Última atualização: 15/02/2018

Capítulo Único

Vou contar a história de como eu conheci a mãe de vocês... Era como começava uma das minhas séries favoritas, How I Met Your Mother.
Oi, é a Hannah. Hannah Baker. Poderia começar se fosse uma história mais dramática.
A estrada até aqui cairia muito bem nessa história que também é muito sobrenatural.
Mas de fato, não sei como começar a narrar a sequência de erros que me fez chegar até aqui. E o quão divertido foi cometê-los.
Mas sem tentar enrolar, vou contar como acabei conhecendo o grande amor da minha vida, e o quão difícil foi entender o que o destino realmente estava me aprontando.
Hoje, era sete de Janeiro e eu estava em casa. Era uma bela sexta feira, havia acabado de sair para deixar nossa filha com sua irmã, ja que esse era nosso fim de semana. Anualmente, comemorávamos o dia nove de janeiro como nosso réveillon. O dia em que nossas vidas tomou seu rumo e deixamos muitas coisas pra trás, passando a viver o novo.
Consequentemente, era o dia do aniversário do pior ex namorado que já tive na minha vida.
Tudo começou a exatos cinco anos. Eu estava jogada no sofá da casa de . Ela brincava com sua prima de dois anos, a qual estava sendo paga para cuidar. Eu estava me sentindo especialmente mal naquele dia, então nada como a companhia de alguém pra conseguir interferir nisso. Tudo bem que aquela era justamente a casa da qual eu deveria me afastar, mas o que poderia eu fazer? Até ali, eu não tinha a menor noção disso.
era minha melhor amiga, e querendo ou não, sua presença me tornava uma pessoa muito melhor. Mas era ali que tudo iria realmente mudar. Onde eu começaria e terminaria as melhores coisas que já haviam me acontecido. Onde havia de cometer erros, e alguns dos meus melhores acertos como uma garota perdida no mundo, tentando se encontrar. Ali conheci, desconheci e reconheci o amor, entre várias de suas formas.
E aquele dia era especial. Eu estava dando um tremendo passo na minha incansável busca pela minha identidade. Havia chegado à conclusão de que eu infelizmente não era uma boa pessoa. E o que me tornava ainda pior, era saber que isso de maneira nenhuma me incomodava.
entrou na sala no exato momento em que pensei em perguntar por ele. Ele esboçou um sorriso ao me ver, e não pude deixar de retribuir muito feliz. Ele era minha boa pessoa, e justamente, o que me fazia ser a pior de todas. Nunca havia considerado na minha vida ter um amante. Porém chega um determinado momento em que você acaba estacionada em uma relação e precisa de alguma mudança, seja ela qual for. Muitos casais dão um tempo, muitos outros acabam conversando e expondo seus problemas, mas a maioria acaba em traição. Para ser mais bonito, a busca em outra pessoa daquilo que anda te fazendo falta. E pra mim não faltava nada até que decidiu viajar por uma semana.
No terceiro dia tivemos uma briga enorme pelo telefone e ele me deixou a noite toda sem notícias. Na outra manhã ele me encheu de pedidos de desculpas. No quinto dia ele já estava em casa. Era fato: Ele havia me traído. Homem nenhum cancela compromissos simplesmente por uma briga. E ele então chegou em casa, todo cheio de amor e arrependimento. Eu sabia e não queria aceitar.
Estava aí a mudança na relação. Uma semana depois do ocorrido, todos os dias ele havia dito que me amava. Até flores me comprou. Mas aquela de "ter sido traída" ainda me incomodava ao ponto de que saí de casa na intenção de tomar coragem e deixá-lo de vez. Parei num bar antes, pra tomar um gole de motivação. E lá encontrei o do meu passado. De volta à cidade, formado, belo e solteiro. havia comentado que ele voltaria para morar com ela, mas com tantos problemas no meu relacionamento, acabei deixando minha amiga de lado. Não me importei com naquela noite, assim como a aliança em meu dedo não foi problema algum pro irmão da minha amiga.
Eu deveria ter parado por ali.
Na manhã seguinte à noite do bar, observei dormir sereno ao meu lado. Eu estava me sentindo vingada em relação à , mas um turbilhão de outros sentimentos me invadiram criando mais uma confusão. Que de todos os caras que haviam no mundo, escolher justo ; meu namorado de adolescência; parecia soar como uma manhosa pirraça. Havíamos tido uma pequena história antes de ele se mudar para cursar a faculdade, e agora parecia que tudo queria voltar com a maior das intensidades. Eu sentia como se o passado tivesse acordado com o presente que iria se divertir com nosso futuro.
E tinha também minha melhor amiga. Era inevitável encontrar em sua própria casa, então tudo deixou de ser uma vingança pra se tornar um jogo. Ela ainda não sabia do caso que eu e seu irmão escondíamos no passado, e era muito sensual usar dessa mesma brincadeira no presente.
Se dizem que o proibido é mais gostoso, é porque nunca provaram do escondido.
Eu estava completamente decidida a terminar com em um dia específico. Em mais uma de suas viagens a trabalho, eu faria tudo da forma mais simples: Tiraria minhas poucas coisas de seu apartamento, e quando ele voltasse, conversaríamos sobre. Mas não foi o que devidamente aconteceu.
Eu não derramei nem uma lágrima. Mas me sentia extremamente usada. E não foi por encontra-lo na mesma cama que havíamos divido mais cedo, nem por uma garota estar ali com ele. me feriu com seu olhar. O olhar que tantas vezes imaginei na situação inversa, conseguira ser pior do que a própria traição. Eu não deveria estar ali, mas era como a vida me ensinando uma lição. Eu não tinha razões para ter entrado em seu apartamento aquela tarde, mas se provavelmente não tivesse, continuaria nessa situação sem saber o que acontecia.
Mas eu não podia suspeitar de nada que poderia acontecer. Ele sempre foi do tipo discreto, e vivi muitos dos meus melhores momentos acreditando no meu quase príncipe encantado. Era eu a garota que ele havia apresentado a família como namorada, aquela com quem ele planejava o futuro, com quem dividia tristezas e felicidades na maior parte do tempo. parecia se importar por dois em nossa relação, o que fez com que eu acabasse perdendo todo o encanto. E eu me sentia idiota por ter continuado traindo. Nunca havia pensado que ele também poderia ter feito o mesmo.
Eu estava frente a frente com a ironia. E ela ria da minha cara.
Ele saiu do apartamento atrás de mim só de cuecas, e como em um filme, o elevador se fechou assim que ele quase me alcançou. Dois dias se passaram, os quais fiquei trancada em meu apartamento. Mas, não sozinha.
E ele ficou sabendo disso. E então resolveu que não poderia ele estar na pior.
- Amiga, você devia estar de olhos abertos desde o começo dessa relação. - me disse, num fim de tarde. Largada de qualquer jeito sobre minha cama, olhou pra cima e pra baixo como alguém que estivesse muito irritado e precisasse de um passatempo para esquecer da raiva. - O cara nunca valeu nada - Era aquela coisa que eu sabia, mas custava aceitar.
havia postado um vídeo expondo nossa intimidade de casal. E se não estivesse ali, eu estaria em queda livre até agora.
A irmã de me ligou quando tudo aconteceu. Sua mãe me pediu desculpas por aquele garoto infantil da situação, mas eu não estava magoada, estava possessa. Não havia sido só traída, havia sido humilhada e isso era pior do que qualquer traição em si.
Ele passou todo um dia me ligando, mas quando viu que não daria nada, acho que finalmente se deu conta de que eu não iria voltar. Então não quis ser o errado, e o resultado disso, um vídeo íntimo de nós dois divulgado pelas redes sociais.
E desde então eu era a vadia da internet, que topava fazer qualquer coisa pra agradar o namorado. Seus amigos me mandavam mensagens de "adoraria estar no lugar dele", inúmeros estranhos me contatavam via o telefone que ele próprio havia divulgado.
estava ali pra sempre me apoiar. Enquanto isso, eu estava pegando seu irmão, então, eu certamente ja havia explodido minha vaga no céu.
E após essas duas semanas desde o término, eu precisava dar um fim digno a essa história. Esse era o principal ponto que eu precisava acertar na minha.
O ponto é que eu tinha que deixar a par da minha insanidade . Hoje eu precisava contar tudo, ou ela acabaria descobrindo de um jeito bem pior.
Mas pense comigo e veja que não é fácil: sua melhor amiga tendo um caso com seu irmão. Eu não sabia se ela iria aceitar.
E ali estava eu, jogada em seu sofá pensando. Já havia conversado com ele para finalmente contar tudo, e tinha total apoio. Eu só não sabia ainda como iria acontecer.
- Não é como se a culpa fosse minha. - Disse pra mim mesma. Era algo que havia me dito várias vezes nos últimos dias, e então eu estava convencida de que poderia ser verdade. havia saído com aquela garota antes mesmo de saber do meu envolvimento com outra pessoa. Porém ele me ridicularizou por um erro nosso. E eu só queria minha vingança. E eu não tinha culpa de me apaixonar justo pelo irmão da minha melhor amiga.
Meu olhar se encontrou com o de mais uma vez e eu tive certeza de que precisava esclarecer tudo. Não pude deixar de sorrir e receber o mais belo sorriso de volta.
- Eu preciso tomar um banho. – Minha amiga levantou-se deixando a garotinha que cuidava sobre minha responsabilidade - Tente não tomar nenhuma decisão errada enquanto isso, você está com cara de quem vai fazer besteira. - E saiu. Eu achava graça de como ela me conhecia, mas era enganada por coisas tão simples quanto minhas feições. Ela não sabia, mas a decisão mais errada havia sido tomada assim que seu irmão mais velho entrou na minha vida.
sequer fechou a porta do banheiro antes que me abraçasse e acabasse com meu folego. Ergui-me abraçando-o e intensifiquei o beijo, apertando a gola de sua polo como se dependesse disso pra sobreviver. Dias sem sua fúria e eu me sentia em abstinência. Como se fosse ele que acendesse a chama principal que queimava dentro de mim. E eu sabia que era disso que eu precisava. Seus braços ao meu redor, sua boca na minha e seu calor. Ele era tudo aquilo que eu não devia ter na minha vida.
- Eu acho que estou preferindo que ela descubra sozinha. - Me referi a nosso pseudo-romance. - Não consigo fazer isso.
- Vai ficar ainda mais complicado agora. – Ele sorriu me abraçando. - Namora comigo? Dessa vez de verdade, do jeito que eu levo você pra jantar, te chamo de minha, mostro ao mundo o quanto podemos ser uma dupla perfeita...
- Sim. - Respondi antes que ele continuasse. Eu me lembrava desse pedido como se fosse ontem. - Você sabe que sim. Mas porque isso agora?
- Vamos ao aniversário do seu ex. - Lembrou, referindo-se ao meu plano de vingança que estava arquitetando a alguns dias. - Preciso que ele saiba absolutamente a quem você pertence.

- Ta afim de dar um presentinho de aniversário pra alguém especial? - Foi tudo que precisei dizer para convencer, meu agora namorado, a me ajudar no meu plano de vingança.
Porém, eu obviamente havia fugido de contar tudo a mais uma vez.
achava que meu ex não valia nada. Não consigo pensar no que ela pensaria de mim vestida em um mínimo shorts e uma camiseta extremamente decotada, esperando seu irmão.
Poucos sabiam é que minha vingança sempre esteve em execução. E nunca fui a mocinha que metade das pessoas que me cercavam imaginavam para o azar do meu agora, ex. Muito menos aquela que minha melhor amiga imaginava.
Essa noite eu estava a fim de mudar completamente o pensamento de qualquer um que já tenha me conhecido. Seja pra mal, ou seja pra pior.
Quando saiu de seu carro, ele passou a valer tão pouco quanto. O observei saltar do veículo pela janela da sala de casa. Seu olhar despreocupado, sua respiração tranquila. Na minha cabeça começou tocar photograph do meu querido ed, e o quanto eu pensava amar e o quanto acabei redescobrindo todo esse amor em . Como poderia ter mudado tão rápido?
A resposta é que nunca mudou. Dizem que você tem vários amores, mas que só um é feito pra durar pra sempre. Eu já tinha antes de tudo.
Sorrimos cúmplices antes que eu entrasse em seu carro. Ficamos em silêncio, mas não aquele silêncio constrangedor que faz as pessoas buscarem qualquer assunto só pra acabar com ele, mas sim aquele silencio agradável de quando você está com uma boa companhia e não precisa de muito além do que simplesmente estar com a pessoa.
- Você parece ainda mais bonita como minha namorada. - Ele disse e eu ri.
- Você era muito mais sexy como meu amante secreto. – Brinquei, para descontrair um pouco. Não o deixei me beijar e saí do carro. Vários outros veículos se amontoavam pela rua, então paramos numa quadra seguinte a casa dos pais de , onde ele tinha organizado para ser sua festa de aniversário.
Eu conhecia muito bem o lugar, mas saberia que não seria fácil entrar ali e simplesmente tentar estragar a festa. Penso eu, que não teria essa coragem. Ao menos não sóbria.
Mas como passe de mágica, meu amante, namorado e cúmplice teve a ideia de resolver isso.
E então estávamos num bar, virando shots e shots de tequila. Eu sentia tudo girar e estava extremamente bêbada em apenas meia hora. Meu namorado não estava muito atrás, e geralmente tínhamos as piores ideias quando bebíamos.
Problema é que a tal ideia ruim já estava na minha cabeça antes mesmo de eu pensar em qualquer álcool.
Por isso a sequência de fatos foi rápida.
Ele não havia bebido tanto quanto eu, então estava me guiando de volta até a casa onde seria a festa. Eu o virei de frente pra mim e o beijei. Aquela boca era maravilhosa demais pra passar tanto tempo longe da minha.
Acho que ele não estava preparado para o beijo, então levou um grande tropeço antes de finalmente ceder a minha língua junto a sua. Como a iniciativa ainda era minha, o empurrei até que ele batesse suas costas em um carro e eu conseguisse juntar ainda mais nossos corpos. E então eu estava no seu colo, e me deu uma vontade imensa de gritar. E foi o que eu fiz.
Meus primeiros gritos expressavam meu amor por aquele cara que estava comigo. No final, já estava sendo abafada pelo som da festa, onde eu gritava as mais intensas ofensas ao mesmo.
segurava firme em minha mão quando entramos. Várias garotas desconhecidas estavam junto a porta, o que me fez presumir que a festa "familiar" acabara por se tornar algo bem mais social. Melhor, mais pessoas para ouvirem o que eu tinha a dizer.
- , meu Deus. - Uma garota me disse. Eu gostava muito dela, mas não lembrava seu nome.
- Eu preciso da sua ajuda. - Pedi. Ela estava junto as caixas de som. - Mas não agora. - E continuei seguindo pela casa.
- Você não deveria estar aqui.- Um garoto me disse. Era o melhor amigo de , o qual o nome nem sequer passava pela minha cabeça. - O que você quer?
- Vingança. - Gritei, tentando parecer mais alta que a música. Continuei seguindo sem nenhum rumo, uma bebida desconhecida em minhas mãos.
- Devíamos fazer amor na cama dele. - Meu namorado sussurrou e eu estava prensada a uma parede. Suas mãos se divertiam por meu corpo, porém estávamos em uma festa então ninguém parecia se importar.
O que tornava ainda mais divertido era onde realmente estávamos. Dois passos a direita e conseguiríamos entrar no quarto que ainda mantinha na casa de seus pais.
Busquei pela porta com a ideia de encontra-la trancada, mas não foi o que aconteceu. Porém, a surpresa maior foi encontrar o dono do quarto ali, berrando com uma garota como se ela tivesse o esfaqueado. A mesma garota que a poucos dias eu havia encontrado semi nua em sua cama.
- ? - Ele perguntou, como se não soubesse a resposta. Uma frase, e eu já o conhecia. Estava tão bêbado quanto eu própria. E como se fosse bem normal, saiu do cômodo deixando ali apenas nós três.
- Eu vou acabar com ele. - A garota disse como se eu quisesse saber. A única coisa que eu queria com era mostrar minha superioridade. Que ele havia me feito mal, mas que eu poderia ser tão má quanto. E se aquilo havia de algum dia ter sido um grande amor, a única coisa que me restava era pena. Do que ela havia se tornado e do que ainda haveria de ser.
Ela sentou na cama, e eu ainda estávamos sem reação. Sem a bebida nos entorpecendo, as coisas poderiam ter acontecido de forma completamente diferente.

- O que houve? - Foi ele quem perguntou.
- Ele não vale nada. - Ela contou. - É um cretino mentiroso que só sabe usar e jogar fora. - E dela eu sentia ainda mais pena. realmente sabia como iludir uma garota, e eu me via ali nela no momento. Eu não sabia seu nome, mas sabia que tinham o muito mais em comum do que simplesmente a ilusão.
- Você está aqui. - A garota que encontrei no começo da festa entrou no quarto. - Ele está lá fora e não tira seu nome da boca por nada.
- Ele vai engolir palavra por palavra. - A garota revoltada disse, mas eu tinha certeza que a menina DJ falava comigo.
- Quero dizer seu nome, . - Olhou pra mim.
- Ele deveria ter escolhido entre engolir as palavras ou os próprios dentes. - disse, irritado. Eu estava o achando muito além do que sexy. - A escolha foi dele. - E saiu do quarto.
Eu só me toquei que tinha uma confusão armada quando vi as duas garotas simultaneamente colocarem as mãos sobre a boca e correrem pra fora do quarto. Quando cruzei a porta, vi levar um soco tão forte quanto em cenas de luta. Ele caiu no chão puxando meu namorado junto, e no segundo seguinte eu já não entendia. A garota semi nua se atacava com uma desconhecida, meu ex e atual dividiam um ring de boxe, e eu só conseguia ficar parada. Puxei a DJ pela mão sem ainda pensar direito e ela então me entregou um microfone. Eu adorava cantar, logo lembrei, mas não era o momento para isso. Com a música parada e a festa inteira tentando separar as duas brigas, só gritei uma palavra de cinco letras:
- CHEGA! - E então eu era o centro das atenções. Eu, a garota chifrada, taxada como vagabunda. A garota exposta pelo Ex. O assunto favorito da grande maioria que ali estava.
-Eu fiquei pensando muito no que aconteceu por esses dias. - Comecei a dizer. Todos estavam parados. - Fiquei imaginando o que devia te falar, e quando eu faria isso. E acho que não consigo tornar isso mais fácil do que "Hey, , me desculpe por te chifrar. - Todos permaneciam em silêncio. - Isso jamais deveria ter acontecido, mas ainda bem que aconteceu. Também me perdoe por não ficar mal quando tudo acabou, mas acontece que descobri um tipo de pessoa da qual eu não estava acostumada em você a partir dali. Aquele tipo que não sabe ser suficiente. Assim como nós não éramos amor suficiente. Não éramos tesão suficiente. Mas nada supera você não ser homem suficiente. - Eu ri. - Eu também não fui mulher suficiente de te contar que tinha outro cara na minha vida, que conseguia ser superior em tudo que você conseguia ser satisfatório. Mas então acabamos por descobrir outras pessoas em nossas vidas, e tudo poderia acabar por ali. Eu com ele e você com todas que quisesse. Mas você resolveu se tornar cada vez pior. Você me expôs como uma vagabunda, não foi? Então me sinto completamente no direito de te expor um pouco também. Não da forma como você fez comigo, mas um pouco do que eu aprendi a ver em você. - Respirei bem fundo antes de prosseguir. - Todo mundo realmente acha que encontrou o amor quando tem 17 anos. Você estava lá quando eu definitivamente perdia meu amor. Talvez a culpa de estarmos aqui hoje seja minha, por tentar encontrar em outra pessoa algo que ninguém seria capaz de nunca substituir. E eu tentei, , tentei por tudo buscar o melhor pra gente. Mas você tentou me fazer fraca, achando que era superior tentando esconder outras de mim, enquanto eu estava no mesmo jogo que você. O seu problema foi que eu realmente não estava nem aí, e você me trair foi um favor. Fez com que eu abrisse meus olhos para enxergar que não era nem eu nem você que não valíamos nada, mas sim nosso romance e nossa busca por ser um casal. Eu lembro muito bem do seu rosto quando me viu ali, frente a você e a garota semi nua. E aí está mais uma diferença entre nós. Eu te machuquei de verdade. Machuquei sua capacidade masculina de ser superior, não é? De conseguir estar sempre um passo à frente. Mas quando você descobriu que eu fazia o mesmo, foi o ego. Uma mulher não poderia estar te passando para trás assim, né? Você precisava estar numa situação melhor que a minha. Então a ideia de postar um vídeo pareceu muito boa, você acabava me difamando e então eu seria apedrejada pela sociedade, não é mesmo? Mas no meio disso tudo, você esqueceu o principal. Enquanto você tinha vadias para aquecer sua cama, eu tinha um homem de verdade pra me livrar de qualquer sentimento ruim que viesse a me atormentar. Eu tinha ao meu lado, um cara capaz de fazer qualquer problema parecer estúpido, e qualquer sentimento parecer bobo demais. E eu não falo isso apenas pela raiva que aprendi a ter de você, até porque ele me fez aprender que ela não serviria de nada. Eu só te falo isso, para que quem sabe um dia você encontre o seu amor e que até lá você aprenda a ser ao menos um por cento parecido com o cara que eu tenho ao meu lado. Porque nenhuma mulher que existe merece essa pessoa que você é hoje, e se eu pudesse encheria o mundo de s por aí. E pode ter certeza que nem mil s chegariam aos pés de quem ele é e o que significa pra mim. - Terminei e todos da festa me olhavam como se eu fosse Madonna. Esperei por algumas palmas, mas então todos tiveram uma reação completamente diferente. saiu em direção ao jardim, as garotas voltaram a dançar e os garotos preparar alguns drinks. Era como se o que eu tivesse falando tivesse sido um monte de baboseiras sem sentido de gente bêbada, como em certas partes realmente era. A verdade é que todo mundo estava bêbado demais para conseguir dar atenção a alguma coisa.
Todo mundo, exceto uma pessoa.
No meio de todo mundo, seus olhos brilhavam. Ele estava parado no meio de todos, o lábio meio inchado devido a briga de poucos minutos. Eu havia acabado de fazer a maior declaração de amor da minha vida, bem ali, e ao que parece, cada palavra havia o acertado em cheio.
Eu que me aproximei quando após aquele tempo, vi que ele não esboçara reação nenhuma. Se todos da festa me olhavam como uma das rainhas da música, pra naquele momento, eu parecia ser um beijo gay entre Michael Jackson e Elvis Presley.
- Você disse muitas coisas. – Mesmo bêbada, era engraçado pensar que eu ainda tinha dom com as palavras. – Eu não tenho nem o mínimo de preparo pra conseguir te dizer algo parecido. Você sabe, eu nunca fui bom em demonstrar sentimentos. Só preciso esclarecer que você nunca me perdeu. Nós sempre fomos, e sempre seremos...
- Eu estou bêbada. – O interrompi rindo. – Você pode resumir tudo num “eu também amo você”.
- Não vou usar o também, pois ele demonstra um plural. Só eu amo você. Obrigada por ser minha.


Depois dali acabamos indo embora da festa. Eu nunca pude esquecer a forma como e eu nos amamos naquela noite e em todas as outras que vieram a seguir.
ficou sabendo de tudo na manhã seguinte, quando as coisas ficaram bem estranhas comigo em sua casa passando mal no meio da noite. E pra minha surpresa, o resto da noite foi ainda mais divertido comigo e minha melhor amiga (e cunhada) comemorando o dia 9/01 de uma forma muito mais que especial.
Era aniversário do meu ex, mas acabamos por tornar a data uma coisa ainda melhor.
Algo especial te prepare, se que te vas a sorprender...
En este cumpleaños voy a intentar que sea el peor...
Happy birthday to u!





FIM



Nota da autora: Eu amo essa história de um jeito especial.
Eu montei a história com um olhar. E conquistar essa música pro Ficstape foi uma conquista engraçada.
Eu olhava todo dia a lista de chamada pro Ficstape no site, e ela sempre ali. Aguardei três chamadas pra conseguir trocar a minha por ela, e foi o melhor que fiz. Eu me diverti demais com a história. Obrigada por ler até aqui. Se puder deixar um comentário bem legal, eu iria adorar voltar aqui pra responder. Vocês não imaginam o quanto isso é importante para uma autora, e também para o site. Confira minhas outras fanfics em minha página de autora
.



comments powered by Disqus