Contador:
Última atualização: 20/09/2021

Capítulo 01 — Dépaysement

“Sentir-se um peixe fora d’água”.

Não havia nada que odiasse mais do que despedidas. Pelo menos era isso o que ela pensava enquanto apertava seus braços ao redor do namorado, que escondia o rosto na curva do pescoço dela e inalava a maior quantidade de perfume que conseguia. Talvez assim ele pudesse manter o cheiro da moça consigo por todo aquele tempo em que precisariam ficar afastados.
Os dias que antecederam sua partida pareceram passar tão rápido que por mais ansiosa que ela estivesse com o que viria pela frente, não conseguiu deixar de praguejar o universo. Se Pietro ao menos estivesse partindo com ela, tudo seria muito mais simples.
Porém, nada nunca foi simples para ela.
— Prometa que vai me escrever todos os dias — escutou a voz do rapaz murmurar, antes dele afastar o rosto de seu pescoço para encará-la nos olhos. deixou um sorriso torto se formar em seus lábios.
— Não preciso fazer isso, você sabe que eu vou — deu um selinho nos lábios dele. — Vai passar rápido, Pietro, você vai ver.
Se ela continuasse repetindo aquilo, talvez o universo conspirasse ao seu favor, certo?
— Mal vejo a hora de estar junto de você — tocou o rosto dela, lhe fazendo um carinho que foi interrompido pela chamada de passageiros, indicando que era a hora de embarcar. — Odeio ter que te deixar ir.
— Pense nisso como uma chance de você realmente se preparar para conhecer o Senhor — ela brincou, piscando de leve para o rapaz. — Preciso ir.
— Boa viagem, gata. Não esqueça de mim — beijou a namorada pela última vez e deixou que ela se afastasse.
— Ih, quem é você mesmo? — brincou. — Pietro Langdon, nem se eu quisesse, esqueceria você.
— Eu te amo, — disse, alto, chamando atenção de algumas pessoas.
— Eu também te amo, babe. Até logo — a garota então apressou seus passos e entregou o cartão de embarque para que pudesse seguir até o avião.
Olhou uma última vez na direção de Pietro e lançou um beijo para o rapaz, sorrindo e lhe dando as costas antes que desistisse de ir embora.
odiava despedidas, mas sempre bancava a mais forte em todas elas. Não derramava lágrimas, mantinha todos os pensamentos o mais positivos possíveis e só quando estava sozinha, devidamente acomodada em seu assento, ela deixava que as emoções tomassem conta de si.
Do lugar onde estava, ela conseguia avistar a janela onde ela sabia que o namorado permanecia ainda parado. Pietro só sairia do aeroporto quando o avião decolasse, não tinha dúvida alguma quanto a isso.
— São apenas alguns meses, — murmurou, para si mesma, sentindo os olhos se enchendo de lágrimas.
Sentia que a saudade já dava as caras em seu coração, junto à ansiedade do que vinha pela frente e o medo do rumo que sua vida tomaria dali em diante. estava deixando toda a sua vida em Ohio para trás e, sendo sincera, esperava que não precisasse mais voltar a morar ali. Não que odiasse, mas todos os seus sonhos lhe aguardavam em Baltimore – Maryland.
Pensou em sua mãe, que só não lhe trouxe ao aeroporto por estar de plantão no hospital onde era enfermeira e praguejou pela milésima vez a chefe que não permitiu a troca de horário. No entanto, no fundo, sabia que a mãe também não gostava de despedidas. Talvez a garota nem tivesse forças para realmente partir se a mais velha estivesse no aeroporto.
Colocou algum filme aleatório para assistir durante o voo e conseguiu se manter entretida até chegar ao seu destino.
Ao ouvir o piloto anunciar que pousariam em poucos minutos, o frio na barriga lhe deixou até meio enjoada e a garota respirou fundo, se achando boba e soltando uma risada baixa.
Desembarcou quase sem acreditar que realmente estava ali, respirando novos ares e prestes a conhecer tantas outras coisas novas.
Assim que cruzou a porta de desembarque, no entanto, viu alguém que não era novo para ela e seu coração se aqueceu porque ali estava uma saudade que ela conseguiria aliviar.
— Pai! — gritou, vendo o mais velho parar de procurar por ela e vir quase correndo em sua direção.
Completamente atrapalhada com as malas, deixou a bolsa de mão cair para pular no pescoço do pai e abraçá-lo bem forte, sentindo-se absurdamente feliz por estar ali com ele.
— Minha menina! — a voz grave do homem soou, com o mesmo alívio que ela sentia, e quando ambos se desvencilharam um sorriso torto se formou em seus lábios. — Não consigo imaginar sua mãe aceitando esse tanto de tatuagens.
Uma gargalhada escapou dos lábios de e ele a acompanhou.
— Ela chorou até a quinta. Depois disso, desistiu de implicar com elas — deu de ombros. — Mas se esse é o seu jeito de perguntar como minha mãe está, Senhor Charles, saiba que ela está ótima. Continua trabalhando feito maluca, mas está ótima — estreitou os olhos para ele, vendo-o coçar a nuca, sem jeito.
— Que bom que ela está bem então. Falando em trabalho, precisamos ir porque o meu está me aguardando — torceu a boca. — Aqui, deixe eu ajudar com essas malas.
O ajudar dele na verdade era carregar todo o peso sozinho e mesmo que dissesse que conseguia levar uma de suas duas malas, Charles insistiu.
Pararam diante do carro e até arregalou os olhos. Não entendia nada de carros, mas logo viu que aquele valia uma fortuna.
— Minha nossa — não conteve seu espanto, observando o pai guardar as coisas no porta-malas.
— Você ainda não viu nada, querida. Ele tem mais dois — riu da surpresa dela.
— E para que tudo isso se ele nem dirige? — questionou, se sentando no banco do carona.
— Quem disse que ele não dirige, ? — Charles deu partida e logo seguiu pelas ruas da cidade.
— É meio óbvio que não, papai. O cara tem motorista, segurança e sei lá mais o quê — deu de ombros, mexendo no rádio do carro, sem nem ligar se era do patrão do pai. — Nenhum cd? Ele deve ser entediante — Charles riu alto.
— Está enganada quanto ao Senhor , . Ele não gosta de andar com motorista e seguranças. Só o faz porque precisa — explicou, em defesa do homem, mesmo que ele nem estivesse ali para ouvi-lo. Sua expressão então adquiriu um tom mais sério. — Tem sido dias difíceis, música não tem adiantado muita coisa.
não soube se deveria ou não questionar o porquê, mas acabou deixando para lá quando pararam diante da casa onde ela moraria dali em diante.
Era muito maior do que havia imaginado e se segurou para não deixar a boca aberta com o quanto só a visão externa a havia agradado.
— É difícil de acreditar que ele não gosta dessas coisas. Olha só o tamanho dessa casa! — Charles desceu do carro e deu a volta, abrindo a porta para a filha e a esperando sair para depois ir pegar suas malas.
— Você queria que um senador morasse onde? Em um apartamento no subúrbio? — comentou, cheio de graça.
— Não sei se consigo me acostumar a morar aqui, pai. Espero conseguir um emprego logo, aí eu alugo um apartamento e...
— Nada disso, . Você não vai gastar com aluguel, filha. Já falei que não tem problema você ficar aqui comigo. O Senhor é gente muito boa, você vai ver — tranquilizou a garota, vendo que ela estava desconfortável.
— Ah, pai — suspirou, pegando a bolsa de mão e acompanhando o mais velho até a entrada dos fundos.
— E o seu namoradinho? Achei que vinha com você — perguntou, indicando o corredor que dava acesso ao novo quarto de .
— Ele vem, mas vai ter que aplicar de novo para a faculdade. Não conseguiu passar dessa vez — fez uma careta e o pai acenou, notando que aquilo lhe chateava.
— Passa rápido, você vai ver — sorriu e ela retribuiu, parando diante da porta que o mais velho indicou. — Vá em frente.
abriu a porta do quarto e seus olhos logo se iluminaram em satisfação. Assim como a casa, era muito maior do que ela esperava. Tinha uma cama king size que parecia tão fofa que lhe deixava louca para sair correndo e pular em cima e a cabeceira era de ferro francesa dourada. Havia um criado mudo em cada lado e na frente um grande espelho.
— Tem sacada e tudo! — quase gritou, observando a grande porta de vidro fechada e seguiu com o olhar para a mesa de estudos próxima do local, o que ela achou perfeito porque seria maravilhoso estudar podendo observar o mundo lá fora.
Uma porta dava acesso ao banheiro, surpreendentemente pequeno comparado ao tamanho do quarto, enquanto a outra guardava um closet.
— Eu nem tenho roupa para isso — deu risada e não conseguiu mais resistir à tentação de se jogar na cama. — Minha nossa! E eu achando que ia dividir o quarto contigo, pai.
Parado na soleira da porta, Charles apenas observava a filha, sorrindo por ver o quanto ela havia gostado.
— O Senhor fez questão de que você tivesse o próprio quarto. Você pode mudar a cor dele se quiser e deixar mais a sua cara.
— O que o senhor faz para ele ser generoso desse jeito? Se eu contar para qualquer pessoa, vai ser difícil de acreditar — riu, boba.
é como um irmão mais novo, filha. Meu pai também era chefe de segurança e meu avô cuidava dos antes disso. Você só não cresceu aqui porque, bem... Eu e sua mãe nos separamos — terminou de colocar as malas da filha no closet, porque ali já facilitava as coisas para ela.
— É verdade. Se é como o senhor diz, faz sentido. Fico feliz que ele não seja nenhum carrasco — Charles balançou a cabeça em negação, rindo. Então olhou para seu relógio de pulso e praguejou baixo por estar quase atrasado.
— Não é, minha querida. Vou deixá-la descansar. Preciso acompanhar o Senhor em um compromisso. Fique à vontade e se você sentir fome, procure pela Julieta na cozinha — se apressou e despediu-se de .
— Tudo bem, pai. Não sei onde é a cozinha, mas eu me viro, não se preocupe — assentiu para o pai, sorrindo.
— Até logo, querida — Charles saiu, encostando a porta e dando privacidade para .
Ainda deitada na nova cama, olhou para o teto, vendo o belo lustre e suspirando sem ainda acreditar que ia mesmo morar em um lugar como aquele. Não ia mentir, ela nunca teve nada daquilo, mas a ideia de ter lhe agradava e muito, era por isso que ela havia se esforçado muito para passar na Universidade de Baltimore. Queria um dia ter um lugar como aquele para chamar de seu e ela teria, não desistiria enquanto não tivesse.
Pensou no tanto que o pai se dedicava ao trabalho e em como ele falava bem de , o que a deixava realmente curiosa para conhecê-lo. Queria tirar suas próprias conclusões sobre o senador e de repente se sentiu um tanto idiota porque nunca nem sequer havia visto a cara dele.
— Você vai cursar Direito e não sabe a cara do senador, como você é esperta, hein, ? — resmungou, resolvendo pegar o celular para pesquisar sobre o dono da casa, então se deu conta de que o pai não havia lhe passado a senha do wi-fi. — Droga — bufou, porque sem internet ela não poderia nem falar com Pietro e contar sobre a casa fabulosa onde agora morava.
Ela devia era arrumar logo as coisas no closet, mas a cama estava tão macia e os olhos de de repente estavam tão pesados que ela parecia até ter tomado sonífero. Só deu tempo de a garota largar o celular ao seu lado na cama mesmo, porque não tinha forças para se esticar até o criado mudo, então ela se rendeu aos braços de Morfeu.


💋



Meio atordoada, quando a garota despertou, estava até escuro lá fora. Deu um pulo na cama, sentando-se rapidamente e se arrependendo porque ficou levemente tonta. Seu estômago reclamou imediatamente e ela pegou o celular para ver que horas eram. Oito e trinta e sete da noite.
Minha nossa, ela havia dormido demais!
Precisava desesperadamente arrumar alguma coisa para comer, então saiu da cama e conferiu o estado de seus cabelos, caçando a escova dentro da bolsa para penteá-los rapidamente antes de se aventurar pela casa. Acabou tendo que refazer seus planos, porque seus cabelos na verdade estavam em um estado deplorável e se sentiu até meio nojenta por não ter nem tomado um banho antes de se deitar.
Após pegar tudo o que era necessário, entrou no banheiro e ainda não conseguia acreditar que ela tinha uma banheira só para ela. Parecia que havia entrado em um daqueles contos de princesa.
Pena que seu príncipe havia ficado em Ohio.
Torceu a boca em um bico enquanto passava o sabonete pelo corpo rapidamente. Não tinha intenção de ficar esquecida dentro daquela banheira, pelo menos não naquele momento, já que a fome continuava fazendo seu estômago reclamar.
Limpinha e cheirosa, ela logo tratou de vestir algo confortável. Normalmente, não usava pijama para dormir, preferia usar uma de suas camisetas grandes de banda e alguma calcinha que não ficasse lhe incomodando. E como ela não podia sair andando pela casa de calcinha, colocou ao menos um shorts.
Sem a menor paciência para secar os cabelos, ela apenas tirou o excesso de umidade e então saiu do quarto, seguindo por aquele corredor e tentando gravar em sua memória de onde havia saído.
Aquela casa realmente era grande demais, porque em menos de três minutos já estava perdida. Quantos andares aquilo tinha? Balançou a cabeça e mordeu os lábios.
— Bem que podia passar alguma alma viva por aqui — resmungou, para si mesma.
Desceu por uma escada circular, encontrando uma sala pequena, com algumas poltronas e seguiu por outro corredor, indo parar em outra sala.
— Minha nossa, quantas salas! — e ela ia passar reto, como havia feito com a anterior, mas algo ali lhe chamou a atenção.
Bem no canto, próximo a uma janela com as cortinas meio cerradas, havia um belíssimo piano.
Seus olhos brilharam de imediato e um pequeno sorriso quis se formar em seus lábios. Ela não fazia ideia de que tipo de piano era aquele, a marca ou qualquer outra coisa, nem ao menos sabia tocar, mas ela era simplesmente fascinada por aquele instrumento desde pequena.
Sem pensar direito, ela seguiu até o piano e seus dedos o tocaram suavemente, revelando a temperatura fria devido ao ambiente e lhe causando uma sensação agradável, porque seu sorriso então se alargou e seus olhos se cerraram.
Quando era muito pequena, Charles colocava música clássica para que ouvisse e ela prosseguiu com aquele hábito.
Todas as vezes em que ouvia uma música, ela se pegava imaginando como seria se tornar uma grande pianista e tocar para aqueles teatros lotados.
às vezes era tão sonhadora!
— Você toca? — seus pensamentos foram interrompidos por uma voz grave, fazendo a moça pular de susto e olhar rapidamente em sua direção.
Surpreendeu-se quando seus olhos localizaram um homem parado a alguns metros dela, não apenas por ela não ter escutado seus passos, mas também porque tinha gostado imensamente de sua aparência. Podia-se ver os músculos dele ressaltados sob a camisa social clara, que fazia um conjunto perfeito com a calça de lavagem escura e a gravata perfeitamente alinhada. precisou conter a vontade de morder a boca, principalmente, quando subiu seu olhar até o rosto dele e notou o perfeito par de olhos , lhe encarando com curiosidade.
Minha nossa! Como é que ela conseguiria pensar em qualquer coisa que fosse com um deus daqueles trabalhando na mesma casa que ela morava?
Pietro que lhe perdoasse pelos pensamentos, mas socorro?
— Se eu toco? — resolveu falar, antes que ele pensasse que ela era alguma doida e o homem assentiu apenas. — Ah, não. Meu sonho de consumo sempre
foi ter um desses em casa, mas nunca tive condições — sorriu, dando de ombros, sentindo uma enorme dificuldade em desviar o olhar dele. — E você, toca? — perguntou, por pura educação, e ele demorou alguns segundos para lhe responder, encarando-a demoradamente, como se retribuísse a análise que havia lhe feito.
— Eu costumava tocar, agora não mais — disse, por fim, arriscando dar mais alguns passos na direção da moça, diminuindo a distância entre eles.
— Sério? E por que não? Acho que se eu tivesse um desses e soubesse tocar, ficaria várias horas do meu dia só fazendo isso — soltou, de forma sonhadora, então riu um pouco de si mesma. — Não que eu seja uma desocupada, mas... Você entendeu — e ele apenas acenou afirmativamente, achando no mínimo curioso o jeito dela.
— Não sou nenhum grande pianista, na verdade. Minha esposa costumava passar mais tempo do que eu aí e ela sim era fantástica — se surpreendeu pela resposta e só conseguiu pensar que a esposa daquele cara tinha tirado uma sorte grande. Além de bonito, ele exalava um charme quando falava que fez a moça desejar momentaneamente não ter namorado algum.
— Entendi — ela levou uma das mãos aos cabelos, ajeitando uma mecha para trás da orelha e contendo a vontade de olhá-lo de cima a baixo novamente. Parecia que tinha voltado a ter catorze anos e os hormônios à flor da pele. — E onde ela está? Sua esposa? — não sabia por que estava insistindo em prolongar a conversa, mas ela o fazia.
— Infelizmente, está morta — o choque atravessou o corpo de em um arrepio desagradável e ela imediatamente arregalou os olhos, levando suas mãos até a boca.
— Oh, minha nossa! Me desculpe. Eu não sabia... Nossa, desculpa mesmo! — disparou a falar, imaginando o quanto falar aquilo poderia ter custado a ele, mesmo que não soubesse há quanto tempo a esposa dele havia falecido.
— Tudo bem, não se preocupe com isso — fez um gesto que demonstrava isso mesmo, por mais que o olhar dele dissesse o oposto. Falar na esposa morta ainda lhe doía, sim, mas ele precisava se acostumar a isso uma hora ou outra.
— É sério. Não consigo nem imaginar o quanto você deve sofrer por isso. Fui meio idiota e não atentei você ter falado dela no passado. Me perdoe, de verdade — insistiu, sentindo-se tão mal por aquilo que sua vontade foi a de sair correndo dali.
— Eu entendo. É sério — repetiu o que ela havia dito, frisando e lhe lançando um singelo sorriso.
— Eu... Na verdade, está mesmo na hora de eu ir. Meu pai já deve estar chegando e eu não quero causar problemas com o chefe dele... Digo, nosso chefe, certo? — disparou a falar, sentindo-se nervosa, mas repetindo mentalmente que precisava se acalmar porque ela não costumava agir daquela forma. Talvez a gafe a tenha deixado daquele jeito.
— Chefe? — ouviu-o questionar, arqueando uma sobrancelha. Em seguida, um meio sorriso divertido tomou conta das feições dele. — Você deve ser a .
A garota então voltou a encará-lo em surpresa. Como é que ele sabia?
— Isso. , filha do Charles — assentiu e estendeu a mão, em um cumprimento, tentando não se mostrar tão abalada e falhando em tudo.
— o sorriso dele se alargou quando segurou a mão de e ela desejou que um buraco se abrisse abaixo de si para que pudesse se enterrar.
— Socorro, você é o ? O chefe do meu pai? — ele assentiu, achando graça. — Desculpa! De verdade, eu não fazia ideia de como você era, o que é uma vergonha já que eu vim para cá fazer faculdade de Direito. Eu devia ao menos saber quem é o senador, mas enfim. Desculpa mesmo, Senhor ! — então ela o viu negar com a cabeça.
— Primeiro, você precisa parar de se desculpar, — e algo no tom dele fez com que a moça se sentisse um tanto mais calma. — E, segundo, eu ainda não sou senador. Sou apenas candidato, mas seu pai já anda tratando como se eu tivesse ganhado a eleição, então não a culpo por isso não, embora seja preocupante você não saber quem são os candidatos.
— É, eu não andei muito focada em política com todo o lance de passar para a faculdade e fazer a mudança — fez uma careta, mas acabou sorrindo de volta ao ver a expressão leve no rosto dele. — Prazer em te conhecer, Senhor .
— Me chame de . E o prazer é meu, — ela precisava tomar muito cuidado para não ficar imersa no quanto aqueles olhos eram atraentes. Pareciam dizer tantas coisas que sentia-se louca para desvendar o que tudo aquilo seria.
— Ah, ! Aí está você! — a voz de Charles chamou-a de volta à Terra e a moça desviou seu olhar para o pai, que imediatamente se voltou para . — Aposto que ela se perdeu e veio parar aqui sem nem saber como voltar. Espero que não tenha lhe interrompido, Senhor .
— De forma alguma, Charles. estava me contando o apreço que tem por pianos — sorriu para homem, que voltou a encarar a filha brevemente.
— Se deixar, ela fica tagarelando até semana que vem sobre isso — implicou com a moça, que lhe deu língua. — Vamos lá, mocinha. Tenho certeza de que está desesperada de fome.
Para falar a verdade, até havia esquecido da fome, mas não podia e nem ia dizer aquilo ao pai.
— Sim, por favor — assentiu, olhando para ao ouvi-lo rir baixo. — Bom, tenha uma boa noite, — piscou para o homem, que lhe abriu um sorriso.
Honestamente, ela não se importava de ficar parada o tempo que fosse só admirando o quanto aquele cara sorria bonito. Na verdade, estava procurando os defeitos porque não tinha encontrado nada ainda e ninguém era tão perfeito assim.
Foca no Pietro, . Foca no Pietro.
— Boa noite, lhe respondeu, e a moça passou por ele para encontrar o pai. Os olhos do candidato a analisaram discretamente, então ele deu um aceno de cabeça para o homem. — .
Andaram pelos corredores, fazendo um breve silêncio, então Charles relaxou um pouco sua postura profissional.
— Devia ter visto a sua cara, filha. Parecia que estava vendo um fantasma — deu risada dela, que revirou os olhos.
— Pai, acabei de conhecer seu chefe e já o fiz falar na esposa morta! Isso é a definição de querer se enterrar — contou, rindo para não chorar.
— Uh, é mesmo? — Charles pareceu surpreso. — Mas olha só, não precisa ficar com receio de nada. é um cara legal, sei que deve ter percebido isso.
— Sim, muito legal — assentiu.
E muito gostoso também.
— Ele gostou de você, fazia um tempo que eu não o via rir de forma sincera — o comentário fez com que algo dentro de se agitasse e quando deu por si, ela abria um sorriso bobo.
— Isso é porque eu sou maravilhosa, pai — disfarçou, soltando em um tom convencido que fez Charles rir e negar com a cabeça.
— Ô maravilhosa, apenas tenha cuidado ao sair explorando a casa. Hoje você foi parar na sala de música, mas imagino que não seria tão agradável assim acabar entrando no quarto do cara sem querer.
Agradável seria pouco, na verdade.
— Relaxa, senhor Charles. Só esqueci de pegar a senha do wi-fi e não vi sinal algum de Julieta. Tô me sentindo um peixinho fora d’água nessa casa gigante, mas logo eu pego o jeito da coisa — reprimiu um graças a Deus quando viu que finalmente chegaram à cozinha.
— E eu não tenho dúvida alguma disso — o mais velho concordou.
Depois daquilo, não tornou a encontrar com e depois de passar quase duas horas conversando com Pietro via SMS, imaginou que o fogo todo que tinha sentido quando viu o homem certamente passaria.
não fazia ideia do quanto estava enganada.


🏛



permaneceu parado próximo ao piano, virado na direção da porta por onde havia saído com o pai. Não soube explicar, mas a presença da garota emanava uma energia tão agradável que, por alguns minutos, toda a sensação de luto foi embora.
era o completo oposto do que ele havia imaginado quando Charles conversou com ele a respeito da mudança da garota para a sua casa. sabia da idade de , mas, por algum motivo, pensou nela com uma aparência bem mais jovem, praticamente uma adolescente, talvez porque Carter, sua irmã mais nova, sempre seria uma pirralha aos seus olhos e ela era apenas três anos mais nova que a filha de Charles.
Foi inevitável para ele analisar a moça de cima a baixo assim que seu olhar a encontrou, na sala de sua casa. Primeiro, porque ela parecia fascinada diante daquele piano e, segundo, porque era linda.
Ele se sentiu péssimo por olhar a garota daquela forma, principalmente, quando precisou conter a vontade súbita de umedecer os lábios. O sentimento de culpa ameaçou lhe corroer não apenas por Charles, mas por sua falecida esposa. fez o possível para não demonstrar o conflito interno e de repente não precisou mais se esforçar tanto. disparou a falar e, a cada frase afobada da moça, ele sentia vontade de sorrir.
Um suspiro longo escapou de seus lábios assim que seus olhos se voltaram para o piano, então caminhou até a garrafa de uísque, disposta sob uma mesinha de canto, se servindo de uma dose generosa e bebendo um longo gole. Queria expulsar qualquer pensamento e o álcool andava lhe ajudando muito ultimamente.
De forma quase involuntária, ele voltou para perto do piano e sentou-se diante do instrumento. Fixou seu olhar no teclado coberto, então ergueu a tampa para que as teclas entrassem em seu campo de visão. Dedilhou algumas delas e um sorriso triste surgiu em seus lábios ao mesmo tempo em que deixou a lembrança lhe atingir com força.


— Mas o que é que você está fazendo escondido aqui, senador ? — o homem levou um pequeno susto ao ouvir a voz muito próxima. Ele observava o céu sem estrelas através da janela da sala, pensando que sentia falta das viagens que ele e a esposa costumavam fazer.
— Só me peguei sentindo falta de quando ficávamos só nós dois — ele confessou, sentindo as mãos de Amelia tocarem seus ombros e apertarem com delicadeza.
— Devo expulsar todos os seus convidados então? Não acharia nada ruim, para falar a verdade — a mulher brincou, fazendo com que sorrisse e se virasse para encará-la.
— Já que estamos sendo sinceros, eu também não, só que eu perderia vários eleitores fazendo isso — fez uma careta, vendo a esposa imitar seu gesto e então aproximar seus lábios dos dele, lhe dando um selinho calmo. — Gosto quando me chama de senador — tocou o rosto da mulher com uma das mãos, lhe fazendo um carinho.
— Só estou prevendo seu futuro, meu amor. Tenho certeza de que você vai vencer — encarou-o nos olhos, sorrindo pela carícia do marido. — Agora venha, preparei uma surpresa para você — entrelaçou seus dedos nos dele, puxando-o de volta ao salão, onde havia deixado seus convidados.
— Aí está nosso homem do momento! — sorriu para Todd Phillips, seu assessor parlamentar, assim que ele veio em sua direção, abraçando-o pelos ombros e lhe dando um tapinha.
— Aqui estou eu, Todd. Pode respirar sossegado agora. Sei que não vive sem mim — retrucou, em tom amistoso, fazendo com que o assessor balançasse a cabeça em negação, rindo.
— Não posso discordar, você quem paga meu salário — a resposta fez com que gargalhasse.
Suas atenções então se voltaram para Amelia , assim que a mulher as requisitou com o tilintar delicado em uma taça.
— Gostaria de agradecer a todos que vieram prestigiar conosco o lançamento da candidatura de meu marido, — ela disse, em tom educado, abrindo um sorriso ao indicar o homem, estendendo a taça em sua direção. — Esta noite, é tudo sobre ele, o futuro senador do estado de Maryland. , meu amor, essa música é sua, assim como meu coração é todo seu — Amelia largou a taça e sentou-se diante do piano.
abriu um sorriso enorme, sem conseguir ver mais nada ao seu redor além da esposa.

Wise men say
(Homens sábios dizem)
Only fools rush in
(Que só os tolos se apressam)
But I can't help
(Mas eu não consigo evitar)
Falling in love with you
(Me apaixonar por você)

Shall I stay
(Se eu ficasse)
Would it be a sin
(Seria um pecado)
If I can't help
(Se eu não consigo evitar)
Falling in love with you?
(Me apaixonar por você?)



Ele reconheceu a música assim que as primeiras notas começaram ao piano e seu sorriso se alargou ainda mais, se é que aquilo era possível. Um misto de emoções tomou conta e ao mesmo tempo em que ele não conseguia desviar seus olhos de Amelia, também não conseguia refrear as batidas de seu coração, que naquele momento eram tão aceleradas que ele sentia quase doer. Era o tamanho de seu amor por aquela mulher.


Like a river flows
(Como um rio que corre)
Surely to the sea
(Certamente para o mar)
Darling, so it goes
(Querido, é assim)
Some things are meant to be
(Algumas coisas estão destinadas a acontecer)

Take my hand
(Pegue minha mão)
Take my whole life too
(Tome minha vida inteira também)
For I can't help
(Porque eu não consigo evitar)
Falling in love with you
(Me apaixonar por você)



A voz de Amelia soava tão doce e perfeitamente afinada. Cada uma daquelas palavras exalava o sentimento verdadeiro entre os dois e, sem vergonha nenhuma daquilo, sentiu que seus olhos ficavam marejados.
Ele amava Amelia , tinha se apaixonado por cada detalhe daquela mulher desde a primeira vez em que a havia visto.
O que seria dele sem ela? Não conseguiria viver sem ela.


Like a river flows
(Como um rio que corre)
Surely to the sea
(Certamente para o mar)
Darling, so it goes
(Querido, é assim)
Some things are meant to be
(Algumas coisas estão destinadas a acontecer)

Take my hand
(Pegue minha mão)
Take my whole life too
(Tome minha vida inteira também)
For I can't help
(Porque eu não consigo evitar)
Falling in love with you
(Me apaixonar por você)

For I can't help
(Porque eu não consigo evitar)
Falling in love with you
(Me apaixonar por você)


Um suspiro carregado de tristeza e dor ecoou dos lábios de . Deixou sua mão cair do piano para o colo e seus lábios tremeram, o choro não pôde ser contido.
Como ele viveria sem Amelia? Ele não queria, ele não podia, mas precisava. Precisava porque ela jamais permitiria que ele desistisse.
As lágrimas escorreram pela bochecha do homem e ele soluçou em silêncio, deixando que esse fosse a única testemunha de seu desabafo.
Perdeu as contas de quanto tempo permaneceu ali, tomado pela dor da ausência do amor de sua vida, até que o pranto foi se dissipando e a calmaria chegou ao seu coração dolorido.
Num gole só, virou o restante de uísque de seu copo, seus olhos se voltaram para a porta e por fim ele decidiu se recolher aos seus aposentos. Fechou a tampa do piano e se levantou, deixando o cômodo.
O dia seguinte seria cheio e ele mais uma vez precisava de toda a força do mundo para vencê-lo e conseguir vencer também a eleição.
Por Amelia.


Capítulo 02 — Nepenthe

“Algo que lhe faz esquecer o luto ou o sofrimento”.

— Não faço ideia de quem está acordado a essa hora e tenho certeza de que vou acabar me perdendo, mas eu juro que na próxima vez que nos falarmos por vídeo, vou te mostrar a cada inteira, meu amor. É gigantesca e eu só consigo pensar nas pessoas que limpam isso aqui, sério! — soltava toda empolgada em meio a uma conversa com seu namorado por vídeo chamada. — Quer ver o meu quarto?
Antes mesmo de Pietro responder, já estava de pé, caminhando por todo o cômodo.
Adiantaria eu dizer que não? — ouviu-o responder, então encarou a tela do celular com a testa franzida.
— Você não quer? — Parou de caminhar e talvez ela estivesse agindo com afobação demais diante disso, visto que os dois agora estavam separados por vários quilômetros de distância.
Pietro riu, fazendo com que a garota soltasse a respiração, aliviada. Nem havia percebido que prendia.
Claro que quero, minha linda. Vai, mostra para mim. Só que eu vou querer toda essa ‘tour’ de novo quando eu estiver aí com você. — Aquela piscadela dele derretia inteirinha e ela abriu um largo sorriso.
— Mas é óbvio que você vai fazer a tour outra vez. Não achei que isso estivesse em discussão. — Riu com ele, então virou a câmera para que pudesse mostrar todos os cantos daquele quarto imenso. — Lógico que ainda falta o toque e eu vou dar um jeitinho nisso assim que sair para comprar algumas coisas, mas enfim... Olha o tamanho dessa cama, Pietro! Acho que eu nunca dormi tão bem em toda a minha vida!
Pietro estava achando uma graça a empolgação da namorada, mas prestava atenção em cada coisa que ela mostrava. Sabia que repararia caso ele não o fizesse.
Ela seguiu da cama para a mesa de estudos, mostrou o closet, o banheiro e a sacada que com certeza seria um dos locais favoritos da garota. Pietro Langdon a conhecia bem demais e ela sempre dizia que queria morar em um lugar com sacada só para poder parar nela e pensar na vida.
Não pôde deixar de pensar, no entanto, que, se ele tivesse conseguido passar na mesma universidade que , ambos agora estariam em um apartamento que alugariam juntos e aí eles teriam também a própria sacada.
Sentia-se péssimo por não ter conseguido e deixado a garota partir sozinha, mas tinha algo que lhe incomodava ainda mais nessa história.
Aquilo tudo estava sendo bom demais para a garota, e se ela não quisesse mais dividir apartamento com ele quando Pietro finalmente conseguisse se mudar para Baltimore?
— Pietro, ainda está aí? — A imagem do rosto de havia voltado à tela e ela acenava com uma das mãos de forma frenética, meio preocupada porque a imagem de Pietro parecia ter congelado. — Será que essa porcaria travou? Droga... Vou desligar e ligar de volta para ver se resolve e...
Não, . Desculpe, estou aqui -— se apressou em dizer, sorrindo da forma menos fraca que conseguiu porque aqueles pensamentos estavam lhe deixando maluco.
— Ah, ótimo. Que susto foi esse? — reclamou dando uma risadinha, mas percebeu que a expressão do namorado não era das melhores e suas feições se distorceram em uma careta. — O que foi, amor? Está tudo bem? — questionou preocupada, fazendo com que Pietro se xingasse mentalmente por não conseguir se controlar.
Estou sim, relaxa. — Tentou sorrir de novo, mas suspirou em vez disso. — Só estou sentindo sua falta. Sei que é bem cedo ainda para isso, mas...
— Também estou sentindo a sua — ela se atravessou em sua fala e Pietro a encarou nos olhos, mordendo a boca como se estivesse se contendo para não chorar.
Droga, . Faz menos de vinte e quatro horas que você partiu e eu já estou ficando louco sem você — Pietro confessou. suspirou, então de repente abriu um sorriso esperto.
— Tecnicamente, já passou de vinte e quatro horas. — Ele estreitou os olhos para a garota. — Mas sim, eu também estou. Não imagina o quanto eu queria poder estar aí agarradinha com você. Ou melhor, que você estivesse aqui comigo. Essa cama é grande demais, eu já disse isso?
Pietro abriu um sorriso de canto, ajeitando um pouco a posição em que estava sob a cama do próprio quarto.
Deve ser bem complicado mesmo dormir com todo esse espaço aí, sem ninguém para você se agarrar.
— Dormir até que não foi tão complicado assim. O problema é ficar acordada nela sozinha. Me parece até um desperdício, se é que me entende. — Sentiu vontade de provocar o namorado com aquilo e ele arqueou uma sobrancelha, umedecendo os lábios, sem nem pensar em recusar entrar naquele jogo com .
Imagino que com companhia então o espaço fique esquecido no Tártaro — Pietro disse com uma expressão sugestiva capaz de deixar louca.
— Eu já disse que adoro quando você fala desse jeito? — Mordeu o lábio inferior, percebendo que ele havia acompanhando o movimento com seu olhar.
De que jeito? — perguntou, mesmo já sabendo a resposta.
— Nerd. Você sabe que inteligência me atrai e citar mitologia grega é golpe baixo — queixou-se, mas seu tom de voz era o de quem queria era que ele continuasse.
Vai falar em golpe baixo enquanto morde o lábio desse jeito, minha linda? — respondeu, acabando por imitar o gesto dela.
— Algum problema com isso, meu amor? — provocou, fazendo-o mais uma vez.
Para ser sincero, tenho alguns. Quando eu te vejo mordendo os lábios assim, só consigo pensar no quanto eu gostaria de estar fazendo isso e também em como gosto do toque dessa tua boca macia na minha pele. — Talvez devessem parar de se instigar daquele jeito, mas, se ela estivesse gostando tanto quanto ele, qual era realmente o problema?
— Pois então me imagine puxando teus lábios com os meus dentes, Pietro. Meu beijo descer até o teu pescoço e seguir caminho até seus ombros. Gosto do desenho deles, dá vontade de morder também. — Observou o namorado fechar os olhos enquanto falava, tendo certeza de que ele imaginava mesmo cada uma das ações que descrevia. Aquela visão mexia com ela, fazia com que seu corpo inteiro esquentasse e de repente o pijama que ela vestia a incomodava até demais.
Se você fizer isso, vou querer levar minhas mãos até os teus cabelos, segurá-los entre meus dedos só para poder observar bem de perto o trajeto e te puxar para beijar teus lábios mais uma vez. Apertar tua cintura contra mim daquele jeito que vai te mostrar o quanto você está me deixando doido. — Droga, por que ela tinha começado aquele jogo mesmo? O que ela faria com o incômodo que as palavras de Pietro causavam entre suas pernas?
— Pietro... — deixou escapar em um sussurro.
O que foi, minha linda? — questionou, sentindo vontade de grunhir com o tom torturado da voz dela.
— Eu quero você — soltou com uma voz chorosa.
Me quer fazendo o que, ? — provocou e ela gemeu baixinho.
— Eu quero você dentro de mim. Me fodendo daquele jeito que só você sabe fazer.
As palavras dela o atingiram em cheio e se antes Pietro já se sentia excitado, naquele momento sua ereção latejava e não havia o que fazer além do óbvio.
Mas antes que o garoto pudesse guiar a mão para dentro dos shorts, , que estava praticamente deitada, arregalou os olhos e se sentou ereta na cama.
— Droga, ouvi um barulho na porta, Pietro. — Levantou apressada e respirou fundo, abanando o rosto para espantar a expressão de quem estava louca de tesão. — Vou desligar porque pode ser meu pai. Desculpa, eu te amo muito!
Pietro sentiu a frustração vir como uma bofetada em sua cara. Teria que se virar com aquela ereção sem a namorada do outro lado da tela.
Tudo bem, linda, eu também. A gente se fala! lhe jogou um beijo e então encerrou a chamada.
— Minha nossa — resmungou baixinho e caminhou até a porta, percebendo que não estava totalmente fechada. Avoada como era, provavelmente nem tinha verificado aquilo antes de ir dormir. Empurrou-a preparada para ver o pai ali e querer se enterrar de vergonha.
Quando deu de cara com o corredor vazio, foi impossível conter o grunhido de frustração.
Provavelmente os passos que ouviu foram coisa de sua cabeça paranoica por estar praticamente transando virtualmente com o namorado em seu primeiro dia naquela casa.
— Eu real vou pirar nesse lugar, pelo jeito. — Voltou a fechar a porta e encarou rapidamente o celular.
Não adiantaria ligar de volta para Pietro, o clima já havia sido quebrado, então apenas lhe restava tomar um banho frio e descer até a cozinha para tomar café. A ideia era a de passar o dia conhecendo a cidade e comprando algumas coisas para seu quarto. Suas aulas começariam apenas na semana seguinte, mas até lá ela já queria estar no mínimo um pouco situada em Baltimore.
— Bom dia! — cumprimentou a mulher de meia idade, que avistou assim que chegou à cozinha. O uniforme dela deixou óbvio que aquela era a Julieta que não tinha encontrado na noite anterior. — Então a senhora é a Julieta! — Sorriu.
— Nada de senhora, menina. Pode me chamar de tudo menos de senhora! — Julieta já lhe repreendeu com um sorriso amistoso. — E você é a . Tão bonita quanto seu pai.
— Julieta então. E onde está meu pai? — perguntou, já gostando da mulher logo de cara simplesmente porque Julieta a olhava de um jeito acolhedor.
— Saiu a pouco com o senhor . Sente-se, vou arrumar o café para você. — Indicou a mesa e fez uma careta.
— Não gosto de tomar café sozinha, Julieta. Sente-se comigo — pediu, fazendo um bico para a mulher.
— Eu já tomei café, menina. Não se preocupe comigo. — Caminhou até a geladeira e foi tirando tudo o que achava que a menina poderia querer comer.
— Vai, eu insisto. — Piscou os cílios de um jeito que fez Julieta rir.
— Tudo bem. Mas só vou me sentar à mesa com você, não vou comer.
— É o bastante. — sorriu satisfeita.

🏛


teve dificuldades para dormir na noite anterior. Na verdade, ele andava com aquele tipo de problema desde que Amelia havia partido. Por mais que tentasse, não conseguia se acostumar com aquele espaço vazio ao seu lado na cama.
Era engraçado porque quando era mais jovem não se imaginava dividindo seu espaço com ninguém e costumava dizer aos quatro ventos que era espaçoso até demais, mas aquilo mudou completamente quando conheceu sua Amelia. É claro que, como em qualquer casamento, as coisas nem sempre eram um mar de rosas, mas a certeza de que ele acordaria no dia seguinte e seus olhos a encontrariam ao seu lado fazia com que ele esquecesse quaisquer que fossem os seus problemas. Amelia lhe trazia paz.
Mas ele não tinha mais a esposa. Seu porto seguro havia partido, levada por um câncer no colo do útero que já estava em um estágio avançado quando diagnosticado. Ela foi forte, lutou até seu último segundo e ficou o tempo todo ao seu lado, mesmo sob protestos dela porque ele tinha uma campanha para cuidar. não quis saber, nada era mais importante do que ela. No entanto, o câncer é uma doença cruel, que se espalha e traz consigo a destruição. Assistir sua amada cada vez mais frágil não foi fácil e ele lutava todos dias para lembrar apenas dos momentos mais bonitos que tiveram juntos. Era isso que Amelia iria querer.
Se dormir era uma tortura para , acordar era infinitamente pior. Todas as vezes que ele abria seus olhos sentia seu peito se apertar com aquela dor que aos poucos se tornava sua companheira fiel. Sua garganta se fechava com um nó incômodo e ele soltava um longo suspiro, reunindo forças para se levantar da cama e iniciar seus dias. Alguns eram um pouco mais fáceis do que outros, mas não eram os mesmos de antes e nunca seriam. Se Amelia era sua paz, sem ela, ele era o caos completo, dominado pela escuridão do luto. Pela ausência sufocante e a ideia agonizante da inexistência.
não fazia ideia do que estava sonhando, mas sentiu vontade de gritar quando o toque de seu celular o acordou, anunciando que ele recebia uma chamada por ser diferente da música que ele usava como despertador.
Abriu seus olhos rapidamente, piscando-os e os arregalando para conseguir mantê-los abertos, então pegou o aparelho e imediatamente amarrou a cara ao ler o nome no visor.
— O que foi, Phillips? — atendeu mal humorado. Ele devia saber que acordá-lo antes da hora combinada era quase uma sentença de morte.
Bom dia para você também, . — Riu do outro lado, fazendo com que bufasse, mas logo tentasse se recompor e soar pelo menos educado.
— Bom dia, Todd. Foi mal. Eu odeio ser acordado, você sabe disso. — Sentou-se na cama, já imaginando que não poderia voltar a dormir.
Assim está bem melhor. Nunca esteve nos meus planos ser assassinado via celular. — não achou graça naquele comentário, mas preferiu ignorá-lo.
— Ao que eu devo a honra da tua ligação, então? — Talvez ele tivesse soado irônico, mas aquela não era mesmo a intenção.
Liguei porque você vai ter uma entrevista às nove horas na PostFM, depois disso segue para a reunião do partido. — Ficou surpreso com a primeira informação e verificou o relógio que mostrava ser seis e quarenta da manhã.
— E por que eu só fiquei sabendo dessa entrevista agora? Todd, já te pedi para me avisar dos meus compromissos com pelo menos um dia de antecedência — reclamou, embora Todd sempre ignorasse aquele pedido. Não era novidade alguma surgirem compromissos de última hora para .
Eu sei. Desculpe, mas Italia Whitman vai falar com a GeorgetownFM, não podemos ficar um passo atrás. — Não havia muito o que fazer naquele caso, só lhe restava aceitar.
— Já falei que você dá mais importância a Italia do que eu, Todd? — Sorriu de canto, por mais que o assessor não pudesse vê-lo.
Falou e eu disse que você deveria mudar isso. Você não faz ideia de como a popularidade dela anda crescendo entre os eleitores — Phillips frisou, talvez daquela vez conseguisse fazê-lo enxergar.
— Mas está certo, Todd. Vou começar a me mexer então. Nos falamos mais tarde. — Imediatamente cortou a conversa e agradeceu aos céus quando desligou o celular.
Se fosse permitido a ser completamente sincero, sua vontade de vencer aquela eleição havia se esvaído junto com a esposa e ele teria desistido se a voz dela não ecoasse em suas memórias lhe chamando de Senador . Era impossível não sorrir saudoso quando seus pensamentos eram dominados por ela, assim como era inevitável para dar a costumeira encarada no lugar vazio ao seu lado.
— Ninguém me ensinou a viver sem você, Amelia. Dói a cada segundo — a voz de ecoou de forma rouca. O nó na garganta fez com que o homem fechasse os olhos e respirasse fundo. Não conseguiria voltar a dormir, por mais que pudesse tirar mais alguns minutos para um cochilo.
Vamos lá, Senador . Você consegue.
Em uma espécie de delírio, aquele mantra sempre soava no timbre de sua adorada esposa. Era o gás o qual ele necessitava todas as manhãs para que conseguisse sair da cama, mesmo que desejasse se afundar ali, mergulhado em sonhos onde Amelia não havia partido e lhe deixado ali sozinho.
juntou forças e se levantou da cama, encarando o relógio mais uma vez enquanto resolvia que uma corrida matinal lhe faria bem. Fazia dias que não praticava nenhum esporte, o que não era de seu feitio. Desde jovem, sempre se preocupou muito com seu estado de saúde.
Caminhou até o banheiro de seu quarto, fazendo uma careta quando notou suas feições no espelho. Parecia que um elefante havia dançado sapateado em seu rosto e sua expressão não era das melhores. Suspirou e abriu um sorriso que lhe pareceu tão forçado que o desfez de imediato. Praticar esportes e tomar uma bela xícara de café talvez levantassem um pouco o seu astral.
Ou quem sabe a presença jovem da filha de Charles.
Balançou a cabeça em negação, sem acreditar que havia pensado algo daquele tipo e tentando expulsá-lo enquanto erguia a tampa do vaso sanitário para fazer xixi. Por alguns segundos, o alívio lhe deixou isento de qualquer pensamento que fosse, mas quando ele deu a descarga e voltou à pia, lavando as mãos e aproveitando para passar uma água no rosto, o sorriso da garota apareceu em sua mente, o fazendo querer sorrir também, daquela vez de forma sincera.
era diferente, não daquele jeito clichê, mas também não saberia dizer o que exatamente saltou tanto aos olhos dele quando se encontraram. Ela era divertida e ao mesmo tempo doce, mas havia algo no olhar da garota que lhe dizia que ela era muito mais. estava curioso para desvendá-la e com certeza adoraria conhecer melhor, sem segundas intenções, embora ela fosse realmente atraente.
Depois de vestir uma roupa confortável para correr, o homem nem se preocupou em levar o celular porque odiaria ser interrompido em meio aos seus exercícios. Charles o acompanharia por segurança, então era provável que se houvesse qualquer mudança urgente em sua agenda, Todd daria um jeito de contatá-lo.
seguiu pelo corredor em direção à cozinha, onde tomaria apenas uma xícara de café preto que lhe daria a energia necessária, mas quando estava passando por uma das portas algo lhe captou a atenção.
— Nerd. Você sabe que inteligência me atrai e citar mitologia grega é golpe baixo.
O tom da voz soou levemente familiar, o que fez com que parasse e erguesse uma de suas sobrancelhas. A princípio, imaginou que talvez estivesse imaginando coisas, mas logo mais palavras foram ditas e ele soube que não.
— Algum problema com isso, meu amor?
Escutar conversas do outro lado de portas entreabertas nunca foi seu costume, porém ao notar a quem a voz pertencia, bem como a nota de provocação, a curiosidade foi mais forte do que . Ele se viu até prendendo um pouco a respiração para que pudesse escutar melhor.
— Pois então me imagine puxando teus lábios com os meus dentes, Pietro. Meu beijo descer até o teu pescoço e seguir caminho até seus ombros. Gosto do desenho deles, dá vontade de morder também.
De repente, o rosto dele pegava fogo enquanto suas mãos pareceram suar. Não era certo que deixasse sua mente voar em meio àquelas descrições tão precisas, não se tratavam dele, mas não conseguiu evitar. Por mais que não conseguisse ver , era como se ela estivesse ali, sussurrando em seu ouvido e mordendo os lábios, desejando que ele fizesse aquilo em seu lugar.
— Merda — murmurou, tentando forçar seus pés a lhe tirarem dali, mas sabia que não queria. Na verdade, nada lhe pareceu tão convidativo quanto a ideia de invadir aquele quarto.
Como podia se sentir daquele jeito se mal conhecia a garota? Talvez ele apenas estivesse se sentindo sozinho demais.
— Eu quero você dentro de mim. Me fodendo daquele jeito que só você sabe fazer.
Soltou o ar pesadamente ao ouvir aquelas palavras. Correr com uma ereção não seria nada divertido.
Ele só podia estar ficando maluco!
Negou com a cabeça, tentando expulsar os diversos cenários que vinham aos seus pensamentos e quase não percebeu que estava tão próximo da porta, a ponto de esbarrar no local.
Ouviu a voz alerta de e seu corpo se retesou. A garota com toda certeza o veria como o um maníaco ou algo do gênero, então, ainda atordoado, praticamente correu pelo corredor, só parando quando estava na cozinha.
Julieta havia já lhe preparado o café e quando encarou o senhor parado a alguns metros da mesa, sentiu uma dose horrível de culpa lhe dominar.
Charles havia confiado nele o bastante para trazer a filha para morar consigo e era assim que retribuía. Precisava esfriar a cabeça.
— Bom dia, Julieta. Bom dia, Charles. Vou fazer uma corrida de uns vinte minutos — anunciou, não parando para se sentar à mesa, como fazia todas as manhãs.
— Bom dia, senhor . Não vai tomar seu café da manhã? — Julieta questionou com o cenho franzido.
— Hoje não. Estou com um pouco de pressa. — E seguiu para fora da cozinha, sentindo Charles vir em seu encalço.
— Está tudo bem, ? — Ouviu-o questionar em tom preocupado.
— Bem não está, Charlie. Mas vai ficar. — Sorriu fraco na direção do homem. — Preciso só colocar minhas ideias no lugar.
— Não esqueça que estou aqui para o que precisar. Não só como segurança, mas como um amigo. As coisas não têm sido fáceis para você, não sei como não perdeu a cabeça de vez ainda. — O sentimento de culpa aumentou ao escutar aquilo.
— Eu agradeço e, sinceramente, nem eu sei como. — Deu de ombros, então começou o alongamento, recebendo um meio sorriso de Charles e o espaço que ele precisava para praticar seus exercícios e organizar a mente.
Quando se pôs a correr, um turbilhão pareceu anuviá-lo e ele puxou o ar para seus pulmões como se buscasse o fôlego para enfrentar cada um de seus problemas.
Charles tinha razão, eram muitos acontecimentos para se assimilar. Sua candidatura exigia cada vez mais dele e ele não aguentava mais ouvir o nome Italia Whitman sair dos lábios de Todd, que parecia obcecado pela mulher de um jeito que talvez fosse necessário a ele se queria vencer a eleição. A morte da esposa de parecia um pesadelo sem fim, toda vez que achava estar superando, sofria uma recaída e desabava novamente em amargura. Ele também não via sua irmã caçula há dias, o que só poderia significar que logo a encontraria nas manchetes de revistas, envolvida em mais algum escândalo que faria seu assessor querer arrancar os cabelos.
Parecia que sossego era um sonho distante, muito fora do alcance do candidato a senador.
Então se viu mais uma vez lembrando do jeito leve de e do quanto ela sabia sorrir bonito. Com toda a certeza a garota tinha os próprios problemas, mas nenhum deles parecia pesar em seus olhos, como acontecia com . Ela carregava uma luz consigo, uma luz que poderia incendiá-lo a qualquer momento, mesmo que aquela não fosse a intenção da jovem.
As palavras provocantes povoaram sua mente, algo se agitou mais uma vez dentro dele e uma vontade súbita de voltar para casa para ouvi-la repetir tudo o que dissera tomou conta de si.
precisava colocar em sua cabeça o quanto pensar em daquela maneira era errado. Ela era muito mais nova do que ele, era filha de seu chefe de segurança e amigo de muitos anos e era comprometida com o rapaz a quem havia dirigido todas as suas provocações.
Pietro.
Um garoto de muita sorte, com certeza.
, deixe de ser maluco — murmurou, consigo mesmo, decidindo-se a tirar aquilo de vez de sua cabeça.
Apressou seus passos, colocando mais velocidade em sua corrida e dando um jeito de esvaziar sua mente.

💋


A tarde estava sendo extremamente agradável para . Depois do café da manhã reforçado, onde ela não sossegou até fazer com que Julieta também fizesse a refeição, a jovem resolveu colocar em prática seu plano de sair para explorar a cidade. Era importante para ela que criasse familiaridade com aquelas ruas, já que não podia e nem queria ficar dependendo de seu pai para levá-la aos lugares.
Decidiu que primeiro conheceria melhor os arredores do Mount Vernon Cultural District, que era o bairro onde agora morava, e ficou absolutamente encantada com a arquitetura da maioria das residências. Era tudo em um estilo mais colonial, o que tornava a região bastante aconchegante aos seus olhos.
Havia alguns bares e restaurantes que ela definitivamente gostaria de conhecer e a garota também descobriu que a Universidade de Baltimore não era lá muito distante de onde agora residia.
Era uma vergonha a garota se mudar para um local e não ter ideia da distância entre sua nova casa e a Universidade, mas gostava de reforçar que tinha coisas demais em sua cabeça.
De fato, só o estresse de sua mudança e a situação de ter que aguentar a distância entre ela e o namorado já eram o suficiente para justificar sua total falta de atenção.
Enquanto andava pelas ruas de Baltimore, observando cada uma das casas e tentando gravar em sua memória alguns pontos específicos, sentiu suas bochechas esquentarem.
Pensar no namorado trazia lembranças do que quase fizeram por chamada de vídeo. A jovem nunca havia feito nada daquele tipo. Sempre foi muito desconfiada quando se tratava de garotos, mas ela sabia de alguma forma que Pietro era diferente, ou pelo menos era nisso que gostaria de acreditar.
Intrigou-se ao pensar no momento em pensou estar sendo observada e acabou concluindo que não havia de fato ninguém do outro lado da porta. Talvez ela tivesse recebido algum sinal divino de que não deveria se expor para Pietro naquele momento.
O passeio da garota se estendeu para algumas regiões vizinhas e ela perdeu completamente a noção do tempo quando encontrou um outlet. Precisava mesmo comprar algumas coisas para deixar seu quarto mais “a sua cara” e aproveitaria as economias que juntou para isso.
Mesmo carregada de sacolas, ela ainda conseguiu fazer uma chamada de vídeo com Brooke, uma de suas únicas amigas que havia deixado em Ohio.
To chocada com a quantidade de coisas que você comprou, . Juro! Até parece que não levou nada na mudança — a garota comentou com um tom de brincadeira ao final.
— Até parece que você é contida quando se trata de compras. — estreitou os olhos para ela.
Vamos combinar que não sou contida quando se trata de várias coisas, não é? — Abriu um pequeno sorriso malicioso.
— Sua safada! Pode me contar quem é o da vez. — se animou, mesmo que Brooke trocasse de “namorado” toda semana.
Não tem ninguém, garota. Deixa de ser enxerida!
— E por que você está sorrindo com essa cara de piranha? Claro que tem, Brooke Mitchell. Pode desembuchar! — Não conseguia acreditar no doce que a outra estava fazendo para contar.
A cara de piranha não tem como tirar, ela já faz parte de mim — zombou, fazendo desejar estar perto para estapeá-la. — E eu estou falando pra você que não tem ninguém. Você acha mesmo que eu te esconderia isso? — Ergueu uma sobrancelha para a , que acabou se convencendo.
— Tudo bem. Se você diz, eu acredito. — se deu por vencida.
Mas conta pra mim, como é a casa onde você está? É verdade que está morando com o senador de Maryland? — questionou toda interessada.
Por alguns segundos, se distraiu ao lembrar da deliciosa figura do dono da casa. Ela se perderia naqueles músculos apertados pela camisa social dele sem nem pensar duas vezes.
Conseguia até mesmo visualizar os botões saltando para todos os lados quando ela puxasse a peça de roupa daquele corpo.
— Ele ainda não é senador, Brooke. Mas a casa é incrível, sensacional mesmo — frisou a palavra porque não era bem da casa que ela falava mesmo.
Ai que inveja. Me diga que vai me mostrar a casa qualquer dia desses. Melhor, me diga que vai me hospedar! Você precisa de companhia para conhecer todos esses bares. — A empolgação estava presente em cada uma de suas palavras e isso animou a .
— Claro que vou te hospedar. Quando isso deixou de ser uma opção? — Ergueu uma sobrancelha para a mais nova.
Mas, me conta mais uma coisa. Como é esse senador? Eu ouvi dizer que ele é o candidato mais novo ao cargo, é verdade? Ele é bonito?
Claramente, Brooke estava mais informada do que ela, que viu o homem e achou que fosse empregado da casa.
— Ele é...
O celular de apagou de repente e com uma careta de frustração ela constatou que sua bateria havia acabado. Como aquilo havia acontecido se ela tinha quase sessenta por cento no início da ligação?
Talvez estivesse falando com Brooke por tempo demais.
Agora estava ali, no meio da rua, sem bateria e sem o GPS.
Espera, sem o GPS?
Como voltaria para casa?
Sentiu-se apavorada de repente e andou alguns passos a esmo, sem ter muita certeza para onde estava indo enquanto tentava se lembrar de alguma coisa.
O problema era que quando estava nervosa a garota esquecia até mesmo de como respirava.
Suas mãos começaram a tremer e de repente as casas ao seu redor pareceram grandes demais enquanto ela encolhia, sendo cada vez mais engolida por aquelas construções.
Sentiu que a qualquer momento desabaria de joelhos no chão e se renderia ao choro.
— Moça, tá tudo bem? — Uma voz desconhecida, porém gentil, lhe chamou atenção.
Piscando os olhos algumas vezes, tentando conter as lágrimas que haviam se formado, negou com a cabeça. Não podia mentir que estava bem, não quando precisava de ajuda.
— E-eu me perdi. Meu celular simplesmente descarregou antes do que eu planejava e eu não conheço nada daqui. Nem sei ao menos onde estou agora — foi sincera, recebendo um sorriso de canto.
— Você sabe pelo menos onde fica o lugar em que está hospedada?
A pensou por alguns segundos, buscando em suas memórias o endereço do casarão.
— Sei — respondeu depois de um tempo, quando finalmente conseguiu se lembrar dessa parte, sentiu-se aliviada no mesmo instante.
Com a ajuda da gentil desconhecida, conseguiu localizar um metrô e dele seguiria até a estação próxima ao lugar que agora dela chamava de casa.
— Preste atenção às paradas. Na terceira, você desce, tudo bem? — A garota lhe encarou com uma preocupação genuína.
— Certo, eu vou lembrar. Muito obrigada. Eu realmente estava desesperada — agradeceu de prontidão, quase abraçando a outra, que fez um gesto de negação.
— Não se preocupe. Acontece mesmo. Boa sorte.
se viu como uma mal educada por não ter perguntado nem ao menos o nome de sua salvadora, muito menos lhe disse o seu, mas a só foi se dar conta disso quando já estava dentro do metrô.
Concentrou-se no fato de que teria que descer dali três paradas e quando desceu sentiu que a sensação de familiaridade com o ambiente quase lhe fazer chorar. Ao menos ali ela conhecia algumas coisas.
Voltou imediatamente para sua nova casa, se praguejando mentalmente porque já havia anoitecido e isso que ela só tinha planejado dar uma passeio pela manhã e almoçar em casa.
Passou por alguns empregados no jardim, cumprimentando a todos e já não se sentiu tão perdida dentro da residência em si. Sabia que passando a sala do piano logo ela estaria no andar de seu quarto.
No entanto, enquanto passava pelo cômodo a mesma silhueta deliciosamente musculosa da noite anterior se encontrava parada diante da janela. Seu olhar parecia completamente perdido no céu noturno e havia um copo de uísque pela metade em sua mão.
Não sabia se ele gostaria ou não de ter aquele momento de reflexão interrompido, mas de repente não conseguiu se controlar.
— Tenho a impressão de que esse copo de uísque é um velho conhecido seu e você o vê com bastante frequência — comentou, vendo que o mais velho se sobressaltava ao ouvir sua voz. — Desculpe, senhor , não quis assustá-lo. — Deu um sorriso pequeno e sem graça.
— corrigiu a garota enquanto se virava na direção dela.
Diferente da noite anterior, dessa vez ele vestia uma camiseta polo azul marinha e uma calça jeans de lavagem mais tradicional. Um pouco mais casual e absurdamente gostoso.
O que eram aqueles braços? Seria muito esquisito se ela de repente apertasse em um deles?
— Desculpe, . Espero não ter te atrapalhado. Eu estava só passando por aqui e o vi e...
— Não atrapalhou. Na verdade, estava até me pensando que não a vi durante o dia todo.
Ele estava pensando nela?
Precisou se segurar para não fazer nenhuma dancinha da vitória, até porque nem lhe cabia isso. precisava de mais lembretes de que tinha um namorado lhe esperando em Ohio.
— Eu saí para bater perna por aí e conhecer um pouco a cidade — contou, caminhando para um pouco mais perto de e parando ao seu lado diante da janela.
— Baltimore não é uma das cidades mais seguras, por mais que tenha uns lugares aconchegantes — ele comentou, largando o copo de uísque na mesinha porque de repente já não sentia mais vontade de bebê-lo.
, por outro lado, gostaria de tê-lo virado.
— Confesso que nunca pensei nesse lugar enquanto procurava a universidade que faria, mas estou positivamente surpresa.
— Isso é ótimo. Muito bom mesmo, . Estou feliz em tê-la por aqui. — A voz de havia soado tão agradável que a jovem não conseguiu não sorrir.
— Estou feliz em estar aqui também, . Acabei me perdendo nas minhas aventuras de hoje, mas acabou valendo a pena — se referiu ao fato de estar ali conversando com ele naquele momento.
— Você se perdeu? — Havia gostado e muito de ouvir a última parte, mas preferiu se ater à outra parte da conversa. Ainda não havia conseguido tirar de sua mente a cena de conversando com o namorado então precisava evitar perder todo o seu foco.
— Sim. Minha bateria simplesmente acabou e eu quase chorei de desespero — confessou, fazendo uma careta e arrancando um breve riso dele.
— E como conseguiu sair dessa? Da próxima vez, pode levar seu pai com você. Sem problema algum.
— Encontrei uma garota que foi muito gentil e me ajudou a encontrar um metrô.
— Isso é o que eu chamo de sorte. — sorriu abertamente e, pelos deuses, o sorriso daquele homem poderia ser facilmente a sua ruína.
— Nem me fala. Espero que um dia eu a encontre novamente, não peguei nem seu nome e agora estou cansada demais para procurar.
— Você cansada e eu lhe alugando. Vá descansar, . — Riu um pouco da situação.
— Não se preocupe. Não está alugando nada. — Fez um gesto de negação.
— De qualquer forma, eu tenho esse jantar que preciso ir por causa da campanha. Foi bom conversar um pouquinho com você, senhorita . — A voz dele soava mais educada do que parecia. — Boa noite.
— Boa noite. Eu digo a mesma coisa, senhor... . — Ela sorriu um tanto sem graça ao completar com o nome dele.
então caminhou tranquilamente até a saída da sala, deixando perdida em seus próprios pensamentos até que lembrou de algo que simplesmente não conseguiria manter somente para si;
— Apenas um conselho, . — A voz dele fez a garota encará-lo novamente. — Na próxima vez, é melhor conferir se a porta do seu quarto está fechada antes de ter algumas conversas.
Não sabia por que tinha resolvido falar sobre aquilo, mas o fez e quando se retirou acabou deixando uma com o rosto completamente em chamas e uma vontade de entender o brilho que passou pelos olhos de ao falar sobre o ocorrido.


Capítulo 03 — Aquiver

“Sentir-se trêmulo”.

Os gritos na arquibancada eram ensurdecedores. A música trazia batidas bem marcadas enquanto a sequência de passos era reproduzida com precisão pelo grupo que havia tomado uma parte do campo durante o intervalo do jogo de futebol americano.
O time da escola era bem conhecido e prestigiado, mas não como seus líderes de torcida.
Cinco vezes campeão nacional, naquele ano pretendiam manter a dinastia intacta, conquistando o sexto prêmio, e a coreografia impecável apresentada deixava isso muito claro.
Todos os membros daquele grupo se dedicavam como se suas vidas dependessem daquilo. Literalmente davam sangue, suor e lágrimas, praticavam várias horas por dia e a capitã exigia nada além do melhor.
Obviamente, entrar para o time não era fácil. O critério de seleção era elevadíssimo, mas aquele não havia sido um problema para Amélia Stuart.
A jovem era extremamente esforçada, aquilo fora notado desde o primeiro instante, e possuía um talento nato, embora sua mãe houvesse passado longe daquele tipo de prática em seus tempos de escola.
Amélia se dedicava à torcida com devoção. Primeiro, porque amava fazer parte daquilo. Ouvir os gritos e os aplausos a cada passo dado fazia seu coração querer rasgar o peito de felicidade. Segundo, porque todas as conquistas do Red Foxes lhe renderia pontos excelentes em seu currículo, algo que ela precisava para realizar seu sonho de estudar na George Washington University.
Ninguém duvidava da garota. Estava muito claro para todos ali que a jovem Stuart conseguiria qualquer coisa desejada.
E isso, obviamente, também se aplicava a .
Não importava o quanto ela tentasse esconder, era muito nítida a forma como seus olhos brilhavam toda vez que o rapaz estava por perto.
Por esse motivo, ela não se surpreendeu nem um pouco quando seus olhos procuraram por ele na arquibancada, quando a plateia urrou de empolgação, no exato instante em que a garota deu um salto perigoso, sendo aparada no ar pelo seu colega de equipe este a manteve sustentada em pé segurando seus pés.
tinha traços bastante marcantes e característicos. Não foi difícil para ela localizá-lo no meio da multidão, principalmente porque os olhos dele a encaravam de volta.
talvez fosse a pessoa que mais gritava naquela plateia, completamente admirado com todos os feitos da jovem. Ele sempre estava presente nas apresentações de Amélia, mas não havia uma única vez na qual não se surpreendesse com algo que ela fazia. Era como se a garota tivesse sempre alguma carta na manga e isso o deixava completamente embasbacado.
Um enorme sorriso se formou nos lábios dele quando percebeu que Stuart o encarava de volta e ela acabou retribuindo da mesma forma antes de lançar seu corpo para trás, sendo amparada mais uma vez por colegas e fazendo outro grito em comemoração ecoar dos lábios de .
Aquela garota era simplesmente incrível e ele tinha certeza de que todos naquela escola concordavam com seus pensamentos.
Exatamente por esse motivo, embora Amélia estivesse tão próxima a ele, que sabia o quanto ela era inalcançável.
Afinal, estava mais do que claro também que ele era apenas um bom amigo dela, nada além daquilo.
Observou o momento no qual ela correu para a primeira fileira, gritando algumas palavras para animar a torcida, recebendo mais gritos como resposta, levando cada um ali presente ao delírio, o que só deixava o rapaz mais encantado e nervoso consigo mesmo. Precisava deixar aqueles sentimentos de lado ou não conseguiria mais ser amigo de Amélia.
Talvez ele devesse mesmo se afastar dela.
Uma careta se formou em suas feições.
Não conseguia.
Amélia jogou os cabelos para um lado, movendo sua cintura de um lado para o outro, dando uma rebolada e piscando para o público, e perdeu a linha de raciocínio.
Como ela conseguia ser tão linda?
Suspirou.
— Você devia conversar com ela. — Assustou-se ao ouvir a voz ao seu lado, dando um pulo e encarando o dono dela enquanto levava uma mão ao peito, fechando a cara em protesto.
— Eu não faço ideia do que você está dizendo, Berkshire.
Uma sobrancelha foi arqueada em sua direção e o garoto soltou uma risada irônica.
— Claro que faz. Você está de quatro pela Amy.
— Não estou de quatro, nada. Não diga besteiras — ralhou com um revirar de olhos.
— Tá certo. E eu sou o novo capitão do time de futebol — debochou, recebendo um dar de ombros como resposta. — Corta essa, . Te conheço desde que usava fraldas. Você gosta dela.
estreitou os olhos, negando com a cabeça.
— Você não vai parar de me encher o saco enquanto eu não admitir isso, não é? — acabou soltando, também conhecendo bem demais o amigo.
— Que bom que você sabe disso. Agora admita logo o que a escola inteira já percebeu.
se sentiu desconcertado.
— Acha mesmo que a escola inteira percebeu? — Se inclinou para poder usar um tom mais baixo e ainda assim ser ouvido.
— Isso é uma confissão?
— Pare com isso, Vincent! Me responde. — Seu tom de voz agora era aflito, o que arrancou uma risadinha do outro.
Mais uma vez, estreitou seus olhos para o amigo.
— Tudo bem, vou parar de rir. — Tocou o ombro de , acalmando-o. — Foi só um jeito de falar, mas não é algo muito difícil de se perceber, se quer saber. Olha o jeito que você olha pra ela? Só a própria Amy que não se deu conta ainda.
Aquilo fez engolir a seco e as palavras simplesmente fugiram de sua boca. Ele não sabia como reagir àquilo.
— Fica tranquilo, . Eu tenho certeza de que ela também gosta de você. — A convicção dele fez erguer uma sobrancelha. — Vai por mim.
— Não sei se devo, Vincent. Vai que você está errado? Amélia é minha melhor amiga. Não quero arruinar a nossa amizade com isso.
— Então você prefere ficar apenas olhando pra ela com cara de bobo, sendo o bom amigo até aparecer alguém com coragem para tomar uma atitude e conquistar a sua garota?
Ouvir aquilo lhe causou um tremendo incômodo. A ideia de Amélia com alguém chegava a causar uma dor estranha no peito, acompanhada de uma sensação de sufocamento.
— Fala pra ela como você se sente, . Eu tenho certeza de que você não vai se arrepender disso.
dirigiu seu olhar para o campo, vendo que a coreografia dos líderes de torcida finalizava e uma Amélia sorridente parava na ponta esquerda, com uma mão na cintura e a outra erguida em uma pose animada.
Mais uma vez, os olhos dela procuraram os dele e o sorriso se tornou ainda maior quando estabeleceram o contato visual.
acabou sorrindo também, como sempre fazia quando estava com ela.
Vincent tinha razão, ele precisava contar a Amélia como se sentia.
Mas como ele faria isso?
Passou a mão pelos cabelos porque não fazia ideia.
— Como eu faço isso, Vincent? — externou seus pensamentos, de repente ficando ainda mais nervoso.
— Apenas seja sincero. Acho que a festa pós-jogo de hoje pode te ajudar nisso.
— É. A festa. — Engoliu a seco. — Boa ideia.
De repente, ele estava ansioso por uma festa a qual ele nem havia cogitado ir antes.


🏛


— E é por isso que nós precisamos estar em todos os lugares. Quem não marca presença, é esquecido pelo público e eu venho falando isso para o desde o começo.
Um sorriso cordial se formou nos lábios do candidato a senador quando ele se deu conta de que os olhares na mesa haviam se direcionado para ele.
— Eu durmo e acordo com essa frase. Estou surpreso que Phillips não tenha colocado como um mantra em meu despertador — brincou, arrancando algumas risadas dos presentes.
— Sempre engraçado, . Mas está aí uma ótima ideia — Todd retrucou, fazendo balançar a cabeça em negação.
— Mas nós compreendemos o seu pronto, Todd. é uma figura difícil de esquecer, certamente, mas Italia vem conquistando um grupo considerável. Eu diria que ela é, sim, uma adversária à altura.
se esforçou para lembrar o nome do homem sentado do outro lado da mesa, mas era constantemente apresentado a pessoas e sua memória lhe traía diversas vezes.
— Não podemos subestimá-la, isso é um fato. A mulher tem garra e simpatia do povo. — O comentário veio de um segundo homem e não tinha certeza, mas possuía uma vaga lembrança de seu nome. O palpite ia para Ernie.
Tentou prestar atenção ao seguimento daquela conversa, mas naquela noite em especial aquilo estava mais difícil do que o normal.
achava aqueles jantares com o pessoal do partido uma verdadeira tortura, no entanto não tinha muitos problemas em se manter atento às conversas. Talvez porque normalmente ele não ia àquele tipo de evento sozinho. Amélia sempre estava com ele, apertando sua coxa por baixo da mesa toda vez que ele parecia mergulhar nos próprios pensamentos.
Os lábios de tremeram com aquela lembrança, um olhar foi lançado ao lugar ao seu lado, agora ocupado por outra pessoa da qual ele não lembrava exatamente o nome e o homem conteve um suspiro, pegando a taça de vinho tinto e a levando aos lábios, tomando alguns goles discretos.
captou algumas palavras ditas e murmurou qualquer coisa em concordância, porque não era muito difícil de imaginar o andamento da conversa.
A ausência de Amélia era sentida em todas as situações da vida de . Ele ouvira dizer que ficava mais fácil com o tempo, e talvez aquilo fosse verdade, mas não queria dizer que doía menos.
Ter aquele tipo de lembrança dela e alimentá-la era se torturar ainda mais do que aquela situação forçada do jantar — afinal, quem não estava ali o bajulando por puro interesse? —, mas ele não conseguia se controlar e tampouco sabia se queria.
Por mais que doesse, era bom pensar em como as coisas haviam acontecido entre ele e Amélia. Como ele havia demorado a tomar coragem para confessar a ela o quanto era apaixonado e arriscado quase perdê-la para sempre nesse processo.
Não havia acontecido naquele pós-jogo, como Vincent Berkshire havia o encorajado tanto a fazer. Na verdade, aconteceu várias semanas depois, mas ainda assim aquela lembrança era importante para . Foi ali que ele começou a se dar conta de que não conseguiria viver sem ter Amélia Stuart por perto.
Era irônico agora ele ser forçado justamente a isso.
Outra vez a taça de vinho voltou a tocar seus lábios e o candidato focou seu olhar em Todd Phillips. O homem naquele momento discutia algumas estratégias de campanha a serem adotadas nos próximos dias.
teria um comício dali a quatro dias, disso ele já sabia. Da gravação de uma nova vinheta para rádio e televisão também.
— Sem falar na visita à Universidade de Baltimore. Eles terão a reunião para a recepção dos novos calouros, então é uma boa estar presente. Gente jovem espalha as coisas de um jeito absurdo nas redes sociais. precisa desse suporte.
O cenho de se franziu levemente com aquela informação.
— Visita à universidade? — se pronunciou, erguendo uma sobrancelha para Todd quando o assessor o olhou.
— Sim. Na quarta-feira à tarde. — Phillips o encarou como se dissesse que explicaria aquilo melhor em um outro momento.
Era a terceira vez naquela semana que o homem marcava compromissos sem avisar ou consultar o candidato e ele poderia ficar irritado naquele momento, mas uma parte da informação saltou aos seus olhos.
A visita era à Universidade de Baltimore, ele participaria da recepção aos calouros e…
Não era aquela a universidade onde começaria a estudar?
— Perfeito. É difícil acompanhar a agenda lotada que você prepara para mim, Todd. Mas essa é uma excelente ideia — soltou em um tom educado, fazendo o assessor assentir aliviado.
Era ridículo que de repente se sentisse animado com aquela visita. Ele podia ver quando quisesse, afinal, ela morava em sua casa.
Mas o que estava pensando?
Estava quase voltando à própria adolescência, sendo que mal conhecia a jovem e ela poderia muito bem ser uma irmã mais nova.
Pelo visto, o tópico da diferença de idade entre os dois precisaria ser lembrado com maior frequência.
Parar de deixar invadir seus pensamentos daquela forma era uma necessidade, principalmente porque corria o risco de sua mente vagar até aquela fatídica lembrança de como a mulher havia gemido gostoso para o namorado e dito várias sacanagens.
Qual era o problema de ?
De repente, a visão das bochechas de extremamente vermelhas tomou conta, expulsando as outras lembranças e apontando o quanto ele havia errado em ter ouvido atrás de sua porta e ainda por cima ter confessado isso a ela.
Certamente, depois do ocorrido, a jovem pensaria que ele era algum tipo de pervertido e ficava espiando pelas portas das pessoas, tarando a filha do seu chefe de segurança.
Que porcaria ele tinha feito!
Sentiu o próprio rosto esquentar, enquanto a vergonha tomava conta de si.
Havia sido rude e desrespeitoso com , mas quem sabe ainda teria alguma chance de se redimir.
Precisava se desculpar com a mulher o quanto antes.


💋


— Na próxima vez, é melhor conferir se a porta do seu quarto está fechada antes de ter algumas conversas.

As palavras ecoavam em um looping enquanto seguia pelos corredores da mansão, sem sequer ousar olhar para trás mais uma vez.
Seu rosto inteiro pegava fogo e ela tinha certeza de que deixou transparecer o choque ao ouvir aquilo porque captou a reação de , embora não tenha conseguido processar exatamente qual era.
— Você está bem, menina? Tá parecendo que viu alguma coisa que não devia! — A voz de Julieta fez pular de susto, parando de caminhar e olhando para a governanta vindo do lado oposto do corredor.
A jovem abriu a boca para responder, mas nada saiu de seus lábios, o que fez a mais velha franzir o cenho. Não conhecia a mulher direito ainda, mas pelo pouco que haviam conversado já tinha notado o quanto era tagarela.
— Aconteceu alguma coisa, querida? Eu posso te ajudar? — preocupou-se, dando mais alguns passos na direção dela e fazendo menção de tocar seu braço.
— Ah… N-não! — exclamou em sobressalto. — Só estou um pouco cansada, July. Andei pra caramba hoje — deu a primeira desculpa vinda à sua mente.
Como ela ia contar à governanta que o patrão dela havia a ouvido quase fazendo sexo por telefone?
— É mesmo! Como foi seu passeio?
Julieta ia ficar horas conversando ali com ela e provavelmente oferecer que fossem até a cozinha para ela lhe preparar algo.
não podia arriscar encontrar com novamente, ela não fazia ideia de como encará-lo depois daquele aviso.
— Foi bom. Eu consegui comprar algumas coisas pra deixar meu quarto com a minha cara e tudo — contou, tentando conter o nervosismo na voz. — Mas eu acabei quase me perdendo no final. Fiquei sem bateria no celular e se não fosse uma alma bondosa, eu teria dormido nas ruas hoje.
! — Julieta exclamou em espanto.
— Eu sei, July. Posso te explicar melhor tudo amanhã? Sinceramente, eu estou podre de cansada. Mal consigo manter os olhos abertos e…
— Tudo bem, querida, você me conta os detalhes amanhã — soou compreensiva. — Eu vou preparar algo pra você comer e depois levo lá em seu quarto. O que me diz?
não conseguiu conter um sorriso de gratidão.
— Você é incrível, Julieta. Eu aceito, obrigada.
— Agora vá logo tomar seu banho.
riu e passou pela governanta, apressando seus passos e praticamente correndo até seu quarto.
Ela não queria se arriscar a encontrar alguma outra pessoa no caminho, mesmo só tendo contato com três moradores dali até o momento.
Um arrepio percorreu seu corpo e ela o sacudiu quando uma possibilidade surgiu em seus pensamentos.
Não queria nem imaginar o que faria se desse de cara com seu pai.

Seu coração ainda estava acelerado quando ela fechou a porta atrás de si, levando uma mão ao peito e a outra até uma de suas bochechas, sentindo-a absurdamente quente.
Parando para pensar, aquilo não se aplicava somente às suas bochechas, seu corpo todo parecia estar em combustão.
— Puta que pariu! — exclamou as palavras as quais desejava ter dito no exato momento em que ouviu as de .
Então ela não estava louca, realmente havia alguém na porta, ouvindo sua conversa com Pietro.
Seus gemidos para Pietro.
Céus, o que estava pensando dela?
Que era alguma maluca, pervertida e…
A mulher caminhou até a frente do grande espelho de seu closet, observando sua silhueta e mordendo a boca ao fixar o olhar na parte exposta de seu colo, notando a pele avermelhada.
Realmente, ela estava pegando fogo.
Olhou de soslaio para a porta do quarto, devidamente fechada dessa vez, e por alguns segundos imaginou a silhueta deliciosamente musculosa de parada ali.
Por que o homem havia lhe contado aquilo?
Ele havia gostado do que ouvira?
A mulher teve a impressão de ter visto alguém parado do lado de fora. Será que havia mesmo feito aquilo?
Se sim, teria se tocado ao ouvi-la?
Teria visto alguma coisa também, tentado se esgueirar para enxergar melhor e por isso acabou fazendo algum som indevido?
A ideia de um homem gostoso daquele jeito se tocando por causa dela fez seu corpo esquentar ainda mais e desceu a mão de seu colo até seus seios, apertando um deles na região dos mamilos e soltando uma exclamação baixa.
Um incômodo no meio de suas pernas fez ela apertar uma coxa na outra, pressionando ainda mais os dentes em seu lábio inferior.
Ela estava mesmo excitada pensando em um homem a observando?
Mas aquele homem não era um qualquer. Era .
O gostoso do .
Negou com a cabeça.
Só podia estar ficando maluca.
Dois dias em Baltimore e ela já estava enlouquecendo.
Deixou os dois braços caírem ao lado de seu corpo, encarando seu rosto e soltando um suspiro.
Se Pietro estivesse ali, ela não fantasiaria com aquele tipo de coisa.
— Pietro! — Arregalou os olhos, correndo em busca do carregador para seu celular e tratando de conectá-lo ao aparelho.
Se jogou na cama e encarou as unhas por um momento, tentando parar de pensar nas coisas que haviam acabado de acontecer enquanto esperava o celular ligar.
Assim que a tela inicial surgiu, ela buscou pelo contato de Pietro com urgência e iniciou a chamada, jogando para longe a culpa por ter imaginado aquelas coisas com .
— Sua chamada está sendo encaminhada para a caixa de mensagens.
franziu o cenho, trazendo o aparelho até seu campo de visão, desligando a chamada e iniciando outra em seguida.
— Sua chamada está…
— Celular desligado, Pietro? — estranhou porque não era bem do feitio dele, mas não ia criar nenhuma neura.
Talvez, como ela, ele tivesse ficado sem bateria.
Mandaria uma mensagem de boa noite e no dia seguinte falaria com o namorado.
Alguma série com bastante investigação teria de ser o suficiente para distraí-la até a mulher cair no sono.

Pietro Langdon
visto por último hoje às 19:39

Oi, meu amor! Te liguei para desejar boa noite e contar como o meu dia foi louco, mas tudo bem. Espero que esteja bem.

Amanhã conversamos, certo?

Boa noite.

Sonhe comigo! 💋


Correu para o banheiro, tomou um banho relativamente rápido e encontrou seu jantar ali sobre a escrivaninha quando saiu.
— Abençoada seja Julieta — exclamou, só então se dando conta do quanto estava faminta.
Assim como ela só se deu conta do quanto estava cansada quando deitou a cabeça no travesseiro e caiu no sono antes mesmo dos cinco primeiros minutos da série.


💋


O ar estava cada vez mais escasso aos seus pulmões. Por mais arejado que fosse aquele ambiente, o calor era quase insuportável, espalhando gotas de suor por todo o corpo de .
Era como se a qualquer momento ela fosse entrar em combustão e os espasmos involuntários em uma frequência crescente eram o sinal claro de que não faltava muito para aquilo acontecer.
Deitada de bruços naquela cama grande demais para a jovem , sua cabeça se afundou no travesseiro e ela o mordeu em uma tentativa falha de abafar um gemido sôfrego que escapou de seus lábios quando, mais uma vez, seu corpo se contorceu de maneira intensa.
Precisou de muita força de vontade para não deixar um certo nome escapar por entre seus lábios, embora aquele homem estivesse bastante nítido em seus pensamentos.
Na imaginação de , os músculos evidentes daqueles braços fortes estavam ao redor dela, apertando cada pedacinho de seu corpo, fazendo uma pressão para que ela ficasse cada vez mais colada ao peitoral deliciosamente bem desenhado. Uma das mãos dele descia até o meio de suas pernas, escorregando seus dedos pela intimidade encharcada, enquanto um grunhido rouco escapava de seus lábios.
Sufocando outro gemido, acariciou seu clitóris inchado com ainda mais afinco, movendo seus dedos em círculos, sentindo o calor lamber seu corpo inteiro com ainda mais intensidade.
Estremeceu imaginando os dedos grossos do homem escorregando para dentro de si e mordeu o travesseiro com mais força ao se tocar da mesma maneira, alargando-se de um jeito delicioso e girando os próprios dedos de forma que sentisse cada pedacinho de sua intimidade os apertando.
— Boa menina. Você gosta disso, ? Gosta dos meus dedos socados dentro de você?
Mais um gemido sôfrego ecoou de seus lábios, dessa vez um pouco mais alto do que ela gostaria.
A risada rouca dele quase fez com que a mulher atingisse o ápice.
— Acho que isso é um sim.
Então ela sentiu a respiração quente do homem bater contra a curva de seu pescoço ao mesmo tempo em que ele aumentou a intensidade das estocadas de seus dedos e mordeu o travesseiro com mais vontade.
— Rebola bem gostoso para mim, .
Obediente, ela moveu seus quadris circularmente, o que a permitiu senti-lo com ainda mais intensidade. Seu corpo estremecia cada vez mais e por mais que estivesse tentando se conter, não conseguiu evitar o nome exalado de seus lábios.
!
Ouvir a própria voz somada ao som alto da respiração dele aumentou ainda mais o estado de excitação no qual ela se encontrava mesmo que, honestamente, não imaginasse aquilo ser possível.
No entanto, enquanto socava os próprios dedos para dentro de si com intensidade, percebeu que aquele som de respiração não estava apenas em sua imaginação.
Estava ali com ela.
Próximo e deliciosamente sedento.
sentiu seu coração pular até a garganta, seu rosto foi tomado pelo rubor conhecido e ela fez menção de se virar para cobrir seu corpo completamente nu.
Antes que fizesse isso, no entanto, viu se aproximar, levando uma mão aos lábios e fazendo um sinal para silenciá-la.
Um misto de excitação e confusão se espalhou pelos seus poros e antes de ela conseguir processar completamente o significado daquilo, sentiu uma mão de pousar em sua nuca, descendo por toda a extensão de suas costas e então se unindo à mão dela.
Seu corpo inteiro tremeu com aquele simples toque e um gemido alto ecoou de seus lábios, ao que respondeu pedindo mais uma vez pelo silêncio dela.
— Por mais delicioso que seja o som dos seus gemidos, nós não podemos ser ouvidos, senhorita .
Puta merda. Como ela ia se segurar com a voz daquele homem soando rouca daquele jeito?
então levou a outra mão até os lábios de , tampando sua boca para abafar qualquer som que escapasse dali e começou a movimentar sua mão junto à dela, retomando os mesmos movimentos circulares que antes faziam o corpo da jovem se contorcer.
Espasmos tornaram a tomar conta de cada centímetro seu, os quadris de passaram a se mover de maneira quase involuntária e ela conseguia ouvir com bastante clareza o som da respiração de se tornar cada vez mais irregular.
Sem aviso, ele escorregou um dedo para dentro de sua intimidade, indo tão fundo que ela pressionou os lábios com força, grunhindo contra a mão dele e apertando seus olhos.
Decidiu que provocá-lo tornaria tudo ainda mais delicioso, então fez uma pressão no baixo ventre, engolindo o dedo dele dentro de si e gemendo de forma abafada e manhosa, e correspondeu enfiando três de seus dedos na boca da mulher, grunhindo com o quanto os lábios cheios dela eram deliciosos.
Ele escorregou para fora da intimidade dela, aproveitando o quanto estava molhada para esfregar seu clitóris com afinco, voltando com dois dedos e os curvando de um jeito tão gostoso que as pernas de oscilaram e ela as abriu ainda mais, facilitando os movimentos dele.
Virou o rosto na direção de , desejando ver a expressão dele enquanto socava seus dedos nela daquele jeito viciante, estremecendo mais a cada segundo e ofegou sonoramente quando notou a ereção presa pelas calças do homem.
De repente, sua boca salivou de vontade de chupá-lo por inteiro, mas havia algo do qual ela necessitava com ainda mais urgência.
Sugou os dedos grossos de com afinco, lambuzando-os intensamente e fazendo ele os afastar para fazer o pedido de forma sôfrega e desesperada.
— Me fode, . Por favor!
Ele grunhiu mais uma vez em resposta, completamente afetado pela forma manhosa com que as palavras escaparam da boca de , então aumentou a intensidade usada para meter os dedos dentro dela, girando-os, tocando cada centímetro dela com vontade.
rebolou obedientemente, aumentando ainda mais a sensação de prazer que percorria seu corpo, completamente entregue ao calor absurdo o qual fazia seu corpo tremer... e tremer… e tremer.
— Por favor, senhor
— Já disse para me chamar de — a voz dele adquiriu um tom um tanto autoritário e mais uma vez as pernas dela oscilaram.
!
Tão subitamente quanto ele começou a preenchê-la com seus dedos, foi a forma como escorregou para fora dela, tocando seu cinto de uma maneira desesperada e passando a se livrar daquelas calças sociais que só faziam a ereção dele ficar mais marcada no tecido.
mordeu a boca com força, ansiosa para ver o quão delicioso era e…



O som de uma explosão fez o coração da jovem saltar até a boca.
Ela abriu os olhos rapidamente, arregalando-os e levando uma mão ao peito, seus batimentos tão acelerados fazendo-a pensar estar prestes a infartar naquele momento.
Completamente atordoada, se ergueu um pouco na cama com a intenção de se sentar, mas suas pernas estavam completamente bambas e seu corpo inteiro parecia em chamas.
— Puta que pariu. — Ouviu sua própria voz ecoar completamente falha.
Aquilo havia sido tão real que ela olhou em volta do seu quarto como se esperasse encontrar ali parado, observando-a com o mesmo olhar faminto, prestes a fodê-la com vontade.
Estremeceu violentamente, então apertou uma perna na outra, percebendo o quanto estava molhada com aquilo. Na verdade, o corpo todo de era apenas suor, calor e excitação.
Bufou de repente. Sentindo-se absurdamente frustrada porque aquilo tudo não passava de um sonho erótico e porque acordou antes de atingir o próprio orgasmo.
Soltou uma risada inconformada, levando uma mão até seus cabelos e os erguendo para deixar um pouco de ar fresco atingir sua nuca. A região parecia ferver de tão quente.
Olhou para o celular posto sobre a mesinha de cabeceira e se inclinou para acender o visor, esperando encontrar ali alguma notificação de resposta à mensagem enviada para Pietro.
Não encontrou nada e, abrindo a conversa, descobriu que ele nem ao menos havia visualizado a mensagem.
Conteve um grunhido e tentou deitar novamente em sua cama, desligando a televisão para que nada lhe assustasse mais, então fechou os olhos, jurando para si mesma que conseguiria voltar a dormir.
Não conseguiu.
As imagens do sonho ainda estavam muito nítidas, seu corpo ainda estava completamente agitado pelos acontecimentos nele contidos e ela rolou no mínimo umas cinco vezes antes de voltar a se sentar, frustrada.
Precisava de água. Na verdade, ela precisava de um banho frio, mas nem fodendo ia tomar banho às três e quarenta da madrugada, afinal, se fizesse isso, podia dizer adeus ao restante de sua noite de sono.
Levantou-se e seguiu para fora do quarto, usando a lanterna do celular para não incomodar ninguém enquanto passava pelos corredores. Seus pés haviam protestado ao tocar o chão gélido, mas preferiu suportar aquilo porque permitiria a ela ser mais silenciosa durante o trajeto.
Fez uma nota mental de que, a partir do dia seguinte, prepararia uma jarra com água para deixar dentro do quarto e não precisar arriscar acordar outras pessoas, fora que seu quarto era consideravelmente longe da cozinha e ela não podia arriscar se perder e acabar indo parar nos aposentos de , por exemplo.
Por que mesmo ela havia pensado nele mais uma vez?
As imagens do sonho brilharam nítidas em sua memória e mordeu a boca, apressando os passos para tomar a água de uma vez e acalmar seus hormônios aflorados.
Ela só não contava encontrar na cozinha justamente o motivo de toda aquela agitação.
estava encostado na pia ao lado da geladeira e a luz da lua o iluminava como se fosse alguma espécie de escultura grega, mesmo ele estando completamente vestido, com uma calça de moletom e uma camiseta de pijama.
desconfiava que aquele homem ficaria gostoso até fantasiado de Pennywise.
Cogitou a presença dele ser apenas fruto de sua imaginação, ou quem sabe ela havia, sim, conseguido voltar a dormir e estava sonhando com aquele homem novamente.
Será que dessa vez ele a colocaria sentada na pia e a foderia novamente tampando sua boca para o resto da casa não escutar?
Por Hades, o que estava acontecendo com ela?
Resolveu recuar e voltar para o quarto, porque não tinha jeito, só o banho frio poderia ajudá-la naquele momento, mas quando fez menção de dar a volta, escutou pigarrear baixo, atraindo sua atenção.
Por alguns segundos, ela permaneceu o encarando paralisada, esquecendo até mesmo de como respirar.
— E-eu… — balbuciou, então respirou fundo, tentando controlar o tremor que percorria seu corpo para formular algo inteligível. — Desculpe incomodá-lo, senhor . Eu só vim buscar um pouco de água. Não foi minha intenção perturbar seu momento.
Um sorriso se formou nos lábios dele.
— Não se preocupe, . Imagino que, como eu, você também esquece de levar uma jarra de água para o quarto, certo? — percebeu a jovem um tanto agitada, mas preferiu não comentar sobre aquilo. Não queria embaraçá-la outra vez.
— É… Digo, certo, é isso mesmo! — Se atrapalhou um pouco, ficando perdida com aquele sorriso dele e acabou retribuindo, levando a mão até os cabelos e colocando uma mecha atrás de sua orelha. — Fiz uma nota mental aqui para passar a fazer isso. Longe de mim incomodar alguém fazendo passeios noturnos pela casa. — Fez uma careta, a qual foi retribuída com um franzir de cenho da parte dele.
— Não irei julgá-la se preferir passear pela casa. Eu mesmo faço isso com frequência. — Deu de ombros e aquele gesto displicente deixou um pouco mais à vontade.
— Você faz?
— A minha vida é muito agitada, como você já deve ter notado. São raros os momentos durante o dia onde eu posso simplesmente parar dentro da cozinha para beber um copo de água. — Soltou uma risadinha levemente frustrada.
— Então você aproveita para fazer isso durante a noite? — A jovem arriscou alguns passos na direção de quando ele assentiu em concordância, percebendo o olhar dele analisá-la discretamente e parar em seus pés descalços.
— Seu pai nunca te ensinou que andar descalça no chão gelado vai te deixar doente? — ralhou com ela, fazendo a mulher rir e erguer uma sobrancelha.
— E eu imagino que o seu não te ensinou o quanto é feio escutar as conversas alheias, senhor .
Não soube o motivo, mas ela simplesmente deixou as palavras ecoarem, percebendo se mexer um tanto sem graça.
teve a impressão de que, se estivesse um pouco mais claro, ela notaria o rosto do homem enrubescer e precisou conter os pensamentos do quanto aquilo era adorável.
— Sobre isso, eu lhe peço desculpas, . Realmente, eu não deveria ter ouvido nada e foi rude de minha parte contar o ocorrido daquela forma. — Levou uma mão até os cabelos, passando os dedos entre os fios em um sinal de nervosismo, fazendo a jovem o achar ainda mais delicioso.
— Não tem problema. Eu estava apenas brincando com o senhor. — Piscou para ele, de repente bem menos trêmula como antes. Na verdade, a ideia de que estava o afetando de uma certa forma deixou curiosa para descobrir até que ponto aquilo acontecia.
— Só vou acreditar nisso quando parar de me chamar de senhor. — riu de leve, fazendo a jovem sorrir, escondendo a expressão afetada pelo arrepio que percorreu seu corpo com as lembranças de uma frase bastante semelhante ecoando rouca dos lábios dele. Então se adiantou para abrir a geladeira e procurar a jarra de água porque sua boca estava absurdamente seca naquele momento.
Um pensamento engraçado de que a água de seu corpo havia escorrido pelas suas pernas de repente trouxe mais um rubor ao seu rosto.
— Tudo bem, . — Encheu um copo e bebeu alguns goles da água, sentindo o olhar de sobre si.
Sem conseguir se conter, lambeu os próprios lábios, soltando um gemido baixo de satisfação e sorrindo mais uma vez para o homem, tendo uma impressão deliciosa de que ele havia ficado afetado.
— Mas me fala mais sobre esses seus passeios noturnos — trouxe o assunto de volta, encarando-o com curiosidade.
— Ah, sim. Os passeios noturnos — seu tom soou distraído, ele pigarreou baixo e a conteve um sorriso. — Depois do que aconteceu, ainda é estranho dormir sozinho e quando fico agitado demais, uma caminhada noturna acaba me fazendo bem — explicou, fazendo com a expressão de oscilar um pouco. Era nítido o quanto o homem ainda sofria pela perda da esposa, mas ela não quis deixar aquele assunto mudar o clima da conversa entre eles, principalmente porque sentia também não ser a intenção de .
— Com uma casa gigante como essa, imagino que seja uma bela de uma caminhada. — Soltou uma risadinha e ele a acompanhou.
— Pode-se dizer que sim. — demorou seu olhar no rosto da jovem.
mais uma vez sentiu um calor pelo seu corpo enquanto retribuía o olhar dele e seus pensamentos mais uma vez a levaram à deliciosa imagem de a colocando sentada na pia.
— Ahn… Mas eu vou te deixar continuar com o seu passeio, . Só vim buscar uma água mesmo. Preciso acordar cedo de novo para dar um jeito de comprar o restante das coisas que tenho em mente. Minhas aulas vão iniciar depois de amanhã — explicou, se aproximando dele para largar o copo sobre a pia.
Se recriminou por ter feito aquilo no mesmo instante, porque a proximidade a permitiu sentir o quanto era cheiroso.
Como ela conseguiria dormir com aquela fragrância deliciosa impregnada em suas narinas?
— Tudo bem. Posso colocar um motorista à sua disposição, se quiser — ofereceu, acompanhando-a com o olhar.
— Não precisa. Você já fez demais por mim e eu prometo que dessa vez não vou me perder. — Piscou um olho para ele.
— Fico mais aliviado sabendo disso. — Sorriu mais uma vez e os hormônios de gritaram para que ela o agarrasse.
Em vez disso, ela se afastou, afinal, ainda tinha um namorado, por mais que ela precisasse se esforçar muito para lembrar dele naquele momento.
— Boa noite então, .
— Boa noite, . Mais uma vez, me desculpe pelo desconforto de mais cedo. Não irá se repetir.
Ela deu alguns passos em direção à porta da cozinha, então se virou para ele.
— Não se preocupe com isso. Prometo falar mais baixinho da próxima vez. — Sorriu ladina para e finalmente se afastou.


Capítulo 04 — Limerence

“Sentir-se afetado por outra pessoa”.

observou a silhueta de se distanciar dele tendo plena certeza do quanto suas reações estavam estampadas em seu rosto.
Não houve como agir de forma diferente. As palavras dela fizeram seus olhos se arregalarem de imediato, seu rosto esquentou por inteiro e a boca se abriu minimamente, de repente tão seca quanto costumava ficar minutos antes dos discursos dados por ele.
só se deu conta de que apertava a bancada da pia com força quando os nós de seus dedos doeram e antes que pudesse se refrear, um suspiro baixo escapou de seus lábios.
Como era possível que uma simples frase fosse capaz de afetá-lo tanto?
Ele sabia que não era apenas aquilo.
Ao pousar seus olhos sobre o copo largado por ela minutos antes, podia jurar ver o desenho perfeito dos lábios da mulher em sua borda enquanto sua mente trouxe à tona a memória recente do sorriso ladino exposto no belo rosto.
Não, não era apenas a frase. Era a expressão do rosto dela, o tom de provocação explícito, a ousadia do caminhar lento.
o atiçou de propósito.
E pensar nisso fez o homem desejar correr sedento na direção dela e revogá-la para si.
Outro suspiro escapou dos lábios dele.
Ou talvez aquilo tudo fosse apenas pirraça da jovem e estivesse interpretando tudo errado.
Por Deus, ela tinha um namorado e, aparentemente, estava muito bem servida com ele.
O tique-taque do relógio despertou o homem de seus devaneios e o encarou brevemente, apenas para constatar que passava das quatro e meia da manhã.
— Merda.
Teria que acordar dali a duas horas. Precisava descansar ao menos um pouco porque desmarcar um ou dois compromissos da manhã estava completamente fora de cogitação.
Todd Phillips jamais permitiria aquilo, a menos que houvesse algum motivo de força maior.
voltou para seus aposentos e um peso o acompanhou quando deitou novamente em sua cama, deixando o espaço vazio ao seu lado como era de costume.
A culpa quis sussurrar em seu ouvido novamente, julgá-lo por todas as reações que havia tido desde o momento em que seus olhos pousaram em , mas o homem decidiu guardar aquilo em algum canto de sua mente, pelo menos por enquanto. O descanso era tudo o que ele queria.
Se ele soubesse que passaria as horas de sono que lhe restavam virando de um lado para o outro, sem conseguir tirar o maldito sorriso de de seus pensamentos, desejando causar aquela reação nela outras vezes, teria preferido a dose de culpa com toda a certeza.
passou o restante da madrugada inquieto e quando o despertador o avisou da necessidade de se levantar, deixou o ar escapar de forma prolongada de seus lábios.
A ardência em seus olhos mostrou que aquele seria um dia longo enquanto o homem seguia para o chuveiro.
Lá dentro, procurou deixar de lado qualquer pensamento e usar a temperatura fria, o remédio para despertá-lo por completo.

— Teve uma boa noite de sono, senhor ? — A voz de Julieta o tirou de seus pensamentos e o homem ergueu seu olhar, que só então percebeu estar fixo na xícara vazia.
— Perfeita. — O tom leve de ironia se fez presente em sua voz e se adiantou para se servir de um pouco de café, dispensando quando a governanta se ofereceu para fazer aquilo por ele.
— Não é o que diz a sua cara. — Qualquer um poderia recriminar uma resposta como aquela, mas Julieta o conhecia desde muito jovem e nunca foi de exigir tratamento diferenciado de seus empregados.
— O que eu posso dizer… — Um suspiro ecoou dos lábios do homem e ele viu um sorriso triste se formar nos lábios dela.
— Eu entendo. Deve ser realmente difícil para o senhor.
— Me disseram que com o tempo seria mais fácil. Ainda estou esperando isso acontecer. — Torceu as feições em uma careta. Por mais que aquilo não fosse verdadeiramente a causa de sua insônia naquela noite, não deixava de ser verdade.
— Não desista disso. Uma hora os pontos de luz aparecem, o senhor vai ver. — Sentiu a mulher tocar um de seus ombros em uma forma de consolo.
não conteve um sorriso.
— Obrigado. A senhora sempre traz as palavras certas.
— Que nada, eu leio essas coisas em livros de autoajuda — dispensou com um gesto, o que fez ambos rirem. — Mas deixa eu voltar para a cozinha antes que o seu assessor me degole.
franziu o cenho ao ouvir aquilo.
— Todd já está aqui?
— Chegou ainda há pouco. Disse que o senhor tem uma entrevista e assim que estiver pronto, deve encontrá-lo no escritório.
— Certo. Muito obrigado, Julieta.
— Não vou mais repetir que precisa de uma folga, senhor . — Olhou para ele de forma significativa.
— Ah, eu bem que gostaria. — soltou uma risada baixa e tomou um gole generoso de seu café.
De fato, não lembrava da última vez que havia tirado nem que fossem algumas horas de folga, porém não importava. Ele teria tempo para isso quando fosse eleito senador dos Estados Unidos.

Não foi surpresa alguma encontrar Todd andando de um lado para o outro dentro do escritório de . Desde que conheceu o assessor, dava de cara com aquela cena ao menos uma vez em seu dia, fazia parte da personalidade do homem.
Todd Phillips vivia pela carreira política de . Sua dedicação já havia chegado a um nível onde era difícil imaginá-lo fazendo qualquer outra coisa na vida. Na verdade, ele sequer parecia lembrar de como as coisas eram antes de começar a trabalhar para .
Depois de recebê-lo com um “aí está você”, Todd passou uma seleção de quais poderiam ser as perguntas da entrevistadora e eles gastaram algumas horas ensaiando as respostas mais adequadas.
não gostava daquela ideia. Pensava diferente de Phillips. Algo espontâneo poderia cativar mais pessoas, porém Todd temia que as palavras erradas fossem ditas em um improviso e em uma campanha contra Italia Whitmore aquele tipo de deslize não podia acontecer.
já havia perdido as contas de quantas vezes ouviu o assessor repetir a última frase.
Às vezes desejava que pudesse se livrar daquilo tudo e voltar ao tempo em que sua maior preocupação era levar Amélia ao baile da escola. Então respirava fundo e se conformava com a impossibilidade de seus pensamentos se tornarem realidade.
Naquela manhã, ele precisava vestir a máscara de que estava tudo bem e não lhe restava dúvida alguma quanto ao seu propósito.
A entrevista da vez seria gravada para um programa televisivo local, onde o candidato a senador permitia algumas perguntas sobre sua campanha eleitoral, bem como questões de cunho pessoal que ele responderia de forma treinada para o público se identificar, porém sem revelar coisas demais sobre si. Aquilo tomaria toda a sua manhã e apenas teria um intervalo pequeno para almoçar e depois seguir para o próximo compromisso do dia, uma visita à ala infantil do hospital.
Já fazia alguns minutos que Phillips havia se retirado para preparar o carro que seria utilizado pelo candidato naquele dia. Eles ainda tinham quase duas horas até o início da entrevista, ainda assim chegar adiantado sempre causava uma boa impressão.
estava sentado na cadeira diante de sua mesa do escritório e tentava limpar seus pensamentos naquele momento porque pensar demais antes dos eventos nunca funcionava para ele. Se manter calmo e sereno era a melhor alternativa.
E não era surpresa alguma que Amélia tivesse lhe ensinado aquilo. Ela era responsável por tantas coisas sobre ele…
suspirou e olhou para a janela. O céu lá fora era de um azul límpido e ele imaginou que a temperatura deveria estar agradável.
Seria o dia perfeito para tirar uma folga e apenas aproveitar aquele clima, no entanto, aquilo não aconteceria tão cedo.
O candidato então enterrou qualquer outro pensamento que pudesse surgir sobre o assunto quando Todd retornou ao escritório, acompanhado por Charles .
— Preparado para ser metralhado de perguntas, senhor ? — o homem puxou conversa enquanto os três seguiam para fora da casa, onde o carro já os aguardava.
fez uma careta.
— Já falei do quanto soa engraçado você me chamar de senhor? — brincou com seu chefe de segurança, que acabou rindo.
— Força do hábito. Um dia perco a mania.
— Acredita mesmo nisso? — ergueu uma sobrancelha, cético, e ambos voltaram a rir.
— Agora… Lembre-se, … — Todd começou a falar e sabia que não adiantava cortá-lo, então apenas deixou o assessor repetir as mesmas orientações de mais cedo.

Vou tentar falar mais baixinho da próxima vez.

Por algum motivo, de repente seus pensamentos vagaram para aquele momento, trazendo aquelas mesmas sensações que o atingiram na cozinha de sua casa. Porém não era hora e muito menos lugar para ter rondando sua mente. Afinal de contas, o pai dela estava bem ali.
Por Deus, Charles o mataria se soubesse das coisas que andava imaginando.
O candidato conteve um suspiro, então focou sua atenção no assessor, determinado a realmente escutá-lo porque assim não pensaria no que não devia.


— Hoje temos um convidado muito especial no nosso programa. Ele é um dos candidatos mais jovens pelo estado de Maryland e carrega um legado e tanto nas costas. Com vocês, ! — Ruth, apresentadora do programa, o anunciou e foi orientado a olhar para a câmera focada nele. Tinham optado por iniciar com o homem já sentado na poltrona diante da mesa da mulher com quem trocou algumas palavras antes das gravações começarem.
Uma música de poucos segundos seguiu as falas dela, então dessa vez lançaram um sinal a Ruth, indicando que podia voltar a falar.
, seja muito bem vindo ao nosso programa. Muito obrigada por topar vir até aqui conversar um pouco conosco. — Sorriu abertamente e o homem se endireitou sutilmente para respondê-la.
— Eu que agradeço a vocês pelo convite e pelas boas-vindas. É um prazer estar aqui. — Retribuiu o gesto dela de forma cordial.
— Antes de qualquer coisa, eu preciso falar do quanto esse homem é cheiroso, pessoal. — O comentário foi lançado para descontrair e funcionou porque acabou rindo baixo.
— Oh, muito obrigado. Se quiser, eu passo pra você o nome do perfume que eu uso. — Sentiu-se à vontade o suficiente para devolver.
A mulher conteve um pequeno suspiro.
— Por favor, me passe. Vou fazer meu marido usar — brincou novamente, então trocou sua posição na cadeira, se inclinando um pouco na direção de . — Mas vamos falar um pouco mais sério agora… Ou talvez não. Você sabia que tem uma legião de fãs?
O homem a olhou com uma expressão um tanto surpresa, então sorriu.
— Tenho visto que as pessoas acompanham meu trabalho e têm demonstrado muito apoio à minha campanha, mas, sendo honesto, ainda não tinha ouvido falar em legião de fãs, não.
— Jura? — a mulher acrescentou, sem acreditar que ele realmente não fazia ideia daquela informação.
— Estou falando sério, Ruth. — Achou graça da reação dela.
— Minhas fontes me disseram que talvez você fosse dizer isso. E por esse motivo preparei uma coisa para você, . — Piscou na direção dele, então apontou para uma grande tela ao lado deles.
não hesitou em prestar atenção ali porque no mesmo instante um vídeo começou a rodar.
Primeiro, foi feita uma introdução sobre a candidatura dele, os caminhos que o homem percorreu em sua carreira política, para então chegar ao ponto destacado por Ruth, a popularidade de .
Ela tinha razão, a quantidade de pessoas que o adoravam era grande, principalmente entre as mulheres, e isso fez o homem questionar como não havia percebido antes.
Entretanto, não precisou de muito tempo para descobrir. O motivo era simples: estava feliz demais ao lado de sua belíssima esposa e depois focado demais na campanha.
O vídeo encerrou após algumas declarações de fãs e as câmeras se voltaram para o candidato a senador.
— Agora você acredita? — Ruth brincou, o fazendo sorrir.
— A única coisa que consigo responder é: uau! Agradeço mesmo o apoio e o carinho de cada um de vocês! — Sentiu-se até um tanto sem jeito.
— Acredite, nós é que te agradecemos, viu? — O sorriso que a mulher lhe lançou tinha um tom diferente, porém continuou com a mesma postura educada. — Mas agora vamos mais além no assunto. Vamos falar da sua candidatura ao senado. O que te motivou a isso?
não precisou pensar para responder. Primeiro porque Todd havia o instruído sobre aquela pergunta e segundo porque era mesmo instintivo dele.
— Em resumo, porque quero ajudar as pessoas — foi enfático. — Sabe, Ruth, eu sei que tem a questão do legado que o meu nome carrega. É quase uma espécie de dinastia, já que meu pai foi senador e meu avô antes dele, mas não se trata disso. Eu quero ser mais do que o meu nome ou apenas um rosto bonito, entende? Eu quero ouvir o que as pessoas têm a dizer e ajudá-las a ter uma qualidade de vida melhor.
— Excelente resposta, preciso admitir — Ruth comentou assim que cessou sua fala.
No canto do estúdio de gravação, Todd Phillips estufou seu peito de forma quase instantânea, embora o crédito daquela resposta nem fosse dele. havia usado um discurso próprio.
— Apenas a verdade. — deu de ombros, o que fez a mulher sorrir talvez pela milésima vez.
— De fato, você tem construído uma carreira de muitas conquistas e ajuda ao próximo. O rostinho bonito é o bônus. — Mais uma vez, a mulher piscou em sua direção.
Ruth questionou mais algumas coisas em relação à campanha de , as quais o candidato respondeu com sinceridade, adaptando algumas instruções de Todd. Talvez o assessor não fosse ficar contente com aquilo, mas desde que funcionasse, estava tudo certo.
— O que você tem a dizer sobre Italia Whitmore? — A pergunta chamou sua atenção e ele apenas franziu levemente o cenho antes de responder.
— Acho ela uma forte candidata. É determinada, inteligente e é inegável o quanto é competente.
Mais uma vez, Ruth se surpreendeu com a resposta do candidato.
— É isso? Nenhuma alfinetadinha? — questionou em tom de brincadeira.
— Eu não sou de jogar sujo, Ruth. Quero ganhar essa eleição sem precisar derrubar ninguém. — Seu tom de voz soou um pouco mais sério.
— Vem cá, será que você vai continuar pensando assim depois que ver outra coisa que preparei pra você? — Ruth o olhou com a expressão de quem sabia de muita coisa.
— Você só vai saber quando mostrar. — deu de ombros.
— Dá uma olhada então. — Apontou novamente para a tela e o candidato se virou com calma para prestar atenção no vídeo que se iniciou no mesmo instante.
As imagens mostravam Italia sentada no mesmo lugar onde estava.
Então, Italia, o que você tem a dizer sobre ? — Ruth a questionou, da mesma forma que fez com o homem.
O que eu tenho a dizer sobre … Por que você quer saber especificamente sobre ele, Ruth? — a mulher devolveu a pergunta com uma sobrancelha levemente arqueada e um sorriso esperto desenhando os lábios.
Italia tinha uma postura invejável de quem não se deixava abalar por nada, sua determinação e garra estavam bem estampados em seu rosto e era impossível não notar o brilho em seus olhos. Ela lutava com unhas e dentes para vencer aquela eleição.
a admirava por isso.
Bom, ele é seu maior oponente nessas eleições. Qualquer outro candidato seria brincadeira de criança para você, vamos admitir. — O bom humor de Ruth parecia nunca se abalar.
Whitmore não hesitou em sua resposta, como se já estivesse muito bem preparada para aquele questionamento.
Não estou preocupada com , Ruth. É claro que ele tem um legado criado pelos seus antecessores, mas, no final das contas, não passa de um rapaz mimado, um rostinho bonito. E o povo quer alguém que faça a diferença, que lute por suas necessidades, não um cara bonito.
Dizer que aquelas palavras não afetaram seria uma tremenda mentira. já havia deixado claro que ser visto como um rosto bonito era a última coisa que desejava.
Aquilo fez o lábio do homem se encrespar sutilmente, mas sua irritação não era apenas com Italia, que não o conhecia e falava como se o fizesse. A raiva de também se dirigia a Ruth, porque estava mais do que óbvio, ela havia conduzido as duas entrevistas daquela forma de propósito, incitando as intrigas entre os oponentes.
Típico, ele devia ter previsto.
Ou, nesse caso, aquele era o trabalho de Todd, não era?
— E agora, ? Você mantém a sua opinião sobre sua concorrente? — A apresentadora continha um sorriso maldoso.
se recompôs rapidamente, tornando a encará-la com serenidade porque não era o suficiente para abalá-lo.
— Mantenho, sim. Veja bem, Ruth, ela tem o direito de pensar o que quiser de mim e discutir sobre isso não vai mudar nada, não é? Continuo admirando o quanto ela é competente e inteligente.
A expressão de choque não poderia ser maior no rosto da mulher e acabou sorrindo de leve.
— Uau. Eu realmente não esperava por essa — Ruth confessou, fazendo o homem rir baixo.
— Imagino que não — deixou aquele comentário escapar.
Embora ainda estivesse desconcertada, a apresentadora tratou de retomar às perguntas logo, explorando mais um pouco sobre a campanha de , em quais lugares ele pretendia ir, algumas lições que tirava ao fazer seus comícios e, é claro, detalhes sobre suas promessas de campanha.
Como já era esperado, o foco da conversa passou para o cunho pessoal. A princípio, Ruth o questionou sobre sua rotina diária, coisas que o homem gostava de fazer em suas horas vagas e se ele imaginava como seria sua vida depois da eleição.
Todd havia o preparado para tudo aquilo, então respondeu sem muitas dificuldades, esquecendo da provocação quanto a Whitmore e se divertindo um pouco a uma certa altura da entrevista.
Isso até o momento seguinte.
— Não é segredo algum que você perdeu sua esposa há pouco tempo e sentimos muito por isso. Na verdade, muitas pessoas pensaram que você desistiria de sua campanha, mas aí está você, , firme e forte. Você acha que foi essa perda que o tornou mais forte?
não podia dizer que não estava esperando uma pergunta como aquela, no entanto, aquilo não a tornava menos invasiva e dolorosa.
Ele engoliu a seco, desviando seu olhar de Ruth e precisando de alguns segundos de silêncio, o que preocupou a apresentadora. Ela tinha consciência de como algumas perguntas poderiam deixá-lo desconfortável, mas não queria de maneira alguma feri-lo com elas.
— Se não quiser responder, não precisa. Nós editamos o vídeo e cortamos essa parte, senhor — diminuiu seu tom de voz, deixando de lado a pose de apresentadora por alguns instantes.
negou com a cabeça e voltou a encará-la.
— Tudo bem. Não se preocupe. — Abriu um pequeno sorriso.
Falar sobre Amélia nunca deixaria de ser doloroso.
— Quando quiser, então. — Ela o retribuiu, ligeiramente sem graça, desejando internamente voltar no tempo e impedir a si mesma de fazer aquela pergunta. Sabia bem que alguns limites não podiam ser ultrapassados e aquela era a pior parte de seu trabalho.
precisou de alguns segundos apenas para controlar as próprias emoções. Todd havia lhe orientado sobre o que responder naquele caso também, mas soube desde que colocou seus pés naquele lugar que não conseguiria falar sobre Amélia de outra forma que não fosse com todo o seu coração.
— Desde a primeira vez em que eu vi Amélia, ficou claro para mim o quanto ela mudaria a minha vida. Por um tempo, eu não soube como e algumas vezes até cheguei a cogitar que nunca a teria como esperava, mas eu a tive. Eu conheci Amy por inteiro e ela me conheceu da mesma forma. Amélia fez o que nem eu mesmo consegui fazer por mim. Por causa dela, eu passei a acreditar em mim mesmo, a enxergar o que antes eu não enxergava. Algumas pessoas acham que eu segui a carreira política por causa do meu sobrenome, mas a verdade é que sempre foi tudo por ela. Não, Ruth. Não foi a perda que me fez mais forte. O luto apenas me lembra o que escapou pelos meus dedos. Quem me torna mais forte sempre foi e sempre será Amélia.
Ao terminar sua fala, percebeu-se uma pequena falha na voz de e um silêncio seguiu pelo local. Silêncio esse onde cada pessoa ali presente permaneceu encarando o candidato a senador, ainda absorvendo suas palavras e a intensidade nítida em cada uma delas.
Não havia como negar o quanto amava aquela mulher.
— Uau… — Ruth deixou escapar, respirando fundo para conter a emoção que ameaçou transbordar de seus olhos. — Isso foi… Isso foi realmente bonito de se ouvir. E é algo tão raro. Tenho certeza de que, onde quer que sua esposa esteja, a emoção chegou até ela também. — Então sorriu novamente.
— E eu tenho certeza de que ela deve estar odiando o nó que dei na minha gravata. Ela sempre refazia quando tinha a chance — soltou em um tom de brincadeira para descontrair um pouco o clima e aquilo funcionou perfeitamente. Logo o estúdio voltou ao clima agradável e Ruth resolveu fazer uma chamada para o intervalo.
seguiu em busca de um pouco de água e sentiu que Todd vinha em sua direção, provavelmente desejando criticá-lo por não usar o discurso combinado e o candidato o dispensou com um olhar mais sério.
Não demorou muito para que o último bloco da entrevista iniciasse e mais perguntas um tanto constrangedoras se seguiram. Com elegância, respondia a todas elas.
— Senhor , temos uma penúltima pergunta para o senhor e eu vou pedir de novo para que olhe para o telão.
Imediatamente, o homem atendeu às palavras de Ruth e conteve uma franzida no cenho ao perceber que fotos de uma balada local surgiam na tela.
— Essas imagens tomaram conta do twitter hoje mais cedo. O senhor reconhece a moça que está nelas?
Era óbvio que ele conhecia e Ruth sabia disso muito bem.
— Claro que conheço. É a Carter. — precisou de bastante força de vontade para manter a boa educação.
Aquilo não havia sido planejado.
— Carter ? Sua irmã mais nova? — inquiriu, ao que respondeu com um aceno positivo. — Ela e sua esposa eram muito próximas, certo? As duas se tratavam como irmãs e tudo. Você diria que esse tipo de comportamento da sua irmã é uma maneira dela de lidar com o luto?
Carter estava visivelmente alterada nas fotos. Inclusive, em uma delas, havia tentado acertar um dos paparazzi. não soube dizer se a irmã havia apenas bebido ou usado alguma droga, porém seu estado era deplorável.
Pela primeira vez, o homem ficou sem saber o que dizer. Nada havia o preparado para aquilo e, honestamente, ele não achava que fosse possível. Quem é que responderia aquele tipo de pergunta numa boa?
desviou seu olhar de Ruth e negou com a cabeça, se sentindo irritado com a invasão.
— Isso, Ruth, é algo que você teria que perguntar à própria Carter — respondeu, lutando ao máximo para manter o tom de voz controlado e mais uma vez notou a expressão sem graça da apresentadora quando voltou a encará-la.
— De fato, senhor . — Ruth engoliu em seco. — Vamos à última pergunta então. Que mensagem você gostaria de deixar aos seus eleitores?
repetiu o discurso que Phillips havia o feito memorizar de uma forma automática. Não estava mais confortável naquele estúdio, sentia agonia e o quanto antes aquilo acabasse melhor.
Ele só voltou a respirar enquanto seguia em direção ao seu carro.
, eu sinto muito. Não era para perguntarem sobre Carter. A fotografia vazou antes de conseguirmos tirá-la de circulação — Todd tentou se explicar, recebendo um olhar sério do candidato.
— Apenas cancele o que eu tenho para o resto do dia, Todd. Preciso encontrar minha irmã.


💋


Por mais que não tivesse dormido o tanto que gostaria, as horas restantes de sono foram agradáveis para .
Depois de seguir de volta para o seu quarto sentindo suas pernas trêmulas devido à ousadia de suas palavras, a mulher se jogou na cama, afundou a cabeça em seus travesseiros e deixou outro sorriso ladino estampar seus lábios.
A reação de havia sido realmente deliciosa aos olhos dela. conseguiu distinguir a surpresa, acompanhada pelo que parecia ser uma parcela de interesse mascarada com algum conflito interno.
se sentia completamente afetada pela ideia do homem ter algum interesse nela, porém logo ela voltava a pensar na questão do conflito e ela mesma tinha o seu.
Ele atendia pelo nome Pietro Langdon e pelo restante da noite e uma parte da manhã não se ouviu falar no rapaz.
Nenhuma mensagem de texto, DM no instagram, curtida ou até mesmo um sinal de fumaça.
Aquilo estava muito estranho e foi inevitável para não pensar no pior.
Talvez Pietro já tivesse enjoado daquela vida de chamadas de vídeo e não quisesse mais nada com ela. Algo que passava pela cabeça da jovem com mais frequência do que ela gostaria desde que decidiu se mudar sem Pietro.
— Não, isso é ridículo — murmurou para si mesma.
Faziam o quê… Três dias que estava na cidade?

não soube dizer se não ter encontrado naquela manhã havia sido bom ou ruim. Por um lado, queria ver como o homem reagiria depois do que acontecera na noite passada; por outro, sentia uma pontada de decepção por não ser agraciada com a visão de alguém como ele tomando café.
só percebeu que estava fantasiando com ali naquela mesa quando ouviu a voz de Julieta comentar qualquer coisa com ela.
Aquilo não podia acontecer. Ela precisava voltar a focar em Pietro e era o que faria.
Ao voltar para o quarto, pegaria o celular e tornaria a tentar alguma comunicação. Precisava lutar pelo seu relacionamento, certo?
Mas aquilo acabou não acontecendo. estava chateada com o sumiço do namorado e uma parte sua também clamava pelo amor-próprio, então se ele quisesse vê-la, que corresse atrás.
Resignada, a jovem optou por concentrar suas energias na decoração de seu quarto, usando algumas coisas que havia comprado em seu passeio pela cidade.
Passados alguns minutos, se sentia animada, principalmente ao ver que, aos poucos, aquele lugar parecia de verdade o seu cantinho. Sua estadia naquela casa podia até ser temporária, mas já que haviam lhe dado carta branca, ela ia aproveitar.
Alguma música da banda Royal Blood tomava conta do ambiente e, balançando o corpo de um lado para o outro, ela seguia colocando as coisas no lugar. Precisava tirar mais algumas coisas de uma mala e passou a cantarolar, acompanhando o restante da playlist enquanto se ocupava com aquilo, nem se importando com o passar das horas ou com o roncar de seu estômago denunciando que o almoço se aproximava.
Os pensamentos da estavam tão perdidos naquele momento que ela só percebeu que o celular tocava quando olhou na direção do aparelho.
— Oh, droga! — Se aproximou, acendendo o visor que havia se apagado há poucos segundos, lendo ali o nome que estava desejando desde a noite anterior.
Hesitou em atender, cogitando deixá-lo sofrer um pouco só para se vingar, porém aquela já era a quarta ligação que o rapaz fazia.
Acabou por fim se rendendo e colocou a ligação no viva voz para continuar fazendo suas coisas.
— Pietro. — Sorriu fraco, ouvindo o namorado suspirar baixo do outro lado da linha.
— Eu sei. Me desculpe por ontem, amor. Passei super mal e não consegui te avisar.
continuou estranhando aquilo e seu cenho se franziu.
— Por que não? O que houve com você? — questionou, engolindo a dose de sarcasmo.
— O médico falou que era intoxicação alimentar. Eu passei praticamente a noite inteira vomitando e quando voltei do hospital, já era tarde demais para te ligar. Essa porcaria de celular também está com a bateria viciada, você sabe. Minha bateria morreu logo na sala de espera. — As explicações não paravam e Pietro parecia desesperado em fazer a namorada acreditar nele.
— Intoxicação com o quê? — Foi a primeira coisa que ela indagou, o interrompendo e não conseguindo evitar sentir uma pontada de preocupação. Ainda assim, era difícil de comprar aquela história.
— Aí é que está. Eu não faço ideia. Nós comemos uma torta de carne lá no Jeffrey, talvez tenha sido isso.
assentiu. Pietro não havia dito nada a ela sobre ir até a casa de Jeffrey. não cobrava todos os passos do namorado, porém ele sempre fazia questão de dizer aonde ia.
— E como você está se sentindo agora? — Ainda não sabia se acreditava naquilo e pela centésima vez odiou a distância entre os dois.
— Um pouco melhor. — Langdon sorriu. — Ao menos eu consegui parar de vomitar.
— Tem certeza de que foi intoxicação mesmo? — A pergunta acabou escapando.
— Foi o que o médico disse, amor. Pode perguntar pra mãe. E olha, não fui só eu que passei mal, tá? O Jeff também ficou ruim, só não foi para o hospital.
— Acredito em você. Eu só fiquei pensando que também poderia ser alguma virose por conta dos vômitos.
— Que bom que não era, né? Logo já estarei cem por cento e nós podemos fazer outra chamada de vídeo. Ainda quero terminar o que a gente começou ontem. — Uma nota de malícia tomou conta da voz de Pietro e aquilo arrancou um meio sorriso de .
Ela mordeu a boca quando voltou a pensar em um certo alguém parado lhe olhando e se reprimiu por aquilo.
— Eu também quero. Agora me conta o que você foi fazer na casa do Jeffrey ontem. Me diga que vocês estão fazendo grupo de estudos e não torneio de jogos outra vez.
Pietro riu culpado.
— Maratona de Star Trek.
Ela revirou os olhos.
— A intoxicação alimentar então foi a vingança do universo. Tá vendo só? — Ele continuou a rir e aquilo a fez sorrir mais leve pela primeira vez. — Estou com saudades.
— Eu também, amor. Muita. Me desculpe por ontem — pediu novamente, com uma voz mais branda.
— Tudo bem. Só não me assuste assim outra vez. Eu odeio quando as pessoas tomam chá de sumiço, você sabe disso.
— Sim, eu sei.
Depois disso, outros assuntos vieram à tona na conversa e toda a situação foi ficando esquecida na mente de . Não havia motivos fortes o suficiente para que insistisse naquilo.
Ela contou sobre algumas coisas que viu na cidade, comentou o quanto estava ansiosa para as aulas que começariam no dia seguinte e Pietro lhe atualizou sobre o que andava acontecendo no seu círculo de amizade.
A uma certa altura, até se atirou na cama, se permitindo descansar um pouco porque não faltava muito para a arrumação terminar.
Quando já faziam mais de duas horas que os dois conversavam, Langdon anunciou que precisava desligar porque a mãe o chamava para comer algo e a jovem assentiu, se despedindo com a promessa de que mais tarde eles fariam a tal chamada de vídeo.
largou o aparelho com um sorriso estampado nos lábios, satisfeita pela angústia de antes ter sumido e cogitou levantar e ir até a cozinha comer alguma coisa, já que havia dispensado o almoço quando Julieta foi chamá-la.
Antes que pudesse de fato colocar sua ideia em prática, no entanto, a jovem foi surpreendida pela porta de seu quarto se abrindo com urgência.
O susto a fez levar a mão ao peito e se sentar na cama, arregalando os olhos e notando a figura feminina e desconhecida fechar a porta tão rápido quanto havia a aberto.
Ela não devia ser muito mais nova que , porém era alguns centímetros mais baixa. Seus cabelos negros eram lisos e perfeitamente cortados em um chanel tão estiloso quanto as roupas da garota e o erguer de sobrancelha deixou claro que ela não estava se importando muito em invadir o quarto de alguém.
— Ok, isso é inédito — a garota foi a primeira a falar, avaliando de cima a baixo uma boquiaberta.
— Bota inédito nisso — retrucou, sem se deixar intimidar, retribuindo o olhar da moça com curiosidade, que balançou a cabeça, rindo.
— Seguinte, se você deixar eu me esconder aqui só por uns minutos, eu te conto o motivo.
— Tá me parecendo que eu não tenho a opção de não deixar — brincou e a garota riu mais.
— É meu irmão pé no saco. Ele tá atrás de mim e eu não tô muito afim de ouvir ele me enchendo a paciência só porque ele precisa manter a imagem dele e blá-blá-blá. — Fez uma careta, dando língua.
Os olhos da se arregalaram quando ela percebeu de quem se tratava.
— Você é irmã do ? — exclamou e acabou se xingando mentalmente quando a garota lhe encarou alarmada. — Desculpa. É que eu nem sabia que ele tinha uma irmã. Não que eu saiba muita coisa sobre ele, eu acabei de chegar aqui e tudo mais, mas…
— Relaxa. Uma hora ou outra você ia acabar descobrindo sobre mim. Como o é um bom moço, os paparazzi adoram me perseguir. Por isso mesmo que ele anda querendo falar comigo. Uma baladinha e eles me fazem parecer uma perdida — bufou, revirando os olhos e se aproximando para se sentar na beirada da cama.
— Nem imagino o quanto isso deve ser péssimo, mas acho que seu irmão deve só estar preocupado contigo, sabe? Por que não dá uma chance? Ele não me pareceu tão ruim assim não.
Muito menos chato, né. Na verdade, o achei delicioso.
A irmã do cara na frente dela e estava pensando aquelas coisas.
Ela não valia nada.
— Não é que você pode estar certa? — a outra suspirou. — Qualquer coisa eu também posso sair fora. — Deu de ombros.
— É isso — assentiu e recebeu um sorriso.
— Carter . — A garota estendeu a mão para ela, parecendo ter se atentado ao fato de que as duas não haviam se apresentado só naquele momento.
. — Segurou a mão de Carter e retribuiu o sorriso.
— Ah, você é a filha do Charlie! — Os olhos dela se iluminaram. — Vamos sair qualquer dia desses. Aposto que ainda não te apresentaram a vida noturna desse lugar.
— Não mesmo. E eu aceito. Seria ótimo.
— Bom, eu vou parar de te incomodar e ir atrás do . — Se levantou da cama e foi andando até a porta. — Obrigada por me esconder.
— Sem problemas. — piscou para ela, vendo a garota sair do quarto sem nem de fato se despedir. Aquilo a fez rir.
Carter era uma figura a ser estudada, aquela foi a sua conclusão.


🏛


estava exausto. Toda aquela situação durante a entrevista tinha o deixado chateado de verdade e por mais que tivessem garantido a retirada daquele trecho, as palavras de Ruth continuavam ecoando em sua mente.
Sabia muito bem o quanto o seu luto estava atingindo as pessoas ao ser redor, mas ter aquilo jogado na cara dele daquela forma foi como arrancar os pontos de um ferimento sem ter esperado todo o processo de cicatrização.
Pensar que Carter estava por aí, completamente perdida e agindo de forma imprudente para preencher o vazio deixado pela morte de Amy doía em sua alma.
Era irônico para imaginar que sua esposa saberia exatamente como lidar com a jovem. Ela sempre teve muito mais jeito com Carter do que ele.
Quem olhasse assim, poderia até achar que não se dava com a irmã mais nova, porém aquilo não era verdade. Os dois sempre tiveram uma boa relação e um laço bem forte de amizade, do tipo que lhes permitia compartilharem confidências e estarem sempre prontos para defenderem um ao outro. No entanto, conforme Carter foi crescendo, os dois foram se distanciando e quando o homem iniciou sua carreira política foi como se tivesse nascido uma barreira entre eles. Barreira essa que apenas Amélia parecia capaz de ultrapassar.
Como queria reverter aquilo!
Um suspiro cansado ecoou dos lábios do candidato assim que o carro parou diante da mansão e Todd se virou na direção de pela milésima vez.
— Novamente, , eu sinto muito. A foto da Carter vazou no twitter. Nós tentamos derrubar a conta que publicou, mas você sabe como essas coisas se espalham nas redes sociais.
— Se você sabia que a foto tinha vazado, devia ter avisado sobre esse tipo de pergunta, Todd. Em vez disso, mesmo eu odiando esse negócio de ser treinado para responder às entrevistas, focou em coisas que sequer me perguntaram — foi sincero. Phillips abriu a boca para respondê-lo, porém o cortou, não querendo mais estender aquela conversa. — De qualquer forma, não é com isso que estou preocupado. Vocês localizaram a Carter?
— Sua mãe estava tentando falar com ela, mas sem sucesso. Quem sabe ela tenha voltado para a mansão?
— Quem sabe. — se inclinou para abrir a porta e sair do carro. — Até amanhã, Phillips.
— Não se esqueça que amanhã você vai visitar a universidade.
— Você nunca me deixa esquecer nada, Todd. — Sorriu.
— É o meu trabalho. — O outro deu de ombros, então o candidato seguiu para dentro da mansão.
Sua primeira preocupação deveria ser se livrar daquelas roupas, comer alguma coisa e relaxar um pouco, porém ele não sossegaria enquanto não conversasse com Carter, por esse motivo todos os seus passos foram automáticos até que ele finalmente pudesse ir atrás da irmã.
questionou alguns empregados sobre o paradeiro da irmã e procurou por ela em alguns cômodos da casa, sem sucesso.
Tentou não pensar em certas lembranças assim que avistou o corredor que levava até o quarto de e sentiu uma palpitação engraçada ao ver porta se abrir, seguida por algo que beirava à decepção quando a pessoa que saiu por ela foi Carter e não a filha de seu chefe de segurança.
Negou com a cabeça discretamente, confuso com a própria reação, mas não podia pensar naquilo, então focou sua atenção em Carter.
! — Os olhos da garota imediatamente se arregalaram ao dar de cara com o irmão.
— Carter. — Ele deixou uma sobrancelha se arquear em um questionamento mudo do motivo de ela estar saindo do quarto de .
— Por que não me disse que a filha do Charlie tinha chegado? Eu já podia ter levado ela para conhecer a verdadeira Baltimore. — Um sorrisinho travesso se formou nos lábios dela.
— Sobre isso… Precisamos conversar.
— Ih, lá vem. — Revirou os olhos.
— Podemos fazer isso em outro lugar? Tenho certeza de que a senhorita não vai se sentir muito confortável ouvindo essa conversa ali do quarto dela. Aliás, ainda estou esperando você me dizer o que estava fazendo lá. — foi a guiando pelo corredor em direção à sala de televisão.
— Eu estava conversando com a garota, relaxa. Entrei ali por engano porque queria me esconder de você, só que ela é legal demais e me convenceu a te dar uma chance.
— Ela te convenceu? — arqueou uma sobrancelha.
— Sim. Disse algo sobre você apenas estar preocupado comigo.
Ele não sabia se ficava surpreso ou se sorria pelo palpite correto. Resolveu que mudaria o foco de seus pensamentos porque era um terreno perigoso.
— Bom, ela está certa. Eu realmente estou preocupado contigo. — Esperou a irmã se acomodar no sofá e seguiu para a poltrona ao lado.
— E eu estou ótima. Não precisa disso, irmãozinho.
suspirou.
— Sei que não tenho sido um bom irmão, Carter. Eu ainda estou tentando me ajustar com tudo o que aconteceu e eu sei que isso não é lá uma desculpa, mas quero que saiba que estou aqui agora. Você pode conversar comigo sempre que precisar.
A expressão de Carter não se alterou.
— Obrigada, . De verdade. Mas eu estou bem, é sério. — Deu de ombros, então desviou o olhar, passando a encarar as unhas.
Ela sempre agia daquele jeito quando escondia as coisas.
— Confio em você, minha irmã. Só queria que soubesse disso. Sei que a morte da Amy nos deixou um vazio enorme e lidar com isso é a pior das torturas, mas nós precisamos, não é? — Sorriu fraco.
— É — Carter admitiu, sem saber mais o que dizer.
Um silêncio desconfortável reinou entre eles.
— Todd deve ter te enchido a paciência por causa do twitter, não é? — ela resolveu quebrá-lo.
— Ele me enche a paciência por qualquer coisa. — O comentário a fez rir baixinho.
— Por que você não se livra desse assessor? Melhor, por que não desiste dessa campanha? — Era uma pergunta sincera.
— Por ela, Carter. — suspirou outra vez. — Quero que Amy tenha orgulho de mim de onde quer que esteja.
Ele notou a irmã engolir em seco e respirar fundo, um gesto típico de quem tentava conter o choro.
— Ela vai ter. A mulher era toda louca por você. — Sorriu de canto, então hesitou brevemente antes de se afastar, abrindo um espaço ao lado dela e tocando no lugar, chamando-o para se sentar ali. — Por que a gente não assiste algum filme de terror, como nos velhos tempos? E se enche de porcarias? Eu já sei que você desmarcou tudo por minha causa mesmo — falou convencida.
ponderou, mas no fim sabia que acabaria cedendo.
— Eu desmarquei mesmo.


🏛


O restante do dia havia sido mais tranquilo do que esperava. Ele e Carter resolveram assistir o filme mais recente da franquia Halloween e depois ficaram debatendo sobre os acontecimentos, exatamente como costumavam fazer anos atrás.
não era o maior fã de filmes de terror. Na verdade, ele sempre os assistia por causa de Carter e ver o quanto a irmã parecia feliz pela companhia dele fez com que o candidato a senador se sentisse culpado. Então decidiu que dali para frente buscaria ser mais presente na vida de Carter. Nem que para isso precisasse ouvir Todd Phillips lhe enchendo ainda mais a paciência.
A irmã o fez pedir comida chinesa e depois disso se retirou para descansar um pouco, dizendo a que ele devia fazer o mesmo, já que sua cara estava péssima.
O comentário o fez rir, mas não tinha nem como discordar daquilo. Precisava de um bom banho e um bom descanso.
O homem nem se preocupou em olhar as notificações em seu celular. Sabia bem que encontraria uma infinidade delas e quaisquer que fossem os problemas da vez, deixaria para resolver no dia seguinte. Ele merecia aquilo.
Assim que mergulhou a cabeça embaixo do chuveiro, uma exclamação de satisfação ecoou de seus lábios. Seus músculos relaxaram, agradecidos pela temperatura morna da água os atingindo e procurou esvaziar sua mente.
Não havia nada melhor do que um bom banho. Ao menos era o que achava.
Enquanto se dedicava ao ato de ensaboar seu corpo, eliminando qualquer resquício de sujeira, seus pensamentos foram o guiando pelos acontecimentos mais recentes, contrariando a ideia de não refletir sobre nada. Não se importou, já sabia que aquela era uma batalha perdida desde o início.
Respirou fundo, sorrindo mais uma vez porque as coisas entre ele e Carter pareciam resolvidas, ao menos por hora, e não conseguiu deixar de pensar o quão curioso era a irmã ter ido parar justo no quarto de .
Carter havia lhe dito que pelo pouco que as duas conversaram já tinha adorado a mulher e por algum motivo isso o fez sorrir ainda mais, porém um outro pensamento lhe ocorreu.
Havia alguém que não gostava de ?
Ela era espontânea, inteligente, engraçada e linda. Estonteante, para ser honesto.
fechou os olhos e automaticamente o rosto da mulher surgiu em sua mente, tão nítido como se ela estivesse diante dele, sorrindo daquela forma jovial, dizendo frases onde ele sempre via um duplo sentido e cogitava se estava ficando maluco até notar a expressão travessa de lhe deixando claro que não, não estava imaginando coisas.
A insinuação feita na noite anterior voltou a povoar a mente de e, como uma lufada de ar batendo contra o seu rosto, vieram as lembranças de com a porta de seu quarto entreaberta, dizendo todas as coisas que desejava.

Eu quero você dentro de mim.

sentiu sua respiração falhar de leve, então pressionou um lábio no outro, mergulhando a cabeça na água mais uma vez, tentando espantar aqueles pensamentos, sem sucesso.
De repente, imaginou o que teria visto se a porta estivesse um pouco mais aberta, ou quem sabe se, em vez de implorar pelo tal Pietro, ela implorasse por ele.

Ah, !

Era como se realmente pudesse ouvir a voz de ecoando em um gemido gostoso, então, assim como ele, pressionaria um lábio no outro, abrindo ainda mais as pernas para , deixando exposta ali a intimidade dela, já que a única peça que cobria seu corpo era uma camiseta.
Um grunhido tímido ecoou dos lábios do homem e ele encostou a testa contra a parede fria, mas nem aquilo foi o suficiente para fazê-lo escapar daquela fantasia.
Percebeu então que na verdade ele nem queria. Precisava aliviar aquela tensão, só assim conseguiria tirar a mulher de seus pensamentos de uma vez por todas.
Deixou sua moral de lado e se entregando por fim àquela ilusão, guiou uma mão até seu membro, sentindo o princípio de ereção pulsar assim que seus dedos a tocaram. Envolvendo-o por inteiro, deslizou a mão por toda a extensão e grunhiu de novo, mergulhando ainda mais em seus pensamentos.

usava uma mão para acariciar o clitóris inchado, movimentando três dedos de forma circular, enquanto a outra apertava o seio por cima da camiseta, brincando com o mamilo duro de tesão. Sua cabeça estava inclinada para trás, os lábios entreabertos deixavam a respiração falha da mulher ecoar pelo ambiente e a cada segundo ela aumentava mais a intensidade da fricção.
— Eu quero você me lambendo inteira, . Afundando seu rosto entre as minhas pernas, me sugando por inteira. Eu estou tão pronta pra você…


— Porra… — a voz sôfrega do homem ecoou pelo banheiro quando ele pressionou os dedos na cabecinha de seu membro, sentindo-a cada vez mais melada e aproveitou aquela lubrificação para espalhar por cada centímetro seu, movimentando a mão de forma lenta, aproveitando todas as sensações e imaginando que ali poderiam ser os lábios de .

Ele conseguia ver como ela estava excitada, a intimidade tão molhada que o líquido escorria por suas coxas, seguindo um caminho perigoso que não hesitaria em explorar se assim ela permitisse.
— Eu quero você, . Se afunda em mim.


Apoiou uma mão na parede, buscando apoio porque suas pernas começaram a tremer enquanto os músculos de seu abdômen tensionavam em espasmos de tesão.
— Ah, … — Mordeu a boca ao deixar o nome dela escapar daquele jeito, a voz tão rouca denunciando exatamente o que ele fazia.
A intensidade de seus movimentos aumentou, ele deslizava a mão com afinco, fazendo uma pressão cada vez maior, impulsionando o quadril para frente e para trás, o que tornava tudo aquilo ainda mais prazeroso.

— Eu quero você dentro de mim, . Me fodendo daquele jeito que só você sabe fazer.
E dizendo aquilo a mulher deslizou dois dedos para dentro de si, afundando-os por inteiro, gemendo de um jeito alucinante enquanto mantinha os olhos fixos nele e um sorriso travesso em seus lábios.
— Me fode, . Se atola em mim assim… Por favor.


— Caralho! Eu vou foder você todinha… — sussurrou desesperado.
Os olhos dele se pressionaram com mais força, a respiração de se tornava cada vez mais falha enquanto ele sentia um calor absurdo.
O vapor do chuveiro parecia ter aumentado, mas aquilo não importava porque de repente ele se pegou imaginando como seria de fato estar dentro de , ouvindo-a gemer mais o nome dele, arranhando-o com suas unhas, rebolando contra seu membro pulsante.
! — O nome da mulher ecoou de novo de seus lábios, o abdômen estremeceu com mais intensidade e os movimentos de sua mão eram rápidos, precisos, espalhando o prazer por cada centímetro seu, queimando-o por inteiro.
— Ah, porra! — Os espasmos aumentaram, o braço do homem afrouxou na parede e ele precisou se apoiar com o antebraço para não desabar.
Ele estava perto. Tão perto!

— Você é delicioso, .

Então deixou um gemido mais alto e prolongado rasgar sua garganta, jogando a cabeça para trás, ofegando de um jeito absurdo enquanto tudo ao seu redor parecia girar e piscar e girar de novo, ao mesmo tempo. A sensação do ápice era tão intensa que seu corpo inteiro tremeu e seu membro expeliu todo o prazer de uma forma alucinante.
— Puta que pariu… — Era tão bom poder xingar daquele jeito. Só os palavrões seriam o suficiente para expressar o quanto estava afetado.
Fazia tempo que não gozava gostoso daquele jeito.
Sua respiração demorou para ser recuperada. Ele se manteve apoiado na parede até sentir que a firmeza nas pernas havia voltado, então soltou um longo suspiro e voltou a se enfiar embaixo da água para espantar o calor absurdo que sentia.
— Minha nossa! — Não conseguia acreditar no que havia acabado de acontecer.
Ele tinha mesmo se masturbado no chuveiro feito um adolescente?
Sim, ele tinha.
E podia ser a própria adrenalina falando por ele, mas naquele momento não se importou com coisa alguma.
As consequências que viessem depois. queria eliminar de seu sistema e sentia que acabava de sair bem-sucedido.
Mal sabia ele o quanto estava enganado.


Continua...



Nota da autora: Eu tô muito ansiosa pelas reações de vocês a esse capítulo. Primeiro porque tem personagem nova aparecendo, a Carter é muito minha neném e eu espero demais que gostem dela. Segundo que o namorado da pp tem o meu ranço e eu não vou nem esconder. E terceiro, mas não menos importante, porque eu terminei o capítulo passando mal. É isso.
Me contem o que acharam, please! Para saberem mais sobre as histórias que eu escrevo e interagir comigo, me sigam lá no instagram e entrem nos meus grupos do whatsapp e facebook!
Temos uma playlist exclusiva de Aliferous. Caso queiram conferir, só clicar no ícone do spotify aqui embaixo. Beijos e até a próxima.
Ste ♥.



Clique aqui para ler minhas outras histórias!


CAIXINHA DE COMENTÁRIOS

O Disqus está um pouco instável ultimamente e, às vezes, a caixinha de comentários pode não aparecer. Então, caso você queira deixar a autora feliz com um comentário, é só clicar AQUI.


comments powered by Disqus