Contador:
Finalizada em: 04/01/2021

Capítulo Único

Música tema da fanfic: Stay With Me - Jay Park (Aqui)


estava deitada de bruços na cama de , adormecida, enquanto ele havia acabado de acordar e preparar um café. Aquilo não era algo que ele habitualmente fazia, principalmente para uma mulher. Então, ainda que ele não levasse café na cama para a mulher, ela poderia se sentir lisonjeada por ele ter feito alguma coisa. Não só preparou o café, como pediu que buscassem o sanduíche que ela gostava do Subway.
Depois de deixar a mesa da cozinha posta, se encaminhou ao quarto e viu o corpo nu e descoberto de . Parado à porta, ele ficou admirando-a e não acreditava que aquela era sua realidade de algum tempo. Desde que assumiram seus sentimentos um ao outro, nada mudou, apenas as idas a casa um do outro que estavam menos formais. Um já tinha a liberdade de ter a chave da casa do outro. Mas, não era um namoro oficializado. se recusava a fazer um pedido oficial, ou formalizar aquilo como todos fazem por pura certeza de que, aquilo não era necessário e de que não se importava. Oras, se até Akemi os convidou para serem madrinha e padrinho de Hyuna, sua filha com Gray, juntos, e eles haviam concordado… Que necessidade havia num pedido formal?
O suspiro de denunciava que ela iria acordar, desencostou-se da porta, e com um sorrisinho maldoso se colocou a engatinhar na cama, tateando devagar pelo corpo de . Passou as mãos em suas pernas grossas, apertou a bunda da mulher e deixou beijos lentos pelas costas dela. se pronunciou animada e já excitada.

— Se começou vai terminar…
— Com prazer… – ele respondeu chupando a orelha dela.

sentou-se nas coxas nuas de e começou a massagear suas costas, sentindo que não conseguiria por muito tempo, já que o leve roçar de seu pênis na bunda dela, já estava o excitando.

— Vou viajar.

falou de repente, parou de apertar o corpo da mulher, e a observou com o cenho franzido. Que história era aquela agora?
Ela abriu os olhos e de relance virou cabeça e um pouco do corpo para o encarar.

— Continua.
— Viajar para onde? Assim do nada?

Ele perguntou ainda parado. então movimentou-se para ficar de frente para ele, e saiu de cima dela sentando-se ao lado dela na cama. sentou no colo de de repente, e ele não conseguiu segurar o riso, adorava sentir a nudez dela sobre o corpo dele. o deu um beijo de bom dia, e antes que ele aprofundasse mais o beijo, ela o respondeu:

— Vou para a Europa.

Pronto. Foi o suficiente para ficar com a pulga atrás da orelha. Ele bufou e a olhou desconfiado. esperava aquela reação.

— Já te falei que você fica com uma cara de perigo gostoso quando aperta ainda mais seus olhinhos desse jeito e não sorri? – ela provocou.
— Que porra é essa de Europa agora !?
— Eu só quero viajar, e vou aproveitar a maré de boas entradas financeiras na Insanity.
— Não estou falando disso, estou perguntando de onde veio essa ideia do nada!
— Não é do nada! Já estava planejando há algum tempo…

tirou o corpo de de cima de si, e levantou-se indo em direção à sala. Ela gargalhou e vestiu um roupão de seda antes de ir até ele. Chegando lá, estava em seu barzinho, servindo uma dose de uísque. o encarou e riu imaginando a razão daquilo.

— Ji Sub me convida há tanto tempo para ir à Londres e eu nunca vou! Achei que…
— Sério !?

a interrompeu zangado e ela foi até ele tirando o uísque de sua mão.

— Muito cedo pra ferrar mais, o seu fodido fígado.
— Já empatou a foda lá dentro, não empata o álcool! – ele brigou e pegou o copo de volta.
— Está me chamando mesmo, de empata foda, ?
— Posso saber que merda de ideia é essa, ir até o Ji Sub do nada!?
— Ele é um amigo , fez e faz muito por mim! E depois, você não tem uma viagem para lá com o Loco em breve!? Podemos nos encontrar por lá!
— Puta que pariu ! Eu odeio esse cara! Eu odeio lembrar que você deu uma chance para ele por minha culpa! Eu odeio que você usou o vestido que eu adoro, pra sair com aquele filho da mãe! Eu odeio que…
— Espera! Como você sabe?
— Eu te segui.

respondeu óbvio e indiferente indo até a sacada da sua cobertura. não sabia daquilo, mas gostou de ouvir. Ela seguiu , pronta a fazer ele dizer o que ela queria desde o dia que os dois confessaram seus sentimentos um ao outro.

— Não acredito que você fez isso!
— Eu tenho feito muita coisa que não faria por sua causa, !
— Ah é? Tipo?

Ela sorriu divertida e provocante a surgir ao lado dele escorada na grade da sacada, de costas à rua.

— Tipo o café da manhã!
— Não brinca!?

gargalhou achando fofa a cena, e odiou aquilo ainda mais bebendo o último gole do uísque e se virando para sair, até ela o puxar.

— Está com medo de eu te trocar pelo Sub?
— Não é medo, mas do lado dele você não vai ter que lidar com um temperamental como eu. Sem falar que todo tempo que eu tive você do meu lado, não foi nada fácil, eu não percebi seus esforços, não valorizei você, só me afundei mais.
— E mesmo assim eu troquei Ji Sub, por você.
— Você é doida né

riu e também.

, na boa… O que, o surto de agora, realmente tem a ver?
— Como eu posso lidar com o fato de que você não é minha propriedade? Eu não sei como reagir, não estou acostumado com isso.
— Com o amor? – ela perguntou se aproximando dele devagar, e ele apenas a encarava com olhos apertados.
— Com isso tudo.
— Se você tivesse certeza sobre nós, eu acho que isso facilitaria. Já são oito meses juntos, entre todas as confusões, e eu ainda não sou sua?
— Eu tenho certeza sobre o que sinto, mas e você? Como vou saber que vai ficar comigo!? Que vai ser melhor ter você comigo, ao invés de te deixar livre? Eu não sei lidar com essa merda, na minha cabeça a gente é um casal. Já somos até padrinhos de um bebê! Eu já fui buscar seu cachorro na casa do seu ex com você! Mas…
— Mas você ainda não pediu formalmente.
— Se eu fizer isso, é assim que funciona? Você não vai viajar? Não vai me deixar? Vai ficar comigo por cem anos?
— Eu não posso dizer nada disso, mas se eu aceitar ficar com você, você tem a minha palavra. E a minha palavra é lei, . Mas e você? Eu posso contar que vai ficar comigo 365 dias? Ou tempo o bastante para gente fazer nosso próprio bebê um dia?
— Espera… – observou a expressão divertida de secando conta de algo: — Você não vai viajar porra nenhuma, não é?

começou a gargalhar. suspirou pesadamente e cruzou os braços reclamando:

— Vai à merda, ! Você fez isso só para me ouvir implorar?
— Você não vai mesmo oficializar?
— Eu espero que você fique comigo. Pra sempre.
— Isso já é o seu pedido?
— Eu fiz o café da manhã, e prevendo que ia estar uma merda mandei comprar seu subway favorito pra você ter o melhor café da sua vida!
— Isso é mesmo tudo?
— Nesse momento, é.
Hm… Você nem ia dizer essas coisas todas se eu não dissesse que vou ver o Ji Sub!
— Eu só acho que não tem necessidade de armar uma cena para uma parada que a gente já vive.
— Então eu vou tomar café, você vai trabalhar e eu vou visitar meu amigo, e quando eu voltar você me mostra se faz melhor do que isso de “fiz um café ruim e comprei um sanduíche”... remendou a voz dele de modo zombeteiro e riu em seguida.
— Eu faço melhor agora! – puxou num beijo, desatou o nó do roupão dela deixando-a nua em sua varanda, e arrastando a mulher pra sala.

Os dois se jogaram no sofá, extremamente desejosos um do outro, e puxou firme os cabelos de beijando com vontade seu pescoço. Abriu as pernas da mulher prendendo-as em sua cintura, deixou que fizesse todas as coisas que ela gostava, e depois de sentir as mãos dele em sua intimidade, ela começou a gemer e pedir por mais.
não só estava ansioso para fazer gritar e gemer alto, como também estava com ciúmes de imaginar que ela iria viajar só para provocar ele. Confiava que ela não faria nada com Ji Sub, mas temia que o cara ainda tentasse. Chupando o pescoço de com vontade e sabendo que deixaria marcas ali, e seria escorraçado por aquilo, já que ela não gostava, gemeu ao sentir a mão dela lhe apalpando.

— Mete logo, que eu quero tomar café, gostoso.
— Como queira.
— Ainda me acha empata foda, seu vadio?
— Eu te acho é gostosa!

penetrou-a rapidamente e embora quisesse que fosse tudo uma rapidinha, não conseguiu, e nem ela. Os dois ficaram se beijando sem parar, mesmo depois do primeiro orgasmo abraçados no sofá. Depois tomaram banho, e quando estavam secando os cabelos, trouxe uma caneca de café para ela, que gargalhou e fez cara de nojo logo após beber.

— Que merda! Isso está horroroso! Ainda bem que você não é meu namorado, assim não vou precisar terminar por sua falta de habilidade em passar um café de máquina.
— Eu não tenho que saber, eu não bebo café. E eu avisei que poderia estar uma droga. Já coloquei seu sanduíche no microondas, porque a omelete que fiz ficou doce. Troquei o sal por açúcar.
Hey… se aproximou do homem emburrado de braços cruzados na porta: — Valeu o seu esforço.
— Vai ficar aqui em casa?
— Relaxa , eu não vou viajar, foi só pilha pra deixar você com raiva. Sexo com raiva é meu favorito.
— Eu não perguntei isso.
— Ih… Ainda está com raiva porque te fiz falar o que você geralmente não diz?
— Eu vou gravar o MV de Stay With Me, essa manhã, se você não ficar aqui hoje, pelo menos volte no fim do dia.

saiu para se arrumar, e ficou muito intrigada por ele ainda ter manifestado aquele humor. Foi só uma brincadeira, mas o semblante preocupado dele não mudou. Então, ela decidiu apenas deixar ele mais na dele. Se arrumaram, saíram juntos, cada um para seu trabalho. E como ele pediu, no final do dia, ela voltou para a casa dele.

quer alguma coisa Pietro… Ele sabe que eu não volto pra casa todo dia a noite e essa semana, já fiz isso duas vezes para dormir na casa dele.
— Relaxa , eu dou conta. Depois, você nem está apertada com o trabalho.
— Exatamente, por isso estou indo. Toma conta de tudo, qualquer coisa liga!
— Eu não vou ligar, vai tranquila.

Ela beijou seu funcionário no rosto, desceu as escadas e quando chegou no estacionamento encontrou Jackson Wang e Lumiya aos beijos no capô do carro dele. Sorriu disfarçando, e entrou em seu automóvel antes que a vissem. Deu partida e dirigiu para a sua casa a fim de ver seu cachorrinho, antes de passar no . Seu pensamento na mesma hora foi à lembrança do dia em que ele foi buscar o cãozinho com ela.

Flashback


— E por que só agora o Jackson quer devolver o cachorro?
— Porque ele disse que não precisa de mais nada que o faça lembrar de mim.
— Porra, mas o cachorro não é um souvenir!
— Exatamente por isso eu te pedi para vir comigo na mesma hora! Meu carro está na oficina em revisão, e eu não quero deixar o Gold lá! Não sei o que houve! Quando Jackson pediu para ficar com o Gold, que nós criamos e adotamos juntos, eu achei que era pelo cachorro.
— E ele cuida desse cachorro direito?
— Disso não posso reclamar, Gold é o Golden Retriever mais bem cuidado que conheço.

murmurou contrariado, estava morrendo de raiva por Jackson querer devolver o cachorro para como se não fosse nada. Chegaram à entrada da mansão e desceu do carro pedindo ao para ficar.

— Onde você vai? – ela perguntou ao ouvir a porta batendo e se aproximando dela.
— Viemos buscar o Gold! – ele respondeu para a câmera de campainha do portão que já denunciava que alguém os atendia.

O portão abriu e os dois entraram. reclamando, de peito estufado. Até Bambam aparecer com óculos escuros e um sorriso largo.

— O tal !
— E aí, Bambam cadê o Jackson? – perguntou ignorando o comentário sobre sua companhia.
— Te esperando à vontade na piscina, como em seus velhos tempos.

encarou Bambam, com aquele sorriso cínico em seu rosto, e quase foi para cima do capanga de Jackson se não fosse a puxar ele pela casa.

— Puta que pariu , eles já são doidos pra te esfolar, não inventa! – reclamou ela no caminho.
— Eu vou é esfolar eles se ficarem fazendo esse tipo de piadinha.
— Para com isso, e se comporte!

Jackson os notou na área da piscina, e saiu da água em um pulo. o encarou e foi encarado de volta.

— Cadê o meu cachorro Wang!?
— Ei , calma! Eu achei que você ia ficar puta mesmo, mas eu não posso ter dois cães a mais na casa, Lumiya está trazendo o cachorro dela, e você sabe como o Gold é temperamental.
— Isso não justifica nada.
— Ah , qual é! Você sabe que sempre lidou melhor com os bichos temperamentais do que eu… Até com homenzinhos problemáticos você lida melhor… – zombou Jackson encarando e rindo.
— Vai logo buscar o Gold, Jackson! Nada do que você disser tem justificativa, não tivesse ficado com ele então se iria o abandonar!
— Não estou abandonando! Estou dando ele para mãe cuidar, Gold é filho de pais separados.

Nem a brincadeira de Jackson fizera com que ou suavizassem suas expressões. Depois de entregue o cachorro, dirigiu ao veterinário para que dessem uma olhada em Gold, e nunca mais ficou sem cuidar do animalzinho junto com . Acabou se apegando ao cão, tanto quanto à dona.

Fim do Flashback.


Assim que entrou em casa, não foi recebida pelo cachorro em seu apartamento. Estranhou, e então o procurou, mas o cão havia sumido. Então ela telefonou para .

, cadê o Gold? Você buscou ele?
— Sim, ele está aqui em casa te esperando!
— Essa foi a sua maneira de garantir que eu iria até aí?
— Na verdade não, mas pode ser agora.
— Porra , me avisa quando pegar ele!
— Desculpa, gostosa, eu esqueci porque estou muito ocupado. Vem logo, estamos esperando.

Ele respondeu e desligou a chamada sem mais despedidas. O que estava se passando na cabeça de ? extremamente fula da vida, seguiu rumo à cobertura de , e logo que chegou ao condomínio, entrou com o carro para o estacionamento privativo da cobertura e subiu. Assim que abriu a porta do hall de entrada, Gold veio correndo até ela. Estava vestido com um smoking fofo, e ela na mesma hora sorriu e abaixou-se para acariciar o animal.

— Gold! Quem te deixou lindão assim!? Cadê o ?

O cachorrinho como se soubesse do que ela dizia, disparou em corrida para o estúdio de gravação de . também foi até lá e encontrou um , lindo, bem vestido e sentado a um banquinho com o microfone aberto. Ela se posicionou no vidro ao observar ele, e Gold entrou pela portinha aberta da sala e começou então a cantar os versos de Stay With Me para ela. Gold deitado ao lado dele de olhos fechados parecia apreciar a música, e tinha um sorriso bobo no rosto. Observando ele cantar uma música que dizia tanto, e que para ela soava como um pedido oficial do que ela já estava vivendo há algum tempo com ele.
se aproximou entrando também na salinha, e quando se aproximou de e ele a colocou sentada em uma perna sua, ainda cantando com todo carinho para ela, a mulher não pôde deixar de lembrar da primeira vez que ela e transaram. Há muito tempo atrás, e que os deixou totalmente aterrorizados com o sentimento de amor que nem sabiam que teriam um pelo outro, mas que naquela transa que era para ser só um casual, já se fazia presente. Os olhos dela marejaram, sentia que estava tudo certo, mesmo quando tudo parecia errado. podia dizer sentir o mesmo, era seu Akai Ito. Ele sentia. E abraçados eles sentiam o calor do corpo um do outro, com seus corações ardendo de amor e conforto. terminou de cantar, e enxugou a lágrima emocionada dela.


— Espera.

Ele pediu e bateu na sua própria perna chamando Gold que apoiou as patinhas, e arfava com a língua para fora. retirou um saquinho amarrado na coleira dele e entregou para .

— Abre aí, te comprei um doce.

Sorriu e a mulher o encarou desconfiada. Enquanto ela abria, com a mão livre, que não segurava a cintura dela, acariciava Gold. puxou uma caixinha de dentro e abriu-a, sem acreditar.

— Que isso? – olhou para as alianças e perguntou ao , tentando disfarçar a própria emoção: — O Ji Sub cansou de me esperar e já mandou as alianças?

que sorria, fechou a cara e revirou os olhos e sarcástico zombou:

— É, o tiozinho mandou as alianças sim…

gargalhou e sorriu contagiado pelo riso dela, afirmando o que ela queria ouvir:

— Mas eu espero que você fique comigo.

sorriu e beijou com todo o amor que tinha por ele.

— Claro que eu fico, afinal, não faz muito tempo você disse que queria fazer um bebê comigo...
— Olha, fazer um bebê é só um código, a gente pode esperar né…
— Não senhor… – ela sussurrou ao ouvido dele: — Eu quero agora!

se levantou puxando pela mão, e ele seguindo a mulher, foi para fora do estúdio dando a ordem para Gold:

— Vigie a casa enquanto mamãe e papai fabricam um irmão humano pra você, Gold.

gargalhou sendo agarrada por até o quarto. E o cachorro parecia entender, não saiu do estúdio e nem chegou perto do quarto. Assim e pareciam finalmente oficializar aquele relacionamento solto que tinham, e que desde alguns meses juntos verdadeiramente, ainda não havia sido declarado: namorados, fixos, permanentes.



Script feito pela pupila Ells.



FIM



Nota da autora: Achei que esse casal merecia mais uma fic curtinha, mostrando o momento em que o relacionamento ficou oficial entre eles. Entre as fics do especial, temos os crossovers das outras fics de Jay que tenho no site. Se tu não leste antes as histórias passadas, não perde tempo: All I Wanna Do, MV Drive, MV Me Like Yuh, MV You Know. Dentro deste Especial há a saga desse casal, a saga Jay Park onde vocês podem ler exatamente nessa ordem a seguir toda história que trouxe esse casal até aqui: Replay, I don't Disappoint, Feature, Limousine, Alone Tonight, e por fim esta. Espero que gostem dessa também! Deixem comentários, por favor, e até a próxima! 😍





Outras Fanfics: todos links se encontram na página de autora acima.
Fanfics deste especial: Run It, Ensaio Sobre Ela, Castelo De Cartas, Teoria da Branca de Neve, Oasis, a saga Jay Park (Replay, I Don't Dissapoint, Feature, Limousine, Alone Tonight e I Hope You Stay With Me).


Qualquer erro no layout dessa fanfic, notifique-me somente por e-mail.


comments powered by Disqus