por mais raiva que sentisse dela, eu queria ter a oportunidade de ao menos entender o motivo de sua partida tão repentina. Eu tinha esse direito, não tinha? Mas não sei se seria uma boa ideia, talvez só piorasse as coisas. Mas será que ela ainda sentia algo por mim? Ou tudo o que aconteceu ontem não passou de um awkward moment com o ex como qualquer outro, no qual ficava aquele clima estranho? Parando para pensar, eu não saberia dizer ao certo. era modelo, mas também uma ótima atriz quando era preciso.


Continua...



Nota da autora: Oie gente! Espero que não tenham pulado o aviso no início, se pulou volta lá que é importante :)
Para as leitoras de BM, esse capítulo tá praticamente igual ao outro, mas prometo que a partir do segundo já vem muita novidade por aí. Assim que esse entrar, já vou mandar o 2 para vocês não ficarem tão ansiosas.
Para as nova leitoras, espero que tenham gostado do primeiro capítulo e quero MUITO que me contem o que estão achando de Bruises nos comentários.
Xeruuuu😘😘😘



Outras Fanfics:
Please Don't Leave [Niall Horan - Em Andamento]


CAIXINHA DE COMENTÁRIOS: Se o Disqus não aparecer, deixe a autora feliz com um comentário clicando AQUI.

Qualquer erro nessa fanfic ou reclamações, somente no e-mail.


comments powered by Disqus