Finalizada em: 27/08/2017

Capítulo Único

“Líder da Coréia do Norte nega envolvimento no desaparecimento de três soldados da Coréia do Sul.

A história recente do país mais fechado do mundo ganhou um novo episódio perturbador com o desaparecimento de três soldados na faixa de segurança que protege o limite territorial de tréguas entre as repúblicas coreanas. Nesta sexta, o ditador norte-coreano, Kim Jong Um, negou a história de estar envolvido nesse desaparecimento.
Kim Jong Un declarou que não tem nenhuma informação sobre o paradeiro dos soldados e a polícia segue as buscas, mas sem nenhuma informação quanto à localização dos soldados desaparecidos desde o dia 17 de novembro.
Ji Cham Kook, Lee jong Luk e desapareceram em serviço e até o momento, nenhuma pista foi encontrada.”

Jornal Dong-A Ilbo



8 meses depois….

O barulho da chuva batendo contra o vidro da janela do quarto fez com que eu me despertasse. Perdi a noção de que dia era hoje e nem mesmo sabia qual era o mês em que estava. A TV estava ligada no jornal da noite e nada de interessante parecia acontecer naquelas últimas semanas. Eu estava exausta. Um completo lixo humano. Onde estava? Como era possível acontecer tudo isso? 8 meses sem nenhuma notícia, ninguém sabia onde ele estava e muito menos o que havia acontecido naquele dia 17. Nenhum jornal falava sobre aquele desaparecimento. Parecia que todo mundo tinha se esquecido daqueles soldados que estavam em serviço. Como esquecer pessoas que todo o dia davam a vida para proteger outras?
Eu não acreditava na possibilidade dele e dos outros dois amigos terem desaparecidos sem deixar nenhuma pista. Não estava certo, algo estava acontecendo e essa angústia crescia ainda mais a cada dia. Como alguém some sem mais nem menos e ninguém fica sabendo?
Meu corpo estava ficando pesado a cada minuto que eu lembrava daquele enorme acontecimento. estava desaparecido e eu não conseguia aceitar que estava sozinha naquele apartamento.
Respirei fundo, tentando controlar minhas emoções. Ele estava bem. A qualquer momento ele iria aparecer por aquela porta e correr para os meus braços.
… – Suspirei. Por mais difícil que estivesse sendo esses meses eu ainda conseguia sentir o cheiro dele por toda a casa, o seu perfume em meu corpo, sua mão percorrendo minhas coxas e sua língua acariciando a minha. Não podia deixar de escutar sua voz enquanto dormia. A voz mais suave que eu já havia escutado, o ritmo suave que aquelas palavras entraram em minha mente. A maneira como eu suspirava toda vez que ele me olhava nos olhos, eu sentia. Sentia mais do que fosse permitido, amava mais do que fosse racional. Ele estava em mim, cada minuto, cada segundo. Meu coração, meu corpo, minha fantasia, minha segurança. Não era possível que hoje eu estava sozinha nesse apartamento chorando de saudades dele. Meu corpo não respondia mais aos meus comandos e nada do que eu pudesse fazer ou pensar tiraria aquela angústia que estava queimando dentro do meu peito. Se ele soubesse o quanto eu ansiava pelo toque se seus lábios contra o meu. O cheiro forte do perfume. E a maneira exata dele me amar. Era tão mais fácil viver a rotina diária quando se tinha alguém esperando no fim do dia. Hoje eu não tinha ninguém para me esperar. Não tinha quem desejar. Quem amar. Ele apenas tinha desaparecido. Para um lugar distante onde eu não pudesse ir. Levou com ele meu carinho, minhas esperanças e também meu amor. Muitas vezes me perguntei quando eu iria despertar novamente para a vida. Quando eu iria cair na realidade que tudo estava diferente, quando eu iria aceitar que precisava viver novamente. Eu não podia continuar com essa vida de angústia e solidão. O tempo estava passando e eu não estava acompanhando o ritmo certo dela. Eu nem ao menos sabia se ainda estava viva. Por mais que meus desejos me levassem a insanidade de não estar. Desejo de não voltar a sentir o sol pela manhã e nem escutar o barulho do movimento da cidade. Tudo o que precisava estava dentro da minha cabeça. Minhas lembranças acompanhadas de uma irracionalidade em vê-lo novamente. De alguma maneira eu preciso disso para continuar acordando todos os dias. Gostaria de descrever em palavras o que eu estou sentindo nesse momento. Uma mistura de sentimentos e lembranças de alguns momentos que eu passei ao lado dele. Lembranças que estão me sufocando a cada instante. Minha loucura me leva a acreditar que eu estou perdendo o sentido cada vez que me imagino nos braços dele.
Novamente, lágrimas escorrem de meus olhos e eu grito por seu nome. Grito para que ele volte, para que ele fique do meu lado. Para que ele me abrace. Nada acontece. Tudo está da maneira que sempre esteve. Estou sozinha. O silêncio novamente é minha única companhia. A chuva ainda estava caindo de maneira intensa. Meu reflexo na janela demonstrava o jeito precário que eu me encontrava. Não havia vida, esperanças, sonhos. Meu olhar era triste, angustiante e depressivo. Nenhum brilho. Nenhuma cor. Pálida.
Não restava nenhuma vontade de viver naquele olhar. Eu estava morrendo por dentro. Morrendo a cada dia que passava. O mais desesperador de tudo isso, esse era meu desejo. Morrer. Desaparecer.


Flashback

Perdi o foco ao sentir o toque quente dele em meu pescoço, o cheiro era algo que me deixava completamente desorientada. ainda com os lábios tocando minha pele, me olhou, e eu vi um sorriso indisfarçável em seus olhos. Ele sabe que me agrada. Sabe como fazer com que eu me sinta fora de órbita com o seu corpo tão próximo ao meu. O leve toque de sua mão em toda parte do meu corpo. Meu coração bateu mais rápido à medida que ele intensificava as carícias. Eu senti sua intensidade, seu calor, sua necessidade de estar comigo nessa noite.
Ele acariciou minhas pernas, minha coxa, e deixou que sua mão repousasse ali. Era um gesto simples, mas perdi minha respiração por frações de segundos.
– Estou perdendo o controle. – Ele cochichou, deixando que sua bochecha ficasse tão próxima da minha. Queria ter forças de alguma maneira para ousar a explorar o corpo dele da mesma maneira que ele estava fazendo com o meu. Mas, era como se eu estivesse completamente embriagada com ele nessa posição.
Seu toque me faz estremecer. Eu jamais senti algo parecido.
. – Ele me chamou novamente, tão próximo. Vacilei um pouco, sentindo-me levemente tonta com os braços dele em volta da minha cintura. Minha cabeça está leve e grogue, minha boca, seca. Devagar, suas mãos baixaram, sentindo cada curva de meus seios. Não pude suprimir o pequeno gemido que escapou. Ele sabia exatamente os pontos estratégicos que me davam prazer. Era um pouco alarmante que ele já conhecesse meu corpo tão bem.
– Você me deixa louco. – Ele murmurou, pressionando seus lábios contra os meus. Sua língua deslizou dentro de minha boca e passou rapidamente ao longo do dele, deixando-me fraca. Sem alguma possibilidade de reação. Ele estava me deixando maluca de desejo.
Fechei meus olhos respirando pesadamente quando ele trilhou uma das mãos lentamente para minhas coxas. Eu conseguia sentir a necessidade aflorando dentro de mim. Não conseguia me recordar quando um homem tinha me deixado dessa maneira, com tanta necessidade sexual. rapidamente começou a fazer vários movimentos circulares com as mãos que a cada minuto me davam mais prazer. Envolvi meus dedos em seu cabelo, querendo sua atenção, mas fui incapaz de formar qualquer palavra. Com meu coração acelerado e as coxas e braços tremendo, agarrei os lençóis recebendo aquela caricia. Aspirei um fôlego, incapaz de acreditar completamente no que estava ocorrendo esta noite. Ele se moveu contra meu corpo, amando a forma em que me contorcia de prazer. Logo eu senti uma vontade incontrolável de gritar. ainda estava em cima de mim, movimentando-se mais rapidamente. Tudo o que eu queria essa noite era estar dessa maneira. Sentindo-me completa aos braços dele.

...End!


Despertei daquela recordação, buscando pelo apartamento algum vestígio que ele estivesse ali. Acreditando que não teria sido somente mais uma lembrança que meu cérebro estivesse novamente brincando dessa maneira. Pensei que estava livre dessas recordações, pensei que estivesse ao menos conseguindo viver com a realidade. Não aguentava mais todas essas lembranças. Quando eu iria aceitar que eu não sou forte o suficiente para lidar com essa perda? Quanto tempo mais serei capaz de suportar tudo isso? Quando irei aprender a me comportar novamente como uma pessoa normal?
O tempo. O tempo não estava ajudando em nada, nada do que eu fizesse dava resultado. Nada do que eu pensasse era capaz de suprir a dor que eu ainda estava sentindo dentro do coração. Eu o perdi. E essa realidade eu nunca iria conseguir aceitar. Nada me importava a não ser acordar todos os dias me lamentando pelo o que havia acontecido. Dia após dia a mesma história se repetia. Um terrível sonho com ele, uma cena de amor, um momento especial e eu acordando desesperada buscando ele em alguma parte daquele apartamento. Como nesse exato momento eu estava na minha cama e nenhuma lembrança foi o suficiente para saber como eu havia chegado ali. O vazio novamente estava me consumindo. Eu me sentia sozinha. Abandonada. E tudo o que fazia era voltar para a cama na esperança que pudesse sonhar novamente com ele. Que pudesse amá-lo nem que fosse parte da minha fantasia. De olhos fechados eu conseguia sonhar com . Conseguia sentir o seu perfume e dedilhar com as mãos o traço do seu rosto. Estava ficando louca. Abri os olhos desesperada querendo que tudo aquilo acabasse. Quando isso iria acabar? Eu precisava de ajuda. Precisava novamente buscar algo que eu pudesse me distrair e algo que me desse força para continuar vivendo na realidade. E não naquela mentira que eu criei. Cheguei à conclusão que eu não estava conseguindo ficar sozinha, não conseguia ficar presa dentro desse apartamento olhando para cada canto daquele lugar. Hoje tudo isso estava me sufocando e mais do que nunca desejou que sua amiga estivesse ali ao seu lado nesse momento.
Desejou que alguém real pudesse abraçá-la.


12 meses depois...

Tentei não sonhar ou pensar no que estava acontecendo naquele dia, simplesmente deixei que meus pensamentos ficassem o mais longe possível daquela realidade que estava me atormentando. Hoje eu resolvi que tudo seria diferente, não iria ficar trancada dentro daquele apartamento novamente. Eu precisava muito encontrar um lugar que pudesse me tirar daquela fantasia, daquele sofrimento e daquela angústia que estava me consumindo. Não seria capaz de suportar nenhum dia a mais com todas aquelas lembranças que me deixavam atormentada. Minha cabeça pesou novamente com a velocidade da luz quando tentei olhar em volta para saber se não tinha ninguém me observando. Estava no Beansbins Myeongdong esperando que chegasse a qualquer momento. havia estranhado o meu telefonema inesperado na noite anterior, não era de estranhar também. Não soube dizer exatamente há quanto tempo estava longe de todos incluindo minha melhor amiga. O Myeongdong estava lotado como de costume, era possível você contar nos dedos quais as pessoas daquele lugar que não eram turistas. O Myeongdong era conhecido como o lugar com os mais deliciosos waffle de chocolate, além de bebidas variadas, cafés e chás. Por isso era o meu predileto.
– Surpresa. – Escutei uma voz familiar um pouco atrás. Ela segurou gentilmente no meu ombro e eu consegui soltar um sorriso com a aproximação dela. – Fiquei feliz com a sua ligação. – sorriu sentando-se. O garçom chegou com o cardápio e eu consegui olhar para minha amiga que estava sentada bem à frente analisando a maneira que ela estava se comportando nesse primeiro contato que eu estava tendo com o mundo. Por mais que ela conseguisse disfarçar o que estava pensava, não era capaz de esconder muito. O jeito que ela mexia com o cabelo e os gestos que fazia com as mãos quando estava fazendo o seu pedido era o que lhe entregava. Dentro de alguns minutos ela começaria com o discurso e eu estava pronta para ouvir e chorar nos braços dela. Tudo o que eu queria era somente que ela me abraçasse e me dissesse que tudo ficaria bem. Eu sei o que você está fazendo. Ela me olhou sem graça quando notou que eu a estava avaliando.
– Não vou começar com o meu discurso de psicóloga, apesar de ser uma e você estar precisando de uma nesse exato momento da vida, mas hoje eu estou aqui como sua amiga e não uma profissional que vai falar que você está com sérios problemas emocionais.. – Respirei fundo depois daquelas palavras. Finalmente eu teria minha amiga e não a psicóloga.
– Como você está? – Ela sorriu, segurando minha mão em cima da mesa. Suas mãos estavam quentes e pela primeira vez durante todas essas semanas eu não me sentia sozinha. Se não fosse pelo lugar lotado era capaz de prever o que estava para acontecer. Eu entraria em pânico e aos soluços de tanto choro. não iria se assustar, mas definitivamente me levaria para o seu consultório e me trataria imediatamente como um dos seus casos graves.
– Quem eu vou tentar enganar? – Sorri fraco ao observar a maneira que ela estava me olhando. Por mais que eu quisesse mentir para ela de alguma maneira a minha ligação com era diferente do convencional em uma amizade. Logo nas primeiras horas de contato quando a conheci tive a certeza que qualquer mentiria era possível ser detectada por ela. Lembrei também de quando nos conhecemos e ela disse que eu era a pessoa mais fácil de decifrar do mundo inteiro. Aprendi desde então em nunca brincar com o feeling de psicóloga dela.
– Preciso voltar a me distrair e a ter gosto pela vida. – Fui direta sem rodeios. Ela não mudou a expressão, ainda estava me olhando com ternura e segurava um pouco mais forte minhas mãos. – , não sei como vou conseguir superar isso. Todas as vezes que eu penso nele eu acho que vou enlouquecer de tanta saudade. É como se eu não conseguisse viver sem ele, como se eu dependesse dele para tudo. – Soltei um suspiro derrotado. Mesmo depois de doze meses eu não conseguia dizer o seu nome em voz alta.
– Não consigo ao menos dizer o nome dele em voz alta.
– Depressão. – Ela disse firme, me encarando. Isso eu já estava prevendo que aconteceria, nunca pensei que um dia simplesmente minha vida perdesse o rumo dessa maneira.
– Eu sinto que ele vai voltar a qualquer momento.
. – ajeitou-se um pouco na cadeira, ficando um pouco mais confortável. Notei que ela buscava algumas palavras para iniciar essa conversa ao qual ela julgava ser difícil. – Ele morreu. – Ela parou por um segundo com medo da minha reação. Ao ouvir aquelas palavras meu coração deu um salto que eu achei ser capaz de sair do meu peito. Morreu. Esse tempo todo eu estava fugindo exatamente dessas palavras, não! Ele não estava morto. Lutei com algumas lágrimas que começaram a escorrer por meu rosto.
– Ele não morreu… – tentei controlar minha respiração, mas foi tudo inútil. Meu rosto estava ficando cada vez mais quente e eu sentia as lágrimas caindo mais rápido. Meu coração levemente acelerou em desespero.
– Amiga, eu sei o quanto deve ser difícil para você passar por tudo isso. Sei que foram anos que você passou do lado dele e sei o quanto você se entregou nesse relacionamento. – Minha respiração começou a ficar pesada e eu não conseguia mais lutar contra aquelas lágrimas que começaram a molhar meu rosto. Não podia lutar mais contra tudo aquilo que estava sentindo, eu precisava de ajuda. De qualquer maneira. – Você se fechou completamente nesse relacionamento. Como se não existisse mais ninguém no mundo, apenas você e o . – Ao escutar o nome dele outra pontada fez com que meu coração batesse mais rápido. . Por que eu não era capaz de dizer o nome dele em voz alta? O que estava acontecendo comigo.
– Quero ele de volta. – Minha voz saiu fina. Senti vontade de gritar para que alguém fosse capaz de tirar essa dor de dentro do meu peito, aquela dor estava me consumindo. A sensação de vazio. – Como ele foi desaparecer dessa maneira? Sem explicação? Tínhamos tantos planos. – Choro. Dor. Era tudo o que eu conseguia sentir. O toque da mão de estava anestesiando a minha vontade descontrolada de gritar para todo mundo escutar o quanto eu precisava dele.
– Quer ir para um lugar reservado? – Ela sugeriu quando viu que eu estava prestes a surtar e ela queria isso. Queria que eu chorasse colocando toda aquela angústia para fora. Quando o garçom chegou à mesa ela pediu que ele levasse o pedido novamente e embrulhasse para a viagem, senti minhas pernas ficarem trêmulas quando estava saindo do Myeongdong. Inesperadamente meu coração voltou a acelerar e por instinto eu fiquei paralisada. O perfume. O mesmo perfume que ele usava percorreu o ambiente. Girei o corpo imediatamente para dentro da cafeteria buscando por algum rosto familiar. O único rosto que era capaz de se destacar no meio de todos. Olhei para todas as mesas daquele local buscando esperançosa que meu pedido fosse atendido. não estava morto. Era ele. Ele era o dono daquele perfume e estava dentro do Myeongdong. segurou em uma das minhas mãos, percebendo que eu estava afobada. Mentalmente eu gritava que tudo isso fosse real. Eu queria acreditar que ele estava ali. tinha entrado no Kranzler para me buscar. Ele sabia que aquele era meu lugar favorito e que eu estaria sempre ali esperando por ele. Senti os braços de em volta do meu corpo e com toda força que ela tinha tentou me levar para fora. Tentei lutar olhando novamente para todos que estavam ali. Não havia nenhum rosto familiar, somente aquele perfume que ainda estava forte. Ela me puxou novamente para fora do local e eu desisti de buscar o rosto de .


Flashback

Desci ás escadas correndo, esperando encontrá-lo na sala. Meu coração estava acelerado, minhas mãos começaram a suar frio e sensações estranhas começaram a surgir por toda parte do meu corpo. Por mais que passasse o tempo, eu não mudaria o jeito de me sentir toda vez que estava ao seu lado. Ao vê-lo parado olhando pela janela senti o frio percorrer minha espinha. Quando se virou lentamente me olhou profundo, aquele olhar penetrante e desafiador. Como em todas ás vezes que estávamos juntos, aquele mesmo olhar que me deixava sem fôlego, que me encantava e me fascinava. Seu rosto angelical estava mais fascinante essa manhã, com um sorriso singelo ele me recebeu. Seus braços fortes e aconchegantes agora estavam envolta da minha cintura, consegui sentir o seu perfume e o toque aveludado de suas mãos pelo meu rosto. Respirei fundo, fechando os olhos e me entregando aquele abraço quente e carinhoso. Conseguia, mesmo de olhos fechados, sentir o rosto dele aproximando lentamente do meu. Com a doçura e delicadeza seus lábios tocaram os meus em um beijo apaixonante, mas ao mesmo tempo violento e sedento de saudades. A cada movimento dos nossos lábios meu coração pulsava, ele me envolvia por completo em seu corpo. Cada centímetro do meu corpo tremia com os seus toques e sua aproximação, coisas inexplicáveis acontecem comigo quando estava ao seu lado. Sentia que minha alma se desliga completamente do meu corpo e vagava pelo meu inconsciente, buscando cada sentimento, cada marca e cada desejo escondido.
Não conseguia me imaginar sem aquele homem ao meu lado, seu rosto. Sua boca, o jeito e a ternura. Não acreditava em amor eterno, mas algo vindo de dentro me mostrava a cada dia que eu estava errada. Sentimentos, amor, paixão. Coisa que um dia eu jurei nunca mais sentir por outra pessoa a não ser por ele. Somente eu sabia o que se passava entre nós dois, somente eu sentia todas aquelas coisas. E somente eu que não conseguia achar uma explicação plausível para tudo aquilo, aquele encontro. Aquela união, aquele amor que cresce a cada gesto. Até mesmo em silêncio nos amamos. Às vezes me sentia uma idiota por pensar desse jeito, em outras até vergonha por ser assim. Não parecia algo saudável, de fato não era saudável pra mim. Tornar-me uma pessoa totalmente dependente de outra, mas eu não conseguir lutar contra isso era uma coisa maior do que eu. A velocidade que meu coração batia toda vez que estava ao seu lado, frações de segundos que me faltava o ar quando ele me tocava.
Finalmente, depois de longos minutos juntos afastei meu rosto e abri os olhos vislumbrando a beleza dele. abriu um sorriso maroto e tocou de leve as costas das mãos em meu rosto. Aos poucos e delicados passou os dedos pelos meus lábios e voltou a me puxar para outro beijo.
– Me sinto cada vez mais feliz com você. – Ele sussurrou, descolando os seus lábios do meu. Fechei meus olhos novamente apenas para sentir o seu toque. – Como pode existir uma pessoa tão maravilhosa e perfeita como você?
– Da mesma forma que existe você. – Eu sorri, contemplando o movimento que ele fez com os lábios. Ficamos por alguns minutos em silêncio, apenas olhando um para o outro, sentindo e amando apenas por olhares indefinidos e profundos.
– Já disse hoje que você é a mulher da minha vida? – me envolveu e ambos sentamos em um sofá que estava ali. Pensei inúmeras coisas para falar e não havia nada em meu pensamento que fosse o suficiente para descrever o que eu sentia toda vez que ele me olhava daquela maneira.
– Hoje não, será que eu estou perdendo esse lugar? – Fiz uma expressão de espanto, o que o fez rir. – Vou levar essa resposta como um sim.
– Claro que não, , você nunca vai perder o lugar de mulher da minha vida.
– Quanta firmeza nas palavras.
– É simples quando você sente que encontrou a mulher da sua vida.
– Hum... – Eu resmunguei, beijando de leve as bochechas dele. – espero que isso seja verdade, porque é somente nisso que eu acredito.
– E não precisa acreditar em mais nada. – Ele sorriu, voltando a encostar os seus lábios ao meu. – Eu te amo.
– Não mais do que eu.
– Muito mais. – Ele disse baixinho, dando pequenos beijos pelo meu rosto. – Muito, muito e muito.
– Será?
– Por que essa dúvida toda?
– Fico pensando que entre esse amor todo, existe outra paixão.
– Eu já disse que amo você mais. – Ele me pressionou com força e jogou uma mecha do meu cabelo para trás. – Amo olhar o jeito que você fica tímida quando esta falando. Amo quando você sorri dessa maneira. – Ele me olhou intensamente que fez com o que eu perdesse o foco de todas as outras coisas naquela sala. – Não queria te largar um só segundo.
– Então não largue.
– Não vou. – Ele sorriu, se aproximando de novo e me beijando. Tentei me afastar para falar alguma coisa, mas não senti forças e não queria realmente isso.
– Amo você.
– Você tem que parar de me deixar atordoada desse jeito. – Respirei fundo tentando voltar a me concentrar no que ele estava fazendo.
– Não, é bom saber que eu te deixo assim.
– Muito malvado você. – Dei um tapa no braço dele e ele gargalhou alto se divertindo. Aquela risada era maravilhosa, ficaria durante horas olhando atentamente cada traço desse rosto. Eu estava completamente apaixonada por ele.
– Preciso te perguntar uma coisa. – De repente ele ficou sério e me encarou. Senti meu estômago revirar com aquele olhar. – Calma, não precisa ficar com esse espanto todo. – ele riu, passando a mão pelo meu rosto.
– Você sabe que eu não gosto muito de surpresa. – Eu tentei rir, mas estava nervosa.
– Mas espero que essa você goste. – Ele me olhou sereno e tirou algo de dentro do bolso da sua jaqueta. – Mas antes eu quero que você feche os olhos e apenas me escute.
. – Eu disse relutando e com medo do que ele estivesse escondendo.
– Confie em mim.
– Eu confio.
Ele lentamente pousou a mão sobre o meu rosto e fechou os meus olhos, contei mentalmente até certo número tentando me acalmar. Com o que for que ele esteja pensando, eu confiava. Senti algo entre as minhas mãos, não soube ao certo o que era. Parecia uma caixinha aveludada, tentei abrir os olhos, mas ele os tampou novamente.
– Quero que você guarde muito bem esse presente. Não mostre para ninguém. – Ele disse baixinho, abaixando as mãos e aos poucos fui abrindo os olhos. Encontrei na minha mão uma caixa vermelha, meu coração disparou segurando aquela pequena caixa. – Eu estou indo para a ZDC por alguns meses e quando eu retornar, nós vamos sair para jantar e eu vou te mostrar o que tem dentro dessa caixa. – Comecei a tremer sem saber o que fazer, emoções começaram a surgir de toda a parte do meu corpo. Parecia uma adolescente extasiada com aquela pequena caixa na mão.
– Você às vezes é tão estranho.
– Não abre sozinha. Vai abrir só quando eu estiver com você.
– Tudo bem, prometo. – Eu gaguejei, segurando com todo cuidado aquela caixa.
– Guarde com você o tempo todo.
– Tudo bem, amor. – Eu sorri.
– Eu te amo tanto. – Ele parou por um segundo me analisando e passou os braços em volta do meu pescoço. Sentindo a força em seus braços me entreguei completamente para aquela sensação de conforto.

...end!


Janeiro estava apenas começando e o frio cortante de -4,2 °C estava congelando parte do meu corpo. Não era possível sentir as pontas dos meus dedos e meu nariz estava completamente vermelho com aquele vento que estava cortando a rua principal da estação de Gangdong.
Juntei mais algumas coisas importantes para levar para a casa de , desejando que aquela mudança chegasse logo ao fim. Toda e qualquer parte do meu corpo estava dolorido de tanto carregar essas caixas de um lado e outro.
– Enfrente isso, .
Caminhei lentamente, com cuidado para não deixar nada cair e sem estar atenta com o movimento da calçada, acabei desequilibrando, deixando que meu corpo perdesse o controle e todas as caixas imediatamente caíram, fazendo a maior bagunça possível.
– Eu não acredito nisso…
Fiquei irritada imediatamente, pensando que aquilo tudo não estaria acontecendo se eu não tivesse inventando essa ideia ridícula de ir morar com a .
– Que droga! – Xinguei, procurando rapidamente recolher todos os objetos que estavam no chão para que não atrapalhasse a passagem de outras pessoas. Mudança era algo tão complicado e eu estava me sentindo tão exausta. Minha cabeça estava pesada e ao levantar novamente me senti tonta, precisando me apoiar em um dos carros que estavam estacionados.
Fechei lentamente os olhos com uma das mãos e respirei fundo, tentando me concentrar apenas na minha respiração. Não era nada além de um pequeno mal estar. Passei as mãos pelo meu rosto e lentamente voltei a abrir meus olhos e me assustei ao ver a imagem de uma pessoa parada tão próxima me olhando. Esfreguei novamente os olhos para a imagem se fazer mais nítida e esqueci como era respirar no instante que encontrei aquele olhar novamente. O mesmo olhar que eu busquei durante tanto tempo nos meus sonhos e nos meus delírios. Ele era a minha fantasia mais real durante todos esses meses. E agora essa fantasia estava bem diante dos meus olhos e eu não soube exatamente como me comportar ao perceber a realidade daquilo tudo. Ele tinha o meu olhar, o meu rosto, o meu calor e a minha vontade de continuar acordando todos os dias. era novamente meu e tudo nele era exatamente moldado para me completar, agora eu me sentia completa novamente. O meu coração foi capaz de bater num ritmo tranquilo e a saudades começou a arder na minha pele. Dessa distância eu conseguia contemplar ainda mais o formato dos seus lábios e o leve avermelhamento em suas bochechas do frio que estava fazendo. Ele moveu lentamente os lábios tentando abri-los para dizer alguma coisa e eu fui capaz de buscar um pouco o ar para conseguir manter por mais alguns segundos aquela lembrança. Essa lembrança estava me dando forças para continuar em pé naquele instante e eu queria tocá-lo mais uma vez, sentir a sua pele contra a minha e sentir a maravilhosa sensação de mais uma vez ser abraçada pela pessoa mais importante na minha vida.
Eu queria que os braços dele me envolvessem novamente e o calor dele se fundisse junto ao meu, o choque do contato dele acalmaria cada parte e traria uma onda de esperança aos meus sentimentos. Queria ser capaz de tocar apenas por alguns segundos em seu rosto e acariciar levemente sua bochecha, queria que aquilo fosse real para ser capaz de lhe beijar ternamente sugando dele todo o amor e atenção que eu necessitava.
Mas eu estava sentindo um terrível medo que se eu movesse algum músculo era capaz de perdê-lo novamente e eu queria que aqueles minutos durassem uma eternidade. Dessa maneira eu conseguia exatamente sentir o que é ser amada novamente olhando dentro daqueles olhos eu era a pessoa mais amada do mundo, e aquilo era tudo o que eu mais queria.
Meu coração era responsável por bater tão forte e meus músculos estavam se contraindo a cada instante querendo tomar controle do meu corpo. Involuntariamente eu movi um dos braços tentando alcançar o rosto dele. fechou os olhos, esperando que eu tocasse. Ele também parecia estar precisando de algum contato meu e eu estava prestes a ultrapassar a realidade do meu delírio.
Meus dedos moveram-se lentamente para o seu rosto e eu fechei os olhos para apreciar aquela sensação de prazer que estava percorrendo por toda a extensão do meu braço. O calor dele me causou um choque repentino e eu fiquei tremula com aquele contato e imediatamente fui capaz de acariciar com as pontas do dedo toda a extensão do seu rosto, indo de uma bochecha a outra. Controlei a minha respiração tentando não desmaiar ou entrar em estado de choque profundo. Dedilhei agora os lábios dele com as mãos e eu senti uma explosão surgir de dentro do meu peito com o jeito macio e quente que a boca dele estava contra os meus dedos. Ele era tão real que eu estava prestes a enlouquecer de desejo.
Essa lembrança dele era exatamente a que eu mantinha viva dentro do meu peito.
Aquele mesmo olhar que sempre foi capaz de me tirar o fôlego e fazer com que eu perdesse o foco para tudo, esse contato macio dos lábios dele e a temperatura do seu rosto toda vez que tocava o meu. Atrevi-me a explorar ainda mais esse delírio e com a outra mão toquei em seu peito, sentindo a violência que seu coração batia contra a pele do seu peito. Lentamente abri os olhos e ele estava me olhando da maneira que eu mais amava e isso estava ficando irracional demais.
Ele quebrou a distância dos nossos corpos, senti as mãos dele envolverem minha cintura e eu fiquei fora de foco por alguns segundos com o frenesi que tomou conta de mim. Uma voz gritava dentro da minha cabeça me deixando transtornada ele não era real, ele não estava vivo e aquilo tudo era uma simples imagem que estava sendo refletida dos meus pensamentos. Essa imagem que eu sustentava em olhar para não me esquecer nunca de como era lindo e perfeito o seu rosto. A imagem que me obriguei a guardar dele para que eu nunca fosse capaz de esquecer como é possível se sentir única e realizada quando ele olhava daquela maneira. Ele aproximou o rosto lentamente do meu e eu me perdi naquele instante quando senti o hálito quente dele invadir cada parte do meu rosto. A boca quente e macia dele veio em direção a minha e eu me entreguei aquele beijo doce e suave, sentindo cada gosto a sua maneira. A língua dele buscou a minha e ficamos durante alguns segundos trocando aquele contato que eu tanto ansiava. acariciou a minha boca com a dele, deixando todos os meus sentimentos tão claros, ele estava ali e aquilo tudo era real. Eu não estava fantasiando nada e aquele beijo cheio de paixão e saudade estava acontecendo mesmo. Antes de perder a lucidez eu envolvi os braços no seu pescoço segurando aquele delírio o máximo possível.
Ele afastou um pouco os lábios dos meus encontrando sua testa na minha e eu tentei manter o peso do meu corpo para não desmaiar imediatamente.
– Achei que nunca mais fosse sentir você dessa maneira. – Sua respiração se encontrou com a minha e a prova de que aquilo tudo era real demais foi quando abri os olhos e notei que eu estava envolvida em seus braços. – Fiquei com tanto medo de nunca mais ver esse rosto. Senti tanto desespero todos esses meses longe de você.

– Sim, sou eu.
A força que suas mãos me pressionavam contra o seu corpo era exatamente da maneira que eu mais precisava, tentei me entregar novamente ao desejo e puxei o seu rosto contra o meu invadindo novamente sua boca com a minha e deixando que aquele beijo fosse capaz de expressar tudo o que eu estava sentindo.
– Eu senti tanto a sua falta.
Não consegui controlar o desespero em meu peito e aquele momento era tudo o que eu mais estava esperando. Eu não conseguia ainda acreditar que ele estava realmente diante dos meus olhos. Não consegui assimilar que estava em seus braços novamente. Ele estava tão quente, tão vivo e aquele beijo era tão real que eu não soube diferenciar mais a realidade.
Entreguei-me novamente ao desejo irracional de tê-lo só pra mim e aproveitei cada minuto que fosse possível. estava comigo novamente. E nada mais estava me importando a não ser o jeito que meu coração estava batendo cada vez que ele acariciava minha língua com a sua.
. – separou os nossos lábios respirando fundo como se quisesse falar alguma coisa. Olhei para ele confusa não entendendo aquela atitude repentina. beijou a ponta do meu nariz levemente e em seguida me abraçou. – Eu sinto muito por ter desaparecido dessa maneira, eu nem consigo imaginar como você ficou todos esses meses. Tudo o que eu mais quero nesse momento é ficar com você, não por uma noite ou por um dia. Quero você todos os minutos e todos os segundos. Ele sussurrou mordendo em seguida o lóbulo da minha orelha. Um arrepiou surgiu imediatamente e ele sabia que aquele ponto era o lugar exato para me provocar.
– Por favor, não me solte. – Eu pedi já com os olhos vermelhos de tanto chorar.
– Nunca!
O hálito quente dele contra o meu pescoço foi capaz de trazer novos arrepios para o meu corpo.
– Eu amo você.
– Eu também. – Ele voltou a me beijar mais feroz e fiquei com medo que aquele fosse o nosso último beijo. Abracei o corpo dele contra o meu com medo que ele fosse embora. Ele ajeitou o corpo me deixando confortável bem aos seus braços. Se aquilo fosse um sonho eu não queria acordar em momento algum. Eu estava em seus braços e nada mais importava. Tudo o que eu precisava estava bem diante dos meus olhos.



Fim.




Nota da autora: Confesso que fiquei na dúvida se colocava essa fanfic na parte de Kpop ou doramas. Mas no fim acabei aceitando que com o Wook tudo fica melhor.
A história dessa fanfic é uma coisa que eu queria dividir de outra maneira com vocês, toda essa parte de sofrimento eu consegui colocar no papel quando eu estava passando pelo pior momento da minha vida. Quando acabei perdendo meu pai e meu irmão. A única maneira que eu consegui me livrar das coisas que eu tava sentindo foi escrever e depois de todos esses anos eu senti essa vontade de postar mostrando um pouco esse sentimento todo.
É uma fanfic bem especial pra mim. Ela provavelmente vai ter uma parte dois porque tenho algo mais escrito. E esse final acho que vai deixar todo mundo louco em saber se realmente era ele ou apenas uma alucinação. Espero que vocês gostem e comentem pra eu saber o que acharam.
Beijos.






SHORTFICS:
01. Call Me Baby [Ficstape #062: EXO – Exodus]
03. Best Of Me [Ficstape #070: BTS – Love Yourself: Her]
03. This Is How I Disappear [Ficstape #068: My Chemical Romance – The Black Parade]
04. Permanent Vacation [Ficstape #067: 5SOS -Sounds Good Feels Good]
07. Let’s Dance [FICSTAPE #065: Super Junior – Mamacita]
Hug Me [Doramas – Shortfics]

EM ANDAMENTO:
Love Is Not Over [KPOP – Restritas – Em Andamento]
Let Me Know [KPOP – Restritas – Em Andamento]
I NEED U [KPOP – Restritas – Em Andamento]


comments powered by Disqus