Contador:
Última atualização: 31/12/2021

Primeiro Capítulo

And even the most lonely people need something or someone.

passeou pela sua pequena boutique mais uma vez, olhando meticulosamente para cada ramo de flor que havia por ali. Deixou um pequeno sorriso crescer em seus lábios, tomando nota de que o local estava ficando do jeito que ela havia imaginado.
De fato, era seu sonho ter uma floricultura. Desde pequena, sempre era fascinada pelas flores e seus significados, se pegava folheando vários livros, a procura de saber mais sobre o que cada uma delas tinha de especial. E com isso, queria passar para todos os que conhecia sobre seu pequeno hobby.
O perfume das Madressilva invadia o local naquele momento.
— Eu fico tão feliz que esse cantinho se tornou real. — comentou para si mesma, mesmo sua melhor amiga estando ao seu lado. Bianca sorriu. — Acho que tenho muito que agradecer a você.
— Eu discordo totalmente — a amiga comentou, virando o rosto. — Mesmo tendo sido a arquiteta que tirou seu projeto do papel, o sonho é todo seu. E você não faz ideia do quanto estou feliz de te ver assim. Toda animada!
olhou para a amiga e se permitiu sorrir abertamente, saindo de perto da bancada e indo abraçá-la.
Havia conhecido Bianca no início da faculdade e desde então não se desgrudaram mais. Era tão agradecida à amiga, que acompanhou suas conquistas e decepções. Sempre esteve do seu lado e nunca ousou sair, assim como fazia o mesmo.
Elas sabiam que estariam ali uma pela outra e isso foi fato quando Bianca descobriu sua gravidez, após alguns meses de casamento com Hoseok. não sabia se comemorava ou chorava de emoção. Era filha única e sempre foi seu sonho ter um sobrinho ou sobrinha e isso estava se tornando real graças à sua melhor amiga. Ela não podia pedir por mais.
Talvez, até poderia.
Era fato que sua vida não era lá a mais agitada, nem a mais emocionante. A verdade era que a mulher era um tanto... Como poderia definir? Reservada. Não era de ir para muitas festas, eram raras as vezes em que saía com Bianca e Hoseok para algum lugar e apreciava muito ficar no seu apartamento, no canto específico em que continha sua cadeira aconchegante e a caminha de Sook, sua cachorrinha da raça Spitz Alemão. poderia dizer com todas as palavras que Sook era sua melhor companhia, para todas as horas. Não conseguia pensar em sua vida sem ela.
Sook era uma bolinha de pelos caramelos e pretos, e era agitada que só. a havia encontrado em uma pequena feira de adoção no centro de Seul e desde que bateu os olhos na pequenina, soube que deveria levá-la para casa no mesmo instante. E foi exatamente assim que aconteceu.
De início, havia sido um pouco difícil adaptar a pequena bolinha de pelos em seu pequeno apartamento, mas, com o passar o tempo, percebeu que Sook amava estar naquele ambiente. Amava sua caminha e os braços quentinhos de sua dona.
E mesmo sendo só as duas no lugar, às vezes chegava a ser um pouco solitário. amava sua privacidade, amava ter o seu tempo, mas se fosse parar para pensar realmente, no fundo, sentia que tinha um certo vazio. Sempre que o pensamento aparecia, logo tratava de se livrar dele.
Ela sabia do que se tratava.
O último relacionamento da mulher havia sido há alguns anos. Não era como se fizesse questão disso e, com sua última experiencia, não queria outro relacionamento tão cedo. Percebeu que, na verdade, a melhor companhia era a sua própria.
E a de Sook.

— O que você pretende fazer no final do dia? — Bianca perguntou, ainda sentada enquanto passava uma das mãos pela barriga já redonda.
— Pensei em terminar de ajeitar algumas coisas antes de abrir a loja amanhã. — Ela deu de ombros e olhou ao redor. — Você não precisa ficar. Aliás, o que você precisa é ir para casa e descansar um pouco. Percebeu que está aqui desde manhã?
Sua amiga rolou os olhos e sorriu.
— Você é mais nova que eu e parece minha mãe. Não tem vergonha? — perguntou, fazendo as duas rirem. — Eu não estou cansada. Você também não ia dar conta de arrumar tudo sozinha.
— Claro que eu ia. — A morena suspirou, voltando a olhar sua amiga. — Acho que amanhã, antes de abrir a loja, vou passear com Sook pela praça central. — deu de ombros, pensando em como sua cachorrinha deveria estar naquele momento. — Agora com o trabalho, quase não vou ter tempo pra ela.
— Ah, eu sinto falta daquela criaturinha. — Bianca sorriu, olhando a amiga. — Faz tempo que não a vejo. Ela pelo menos cresceu um pouco?
A morena se permitiu rir com o comentário da amiga e balançou a cabeça, ainda achando graça.
— Continua a mesma coisa. Você pode ir visitá-la, sabe disso.
— Eu sei que posso. Inclusive, vou à sua casa esse fim de semana. Quero sua ajuda com o quartinho da Sophie — disse, pegando seu celular para mostrar algumas decorações para a amiga.
Bianca estava no sexto mês de gravidez e a chegada da sua pequena era esperada por todos, principalmente por .
— O quê? Achei que Hoseok ia ficar doido para escolher. Nunca vi um cara tão babão como ele.
Bianca soltou uma risadinha fraca, concordando com a amiga. Era verdade que seu marido ficou completamente amolecido com a descoberta de sua gravidez e mais ainda ao saber que era uma menina.
— Ele ficou, sim. Só que a produtora tem tomado a maior parte de seu tempo e se eu fosse esperá-lo, bom... Discutiríamos isso praticamente no pré-natal e você sabe que eu não consigo mesmo esperar! — falou exasperada.
— Se ele me deu essa benção... — disse divertida. Se aproximou da amiga enquanto ela passava as imagens em sua galeria, mostrando vários tipos de quartinhos.
Ficaram ali por mais algum tempo até perceberem que já estava tarde da noite e que era melhor seguirem para suas devidas casas.
O tempo em Seul era ameno, porém bastante frio naquela noite. Era de se esperar, já que o outono estava na porta. fechou a pequena loja ainda com a amiga do lado e logo percebeu que Hoseok as esperava no carro.
— Você nem pense em ir andando novamente. — O rapaz no volante apontou para a mulher, praticamente em uma bronca.
rolou os olhos e sorriu.
— Hoseok, boa noite para você também. Como estão as coisas? — disse de forma irônica. Bianca já se preparava para entrar no veículo.
— Você se acha muito esperta, não é? — Ele balançou a cabeça e riu. — Vamos, entre.
— Não precisa. Quantas vezes vou ter que falar que o apartamento não fica tão longe mesmo você já sabendo disso? — Colocou as chaves dentro da bolsa e se aproximou do carro. — Eu quero aproveitar que a noite está bonita e vou comprar um vinho.
— Tem uma adega na esquina da sua casa, . Anda, entra no carro. — A mulher ponderou um pouco antes de ceder. Mesmo o casal sendo seus melhores amigos, odiava o fato de achar que poderia estar atrapalhando. Ela sempre foi assim.
Bianca a olhou por alguns segundos e fez um bico enorme, sabendo bem que a amiga não resistiria ao seu pedido. rolou os olhos e sorriu, balançando a cabeça de forma afirmativa. Rapidamente adentrou o veículo, sentindo-o partir em seguida.

O caminho até seu apartamento havia sido rápido, porém confortável. Hoseok era um cara incrível e combinava perfeitamente bem com sua amiga, os dois era agitados e otimistas, era até engraçado de ver. O jeito que conversavam e se davam bem era único. sabia que foram feitos um para o outro.

Passaram-se alguns sinais e logo conseguia ver o pequeno e antigo prédio em que morava. A mulher se deixou levar pelas lembranças que havia passado no pequeno apartamento e sorriu, lembrando que fazia tempo que morava ali e por mais que o apartamento não fosse lá essas coisas e não fosse tão grande, ela o adorava. A vista era uma das melhores, acordava todas as manhãs podendo encarar a Seul Plaza pelas janelas amadeiradas de sua sala e, ainda assim, sentindo os raios de sol da manhã de encontro à sua pele.

— Você quer ficar na adega ou direto em casa? — Bianca perguntou, virando o rosto para a amiga. pensou alguns instantes antes de responder.
— Pode me deixar na adega, por favor. Já é caminho de casa mesmo.
Hoseok balançou a cabeça assentindo e rapidamente já estava parando em frente à lojinha bem iluminada. abriu a porta do carro e se preparou para se despedir dos amigos.
— Cuide dessas duas, ouviu bem? — apontou para o rapaz. — E apareçam lá em casa qualquer hora. Sinto falta da loucura de vocês.
A amiga soltou um resmungo engraçado, quase como um “aw” e esticou os braços, como se quisesse abraçar .
— Eu disse que vou lá esse fim de semana. Você tem estado muito solitária — a grávida comentou fazendo graça.
— Eu acho que você precisa de companhia, . — Hoseok entrou na onda da esposa, fazendo graça com a amiga ao lado de fora. — Brincadeiras à parte, pode deixar que vamos aparecer sim.
— Agora, vamos, babe? Não pense que eu esqueci aquele sorvete de salmão defumado com cream cheese.
Urgh.
e Hoseok resmungaram no mesmo momento, fazendo uma careta e caindo na risada logo em seguida ao observarem a expressão no rosto de Bianca. A mulher cruzou os braços de forma emburrada e com isso os três se despediram ali, fazendo com que ficasse sozinha na calçada antes de entrar no local.

Observou a movimentação daquela rua e apertou o casaco em seu corpo, de forma que a esquentasse um pouco mais. Percebeu que logo mais à frente, próximo ao seu apartamento, havia um pequeno caminhão de mudanças e a agitação de quem quer que fosse se mudar pra ali.

Deu de ombros e rapidamente adentrou a adega, pensando em não demorar tanto ali já que estava doida para ir para casa e Sook provavelmente já estaria com fome pelo horário. Comprou seu abençoado vinho e logo já estava em frente ao seu prédio, subindo as escadas com rapidez e logo estava batendo a porta de seu apartamento, jogando as chaves do pequeno rack de canto.

De início, o local foi preenchido pelo silêncio, mas logo depois podia-se ouvir o barulho dos passinhos apressados de Sook correndo em direção à dona. pendurou sua bolsa no cabideiro e retirou seu casaco, sorrindo ao ver sua cachorra pulando em suas pernas.

— Oi, meu amor! — exclamou ao se abaixar para pegar a Spitz. — Você sentiu minha falta, não sentiu? Ah, eu também morri de saudades.

deu uma pequena risada ao sentir as lambidas de Sook em seu rosto. Assim, seguiu com a cadela em seus braços até a cozinha, parando em frente à sua dispensa.

— Eu não acredito que você já comeu a ração toda que deixei — comentou observando o pote vazio ao olhar para a sala. — Você é uma danadinha, Sook.

Ainda com a pequena nos braços, pegou o pacote de ração e seguiu em direção ao potinho ao lado de sua poltrona, perto da janela. Ali depositou uma certa quantidade de ração e aproveitou para deixar a filhote ali mesmo para se alimentar.
Observou Sook começar a comer e fez um pequeno carinho no topo de sua cabeça, levantando-se e indo guardar o alimento.
Depositou o vinho em cima da bancada e resolveu se preparar para um banho quente e não tão demorado.
estava cansada, precisava admitir. Havia trabalhado tanto para que sua pequena boutique ficasse pronta e para que tudo desse certo. Havia conseguido realizar seu plano, afinal, e estava nervosa ao abrir a loja no dia seguinte. A verdade era que o medo de não ir para frente era maior, mesmo com todo o incentivo de seus amigos.
Tentaria não pensar sobre aquilo naquele momento. Ela só queria descansar.
O banho, como imaginado, não havia sido demorado. A água morna fez com que o cansaço ficasse mais evidente que o único desejo da mulher era descansar cada parte de seu corpo. Já com seus pijamas na sala de estar, observou Sook deitada em sua caminha com os olhos sonolentos e sorriu com aquela imagem.
Sook era sua melhor companhia.
Retirou uma taça de seu armário e resolveu por logo abrir a garrafa de vinho, observando o líquido cair dentro do copo. Bebericou um pouco e seguiu em direção à sua poltrona, se aninhando ali ao observar o céu nublado pelas janelas do apartamento.
Contemplar aquela vista era satisfatório ao final daquele dia tão cansativo.
sorriu de canto e fechou os olhos brevemente.
Esperava do fundo do coração que todo o cansaço valesse a pena e que aquele fosse só o início de sua felicidade.
Ela mal sabia que tudo estava prestes a acontecer.


Segundo Capítulo

Maybe it's a providence of the universe, it had to be like this... You know, I know...

Aquela manhã havia amanhecido nublada, com um pequeno sol escondido entre as nuvens de Seul e mesmo o dia não estando tão bonito, ainda podia-se ouvir o canto animado dos pássaros do outro lado do apartamento.
Taehyung estava exausto e era de se esperar já que toda aquela mudança havia sido repentina, que por mais que soubesse que não iria ficar tanto tempo em Daegu, não achava que voltaria para Seul assim, praticamente da noite para o dia.
A verdade era que ele sabia daquela promoção. Sabia que a Label Entertainment estava recrutando alguns dos funcionários para um cargo maior e melhor e ele havia sido selecionado. Claro que havia ficado extasiado com aquela notícia e não pensou duas vezes em aceitar, só não sabia que a viagem seria logo no dia seguinte, portanto passou sua madrugada do dia anterior inteiro arrumando suas malas e móveis de forma apressada.
Bom, sabia bem que aconteceria algo do tipo logo. Ele não podia reclamar.
Ouviu o grunhido um pouco mais abaixo de sua cama e observou os olhos pedintes de Yeontan, que estava com as patinhas quase em cima de seu colchão.
— Bom dia para você também, rapaz. — Esticou uma de suas mãos em direção a ele. — Vem, pode subir.
Bateu algumas vezes no espaço vazio do colchão ao seu lado até que o cachorro subisse, assim se permitiu sorrir ao vê-lo ir em sua direção.
Yeontan estava em sua vida desde sempre e todas as suas manhãs eram iniciadas daquela forma, com algumas lambidas de bom dia. Ele não podia mesmo reclamar, era agradecido por tê-lo em sua vida. Na maior parte do tempo, ele era sua melhor companhia, se não a única. Havia o encontrado em uma rua pouco movimentada e assim que bateu os olhos na pequena bolinha de pelos, soube que aquele delicado animalzinho seria seu melhor amigo. Chegou até a se questionar o porquê de terem o deixado ali, no típico frio das manhãs da cidade, mas não teve tanto tempo de continuar com seus pensamentos, já que o pegou e o afagou debaixo de seus braços.
Deixou que o cachorro continuasse em sua cama por mais algum tempo e suspirou ao observar o tempo nublado pelas janelas do quarto. Ele não iria para a gravadora naquele fim de semana por conta de sua mudança, então poderia aproveitar para terminar de ajeitar suas coisas e ainda tirar um tempo para descansar, mas naquele momento a única coisa que ele queria era um pouco de ar livre, já que o apartamento estava fechado e a poeira do lugar fechado há tempos era evidente.
Deu impulso com os braços, sentando-se na cama e observou sua feição cansada e os cabelos negros desarrumados pelo espelho posicionado na parede, próximo ao chão. Ele precisava mesmo de um bom descanso.
Olhou para o lado antes de levantar e observou Yeontan o olhando de forma engraçada, como se continuasse pedindo por algo.

— Eu já sei que você está com fome. Eu também estou. — Coçou a nuca, passando a mão livre pelo topo da cabeça do animal. — O problema é que nem tem algo que eu possa fazer agora pela manhã. Acho que vamos ter que passar no mercado.
Deixou um resmungo cansado escapar e finalmente se levantou, se espreguiçando. Aproveitou para pegar Yeontan nos braços e foi junto ao pequeno para a enorme sala do apartamento, esta era clara e ampla, com os móveis posicionados de qualquer forma, esperando para que fossem ajeitados.
Pelo menos não estava tão desarrumado assim, foi o que pensou.
Com cuidado, colocou o cachorro no piso fresco e olhou ao redor, colocando uma das mãos no bolso da calça de pijama. Pensou por alguns instantes e então decidiu sair para comprar o que tanto precisava e aproveitar também para levar Yeontan para passear. Sabia bem que seu pequeno amigo adorava as manhãs frescas.
Com um banho rápido e uma muda de roupa fresca, uma blusa de manga branca e uma calça cáqui de tecido leve junto de seus tênis escuros e mesmo o tempo estando nublado, sentia seu corpo quente pelo mormaço que fazia naquela manhã.
Assim, colocou o pequeno peitoral em Yeontan e observou como ele ficava animado em perceber que ia passear, antes de sair do apartamento.
Ao colocar os pés na calçada, percebeu que o pouco movimento no bairro era explícito. Talvez por ser início do fim de semana ou, quem sabe, por ser bem cedo naquela manhã. Algumas pessoas andavam despreocupadas do outro lado da rua e Taehyung pôde perceber que outras começaram a abrir o comércio local. O lugar era bem aconchegante, achava que realmente pudesse se sentir confortável ali.
Antes de caminhar, ouviu o resmungo de Yeontan, que abanava o rabo de forma animada e tinha a língua para fora, deixando claro como estava gostando da mesma forma que o dono.
— Tudo bem, eu já entendi. Nós vamos à praça primeiro então, ok? — Disse, como se o animal realmente pudesse respondê-lo e com isso soltou uma pequena risadinha com sua atitude.
Já estava tão acostumado a estar com Yeontan a maior parte do tempo que falava com ele de forma automática, até mesmo sobre seu dia a dia e a maioria de seus problemas. Ah, era tão bobo de sua parte…
Continuou de forma calma, observando cada pedacinho do bairro em si. Na medida em que caminhava, se lembrava vagamente da última vez em que esteve em Seul e isso fazia muito tempo, não conseguia se lembrar ao certo se tudo continuava o mesmo, mas pôde perceber que a cidade em si tinha seu charme especial. A começar pela estação em que estava, o outono em Seul era hipnotizante, com todo o ar fresco e as folhas coloridas pelo chão da praça e de algumas ruas arborizadas, assim como viu ao chegar ao parque Namsan.
Ele adorava o lugar, mesmo não se lembrando de tê-lo visitado da última vez. Gostava de como o fazia ter a sensação de se sentir em casa e de como tudo era tão aberto, o ar tão limpo e fresco. Taehyung sabia que aquela era uma das coisas que o fazia querer permanecer em Seul por um tempo, além do seu trabalho.
Quando o rapaz colocou os pés na larga calçada do parque, sentiu um vento leve invadir seu corpo, balançando levemente seus cabelos. Pôde ver com calma como o lugar era esverdeado, florido e bem localizado. Havia muitas pessoas ao seu redor e algumas até mesmo passeando com um bichinho de estimação.
Isso o fez sorrir e Yeontan latir para o mais próximo.
Sabia que seu animal era calmo até demais, mas estando em meio a outros, ficava agitado que só ele. Taehyung achava engraçado como o pequeno demonstrava nitidamente suas emoções.
Ele respirou fundo de forma vagarosa, inalando todo o ar livre que o vento soprava contra si e sorriu de canto, fechando os olhos por alguns segundos. Aquele lugar parecia mágico.
Com isso, olhou novamente para a calçada que ia levando até o meio do parque e balançou a cabeça, colocando uma das mãos no bolso da calça, assim caminhando com Yeontan na guia.
Na medida em que ia caminhando, conseguiu observar as folhas secas do outono espalhadas pelo chão fazendo barulho assim em que as pisava, assim como também notou algumas placas de orientações e até mesmo para algumas esculturas localizadas dentro do parque. Quase como um ponto turístico para os visitantes locais.
Era um lugar memorável e confortável. Sabia bem que era o lugar ideal caso quisesse fugir de sua realidade um pouco. Poderia ficar ali por horas que não se cansaria.
Resolveu então por caminhar um pouco mais, deixando seu animal aproveitar e assim que avistou uma árvore mais afastada, com pouca sombra, achou que seria uma ótima ideia se sentar lá por alguns instantes, até mesmo para observar com calma a extensão do lugar.
Poderia até mesmo ler algo em seu celular e quem sabe assim soltar a guia de Yeontan para que pudesse correr um pouco perto de si.
Pelo menos os dois aproveitariam um pouco — pensou.


🐶


ajeitava a blusa folgada no corpo enquanto no mesmo instante tentava segurar Sook pela guia, já que sua cachorrinha estava mais agitada do que o normal naquele dia. Parecia mesmo que ela sabia que iria passear com sua dona.
De certa forma, a mulher se sentia animada como sua companheira. O ar fresco de todas as manhãs era incrível, mas, naquele dia em especial, algo parecia colaborar consigo mesma e isso incluía o pouco vento do lugar e até mesmo o barulho dos pássaros cantando ao redor.
Antes que pudesse começar a caminhar ali, sentiu algo em suas pernas e abaixou o olhar, notando Sook passando suas patinhas de forma agitada. A pequena tinha a língua para fora, como se pedisse algo.
soltou uma pequena risada.
— Você é muito espertinha. Acha que não te conheço. — Passou uma das mãos, acariciando o topo da cabeça de Sook. — Eu não vou soltar sua guia agora. Acabamos de chegar. Quem sabe daqui a pouco, ok?
Disse, assentindo e assim a pequena Spitz desceu as patinhas, ficando ao lado de como se realmente tivesse entendido o que a dona havia falado.
Não havia pressa em cada passo que a mulher dava, deixando nítido como ela gostava de observar cada cantinho daquele parque. Desde mais nova, sempre gostou de o visitar e assim permaneceu, ainda mais quando adotou Sook e percebeu que sua pequena companheira havia se tornado mais uma fã do lugar arejado, assim como ela e achava engraçado todas as vezes em que balançava a guia nas mãos e ela vinha saltitando em sua direção, completamente serelepe.
Observou Sook enquanto caminhava lentamente pelo parque e deixou um sorriso satisfeito tomar conta de seu rosto, se lembrando como se sentia bem com ela ao seu lado.
Houve tempos em que realmente se sentia sozinha, mas ao ter Sook em sua vida, foi exatamente como se todo o vazio que sentia nos últimos meses, sumisse.
Ou pelo menos, parte dele.
Claro que ela sabia que tudo não se resumia apenas à sua Spitz. Nem mesmo ao aproveitar sua companhia estando em casa com um vinho da adega em seu copo e com a paisagem do céu estrelado pelas suas janelas.
Sempre se tratava de algo a mais, mas fazia de tudo para não pensar naquilo. Ela fazia de tudo para tentar se esquecer.
Respirou fundo e ergueu sua cabeça, colocando um sorriso contido novamente em seus lábios. O dia estava lindo demais para se deixar levar por aqueles pensamentos.
Pôde ouvir Sook latir, a tirando assim de seus devaneios e olhou de sua cachorrinha para a direção em que ela estava latindo, para outro cachorrinho. Ela estava bem agitada, fazendo assim o pequeno lacinho vermelho escapar de sua cabeça.
Aish! Pequena, sossegue. Vem aqui. — Segurou a guia de Sook, se abaixando em sua altura para ajeitar o acessório. Não pôde deixar de rir com o olhar curioso em sua direção, sem deixar de balançar a cabeça para tentar tirar o laço. — Eu sei que é enjoado, mas você fica tão lindinha!
Acariciou o focinho de Sook, que lambeu a mão da dona em resposta e continuou com a carícia por segundos, até se levantar novamente para voltar à sua pequena caminhada matinal.
conseguiu sentir o vento de encontro ao seu corpo, fechando os olhos brevemente com aquilo e, ao abri-los, olhou novamente para a paisagem. Às vezes se sentia tão sortuda por residir em Seul…
A mulher até continuaria, mas sentiu as patinhas de Sook em suas pernas novamente, a chamando.
— Tudo bem, eu vou deixar você correr um pouco — disse, suspirando com a agitação de sua cachorrinha. — Deixa só eu encontrar alguma sombra… Ah, acho que está bom.
Disse para si mesma ao virar o corpo, notando uma enorme árvore ao centro do parque, logo após uma pequena cerquinha que separava a calçada cimentada da parte gramada.
— Vou me sentar um pouco e aí deixo você solta, mas vê se não apronta, hein — murmurou para a pequena e a pegou no colo para atravessar o lugar. Sook parecia sentir exatamente o que aconteceria, já que continuava de forma agitada no colo de .
Ela caminhou um pouco mais até chegar à sombra da árvore central e, ao procurar por um lugar mais aconchegante, deixou o corpo pousar na grama fresca e confortável do lugar. Foi como se todo o seu corpo estivesse aliviado naquele momento, ao encostar o mesmo no tronco da árvore, se deixando descansar no lugar.
Ela realmente amava visitar o Namsan quando podia e só teve mais certeza quando sentiu Sook subir em seu colo, pedindo pelo que mais queria naquele momento.
— Parece que você não vai sossegar até que eu tire essa guia. — Soltou uma risadinha fraca, apertando a pequena levemente. Com isso, esticou a mão até o encaixe do peitoral, o desprendendo dela. A primeira coisa que Sook fez foi soltar um latino fino em direção à dona, mostrando toda sua emoção em estar solta e assim a colocou do seu lado, vendo Sook rodar de forma frenética.
A mulher não soube dizer exatamente o que sua cachorra estava fazendo, já que esta rodava, latia e se esfregava na grama verdinha daquela área. Percebeu que ela dava pequenas corridas e se jogava novamente ao gramado, esfregando o corpo de um lado para o outro, completamente extasiada.
deixou a cabeça tombar para o lado com a cena e sorriu, se sentindo extremamente satisfeita com tudo o que sentia. Todo o seu trabalho estava indo tão bem, as flores que ela tanto amava já estavam postas em suas devidas prateleiras, prontas para seguirem para um novo lar. Aquilo a emocionava, era tão gratificante.
Não via a hora de fazer suas novas encomendas e até mesmo de ver seu negócio dando certo da forma que havia imaginado, ainda mais com o apoio de seus amigos. Não podia pedir algo melhor.
sentiu o celular vibrar em seu bolso, levando um pequeno susto e o pegou, podendo ver o rosto da amiga iluminar o display, mostrando que ela a ligava por vídeo chamada. A mulher atendeu no instante seguinte.
— Eu confesso que não tinha levado a sério toda aquela história de acordar cedo para ir com Sook ao Namsan — Bianca disse, soltando uma risadinha ao final. — Mas olha só, você realmente está aí.
— E parece que você também acordou cedo. O que houve? — Questionou, franzindo o cenho em preocupação. Bianca continuava a olhar a amiga do outro lado, com um sorriso contido.
— Sophie nunca deixa. Você sabe disso. — Fez um biquinho, passando uma das mãos pelo rosto. — O que acha de passar aqui mais tarde? Quero te mostrar o que comprei para o quarto dessa sapequinha aqui. — Levou a câmera do celular até a barriga, a acariciando de leve e retornou para seu rosto. — E traz Sook também. Quero ver minha peludinha!
riu com a mudança de humor da amiga e balançou a cabeça, concordando.
— Eu vou levar ela, sim. Inclusive, olha só essa cena. — A mulher clicou para que a câmera virasse para a traseira e apontou em direção à cachorrinha, que brincava de mordiscar algumas folhas da grama. — Ela está mais agitada que o normal.
— É claro, fazia tempo que você não a levava ao parque. Fez muito bem. — Balançou a cabeça, dando uma piscadela para a amiga. — Bom, eu liguei só para saber como você está mesmo. Rapidinho. Hoseok foi à gravadora, mas já está voltando. Parece que estão mudando a grade de funcionários. Ah, você sabe, todo final de ano acontece isso — suspirou, apoiando uma das mãos no queixo. — Mas vou deixar você aproveitar esse tempo zen que você tanto adora. Nos falamos mais tarde?
— Com certeza! Eu te ligo assim que estiver indo para a floricultura, tudo bem? Torça por mim! — Cruzou os dedos da mão livre, os mostrando a Bianca, que sorriu animada e assentiu, sorridente.
— Como se eu não fizesse isso. Saranghae! — Soltou alguns beijinhos, antes de desligar a chamada com .
— Sarangae!
A mulher disse, ouvindo o toque final da ligação e abaixou o celular em direção ao seu colo, sentindo o coração palpitar com a ideia de que logo abriria sua loja, faltava poucas horas para isso.
fechou os olhos brevemente, sorrindo aberto com toda a situação em sua mente, mas o sorriso sumiu assim que os abriu, olhando para o gramado vazio e sem movimentação.


🐶


Taehyung continuou com os olhos pousados na tela de seu celular, concentrado no seu álbum de fotos, de forma séria. O rapaz não tinha tanto tempo livre, mas sempre que o tinha, aproveitava para se distrair com algo que o fizesse bem e isso incluía mesmo tirar algumas fotos. Qualquer que fosse a ocasião, ou ao menos precisava de uma, Tae já estava com seu celular apontado para algum lugar, isso quando não estava com sua câmera em mãos. Aquilo o deixava em outro mundo, não sabia nem explicar.
Continuando dançando os dedos sobre a tela do aparelho, analisando com minuciosa atenção cada detalhe das fotografias tiradas e até mesmo as de Yeontan, que ele insistia em guardar. Achava graça em como seu pequeno animal parecia fazer pose quando via o celular apontado em sua direção. Tannie era calmo até nesse quesito.
Passou por algumas fotos de Daegu, algumas da vinda até Seul e até mesmo da vista da janela de seu apartamento. Não era uma das melhores, mas conseguia ter uma visão notável do céu de noite e aquilo já bastava para o rapaz.
Com um suspiro leve, ergueu o olhar em direção ao céu, agora mais azulado, indicando como a hora havia passado rápido e ele não havia notado. Não tinha percebido mesmo que estava sentado ali por um bom tempo e só caiu em si quando olhou para frente, tomando um susto ao não enxergar Yeontan no gramado. Olhou para os lados, só conseguindo ver o verde da grama, as árvores e flores ao redor. Nenhum sinal de seu bichinho de estimação.
Foi exatamente como se Taehyung sentisse seu peito comprimir em fração de segundos e todo o seu fôlego sumisse, na mesma velocidade.
Onde é que Yeontan estava?
Não teve nem tempo de pensar no que fazer, o impulso que havia dado para se levantar havia sido maior que seus pensamentos e nem mesmo se lembrou de pegar a guia que estava ao seu lado no gramado antes de sair andando rápido em direção à calçada.
Taehyung não acreditava que tinha deixado aquilo acontecer.

, do outro lado, não sabia exatamente o que fazer a não ser olhar para os lados de forma perdida e preocupada. Não havia um sinal de Sook por ali e com isso começou a se praguejar de várias formas, sentindo o rosto queimar aos poucos por se sentir tão avoada naquele ponto, por deixar Sook sair assim, sem ao menos prestar atenção nela.
Continuou caminhando de forma rápida e levou uma das mãos no rosto pela agitação, percebendo sua mente em um turbilhão de pensamentos. O que faria agora? O Namsan era enorme, não encontraria sua cachorrinha nem tão cedo se fosse o caso. Sabia que se atrasaria para a inauguração de sua loja, mas aquilo era o de menos em comparação a encontrar sua pequena companheira.
Sentiu os dedos trêmulos ao tocarem o rosto e a cabeça tonta ao olhar a todo o momento para os lados, chamando e assobiando para chamar a atenção da pequena.
Mas foi só ver o pequeno laço vermelho caído mais à sua frente, que correu em direção a ele, o pegando e só então sentindo algo correr em sua direção, lambendo sua mão.
Quando ergueu os olhos e avistou a pequena bolinha de pelos pretos e caramelos, deixou o corpo cair sentado para trás, suspirando em alívio por ver o animalzinho na sua frente. Quase sentiu os olhos marejados pela emoção.
Com isso, esticou suas mãos em direção a ela, a pegando e levando em direção ao seu corpo.
— Nunca mais faça isso, Sook! — A repreendeu, afastando a pequena, olhando para ela. — Eu quase morri de preocupação.
Mas, ao contrário do que esperava, Sook não latiu, nem mesmo se balançou agitada em seu colo, demonstrando estar feliz em ver a dona, apenas virou o rostinho para o lado, olhando-a de forma admirada e piscou algumas vezes, quase como se estivesse vendo a dona pela primeira vez.
Aquilo a deixou curiosa, mas a mulher sorriu, sentindo o coração encher novamente por ter sua pequena novamente, só então se levantando com ela ainda em seu colo, prontas para irem para casa. As duas juntinhas.

Taehyung andou de um lado para o outro naquela calçada que não parecia ter fim e mesmo assim não conseguia avistar Yeontan em nenhum lugar. O rapaz colocou uma das mãos nos cabelos negros, os bagunçando, soltando um resmungo alto pela falta de atenção.
— Não acredito… — disse baixo para si mesmo.
Não havia acontecido algo assim e o rapaz nunca foi de ficar tão aéreo como naquele momento em que ficou observando suas fotografias. Não havia sido realmente uma boa hora.
Continuou procurando de forma aflita, chamando por seu pequeno companheiro, imaginando que talvez assim Tannie pudesse ouvi-lo, mas não conseguia nem mesmo ver o vulto do Spitz correndo por aí.
Engoliu em seco, sentindo o peito arder. Não conseguia pensar no que mais poderia fazer para tentar chamar a atenção de seu animalzinho.
Colocou uma das mãos na cintura, tentando se acalmar e pensar direito, já que estava começando a ficar um pouco agitado pela situação, mas foi só ouvir o latido animado em sua direção que Taehyung se virou em questão de segundos, podendo ver a bolinha de pelos pretos e caramelos parada logo atrás de si, quase que de forma sorridente para ele.
— Yeontan — disse, dando uma leve corrida em direção ao pequeno, que começava a dar mais alguns latidos para o rapaz. — Tudo bem. Eu te encontrei. Onde é que você estava, huh?
Tae sorriu abertamente, pegando o Spitz com as duas mãos e olhando fixamente para o rosto do pequeno. Observou lentamente se ele havia se machucado de alguma forma, mas só conseguiu notar algumas folhas amassadas coladas no seu pelo.
— Você está sempre aprontando, não é, rapaz? Acho que está na hora de irmos para casa — mencionou, tirando as folhas coladas no pelo do cachorrinho, o segurando debaixo de seu braço, sentindo o animalzinho bem agitado.
O rapaz conseguiu sentir o corpo aliviar de imediato por ter encontrado seu pequeno companheiro, mas logo espantou os pensamentos e entendeu que tudo não passou de apenas um susto.
Agora, ele e seu pequeno companheiro Tannie tinham algumas compras a fazer.


🐶



No final daquela manhã, exatamente no mesmo momento em que falava animada com sua melhor amiga por vídeo chamada e quando Taehyung olhava admirado e de forma detalhada cada fotografia que havia tirado, os dois animaizinhos saíram animados, conhecendo cada novo odor e cada nova cor do parque Namsan. Yeontan seguiu pelo caminho da calçada, onde algumas pessoas passeavam de forma calma e outras faziam suas caminhadas matinais, enquanto Sook corria agitada, vasculhando cada cantinho que conseguia. Os dois pareciam estar em um mundo completamente novo e sequer sentiram falta de seus respectivos donos, até mesmo quando iam se aproximando e sentindo que estavam perto de outro animalzinho.
Quando Yeontan avistou a amiguinha, parada em uma distância curta de si, saiu correndo em direção a ela, a chamando e a cheirando de todas as formas possíveis, tentando reconhecer o odor que ela exalava, e Sook fazia o mesmo com o pequenino.
Com isso, os dois brincaram por alguns minutos enquanto Taehyung e começavam a se desesperar pela falta dos dois e assim saíram brincando, com Yeontan, claro, a chamando agitado, completamente eufórico por ver uma fêmea exatamente igual a ele, mas foi só quando os dois ouviram os assobios e as vozes misturadas os chamando que saíram correndo em direção opostas, completamente agitados, sem ao menos perceberem, achando que estavam mesmo seguindo na direção de seus donos. Aqueles dois realmente haviam aprontado e era uma pena que nenhum dos dois donos havia notado tamanha arte que Yeontan havia aprontado junto de Sook.
Eles mal haviam percebido o que realmente havia acontecido...


Terceiro Capítulo

Wherever you are, whenever it's right… You'll come out of nowhere and into my life…

O céu já evidenciava o tom alaranjado de fim de tarde daquele dia, que mesmo tendo amanhecido nublado, agora irradiava uma pintura entre as nuvens e Taehyung tinha plena certeza de que já se passava das quatro quando cruzou a rua não tão estreita que dava para a recepção de seu apartamento, com algumas sacolas nas mãos e Yeontan em seu encalço, sendo segurado pela guia enrolada em seu punho.
Depois de quase ter levado um enorme susto pelo sumiço repentino de seu pequeno amigo no parque Namsan, o rapaz resolveu que logo seria a hora de começar a resolver suas coisas, iniciando com sua ida planejada ao mercado. Além de ainda permanecer com fome, também teria que encarar a sujeira, mesmo que pouca, de seu novo apartamento, tendo ainda mais certeza de que toda aquela limpeza demoraria mais do que ele havia imaginado.
O rapaz pensou um pouco mais, quando atravessou o saguão. Não haviam se passado mais de setenta e duas horas desde que havia terminado sua mudança para Seul e já sentia seu corpo exausto, mesmo com aquela minuciosa folga que havia tido da gravadora. Não imaginava que aceitar a promoção poderia lhe trazer a pequena aventura que já estava tendo.
Se lembrou daquela manhã, quando caminhou ansioso pelas árvores espalhadas do parque, sentindo todo aquele frescor acariciar sua pele vagarosamente, quase como se o fizesse esquecer de que tinha outros afazeres e preocupações ao longo do dia. Taehyung era aquele tipo de pessoa, a qual tinha todo o dia traçado em sua mente, pronto para fazer todas as coisas que havia planejado, sem qualquer empecilho.
Mas estar ali, imerso nas risadas e conversas que ecoavam ao seu redor, fez uma impulsiva vontade de esquecer suas preocupações crescer um pouco mais, dando lugar a um sorriso contido no canto dos lábios. Não se lembrava da última vez que se sentiu tão confortável como naquele momento.
E também não se lembrava de levar um susto tão grande com Yeontan.
De início, não entendeu o que havia acontecido. Ele sempre tinha a mania de passear por perto de Taehyung e sequer arriscava ir para muito longe já que costumava passar boa parte de seu tempo com o dono, tanto que a última coisa que tentou se preocupar naquele momento foi de permanecer com seus olhos sobre seu bichinho de estimação.
O que, de fato, não tinha dado muito certo.
Só de pensar no que havia acontecido, o rapaz podia sentir seu coração acelerar vagarosamente dentro do peito. Perder Yeontan não passava por sua mente, ele nem queria cogitar essa ideia. Não conseguia se ver sem o amigo em qualquer momento, já que, para Tae, ele era sua única companhia.
Abaixou o olhar em direção à pequena bolinha de pelos que parecia mais agitada que o normal desde que havia retornado para o dono.
— O que foi? Também ficou preocupado em não me encontrar mais? — o rapaz questionou, subindo o último degrau da escada, pronto para adentrar seu apartamento. O animalzinho soltou alguns resmungos e voltou a olhar para cima, em direção ao seu dono, como se quisesse dizer alguma coisa. — Já estou abrindo, só um segundo…
Com um pouco de dificuldade pela quantidade de sacolas que segurava, Taehyung conseguiu alcançar seu bolso, tirando o molho de chaves que ali continha e colocando a principal na maçaneta, podendo ouvir o clique em seguida de sua abertura.
Não demorou muito para que Yeontan escorregasse de suas mãos, correndo para dentro do cômodo.
E fez algo que Taehyung não imaginava tão cedo.
— Tannie!
Disse mais alto, piscando algumas vezes tentando assimilar o que havia acontecido. O pequeno havia corrido em direção ao centro da sala, ainda com os móveis desorganizados, e abaixou o corpo na posição para que pudesse urinar. E assim o fez.
Mas não era algo que Yeontan costumava fazer fora de seu tapetinho específico para tal.
— O quê? Você… Aish, o que foi, hein? Eu sei que seu café da manhã demorou um pouco, mas… Precisava reclamar dessa forma? — questionou, respirando fundo. O animalzinho piscou antes de empinar o focinho, com a língua para fora, quase como se estivesse mesmo tentando entender o dono.
Taehyung continuou parado por alguns segundos antes de trancar a porta atrás de si, voltando a focar no trabalho que teria no restante daquele longo dia.


🐶

— Você sabe que não precisa ir, Bianca. Olha o tamanho da sua barriga! E seus pés provavelmente devem estar inchados por conta dessa semana… — dizia, enquanto a amiga a observava de forma tediosa do outro lado da chamada de vídeo. Bianca observava achando graça, de certa forma, do nervosismo que a amiga transparecia tão claramente pela abertura de sua boutique.
Bianca revirou os olhos com o resmungo. — Você quer mesmo dar ênfase ao fato da minha barriga estar enorme? — Arqueou uma das sobrancelhas, aproximando o rosto do celular. — E dos meus pés estarem inchados? Sério, ?
Aish… Desculpa, amiga. Você sabe que não estou pensando muito bem.
— E não está mesmo.
— Tem certeza de que você quer ir? O Hoseok vai ficar louco se souber que você foi pra lá de novo — mencionou, terminando de prender os cabelos ondulados em um rabo de cavalo no alto da cabeça. Assim, voltou sua atenção à amiga. Bianca franziu o cenho. — ‘Tá. Eu sei que ele não vai ficar, mas não acho justo com você.
— Você está agindo como se eu estivesse incapacitada de tudo, . — reclamou, se levantando de onde estava sentada. pôde perceber a careta que Bianca havia feito, possivelmente pela dor na coluna que volta e meia sentia pelo tempo de sua gestação. — De qualquer forma, não seria você e muito menos o Jung que me impediriam justamente disso. Agora, você já terminou? Deixou a Sook pronta também? Eu vou passar para te pegar.
— Bianca! Você não…
— Vai começar? — indagou, piscando. sabia muito bem que aquela feição que Bianca fazia podia ser assustadora, exatamente como uma das expressões que sua mãe fazia quando começava a se irritar.
— Tudo bem… Mas você vai dirigir bem devagar!
Bianca apenas se limitou a balançar a cabeça antes de encerrar a chamada e deixar uma inteiramente nervosa dentro do seu quarto. A mulher olhou seu reflexo mais uma vez na frente do espelho, analisando o que vestia e se era mesmo para estar daquela forma. Respirou uma, duas vezes.
Claro que sabia que aquele dia em especial a deixaria daquele jeito, ainda mais nervosa do que costumava ficar e com os pensamentos em um turbilhão, procurando qualquer resquício de algo que tenha esquecido.
E esperava muito que não tivesse esquecido nada.
respirou mais uma vez e até continuaria, não fosse pela bolinha de pelos que apareceu no encalço de sua porta, observando a dona.
— O que foi, Sook? Não gostou no lacinho? — perguntou, caminhando em direção à sua amiguinha. Sook se limitou a tentar levantar a patinha para coçar o topo da cabeça e estreitou os olhos, achando graça em como ela estava agindo. Sook adorava quando era enfeitada. — Você não gostou mesmo?
Sook voltou a olhar a dona, quase como se estivesse entendendo o que dizia.
— Você consegue esperar pelo menos até a loja, meu amor? — questionou, fazendo um beiço pra lá de engraçado e esticou uma das mãos para fazer carinho no focinho da pequena, que soltou um latido. riu. — Vou entender isso como um sim. Vamos?

Quando Bianca parou o carro em frente ao local que parecia mais florido que o dia anterior, deixou que seus olhos arregalassem gradativamente, como se estivesse o vendo pela primeira vez, ainda não acreditando que tinha mesmo conseguido tirar aquele sonho do papel. Deixou que seus olhos pousassem sobre o letreiro, as flores que pendiam ao lado de fora e enfeitavam a vitrine do lado de dentro e em como o verde de suas folhas dava nitidez ao colorido do lugar.
Parecia surreal aos seus olhos. Ela sorriu.
— Você vai me fazer chorar — Bianca murmurou, já sentindo seus olhos umedecerem pela emoção que transparecia.
— Eu ainda não consigo acreditar que conseguimos…
— Você conseguiu, . Você conquistou tudo isso bem na sua frente. Não faz ideia de como me orgulho. — Bianca levou uma das mãos ao ombro da amiga, em um afago leve. Deixou um sorriso fraco escapar. — Mas vamos deixar a emoção para mais tarde. Precisamos abrir sua floricultura!
deixou uma risada animada escapar, assentindo, e aguardou a amiga terminar de estacionar para que pudesse descer do veículo e adentrar seu cantinho. Não pôde evitar de olhar para o lugar uma última vez, o observando com delicadeza e um sorriso emocionado surgiu em seus lábios, se sentindo completamente satisfeita com o que via.
Sabia certamente que aquilo era o começo de um grande sonho.
Bianca trancou o carro, ajeitando a ponta do vestido em seu corpo e rodeou , que já havia descido e tinha Sook nos braços, a puxando levemente em direção à porta.
— Vamos, ! Quanto mais cedo abrirmos, mais tempo teremos para receber os clientes — mencionou, arqueando as sobrancelhas. olhou para os dois lados, observando apenas a movimentação das pessoas que caminhavam de um lado para o outro.
— Mas ainda não temos clientes.
Ainda. Tenho certeza de que vai ser um sucesso.
Piscou para a amiga, podendo ver balançando a cabeça com a graça que tinha feito e assim empurrou a porta do local, podendo sentir a essência das flores se misturando por ali em um perfume inesquecível.
O lugar tinha um toque inteiramente delicado, em tons pastéis destoando as flores coloridas que pendiam separadas por cada cantinho dele. O verde das outras plantas ao chão se misturava às flores mais claras e simples, sendo balançadas pelo pouco vento que adentrava a boutique.
— Nem parece que fomos nós que decoramos esse lugar — Bianca disse, soltando uma risadinha fraca não só de si mesma, como de também. Esta colocou Sook no chão para que pudesse ficar mais à vontade.
— Não acredito que logo você ‘tá falando isso. Isso ‘tá incrível, Bianca, exatamente como eu imaginei.
— Aí, assim eu fico emocionada.
Bianca levou uma das mãos em direção ao canto dos olhos e enxugou um resquício de lágrima que insistia em cair. Naquele momento, se praguejava por estar tão emotiva por conta da gravidez.
— Esses hormônios estão acabando com você, não é?
— Você não faz ideia! — resmungou, fazendo uma careta e voltou a olhar a amiga por alguns segundos, começando a rir junto a ela. — Mas eu vou ficar bem. Agora… Vamos virar a plaquinha?
mordiscou os lábios, olhando em direção à porta e balançou a cabeça, assentindo com a sugestão da amiga. Aquela seria a hora de, finalmente, fazer dar certo.
E, de uma forma decidida, caminhou até a porta mediana amadeirada, virando a plaquinha branca em que dizia Aberto em uma caligrafia desenhada.

🐶


Taehyung respirou fundo, passando uma das mãos pelos cabelos escuros enquanto tinha seus olhos pousados sobre a fachada extensa da Label bem à sua frente e, com a outra mão, segurava algumas pastas e coisas que havia conseguido levar para sua sala. Não era de se admirar que o lugar esbanjava certo charme, já que o prédio da gravadora ficava bem no centro de Seul e claro que contrastaria com seus detalhes minuciosos e bonitos, não tão diferente do que trabalhava na outra cidade.
Só que ele era enorme. Mais do que havia imaginado e visto nas fotos que procurou pela internet.
E aquilo deixou Tae quase sem fôlego, fazendo com que assim lhe desse um pequeno choque de realidade pelo que realmente estava acontecendo.
Ele havia recebido uma promoção, havia encontrado um apartamento melhor e, mesmo em outra cidade, já estava se sentindo bem melhor do que em Daegu. Quase como se estivesse mesmo em casa.
Esperava que tudo continuasse daquela maneira.
O rapaz colocou uma das mãos na alça lateral da bolsa escura que segurava e assentiu para si mesmo, se encorajando a dar os próximos passos, literalmente, em direção ao edifício a poucos metros de si. Observou uma última vez as pessoas que o adentravam e mordiscou seus lábios, ainda sentindo o tão conhecido frio na barriga se apossar mais uma vez sobre si e tentou esquecê-lo por alguns instantes, se lembrando que não teria um motivo tão evidente para aquilo.
Respirou fundo uma última vez e pôde notar um sorriso mínimo crescendo no canto de seus lábios, se sentindo definitivamente pronto para começar seu dia.

— Eu fico feliz que tenha se juntado à nossa sede, sr. Kim. Seu trabalho é muito comentado por aqui. Além de produtor, é um compositor e tanto.
Taehyung ouvia atentamente o que a recepcionista do local lhe dizia, na medida em que ia caminhando com ela em direção ao andar em que muito provavelmente estaria sua sala.
— É mesmo? Eu agradeço. — respondeu, quase automático, mesmo não querendo dar aquela impressão. O rapaz observava cada detalhe daquele lugar.
— Não é nada. Olha, por hora, vou mostrar onde ficará, a pedido de nosso chefe, logo ele virá te dar as boas-vindas, certo? — A mulher, que aparentava ter menos de quarenta anos, deixou um sorriso ameno transparecer em seus lábios ao virar para Tae e logo em seguida esticou uma de suas mãos em direção à porta de vidro fosca, a abrindo para o rapaz. Taehyung logo notou sua claridade. — Esse será seu local de trabalho. Se sinta à vontade, ok? E se precisar de qualquer coisa, pode me convocar pela linha de seu telefone, aquele em cima da mesa. — Apontou para o objeto escuro, quase minimalista. — Me chamo Hana Kang. Seja bem-vindo, sr. Kim.
Taehyung balançou a cabeça em agradecimento e deixou um pequeno sorriso surgir em seus lábios, se sentindo, por um momento, quase confortável, e quando se pegou sozinho dentro do cômodo, se permitiu deixar o corpo aliviar por completo. Nada naquele lugar era parecido com a sede que tinha em Daegu e mesmo não querendo admitir, começou a se sentir um pouco deslocado, não por não ter visto nenhum rosto conhecido durante seu caminho ou até mesmo não ter se enturmado com as pessoas que trabalhavam próximas ao seu setor quando passou por ele, mas por todas as coisas novas e procedimentos que haviam sido inovados em Seul. Nem parecia ser a mesma empresa, claro que de um ponto de vista melhor.
Olhou para cada pequeno canto da sala que daquele dia em diante seria sua e observou os pequenos detalhes que tinha, inteiramente simplista e iluminada pela luz que irradiava ao lado externo, quase o deixando ter uma vista completa do centro de Seul, não fosse por parte das janelas serem turvas para sua privacidade. O lugar parecia vazio demais, Tae precisava mudar aquilo com certa urgência, por mais que gostasse de lugares mais simples.
O rapaz colocou uma das mãos no bolso da calça social um tanto larga que usava, mordiscando o lábio inferior e decidido a começar a organizar tudo o que havia levado para começar o seu trabalho.

Já passava das onze quando Taehyung permanecia com seu olhar focado na planilha aberta em seu notebook, organizando e detalhando parte do processo de algumas canções que havia recebido para analisar e, quem sabe assim, lhe interessava produzir. Não notou quando o café que havia pedido já estava acabando e nem mesmo ouviu os primeiros toques que tinham dado na porta de sua sala. Só despertou quando esta abriu, tirando toda sua atenção do aparelho à sua frente.
Observou um rapaz que aparentava ter sua idade abrir a porta da sala e deixar um sorriso, que Taehyung podia jurar que animaria qualquer um que passasse por ali, surgir em seus lábios.
Ele também sorriu.
O outro em questão trajava roupas simples. Jeans, uma blusa folgada e óculos de grau, aparentemente confortável o suficiente para estar ali.
— Espero não estar atrapalhando. Não pude vir mais cedo lhe dar as boas-vindas — iniciou, ao adentrar por completo a sala e caminhar próximo à Taehyung. — Sou Jung Hoseok.
Tae inicialmente deixou que seus olhos parassem sobre o homem à sua frente por breves segundos até ter plena ciência de quem ele realmente era.
E Jung Hoseok era o diretor responsável pela Label Entertainment.
Rapidamente, Kim se levantou, apertando a mão de Hoseok com certa rapidez.
Oh, claro. Agradeço, sr. Jung. Sou Kim Taehyung.
Hoseok deixou uma risadinha fraca escapar e levou a mão livre em direção ao ombro de Tae, balançando a cabeça em seguida.
— Não gosto de formalidades. Pode me chamar só de Hoseok. E então, o que tem achado? Espero que a srta. Kang tenha te mostrado o lugar mais cedo. — perguntou, rodando a mesa de Taehyung. — Acabei ficando preso em uma reunião hoje cedo. Acho que você sabe como costuma ser o fim de ano, todas essas mudanças me deixam louco.
— Eu imagino que sim. Pude ver como foi corrido em Daegu, inclusive com minha transferência. — Sorriu de canto, voltando a olhar o chefe. Hoseok o acompanhou. — Seul tem sido boa até o momento. Parece que tudo tem dado certo e sou grato por isso. Espero dar o meu melhor aqui.
— Eu sei que vai. Você é um dos produtores mais comentados. — Jung levantou as mãos, quase aclamando Taehyung. O outro riu. — Vou te falar que relutaram em transferir você para cá, mesmo com várias propostas.
— Foi o que fiquei sabendo. Sinto muito em ter dado trabalho.
Hoseok fechou os olhos brevemente ao deixar uma risada nasalada escapar e colocou as mãos no bolso da calça jeans.
— Se preocupe em estar aqui agora. Seul te abrirá portas que Daegu não abriria. — Balançou a cabeça, caminhando até a porta mais uma vez, parando no meio do caminho. — E você já almoçou? Já está quase na hora.
— Ainda não. Acabei de tomar um café, na verdade.
— Então vamos lá. Hoje é por minha conta. — balançou a cabeça, abrindo a porta e aguardando Taehyung que, parecia relutar um pouco. — Aceite como, boas-vindas do seu chefe.
Taehyung apenas sorriu mais uma vez, abaixando a tela do notebook e seguindo seu dirigente para fora do prédio da Label.

Os olhos do rapaz permaneceram focados no trabalho que fazia, mesmo que o lado externo da gravadora já evidenciava que havia anoitecido e que muito provavelmente parte dos funcionários já tinham terminado seu expediente. A verdade era que Taehyung era fascinado com o que trabalhava e involuntariamente acabava ficando preso àquilo, sem se dar conta das horas passando.
Como naquela hora, ele não fazia ideia de que horas podia ser e se era o único a estar ali ainda.
Taehyung olhou para a pouca iluminação dos corredores da empresa e do setor ao lado e voltou a focar em seu trabalho. E até continuaria, não fosse pela presença de Hoseok parando em sua porta outra vez, já com suas coisas, provavelmente pronto para ir para casa.
— Cara, seu expediente acabou já tem um tempo. Vai mesmo ficar aí? — perguntou um pouco mais descontraído. Depois da conversa que tiveram durante o almoço, Taehyung conseguiu notar a boa pessoa que Jung era e que talvez pudesse se abrir um pouco mais. Quem sabe assim teria alguma amizade em Seul.
— Só preciso terminar de organizar o acabamento de uma canção e quem sabe amanhã já posso reunir todas para mostrar ao artista… Qual o nome mesmo dele? — Tae olhou rapidamente para o chefe, como se pedisse ajuda para lembrar. Hoseok riu fraco.
Peakboy.
— Isso mesmo. Ele é bom. Gosto do timbre e da profundidade com que ele canta.
Jung balançou a cabeça, concordando com a opinião do amigo.
— Acho que ele tem capacidade de fazer sucesso. Você sabe, as canções dele são exatamente o tipo que parte da população gosta. Músicas românticas, com aquele toque sonhador que todo apaixonado imagina. — Colocou uma das mãos na cadeira acolchoada à frente da mesa de Taehyung. Ele se limitou a balançar a cabeça ao assentir. — Mas agora eu falo sério, seu expediente já acabou e, como seu chefe, digo que já está na hora de ir.
Tae ergueu o olhar em direção a Hoseok, que tentava manter sua expressão severa e franziu o cenho, ainda o observando.
— Qual é, Hoseok, só mais alguns minutos.
— Você vai embora como? — Jung perguntou, erguendo o corpo e voltando a andar até a porta.
— Provavelmente andando.
— Se terminar agora, te dou carona. E como você não parece ter planos para hoje, vou te levar a um lugar antes de te deixar em casa.
— Você nem perguntou se eu tinha planos — Taehyung indagou, como se achasse ruim. Hoseok arqueou uma das sobrancelhas.
— E você tem?
— Não, mas…
O chefe colocou uma das mãos no rosto, fechando os olhos brevemente, e saiu pela sala, não antes de falar mais alto, avisando uma última vez.
— Você tem cinco minutos!

🐶


permanecia com seus olhos brilhantes depois de agradecer a mais uma cliente que saía satisfeita do local, mostrando gratidão não só à dona, mas como à Bianca pela recepção que havia tido.
Depois da abertura do lugar, o que ela não havia imaginado era que a quantidade de clientes que tinham aparecido havia sido muito maior do que tinha imaginado para o primeiro dia e que logo teria que pedir reposição do seu estoque. Bianca, mesmo com a gravidez pesando suas costas, parecia mais saltitante que o normal ao notar não só a felicidade da amiga, como o sucesso que a boutique estava tendo.
Era mais do que o esperado.
— Tudo bem. Você quer gritar? Pode aproveitar que esvaziou agora — a amiga mencionou, se aproximando.
— Eu só… Eu não sei! Isso é surreal demais, Bianca. — balançou a cabeça, não acreditando que tudo havia dado certo. — Já anoiteceu e parte das Gerberas acabaram. Você tem noção disso?
A amiga gargalhou com a surpresa que estampava em seu rosto e balançou a cabeça, concordando com ela.
— Já podemos entrar em contato com o fornecedor durante essa semana. Inclusive, enquanto você atendia, a boutique foi muito bem elogiada. Gostaram da decoração e alguns clientes disseram que vão voltar mais vezes. — Bianca bateu palminhas animadas, podendo ver quase explodindo em animação.
— Isso é demais para mim. — Colocou as mãos no rosto, deixando uma risadinha fraca escapar.
— Eu acho que isso merece mesmo uma comemoração. Bom, a loja já vai fechar. Posso pedir ao Hoseok para trazer um vinho e um suco, para mim, é claro. — Rolou os olhos, não deixando de rir em seguida. a acompanhou mais uma vez. — E aí conversamos um pouco e contamos a ele como foi hoje. O que acha?
— Perfeito! Faz o seguinte, adianta ligando para ele enquanto eu vou fechando o lugar. Já escureceu bastante — mencionou, olhando pelas janelas da parte frontal da loja. — E o céu está bem estrelado. Ah! Hoje o dia está lindo…
cantarolou, não deixando esconder sua animação pelo dia maravilhoso que havia tido e, com isso, caminhou até a parte da frente, retirando a placa que continha um minucioso quadro negro, onde a letra de Bianca estava desenhada em giz branco com as boas-vindas à boutique.
A amiga retornou para onde guardava as coisas e observou Sook correndo de um lado para o outro. Não notou o que realmente acontecia, só achou estranho quando a pequena foi exatamente onde seu tapetinho higiênico estava para urinar.
, desde quando Sook faz as necessidades no lugar certo? — questionou.
encostou a porta, virando o corpo para observar sua amiga de quatro patas, que parecia mais comportada que o normal.
— Eu não faço ideia. Sabe, tenho notado ela bem estranha ultimamente. Quase como se soubesse o que precisa fazer. Será que isso é normal? — Cruzou os braços, pendendo a cabeça levemente para observá-la melhor.
— Talvez ela só esteja crescendo. Eles acabam ficando mais calmos e espertinhos. — Bianca deu de ombros, notando Sook agora deitada em sua caminha enquanto se entretia com um brinquedo qualquer.
— É. Talvez seja isso.

Hoseok colocou a garrafa de vinho do banco traseiro junto a de suco e aos petiscos que Bianca havia lhe pedido mais cedo e voltou a dirigir em direção à floricultura enquanto conversava com Taehyung a seu lado. Não soube exatamente o que levar para agradar a amiga, já que flores estavam fora de cogitação, então optou por apenas levar o que beber e a comida.
— Tem de certeza que não preciso levar nada? Posso comprar alguma coisa. Não faço ideia de onde estamos indo, mas posso ajudar.
Hoseok riu com a menção do outro e balançou a cabeça.
— Não se preocupe com isso. Não é nada demais. E você vai se enturmar, isso é bom.
Tae assentiu.
— Acho que sim. Não tive muitos amigos em Daegu, mesmo com o tempo que morei lá. Seul tem sido agradável, gosto daqui.
Hoseok o olhou de relance e sorriu.
— Fico feliz em saber disso. Por mais que eu seja seu chefe, espero que possamos ser bons amigos.
Taehyung o olhou por alguns segundos antes de sentir um sorriso involuntário crescer em seus lábios. Não havia se sentido tão confortável assim há um tempo e agora parecia mais feliz em estar ali. Agora passava a ter mais certeza de que sua mudança havia chegado em um momento crucial de sua vida.

Quando o carro de Hoseok parou em frente à floricultura, intitulada como Sweet Smelling, Taehyung franziu o cenho e voltou a olhar para o outro, se questionando o que é que estavam fazendo ali. O lugar parecia fechado, mas as luzes amareladas estavam ligadas na parte interior.
— Deixa eu entender… Você comprou vinho, aperitivos e agora estamos em uma floricultura. — Arqueou uma das sobrancelhas, ainda encarando Hoseok, que parecia segurar a risada. — Isso é algum tipo de encontro?
Jung deixou uma gargalhada alta escapar e fechou os olhos, achando graça na dedução do outro.
— Claro que não, Taehyung. Presta atenção. — O rapaz abaixou o rosto rapidamente como se certificasse de que nenhuma das meninas estaria os vendo. — Hoje foi a inauguração dessa boutique. Ela é da minha melhor amiga. Na verdade, ela é melhor amiga da minha esposa, então tecnicamente é minha também. Vamos comemorar a abertura do lugar, parece que foi um sucesso.
— Fico feliz em saber disso.
— Eu só acabei esquecendo de comentar um detalhe com elas. Não é nada demais. — Balançou a cabeça, pegando as garrafas e aperitivos na parte de trás enquanto abria a porta do motorista para sair. Taehyung continuou esperando Hoseok terminar. — Não mencionei que você viria.
— Você o quê?
Hoseok o olhou uma última vez antes de fechar a porta para adentrar o lugar.
— Não achei que fosse algo tão importante. Olha só, foque em se enturmar, como te falei.
O rapaz deu uma piscadela, batendo a porta e deixando um Taehyung desacreditado para trás, ainda sentado no carona. Tae piscou algumas vezes, tentando assimilar o que estava acontecendo e fechou os olhos com força. Se Hoseok não fosse seu chefe, tinha certeza de que o xingaria naquele momento.
— Eu não acredito…

— Você demorou.
Foi a primeira coisa que Hoseok ouviu ao passar pela porta da entrada da boutique e notar Bianca caminhando em sua direção. não parecia estar ali no momento.
— Desculpe. Acabei me atrasando no trabalho. Bom, trouxe um amigo. Espero que não se importem. — disse, virando o rosto rapidamente para trás onde Taehyung entrava tímido. Bianca o olhou de forma analítica e sorriu, achando graça em como o rapaz parecia acanhado de certa forma.
— Não tem problema. Vou recepcioná-lo.
Hoseok depositou um beijo nos lábios da esposa e passou por ela, em direção à bancada para deixar as coisas que segurava. Bianca sorriu abertamente assim que viu o rapaz se aproximando e acenou para ele, tentando o deixar mais confortável possível.
— Oi! Pode ficar à vontade por aqui, viu? Sou Bianca, esposa do Hoseok — disse animada, mostrando o lugar para Taehyung. Ele sorriu.
— Ele me falou muito sobre você hoje durante o dia. Fico feliz em conhecê-la. — Esticou a mão para cumprimentá-la. — Kim Taehyung. Me mudei para Seul há pouco mais de uma semana, fui transferido para a Label e Hoseok me ajudou muito por hoje.
— É mesmo? Você vai adorar a cidade! As feiras aos fins de semana são maravilhosas e o parque Namsan… Ah! Que bom que você nos encontrou, temos muito a te mostrar — disse animada, arrancando uma risada fraca do rapaz enquanto caminhavam até o balcão central da loja. — Hoseok é um ótimo amigo. Ele vai fazer de tudo pra te ajudar, Tae. Posso te achar assim?
— Claro. Pode sim. — afirmou, se acomodando. — E eu notei isso. Ele tem sido bom.
— Fico feliz então. — deu uma piscadela. Bianca colocou as taças de forma organizada sobre o balcão amadeirado e iniciou, tentando abrir a garrafa de vinho, o que fez Hoseok logo intervir abrindo para ela.
— Onde está a ? Precisamos dela para começar.
— Ela disse que iria ajeitar Sook antes de vir para cá. Deve estar lá atrás. Não deve demorar — respondeu, observando terminar de retirar a rolha da garrafa. Taehyung observou o casal por alguns segundos, podendo notar rapidamente o quão unidos os dois eram e como pareciam se dar bem. Hoseok tinha toda a atenção para a esposa, assim como ela fazia de tudo para deixá-lo bem.
Era um relacionamento admirável.
Tae logo mergulhou em uma conversa animada com o casal mais uma vez, descobrindo um pouco mais sobre eles e sobre o que se tratava realmente aquela pequena comemoração. De certa forma, se sentiu contagiado pela animação que eles transpareciam e assim já estava rindo com eles também.
— Pronto. Sei que demorei, mas agora estou aqui.
A voz de inundou a boutique, tirando completamente o foco de Taehyung da conversa que tinha para ela. O olhar do rapaz caiu sobre o rosto da mulher, se sentindo um tanto quanto hipnotizado. Pôde observar sem pressa como os cabelos ondulados dela caíam perfeitamente sobre seus ombros e em como o sorriso dela parecia iluminar todo canto daquele lugar. Não soube dizer certamente o que havia começar a sentir dentro de si, nem mesmo quando ela pousou os olhos profundos sobre o seu.
E se Taehyung tivesse dito tudo aquilo em voz alta, concordaria prontamente. Ela podia sentir seu estômago revirando em borboletas agitadas.
O que era aquilo?
Taehyung poderia dizer com todas as palavras que aquela visão era extasiante e que não seria capaz de tirar seus olhos do dela, mas só se obrigou a fazer, pois sentiu seus pés serem afagados por algo quentinho e macio. Sook parecia mais confortável do que com qualquer outra pessoa. Ela pulava, latia, parecia doida para que o rapaz a pegasse no colo.
Tae sorriu abertamente para a pequena, sem pensar muito ao abaixar para pegá-la e observou atentamente em como ela parecia como Yeontan, não fosse pelo laço vermelho que mantinha no topo de sua cabeça, mesmo desajeitado.
Quando o rapaz a ergueu em direção aos braços, ainda fazendo uma festa enorme ao estar com ele, rapidamente se apressou, caminhando em direção à pequena, que parecia mais agitada que o normal.
Bianca deixou uma risadinha fraca escapar e Hoseok soltou um resmungo em surpresa ao ver a agitação que a pequena havia feito para Taehyung.
Sook não costumava ser tão dada daquela forma. Não com estranhos.
E Taehyung achou completamente engraçado como Yeontan e Sook eram idênticos.
— Parece que ela gostou de você.
O rapaz pôde sentir o corpo esquentar com a voz da mulher perto de si e virou o rosto vagarosamente, notando o quão próxima ela estava dele. Deixou que seus olhos caíssem sobre os dela, sentindo algo fora do normal dentro de seu peito. Os olhos da mulher o atraíam, assim como também o deixava confortável e Tae não sabia dizer a profundidade de como se sentia em relação àquilo. Só conseguia focar em como era bom.
Ele só conseguiu deixar um sorriso gracioso tomar conta de seus lábios, voltando a olhar para os olhos de mais uma vez.
— Parece que gostou sim.


Continua...



Nota da autora: Olá! Olha quem voltou com atualização para vocês haahah. Espero que vocês gostem e se derretam com mais um casal completamente fofo! O que será que Sook e Yeontan estão aprontando, hein? Já estou super ansiosa para saber o que vocês acharam! <3

E se você se interessar por mais histórias minhas, o link da página de autora vai estar logo aqui embaixo.



Outras Fanfics:
Bold as Love [Originais — Em Andamento]
West Coast [Originais — Em Andamento]
Bookmarked [Kpop — BTS — Shortfics]
Our Christmas Miracle [Originais — Shortfics] — Spin-off de West Coast

Qualquer erro nessa fanfic ou reclamações, somente no e-mail.
Para saber quando essa fanfic vai atualizar, acompanhe aqui.


CAIXINHA DE COMENTÁRIOS

O Disqus está um pouco instável ultimamente e, às vezes, a caixinha de comentários pode não aparecer. Então, caso você queira deixar a autora feliz com um comentário, é só clicar AQUI.


comments powered by Disqus