Como eu (Re)Conheci Ben Barnes

Última atualização: 14/11/2021

Único


terminava de colocar os novos modelos de roupas na arara com a etiqueta Sophie Winter quando ouviu uma leve batida na porta aberta da sala de figurino, virando-se ao ouvir seu nome ser chamado por uma voz bem conhecida;
! Estou te procurando em todos os cantos deste estúdio!
— E não pensou em vir aqui primeiro? — Brincou, colocando as mãos na cintura, negando com a cabeça, deixando os cabelos escuros balançando conforme se mexia — E depois se diz minha amiga!
— Ah, eu até pensei, mas meu estômago roncou e eu preferi te procurar no refeitório antes… — sorriu amarelo, colocando a mão sobre a barriga, fazendo a outra gargalhar.
— É bem a sua cara mesmo — falou rindo, voltando a virar em direção aos figurinos, pendurando-os conforme os etiquetava. — Do que precisa?
— Na verdade, — sorriu, aproximando-se da morena — tenho um convite para te fazer! E acho que você vai gostar!
a encarou curiosa quando a loira parou ao seu lado;
— Vamos ter um evento de divulgação do filme no próximo final de semana, quando sai o teaser trailer, ou seja, cinco minutos para falar de Orchideous e uma festona antes e depois. — contou — É só para o elenco e alguns convidados próximos, o marketing vai convidar jornalistas e influencers também, mas nada muito grande… Enfim, eu queria te convidar pra essa festa: comidas boas, bebidas e muita gente bonita! — Sorriu largo, piscando um olho para a amiga.
— Gente bonita e solteira ou bonita e comprometida, como seu namorado?
A outra ficou vermelha, gaguejando antes de negar;
— Não estamos namorando!
— Ainda!
A autora suspirou, passando a mão pelos cabelos soltos antes de dar de ombros.
— Espera! Quer dizer que você vai revelar para todos que é Izadora Pino?
— Não! — Disse apressada, negando veementemente — Vou inventar alguma desculpa ou fingir que trabalho aqui, sei lá. Não vou contar pra quem não sabe! Enfim… — Deu de ombros — Você vai, não vai?
— E perder a chance de beber de graça e estar rodeada de gente bonita? Nunca!
— Ah, pode convidar sua amiga também, quem sabe finalmente nos conhecemos pessoalmente! — A loira disse animada.
sorriu agradecida, não imaginava participar de uma festa daquelas sem sua roommate, da mesma forma que não perderia a chance de prestigiar a amiga. Obviamente a ideia da festa em si também era muito atrativa, mas poder comemorar um momento desses com , mesmo que a loira não revelasse sua verdadeira identidade era muito especial para ela e só confirmava que agora tinha realmente mais uma nova melhor amiga, mesmo com pouco tempo de convívio entre as duas.
— Eu tenho certeza que vocês vão se dar muito bem: são duas doidas que me fazem rir e fofocar o tempo todo! — Comentou rindo, e então lembrou-se de um pequeno detalhe — Será que ela pode levar o namorado? Acho difícil aqueles dois se soltarem por mais de alguns minutos agora que ele voltou pra Londres depois de meses fora...
— Se com namorado você quer dizer Robert Pattinson, sim, com certeza! — riu erguendo as sobrancelhas sugestiva.
— Eu duvido que você terá coragem de fazer aquilo! — deu um gritinho, já rindo só de imaginar a cena. Quando contou para que , sua colega de apartamento e melhor amiga, era a loira misteriosa da história que ela ouviu no set envolvendo Pattinson, a escritora ficou eufórica, principalmente com as informações adicionais que havia contado, como ser perseguida no mercado. Fora o detalhe que detestava o ator. Nem ela mesma sabia o motivo, nunca havia o visto pessoalmente, mas a animosidade era real.
— Se eu tiver a oportunidade ao meu lado e, principalmente, o álcool no meu sangue, quem sabe… — Brincou, dando de ombros.
— Pois eu vou querer filmar esse momento! Pago pra ver a cara do Rob!
— Sua amiga não vai me odiar, vai? — Perguntou pensativa.
— A ? É mais fácil ela jogar o vídeo na internet! Confia em mim, ela vai adorar a cena!



🎬🎬


Quando finalmente chegou em casa, depois de um longo dia de trabalho, mal abriu a porta e já sentiu um cheiro agradável vindo da cozinha. Franziu o cenho de imediato: não sabia cozinhar bem, algo estava muito errado.
Deixou sua bolsa e crachá sobre o sofá e caminhou curiosa pelo apartamento em direção ao cômodo ao lado, logo escutando um barulho de garrafa abrindo, seguido de um gritinho assustado e uma gargalhada. Não demorou para focalizar sua visão em Robert com uma garrafa de vinho em mãos e segurando duas taças. Na mesa, três pratos dispostos, e no centro uma tábua de madeira com alguns tipos de queijo e azeitonas.
— Você chegou! — sorriu assim que viu a morena na entrada da cozinha, virando-se para a mesa e alcançando a terceira taça, ao tempo que Pattinson as enchia com a bebida.
— O que eu perdi? — Perguntou curiosa, aceitando a bebida que o loiro oferecia, sorrindo ao cumprimentá-lo.
— Nada, estávamos procurando uma desculpa para beber hoje — Pattinson começou a explicar — como não encontramos nenhuma plausível, resolvemos que vinho combina com comida italiana, e isso é o suficiente para nós — deu de ombros, fazendo a morena rir.
— Estávamos esperando por você pra comer, mas como estava demorando muito resolvemos começar com a bebida! — adicionou, antes de dar um gole no vinho tinto.
— Logo a melhor parte estavam começando sem mim? — Resmungou, colocando a mão esquerda sobre a cintura, mas aproveitando o odor agradável que vinha da sua taça e tomando um longo gole — Nem sabia que precisava tanto disso até esse momento!
— Dia ruim? — Rob perguntou antes de sentar-se na cadeira ao lado da namorada.
— Na verdade não, mas é segunda-feira, sempre estou frustrada no começo da semana! — Abanou a mão, escutando a risada rouca do ator — Eu tenho uma pergunta e um convite! — Lembrou de repente — Primeiro o convite: Uma festa no próximo sábado para promover Orchideous!
— Comida, bebida e Chris Evans? Tô dentro! — disse de imediato, sorrindo largamente. Robert virou-se devagar em sua direção com as sobrancelhas levantadas.
— Comida, bebida e… O quê? — Perguntou debochado.
— Chris Evans! — respondeu pela amiga, rindo junto dela ao verem a expressão mal-humorada do homem.
— Você sabe que é o amor da minha vida, mas não seria ruim uma foto com Chris Evans!
Foto. Sei. Foi assim que começou quando vocês se conheceram, não foi? — alfinetou, divertindo-se com as expressões enciumadas de Pattinson.
— Ei! — A mulher resmungou, jogando uma azeitona na direção da amiga — Bom, nós com certeza vamos pra festa, certo? — Virou-se para o loiro, que concordou ao tomar mais um gole de vinho — E qual era a pergunta?
— Ah, sim — sorriu pequeno, virando-se para o outro — foi a quem cozinhou?
— Não, não. Pedimos em um restaurante, só deixamos esquentar mais um pouco no forno… Por que?
— Amanhã tenho uma reunião importante no trabalho, queria confirmar que não passaria o dia no pronto socorro com intoxicação alimentar. — Explicou, olhando para a amiga, que ficou vermelha no mesmo segundo, enquanto Pattinson ria alto.
— Foi só uma vez! — Resmungou.
— O ideal seria nenhuma vez, meu amor!
— É, Regina, você errou feio! — concordou, usando o novo apelido da loira, divertindo-se sempre que ela mostrava o dedo do meio ao ouví-lo.
Quando se conheceram, Robert não perguntou o nome da loira e depois que ela desapareceu do set, o ator passou semanas à procura da mulher, a qual ele dizia ter aparência de Regina por algum motivo que só ele entendia. Quando contou isso para as duas, ficou com a maior cara de taxo e gargalhou, e assim adotaram o novo apelido para momentos propícios.



🎬🎬


A semana de foi tão agitada nos estúdios que quando deu por si já era sábado, e só quando chegou em casa vinda do mercado e sua roommate a questionou sobre qual seria a melhor roupa para usar aquela noite, que se desesperou ao notar que não havia sequer considerado o que deveria vestir para um evento daqueles: o filme no qual também era responsável (mesmo que dos bastidores), prestigiar sua nova amiga que era a escritora do livro que deu base para tudo aquilo e, de quebra, ver mais algumas pessoas famosas.
Não que não fosse acostumada, depois de tantos anos trabalhando com cinema e, por vezes, acompanhando ensaios fotográficos e gravações de comerciais, já havia visto algumas dezenas de famosos; modelos, atletas, atores e atrizes. Até então seu maior triunfo pessoal foi encontrar Daniel Radcliffe e conseguir conversar com o moreno por alguns minutos e pedir uma foto. Aquele havia sido seu goal, afinal era apaixonada por Harry Potter desde sempre.
Mas era diferente encontrar gente famosa em seu ambiente de trabalho, no qual ela mantinha seu lado profissional, de encontrar quem quer que fosse em uma festa!
Como deveria reagir?
Podia pedir uma foto?
Talvez um autógrafo?
Poderia flertar?
não gostava de admitir e, menos ainda, de pensar a respeito, mas às vezes se sentia sozinha sem alguém ao seu lado. Trabalhava muito e era feliz assim, embora não gostasse de usar o termo workaholic sabia que estava bem perto de ser definida dessa forma, mas também queria ter sua vida pessoal mais agitada! Ter mais objetivos além de ver séries e ler livros. Não que fossem hobbies ruins, mas às vezes sentia falta de ter alguém a mais para dividir tudo.
Ver com Rob e com Chris e a forma como esses casais pareciam tão bem e unidos a fazia querer ter o mesmo para ela. Não que estivesse mirando em atores, embora achasse aquilo uma feliz coincidência com as amigas, mas queria alguém ao seu lado para dividir suas alegrias, frustrações, sonhos, enviar memes e vídeos de animais fofos. Queria alguém para beber ao seu lado enquanto conversava sobre banalidades e apoiar essa pessoa no que ela precisasse. E, obviamente, também queria alguém para beijar. Fazia tempo que não tinha um encontro, mesmo que flertasse com algumas pessoas, seu trabalho e o cansaço tomavam muito seu tempo e, entre sair e começar todo um papo de "Oi, eu sou , tenho 28 anos, trabalho em um estúdio de cinema, amo doces, livros de romance e filmes de terror", preferia simplesmente ficar em casa com uma garrafa de vinho e procurar um filme em alguma plataforma de streaming. Sabia que precisava fazer por onde para encontrar o amor, ele não iria bater em sua porta com um buquê de flores, mas ao mesmo tempo que queria encontrar um namorado, a preguiça parecia sempre ganhar.
Acordou de seu transe quando estalou os dedos algumas vezes, chamando sua atenção e apontando para a roupa que usava: uma saia risca de giz até a altura dos joelhos e uma regata azul escuro.
— Muito formal, vão achar que você é jornalista! — respondeu, negando com um aceno. A amiga bufou, dando a volta e tornando a entrar em seu próprio quarto em busca de outra roupa.
seguiu pelo corredor após deixar as compras sobre a mesa - guardando apenas o que precisava ir para a geladeira -, antes de seguir para seu quarto e abrir o guarda-roupas, encarando suas opções.
Já havia participado de uma festa ou outra, mas nunca como convidada, era difícil saber o que vestir. Optou por alguns modelos de vestido e, durante as próximas duas horas, e ficaram entrando e saindo uma do quarto da outra procurando a melhor opção, emprestando alguma roupa, brincos ou colares para ver o que terminaria bem.
Ao decidirem finalmente o que vestiriam, correu para o banho enquanto alisava os cabelos já secos do banho de mais cedo.
Quase quarenta minutos depois as duas dividiam-se no banheiro, a loira terminava sua maquiagem e a morena ajeitava seu penteado, olhou rapidamente para o celular ao ouvir o barulho da campainha, vendo o horário combinado com Pattinson, enquanto ouvia a voz da amiga gritando “entra” para o namorado.
Instantes depois Robert parou na porta do banheiro, colocando apenas a cabeça para dentro e rindo da confusão das duas amigas;
— Boa noite! — cumprimentou rindo. Viraram-se para olhá-lo ao mesmo tempo, o ator usava uma calça social preta, uma camiseta social branca aberta com os dois primeiros botões e um blazer também preto por cima, os cabelos bagunçados de sempre.
— Quanto tempo precisou para se arrumar? — perguntou, ignorando o cumprimento.
— Sei lá, uns vinte minutos — deu de ombros, passando a mão pelos cabelos e bagunçando-os ainda mais.
As duas fizeram caretas em desagrado, negando com a cabeça;
— Se na próxima vida eu não vier como homem, prefiro nem vir! — resmungou, antes de voltar sua atenção para o espelho e terminar o rímel.
concordou bufando, puxando a lata de spray e borrifando quantidades generosas em seu cabelo, para manter o penteado no lugar a noite toda.
— Mas vocês não estão nada mal — Robert comentou, olhando para as duas mulheres;
estava com um vestido vermelho em decote em v que delineava perfeitamente seu corpo, com um salto da mesma cor e maquiagem leve, seus cabelos formavam cachos em suas costas e usava um vestido com mangas curtas que ia até pouco acima do joelho, junto com alguns acessórios prateados, além de uma maquiagem básica com um batom escuro, contrastando com o preto da roupa.
— Nada mal? — arqueou a sobrancelha — Depois de quase duas horas, a gente está um arraso! — Falou com a mão na cintura, vendo a loira concordar ao seu lado, fazendo o ator rir ao desculpar-se;
— As mais belas mulheres que eu já vi na minha vida inteira! — Disse em tom sério, piscando para elas ao ouvir comentários de aprovação.
Quando finalmente estavam satisfeitas, quase quinze minutos depois, os três saíram do apartamento, entrando no carro de Robert e seguindo para o The Shard, local da festa.

Chegaram minutos depois e as duas mulheres olhavam ansiosas para os lados, enquanto o ator andava tranquilo com o braço sobre os ombros da namorada. Não demorou para que encontrasse , quieta mais ao canto com uma taça de champagne em mãos enquanto sorria cordialmente para algumas pessoas. Assim que seus olhares se encontraram, a amiga sorriu largamente, dizendo algo para o homem com quem conversava antes de aproximar-se a passos rápidos e abraçar .
— Ainda bem que você chegou, já estava começando a ficar desesperada — disse baixo, fazendo a morena rir antes de se afastarem brevemente.
— Essa é a apresentou, apontando de uma para a outra, elas se conheciam apenas por nome, mas aparentemente já se gostavam devido às histórias que sempre contava de uma para a outra — , essa é a .
A loira deu um passo à frente e colocou as mãos nos ombros de , o que a fez arregalar os olhos levemente;
— Tem tanta coisa que eu queria te dizer nesse momento, mas a primeira delas é: mulher, eu sou sua fã. Você é incrível, de verdade, quando a me contou… Nossa! — Falava rápido, acelerada. sorriu largamente conforme entendia o que ela dizia, , por sua vez, ria divertida, principalmente ao notar a cara de confusão de Pattinson — Sensacional! Mal posso esperar para ver o filme e, menos ainda para a segunda parte do livro! Incrível!
— Obrigada! — disse sem jeito. — É muito bom te conhecer também, já falou muito sobre você!
Robert olhava de uma para a outra com o cenho franzido, encarou por alguns instantes, confuso. Será que era alguma atriz ou modelo? Porque sua namorada era fã de uma mulher que ele não conhecia?
— Espero que ela tenha dito que eu amo spoilers, então sinta-se à vontade para me dizer qualquer coisa sobre Orchideous! Eu vou amar saber sobre a segunda parte!
Foi então que o loiro entendeu o que estava acontecendo, abrindo a boca surpreso ao entender que aquela mulher era a autora do livro de sci-fi.
— Uou. É você? — ele disse sem conseguir se conter — Espera, você já sabia que era ela e não me disse nada? — virou-se para .
— Era segredo! — deu de ombros, ainda olhando sorridente para .
— E aquele papo de “não temos segredos um com o outro?” — tornou com a sobrancelha arqueada.
— Ah, mas esse era um segredo de outra pessoa! — respondeu, fazendo as outras mulheres rirem ao tempo que Pattinson rolava os olhos, se sentindo traído.
— Robert Pattinson, muito prazer — adiantou-se, esticando a mão para — Realmente, seu livro é incrível!
— Você leu? — perguntou surpresa, vendo-o concordar animado.
— Não sou um grande fã do romance, mas a parte de sci-fi é maravilhosa! A cena da luta? Uou!
— Obrigada! — sorriu alegre, logo escutando o pigarro exagerado de . Os três viraram-se em sua direção, sem entender o que acontecia.
ergueu as sobrancelhas para , apontando com a cabeça para Robert. A autora sentiu o rosto esquentar, negando rapidamente.
— O que foi? — questionou confusa, olhando de uma pra outra — Quer pedir uma foto? — Brincou. riu alto ao ouvir aquilo.
— N-não! — negou, sorrindo constrangida — Não é nada demais…
odeia o Rob!
— O que? — os dois perguntaram ao mesmo tempo, virando-se para a mulher.
— Eu nunca disse isso! — negou rápido, olhando sem graça para o ator.
— Mas é quase isso — lembrou, sorrindo ao aceitar uma taça de champanhe de um garçom, assim como os outros três. — Inclusive, inicialmente, o plano dela era fazê-lo passar vergonha!
— Por que? — O casal tornou a perguntar ao mesmo tempo.
— Não sei, mas eu quero saber por que você mudou de ideia, isso sim! — a morena questionou a amiga, que deu de ombros.
— Ele acabou de elogiar meu livro, talvez não seja tão chatinho quanto eu imaginava…
e riram divertidas, Robert continuava a olhar a mais nova com os olhos arregalados, sem entender o motivo dela não gostar dele.
— Qual a piada? — viraram-se ao ouvir uma voz aproximando-se, e então Chris Evans sorriu para todos, passando o braço pelos ombros de . — Oi, ! — Sorriu para a morena, cumprimentando-a com um beijo no rosto, antes de virar-se para os outros dois. Não demorou a reconhecer Robert, com quem já havia conversado algumas poucas vezes em eventos passados. — Como vai, Pattinson? Bastante tempo que não te vejo!
— Pois é, acho que a última vez foi… Na premiere de O Farol? — o outro respondeu pensativo, vendo-o acenar com a cabeça.
— Caramba, temos o Batman e o Capitão América, bem aqui! — comentou divertida, fazendo os quatro rirem.
— Essa é a
— A tatuada misteriosa, né? Eu ouvi histórias sobre isso no set... — Evans interrompeu a fala de , rindo ao olhar de canto para Pattinson, que ficou vermelho.
O grupo andou até uma mesa pequena que servia apenas para apoiarem bebidas e comida, mas que não tinham cadeiras, e continuaram conversando animadamente, vez ou outra sendo interrompidos por algum convidado querendo falar com os dois atores.
— Imagina só se eles soubessem que a responsável por isso tudo está bem aqui — sussurrou entre as duas, olhando de canto para .
— Deus me livre! Gosto da minha liberdade, obrigada!
— Mas até que deve ser legal também voc- — interrompeu-se ao olhar para um canto e notar uma figura familiar a poucos metros de distância.
— O que foi? — perguntaram ao notar a expressão surpresa da morena, os olhos levemente arregalados e a boca aberta. Seguiram o olhar da amiga pelo salão, demorando para perceberem quem ou o que poderiam causar tal reação em .
— Ben Barnes? — arriscou ao voltar seu olhar para a morena. Foi o único famoso que viu naquela direção e não era alguém envolvido nos filmes.
apenas concordou com a cabeça, incapaz de dizer qualquer coisa. Fechando a boca e engolindo em seco, os olhos fixos no homem. Não demorou a sentir o coração bater acelerado.
— Eu sei que ele é um gostoso — começou, confusa — mas você não está exagerando?
— Espero que o “gostoso” que você está falando seja eu — ouviu a voz rouca de Robert atrás de si, virando-se sem graça para o namorado.
— E por que a ficaria assim se o assunto fosse você? — Chris argumentou brincalhão.
Pattinson apenas deu de ombros, curioso sobre o assunto, passando os olhos pelo salão;
— De quem estão falando?
— Ben Barnes — disse sem se conter, logo notando o olhar assustado de .
— O que? — Pattinson virou-se surpreso, procurando pelo amigo.
fechou os olhos, respirando fundo.
Já sabia que o loiro era bem próximo de Barnes, vez ou outra Robert comentava alguma coisa sobre o amigo, mas nessas horas ela foi capaz de ignorar a pontada no peito. Sabia que era apenas um comentário inocente, jamais imaginou que em algum momento aquilo pudesse levá-la a encontrá-lo em algum canto e nunca passou por sua cabeça que ele estaria naquela festa.
Não demorou para o loiro sorrir animado para Benjamin, acenando com a mão antes de aproximar-se do outro.

olhava desesperada para os lados procurando uma saída, ou algum lugar que pudesse se esconder. Antes de dar início a um plano que envolvia correr para o banheiro e tentar sair pela janela, sentiu alguém segurar seu braço.
— Eu não sei exatamente o que está acontecendo aqui, mas acho que é hora de uma reunião de emergência — falou, ainda segurando a amiga.
— Vamos procurar um lugar mais reservado? — perguntou, olhando preocupada para a amiga. estava pálida, muito pálida.
Evans, que já havia estado muitas vezes antes no lugar, olhou rapidamente em volta avistando uma sala que ele conhecia no mínimo, muito bem.
— Vocês podem conversar no depósito de bebidas — o loiro apontou uma porta discreta em uma das paredes laterais — ela é bem, hm… — pigarreou — reservada.
Sua quase namorada cerrou os olhos e riu baixo, pensando que teriam uma ótima conversa depois. Deu um beijo em sua bochecha e puxou as meninas para longe, mostrando um crachá de convidada especial que tinha escondido na bolsa quando um segurança fez a menção de pará-las.
Em um ambiente fechado e relativamente silencioso, sentiu que podia finalmente respirar. A morena encostou na parede e estava para inventar uma desculpa muito boa do porque tinha travado e estava quase transpirando quando viu que as duas loiras estavam em sua frente com os braços cruzados e caras de interrogação. Suspirou, não poderia mentir para elas.
— Tudo bem, pode colocar tudo pra fora — foi a primeira a falar, se encostando na parede oposta — Ninguém surta assim com alguém que mal conhece.
— O que significa que você conhece Ben Barnes muito bem — olhou sugestiva.
A amiga revirou os olhos. Nunca deveria ter apresentado as duas.
— Tudo bem, tudo bem. Nós namoramos alguns anos atrás mas não terminou exatamente do jeito que imaginávamos — começou com cautela, não querendo dizer mais do que era necessário. Nem sabia se conseguiria entrar em detalhes naquele momento — éramos novos e não sabíamos direito o que queríamos um do outro, sabe? Nós nos conhecemos quando o Ben estudava teatro na Kingston University e eu fiz aquele curso de Introdução à produção de tv, na época ele era ator de teatro e não viajava muito a trabalho. Nos conhecemos no campus, uma coisa levou a outra e quando percebi eu estava completamente apaixonada. Olha, eu realmente não quero falar sobre isso.
— Tá tudo bem, amiga — abaixou ao seu lado e a abraçou, tentando confortá-la — É muito bom que compartilhou isso com a gente.
— Obrigada por confiar — concordou, colocando a mão em seu ombro — Como eu queria não ter convidado ele.
— Foi você? — as outras duas perguntaram em uníssono.
A loira sorriu sem graça, dando de ombros.
— Minha agente me mandou um email perguntando quais famosos eu queria convidar, junto com uma lista de quem tava na cidade e bem… que o Chris não me escute, mas eu tenho um crush nesse homem desde Nárnia. Desculpa, amiga — completou.
levantou a mão, como se fosse fazer uma confissão.
— Bom, eu também — admitiu.
deu um sorriso fraco, se sentindo melhor. Estava pronta para sair e lidar com o que a noite reservasse.
— Eu não posso negar que vocês tem um gosto excelente — deu de ombros.
As mulheres gargalharam, se levantando e arrumando os vestidos.
— Vamos, amiga — entrelaçou seus braços — Vamos passar a noite fugindo de Ben Barnes.



🎬🎬


Ele estava na porta.
Evans não tinha feito um bom trabalho em explicar para Robert Pattinson e Ben Barnes o porquê de, de repente, suas acompanhantes terem se enfiado em um depósito e, por isso, o loiro os tinha arrastado para o lado de fora da sala esperando pacientemente que elas terminassem seja lá o que foram fazer.
Ben estava no mínimo curioso. Uma das primeiras coisas que ficou sabendo ao chegar na cidade era que uma sequência de loiras misteriosas estavam conquistando os corações de seus amigos de Hollywood;
Já tinha quase um ano desde que soube de Robert procurando pela loira tatuada, que todos juravam que era um fruto da imaginação de Pattinson, foi realmente um choque tremendo receber uma foto dos dois juntos meses atrás, quando começaram a sair. E, embora tivessem tentado marcar algumas vezes, devido ao trabalho ainda não haviam conseguido se encontrar pessoalmente. Soube quem era ela assim que a mulher saiu do depósito. Foi só olhar o braço coberto por tatuagens e o sorriso que o amigo deu ao vê-la. A segunda loira era , ele tinha certeza, pois a mulher arregalou os olhos e deu um tapa leve nos ombros de Evans, o qual se encolheu desculpando-se sem nem mesmo parecer entender o que acontecia. Estava pronto para fazer alguma piada sobre ela, afinal a mulher havia sido a primeira em anos a conseguir fazer Chris se amarrar. Ou quase isso. Mas sua voz parou na garganta antes que pudesse fazer a piada sem graça para constrangê-los, assim que seus olhos miraram a terceira mulher.
Morena. Olhos castanhos.
O sorriso que ela dava morreu assim que seus olhares se encontraram.
Ele não precisou de mais do que um nanosegundo para reconhecê-la.
Jamais esqueceria aquele sorriso ou aqueles olhos.
Não admitiria aquilo em voz alta nem que o pagassem, mas havia sonhado vezes demais com ela nos últimos anos.
Sentiu o estômago revirar por completo.
Seu corpo pareceu entrar em curto-circuito e a respiração estava falha.
Não podia ser verdade. Não ali. Não agora.
desviou o olhar, mirando qualquer outro canto que não fossem seus olhos escuros, incomodada demais ao vê-lo, mas não parecia surpresa. E então ele entendeu o motivo das três terem ido para aquele pequeno depósito; ela o havia visto.
— O que aconteceu com vocês? — Pattinson perguntou curioso, alheio às reações exageradas dos dois amigos.
Pelo canto do olho, notou quando deu uma cotovelada nada sutil no namorado, que resmungou baixo, entendendo cada vez menos o que acontecia. apontava com a cabeça (de uma forma que achava ser discreta, mas não era e quis morrer um pouco mais ao notar) para Ben, esperando que o loiro compreendesse seu recado. Rob, porém, entendeu errado;
— Ah, claro! — Virou sorrindo para o amigo, colocando a mão sobre seu ombro; — Barnes, essas são , e !
bateu com a mão na testa audivelmente, mas sorriu pouco depois para o moreno, cumprimentando-o educadamente.
também sorriu educada, embora tivesse rolado os olhos na direção de Pattinson quando notou que ele havia confundido tudo.
— Duas são comprometidas! — Chris disse rápido ao ver o olhar de Benjamin direcionar-se às loiras, lembrando que o haviam chamado de "gostoso", passando o braço pelos ombros de .
— Comprometidas? No plural? — tornou com o cenho franzido, esquecendo-se por um instante do pequeno drama envolvendo .
Chris apenas sorriu de canto, sem dizer nada.
Barnes cumprimentou as duas mulheres e então virou-se para a morena, respirando fundo antes de dizer com a voz rouca;
, há quanto tempo.
— Vocês se conhecem? — Chris e Robert perguntaram ao mesmo tempo. O outro apenas confirmou com um aceno, colocando as mãos nos bolsos da calça social que usava. arriscou um olhar em sua direção, mas durou menos de dois segundos.
— Nós nos conhecemos alguns anos atrás — sorriu fraco para a mulher — antes dela se tornar essa grande medrosa — pensou, sem perceber que na realidade seu pensamento tinha saído alto e claro.
o encarou de imediato, fechando as mãos em punho. A raiva subindo por todo seu corpo.
— Como você se atreve?
Notando o clima pesado que começou a se instalar entre os dois, e sem saber direito o que fazer já que nem sabiam o que realmente aconteceu entre eles, os outros quatro amigos começaram a falar ao mesmo tempo, tentando amenizar a situação. Bem, que se dane.
— Até a última vez que eu te vi, você tinha medo de se envolver com qualquer um que tivesse uma vida pública. Irônico para uma pessoa que queria trabalhar com cinema e viver rodeada de famosos. — Ben adicionou com um sorriso debochado, apontando para as duas mulheres ao lado — Bom ver que pelo menos suas amigas não seguiram seu exemplo.
— Não fui eu quem fui embora, Benjamin.
— Ah não? E como você descreveria a situação?
Ela bufou.
— Não dá pra ir embora se a outra pessoa não está presente.
O quarteto, que estava sendo completamente ignorado pela discussão, se encarava assustado. Metade definitivamente não estava entendendo o que acontecia e a outra metade tentava desesperadamente pensar em qualquer desculpa para separar esses dois.
— Quer saber? É incrível como mesmo depois de tanto tempo, ainda não dá pra conversar com você — a morena revirou os olhos — porque não tem uma vez que não desenvolve para uma discussão!
— E agora isso também é culpa minha? — ele passou a mão pelo cabelo, frustrado. Tinha traçado um plano simples: iria sorrir, acenar e sair de perto da ex namorada o mais rápido possível. Tudo estava saindo do controle.
— Hã — resolveu se meter, incerta — Eu acho que esse não é exatamente o momento ideal para essa conversa? Porque vocês sabem, festa de divulgação, imprensa, pessoa famosa discutindo…
— O que ela tá querendo dizer — deu dois passos à frente para chegar mais perto — É que tem dois repórteres olhando pra cá e não tem como isso acabar bem.
— É gente, vamos beber e comemorar o livro e filme da ! — Chris emendou apressado.
— Ah sim, porque o que eles mais precisam é de álcool nesse momento. Vai com certeza melhorar muito o clima!
— Não, o Evans está certo. Viemos para te prestigiar, , e é isso que eu vou fazer! — sorriu duro na direção de Barnes, virando as costas no instante seguinte e passando pelo grupo, logo sendo seguida pelas duas amigas.
— O que foi isso? — Robert perguntou assustado para Ben, o qual suspirou alto, passando a mão pelos cabelos, bagunçando-os por completo.
— Parece até que vocês se odeiam… — Chris concordou, também curioso com a situação inteira.
— Por favor, a última coisa que preciso é você odiando a melhor amiga da minha namorada! Como vai ser a festa de final de ano desse jeito?
Evans conteve um sorriso.
— Acho que alguém acabou de ser desconvidado.



🎬🎬


Barnes agradeceu mentalmente por não ter ido de carro no momento em que entrou dentro do Uber. Não estava com cabeça pra dirigir e assim podia dissipar a raiva que apertava seu peito antes de chegar no hotel. Sabia que não estava com raiva da , era humanamente incapaz disso; embora outros sentimentos como decepção, tristeza, amargura e frustração estivessem bem presentes quando pensava nela. Estava com raiva de si mesmo por ter perdido o controle e discutido daquele jeito na frente de todo mundo. Mas uma vez que tinha começado a desenterrar seus sentimentos e soltar tudo o que esteve preso em sua garganta por anos foi impossível parar.
Sempre tinha se considerado um homem educado, que lidava bem com o assédio da fama e fãs que apareciam subitamente em momentos inapropriados. Mas nunca precisou fazer um esforço tão grande para sorrir educadamente e distribuir autógrafos para as pessoas que tinham conseguido se acumular no lobby. Subiu assim que encontrou uma brecha e foi direto tomar um banho quente para colocar os pensamentos no lugar, anotação mental: na próxima vez que receber qualquer convite que envolva filmes, verificar quem está trabalhando na produção.
Com a sensação acolhedora do banho, não conseguia impedir as imagens do antigo relacionamento surgirem em sua mente. e seus livros favoritos, lendo por horas a fio antes de lembrar que não estava sozinha e dar o sorriso mais lindo do mundo enquanto se desculpava. Bufou, sabia que nunca mais receberia um sorriso daqueles. Tinha passado dias inteiros pensando em como podia ter resolvido tudo quando eram mais novos se tivesse maturidade o suficiente. Não deveria ter falado que ela fugiu, por mais que isso realmente tivesse acontecido.
O maior motivo para o término foi a imaturidade de ambos, é claro que hoje entendia o motivo dela não ter dado uma chance a eles, mas na época aquilo foi como uma facada em seu peito. Não conseguia acreditar que ela nem mesmo queria tentar fazer aquilo funcionar. preferiu terminar tudo e ir embora viver sua vida longe de Barnes, e ele não conseguiu assimilar isso da forma certa. Se fosse sincero, doía até hoje pensar naquilo. Revê-la naquela noite só trouxe à tona, mais uma vez, aquela avalanche de sentimentos reprimidos dentro de seu peito. A pior parte era não ter conseguido seguir em frente.
Anos se passaram, relacionamentos vieram e se foram, mas nada mudou. E ele se odiava por aquilo. Por que não poderia simplesmente esquecer e seguir sua vida como ela havia feito?
E que merda de mundo era aquele que agora eles tinham um círculo de amizades em comum? Nem quando estavam juntos aquilo tinha acontecido.
Quanto tempo demoraria para se esbarrarem de novo em alguma festa?
Já considerava se afastar dos dois atores para evitar qualquer encontro desnecessário com ela, embora fosse realmente próximo de Pattinson e aquele pensamento parecesse irreal. A segunda opção plausível seria torcer para eles terminarem seus relacionamentos da mesma forma que terminou com ele, talvez todos sentissem raiva e poderiam formar um clube para beber e falar mal das três. Esperava que falasse tudo o que achava de errado em namorar alguém famoso e as duas voltassem atrás na ideia de relacionamento com Rob e Chris. E então se sentiu péssimo por sequer considerar torcer por aquilo, pois viu o quanto os dois estavam felizes antes de sair da festa.
Bufou frustrado, jogando-se contra a cama vestindo apenas uma boxer preta, os cabelos úmidos bagunçados conforme ele passava as mãos pelos cabelos, demonstrando sua irritação.
— Que merda de cidade minúscula — resmungou consigo mesmo, virando-se na cama e fechando os olhos, pronto para dormir o mais rápido possível e esquecer de tudo aquilo.


No dia seguinte, mais cedo do que gostaria, a campainha tocou alta demais para ouvidos humanos. Seus ouvidos humanos.
— Vá embora, — Ben murmurou, se revirando na cama — não tem ninguém em casa.
Não se dando por vencido, o som ensurdecedor soou mais três vezes em sequência, fazendo Barnes bufar. Levantou irritado, se enrolando nas cobertas e tropeçando até a sala.
— É bom alguém ter morrido para tentarem me tirar da cama uma hora dessas! — Declarou abrindo a porta com uma carranca.
Do outro lado, o loiro riu.
— Eu sabia que a noite passada tinha sido longa, mas não imaginei que ia estar nesse nível de mau humor — Pattinson comentou, olhando o moreno de cima a baixo — Cara, você já esteve melhor.
Barnes revirou os olhos, suspirando.
— Olha, eu realmente não quero conversar agora, Rob. Muito menos sobre ontem.
— Eu trouxe café, donuts e brownie — o homem levantou as sacolas em suas mãos — mas se você não quer a minha doce e maravilhosa companhia…
O moreno considerou. Fazia muito tempo que não via tanta comida americana desse jeito.
— Tá, você pode ficar. Mas só um pouco.
— Vou aceitar como uma vitória.

Ben puxou duas cadeiras no balcão da cozinha e Robert espalhou a comida sobre a mesma. Tinha a impressão de que se não tivesse passado na cafeteria mais cedo, o amigo não o deixaria entrar em casa.
Ele pigarreou.
— Eu to… hm… preocupado com você.
— Eu to bem — tentou forçar um sorriso — nada com o que se preocupar.
Pattz começou a contabilizar nos dedos suas preocupações.
— Primeiro suas cobertas estão na sala.
— Eu tropecei enquanto saia da cama.
— Você ainda tava dormindo.
— Porque ainda é cedo.
— São duas horas da tarde, Barnes. E além de tudo você nem tocou no seu café.
O homem olhou no relógio da cozinha. Merda.
— Tudo bem, que seja. Eu posso não estar na minha melhor forma mas eu vou ficar, não tem com o que se preocupar.
Robert levou a mão até um brownie, o levando a boca e mastigando lentamente.
— Nós somos amigos. Você sabe disso.
E você também namora a melhor amiga dela, pensou, se segurando para não revirar os olhos.
— E eu agradeço a preocupação, sério.
O loiro suspirou, derrotado.
— Não faz isso de novo. Quando eu te conheci você era tão reservado, não deixava ninguém se aproximar. E com o tempo você voltou a se abrir, conhecer pessoas e fazer amigos! Eu não consigo entender o que aconteceu...
— Acho que ela tem esse efeito em mim.
?
— É… Nós namoramos antes de Nárnia e toda essa loucura — ele suspirou — Eu só não achei que ia ver ela de novo algum dia, ainda mais desse jeito e argh…!
— Deve ter sido bem difícil encontrar ela na festa...
Barnes sorriu.
— E ela tava tão linda — comentou distraído — e eu consegui estragar tudo. Eu tenho agido como um babaca com todo mundo desde o segundo em que coloquei os olhos nela.
— Tá tudo bem — Pattinson tentou tranquilizá-lo — Você está passando por um momento difícil. As pessoas vão entender.
— Ela não vai.
— Talvez não agora, mas quem sabe com o tempo.
Ben revirou os olhos.
— Sabe, as pessoas costumam falar que o tempo cura tudo. Eu nunca ouvi mentira maior. Porque fazem anos que tudo acabou e eu ainda não me sinto melhor. Eu não parei de sonhar com ela em momento algum! Todas as noites em claro pensando no quanto eu gostaria de voltar no tempo e tentar arrumar as coisas — divagou — que se eu não tivesse feito uma coisa ou outra, talvez tudo ainda estivesse bem. E se tivesse, como seria a minha vida agora — balançou a cabeça em negação — e ver ela tão linda ontem a noite, distribuindo sorrisos que não eram meus e sentindo o aperto no peito em saber que eu ainda amo ela da mesma forma que antes… — Ben fechou a boca, chocado com o que tinha acabado de confessar.
Robert tentou esconder a cara de surpresa, mas Barnes já olhava diretamente para ele.
— Eu não tinha ideia de que…
— Isso não importa — o moreno respondeu, derrotado — as coisas não vão ser diferentes só porque eu quero que seja. Eu não vou ter ela de volta só porque desejo isso desesperadamente. E vou ter que me acostumar com isso.
Sem saber o que falar, Pattinson deu tapinhas nas costas do amigo.
— Eu sinto muito.
— Eu também.

Quando o loiro foi embora, depois de muito conversarem e comerem tudo o que estava no balcão, Ben decidiu que não sentiria mais pena de si mesmo. Abriu as cortinas e janelas, arrumou a cama e ligou a televisão. Tinha assinado recentemente um pacote de canais sobre música e ainda não tinha tido a oportunidade de explorar nenhum deles. No primeiro, estavam fazendo uma tarde apenas de One Direction.
— Isso parece divertido — ele deu de ombros — e nem um pouco deprimente. Exatamente o que eu estou precisando!
Os acordes iniciais eram animados, o que o fez sentir saudades da sua própria banda, muitos anos atrás. Agora, prestes a lançar um EP, achava maluco como tinha pensado que nunca voltaria a cantar profissionalmente. Quando voltou a prestar atenção na música, ela já estava no refrão.
— O refrão sempre foi minha parte favorita... — começou a dizer, quando a letra o acertou em cheio bem no meio do peito.



Did I do something stupid, yeah girl, if I blew it
Just tell me what I did, let’s work through it
There’s gotta be some way to getcha to want me like before


O homem balançou a cabeça, tentando digerir as palavras.
— Aparentemente mais alguém passou por exatamente a mesma coisa que eu…



'Cause no one ever looked so good in a dress
And it hurts cause I know you won’t be mine tonight
No one ever makes me feel like you do
When you smile, baby tell me how to make it right


— Chega! — falou um pouco alto demais, mudando para o próximo canal o mais rápido que pode — Vamos ver se eu tenho mais sorte nesse — comentou, voltando a ficar mau humorado.

No canal seguinte, Taylor Swift começava uma performance. Alguma coisa sobre estar regravando seus álbuns antigos e o programa resolveu fazer uma homenagem com algumas das músicas favoritas dos fãs. Na parte inferior da tela, o homem podia ler claramente: Enchanted.
— Pelo menos essa é sobre um casal que acabou de se conhecer — suspirou aliviado — E a letra é realmente muito boa! Meu produtor tem razão, eu deveria escutar outros artistas pop mais vezes.
Imitando um guitarrista com sua guitarra imaginária, Ben cantarolava.
— I was enchanting to meet you… Uh, agora vem a ponte! Uma vez a Jesse comentou que a Taylor criava pontes excelentes — a loira continuou a cantar enquanto ele analisava — Nossa, isso é intenso — o rosto de Barnes ia fechando conforme mais uma vez, ele se identificava com a letra — eu não sei se…



Please, don't be in love with someone else
Please, don't have somebody waiting on you
Please, don't be in love with someone else
Please, don't have somebody waiting on you


— Eu… — o homem fechou os olhos, respirando fundo enquanto desligava a televisão. Não queria correr o risco de pular para o próximo canal e ouvir a própria cantando sobre como ele era um idiota e tinha estragado tudo. Deitou no sofá, enquanto cenas do antigo relacionamento invadiam novamente seus pensamentos. Subitamente se lembrou de uma música que tinha escrito anos atrás assim que terminaram, e que ainda não tinha mostrado pra ninguém. E se fosse fazer isso, teria que ser agora.
Pegou seu celular e discou os números que já conhecia bem, ligando para seu produtor, John Alagia. Ele atendeu no segundo toque.
— John? — falou, pulando as formalidades — Ainda tem como colocar mais uma música no EP?



🎬🎬


Durante o próximo mês, tentou focar-se unicamente em seu trabalho, ignorou qualquer pensamento que não fosse referente a Barnes e havia implorado para as amigas não tocarem no assunto até que ela estivesse pronta para explicar melhor. O que, sinceramente, não achava que aconteceria tão cedo.
Ben Barnes era um assunto proibido para ela há anos. Recusava-se a pensar nele por mais de alguns poucos segundos. O que foi difícil conforme ele ganhou fama, mas ela conseguiu.
Teve, é claro, algumas recaídas ao longo dos anos, nas quais jogava o nome do homem no google e pesquisava por imagens e informações sobre ele. Lembrava-se do coração partindo todas as vezes que via algo sobre ele estar namorando alguma mulher, por mais que não durasse muito tempo. Mas se sentia orgulhosa por não ter feito aquilo há quase um ano. Um ano todinho sem pesquisar absolutamente nada sobre ele. Era um avanço e tanto!
E havia ignorado com sucesso qualquer informação que chegava a ela por Pattinson, que, aparentemente, continuava sem saber o que havia acontecido, caso contrário tinha certeza de que e já teriam comentado com ela. Fofoqueiras e curiosas como eram!
Também não sentia mais vontade de sair, sabendo que ele estava na cidade e podia aparecer em qualquer lugar já que, aparentemente, agora estavam em um círculo social muito parecido. Não ia deixar um trabalho de anos ir por água abaixo justo agora.
E foi por isso que quando se convidou para uma noite das garotas em seu apartamento, ela achou uma boa ideia. Afinal, não precisaria nem sair de casa. A loira chegou às 19h, mais cedo do que esperava, com o celular na mão para pedir as pizzas. Enquanto ela e olhavam o cardápio para decidir quais dos dez mil sabores elas queriam dessa vez, foi tomar banho e terminar de se arrumar.
— Marguerita não, — revirou os olhos enquanto examinava o cardápio — todo lugar que eu vou, parece que só tem pizza de marguerita.
A amiga riu.
— Tudo bem então, acho que estou com vontade de pizza havaiana — ela considerou.
— Hmm, vontade é? — olhou sugestivamente — E o que o Pattinson acha dessa sua vontade?
— Ele acha que se você não calar a boca, vai perder a chance de escolher e vai ter que comer outra pizza de marguerita.
A mulher suspirou, cruzando os braços.
— É por isso que eu não gosto desse homem! — exclamou cerrando os olhos — E eu vou querer pepperoni.
Com os pedidos feitos e ainda dentro do banheiro, as mulheres já com tédio, começaram a rever suas opções.
— A gente podia descer pra pegar — uma delas sugeriu, abraçando uma almofada.
— Ah não, em cinco minutos eles estão aqui.
— Essa é a vantagem de morar do lado de uma pizzaria, mas eu to tão entediada!
— A gente pode assistir alguma coisa ou…
Antes da frase estar completa, a campainha tocou.
— Viu? Eu disse que eram cinco minutos.
Elas abriram a porta e viram o entregador. Um garoto por volta dos dezesseis anos, roupas largas e fones de ouvido. As mulheres pegaram a pizza, pagaram o menino e estavam para fechar a porta quando ouviram a melodia que saía de seus fones.
— Música legal — comentou, apurando os ouvidos e ouvindo as palavras regret e really mine.
— É mesmo — completou — E eu acho que nunca ouvi. É de qual banda?
O garoto cerrou as sobrancelhas, como se tentasse se lembrar de algo.
— Você nunca ouviu porque é nova, acabou de sair! — ele sorriu, retirando os fones para conversar melhor — É daquele cara… ai eu não consigo lembrar o nome… Ah, já sei! Aquele ator que fez Nárnia.
arregalou os olhos.
— William Moseley? — perguntou.
O menino considerou.
— Não, parece que não é isso.
— Skandar Keynes? — arriscou, cruzando os dedos.
— Não não… Como é que era mesmo?
— Por favor me diz que não é Ben Barnes.
O entregador sorriu.
— Sim! É isso mesmo, aquele que fez aquele príncipe e....
As amigas se entreolharam e balbuciando alguns obrigadas, jogaram as pizzas desajeitadamente em cima do sofá e correram para ligar o notebook.
— O que eu pesquiso? O que eu pesquiso? — olhou desesperada por cima do ombro. ainda estava no banheiro, mas o chuveiro já estava desligado.
— Eu não sei, escreve qualquer coisa, ela pode sair a qualquer momento.
A mulher digitou desajeitadamente "Ben Barnes" e clicou no primeiro link: Ben Barnes "11:11" [Official Music Video] - YouTube. Plugou o fone que estava jogado no sofá e entregou uma parte para , colocando a outra no próprio ouvido e dando play no vídeo.



Nothing to regret
The rest just might be heaven
You're always but never really mine


— Isso é ruim — anunciou — muito, muito ruim.
— Talvez não seja pra ela… — murmurou, os olhos fixos na tela vendo o próprio Ben Barnes se preparando para alguma coisa.



And I won't wish to be yours or for you to be mine
But I'll wish them all for you every time



— Acha mesmo que não é pra ela?
— Eu estou tentando me manter positiva. Porque não tem sorte no mundo que vai nos ajudar a manter isso escondido por mais tempo.
— Você tem razão, tem quinhentas mil visualizações, eu to surpresa que não vimos antes… Eu sinceramente estou ofendida! Por que o Robert não me contou que Barnes ia lançar uma música hoje?
— Será que ele não sabe?
— Ben teria escondido isso dele?
— Teria se a música realmente for pra Você-Sabe-Quem.
— É isso, estamos ferradas.

If one day the stars align, you feel ready to be mine
I hope you'll find the strength to come


— CA-RA-LHO!!!! — soltou o sussurro mais alto que já tinha ouvido.
A loira concordou.
— ELE AINDA GOSTA DELA!!!!
— E o que a gente vai fazer?
— Fazer? A menos que você aceite trancar os dois em um armário até eles voltarem a namorar eu não consigo pensar em nada — sussurrou.
— Nós sabemos que ela ainda gosta dele — ponderou — e que ele gosta dela, então a única coisa que os impede é o orgulho.
— Também sabemos que ele canta muito bem...
— Quem canta bem? — apareceu em suas costas, já de pijama — O que vocês estão vendo?
fechou o notebook em um estalo. Fechou os olhos já imaginando que se o barulho fosse proporcional ao estrago, ela teria que dar outro a amiga. Bom, ela obrigaria Ben a dar outro a amiga.
— Nós estamos vendo Harry Potter! — colocou um sorriso no rosto e olhou para a amiga.
— E por que a bateu no notebook?
também colocou um sorriso no rosto, dando de ombros.
— Ta na parte que o Cedrico morre e eu sei que vocês odeiam ver essa cena, então como eu sou uma excelente amiga eu tirei.
encolheu os ombros, suspirando.
— Não sei se fico grata ou triste por vocês serem péssimas mentirosas. O que estão tentando esconder?
— Eu acho melhor você se sentar.
— Ruim assim?
— Pior… É o Barnes.



🎬🎬


começou a tremer levemente enquanto ouvia a canção. Os primeiros acordes da melodia conhecida, fizeram seu peito apertar, até hoje tinha achado que nunca mais a ouviria. A voz que tanto lhe causaram borboletas no estômago era leve no início, mas a mulher podia ouvir cada nuance e o que ele realmente queria dizer, o que ele queria passar a ela. Porque sim, ela tinha certeza de que era uma mensagem.

*flashback*

já tinha ouvido o termo “coração partido” muitas vezes até aquele momento e achou que quando chegasse a sua vez, já que eventualmente todos temos o coração partido, ela estaria preparada. Mas ninguém tinha lhe contado que era uma dor física que te impedia de respirar. Pelo céus, ela não queria ter terminado, amava Ben mais do que tinha amado qualquer pessoa até então, mas a relação estava insustentável. Eles mal se viram nos últimos meses e parecia que sempre que ficavam mais do que uma hora no mesmo ambiente acabavam se desentendendo. Ela queria apoiá-lo, estar ao lado dele e vê-lo crescer, mas os momentos ruins estavam se sobrepondo aos bons.
Não era tudo culpa dele e ela sabia disso. Mas precisava fazer o que achava certo e no momento o melhor para os dois era seguirem a vida e, quem sabe, se reencontrarem no futuro. Olhava distraidamente para a tela do celular, sem saber qual aplicativo abrir, quando chegou uma notificação: “Ben Barnes te enviou um email”. Seu coração deu um salto, apertando ainda mais enquanto se decidia se abriria ou não.
— Eu já perdi tanta coisa, né? — riu fraco — Acho que não sobrou nada dentro de mim para esse email quebrar.
Como ela estava enganada. Sem assunto ou texto, o email continha apenas um anexo intitulado .mp3. Respirou fundo e abriu, ouvindo a voz do ex-namorado ocupar seu quarto em uma música suave.



Is it late?
11 minutes past 11
It's both always but never our time
Nothing to regret


É, ela também não se arrependia. Nunca se arrependeria dele. Lágrimas rolavam por seu rosto enquanto ela tentava conter um soluço.
ouviu a música inteira, chorando mais a cada estrofe que ouvia.
Nunca imaginou que seu coração pudesse se quebrar tantas vezes por causa da mesma pessoa, mas lá estava ela, vivendo a pior dor que já havia experimentado em seus 20 anos de vida, e já não sabia dizer de quem era a culpa, se dele ou, talvez, dela mesma.
Talvez um dia eles estivessem prontos para tentarem de novo.
Talvez um dia os dois pudessem se reencontrar e continuar de onde pararam, ou recomeçar, mas sabia que não era aquele o momento.
Talvez não fosse um adeus propriamente dito, mas um até logo.

*fim do flashback*

— Eu tenho que sair daqui — murmurou, levantando e procurando alguma coisa com os olhos — Tenho que sair daqui agora.
— Amiga, pra onde?
— Você não pode sair assim!
Mas ela não estava ouvindo. Pegou a jaqueta sobre o sofá, a carteira e saiu correndo, fechando a porta às suas costas. Ao ver que o elevador não estava em seu andar, resolveu correr pelas escadas já que tinha pouco tempo e adrenalina de sobra. Chegou ao térreo ofegante, balbuciando qualquer coisa para o porteiro e tentando encontrar um táxi.
Assim que deu o endereço e o táxi virou a primeira esquina, a realidade a acertou em cheio; O que ia fazer?
O que ia falar?
Não podia apenas chegar na porta de Ben Barnes e falar oi, não é?
Pensou em pedir para o taxista voltar, se desculpar e seguir a vida tentando não pensar nele pelos próximos anos, mas não podia fazer isso de novo, já tinham perdido muito tempo.
Tentou controlar sua ansiedade respirando fundo e tentando impedir seus pés de balançarem tanto, mas sem sucesso. Conforme começou a reconhecer as ruas, soube que estava chegando. Passaram pela árvore em que tinham dado seu primeiro beijo e a esquina onde tiveram a primeira discussão. Lembranças dolorosas invadiam a mente da mulher, mas rapidamente deram lugar aos melhores momentos que passaram juntos. Antes do táxi parar, seus sentimentos tinham mudado de tristeza para determinação: Ben tinha mandado seu recado e ela estava ali para dar a resposta.
Tocou a campainha uma vez, aguardando pacientemente enquanto ouvia uma movimentação dentro da casa. Alguns segundos depois a porta foi aberta e ele estava do outro lado.



🎬🎬


O moreno franziu o cenho por um breve instante, piscando algumas vezes, querendo certificar-se de que aquilo não era alguma peça pregada por seu cérebro.
usava uma calça de pijama azul de flanela e uma camisa com desenhos de nuvens, a jaqueta estava do avesso, o cabelo comprido bagunçado, os olhos avermelhados e nesse momento ele soube que ela havia chorado. Não sabia se por ele ou por causa dele, mas no final dava na mesma, não?
Abriu e fechou a boca, sem saber qual deveria ser a primeira coisa a falar. Por fim, apenas deu um passo para trás, abrindo mais a porta e dando espaço para que a mulher entrasse em sua casa.
deu um passo incerto para dentro da sala, os olhos passando rapidamente pelo cômodo, tentando focar sua atenção em qualquer coisa na tentativa de acalmar sua mente e ordenar seus pensamentos, reparou que era tudo muito diferente do que ela se lembrava.
Respirou fundo assim que ouviu a voz suave de Benjamin, chamando-a baixinho;
— Está tudo bem? — perguntou, olhando para suas costas, sem saber o que esperar da visita. Seu coração batia acelerado, mas não queria criar expectativas. E se ela estivesse ali apenas para gritar com ele e dizer que o odeia? E se ela nem mesmo tivesse entendido a música? nunca respondeu seu email, poderia muito bem ter deletado sem nunca abrir o arquivo. Sentiu um aperto no peito, lembrando-se do número de vezes que imaginou aquela possibilidade durante os primeiros três meses do término.
finalmente virou-se para olhá-lo. Encarou-o por um minuto inteiro e ele assustou-se ao notar que ainda sabia dizer o que ela sentia apenas de olhá-la, mesmo após todos aqueles anos. Primeiro ele viu a incerteza, o nervosismo e o medo, porém, no instante seguinte ele viu a determinação nos olhos castanhos.
Fez menção de dizer mais alguma coisa, perguntar o que ela queria, mas antes de sequer formular uma frase coerente, sentiu os lábios macios da morena contra os seus, em um beijo desesperado, ansioso e apaixonado.
Apaixonado.
Aquele foi o sentimento que ele se apegou na hora em que passou os braços pela cintura da mulher, segurando-a firmemente contra si. Em seu íntimo queria que ela entendesse que a partir daquele segundo não teria mais volta, ele não a deixaria ir embora de novo.
E foi durante aquele beijo e todos os outros que se seguiram enquanto cambaleavam em direção ao quarto, em meio a suspiros, pedidos de desculpas e “eu te amo” ofegantes, que eles tiveram certeza que finalmente haviam se encontrado como deveriam e, acima de tudo, como queriam.




Epílogo

A figurinista , é a nova namorada de ninguém mais, ninguém menos que Ben Barnes! Fotos antigas postadas pelo casal nas redes sociais, comprovam que os pombinhos já se conheciam e fontes próximas do cantor confirmam que a mulher é a grande inspiração para 11:11

Um ano depois.


O ator, cantor e compositor Ben Barnes é visto saindo de uma joalheria com uma delicada caixinha em mãos. Será que o tão aguardado pedido vem aí?


FIM.



Nota das autoras: Moony: PARABÉNSSSSSS ADRIANA!!! Muitas felicidades, aventuras e historias boas pra contar. Tenha um ano incrível, a gente te ama ❤️
Padfoot: ADRIANAAAAAAA FELIZ ANIVERSÁRIO MEU AMOR!!! Você merece o mundo, mas como não podemos te dar tudo isso, a gente escreveu a fic pra não perder o costume! Tenamos adiantar em um mês, terminamos meia noite do dia 14 :) só pra não perder a tradição do atraso!
MAS O IMPORTANTE É QUE CHEGAMOS COM ELE MESMO, FINE, MAKE ME YOUR VILAN! ou nesse caso YOUR LOVER! Feliz aniversário amiga, amamos você!

Se você gostou de ler, da uma olhadinha na lista lá embaixo, tem mais 2 dessa trilogia - que dá pra entender melhor as piadinhas usadas e o relacionamento das amigas. E, claro, não esquece de deixar um comentário! Se o Disqus der erro, clica AQUI



Outras Fanfics:
Fanfics de Aniversário (no mesmo universo):
Como Eu Conheci Robert Pattinson
Como Chris Evans Me Conheceu
Potterverso:
The Black's Family Story - Prólogo 1
The Life Inside Azkaban - Prólogo 2
The Death Eater's Child - Prólogo 3
Black & Diggory
Uma Nova História
The Family's Wrong Side / CAPÍTULO 19 DE UNH
Uma Nova História II
Black & Diggory II
Black & Diggory II/Especial
Before All by Dih (acontecimentos paralelos a B&D 2)
Black & Diggory III
Black & Diggory III - A Night Out
After All by Dih (acontecimentos paralelos a B&D 3)

Feat das melhores alunas de Hogwarts: Evie Darling, Samantha Black e Sophie Winter by Moony, Padfoot & Prongs
Kisses in the 3rd Room
Kisses in Hogwarts
Kisses in the Yule Ball
Kisses on Halloween
Kisses on Vacations
Happy Birthday, Samantha

Outras Fanfics de Harry Potter:
Potterverso em que Voldemort não matou os Potter by Padfoot & Prongs
Sometimes Red, But Always Yellow
Diagon Alley Secrets
The Way to the World Cup
Dinner in Godric’s Hollow
Summer in Godric's Hollow
After Slug Christmas Party
Evie&Harry Christmas
The One-Eyed Witch Passage
The Night Cedric Diggory Broke the Rules
Potterverso em que todos os Marotos tem Filhos by Moony, Padfoot & Prongs
The Moony's Way
A Moony's Xmas
OUTRAS FANFICS
Crossover entre HP e Crepúsculo:
Cedric Diggory aka Edward Cullen
Fanfic de NARUTO com o Gaara principal:
If I Don't Let You Go
A história de Ella Morris (QUEBRAMOS A 3°, 4° E 5° PAREDE):
Backstage
On Stage


comments powered by Disqus