contador de acesso
Última atualização: 01/06/2024

Prólogo

Bianca Rossi


Quando eu era criança, meu pai costumava me contar histórias fascinantes sobre a grandiosidade de ter irmãos. Ele dizia que ser parte de uma família da máfia era uma benção, um símbolo de lealdade sagrado que transcendia qualquer coisa. Por um tempo, acreditei nisso com fervor infantil. Contudo, à medida que cresci, percebi que ter irmãos Rossi era como dançar na borda de um vulcão: emocionante, mas sempre à beira da destruição.
Caminhei em passos furiosos em direção ao quarto de , e seus soldados, sabiamente, não ousaram me parar. Com apenas um olhar meu, afastaram-se, permitindo que eu seguisse meu caminho sem obstáculos. Minha aura carregava uma mistura de indignação e frustração. A ira estava exposta em meu rosto e eu sabia que qualquer um que me olhasse, saberia pelo estampar de minhas feições que hoje não era um bom dia.
Meu irmão mais velho, Metteo, era brilhante o suficiente para liderar a máfia, mas sua inteligência muitas vezes sucumbia a imprudência, especialmente quando se tratava de mulheres. O maledetto havia se envolvido romanticamente com uma aliada, quase desencadeando uma guerra que poderia arruinar anos de uma estratégia meticulosamente planejada por mim.
Abri a porta do quarto de com força, o rangido das dobradiças ecoaram como uma melodia e o som da porta de madeira contra a parede soou como músicas aos meus ouvidos. Ao adentrar o quarto do meu irmão, fui recebida pela luxuosidade que normalmente eu admirava e lá estava ele, deitado na cama, com uma mulher qualquer ao seu lado. O sorriso convencido dele e a expressão indiferente dela combinavam de uma maneira que fazia o meu sangue inteiro ferver. Ele estava ali, deitado como um rei em seus aposentos, logo depois de quase ter causado uma guerra! Dío mio!
— Bianca, sorellina, que prazer inesperado. — A ironia na voz de era evidente.
— Prazer inexistente, . — Minha resposta foi pontuada pela amargura que borbulhava dentro de mim. A cama que ele compartilhava com qualquer mulher, as alianças perigosas que ele formava sem consultar a mim, a consigliere da família, tudo isso era um lembrete constante de sua imprudência.
A mulher, compreendendo que o seu papel naquela peça já havia se encerrado, vestiu-se apressadamente, lançando-me um olhar amedrontado antes de deixar o quarto. , por outro lado, permaneceu deitado, observando-me com uma serenidade que só aumentava a minha irritação.
— Pelo menos ela sabe quando a festa acabou.
— Alguma vez você já considerou bater antes de entrar, Bianca? — perguntou, seus olhos cintilavam indiferença.
— Você, , é um idiota! Dormir com Agnessa? Você pensa com o quê, exatamente? Certamente não é com a cabeça de cima.
suspirou, provavelmente entendendo que eu não deixaria o assunto morrer facilmente.
— Foi apenas uma decisão estratégica do momento. Agnessa e eu agora somos aliados, nada mais.
— Aliados com base em sexo casual? Que grande lealdade você conquista das pessoas que podem te matar. — O tom irônico saia de minha voz de forma natural, eu não podia conter a minha irritação e tampouco o sarcasmo que vinha dela. — Você ignorou a minha estratégia, fugiu do plano e me deixou em uma posição delicada.
— Você está grávida, Bianca. Pode pegar leve por pelo menos uma vez na vida? — Respiro fundo, tentando manter a calma, mas é impossível mantê-la quando se está diante de um Rossi.
— Estou grávida, não cega. Além disso, minha gravidez não invalida a sua estupidez, . Você não pode ser impulsivo, nossa família não pode se dar ao luxo disso! Você é o Don e eu te respeito, mas isso não te dá o direito de agir sem pensar nas consequências. Seus passos afetam todos nós.
— Eu assumi a responsabilidade de liderar esta família quando nosso pai partiu. Não vejo isso como um privilégio, eu sei que é o meu dever. Você não precisa me lembrar disso a cada passo.
— Então, aja como um líder, não como um adolescente impulsivo. Ou será que vou ter que cuidar da família e do negócio enquanto você brinca de comer a inimiga?
A troca de olhares entre nós dois permaneceu intensa, sentou-se na cama, com o lençol sobre seu quadril e levou as mãos até a cabeça, bagunçando mais dos cabelos escuros.
— A aliança com a Bratva é crucial para a segurança da famiglia. — A forma como ele tentava justificar suas ações mantinha minha expressão endurecida. Eu sabia que a aliança era importante, mas Dmitri poderia ter considerado uma ofensa e ter iniciado uma guerra. Todos sabiam a fama dos Mozorov. O líder da Bratva costumava utilizar sua filha não apenas como uma peça em seu tabuleiro de xadrez, mas como um símbolo de poder e controle, claro que uma interrupção de nos levaria ao caos imediato.
Além disso, os russos mantinham o sexo como uma legitimação do casamento e das alianças provenientes dele. Agnessa e não tinham casado, eles tinham fodido. Por pouco, quase foderam com tudo.
Essa união imprudente poderia ter desencadeado uma reação em cadeia de consequências catastróficas. Os russos eram conhecidos por sua feroz lealdade às tradições e à honra, e uma afronta como essa poderia levar a represálias impiedosas.
— Crucial para a segurança da famiglia ou para a sua libido? Não me diga que agora você confunde uma aliança estratégica com uma noite de prazer passageira. — Os olhos de fixam-se aos meus, impaciente, faiscando com uma teimosia característica. — Você não entende o risco que correu? Dimitri é perigoso.
— Eu sei lidar com os russos, Bianca. Não subestime minha capacidade de negociar. — Ele ergueu a sobrancelha, em um tom desafiador e eu ri. Gargalhei.
— Negociar? O que você fez não foi uma negociação, foi uma provocação. Os russos consideram o ato carnal como uma confirmação de compromisso, e você e Agnessa trataram isso como uma simples troca de favores. — Meu tom era impiedoso, eu tentava refletir a gravidade da situação. Por mais que se parecesse um exagero meu, não era. Dmitri Mozorov não era apenas um líder sádico da máfia russa, ele seria capaz de desencadear uma guerra que mataria milhares de pessoas, ninguém escaparia, nem mesmo o filho que eu carregava.
Quando estava prestes a rebater, a figura sonolenta de Roman, nosso irmão caçula, apareceu na entrada do quarto.
— Vocês dois podem parar de gritar? Alguns de nós estão tentando dormir, sabem? — Roman murmurou, esfregando os olhos para afastar o sono.
Tanto eu quanto meu irmão mais velho direcionamos os olhares para o mais novo, a incongruência de Roman, com seus cabelos desalinhados e olhos ainda meio fechados trouxe um certo humor à cena.
— Volte para a cama, pupetto. Estamos tendo uma conversa de adultos aqui. — Murmurei, contendo a raiva em minha voz. Roman tinha vinte e quatro anos e, apesar de não ser nenhuma criança, tanto eu quanto havíamos concordado em poupá-lo de situações que poderiam ser evitadas.
Eu e tivemos um amadurecimento precoce, com sacrifícios além do nosso tempo, prometemos que Roman não teria.
— Conversa de adultos ou guerra civil? Porque a gritaria está elevando o meu nível de estresse pré-sono. — Ele bocejou, esfregando a nuca.
Sorellina, vamos continuar esta conversa mais tarde. — pediu, em um suspiro, o que rapidamente me arrancou uma risada amarga.
— Continuar? Eu mal comecei a expressar minha decepção com suas escolhas, .
— Por favor, se o objetivo é acordar toda a casa, continuem então. Estou pensando em criar uma taxa de perturbação noturna. — Roman bocejou novamente, apoiando-se na porta. Ele nos olhava como se estivesse assistindo a um drama familiar de televisão.
Respiro fundo, acalmando um pouco mais dos meus nervos e caminhei até o loiro, ficando na ponta dos pés para dar-lhe um beijo na testa. — Dio mio, dê mais juízo a este aqui do que deu ao mais velho. — Roman esboçou um sorriso sonolento, devolvendo-me o beijo na testa.
— Acho que ele só pode fazer milagre com um Rossi por vez.
cruzou os braços, levemente enciumado, enquanto lançava um olhar significativo para Roman.
— Se tem alguém que não tem juízo aqui, Bianca, esse alguém é certamente Roman.
Roman soltou uma risada, aproveitando a provocação.
— Quem diria que o grande Don Rossi tem inveja de mim apenas porque sei me divertir sem gerar uma crise internacional. Você deveria tentar, fratello.
O mais velho suspirou, olhando Roman com impaciência.
— Cala a boca, ragazzo. — Resmungou, antes de voltar sua atenção para mim. — Bianca, eu sei o que estou fazendo, confie em mim. Às vezes é preciso agir por impulso, isso se chama intuição.
— Impulso? , estamos na máfia, não em um romance de verão. — Minhas palavras saíram com uma intensidade que refletia a tempestade de emoções dentro de mim.
O olhar desafiador dele encontrou o meu, e por um momento, ficamos ali, em um impasse silencioso. Eu sabia que não podia mudar meu irmão teimoso, mas precisava fazê-lo entender o peso de suas escolhas. Era a minha função, no entanto, sabendo que não adiantaria continuar neste assunto agora, me aproximo dele e o abraço assim que ele põe suas roupas. Ele acaricia minha barriga e beijo-lhe o rosto enquanto ele está sentado, já que em pé eu não o alcançaria em seus quase um metro e noventa.
— Seja mais cuidadoso, mio sole. Eu não posso consertar todas as suas burradas. — Deixei a ameaça pairar no ar antes de me virar e sair do quarto, deixando-o com sua teimosia e inconsequência.
Roman, ainda de pé na porta, murmurou consigo mesmo enquanto se afastava:
— Ah, alegria de ter uma família normal...
A porta se fechou, deixando Roman sozinho no corredor. Ele suspirou, coçando a cabeça, antes de se virar e se dirigir de volta ao seu próprio refúgio noturno.
Eu amava meus irmãos, mas amá-los também significava trazê-los à realidade quando era necessário. Cada palavra dura era um lembrete do vínculo forte, mas complicado, que compartilhávamos como famiglia Rossi. Enquanto eu caminhava pelo corredor, as emoções tumultuavam dentro de mim, uma mistura de preocupação, frustração e, apesar de tudo, um amor inabalável que eu sentia por esses dois idiotas.
Eu sabia que, no final das contas, estava cumprindo meu papel como consigliere e irmã. As decisões de podiam ser impulsivas, mas também eram movidas por uma lealdade feroz à família Rossi. Eu só esperava que essa lealdade, misturada com a impulsividade, não nos levasse a um abismo do qual não poderíamos retornar.


Capítulo 1

Rossi


O som ritmado dos meus passos na esteira ecoava na academia privativa. Gotículas de suor escorriam pela minha testa enquanto eu corria, a monotonia do movimento mecânico contrastava com a turbulência de pensamentos que invadiam a minha mente. A voz de minha consegliere ecoava por minha cabeça, suas palavras eram como punhais afiados.
Ela era insuportavelmente estratégica, meticulosa em suas análises, e eu a admirava mesmo quando discordava. Bianca possuía uma mente afiada que navegava pelo tabuleiro da máfia com uma habilidade impressionante. Eu admirava sua astúcia, embora relutasse em admitir isso. A verdade era que, sob a fachada de indiferença, eu reconhecia a veracidade das suas preocupações.
A conversa recente sobre Agnessa ainda estava em minha mente. Ela era uma russa belíssima, com uma reputação que precedia qualquer tentativa de aliança. A verdadeira questão estava na confiabilidade dela e na aceitação do seu pai em relação a uma aliança que não envolvesse um casamento tradicional. Os russos eram intransigentes em suas tradições, casando-se apenas entre os seus. Russos casavam com russos, italianos com italianos. A verdade doía, e eu sabia que, mesmo que houvesse uma faísca de interesse entre Agnessa e eu, a ideia de uma aliança de casamento era uma quimera.
Eu acelerava o passo na esteira, tentando afastar os pensamentos tumultuados que Agnessa provocava. Uma mulher como ela podia ser um trunfo, mas também uma armadilha.
Aos trinta e dois anos, a expectativa para que eu contraísse matrimônio tornava-se uma sombra crescente em meu caminho. As conversas nos círculos da máfia e até mesmo dentro da minha própria famiglia eram um eco constante sobre a necessidade de uma aliança matrimonial. A escolha da futura donna, no entanto, era um dilema que eu levava com muita incerteza.
Agnessa, a russa que ocupava meus pensamentos, era uma opção impossível. Seu destino já estava traçado, vinculado a um casamento marcado por seu pai para os próximos meses. A máfia russa, impiedosa em suas tradições, não permitiria desvios em seus códigos rígidos.
Casar-se não era apenas uma formalidade; era uma estratégia que moldaria o futuro da famiglia. A escolha errada poderia resultar em desavenças, e a máfia era um terreno fértil para desconfianças e traições.
Enquanto o suor misturava-se às sombras que dançavam na academia, uma certeza se solidificava em minha mente: a decisão sobre meu casamento seria minha e de mais ninguém.
Em minutos a porta da academia se abriu, revelando a figura descontraída de Roman, meu irmão mais novo e capo da famiglia. Seus olhos azuis brilhavam com uma mistura de curiosidade e diversão, como se ele pudesse sentir a tensão dos meus pensamentos no ar.
— Ah, olha só quem está tentando quebrar a esteira novamente. — Roman entrou com um sorriso torto e sarcasmo evidente em sua voz. — Você devia ir mais devagar. Eu não quero ter que explicar pra Bianca como me tornei Don depois de você acabar morto debaixo desse troço.
Eu suspirei, desacelerando a esteira e balancei a cabeça, ignorando a provocação.
— Eu sei cuidar de mim mesmo, Roman. Não preciso de um guarda-costas na academia.
Ele sorriu, pegando alguns pesos.
— A propósito, Bianca mencionou algo sobre escolher uma donna para você. Alguma candidata em mente, ou está esperando um milagre?
Suspirei, sabendo que a questão do casamento estava sempre pairando sobre mim.
— Estou considerando minhas opções. Não é uma decisão que se toma da noite para o dia.
Roman arqueou as sobrancelhas, fingindo surpresa.
Rossi, o Don, indeciso sobre qual boceta irá foder? Este é um dia histórico.
— Cuide dos seus próprios assuntos, Roman. Eu não preciso de conselhos amorosos de um Capo que evita compromissos como o diabo evita água benta.
Ele riu, erguendo as mãos em rendição.
— Tocou num ponto sensível, irmão. Prefiro deixar os corações para os românticos como você. — O sorriso zombeteiro de Roman desapareceu aos poucos. Seus olhos azuis perderam um pouco da jovialidade enquanto ele suspirava. — Inclusive, temos um assunto a lidar... Amanhã faz três anos que o Lorenzo morreu, e você ainda não colocou ninguém no lugar dele dentro da famiglia. Sei que vocês eram amigos, mas não acha que está na hora de mover a página?
Encarei Roman com uma expressão séria. Lorenzo era um assunto delicado, uma ferida que, mesmo após tanto tempo, não havia cicatrizado completamente. Seu papel na famiglia não podia ser simplesmente substituído, não por mim.
— Eu sei que é um ponto sensível, , mas não podemos deixar esse vazio por muito tempo. A famiglia precisa de alguém para ocupar o lugar dele.
Eu mantive meu olhar fixo no horizonte, relutante em mergulhar nas memórias que a menção de Lorenzo trazia à tona. Ele não era apenas um subordinado; Lorenzo era um amigo, um confidente que compartilhava das mesmas convicções e lealdade à família Rossi.
— Não é algo que eu possa simplesmente substituir. Lorenzo não era apenas um membro da famiglia; ele era um Rossi. Eu não vou colocar alguém no lugar dele apenas por preencher o vazio. A lealdade dele não pode ser replicada.
Roman assentiu lentamente, reconhecendo a verdade nas minhas palavras. Lorenzo era irreplaceável, e qualquer tentativa de substituí-lo seria um desrespeito à sua memória.
— Eu entendo, . Mas a famiglia precisa de um braço direito, alguém para assumir as responsabilidades que Lorenzo desempenhava. Não podemos deixar um vácuo de poder por muito mais tempo.
Meus punhos involuntariamente se cerraram.
— Para isso eu tenho Bianca e você, porra.
A resposta saiu mais áspera do que eu pretendia. Bianca, como minha consigliere, já desempenhava um papel crucial nas decisões estratégicas da famiglia. E Roman, como o Capo, tinha sua própria quota de responsabilidades. A sugestão de Roman tocava em um ponto sensível, e eu não estava pronto para admitir que a dor da perda de Lorenzo ainda reverberava em cada decisão que eu tomava.
Roman manteve o olhar firme, sua expressão era um misto de compreensão e determinação.
— Bianca é brilhante, e eu sou um ótimo Capo, mas não podemos cobrir todas as lacunas, . Lorenzo era único, mas a famiglia não pode se dar ao luxo de ter um vácuo de poder por muito tempo.
Eu respirava fundo, controlando a frustração que ameaçava transbordar. A máfia, como sempre, não esperava por lamentos prolongados. O jogo continuava, e eu sabia que Roman estava certo, mesmo que relutasse em aceitar.
— Eu sei, Roman. Darei um jeito nisso quando for o momento certo. Por enquanto, precisamos focar nos negócios e garantir que a famiglia permaneça forte.
Roman assentiu, parecendo satisfeito com minha resposta. Ele compreendia que a dor da perda de um amigo não podia ser apressada ou resolvida por meio de decisões apressadas. Eu não me permitia demonstrar os sentimentos, mas meus irmãos conseguiam percebê-los sem esforço.
— Você é o Don, . O momento certo é quando você decidir que é.
Agradeço a compreensão do meu irmão com um aceno de cabeça antes de caminhar até o frigobar e pegar uma garrafa de água mineral. Eu gostava da sinceridade que meus irmãos tinham, apesar de encherem o saco, às vezes.
— Vai viajar amanhã? — Roman perguntou, com os olhos curiosos.
— Sim, não negligencio as minhas promessas.
— Quer companhia?
— Não, preciso fazer isso sozinho. — Respondi, fechando a porta do frigobar. A solidão da jornada até o cemitério era uma parte do meu compromisso anual.
Roman assentiu mais uma vez, respeitando a decisão. Os laços familiares entre nós eram fortes, e a confiança mútua permitia que cada um de nós enfrentasse os desafios à sua própria maneira.
Antes de me retirar, Roman deixou escapar um sorriso leve.
— Cuide de si mesmo, irmão. E, se precisar de alguma coisa, sabe onde me encontrar.
— Cuide da Bianca e daquela criança, per Dio.
Um aceno de agradecimento foi a minha resposta enquanto saía da academia. A noite avançava, e eu sabia que as próximas horas seriam dedicadas à preparação para a viagem. A máfia não descansava, mas em meio às sombras dos negócios e do poder, sempre haveria espaço para honrar as promessas feitas no silêncio das lápides. Principalmente quando a morte de um amigo tinha passado por minhas mãos. A culpa pesava sobre meus ombros como um fardo inescapável.
A liderança tem seu preço, mas o custo pessoal é algo que nenhuma posição de poder pode amenizar.


Capítulo 2

Rossi


O eco silencioso da mansão Rossi parecia intensificar-se à medida que eu me movia pela escuridão da noite. Era o aniversário de morte de Lorenzo, um compromisso anual que eu mantinha como uma promessa silenciosa a um amigo perdido. A rotina de arrumar a mala antes do amanhecer tornara-se uma tradição, uma jornada pessoal para honrar a memória daquele cuja vida fora ceifada por minhas mãos.
O chiar dos zíperes cortava o silêncio enquanto eu organizava minhas roupas e pertences necessários para a viagem ao cemitério. O traje formal era a vestimenta de respeito que eu usava para enfrentar as sombras do passado, enquanto carregava o peso das decisões que me trouxeram até aqui.
Ao sair do quarto, o corredor escuro se estendia à minha frente, cada passo ecoando nas paredes ornamentadas. As sombras projetadas pela luz da lua filtravam-se pelas janelas, dando um tom melancólico à mansão que era, em sua essência, um palco de tramas familiares.
Descendo as escadas com passos medidos, me deparei com Bianca. Seus olhos, penetrantes e perspicazes como sempre, encontraram os meus. Ela conhecia a tradição que me levava para longe na escuridão da noite. O silêncio entre nós carregava a compreensão não dita das responsabilidades e dos fardos que carregávamos como líderes da máfia Rossi.
— disse ela, sua voz contendo uma seriedade que só se intensificava na penumbra da noite.
— Bianca — respondi, no mesmo tom.
Ela estudou-me por um momento, como se pudesse decifrar os pensamentos que eu guardava cuidadosamente atrás de uma expressão imperturbável.
Bianca é uma presença constante e complexa em minha vida. Nascemos no seio da escuridão Rossi, fomos criados sob as mesmas sombras que moldaram o destino do nosso pai, no entanto, ela sempre foi mais firme. Ela é a voz que ecoa em minha mente quando a escuridão ameaça consurmir-me. Nossa relação é um emaranhado de conflitos, mas principalmente lealdades.
Bianca é a única que ousa desafiar minhas decisões, questionar meus motivos e, de certa forma, manter-me ancorado à humanidade que a máfia muitas vezes tenta corroer. No entanto, isso não significa que nossos caminhos não tenham sido permeados por tensões.
Lembro-me vividamente do momento em que Bianca me revelou sua gravidez. Uma notícia que, mesmo para um líder como eu, reverberou como uma bomba na tranquilidade aparente da mansão Rossi. Eu não queria minha irmã grávida, menos ainda sem que houvesse um casamento. Mesmo que eu matasse qualquer um que a julgasse, a ideia de tê-la como mãe solteira me abalou profundamente. No entanto, Bianca sempre esteve fora de quaisquer padrões.
A notícia quase me levou à loucura. Lembro-me de ter contemplado a ideia de eliminar todos os homens que se aproximaram dela nos últimos meses, uma reação visceral ao instinto protetor que despertava em mim. No entanto, fui impedido por ela mesma. Bianca sorriu e, com uma calma que contrastava com a tempestade em minha mente, me acalmou.

Antes.

Bianca, com sua típica calma que tantas vezes me desconcertava, decidiu que era o momento certo para compartilhar uma notícia e nos reuniu na sala. Um sorriso sutil curvou seus lábios, como se ela estivesse ciente do impacto que suas palavras teriam sobre mim.
Eu estava sentado em uma poltrona, a tensão no ar se intensificando conforme percebia a seriedade em sua expressão. Roman parecia tenso, como se antecipasse uma tempestade que se formava no horizonte.
— Estou grávida — anunciou ela, sem rodeios, e as palavras pairaram no ar como uma bomba prestes a explodir.
Roman desviou o olhar, sua expressão era uma mistura de apreensão, mas não havia surpresa. Eu, por outro lado, senti uma fúria ardente borbulhando dentro de mim.
Grávida.
— Grávida? — Minha voz soou mais áspera do que eu pretendia. O choque inicial deu lugar à irritação. — Bianca, quem é o pai? Quando vai ser o casamento? — A fúria tomou conta de mim quando ela gargalhou, mantendo-se tão calma que irritava.
— Não terá casamento, irmão.
— O filho da puta te abandonou? Quem é o desgraçado, sorellina?
... — Roman iniciou, mas foi interrompido por Bianca.
— Eu escolhi fazer isso sozinha. Eu não fui abandonada, mas quem abandonou. — respondeu ela, e seu sorriso tranquilo desafiou a tempestade que se formava em meu interior.
A fúria dentro de mim crescia, uma onda implacável que ameaçava engolir tudo em seu caminho. Em um impulso, levantei-me da poltrona, determinado a tomar medidas extremas para proteger a honra da famiglia Rossi.
Sem hesitação, dirigi-me ao lugar onde guardávamos as armas. Pegando duas pistolas, frias e letais, que se tornariam minhas aliadas na busca por justiça, pelo menos aos meus olhos naquele momento. Carreguei-as com munição, meu olhar fixo no objetivo de eliminar qualquer homem que tinha ousado se aproximar de Bianca nos últimos quatro meses.
A sala estava impregnada de tensão quando retornei, as armas em minhas mãos indicando a tempestade que rugia dentro de mim. Minha irmã, no entanto, não demonstrou medo. Ao contrário, ela riu, uma risada que cortava o ar e desafiava a ferocidade que eu sentia.
, per Dio, você não pode resolver isso assim. — Sua voz, embora calma, continha uma força inabalável. Minha ameaça de vingança pairava no ar, mas Bianca, com uma serenidade admirável, aproximou-se de mim. Com determinação, ela estendeu a mão para retirar as armas de minha posse, uma tentativa de acalmar o furor que me consumia. — Você acha mesmo que matar alguém resolveria alguma coisa? — indagou ela, olhando diretamente nos meus olhos. — Isso só traria mais problemas para nossa família. Essa não é a solução.
— Não é a solução? — Minha voz era um rugido, a sala parecia encolher com a intensidade da minha ira.
A resistência de Bianca em aceitar a violência como solução começava a penetrar a névoa de raiva que obscurecia meu julgamento. Ela retirou as armas de minhas mãos, depositando-as em um lugar seguro, e em seguida, com gentileza, segurou meus braços.
— Você é meu irmão mais velho, eu entendo a responsabilidade que carrega. Mas não precisa resolver isso dessa maneira. — Seu tom era calmo. — , eu escolhi trilhar esse caminho sozinha, e não quero que você sufoque essa escolha com raiva e impulsividade. Aceite minha decisão sobre minha gravidez, assim como aceita meus planos, e também aceita que sua vida, muitas vezes, fique em minhas mãos. Se confia em mim para entregar-me sua vida, confie em mim sobre minhas decisões a respeito da minha própria.
As palavras dela ecoaram na sala, desafiando a tempestade interna que rugia dentro de mim. Olhei nos olhos de Bianca, buscando compreender o significado mais profundo de suas palavras. Ela não estava apenas afirmando sua independência, mas também clamando por compreensão e apoio.
Após um breve momento de silêncio, minha expressão endurecida começou a ceder. A raiva que me consumia lentamente se transformava em uma aceitação relutante.
— Bianca, eu... — minha voz saiu mais branda, e percebi que a resistência estava se desvanecendo. — Eu confio em você, sorellina. Se confio minha vida em suas mãos, devo também confiar em suas escolhas.


Agora.

— Cuide-se, mi sole. — As palavras dela carregavam uma preocupação genuína, e eu assenti em reconhecimento, antes de continuar meu caminho rumo à noite sombria que me aguardava. O cemitério, com suas lápides silenciosas, esperava para testemunhar mais uma vez a promessa feita na escuridão.

[...]


O céu noturno estendia-se sobre Montefiori, revelando uma tapeçaria de estrelas que pontuavam o firmamento como testemunhas silenciosas da jornada que me levou ao cemitério da pequena cidade toscana. O aroma fúnebre das flores e a quietude do local eram interrompidos apenas pelo sussurro leve do vento entre as árvores, enquanto eu observava o túmulo de Lorenzo de uma distância respeitosa.
— Espero que, de onde quer que esteja, veja que cumpri minha promessa. Estou cuidando dos seus irmãos, . — Murmurei, afastando-me da lápide em seguida.
Contudo, a serenidade da noite foi abruptamente interrompida pelo estampido de um tiro, um clarão de dor que se irradiou de meu ombro. A emboscada atingira seu alvo, e instintivamente, busquei abrigo atrás de uma lápide robusta, ignorando a dor enquanto conseguia, abri o meu paletó, retirando dali duas armas de pequeno porte, mas o suficiente para minha defesa.
O zumbido do disparo ainda reverberava quando me deparei com a escuridão que escondia meu atacante. A lua, indiferente à violência, iluminava os contornos das lápides, mas o agressor permanecia nas sombras. Cada som se intensificava, o farfalhar das folhas, o ranger distante de uma porta, tudo dificultava os movimentos enquanto eu tentava discernir a posição do inimigo.
As armas pesavam em minhas mãos, minha respiração era controlada, e a dor persistente no ombro servia como lembrança de minha vulnerabilidade.
Os segundos se desdobravam como horas, e a decisão de agir era iminente. Com uma mira precisa, atirei na direção do vulto que se movia sorrateiramente. O som do disparo rompeu o silêncio noturno, ecoando entre as lápides, mas meu adversário, mesmo ferido, conseguiu escapar de minha mira.
Com passos cautelosos, afastei-me do campo de batalha improvisado, guiando-me pela intuição até a casa de Lorenzo. A dor persistia, mas a determinação me impelia adiante. Adentrando o refúgio familiar, mergulhei na escuridão.
Ao me aproximar da casa de Lorenzo, a silhueta imponente de dois dobermans emergiu das sombras, delineando suas formas musculosas e o brilho intenso de seus olhos. Os cães, lançaram um coro de latidos estridentes, como um aviso ressoante que ecoou pela quietude da noite.
A princípio, os rosnados indicavam desconfiança, antecedendo o ataque, uma resposta instintiva à presença desconhecida. No entanto, à medida que meus contornos se tornaram mais visíveis na penumbra, os dobermans, reconhecendo-me, interromperam abruptamente sua manifestação vocal.
A tensão no ar dissipou-se quando os olhares intensos dos cães se suavizaram. Conheciam-me, sabiam que eu não era um intruso indesejado. Seus corpos majestosos, antes tensos e alertas, relaxaram quando, em um gesto de respeito, deitaram-se no chão.
— Bons garotos. — Sussurrei, mantendo o tom de voz baixo para que ninguém me escutasse.
Caminhei pelo interior da casa, guiado pelo instinto e pela memória dos anos compartilhados com Lorenzo. O caminho familiar me levou até o banheiro, onde a luz, ao ser acesa, revelou a extensão do estrago causado pelo ataque noturno.
Ao fitar o espelho, deparei-me com minha própria expressão séria. O ombro ferido pulsava, latejante com a dor aguda. A camisa manchada de sangue denunciava a intensidade do confronto, mas minha atenção se voltou para o espelho, refletindo a resolução nos olhos determinados.
Com cuidado, retirei a camisa, expondo o ferimento que marcava meu ombro. A ferida, agora visível na luz do banheiro, revelou-se profunda, e a bala alojada nela era uma testemunha do que acontecera. Algum filho da puta tinha tentando me matar. Meu semblante impassível escondia a dor física, mas a mente sempre estratégica já trabalhava para decidir os próximos passos.
Respirei fundo, ciente da necessidade de agir com cautela e eficiência. A bala precisava ser removida para que a cura pudesse começar. Com as mãos firmes, iniciei o processo delicado de extrair o projétil, cada movimento executado com a precisão que a situação demandava.
A luz do banheiro destacava a tensão no meu rosto enquanto eu trabalhava, e a água corrente ajudava a limpar a ferida. O toque da água gelada era um contraste bem-vindo à ardência que persistia.
A bala, agora removida, descansava na palma da minha mão, um artefato que seria guardado como lembrança. Após limpar e cuidar do ferimento da melhor forma possível, permaneci sem camisa.
A sensação de fraqueza era evidente à medida que eu permanecia na casa de Lorenzo. O ferimento em meu ombro, embora tratado superficialmente, ainda pulsava com uma intensidade que denunciava a perda de sangue. Consciente de que não seria seguro sair imediatamente, decidi permanecer no refúgio conhecido, pelo menos até ter certeza da ausência de ameaças externas.
Caminhei pelo corredor da casa, guiado pela memória e pela necessidade de encontrar um local para me recompor. Cheguei ao quarto de Lorenzo. Ao adentrar o quarto, meu olhar percorreu os móveis familiares, agora resguardados pela poeira do tempo. Em um gesto instintivo, dirigi-me ao guarda-roupa e busquei entre as peças de vestuário, procurando uma camisa que pudesse substituir a minha manchada de sangue.
— Coloque as malditas mãos para cima ou irei estourar todos os seus miolos. — A voz feminina cortou o silêncio do quarto com uma ordem firme.
A dor pulsante em meu ombro tornava difícil o movimento, mas ergui as mãos na altura do peito, mais devagar do que a ordem exigia. A presença imponente dos dobermans, agora lado a lado da mulher, adicionava uma camada extra de tensão à situação.
Ao fechar a porta do guarda-roupa para encará-la, a mulher permaneceu como uma sombra, seus olhos iluminados por uma intensidade feroz sondavam cada movimento meu. A expressão de descontentamento se refletia em meu rosto impassível, enquanto o sangue no meu ombro continuava a ser uma lembrança viva da emboscada anterior.
— Traidores filhos da puta. — murmurei, mirando fixamente os animais, que agora me encaravam quase com desdém, o xingamento, no entanto, era mais para mim mesmo do que para ela ou para os cães.


Capítulo 3



O cheiro familiar da casa de Lorenzo acolheu-me ao chegar. Havia anos desde que ela fora entregue a mim após a morte do meu irmão, e ainda era difícil lidar com a saudade que aqueles cômodos carregavam. No entanto, a luz acesa no banheiro despertou um alerta dentro de mim, incitando-me a agir com cautela.
Silenciosamente, alcancei a arma que mantinha escondida, preparada para qualquer eventualidade. Os passos eram como sombras na penumbra enquanto me aproximava furtivamente do quarto de Lorenzo. Minha mente reconhecia a importância de sempre estar um passo à frente, de antecipar o inesperado.
Ao empurrar a porta entreaberta, a cena revelou-se diante dos meus olhos. Um homem, sem camisa, permanecia próximo ao guarda-roupa, onde uma poça de sangue denunciava a violência que ali ocorreu. A surpresa estampou-se no meu rosto, mas não hesitei.
Mirando a arma na direção do intruso, fiz-me presente.
— Coloque as malditas mãos para cima ou irei estourar todos os seus miolos. — ordenei com firmeza, meu olhar expressando a determinação necessária para enfrentar o desconhecido naquele momento tenso. O brilho frio da arma refletia a seriedade da situação, enquanto eu aguardava, pronta para reagir conforme as ações dele moldassem o desenrolar daquele encontro inesperado.
— Traidores filhos da puta. — O ouvi murmurar, direcionando o xingamento para os meus cachorros.
— Três passos para trás. Agora.
O homem ferido permaneceu onde estava, mas obedeceu às ordens, dando os três passos para trás que eu exigira com firmeza. Seus movimentos eram lentos, marcados pela dor que o afligia pelo ombro que ainda sangrava.
O silêncio pesado, interrompido apenas pelo som abafado dos meus passos recuando, dominava o ambiente. A arma permanecia firmemente direcionada ao intruso.
— O que está fazendo aqui? — indaguei, a voz mantendo-se firme e inquisitiva. A necessidade de compreender as intenções daquele homem guiava minha determinação em proteger a casa que um dia fora lar do meu irmão.
A resposta, no entanto, foi uma pergunta inesperada.
— Foi você que tentou me matar no cemitério?
Arqueei uma sobrancelha, surpresa. Neguei com a cabeça, mantendo a arma direcionada.
— Não, mas posso conseguir fazer isso agora.
O homem continuava a encarar-me sem expressão, como se a dor que devia estar sentindo não deixasse transparecer em seu rosto.
— Quem é você? — indaguei, mantendo a voz firme, enquanto o encarava com olhos inquisitivos. Ele demorou um instante antes de responder, como se avaliasse a relevância da informação que estava prestes a fornecer.
.
, hein? — murmurei, mantendo a postura ameaçadora, embora uma pontada de curiosidade tenha se infiltrado em minha voz. — Você deve saber que invadir a casa de alguém não costuma ser bem recebido.
— Essa é sua casa? — Ele perguntou, expressando surpresa pela primeira vez.
— Sua, com certeza, não é. Eu posso atirar em você, sabia? Alegar que você é um tarado, louco, assassino e ladrão.
— Não sou ladrão.
— É só isso que você vai negar?
— É só isso que é mentira.
Sua expressão permanecia inalterada, como se as minhas ameaças fossem apenas zombarias irrelevantes. Era desconcertante como ele parecia não se abalar.
— Então, se não é ladrão, por que estava sendo atacado lá fora? Inimigos? Aposto que tem muitos, considerando seu charmoso comportamento — provoquei, mantendo a postura defensiva, ainda com a arma apontada para ele.
O homem que agora eu sabia que se chamava , olhou-me nos olhos, uma faísca de desafio presente em seu olhar.
— Eu não sou alguém que precisa se esconder atrás de ameaças ou armas. — A voz dele era firme, revelando uma confiança que me irritava profundamente.
— Bem, parece que você está precisando de alguma coisa, considerando o estado em que se encontra. — Ele não respondeu.
— Você ao menos sabe usar essa arma?
Sem pensar muito, direcionei-a ao abajur do lado da cama de Lorenzo e disparei, fechando os olhos com o estrondo antes de voltar a atenção para o homem à minha frente.
— Isso responde sua pergunta?
A fumaça se espalhou lentamente, acrescentando um elemento visual ao nosso embate silencioso. No entanto, a expressão de permaneceu inabalável, como se aquela demonstração não fosse mais do que um simples gesto insignificante em sua realidade.
O som do disparo ainda ecoava no ar quando , em um movimento rápido e preciso, se aproximou de mim, desarmou-me e prendeu minha mão contra a parede. O contato brusco fez-me soltar um grito surpreso, mas ele manteve a expressão inexpressiva, advertindo-me a ficar quieta.
Cazzo! O que você está pensando? — Minha indignação escapou em um sussurro furioso enquanto tentava me libertar de seu domínio, mas quanto mais eu tentava me soltar, com mais força ele segurava.
aproximou-se, seu rosto a centímetros do meu, sua expressão inabalável. Ele sussurrou ameaçadoramente:
— Fique quieta. Um tiro pode atrair mais problemas do que você pode lidar.
Engoli em seco, meu desafio se transformando em cautela. A sensação do toque frio da arma ainda persistia, enquanto ele mantinha uma postura dominante.
— Quem diabos é você, e por que alguém estaria atirando em você?
Ele permaneceu em silêncio por um momento, como se estivesse ponderando sobre a resposta adequada. Finalmente, com um tom sério, respondeu:
— Não é da sua conta.
Meu olhar encontrou o dele, uma mistura de indignação e curiosidade.
— Parece que é da minha conta agora. Esta é a minha casa, afinal.
soltou um suspiro audível, como se a minha presença fosse um incômodo.
— Você realmente não tem ideia do que está acontecendo, não é? Uma garotinha brincando com armas.
A raiva ferveu dentro de mim, e minha resposta foi impulsionada por um desejo de desafiá-lo.
— Pelo menos eu sei em qual direção atirar.
O olhar penetrante de intensificou-se, um sorriso sutil brincando em seus lábios.
— O que quer dizer com isso?
— Quero dizer que, ao contrário de alguns, eu sei o que estou fazendo. Se eu atirasse em você, não o acertaria no ombro com uma mira de merda.
O sorriso de desapareceu, substituído por uma expressão mais séria. Ele soltou minha mão, afastando-se com a graça de um predador.
— Você está brincando com fogo, garota. Não sabe com quem está lidando.
Revirei os olhos, ignorando a ameaça não dita. podia ser um mistério, podia também estar com a minha arma agora, mas eu não estava disposta a ceder à sua aura intimidante.
— Eu não tenho medo de você. — Desafiei, cruzando os braços.
Ele se aproximou, seu rosto agora a centímetros do meu. O calor da sua respiração misturou-se ao meu desafio.
— Talvez devesse.
O impacto da sua resposta ecoou em meu íntimo, mas eu não estava disposta a admitir qualquer reação à ele. Em vez disso, decidi mudar o tom da conversa.
— Se você não quer compartilhar quem é, pelo menos me diga por que alguém está atirando em você. Eu não gosto de estranhos feridos entrando na minha casa.
franziu o cenho, ponderando sobre a minha proposta. Parecia que ele estava avaliando o quanto poderia confiar em mim.
— Há pessoas que gostariam de me ver morto. Não é algo incomum na minha linha de trabalho.
— Linha de trabalho? Você é um criminoso ou algo do tipo?
Ele soltou uma risada breve, um som áspero que reverberou no quarto.
Embora a situação estivesse longe de ser apropriada para avaliações físicas, não pude evitar notar a presença marcante de . Seu corpo esguio, mas claramente musculoso, parecia esculpido, cada linha delineada com precisão. Os músculos do seu ombro, onde o sangue escorria, denotavam força e resistência.
Seu rosto, com traços firmes e expressivos, era quase hipnotizante. A barba por fazer adicionava uma intensidade que era difícil de ignorar. Os olhos, por trás da máscara de seriedade, possuíam uma profundidade intrigante, como se escondessem segredos indecifráveis.
O cabelo escuro caía desalinhado sobre a testa, dando-lhe um ar ainda mais selvagem. Era difícil determinar se a desordem era intencional ou resultado da situação em que se encontrava.
Sua altura, evidenciada quando estávamos tão próximos, transmitia uma presença imponente. Eu sempre havia apreciado homens altos, mas ultrapassava qualquer padrão que eu tivesse em mente.
A postura dele, mesmo ferido, era digna e confiante. Cada movimento, cada gesto, emitia uma aura de controle e poder. Mesmo diante de um possível perigo, ele mantinha uma calma perturbadora.
Não pude deixar de sentir um formigamento de admiração diante da figura intrigante que se encontrava diante de mim. Era como se a periculosidade que emanava dele apenas intensificasse sua atração, uma combinação complexa de beleza e ameaça que, de alguma forma, despertava minha curiosidade.
Não de uma forma saudável, ele despertava minha curiosidade da maneira impura que levaria qualquer mulher ao inferno.
— Shh. — Sussurrou em um tom baixo, se mantendo perto demais de mim.
No entanto, antes que eu pudesse pressioná-lo com mais perguntas, um ruído vindo do corredor chamou nossa atenção. Os dobermans começaram a rosnar, alertando-nos de que algo estava prestes a acontecer.
— Não estamos sozinhos aqui. — murmurou, e ambos direcionamos nosso olhar para a porta.
, ainda ao meu lado, pareceu se movimentar com uma agilidade surpreendente, apesar do ferimento no ombro. Seu olhar se intensificou, a seriedade nele ecoando a gravidade da situação. Ele fez um gesto para que eu ficasse quieta, indicando a necessidade de silêncio.
No corredor, as sombras pareciam ganhar vida, dançando ao ritmo de passos cautelosos. Os dobermans permaneciam alertas, mas a tensão no ar cresceu à medida que a aproximação se tornou mais evidente.
Foi então que percebemos a figura se materializando na penumbra. Um homem, vestido com roupas escuras e uma expressão determinada, avançava em nossa direção. Seus olhos, frios, fixaram-se em nós com uma intensidade que arrepiou minha espinha.
O desconhecido continuava avançando em nossa direção, seu semblante decidido contrastando com a tensão que preenchia o corredor. Foi quando agiu, com uma rapidez inesperada para alguém com um ferimento no ombro. Ele puxou uma arma escondida em sua cintura e disparou contra o intruso que caiu no chão em um baque surdo. Os dobermans avançaram em cima do homem caído.
Apesar do tiro que o derrubara inicialmente e das frequentes mordidas, o homem ainda estava longe de se dar por vencido. , no instante seguinte, foi surpreendido por outro disparo, desta vez atingindo-o no abdômen. O impacto o fez recuar, e a dor transpareceu momentaneamente em seu rosto.
Instintivamente, ele revidou, atirando novamente contra o agressor, ouço os cachorros gritarem com o disparo, mas percebo que eles não foram machucados. O silêncio abrupto que se seguiu foi a confirmação de que a ameaça havia sido neutralizada. , embora ferido, manteve-se firme, sua postura revelando uma determinação inabalável. O desconhecido jazia imóvel no chão, a luz do corredor revelando os contornos da cena caótica.
Eu, presa entre o choque e a urgência de agir, fui arrastada de volta à realidade quando , com um semblante tenso, segurou seu abdômen ferido. Sua respiração era forçada, e a expressão de dor estava evidente em seus olhos.
— Pressione aqui. — Ele indicou a ferida em seu abdômen, e eu, superando a hesitação, coloquei minhas mãos sobre o local. O sangue escorria entre meus dedos em uma visão perturbadora que evidenciava a gravidade da situação.
— Maldito seja... — rosnou, mais consigo mesmo do que comigo. A dor parecia arder em cada parte de seu corpo, mas ele não permitiria que isso o enfraquecesse. — Precisamos dar um jeito nisso. Preciso de uma maleta de primeiros socorros, você tem? — Balanço a cabeça rapidamente. — Vá buscar. — Ele pede com o tom de voz duro, mas o obedeço.
Corro pelas escadas em direção à cozinha, onde sei que guardo um kit de primeiros socorros. O coração acelerado ecoa em meus ouvidos, impulsionado pela urgência da situação. Agarro a maleta e retorno ao corredor, encontrando ainda de pé, mas claramente afetado pela dor.
Ao entregar-lhe a maleta, percebo que seus olhos, normalmente impassíveis, agora carregam uma intensidade que revela a batalha que ele trava consigo mesmo. aceita a maleta com um aceno de cabeça, abrindo-a rapidamente para acessar os suprimentos necessários.
Enquanto ele trabalha em sua própria recuperação, me vejo em um estado de inquietação. O homem desconhecido permanece caído, provavelmente morto. Minha mente oscila entre a preocupação com a segurança de e a incerteza sobre como proceder diante de tudo.
O silêncio tenso é quebrado apenas pelos sons suaves dos suprimentos médicos sendo manuseados. Observo agir com uma destreza surpreendente, sua expressão séria e focada a cada movimento, revela uma habilidade que transcende a mera brutalidade de conhecimentos adquiridos por acaso.
Após alguns minutos, fecha a maleta e se afasta do local onde tratou de seus ferimentos. Seus olhos encontram os meus, e o peso da situação se reflete em sua expressão.
exala um suspiro profundo, como se o fardo da decisão pairasse pesadamente sobre seus ombros. Ele parecia mais pálido agora, a palidez de seu rosto revela a perda significativa de sangue.
— Agora, temos que decidir o que fazer com ele.
Minha pergunta escapou antes que eu pudesse ponderar as implicações.
— O que porra você faz?
não responde de imediato, seus olhos fixos em algum ponto distante enquanto considera as opções disponíveis. Seu silêncio é desconcertante, e o peso da situação nos envolve como uma névoa carregada de incerteza. Finalmente, ele quebra o silêncio.
— Você não gostaria de saber.


Capítulo 4

Rossi


— Vá pegar uma bolsa com roupas. Você vai embora comigo. — Minha voz soou firme. Ela respondeu com um riso desdenhoso, como se a ideia de me seguir ou seguir minhas ordens fosse completamente absurda.
— Não vou a lugar nenhum com você. — Sua teimosia era irritante, mas eu não tinha tempo para argumentar.
— Você não tem escolha. — Minha paciência estava se esgotando, e a urgência da situação exigia ação imediata.
Ela me lançou um olhar desafiador, sua expressão impetuosa deixava claro que ela não seria facilmente controlada. Me pergunto se Lorenzo estaria completamente irritado ou orgulhoso pelo que a irmã dele se tornou.
— Eu sempre tenho escolha. — Sua resposta foi carregada de desafio, e eu senti minha irritação aumentar.
Irritado era a resposta.
— Não agora. — Minha voz era áspera, impaciente.
— Oh, é claro. Porque você é o todo poderoso e todos devem obedecer às suas ordens.
— Acabamos de matar uma pessoa, com certeza tem mais deles vindo. Você não quer ficar aqui quando eles chegarem. Arrume suas coisas, eu não vou pedir de novo.
parecia determinada em desafiar cada uma das minhas decisões, como se estivesse em uma missão pessoal para me provocar. Cada palavra que saía de sua boca era como uma agulha perfurando minha paciência já esgotada. Por mais que eu tentasse manter a calma, sua teimosia e sua insistência em desafiar minha autoridade me faziam sentir como se estivesse à beira de explodir a qualquer momento.
Enquanto eu preparava as coisas para nossa partida, simplesmente parecia encontrar maneiras de dificultar tudo. Cada solicitação que eu fazia era recebida com uma resposta sarcástica ou uma objeção infundada. A impaciência crescia dentro de mim, como uma fogueira alimentada pela irritação constante que ela provocava.
— Eu vou levar os cachorros comigo. — Sua determinação era clara em suas palavras.
Neguei veementemente, sem rodeios.
— Nem fodendo os cães vão entrar no meu carro. — Minha resposta foi direta, sem espaço para discussão.
Ela sustentou seu olhar desafiador, firme em sua decisão.
— Sem os cachorros, eu não vou a lugar algum.
— São dois dobermans adultos. — Ela me olhou como se não visse problema algum no fato de dois cachorros enormes estarem em um carro, chamando atenção da porra da Itália inteira. —Não temos tempo para isso. Os cachorros não vão entrar no carro, ponto final. — Minha voz ressoou com autoridade, embora eu mal conseguisse conter a frustração que se acumulava dentro de mim.
Ela ergueu o queixo em desafio, seus olhos faiscando de teimosia.
— E quem disse que você tem o direito de decidir isso por mim? — A provocação em sua voz só serviu para aumentar minha irritação.
Respirei fundo, tentando manter a calma diante de sua insolência. No entanto, a impaciência começava a se infiltrar em cada fibra do meu ser.
— Porque eu sou o único aqui que sabe como lidar com essa situação. Você pode levar o que quiser, mas os cachorros ficam. — Minha voz saiu mais dura do que eu pretendia, revelando a crescente exasperação que sentia.
— Sem eles, eu não vou a lugar algum. — Repetiu, me fazendo respirar fundo para não perder o pouco controle que me restava.
A obstinação de em relação aos cachorros era impressionante, quase tão forte quanto sua determinação em desafiar minha autoridade. Por mais que eu tentasse argumentar, ela se recusava a abrir mão da ideia de levá-los consigo.
— Está bem. Leve os cachorros. — Minha concessão foi clara, embora inteiramente contraditória com o que eu queria, no entanto, não adiantaria lutar contra ela nesse momento.
pareceu surpresa por um instante, como se não esperasse que eu cedesse tão facilmente. Mas então, um sorriso de triunfo se formou em seus lábios, como se ela tivesse vencido uma batalha.
— Ótimo. Então, vamos logo.
Enquanto organizava suas coisas, não pude deixar de notar seus movimentos graciosos e a forma como a luz do quarto realçava suas curvas femininas. Apesar de toda a sua teimosia e provocação, era inegável que ela era uma mulher excepcionalmente bonita. Dirigi-me até a janela, lançando um rápido olhar pela rua deserta. Não havia sinal de qualquer carro ou movimento suspeito, o que era um bom sinal. Mas não podíamos nos dar ao luxo de baixar a guarda.
Quando me virei para sair do quarto, encontrei já pronta, com a bolsa nas costas e os dois dobermans ao seu lado.
Os passos firmes de ecoavam atrás de mim enquanto eu liderava o caminho até o carro. Eu estava decidido a não perder mais tempo e me certificar de que estávamos fora de perigo o mais rápido possível. Os dois dobermans seguiam obedientemente ao lado dela e eu não conseguia não perguntar como ela tinha conseguido controlar dois cachorros tão grandes.
Ao chegar à porta da frente, abri-a rapidamente e verifiquei os arredores antes de sinalizar para seguir em frente. A brisa fria da noite cortava o ar enquanto nos dirigíamos para o carro estacionado na rua. Eu a vi acomodar os cachorros no banco de trás, certificando-se de que estavam confortáveis antes de entrar no banco do passageiro.
Enquanto dirigíamos pelas ruas vazias, meu olhar se fixava na estrada escura à nossa frente. Ela permanecia em silêncio ao meu lado, mas eu podia sentir sua presença mesmo se ela estivesse a mil quilômetros de distância.
— Para onde estamos indo? — Sua voz quebrou o silêncio, e eu resisti à vontade de suspirar.
— Temos um lugar seguro onde podemos ficar por enquanto. — Minha resposta foi breve, mas era tudo o que eu estava disposto a compartilhar naquele momento.
— Você conheceu Lorenzo? — A pergunta de rompeu o silêncio, me fazendo olhar para ela confuso. — Quando você entrou, Bob e Kyle não latiram para você. — Ela explicou, indicando os dois dobermans no banco de trás.
Balancei a cabeça em confirmação, relutante em compartilhar detalhes sobre o passado com ela. A verdade sobre o envolvimento de Lorenzo comigo era algo complexo demais e eu não estava disposto a dificultar ainda mais. Preferia manter as coisas simples e diretas, falar que o irmão dela havia morrido por minha causa, não era uma opção mais viável para isso naquele momento.
— Sim, eu e Lorenzo éramos amigos. — Murmurei, mantendo minhas palavras vagas.
— Então, vocês eram muito próximos? — perguntou, quebrando o silêncio com sua curiosidade inquisitiva.
— Sim, éramos. Lorenzo era como um irmão para mim. — Respondi, deixando escapar um suspiro involuntário e só então percebi que eu o considerava como um irmão, mas para ele realmente era um. — Eu sinto muito pela perda do seu irmão. Eu sei o quanto ele significava para você.


Capítulo 5



Quando estacionou o carro diante da casa de campo, afastada na densa floresta, senti uma mistura de curiosidade e apreensão. A luxuosa construção de madeira erguia-se majestosamente diante de nós, envolta pela serenidade da natureza circundante. Era um cenário impressionante, muito diferente do ambiente urbano ao qual eu estava acostumada.
Desembarcamos do carro, e eu peguei os cachorros, seguindo em silêncio enquanto ele se dirigia à entrada da casa. A cada passo, meu olhar vagava pelo ambiente, absorvendo os detalhes da arquitetura imponente e da paisagem deslumbrante ao redor.
Ao adentrarmos a casa, fui surpreendida pela elegância e pelo conforto que ela oferecia. O interior espaçoso e bem iluminado era decorado com bom gosto, proporcionando uma atmosfera acolhedora e convidativa.
voltou-se para mim e, com um gesto, me convidou a entrar. Segui-o pelo corredor, mantendo os cachorros ao meu lado, enquanto observava cada canto da casa com admiração silenciosa. Na verdade, não entendia o motivo de estar tão surpresa, ele tinha uma elegância que emanava dele. Era um pouco óbvio que sua casa seria assim também.
deixou as malas no chão e se virou para mim, seus olhos escuros me estudando com uma intensidade que me fez sentir um arrepio na espinha.
— Espero que você não se importe em compartilhar a cama. — Ele falou, com uma expressão séria que contrastava com a voz suave. Eu não pude deixar de notar o leve tom de provocação em sua voz.
— Não se preocupe, eu não mordo. — Respondi, mantendo uma expressão neutra, mas uma pontada de diversão brilhava em meus olhos.
Ele arqueou uma sobrancelha, como se não esperasse uma resposta tão ousada, mas não deixou transparecer qualquer sinal de surpresa.
— Veremos. — Foi sua única resposta, antes de se voltar para as malas e começar a desfazê-las.
Observando-o, não pude deixar de notar a tensão em seus ombros, mesmo sob a fachada de controle que ele tentava manter. Era evidente que algo o incomodava, e eu me perguntava o que poderia ser.
— Está tudo bem? — Perguntei, minha curiosidade vencendo minha prudência por um momento.
Ele ergueu o olhar para mim, seus olhos escuros refletindo uma mistura de emoções que eu não conseguia decifrar.
— Está tudo sob controle. — Foi sua resposta breve, mas o tom de sua voz não era totalmente convincente. — Tem alguma coisa errada. — Ele murmurou, olhando pela cortina da janela. — Preciso que você fique aqui enquanto vou verificar os arredores. — Sua voz era firme, mas havia uma nota de preocupação que não passou despercebida por mim.
— Por que não podemos fazer isso juntos? — Questionei, tentando esconder minha própria apreensão.
Ele hesitou por um momento, como se estivesse considerando minha sugestão, mas então balançou a cabeça de forma negativa.
— É mais seguro se um de nós ficar aqui. Além disso, alguém precisa cuidar dos cachorros. — Ele apontou para Bob e Kyle, que estavam deitados no chão, observando-nos com olhos atentos.
Eu queria argumentar mais, mas algo em sua expressão me fez reconsiderar. estava agindo de maneira estranha desde que chegamos, e eu não queria piorar as coisas insistindo em ir com ele.
— Tudo bem. — Concordei.
Com fora da vista, me vi sozinha naquela casa de campo silenciosa, com apenas os cachorros como companhia. Bob e Kyle pareciam inquietos, seus olhares atentos denunciavam uma sensação de alerta no ar.
Decidi explorar um pouco o lugar enquanto aguardava o retorno de . A casa era espaçosa e bem mobiliada, com móveis rústicos de madeira que adicionavam um charme acolhedor ao ambiente. As janelas amplas permitiam a entrada de luz natural, iluminando os cômodos com uma aura reconfortante.
Caminhei pelo corredor, observando os quadros nas paredes e os detalhes cuidadosamente decorados.
Enquanto explorava, me deparei com uma porta entreaberta no final do corredor. Intrigada, empurrei-a suavemente, revelando um quarto espaçoso com uma cama grande no centro. Os lençóis estavam impecavelmente arrumados, e uma sensação de conforto emanava do ambiente.
retornou à casa acompanhado por uma mulher, cuja presença despertou minha curiosidade imediata. A mulher era bonita, com uma barriga saliente indicando uma gravidez avançada. O olhar cansado de refletia uma certa tensão.
— Quem é ela? — indaguei, mantendo um tom de voz cauteloso enquanto me preparava para qualquer revelação surpreendente.
suspirou, como se estivesse se preparando para uma batalha iminente, e então apresentou a mulher ao meu lado.
— Bianca. Minha irmã.
Bianca me olhou com uma expressão indagadora, como se estivesse avaliando-me cuidadosamente. Ela parecia uma força da natureza, e uma sensação de desconforto se instalou em mim na presença dela.
— Eu não posso te deixar sem supervisão por dois dias, ? — Bianca disparou, sua voz carregada de reprovação enquanto lançava um olhar repreensivo para .
— Isso não é o que você está pensando. — tentou se explicar, mas sua irmã não estava disposta a ouvir desculpas.
— Não? Porque parece exatamente o que estou pensando. Você não deveria estar se divertindo com uma mulher no meio da floresta. Este lugar é para escapar de perigo, não para suas transas casuais. — Bianca retorquiu com firmeza, sua postura rígida e autoritária.
Eu me senti ofendida com o tom de sua voz e a insinuação implícita em suas palavras, e não pude conter minha resposta.
— Não estou transando com o seu irmão. De todos os homens do mundo, esse é o último que me proporcionaria alguma diversão. — minha voz saiu mais afiada do que eu pretendia.
A troca de olhares tensos entre e Bianca indicava que a disputa entre eles era comum.
— Bianca, é irmã de Lorenzo. — finalmente explicou, cansado da situação, enquanto passava a mão pelo rosto com uma expressão de exaustão.
— Entendo. — Sua voz agora carregava um tom menos acusatório, mais neutro. Ela olhou de para mim, como se estivesse avaliando a situação sob uma nova perspectiva. — Desculpe-me, . Não era minha intenção ofendê-la.
Eu assenti em resposta, agradecendo silenciosamente por sua mudança de atitude. A tensão que pairava no ar começava a se dissipar, substituída por uma atmosfera mais leve
Enquanto Bianca se afastava, dirigindo-se para uma parte diferente da casa, se aproximou de mim.
— Não se deixe enganar pela aparência dela. Bianca é astuta e perigosa. — Ele murmurou.
— Passei cinco minutos com ela e confio mais nela do que em você.
Ele me olhou com um misto de surpresa e desdém, claramente não esperando uma resposta tão direta.
— Seu nível de confiança é um tanto questionável considerando que há poucos minutos ela estava a chamando de vagabunda. — Ele retrucou, sua voz carregada de sarcasmo.


Capítulo 6

Rossi


Estávamos no meio de um emaranhado de preocupações e perigos, e a presença de em nossa casa de campo, longe da agitação urbana, não aliviava minha mente nem um pouco. Enquanto ela alimentava os cachorros, eu me afastei um pouco, buscando um momento de privacidade com Bianca.
A distância que nos separava era insuficiente para bloquear o som da voz inquisitiva de Bianca, que mais parecia uma série de acusações veladas.
— Era você o alvo ou ? — Ela perguntou, sua voz carregada de cautela e desconfiança.
A pergunta acertou em cheio um ponto sensível em mim, e eu hesitei por um instante antes de responder.
— Eu. Parece que alguém está tentando me acertar há algum tempo. — Minha confissão soou mais como um suspiro pesado do que qualquer outra coisa.
Bianca analisou minhas palavras com um olhar afiado, sua expressão se tornando mais séria à medida que processava a informação.
— Você poderia ter sido mais claro sobre os perigos envolvidos quando trouxe para cá. — Ela observou, sua voz tingida de reprovação.
Senti um peso adicional sobre meus ombros ao considerar as implicações de minhas ações, mas não podia mudar o que já havia sido feito.
— Não tive tempo para explicar tudo a ela. E não podia deixá-la lá para enfrentar o perigo sozinha. — Minha defesa soou mais fraca do que eu gostaria, mas era a verdade.
Bianca assentiu, aceitando minha explicação, mas era óbvio que ela ainda estava preocupada com a situação.
— Vamos ter que ter cuidado daqui para frente. Não podemos nos dar ao luxo de baixar a guarda. — Ela comentou, sua voz ecoando determinação. —Ela sabe sobre a morte de Lorenzo? — Ela perguntou, sua voz carregada de preocupação.
A pergunta me pegou de surpresa, e por um momento, hesitei antes de responder.
— Não, eu não contei a ela. Não queria que ela soubesse dos detalhes da nossa vida. — Respondi, mas na verdade não estava protegendo . Eu estava me protegendo da própria culpa que sentia.
Bianca assentiu, compreendendo a necessidade de proteger da realidade de nossa existência na máfia. Era importante mantê-la afastada do perigo e preservar sua inocência tanto quanto possível.
— Talvez seja melhor assim. Ela não precisa carregar o peso de nossos pecados.
Enquanto eu ponderava sobre os próximos passos a tomar, Bianca desviou o olhar por um momento, parecendo mergulhar em seus próprios pensamentos. Eu sabia que ela estava considerando as possíveis ramificações de nossa situação, buscando soluções antes mesmo que os problemas se manifestassem por completo.
— Você tem algum plano em mente? — Perguntei, buscando o conselho e a experiência de Bianca, sabendo que ela poderia ter insights valiosos sobre como lidar com nossa atual crise.
Ela voltou seu olhar para mim, seus olhos brilhavam com determinação.
— Vou revisar nossos contatos, aumentar nossa segurança e manter uma vigilância constante. E, é claro, precisamos descobrir quem está por trás desses ataques e detê-los antes que causem mais danos. — Sua voz transmitia uma mistura de frieza e preocupação.
Assenti, reconhecendo a sabedoria em suas palavras.
— Faremos o que for necessário para proteger nossa família. — Minha voz soou firme, refletindo minha determinação em enfrentar qualquer desafio que se apresentasse.
, não durma com ela. — Bianca pediu em um tom baixo, como se tivesse uma visão do futuro. — Não se envolva com a irmã do Lorenzo. Você ainda tem fantasmas dele demais em sua vida para se ocupar com mais um. Ache uma esposa e se afaste de .
— Eu não pensei em me relacionar com ela.
— Eu te conheço, irmão. Nenhuma mulher atraente é invisível aos seus olhos.
A observação de Bianca trouxe à tona reflexões que eu preferia evitar. Ela conhecia meu histórico melhor do que ninguém, e suas palavras carregavam um peso que não podia ignorar.
— Bianca, você sabe que meus interesses estão além de romances. Não estou procurando me envolver com ou qualquer outra pessoa neste momento — respondi, tentando dissipar qualquer preocupação que ela pudesse ter.
No entanto, a expressão persistente de Bianca deixava claro que ela não estava convencida.
— Eu sei que você diz isso agora, . Mas as circunstâncias podem mudar. E com a irmã de Lorenzo tão perto, é melhor manter suas intenções bem claras desde o início — insistiu ela, sua voz carregada de preocupação e cautela. — Às vezes o seu coração pode ser mais imprudente do que a sua mente. E você já tem o bastante de Lorenzo para lidar com os fantasmas do passado. Não precisa adicionar mais um a essa lista.
— Você sempre foi a voz da razão, Bianca. — Tentei mudar sutilmente o foco da conversa, desviando daquilo que sabia que ela continuaria a pressionar. — Como está o bebê?
Bianca sorriu, seu rosto se iluminando com um brilho materno.
— Ele está bem, forte como um touro. — Ela colocou minha mão sobre sua barriga, permitindo-me sentir os movimentos suaves da criança dentro dela. — Parece que ele está ansioso para vir ao mundo.
O toque suave da barriga de Bianca e a sensação dos chutes delicados do bebê foram um lembrete reconfortante de que, apesar das turbulências em nossas vidas, ainda havia momentos de serenidade e esperança.
— Ele vai ser tão teimoso quanto nós dois — comentei, sorrindo para Bianca.
Ela riu suavemente, concordando.
— Não duvido disso. Mas com você como tio, tenho certeza de que ele também terá um forte senso de proteção e lealdade.
— Está me elogiando, Bianca? — Perguntei com um ar de desdém, levantando uma sobrancelha com curiosidade.
Ela soltou uma risada suave, sacudindo a cabeça enquanto seus olhos brilhavam com divertimento.
— Ah, , não confunda as coisas. Estou elogiando o meu filho, não você. — Sua resposta foi carregada de humor, e eu não pude deixar de sorrir.
— Você será uma mãe incrível, sorellina. — Comentei, deixando transparecer um pouco de ternura em minhas palavras.
Um brilho de incerteza passou pelos olhos dela antes que ela respondesse.
— Eu espero que sim.
Apesar de nossas diferenças e das tensões que nos cercavam, havia um laço inquebrável entre nós, uma lealdade que superava qualquer obstáculo. No fundo, eu sabia que poderia contar com ela, assim como ela podia contar comigo, em qualquer situação.


Capítulo 7



Bianca não foi embora. Ela decidiu que ficaria conosco e, devido ao seu estado avançado de gravidez, colocou para ir para o sofá. Ele não teve relutância alguma e imaginei que esse fosse o nível de carinho que ele tinha por ela, de abrir mão do conforto. Eu sabia disso porque Lorenzo era assim comigo.
— Você está bem? — Demorei alguns segundos até entender que ela estava falando comigo. Concordei com a cabeça, ainda constrangida, sem saber muito bem o que falar em sua presença. Bianca era intimidadora, até mesmo quando tentava ser gentil. — Você tem boca, , fale.
— Sim, estou bem, apesar do seu irmão ter matado um homem na minha frente. — Ela pareceu pensativa com minha resposta.
— Me prometa uma coisa. — Ela pediu, com a voz sonolenta. — Não caia nos encantos de , prometa que ficará longe do meu irmão.
Gargalhei com o pedido inusitado. O irmão dela era um assassino e eu dificilmente saberia como meu irmão havia o conhecido. Lorenzo era gentil, era bondoso, não era um monstro.
— Eu não tenho o menor interesse de ter algo com o seu irmão. Ele é rude, não possui sensibilidade alguma e ainda respira arrogância.
Ela pareceu ficar satisfeita com a minha resposta, mas logo sua expressão ficou sombria.
— Eu concordo, mas se falar dele assim mais uma vez, eu mesma arrancarei sua língua.
Ela não parecia estar brincando.
— Entendido. — Respondi, tentando manter a calma.
Bianca suspirou, afagando a barriga com cuidado.
pode ser difícil, mas ele é leal. Lorenzo sabia disso. Eu sei disso. É por isso que confio nele, mesmo quando tudo parece desmoronar.
Eu me sentia desconfortável com o rumo da conversa. Bianca estava me pedindo para confiar no homem que havia trazido a morte para perto de mim. Eu não conhecia eles, logo, não poderia entregar minha confiança. Lorenzo entregou sua confiança a alguém e morreu por isso.
— Como meu irmão conheceu ? — Perguntei, tentando entender mais sobre a conexão entre eles. O homem alto e forte não me diria, Bianca parecia ter menos filtros comigo. Talvez dela eu pudesse conseguir alguma informação.
— Eles se conheceram há alguns anos. Lorenzo tinha habilidades que precisava, e assim eles formaram uma parceria em alguns negócios que talvez você não saiba. — Bianca respondeu, a voz dela parecia suavizar e imaginei que o motivo fosse as lembranças.
— Eu não sabia. Lorenzo nunca mencionou . — Minha voz saiu mais suave do que eu pretendia.
— Lorenzo era bom em manter segredos, além disso ele era assim, sempre querendo proteger você de tudo. — Ela sorriu, mas havia tristeza em seus olhos. — É por isso que você precisa ser forte agora. Não é fácil estar neste mundo, . E você entrou nele no momento que cruzou com o meu irmão.
— Eu não escolhi isso. — Disse, sentindo a frustração crescer dentro de mim.
— Nenhum de nós escolheu. — Bianca respondeu, com um leve sorriso. — Mas aqui estamos. E temos que lidar com isso da melhor maneira possível.
apareceu na porta, interrompendo nossa conversa.
— Bianca, você precisa descansar. E , se precisar de alguma coisa, me avise.
Bianca assentiu e se dirigiu para o quarto, deixando-me sozinha com .
— Você acha que ela está segura aqui? — Perguntei, tentando ignorar o desconforto.
— Eu vou garantir que ela esteja. — respondeu, a voz firme. — E você também.
— Não me faça promessas que não pode cumprir. — Respondi, desafiadora.
— Eu nunca faço promessas que não posso cumprir. — Ele retrucou, olhando-me nos olhos.
Havia algo nos olhos de que me fez acreditar em suas palavras, apesar de tudo. Talvez fosse a mesma coisa que Lorenzo viu nele. Uma força bruta, mas com uma coragem inabalável. E, por um momento, eu senti que talvez, só talvez, eu pudesse confiar nele.
Mas o medo e a desconfiança ainda estavam lá, enterrados profundamente.
Quando se afastou, o silêncio da casa caiu sobre mim como um cobertor pesado. Os dobermans, Bob e Kyle, estavam deitados perto da lareira, seus olhos atentos seguindo cada movimento meu. Peguei uma das malas e comecei a desempacotar minhas poucas coisas, tentando acalmar meus nervos.
Bianca já estava dormindo no quarto, e eu não queria incomodá-la.
Horas depois, a casa estava tranquila. A lareira crepitava suavemente, lançando sombras dançantes pelas paredes de madeira. Bianca estava descansando, e eu me sentei no sofá, perdida em meus pensamentos. entrou na sala, interrompendo meu devaneio.
— Você deveria descansar também. — Disse ele, a voz baixa mas autoritária.
— Não consigo dormir. — Respondi, sem olhar para ele.
suspirou e se sentou na poltrona em frente a mim.
— Eu entendo. Esse mundo... não é fácil de digerir.
Olhei para ele, estudando suas feições. Havia um cansaço em seus olhos que eu não havia notado antes.
— Por que você faz isso? — Perguntei, sentindo minha voz soar mais suave do que pretendia.
— Porque é necessário. — Ele respondeu, simplesmente.
— Eu só quero entender. — Disse, minha voz trêmula. — Quero entender por que ele nunca me contou sobre você e vocês parecem saber tanto sobre mim.
olhou para o chão por um momento, como se estivesse escolhendo suas palavras com cuidado.
— Lorenzo acreditava que te manter fora desse mundo era a melhor maneira de te proteger. Ele sabia que uma vez que você estivesse dentro, não haveria saída.
— E você? O que você acredita? — Perguntei com curiosidade.
— Eu acredito que ele estava certo. — Disse , seus olhos encontrando os meus. — Mas agora, não temos escolha. Você está dentro agora.

[...]


Não lembro por quanto tempo esteve ali ou quando peguei no sono, apenas acordei com a luz do sol invadindo suavemente o quarto quando acordei na manhã seguinte, ainda me sentindo um pouco sonolenta e confusa com tudo o que havia acontecido. A voz de Bianca rapidamente interrompeu meus pensamentos.
, você está com fome? Este bebê que estou esperando me faria comer até mesmo uma porta. — Ela disse, sorrindo gentilmente enquanto colocava a mão sobre sua barriga.
Olhei para Bianca, impressionada com sua serenidade e coragem. Ela parecia tão segura de si mesma, tão confiante em sua capacidade de lidar com qualquer situação. Eu gostava dela, às vezes esquecia que ela era irmã de um homem como o que eu vi ontem.
Antes que eu pudesse responder, entrou no quarto com uma expressão ainda mais carrancuda do que no dia anterior.
— Está na hora de irmos embora. — Ele disse, sua voz era áspera e autoritária.
Senti um arrepio percorrer minha espinha enquanto me levantava da cama. Eu não tinha ideia de para onde estávamos indo, mas sabia que não era para um lugar familiar ou reconfortante. Eu me encolhi involuntariamente, sentindo uma onda de desconforto me invadir.
— Para onde vamos? — Perguntei, tentando manter minha voz firme apesar da insegurança que sentia.
Bianca se aproximou e colocou uma mão reconfortante em meu ombro.
— Para casa. — Ela disse, seu tom tranquilizador contrastando com a severidade de .
Engoli em seco, percebendo que onde quer que fosse essa casa, não seria o meu lar.


Capítulo 8

Rossi


Ao chegarmos na mansão os portões se abriram para mim ao reconhecerem o meu carro. Os cachorros buscavam de forma desesperada sair pela janela enquanto se divertia com a reação dos animais. Ela pareceu se deslumbrar, por alguns minutos, com a fachada da casa. Certamente ela não ficaria tão facilmente impressionada se aquelas paredes pudessem falar.
Os Rossi tinham muito dinheiro, muito poder, mas nada era maior do que a sequência de mortes que nosso sobrenome trazia. Todos na minha família já haviam matado, eu não me surpreenderia que o filho de Bianca aprendesse a usar uma arma antes mesmo de balançar um chocalho.
Bianca permanecia ao meu lado, sua presença trazia um certo alívio em meio à tensão que pairava no ar. Assim que o carro parou, eu agi rapidamente, abrindo a porta para Bianca e ajudando-a a descer com cuidado. Seu rosto tranquilo escondia as preocupações que eu sabia que ela também carregava. Mas era parte de sua natureza, a habilidade de manter a calma e a compostura mesmo nos momentos mais difíceis. Ela me lançou um olhar de gratidão enquanto a ajudei.
Sorellina, cuide dela e acomode-a em uma ala da mansão. Designe alguém de confiança para cuidar dela e dos animais. E encontre Roman. Precisamos discutir a reação da famiglia diante do acontecido. — Minha voz soava firme e autoritária, ecoando pelo pátio da mansão.
Bianca assentiu, seu semblante sério refletindo a seriedade da situação. Ela conhecia a importância de agir rapidamente e com determinação, especialmente em momentos como esse.
Enquanto Bianca e se afastavam, minha mente já estava trabalhando em alta velocidade. Como Don, era minha responsabilidade não apenas proteger a família, mas também garantir que qualquer ataque contra nós fosse respondido com força e precisão. Qualquer sinal de fraqueza poderia ser fatal em nosso mundo e, por isso, não éramos fracos. Nunca. Sentimentos levavam à morte. Sensibilidade levava a morte. Confiança levava a morte. E se eu tinha aprendido uma coisa, na minha vida inteira, era que a única forma de escapar da morte era se tornando ela.
Entrei na mansão, atravessando os corredores com passos determinados. As paredes decoradas com obras de arte e relíquias antigas contavam a história de nossa família, uma história de poder e resistência. Finalmente, cheguei à sala de reuniões, onde Roman já estava esperando.
Roman, além de meu irmão era um underboss de confiança, ele levantou-se quando entrei, seu rosto sério refletindo a gravidade da situação.
— Vamos matar a família inteira do filho da puta que te emboscou. — Ele disse, sua voz baixa e urgente.
— Eu sei. — Respondi, sentando-me à cabeceira da mesa. — Mas temos que ir além disso, precisamos descobrir quem ajudou nesse ataque, poucas pessoas sabem da minha saída anual.
Roman assentiu, e começou a traçar os detalhes do ataque que sofri. Nossos inimigos estavam ficando mais ousados, e isso precisava parar imediatamente.
— Primeira ordem de negócios, Roman. Use nossos informantes, suborne quem precisar e mate quem puder. Quero nomes até o final da semana. Não, até o final do dia. — Minha voz estava fria e calculista.
— Entendido, Don. — Roman respondeu, anotando mentalmente os detalhes.
— Segunda ordem de negócios. Precisamos enviar uma mensagem clara. Quero que todos saibam que atacar os Rossi tem consequências terríveis. Identifiquei alguém da organização dos Sonettos, eu vi a tatuagem, o cara era um deles. Quero alguém importante, um Capo. Vamos fazer dele um exemplo. — Continuei, com minha mente já formulando os próximos passos. — Não só um exemplo. Quero algo que faça todos tremerem ao ouvirem nosso nome.
Roman assentiu novamente, seus olhos brilhando com a excitação de ter sangue nas mãos. Por mais que eu e Bianca tentássemos impedi-lo desta vida, ele era um Rossi.
Nada afastava um Rossi de ter sangue nas mãos.
— Quero que capturem o braço direito do nosso inimigo, vivo. Tragam-no aqui. Vamos dar uma demonstração pública. — Minha voz era sombria, carregada de ameaça.
Roman esboçou um sorriso frio.
— E quanto à metodologia?
— Capture-o. — Respondi. — Depois, faremos um evento especial. Coloque-o em um local público, onde todos possam ver. Vamos usar técnicas antigas. Quero que ele grite, que ele implore pela vida. Quero que todos saibam que mexer com os Rossi é mexer com a própria morte.
Roman concordou, rindo como o psicopata mais novo que era.
— E ? — Ele perguntou, levantando uma questão importante.
— Bianca está cuidando dela. Ela não sabe sobre a máfia, mas isso pode mudar rapidamente. Precisamos mantê-la segura, mas também informá-la quando necessário. A última coisa que precisamos é que ela vire um peão nas mãos dos nossos inimigos. — Respondi, meu tom de voz ficando mais sombrio. — Qualquer ameaça à sua segurança será tratada com a máxima severidade.
— E quanto aos aliados? — Roman perguntou.
— Chame uma reunião com os mais próximos. Quero todos aqui até o final do dia. Precisamos garantir que estão do nosso lado e que não serão tentados a mudar de aliança devido ao ataque. Ofereça incentivos se necessário, mas deixe claro que a lealdade é uma via de mão dupla. — Minha voz estava cheia de autoridade, refletindo minha posição como Don. — Roman, preciso que esteja pronto para coordenar todas as operações. Não deixe pedra sobre pedra até que tenhamos todos os envolvidos em nossas mãos.
Roman saiu da sala, deixando-me sozinho com meus pensamentos. Levantei-me e caminhei até a janela, olhando para a paisagem ao redor da mansão. Meu pai morreu me ensinando da pior forma o que era ser forte pela famiglia, minha mãe, apesar de ter sido uma maldita, também fez isso até o fim da sua vida, meus pais me ensinaram sobre inimigos, sobre vencer.
Bom, estávamos em guerra, tínhamos inimigos e eu faria o que fosse necessário para garantir que saíssemos vitoriosos.
Muitos poderiam temer a morte, mas o verdadeiro terror é reservado para aqueles que desafiam os Rossi.
Eu queria sangue e eu teria.
Bianca entrou no grande salão com passos firmes. Eu estava de pé perto da grande mesa de mogno, analisando mapas e relatórios enquanto minha mente traçava os próximos passos. Quando ela se aproximou, olhei para cima, encontrando seu olhar atento.
está acomodada. — Ela começou, mantendo sua voz baixa.
Assenti, reconhecendo sua eficiência e dedicação. Bianca sempre foi a melhor em garantir que tudo estivesse sob controle.
— Obrigado, Bianca. — Respondi, voltando minha atenção para os documentos na mesa.
Ela cruzou os braços, estudando-me por um momento antes de perguntar:
— O que você comandou para Roman?
— Usar nossos informantes, subornar quem for necessário e eliminar quem puder. Quero nomes até o final do dia. — Disse, mantendo o tom frio em minha voz. — Precisamos enviar uma mensagem clara. Pedi que trouxesse alguém importante da organização dos Sonettos, quero que façam dele um exemplo público.
Bianca assentiu, processando minhas palavras. Sua expressão séria indicava que ela compreendia a necessidade de tais ações, mas também trazia consigo um olhar de ponderação.
Mio sole, precisamos ser estratégicos. — Ela começou, repleta de sua sabedoria. — Tornar alguém um exemplo é eficaz, mas precisamos garantir que não criemos mártires. Temos que atingir a liderança deles, sem dar a impressão de que estamos desesperados ou perdendo o controle.
Eu a ouvi, sabendo que seus conselhos sempre foram valiosos. Bianca era minha consigliere por um motivo, e sua mente afiada muitas vezes evitou desastres.
— Concordo. — Respondi, ponderando suas palavras. — Vamos fazer isso de forma calculada. Roman capturará o braço direito do nosso inimigo e o trará aqui. Vamos manter isso discreto até que possamos fazer uma demonstração pública.
Bianca assentiu, com um sorriso curvo de aprovação nos lábios.
— Vou coordenar com nossos espiões e aumentar a vigilância. — Respondi. — Quero que todos saibam que estamos no controle e que qualquer tentativa de nos desafiar será recebida com consequências mortais.
Bianca deu um passo para trás. Eu a observei por um momento. Bianca era linda, ao contrário dos fios loiros de Roman, sua aparência era muito mais próxima a minha, com cabelos escuros e olhos tão sombrios quanto. Ela era linda e inegavelmente forte.
. — Ela chamou minha atenção uma última vez. — Cuidado com . Ela pode se tornar uma vulnerabilidade perigosa.
Concordei com um aceno e, enquanto Bianca se afastava, a compreensão da gravidade da situação se aprofundava dentro de mim. Roman estava certo; a necessidade de substituir Lorenzo não era apenas uma questão de eficiência, mas de sobrevivência. Roman não podia cuidar de tudo sozinho e, com o nascimento iminente do filho de Bianca, ela logo estaria vulnerável e indisposta. A perspectiva de trazer Vicenzo não era uma opção viável — meu irmão era leal e fatal, mas também inteiramente imprevisível.
Eu respirei fundo, tentando acalmar a turbulência interna de minha mente. Lorenzo sempre foi uma figura de força e eficiência, e a decisão de substituí-lo parecia insensata, considerando tudo o que ele suportou para chegar onde chegou. Lorenzo sofreu muito na infância, foi torturado física e psicologicamente para assumir o posto de executor. Seu treinamento foi brutal, uma prova constante de lealdade e resistência. Cada cicatriz em seu corpo era um lembrete da nossa luta e do preço que pagamos para proteger nossa famiglia.
Adiar sua substituição não foi apenas uma questão de luto ou respeito. Era uma questão de reconhecer o sacrifício que ele fez. Lorenzo foi moldado e queimado pelo fogo, e eu sempre temi que ninguém pudesse preencher seu lugar com a mesma ferocidade e lealdade. Mas eu não posso mais hesitar. A famiglia está em perigo, e precisamos de força total para enfrentar nossos inimigos.
Não importa o quanto essa decisão me perturbe.
A famiglia vem primeiro. Sempre. É minha obrigação, meu dever e minha honra manter isso em mente. Lorenzo se foi, e é hora de reconhecer que sua ausência deixou uma lacuna que precisa ser preenchida.
— Bianca, espere. — Chamei-a de volta.
Ela se virou, curiosidade e expectativa refletidas em seu olhar atento.
— Roman estava certo. Precisamos substituir Lorenzo. — Admiti, sentindo as palavras pesarem em meus lábios como chumbo. — Ele foi um bom executor, mas é hora de encontrar alguém novo. Alguém que possa garantir que nossas ordens sejam cumpridas sem falhas. Alguém que não hesita, Bianca, nem ao matar homens e nem ao dar escolhas às mulheres.
Bianca franziu a testa por um momento, uma ruga de preocupação marcando sua testa, mas logo sua expressão se suavizou, compreendendo a necessidade inevitável dessa mudança. Ela sempre teve uma habilidade inata para entender as realidades de nosso mundo sem deixar que isso a abalasse.
— Tem alguém em mente? — Perguntou, com sua voz ainda mais suave, quase compreensiva.
Eu balancei a cabeça, minha mente correndo com possíveis candidatos, mas nenhum parecia certo. Precisávamos de alguém que fosse mais do que um executor; precisávamos de um símbolo de terror e lealdade inquestionável.
— Ainda não, mas quero que você comece a procurar. — Respondi, minha voz firme, tentando mascarar qualquer hesitação. — Precisamos de alguém que possa instilar medo, mas também manter a lealdade.
Ela assentiu, já planejando os próximos passos em sua mente ágil. Bianca sempre soube equilibrar o pragmatismo com a crueldade necessária para manter nossa posição.
— Farei isso. — Disse, mantendo sua determinação evidente em cada palavra.
Observei-a se afastar, sabendo que a escolha de um novo executor não seria fácil, mas era absolutamente necessária. Eu tinha que deixar de lado qualquer resquício de sentimentalismo. Nossa sobrevivência dependia de decisões difíceis e implacáveis. O legado dos Rossi estava nas minhas mãos e eu faria o que fosse necessário para proteger e fortalecer nossa famiglia.
Para isso, eu tinha que ser o Don que meu pai me ensinou a ser, implacável e estratégico.
Voltando à mesa, meus pensamentos focaram na próxima etapa. Precisávamos de alguém novo, alguém que representasse o verdadeiro poder dos Rossi. E eu sabia que Bianca encontraria essa pessoa, assim como sempre fizemos — com precisão e sem piedade.


Capítulo 9

Rossi


Enquanto eu me preparava mentalmente para as próximas etapas, a porta se abriu com um estrondo e Roman entrou na sala. Sua camisa estava manchada de sangue, e seu sorriso se destacava em sua pele pálida. Ele parecia um demônio recém-saído do inferno, e não pude evitar uma mistura de orgulho e preocupação ao vê-lo assim.
— Você parece ter se divertido, Roman. — Comentei, observando enquanto ele começava a tirar a roupa manchada de sangue.
— Ah, você sabe como é, irmão. — Respondeu ele com uma risada sombria. — É difícil manter as roupas limpas nesse trabalho.
Bianca lançou um olhar de advertência para Roman, mas ele a ignorou, concentrando-se em mim.
— Como foi? — Perguntei, minha voz calma contrastando com a intensidade da situação.
— Consegui nomes e lugares. — Disse ele, jogando a camisa manchada de sangue em uma cadeira. — Vamos ter uma lista completa até o final do dia. E tenho planos para um dos nossos bares. Vou pegar alguma prostituta, talvez duas, e logo depois irei atrás do Capo dos Sonettos.
— E por que você precisaria de duas prostitutas? — Bianca perguntou, com um tom de ceticismo.
Roman riu, sua risada fria e cruel ecoando pela sala.
— Elas sempre sabem algo. E se não sabem, servem de ótima distração. — Respondeu ele, seu sorriso ampliando-se.
Olhei para Bianca, cuja expressão mostrava desaprovação, mas também compreensão. Sabíamos que Roman tinha seus métodos, e embora fossem brutais, eram eficazes. E eficácia era o que precisávamos agora.
— Certo, Roman. Vá ao bar e faça o que precisa ser feito. Mas seja discreto. Não podemos dar margem para erros agora. — Ordenei, minha voz firme.
Roman assentiu, já se preparando para sair novamente.
— E sobre o Capo dos Sonettos, certifique-se de que ele entenda a mensagem. Precisamos deixar claro que atacar os Rossi é uma sentença de morte. — Acrescentei, meu tom de voz carregado de ameaça.
— Ah, ele vai entender. — Respondeu Roman, com seu sorriso retornando. — Ele vai entender muito bem.
Enquanto Roman saía da sala, virei-me para Bianca. Sua expressão ainda estava carregada de preocupação, mas havia uma aceitação silenciosa em seus olhos.
— Roman está se tornando mais imprevisível. — Disse ela, sua voz baixa.
— Sei disso. — Respondi, suspirando. — Mas ele é eficaz.
— Falhamos em afastá-lo disso, . — Ela murmurou, com um olhar vagamente triste.
Eu admirava isso em Bianca; ela acreditava que as coisas poderiam ser diferentes, mesmo que soubesse que as raízes dos Rossi eram profundas demais para mudar.
— Nós também não queríamos ter entrado, para início de conversa, mas que escolha tivemos enquanto nossos pais nos torturavam? Pelo menos impedimos ele de ter o sangue derramado. Fizemos o que podíamos fazer, Sorellina, mas ele é um Rossi e nada mudará isso.
Ela pareceu pensar, permanecendo quieta com as lembranças. Bianca foi a mais afetada pelo sadismo do nosso pai. Ele não a tocava para que fosse imaculada para o marido, mas a fazia presenciar as sessões de tortura comigo e com Vicenzo, a fazia olhar enquanto nossa mãe era estuprada repetidas vezes para que se acostumasse quando o marido fizesse isso com ela.
— Sobre o novo executor, tenho alguém em mente. — A observei, seu olhar cauteloso dizia que eu não ia gostar nada da sugestão. — Vicenzo me enviou uma carta, ele quer voltar, .
Deixei uma risada incrédula sair de mim. Se eu era cruel e Roman tinha resquícios de insanidade, Vicenzo ficava com o título do próprio demônio. Nosso irmão era uma força da natureza, uma tempestade de caos e violência que nunca poderíamos controlar.
— E você, minha consigliere, acha viável trazer Vicenzo de onde quer que esteja para uma guerra? Bianca, ele é capaz de matar todo esse continente em um dia. Vicenzo beira a loucura.
Ela parecia determinada em sua resposta, defendendo sua decisão com a lealdade que caracterizava nossa família.
— Achei que fosse um executor leal que quisesse. Vicenzo tem nosso sangue, não nos trairia.
Eu sabia que ela tinha um ponto, mas também conhecia a natureza selvagem de Vicenzo. Ele seguia suas próprias regras.
— E nem nos obedeceria. Ele segue as próprias normas desde que me entendo por gente. — Respirei fundo. Eu amava Vicenzo, assim como amava Bianca e Roman, mas sabia que ele era uma bomba-relógio prestes a explodir.
— Ele é nosso irmão. É um Rossi, seu lugar é conosco. — Insistiu Bianca, firme em sua convicção.
Bianca soltou um suspiro resignado, compreendendo que a decisão estava tomada, mesmo que relutante. Ela sabia que trazer Vicenzo de volta seria uma faca de dois gumes, uma jogada arriscada que poderia trazer tanto benefícios quanto consequências desastrosas. Mas, no final das contas, ele era um Rossi, e isso era o que importava.
Eu sabia que ela estava certa, mesmo que eu não quisesse admitir. Vicenzo tinha sangue Rossi correndo em suas veias, e isso significava alguma coisa para ele, mesmo que sua mente estivesse cheia da escuridão que havíamos conhecido tão bem.
— Tudo bem, deixe ele voltar, mas se ele não se controlar eu mesmo coloco uma bala na cabeça do filho da puta.
Bianca assentiu, sabendo que eu estava sendo justo, mesmo que relutante em aceitar o retorno de nosso irmão mais velho. Nossa família estava se reunindo novamente.
— Farei os arranjos necessários. — Disse Bianca, sua voz carregada de determinação.
Eu sabia que ela cuidaria de tudo, como sempre fazia. Bianca era minha consigliere por uma razão, e eu confiava nela com minha vida.
— Obrigado, Bianca. — Agradeci, reconhecendo sua dedicação e lealdade.
Ela assentiu com um leve sorriso, antes de me lançar um olhar curioso quando me viu pegar meu paletó.
— Para onde você vai? — Ela perguntou, sua expressão carregada de curiosidade.
Eu sorri de volta, apreciando sua preocupação.
— Para o bar, atrás de Roman. Se um Rossi já causa medo, imagine o que dois podem fazer.
Um brilho divertido passou pelos olhos de Bianca, mas logo foi substituído por uma expressão séria.
— Não engravide nenhuma prostituta, per dio. — Ela disse, com um tom de advertência, mas manteve um sorriso brincando em seus lábios.
Eu ri, reconhecendo o tom de preocupação em sua voz.
— Não se preocupe, não pretendo arranjar mais problemas do que já temos. — Respondi, antes de sair do salão, deixando Bianca para cuidar dos assuntos internos da famiglia enquanto eu lidava com os externos.

[...]


Adentrei o La Tenebra com minha confiança inabalável, uma postura que tinha sido moldada pelos anos de liderança e pela herança sanguínea que corria em minhas veias. O lugar se curvava à minha presença, assim como toda a Itália, os murmúrios diminuíram até desaparecer completamente, como se o próprio ar estivesse esperando para ouvir minhas palavras.
Cada olhar, cada gesto, era um tributo silencioso à minha linhagem, um reconhecimento do poder e da autoridade que eu representava como um Rossi e, porra, como eu gostava disso. As prostitutas se ofereciam, os clientes abaixavam o olhar, e os funcionários se moviam com uma diligência ainda maior, como se temessem que qualquer deslize pudesse atrair minha ira. E podia.
— Uma bebida, por favor. — Eu disse, com a voz firme, mas calma.
A garçonete assentiu rapidamente, pude ver seus dedos trêmulos ao pegar uma garrafa de whisky e um copo. Enquanto ela servia a bebida.
Com o copo na mão, avancei em direção à ala onde Roman costumava se encontrar com suas companhias temporárias. O som abafado dos gemidos e risos misturava-se ao cheiro acre de cigarro e álcool, criando uma atmosfera de decadência e desespero.
Ao adentrar a sala, deparei-me com a cena que esperava encontrar: Roman, sentado em uma cadeira de couro, com uma prostituta ajoelhada diante dele. Mas não havia nada de erótico para ela naquele momento. Roman não parava, ao contrário. Ele estava absorto em sua própria violência, seu rosto contorcido de prazer enquanto ele infligia seu domínio de dor sobre a mulher.
— Vejo que está se divertindo, irmão. — Comentei, meu tom de voz carregado de uma malícia compartilhada entre nós.
Roman olhou para mim, os olhos brilhando com uma mistura de prazer e crueldade.
— Não há nada de errado com um pouco de entretenimento, não é mesmo? — Ele respondeu, sua voz tingida com uma frieza calculada. — Quer um pouco? Ela é bem obediente.
Uma risada escapou dos meus lábios enquanto eu me sentava na cadeira diante dos dois, observando a agonia da mulher com um certo fascínio.
— Talvez mais tarde. Estou bem apenas observando. — Respondi, minha voz ecoando com um tom de diversão. — Mas não deixe que eu o atrapalhe. Continue, por favor.
Roman sorriu, como se estivesse satisfeito com minha resposta, e voltou sua atenção para a mulher aos seus pés. Com uma expressão de dominação cruel, ele continuou a brincar com ela, aproveitando-se de sua vulnerabilidade como se fosse um direito inquestionável.
— Você é mesmo uma puta obediente, não é? — Roman disse, sua voz carregada de desdém enquanto puxava os cabelos da mulher com força, obrigando-a a se inclinar ainda mais para ele.
A mulher soltou um gemido abafado de dor, mas não protestou. Ela sabia qual era seu lugar na hierarquia brutal que dominávamos, e parecia aceitar seu destino com uma resignação que me intrigava e repelia ao mesmo tempo.
— Parece que ela gosta de ser dominada, não é, irmão? — Comentei, meu tom casual escondendo a onda de excitação que percorria meu corpo.
Roman sorriu, satisfeito com minha observação, antes de voltar sua atenção para a mulher à sua frente.
— As melhores putas são aquelas que sabem seu lugar. — Ele disse, sua voz suave e ameaçadora ao mesmo tempo. — Ela é boa, não é? — Roman perguntou, olhando para mim com um brilho de malícia nos olhos.
Eu apenas sorri, sabendo exatamente do que ele estava falando. Era uma cena familiar para nós. Éramos irmãos de sangue, ligados por laços que iam além da compreensão da maioria das pessoas.
— Muito boa. — Respondi.
Ele passou as mãos pelos cabelos escuros da mulher, forçando-a a engolir completamente o seu caralho, ela engasgou, sem ar, querendo vomitar e ele a segurou ali, jogando a cabeça para trás quando gozou na boca da mulher. Quando a soltou, subiu as próprias calças enquanto a observava recuperar o fôlego.
— Hora de ir, querida. Seja uma boa menina e nunca mais volte aqui, a não ser que eu a chame de novo, entendeu?. — Ele disse, sua voz suave, mas cheia de ameaça.
Quando ela se afastou, ainda de joelhos, havia lágrimas em seus olhos, mas ela sorriu e engoliu, limpando a boca. Em seguida abriu a boca, mostrando que realmente havia engolido tudo. Era uma mania nossa, uma segurança de que nenhuma mulher, fosse prostituta ou não, usasse nosso esperma para gerar um Rossi indesejado. Tirando Bianca, todos nós fizemos uma promessa de não termos filhos. Ela seria a única a gerar herdeiros.
Roman assentiu satisfeito. Ele a empurrou para longe com um gesto brusco, seu olhar frio e impiedoso enquanto ela se afastava, humilhada e derrotada. A mulher assentiu com a cabeça, suas mãos tremendo enquanto ela se levantava do chão e saía apressadamente do quarto.
— Você não sente pena dela? — Perguntei com curiosidade, mas mantendo um sorriso leve no rosto para o quão óbvia era aquela resposta.
Roman olhou para mim, surpreendido pela pergunta, antes de soltar uma risada.
— Pena? Por que eu deveria sentir pena de alguém que se oferece tão voluntariamente para meu prazer? Ela sabe exatamente no que está se metendo.
Eu me acomodei mais na poltrona, observando enquanto Roman se servia de uma bebida forte, sua expressão ainda estava iluminada pela diversão da cena anterior.
— Então, o que você achou dela? — Roman perguntou, lançando-me um olhar malicioso por cima do copo.
Eu apenas dei de ombros, meu interesse momentâneo na mulher já havia passado.
— Ela era boa o suficiente para a noite. — Respondi, minha voz tranquila e sem emoção.
Roman riu, antes de dar um gole em sua bebida e se juntar a mim na poltrona oposta.
— E o que mais você tem para me contar? — Ele perguntou, seu tom de voz carregado de curiosidade. — Nem fodendo você viria aqui só para ver minha diversão.
Eu me recostei na poltrona, pensando na melhor forma de revelar a notícia que eu sabia que iria surpreendê-lo.
— Vicenzo está voltando. Ele quer se juntar a nós novamente. — Anunciei, observando atentamente a reação de Roman.
Ele franziu o cenho por um momento, claramente surpreso com a notícia.
Vicenzo sempre fora uma figura controversa em nossas vidas, sua natureza imprevisível muitas vezes causava mais problemas do que soluções.
— Vicenzo? O Vicenzo? — Roman perguntou, sua voz tingida de incredulidade.
Eu assenti, confirmando a informação.
— Ele escreveu uma carta, querendo voltar para casa. — Expliquei, vendo a expressão de Roman se tornar pensativa.
Ele levou alguns segundos para processar a notícia.
— Vicenzo voltando para casa... Bem, isso deve trazer um pouco de emoção para nossas vidas. Vicenzo sempre foi bom nisso. — Ele pareceu se convencer das próprias palavras enquanto ficava com um semblante sério, perdido nos próprios pensamentos. — Merda. Isso vai ser uma verdadeira bagunça. — Ele disse, com um brilho travesso nos olhos. — Mas admito que será divertido. Ele sempre sabe como animar as coisas. — Ele disse, um sorriso brincando em seus lábios.
Eu sabia que Roman estava se preparando mentalmente para lidar com a volta de nosso irmão. Vicenzo podia ser um fogo selvagem, mas ele era um Rossi, e sua lealdade à família nunca havia sido questionada.
— Você acha mesmo que é uma boa ideia trazer Vicenzo de volta?
— Bianca acredita que é o melhor para a famiglia. — Eu disse, tentando manter um tom neutro.
O semblante dele se endureceu ligeiramente, um lampejo de descontentamento brilhando em seus olhos.
— Bianca, huh? — Ele murmurou, sua voz carregada de um leve ciúme. — E o que você acha?
Respirei fundo, ponderando sobre minhas próprias reservas em relação a Vicenzo.
— Eu acho que é arriscado, mas se ele puder ser controlado, será um trunfo para nós. — admiti, escolhendo minhas palavras com cuidado. — Por que você está tão preocupado com isso? — perguntei, estudando a expressão de Roman em busca de pistas.
Ele desviou o olhar por um momento, antes de responder em um tom um tanto áspero.
— É apenas uma preocupação com a segurança da família, . Vicenzo é maluco.
— Você estava agora mesmo falando que seria divertido. — Eu sabia que havia mais naquilo do que Roman estava disposto a admitir. Havia uma tensão latente no ar, uma faísca de ciúmes que eu não havia esperado ver em meu irmão. — É sobre Bianca, não é? — ousei perguntar, sabendo que estava pisando em terreno perigoso.
Roman ergueu o olhar, seus olhos escuros faiscando com uma mistura de surpresa e defesa.
— O que porra você quer dizer com isso, ?
— Você parece um tanto... possessivo, ultimamente — respondi cautelosamente. — Desde quando se importa tanto com as decisões de Bianca?
Ele bufou, como se a ideia o incomodasse.
— Não se trata disso. É só que... Vicenzo é imprevisível demais. E ele não tem o mesmo respeito por Bianca que nós temos.
A resposta de Roman não me convencia completamente. Ele sempre fora reservado em relação aos seus sentimentos, mas aquele traço de ciúme era algo novo. Roman nunca fora ciumento em relação a ninguém em toda sua vida, então por que tanto alarde em relação a Bianca querer Vicenzo por perto?
— Você tem alguma razão específica para desconfiar de Vicenzo? — perguntei, decidido a sondar mais fundo. — Se Vicenzo tiver feito qualquer coisa com Bianca, eu o matarei assim como mataria qualquer um de nossos inimigos.
Roman hesitou por um momento, parecendo considerar suas palavras. Finalmente, ele falou, sua voz mais baixa do que o normal.
— Claro que não. E não é sobre desconfiança, . É sobre... precaução. Vicenzo é imprevisível, e nós sabemos disso melhor do que ninguém. — Sua resposta só aumentou minha suspeita. Havia algo mais ali, algo que ele não estava me contando. — Além disso, ele destruiu Bianca quando foi embora. Ela ficou mal por meses achando que tinha sido culpada por ele ser um maluco do caralho. Eu não quero mais vê-la daquele jeito. Vicenzo pode vir, mas quanto tempo irá ficar? Bianca precisa de estabilidade, de segurança, ela está grávida e é minha obrigação manter ela e o bebê seguros. Mesmo que ele não seja uma ameaça física, ele ameaça a quietude que ela precisa ter.
— É obrigação de todos nós mantê-la segura, mas Bianca é adulta. Ela não vai morrer se ele for embora de novo.
Roman soltou um suspiro pesado, seus olhos refletindo uma mistura de preocupação e frustração.
— Eu sei. Talvez eu esteja sendo excessivamente protetor. Mas eu não posso ignorar o que vi acontecer com ela da última vez. Não posso suportar vê-la passar por aquilo de novo.
Seus sentimentos pareciam genuínos, mas ainda havia algo que ele não estava me contando. No entanto, decidi deixar o assunto de lado por enquanto. Tínhamos questões mais urgentes para resolver, e eu confiava em Bianca para cuidar de si mesma.


Capítulo 10



A curiosidade me dominava enquanto observava Bianca se mover freneticamente pela ala da mansão com uma alegria radiante estampada em seu rosto. Ela segurou minha mão com entusiasmo, me levando consigo enquanto eu tentava entender o motivo de sua agitação.
— Quem é Vicenzo? — Perguntei, tentando acompanhar seu ritmo, enquanto ela sorria como se estivesse prestes a revelar um segredo emocionante.
Bianca parou por um momento, seus olhos brilhando com uma mistura de emoções. Ela sentou ao meu lado.
— É nosso irmão. Ele partiu há alguns anos, mas está voltando. Mal posso esperar para ver todos os Rossi juntos novamente. — Ela disse, com sua voz transbordando de felicidade.
Uma pontada de inveja me atravessou, lembrando-me da solidão que me acompanhava desde que meu irmão partira. Nunca mais teria aqueles momentos de união e cumplicidade que compartilhávamos antes de tudo mudar. Ela tinha quem a acolhesse, eu nunca mais teria.
Bianca pareceu perceber minha melancolia momentânea e se aproximou, buscando conforto em suas palavras.
— Eu sei que deve ser difícil estar distante de tudo o que é familiar para você, mas é para sua própria proteção. Não sabemos quem tentou matar meu irmão e se você também não era um alvo, . — Ela explicou, sua expressão séria e preocupada.
— Por que eu seria um alvo? Eu nunca me envolvi em nada errado em toda a minha vida.
— Mas Lorenzo sim. E acredite, uma família inteira paga pelos pecados de uma pessoa. — Ela explicou, sua voz carregada de gravidade.
Meus olhos se fixaram na tatuagem no antebraço de Bianca, uma imagem intimidadora de uma faca ensanguentada com uma serpente enrolada ao seu redor, os olhos da criatura faiscando como um diamante vermelho, como uma ameaça silenciosa. As palavras em italiano gravadas na lâmina da faca ecoavam em minha mente: "Sempre Fedeli, Sempre Letali".
tinha uma dessas. Lorenzo tinha uma dessas também.
Merda, como fui tão cega? Não era apenas Bianca.
Era Bianca Rossi.
Da famiglia Rossi.
Eu não era tão ingênua a ponto de nunca ter ouvido falar da famiglia, mesmo que meu conhecimento sobre eles fosse limitado. Rumores sobre a crueldade dos Rossi se espalhavam como fogo em uma floresta seca.
Os Rossi eram uma força a ser temida, donos incontestáveis de vastos territórios na Itália e além, seu poder estendendo-se por toda a Europa. Eles eram conhecidos por sua tradição familiar, uma união feroz que transcendia tudo o mais. Mas essa união era impulsionada por uma moral duvidosa, envolvendo atividades que variavam desde o tráfico de drogas até a exploração de seres humanos. Prostituição, escravidão sexual, drogas e uma miríade de outros crimes permeavam o império dos Rossi.
— Você é da máfia. — Falei em um tom baixo, Bianca percebeu meu olhar sob sua tatuagem e rapidamente puxou o braço. — Você... Céus, como você pode?
— Como eu posso o que? — Ela perguntou, com a voz calma e suave.
— Eles abusam de mulheres, eles fazem com que elas se tornem prostitutas, vocês... vocês matam pessoas por dinheiro. Pessoas que não tem sequer como pagar por comida. Vocês....
— São escolhas deles.
Era difícil aceitar suas palavras, ainda mais vindo de alguém tão calma e controlada como ela.
— Mas como você pode justificar isso? Como pode aceitar fazer parte de uma organização que explora e destrói vidas? — Minha voz soou mais áspera do que eu pretendia, mas eu não conseguia conter minha revolta. Bianca me observou com um olhar compassivo, mas firme, como se estivesse tentando me mostrar uma verdade dolorosa que eu ainda não queria aceitar, mas era impossível. Como aceitar tamanha crueldade?
— As pessoas fazem escolhas. E às vezes essas escolhas as levam por caminhos sombrios e perigosos. Nós lidamos com as consequências, mas não somos responsáveis pelas decisões que elas tomam.
Sua resposta só alimentou minha frustração. Como ela podia ser tão passiva diante de tanta crueldade?
— Mas você é uma mulher! — Disse, quase sem acreditar nas próprias palavras. — Como pode aceitar fazer parte de algo tão degradante para outras mulheres?
Bianca suspirou, seus olhos transmitindo uma tristeza que eu não esperava ver.
— As mulheres também fazem escolhas ruins, . E muitas vezes somos forçadas a pagar um preço muito mais alto do que os homens. — Sua voz era suave, mas carregava o peso de uma experiência vivida. — Nem todos têm a sorte de poder escolher entre pagar com sangue ou com o corpo. Algumas de nós já nascem com uma dívida impagável. A vida não é justa, a justiça nunca é igual para todos, aprenda isso.
— Mas como você pode aceitar isso? Como pode aceitar que seu filho cresça nesse ambiente? — Minhas palavras eram carregadas de desespero e incredulidade.
Bianca olhou para mim com compaixão, como se entendesse minha luta interna, mas ao mesmo tempo mantivesse a convicção inabalável em suas próprias escolhas.
— Eu aceito porque sei que, de certa forma, todos nós carregamos nossas dívidas. Eu escolhi este caminho, sabendo das consequências. Meu filho não será poupado das sombras que cercam nossa família, mas isso não significa que ele esteja condenado ao mesmo destino que os outros.
Sua resposta me deixou atordoada, lutando para conciliar suas palavras com minha própria visão de mundo. A ideia de que alguém pudesse aceitar tão facilmente um destino tão sombrio parecia irreal.
— E se você estiver errada? E se ele acabar pagando pelas suas escolhas?
Bianca suspirou, parecendo pensativa diante das minhas perguntas.
— Se eu estiver errada, então será minha culpa, e eu terei que viver com isso. Essa é a diferença entre os Rossi e o resto do mundo. Não é o dinheiro, não é o poder, nós apenas estamos dispostos a pagar nossa dívida quando chegar a hora.
— Mesmo que seja seu filho?
Ela me olhou em silêncio.
— Mesmo que seja meu filho. — Sua voz era calma, mas firme, sem qualquer hesitação. — Ser um Rossi significa aceitar as consequências das nossas escolhas, não importa o quão dolorosas elas possam ser. Se meu filho acabar pagando por minhas decisões, será uma lição que eu terei que aprender da maneira mais difícil.
Senti um nó se formar em minha garganta, incapaz de compreender completamente a mentalidade que guiava os membros da famiglia Rossi.
— Mas você não acha que ele merece uma vida melhor? Uma vida onde ele não precise crescer em meio à violência e ao perigo constante? — Minhas palavras saíram mais como um apelo do que como uma pergunta genuína.
Bianca ponderou por um momento, seus olhos se desviaram para algum ponto distante enquanto ela refletia sobre minhas palavras.
— Talvez. Mas essa é a vida que nos foi dada, . E cabe a nós fazer o melhor com o que temos.
— E o pai do seu filho? Ele concorda com isso?
— Não importa o que ele pensa. — Sua voz era firme, determinada. — Ele e eu temos muitos pecados a pagar. Vou garantir que essa criança não tenha, ou, se os tiver, que não seja consumida por eles, como eu fui. Como o pai dele é.
Dei um aceno com a cabeça, não sabendo mais o que questionar. Eu admirava o lado Bianca mãe, talvez porque a minha mãe nunca teve esse lado. Minha mãe não queria me impedir de ter pecados, ela me obrigada a tê-los. Em seguida fui para o quarto que designaram para mim, para ser vigiada tal qual a prisioneira que eu era.
Segurei o choro, prendendo-o na garganta. Era a única coisa que eu podia fazer com ele.
Desde nova vivenciei a completa falta do amor materno, mas tinha Lorenzo para dividir isso comigo. Vivenciamos muitos conflitos, dentro e fora de casa. E sempre que nossa mãe e o nosso pai gritavam um com o outro, gesticulando com raiva um para o outro e se atacando fisicamente, tudo que eu pensava era que a culpa era minha. Claro que eu, a criancinha assustada que pedia colo e comida, devia ser a culpada disso. As emoções que testemunhava sempre eram instáveis, incoerentes e exageradas. Eu não entendia aquilo, eu não entendia a raiva, eu não entendia a quantidade de homens que passavam pela cama da minha mãe, nem porquê aquilo acontecia, então presumia apenas que era minha culpa. O jeito que meu pai me olhava, parecia aumentar essa sensação. Lorenzo sempre dizia que não era minha culpa, mesmo quando era.
Céus, eu sentia tanta falta dele.
Acho que depois da morte de Lorenzo, virei uma máquina. Escondendo tudo. Abafando tudo, tentando não sentir nada. Antes eu tinha ele; depois dele não tive mais ninguém. Era só eu, sendo culpada de mais um tudo de coisas que aconteceram. Talvez por isso eu odiasse tanto a Famiglia e não conseguisse entender nada do que faziam.
Minha mãe era uma prostituta que escolheu pagar suas dívidas com o próprio corpo. Meu pai era um bêbado agressivo e violento e meu irmão… Bom, acho que nunca soube o que Lorenzo era. Ele não devia ter se envolvido com gente assim, ele sempre foi bom demais para isso tudo.
Enquanto me deitava na cama do quarto que estava, olhei ao redor. A mansão dos Rossi era um lugar de luxo e opulência, mas para mim, era uma prisão dourada. Bianca parecia aceitar sua vida com uma serenidade que eu não conseguia compreender. Talvez isso fosse a força dos Rossi. A habilidade de aceitar o peso de seus pecados e seguir em frente, sem olhar para trás. Mas para mim, a dor era uma ferida sempre aberta, uma lembrança constante de tudo o que eu tinha perdido e de tudo o que temia perder. E a dor é muito perigosa quando anda de mãos dadas com a culpa.




Continua...



Nota da autora: Sem nota.





Outras Fanfics:

Em andamento

Porcelain
Originais/Em andamento
Faithless
Originais/Em andamento
Play With Fire
Originais/Em andamento
Saintly Deception
Originais/Em andamento
Abyssus Memoriae
Originais/Em andamento
Holoceno
Originais/Em andamento
Broken Strings
Originais/Em andamento
Amour Interdit
Originais/Em andamento

Finalizadas

Hypothesis
Originais/Finalizada
Beyont The Surface
Originais/Finalizada



Qualquer erro nessa fanfic ou reclamações, somente no e-mail.