Contador:
Última atualização: 02/03/2022

Parte 1

Bokuto estava feliz com mais uma vitória. Quase tinha colocado tudo por água abaixo e ouvir dos seus companheiros de time que ele era o melhor fazia seu dia se tornar espetacular. Sentiu sua cintura ser agarrada por dois braços finos que ele reconhecia tão bem e amava incondicionalmente. Ao virar, viu os olhos da garota que ele conhecia desde criança e que tinha ganhado seu coração nas primeiras palavras; seu sorriso era tão lindo que Bokuto poderia morrer a qualquer momento depois de vê-lo. Agarrou-a num abraço que poderia esmagá-la, mas sabia que ela não se importava pois sentia tanta saudade que nem cabia em seu peito.
— Nunca mais passe tanto tempo sem me ver, está ouvindo? — Resmungou Bokuto. — Eu não sei o que sou capaz de fazer sem você, corujinha.
— Você anda bem dramático esses últimos dias, Kotaro. — Falou a garota rindo do namorado. — Keiji me fala que seus dias depressivos andam vindo mais constantemente.
— É o que dias sem você me faz, eu fico louco, corujinha. — Reclamou mais uma vez apertando ainda mais a garota para sentir seu perfume.
Kuroo via a cena de longe e sentia uma vontade imensa de rir. A forma que Bokuto agia quando encontrava com a garota era realmente hilária, virava um cachorrinho na mão dela.
— Eu não sabia que o Bokuto-san tinha uma namorada. — Disse Hinata olhando para a mesma direção que o Kuroo.
— Eles não são namorados. — Respondeu o mais alto rapidamente.
— Não? — Perguntou o baixinho curioso.
— Eles são noivos. — Falou Kuroo surpreendendo a todos.
— É realmente incrível pensar que alguém se casaria com o Bokuto-san. — Tsukishima falou, recebendo uma careta de Hinata em resposta. — É só que ele tem uma personalidade bem peculiar.
— Na verdade eles se conhecem desde sempre. — Respondeu Kuroo. — Eles possuem a personalidade bastante parecida, mas é óbvio que a -chan é muito mais legal. — Kuroo percebeu que o casal já não se abraçava mais e resolveu chamar pela garota. — -chan.
— Hey Tetsuro-kun, quanto tempo. — Respondeu se aproximando do rapaz juntamente com Bokuto ao seu lado.
— Eu já falei que odeio essa intimidade que vocês se colocaram. — Resmungou o ace tristonho.
— Não sei por quê. — Questionou o bloqueador da Nekoma. — -chan, você sabia que o Bokuto estava se engraçando para cima da gerente da Karasuno?
— Quem é ela? — Perguntou a garota olhando para todos os lados até avistar uma garota que óculos que nunca havia visto. — É aquela? — Respondeu apontando e assustando Hinata e Tsukishima que teria medo do que aquela brincadeira iria dar.
— É mentira dele, corujinha. — Respondeu o namorado.
— Poxa vida, ela é gata. — Os dois jogadores da Karasuno a olharam surpresos. — Eu te trocaria por ela.
— A reação que eu esperava. — Sussurrou Kuroo para Hinata e Tsukki.
— Você. — Falou a menina apontando para Hinata. — Qual o seu nome, chibi-chan?
— Me chamo Hinata Shoyo. — Respondeu prontamente.
— Sho-chan, eu gostei de você. — Disse a menina surpreendendo-o. — O seu ataque rápido com aquele levantador é demais, você pula bem alto para alguém do seu tamanho.
— Você estava vendo o jogo? — Perguntou o menino.
— Entrando de repente não ia adiantar de nada então eu fiquei observando de longe. — Pontuou a moça. — Acho que alguns pontos podem melhorar, mas vejo você muito bem futuramente. — A mulher voltou seu olhar para o garoto loiro. — E você, como se chama?
— Tsukishima Kei. — Respondeu o rapaz desconfiado.
— Então Tsukki.
— Me chama de Tsukishima, por favor. — Pediu o menino.
— Entendi, então você é desses? — O garoto ficou sem entender. — Então Tsukki, você não é um mal bloqueador, na verdade é bem interessante encontrar um cara inteligente como você que quase parou um corte do Kotaro. — Os jogadores da Karasuno ficaram surpresos com a mulher. — Vai ser interessante ver isso contra o Wakatoshi. Espero que passem e leve a sério o que aprendeu com o Tetsuro-kun, ele é um idiota, mas como bloqueador é um dos melhores que vi.
— Se eu fosse vocês dois, eu escutava bem o que ela está falando. — Olhou pra Hinata e Tsukishima e apontou para a garota. — Ela foi convidada pelo Técnico da Seleção sub19 para uma semana de palestra de gestão do Voleibol.
— Técnico da seleção? — Os olhos do menor brilharam no mesmo momento. — -san é tão incrível assim?
— Se você acha que a Fukurodani é boa assim, é porque você ainda não os viu jogando com ela por trás dos panos. — Respondeu Kuroo elogiando a garota.
— Sabe Tetsuro-kun, se continuar me elogiando dessa forma eu vou acabar acreditando que sou incrível. — Falou a menina.
— Mas é claro que você é incrível, corujinha. — Bokuto nunca deixaria de elogiar a mulher ao seu lado.
— Bokuto-san, é verdade que você tá noivo? — Perguntou Hinata ainda sem acreditar.
— Eu te entendo, Hinata, é realmente difícil acreditar que um mulherão desses tá com o Bokuto. Na verdade, eu levei dias pra assimilar. — Respondeu Kuroo deixando Bokuto irritado.
— Do que você tá falando? A gente combina demais. — Resmungou o ace.
— Ela é prima do Akaashi. — Falou Kuroo.
— Não é minha culpa isso. — Akaashi chega fazendo um sorriso enorme abrir no rosto da garota.
— Kei-chin, que saudades de você! — Gritou a garota indo abraçar o menino.
— Eu também senti a sua falta, mas não precisa me agarrar, estou ficando sem ar. — Reclamou o rapaz.
— Fiquei sabendo que o Kotaro andou te dando trabalho. — Cochichou ela para o primo. — Obrigada por sempre cuidar tão bem dele, você é incrível, Kei-chin.
— Agora você tá de volta pra lidar com isso. — Respondeu.
— Soube que agora vai ter um churrasco? — Perguntou a garota com os olhos brilhando. — Eu estou morrendo de fome.
— Ei - chan, vem com a gente! — Gritou a segunda gerente da Fukurodani.
— Parece que vou ter o meu momento com as garotas. — Disse a menina acenando para a outra garota. — Chiemi-chan não veio, Tetsuro-kun?
— Ela tinha umas coisas pra resolver, mas vai vir na próxima. — Falou Kuroo prontamente.
— Diga a ela que mandei muitos beijos. — Sorriu vendo o garoto concordar. — Foi um prazer, Sho-chan e Tsukki, espero que vocês acabem com a raça da Shiratorizawa e venham pra final. — Falando isso, a garota se retirou, deixando os garotos sozinhos.


Parte 2

Semifinal das classificatórias de Tóquio

A Semifinal iria acontecer em alguns instantes, eles queriam que esse jogo fosse a final, mas sabiam que a Nekoma conseguiria a vaga. Claro que não seria naquele jogo, já que o time torcia infinitamente para a vitória da Fukurodani. Akaashi não conseguia acreditar em uma derrota, mas não conseguia garantir uma vitória fácil também, afinal iriam jogar com uma das equipes mais sólidas de Tóquio e com uma das melhores defesas que ela já tinha visto em toda a sua vida. Definitivamente a Nekoma era um dos adversários mais incríveis que ela tinha visto e ver um jogo pra valer entre essas duas equipes era, definitivamente, um privilégio para quem amava vôlei assim como ela.
, tem algo que você quer falar? — A voz do técnico tirou a garota de seu transe e voltou seu olhar para os jogadores que a observavam atentamente.
— Bom, sabemos o quão sólida é a defesa da Nekoma, então temos que atacar com tudo. — Olhou para o noivo. — Por favor amorzinho, sem dramas hoje, afinal precisamos garantir logo essa vaga e sabemos que não será um jogo fácil. — O ace apenas assentiu. — Acho que devemos deixar o Bokuto encarar o Kuroo a maior parte do tempo, o melhor atacante conta o melhor bloqueador, vai ser uma disputa justa. — Olhou para o primo. — Conto com você também, Kei-chin.
— Vou fazer o possível. — Respondeu ele prontamente.
— Sabemos que a Nekoma não vai pegar leve, então precisamos nos esforçar ao máximo. — Continuou a mulher olhando para todos. — Lev pode não ser tão experiente e bom como o Kuroo, mas ele é alto, não vamos baixar a guarda.
O primeiro set estava indo muito bem, até demais para falar a verdade, mas sabia que a Nekoma não ficaria só nisso. Ela tentava prestar atenção ao máximo em todas as jogadas, desde as mais simples até as mais complexas. A menina precisava de toda informação necessária para pegar Kenma no seu jogo, ela sabia que ele estava tramando algo, só não sabia o que era. A Fukurodani levou o primeiro Set, bem duro já que a Nekoma estava com a defesa incrível como sempre. O segundo set começou e percebeu uma certa inquietação em Bokuto; suas suspeitas foram logo confirmadas quando viu o olhar de Akaashi se voltar para o banco para pedirem tempo.
— Temos um problema. — Cochichou o levantador.
— O que aconteceu? — Perguntou curiosa.
— O Bokuto-san disse que não lembra como fazer cruzadas, só paralelas. — Respondeu o menino prontamente
— Eu sabia que tinha algo errado. — alterou-se. — O que aconteceu, Kotaro?
— Eu não me lembro, como se faz um cruzado mesmo, corujinha? — Seus olhos estavam afoitos.
— Você estava cortando bem na primeira metade. — Falou a noiva do capitão.
— Mas minhas paralelas estavam pontuando direito, então eu continuei mandando elas. — Respondeu ele sem ânimo. — E agora eu não consigo perder o costume.
— Então só acerte uma cruzada sem pensar muito a respeito. — Começou Akaashi tentando amenizar a situação. — Corte do jeito que quiser, eu vou abrir o caminho pra você.
— Akaashi falou com propriedade, hein! — Gritou Bokuto fazendo todos rirem ao ver a volta do Ace.
— Vamos lá, o Kenma provavelmente vai mirar à frente e à esquerda do Kotaro. — começou a explicar. — Vocês devem receber a bola o mais próximo possível da rede, Akaashi vai fazer como quem vai pontuar de segunda, tenho certeza que Lev irá reagir na hora, com isso ele levanta pro Bokuto. — A estratégia era boa afinal de contas. — O objetivo é enganar o bloqueio e fazer o Bokuto voltar a jogar bem, esta é a rotação perfeita pra isso.
— Você é mesmo um gênio, Corujinha! — Elogiou Bokuto.
— Mais uma coisa, Kotaro. — A garota olhou diretamente para o namorado. — Se você perder para o Kuroo, você vai pagar o casamento sozinho! — Gritou em bom tom fazendo o time adversário sorrir.
— Isso é injusto! — Gritou Tetsuro de volta.
A partida aconteceu assim como o planejado, no fim Bokuto conseguiu virar o jogo ao seu favor e finalizou o set com um cruzado perfeito que deixou a todos de boca aberta, pois mostrou do que o ace era realmente capaz e o quão incrível ele poderia ser. No fim, foi parabenizada pelo técnico da Nekoma pois ele conseguia ver o quão a garota era incrível e como ela tinha um olhar esplêndido para o vôlei.
— Você jogou sujo, ein! — Falou Kuroo ajudando a garota a pegar sua bolsa.
— A gente tem que lutar com as armas que tem. — Falou prontamente com um sorriso no rosto. — Eu quero ver a vitória de vocês amanhã, Tetsuro-kun.
— Pode deixar. — O menino sorriu e a garota lhe deu as costas indo de encontro a seu noivo que a esperava de braços abertos.


Parte 3

Era um grande jogo naquele dia. Além da estreia do Shoyo, a mulher ainda tinha preparado uma surpresa para o seu marido. Sim, marido, era difícil acreditar que ela e Kotaro finalmente tinham se casado depois de tantos embates. Após terminarem a escola, ela pensava que seria difícil dois adolescentes sem trabalho conseguirem juntar dinheiro para casar, mas Bokuto era um astro nato e logo conseguiu uma vaga em um grande time da Liga V. do Japão. E o MSBY Black Jackals não perdeu tempo para ter o Ace e a esposa no time, afinal de contas, Bokuto era um jogador fantástico, mas, com ela por trás dos panos, parecia que seu potencial aumentava em cem por cento. A mulher calou a boca de muito marmanjo que já pensou em um dia criticá-la e foi razão de muitas vitórias do time, inclusive virou o braço direito do técnico da MSBY, que não sabia o que fazer quando ela era escalada para auxiliar alguns jogos amistosos da seleção. Apesar de não estar se sentindo tão bem naquele dia, não poderia perder a oportunidade de estar presente naquele jogo, afinal seria um dos mais esperados da temporada.
— Você está bem, Corujinha? — Kotaro estava bastante preocupado com a mulher, que passou mal a semana inteira. — Você não devia ter vindo hoje.
— Eu não poderia faltar de jeito nenhum. Poxa, é um Adlers X MSBY, como eu poderia? — A mulher não deixou sua cara doente transparecer, simplesmente demonstrou a animação que estava sentindo no momento.
— Às vezes eu acho que você consegue ser mais viciada em vôlei do que o próprio Bokkun, -chan. — O levantador Miya falou, abraçando a menina de lado.
— Sabe Tsumu, as vezes eu acho que é isso mesmo. — Respondeu a mulher sorrindo. — Eu amo essa competição e nunca ficaria de fora de um jogão desse.
— Você tem razão, não é uma doencinha que vai derrubar nossa -chan. — Gritou Atsumu fazendo Bokuto revirar os olhos.
— Minha corujinha. — Retrucou o Ace, dando ênfase no “minha”, agarrando a esposa e a afastando de Atsumu.
— Amorzinho, você sabe que o único homem que eu te trocaria nesse mundo seria o Michael B. Jordan, então não precisa ser assim. — Respondeu a mulher sorrindo dos ciúmes do marido.
— Acho que você tem chances com ele, -chan. — Falou Atsumu. — Vocês combinam.
— Sabe Tsumu, eu também acho que a gente combina. — Disse , fazendo Bokuto revirar os olhos novamente.
— Quem combina com o que? — Questionou Hinata entrando no meio da conversa.
-chan e o Michael B. Jordan. — Respondeu Atsumu rapidamente.
— O que acha, Sho-chan? — Perguntou a mulher nem ligando para a careta que o marido fazia.
— Esse é o ator da Marvel? — Hinata era inocente e nem percebeu que o assunto não agradava o amigo Ace.
— Esse mesmo, aquele que fez Pantera Negra. — Continuou o levantador em tentativa de atormentar ainda mais Bokuto.
— Eu deveria ir atrás dele, somos almas gêmeas separadas. — Continuou .
— Eu pensei que você me amasse! — Retrucou Bokuto.
— E eu amo, mas quem diria não para aquele homem? — Aquela era uma pergunta que não precisava de resposta.
— Ela está certa, Bokkun. — Respondeu Atsumo. — Da mesma forma, quem diria não para nossa -chan?
— Vocês são terríveis. — O garoto definitivamente não iria discutir com eles.
— Eu acho que vocês deveriam parar com isso, afinal eu tô cansado da voz de vocês. — A voz de Sakusa se fez presente, tomando a atenção de todos.
— Menos da minha, não é, Omi Omi-kun? — tentou irritar o rapaz.
— Sua cara de doente me enoja. — Falou o menino por debaixo da máscara fazendo Atsumu segurar o riso. — Vá ao médico logo antes que piore o que já é ruim, ou terei que pedir férias.
— Não sei do que você está rindo, Tsumu. Ele só tem nojo da minha cara doente, enquanto de você ele tem de tudo. — Na mesma hora o levantador parou de rir. — Eu vou ao médico quando o jogo acabar, então não se preocupe, Omi Omi-kun, que eu voltarei para te dar muitos beijinhos.
— Você nem ousaria fazer isso. — Dava para ver o olhar de medo na cara do rapaz.
— Eu aceito os beijinhos. — Murmurou Atsumu, recebendo um soco no braço de Bokuto.
— Aceita nada. — Voltou seu olhar para a esposa. — Tem certeza que está se sentindo bem, corujinha?
— Tá tudo bem, amorzinho, eu prometo. — A menina abraçou o marido, o que ela menos queria era preocupa-lo antes do jogo. — Você tem que ficar tranquilo e fazer o Wakatoshi engolir seus pontos.
— Você é muito competitiva. — Falou Hinata, porém seus olhos brilhavam de excitação.
— Sou mesmo, e você. — Apontou pra Atsumu. — Faça o Tobio-kun aprender quem é o melhor levantador do campeonato.
— Isso você não precisa nem pedir, -chan. — Respondeu o gêmeo Miya.
— E você. — Dessa vez apontou pra Hinata. — Mostre para o Korai-kun quem é o verdadeiro “Pequeno gigante”.
— Você é tão exagerada. — Disse Sakusa.
— Já você não precisa mostrar nada a ninguém já que sempre foi o melhor, Omi Omi-kun. — Falou a garota.
— Você é tão puxa-saco dele que me irrita. — Falou Atsumu. — A gente já entendeu que ele é seu favorito.
— Que calúnia! — Exclamou . — Todo mundo sabe que meu favorito é o Sho-chan.
— Sério? — Questionou Hinata com os olhos brilhando.
— Óbvio, você é meu filhinho precioso. — A mulher agarrou o menino dos cabelos laranjas em um abraço.
— Eu pensei que eu fosse seu favorito. — Retrucou Bokuto fazendo bico.
— E eu pensei que seria eu. — Prosseguiu Atsumu.
— Eu nem me importo. — Finalizou Sakusa.
— Ele finge que não se importa, mas sabemos que ele odiou saber que não é seu favorito, -chan. — Exclamou Atsumu.
— Por que o Hinata? — O Ace permanecia indignado pela preferência da esposa.
— Olha só pra ele, amorzinho. — Exclamou a mulher apertando o rosto do menor. — Ele é um fofinho, nunca fez mal a ninguém e ainda faz o que eu peço. — Continuou. — Todos vocês são desobedientes demais pra entrarem no pódio de favoritismo.
— Eu faço sempre o que você manda! — Retrucou o menino.
— Você fazer o que eu mando em casa é uma coisa, aqui é completamente diferente. — Respondeu ela prontamente.
— Eu sempre faço o que você manda. — Continuou.
— Tipo o dia que eu mandei você tentar o cruzado contra o bloqueio do adversário e você ainda insistiu na paralela e adivinha? Foi bloqueado! — Respondeu rapidamente.
— Aquele dia eu só estava distraído. — Falou ele se sentindo culpado.
— Tsumu, eu nem preciso falar e o Sakusa a gente ignora porque ele nunca me escuta mesmo. — A careta que o menino de máscara fez demonstrou seu completo descontentamento com a fala da mulher.
— Eu levo em conta o que você diz, só que às vezes eu encontro meios melhores. — Respondeu Sakusa.
— Tá vendo? O Hinata é o único que me obedece. — Retrucou a mulher. — Sho-chan, continue me ouvindo que você vai ficar melhor do que esses caras.
— Shoyo-kun, essa mulher é sensacional, continue seguindo o que ela manda. — Resmungou o levantador.
— Você deveria fazer o mesmo. — Falou a mulher. — Eu dava boas dicas para o Kei-kun no colégio.
— Eu tenho certeza que sim, -chan, você é a mulher mais incrível que eu conheço. — Aquele cara era terrível, se fazer de bom moço não era a dele.
— Me bajular não vai desfazer a pose de malcriado, Tsumu. — Respondeu a mulher fazendo o loiro murchar.
— O que você quer? — Questionou o menino vencido.
— Onigiris do meu gêmeo Miya favorito. — Disse rindo da careta que o rapaz fez.
— Como assim seu favorito? Eu me recuso! — Ressaltou o levantador. — Você vai ver só, eu vou mandá-lo fazer onigiris de todos os sabores para você e depois eu quero ver você me amando.
— Quem vai fazer os onigiris mesmo? — Perguntou ironicamente.
— Quem vai pagar? — Questionou.
— Até parece, Tsumu. — Olhou para a quadra e sentiu a torcida gritar, era realmente legal ouvir aquilo. — Acho que vocês já se encontraram com os seus adversários, não é mesmo?
— Talvez? — A cara que o levantador fez o entregou.
— Espero que não tenham arrumado problema, porque eu definitivamente não vou resolver. — Reclamou a mulher.
— Relaxa, a gente é amigo de anos, -chan. — Respondeu Atsumu.
— Isso não me tranquiliza em absolutamente nada. — Resmungou . — Já vai começar, se preparem.
O jogo daquele dia não seria fácil, seria um reencontro de estrelas, todos os times possuíam suas armas e fariam o possível e o impossível com elas. Era o primeiro jogo de Hinata e ele parecia mais ansioso que o normal, o menino realmente havia crescido e se tornado um jogador esplêndido. A mulher lembrava das inúmeras vezes que o viu treinando com Bokuto e como o rapaz se inspirava no mais velho e o tinha como um exemplo a ser seguido. Aquilo encantava a grandemente e sempre acreditou que aquele garoto pequeno seria grande um dia. Isso se confirmou quando Shoyo entrou no MSBY, ele se tornara um jogador completamente diferente do colegial. Hinata havia se transformado em um jogador incrível, tanto na defesa quanto no ataque: ele recebia, atacava e levantava como ninguém, se tornara completamente versátil e seu saque nem tinha o que falar, tão incrível quanto ele. Atsumu sem dúvidas foi um dos melhores da partida, a estreia do seu novo saque foi surpreendente e ali ele provou porque era um dos melhores levantadores do país e porque merecia tanto estar na seleção. Kageyama do outro lado não aliviava, mas não esperávamos menos dele, afinal sempre demonstrou que era um verdadeiro prodígio. Kotarou estava, sem dúvidas, em seus melhores dias e jogando tão bem que surpreendeu a todos, seus ataques estavam funcionando e suas jogadas estavam incríveis como sempre, ele não fazia movimentos desnecessários e nem se abalava quando algo não saia como planejado. O MSBY estava indo muito bem, o jogo já estava 2 a 1, se ganhassem esse set a vitória estaria garantida, já estavam nos pontos finais e parecia que aquele jogo não terminaria nunca. se segurava, desde o meio do set que ela não se sentia bem, mas naquele momento não conseguia observar bem o que acontecia. Ouviu o apito final e o vulto dos seus meninos pulando, depois disso não conseguiu ver mais nada, sua mente apagou e a última coisa que ouviu foi o grito do seu marido a chamando.
abriu os olhos lentamente e sentiu a forte luz branca fazer arder sua vista, fazendo-a fechá-los novamente. Ainda estava um pouco tonta, mas percebeu que estava bem melhor que antes. Sentiu sua mão ser apertada mais fortemente e olhou para o lado, vendo seu marido com os olhos cheios de lágrimas, mas com um sorriso grandioso no rosto ao vê-la acordada. A mulher se levantou devagar, com a ajuda do rapaz, e se sentou na cama olhando ao seu redor e percebendo que estava em um hospital.
— Você está bem, corujinha? — O homem ao seu lado perguntou preocupado.
— Eu tô bem, foi só uma tontura. — Respondeu a mulher ainda sentindo sua cabeça doer um pouco.
— Eu quase morri de preocupação, eu sabia que você não deveria ter ido ao jogo. — Bokuto começou a falar rapidamente se levantando e andando de um lado para o outro dentro do quarto. — Mas você é a teimosia em pessoa, eu não sei mais o que eu faço com você, sério, eu quase morri do coração.
— Você é atleta, deveria ter o coração mais forte. — Respondeu ela tentando amenizar o clima.
— Não tá na hora pra brincadeiras, o que eu faria sem você? — Questionou ele.
— Bokuto, não se preocupe, não é nada relacionado a uma doença terminal ou algo do tipo. — Falou tentando acalmar o marido.
— Como você sabe? Pessoas não desmaiam do nada! — Disse ele ainda bravo.
— Kotaro, fica calmo, eu sei exatamente o que aconteceu. — não perdia o semblante sereno mesmo depois de ver a exaltação do homem ao seu lado.
— Se sabe, deveria ter me falado logo! — Bradou o rapaz.
— Sério, corujinha, eu espero que o nosso bebê não seja chato como você. — Respondeu .
— Olha, nem tenta mudar de assunto, eu... — Bokuto parou de falar e começou a assimilar a última fala da mulher. — Como assim nosso bebê?
— Enjoo, tonturas… são sintomas de gravidez, corujinha. — Os olhos de Bokuto novamente se encheram de lágrimas. — A gente vai ter um bebê.
— Você jura? — Perguntou o menino, se aproximando dela e segurando suas mãos fortemente. — Eu vou mesmo ser papai?
— Eu ia te contar hoje depois do jogo. — O homem escorou sua cabeça na barriga da mulher, a apertando em um abraço forte, e começou a chorar copiosamente.
— Nós vamos ser papais? — Ele ainda não acreditava que aquilo estava acontecendo.
— Vamos, amorzinho. Daqui a alguns meses eu vou ter mais uma pessoinha pra cuidar. — Falou a mulher emocionada com a alegria do marido.
— Eu tô muito feliz. — Continuou o homem ainda abraçando a menina. — Os rapazes estão aí fora, precisamos falar pra todos. — O garoto foi até a porta e a abriu, logo foi atropelado pelo bonde de rapazes que entraram rapidamente no quarto.
-chan, tá tudo bem? — Perguntou o levantador preocupado.
— Tá tudo bem gente, não foi nada demais. — Respondeu a mulher tranquilizando a todos.
— O que aconteceu? — Perguntou Hinata.
— Aconteceu que... — A mulher olhou para Bokuto e ele sorriu grandemente para ela. — O nosso bebe tem me dado muita dor de cabeça antes de nascer. — Os olhos de todos se arregalaram, e logo gritos de parabéns foram ouvidos no quarto.
— Um bebê? — Atsumu olhou para Kotarou o vendo confirmar. — Como você foi capaz de fazer um bebê?
— Acho que foi naquele dia depois que saímos pra jantar. — não estava gostando do rumo que aquela conversa estava tomando. — Lembra, corujinha, a gente chegou em casa e ...
— Ele não quer saber sobre como o nosso neném foi concebido, amorzinho. — Interrompeu a mulher antes que o rapaz falasse besteira.
— Parecia interessante. — Continuou Atsumu começando uma discussão entre os colegas de time.
— Eles vão mesmo discutir sobre isso? — Perguntou a mulher vendo o marido voltar a abraçar sua barriga.
— Eu tô tão feliz, corujinha. — Sussurrou o homem, a apertando ainda mais. — Obrigada por existir, eu amo vocês.
— A gente também te ama, papai. — Falou a mulher novamente sentindo o carinho aconchegante do homem mais importante da sua vida.




Continua...



Nota da autora: Oi migaaaas, como estão? Cheguei com mais uma parte dessa história que eu amo do fundo do meu coração. Eu disse que ia ter só mais uma, mas resolvi estender mais um capítulo porque eu estou amando, do fundo do meu coração, escrevê-la e eu espero que vocês estejam gostando tanto quanto eu. Eu amo a minha corujinha do fundo da minha alma então deixei mais um pouquinho deles pra vocês,
pra quem não leu o mangá isso é um spoilerzinho de leve, mas relevem tá bom. Por favor, deixem um comentariozinho pra eu saber o que vocês estão achando.

Tem o grupo no face pra vocês ficarem antenadas, Histórias da Sumi
AAAA Também fiz um insta se vocês preferirem me acompanhar por lá

MIL BEIJOS PRA VOCÊS SUAS LINDAS <3 <3
Nota da beta: Oi! O Disqus está um pouco instável ultimamente e, às vezes, a caixinha de comentários pode não aparecer. Então, caso você queira deixar a autora feliz com um comentário, é só clicar AQUI.

Fanfics de Animes:
Herdeira Namikaze (Anime/Naruto - Em Andamento)
Kacchan (Anime/Boku no Hero Academia)
My Little Bird (Anime/Boku no Hero Academia)
My Favorite Girl (Anime/Haikyuu)
Entregue seu coração (Anime/Shingeki no Kyojin)
Outras Fanfics:
Ich Liebe Dich (Jogador de Futebol - Mario Götze/Finalizada)
Chuva de Arroz (Cantores - Luan Santana/Finalizada)
Mi Vida (Jogador de Futebol – Marco Asensio/Finalizada)
Fora de campo – Especial copa do Mundo (Jogador de Futebol – Philippe Coutinho/Finalizada)
09.Told you so (Ficstape/Little Mix – LM5)

Qualquer erro nessa fanfic ou reclamações, somente no e-mail.
Para saber se a história tem atualização pendente, clique aqui


comments powered by Disqus