Contador:
Última atualização: 30/10/2021

Capítulo 1


Aeroportos eram conhecidos pelo frio dos corredores, pela correria, malas indo e voltando, despedidas, reencontros, lágrimas, medos e solidão. Nesses últimos anos, eles se tornaram comuns para mim. Foram em diversas conexões que conseguia falar com minha família e matar a saudade que sentia de casa, dos abraços da minha mãe, da alegria do meu cachorro ao me ver e até das intermináveis brigas com meu irmão. Eram naqueles momentos que eu percebia o quanto era bom estar com as pessoas que amamos. Sentada naquela poltrona, presenciei várias representações sobre os sentimentos que estava pensando. Ao ver uma mãe correr até seu filho que voltava de um intercâmbio, lágrimas desciam pelo rosto daquela mulher e, levada à emoção, meus olhos lacrimejaram.
Quando criança, achava que ser famosa era a profissão mais incrível que podia existir. Ser reconhecida pelo seu trabalho, ser amada por tantas pessoas e ver olhos brilhando ao receber um abraço era incrível. Mas não sabia que haveria um preço a se pagar e o valor era a minha saúde mental.
Sempre sonhei com o momento que me tornaria uma artista. Sempre gravava vídeos no quintal da minha casa em São Paulo. Todos os dias, ensaiava o meu discurso para quando fosse à uma premiação e, se alguém me contasse que todos os meus sonhos iriam se realizar, eu não acreditaria.
Quando fui chamada para a seleção de “Violetta”, uma série da Disney, nem acreditei que meu sonho estava prestes a se realizar. Embarquei para Buenos Aires tendo certeza que não voltaria. Minha mãe nunca aceitou a minha profissão e não permitiria que sua filha de quinze anos saísse debaixo de suas asas para morar com o seu pai em outro país. Ela sempre quis me manter longe da pessoa que mais odiava e, assim, acabava esquecendo dos meus sonhos. Ao contrário, meu pai nunca duvidou do meu talento e isso não o impediu de me inscrever naquela audição.
No dia da audição, cantei lindamente e conquistei meu espaço no mundo. Sempre fui conhecida pela minha delicadeza e simpatia, sempre tratava meus fãs com muito amor e carinho. Porém, com o passar dos anos, aquela rotina monótona foi deixando todos os integrantes desgastados. Foram anos de trabalho árduo. Nunca achei que meu sonho iria se tornar um pesadelo: dias sem dormir, turnês intermináveis, brigas, choros e, principalmente, a solidão. Para todos, o elenco era conhecido pela amizade, cumplicidade e união. Mas, no decorrer dos anos, começamos a nos estranhar e não aguentávamos as diferenças um do outro. Assim começaram as mentiras e as falsidades. Todos os dias, nos bastidores, brigávamos pelas coisas mais fúteis e sabíamos que não duraríamos muito tempo.
Na última temporada, desenvolvi uma depressão que tirou toda a minha alegria. Já não conseguia passar emoção nas minhas falas, não tinha mais vontade de cantar e, por ser a protagonista, os produtores me cobravam muito. Eu não poderia falhar, tinha que ser exemplo para dezenas de crianças e adolescentes.
O meu primeiro erro foi aos dezesseis anos quando fiz uma tatuagem no pulso direito com a frase que sempre me acompanhou: “All you need is love.” (Tudo o que necessita é amor). Assim que divulguei em meu Instagram, os produtores da série me ligaram e me criticaram. Eu já imaginava o bombeamento que levaria, porque a filosofia deles era exibir jovens “perfeitos” e prontos para listarem “as coisas boas da vida”. Para não ser desligada da série, tive que apagar a foto e comunicar meus fãs que aquilo era somente uma brincadeira. Em todas as gravações, eu tinha que parar para retocar a maquiagem que cobria a tattoo. Meus colegas de trabalho já estavam cansados das interrupções e isso foi causando desconforto. Para eles, eu tinha privilégios por ser a principal e, então, começaram a se afastar. Os únicos que sempre me entenderam foram e , que se tornaram meus melhores amigos e estamos juntos até o momento.
Fui desperta dos meus pensamentos por diversas crianças ao meu redor com celulares pedindo fotos. Achei que estava com meu melhor disfarce e tinha falhado. Não estava nos meus melhores dias, e ter que fingir estar bem era um saco. Tirei fotos, abracei, fui simpática e reparei que tinha uma menina ao meu lado me olhando e conversando com sua amiga. Me aproximei achando que ela queria um abraço e acabei ouvindo o que elas estavam falando.
— Deve ser frustrante para ela ver seus colegas de elenco em outros trabalhos e ela que era a principal jogada de escanteio.
Esse sempre foi meu medo, ser reconhecida para sempre como a menina que fez a tal personagem. Agora entendo como diversas atrizes como Miley, Selena e Demi se sentiam. Eu juro que tentei trazer conteúdo aos meus fãs e colocar na cabeça deles que meu nome era .
Entrei em contato com diversas gravadoras e nenhuma estava interessada no meu trabalho. Isso foi me deixando mal. Todos os integrantes já estavam com contratos assinados, participando de programas de TV e eu sempre me perguntava o que havia de errado comigo. E, automaticamente, meus pensamentos foram transferidos para o último show da turnê de despedida do elenco, que também pode ser chamado de: o pior dia da minha vida.


1º de novembro de 2015. Nice, França.

“— Mãe, acabamos de chegar no hotel. Vou fazer o check-in e já te retorno, pode ser?
Minha mãe não parava de tagarelar, dizendo que faltava pouco para nos vermos e eu mal sabia como contar que ainda ficaria mais um ano em Buenos Aires para ver se receberia alguma proposta. Ela estava tão animada com a minha volta que eu não queria decepcioná-la.
— Dona Sílvia, a senhora é muito desconfiada. Eu não estou te escondendo nada, realmente preciso desligar. Juro que te ligo assim que tirar um cochilo, eu não dormi nada no voo. Também te amo. Tchau.
Minha mãe conseguia me decifrar como ninguém. Sabia quando as coisas não estavam bem ou quando eu inventava de mentir. Sempre achei que ela tinha uma bola de cristal em casa, mas, depois, entendi que era intuição de mãe. Sempre foi muito cuidadosa com os filhos e, por isso, não aceitou o fato de eu ir morar em outro país conhecer outras pessoas e, principalmente, compartilhar momentos com meu pai. Ela nunca aceitou a minha aproximação com ele. Sempre dizia que estava a traindo. Mas eu não tinha culpa de amar meu pai, mesmo que os dois não estivessem juntos. Depois de muita insistência, ela me deixou voar e, hoje, diz que agradece ao meu pai por ter aberto seus olhos.
Ouvi batidas desesperadas no meu quarto e acabei tomando um susto. Corri e do outro lado estava , ofegante. Parecia que tinha corrido uma maratona.
— Menina, o que aconteceu? Por que está tão ofegante? — ela me olhava com pena. Seus olhos já estavam marejados quando me abraçou. — , você está me assustando!
Ela entrou no meu quarto e pediu para escutar tudo que tinha a dizer, para me acalmar e que tudo iria melhorar. Reforçou que eu era forte, mas, na altura do momento, eu já estava nervosa demais e com uma sensação ruim no meu coração. Aos poucos, ela foi recuperando o fôlego e começou a falar:
, você chegou a abrir seu Instagram nos últimos quarenta minutos?
— Claro que não, , estou sem carga. Assim que falei com a minha mãe, ele descarregou e fiquei com preguiça. Mas o que aconteceu para a senhora vir correndo desse jeito e com essas palavras? Parece que alguém morreu.
, é difícil falar isso... Mas o foi visto aos beijos com a Danielle no
Maison de la Truffe.
Minha cabeça começou a doer. Minha respiração começou a ficar pesada e já não estava mais segurando o choro.
— Fica calma, pelo amor de Deus. Eu achava que você já sabia, por isso vim correndo pra te ver.
, por favor, me deixa ver essa maldita foto!!! Eu não acredito que esse filho da puta fez isso comigo. Três anos juntos, TRÊS ANOS!
abriu o Instagram e a foto estava em todos os perfis de fofoca. Eu só reparei nos olhares apaixonados e na forma que ele a olhava, como se tivesse conquistando o seu amor de anos.
— Você está vendo essas trocas de olhares? Ele sempre disse que eu era louca de imaginar coisas entre os dois. As minhas crises de ciúmes não eram em vão. Eu não estava maluca coisa nenhuma.
Naquele momento, o celular de tocou e vi no visor o nome de . Ela atendeu e fui colocar o meu para carregar. Eu já imaginaria como estaria minhas redes sociais: milhares de mensagens, menções no Twitter, comentários em minhas fotos, ligações de todos os meus amigos. Quando decidi me entregar para , ele prometeu que nunca me magoaria e que, quando as coisas começassem a esfriar, iríamos sentar e tentar resolver a situação. Mas, pelo jeito, ele decidiu continuar a relação e engatar um novo romance escondido.
me avisou que teria que sair para resolver algumas coisas e pediu para que eu ficasse bem; me abraçou e saiu olhando para trás.
O aparelho que estava em minhas mãos já tinha dado sinal de vida e as notificações não paravam de chegar. Tinha ligações da minha família e várias perdidas de . A última coisa que eu queria era ouvir a voz dele.
Resolvi não responder ninguém e insisti em abrir o Twitter, mesmo sabendo que meu nome deveria estar nos assuntos mais falados do momento. Li alguns tweets que foram como facadas em meu coração. Mas o que me chamou a atenção foi a matéria de uma revista local da Argentina contando com todos os detalhes sobre o envolvimento deles. Parecia que eu gostava de me machucar. Poderia deixar passar, mas já era tarde e minha curiosidade foi maior.

BOMBA: O que levou a trocar por Danielle Comello?
TUDO AQUI NA SUA CENTRAL DE NOTÍCIAS

'Durante alguns meses, pudemos ver o distanciamento de e . Eles não estavam tão conectados nos stories como antes, e havia pouco envolvimento em praticamente todas as redes sociais. O casal queridinho da América do Sul estava se desfazendo aos poucos. A certeza veio com a foto bombástica de e Danielle, companheira de elenco de , aos beijos hoje em um dos restaurantes mais influentes da França. Os olhares apaixonados desse quase novo casal eram
mui calientes e parecia que estavam se curtindo muito.
Quem não deve estar curtindo muito é , que, para quem não sabe, protagonizou várias brigas com Danielle nos bastidores pelo seu ciúme excessivo e já foi ameaçada de ser desligada das gravações. Parece que a princesinha ciumenta de Buenos Aires estava certa.
Nosso público tem várias perguntas: há quanto tempo eles estão juntos? Como se sente sendo trocada pela sua maior inimiga? Já tentaram imaginar como estará o clima hoje nos bastidores do último show? Pegando fogo!
A coluna tentou contato com as assessorias de ambas as partes e não houve respostas.’


Minha vontade era de tacar o celular na parede, gritar e arrancar meus cabelos. Não me conformava com isso. Por que ele não acabou com a droga desse relacionamento já que não estava feliz? Não imaginei passar por algo parecido, e ador era forte. Liguei para minha mãe para avisar que tudo estava bem e resolvi dormir. Dali a algumas horas, teria que encarar uma arena lotada de fãs.”



•••


O anúncio de um voo me tirou dos meus pensamentos. Ainda estava focada na conversa daquelas meninas. Não sei se algum dia eu estaria liberta daquele pesadelo. Já fazia meses que tentava me recuperar daquele mal e, ver que ainda não tinha superado, me machucava muito.
— Amiga, eu até entendo ela — a menina ruiva começou a falar. — Não deve ser nada fácil encarar uma situação dessa. Ela foi traída pelo namorado no dia mais importante de sua vida. Era um encerramento de um ciclo e o babaca faz isso? A gente só vai entender quando passarmos por algo parecido, e não cabe a nós julgar.
Lembro como se fosse hoje da pressão para entrar naquele show. Recebi ligações da imprensa a todo momento querendo marcar entrevistas. Directs de milhares de fãs pedindo para eu não desistir da música; outros com palavras baixas desejando o meu sofrimento.


•••


“Seja forte, respire, você consegue...
Essas eram as palavras que estavam na minha cabeça durante todo o caminho para o show. Entrei pela porta dos fundos para não ser reconhecida e dei de cara com Danielle com um sorrisinho cínico nos lábios, esperando que eu falasse alguma coisa. Simplesmente virei a cara e passei reto. O que mais odiava eram os olhares de pena para mim. Não precisava disso.
A todo momento, eu estava tentando ser forte e não borrar a maquiagem. Recebi a opção de não fazer o show, mas recusei. Isso daria mais repercussão e eu não queria. Engoli e entrei no palco como se nada tivesse acontecido comigo. Aliás, ali não era eu, e sim a Violetta.
A música de encerramento era a abertura da série, mas a produção fez diferente: me deixou que eu cantasse alguma música autoral e, por um momento, achei que não seria justo com os outros integrantes. Não queria dar mais motivos para eles me odiarem. Porém, eu não estava mais ligando. Era meu último show, última vez vestida de Violetta, última vez que esconderia meus sentimentos e minhas vontades. Não hesitei em passar por cima de todas aquelas pessoas e fazer o que foi me passado.
— Pessoal, chegamos ao fim do show e quero agradecer vocês por nos acompanhar durante todos esses anos, por crescerem conosco. Foram momentos incríveis que serão guardados em nossos corações. Como todo fim de show, cantamos a abertura da série, mas, hoje, iremos mudar um pouco o roteiro. Vou apresentar a minha primeira música autoral e ela e se chama
illicit affairs. Espero que gostem.



Recomendo colocar illicit affairs da Taylor Swift a partir daqui

Ao ouvir os acordes, meus olhos lacrimejaram. Aquela música havia sido composta em umas das minhas discussões com e, em todas elas, o motivo era a Danielle. Nunca aceitei a aproximação deles. dizia que o sentimento entre eles era de irmãos e que se davam muito bem. Nesse dia, ele saiu chutando a porta do meu apartamento, dizendo que não dava mais para aguentar os meus surtos, que eu era muito insegura e que chegaria o dia que eu iria perdê-lo.

Make sure nobody sees you leave
(Tenha certeza que ninguém veja você sair)
Hood over your head, keep your eyes down
(Capuz sobre a cabeça, mantenha os olhos baixos)
Tell your friends you’re out for a run
(Diga a seus amigos que você saiu para correr)
You’ll be flushed when you return
(Você vai estar corada quando voltar)
Take the road less traveled by
(Pegue a estrada menos movimentada)
Tell yourself you can always stop
(Diga a si mesma que você pode parar quando quiser)
What started in beautiful rooms
(O que começou em quartos bonitos)
Ends with meetings in parking lots
(Termina com encontros em estacionamentos)

Eu ainda estava segurando as minhas lágrimas. Não queria me sentir tão vulnerável. Não queria chorar na frente dos meus fãs e muito menos na frente das pessoas responsáveis por isso. Olhava para aquela multidão e parecia que elas estavam me entendendo. Era tão difícil me sentir forte naquele momento e encarar tudo com a maior naturalidade.

And that's the thing about illicit affairs
(E é isso que acontece nos casos ilícitos)
And clandestine meetings and longing stares
(E em reuniões clandestinas e olhares ansiosos)
It’s born from just one single glance
(Eles nascem de apenas um olhar)
But it dies and it dies and it dies
(Mas morrem e morrem e morrem)
A million little times
(Um milhão de pequenas vezes)

Quando chegou na parte mais forte da música, olhei para o backstage. Lá estava o principal motivo dessa canção: o cara que foi meu primeiro namorado, meu primeiro beijo, minha primeira transa. Só que nunca imaginei que seria ele o primeiro a me destruir.

And you wanna scream
(E você quer gritar)
Don't call me kid, don't call me baby
(Não me chame de criança, não me chame de bebê)
You showed me colors you know I can't see with anyone else
(Você me mostrou cores que você sabe que não posso ver com mais ninguém)

Don't call me kid, don't call me baby
(Não me chame de criança, não me chame de bebê)
Look at this idiotic fool that you made me
(Olhe para essa patética imbecil em que você me transformou)
You taught me a secret language I can't speak with anyone else
(Você me ensinou uma linguagem secreta que não consigo conversar com mais ninguém)
And you know damn well
(E você sabe muito bem)
For you, I would ruin myself
(Que por você, eu me arruinaria)
A million little times
(Um milhão de pequenas vezes)

Me permiti chorar tudo que não havia chorado durante esses anos, ali naquele palco. Era a última vez como Violetta, a última vez que eu deixaria de ser quem sou. Estava livre para cantar a minha música, usar minhas roupas, pintar meu cabelo, mostrar minhas tatuagens e, principalmente, livre de um relacionamento que não me agregava em nada.”


•••


Ao abrir meus olhos, as crianças e aquelas meninas já não estavam lá e meu voo já estava sendo anunciado. Precisava deixar aquele país e me reencontrar, entender o que eu queria e, principalmente, cuidar da minha carreira.
Ao caminho do embarque, meu celular começou a vibrar e um número desconhecido apareceu em minha tela. Sem hesitar, atendi:
?


Capítulo 2

Amava sobrevoar entre as nuvens, encostar minha cabeça na janela e ficar viajando; tentando imaginar o que se passava no solo, o que as pessoas estavam pensando, se estavam felizes...
Costumava fazer isso com em nossas viagens. Ela sempre foi o meu refúgio durante esses anos e tinha muito medo de perdê-la. Quando entrei na série, fiquei com receio de não criar amizade. Porém, logo no primeiro contato com o elenco, nos aproximamos e, de quebra, veio o . Sempre fomos unidos e compartilhamos vários momentos desde a nossa primeira cena até a compra do nosso apartamento. Eles sempre foram a minha família, mas, com a chegada de , tudo mudou – o afastamento veio. Em meu relacionamento, estive tão cega que ele conseguiu manipular minha mente e me fazer esquecer de todos os momentos com meus amigos.
Levei um leve susto com a aeromoça me avisando que havíamos chegado em São Paulo. Meu coração se encheu de alegria e esperança. Finalmente estaria com a minha família. Tinha certeza que tudo melhoraria e eu iria me encontrar novamente.
Havia conversado com minha família sobre a minha vinda não ser anunciada em nenhum site. Queria chegar em paz, sem ninguém me questionando nada e, principalmente, sem nenhuma foto do meu real estado.
Fazia exatamente cinco meses que eu havia sumido de todas as redes sociais e, junto com todo esse furacão, acabei emagrecendo mais de dez quilos. Estava muito diferente e não queria que essa imagem repercutisse tanto. Mas, como nem tudo são flores, assim que passei pela porta principal do aeroporto de Guarulhos, vários flashes e perguntas vieram em minha direção.
, por favor, fale conosco. Qual é o motivo da sua vinda ao Brasil?
Aquilo era agoniante. Só sabia responder que não tinha motivo, que eu tinha vindo ver minha família e pedi para eles respeitarem a minha situação.
Senti alguém puxando meu braço e o medo tomou conta de mim. Ao olhar, reconheci o rosto da mulher que morria de saudades – minha mãe me deu um abraço e eu nunca me senti tão bem aconchegada. Saímos em direção ao táxi que nos levaria para casa.
— Mãe, como eles souberam que eu estava aqui?
Eu não entendia como eles souberam. Fui tão cautelosa sobre isso. Só queria chegar e ir para casa sem questionamentos.
, você acabou tirando fotos com aquelas crianças e isso chamou a atenção deles. O que você estaria fazendo num aeroporto? Não subestime a imprensa. Quando eles vão atrás de alguém, a probabilidade de suas teorias estarem certas é grande e você sabe disso.
Permaneci calada o caminho inteiro. Era difícil debater com a minha mãe. Eu sabia que tinha errado ao tirar aquelas fotos. Sempre fui uma pessoa ativa nas redes sociais – adorava compartilhar minhas histórias com meus fãs –, mas, depois de tudo ter virado de ponta cabeça, decidi que daria um tempo. Desativei tudo.
Aqueles meses foram muito desafiadores. Estar sem apoio emocional era o pior para mim – meus amigos foram seguir seus caminhos e eu fiquei sozinha. Meu pai tentou ser o mais amigável possível: sempre ao meu lado, me dando conselhos, dizendo que eu era forte. Quando decidi voltar ao Brasil, ele ficou muito chateado, mas entendeu que aquela era a solução correta, e que estar perto da minha mãe e de Noah era o melhor para mim.
Olhei para a janela e avistei o nosso prédio. Nunca fui fã de cidades grandes e meu caso com são Paulo era complicado – o trânsito intenso que me fazia chegar atrasada em todos os eventos me deixava maluca. Nosso bairro era próximo ao Starbucks e pedi para minha mãe pedir ao taxista para nos deixar lá. Assim, poderíamos dar uma pequena volta.
Ao sair do carro, pude sentir o vento frio em minhas bochechas. O céu cinzento já anunciava que a chuva estava se aproximando. Passamos pelo portão do edifício e fui recepcionada pelo nosso querido porteiro João. Ele perguntou como foi de viagem e me desejou boas-vindas. Agradeci pelo carinho, caminhei para o hall onde ficava o elevador. Estava tão ansiosa para rever Noah e meu doguinho que tinha esquecido o quanto nosso andar era longe.
Ao sair do elevador, minha mãe foi na frente para abrir a porta. Assim que passei por ela, tomei um susto.
— SURPRESAAAAAAA!
Eu não consegui assimilar nada. Toda a minha família estava lá. Meus olhos se encheram de lágrimas e corri para abraçá-los. Consegui ouvir os latidos desesperados de Dexter e fui ao seu encontro. Ele não sabia se lambia meu rosto ou se pulava.
Meu irmão estava logo atrás de mim, louco para me abraçar, e mal pude esperar para agarrá-lo. Eu e Noah costumávamos brigar muito antes da minha partida para a Argentina. Sempre disse que não sentiria sua falta pois estaria livre de suas chatices e, no final, não via a hora de poder estar ao seu lado outra vez.
— Noah, como estão as coisas? Nunca pensei que morreria de saudades de você. Quebrei a cara assim que pisei em solo argentino me arrependi de não ter te levado junto.
, eu sei que sou maravilhoso e incrível — tinha me esquecido do quão convencido ele era. — Mas também senti sua falta todos os dias, durante todos esses anos. Não sei como fiquei sem minha companheira de filmes e risadas.
Abracei-o; ele tinha o dom de me fazer chorar. Sempre tivemos uma conexão incrível e todas as minhas melhores risadas eram com ele. Mesmo eu sendo mais velha, ele sempre cuidava de mim. Sempre me tratava como uma verdadeira princesa.
A tarde foi muito agradável, ri muito com minha família. Minhas tias comentaram sobre as minhas turnês e o meu talento. Lembramos de diversos acontecimentos da nossa infância, do meu amor ao cantar e das minhas travessuras. Era muito bom estar em casa.
Aos poucos, as pessoas foram indo embora e, quando vi, só estava eu e Noah em casa. Então, decidimos fazer um jantar: eu, ele e Dexter. Fiquei encarregada de fazer uma massa incrível que aprendi na Itália e Noah foi à procura do melhor vinho na nossa adega. Assim que finalizei, sentamos à mesa e ele começou gravar um story do Dexter na mesa. Apareci e fiz uma graça, até que, imediatamente, seu olhar foi direcionado para mim.
, posso postar?
Comecei a suar. Talvez fosse o momento de aparecer e começar uma nova etapa. Começar a lidar com tudo isso, esquecer as críticas e me libertar.
— Claro, pensei muito sobre e é a hora de florescer novamente. Não sei quais serão as consequências, mas estou pronta para encará-las.
— Já que você vai aparecer, por que não ativa seu Instagram e volta a postar seus vídeos? Pode ser que uma grande gravadora se interesse pelo seu trabalho e queira te contratar.
Com a chegada ao Brasil, acabei me esquecendo da ligação do Diretor da Warner Music. Fiquei tão entretida com a surpresa da minha família e o jantar com Noah que esqueci de retornar à ligação.
— Sobre a gravadora — comecei a dizer —, antes de embarcar para cá, recebi uma ligação do diretor da Warner Music Brasil querendo marcar uma reunião comigo para falar sobre uma proposta. E sabe o que eu achei mais incrível? Quando decidi me reencontrar, ele me ligou. Pode ser que o sinal foi dado.
— Sabe, , eu nunca acreditei quando a mamãe disse que você tinha desistido da sua música. Não aceitava que seu sonho estava sendo destruído por aquele cara. Naquele dia, eu ia atrás de você, só que fui impedido. A minha vontade era de enchê-lo de socos para mostrar o quão idiota ele foi em ter te magoado. E, porra, você foi tão forte, aguentou cada minuto naquele palco como se nada tivesse te abalado. Você sorria como uma criança e se entregava em todas as performances. Eu te amo tanto, maninha.
— Eu te amo muito, Noah, e fico muito feliz de ter um irmão tão especial como você. Juro que ficaria aqui elevando o seu ego, mas eu preciso muito dormir e colocar as minhas ideias no lugar — falei. Antes de sair da sala de jantar, me virei e disse: — Esqueci-me de dizer. Castillo voltou pro Instagram.
Ele só piscou e fui para o quarto.


•••


Olhei o relógio que marcava sete e meia da manhã. Ficava impressionada com a minha capacidade de acordar cedo quando poderia levantar mais tarde. Tentei me virar de lado e me deparei com Dexter dormindo. Dei risada e tirei uma foto.
Levantei, calcei minhas pantufas e fui para a varanda, me deparando com um passarinho na minha mesa de composição. Tinha me esquecido daquele lugar que foi inspiração para várias músicas. Sentei na cadeira e comecei a observar o cenário que estava ao meu redor: um céu azul com o sol brilhando e o barulho de carros pela rua.
Lembrei-me novamente da ligação da gravadora. Não sei por que estava com tanto medo se tudo o que eu queria era cantar novamente e mostrar meu trabalho para o mundo. Por que estava deixando aquela oportunidade passar diante dos meus olhos? Talvez o medo de levar outra rasteira ou de não gostarem da minha música estava sendo maior do que minha fé.
Disquei o número de Rafael diversas vezes e não consegui apertar um simples botão. Depois de muita insistência, apertei-o, e, após dois segundos, já estava me arrependendo. A ligação estava quase caindo na caixa postal, até que ouvi um “alô” do outro lado.
— Bom dia! Falo com Rafael? — perguntei e a voz do outro lado confirmou. — Oi, tudo bem? É a Castillo. Você me ligou há dois dias.
— Oi, ! Tudo sim, e você? Achei que não me retornaria. Estava criando argumentos para que a senhorita não abandonasse essa carreira incrível que formou. Mas, hoje, entrei nas minhas redes sociais e só dá você em todos os sites. Finalmente Castillo voltou para o show business.
Ele me assustou ao dizer que eu estava em todos os sites só porque tinha ativado meu Instagram. Não imaginava que receberia tanta visibilidade por isso. Fiquei feliz de ter pessoas interessadas na minha volta, mas, ao mesmo tempo, pensei que elas só estariam tirando sarro do meu estado.
Continuei falando com Rafael. Ele disse que os diretores estavam muito felizes com a possibilidade de me ter no time e me propôs um almoço para que pudéssemos conversar sobre alguns detalhes. Aceitei e finalizamos a conversa.
Por impulso, tirei uma foto e decidi postar para desabafar.

“Queridos fãs,
Durante esses meses, me privei de compartilhar vários momentos com vocês. Não pensem que fui egoísta. Como todos sabem, levei uma rasteira muito grande e isso me deixou muito perdida. Deixei de cantar e de ser eu mesma. Mudei muito e amadureci com muitos dos meus erros. Mas, hoje, voltei sem medo das críticas e pronta para mostrar a vocês a minha música. Amo vocês infinitamente e obrigada por não desistirem de mim. Teremos muitas novidades e é muito bom estar de volta.
Beijos, <3”


Fui ao banheiro fazer minha higiene matinal e comecei a me olhar no espelho. Reparei o quanto estava diferente: magra demais e com olheiras fundas. Era estranho me enxergar assim.
Durante semanas, me culpei pela traição de . Achava que não tinha sido o suficiente para ele, que poderia ter mudado algumas atitudes, ter sido mais amorosa ou ter ficado perto dele em momentos que não me sentia confortável. Depois de um tempo, fui entender que, na verdade, ele nunca me amou. Tanto que assumiu o namoro com Danielle no dia seguinte daquele trágico dia. Passei tanta raiva quando via os dois dando entrevistas como um casal apaixonado… Nunca entendi como não percebi aquilo. Durante todos esses anos fui usada, e quando ele não achou mais necessário, me deixou.
Ouvi batidas na porta do meu banheiro e a abri. Lá estava minha mãe com um sorriso largo.
— Bom dia, filha — ela me abraçou e encheu meu rosto de beijos. — Você não imagina o quanto estou feliz de vir ao seu quarto e te ver aqui. Durante todos esses anos eu entrava aqui e ficava imaginando o dia que teria a minha princesa de volta.
— Dona Sílvia, você fez algum complô com o Noah? — perguntei e ela me olhou brava. — É porque desde que pisei em casa, vocês me fazem chorar com essas declarações lindas. Senti muito sua falta, mamãe. Nos primeiros meses que me mudei, senti vontade de voltar para seus braços, de receber esse abraço apertado e esses beijos cheios de amor. Mas tudo isso foi bom para meu amadurecimento. Cresci muito e consegui lidar com meus problemas.
— Acho que a senhorita tem que ir tomar um café reforçado, percebi que está muito magra. Tenho certeza que, durante esses anos, você não se alimentava direito — olhei seriamente para seus olhos e ela entendeu o recado. — Ok, não está aqui quem falou. Só vamos nos alimentar. Noah disse que, se demorássemos muito, ele ia devorar a mesa.
Saí correndo em direção à cozinha e me deparei com um banquete enorme no quintal de trás da casa, regado de coisas que eu amava e lindos girassóis na mesa. Me emocionei. Olhei para frente e os braços de Noah estavam me chamando para um abraço. Fazia só dois dias que tinha voltado, mas eu me sentia muito acolhida.
— Vai ficar chorando igual uma boba? — me separei dele e lhe dei uma cotovelada. — Tá vendo, mãe? Olha como ela retribui o meu carinho. Se soubesse que seria tratado dessa maneira, não teria acordado cedo.
— Noah, não comece com seu drama. Você que começou me chamando de boba. Se não aguenta brincar, não desce pro play.
Ri daquela frase. Parecia uma criança de cinco anos falando.
— Agradeço muito ao Senhor Maravilha por me dar a honra de tomar café ao seu lado e agradeço também à dona Sílvia pelo amor e dedicação. Amo vocês. Agora, bora tomar café e comer esses belos pãezinhos de queijo.
Enquanto Noah contava sobre o seu novo amor, comecei a me sentir privilegiada de estar ali. Minha família sempre foi muito importante para mim. Não teve um dia durante esses anos que não me lembrei dos momentos únicos que passamos juntos. Mesmo com meu pai ali, me auxiliando e me dando carinho, sempre senti que faltava alguma coisa, e ver os olhos da minha mãe brilhando por ter seus filhos reunidos não tinha preço.
— Gente, o café está muito bom, mas tenho que me arrumar para um almoço — anunciei e minha mãe deu um pulo da cadeira. — Calma, dona Sílvia, quase engasgou com o pão. Tenho uma reunião marcada com uma gravadora.
— Meu Deus, filha! — ela veio me abraçar com lágrimas nos olhos. — Como assim? Faz muito tempo que vocês estão conversando? Que gravadora? Filha, fala!
— Se a senhora me deixar falar, né — dei risada. — Faz pouco tempo que estamos conversando. Não sei como ele conseguiu meu número, mas me ligou quando estava embarcando. Hoje mais cedo liguei para ele e marquei esse almoço para ouvir a proposta.
— Nossa, que orgulho, minha menina. Você não sabe o quanto torci por isso. Sabia que sua vinda para cá tinha um propósito — Noah se levantou da mesa e me deu um beijo na testa.
Já estava enlouquecendo. Revirei meu guarda-roupa de ponta cabeça e não encontrei nada para esse almoço. Eu tinha quarenta minutos para estar no Arturito, um dos restaurantes mais chiques de São Paulo. Depois de muita procura, coloquei uma calça destroyed, um top preto e um par de coturnos. Peguei o carro de Noah emprestado, já que ele estava trabalhando em casa, e segui o GPS para o meu destino.
Pela primeira vez, o trânsito da cidade não me atrapalhou. Cheguei dez minutos adiantada. Fui em direção ao maître, e com muita educação, ele me levou até a mesa que Rafael tinha reservado: um lugar bem discreto para que a imprensa ou o público não nos atrapalhasse. Tive a mesma sensação quando fui fazer o teste para a série. Minhas mãos suavam muito e meu estômago parecia que tinha várias borboletas voando. O medo começou a surgir e me mantive calma, porque sabia que minha mente queria me sabotar. Comecei a digitar uma mensagem para , querendo muito contar a novidade, mas não mandei porque ele já havia chegado.
— Oi, — nunca imaginei que o diretor fosse tão novo e gato. — Me chamo Rafael Thierry e sou diretor da Warner. Essa é Brenda Laís, uma das nossas colaboradoras na empresa e sua futura empresária.
Meus olhos automaticamente foram direcionados para a mulher que estava ao seu lado: com mais ou menos vinte e quatro anos, branca como a neve, olhos verdes e um belo sorriso no rosto que me trouxe muita paz.
— Oi, Rafael! Oi, Brenda! Podem se sentar! Como vocês estão? — eu estava muito nervosa e, quando isso acontece, começo a falar igual uma gralha.
— Estamos bem — foi a vez de Brenda falar. — , você já deve estar imaginando o que queremos falar com você e esperamos que considere tudo que temos a dizer antes de tomar qualquer decisão.
Estava admirada ouvindo aquilo que estavam propondo para mim. Seria uma volta e tanto para os holofotes, e as condições eram muito boas. Eles disseram que a gravadora estava me procurando há muito tempo, mas, com as minhas redes sociais desativadas, eles não conseguiram contato.
, estamos muito ansiosos para tê-la no nosso time. Acompanhamos todo o seu processo com sua personagem e todas as turnês. Você é uma artista completa. Sua voz passa emoção e adrenalina ao ser ouvida, e é isso que precisamos. Precisamos de você — Rafael falava com muito entusiasmo. — Você tem algo para nos dizer ou perguntas sobre nosso plano de carreira?
— Fico lisonjeada pelas lindas palavras e por terem pensado em cada detalhe. Esse último ano não foi fácil e pensei muito em estar aqui com vocês. Não me sentia preparada para uma volta agora, queria colocar tudo no lugar antes de embarcar novamente nessa loucura que é estar em um palco. Mas, depois de chegar aqui no Brasil, rever minha família e voltar para meus fãs, pude observar que estou preparada para cantar minhas músicas — falei, e Brenda prestava muita atenção em minhas palavras. — O meu único questionamento é sobre como devo me portar. Se posso mostrar minhas tatuagens, se posso pintar meu cabelo e usar minhas roupas.
Ambos riram da minha cara e eu não entendia nada.
— Claro que você pode, — Brenda levantou a manga da sua camisa social e mostrou a tatuagem que tinha em seu braço: uma linda rosa. — Pode ficar sossegada que não iremos te impedir de nada. Mas teremos que tomar cuidado com algumas coisas, não podemos deixar que aconteçam situações que possam manchar sua imagem. Então, depois de tirarmos suas dúvidas e termos apresentado nossas ideias para sua volta, queremos muito saber se você nos dará o prazer de contar com sua presença em nossa gravadora.
— Eu aceito a proposta.
Eles vibraram muito e Rafael pediu o champanhe mais caro da casa. Brenda me abraçou, dizendo que iríamos dominar o mundo. Meu coração estava saltitando, e na minha empolgação, tirei uma foto com minha empresária. Ali, tive a certeza que iríamos viver momentos incríveis juntas.


•••


Fazia algumas horas que havia chegado em casa. Estava deitada no sofá da sala, tentando assimilar tudo o que aconteceu durante esses dias. Não conseguia acreditar que agora tinha uma gravadora, uma empresária e que eu estava de volta. Senti uma vontade repentina de mandar mensagem para e compartilhar esse momento lindo que estava vivendo.


Oi, ! Está ocupada? 16:24


Oi, ! Acabei de chegar das gravações. Tá tudo bem? 16:25


Não precisa ficar preocupada, estou muito bem por aqui. Só queria contar uma novidade!! 16:28



Mais novidades? Só hoje tive duas surpresas. A primeira é seu Instagram reativado e a segunda foi ver sua foto com aquela moça que eu nunca vi. Você vai explicar? 16:32


Olha quem está com ciúmes haha Eu vou explicar, menina 16:35
O nome dela é Brenda Laís e ela é minha NOVA EMPRESÁRIA!!! 16:35


Sem muita demora, uma solicitação para uma chamada de vídeo apareceu e eu atendi. só sabia gritar e correr pelo nosso antigo apartamento. Expliquei para ela todos os detalhes, desde a mensagem até o primeiro contato com a gravadora. Ao contar percebi, que seus olhos encheram de lágrimas.
, não comece a chorar. Eu já não tenho mais lágrimas.
Eu entendia a emoção. Ela permaneceu ao meu lado durante as primeiras semanas do acontecido e se sentia culpada por ter que ir atrás dos seus sonhos.
— Amiga, isso é incrível. Você merece todo esse reconhecimento. Fico muito feliz em ser umas das primeiras a receber essa notícia maravilhosa. Estava morrendo de saudades de ouvir sua doce voz, e saber que você conseguiu superar tudo isso é muito emocionante.
— Estou muito ansiosa para iniciar esse ciclo. Tenho tantas composições prontas guardadas na gaveta, e estou feliz demais que elas ganharão melodia. Hoje é um dos dias mais especiais da minha vida — tomei um susto com a campainha de casa tocando incansavelmente. — Amiga, acho que o Noah esqueceu a chave de casa. Depois eu te retorno e te atualizo sobre as novidades. Beijos, te amo muito.
Levantei com vontade de socar Noah por esquecer a chave e por ficar apertando a merda daquela campainha. Por que ele não me mandou uma mensagem avisando que precisava entrar? Abri a porta com vários xingamentos na ponta da língua, mas fiquei completamente assustada com quem estava na minha frente. Minhas pernas começaram a bambear e senti todas as minhas forças indo embora.
— Sentiu minha falta, bebê?
Minhas mãos começaram a suar. Eu não estava entendendo mais nada. Como conseguiu meu endereço e o que ele estava fazendo na minha porta?


Capítulo 3

O medo é um dos sentimentos que me perseguiu durante anos. Sempre tive receio da escuridão, medo de insetos, e o maior deles era me apaixonar. Na minha cabeça, se eu desse espaço para algum menino se aproximar, estaria dando de garfo e faca o meu coração ao sofrimento. Parece exagero da minha parte, mas sempre tive medo de me machucar.
Enquanto as meninas da minha idade já estavam beijando e namorando, eu estava no meu quarto sonhando em ser uma estrela da música. Alguns amigos dos meus pais diziam para tomarem cuidado porque eu poderia começar a curtir mulheres, e sinceramente, não via problema nisso.
Quando comecei a atuar e descobri que minha personagem se apaixonaria por dois garotos, dei muita risada. Ela era totalmente o meu oposto. Nunca na minha vida tinha dado chance a ninguém e não me sentia obrigada a isso. Sabia que, em algum momento, aconteceria e que seria mágico. Mas o cupido ainda não havia me flechado.
Dizem que quando beijamos pela primeira vez, sentimos borboletas no estômago e frieza nas mãos. Não tive nenhuma dessas reações. Deve ser porque o meu primeiro beijo foi em cena com meu melhor amigo . Até que chegou Dominguez em minha vida e, com todo o seu charme, foi me conquistando. Por ironia do destino, numa cena entre nossos personagens, eu o beijei e, ali, me vi apaixonada por ele.
Foram dois anos vividos intensamente. Compartilhamos momentos incríveis juntos, e sentia como se a minha vida fosse perfeita. Fui pedida em namoro no London Eye durante uma pausa na nossa turnê. Pela primeira vez, me senti amada e tive certeza que fiz o certo em esperá-lo. Mas, como nem tudo são flores, nosso relacionamento foi a cada dia se esfriando. Começamos a nos afastar e tínhamos pouco contato nos bastidores. Nosso apartamento tinha virado um ringue de luta: todos os dias protagonizávamos as piores brigas que resultavam em copos quebrados e o desaparecimento de por dias. Sua aproximação com Danielle foi instantânea e as minhas crises de ciúmes surgiram. Ele me chamava de louca, dizia que eu nunca confiava nele e que todas as nossas discussões eram causadas por mim.
Continuei vivendo esse inferno, fingindo que não estava vendo nada e, principalmente, calada. Logo, todo o meu esforço resultou em: perda de voz, manchas roxas e um par de chifres. Relutei muito para conseguir me levantar a cada dia. Ver tudo se desfazendo na minha frente, como quando alguém destrói o castelo de areia de uma criança, era muito dolorido.
Quando decidi voltar para casa, pensei que estaria deixando para trás todas as coisas que me faziam lembrar do meu relacionamento, mas nunca imaginei que o principal causador do meu sofrimento estaria parado na minha porta esperando por uma resposta.
, posso saber o que você está fazendo aqui? — eu estava a ponto de surtar ali mesmo. — Não se contentou com a raiva que me fez passar na França?
— Você não vai me convidar para entrar? Pensei que fosse mais educada — nem precisei convidá-lo, ele empurrou meu corpo para o lado e entrou. — Respondendo a sua pergunta, estou aqui para ver como o amor da minha vida estava se saindo na nova rotina.
Só de ouvi-lo me chamando assim, senti muito nojo.
— Eu não lembro de ter dado permissão para entrar em minha casa e muito menos de me chamar de amor, porque, se o senhor não se lembra, nosso relacionamento terminou há exatamente cinco meses.
— Você ainda está remoendo isso? Achei que toda sua raiva foi diluída quando cantou aquela música ridícula no último show. Eu ainda lembro da sua raiva ao cantar aquele trecho... Como era mesmo? “Don’t call me kid, don’t call me baby”.
Eu não estava acreditando que ele estava rindo da minha cara.
, eu achava que você era melhor que aquilo. Mas sabe que eu esperava? Você não ia perder a oportunidade de se fazer de vítima — ele começou a passar a mão intensamente pelos cabelos e sua voz começou a pesar.
— Não estou acreditando que você gastou dinheiro para vir aqui me ofender. E se tem alguém que está remoendo essa história, esse alguém é você. Porque se eu quisesse discutir isso, pode ter certeza que teria batido na porta do seu quarto aquela noite ou teria respondido as suas mensagens. Agradeço muito ao meu psicólogo por me ensinar a ter controle dos meus sentimentos e não agir como uma desesperada.
— Ainda bem que não apareceu. Seria ainda mais doloroso para você ouvir os gemidos de Danielle naquele quarto. Enquanto você chorava, eu estava tendo a melhor transa da minha vida.
Me sentei no sofá enquanto tentava evitar que as lágrimas se formassem em meus olhos.
— Sabe, eu nunca te amei — ele continuou. — Mas foi divertido viver esse amor que, da minha parte, foi tudo uma mentira. Quando o pessoal do elenco me informou que você nunca tinha se apaixonado, te ter em meus braços foi a minha missão. Ver tudo saindo como planejado foi maravilhoso, e não sei como te aguentei durante esses três anos. Ainda bem que tinha Danielle ao meu lado — quando ele disse isso, minhas forças foram embora e a vontade de chorar aumentou. — Todos esses anos eu estive com ela. Quando te beijava, era ela que aparecia na minha mente. E todas as vezes que transamos, eu queria que fosse ela ali, e não você.
— Meu Deus, como eu pude... ser tão... tola? Como pude um dia entregar meu coração a você e acreditar em todas as suas declarações? E pensar que me culpei durante todos esses meses por não ter sido tão presente na sua vida, e depois descobrir que tudo isso não passou de um jogo... Um jogo sujo. Como conseguiu ser tão baixo? — eu não tinha forças para discutir. — Você fingiu que não sabia o motivo pelo qual eu estava afundando. Se não estava feliz com essa merda desse relacionamento, por que simplesmente não colocou um fim nisso? Não pensou em mim e muito menos na Danielle. Por mais que tenhamos nossas diferenças, acredito que ela não aceitava isso numa boa. A maneira de ela demonstrar sua insatisfação era discutir comigo sem motivo, porque, mesmo que você não me amasse, eu tinha você todos os dias e isso a revoltava. Mas sinto muita pena dela — ele me olhou desentendido —, porque por mais que me assombra, eu sei que você nunca me amou ou amou ela. Você não tem coração e nunca vai saber o que é amar. Agora, por favor, vá embora antes que eu chame a segurança.
Ele tentou retrucar e dizer que eu estava errada, mas não adiantava falar mais nada. Levantou-se da cadeira, foi em direção à porta e, antes de finalmente ir embora, chamei-o e disse:
— Foi difícil deixar de te amar, mas precisei te odiar para me amar.
Ouvi o barulho da porta sendo fechada e, ali, sozinha, derramei todas as lágrimas que havia segurado.




Estar no Brasil sem a presença dos meninos era muito estranho. Lembro da nossa primeira vez aqui com nossas fãs gritando incansavelmente, demonstrando muito amor e dedicação. Nunca nos sentimos tão acolhidos e, definitivamente, aquele havia sido o nosso melhor show. Depois da saída de Zayn, não voltamos. Não queríamos mudar a imagem de todos juntos neste lugar maravilhoso.
Sempre fomos muito próximos. Consequentemente, estávamos juntos na audição que havia mudado nossas vidas e vivemos momentos intensos nesses cinco anos de grupo. Viver com a mídia não era fácil, ainda mais sendo jovens. Qualquer erro nosso era posto contra a parede e recebíamos broncas incansáveis da nossa gravadora. Minha vontade era jogar tudo para cima e sair correndo, mas lembrava que o sonho não era só meu e não podia ser tão egoísta a esse ponto.
Quando Zayn nos comunicou sobre sua saída da banda, eu não aceitei no início. Achava que ele estava feliz com tudo aquilo, e só depois fui entender seus motivos para tomar aquela decisão. Me senti culpado por não ter percebido o que ele estava sentindo. Continuar não foi fácil, se acostumar em não ter aquela pessoa ao seu lado era difícil. Aos poucos, fomos aceitando. Lançamos um álbum e decidimos dar uma pausa assim que encerrássemos a nossa última turnê, para nos dedicarmos a projetos paralelos e ficar mais perto da nossa família.
Fui convidado para fazer uma participação surpresa no primeiro show da turnê do 5 Seconds Of Summer. Aqueles meninos eram incríveis e tinham tudo para brilhar neste mundo. O show seria amanhã e eu não poderia dar indícios que estava por aqui. O carro no qual estava passou em frente à praia de Copacabana, e a vontade de me jogar naquele mar era muito grande, mas havia prometido que ninguém saberia que estava em solo brasileiro.
Desci do carro, me dirigi ao hall do hotel, fiz meu check-in e subi rapidamente para o meu quarto, torcendo para que ninguém me reconhecesse. Um pouco difícil, já que estava com um violão nas costas. Assim que o elevador me informou meu andar, entrei no meu quarto, abri o case do violão e comecei a dedilhar uma melodia que estava em minha cabeça há alguns dias. Peguei meu caderno de composições e comecei a escrever. Aos poucos, aquela música começou a criar forma, e nem me dei conta que fazia horas que estava ali sentado na sacada. Observei a paisagem ao meu redor: o barulho das ondas, o sol se pondo, passarinhos cantando... Senti meus olhos pesarem. Era um pouco cedo para dormir, mas meu corpo pedia socorro. Assim, deitei em minha cama e dormi rapidamente.
Acordei assustado. Olhei para o relógio e já eram duas e meia da tarde. Realmente estava com sono. Peguei meu celular e vi diversas mensagens do empresário dos meninos:

Matt
Bom dia, , tudo bem por aí? 13:30
Só queria te avisar que, daqui duas horas, uma parte da praia estará liberada pra você 13:45



Desculpa, Matt! Acabei de acordar, realmente estava muito cansado e dormi direto. Beleza, estava louco para tomar um banho de mar 14:30

Matt
OK. Só vou te lembrar que o show irá começar às sete e meia da noite! Não se atrase!! 14:35


Cheguei ao local indicado por Matt e me sentei na areia. Comecei a observar tudo, desde a areia até as pessoas que passeavam pela orla. Às vezes, queria viver como um menino normal: sem paparazzis na minha cola, sem questionamentos sobre a carreira e, principalmente, sobre o amor.
Minha imagem de garanhão veio na época da banda. Não podia chegar perto de uma menina, senão ela era considerada minha affair. Era muito frustrante quando meus relacionamentos acabavam, pois todos eram noticiados da maneira que a imprensa queria e eu sempre saía prejudicado. Um dos meus términos até resultou em música. Fico impressionado com meu talento de compor músicas tão românticas e não ter tido um relacionamento firme. Ainda não tinha encontrado a pessoa certa que despertaria todas aquelas sensações. Via meus amigos namorando, se casando e até tendo filhos, e tudo isso estava fora da minha realidade. No momento, eu gostava de ser livre, de não me apegar. Talvez, esse pode ter sido o motivo dos meus relacionamentos serem tão fracassados.
Risadas me tiraram dos meus pensamentos. Olhei para o lado e vi duas mulheres correndo na água. Com medo, me afastei da areia e corri em direção às espreguiçadeiras. Ainda as observando, percebi que a linguagem delas eram diferentes. Provavelmente, eram brasileiras, mas, por ser um lugar reservado, elas não deveriam estar ali.
As duas começaram a brincar com a areia e meus olhos foram em direção à menina dos cabelos castanhos e soltos. Sua risada era muito engraçada. Ela parecia se sentir livre como uma borboleta quando sai do casulo, e eu sorri ao vê-la. Minhas mãos começaram a suar e não entendi o que estava acontecendo. Decidi ignorar aquelas sensações e me deitei para relaxar de verdade. Concentrado nas minhas músicas, não percebi elas se aproximando, e, automaticamente, coloquei meu boné e fingi que estava dormindo. Na medida que estavam perto, ouvi a mesma menina que estava admirando assobiar a melodia da música que estava compondo.
Fiquei tão empolgado com aquela situação que nem percebi a hora se passando. Quando olhei no relógio, já eram seis e meia da tarde. Apressado, atravessei a rua em direção ao hotel. Precisava estar pronto o mais rápido possível, prometi ao Matt que não me atrasaria.
Cheguei no meu quarto todo desconcertado. Separei a roupa do show e corri para tomar banho. Estava começando a me trocar quando visualizei o violão, e a imagem da garota assobiando a minha música veio à minha mente. Senti necessidade de escrever outro verso. Sentei na cama de cueca e fiquei dedilhando a melodia, até que me veio na cabeça as seguintes frases:

Oh, try to deny it as much as you want
(Oh, tente negar o quanto você quiser)
But in time our feelings will show
(Mas com tempo nossos sentimentos vão se mostrar)
‘Cause sooner or later, we’ll wonder why we gave up
(Porque cedo ou tarde, nós vamos nos perguntar por quê desistimos)
The truth is, everyone knows
(A verdade é, todos sabem)

Meu telefone tocou incansavelmente e vi que Matt estava louco atrás de mim. Não acreditei que eu ainda estava seminu e pensando na menina da praia. Ignorei suas ligações e mandei um áudio, avisando que estava saindo do hotel e, dali alguns minutos, estaria chegando. Recebi um “ok”. Com toda a certeza, eu iria ouvir um sermão. Me troquei rapidamente, passei um perfume e corri para o hall do hotel onde o motorista estaria me esperando. Exatamente meia hora depois, chegamos ao local do show. Estava muito atrasado. Entrei pelos portões de trás e me deparei com Matt, com cara de poucos amigos.
, onde você estava? O que eu disse sobre atrasos? Tivemos que atrasar quase uma hora para dar tempo de o senhor chegar! — ele fazia muitas perguntas e não me deixava responder nenhuma delas.
— Desculpa, Matt. Fui à praia como combinado e acabei relaxando demais. Perdi o horário, juro que não foi de propósito — fiz aquela cara de cachorro abandonado e ele sorriu.
— Certo, . O show de abertura vai começar e quero saber sua opinião sobre essa artista. Ela está sendo cotada para representar a Warner Music em New York.
Com um pequeno tapa nas costas, saí em direção ao backstage e ouvi Matt anunciar a atração de abertura. Ao ver quem era, meu coração começou a acelerar. Era a menina da praia. .

Recomendo colocar Lose You To Love Me da Selena Gomez a partir daqui

Os acordes do piano que estava na sua frente começaram a ecoar naquela arena, sua presença de palco era notável, as pessoas aclamaram o nome dela, parecia que ela estava com medo, mas quando soltou sua voz meus olhos a fixaram.

You promised the world and I fell for it
(Você me prometeu o mundo e eu caí nessa)
I put you first and you adored it
(Eu te coloquei em primeiro lugar e você adorou)
Set fires to my forest, and you let it burn
(Você incendiou minha floresta e a deixou queimar)
Sang off-key in my chorus, ‘cause it wasn't yours
(Cantou fora do tom no meu refrão, porque não era seu)
I saw the signs and I ignored it
(Eu vi os sinais e os ignorei)
Rose-colored glasses all distorted
(Usando óculos com lentes rosas, completamente distorcidas)
Set fire to my purpose, and I let it burn
(Você incendiou meu propósito e eu o deixei queimar)
You got off on the hurtin’ when it wasn’t yours
(Você curtiu o sofrimento quando não era o seu)

Sua voz transmitia muita paz, seu olhar para o público era contagiante. Dava para ver o amor dela ao cantar. Seu figurino estava maravilhoso, seus cabelos presos num lindo penteado – estava ainda mais linda. Parecia que algo me puxava para ela. Nunca acreditei em destino ou em caminhos traçados, mas eu estava vidrado em cada passo dela.

We'd always go into it blindly
(Nós sempre entramos nisso cegamente)
I needed to lose you to find me
(Eu precisei te perder para me encontrar)
This dancing was killing me softly
(Esta dança estava me matando suavemente)
I needed to hate you to love me
(Eu precisei te odiar para me amar)

De repente, ela desviou o olhar do público e automaticamente se virou para onde eu estava. Continuou cantando e acenou para a minha direção. Olhei para trás e vi a menina que a acompanhou na praia.Seus olhos estavam marejados e transmitiam muito orgulho, e foi naquele gesto que pude entender por quê cantava com tanta devoção.

I gave my all and they all know it
(Eu dei tudo de mim e todos sabem disso)
You turned me down and now it's showing
(Você me recusou e agora está mostrando)
In two months, you replaced us like it was easy
(Em dois meses, você nos substituiu como se fosse fácil)
Made me think I deserved it in the thick of healing
(Me fez pensar que eu merecia no meio da cura)

...
To love, love, yeah
(Para amar, amar)
To love, me
(Para amar, me amar)
And now the chapter is closed and done
(E agora o capítulo está encerrado)
To love, love, yeah
(Para amar, amar)
To love, me
(Para amar, me amar)
And now it's goodbye, it's goodbye for us
(E agora é adeus, é adeus para nós)

Me senti bem ao vê-la cantando. Estávamos ligados por algum motivo. Me lembrei do momento que a vi cantando a melodia da minha música, do nosso encontro na praia – mesmo que não tenhamos nos falado –, sobre ficar nervoso com a possibilidade de ela estar me observando. Mesmo não tendo trocado uma palavra com ela, eu sentia a necessidade de estar ali, dividindo aquele palco. De pegar em sua mão e dizer que estaria ali para sempre. Não conseguia entender o que estava acontecendo nem por quê meu coração estava agindo daquela maneira. Só sentia que ali não seria o nosso último encontro, e que o destino tinha cercado os nossos caminhos.


Capítulo 4


“A imensidão do mar e a areia aos meus pés me causavam uma sensação de liberdade. Um vestido branco, cabelos sendo balançados pelo vento, inúmeras páginas ao meu lado, um violão em minhas mãos, uma melodia rodeando em minha mente, palavras que foram se tornando frases. De repente, o mesmo vento soprou todas aquelas folhas e eu corri atrás para recuperá-las. Ouvi galopes de um cavalo se aproximando, e um homem com cabelos na altura dos ombros, olhos verdes e um belo sorriso se aproximou de mim. Ele desceu do cavalo e, com uma doce voz, me perguntou:
— O que foi?
— A minha música... A minha música nova saiu voando.
— Eu trago para você!
Sorri. Ele subiu no cavalo e correu para o sentido contrário das folhas. Meu coração acelerou, minha boca ficou seca, meus olhos se encheram de lágrimas e eu só consegui dizer:
— Por favor, não me deixe sozinha... !”


Acordei no susto e reparei que Brenda ainda estava dormindo. Levantei-me e peguei a minha bolsa no bagageiro do avião. Achei meu caderno de anotações e escrevi algumas das frases que apareceram naquele sonho:

I’d like to say we gave it a try
(Eu gostaria de dizer que nós tentamos)
I’d like to blame it all on life
(Gostaria de culpar a vida por tudo)
Maybe we just weren’t right
(Talvez não estivéssemos certos)
But that’s a lie, that’s a lie
(Mas isso é uma mentira, isso é uma mentira)

Assim que terminei de escrever, percebi que Brenda estava me observando com a cara toda amassada – resultado de um cochilo enquanto estávamos indo para o Rio de Janeiro. Automaticamente, olhou para o meu caderno e sorriu. Ela gostava quando eu escrevia, pois o resultado seria músicas novas.
— Bom dia, ! Conseguiu descansar?
Olhei para meu celular e vi que já eram 6:50 da manhã. Estava morta. Acordamos muito cedo para arrumarmos nossas malas, pois ontem havia sido uma correria para ajeitarmos os últimos detalhes da minha apresentação.
— Bom dia! Não o suficiente, mas consegui — respirei profundamente. — Tive um sonho tão estranho… Tudo que me lembro é de uma melodia. Estava sentada na areia compondo uma música e, de repente, um cavalo com um homem de cabelos longos e olhos verdes aparecia e dizia que iria salvar a minha música. Mas ele foi embora e eu pedi para ele não me deixar.
— Eu acredito muito em sonhos e no poder que eles têm. Pode ser que, em algum momento da sua vida, esse cara apareça e acabe se tornando especial.
Olhei para ela com uma feição confusa. Não queria acreditar que aquilo poderia se tornar real, só achei estranho o fato de me sentir atraída por um alguém que eu nunca tinha visto.
— Mudando de assunto — ela deitou a cabeça em meu ombro —, conversei com o Rafael por mensagem e ele está muito feliz com a sua primeira apresentação. Mandou todas as energias necessárias para você.
— Confesso que estou apreensiva. Sei que os produtores me chamaram porque confiam no meu trabalho, mas tenho medo de não superar as expectativas deles.
, entendo o seu nervosismo. É a primeira vez que vais subir num palco sozinha depois de meses. Mas sabemos a artista incrível que você é. Pense no tanto de fãs que ficarão felizes de poder ver esse rostinho lindo e ouvir essa voz de anjo. Eles vão se orgulhar ainda mais e terão certeza que estão do lado certo.
Depois da confusão causada pelas fotos de saindo do meu condomínio, a minha vida virou um pequeno inferno. Comentários maldosos e suposições de uma possível armação foram cruciais para que meus dias se tornassem difíceis. Em um momento lá atrás, eu me esconderia e deixaria as pessoas pensarem o que quisessem. Mas, hoje, me sentia mais preparada para lidar com essas situações, e ter Brenda ao meu lado fazia as coisas serem mais leves. Ficava impressionada com o poder que ela tinha de minimizar meus problemas e me fazer enxergar o lado bom das situações. Depois dessa tempestade, o sol voltou a brilhar e, hoje, eu estava indo para o Rio de Janeiro abrir o show de uma das bandas mais incríveis do mundo: 5 Seconds of Summer.
O piloto anunciou a nossa chegada na cidade maravilhosa e minha ansiedade aumentou. Minha apresentação não havia sido divulgada, somente os organizadores e os integrantes da banda sabiam da minha vinda. Assim que a porta do avião se abriu, um jato de vento frio percorreu minha pele e minhas mãos começaram a suar. Havia prometido que demoraria a encarar o mundo novamente, mas aqui estava eu em outro estado e a poucas horas de encarar milhares de pessoas. Pela primeira vez, fiquei feliz de ter quebrado uma promessa.
O caminho para nosso hotel foi regado de risadas e cantorias. Brenda havia alugado um carro para que, assim, pudéssemos conhecer a cidade sem ter que atrapalhar ninguém. Com a cabeça encostada na janela, meus olhos começaram a se fechar, e, sem mais forças de brigar com o sono, me permiti descansar.

“— Você cantou lindamente esta noite — aqueles olhos verdes brilhantes faziam meu corpo todo se arrepiar. — Desculpa, não me apresentei. Meu nome é . O seu deve ser , certo?”

, acorda.
Levantei-me assustada e acabei batendo a cabeça no teto do carro.
— Desculpa te acordar dessa maneira, estou te chamando faz tempo. Acabamos de chegar. Assim que fizermos o check-in, prometo que vamos dormir antes de ir para a praia.
— Praia? Pensei que iríamos direto para a arena do show para que eu pudesse ensaiar.
— Isso mesmo, iríamos, mas a senhora está muito tensa e tenho certeza que um banho de mar melhorará isso.
Não estava a fim de debater com ela, ainda mais que um banho de mar seria tudo antes de pisar no palco. Relaxar e tentar colocar as ideias em dia, tentar esquecer os sonhos que estavam me atormentando… Se o destino estava a fim de me pregar uma pegadinha, ele já poderia parar porque eu precisava dormir.
Ao sair do carro, fiquei chocada com a entrada do lugar que ficaríamos hospedadas. Parecia um castelo, todo branco, com detalhes dourados e grandes palmeiras ao seu redor. Segui para a entrada e o bellboy do local pegou nossas malas para levá-las ao nosso quarto. Enquanto Brenda assinava alguns papéis para que fôssemos liberadas, meu celular vibrou e vi que havia recebido mensagens no grupo de amigos.


Oi, meninas, estou morrendo de saudades. Como estão as coisas por aí? 10:50


Oi, lito. As coisas por aqui estão uma loucura, acabei de sair da reunião de elenco do novo projeto da Nickelodeon e estou indo para um photoshoot de uma revista 10:55
Estou morrendo de saudades dos nossos momentos, das nossas risadas… Mas, mudando de assunto, dona decidiu desaparecer durante esses dias 10:55


Apareci só pra dizer o quanto amo vocês, e que hoje é um grande dia para mim. Tenho certeza que vão amar as novidades, mas, por enquanto, tudo tem que ficar no sigilo. Quando tudo estiver mais tranquilo, volto e colocamos as conversas em dia 11:00


Desliguei o aparelho que estava em minhas mãos e voltei minha atenção para Brenda, que já estava chegando perto de mim. Então, caminhamos em direção ao elevador. Não via a hora de poder dormir antes de curtir a praia. Um sinal avisou que havíamos chegado ao nosso andar, e, com muita educação, um dos carregadores abriu a porta do nosso quarto, deixou nossas malas e pediu licença para sair. Com a roupa do corpo, deitei-me naquela cama e me permiti descansar.


•••


O lugar que o empresário dos meninos reservou para nós duas ficava a alguns minutos longe do hotel. Preferimos ir andando e aproveitar o caminho para conhecer um pouco da cidade. Depois de uma caminhada recheada de muitas gargalhadas, decidimos correr para o mar. Assim que mergulhei naquela água, parecia que todos meus problemas estavam se desfizeram. A sensação de liberdade era nítida. Fazia anos que eu não tirava um tempo para mim sem me preocupar com nada.
Saí do mar e me sentei na areia. Flashes daquele sonho circulavam em minha mente e eu não conseguia entender por quê meu cérebro fazia questão de me fazer lembrar daqueles olhos. Sorri involuntariamente ao imaginar aquilo se tornando realidade. Aquilo poderia acontecer em livros ou novelas, mas nunca na vida real. Aqui, a gente se machuca muito. Levamos rasteiras de pessoas que nem imaginamos, vivemos de aparências e interesses. Chega um momento em nossas vidas que percebemos que nunca seremos suficientes para ninguém, por mais que doamos tudo de nós e demonstramos amor e respeito. Vai chegar o momento que algo irá nos decepcionar, sendo no amor ou na amizade. Sabia que demoraria muito tempo para conseguir me abrir para alguém novamente e que não entregaria de bandeja o meu coração para ninguém. E, mesmo que o universo conspirasse o contrário, eu estava convicta da minha decisão.
, precisamos ir — Brenda me tirou dos meus pensamentos. — O que aconteceu para você ficar tão pensativa?
— Nada não — lágrimas ameaçaram a cair. — Estava só refletindo sobre algumas coisas, mas agora já passou.
— Você sabe que não me engana. Promete que vamos conversar depois do show?
Assenti e senti seus braços me puxando para um abraço.
— Entenda só uma coisa. Você nasceu para brilhar e nada vai mudar isso. Estou indo na frente para resolver algumas coisas com o Rafael, te vejo no hotel. Toma cuidado — ela me deu um beijo e saiu correndo pela areia.
Peguei a minha sandália e caminhei em direção às espreguiçadeiras, onde observei um homem deitado em uma delas. Seu rosto estava escondido com uma espécie de boné, seus cabelos eram um pouco maiores que o meu e o seu jeito não era nada brasileiro. Automaticamente, comecei a assobiar a melodia que foi a trilha sonora do meu dia. Percebi que ele se mexeu, e, com medo de ser reconhecida, comecei a correr rápido para o hotel.


•••


Fazia uma hora que o show estava atrasado e eu só conseguia agradecer por aquela ajuda. Minha ansiedade estava fora do normal, minhas mãos estavam trêmulas e minha maquiagem estava sendo retocada pela quinta vez naquela noite. Sentia que tudo daria errado; que eu tropeçaria no palco e, assim, viraria chacota na internet.
Ouvi batidas na porta do meu camarim. Um dos produtores adentrou minha sala e me avisou que eu precisaria estar posicionada no palco naquele instante. Respirei fundo e me permiti voar: estava de volta.
Ali no centro do palco, eu estava parada com todas aquelas luzes apagadas. Fechei meus olhos e percebi que, a partir dali, as coisas não seriam mais as mesmas. O mundo veria o meu retorno. Eles ouviriam as minhas palavras e, talvez, a música que eu cantaria daria respostas para todas as perguntas sobre o meu último relacionamento.
Ouvi uma voz conhecida ser ecoada naquela arena e meus olhos começaram a lacrimejar.
— Ela é sensível, solidária, canta com a alma, é apaixonada por sua arte, e eu sei porque esteve entre nós, indagando e procurando por sua nova música. Sinto que, esta noite, vamos ver o nascimento de uma nova estrela. , você sempre brilhará.
Flashes de luzes apareceram atrás de mim, e, de repente, toda aquele lugar estava iluminado. Ouvi os acordes da canção da liberdade; eu estava finalmente livre daquele sentimento de culpa e pronta para encarar o mundo sem medo.
Durante muito tempo, deixei de me amar e me permiti viver uma vida que não era minha. Dei tudo de mim em um relacionamento tóxico que me fazia acreditar que eu merecia aquilo. Comecei a me perder e a perder minha essência porque queria ser perfeita para ele. Me submeti a várias situações pelo simples fato de que não querer perdê-lo, e que somente ele fosse capaz me fazer feliz. Eu realmente tive que aprender a odiá-lo para começar a me amar, e era tão bom dizer adeus para tudo isso...
As pessoas gritavam e eu observei cada rostinho que estava ali. Eles estavam curtindo o meu som, e alguns realmente estavam surpresos ao me verem naquele palco. E foi aí que entendi que ali era o meu lar. Não importava quanto tempo demoraria, eu sempre voltaria. Estava destinada a viver para a música.
Num determinado trecho, olhei para trás na tentativa de ver Brenda, e meus olhos fixaram-se na pessoa que estava em sua frente. De imediato, achei que estava ficando louca, ou que a adrenalina de estar cantando estivesse me fazendo mal. Mas era ele, o menino do sonho. Eu o reconheci.
Num movimento, acenei. Observei que ele também estava com o olhar fixo em mim. Porém, disfarcei e continuei dando atenção para o público. A música foi encerrada e eu fui ovacionada pela plateia. Meu nome estava sendo pronunciado em alto e bom tom; nunca me senti tão feliz. Ter o apoio deles era essencial para o meu desenvolvimento. Agradeci pelo carinho e saí em direção ao meu camarim sem olhar para trás. Não conseguia acreditar que aquele era ele, e que todos aqueles sonhos haviam sido sinais de que algo poderia estar acontecendo.
Abri a porta e procurei desesperada pelo meu celular. Precisava chamar um carro para me buscar. Antes, só mandaria uma mensagem para Brenda avisando que não estava me sentindo bem.
, o que está acontecendo? — ela perguntou, e eu nem tinha reparado que estava junto a mim no camarim.
— Brenda... Ele… está… aqui... — murmurei, e um olhar de desespero se formou em seu rosto. — Calma, não é quem você está pensando. Estou falando do menino que estava na sua frente. Sabe aquele do sonho que eu havia falado pra ti hoje de manhã? Então, é ele.
— O ?! Como assim, ? Você não estaria se confundindo?
— Eu reconheceria aqueles olhos a quilômetros de distância. Os seus cabelos longos, aquela boca...
— Amiga, recomendo limpar a baba que está caindo da sua boca — ela começou rir da minha cara.
— Não estou babando nada, somente estou impressionada com essa coincidência.
— Isso não é coincidência, o nome disso é destino. Agora vamos curtir o show!
Ela agarrou meu braço e eu saí correndo pelos corredores até o backstage. O show ainda estava em andamento e os meninos estavam um espetáculo. Dali, avistei algumas meninas chorando quando Luke estendeu as mãos para que elas se sentissem próximas dele. Outras estavam fascinadas enquanto Calum, Michael e Ashton faziam brincadeiras com seus instrumentos. A música se encerrou e os acordes da última canção do show começaram a tocar. Os meninos agradeceram aos fãs pela recepção e avisaram que tinham uma surpresa:
— É com muito prazer que chamo aqui no palco para cantar essa música incrível o nosso querido amigo… .

Recomendo colocar She Looks So Perfect do 5 Seconds of Summer a partir daqui

E lá estava o motivo do meu nervosismo. Com os cabelos sendo balançados pelo vento, um sorriso de orelha a orelha e vestindo um look despojado, olhou para os lados e observou que eu estava olhando para ele descaradamente. Senti minhas bochechas quentes e o meu coração acelerado.
Os meninos começam um coro de “hey” com a plateia e Luke começou a cantar:

Simmer down, simmer down
(Acalme-se, acalme-se)
They say we're too young now
(Eles dizem que nós somos muito jovens agora)
To amount to anything else
(Para alcançar qualquer outra coisa)
But look around
(Mas olhe em volta)
We've worked too damn hard for this
(Nós trabalhamos duro demais por isso)
Just to give it up now
(Para desistir agora)

If you don't swim, you'll drown
(Se você não nadar, você vai se afogar)
But don't move, honey
(Mas não se mova, querida)
You look so perfect standing there
(Você parece tão perfeita de pé aí)
In my American Apparel underwear
(Com a minha cueca da American Apparel)
And I know now that I'm so down
(E eu sei agora que eu estou tão apaixonado)
Your lipstick stain is a work of art
(Sua mancha de batom é uma obra de arte)
I got your name tattooed in an arrowed heart
(Eu tenho seu nome tatuado em um coração flechado)
And I know now that I'm so down, hey
(E eu sei agora que eu estou tão apaixonado, hey)

A energia da música contagiava todos ali, principalmente as fãs que acompanhavam os meninos. Eu estava tão fascinada com aquela apresentação que não percebi Luke vindo em minha direção e me chamando para subir no palco. Por mais que eu tivesse dito não incansavelmente, ele conseguiu me convencer. Com muita gritaria, fui recebida no palco, e começou a cantar sua parte da canção sem tirar seus olhos de mim:

Let's get out, let's get out
(Vamos fugir, vamos fugir)
'Cause this deadbeat town's only here just to keep us down
(Porque essa cidade desocupada está aqui só para nos deixar para baixo)
While I was out
(Enquanto eu estava fora)
I found myself alone just thinking
(Eu me encontrei sozinho só pensando)
If I showed up with a plane ticket
(E se eu aparecesse com uma passagem de avião)
And a shiny diamond ring with your name on it
(E um anel de diamante bem brilhante com seu nome nele)
Would you wanna run away too?
(Será que você iria querer fugir também?)
'Cause all I really want is you
(Porque tudo o que eu realmente quero é você)

Comecei a ignorá-lo, pois não queria dar tanto na cara que ele mexia comigo. Fui para perto de Calum e, numa tentativa de descontração, imitei uma guitarra imaginária. Nunca estive tão à vontade em um palco. Além disso, as luzes estavam sincronizadas com a música.
Sem entender, vi os meninos se afastarem de mim e, naquele exato momento, senti uma mão me puxando para trás. Dei de cara com aqueles olhos verdes. Com uma expressão confusa, olhei para ele e tentei me desvincular, mas senti um aperto mais forte e arrepios foram se espalhando pelo meu corpo. pegou o microfone e, na parte mais lenta da música, nossos olhares foram conectados.

You look so perfect standing there
(Você parece tão perfeita de pé aí)
In my American Apparel underwear
(Com a minha cueca da American Apparel)
And I know now that I'm so down
(E eu sei agora que eu estou tão apaixonado)
Your lipstick stain is a work of art
(Sua mancha de batom é uma obra de arte)
I got your name tattooed in an arrowed heart
(Eu tenho seu nome tatuado em um coração flechado)
And I know now that I'm so down, hey
(E eu sei agora que eu estou tão apaixonado, hey)

Ele piscou para mim e continuou a cantar. Fiquei sem entender, e minhas bochechas começaram a ficar vermelhas. Michael soltou gargalhadas ao perceber que eu estava desconcentrada. Tentei disfarçar toda aquela situação e continuei a dançar. Os meninos encerraram o show agradecendo pelo amor, e fogos de artifício foram lançados fora da arena.
As luzes se apagaram e eu voltei para o local onde estava com Brenda. Ouvi assobios e fingi que não eram para mim. Comecei a andar mais rápido, mas ele conseguiu me alcançar:
— Você cantou lindamente esta noite — aqueles olhos verdes brilhantes faziam meu corpo todo se arrepiar. — Desculpa, não me apresentei. Meu nome é . O seu deve ser , certo?


Capítulo 5


Minha mente estava girando desde o momento que vi todos aqueles sinais se tornando realidade... Desde o sonho até o nosso encontro no palco... Como isso foi acontecer? Logo comigo que sempre achava essa história de destino tão brega. Minha mãe costumava dizer que a nossa vida é comandada pelo Universo e que todos os nossos movimentos e pensamentos são calculados. E, sempre que podia, eu evitava esse assunto, pois acreditava que tudo o que conquistamos era fruto de muito esforço. Mas comecei a desconsiderar isso no momento que nossos olhares foram conectados como ímãs.
— Sim, foi um imenso prazer dividir o palco com você nesta noite, mas preciso ir — falei rapidamente e comecei a me afastar. Senti minhas mãos suarem só de pensar em ter que encará-lo.
— Calma, Marina — nossas mãos se encaixaram perfeitamente, e eu não consegui disfarçar a minha surpresa. — Queria te pedir desculpas por aquela cena no palco. Não sei o que se passou em minha cabeça. Não foi minha intenção constrangê-la.
— Aceito suas desculpas, mas eu realmente preciso encontrar minha empresária.
Me senti mal em deixar naquela situação. Tentei não olhar para trás e segui pelos corredores com um belo sorriso no rosto, na tentativa de ocultar o quanto eu estava nervosa.
No caminho para o camarim, fui parada por diversas pessoas pedindo fotos e autógrafos. Somente isso enchia meu coração de alegria. Era muito gratificante conseguir alcançar um dos meus maiores sonhos. Assim que cheguei, ouvi risadas descontroladas de Brenda; entrei e vi que os meninos estavam com ela. Sorri e fui em direção ao banheiro, tentando parecer o mais tranquila possível para não dar indícios de que algo teria acontecido. Joguei um pouco de água gelada em meu rosto e me sentei no sofá que havia ali, percebendo que meu celular estava no meu bolso. Pensei se deveria me estressar mais, porque estava nítido que aquele momento no palco estaria em todos os sites. E eu não me sentia nada feliz com aquilo.
Desbloqueei o celular em minhas mãos e ativei a internet. Levei um pequeno susto com a quantidade de notificações que encontrei nele. O primeiro aplicativo que abri foi meu Instagram, e fui recebida com um feed cheio de publicações do exato momento em que me abraçou. Não vi nada relacionado à minha performance. As pessoas só falavam do meu possível envolvimento com o astro pop, e isso me causou um pequeno desconforto. Não queria que a minha imagem fosse associada a um romance. O que eu almejava era que a minha música tivesse tanta relevância assim como aquelas fotos.
Entrei no meu direct e percebi o tamanho da bola de neve que isso havia se tornado. Vi que estava sendo bastante criticada pelos fã-clubes de , muitos deles me chamando de vagabunda, aproveitadora; outros dizendo que não iria conseguir alavancar a minha carreira assumindo um relacionamento com o ídolo deles. Era muito difícil ler tudo aquilo sem me sentir machucada. Saí do banheiro e vi que os meninos da banda já não estavam mais ali. Brenda, com o maior sorriso no rosto, veio me abraçar, mas eu afastei seus braços de mim.
— O que está acontecendo? — ela me olhava com uma feição confusa.
— O QUE ESTÁ ACONTECENDO? — acabo saindo um pouco de mim, assustando-a. — Estou sendo julgada por um momento que tive com o queridinho da América. A minha performance foi jogada de escanteio porque o galã da noite resolveu fazer graça.
, calma. Respira. Eu entendo sua raiva. Batalhei com você durante semanas para conseguir dar o melhor para o público, mas essas coisas não são controláveis.A gente não ia imaginar que aconteceria tudo isso. Tenho certeza que ele não queria te constranger — Brenda tinha o olhar mais compreensivo, fazendo me arrepender de ter gritado com ela. — É difícil viver com diversas câmeras e pessoas querendo saber o seu próximo passo. Só quero dizer que estarei sempre aqui e não deixarei que nada aconteça com você, nem com a sua carreira.
— Me desculpe pela ignorância, é que tudo isso foi demais para minha cabeça. Tenho que te agradecer por sempre estar aqui me acalmando. — Imagina. Agora tenho uma proposta para você — Brenda apertou minhas bochechas. — Que tal largar essa bad e vir curtir uma noite incrível no after dos meninos?
— Realmente é um convite tentador, mas eu passo. Não quero reencontrar o . Preciso descansar.
— Sério? — ela perguntou e eu concordei com o pescoço. — Tá bom, então. Só não entendo uma coisa. Você quer fugir do , mas sabe que vai encontrá-lo em seus sonhos.
Mostrei a língua para ela, peguei minha bolsa e caminhamos em direção ao portão principal. Brenda pediu para o motorista me deixar no hotel em segurança. Entrei no carro e me despedi dela. Encosto minha cabeça na janela e comecei a pensar em tudo que ocorreu naquele dia, sorrindo ao pensar na reação de e quando soubessem como conheci o astro pop favorito deles. Fui tirada dos meus pensamentos pela música que estava tocando no carro, uma das minhas favoritas do Coldplay. Nunca pensei que se encaixaria em tudo o que estava acontecendo.

Recomendo colocar Always In My Head do Coldplay a partir daqui

I think of you
(Eu penso em você)
I haven’t slept
(Eu não tenho dormido)
I think I do
(Eu acho que consigo)
My body moves, goes where I will
(Meu corpo se move, ele vai para onde eu quiser)
But though I try. my heart stays still
(Mas, embora eu tente, meu coração continua parado)
It never moves, just won’t be led
(Ele nunca se move, só não sai do lugar)
And so my mouth waters to be fed
(E a minha boca saliva para ser satisfeita)


Era exatamente assim que eu me sentia desde que vi aqueles olhos verdes em meu sonho. Custava acreditar que realmente Brenda estava certa. Talvez aquele encontro tivesse sido muito especial, por mais que não concordasse com a atitude dele no palco. Mas somente nós entenderíamos o que se passou em nossos corações quando nossos olhares se conectaram. Parecia um encontro de almas que precisavam matar a vontade de estar juntos.

And you’re always in my head
(E você está sempre na minha cabeça)
You’re always in my head
(Você está sempre na minha cabeça)
Always in my head
(Sempre na minha cabeça)

This, I guess, is to tell you you’re chosen out from the rest
(Isso, eu acho, é pra te dizer que te escolhi de todo o resto)

A música acabou e eu percebi que já estávamos próximos à fachada do hotel. O motorista me avisou que chegamos e perguntou se eu precisaria de ajuda para entrar. Acenei a cabeça com um não, agradeci a viagem e me despedi dele. Arrumei minha roupa pensando na possibilidade de ser abordada por algum paparazzi e encarei o lugar à minha frente. Já estava de saco cheio em pensar que ficaria trancada em meu quarto com todos aqueles questionamentos me atormentando.
Olhei para trás e vi a imensidão do mar, as ondas se quebrando. Eu precisava relaxar e, mesmo com medo de ser reconhecida, segui em direção à orla da praia na intenção de ter um momento tranquilo e sem preocupações.




Já fazia algumas horas que eu estava rolando pela cama sem conseguir dormir. Era muito estressante pensar que eu havia constrangido uma pessoa que mal conhecia. Ainda não entendia por que tomei aquela atitude, mas lembro que, ao vê-la dançando, eu quis a garota por perto. Saber que a coloquei numa situação delicada me frustrava muito. Era estranha a sensação que tive assim que nossos corpos se encostaram; meu coração acelerou e minhas mãos gelaram. Para mim, só estávamos eu e ela naquele lugar, e nada importava se continuássemos ali.
Foi tarde quando me toquei que aquilo poderia ter uma repercussão ruim para ela. Sempre que me aproximo de alguém, a pessoa vira alvo de ataques na internet por pessoas que se intitulam meus fãs e que prezam pela minha felicidade. Não estou dizendo que viveria um amor incondicional com , mas eu sabia que aquele encontro tinha algo para nos proporcionar, porque não imaginava ter uma conexão com alguém que nunca vi como tive assim que a avistei naquela praia. Parecia que ela tinha saído dos meus sonhos, e eu gostaria muito de contar esse fato para ela. Mas seria muito complicado, porque a situação que estávamos passando não ajudava muito. Eu entendia perfeitamente seus sentimentos. Não era nada fácil se preparar para a volta aos palcos e seu caminho perfeito ser desviado por algo que você não imaginava.
Observei o quarto em que estava e olhei para o case do meu violão, que se encontrava do mesmo jeito antes do show. Minha vontade era de poder sentar naquela varanda e compor aquela música que pareava em minha mente. Mas parecia que faltava algo que eu não conseguia concluir, por mais que algumas partes estivessem prontas. Não me sentia seguro em escrever algo tão sublime e tão lindo.
Muitas das vezes, eu me sentia impossibilitado de receber amor. Era muito fácil ser o queridinho da América, mas era difícil encontrar em tantas garotas alguém que te aceitaria com todos os seus defeitos, e, no fundo, eu já sabia que a minha vida se tornaria isso desde o momento que assinei aquele contrato. Eu poderia viver no anonimato, continuar na minha cidade, trabalhar naquela padaria com pessoas que conhecem o meu caráter, mas eu também precisava voar e entender o que eu queria.
Hoje, me vejo sem experiência em algumas situações da vida. A gente fica impossibilitado de amadurecer. Lembro-me das palavras que Liam sempre me dizia: “a maturidade é algo que conquistamos, e não algo que vem até nós”. Talvez esse fosse o momento de amadurecer e começar a entender o que estava acontecendo.
Fui até a varanda e observei aquele mar imenso. Algo estava me chamando, como se houvesse a necessidade de pisar naquela areia. Me perguntei por que não poderia estar ali já que não havia ninguém andando pela orla, e, sem pensar nas consequências que aquilo poderia me causar, me arrumei, tranquei a porta e saí em direção ao mesmo lugar que fiquei naquela manhã. Eu precisava entender as coisas, estava muito confuso sobre a minha vida e carreira. Assim que entramos em hiato, os meninos já estavam encaminhados para seus projetos, enquanto eu fiquei pensando sobre o que eu queria, como aconteceria, qual seria o meu som e se as pessoas aceitariam o de verdade. Aquele que tinha medos: medo do destino, medo de errar.
Assim que cheguei na areia, percebi que não estava sozinho. Havia uma mulher com os cabelos ao vento. Observei de longe cada detalhe da sua roupa e, depois de muita observação, percebi que não tinha como escapar do destino. Porque era ela. Era exatamente a menina que me fazia perder o sono. Cheguei de mansinho para não assustá-la e sentei-me ao seu lado. Ela me olhou confusa, sem saber o que estava acontecendo.
— Oi. Juro que não estava te seguindo, só estava pensando em relaxar e achei que aqui seria o melhor lugar. Mas tudo bem se quiser que eu vá embora, não quero mais te trazer problemas — tentei me levantar, mas ela segurou minha mão.
— Caramba, parece que tivemos o mesmo pensamento. Estamos procurando a paz interior.
, eu queria muito te pedir desculpas. Em momento algum foi a minha intenção constrangê-la. Não imaginei que se isso se tornaria uma bola de neve.
— Tudo bem, . Isso poderia acontecer. Não temos o poder de controlar nada. Pode tirar todo o peso de culpa das suas costas, eu entendi tudo.
Ficamos em silêncio absoluto. Observei o mar, a lua, as estrelas, e, em seguida, os olhos de brilhando. Seus cabelos estavam voando, e eu comecei a sorrir.
— Se você ficar me olhando muito, eu vou derreter — disse ela.
Pedi desculpas pelo acontecido e desviei o meu olhar.
... Eu não estou entendendo nada. Juro que não quero entrar em detalhes sobre o fato que aconteceu no palco e sobre as coisas que sentimos. Na verdade, sobre as coisas que eu senti. Talvez, por ironia do destino, temos que nos encontrar toda a vez assim, de surpresa. Mas realmente reparei que fui extremamente grossa com você. Talvez por medo de te encarar, porque eu não queria dar espaço para uma história totalmente distorcida sobre algo entre nós. Não que isso seja uma loucura — ela parou quando percebeu que falou demais. Dei risada. — Voltando ao assunto... Não devo negar que é chato ver o seu esforço sendo jogado fora por um simples momento, um abraço ou um olhar. É difícil, pois agora que estou me encaixando neste mundo, o sentimento que predomina é que talvez esse não seja o meu lugar.
— Eu te entendo, . Não é nada fácil passar por essas situações, ainda mais quando não se tem muita expectativa sobre carreira, imagem… Eu mesmo me pergunto todos os dias se foi uma boa ideia ter encerrado meu ciclo na One Direction, ou se foi um belo passo ter decidido seguir carreira solo, que nem tenho ideia de como será. Olho para trás e vejo muitos questionamentos sobre o meu próximo passo, e o pior é que eu não sei qual será.
Mais uma vez, ficamos em silêncio. Minha vontade era de perguntar sobre seus sonhos, do que ela mais gostava, como ela se sentiu fora dos palcos e qual foi a sensação ao retornar a ele... Se ela se sentia completa com sua música fazendo sucesso, sobre os seus medos, anseios e frustações. Mas não me sentia tão íntimo para ter aquele nível de conversa.
Ela percebeu que eu estava viajando e se virou para mim:
— Mas quem é o ? Ele é tudo isso que as pessoas dizem?
— Boa pergunta. Sou um menino que saiu muito cedo de uma pequena cidade da Inglaterra. Decidido que conquistaria tudo que almejava, mesmo que isso causasse várias crises de insônia e ansiedade. Que tem muito medo de ser esquecido, de não encontrar a sua verdade… e medo de não estar preparado para o que está por vir. Às vezes, olho para o espelho e me sinto vazio. Sem caminho. E isso acaba me deixando vulnerável. Mas, agora, refaço essa pergunta a você. Quem é ?
é uma menina insegura, que tem muito medo de errar. Que não acredita que as coisas vão dar certo, por mais que ela se esforce muito. Que passou um momento caótico que a fez desistir da música, e que, depois de meses, se sentiu um pouco confiante para retornar à vida de artista, mesmo que isso cobrasse muitas coisas dela. Mas decidiu voltar porque ama cada nota que sai de um piano, cada som que ecoa no seu canto. Porque encontrou, no meio do caminho, pessoas que acreditaram nela e a fizeram enxergar seu potencial, e quão maravilhosa ela era.
Deitei-me na areia e, posteriormente, também. Nossos olhares mais uma vez foram conectados, e a vontade de beijá-la era muito grande. Mas não permitiria que aquilo acontecesse, pois ainda queria tê-la por perto como amiga. Era muito estranho querer algo intenso assim com alguém que conheci há mais ou menos um dia. Nunca me senti tão seguro em contar todos os meus medos, mas eu sabia que poderia confiar nela.
Meus olhos começaram a pesar, e o cansaço tomou conta de mim. Abri os olhos rapidamente e percebi que a bela moça que se encontrava ao meu lado havia adormecido. Fiquei ali, admirando aquela beleza, até que meus olhos se fecharam de vez e ali adormeci.




Acordei com o barulho das ondas e percebi que estava deitada na areia. Pensei que estava sonhando. Olhei para lado e vi que havia adormecido. Peguei meu celular para ver as horas e me arrepiei com a quantidade de ligações de Brenda. Ela deveria estar louca atrás de mim, e com razão, já que eu não tinha avisado onde estaria. Eu realmente estava precisando relaxar.
Ouvi meu celular tocando outra vez e, rapidamente, tratei de atender.
, onde você está? — pelo seu tom de voz, a coisa estava feia.
— Oi, Brenda. Estou perto do hotel, na praia que estivemos de manhã. Desculpa por não avisar, eu realmente não queria ficar no quarto. Precisava urgentemente relaxar.
Você vacilou muito. Consegue imaginar o meu desespero? Cheguei faz uma hora, entrei no quarto e não tinha ninguém. Desci na recepção e as pessoas não viram você. Liguei pro motorista e ele avisou que tinha te deixado aí. Comecei a imaginar um sequestro, você tem noção?
A minha vontade era de rir muito.
— Pelo amor de Deus, não exagera, estamos bem.
“Estamos bem?” , quem está aí?
Eu e minha boca grande. Ainda não queria contar a ela.
está aqui.
Foi nesse momento que senti a raiva dela do outro lado da linha.
O que esse menino está fazendo aí? Vocês estão ficando loucos? O nome de vocês está nos trends do Twitter, os paparazzis estão igual lobos atrás de vocês desde que o show acabou. Até uma foto de vocês conversando nos bastidores foi vazada.
— Calma, Brenda, a gente não planejou isso. Você mesma disse que essas coisas não são controláveis. Eu tive o pensamento de ir à praia e, depois, apareceu aqui. A gente estava conversando sobre as nossas vidas e carreiras. Acabou que, movidos pelo cansaço, acabamos dormindo. Não aconteceu nada.
Tá bom, , não aconteceu nada. Mas eu quero você aqui agora — ela ordenou e eu dei risada. — Acorda o e vem pra cá.
— Não, nem tem necessidade de acordá-lo. Os seus gritos o despertaram — olhei para o lado e se encontrava com o rosto inchado por causa do cochilo. — Ok, mamãe, estamos indo. Beijos.
Encerrei a ligação e começou dar risada incontrolavelmente. Olhei para ele e fui contagiada por seu riso. Eu realmente não conseguia entender por que estávamos nos colocando em um caminho perigoso. Estávamos dando corda para que as pessoas falassem da gente, mas, por incrível que pareça, eu não estava ligando para essas opiniões. Só queria me sentir leve, e nada disso iria tirar a minha tranquilidade.
— Estamos numa situação arriscada, né? — ele perguntou. Assenti e senti meu corpo arrepiar ao ouvir aquela voz rouca.
— Precisamos urgentemente voltar para o hotel de uma forma que as pessoas não associem que estávamos juntos. Porque, se alguma foto vazar, vai dar mais motivo para suas fãs loucas mandarem mensagens me ameaçando — continuei dando risada. Só parei quando percebi que sua feição havia mudado. — É zoeira.
— Eu sei que não é brincadeira, . Sei que minhas fãs são exageradas, elas realmente pegam pesado. Já pedi para que parassem, mas eu não consigo controlar.
— Pois é, mas isso é normal, porque você é o amor da vida delas. Elas não vão querer dividir o ídolo com qualquer pessoa — falei, e ele sorriu e abaixou a cabeça. — Mas é isso. Bora levantar e ir embora. Vou na frente e, depois de uns cinco minutos, você vai. Agora me despeço, pois, daqui algumas horas, tenho um voo para São Paulo. Agradeço muito pela companhia, foi um prazer conversar com você.
Assim que me virei as costas, me puxou para um abraço. Num movimento involuntário, descansei minha cabeça em seus ombros. Ele se afastou de mim, e, mais uma vez, mergulhei naqueles olhos verdes. Aos poucos, fomos nos aproximando. Pude sentir o calor de seus lábios. Dei um sorriso de lado e me afastei.
— Não podemos fazer isso. Preciso voltar antes que Brenda chame a polícia para me buscar.
— Tudo bem, então. Mas quando nos veremos novamente?
— Não sei,
Dei um beijo em sua bochecha e corri em direção à rua. Não tinha certeza se voltaríamos a nos ver, mas sabia que o encontraria de novo em meus sonhos.
Atravessei a rua e entrei no hall do hotel. Reparei que a recepcionista me olhou surpresa, talvez pelo fato de Brenda estar à minha procura. Ela pega o telefone e ligou para algum lugar. Sorri e caminhei para o elevador. Ao entrar, senti meu coração acelerar, e a melodia do sonho se repetia a cada minuto em minha mente. Não via a hora de voltar para São Paulo para tentar compor aquela música, porque ela já tinha um lugar em meu coração. Lembro-me do momento em que compus a minha primeira música autoral, ainda quando estava atuando em Violetta. A sensação de dever cumprido era incrível. E pensar que havia tantas composições guardadas numa gaveta, só esperando o momento certo de serem transformadas em singles maravilhosos.
Assim que o elevador chegou em meu andar, comecei a girar pelos corredores. Quem me visse acharia que eu estava bêbada ou algo do tipo, mas só estava feliz pelo meu retorno e pela conversa que tive com . Quando abri a porta do quarto, me deparei com a minha querida empresária com a cara mais emburrada do mundo.
— Não adianta você ficar com essa cara de brava, já disse que não foi a minha intenção te deixar preocupada — fiz um biquinho e juntei minhas mãos em sinal de piedade.
, isso não se faz. Eu me senti culpada por ter ido ao after e ter deixado você sozinha neste quarto e, quando chego, a senhora está na praia com o perigo de ser reconhecida — em sua voz, dava para perceber o quanto ela estava chateada com a situação.
— Só queria relaxar e colocar as ideias no lugar. Meu dia foi extremamente agitado, cheio de surpresas.
— Realmente, a senhora não teve paz, assim como eu também não tive. Mas não saí por aí passando perigo. Agora sei que não posso deixar sozinha por um segundo — ela avisou, e eu revirei os olhos. Dentro de mim, a vontade de rir só estava crescendo. — Mas como foi o encontro?
— Que encontro, menina? Não teve encontro nenhum. Não marcamos de nos ver. Depois dos bastidores, não nos vimos mais. Foi só uma coincidência estarmos no mesmo lugar — expliquei, e Brenda começou a rir. — Posso saber o porquê da risada?
— Isso, , se chama destino. Você tem essa mania de não acreditar que as coisas são destinadas a acontecer. Na sua cabeça, tudo é coincidência. Você nunca vai acreditar no poder do Universo de escolher certas coisas para acontecer em nossas vidas. Mas, minha querida, a senhora não acha estranho o fato de ter sonhado com ele? E, no mesmo dia, se encontrar com ele duas vezes em locais que ambos não marcaram de se ver?
— Eu realmente estou pensando em diversas coisas, desde que o repetiu todas as palavras que disse em meu segundo sonho — admiti, e ela me olhou assustada. — Sim, teve o segundo sonho, mas não vi necessidade de te contar, sendo que já imaginaria você falando que ele se tornaria muito especial na minha vida. Só que não é isso, não pense que nos tornaremos amigos. A gente só se encontrou e nada mais que isso. Aliás, nem tenho o número dele e não o sigo no Instagram. Por isso, não precisamos alimentar nada disso, nem apegarmos em detalhes, sinais ou sonhos. Se fosse para acontecer algo entre nós dois, pode ter certeza que já teria acontecido.
— Pois bem, já não está aqui quem falou. Agora eu exijo que você vá tomar um banho antes de deitar na nossa cama. Daqui algumas horas, estaremos voltando para casa.
Preparei meu banho com alguns sais que estavam na banheira, aproveitei e coloquei minha playlist favorita para tocar baixinho. Tirei minha roupa e entrei naquela água quente e relaxante. No final das contas, aquele dia não teve um fim tão ruim assim. Fui aclamada naquele palco, consegui desabafar através da minha música tudo aquilo que estava engasgado em minha garganta, e, de quebra, tive um papo muito legal com . Foi muito importante conversar sobre coisas que ambos passamos. Em pouco tempo, percebi que ele era um cara que sabia que tinha muito talento, mas também era inseguro. No fundo, eu sabia que ele conseguiria conquistar ainda mais pessoas com seu canto e sensibilidade, só que, no momento, ele estava perdido.
Ouvi batidas na porta e saí rapidamente da banheira para vestir um roupão. Não consegui acreditar que alguém queria algo comigo às cinco da manhã. Reparei que Brenda se remexeu na cama, e decidi abrir a porta para ver se era algo de importante. Olhei para os lados e não vi nada, mas, ao olhar para o chão, fui surpreendia com um buquê de girassóis e um envelope. Peguei aquele belo presente e sorri ao ver que eram as minhas flores favoritas. Fechei a porta e me sentei na cama, desesperada para saber quem seria a pessoa que teve o carinho de deixar aquilo para mim. Ao abrir aquele envelope e começar a ler, meu coração quase saiu pela boca.

“Sei que a essa hora você estará dormindo, mas quero te agradecer por me ouvir e ter conseguido me acalmar somente com o seu sorriso… E te falar que, se eu pudesse mudar o mundo durante a noite, não teríamos que dizer adeus... Espero te ver logo <3
Com amor,


Capítulo 6


Já fazia algumas horas que eu me encontrava naquela praia. A brisa passava pelo meu rosto, e a sensação de liberdade era incrível. Na verdade, ter essa conversa com fez que todo o peso que eu carregava em minhas costas desaparecesse. Era estranha a sensação de comodidade. Sentia que poderia falar com ela a qualquer momento, e aquilo me assustava, pois tinha a conhecido em apenas algumas horas. tinha esse poder – seu olhar doce me hipnotizava, suas palavras eram pronunciadas da forma mais bela de todas, e parecia que nos conhecíamos de muitas vidas atrás. Nossa química era perceptível.
A vontade de retornar ao hotel era mínima. Eu tinha o pressentimento que, assim que meus pés pisassem naquele assoalho, todos os momentos vividos naquela noite se encerrariam. Mas o medo de ser flagrado andando sem rumo era maior.
Ao andar pela orla da praia, observei uma floricultura sendo aberta. Olhei para o relógio em meu pulso e me assustei com o horário: o sol já estava nascendo. Passei em frente à loja, e uma moça que se encontrava ali começou a gesticular para mim, mas não consegui entender uma só palavra que saía de sua boca. Por mais que eu tivesse passado alguns dias no Brasil com a banda, eu não conseguia entender nada. Percebendo meu desespero, ela começou a falar a minha língua:
— Bom dia, senhor — ela se aproximou com um belo sorriso no rosto. — Não é muito tarde para estar voltando para casa?
— Sim, na verdade, eu estava na praia. Faz poucas horas que cheguei ao Brasil, então decidi conhecer as belezas do Rio de Janeiro.
— O senhor parece estar um pouco apreensivo — ela dizia.
— Não, só estava pensando em algumas coisas que andam acontecendo em minha vida, mas não é nada de mais.
— Imaginei. Mas a vida é complicada de se resolver, demanda muito tempo e sabedoria. No entanto, com flores você consegue presentear a pessoa em quem você pensa.
— E quem disse que estou pensando em alguém?
— Seus belos olhos te entregaram — ela começou a dar risada. — Ela parece ser bem especial para você.
— Sim, realmente ela se tornou especial para mim desde o momento que a vi na praia e tive a sensação que não a veria novamente. Mas, ao vê-la cantando naquele palco, foi o destino esfregando na minha cara que nossa história não se encerraria ali.
— E por que você não a presenteia? — a moça perguntou, e eu olhei intrigado para ela. — Flores são capazes de mudar a vida das pessoas, e tenho certeza que esses lindos girassóis irão fazê-la feliz — ela finalizou, me entregando um buquê.
Minha mãe sempre dizia que as flores tinham a magia do encanto, mas presentear com elas a faria correr. Ela ia pensar que eu estava indo rápido demais, e que a emoção havia me pegado. Eu não podia colocar a nossa amizade em risco.
— Essa pessoa não é tão importante como a senhora pensa. É somente alguém que acabei de conhecer.
— Senhora não, Maria — ela me corrigiu, olhando sério para mim e me fazendo sorrir. — Como essa pessoa não é importante? Ela conseguiu tirar seu sono. Não tenha medo demonstrar seus sentimentos, tudo pode acontecer. Muitas vezes, a gente se limita em não aceitar as coisas que são destinadas para nós e acabamos perdendo momentos especiais. Pode ser que ela ache que as coisas estão indo rápido demais, ou talvez esse gesto se torne um sinal para ela… Nunca se sabe o que o Universo escolhe pra gente.
— Ok, Maria, você me convenceu — falei, procurando a minha carteira. — Quanto está este lindo buquê?
— Um total de zero reais — ela deu risada. — O meu pagamento é saber que os meus conselhos serviram para alguma coisa. Assim que as coisas andarem, não se esqueça e lembre-se de mim. Gostaria de saber se deu tudo certo.
Agradeci pelos conselhos e continuei minha caminhada para o hotel. Estava em êxtase para entregar aquele presente. Assim que cheguei, percebi que eu não tinha acesso ao quarto de , então, me dirigi à recepção na tentativa de conseguir essa informação. Em poucos minutos, estava com o número do andar e do quarto dela em minhas mãos. Antes de ir ao seu encontro, dei uma passada em meu quarto para escrever um recado e entregá-lo com as flores.
Sentei em minha cama e coloquei minha mente para funcionar. Observei meu caderno de composições e tive a brilhante ideia de colocar um trecho da música que eu estava compondo:

If I could change the world overnight
(Se eu pudesse mudar o mundo durante a noite)
There'd be no such thing as goodbye
(Não haveriam coisas como o adeus)

Esse trecho transmitia tudo o que eu queria dizer a ela. Se eu pudesse congelar o tempo para que passássemos mais alguns minutos juntos, eu congelaria. Caminhei até o quarto de , com medo de fazer barulho, e apertei a campainha duas vezes. Coloquei o buquê posicionado na porta e corri para o elevador, de onde pude observá-la saindo do quarto e olhando assustada para o presente à sua frente. Ela olhou para os lados e sorriu.
Realmente minha mãe estava certa – flores conseguiam arrancar belos sorrisos das pessoas.




Acordei assustada com o barulho do despertador, não acreditando que eu tinha conseguido dormir apenas duas horas seguidas. Meus olhos estavam pesando, e meu corpo pedia incansavelmente por mais alguns minutos de descanso. Depois de ter recebido aquelas flores de , meu sono desapareceu completamente. Fiquei por horas tentando achar uma maneira de agradecê-lo por aquele presente. Poderia mandar uma mensagem no Instagram ou tentar conseguir seu número com Mark, mas o orgulho foi maior do que o sentimento de gratidão. Agradecê-lo seria uma forma de demonstrar que aquele gesto havia mexido comigo.
Não queria de forma alguma que ele tivesse esperança que algo poderia acontecer entre nós. Não existia nenhuma hipótese de embarcar nessa aventura com alguém que tinha acabado de conhecer. Depois de tudo o que aconteceu comigo, e ter passado por um relacionamento tóxico ao lado de só me dava a certeza que a única coisa que eu poderia me importar agora era com a minha carreira.
Levantei-me da cama com uma sensação triste. Aquilo que estava se passando em minha mente não se encaixava com a minha verdadeira personalidade. Onde havia parado a menina que era apaixonada em receber flores de fãs e amigos? Que era grata por pequenos gestos como esse de ?
Assim que fui à varanda, encarei aquele buquê e fiquei imaginando de que modo ele conseguiu adivinhar que girassóis eram as minhas flores favoritas… Elas tinham um significado muito importante para meu desenvolvimento como pessoa. Eu costumava dizer que eu era um girassol – não suportava viver na escuridão, e estar na luz passava a ser o meu objetivo.
Sentei-me numa poltrona próxima e observei o céu; ele estava do mesmo jeito do sonho na manhã anterior. De repente, a melodia que havia sido a trilha sonora daquele sonho começou ecoar na minha cabeça, só que parecia ainda mais próxima e real. Num movimento repentino, me levantei e encostei o corpo na beira da sacada, tomando um susto ao ver a haste de um violão no quarto abaixo. Meus olhos começaram a marejar, e senti a necessidade de ir atrás da pessoa que estava tocando a minha melodia. A melodia do meu sonho.
Me vesti rapidamente e calcei meus tênis. Deixei um recado para Brenda avisando que fui tomar café, na tentativa de tranquilizá-la sobre o que eu realmente iria fazer. Fui em direção ao elevador e parei no andar abaixo do meu. Enquanto seguia devagar pelo corredor, aquele som começou a ficar mais nítido. Parei em frente à porta, apertei a campainha e fiquei mais espantada ainda ao ver a pessoa que estava à minha frente.
? — ele me olhou, confuso. — O que você está fazendo e por que está tão assustada em me ver?
Naquele momento, parecia que eu havia saído de órbita. Automaticamente, minha mente voltou para aquele sonho e eu consegui ouvir as palavras que havia me dito sobre a música que saiu voando.
— Na verdade, eu estava passando por aqui e vim agradecer pelo presente — respondi, voltando de meus pensamentos. Notei que o olhar confuso permanecia em seu rosto.
— Percebo que gostou — disse ele. Balancei a cabeça, assentindo. — Quer conversar? Imagino que, pela sua cara, você não imaginava me encontrar aqui.
— Na verdade, a gente precisa conversar sobre algumas coisas que estão acontecendo.
Agora foi a vez dele ficar assustado. pediu licença para vestir uma camisa – por mais que, a meu ver, ele ficava mil vezes melhor sem uma – e abriu a porta novamente para que eu pudesse entrar.
Seu quarto não era muito diferente do meu. Vi algumas roupas jogadas no chão, e, percebendo o meu olhar, imediatamente começou a recolhê-las e arremessá-las em sua sua mala. Ele ajeitou sua cama, para que pudéssemos ter algum lugar para conversar, e, ao me sentar, percebi o quanto eu estava nervosa. Era estranho conversar sobre essas coisas com ele, e não me assustaria se meu coração estivesse acelerado. Nunca pensei que teria essa conversa com , mas tudo estava muito estranho.
, na verdade, eu não estou aqui para te ver. Não imaginava que iria te encontrar por aqui. É esquisito o que vou te falar agora — eu respirava pausadamente; minhas mãos se encontravam trêmulas. — Essa melodia que você estava tocando pertence a mim.
— Como você pode dizer que essa melodia pertence a você? Estou trabalhando nela há dias — ele deu risada.
— Se for para você começar a rir, eu não vou ficar aqui mais nem um minuto — me levantei da cama.
— Calma, — ele segurou meu braço. — Não precisa sair assim, mas você tem que concordar com a minha reação. É estranho ouvir isso. Estou compondo essa música desde antes mesmo de chegar ao Brasil.
— E eu também, … Eu sonhei com essa melodia… e eu também... — fiz uma pausa antes de continuar. Ele me olhou confuso, e, juntando toda a coragem que tinha naquele momento, resolvi soltar tudo de uma vez: — … Sonhei com você.
Comecei contando os detalhes daquele sonho, da melodia, das folhas voando, dele aparecendo e me dizendo que traria a minha música de volta, sobre a forma que pedia para ele não me deixar sozinha… Enquanto prestava atenção em cada fala, percebi o quanto ele estava surpreso com aquela revelação. Quando me dei conta, meus olhos estavam lacrimejando, e eu senti a necessidade de desabar. Não queria ter que expor aquele sonho. Era como se um pedaço de mim fosse cortado.
Senti as mãos de se cruzando com as minhas.
— levantei minha cabeça para que pudesse visualizá-lo —, não precisa ficar com vergonha de expor algo tão genuíno. Por incrível que pareça, esse sonho foi muito esclarecedor, porque eu não conseguia entender o motivo desse carinho por você… Agora chegou o meu momento de exposição — ele soltou minhas mãos. — Eu te vi naquele dia na praia, você e a sua empresária, correndo em círculos. Vocês estavam tão felizes... A vontade de ir até você era enorme, mas fiquei com medo e decidi me afastar. Mas eu ouvi quando a minha melodia saiu da sua boca…
— Então era você? — cruzei os braços. — Era você que estava deitado naquela espreguiçadeira? — ele assentiu. — … Como assim? Por que você não falou isso antes?
— Pelo mesmo motivo que o seu. Não esperava que você fosse acreditar na minha história. Tenho certeza que sua reação seria a mesma.
De repente, me assustei com o toque do meu celular. Olhei para o visor e vi que Brenda estava à minha procura. Em seguida, olhei para , que logo entendeu o recado. Desliguei a chamada e avisei por mensagem que já estava voltando para o quarto. Então, me levantei e fui em direção à porta.
me acompanhou. Nossos olhos se conectaram, e senti que aquele assunto estava inacabado – precisávamos de mais algumas horas para entender o que estava acontecendo. Antes que pudesse sair, ele segurou minha mão e disse:
— Será que não poderíamos nos encontrar mais tarde?
— Não consigo… Preciso pegar um voo de volta a São Paulo daqui a pouco.
— Mas como vamos entender tudo o que está acontecendo?
— Não sei, . Talvez seja melhor deixar esse assunto para outro momento. Quem sabe o “destino” nos surpreenda novamente.
Ao sair do quarto dele, segui em direção ao meu. Aquilo não podia estar acontecendo. Como fui me deixar ser levada pelas minhas emoções e baixar a guarda dessa maneira? Já imaginava a imagem que teria de minha pessoa: a menina que estava exageradamente apaixonada por um popstar.
Abri a porta do meu quarto e me deparei com Brenda deitada, com a feição mais brava do mundo.
— A senhorita foi tomar café em São Paulo? — ela perguntou, e eu neguei com a cabeça. — Pensei que tivesse ido, porque nunca vi um café tão demorado… Vai, desembucha. Onde você estava?
— Estava dando uma volta pelo hotel — tentei explicar. Ela me olhou, desconfiada. — E decidi dar uma passadinha no quarto de — falei rapidamente.
— Era isso que faltava. no quarto de , fazendo sei lá o quê! — se ela estava brava ao me ver, agora estava furiosa. — Certo. Agora a justificativa tem que ser muito boa, porque, devido à sua visita ao quarto do nosso querido popstar, perdemos o voo para São Paulo. Só conseguiremos embarcar amanhã à tarde — a minha cara de surpresa foi nítida. — E não tente mudar o rumo da conversa. Pode ir falando, estou esperando!
— Então, sabe aquela melodia do sonho que tive com ? — comecei a falar, e ela assentiu. — Acabei ouvindo esse som e imaginei que seria coisa da minha cabeça, mas parecia estar fora dos meus pensamentos. Não me importei com as consequências, saí como uma doida atrás da pessoa que estaria dedilhando a minha composição. Assim que encontrei, dei de cara com o .
— Sério? Isso é incrível! Já pensou em um feat com ? — meus olhos reviraram. — Nossa, já estou imaginando o clipe, as divulgações, as fotos, as entrevistas…
— Calma, respira, você está viajando! Não quero fazer feat com ninguém, ainda mais com — falei, mas ela me questionou. — Ele é extremamente talentoso, mas o fandom é muito ciumento. E não quero que isso atrapalhe o meu desenvolvimento como cantora.
Brenda saiu cantarolando sobre o quanto eu estava sendo idiota em não pensar nessa possibilidade. No final das contas, eu sabia que, naquele momento, uma parceria com seria maravilhoso, mas o medo de tudo ir por água abaixo era maior. Ele era um artista conhecido no mundo todo – um prodígio, tinha um talento genuíno –, mas, por outro lado, estar ao lado dele era um tanto perigoso. Aqueles olhos verdes tinham um poder inexplicável.
Deitei-me na cama enquanto mexia no meu celular. Todos os dias, eu era bombardeada por mensagens de amor, e outras nem um pouco amorosas. Enquanto respondia algumas, me deparei com uma mensagem de um tal cantor pop:

@: Oi, . Já está retornando para São Paulo? Queria muito continuar aquela nossa conversa. Se ainda estiver por aqui, reservei um espaço no hotel para conversarmos… Ah, traga o seu caderno com a composição, gostaria de apreciar essa letra.

@marinacastilloof: Oi, . Houve um imprevisto na viagem, então estarei por aqui até amanhã. Sobre o encontro, acho melhor deixarmos essa conversa para outro dia!

@: Ufa, estava quase apagando a mensagem. Obrigado por responder. , não é um encontro, somente uma reunião de negócios. Queria muito ver sua composição, e quem sabe não poderíamos lançar um feat. Diz que sim, por favor?

@marinacastilloof: Ok, . Onde vai ser? E o horário?

@: No Cipriani, às 18:00. Te espero lá.

Olhei para o relógio e vi que ainda tinha bastante tempo antes da minha “reunião” com ele. Por fim, decidi colocar meu sono em dia, já que, desde que pisei no Rio, ele estava totalmente descontrolado.

“— Crianças, parem! Assim vocês vão deixar sua mãe maluca — dizia enquanto me ajudava cozinhar.
De repente, senti um abraço por trás e um aroma de hortelã tomar conta das minhas narinas. beijava o meu pescoço com muita delicadeza, e seu abraço ia ficando cada vez mais forte.
… Agora não! As crianças estão na sala — falei, me soltando de seus braços.
— ele me colocou de frente —, eles estão assistindo TV. Prometo que não vão ouvir nada.
Me descontrolei e agarrei seu pescoço. me deitou em cima do balcão, fazendo com que algumas coisas caíssem no chão. Fiz sinal de silêncio, e ele soltou uma risada baixa. Seus olhos começaram a acompanhar cada detalhe do meu corpo, ainda coberto com sua camiseta. Senti seus beijos descendo por todo o meu colo, me fazendo delirar. Suspirei seu nome rapidamente, e uma mistura de medo e desejo tomou conta do meu ser. começou a tirar a minha roupa, e sua boca colou na minha. Senti suas mãos passarem deliciosamente pelos meus seios, me fazendo arfar. Me levantei rapidamente e subi no colo dele, sentindo seu membro já animado. Mordisquei sua orelha, fazendo ele gemer.
— Sabe… — senti um arrepio ao ouvir sua voz bem próxima ao meu ouvido. — Demorou muito tempo para te conquistar, mas, no final, valeu super a pena.
Senti seus dedos adentrando a minha intimidade, que se encontrava molhada.
…”


Arregalei os olhos, me sentindo completamente suada. Minhas mãos estavam trêmulas e meu coração encontrava-se acelerado. Quando vi que estava sozinha no quarto, senti um alívio por Brenda não ter presenciado aquela cena. Parecia que tudo tinha sido real. Extremamente cansada, fui em direção ao banheiro, olhei para o espelho e observei meu cabelo bagunçado e meu corpo todo suado. Não conseguia acreditar no que tinha acontecido. Sonhar com tudo bem, mas sonhar que estava transando com ele era demais. Optei por tomar um banho para afastar aqueles pensamentos obscenos e relaxar um pouco.
Faltava apenas uma hora para que encontrasse no restaurante do hotel. Procurei por alguns sais para ajudar no meu processo de relaxamento e, ao som de “Só de Olhar”, reparei em como aquela letra dizia muito sobre nós dois. era tudo o que eu almejava naquele momento, mas eu não colocaria a minha paz em jogo. Dar essa abertura a ele seria colocar tudo a perder. A estrutura que construí durante esses meses não permitiria que um desejo carnal me fizesse perder a sanidade.
Depois de alguns minutos, acabei saindo do banho e comecei a me trocar. Coloquei uma roupa mais simples, já que não queria colocar expectativas em . Vesti um suéter vermelho e uma calça skinny preta, calcei minhas botas e prendi meu cabelo num coque despojado. Por fim, deixei um recado na escrivaninha para Brenda, avisando que estava indo encontrar no restaurante do hotel.
Fui em direção ao elevador, com meu caderno de anotações em meus braços, e, assim que cheguei na porta do restaurante, uma mistura de ansiedade e pavor tomou conta de mim. Eu não conseguia imaginar algo bom saindo dali. Ao entrar, fiquei surpresa com o clima do lugar – um pouco escuro para o meu gosto, mas confortável. Sentado ao fundo, estava o motivo dos meus sonhos.
— Achei que iria furar comigo — ele disse, vindo em minha direção.
— O senhor deveria me agradecer por estar me arriscando dessa maneira.
Ele me olhou, confuso.
— Se arriscando por quê? Não estamos fazendo nada de mais! — seu semblante foi preenchido por um lindo sorriso. — Sente-se, tome um pouco desse vinho maravilhoso que escolhi especialmente para essa noite.
Ao me sentar na mesa reservada, percebi alguns papéis que pareciam composições. Enquanto me servia uma taça de vinho, senti uma paz muito grande ao ler o que estava escrito. Parecia que todas aquelas frases se encaixavam com aquilo que estava escrevendo.
— ele me chamou, me tirando dos pensamentos. — Então, como está sendo a experiência de voltar aos palcos?
— Está sendo maravilhoso. Faz tempo que não me sentia feliz desse jeito.
— Por que decidiu dar essa pausa na sua carreira? — ele percebeu meu desconforto ao vê-lo tocar no assunto. — Desculpa. Se não se sentir confortável em falar, eu entendo.
— Não precisa pedir desculpas. Na verdade, esse assunto ainda mexe um pouco comigo por ainda ser recente, mas não me importo em contar.
Comecei contando sobre o meu envolvimento com e o quanto nossa relação era conturbada, e observei que ele escutava atentamente cada detalhe. Comecei a rir das expressões que seu rosto fazia ao ouvir os absurdos que havia acontecido em minha vida.
— Realmente, esse cara foi um otário — ele dizia, indignado. — Você foi muito forte. Eu não aguentaria dois dias de julgamento.
— Pois é. Por muitas vezes, a minha vontade foi desistir e voltar ao anonimato, sem pressões. Mas cantar é o que sou!
Senti as mãos de se aproximando das minhas e deixei que ele fizesse aquele carinho.
— Vamos falar de coisas boas? — ele continuava fazendo carinho em minhas mãos. — Já que você trouxe seu caderno e temos esse belo piano, que tal tentarmos juntar nossas ideias?

Recomendo colocar Almost Is Never Enough da Ariana Grande ft. Nathan Skyes a partir daqui

começou a dedilhar, nas teclas do piano próximo dali, a melodia da nossa canção. Continuei sentada com meu caderno na mão, e, num passe de mágica, aquelas frases se transformam em música...

I'd like to say we gave it a try
(Eu gostaria de dizer que nós tentamos)
I'd like to blame it all on life
(Gostaria de culpar a vida por tudo)
Maybe we just weren't right
(Talvez não estivéssemos certos)
But that's a lie, that's a lie
(Mas isso é uma mentira, isso é uma mentira)

Meus olhos encontravam-se marejados. Dividir aquela canção com me fez perceber a conexão que tínhamos, e aquilo era inexplicável.

And we can deny it as much as we want
(E podemos negar isso o quanto nós quisermos)
But in time our feelings will show
(Mas com o tempo os nossos sentimentos vão se mostrar)
'Cause sooner or later, we'll wonder why we gave up
(Porque cedo ou tarde, nós vamos nos perguntar por quê desistimos)
The truth is, everyone knows
(A verdade é, todos sabem)

Me levantei da mesa e comecei a andar pelo salão, na tentativa de esconder os meus sentimentos de . Senti seus olhos me seguindo a cada lugar que eu passava, até que me sentei na mesa de bilhar que havia ali e continuei cantando.

Almost, almost is never enough
(Quase, quase nunca é o suficiente)
So close to being in love
(Tão perto de estar apaixonada)
If I would have known that you wanted me
(Se eu soubesse que você me queria)
The way I wanted you
(Do jeito que eu queria você)
Then maybe we wouldn't be two worlds apart
(Então talvez nós não estaríamos em dois mundos separados)
But right here in each others arms
(Mas bem aqui, nos braços um do outro)
And we almost, we almost knew what love was
(E nós quase, quase soubemos o que era o amor)
But almost is never enough
(Mas quase nunca é o suficiente)

fechou os olhos e começou a cantar sua parte. Sua voz era um pouco rouca, tinha um vibrato incrível, e suas veias ficavam destacadas. A vontade de ficar escutando ele por horas era grande.

If I could change the world overnight
(Se eu pudesse mudar o mundo durante a noite) There'd be no such thing as goodbye
(Não haveriam coisas como o adeus) You'd be standing right where you were
(Você ficaria bem onde você estava)
And we'd get the chance we deserve
(E nós teríamos a chance que nós merecemos)

Ao ouvi-lo cantar, acabei me assustando ao notar que aquelas eram as mesmas frases do cartão que havia me enviado. Percebendo o meu susto, ele piscou para mim.

Oh, try to deny it as much as you want
(Oh, tente negar o quanto você quiser)
But in time our feelings will show
(Mas com o tempo nossos sentimentos vão se mostrar)
‘Cause sooner or later, we'll wonder why we gave up
(Porque cedo ou tarde, nós vamos nos perguntar por quê desistimos)
The truth is, everyone knows
(A verdade é, todos sabem)

Me levantei outra vez e fui em direção ao piano. abriu um pequeno espaço na banqueta, onde me sentei e comecei a cantar novamente com ele.

Almost, almost is never enough
(Quase, quase nunca é o suficiente)
So close to being in love
(Tão perto de estar apaixonada)
If I would have known that you wanted me
(Se eu soubesse que você me queria)
The way I wanted you
(Do jeito que eu queria você)

Nossos corpos estavam separados por apenas alguns centímetros, e o cheiro do seu perfume era um aroma viciante. Encostei minha cabeça em seu ombro e me permiti sentir todas aquelas sensações.

Then maybe we wouldn't be two worlds apart
(Então talvez nós não estaríamos em dois mundos separados)
But right here in each others arms
(Mas bem aqui, nos braços um do outro)
And we almost, we almost knew what love was
(E nós quase, quase soubemos o que era o amor)
But almost is never enough
(Mas quase nunca é o suficiente)

Não saberia quando sentiria aquilo novamente, afinal, eu partiria para São Paulo na manhã seguinte, e dali alguns dias ele voltaria para Los Angeles. Senti suas mãos indo em direção ao meu queixo, e aqueles pequenos centímetros desapareceram quando nossos lábios se encontraram.

Huh-huh, baby, you know, you know, baby
(Você sabe, você sabe, amor)
Almost, is never enough, baby
(Quase nunca é o suficiente, amor)
You know, hey
(Você sabe, hey)


Capítulo 7


Andando nas nuvens – era assim que eu me sentia ao lado de . A sensação de liberdade, de poder ser eu mesmo, demonstrar meus medos e anseios sem qualquer tipo de julgamento. Passamos horas trocando ideias, abraços e beijos, e pela primeira vez me senti leve.
Seu sorriso conseguia me levar para outra órbita. Me vi perdido olhando para dentro dos seus olhos enquanto nossos rostos se encontravam. Olhei para o relógio e já fazia horas que estávamos ali, curtindo a presença do outro.
, preciso ir — ela levantou o rosto do meu ombro. — Preciso descansar. Daqui algumas horas vou retornar a São Paulo e já nos arriscamos muito.
— Se você for direto pro meu quarto, tenho certeza que não nos arriscaremos tanto — pisquei, e logo sua mão bateu em minhas costas. — Calma, , estou brincando.
Ela deu uma risada alta.
— Fala baixo — coloquei minhas mãos sobre sua boca. — Você quer que o prédio todo nos ouça?
Envolvi os braços sobre ela e senti o cheiro de seu perfume doce, então me afastei e levantei para nos despedirmos. Sabíamos que outro momento igual a esse poderia nem mais acontecer. Antes de irmos cada um para seu quarto, senti suas mãos se aproximarem da minha nuca. Quando me virei rapidamente, nossos corpos foram colados.
— Promete pra mim que nos veremos? — ela dizia enquanto eu viajava pelos seus lindos olhos castanhos.
— Não posso prometer algo que não irei cumprir — respondi, mas ela me olhava confusa. — Isso que vivemos hoje não vai se repetir, foi apenas algo momentâneo.
Afastei suas mãos do meu corpo e senti seu olhar de decepção. Talvez dentro dela havia esperanças que as coisas entre nós começassem a dar certo, mas eu não poderia colocá-la em risco por um simples capricho meu. Me despedi com um beijo em seu rosto e a deixei ali sozinha.


•••


Retornei ao meu quarto com uma sensação de ter sido um grande filho da puta por tê-la abandonado e por ela ter imaginado que eu estaria brincando com seus sentimentos, mas manter aquilo que estávamos vivendo seria muito difícil. recebeu um hate desnecessário só pelo motivo de aparecer ao meu lado no show, e eu não poderia deixar isso acontecer novamente.
Deitado em minha cama, comecei a mexer no meu Instagram e, rolando pelo feed de , vi que ela havia postado uma foto da partitura da nossa música. Involuntariamente, sorri. Ela era simplesmente incrível. Seu jeito era único; a forma que ela se dedicava à família e aos seus fãs aquecia o coração de quem via de fora.
Então, recebi uma mensagem intrigante de uma das mulheres que passaram em minha vida.

@nadineleopold
Oi, , você está sozinho? 😏 04:30am

@
Oi, Nadine, tudo bem? Estou sozinho sim, por quê? 04:31am

@nadineleopold
Já cansou da brasileira? 04:32m


Naquele momento, minha garganta deu um nó. Eu não podia simplesmente dizer que havia passado a noite com , pois conhecendo a Nadine, para ela dar com a língua nos dentes era muito rápido.


@
Que brasileira? A ? 04:35am
Nada a ver, nem cheguei perto dela 04:35am
Ela se acha a última bolacha do pacote 04:35am

@nadineleopold
Só está falando isso porque tenho certeza que ela não caiu no seu papinho 04:36am
Mas já que você está sozinho e eu também, por que não fazemos um sexcam? 04:36am


Conheci Nadine em 2013, após o término com Taylor. Nos encontramos numa cafeteria, trocamos conversas e, no fim do dia, nos beijamos. Começamos a sair com mais frequência, mas nada muito sério.
Com o decorrer do tempo, percebi que ela me tinha nas mãos – a garota sabia de todas minhas fraquezas e eu permitia que ela me desvendasse cada vez mais. No início da última tour da banda, percebi o quanto eu estava apaixonado por ela, mas, no final das contas, levei um pé na bunda e nunca mais ficamos. Os elogios e as provocações continuaram, e não seria hoje que eu a ignoraria.




Já fazia algumas horas que havíamos pousado em São Paulo, e a saudade invadiu o meu coração. Tentei pela manhã ir até o quarto de , mesmo depois do pé na bunda que recebi, mas Brenda acordou atrasada e isso fez com que nos atrasássemos para o voo. No fim, foi bom, porque assim eu não passaria mais uma vergonha e continuaria cumprindo a minha promessa.
Estávamos a caminho da Warner para uma reunião de emergência, e isso me frustrou, pois tudo que queria era ir direto para minha casa, abraçar minha mãe e dormir.
— Brenda, por que essa reunião foi marcada com tanta emergência? — perguntei enquanto ela digitava algo no celular.
, sabe o que eu não entendo? — ela parou de digitar e direcionou o seu olhar a mim. — Por que você enche a minha paciência fazendo perguntas tão óbvias? Se não tivesse passado quase a noite inteira com o , você saberia o motivo de estarmos indo à gravadora!
Pedi desculpas pela pergunta e permaneci calada. Em seguida, peguei meu celular e comecei a responder algumas das minhas conversas que estavam pendentes.


MARINA, COMO VOCÊ PÔDE ESCONDER ISSO DA GENTE? 10:00am


Essa menina é muito descarada 10:04am
Como você volta a cantar e não prepara seus amigos? 10:04am
Por favor, vamos cortar os laços! 10:05am


Aquietem os ânimos, eu estava esperando voltar para São Paulo pra entrar em contato com vocês! 10:10am
Foi incrível retornar aos palcos, ver as pessoas vibrando com a minha volta 10:11am
Nunca me senti tão feliz 10:11am


Amiga, foi maravilhoso, pegou muita gente de surpresa 10:13am
E aquela música perfeita? Tenho certeza que se quebrou inteiro haha 10:14am


Ainda mais vendo todo soltinho para o lado de 10:15am


Estava demorando né? Sabia que vocês estavam animados demais! 10:20am


O mundo inteiro, né, querida? 10:31am


Mas rolou um beijinho entre vocês? 10:32am
Se você não aproveitou pra tirar uma casquinha de , eu juro que te mato 10:32am


Dei risada daquela pergunta de e fiquei imaginando a reação dele quando soubesse que nos beijamos. Comecei a digitar sobre o acontecido, mas fui impedida quando o motorista abriu minha porta para anunciar que havíamos chegado na gravadora.
Meus olhos lacrimejaram. Era a primeira vez que eu pisaria ali sem a bagagem da minha personagem. Eu estava ali por mérito e aproveitaria cada momento como se fosse o último.
Brenda liberou minha entrada, então seguimos para a sala de reuniões. Eu estava louca para encontrar o Rafael e agradecer pela oportunidade, por ter insistido em me ligar e me permitir estar vivendo tudo isso. Ao adentrar, não reconheci nenhum rosto – estavam sentados em volta de uma mesa curva alguns senhores com feições muito sérias.
— Bom dia, senhores — Brenda disse alegremente e me cutucou para acenar. — Essa é a nossa estrela, !
— Primeiramente, queremos te dar os parabéns pelo sucesso no Rio de Janeiro — um dos senhores disse sorridente. — Ficamos felizes com o seu desempenho. Sentem-se, temos muitos assuntos para conversar.
Sentei-me ao lado de Brenda, que por sinal estava muito feliz, diferente de algumas horas atrás. Ela falava animada, dizendo como era incrível ser minha empresária e que tinha muitas ideias para minha carreira.
Até que a porta de reuniões se abriu e meu sorriso apareceu pela segunda vez no dia.
— Oi, senhores — Rafael estava acompanhado de seu fiel assistente. — Peço desculpas pela demora, eu estava numa videoconferência com a produtora em Los Angeles — ele piscou ao me ver. — Bom, estamos reunidos aqui para dar início à carreira solo de . Ela que nos surpreendeu positivamente na sua última apresentação no Rio de Janeiro, mostrando profissionalismo e amor pela música.
Depois de tantos elogios, a reunião começou a tomar o rumo necessário. Fiquei chocada ao ouvir que Ryan Tedder estava sendo cotado para ser um dos produtores responsáveis pelo meu álbum; ele era responsável por hits de Beyoncé, Adele e Taylor Swift. Pensar que eu teria contato com ele me deixava um turbilhão de nervos.
— Certo, estou amando saber de todos esses detalhes — me prontifiquei a falar. — Mas como seria esse contato com Ryan? Teremos videoconferências durante o processo do álbum, ele virá ao Brasil para conversarmos?
— Você vai se mudar para os Estados Unidos! — um dos senhores falou, o que me fez engasgar com o chiclete que eu estava mascando. — A princípio seria em Las Vegas, mas o mercado da música em Los Angeles é mais visionário.
— Como assim vou morar em L.A.?! Eu acabei de pousar em solo brasileiro, não fiquei uma semana direito com a minha família. Não tem como eu voltar pra minha vida assim e nem sequer dar uma explicação a eles — respondi em um tom elevado.
— Desculpe, senhores — Brenda me interrompeu. — está um pouco estressada devido à falta de sono. Ela não sabe o que está falando! — fixou seu olhar em mim. — Nós concordamos com a ida dela para Los Angeles, já que esse era nosso objetivo inicial. Sabemos que aqui no Brasil a indústria musical é muito escassa.
— Como isso seria uma boa ideia? — voltei a questionar. — Nunca precisei de grandes artistas para ter visibilidade. Eu tenho talento o suficiente para conseguir meu espaço no Brasil. Setenta por cento dos meus fãs são brasileiros, e eles ficaram loucos com a possibilidade de eu seguir a minha carreira aqui.
— Acho meio contraditória essa sua colocação, porque você precisou de alguém para estar aqui no meio de nós — Paulo, um dos gestores, começou a falar. — te traiu e automaticamente as pessoas começaram a te enxergar. Nós te enxergarmos e você deveria ser grata por isso.
Meus olhos se encheram de lágrimas, minha cabeça rodava. As palavras que saíram da boca daquele homem foi como um chute no meu estômago. Ouvir que o que chamou a atenção deles não foi a minha música, e sim meu relacionamento conturbado, era como se todo o meu esforço até aqui não tivesse valido a pena. E mais uma vez lá estava eu com mais um rótulo.
— Na verdade, aqui no Brasil temos artistas maravilhosos — Rafael começou a dizer, para que aquele assunto não se prolongasse. — Temos todos os recursos para que o segmento pop seja mais valorizado em nosso país. E convenhamos, aqui a teria acesso a mais artistas e isso geraria um buzz legal! Desde que a conheci, vi muito potencial nela. E não foram os relacionamentos ou confusões pessoais que me fizeram ir atrás dela, e sim o seu talento.
Enquanto eles pensavam sobre meus próximos passos, minha mente estava focada em como eu falaria para minha mãe que eu voltaria para o exterior, logo agora que tinha certeza que as coisas melhorariam entre nós. A minha ida já não tinha sido fácil. Deixei de viver momentos incríveis ao lado dela e, com a minha volta depois de tantos anos, o contrato com a gravadora fez com que ela criasse esperanças que eu ficasse mais por perto.
— Rafael me chamou, me fazendo despertar dos meus pensamentos. — Eu estava falando para os senhores que você tem músicas incríveis já compostas, então a preparação precisa começar — ele me dava um olhar calmo.
— Sim, tenho algumas compostas e outras em desenvolvimento, mas creio que até o início da produção elas estarão prontas.
— Você já pensou em ter algum feat? — meu olhar foi diretamente para Brenda, que fez a pergunta.
— Não, a maioria das minhas músicas são solos. Acho que não daria para desmembrá-las e transformá-las em duetos.
— E aquela que você compôs no Rio de Janeiro? — insistiu, e agora meus olhos a fuzilavam. — Ela daria um ótimo dueto.
— Você é uma menina prodígio — disse Rafael. — Feito, temos um feat em desenvolvimento. Só temos que pensar em quem poderíamos chamar.
— Tem uma aposta da Warner na Colômbia — um dos diretores levantou. — O nome dele é Sebastian. Ele está iniciando a carreira, e a vibe de vocês combinam. Podíamos ver se ele aceita fazer parte desse projeto, e quem sabe vocês possam crescer juntos.
Crescer juntos? Aquilo estava muito estranho. Brenda nem parecia a mesma pessoa. Permaneci calma somente por Rafael, que estava tentando de tudo para tirar essa ideia absurda de mudança.
Eu não queria ir embora e ninguém entendia isso, estava com medo e exausta daquele falatório. Ouvir tudo o que os diretores falavam me deixava insegura, como se eu precisasse de artistas mais fodas ao meu lado porque somente assim a minha arte valeria a pena.
— Mas, para isso, ela teria que parar de aparecer com o — o assistente de Rafael abriu a boca, e eu o fuzilei.
— Aparecer com esse menino está fora de cogitação. De ontem pra cá você só recebeu hate, e ele nem te defendeu — o responsável pelas redes sociais começou a falar. — Seus perfis nas redes tiveram muitos acessos, mas você recebeu muitos unfollows.
— Já falei pra ela que estar com ele é inadmissível. Ele até enviou algumas mensagens, mas eu a proibi de responder.
Eu estava surpresa com aquela fala da minha empresária.
— Isso, Brenda, ótimo trabalho — o diretor a parabenizou. — E se alguém perguntar se está rolando um affair entre vocês, diga que nunca se prestaria a esse papel — ele começou dar risada.
O comportamento de Brenda estava me deixando chocada. Ela sabia que eu não tinha nenhuma intenção de lançar essa música por ser algo íntimo da minha vida, sem contar que não pertencia somente a mim, mas também a .
A reunião deu como encerrada e eu só queria sair daquele lugar, ver a minha mãe e finalmente descansar. Me despedi dos senhores e me dirigi ao saguão o mais rápido possível. Quando estava chegando perto do elevador, senti uma mão me puxando.
— Calma, pode me dizer por que tanta pressa? — Brenda quis saber, ainda segurando o meu braço.
— Te interessa? Eu já cumpri toda a minha agenda e estou indo descansar — após minha resposta, ela enfim me soltou e entramos no elevador.
— Não gostou que eu mencionei o seu segredo? — ela me olhava com cara de deboche.
— Eu não gostei de muitas coisas ali, isso foi o de menos! Sabe o que foi mais chocante? Ver você tomando partido da minha vida sem me consultar, falar sobre a minha música com e ainda dizer que me avisou para me distanciar dele. Você é uma grande MENTIROSA — soltei, e ela me olhou assustada. — Foi extremamente desnecessário, não custava me avisar da proposta de Los Angeles. E outra, você não me defendeu quando disseram que não foi meu talento que me trouxe até aqui. Cadê a nossa parceria? Você não disse que sempre ficaria ao meu lado se o mundo estivesse contra mim? — Brenda me olhava espantada. — Eu não queria ter a resposta dessa pergunta, mas, infelizmente, se tiver que colocar numa balança e você ter que escolher um lado, eu nunca seria escolhida.
? — quando ela me chamou, me virei com a certeza que me pediria desculpas. — Você tem essa semana para avisar seus familiares, viajaremos na semana que vem.
No caminho de casa, pedi ao motorista ir o mais devagar possível, pois eu não conseguiria encarar a minha mãe e meu irmão. Seria difícil contar sobre tudo aquilo. Somente eu sabia o que já passei, das coisas que ouvi durante todos esses anos que fiquei longe. Minha mãe passou por processos muito difíceis, somente Noah pôde estar com ela. E todas as vezes que brigávamos, ele jogava isso na minha cara.


Espanha, 3 de janeiro de 2015

Eu estava rolando pela cama, pelejando desde que meu pai me ligou avisando sobre a internação da minha mãe. Já era a terceira vez somente neste mês, e aquilo estava me preocupando.
Eu havia desembarcado há poucas horas em Madrid para iniciar nossa turnê pela Europa – era o início de um grande sonho que eu tanto almejava, mas não conseguiria me sentir feliz com a situação que minha família passava no Brasil.
Me assustei com a ligação de Noah, e meu coração congelou.
— Oi, Noah, tudo bem? Como está a mamãe? — perguntei, ouvindo-o respirar profundamente.
— COMO ESTÁ A MAMÃE? — ele gritou, completamente exaltado. — Ela está entubada e você está onde? Em Madrid! Luxando de uma vida medíocre, com um namorado que não te respeita, com pessoas que não desejam sua companhia! Tudo enquanto nossa mãe está mal porque não vê a filha há mais de dois anos!
— Noah, se acalme! Você não pode simplesmente me ligar e falar essas coisas. Você não sabe o que estou sentindo!
— Eu posso sim, sabe por quê? Porque sou eu que estou há exatamente um mês indo a vários hospitais, tentando achar soluções para o problema da mamãe. Estou cansado, estou com medo — ele começou a chorar. — Fui eu que vivenciei a tentativa de suicídio dela. Cada dia fica mais difícil. Sei que tudo isso que você está vivendo é o seu sonho, mas olha, em toda essa situação, é a mãe que está precisando de ajuda.
— Eu também estou cuidando dela. Mando dinheiro todo mês pra ajudar nas despesas, você não está lidando com tudo sozinho.
— E desde quando dinheiro é tudo, ? Você não tá entendendo que a nossa mãe precisa de você? Precisa do seu abraço, do seu cheiro… Está tão difícil enxergar o óbvio?
— Eu não posso voltar, Noah. Parece egoísmo da minha parte, mas isso envolve muita coisa. Não posso simplesmente largar tudo e sair correndo.
— Você está escutando o que sai da sua boca? Porque não é possível, ! Eu sabia que ligar seria uma perda de tempo. Finge que não liguei e, por favor, não mande mais seu dinheiro para nós, porque pelo jeito está te fazendo falta.
E assim a ligação foi encerrada, com meu irmão desligando de repente, depois de despejar todas as suas frustrações acumuladas em mim. Fiquei sem reação diante do silêncio, me sentindo desolada.



Fui tirada dos meus pensamentos com o motorista avisando que tínhamos chegado, então agradeci e desci do carro. Olhei para a portaria e reparei que tinham trocado o porteiro – ele liberou minha entrada e continuei a caminhada até minha casa. Assim que entrei, percebi que tudo estava silencioso; provavelmente, Noah e minha mãe haviam saído.
Fui para o meu quarto e me deparei com minha mãe e Dexter deitados na minha cama. Então, silenciosamente deixei minhas malas no chão, sentei-me na varanda e fiquei observando o dia lindo que estava em São Paulo, os passarinhos estavam até cantando.
Senti um sabor salgado na minha boca e percebi que eu estava chorando. Se ir embora já era dolorido para mim, imagine para ela, que sonhou com a minha volta, que sempre arrumava meu quarto mesmo eu não estando aqui. Minha mãe estava cem por cento curada, mas eu não queria ser responsável por sua recaída.
Então, mais uma vez me vi em Madrid anos atrás, lutando contra meus pensamentos. Eu só conseguia pensar na reação de Noah, no quanto custou para ele me perdoar. As palavras daquela ligação tinham sido fortes e necessárias. Ele se privou de viver sua vida para cuidar da nossa mãe enquanto eu vivia a minha.
Peguei meu violão e comecei a dedilhar uma das minhas canções de força.

Recomendo colocar Home da Gabrielle Aplin a partir daqui

I’m a phoenix in the water, a fish that’s learnt to fly
(Eu sou uma fênix na água, um peixe que aprendeu a voar)
And I’ve always been a daughter, but feathers are meant for the sky
(E eu sempre fui uma filha, mas penas foram feitas para o céu)
So I’m wishing, wishing further for the excitement to arrive
(Então eu estou desejando, desejando além pela empolgação de chegar)
It’s just I’d rather be causing the chaos than laying at the sharp end of this knife
(É só que eu prefiro estar causando o caos do que deitar na ponta afiada desta faca)

Enquanto cantava a música, observei minha mãe já acordada me olhando da cama. Seus olhos estavam marejados pela saudade da sua filha. Ainda tocando e cantando, fui em sua direção e me sentei na beirada da cama enquanto Dexter ainda estava em seu colo. Comecei a cantar, olhando para seus lindos olhos de mel:

With every small disaster, I’ll let the waters still take me away to some place real
(Com cada pequeno desastre, eu vou deixar as águas continuarem a me levar para algum lugar real)

Senti sua cabeça encostar em meu ombro, e a vontade de chorar já se manifestou. Ela passava a mão pelos meus cabelos, e eu não imaginava que estava com tanta saudade daquele simples gesto.
Desde o dia que encarei o mundo dos palcos, fui me esquecendo do quanto eu era cheia de amor. Passei a viver meus dias em modo automático, passeando com pessoas que não se importavam com a minha presença e deixando os verdadeiros de lado.

‘Cause they say home is where your heart is set in stone
(Porque eles dizem que lar é onde seu coração está gravado)
It's where you go when you’re alone
(É onde você vai quando está sozinho)
It's where you go to rest your bones
(É onde você vai para descansar seus ossos)
It’s not just where you lay your head
(Não é apenas onde você deita sua cabeça)
It’s not just where you make your bed
(Não é apenas onde você arruma sua cama)
As long as we’re together, does it matter where we go?
(Contanto que estejamos juntos, importa pra onde vamos?)
Home, home
(Lar, lar)

Coloquei o violão de lado e me deitei em seu colo, enquanto ela continuava me fazendo cafuné. Eu sabia o que precisava fazer para manter minha mãe ao meu lado: proporcionar momentos incríveis para nós, só bastava ter uma confirmação.
— Mais uma vez você vai ABANDONAR a gente! — Noah entrou com tudo em meu quarto, nos assustando.
— Para de gritar, por favor! — pedi, enquanto as lágrimas se formavam em meus olhos.
— Meu filho, isso é jeito de falar com a sua irmã? — minha mãe me abraçou. — Ela acabou de chegar, está cansada.
— Ela chegou, mas já está voltando para seu mundinho — Noah retrucou, e olhei confusa para ele. — E não venha se fazer de desentendida, porque está em todos os sites! — ele jogou o celular na minha cama.
Porém, em meio às lágrimas eu não consegui ler a matéria. Me concentrei para entender, então o pior aconteceu:

“Empresária de , Brenda Laís, informou que a cantora irá morar em Los Angeles para iniciar seu novo álbum”

Enquanto Noah me cobrava um posicionamento, meus olhos estavam fixados na minha mãe. Percebi que sua feição havia mudado – ela estava parada, mas as lágrimas estavam se formando. Naquele momento, eu só soube desejar que aquilo fosse um pesadelo. Não imaginava que Brenda faria algo assim sem meu consentimento. E imaginar que tudo estava indo bem até agora...
— Noah, deixe a sua irmã falar — minha mãe se levantou e parou ao lado dele. Me senti como quando uma criança apronta e os pais estão prontos para brigar.
— Eu não sabia. Assim que pousei em São Paulo, fui comunicada que tinha uma reunião importante e faz poucas horas que descobri.
— E você não contou para a mamãe por quê? — meu irmão me encarou.
— Porque eu acabei de chegar, você não entende? — falei, grossa. — A mamãe estava dormindo e preferi deixá-la descansar. Só quero que vocês entendam que não foi a minha intenção esconder. Eu ainda estou tentando entender tudo isso.
, eu passei por todos os meus sentimentos para te perdoar e é assim que você retribui? — Noah questionou, e minha mãe fez um sinal para que ele parasse. — Eu não vou parar. Agora é o momento propício para falar tudo o que a senhora me proibiu todos esses anos. Estou farto das suas desculpas, dos seus chiliques, de você sempre voltar para nós quando sua vida está uma merda. Só foi o meter o pé na sua bunda que você se lembrou que tem família.
— Não pedi para ninguém me receber. Se eu soubesse que você estava tão cheio de raiva e que seu perdão foi tão falso, nunca teria pisado os pés aqui! Todos esses meses eu fiquei presa num quarto, me alimentando mal, tendo crises e vivendo tudo aquilo sozinha porque eu não queria preocupar ninguém.
— Mamãe passou dois anos por isso e, mesmo pedindo socorro, você a ignorou!
— Noah! — ela gritou. — Não seja tão duro com sua irmã!
— Não vou discutir com você — me levantei e fiquei na frente dele. — A razão é sua e sempre será! Eu fui uma grande vacilona, mereço ouvir tudo isso quantas vezes for preciso. Quem sabe algum dia esse julgamento acabe.
— Não se faça de vítima, porque os únicos estão na sua frente — ele disse, o que me fez olhr confusa para ele mais uma vez. — Sim, enquanto você cantava para seus “fãs”, eu estava tentando me acostumar com a minha vida sendo empurrada cada vez mais para o lado. E somente agora consegui conquistar tudo o que sonhei, depois de anos, mas vou ter que deixar de viver porque a donzela da Disney precisa voltar para seu mundo de mentiras!
Aquelas palavras doíam mais que facadas; vê-lo despejando seu ódio com tanta vontade me fazia entendê-lo mais. Eu não sentia raiva de estar ouvindo aquilo, mas estava finalmente entendendo a sua dor. Eu fui sim uma adolescente inconsequente, que pensava somente no seu umbigo e que errou muito, mas também que se permitiu aprender, mesmo apanhando a cada passo que dava.
Esses últimos meses não foram fáceis. Ali, sentada na minha cama e chorando, sem saber o que falar para Noah, a ideia mais doida da minha vida surgiu:
— A mamãe vai comigo! — falei, e ela se assustou. — Claro, você que decide.
— Como assim, ? — meu irmão estava andando de um lado pro outro. — Não tem como isso, a mamãe ir para outro país atrás de você. Sua vida é muito corrida.
— Eu vou, — quando ouvimos sua resposta, eu e Noah olhamos ao mesmo tempo para ela. — Tudo o que quero nessa vida é passar momentos incríveis ao seu lado. Não posso te perder de novo. Vamos para Los Angeles se aventurar, não importa o esforço que teremos que fazer. O importante é estarmos juntas, como diz a música que você cantou. “Porque eles dizem que lar é onde seu coração está gravado”, e você é o meu lar.
Naquele momento, me senti completamente amada e entendi de uma vez por todas o que Noah disse anos atrás. Ela precisava de mim para se sentir viva.


Continua...



Nota da autora: Oiii Lovers tudo bem? Podemos ouvir um amém com essa att? Espero que não tenham desistido de dessa autora que vos fala kkkk Quero saber o que vocês acharam desse capítulo? Essa chegada de Marina em São Paulo foi tensa!
Estarei mais presente por aqui e capítulo 8 já está em desenvolvimento uhuuuul
Quero lembrar que abaixo vocês encontram os links do perfil da nossa personagem, do grupo Facebook, neles vocês vão encontrar alguns spoilers da nossa história <3
Amo vocês e até a próxima att
Com amor, Mi



CAIXINHA DE COMENTÁRIOS: Se o Disqus não aparecer, deixe a autora feliz com um comentário clicando AQUI.

Qualquer erro nessa fanfic ou reclamações, somente no e-mail.


comments powered by Disqus