Você sabe qual sua vocação na terra? Qual o sentido de ter nascido? E principalmente, o porquê da vida ser vivida da maneira como é? A vida não é apenas uma sucessão de casualidades que ocorrem desordenada e aleatoriamente. Por que vivemos? O que te motiva a deixar a cama todas as manhãs? São essas perguntas que movem a vida de Aurora, que um dia acorda decidida a homenagear seu pai e no final do mesmo dia, acaba sendo a mais nova contratada da McLaren para a temporada 2021 de Fórmula Um. Enquanto tenta encontrar seu lugar no mundo, seguir o legado de alguém que ama e salvar vidas para suprir o vazio, ela busca a resposta para uma das perguntas mais antigas do mundo, porque existo? Tudo de encaixa quando esbarra com o piloto que foi inspirado por seu pai e que agora estava disposto a ser o mentor da filha daquele que foi o melhor que existiu. O que é legado para você?.


Escrita e revisada por: Rena
Contador:

Capítulos Prólogo ao 04

- Me diga, Aurora . Do que tem medo?
- Tenho medo de usar o sobrenome dele e perder. De colocar em ruínas tudo que o nome Senna significa. De me chamarem de fraude, de falsa Senna. – Cuspiu de uma vez virando o resto do conteúdo do copo, deixou o mesmo ao seu lado e espalmou as duas mãos na mesa erguendo seu corpo para cima, sentado por completo na mesa.
- Devia pensar no que é verdadeiro. No amor pelo seu pai, no seu amor pelos carros, no amor do seu povo. Estar aqui te faz feliz? – Hamilton desencostou o corpo da mesa para se postar diante dela, conseguindo assim reparar nos olhos que aglomeravam água e resplandeciam sobre a luz daquela sala no hotel de Monte Carlo.
- Sim, estar aqui me faz feliz. Sinto-me perto dele.
- E você é filha do Ayrton Senna, não é?
- Sim.
- Então use o nome, Aurora . Ele é seu. Seu por direito, seu por herança, seu porque seu pai quis que fosse.


.

Leia

Capítulos 05 ao 07

"...-Nunca senti. - Não demorou meio segundo a resposta. - Nunca senti a necessidade de tocar alguém. - Subiu sua mão pelo braço dela, e assim permaneceu subindo e descendo mantendo o carinho constante. - Jamais desejei tanto a companhia de uma mulher ao ponto de trocar todos os meus hábitos para estar mais perto. - A respiração da mulher se tornou mais pesada e acelerada, Hamilton abriu um sorriso de canto ao observar que o corpo dela respondia a seu toque, arredou o corpo para mais perto dela, com a proximidade agora suas coxas que estavam sobre as pernas dele. - Você já sentiu essas sensações, Aurora ?
- Não. - As palavras pareceram sair sozinhas de sua boca. - Eu jamais me senti assim por homem nenhum. Eu nunca amei ninguém.
- Você não conhece o amor? ..."
.

Leia

Capítulos 08 ao 10

"-Eu espero que a próxima vez que você precisar sumir, demore muito. - Disse baixo, um sopro de voz. - Eu não gostei de ficar longe de você, e acho que não quero ter que ficar mais.
-Na próxima vez que eu precisar sumir, vou te levar comigo, de alguma forma, acho que sua presença parece acalmar todos o caos que minha vida se parece. - Ele respondeu, levando seus dedos ao cabelo dela, imitando o carinho que a mulher reproduzia em si.
-Eu vou gostar de sumir com você. - Assentiu com a cabeça. - Preciso ir embora, você precisa descansar, e eu acabo atrapalhando.Fez menção de se afastar, mas não foi permitido, o braço direito dele segurou seu ombro, mantendo-a na mesma posição.
-Não vai agora. - Pediu. - Fica mais um pouco. - Ela balançou a cabeça positivamente, e relaxou sobre os braços do britânico.
E ali permaneceram, em silêncio.
Os braços dele ao redor dela, mantendo-a perto de si. Os dela, seguindo o imã que o corpo dele parecia ser, sempre puxando-a para perto, como se não houvesse outro lugar em que seu aparelho psíquico e fisiológico aprovassem mais estar.
Ambos caíram no sono, sem qualquer percepção que entraram em um limbo prazeroso.

.

Leia

Capítulo 11 em diante

"...- Então vem para os meus braços, onde é seu lugar. - Ele abriu seus braços na direção da brasileira, os olhos escuros apontando diante as luzes piscando no teto do flat, o sorriso carregado de amor, irradiando para ela paz.
Ela assentiu, não se importando com nada que ultrapasse aquele minúsculo espaço físico que a separava do homem, então jogou seu corpo, nenhum pouco preocupada se chegaria ao destino, se as escadas poderiam os derrubar, foi na direção dele, como um andarilho faminto ao encontrar o alimento.
E cada beijo que Hamilton dava em sua bochecha retratava um tremor de magnitude alta em seu inconsciente. Antes de ser amor, é alguma coisa.
Antes de ser amor, é abraço.
Antes de ser amor, é risada frouxa.
Antes de ser amor, é amizade.
Antes de ser amor, é companheirismo.
Antes de ser amor, é tudo, até se tornar amor, Aurora.
.

Leia