Contador:
Última atualização: 21/01/2021

Parte I

Capítulos 1 ao 18


19. Memórias

Confesso que não estava preparada para ficar sozinha. 

Já havia me acostumado com a presença de , principalmente ao olhar pela janela e vê-lo em sua cozinha. Mas agora, tudo estava cinza entre nós, e não passava nem perto do enredo do livro que Sophie me instigou a ler. O mais impressionante foi o passar dos dias, ouvindo barulhos de reforma novamente. Eu que achei que o vizinho já havia terminado com tudo isso. A surpresa veio realmente quando me deparei com uma placa de vende-se em frente a sua casa. Um frio estranho passou pelo meu corpo, ao me lembrar que já se contava uma semana que eu não o via e até a cerca que permanecia quebrada, estava totalmente renovada.

— O vai se mudar? — perguntou Joseph ao se colocar ao meu lado na rua.
— Parece que sim. — afirmei voltando meu olhar para as malas que meu filho segurava — Vamos querido? Não podemos perder o voo.
— Tem certeza que está tudo bem para ir, mãe? — Joseph me olhou preocupado — Eu posso perfeitamente resolver isso sozinho.
— Eu não renovei meu passaporte às pressas para deixar meu filho viajar sozinho. — argumentei.
— Sei que está triste por terminar com o . — admitiu ele a minha realidade.
— A escolha foi minha querido, e preciso aprender a ser feliz sem depender de uma segunda pessoa. — voltou meu olhar para a placa — Por mais que tenha sentimentos por ele, preciso aprender a caminhar sozinha.
— Sabe que sempre terá meu apoio e de Molly. — assegurou ele ao sorrir de leve.
— Meu garoto, te amo filho. — após um abraço apertado, ajudei-lhe a colocar as malas dentro do carro alugado.

Foi a primeira conquista após o término, minha carteira de motorista. Isso me levou a avaliar a ideia de comprar um carro para mim. Enquanto minha joaninha ficou na casa dos meus pais, passei duas semanas na Coreia do Sul conhecendo a cultura do país e me divertindo com meu filho. Com direito até a passeios em diversos pontos turísticos. 

I’m sorry. — disse ao homem, após esbarrar nele com o urso de pelúcia, que ganhei do meu filho.
— Não se preocupe, está tudo bem. — o homem me olhou com gentileza e sorriu de leve — Quer ajuda para carregar isso.
— Não precisa, estou mesmo é perdida. — ri baixo — Você é de Manhattan, não é?

Minha pergunta foi um pouco indiscreta.

— Pelo sotaque? — retrucou a pergunta.
— Sim. — concordei — Nova-iorquinos possuem um jeito diferente de falar.
— E o que faz uma residente de Manhattan do outro lado do mundo? — perguntou ele, não deixando a conversa morrer.
— Bem, eu estou com meu filho, ele vai estudar no país. — expliquei não detalhando muito — E o senhor?
— Vim a passeio e trabalho ao mesmo tempo. — ele manteve um olhar sereno para mim — E por favor, não me chame de senhor, somente Dimitri.
— Bem, prazer . — estiquei a mão em cumprimento, e logo ele apertou.

Curiosamente eu me sentia confortável por aquilo. Talvez minha convivência com tenha ajudado a reduzir um pouco minha timidez. Algo surpreendente para mim.

— Mãe, estava te procurando. — disse Joseph ao se aproximar de nós — Onde estava?
— Seu filho? — perguntou Dimitri com um olhar admirado.
— Sim, este é Joseph. — assenti.

Eles se cumprimentaram, com meu filho o analisando pelo olhar sério que mantinha.

— Devo confessar que se parece mais com um irmão de sua mãe. — comentou o homem.
— Concordo, minha mãe é muito jovem e bonita para ter um filho da minha idade. — Joseph me abraçou por trás envolvendo seus braços em minha cintura — Devemos revelar a ele que somos amantes?
— Joe?! — eu comecei a rir dele, o afastando de leve — Foi um prazer conhecê-lo Dimitri, mas eu e meu filho precisamos voltar.

Nos despedimos do homem e seguimos para nosso destino. 

Meu retorno a New York foi marcado pela surpresa de ver que em pouco tempo, a casa ao lado havia sido comprada por uma família grande e muito barulhenta. Até a senhora Philip do outro lado da rua, começou a sentir falta do morador que transformara sua varanda no clube das mulheres mal casadas. De fato, não sabia explicar se era somente pela nova realidade, ou pelo fato de começar a me sentir sozinha… Mas passei a achar aquela casa onde vivi mais de 15 anos, um tanto quanto sufocante e opressora. 

— Bom dia, pai. — disse assim que ele abriu a porta de sua casa para mim.
 — Oh querida! — ele me abraçou com carinho e abriu mais a porta para que entrasse.
— Como está a mamãe? E Molly? — perguntei ao deixar minha bolsa pendurada do lado.
— Sua mãe está na cozinha, e Molly saiu para dar um passeio com sua irmã e o filho. — respondeu ele com uma voz cansada, fechando a porta.
— Marg aqui? Tão cedo? — indaguei estranhando.
— Sua irmã e sobrinho estão morando aqui conosco agora. — explicou ele — Tem sido agitado duas crianças em casa.

Papai estava mesmo com um olhar cansado.

— Como assim  Marg está aqui? E o Mark? — eu estava perplexa com a notícia.
— Eles tiveram uma briga feia, acho que por ela aceitar o convite de Brian para trabalhar em sua empresa, então sua irmã pediu o divórcio. — continuou ao se sentar na poltrona perto da lareira.
— Sua irmã só fez o que já deveria ter feito a muito tempo, um orgulho para mim. — disse minha mãe ao entrar na sala, com seu avental no corpo — Só me preocupo o fato dela repetir o mesmo erro de trabalhar com o Brian, já você…
— O que tem eu mãe? — a olhei já esperando alguma repreensão inventada.
— Como pode ser tão burra pela segunda vez, ein? Miller? — ela cuspiu as palavras de forma áspera — Como pode terminar com o e ainda achar que pode omitir de nós? Soube do assunto novamente pelos vizinhos fofoqueiros, que sempre são os primeiros a saber da vida das minhas filhas.
— Mãe, o que faço da minha vida privada é problema meu, se seus vizinhos sabem, é porque não possuem uma vida para cuidar. — a confrontei.
— O problema não é eu saber pelos outros, mas você deixar escapar a chance da sua vida… Sò me falta agora dizer que vai voltar para o escroto do seu ex marido. — disse ela mantendo a revolta de minha decisão.
— Credo mãe. — fiz uma careta de repulsa — Nem se o Carl fosse a última Coca Cola do deserto.
é um jovem tão bom, você não o merece. — ela saiu bruscamente da sala, transbordando raiva.
— Eu posso entender quem é essa mulher? — perguntei ao papai que segurava o riso.
— Minha querida, você que não estava aqui quando Molly confirmou a fofoca. — ele se levantou da poltrona e veio até mim.
— Estou aliviada por isso. — confessei a ele.
— Sua mãe de uma forma surpreendente se apegou a ideia desse rapaz e você juntos, e foi a segunda vez que ela admitiu que alguém merecia suas filha. — a voz do meu pai era sem dúvidas a mais acolhedora da minha vida — A primeira como sabemos foi o Brian.

Nós rimos um pouco.

— Tenha paciência com a sua mãe, descanse um pouco no quarto de Molly, percebo que ainda está fatigada pela viagem. — ele sorriu.

Assenti sem contestar, meu sabia sabia mesmo me entender. Subi para meu antigo quarto e deitei um pouco na cama. Foi um cochilo mais longo que dei em dias agitados. Quando acordei, me deparei com Margareth na porta do quarto de braços cruzados me olhando torto.

— Se for me repreender… — iniciei.
— Bem que eu gostaria de te dar uma surra, mas deixo isso para a mamãe. — ela riu, entrando mais e vindo até mim — Como está?
— Me sentindo esquisita e vazia. — confessei a realidade — É estranho não tê-lo mais.
— Por que terminou? — ela se sentou ao meu lado.
— Porque não quero mais depender de um homem para me sentir forte, Marg. — desabafei de leve — Preciso me amar primeiro, preciso ser feliz por mim mesmo e não através de outra pessoa… Eu percebi no natal, que já estava me tornando dependente dele, não queria repetir o mesmo que fiz com o Carl.
— Eu te entendo irmã, e não te condeno. — Marg me olhou com carinho — E agora? Como vai ser?
— Pela primeira vez, vou viver o que não vivi após a formatura, serei uma mulher solteira. — ri de leve.
— Solteira nunca mais querida irmã, divorciada. — ela riu também.
— E por falar em divórcio, que história é essa de estar morando aqui? — perguntei demonstrando meu choque com o olhar — Papai me contou por alto.
— Depois daquela conversa que tivemos e que te contei sobre a volta do meu amigo… As coisas só pioraram com o Mark, eu confesso que não fiz nada para tentar melhorar meu casamento, e…
— E? — mantive o olhar fixo nela — O que aconteceu?
— Brian me ofereceu um cargo na construtora da sua família, eu realmente considerei isso, ainda mais depois do beijo… que… ele me deu. — seu olhar de adolescente culpada estava ali.
— Ele te beijou?? — estática me peguei — Foi só um beijo, não é, Marg?
— Claro que foi, e fui pega de surpresa ok?! Sabe o que eu acho sobre traição. — assegurou ela.
— E o Mark sabe sobre isso? — indaguei.
— Não, nem desconfia.
— Então, a briga de vocês foi pelo convite de trabalho? — fiz minha suposição.
— Antes isso, foi o que contei aos nossos pais. — ela soltou um suspiro fraco e frustrado — Eu pedi o divórcio, porque comecei a ter nojo do Mark, principalmente depois que ele quase me forçou a fazer sexo com ele.
— Margareth, isso é muito sério. — eu segurei a mão da minha irmã — Eu, que raiva desse…
— Eu estou bem agora , não se preocupe. — seu olhar estava seguro — Preferi não contar aos nossos pais, você sabe como eles são quando se trata da nossa segurança, mas adverti para o Mark ficar bem longe de mim e do nosso filho.
— Fez bem, se ele teve coragem de forçar algo com você, imagina o que poderia fazer com seu filho. — tentei não pensar na minha suposição.
— Não quero nem pensar nisso, o Mark já estava demonstrando falta de paciência para a saúde do nosso filho. — ela respirou fundo — O que importa é que em breve serei divorciada e livre para viver minha vida profissional sem o negativismo dele.
— Que nosso novo ciclo seja próspero. — desejei a nós duas.
— Sim... Ah, você já conversou com a Sophie sobre o término? — perguntou ela.
— Estou ignorando suas mensagens, pois todas são áudios de gritos. — respondi rindo — Minha amiga foi a pessoa que mais torceu para dar certo, preciso deixar ela se acalmar primeiro antes de tentar um acordo de paz.

Ela soltou uma gargalhada engraçada.

— Sophie, sendo Sophie. — disse ela — O que importa é você estar bem com tudo isso e ser feliz .

Nos abraçamos por um tempo e me levantei. Descemos para sala e Molly veio correndo me abraçar. As saudades da minha joaninha somente foram aplacadas após um gostoso beijo na bochecha que ela me deu. E logo foi contando tudo que fez no curto espaço de tempo que fiquei fora. Como não estava sendo fácil para mim, para ela também era complicado se acostumar com a ausência de . o mais louco, era que minha filha conseguiu ter mais apego pelo vizinho da casa ao lado, que pelo próprio pai.

--

Os dias passaram…

E eu dividi meu tempo entre a preparação para o lançamento do jornal, cuidar de Molly, e conseguir vender minha casa. Sim. Estava decidida a não morar mais naquela casa. Com Joseph em outro país, o lugar se tornaria mais vazio ainda, além das lembranças que me trazia. Tanto tristes por meu casamento com Carl, quanto felizes por meu relacionamento com . Uma boa notícia? Minha pequena joaninha demonstrou empolgação com minha decisão de nos mudarmos para um apartamento mais próximo do centro da cidade. 

Uma conversa com meu pai foi o suficiente pra ele me indicar um amigo corretor que ainda continuava na ativa. Para minha surpresa, foi fácil a venda da minha casa, o que me fez passar algumas semanas na casa dos meus pais, juntamente com Margareth. Lidar com a bagunça das crianças foi moleza, perto dos olhares atravessados de minha mãe, que continuava irredutível quanto ao meu término com o vizinho. Eu só queria conseguir encontrar um apartamento que o valor coubesse no meu orçamento e que fosse aconchegante.

— E este senhorita Miller, é o último da lista. — disse o corretor assim que abriu a porta e me deixou entrar primeiro.
— Me parece que foi reformado a pouco tempo. — disse ao observar a tinta da parede que parecia ter sido pintada há dias.
— Sim, o antigo morador fez uma pequena reforma para colocar a venda. — confirmou ele — Por isso está sem os móveis.
— E onde estão? — perguntei.
— Foram enviados para um galpão onde estão sendo restaurados. — continuou ele, me guiando até a cozinha — Este apartamento possui dois quartos como pediu, sendo um feito suíte e anexado como cobertura, possui o terraço também, sendo dividido com o apartamento ao lado.
— Isso é bom, só me espanta o valor sendo uma cobertura. — comentei receosa.
— É devido ao fato do antigo dono nunca ter utilizado o terraço, não possui nada a não ser sujeira.
— Posso ver?
— Claro senhorita, por aqui.

Eu o segui até as escadas de acesso ao mezanino. Uma porta para o terraço foi destrancada e aberta. Assim que saímos o cheiro de lodo e sujeira foi forte, me embrulhando o estômago. Levantei mais o olhar, e vi uma pequena mureta separando o terraço.

— O que seria isso? — perguntei curiosa.
— Ah, esta é a divisão entre as coberturas, seu limite de terraço vem até esta mureta. — explicou o homem.

Não deixei de notar alguns materiais de construção como sacos de argamassa no chão, em cima de uma pilha de caixas de porcelanato.

— Você sabe se o apartamento ao lado do meu está ocupado também? — indaguei curiosa.
— Sim, o apartamento foi comprado há dois dias e o novo morador começou a fazer sua reforma por conta própria. — respondeu ele voltando para a porta — É até uma história maluca, teve um vazamento de gás com o antigo dono e o lugar ficou fechado por mais de cinco anos, agora que conseguimos vendê-lo e o novo proprietário nem fez questão do desconto pela reforma dele.
— Nossa, descontos sempre são bem-vindos, e olhando este terraço, acho que deveria abaixar em uns cinco mil dólares o valor final, não acha?

Foram bons os meus argumentos para convencê-lo a reduzir o preço final do apartamento. Fechamos o negócio em três dias e metade do dinheiro da venda da minha casa, dei de entrada, para reduzir o valor da prestação da hipoteca. A outra metade, mantive guardada na poupança rendendo juros, usaria em caso de emergência. Com o novo apartamento até mesmo gastos fixos com energia elétrica, água e outros seriam menores. Somente eu e Molly, até a compra do supermercado baixaria o custo. Uma lado positivo de tudo isso, meu desespero por dinheiro seria amenizado e mais uma vez poderia me orgulhar da minha independência conquistada.

— Tô pra te dizer amiga, que sorte você teve em encontrar esse lugar. — comentou Sophie assim que entrou no apartamento carregando duas caixas.

As poucas coisas que decidi levar comigo para a nova morada, ela estava me ajudando a levar para dentro. Deixei Molly na casa dos meus pais, queria fazer uma surpresa para minha filha, e a levaria somente com o lugar todo printo. Logo, um barulho veio da parede de divisa com o apartamento ao lado.

— E que ironia do destino seu novo vizinho estar reformando também não é? — comentou ela com um olhar provocativo e um sorriso malicioso no canto do rosto.
— Nem comece Sophie, o que eu menos quero é encontrar ligações com o em minha nova casa. — a repreendi, deixando a caixa em minha mão no chão — Com esta zeramos o carregamento e antes do almoço.
— Aqui ainda está uma bagunça, como vamos comer sem uma geladeira? — reclamou ela deixando as caixas que carregava em cima da minha — Já estou sentindo fome.
— Vamos ao Liberdad Café então. — sugeri.
— Isso é uma boa ideia. — concordou ela — E quando chega os móveis restaurados?
— Na segunda à tarde. — respondi — Eu fui conferir e ficaram lindos e com ar moderno.

Em instantes, ouvimos algo cair. O som vinha do terraço.

— Eu vou ver o que foi. — disse a ela me movendo para a estada. 

Assim que saí no terraço, avistei o vozinho de costas recolhendo algumas caixas pequenas que haviam caído. Daí o barulho. Dei alguns passos para perto da mureta, observando se estava tudo bem.

— Tudo bem aí? Eu ouvi o barulho lá de dentro. — disse num tom baixo, porém audível — Se quiser ajuda.

O homem parou de repente o que estava fazendo, como se tivesse congelado ao me ouvir, e erguendo seu corpo, ficou por alguns segundos ainda sem reação.

— Está tudo bem vizinho? — insisti.
— Está. — disse ele num tom firme e suave, se virando para mim.

Meu coração acelerou assim que meus olhos cruzaram os dele. Até mesmo meu corpo sentiu o impacto se arrepiando. Eu não acreditava no que via. Lewis diante de mim, com sua blusa branca suja de poeira a tinta, jeans rasgados na coxa e descalço. Era a primeira vez que o via após o término, e tive que me forçar a não focar meu olhar naqueles lábios que me atraíam.

Seu olhar estava mais surpreso em me ver, que o meu em vê-lo.

Você brilhou radiante em um curto período de tempo como um relâmpago
Você iluminou o mundo por um instante
Como se o mundo inteiro me pertencesse
Você me mostrou e partiu. 
- Thunder / EXO 



20. The Imperatriz

— Vizinho! — a voz entonada de Sophie soou atrás de mim, com mais surpresa ainda.
— Oi Sophie. — ele abriu um sorriso singelo para ela, porém mantendo seu olhar em mim.

Me esforcei para demonstrar alguma reação, porém não consegui. Estática fiquei até minha amiga se aproximar de mim.

— Você é o dono desta cobertura? — perguntou minha amiga.
— Sim, adquiri há duas semanas. — respondeu ele, seu olhar se mantinha o mesmo para mim — Estou na fase da reforma agora.
— Que mundo pequeno não. — ela abriu um largo sorriso e me olhou de relance — Quem diria que seria sua vizinha novamente.
— Minha vizinha?! — ele franziu a testa, confuso.
— Sim, comprou este apartamento há dois dias. — explicou minha amiga.
— A nova vizinha. — notei o seu sussurro.
, não encontro minha necessaire. — a voz de uma garota soou da porta, e logo sua figura apareceu.

Uma jovem que aparentava ser mais nova que ele e tão bonita quanto. Ela estava vestindo somente uma camisa masculina que certamente era dele. Com as pernas amostra, um sorriso meigo no rosto e um olhar curioso para mim.

— Prazer, você é a nova vizinha? — perguntou mantendo o olhar para mim.
— Sim. — assenti.
— Esta é a . — disse ele para a moça.
— A ? — ela o olhou surpresa — A ?!

assentiu com o olhar. E eu em choque por ela saber sobre mim, vendo pela sua reação.

— Uau, eu sou Alexia, é surpreendente te conhecer, justo aqui. — a moça abriu um largo sorriso e se voltando para ele, tocou de leve em seu tórax — Eu sei que está ocupado, mas eu realmente preciso encontrar minhas coisas… Não sou tão organizada quanto você.
— Você nunca foi organizada. — ele sorriu de canto.

Seu olhar para ela era de carinho e ternura. Ambos pareciam extremamente próximos e ver aquilo já estava me deixando um pouco desnorteada. 

— Sophie, acho melhor entrarmos. — sussurrei para minha amiga, segurando minhas emoções.
— Claro. — ela voltou o olhar para frente — Foi um prazer te ver novamente vizinho, mas temos uma agenda cheia hoje. 

Minha amiga me segurou, discretamente me amparando. Consegui ver de relance Alexia o arrastando para dentro, segurando em sua mão. Assim que cheguei no último degrau da escada, meu corpo desabou e comecei a chorar.

. — minha amiga me olhou com compaixão.
— Sophie. — não tive forças para conter as lágrimas, só conseguia sentir falta de ar e uma decepção comigo mesma.
— Amiga… — ela se sentou ao meu lado — Eu nem sei o que dizer, mas estou tão perplexa quanto você.
— Ele não me deve nada, fui eu quem terminou, mas… — eu a olhei — Não estava preparada para isso.
— Não queria dizer, mas já dizendo… Eu te avisei. — seu tom mesmo sério, tinha sutileza — é o partido da cidade, claro que ele seguiria em frente fácil.
— Ele pareceu tão apaixonado quando disse que me amava. — senti mais uma lágrima escorrendo em meu rosto.

Sophie tocou de leve em meu ombro e me deu um abraço acolhedor. 

Minha amiga se esforçou bastante para me animar e consolar. Permanecemos mais um tempo ali sentadas, até que consegui me recompor. A decisão de terminar foi minha, e não poderia chorar por isso. Ele tinha uma vida sem mim agora e eu também sem ele. Seguimos então para o Liberdad Café, onde Finn pessoalmente nos atendeu e indicou um prato especial para nosso almoço. 

Ao longo da semana me desdobrei para arrumar as coisas no apartamento e assegurar que a equipe de manutenção que contratei fizesse uma limpeza geral no terraço. Ainda não sabia o que faria ali, mas certamente algo que me permitisse desfrutar da vista. E não estava me referindo ao vizinho. E finalmente o dia de lançamento do jornal online havia chegado, depois de muitos testes da plataforma de hospedagem escolhida, ajustes de layout, e correria para escrever os artigos e diagramá-los. Nossa The Imperatriz estava pronta para ir ao ar e mostrar como se faz um jornal de verdade.

— Ao The Imperatriz! — disse Genevieve ao erguer a taça de suco de laranja em um brinde.
— Ao The Imperatriz! — eu e toda a equipe erguemos as nossas dizendo em coral.

Confesso que foi desgastante todo o trabalho inicial. As reuniões até tarde e as madrugadas em claro cheias de revisões de planejamento e criação de cadernos diversificados. No final, nosso jornal havia saído à nossa cara, sem ninguém para nos podar ou impor limites.

— Gente… Vocês não vão acreditar. — disse Isla, a nossa técnica de TI, que ficaria responsável por toda a parte de programação do site — Nosso site já bateu 100 mil acessos nas primeiras 24 horas.
— Sério?! — Genevieve a olhou com emoção.
— A gente nem fez uma divulgação pesada. — disse admirada.
— Não, mas não se esqueçam que meu namorado tem divulgado isso na rádio durante toda a semana. — comentou Beth.

Ela havia mesmo começado a namorar um radialista, que ficou super empolgado com o nosso projeto. Nossa sorte é que ele se ofereceu para fazer as divulgações em seu programa de rádio de forma sutil e não muito escancarada. 

— Sabe aquele sentimento de dever cumprido. — disse Genevieve ao me puxar para um canto e se sentar em uma das cadeiras — Durante toda a minha vida eu desejei ter meu próprio jornal e estou tão feliz por ter realizado isso, com sua ajuda.
— Eu que agradeço Genevieve, pela confiança e por ter me chamado para participar. — sorri de leve para ela.
, não quero entrar em detalhes na frente das meninas. — continuou ela, deixando o olhar mais triste — Mas, tenho um último pedido para te fazer.
— Será um prazer realizá-lo se tiver ao meu alcance. — assegurei a ela.
— Tenho certeza que está. — ela respirou fundo — Quero que fique em meu lugar no jornal como editora chefe.
— Eu? — tentei não gaguejar — Genevieve, eu não tenho tanta experiência como você e…
— Você está pronta , e nasceu para isso. — garantiu ela, confiando mais em mim, do que eu mesma.
— Mas, qual o motivo de não permanecer? — indaguei.
— Eu descobri no final do ano que estou doente, e para cuidar da minha saúde terei que me ausentar de tudo, por favor, não conte isso as meninas. — seu olhar demonstrava confiança em mim — Meu sonho era somente dar vida ao The Imperatriz, mas quero que você seja responsável por fazê-lo continuar respirando. Faria isso por mim?!
— Claro que sim, é uma honra e vou dar o meu melhor para não desapontá-la. — disse confiante em minhas palavras.

Ela se levantou da cadeira e me abraçou, segurando as lágrimas. Foi uma linda comemoração ao nascimento do primeiro jornal totalmente voltado para o público feminino. 

--

— Bom dia mamãe! — disse Molly ao me acordar pela manhã, pulando em cima de mim.
— Bom dia querida. — abri os olhos com certa dificuldade — Você já não está grandinha demais para me acordar assim? Não deveria estar dormindo?
— Eu acordei cedo e fui tomar café da manhã com o . — respondeu ela com toda tranquilidade do mundo.
— O que?! — ergui meu corpo no rompante e me senti meio zonza por isso — Como assim tomar café com o vizinho?
— Eu acordei cedo e fui para o terraço ver desenhos lá. — começou ela sua história, sentando-se na cama e com o olhar animado — Então ele me viu, estava vestido com um avental de bolinhas vermelhas e me perguntou se eu já tinha comido.
— E você respondeu…
— Que não, que a senhora estava dormindo e iria esperar, então ele me perguntou se eu queria panquecas. — continuou ela — Então nós tomamos café juntos no terraço e ele me deu um prato de panquecas para o seu café.
— Ele mandou panquecas para mim? — perguntei boquiaberta.
— Sim e são mais gostosas que as suas. — ela riu.
— Sua traidora. — me levantei da cama e cheguei até a varanda do meu quarto. 

Minha filha saiu do meu quarto rindo de mim de forma sapeca. Saindo para fora olhei pra o lado e lá estava o vizinho. Encostado no guarda-corpo virado para minha direção, com as mãos no bolso e um sorriso discreto no rosto.

— Bom dia, vizinha. — disse ele, com seu charme em forma de voz.
— Bom dia. — claro que tinha que conter meu olhar que persistia em descer do seu rosto para seu abdômen descoberto. 

Ele realmente precisava estar sem camisa ali?

— Obrigado pelas panquecas. — disse meio envergonhada pela situação.
— Não há de que, é sempre um prazer tomar café com a Molly… — ele manteve seu olhar fixo em mim — Ela me contou muitas coisas.
— Ah… Minha filha é bem comunicativa. — mantive o sorriso no rosto — Bem, eu tenho que entrar, até…
— Parabéns pelo jornal. — disse ele antes de eu entrar.
— Você leu? — perguntei.
— Sim, muito interessante seu artigo sobre fanfics… — ele riu — Você realmente tem o dom para escrever, continua me deixando fascinado.

Eu respirei fundo, sentindo minhas pernas fraquejarem. Me apoiei discretamente na parede e entrei para o quarto. Assim que fechei a porta, coloquei a mão na altura do coração que neste momento já estava acelerado. Troquei de roupa, tomei o café da manhã com as panquecas fornecidas por ele e segui para mais um dia de trabalho. Levei Molly para a aula antes de me dirigir para a redação. O prédio em que Genevieve alugou, pertencia a um parente dela que não somente alugou o imóvel, como também se ofereceu como investidor inicial.

Confesso que estar à frente de um jornal como editora chefe exigia bem mais que somente ser uma escritora de meros artigos de gastronomia. A minha sorte é que a equipe feminina que Genevieve reuniu para o jornal era mais do que eficiente e todas trabalhavam com dedicação e perfeição. Tudo estava correndo bem, pelo menos no The Imperatriz, e ali era o meu mundo, o único lugar em que eu podia respirar com tranquilidade e esquecer todos os meus problemas enquanto me divertia trabalhando. Porém, todo castelo tem suas passagens secretas em que podem ser descobertas por pessoas indesejadas.

— Pessoal. — disse Kim ao nos chamar a atenção.
— Olha só, se a miss RH está aqui, é porque temos aquisição nova para o jornal. — comentou Lizzi ao se aproximar de mim — Está sabendo de algo?
— Sunny disse que precisava de alguém para dar reforço ao caderno de moda. — expliquei a ela — Então pedo a Kim para encontrar uma estagiária boa para nós.
— Hum… — Hill estava atrás de nós, se envolveu em nosso cochicho.
— Bem, quero apresentar nossa nova estagiária do caderno de moda, Alexia Collins, ela cursa moda na Columbia University e já foi estagiária da revista W Magazine. — disse Kim ao apresentá-la.

Assim que meus olhos se voltaram para a moça ao seu lado e a reconheci. Minha pressão baixou de leve, fazendo meu corpo bambear.

— Está tudo bem ?! — perguntou Hill ao me amparar.
— Sim, só um mal estar. — expliquei a ela me recompondo e me afastando discretamente para ir para o banheiro.

Joguei água em meu rosto algumas vezes para voltar ao eixo. Não conseguia acreditar que a jovem que vi com no terraço, estava ali no meu jornal como estagiária. O que eu faria agora? Nunca estive preparada para todas essas emoções que vivia, e nem sabia como conseguiria trabalhar com sua presença ali, me fazendo lembrar da cena dela vestida com as roupas dele.

?! — a voz de Alexia soou da porta do banheiro.

Olhei no espelho e vi seu reflexo. O sorriso meigo combinado ao olhar cativante que me deixava mal por dentro. Como eu iria não gostar de uma pessoa aparentemente gentil e legal?

— Oi, Alexia. — disse ao respirar fundo, me recompondo.
— Tudo bem? Percebi que teve um mal estar. — ela se aproximou de mim com um olhar preocupado. 
— Não é nada demais, acho que minha pressão baixou pelo calor, a primavera tem sido tão quente quanto o verão. — dei uma explicação razoável. 
— Tem certeza que está bem? Não quer ir ao médico?
— Eu estou bem, de verdade. — sorri com gentileza para ela — Obrigado por se preocupar, mas fique tranquila. Não foi nada demais.
— Me sinto aliviada por isso, e mais empolgada por poder trabalhar com uma amiga do . — disse ela com um brilho no olhar. 
— Amiga? Foi assim que ele me apresentou? — em partes me senti desapontada e chateada.
— Foi a única coisa que me importou saber, e vou amar ser sua amiga também. — seu sorriso singelo me cortou por dentro.
— Eu tenho que voltar ao trabalho, seja bem vinda.

Eu me afastei dela e sai do banheiro antes que pudesse me sentir mais arrasada ainda. Me tranquei em minha sala o resto da tarde, mantendo os olhos na tela do notebook com um arquivo aberto, sem conseguir digitar uma só palavra. Sem pedir permissão as lágrimas começaram a descer por meu rosto. No final da tarde, liguei para meu pai pedindo que Molly dormisse em sua casa, desejava ficar sozinha àquela noite e não teria forças para enfrentar minha filha falando sobre o vizinho a cada meia hora.

No final do expediente, ainda tinha uma reunião com um novo anunciante do jornal. Já havia adiado tanto que não poderia mais deixar para depois. O jornal precisava de parceiros, além do investidor primo de Genevieve, nossa renda seria mantida através de anunciantes e pequenas propagandas de marketing. Afinal, todas as funcionárias precisavam de seus salários para se manterem. E eu era uma delas. Ao sair do elevador, me deparei com no saguão do prédio. Os olhares das minhas velhas amigas do NT Post, vieram direto para mim. O que ele estaria fazendo aqui?

. — senti Alexia passar por mim e se aproximar dele — Pontual como sempre.

Ela segurou em sua mão e sorriu. 

— Vamos, temos um compromisso. — da distância em que eu estava, consegui ouvir sua voz grossa e envolvente, logo seu olhar veio em minha direção — Oi .
— Boa noite, . — foi a única coisa que consegui dizer, antes dos dois se retirarem do prédio. 
— Amiga, aquele não era o vizinho que você namorou? — perguntou Lizzi ao se colocar ao meu lado.
— Ele voltou a ser meu vizinho. — respondi a ela num tom baixo — Por ironia do destino, comprei um apartamento ao lado do dele.
— Uau. — Beth esboçou sua reação ao fato — , se você quiser a gente dá uma esnobada na magrela metida a modelo.
— Não meninas, por favor. — olhei sério para elas — A Alexia parece ser uma boa pessoa e pelo que percebi também trabalha muito bem, quero que a tratem com respeito, gentileza e educação. 
— O que podemos fazer para ajudar então? — perguntou Sunny.
— Que tal uma noitada no Coyote Ugly? — sugeriu Lizzi.
— Em plena quarta-feira? — Hill a olho boquiaberta.
— Não precisam se preocupar. — assegurei a elas — E também, temos uma edição especial para apresentar sobre as mais influentes primeiras damas presidenciais do país e ainda não estamos nem na metade do projeto. Quero todas indo para casa e chegando bem cedo amanhã.
— Sim chefinha, você que manda. — disse Beth fazendo todas rirem.

Eu segui de carro para minha reunião com o senhor Winchester. Marcamos em um restaurante coreano, uma sugestão dele. Assim que me anunciei para a recepcionista, a jovem me guiou até a mesa. Tomei um leve choque ao reconhecer o homem que me espera. Era o mesmo que esbarrou em mim na minha viagem a Coreia.

— Senhorita Miller do jornal The Imperatriz. — disse ele, abrindo um sorriso singelo.
— Senhor Winchester, presumo. — disse me sentando na cadeira em frente a ele. 
— Já que nos conhecemos, que tal deixarmos as formalidades de lado, me chame de Dimitri somente. — pediu ele.
— Como quiser, Dimitri. — abri um sorriso gentil.

Iniciamos uma conversa saudável sobre o jornal e seu interesse em ser anunciante. Para minha surpresa, Dimitri era diretor de marketing da filial da marca Chanel no país. E como tal, a marca criada por uma mulher influente em seu tempo, se viu interessada em afiliar sua imagem a The Imperatriz.

— E como está seu filho? — perguntou ele, após nós servirem nossos dinks banhados a soju.
— Está bem e se adaptando a nova realidade, como mãe coruja, sinto um aperto por ele estar longe de casa. — confessei a ele. 
— Nós criamos nossos filhos para darem voos altos. — comentou ele.
— Você tem filhos? — perguntei curiosa. 
— Sim, uma filha da idade do seu filho que agora está se preparando para ser a mais jovem angel da Victoria's Secret. — respondeu ele com um olhar orgulhoso.
— Que legal, eu tenho uma joaninha em casa que sonha em ser atriz de musical. — brinquei rindo — Ou dançarina profissional.
— Tem dois filhos?
— Tenho. 
— Certamente você foi mãe bem jovem. — comentou ele.
— Sim. — assenti.
— Notei que não tocou em sua bebida. — comentou ele.
— Não costumo a beber, tenho baixa tolerância a álcool. — expliquei.
— Porque não disse antes? Eu teria pedido outra coisa. — disse ele.
— Está tudo bem, além do mais, tenho que ir agora. — disse me levantando — Vou deixar o contrato para que possa ler com calma e depois conversamos novamente na redação.
— Espere um pouco. — ele segurou em minha mão — Eu gostaria de te ver novamente, mas longe do ambiente de trabalho.
— Me ver? — fiquei estática.
— Você é uma mulher muito interessante, se me permitir, gostaria de conhecê-la melhor. — pediu ele — Vou participar de um coquetel para o pré lançamento da semana de moda, não sei se o The Imperatriz foi convidado, mas gostaria de lhe convidar a ir comigo.
— Bem, posso te dar a resposta depois? — perguntei.
— Ficaria feliz se fosse agora, mas posso esperar.
— Agradeço. — sorri de leve para ele e me retirei. 

Ao voltar para casa. 

Entrei no apartamento sentindo algumas dores nas costas e joguei minha bolsa no sofá. Logo meu celular tocou uma mensagem da Sophie, dizendo que tinha uma novidade para me contar, e que deveria ligar para ela assim que chegasse em casa. Deixei o aparelho em cima da mesa de centro e segui para meu quarto. Após um banho relaxante, fiquei somente de lingerie, sendo escondidas pelo longo roupão de banho. Eu parecia essas madames em um spa de luxo. 

Ri de leve ao me olhar o espelho e vendo o reflexo do livro que lia atualmente em cima da cama. Tive a brilhante ideia de aproveitar meu terraço recém reformado para descansar com uma leitura. Peguei meu novo amor em forma de livro, O visconde que me amava, o segundo da série Os Bridgertons. Chegando ao terraço, me sentei na espreguiçadeira e abri o livro na página que parei. 

Minha leitura estava silenciosa, até que senti um desconforto. Como se tivesse sendo observada. O que de fato estava mesmo. Levantei meu olhar e vi sentado na mureta de divisão me observando. Meu corpo estremeceu de leve com seu olhar profundo para mim.

— Boa noite. — disse ele.
— Boa noite. — disse colocando o marcador na página e fechando o livro — Tem muito tempo que está aqui?
— Alguns minutos. — respondeu ele.
— Bem, eu acho que… — me levantei com certa vergonha por estar com o roupão de banho — Vou entrar.
— Espera. — ele pulou a mureta para o meu lado e seguiu até mim.
— O que? — perguntei.
— Está tudo bem entre nós? — perguntou ele.
— Claro. — desviei meu olhar para o prédio ao lado — Porque não estaria?
— Então olhe para mim . — pediu ao segurar em minha mão.
. — eu o olhei já sentindo meu coração bater mais acelerado.
— Porque tem evitado olhar para mim? — insistiu ele.
— E engano seu. — retruquei.
— Tem uma coisa que não te contei, eu também aprendi a saber quando você está mentindo. — ele se aproximou mais e tocando em minha cintura me puxou para mais perto — Está com medo de mim, ?
— Não. — tentei não gaguejar, mas sentindo meu corpo querer se render a ele — , não deveria estar aqui.
— Me diga o por quê. — sussurrou ele em meu ouvido.
— Você tem uma namorada, a Alexia não merece passar pelo que eu passei. — eu coloquei minha mão direita entre nós, tentando afastá-lo de mim — Não quero que ninguém seja traída por minha causa.

Segurei minhas emoções e desejos também. Confesso que durante todo o tempo longe dele, não consegui superar e esquecê-lo. 

— Sua boba inocente… — ele sorriu de canto com um olhar malicioso — Alexia não é minha namorada, ela é minha irmã caçula.

Ele não deixou nem mesmo eu reagir a informação que demorou para ser processada por meu cérebro. me beijou de surpresa com toda a saudade que parecia ter acumulado.

Doce, envolvente e intenso. 

Quanto mais ele investia em mim, mais eu lhe dava acesso. 

Venha pra mim, não hesite
Você é incrível, meu universo
Apenas me ame direito (a-ha)
Todo meu universo é você.
- Love Me Right / EXO



21. Filhos

Acordei aos poucos, sentindo um feixe de luz entrar pela janela e atingir meus olhos. Me espreguicei de leve e olhei para o lado. Havia uma rosa vermelha em cima do travesseiro com um bilhete. Achei estranho a princípio, até que me lembrei da noite passada que iniciou com um beijo apaixonado do vizinho. Meu rosto corou de vergonha ao me lembrar dele dizendo que Alexia era sua irmã mais nova. Como eu não pensei nessa possibilidade. Em algumas vezes ele havia mencionado sobre ela, mas nunca a chamado pelo nome, mas sim pelo apelido carinhoso de irmão coruja.

— Meu coração ainda acelera por você, senhora vizinha.  —sussurrei ao ler, me derretendo toda na cama.

Eu surreal acreditar naquilo que acontecia. Em um súbito rompante, eu me vesti meu casaco, por cima do pijama, pois foram as primeiras coisas que apareceram em minha frente. E segui até o apartamento ao lado. Precisa realmente conversar com ele num tom formal e me desculpar por meus pensamentos perturbadores que resultaram naquela noite. Além de agradecer pela rosa.

?! — disse ele, surpreso ao abrir a porta — Veio tomar café da manhã comigo?
— Bem… — eu não havia planejado isso, mas… — Eu vim agradecer pela rosa.
— Aceitaria tomar café da manhã comigo? — ele abriu um largo sorri.

Assenti com a cabeça e entrei em seu apartamento. Assim como a casa ao lado em meio antigo endereço, o lugar estava em plena desordem que qualquer reforma traz ao ambiente. Caixas de revestimentos empilhadas próximo a janela, móveis desmontados no canto ao lado do corredor para os quartos, e o olhar observador de para mim.

— Estou começando a achar que você tem fetiches por reformas. — comentei segurando o riso — A considerar o fato de sempre fazê-las sozinho.
— Eu ainda estou esperando por Cedric para resolver a parte elétrica e hidráulica. — brincou ele, se aproximando de mim e segurando em minha cintura — Troco todas as reformas por você.

Eu deveria levar aquilo como uma declaração de amor? Sim, deveria. Sorriu com timidez e erguendo um pouco meu corpo, iniciei o beijo desta vez, sentindo-o aproximar ainda mais nossos corpos.

Hum… — uma voz soou do corredor interrompendo nosso momento, era Alexia — Bom dia casal.

Seu sorriso malicioso no canto do rosto. Brevemente desviei meu olhar dela, para o homem que surgiu atrás, abraçando-a por trás.

— Esta é a garota do que me falou?! — perguntou o homem.

Garota?! Do ?

— Sim, minha cunhada. — ela riu baixo — Desculpa por te fazer achar que eu era namorada dele.

Olhei para envergonhada.

— Você contou a ela? — perguntei.
— Não precisou contar, seu olhar dizia tudo. — respondeu ele, segurando o riso.
— Você é uma pessoa bem expressiva. — revelou ela dando um sorriso meigo.
— Vamos ao café?! — perguntou ao pegar em minha mão e me puxar para perto da mesa.

Nos sentamos à mesa e começamos a saborear as panquecas que o vizinho havia preparado. Foi divertido ouvir Alexia contar sobre todas as vezes que se fez de namorada do irmão para atiçar ciúmes nas suas pretendentes. Era maldoso de sua parte e não imaginava como ela poderia achar graça nisso. Meu coração ficou tão apertado quando a vi tão intimamente próxima dele naquele dia, e me senti tão mal por isso. Minha cunhada era mesmo maldosa… Espera, eu disse cunhada?

— Agora estou curiosa para conhecer seus filhos. — disse Alexia toda animada.
— Você é realmente louca com crianças, né? — Dominic, o namorado dela a olhou.
— Não se preocupe querido, pretendo ser mãe só depois da aliança no meu dedo. — assegurou ela — Além do mais, minha carreira profissional só está no começo.
— Isso me alivia. — brincou ele, nos fazendo rir.
— É bom ter filhos, às vezes emocionante e às vezes preocupante. — admiti segundo minhas experiências — Mas quando cresce, você fica com nostalgias ao se lembrar das travessuras da infância.
— Está com saudades do Joseph? — perguntou — Molly me contou sobre a ida dele para Seoul.
— Sim, suas aulas já iniciaram lá e meu coração só aperta com isso. — respondi.
— Dois filhos, mais velha, fico me perguntando como a mamãe reagiu a sua ida para Los Angeles no natal. — Alexia voltou seu olhar curioso para o irmão — Mas vendo o olhar do , já imagino como foi.
— Vocês são muito bons em ler expressões das pessoas. — observei bem.
— Eu ainda estou aprendendo com meu irmão. — disse ela.
— Não se preocupe , a senhora Bridget também não gosta de mim. — revelou Dominic em risos — Principalmente depois de me encontrar no quarto da filha sem roupas.
— Vocês foram imprudentes e Alexia ainda era menor de idade, achou mesmo que minha mãe iria simpatizar com você? — o olhou com seriedade — Ainda mais sendo mais velho que ela?
— Só faltava dois meses para eu fazer 18 anos. — argumentou Alexia.
— Ainda sim, como mãe eu também ficaria apreensiva com a situação. — disse a ela, me colocando no lugar de sua mãe — Imaginar uma cena assim acontecendo com a Molly ou com o Joseph…

me olhou e sorriu de canto. 

Ao dar a próxima garfada, comecei a me sentir estranha e no rompante, me levantei e corri até o banheiro. Coloquei pra fora tudo que havia comido no café da manhã e no dia anterior quase. Me levantei e lavei o rosto sem entender o que estava acontecendo comigo. Talvez por estresse no trabalho, ou ansiedade causada pela aproximação do vizinho. Havia N motivos para me deixar com mal estar, principalmente minha rotina alimentar que andava a desejar.

— Está tudo bem? — perguntou ao aparecer na porta do banheiro.
— Sim. — assentiu ao secar meu rosto e olhá-lo — Eu estou bem sim, vou pra casa.

Eu passei por ele na porta, porém fui parada.

— Alexia me disse que passou mal na redação. — disse ele, com o olhar sério.
— É só estresse do trabalho, nada como uma boa noite de sono e alimentação saudável. — assegurei a ele — Vou para a porta ao lado, ainda tenho responsabilidades com meu trabalho.
— Tire o dia de folga para descansar. — aconselhou ele, erguendo a mão e acariciando minha face — Ou terei que forçá-la a isso, ainda tenho o número da Sophie.
— Não se preocupe, dr. Vizinho, vou me cuidar. — sorri de leve e me afastei dele.

Segui para meu apartamento e caminhei até o banheiro. Tomei uma ducha quente para relaxar o corpo e ao voltar para o quarto, peguei meu celular e mandei uma mensagem para redação. Como era sexta-feira, poderia trabalhar em casa nesse dia. Voltei para cama e me deitei um pouco, rendendo novamente meu corpo ao sono. Parecia estar mesmo muito cansada. Ao acordar, ouvi o barulho alto da televisão na sala, achei estranho minha filha estar em casa, afinal o combinado era ela ficar na casa dos meus pais até domingo. 

Me levantei e colocando um suéter de crochê, segui para sala e avistei Molly vendo Madagascar na Netflix. Logo senti um cheiro gostoso vindo da cozinha e me deparei com cozinhando, de forma tranquila e serena como se estivesse em sua própria casa. Meu coração acelerou de imediato.

— Conseguiu descansar?! — perguntou ele, mantendo a atenção no fogão.
— Sim. — respondi.

Logo minha filha olhou para trás e me viu. Abrindo um largo sorriso, ela parou o desenho e veio ao meu encontro.

— Mamãe! — ela me abraçou e me deu um beijo na bochecha.
— Olá joaninha. — sorri para ela — O que faz aqui? Não disse que queria ficar com o vovô e a vovó?
— Mudei de ideia, e pedi ao vovô para me trazer. — respondeu ela — Ah, contei à vovó sobre o ser nosso vizinho de novo.
— Sua fofoqueira. — sussurrei a ela — Agora dona Agnes não vai me deixar em paz.
— Ela disse que a vida tem sido muito generosa com a senhora. — Molly riu — O não vai embora dessa vez, não é?!

O olhar esperançoso da minha filha fez meu coração se apertar. Voltei meu olhar para o vizinho, que também mantinha seu olhar em mim.

Real até quando ele quiser. — disse mantendo o olhar nele.

As horas se passaram, havia preparado nosso jantar. Segundo ele, sua preocupação com minha saúde não o deixou se concentrar na pintura do seu quarto. Então, quando viu a chegada de Molly com meu pai, se ofereceu para cuidar de nós duas. Já imagino os surtos da minha mãe ao saber disso. Logo após, me despedi dele na porta com um beijo caloroso. Ao fechar a porta, olhei para minha filha que mantinha um sorriso bobo no rosto.

— Quando ele vem morar com a gente? — perguntou ela.
— Eu… Molly?! Não é tão fácil quanto parece. — me sentei ao seu lado, mantendo o olhar compreensivo — Eu e o … Essas coisas não funcionam assim.
— Vocês não voltaram? — indagou ela.
— Não sei dizer… Acho que podemos nos classificar como amigos. — assegurei a ela — Joaninha, eu sei que gosta dele e acho lindo o carinho que ele tem por você e pelo Joe, mas o morar com a gente, é uma mudança muito grande. E sabe que eu me importo muito com a opinião de vocês.
— Quer saber se eu estou pronta para ter outra família? — perguntou ela — E um novo pai?
— Se eu voltar a ter um relacionamento com o , ele será seu padrasto, desta vez de verdade. — continuei — Você está pronta para isso?

Como da última vez havia acontecido tudo tão rápido, que não tive tempo para conversar com meus filhos sobre o assunto e saber se estavam confortáveis com a ideia da mãe namorando. Mas agora, com Joseph longe e sabendo sua opinião sobre tudo, eu precisava confirmar com a joaninha também.

— Estou pronta pra te ver sorrindo de novo, mamãe. — ela sorriu de leve e se aninhou em meus braços — A senhora nunca sorriu assim com o papai.

Eu comecei a acariciar os cabelos dela. 

Realmente nunca havia me sentido tão feliz e segura antes, menos ainda desejada e amada de uma forma tão intensa. Na manhã seguinte, recebi uma mensagem de Sophie, pedindo por um dia de sorvete no parque. Para ela pedir algo assim, certamente era algo sério. Levei Molly comigo para se divertir um pouco, e enquanto minha filha brincava sozinha com seu frasco de bolhas de sabão, eu conversava com ela, sentadas em um banco.

— O que aconteceu agora? — perguntei a ela, com gentileza.
— Preciso de um ombro amigo e um conselho. — respondeu ela, tomando a cabeça no meu ombro — Preciso do seu lado mãe agora.
— O que aconteceu? Mais uma briga com a sogra?
— Não, a velha não nos perturba mais, Will deu um basta nela. — ela soltou um suspiro fraco — É outra coisa.
— O que?
— Will me fez uma proposta, e eu estou em surtos internos agora. — contou ela.
— Que proposta?!
— Adotarmos uma criança. — disse ela.
— Sério?! — a olhei admirada — Sophie, adotar é tão bonito quanto ter de forma biológica.
— Foi o que ele me disse, mas eu ainda estou em surto . — ela manteve um olhar assustado — Eu não queria ter filhos e quando me abro pra isso, descobri que não posso tê-los, quando eu finalmente aceito, Will me propõe isso…
— E o que tem de errado? — perguntei a ela — Está com medo, não é?
— Eu não me vejo pronta para ser mãe, não de uma pessoa que já tem uma vida antes de mim, eu nem me entendo às vezes, imagina um adolescente. — o olhar ficou ainda mais apreensivo.
— O Will quer adotar um adolescente? — agora eu fiquei preocupada — Assim de cara?
— Ele me levou até uma assistente social há dois dias, conversamos e ela contou sobre o grande problema de conseguir adoções para crianças acima de 12 anos, de imediato Will mostrou interesse em uma jovem. — contou ela — O nome dela é Florence, e segundo meu marido, ela o lembra uma prima que perdeu na infância.
— É uma grande responsabilidade adotar um adolescente. — assegurei a ela.
— Sim… E eu já não me vejo preparada para isso, imagine com mais duas crianças na bagagem.
— Como assim mais duas crianças? — meu olhar ficou mais sério.
— Florence tem mais dois irmãos, um de oito e uma de cinco anos. — explicou ela, segurando o tom de desespero — Olha para mim, inexperiente, não sei nem fazer um macarrão instantâneo sem queimar a água, como posso ter mãe de três ao mesmo tempo? E não podemos separá-los.

Por aquela notícia eu não esperava. Menos ainda tinha alguma ideia de como acalmá-la.

— Nem sei o que dizer. — sussurrei estática ainda.
— Will está tão radiante com a ideia, principalmente depois que descobrimos a história dos três irmãos… Mas eu, só consigo surtar com tudo. — desabafou ela — Não quero jogar um balde de água fria nele.
— E como estão agora?
— Ele disse para eu pensar e lhe dar a resposta até a próxima sexta. — respondeu ela, jogando o corpo para trás e olhando o céu — Eu comecei meu curso de aperfeiçoamento a pouco tempo, já tenho tantas coisas na cabeça, se eu optar por ser mãe, quero fazer isso direito. 

Eu estava orgulhosa pelas palavras da minha amiga. 

Conversamos por mais algum tempo, até que ela me chamou para almoçar em sua casa, claro que a cozinheira seria eu, mas seria divertido. Por mais que Sophie não se sentisse responsável e capaz o bastante em adotar duas crianças e uma adolescente ao mesmo tempo, conseguia ver no fundo do seu olhar o desejo de se esforçar para isso. Realizar o sonho do marido de ser pai e ao mesmo tempo dar uma segunda oportunidade para os três irmãos, assim como ela teve no passado. Apesar dos pais adotivos de Sophie terem morrido, assim como os biológicos, o pouco tempo que passou com eles foram anos de alegria e aconchego para ela. 

Os dias foram se passando e mais algumas vezes eu tive mal estar. 

Já começando a ficar preocupada, marquei uma consulta com minha médica. Eu já tive caso de anemia na infância, com o corre corre da minha nova realidade atrapalhando meus horários de almoço, seria bom checar que não estou mesmo doente. Terça pela manhã, recebi uma ligação da mãe de Carl, perguntando se ele havia entrado em contato comigo. Fiquei intrigada com sua pergunta, e finalmente reparei que desde o jantar dos amigos eu não tinha uma notícia dele, nem mesmo para passar um dia com a filha. Então pensei em investigar mais a fundo. Segui antes da redação para o banco e puxei todos os depósitos das contas dos nossos filhos. Descobri que havia três meses sem nenhuma entrada da pensão do Carl. Era estranho isso, pois o pagamento era descontado direto do seu salário pelo escritório onde trabalhava.

— Mike. — disse ao me aproximar da mesa, onde ele me aguardava — Obrigado por vir.

Havia marcado uma reunião com ele no Liberdad Café, na quinta à tarde.

— Fiquei surpreso quando recebi sua mensagem. — disse ele, estendendo a mão para que me sentasse.
— Já tem um tempo desde a última vez, não é?! — me sentei na cadeira em frente a ele.
— Bem, o que me trás aqui? — perguntou ele.
— Serei direta, os pais do Carl ligaram para mim e não possuem nenhuma notícia dele. — expliquei a ele — Quando tentei contactá-lo, descobri que os pagamentos da pensão das crianças estão atrasados em três meses, achei estranho pois o próprio escritório fazia.
— Sim, o departamento financeiro cuida desses assuntos, mas somente quando se é um funcionário. — explicou Mike me olhando confuso — Carl foi afastado e demitido do escritório há três meses. Você não sabia?
— Não, já tem um tempo que não o vejo. — por essa eu não esperava — Mas, por qual motivo ele foi demitido? Carl se gabava de ser o funcionário do ano.
— Se você denomina alguém capaz de fraudar, desviar dinheiro e aceitar subornos como o funcionário do ano, o Carl seria o melhor. — ele escondeu a satisfação nas palavras, mas senti o tom de deboche — Seu ex marido desviou muito dinheiro do escritório, além de outros tipos de fraude e desonestidade.
— Eu achando que não iria me surpreender mais com ele, estou em choque e envergonhada por meus filhos. — disse a ele.

Internamente aliviada por não estar mais associada ao Carl.

— E o que aconteceu com ele depois? — perguntei.
— Bom, Carl está sendo investigado e não pode sair da cidade, pelo que sei ele ficou detido por alguns dias e não sei como conseguiu pagar fiança para sair. — continuou ele com os detalhes — Ele foi abandonado pela Solar, então não entendo de onde saiu a grana.
— Solar? — logo me lembrei da cena de Carl se atracando com ela em sua antiga sala, um embrulho veio em meu estômago por isso, seguido de nojo e repulsa — Ela deixou ele?
— Mais do que isso, ela traiu ele com um cliente e o deixou depois. — Mike riu alto agora — Parece que ele recebeu o troco e sem você saber.
— Acredite Mike, não desejo traição nem para o meu pior inimigo, mas o Carl só colheu o que ele plantou. — assegurei meus pensamentos sobre o assunto.
— Isso é verdade. — concordou ele.

Parei por um momento, imaginando como daria essa notícia aos meus filhos. Saber das coisas erradas do pai, e que ele já havia sido preso correndo o risco de voltar à prisão. Era muita coisa para absorver e entender, principalmente para Molly. Seria errado da minha parte estar aliviada por minha filha gostar mais da ideia de ter como pai, que o próprio Carl? Acho que não.

— Eu preciso voltar à redação agora, muito obrigado por ter vindo.
— Eu tenho lido o seu jornal online. — comentou ele.
— Sério? Ele é inteiramente voltado para o público feminino. — sorri de leve admirada.
— Por isso mesmo, é interessante olhar as coisas na perspectiva feminina, quem sabe assim eu consiga entender melhor vocês. — brincou ele.

Agradeci novamente a ele pelas explicações e segui para a redação. Ainda tinha uma reunião com as meninas sobre a próxima matéria de destaque do jornal. Após o sucesso do artigo sobre as damas da Casa Branca, nossa próxima missão era falar sobre as grandes vozes de influência da música. Hill pareceu bastante empolgada, pois amava falar sobre música com todos e já tinha mulheres de peso para sua lista que seguia de Anita Baker a Beyoncé.

— Ok meninas, por enquanto é isso, amanhã é sexta, dia de trabalhar em casa para quem optar por isso. — disse a todas, ao me levantar da cadeira na sala de reuniões — Quero que se empenhem ao máximo por isso, essa matéria vai concorrer ao prêmio anual de jornalismo, se precisarem de alguma coisa, temos os contatos que a Genevieve me passou.
— Não se preocupe chefinha, vai dar tudo certo. — disse Lizzi empolgada.
— Conto com vocês meninas. — disse a elas orgulhosas — Vejo vocês na próxima semana.

Todas se retiraram e Alexia se aproximou de mim.

— Tudo bem cunhada? — perguntou ela, enquanto juntava suas folhas de anotação.
— Sim, quer uma carona para casa? — ofereci.
— Vou aceitar, Dominic vai ter que fazer hora extra hoje no restaurante. — aceitou se explicando.
— Ele trabalha em um restaurante? — indaguei.

Não sabia muito sobre seu namorado.

— Sim, ele faz gastronomia. — respondeu jogando suas coisas dentro da bolsa.
— Vamos lá. — disse, pegando minha bolsa também.

Seguimos no meu carro até o prédio. Assim que chegamos em frente a porta, me senti meio zonza novamente. Com a pressão baixa.

. — gritou ela ao me amparar.
— O que houve… — ouvi ele dizer, assim que a porta se abriu — ?! 

Logo senti suas mãos me amparando também, me pegando no colo. Mantive meus olhos fechados, pela tontura.

— Alexia, fique com a Molly, eu vou levá-la ao hospital. — ouvi a voz de , sentindo seu doce perfume e me aninhando a ele — Vai ficar tudo bem .

Eu me sentia segura ali, nos seus braços sendo cuidada por ele.

Seu coração que costuma ser forte se torna frágil quando eu estou magoado
Silenciosamente pegue minhas mãos, silenciosamente me abrace, 
Eu apenas desejo esses pequenos confortos
Você não sabe do meu coração, que sempre quer fazer mais por você.
- No Other / Super Junior



22. Casamento?

Eu acordei ouvindo os sons dos aparelhos do hospital. Me lembrava de dois ou três desmaios no caminho até lá. Abri os olhos lentamente, observei de leve o ambientes da enfermaria, desci o olhar até meu braço que recebia o soro. Logo uma enfermeira se aproximou de mim, com um sorriso reconfortante no rosto.

— Olá senhora Miller. — disse ela ao pegar meu prontuário — Que bom que acordou, chamarei o dr. Hilte.
— Quem está aqui comigo? — perguntei estranhando a ausência do vozinho.
— O senhor Lewis, ele disse ser seu namorado. — respondeu ela e se afastou.

Mantive minha tranquilidade. Mas cheia de perguntas. Por quanto tempo permaneci desacordada? Minutos depois o médico veio me examinar, os procedimentos rotineiros para ter certeza de que eu estava bem. O surto veio quanto ele começou a me dizer o motivo do meu mal estar repentino. Eu estava certa em uma coisa, pelo meu descuido com a saúde, estava com princípio de anemia leve que poderia ser tratada com alimentação adequada e regular, assim como algumas cápsulas de vitaminas. A surpresa, foi olhar para o exame de sangue e ouvi-lo dizer que estava grávida de algumas semanas, me recomendando iniciar o pré-natal.

Meu mundo não caiu, pois eu estava deitada na maca hospitalar. Mas me senti novamente zonza e atordoada. Como isso poderia acontecer assim? Eu sendo tão controlada com minhas regras, não estava atrasada. Porém, o dr. Hilte me explicou que algumas mulheres costumam ter pequenos sangramentos na gravidez, que podem ser confundidos com a menstruação. Uma explosão de pensamentos, questionamentos e pessimismo tomou conta de mim. Eu pedi a ele que não contasse a ninguém mais sobre isso, somente mencionasse a anemia. 

— Está tudo bem? — perguntou assim que entrei em seu carro com sua ajuda.
— Sim. — assenti encaixando o cinto de segurança.
— Está mais pensativa que o habitual. — comentou ele, ao entrar do lado do motorista e ligar o carro — Algo te preocupa?
— Não. — respondi.
— O doutor me passou a receita, já comprei as vitaminas. — disse ele seguindo com o carro.
— Obrigado. — sussurrei, voltando meu olhar para a rua.

Eu não queria me lembrar do passado, menos ainda comparar meu relacionamento com , ao desastre que tive com o Carl. Entretanto, era inevitável para mim não pensar sobre isso, imaginar que ter um filho do vizinho poderia levá-lo a ficar comigo somente por isso. Uma descarga de insegurança começou a me tomar internamente. O que eu iria fazer agora?

— Alexia levou Molly para casa dos seus pais, tem certeza que não quer que eu fique? — perguntou ele ao segurar minha mão, entre a minha porta de entrada para o apartamento — Me preocupo com você sozinha.
— Estou bem. — forcei um sorriso e abri a porta — Além do mais, hoje é dia de home office, vou aproveitar para adiantar as coisas do The Imperatriz.
— Não se esforce muito. — pediu ele, erguendo sua mão e acariciando minha face — Se precisar de algo…
— Fique tranquilo, eu estou bem. — mantive meu olhar sereno.

Ele se aproximou mais e me deu um beijo doce e suave.

Assim que entrei, senti meu corpo desabar no chão, e encostei na porta. Inegável que tudo aquilo me transmitia uma grande pressão, além do estresse emocional. Vasculhei minha bolsa e peguei meu celular, vendo inúmeras mensagens de Sophie, somente mandei um “HELP” pra ela. Em menos de dez minutos minha amiga já estava batendo na porta exigindo sua entrada. Na minha concepção, eu conseguia esconder tudo de todo mundo, exceto da minha melhor amiga, e em meio à lágrimas desesperadas e sufocantes, desabafei contando tudo a ela.

— Eu tô em choque… Vai ser boa parideira assim lá na França. — disse ela, seu tom era sério, mas sua forma sempre engraçada e humorada.

Ri baixo, secando as lágrimas. Estávamos as duas no tapete da sala, rodeadas de almofadas. Comido deitada em seu colo. Aconchegante e acolhedor, a amizade dela sempre foi muito especial para mim.

— Eu não sei o que fazer. — sussurrei.
— Como assim não sabe , você faz o óbvio, conta pra ele e vivem felizes para sempre, sem estragar minha fanfic. — retrucou ela.
— Não é assim tão simples. — ergui meu corpo e a olhei.
— Claro que é, você é que vive dificultando as coisas. — ela manteve a seriedade no olhar.
— Não quero que aconteça o mesmo de antes, não quero que ele fique comigo por causa de uma gravidez. — expliquei a ela, meus pensamentos — Já vivi isso antes e...
— E dezoito anos depois muita coisa mudou em nossa sociedade, um filho não segura casamento não . — ela tentou argumentar — Tá na cara que o te ama, que dúvida você ainda tem?
— Tenho todas, eu não… É difícil pra você entender Sophie, você tem o Will, encontrou a pessoa certa logo de cara, já eu não, tudo que eu passei, ainda tenho traumas das duas gravidezes que tive, e agora… — soltei um suspiro cansado — Não quero pensar que ele está comigo por obrigação.
— E quando sua barriga crescer, o que vai fazer? — indagou ela — Ou está pensando em tirar?
— Não, jamais, jamais faria isso Sophie. — assegurei a ela convicta de minhas palavras.
— Então? — ela voltou seu olhar para minha barriga — Vai fugir dele agora? Porque uma hora essa barriga vai crescer.
— Eu não sei, mas vou pensar até lá. — respondi.

Ela me abraçou com carinho.

— Conta sempre comigo, vou te apoiar mesmo querendo te bater por tomar as decisões erradas. — brincou ela.
— Te amo, amiga! — sorri para ela.
— Eu sei… Também te amo! — ela sorriu de volta.
— Mas agora, me conta sobre a adoção? — olhei com carinho para ela.
— Decidi adotar os três irmãos. — contou ela.
— Sério? — fiquei em choque e ao mesmo tempo feliz por ela.
— Sim, e Will ficou o triplo de empolgação e felicidade, já até com planos de nos mudar de apartamento. — continuou ela.
— Que lindo, estou muito feliz por você amiga. — voltei a me deitar em seu colo — Tenho certeza que será uma mãe maravilhosa.
— Deus te ouça e me ajude, vou mesmo precisar. — disse ela — Não tenho tanta aptidão quanto você, que parece ter o dom de ser mãe, mas darei o meu melhor, tive duas mães maravilhosas apesar de não ter convivido muito com elas.
— Tenho certeza que você vai arrasar. — assegurei.
— Qualquer coisa, eu te grito e você me socorre. — ela riu.
— Tia ao resgate. — eu ri junto.
— Aconteceram tantas coisas no último ano. — comentou ela.
— Muitas emoções. — concordei com ela.
— E a Molly?
— Na casa dos meus pais, vou buscá-la amanhã.
— Quer que eu fique aqui hoje? — perguntou.
— Mas e a reunião com a assistente social? — ergui meu corpo novamente e a olhei — Will me disse que vão começar a participar das reuniões em grupo com outros casais do programa de adoção.
— Sim, mas foi reagendada para segunda. — explicou ela.

Sophie passou o resto do dia comigo. Um dia das garotas improvisado e cheio de fofocas, sorvete, pizza, maratonas de Friends e claro algumas fanfics indicadas pela Sophie. Algo que me chocou foi a criatividade das autoras nos enredos das histórias, principalmente as de relacionamento fake que sempre terminava com os pps juntos e felizes. Acho que agora, eu entendia os surtos da minha amiga relacionados ao meu namoro com o vizinho. Acompanhar um romance e torcer para os protagonistas ficarem juntos era como viver a própria história. Eu estava vivendo a minha e com medo de tudo ser apenas uma fanfic que um dia tem seu final.

Na manhã seguinte, o café da manhã foi na casa de Annia. Sábado com as amigas, para celebrar a adoção de Sophie. Somente eu, Marg e Annia tinham sido informadas dessa decisão. Lauren e Freya estavam de férias em Monte Carlo, mal sabiam das novidades do momento.

— Estamos muito felizes por sua decisão Sophie. — assegurou Margareth ao se servir da segunda taça de vinho.
— Não deveria estar bebendo logo pela manhã. — a repreendi.
— Estou aprendendo que não existe hora para um bom vinho, aceita?! — minha irmã ergueu a taça para mim.
— É raro a gente ver a bebendo. — comentou Annia ao se sentar no sofá com um copo de suco.
— Agora mesmo é que ela não pode beber, nessas condições. — disse Sophie de forma espontânea, só se dando conta das palavras depois.

Margareth e Annia me olharam curiosas e surpresas.

você não está? — perguntou Annia.
— Mamãe estava certa. — disse minha irmã já desvendando as palavras da minha amiga.
— No que a mamãe está certa? — indaguei temerosa.
— Você está grávida não é? — o olhar dela ficou mais sério — Por isso a ida às pressas ao hospital e a Molly ficou lá em casa.
— Do que está falando, porque estão pensando nisso, eu só estou com anemia precisarei me alimentar melhor e tomar vitaminas. — expliquei a ela.
— Você pode até tentar, mas os olhares da Sophie te condenam. — Marg voltou o olhar para minha amiga — Não é, Sophie?
— Ain gente, eu não posso dizer nada, vamos mudar de assunto antes que a me mate. Não quero deixar meus futuros filhos órfãos. — Sophie desconversou e se serviu de vinho também, bebericando um pouco.
— Isso é chocante . — Margareth continuou — E já tenha em mente que à noite vamos para lá, buscar sua filha.
— Eu sei Margareth. — assenti.
— Vamos mudar mesmo de assunto, quero dizer a vocês que estou namorando. — anunciou Annia, com um sorriso de canto meigo.
— Olha só!!! — Sophie sorriu junto, assim como eu.
— E quem é o felizardo? — perguntei.
— Curiosamente, aquele seu amigo da cafeteria. — respondeu ela.
— O Finn? — dissemos eu e Sophie em coral.
— Ele mesmo.
— E de onde conheceu ele? Não me lembro de tê-los apresentado. — vasculhei em minha memória.
— Na inauguração do café, você me convidou sim, não se lembra? — ela me olhou admirada de minha falta de memória.
— Essa daí só se lembra do vizinho dela. — brincou minha irmã, me deixando constrangida.

Margareth não tinha tanta tolerância ao álcool e sempre ficava bêbada com facilidade, apesar de não se limitar às taças de vinho que enchia em plena luz do dia.

— Não seja tão má com ela Marg. — Annia riu — Mas, nos tornamos próximos bem depois com minhas idas à cafeteria depois da escola.
— Isso vale outra taça de vinho. — Marg despejou mais líquido em sua taça — Porque eu também tenho uma novidade!
— Surpreenda-nos. — brincou Sophie.
— Brian me chamou para morar com ele. — contou ela, nos deixando boquiaberta.
— Mas já, assim tão rápido? — perguntei a ela — Tem certeza, Marg?
— E acha que sou você que demora uma vida pra aceitar o óbvio. — ela me olhou com sarcasmo — Se a vida me devolveu os limões que perdi na feira, farei uma limonada suíça e beberei toda!

Nossas amigas riram de sua troca de ditado popular.

Estava em choque com suas expressões, porém feliz por Marg. Minha irmã também merecia a felicidade, longe do casamento tóxico que tinha com o Mark. O que me preocupava, era ela se entregar demais, tendo saído recentemente de um divórcio conturbado. Nós rimos de mais alguns comentários de Annia, contando sobre as fotos enviadas da viagem de Lauren e Freya. As horas se passaram conosco na casa de Annia, aproveitando o dia entre amigas. Ao final da tarde, segui com Margareth para casa de nossos pais. Minha irmã visivelmente desnorteada em sanidade, graças às taças de vinho que tomou. Assim que entramos, a guiei diretamente para seu quarto, com os olhares curiosos do meu pai e o balançar negativo da cabeça de minha mãe.

— Acho que desta vez, ela exagerou um pouco e nem comeu direito. — disse descendo as escadas — Olá papai.
— Olá querida! — ele me abraçou com carinho e sorriu.
— Onde está Molly?! — perguntei, estranhando a ausência da minha filha.
— Foi dar um passei com o Brian e Jacob no parque. — respondeu ele — Ele tem sido um ponto de apoio para sua irmã, e continua gostando dela tanto quanto no colegial, devo acreditar que mais.
— Estou feliz por ela, o Brian me parece um bom homem. — comentei.
— O também é. — disse minha mãe aparecendo da porta — O que pretende fazer ? Porque é uma loucura, mas tem momentos que um raio cai duas vezes no mesmo lugar.

Já vai começar! Pensei comigo.

— Do que está falando mamãe? — olhei para ela, mantendo a seriedade.
— Da sua gravidez. — seu tom demonstrava firmeza e segurança no que dizia.
— E quem te disse isso? — cruzei os braços, me fazendo de indignada — De onde tirou essa loucura?
— Acha mesmo que pode mentir para mim? Pode mentir para todos, até pra você mesmo, mas para mim? — insistiu ela, dando uma risada seca — Eu te conheço Miller, foram nove meses aqui dentro e mais trinta e alguns fora, te acompanhei em todas as suas gravidezes e sei como reage a cada uma.
— Mãe…
— Olha, eu não vou me intrometer em sua vida desta vez, por um pedido do seu pai, apesar da minha língua estar coçando para contar ao seu vizinho. — continuou ela, num tom mais firme e áspero — Dezoito anos atrás você fez o certo com o homem errado, espero que não faça o errado com o homem certo dessa vez, ele não merece isso. Ou melhor, será que você merece ele?

Antes que eu pudesse argumentar, ela se retirou indo para a cozinha. Voltei meu olhar para meu pai, que mantinha o rosto sereno e tranquilo.

— Pai. — tentei dizer algo, mas senti minha voz se calar.
— Querida. — ele se aproximou de mim e me abraçou forte — Fique tranquila, sua mãe só está chateada, mas no fundo ela só quer o seu bem.
— Porque é tão difícil as pessoas entenderem o meu lado? — segurei as lágrimas — Eu não quero repetir meus erros do passado, mesmo sendo o homem certo, não quero que ele fique comigo por motivos forçados. — expliquei a ele — Filhos podem mudar nossa percepção do mundo e me sinto tão insegura com tudo isso.
— Minha criança, acho que você precisa de um tempo só para você, para colocar sua mente no lugar e pensar no que vai fazer. — aconselhou ele — Que tal umas férias prêmio? Hum?
— Não posso pai, tenho minha responsabilidade com o jornal. — aleguei a ele.
— Em um mundo tão moderno, tenho certeza que pode trabalhar à distância. — argumentou ele, e com razão.
— Acho que está certo. — concordei com ele.
— Mas faça isso o quanto antes e tome uma decisão, ficando ou não com o , ele merece saber de sua gravidez. — meu pai me deu um beijo na testa e sorriu com carinho — Quando sua mãe disse que estava esperando a Margareth, foi pura emoção para mim, e o conhecendo como conheço…
— Obrigado pai! — eu o abracei novamente.
— E como está o jornal? — perguntei ele, indo se sentar no sofá.
— Está indo bem, a repercussão tem sido muito positiva e os comentários da mídia também, não imaginava que faríamos tanto sucesso logo no primeiro ano. — confessei a ele, me sentando no outro sofá.
— Isso se deve ao esforço de vocês e trabalho duro. — disse ele — Eu mesmo tenho lido regularmente já torcendo para elevarem o nível e partirem para o formato impresso.
— Eu sei que tenho um leitor pelo menos. — sorri de leve.
— Mamãe! — disse Molly ao entrar e vir direto me abraçar.
— Joaninha! — retribui seu abraço, com mais força — Como está minha linda?
— Preocupada com a senhora. — ela me olhou — Está tudo bem mamãe?
— Claro minha querida, está sim. — sorri de volta para ela, então voltei meu olhar para Brian — Boa noite, Brian.
— Boa noite , tudo bem? — perguntou ele.
— Sim, sua namorada está com ressaca no quarto. — brinquei.
— Vou cuidar dela. — ele olhou com carinho para Jacob — Vou ver como sua mãe está e você pro banho, combinado?
— Combinado, tio Brian. — meu sobrinho sorriu para ele e subiu a escada correndo.

Jantamos ali com os olhares chateados da minha mãe e os sorrisos da minha filha para mim. Segui para o apartamento com Molly depois. Ao entrarmos, ouvi barulhos vindos do terraço, pedi para minha filha tomar um banho e ir direto para cama, pois já havia se divertido muito no parque durante a tarde. Enquanto isso, segui para o quarto também e tomei um banho, colocando um pijama mais leve.

— Pronta para dormir, joaninha? — perguntei a Molly, ao aparecer na porta de seu quarto.
— Sim. — ela se deitou na cama e me observou entrar.
— Foi tudo bem mesmo na casa da vovó? — me sentei na beirada de sua cama.
— Sim. — ela sorriu — Só ficamos preocupados com a senhora.
— Foi somente um descuido meu na alimentação, mas tomando os remédios a anemia da mamãe vai embora. — garanti a ela.

Eu não sabia como introduzir o assunto, nem como minha filha reagiria a ele. Era tão complicado para mim, porque não conseguia ver as coisas fáceis como a Sophie?

— Molly.
— Sim, mamãe.
— Lembra de quando você me pediu um irmãozinho há um tempo atrás? — indaguei.
— Sim. — seu olhar ficou mais atento a mim.
— Você, por acaso, ainda tem vontade de ter um irmãozinho além do Joseph? — mantive o olhar em suas expressões faciais.
— Você está grávida mamãe? — perguntou ela — Vovó disse que sim, é verdade?
— Se eu estiver, o que acha sobre isso?! — senti meu coração pulsar mais forte.
— Eu iria me divertir muito com um irmãozinho, e te ajudaria a cuidar dele. — ela abriu um largo sorriso — O é o papai, não é?!

Assenti com a cabeça. Ela saltou da cama e me deu um abraço forte.

— Podemos ser uma família agora? — perguntou ela.
— Ainda não querida. — a olhei com carinho e feliz por sua reação — Mas estou feliz por gostar da ideia.

Ela manteve o sorriso no rosto.

— Posso te pedir um favor? — perguntei.
— Sim.
— Promete não contar ao ? Eu quero contar a ele no momento certo, tudo bem? — pedi a ela.
— Tudo bem mamãe! — assegurou ela — Te amo!
— Eu também te amo querida! — a abracei novamente.

Assim que lhe dei um beijo de boa noite, voltei para sala e comecei a juntar algumas coisas que estavam espalhadas e colocar no lugar. Assim ouvi outro barulho no terraço. Subi as escadas e saí para a cobertura, avistei trabalhando em alguma coisa envolvendo madeira e equipamentos de marcenaria. Era louco pensar que a reforma seguia a todo vapor em seu apartamento.

. — disse ele ao me ver.
— Atrapalho? — perguntei dando alguns passos até a mureta e me sentei nela.
— Não. — ele sorriu de canto, voltando o olhar para a pilha de paletes que tinha ao lado.
— Você parece meio perdido aí. — comentei.
— Não estou muito focado hoje. — ele parecia se esforçar para não me olhar, mantendo sua atenção nos equipamentos dele.
— Aconteceu alguma coisa? — insisti em perguntar.
— Espero que não. — ele ficou de costas para mim, voltando o olhar para o céu — Molly está bem?
— Sim, ela já ama ficar na casa dos meus pais. — respondi, o observando v Sempre encontra um motivo para dormir lá.

Um silêncio pairou entre nós, por um tempo. Como ele parado olhando o céu e o olhando.

. — o chamei, me levantando da mureta.
— Sim?! — ele me olhou, senti uma ponta de esperança em seu olhar.
— Eu vou precisar viajar na próxima semana. — disse a ele.

Ainda não me sentia preparada para contar sobre a gravidez. 

— Vou com a Molly, uma viagem mãe e filha que sempre quis fazer. — expliquei a ele — Então…
— Sem problema, também preciso resolver algumas coisas em outra cidade. — ele deu um sorriso meio triste, dando alguns passos até mim — Espero que seja proveitosa sua viagem.

Eu senti meu corpo travar um pouco ao senti-lo mais de perto.

— Para onde vai?! — perguntei curiosa.
— New Orleans, preciso verificar uma obra, nada demais, porém como sou o arquiteto responsável, preciso ir. — explicou ele, ao segurar minha mão.

se inclinou um pouco e me deu um beijo suave e leve.

— Eu te amo, , independentemente de qualquer coisa. — sussurrou ele, mantendo nossos rostos próximos.

Suas palavras me fizeram lacrimejar e logo as lágrimas rolaram em meu rosto. Meu corpo se moveu de forma espontânea o abraçando. Me aninhando em seus braços, que se envolviam em minha cintura.

— Obrigado. — sussurrei a ele.

Estava decidida a contar tudo, assim que retornasse da minha viagem com Molly.

Não importa o que aconteceria depois.

--

Faz uma pose bonita querida! — disse a minha joaninha que se colocava em frente ao letreiro de Hollywood.

Sim. 

Estava novamente em Los Angeles. 

Mas agora não somente em uma viagem mãe e filha, mas também ajudando minha garotinha em seu sonho de ser atriz. Tinha descoberto através de Sunny, alguns cursos rápidos de dança e teatro que poderiam ser de boa influência para minha filha. E vendo seu desempenho e sua dedicação em aprender, me dava mais orgulho ainda em apoiar seus sonhos futuros.

— Como fiquei mamãe?! — ela espichou o pescoço para ver a foto.
— Linda como sempre. — sorri para ela — Agora uma de nós duas.
— Sim.

Ela se colocou ao meu lado, então ajeitei o ângulo da câmera frontal e bati a foto. Juntas postamos no meu Instagram nosso pequeno momento livre de passeios pela cidade. Mais dias se passaram e resolvi prolongar mais um pouco minha estada ali, pois a ideia de uma matéria surgiu do nada quando passei próximo aos estúdios da Universal e me lembrar das grandes mulheres da indústria do cinema. Aquele tema me renderia um artigo ilustre e maravilhoso, com várias partes. 

Ao me reunir virtualmente com as meninas, fechamos todos os detalhes do artigo sobre As vozes da música, para que finalmente eu me dedicasse às damas de Hollywood. Enquanto minha filha seguia com seus cursos de teatro e dança, eu a acompanhava com meu tablet, escrevendo e anotando no bloco de notas, todos os detalhes, pensamentos e percepções do meu novo assunto de trabalho. Nossa rotina era bem maluca e muito divertida com pausas para comida em horários diversos.

Claro que eu estava sendo cuidadosa com minha alimentação, ainda mais agora pela gravidez. Além das vitaminas que me davam mais fome ainda, me fazendo comer regularmente de três em três horas.

— Eu estou bem sim Sophie, só decidi ficar mais duas semanas aqui por motivos óbvios. — expliquei a minha amiga, que se mostrava apreensiva com minha distância — Molly tem aprendido tanto com esses cursos que encontramos aqui, que não seria justo com ela voltarmos agora. Além do mais, descobrimos um teste na Broadway no final do próximo mês que pode ser uma oportunidade e tanto para ela.
— Mas , e como fica sua gravidez? — perguntou ela.
— Eu estou bem, já te disse, quando voltar, terei minha conversa com o , agora, só quero aproveitar minha viagem com minha filha e viver o que não vivi antes. — assegurei a ela, apertando o botão do elevador e entrando nele — Tenho certeza que o vizinho deve estar mais do que ocupado com seus deveres de arquiteto e a reforma no apartamento dele.
— Você acha? — perguntou ela.
— Tenho certeza. — garanti — E como está indo às sessões no grupo de adoção?
— Vão bem, estamos sendo acompanhados pela assistente social e na próxima semana deve sair a guarda provisória.
— O que significa?
— Que eles vão vir morar com a gente e eu estou em surto, nem mesmo comprei meu enxoval de casamento, você foi comigo, imagina montar o quarto de 3 crianças. — sua voz ficou um pouco desesperada — Preciso de você amiga, se não, vou deixar Will louco.
— Calma Sophie, eu vou te ajudar sim, e temos a Marga e a Annia para dar apoio também.
— Você é a tia . — insistiu ela.
— Eu sei Sophie. — segurei o riso.

Assim que a porta do elevador abriu no saguão do hotel, meu coração paralisou de leve ao dar de cara com e seu olhar sereno para mim. O que ele fazia aqui?

?! — disse ainda estática.
— Oi . — ele sorriu de leve — O que faz aqui?
— Eu que te pergunto, não estaria em New Orleans? — fiquei intrigada.
— Não estou te seguindo se é isso que você está pensando. — ele riu — Não sou um psicopata.

Eu soltei uma gargalhada boba.

— Não pensei nisso. — admiti — Mas…

Era mesmo intrigante tê-lo ali.

— Estou a trabalho também, desta vez cenográfico e estamos na cidade do cinema. — explicou ele — Precisam de uma grande estrutura em uma produção de um filme futurista e fui convidado a ajudar.
— Hum… — entendi.
— Poderia levar minhas malas para meu quarto, irei depois. — disse ele, ao funcionário.
— Sim senhor. — o homem passou por mim com as malas dele.
— Está indo para algum lugar? — perguntou , ao segurar minha mão e me afastar do elevador.
— Busca Molly em um curso de dança que está fazendo. — contei a ele, o deixando me guiar.
— Consegui uma breve dispensa na escola para investir esse tempo no sonho dela, então pela manhã temos o curso intensivo de teatro e à tarde o de dança. — continuei — Ela agora quer ser uma atriz do Disney Channel.
— Uau, um sonho bem grande, mas tenho certeza que ela é muito dedicada para isso. — disse ele.
— Sim, e preciso apoiá-la. — conclui.
— Vamos então, eu te levo. — disse ele.
— Alugou um carro? — perguntei.
— Los Angeles é minha cidade, ao contrário de Malibu. — explicou ele com um sorriso bobo no rosto — Só não estou na minha casa, por que está em reforma.
— Você tem uma casa aqui?! — boquiaberta fiquei.
— Eu morava aqui antes de ir para Manhattan. — explicou ele.
— Uau. — por essa eu não esperava.

Ele manteve a serenidade no olhar e me levou até seu carro. Seguimos para a agência onde Molly fazia seu curso da tarde. Com a facilidade em aprender e empenho de minha filha, ela sempre pegava os passos das coreografias com rapidez e precisão.

!? — ela abriu um largo sorriso ao vê-lo e logo o abraçou — Você veio!
— Sim. — ele retribuiu o abraço nela.
— Como assim, você veio?! — olhei para eles, desconfiada.
— Molly me perguntou se eu realmente viria para Los Angeles, quando te liguei ontem à noite. — respondeu ele.
— Você me ligou? — voltei o olhar para a joaninha.
— A senhora estava dormindo mamãe. — explicou ela, se fazendo a inocente.
— Eu perguntei onde estavam e curiosamente no mesmo lugar para onde eu iria. — continuou ele — Que tal um sorvete para refrescar?
— Eu topo! — disse Molly.

Não tive outra escolha a não ser aceitar. Os olhos meigos de minha filha para mim eram irresistíveis. Seguimos para uma sorveteria muito famosa da cidade, e que causou um brilho a mais nos olhos dela. Para quem tomava sorvete no parque quase toda a semana com Sophie e nossos problemas da fase adulta, aquilo era só mais um sorvete. Entretanto, estar na companhia de , tinha um diferencial que eu não conseguia descrever.

— É o melhor sorvete do mundo! — comentou Molly.
— O de Manhattan é tão bom quanto. — olhei para ela, sem entender seu favoritismo.
— Não é pelo lugar mamãe, é pela companhia. — disse ela, voltando seu olhar para o vizinho.

O olhar dele para nós duas combinado ao silêncio me deixava um pouco apreensiva e curiosa.

— Entendo. — o olhei também.
. — segurou em minha mão, mantendo a suavidade no olhar.
— Obrigado. — disse a ele.

Ainda era complicado para mim dizer com clareza “eu te amo”. Apesar de sentir mais do que profundamente em meu coração este sentimento.

— O que foi?! — perguntou ele, assim que me levantei bruscamente e sai em direção a entrada da loja.

Precisava tomar ar puro e não surtar com o momento e com a presença dele ali.

— O que houve?! — ele segurou em minha mão, me fazendo olhá-lo  —, diga.
— Eu não quero que fique comigo por nenhum motivo forçado. — fui o mais sincera possível, demonstrando minha fraqueza pelas lágrimas que juntavam no canto dos meus olhos — Eu te amo , mesmo com medo de te amar, eu te amo.

Senti sua mão me puxar para mais perto, e seus braços me envolverem ainda mais. Tentei não chorar ali, porém minhas emoções foram mais fortes que eu. Me senti segura perto dele, era meu ponto fraco e ao mesmo tempo poderia ser o forte.

— Quero estar com você, porque te amo. — disse ele num tom baixo — Quero estar ligado a você de todas as formas possível.
— O que você quer dizer com isso?! — me afastei de leve o olhando, confusa.
— Estou dizendo que nunca mais quero ficar longe de você. — ele sorriu com carinho — Aceita se casar comigo?

Meu coração acelerou de leve. Não imaginaria que ele me pediria em casamento assim.

— Aceita logo mamãe. — disse Molly, aparecendo ao nosso lado.
— Eu… — olhei para ela — Molly?!
— Eu aceito pela mamãe. — disse ela, dando um sorriso sapeca.

Nós rimos, mas ele se manteve atento a mim.

— Tem certeza… — tentei argumentar, mas me interrompeu com um beijo doce e envolvente.
— Apenas diga o que seu coração quer, sem pensar no passado e no que pode dar errado, pois nada vai dar errado. — garantiu ele — Apenas diga, o que seus olhos já dizem.
— Aceito. — senti uma lágrima escorrendo em meu rosto.
— Que bom. — ele sorriu, e erguendo sua mão limpou minha lágrima — Fase 2 Molly.
— Como assim fase 2?! — olhei para minha filha.

O que eles estavam aprontando?

— Só quero dizer, que tenho a aprovação de Joseph direto de Seoul. — disse , ao me conduzir até seu carro.
— E minha também. — assegurou Molly, segurando o riso.

Para minha maior surpresa, seguimos para um cartório especial de registro civil de Los Angeles. Onde, inacreditavelmente, me casei no mesmo dia com o vizinho do apartamento ao lado. Molly assistiu tudo, fazendo uma transmissão online para Joseph que ficou em risos do outro lado do mundo. Nossas testemunhas? Dois amigos de infância de que ele chamou de última hora para lá. Tudo aconteceu tão rápido, que nem as fanfics da Sophie conseguiriam acompanhar os eventos. E por falar na minha amiga… Quando enviei a foto da aliança no meu dedo e da certidão de casamento, os surtos dos seus áudios foram poucos para sua euforia.

— Molly já está dormindo? — perguntou ele, ao sair do banheiro e me ver em seu quarto.
— Sim, foram fortes emoções para ela, e amanhã cedo temos a última aula de teatro. — contei a ele, mantendo meu olhar na certidão em minha mão.
— O que foi?! — perguntou ele ao se aproximar de mim, e envolver seus braços em minha cintura.
— Você é louco, sabia? E eu mais ainda por aceitar isso. — o olhei, ainda estática.
— Eu sou louco sim, mas por você. — ele sorriu de canto.
— Nunca imaginei que me casaria outra vez em um curto espaço de tempo, não depois de um divórcio como o que tive. — confessei — O que você fez comigo, senhor vizinho?
— Posso te pedir uma coisa?! — seu olhar continuou sereno.
— Sim.
— Não fale mais do passado, apenas vive o hoje comigo para termos nosso futuro juntos. — as palavras soaram tão tranquilas dele.
— Farei o máximo para isso. — garanti a ele.

se aproximou mais e mais de mim, ao tocar de leve em minha barriga, me beijou com suavidade. Senti meu corpo arrepiar por um breve momento, entendendo o que ele queria me dizer com seus gestos.

— Como você sabia?! — perguntei a ele.
— O médico me contou, antes de dar a notícia a você. — contou ele.
— Porque não me disse?! — indaguei.
— Não queria que pensasse bobagens sobre eu estar com você pelo bebê, como de fato começou a pensar. — explicou ele — Então, achei melhor esperar até você se sentir confortável para dizer sobre a gravidez.
— A Molly, sabia que você sabia? — mantive o olhar nele.
— Sim.
— Que traidora, não me disse nada. — sussurrei.
— E Joseph também já sabe, tive uma conversa muito séria com seu filho, antes de te pedir em casamento. — ele acariciou minha face — , se eu conseguisse encontrar a melhor forma para me expressar e você entender o que sinto por você, jamais ficaria insegura novamente.
… — contive as lágrimas que se formavam no canto dos meus olhos.
— O que sinto por você… Eu te amo, mais que isso, eu quero estar com você por que te amo, e não por qualquer outro motivo, sempre foi assim, desde que te vi pela primeira vez e me interessei por você. — continuou ele, sua declaração — Foi como as folhas caindo no outono, de forma sublime e suave, me apaixonei por você e comecei a te amar… Eu quero estar com você, sempre e…

Desta vez, não o deixei completar. O beijei com todo o sentimento que tinha guardado e reprimindo dentro de mim. Suas palavras sinceras haviam quebrado minha resistência, isso era um fato, e se antes estava decidida a não viver com medo pelos erros e fracassos do passado. Agora queria mais do que nunca dar uma chance ao amor que sentia por mim. Me entregaria por completo a ele sem receios posteriores e não mais fugiria na manhã seguinte.

A intensidade do seu amor era totalmente revestida nos seus beijos e carícias. Estar em seus braços me transmitia serenidade mesmo em meio a toda malícia que ele propunha. Era um lado novo do meu agora marido. Estranho a primeiro momento pensar novamente nesse termo, mas sentindo as constantes investidas dele e permissões de minha parte. Certamente vou me acostumar com rapidez a essa nova realidade.

— Real até quando você quiser. — sussurrei para ele.
— Real para sempre. — sussurrou de volta com mais entonação e intensidade.

Eu seria dele, assim como ele era meu desde o início.

--

— AAAAHHHHHHHHHHHHH!!! — minha amiga soltou um grito, ao me ver na porta de entrada da sua sala de dança — Eu não acredito nisso.
— Sophie, menos. — disse com minha cara cheia de vergonha. 
— Não se reprime uma fanfiqueira menina, me deixa surta com meu shipp. — ela me repreendeu de forma séria — Ele demorou pra acontecer de verdade.

Me deu até medo.

— Sua boba. — eu ri dela.
— E como foi? — perguntou ela, pegando em minha mão e vendo a aliança, seus olhos brilharam — Que lindo, nem vou perguntar pela noite de núpcias porque ela rolou antecipada no natal.

Brincou minha amiga caindo na gargalhada.

— Muito engraçado. — me mantive séria.
— Eu tô mentindo? — ela me olhou com malícia.
— Não. — tive que admitir.

Não me contive e comecei a rir com ela. Nos abraçamos e sentamos no chão. Contei a ela em poucos detalhes sobre o grande plano de casamento que arquitetou com meus dois filhos. O que me deixou ainda mais admirada com tudo o que rolou, foi saber que ele tinha sido aconselhado por minha mãe a fazer o que fez.

— E agora? Como vai ficar tudo? — perguntou Sophie curiosa.
— Como assim tudo? — não entendi sua pergunta.
— Bem, com vocês dois casados, dois apartamentos. — ela manteve a curiosidade.
— Hum… O que você quer dizer com isso? — tentei imaginar.
— Vocês não pretendem morar em casas separadas, né? — Sophie entoou a voz.
— Não. — eu ri de leve — Claro que não amiga, ele vai terminar a reforma e a irmã dele vai morar lá.
— Ah… — ela manteve um olhar desconfiado — E como fica o bebê? Vai dormir com a Molly?
— Os bebês. — corrigi ela.

Outra surpresa que o doutor não me contou a pedido de . Aquele doutor traidor.

— Os… — ela ficou estática — Gêmeos?
— Sophie calma. — disse a ela, que parecia entrar em surto.
— Gêmeos, vou ser tia duas vezes. — disse ela, respirando fundo.
— Sim, gêmeos. — sorri de leve, tentei manter minha sanidade, pois já havia surtado quando ele me contara.
— Sua mercenária, eu achando que iria me igualar a você com três filhos e você ultrapassa com essa fábrica de filhos no lugar de útero. — ela tentou brigar comigo, mas saiu de forma engraçada.
— Desculpa Sophie, mas é claro que você sempre pode adotar mais um. — sugeri a ela, brincando.
— Jamais, já quase perdi a sanidade quando Lila me perguntou o que é menstruação atrasada, ela só tem sete anos. — disse Sophie com o olhar perdido — Claro que tive uma conversa séria com a Mayah, ela é uma adolescente em puberdade e seus hormônios estão aflorados nessa idade, e ainda tem o Natanael que é uma doçura mas tem obsessão por carros de corrida e claro que Will faz tudo o que eles querem e isso que assusta.

Segurei o riso dela, ouvindo suas histórias de mãe marinheira de primeira viagem tripla.

— Minha válvula de escape tem sido meu curso de aperfeiçoamento, claro, mas teve um dia que tive que levar a Lila comigo, porque a escola estava de recesso, como recesso nesta época do ano? Nem era feriado. — continuou ela desabafando — E agora o Will tendo sua especialização em neuro, está sendo treinado para tomar o lugar de chefe da neuro, e isso tem me estressado um pouco, porque ele tem chegado meio tarde, e quando chega quer dar atenção às crianças e eu como eu fico? Nem mesmo minhas fics restritas tem me deixado relaxada.
— Eu acho que você deveria fazer mais visitas ao seu marido no hospital. — aconselhei ela, rindo baixo.
— Você ri, porque não é você nesta situação. — ela respirou fundo — Mas, acho que vou seguir seu conselho hoje, vou deixar Mayah como responsável e fazer uma visita ao meu marido.
— E quando vou conhecer meus sobrinhos? — Se precisar, pode mandar eles pra minha casa, assim terá uma noite só de vocês.
— Você ainda está em período de lua de mel amiga, fique tranquila que eu dou meu jeito. — ela me lançou um olhar malicioso e ousado.

Sabia que minha amiga não deixaria nenhuma rotina, surto com filhos ou cansaço atrapalhar sua intimidade com Will, e conhecendo-a como conheço… Deixaria o casamento dos dois ainda mais intenso.

— Vou me trocar para a minha sessão Grey's Anatomy proibido para menores. — ela se levantou do chão em gargalhadas — Quer uma carona?
— Não, eu vou passar no escritório do antes, então vou de táxi mesmo. — recusei — Só passei para dar um oi, já que não pude te ver ontem.
— Você chegou muito tarde da viagem, nem precisava ter vindo hoje, tem mesmo é que aproveitar seu marido, ai que chique eu falei marido... — ela riu em surto de novo — Precisa aproveitar enquanto a barriga não cresce.
— Ele tem sido tão fofo comigo. — confessei a ela.
— Ainnn, imagino. — disse ela — Me deu até vontade de ler aquelas fics bem açucaradas com filhos e casamento no final, muito mel no enredo.
— Como se você realmente vivesse sem as cenas hot que despertam a fúria Sophie. — brinquei.
— Ah, e por falar nisso. — ela me olhou curiosa — Como anda a tal premiação que o jornal está concorrendo?
— Menina, você acredita que de todas as matérias que escrevemos, e era esperado concorrer com as vozes da música, eles escolheram o artigo sobre as autoras por trás das fanfics da atualidade. — respondi a ela, me lembrando da cara de todos na reunião online que tive na semana passada — Nem eu acreditei nisso, mas acharam o artigo mais atemporal do momento, o que me deixou em choque, porque foi o artigo que eu escrevi para a Genevieve naquela época que ela ainda nem tinha mencionado sobre o projeto do The Imperatriz.
— Eu te disse, as fanfics dominaram o mundo miga, só não vê quem não quer. — comentou Sophie — Agora só falta a Netflix descobrir isso e começar a fazer filmes de fanfics, quem são esses filmes forçados como 365 dias perto de A chave para o Coração. O mundo deveria ler mais fanfics como essa.
— Você realmente se transformou em uma especialista no assunto, quando eu escrever a segunda parte desse artigo, vou querer você ao mesmo lado, sem brincadeira.
— Pode me chamar quando quiser, mas com a condição de mencionar nesse seu próximo artigo, essa minha fic favorita e a autora dela, Mari Monte. — ela piscou de leve para mim e seguiu em direção ao banheiro da sala.

Não me contive em rir da minha amiga e seu amor por fanfics.

Me despedi de Sophie e segui de táxi até o escritório do meu marido. Meu marido. Como é bom falar assim sobre ele. Um sorriso se formou em sua face, assim que me viu parada na porta de sua impenetrável sala. 

— Você chegou. — disse ele, voltando o olhar para sua assistente que segurava algumas pastas na mão.
— Senhor Lewis, eu vou enviar estes documentos aos clientes e conferir o andamento das obras em New Orleans amanhã pela manhã. — disse ela, apressando-se para nos deixar à sós.
— Agora que a reforma no apartamento ao lado está em fase final, qual será a próxima? — perguntei a ele, fechando a porta e entrando mais na sala.
— Não tem mais reformas. — respondeu ele.
— Sério? — me peguei admirada pela afirmação — Isso é estranho vindo de você, o louco das reformas, ganha até dos Irmãos à Obra.

Ri de leve.

— Não preciso mais disso. — ele se aproximou de mim e segurou em minha cintura — Tenho você agora.
— Hum?! — me peguei confusa.
— As reformas foram o meio que encontrei... Para me sentir completo e menos solitário. — ele começou a explicar, dando beijinhos no meu pescoço entre as palavras — Mas então, você apareceu… E tudo o que desejo está relacionado a você.

Ele me interrompeu com um beijo envolvente e intenso, me achegando mais a ele com precisão. Senti meu coração acelerar mais com uma brisa passeando pelo meu corpo.

— Eu te amo. — sussurrei a ele.
— Eu também te amo, . — sussurrou de volta, mantendo aquele olhar intenso em mim.

 

Te seguí
Y reescribiste mi futuro
Es aquí
Mi único lugar seguro

Creo en ti y en este amor
Que me ha vuelto indestructible
Que detuvo mi caída libre.
- Creo en Ti / Lunafly

 

Superação: Viver com medo, é viver pela metade.” [filme: Vem Dançar Comigo] by: Pâms



FIM?!



Nota da autora:
Acabou!!! É tão complicado praticar a lei do desapego, mas acabou e estou com o coração quentinho por esse final cheio e amor, casamento e gêmeos!!! Agradeço a todas as leitoras que acompanharam as que vão ler agora finalizada, e um agradecimento especial a Mari Monte que me deixou mencionar sua fic aqui. Confesso que não leio restritas, eu não lerei, mas quero todo mundo lendo A chave para o coração, pois a Mari é um arraso na escrita e sei que essa fic deve ser maravilhosa mesmo, e deixem nos comentários que fui eu quem indicou!
Bjinhos...
By: Pâms!!!!
Jesus bless you!!!




Outras Fanfics:
SAGA 4 Estações do Amor
| Manhã de Primavera | Noite de Verão | Madrugada de Outono | Tarde de Inverno |
SAGA BatB
| Beauty and the Beast | Beauty and the Beast II | 12. Brown Eyes | Londres | Cingapura
SAGA Continuum
| Bellorum | Cold Night | Continuum | Darko | Dominos | Fallin | Invisible Touch | Sollary Hospital |
SAGA CITY
| Austin | Berlim | Chicago | Cingapura | Daejeon | Havana | Londres | Manaus | Manhattan | New York | Ouro Preto | Paris | Seoul | Tokyo | Vancouver | Vegas |
SAGA School
| School 2018 | School 2019 | School 2020 | School 2021 |
PRINCIPAIS
| Amor é você | Coffee House | Crazy Angel | Destiny's | Finally Th | First Sensibility | Genie | Gotham | I Need You... Girl | Lady Lewis | Love Shot | Midnight Blue | Moonlight | My Little Thief | Noona Is So Pretty (Replay) | Photobook | Princess of GOD | Smooth Criminal |
*as outras fics vocês encontram na minha página da autora!!

CAIXINHA DE COMENTÁRIOS

O Disqus está um pouco instável ultimamente e, às vezes, a caixinha de comentários pode não aparecer. Para deixar seu comentário, é só clicar AQUI. A autora agradece!


comments powered by Disqus